Issuu on Google+

TÉCNICA INDUSTRIAL

REVISTA

ALIMENTOS - BEBIDAS

Alimentos & Bebidas

Ano IV - 2013 Edição 07

A REVISTA DO SETOR DE ALIMENTOS E BEBIDAS

Editora Casa Grande Ltda Revista do setor fabricante de alimentos e bebidas.

www.alimentosebebidas.com.br

Da cevada ao malte

Por dentro da maior maltaria do Brasil Setor Vitivinícola

Setor Vitivinícola brasileiro pode ter maior produtividade

Produto substitui glúten em pães e bolos

A Dow Pharma & Food Solutions desenvolveu WellenceTM Gluten Free, uma solução inovadora de origem vegetal, que consegue proporcionar aos produtos a mesma textura e consistência dos alimentos

Entrevista

Entrevista com Niva Sesana Gomes Diretora adjunta de marketing da Itaiquara Alimentos

Software Dietpro Rotulagem

Com ele, o trabalho de elaboração das informações nutricionais de um produto, ficou muito mais fácil e completo.


ÍNDICE EDITORIAL

Da cevada ao malte......................

06

Por dentro da maior maltaria do Brasil. Desde que foi fundada, em 1981, a Agromalte propicia ao cooperado a garantia de venda e preços acima do mercado para a produção de cevada.

Setor Vitivinícola brasileiro......

14

O melhor desempenho econômico do país, o aumento do poder aquisitivo de muitos brasileiros e expectativa dos grandes eventos que deverão atrair um volume de turistas estrangeiros nunca visto por aqui,

Morango com graviola................

22

Desenvolvimento e estabilização de suco de morango com graviola.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Informações nutricionais...........

10

Dessecantes de umidade.........

Entrevista com Itaiquara............

Solução inovadora em dessecantes de umidade para proteção de cargas.

16

Entrevista com Niva Sesana Gomes Diretora adjunta de marketing.

Monitoramento da qualidade

12

Os novos refratômetros e medidores de densidade LiquiPhysics Excellence monitoram a produção de saborizantes para alimentos.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

High Pressure Processing.........

18

Processo tradicional utilizado desde 1950, que realiza o cozimento de frutas, legumes e líquidos que acaba por eliminar o sabor, e reduzir as vitaminas e os outros benefícios nutricionais dos alimentos originais.

Estruturando um sistema.........

20

Estruturando um sistema de gestão de segurança de alimentos em 10 passos

Alimentos & Bebidas é uma revista técnica de circulação nacional, direcionada às Indústria e Fabricantes de Alimentos e Bebidas traz informações e tecnologias importantes para o desenvolvimentos e manutenção das empresas do setor. Publicação: Trimestral Distribuição: Indústrias e Fabricantes de: Alimentos e Bebidas

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Fispal Tecnologia............................

Comercial: comercial@editoracasagrande.com.br 11-2669-8563 / 2669-8564 Imprensa: redacao@editoracasagrande.com.br

Contato geral: Tel: (11) 2669-8563 / 96584-6043 contato@editoracasagrande.com.br www.embalagemetecnologia.com.br

04 04 *As matérias, artigos assinadas por colaboradores, são de responsabilidade única de seus autores e podem não expressar necessariamente a opinião da revista. As opiniões expressas no veículos da Editora Casa Grande são de responsabilidade exclusiva de seus autores

30

Robótica e sistemas eletrônicos movimentam setor de logística na Fispal Tecnologia

Brasil Brau............................................

32

Brasil Brau cresce 50% e apresenta novidades na edição 2013.

APAS 2013...........................................

33

Feira encerra com resultados positivos para o setor e contribui significativamente com o desenvolvimento econômico do País.

Fi Food Ingredients........................ Diretor Presidente: Eric Mitsuo Toguchi Diretora Com. e Mkt: Elizabeth Cabral

Depto de arte: arte@editoracasagrande.com.br

Editora Casa Grande Ltda Me São Bernardo do Campo Tel: (11) 2669-8563 / 2669-8564 / 96584-6043

25

A Dow Pharma & Food Solutions desenvolveu WellenceTM Gluten Free, uma solução inovadora de origem vegetal.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Substituto do glúten.....................

Diante desse cenário, a A.S. Sistemas, empresa de base tecnológica localizada em Viçosa, no estado de MG, lançou, a cerca de 5 anos, o software de rotulagem nutricional Dietpro Rotulagem.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

24

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

34

Pela primeira vez, as indústrias de ingredientes alimentícios e farmacêuticos se reúnem para o maior encontro já feito no Brasil.

Fispal Foodservice.........................

36

Fispal Food Service chega a 2013 com projeções de crescimento para o setor de alimentação fora do lar.

Caderno de compras.................... Fornecedores de tecnologias do setor de alimentos e bebidas.

38


Da cevada ao malte; por dentro da maior maltaria do Brasil

Frank Nohel: “As indústrias fortalecem a cooperativa e, por conseqüência, o seu cooperado”

Desde que foi fundada, em 1981, a Agromalte propicia ao cooperado a garantia de venda e preços acima do mercado para a produção de cevada. Em 2009, passou por ampliação em 60% de sua produção, o que a coloca na 11ª posição das maiores maltarias comerciais do mundo. A partir de 2015 entra em operação a terceira torre de malteação, com mais 120.000t de capacidade. “As indústrias da Agrária fortalecem a cooperativa e, por conseqüência, o seu cooperado”, resumiu o gerente de malte da Agrária, Frank Nohel.

06

Laboratório Central

O

Brasil é o terceiro maior produtor mundial de cerveja. Em média, cada brasileiro consome cerca de 65 litros da bebida por ano. Mas o caminho até o paladar do consumidor final é longo e complexo, e se inicia longe de tulipas e canecos. A obtenção de maltes de qualidade demanda anos de pesquisa e uma estrutura integrada para atender os exigentes requisitos de qualidade da indústria cervejeira. Responsável por fornecer mais de 20% do malte consumido no país, a Agromalte, da Cooperativa Agrária, é a única do Brasil a dominar toda a cadeia produtiva, desde a pesquisa e o plantio da cevada até a comercialização. Por trás das 220.000t malteadas anualmente pela maior e mais antiga maltaria comercial brasileira, há uma estrutura singular, que engloba a FAPA (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária), um Laboratório Central acreditado pelo INMETRO, estrutura de armazenagem e logística de recepção e expedição integrada, bem como cooperados comprometidos em seguir recomendações agronômicas específicas para atender as demandas da indústria.

A área de cultivo de cevada dos cooperados, prevista para 2013, é de quase 37.000 hectares. “Via de regra toda produção de malte ocorre em cadeias fechadas; não se planta cevada cervejeira sem contratos. A possibilidade que existe aqui para o cooperado da Agrária é muito interessante, justamente por termos a maltaria há mais de 30 anos. Isso formou um ciclo que vai desde a pesquisa até a produção final”, explicou o diretor financeiro da Agrária, Arnaldo Stock.

Cooperados observam já no campo requisitos de qualidade demandados pela indústria

Com o suporte da pesquisa, realizada pela FAPA, em parceria com diferentes empresas parceiras obtentoras de material genético, a maltaria dispõe atualmente de uma nova variedade de cevada por ano. Entre os fatores que contribuem para a atualização anual está o processo de malteação piloto com 300g de cevada, realizada no Laboratório Central - anteriormente se fazia com 1.000g. Com isso, o pesquisador de cevada da FAPA, NoemirAntoniazzi elevou de 60 para 280 o número de amostras enviadas para análise no último ano.

“Atualmente iniciamos a avaliação da qualidade de malte já na fase de criação da linhagem. Isso oferece maior possibilidade de seleção de materiais por qualidade de malte”, destacou o Antoniazzi.


“Com isso ganhou-se tempo na pesquisa. Antes analisávamos oito amostras a cada oito dias, agora analisamos 32 neste período. Quadruplicamos a quantidade”, explicou a coordenadora do Laboratório Central da Agrária, Márcia Arruda.

Márcia Arruda: “Analisávamos oito amostras a cada oito dias, agora analisamos 32 neste período”

Somente no processo de pesquisa da FAPA, para cada variedade de cevada são realizadas 71 análises, antes, durante e após o processo de malteação. Estes parâmetros determinam, entre outros quesitos, na cevada a umidade, poder germinativo, energia germinativa, sensibilidade à água, proteína; na malteação o grau de maceração, tempo de maceração, perda com radícula; e no malte a umidade, rendimento, friabilidade, proteína e classificação. O laboratório também realiza 11 análises mensais da cevada armazenada nas unidades de cereais, a fim de determinar quais silos deverão ser utilizados antes pela maltaria. E, após o processo de industrialização, o malte é analisado em mais 22 parâmetros, incluindo, por exemplo, sortimento, friabilidade e análise sensorial.

Somente no processo de pesquisa da FAPA, para cada variedade de cevada são realizadas 71 análises, antes, durante e após o processo de malteação Agromalte é a consciência do cooperado quanto ao seu papel no processo. Questões como teor de proteína na faixa ideal, alto poder germinativo, ausência de micotoxinas e sortimento são questões observadas pelos produtores. “Muitas vezes se reclama dos descontos, como da proteína, por exemplo. Mas não é bem assim, a indústria exige alguns requisitos”, lembrou o cooperado Alfred Abt, que participoudo programa de visita à maltaria, realizado pela Agrária aos associados em abril.

“São diferentesprocessos até se obter um malte de qualidade. É uma cadeia com vários profissionais envolvidos em prol de um produto final com as especificações desejáveis”, destacou a coordenadora do Laboratório Central, o qual foi acreditado em 2012 pelo INMETRO na ISO IEC 17025, inédito no Brasil para um escopo tão diversificado quanto o englobado pelo laboratório da Agrária. A preocupação com a qualidade nasceu juntamente com a Agromalte, que conta com o laboratório desde 1981. Os resultados das análises tanto na cevada quanto no malte norteiam tomadas de decisão quanto às condições de malteação de determinada cevada. “O laboratório é essencial e, o mais importante, com resultados analíticos confiáveis”, destacou Nohel. Outro diferencial para os clientes da

vou o gerente de malte, em referência às recomendações dos agrônomos da assistência técnica específica disponibilizada pela Agrária aos seus associados. De acordo com o coordenador da FAPA e do departamento de assistência técnica, Leandro Bren, “o cooperado criou esse sentimento de valor e reconhece a importância da pesquisa e da assistência técnica. Da mesma forma, não recomendamos um produto que não tenha importância para a maltaria”. Como as especificações do malte variam entre os clientes, a maltaria trabalha atualmente com três cultivares de cevada nacional (BRS Elis, BRS Brau e BRS Cauê) e uma importada para atender as diferentes blendagens. “É uma garantia para a indústria trabalhar com mais de uma variedade, pois dispõede maior possibilidade de blend”, ressalvou Antoniazzi.

Alfred Abt: “Muitas vezes se reclama dos descontos, mas não é bem assim, a indústria exige alguns requisitos”

“Tem de ser ressalvado que o cooperado da Agrária segue as recomendações agronômicas, e isso é muito importante. Ele percebe que isso surte resultados compensadores para ele mesmo”, obser-

Recentemente a Agrária recebeu a certificação que a tornou a única fornecedora da América do Sulde malte Bud, para fabricação da cerveja Budweiser. “É uma especificação mais exigente que as outras”, explicou Nohel. “Basicamente cada grupo cervejeiro tem a sua especificação. Elas não variam muito entre si, mas existem diferenças, que precisam ser atendidas”, acrescentou.

07


Ao todo, a Agromalte atende aproximadamente 250 clientes, desde o Rio Grande do Sul até Rondônia, entre cervejarias, destilarias e indústrias alimentícias - misturas para pães e achocolatados são alguns exemplos.

“Temos que destacar ainda a importância do colaborador, pois na produção trabalhamos com três turnos, sete dias por semana, 24 horas por dia”, acrescentou.

“É interessante saber quantos mercados nosso malte atende e quão longe a cevada do cooperado transformado em malte tem chegado”, destacou a coordenadora

Margret Wild: “É interessante saber quantos mercados nosso malte atende e quão longe a cevada do cooperado transformado em malte tem chegado”

comercial de malte da Agrária, Margret Wild. A cooperativa possui capacidade de armazenagem de 35.000t. de malte e de expedição de aproximadamente 2.000t. por dia, fatores sustentados pela estrutura interna da cooperativa.“Temos o suporte de muitos setores da Agrária, como as unidades de cereais para armazenagem e a logística, entre muitos outros, para que tudo funcione perfeitamente”, explicou o coordenador da maltaria, Vilmar Schüssler.

08

Vilmar Schüssler: “Temos mercado para mais ampliações e isso dá a segurança de compra da cevada ao cooperado”

Da mesma forma, a logística externa conta com centros de distribuição (CD) localizados nas cidades de Ascurra (SC), Araucária (PR) e Campinas (SP). “Os três centros de distribuição são da Agrária e fazem a expedição do malte. Eles estão localizados em polos mais estratégicos”, frisou Margret.


Malteação: O processo de produção de malte da Agrária é único no Brasil.

A partir do primeiro semestre de 2014, a Agrária deverá dispor de uma cervejaria experimental própria, que atenderá parte determinante e o último passo do processo de avaliação de novas cultivares. O projeto está em fase final de aprovação e o objetivo é também disponibilizar o local para clientes realizarem seus testes sensoriais, bem como promover eventos, uma vez que haverá ambiente para acomodar 96 pessoas sentadas. “Agora, com a cervejaria experimental, teremos a cadeia fechada. Poderemos fazer cerveja de determinadas cultivares de cevada, não para comercializar, mas para testes ou para que clientes nossos possam testar maltes especiais, novas formulações de cerveja, lúpulos, enfim, estará à nossa disposição e dos nosso clientes”, explicou Nohel. Investimento maior ocorrerá a partir do ano que vem. A fim de atender o mercado, será construída a terceira torre de malteação da Agromalte. O incremento foi aprovado pelos cooperados na Assembléia Geral Ordinária, realizada em março passado. De acordo com o gerente de malte, trata-se de uma necessidade. “Se não for a Agrária, alguém fará e estaremos fora. Não tem mais volta, temos que acompanhar o mercado”, observou. Schüssler ratifica a posição. “Temos mercado para mais ampliações e isso dá a segurança de compra da cevada ao cooperado. A cadeia existe por causa dele, para dar mais uma opção de cultivo e maior rendimento”, analisou. O potencial não se restringe, porém, a Entre Rios. Uma vez que a distância física dos clientes reduz a competitividade da Agrária (o cliente mais longínquo está situado a 3.200 km de distância), existe o estudo de construir uma nova maltaria na região Nordeste, que está entre as que mais crescem no Brasil em consumo de cerveja.

“A Agrária tem um bom nome no mercado, o nosso malte é reconhecido, conhecemos esse mercado como ninguém, não se pode desperdiçar a oportunidade”, sublinhou Nohel. Nos últimos anos, a Agrária também firmou parcerias com empresas internacionais, como a Weyermann® e a HVG, ambas da Alemanha, e a Lallemand, do Canadá, e passou a oferecer produtos como maltes especiais, lúpulos e fermentos. “O objetivo é ampliar nosso portfólio e oferecer um serviço a mais aos nossos clientes, especialmente os de médias e pequenas cervejarias”, destacou Nohel. O processo de produção de malte da Agrária é singular no Brasil, pelo fato de englobar uma cadeia produtiva completa da cevada, além de ser fortalecida por um mercado em expansão. “O negócio do malte é de extrema importância dentro da Agrária”, frisou o gerente agrícola da Agrária, André Spitzner. “É a unidade que mais contribui para o EBITDA total da cooperativa e ao cooperado garante a liquidez, pois ele planta com a certeza de que vai vender”, acrescentou. Fator observado com clareza pelos associados. “É o pós-porteira que nos dá a sustentabilidade, minimizando os riscos e oscilações do mercado”, destacou a cooperada Cássia Fassbinder. Cenário favorável, a ser apreciado pelos cooperados da Agrária – se for acompanhado por cerveja, que seja com moderação. TEXTO: Klaus Pettinger / Assessoria Cooperativa Agrária FOTOS: Assessoria / Cooperativa Agrária

09


Consumidor e as informações

nutricionais

penas severas às empresas que desrespeitem as regras vigentes.

C

ada vez mais, o consumidor brasileiro percebe a importância nutricional dos alimentos prestes a serem consumidos e, portanto, fica atento com suas respectivas informações nutricionais no momento da compra.

Essa afirmação se dá pela gravidade em que a população, não só do Brasil, mas do mundo em geral, sofre com graves doenças como a hipertensão, colesterol elevado e a obesidade, ligadas diretamente a má alimentação. A correria do dia a dia, além da crescente expansão dos fastfoods e dos alimentos industrializados, contribuem ainda mais na gravidade desse problema, que a cada dia que se passa, torna-se mais preocupante. Campanhas em todas as esferas do governo, tentam mudar esse quadro pouco favorável para a nossa saúde. Recentemente tivemos o acordo para redução do sódio nos alimentos, com o objetivo de se obter resultado favorável na redução das doenças cardíacas e hipertensão. Esse acordo prevê uma redução de até 30% do sódio em determinados alimentos até o ano de 2014. Outro vilão conhecido é o açúcar, que também já está na mira de discussão para a sua redução. A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária), vem acompanhando de perto a implantação dessas novas regras e aplicando

10

Além disso, os órgão de fiscalização buscam diversas alternativas para uma melhor divulgação dessas novas leis, focando na conscientização do consumidor em relação aos efeitos negativos decorrentes de uma má alimentação. O objetivo é fazer com que o consumidor fique atento sobre as informações nutricionais antes de consumir determinado alimento. Na contramão dessas discussões, as indústrias de alimentos e bebidas em geral, bem como os comércios e distribuidoras, são obrigadas a se enquadrar nas novas regras e oferecer seus produtos com o máximo de informação possível. Isso porque, com as campanhas em massa para conscientização do consumidor em geral, associada a concorrência muito forte em todos os setores, inclusive o do ramo alimentício, leva a pensar na possibilidade de se perder um cliente hoje por falta ou falha na apresentação da informação nutricional de seu produto pode gerar grandes prejuízos. Diante desse cenário, a A.S. Sistemas, empresa de base tecnológica localizada em Viçosa, no estado de MG, lançou, a cerca de 5 anos, o software de rotulagem nutricional Dietpro Rotulagem. Com ele, o trabalho de elaboração das informações nutricionais de um produto, ficou muito mais fácil e completo, pois o sistema permite que o responsável pela elaboração, insira os ingredientes que compõe o produto, e, em seguida, calcule automaticamente a quantidade de cada nutriente que incide na preparação final, incluindo os nutrientes obrigatórios determinados pela Anvisa. As informações nutricionais são geradas nos formatos preconizados pela agência, o que facilita o trabalho de rotulagem, gerando confiabilidade na forma como que as informações nutricionais são exibidas. O software ainda permite a geração de etiquetas para rotulagem de alimentos pré-embalados por pequenas indústrias de pães, supermercados, e comércios do ramo alimentício, que não dispõem de uma estrutura para personalização de suas embalagens. Segundo a consultora nutricional da A.S.

Sistemas, a nutricionista Adriana Lopes Peixoto que está ligada diretamente no desenvolvimento e suporte do software, o processo para geração de informações nutricionais dos alimentos é uma tarefa que, obrigatoriamente, precisa ser realizada com precisão, o que a torna excessivamente onerosa além de ser considerado um dos trabalhos mais complexos e difíceis de se realizar. Ela ainda esclarece sobre o diferencial do software com a seguinte opinião: “O Dietpro Rotulagem se destaca como uma eficiente alternativa para as indústrias de alimentos se adequarem às legislações que determina a declaração de informação nutricional obrigatória. Se bem utilizada, esta ferramenta pode ser empregada para orientar o setor produtivo quanto às informações relevantes, possibilidade de revisão das formulações e informar ao consumidor sobre a composição do alimento, favorecendo a escolhas que promovam o consumo de uma dieta mais equilibrada e saudável”, ressalta a nutricionista. Sendo assim, é fundamental que as indústrias do ramo alimentício, procurem informar de maneira clara as informações nutricionais em seus rótulos, e com a facilidade com que o Dietpro Rotulagem oferece, torna-se um investimento muito baixo, se comparado aos benefícios que a ferramenta dispõe em termos de informação ao consumidor.

Veja a seguir as principais características do software Dietpro Rotulagem: Desenvolvido com base nas RDC’s nº 359 e nº 360 da Anvisa, o software segue os procedimentos para a elaboração de uma receita, calcula as informações nutricionais e gera os rótulos nos formatos vertical A, vertical B ou linear. O sistema permite ainda, a criação de tabelas de alimentos e/ ou ingredientes personalizadas, contemplando todos os nutrientes obrigatórios exigidos em um processo de rotulagem, facilitando o gerenciamento da montagem de receitas próprias.


Principais funcionalidades:

• Permite a criação de tabelas de alimentos e/ou ingredientes personalizadas, contemplando todos os nutrientes obrigatórios exigidos em um processo de rotulagem; • Oferece mais de 150 nutrientes que podem ser incluídos nos rótulos; • Os nutrientes obrigatórios, exigidos pela legislação em vigor, já estão configurados como padrão no software; • O sistema permite que outros nutrientes também sejam selecionados; • Possui mais de 110 receitas disponíveis, além da possibilidade de inclusão de novas receitas; • Permite a inserção de imagens ilustrativas nas receitas; • Permite incluir o símbolo ® no cadastro da receita, do alimento e no alimento ser rotulado; • Possibilita a visualização das quantidades de nutrientes obrigatórios presentes nas receitas e geração de relatório segundo os nutrientes que o usuário desejar visualizar; • Na rotulagem, possibilita a seleção do grupo alimentar ao qual pertence o alimento a ser rotulado e medida caseira, conforme as orientações da Anvisa; • Permite a emissão de 3 formatos de rótulos (vertical A, vertical B e linear) conforme preconizado pela Anvisa e no formato de etiquetas, conforme o modelo selecionado pelo fabricante. Além da possibilidade de inclusão de novos modelos de etiquetas;

• Permite, ao usuário, selecionar as opções “Contém glúten” e “Contém fenilalanina”, as quais poderão ser visualizadas na geração do rótulo; • Permite o cálculo de informações nutricionais de alimentos embalados individualmente; • Possibilita a emissão de rótulos segundo as informações complementares, simplificadas ou apenas nutrientes obrigatórios; • Possibilita a exportação de dados da rotulagem para planilha de dados e relatórios no formato PDF; • Se integrado ao Dietpro, permite a fusão dos recursos presentes no banco de dados, tais como, Alimentos, Tabelas de origem de alimentos, Nutrientes, Grupo de alimentos, Medida caseira, Receita, Unidade de medida e Registro fotográfico.

Informações técnicas:

• Multiplataforma: permite instalação em Windows ou Linux e acesso de qualquer sistema operacional com navegador compatível (Internet Explorer 7 ou superior, Mozilla FireFox 2.0 ou superior, Google Chrome 1.0 e Safari); • Interface trilíngue (português, inglês e espanhol); • Funcionamento em rede, permitindo o cadastro de vários usuários com diferentes níveis de acesso; • Permite a expansão de acessos simultâneos para utilização em rede;

• Manual de funcionamento no formato PDF; • Atualizações gratuitas dentro da mesma versão; • Suporte técnico gratuito com pessoal especializado.

Público-alvo:

O Dietpro Rotulagem 1.5 pode ser utilizado em Unidades de Alimentação e Nutrição (UAN’s), Industrias alimentícias ou empresas de todos os portes, voltadas a produção e ou distribuição de gêneros alimentícios, além de profissionais e consultores da área de nutrição, engenharia e/ou tecnologia de alimentos e medicina veterinária. Investimento: O software é oferecido a partir de R$ 438,90 em sua versão de download diretamente do site do desenvolvedor, ou R$ 479,15 na versão em CD-ROM. Para as empresas que queiram obter mais informações a respeito desta importante ferramenta, basta entrar em contato com a A.S. Sistemas, empresa desenvolvedora do Dietpro Rotulagem, pelo telefone (31) 3892-7700.O contato pode também ser realizado através do endereço de e-mail: dietpro@dietpro.com.br ou por intermédio do site do produto, no endereço: www.dietpro.com.br


Monitoramento da qualidade de saborizantes - essencial para o excelente sabor dos alimentos

Os novos refratômetros e medidores de densidade LiquiPhysics Excellence monitoram a produção de saborizantes para alimentos, desde matérias-primas até o sabor final. Esses aparelhos medem os principais parâmetros como peso específico, índice de refração e valor de pH em um processo totalmente automatizado. O sistema de medição também pode ser perfeitamente integrado a um sistema ERP.

Várias amostras Diversos parâmetros Durante o monitoramento da qualidade de matérias-primas e produtos intermediários e acabados para saborizantes de alimentos, é essencial que o peso específico, o índice de refração e o valor de pH sejam determinados com precisão. Além disso, é necessário freqüentemente determinar a cor das amostras. Essas medições são utilizadas para a verificação da identidade. Garantem que as matérias-primas corretas foram utilizadas e que o produto correto foi fabricado.

LiquiPhysics™ – totalmente automático – flexível compacto

LabX2010 – Perfeita integração com o SAP O software de laboratório LabX 2010 permite que os sistemas de medição LiquiPhysics™ Excellence sejam integrados perfeitamente aos sistemas ERP.

Para administrar o fluxo de amostras e resultados de forma eficiente e confiável, geralmente são utilizados trocadores de amostras, pelos quais os resultados das medições são transferidos diretamente ao sistema ERP como, por exemplo, o SAP.

A METTLER TOLEDO projetou os novos refratômetros e medidores de densidade LiquiPhysics™ Excellence utilizando rigorosos requisitos envolvidos no monitoramento da qualidade de saborizantes. Permitem que os aparelhos de medição controlem diretamente células externas de índice de refração e oscilação de densidade, bem como os medidores de pH SevenEasy da METTLER TOLEDO sem a necessidade de um computador. Se também for necessário determinar a cor, um colorímetro Lovibond PFX da Tintometer também poderá ser conectado diretamente aos aparelhos.

Os sistemas de medições nos quais um computador controla diversos aparelhos de medição de diferentes fabricantes, além de um amostrador automático, vêm sendo utilizados há diversos anos para registrar e exportar resultados. Essas soluções geralmente são desenvolvidas mediante solicitação do cliente, podendo assim ser bastante caras.

Dependendo do número de amostras, os aparelhos de medição LiquiPhysics™ Excellence podem ser operados por poderosas unidades de automação para medição de amostras individuais ou em série. Se forem utilizados códigos de barras para a inserção dos dados de amostras, poderão ser lidos por um scanner manual ou automaticamente no próprio trocador de amostras.

O PC não precisa estar localizado próximo ao sistema de medição - o LabX 2010 executa a importação das listas de amostras e exporta os dados separadamente em segundo plano.

A maioria das amostras requer a determinação de vários parâmetros. Assim, faz sentido automatizar o processo e determinar todos os parâmetros em um único processo. Uma ampla gama de diferentes saborizantes é utilizada na indústria alimentícia, o que significa que os fabricantes precisam trabalhar com um grande número de amostras.

12

Para os operadores do sistema de medição, há apenas uma pequena diferença. Opostamente a soluções convencionais, o sistema de medição não é operado em um PC: com o LiquiPhysics™ Excellence, o PC é controlado remotamente via aparelho de medição. Isso permite o início da medição de séries de amostras diretamente no display sensível ao toque de fácil utilização do aparelho.


Ruy Cortez de Oliveira

Setor Vitivinícola brasileiro pode ter maior produtividade

D

e acordo com dados divulgados pelo programa Vinhos do Brasil, criado pelo Ibravin em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a área de produção vitivinícola no Brasil soma 83,7 mil hectares, divididos em seis regiões: Serra Gaúcha, Campanha, Serra do Sudeste e Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul; Planalto Catarinense, em Santa Catarina; e Vale do São Francisco, no Nordeste. São mais de 1,1 mil vinícolas espalhadas pelo país, a maioria instalada em pequenas propriedades, com média de dois hectares por família. Ainda que o vinho estrangeiro continue sendo muito valorizado - e sempre o será, não há como negar que a indústria vitivinícola no Brasil evolui a passos largos.

14

Já temos títulos premiados, marcas reconhecidas internacionalmente e vinhedos de estrutura cuidadosa surgem a cada dia, em pequenas e médias propriedades que já seguem os mesmos padrões de qualidade adotados nos melhores vinhedos do mundo. Empreendedores que têm investido forte em pesquisas geológica e climática, para produzirem uvas perfeitas quanto ao sabor, coloração, acidez, açucares e outros elementos tão importante para a produção de um bom vinho. Notícias recentes também demonstram o empenho do setor em conquistar um maior número de consumidores no mercado interno. Há uma crescente participação dos produtores de vinho brasileiros em eventos de gastronomia, que querem estar aptos a atender com qualidade a demanda de um

consumidor que vai se tornando mais exigente à medida que amplia suas opções de compra na gôndola. Temos ainda a perspectiva de um grande volume de turistas internacionais para os próximos anos, por conta dos grandes eventos esportivos. Como qualquer processo produtivo, no entanto, a rigorosa atenção às perdas e uma gestão competente de cada etapa pode ser determinante do sucesso de um negócio. Quanto mais enxuta uma estrutura, maior sua necessidade de procedimentos que possam controlar a capacidade produtiva, a cadeia com fornecedores, administração de estoques e demais sistemas.


Bons exemplos e resultados efetivos Na Europa, alguns vinhedos e produtores já descobriram o quanto é importante combater o desperdício em suas operações, para tornarem-se mais rentáveis. O Kaizen Institute Portugal, em parceria com consultores brasileiros do Kaizen Brasil, estão trabalhando na melhoria de processos do Aveleda, um dos maiores produtores de vinho portugueses, por exemplo. Um programa é capaz de aumentar a eficiência nas linhas de produção de uma vinícola em até 20% e reduzir o excedente de estoques na ordem dos 30%. Além disso, o projeto também acaba por diminuir em 10% os consumos de energia, água e gás, contribuindo para a redução de custos e para a sustentabilidade ambiental da empresa neste segmento e o Brasil

tem forte potencial. No Brasil, as perspectivas par o setor, neste ano de 2012, são bastante otimistas. No começo do ano, o governo anunciou medidas de proteção para conter as crescentes importações de vinho e, com a boa safra de uvas projetada pelos agricultores para este ano, tudo indica que o vinho nacional poderá conquistar bom espaço entre os consumidores dentro e fora do país. Com boa gestão e um programa que priorize a redução de perdas, o setor terá mais chances de vencer a competitividade externa e aproveitar o bom momento. (*) Ruy Cortez de Oliveira é CEO do Kaizen Institute Consulting Group – Brasil.


Niva Sesana Gomes

Diretora adjunta de marketing Itaiquara Alimentos


Itaiquara Alimentos Entrevista com

Niva Sesana Gomes

Diretora adjunta de marketing Revista Alimentos & Bebidas - A Itaiquara é uma empresa muito bem consolidada no mercado brasileiro, nos conte um pouco como obtiveram esse crescimento com muito sucesso. Niva Sesana Gomes - A Itaiquara é uma empresa com gestão verticalizada, que atua em toda a cadeia produtiva, desde o plantio da cana até a mesa do consumidor. Cultivamos a matéria-prima, processamos e distribuímos os nossos produtos. Com dedicação e foco nas necessidades de nossos clientes, conseguimos em mais de 100 anos de atuação no Brasil, trazer cada vez mais produtos de qualidade e nos tornarmos uma empresa referência na fabricação e comercialização de fermento biológico, entre outros produtos refrigerados e secos. Além da produção, a distribuição também é marca registrada da Itaiquara. Para checar em todo o território Nacional, temos seis Filiais de Vendas próprias localizadas nas regiões mais estratégicas do país, e 80 distribuidores exclusivos em todo o Brasil. Com produtos de qualidade e sempre próxima do cliente todos os dias, a Itaiquara Alimentos conquistou a confiança de seus clientes e, por isto, construiu uma história sólida e bem sucedida nestes mais de 100 anos de atuação.

tes a cada ano. A Itaiquara tem uma ampla linha de produtos para este segmento. Qual a importância para a empresa das feiras do segmento? Niva Sesana Gomes - As feiras do setor são bastante estratégicas para nós porque representam uma grande oportunidade para encontros, relacionamento e negócios. A Itaiquara sempre apresenta suas novidades nesses eventos importantes, e recebe e acolhe distribuidores, clientes e parceiros. Desta forma, conseguimos mostrar a nossa força no mercado nacional, sempre valorizando a nossa experiência de mais de 100 anos, capacidade de renovação, brasilidade e compromisso com a auto-sustentabilidade. A Itaiquara sempre participa das Feiras? Com qual frequência por ano? Niva Sesana Gomes - Sabemos da importância das feiras e eventos para o desenvolvimento dos negócios, e focamos a nossa participação na FIPAN – Feira Internacional de Panificação e Confeitaria, atualmente uma das principais feiras destinadas a promover negócios para todos os segmentos que operam no Food Service. Participar de eventos como este é um importante meio para se obter contato entre a indústria e os segmentos de transformadores.

Queremos usar a nossa experiência para consolidar ainda mais a nossa privilegiada posição no mercado e continuar colaborando com o desenvolvimento do setor de panificação e confeitaria.

Com vários produtos no mercado de alimentos, a empresa pensa em expandir o leque na área ou até mesmo se ingressar no mercado de bebidas?

O Brasil tem se tornado uma grande potência na área de Food Service, as feiras do seguimento recebendo mais visitan-

Niva Sesana Gomes - Não descartamos oportunidades. Além de produtos e ingredientes destinados à panificação e confeitaria, e foodservice em geral, atuamos tam-

bém no segmento B2C, temos uma linha de produtos para consumo doméstico que, atualmente, é formada por fermento biológico, fermento químico, misturas para bolos, pão de queijo e salgadinhos, açúcar de confeiteiro etc. Não temos bebidas no portfólio, mas não descartamos a hipótese de expandir o leque, se houver sinergia com o negócio, seja B2C ou B2B. Por ano, a empresa chega a lançar em média quantos produtos? Niva Sesana Gomes - Contamos sempre com duas frentes de atuação: lançamento de novos produtos e revitalização dos itens regulares de linha, seja em termos de formulação ou embalagem. Contando com essas frentes, podemos dizer que anualmente cerca de 20 produtos são lançados ou revitalizados em todo país. A Itaiquara sempre investe em tecnologia? Niva Sesana Gomes - Sim. Historicamente, investimos cerca de 2-3% da nossa receita anual em pesquisa, inovação e novos equipamentos. Os profissionais de Food Service podem esperar muitas novidades para 2013? Niva Sesana Gomes - Sim. Em 2013, teremos novos produtos e revitalização de algumas das nossas linhas de produtos. Ainda mais investimentos na área de Marketing também estão programados, além de um importante crescimento em treinamento e qualificação profissional de nossos colaboradores.

17


Alimentos e bebidas

Novo sistema de processamento

F

rização.

oi lançado no Reino Unido, o Coldpress ®, um suco produzido a partir do processo a frio com alta pressão conhecido como HPP (High Pressure Processing), que permite o processamento de líquido e sólido sem o uso da pasteu-

A pasteurização é um processo tradicional utilizado desde 1950, que realiza o cozimento de frutas, legumes e líquidos que acaba por eliminar o sabor, e reduzir as vitaminas e os outros benefícios nutricionais dos alimentos originais. Ainda no sistema tradicional, para realizar o processo de pasteurização os fabricantes de produtos, sejam esses alimentos ou bebidas, têm que aplicar calor excessivo nos ingredientes naturais para estender a validade do produto e garantir a eliminação de microorganismos tornando o produto mais seguro para o consumo. No entanto, com a aplicação do calor os ingredientes naturais tendem a perder o sabor, o aroma, a cor e inclusive seus nutrientes alterando o valor nutricional do produto final. No processo de HPP, foi analisado que o suco alcançou até 5 meses de validade e que nesse sistema é possível preservar as propriedades organolépticas e manter os nutrientes mais concentrados. Com esse método é possível processar alimentos e bebidas utilizando alta pressão que chega a até 6000 atmosferas, com ou sem a adição de calor, para atingir a inativação de microorganismos ou modificar alguma característica do produto desejada pelos consumidores. Quando há ausência de calor no processo, o produto final é minimamente afetado por mudanças no frescor e nas características do

18

alimento, por eliminar a degradação térmica dos componentes. O processo HPP pode ser realizado à temperatura ambiente ou refrigerado e essa tecnologia é benéfica especialmente para produtos sensíveis ao calor. Em um processo de HPP típico, o produto é embalado em embalagem flexível (pouch ou sacola plástica) e colocado em câmara que suporta alta pressão. Esta é preenchida por um fluído com propriedades para transmitir a pressão. O fluído, que normalmente é água, recebe a pressão e através de uma bomba transmite para a embalagem do produto. A pressão é aplicada por 3 a 5 minutos e após o processo o produto processado é retirado da câmara podendo ser armazenado e/ou distribuído normalmente. Assim como outros processos o HPP, não pode ser aplicado para todos os tipos de alimento. Ele pode ser utilizado para líquidos e sólidos e os alimentos com alta acidez são os melhores candidatos para o processo. Atualmente o processo está sendo utilizado nos Estados Unidos, Europa e Japão em uma seleção de alimentos de alto valor, para aumentar sua vida de prateleira ou melhorar as qualidades sanitárias e organolépticas. Alguns dos produtos utilizados são carnes prontas para consumo, produtos com abacate, queijos, molhos de tomate, suco de laranja e ostras. O HPP ainda não pode ser utilizado para produtos com baixa acidez, bem como vegetais, leite ou sopas por causa da dificuldade de destruir os esporos sem a adição de calor, embora possa ser utilizado para aumentar a validade dos produtos refrigerados e eliminar alguns microrganismos. Outra limitação do processo é em alimentos que contém água ou que não podem ter

bolsas de ar no seu interior. Para os alimentos que contém ar “aprisionado”, como, por exemplo, os morangos, há-se o risco desse produto sofrer explosão por causa do tratamento das altas pressões e sólidos secos que não tem umidade suficiente para que o processo HPP seja efetivo na destruição de microorganismos. No geral, o processo não danifica o alimento por aplicar a pressão uniformemente em todo o produto, por exemplo, quando uma uva é pressionada entre dois dedos é facilmente esmagada e destruída, isso porque a pressão está concentrada em dois pontos e não espalhada por toda a fruta. Isso pode ser demonstrado colocando a uva dentro de uma garrafa com água. Quando a garrafa for esmagada, a água também estará sob pressão e conseqüentemente a uva. Nesse caso a uva não será danificada, não importando o quanto a garrafa for esmagada. Da mesma maneira os alimentos processados por HPP não são danificados com a alta pressão. Geralmente o processo com elevada pressão proporciona a mesma validade que produtos pasteurizados termicamente. Esses processos inativam bactérias e se o produto não for ácido é preciso mantê-lo refrigerado. Para alimentos em que a pasteurização não é viável devido à mudança de sabor, textura ou coloração, o HPP pode estender a validade por 2 a 3 vezes sobre um alimento não processado e melhorar a segurança alimentar. A vida de prateleira pode ser determinada baseada em testes microbiológicos e sensorial. É comprovado que o processo HPP tem pouco impacto em compostos de baixo peso molecular, como em componentes de sabor, vitaminas e pigmentos comparados com processos térmicos. A qualidade do produto


processado é muito semelhante a do produto fresco e a perda de qualidade é decorrente do armazenamento e da má distribuição. A pressão também proporciona uma oportunidade de criar uma nova textura para o alimento à base de amido ou proteína. Em alguns casos a pressão é utilizada para formar gel de proteína e aumentando a viscosidade do alimento sem a utilização do calor. Os alimentos processados por HPP, no mundo, são distribuídos refrigerados. Em alguns casos isso é necessário por segurança (para prevenir crescimento de bactérias em alimentos não acidificados). Para alimentos ácidos isso não é necessário para preservar a integridade microbiana, mas sim para preservar a qualidade do sabor por tempo estendido. Para a escala comercial, um equipamento custa entre $500.000 a $2,5 milhões de dólares, dependendo da capacidade e automatização do equipamento. Por ser um processo novo e possuir um mercado ainda limitado, um produto processado por HPP deve custar entre3 e10 centavos de dólares, acima dos produtos processados termicamente. Os consumidores se beneficiam pelo aumento de qualidade e validade do produto,

além da comercialização de novos produtos que anteriormente não poderiam ser processados com calor.

No caso especifico do suco de frutas Coldpress® o suco é extraído diretamente da fruta, colocado em garrafas de PET com um formato hexagonal, que agüenta altas pressões. As garrafas são amontoados dentro do equipamento com água a 4oC e o equipamento chega até uma pressão de 6000 bars. O produto tem feito muito sucesso na Inglaterra e foi um dos premiados na feira SIAL Inovação, onde estivemos presentes em outubro 2012 realizando pesquisas de tendência e inovação.

Embalagem melhor. Mundo melhor e mais saboroso. Referências: www.cold-press.co.uk Ramaswamy, R.; Balasubramaniam, V.M.; Kaletun, G. High Pressuper Processing Ohio State University Extension fact sheet. Redação: Instituto de Embalagens Crédito: Instituto de Embalagens é uma empresa de ensino e pesquisa de embalagens que atua desde 2005, com capacitação técnica do setor. Em oito anos de atuação já realizou 47 cursos de Embalagens, 58 eventos atingindo mais de 4700 profissionais. O Instituto também possui oito publicações que fazem parte do material didático disponibilizado para o setor e que em sua maioria, são reconhecidos pelos mais importantes prêmios nacionais da Indústria de Embalagens. A Missão do Instituto é coordenar e realizar estudos, cursos, encontros e treinamentos que contribuam e desenvolvam o conhecimento de Embalagens. Sua Visão é ser o Centro do Conhecimento sobre Embalagens no Brasil. O Instituto acredita que melhores embalagens promovem melhor qualidade de vida.


Estruturando um sistema

de gestão de segurança de alimentos

em 10 passos

Q

por: Ana Cláudia Frota - Flavor Food Consulting

uantas empresas não se vêem pressionadas a implementar um sistema de gestão da qualidade e segurança de alimentos, trazendo uma revolução cultural e operacional à organização? Os sistemas de gestão visam a satisfação de determinados requisitos, principalmente os de clientes, os legais e os internos.

• Ações Corretivas • Controle de Não Conformidades • Liberação de Produto • Aquisição • Avaliação de Fornecedores • Tratamento de Reclamação de Clientes • Rastreabilidade e Recall • Medidas de Controle e Monitoramento • Análise de Produto

base no esquema selecionado. Considere a possibilidade da contratação de especialistas, caso o conhecimento da equipe interna ainda não esteja maduro.

Os clientes, principalmente as indústrias, se sentem mais seguras ao adquirir suas matérias-primas de empresas que administram seus processos de forma confiável, minimizando a possibilidade de surtos, escândalos e perda de clientes.

Se você escolher um esquema reconhecido pelo GFSI estará seguindo as tendências mais atualizadas, a sua empresa terá maior probabilidade de agradar a diferentes clientes.

3- Pormenorize as atividades e ações previstas no plano de ação mestre, definindo responsabilidades, prazos e recursos necessários para plena implementação.

Decidindo qual norma adotar

O primeiro desafio de quem está buscando um sistema de gestão da segurança dos alimentos é escolher qual norma implementar. Diversas normas de sistema de gestão da segurança de alimentos são atualmente reconhecidas internacionalmente e todas elas se baseiam no atendimento de especificações e na garantia da segurança de alimentos. Qual será então o melhor esquema para o meu negócio? Qual norma terá maior reconhecimento pelos meus clientes? Para auxiliar este processo de seleção surgiu a Iniciativa Global para a Segurança de Alimento, em inglês Global Food Safety Initiative (GFSI), trata-se de uma fundação sem fins lucrativos que reúne algumas das maiores empresas do setor de alimentos. Esta fundação elaborou um documento de referência que atualmente está em sua sexta versão, que contém a relação e o detalhamento dos requisitos mínimos que um adequado sistema de gestão de segurança de alimentos deve contemplar. Os requisitos que são avaliados e que devem estar presentes em qualquer sistema de gestão da segurança dos alimentos são: • Política de Segurança de Alimentos • Manual de Segurança de Alimentos • Sistema de Gestão • Comprometimento da Alta Direção • Análise Crítica do Sistema (incluindo APPCC) • Requisitos Gerais de Documentação • Especificações • Procedimentos • Auditorias Internas

20

O processo de reconhecimento de normas / esquemas pelo GFSI é dinâmico. Neste momento, temos 7 esquemas aprovados: • BRC Global Standard V. 6 • FSSC 22000 V.3 • Global Red Meat Standard V. 3 • International Food Standard V. 6 • SQF 2000 nível 2 - 7ªed • Global G.A.P. • Canadá G.A.P Conheça em detalhes cada esquema antes de selecionar qual será implementado. Apesar de todos serem considerados equivalentes pelo GFSI, apresentam significativas diferenças como grau de detalhamento e abrangência. Verifique ainda a disponibilidade de especialistas e auditores na sua região.

2- Elabore um plano de ação mestre que contemple todas as necessidades da empresa, incluindo atividades gerenciais e operacionais.

4- Avalie juntamente com a alta direção as expectativas e necessidades de recursos do projeto e da empresa. 5- Determine junto com a alta direção o cronograma de implementação. 6- Forme uma equipe técnica multidisciplinar para conduzir este projeto, comunique claramente as responsabilidades de cada membro. 7- Capacite a equipe responsável pela implementação e operacionalização exaustivamente. 8- Realize reuniões de acompanhamento com cada membro da equipe separadamente e periodicamente reúna a equipe para análises criticas e discussões de melhoria.

Importante:

9- Defina marcos de sucesso ao longo do projeto e comemore quando estes forem obtidos.

O planejamento

10- Realize auditorias de verificação conduzidas por profissionais competentes e isentos.

Confirme com os principais clientes da sua empresa se há uma norma preferencial. Após a escolha do esquema a ser implementado é necessário planejar como este processo de mudança irá acontecer. Estruturando um sistema de gestão de segurança de alimentos em 10 passos As estratégias para a implementação de um sistema de gestão da qualidade e segurança dos alimentos pode variar de empresa para empresa, conforme a Política, tamanho e estrutura. De modo geral, pode-se estabelecer 10 passos para implementação: 1- Realize um diagnóstico completo com

A implementação

Durante a implementação, muitas dúvidas poderão (e deverão) surgir. Busque auxilio com outros profissionais que já passaram ou que estão passando por esta experiência. Realize sistematicamente reuniões de acompanhamento e análise crítica. Faça networking e compartilhe suas dificuldades e soluções com outras empresas que estão vivenciando o mesmo processo de mudança. A solução para um grande problema pode estar bem ao lado.


Após a implementação, forneça tempo para o amadurecimento do sistema de gestão. Tenha em mente que arrestas deverão ser polidas e que eventualmente uma ou outra prática recém estabelecida precisará ser repensada para que atinja os melhores resultados possíveis. Não tenha receio em mudar, caso seja evidenciada necessidade. Afinal, buscamos a melhoria continua!

A certificação

Caso a empresa busque o reconhecimento de terceiros e estando com o sistema plenamente implementado, é hora de selecionar o organismo de certificação que irá conduzir as avaliações de terceira parte. Trata-se de uma auditoria de certificação que segue protocolos internacionalmente reconhecidos para emissão de um parecer isento sobre a adequação e aderência do sistema de gestão implementado com base no critério / norma definido. Busque organismos de certificação com credibilidade reconhecida e com experiência no seu segmento. Compare as competências e o histórico de cada empresa. Após a certificação, é hora de comemorar. Comunique a conquista aos clientes, fornecedores e parceiros. Tendo sempre em mente que a manutenção do sistema de gestão irá requerer ainda mais cuidado do que a implementação em si.

Comemore a certificação, mas tenha em mente que a busca pelo aperfeiçoamento está só começando! Aprenda com quem já viveu uma implementação. Do que não posso me esquecer na hora de implementar um sistema de gestão? “O sucesso está nas pessoas e suas reações.....assim, comprometimento, capacitação e engajamento são fundamentais para construção desta gestão e sem elas andaremos em círculos ganhando apenas descréditos!” João Souza, sócio da JES consultoria “Não podemos esquecer de aproveitar o momento de transição para colocar a visão em ação, formando uma nova cultura de qualidade, deixando para trás jargões famosos como por exemplo: “mas já faz 17 anos que sempre fizemos assim.. “ Thiago Cabral, gerente da qualidade da Royal Canin Todos os elos da cadeia devem ser considerados, pois eles podem influenciar diretamente no resultado do sistema. Após mapeado o processo, conhecidos todos os perigos, definidas as responsabilidades e controles, trabalhe para a manutenção do sistema, consolidando uma cultura de cumprir todas as diretrizes estabelecidas. Luciana Bazante, coordenadora da qualidade - Raymundo da Fonte “Pessoas e comunicação. Ferramentas de comunicação, capacitação e treinamento efetivas são pilares de grande importância para um sistema de gestão bem implementado Pessoas conscientes, são pessoas bem informadas, que compreendem o impacto de suas atitudes e atividades para a qualidade e segurança de alimentos. Pessoas comprometidas são pessoas que têm atitudes positivas em tudo que fazem para a melhoria contínua dos processos, produtos e serviços.” Sabrina Ferreti, Analista de Garantia da Qualidade Sr. De Master Blenders Planejamento. Monte um cronograma com as atividades, responsabilidades, prazos e investimentos envolvidos, e pontos de fragilidade. Avalie a necessidade de consultoria, treinamentos e equipamentos. Acompanhe cada etapa durante a execução, alinhando sempre as expectativas com a alta direção. Luís Gustavo Pinheiro, consultor da Flavor Food Consulting foi gerente de SGI. Definir os papéis, as responsabilidades e a capacitação dos envolvidos. As responsabilidades devem ser claras, objetivas e bem definidas (documentadas) e os recursos para a capacitação devem estar disponíveis. Todos devem ter conhecimento, habilidades e devem ser treinados para que estejam aptos a exercerem suas funções. Alessandra Saadi - Coordenadora da Qualidade da Harald


Desenvolvimento

Figura 1

e estabilização de suco de morango com graviola Bruna Rafaela da Silva | Maria Lucia Manzano Desenvolvimento e estabilização de suco de Morango (Fragaria ananassa) com graviola (Annona muricata) Orientador: Prof. Eng. Gustavo Lana Soares - Marília - 2012

Introdução

Os sucos de frutas são consumidos e apreciados em todo o mundo, não só pelo seu sabor, mas, também, por serem fontes naturais de carboidratos, carotenóides, vitaminas, minerais e outros componentes importantes. Uma mudança apropriada na dieta em relação à inclusão de componentes encontrados em frutas e sucos de frutas pode ser importante na prevenção de doenças e para uma vida mais saudável (PINHEIRO et al., 2006). A gravioleira é uma planta tipicamente tropical, pertencente à família Annonaceae, gênero Annona e espécie Annonamuricata. Fruto composto (sincarpo), formado por um agregado de bagas, codiforme de epicarpo fino, verde-escuro, com terminações estilares (pseudoacúleos) curvos, curtos, proeminentes e numerosos (FILHO, 2010). De acordo com Venturini Filho (2010), as regiões brasileiras produtoras desta fruta são Norte e Nordeste. O morangueiro é uma planta perene, rasteira, herbácea pertencente à família Rosácea e do gênero Fragaria. A parte comestível é o morango, que é um pseudofruto não climatérico de coloração vermelho brilhante, odor envolvente, textura e sabor levemente acidificado. A coloração do morango é devido às antocianinas, e o seu sabor característico é devido aos ácidos cítrico e málico, e aos açúcares. Dentre as propriedades do morango, destacam-se a sua ação antioxidante, a capacidade de reduzir a suscetibilidade a infecções, o seu efeito diurético e a sua atividade anti-inflamatória em reumatismo e gota (ROCHA, 2008). Devido ao avanço tecnológico, muitos alimentos vêm sendo conservados com o objetivo de evitar alterações que possam comprometer as características nutricionais, microbiológicas e sensoriais. Os sucos industrializados, para serem considerados de boa qualidade, devem apresentar atributos semelhantes ao do produto in natura (SILVA, 2005). Objetivo deste trabalho foi desenvolver uma bebida a base de morango com graviola utilizando o método de estabilização química e térmica.

Materiais e métodos

O suco foi elaborado no Laboratório de Microbiologia de Pesquisa da FATEC de Marília/SP. Os utensílios e equipamentos foram higienizados com água corrente e detergente neutro e sanitizados com solução de hipo-

22

clorito (50 ppm) por 10 minutos. Já os frutos, foram lavados em água corrente, imersos em água clorada por 10 minutos e em seguida houve o enxágue.

de 3,22 a 3,39, não tendo muita diferença. Resultado semelhante foi encontrado por SOBRAL e colaboradores (2000), que obtiveram pH 3,46 em suco de morango puro.

A água potável, o morango, a polpa de graviola e o açúcar foram batidos no liquidificador (Vitalex) por aproximadamente 2 minutos. Houve o peneiramento para a retenção de partículas maiores. Posteriormente, os aditivos foram agregados ao suco já peneirado e foram novamente homogeneizados no liquidificador (Vitalex).

Na acidez total titulável, no período em que os sucos ficaram armazenados pode-se avaliar que não houve diferença entre os resultados. Maiores teores foram encontrados por Haminiuk et al. (2001), de 69% para morangos e no mesmo estudo teores menores para amora-preta (57%). Já Marcellini et al. (2003), descreveram para a graviola, o valor de 57,8% para acidez.

Foi realizado tratamento térmico do suco e houve dois tipos distintos de armazenamento. No primeiro, alguns frascos de vidros foram acomodados em um local escuro no intuito de se avaliar sua durabilidade em temperatura ambiente e no segundo, o restante dos frascos foram armazenados sob refrigeração a 5ºC em geladeira (SmartFresh Technology).

3 resultados e discussão

3.1 – Análise Físico-Química Os teores de Sólidos Solúveis Totais (SST) revelaram variação no intervalo mínimo de 7,75 e no máximo de 9 °Brix. O suco armazenado sob refrigeração apontou uma pequena diminuição do valor do °Brix em relação ao dia 0 de produção, já o suco armazenado à temperatura ambiente demonstrou maior decline, porém, os valores continuaram constantes com passar dos dias de acordo com seu tipo de armazenagem. Observou-se que durante os 30 dias após a produção do suco, o pH manteve-se na faixa

3.2 - Análise Microbiológica A Resolução - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2001), regulamenta os padrões microbiológicos sanitários para alimentos e para bebidas não alcoólicas “refrescos, sucos e néctares adicionados ou não de conservadores, congelados ou não” e estabelece padrões somente para Coliformes a 35°C/50mL, o que é satisfatório, pois os resultados microbiológicos se apresentaram de acordo com a legislação. Quanto à presença de bactérias mesófilas no suco armazenado à temperatura ambiente, nota-se um crescimento de 103 UFC/mL trinta dias após a sua produção. Apesar de não haver limites específicos na legislação vigente, a realização dessa análise representa um ótimo indicador de qualidade higiênica do produto, bem como do tempo útil de conservação. 3.3 - Análise Sensorial Os parâmetros idade e cor segundo os pro-


vadores de ambos os sexos, não foram fatores significativos. Já os atributos de aroma, sabor, consistência e impressão global mostraram que os provadores do sexo feminino os avaliaram melhor, e apontaram resultados significativos. Segundo Bonomo et al (2006), sobre o desenvolvimento e avaliação sensorial de um “mix” de polpa congelada à base de cajá e graviola, verificou que cerca de 76,6% dos escores de aceitação estão situados entre as notas 6 e 9, onde os resultados de parâmetro encontrados no suco de morango com graviola também indicaram uma boa aceitação. Figura 1. Intenção de compra (em percentual) do suco desenvolvido e estabilizado de morango com graviola de acordo com análise sensorial realizada com ambos os sexos. Teste de Qui-quadrado (p-valor = 0,0573) Neste trabalho o índice de aceitação para o sexo feminino foi de 95,16%, e o sexo masculino foi de 77,78%. Com isso o suco desenvolvido foi considerado aceito tanto pelos provadores femininos quanto aos provadores masculinos, indicando que o produto apresenta características sensoriais adequadas e potenciais para serem comercializados.

4 Conclusões

Nas análises microbiológicas, o suco estabilizado está de acordo com o que a legislação regulamenta: ausência de Coliformes 35°C. Resultados estatísticos para análise sensorial revelaram que o índice de aceitação para o sexo feminino foi de 95,16%, e o sexo masculino foi de 77,78%, o que é extremamente satisfatório, pois há potencial para a sua comercialização.

5 Referências Bibliográficas

ANVISA - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Alegações de propriedade funcional aprovadas. Resolução nº 18/1999. Disponível em: www.anvisa.gov.br. Acesso em 25 nov, 2012. ANVISA - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados. Resolução RDC nº360, de 23 de dezembro de 2003. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 2003.

BRASIL.MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIO¬NAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução RDC, n. 12, de 2 jan. 2001. Dispõe sobre os princípios gerais para o estabelecimento de critérios e padrões microbiológicos para alimentos. Disponível em: www.vigilanciasanitaria.gov. br/anvisa. Acesso em: 15 outubro 2012. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL SANITÁRIA. Métodos Físico-Químicos para Análise de Alimentos/Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005. BONOMO, F. Renata Cristina. Desenvolvimento e Avaliação Sensorial de um “mix” de polpa congelada à base de Cajá (spondias mombim l.) e Graviola (annona muricata l). Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.8, n.1, p.11-15, 2006. Disponível em: www.deag. ufcg.edu.br. Acesso em 29 novembro 2012. CAMARGO, Yane Rocha et al. Efeito do cálcio sobre o amadurecimento de morangos (Fragaria ananassa Duch.) CV. Campineiro. Ciênc. agrotec., Lavras, v.24, n.4, p. 968972, out./dez., 2000. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 29 novembro 2012. CANUTO, Gisele André Baptista; et al. Caracterização físico-química de polpas de frutos da Amazônia e sua correlação com a atividade anti-radical livre. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal/SP, v. 32, n. 4, p. 1196-1205, dez. 2010. Disponível em: www.scielo.b>. Acesso em 10 outubro 2012. HAMINIUK, C. W. I. et al. Estudo do comportamento reológico de sucos combinados de frutas vermelhas. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Campus Ponta Grossa/PR, v. 5, n. 1, p. 314-325, 2011. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: 28 novembro 2012. JAEKEL, Rosane da Silva RODRIGUES, et al. Avaliação físico-química e sensorial de bebidas com diferentes proporções de extratos de soja e de arroz. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas/SP, 30(2): 342-348, abr.-jun. 2010. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 03 dezembro 2012. MARCELLINI, P.S. et al, Comparação físico-química e sensorial da atemóia com a pinha e a graviola produzidas e comercializadas no estado de Sergipe. Alim. Nutr., Araraquara, v.14, n. 2, p. 187-189, 2003. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: 20 novembro 2012. MENEZES, E. M.; TORRES, A. T. SRUR, A. U. S. Valor nutricional da polpa de açaí. Acta Amazônica, v. 38, p. 311316, 2008. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: 29 novembro 2012.

PINHEIRO, Anália Maria; et al. Avaliação química, físico-química e microbiológica de sucos de frutas integrais: abacaxi, caju e maracujá. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas/ SP, p. 98-103, jan./mar. 2006. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: 30 outubro 2012. ROCHA, Denise Alvarenga; et al. Análise comparativa de nutrientes funcionais em morangos de diferentes cultivares da região de Lavras-MG. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal/SP, v. 30, n. 4, p. 1124-1128, dez. 2008. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 28 agosto 2012.

SALGADO, S. M.; GUERRA, N. B.; MELO FILHO, A. B. Polpa de fruta congelada: efeito do processamento sobre o conteúdo de fibra alimentar. Rev. Nutr,. Campinas/SP, p. 303-308, set./dez.1999. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 29 novembro 2012. SILVA, Neusely da; et al. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos. 3. ed. São Paulo: Livraria Varela, 2007. SILVA, Patrícia T.; et al. Sucos de laranja industrializados e preparados sólidos para refrescos: estabilidade química e físico-química. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas/SP, p. 597 – 602, jul./set. 2005. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 24 novembro 2012.

SILVA, S. M. C. S. da & MURA, J. D’are P. Tratado de Alimentação, Nutrição & Dietoterapia. 2. ed. São Paulo: Roca, 2010. SOBRAL, Maria Angela Pita; et al. Influência da dieta líquida ácida no desenvolvimento de erosão dental. Pesqui. Odontol. Bras., v. 14, n. 4, p. 406-410, out./dez. 2000. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 17 novembro 2012. TACO. Tabela brasileira de composição de alimentos. UNICAMP – 4. ed. Campinas, p. 161, 2011. VENTURINI FILHO, Waldemar Gastoni. Bebidas não alcoólicas: Ciência e tecnologia. São Paulo: Editora Blucher, volume 2, capítulo 8, 2010.

ULIANA, M. R. & VENTURINI FILHO, W. G. Análise energética de bebida mista de extrato hidrossolúvel de soja e suco de amora. Revista Energia na Agricultura, Botucatu/ SP, v. 25, n. 3, p. 94-103, 2010. Disponível em:

www.scielo.br. Acesso em 29 novembro 2012.


Solução inovadora

em dessecantes de umidade para proteção de cargas A empresa Clariant anunciou a inauguração da nova planta durante a feira Intermodal South America.

D

urante a realização da Intermodal South America - feira internacional de logística, transporte de cargas e comércio exterior -, a Clariant, por meio de sua unidade de negócios Functional Materials, inaugurou no país, a produção do Container Dri II, um dessecante de umidade que protege as cargas contra os danos causados pela umidade durante o transporte intermodal, com grande eficiência e performance. A empresa anuncia a nova planta fabril, instalada em Jacareí (SP).

A nova unidade para a produção do Container Dri II utiliza tecnologia de ponta para proteção contra umidade, em sala com ambiente controlado, assim como os utilizados nas indústrias de alimentos e bebidas. A planta brasileira atenderá não apenas ao mercado local, como também aos demais países da América do Sul e, futuramente, América Central e Caribe. “A América Latina é um mercado estratégico para a Clariant em todas as suas frentes de negócios. Estamos empenhados em aprimorar cada vez mais o atendimento às demandas de nossos clientes, garantindo qualidade e agilidade”, enfatiza Sven Schultheis, Diretor Global da BU Functional Materials. “A instalação da nova unidade de produção do Container Dri II no Brasil representa respostas mais rápidas de entrega, mantendo o padrão global de qualidade do material, serviço

24

técnico especializado e suporte em toda a região”, complementa.

Container Dri II

O Container Dri II, que atualmente é produzido na fábrica de Belen (Novo México - EUA), Singapura e Balıkesir (Turquia), é uma linha de dessecantes de umidade para transporte desenvolvida especialmente para proteger a carga por meio de uma absorção significativa da umidade do ar. O produto é composto de matérias-primas específicas com alto desempenho de absorção que são acomodadas em uma bolsa com design especial. Tanto o desenho da bolsa como as matérias primas são patenteados pela Clariant e garantem uma performance superior de absorção em comparação com outros produtos disponíveis no mercado. A solução trabalha reduzindo a temperatura do “ponto de orvalho” e mantendo a carga protegida e segura, durante todo o transporte intermodal e na armazenagem. O “ponto de orvalho” é o momento em que se começa a formar a condensação, causando o que é conhecido como “chuva de contêiner”. Ao evitar esse fenômeno de forma bastante eficiente, o Container Dri*II garante que a carga esteja sempre protegida dos danos causados pela umidade, eliminando perdas e prejuízos provocados por mofo, oxidação, corrosão, bolor, estragos, decomposição e descoloração de caixas de papelão, empenamentos de embalagens, além de outros

efeitos nocivos da umidade que ocorre durante o embarque de produtos por contêiner, seja por meio ferroviário, marítimo, fluvial ou rodoviário. Capaz de absorver até três vezes o seu peso em umidade, o Container Dri*II a retém como um gel espesso que impede vazamentos, graças a sua avançada tecnologia. Além disso, age protegendo a carga em todos os momentos da armazenagem e do transporte, desde a origem até o destino, em todas as faixas de temperatura e umidade relativa. O produto é disponibilizado em diferentes configurações para atender a qualquer método de embarque e embalagens. A fórmula avançada do Container Dri II, aliada aos diferentes tipos de configuração, atende a indústria na sua totalidade abrangendo toda a cadeia de logística, armazenagem e exportação. Entre suas aplicações mais comuns estão o transporte de produtos agrícolas, enlatados, peças automotivas, bens de consumo, pós, vidro e madeira, grãos em geral, indústria automobilística, indústria metalúrgica e siderúrgica. “Estamos presentes no mercado latino-americano desde 2002 e, com o objetivo de atender à crescente demanda de nossos clientes, decidimos instalar no Brasil esta nova planta produtiva do Container Dri*II, fortalecendo a participação de nossa empresa no mercado de logística intermodal”, afirma Roberto Carvalho, Gerente de Vendas para América Latina.


Produto substitui

glúten em pães e bolos

A

principal dificuldade para quem segue dietas com restrição de glúten, seja por intolerância à substância ou por escolha pessoal, é se adaptar à nova textura e sabor dos alimentos.

Encontrar um substituto adequado para o glúten visando o desenvolvimento de alimentos saborosos e de melhor qualidade tem sido um grande desafio para a indústria. A demanda por alimentos sem glúten está em alta, com um número crescente de pessoas sendo afetadas pela doença celíaca, enquanto outros estão eliminando o produto de suas dietas por escolha pessoal. Foi pensando nesse público que a Dow Pharma & Food Solutions desenvolveu WellenceTM Gluten Free, uma solução inovadora de origem vegetal, que consegue proporcionar aos produtos a mesma textura e consistência dos alimentos feitos com farinha de trigo (que contém glúten).

durante o cozimento e garante umidade duradoura. “Encontrar um substituto adequado para o glúten tem sido um grande desafio para os fabricantes de alimentos, já que o mesmo possui propriedades importantes relacionadas à textura e ao aspecto de produtos panificados. Como parte de um esforço contínuo no desenvolvimento de soluções inovadoras que beneficiem a saúde do consumidor, a Dow dispõe do WellenceTM Gluten Free para o mercado brasileiro”, diz Alexandre Assunção, líder comercial da unidade de negócios de Dow Pharma e Food Solutions para América Latina.

“Encontrar um substituto adequado para o glúten tem sido um grande desafio para os fabricantes de alimentos”

O WellenceTM Gluten Free é um aditivo alimentar à base de plantas que possui a propriedade de absorção de água e a capacidade estrutural similar a do glúten, permitindo que os fabricantes ofereçam produtos que satisfaçam as necessidades alimentares dos consumidores, sem comprometer o sabor e a aparência. O produto da Dow confere a pães e bolos a textura que o glúten proporciona. Além disso, permite a manipulação de uma massa consistente, previne o colapso de alimentos

Um importante diferencial da solução desenvolvida pela Dow é permitir o uso de uma gama maior de farinhas para substituir a de trigo, reduzindo significativamente um dos grandes problemas de produtos gluten-free: a falta de volume e a textura indesejada pelos consumidores. O WellenceTM Gluten Free forma um gel que mimetiza a capacidade do glúten de construir uma “rede” estrutural no interior do produto. Isso garante que pães e bolos desenvolvam a forma, volume e textura desejados/esperados.

25


Claranor apresenta

esterilizadora na Fispal Tecnologia Atualmente atuando nos cinco continentes em mais de 25 países, CLARANOR está disposta à divulgar sua tecnologia para o Brasil e toda a América do Sul, buscando novos negócios no setor de envase, embalagem de bebidas e produtos lácteos

A

CLARANOR desenvolveu uma solução abrangente para esterilização de tampas, potes e pré-formas, antes do envase de bebidas e produtos lácteos.

Como nenhuma empresa fabricante de equipamentos industriais conseguiu industrializar rentávelmente este tipo de tecnologia, a empresa francesa não possui concorrentes no mercado. Usando flashes de luz UV de alta intensidade, o equipamento consegue uma redução de 3 à 5 logs para grande parte das bactérias e fungos no envase. Esta tecnologia oferece muito benefícios: Não consome água, não envolve produtos químicos e pode ser facilmente integrada na

sua linha de produção, devido ao tamanho reduzido de seus dispositivos. Comparado ao uso de produtos químicos (peróxido de hidrogênio e ácido peracético) ou irradiação, a utilização de luz UV de alta intensidade, representa uma alternativa tanto econômica quanto ecológica. Sua performance vem ao encontro dos requerimentos necessarios para o envase de produtos lácteos, sucos refrigerados e refrigerantes sensíveis. Claranor já esta presente no mercado brasileiro e peruano, com equipamentos instalados no setor de envase de bebidas e iogurtes, com a esterelização de tampas e potes, contudo esta sera sua primeira participação em uma grande feira, a FISPAL TECNOLOGIA.

Vitrine

PRODUTOS - SERVIÇOS

Lual Alimentos lança linha gourmet de pimentas liofilizadas Em frascos individuais ou packs, pimentas dos tipos Jalapeño, Dedo de Moça, Malagueta e Pitanga serão comercializadas em empórios e lojas especializadas

A Lual Alimentos lança, lançou sua linha gourmet de pimentas liofilizadas (desidratadas a frio) incluindo quatro tipos: Jalapeño, Dedo de Moça, Malagueta e a Pitanga, com diferentes graus de picância. O processo de liofilização preserva e concentra a cor, sabor, aromas e nutrientes dos alimentos. As pimentas, que serão comercializadas em empórios e lojas especializadas, são apresentadas em frascos com um rótulo de cor específica, que faz referência direta ao grau de picância de cada uma. A escala, de 0 a 100, foi determinada após várias degustações realizadas com especialistas, com o objetivo de facilitar o entendimento e o uso adequado de cada tipo. www.lualalimentos.com.br Tel: 0800-770-7230

26


Notas

INFORMAÇÕES DO SETOR

Cervejaria Fritz lança cinco novos tipos de cervejas artesanais na Brasil Brau

Duas Rodas investe em Planta-piloto UHT/HTST

Além de saborosos, os produtos são saudáveis, nutritivos e garantem bem-estar

Conectada à tendência do crescimento de produtos “vida longa” no mercado e ao aumento de consumo de sucos e néctares prontos para beber sem conservantes, a Duas Rodas conta desde o início do ano com uma planta piloto para produtos UHT/HTST. Com o equipamento, a empresa está apta a prestar o serviço de apoio aos clientes no desenvolvimento de produtos com soluções em sabores, texturas e mascarantes para produtos lácteos e ácidos. O equipamento, importado dos EUA, consiste em um sistema de processamento através de aquecimento indireto, utilizado em tratamentos térmicos de produtos como sucos, bebidas de soja, isotônicos, bebidas lácteas, maionese e molhos. “Nosso equipamento possibilita acelerar

a pesquisa e o desenvolvimento de produtos que necessitam de tratamento térmico, tanto de nossos clientes, como da própria empresa, trazendo economia para a realização de testes, uma vez que não é necessário tomar tempo das linhas produtivas, além de podermos trabalhar com pequenos volumes. Esta planta permite definir em escala piloto os parâmetros dos processos industriais, como temperatura, tempo e pressão, que podem ser extrapolados para a escala industrial”, explica o gerente do setor de Atendimento Técnico a Clientes (ATC), Carlos Bartz. www.duasrodas.com Tel: (47) 3372-9233

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Processos industriais podem contar com a Tecnologia 3D TRASAR®, que melhora a eficiência operacional e gera benefícios ambientais e econômicos

Muitas indústrias dependem da geração de vapor em seus processos produtivos, utilizando sistemas de caldeiras cuja principal função é a produção de vapor via aquecimento da água. Para que estas funcionem plenamente, é necessário que sejam alimentadas com água de boa qualidade; do contrário, podem gerar incrustações na superfície dos tubos em função de sólidos presentes, reduzindo a transferência de calor, aumentando o consumo de combustível e o risco de explosões. A corrosão do aço inox compõe as caldeiras é outra grande preocupação, pois pode causar o rompimento de tubos e paralisações do processo. Indústrias de todos os segmentos, incluindo alimentos, geração de energia, petroquímica, têxtil e depapel e celulose, podem contar com um inovador e avançado sistema de controle de tratamento de água, a Tecnologia 3D TRASAR desenvolvida pela Nalco, uma empresa Ecolab. Assim como no caso dos sistemas de caldeiras, a Tecnologia 3D TRASAR para Água de Resfriamento utiliza uma técnica que monitora, em tempo real, desvios operacionais. Toda a operação pode ser acompanhada on-line pela empresa e, além da visualização de leituras, é possível gerar gráficos estatísticos das variáveis controladas pelo programa, que atua imediatamente para garantir as correções necessárias. O 3D TRASAR funciona vinte e quatro horas por dia para detectar potenciais riscos de formação de depósitos, corrosão e desenvolvimento microbiológico e fornece a resposta química na dose adequada. Os resultados são a menor necessidade de manutenção, dosagens corretas de produtos químicos, menores custos operacionais, economia de energia e proteção máxima dos ativos da empresa.

A cervejaria artesanal Fritz, localizada em Monte Verde (MG), apresentará no Degusta Beer, espaço de degustação da feira Brasil Brau, cinco novas variedades: Natur, Weizen, Köelsch, Dunkel e Klar, produzidas artesanalmente com a supervisão pessoal do mestre cervejeiro alemão Jörg Franz Schwabe. Com um crescimento de 50% no número de expositores (130 marcas), o evento acontece de 25 a 27 de junho, no Transamerica Expo Center, em São Paulo. “Fizemos adequações na planta da fábrica para receber os equipamentos e construímos a sala onde são armazenadas as embalagens, realizados processos, testes de envase e de qualidade do produto, e iniciamos o processo regulamentador na Anvisa-MG”, explica Ingo Schwabe, diretor executivo da Fritz. A escolha da embalagem também foi feita pelo mestre cervejeiro, que selecionou garrafas importadas da cidade de Kups, na Alemanha. “O interessante é que quando você abre a cerveja ouve um estouro igual ao de champagne, criando uma experiência única. Além disso, a garrafa contém 500 ml, o que possibilita tomar metade dela e depois guardar, já que seu sistema permite o fechamento sem perder o gás no dia seguinte”, acrescenta Schwabe. /////////////////////////////////////////////////////////////////////////

A plataforma 3D TRASAR também está disponível para gerenciamento de sistemas de purificação de água por osmose reversa. Este processo é utilizado tanto para alimentação de sistemas de geração de vapor como para fins industriais diversos e vem se tornando um padrão para indústrias que necessitam de água de alta pureza. A preservação do coração destes sistemas, que é o conjunto de membranas semipermeáveis, é vital tanto para a sua integridade quanto para a redução de custos operacionais, sem que a qualidade seja comprometida. A Tecnologia 3D TRASAR para Membranas permite, além do controle da dosagem dos químicos, monitorar variáveis críticas deste processo, como vazão normalizada e variação de pressão normalizada, permitindo ações de correção antes que as membranas se danifiquem.

“Desenvolvemos tecnologias que reduzem o impacto ambiental, colaboram com o desenvolvimento sustentável e conservam os recursos não renováveis do planeta. Sistemas de resfriamento, geração de vapor, osmose reversa e outras aplicações de processo, independentemente de seu tamanho ou projeto, podem enfrentar diversos desafios operacionais, como deposição, corrosão, entupimento e crescimento biológico. Estas ineficiências operacionais são uma preocupação para as indústrias e podem impactar negativamente em seus custos. Contudo, temos segurança em atuar com essa tecnologia tão completa que, desde sua primeira instalação, em 2004, já ajudou clientes a economizar cerca de 438.000 milhões de galões (1.660.000 milhões de litros) de água, o suficiente para suprir as necessidades de água anuais de mais de 17 milhões de pessoas”, afirma João Teodoro, Gerente de Marketing da divisão de Serviços de Águas e Processos. No Brasil, atualmente há mais de 500 sistemas 3D TRASAR em operação.

27


Químicos restritos

em análise

Expansão de infraestrutura no IPT aumenta procura para testes de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos

U

m crescimento de 70% nos últimos cinco anos em solicitações de setores industriais e de prestação de serviços, e a expectativa de novos negócios pelas novas demandas para investigações de áreas contaminadas, está ampliando a atuação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas em ensaios de determinação dos teores de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs), compostos químicos mutagênicos e carcinogênicos aos seres humanos. Os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, também conhecidos como polinucleares, são compostos gerados a partir da combustão incompleta de materiais orgânicos, em operações industriais para fabricação de corantes, fibras e solventes e, principalmente, nas diversas atividades relacionadas desde a extração até a transformação do petróleo e seus derivados. Mais de 100 deles são conhecidos, mas somente 16 são comumente solicitados para ensaios em função da importância industrial, ambiental e toxicológica – alguns são considerados precursores de ações mutagênicas e tumorais. Os ensaios realizados no Laboratório de Análises Químicas (LAQ) são feitos por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas, atualmente em quatro equipamentos, que foram adquiridos durante o projeto de modernização do Instituto. As principais matrizes fornecidas para os ensaios – águas, óleos e solos – são submetidas inicialmente a uma preparação: quando o material é sólido, um processo de extração por meio de um solvente orgânico é executado para obter a solução a ser analisada para medição da concentração em partes por milhão (ppm), enquanto as amostras de águas são submetidas a uma extração líquido-líquido para testes em partes por bilhão (ppb). “Os clientes que solicitam ensaios em óleos ou solventes buscam principalmente atender aos requisitos solicitados em editais ou às exigências do mercado

28

Atendimento aos requisitos de editais e exigências do mercado externo motivam procura pelos ensaios, afirma pesquisadora Helena externo previstas na Diretiva RoHS e no Regulamento Reach, para comprovar a inexistência dos compostos em seus produtos”, explica Helena Lima de Araújo Glória, pesquisadora do LAQ. Valores estabelecidos pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), no caso do Estado de São Paulo, determinam os parâmetros aceitáveis para intervenções agrícolas, residenciais ou industriais. “Existe uma grande diversidade de clientes para tais ensaios e estamos recebendo muitos pedidos para análise em solventes alifáticos, usados para remover óleos e graxas na limpeza de chassis e motores, mas já chegamos a fazer ensaios em materiais como tecidos e papéis”.

Paralelamente à modernização da infraestrutura, o laboratório aumentou as acreditações de ensaios pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, o Inmetro, e está ampliando suas competências a partir do projeto de desenvolvimento e validação de tecnologias para remediação de solos e águas subterrâneas contaminados com organoclorados, financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, e coordenado pelo Centro de Tecnologias Ambientais e Energéticas do IPT. Parte de um total de 300 amostras será submetida a ensaios (todos eles acreditados pelo Inmetro) no laboratório para a determinação dos teores de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, com previsão de conclusão no final do mês de julho.


Robótica e sistemas eletrônicos

movimentam setor de logística na

Fispal Tecnologia

Entre 2010 e 2012, a feira ampliou em 30% a área de exposição, atraindo novas empresas e visitantes. Expectativa para 2013 é de reaquecimento do setor

A

pesar das turbulências que comprometeram a indústria brasileira durante o primeiro semestre de 2012, para o setor de embalagens a produção voltou a crescer a partir da segunda metade do ano. Até o final de dezembro houve crescimento de 1,6%, devido a medidas como a desoneração tributária e ampliação de crédito. É o que acredita, por exemplo, a Associação Brasileira de Embalagem (ABRE), que divulgou recentemente balanço de seu segmento. É com essa perspectiva de retomada, e uma história que registra crescimento de 30% em sua área de exposição e 10% no número de marcas expositoras desde 2010, que a Fispal Tecnologia - 29ª Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas, maior e mais completo evento do setor em toda a América Latina, será realizada de 25 a 28 de junho. Organizada e promovida pela BTS Informa, a feira ocupará 80 mil m² do Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. “A Fispal é uma marca global e que faz parte da agenda dos principais executivos e profissionais que atuam direta ou indiretamente no mercado de embalagens. Esperamos que a edição deste ano traga muitas inovações para os mais de 60 mil compradores qualificados e oportunidades de negócios para as mais de duas mil empresas expositoras”, diz Marco Antonio Basso, CEO do Informa Group no Brasil.

Números positivos animam o setor

Calcula-se que o setor de transformados plásticos tenha fechado 2012 com receita de cerca de R$ 55 bilhões, de acordo com a Abief, Associação Brasileira das Indústrias de Embalagens Flexíveis; e novos investimentos devem ser retomados a partir deste ano. A ABRE também anunciou números positivos em relação ao valor da produção física de embalagens. O total de 2012 foi de R$ 46,9 bilhões, alta de 3% sobre 2011. Justamente os plásticos, amplamente usados na indústria alimentícia, representaram

maior participação, com 37,08%, seguido pelos celulósicos, com 34,47%. Metálicos ocuparam 16,79% e o vidro, 4,65%. No segundo semestre, o emprego acompanhou o aumento da produção, superando a posição de 2011 em 0,08% e fechando o ano com 224.811 empregados com carteira assinada. Todos esses segmentos se encontram em um ambiente propício para negócios, networking e atualização profissional na Fispal Tecnologia 2013, evento que atrai, cada vez mais, a atenção internacional. Na edição de 2012, foram 146 expositores estrangeiros, de 16 países diferentes, crescimento de 35% em relação à edição de 2011, também confirma o momento favorável para ampliar as relações comerciais com o mercado brasileiro. Neste ano, mais de 100 empresas expositoras provenientes de 16 países como França, Itália, China, Turquia, Alemanha, entre outros, já confirmaram presença. Em relação aos compradores de fora, a expectativa é

receber visitantes de 41 países. Na programação de eventos simultâneos à feira, os congressos técnicos e simpósios também são um dos pontos altos, com a participação de profissionais, acadêmicos e especialistas de diversas áreas. Na edição de 2012, mais de 500 congressistas participaram dos três congressos técnicos e um simpósio sobre Segurança Alimentar, iniciativa conjunta da BTS Informa e do IBC Brasil, empresa do Grupo Informa especializada na realização desse tipo de evento. Destaque também para outras atrações como o Espaço PME (Pequenas e Micro Empresas), iniciativa da BTS Informa com a participação do Sebrae e a Vila do Aço, em parceria com a Abeaço (Associação Brasileira da Embalagem de Aço). Data: de 25 a 28 de junho de 2013 Horário: das 13h às 21h Local: Pavilhão do Anhembi, Av. Olavo Fontoura 1.209, Santana, São Paulo.

29


cresce 50%

e apresenta novidades na edição 2013

C

om um crescimento de 50% no número de expositores em relação à edição de 2011, a mais completa feira do segmento de cervejas especiais, Brasil Brau – XI Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja, será realizada de 25 a 27 de junho, em uma área de 6.000m², no Transamérica Expo Center (São Paulo).

O evento chega a 2013 com grandes novidades: o lançamento do Prêmio Brasil Brau de Gestão de Negócios em Cerveja, dividido em quatro categorias; e os novos horários, acessos e espaços diferenciados tanto para o Degusta Beer, quanto para a visitação à Feira de Tecnologia e a participação no Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia Cervejeira. Considerado o principal e mais abrangente evento do setor realizado no país, a Brasil Brau incorpora toda a cadeia produtiva, contando com a participação de representantes da indústria e do mercado cervejeiro. O formato, idealizado há onze edições, atrai desde os produtores de matérias-primas, equipamentos, prestadores de serviços, mestres cervejeiros e uma grande variedade de rótulos nacionais e importados, além de compradores e consumidores. Ao lado da exposição do que há de melhor e mais moderno na indústria brasileira e mundial, a Brasil Brau promove um ambiente de negócios, de disseminação de novidades, de degustação e confraternização, com a participação de público qualificado. Público qualificado Mais de 40 cervejarias e microcervejarias apresentarão seus lançamentos e destaques entre 130 marcas de cervejas especiais, que deverão atrair um fluxo de visitantes 60% superior ao de 2011, quando o espaço de degustação foi aberto ao público pela primeira vez. Promovida pela Fagga I GL events Exhibitions, é realizada a cada dois anos pela Associação Brasileira dos Profissionais em Cerveja e Malte (Cobracem), com a chancela do Sindicerv, Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe), VLB, Doemens e apoio institucional do Senai e Nadir Figueiredo. Entre os 5.000 visitantes da última edição, 41% foram ao evento para estabelecer novas relações comerciais, 32% buscavam conhecer novos produtos e serviços e 11% procuravam novos fornecedores. Expositores Entre os expositores de destaque do Degusta Beer nesta edição está a gigante AMBEV, que retorna ao evento com suas cervejas Bohemia Premium. Entre as 130 marcas

30

expositoras, as brasileiras especiais estarão representadas por rótulos da Abadessa, Amazon Bier, Armazém do Nono, Baden Baden, Bamberg, Chop do Fritz, Colorado, Devassa, Dortmund, Eisenbahn, Falke Bier, Karavelle, Magnus, além de importadoras como Bier & Wein, Lorch e Tarantino, entre outras. Na Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja, que apresentará equipamentos, tecnologias, matérias-primas e consultoria para o setor, estarão presentes empresas estrangeiras como Puremalt, Anton Paar, John I. Haas, DSI, Dupont, FlavorActiV, GEA, GlobalFood, Hopunion, Kaspar Schulz, além das nacionais Chopeiras Memo, Kleper Weber Tecnologia, Prominent, Vinox Tecnologia, entre outras. Prêmio O objetivo do Prêmio Brasil Brau de Gestão de Negócios em Cerveja, segundo Victor Montenegro, Diretor de negócios da Fagga | GL events Exhibitions, é incentivar a profissionalização da gestão do negócio de cervejas especiais, em médio e longo prazo. Qualquer empresa do setor, desde que registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), pode concorrer em uma das quatro categorias: Rótulo e Design de Embalagem, Comunicação da Cultura Cervejeira, Responsabilidade Social e Sustentabilidade. Divisão de espaços e horários Para proporcionar um ambiente exclusivo, com maior privacidade para a realização de negócios, os organizadores da Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja projetaram uma entrada específica para a área de exposição, que passará a funcionar das 13h às 20h. No espaço será possível encontrar fornecedores de equipamentos, insumos, copos, tulipas e bolachas, além de empresas de consultoria, livrarias especializadas e cursos técnicos. Inovações tecnológicas e soluções sustentáveis também serão apresentadas. Congresso Este ano o Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia Cervejeira teve sua programação ampliada, será realizado em horário integral e reunirá especialistas de cinco países, entre eles Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos e Itália. Pela manhã, serão apresentadas as palestras com temas ligados à ciência e tecnologia. Na parte da tarde os temas serão focados nas tendências do mercado, comunicação e gastronomia. Durante esse período da programação, chefs de cozinha convidados prepararão pratos e darão dicas de harmonização.

Os participantes do Congresso têm acesso gratuito aos demais espaços da Brasil Brau. Entre os destaques da programação, estão quatro palestrantes americanos. Eles fazem parte da delegação que representa a Brewers Association (BA), convidada pela Importadora Tarantino a participar do evento. A Tarantino também trará um contêiner de cervejas americanas inéditas no mercado brasileiro e promoverá um campeonato de cerveja lupulada no stand da BA. Será uma oportunidade única para o degustador brasileiro ter contato com esses rótulos, no país. Temas abordados Entre as palestras internacionais, destacam-se: a “História de estilos de cerveja da Alemanha” (Alemanha), a “Importância da inovação em estilos” (EUA) e o “Mercado de cervejas da Itália” (Itália). Já os palestrantes nacionais abordarão temas como Design de rótulos, harmonização entre cervejas e queijos, cerveja na panela, cerveja na coquetelaria, cerveja e chocolates, conceitos de harmonização, cerveja à mesa (Bares, Empórios e Afins) e cerveja para amantes de vinho. De acordo com um levantamento da empresa de pesquisas Mintel, divulgado no final de 2012, o volume de vendas de cervejas “premium” — como são chamados os rótulos de marcas estrangeiras ou artesanais — aumentou 18% no Brasil no ano passado, em relação a 2010. A taxa de consumo de cerveja por habitante no Brasil (67,4 litros) equivale à de grandes mercados, como os Estados Unidos (75 litros) e o Reino Unido (64,7 litros). O setor reúne 200 microcervejarias e responde por 5% do faturamento total do segmento, estimado em R$ 39,6 bilhões em 2012. Com crescimento anual quatro vezes superior ao do mercado de cervejas tradicionais, as cervejas especiais almejam conquistar 10% do mercado já este ano e 20% da preferência até 2015. Os números do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) comprovam o movimento das cervejarias especiais rumo à conquista do mercado: 31 novos produtores solicitaram registro em 2012, o maior contingente de pedidos dos últimos 30 anos. Essa conquista de espaço nas prateleiras também é verificada no varejo, pelo setor de compras do supermercado carioca Zona Sul, no qual as cervejas premium já ocupam 50% do espaço destinado a esse tipo de bebida.


APAS 2013

Feira encerra com resultados positivos para o setor e contribui significativamente com o desenvolvimento econômico do País

A

Feira APAS fecha sua edição de 2013 com grande sucesso. Sob o tema “Capitalismo Consciente - prosperar construindo relações de valor para todos”, a feira reuniu 64.709 empresários e executivos do setor entre os dias 6 a 9 de maio, no Expo Center Norte.

O evento teve como resultado um volume de negócios gerados na ordem de R$ 5,5 bilhões. Durante os quatro dias de feira participaram da Feira APAS 2013 498 executivos internacionais, de países como Argentina, Paraguai, Chile e Estados Unidos. Além disso, expuseram 550 empresas, sendo 147 internacionais.

Rodadas de negócios

Em 2013, a APAS e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) realizaram o Projeto Comprador. Por meio dele, foram realizadas rodadas de negócios entre 50 empresas brasileiras e 60 compradores de 22 países. Como resultado delas, devem resultar exportações da ordem de US$ 47 milhões, entre negócios fechados durante o evento e nos próximos doze meses. As rodadas foram realizadas em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), a Associação Brasileira da

Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB), a Associação Nacional das Indústrias de Biscoitos (ANIB) e o Instituto Brasileiro de Frutas (IBRAF).

Congresso

A 29º edição do Congresso de Gestão e Feira Internacional de Negócios em Supermercados recebeu 3.018 profissionais nos três dias, nos quais foram proferidas 80 palestras. Na palestra inaugural, o congresso recebeu mais de 800 participantes. Grandes nomes como Alair Martins, do Sistema Integrado Martins; o educador físico Márcio Atalla; Raj Sisodia, cofundador e presidente do Instituto Capitalismo Consciente; Jenn Lim CHO da Delivering Happiness, e Cafu, capitão da Seleção Brasileira de Futebol de 2002 proferiram palestras. Um dos principais destaques desta edição foi o painel “Confiança”, realizado com base em uma pesquisa do Instituto Nielsen, que abordou a confiabilidade do brasileiro em seus conterrâneos e os reflexos disso nos negócios. O painel contou com a participação de João Galassi, presidente da APAS; Alexandre Caldini Neto, Presidente do Jornal Valor Econômico; Eduardo Ragasol, Presidente da Nielsen Brasil, e Fernando Yamada, Presidente

da Associação Brasileira d Supermercados (Abras), e foi o pontapé inicial para o tema de 2014. Completando seus 30 anos de história, a maior feira mundial do setor supermercadista terá como tema “CONFIANÇA” e dará destaque também ao Brasil como sede da Copa do Mundo e centro das atenções dos negócios mundiais.

Fórum Mundial de Produtos e Alimentos Mais Saudáveis

Para 2014, a Feira APAS terá também o Fórum Mundial de Produtos e Alimentos mais Saudáveis. O Fórum, organizado pelo setor supermercadista debaterá a inclusão de produtos cada vez mais saudáveis na alimentação dos brasileiros, estabelecendo as diretrizes e sugestões de ações para o estímulo dessa transformação. A proposta é que o setor trabalhe em conjunto para disponibilizar, nas lojas físicas e virtuais, informações que ajudem o consumidor a tomar a decisão de forma consciente. Também serão realizadas, ao longo do ano, reuniões preparatórias para o Fórum Mundial, envolvendo as entidades representativas do setor e a indústria. O setor supermercadista contribui, hoje, com 34% do faturamento nacional, emprega quatro milhões de pessoas e abastece 85% dos lares das famílias brasileiras.

31


Indústrias de ingredientes alimentícios e farmacêuticos reúnem-se

no maior evento da América Latina

S

ão Paulo receberá, entre os dias 6 e 8 de agosto, no Expo Center Norte, a Fi South America e a CPhI South America. Os mercados de ingredientes alimentícios e farmacêuticos estarão unidos para apresentar seus lançamentos e apontar soluções inovadoras. Ao todo, serão 18 mil m² de área de exposição e cerca de 700 marcas nacionais e internacionais, entre fabricantes de matérias-primas, insumos farmacêuticos e alimentícios, distribuidoras e prestadoras de serviços. A expectativa da organização é receber cerca de 15 mil visitantes.

Mercado

O interesse que leva esse número considerável de público ao evento está diretamente ligado às possibilidades de geração de negócios. Tanto o mercado farmacêutico quanto o alimentício mostram-se como verdadeiras forças da economia brasileira e mundial. De acordo com o Ministério da Saúde, o mercado de fármacos e medicamentos movimenta anualmente R$ 28 bilhões e a tendência é de expansão, com estimativa de atingir R$ 87 bilhões até 2017. Já o setor alimentício, na projeção da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), verá uma necessidade de ampliar em 20% a produção de alimentos para atender o aumento da demanda até 2020. O Brasil é o país que mais deverá crescer, com previsão de incremento de 40% no período, com um faturamento de US$ 5,9 trilhões até o final de 2014.

Busca de conhecimento

Em paralelo às exposições, serão realizados congressos, seminários e apresentações, que reunirão especialistas nacionais e internacionais para discussões relevantes em seus respectivos setores. No módulo alimentício, o Congresso Health Ingredients, debaterá as soluções nutricionais inovadoras da indústria de alimentos e bebidas ligados à saúde e bem-estar. Ingredientes Bioativos e Funcionais, Ingredientes Naturais e Redução de sódio e açúcar serão alguns dos temas abordados.

32

Outro módulo, Fi Mercado e Tendências, abordará o business do setor, com destaque para o painel da Euromonitor, instituição de pesquisa mercadológica que apresentará dados atuais sobre a indústria do bem-estar, que deve movimentar um trilhão de dólares no mundo até 2017. Haverá também apresentações das principais associações do segmento, como a ABIAD (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e Para Fins Especiais), e a ABENUTRI (Associação Brasileira de Empresas de Produtos Nutricionais), entre outras. Além disso, o público poderá participar do Simpósio do ILSI - International Life Sciences Institute, que discutirá a gestão dos alergênicos na indústria de alimentos, com palestras de profissionais da Coca-Cola e Mondelez. Para o mercado farmacêutico, os conteúdos da grade tratarão de temas como Biotecnologia, Assuntos Regulatórios, Validação de Processos de acordo com o novo guia da FDA, Inspeções Internacionais da ANVISA, Perspectivas do Mercado Farmacêutico Bra-

sileiro e Oportunidades e entraves para a Pesquisa Clínica no Brasil. E na área de exposição acontecerá o Seminar Sessions, palestras gratuitas para os visitantes sobre novos produtos e tecnologias, com inédito espaço dedicado à degustação de produtos. “A união dos eventos trará respostas às reais necessidades dos visitantes, com ofertas de soluções inovadoras em ingredientes farmacêuticos e alimentícios, discussões de alto nível e networking qualificado”, finaliza Gabriela Ramos, gerente de eventos da UBM Brazil, empresa responsável pela organização da CPhI South America e Fi South America.

Serviço:Fi South America e CPhI South America Data: 06 a 08 de Agosto de 2013 Local: Expo Center Norte - São Paulo - SP www.fi-events.com.br www.cphi-sa.com.br


Fispal Food Service

chega a 2013 com projeções de crescimento

para o setor de alimentação fora do lar

Indicadores da Abia apontam que já passa dos 30% o faturamento do food service na indústria brasileira de alimentos. Vendas em supermercados entre novembro 2011/2012 subiram 12,39%

É

evidente o crescimento do mercado de alimentação fora do lar. Há anos o setor food service brasileiro apresenta números ascendentes. De acordo com pesquisa do Data Popular, divulgada em janeiro de 2013, os gastos da classe média com alimentos e bebidas neste ano devem crescer 21% em relação a 2010, quando somaram R$ 181,8 bilhões. O novo valor projetado alcança R$ 220 bilhões. Esse dado corrobora informações da Associação Brasileira de Franchising (ABF), que em relação às franquias de alimentação, por exemplo, em 2005 chegavam a 182 marcas. Cinco anos depois, em 2010, o número aumentou para 427 marcas e continua em plena expansão. São dados positivos como esse que preparam um cenário otimista para a 29ª edição da Fispal Food Service - Feira Internacional de Produtos e Serviços para a Alimentação Fora do Lar, de 25 a 28 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo. Trata-se do ponto de encontro de todos os segmentos do food service - restaurantes, padarias, bares, lanchonetes, redes de fast food, sorveterias, supermercados, empresas de catering e de refeições coletivas, cozinhas industriais, buffets, entre outros. Em 2012 a feira, promovida e organizada pela BTS Informa Group, reuniu mais de 60 mil visitantes qualificados. Considerada a maior feira do setor na América Latina, em 2013 o evento acontecerá simultaneamente à TecnoSorvetes - Feira Internacional de Tecnologia para a Indústria de Sorveteria Profissional, à Fispal Café – Feira de Negócios para o Setor Cafeeiro, ao Sial Brazil - Salão Internacional de Alimentação para a América Latina, e à Fispal Tecnologia - Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas, todos sob a gestão da BTS Informa Group. “Durante os quatro

34

dias de evento conseguiremos destacar a ascensão deste mercado, com as soluções e novidades em produtos e serviços que serão apresentados por marcas nacionais e internacionais”, diz Clélia Iwaki, Group Director da BTS Informa. Hoje, 30% da população brasileira se alimenta fora de casa. Para a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), os números também são dignos de comemoração. Em sua última pesquisa de vendas para o setor supermercadista, divulgada em 20 de dezembro de 2012, as estatísticas mostram vendas com alta de 2,13% em relação a novembro de 2012 e, em relação a novembro de 2011, registra-se crescimento de 12,39%.

No acumulado do ano de 2012, as vendas cresceram 10,96%. E, pela primeira vez, o setor supera 30% na participação do faturamento interno da indústria de alimentos. O número divulgado pela Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia) representa um terço de tudo que é produzido no Brasil.

Fispal Food Service

29ª Feira Internacional de Produtos e Serviços para a Alimentação Fora do Lar Data: 25 a 28 de junho Horário: das 13h às 21h Local: Expo Center Norte - São Paulo www.fispalfoodservice.com.br


REVISTA

EMPRESAS FORNECEDORAS DE TECNOLOGIAS DO SETOR DE ALIMENTOS E BEBIDAS

CADERNO DE COMPRAS

Alimentos &Bebidas

A REVISTA DO SETOR DE ALIMENTOS E BEBIDAS

CADERNO DE COMPRAS É UMA SESSÃO COM FORNECEDORES DE TECNOLOGIAS DO SETOR DE E ALIMENTOS E BEBIDAS.



Alimentos & Bebidas