Page 1

TÉCNICA INDUSTRIAL

REVISTA

ALIMENTOS - BEBIDAS - COSMÉTICOS Editora Casa Grande Ltda Revista do setor de embalagem para alimentos, bebidas e cosméticos

Embalagem &Tecnologia

Ano IV - 2013 Edição15

A REVISTA DO SETOR DE EMBALAGEM

www.embalagemetecnologia.com.br

Brasileiro vence concurso mundial da Heineken Lacre plástico de proteção

A Colônia aposta em inovação para levar às gôndolas solução mais segura e sustentável para consumo de bebidas em latas.

Fábio Mestriner

O Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM apresentou aquele que pode ser considerado o mais amplo estudo já produzido no Brasil sobre o futuro da embalagem.


ÍNDICE EDITORIAL

Sistema de controle......................

08

GS1 Brasil demonstra sistema de controle de validade a supermercadistas

Brasileiro vence concurso........

38

Lacre plástico de proteção......

22

O designer Fernando Degrossi, sócio da agência Unitri, desenhou a garrafa comemorativa de 140 anos da marca, que deve chegar às lojas até o final ano

A Colônia aposta em inovação para levar às gôndolas solução mais segura e sustentável para consumo de bebidas em latas.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

SmartLase C 350............................

10

Codificando embalagens com substratos mais finos sem risco de perfuração

Papelão.................................................. Indústria e comércio aquecidos impulsionam aumento de 12% no preço do papelão

18

Abeaço 10 anos..............................

61

Associação mostra porque o aço é a melhor embalagem para envasar de alimentos a tintas.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Embalagem água de coco.......

12

os fabricantes de alimentos vêm cada vez mais apostando nas embalagens cartonadas assépticas. Isso no Brasil e no mundo.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Entrevista com Marcelo M.......

20

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

PacXpert ..............................................

30

“ O branco da embalagem diferencia o produto no ponto de venda ”

PacXpert é a marca comercial da Dow para apresentar o SmartBottle na América Latina

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Artigo Thomaz Caspary.............. O custo da falta de Competitividade

16

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

A embalagem e o futuro............

42

No final de 2012 o Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM apresentou aquele que pode ser considerado o mais amplo estudo já produzido no Brasil sobre o futuro da embalagem.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

28

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Embalagem & Tecnologia é uma revista técnica de circulação nacional, direcionada às indústria e fabricantes de Alimentos, Bebidas e Cosméticos, traz informações e tecnologias importantes para o desenvolvimentos e manutenção das empresas.

Diretor Presidente: Eric Mitsuo Toguchi Diretora Com. e Mkt: Elizabeth Cabral

Publicação: Trimestral Distribuição: Indústrias e Fabricantes de: Alimentos, Bebidas e Cosméticos.

Imprensa: redacao@editoracasagrande.com.br

Editora Casa Grande Ltda Me São Bernardo do Campo Tel: (11) 2669-8563 / 2669-8564 / 96584-6043

06

Entrevista com B+G....................

Sócios da B+G, cada vez mais as marcas investem nas embalagens como um elemento de comunicação

Comercial: comercial@editoracasagrande.com.br 11-2669-8563 / 2669-8564

Depto de arte: arte@editoracasagrande.com.br Contato geral: Tel: (11) 2669-8563 / 96584-6043 contato@editoracasagrande.com.br www.embalagemetecnologia.com.br

*As matérias, artigos assinadas por colaboradores, são de responsabilidade única de seus autores e podem não expressar necessariamente a opinião da revista. As opiniões expressas no veículos da Editora Casa Grande são de responsabilidade exclusiva de seus autores

FCE Cosmetique............................

50

As feiras reuniram 19.815 profissionais qualificados, eventos paralelos, lançamentos e tendências que garantiram o sucesso dos negócios.

Feiplastic.............................................

54

Expositores comemoram vendas e indústria já têm encomendas programadas até o final de 2013.

Fispal Tecnologia...........................

56

Fispal Tecnologia registra histórico de crescimento e acompanha evolução do setor de embalagens para as indústrias de alimentos e bebidas.

Embala Nordeste.............................

58

e 27 a 30 de agosto. será realizada a 8ª Edição da Embala Nordeste, maior e mais completa feira de soluções industriais.


A etiqueta impressa com o código padrão GS1 DataBar carrega as informações do produto, a data de validade e as transmite para o sistema do caixa (checkout) quando é lida. Ao chegar no checkout, caso o produto perecível tenha passado do prazo de validade, o sistema mostra uma mensagem na tela da operadora de caixa, impedindo a efetivação da venda. Além de automatizar o processo e tornar mais ágil a operação de checkout, o sistema garante a segurança do consumidor.

GS1 Brasil demonstra sistema de controle de

validade a supermercadistas Empresas e associação promovem visita técnica para expor primeira solução que emite etiquetas no padrão GS1 DataBar para supermercados de Minas Gerais

E

m uma visita técnica na sede da GS1 Brasil-Associação Brasileira de Automação, a entidade, a RR Etiquetas, a TOTVS, a Toledo do Brasil e a Intermec demonstraram a supermercadistas mineiros um sistema inédito no país, que emite e imprime a etiqueta de código padrão GS1 DataBar para reconhecimento da data de validade de produtos perecíveis. Em 26 de abril, pela primeira vez, foi exposta a solução composta pelo ERP e PDV da TOTVS, a balança Prix 5 Plus Toledo com módulo de gerenciamento de vendas, os leitores lineares de código de barras e 2D SG20 da Intermec, as etiquetas adesivas da RR Etiquetas e o código GS1 DataBar para um grupo de representantes dos supermercados de Minas Gerais. Ainda em versão preliminar, o sistema orienta o reconhecimento da data de validade de produtos perecíveis pelas etiquetas, que são impressas pela balança quando os produtos são pesados e embalados nos supermercados.

08

“Nosso objetivo é facilitar o trabalho na cadeia de abastecimento e evitar transtornos ao comércio e ao consumidor em possíveis reclamações por aquisição de produtos irregulares”, afirma Rodrigo Souza, assessor de negócios da GS1 Brasil. Souza explica que demonstrar o sistema aos supermercadistas de Minas Gerais, que participavam em São Paulo de visitas técnicas, é o início de uma programação que tem o objetivo de disseminar o uso do padrão GS1 DataBar. “Os produtos perecíveis manipulados nos supermercados têm de ser etiquetados, obrigatoriamente. Então, adotar um código que já informe a data de validade só trará benefícios”, explica o assessor. Os supermercados mineiros que participaram da visita técnica à sede da GS1 Brasil são Casa Rena, Super Box, Sales Supermercados, Super VIVO, Rede Opa, Supermercado Prado e Amis. De acordo com as empresas que criaram o sistema em parceria com a GS1 Brasil, uma das vantagens do sistema é que preserva o investimento em equipamentos de automação comercial dos supermercadistas. Será necessária apenas a instalação de alguns módulos de software e hardware que imprima o código padrão GS1 DataBar. A adoção do código não quer dizer que os tradicionais códigos de barras EAN/UPC serão substituídos. Todos se complementarão. Cada um terá uma aplicação específica. A GS1 Brasil disponibiliza aos seus associados e à comunidade de negócios toda orientação sobre o GS1 DataBar por meio de materiais técnicos, guias, assessoria técnica, FAQs (perguntas e respostas), cursos e formação de grupos de trabalho setoriais.


SmartLase C 350

com a exclusiva e patenteada

SCT - Smartlase Code Technology Markem-Imaje apresenta ao mercado uma inovadora tecnologia laser patenteada: a SmartLase Code Technology – SCT da Impressora C350, ideal para atender a elevada produtividade e a alta velocidade das linhas de produção, marcando embalagens com substratos mais finos nas indústrias de bebidas e alimentos. Esta máquina é um dos destaques da Markem-Imaje na Fispal Tecnologia 2013.

Indicada para a indústria de bebidas, codificando embalagens com substratos mais finos sem risco de perfuração

I

Ideal para atender a elevada produtividade e a alta velocidade das linhas de produção, marcando embalagens nas indústrias de bebidas e de alimentos, a Markem-Imaje lança uma inovadora tecnologia laser patenteada: a SmartLase Code Technology-SCT.

A tecnologia SCT permite realizar linhas, curvas e pontos com uma perfeita qualidade de impressão, resultando num desempenho de marcação 30% superior em relação aos padrões de mercado. A SmartLase C350 é um dos modelos na nova geração de codificadoras da Série C que utilizam a tecnologia SCT. Com ampla variedade de lentes, cabeças e fontes, oferece a configuração adequada para cada indústria, acompanhando a velocidade de produção, o tamanho e o substrato do produto. Com 99,9% de taxa de disponibilidade, 30% de aumento do tempo de vida útil do codificador (devido à redução dos ciclos de trabalho), baixos níveis de manutenção e de consumíveis, o uso da SmartLase C350 reduz custos de produção, operando

a uma temperatura de até 45º C, graças à otimização do resfriamento da cabeça e do controlador sem ar da planta. “Indicada para a indústria de bebidas, codificando embalagens com substratos mais finos sem risco de perfuração, a SmartLase C350 pode elevar o patamar de produção de 1200 para 1800 garrafas por minuto, o que significa mais de 100 mil garrafas por hora”, explica Antonio Buccino Neto, Gerente de Marketing da Markem-Imaje Brasil. Na indústria alimentícia (alimentos congelados, desidratados, chocolates, etc.), a capacidade de impressão pode aumentar de 30 para 120 caracteres por código. “Com informações legíveis e permanentes para garantir a rastreabilidade e a prevenção ao desvio de produtos nos dois setores”, completa Antonio. Outra importante característica é que a SmartLase C350 traz maior facilidade de

10

acesso à interface de usuário, para selecionar a melhor posição do código que está sendo impresso e o melhor nível de contraste a ser usado em cada diferente tipo de substrato, dentre três modos:

A SmartLase C350 trabalha a uma velocidade de 250 m/minuto, 30 W com tubo CO2; imprime em produtos estacionários ou em movimento; resultado de um projeto sustentável que utiliza mais de 80% de materiais recicláveis para adotar iniciativas ecológicas como a WEEE e

oferece a possibilidade de efeito negrito nos caracteres. Com design modular e compacto (3 módulos separados: controlador, cabeça do laser e interface de usuário), a SmartLase C350 ocupa menor espaço, se integra facilmente às linhas de produção e pode ser instalada com facilidade e segurança. Integrante do Product Identification Group - PIDG da Dover Co., a Markem-Imaje fornece soluções completas para marcação e codificação com avançadas tecnologias a jato de tinta, transferência térmica, laser, grandes caracteres em alta definição e Print & Apply, para a marcação de embalagens primárias, secundárias, terciárias, em vidro, papel, papelão, plástico, alumínio, PET, etc.


Água de coco

se torna tendência em

embalagem

Crédito: SIG Combiblo

cartonada Bebida tropical em expansão pelo mundo

O envase de produtos estéreis em embalagens cartonadas possibilita inclusive a exportação, outro diferencial competitivo no mercado 12

A

água de coco é a nova sensação no mercado de bebidas, por ser natural, de paladar agradável e conter muitos nutrientes importantes ao organismo. Para garantir alta qualidade do produto e também conveniência aos consumidores, os fabricantes de alimentos vêm cada vez mais apostando nas embalagens cartonadas assépticas. Isso no Brasil e no mundo. O consumo desta bebida premium apresenta crescimento constante. Em 2012, os brasileiros beberam cerca de 116,4 milhões de litros de água de coco - o que corresponde a um crescimento de aproximadamente 15% com relação a 2011. A previsão é bastante promissora: de acordo com o Instituto Canadean, estima-se que o consumo chegue a 245 milhões de litros em 2018. E, no Brasil, 97,5% da produção de água de coco é envasada em embalagens cartonadas assépticas. Vale lembrar que a água de coco é estéril até a fruta ser aberta. Esta bebida levemente adocicada, originada de coqueiros jovens e cocos verdes, é um isotônico com alto índice de potássio. Isto a torna um refresco perfeito para repor o equilíbrio dos nutrientes após os esportes, por exemplo. Ela também estimula a formação de colágeno, além de ser um remédio tradicional na medicina Ayurvédica. A água de coco é considerada um isotônico também por apresentar o mesmo equilíbrio de nutrientes e fluídos do sangue humano. Desta forma, o corpo assimila o produto mais rápido e com mais facilidade.

Ela colabora para reduzir o estresse e ajuda também na saúde do coração e no fortalecimento da pele, cabelo e unhas. O processo UHT seguido do envase asséptico em embalagens cartonadas é perfeito para preservar os nutrientes da água de coco. A Tipco, líder em alimentos e bebidas no sudeste asiático, está oferecendo água de coco nestas embalagens. Na Tailândia, o produto é visto como uma das bebidas mais saudáveis que existe. Ela não tem gordura e é apreciada há mais de 4 mil anos como uma fonte natural de nutrientes bons para a saúde, bem-estar e beleza. O envase de produtos estéreis em embalagens cartonadas possibilita inclusive a exportação - outro diferencial competitivo no mercado. A empresa aposta que a pegada saudável da tradicional bebida tropical se tornará uma tendência em outras partes do mundo. Os indicadores econômicos mundiais apontam nesta direção. Na Europa, por exemplo, a suíça BischofszellFoodLtd. (BINA) também aposta no potencial da água de coco. Desde 2012, a empresa tem a marca ‘Coco Water’ nos sabores Natural e Abacaxi em embalagens de formatos pequenos com canudo. Segundo Arnold Graf, gerente de produto da BINA, a água de coco combina diversas propriedades benéficas à saúde, além de ter um ótimo sabor. “Com ‘Coco Water’, trouxemos para a Europa o que os europeus experimentam apenas nas férias. Acreditamos que a água de coco será incorporada ao estilo de vida do país”, explica o executivo. Na América do Norte, a água de coco também tem um potencial enorme.


Segundo ele, não se trata apenas de um subsetor formado por pequenas empresas iniciantes. “Os grandes players da indústria de bebidas estão investindo pesado no desenvolvimento de conceitos inovadores de produtos e métodos para processar a água de coco. Tudo indica que, em um futuro próximo, aparecerão linhas de bebidas à base de água de coco - não apenas o produto puro, mas um mix no qual a água de coco garantirá características especiais e ao mesmo tempo manterá o caráter natural.”

Crédito: SIG Combiblo

“Em 2011, o mercado dos EUA para este produto cresceu 100% em comparação ao ano anterior. Hoje são estimadas vendas ao redor de €140 milhões. Isto significa que a água de coco é um dos produtos com maior potencial dentro do universo das bebidas saudáveis”, explica Tim Kirchen, responsável pelo Marketing e Desenvolvimento de Negócios da SIG Combibloc para a América do Norte.

A Apple & Eve, um dos maiores fabricantes dos EUA de marcas próprias de sucos, já trabalha com águas de coco especiais. Com a ‘Water Fruits’, a empresa lançou uma linha de bebidas que representa uma inovação no setor. A combinação de água, suco de frutas e água de coco garante uma hidratação saborosa e refrescante. Os produtos são apresentados nos sabores TropicalFruit Twister (Twister de Fruta Tropical), Fruit Punch Frenzy (Ponche de Frutas) e Very Berry Blast (Explosão de Frutas Vermelhas).

As novas bebidas são posicionadas como saudáveis, refrescantes e deliciosas, e são apresentadas em embalagens coloridas que atraem tanto crianças como adultos. A suíça Bischofszell Food Ltd. (BINA) mantém a marca ‘Coco Water’ desde 2012. A Apple &Eve, dos EUA, cria bebidas especiais combinando água, suco de frutas e água de coco.


Embalagens biodegradáveis

feitas de cogumelo crescem sozinhas Chamada de Mycobond, a espuma pode servir mais tarde como adubo orgânico e até ser ingerida. O processo de fabricação requer uma quantidade de energia oito vezes inferior às das embalagens de espuma convencionais, além disso, as quantidades de CO2 emitidos são dez vezes menores.

A

lunos do Instituto Politécnico Rensselaer, por meio da empresa Ecovative Design, em Nova York, juntaram cogumelos e resíduos agrícolas e obtiveram embalagens 100% natural que crescem sozinhas.

Chamada de Mycobond, a espuma pode servir mais tarde como adubo orgânico e até ser ingerida. Segundo a empresa, o processo de fabricação requer uma quantidade de energia oito vezes inferior às das embalagens de espuma convencionais, além disso, as quantidades de CO2 emitidos são dez vezes menores. Feitas do cogumelo mycelium, as embalagens crescem em cerca de uma semana à temperatura ambiente, em local escuro e em uma estrutura plástica que determina o formato da embalagem. Quando a peça está pronta ela é aquecida para evitar que o cogumelo cresça ainda mais. Com apoio da National Science Foundation, a equipe desenvolveu um novo método para esterilizar o material agrícola inicial, uma etapa necessária na eliminação de esporos que possam competir com os dos cogumelos. Atualmente, a esterilização é feita com vapores, mas óleos de produtos como a canela e o orégão podem vir a substituí-los. Se os avanços no processo de esterilização se revelaram bem sucedidos, a empresa afirmou que a energia necessária no fabrico das embalagens poderá ser 40% inferior à necessária para produzir as de polímeros convencionais. As embalagens ecológicas podem ser encomendadas no site da empresa, que também desenvolve produtos como isolamento térmico para habitações.

14

Chamada de Mycobond, a espuma pode servir mais tarde como adubo orgânico e até ser ingerida


O custo da falta de

Competitividade Por Thomaz Caspary

E

stamos chegando a meados de 2013! Lembro-me que falam por aí, de durante muitos anos, trocas de favores entre o nosso governo e o setor produtivo, esconderam dos brasileiros a dura verdade de que a indústria brasileira não é competitiva. Acontece que na Indústria Gráfica não conseguí perceber nenhuma troca de favores entre governo e os gráficos. Quem olha para a nossa economia têm a impressão de que os problemas estão se acumulando e que estão a beira de deixar o governo sem ação. No caso das gráficas, a meu ver, o problema da falta de produtividade que têm um custo altíssimo, não é por causa da falta de troca de favores do governo para com as empresas do setor. O problema está na displicência de muitos, (evidentemente não todos), na alocação correta dos custos fixos, na parametrização dos números utilizados na preparação do pré-cálculo (orçamento), na falta de informações ou informações inconsistentes, por parte da área comercial ou mesmo do cliente, por falta de conhecimentos técnicos, por parte de orçamentistas, pessoal de PCP, enfim, da equipe da empresa. Na verdade falta de treinamento geral ou da aplicação de Normas e Procedimentos em cada um dos setores. Falta de conhecimentos e procedimentos logísticos na área de compras que geralmente é centralizada no dono da empresa. E a nossa indústria gráfica, como deve agir diante deste cenário tão controverso, ou seja, das postergações por causa dos diferentes eventos “sociais” de um lado e do cenário econômico de outro. Na verdade, estamos tendo um custo muito pesado, pela incompetência de muitos de nossos gestores. O maior problema da indústria gráfica neste novo momento será o de manter o seu

16

pessoal muito competente. O grande desafio está na área de recursos humanos onde nossas gráficas terão por obrigação, manter seus melhores funcionários, além de treinar uma plêiade de homens e mulheres que deverão ser o sustentáculo para o desenvolvimento da empresa neste ano promissor. Um papel importante do Gestor de pessoas (que muitas gráficas nem possuem e por isso necessitariam de um “Coach” ou consultor, é sensibilizar o dono da gráfica para esta mudança tão necessária. Se o Dono da Gráfica não souber ou se o Coach se isentar do papel de entender o que está acontecendo no mercado contribuindo com estas informações para a melhoria da competitividade, a gráfica corre o risco de ficar para trás, ou mesmo de morrer na praia. De alguma forma, as questões técnicas podem ser resolvidas pela aquisição de tecnologia disponível, ou mesmo através de treinamento técnico, como o desenvolvido pela ABTG e pelo SENAI. Más, nenhuma empresa sobrevive se não houver um bom planejamento estratégico, além é claro de uma boa gestão de custos, de comercialização e do preparo do pessoal interno de apoio gerencial. O empresário gráfico está quase que abandonando o seu “staff” administrativo, não lhe dando ferramentas que lhes permita auxiliar as linhas de frente da empresa, ou seja, a equipe de vendas. Estamos reprisando em vários comentários, a necessidade de apoiarmos a equipe de vendas com ações mais efetivas dentro da empresa. Temos encontrado muita incompetência nas equipes de apôio a vendas o que leva a um desperdício de tempo e esforço do profissional de vendas, gerando custos desnecessários e por vezes a perda de pedidos. E, infelizmente, temos visto isso acontecer também em empresas de médio e grande porte, onde o principal executivo da empresa (seja ele dono ou diretor contratado) não

consegue diagnosticar as causas da baixa produtividade de sua equipe comercial. Temos que nos tornar mais competentes e isso somente será possível através da análise das funções e atitudes de cada elemento que compõe a nossa equipe, bem como a sua interação com a filosofia de trabalho da gráfica. Isto só será possível através da ação conjunta do departamento de recursos humanos da empresa ou eventualmente através da contratação de uma consultoria especializada, com conhecimentos do ramo gráfico. A chave do bom desempenho da sua gráfica está em parar de se preocupar com o futuro e partir para a ação, fazendo o seu próprio futuro. Temos que agir, para que nosso pessoal se torne mais competente. Provavelmente teremos que mudar algumas peças no nosso tabuleiro de xadrez, fazendo com que o “cavalo” seja mais ágil e a “torre” defenda mais as suas posições. No entanto é possível, que tenhamos que treinar o jogador do nosso “Xadrez” (o dono da empresa), para que este consiga movimentar melhor as peças em seu tabuleiro. Tudo isso tem o seu custo, porem tenha certeza, terá também um retorno do investimento em um curto espaço de tempo. Novos métodos gerenciais (GMMP) e de Coaching tem trazido ótimos resultados na condução de equipes, tornando-as mais competentes e reduzindo consideravelmente os custos da empresa. Caro amigo gráfico. Não espere acontecer o que conta aquela historia infantil onde a ração foi diminuindo e, em vez de se acostumar com a redução de comida, o cachorro vai morrendo de fome. Comece desde já a melhorar a competência da sua equipe e tenha sucesso neste ano difícil, porém promissor para os empresários sábios. *Thomaz Caspary, Engº Gráfico é Consultor de empresas e diretor da Printconsult Ltda.


Indústria e comércio aquecidos impulsionam aumento

de 12% no preço do papelão

Estoque atingirá mínima histórica

T

Foto: Eduardo e

odos os indicadores e fontes do setor de papelão ondulado apontam o crescimento da demanda de matéria prima e acenam para o aumento do custo que já foi anunciado em 12% pelos fornecedores.

A venda de papelão ondulado alcançou 291,438 mil toneladas em abril, uma alta de 11,9% ante igual mês de 2012. Os dados são do levantamento prévio realizado pela Associação Brasileira de Papelão Ondulado (ABPO). Para a Mazurky, uma empresa especializada na fabricação de embalagens e caixas de papelão ondulado, o cenário é positivo e reflete a demanda. Em abril a produção faturada foi 48% maior que no mesmo mês do ano passado. O acumulado de janeiro a abril é 26,5% de aumento. O diretor Eduardo Mazurkyewistz conta que foi necessário investir para atender o mercado. “Importamos novos equipamentos, mudamos o layout de logística interna de produção e ganhamos 30% de produtividade e agilidade, com o mesmo número de colaboradores. Os clientes estão comprando mais, no nosso aumento de produção, apenas 3,7% do faturamento é proveniente de clientes novos. A demanda cresceu na carteira dos clientes antigos, isso demonstra que os clientes não estão acomodados e estão correndo atrás de novos mercados e novas oportunidades”. O principal fornecedor da Mazurky já anunciou que os preços da matéria prima terão acréscimo de 12% e os indicativos mostram que pode até faltar papelão para o segundo semestre. Em 2013 está prevista uma redução na disponibilidade de papel para fabricação de papelão ondulado, com os estoques alcançando sua mínima histórica, com redução de 7,6

18

dias de estoque sobre 2012 (dados ABPO/Bracelpa). Ainda assim o empresário tem excelentes expectativas. “Temos que trabalhar com o aumento de custos e com a oferta de papel, firmando parcerias com fornecedores e clientes, mas não posso reclamar, tudo é reflexo da demanda, o que significa boas vendas, o setor deve continuar crescendo e esperamos crescer 19% até o final do ano. Não acredito que faltará papelão, apenas o prazo de entrega poderá ser extendido por alguns dias”. A oportunidade de negociar preço é positiva, acredita. “É na hora que o preço sobe que as empresas voltam a buscar novos fornecedores no mercado. Temos que aproveitar essa chance para fazer boas negociações, mostrar o produto e atendimento para os clientes que estão buscando alternativas. Eles podem ganhar com negociação e as empresas que trabalharem bem poderão ampliar sua carteira”, conclui.

Marcel Mazurkyew

istz - Diretores


“ O branco da embalagem diferencia o produto no ponto de venda ”

Entrevista com

Marcelo Moscofian

Café Gourmet Santa Monica

N

o início do ano, o Café Gourmet Santa Monica teve sua embalagem reformulada, poderia nos dizer quem foi o fabricante da nova embalagem? A fabricante da nova embalagem foi a empresa Shellmar.

por conta do produto especial que elas envolvem. Analisamos a melhor opção para o nosso produto e contratamos a agência de comunicação (M/ANTONELLI) buscando revolucionar o mercado com uma embalagem na cor branca, ou seja, inovamos com qualidade.

Qual o tipo de material usado na embalagem e tipo de impressão? O tipo de papel usado foi o filme laminado de poliéster metalizado e impressão foi em rotogravura.

Por que a decisão pelas cores marrom, dourado e branco? O marrom remete a cor do nosso produto, o café, o branco diferencia o produto no ponto de venda, dando um aspecto clean, e o dourado traz requinte à embalagem.

Qual a agência de design que desenvolveu a arte da embalagem? A embalagem foi desenvolvida para agência M/Antonelli. Qual o motivo da mudança da identidade visual? As embalagens têm uma evolução natural

20

Qual o diferencial de suas embalagens em relação aos concorrentes? Nossa embalagem foi pensada especialmente para acomodar cafés gourmets, com válvula desgaseificadora que mantém a qualidade do produto, evitando sua oxidação e preservando os atributos de um café espe-

cial, uma camada de poliéster forma uma barreira contra gases e umidade e a metalização protege o produto da incidência solar. Outras considerações. O mercado de cafés especiais cresce mais de 20% ao ano no Brasil, pois o brasileiro está conhecendo e aprendendo a apreciar produtos gourmet. Por isso, sempre procuramos atender às necessidades dos nossos clientes com produtos de qualidade, tanto para o segmento food service quanto para o doméstico. A embalagem faz parte deste processo, garantindo que o nosso café chegue ao consumidor com suas características sensoriais preservadas.


Cervejaria Colônia é a primeira

a lançar no mundo

Lacre plástico de proteção A Colônia aposta em inovação para levar às gôndolas solução mais segura e sustentável para consumo de bebidas em latas

A

Cervejaria Colônia vai lançar no mercado as primeiras latas de cervejas do mundo com lacre plástico. A solução inovadora, desenvolvida pela CBE Companhia Brasileira de Embalagens e Braskem, garante a vedação completa da parte superior da lata da cerveja, mantendo a superfície limpa, além de ser totalmente reciclável.

completa. Isso vai proporcionar a proteção da parte superior da lata nos percursos de deslocamento do produto, desde a fabricação até as mãos do cliente final.

O lacre plástico, que chega aos supermercados a partir do segundo semestre, foi aprovado em testes laboratoriais por institutos no Brasil e na França. A solução será aplicada às latas na linha de envase, sem perda de produtividade, após os processos de lavagem e secagem da embalagem.

De acordo com pesquisas de mercado, a idéia de uma lata totalmente protegida é uma necessidade, que aguardava a disposição da indústria para produção em larga escala. ‘Em pesquisas de foco atestamos que o consumidor deseja, aprova e valoriza uma solução que ofereça segurança no consumo e está disposto, inclusive a pagar mais por isso se preciso’, revela Jacques Pontes, Diretor-Presidente da Companhia Brasileira de Embalagens. ‘É a garantia de hiegenização da lata para o consumidor final’, completa.

As etapas vão garantir um produto totalmente seguro, limpo e pronto para o consumo em qualquer ocasião, já que a vedação é

O plástico foi escolhido por ser um material flexível, com propriedades herméticas, além de ser totalmente reciclável. ‘O plástico é

22

uma matéria-prima muito versátil, que atende a todas as necessidades dessa solução, com a vantagem de ser ecológico e reciclável. Temos estudos em curso com o ACV Brasil, para a Análise do Ciclo de Vida do lacre, além de parcerias com cooperativas de catadores, para capacitação de coleta da solução e incentivo para a reciclagem’, reforça Albertoni Bloisi, Coordenador de Embalagem da área de Desenvolvimento de Mercado da Braskem. De acordo com Luiz Cláudio dos Santos, diretor de marketing da Colônia, a expectativa é que o consumidor da cerveja valorize a novidade. “Como a primeira cervejaria brasileira a utilizar os lacres de plástico, pretendemos dar um salto em nossas vendas, com uma solução ainda mais segura para o consumidor e muito atrativa no ponto de venda”, diz. Segundo ele, a novidade não altera o preço da cerveja.


O executivo revela que, com a Lei Seca, a venda de cervejas nos supermercados do Brasil aumentou e que o lacre é, também, uma poderosa ferramenta de marketing. ‘Além de todos os atributos de confiabilidade, a novidade nos permite usar a criatividade na composição das artes utilizadas nas latinhas, com várias possibilidades. É mais um diferencial nas prateleiras’, aposta.

Sobre a INAB:

A INAB - Industria Nacional de Bebidas, é uma das cinco maiores fabricantes de cerveja no Brasil. Fundada em 1994, tem sua planta Matriz em Toledo no PR, e possui sua segunda planta na cidade de Corumba MTS, aonde exporta para vários países da América Latina, tem parte de sua produção terceirizada em planta na cidade de Santa Maria RS, concretizando novas parcerias no Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil, busca a sua expansão para todo o mercado nacional, pricipalmente no Estado de São Paulo. A INAB se especializou em produzir sua linha de cervejas alinhada às tendências e aos padrões mundiais de qualidade, produzindo as cervejas, Pilsen, Extra Lager, Stout, Low Carb, Sem Alcool, Malzbier e a primeira cerveja destinada ao público feminino a Donnas Bier, com o mais alto padrão de qualidade, recebendo diversos prêmios internacionais. Sócios Saul Brandalise Neto, e Jaime Gatto. A CBE - Companhia Brasileira de Embala-

Sobre a CBE - Companhia Brasileira de Embalagens: gens, uma Sociedade Anônima fechada de capital nacional, fundada no final de 2008, com o objetivo de desenvolver produtos para a indústria de bebidas e alimentos. Tem como missão desenvolver, produzir e comercializar soluções inovadoras em embalagens para esses mercados. Sua principal meta é com seus produtos agregar valor aos seus clientes. Após os primeiros anos onde a empresa trabalhou no desenvolvimento de suas inovações e na obtenção de patentes no Brasil e Exterior a empresa apresenta ao mercado o seu primeiro produto o lacre protetor para latas de bebida eCap. Tem sede administrativa em São Paulo (SP) e planta industrial em Cotia (SP). A empresa apresenta para os próximos anos um arrojado plano de crescimento tanto no Brasil quanto no Exterior. Nesta primeira fase de lançamento entre pesquisas, desenvolvimentos, obtenção de patentes e instalações foram investidos mais de R$ 12 milhões.


Natura Aquarela renova seu portfólio

com novas embalagens,

cores e fórmulas

Com novo design orgânico e sofisticado, Natura Aquarela traz novos formatos para os produtos

S

egundo dados da Euromonitor, o Brasil é o 3º maior mercado mundial de maquiagem com faturamento de US$ 3,5 bi em 2012, atrás apenas dos EUA e do Japão, respectivamente.

Atualmente, 51% das mulheres brasileiras usam maquiagem, sendo que 78% das vendas em 2012 foram concentradas no canal de venda direta. A mulher brasileira busca novidades constantes na maquiagem, novas cores que sigam as tendências e a moda e novas texturas com mais tecnologia e inovação. Na Natura, a maquiagem representa a grande maioria dos lançamentos, com 218 novos itens somente em 2012. Em 2013, a marca relança Natura Aquarela, a linha de maquiagem da Natura que busca valorizar a mistura da mulher brasileira. Mistura que se revela na beleza miscigenada das mulheres, no seu jeito múltiplo de ser, fruto de uma cultura ricamente diversificada. Uma brasilidade bela e valiosa que, se traduzida em cores, só pode ser multicolorida, cheia de nuances, tons e sobretons, própria de quem desde sempre ama misturas. São 71 produtos com formulação leve, texturas agradáveis e em embalagens contemporâneas que permitem à mulher colorir seu rosto, realçar seu jeito colorido de ser com todo poder de sua criatividade. “Para a Natura, a maquiagem vai além da cor, é uma forma da mulher se expressar e se conhecer, de revelar sua beleza. Natura Aquarela valoriza a diversidade brasileira, por isso, traz produtos para todos os tons e tipos de pele, com uma diversidade de texturas e de cores, entre as suaves e as vibrantes, das clássicas às mais modernas”, explica Liliane Lima, gerente de marketing de maquiagem da Natura.

24

Embalagens

Com novo design orgânico e sofisticado, Natura Aquarela traz novos formatos para os produtos e nova ilustração no cartucho, em embalagens mais sustentáveis. Com uma colagem de elementos que busca refletir a personalidade da marca, a ilustração faz referência à cultura e à natureza com uma mistura criativa de elementos étnicos da contemporaneidade brasileira.

Sua formulação é indicada para todos os tipos de pele, especialmente para mistas e oleosas, particularidade da mulher brasileira.

Produtos

Além da diversidade de cores, os produtos contam com ingredientes naturais que contribuem para um sensorial diferenciado, facilitando a aplicação e a espalhabilidade.

Natura Aquarela lança um portfólio para atender os tons e misturas da mulher brasileira com grande variedade de cores em sua linha, especialmente nos produtos para a preparação da pele. A base líquida oferece 8 cores: duas para pele clara, uma para amarelada – muito comum nas morenas brasileiras e nas orientais -, três para a pele média, uma para morena e uma para negra.

Pensando nisso, a linha também traz a Base 3 em 1 que pode ser usada como base e corretivo e já oferece o acabamento de pó compacto. Além das bases, a linha traz pó compacto em 6 cores que vão do bege claro ao marrom café.

Os itens têm complexos emolientes que mantém a hidratação natural da pele, além de proteção FPS para o rosto e para os lábios.


A

Spiltag, empresa que oferece produtos e soluções em embalagens PET para o segmento de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC), conta com um amplo portfólio, com frascos de formas e tamanhos variados.

Com mais de 15 anos de experiência, a fabricante passou recentemente por uma total reformulação e busca surpreender o mercado de embalagens cosméticas, dando um upgrade na sua linha Standard com novas e modernas opções. Frascos, saboneteiras e bisnagas com design diferenciado são apenas algumas das amostras que passam a ter a agilidade da linha Standard, que oferece alto volume de produtividade, redução de custos, porém com um alto padrão de qualidade. Original, a Linha Exclusiva da Spiltag é voltada para clientes que buscam projetos únicos, visando personalidade, design e excelência, agregando o máximo de valor ao produto final. Cada projeto é criado pelo núcleo de pesquisa e desenvolvimento da empresa, juntamente com o cliente, desde a criação do mock-up da embalagem em tamanho real, até a entrega final. Já com vários destes projetos especiais finalizados no portfólio, a Spiltag quis gerar ainda mais atratividade para sua linha Standard, que conta com cerca de 30 modelos.

26

Linha standard da Spiltag

ganha novas opções de frascos para cosméticos Amigos da natureza Em pleno desenvolvimento de expansão, a empresa quer inovar na criação de embalagens e assim contribuir para o sucesso dos produtos de seus clientes no setor cosmético. “Sabemos que o mercado muda a todo o momento e isso também vale para o setor de embalagens, por isso queremos ser flexíveis e atender o cliente, de maneira rápida e particular, dentro de cada necessidade”, conta Raquel Laurito, Coordenadora de Marketing. Preocupados com questões de sustentabilidade, a Spiltag também disponibiliza todas

as versões de frascos cosméticos de seu catálogo desenvolvidos em resina PET pós consumo reciclada. Sem diferenciação no custo final, o gesto visa reduzir ao máximo os impactos ambientais e ampliar as opções de seus clientes, na contribuição de um meio ambiente mais sustentável. As embalagens são produzidas com 100% de resina PET reciclada (não utiliza nenhuma porcentagem de mescla com a commodity convencional), e com isso, transmitem o conceito de sustentabilidade total.


A embalagem como forma de Para Luis Bartolomei e Rodrigo Costabeber, sócios da B+G, cada vez mais as marcas investem nas embalagens como um elemento de comunicação

Como está sendo comemorar os 18 anos da B+G? Luis Bartolomei - De maneira geral esta comemoração não tem mudado o dia a dia da agência, no entanto, é inegável dizer o quanto relacionamos esta dada com o amadurecimento da B+G. Como modelo de negócio e de gestão e como o parceiro diferenciado de comunicação e branding ao qual nos tornamos. Uma das coisas que mais admiro é o espírito empreendedor, que tentamos cultuar no nosso dia a dia. Quando se começa um negócio sempre se pensa grande. Ninguém idealiza nada para ser pequeno, mal-sucedido ou de vida curta. Na verdade imaginávamos e imaginamos estar mais longe, mantendo o espírito empreendedor em tudo que fazemos, seja para o nosso negócio ou o negócio dos nossos clientes. Rodrigo Costabeber - Quando entrei na B+G, há 10 anos, tínhamos um só cliente e o trabalho era 90% focado em embalagem, hoje essa é uma das nossas seis expertises. E essas outras cinco nos ajudam a trabalhar nos projetos de embalagem de maneira mais aprofundada, com um olhar mais estratégico. Hoje atuamos em quatro continentes diferentes, o que não poderíamos imaginar no começo da agência. Quais as mudanças mais significativas no mercado de embalagens ao longo desses anos? Luis Bartolomei - Está sendo formada a visão que sempre tivemos da embalagem como um elemento de comunicação. Packaging é um conceito muito mais amplo do que a segurança, logística e estética que o tema propõe.

28

Packaging é um dos poucos recursos, senão o único que toca shopper e consumidor, o ambiente de venda e o ambiente de consumo, estimula resultados imediatos e gera valor para marca. Isto sem falar no papel que ela pode cumprir de conectar o consumidor a outras mídias e pontos de engajamento, como as mídias digitais, sociais ou não. Como vocês avaliam o mercado de design atualmente? Luis Bartolomei - É um mercado pulverizado. O cliente não deve comprar estrutura, mas inteligência, e as agências precisam ser mais produtivas. As grandes agências, no sentido numérico, são um peso cada vez mais morto, onde o negócio é pautado em contratos e não em relacionamento. E aqueles modelos que se auto-determinam boutique não aglomeram massa-crítica suficiente para uma resposta ampla. Estamos posicionando a B+G no meio, o que há algum tempo parecia uma posição incômoda, e hoje nos parece ideal. Quais os cases recentes da agência, para o setor de embalagens? Rodrigo Costabeber - Recentemente, tivemos cinco cases selecionados para 10ª Bienal de Design Gráfico, evento que reúne os melhores cases do Design brasileiro dos últimos quatro anos. Entre eles temos a embalagem da Chandon Baby Rosé, da Fragrância On Men de Eudora, Linha de Vinhos e Identidade Visual para a Vinícola Bueno. No caso de Chandon, o design rompeu o caráter sério do produto e proporcionou, inclu-

a i d í m

sive, uma mudança de hábito de consumo, já que agora Chandon Baby Rosé passou a ser associada ao público jovem. Outros cases que podemos destacar são a fragrância mãe da linha Soul Eudora, do Grupo Boticário, e as latas comemorativas dos 100 anos da Lacta. Nos projetos para Maggi, o primeiro cliente da B+G, o desafio é sempre nos reinventar, já que estamos juntos há 18 anos.

Em 1995, quando tudo começou, a B+G era uma agência que focava seu trabalho quase essencialmente no mercado de embalagens. O tempo passou e 18 anos depois a agência atua em diversas áreas como branding, identidade corporativa, design de ambiente e, claro, embalagens. A frente da equipe estão Luis Bartolomei – sócio fundador e Diretor Executivo e de Planejamento - e Rodrigo Costabeber sócio e Diretor de Criação, que contam nesta entrevista o que mudou no mercado ao longo desses anos.


O case mais recente foi para o Sopão Maggi, com uma embalagem que ganhou mais visibilidade nas gôndolas, dispensou o uso de displays, incrementou em 12% as vendas e foi a vencedora do Grandes Cases de Embalagem 2012. E os cases de design em geral, quais vocês destacam? Rodrigo Costabeber - O projeto de Branding da Marca L’Occitane au Brésil, em uma

parceria que começou em 2011 e está colhendo os frutos agora, com o lançamento da marca que foi inspirada nos biomas brasileiros. A sinalização do Hospital da Unimed Rio, que começou ainda na fase de fundação do terreno, o que nos permitiu conceber um projeto funcional e totalmente integrado à arquitetura. Também citaria a campanha de merchandising para a Heineken.

Quais os planos da B+G daqui para frente? Luis Bartolomei - Em 2012 lançamos um manifesto apresentando para o mercado nossa visão do branding, chamado ‘the Brand-in’. Em curto prazo temos o desafio de colocar esta visão ainda mais em prática. E a B+G foi o embrião do que hoje é a Taupe Group, grupo de três unidades de negócios complementares, entre elas a própria B+G. Para o segundo semestre pretendemos ampliar os laços operacionais com a ‘diip’, consultoria de co-inovação do grupo, recém-lançada ao mercado brasileiro e com a qual iremos moldar modelos operacionais diferenciados e revolucionários para o mercado brasileiro e, em níveis internacionais, totalmente alinhados ao momento que estamos vivendo. Rodrigo Costabeber - Não temos pretensão de sermos gigantes. A ideia é continuar fazendo nosso trabalho com a maior produtividade possível, e fazendo também com que nossa equipe perceba o design de maneira mais estratégica e objetiva, e não apenas baseado na função estética e tendenciosa. Temos que pensar sempre no design funcional e adequado ao negócio do cliente.


PacXpert é a marca comercial da

Dow para apresentar o SmartBottle na América Latina

S

martBottle é um inovador, diferenciado e premiado design de embalagens flexíveis. Os tamanhos variam entre 3, 6 e 18 litros, com potencial para substituir estruturas rígidas como latas e baldes de plástico.

A expectativa é que o PacXpert™ seja utilizado em vários mercados, incluindo:

• Aplicações industriais: defensivos agrícolas e soluções para construção (revestimentos, tintas, aditivos de cimento etc.) • Aplicações de consumo: produtos de limpeza, bebidas não carbonadas, guloseimas pet-food. • Aplicações para alimentos: tomate, maionese, óleo de cozinha e outros.

30

A embalagem PacXpert™ permite consumototal do produto evitando desperdícios, além de apresentar menor volume para transporte e descarte, quando comparada às embalagens rígidas tradicionais. As vantagens beneficiam uma ampla gama de aplicações para os setores de alimentos, tintas, lubrificantes, logístico e outros.


Papéis de melhor qualidade Laboratórios do IPT comprovam possibilidade de reduzir presença de metais pesados e ampliar usos do papel reciclado

A

A reutilização, a reciclagem e o tratamento dos resíduos sólidos são atividades crescentes no Brasil por razões ambientais, econômicas e sociais, e estão incluídas dentro do capítulo dos objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pelo Governo Federal em 2010. Entre os setores estabelecidos no País, a indústria de reciclagem de papel é das mais fortes e responde pela geração de cerca de cem mil empregos, segundo a Associação Nacional dos Aparistas de Papel, a Anap. Quando se considera o consumo aparente de papéis (produção nacional somada às importações, e subtraídas às exportações), os números são significativos: o Brasil aproveitou em 2011 53% de todo o papel disponível para reciclagem, isto é, 4,4 milhões de toneladas. A qualidade do material obtido a partir da reciclagem é fundamental para a adequação do uso do papel. Para suprir uma lacuna neste nicho, um estudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para a caracterização química de papéis que podem ser reciclados está avaliando a possibilidade de remoção dos contaminantes inorgânicos (metais pesados) provenientes do processo fabril para expandir a destinação além de usos habituais, como agendas e cadernos. “Queríamos verificar a possibilidade de atender a novos mercados, como os papéis destinados às embalagens de alimentos, nos quais a presença de metais sofre uma maior restrição”, afirma a química e mestre em Tecnologia Ambiental do Laboratório de Preservação de Madeiras e Biodeterioração de Materiais, Gisleine Aparecida da Silva. O projeto coordenado pela pesquisadora marca o uso pela primeira vez do espectrofotômetro de absorção atômica com forno de grafite, comprado com recursos provenientes do projeto de modernização do IPT. O equipamento é usado nas análises em que é necessário aumentar a eficiência das leituras das amostras para detecção de concentrações muito baixas de contaminantes, da ordem de partes por bilhão (ppb). A idéia inicial de Gisleine era dar continuidade ao estudo sobre reciclagem de livros didáticos, um projeto concluído em 2012 pelo Laboratório de Papel e Celulose do Institu-

32


to. Inicialmente, a pesquisadora aproveitou sobras dos exemplares para a obtenção de aparas a partir de uma picagem por guilhotina e submeteu as amostras à incineração a 525°C em um forno mufla, comumente usado em laboratórios nos processos de calcinação para a obtenção dos resíduos. Em seguida, as cinzas foram submetidas a análises no espectrofotômetro para a determina-

ção de elementos como antimônio, arsênio, bário, cádmio, chumbo, cromo, mercúrio e selênio – a escolha dos oito elementos no projeto deu-se pela maior relevância do ponto de vista toxicológico. Os papéis empregados na fabricação dos livros didáticos não mostraram concentrações significativas de metais pesados e foram

descartados; a segunda opção foi trabalhar com amostras de jornais, mas eles tampouco se mostraram interessantes em função das baixas concentrações dos metais. A escolha final da pesquisadora acabou recaindo em papéis utilizados para impressão de revistas, em exemplares da década de 1990 e de 2013.

INFRAESTRUTURA MULTIDICIPLINAR Os ensaios foram realizados não somente no forno mufla para caracterização dos materiais e no espectrofotômetro para análises químicas, mas em diversos equipamentos adquiridos dentro do projeto de modernização do IPT pelo Laboratório de Celulose e Papel para processos como desagregação e flotação. Após a definição do material (revistas) de objeto do estudo, a pesquisadora retomou as atividades de picagem do papel para a obtenção de aparas. Inicialmente, as amostras foram umedecidas com água para a desagregação do material; a pasta celulósica obtida foi submetida a uma operação de destintamento por flotação, processo no qual se injeta uma mistura de ar com detergente em um tanque com

agitador para remoção das partículas que repelem a água (hidrofóbicas), como tintas e pigmentos. Análises de determinação das concentrações dos metais foram em seguida feitas no espectrofotômetro, tanto na pasta em sua composição original quanto na pasta submetida ao processo de flotação. Em seguida, Gisleine acrescentou um agente complexante na etapa de desagregação em novas amostras de papéis, para estudar a eficiência da remoção dos metais do substrato, e executou ensaios no espectrofotômetro. “O complexante é usado para ‘seqüestrar’ os metais do material em que eles estão presentes; apesar do uso comum em ou-

tros processos, como limpeza química de dutos de campos de produção ou hidrometalurgia para produção de cobre, não há relatos de aplicação em processos de reciclagem de papel”, afirma Gisleine. Os primeiros resultados mostraram sucesso na redução das concentrações dos elementos cromo, bário, cádmio e selênio, nessa ordem, e os próximos passos do projeto serão a comparação dos índices entre as diferentes amostras para medir as concentrações dos contaminantes.


Comitê de meio ambiente e sustentabilidade

da ABRE adere ao

Global Language For Packaging And Sustainability Documento é uma plataforma global para o desenvolvimento sustentável de embalagens

O

Comitê de Meio Ambiente e Sustentabilidade da ABREAssociação Brasileira de Embalagem aderiu ao Global Language for Packaging and Sustainability desenvolvido pelo Consumer Goods Forum.

Porém, este conhecimento não deve ser restrito ao próprio setor e sim integrado com todos os stakeholders, resultando no entendimento e consequente avanço global das práticas e dinâmicas da sociedade.

Este Fórum reúne a expertise e compromisso de empresas atuantes em diferentes áreas que tem como objetivo comum o desenvolvimento sustentável, trazendo através do Language for Packaging uma importante referência internacional para todo o setor produtivo, governo e sociedade.

“A ABRE acredita que a condução do tema desenvolvimento sustentável vem se consolidando no Brasil através de inúmeras iniciativas adotadas por empresas, sociedade civil e governo, sendo este o momento ideal para fortalecer os programas em curso alinhando-os aos conceitos internacionalmente trabalhados”, explica Luciana Pellegrino, diretora executiva da associação.

O documento, uma plataforma global com sistemas e métricas para toda cadeia produtiva de embalagens e bens de consumo, tem como meta orientar e fundamentar decisões para o desenvolvimento sustentável deste setor. Ele também abre caminho para uma cooperação significativa de todas as indústrias brasileiras de embalagem, harmonizando os parâmetros mundiais da Análise de Ciclo de Vida (ACV).

Para a ABRE, a tradução do documento para o português é fundamental para fomentar a sua compreensão, buscando o alinhamento da indústria nacional frente aos conceitos e premissas que vem sendo trabalhados mundialmente para o desenvolvimento sustentável da embalagem e aplicação de ACV, atrelado às diferentes interfaces técnicas, regulatórias e mercadológicas que balizam o desenvolvimento das embalagens no mundo.

“Ao traduzir o documento oferecemos ao setor uma linguagem comum que permite uma discussão inteligente e esclarecida sobre o desenvolvimento sustentável de embalagens considerando todo o produto e cadeia produtiva. Em um processo de internacionalização as empresas terão uma referência internacional para tomada de decisões mais consistente”, complementa a executiva. www.abre.org.br

34


Tetra Pak expõe na Fispal 2013

máquina que produz a embalagem Tetra Evero™ Aseptic Com capacidade de produção de dez mil embalagens por hora, a Tetra Pak A6 iLine™ garante qualidade com produtividade mais elevada

C

om o objetivo de mostrar as vantagens de sua nova embalagem, a Tetra Pak®, líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, levará para a Fispal 2013 a Tetra Pak A6 iLine™, equipamento responsável pelo produção da Tetra Evero™ Aseptic, primeira garrafa cartonada asséptica para o leite do mundo. A máquina de envase que estará em funcionamento na FISPAL é capaz de produzir até dez mil embalagens Tetra Evero™ Aseptic por hora. Com o sistema de abertura em um passo - One Step Opening - a embalagem mantém o leite por até seis meses sem precisar de refrigeração ou conservantes. Além disso, o formato cilíndrico ergonômico e as laterais planas facilitam o manuseio tanto para mãos grandes quanto pequenas. No equipamento de envase, o corpo cartonado e a tampa são colocados no molde antes da injeção do topo plástico. A tampa é aplicada a um mandril rotativo e, em seguida o corpo da embalagem cartonada é inserido. O mandril é então transferido para o molde onde o plástico é injetado em apenas 40 milissegundos. Com um ciclo total de apenas 1,44 segundos, este é o sistema de injeção de plástico mais rápido do mundo e o primeiro integrado em uma máquina de envase asséptico de embalagens cartonadas, simplificando o processo e possibilitando baixos custos com alta produtividade. A esterilização da embalagem, envase do produto e fechamento final da embalagem ocorrem em um ambiente completamente estéril, protegido por um fluxo de ar estéril pressurizado e controlado. O processo de esterilização da embalagem se dá em três

36

etapas: primeiro a embalagem é pré-aquecida, em seguida é tratada com vapor de peróxido de hidrogênio e finalmente ventilada com ar estéril para eliminar todo o vapor em preparação para o envase do produto. O produto é envasado em quatro etapas minimizando a formação de espuma. Como o sistema de envase possui poucas partes móveis, não perturba o fluxo de ar estéril, levando a um processo de envase robusto e de alta qualidade. “A Tetra Pak® teve que desenvolver um topo plástico de forma a fundir a tampa ao corpo cartonado. Tudo isso, mantendo a eficiência operacional e ambiental de uma embalagem cartonada e garantindo a segurança do alimento”, explica Eduardo Eisler, Vice-Presidente de Estratégia de Negócios da empresa.

A Tetra Evero™ Aseptic O foco da embalagem Tetra Evero™ Aseptic é inicialmente o mercado de leite longa-vida, incluindo os enriquecidos com cálcio, proteínas, fibras, vitaminas A e D e de alguns minerais. Em breve, a embalagem atenderá também uma vasta gama de bebidas, incluindo leites aromatizados, creme de leite e leites sensíveis ao oxigênio, como os enriquecidos com ômega 3, ferro, zinco e vitamina C. De acordo com Eisler, a nova embalagem foi projetada para a vida moderna, respeitando o meio ambiente. “A Tetra Evero™ Aseptic é produzida com papel cartão reciclável, renovável e certificado pelo FSC. É fácil de ser compactada para seu descarte e apresenta um perfil ambiental positivo comparado às outras garrafas”, conclui.

Casos de sucesso Em Portugal, a Tetra Evero™ Aseptic já está disponível pela Lactogal, que apresentou seu leite Matinal na nova embalagem para melhor atender seu público e já observa um crescimento significativo nas vendas. “Os consumidores modernos querem uma experiência de compra que reflita seus próprios valores. Por isso escolhemos a Tetra Evero™ Aseptic. Ela nos permite oferecer um leite de qualidade em uma embalagem atraente e funcional”, afirma José Passinhas, CEO da Lactogal, enfatizando que esta escolha traz mais dinamismo às vendas e fortalece ainda mais a marca. Na Espanha, a CAPSA lançou três novos produtos na linha Asturiana apresentadas em embalagem Tetra Evero™ Aseptic: Fibra, Naturalcol e Jalea Vital. Os três lançamentos juntos já atingiram vendas totais de 287 mil litros de leite por dia. “A nova embalagem é única e inovadora, não há nenhum produto parecido. Quando eu conheci a Tetra Evero™ Aseptic quis ser o primeiro a disponibilizá-la no mercado. Eu a vejo como o produto que sempre quisemos, que se destaca”, comemora Pedro Astals, Presidente e CEO da CAPSA Espanha. www.tetrapak.com.br


Milainox equipamentos com alta tecnologia

Mais uma vez a Milainox sai na frente no desenvolvimento

de equipamentos com alta tecnologia

É

com grande satisfação que a empresa apresenta o novo equipamento desenvolvido para envase de iogurte grego que realiza automaticamente as operações de envase da geléia de frutas / iogurte grego em duas camadas e fechamento da embalagem através de selo de alumínio.

É o único equipamento nacional que conta com o sistema de higienização das embalagens antes do envase, proporcionando maior qualidade do produto final. A Milainox fabrica equipamentos com concepção de operação mecânica, assim proporcionando à seus clientes, baixo custo operacional e maior vida útil dos equipamentos. A empresa também trabalha com outras máquinas de envase para os seguintes produtos: Requeijão, manteiga, iogurte, doce de leite, coalhada, creme de ricota, água mineral, suco e outros produtos (sob consulta). www.milainox.com.br Tel: (19) 3447-8950

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Brasileiro vence concurso mundial da Heineken O designer Fernando Degrossi, sócio da agência Unitri, desenhou a garrafa comemorativa de 140 anos da marca, que deve chegar às lojas até o final ano brasileiro Fernando Degrossi, um dos sócios da agência Unitri, desbancou 2 mil concorrentes de todo o mundo e teve seu projeto escolhido para ser a embalagem comemorativa dos 140 anos da Heineken, no concurso internacional Your Future Bottle Design Challenge (Desafio de Design da sua futura garrafa). “Fiquei extremamente realizado ao saber que minha criação será vendida mundialmente”, comemora Degrossi. Das 30 garrafas expostas em uma das últimas fases do evento, quatro pertenciam a ele. Já dos cinco modelos finalistas, Degrossi havia desenhado dois.

O

“O maior desafio deste concurso foi enfrentar profissionais de diversos países e ter em mãos um briefing com mais de 250 imagens da história da Heineken. Senti que precisava oferecer mais do que um simples mosaico com imagens da marca. E deu certo!”, comemora o designer. A nova garrafa propõe uma viagem na histó-

38

ria da Heineken a partir de rótulos clássicos interagindo com a famosa estrela vermelha, que possibilitou construir o nome da marca de uma forma diferente, por meio de cinco rótulos de cinco décadas diversas. Cada rótulo foi estrategicamente posicionado para a formação da palavra Heineken Bier. Esse conjunto sugere o movimento dos moinhos holandeses. “É como se a estrela estivesse abrindo, um convite a entrar no túnel do tempo da marca”, diz Degrossi. Por fim, a estrela vermelha com o fundo verde da garrafa mantiveram o total reconhecimento da Heineken. “Além de ser meu trabalho, design é meu lazer. Já ganhei concursos no Brasil, França, Espanha e Estados Unidos e sempre participo de novas experiências que contribuem para evolução do meu trabalho”, afirma Degrossi. A edição limitada da nova garrafa comemorativa da Heineken será comercializada dentro de um box elaborado por Joshua Davis, pioneiro em design digital. Estará à venda em todo mundo no início de 2014.


Lançamentos EPET 2013

Instituto

A EPET do Brasil apresentará na FISPAL deste ano, uma de suas máquinas mais conceituadas do mercado, aplicando em linha sleeves e lacres termoencolhiveis

C

ontaremos com equipamentos da Meech (Inglaterra) e a presença do Sr. Stewart Gordon Smith - Gerente Comercial, que poderá esclarecer todas as questões de controle de estática e limpeza de frascos com ar ionizado.

Também, vamos apresentar para o mercado nacional à máquina de aplicação automática de autoadesivos HERMA-H400 em funcionamento. Teremos em nosso stand os gerentes comerciais da HERMA (Alemanha) que ajudarão a desenvolver soluções.

Serviço: Fispal Tecnologia - 29ª Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas Data: de 25 a 28 de junho de 2013 Horário: das 13h às 21h | Local: Pavilhão do Anhembi, Av. Olavo Fontoura 1.209, Santana, São Paulo.

EPET NOVO ENDEREÇO:

Rua Pixurim 40 - Vila Marieta - Sao Paulo - SP - Brasil - Cep: 03617-210 Visite nosso site: www.epet.ind.br Tel: (11) 2076-0021


Notas

INFORMAÇÕES DO SETOR

Soma Sul Equipamentos é o novo Distribuidor Markem-Imaje

Em continuidade à sua política comercial estabelecida em 2012, que criou uma Rede de Distribuidores no país, a Markem-Imaje escolhe uma empresa com 14 anos de experiência em codificação industrial para distribuir seus produtos na região oeste do estado de Santa Catarina e sudoeste do estado do Paraná, na cidade de Toledo e proximidades: Soma Sul. Localizada na Rua Moscou, 150E, sala 01, no bairro Líder, em Chapecó (SC), telefone (49) 3323.0656 e filial na Rua Pinheiro Machado, 2474, bairro Vila Industrial, telefone (45) 3378.3908 em Toledo (PR) (somasul@somasul.com.br), a Soma Sul é a responsável pelo atendimento técnico, comercial e fornecimento de peças e consumíveis tintas, aditivos, ribbons, etiquetas, etc a todos os clientes da Markem-Imaje nessas regiões.

“Para a Soma Sul é um grande passo tornar-se distribuidor da Markem-Imaje, pois temos a oportunidade de crescer como empresa e profissionalmente, e de nos tornar referência regional neste mercado”, afirma Gilberto Inácio Dick, gerente de codificação industrial da Soma Sul. “Aliar nossa estrutura e conhecimento aos produtos Markem-Imaje, com certeza nos permite oferecer as melhores soluções em codificação do mercado”, conclui. A atuação da Soma Sul Equipamentos está voltada às necessidades industriais de mercado em inspeção e certificação de produtos, equipamentos para embalar e na codificação industrial de produtos. O setor agroindustrial é o que merece maior destaque nessa região de atuação da Soma Sul e, portanto, o principal foco, seguido de outros importantes segmentos da indústria, como o de bebidas, química, de plástico e extrusão. “A integração da Soma Sul ao time de Distribuidores da Markem-Imaje leva aos clientes do centro-oeste de Santa Catarina e sudoeste do Paraná um atendimento mais ágil e personalizado, seja para venda de impressoras, consumíveis e peças, bem como para a prestação de serviços de instalação e manutenção”, afirma Cesar Rugero, Gerente de Vendas Indiretas da Markem-Imaje Brasil. E completa: “a qualidade e a competitividade da Markem-Imaje, aliada à experiência e tradição da Soma Sul, com certeza terão grande contribuição para o desenvolvimento de soluções inovadoras em codificação e marcação de produtos para a indústria local”.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Tetra Pak anuncia nova embalagem com tampa de material renovável A Tetra Pak acabou de anunciar o lançamento mundial da LightCap 30, uma tampa fabricada a partir de polietileno de alta densidade (HDPE), obtido a partir da cana-de-açúcar

A Tetra Pak acabou de anunciar o lançamento mundial da LightCap 30, uma tampa fabricada a partir de polietileno de alta densidade (HDPE), obtido a partir da cana-de-açúcar. A Tine, um dos principais produtores, distribuidores e exportadores de lacticínios com sede na Noruega, será a primeira empresa na Europa a utilizar estas tampas de base biológica. “Somos um dos principais utilizadores de embalagens na Noruega, por isso é importante que façamos uma utilização otimizada dos recursos priorizando a sustentabilidade. Este é um imperativo de negócio para nós. A embalagem TBA Edge da Tetra Pak, composta por cerca de 75% de recursos renováveis, está agora disponível com tampa de base biológica, oferecendo-nos a oportunidade de me-

lhorar ainda mais o perfil ambiental dos nossos produtos”, afirmou Björn Malm, gestor de sustentabilidade da Tine, ao site da Tetra Pak. Fabricação Para criar o polietileno renovável, a cana-de-açúcar é esmagada e o líquido resultante é fermentado e destilado para produzir etanol. Através de um processo de desidratação, o etanol é convertido em etileno que é polimerizado para produzir o polietileno utilizado no fabrico das tampas. “O desenvolvimento da LightCap 30 de base biológica é mais um passo importante no sentido do nosso objetivo de produzir uma solução de embalagem 100% renovável”, explicou Erik Steijger, gestor de produto Inovação Ambiental da Tetra Pak.


A embalagem e o futuro Fabio Mestriner Professor Coordenador do Núcleo de estudos da Embalagem ESPM Professor do MBA de Marketing da Fundace USP Autor dos livros: Design de Embalagem Curso Avançado e Gestão Estratégica de Embalagem

N

o final de 2012 o Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM apresentou aquele que pode ser considerado o mais amplo estudo já produzido no Brasil sobre o futuro da embalagem. Neste estudo, que contou com a participação de mais de 700 colaboradores, a empresa internacional de pesquisas GFK e a Indigo, entrevistaram profissionais dos 4 grupos que maior influência exercem no presente e exercerão no futuro da embalagem. Os consumidores, os varejistas, a indústria usuária de embalagem e a indústria que produz as embalagens foram ouvidos sobre o que acontecerá com a embalagem num espaço de tempo que vai até o ano de 2025. Sabemos que embalagem do futuro deve atender às necessidades de cada um dos principais agentes que se relacionam com ela: o consumidor, o varejo, a indústria de embalagens, as empresas usuárias de embalagem e a sociedade com seus influenciadores, formadores de opinião e grupos de pressão. Não é fácil prever o que vai acontecer com a embalagem nem foi nosso objetivo adivinhar o que vai acontecer, mas existem alguns fatores claros que podem ser observados hoje e que influenciarão de forma decisiva as embalagens no futuro.

1- O crescimento da população mundial; 2- O aumento do tempo de vida média da população com o aumento dos consumidores de idade avançada mas ainda ativos; 3- A mudança das pessoas para as cidades com a consequente mudança do estilo de vida das pessoas metropolitanas/ultra-conectadas; 4- A ação crescente dos influenciadores sociais e grupos de pressão. 5- A falta de tempo para atender todas as crescentes demandas deste novo modo de vida. 6- A proeminência da mulher na nova sociedade.

Podemos afirmar que no futuro haverá mais consumidores, consumindo por mais tempo, vivendo nas cidades e valorizando estilos de vida cada vez mais urbanos e conectados, consequentemente haverá uma tendência ao maior consumo de produtos industrializados e, portanto embalados. Desta forma a maior utilização da embalagem exigirá uma gestão responsável dos aspectos relacionados com a sustentabilidade. O conceito de sustentabilidade em toda a cadeia é um atributo que faz parte do DNA da embalagem do futuro para os agentes acima descritos pois todos eles são sensíveis as tendências dominantes dentro da sociedade e se beneficiam do entendimento prévio destas tendências. Sabemos também que em cada elo da cadeia a embalagem desempenha funções distintas. Assim, para o consumidor, para o profissional de varejo e, para o gestor da indústria usuária de embalagem atributos diferentes são valorizados. Para o consumidor, a embalagem ideal deve ter foco na plena satisfação de suas ne-

44

cessidades e anseios. Ela deve apresentar elementos que o façam sentir-se conectado, pertencente ao 1º mundo, moderno, atualizado, compreendido, atendido em suas necessidades, mais confiante e seguro. O estudo da ESPM deixou claro que o consumidor espera uma embalagem “feita para ele”, ou seja que a indústria fez pensando nele, conhecendo sua personalidade e desejos. Embalagens com estes atributos serão vencedoras no futuro. A embalagem ideal para o varejo deve incorporar aspectos como facilidade em transporte, manuseio, estocagem e reposição; baixo índice de perda; agilidade nas operações e racionalização do espaço. O usuário da embalagem, aqui entendido como a indústria produtora de alimentos, de bebidas, de produtos farmacêuticos ou de higiene e limpeza, considera que a embalagem ideal é aquela que consegue alavancar suas vendas, seja pelo valor que ela agrega ao seu produto por suas características de atratividade e conveniência, seja pelo diferencial competitivo em relação a inovação e ao custo competitivo.

Já os fabricantes de embalagem deverão fazer o melhor uso das qualidades de cada material e aplicar tecnologias integradoras, que permitam que estes materiais trabalhem juntos para gerar novas e melhores soluções de embalagem. A integração dos materiais e das cadeias produtivas é apontada não só como a principal tendência para o futuro mas uma necessidade que precisa ser atendida. As principais conclusões do estudo podem ser resumidas da seguinte forma: Mais “Coopetição” e menos competição. Todos os elos da cadeia de embalagem, incluindo as empresas usuárias e os varejistas devem cooperar para competir juntos pois quando um produto alcança o sucesso, todos se beneficiam. Um diálogo constante entre fabricantes dos produtos e fabricantes das embalagens, que devem buscar convergências positivas e tornar suas divergências irrelevantes. Se isso acontecer, o consumidor do futuro e o do presente, agradecem.


Notas

INFORMAÇÕES DO SETOR

Dow apresenta solução sustentável para tampinhas de garrafas Inovação foi a principal característica dos produtos da divisão de Plásticos de Performance da Dow na Feiplastic 2013, realizada de 20 a 24 de maio, em São Paulo.

Entre eles, destaca-se a solução Dow para tampinhas de garrafas e de refrigerantes de peça única em polietileno. Trata-se de uma solução sustentável que não compromete o desempenho e possibilita uma vedação perfeita, sem que sabor ou odor possam interferir no conteúdo da garrafa. “Nossa solução ajuda a eliminar uma etapa no processo de fabricação, uma vez que não é necessário utilizar forro. Da mesma forma, pode-se fabricar peças mais leves que contribuem para reduzir o peso total da embalagem”, detalha Alejandro Castellanos, gerente de marketing para embalagens rígidas e especialidades industriais para a América Latina. A linha Continuum™ confirma o comprometimento da Dow em desenvolver e oferecer ao mercado latino-americano soluções inovadoras e sustentáveis para diversos desafios da cadeia de valor do plástico. “Já temos clientes no Brasil e no México que utilizam nossos produtos e há importantes projetos em outros países do Caribe, da América Central e da América do Sul”, conta Castellanos. www.dow.com ////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Garrafa PET que utiliza cana é comercializada Primeira embalagem feita parcialmente de material vegetal está à venda; São as de Coca-Cola 600ml A PlantBottle é a primeira garrafa PET feita parcialmente de material de origem vegetal e já está sendo comercializada pela região de Sorocaba. A embalagem foi apresentada pela empresa Sorocaba Refrescos, na semana passada. A garrafa encontrada nas prateleiras dos supermercados é de Coca-Cola de 600 ml. Outra embalagem sustentável que a Sorocaba Refrescos traz ao mercado é a da Crystal Eco. Com uma quantidade 20% menor de plástico, pode ser facilmente torcida, proporcionando uma redução de até 37% do seu volume original e facilitando a reciclagem. O produto, que por ter origem parcialmente vegetal – até 30% à base de planta renovável – reduzirá a dependência da empresa em relação aos recursos não-renováveis, além de diminuir em até 20% a emissões de CO². Sem mudança de propriedades químicas, cor, peso ou aparência em relação ao PET convencional, a PlantBottle é 100% reciclável e já entra na cadeia de reaproveitamento de materiais. Seu plástico é produzido a partir da reação química de dois componentes: MEG, responsável por 30% de seu peso; e PTA , responsável pelos 70% restantes.

46

Henkel: Nova geração de adesivos hotmelt para embalagem Technomelt Supra 1000 abre novas dimensões em desempenho de colagem e economia Com o seu desempenho de colagem extremo e compatibilidade com uma vasta gama de materiais, o novo TECHNOMELT Supra 1000, da Henkel, traz um novo nível de eficiência de produção ao mercado de embalagens. O adesivo hotmelt deve sua forte potência de colagem ao inovador polímero de base que não só melhora significativamente a processabilidade e a eficiência, mas também reduz o uso de adesivo. Os requisitos mais importantes para a utilização de colas de fusão na indústria de embalagens são longa duração, produtividade e disponibilidade. Em adição ao seu desempenho de colagem, o TECHNOMELT Supra 1000 pode também ser usado com uma gama maior de materiais e proporciona uma melhor fluidez em sistemas de enchimento automáticos. “Após a obtenção de excelentes resultados em linha de testes em clientes, com duração de vários meses que confirmaram sua excelente

qualidade e capacidade de desempenho, estamos realizando agora o lançamento mundial deste produto”, diz Jean Fayolle, Vice Presidente Corporativo Sênior de Bens de Consumo e Adesivos para Construção da Henkel. Para a fabricação do TECHNOMELT Supra 1000, a Henkel desenvolveu e implementou uma tecnologia de produção e processo completamente nova que é única na indústria. Comparado com a base de metaloceno, o novo polímero de base no TECHNOMELT Supra 1000 reduz o uso de adesivo em até 20%, enquanto as economias são ainda maiores - até 40% em comparação com adesivos hotmelts à base de EVA. “Ao mesmo tempo, podemos também assegurar a continuidade do fornecimento aos nossos clientes, o que é uma grande vantagem considerando a atual volatilidade dos mercados de matérias-primas”, enfatiza Fayolle. www.henkel.com

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

RR Etiquetas em momento de transição Valdir Arjona Gaspar, atual CEO do Grupo CCRR, que engloba as empresas Colacril e RR Etiquetas, assume a liderança dos negócios da RR Etiquetas, após as mudanças que aconteceram na composição acionária do Grupo. Empreendedor com mais de 30 anos de atuação no mercado de autoadesivos, e um dos responsáveis pela difusão do uso desses materiais no Brasil, Valdir Gaspar define como missão “continuar o ótimo trabalho que a RR Etiquetas vem realizando desde a sua origem e propor alguns avanços com o objetivo de acrescentar novas opções ao nosso portfólio de produtos oferecidos aos clientes” .E continua, confirmando que “todo esse processo de mudanças manterá a RR como referência nos seus mercados de atuação, que continuará oferecendo aos clientes cada vez mais opções de produtos de qualidade e mantendo o ótimo atendimento, que é nossa marca registrada”.

nos principais segmentos do mercado nacional e exportados para mais de 20 países ao redor do mundo.

Principal executivo da Colacril Auto Adesivos Paraná desde 1984, Valdir deu inicio às atividades da empresa, a partir de uma pequena linha de produção de adesivos e a transformou na maior e mais moderna indústria de autoadesivos da América Latina. Atualmente seus produtos são utilizados ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Rexam anuncia novo Gerente de Suprimentos na América do Sul O engenheiro Alexandre Grinberg é o novo gerente de Suprimentos – Materiais Diretos e Utilidades da Rexam na América do Sul. O antecessor, Marco Borgerth, foi expatriado para Londres, onde passou a assumir o cargo de gerente Global de Categoria para Outros Materiais Diretos, na área de suprimentos do Grupo Rexam.


Vitrine

PRODUTOS - SERVIÇOS

Speranzini Design faz projeto para rede de supermercados Este é mais um projeto internacional bem sucedido da Speranzini que já exportou seus serviços para mais de 45 países

Zaraplast imprime nova embalagem do novo Café Pelé

A rede de supermercados Central Market lança a água de coco natural nos volumes de 330ml e 1L com projeto da Speranzini Design que buscou colocar na forma da embalagem cartonada Tetra Pak o sabor e o gostinho das famosas praias do nordeste do Brasil com a produção realizada na fazenda da Coco do Vale. O sabor diferenciado e muitas de suas propriedades saudáveis e naturais que estão conquistando os Estados Unidos. Este é mais um projeto internacional bem sucedido da Speranzini que já exportou seus serviços para mais de 45 países e no mês de maio completou 26 anos de atividades, especialmente em projetos de desenvolvimento e soluções em design de embalagens, inovação, promoção e branding. www.speranzini.com.br

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

DELGO 600 Envasadora e seladora para bisnagas

Com matéria-prima proveniente das melhores regiões cafeeiras do país e padrão de torra média clara, resulta numa bebida encorpada, com sabor e aroma intensos e finalização com notas de chocolate e amêndoas, além de uma crema aveludada. É uma verdadeira experiência para os apreciadores de um bom café. A embalagem com 500g é dotada de uma válvula de desgaseificação, que preserva as características de aroma e frescor por muito mais tempo. www.zaraplast.com.br www.cafepele.com.br ////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Indumak lança empacotadora Mini Com design compacto e moderno, o equipamento embala cerca de 70 pacotes por minuto.

Equipamento totalmente automático para envase de produtos em embalagens flexíveis pré-formadas (bisnagas e stand pouch). Características Produção de 650 unidades / hora de embalagens de 1.800gr. Diferentes formatos em um mesmo equipamento. Mudançan de formatos - setup em 15 minutons sem uso de ferramentas. Sistema de dosagem volumétrico. Controle eletrônico de dosagem, com alteração no controlador lógico programável. Receitas pré-definidas para cada modelo de embalagem. Preparada para utilização de sistema CIP, com receita pré-programada. www.delgo.com.br

48

Uma solução compacta para empacotar pequenos itens e em quantidades reduzidas acaba de chegar ao mercado. A Indumak, de Jaraguá do Sul (SC), está lançando a Empacotadora Mini, com configuração para embalar produtos em pequenas quantidades ou em embalagens individuais, como botões de maquinários e talheres descartáveis. Outra vantagem da empacotadora Mini é a alimentação manual, que garante flexibilidade para a quantidade de produtos em cada embalagem. www.indumak.com.br


Vitrine

PRODUTOS - SERVIÇOS

Danubio lança iogurte em embalagem de vidro da Owens-Illinoisgarrafas Marca faz parceria com a Owens-Illinois e inaugura um novo segmento no país

criar um produto completo. “Buscamos referências ao redor do mundo e conseguimos comprovar, através de pesquisas de mercado, que o consumidor gosta de ver o conteúdo da embalagem e saber exatamente o que está levando para casa, e isso só é possível graças à transparência e a qualidade superior dos produtos envasados em vidro”, conta Ale-

xandre Macário, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Owens-Illinois. Além de preservar totalmente a integridade e o frescor do iogurte, o vidro é considerado o material mais limpo em termos de embalagem, não libera produtos químicos no meio ambiente e é reciclável infinitamente. www.o-i.com

Colgate Total 12 ganha novo visual e premia consumidores Marca líder de mercado desenvolve embalagem mais prática e moderna A Danubio, ‘joint-venture’ dos grupos lácteos VIGOR e ARLA FOODS, apresenta ao mercado brasileiro o primeiro iogurte à base de leite sem lactose, um mix de sabor e cremosidade que inaugura uma nova categoria de iogurtes nas prateleiras do Brasil: o primeiro disponível em embalagem de vidro. A embalagem A escolha da embalagem de vidro considerou não só o cuidado com o alimento e com o bem estar do consumidor, mas também com o meio ambiente. Por isso, a Danubio se uniu a Owens-Illinois, maior produtora de embalagens de vidro do mundo, para

Colgate Total 12 está de cara nova: tampa mais prática que facilita o uso e novos grafismos que resultam em um visual que reforça os benefícios do produto. Além da nova embalagem, a marca ganhará uma campanha de mídia e comunicação visual nos pontos de venda de todo Brasil, ressaltando a importância do cuidado com a sua saúde bucal. www.colgate.com.br


Vitrine

PRODUTOS - SERVIÇOS

Nova embalagem do macarrão instantâneo Turma da Mônica A parceria entre a Nissin-Ajinomoto e a Mauricio de Souza existe desde 1984, ou seja, é um trabalho de sucesso há quase 30 anos

Raumak - Empacotadora Automática Big Line A Empacotadora Automática Big Line é um equipamento de destaque dentro do portfólio da Raumak Máquinas. Concebida para operar com pacotes de grandes pesos, ela atende dosagens de 5 a 25kg, destinadas aos segmentos de alimentação, ração animal - onde é líder de mercado, produtos químicos, cosméticos e farmacêuticos. Com aplicações para produtos granulados e em pó, a Big Line conta com diversos recursos de adaptabilidade para se adequar às necessidades do cliente, dinamizando a logística de produção.

A Nissin-Ajinomoto criou, durante os primeiros meses deste ano, uma nova embalagem para a linha de macarrão instantâneo Turma da Mônica. O motivo da inovação é a comemoração dos 50 anos da dentuça mais amada do Brasil, a Mônica personagem do Maurício de Sousa.

As opções de dois modelos de dosadores: um de rosca horizontal (Produtos Poeirentos) e outro de balança gravitacional (Produtos Granulados), ambos operados com CLP (Controlador Lógico Programável), conferem mais agilidade na programação do equipamento e facilidade no ajuste.

A nova embalagem, desenvolvida pela Nissin-Ajinomoto, traz imagens dos personagens em festa de aniversário, além de um selo criado especialmente pela Maurício de Souza.

Todo o comando da empacotadora automática é realizado através de um IHM touch screen localizado na parte frontal do equipamento, que conta com o suporte técnico do setor de engenharia e programação da Raumak.

www.nissin.com.br

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Café Bom Jesus com embalagens especiais Com embalagens especiais lançadas para comemorar a tradicional festa, a marca proporciona momentos de interação entre pais e filhos

O café Bom Jesus lança nove embalagens especiais com paper toys recortáveis que formam uma quadrilha de Festa Junina. Com o intuito de estimular e comunicar a tradição das Festas Juninas com todas as gerações, o café Bom Jesus criou sua edição limitada de embalagens com os principais personagens da festa popular que formam uma quadrilha: o caipira, a caipira, a noiva, o noivo, os pais da noiva, o padre o delegado e o sanfoneiro. www.melitta.com.br

50

Farinha de Trigo Finna apresenta embalagem com novo layout e logomarca redesenhada Outra novidade é que os produtos comercializados nos estados do Ceará e do Rio Grande do Norte virão acondicionados em embalagens de papel.

A Farinha de Trigo Finna, uma das marcas da M. Dias Branco, apostou na renovação de seus produtos: a farinha de trigo tipo 1 e a farinha de trigo com fermento. A logomarca foi redesenhada, ganhando traços mais finos e realce nas cores vermelha e azul, e as embalagens foram remodeladas, apresentando layout modernizado com novas fontes, imagens e diagramação. www.finna.com.br

Destaque também para o sistema de tracionador e desbobinador automático de embalagem. Produzido com estrutura em aço carbono com tratamento especial anticorrosivo, que prolonga a vida útil do equipamento, a Big Line segue todas as instruções da Normativa Regulamentadora NR12, do Mistério do Trabalho e é certificada pelo SENAI/SOCIESC, com emissão de um ART do equipamento. www.raumak.com.br Tel: (47) 3370-4540


Notas

INFORMAÇÕES DO SETOR

B+G cria design da nova linha da Gomes da Costa A Linha de Conservas Vegetais Gomes da Costa tem entre seus produtos Aspargos Verdes Inteiros, Aspargos Brancos Inteiros e Corações de Alcachofra, e se destaca pela praticidade, já que vem pronta para o consumo. Os vegetais são selecionados e garantidos pelo especialista chef Gomes da Costa. Para criar as embalagens, a B+G utilizou elementos minimalistas no rótulo, ressaltando o aspecto Premium e sintetizando as informações essenciais na identificação de cada produto. As cores que compõem os rótulos foram escolhidas de acordo com o próprio ingrediente, realçando a sensação de frescor, mesmo em um produto em conserva. “Uma das coisas que chama a atenção no universo gourmet é a vibração das cores vegetais. Por isso nossa ideia é ter uma linha de produtos tão colorida quanto uma horta”, informa Rodrigo Costabeber, diretor de criação da B+G. O frescor dos ingredientes também é destacado nas fotos que compõem as embalagens, representando a seleção rigorosa dos melhores vegetais para as conservas Gomes da Costa. “A marca permaneceu a mesma, ganhando identificação com o consumidor, porém foi desenvolvida uma identidade visual proprietária e

com maior valor agregado para essa nova categoria de produtos”, conclui Costabeber. Ficha Técnica - Cliente Gomes da Costa Diretor Executivo Luis Bartolomei Coordenadora de Atendimento Gerente de Contas Andreza Gasperini Assistente de Atendimento Renata Zanini Diretor de Criação Rodrigo Costabeber Coordenador de Criação Rodrigo Costabeber Designer responsável Alex Diniz / Hélio Salema Redatora Nancy Steagall Coordenador de Produção Raquel Carletti Finalizador e Produtor Gráfico Thiago Tysca Revisora Renato Storni Operações Rodrigo Ferreira Assistente de Operações Daniele Doria Fotógrafo Iara Venanzi Manipulação de imagem Nova Iran Ilustrações


Feiras

COBERTURA DE FEIRAS E EVENTOS

NürnbergMesse Brasil comemora o sucesso da FCE Cosmetique As feiras reuniram 19.815 profissionais qualificados, eventos paralelos, lançamentos e tendências que garantiram o sucesso dos negócios

A

18º edição da FCE Pharma e FCE Cosmetique realizadas pela NürnbergMesse Brasil de 14 a 16 de maio, no Transamérica Expo Center, mais uma vez se consagram como o ambiente ideal para geração de novos negócios e troca de experiências entre os profissionais da indústria farmacêutica e cosmética.

Mais de 600 marcas expositoras, sendo 43 estreantes e forte presença internacional, reuniram produtos, serviços e soluções inovadoras para as indústrias em questão. Um público de 19.815 visitantes prestigiou as FCEs que são consagradas como as principais plataformas de negócios de seus setores na América Latina. As feiras apresentaram as principais tendências das indústrias cosmética e farmacêutica que estarão em breveno mercado. “Beleza e saúde nunca estiveram tão em voga no Brasil, e isso se confirma pelo sucesso absoluto das FCEs Pharma e Cosmetique.

50


O resultado positivo destas feiras de negócios, deve-se também ao aquecimento dos setores cosmético e farmacêutico. Em 2012, o faturamento chegou na ordem de US$ 42 bilhões e 1,8% do PIB brasileiro provêm do setor de cosméticos, segundo a ABIHPEC - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos.

A indústria farmacêutica vendeu aproximadamente R$ 50 bilhões, um crescimento de 15,63% em relação ao ano anterior quando as vendas foram de R$ 42 bilhões, de acordo com dados Sindusfarma e IMS Heath.

Este excelente resultado deve-se também a parceria de longa data com a ABC – Associação Brasileira de Cosmetologia, do Sindusfarma - Sindicato da Indústria de Produtos Farmaceuticos, e este ano com o apoio oficial da Felascc - Federación Latinoamericana de Sociedades de Ciências Cosméticas realizamos o O XXI Colamiqc - Congresso Latino Americano e Ibérico de Químicos Cosméticos. “Uma feira de negócios deste porte só é feita com a união, espírito colaborativo e o forte desejo de colaborar com o desenvolvimento do mercado por parte de todos os envolvidos“, explica Ligia Amorim, diretora geral da NürnbergMesse Brasil.

O Seminário FCE Pharma reuniu importantes e renomados profissionais do setor para compartilhar experiências, como também o Brazilian Bussiness Partnering, que teve sua 2ª edição de rodada de negócios e incentivou a promoção comercial das empresas brasileiras no mercado externo.

51


FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique

FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosm

FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosm


FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique

etique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique

etique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique FCE Cosmetique


Feiras

COBERTURA DE FEIRAS E EVENTOS

Feiplastic 2013 AO MENOS R$ 43 MILHÕES FORAM NEGOCIADOS NA FEIRA INTERNACIONAL DO PLÁSTICO Expositores comemoram vendas e indústria já têm encomendas programadas até o final de 2013. Para Abimaq, feira é o melhor lugar para estimular negócios para o mercado.

Expositores que chegaram a vender até 60 máquinas, ou com faturamento de R$ 15 milhões em cinco dias de feira. Este é o balanço positivo da FEIPLASTIC 2013 – Feira Internacional do Plástico, encerrada no dia 24 de maio. Estandes lotados e satisfação de visitantes e expositores deram a tônica do evento, no Pavilhão de Exposições do Anhembi. “Muitos já venderam o suficiente para reservar a produção até o final do ano”, relata Wilson Carnevalli, diretor da Carnevalli e presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios para a Indústria do Plástico (CSMAIP) da Abimaq. O núme-

54

ro estimado de negócios concretizados na Feira é de, no mínimo, R$ 43 milhões, somando-se depoimentos de expositores e números da rodada de negócios internacional. Durante a FEIPLASTIC, os 69.150 mil visitantes percorreram 85 mil m² do Anhembi em busca de inovação, lançamentos e alta tecnologia aliados à sustentabilidade de 673 empresas e 1402 marcas. De acordo com Liliane Bortoluci, diretora do evento, “a feira superou as expectativas, tanto em número de expositores como em público visitante, cada vez mais qualificado e com poder de decisão. Só aqui engenheiros, diretores,

técnicos, entre outros, podem comparar produtos e vê-los funcionando ao vivo, num mesmo lugar. Negócios se efetivam aqui dentro”. Neste ano, a FEIPLASTIC recebeu 144 novas empresas participantes interessadas em ampliar presença no mercado brasileiro e concretizar negócios. Entre elas, destacam-se grandes multinacionais como a holandesa DSM, cujas áreas de atuação envolvem os plásticos de engenharia; a alemã SIKORA, que agora tem filial no Brasil; e o grupo italiano TCM, que pretende instalar sua primeira fábrica no País, voltada à produção de embalagens PET.


Segundo a Abiplast, os investimentos em máquinas realizados pelo setor apontam recuperação, confirmada pelo pelos expositores da FEIPLASTIC. Nos três primeiros meses de 2013, foram investidos R$ 623 milhões. Em nenhum mês do ano anterior foi verificado volume igual de investimentos. O presidente da entidade, José Ricardo Roriz Coelho, ressaltou também a importância da indústria plástica como fonte de emprego. “Na terceira geração do petróleo, que são os transformados plásticos, a cada R$ 1,3 milhão investido, um emprego é criado. Na segunda geração, o valor já é de R$ 10 milhões para um emprego. A indústria de primeira geração precisa de R$ 22 milhões por emprego. Por isso, somos uma grande força empregadora no país”. A evolução de vagas de emprego no setor plástico no primeiro trimestre de 2013 foi de 6,4 mil vagas. Também presente na feira, a Desenvolve SP – Agência de Desenvolvimento Paulista, instituição financeira do governo do Estado de São Paulo, que firmou acordos com fabricantes e revendedores. No total, foram realizados 35 acordos operacionais com expositores, que estimam novos negócios nos próximos meses. Outro foco de investimentos foi a rodada internacional de negócios Think Plastic Brazil organizada pela Abiplast junto com a Apex Brasil, e que proporcionou aos participantes 107 reuniões, com compradores do Peru, Equador, EUA, Guatemala, México e Colômbia e 31 empresas brasileiras, além da expectativa de retorno na ordem dos US$ 6,850 milhões nos próximos 12 meses. Pelo menos uma parceria, de US$ 35 mil, foi concretizada no encontro.

Operação Reciclar A ação consistiu em doar o material reciclável produzido por 28 empresas expositoras da FEIPLASTIC para a ONG PIVI (Projeto de Incentivo à Vida). Durante os cinco dias de evento, a equipe de coleta retirou 25 toneladas de aparas, resíduos processados e produtos finais nos estandes.

Conferência Feiplastic Os dois dias de Conferência Feiplastic levaram aos participantes especialistas e lideranças do setor, como o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho que traçou um cenário de crescimento nas últimas décadas. “De 1981 a 1990, a indústria plástica nacional registrou crescimento de 2,3%, e entre 1991 e 2000, 2,7%. A partir da década seguinte, o rítmo aumentou, e de 2003 a 2010 a alta foi de 4,4%”. O BNDES, também palestrante, corroborou o otimismo do empresariado, apontando grande procura por financiamentos. “Há 15 anos, as atividades do BNDES voltadas para o setor plástico eram praticamente zero. No ano passado, os aportes somaram R$ 1,6 bilhão”, concluíram Gabriel Gomes e Martim Francisco de Oliveira e Silva, palestrantes do banco.

Depoimentos CARNEVALLI - Wilson Miguel Carnevalli, diretor da Carnevalli e presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios para a Indústria do Plástico (CSMAIP) da Abimaq “A feira está tão boa que mal temos tempo de reunir a equipe de vendas. Está acima da expectativa. Tenho conversado com expositores e muitos estão com produção de máquinas vendida até o final do ano. Para nós é a melhor feira que existe. A Carnevalli vendeu na feira 15 máquinas, o que representa um faturamento de R$ 12 milhões a R$ 15milhões, o que corresponde a 60 dias de vendas”. WORTEX - Paolo de Filippis, diretor “Posso dizer que foi um sucesso. Claro que o clima de feira empolga as pessoas e pode ser que muitas vendas que foram acordadas aqui acabem não se realizando. Mas para os próximos seis meses temos uma estimativa, conservadora, de faturar 15 milhões de reais com vendas que nasceram aqui na Feiplastic. O destaque foi a linha de filmes Recycler. Ficamos contentes com a qualidade dos visitantes, e muitos possíveis clientes”. LINDNER - Luiz Henrique Hartmann, diretor “Até agora vendemos 3 máquinas na Feiplastic e faturamos 200 mil euros, o que é significativo no faturamento da empresa. A expectativa é que chegue a 500 mil euros até o final do evento. E nos próximos dois meses temos uma estimativa de vender mais máquinas em negócios iniciados na feira. Isso deve gerar mais 500 mil euros.” HAITIAN - Roberto Candido de Melo, gerente “Vendemos 60 máquinas na Feiplastic. Por ano vendemos cerca de 500 máquinas. Ou seja, nosso desempenho aqui em uma semana corresponde a mais ou menos 10% das nossas vendas no ano. É como se em uma semana obtivéssemos o resultado de um mês de trabalho”. WISEWOOD - Edilson Gomes, gerente de vendas “Faturamos 300 mil reais, é um ótimo desempenho. Tão bom quanto isso foram os contatos que fizemos com possíveis clientes do Canadá e dos EUA que ficaram bastante interessados nos dormentes de plástico que produzimos (equipamento utilizado em trilhos de trem). Acho que esses contatos irão render bons negócios nos próximos meses”. RULLI STANDARD - Paulo Sérgio Leal, engenheiro “Fechamos vários negócios e fizemos inúmeras cotações. Já vendemos pelo menos R$ 5 milhões. Nossa intenção é divulgar a marca, que já é bem estabelecida, e atender clientes novos e antigos”. POLIMÁQUINAS - Clóvis Barbosa, gerente comercial “Para nós, a feira está muito boa e já era o esperado, pois inovamos no estande. Até hoje, penúltimo dia de feira, já vendemos oito máquinas, o que significa cerca de R$ 2,5 milhões. Foram clientes do Brasil e de fora. Vendemos duas máquinas para a Venezuela e uma para o Chile. Após a feira, entre oito e 10 negócios devem se concretizar a partir da Feiplastic. Só não vendemos mais porque o ano está fechado com encomendas. Estamos ampliando a fábrica, inclusive, que ganhará mais 1000 m², além dos 5 mil m² já instalados”.

55


Fispal Tecnologia

registra histórico de crescimento e acompanha evolução do setor de embalagens

para as indústrias de alimentos e bebidas

Entre 2010 e 2012, a feira ampliou em 30% a área de exposição, atraindo novas empresas e visitantes. Expectativa para 2013 é de reaquecimento do setor

A

pesar das turbulências que comprometeram a indústria brasileira durante o primeiro semestre de 2012, para o setor de embalagens a produção voltou a crescer a partir da segunda metade do ano. Até o final de dezembro houve crescimento de 1,6%, devido a medidas como a desoneração tributária e ampliação de crédito. É o que acredita, por exemplo, a Associação Brasileira de Embalagem (ABRE), que divulgou recentemente balanço de seu segmento. É com essa perspectiva de retomada, e uma história que registra crescimento de 30% em sua área de exposição e 10% no número de marcas expositoras desde 2010, que a Fispal Tecnologia - 29ª Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas, maior e mais completo evento do setor em toda a América Latina, será realizada de 25 a 28 de junho. Organizada e promovida pela BTS Informa, a feira ocupará 80 mil m² do Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. “A Fispal é uma marca global e que faz parte da agenda dos principais executivos e profissionais que atuam direta ou indiretamente no mercado de embalagens. Esperamos que a edição deste ano traga muitas inovações para os mais de 60 mil compradores qualificados e oportunidades de negócios para as mais de duas mil empresas expositoras”, diz Marco Antonio Basso, CEO do Informa Group no Brasil.

Números positivos animam o setor Calcula-se que o setor de transformados plásticos tenha fechado 2012 com receita de cerca de R$ 55 bilhões, de acordo com a Abief, Associação Brasileira das Indústrias de Embalagens Flexíveis; e novos investimentos devem ser retomados a partir deste ano. A ABRE também anunciou números

56

positivos em relação ao valor da produção física de embalagens. O total de 2012 foi de R$ 46,9 bilhões, alta de 3% sobre 2011. Justamente os plásticos, amplamente usados na indústria alimentícia, representaram maior participação, com 37,08%, seguido pelos celulósicos, com 34,47%. Metálicos ocuparam 16,79% e o vidro, 4,65%. No segundo semestre, o emprego acompanhou o aumento da produção, superando a posição de 2011 em 0,08% e fechando o ano com 224.811 empregados com carteira assinada. Todos esses segmentos se encontram em um ambiente propício para negócios, networking e atualização profissional na Fispal Tecnologia 2013, evento que atrai, cada vez mais, a atenção internacional. Na edição de 2012, foram 146 expositores estrangeiros, de 16 países diferentes, crescimento de 35% em relação à edição de 2011, também confirma o momento favorável para ampliar as relações comerciais com o mercado brasileiro. Neste ano, mais de 100 empresas expositoras provenientes de 16 países como França, Itália, China, Turquia, Alemanha, entre outros, já confirmaram presença. Em relação aos compradores de fora, a expecta-

tiva é receber visitantes de 41 países. Na programação de eventos simultâneos à feira, os congressos técnicos e simpósios também são um dos pontos altos, com a participação de profissionais, acadêmicos e especialistas de diversas áreas. Na edição de 2012, mais de 500 congressistas participaram dos três congressos técnicos e um simpósio sobre Segurança Alimentar, iniciativa conjunta da BTS Informa e do IBC Brasil, empresa do Grupo Informa especializada na realização desse tipo de evento. Destaque também para outras atrações como o Espaço PME (Pequenas e Micro Empresas), iniciativa da BTS Informa com a participação do Sebrae e a Vila do Aço, em parceria com a Abeaço (Associação Brasileira da Embalagem de Aço).

Serviço - Fispal Tecnologia

29ª Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas Data: de 25 a 28 de junho de 2013 Horário: das 13h às 21h Local: Pavilhão do Anhembi, Av. Olavo Fontoura 1.209, Santana / SP.


D

e 27 a 30 de agosto. será realizada a 8ª Edição da Embala Nordeste, maior e mais completa feira de soluções industriais voltadas para as indústrias de Alimentos, Bebidas, Cosmética, Farmacêutica, Higiene Pessoal, Limpeza e afins do nordeste do Brasil. Simultaneamente ocorrerá a ALIMENTÉCNICA, apresentando equipamentos para processamento e envase de produtos. Neste ano, além dos tradicionais expositores das últimas edições, já confirmaram presença novos expositores, tais como: Haver & Boecker, Danfoss, Danflow, Taiwan Trade

58

Center, entre outros. Esta é a principal feira de Embalagens e Equipamentos realizada no nordeste que complementa a Semana Industrial Embala Nordeste, através dos eventos Embala Plast, Graphium Show, Promoprint Digital e Green Expo. Informações: Embala Nordeste 2013 Data: 27 a 30 de agosto de 2013 Centro de Convenções de Pernambuco Horário: das 14 as 21 h Informações: www.embalanordeste.com.br


Vila do Aço apresenta novidades na 29ª Fispal

Espaço da Abeaço mostra as novidades dos associados e reforça as principais características da lata de aço como embalagem

A

Abeaço leva para 29ª Fispal - Feira Internacional de Embalagens e Processos para as Indústrias de Alimentos e Bebidas - a 4ª edição da Vila do Aço, espaço que reúne novidades das associadas Metalgráfica Rojek Ltda, Princípia Embalagens Metálicas e Silgan White Cap do Brasil. O evento acontece entre os dias 25 e 28 de junho, das 13h às 21h, no Anhembi, em São Paulo.

Para as associadas, a feira, considerada a maior do setor de alimentos e bebidas da América Latina, é uma oportunidade de apresentar os lançamentos e demais produtos e serviços para clientes em potencial. A expectativa da organização do evento é que mais de 64 mil pessoas passem pelo Anhembi durante os quatro dias.

Nessa edição, a Silgan apresenta a tampa exclusiva VersaSeal para pote VersaFlow da O-I. O conjunto inovador traz elegância, eficiência e praticidade ao envase e, além de evitar desperdício de alimentos acumulados em torno das bordas do frasco, facilita na hora de servir sopas, molhos, azeites, caldas etc. A fabricante leva também para o estande lançamentos no segmento de lácteos com as tampas twist-off 58 mm e twist-off 38 mm, ambas com botão de segurança, impressas com alta tecnologia e sofisticação gráfica, que garantem a segurança alimentar do conteúdo envasado e valorizam a apresentação dos produtos no ponto de venda. Destaque para a tampa DEEP Silgan, com sua lateral mais alta e ampla, que oferece maior visibilidade à marca e destaca o produto final na gôndola. O novo atributo facilita a abertura e fechamento da embalagem devido à maior área de contato da tampa.

Durante todos os dias, a partir das 13h, os visitantes podem assistir a apresentação da Mágica Diny, que mescla a arte do ilusionismo, tecnologia, criatividade e dinamismo, para transmitir informações sobre sustentabilidade e incentivar a reciclagem e o consumo consciente. Além disso, cada dia trará um cardápio especial que utiliza alimentos enlatados com tortas e quiches, massas, risotos e pizzas.

Já a Princípia apresenta três embalagens especiais recentemente lançadas no mercado com foco no segmento promocional para envasar desde roupas até chocolates. Uma delas é a Embalagem Luminária, que vem com furos com formato de estrela e uma vela para ser encaixada na tampa da lata, transformando-a em uma linda luminária. A Lata Vaso, com formato semelhante ao vaso de flores, vem com uma semente para ser plantada após o consumo de chocolates, biscoitos etc. Sua tampa ainda pode servir como prato de apoio para o vaso. Destaque também para a Embalagem Coração, lata com formato de coração que pode ser utilizada para guardar diversos utensílios e objetos. Os clientes poderão abusar da litografia para personalizar a embalagem. As características das embalagens especiais da Princípia estimulam a reutilização das latas pós-consumo, que podem ter milhares de utilidades. Além de aumentar o tempo de vida da embalagem na casa do consumidor a marca do produto ficará exposta por mais tempo.

A Vila do Aço de 2013 conta com o apoio da Canpac. 60

Atrações Vila do Aço 2013

Repetindo o sucesso do ano passado, a Rojek leva para a Vila do Aço o sistema Abre-Fácil Rojek, com fechamento a alto vácuo para as embalagens “Food Service”, usadas, por exemplo, por restaurantes, bares, lanchonetes e padarias. A nova embalagem dispensa o abridor e facilita o manuseio com conforto e segurança. Com o sistema Abre-Fácil Rojek, é possível conservar melhor os alimentos envasados até mesmo em latas maiores e com praticidade. Com essa abertura a tampa não deforma. Sendo assim, é possível fechar a lata com perfeição durante o uso remanescente do produto, evitando desperdício e gerando economia. A borda da lata ainda oferece total segurança no manuseio, impedindo os acidentes comuns das tampas convencionais com bordas cortantes. Além disso, a embalagem é feita com “necking”, proporcionando empilhamento perfeito no estoque. Para apresentar cada novidade e facilitar a visualização de cada atributo, as fabricantes Silgan, Princípia e Rojek mostram embalagens de seus clientes como exemplos de sucesso.


Abeaço 10 anos

Associação mostra porque o aço é a melhor embalagem para envasar de alimentos a tintas O trabalho da entidade estimula a opção por alimentos enlatados e o aumento da reciclagem das latas pós-consumo

E

m 2013, a Abeaço (Associação Brasileira de Embalagem de Aço) completa 10 anos como defensora da embalagem mais saudável, versátil e ecológica: a lata de aço. A associação aproveita a ocasião para destacar suas principais características e desmistificar informações. “Nós criamos inicialmente a associação com o nome de Prolata porque eram fabricantes de latas. Quando a siderurgia se interessou criamos a Abeaço. Nosso objetivo ao longo dos anos sempre foi defender a lata de aço e evidenciar todos os benefícios da embalagem”, explica Sr. Elio Cepollina, vice-presidente da Abeaço. Com suas ações a entidade impactou mais de 30 milhões de consumidores com campanhas em emissoras de TV, rádio, metrôs, ônibus, revistas, jornais e pontos de venda. O programa de educação ambiental atingiu mais de 200 mil crianças e adolescentes com ações gratuitas em escolas e instituições. Além de conseguir importantes parcerias com grandes redes varejistas, governo e empresas e realizar congresso, prêmios, revista e livro histórico do setor. “Investimos nesses 10 anos de trabalho quase R$ 25 milhões em ações de marketing, comunicação, meio ambiente e educação. Ações as quais objetivaram sempre o fortalecimento do setor e o esclarecimento dos mitos relacionados às latas de aço”, conta o presidente da Abeaço, Luis Fernando Martinez.

Com a evolução da tecnologia para embalagens, a lata de aço se tornou mais resistente, prática e segura. Entre milhares de novos atributos, dois merecem ser citados: o sistema de abertura e fechamento, facilitando o envase e o armazenamento dos produtos após abertos, e a criação da película interna flexível, que acompanha a deformação da embalagem e protege o conteúdo mesmo em caso de amassamento. Estas evoluções fazem da lata de aço a melhor opção para acondicionar de tintas a alimentos, protegendo adequadamente a integridade do conteúdo. Apesar de todos estes benefícios ainda existe receio do uso da embalagem por falta de conhecimento dos consumidores, principalmente, no que diz

respeito aos alimentos enlatados. A maioria dos consumidores não sabe que os alimentos envasados na lata de aço não levam conservantes ou aditivos químicos, têm seu sabor e suas propriedades nutricionais preservadas por mais tempo e podem ser mantidos sem refrigeração, economizando energia. A embalagem bloqueia a incidência de luz e oxigênio, fatores que aceleram a degradação do conteúdo e, por isso, conserva o produto por mais tempo na prateleira ou em casa. Reverter esta situação é um dos principais objetivos da Abeaço, que durante seus 10 anos de existência vem obtendo grandes vitórias no setor. “Como resultado do nosso trabalho já percebemos que parte da população passou a escolher alimentos enlatados como opção saudável e prática”, explica a gerente Executiva da Abeaço, Thais Fagury. Segundo o diretor da associada Incoflandres, Mario Roberto de Bastos Gomes, vários estudos comparativos verificaram que o mercado evoluiu muito nos últimos dez anos. “Graças a Abeaço que contribui diretamente no desenvolvimento de nossas empresas, uma vez que por meio dela nossos consumidores passaram a conhecer e admirar as embalagens de aço, tornando-se conscientes dos benefícios destas tanto para a saúde, quanto para o meio ambiente. Num mundo onde se consome com os olhos a ABEAÇO ajuda-nos a transformar a simples lata de aço em “Embalagem” com E maiúsculo”, diz Gomes. Outro objetivo da Abeaço é estimular a reciclagem da lata pós-consumo e conscientizar a população quanto à importância da escolha consciente das embalagens dos produtos. O aço leva vantagem em seu reaproveitamento se comparado com materiais de outras embalagens, pois tem a capacidade de ser reciclado infinitas vezes sem perder suas propriedades. Além de ser 100% reciclável, é facilmente separado de outros objetos por meio de eletroímã e se jogado na natureza leva de três a dez anos para se decompor. “Em todas as oportunidades a Abeaço divulga os benefícios inerentes à utilização das latas de aço e busca desmistificar, com a mesma intensidade, as inverdades muitas vezes lançadas no mercado sobre esta embalagem”, completa o presidente da associada Metalic, Carlos Alberto.

Abaixo as principais verdades e mentiras sobre a lata de aço: 1 - Alimentos enlatados causam botulismo Mentira. O bolutilismo não está relacionado à embalagem. É uma forma de intoxicação alimentar rara, mas potencialmente fatal, causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum presente no solo e em alimentos contaminados e mal conservados. 2 - Alimentos enlatados não são prejudiciais à saúde Verdade. Os alimentos envasados em latas de aço não só são saudáveis como, em alguns casos, têm mais valor nutricional que sua versão in natura. A lata preserva naturalmente o sabor e todas as propriedades nutricionais dos alimentos, sem necessidade de conservantes ou aditivos químicos. Além disso, seu processo de fabricação destrói os micro-organismos e elimina em 99% os resíduos de pesticidas. 3 - Os produtos ficam protegidos na lata de aço Verdade. A lata de aço impede o contato dos alimentos com a luz e o oxigênio que deterioram as propriedades dos alimentos, acelerando reações químicas e alterando, por exemplo, seu sabor, cor e consistência. 4 - Lata amassada compromete a qualidade dos alimentos Mentira. Mesmo se a lata estiver amassada não há problema algum em consumir o alimento, pois as embalagens são revestidas por uma película protetora que resiste a deformações. Porém não devemos consumir latas perfuradas ou estufadas, pois indica reações químicas inadequadas para o consumo. 5 - Latas enferrujadas podem causar tétano Depende. A ferrugem faz parte do processo natural da degradação do aço que sozinha não faz mal a saúde. Já o tétano é uma doença causada por micro-organismo que pode estar em muitas superfícies, principalmente no solo. Ou seja, qualquer material desde que esteja contaminado pode causar tétano ou qualquer outra doença. 6 - As latas são fonte geradora de renda Verdade. As latas, por serem feitas de aço e pelo aço ser um material reciclável, geram empregos em usinas de reciclagem e na coleta seletiva. 7 - O aço é o material mais reciclado do mundo Verdade. Por isso a lata de aço é a embalagem mais ecológica que existe. Depois de reciclado, o aço pode voltar como eletrodomésticos, carros ou outra embalagem.

61


REVISTA

EMPRESAS FORNECEDORAS DE TECNOLOGIAS DO SETOR DE EMBALAGEM

CADERNO DE COMPRAS

Embalagem &Tecnologia A REVISTA DO SETOR DE EMBALAGEM

CADERNO DE COMPRAS É UMA SESSÃO COM FORNECEDORES DE TECNOLOGIAS DO SETOR DE EMBALAGEM PARA OS FABRICANTES DE ALIMENTOS, BEBIDAS E COSMÉTICOS


Embalagem & Tecnologia - Nº15  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you