Page 1

REVISTA

ALIMENTOS - BEBIDAS - COSMÉTICOS

EMBALAGEM & TECNOLOGIA

Ano V - 2014 Edição 20

Editora Casa Grande Ltda - Revista técnica para fabricantes de alimentos, bebidas e cosméticos

A REVISTA DO SETOR DE EMBALAGEM

Design de embalagem vai além da forma e função de um produto Tecnologia e P&D Logística reversa de embalagem sairá do papel Natura lança primeiro refil PET 100% reciclado A importância da tal da produtividade nas indústrias de embalagens celulósicas A tna aumenta a eficiência de empacotamento com a nova Robag auto-splice Pesquisa IBOPE revela que nove em dez consumidores de desodorante em aerossol


índice - editorial Logística reversa de embalagem sairá do papel

06

Ministério do Meio Ambiente abriu consulta pública para acordos setoriais nos ramos de embalagens e lâmpadas. Os documentos são base para Política Nacional de Resíduos Sólidos. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Natura lança primeiro refil PET 100% reciclado para linha de perfumaria Ekos

08

A Natura, multinacional brasileira de cosméticos e produtos de higiene e beleza, traz para a sua linha Ekos Frescores, fragrância feminina mais vendida no país*, a opção de refis de embalagem produzidos em PET 100% reciclado. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

La Rioja

12

Nossa estratégia mercadológica com relação a embalagens é a de manter a comunicação visual dos produtos marca La Rioja existentes, pois já criaram uma identidade com o consumidor no PDV. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

A importância da tal da produtividade nas indústrias de embalagens celulósicas

18

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

20

A inovação no setor de embalagens está sendo definida por megatendências globais: o crescimento da população, o “consumismo” (soberania do consumidor sobre o fornecedor por meio de um consumo responsável, ético e solidário) e o enfoque crescente na saúde e nutrição. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

A tna aumenta a eficiência de empacotamento com a nova Robag auto-splice

24

A questão da segurança alimentar virou tema recorrente nos últimos meses, muito em função dos diversos casos públicos de contaminação de alimentos industrializados e disponibilizados ao consumidor nas gôndolas dos supermercados. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Design de embalagem vai além da forma e função de um produto

28

A embalagem, além de acondicionar um produto, de informar sobre suas qualidades, de conter informações legais e dicas de uso, também deve ser um meio de divulgar cultura. Todo design deve buscar o significado mais intrínseco do produto. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Pesquisa IBOPE

32

Pesquisa IBOPE revela que nove em dez consumidores de desodorante em aerossol não têm preferência quanto à embalagem e que dois terços desconhecem o material de que ela é feita.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Por: Thomaz Caspary

Como evitar problemas de selagem na cadeia de fornecimento de embalagem

O papel da certificação na gestão da segurança alimentar

22

Especialista mundial em soluções no processamento e embalagens, a tna tem o prazer de anunciar o lançamento do novo sistema tna robag® Auto-splice.

Tecnologia e P&D Cliart Clichês

36

Esse avanço exponencial se deu devido aos fabricantes de Chapas e Softwares terem investido continuamente em estudos para aprimorar cada vez mais o sistema de impressão flexo. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Crescimento do mercado de bebidas Premium faz marcas de rum investirem no segmento

38

roduzido à base de melaço de cana-de-açúcar destilado, o rum está presente como ingrediente principal de alguns dos mais célebres drinques, como Cuba Livre e Mojito.

Participe de nossas redes sociais e fique informado em tempo real!

Novelis Completa US$ 106 Milhões de Investimento no Brasil

Novelis, anuncia o comissionamento de uma linha de pintura de chapas para tampas de latas de bebidas e de uma nova linha de reciclagem na planta de Pindamonhangaba (SP). ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Ampliação da linha de alta performance

04

40

Já na reta de final deste ano, com bons negócios em andamento e otimistas com relação ao fechamento de 2014 a Indumak, mais uma vez, apresentará inovações ao setor de embalagens verticais. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Piracanjuba lança leite em pó em embalagens stand up pouch

42

Produto ganhará maior visibilidade nas gôndolas e traz praticidade para os consumidores. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Baumgarten lança novas bandejas termoformadas

44

No portfólio de embalagens termoformadas em cartão da Baumgarten Gráfica estão as bandejas, que se destacam pela tecnologia e design estrutural, suportando bruscas variações de temperatura e conservando as características naturais dos alimentos. ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

CBA B+G cria identidade visual para papinhas da Nestlé

46

As Papinhas Nestlé da Etapa Júnior, indicadas para crianças a partir de 12 meses, agora podem ser encontradas em embalagens de plástico, com nova identidade visual desenvolvida pela agência CBA B+G ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Avery Dennison anuncia nova Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios

47

O cargo será ocupado por Cristina Sartoretto.

Embalagem & Tecnologia é uma revista técnica de circulação nacional, direcionada às indústria e fabricantes de Alimentos, Bebidas e Cosméticos, traz informações e tecnologias importantes para o desenvolvimentos e manutenção das empresas. Publicação: Trimestral Distribuição: Indústrias e Fabricantes de: Alimentos, Bebidas e Cosméticos.

FACEBOOK.COM / REVISTAEMBALAGEMETECNOLOGIA

40

Diretor Presidente: Eric Mitsuo Toguchi Dept. Com. e Mkt: Elizabeth Cabral Comercial: comercial@editoracasagrande.com.br 19-3808-4654 - 11-95956-5767 Representante comercial: Gerson Candido Imprensa: redacao@editoracasagrande.com.br

Editora Casa Grande Ltda Me São Bernardo do Campo - SP / Amparo - SP Mobile: 19-3808-4654 - 11-95956-5767

Contato geral: contato@editoracasagrande.com.br www.embalagemetecnologia.com.br

*As matérias, artigos assinadas por colaboradores, são de responsabilidade única de seus autores e podem não expressar necessariamente a opinião da revista. As opiniões expressas no veículos da Editora Casa Grande são de responsabilidade exclusiva de seus autores


logistica

Logística reversa de

embalagem sairá do papel Ministério do Meio Ambiente abriu consulta pública para acordos setoriais nos ramos de embalagens e lâmpadas. Os documentos são base para Política Nacional de Resíduos Sólidos Roberto Dumke - DCI

U

ma parte importante da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), publicada em 2010, está prestes a sair do papel. Trata-se da implementação da logística reversa para os setores de embalagens em geral e de lâmpadas. Isso porque o Ministério do Meio Ambiente abriu consulta, nesta semana, sobre acordos setoriais para as duas cadeias. Apesar de a Lei 12.305, que institui a política de resíduos, ter quase quatro anos, a falta dos acordos limita sua aplicação. Pelo menos seis cadeias produtivas (agrotóxicos, pilhas e baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas e eletrônicos) precisam do documento. No entanto, até agora, apenas a cadeia de óleos lubrificantes conseguiu assinar um acordo com o Ministério do Meio Ambiente para reciclagem. O documento saiu em dezembro do ano passado. Segundo a política de resíduos, tanto fabricantes quanto importadores, distribuidores e comerciantes são responsáveis por criar um sistema para a destinação final dos resíduos. O mecanismo deve operar de forma independente dos sistemas públicos de limpeza.

Demanda “Já foi tempo demais em conversas. Isso só atrasou a adoção de ações mais adequadas ao meio ambiente”, afirmou o diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos

06

Especiais (Abrelpe), Carlos Vieira da Silva Filho. Ele destaca que a política deu um prazo de quatro anos, encerrado no dia 2 de agosto, para algumas medidas, como o fim dos lixões e a obrigatoriedade de planos municipais para a gestão de resíduos sólidos. Já para a implantação dos sistemas de logística reversa, não foi estabelecido prazo. O diretor da Abrelpe ainda explica que os acordos em consulta pública já passaram pelo crivo das empresas - que fazem a proposta - e do governo. Quer dizer, já foram aprovados pelas partes mais diretamente envolvidas, o que pode indicar que a situação se aproxima de um desfecho.

Importância Bruno Feigelson, do Ribeiro Lima Advogados, acredita que acordo do setor de embalagens é o mais

relevante de todos, pois abrange uma infinidade de empresas. Para ele, a legislação ambiental segue uma tendência mundial no sentido de começar a olhar para empresas de consumo - e não mais apenas para a produção. Até hoje, a questão ambiental era a mais cobrada das empresas do começo da cadeia produtiva, como as de mineração, petróleo ou energia. “O que estamos vendo é apenas um pingo de uma tempestade de obrigações voltadas ao consumo”, afirma o advogado. Feigelson acrescenta que as empresas ainda não estão dando a devida atenção ao assunto. Principalmente nos ramos de consumo, “muitas que não têm preocupação ambiental”, diz ele. “Mas, agora, com as mudanças, vão precisar ter”.


nova embalagem

Natura lança primeiro refil PET 100% reciclado para linha de perfumaria Ekos Natura Ekos Frescores, a linha de fragrâncias feminina mais vendida do Brasil*, ganha refil que emite 72% menos carbono em sua produção

08


A

Natura, multinacional brasileira de cosméticos e produtos de higiene e beleza, traz para a sua linha Ekos Frescores, fragrância feminina mais vendida no país*, a opção de refis de embalagem produzidos em PET 100% reciclado. Trata-se da primeira grande marca da perfumaria brasileira a desenvolver e lançar refis para seus Frescores, uma atitude inovadora que faz parte do comportamento sustentável que assumiu desde seu lançamento. “O compromisso com o desenvolvimento sustentável faz parte da essência da Natura e está presente em todas as ações da companhia. Pioneira no lançamento de refis para a recarga de frascos nos anos 80, fomos a primeira empresa de cosméticos do Brasil a oferecer essa inovação. Além de econômico, o uso de refil reduz o impacto ambiental e ajuda a minimizar as emissões dos gases de efeito estufa na atmosfera”, afirma Denise Coutinho, diretora da unidade de negócios de perfumaria da Natura.

10

Por serem feitos a partir de material descartado, recuperado e reciclado, os refis de Natura Ekos Frescores emitem 72% menos carbono no seu processo produtivo. Além disso, proporcionam mais economia ao consumidor, já que são 20% mais baratos que as embalagens regulares e práticos e fáceis de serem manuseados. A Natura iniciou a oferta de refil para os seus produtos em 2000, com as linhas Natura Chronos, Natura Erva Doce, Natura Homem, Natura Sève, Natura Plant, Desodorantes, Natura Tododia, Natura Mamãe e Bebê e Natura Ekos. Em 2010, inovou novamente ao relançar o refil de Natura Erva Doce, produzido com plástico verde feito a partir da cana-de-açúcar, e também o refil de Natura Tododia, atualmente com 85% menos plástico que a embalagem regular. Em abril deste ano, a empresa apresentou sua nova visão de sustentabilidade, que conta com as diretrizes sustentáveis para o seu modelo de negócio no longo

prazo e ambições para o ano de 2020. Como exemplo, a empresa tem a ambição de utilizar, no mínimo, 75% de material reciclável na massa total de embalagens (56% em 2013), usar, no mínimo, 10% de material reciclado pós-consumo na massa total de embalagens (1,43% em 2013) e ter 40% das unidades faturadas da Natura em embalagens ecoeficientes (21,5% em 2013). “Concentrando iniciativas em três pilares - ‘Marcas e Produtos’, ‘Rede de Relações’ e ‘Gestão e Organização’ -, nosso objetivo é ir além de neutralizar danos causados pelo negócio e promover impacto positivo nos âmbitos social, ambiental e econômico. A nova visão de sustentabilidade da Natura expressa a intenção de que as nossas linhas de produtos estimulem novos valores e comportamentos necessários à construção de um mundo mais sustentável, como é o exemplo de Natura Ekos”, explica Denise Alves, diretora de sustentabilidade da Natura.


entrevista

La Rioja Walter Leone

Nossa estratégia mercadológica com relação a embalagens é a de manter a comunicação visual dos produtos marca La Rioja existentes, pois já criaram uma identidade com o consumidor no PDV

12


A

sede administrativa da La Rioja está localizada em São Paulo. A unidade industrial está situada na cidade de Alumínio - SP, onde é realizado o fracionamento, envase e empacotamento de frutas secas e conservas. O centro de distribuição e logística está situado no bairro da Mooca, e, São Paulo. A La Rioja abriu seu escritório comercial nos anos 70, dando seqüência para iniciar a importação de produtos que hoje são os principais produtos que a empresa fabrica. Como era a visão do mercado que a empresa tinha nos anos 70 comparada com os dias de hoje? A La Rioja foi uma das pioneiras na importação de azeites, azeitonas, conservas e bacalhau seco e salgado da Noruega, com uma visão de mercado que já previa o abastecimento de produtos alimentícios importados de primeira qualidade, para o varejo e o segmento Food Service, como hotéis, restaurantes, cantinas, padarias e similares. Antigamente ou até mesmo alguns anos atrás, as marcas não se preocupavam muito em renovar a roupagem de seus produtos. Como você vê o mercado hoje com as marcas tendo essa preocupação cada vez mais em atrair seu consumidor no PDV? Nossa estratégia mercadológica com relação a embalagens é a de manter a comunicação visual dos produtos marca La Rioja existentes, pois já criaram uma identidade com o consumidor no PDV, renovando e modernizando o rótulo de forma sutil a cada 5 anos, em média. Para novos produtos, como a linha de conservas gourmet com Bruschettas e vegetais grelhados que acabamos de lançar, utilizamos uma tipologia um pouco mais nobre e diferenciada para esse tipo de produto. A La Rioja trabalha com uma agência de Design especifica? Qual a estratégia que a empresa faz quando procura por uma agência de Design? Dentro da estrutura do depto. de marketing, temos uma House Agency com dois designers gráficos e produzimos tudo internamente. Desde rótulos e embalagens de produtos até campanhas publicitárias e

14

Unidade de Alumínio - SP

promocionais. Como era uma definição naquela época para a escolha de uma embalagem? Chamar a atenção já fazia parte do negócio para um produto? Sim, sempre demos atenção e importância especial para as embalagens de nossa linha de produtos, visando oferecer ao consumidor, embalagens práticas, seguras e modernas. A empresa acaba de investir nas embalagens especiais para o natal. Quanto foi o investimento feito? Em torno de um milhão e meio de reais. Falando em investimento, a empresa também investiu em QR Code. Poderia falar sobre a importância do QR Code para a empresa e os benefícios que isso esta trazendo. O compartilhamento de informações via QR é uma das mais recentes formas de distribuição de conteúdo. Os aparelhos celulares com câmera e acesso à internet, que tenham o leitor QR, podem transformar o código 2D em um link que leva direto ao site da La Rioja, permitindo um relacionamento direto com o consumidor. Além dos produtos que a empresa trabalha, tem algum outro segmento que a empresa esteja estudando em atuar?

A La Rioja já atua no segmento de pescados e estamos estudando a possibilidade de aumentar a linha com a marca Chef Dos Mares. Os produtos envasados em embalagens de vidro ou que são perecíveis exigem mais cuidado no transporte. Quais são estes cuidados? Estes cuidados interferem na otimização do espaço usado no caminhão? Os cuidados que tomamos no transporte dos produtos em embalagens de vidro, já são previstos na confecção da caixa de embarque, mais resistente e com colméia dentro, que evita o atrito de um produto no outro. No caso dos pescados, que são perecíveis, o transporte é realizado em veículos refrigerados, não interferindo na otimização do espaço utilizado no caminhão. A La Rioja possui um centro de distribuição localizado na região central de São Paulo. A localização deste CD hoje, por conta dos problemas de mobilidade da cidade atrapalha a logística da empresa? Pelo contrário, facilita e agiliza as entregas, principalmente na capital e dentro da grande São Paulo, efetuadas com vans. No caso de cargas maiores, como as entregas no CD de supermercados quando é necessário a utilização de caminhões ou carretas, as entre-


Depósito Borges

gas são agendadas e programadas sempre dentro do horário permitido para o tráfego urbano de caminhões. O problema da mobilidade na cidade, hoje independe da localização de qualquer CD, na capital ou no interior. Há interesse da empresa em transferir seu CD para outro local devido ao aumento de demanda, custos ou outro motivo? A La Rioja tem uma indústria de fracionamento, envase e empacotamento de alimentos, localizada na cidade de alumínio, distante 70 km de São Paulo, com estoque regulador e espaço suficiente para implantação de outro CD. Estamos analisando essa possibilidade, para quando o mercado re-

16

tomar seu nível normal de consumo. Essa operação pode otimizar os custos nas entregas para o interior do estado. Boa parte das empresas brasileiras tem preferido instalar seu centro de distribuição ao longo de rodovias. O que levou a La Rioja a escolher o centro como local estratégico? A sede administrativa da La Rioja está situada no centro de São Paulo e surgiu a oportunidade da compra do CD localizado no bairro da Moóca, pela proximidade e facilidade de acesso, inclusive do porto de Santos, onde operamos. A La Rioja fez ou faz alguma ação que otimize a melhor utilização do espaço dentro dos depósitos?

Qual? O CD e a indústria, são monitorados por um sistema de controle de estoque através da leitura ótica do código de barras dos produtos. A carga é paletizada e unitizada, ou seja, agrupada em volumes uniformes, para facilitar sua movimentação. Quais os principais problemas que dificultam as entregas no prazo? O que a La Rioja tem feito para sanar estes problemas e manter qualidade na entrega? O principal problema é a dificuldade encontrada no trânsito, tanto na capital como nas estradas e procuramos manter a pontualidade na entrega para melhorar a qualidade no atendimento.


artigo A importância da tal da produtividade

nas indústrias de embalagens celulósicas e a sustentabilidade empresarial Thomaz Caspary

É

consenso de que o principal desafio das nossas empresas é a de aumentar a sustentabilidade. Estamos falando aqui de Sustentabilidade Empresarial, que tem uma conotação um pouco diferente do que a maioria acha que seja a Sustentabilidade, ligando-a imediatamente ao meio ambiente.

processos de fabricação e do mercado de embalagens que atuam. Verificamos que a grande maioria dos problemas de rentabilidade ocorre pelo excesso de confiança e consequente expectativa de resultados rápidos, que nem sempre acontecem, pois passam pela adequação humana, limitações materiais e de problemas de gestão.

Mas o que é realmente SUSTENTABILIDADE na área empresarial? É a meu ver uma característica e condição de um sistema que permite a permanência da sua empresa (no nosso caso, de embalagens), em um nível capaz de se manter pelo menos, por um prazo determinado, que neste momento não quero definir.

Foi e ainda é cada vez mais necessária a reflexão sobre os problemas e desafios globais que tem feito parte de nossa sociedade na última década. Os modelos de produção controle e produtividade escolhidos por nós, nem sempre são adequados aos dias atuais, onde as Boas Práticas e eficientes sistemas de gestão, nem sempre complexos, auxiliam o gestor a tomar decisões importantes. Neste sentido, o conceito de desenvolvimento sustentável surge propondo um novo paradigma ético e holístico da ação humana.

Ultimamente este conceito tornou-se um princípio, segundo o qual o uso dos recursos para a satisfação de necessidades presentes não pode comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras, e que precisou do vínculo da sustentabilidade no longo prazo, um “longo prazo” de termo indefinido. De acordo com a sua maneira e disponibilidade, todas as atividades de uma empresa devem possuir organização suficiente para o desenvolvimento de estratégias, planejamentos e metas. Em comum, somente isso, pois o tamanho das diversas empresas de embalagem e suas realidades se distanciam umas das outras pelos meios como se desenvolvem os

18

Isso permeia todas as pessoas e setores das empresas, e passa, necessariamente, pelo reposicionamento político estratégico e pela adoção de novas práticas, principalmente, na gestão empresarial. É inconcebível hoje em dia, que um CEO se dirija para uma célula produtiva e “ponha a mão na massa” em geral bravejando que é assim que deveria ser feito. E isso acontece com relativa frequência nas pequenas e médias empresas de embalagem quando não também

nas maiores. Até parece que não existem outras maneiras de solucionar o problema. Está faltando nestas empresas um departamento de Recursos Humanos, ou até um Coach, para orientar o principal executivo. A realização da responsabilidade social empresarial exige que a organização adote um posicionamento estratégico multi stakeholder que considere em todo o seu negócio os interesses e necessidades de todos os afetados diretamente ou indiretamente pela atividade empresarial. Isso exige da empresa consciência e uma nova postura voltada para além das questões econômicas. Para tanto, é preciso inovar e, mais do que isso, quebrar paradigmas. Nessa nova dinâmica organizacional de mundo, o papel do empresariado passa a ter fundamental importância no enfrentamento organizado dos maiores desafios globais. A conceituação cada vez mais sedimentada do desenvolvimento sustentável propõe uma nova perspectiva, que sugere ao empresário a responsabilidade social empresarial como condição sinequanon para o estabelecimento, crescimento e perenidade de qualquer negócio. Principalmente nas empresas de embalagens celulósicas em sua


grande maioria Gráficas especializadas em Cartuchos, Rótulos e Caixas em ondulado e Micro ondulado, temos no mercado brasileiro diversos e interessantes programas de gestão, voltados não só para a produtividade, porém para uma Gestão Global da empresa.

ficar “fuçando” minúcias de cada relatório, pois perde muito tempo com isso.

Entre as mais conhecidas temos a empresa Calcgraf, E-Calc, Zênite, Bremen e EFI-Metrics, cada uma com programas específicos para os diversos segmentos da embalagem. Todos são bons. Uns “mais bons que os outros”. O que vale é a escolha dos sistemas mais adequados para cada caso.

Se não tivermos pessoal capacitado e treinado devidamente para analisar os relatórios e chegar ao Gestor com dados concretos e principalmente soluções alternativas, de nada nos adiantará o melhor sistema de gestão. Um PCP, entre outros e um setor de Boas Práticas com Normas e Procedimentos atualizados visando a sustentabilidade, ajudam a empresa a vender e a fabricar com rentabilidade, sendo sustentável.

Porém só um sistema de gestão não resolve. Temos que saber lidar com ele e saber interpretar os resultados tomando uma ação gerencial em cima do que se apresenta. De nada também adianta o principal executivo da empresa,

Por esta razão, queremos encerrar o nosso papo de hoje com a seguinte recomendação em relação à sustentabilidade e à produtividade.

Para isso, recomendo treinamentos e ação de RH e/ou Coach, pois conhecemos muitas empresas de embalagem que contratam consul-

tores ou um Coach, dando-lhe um “Briefing” dos problemas e depois estes constatam que o “Problema é mais em baixo!”. Que sua empresa seja sempre sustentável e rentável.

*Thomaz Caspary é Consultor de empresas, Coach e diretor da Printconsult Ltda. tcaspary@uol.com.br


artigo

Como evitar problemas de selagem na cadeia de fornecimento de embalagem

Felipe Martínez B. - Líder Técnico The Dow Chemical Company, Freeeport, Texas

A

inovação no setor de embalagens está sendo definida por megatendências globais: o crescimento da população, o “consumismo” (soberania do consumidor sobre o fornecedor por meio de um consumo responsável, ético e solidário) e o enfoque crescente na saúde e nutrição. As mudanças nos hábitos de consumo voltados a uma maior praticidade, custo reduzido e melhor conservação dos alimentos embalados estão demandando embalagens com desempenho e funcionalidade superiores. A qualidade e segurança das embalagens de alimentos são fundamentais para a imagem de um produto e confiança dos consumidores nas marcas. As falhas nas embalagens, em sua maioria resultado da falta de integridade na selagem, são difíceis de detectar e muito dispendiosas para os embaladores: apenas 1% dos vazamentos de alimentos é detectado na unidade de embalamento, enquanto cerca de 8% das embalagens apresentam problemas de vazamento depois de deixar a cadeia de fornecimento. A integridade e hermetificação das embalagens são determinadas não apenas pela escolha da estrutura ou laminação, mas principalmente pelo desempenho das resinas de

20

selagem. Afinal, para que investir em embalagens de barreira, laminadas ou metalizadas caras se elas não cumprirem sua função de proteger o produto embalado com uma selagem íntegra?

Novo protocolo de avaliação de selantes Os produtores de resinas de selagem e convertedores baseiam-se nas curvas de selagem a frio (heat seal -HS) e a quente (hot tack – HT) para prever o desempenho da selagem em estruturas multicamadas. O processo de empacotamento automático VFFS (Vertical / Form / Fill / Seal) apresenta uma série de pontos críticos de difícil selagem que não são previsíveis apenas com base nas diferenças das curvas de selagem. Um novo protocolo de avaliação dos selantes foi desenvolvido pela Dow utilizando máquinas de empacotamento automático por meio do qual, além das curvas de selagem, é possível medir a janela de hermetificação das bolsas formadas. A figura abaixo mostra duas resinas com curvas de selagem similares, mas com janelas de hermetificação diferentes para proteção e conservação do alimento. Nesse ponto é importante checar se a escolha do selante é adequada, ou seja, se ele realmente protege o alimento con-

tido na embalagem. Adicionalmente, a máquina de VFFS permite medir o “mooning”, ou seja, a deformação da selagem, que é representada pelo peso máximo do material embalado que causa uma deformação ao cair sobre a selagem quente no fundo da embalagem. Outra variável muito importante nos materiais de selagem refere-se à facilidade de fluxo, ou “caulkability” em pregas ou rugas da superfície a ser selada, ou sua capacidade de encapsular partículas ou gotas de líquidos contaminantes nas condições de selagem. A Dow também desenvolveu modelos de transmissão de calor que permitem prever, com exatidão, o tempo mínimo necessário para que a camada de selagem alcance seu ponto de iniciação de selagem e fusão para diferentes estruturas e selantes específicos.

Conclusões: Ao se utilizar o novo protocolo de avaliação da Dow, foi possível determinar a melhor arquitetura molecular das resinas de selagem ELITE™, ELITE™AT AFFINITY™, PRIMACOR™ e AMPLIFY™ IO para obtenção de excelente hermetificação e resistência à deformação de sela-


gem e vazamentos causados por pregas, rugas e /ou contaminantes nas máquinas de embalamento de alta velocidade: “Stand-up-Pouch” (SUP) e de enchimento automático vertical e horizontal, “vFFS e hFFS”. Tudo isso permite reduzir o desperdício durante o enchimento e na cadeia logística, além de garantir uma melhor conservação do produto de acordo com a barreira projetada para tal fim.

Adicionalmente, foi possível determinar, com mais precisão: • A combinação ideal do ponto de fusão, amplitude de temperatura de selagem, fluidez e “hot tack” das resinas. • A relação entre as curvas de “hot tack” e a deformação da selagem quente, ou “mooning”, durante o processo de embalamento. • O efeito dos diferentes substratos em uma embalagem coextrudada ou laminada com PET, OPP, alumínio etc.

• O efeito da mistura de materiais nas camadas de selagem: POP - LLDPE; POP-LDPE, LLDPE-LDPE, etc. • A diferença entre resinas de uso geral (GP), médio desempenho (MP) e alto desempenho (HP). • A ampla janela e alto desempenho na presença de contaminantes de polímeros de selagem especiais, como os ionômeros AMPLIFY™IO da Dow. Referências: 1-Michael Dudbridge (March, 2009), “Seal integrity and impact on food waste”, WRAP report (RTL 035-001)

2-Mustafa Bilgen, Jef Van Dun , John Garnett, Ayush Bafna “Insuring Seal Integrity and Broad Operating Window” TAPPI, 2012 3-Mergenhagen, L.K. and Whiteman, N.F., “Polyolefin Plastomers as Sealants in Packaging Applications”, TAPPI, Polymers, Laminations, and Coatings Conference Proceedings – Book 2 (1993) 4-Wooster, J.J. and Simmons, B.E., “Optimizing COF, Seal Performance, and Optical Properties of Polyolefin Plastomers”, TAPPI Polymers, Laminations, and Coatings Conference Proceedings - Book 2 (1995).


novidade

A tna aumenta a eficiência de empacotamento com a nova Robag auto-splice

E

specialista mundial em soluções no processamento e embalagens, a tna tem o prazer de anunciar o lançamento do novo sistema tna robag® Auto-splice. A mais recente inovação dentro do portifólio tna da linha líder robag®, destinada para selar e embalar automaticamente, aumenta a eficiência de empacotamento e maximiza a produtividade ao reduzir a necessidade de intervenção manual. Como parte da política contínua da tna, de proporcionar redução de custos operacionais e melhoria na produtividade para fabricantes de alimentos, o novo sistema de emenda automática Auto-splice supera qualquer desafio associado à preparação e substituição do rolo de filme nas máquinas de embalagem. Procedimento este que “quase” sempre requer intervenção manual, afetando a eficiência e os custos operacionais.

O novo cabeçote tna robag® Auto-splice, aliado ao sistema robag® de suporte para filme com duplo eixo, emenda as embalagens automaticamente, unindo a ponta inicial de um rolo de filme preparado previamente à ponta final do rolo de filme em uso.

22

que auxilia na substituição automática da bobina. Sr. Michael Green, diretor executivo da tna comentou: “o novo sistema tna Auto-splice da eleva a eficiência a um patamar superior. Capaz de completar um ciclo em aproximadamente quinze segundos, esse grande incremento permite que aos operadores possam ter controle sobre mais máquinas, o que resulta numa redução significativa dos custos operacionais”.

A preparação do filme é realizada com a máquina em pleno funcionamento, sem paralisação e consequentemente, sem a interrupção do processo de empacotamento.

Para alcançar maior eficiência, o sistema robag® Auto-splice requer que a máquina esteja equipada com o sistema de alinhamento automático Auto-track.

Esse equipamento é totalmente integrado ao atual robag® Software

O sistema de alinhamento automático, dispõe de sensores que detect-

am o desalinhamento do filme e corrige-o automaticamente, o que proporciona redução do desperdício de produto e a minimização do tempo improdutivo da máquina.


artigo

O papel da certificação na gestão da segurança alimentar Lucas Martins

24


A

questão da segurança alimentar virou tema recorrente nos últimos meses, muito em função dos diversos casos públicos de contaminação de alimentos industrializados e disponibilizados ao consumidor nas gôndolas dos supermercados. Nossa percepção de alimento seguro sempre esteve ligada à marca dos produtos, porém nem os grandes fabricantes estão imunes a pequenos descuidos na linha de produção, que podem levar centenas de pessoas às intoxicações sérias, ou mesmo à morte. Diante desse cenário, como saber se o alimento é seguro? Primeiramente, temos de criar a cultura de inspecionar visualmente as embalagens de alimentos e, depois, buscar informações sobre as garantias que os fabricantes oferecem aos seus consumidores. Para combater os riscos, diversos órgãos de controle foram criados para garantir que a segurança alimentar seja efetiva, uma delas é a própria ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que monitora parte do processo de produção e armazenagem dos alimentos. Estes controles, que estão ligados a um conjunto de normas de produção, transporte e armazenamento dos alimentos, visam a padronização das características físico-químicas, microbiológicas e sensoriais dos produtos. Pesquisas indicam que a intoxicação alimentar aguda, sendo pela ineficiência no processo de produção do alimento ou de sua embalagem, pelo transporte e armazenagem incorreto e precário, ou ainda pela apresentação incorreta nas gôndolas, é responsável por gerar cerca de 76 milhões de episódios de doenças, 325 mil hospitalizações e mais de 5 mil mortes por ano somente nos Estados Unidos. No Brasil, estima-se um número de óbitos por ano superior a 6 mil, considerando que o controle é precário e que os órgãos de saúde público e privado não registram o motivo de todos os casos de intoxicação identificados. A segurança está relacionada à presença de riscos no momento do consumo. Como eventuais riscos podem ocorrer em qualquer

26

estágio da cadeia produtiva de alimentos, é essencial o controle adequado em todo o processo, ou seja, da matéria-prima, passando pelos equipamentos / máquinas, até o produto final em embalagens expostos nas gôndolas dos supermercados. Para isso, foram criados diversos protocolos de segurança em todo o mundo. No Brasil, a ISO 22000 ou Sistema de Gestão para Segurança de Alimentos, norma regulamentada pelo INMETRO, é a principal e trata de uma série de requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos. Estes requisitos exigem que uma organização, na própria cadeia produtiva, demonstre suas habilidades em controlar eventuais riscos, a fim de garantir que o alimento esteja seguro para o consumo. Grandes fabricantes e redes varejistas como Coca-Cola, Walmart, Nestlé, Pepsi Co.,Cargill, Unilever e MC Donald’s, dentre outras, passaram a exigir de seus fornecedores certificações mais especificas e criteriosas, sendo uma delas a FSSC 22000, relacionada ao Sistema de Gestão para Segurança de Alimentos. A FSSC 22000 esta embasada na integração da norma de Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos ISO 22000 e a (PAS) 220, que em português significa Especificação para Avaliação Pública. Esta norma foi projetada para atender os requisitos de segurança elaborados pelos principais varejistas de alimentos. Fabricantes de alimentos que desejam fornecer ou planejam fornecer - seus produtos às grandes redes terão em breve, que se adequar às tais exigências. Para aqueles que já são certificados na ISO 22000 será necessário o upgrade da norma, em que uma análise crítica em relação à PAS 220 determinará a necessidade ou não de adequações para atender os esquemas de certificação FSSC 22000. Porém, em março de 2012, o BSI-British Standards Institution, responsável pelo desenvolvimento

da especificação PAS 220, anunciou a descontinuidade da mesma, sendo esta substituída pela norma internacional ISO/TS 22002-1 A FFSC-Foundation for Food Safety Certification recomenda a todas as organizações e entidades certificadoras o uso do referencial ISO/TS 22002-1 para novas certificações FSSC 22000. Foi indicado que após 1 de Outubro de 2012, não será permitido utilizar a especificação PAS 220 para obtenção da certificação FSSC 22000. As organizações que possuem certificados válidos FSSC 22000, de acordo com a PAS 220, devem, a partir de 30 de Abril de 2013, efetuar a sua transição. A norma FSSC 22000 foi alinhada também à PAS 223, com o objetivo de se evitar contaminações de alimentos pelas embalagens e visando a melhoria dos processos e o desenvolvimento sustentável do setor. A PAS 223 foi elaborada para tratar dos programas de pré-requisitos para a segurança em projetos e produção de embalagens destinadas aos alimentos e bebidas. Vale ressaltar que grandes redes varejistas estão exigindo dos fornecedores garantias cada vez mais complexas sobre os produtos que serão comercializados nas gôndolas, ou seja, produtos e processos certificados nas principais normas de sistemas de segurança alimentar já reconhecidas pela GFSI (Iniciativa Global para a Segurança Alimentar, em português) grupo formado pelas maiores marcas de alimentos do mundo. A certificação visa a padronização e melhoria constante da qualidade dos produtos, e a FSSC 22000 é uma normas indicadas internacionalmente. Importante é que a indústria alimentícia tenha consciência de quão relevante é a segurança alimentar e que os investimentos em certificações trarão benefícios reais e concretos ao setor e a sociedade. * Lucas Martins é gerente da área de alimentos e bebidas da TÜV Rheinland Brasil.


artigo

Design de embalagem vai além da forma e função de um produto Tem também o poder de disseminar cultura Baíta Sicupira - Diretora do BST! Design

A

embalagem, além de acondicionar um produto, de informar sobre suas qualidades, de conter informações legais e dicas de uso, também deve ser um meio de divulgar cultura. Todo design deve buscar o significado mais intrínseco do produto. Nas últimas décadas, a tecnologia tem ficado cada vez mais acessível e, rapidamente, as empresas se igualam em capacidade técnica. Resultando em produtos muito similares. Se queremos atrair novos consumidores devemos ir além. Com a massificação e a banalização dos meios de comunicação, existe hoje uma tendência, quase uma necessidade, de personalizar cada vez mais o nosso gosto, as nossas escolhas. As redes sociais são um exemplo disso: precisamos deste sentimento de pertencer, de se identificar. Além de embalagens atraentes, que influenciem no momento da compra, estamos hoje mais focados em agregar personalidade ao

produto e a marca à qual ele pertence. Pensando nesse caminho, as empresas hoje buscam personalizar também seus produtos. No design de embalagem está a oportunidade mais latente para expor essa personalização. É a embalagem que vai junto com o consumidor para sua casa. Ela tende a passar uma nova experiência, ao menos a instigar a imaginação de quem está consumindo aquele produto. Com isso em mente, ao pensar em uma embalagem, vamos buscar histórias para contar. Histórias que resgatam as origens de cada produto. Com essas histórias, geralmente, trazemos um pouco da cultura de cada região, de cada segmento, de cada tribo. Um produto hoje deve provocar o consumidor a conhecer melhor seu entorno. Temos uma forte demanda por produtos que ‘falem’ um pouco de nossa própria história, de nosso país, de cada região.

Exemplo: Mangas Agrodan Quando trabalhamos para as caixas de manga da região do rio São Francisco, descobrimos uma riqueza de estilos gráficos, de ícones e emoções, que existem no agreste pernambucano. Buscamos transmitir estes códigos nas caixas de Mangas Agrodan, que há mais de 10 anos são exportadas, levando um pouco deste clima para outros países.

Exemplo: Especiais de Origem do Café do Centro No caso da linha Especiais de Origem, do Café do Centro, a ideia de trazer as texturas para as embalagens surgiu quando estava tomando um cafezinho numa cidade mineira. Olhei em volta e vi que os elementos de decoração do ambiente me agradavam porque traziam a cultura da região. E isso resultou nessas embalagens, que carregam com elas história e cultura, junto com o produto. Nelas falamos de seis texturas muito presentes em fazendas do interior do Brasil - a chita, o fuxico, a pátina, a palha, a laise da roupa da baiana e o mais usado em todo Brasil, o ladrilho hidráulico. O design provoca a experiência, estimula o consumidor a se transportar para o ambiente das fazendas. Resgata memórias.

28


Texturas

A nova relevância dos produtos Os produtos precisam cada vez mais ter relevância e não ser apenas mais um na prateleira. Por conta disso o designer precisa, cada vez mais, ficar antenado com o seu entorno, com aspectos culturais que envolvem o cliente, o produto, seus consumidores. Nosso papel agora, mais do que nunca, é bem

30

mais do que um desenho bonito e bem planejado. Temos a missão de disseminar a cultura, as raízes de cada setor de produção, de cada estado, de cada país. O Brasil tem uma diversidade de culturas e de estilos de vida, conjugados com diferenças climáticas muito grandes. Nossa cultura colorida e multipla só agrega no momento de compra na gôndola. Nos encanta! É uma

fonte enorme para nos inspirar. A ideia é sair da mesmice e ainda informar. Afinal nossa área é fundamentalmente de ‘comunicação’. Buscamos o encantamento e a informação. E esse encantamento é o que nos move a continuar ainda hoje a buscar originalidade em cada projeto.


pesquisa

Pesquisa IBOPE revela que nove em dez consumidores de desodorante em aerossol não têm preferência quanto à embalagem e que dois terços desconhecem o material de que ela é feita

Consumidores são confrontados com duas embalagens: uma de alumínio, outra de aço. Eles conseguem notar a diferença entre os materiais? A percepção de qualidade muda? Quais são os aspectos objetivos e subjetivos nesse contexto? As respostas vêm por um estudo encomendado pela Cerviflan, líder no segmento de embalagens para aerossol em aço

B

asta olhar nas gôndolas dos supermercados para saber que desodorante, hair care e espuma de barbear - as três principais categorias de cuidados pessoais - estão disponíveis, em abundância, no formato aerossol. Quanto às embalagens que abrigam os produtos, aço e alumínio são os materiais utilizados mundialmente. Aqui no Brasil, porém, a maior parte dos fabricantes mantém resistência ao aço - inclusive aqueles que no exterior fazem uso dele. Eles argumentam que o consumidor perceberia mais valor no tubo de alumí-

32

nio, que supostamente permitiria melhor acabamento e evitaria o enferrujamento, que estaria presente no aço. No entanto, uma pesquisa recente realizada pelo IBOPE Inteligência, encomendada pela Cerviflan, líder no segmento de embalagens para aerossol em aço, mostra que há grande desconhecimento do público sobre o material da embalagem do desodorante (item analisado), e que outros fatores, como marca, duração e fragrância, são mais importantes para a escolha do produto.

Entre os dias 9 e 20 de setembro de 2013, foi conduzida pesquisa domiciliar com aplicação de questionário estruturado. A amostra é representativa da população de São Paulo capital: 150 homens e 150 mulheres, entre 18 e 50 anos, das classes ABC. Todos são usuários de desodorante em aerossol e fazem a compra, em média, 1,4 vez ao mês. O estudo revelou que os principais atributos para a escolha do desodorante em aerossol são: “durar mais tempo” (67%), “não manchar a roupa” (62%) e “ter a fragrância que eu gosto” (51%). Já a embala-


gem tem pouca importância para a escolha do produto. Apenas 23% dos respondentes assinalaram a opção “ter embalagem que eu gosto” como fator relevante para a compra do item de cuidado pessoal. Quanto ao material da embalagem, a pesquisa IBOPE mostra que há baixo conhecimento do público consumidor. Dos participantes, 64% alegam não saber de que material é feita a embalagem de seu desodorante. E a grande maioria, 87%, declara não ter preferência nesse sentido. Já quando apresentados a duas embalagens, uma de alumínio e outra de aço, 60% notam diferença entre as peças. Mas, quando informados dos materiais utilizados na fabricação dos tubos, a maior parte, 70%, continua afirmando não ter preferência.

Os principais fatores para decisão de preferência entre as embalagens, independentemente da marca, são: “mais bonita”, “mais leve” e “parece ser mais fácil de reciclar”. Para mais de 90% da amostra, o fato de a solda da embalagem de aço estar aparente não influenciou a preferência. A mesma proporção não desistiria de comprar desodorante em aerossol por causa disso.

Para Vicente Lozargo Filho, Diretor-Presidente da Cerviflan, os resultados abrem um mar de possibilidades de negócio para a indústria do aço. “Sempre enfatizamos as vantagens que a embalagem metálica de aço oferece. Em primeiro lugar, a segurança: a embalagem de aço é, de fato, um verdadeiro cofre.

O acabamento diferente no fundo da embalagem também não é fator que afeta a preferência ou a compra do desodorante em aerossol. Vale lembrar que a Cerviflan lançou, em 1982, a eletrossolda, retirando chumbo, estanho ou qualquer outro elemento químico do processo produtivo.

A litografia é outro trunfo. Aliados à quadricromia, podemos reproduzir imagens, cores e tudo mais que os criadores desejarem. Aliás, essa revolução iniciou-se com a Cerviflan, primeira fabricante de embalagens a utilizar a cromia em suas peças.

Adicionalmente, é importante frisar que, para o mercado de cosméticos, a empresa produz o tubo de 45mm de diâmetro, com aplicação de uma película de PET no fundo, o que evita o processo de enferrujamento.

Além disso, o lead time [processo que envolve toda a cadeia de produção: do planejamento da embalagem ao envase] do aço é muito menor quando comparado ao do alumínio: 45 dias contra seis meses. E agora, com os dados da pesquisa IBOPE, ganhamos outros argumentos bem fortes”, sustenta.

Outras descobertas interessantes

A maioria daqueles que mudaram de opinião com relação à preferência por uma embalagem ao tomar conhecimento que os tubos testados eram feitos de materiais distintos citou “mais fácil de reciclar” como motivo. Outros dois fatores de preferência que surgiram somente após a reve-

34

lação de que as peças em análise eram feitas de materiais diferentes foram “ser menos prejudicial ao meio ambiente” e “ser reciclável”. “Isso prova que é preciso iniciar um intenso trabalho de divulgação sobre os benefícios do aço. É um material extremamente amigável ao meio ambiente; uma vez descartado, ele volta ao estado natural. O aço pode ser reciclado infinitas vezes, e sem perda de qualidade”, reforça Lozargo Filho.

Dos entrevistados, 93% nunca tiveram problema com sua embalagem de aerossol. Quando acontece, está ligado à válvula. Dos respondentes, 86% descartam sua embalagem no lixo comum. Apenas 15% dizem que descartam no lixo reciclável. Mais da metade da amostra (59%) considera a marca do desodorante importante. Os homens são mais fiéis à marca - 68% deles usam sempre a mesma. Já as mulheres variam mais; porém, ainda assim, a maioria adquire sempre o mesmo produto (59%).


tecnologia

Tecnologia e P&D Cliart Clichês

A

Cliart Clichês vai completar, em breve, 29 anos de atividades, sempre no mercado de clichês para embalagens, onde fornecia clichês de zinco, baquelite e, por final, a borracha vulcanizada; e a maioria dos equipamentos impressores tinham no máximo 04 cores.

CTP PLATERITE FX1524

Hoje, o segmento Flexográfico sofreu um avanço de tecnologia no qual, até pouco tempo atrás, só era possível fazer embalagens com a mesma qualidade em Rotogravura. Esse avanço exponencial se deu devido aos fabricantes de Chapas e Softwares terem investido continuamente em estudos para aprimorar cada vez mais o sistema de impressão flexo. Hoje, para acompanhar toda essa estrutura de mercado, a Cliart Clichês investe - além de tecnologia - na capacitação profissional dos colaboradores, o que é um fator de extrema importância.

É uma Platesetter de tecnologia térmica para a exposição de clichês de Flexografia e Letterpress que trabalha com 64 canais de laser de 1W por canal, suporta formatos de até 1524 x 1067 mm e opera com espessuras entre 1,14 e 2,84 mm. Tem uma velocidade de exposição de 4m² por hora para chapas de Flexografia e 6m² por hora para chapas de Letterpress, podendo utilizar chapas de todos os fabricantes.

® CHAPA DE ALTA PERFORMANCE (DSP )

Por isso, hoje, nós ministramos na empresa Cursos Técnicos em conjunto com o Senai Artes Gráficas, onde eles recebem o Certificado de Conclusão e participação nas palestras. Isso ajudou muito na estrutura interna e no entendimento das necessidades reais do cliente. A seguir, vamos fazer uma explanação das nossas tecnologias para atender a esse mercado tão competitivo. Ezequiel Fernandez

36

É uma nova geração de chapas flexográficas, da empresa estadunidense DuPont, que foi projetada para prover uma elevada densidade de tinta nas áreas sólidas, um melhor controle na utilização da cobertura de tinta na impressão e, também, uma gama tonal que excede os padrões normais encontrados nas outras chapas. Essas características são possíveis, dada a existência de uma superfície modificada, e proporcionam um incremento significativo na impressão das embalagens numa ampla variedade de aplicações.


PONTO FLAT (DIGIFLOW ) O equipamento é totalmente compatível com o workflow digital e incorpora uma câmara de exposição modificada que proporciona uma atmosfera controlada durante todo o processo de exposição principal. Esse ambiente controlado também oferece uma reprodução da retícula de 1:1 entre a camada LAM e a chapa, resultando no Ponto Flat com maior definição.

PROVA DE COR E PROVA DE SUBSTRATO

Todos os trabalhos fornecidos pela Cliart, após serem minuciosamente desenvolvidos e aperfeiçoados pelas tecnologias apresentadas anteriormente - CTP Platerite FX1524, Chapas de Alta Performance e Digiflow - podem ser acompanhados, se assim desejar o cliente, de provas impressas que, com um custo baixo, garantem até 95% de confiabilidade em relação ao resultado final. Para a revisão e aferição das cores, a ® ® empresa oferece o Chromedot e o GMG e, para a visualização de mock-ups, a Prova de Substrato é a opção ideal.


mercado premium

Crescimento do mercado de bebidas Premium faz marcas de rum investirem no segmento

P

roduzido à base de melaço de cana-de-açúcar destilado, o rum está presente como ingrediente principal de alguns dos mais célebres drinques, como Cuba Livre e Mojito.

consumidor e contribui para o reposicionamento da marca, pois é o cartão de visitas do produto. É o que transmite a primeira impressão de qualidade inerente ao produto para o consumidor.

Produzido principalmente no Caribe, o rum vem se tornando mais popular no Brasil, onde movimenta um mercado anual de R$ 336 milhões, segundo o site Charutos & Bebidas.

Desde que lançamos a linha Covet temos atendido muitos clientes com o objetivo de se reposicionarem no mercado Premium em seus segmentos de atuação e até competindo com grandes marcas em nível de igualdade”, afirma Mariana Ceruti, Gerente de Marketing Covet para a América Latina.

Com o crescimento do mercado de bebidas Premium, as marcas de rum também estão sendo atraídas para este segmento, e para isso apostam em embalagens com potencial e design sofisticados para se posicionar no mercado e conquistar novos consumidores. A embalagem pode definir o posicionamento de uma marca ou produto, contribuindo para elevar seu status. Foi pensando nisso, que a Owens-Illinois, maior fabricante de embalagens de vidro do mundo, lançou sua linha Covet, com 14 modelos de garrafas clássicas. Desde então, a empresa tem firmado importantes parcerias com marcas de rum, e forneceu algumas das garrafas mais emblemáticas do segmento Super-Premium para marcas como Ron Cartavio, Ron Maestro Botero, Ron Medellin, Ron Marquéz, Ron Santa Fe e o Ron Maestro Gabo, edição limitada em homenagem ao escritor Gabriel Garcia Marquez (1927-2014), entre outras. “A beleza de uma embalagem desperta o desejo de compra do

38

Um exemplo do poder impactante da embalagem Covet é a marca peruana Ron Cartavio, que conseguiu se destacar no mercado competitivo de rum do Peru após utilizar uma das embalagens da linha de luxo Covet. A nova garrafa foi considerada objeto de coleção para os consumidores, levando a marca a obter crescimento de 10% em market share e aumento de 20% em vendas em dois anos. Recentemente, o Ron Cartavio Solera (12 anos) ganhou medalha de Ouro e Prata em um concurso realizado em Chicago, Estados Unidos, pelo Beverage Testing Institute, empresa de marketing que avalia destilados, vinhos e cervejas, e posteriormente publica livros sobre os resultados de suas avaliações. A bebida foi premiada na categoria Aged Rum, que destaca os melhores runs lançados no mercado.


indústria

Novelis Completa

US$ 106 Milhões de Investimento no Brasil

A

Novelis, anuncia o comissionamento de uma linha de pintura de chapas para tampas de latas de bebidas e de uma nova linha de reciclagem na planta de Pindamonhangaba (SP). A empresa investiu cerca de US$ 106 milhões em projetos que irão adicionar 100 mil toneladas métricas de capacidade de pintura de chapas de alumínio e 190 mil toneladas métricas de capacidade de reciclagem. “Esses projetos de expansão aumentam nossa capacidade para atender à crescente demanda por latas de bebidas no Brasil e permitem que a Novelis continue aumentando o conteúdo reciclado em seus produtos”, pontua Tadeu Nardocci, presidente da Novelis América do Sul. “O Brasil é uma das regiões de crescimento

mais rápido entre aquelas em que a Novelis opera”, destaca Nardocci, “com destaque para o recente crescimento impulsionado pela Copa do Mundo. Ao olharmos para a frente, esperamos que o aumento da renda da população e os Jogos Olímpicos gerem uma demanda adicional na região.” A linha de pintura representa o estado da arte em equipamentos. Projetada especificamente para chapas para tampas de latas de bebidas, ela confirma a importância do mercado de latas para a Novelis. A adição desta linha de 100 mil toneladas dobra a capacidade de pintura de chapas para esse segmento no país e possibilita à Novelis suprir diretamente os pedidos de clientes, função anteriormente

desempenhada por um parceiro. A Novelis espera começar a fornecer comercialmente as chapas pintadas nos próximos meses. O investimento na expansão da linha de reciclagem reforça o compromisso de longo prazo da empresa de aumentar o índice de conteúdo reciclado em seus produtos para 80% até 2020. Com esta expansão, o setor de reciclagem da planta, que já é o maior da América do Sul, vai praticamente dobrar sua capacidade, passando de 200 mil para 390 mil toneladas métricas por ano quando estiver operando comercialmente. Mais de 100 novos postos de trabalho foram criados para apoiar as novas operações.

Ampliação da linha de alta performance

J

á na reta de final deste ano, com bons negócios em andamento e otimistas com relação ao fechamento de 2014 a Indumak, mais uma vez, apresentará inovações ao setor de embalagens verticais. Com equipamentos que garantem desempenho e melhor custo ao investidor, a linha DG da Indumak, que é conhecida como a melhor opção econômica do mercado, agora passará por uma atualização tecnológica. O novo desenho da linha DG irá melhorar a ótima relação de custo-benefício da linha, pois trará como novidade o sistema de tracionamento da embalagem por correias (conceito de Mesa Fixa). Este equipamento, contudo, estará limitado em acessórios e dispositivos (quando comparado com a linha MG), para que desta forma cumpra seu papel de aquisição econômica.

40

As embalagens de tamanho maior vêm ganhando espaço, ao mesmo tempo em que o poder aquisitivo das famílias tem melhorado. Diante disto, e visando atender às necessidades dos clientes, a Indumak lança em Dezembro próximo a LINCE 6, ampliando a linha já consolidada nas apresentações menores (LINCE 4). Destacam-se nesta linha de empacotadoras o sistema totalmente automatizado, que evita desgaste na operação, padroniza o processo, preservando a ergonomia e valorizando o profissional na linha de produção. A Indumak com capital totalmente nacional, situada na cidade de Jaraguá do Sul (SC) um dos mais importantes polos industriais do Brasil completou 51 anos de história, atendendo a mais de 3000 clientes distribuídos pelo Brasil e pelo mundo. Hoje conta com mais de 190

profissionais trabalhando constantemente na busca de inovações nas linhas de empacotamento, enfardamento e paletização. A marca é referência no mercado de acondicionamento com precisão, oferecendo produtos dedicados à necessidade de cada cliente.


novidade Piracanjuba lança leite em pó em embalagens stand up pouch Produto ganhará maior visibilidade nas gôndolas e traz praticidade para os consumidores

C

onsumidores de todo Brasil já contam com mais uma novidade da Piracanjuba nas gôndolas. Trata-se do leite em pó, nas versões integral (800g), integral instantâneo (800g) e desnatado instantâneo (600g), que poderão ser encontradas em embalagens stand up pouch (fica em pé nas gôndolas), propiciando ainda mais praticidade para os consumidores. “As embalagens são flexíveis, oferecem excelente visibilidade nas prateleiras e representam uma alternativa mais leve, quando comparadas com embalagens rígidas”, explica Lisiane Guimarães, gerente de Marketing da empresa. A linha stand up pouch é ambientalmente indicada por consumir menos plástico no processo de produção e, consequentemente, gerar menos resíduos de descarte. Além disso, é uma embalagem mais econômica e segura, se comparada com a lata, por exemplo. “É um produto premium, que eleva o conceito da marca e vai ao encontro do que a Piracanjuba almeja ao

42

longo de quase 60 anos: oferecer ao seu consumidor praticidade, cuidado e, acima de tudo, qualidade”, destaca a gerente. Para a produção desse novo formato de embalagem, a empresa adquiriu máquinas específicas, que garantiram a agilidade do processo. “Temos a intenção de ampliar a linha de produtos oferecidos em stand up pouch. Vamos estudar algumas possibilidades”, diz Lisiane. As embalagens de leite em pó stand up pouch poderão ser encontradas em atacados, supermercados, hipermercados e empórios de todo o Brasil.

Layout O layout das embalagens stand up pouch é outro grande diferencial. Desenvolvido pela 100% Design, o projeto foi criado com o objetivo de mostrar ao consumidor uma proposta inovadora, com grande valor agregado, mas que, ao mesmo tempo, é acessível para todo o pú-

blico consumidor. “Trouxemos uma releitura das ondas presentes na embalagem atual de sachê e associamos às ondas da própria identidade visual da marca. A gramatura é bem resistente e o resultado é um produto visivelmente atrativo aos olhos do consumidor”, finaliza Lisiane.

Embalagens stand up pouch As embalagens stand up pouch são planejadas com impressão em rotogravura de última geração e produzidas com estrutura tri-laminada, que garante o shelf life do produto. “O objetivo, além de agregar valor ao produto no ponto de venda, é a oferta de maior volume com preços mais competitivos aos clientes finais. A praticidade é outro ponto forte”, explica Lisiane. A decisão por uma embalagem flexível também contribui para a sustentabilidade do planeta, pois torna totalmente dispensável o uso de embalagens rígidas, economizando diretamente energia, água, logística, entre outros.


artigo

Pequenas empresas focam no design de embalagem como parte do planejamento estratégico

E

mbalagens são o elo direto entre marcas e o consumidor, cuidando do produto e transmitindo sentimentos que conquistam e fidelizam. Esse fato, por si só, impede que investimentos em design de embalagens sejam tratados como luxo ou um mero detalhe. Se considerarmos o mercado cada vez mais competitivo que vivemos, essa pode ser a diferença entre sucesso ou fracasso de uma marca, pois hoje muitas empresas fornecem o mesmo produto, com preço e características semelhantes. Como nem toda marca tem poder de investimento para divulgar na grande mídia, os esforços em Branding, Design de Embalagens e Marketing Below the Line surgem como uma grande alternativa. Estudo realizado pela Confederação

Nacional da Indústria (CNI) aponta que 75% das empresas que investiram em design de embalagens registraram aumento das vendas. Além disso, 41% delas também tiveram redução de custos de produção. Isso desmente o mito de que modernizar a imagem de uma empresa é caro ou um “gasto”. Tudo depende do planejamento estratégico certo e da escolha da agência de design correta. Segundo pesquisa da ABRE, o estudo se mostra ainda mais importante porque os dados apontam que o consumidor, quando se depara com dois produtos iguais, tende a escolher aquele com a embalagem mais prática e que mais o seduz. Ele está, inclusive, disposto a experimentar uma nova marca caso ela atenda aos requisitos já citados. Além disso, devido à alta da inflação registrada atualmente

no Brasil, os consumidores estão preferindo comprar produtos de marcas menores, já que o preço oferecido normalmente sai mais em conta. Esse dado está presente na 42ª Pesquisa de Reconhecimento de Marcas, feita pela Supermercado Moderno, com 1466 supermercadistas em todo território nacional. STUDIO DI LORENZO Por esses motivos, o Studio Di Lorenzo se preparou para fazer parte da estratégia de vendas das empresas. Nosso plano não apenas cria o design ideal para o produto, seu rótulo e sua embalagem, como trabalha o posicionamento da marca, desenvolve os materiais de ponto de venda e mune a equipe de vendas com materiais vistosos. Um bom design de embalagem tem que fazer parte do planejamento estratégico de qualquer empresa, não importando seu porte.

43


novidade

Baumgarten lança novas bandejas termoformadas

N

o portfólio de embalagens termoformadas em cartão da Baumgarten Gráfica estão as bandejas, que se destacam pela tecnologia e design estrutural, suportando bruscas variações de temperatura e conservando as características naturais dos alimentos. Dentro desta linha, a indústria gráfica está com dois lançamentos: Termoformado com Susceptor e Termoformado Kids. O Termoformado com Susceptor é uma embalagem coberta totalmente por um material denominado

44

“susceptor” que garante a crocância da massa, ideal para o preparo de tortas no microondas. A bandeja pode ser levada diretamente do freezer ao forno e do forno à mesa, com o alimento pronto para consumo. Além de impressões na tampa, a Baumgarten também oferece a possibilidade de impressão direta na bandeja termoformada para identificação dos sabores, tabela nutricional, campanha de marketing e outras opções de design. Já o Termoformado Kids tem como diferenciação os diversos forma-

tos de bandeja para o público infantil, que possibilita a confecção da tampa e bandeja no mesmo molde. Produzidas em papel cartão e impressas em flexografia, as bandejas termoformadas da Baumgarten podem ser combinadas com tampas impressas em off set. Estão disponíveis em ampla variedade de tamanhos, formatos e padrões de impressão, seguindo as normas do Food and Drugs Administration (FDA), instituto norte-americano que regulamenta produtos alimentícios e farmacêuticos.


novidade

La Rioja desenvolve embalagens especiais de frutas secas para cestas de natal

J

á visando o aumento das vendas de frutas secas a partir de meados de outubro, a La Rioja lança ao mercado sua linha de frutas secas em embalagens especiais de 60g e 100g com exclusividade para os distribuidores de cestas de Natal. São nozes com e sem casca, amêndoas e avelãs com casca em embalagens de 100g e em embalagens de 60g é possível encontrar mix de uva passa sem semente (uva passa branca e preta), uva passa preta e

ameixa sem caroço e damasco. Segundo o gerente de marketing da La Rioja, Walter Leone, “o investimento na produção de embalagens especiais para cesteiros é imprescindível para atender a um setor que tem demanda crescente nesta época do ano por produtos em tamanho adequado para cestas natalinas.” As embalagens são produzidas em BOPP metalizado, que protege o produto contra a passagem de luz.


novidade

CBA B+G cria identidade visual para papinhas da Nestlé

As Papinhas Nestlé da Etapa Júnior, indicadas para crianças a partir de 12 meses, agora podem ser encontradas em embalagens de plástico, com nova identidade visual desenvolvida pela agência CBA B+G

É um projeto inovador tanto para as mães como para as crianças e traz em seu conceito incentivar as crianças a comerem sozinhas. As mães agora têm uma nova opção nas gôndolas do mercado”, informa Rodrigo Costabeber, diretor de criação da B+G. Costabeber explica que a principal ideia para a nova identidade visual foi estabelecer maior conexão entre o bebê e o alimento, tornando a refeição um momento mais divertido. “Foram explorados cores vivas e contrastantes, além da presença maior do ursinho Bo, o personagem que representa os produtos infantis da Nestlé”, finaliza.

46


indústria Avery Dennison anuncia nova Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios

O cargo será ocupado por

Cristina Sartoretto

C

om uma experiência de mais de 25 anos no mercado de embalagens, Cristina Sartoretto é a nova Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Avery Dennison, líder mundial em materiais para rótulos e embalagens. Sua principal responsabilidade será o desenvolvimento do mercado de rótulos autoadesivos na América do Sul a partir do suporte aos clientes das áreas de Alimentos, Cervejas e Bebidas em projetos de embalagens. “A ideia é ir além do rótulo autoadesivo e ajudar o cliente no desenvolvimento da embalagens como um todo. Sabemos que, cada vez, a visão sistêmica ajuda a criar uma embalagem vencedora, que se destaque no ponto de venda e atenda às necessidades do consumidor final”, explica Cristina. A proposta será possível graças à formação e experiência de Cristina. Formada em Engenharia de Alimentos pela Unicamp (SP) e com MBA em Marketing pela FIA (SP), a profissional já passou por diversas empresas nacionais e multinacionais, atuando nos mercados B2C e B2B. Entre estas empresas figuram Bemis, Bunge, Nestlé, J. Macêdo e Bestfoods, nas áreas de Inovação, Pesquisa & Desenvolvimento e Marketing.


novidade Philadelphia lança embalagem

com receitas nos versos das tampas

A primeira marca de Cream Cheese do mundo e que inovou o mercado brasileiro lançando a embalagem com 300 gr, acaba de remodelar suas embalagens com a inclusão de receitas e cantos arredondados para otimização do produto

F

acilitar a vida das consumidoras e incentivá-las a descobrir o potencial de Philadelphia como um ingrediente culinário foram pontos decisivos para definir como seria o novo modelo das embalagens de Philadelphia, líder na categoria de cream cheese no Brasil, segundo dados Nielsen. Com o formato mais arredondado, para facilitar a usabilidade e evitar que sobre produto nos “cantinhos”, e a identidade visual nas cores cinza (linha Original) e azul (versão Light), as novas embalagens chegaram às lojas nos tamanhos de 150 gr e 300 gr. Não é a primeira vez que a marca reformula suas embalagens. Em 2012, a mudança foi feita para que o consumidor pudesse ampliar o uso do produto no ambiente culinário e a logomarca foi renovada.

48

Com o lançamento do pote de 300g, além de oferecer um benefício de custo para o consumidor, a marca começou a explorar alguns atributos de embalagens que serviram de inspiração para a atual. Uma das tecnologias aproveitadas foi a impressão do pote no formato in mold label, que possui uma resolução melhor e consegue aproveitar mais o espaço da embalagem para comunicar todo o diferencial de produto com imagens de pratos e receitas. “Trouxemos o que há de melhor para o nosso consumidor. As novas embalagens são eficientes tanto para a comunicação no PDV, trazendo melhorias na exposição do produto, quanto para a consumidora, que pode aproveitar melhor cada colherada de Philadelphia na hora de preparar a sua refeição”

conta Juliano Rodrigues, gerente de marketing de Philadelphia. Outra novidade para o consumidor será a presença de receitas no verso da tampa de Philadelphia. Da entrada à sobremesa, a marca optou por aquelas que melhor expressam as características e sabor do produto. “Philadelphia é muito versátil e queremos mostrar essas possibilidades para a consumidora. No doce ou no salgado, ele gratina, derrete, dá textura e cremosidade, de acordo com o que a receita pedir”, reforça Juliano. A distribuição das novas embalagens teve início na região do Sul, com o pote de 300 gr e a previsão para que todas as lojas estejam abastecidas com a novidade, em todos os formatos, é para janeiro de 2015.


indústria

C-Pack amplia parque fabril em santa catarina

A empresa integrou áreas na mesma estrutura, que passa a ter 13.800 m² de área construída, num espaço de 36 mil m²

O

segundo semestre deste ano iniciou com novidades na C-Pack, empresa líder na América Latina em produção de tubos plásticos para os segmentos cosmético, farmacêutico, industrial e alimentício. Localizada na área Industrial de São José, na Grande Florianópolis (SC), a empresa concluiu a obra de ampliação de 4 mil m² do seu parque fabril, que agora passa a ter 13.800 m² de área construída, instalada num terreno de 36 mil m², sede da C-Pack, que também mantém um escritório comercial na capital paulista. Um dos principais fatores que levaram a empresa a alterar seu layout estrutural foi à unificação de todas as áreas no mesmo espaço.

Para José Maurício Coelho, Chief Operating Officer da C-Pack, “a ampliação do parque fabril permitiu integração total entre as áreas que concluem a produção dos

clientes como faturamento, expedição e operação logística, o que impacta diretamente na qualidade de atendimento e agilidade nas entregas”.

Rexam investe US$13 milhões na expansão de latas especiais em Brasília Unidade de Brasília passa a produzir, também, o modelo sleek (269ml)

O

A Rexam, líder na produção de latas para bebidas na América do Sul, segue investindo para diversificar, ainda mais, a oferta de formatos de latas especiais para o mercado. A unidade de Brasília, que atende aos mercados do Centro-Oeste e supre demandas adicionais do Sudeste, passa a fabricar, também, latas sleek 9.1oz (269 ml), além da tradicional 12oz (350ml), com uma capacidade nominal de 1.2 bi/ano. “Com esse investimento, estamos acompanhando a evolução

do mercado, melhorando a qualidade de atendimento e garantindo que vamos estar preparados para atender à demanda de nossos clientes”, afirma Renato Estevão, Diretor Comercial da Rexam na América do Sul.

dor. Nessa linha, a companhia tem realizado, ainda, investimentos em suas Unidades de Belém e Águas Claras, que também passarão a ter versatilidade na fabricação de latas multiformato; e está construindo uma nova linha de produção no Chile.

O investimento feito pela Rexam foi de R$ 13 milhões e faz parte da estratégia da empresa de investir no mercado de latas especiais, que vem ganhando espaço à medida em as marcas buscam atender aos mais variados estilos de consumi-

“Temos conquistado flexibilidade para os nossos produtos, tanto em formatos, quanto em tecnologias variadas de impressão. Só assim, atenderemos a uma tendência de consumo mais personalizado”, completa Estevão.

49


novidade Nova geração de adesivos e

coleiros reduz custos do setor de embalagens Aplicação com Performelt, da Adecol, gera economia de até 30%

A

lto desempenho na colagem, redução drástica na perda de adesivos, menor custo com manutenção e diminuição nas horas paradas para limpeza e ajustes. O que antes parecia inatingível, agora virou realidade, graças a uma nova geração de formulações e equipamentos para adesivagem que está revolucionando a produtividade no segmento de embalagens. “A tendência mundial é investir em sistemas inteligentes, que são mais precisos, menores e econômicos” afirma o diretor comercial da Adecol, Alexandre Segundo. “São soluções que entregam mais por menos e ainda agridem menos o meio ambiente”. Eventualmente, o uso de coleiros convencionais pode causar uma série de problemas, como superaquecimento, adesividade deficiente e maior gasto de energia, dentre outros. Não é por menos, afinal trata-se de um recipiente onde ocorre a fusão do adesivo, tendo que suportar altíssimas temperaturas. Já os coleiros de última geração que estão chegando ao mercado nacional ocupam menos espaço, não oxidam o adesivo, consomem menos energia e oferecem rendimento superior, dentre outras vantagens. Alguns deles adotam um sistema prático e inovador, onde o adesivo passa direto pelo equipamento, que não possui reservatório, o que minimiza a ocorrência de problemas comuns nos equipamentos mais antigos, como a carbonização do adesivo no coleiro, e assim reduz as paradas de máquinas na linha de produção. CASAMENTO PERFEITO Uma nova geração de equipamentos pede adesivos de alta tecnologia. A linha Performelt da Adecol, por exemplo, é um hotmelt em

50

pellets formulado com polímeros de metaloceno que apresenta o melhor desempenho que um adesivo pode oferecer. “Fizemos diversos testes com o Performelt e outros de nossos adesivos Hotmelt em equipamentos de ponta, como o InvisiPac, da Graco, e o Freedom, da Nordson, e os resultados foram excelentes”, comenta Alexandre. “Estamos orgulhosos de oferecer ao mercado formulações que rodam com perfeição nestes novos coleiros, ampliando o resultado final a nossos clientes”.

de ponta parte do conceito de que, se estes novos equipamentos vieram para otimizar, reduzir custos, ter alta performance e inteligência, a mesma coisa deve acontecer com o adesivo”, avalia Alexandre.

O adesivo Performelt apresenta valor de densidade menor que o base de EVA, por exemplo, garantindo alta adesão com menos adesivo. Ele também apresenta uma resistência térmica superior, se mantendo sem alteração mesmo após longos períodos sob altas temperaturas.

INVISIPAC: ECONOMIA DE U$ 22 MIL/ANO – Segundo a Vector Máquinas, representante da norte-americana Graco no Brasil, o uso do coleiro InvisiPac pode gerar uma economia anual de mais de U$ 22 mil. Este valor é ganho com a redução de horas paradas e perda de adesivo que o equipamento proporciona em comparação com sistemas convencionais.

Além de sua performance superior, o Performelt também apresenta benefícios durante sua aplicação. Por ser um adesivo limpo, não sofre cabornização no coleiro e, assim, não exala odores e fumaça, gerando melhor ambiente de trabalho. O produto exige temperaturas menores para chegar ao ponto de utilização, aumentando a vida útil do equipamento. E também não formar fios, conhecidos como ‘cabelo de anjo’, durante o uso. Com tudo isto, o Performelt entrega menor desgaste e manutenção, menos horas de paradas e de rejeições na linha de produção. Estudos conduzidos pela ADECOL apontam que o uso do adesivo gera economia de até 30% em relação a outras soluções de colagem de embalagens. “Nossa recomendação para o uso de Performelt nos equipamentos

Por ser formulado no Brasil pela ADECOL, o Performelt tem ainda a vantagem de poder ter sua formulação adaptada para as necessidades específicas de cada cliente, um dos principais diferenciais da do fornecedor, maior fabricante nacional de adesivos.

O InvisiPac foi desenvolvido para evitar a carbonização do hot melt, proporcionando uma aplicação continuada, resultando economia no processo de produção. Ele não tem tanque, o que elimina a carbonização do adesivo. Em seu lugar, conta com sistema de alimentação à vácuo que garante continuidade do suprimento de adesivo e evitar o abre e fecha do equipamento, reduzindo desta forma contaminação do Hot Melt. Outras inovações para evitar a carbonização são o desenho do aplicador e as mangueiras revestida internamente com uma capa de silicone. Já a agilidade na operação do InvisiPac é garantida pelo sistema Rápido Start up, que permite o início da operação em apenas 10 minutos após a máquina ser ligada.


Embalagem & Tecnologia Nº20  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you