Page 1

REVISTA

ALIMENTOS - BEBIDAS - COSMÉTICOS

EMBALAGEM & TECNOLOGIA

Ano V - 2015 Edição 22

Editora Casa Grande Ltda - Revista técnica para fabricantes de alimentos, bebidas e cosméticos

A REVISTA DO SETOR DE EMBALAGEM

Bem Brasil inova nas embalagens e obtém economia de mais de R$ 2 milhões

Tendência sustentável: Embalagem e a Economia Circular Projetos de sistema embalagem com a abordagem PLM Embalagens com expressão de marca Sensibilidade aprimorada com o novo detector de metais tna Cresce no mercado a procura por embalagens ecológicas


ÍNDICE - EDITORIAL

Tendência sustentável: Embalagem e a Economia Circular

08

Sugere-se como solução substituir gradativamente os Sistemas Lineares por Circulares. A extração de recursos naturais daria lugar a ciclos de intensa reutilização, recondicionamento e reciclagem dos Nutrientes Técnicos - termo utilizado para definir os materiais produzidos pelo homem de difícil reabsorção pela natureza - bem como ao manejo dos Nutrientes Biológicos em harmonia com a biosfera. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Projetos de sistema embalagem com a abordagem PLM

10

O Sistema Embalagem é, portanto, o conjunto de operações, materiais e acessórios que são utilizados na indústria com a finalidade de conter, proteger, conservar os diversos produtos e transportá-los aos pontos de venda ou utilização, atendendo às necessidades dos consumidores e/ ou clientes a um custo adequado, respeitando a ética e o meio ambiente. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Max - Prod

14

Simulação e gerenciamento da produção a solução

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Embalagens com expressão de marca

20

Embaquim ocupará nova sede

24

Estrategicamente localizada em São Bernardo do Campo, Grande São Paulo, a nova sede dará vazão aos planos de expansão e de diversificação da produção ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Bem Brasil inova nas embalagens e obtém economia de mais de R$ 2 milhões

26

A Bem Brasil Alimentos, a maior fábrica de batatas pré-fritas do país, começa o ano de 2015 com a previsão de uma economia que pode chegar a R$ 2,6 milhões em uma das frentes de produção da indústria das mais relevantes, a embalagem e estocagem da produção. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Cresce no mercado a procura por embalagens ecológicas

28

O plástico produzido através da cana de açúcar chama a atenção em vários setores. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Solução diminui riscos de falhas na garantia de validade dos alimentos

32

Como podemos influenciar esse processo decisório através de uma filosofia muito mais ampla do que apenas ter um bom design de embalagem?

Verificador de embalagen Leak-Master Easy, fabricado pela WITT e comercializado no Brasil pela Sunnyvale, faz a verificação de embalagem com Atmosfera Modificada e a vácuo para garantir a validade dos produtos

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Sensibilidade aprimorada com o novo detector de metais tna Hyper-Detect 5

24

A tna apresenta o novo detector de metais hyperdetect® 5. O design patenteado do novo sistema potencializa as capacidades de detecção de metais ao eliminar os detritos na transferência de produtos, proporcionando a entrega dentro do prazo com maior segurança na produtividade e minimização das rejeições.

Doce embalagens

34

Na feira ISM (evento internacional de doces e snacks), que ocorreu em fevereiro em Colônia, Alemanha, pôde-se confirmar a importância da embalagem para a categoria de doces e snacks. Tanto que a promotora da feira, a Koelnmesse, decidiu criar a área “Pro Sweets”, espaço destinado aos fornecedores de ingredientes, máquinas de embalagens e para processamento e, claro, às próprias embalagens.

FIQUE ATUALIZADO, CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK E RECEBA NOTÍCIAS DO SETOR DE ALIMENTOS E BEBIDAS.

Sealed Air Food Care lança nova geração de sacos termoencolhíveis para queijos

A linha de embalagens integra o portfólio da marca Cryovac® e traz ao mercado brasileiro soluções tecnológicas personalizadas para do setor de laticínios. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Plásticos Biodegradáveis

06

40

O mercado precisa ficar atento às certificações para oferecer produtos ecologicamente corretos

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

42

Primeira embalagem cartonada totalmente renovável já está disponível para comercialização em todo o mundo

rês meses após o lançamento bem sucedido da empresa finlandesa de laticínios Valio, a embalagem Tetra Rex®, produzida totalmente com matérias-primas renováveis, já está disponível para os clientes da Tetra Pak em todo o mundo. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Armazenagem correta Saiba como evita desperdícios de bebidas e alimentos embalados com plástico.

44

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Rexam mantém investimentos em inovação para 2015

46

Líder no mercado de latas para bebidas aposta na demanda por latas especiais e mantém investimentos em inovação. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

EggsPosure surge com conceito inovador de embalagem

38

A EggsPosure lançou a caixa de ovos revolucionária na feira Anuga, na Colônia, em outubro de 2013. Caixa de ovos ou brinquedos? Eggyplay® é os dois.

Embalagem & Tecnologia é uma revista técnica de circulação nacional, direcionada às indústria e fabricantes de Alimentos, Bebidas e Cosméticos, traz informações e tecnologias importantes para o desenvolvimentos e manutenção das empresas. Publicação: Trimestral Distribuição: Indústrias e Fabricantes de: Alimentos, Bebidas e Cosméticos.

FACEBOOK.COM / REVISTAEMBALAGEMETECNOLOGIA

36

Diretor Presidente: Eric Mitsuo Toguchi Dept. Com. e Mkt: Elizabeth Cabral Comercial: editoracasagrande@outlook.com 19-3808-4654 - 11-95956-5767 Representante comercial: Gerson Candido Imprensa: redacaoeditoracasagrande@outlook.com

Editora Casa Grande Ltda Me São Bernardo do Campo - SP / Amparo - SP Mobile: 19-3808-4654 - 11-95956-5767

Contato geral: editoracasagrande@outlook.com www.embalagemetecnologia.com.br

*As matérias, artigos assinadas por colaboradores, são de responsabilidade única de seus autores e podem não expressar necessariamente a opinião da revista. As opiniões expressas no veículos da Editora Casa Grande são de responsabilidade exclusiva de seus autores. A revista reserva o direito de efetuar correções.


ARTIGO

TendĂŞncia sustentĂĄvel: Embalagem e a Economia Circular

por Bruno Rufato Pereira

08


ARTIGO

D

esde 1987 entende-se por Desenvolvimento Sustentável, “àquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades” [1]. Podemos “usar” o Planeta, mas sem estragar.

Nessa busca por menos desperdício vale lembrar a importância de priorizar oportunidades com base no Pensamento do Ciclo de Vida bem como trazer soluções que ofereçam melhor relação custo-benefício, afinal de contas, a Economia Circular deve resultar em soluções mais competitivas no longo prazo.

Proponentes da Economia Circular, tais como a proeminente Fundação Ellen MacArthur, fazem uma releitura dessa definição sob a ótica da Oferta & Procura: Preconizam que a insistência no Modelo Linear (extração-produção-consumo-descarte) leva à escassez de recursos naturais com resultante elevação no custo real de sua obtenção podendo chegar a níveis que afetam a ordem socio-econômica.

Considerando a circularidade da embalagem em si, parece haver um enorme espaço para novas tecnologias e modelos de negócio que aumentem a atratividade econômica dos processos de reutilização e reciclagem.

Sugere-se como solução substituir gradativamente os Sistemas Lineares por Circulares. A extração de recursos naturais daria lugar a ciclos de intensa reutilização, recondicionamento e reciclagem dos Nutrientes Técnicos - termo utilizado para definir os materiais produzidos pelo homem de difícil reabsorção pela natureza - bem como ao manejo dos Nutrientes Biológicos em harmonia com a biosfera. Ainda que incipiente, já existem trabalhos para o estabelecimento de métricas que indicam, por exemplo, que a economia do Reino Unido teria 19% de circularidade [2]. Embalagens-indispensáveis como são em nossa sociedade - podem contribuir enormemente para que possa ser atingida a Economia Circular. É certo que ainda faltam referências para uma definição precisa, mas já temos elementos suficientes para apontar algumas possibilidades. Para começar podemos utilizar a embalagem para minimizar os desperdícios da cadeia na qual ela participa aliviando o ciclo dos Nutrientes Biológicos bem como reduzindo consumo de energia ao longo do processo. Essa linha de ação é particularmente relevante para bens de consumo não duráveis e pode ser exemplificada na (I) redução do desperdício de alimentos atualmente estimada em 1/3 do total que se produz no país, (II) na eliminação da necessidade de refrigeração e (III) na redução do consumo de água em atividades de preparo e limpeza.

Novas tecnologias tem o potencial de (I) garantir segurança para aumentar o grau de reincorporação de embalagens nas cadeias das quais se originam, tais como alimentícia, médica e de cuidados pessoais, (II) reduzir os custos de reciclagem com maior eficiência e robustez operativa bem como (III) viabilizar a produção de produtos de maior qualidade e valor agregado a partir de matérias-prima recicladas, criando condições para que mais materiais compitam técnica e economicamente com seus contratipos virgem. Seja por opção ou necessidade, podemos imaginar que as próximas gerações vivenciarão uma acelerada transição para a Economia Circular. E apesar de mudanças sempre serem acompanhadas por incertezas e preocupações, é confortante saber que a força impulsora é a boa e velha dinâmica econômica competitiva na qual fomos criados. Aproveitemos esse momento de discussão para juntos com a sociedade articularmos a definição de Embalagem Circular. 1. World Commission on Environment and Development (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press. ISBN 019282080X. 2. Green Alliance Blog. www.greenallianceblog.org.uk/2012/05/24/making-the-circular-economy-a-reality/. Acessado em 13 de abril de 2015

Bruno Rufato Pereira Gerente de marketing para Novos Negócios e Sustentabilidade da área de Embalagens e Plásticos de Especialidade da Dow para a América Latina


ARTIGO

Projetos de sistema embalagem com a abordagem PLM por Antonio Cabral

P

rojetar uma embalagem é muito mais do que selecionar o material ideal.

É entendê-la como um sistema, ou um modelo interdisciplinar que procura explicar operações, comportamentos, informações e outras variáveis que se agrupam com finalidade específica. O Sistema Embalagem (ver Figura 1) é, portanto, o conjunto de operações, materiais e acessórios que são uti-

lizados na indústria com a finalidade de conter, proteger, conservar os diversos produtos e transportá-los aos pontos de venda ou utilização, atendendo às necessidades dos consumidores e/ou clientes a um custo adequado, respeitando a ética e o meio ambiente. Trata-se de sistema aberto, alimentado pela vontade dos consumidores, inovações tecnológicas e incertezas econômicas.

Figura 1: O sistema embalagem e seus componentes

• Seleção de fornecedores - Avaliação em visitas técnicas; - Grau de abertura a inovações; - Capacidade de interagir e proatividade; • Compra / entrega - Qualidade assegurada; - Custos de frete • Recebimento - Controles de recebimento / qualidade assegurada; - Equipamentos de laboratório (o mínimo possível); • Estocagem de materiais - Custo / m2; - Cuidados específicos para evitar perdas e danos; • Envase / rotulagem / encaixotamento / paletização - Capacidades e relações entre equipamentos - Gráfico V; - Rendimentos e perdas de produto e de embalagem; - Produtividade; - OEE e TEEP; - Aproveitamento superficial e volumétrico dos paletes;

O desempenho de cada um desses componentes pode ser avaliado por indicadores, dentre os quais se destacam: • Consumidor - Pesquisa de mercado (satisfação com o produto e com a embalagem); - Identificação de necessidades; • Projeto - Pesquisas de mercado; - Características do produto e da embalagem; - Disponibilidade de

10

materiais e equipamentos; - Conhecimento da cadeia de comercialização; • Criação - Agência & artes finais; - Pesquisa de mercado / aceitação do conceito; • Especificação - Unidades de acondicionamento de embalagem; - Características importantes e a principal; - Elaboração de documentos técnicos, inclusive Plano C.Q.;

• Estocagem de produto acabado - Condições de temperatura e Umidade Relativa; - Custo / m2; - Perdas e danos; • Distribuição - Condições dos veículos; - Custo do frete; - Perdas e danos no manuseio, transporte e empilhamento; • Pontos de venda - Manuseio e estocagem - Exposição em gôndola - imagem e ocupação do espaço Muitas das informações relacionadas a esses indicadores não são coletadas e, se o são, perdem-se


ARTIGO sem que sejam adequadamente utilizadas para guiar decisões gerenciais relacionadas ao custo e às inovações, sejam elas incrementais ou de ruptura. Urge, portanto, obtê-las e consolidá-las, sob o ponto de vista sistêmico, com inteligência e extremo cuidado. Perdê-las é inconcebível porque isso significa correr o risco de repetir erros. Em outras palavras, adotar a visão sistêmica significa compreender que qualquer alteração num dos componentes terá implicações sobre o todo e que, nem sempre, reduzir o preço de compra de um material e embalagem pode redundar em redução total nos custos. Projetar um Sistema Embalagem requer, além do conhecimento acima descrito, responder às seguintes sete questões básicas: 1. O que o consumidor realmente deseja? 2. Como o produto se deteriora? Qual o tipo de proteção que o produto requer? 3. A embalagem projetada protege o produto e atende aos anseios do consumidor?

vos de custo pré-estabelecidos? Dada a abrangência dessa tarefa, é necessário criar um repositório de conhecimentos para reduzir tempo de desenvolvimento e otimizar o uso dos recursos. Esse repositório é o PLM (Product Lifecycle Management), adaptado pelo autor para Packaging Lifecycle Management, e por ele definido como o processo de gerenciamento colaborativo completo do ciclo de vida de uma embalagem, desde a sua concepção, desenvolvimento, manufatura, até a sua disposição final, num ambiente virtual que recebe, agrupa e consolida todas as informações relevantes e permite a criação e a adequada gestão do conhecimento. Esse PLM (P de Packaging) para o Sistema Embalagem é esquematizado na Figura 2. Diversos autores sugerem roteiros para implementar o PLM numa empresa. Em síntese: 1. Ter o apoio da alta administração e com ela analisar o valor a agregar com o PLM;

Figura 2: O packaging lifecycle management

- Análise crítica ininterrupta; - Simulação de cenários; 4. Desenvolver estratégia PLM de longo prazo; 5. Definir exigências antes de comprar softwares (primeiro mapear o processo, depois comprar software); 6. Testar softwares e conceitos antes de comprar; 7. Treinar pessoal permanentemente. Os alunos do Curso de Pós-graduação em Engenharia de Embalagem da Mauá passarão, em 2015, a desenvolver seus projetos com base no PLM, para induzi-los a “reconstruir” o conhecimento (seu e das empresas) a partir das informações disponíveis em vez de apenas reproduzi-lo mecanicamente ou, o que é pior, tentar reinventá-lo. A equilibrada mescla das experiências industriais e acadêmicas que os professores acumularam ao longo de sua vida profissional permite que ajam como catalisadores nesse processo. Uma frase atribuída a George Santayana, adaptada pelo autor ao contexto desse artigo, ilustra a necessidade de se adotar o PLM: “Os profissionais que não conhecem as experiências anteriores no desenvolvimento de embalagens estão condenados a desperdiçar tempo e dinheiro para repetir erros até chegar ao ponto do qual deveriam ter partido no início do projeto”.

Antonio Cabral Coordenador do curso de Pós-graduação em Engenharia de Embalagem Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia acabral@maua.br

4. A embalagem projetada segue a legislação e as convenções em vigor? 5. Qual o impacto ambiental do sistema embalagem projetado? 6. A embalagem projetada atende os princípios da ética? 7. A embalagem atende aos objeti-

12

2. Ter o apoio de especialistas em PLM; 3. Trabalhar com mapeamento de processos: - Processos mapeados; - Procedimentos escritos; - Tempos corretamente medidos;


ARTIGO

Max - Prod

Simulação e gerenciamento da produção a solução

por Engº José Carlos V. de Mendonça

INTRODUÇÃO

E

mpresas de Manufatura hoje necessitam gestão em tempo real nos seus processos de fabricação que permita aumentar sua produtividade, reduzir custos, ampliar vendas e garantir o aumento de sua participação no mercado. Nas últimas três décadas uma grande variedade de técnicas surgiu buscando, melhorias nas operações das empresas, entre elas podemos mencionar: Qualidade Total, Manufatura Enxuta, Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento, Planejamento dos Recursos Empresariais, entre outras. Porém, o grande problema era a seleção adequada da ferramenta visando obter o máximo de seu potencial a favor das operações. Ferramentas para eficiência da produção podem se classificadas em três categorias: • Ferramentas de Gestão da Confiabilidade: Qualidade Total, Seis Sigma; ISO, etc., • Ferramentas de Gestão de Redução de Perdas e Tempos: Manufatura Enxuta, Time, Troca Rápida de Ferramentas, Células de Manufatura, etc. • Ferramentas da Gestão da Coordenação: Planejamento dos Recursos Empresariais (ERP), Planejamento de Vendas & Operações (S&OP), Planejamento Mestre, Kanban, etc. As ferramentas acima não são estanques entre si, mas se analisarmos cada uma, em algum momento podem sobrepor-se a outra, como: • Processos de Qualidade visam um aumento da confiabilidade dos processos como também a

14

redução de perdas, • Processos de Manufatura Enxuta ajudam a aumentar a confiabilidade ao mesmo tempo em que objetivam reduzir as perdas e tempos dos processos produtivos. • Processo de Planejamento Mestre da Produção visa assertividade na coordenação para balanceamento da demanda e oferta, a nível detalhado da complexidade exigida pelo processo.

ceitos de redes PERT/CPM e do planejamento pelo caminho critico, alicerçado na teoria das restrições e tendo como base a capacidade finita de recursos, orientado pela metodologia da produção puxada e do Just-in-time, através de um simulador de alto desempenho, o qual otimiza a carga de máquinas, sequência as ordens de produção e planeja as ordens de compras por prioridades pré-estabelecidas.

O Planejamento Mestre da Produção deve ser balizado por três funções, ou seja: Planejamento de Vendas & Operações, Gerenciamento da Previsão de Demanda e Planejamento da Capacidade Instalada; alimentando assim, os sistemas de Planejamento de Necessidade de Materiais, Programação de Fornecedores e Programação da Fábrica.

Processamento automático Um dos grandes diferenciais apresentados pelo Simulador Max-Prod é o de executar o processamento de forma totalmente automática, sem qualquer intervenção do usuário. Isto garante regularidade do processamento, redução do tempo de execução e liberação do usuário para outras atividades, eliminando assim, sua participação nas atividades rotineiras envolvidas no processamento.

Simulador Max-Prod Vem através de sua versatilidade e eficácia prover as indústrias de manufatura continua ou seriada, um alto desempenho para sua programação de recursos; alguns pontos podem ser destacados: Concepção e características do Simulador Solução totalmente inovadora diferenciada em relação aos concorrentes existentes no mercado. Sua característica básica é ser um simulador voltado para o planejamento, programação e controle da produção. Ele executa o Gerenciamento da Manufatura, utilizando da oferta disponível de recursos, simulando estudos de cenários desde a elaboração e otimização do Plano Mestre de Produção até a programação fina de chão de fabrica. Utilizando-se de recursos e con-

Carga máquina - Alternativas Simula automaticamente para cada uma das operações fabris e realiza um estudo de todas as máquinas tecnicamente viáveis para sua execução e escolhe a que apresentar os melhores prazos e menores custos, respeitando as restrições estabelecidas, evitando assim, onerar desnecessariamente a produção. Roteiros de fabricação Define o processo produtivo, bem como as alternativas de fabricação de cada uma das operações do processo, quando são então identificados todos os roteiros possíveis. A cada roteiro de fabricação é investigada como está compromissada cada uma das máquinas com cargas anteriores, sendo


ARTIGO calculados os prazos e custos envolvidos em cada um dos possíveis roteiros. Minimização do número de set-ups Sequência em uma mesma máquina, na medida do possível, as ordens de produção associadas a uma dada ferramenta, o que permite reduzir substancialmente o número de set-ups envolvidos. Planejamento carga máquina Otimiza e realiza o planejamento da carga de máquinas, área por área, tendo como horizonte comum, as necessidades da linha de montagem, eliminando assim o gargalo de cada uma delas e consequentemente o repasse deste para outra área e assim sucessivamente; o que se propõe é eliminar os gargalos e aperfeiçoar a carga de máquinas, se possível, em uma única tentativa.

RESULTADO O estudo de caso analisará os processos envolvidos na linha de shampoo para cabelos, para as áreas de sopragem rotulagem, envase e fechamento são ilustrados na figura 1.

Figura 1: Frascos soprados para a indústria de cosméticos

Abrangem segmentos da análise de tempo, carga de máquinas, alocação e nivelamento de recursos, provisionamento, aquisição e controle de materiais, elaboração e controle de custos, etc..

Visando cumprir os prazos assumidos com os clientes bem como, melhorar os índices de produtividade e a lucratividade, fez-se necessário:

Estudo de caso O caso baseia-se no contexto de uma indústria do segmento de cosméticos que possui em seu parque industrial, dentre outros, máquinas e equipamentos de transformação de plásticos (injetoras e sopradoras), rotulagem, envase e fechamento. Como alavancar a produtividade desta planta industrial? No caso proposto será estabelecendo um procedimento de planejamento e programação que seja “abrangente o mais possível” e permita a avaliação de caminhos para colher os melhores resultados Abrangência: • Preparação de carga máquina que atenda aos recursos existentes. • Provisionamento e compra

Figura 2: Fluxo do processo produtivo Alternativas de fabricação

Relatórios Ampla gama de relatórios, os quais podem ser disponibilizados via monitor, impressora, planilhas eletrônicas, e-mail, etc..

Mantém conectividade com aplicativos de coleta automática de dados, possuindo vasta biblioteca de relatórios.

16

de materiais, amarrando as condições que serão necessárias. • Administração dos custos diretos (Matéria-prima; insumos) e indiretos (avaliando rateio que, permita extrair a melhor relação: horas programadas x horas trabalhadas).

• Elaborar uma carga de máquinas realmente condizente com os recursos existentes, • Promover uma efetiva interação entre os vários setores fabris envolvidos, visto terem sido constatadas situações em que não ocorria continuidade na produção de um dado lote, durante todas as fases integrantes do processo.

Passos com o “simulador Max-Prod” Fluxo do processo produtivo O fluxo do processo envolvido em sua fabricação é ilustrado na figura 2; a qual permite detalhar todas as fases da produção (operações fabris), bem como as relações de dependência entre as operações antecessoras e sucessoras, os tipos de inter-relações (fim para início, início para início, etc.) e as relações de proporcionalidade entre as operações.

O Simulador utilizado permite associar a cada operação fabril tantas máquinas quantas tecnicamente viáveis para sua execução existirem, com a possibilidade de, eventualmente, ocorrerem tempos de set-up, tempos de ciclos e valores de custos diferentes de máquina para máquina.

Figura 3: Máquinas tecnicamente viáveis para execução de cada uma das operações Roteiros de fabricação Definido o processo produtivo, bem como as alternativas de fabricação de cada uma das operações do processo, o simulador identifica todos os roteiros possíveis. A cada roteiro de fabricação ele verifica o quão compromissado a máquina esta em função de suas cargas máquinas anteriores. Determinam-se então, por meio do simulador, os prazos e custos envolvidos em cada um dos roteiros possíveis.


ARTIGO

Dinâmica

Figura 4: Todos os possíveis roteiros de fabricação. (um total de 72) Restrições para escolha dos roteiros Simulados todos os roteiros de fabricação, opta-se por aquele que melhor atende à restrição estabelecida, a saber: • o que proporciona o término mais rápido da operação (melhor prazo), • o que apresenta menor custo de produção (mais econômico), • o que propicia término mais rápido (melhor prazo) e menor custo de produção (mais econômico). • o que apresenta o menor custo de produção (mais econômico) e término mais rápido (melhor prazo).

O Simulador envolve versatilidade na dinâmica de busca do melhor roteiro, visto que esta deve ser constante e ampla, pois a máquina que ontem era a melhor solução de execução de uma dada tarefa, em face de tudo o que pode ter ocorrido no chão de fábrica, hoje pode não ser a melhor alternativa; será necessário então definir qual é a máquina que apresenta os melhores resultados e que pode vir a substituí-la. Conclusão: Maior produtividade e lucratividade O Simulador Max-Prod de alta desempenho busca gerar para a empresa aumento da produtividade e lucratividade através de definições dos melhores e mais econômicos roteiros e prazos de fabricação. A indústria de uma maneira geral possui máquinas e equipamentos com características e desempenhos diferentes; é de suma importância que venha a ser realizada a otimização destes recursos, de forma a atender ao que é solicitado pelo mercado, não só em termos de tempo, mas também procurando maximizar sua produção e lucro.

Figura 5: Definição dos roteiros mais econômicos e de melhores prazos Engº José Carlos V. de Mendonça Profº de Cursos de Graduação, Pós Graduação em Logística e Extensão. Diretor - Prates & Mendonça Consultores jcmendonca@pratesmendonca.com.br site: www.pratesmendonca.com.br Pedro Paulo Lanetzki Netz Soluções Informática pedro@netzinformatica.com.br Site: www.netzinformatica.com.br

NOTAS

Tetra Pak recebe Prêmio “Excelência em Qualidade” Pelo segundo ano consecutivo, a Tetra Pak recebe o Troféu Excelência em Qualidade e conquista o 1º lugar na categoria Packaging. A premiação, realizada pela PepsiCo, reconheceu o desempenho dos serviços prestados pelas áreas de Qualidade, Suprimentos, Planejamento e Manufatura. Durante a cerimônia de premiação, realizada em 12 de março, foram homenageados os principais fornecedores que atenderam os requisitos de qualidade PepsiCo, no ano de 2014.

18

De acordo com Ramiro Ortiz, Diretor de Vendas da Tetra Pak, a conquista do Troféu excelência em Qualidade 2014 reconhece os esforços de agregar valor aos clientes. “Agradecemos a PepsiCo pela homenagem, receber o prêmio nos estimula a continuar investindo em qualidade e trabalhar cada vez mais para não somente satisfazer, mas superar as expectativas das indústrias de alimentos e bebidas brasileiras”, afirma Ramiro.


ARTIGO

Embalagens expressão de como

MARCA A

embalagem é um dos principais pontos de contato entre uma marca e seus consumidores. É na gôndola que as empresas têm a última chance de convencer consumidores a comprarem seus produtos, e não os da concorrência. Como podemos influenciar esse processo decisório através de uma filosofia muito mais ampla do que apenas ter um bom design de embalagem? Atualmente no exterior, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, grandes e médias empresas têm investido pesado na implementação do Branding e na experiência do consumidor através do Design Thinking. Com a evolução do mercado, designers perceberam que imposições verticais deixaram de exercer efeito nas pessoas e que uma filosofia mais participativa seria a solução. E vale uma ressalva antes de continuarmos: entenda por Branding o conjunto de ideias, valores, e filosofia que regem toda a vida de uma marca, desde a interação entre colaboradores até a forma como os consumidores se relacionam com ela. Criar estratégias apenas para expor, divulgar e reposicionar uma marca frente o mercado passa longe dessa prática, pois tudo está interligado.

20

Inteligência da Marca Assumir uma postura interdisciplinar e executar as ações corretamente refletem na elevação da marca a outro patamar. Dois ótimos exemplos, e também bastante conhecidos, são Apple e Nike. Apesar dos seguimentos diferenciados em que atuam, as duas companhias criaram uma legião de seguidores. Os fãs são seduzidos pela comunicação bem feita que transpira o poder da marca, e a embalagem é o resultado mais visível deste processo. O nível desses trabalhos evolui cada vez mais, conforme a publicidade perde eficácia. Hoje, ela já não convence facilmente pessoas a comprarem produtos ou serviços, ou seja a se tornarem consumidores. No Brasil, conseguimos perceber como as mídias tradicionais são olhadas com desconfiança quando transmitem informações de forma vertical. Neste cenário, que foi crescendo ao longo dos últimos 20 anos, as ideias e a filosofia das marca se tornaram ainda mais importantes. O consumidor contemporâneo espera que as empresas o compreendam, bem como ao mundo em que ele vive. Quando não existe

esta afinidade, ele procura outros produtos e companhias que tenham mentalidade parecida com a sua. Fora isso, o advento da Redes Sociais aumentou o poder dos consumidores para exporem sua opinião. Por isso, é impossível seguir em frente sem horizontalizar o processo decisório. Isso porque as pessoas querem ser ouvidas e pretendem fazer parte das decisões bem antes da gôndola. Ao horizontalizar o processo de decisões, as marcas conseguem interagir com um maior número de pessoas e humanizar-se. A relação entre colaboradores é benéfica para valorizar o capital humano e levar impressões diferentes e valiosas para o aperfeiçoamento da empresa. Quem não buscar inovação constante tende a ficar pelo caminho. Mas, o que a filosofia de uma marca tem a ver com sua embalagem? Tudo!

A experiência do ponto de venda O acúmulo de informações relacionadas aos desejos dos consumidores e às tendências de mercado, somado à troca de ideias com colaboradores e clientes uma gama de produtos e linguagem visual. Estes perfeitamente alinhados às expectativas dos consumidores. Ou seja, a identificação é imediata na gôndola! Fora isso, através de um olhar mais humano e menos estatístico, entendendo melhor quais são as necessidades do


ARTIGO cliente, conseguimos determinar o tamanho, o material e o formato ideal da embalagem para o público-alvo, criando uma conexão ainda maior. E a experiência não termina quando o produto passa pelos caixas das lojas, a ideia é expandir essa sensação o máximo possível. Mesmo a abertura da embalagem pode ser um momento único e a quantidade de vídeos de unboxing encontrados na Internet hoje demonstra essa importância. Essa experiência é fundamental para criar curiosidade, aproximação e culto ao redor das marcas. Embalagens marcantes criam maiores expectativas sobre os produtos e alimentam o sonho de consumo de uma comunidade toda. Hoje, a criação não utiliza apenas das ferramentas do tradicional Design Gráfico para transmitir sensações. Todos os valores, sentimentos e inteligência de uma mar-

ca devem estar presentes naquele momento. A interação com a embalagem e a facilidade em abri-la devem ser previamente pensadas. O que no passado era um simples invólucro, se tornou uma poderosa expressão do posicionamento que o trabalho de Branding cria. Ou seja, o que era um dos principais pontos de contato com o consumidor no passado talvez tenha se tornado o mais importante deles hoje. Mas, como atingir melhores resultados sem incomodar o consumidor ou ver seus custos com fornecedores saltando a níveis astronômicos? Com certeza, todos gostariam de ter uma fórmula básica para dar uma guinada em suas vendas e valor de mercado, mas a equação não é tão simples.

Presente e Futuro Atingir melhores efeitos pode ser ainda mais difícil no Brasil , em que muitas vezes o custo acaba sendo


ARTIGO qualquer que seja o fim dado para esses pacotes, devem ser bem pensados pelas empresas.

o principal motivador no momento da decisão sobre criação das embalagens. E isso pode prejudicar a imagem da empresa. Mesmo marcas de grande porte falham em determinadas decisões que poderiam lhes colocar ainda mais à frente em nosso competitivo mercado. Em um artigo nomeado “O que o futuro reserva para o Design de Embalagens” publicado pelo Studio Di Lorenzo em Novembro de 2014, a importância da inovação e de estar atento às tendências ficam claras. Embalagens que proporcionem a interação com o consumidor, que tenham minimalismo prático e que sejam parceiras do Meio Ambiente, conquistarão essa nova demanda de desejos da sociedade. Baseado em um estudo realizado pela DuPont, o texto mostra como a tomada de decisões dos empresários está mudando fora do país. Em 10 anos, o fator sustentabilidade será determinante para 50% dos tomadores de decisão, graças à conscientização da população em geral. Inovações baseadas em sustentabilidade e conectividade com os consumidores são a porta de entrada para o futuro. E é bom lembrar que inovação não é sinônimo de alto custo. Na maioria dos casos, inovação está relacionada com uma boa leitura das tendências e da percepção do comportamento das pessoas. E, claro, uma equipe criativa e capaz de viabilizar o projeto com os pés no chão. Após a coleta de informações, o desenvolvimento e a execução da embalagem serem feitos cuidadosamente, o produto terá notória vantagem no ponto de venda. Isso porque o rótulo e a embalagem em geral, transmitirão exatamente os valores que os consumidores buscam. Destacar-se nesse momento é fundamental,

22

afinal cerca de 90% das decisões de compra ocorrem no ponto de venda. Mas, existe algum modo de fazer com que embalagens continuem gerando valor e divulgação para uma marca mesmo após sua venda? A resposta, mais uma vez, inclui o Branding e o Design Thinking como soluções.

Embalagens que sensibilizam Um produto que emociona o consumidor o transforma em seu principal divulgador. De forma espontânea, através do famoso boca-a-boca, ele convence parentes, amigos e colegas de trabalho da qualidade de sua escolha. Isso quando as preferências não são compartilhadas nas Redes Sociais. Essa continua sendo a melhor propaganda. Quando uma embalagem tem a linguagem certa, ela se torna mais um catalizador dos valores da empresa, servindo como parte fundamental da conquista de novos fãs. Ser inovador, criativo e ter a mente aberta gera frutos extraordinários. A embalagem se torna um ponto de contato fora das lojas e da casa das pessoas também, aumentando sua capacidade de atração e sendo reutilizada e visualizada por outras pessoas. Obviamente, no momento em que o produto está exposto no ponto de venda, o Design Gráfico bem executado é de essencial importância. Aqui, a embalagem não apenas deve proteger o produto, como facilitar seu transporte e armazenamento na casa do consumidor, quando for o caso. Em sintonia com os tempos atuais, pensar na sustentabilidade e ajudar a comunidade é sinônimo de conquista de mais seguidores. Até o descarte, a reciclagem, o reuso ou

Ainda é possível estender o impacto gerado por sua presença. Sacolas e outras embalagens secundárias são exibidas com orgulho por clientes satisfeitos. Fãs defendem e protegem os valores e ideais da marca, valorizando esse ativo intangível de forma que a publicidade jamais conseguiria. Pensar na cadeia toda e imaginar reações e desenhar um storyteling para visualizar a jornada da embalagem pode esclarecer detalhes importantes que podem gerar um buzz maior em torno da marca e do produto.

A embalagem carrega seu DNA! Mais do que investir em publicidade, divulgação e compra de mídia, o investimento em embalagens deve ser encarado como o principal espaço de divulgação da filosofia e dos ideais da marca. O trabalho de gestão da marca, baseado em uma cultura de Design, é a ferramenta ideal para aumentar a conectividade das empresas. Divergir e criar alternativas em um ambiente de caos criativo, para depois convergir e chegar na melhor solução com resultados incríveis! Entender, observar, definir, idealizar, prototipar e testar são passos que definem esse destino. O resultado deve ter praticabilidade (o funcionalmente possível), viabilidade (o que pode se tornar um modelo de negócios sustentável) e desejabilidade (o que faz sentido para as pessoas). Dessa maneira, com muito mais do que diagramação e combinação de cores, conseguimos fazer embalagens mais representativas que as encontradas hoje. Afinal, nos próximos anos, elas se tornarão ferramentas definitivas para conquistar novos clientes.

Esse texto foi escrito a quatro mãos, por Luiz Felipe Di Lorenzo e Paulo Holland, do time do Studio Di Lorenzo.


NOVIDADE

Sensibilidade aprimorada com o novo ® detector de metais tna Hyper-Detect 5

A

tna apresenta o novo detector de metais hyper-detect® 5. O design patenteado do novo sistema potencializa as capacidades de detecção de metais ao eliminar os detritos na transferência de produtos, proporcionando a entrega dentro do prazo com maior segurança na produtividade e minimização das rejeições. O tna hyper-detect® é o primeiro detector de metais em bobina não simétrica equilibrada do mundo, com uma abertura cônica. Os detectores de metais convencionais do tipo “garganta” são usados pelos fabricantes para monitorar o produto antes de entrar na embalagem e permitir o uso do filme metalizado, o que limita as velocidades de empacotamento e produtividade. O design revolucionário integrado do novo tna hyper-detect® 5 permite que o detector de metais esteja posicionado mais próximo da balança multicabeçote, aumentando incrivelmente a velocidade na qual a empacotadora pode produzir os pacotes finalizados. Com uma função de alta frequência, o tna hyper-detect® 5 proporciona

uma operação estável com maior sensibilidade e desempenho consistente na monitoração de produtos. O design integrado, incluindo o formato exclusivo e com calhas cônicas, não aumenta a altura do sistema e requer um espaço de instalação mínimo, além de poder ser totalmente integrado às ensacadoras e balanças. Desse modo, o detector pode ser executado em velocidades muito mais rápidas, mantendo altos níveis de sensibilidade. O tna hyper-detect® 5 é extremamente sensível e capaz de detectar contaminantes ferrosos de 0,8 mm a 0,9 mm, fragmentos não ferrosos de até 1,0 mm e fragmentos de aço inoxidável não magnéticos de 1,0 mm a 1,2 mm, reduzindo consideravelmente o risco de contaminantes na cadeia de valor e mantendo a segurança do consumidor e a reputação da empresa. Lawrence Roos, diretor do grupo de P&D (pesquisa e desenvolvimento) da tna, salienta que “garantir que os produtos estejam livres de contaminantes é fundamental para a saúde, hoje em dia, e para a segu-

rança nos ambientes operacionais. No entanto, não se pode optar por sacrificar a eficiência durante esse processo de verificações cruciais. O novo tna hyper-detect® 5 permite aos fabricantes manter as altas velocidades de empacotamento, garantindo a verificação de seus produtos nos mais altos padrões, com alcance de alto desempenho e segurança nas operações”.

NOTA

Embaquim ocupará nova sede Estrategicamente localizada em São Bernardo do Campo, Grande São Paulo, a nova sede dará vazão aos planos de expansão e de diversificação da produção

A

empresa trocará o prédio que ocupa há mais de 20 anos na Vila Carioca (Ipiranga), São Paulo, por uma área nova, de 8.000 m2, em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo). Como explica Renata Canteiro, Dire-

24

tora da empresa, a mudança tem um objetivo: atender ao mercado de forma ainda mais eficiente e ágil. “Além de ser nova e mais moderna, a sede da Embaquim terá uma localização privilegiada, que otimizará a logística de distribuição dos produtos”. E completa: “A nova Embaquim será uma

fábrica padrão internacional. Nossa linha atual de produção será instalada a partir de um layout mais moderno e otimizado e estaremos prontos para futuras ampliações”. O plano é que a Embaquim esteja funcionando na nova sede a partir de Fevereiro de 2015.


MERCADO

Bem Brasil

inova nas embalagens

e obtém economia de mais de R$ 2 milhões

A

Bem Brasil Alimentos, a maior fábrica de batatas pré-fritas do país, começa o ano de 2015 com a previsão de uma economia que pode chegar a R$ 2,6 milhões em uma das frentes de produção da indústria das mais relevantes, a embalagem e estocagem da produção. Trata-se do Projeto de Redução de Embalagens Plásticas e Caixas de Papelão, uma conquista obtida pela equipe de Manutenção da empresa, elaborado e implementado depois de muito estudo e planejamento. O processo de aperfeiçoamento foi desenvolvido por uma equipe de 11 colaboradores e consiste na otimização das dimensões das embalagens usadas para o acondicionamento dos pacotes de batata pré-frita e demais produtos da indústria, com a redução do espaço nas caixas de papelão. Os ganhos contabilizam uma redução geral dos insumos de produção, armazenagem e na logística, facilitando o escoamento da produção. O gerente de produção da Bem Brasil, Celio Zero, informa que a implementação das mudanças trará uma série de ganhos para a empresa, a começar pela ampliação da capacidade de estocagem, estimada em cerca de 20%. “Hoje, nossa capacidade é de 15 mil toneladas e com a implementação plena, devemos chegar a 17,5 mil toneladas”, explica. “A redução de custos com a redução do tamanho e a utilização de espaço interno das embalagens terá um impacto positivo direto no custo de compra desses insumos”, acrescenta Zero. O supervisor observa que os produtos fabricados na Bem Brasil são congelados e exigem amplas

26

câmaras frias para o armazenamento da produção. “Com a esperada expansão do mercado consumidor e da produção, sem essa inovação, logo teríamos a necessidade de ampliar as câmaras frias, com custos elevadíssimos. A viabilidade desse projeto amplia a capacidade de estoque sem que haja essa necessidade!” Uma série de outros ganhos virá ainda em decorrência das medidas, como a redução de custos de transportes, uma vez que carretas levarão cargas maiores, redução de mão de obra e equipamentos no processo produtivo e diminuição no consumo de energia elétrica, com a compactação das câmaras frias. “Tudo isso se traduzirá em um melhor atendimento aos clientes, evitando devoluções e reclamações de produtos ou retorno de cargas”, prevê o supervisor. Inovar hoje, na Bem Brasil, é tão importante, que o plano de incentivo às novas ideias será integrado ao Planejamento Estratégico da empresa, em 2015. Inovação, qualidade e sustentabilidade são conceitos incorporados ao dia a dia da maior empresa de batatas pré-fritas congeladas do país. Tais ideias estão arraigadas na própria essência dessa indústria pioneira, já que, para que o empreendimento fosse levado adiante quebrou-se paradigmas internacionais, ao questionar processos, vencer verdades consolidadas e olhar a produção com olhos empreendedores. “E já que a empresa nos provou que podemos olhar além dos limites que nos impõem, por que não rever os processos de embalagem? Foi assim que a gente inovou mais uma vez”, celebra Zero.


MATÉRIA

Cresce no mercado a procura por

embalagens Ecológicas

O plástico produzido através da cana de açúcar chama a atenção em vários setores

28

E

m escala mundial, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a atual situação do meio ambiente. O consumo excessivo já está gerando alguns problemas em algumas cidades do Brasil, onde podemos ver o lixo jogado pelas ruas e a falta de água em muitas regiões. Praticamente todos os produtos que consumimos hoje utilizam o plástico para fabricação ou acondicionamento. Mas todas as embalagens de plástico são iguais? Podem até parecer, mas existem algumas que oferecem um diferencial importante, são produzidas de fonte renovável e são consideradas

ecológicas. O plástico verde ou polietileno verde começou a ser produzido pela Braskem em escala industrial e comercial a partir de 2010. Mas afinal, o que significa este polietileno verde? É um plástico produzido a partir do etanol da canade-açúcar, matéria-prima obtida de fonte renovável, sendo que os polietilenos tradicionais utilizam matérias-primas de origem fóssil, como o petróleo ou gás natural. O processo é simples de entender: a cana-de-açúcar, que capta CO2 da atmosfera, e produz o etanol que é transformado em eteno e


MATÉRIA então o polietileno verde. A partir disso, o polietileno verde é transformado em diversos produtos e o consumidor opta em ser mais sustentável em seu consumo. Este polietileno é 100% reciclável e durante a sua produção, colabora para reduzir a emissão dos gases causadores do efeito estufa, explica o Engenheiro Mestre em plástico da Aliança Embalagens, Ricardo Fischer Brandenburg. É interessante saber que o polietileno verde possui as mesmas propriedades, desempenho e versatilidade de aplicações do polietileno petroquímico. Ele pode ser transformado em embalagens rígidas, tampas, sacolas e embalagens flexíveis e filmes, que é o caso da Aliança Embalagens. Ele possui a mesma aparência e resistência, e pode ser uma grande vantagem para quem quer chamar a atenção no mercado em função do apelo ecológico, destaca a analista de Marketing da Aliança Embalagens, Priscila Zibell. “Nós oferecemos embalagens plásticas flexíveis para diversos setores, mas o carro-chefe da empresa está no setor médico-hospitalar, que possui um grande potencial para aderir ao plástico verde”, conclui. De acordo com a Braskem, para a indústria da reciclagem, esse fato é de grande importância, pois não são necessários investimentos em novos equipamentos ou ajustes técnicos específicos para o reprocessamento do plástico verde. Mas a preocupação ambiental com a produção do Plástico Verde começa bem antes do chão de fábrica, já nas plantações de cana, que devem seguir o Código de Conduta para Fornecedores de Etanol, elaborado pela Braskem. Para ser aprovado no mercado, a embalagem de polietileno verde possui validação através da medição do Carbono 14. “O material é enviado para um laboratório nos Estados Unidos para análise de conteúdo renovável, válida mundialmente. É um produto versátil, assim como o polietileno petroquímico, porém, mais sustentável e também pode ser aproveitado por diversos setores”, conclui Priscila. A empresa está atenta às tendências nacionais em relação ao consumo consciente, e acredita que os consumidores das gerações Y e Z es-

30


MATÉRIA tão mais preocupados com a preservação do meio ambiente. De acordo com uma pesquisa realizada pelo IBOPE a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2011, o percentual de pessoas preocupadas com a situação do meio ambiente aumentou de 80% para 94% em 2011. Após determinação do conteúdo renovável na embalagem, a empresa pode começar a comercializar o seu produto dentro de uma embalagem de polietileno verde e receber o selo I’m green™ da Braskem, se estiver conforme as orientações do uso da marca. Este selo de comunicação é essencial para identificação de um produto sustentável. A missão da empresa é divulgar ao máximo e produzir embalagens verdes de qualidade. O diretor da Aliança Embalagens, Fred Zibell, conta que o plástico verde é tendência para o futuro das embalagens plásticas e que muitas empresas já repensaram o modo de produção e principalmente uma forma de reduzir o impacto ao meio ambiente.

A indústria Alimentícia também possui grande potencial para aderir ao projeto do Plástico Verde. A Fiesp encomendou uma pesquisa sobre o Consumo de Alimentos no Brasil ao Ibope, conhecida como Brasil Food Trends 2020, que analisou várias categorias, dentre elas, os produtos que despertam o desejo do consumidor quando lançados no mercado. O resultado aponta que 28% dos consumidores se interessam por bolachas e biscoitos, 25% em chocolates e bombons, 21% em alimentos congelados ou semiprontos e 19% se interessam por lançamentos de produtos como o arroz. O restante está dividida em iogurtes, sucos e queijos, respectivamente, 32%, 27% e 24%. Outro fator importante na indústria alimentícia aponta que em alguns produtos, a marca exerce maior influência. Como por exemplo em produtos como o arroz (44%), feijão (36%), café (32%), leite (24%). “Acredito que esta tendência seja muito

importante para as indústrias alimentícias apostarem em projetos mais sustentáveis em suas embalagens plásticas flexíveis. Dos itens citados acima, a empresa já produz embalagens para bolachas, biscoitos, chocolates e congelados, arroz, feijão e laticínios” afirma Fred Zibell. A pesquisa ainda indica que a “Saudabilidade e Bem-estar” e “Sustentabilidade e Ética” (5ª categoria analisada) foi citada como importante para 21% da amostra. Este grupo busca alimentos mais saudáveis e que trazem benefícios à saúde. Também indicam a prioridade da compra de alimentos industrializados, caso o fabricante seja consciente na preservação do meio ambiente ou que possua projetos sociais vinculados à empresa. “Por isso, acreditamos tanto no Plástico Verde da Braskem. Após a validação no laboratório, o cliente já poderá utilizar o selo de comunicação do plástico verde, o que agrega muito valor ao produto no ponto de venda” destaca Priscila.

NOVIDADE

Solução diminui riscos de falhas na garantia de validade dos alimentos Verificador de embalagen Leak-Master Easy, fabricado pela WITT e comercializado no Brasil pela Sunnyvale, faz a verificação de embalagem com Atmosfera Modificada e a vácuo para garantir a validade dos produtos

A

preocupação com o aumento da vida útil (shelf life) dos produtos faz com que a utilização de embalagem com Atmosfera Modificada (ATM) ou a vácuo ganhe cada vez mais espaço nos processos das industrias de alimentos, em substituição aos conservantes. Mas também é importante se certificar que a embalagem está no estado perfeito para que se dê garantias desta condição ao consumidor. Micro furos nas embalagens, por exemplo, podem alterar a composição dos gases, no caso da ATM, ou gerar contato com o ambiente, no processo a vácuo. A WITT traz para o mercado nacional o Leak-Master Easy, que faz veri-

32

ficação detalhada para identificar avarias e reduzir os riscos de falha nestes processos, que comprometeriam a vida últil do produto. No Brasil, a WITT é representada pela Sunnyvale. Segundo o gerente da divisção de inspeção e controle de qualidade da Sunnyvale, Daniel Sprindys, as indústrias garante a validade do produto com uma imagem melhor perante ao consumidor sem o uso dos conservantes. Mas, com isto, também precisam estar atentas na verificação após a finalização do embalo, pois pode estar comprometendo a qualidade do alimento com erros na validade. “No caso da ATM, há ainda a necessidade de se utilizar os verificadores de

gases que ajudam no controle da correta aplicação de O2 e CO2 durante o embalo, já que é isto que garante o prazo de validade maior para o produto”, explica o executivo.


ARTIGO

Doces Embalagens

por Assunta Napolitano Camilo

N

a feira ISM (evento internacional de doces e snacks), que ocorreu em fevereiro em Colônia, Alemanha, pôdese confirmar a importância da embalagem para a categoria de doces e snacks. Tanto que a promotora da feira, a Koelnmesse, decidiu criar a área “Pro Sweets”, espaço destinado aos fornecedores de ingredientes, máquinas de embalagens e para processamento e, claro, às próprias embalagens.

A forte presença de fornecedores asiáticos para decoração e embalagens de aço e plásticas especiais foi o grande diferencial do evento. Quanto aos sistemas de embalagens, três propostas mereceram destaque: a) o sistema da Schur para stand up pouch em form, fill and seal (FFS - sistema para formar, encher e selar no mesmo processo), com formatos especiais, como o que imita um pote de vidro; b) o sistema da Horauf (que agora, pertence ao grupo alemão Optima) para pós e líquidos em papelcartão também em FFS, atendendo sucos e cafés de grãos a solúvel; c) o sistema FFS para líquidos, pós ou sólidos da espanhola IRGA, que permite dois produtos na mesma embalagem, podendo ser dois sucos, dois doces ou dois pós. As empresas brasileiras poderiam explorar mais o privilégio de nosso país querido, simpático e alegre. É uma vantagem competitiva, pois poderíamos mostrar nossa cultura, arte e origens usando mais cores nas embalagens e nos estandes. Valeria também considerar um

34

upgrade geral nas embalagens nas questões de processo (principalmente selagem e impressão). Ainda estamos longe do padrão dos outros países, que têm optado por embalagens stand up pouch ou “quatro soldas”, no mínimo, mesmo quando usam flow pack, a solda é feita por processo de selagem elétrica ou por ultrassom com mandíbulas muito bem ajustadas, entregando uma embalagem bem selada e com excelente aspecto. A qualidade de estanqueidade e a percepção do consumidor ficam comprometidas com o processo usado na maioria das embalagens brasileiras lá expostas. Observamos também a oportunidade de evoluir o padrão de design das embalagens, uma vez que temos tantas boas agências especializadas no assunto no Brasil. Percebemos linhas sem unidade, dando a impressão de que os produtos nem sequer eram da mesma empresa, o que enfraquece a marca. Unificar a linha, conferir uma boa hierarquia de informações, valorizar a marca e o fato de ser produto brasileiro e usar o idioma inglês para explicar do que se trata o produto e o desempenho proposto seria mandatório. Outra possibilidade seria ter no portfólio de produtos apresentações mais sofisticadas, como embalagens plásticas rígidas, de aço ou de papelcartão (estojos ou caixas). Embalagens melhores, se possível em formatos especiais, ainda que em quantidade menor, poderiam elevar o padrão geral e mostrar que podemos oferecer nossos produtos em versões diferenciadas. Essa estratégia poderia, no mínimo,


ARTIGO avalizar as embalagens mais simples, ainda que a venda das mais caras fosse insignificante. Percebemos que muitas empresas de outros países exploraram nas embalagens de seus produtos suas origens, história, cultura e arte. Ficaram claros vários aspectos, como conveniência, saúde, estilo e segurança alimentar e ética. Origem e sofisticação também foram acentuadas. Quanto à demanda, ainda que numa feira de doces, era por produtos mais naturais ou funcionais. Também ficaram claros os apelos por produtos “glúten free”, “sugar free”, de origem vegetal, com fibras, sem corantes e até produtos orgânicos. Usar bem a embalagem para contar suas origens, história e promessa é um importante diferencial. Uma vez que o custo ocorrerá de qualquer maneira, investir numa boa embalagem é fator decisivo para garantir competitividade e sobrevivência das marcas e empresas. Embalagem melhor. Mundo melhor! Se quiser mais informações e fotos dos produtos, é possível obtê-las no site: www.clubedaembalagem.com.br

Créditos: *Assunta Napolitano Camilo: Diretora da FuturePack - Consultoria de Embalagens e do Instituto de Embalagens - Ensino & Pesquisa. Articulista, professora e palestrante internacional de embalagens. Recebeu diversos prêmios, entre eles o de Profissional do Ano e o de Melhor Embalagem do Ano. Coordenadora dos livros: Embalagens Flexíveis; Embalagens de Papelcartão; Guia de embalagens para produtos orgânicos; Embalagens: Design, Materiais, Processos, Máquinas & Sustentabilidade, entre outros. Diretora do Kit de Referências de Embalagens e da obra Better Packaging. Better World.


NOTAS

Sealed Air Food Care lança nova geração de sacos termoencolhíveis para queijos A linha de embalagens integra o portfólio da marca Cryovac® e traz ao mercado brasileiro soluções tecnológicas personalizadas para do setor de laticínios

L

íder em soluções inovadoras e sustentáveis para a indústria de alimentos, a Sealed Air Food Care apresenta a nova geração de embalagens para queijos da marca Cryovac®, feitos sob medida para entregar aos clientes o recurso ideal para cada tipo de produto. Alinhados aos mais exigentes padrões da indústria, os sacos termoencolhíveis para queijos Cryovac foram desenvolvidos com diferentes formulações e permeabilidades para satisfazer às diferentes necessidades de cada variedade de queijo. A nova linha é composta por quatro tipos ideais para porções individuais ou industriais, todos com alta resistência mecânica e à perfuração, encolhimento superior, excelente selabilidade e visual diferenciado com propriedades ópticas que garantem brilho, transparência e definição da impressão. Ideais para queijos que emitem gás durante a maturação, como Gouda, Edam, Minas Padrão, os sacos com permeabilidade controlada permitem a troca de gases com o ar de maneira gradativa, evitando a formação de bolhas na embalagem durante a estocagem e prolongando a vida útil do produto. Disponível em quatro cores: incolor, branco, vermelho e laranja. Para a mussarela, um dos queijos mais populares do mundo, a novidade é a nova formulação de sa-

36

cos de alta barreira, indicados para peças em barra de 2 a 4 kg, que oferecem resistência mecânica superior, garantindo maior eficiência operacional. Os sacos com permeabilidade controlada e de alta barreira ainda oferecem um diferencial de sustentabilidade: feitos com filmes plásticos de menor espessura e gramatura, representam uma economia real em matéria prima com desempenho superior. O resultado: maior resistência, apresentação requintada do produto e redução de 10% de material descartado no meio ambiente. Outra solução Sealed Air Food Care da nova geração de sacos é a linha para queijos frescos com alto teor de umidade, entre eles Minas frescal e Ricota fresca.

Mussarela, Prato e Provolone, entre outros, em peças de 300g a 1 kg. A embalagem elimina o uso de facas, garantindo condições de total segurança e higiene no manuseio do produto.

Desenvolvida especificamente para queijos com alto teor de água, a embalagem evita o acúmulo de líquidos e se ajusta melhor ao produto, garantindo maior vida útil e menos desperdício. Os sacos com permeabilidade controlada para queijos frescos também têm aparência diferenciada, destacando o produto em pontos de venda e valorizando a marca do fabricante.

O formato de abertura inovador agrega valor ao produto, atraindo a atenção dos consumidores no ponto de venda. A embalagem ainda representa uma solução sustentável por reduzir o desperdício de alimentos, já que possibilita a aber -tura do queijo em porções, mantendo a integridade do produto por mais tempo.

Voltado para diferentes tipos de queijo, o modelo Cryocac® Grip & Tear Portion Pull tem tecnologia inovadora de fácil abertura, oferecendo praticidade, melhor desempenho e diferenciação dos produtos na gôndola. Indicado para

VISITE O SITE: www.sealedair.com


NOTAS

Consumo de alumínio em embalagens cresce 6,8% em 2014 Demanda de chapas e folhas para o segmento foi de 475,9 mil toneladas no ano passado

A Associação Brasileira do Alumínio – ABAL informa que o consumo de produtos de alumínio pelo segmento de embalagens foi de 475,9 mil toneladas no ano passado, um crescimento de 6,8% em relação a 2013, quando o volume foi de 445,4 mil toneladas. “A substituição de outros materiais pelo alumínio impulsionou esse crescimento”, explica o presidente executivo da ABAL, Milton Rego. O setor de embalagens, atendido por chapas e folhas, é o principal mercado de alumínio no Brasil, respondendo por 33% da demanda.


NOTAS

EggsPosure surge com conceito inovador de embalagem

I

novar é divertido. Isso é o que demonstra EggsPosure, uma jovem empresa de embalagens, fundada pela Twinpack BV da Holanda e o produtor de alimentos Hedegaard Foods A/S da Dinamarca. Sua missão? Desenvolver conceitos de embalagens criativas para a indústria de ovos iguais ao Eggyplay®, o produto principal da EggsPosure. Eggyplay® funciona como embalagem e como brinquedo durável. Pois as caixas funcionam como blocos de construção e se encaixam perfeitamente, como grandes tijolos da Lego. Horas de diversão garantida....

Design E(gg)xcepcional da EggsPosure A EggsPosure lançou a caixa de ovos revolucionária na feira Anuga, na Colônia, em outubro de 2013. Caixa de ovos ou brinquedos? Eggyplay® é os dois. A caixa de ovos colorida é feita de plástico e está disponível em quatro cores brilhantes. As crianças adoram. Porque as caixas Eggyplay® são os blocos de construção ideais para um grande castelo, uma torre imponente ou uma caixa de brinquedos. Tudo é possível.

Rótulos IML à prova de lavagem em máquina de lavarlouça Qual seriam as condições para ser aprovado como brinquedo reutilizável e obter um certificado de conformidade? Mette Due Andersen (Gerente de Marketing da HeDeGAARDfoods A/S) afirma: “Nossas caixas Eggyplay® precisavam ser à prova de máquina de lavar louças. Ou seja: suportar a exposição frequente à altas temperaturas, umidade e detergentes. A escolha pelos rótulos IML à prova

38

de máquina de lavarl ouças da Verstraete IML se deu rapidamente. A empresa é sinônimo de qualidade e excelentes serviços. Os rótulos são produzidos com tintas à prova de água e um verniz especial. Isso protege perfeitamente a cor e a qualidade do rótulo IML nasl lavagens frequentes”.

Porque a Eggyplay® é ecologicamentecorreta? Quem gosta do meio ambiente escolhe Eggyplay®. Pois as caixas de ovos têm uma dupla função. Elas não são descartadas, mas

ganham uma segunda vida como brinquedo. Além disso, são feitas de polipropileno 100% reciclável (PP05). E uma caixa Eggyplay® pesa menos que uma caixa de ovos clássica. Graças ao design inteligente a Eggyplay® ainda ocupa a metade do espaço de armazenagem. Assim, o transporte é duplamente eficaz.


SUSTENTABILIDADE

Plásticos Biodegradáveis O mercado precisa ficar atento às certificações para oferecer produtos ecologicamente corretos Existem diferentes matérias-primas disponíveis no mercado, o importante é saber qual delas realmente cumpre aquilo que promete

O

Brasil recebe mais de 6 milhões de turistas estrangeiros por ano.

Isso sem contar a demanda de hóspedes que os hotéis recebem internamente. Se cada hóspede utilizar, por exemplo, um frasco de shampoo durante uma hospedagem, são pelo menos 6 milhões de frascos descartados e reciclados. A realidade nos mostra que nem todos descartam corretamente e, nestes casos, a embalagem pode parar no meio ambiente como resíduo. E se esta embalagem não for biodegradável, é prejuízo na certa à natureza.

Sustentabilidade

É cada vez mais importante falar sobre plásticos biodegradáveis, principalmente para um mercado hoteleiro e consumidor cada vez mais exigentes em termos de sustentabilidade e proteção ambiental. Especificamente no caso dos amenities, cosméticos para hotelaria, este assunto merece a atenção total dos empresários do setor. Para o conforto e bem-estar dos hóspedes, os empreendimentos hoteleiros oferecem kits com sabonete, shampoo, condicionador, sabonete líquido, loção hidratante, entre outras opções. Por outro lado, não podemos mais ignorar os impactos que essas atividades promovem no meio ambiente. O setor hoteleiro demonstra especial preocupação com os resíduos sólidos que podem acabar abandonados no meio ambiente e, por con-

40

ta disso, têm dado boas vindas a produtos e embalagens que de fato possuam diferenciais de menor impacto ambiental, com certificados em conformidade com normas. Além disso, o hóspede merece este respeito e o compromisso no uso de produtos testados e certificados.

Tipos de embalagens plásticas biodegradáveis A ciência desenvolveu e o mercado dispõe de dois tipos de plásticos biodegradáveis: os hidrobiodegradáveis e os oxibiodegradáveis. O segundo, com o aditivo d2w®, já é utilizado pela maior fabricante de amenities do país, a Realgem’s Amenities. Eduardo Van Roost, diretor da RES Brasil - empresa especializada em tecnologias inovadoras que tornam o plástico compatível com a preservação do meio ambiente, explica a diferença. “Os plásticos oxibiodegradáveis, com o aditivo d2w® são mais vantajosos que os hidrobiodegradáveis. Eles são mais baratos, reutilizáveis, recicláveis e podem ser fabricados a partir de plásticos reciclados. Este material não requer mudanças em processos, máquinas, nem treinamento especial das pessoas para sua produção. Além disso, ele segue normas internacionais que garantem a degradação, biodegradação e ausência de resíduos nocivos, tem o parecer da ANVISA para uso em embala-

gens de cosméticos e são certificados, dentre várias entidades, pela Oxobiodegradable Plastics Association (OPA) e Instituto IDEAIS”, diz. Segundo Van Roost, as embalagens plásticas produzidas com d2w atendem a Política Nacional de Resíduos Sólidos nos requerimentos de redução, reutilização e reciclagem. “Uma Análise de Ciclo de Vida realizada sob norma ISO, mostra que plásticos d2w são 75% melhores que os plásticos convencionais quando considerada a possibilidade de descarte inadequado no meio ambiente. Mundialmente, as mais respeitadas marcas usam essa tecnologia, como é o caso dos hotéis NH nos diversos países em que estão presentes e da Realgem’s Amenities, aqui no Brasil”.

Alerta

O diretor da RES Brasil também faz um alerta. “Os responsáveis por adquirir produtos para o setor hoteleiro devem se certificar em relação às embalagens e tecnologias biodegradáveis que fazem parte de sua cadeia de suprimentos. É preciso sempre lembrar que a rotulagem de um atributo, por exemplo, biodegradável, significa responsabilidade solidária, de toda a cadeia, em provar aquilo que está sendo comunicado ao consumidor é um fato e uma verdade baseada em certificações e normas”, diz. Van Roost, que tem ampla experiência neste mercado de plásticos bio-


SUSTENTABILIDADE

degradáveis, conhece marcas e tecnologias que são alvo de processos por propaganda e rotulagem enganosa de produtos para o consumidor. “Recentemente nos Estados Unidos, várias marcas foram processadas por anunciar que um plástico era biodegradável, quando na realidade não era. Para se prevenir, é preciso procurar informação, normas, testes e laudos. Este é o papel da OPA e do IDEAIS. Auxiliar empresas que pretendam fabricar ou adotar plásticos biodegradáveis autênticos e certificados”, acrescenta. Mauro Carvalho, diretor da Realgem’s, afirma que além da preocupação em oferecer embalagens biodegradáveis a marca também fabrica cosméticos com formulação

biodegradável, contribuindo dessa forma para a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável do mercado hoteleiro. “Nossa empresa foi pioneira, em todo o país, no uso de embalagens biodegradáveis certificadas para o mercado hoteleiro. Atualmente temos uma extensa linha de produtos, frascos, essências e formulações, tudo isso com a garantia de qualidade e comprometimento com o meio ambiente. Estamos há 25 anos no mercado e sabemos o quanto é importante para o nosso setor este cuidado”, comenta.

Fonte: Pontuale Comunicação


NOVIDADE

Primeira embalagem cartonada totalmente renovável já está disponível para comercialização em todo o mundo

T

rês meses após o lançamento bem sucedido da empresa finlandesa de laticínios Valio, a embalagem Tetra Rex®, produzida totalmente com matérias-primas renováveis, já está disponível para os clientes da Tetra Pak em todo o mundo. Há três meses, a Valio lançou o leite semidesnatado sem lactose Valio Eila® em toda a Finlândia. Agora a empresa planeja usar a embalagem Tetra Rex® renovável em todo seu portfólio de leite orgânico. Além disso, a companhia também decidiu utilizar as tampas produzidas com polietileno renovável em todas as embalagens “gable-top”. De acordo com Charles Brand, Vice-Presidente Executivo de Gestão de Produtos e Operações Comerciais da Tetra Pak, depois de todo o trabalho duro e de um investimento significativo para desenvolver a embalagem, é extremamente gratificante ter essa resposta positiva tanto da Valio quanto dos consumidores na Finlândia. A nova embalagem está disponível em diversos tamanhos de 250 ml até dois litros, para todas as versões de leite refrigerado. A novidade em breve será lançada por outros clientes na Europa e também já está em negociação com laticínios ao redor do mundo. A Tetra Rex® renovável é produzida com a combinação do polietileno derivado da cana-de-açúcar e do papel. Além do o papel certificado pelo FSC® (Forest Stewardship Council®), todo o conteúdo renovável desta embalagem recebeu a certificação da Vinçotte, um organismo de avaliação internacionalmente reconhecido.

42

O polietileno de base renovável utilizado pela Tetra Pak é produzido pela Braskem, companhia química brasileira que utiliza etanol de cana-de-açúcar como matéria-prima. Segundo Charles Brand, aTetra Rex® renovável oferece aos consumidores uma embalagem produzida com materiais que podem ser rastreados até a sua origem. ”Isto é bom para o meio ambiente e excelente para conscientização dos consumidores, já que o produto que eles têm em mãos é inteiramente derivado de plantas. É a embalagem que renova”, afirma Charles. Apesar de recém lançada, a Tetra Rex renovável já conquistou um prêmio Gold do Pro2Pac Excellence Awards, no Reino Unido por ser a primeira embalagem cartonada do mundo feita inteiramente de materiais renováveis de origem vegetal. O embalagem 100% renovável podem ser identificada pelas palavras “Tetra Rex® Bio-based” impressas no topo.


MATÉRIA

Armazenagem correta Saiba como evita desperdícios de bebidas e alimentos embalados com plástico

O

pão sai quentinho do forno e vai direto para uma embalagem plástica. No dia seguinte, na hora de experimentar o produto, todo o aroma e sabor foram alterados. Antes de pensar que o erro estava na receita, preste atenção a alguns pontos importantes no que diz respeito à conservação de alimentos.

44

O técnico em Plástico da Aliança Embalagens, Ricardo Fischer Brandenburg, é bacharel em Engenharia de Plásticos e Mestre em Ciência em Engenharia de Materiais, um expert no que diz respeito ao uso correto e saudável do plástico. Recentemente, ele e demais profissionais da empresa participaram de um curso do Centro

de Tecnologia de Embalagem focado nesse assunto. Eles prepararam dicas para você armazenar corretamente alimentos e bebidas, principalmente em dias com altas temperaturas. Confira: - Tipo da embalagem: as embalagens plásticas flexíveis podem ser produzidas a partir de diferentes


MATÉRIA

tipos de matérias-primas e o que influencia essa escolha é o tipo do produto. Como exemplo, temos os salgadinhos e outros alimentos crocantes que necessitam de uma embalagem metalizada para inibir a entrada de luz, fazendo com que as características dos produtos como cheiro, crocância e sabor não se alterem. Já o pãozinho nosso de cada dia, ao sair do forno é embalado ainda quente, devido ao seu processo produtivo, e quando a temperatura de saída é muito alta, pode prejudicar o sabor. - Matéria-prima: as matérias-primas devem ser escolhidas a partir das propriedades do produto que será embalado. Pode-se notar a diferença visível em embalagens de papel higiênico, que são fáceis de abrir, e as embalagens de argamassas, que devem ser resistentes por conta do peso do produto e

do transporte. Em resumo, cada tipo de produto necessita uma matéria-prima específica. Como exemplo, podemos citar os produtos em conserva, que já estão sendo embalados em plástico flexível. Nesta embalagem, é necessária a visualização do aspecto do produto e do líquido, além de exigir uma embalagem de maior espessura, produzida normalmente em solda pouch ou stand up pouch. O produto não pode vazar ou possuir qualquer abertura, o que compromete a sua validade. - Temperatura ideal: existe orientação de temperatura máxima que cada produto suporta sem alterar suas características. Em caso de uma maior temperatura ambiente, a área interna da embalagem também sofre esta alteração. As orientações sempre devem aparecer na impressão das embalagens para o consumidor, principalmente quando se trata de produtos alimentícios.

- Sabor do produto: de acordo com o exemplo dado sobre o pão embalado ainda quente e que perde o seu sabor, as indústrias de embalagens informam seus clientes das propriedades dos plásticos, inclusive suas temperaturas máximas e mínimas. O consumidor também deve seguir as orientações descritas nas embalagens dos produtos em relação ao armazenamento, temperaturas máximas e mínimas e a validade. - Armazenagem: o local vai depender de cada tipo de produto. É necessário sempre seguir a orientação descrita na embalagem. Além do armazenamento feito em armários com a temperatura ambiente, bebidas e alimentos armazenados em plástico podem ser guardados no congelador, mas nunca utilizados em micro-ondas. Imagem: Tarheel Paper


NOTAS

Rexam mantém investimentos em inovação para 2015 Líder no mercado de latas para bebidas aposta na demanda por latas especiais e mantém investimentos em inovação

E

m breve análise sobre o segmento de latas para bebidas, o presidente da Rexam, Carlos Medeiros, reafirma que a empresa, líder do setor na América do Sul, seguirá adiante em 2015 com os investimentos para suportar o mercado de latas que requerem tecnologias diferenciadas de impressão, além do mercado de latas especiais. O foco serão as inovações em tintas e vernizes, dando continuidade a estratégia adotada nos últimos anos.

46

ira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), o crescimento de 10% no setor de latas para bebidas, no comparativo com 2013, foi beneficiado por fatores externos. “As altas temperaturas registradas no verão, o carnaval tardio e a realização da Copa do Mundo foram algumas das influências diretas para que o segmento registrasse esse saldo positivo no fechamento do ano”, afirma Carlos Medeiros.

A tecnologia Editions, que permite a impressão de até 24 artes diferentes por palete de lata; as garrafas Fusion, as mais leves do mercado; e o superlatão de 710ml seguem como importantes destaques do portfólio da empresa.

Ele lembra ainda que o progressivo aumento nas vendas deste tipo de embalagem revela a nova tendência. “Em 2006, o mercado de latas especiais representava 1% do total de latas e até o fim de 2014, passou a figurar como 30% do total das vendas, sendo que o mercado total de latas cresceu mais de 70% neste período”.

De acordo com Medeiros, também presidente da Associação Brasile-

O principal destaque de 2014 foi a capacidade da Rexam de atender

à crescente demanda por latas especiais - tamanhos diferentes da tradicional embalagem de 350ml -, que registrou incremento de 30% em relação ao ano anterior. A empresa fez investimentos importantes nas linhas de Brasília, Pouso Alegre e Águas Claras, ampliando a capacidade de produção nesse segmento; além da inauguração de uma linha de produção multiformato no Chile, que trouxe ganhos de capacidade e versatilidade adicionais. Para garantir que o crescimento se mantenha em 2015, Medeiros acredita na importância de direcionar a atenção das empresas para o aumento da produtividade, em função das dificuldades econômicas já previstas para este ano. “Em 2015, a indústria deverá focar acima de tudo no gerenciamento e controle dos custos. É preciso pensar em alternativas para manter o ritmo”, finaliza.


FEIRAS E EVENTOS

20ª edição da

apresenta seu primeiro Circuito de Conhecimento e Inovação

Circuito integra feira de negócios ao congresso, área de e-posters, laboratório de testes e palestras gratuitas

A

FCE Cosmetique, principal e mais completa plataforma de negócios do setor cosmético da América Latina, apresentará uma nova plataforma de comunicação e conteúdo para os visitantes e empresas do setor: O primeiro Circuito de Conhecimento e Inovação, uma iniciativa que integra diferentes experiências, oferecere um ambiente único de interação, negócios e conhecimento. Ao percorrer o Circuito de Conhecimento e Inovação o visitante terá a oportunidade de estabelecer contato com especialistas no desenvolvimento de produtos, criar novas perspectivas, ter acesso às principais tendências do setor e ainda gerar ótimos negócios. As iniciativas do circuito estarão integradas à FCE Cosmetique, que prevê receber juntamente com a FCE Pharma mais de 500 marcas expositoras e 17.000 profissionais de toda cadeia produtiva desses dois importantes setores.

O Congresso Brasileiro de Cosmetologia, realizado em parceria com a Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC), foi renovado e também faz parte do Circuito de Conhecimento e Inovação apresentando destacados palestrantes nacionais e internacionais. A área de trabalhos científicos em formato de e-posters e a Estação ExSenses - laboratórios experimentais e sensoriais desenvolvidos por empresas do setor - são iniciativas de integração entre a academia e a indústria que também agregam o Circuito. A Arena do Conhecimento, um espaço que proporcionará aos visitantes e convidados a oportunidade de participarem de apresentações gratuitas com temas voltados aos lançamentos, tendências e inovações apresentados por empresas do setor como Oxiteno, Croda, DuPont e Dow, fazem parte dessa iniciativa que apresentará cerca de 10 palestras por dia.

A GFK, uma das maiores empresas de pesquisa de mercado do mundo, também estará presente e abordará a percepção e as expectativas do consumidor com relação aos cosméticos naturais e orgânicos. O Circuito de Conhecimento e Inovação integrará a 20ª edição da FCE Cosmetique, que será realizada entre os dias 12 e 14 de maio de 2015, no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

Circuito de Conhecimento e Inovação Local: 20ª edição FCE Cosmetique e FCE Pharma Data: 12 a 14 de maio de 2015 Horário: 13h às 20h Onde: Transamérica Expo Center Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387 - São Paulo - SP www.fcecosmetique.com.br

47


FEIRAS E EVENTOS

31ª Fispal Tecnologia tem programação de palestras e soluções em máquinas e produtos para as indústrias de alimentos e bebidas Entre as novidades desse ano, os visitantes poderão participar das palestras com especialistas do ITAL e da Unicamp, entre outras atividades paralelas à feira

A

apresenta ao público uma nova distribuição de planta para melhorar ainda mais a experiência do visitante e a maximização de resultados do expositor.

Em 2015, a feira chega a sua 31ª edição, com um novo formato, repleta de oportunidades de negócio e com atividades paralelas como as palestras, que terão a coordenação da BTS Informa, promotora do evento. “O evento deste ano

E para atender uma necessidade do visitante sobre conteúdo, um auditório com uma programação completa com especialistas do ITAL e da Unicamp, debaterá temas bem relevantes e de interesse para a indústria de alimentos e bebidas”, explica a diretora da feira, Célia Iwaki.

cada edição, a Fispal Tecnologia - Feira Internacional de Processos, Embalagens e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas confirma-se como o maior e mais completo evento do setor na América Latina.

48

A Fispal Tecnologia acontece no Pavilhão de Exposições do Anhembi, de 23 a 26 de junho, e deve receber mais de 52 mil compradores qualificados de setores da indústria de bebidas e alimentos, farmacêutica, química, cosmética, laticínio, frigorífico e designers de embalagens. Dentro do pavilhão será possível ver na prática o funcionamento de alta tecnologia em máquinas, embalagens e serviços para a produção industrial. Também prevista


FEIRAS E EVENTOS está a forte presença internacional, com mais de 30 países em quatro dias de evento Simultaneamente à Fispal Tecnologia, outras atrações e atividades devem chamar a atenção dos profissionais do setor e compradores, como o Espaço do Conhecimento, um auditório de palestras construído dentro do pavilhão; as Rodadas de Negócios, realizada em parceria com a Think Plastic Brazil, tem como objetivo fomentar o investimento de capital estrangeiro direto para o Brasil. A meta é trazer compradores latino-americanos para as rodadas, com a participação dos associados do Instituto Nacional do Plástico e expositores da feira. “Além dessas iniciativas, também teremos o Lounge VIP, espaço onde o convidado VIP do expositor receberá um tratamento diferenciado, como entrada exclusiva ao Anhembi por meio de estacionamento exclusivo, entre outros benefícios”, antecipa Iwaki. Tendências e inovações em ingredientes Para atender de forma mais abrangente os visitantes e profissionais do setor, a Fispal Tecnologia e a Ingredient Marketplace, feira americana de ingredientes alimentícios reconhecida mundialmente, uniram-se para lançar um projeto inovador na maior feira do setor na América Latina: o Pavilhão “IM at Fispal Tecnologia”. A proposta desse pavilhão é reunir expositores nacionais e internacionais do mercado de ingredientes

para a indústria de alimentos, bebidas e cosméticos. Além disso, o visitante terá uma área de conteúdo, onde poderá assistir palestras gratuitas de 30 minutos, com especialistas americanos, que abordarão as principais tendências e inovações do setor, incluindo a demonstração de novos produtos que ilustram como cada ingrediente está sendo utilizado no mercado de consumo global. Mais informações sobre os palestrantes e a grade de temas do IM at Fispal Tecnologia podem ser conferidas no site: www.fispaltecnologia.com.br/pt/ atracoes

Agende-se para a abertura da Fispal Tecnologia 2015

Dados da última edição

Na última edição a Fispal Tecnologia reuniu duas mil marcas expositoras e recebeu mais de 52 mil profissionais em busca de novidades em máquinas e equipamentos, embalagens, produtos e serviços para o setor industrial. A feira também atraiu representantes de mais de 80 setores, como fabricantes de máquinas e equipamentos, automação industrial, embalagem flexível, rótulos/etiquetas, transporte e logística. Profissionais das áreas de engenharia, produção, compras, marketing, pesquisa & desenvolvimento e controle de qualidade de todas as regiões do Brasil, além de mais de 30 países passaram pelo Pavilhão do Anhembi.

No dia 23 de junho, profissionais do setor, executivos das principais indústrias de alimentos e bebidas, além de representantes de entidades e universidades, participam da abertura da Fispal Tecnologia.

O resultado positivo expressou-se na expectativa dos expositores que, em média, esperam gerar individualmente R$ 1.652 milhão em negócios através da feira.

Neste ano, o estudo “Brasil Processed Food 2020” será apresentado por especialistas do ITAL (Instituto de Tecnologia de Alimentos), para um público estimado de 400 participantes.

Serviço - Fispal Tecnologia - 31ª Feira Internacional de Processos, Embalagens e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas Data: 23 a 26 de junho de 2015 Horário: 13h às 20h (novo horário) Local: Pavilhão do Anhembi Av. Olavo Fontoura 1.209, Santana São Paulo/SP.

Entre as entidades parceiras desse estudo, estão a ABIA (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação) e a ABIR (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas).

49


Embalagem & Tecnologia - Nº22  

A maior revista do setor de embalagem do Brasil.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you