Issuu on Google+

Coaching em Revista 1


2 Coaching em Revista


Coaching em Revista 3


índice 6 Editorial 8 O papel do coaching na evolução humana 10 Estratégia de marketing pessoal para manter-se competitivo Coaching & pnl - máxima efetividade para a superação 12 pessoal-profissional 14 Desvendando a física quântica 16 Up 2 date 18 Coaching e finanças um novo método para seu bolso 23 Cidadão 21 26 Moda, Beleza e Estilo 27 2.0 38 Os desafios para uma liderança de excelência 40 Informativo AAPSA 42 Aos olhos da equipe 43 MANUAL DO SUCESSO 44 Desperdício é ficar na mesma! Transforme-se em 2015 46 Reavaliar a sua carreira é saudável 48 Como alavancar a carreira com o marketing de relacionamento 50 O que mais entusiasma um vendedor? 52 Como recrutar e manter os talentos na sua organização 55 Fun Learning 56 Metaprogramas e sucesso 60 No alvo 62 Vitrine de sucessos 64 Mauricio responde 66 Counseling para o desenvolvimento humano organizacional 68 Coaching e liderança 70 Cinco passos para o atendimento nota 10 72 Motivado para vencer na crise 74 O vício de reclamar

Expediente

Ano 1 | Nº 00 Diretor Editorial: Mauricio Sita Diretora Executiva: Julyana Rosa Diretora de Operações: Alessandra Ksenhuck Gerente de Projetos: Gleide Santos Projeto Gráfico: Danilo Bianchini e Henrique Melo Direção de Arte: Estúdio Mulata (www.estudiomulata.com.br) Relacionamento com o cliente: Claudia Pires Serviço ao Assinante: [11] 2659-0964 e [11] 2659-0968 Cartas para a redação: Rua Antônio Augusto Covello, 472 São Paulo - CEP 01550-060 Orientamos para que as cartas com a opinião e crítica do leitor estejam assinadas e contenham nome e endereço completos, telefone e e-mail. Reservamo-nos o direito de selecionar e editar aquelas que poderão ser publicadas. O pedido de edições anteriores poderá ser feito através de qualquer uma das informações de contato supracitadas (carta, fax ou telefone; e será atendido desde que haja disponibilidade de estoque. Central do Anunciante: [11] 2691-6706 Representante Comercial – Região Sul: Beth Meger Rua Cândido de Abreu, 140 - 5º andar / Cj. 509 Curitiba – Paraná – CEP: 80.530-901 [41] 7812-2898 Revista oficial da AAPSA (Associação Paulista de Recursos Humanos e Gestores de Pessoas). Distribuição Exclusiva: Fernando Chinaglia Comercial e Distribuidora S/A Impressão e Acabamento: Gráfica Pallotti O conteúdo de artigos produzidos pelos especialistas são de inteira responsabilidade dos próprios autores. É proibida a reprodução total ou parcial de informações sem autorização e os devidos créditos.

Especialistas nesta edição André Percia

Carla Augustin Ruggeri

Cersi Machado

Dionízio Costta Jr.

Denise Lovisaro

Edivan Silva

Eugênio Ferrarezi

Jorge Bassalo

Lara Maria

Leila Navarro

Marcelo Ortega

Mauricio Metzen

Maurício Sita

Michelle Bizarria

4 Coaching em Revista

Elisabete Gabrieni Caetano Barreto Bengaly Gabry

Paulo Silveira

Reinaldo Polito

Irlei Wiesel

João Vidal

Renata Burgo

Silvio Ignacio


Coaching em Revista

Destaques

20 24

Tempo: artigo de luxo

As constelações organizacionais e seu efeito benéfico para pessoas e empresas

28

O verão e a eterna busca da “forma ideal”

30

CAPA - O que mudou no mundo das vendas nos últimos 15 anos?

36

Jogo Rápido Elba Ramalho

Coaching em Revista 5


EDITORIAL

Leitor, Peço licença para entrar na sua casa. Como visita, quero um café e dois dedos de prosa com você. Sente-se confortavelmente que farei agora um panorama desta edição. Como poderá perceber, batemos o recorde em textos de coaching voltados para as mais diferentes áreas neste número da sua revista. Incrível a demanda por conteúdo deste tipo nas cartas que recebemos de nossos assinantes de todo o Brasil. Para sanar todas as dúvidas a respeito do tema, encontrará tudo o que precisa saber sobre a metodologia, inclusive como poderá ajudá-lo no dia a dia, no trabalho e nas finanças! E o mais legal é a notícia do nosso novo projeto gráfico e posicionamento de marca, mudamos tudo, até o nome da sua revista para melhor! Agora ela se chama coaching, mas continuará a abordar todos os temas que você adora e já está acostumado! Inclusive, neste número encontrará artigos incríveis como o “Constelações organizacionais”, de autoria do consultor Silvio Ignacio, que mostra uma nova maneira de tratar os desafios corporativos. Também terá acesso ao texto de nosso escritor Paulo Silveira, relativo ao mercado empresarial e que trata de “Como recrutar e manter talentos na sua organização”, tarefa importantíssima em tempos de mão de obra qualificada e motivada escassa. Vale muito a leitura, até pelo fato de o Paulo ser uma pessoa muito presente e acessível, costuma sempre atender bem o público e leitores, e você pode até bater um papo com ele pelo Facebook para tirar eventuais dúvidas e trocar “figurinhas”. Há outros textos muito bons neste número, eu poderia alongar-me, mas também conto com um espaço limitado para a nossa conversa. Por este motivo, faço uma última recomendação que não poderia faltar e encabeça toda a produção da sua revista, a matéria de capa do palestrante Marcelo Ortega com “O que mudou no mundo das vendas nos últimos 15 anos”, de leitura essencial a todos, pois cultura e saber vender o próprio peixe é o mínimo para quem deseja manter-se atualizado e ativo no mercado de trabalho, independentemente da área.

Um forte abraço!

6 Coaching em Revista

Julyana Rosa

Diretora executiva


Coaching em Revista 7


ARTIGO Carla Augustin Ruggeri

O PAPEL DO COACHING NA

EVOLUÇÃO HUMANA

Quem é você? Eu sou um Engenheiro que trabalhou 15 anos na empresa X e decidi abrir meu próprio negócio há três anos com um amigo. Sou casado, tenho dois filhos e sou síndico do edifício onde moro...

E

sse pequeno trecho de conversa é muito corriqueiro nas sessões de coaching e mostra o quanto estamos carentes de autoconhecimento. A resposta dada realmente informa quem ele é? Na verdade não. Ela apenas descreve quais são os papéis que ele desempenha na sociedade: em âmbito profissional, sou engenheiro, empreendedor, sócio; em âmbito pessoal, sou marido, pai; em âmbito social, sou vizinho, síndico. E quem é ele afinal? O que o torna um ser humano semelhante a muitos em vários aspectos e diferente em tantos outros? Quais são os pensamentos que transitam em sua mente? Inclusive aqueles pen-

8 Coaching em Revista

samentos que ele mesmo rejeita? E que emoções e sentimentos passam em seu íntimo? Quais seus valores, suas crenças e seus sonhos? O que ele quer atingir em sua vida? Quais são seus medos, seus dilemas, seus conflitos internos? Segundo Eric Berne, são cinco as emoções básicas do ser humano: raiva, medo, tristeza, alegria e afeto. Ao sermos estimulados, nosso corpo reage de acordo com a circunstância e intensidade, desencadeando uma dessas cinco emoções. Todas são igualmente importantes, mas eu gostaria de dar uma atenção especial ao medo. O medo, sim o medo... não o medo de aranhas e baratas. Mas o medo pelo desconhecido. O medo inconsciente. O medo de não ser bom o suficiente. O medo de ser rejeitado

e excluído. O medo de não ser amado. O medo de fracassar. Esse é um sentimento altamente destrutivo, pois ele nos paralisa e nos impede de viver a vida em sua plenitude. Faça um rápido exercício: feche os olhos e veja um tigre asiático entrando pela porta. Ele para, olha ao redor e vê você. Ele ergue as orelhas, mostra os dentes, solta uns grunhidos ferozes e começa a caminhar até você. O que você sente? Deu vontade de fazer o quê? Jogar-se pela janela? Ficar parado rezando para que ele desista e volte? Em um ato de coragem, salta sobre ele como em um filme de Bruce Lee? Então, agora pense em uma tarefa que você precisa fazer, mas está desconfortável: uma apresentação para um grande público, preparar um material que


será fundamental para uma decisão importante de sua empresa na reunião da próxima semana ou mesmo resolver um problema que está gerando uma crise familiar em dimensões absurdas. O que você sente? O coração acelerou? Suas mãos estão suando? Podemos dizer que em uma situação verdadeira, o medo do tigre é real. Já o medo do fracasso vem da nossa mente e é imaginário. Entretanto, seja um tigre asiático ou seja o medo do fracasso, ambos causam as mesmas reações em nosso cérebro e corpo, pois os sentimentos são reais. E a coragem para enfrentar um medo “criado” precisa ser maior do que a coragem para enfrentar um medo “real”. Geralmente desqualificamos o medo e nos referimos a ele como um impulso negativo ou até mesmo como uma falha grave ou defeito. Porém, da mesma forma que o medo quando exagerado nos paralisa, o medo em dose certa nos ensina o respeito aos limites e nos mantém vivos. Ter medo é natural e humano. Todos nós temos medo de algo e não precisa se sentir culpado ou envergonhado por isso. Aceite-o e enfrente-o! Como? Primeiro procure responder: Quem sou eu? Do que verdadeiramente eu sinto medo?

meus temores. Sou dona de todos os meus triunfos e sucessos, de todos os meus fracassos e erros. Porque sou dona de mim, sei o que se passa em meu íntimo. Então, gosto de mim e sou afetuosa comigo em tudo que me diz respeito. Desse modo, possibilito a mim trabalhar como um todo para o meu bem. Sei que há em mim alguns aspectos que não conheço. Mas enquanto eu for terna e afetuosa comigo mesma poderei, com coragem e esperança, procurar soluções para os enigmas e meios de descobrir mais sobre mim. Seja como for que eu pareça e me comporte, o que quer que diga e faça, pense e sinta em dado momento, tudo isso sou eu. É autêntico e representa onde estou neste exato momento. Quando mais tarde recordo como pareci e me comportei, o que disse e fiz e pensei e senti, talvez algumas partes revelem-se inadequadas... Jogo fora o que não me serve, guardo o que foi aprovado e invento algo novo para substituir o que descartei. Vejo, ouço, sinto, penso, falo e faço. Tenho as ferramentas para sobreviver, para ficar perto dos outros, para ser criativa e compreender o mundo das pessoas e as coisas fora de mim. Sou dona de mim!”.

Eu sou eu, em todo o mundo, não há ninguém igual a mim. Há pessoas que têm alguns talentos iguais aos meus, mas a natureza de ninguém se compara a minha.

Ilustração: André Giordani

Por qual motivo eu tenho esse medo? Se você tem medo de não ser amado, de ser rejeitado e excluído é porque, provavelmente, você não se sente merecedor desse amor. E o que o faz acreditar nisso? Busque essa resposta com honestidade e comece o processo fundamental pela busca do autoconhecimento. E para ajudá-lo nessa busca, compartilho a resposta de Virginia Satir: “Eu sou eu, em todo o mundo, não há ninguém igual a mim. Há pessoas que têm alguns talentos iguais aos meus, mas a natureza de ninguém se compara a minha. Por essa razão, tudo que sai de mim é meu de verdade porque eu sozinha fiz a escolha. Sou dona de tudo o que diz respeito a mim. Meu corpo, inclusive tudo o que ele faz; Minha mente e inclusive todos os seus pensamentos e ideias; Meus olhos, inclusive as imagens de tudo o que contemplam; Meus sentimentos, seja quais forem raiva, alegria, frustração, amor, desengano, excitação; Minha boca e todas as palavras que dela provêm; gentis, doces ou ásperas, próprias ou impróprias; Minha voz, ruidosa ou suave; e todas as minhas atitudes, com os outros ou comigo mesma. Sou dona de minhas fantasias, meus sonhos, minhas esperanças,

Carla Augustin Ruggeri Master Practitioner em Programação Neurolinguística, com formação em Terapia Regressiva Reconstrutiva pela Asociación Española de Técnicas Regresivas Aplicadas (AETRA) e vivência em Constelações Sistêmicas. Escritora do livro Master Coaches. carla.ruggeri@uol.com.br

Coaching em Revista 9


ARTIGO JoÃo Vidal

Estratégia

de Marketing pessoal

para manter-se competitivo

S

e queremos alcançar resultados positivos em nossas vidas, precisamos pensar sobre o conteúdo dos nossos pensamentos, sentimentos, palavras, qualidades de relacionamentos, imagem pessoal e profissional. Analisar o conteúdo de tudo isto é indispensável, saber quem somos, onde estamos e aonde queremos chegar é essencial. Porque é através dos nossos pensamentos e sentimentos que atraímos de forma consciente e inconscientemente as pessoas para os nossos relacionamentos, isto vai impactar diretamente em todas as áreas da vida e principalmente no marketing pessoal, profissional e competitividade. É através do conteúdo dos nossos pensamentos que criamos a nossa

10 Coaching em Revista

imagem interna e exteriorizamos de forma direta e indireta e isto cria a nossa realidade de quem somos e como vamos nos projetar para o mundo. Por esta e outras razões é que precisamos fazer um diagnóstico de quem somos, o que temos a oferecer e qual impacto que podemos causar nas pessoas quando conversamos com elas. Pensando assim e tendo este comprometimento diário em dar o melhor da nossa imagem externa e conteúdo interno em nossos relacionamentos, estaremos criando e fazendo a manutenção das nossas estratégias favoráveis para nos mantermos no mercado e sermos competitivos nos âmbitos pessoal, profissional e empresarial. Todos nós queremos ser vistos, respeitados, valorizados e lembrados positivamente pelas pes-

soas, principalmente aquelas que consideramos serem mais importantes para nós, pensamos assim, sentimos assim e na maioria das vezes achamos que merecemos estas considerações tão especiais. Eu penso que merecer tudo isto é um direito, mas só que antes dos nossos direitos vêm os nossos deveres. Reflita sobre isto!

Autoconhecimento:

Se desejamos que alguém nos conheça e tenha prazer em falar bem da nossa pessoa, da nossa carreira, produtos e serviços, precisamos, em primeiro lugar, ser comprometidos com o nosso autoconhecimento diário. Conhecer bem a nossa essência, onde estamos e aonde queremos chegar faz parte da rotina diária de todas as pessoas, pro-


fissionais e empresas que desejam conquistar e manter espaços maiores e mais valorizados na vida e no mercado. Você se conhece bem nos aspectos pessoal, familiar, profissional, social, cultural e empresarial. Pense bem nesta questão porque o conhecimento, o equilíbrio, a força e resultados positivos de tudo isto estarão refletindo diretamente na competitividade, conquistas e manutenção do sucesso pessoal e profissional.

Elegância

Quantas vezes você se olha no espelho diariamente? Quando se olha no espelho você gosta do que vê ? Os olhos brilham? O seu sorriso é feliz e flui naturalmente? Você se sente positivo(a)? As suas roupas, calçados e acessórios são de acordo com os ambientes em que você frequenta? Você já sabe o que vai falar em cada compromisso diário? É claro que nem tudo dá para ser ensaiado e planejado com antecedência, mas pelo menos uma noção de pessoas e conteúdo para cada oportunidade é possível. Você tem prazer em ser sorridente e educado(a)? Você tem prazer em observar os detalhes positivos e aproveitar para fazer elogios sinceros ? Isto faz muita diferença !

Comprometimento:

De zero a dez qual nota você daria a si mesmo para o seu grau de satisfação pessoal, descontração, realizações e felicidade? É muito difícil conhecer novas pessoas, conquistar amizades, credibilidade, ampliar rede de relaciona-

É através do conteúdo dos nossos pensamentos que criamos a nossa imagem interna.

mentos e ser bem-sucedido vivendo mal humorado com a cara fechada, sem sorrir e sendo uma pessoa negativa, a pessoa poderá até ter muito dinheiro, mas não quer dizer que tenha muito sucesso porque o sucesso é o conjunto da obra. Penso que ser feliz é a maior missão que temos nesta vida e o comprometimento de compartilhar esta felicidade nos coloca numa postura diferenciada positivamente diante das outras pessoas e isso é também um grande marketing pessoal.

Recriação da imagem:

As coisas mudam com muita frequência e podemos nem perceber com a mesma rapidez o que está acontecendo em nosso meio de convivência e a falta das informações nos leva a ficar com a nossa comunicação, segurança interna, imagem pessoal e marketing defasados, às vezes isso pode nos colocar em segundo plano de muitas oportunidades interessantes para nós e nem sempre as boas oportunidades nos oferecem uma segunda chance. Fique atento às novas informações e oportunidades, elas estão acontecendo, mas a concorrência é grande e quem estiver melhor preparado, mais criativo, motivado e saber se reinventar diante de novos desafios terá mais chances.

João Vidal

Consultor empresarial, coach e palestrante. Escritor do livro Coaching Alta Performance. www.joaovidal.com.br vidalcursos@joerk.com.br

Manutenção da imagem:

Todos nós sabemos da importância de cuidar bem da nossa saúde, da segurança, da educação e do crescimento em geral, mas poucos pensam sobre a importância da nossa imagem e o valor que ela representa em todos os contextos da vida. Cuidar da nossa imagem em todos os sentidos e mantê-la sempre brilhando deve ser o comprometimento diário de todos que querem ser amados, respeitados e desejam crescer.

Propagação, alcance e retorno da sua imagem:

Quais são os canais que você usa para divulgar a sua imagem? Como você utiliza estes canais? O que estes canais e parcerias representam para você? Por onde você anda expondo a sua imagem? Com quem você a está associando? Qual o alcance dela? Qual retorno tem dela? Quanto custa a sua imagem, produtos e serviços? Lembre-se, produtos e serviços poderão ser encontrados em muitos lugares, mas o diferencial de relacionamentos e conquistas são individuais. Você é único(a) e o seu marketing pessoal é um compromisso diário em primeiro lugar consigo mesmo e com todas as pessoas no sentido de levá-las a terem o prazer de falar muito bem de você. Trabalhe neste sentido e os benefícios serão cada vez maiores, melhores, e lhe darão a certeza de que a pérola mais preciosa é você ! Um forte abraço e tenha muito sucesso !

Coaching em Revista 11


^

ARTIGO Eugenio Ferrarezi

COACHING & PNL

Máxima efetividade para a SUPERAÇÃO

PESSOAL-PROFISSIONAL

E

lógico? Como manter a harmonia nos relacionamentos? Como liderar e motivar uma equipe de trabalho? Como manter a calma perante situações de estresse? Como evitar a insônia ou depressão? Como evitar as doenças? Diante de tantas preocupações, surgem inúmeras publicações sobre técnicas curativas, métodos de superação pessoal, cursos para o desenvolvimento de liderança, técnicas de visualização, pensamento positivo, aumento do poder mental, etc. No entanto, qual o elo existente entre inúmeras técnicas e receitas mágicas de mudança pessoal? Qual a raiz do comportamento humano? Podemos resumir todas essas perguntas em duas; - Por que nós fazemos e sentimos coisas

que não gostaríamos de fazer ou sentir e não conseguimos mudar? – e a segunda, - Por que deixamos de fazer coisas que sabemos que deveríamos fazer para conquistar resultados que almejamos para nosso bem-estar? Neste texto vamos trazer algumas informações sobre como a metodologia do coaching pode se tornar muito mais efetiva nos resultados que se propõe quando o “coach” tem conhecimento e habilidade com a Programação Neurolinguística (PNL). A PNL surgiu com o trabalho de pesquisa de Richard Bandler e John Grinder, professor de linguística da Universidade de Santa Cruz na Califórnia há 30 anos. Estudando os resultados altamente efetivos alcançados dos terapeutas Milton Erickson, Virginia Satir e Fritz Perls, estudaram o padrão de linguagem e a forma como conseguiam estimular seus clientes a

Ilustração: Danilo Scarpa

m tempos de mudanças aceleradas é incrível como cresce o número de pessoas com manifestações como estresse, depressão, ansiedade, insônia, tensão muscular, e tantas outras manifestações que assombram o ser humano. Tais manifestações acabam afetando os relacionamentos tanto no convívio familiar como profissional. São inúmeros os questionamentos que provavelmente já nos fizemos; de onde vêm sentimentos e pensamentos que colocam dúvidas em nossa capacidade de realização? Como evitar esses pensamentos limitantes? Como manter a vontade em realizar? Como evitar a vergonha e mal estar? Como lidar com pessoas diferentes sem estresse? Como entender e orientar nossos filhos para o equilíbrio social e psico-

12 Coaching em Revista


encontrarem soluções para seus problemas e alcançarem uma vida plena de resultados. A PNL surgiu de forma científica na Universidade de Santa Cruz e se transformou numa metodologia prática onde podemos entender como são construídos os comportamentos e dessa forma poder desconstruir referências limitantes e criar padrões que determinem resultados e sentimentos agradáveis em nossas vidas. Por meio da PNL podemos nos conscientizar de habilidades próprias e inatas, mas na maioria das vezes adormecidas, e gerar mudanças positivas, criativas e evolutivas na forma como agimos. A PNL possibilita o desenvolvimento de habilidades pessoais para alcançarmos resultados que nos propomos tanto pessoal como profissionalmente. Por meio das técnicas da PNL, podemos identificar com precisão o processo de pensamento interno das pessoas e ajudá-las a se capacitarem com opções conscientes para a busca de soluções, aumentando assim a flexibilidade para criarem um estado interno de motivação, melhores tomadas de decisões, aprendizagem, comunicação, criatividade e desenvolvimento emocional. Na área organizacional; motivação e persuasão entre companheiros, subordinados ou superiores, conflitos de personalidade, coordenação de encontros e reuniões de negócios, preparação de entrevistas, estabelecimento de um sistema de comunicação claro e convincente, mudança de atitude, processos de avaliação de pessoa, etc. Enfim, podemos dizer que a PNL é a ciência da arte para a conquista da excelência humana e cujo campo de ação é diretamente na estrutura da experiência subjetiva do homem, desenvolvendo recursos para a liderança pessoal e então a habilidade na gestão de pessoas. Mais recentemente, meados da década de 1990,

surge o coaching como um conjunto de normas para definir uma atividade onde profissionais se capacitam para auxiliar pessoas (chamadas de coachees) a desenvolverem competências necessárias para atingirem mais rapidamente seus objetivos na vida. O termo coaching vem de condutor de carruagens ou treinador (coach) onde um observador orienta e direciona como o “coachee”deve atuar para melhorar sua performance. Sabemos que todo esportista profissional tem seu “treinador”, o golfista Tiger Woods têm três coaches que o acompanham. O “coach” tem que ter a habilidade de ajudar o outro a realizar com excelência, ser melhor, desenvolver a autoconfiança, se livrar de padrões limitantes, aumentar sua autoestima e certeza que pode ser melhor, ser um ser humano melhor. Para isso é importante que entenda como atuar por meio da linguística, por meio de uma metodologia que direcione o coachee à excelência. O trabalho se inicia definindo os objetivos a serem atingidos por um profissional ou por uma equipe, em seguida, as competências que precisam ser desenvolvidas e as crenças e limitações que impedem ou poderão impedir os objetivos de serem alcançados. Então é feito um acompanhamento para que a equipe efetivamente incorpore em seus hábitos as novas competências para se atingir resultados. Perceba que o profissional do coaching que domina as técnicas da PNL terá muito mais efetividade na sua performance em ajudar um “coachee” ou uma equipe de “coachees” a alinharem seus valores e crenças, criando novas competências e paradigmas para alcançarem seus objetivos em grupo, além de ajudá-los a eliminar padrões limitantes do passado que estejam impedindo de conquistar resultados.

Eugênio Ferrarezi Diretor executivo do Instituto Ferrarezi. Escritor do livro Coaching & Mentoring. eugenio@institutoferrarezi.com.br

Coaching em Revista 13


ARTIGO Irlei Wiesel

Desvendando

a Física Quântica

A

física quântica é a ciência da consciência e da espiritualidade, que inclui a materialidade com um olhar diferenciado. Ela entende que devemos partir de outros fundamentos para mudar o mundo e a si mesmo. Atualmente qualquer mudança inicia com a ótica do materialismo o que impede a ecologia da intenção. Nunca foi e nunca será ecológico focar projetos alicerçados somente no materialismo. O que a física quântica defende é que fundamentos como o poder criativo e o desenvolvimento espiritual possam ter espaço para abrir um mundo de possibilidades que o materialismo puro sufoca. Deus ou também chamado de “consciência não local” é como uma consciência maior da qual todos podemos nos abastecer para transformar uma vida vazia em uma vida com significado. Amit Goswami, Ph.D. em física quântica, explica que é hora de partirmos do primado da matéria para o primado da consciência. Todos nós fazemos escolhas e tomamos decisões partindo da consciência, por isso a elevação dela é fundamental para melhorarmos a nós e o mundo. Sendo assim, estamos diante da certeza que devemos priorizar o abastecimento do mental para que ele possa conectar-nos à sabedoria maior

14 Coaching em Revista

da qual todos somos parte. Quanto mais corremos em busca das soluções olhando para o materialismo, mais afastamos a liberdade de escolha do nosso projeto de vida. Amit usa a expressão: “Do be do be do (faça, seja, faça, seja, faça)” ele afirma que a raiz dos principais problemas do mundo está no conflito entre a visão materialista e a espiritual. A solução está na harmonização do “fazer” que moveu o ocidente e o “ser” que predominou no oriente. A pergunta que devemos fazer é: - Temos livre-arbítrio? A resposta materialista é sim. Afirmam que podemos escolher o que ter e, fazer da vida. Podemos tornar-nos sucesso ou fracasso. A resposta das religiões baseia-se praticamente no merecimento, então seria algo do tipo: se fizer por merecer, conseguirá. Mas, segundo a física quântica, temos livre-arbítrio, se formos capazes de acessar nossa consciência superior e fazer escolhas a partir dela. O que devemos perguntar então é:


- Como podemos acessar a consciência superior? Aceitando que a conexão é não local e, portanto, estamos interligados, mesmo não estando próximos. Somos afetados com o que acontece em algum lugar do planeta. Afetamos nossa própria consciência quando fizemos escolhas insensatas. A energia do planeta fica tensa e sem saber sentimos desconforto emocional que seguramente provoca problemas físicos. Os outros também sentirão o peso de cada escolha que fazemos. Deus, ou a energia maior, pode ser encontrado e consultado em qualquer lugar, basta desobstruir o que impede o acesso a Ele e desmistificar dogmas que afetam iniciativas, pessoais e coletivas para novas possibilidades. A pergunta inteligente que podemos fazer é: - O que estamos fazendo da nossa vida? O modo como as pessoas ganham a vida hoje, impede-as de ocupar o tempo com o que realmente importa. Questões esquecidas e de vital importância no acerto das escolhas de vida.

Sabem o quê? Estamos falando de questões como significado e transformação. Por exemplo, se você trabalha com algo que não exige consciência, só ação, como é o caso de pessoas que realizam trabalhos burocráticos, que não exigem significado apenas execução, é possível que o condicionamento, esteja implantado. - O que acontece quando o condicionamento está solidificado na rotina da vida? Fica difícil prosseguir sem apelar para o que chamamos de pequenos alívios de rotina. Explico. As pessoas para esquecerem que no dia seguinte voltarão ao trabalho, bebem até tarde. Para esquecerem que a vida está sem luz, compram muito. Para darem um alento à pressão de fazer o que não gostam, viajam para esquecer a dor da vida construída. - Qual é o ideal em relação aos pequenos alívios da vida? Realizar atividades que conectem à felicidade, ao bem-estar, à calma, à satisfação, à beleza, à sensação de plenitude, etc.

Irlei Wiesel Coach, escritora, conferencista e empresária.  Autora dos Livros: Cure-se Antes que Você Adoeça, Poder & Fortuna e Damas de Ouro.

- Onde encontramos este oásis? Dentro do propósito de vida estão reservados momentos de criação fascinantes, de trabalho que se parece com parque de diversões e, também, a motivação essencial para seguir em frente com otimismo e felicidade. Com esta energia positiva, dificilmente é necessário criar fugas após o trabalho. Constroem-se, sim, espaços de restabelecimento da força e da energia vital como, por exemplo, em uma atividade física, na jardinagem, no cuidado com o lar, na organização de bem-estar, enfim, a pessoa ocupa-se para melhorar sua rotina e não para prejudicá-la. Como podemos mudar o condicionamento das pessoas que percebem a vida com poucas possibilidades? Instigar a humanidade a sentir-se desconfortável com o extremismo, ou seja, ser materialista demais ou espiritualista ao extremo. A física quântica prioriza o equilíbrio. Aponta para o centro de cada ser e diz: - Você é um universo de possibilidades o que você faz aí, tão encolhido, previsível e condicionado? O materialismo exagerado e a religião absoluta condicionam e aprisionam. A liberdade das escolhas está além. Estude sobre isso. Encontraremos-nos lá. A energia nos conecta. Venha comigo!

www.irleiwiesel.com.br

Coaching em Revista 15


UP 2 DATE

NOVIDADES PARA VOCÊ SE ATUALIZAR

Umidificador USB Se o ambiente do escritório e o ar-condicionado estão secando as vias respiratórias, seus problemas acabaram. O Vaporb USB Ultrasonic Humidifier promete melhorar a umidificação do ar ao ser conectado a uma entrada USB e colocado em um copo com água. Ao olhar o gadget, ele até se confunde com um saquinho de chá. O acessório é de simples utilização e conta com uma interface touch de programação, que inclusive permite ajustá-lo para funcionar durante seis ou três horas, com a função timer. Preço: $14.99. Disponível em: thinkgeek.com.

Vitrola portátil com alto-falante embutido Os saudosistas que gostam de ouvir LP’s já podem comprar uma vitrola portátil para lá de atual. A Crosley Collegiate Portable USB Turntable é um aparelho completo para quem curte um som de qualidade, mas não abre mão das novas tecnologias. Ela permite reproduzir LP’s, vem com alto-falante estéreo embutido e ainda conta com entrada usb que oferece conexão com Windows e MAC para manter um registro dos seus discos em formatos digitais. Valor sugerido $139.99. Encontre no site thinkgeek.com

16 Coaching em Revista

Bafômetro portátil A tecnologia já evoluiu muito a ponto de ajudar as pessoas que gostam de beber e saem por aí sem saber os limites do álcool e seus males para o organismo. O BACtrack Go - Keychain Digital Breathalyzer é um aparelho que faz uma análise do hálito e diz ao usuário se está com os níveis de álcool no sangue dentro do aceitável. O dispositivo vem em formato de chaveiro e pode ser levado até no bolso da calça. Em apenas 30 segundos é capaz de analisar e dizer numa escala de 0.00 a 0.40% o nível no organismo. Valor: $29.99. Encontre em: thinkgeek.com.


Carteira ninja para smartphone Que os homens não costumam carregar bolsa, todo mundo sabe. Mas eles podem facilmente eliminar aquela carteira enorme que faz volume nas jaquetas, paletós e calças. A Card Ninja Smartphone Wallet permite carregar até mais de um cartão no verso do celular. O item é feito em tecido resistente com alta tecnologia adesiva, evitando que desgrude ou caia durante o uso. Preço: $19.99. Disponível em: thinkgeek.com. Lanterna recarregável

Aquário USB com organizador para mesa

A mesa de trabalho não precisa ser um móvel chato sem objetos de decoração. Um pouco de cor e até de companhia podem fazer bem para quem a ocupa. O USB Fishquarium é um item que cumpre os dois quesitos, além de decorar, organiza o ambiente, vem com espaço para objetos de escritório e aquário que pode abrigar um peixinho. O gadget ainda conta com lâmpadas que mudam de cor, plantas de plástico decorativas e toca sons da natureza. Excelente pedida para aquele seu amigo estressado da empresa. Preço: $39.99. Encontre em: thinkgeek.com.

USB Em tempos de apagão é bom estar preparado para quaisquer emergências, até mesmo na rua. A segurança pessoal agradece a quem tiver um foco de luz para se proteger e fugir de possíveis ameaças durante os blecautes. A USB Rechargeable Micro Flashlight é uma lanterna pequenina, mas que pode ajudá-lo a ter um pouco de luz com praticidade. O acessório possui uma bateria interna e um plug USB, que permite carregá-la até no seu computador enquanto trabalha. Valor: $7.99. À venda em: thinkgeek.com. Coaching em Revista 17


ARTIGO Michelle Bizarria

Coaching e Finanças

um novo método para seu bolso

A

metodologia coaching vem ganhando cada vez mais credibilidade, consolidando-se como uma das estratégias mais eficazes na conquista de objetivos. Sejam eles pessoais, profissionais ou organizacionais. Mas e como método para o seu bolso, será que apresenta a mesma eficácia nas finanças? Os resultados serão sempre proporcionais ao empenho, determinação e compromisso do cliente. Já que o foco do coaching é a atitude (mudança comportamental). Sendo assim, acredito que a melhor pergunta seria: Coaching como método para o seu bolso, você esta preparado? O coaching financeiro é um processo que auxilia o desenvolvimento de uma visão sistêmica (visão global dos impactos dos objetivos financeiros em outras áreas da vida) para estratégias eficazes e tomadas de decisão mais assertivas. Os encontros podem ser semanais ou quinze-

18 Coaching em Revista

nais. A duração está condicionada ao objetivo e desenvolvimento do cliente. Porém, quatro sessões é o número mínimo que costumo recomendar. Normalmente, o profissional coach tende a se especializar em finanças pessoais ou finanças empresariais. Escolhendo um tema específico para trabalhar, tais como: equilíbrio financeiro, eliminação de dividas, alavancagem, aumento de renda, etc. Particularmente, acredito que independente do objetivo, tudo deve começar a partir do equilíbrio financeiro, principalmente se o intuito for resultados em longo prazo. O processo é constituído pelas seguintes fases: identificação do objetivo e estado atual, tomada de consciência, educação financeira, educação emocional e mudança comportamental. A parte mais complexa e impactante é a tomada de consciência. É o momento da verdade, onde todos os gastos e descontroles ficam expostos. A partir daí, o processo passa para a fase seguinte: Educação financeira e emocional.


Tomada de consciência e educação financeira: A tomada de consciência inicia na primeira sessão. Já que neste momento, o cliente precisa saber exatamente o que quer (objetivo) e qual a situação atual em relação ao mesmo (quanto ganha e quanto costuma gastar no mês). Embora pareça básica esse tipo de informação, posso dizer que até hoje, apenas um cliente soube responder de imediato estas questões. No que diz respeito às despesas, a maioria vive no automático: Faz sem pensar e sem contabilizar. Não existe planejamento, a coisa é feita no intuitivo. É por isso que o desequilíbrio acontece, se você não sabe o valor exato das suas despesas fixas, fica difícil qualquer possibilidade de equilíbrio. Mesmo que tenha uma renda generosa, se não souber administrar dificilmente conseguirá reter e investir. Educação emocional: Igualmente relevante como a educação financeira, nesta fase ocorre a investigação dos motivadores comportamentais: pensamentos, ima-

gens, emoções e impulsos (gatilhos emocionais) que costumam disparar hábitos ou comportamentos sabotadores ligado às finanças. O cliente precisa romper com automático para tornar-se mais consciente de suas ações, desenvolvendo o hábito de observar a si mesmo constantemente. Mudança comportamental: A mudança é resultado da decisão, quando decidimos nos comprometemos! Para algumas pessoas pode ser um processo doloroso, para outras, apenas desconfortável. No entanto, para modificar comportamentos é necessário educar, conscientizar e reformular velhos conceitos. A metodologia coaching é eficaz quando os comportamentos atuais produzem resultados insatisfatórios ou muito aquém daqueles que pode alcançar. Desde que você esteja preparado. Que tal fazermos um teste para descobrir? Todo coach que se preza não sai de cena sem deixar uma tarefa. Afinal, coaching é ação! Portanto, proponho a você um desafio: Separar um caderno ou escolher um aplicativo e registrar durante um mês

todos os gastos realizados, contabilizando até mesmo os centavos. Isso vai permitir a eliminação de gastos desnecessários e ajuste das despesas. Você pode montar uma planilha especificando gastos por áreas e temas. Por exemplo, área: transporte. Tema: carro. Em seguida, especifique as despesas relativas a cada item: Combustível, manutenção, IPVA, multas, seguro, parcelas. Quanto mais especifico você for, mais saberá a despesa exata de cada área, facilitando a mudança. Faça isso em todas as áreas: saúde, educação, alimentação, beleza, etc. No final do mês, analise as anotações e responda: quais são os meus objetivos financeiros para os próximos seis meses e como estes resultados podem contribuir? Alguma despesa desnecessária que precisa ser eliminada ou que pode ser reajustada? Existe algum comportamento que precisa ser modificado para alcançá-los? Este exercício confere lucidez sobre o seu estado atual e o precisa ser feito para que alcance os seus objetivos. Faça e escreva contando os resultados. Caso precise de uma coach, terei o maior prazer em acompanhá-lo nesta jornada.

O Coaching financeiro é um processo que auxilia o desenvolvimento de uma visão sistêmica para estratégias eficazes e tomadas de decisão mais assertivas.

Michelle Bizarria Especialista em Equilíbrio Financeiro Pessoal e Coaching com PNL para Mudanças de Carreira. Realiza Atendimentos Presenciais e Online (Skype). Escritora do livro O marketing aplicado aos relacionamentos.

Coaching em Revista 19


ARTIGO Denise Lovisaro

Tempo:

T

empo: hoje em dia virou artigo de luxo e quem o tem livre pode se considerar um privilegiado. Aqueles que no final do dia conseguem deixar o trabalho sem precisar fazer hora extra e saem com a sensação de dever e missão cumprida são vistos como verdadeiros heróis ou pura ficção. No mundo onde a maioria das pessoas reclama da falta de tempo, da correria e do excesso de urgências, as pendências e as preocupações estão sempre juntas, tanto em casa quanto no trabalho. Tempo livre acaba se tornando um sonho de consumo distante da realidade e, talvez, nas próximas férias ... eu possa ficar numa rede olhando para o mar. Para muitos, nem mesmo durante as férias isto será possível. Porque se a viagem for para um local com muitas opções e estímulos, o excesso de programação para não perder nada levará o viajante à exaustão. E o acúmulo de afazeres que ele reclamou foi trazido pelo

20 Coaching em Revista

artigo de luxo próprio para um tempo destinado ao descanso. Mas, eu conheço pessoas e tenho clientes homens e mulheres que conseguem praticar esportes e atividade física, fazer trabalhos sociais, viajar nos finais de semana com a família, manter a vida amorosa em dia e a carreira e performance profissional muito bem cuidadas. Eles são bem-sucedidos pessoal e profissionalmente. E muitos podem estar se perguntando: como eles conseguem? Se eu vivo correndo sem conseguir fazer metade do que gostaria no final de um dia? O que eu faço de errado? Como posso mudar isso? Ninguém controla o tempo que sempre haverá de passar, tendo feito ou não algo útil. O tempo é democrático e todos dispomos da mesma quantidade de horas e o que nos diferencia é a forma como pensamos, sentimos e fazemos nossas escolhas antes de agir. A esta altura você deve estar curioso para saber: o que estas pessoas pensam, sentem e fazem que as tornam tão eficazes? Primeiro, elas pensam que é preciso

se sentir satisfeitas para achar que a vida vale a pena. E elas sabem exatamente o que querem para si, o que favorece a escolha diante das opções. Como estas escolhas estão alicerçadas nos valores pessoais, a motivação é pura consequência. E uma pessoa motivada é, naturalmente, mais segura para se expor e defender seus pontos de vista, sem precisar brigar para isso. Esta dinâmica positiva reforça o modus operandi e elas reconhecem que estão no caminho certo para chegar aonde desejam estar. A segurança interior gera a satisfação que alimenta a autoestima e funciona como uma proteção, fazendo com que as outras pessoas as respeitem e desta forma a privacidade é preservada, inclusive pelos superiores. Segundo, elas estão longe de ser procrastinadoras, isto mesmo. Procrastinador é o indivíduo que faz certo a tarefa errada e pode despender mais tempo para fazer algo que não deveria exigir tanto esforço e dedicação. Este termo foi descrito pela primeira vez pela equipe do pesquisador David


Rosenbaum, da Universidade Estadual da Pensilvânia. A boa notícia é que se algumas pessoas são mais eficazes intuitivamente e agem com naturalidade, todos podemos aprender a fazer o mesmo. Talvez isso exija um desafio para mudar comportamentos, hábitos e atitudes na hora de lidar com o tempo. Nos cursos de gestão do tempo e produtividade entregamos um Calendhábito para os participantes colocarem sobre suas mesas como os 12 hábitos da gestão eficaz do tempo. E sugerimos que eles pratiquem um novo hábito por trinta dias consecutivos para que este hábito se torne parte de sua rotina. Estes são os 12 hábitos que eu convido você a começar a praticá-los. Você só saberá se vale a pena se tentar. Que tal começar?

Hábito 1

Tenha um propósito claro antes de agir. Decida o resultado que você quer obter com este trabalho, tarefa, ação, antes de começar.

Hábito 2

Mantenha suas agendas pessoal e profissional atualizadas e integradas. Não assuma um novo compromisso antes de consultá-la. Sua mente é fabulosa, mas guardar todos os compromissos nela pode ser um desperdício de talento e um risco caso você esqueça algo que não poderia ser negligenciado.

Hábito 3

Otimize o uso do seu tempo: agrupe tarefas por similaridade antes de realizá-las. Atividade não é sinônimo de produtividade. Organizar ajuda você a realizar tarefas mais simples em menos tempo.

Hábito 4

Reconhecer e respeitar suas preferências, seu estilo e seu relógio biológico. Avaliar como distribui o seu tempo durante um dia poderá ajudá-lo a identificar o que está bom e o que precisa ser mudado.

Hábito 5

Mantenha o foco no que é mais importante para ser feito agora. Entregue o resultado almejado no prazo. Lembre-se da regra: 80 - 20. Ou seja 20% das suas atividades geram 80% dos resultados. Você sabe dizer quais são os 20% de tarefas que rendem 80% dos resultados?

Hábito 6

Faça a lista diária (to do) no final do expediente e anote tudo o que deseja e precisa realizar no dia seguinte. Antes de começar a trabalhar divida sua lista em dois blocos: manhã e tarde. Quem tem uma rotina estabelecida consegue se organizar melhor.

Hábito 7

Reconheça a importância de considerar 20% de folga para lidar com os imprevistos. Seja para uma atividade complexa, um projeto, seu dia. É melhor sobrar do que faltar. Elimine o estresse e a correria.

Hábito 8

Identifique e elimine os vilões do seu tempo. Evite o desperdício de tempo com: a falta de organização; planejamento; e-mails, internet, redes sociais; medo de se expor; procrastinação e precrastinação.

Hábito 9

Reunião: antes de participar pergunte-se: esta reunião é importante? Eu preciso participar? Então eu preciso de tempo para me preparar. Cuide de suas reuniões para torná-las cada vez mais eficazes. Toda reunião precisa de PODER:

P lanejamento O rganização D ecisão E nvolvimento R esultados Hábito 10

Planeje antes de executar. Considere os recursos disponíveis e os necessários para a execução: informações; tempo; equipamentos; pessoas; verba vs esperado. Um bom planejamento ajuda flexibilizar sem perder o rumo.

Hábito 11

Respeite o seu tempo e o dos outros. Aceite e cumpra prazos exequíveis. Faça bem feito pelo menos uma tarefa importante por dia. Cumpra seus horários e vá para casa tranquilo.

Hábito 12

Você é o autor da própria história. Valorize o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, cultive bons relacionamentos, bom humor e o positivismo. Uma pessoa positiva é inspiradora sem ser ingênua. A gestão eficaz do tempo esta alicerçada em três pilares: Autoconhecimento, atitude e propósito.

Denise Lovisaro Master coach, membro do ICC - International Coaching Community , diretora e fundadora da Tempo Luminar Consultoria e Coaching. Escritora do livro Master Coaches.

Coaching em Revista 21


22 Coaching em Revista


Por um planeta sustentÁvel

Elevador sustentável A Otis lançou recentemente um elevador residencial, o Gen2 Switch™, que elimina a necessidade de energia elétrica trifásica e pode ser operado à energia solar com utilização de bateria, funcionando também durante apagões. O produto funciona plugado a uma tomada comum e é 75% mais eficiente do que os elevadores convencionais, pois necessita 12 vezes menos potência da rede elétrica. Sua tecnologia monofásica ainda permite que seja alimentado por fontes renováveis como painéis solares ou turbinas eólicas.

Headphone carrega com energia solar O Helios é um headphone diferente que tem todas as novas tecnologias de um fone sem fio, mas ainda pode ser carregado pela energia solar. O acessório vem com um painel de células fotovoltaicas em seu topo e carrega enquanto o usuário realiza suas atividades ao sol ouvindo música. O aparelho possui uma bateria interna que permite tanto a alimentação pela energia do sol como pela energia, já que conta com uma entrada usb para conectá-lo a tomadas. O gadget ainda está arrecadando fundos pelo Kickstarter, mas promete ser uma boa pedida para os amantes de tecnologia preocupados em preservar a natureza. www.kickstarter.com/

energia de sobra! Os gadgets sustentáveis estão cada vez mais presentes em nosso cotidiano e prometem facilitar não só o dia a dia como preservar o meio ambiente. Prova disso é o carregador portátil onE Puck, que carrega smartphones e outros equipamentos eletrônicos pela troca de energia entre um copo quente ou gelado e os aparelhos. A engenhoca ainda não é produzida em escala industrial, mas já arrecadou capital suficiente pelo Kickstarter, site que recebe fundos para novos projetos, e está sendo vendida pelo endereço abaixo: www. kickstarter.com/projects/epiphanylabs/epiphany-one-puck

Da garrafa para a caneta A caneta B2P vem com o corpo produzido a partir de garrafas PET recicladas. Mais de 80% de seu material é reciclado e dá aquela mãozinha para o reaproveitamento de matéria-prima que seria descartada. O item é da marca PILOT e é a primeira caneta feita com garrafas recicladas.

Coaching em Revista 23


ARTIGO Silvio Ignacio

As Constelações Organizacionais

e seu efeito benéfico

A

para pessoas e empresas

técnica de constelações sistêmicas vem auxiliando milhares de pessoas e organizações na busca por mais eficiência e por processos inovadores, por posições de mais destaque pessoal ou empresarial no mercado e, inclusive, para determinar a escolha certa de profissionais para posições específicas. Como coach de executivos e de organizações, diversas vezes me envolvi em processos nos quais as questões colocadas eram: por que minha posição na empresa parece tão desconfortável? Qual o melhor momento para o lançamento de um novo produto? O que seria melhor: vender a empresa no todo ou em parte? E, ainda: por que é tão difícil manter um gestor naquela área especifica? São perguntas que vivem 24 Coaching em Revista

no cotidiano cada vez mais complexo das pessoas e organizações, e para as quais a abordagem dos consultores convencionais oferece poucas respostas. Ao longo de 25 anos trabalhando com desenvolvimento humano, encontrei na abordagem sistêmica um instrumental que vai muito além da prática das consultorias tradicionais. Isto se deve ao fato de que as assim chamadas constelações organizacionais e constelações familiares se ocupam menos do indivíduo e mais do sistema no qual ele se insere, ou focalizam o indivíduo, porém buscam respostas no conjunto do qual ele faz parte. Porém, o que é um sistema? De acordo com esta metodologia, o sistema é o conjunto de pessoas ou áreas de uma empresa que se encontram unidos ou vinculados em razão de um inte-

resse comum ou de forças neles presentes, tenham ou não consciência disto. São indivíduos ou estruturas de pessoal que atuam juntos para a obtenção de um mesmo propósito. Seja um indivíduo em uma equipe ou esta equipe no interior da organização, são sistemas dentro de outro sistema maior. “Constelar”, segundo a linguagem usada neste caso, significa trazer luz para um conjunto de forças que, embora ocultas no dia a dia, atuam poderosamente nas relações entre pessoas, equipes ou áreas de uma empresa, e influem na sua saúde e em seus resultados. A imagem de uma constelação é bastante feliz por retratar um indivíduo ou setor dentro do universo maior de que faz parte. Bert Hellinger, o criador desta abordagem, destaca no trabalho a in-


fluência da palavra e da vontade. Quem observa o desenvolvimento de uma constelação, e dos acontecimentos que lhe são peculiares, se surpreende com o fato de pessoas, que desconhecem a vida do cliente em questão, conseguirem manifestar com fidelidade sentimentos, expressões corporais e falas dos personagens ali representados. São esses representantes que dão vida às imagens do que está verdadeiramente acontecendo na situação trazida pelo cliente e que permitem ao consultor buscar caminhos de solução. Existe um campo invisível permeando os elementos do sistema, que Bert Hellinger chama também de consciência maior, indicando o que fortalece, enfraquece ou causa danos ao equilíbrio do sistema. Nunca se sabe que situações surgirão ao longo do processo. A leitura que o facilitador fará dele é que determinará a solução que melhor atenda ao equilíbrio do sistema. As constelações organizacionais são muito indicadas como instrumentos de diagnóstico dos problemas empresariais, de definição de futuro e de busca de alternativas de ação, agora e depois, como, por exemplo: o que acontecerá se o atual diretor administrativo sair da empresa? Como reagirão nossos funcionários? E o mercado? Realizei centenas de constelações envolvendo diferentes circunstâncias e negócios. Numa certa ocasião fui procurado por uma executiva, responsável pelo desenvolvimento de pessoas de uma grande empresa (que chamarei Diretoria ‘A’). Sua queixa eram as ‘interferências e restrições’ impostas pelo gerente de um departamento (Departamento

‘X’). Havia entre eles um conflito aparentemente sem razão, com ataques que chegaram a invadir o campo pessoal e, naturalmente, perturbar a relação entre as duas áreas. Ao trabalharmos a questão com a constelação sistêmica, verificou-se que os ataques que partiam do departamento ‘X’ e seu responsável nada tinham contra a diretora. Eram uma estratégia de sobrevivência desse responsável, que não estava confortável por haver omitido dos demais um fato significativo do passado, para manter seu status. O custo disto se traduzia em ‘peso e sofrimento’ que marcavam o seu comportamento. As áreas e pessoas envolvidas viviam o ônus de uma fusão (de duas organizações que originaram aquela empresa), que não uniu as culturas e interesses comuns de forma construtiva e orgânica. Em vez de sinergia, verificou-se que havia uma “fidelidade ao passado”, a pessoas e a interesses ocultos, e não à nova empresa. É como se a fusão não tivesse acontecido. Diferentes princípios sistêmicos haviam sido feridos nesta situação, o que ocasionou, no linguajar da abordagem sistêmica, os chamados emaranhamentos. E o que isto significa? Houve uma interrupção no fluxo de vida daquela relação, que afetava toda a empresa, algo que ocorre toda vez que alguém é lesado em seu direito de pertencer ao sistema. E isto se dá quando na relação há desequilíbrio entre dar e receber, ou sempre que, em relação ao nível de responsabilidade das ações, a ordem de chegada ou de prioridade na organização é desrespeitada.

Silvio Ignacio Coach, consultor organizacional e mediador. Desenvolve projetos usando a Abordagem Sistêmica de Constelações desde 2005.

Coaching em Revista 25


MODA, BELEZA E ESTILO

Tratamento para cabelos opacos O verão deve ser aproveitado ao ar livre e com toda a liberdade que a estação pede, mas nesta época do ano os cuidados com a pele e os cabelos devem ser redobrados. Se os cabelos forem expostos, podem ressecar e perder o brilho. Para os que já estão neste nível, a marca de cosméticos Redken acaba de lançar uma linha de tratamento intensivo para as madeixas. Ela é composta por três produtos, o shampoo Diamond Oil Shine, o condicionador Diamond High Shine e o Diamond Oil High Shine Airy Mist, um óleo em spray leve que, segundo a fabricante, garante um brilho crescente. Mais informações sobre os produtos em: www.redkenbrasil.com

Salto alto na gravidez? Estar grávida não significa abrir mão de estilo ao escolher o look do dia. As futuras mamães podem calçar seus sapatos favoritos e, aos poucos, diminuir gradativamente a altura do salto conforme a gestação avança. A dica é do Espaço Gestar, um local exclusivo para gestantes localizado em São Paulo, que promove a convivência entre grávidas e oferece orientações durante o período. Para o salto alto, o espaço ainda indica que a mulher prefira os mais grossos e quadrados, que proporcionam estabilidade e as plataformas, que também oferecem conforto e equilíbrio. Outras informações estão disponíveis no site: www.espacogestar.com.br

Rosto liso ou barbado... A medicina para fins estéticos está muito avançada. Prova é que os homens com o rosto lisinho ou falhas já podem fazer um transplante de barba. O procedimento envolve os riscos de uma cirurgia e é realizado com anestesia local. No mesmo dia da intervenção o paciente já pode voltar para casa e em até três meses começam a aparecer os primeiros resultados. Os dados são da Vinci Hair Clinic que, além do Brasil, atua nos EUA, Europa e Emirados Árabes e conta com a expertise do Dr. Thiago Bianco Leal, cirurgião da restauração capilar e diretor médico da clínica. Saiba mais em: http:// www.vinciclinicacapilar.com.br/

Protetor solar pode ter substâncias ligadas a problemas de fertilidade Todo cuidado é pouco quando se trata de proteger a pele dos raios solares. Ao sair para ambientes externos a dica é sempre passar algum protetor solar, mas agora ele pode ser considerado vilão e até responsável por problemas de fertilidade. Um estudo realizado pelo National Institutes of Health indicou duas substâncias que podem estar ligadas à fertilidade feminina e masculina, os compostos BP-2 ou 4OH-BP. As substâncias inclusive foram encontradas em grandes quantidades na urina de homens que estavam em casais que demoravam mais tempo para engravidar. Para que o corpo não fique exposto aos danos do sol e seja evitado o câncer, os estudiosos indicam a total remoção dos protetores após a exposição ao sol.

26 Coaching em Revista


2.0 NOVIDADES DO MUNDO DA WEB

Monitore a frequência cardíaca

pelo smartphone O app Heart Rate é capaz de monitorar a frequência cardíaca a partir de um celular sem aparelhos periféricos. O programa utiliza a câmera do celular e o flash para calcular o batimento e mostra em gráficos as medições que podem ser em repouso, durante ou após exercícios e até trazer comparativos entre a máxima e a mínima frequência. Gratuito. Disponível para iOS e Android.

Consultoria financeira Se o bolso não vai bem, o app Mister Financeiro dá uma força para organizar as finanças. O programa ajuda a tirar dúvidas financeiras sobre cheque especial, cartão de crédito, e até financiamentos de imóveis e veículos. Ainda oferece dicas sobre como economizar e negociar dívidas. Disponível para Android.

Aplicativo transforma qualquer

cor em tom de esmalte A marca de esmaltes Risqué acaba de lançar uma nova funcionalidade para o seu aplicativo. O programa que já trazia a simulação virtual da aplicação de cores nas unhas, agora também transforma qualquer tonalidade em uma próxima da que a usuária busca. Para isso, é preciso tirar ou carregar uma foto e escolher o ponto da imagem que tenha a cor que ela mais gosta. Feito isso, o app mostrará o esmalte parecido com a cor. Para Android e iOS, gratuito.

Aprenda inglês ou espanhol! Estão cada vez mais populares os aplicativos de ensino para celular, inclusive para aprender novos idiomas. Os estudantes agora contam com o app Q2L (Questions to Learn), que aponta aos usuários quais são os principais pontos fortes e fracos no estudo de idiomas, inglês ou espanhol. O programa estimula o aprendizado das línguas de forma mais participativa. Nele, é possível ler textos e ainda resolver questões sobre conteúdos estudados. Disponível para Android e iOS.

Coaching em Revista 27


COACHING ANDRé PERCIA

O verão e a eterna

busca da “forma ideal”

V

em chegando o verão e, mais do que nunca, pessoas se empenham em emagrecer e construir a forma ideal! Todo tipo de gente pode encontrar alguma forma para emagrecer ou como prefiro chamar, construir a forma ideal. Pergunto-me se você já esta no ponto para tentar fazer essa mudança em sua vida. Tal processo não é um segredo que você, inconscientemente abre, acessa e dispara e vai afetando sem se dar conta dos inúmeros aspectos e dimensões do seu ser com a prática constante desses exercícios. Quando a forma ideal tentar em vão resistir fazer parte da sua vida, identidade, hábitos, valores e crenças, o que isso faz por você? Não há magica ou soluções milagrosas para que você inconscientemente comece - imediatamente nesse momento - sem mesmo saber como e por que - ou não - construir um padrão magro e saudável! Todo tipo de pessoa tal pode encontrar agora meios para construir a forma ideal e um padrão magro e saudável. Pergunto-me se consegue se dar conta do que depende de você para iniciar ainda hoje esse processo. Não vou afirmar que já nos próximos dias algo vai se organizando dento dessa estrutura agora, por dentro e por fora em harmonia nos próximos dias. Você deseja construir a forma ideal e um padrão magro e saudável? O sucesso de uma pessoa desejosa de construir um padrão magro e saudável vai depender muito de sua dedicação e prática constante, de seu interesse e investimento pessoal no processo e em si. É um processo a ser construído e cultivado e existem fatores emocionais, médicos, nutricionais e outros que devem sempre ser trabalhados por profissionais em cada uma dessas áreas independentemente desse programa. Tenha paciência, pratique, dedique-se, invista tempo para gerar os resultados e procure agir sempre de forma congruente em sua vida como um todo!

28 Coaching em Revista

Responda para si:

Por que eu posso construir a forma ideal e um padrão magro e saudável? Por que sou capaz? Por que eu mereço? Perguntas poderosas para ajudar no processo do emagrecimento Em um caderno de trabalhos, responda a cada uma das perguntas abaixo. Sugiro que tenha essas perguntas (ou as melhores, que mais gostar) num quadro ou mural onde seus olhos vão vê-las muitas vezes por dia. Dessa forma, você estará programando o sistema reticular para buscar respostas para perguntas sobre construir o padrão magro e saudável! Como posso encaixar a forma ideal em meu jeito de ser e como parte da minha identidade de forma harmônica com o resto da minha vida? Qual resultado físico sobre sua forma ideal que você quer? Como é possível construir forma ideal de forma divertida, prazerosa e sentir-me muito bem antes, durante e depois? Para onde posso direcionar o foco de minha mente para construir a forma ideal e me sentir muito bem? O que você sente que apoia seu desejo de construir a forma ideal e um padrão magro e saudável de forma plena e satisfatória? O que depende de mim para construir a forma ideal e um padrão magro e saudável fluindo com os mesmos de forma plena, prazerosa, satisfatória e divertida em minha vida?


Como você, inconscientemente, pode sintonizar-se com o que permitirá a construção da forma ideal e de um padrão magro e saudável de forma tão natural como tudo o que existe de mais natural em si e no universo? Quais emoções e sensações podem tentar em vão resistir ganhar a sua atenção e fluírem por si para que possa construir a forma ideal e um padrão magro e saudável? O que é importante e fortalece o seu compromisso em permitir-se construir a forma ideal e um padrão magro e saudável? A parte que gerava a dificuldade envolvia construir a forma ideal e um padrão magro e saudável queria fazer o que por você de mais importante através do velho padrão?

Como posso construir a forma ideal e de um padrão magro e saudável e, ao mesmo tempo, ter harmonia, saúde e qualidade de vida?

Qual resultado em termos de forma ideal você quer especificamente? Como posso me lembrar todos os dias de permitir que processos conscientes e inconscientes me habilitem construir a forma ideal e um padrão magro e saudável?

Pense em todas as coisas que que atribuiu a si negativamente sobre emagrecer, seu corpo e aparência dizendo algo como “eu sou...”. pare e considere: não é que você seja isso ou assim. A pergunta é: o que precisa aprender a fazer sobre essa questão? Quais recursos precisará usar para fazer algo diferente sobre isso? Como vai saber que está construindo e vivenciando a forma ideal e um padrão magro e saudável de forma divertida e prazerosa? Trabalhar e otimizar agora a construção da forma ideal e de um padrão magro e saudável em sua vida é uma oportunidade para quê? O que é importante e fortalece o seu compromisso em permitir-se construir a forma ideal e um padrão magro e saudável de forma plena e satisfatória? Como você, inconscientemente pode sintonizar-me e sincronizar-me com o que me permitirá construir a forma ideal e um padrão magro e saudável de forma tão natural como tudo o que existe de mais natural em mim e no universo? Para dar uma ajuda no processo, apresento uma técnica da programação neurolinguística a qual pode ajudar a diminuir consideravelmente a compulsão por alimentos que engordam:

Destruindo compulsões (base em Paul Mckenna) Você se lembra quando se permitiu começar a fazer algo e isso influenciou sua motivação e determinação para continuar e na sequência você começou a gostar dos resultados? Talvez possa se perguntar e responder inconscientemente como: melhor - agora! - daqui por diante! Eu posso sempre encontrar meu jeito e minha maneira de construir, há forma ideal e um padrão magro e saudável? •1 – Pense numa comida que odeie ou que sinta nojo. •2 – Imagine um prato dessa comida diante de você. Veja a imagem, sinta o cheiro e imagine-se comendo enquanto aperta o dedão e o dedo mínimo de cada mão ao mesmo tempo. Vá vivenciando o que não gosta de ver, ouvir , sentir e aperte os dedos. •3 – Agora pense na comida que deseja parar de comer, e imagine como um prato dela diante de si seria. •4 – Faça a imagem ficar maior e maior, muito maior do que você. Imagine atravessando essa imagem gigante para o outro lado. •5 – Aperte os dedos mínimo e dedão lembrando-se ao mesmo tempo de tudo que vê, ouve e sente da comida que você detesta. Em seguida, imagine-a misturada com a comida que você quer parar de comer. Imagine o gosto e a textura das duas misturadas e que você come as duas junto, engolindo... •6 – Pense na comida que deseja parar de comer e perceba como se sente agora... •Repita o processo quantas vezes forem necessárias. No mínimo entre 21 e 30 vezes! E tenha um excelente verão mais magro!

André Percia Psicólogo clínico e hipnoterapeuta com formação internacional em Coaching. youtube.com/Andrepercia apercia@terra.com.br

Coaching em Revista 29


CAPA MARCELO ORTEGA

O que mudou no mundo das vendas nos

últimos 15 anos?

H

á 15 anos, meu laptop era da primeira série de processadores Pentium da Intel e, tinha a maravilhosa capacidade de 200 Mb de disco rígido. Hoje, um vídeo que enviamos de um smartphone para o outro, tem, às vezes, o triplo deste tamanho. Em 1999, estávamos na onda da internet, da tendência de produtos e serviços globais, tudo mais digital. Não funcionou tanto lá atrás, por que não tínhamos tecnologia acessível a todos, que permitisse que a internet tivesse a força de hoje. Meu computador travava assim como o servidor que hospedava o

30 Coaching em Revista

portal que eu estava acessando. Sofríamos com celulares ruins, sem internet e com pouco sinal, você se lembra ou não é da sua época? Globalização era um termo, uma tendência. Hoje é algo real, que nos afeta de fato, que muda a velocidade e preparação necessária para a competição peculiar nos negócios. O Frapuccino, que víamos um ator de Hollywood tomando numa Starbucks de Nova York, é servido com o mesmo padrão em São Paulo ou em Dubai (onde estou escrevendo este artigo e tomando um neste momento). Há uma década e meia, não tínhamos tanta concorrência, por que não éramos globais e não concorríamos com o Google.


Nossos celulares eram limitados, lentos, arcaicos perto do que temos hoje e principalmente, as relações humanas, não eram tão intensas, tão em tempo real, mesmo que frias e feitas através do instagram, whatsapp, facebook. O vendedor de 15 anos usava terno, gravata e era mais uma pessoa de relacionamento. Hoje, o relacionamento está em tudo, em todos, mas o vendedor não pode ser limitado a atender o cliente. É preciso ter domínio técnico, entender melhor as demandas, criar soluções personalizadas, entregar, garantir o sucesso e se comprometer com o cliente o tempo todo. Foi pensando nisso que decidi descrever mudanças significativas no mundo das vendas, com um olhar de 15 anos para cá. Veja a seguir o quadro comparativo em diversos aspectos da venda e confirme se você / sua empresa se atualizou:

O QUE MUDOU EM VENDAS

PROSPECÇÃO

1999

Começa o e-mail marketing, mas ainda usava-se muito a mala direta (tem muita gente que nunca fez uma). Surge a necessidade de gestão de banco de dados. Os ERPs (sistemas de gestão de bancos de dados e processos de vendas) eram complexos e caros demais. O conceito de CRM nasce. O relacionamento com o cliente passa a ser mais importante que há uma década (1989). Algumas multinacionais ainda resistiam ao PC (baixa plataforma de computadores pessoais para o uso em vendas), usando sistemas em CICs (aplicativo cde mainframe – computadores centrais). Devido à centralização da informação ou dispersão pelo descontrole daqueles que não tinham sistema nenhum, o vendedor passa a ser mais intuitivo e improvisador, do que estrategista e organizado.

2014

As caixas de e-mails não suportam mais tanto SPAM – e-mails não autorizados – e os servidores bloqueiam e colocam domínios de empresas que praticam SPAM, numa lista negra. Prospectar no meio digital demanda mais do que mailing, é preciso qualificação e relacionamento com o mesmo. Quem vende de porta em porta, conta com a internet altamente rápida nos tablets e smartphones e tem um google, wikipédia, facebook para promover e se alimentar de informações de vendas Os negócios são muito mais velozes do que antes, as pessoas pouco falam ao telefone, uma vez que tem reuniões com videoconferência na empresa, Skype ou facetime em seus celulares. O consumidor ouve o que o mundo diz de um produto no Twitter e aqueles vendedores, que não estiverem cuidando de se atualizar, estarão perdendo para o concorrente mais tecnológico e bem informado. Prevalece a venda consultiva, onde as pessoas querem ser ouvidas por vendedores que saibam entender antes atender.

Coaching em Revista 31


TÉCNICAS DE VENDAS

CAPA

32 Coaching em Revista

1999

Ainda prevalece o vendedor futurólogo (que adivinha o que o cliente quer). Este estilo advém da década de 80, quando treinamentos ensinavam as pessoas a anteciparem ao cliente, supondo que acertariam suas necessidades Vendedores não valorizados como hoje. Pouco treinamento, muito mais “oba-oba” nas convenções (festas, premiações, entretenimento) e pouca observância para o nível técnico do vendedor. A venda deixa de ser uma transação para ser uma relação Apesar de o vendedor ser um generalista, pouco estratégico, ele cumpre o papel de interface entre o cliente e fabricante ou marca. Ele é uma espécie de “psicólogo do cliente”. Ouve mais... não necessariamente o que precisaria ouvir. Nasce o mais importante método de treinamento, que criei – entre 1999 e 2001 – sobre técnicas de vendas altamente eficazes. Sucesso em Vendas – Os 7 fundamentos para o sucesso, foi base para o desenvolvimento de mais de 200 vendedores que tinha direta e indiretamente numa multinacional que atuava.

2014

A arte da pergunta elimina erros com suposições ou futurologia comum entre profissionais do passado. Na década em que vivemos, as técnicas mais avançadas de vendas giram em torno da capacidade do modelar soluções únicas para os clientes. O nome do cliente apareceu na lata de refrigerante, na propaganda de bancos ou laboratórios de análises clínicas, na tv, não por acaso. Temos um consumo mais exigente, mais pessoal, sob medida. A venda depende do entender, como é, como deve ser, o que impede, o que significa ao cliente a compra. Cada cliente tem seu DNA (seu Desejo Não Aparente) e valoriza quando há um esforço extra do vendedor ou equipe de suporte à venda, em ajudá-lo a atingir resultados. O vendedor de sucesso é mais cirúrgico, detalhista, entendedor do cliente. As empresas entenderam que mais vale treinar o vendedor e correr o risco deste ir embora, do que não treiná-lo e correr o risco do mesmo ficar. A aprendizagem deve ser constante, pois o mundo mudou, a comunicação avançou, em muito, e o vendedor ou empresa que não percebeu, parou de vender.


RELACIONAMENTO

1999

A venda antes transacional, agora é relacional. Áreas de vendas e marketing de grandes marcas do varejo ou do mundo corporativo, investem em marketing de relacionamento. O vendedor tem campanhas disponíveis, incentivos, cartão de fidelidade para oferecer aos clientes mais estratégicos. Nem sempre sabia usar isso na diferenciação e no seu posicionamento. O cliente passa a ser mais importante que outrora, mas ainda sobressai a venda pelo preço mais baixo, as commodities, etc. O relacionamento não era mais importante que o ROI (Return of Investiment).

2014

Há uma onda maravilhosa de retenção de clientes por valorização da fidelidade, muitas vezes com estímulo de campanhas de marketing de relacionamento. As empresas trocam milhas e pontuação para oferecer ganhos a quem compra sempre. A moeda não é apenas dinheiro. Indicação de clientes vale como prêmio ao cliente estratégico das grandes empresas. No mercado em geral, o vendedor faz (ou precisa fazer) uso de sistemas de informação em tempo real, para evitar cansar o cliente com comunicação genérica de novidades da empresa. Sem dúvida, estamos na era da sensibilidade, e o relacionamento é o que faz o vendedor ser percebido, considerado, comprado, recomprado e especialmente indicado. Coaching em Revista 33


CAPA

PERFIL DOS CLIENTES

1999

34 Coaching em Revista

Os clientes eram menos influentes na sociedade como hoje. Dizia-se: ser mal atendido é replicar isso para mais nove pessoas. Hoje, há gente que usa o facebook para destruir ou criticar uma marca atingindo dezenas, centenas, milhares de pessoas. No entanto, havia um cliente moderno chegando, que comprava alta tecnologia mais rapidamente. Que queria a globalização, ter acesso a produtos, lojas, serviços e marcas vindas de todos os cantos. A empresa se concentra em prover SLA (Service Level Agreements ou acordos por níveis de serviços) e as lojas entram na prática da “clientividade”. Do entender e do atender muito bem.

2014

Como o mundo mudou, as gerações novas chegaram e uma nova linguagem no ar, o vendedor do século XXI precisou se adaptar. A geração Y compra de modo diferente. Baby-boomers e geração X não dominam mais o mercado, com modelos mais conservadores de compra. O cliente hoje não quer um vendedor, quer um consultor que agregue valor, facilidades para sua vida. Do contrário, o cliente prefere um totem automático que permita comprar, pagar e ser informado sobre onde e como irá retirar ou receber o produto ou serviço adquirido. Clientes em geral mais exigentes, pouco pacientes. Terá valor aquela empresa que investir na agilização de processos, no treinamento de técnicas de relacionamento e vendas modernas, e que cativar o cliente pelo seu nível de respeito e comprometimento com a satisfação. Clientes podem ser divididos em três perfis: os promotores da marca, os compradores transitórios e infiéis e, por fim, os detratores (que não comprarão mais e ainda falarão muito mal quando forem destratados ou mal atendidos).


Podemos concluir que com o passar dos anos, as relações com clientes ganharam muito em velocidade, qualidade da informação e aproximação pela confiança e sensibilidade entre as partes. O vendedor dos próximos 15 anos está hoje estudando muito seus clientes, seu mercado, seus concorrentes e inovações possíveis. Sobretudo, não para de aprender formas novas de facilitar a vida das outras pessoas, nem que para isso tenha que fazer mais do que aquilo que é pago para fazer. Pense nisso, muito sucesso!

Coaching em Revista 35


}

JO GO RÁ PI DO 36 Coaching em Revista

Elba Ramalho

Reinventar-se é fundamental à perenidade no meio artístico. Ela, ao passar dos anos, mostrou que tem jogo de cintura para criar e trazer novidades aos fãs da música popular. Passou por desafios muito parecidos aos enfrentados pelos profissionais de diferentes áreas, e graças à criatividade e talento, soube tirar o melhor proveito de cada situação. Por essas experiências e contribuição à cultura brasileira, é nossa entrevistada. por Julyana Rosa

Hoje, uma das grandes características no mundo do trabalho é a capacidade de ser multitarefa, em que as pessoas são cada vez mais demandadas a realizar inúmeras atividades ao mesmo tempo. Ao lançar um novo CD, você continua a tocar outros projetos simultaneamente ou fica imersa até o fim? Como vê essa questão? Na arte, as oportunidades surgem a cada segundo e nunca estamos fazendo somente um projeto, mas sempre envolvidos com vários. No momento, tenho produzido bastante, além do meu disco de carreira que deve ser lançado em dezembro, montamos o show Cordas Gonzaga e Afins, com o SaGrama e Encore, um projeto cultural da Natura, muito bonito, por sinal. Já gravamos o CD/DVD em Recife e temos feito shows em algumas cidades. Ainda levamos em turnê o show Elba e Geraldo Azevedo, Um Encontro Inesquecível e meu show de estrada com algumas opções no menu: O show com banda completa, ou  o show numa versão mais acústica com quatro músicos. É isso, multitarefa, com muito prazer.


O começo de carreira, independentemente da área, pode ser difícil aos jovens profissionais. Como você lidou com a crítica no início do seu trabalho, quando tinha lá seus vinte anos e algumas pessoas do meio artístico até a apelidavam? Pode usar isso a seu favor? Como? Os cães ladram e caravana canta! Eu sempre tive convicção do que eu queria fazer e acho que todo jovem deve ter determinação. Seu filho Luã parece ter herdado os dons artísticos da família, inclusive já compõe para grandes nomes da MPB como Caetano Veloso, ele também já compôs para você? Como é essa relação de mãe e filho no trabalho? Luã está formado em música e trabalhando com produção, também toca e compõe suas canções. Nossa relação sempre foi  ótima e não deixaria de ser por conta do trabalho. Nos amamos e nos respeitamos. O amor precede todos os bons sentimento e entre mãe e filho tudo flui com leveza.   Você vem de um núcleo familiar talentoso, já atuou, canta, tem um filho compositor e um primo com trabalho também reconhecido no meio musical.  De que forma o seu trabalho e o de Zé Ramalho se encontraram, quando aconteceu essa parceria que rendeu algumas músicas e projetos em conjunto? Migramos da Paraiba para o Rio em  busca do mesmo sonho. Antes, porém, nos encontramos nos palcos de lá, quando eu era baterista de uma banda de rock e ele era guitarrista de outra banda de rock. Zé Ramalho é um tremendo compositor e suas músicas têm uma força especial para o tipo de intérprete que eu sou. Já cruzamos o caminho em muitos projetos e é sempre uma motivação estar com ele ou interpretar sua obra. Por enquanto não pensamos em nada juntos, mas tudo pode mudar. Foto: Marcelo Lyra e Santo Lima

Há algum projeto novo em andamento, alguma novidade que os fãs podem esperar para 2015? Então, em 2015, se Deus assim permitir, estarei mostrando em show o meu novo disco, por sinal, muito forte, bonito e bem elaborado. Sempre surgem novas ideias e deixo ao acaso, a seu tempo.

Coaching em Revista 37


OS DESAFIOS PARA UMA

LIDERANÇA DE

EXCELÊNCIA

N

inguém cresce sozinho. Encontrar e desenvolver pessoas capazes de fazer sua visão se expandir é um fator importante e determinante na construção de uma liderança. Faz parte do conceito de liderança a capacidade de influenciar um grupo na direção da visão pretendida e dos objetivos estabelecidos, também a capacidade de influenciar, motivar e habilitar outros a contribuírem para a eficácia e sucesso do que se propõem a realizar. Estar à frente de uma organização, liderar grupos, ser o chefe, o comandante, o maior e o mais forte, pode ser garantia de que você lidera alguma coisa, mas necessariamente isso não é garantia de que você exerça uma liderança de excelência. Há muitos aspectos de extrema importância que temos por desafios quando pensamos uma liderança de excelência. Desenvolver pessoas é provavelmente o melhor investimento de tempo que o empreendedor pode fazer, ele se paga em resultados, em inovação e motivação. O consultor em estratégia e gestão de pessoas da Endeavor, Daniel Castello, nos apresenta quatro ferramentas que se bem aplicadas geram um alto desempenho.

38 Coaching em Revista

1. Contratos. Tudo em uma empresa é baseado em contratos, em diferentes dimensões: missão, visão, valores, metas coletivas e individuais, projetos, processos. Todos são diferentes formas de contratos. Quanto mais específicos e mais sincronizados entre si os contratos forem, mais rápido as pessoas se desenvolverão. E mais focadas trabalharão. 2. Feedback. Quando os aspectos relevantes do contratado não estão sendo entregues, é hora de reorientação. Esta tem como principal objetivo gerar aprendizagem. E resgatar o foco. 3. Reconhecimento. Quando o desempenho está dentro ou acima do contratado, isto deve ser afirmado de forma explícita. Para aumentar a vontade de aprender. E reforçar o esforço. 4. Desafios. Quando existe espaço para um desempenho acima do contratado inicial, ele pode e deve ser expandido. Isso acelera a aprendizagem. E surpreende o mercado. Essas quatro ferramentas, quando bem calibradas, norteiam o desempenho das pessoas. E, o que é mais importante, tornam as pessoas proprietárias e protagonistas do seu próprio resultado, uma vez que elas sabem especificamente onde tem de agir para se desenvolver. Esta cali-

bragem é difícil de fazer. Mas, no seu ponto ideal, ela maximiza o foco das pessoas na entrega do resultado, o aprendizado e a motivação das pessoas em entregar e aprender. O consultor Daniel Castello ainda complementa com a combinação de três importantes vetores: A) Autonomia. Quando as pessoas percebem que têm espaço para contribuir ao máximo e se arriscar pela empresa. Traz como retorno responsabilidade e “cabeça de dono”; B) Maestria. Quando as pessoas percebem que têm espaço para desenvolverem suas competências sem limites, até o ponto em que um músico ou um atleta profissional o fariam. Traz como retorno níveis inéditos de produtividade e inovação; C) Propósito. Quando as pessoas percebem que existe sinergia em alinhar seus interesses aos da empresa. Gera como retorno satisfação, lealdade e garra. Os estudos mais recentes da psicologia demonstram que as pessoas se sentem motivadas num nível máximo quando combinam os elementos descritos nesses vetores. Quando o líder acerta a mão e usa as ferramentas para amplificar os graus de motivação e alinhamento

Ilustração: Danilo Scarpa

ARTIGO Lara Maria


com seus liderados, cada movimento seu o leva mais perto do alvo. A paixão faz toda a diferença entre os colaboradores, e é papel do líder motivar e alimentar essa paixão. Cada volta eleva a velocidade. Cada vitória aumenta o prazer de pertencer a uma grande equipe. Além de tornar os liderados mais conscientes de si, do todo e do valor que há no processo. Pensemos agora no papel de um verdadeiro líder e, logo, os desafios! Vale a pergunta: O que leva uma pessoa a ouvir, respeitar e a seguir uma outra pessoa? O respeito ao ser humano e acreditar nas suas imensas possibilidades. Um líder precisa conquistar o respeito das pessoas a fim de poder liderá-las com êxito. Algumas habilidades precisam ser desenvol-

vidas para maximizar o potencial da liderança, caso contrário, os liderados desistirão de seguir seu líder: Os bons líderes compreendem que toda liderança é voluntária e que se baseia no respeito ao próximo. E conquistar o respeito dos outros acontece quando se demonstra o respeito principalmente por pessoas com potencial, posições e poder menores que os seus. Respeitamos a quem nos respeitam primeiramente! A coragem de um líder é de imensurável valor, pois agrega esperança. Todos os grandes líderes da história, foram e tiveram grande coragem. A coragem de um líder motiva, e só é merecedor dessa prerrogativa aquele estiver disposto a ocasionalmente defender o que enxerga e acredita.

Ações que servem para nortear os ia: desafios de uma liderança de excelênc Confiar no grupo mais do que em si mesmo; Adequar as missões à realidade de cada um; ão do outro; Ampliar o autoconhecimento e a compreens e; ment uada adeq Reconhecer os esforços Variar, dar oportunidades, elogiar, motivar; Fomentar identidade com o grupo; lidades; Educar, capacitar, delegar controle e responsabi is positivas; socia ções intera ular estim e Promover o bem-estar de tivida asser com Comunicar Ouvir na essência; Aplicar feedbacks; Evitar críticas em público; de cada um; Elogiar diante do grupo os aspectos positivos ar; Atualizar os métodos para inspirar e motiv Despertar e reter talentos; ias; Conhecer e avaliar corretamente as competênc l: oláve contr e uado adeq se Manter o estres Dar problemas, mas também os meios; ; Informar as dimensões reais dos problemas ção; otiva desm e tência impo Evitar a frustração, a s. meio e s tégia estra s, Reavaliar meta

A lealdade conquista seus seguidores. Todos respeitam as ações de um líder quando este é leal, franco, honesto e fiel aos seus compromissos. Um verdadeiro líder demonstra essas qualidades quando permanece a frente da missão até o final. Somos atraídos pelo sucesso, um líder bem sucedido é admirado. As pessoas tendem a respeitar as realizações dos outros. Quando um líder conduz seus liderados à vitória, eles acreditaram que esse feito acontecerá novamente e permanecem ali, para o alcance dos próximos êxitos. Faz parte do caráter do líder: a Intenção, o quanto ele deseja o bem estar do grupo; a Integridade, o quanto ele fala, se compromete e cumpre o que tem de ser feito e a competência, o quanto e como ele direciona suas habilidades para entregar o que lhe foi designado.

Lara Maria Professora universitária. Master coach. Escritora do livro Master Coaches. Mestre em Comunicação. lara_maria@uol.com.br

Coaching em Revista 39


Informativo AAPSA

II Pesquisa de Saúde

Corporativa da AAPSA Para 66% das empresas as ações de promoção de saúde e prevenção de doenças trazem resultados importantes, porém apenas 19% promovem programas específicos de acordo com o grau de risco à saúde .

A

o analisar os resultados da II Pesquisa de Saúde Corporativa da AAPSA a diretora do Grupo de Saúde Corporativa e advogada especializada na área de saúde suplementar Milva Gois disse ter se surpreendido com o alto percentual de empresas – 58% - que declararam ter contratado plano de saúde no formato contributário (aquele que os funcionários arcam com uma parte do custo do benefício). “As empresas estão gerando um passivo atuarial, será que sabem o que estão contratando ou conhecem esse passivo?”, questionou Milva. Ela explicou que no modelo contributário

40 Coaching em Revista

o funcionário demitido sem justa causa ou aposentado têm direito de continuar com o plano de saúde por um prazo determinado, desde que assuma o pagamento integral. Porém, sua utilização poderá provocar um reajuste por sinistralidade que impactará toda a carteira de funcionários. Outro dado que surpreende, segundo Milva, é o baixo percentual de empresas que cruzam as informações de saúde ocupacional (obtidas com os exames admissionais, periódicos e demissionais) com os dados da saúde assistencial (informações que os planos de saúde detêm) para realização de ações de promoção de saúde, apenas 24%. “Percebo pelos resultados que as

empresas estão realizando exames periódicos, admissionais e demissionais apenas porque são obrigadas por lei, mas desperdiçam as informações coletadas”, disse Milva. Segundo ela, o cruzamento de dados geraria informações para ações estratégias de promoção de saúde dentro das companhias. Esses são alguns dos dados mensurados pela II Pesquisa da Saúde Corporativa da AAPSA que durante os meses de setembro e outubro de 2014 entrevistou 100 empresas com a proposta de obter informações sobre a gestão de saúde nas organizações. Os resultados foram apresentados no dia 6 de novembro de 2014, na


abertura do II Fórum de Saúde Corporativa, que se estendeu até o dia seguinte, 7. A II Pesquisa de Saúde Corporativa está disponível para consulta no site da AAPSA (www.aapsa.com.br). A diretora do Grupo Saúde Corporativa da AAPSA ressaltou que as empresas, como entes financiadores, são a mola propulsora do mercado de saúde, considerando o número de beneficiários em planos coletivos (mais de 40 milhões de pessoas, de um total de 50 milhões, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS). “As empresas ainda não assumiram este papel nas negociações e desenvolvimento de parcerias com os players do mercado, falta um regime de parceria para ações conjuntas entre todos os players”, diz Milva. Em 79% das empresas pesquisadas, a principal causa de afastamento e absenteísmo são as doenças comuns, cirurgias, doenças ocupacionais e acidentes. Já 15% se afastam por parto e licenças maternidade. Quanto aos benefícios que as empresas oferecem aos seus colaboradores, 26% são planos de saúde, 21% planos odontológicos, 15% incentivam atividades físicas, 13% oferecem benefício farmácia, 8% fazem programas de gestão de doenças crônicas, 7% de reeducação alimentar, 4% das empresas oferecem programas de saúde mental, outros 4% garantem planos de saúde apenas para alguns níveis hierárquicos e 2% outros.

Quando questionadas como avaliam seus custos com saúde 41% das organizações responderam considerar crescentes, porém dentro de custos per capita sustentáveis (41%), estável (26%), gerenciado e controlado (18%), enquanto 15% das empresas responderam que consideram os custos com saúde crescentes, mas dentro de patamares de custos per capita acima do aceitável. Outros pontos da pesquisa apontaram que 45% das empresas se sentem satisfeitas com as informações sobre a gestão do benefício que recebem dos planos de saúde. Ao serem perguntadas sobre quais conhecimentos poderiam ajudá-las a realizarem uma gestão estratégica de saúde 22% das empresas responderam que gostariam de conhecer programas de promoção de saúde, 21% preferem conhecer estratégias de saúde corporativa, 20% querem saber sobre integração de saúde ocupacional, assistencial e promoção de saúde, 19% apontaram quererem saber sobre mensuração de resultados e metodologias e 18% se mostraram interessadas em cases de outras companhias. Sessenta e seis por cento das empresas consideram que ações de promoção de saúde e prevenção de doenças trazem resultados importantes, porém, apenas 37% promovem iniciativas neste sentido, e ainda assim, com ações mais genéricas e pontuais como palestras e semanas de saúde. Das 100 empresas consultadas, 27% de-

las dizem aplicar questionários de avaliação de saúde e estilo de vida, 19% desenvolvem programas específicos de acordo com o grau de risco à saúde enquanto 17% nada fazem. As iniciativas de promoção de saúde existentes nas empresas são custeadas por 44% delas, enquanto 19% dos programas são pagos em conjunto pela empresa e planos de saúde e 11% exclusivamente custeados pelos planos de saúde. Quando o assunto é mensurar os resultados obtidos com os programas de promoção de saúde 38% das empresas disseram não mensurar, quando na mesma pesquisa 70% delas apontaram considerar os programas de promoção de saúde e prevenção de doenças “fundamental” para seus colaboradores. A necessidade existente nas empresas por informações e conhecimentos para a realização de uma gestão estratégica da saúde, identificada com a 2ª edição da Pesquisa de Saúde Corporativa motivou a AAPSA a desenvolver um curso a ser lançado em janeiro de 2015, que abordará temas como conceitos de gestão de saúde populacional, regulação e judicialização da saúde, construção de um modelo de saúde corporativa integrado, mensuração de resultados, entre outros. O II Fórum de Saúde Corporativa da AAPSA contou 170 participantes e 15 palestrantes que se apresentaram no WTC Events Center, em São Paulo, com realização do Instituto Febraban de Educação – INFI e apoio da ASAP.

Coaching em Revista 41


ARTIGO Jorge Bassalo

da equipe

T

oda mudança requer cuidados, pois até mesmo uma modificação de pouca importância pode vir a ter consequências relevantes, como por exemplo, uma simples troca de impressoras de lugar pode gerar conflitos entre a equipe, já que alguns podem se sentir prejudicados nesse processo. Isso ocorre, pois gerenciar mudanças organizacionais envolve também administrar o medo do desconhecido de cada colaborador. E quando esse processo é feito de forma desestruturada não gera apenas “dor de cabeça”, mas principalmente queda de qualidade, baixa na produtividade e desunião da equipe. Não é raro vermos no mercado exemplos de empresas que se extinguiram porque falharam na hora de realizar a mudança, pecando ainda em quesitos como comunicação e organização. Logo, qual o melhor caminho para que a gestão de mudanças seja feita com sucesso e o líder engaje os seus colaboradores? O segredo está em obter a aceitação dos funcionários através de uma

relação transparente. A equipe precisa enxergar a mudança da mesma forma que o seu gestor e entender por que as modificações são necessárias, seus benefícios, vantagens e a importância de cada um nesse processo de transformação. O papel da liderança é fundamental nesse cenário para administrar e entender as resistências dos colaboradores que surgirão ao longo do caminho. Isso porque a perspectiva do quão severo será o impacto dessas mudanças corporativas sobre si mesmo e o seu trabalho é o que mais os assusta. Logo, cabe ao dirigente tentar apaziguar e manter sua equipe serena durante esses momentos de transformações com a utilização de algumas ferramentas, entre elas a comunicação abrangente, direta, transparente e frequente, definindo assim periodicidade, canais, linguagem bem como um ambiente onde os colaboradores possam expor seus anseios e opiniões. O receio de não ser capaz de acompanhar a transformação, não se encaixar, ou mesmo “sobrar” no fim do processo, pode dominar a equipe e fazer com que a mudança seja vis-

Jorge Bassalo Consultor de Gestão de Mudanças Organizacionais, mestre em Administração de Empresas pelo Ibmec, com ênfase em comportamento organizacional.

42 Coaching em Revista

Danilo Bianchini

Aos olhos ta com maus olhos. Porém, quando não é pego de surpresa, o funcionário tende a se sentir parte do que está acontecendo à sua volta, o que é fundamental. Para que a mudança realmente aconteça, esse apoio e “patrocínio” do líder deve acontecer também junto ao setor operacional, que efetivamente coloca os novos processos em prática, e também com a média gerência, que muitas vezes é esquecida e não é tratada de forma adequada. Feliz do processo de mudança quando o gestor começa a ter essa visão e traz esses parceiros para dentro do jogo. Similar ao futebol, a gestão da mudança também possui os seus atacantes, os líderes, a defesa, representada pelo nível operacional e um bom meio de campo, que é feito justamente pela média gerência, para o jogo fluir da melhor maneira possível. O ser humano é movido pelo retorno que recebe, e quando se sente confiável, tem uma inclinação a aumentar o seu comprometimento e engajamento, inclusive durante a mudança. O líder, então, passa a ser a ponte para que a mudança ocorra de forma estruturada e eficaz. Contudo, é preciso atenção no valor de cada um dos funcionários, ter respostas para todas as perguntas, afastar as preocupações e, com cautela, conduzir as transições de maneira que elas possam alcançar o objetivo final: crescimento. A competitividade é feroz, e somente quem se adéqua e muda de forma bem-sucedida, é capaz de sobreviver no mercado. 


Coaching em Revista 43


LEILA NAVARRO

Comportamento

Desperdício é ficar na mesma!

Transforme-se em 2015

H

á pessoas que chegam a um momento da vida em que se sentem desencantadas com o que fazem. Parece que nada mais faz sentido em suas vidas. Aquela profissão que tanto as motivou um dia, por um motivo qualquer, já não empolga mais. Elas até imaginam partir para outra coisa, mas, quando olham para todo investimento de tempo e dinheiro que já fizeram, o conhecimento que acumularam e os resultados, perdem a coragem. Então têm pensamentos do tipo “agora é tarde”, “e se não der certo?” ou “melhor deixar tudo como está” e continuam na mesma. Isso também pode acontecer em diversas outras áreas da vida. Há pessoas com relacionamentos desgastados que se mantêm anos a fio sem nenhuma iniciativa para apimentar a relação. Outros acumulam coisas e sentimentos que só congestionam a mente e o coração com “lixos emocionais”. Desejos e sonhos adormecidos que alimentam frustrações! Nossa! Quando chega o início do ano temos a oportunidade de reavaliar

44 Coaching em Revista

44


Comportamento

tantas coisas na vida. Agora há muita gente que sabe a necessidade da mudança, mas acredita que uma mudança significaria desperdiçar tudo que já aprendeu. Mas, será? Na verdade, desperdício mesmo é não aproveitar o impulso de mudar e encontrar algo novo, que nos apaixone e gere satisfação. O ser humano é cheio de possibilidades e talentos, e você só irá descobrir os seus se der permissão a si mesmo para exercê-los. Ter sonhos e expectativas e, mesmo assim, se manter no mesmo lugar é um tremendo desperdício. Para dar uma reviravolta na vida é importante alimentar-se de motivação. Acredito que a motivação é a chama que nos mantém firmes, fortes e criativos, para o nosso desafio diário chamado viver feliz! Há vários tipos de motivação: aquela que é estimulada positivamente pelas pessoas que gostam de nós; a que é estimulada por pressões externas, geralmente de pessoas que trabalham conosco ou esperam algo de nossas performances; e a que a meu ver é a mais importante de todas: a que está em você, a automotivação! Esse processo interno de motivação é a consequência do que se faz, das suas ações voltadas ao autoaprendizado, autoestima e autoconfiança. Ela é fundamental para a sua prosperidade, qualidade

de vida e realização. O maior agente motivador que existe é você mesmo! Você deve estar pensando no que pode fazer para conseguir motivar-se diariamente. Bem, em primeiro lugar, é preciso de um objetivo de vida. Sem ele fica muito difícil ter autoestima e motivação, aliás, tudo fica muito mais complicado. Gosto de citar uma história que deixa claro o quanto é importante ter um objetivo de vida. Um escritor judeu conta que conseguiu sobreviver aos campos de concentração nazistas, mesmo possuindo uma saúde debilitada e uma estrutura física frágil, porque a sua vontade de viver e de concretizar seus sonhos era maior do que as suas limitações. Ou seja, seu sentido de vida, sua vontade de viver e conseguir concretizar tudo o que sonhava, fez com que se tornasse um homem resistente ao terror que enfrentou, e ainda o ajudou a superar barreiras.  A partir do momento que você consegue perceber seu valor, você passa a ter muito mais prazer e orgulho do que faz e, consequentemente, torna-se uma pessoa com muito mais confiança, autoestima, sempre motivada e disposta a ir atrás dos seus sonhos. Então, faça com que as outras pessoas percebam o seu esforço, a sua dedicação. E, mais do que isso, valorize-se e alimente a sua motivação neste ano!

Leila Navarro Palestrante motivacional, autora de 14 livros, entre eles, “Talento para ser Feliz”, “Talento à prova de crise” , “O poder da superação”, “Obrigado, equipe” e “Autocoaching de Carreira & de Vida”. leilanavarro.com.br

Coaching em Revista 45

45


Renata Burgo

GESTÃO

Reavaliar a sua carreira é

saudável

Q

a hipótese de redefinir suas carreiras. Hoje, com o dinamismo mundial e a expectativa de vida que aumenta a cada ano, é natural que pessoas tenham mais de uma carreira ao longo de sua trajetória profissional. É verdade que antigamente essa hipótese poderia parecer intimidante e até um pouco preconceituosa, mas hoje, com informações, autoconhecimento e ação, é possível, de forma dinâmica, se reinventar e direcionar o rumo da sua história para algo que dê mais prazer.

ualquer momento é um bom para reavaliar suas escolhas profissionais. Esse questionamento é saudável e mais natural do que a gente imagina. Com essa autoanálise você poderá se desenvolver, planejar e alinhar a sua carreira ao seu propósito de vida. Assim, você pode se sentir mais motivado para agir e buscar o que realmente importa para si, ganhando mais maturidade e crescimento na carreira atual, ou direcionando-a para algo mais prazeroso. Em busca de obter mais realização e satisfação nas suas vidas, um número crescente de pessoas vem considerando

Avalie sua insatisfação profissional De fato, fazer o que se gosta é um pressuposto para ser bem-sucedido. Se você não gosta do que faz, é substancial ava-

46 Coaching em Revista

46


GESTÃO

liar e buscar alternativas para se realizar. Você pode e merece! Mas antes de sair pensando em prováveis áreas interessantes, questione-se sobre a sua insatisfação atual e o porquê da mudança de profissão. Pergunte-se se o motivo não é a empresa, ou quem sabe, as relações interpessoais; a perspectiva de crescimento ou até mesmo o contato com a chefia. É provável que se você conseguir responder de forma genuína essas perguntas, talvez perceba que o problema não esteja na carreira, mas sim no lugar onde está. Agora, se mesmo com essa análise, perceber que realmente a solução é mudar, antes de tomar qualquer decisão precipitada, é importante planejar de forma estruturada essa transição. Dicas para mudar a carreira Veja algumas dicas que vão ajudá-lo a idealizar de forma prudente essa mudança: 1) Descubra uma área atraente Você sabe quais são suas aptidões e talentos? Escreva-os em um papel e reflita quais são as áreas e as oportunidades que podem surgir para que consiga aplicá-los na potencialidade máxima. Além de descobrir áreas que realmente sejam atraentes, o profissional deve entender com mais profundidade como funciona cada área e como pode

encaixar-se nesse novo segmento. Todas as áreas têm prós e contras e, antes da mudança, você precisa saber quais são e se está disposto a enfrentá-los. 2) Foque Depois de identificar alguns caminhos a seguir, eleja a área que mais se identifica e que lhe trará mais prazer. É natural que com tantas opções e caminhos a seguir nos distraímos e ‘atiramos’ para todos os lados. Mas você precisa se decidir, afunilar suas alternativas para obter êxito. Foque a área escolhida e estabeleça objetivos claros, para garantir que não se perca. 3) Aumente sua rede Como está sua rede de contatos? Ela será importantíssima para que consiga fazer essa transição de forma eficaz. Você conhece o mercado que quer atuar? Sabe das oportunidades e desafios? Se não conhece, vá atrás, leia e converse com pessoas que trabalham na área e possam dar informações realistas. Com quanto mais pessoas você se relacionar e conhecer, melhor. 4) Prepare-se Descubra quais são seus pontos de desenvolvimento, o que você precisa aprender ou fazer para entrar na área desejada. Estude, pesquise tendências, faça

cursos, participe de feiras relacionadas à área desejada. 5) Impacto da mudança Essa mudança causará impactos financeiros, emocionais, familiares ou sociais? Se sim, como você pode se programar para que essas dificuldades não façam com que desista no meio do caminho? A probabilidade de o seu salário diminuir é grande, já que não tem experiência na área e começará de baixo. Por isso, programe-se e guarde uma reserva para sustentá-lo durante um período. 6) Estabeleça ações e prazos Defina metas e estabeleça prazos para a realização de cada etapa construída. E o principal, aja em direção ao seu objetivo. Nem os melhores planejamentos e estratégias têm resultado se não houver ação. Essas ações são fundamentais para que você tenha consciência dos motivos, das consequências, dos benefícios da mudança e faça a transição de forma estruturada, planejada e consciente. Você acha difícil passar por esse processo sozinho? Sabia que existem profissionais especializados em coaching de carreira que podem em pouco tempo ajudá-lo a encontrar o melhor caminho? Simplifique sua vida!

Renata Burgo Empresária, palestrante, comentarista e dirige a Potens Desenvolvimento Pessoal e Profissional. Escritora do livro Coaching – A Solução. contato@potens.com.br

Coaching em Revista 47

47


Gabrieni Bengaly Gabry

marketing

Henrique Melo

COMO ALAVANCAR A CARREIRA COM O MARKETING DE RELACIONAMENTO “Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida.” (Sandra Carey)

N

os dias de hoje, construir uma boa formação acadêmica e estar atualizado com o que acontece dentro e fora da empresa não basta para alavancar uma carreira. A maioria de nós deve conhecer alguém com uma excelente formação e com entregas primorosas, mas que não consegue alavancar sua carreira. Vivemos a era da informação e do relacionamento. Quem não investir tempo para desenvolver o marketing de relacionamento corre um sério risco de ter sua carreira comprometida. Marketing de relacionamento é um conjunto de estratégias que visam construir, sustentar ou alavancar relacionamentos duradouros e abrir novos horizontes.

Vamos fazer uma analogia entre você e uma empresa. Você é a empresa, a marca da empresa é o seu nome, os produtos e serviços da empresa são suas entregas e os seus clientes são seus pares e stakeholders. Para alavancar a carreira, devemos construir e/ou aumentar a percepção de valor do seu nome (marca) e de suas entregas (produtos e serviços), por meio de estratégias de comunicação e de relacionamento com seus clientes. Desta forma adquirimos vantagem competitiva e nos diferenciamos da concorrência. O principal objetivo do marketing de relacionamento é destacar seus pontos positivos e gerar reconhecimento através de uma relação de confiança e credibilidade. Comece traçando um plano de carreira detalhado de onde você quer chegar e em que mercado quer atuar. Com base

48 Coaching em Revista

48


marketing

no seu plano de carreira, defina objetivos e metas claras de curto, médio e longo prazo. O planejamento é o passo inicial, mas definir e cumprir seus objetivos e metas é primordial para uma carreira de sucesso. Toda ação precisa ser medida, crie métricas que o ajudarão a rever seu plano sempre que necessário. Objetividade, foco, dedicação, comprometimento, relacionamento, equilíbrio, comunicação, respeito ao próximo e estar aberto a novos desafios, são alguns fatores de sucesso para o seu projeto de vida e carreira. Podemos aplicar a metodologia IDIC neste processo: Identifique - Faça o mapeamento de quem são os seus principais clientes e stakeholders de acordo com cada um dos seus objetivos. Identifique por que pessoas e canais você pode ter acesso a eles. A chave que abre as portas é o relacionamento e, lembre-se, um pequeno pode levá-lo ao grande. Diferencie - Segmente seus clientes de acordo com suas necessidades, o que os motiva/desmotiva, o que gostam/desgostam e o que valorizam/desvalorizam. Segmente os clientes de acordo com o valor que têm dentro do seu projeto de carreira.

Interaja - Crie estratégias de relacionamento, levando em consideração a relevância dos assuntos para o cliente, o momento e o formato da comunicação. Não apenas se faça presente, interaja de forma agradável, crie vínculos duradouros, pautados na confiança e na reciprocidade. Mantenha contato constante com os seus clientes, o contato constante, feito de forma correta, fixa o seu nome na mente dos seus stakeholders. Customize – Mostre que você conhece o cliente. Busque ser versátil, se adequando aos diferentes tipos de clientes na forma de se comunicar e nas entregas que fizer. Customize suas entregas de acordo com a necessidade de cada cliente alvo. Aplique as estratégias do marketing de relacionamento e obtenha relacionamentos mais duradouros e lucrativos. Não pense que lucro é apenas monetário, você pode lucrar ao trocar experiências, aumentar seu conhecimento e sua aplicabilidade na resolução de problemas e busca de caminhos. Não se torne apenas uma pessoa inteligente e bem relacionada, busque ser sábio. Peça feedback, pratique a escuta e não apenas ouça. A satisfação do cliente é o seu principal indicador

de sucesso. Avalie constantemente a satisfação dos seus clientes. Como em toda estratégia de marketing você vai ter ações com sucesso e ações sem sucesso, não desanime diante dos insucessos, tire o máximo de proveito, aperfeiçoe-se a cada dia, esteja aberto a mudanças. Seja determinado e resiliente, não permita que a ansiedade o coloque em situações de adversidade. Jamais pare diante de uma batalha perdida, podemos perder algumas batalhas, mas não podemos desistir da guerra. Faça uma análise SWOT de você mesmo, identifique suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, trabalhe seus pontos críticos. Invista em sua carreira, construa os caminhos para atingir seus objetivos com eficácia, aumente suas chances de sucesso profissional e pessoal em um mercado cada vez mais competitivo e relacional. Permita-se testar, permita-se errar, mas acima de tudo tente, mude, descontrua-se e reconstrua-se sempre que necessário. O objetivo define aonde se quer chegar, as metas tangibilizam, a estratégia define o caminho e os recursos necessários. As métricas orientam o rumo e sinalizam se estamos no caminho certo, o relacionamento constrói pontes e a comunicação abre portas para uma vida de sucesso.

Gabrieni Bengaly Gabry Graduada em Administração de Empresas, Pós-graduada em Gestão de Marketing e Pós-graduada em Data Mining. Atua há 22 no mercado de seguros, tendo sido gestora das áreas de DBM, Pesquisa, Campanhas e CRM. Escritora do livro Marketing Aplicado. gabrieni@gmail.com

Coaching em Revista 49

49


MARCELO ORTEGA

VENDAS

O que mais entusiasma um

vendedor?

E

ntusiasmo é sinônimo de automotivação. Motivação que vem de dentro. Na etimologia da palavra, entusiasmo significa Deus dentro de você ou sopro divino. Agora, nem todo vendedor acorda entusiasmado diariamente. Muita gente, com seus problemas financeiros, normais no mundo arriscado das vendas, se rende à desmotivação ou às retóricas convencionais: culpar a crise, o cliente muito exigente, o preço alto do produto ou serviço, as metas altas, a falta de inovação, etc. Quem realmente é automotivado não fica no grupo de pessoas que vive de explicar por que não consegue vender. Não se abate perante dificuldades. Se motiva pela negativa do cliente, e não cessa até que consiga (se possível, é claro), revertê-la.

É essencial ter entusiasmo, ele nos deixa maior que as barreiras encontradas no mundo dos negócios e das negociações. Os motivos para a ação, ou seja a motivação, pode estar dentro ou muito perto da gente e não estamos vendo. Um pai de família, vendedor há 40 anos, me disse certa vez: meus motivos são meus filhos, ainda mais o pequeno que me acorda logo cedo e diz: “papai, vai vender! No final do dia, ele me pergunta: e aí papai, vendeu?” por não querer mentir para seu filho, este amigo e grande vendedor, revela que está sempre entre os melhores na empresa. Foi liderando equipes de vendas por mais de 15 anos que aprendi o quão importante é um gerente ou diretor de vendas na hora de criar um clima motivacional na equipe.

50 Coaching em Revista

50


VENDAS

É claro que a máxima: ninguém motiva ninguém prevalece. Mas o líder pode ajudar as pessoas que precisam de alavancas para aumentar seus saltos e resultados. Existem 3 R´s que todo vendedor precisa para se motivar: Regras – ter regras claras que o desafiem. As pessoas se motivam por desafios e responsabilidades. O líder de uma equipe cria estas regras e ajuda seus liderados a cumpri-las. Definição de metas, objetivos e o tempo são mandatórios em vendas. Se o vendedor não tem metas, fica disperso e se desmotiva naturalmente. Quem é dono do seu nariz, deve criar suas próprias regras e estabelecer um compromisso com isso. Disciplina é essencial na busca de resultados. Reconhecimento – “Todo ser humano precisa ser valorizado”, diz William James, importante pesquisador do comportamento humano. O motivo para ação muitas vezes vem da recompensa e claro, não se trata

de dinheiro apenas. No mundo das vendas, o reconhecimento pode e deve ser feito como outros elementos, como por exemplo, valorizar a pessoa em público, nas reuniões; colocar um prêmio (lúdico) como uma viagem, algo que envolva também a família do vendedor(a); estimular a pessoa com bolsa de estudos ou treinamento. É claro, no começo da carreira, não adianta dar um troféu para quem precisa pagar suas contas e está na pindaíba. A falta de dinheiro é um fator desmotivante, sem dúvida. Resultados – não adianta ser competente, se não tem resultado. Em meu livro Inteligência em Vendas, um dos fundamentos da liderança inteligente é justamente o resultado. O diretor, gerente ou supervisor é responsável por definir metas RTP - Realizáveis, Tangíveis, Possíveis. Não há nada mais frustrante que ter uma meta e nunca chegar a 80% dela, nem perto disto. No entanto, o vendedor competitivo e altivo sabe que o resultado depen-

de de estratégia e de automotivação, por isso, não depende de seu líder, única e exclusivamente, para chegar lá. Ter plano A, plano B e por aí vai para que seu resultado aconteça, seja como for. Não existe certo ou errado em vendas, existe resultado. Quando positivo nos confirma que estamos no caminho, quando negativo, nos mostra que é preciso mudar a rota. Valorizo muito aqueles que criam submetas ou metas menores para irem conquistando trecho a trecho, em partes e assim aumentam sua autoconfiança, na busca do objetivo maior, seu ou da empresa. Vale dizer que nada mais motiva uma equipe de vendas do que ver seu chefe trabalhando junto com ela. Essa frase é do amigo, César Souza, um dos maiores palestrantes do Brasil. Confira meu novo livro; RedBook – Ed. Saraiva – nele eu apresento tudo que sei sobre motivação em vendas, contando a minha vida e exemplos de superação e energia total para o sucesso.

Marcelo Ortega Vendedor, treinador, palestrante e fundador do Instituto Marcelo Ortega. Autor dos bestsellers: Sucesso em Vendas e Inteligência em Vendas – Ed. Saraiva www.institutomarceloortega.com.br - Formando Treinadores e Líderes Educadores. www.marceloortega.com.br

Coaching em Revista 51

51


Paulo Silveira

GESTÃO

Como Recrutar e Manter os Talentos na sua

Organização

N

Nove estratégias para motivar os colaboradores e blindar a lealdade também em tempos de crise

a maioria das organizações do mundo, o nome do jogo de crescimento é RESULTADO POSITIVO. E para que isso aconteça, a equipe deve ser orientada a alcançar metas que envolvem todos os aspectos do empreendimento. Compartilharei com vocês neste artigo nove estratégias que ajudam a motivar os colaboradores e blindar a lealdade também em tempos de crise. ESTRATÉGIA 1 - TENHAM LIDERANÇAS EM QUE POSSAM SE ESPELHAR E APRENDER MAIS E MELHORES PROCESSOS Todos necessitamos de lideranças para nos espelharmos, a fim de nos prepararmos para a vida pessoal e profissional. Quando sabemos o que estamos fazendo e para onde

vamos nossa motivação e autoconfiança são retroalimentadas. Deixo aqui cinco perguntas-chave que utilizo em meus treinamentos, palestras ou consultorias e que merecem momentos de sua reflexão como líder: Qual é o nosso negócio hoje e quais as oportunidades de novos negócios neste mercado? E para atender a esta demanda, que talentos precisaremos contratar? A tecnologia que utilizamos hoje nos manterá no mínimo rentáveis pelos próximos cinco anos? Qual o investimento necessário em pessoas, equipamentos, processos, treinamento, para um upgrade nesta tecnologia? O quanto desejamos crescer nos próximos cinco anos? Quais negócios e processos serão prioritários para atingir esta meta? Temos o plano de ação necessário para chegar lá? Conhecemos de fato as necessidades e desejos de nosso consumidor/

52 Coaching em Revista

52

cliente? O que ele busca e valoriza, e que hoje deixamos a desejar? Qual o plano que já traçamos para preencher esta lacuna e adequar o nosso processo/atendimento? Quais pessoas precisamos desligar de nosso quadro de colaboradores de imediato? Desejamos contratar pessoas que tenham atitude e vontade de vencer, quais as nossas fontes de busca destes talentos? Esclareça a visão e as regras do jogo desde o início, e semeará o equilíbrio, a lealdade e os resultados. ESTRATÉGIA 2 - TENHAM A MARCA RECONHECIDA E COMO REFERÊNCIA Independentemente do ramo de atuação e em que parte do mundo no qual a organização esteja instalada, se ela tem reconhecimento público e sua marca é referência, isso a elevará a ser uma empresa em que as pessoas desejam trabalhar.


GESTÃO

ESTRATÉGIA 3 - ENVOLVAM OS COLABORADORES NOS PROCESSOS COM EXIGÊNCIA E RECONHECIMENTO Na vida e nas organizações o que não se mede não existe! Mas o que medir? Na prática podemos medir resultados pessoais e individuais, assim como resultados de equipe e metas corporativas. Estes números são essenciais e devem ser transparentes e factíveis. Compartilhe, esclareça e lembre-os que o lucro é a semente do amanhã. ESTRATÉGIA 4 - REMUNEREM BEM E COLHAM RESULTADOS Remuneração é uma forma de reconhecimento que contrata e retém talentos nas empresas. A remuneração deve ser justa e compatível com o mercado. ESTRATÉGIA 5 - RECONHEÇAM E PROMOVAM POR MERITOCRACIA O reconhecimento por mérito faz prevalecer atributos e competências que não estejam relacionados às influências de poder ou de troca de favores e de relações sanguíneas, apesar de não podermos ignorar que mesmo divulgando uma política de reconhecimento por meritocracia, as origens familiares e políticas de uma pessoa às vezes pulam etapas em algumas organizações. Isso demonstra não apenas ética, mas elimina dúvidas. Infelizmente, ainda assisto também em minhas consultorias o relato de colaboradores que tiveram suas ideias e projetos “roubados” por superiores, e estes levam os louros

destas conquistas sem o menor escrúpulo, comprometendo toda uma estrutura e política da organização. Estes indivíduos são laranjas podres nos cestos, e devem ser descartados o quanto antes.

começa na falta de diálogo. A integração dos diversos departamentos pode começar, por exemplo, por uma área de lazer comum, um espaço relaxante e propício a boas conversas.

ESTRATÉGIA 6 - TENHAM PLANO DE CARREIRA E VALORIZEM O TRABALHO EM EQUIPE O planejamento de carreira possibilita o trabalho de autodesenvolvimento de cada colaborador, oferecendo possibilidades ao crescimento e amadurecimento profissional, preparando seus sucessores, principalmente, para as posições estratégicas.

ESTRATÉGIA 9 - REALIZEM FEEDBACK Todas as pessoas vencedoras que eu conheço gostam de feedback justo. Reconheça o desempenho individual, o desempenho da equipe e comemorem resultados. Com as práticas que citei, você e sua empresa terão sucesso e os talentos desejarão estar ao seu lado, pois o exemplo é o melhor caminho para a retenção destas mentes. - E no final de um dia ou quem sabe depois de décadas servindo a mesma organização que você, esse colaborador que virou seu amigo possa dizer: “Entreguei minha vida por algo que valeu a pena”, “foi uma honra ter trabalhado com você”, “ser seu amigo é uma honra para mim”, “eu faria tudo de novo, pois valeu cada momento meu aqui”, “Muito obrigado pela oportunidade”. A melhor estratégia para motivar os colaboradores e blindar a sua lealdade também em tempos de crise é poder segui-los, aprender, compartilhar e ensinar – Pois nenhum de nós é tão justo, completo e perfeito quanto todos nós juntos! Tenham um fabuloso dia hoje e sempre... Afinal, o MERCADO é do TAMANHO de sua IMAGINAÇÃO.

ESTRATÉGIA 7 - INCENTIVEM O APRIMORAMENTO EM ÁREAS COMPLEMENTARES, O “PENSAR FORA DA CAIXA” Implementação de metodologias, alteração de processos, novos produtos e serviços, troca de tecnologia, tudo isso são fatos que fazem parte da realidade de qualquer empresa. Uma sugestão implementada e que apresenta resultados significativos é o job rotation, onde existe um intercâmbio de profissionais entre as áreas. Esse intercâmbio sadio torna a empresa mais unida, eficaz e lucrativa em todos os sentidos. ESTRATÉGIA 8 - TENHAM UM AMBIENTE DE TRABALHO AGRADÁVEL E COLABORATIVO A desintegração de uma empresa

Paulo Silveira Palestrante, especialista em vendas. Escritor do livro Atitude – A virtude dos vencedores. falecom@paulosilveira.com.br

Coaching em Revista 53

53


54 Coaching em Revista


Aqui você aprende inglês e se diverte. A cada edição são novas piadinhas e vocabulários diferentes para enriquecer o seu outro idioma.

MAUDE & MABLE Two old ladies are outside their nursing home, having a drink and a smoke, when it starts to rain. One of the old ladies pulls out a condom, cuts off the end, puts it over her cigarette, and continues smoking. Maude: What in the hell is that? Mable: A condom. This way my cigarette doesn’t get wet. Maude: Where did you get it? Mable: You can get them at any drugstore. The next day, Maude hobbles herself into the local drugstore and announces to the pharmacist that she wants a box of condoms. The pharmacist, obviously embarrassed, looks at her kind of strangely (she is, after all, over 80 years of age), but very delicately asks what brand of condom she prefers. -- Doesn’t matter, Sonny, as long as it fits on a Camel. The pharmacist fainted.

VOCABULARY HELP

• outside - fora • nursing home - abrigo para idosos • having a drink and a smoke - bebendo e fumando • rain - chover • pull out - retirar • condom - camisinha • cut off - cortar • put it over - colocar sobre • what in the hell is that - que diabo é isto • wet - molhado • drugstore - farmácia • brand of condom - marca de camisinha • fit on a Camel - servir em um Camelo (Camel é uma marca de cigarros) • doesn’t matter - não importa • faint - desmaiar

FEAR He doesn’t know the meaning of the word «fear» but then again he doesn’t know the meaning of most words

VOCABULARY HELP

• meaning - significado • fear - medo • most words - maior parte das palavras

TO FILL OUT • The clerk told him to fill out the form and sign it. O balconista lhe pediu para preencher o formulário e assiná-lo.

VOCABULARY HELP

• to fill out - preencher, completar, engordar.

• She was so thin but now she’s eating properly she’s filled out. Ela estava tão magra mas agora que ela está comendo adequadamente ela engordou. • Suzan started to fill out after she started working at the candy shop. Suzan começou a engordar depois que começou a trabalhar na loja de doces.

Coaching em Revista 55


ARTIGO Mauricio Metzen

Metaprogramas

e Sucesso

C

omo sabemos, a PNL foi concebida como a arte e a ciência da excelência. Constitui-se como método eficaz de desenvolvimento pessoal e aprendizagem. É um método que revela a nossa genialidade, uma forma de darmos o melhor de nós e extrairmos o melhor dos outros. Dia e noite somos bombardeados por mensagens que exigem a nossa atenção – algo que se move, sons, sinais visuais, cheiros, etc. Você lida com esta avalanche de informação filtrando

56 Coaching em Revista

grande parte das mensagens que recebe. A este mecanismo de segurança do nosso cérebro, que objetiva evitar um “overflow” (sobrecarga), chamamos de metaprogramas. Então, em definição oficial: “Metaprogramas são filtros inconscientes que as pessoas desenvolvem de forma a permitir que possam gerenciar e responder ao alto nível de informação e estímulos que recebem a cada momento do seu dia. Seus metaprogramas afetam diretamente os seus comportamentos. Eles direcionam a sua atenção, e como você se comportará em resposta a esta

informação recebida através dos seus sentidos, afinal, agimos com base em nossa percepção do mundo. Metaprogramas moldam a sua forma preferida de pensar e agir. Estes padrões atuam em modo “oculto” (não consciente), assim como um sistema operacional de computador; de forma tão automática (isso não exime nossa responsabilidade sobre eles) que na maioria das vezes não nos damos conta de que lá estão. Todos nós somos diferentes. Também desempenhamos diferentes papéis no nosso dia a dia, assim sendo, possuímos diferentes metaprogramas para


cada atuação nossa (como chefe, líder, gestor, familiar, marido, pai, motorista, etc). Para interagir e comunicar de forma eficaz, seja qual for o contexto, você precisa estabelecer “rapport”, estar em sintonia. Tenha sempre em mente que você, assim como o outro com quem você interage, operam sob um metaprograma diferente. Desenvolva o hábito de fazer questionamentos relevantes e escutar de forma muito atenta para então descobrir o metaprograma utilizado pelo outro em um determinado contexto. Experimentamos o mundo através de nossos metaprogramas. Eles filtram o mundo ajudando-nos a criar nosso “mapa mental” (modelo de mundo) que terá como resultado nossos pensamentos e comportamentos. Um exemplo: “Você pergunta a um conhecido, como foi a viagem ao Egito”, ao que ele responde descrevendo pirâmides, a engenharia, a arquitetura local, etc; quando você esperava saber aspectos da cultura, vestimentas, influências místicas, comidas, etc. Por qual motivo a resposta dada foi diferente da esperada? O viajante teve sua atenção detida na arquitetura, pois o seu filtro apontava para isto; ou seja, ele criou uma impressão do local através das dimensões, filtro específico, enquanto você, o seu focou em pessoas e cultura, ou seja, filtro genérico. Identificando os metaprogramas

nossos ou de um interlocutor, através de linguagem e comportamento e adaptando nossa interação, podemos influenciar decisões e mudanças de forma eficaz; ou seja, comunicar efetivamente. Bons comunicadores adaptam a sua linguagem e interação ao (modelo) do interlocutor. Metaprogramas indicam o “modus operandi” das pessoas em determinados contextos (situações idênticas, contextos diferentes podem ser guiados por metaprograma distinto).

Categorias de Metaprogramas/Filtros Proativo/reativo: Pessoa proativa toma a iniciativa. Pessoa reativa espera que outros tomem a iniciativa, precisa de um certo tempo para analisar e compreender antes de agir. Aproximação/afastamento: Pessoa com padrão de aproximação concentra-se nos seus objetivos e tem o resultado como motivação. O padrão de afastamento concentra-se mais nos problemas que deve evitar do que nos objetivos que deve perseguir. Interno/externo: Pessoa com padrões internos decide por si mesma. A pessoa externa obtém os padrões de fora e precisa de orientação das outras pessoas.

Opções/procedimentos: Pessoas com padrão de opções querem ter possibilidade de escolhas e são ótimas para criar alternativas, enquanto as com padrão de procedimentos seguem caminhos conhecidos e têm facilidade para seguir uma série fixa de etapas. Geral/específico: “Gerais”, se sentem à vontade quando lidam com grandes segmentos de informação e não prestam atenção aos detalhes. “Específicas” prestam atenção aos detalhes e para o melhor entendimento, precisam de pequenos segmentos de informação para entender um cenário maior. Semelhança/diferença: Quem tem o padrão semelhança observa os pontos comuns quando faz uma comparação. Os que têm o padrão “diferença”observam as discrepâncias quando o fazem. Por que aprender e conhecer melhor metaprogramas e PNL? Admiramos pessoas com facilidade em comunicar-se e que possuem uma performance de sucesso. Essas pessoas acumulam a capacidade de convencimento, de engajamento, de envolvimento e de negociação. TODAS SÃO QUALIDADES EXIGIDAS DE UMA LIDERANÇA.

Mauricio Metzen Master Coach BCI/ICC. Master e Pesquisador em PNL. Escritor do livro Manual Completo de PNL. mauricio@grupoacademus.com.br

Coaching em Revista 57


58 Coaching em Revista


Coaching em Revista 59


Crise hídrica e apagões incentivam investimentos em energia limpa Dados da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (Abvcap) mostram que mais de 21% dos gestores estão interessados no setor de energia limpa e o foco já está também nos fundos de venture capital. A energia eólica é a que mais cresce, em especial nos estados do Nordeste. Até 2018, o setor deverá saltar de 3% da matriz energética brasileira para 8%. E o de energia solar passa a ganhar mais visibilidade, em agosto de 2014 passou a operar a maior usina solar do País, em Tubarão (SC), com capacidade para abastecer 2,5 mil residências, além de o governo ter realizado um leilão de energia solar que contratou 31 novos projetos.

Febraban comemora 25 anos com evento e traz três keynotes consagrados A 25ª edição do Ciab Febraban, evento de tecnologia da informação para o setor financeiro, contará com a presença de três keynotes requisitados e será realizado de 16 a 18 de junho no Transamérica Expo Center em São Paulo. O congresso terá palestras de Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, Bruce Dickinson, vocalista e líder da banda de rock Iron Maiden, empresário e empreendedor, além de Chris Skin-

ner, especialista da área financeira. Wales foi considerado pela revista Forbes como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo na categoria cientistas e pensadores, em seu ranking realizado em 2006, além de ser considerado um visionário em tecnologia. Já Dickinson, além de atuar na banda de rock, ainda é um experiente piloto de Boeing 757 e 737, já trabalhou para a companhia área Astraeus, costuma pilotar os

aviões da banda em turnês e ainda é dono da marca de cerveja Trooper, inspirada no grupo de heavy metal. E Skinner, além de ser um dos líderes mais renomados no segmento financeiro, é o fundador e chairman do Financial Services Club, uma rede de profissionais do setor financeiro que realiza pesquisas, análises e debates sobre o tema. Saiba mais sobre o congresso em: http://www.ciab.org.br/

Ford Odontomóvel completa 22 mil atendimentos em Camaçari O projeto social Ford Odontomóvel Camaçari, uma van equipada com consultório odontológico, completou recentemente 22 mil ações preventivas e educativas de saúde bucal nas escolas da rede municipal de ensino da cidade baiana. A unidade também realizou a aplicação de flúor, escovação e atividades educativas para crianças de 4 a 15 anos. O programa já tem três anos de atuação e faz parte das ações de responsabilidade social da empresa na cidade, que abriga seu centro de engenharia e complexo industrial. 60 Coaching em Revista


Dança das cadeiras Agências Publicis Brasil e Salles Chemistri tem novo presidente Hugo Rodrigues é o novo presidente da Publicis Brasil e da Salles Chemistri. O anúncio foi realizado pela rede Publicis Worldwide (PWW) e ele se reportará diretamente ao Chairman da PWW no Brasil, Paulo Giovanni. Ambas agências formam juntas uma das

Bridgestone Brasil anuncia presidente Fabio Fossen acaba de assumir a presidência da Bridgestone Brasil. O executivo terá o desafio de liderar o processo de expansão e modernização da empresa. Fossen é formado em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o executivo tem também mestrado em Administração de Empresas pela The University of Michigan Ross School of Business, nos Estados Unidos.

dez maiores do país em compra de mídia. Entre seu portfólio de clientes estão: Centauro, Colombo, CVC, Discovery, Essilor, Fundação Pró-Sangue, GM, Grupo SEB (Arno), Habib’s, L’Oréal, Nestlé, P&G, Pet Center Marginal/ Petz, Sanofi, SBT, Senac, Sony e Yakult.

Ruben Lazo assume a vicepresidência da Thales na América Latina O uruguaio Ruben Lazo assumiu recentemente a posição de vice-presidente para a América Latina da Thales. A empresa atua com tecnologia nos mercados aeroespacial, transportes, defesa e segurança. O executivo ingressa na companhia após atuar como presidente da Vestas Brasil. Lazo é graduado em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo (USP), com pós-gradução em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Hozana Jannuzzi é contratada para gerência de RH da Funcesp A Funcesp, fundo de pensão patrocinado por empresas privadas do Brasil, anunciou a contratação de Hozana Galvão Jannuzzi Neves para gerente de RH. Hozana tem 18 anos de experiência na área e já atuou em empresas como Ultragaz e Medial Saúde. A profissional é graduada em Reengenharia e Recursos pela Universidade Candido Mendes e Gestão Estratégica em RH pela FMU.

Fonte: assessorias de imprensa das empresas.

Coaching em Revista 61


Gerência de projetos

Gestão de pessoas

O livro foi elaborado para quem pretende prestar o exame Project Management Professional (PMP), patrocinado pelo Project Management Institute (PMI®). Essa certificação vem se popularizando a cada dia em todo o mundo e sendo exigida dos profissionais que exercem cargos relacionados a gerenciamento de projetos em todo e qualquer o setores da economia. Nos últimos anos, houve um aumento explosivo no número de afiliados ao PMI e um número crescente de organizações reconhece a importância da certificação PMP. (CAPM®).

A obra parte dos novos desafios da gestão de pessoas e direciona a atenção do leitor para seis ações que, inerentemente, se conectam em rede: agregar, recompensar, desenvolver, monitorar, manter e, por fim, aplicar pessoas. Juntos, esses tópicos constituem a base estrutural do livro e a base da gestão de qualquer equipe dentro de uma organização.

Kim Heldman Elsevier R$ 134,90

62 Coaching em Revista

Idalberto Chiavenato Editora Manole R$ 107,10

Empreendedorismo – Plano de negócios em 40 lições Divididos em 40 capítulos, o conteúdo do livro aborda desde a decisão de iniciar um novo negócio e a identificação de oportunidades de alto potencial de crescimento até a avaliação da necessidade de buscar investidores, passando pelo estudo de viabilidade mercadológica, operacional e financeira do negócio. Marcos Hashimoto & Cândido Borges Editora Saraiva R$ 47,41

Administração para não administradores O livro procura desenvolver e discutir temas relevantes, como Gestão de Pessoas, Ética, Filosofia, Responsabilidade Social, Comportamento de Consumidor, Planejamento Estratégico, Comunicação Empresarial, Escolas de Administração, Gerência Multicultural e Liderança Servidora, além da Estatística e a Pesquisa Científica em Administração, no sentido de instrumentalizar os leitores em relação à Administração. Edmir Kuazaqui Editora Saraiva R$ 123,50

*Fonte: assessorias de imprensa das editoras.

vitrine dE sucessos


Sugestão de Sucesso

O poder do marketing de atitude

Seja você um profissional liberal, autônomo, empresário, executivo ou colaborador de uma grande organização, qualquer que seja sua atividade, os ensinamentos desta obra são universais e necessários para quem deseja dar um salto quântico nos resultados de sua vida. Você aprenderá também conceitos práticos de: empreendedorismo, liderança, atitude, motivação, marketing, vendas e muito mais. Os autores Edivan Silva e Eugênio Sales Queiroz são empreendedores natos. Profissionais renomados que fazem aquilo que ensinam. Editora: CJA Edições Edivan Silva & Eugênio Sales Queiroz R$ 30,00

Todo mês, uma escolha para você ampliar seu conhecimento Coaching em Revista 63


MAURICIO RESPONDE

Sua pergunta...

Pretendo mudar de área, mas ainda estou bastante preocupada que isso afete minha renda. No entanto, não estou mais feliz com o que faço. Que tipo de dica me daria? Rosina Carvalho

...Mauricio

responde

Rosina, mudar de área nem sempre é uma decisão fácil. Entretanto, deve-se levar em conta que a bagagem adquirida ainda estará com você. Não necessariamente deixará de fazer tudo o que hoje contempla suas atividades de trabalho, mas ela a ajudará a recolocar-se no mercado. Minha recomendação é poupar antes de mudar, assim terá mais tranquilidade para buscar a realização em outro setor. Qualquer curso e/ou formação demandam investimentos e é necessário também estar preparada para imprevistos. Monte um planejamento em que coloque prazos para pequenas metas acontecerem. Por exemplo: até dezembro desejo ter x quantia para poder ficar x meses estudando ou fazendo um estágio. Na situação hipotética você teria tempo para investir em um curso sem passar apertos. Já se o que deseja for somente a migração para outro setor, sem investimento em formações, pode ser que precise de menos planejamento, mas ainda assim recomendo uma eventual poupança, pois em começo de carreira geralmente a remuneração é mais baixa. Um forte abraço e sucesso. Mauricio Sita

Mestre em Psicanálise Clínica, jornalista e experiência de 20 anos em cargos executivos de empresas nacionais e multinacionais.

Você também procura respostas? pergunteaomauricio@gmail.com 64 Coaching em Revista


Coaching em Revista 65


ARTIGO Dionízio Costta Jr.

Counseling

Para o desenvolvimento humano

Ilustração: Danilo Scarpa

organizacional

C

ounseling é uma abordagem profissional e pessoal com foco específico no desenvolvimento do ser humano, que visa otimizar suas capacidades. É desenvolvida com atividades estruturadas de acompanhamento, desenvolvimento e resultado. Basicamente, consiste em uma pessoa que, dotada de conhecimento técnico, experiência de vida pessoal e profissional, aconselha de forma sistemática e dedicada o outro a tomar as decisões mais assertivas, e que sejam benéficas para sua vida. Quem aconselha chamamos de counselor e quem recebe o aconselhamento chamamos counselee. Essa atuação pode existir de duas formas: 66 Coaching em Revista

Amadora (de maneira informal e aleatória) ou profissional (maneira sistemática e com frequência). A aplicação do counseling é milenar, percebemos em todo o processo histórico a existência de aconselhamento em todas as sociedades, desde os povos indígenas até as grandes coroas da idade média. Você mesmo leitor, em algum momento da vida, serviu como conselheiro para alguém, o orientando a tomar as melhores decisões ou em outras ocasiões foi aconselhado, direcionado a fazer as melhores escolhas. Entretanto, foi Carl Rogers (8 de janeiro de 1902, Oak Park, Illinois, EUA - 4 de fevereiro de 1987, La Jolla, Califórnia, EUA) psicólogo, que fundamentou as características que hoje são usadas no desenvol-

vimento humano. A premissa básica do counseling é colocar o ser humano no centro de toda ação, antes mesmo do problema. No Brasil, sua atuação é pequena, quase inexistente, com pouca literatura especializada e serviços oferecidos. Geralmente se confunde o counseling com o coaching e o mentoring, mas cada um tem sua particularidade. Não existe melhor ou pior ferramenta, todas elas apresentam resultados e um impacto positivo dentro da organização, mas claro que sempre aplicadas de maneira prudente e ética com responsabilidade e maturidade organizacional, sem modismos ou conveniências. No que concerne ao counseling, segue uma breve tabela de especificações que evidencia as principais diferenças:


Características

Counseling

Quem pode ser um counselor?

Pessoa com experiência profissional e pessoal, que tenha o conhecimento e vivência no campo organizacional.

Quem pode ser um counselee?

Profissionais talentosos que exercem um cargo estratégico dentro das organizações, o tipo de funcionário que vale a pena investir caro para aprimorar suas capacidades.

Onde acontecem as sessões?

Podem acontecer dentro da organização ou fora.

Qual o foco?

No ser humano, muito antes do problema ou gap.

Metodologia

O counselor possui conhecimento técnico na ferramenta para o desenvolvimento do colaborador indicado. São realizadas sessões mensais com duração em média de uma hora (para mais ou para menos), nestas sessões são realizados aconselhamentos e atividades de reflexão, além de ações pós-sessão.

É de extrema importância entender que, quando falamos de counseling organizacional, estamos falando de uma ferramenta de desenvolvimento humano com foco na pessoa dentro da organização, pois existe também o counseling como ferramenta terapêutica usada em sessões de análise psicológica ou psicanálise (não é este o caso). No que diz respeito ao colaborador que receberá as sessões de aconselhamento, é necessário antes de mais nada entender se o caso dele requer um profissional que o aconselhe nas escolhas e decisões, então o primeiro passo é perceber a real necessidade do uso do counseling (uma consultoria ajudará neste diagnóstico), para não correr o risco de usar o counseling quando na verdade precisaria de um mentoring ou de um coaching.

Os benefícios de um programa de counseling são inúmeros: assertividade nas tomadas de decisões, maior alinhamento cultural, maior relacionamento de parceria, baixo investimento em treinamento, qualidade de vida no trabalho, maior planejamento e controle, amadurecimento organizacional, maior capacidade de criação e inovação, melhoria da carreira profissional, entendimento da real utilidade e contribuição para a organização. Estes são mais evidenciados nos colaboradores que recebem sessões de desenvolvimento com esta ferramenta. Para a organização, os benefícios também são inúmeros, desde ter um colaborador mais motivado e engajado nos projetos, até um funcionário com a cabeça mais saudá-

vel psicologicamente falando, estes ganhos por si já são maravilhosos e atestam a eficácia que um programa bem estruturado proporciona. Também é percebido ganho para o counselor, que também vai desde prestígio dentro da corporação até o sentimento de dever cumprido em poder ter ajudado um outro ser humano a se desenvolver. O counseling sem dúvida é uma das melhores ferramentas para o desenvolvimento humano organizacional, como vimos sua atuação beneficia a todos: quem recebe, quem aplica e a organização como um todo. Vamos desmistificar aquele velho ditado que diz “se conselho fosse bom não se dava, vendia”, conselho bom é concelho dado de coração e com razão.

Dionízio Costta Jr. Psicólogo Organizacional, Professor e escritor. Mestrando em RH e Gestão do Conhecimento. Coautor do Livro Coaching – Aceleração de Resultados.

Coaching em Revista 67


ARTIGO Elisabete caetano barreto

Coaching e liderança

Ilustração: Danilo Scarpa

O que é coaching? Quais são as vantagens e os benefícios que este treinamento nos proporciona?

O coaching é um processo que utiliza técnicas, ferramentas testadas e validadas cientificamente, para elevar o desempenho do indivíduo. Ele leva o cliente a buscar novos entendimentos, desenvolver plano de ação para ampliar suas realizações e conquistas. É uma parceria entre o coach (profissional) e o cliente, o coachee. Coaching é algo mais focado no desenvolvimento do indivíduo e suas expertises. Ele visa contribuir para o aperfeiçoamento do aprendizado e amadurecimento emocional, portanto atinge diversas áreas da vida, como a melhoria dos processos decisórios, planejamento estratégico, designação de tarefas, entre outras. A função do coaching é ajudar as pessoas as pessoas a se conhecerem e se descobrirem mudando

68 Coaching em Revista

alguns hábitos, ajudando-as a caminhar na direção aonde elas querem ir, ou seja, partindo de um ponto inicial (A) e seguindo em direção ao desejado (B), e para alcançar estas metas é necessário um plano de ação. O coaching apoia a pessoa em todos os níveis do processo de tornar-se quem ela quer ser e ser o melhor que ela pode. Existem muitos benefícios que o processo de coaching pode trazer, tanto no aspecto pessoal como profissional. No aspecto pessoal melhora: autoestima, confiança, autoconhecimento, a qualidade de vida, ajuda a administrar o estresse, a comunicação, os comportamentos, e faz com que a pessoa se torne mais independente.


O coaching nas organizações As pessoas são contratadas para suas organizações por suas competências e, muitas vezes, acabam sendo demitidas por sua incapacidade, ou até mesmo por falta de treinamentos para desenvolver competências. Para reter talentos é preciso treiná-los e oferecer oportunidades de crescimento. O mundo está em constante mudança e toda mudança impacta direta ou indiretamente no comportamento, não somente do indivíduo, mas na forma como as organizações gerem seus negócios. O mundo hoje está longe de ser o que conhecíamos há duas décadas, houve muitas mudanças na política, na tecnologia, na economia e na sociedade de um modo geral. Essas mudanças vêm impactando a forma como as organizações lidam com seus colaboradores, exigindo uma liderança mais preparada para a gestão das pessoas. Os impactos do processo de coaching, dentro das organizações, geram mudanças extraordinárias não somente no comportamento do indivíduo ou equipe, mas na transformação da cultura organizacional.

O sucesso de um líder consiste em trabalhar em conjunto, desenvolver competências e habilidades para ter uma equipe de sucesso. Os líderes dependem totalmente da capacidade de construir e manter bons relacionamentos. O objetivo da liderança é fazer com que todos alcancem o melhor desempenho. Para isso, é preciso fixar metas elevadas, mas viáveis, criar meios para melhorar os procedimentos e buscar total qualidade em todas as áreas. Em primeiro lugar, o líder deve conhecer a si mesmo, ter uma visão do futuro, entender qual é o seu proposito de vida, conhecer seus valores, ser otimista, motivador. O líder do futuro sabe quais são seus pontos fortes, fracos, entende quais são suas ameaças, sabe controlar suas emoções para atrair seguidores. Outra característica do líder é a capacidade em agir e dominar as situações sem medo de fracassar, ele não teme em ser rejeitado, nem desaprovado, porque tem clara sua missão e valores. E se errar, sabe reconhecer e pedir desculpas, assumindo assim suas responsabilidades. O líder do futuro tem como principal ferramenta o feedback, ele conhece o

perfil de seus liderados, sabe o potencial de cada um , lidera por meio de perguntas e não respostas, se coloca em condição de igualdade e é um bom ouvinte. Pressupõe que todos têm potencial, foca nas pessoas, conhece qual é a missão, valores e objetivo de cada um, se adéqua e sabe transformar por meio do feedback em resultados positivos. Para se alcançar o sucesso é preciso estabelecer padrões, ser claro e objetivo em relação às metas, enfatizar a necessidade de cada um, pois a conquista e excelência são responsabilidade de todos. O líder deve estar atento à habilidade de liderança da equipe, certificando que todos têm os mesmos objetivos e seguem em mesma direção, procurar desenvolver habilidades coletivas e individuais por meio de treinamento, saber elogiar, fazer críticas construtivas, monitorar as atividades dos integrantes da equipe pelo feedback. Quando um líder manifesta competência, credibilidade e confiança, inspira as pessoas a segui-lo. Os líderes preparados conseguem se conectar de forma eficaz com a equipe, transformando-as em seus seguidores.

Elisabete Caetano Barreto Master coach certificada pela Sociedade Brasileira de Coaching(SBC), credenciada pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e Wort Ethic Corporation, MBA em Coaching pela Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior (Fappes).

Coaching em Revista 69


ARTIGO Cersi Machado

CINCO PASSOS

PARA O ATENDIMENTO

NOTA 10

V

ocê sabe quem é o maior vendedor de sua empresa? Eu sei quem é: ele se chama cliente. Ele pode vender positivamente ou negativamente a empresa. Um cliente insatisfeito pode espalhar sua frustração para algumas pessoas de seu convívio, ou para centenas de pessoas através das redes sociais. Nos últimos anos, milhares clientes mudaram seu status social e começaram a ter acesso a serviços e produtos que antes não podiam. Hoje, os clientes são mais exigentes e querem muito mais que um atendimento sorridente. O poder de escolha do cliente é muito grande. Nesse contexto, as empresas que almejam se destacar devem começar a sair da teoria do “atendimento nota 10” para a execução. Quando os clientes procuram produtos e serviços, eles já possuem expectativas em relação ao atendimento

70 Coaching em Revista

que esperam obter. Sendo assim, o mínimo que eles querem é que os profissionais de atendimento se comprometam a ajudá-los a atingir seus objetivos. Porém, muitas empresas ainda acreditam que o item que o cliente mais valoriza é o preço, e, por pensarem assim, esquecem de agregar valor na prestação dos serviços. É preciso tomar cuidado com a ideia de que o preço é item que o consumidor mais valoriza, pois quem não tem diferencial no atendimento, acaba por oferecer preço, prazo e descontos. É claro que preço justo influencia a avaliação dos clientes, porém, hoje em dia, eles até pagam um pouco mais se o atendimento oferece agilidade, informação, solução, ou seja, se agrega valor e facilita a vida deles. Para oferecer muito mais que um preço justo aos seus clientes, existem cinco passos que contribuem para o atendimento nota 10. Veja quais são:

1- Manter o “machado afiado”, ou seja, treinamento e treinamento. Todos que estão direta e indiretamente envolvidos com o atendimento precisam entender que treinamento é parte integrante da rotina de trabalho. É necessário manter um alto nível de qualidade na prestação dos serviços, e isso pode ser adquirido com um bom treinamento que entregue muito mais do que apenas técnicas de atendimento, ou de vendas, mas, também, conhecimento do mercado, integração das equipes, conhecimento dos produtos, etc. 2- Agilidade e capacidade de resposta. O que acontece quando você vai até uma empresa para resolver um problema, mas tem que esperar por muito tempo a solução? O que acontece quando você liga para uma empresa e fica minutos e minutos pendurado em linha, esperando para ser atendido? Você desiste, reclama ou fica esperando


pacientemente a boa vontade dos atendentes? Os clientes querem dedicação e agilidade, pois quando entram em contato com a empresa a expectativa é de que seja capaz de responder às suas solicitações rapidamente. Dar uma resposta ágil às soluções dos clientes é algo básico hoje, isso não é diferencial, é obrigação. 3- “Calçar o sapato do cliente”. Muito já se falou sobre a importância da empatia, que é a capacidade de identificar no outro sua real necessidade e, então, se colocar no lugar dele. Percebe-se que ainda existe um grande distanciamento entre o profissional de atendimento e o cliente. Por exemplo, observe o sistema de saúde vigente em nosso país que ainda não tirou do papel a importância do atendimento humanizado. Basta olharmos ao redor que perceberemos a constante insatisfação de clientes por terem que esperar mais do que o necessário em filas, ou até mesmo pessoas implorando por atendimento na porta de hospitais. Para Philip Kotler, referência mundial em marketing, empatia é o cuidado e atenção que devem ser dados para cada um dos clientes. Segundo ele, é importante que o atendimento seja individualizado, pois atualmente o foco está voltado para a customiza-

ção e personalização do atendimento. O princípio do atendimento empático é “atender o cliente como ele gosta de ser atendido” e não como “você gostaria de ser atendido”. 4- Confiabilidade. O “momento da verdade” acontece quando o cliente entra em contato com o atendimento. Desde uma abordagem inicial cortês até a agilidade do caixa faz o cliente se certificar de que a reputação da empresa de fato existe. Não basta os atendentes transmitirem simpatia e cordialidade, é fundamental que o cliente se sinta seguro ao perceber que a empresa cumpre o que promete. A aparência das instalações físicas, os equipamentos funcionando corretamente, colaboradores demonstrando disponibilidade para atender, a comunicação interna e externa da empresa, são elementos importantes que passam confiança ao cliente.

internos? Cordialidade, empatia, agilidade, comunicação e capacidade de solução são fatores que devem fazer parte, primeiro, do atendimento interno da empresa. Muitos outros fatores ajudam a construir um atendimento nota 10, mas procurei sintetizar neste artigo alguns pontos primordiais que contribuem para que as empresas consigam conquistar a preferência dos clientes. Todos os profissionais que atuam em atendimento precisam compreender que não existe alguém mais responsável pela qualidade dos serviços oferecidos aos clientes, todos são responsáveis, do diretor ao auxiliar de limpeza. Quando todos estão comprometidos com os cinco passos do atendimento nota 10, nada impede que a empresa continue crescendo.

5- “Casa de ferreiro, espeto de ferro”. A qualidade do atendimento começa com o atendimento interno. De que adianta todo mundo saber que é preciso praticar qualidade no atendimento ao cliente externo se na interação entre os setores da empresa o atendimento não funciona? Como prestar um serviço ágil se não sabemos ao menos atender bem os nossos clientes

Cersi Machado

Atua há 14 anos como palestrante motivacional e treinador empresarial. Especialista em atendimento, motivação e comprometimento de equipes. Escritor do livro Excelência no Atendimento ao Cliente. www.cersimachado.com.br Coaching em Revista 71


ARTIGO Edivan Silva

Motivado para

vencer na crise A energia que se gasta

Se analisarmos bem, desde pequenos ouvimos a palavra “crise”, a diferença é que agora ela vem acompanhada de outra palavra a “globalização”, e isso é o que realmente assusta, pois o que afeta a aldeia global também poderá nos afetar em um efeito dominó. Permita-se imaginar que conseguirá enfrentá-la, assim já terá dado o primeiro passo para não ser pego desprevenido e aí está o segredo: desejar vencer e se antecipar às dificuldades! É preciso que nas adversidades e em tempos de crise mundial saibamos utilizar-nos de superação e buscar o crescimento.

72 Coaching em Revista

Ilustração: Danilo Scarpa

para produzir fracasso é a mesma que poderia ser utilizada para o sucesso, por isso você precisa ser apaixonado pelo que faz. Sem motivação, as pessoas não conseguem transpor os obstáculos que a vida lhes apresenta.


Pessoas vencedoras são aquelas que se arriscam em coisas grandiosas, mesmo expondo-se a derrotas, do que viver desmotivadas e angustiadas. Viver desmotivado e inseguro nessas turbulências é aceitar que a vida não vale nada e que o sucesso não foi feito para você, que não há cores, que tudo é sem brilho e sem vida mesmo. Olhe ao seu redor, veja quantos empreendimentos estão sendo construídos e quantas possibilidades de negócios rentáveis aí estão. Mas calma, pois a ordem também será cortar custos não só em períodos difíceis. “A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades”. ( Maxwell Maltz) Vença com iniciativa Iniciativa é a capacidade que todos nós temos de criar, iniciar projetos e conceber novas ideias, significa tomar uma decisão desafiadora, mas tomá-la em primeiro lugar. Ao contrário do que se pensa, ter iniciativa não é tão simples nem tão comple-

xo. Ver o que todos veem, perceber o que quase ninguém percebeu e agir com antecedência, na confiança de um resultado, que o futuro trará, não é uma ciência exata, mas é uma habilidade que podemos desenvolver com o tempo. As principais características de um profissional de iniciativa é o saber anunciar, divulgar e tomar a frente uma ideia, não ser seguidor, mas líder, protagonista, que não tenha medo de se expor, de ir para a berlinda, de se submeter ao julgamento. “Procure adquirir o hábito de ser vitorioso em pequenas lutas, com o passar do tempo você se tornará capaz de grandes vitórias” (Edson Alves) Os sete princípios dos bem-sucedidos Conserve os olhos fixos num ideal sublime e lute sempre pelo que desejar, pois só os fracos desistem e só quem luta é digno da vida. O escritor Luiz Fernando Garcia, em seu livro “Pessoas de Resultado”, apresenta os sete pontos fortes para se destacar, mesmo em tempos de crise.

Edivan Silva

Palestrante e conferencista. Autor dos livros: “O poder da iniciativa” e “O poder do marketing de atitude”, este escrito em parceria com o escritor Eugênio Sales Queiroz. Escritor participante da obra: “O segredo do sucesso pessoal” . www.edivansilva.com.br | edivanpalestras@gmail.com

São eles: 1 – Visualização – só conseguimos

atingir aquilo que somos capazes de ver;

2 – Superação de desafios – o medo é a matéria-prima da atenção; 3 – Manutenção do foco – o preço

de uma identidade fortalecida é saber dizer não;

4 – Criação de mapas de percurso – não há nada melhor que determinar como o futuro será; 5 – Expectância e drive – os outros são a garantia de que você fará o que prometeu; 6 – Tolerância à incerteza – errar é a única solução para quem quer experimentar o sucesso; 7 – Autorreforço para a autoestima – você chegou lá; agora faça justiça si mesmo!

A verdadeira medida de um homem não é como ele se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas como ele se mantém em tempos de controvérsia e desafios e que quanto maior a dificuldade, tanto maior o mérito em superá-la. Pense nisso e avante!

Coaching em Revista 73


Ilustração: Danilo Scarpa

EXPRESSÃO Reinaldo Polito

O vício de

T

RECLAMAR

oninho é um espalha-roda. Assim que se aproxima a turma vai encontrando um jeitinho de cair fora. Ninguém aguenta mais ouvir suas lamúrias, pois se transformou num viciado em choramingar. Se você estiver ao lado dele, talvez aguente uma choradinha, duas, até três. Mas, como ele não consegue se conter, garanto que na primeira chance você também baterá em retirada. Toninho é incansável, três choradas são suficientes só para aquecimento. Todo santo dia ele encontra algum motivo para reclamar. Uma hora o algoz é o governo que, segundo ele, está sempre aumentando os impostos, ou caprichando sem perdão nas obscenas taxas de juros, que se transformam em obstáculo para o desenvolvimento econômico. Pouco depois o alvo muda de direção e ele passa a descer o cacete nos responsáveis pela falta de emprego que, também de acordo com suas profundas reflexões, é a causa maior do aumento incontrolado da criminalidade e das mazelas sociais. E quando você pensa que o estoque se esgotou, o resmungão abre outro compartimento de nhem-nhem-nhem e se volta contra ele mesmo dizendo que o tempo ficou muito curto e não consegue dar conta

do recado, pois as 24 horas do dia são insuficientes para cumprir todos os seus afazeres. Como se especializou na arte de reclamar, passado um tempinho complementa o comentário dizendo que

por ter trabalho demais não consegue pelo menos um momento de lazer para se divertir. Pois é, Toninho fez do chororô sua marca registrada. Desenvolveu enorme facilidade para reclamar de tudo e de todos. Dá para dizer que ele se esmerou tanto nessa arte de chorar com os olhos sem lágrimas, que nem precisa de plateia para reclamar. Quando o chororô vira mania, escapa do controle, deixa de se restringir aos limites caseiros, ultrapassa fronteiras e se transforma num tipo de praga que vai se alastrando por

Reinaldo Polito Mestre em Ciências da Comunicação, palestrante, professor de expressão verbal e autor consagrado. www.polito.com.br

74 Coaching em Revista

onde passa. A doença pega. Quem der ouvidos às carpideiras, dia mais cedo, dia mais tarde, começa a fazer parte do time. Sem perceber se transforma em arauto das desgraças da vida. A vida nunca foi e jamais será feita só de flores perfumadas e notícias boas, mas, se quisermos, poderemos pôr um pouco mais de luz na escuridão e enxergar um futuro melhor. Que tal começar a mudança agora? Se o que o aborrece é o excesso de trabalho, pare para pensar naqueles que perambulam dia após dia na esperança de encontrar um emprego e retornam desanimados pelas buscas malsucedidas. Como primeiro passo para viver melhor analise o jeito como você atende ao telefone. Se depois do alô, você disser que “a vida está na correria de sempre” para responder à pergunta de “como vai?”, mude de faixa e toque uma música diferente. Não pense que as pessoas ficam preocupadas porque você está trabalhando demais e vive o tempo todo ocupado. O mais provável é que mesmo sem dizer nada estejam censurando: xi, lá vem ele de novo com aquela choradeira de sempre. Se você perceber qualquer vontade de reclamar sem motivo, faça figa, meta um galho de arruda na orelha, espalhe um pouco de sal grosso e mande o chororô perturbar em outra freguesia.


Coaching em Revista 75


76 Coaching em Revista


Coaching em revista edição 00