Page 1


1


6 20

ARTES VISUAIS ANTROPOLOGIA

28

ARQUITETURA E URBANISMO

36

BIOGRAFIAS

42

CIÊNCIAS CIÊNCIAS DA MENTE E COMPORTAMENTO

50

CINEMA COMUNICAÇÃO E JORNALISMO DESIGN EDUCAÇÃO

FILOSOFIA E POLÍTICA

60 64

66

ESPORTES E PRÁTICAS CORPORAIS

46

72 78


94

FOTOGRAFIA GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL

102

HISTÓRIA IDOSOS LIVRO E LEITURA MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MÚSICA SOCIOLOGIA TEATRO E DANÇA ÍNDICE POR TÍTULO ÍNDICE POR COLEÇÃO ÍNDICE POR AUTOR

120

108

124 130 134 142 156 175 180 181


4


LEGENDAS

Disponível também em versão digital.

Disponível exclusivamente em versão digital.

Contempla outra área de referência.

5


ARTES VISUAIS 6


ABERTO [OPEN]: FITEIRO CULTURAL organização | Fabiana de Barros 2017 | 2ª edição | 368 páginas | 19 x 25 cm Português/Inglês ISBN 978-85-9493-021-7

Criado pela artista Fabiana de Barros em 1998, quando participava de um intercâmbio artístico entre a Suíça, o Brasil e a França, em João Pessoa, Paraíba, o Fiteiro Cultural tinha a intenção de ser um espaço ideal, capaz de se transformar em ateliê, palco, espaço de exposições ou local propício para descanso, leitura e reflexão. A segunda edição de Aberto [Open]: Fiteiro Cultural reinterpreta e atualiza a obra que lhe deu nome. O livro segue fortalecido em sua função de registrar, analisar e exibir a memória visual da estrutura e do impacto do Fiteiro Cultural nas cidades por onde passou e nas pessoas que se dedicaram a refletir sobre ele.

ABRAHÃO SANOVICZ desenhos e gravuras

organização | Fernanda Sanovicz 2016 | 168 páginas | 23 x 21 cm ISBN 978-85-9493-019-4

O arquiteto santista Abrahão Sanovicz, discípulo de João Batista Vilanova Artigas na FAU-USP, se notabilizou por projetar teatros, centros de lazer, conjuntos habitacionais, escolas, casas e edifícios. O desenho, principal ferramenta de um arquiteto, também foi utilizado por Sanovicz para criar uma linguagem particular e autônoma. Esta obra reúne trabalhos artísticos do arquiteto organizados por temas: desenhos autorreflexivos, feitos em reunião, judaicos, diálogos visuais com outros artistas, nus, objetos, paisagens, pessoas, desenhos em pastel e gravuras. Organizado por sua neta, Fernanda Sanovicz, o livro conta ainda com ensaio biográfico da professora da FAU-USP, Helena Ayoub, e artigo do jornalista José Wolf sobre o traço arquitetônico de Sanovicz.

ARTES VISUAIS

7


G ES

AD OT

O

ALDEMIR MARTINS o viajante amigo

Jacob Klintowitz 2006 | 152 páginas | 21 × 30 cm ISBN 85-98112-30-5

Aldemir Martins (1922-2006), nascido no Ceará e estabelecido em São Paulo desde a década de 1940, foi um dos mais populares artistas brasileiros do século XX. Explorou os recursos de reprodução em série, as diferentes modalidades de comunicação em massa e trabalhou com inúmeras técnicas, como pintura, desenho, ilustração, projetos gráficos, vinhetas de televisão, xilogravura, cerâmica, escultura e ourivesaria. Este catálogo traz reproduções de obras suas, fotos de seu estúdio e texto do crítico e curador Jacob Klintowitz.

ARTE AFRICANA

Frank Willett Edições Sesc São Paulo e Imprensa Oficial 2017 | 312 páginas | 15,5 x 22,5 cm ISBN 978-85-9493-023-1

história

8

No contexto brasileiro, a maior parte dos estudos que têm como foco a África se concentra na herança deixada por seus povos na cultura brasileira, estabelecendo relações entre etnias daquele continente e a complexidade das identidades que compõem o Brasil. Nesse sentido, Arte africana vem oportunamente preencher essa antiga lacuna. Descrita pelo “Times Literary Supplement” como “a melhor introdução geral ao estudo da arte africana, repleto de informações de primeira linha, estimulante e fascinante”, o livro de Frank Willett propiciará ao leitor o conhecimento para a apreciação das mais importantes produções artísticas africanas.


filosofia e política

LEVANTES

organização | Georges Didi-Huberman 2017 | 420 páginas | 17 x 23,5 cm ISBN 978-85-9493-058-3

Este livro apresenta uma intensa e abrangente reflexão artística, filosófica e social sobre a temática dos levantes, insurreições que permeiam as sociedades que, por meio de palavras, gestos e ações, reivindicam em grupo condições de vida mais dignas e igualitárias, desafiando formas de submissão a um poder absoluto. Fruto de décadas de pesquisa do filósofo e historiador francês Georges Didi-Huberman, as noções, os contextos e as idiossincrasias do que chamamos de levante, revolta, rebelião e/ou revolução são discutidos por intelectuais como Antonio Negri, Judith Butler, Jacques Rancière, Marie-José Mondzain e Nicole Brenez, além do próprio Georges Didi-Huberman, atualmente considerado um dos grandes pensadores contemporâneos. A obra corresponde igualmente ao catálogo da exposição Levantes, em cartaz de outubro de 2017 a janeiro de 2018 no Sesc Pinheiros.

ARTES VISUAIS

9


GERALDO DE BARROS: ISSO organização | Fabiana de Barros 2013 | 364 páginas | 28 × 28 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-055-1

Geraldo de Barros (1923-1998) foi um dos maiores representantes do modernismo no Brasil. Assimilou os princípios da Escola Superior de Design de Ulm (Alemanha), trouxe-os para a América do Sul e incentivou muitos de seus colegas a se unirem ao movimento da arte concreta. Cultivou contatos com a vanguarda artística europeia e, no Brasil, foi um fomentador pioneiro, experimentando novas tendências, como o happening e a arte pop. Este livro apresenta um panorama da vida e obra do artista, organizado cronologicamente e contemplando todas as vertentes de sua produção, com ênfase na fotografia.

Prêmio de melhor publicação no 30º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, em 2016

MÁXIMA ARTE, MÍNIMA ARTE as escalas da arte

Tristan Manco 2015 | 256 páginas | 26 x 31 cm ISBN 978-85-7995-188-6

Este livro apresenta o trabalho de mais de quarenta artistas de vanguarda que vêm revolucionando a abordagem da escala na arte. Suas obras, sejam elas objetos minúsculos ou instalações enormes, despertam emoções e provocam questionamentos. As matérias-primas, nada usuais, incluem palitos de fósforo, giz de cera, lápis, folhas, mídia digital, bambu, areia, gelo, entre outras. O autor, Tristan Manco, é um dos mais importantes críticos da arte de rua e um grande apoiador de artistas talentosos, mas não muito conhecidos. Não à toa, apresentam-se neste livro trabalhos do mundo todo, desde aqueles realizados nos centros culturais mais badalados até os oriundos do Extremo Oriente e da América Latina.

10


PONTOS DE VISTA

artistas e seus referenciais organização | Simon Grant 2014 | 208 páginas | 19 × 26 cm ISBN 978-85-7995-095-7

Neste livro, artistas contemporâneos discorrem sobre suas obras favoritas, produzidas entre o século XV e os anos 1960, e que têm influenciado seus trabalhos, resultando em uma combinação eclética e uma história alternativa da arte. Esta obra apresenta surpresas e improváveis afinidades artísticas que compõem um conjunto de percepções e reminiscências sobre as influências determinantes do trabalho de alguns artistas sobre aqueles que deles falam. Entre os 78 convidados e suas respectivas referências estão: Eija-Liisa Ahtila (Pablo Picasso), Marcel Craig-Martin (Marcel Duchamp), Ernesto Neto (Lygia Clark), Vik Muniz (Peter Paul Rubens), Hiroshi Sugimoto (Petrus Christus) e Zhang Huan (Leonardo da Vinci).

RUBENS MATUCK, TUDO É SEMENTE Rosely Nakagawa 2017 | 392 páginas | 25 x 29 cm ISBN 978-85-9493-010-1

A trajetória, o processo de criação e as obras do artista brasileiro Rubens Matuck são apresentados por meio de fotografias e textos críticos escritos pelo professor Norval Baitello Junior e pelo jornalista Gilberto Dimenstein, entre outros. A inquietação de Matuck e sua constante pesquisa de suportes e materiais o impulsionaram na construção de uma obra ampla e diversificada, que contempla desenhos, pinturas, gravuras, esculturas e ilustrações, cujos principais temas são a natureza, a fauna, a flora e a organicidade do homem e seu entorno. Este livro procura se mostrar como um ateliê aberto ao leitor, que nele pode explorar e conhecer tanto características marcantes quanto detalhes da obra de Matuck.

ARTES VISUAIS

11


TERRA COMUNAL

Marina Abramović + MAI

organização | Jochen Volz e Júlia Rebouças 2015 | 336 páginas | 19 × 25 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-63-2

Esta publicação traduz a riqueza da exposição Terra Comunal: Marina Abramović + MAI (Sesc Pompeia – São Paulo, 2015), que exibiu trabalhos de mais de quarenta anos da trajetória de Marina Abramović. Com instalações e esculturas, filmes e uma série de eventos ao vivo, a exposição estimulou encontros entre visitantes e performers, ativando uma interação inerente às proposições da artista. Nesta obra, o leitor encontrará textos da historiadora de arte Sophie O’Brien, do filósofo Peter Pál Pelbart e da antropóloga Regina Müller, que estudam o trabalho aberto e colaborativo entre artista e espectador, os conceitos de presença e mistério, transcendência, transformação e humor na obra da artista sérvia.

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 10 usos da memória

organização | Elvira Dyangani Ose Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2014 | 144 páginas | 18 × 24 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-166-4

A arte que desafia a suposta completude das narrativas históricas está no centro do Caderno Sesc_Videobrasil 10: usos da memória. Com organização de Elvira Dyangani Ose, professora de cultura visual na Goldsmiths de Londres, a publicação reúne reflexões sobre o arquivo e a história como objeto da arte e proposições artísticas que constroem ou resgatam memórias no intuito de reformular representações históricas. Criados por artistas egressos de países africanos ou da diáspora, os ensaios visuais voltam-se, com frequência, para o contexto da descolonização do continente, entre as décadas de 1950 e 1970.

12


CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 11 alianças de corpos vulneráveis 2015/16

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 11 alianças de corpos vulneráveis alliances of vulnerable bodies

alianças de corpos vulneráveis: feminismos, ativismo bicha e cultura visual organização | Miguel A. López Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2015 | 144 páginas | 18 × 24 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-42-7

Esta edição do Caderno Sesc_Videobrasil 11 se propõe observar como os feminismos, o ativismo gay, a pós-pornografia e outras formas de resposta crítica a partir do corpo estão transformando os discursos da história da arte e a gramática da arte em si. A publicação mescla ensaios teóricos e propostas visuais que revisitam iniciativas queer na arte ou apresentam novas visões da história da arte à luz dessas respostas críticas. Apresentado por López na 31ª Bienal de São Paulo, o Museo Travesti del Perú, de Giuseppe Campuzano, ganha formato impresso na publicação.

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 12 metafluxus

organização | Rodrigo Maltez Novaes Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2017 | Livro digital ISBN (versão em português): 978-85-9493-047-7 ISBN (versão em inglês): 978-85-9493-048-4

Este Caderno enfoca o pensamento do filósofo tcheco-brasileiro Vilém Flusser, que viveu em São Paulo entre 1940 e 1972 e produziu uma obra considerada visionária em campos como teoria da linguagem, teoria da comunicação e teoria da mídia. Com edição de Rodrigo Maltez Novaes e direção de arte de Tarcísio Almeida, vale-se da forma como o filósofo entende e delimita os territórios culturais da atualidade. Organizadas visualmente, numa abordagem polifônica e cartográfica, contribuições de ensaístas, artistas, pesquisadores e ativistas brasileiros e estrangeiros compõem um fluxo contínuo de metatextos e imagens entrelaçadas que estabelecem diálogos entre eles e quatro ensaios originais de Flusser.

ARTES VISUAIS

13


ISAAC JULIEN geopoéticas

organização | Solange Farkas Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2012 | 208 páginas | 26 × 30 cm | Português/inglês ISBN 978-85-7995-043-8

O catálogo da exposição Isaac Julien: geopoéticas reúne imagens e sinopses das quatro instalações que compunham a mostra homônima, exposta no Sesc Pompeia, e dos oito filmes do cineasta que foram exibidos no SESCTV em paralelo ao evento. Em uma entrevista exclusiva, Isaac Julien comenta aspectos estéticos e políticos de seu trabalho, que é tema, ainda, de textos dos ensaístas Mark Nash, especializado em cinema e arte; da americana Lisa E. Bloom, estudiosa de questões de gênero; da alemã Rania Gafaar, que explora as conexões entre estética e geopolítica no trabalho do artista; e do brasileiro Vinicius Spricigo, que estuda relações entre a produção de Julien e as manifestações pós-coloniais da arte brasileira.

LITERATURA EXPANDIDA

arquivo e citação na obra de Dominique Gonzalez-Foerster Ana Pato Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2012 | 288 páginas | 12 × 20 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-048-3

A partir da obra da artista francesa Dominique Gonzalez-Foerster, a pesquisadora brasileira Ana Pato propõe uma reflexão original a respeito da arte feita nos dias atuais, abordando o surgimento de uma forma expandida de literatura e o intrincado tema da autoria. Amparada por uma bibliografia na qual se destacam autores como Michel Foucault, Gilles Deleuze e Vilém Flusser, a autora vê nas práticas da artista uma lógica “arquivista”, identificando ainda um mecanismo sistemático de apropriações e citações de obras de arte e literatura.

14


MEMÓRIAS INAPAGÁVEIS

um olhar histórico no acervo Videobrasil organização | Agustín Pérez Rubio Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2014 | 320 páginas | 16 × 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-142-8

Parte integrante da exposição homônima, que resulta de uma imersão do curador espanhol Agustín Pérez Rubio nas obras do Acervo Videobrasil, o livro reúne sinopses críticas dos 18 trabalhos da mostra, assinadas por curadores, críticos e pesquisadores relevantes na cena contemporânea. Com contribuições da antropóloga brasileira Lilia Schwarcz, da curadora argentina Gabriela Salgado e do curador espanhol Octavio Zaya, entre outros, a publicação inclui ainda uma entrevista em que Solange Farkas, curadora e diretora do Videobrasil, fala ao jornalista Fabio Cypriano sobre o acervo da instituição e as estratégias para ativá-lo, e um ensaio do professor e pesquisador alemão Andreas Huyssen sobre a cultura da memória.

OLAFUR ELIASSON seu corpo da obra

organização | Jochen Volz Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2011 | 480 páginas | 15 × 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-027-8

Catálogo da primeira exposição individual do islandês-dinamarquês Olafur Eliasson realizada na América do Sul, Seu corpo da obra é um retrato do processo de aproximação desse artista, que aborda sensorialmente questões da ciência e da filosofia, com a cidade de São Paulo. Trata-se de ensaios fotográficos das obras expostas, de imagens dos experimentos que o artista fez em diversos espaços da cidade e da interação do público com as obras.

Premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) em 2011.

ARTES VISUAIS

15


VIDEOBRASIL

três décadas de vídeo, arte, encontros e transformações organização | Teté Martinho e Solange Farkas Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2015 | 350 páginas | 18 x 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-180-0

A publicação revisita os conteúdos que marcaram a trajetória de três décadas do Videobrasil, transformando uma iniciativa local, voltada a fomentar o vídeo brasileiro dos anos 1980, em plataforma para a produção artística contemporânea do Sul geopolítico do mundo. A história do Festival revela outras maiores, como o papel do vídeo na renovação da linguagem e do espectro temático da televisão aberta nos anos 1980 e a progressiva absorção do meio pelo sistema internacional da arte. A trajetória desse trabalho, que conta com a parceria do Sesc São Paulo desde 1992, é homenageada neste livro comemorativo.

18º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul

Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2013 | 264 páginas | 18 × 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-082-7

Esta publicação apresenta imagens de obras, sinopses, resumos biográficos e textos curatoriais que situam e comentam as principais vertentes de pesquisa identificadas na mostra Panoramas do Sul, integrante do 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Como um retrato de temas centrais da produção de artes visuais do circuito geopolítico Sul, o volume discute questões de pertinência contemporânea, oferecendo modos distintos de análise e compreensão da realidade segundo ações, reflexões e releituras de artistas da América Latina, África, Leste Europeu, Oriente Médio, Ásia e Oceania.

16


19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: artistas convidados

organização | Bernardo José de Souza, Bitu Cassundé, João Laia, Júlia Rebouças e Solange Farkas Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2015 | 128 páginas | 24 x 33 cm Português/Inglês ISBN 978-85-69298-28-1

Reúne referências sobre a obra e o pensamento de Abdoulaye Konaté (Mali), Gabriel Abrantes (Portugal), Rodrigo Matheus (Brasil), Sônia Gomes (Brasil) e Yto Barrada (França), que compõem a exposição Panoramas do Sul | artistas convidados, parte da programação do 19ª Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Por meio de conversas entre os artistas e os curadores da exposição, apresenta as pesquisas de cada participante, as ideias por trás delas, a relação de cada um com o conceito de Sul geopolítico e os temas curatoriais que perpassam a exposição. Imagens de trabalhos significativos e informações biográficas iluminam a trajetória e o universo de cada um dos artistas convidados.

19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: leituras

organização | Sabrina Moura Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2015 | 264 páginas | 16 x 21 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-14-4

Organizado por Sabrina Moura, este livro tem como mote uma reflexão sobre a própria noção de sul geopolítico, apresentando-a sob a perspectiva das práticas artísticas e culturais contemporâneas essenciais à compreensão das ideias que questionam representações e narrativas eurocêntricas. Nele estão reunidos ensaios teóricos e manifestos artísticos de autores como Arjun Appadurai, Néstor García Canclini, Milton Santos, Cildo Mireles, Arthur Barrio, Moacir dos Anjos, Achille Mbembe e Joaquín Torres García.

ARTES VISUAIS

17


19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL

Panoramas do Sul: obras selecionadas e projetos comissionados organização | Bernardo José de Souza, Bitu Cassundé, João Laia, Júlia Rebouças e Solange Farkas Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2015 | 320 páginas | 18 x 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-53-3

A publicação cataloga sessenta obras e projetos que integram as exposições Panoramas do Sul | Obras Selecionadas e Panoramas do Sul | Projetos Comissionados, ambas parte do 19º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Os trabalhos foram escolhidos a partir de um conjunto de cerca de duas mil inscrições. Os curadores das exposições assinam resenhas-sinopses de cada obra e breves ensaios sobre os projetos, representadas também por imagens e croquis. Um caderno especial reúne vistas das duas exposições instaladas no Sesc Pompeia e no Galpão VB.

20º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: catálogo enciclopédico

organização | Ana Pato, Beatriz Lemos, Diego Matos, João Laia, Solange Farkas Edições Sesc São Paulo e Associação Cultural Videobrasil 2017 | 216 páginas | 18 x 23 cm Português/inglês ISBN 978-85-9493-063-7

O desejo de investigar as áreas do conhecimento e seus limites ressoa fortemente nas obras selecionadas para o 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. O princípio contagia a publicação dedicada à seleção, que assume a forma de uma enciclopédia-catálogo, na qual verbetes sobre conceitos, campos do saber e países somam-se às entradas sobre obras e artistas. Com um projeto gráfico que recria elementos tradicionais das enciclopédias, o livro amplia o contato do público com o contexto dessa produção e os conceitos que ela articula.

18


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS UMA COMUNIDADE MÚLTIPLA

20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil organização | João Laia

A proposta deste segundo volume de Leituras é trazer para o debate do Sul global outros modelos de construção do real – e especular sobre os impactos que alternativas de organização podem trazer para os dias de hoje. Para isso, compilou-se uma série de cosmologias não ocidentais que, mesmo não sendo novas, apresentam interesse e originalidade renovados devido à sua visibilidade reduzida. Tais formas de organização condensam um tipo de envolvimento mais integrado do indivíduo com o coletivo, mas também com seu ambiente simbólico e natural; assim, têm impacto direto na maneira como se entende e se constrói a realidade.

COLEÇÃO ARTE, TRABALHO E IDEAL organização | Fabiana de Barros, Marcia Zoladz e Michel Favre

A coleção Arte, Trabalho e Ideal propõe uma série de livros de pequeno porte, cada um contemplando uma entrevista de um artista sobre o seu processo de criação, um ensaio crítico de notório conhecedor de sua produção, uma breve biografia, fotos de suas obras mais representativas para o contexto da coleção e de seu trabalho, e uma versão integral do texto em inglês. Os dois primeiros livros da coleção serão Evandro Carlos Jardim e Anna Bella Geiger.

FIAMINGHI: CORLUZ Marco A. Amaral Rezende

Artista multidisciplinar que se dedicou à pintura, ao desenho, às artes gráficas, à litografia, à publicidade, à docência e à crítica, Hermelindo Fiaminghi foi um expoente da arte brasileira na segunda metade do século XX. Este livro resgata a memória de seu legado artístico por meio de uma análise detalhada de algumas de suas obras, e retoma sua importância histórica ao traçar seu percurso no contexto da produção artística da época por meio de poemas, entrevistas, depoimentos, documentos e fortuna crítica.

ARTES VISUAIS

19


ANTROPOLOGIA 20


A HISTÓRIA DOS CAXINAUÁS POR ELES MESMOS organização | Eliane Camargo e Diego Villar 2013 | 304 páginas | 19 × 25 cm Português/caxinauá/espanhol ISBN 978-85-7995-071-1

A partir de relatos dos próprios indígenas, o livro apresenta traços ricos da cultura, da língua e da estrutura de pensamento dos caxinauás. Sua população total se aproxima de 6 mil pessoas, 75% delas em território brasileiro, e ocupa um vasto território na bacia dos rios Juruá e Purus, entre o Brasil e o Peru. A obra conta com vasto material iconográfico e retrata desde o modo de vida dos antepassados até como se deu a dispersão da tribo e suas experiências em uma sociedade não indígena.

ANTROPOLOGIA DO ESPAÇO

habitar, fundar, distribuir, transformar Marion Segaud 2016 | 312 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-81-6

arquitetura e urbanismo

O espaço habitado é uma construção social. Dentre os aspectos fundamentais à construção das sociedades encontram-se a linguagem e as relações firmadas com o tempo e o espaço. Ao pensar o espaço, a antropologia esclarece como se dá sua concepção, produção, ocupação e eventual destruição. Marion Segaud pergunta-se como, em um mundo marcado pela globalização, é possível perceber a dimensão cultural dos territórios e a complexidade dos espaços, lembrando que cada sociedade inscreve suas marcas e valores também nos modos de habitar. A observação da complexidade contemporânea, associada às particularidades de diferentes grupos sociais quanto às formas de ocupar o espaço, constituem a importância deste livro.

ANTROPOLOGIA

21


ARAWETÉ

um povo tupi da Amazônia

Eduardo Viveiros de Castro, Camila de Caux e Guilherme Orlandini Heurich 2017 | 228 páginas | 19 x 25 cm ISBN 978-85-9493-003-3

Fruto da pesquisa acadêmica realizada na década de 1980 por Eduardo Viveiros de Castro, este livro veio a público em 1992, após uma edição adaptada para atender a públicos mais amplos e não especializados que demonstraram grande interesse pelo modo de vida dos araweté. Esta terceira edição, revista e ampliada com novos capítulos oriundos de estudos recentes, comemora os trinta anos da pesquisa pioneira deste que é um dos mais respeitados antropólogos brasileiros e, sobretudo, recupera a luta desse povo para sobreviver, resistir e se reinventar sem, no entanto, perder sua cultura.

BARÉ

povo do rio

organização | Marina Herrero e Ulysses Fernandes 2016 | 2ª edição 348 páginas | 19 x 25 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-93-9

Este livro apresenta a cultura, os jogos e as lendas das comunidades da etnia baré, localizadas próximo aos municípios de Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira, às margens do rio Negro, no estado do Amazonas. O projeto contempla uma região com forte desestruturação social, que tem sofrido inúmeras pressões desde a chegada dos europeus até a mais recente invasão de garimpeiros, e que chama a atenção pela dramática taxa de suicídios entre sua população jovem. O devastador processo de aculturação implica a perda dos saberes tradicionais, da tradição oral e de técnicas artísticas de grande valor, levando as populações indígenas a se sentirem desvalorizadas e negarem sua identidade. Prêmio Jabuti 2016 na categoria Capa.

22


CIDADELAS DA CULTURA NO LAZER

uma reflexão em antropologia da imagem sobre o Sesc São Paulo Coleção Acadêmica

Yara Schreiber Dines 2012 | 296 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-024-7

sociologia

Primeiro título da Coleção Acadêmica, que apresenta publicações a partir de pesquisas sobre programas e ações desenvolvidas pelo Sesc São Paulo, este livro é fruto da tese de doutoramento de Yara Schreiber Dines. A obra traz uma leitura histórico-antropológica do acervo iconográfico do Sesc em diálogo com a dinâmica sociocultural da metrópole paulistana, desde a criação da instituição, na década de 1940, até os anos 1990, a partir de imagens de arquivo e entrevistas qualitativas com gestores, equipes técnicas e frequentadores da instituição.

FALA DE BICHO, FALA DE GENTE cantigas de ninar do povo juruna Cristina Martins Fargetti participação | Marlui Miranda 2017 | 304 páginas | 16 × 23 cm (inclui CD) ISBN 978-85-9493-031-6

música

A professora Cristina Martins Fargetti estuda a língua juruna desde a década de 1980, tendo acumulado, ao longo de trinta anos de pesquisa, profundo conhecimento dessa etnia e proximidade de seus membros. Neste livro, é apresentada uma análise com base em 49 cantigas de ninar juruna, algumas delas cantadas pelos bichos-gente, categoria de animais que remontam à cosmologia ancestral juruna. Conservadas pelas anciãs da tribo, hoje elas são cantadas pelas mães e avós que embalam suas crianças e, ao mesmo tempo, resistem ao processo de aculturação. O livro traz, ainda, um estudo escrito pela musicista Marlui Miranda e partituras compostas por ela.

ANTROPOLOGIA

23


JOGOS E BRINCADEIRAS NA CULTURA KALAPALO

organização | Marina Herrero e Ulysses Fernandes 2010 | 264 páginas 19 × 26 cm (inclui DVD português/inglês) ISBN 978-85-7995-006-3

Este livro registra 25 jogos e brincadeiras (algumas delas em vias de esquecimento) da aldeia kalapalo, em Mato Grosso, onde vivem cerca de quatrocentos indígenas. Traz ainda textos sobre a cultura kalapalo, fotos de adornos, objetos, armas e máscaras, além de desenhos de pintura corporal e imagens dos índios brincando ou participando de ritos. O volume bilíngue vem acompanhado de um documentário em DVD.

MEMÓRIAS SERTANISTAS

cem anos de indigenismo no Brasil organização | Felipe Milanez 2015 | 424 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-177-0

Surgido no bojo do encontro Memórias sertanistas: Cem anos de indigenismo no Brasil, realizado em 2010 no Teatro Sesc Anchieta, este livro narra experiências dos principais sertanistas brasileiros vivos. Oriundos de diferentes regiões do país, eles vivenciaram um importante período da história brasileira, marcado pela expansão econômica para o oeste e pelo processo de criação de meios para proteger os povos indígenas. Sem os sertanistas, os confrontos com a sociedade ocidental que ocorreram no último século teriam sido ainda mais atrozes. Na linha de frente desses conflitos, cabia a eles a difícil tarefa de proteger os índios do próprio Estado para o qual trabalhavam e da mesma sociedade que representavam.

24


TOKYOGAQUI

um Japão imaginado

organização | Christine Greiner e Ricardo Muniz Fernandes 2008 | 384 páginas | 17 × 24 cm Português/inglês ISBN 978-85-98112-63-3

Tokyogaqui é uma iniciativa de pensar o Japão como local de partida daquilo que permanece na memória de cada não japonês, brasileiro e especificamente paulistano. Partindo de uma iniciativa multidisciplinar para assimilar os entendimentos que unem o Brasil ao Japão, são apresentados conteúdos culturais sobre o corpo, a fala, o espaço urbano, o cinema, a dança, o teatro e as artes plásticas, compondo um cenário das influências recíprocas na cultura dos dois países.

TRADIÇÃO E RESISTÊNCIA encontro de povos indígenas

organização | Cristina Flória e Ricardo Muniz Fernandes 2008 | 328 páginas 22 × 24 cm (inclui DVD português/inglês) ISBN 978-85-98112-40-4

O livro e o DVD foram elaborados a partir de conferências que reuniram 17 etnias brasileiras, líderes indígenas, antropólogos, indigenistas, representantes governamentais e de ONGs para discutir a atual situação do índio, a questão das terras, a cultura indígena como patrimônio da humanidade e seus caminhos de resistência. A publicação traz também pesquisas sobre etnias, mapas e fotografias, e o DVD reúne depoimentos, entrevistas e informações sobre a arte, a terra e os rituais indígenas.

ANTROPOLOGIA

25


SOBRE A MORTE

invariantes culturais e práticas sociais organização | Maurice Godelier 2017 | 368 páginas | 23 x 16 cm ISBN 978-85-9493-040-8

A morte constitui um dos principais fundamentos das sociedades. Como essas concepções explicam o caráter finito da humanidade? Como representam o ato da morte em si mesmo ou se apresentam diante daqueles que agonizam? Quaisquer que sejam as formas que assumem, os funerais atestam sempre a vontade de esconjurar a morte e preparar a vida do defunto em outro mundo. Isto é o que nos confirma esta coletânea por meio do estudo de sociedades tão diversas quanto as da Grécia e da Roma antigas, do mundo judeu, do Islã, da Idade Média Cristã, da China e da Índia contemporâneas, dos budistas, das amazônicas ou dos aborígenes australianos.

26


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS SOBRE O SOCIAL EM TEMPOS DE INCERTEZA Georges Balandier

Antropólogo e sociólogo francês, Georges Balandier é conhecido em várias partes do mundo por seus livros, sendo considerado o criador do termo “terceiro mundo”. Esta obra configura-se como uma iniciação ao pensamento social atual, apresentando reflexões sobre temas e estudiosos das ciências sociais, avançando em questões como as ciências do social e a crítica social; os fundadores, herdeiros e dissidentes da sociologia; a relação entre sociologia e antropologia; além de discussões sobre tempo e imaginário, o sagrado, as figuras do político e os desafios e riscos em uma sociedade em constante ebulição. sociologia

ANTROPOLOGIA

27


ARQUITETURA E URBANISMO 28


ARQUITETURA DE EXPOSIÇÕES Lina Bo Bardi e Gisela Magalhães César Augusto Sartorelli 2018 | 194 páginas | 23 x 22 cm ISBN 978-85-9493-086-6

artes visuais

Este é um livro de referência sobre a arquitetura expositiva, a atividade de planejar e ressignificar o espaço onde uma exposição é construída. César Sartorelli define essa linguagem arquitetônica, relacionando-a à história da museografia, e a seguir analisa a trajetória de duas grandes arquitetas curadoras brasileiras: Lina Bo Bardi (1914-92) e Gisela Magalhães (1930-2003). Ao detalhar as principais exposições de cada uma em ordem cronológica, busca estabelecer similaridades e diferenças. Leitura fundamental para arquitetos, curadores e artistas.

ARQUITETURA E URBANISMO NO VALE DO PARAÍBA do colonial ao eclético

Percival Tirapeli Edições Sesc São Paulo e Fundação Editora Unesp 2014 | 234 páginas | 27 × 27 cm ISBN 978-85-7795-118-3

história

Este livro analisa técnica e historicamente as construções religiosas, oficiais e civis na região do Vale do Paraíba, relacionando-as às fundações das vilas e cidades nos períodos colonial e imperial, e estuda suas transformações até a primeira metade do século XX, detalhando a arquitetura e o urbanismo dos espaços e épocas. No Vale do Paraíba, as igrejas tiveram grande relevância no desenvolvimento das localidades, transformando-as em cidades prósperas do estado de São Paulo. Do ponto de vista iconográfico, a obra é permeada por mapas e esquemas arquitetônicos com plantas originais e das transformações das edificações ao longo dos anos, além de uma série de fotos com imagens que apresentam o atual estado de conservação das construções.

ARQUITETURA E URBANISMO

29


CIDADELA DA LIBERDADE

Lina Bo Bardi e o Sesc Pompeia organização | André Wainer e Marcelo Ferraz 2013 | 168 páginas | 26 × 26 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-046-9

O livro faz parte das comemorações dos trinta anos da inauguração do Sesc Pompeia, uma antiga edificação industrial paulista que ganhou novas formas de utilização e significados pelas mãos da arquiteta Lina Bo Bardi. O projeto teve como premissa recuperar e manter a fábrica, intervindo nela com uma perspectiva contemporânea. “Cidadela” foi o termo usado por Lina para designar o conjunto, e “liberdade” é o sentimento comum do rico e variado público que frequenta a nova/velha fábrica. A obra é ilustrada com desenhos e anotações da arquiteta, projetos técnicos, textos e fotografias, além de vasto material sobre as atividades lá desenvolvidas ao longo dos anos.

Prêmio Jabuti 2014 na categoria Artes e Urbanismo.

ES

D TA

GO

O

CIDADE DAS IDEIAS | IDEAS CITY | SÃO PAULO organização | Corinne Erni e Richard Flood 2017 | 196 páginas | 16 x 20 cm ISBN 978-85-9493-020-0

Ideas City é uma iniciativa do New Museum que envolve centenas de organizações ligadas às artes e à educação. Realizado a cada dois anos em Nova York, o evento promove conferências em cidades ao redor do mundo, que discutem a situação particular de cada uma delas, bem como questões relacionadas à vida nas metrópoles contemporâneas. “Capital Inexplorado”, o tema das conferências realizadas em São Paulo que deu origem a este livro, pode ser entendido como todo o excedente subutilizado ou desconhecido, tangível ou intangível, como pessoas, ideias, redes, matéria-prima, recursos naturais e meios de comunicação.

30


ESPAÇO EM OBRA

cidade, arte, arquitetura Guilherme Wisnik e Julio Mariutti 2018 | 208 páginas | 17,2 x 24,5 cm ISBN 978-85-9493-076-7

O livro reúne diversos artigos que o arquiteto e pesquisador Guilherme Wisnik publicou na revista Bamboo, entre maio de 2012 e janeiro de 2016, com ilustrações e concepção visual de Julio Mariutti, acrescidos de seis textos inéditos. Os artigos estão organizados em três temas: os desafios do urbanismo, o Brasil e a relação entre arte e arquitetura, e discutem essas importantes questões da atualidade. Wisnik é professor da FAU-USP e foi curador da 10ª Bienal de Arquitetura. Mariutti é designer formado pela USP e cria projetos para editoras e instituições culturais.

ARQUITETURA E URBANISMO

31


INTERVENÇÕES URBANAS arte/cidade

organização | Nelson Brissac Peixoto Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2012 | 380 páginas | 28 × 30 cm ISBN 978-85-7995-029-2

artes visuais

O projeto Arte/cidade se realiza em São Paulo desde 1994, tomando o espaço complexo e dinâmico da metrópole contemporânea como ponto de partida para intervenções artísticas inusitadas. São operações que questionam o estatuto e os procedimentos convencionais da arte, da arquitetura e do urbanismo. O presente livro consolida e registra o repertório desenvolvido nessa cidade durante um período significativo desta iniciativa, que vai de 1994 a 2002.

JARDIM DA LUZ

um museu a céu aberto

Ricardo Ohtake e Carlos Dias Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2011 | 240 páginas | 25 × 25 cm ISBN 978-85-98112-80-0

A restauração do Jardim da Luz incluiu sua integração com a Pinacoteca do Estado e a Estação da Luz, recuperando contornos arquitetônicos e paisagísticos projetados no século XIX e fazendo ressurgir atrações históricas: um aquário centenário e as fundações de uma torre de 1874, considerada o primeiro arranha-céu de São Paulo. Farto em imagens, este livro trata desse processo de revitalização em quatro eixos: conceitos e técnicas do restauro, flora e fauna do jardim, histórico arquitetônico e ensaio fotográfico.

32


MARIANNE PERETTI a ousadia da invenção

organização | Tactiana Braga Edições Sesc São Paulo e B52 Desenvolvimento Cultural 2015 | 348 páginas | 28 x 28 cm Português/francês ISBN 978-85-7995-192-3

artes visuais

Este livro perfaz a trajetória da artista plástica francesa Marianne Peretti, conhecida entre outras, por obras que se constroem dialogando com o desenho arquitetônico de edifícios icônicos, como é o caso dos vitrais que recobrem a Catedral de Brasília e do Memorial JK, no Distrito Federal. Além da reprodução de imagens dos diversos murais, vitrais, esculturas, croquis, depoimentos e fotografias antológicas da artista, a obra ainda apresenta ensaios de Jacob Klintowitz, Joaquim Falcão, Véronique David, Sonia Marques e Yves Lo-Pinto Serra; além de uma réplica de carta-depoimento na qual Oscar Niemeyer, amigo e parceiro de trabalho, fala de sua admiração e amizade por Marianne.

OS PIONEIROS DA HABITAÇÃO SOCIAL Nabil Bonduki e Ana Paula Koury Edições Sesc São Paulo e Fundação Editora da Unesp 2014 | 28 × 28 cm

Cem anos de política pública no Brasil (v. I) 388 páginas | ISBN 978-85-7995-103-9

Inventário da produção pública no Brasil entre 1930 e 1964 (v. II) 500 páginas | ISBN 978-85-7995-104-6

Onze propostas de morar para o Brasil moderno (v. III) 286 páginas | ISBN 978-85-7995-105-3

história

Organizado em três volumes e fruto de uma longa e extensa pesquisa, desenvolvida na Universidade de São Paulo, sob coordenação de Nabil Bonduki, os livros tratam das políticas públicas de habitação social, realizadas durante o período de 1930 a 1964, em todo o país. Textos descritivos e analíticos desenvolvidos a partir de minuciosos levantamentos arquitetônicos, urbanísticos, bibliográficos, documentais e fotográficos, bem como um conjunto de documentos inéditos até então dispersos ou abandonados, fazem o inventário dos mais relevantes projetos habitacionais sociais, voltados a diferentes categorias de trabalhadores assalariados urbanos, realizados e/ou idealizados no Brasil.

ARQUITETURA E URBANISMO

33


RODRIGO BROTERO LEFÈVRE E A IDEIA DE VANGUARDA Miguel Antonio Buzzar 2018 | 280 páginas | 23 x 23 cm ISBN 978-85-9493-099-6

Lefèvre foi um arquiteto paulista com atuação nas décadas de 1960, 70 e 80. Integrou, com Sérgio Ferro e Flávio Império, o grupo Arquitetura Nova, que rompeu com a chamada Escola Paulista, liderada por Vilanova Artigas, devido a divergências quanto ao papel social da arquitetura. Rodrigo Lefèvre defendia maior participação dos pedreiros nas decisões e condições mais humanas de trabalho. O livro apresenta a teoria do arquiteto e analisa suas principais obras, das residências aos prédios públicos. Miguel Antonio Buzzar, professor da USP de São Carlos, faz essa exposição dentro do contexto histórico, levando o leitor a entender a atuação possível da arquitetura no ambiente político durante o regime militar.

34


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS CIDADES SUL-AMERICANAS COMO ARENAS CULTURAIS organização | Fernanda Arêas Peixoto e Adrián Gorelik

Organizado por Fernanda Arêas Peixoto, professora do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo, e Adrián Gorelik, professor da Universidade Nacional de Quilmes, Argentina, este livro é resultado de um projeto coletivo de pesquisa a respeito da história cultural urbana da América Latina, tendo sido desenvolvido por um conjunto de pesquisadores latino-americanos. Partindo da metáfora de“arena cultural”, a obra realiza uma reflexão sobre a cidade como lugar de germinação, experimentação e resistência cultural. Algumas cidades Buenos Aires, Santiago, Lima, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Montevidéu, entre outras – são utilizadas com a intenção de se capturar as relações íntimas e inextricáveis entre cidade e cultura. sociologia

PATRIMÔNIO COLONIAL LATINO-AMERICANO Percival Tirapeli

Fruto de extensa pesquisa de Percival Tirapeli, professor da Unesp, esta obra ricamente ilustrada abrange três séculos de arte colonial e é dividida em três partes – “Urbanismo colonial”, “Arquitetura eclesiástica” e “Arte sacra – mobiliário e ornamentação”. “Urbanismo colonial” aborda as diferenças e aproximações entre os traçados e o urbanismo planejado das cidades hispano-americanas e luso-brasileiras. “Arquitetura eclesiástica” analisa as catedrais dos vice-reinos, as audiências e as sés brasileiras. A seção “Arte sacra – mobiliário e ornamentação” completa as análises das igrejas, tratando de suas fachadas-retábulos, do mobiliário dos altares e de seus complementos ornamentais, como esculturas e pinturas. artes visuais e história

ARQUITETURA E URBANISMO

35


BIOGRAFIAS 36


cinema, teatro e dança

FERNANDA MONTENEGRO itinerário fotobiográfico

organização | Fernanda Montenegro 2018 | 500 páginas | 23,5 × 31 cm ISBN 978-85-9493-081-1

Organizada pela própria atriz, a obra reúne imagens que contam a trajetória pessoal e profissional de Fernanda Montenegro, que se mistura à memória da dramaturgia nacional. Além de uma seleção de fotos inéditas de seu acervo pessoal, e outras que registram cenas memoráveis ao lado de grandes nomes como Paulo Autran, Sérgio Britto e Nathalia Timberg – muitas acompanhadas de legendas com as impressões de Fernanda –, o leitor terá contato com documentos emblemáticos, artigos e depoimentos de escritores, diretores, críticos de arte, atores e amigos. Há ainda seções especiais dedicadas às diversas premiações recebidas ao longo da carreira e uma comovente homenagem a Fernando Torres, seu companheiro de trabalho e vida.

BIOGRAFIAS

37


ABISMO DE ROSAS

vida e obra de Canhoto Sérgio Estephan 2017 | 168 páginas | 19 x 25 cm ISBN 978-85-9493-038-5

música

Fruto da pesquisa acadêmica do historiador Sérgio Estephan, este livro apresenta aspectos da breve vida e da produtiva obra de Américo Jacomino, mais conhecido como Canhoto. Paulistano, filho de imigrantes italianos, pintor de painéis, compositor, instrumentista, professor de violão, funcionário público, Canhoto tornou-se uma das principais referências do violão instrumental brasileiro até os dias de hoje. De acordo com Zuza Homem de Mello, sua canção “Abismo de rosas” é considerada “hino nacional do violão brasileiro”. Com esta publicação, pretende-se restabelecer este expoente da música do século XX aos leitores do século XXI.

GENTE HUMILDE

vida e música de Garoto Jorge Mello 2012 | 272 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-023-0

música

38

Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto (1915-1955), foi um virtuose que dominava quase todos os instrumentos de cordas dedilhadas, especialmente violão, banjo, contrabaixo, violoncelo, guitarra, cavaquinho e bandolim. Sua maneira de compor e interpretar o samba e o choro ao violão deu novo rumo à música popular brasileira, influenciando alguns dos maiores nomes da geração posterior à sua e apontando o caminho que anos depois levaria à bossa nova. Garoto registrou sua vida em um diário, base da pesquisa deste livro, que resgata suas memórias, histórias e musicografia.


antropologia, história

LÉVI-STRAUSS

Emmanuelle Loyer 2018 | 784 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-9493-080-4

Fruto de extensa pesquisa feita pela historiadora francesa Emmanuelle Loyer, esta biografia permite ao leitor atravessar o século XX por meio da história de um dos antropólogos mais importantes do seu tempo, cuja experiência tem íntima relação com o desenvolvimento das ciências sociais no Brasil e da interpretação de culturas autóctones. Considerado um dos fundadores da antropologia moderna, Claude Lévi-Strauss foi um intelectual cujos objetivos eram compreender o caos do mundo e propor alguma ordem para a sua interpretação. Crítico da mundialização e da explosão demográfica na segunda metade do século XX, ele conciliava o humanismo de suas teorias à sua preocupação com o empobrecimento das diversidades culturais.

BIOGRAFIAS

39


O TEATRO DE VICTOR GARCIA a vida sempre em jogo Jefferson Del Rios 2012 | 288 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-036-0

teatro

Jefferson Del Rios apresenta a história pessoal e a obra do criador que transitou nos limites da vida e da arte. Victor Garcia (1934-1982) foi um explorador de imagens e de novas formas de ocupação do espaço cênico, deixando marcas profundas nos meios artísticos por onde passou. A partir de 1963, seu nome esteve ligado a notáveis criações em vários países. Em São Paulo, realizou duas encenações que marcaram a cena teatral brasileira: Cemitério de automóveis, de Fernando Arrabal (1968), e O balcão, de Jean Genet (1969).

QUANDO MARINA ABRAMOVIĆ MORRER uma biografia

James Westcott 2015| 2ª edição 340 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-69298-41-0

artes visuais

40

A infância, a juventude e o caminho trilhado por Marina Abramović, a partir do meio artístico de Belgrado, rumo ao reconhecimento internacional como pioneira na arte da performance constituem o cerne desta biografia. A artista utiliza seu corpo como suporte para obras viscerais, demonstrando uma força extraordinária capaz de movê-la em situações-limite impostas a si mesma. Ao descrever performances que se tornaram célebres e alargaram as fronteiras das artes visuais, o livro mostra como Abramović manteve-se determinada para concretizar projetos que revelam a observação aguda da vida face ao mundo exterior, a paixão pelo trabalho e a união entre arte, política e erotismo.


artes visuais

TARSILA DO AMARAL a modernista

Nádia Battella Gotlib 2018 | 240 páginas | 23 x 23 cm ISBN 978-85-9493-075-0

Nesta biografia envolvente e de fácil leitura, a professora e ensaísta Nádia Batella Gotlib recria a trajetória libertária de Tarsila do Amaral, debruçando-se sobre sua vida privada, sua formação artística, o circuito modernista, o movimento Pau-brasil e a Antropofagia, detalhando o empenho e a resistência da pintora em prol de sua diversidade tanto artística quanto afetiva-pessoal. Modelo de ruptura nas artes visuais e na literatura, Tarsila do Amaral influenciou a produção artística brasileira e teve um papel de vanguarda na ascensão social feminina. Este livro oferece ao leitor a possibilidade de conhecer toda a intensidade de sua vida e também de sua obra, decifrando-as em sua complexidade, originalidade e visão de mundo.

BIOGRAFIAS

41


CIÊNCIAS 42


UM FANTASMA LEVA VOCÊ PARA JANTAR do cosmos ao GPS

Coleção Ciência no Cotidiano Ulisses Capozzoli 2017 | Livro digital ISBN (versão em português): 978-85-9493-054-5 ISBN (versão em inglês): 978-85-9493-055-2

Qual relação pode existir entre a utilização de um GPS para circular no trânsito das cidades e astros cósmicos que se encontram numa distância de bilhões de anos-luz do planeta Terra? A resposta, por mais intrigante que pareça, é: toda – e ela passa por séculos de conhecimento científico, quasares localizados a bilhões de anos-luz da Via Láctea e nomes como Galileu Galilei, Max Planck, Tycho Brahe, Newton, Kepler, Copérnico, Herschel e Albert Einstein. Numa narrativa inventiva e rica de informações, o jornalista, mestre e doutor em Ciências Ulisses Capozzoli parte do uso dos já corriqueiros sistemas de geolocalização controlados por satélite para ilustrar como a ciência se revela em boa parte de nossa vida cotidiana. O livro é o primeiro título da Coleção Ciência no Cotidiano, desenvolvida exclusivamente em formato digital.

CIÊNCIAS

43


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS UMA BIOGRAFIA DA ÁGUA

desde a sua origem na infância do Universo Coleção Ciência no Cotidiano Ulisses Capozzoli

Neste segundo volume da coleção Ciência no Cotidiano, o jornalista especializado em divulgação científica e doutor em Ciência Ulisses Capozzoli recorre a conhecimentos de astronomia, química, geologia e geopolítica para recontar a história desse elemento essencial para o surgimento da vida no planeta. Reunindo informações de diferentes fontes e autores, Capozzoli organiza o livro em capítulos como “A origem cósmica da água”, “Água doce no Brasil”, “Rios que correm no céu” e “A crise hídrica” – que marcou áreas como o Estado de São Paulo em época recente e é abordada pelo autor em suas causas e consequências. Esta coleção é editada em inglês e português, apenas em formato digital.

44


45


CIÊNCIAS DA MENTE E COMPORTAMENTO 46


A SUBVERSÃO DO SER

identidade, mundo, tempo, espaço: fenomenologia de uma mutação Mauro Maldonato 2014 | 2ª edição 200 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-088-9

filosofia

Em um estudo sobre a identidade e sua fragmentação pelas exigências pós-modernas, que se vinculam ao reducionismo das medicinas epidemiológico-estatística e biológico-molecular, o autor aponta o pensamento científico clássico como paradigma insuficiente para esgotar o entendimento das variedades do fenômeno humano. Trata-se de uma reflexão sobre o mito, o símbolo e o universo da identidade que, permeada pela filosofia, pela fenomenologia e pela epistemologia das ciências humanas, compartilha com o leitor a perspectiva da psicopatologia enquanto encontro com o outro. Assim, esta prosa narrativa embasada na experiência humana subverte poeticamente o ser, tratando de identidade, tempo e espaço.

DA MESMA MATÉRIA QUE OS SONHOS

sobre consciência, racionalidade e livre-arbítrio Mauro Maldonato 2014 | 188 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-089-6

Nesta coletânea de artigos publicados originalmente nas revistas Scientific American do Brasil e Mente e Cérebro, o autor aborda com profundidade temas complexos da área científica, em um entrecruzamento de fronteiras entre psiquiatria, psicanálise e neurociência, que estabelece interfaces com a filosofia. O título nasce da célebre citação de Shakespeare e faz alusão à mente humana no tocante às relações entre consciência e inconsciência, realidade e sonhos, tempo e espaço vividos.

CIÊNCIAS DA MENTE E COMPORTAMENTO

47


NA HORA DA DECISÃO

somos sujeitos conscientes ou máquinas biológicas? Mauro Maldonato 2017 | 144 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-036-1

A fronteira existente entre a consciência e a biologia do cérebro para a tomada de decisões é o cerne da discussão proposta pelo psiquiatra Mauro Maldonato em Na hora da decisão. Ele considera a decisão um processo psíquico, que envolve diferentes instâncias, como a racionalidade, a intuição, as regras sociais, a cultura e os desejos inconscientes. E questiona se o ser humano é realmente a máquina pensante que considera ser, capaz de controlar o que está ao seu redor, avaliar problemas, pesar prós e contras antes de tomar decisões, consideradas preferencialmente as mais adequadas, as melhores escolhas. Afinal, somos conscientes dessas ações?

48


PASSAGENS DE TEMPO Mauro Maldonato 2012 | 192 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-033-9

filosofia

A obra traz uma viagem pelo conceito de tempo, permeada por desafios e questionamentos, na tentativa de refletir sobre esse instigante e intangível enigma. O autor apresenta um ensaio em que dialogam filosofia, psicologia, ciência, literatura e outros campos do saber, fruto de uma aprofundada pesquisa e de sua própria vivência como médico psiquiatra e professor de psicologia. Com uma linguagem permeada de prosa e poesia, Maldonato tece considerações sobre o tempo, os indivíduos e o mundo, além de apresentar ao leitor uma densa bibliografia sobre o tema.

RAÍZES ERRANTES Mauro Maldonato prefácio | Edgar Morin 2014 | 2ª edição 168 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-087-2

filosofia

O psiquiatra italiano investiga a situação psicológica e política do indivíduo contemporâneo a partir de aspectos característicos da atualidade: estrangeiros e viandantes, incertezas e interrogações radicais, identidades em movimento, alteridade e familiaridade, figuras de fronteiras, epistemologias em confronto. Paradigmas da contemporaneidade e a forma histórica do pensamento atual são discutidos a partir de referências literárias e musicais diversas, que contribuem para uma reflexão complexa e inquietante sobre o presente.

Prêmio Jabuti 2015 na categoria Capa.

CIÊNCIAS DA MENTE E COMPORTAMENTO

49


CINEMA 50


ARTE EM CENA

a direção de arte no cinema brasileiro Vera Hamburger Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2014 | 420 páginas | 23 × 23 cm ISBN 978-85-7995-057-5

artes visuais

Esta obra traça um panorama da evolução da cenografia e da direção de arte no cinema brasileiro desde o início do século XX até os dias de hoje. Os temas abordados por Vera Hamburger vão da análise de um roteiro e da transposição da história para o plano visual até a adequação das ideias do diretor, do diretor de arte e do diretor de fotografia às condições de produção. Amplamente ilustrado, é possível observar o passo a passo da complexa criação orquestrada pelo diretor de arte – cenários, figurinos, iluminação, personagens e outros elementos. Destinado ao público interessado na sétima arte, o livro constitui-se também como um material de referência para alunos e profissionais de cinema e produção audiovisual.

Prêmio Jabuti 2015 na categoria Arquitetura, Urbanismo, Artes e Fotografia.

CAIXA PAULO EMÍLIO

Paulo Emílio Sales Gomes Edições Sesc São Paulo e Editora Cosac Naify 2009 | 16 × 23 cm (2 livros + 2 DVDs) ISBN 978-85-981-129-47

Filho de militantes anarquistas, o cineasta francês Jean Vigo (1905-1934) passou a infância entre comícios, assembleias e prisões do pai. Apesar da breve carreira, dirigiu filmes que marcaram o cinema francês e mundial, transitando entre a vanguarda francesa e o realismo poético. O livro Jean Vigo trata da estreita relação entre vida e obra marcadas pelo comprometimento social e pelo livre espírito criador. Já Vigo, vulgo Almereyda entrelaça a narração da vida de Jean Vigo com a de seu pai, o revolucionário Eugène Bonaventure Vigo, conhecido por Miguel Almereyda (1883-1917). Os DVDs trazem a filmografia completa do diretor, making of, entrevistas com seus amigos e colaboradores, além de depoimentos de Antonio Candido, Ismail Xavier, Lygia Fagundes Telles, Eric Rohmer, François Truffaut e outros.

CINEMA

51


CINEMA EXPLÍCITO

representações cinematográficas do sexo Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva Rodrigo Gerace 2015 | 320 páginas | 18 × 25,5 cm ISBN 978-85-69298-45-8

Esta obra apresenta um panorama das representações do sexo no cinema – dos stag films no cinema mudo às vanguardas artísticas, das pornografias alternativas ao mainstream à estilização do sexo no cinema de autor, que politizou o desejo por meio de narrativas ora libertárias, ora confinadas em discursos normativos. Para tanto, o autor faz uma revisão crítica das noções de obscenidade, erotismo, pornografia, e sua relação com a moral, a estética e as ideologias. Nota-se, assim, como as interpretações cinematográficas potencializaram os dilemas de cada época, provando que as imagens, das mais desfocadas às mais explícitas, são capazes de fascinar, incomodar e desestabilizar discursos sobre o sexo.

EDUARDO COUTINHO

organização | Milton Ohata Edições Sesc São Paulo e Editora Cosac Naify 2013 | 704 páginas | 15 × 24 cm ISBN 978-85-7995-081-0

Eduardo Coutinho é considerado um dos grandes documentaristas do cinema brasileiro, tendo sido responsável por trazer ao centro da cena os marginalizados. Em homenagem aos seus 80 anos, este livro reúne dois ensaios e dez entrevistas, além de 39 textos de crítica escritos pelo cineasta para o Jornal do Brasil entre 1973 e 1974. Também são apresentados depoimentos de colaboradores que contam como era filmar com o diretor, falecido em 2014, evidenciando desse modo tanto seu processo de trabalho como sua dimensão humana. A última parte do livro traz um conjunto de resenhas de época e mais de uma dezena de textos inéditos sobre a filmografia do diretor de Cabra marcado para morrer, escritos por cineastas e críticos de várias gerações.

52


ENCICLOPÉDIA DO CINEMA BRASILEIRO organização | Fernão Pessoa Ramos e Luiz Felipe Miranda Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2012 | 3ª edição 836 páginas | 21 × 28 cm ISBN 978-85-7995-030-8

Sendo um dos poucos livros de referência sobre a produção cinematográfica nacional, esta enciclopédia apresenta um panorama do cinema brasileiro, do século XX e início do século XXI, no que tange não só a autores, atores e produtores, como também a períodos, instituições e movimentos estéticos. Com um trabalho amplo e acurado, que reuniu quase cinquenta pesquisadores, sob a coordenação de Fernão Pessoa Ramos e Luiz Felipe Miranda, foi possível entrecruzar critérios qualitativos e quantitativos. Nesta terceira edição revista e atualizada, cerca de oitocentos verbetes ligados ao cinema brasileiro cobrem diversos períodos, conceitos e instituições.

ERA O HOTEL CAMBRIDGE

arquitetura, cinema e educação Carla Caffé 2017 | 296 páginas | 17,7 x 23,6 cm ISBN 978-85-9493-022-4

arquitetura e urbanismo, educação

Extrapolando as fronteiras entre arte e educação, Carla Caffé se vale do viés da história em quadrinhos para retratar como foi o trabalho de direção de arte do premiado longa-metragem Era o hotel Cambridge (2016), de Eliane Caffé. Com o auxílio de estudantes de arquitetura da Escola da Cidade, Carla trabalhou a direção de arte do filme a partir das melhorias arquitetônicas que poderiam ser deixadas no edifício para as famílias que moram na ocupação Cambridge, localizada no centro da cidade São Paulo. Mesclando trabalho e criação coletiva e o problema da falta de moradia e do refúgio nas grandes metrópoles, o livro traz ainda textos de Eliane Caffé, Jorge Lobos, Lucia Santaella, Nabil Bonduki e Raquel Rolnik, além de uma esclarecedora entrevista com Carmen Silva, líder da Frente de Luta por Moradia (FLM).

CINEMA

53


história

NOVA HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO I organização | Fernão Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman 2018 | 528 páginas | 19 x 25 cm ISBN 978-85-9493-083-5

Nesta coletânea, uma série de textos de pesquisadores e especialistas traça um panorama atualizado e detalhado do cinema brasileiro. Neste primeiro volume, o cinema nacional é analisado desde a década de 1910, passando por cinema mudo, o início do cinema sonoro, a chanchada e o cinema independente carioca dos anos 1930 a 1950 e a função educativa do cinema no governo de Getúlio Vargas, concluindo com um ensaio sobre a Companhia Cinematográfica Vera Cruz, importante estúdio cinematográfico brasileiro na década de 1950.

54


história

NOVA HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO II organização | Fernão Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman 2018 | 600 páginas | 19 x 25 cm ISBN 978-85-9493-084-2

Este segundo volume de Nova história do cinema brasileiro abrange o cinema nacional do pós-guerra até a contemporaneidade, discorrendo sobre o Cinema Novo, o Cinema Marginal, a Embrafilme, a pornochanchada, a crise e a retomada da produção cinematográfica brasileira a partir do final dos anos 1980 até meados da década de 1990, finalizando com um panorama sobre o cinema experimental, o documentário e as ficções cinematográficas contemporâneas até o ano de 2016.

CINEMA

55


FILMAR O QUE NÃO SE VÊ

um modo de fazer documentários Patricio Guzmán 2017 | 288 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-066-8

Na obra Filmar o que não se vê, o cineasta chileno compartilha suas experiências na produção de documentários, apoiando-se no cinema de autor e discorrendo sobre os parâmetros que orientaram seus trabalhos, tais como os conceitos de ponto de vista (opinião do diretor), distanciamento (viabilizado a partir do estabelecimento de territórios de criação e pesquisa), subjetividade (reafirmando a parcialidade das produções audiovisuais) e escrita de roteiros (técnicas de criação). Ainda que em sua formulação Guzmán parta de sua experiência documental, os conceitos que trabalha dizem respeito à produção audiovisual de forma ampla, não se limitando aos documentários, e servem de base a qualquer experiência criativa na área de cinema e vídeo.

MEU NOME NÃO É PIXOTE

o jovem transgressor no cinema brasileiro Ed Anderson Mascarenhas Silva 2018 | 224 páginas | 15,6 x 21,5 cm ISBN 978-85-9493-108-5

sociologia

56

Quase trinta anos separam Pixote, a lei do mais fraco (1981) de Meu nome não é Johnny (2008). Os dois filmes delimitam a análise que o autor faz da representação pelo cinema brasileiro do jovem transgressor no mundo urbano contemporâneo. A transgressão, uma questão social em Pixote, transmuta-se em hedonismo inconsequente em Johnny. Tomando as duas obras como balizas, Ed Anderson analisa a presença do jovem transgressor em obras emblemáticas do cinema e da literatura mundial, bem como na produção cinematográfica brasileira; a análise do contexto social de produção e do espaço urbano inóspito de Pixote, a lei do mais fraco; a análise do hedonismo, da ambição e da juventude sem perspectivas de Meu nome não é Johnny.


SÉTIMA ARTE | UM CULTO MODERNO o idealismo estético e o cinema Ismail Xavier 2017 | 2ª edição revista e ampliada 288 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-049-1

Um clássico da historiografia do cinema mundial no Brasil, Sétima arte aborda a afirmação do cinema como forma de arte e o porquê de sua acolhida pelos modernos como uma linguagem de expressão artística fundamentalmente moderna. Esgotado há muitos anos, o livro retorna com uma nova introdução do autor, bem como notas comentando o texto à luz da evolução do cinema e da crítica. O autor, Ismail Xavier, é considerado um dos mais importantes teóricos e professores de crítica e história do cinema brasileiro, lecionando na Escola de Artes e Comunicações da USP desde 1971.

TUTTO FELLINI

Sam Stourdzé Edições Sesc São Paulo e Instituto Moreira Salles 2012 | 184 páginas | 21 × 26 cm ISBN 978-85-7995-032-2

Catálogo da exposição realizada pelo Instituto Moreira Salles e pelo Sesc São Paulo, esta publicação convida o público brasileiro a mergulhar na obra do diretor italiano Federico Fellini, um dos mais emblemáticos do século XX. Este trabalho está dividido nos seguintes temas: cultura popular, Fellini em ação, a cidade das mulheres e a invenção biográfica. Espécie de laboratório visual, Tutto Fellini tem um percurso pontuado pelas obsessões do diretor e por suas fontes de inspiração, mostrando as várias facetas do maestro: devorador onívoro de imagens, admirador das mulheres, crítico da sociedade, realizador enérgico, criador profuso, entre tantas outras.

CINEMA

57


VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO

Karim Aïnouz e Marcelo Gomes 2015 | 224 páginas | 15 x 22 cm (inclui DVD do filme) ISBN 978-85-69298-12-0

Este livro se inspira no filme homônimo, cujo enredo narra a viagem de um geólogo que realiza uma pesquisa de campo no sertão nordestino, numa região por onde passará um grande canal de irrigação. Durante sua passagem tanto por locais que serão beneficiados quanto por outros que serão desapropriados e inundados pela obra, ele tenta esquecer a mulher que o deixou. Trata-se de um livro-filme, que possibilita ao leitor entrar em contato com a experiência da separação amorosa em meio a paisagens áridas e metafóricas. A obra traz encartado o DVD do filme.

58


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS CINEMA COMO ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Thomas Elsaesser

Compilação de diferentes artigos publicados pelo autor Thomas Elsaesser em torno de seu estudo “The New Film History as Media Archaeology”. Esse e os outros ensaios dedicados ao tema avaliam o impacto das tecnologias digitais no entendimento da história do cinema, discutem as mudanças nas tecnologias de mídia como um desafio a ela e reconhecem a onipresença da imagem em movimento no ambiente urbano. Elsaesser entende que os efeitos do cinema, os elementos-chave criados em sua trajetória e seus aparelhos, suas tecnologias e seus silêncios fazem parte do nosso modo de ver, mesmo quando não estamos no cinema.

PÓS-FOTOGRAFIA, PÓS CINEMA novas configurações das imagens organização | Beatriz Furtado e Philippe Dubois

Esta coletânea de ensaios traz uma discussão sobre os rumos da fotografia e do cinema na era digital, em que a manipulação dos arquivos gera obras que não foram “tocadas” pela luz. Ao mesmo tempo, este livro reflete sobre o futuro dessas artes na medida em que se afastam dos suportes de produção e exibição que os caracterizam. Esta publicação nasceu de um colóquio internacional organizado por Beatriz Furtado e Philippe Dubois, professores e pesquisadores especializados nessa área. O colóquio reuniu intelectuais brasileiros, portugueses, franceses e canadenses que são também os autores dos artigos desta coletânea. fotografia

O AUTOR NO CINEMA

Jean-Claude Bernardet com a colaboração de Francis Vogner dos Reis

Publicado pela primeira vez em 1994, este livro apresenta o conceito de “cinema de autor”, conforme definido pela política do autor na França, nos anos 1950, e empregado pelos críticos brasileiros na análise do nosso Cinema Novo, na década de 1960. O conceito de autor, no cinema, foi seminal na forma de fazer e analisar a sétima arte. A reedição desta obra, revista e ampliada com a colaboração do pesquisador Francis Vogner dos Reis, vem preencher uma lacuna na bibliografia de críticos, estudantes e estudiosos de cinema.

CINEMA

59


COMUNICAÇÃO E JORNALISMO 60


FARÓIS NO CAOS

Ademir Assunção 2012 | 408 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-025-4

Esta obra apresenta uma seleção de entrevistas realizadas por Ademir Assunção em sua prática jornalística, publicadas em jornais e revistas nas décadas de 1980 a 2000. Rico em informações sobre o pensamento e a obra de artistas brasileiros e estrangeiros, o recorte histórico proporcionado por esta seleção permite aprofundar e ampliar o conhecimento sobre expoentes da produção artística nas mais de duas décadas abrangidas pelas entrevistas.

PSICOLOGIA CULTURAL DA MÍDIA Giuseppe Mininni Edições Sesc São Paulo e A Girafa Editora 2008 | 232 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-64-0

Esta obra estuda as várias manifestações da mídia e sua discutida capacidade de influenciar leituras e interpretações da realidade. Partindo da psicologia social, são abordados interdisciplinarmente assuntos de extrema atualidade vinculados às expressões midiáticas. Assim, são discutidos tópicos como a psicologia da, para e na mídia e seus aspectos psicossociais em âmbitos como a TV, a vida privada, a publicidade, as notícias, a diversão e a internet.

COMUNICAÇÃO E JORNALISMO

61


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS LIÇÕES DE RESISTÊNCIA organização | Ligia Fonseca Ferreira

Escritor, jornalista e advogado, Luiz Gama ocupa um lugar proeminente entre os raros ativistas negros que se destacaram no Brasil antes de 1888. Tendo sido o único abolicionista autodidata e o único a ter sofrido a escravidão, foi um hábil comunicador de amplo público: dos negros aos brancos, dos escravizados aos homens livres, dirigiu-se a todas as camadas da população e escapou, por meio da atividade jornalística, do silêncio e da ignorância impostos ao negro e ao escravizado. Os artigos reunidos neste livro revelam as facetas e o pensamento desse homem plural, que fez do domínio da palavra a arma para a defesa das liberdades. história e filosofia e política

62


63


DESIGN 64


CAPAS DE SANTA ROSA Luís Bueno Edições Sesc São Paulo e Ateliê Editorial 2015 | 288 páginas | 23 × 27 cm ISBN 978-85-69298-59-5

livro e leitura

A obra de Tomás Santa Rosa é fundamental para o conhecimento da história da editoração e do design gráfico no Brasil. Nesta publicação, composta por nove capítulos, o professor Luís Bueno detalha os primeiros trabalhos do artista e acompanha o desenvolvimento de importantes coleções e projetos para a divulgação do romance brasileiro. A obra reúne cerca de trezentas capas que, até então, se encontravam dispersas em sebos, coleções particulares e bibliotecas, servindo como fonte de pesquisa para futuros trabalhos sobre a história do livro e das artes visuais.

Prêmio Jabuti 2016 na categoria Projeto Gráfico

MICHEL ARNOULT, DESIGN E UTOPIA móveis em série para todos organização | Ethel Leon 2016 | 216 páginas | 22 x 27 cm Português/inglês ISBN 978-85-69298-67-0

artes visuais

Dedicado a detalhar a vida e a obra do designer francês Michel Arnoult, referência na área de criação de móveis no Brasil por seu trabalho ligado à qualidade, sustentabilidade, praticidade e popularização de mobiliário no país, o livro esmiúça a trajetória de Arnoult desde sua formação na França até sua chegada ao Rio de Janeiro e seu estabelecimento em São Paulo, destacando seu imenso legado artístico e estético e seu pioneirismo na criação de móveis belos, simples e acessíveis a todos.

Prêmio de melhor publicação no 30º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, em 2016

DESIGN

65


EDUCAÇÃO 66


ABECEDÁRIO DE PERSONAGENS DO FOLCLORE BRASILEIRO Januária Cristina Alves ilustrações | Berje Edições Sesc São Paulo e Editora FTD 2017 | 416 páginas | 15 x 22 cm ISBN 978-85-9493-050-7

antropologia

Este livro reúne 141 personagens significativas e recorrentes do nosso folclore, com um recorte que busca contemplar a diversidade de origens – indígena, africana, europeia e oriental – como elemento constituinte da cultura brasileira. São humanos, bichos e seres fantásticos, que convivem e se misturam nas histórias populares. Cada personagem é apresentada em forma de verbete ilustrado, que descreve suas características físicas e psicológicas, sua origem e as narrativas em que aparece. O texto ainda faz a relação cultural e literária com outras fontes da bibliografia. As ilustrações ressaltam os traços físicos e de caráter ou mostram determinada situação da aventura folclórica do ser mítico.

DIDÁTICA DA PARTICIPAÇÃO teoria, metodologia e prática Victor J. Ventosa Pérez 2016 | 208 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-011-8

Este livro traça um panorama histórico da ação sociocultural e propõe práticas que retomem sua perspectiva educativa e participativa na atuação de educadores formais e não formais. De forma didática, o estudo se divide em duas partes: inicialmente, estabelece relações e diferenças entre a animação sociocultural e outras formas de educação participativa, apontando na sequência a descrição e a exemplificação dos métodos para que os princípios da participação sejam aplicados. Assim, a análise parte do contexto geral da pedagogia da participação para seu efetivo exercício. antropologia

EDUCAÇÃO

67


G ES

AD OT

O

INTERTERRITORIALIDADE mídias, contextos e educação

organização | Ana Mae Barbosa e Lilian Amaral Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2008 | 236 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-79-4

Artigos de artistas, educadores, criadores, produtores e críticos que discutem a questão da arte na educação de forma interdisciplinar fazem parte desta obra. Nela são abordadas a arte e a educação, com seus contextos e fronteiras intermídias, promovendo um diálogo entre diversas áreas, linguagens e meios. Assim, são discutidos o trânsito de conceitos e saberes, as zonas de tensão e as hibridizações e interconexões culturais nas novas conjunturas da sociedade contemporânea.

PROGRAMA CURUMIM

memórias, cotidiano e representações Coleção Memórias

organização | Margareth Brandini Park e Renata Sieiro Fernandes 2015 | 316 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-7995-178-7

Desde 1987, o Programa Sesc Curumim atende crianças de 7 a 14 anos de idade, realizando com elas atividades desenvolvidas sob o conceito de educação não formal. Organizado pelas professoras Margareth Brandini Park e Renata Sieiro Fernandes, este livro traça um panorama das memórias e das práticas de trabalho experimentadas por diferentes agentes que integram (ou integraram) esse universo, como crianças, educadores e pais, permitindo a reflexão sobre a educação para crianças em um ambiente distinto do espaço e dos objetivos da escola tradicional.

68


NA BASE DO FAROL NÃO HÁ LUZ cultura, educação e liberdade

Mauro Maldonato apresentação e reflexões | Danilo Santos de Miranda 2016 | 376 paginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-80-9

Neste livro, Mauro Maldonato e Danilo Santos de Miranda abordam assuntos candentes da contemporaneidade, como política, cultura, educação, ética, liberdade e alteridade, contribuindo para uma indagação sobre o presente, a partir de aspectos como os novos papéis da história, do cidadão e do estado democrático; as relações entre a racionalidade, a moral e as emoções; a banalização da educação diante dos excessos da sociedade da informação; a função da intuição na construção do conhecimento e do pensamento científico; a consciência humana, o inconsciente e os processos de criação; o futuro e os riscos para a liberdade.

EDUCAÇÃO

69


QUER JOGAR?

texto | Adriana Klisys pinturas | Carlos Dala Stella 2010 | 192 páginas | 28 × 28 cm ISBN 978-85-98112-98-5

Projeto da psicóloga Adriana Klisys e do poeta-pintor Carlos Dala Stella, Quer jogar? se desenvolve a partir da fundamentação teórica sobre os conceitos envolvidos nos jogos e brincadeiras, como a ludicidade e o respeito às regras, além de tratar de uma grande variedade deles, bem como de suas regras e modos de jogar. Ricamente ilustrado, apresenta desde os jogos e as brincadeiras consagrados e seus desdobramentos contemporâneos até os de concepção mais recente, tudo permeado ora pela reflexão mais aguda, ora por um registro mais poético.

70


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS AGITE ANTES DE USAR

organização | Renata Cervetto e Miguel A. López

Esta coletânea de artigos e entrevistas busca apresentar uma diversidade rica em reflexões e relatos de experiências sobre o campo da educação artística e a função pedagógica da arte na América Latina, com o objetivo de aprofundar essa discussão e torná-la acessível a um público mais amplo. Os textos estão organizados em cinco partes/temáticas: Propostas para uma mediação crítica; Espaços de formação e políticas de aprendizagem; Atravessando a cena neoliberal a partir da educação artística; Protestos, crises e reconstrução dos modelos educativos; Dinâmicas afetivas: intercâmbios, colaboração, corpos e contexto. artes visuais

EDUCAÇÃO

71


ESPORTES E PRÁTICAS CORPORAIS 72


CÉREBRO ATIVO

reeducação do movimento

Ivaldo Bertazzo Edições Sesc São Paulo e Editora Manole 2012 | 272 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-041-4

Esta é uma seleção de exercícios do método Bertazzo que dá continuidade ao livro Corpo vivo: reeducação do movimento. A obra é ilustrada por fotografias e esquemas que apresentam exercícios que trabalham o alinhamento da postura ao manter-se em pé, os movimentos relacionados à força da gravidade, a coordenação motora fina, o tórax e a coluna vertebral e a estabilidade combinada à flexibilidade, todos eles extremamente úteis para idosos e como preparação para o envelhecimento saudável do ponto de vista motor. Colaboram com a obra as fisioterapeutas Ana Marta Nunes, Geni Castro, Juliana Storto e Liza Ostermayer.

CORPO VIVO

reeducação do movimento Ivaldo Bertazzo 2015 | 2ª edição 256 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978 85 69298 64 9

Corpo vivo contém uma síntese do método Bertazzo, fruto da miscigenação de estudos do movimento, de técnicas de dança e da percepção corporal das diversas culturas que o autor vivenciou. Redigido de forma leve e bem-humorada, em linguagem acessível tanto a leigos quanto a profissionais, e composto por numerosas fotografias e ilustrações com sugestões de sequências de exercícios, o livro conta com a colaboração das fisioterapeutas Ana Marta Nunes, Geni Castro, Juliana Storto e Liza Ostermayer.

ESPORTES E PRÁTICAS CORPORAIS

73


GESTO ORIENTADO

reeducação do movimento Ivaldo Bertazzo 2014 | 384 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-098-8

Esta obra completa a trilogia do método de reeducação do movimento, composta pelos livros Corpo vivo e Cérebro ativo. Com fotos e ilustrações, discute o papel da pele nas funções de sustentação do esqueleto e organização muscular, e enfatiza sua importância para a reeducação motora enquanto mensageira do sistema locomotor, explorando questões estéticas e apresentando estratégias de conhecimento do corpo a partir de sua relação com a pele. São apresentados exercícios para a musculatura sob forma de atividades lúdicas, jogos rítmicos e trabalhos em grupo, possibilitando a reeducação tanto pelo esporte como pela fisioterapia, e estratégias de organização articular dos ossos, condição fundamental para o bom funcionamento do corpo.

74


INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

uma experiência em pedagogia do esporte e da atividade física no Sesc São Paulo organização | Hermes Ferreira Balbino 2014| 240 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-158-9

A partir da associação da teoria de Howard Gardner com os valores propostos pela ação educativa do Sesc São Paulo, este livro aborda a importância das inteligências múltiplas no campo do esporte e a necessidade de uma reestruturação dos métodos existentes, quase sempre balizados por preocupações centradas no desenvolvimento de capacidades físicas, na aquisição de habilidades motoras e na organização de sistemas defensivos, ofensivos e de transição. O autor defende que a pedagogia do esporte deve lançar novos olhares sobre seus processos, visando ao ensino, à vivência e à aprendizagem socioesportiva e considerando a evolução e a complexidade do esporte, bem como o estímulo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências.

educação

e x p r e s s a p e l o

c o r p o

i m e n t o ?

do movimento, Body-Mind Centering®, uma coletânea de ensaios, entrevistas e

Para mim, o Body-Mind Centering sempre foi,

além de um acúmulo fantástico de experiência,

informação e imagem mental que ilumina os

estados do ser humano em um corpo, uma revisão

educação somática pelo método Body-Mind Centering® radical do processo de aprendizado. A sabedoria jorra de dentro do corpo, literalmente de dentro

p e r c e b e r

Bainbridge Cohen. Sua abordagem inovadora

SENTIR, PERCEBER E AGIR

s e n t i r ,

e e

tem sido o trabalho da vida da educadora

de cada célula.

Ensinar é uma forma de criar um continente no qual é fomentado o aprendizado; como

professores do BMC, colocamos uma estrutura ou acendemos um refletor sobre parte de

e 1980 e 2009. Com base no conhecimento

e

um processo que está sempre continuando.

e do Oriente, Body-Mind Centering®

fluido, órgão, neuroendócrino — e dos

timos 38 anos, o Body-Mind Centering®

mais diversas áreas do trabalho corporal.

ica, terapia, cuidados da saúde,

til e outras disciplinas que podem se

C O H E N

somática.

B A I N B R I D G E

em Sentir, perceber e agir falam a

vidas em dança, artes do espetáculo,

Em nosso treinamento de professores do BMC, enquanto tentamos colocar uma estrutura

Bonnie Bainbridge Cohen 2015 | 364 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-69298-62-5 ao redor de uma estrutura, enquanto investigamos como conduzir um processo que já é um processo

B O N N I E

desenvolvimento subjacentes ao movimento

a g i r

ntal dos principais sistemas corporais —

de investigação, somos forçados a combater a nossa fome de estrutura.

A nossa educação passada nos incita a acreditar que o ensino/a aprendizagem ocorrem

s

e

n

t

i

r

c

e

b

principalmente por estruturas definidas, tangíveis,

,

por aquilo que é falado, visto, avaliado.

Contudo, a minha experiência com o Body-Mind

p

e

r

e

a

g

i

e

r

Centering mostrou que o aprendizado mais

profundo ocorre, com frequência, no conflito de

necessidades, percepções e condições incontroláveis

r

que o nascimento forma. Não há palavras para descrever esse aprendizado. A minha organização

A

a n a t omi a

e x pe ri me n t a l

d o

B od y- Mi n d

C e n t e ri n g

®

interna, agitada e vibrante proporciona, na plenitude do tempo, a forma ou as formas.

Coletânea de ensaios, entrevistas e exercícios escritos para a revista de dança Contact Quarterly, de 1980 a 2009, aborda o trabalho da educadora de movimento Bonnie Baindridge Cohen e sua busca por compreender a relação entre mente e corpo, que resultou no desenvolvimento do Body-Mind Centering (BMC). O método de educação somática BMC é um estudo experimental dos principais sistemas corporais – esquelético, muscular, neuroendócrino – e os padrões evolutivos de desenvolvimento subjacentes ao movimento humano, visando à reabilitação motora e à reeducação corporal. Por esse método, compreende-se que a capacidade de explorar e ampliar os limites do próprio corpo é uma base para a plena realização do indivíduo em todo o seu potencial. As palavras, as estruturas designadas de uma situação, são distrações para a minha mente

cortical de modo que todo o meu self pode ser atraído a experimentar momentos audaciosos

B O N N I E

B A I N B R I D G E

dança

C O H E N

e aterrorizantes de criatividade.

ESPORTES E PRÁTICAS CORPORAIS

75


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS FASES DA VIDA

da gestação à adolescência Ivaldo Bertazzo

O método Bertazzo propõe aos praticantes rever hábitos e principalmente experimentar novas maneiras de preservar e reeducar os movimentos. Após a trilogia publicada com foco no público adulto, Fases da vida aborda desde o período pré-natal até o fim da infância e início da adolescência, período não contemplado especificamente nos livros anteriores. Passa ainda pelo tema da psicomotricidade, conceito fundamental para compreender e estimular o desenvolvimento da criança desde seus primeiros meses de vida, e conduz o leitor na aplicação de exercícios e manobras articulares e musculares.

76


77


FILOSOFIA E POLÍTICA 78


A MEMÓRIA, A JUSTIÇA E O PERDÃO Amelia Valcárcel 2014 | 140 páginas | 14 × 21 cm ISBN 978-85-7995-067-4

O livro investiga a fundo questões relativas ao perdão, sua história e seus marcos de significância. Se o perdão é um tipo de novidade normativa que tem a ver com a memória, esta nunca funciona sem uma base valorativa. Assim, memória e perdão são duas faces da mesma moeda, ainda que cada um se apoie em valores distintos. O tema da memória está em aberto, palpita, e tem no perdão seu oposto: a memória do mal realizado ainda produz medo e ressentimento. Estudá-lo e aplicar a ele a frieza da análise é obrigatório porque não estamos só carentes de perdão – sua necessidade agora é mundial.

A VINGANÇA DE PLATÃO política na era da ecologia William Ophuls 2017 | 264 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-027-9

história, meio ambiente

Neste chamado provocador para uma nova política ecológica, William Ophuls parte de uma premissa radical: “sustentabilidade” é impossível. Estamos em um Titanic industrial, alimentado pelo rápido esgotamento de estoques de hidrocarbonetos fósseis. Ophuls nos adverte que estamos indo para um futuro pós-industrial que, por mais tecnológico e sofisticado, se assemelhará ao passado pré-industrial em muitos aspectos importantes. Com A Vingança de Platão, Ophuls, autor de Ecologia e política da escassez, prevê transformações políticas e sociais que levarão a uma nova política de direito natural baseada nas realidades da ecologia, da física e da psicologia.

FILOSOFIA E POLÍTICA

79


COLEÇÃO DIÁRIOS DE EDGAR MORIN Por meio dos diários de Edgar Morin é possível tomar contato com o intelectual que não se envergonha de mostrar seu lado de homem comum, que se emociona e se indigna ante as situações com as quais se depara. Eles apresentam o pensador sempre questionador e curioso, propondo novas maneiras de abordar o conhecimento, de estar no mundo, de redescobri-lo e redescobrir-se.

CHORAR, AMAR, RIR, COMPREENDER 2012 | 404 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-045-2

Este diário de 1995 discorre sobre as constantes viagens internacionais e correspondências de Edgar Morin. Greves, protestos sociais, o pensamento de outros filósofos e intelectuais e questões ligadas ao nacionalismo exacerbado compõem este percurso que alterna entre o pessoal e o universal.

DIÁRIO DA CALIFÓRNIA 2012 | 256 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-034-6

Este livro corresponde a um relato escrito durante 1969, ano em que Morin residiu na Califórnia, a convite do Salk Institut (centro de pesquisas biológicas presidido por Jonas Salk, Prêmio Nobel de biologia), para desenvolver pesquisas integrando as ciências humanas a outras áreas do conhecimento.

UM ANO SÍSIFO

diário do fim do século 2012 | 560 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-037-7

A obra abrange a descrição dos fatos e problemas ocorridos em 1994, um ano em que todas as iniciativas de Morin para reorganizar sua vida não funcionaram. Ele aborda momentos históricos e a política mundial, bem como sua participação em colóquios internacionais, discussões com amigos e acontecimentos da vida cotidiana.

80


ELOGIO DO POLÍTICO

uma introdução ao século XXI Vincent Peillon 2018 | 192 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-077-4

Nesta obra, Vincent Peillon distingue a política, entendida como aquilo que se relaciona com o poder e seus representantes, do político, visto como a racionalidade necessária à busca do bem comum e da convivência igualitária em sociedade. Segundo o filósofo francês, o caráter apolítico e mesmo “antipolítico” da condição humana contemporânea remete à dissociação do homem com o tempo presente, algo que se deve à globalização e à aceleração do tempo, responsáveis pelo fortalecimento do individualismo e da perda do sentido da vida em comunidade. Desse modo, especialmente em períodos de crise ética, o político é essencial à coexistência, pois restauraria as bases democráticas fragilizadas e desviaria o homem da barbárie.

G ES

AD OT

O

ENSAIOS SOBRE O MEDO

organização | Adauto Novaes Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2007 | 272 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-45-9

A obra reúne 13 intelectuais estrangeiros e brasileiros para discutir o medo na esfera individual e, em especial, suas relações na política. Assim, em seus textos, pensadores como Etienne Klein, Francis Wolff, Jacques Rancière, Jorge Coli, Marcelo Jasmin e Maria Rita Kehl, entre outros, abordam o medo nos âmbitos público e político, passando pela dimensão psicológica do terror. Outra grande questão abordada são as consequências produzidas pelo desenvolvimento tecnocientífico e a ideia de progresso.

Prêmio Jabuti 2008 na categoria Capa.

FILOSOFIA E POLÍTICA

81


ÉTICA E CULTURA

organização | Danilo Santos de Miranda Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2011 | 2ª edição 240 páginas | 11,5 × 20,5 cm ISBN 978-85-7995-013-1

A discussão sobre as relações entre a ética e a cultura em nosso tempo anima os teóricos e estudiosos que, nesta obra, discorrem sobre questões cruciais do pensamento contemporâneo e suas relações com situações sociopolíticas e culturais. Convite à reflexão e à análise crítica, Ética e cultura reúne 14 ensaios que retomam esse tema tão antigo e presente não apenas nas relações cotidianas, mas na história dos pensamentos filosófico, teológico e científico, para readequá-lo ao contexto do início do século XXI.

ÉTICA URGENTE

Fernando Savater 2014 | 148 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-165-7

educação, sociologia

82

Este livro representa o retorno de Fernando Savater ao diálogo com jovens sobre as questões morais que mais os preocupam ou interessam. A crise da política, as novas tecnologias, a internet e o download ilegal, o abuso de poder público e privado, a fraqueza da democracia, as contradições do capitalismo, o terror e a banalização da violência, e também a beleza, a felicidade, a solidariedade, os direitos dos animais, a justiça e a igualdade social são algumas das questões tratadas pelo autor a partir de questionamentos feitos aos jovens. Contudo, o livro não se restringe apenas a esse público, mas interessa a qualquer cidadão que se preocupe com a urgência de conquistar uma sociedade melhor no futuro.


NÃO EXISTE AMOR PERFEITO Francis Wolff 2018 | 128 páginas | 12,5 x 21 cm ISBN 978-85-9493-082-8

Neste livro, o autor Francis Wolff procura definir, a partir do ponto de vista filosófico, o mais contraditório e universal dos sentimentos, o amor. Mesmo diante de um sentimento que jamais se deixa apreender por completo, Wolff se debruça inicialmente sobre os diversos tipos de amor para, em seguida, desbravar o núcleo central de sua proposição: a ideia de que o amor é construído a partir de um triângulo com os vértices da amizade, do desejo e da paixão. Porém, como tais elementos nunca se harmonizam entre si, temos que o amor é um permanente combate dos três em intensidades variantes, o que permite a esse triângulo inconstante esclarecer, justificar e acomodar em nós a inquietude do amor e sua intrínseca, absoluta e humana imperfeição.

FILOSOFIA E POLÍTICA

83


MEU ALFABETO

ensaios de literatura, cultura e psicanálise Julia Kristeva 2017 | 160 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-046-0

ciências da mente e comportamento antropologia

Em um conjunto heterogêneo de textos, a autora questiona o sentido do tempo e da liberdade, apresentando análises de temas contemporâneos como o humanismo no século XXI, literatura, diversidade cultural, o papel político-social das mulheres, além de questões políticas e antropológicas colocadas pela globalização e pela hiperconexão. Propõe também uma concepção renovada da cultura europeia em sua essência, sem ignorar problemas e tensões decorrentes da realidade socioeconômica atual.

A CONDIÇÃO HUMANA

as aventuras do homem em tempos de mutações organização | Adauto Novaes Edições Sesc São Paulo e Agir Editora 2009 | 488 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-90-9

Hoje, o pensamento vem a reboque dos acontecimentos, o estilo de vida e as concepções de mundo atuais são superficiais e mecânicos, e os antigos paradigmas são insuficientes para entendê-los. Vivemos na confluência de um mundo que não acabou e de outro que ainda não se realizou, um novo fenômeno a que se pode denominar mutação. Esta obra discute a condição do ser humano e suas relações nesse contexto e também seu extremo, o não humano, em três eixos: fundamentos do humano, visões trágicas do humano e caminhos para o pós-humano.

84


MUTAÇÕES

a experiência do pensamento organização | Adauto Novaes 2010 | 432 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-004-9

Muitas vezes, a realidade se define pela velocidade da reprodução técnica, fazendo que o pensamento hoje fique relegado a um plano secundário. As novas tecnologias e a aceleração das comunicações indicam uma realidade que se estrutura como bloqueio à reflexão. Esta obra discute como se dá a experiência do pensamento no mundo dominado pela tecnociência. Seus ensaios propõem uma crítica à ciência que se basta em suas experimentações e axiomas e que se desvincula das questões referentes ao fundamento e à experiência do pensamento.

MUTAÇÕES

a invenção das crenças organização | Adauto Novaes 2011 | 532 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-014-8

Em um mundo sem a crença em Deus ou no humanismo, a ciência e a técnica buscam ocupar esse vazio incorporando os princípios divinos da onipresença, onipotência e onisciência. Esta obra discute os efeitos da revolução tecnocientífica sobre as crenças, não apenas as religiosas, como também os ideais políticos, os valores morais e éticos, as novas visões de mundo e o imaginário artístico. Assim, são abordados conceitos como indeterminação, incerteza, dúvida, ateísmo, niilismo e ceticismo, em busca de um amplo entendimento sobre a ideia de crença na era da tecnociência.

FILOSOFIA E POLÍTICA

85


MUTAÇÕES

elogio à preguiça

organização | Adauto Novaes 2012 | 504 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-035-3

Por estar o trabalho tão presente na concepção de progresso e construção da civilização, muitas vezes o trabalhador perde consciência de suas contradições. Nesse sentido, refletir sobre seu oposto, o ócio, é se pôr à distância para poder, assim, repensar o sentido da vida no mundo do trabalho incessante. Elogio à preguiça é o quinto livro da série Mutações, organizada por Adauto Novaes. Nele, 22 pensadores tomam a preguiça ou o universo do preguiçoso como fundo para discussões sobre temas como poesia e preguiça; o laço invisível que ata preguiça e pecado; a produtividade do trabalho e a falsa promessa do tempo liberado; e o elogio dos gregos à preguiça, para quem “pensar é o passeio da alma”.

Prêmio Jabuti 2013 na categoria Ciências Humanas.

MUTAÇÕES

o futuro não é mais o que era organização | Adauto Novaes 2013 | 544 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-064-3

Esta obra propõe uma investigação sobre a percepção do tempo na contemporaneidade a partir de inspirações filosóficas de pensadores clássicos. Seus ensaios apresentam uma breve incursão sobre a natureza do tempo, analisam as relações que os homens estabeleceram com o futuro ao longo da história, e as que podemos estabelecer hoje como nosso devir, num tempo em que os ideais revolucionários e a própria ideia de esperança estão em baixa, e a tecnociência, a biotecnologia e a revolução digital pretendem dar resposta a tudo e a tudo prever.

86


MUTAÇÕES

o silêncio e a prosa do mundo organização | Adauto Novaes 2014 | 528 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-102-2

Os ensaios deste sétimo livro da série Mutações tratam do conceito de fala, que dá forma e expressão às reflexões e paixões, e do silêncio diante do grande volume de informações produzidas atualmente. O silêncio é pensado como forma de transgressão, e a prosa como trabalho de criação de obras de arte e do pensamento. Assim, em um contexto dialético, são abordados a fala poética; a origem da fala; o lugar comum; o discurso político; a mentira; as transformações silenciosas; as interações entre fala e sentidos, imaginação e silêncio, música e silêncio, entre outras.

MUTAÇÕES

fontes passionais da violência organização | Adauto Novaes 2015 | 540 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-11-3

O oitavo livro da série Mutações, Fontes passionais da violência, pensa o homem e suas paixões diante dos novos tempos, que fascinam, mas também assombram. As evidentes dificuldades da empreitada implicam o cuidadoso exame de questões referentes ao seu contexto: o que se entende por civilização técnica? O que é feito do homem diante da revolução tecnocientífica, biotecnológica e digital? Que papel tem hoje o espírito, entendido como inteligência ou potência de transformação criadora? Os 23 ensaios que compõem a obra colaboram para que estejamos mais aptos a transitar pelas esferas do pensamento crítico, por meio do qual o mundo parece um lugar menos ameaçador.

Prêmio Jabuti 2016 na categoria Ciências humanas.

FILOSOFIA E POLÍTICA

87


MUTAÇÕES

o novo espírito utópico organização | Adauto Novaes 2016 | 408 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-83-0

O nono livro da série Mutações, O novo espírito utópico, remete o leitor, de imediato, às perspectivas criadas pelas revoluções tecnocientíficas e biotecnológicas, e à criação de um novo homem que passaria a habitar o admirável mundo novo. Entretanto, essa segunda perspectiva implícita no livro é a de que no mundo contemporâneo, absolutamente dominado pela racionalidade técnica, a atividade de pensar também se converte em utopia quando se sabe que o espírito – ou a inteligência – tende a se tornar coisa supérflua. A utopia, como propõem os ensaios do livro, consiste na energia empregada pelo espírito sobre si mesmo, que se expressa em cada ação pensada.

MUTAÇÕES

novas configurações do mundo organização | Adauto Novaes Edições Sesc São Paulo 2017 | 2ª edição 432 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-030-9

Mutações coloca em discussão as transformações tecnocientíficas, as novas propostas de vida que a tecnologia vem apresentando e a derrocada de sólidos paradigmas morais, éticos e políticos. O livro procura discutir o conceito de mutação na filosofia, na antropologia, na biologia, na física, nas artes e na política, e seus ensaios refletem sobre a velocidade das mutações hoje, registrando um momento de incerteza e deslocamentos em que ainda não é possível reconhecer se vivemos a continuidade ou a descontinuidade entre passado e presente.

88


MUTAÇÕES

entre dois mundos

organização | Adauto Novaes 2017 | 504 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-052-1

Este livro retoma os temas discutidos ao longo de trinta anos de conferências promovidas por Adauto Novaes, enquanto celebra dez anos da série de livros Mutações. Essa retomada busca repensar esses temas à luz das mutações que o tempo proporciona, e também pensar o que eles ainda comportam e restou impensado. Os ensaios nascidos dessa proposta delineiam a confluência entre um mundo que está definhando e outro que ainda não começou. Nessa reflexão cabem questões e diretrizes importantes como, por exemplo, dar visibilidade ao pensamento que procura reestruturar-se e questionar a ética, as artes, a condição humana, a convivência e a política no contexto dos novos valores trazidos pela ciência e pela técnica.

ÓCIO ESTÉTICO VALIOSO María Luisa Amigo Fernández de Arroyabe 2018 | 288 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-107-8

artes visuais

O livro discute as relações entre a teoria do ócio e a estética, tendo em vista o impacto do desfrute da arte durante os momentos de ócio para o desenvolvimento humano, sob a perspectiva do indivíduo e da sociedade que o cerca. Essa experiência pode ser compreendida sob a perspectiva da transcendência, assim como da cognição, e reconhecida como símbolo da experiência da vida. É que a arte se constitui como um saber sobre a condição humana, distinguindo-se de outros modos de conhecimento. Daí seu caráter libertário não apenas do ponto de vista da práxis mas, sobretudo, como instrumento político transformador.

FILOSOFIA E POLÍTICA

89


SAPIENTIA

uma arqueologia de saberes esquecidos organização | Norval Baitello Junior e Christoph Wulf 2018 | 304 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-097-2

antropologia

ES

D TA

GO

O

sociologia

90

Fruto de um seminário ocorrido no Sesc Consolação em 2015, este livro traz reflexões de intelectuais brasileiros e alemães sobre o tema da sabedoria no mundo contemporâneo. Educar para sabedoria, a relação entre saber e não saber, a sabedoria frente ao poder da economia, a sabedoria e o futuro e a sabedoria do coração são alguns dos temas abordados nesta obra, que pretende resgatar e qualificar uma discussão passível de aguçar nossa capacidade de discernimento em um cotidiano inundado pelo excesso de informações.

SIGNOS, MÁQUINAS, SUBJETIVIDADES Maurizio Lazzarato Edições Sesc São Paulo e n-1 Edições 2014 | 416 páginas | 15 × 21 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-099-5

O capitalismo precisa e produz uma subjetividade à sua imagem e semelhança. Mas como isso se dá no contexto atual? Inspirado no pensamento original de Félix Guattari, o sociólogo e filósofo italiano Maurizio Lazzarato disseca em Signos, máquinas, subjetividades as modalidades de “sujeição” produzidas pelo neoliberalismo, bem como a “servidão maquínica” que lhe é inerente. Não é só o aspecto molecular e afetivo do capital que vem à tona, mas todo o “maquinismo” que rege nossas vidas, dos cartões de crédito ao fluxo de informações. O livro é um sopro na imaginação contemporânea, essencial para quem tenta compreender o que acontece à nossa volta, por que a representação política perde seu fôlego, como funcionam os poderes e que modalidades de resistência podem ser criadas.


SOCIOFOBIA

mudança política na era da utopia digital César Rendueles prefácio | Oswaldo Giacoia Junior 2016 | 204 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-91-5

cultura digital

O consenso ideológico do nosso tempo é a capacidade de as tecnologias da comunicação induzirem dinâmicas sociais positivas. A economia do conhecimento é considerada solução para a deterioração dos mercados; as redes sociais são o remédio para a fragilização da nossa vida; a ciberpolítica aspira a regenerar nossas democracias exaustas. Gostamos de imaginar a internet como sendo capaz de transformar os dilemas herdados da modernidade. Sociofobia questiona esse dogma ciberfetichista. A ideologia da rede vem rebaixando nossas expectativas quanto ao que esperar da intervenção política ou das relações pessoais.

VIDA VÍCIO VIRTUDE

organização | Adauto Novaes Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2009 | 312 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-91-6

Os ensaios reunidos nesta obra buscam investigar os valores, as virtudes e os vícios que governam o viver neste mundo transformado em coisa, em objeto de consumo. Os temas abordados são: a liberdade, por Marilena Chaui; a indiferença, por Renato Lessa; a intolerância, por Eugênio Bucci; a amizade, por Marcelo Coelho; a passividade, por Maria Rita Kehl; a vergonha, por Ruwen Ogien; a intemperança, por Renato Janine Ribeiro; a justiça, por Francis Wolff; a tolerância, por Michel Déguy; a sabedoria, por Marcelo Perine; e o vazio do pensamento, por Franklin Leopoldo e Silva.

FILOSOFIA E POLÍTICA

91


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS A PRESENÇA DE SIMONE DE BEAUVOIR HOJE Julia Kristeva

Nesta obra, Julia Kristeva se debruça sobre a atualidade da escritora francesa Simone de Beauvoir, que marcou a metade do século XX com a publicação de O segundo sexo, um tratado sobre a condição das mulheres no período. Abordando tópicos como sexualidade, política, maternidade, feminismo, psicanálise e, principalmente, liberdade, Kristeva faz uma leitura pessoal de Beauvoir e, com isso, busca apreender o feminino hoje. A obra conta ainda com textos dedicados ao trabalho e às experiências de vencedoras do Prêmio Simone de Beauvoir, criado por Kristeva em 2008, como a jovem Malala Yousafzai, as chinesas Ai Xiaoming e Guo Jianmei, a médica e escritora Talisma Nasreen e a ativista Ayaan Hirsi Ali.

MUTAÇÕES

dissonâncias do progresso organização | Adauto Novaes

Décimo-primeiro livro da série Mutações, Dissonâncias do progresso discute como o progresso da tecnologia gerou inegáveis benefícios para a humanidade – como avanços na medicina e na comunicação –, facilitando nosso cotidiano. Em contrapartida, trouxe velocidade e superficialidade para as relações do ser humano com seu entorno, e degradou de diversas formas a vida atual com a exacerbação do individualismo, a substituição dos valores morais, a supervalorização das crenças religiosas, a economia como referencial maior da vida em comum, o saber dos especialistas em detrimento dos pensadores. Os ensaios deste volume analisam essa situação e apontam caminhos para reflexão.

92


FILOSOFIA E POLÍTICA

93


FOTOGRAFIA 94


ÁLBUM

imagens musicais

fotos | Marco Aurelio Olimpio organização | Simonetta Persichetti e Thales Trigo 2009 | 184 páginas | 29 × 29 cm 148 fotos p&b ISBN 978-85-98112-78-7

música

Após mais de duas décadas fotografando em preto e branco os músicos brasileiros em momentos únicos no palco, Marco Aurelio Olimpio reuniu registros importantes da bossa nova, da tropicália, dos sambas paulista e carioca, da jovem guarda, da vanguarda paulista e do rock nacional. Sua maneira de pensar a fotografia, seu método de trabalho diante de um palco vivo, as escolhas e os pensamentos antes, durante e após cada clique estão na entrevista que concedeu aos organizadores do livro.

AMAZÔNIA OCUPADA

João Farkas Edições Sesc São Paulo e Editora Madalena 2015 | 238 páginas | 30 × 20 cm Português/inglês 107 fotos coloridas e p&b ISBN 978-85-69298-44-1

meio ambiente

As mais de duzentas fotografias que compõem a obra Amazônia ocupada são o resultado do olhar conciso e apurado do fotógrafo João Farkas, que realizou uma incursão no interior da Amazônia entre as décadas de 1980 e 1990 para desnudar o lugar comum com que muitas vezes nosso imaginário veste o norte brasileiro. Espaço de conflitos e confluências, a Amazônia é revelada em multifacetas, que vão desde os garimpeiros até os indígenas, missionários, grileiros e migrantes. Com o aparato dos textos de Paulo Herkenhoff, Ricardo Lessa, Lilia Moritz Schwarcz e do próprio Farkas, o livro é um convite desafiador a todos aqueles que queiram redescobrir e desbravar novos velhos mundos.

FOTOGRAFIA

95


CAMINHOS

volta ao mundo de bicicleta Argus Caruso Saturnino 2015 | 2ª edição 248 páginas | 31 × 22 cm Português/inglês 158 fotos coloridas ISBN 978-85-69298-43-4

Em dezembro de 2001, o arquiteto Argus Caruso Saturnino saiu de Cordisburgo, Minas Gerais, para uma viagem de volta ao mundo de bicicleta que se estendeu até março de 2005. Seguindo na direção oeste, ele passou por 28 países e refez as rotas dos Incas, da Companhia das Índias Orientais e da Seda. Esta nova edição, além de fotos e histórias sobre o contato com diversos povos e culturas, apresenta um novo texto em que o autor conta como transcorreram os dez anos após o seu retorno, discutindo mobilidade, novos projetos e aprendizados que permanecerão por toda a sua vida.

CARLOS MOREIRA – SÃO PAULO organização | Rosely Nakagawa Edições Sesc São Paulo e Editora Tempo d’Imagem 2014 | 204 páginas | 30 × 29 cm Português/inglês 111 fotos p&b e coloridas ISBN 978-85-7995-084-1

arquitetura e urbanismo

96

Neste livro, o fotógrafo Carlos Moreira reúne imagens da cidade de São Paulo feitas entre 1960 e 2000. Ao registrar o cotidiano da metrópole e seus múltiplos personagens, o artista capta o impacto das transformações da paisagem urbana em instantes ímpares, traduzidos pelo crescimento e adensamento populacional, a dinâmica dos passantes em praças, ruas e avenidas e o surgimento de marcos arquitetônicos relevantes para a capital. Destaca-se ainda o fato de Moreira fotografar diariamente, o que lhe permite, além de captar a beleza árida de São Paulo, relevar o ritmo da cidade e daqueles que vivem nela.


CÉU DE LUIZ

fotos | Tiago Santana texto | Audálio Dantas Edições Sesc São Paulo e Editora Tempo d’Imagem 2013 | 156 páginas | 28 × 28 cm Português/inglês/espanhol 57 fotos p&b ISBN 978-85-7995-083-4

música

O livro homenageia o centenário de nascimento de Luiz Gonzaga, compositor e instrumentista popular conhecido como o Rei do Baião. A obra traz fotografias sobre a vida no sertão nordestino e textos que abrangem os principais momentos da vida do músico, constituindo-se como um inventário que possibilita compreender quem foi, onde viveu e em que contexto desenvolveu a excelência de sua produção. Acompanhado de sanfona, zabumba e triângulo, Gonzaga levou a alegria das festas juninas e do forró ao restante do Brasil, ao mesmo tempo em que sensibilizou o público acerca da pobreza, das tristezas e das injustiças de sua terra.

FOTOGRAFIA DE PALCO Lenise Pinheiro 2015 | 2ª edição 460 páginas | 23 × 30 cm 686 fotos coloridas e p&b ISBN 978-85-69298-39-7

teatro

A fotografia de palco é sempre desafiada pela complexidade do espaço cênico, onde movimentos e objetos costuram narrativas que são interpretadas pela plateia. Registrar instantes que revelam os atores, as cenas e os bastidores da vida, atentando para as minúcias e catarses, exige uma escolha estética que vincula o teatro e a fotografia. Ao compilar cenas de peças teatrais levadas aos palcos brasileiros, esta obra apresenta um recorte histórico que representa uma memória do teatro nacional em 25 anos de carreira da fotógrafa Lenise Pinheiro. Estruturado a partir de cinco temas – camarins, cenários, figurinos, cenas e ensaios –, o livro também traz artigos de importantes personalidades da cultura, como Otavio Frias Filho, Daniela Thomas, Zé Celso Martinez Corrêa, Ney Latorraca, entre outros. Prêmio de Melhor Publicação Dedicada ao Universo do Teatro, da Cooperativa Paulista de Teatro, em 2008.

FOTOGRAFIA

97


FOTOGRAFIA DE PALCO II Lenise Pinheiro 2015 | 476 páginas | 23 × 30 cm 543 fotos coloridas e p&b ISBN 978-85-69298-21-2

teatro

Registrando a história viva e recente do teatro brasileiro, Lenise Pinheiro traz ao público, neste segundo volume de Fotografia de palco, parte do acervo de imagens captadas ao longo dos últimos anos em bastidores, camarins e palcos. Acompanham textos de Beatriz Sayad, Bob Wolfenson, Denise Fraga, Francisco Carlos, Guilherme Bonfanti, Leopoldo Pacheco, Luiz Fernando Ramos, Marcelo Coelho, Marisa Orth e Valmir Santos, que testemunham a agudeza do olhar da fotógrafa e sua capacidade de composição imagética, firmemente aliada ao espírito gregário do teatro.

GERAÇÃO ØØ

a nova fotografia brasileira organização | Eder Chiodetto 2013 | 272 páginas | 24 × 24 cm Português/inglês 473 fotos p&b e coloridas ISBN 978-85-7995-069-8

Na primeira década do século XXI, o pensamento e a produção da fotografia foram alterados pela disseminação das câmeras digitais, da circulação das imagens via internet e dos softwares de pós-produção. Ao mesmo tempo, a fotografia atingiu um novo estatuto ao ganhar crescente espaço nas grandes mostras pelo mundo e no mercado de arte. Nossa cultura antropofágica mostrou-se um processo potente para gerar uma fotografia vibrante, que passou a ser pesquisada e divulgada por curadores e instituições do mundo inteiro. Este livro de referência apresenta 52 expoentes brasileiros nesse cenário.

98


GERALDO DE BARROS E A FOTOGRAFIA organização | Heloisa Espada Edições Sesc São Paulo e Instituto Moreira Salles 2015 | 300 páginas | 25 × 30 cm 413 fotos coloridas e p&b ISBN 978-85-7995-163-3

Geraldo de Barros (1923-1998) é um dos maiores representantes do modernismo no Brasil. Começou a se dedicar à fotografia em 1946, atraído pelas inúmeras possibilidades que o meio proporcionava, como interferir em negativos e criar jogos de luz e sombra para dar a sensação de tridimensionalidade. Sua produção artística se deu por meio de variadas linguagens: pintura, gravura, desenho, artes gráficas e design industrial. Este livro tem como proposta perfazer todo o percurso e as vertentes da produção fotográfica de Geraldo de Barros, considerando o constante diálogo que ela manteve com as demais vertentes da produção desse multiartista. A publicação também traz uma reflexão sobre sua importância no contexto artístico e social por meio de textos críticos de Simone Förster, João Bandeira e Tadeu Chiarelli.

HILDA HILST FERNANDO LEMOS Augusto Massi 2018 | 120 páginas | 23 x 23 cm

O livro traz o primeiro ensaio fotográfico feito por Fernando Lemos no Brasil, logo após sua chegada de Portugal, um ensaio escrito por Augusto Massi, professor da Universidade de São Paulo, e algumas montagens atuais que Fernando Lemos fez de suas fotos originais. O ensaio aborda a produção de Fernando como poeta e fotógrafo, a produção de Hilda como jovem poeta e o encontro com os dois, que resultou nesse texto.

FOTOGRAFIA

99


antropologia

FRECHAL, QUILOMBO PIONEIRO NO BRASIL

da escravidão ao reconhecimento de uma comunidade afrodescendente Christine Leidgens 2018 | 248 páginas | 23 x 22 cm ISBN 978-85-9493-079-8

A fotógrafa belga Christine Leidgens parte da experiência de seis anos vividos na comunidade de Frechal, no Maranhão, para apresentar ao leitor a história dos descendentes de escravizados que lá habitam em fotos, depoimentos, textos e mapas.. Frechal foi a primeira das aproximadamente 4 mil comunidades remanescentes de quilombos no Brasil a obter reconhecimento oficial e garantir o pleno uso de sua terra, registrando-a como reserva extrativista. Artigos complementares de Kabengele Munanga, François Houtart, Henry Panhuys, Sergio Ferretti, Ilka Boaventura Leite e Petrônio Domingues explicam por que Frechal se tornou paradigma de luta pela cidadania e pelo respeito à diversidade étnica.

100


KAZUO E YOSHITO OHNO

Quando Kazuo Ohno se apresentou no Brasil pela primeira vez – em abril de 1986, em uma temporada promovida pelo Sesc São Paulo –, um misto de estranhamento e fascínio tomou conta de quem teve o privilégio de conhecer este artista que, na época, aos 80 anos, estava no auge de sua carreira e trazia para o público algo absolutamente novo e perturbador.

Emidio Luisi 2015 | 284 páginas | 24 × 24 cm 132 fotos coloridas e p&b ISBN 978-85-69298-13-7

“Butô é como um peixe em água turva. Para enxergá-lo é preciso muito esforço”, disse Kazuo naquela temporada de estreia, em um encontro com a classe artística realizado no Teatro

Sesc Anchieta. Junto dele permanecia o seu filho, Yoshito Ohno, uma presença constante e discreta até então.

Desencorajando quem pretendia captar ou entender o butô pelas vias imediatistas e

convencionais, Kazuo convidou o público a enxergar sua arte com desprendimento e sem ideias preconcebidas. Como uma experiência de vida, sem tempo fixo para se esgotar.

Com singeleza, transmitiu a síntese de vida e morte, masculino e feminino contida no butô e que, em cena, ele conseguia elevar a uma dimensão sublime e universal.

Naquele ano, Kazuo criou um vínculo com a plateia brasileira, tornando-se referência e inspiração para artistas, intelectuais, espectadores.

Emidio Luisi, que já fotografava dança e teatro desde os anos 1970, não deixou escapar o

momento. Percebendo a grandeza de Kazuo e a importância daquele primeiro contato do

artista japonês com o público brasileiro, Emidio deu início a mais uma coleção de imagens históricas de seu acervo, que prosseguiu nas temporadas seguintes de Kazuo e Yoshito Ohno em São Paulo.

Kazuo teve em Emidio um observador em sintonia com sua arte e seu jeito de ser.

Conduzindo a abordagem com singeleza, desprendimento e despretensão – como lhe é de

costume –, Emidio alcançou a essência artística e humana de Kazuo Ohno, em imagens que transcendem o registro formal. Diante do espetáculo ou nos bastidores, Emidio parece se posicionar como se fizesse parte da natureza do ambiente. Movido por intuição e paixão, chega ao âmago que conjuga arte e humanismo, em imagens que compõem novas histórias e significados. O rosto de Kazuo

Abordando nascimento, morte, sexualidade e inconsciente, o butô compreende e transmite o percurso íntimo do artista em busca dele mesmo em meio às transformações ao seu redor. É como uma experiência de vida, sem tempo fixo para se esgotar, e que, em cena, Kazuo Ohno conseguia elevar a uma dimensão sublime e universal. Emidio Luisi conseguiu registrar essa profundidade ao iniciar um diálogo entre butô e fotografia desde a primeira vez em que Kazuo e Yoshito Ohno se apresentaram no Brasil, em 1986. Diante do espetáculo ou nos bastidores, Luisi alcançou no rosto dos artistas a condição humana. Captando gestos e silêncios, as imagens presentes nesta obra revelam a poética cumplicidade da conversa entre essas duas artes.

retratado por Emidio é plena expressão da condição humana. Transmite uma trajetória de vida pessoal como também espelha um microcosmo comum a todos nós.

Neste livro agora lançado pelas Edições Sesc, Emidio acrescenta, com parcimônia, seus

comentários sobre as circunstâncias que cercaram as fotos realizadas. São reminiscências pessoais, em que a apreensão subjetiva cria uma poética complementar à das imagens.

dança

Prêmio Jabuti 2016 na categoria Arquitetura, Urbanismo, Artes e Fotografia

PATATIVA DO ASSARÉ o sertão dentro de mim

fotos | Tiago Santana texto | Gilmar de Carvalho Edições Sesc São Paulo e Editora Tempo d’Imagem 2010 | 144 páginas | 31 × 24 cm 60 fotos e 10 xilogravuras p&b ISBN 978-85-7995-001-8

Nascido na cidade de Assaré, região do Cariri, Ceará, Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa, é uma referência na poesia brasileira de cunho tradicional e dicção popular. Importante registro e testemunho de um artista e de uma época, o livro homenageia o centenário de nascimento do poeta por meio de fotografias e textos que abrangem os principais momentos de sua vida. Esta obra é um inventário fortemente visual, que possibilita compreender quem foi esse artista, onde viveu e em qual contexto desenvolveu a excelência de sua produção poética.

FOTOGRAFIA

101


GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL 102


sociologia

DIMENSÕES DA CULTURA

políticas culturais e seus desafios Isaura Botelho

Coleção Culturas 2016 | 400 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-77-9

Este livro reúne reflexões de Isaura Botelho sobre políticas culturais e seus desafios, resultado de sua ampla experiência em gestão cultural e pesquisas acadêmicas. Agrupados em quatro partes – “Política cultural”, “Prática cultural”, “Equipamentos culturais” e “Economia da cultura e economia criativa” –, os textos desta obra visam ampliar o debate sobre a formulação de políticas culturais e outras questões relacionadas à cultura. Esta é abordada como um campo de operações a ser definido por pesquisas voltadas para a análise do terreno no qual o Estado ou as instituições privadas atuam, interagindo com a produção cultural e sua recepção, como é o caso dos estudos voltados para as práticas culturais de populações urbanas em sua relação com os equipamentos que a cidade oferece.

GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL

103


ECONOMIA DO PATRIMÔNIO CULTURAL Françoise Benhamou 2016 | 144 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-97-7

Foco de admiração coletiva, o patrimônio cultural tem uma dimensão imaterial e simbólica que delimita seu valor. Neste livro, Françoise Benhamou analisa os valores atribuídos ao patrimônio cultural e, a partir da experiência europeia, detalha informações a fim de enriquecer e especializar os repertórios de avaliação e conservação dos bens culturais. De fundamental importância na gestão desse tipo de patrimônio, tal conhecimento viabiliza sua manutenção e seu financiamento, além de contribuir para o desenvolvimento de estratégias de atração de públicos e o reconhecimento social dos conjuntos preservados.

GUIA BRASILEIRO DE PRODUÇÃO CULTURAL ações que transformam a cidade organização | Cristiane Olivieri e Edson Natale 2016 | 408 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-66-3

Um ícone para produtores e gestores culturais no Brasil, o Guia brasileiro de produção cultural mostra há mais de 20 anos o caminho para a produção e o desenvolvimento de projetos culturais. Contando com um time de consultores e entrevistados de peso, traz uma novidade nesta oitava edição: um caderno temático, que a cada publicação se dedicará a discutir tópicos atuais no contexto da produção cultural. “Ações que transformam a cidade”, o tema desta edição, reflete sobre os espaços urbanos que abrigam, com seus prós e contras, os eventos culturais em torno dos quais nos reunimos.

104


PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS da ideia à ação Coleção Culturas

David Roselló Cerezuela 2014 | 240 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-10-6

A concepção e avaliação de projetos culturais é uma questão que tem instigado gestores culturais no mundo todo. Resultado de mais de 15 anos de experiência profissional e acadêmica, este livro apresenta as condições necessárias, conceitual e metodologicamente aplicadas, para que se possa desenvolver e avaliar um projeto cultural, detalhando os passos e dinâmicas a serem seguidos em sua concepção. Combinando visão utilitarista profissional, com rigor acadêmico, trata-se de uma proposta completa quanto à abrangência teórico-prática.

TURISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL interpretação e qualificação

Flávia Roberta Costa Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2014 | 2ª edição 252 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-115-2

arquitetura e urbanismo

Este livro apresenta uma concepção contemporânea de visitas a bens patrimoniais para o turismo cultural. Trata-se de uma abordagem que considera o turismo como atividade capaz de proporcionar a seus participantes o acesso cultural a bens do patrimônio, auxiliando na comunicação dos conteúdos e significados dos sítios patrimoniais visitados e tornando esses participantes cientes do papel ativo que representam em sua conservação.

GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL

105


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS DIREITO, ARTE E LIBERDADE Coleção Gestão da Cultura

organização | Cristiane Olivieri e Edson Natale

Este livro inaugura a coleção Gestão da cultura, cujos títulos tratarão de temas específicos da área, como a Lei Rouanet, a cadeia de financiamento do audiovisual e as instituições culturais do terceiro setor. Direito, arte e liberdade reflete sobre os conceitos constitucionais das garantias individuais. Apresenta o pensamento crítico de especialistas, a visão arejada de artistas e jornalistas, o ponto de vista de líderes religiosos e a perspectiva dos dilemas de biógrafos e humoristas. Fornece, ainda, ferramentas para que a gestão cultural se relacione com arte e liberdade, em consonância com as urgentes necessidades atuais.

106


107


HISTÓRIA 108


A BIBLIOTECA

uma história mundial James W. P. Campbell fotos | Will Pryce 2015 | 328 páginas | 24 x 30 cm ISBN 978-85-7995-179-4

arquitetura e urbanismo, livro e leitura

Ao longo dos tempos, as coleções de livros têm simbolizado a cultura de seus proprietários; ricos e poderosos gastaram copiosamente para poder abrigá-las. Com formas sofisticadas, a biblioteca se transforma em um completo espaço de trabalho da arte, combinando pintura, escultura, mobiliário e arquitetura. As mais elegantes bibliotecas são repositórios não só de livros, mas de aprendizagem, criatividade e contemplação. Elas reúnem algumas das principais conquistas da humanidade. Este livro conta a história da biblioteca como uma espécie distinta de edifício, ao redor do mundo, por meio de texto e imagens.

AS IMAGENS DA IMAGEM DO SESC Coleção Memórias

Solange Ferraz de Lima 2014 | 264 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-070-4

fotografia, sociologia

Na tentativa de entender quais são as funções da fotografia ao longo de uma trajetória e de que forma a filosofia de uma instituição se materializa na visualidade fotográfica, a autora recorre ao acervo do Sesc São Paulo para tentar desvendar como as imagens contribuíram para a construção e manutenção de sua identidade institucional. Mais do que um modo de olhar o trabalho desenvolvido pela instituição durante grande parte de sua existência, o livro reconhece a fotografia como um documento que ajuda a fundamentar uma história construída por pessoas inseridas em um contexto abrangente e fluido.

HISTÓRIA

109


CENTROS DE MEMÓRIA uma proposta de definição Coleção Culturas

Ana Maria Camargo e Silvana Goulart 2015 | 112 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-164-0

gestão e produção cultural

Nos dias atuais, quando a velocidade do mundo contemporâneo nos dá a impressão de que o tempo escapa à percepção humana, o cultivo da memória assume uma importância capital. Este livro enfoca tal processo no que tange às instituições, a partir de uma reflexão sobre os meios e as finalidades para que organizações públicas e privadas de diversos segmentos reúnam arquivos e experiências pessoais e coletivas de seus membros. As historiadoras Ana Maria Camargo e Silvana Goulart propõem maneiras para que esses acervos se integrem ao funcionamento geral de todos os setores e, ao mesmo tempo, prezem pela identidade e pelos valores originais de sua matriz.

HERANÇA COMPARTILHADA

organização | Matthew Shirts e João Kulcsár Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2013 | 292 páginas | 18 × 25 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-059-9

fotografia

110

O festival Herança Compartilhada, realizado em parceria entre o Sesc São Paulo, o Centro Universitário Senac e o Consulado Geral dos Estados Unidos da América, promove uma discussão sobre os aspectos socioculturais, políticos e econômicos decorrentes da imigração recente no Brasil e nos EUA, e reflete sobre os desafios contemporâneos relacionados a essa questão. Permeado de imagens ligadas ao passado e presente dessa nova realidade cultural, o livro convida à reflexão em torno da herança comum e influência dos recentes fluxos imigratórios por meio de ensaios de pensadores brasileiros e norte-americanos.


1917

o ano que abalou o mundo

organização | Ivana Jinkings e Kim Doria Edições Sesc São Paulo e Boitempo Editorial 2017 | 208 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-064-4

Tendo em vista os aspectos culturais, político-econômicos e filosóficos inaugurados na Revolução Russa de 1917, e a oportunidade do seu centenário, as Edições Sesc São Paulo e a Boitempo Editorial publicam 1917 - O ano que abalou o mundo. No livro, autores como Marilena Chaui, Isabel Loureiro, Tamas Krausz, José Luiz Del Roio, Arlete Cavaliere e Bruno Gomide tratam em profundidade de temas como a influência e a herança do movimento no Brasil, as relações entre pensamento filosófico e revolução, a participação das mulheres revolucionárias, o legado da Revolução, o cinema soviético e a literatura russa. Todos os textos são seguidos por fotografias e cartazes de época, que discutem e representam o legado e o processo da Revolução.

HISTÓRIA

111


MITOLOGIA

um guia dos mundos imaginários Christopher Dell 2014 | 352 páginas | 23 × 24 cm ISBN 978-85-7995-096-4

Cada cultura tem seus próprios mitos, e neste compêndio estão reunidas algumas das lendas mais duradouras da humanidade. São histórias provenientes das mitologias judaico-cristã, grega, romana, egípcia, hindu, aborígine australiana, mesopotâmica, chinesa, japonesa, coreana, celta e americanas, abordando a criação do mundo, os amores eternos, os deuses e heróis, os monstros, a vida após a morte e o submundo. Nesta obra, é possível verificar como muitos mitos apresentam padrões comuns e como a imaginação humana, em toda a sua diversidade, vem se expressando através dos tempos. Com imagens belas e bizarras, Mitologia agrada os interessados em conhecer o mundo que nos cerca sob a ótica das histórias mitológicas.

OS SERTÕES

edição comemorativa dos 150 anos de nascimento de Euclides da Cunha Euclides da Cunha edição crítica e organização | Walnice Nogueira Galvão Edições Sesc São Paulo e Ubu Editora 2016 | 704 páginas | 15 x 23cm ISBN 978-85-69298-96-0

Considerado um livro clássico para entender o Brasil, Os sertões foi escrito a partir do trabalho jornalístico de Euclides da Cunha sobre a rebelião de Canudos (18961897), liderada por Antônio Conselheiro e duramente reprimida pelas tropas da República. Além do texto estabelecido pela edição crítica de Walnice Nogueira Galvão, o volume conta com uma extensa fortuna crítica, reprodução de páginas das cadernetas de campo de Euclides da Cunha e um conjunto de imagens de Flávio de Barros, único registro fotográfico conhecido do conflito. Esta edição crítica comemorativa foi publicada por ocasião dos 150 anos de nascimento de Euclides da Cunha, em janeiro de 2016.

112


CIVILIZAÇÃO ISLÂMICA EM TRINTA BIOGRAFIAS Chase F. Robinson 2017 | 272 páginas | 16 x 24 cm ISBN 978-85-9493-039-2

Esta obra traz uma introdução aos primeiros mil anos de história islâmica, apresentando califas, sultões, estudiosos, místicos, escritores e viajantes que moldaram e refletiram a diversidade da civilização islâmica. Começando pelo coração do Islã, Meca, e se expandindo desde o Norte da África e Península Ibérica, no Oeste, até a África Central e Oriental, o autor não só rastreia a ascensão e queda dos estados islâmicos através de biografias de líderes políticos e militares que se esforçaram para garantir a paz e expandir o seu poder, mas aborda também aqueles que desenvolveram leis islâmicas, ciência e literatura desde o profeta Muhammad, no século VII, até o conquistador Timur, no século XIV, e o sultão otomano Mehmed II, no século XV.

HISTÓRIA

113


G ES

AD OT

O

PIO & MÁRIO

diálogo da vida inteira

Pio Lourenço Corrêa e Mário de Andrade introdução e notas | Antonio Candido e Gilda de Mello e Souza Edições Sesc São Paulo e Editora Ouro sobre Azul 2009 | 424 páginas | 18 × 28 cm ISBN 978-85-98112-83-1

O livro reúne 204 correspondências trocadas entre Mário de Andrade e Pio Lourenço Corrêa durante os anos de 1917 a 1945. As cartas revelam a relação afetiva de Mário de Andrade com Pio Lourenço, fazendeiro que adquiriu, por conta própria, grande conhecimento em linguística e ciências naturais. Com notas e textos de Antonio Candido e Gilda de Mello e Souza, a publicação traz ainda um abrangente registro fotográfico de pessoas, lugares e eventos importantes na reconstrução da história comum aos correspondentes.

SOBRE A ARTE BRASILEIRA da pré-história aos anos 1960

organização | Fabiana Werneck Barcinski Edições Sesc São Paulo e Editora WMF Martins Fontes 2015 | 368 páginas | 18 x 26 cm ISBN 978-85-7995-090-2

artes visuais

114

A coletânea tem o desafio de refletir sobre como se escreve a respeito da arte brasileira em si e de sua história, questionando-se sobre as especificidades da produção aqui realizada, tendo em vista o contexto artístico internacional no mundo ocidental. Com artigos escritos por historiadores e sociólogos da arte, como Francisco Alambert, Anne-Marie Pessis, Gabriela Martin, Valeria Piccoli, Myriam Ribeiro, Elaine Dias, Luciano Migliaccio, Ana Paula Simioni, Glaucia Villas Bôas, Paula Braga e Ricardo Lima, a obra abrange desde a chamada arte pré-histórica até movimentos como o maneirismo, o barroco, a belle époque, o modernismo, o concretismo, entre outros.


artes visuais

CHINA: UMA HISTÓRIA EM OBJETOS Jessica Harrison-Hall 2018 | 352 páginas | 17,5 x 24,5 cm ISBN 978-85-9493-100-9

Esta introdução ilustrada à história da China traz um panorama da evolução do país desde o período neolítico até o presente por meio de seus objetos. Jessica Harrison-Hall traça esta transformação de civilização antiga em nação mais populosa e economia mais influente no mundo valendo-se de uma miríade de temas, incluindo teatro chinês, artes decorativas, vestuário, joalheria e movelaria. Este volume é um passo importante para a compreensão dessa grande nação ascendente que, em tantos aspectos, ainda é desconhecida para o mundo.

HISTÓRIA

115


UTOPIA

a história de uma ideia Gregory Claeys 2013 | 224 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-042-1

Aspirações a uma melhor e até perfeita sociedade têm existido ao longo dos séculos, levando filósofos, poetas, sociólogos, arquitetos, artistas e outros a criarem minuciosas utopias. Gregory Claeys, importante estudioso da área, pesquisa a influência da ideia de utopia na história, literatura, arquitetura, arte, política e religião. Os mitos da criação, arquétipos do céu e inferno, descobertas de novos mundos, eras de revolução e progresso tecnológico, comunidades modelo, distopias políticas e ecológicas, viagens espaciais e ficção científica são temas discutidos nesta história ilustrada de uma poderosa ideia: a busca da sociedade ideal desde os tempos clássicos até os dias atuais.

UMA NOVA INTRODUÇÃO À ARTE DO SÉCULO XX Jean-Philippe Domecq 2017 | 200 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-017-0

Com desconfiança e ceticismo, Jean-Philippe Domecq trata do senso comum que circunda o olhar à arte do século passado. Ao discorrer sobre Pablo Picasso, Henri Matisse, Marcel Duchamp, Mark Rothko, René Magritte, Piet Mondrian, Alberto Giacometti, Charles Baudelaire, entre outros, o autor aborda a pintura, a escultura e a literatura a partir de pontos de vista pouco convencionais e com a proposta de desconstrução das reflexões sobre a arte e sua crítica comumente elogiosa, não raro incontestável. Este livro é um convite à dúvida, ao incômodo, à saída da zona de conforto intelectual e à ampliação do pensar.

116


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS MAIO DE 68 E SEUS DESDOBRAMENTOS Kristin Ross

Em Maio de 68 e seus desdobramentos, a historiadora americana Kristin Ross desenvolve uma investigação rigorosa sobre os eventos de 1968 em Paris e o processo de construção e desconstrução de sua historiografia. Colocando a memória social em perspectiva, a autora examina as tentativas de instrumentalização do movimento, a capacidade de resistência da memória coletiva, a manipulação de lembranças e as sucessivas tentativas de sedimentar e monopolizar as imagens dos eventos ocorridos naquele ano.

MERCADOS E FEIRAS LIVRES EM SÃO PAULO (1867-1933) Francis Márcio Alves Manzoni

Esta obra trata da experiência de imigrantes e pobres envolvidos na produção e no comércio de alimentos na cidade de São Paulo entre meados do século XIX e as primeiras décadas do século XX, procurando dar visibilidade à presença dessa população na cidade e identificando seus territórios de moradia e trabalho, analisando suas relações com a administração municipal e acompanhando seus deslocamentos e suas formas de interação com a reforma urbanística promovida em São Paulo na primeira década do século XX.

HISTÓRIA

117


PRAZERES E PECADOS DO SEXO NA HISTÓRIA DO BRASIL Paulo Sérgio do Carmo

O livro traça um panorama da sexualidade no Brasil desde a chegada dos europeus e de seus primeiros contatos com os povos autóctones, até os dias atuais, quando a discussão sobre gênero alcança dimensões políticas e sociais de proporções semelhantes às da revolução sexual dos anos 1960. Para apresentar os mitos, tabus, impedimentos e subversões, o autor lança mão de uma pesquisa que parte de documentos históricos – e retóricos, como não se pode deixar de perceber nos escritos dos séculos XVI e XVII –, estudos, memórias, romances e anedotas, equiparando discursos variados e alcançando, a partir dessa metodologia, um texto atraente sem perder o rigor teórico.

VÁRZEA DO CARMO A PARQUE DOM PEDRO II de atributo natural a artefato Vanessa Costa Ribeiro

Em confluência com a importância e a necessidade de compreendermos a tão pouco difundida história de São Paulo, e com base na análise de representações visuais da Várzea do Carmo, porção da várzea do rio Tamanduateí entre o núcleo antigo da cidade e o povoado do Brás, este livro trata das transformações urbanas dessa região que conhecemos hoje como Parque Dom Pedro II, relatando o entorno, as pessoas, a infraestrutura, a ocupação do espaço e o comércio que ali existia entre as décadas de 1890 e 1950.

118


119


IDOSOS 120


COEDUCAÇÃO ENTRE GERAÇÕES José Carlos Ferrigno 2010 | 2ª edição 256 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-96-1

ciências da mente e comportamento

Em sua segunda edição, Coeducação entre gerações mostra como o lazer e a troca de experiências podem reduzir a segregação e o preconceito entre pessoas de idades muito distintas. A obra avalia criticamente a importância do cultivo e da transmissão da memória, investigando questões como o modo de vida e os interesses das diversas gerações na sociedade moderna, a ocorrência e a percepção de mudanças nesse sentido, as trocas de afeto e a possibilidade do fomento de processos de educação recíproca.

CONFLITO E COOPERAÇÃO ENTRE GERAÇÕES Coleção Acadêmica

José Carlos Ferrigno 2013 | 232 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-065-0

ciências da mente e comportamento

Partindo do princípio de que não há juventude ou velhice no singular, mas diferentes realidades envolvendo jovens e velhos, Conflito e cooperação entre gerações discute as diferenças sociais entre essas gerações em nosso país, propondo o lazer como estratégia de aproximação. Concebido como doutoramento na área de psicologia social, o estudo associa a pesquisa teórica a um vasto trabalho de campo, embasado em entrevistas de jovens e idosos. A partir dessa proposta, abordam-se os seguintes eixos: novas formas de envelhecer, conflitos, cooperação e solidariedade entre gerações e o lúdico como forma de socialização. O livro traz, ainda, um histórico de programas intergeracionais, dentre os quais o da Unesco e o Programa Sesc Gerações.

IDOSOS

121


ESPORTE PARA IDOSOS uma abordagem inclusiva

organização | Maria Aparecida Ceciliano de Souza 2010 | 156 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-85-5

esportes e práticas corporais

Além de proporcionar benefícios físicos, a participação em grupos de atividades físico-esportivas colabora no despertar e na manutenção da autoestima e da consciência corporal e na interação social. Esta obra foi produzida a partir de encontros de capacitação de professores do Sesc, que renovaram as discussões sobre conteúdos específicos de atividades para idosos. Seu objetivo é contribuir para o trabalho prático na área de esportes destinados a essa faixa etária, definindo metas, conceitos e metodologia e sugerindo propostas de ação.

IDOSOS NO BRASIL

vivências, desafios e expectativas na terceira idade

organização | Anita Liberalesso Neri Edições Sesc São Paulo, Sesc Nacional e Fundação Perseu Abramo 2007 | 288 páginas | 17 x 24 cm ISBN 978-85-98112-49-7

sociologia

122

Que idade deve ter uma pessoa para que seja definida como idosa, segundo a opinião dos próprios idosos e dos mais jovens? Quem tem opinião mais negativa sobre a velhice: idosos ou não idosos? Qual é a relação entre escolaridade, renda, cor e gênero na determinação do acesso de idosos e não idosos às oportunidades e aos benefícios sociais? Esses e outros assuntos são debatidos neste livro, tendo como base uma ampla pesquisa e artigos de profissionais de diversas áreas e de estudiosos dos fenômenos da velhice e do envelhecimento.


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS VIVER A CIDADE, ENVELHECER NA CIDADE

os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal Andréa Holz Pfützenreuter

Uma questão está cada vez mais na pauta das cidades brasileiras: elas estão preparadas para a longevidade? Com o aumento da população idosa, os espaços de convívio e as conexões urbanas devem ser reavaliados para priorizar o pedestre. É nesse contexto que Andréa Holz Pfützenreuter investiga o processo de envelhecer na cidade com qualidade de vida, tendo como pressuposto o direito à cidade – a possibilidade de uso do espaço público da cidade por qualquer pessoa, independentemente de sua faixa etária e de sua condição socioeconômica. arquitetura e urbanismo

IDOSOS

123


LIVRO E LEITURA 124


educação

A LEITURA, OUTRA REVOLUÇÃO María Teresa Andruetto 2017 | 168 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-008-8

Esta obra reúne uma série de palestras e conferências sobre literatura infantil proferidas por María Teresa Andruetto nos anos 2000, todas ligadas ao livro, à leitura, à poesia e à linguagem. Para a autora, a questão não é se hoje em dia existem mais ou menos leitores, mas o que fazer para melhorar a qualidade de leitura, uma tarefa que envolve não só as famílias e as escolas, mas espaços de leitura, onde podemos desenvolver uma consciência sobre nós mesmos, e também escritores e editores que, por meio de seus trabalhos, criam um ou outro tipo de leitor, dependendo de como resistem ou cumprem a demanda de não disponibilizar para a sociedade um único dizer.

LIVRO E LEITURA

125


CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS tradição, poéticas e interfaces

organização | Fábio Henrique Nunes Medeiros e Taiza Mara Rauen Moraes 2015 | 544 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-69298-16-8

Pela força da palavra, a narrativa oral transmite tradições e abre caminhos para sentir e experienciar a realidade, estimulando a reflexão e o desenvolvimento do olhar crítico sobre o mundo. Esta coletânea apresenta um panorama sobre a contação de histórias, com ensaios teóricos, verbetes e depoimentos de escritores, estudiosos, professores, educadores, atores e contadores. Dividida em três eixos temáticos – tradição, poética e interfaces –, a obra aborda da tradição oral à relação da prática de contar histórias com outras linguagens artísticas, procurando, assim, registrar e tornar alvo de discussões, estudos e difusão essa poderosa técnica capaz de despertar o interesse pela narrativa e pela leitura.

O LEITOR COMO METÁFORA o viajante, a torre e a traça Alberto Manguel 2017 | 148 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-056-9

Tanto quanto se pode dizer, os seres humanos são a única espécie para a qual o mundo parece composto de histórias, escreve Alberto Manguel. Lemos o livro do mundo de muitas formas: podemos ser viajantes, avançando através de suas páginas como peregrinos que se dirigem para a iluminação. Podemos ser reclusos, retirando-nos através da nossa leitura em nossas próprias torres de marfim. Ou podemos devorar nossos livros como traças, não para nos beneficiarmos da sabedoria que eles contêm, mas apenas para nos enchermos de inúmeras palavras. Neste livro, Manguel considera a cadeia de metáforas que descreveram os leitores e suas relações com o texto em um período de quatro milênios.

126


TERTÚLIA

o autor como leitor

organização | Tiago Novaes 2013 | 424 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-073-5

Tal qual um encontro, uma reunião de amigos em torno da literatura, o livro reúne escritores e tradutores brasileiros convidados a se colocar na posição de leitores e discutir sobre um autor que os tenha influenciado em seu estilo e produção. Ana Miranda, Eric Nepomuceno, Julián Fuks, Juliano Pessanha, Leonardo Fróes, Luiz Ruffato, Lygia Fagundes Telles, Marcelino Freire, Nélida Piñon, Rodrigo Lacerda, entre outros, dissertam sobre grandes autores, dentre eles Fernando Pessoa, Hilda Hilst, Gabriel García Márquez, James Joyce, Franz Kafka, Virgínia Wolf, Machado de Assis, Manuel Bandeira, Rubem Fonseca, Jorge Luis Borges, Fiódor Dostoiévski e Moacyr Scliar.

LIVRO E LEITURA

127


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS COLEÇÃO BIBLIOFILIA

organização | Plinio Martins Filho e Marisa Midori Deaecto

O livro é um objeto de inegável autoridade. Cultuado e cultivado em grande parte das culturas que com ele tiveram contato, o livro é usado como ferramenta de acesso ao conhecimento, documentação, controle e fruição artística. É um dos grandes protagonistas da história da humanidade desde sua criação, já ensaiada na escrita feita sobre pedras, madeiras e folhas, e melhor desenvolvida com o advento do uso do papiro, do pergaminho e, depois, do papel. Com seus diversos formatos, desde o rolo ao códice, mais o advento do tipo móvel e a revolução da imprensa, o livro tornou-se rápida e definitivamente um ícone fundamental da nossa evolução cultural. Tal importância e carisma em torno do livro logo geraram adoração, o que deu origem aos bibliófilos, amantes e colecionadores de livros acometidos pelo “mal” da bibliofilia. Não é por acaso que esse foi o título selecionado para esta coleção, que disponibilizará aos leitores um pouco desse “amor ao livro” por intermédio de publicações que esmiúcem melhor a história desse objeto e os diversos meandros que circundam seu desenvolvimento, especialmente no Ocidente.

DA ARGILA À NUVEM

uma história dos catálogos de livros (II milênio – século XXI) Yann Sordet Edições Sesc São Paulo e Ateliê Editorial

À primeira vista, a catalogação pode parecer tediosa, já que envolve processos de inventário, rotulagem e registro uniforme de inúmeros dados. Contudo, desde seu surgimento, o catálogo acompanha o desenvolvimento da escrita e serve a um anseio humano elementar: nomear, descrever e classificar o universo. Os catálogos possibilitaram, por exemplo, as taxonomias para inventariar a natureza, as nomenclaturas para designar estrelas e os dispositivos para promover o acesso a textos e produzir e comercializar livros. No momento em que os catálogos estão passando por um processo acelerado de desmaterialização, este livro aborda as questões, antigas e contemporâneas, de coleta, organização e sustentabilidade de dados por meio da história das formas e das materialidades dos catálogos.

128


O QUE É UM LIVRO?

João Adolfo Hansen Edições Sesc São Paulo e Ateliê Editorial

Nesta obra, João Adolfo Hansen consolida um panorama da história da escrita e do livro desde os formatos mais primitivos até os atuais, e propõe uma reflexão de viés sociofilosófico sobre a simbologia dos livros, considerados hoje objetos de consumo, e o papel do leitor, legitimador de sua existência. Para o autor, a leitura é o momento em que o sujeito que lê o texto também é lido por este, em um processo que resulta na transformação desse leitor e de seu modo de ver o mundo.

A SABEDORIA DO BIBLIOTECÁRIO Michel Melot Edições Sesc São Paulo e Ateliê Editorial

Michel Melot nos apresenta, aqui, o universo dos bibliotecários em meio ao oceano de conhecimento decantado nas bibliotecas. Profundo conhecedor e, ao mesmo tempo, servo dos livros e de seus leitores, o bibliotecário sabe navegar e orientar o caminho para determinado saber simplesmente analisando o título, o autor, os editores, o colofão e as páginas iniciais do livro; anotando data, formato, número de páginas; visitando o sumário; verificando se há índices; avaliando a robustez da obra e a qualidade de seu papel, layout e impressão. Com tudo isso em mãos, ele conquista mais um ponto do mapa do saber e fica à nossa disposição para nos guiar em meio ao conhecimento.

LIVRO E LEITURA

129


MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 130


AVES DO SESC BERTIOGA

organização | Cristiane Demétrio e Luiz Sanfilippo 2012 | 2ª edição 172 páginas | 26 × 26 cm ISBN 978-85-7995-021-6

Com primeira edição publicada em 2004, esta segunda edição apresenta mais de cem espécies de aves que habitam o Sesc Bertioga, mapeadas pelo Projeto Avifauna. Repleta de imagens e informações sobre características físicas, hábitos alimentares e reprodução das aves, a publicação também orienta como atrair e observar os pássaros. O livro traz ainda uma breve contextualização histórico-geográfica de Bertioga, conduzindo o leitor à compreensão da diversidade cultural, arquitetônica e paisagística da região.

CADEIA DE RECICLAGEM um olhar para os catadores

organização | Jacques Demajorovic e Márcia Lima Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2013 | 160 páginas | 14 × 21 cm ISBN 978-85-7995-085-8

Composto por texto, fotografias e DVD, Cadeia de reciclagem apresenta uma análise sobre o crescente debate em torno da gestão de resíduos sólidos nas grandes metrópoles, destacando a necessidade de reconhecimento e inclusão de catadores de materiais recicláveis como novos agentes dessa dinâmica na cidade de São Paulo. Os autores extrapolam a visão meramente econômica, apresentando uma abordagem firmada na parceria e na corresponsabilidade dos setores envolvidos – consumidores, empresas, cooperativas e poder público –, com vista à melhoria das condições de sustentabilidade e da qualidade de vida na capital.

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

131


GEMAS DA TERRA

imaginação estética e hospitalidade organização | Denise Milan e Olgária Matos 2010 | 376 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-95-4

O seminário Gemas da Terra nasceu das pesquisas da artista plástica Denise Milan com a Pedra Azul, rocha encontrada no Brasil e na África cuja idade de 750 milhões de anos indica uma era em que os continentes formavam uma terra única. Este livro compila o seminário realizado em 2005, no qual estudiosos da geologia, antropologia, filosofia, psicanálise, literatura, artes plásticas e história projetam e discutem uma ponte entre nossas origens e a possibilidade objetiva da paz e da ética.

132


133


MÚSICA 134


A MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NA VITROLA DE MÁRIO DE ANDRADE organização | Flávia Camargo Toni Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2004 | 324 páginas | 18 × 18 cm (inclui CD) ISBN 85-7359-338-5

história

Ao ouvir os discos de seu acervo, Mário de Andrade anotava suas impressões em cartolinas numeradas que os encapavam. Esta obra torna públicas as anotações de 161 discos, até então inéditas, contextualizadas por cartas e artigos. As fontes deste trabalho comprovam que Mário de Andrade analisava os lançamentos de discos com ouvidos de estudioso de um fenômeno novo: a criação de produtos sonoros dirigidos ao mercado do lazer urbano. O livro é acompanhado por CD com fonogramas originais da discoteca do modernista.

BIG BANDS PAULISTAS

história de orquestras de baile do interior de São Paulo

José Ildefonso Martins e José Pedro Soares Martins 2017 | 232 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-006-4

história

A época de ouro dos grandes conjuntos orquestrais do interior de São Paulo é resgatada nesta obra. Entre as décadas de 1940 e 1970, as big bands reinaram absolutas nas mais diversas festas e comemorações que aconteciam pelas cidades. Importante trabalho de registro da memória musical paulista, o livro traça um panorama do surgimento e do desenvolvimento dessas orquestras e conta a história das mais emblemáticas, além de discorrer sobre o contexto sociocultural em que elas se inseriam.

MÚSICA

135


CHOROS DE GAROTO

organização | Jorge Mello, Henrique Gomide e Domingos Teixeira Edições Sesc São Paulo e Instituto Moreira Salles 2017 | 224 páginas | 24 x 30 cm ISBN 978-85-9493-057-6

Seleção de 67 partituras de choros do compositor e instrumentista virtuose Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto (1915-1955). As partituras foram recolhidas e reescritas pelos músicos Henrique Gomide e Domingos Teixeira, com revisão da equipe técnica do Instituto Moreira Salles, com coordenação de Bia Paes Leme. A obra contém um perfil biográfico de Garoto escrito por Jorge Mello.

136


O CARNAVAL DE PIXINGUINHA

organização | Bia Paes Leme, Marcílio Lopes, Paulo Aragão e Pedro Aragão Edições Sesc São Paulo, Imprensa Oficial e Instituto Moreira Salles 2014 | 24 × 17 cm ISBN 978-85-7995-093-3

PIXINGUINHA

outras pautas 44 arranjos para o programa O pessoal da Velha Guarda organização | Bia Paes Leme, Marcílio Lopes, Paulo Aragão e Pedro Aragão Edições Sesc São Paulo, Imprensa Oficial e Instituto Moreira Salles 2014 | 22 × 31 cm ISBN 978-85-7995-094-0

Considerado um dos mais importantes e completos músicos brasileiros, Pixinguinha foi um brilhante compositor, arranjador e instrumentista. Depois da publicação de Pixinguinha na pauta (2010), dois novos conjuntos de partituras, com marchinhas carnavalescas e obras orquestrais, vêm ampliar a divulgação do acervo do artista, sob a guarda do Instituto Moreira Salles. Em 1947, ao assumir a direção musical do programa O pessoal da Velha Guarda, comandado por Almirante e veiculado pela Rádio Tupi, Pixinguinha pôde adaptar sua obra à formação da orquestra homônima que ali atuava. Em Outras pautas, dos 44 arranjos ora publicados, 32 possuem gravações originais disponíveis ao público, e “Carinhoso” completa o rol de canções selecionadas. Já O carnaval de Pixinguinha traz 25 arranjos concebidos nos anos 1950 e reunidos parcialmente nos discos Carnaval da Velha Guarda e Assim é que é…, deixando-nos entrever o brilho de Pixinguinha como arranjador. Ambos constituem novas etapas do minucioso trabalho feito junto ao acervo do músico, cujo legado é essencial para a construção da identidade brasileira.

MÚSICA

137


O LIVRO DO JAZZ

de Nova Orleans ao século XXI Joachim-Ernst Berendt revisão e atualização | Günther Huesmann Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2014 | 640 páginas | 18 × 26 cm ISBN 978-85-7995-097-1

história

Tal qual uma fonte enciclopédica, O livro do jazz permite ao leitor conhecer a abrangência dos aspectos relacionados ao gênero – elencando-os em torno dos estilos, músicos, elementos, instrumentos, vozes, big bands e bandas –, seguidos por uma discografia atualizada quanto à relevância e à disponibilidade das gravações. Há de se ressaltar que não há uma hierarquia ou sequência predeterminada para a leitura do livro, podendo o leitor consultar o texto de acordo com seu interesse. Lançado originalmente em 1953, o livro se tornaria uma referência internacional sobre o tema, sendo traduzido em várias línguas. No ano 2000, após a morte de Berendt, seu assistente, Günther Huesmann, concluiu esta sétima e última edição.

VIOLÃO-CANÇÃO

diálogos entre o violão solo e a canção popular Chico Saraiva 2018 | 238 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-096-5

O músico Chico Saraiva traz a público uma pesquisa sobre a alternância de papéis do violão, ora como instrumento solista, ora como acompanhador do canto. A obra se baseia em sete entrevistas com expoentes da música brasileira: João Bosco, Paulo César Pinheiro e Luiz Tatit, no campo da canção popular; Paulo Bellinati, Sérgio Assad e Marco Pereira, representando o violão solo; Guinga e Elomar como membros das duas tradições. O texto, organizado por temas, trata de processo criativo, intercâmbios entre letra, melodia e harmonia, aspectos da execução, relação entre instrumentos, violão popular e erudito. Ao longo da conversa, Saraiva e os entrevistados tocam canções, que o leitor poderá ouvir no site do autor.

138


WALTER SMETAK

o alquimista dos sons

Marco Antonio Farias Scarassatti Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2008 | 152 páginas 18,5 × 20,5 cm (inclui CD) ISBN 978-85-98112-75-6

Violoncelista, compositor, escritor e escultor de instrumentos musicais, o suíço Anton Walter Smetak (19131984) passou a viver no Brasil em 1937, tendo lecionado na Universidade Federal da Bahia e influenciado toda uma geração de músicos brasileiros. A importância de Smetak reside na aproximação que faz entre produção artística e conhecimento científico, destacando-se sua concepção de instrumentos musicais com um caráter escultórico, as “plásticas sonoras”. O livro acompanha CD com depoimento de Smetak e composições de Scarassatti inspiradas no multiartista.

MÚSICA

139


história

COPACABANA

a trajetória do samba-canção (1929-1958) Zuza Homem de Mello Edições Sesc São Paulo e Editora 34 2017 | 512 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-078-1

Ricamente ilustrado, Copacabana documenta de modo minucioso a história de um dos gêneros mais importantes da nossa música. Desde seu surgimento no teatro de revista, com o sucesso da gravação de “Linda flor”, em 1929, até o advento da bossa nova em 1958, o samba-canção foi um dos gêneros preferidos de compositores da estirpe de Ary Barroso, Cartola, Tom Jobim e até Noel Rosa, cuja obra, demonstra Zuza, inclui várias composições que já eram legítimos sambas-canção. Entre 1946 e 1958 o samba-canção foi o gênero de maior sucesso da música brasileira. Com seu cativante ritmo, propício para se dançar colado ao parceiro, e sua temática romântica, ele invadiu a noite carioca e conquistou o país.

140


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS UMA ÁRVORE DA MÚSICA BRASILEIRA organização | Guga Stroeter

Com base em detalhada pesquisa sobre a evolução da música popular brasileira, sua história, seus compositores, intérpretes e obras, Guga Stroeter procura organizar em formato de árvore genealógica as variadas ramificações musicais do país, ajudando a unir as pontas do conhecimento muitas vezes fragmentado que se tem a respeito. O livro faz uma abordagem panorâmica, em mais de vinte ensaios escritos por pesquisadores e músicos sobre os mais variados gêneros da nossa história musical, do samba à música erudita, da bossa nova ao rock e à música eletrônica.

VOZES DO BRASIL Patricia Palumbo

A nova edição revista e ampliada de Vozes do Brasil apresenta uma coletânea de entrevistas realizadas pela jornalista Patricia Palumbo. Seu recorte temático se equipara ao do programa radiofônico da autora e dá voz aos representantes da MPB contemporânea que flertam com o pop, mas abre também espaço para artistas de outras frentes que estiveram ou estão afinados a estilos e movimentos fundamentais para o enriquecimento da música brasileira, como a bossa nova, o samba e a tropicália. Entre os 33 entrevistados, Elza Soares, Jards Macalé, Cássia Eller, Luiz Melodia e Rita Lee.

MÚSICA

141


SOCIOLOGIA 142


A INVENÇÃO DA POLÍTICA CULTURAL Coleção Culturas

Philippe Urfalino 2015 | 272 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-61-8

gestão e produção cultural

Na relação política e cultura, a última, em geral, era apenas instrumentalizada pela primeira. A invenção da política cultural inverte a situação, ao invocar a política para desenvolver a cultura. Apresentando a trajetória do Ministério dos Assuntos Culturais da França e de seus principais agentes – como André Malraux, Jacques Duhamel e Jack Lang –, esta obra analisa o surgimento das políticas culturais, o desenvolvimento da democratização da cultura e a gestão cultural francesa. Desenvolvidas a partir do final dos anos 1950, as políticas culturais francesas continuam sendo referência mundial em formulações de práticas culturais. Diante dessa influência, este livro é uma importante leitura para se compreender as políticas culturais da atualidade.

ÁLBUM DE FAMÍLIA

a imagem de nós mesmos

Armando Silva Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2008 | 320 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-71-8

história

A obra é, principalmente, um estudo sobre a comunicação e a cultura, uma vez que os álbuns retratam os modos e as circunstâncias em que as famílias viveram e se desenvolveram, e como cada membro “se mostrou e se arquivou”. O autor recorreu à antropologia, à semiótica, à pesquisa de campo e às teorias da narração contemporânea para captar o papel desempenhado pela fotografia, em especial pelos álbuns de família, nas sociedades latino-americanas.

SOCIOLOGIA

143


ATMOSFERAS URBANAS

grafite, arte pública, nichos estéticos Armando Silva 2014 | 240 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-117-6

Referência nos estudos de comunicação e semiótica, a obra de Armando Silva é transdisciplinar, relacionando-se com estudos sobre arte, sociologia da comunicação, cultura, psicanálise, entre outras. Em Atmosferas urbanas, o autor discute as representações visuais presentes nas cidades contemporâneas, com ênfase no grafite e em seus desdobramentos face à arte pública e aos nichos estéticos. Para Silva, os pensamentos e desejos individuais formam redes que criam tramas em cenários virtuais, expressão não só dos lugares geográficos, mas da atmosfera que envolve os cidadãos, constituindo os imaginários coletivos e a cultura urbana.

IMAGINÁRIOS

estranhamentos urbanos Armando Silva 2014 | 248 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-116-9

arquitetura e urbanismo

144

Vivências subjetivas nas cidades, associadas aos imaginários urbanos, são o objeto deste estudo. Reportando-se à semiótica, à psicanálise, à arte e à estética, Armando Silva discute as relações da sociedade com as cidades, considerando o modo como as pessoas se relacionam com os espaços e se vinculam ao universo da cultura urbana, e a forma como as cidades são imaginadas e representadas sob a dimensão estética. Silva destaca a relação entre imaginários e arquivos, entendendo este último em um sentido amplo que envolve arte de rua, álbuns de família e vitrines, entre outros. Por fim, traz a metodologia utilizada no projeto Imaginários Urbanos, realizado em 25 cidades ao redor do mundo e que serve de inspiração a este trabalho.


gestão e produção cultural

TEORIA DOS DIREITOS CULTURAIS fundamentos e finalidades Coleção Culturas

Humberto Cunha Filho 2018 | 144 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-095-8

O livro esmiúça conceitos do direito para, em seguida, inserir os direitos culturais nesse contexto. A Constituição Federal de 1988, a primeira que traz explícita a expressão “Direitos Culturais”, é o documento que norteia todo o debate. São recuperados os interesses do setor cultural no período da constituinte (1987-1988), sintetizados nos anseios do Movimento pela Defesa da Cultura. A gestão autônoma da cultura, a relação entre Direitos Culturais e democracia e sua relação com o exercício da cidadania também são destaques.

SOCIOLOGIA

145


BENS CULTURAIS E DIREITOS HUMANOS Coleção Culturas

organização | Inês Virgínia Prado Soares e Sandra Cureau 2015 | 512 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-58-8

Cultura não é luxo, é um direito. Objetos e práticas culturais expressam valores essenciais à comunidade que os cultiva, pois perpetuam sua identidade, preservam a memória e possibilitam novos usos e significados quando mantidos vivos e atuais. Coletânea de artigos oriundos de um seminário realizado no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc, esta obra procura definir, por meio de abordagens variadas (filosofia, história, direito, sociologia, arquitetura), a natureza e o alcance dos direitos culturais, discutindo o patrimônio natural e o conhecimento tradicional, a importância da memória e da preservação de vestígios materiais para a investigação da verdade histórica, e como promover o acesso a esses bens.

CULTIVANDO DIFERENÇAS fronteiras simbólicas e a formação da desigualdade Coleção Culturas

organização | Michèle Lamont e Marcel Fournier 2015 | 440 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-092-6

Um grupo de importantes estudiosos se reúne para discutir neste livro a sociologia da cultura, explorando os fatores que nos levam a segregar e integrar, e os arranjos institucionais que formatam os sistemas de classificação. Os ensaios desta obra abordam quatro áreas temáticas: a institucionalização das categorias culturais, da moralidade à cultura popular; os efeitos exclusivos da alta cultura, das preferências musicais ao papel das galerias de arte; o papel da etnia e do gênero na formação de limites simbólicos; e o papel da democracia na inclusão e exclusão.

146


A DEMOCRACIA NO MUNDO DIGITAL: história, problemas e temas Wilson Gomes

Coleção Democracia Digital

organização | Sergio Amadeu da Siveira 2018 | Livro digital ISBN (versão em português): 978-85-9493-105-4 ISBN (versão em inglês): 978-85-9493-104-7

No primeiro livro da coleção, o professor Wilson Gomes reúne dez anos de pesquisas dedicados ao tema para apresentar um recorte histórico da construção da ideia de democracia eletrônica e digital, atravessando temas como transparência, esfera pública, circulação de informações, participação e deliberação política. Doutor em Filosofia e coordenador do Centro de Estudos Avançados em Democracia Digital da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Gomes divide a obra em três períodos: “1970-1995 – As origens da ideia de democracia eletrônica – A teledemocracia”; “1996-2005 – A consolidação da ideia de democracia digital”; e “2006-2015 – O estado da democracia digital”. Esta coleção é editada em inglês e português, apenas em formato digital.

SOCIOLOGIA

147


CULTURA E AÇÃO CULTURAL

uma contribuição a sua história e conceitos Newton Cunha 2010 | 112 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-003-2

gestão e produção cultural

De acordo com Newton Cunha, a ação ou animação cultural pode ser definida como uma intervenção simultaneamente técnica, política, social e econômica, levada a efeito pelo poder público ou por organismos particulares da sociedade civil, que concebe, coordena, gere ou participa de programas, projetos e uma variada gama de atividades. O livro parte da conceituação da cultura desde a antiguidade clássica até estudos mais recentes para discutir acepções e desdobramentos da ação cultural, como multiculturalismo, política e direitos culturais.

CULTURA POPULAR E ALTA CULTURA uma análise e avaliação do gosto Coleção Culturas

Herbert J. Gans 2014 | 224 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-072-8

O autor apresenta um estudo sobre o papel da cultura popular e da alta cultura na sociedade americana, defendendo o direito dos povos à cultura que escolherem. Analisa ainda o “emburrecimento” cultural e outros exemplos da nova crítica de cultura de massa, traça mudanças nas preferências culturais e discute sobre o destino da cultura marginal, divergente e inovadora em uma sociedade em que a crescente desigualdade torna difícil a busca pelos modelos culturais do American Dream.

148


G ES

AD OT

O

DICIONÁRIO SESC

a linguagem da cultura

Newton Cunha Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2003 | 780 páginas | 21 × 28 cm ISBN 85-273-0683-2

Obra de referência e consulta com mais de 2,5 mil verbetes, o Dicionário Sesc: a linguagem da cultura aborda o vocabulário do universo da cultura e das artes ocidentais. Da pré-história à arte contemporânea, reúne termos relativos a movimentos artísticos específicos e a conhecimentos técnicos, descritos sistematicamente em campos diversos como artes plásticas, teatro, música popular e erudita, cinema, literatura, dança, arquitetura, vídeo, fotografia, folclore brasileiro, religião cristã e ação cultural.

G ES

AD OT

O

MULHERES BRASILEIRAS E GÊNERO NOS ESPAÇOS PÚBLICO E PRIVADO uma década de mudanças na opinião pública organização | Gustavo Venturi e Tatau Godinho prefácio | Eleonora Menicucci Edições Sesc São Paulo e Fundação Perseu Abramo 2013 | 504 páginas | 17 × 24 cm ISBN 978-85-7995-051-3

Pesquisadores e estudiosos analisam as desigualdades de gênero no Brasil contemporâneo, discutindo questões como feminismo, machismo, violência, mídia, saúde, sexualidade, aborto, trabalho e política. Expressam a diversidade de olhares acerca do avanço das mulheres na última década, do grau de satisfação com a condição feminina, da confiança na melhoria do estatuto das mulheres e da adesão ao feminismo, baseados nos resultados da pesquisa nacional homônima, realizada em 2010 pela Fundação Perseu Abramo em parceria com o Departamento Nacional do Sesc. O livro explora as possíveis relações entre essas percepções e o quadro mais amplo de transformações sociais no país que implicaram reais benefícios para as brasileiras.

SOCIOLOGIA

149


NA TRILHA DE MACUNAÍMA ócio e trabalho na cidade

Célio Turino Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2011 | 2ª edição 296 páginas | 14 × 21 cm ISBN 978-85-396-0137-0

arquitetura e urbanismo

Discutindo a busca por qualidade de vida, meta idealizada por movimentos e ações nos territórios citadinos – sejam eles institucionalizados, organismos de iniciativas privadas, de terceiro setor, ou, ainda, iniciativas particulares e individuais –, este livro investiga os sentidos da existência no meio urbano tanto do ponto de vista do homem comum, que vive no cotidiano a necessidade de lazer na metrópole, como de especialistas no assunto.

POLÍTICA CULTURAL E ECONOMIA DA CULTURA José Carlos Durand Edições Sesc São Paulo e Ateliê Editorial 2013 | 184 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-058-2

gestão e produção cultural

150

O livro apresenta uma coletânea de textos que tratam de conceitos políticos e econômicos sobre o empreendimento artístico e cultural na esfera pública ou privada. Nele, o sociólogo José Carlos Durand discute a presença do Estado no domínio cultural, o profissionalismo na gestão, o patrocínio aprovado no financiamento de projetos, a crítica cultural, o papel estratégico das premiações, a necessidade de estatísticas e a importância da economia da cultura como disciplina que custa a se implantar no país.


SOCIOLOGIA DA CULTURA Coleção Culturas

Matthieu Béra e Yvon Lamy 2015 | 344 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-7995-189-3

Em vez de empenhar-se na definição de cultura, este manual está embasado na ideia de “bens culturais”. Os autores adotam o partido cronológico e associam a ele a síntese e o debate crítico ao refletirem sobre questões conceituais e metodológicas relacionadas à sociologia da cultura. Exploram temas, subtemas e recortes a fim de fixar uma historiografia da área em questão. Béra e Lamy apresentam também os precursores desse campo de estudo, bem como o processo de institucionalização da sociologia da cultura e sua influência para a compreensão dos eventos socioculturais do mundo contemporâneo.

SOCIOLOGIA DAS PRÁTICAS CULTURAIS Coleção Culturas

Philippe Coulangeon 2014 | 160 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-086-5

gestão e produção cultural

Com base em estudos e pesquisas desenvolvidos em diversos países, este livro apresenta as tendências da evolução contemporânea das práticas culturais, situando-as dentro da estrutura social e discutindo suas correlações com as grandes orientações das políticas públicas. Ao longo da obra, Philippe Coulangeon aborda temas como as práticas culturais e a estratificação social, a televisão como hábito dominante, a diversidade das práticas de leitura, a música, a autoprodução cultural e o ecletismo dos gostos e saberes não oficiais.

SOCIOLOGIA

151


SOCIOLOGIA EMPÍRICA DO LAZER Joffre Dumazedier Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2008 | 246 páginas | 11,5 × 20,5 cm ISBN 978-85-98112-57-2

Lazer não é apenas o tempo liberado pelo progresso econômico e pela reivindicação social, é também criação histórica oriunda das mudanças dos controles institucionais e das exigências individuais. Condicionado pelo consumo de massa e pela estrutura de classes, o lazer torna-se cada vez mais o centro da elaboração de novos valores, modificando não apenas a sociedade, mas as orientações da própria vida. Dumazedier focalizou tais questões de modo tão pioneiro no fim da década de 1970 que fez desta obra um clássico internacionalmente estudado.

TEORIA CULTURAL E CULTURA POPULAR uma introdução Coleção Culturas

John Storey 2015 | 512 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-091-9

O livro apresenta uma pesquisa clara e crítica sobre diferentes teorias e pontos de vista acerca da cultura popular. Mantendo uma abordagem acessível e usando exemplos relevantes de textos e práticas culturais, esta edição é uma introdução essencial para o tema e leitura fundamental para estudantes de graduação e pós-graduação nas áreas de cultura, mídia, comunicação, sociologia da cultura, cultura popular e assuntos correlatos.

152


TUDO SOBRE TOD@S

redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais Sergio Amadeu da Silveira 2017 | Livro digital ISBN (versão em português): 978-85-9493-028-6 ISBN (versão em inglês): 978-85-9493-029-3

Considerando as tecnologias cibernéticas como tecnologias de comunicação, mas também de controle, o sociólogo e professor Sergio Amadeu da Silveira aborda neste trabalho as implicações entre o crescimento das redes digitais e o estabelecimento de um mercado de coleta e venda de dados pessoais que avança nesses ambientes. Apoiado tanto em autores de referência como em exemplos práticos, o livro traz à luz o modo como o chamado ‘mercado de dados’, representado por empresas e sistemas, tem se esforçado em apresentar a questão da privacidade dos indivíduos como algo a ser superado. Intimamente ligada ao conteúdo abordado, a edição do livro é exclusivamente em formato digital.

comunicação

SOCIOLOGIA

153


PARA ALÉM DAS MÁQUINAS DE ADORÁVEL GRAÇA

cultura hacker, democracia e cibernética Rafael Evangelista

Coleção Democracia Digital

organização | Sergio Amadeu da Silveira 2018 | Livro digital ISBN (versão em português): 978-85-9493-103-0 ISBN (versão em inglês): 978-85-9493-102-3

Com um recorte histórico que parte dos anos 1950, Rafael Evangelista investiga neste segundo volume da Coleção Democracia Digital a influência da cultura hacker nas mudanças trazidas às democracias com a expansão das redes digitais. Segundo o professor, jornalista e doutor em Antropologia Social, a ação e a ética hacker foram determinantes na construção dos sistemas que organizam as redes de comunicação e os usos que fazemos delas hoje. Longe de uma apologia às potencialidades das grandes calculadoras que recebiam, então, o nome de computadores, Evangelista dedica parte do livro aos riscos à democracia abertos com as possibilidades de controle e vigilância dos cidadãos. Esta coleção é editada em inglês e português, apenas em formato digital.

154


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS PLURAL E COMUM

sociologia de um mundo cosmopolita Vincenzo Cicchelli

Considerando que os conceitos da sociologia clássica não conseguem mais apreender os paradoxos do mundo contemporâneo, este livro traz a perspectiva da criação de uma sociologia dita cosmopolita, marcada por imaginários e produtos culturais “globalizados”. Vincenzo Cicchelli aborda as atitudes e as relações estabelecidas em um mundo cosmopolita, no qual o plural e o comum são configurações essenciais diante da multiplicação e da coexistência de referentes identitários e culturais provindos de uma realidade e interdependente. filosofia e política

SOCIOLOGIA

155


TEATRO E DANÇA 156


AMOR AO TEATRO Sábato Magaldi Coleção Críticas

organização | Edla van Steen 2014 | 1.224 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-159-6

Este livro traz uma seleção de cerca de 650 artigos longos e 2 mil críticas breves publicados por Sábato Magaldi em veículos impressos de todo o Brasil, em especial nos jornais O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde, entre as décadas de 1950 e 2000. Reconhecido como um dos mais importantes teóricos e críticos teatrais do país, Sábato foi também professor, além de intelectual engajado nas causas teatrais. Tal obra cumpre um importante papel de resgate da memória do teatro brasileiro, em especial em São Paulo, visto que as críticas de Magaldi estavam, até então, dispersas. Assim, o trabalho minucioso de recolha e organização, em ordem cronológica e pelos nomes das peças criticadas, faz de Amor ao teatro uma importante obra de referência para estudiosos da área.

ANTUNES FILHO poeta da cena

fotos | Emidio Luisi texto | Sebastião Milaré 2010 | 396 páginas | 24 x 24 cm 239 imagens p&b ISBN 978-85-7995-011-7

fotografia

Um dos mais prestigiados encenadores no panorama internacional, Antunes Filho criou espetáculos que veiculam todo um pensamento sobre o teatro contemporâneo e refletem uma metodologia que envolve os intérpretes no estudo da estética, da filosofia, das fontes teóricas e dos documentos históricos associados ao tema encenado. Esta publicação acompanha a trajetória do diretor a partir de amplo material fotográfico, realizado por Emidio Luisi, e de textos de Sebastião Milaré elaborados a partir de uma perspectiva histórica e biográfica.

Premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) em 2011.

TEATRO E DANÇA

157


CAMINHOS CRUZADOS

Teatro de Dança Galpão 1974-1981 Inês Bogéa 2014 | 136 páginas | 23 × 21 cm ISBN 978-85-7995-141-1

história

O Teatro de Dança Galpão teve papel significativo na formação de uma nova safra de profissionais nos anos 1970. Buscando a identidade brasileira, seus trabalhos caracterizavam-se pela inovação das matrizes e dos modos de produção tradicionais de dança, baseados nos padrões europeus, e pela ocupação de circuitos alternativos de criação e trânsito de sua arte. Por lá passaram importantes nomes da dança contemporânea no país, como Renée Gumiel, Marilena Ansaldi, Ruth Rachou, Ivaldo Bertazzo, J. C. Violla e Célia Gouveia. Esta obra recupera, por meio de texto e imagens, a história desse espaço que marcou um momento rico tanto pelos espetáculos realizados como pelo trânsito de linguagens e informações que ali circularam.

CENOGRAFIA BRASILEIRA notas de um cenógrafo J. C. Serroni 2013 | 376 páginas | 24 × 24 cm Português/inglês ISBN 978-85-7995-063-6

artes visuais

Esta obra busca compilar um conteúdo e uma memória fundamentais à compreensão da produção cenográfica brasileira. Composta por escritos e imagens resultantes de ampla pesquisa, discorre sobre a cenografia brasileira desde seus primórdios até os dias atuais. Para isso, destaca a experiência cenográfica desenvolvida antes da década de 1940; perfaz uma análise da produção cenográfica, década a década, entre 1940 e 1990; apresenta a cenografia de festivais, exposições e centros de estudos; discorre sobre a situação do profissional que atua nesse campo, além de fixar um panorama a partir de 31 representativos cenógrafos do Brasil. A obra conta ainda com um vasto material iconográfico com referências visuais sobre a temática.

Prêmio Jabuti 2014 na categoria Artes e Fotografia.

158


CENOGRAFICAMENTE da cenografia ao figurino José de Anchieta 2015 | 368 páginas | 23 × 23 cm ISBN 978-85-69298-46-5

artes visuais

José de Anchieta deu um novo significado para o trabalho cenográfico no Brasil. Neste livro, ao dividir suas memórias, relata como suas raízes influenciaram seu senso estético, apresenta sua trajetória profissional dedicada à cenografia e ao teatro. Esta obra é um convite para se maravilhar com a arte cenográfica. Os profissionais da área se emocionarão com as recordações de Anchieta; iniciantes e aprendizes terão uma aula magna de cenografia, e os leitores se envolverão com os relatos pitorescos e cheios de humanidade. Com a mesma poesia com que transforma um palco e leva o espectador para outro ambiente, José de Anchieta preenche as páginas e transporta o leitor para conhecer sua vida cenográfica.

DICIONÁRIO DO TEATRO BRASILEIRO temas, formas e conceitos

organização | J. Guinsburg, João Roberto Faria e Mariangela Alves de Lima Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2009 | 2ª edição 400 páginas | 18 × 25 cm ISBN 978-85-98112-88-6

O livro apresenta o que de mais característico e significativo realizou o moderno teatro brasileiro. Além de dicionário, este é um volume que também apresenta textos que abordam questões relativas à estética teatral, às formas dramáticas e ao universo da encenação. Com mais de 200 verbetes, apesar de não ser um dicionário histórico, recorre à história sempre que necessário para contextualizar o modo como se deu a construção de alguns conceitos.

TEATRO E DANÇA

159


ENCONTROS COM ARIANE MNOUCHKINE erguendo um monumento ao efêmero Josette Féral Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2010 | 168 páginas | 14 × 21 cm ISBN 978-85-7995-005-6

Ariane Mnouchkine fundou em 1964 o Théâtre du Soleil, que, já na década de 1970, tornava-se uma das maiores companhias teatrais da França e do mundo. No Soleil, todos recebem o mesmo salário, e o elenco definitivo só é decidido após os atores terem passado por diversos papéis. Lá, a abordagem universal das grandes questões políticas e humanas une-se à pesquisa de formas narrativas e à confluência das artes do Oriente e do Ocidente. Centrado em Ariane e em seu trabalho com atores, este livro investiga suas convicções sobre questões fundamentais do teatro.

ENTRADAS CLOWNESCAS uma dramaturgia do clown Tristan Rémy 2016 | 236 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-69-4

A tradução de Entradas clownescas para o português, mais de cinquenta anos após sua publicação na França, possibilita conhecermos melhor esse longo processo para a consolidação do gênero, que teve seus altos e baixos, mas perseverou e se difundiu inclusive no Brasil. Além de um estudo sobre a origem francesa do clown e de seus antecedentes europeus, Tristan Rémy reuniu sessenta entradas populares, possibilitando a sistematização e o aprofundamento dos saberes sobre a dramaturgia do clown, revelando seu valor estético e histórico e seu potencial.

160


HIEROFANIA

o teatro segundo Antunes Filho Sebastião Milaré 2010 | 400 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-002-5

Fruto de dez anos de pesquisa, Hierofania documenta e discute o método criado pelo diretor Antunes Filho, as referências estéticas, os meios desenvolvidos, os exercícios, a bibliografia, a prática e a ideologia, bem como reflete sobre os espetáculos resultantes desse trabalho. A primeira parte foca na fundação do Grupo Macunaíma e do CPT, no que se refere às técnicas e aos meios expressivos para o ator. A segunda parte traz o método sistematizado e a descrição de seus exercícios, fundamentada na ideologia de que é preciso formar e transformar o ser humano para que se forme o ator. Prêmio de Melhor Publicação Dedicada ao Universo do Teatro, da Cooperativa Paulista de Teatro, em 2010.

HISTÓRIA DO TEATRO BRASILEIRO I das origens ao teatro profissional da primeira metade do século XX organização | J. Guinsburg e João Roberto Faria Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2012 | 504 páginas | 18 × 25 cm ISBN 978-85-7995-031-5

história

O livro traça um panorama do teatro brasileiro abrangendo desde suas raízes no teatro jesuítico e as heranças hispânica e portuguesa até o teatro profissional dos anos 1920 a 1950. Neste primeiro volume, diversos especialistas, como Décio de Almeida Prado, Flávio Aguiar e Neyde Veneziano, entre outros, abordam movimentos estéticos que surgiram no período: o teatro romântico, o teatro realista, o teatro de entretenimento, as tentativas naturalistas, o teatro no pré-modernismo e o teatro profissional de 1920-1950.

Prêmio Jabuti 2013 na categoria Artes e Fotografia.

TEATRO E DANÇA

161


HISTÓRIA DO TEATRO BRASILEIRO II

do modernismo às tendências contemporâneas organização | J. Guinsburg e João Roberto Faria Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2013 | 496 páginas | 18 × 25 cm ISBN 978-85-7995-056-8

história

Este segundo volume de História do teatro brasileiro aborda questões do novo teatro desde sua fase modernista, a partir da segunda metade do século XX, até a contemporaneidade. Além de um panorama histórico, os pesquisadores oferecem uma análise crítica e teórica dos problemas estéticos e artísticos dos trabalhos apresentados nos palcos brasileiros nos dias de hoje. Além dos organizadores, assinam textos Clóvis Garcia, Maria Thereza Vargas, Alberto Guzik e Cláudia de Arruda Campos, entre outros.

IMAGINAI!

o teatro de Gabriel Villela

organização | Dib Carneiro Neto e Rodrigo Audi 2017 | 340 páginas | 23 × 23 cm ISBN 978-85-9493-013-2

O livro apresenta a obra do diretor teatral Gabriel Villela, retratando toda a riqueza artística levada por ele aos palcos. Registros de todos os seus espetáculos, tanto os teatrais como shows e óperas, são apresentados com textos do próprio diretor trazendo suas memórias acerca de cada montagem, com referências aos bastidores, às parcerias, ao processo criativo e à trajetória das encenações. Juntam-se a esse valioso material artigos de críticos, artistas e parceiros que falam de diferentes aspectos de seu trabalho, como a criação de cenários e figurinos, os métodos de preparação de elenco e a relação de sua obra com o universo circense.

162


história

O THÉÂTRE DU SOLEIL

os primeiros cinquenta anos

Béatrice Picon-Vallin Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2017 | 368 paginas | 20 x 25,5 cm ISBN 978-85-9493-051-4

Fundado por Ariane Mnouchkine há mais de 50 anos, o Théâtre du Soleil marcou época por sua trajetória exemplar, pela longevidade e pelo renome de seus espetáculos. Revolucionárias no começo, fascinantes hoje em dia, suas práticas continuam uma referência para grupos de teatro no mundo inteiro. A autora Béatrice Picon-Vallin narra a epopeia desse grupo, que se destaca pela originalidade de seu funcionamento e seu método de trabalho. Coerente com seu subtítulo, este volume – enriquecido por uma iconografia em sua maioria inédita – é o primeiro relato histórico dos cinquenta anos iniciais do Théâtre du Soleil.

TEATRO E DANÇA

163


ES

D TA GO

O

JOGOS PARA ATORES E NÃO ATORES Augusto Boal Edições Sesc São Paulo e Editora Cosac Naify 2015 | 416 páginas | 14 x 23 cm ISBN 978-85-69298-15-1

Este é o livro mais vendido de Augusto Boal, traduzido para mais de 20 línguas. Nele, o autor aprofunda e exemplifica por meio de uma série de exercícios os princípios já definidos em Teatro do oprimido, em que o espectador era levado a interagir com os atores no palco. A presente edição brasileira é a mais completa dentre as que circulam atualmente pelo mundo. Baseou-se na última edição em português revista pelo autor (1998) e incorpora acréscimos substantivos feitos por Boal nas edições inglesa (2000), espanhola (2001) e francesa (2004), consolidados na edição alemã de 2013, cujo texto foi estabelecido por Till Baumann e organizado por Julián Boal.

MACKSEN LUIZ ET ALII Coleção Críticas

prefácio | Fernanda Montenegro 2017 | 516 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-9493-005-7

O segundo título da Coleção Críticas traz uma seleção dos textos mais relevantes publicados por Macksen Luiz, em veículos impressos ou eletrônicos, desde 1982 até 2010 – período em que o autor foi testemunha privilegiada do teatro encenado em palcos cariocas. Houve um trabalho minucioso de recolha das críticas, que estavam dispersas até então, bem como de organização por ordem cronológica. A obra cumpre importante papel de resgate da memória do teatro brasileiro e constitui uma referência abrangente para os estudiosos da área.

164


NOTAS SOBRE PISCATOR

teatro político e arte inclusiva Judith Malina 2017 | 320 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-9493-085-9

Judith Malina (1926-2015) e o Living Theatre, grupo do qual foi uma das fundadoras, são ícones do teatro político há sete décadas. Porém, poucos sabem que ela estudou com Erwin Piscator (Alemanha, 1893-1966), um dos mais importantes encenadores do século XX, que contribuiu para a criação do teatro épico, com Bertolt Brecht, e cujas técnicas inovadoras criadas nos anos 1920 tiveram grande influência nas produções europeia e norte-americana. Meio termo entre um diário e um tratado sobre o método de Piscator, o livro compila as impressões de Malina sobre as aulas e a influência de Piscator no teatro político e experimental, além de refletir sobre a contribuição dos ensinamentos do encenador alemão para o trabalho do Living Theatre.

TEATRO E DANÇA

165


G ES

AD OT

O

MÁQUINA PARA OS DEUSES anotações de um cenógrafo e o discurso da cenografia

Cyro del Nero Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2009 | 384 páginas | 23 × 21 cm ISBN 978-85-98112-89-3

A cenografia pode ser entendida como a arte de organizar plasticamente o palco e de dominar seus aspectos em todos os tipos de representação: dramática, lírica ou coreográfica. Máquina para os deuses discute as origens da arte cenográfica e sua evolução, registrando a criação e a utilização de cenários e de diversas máquinas e dispositivos mecânicos ao longo do tempo. Farto em documentação iconográfica, o livro também reproduz desenhos de projetos cenográficos do autor. Prêmio de Melhor Publicação Dedicada ao Universo do Teatro, da Cooperativa Paulista de Teatro, em 2009.

O ATORMENTADOR

minhas ideias sobre teatro Philippe Gaulier 2016 | 240 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-69298-65-6

Philippe Gaulier foi professor na École Internacionale de Théâtre Jacques Lecoq até a criação de sua própria escola, nos anos 1980. Desde então, contribui com a formação de atores de grande renome, ensinando o seu método de forma vivencial. No presente livro, o autor inventa um entrevistador – o “atormentador” – e, por meio dele, tece divagações e diálogos inusitados que compõem boa parte da publicação. Nessas conversas, é possível apreender o significado do método Gaulier na intimidade de suas provocações e na sutileza de seu humor. Explorando as interfaces entre a palhaçaria e o teatro, esta obra ultrapassa limites do politicamente correto e de convenções artísticas que empobrecem a criação estética.

166


G ES

AD OT

O

O CORPO POÉTICO

uma pedagogia da criação teatral

Jacques Lecoq colaboração | Jean-Gabriel Carasso e Jean-Claude Lallias Edições Sesc São Paulo e Editora Senac São Paulo 2010 | 240 páginas | 14 × 21 cm ISBN 978-85-7995-000-1

Jacques Lecoq (1921-1999) fundou sua escola internacional de teatro em Paris em 1956. Pedagogo atento ao que há de universal no teatro, ao mundo e a seus movimentos, Lecoq constituiu um ponto de referência em que seus muitos alunos puderam basear-se e educar-se, respeitando diferenças culturais, história, imaginário, possibilidades e talentos de cada um. Fruto de numerosas entrevistas concedidas aos organizadores, este livro apresenta a trajetória de Lecoq e seus objetivos e métodos de ensino.

O QUE É CENOGRAFIA? Pamela Howard 2015 | 280 páginas | 19 × 25 cm ISBN 978-85-7995-169-5

artes visuais

Neste texto, que se tornou um clássico em design de teatro contemporâneo e prática da performance, Pamela Howard apresenta uma análise integral da cenografia que compreende espaço, texto, pesquisa, arte, artistas, diretores e espectadores para examinar a natureza mutável da cenografia no século XXI. Fartamente ilustrado com desenhos e croquis, o livro inclui estudos de casos da carreira de Howard, além de explanações sobre como a cenografia é vista pelo mundo, contando com definições de importantes cenógrafos da atualidade. Com seu vasto conhecimento, Howard enriqueceu a compreensão da estética do palco, que envolve escrever, desenhar, organizar, gerenciar, educar, pintar, pesquisar e manter-se apaixonada por essa arte.

TEATRO E DANÇA

167


O TAPA NO ARENA

repertório em imagens organização | Claudinei Nakasone 2015 | 200 páginas | 23 × 23 cm ISBN 978-85-69298-57-1

fotografia

Claudinei Nakasone registra as montagens do Grupo Tapa em seu novo espaço, o Teatro de Arena. Dessa forma, consegue aliar duas de suas paixões: o teatro e a fotografia. O Tapa no Arena é resultado do olhar de Nakasone sobre quinze espetáculos encenados pela companhia. Pelas imagens, é possível captar a força, a energia do gesto e da doação de cada ator diante da plateia, e todo o trabalho do diretor e dos colaboradores para que a magia do teatro aconteça. Esta obra conta com a colaboração de argutos observadores da história do teatro no Brasil, como Valmir Santos e Guilherme Sant’Anna, além da indispensável contribuição de Clara Carvalho, atriz do Grupo Tapa.

O TEATRO DA MORTE

Tadeusz Kantor organização | Denis Bablet Edições Sesc São Paulo e Editora Perspectiva 2008 | 276 páginas | 12 × 22 cm ISBN 978-85-98112-76-3

Esta coletânea de escritos do artista plástico, cenógrafo e encenador polonês Tadeusz Kantor (1915-1990) busca explicar o criador e a sua obra por meio de uma seleção de seus manifestos, partituras de espetáculos, performances, entrevistas, ensaios e artigos. Atrelado ao espetáculo A classe morta, O teatro da morte é o título do último manifesto de Tadeusz Kantor, trabalho que significou uma mudança em suas pesquisas, a partir da qual passou a explorar as noções de memória, história, mito, criação artística e o artista como cronista do século XX.

168


O TEATRO DOS MORTOS

introdução a uma filosofia do teatro Jorge Dubatti prefácio | Beth Néspoli 2016 | 204 páginas | 16 x 23cm ISBN 978-85-69298-89-2

filosofia

Neste livro, Jorge Dubatti discorre sobre o teatro como experiência de perda e o sentimento criado pela impossibilidade de capturar o acontecimento teatral. As teatralidades contemporâneas aqui presentes são resultado de mais de 20 anos de atuação de Dubatti na pesquisa científica, experimental e teórica acerca da filosofia teatral. Sob a perspectiva do teatro latino-americano, o autor apresenta o avanço da filosofia do teatro tanto na questão epistemológica quanto na reformulação de certos núcleos fundamentais da teatrologia. Além disso, amplia o campo da estética teatral ao esmiuçar a relação do teatro com o ser e a própria linguagem.

O TEATRO LABORATÓRIO DE JERZY GROTOWSKI 1959-1969

textos e material | Jerzy Grotowski e Ludwik Flaszen ensaio | Eugenio Barba prefácio | Carla Pollastrelli Edições Sesc São Paulo, Editora Perspectiva e Fondazione Pontedera Teatro 2010 | 2ª edição 254 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-98112-35-0

Grotowski (1933-1999) foi um dos maiores diretores e teóricos teatrais do século XX. Desenvolveu o training (exercício dramatúrgico continuado), propôs uma ética do ator como sujeito de experiências autênticas, aperfeiçoando ideias de Stanislavski, e definiu o grupo teatral como lugar de investigação pessoal e artística. Esta coletânea reúne alguns dos mais importantes textos do encenador polonês, como “Em busca de um teatro pobre”, “Teatro e ritual”, “Da companhia teatral à arte como veículo” e “O diretor como espectador de profissão”.

TEATRO E DANÇA

169


REFLEXÕES SOBRE SHAKESPEARE Peter Brook 2016 | 128 páginas | 12,5 x 21 cm ISBN 978-85-9493-001-9

Peter Brook é um dos mais renomados diretores de teatro de todos os tempos. Em Reflexões sobre Shakespeare, ele discute uma fascinante variedade de temas shakespearianos, da atemporalidade da obra do dramaturgo inglês à maneira como os atores devem abordar seu verso. Como o próprio autor afirma, este não é um trabalho acadêmico. Aos 91 anos de idade, ele apresenta uma série de impressões, memórias, experiências e conclusões sobre uma vida inteira dedicada ao fazer teatral.

ROBERT LEPAGE

conversas sobre arte e método Renate Klett prefácio | Andréa Caruso Saturnino 2016 | 204 páginas | 16 x 23 cm ISBN 978-85-69298-98-4

Em conversas informais com a jornalista Renate Klett, o ator e diretor franco-canadense Robert Lepage fala de seu trabalho em três continentes, de sua abertura em relação a tudo o que é fora do comum, da vida intensa e cheia de adrenalina e criatividade, de sua maneira de trabalhar e da busca por iluminação. A edição brasileira conta com prefácio da diretora e pesquisadora Andrea Caruso Saturnino, que aborda os caminhos artísticos de Lepage e seu diálogo com outros dramaturgos. Além disso, um caderno de fotos oferece registros de dois espetáculos do diretor no Brasil – parte da tetralogia Jogos de cartas – apresentados no Sesc Santo Amaro em 2014.

170


Anchieta, desde os anos 1960, os mais prestigiosos palcos sta. Lá se apresentaram artistas eira, Cleyde Yáconis, Eva Wilma, enegro, Marília Pêra, Paulo Autran, ul Cortez, Regina Duarte, ntunes Filho fez nascer o Centro atral - CPT, enquanto Aderbal Freire p, Flavio Rangel, Gabriel Villela, igiram suas montagens. Talentos stintas se encontram no Anchieta.

TEATRO SESC ANCHIETA

a a classe artística, o Teatro também a o público que ali encontra uma riteriosa, instigante e livre de apelos ste livro, sua trajetória é construída va polifônica, composta por vozes e se somam a imagens, cartazes os de seus tantos personagens, r não esgotar a história do Anchieta, or-espectador a apreciar a leitura, o próximo espetáculo.

UM ÍCONE PAULISTANO

TEATRO SESC ANCHIETA UM ÍCONE PAULISTANO

TEATRO SESC ANCHIETA um ícone paulistano Coleção Memórias

2017 | 368 páginas | 23 x 23 cm ISBN 978-85-6929-856-4

BILINGUAL EDITION PORTUGUESE ENGLISH

ISBN 978-85-6929-856-4

história

Organizado em torno de pesquisas, entrevistas e seleção de textos e imagens de acervo, além de ensaios críticos e fichas técnicas dos espetáculos apresentados na casa, este livro revisita a história do Teatro Anchieta, situado no Sesc Consolação, uma das mais importantes salas de teatro da cidade de São Paulo. Valendo-se também das memórias de artistas e profissionais que ali trabalharam, o texto exprime a importância do projeto político-cultural que embasou as ações nesse espaço, desde sua inauguração até hoje, com especial destaque para o Centro de Pesquisa Teatral (CPT), sob a direção de Antunes Filho.

TEMAS PARA A DANÇA BRASILEIRA organização | Sigrid Nora 2010 | 344 páginas | 16 × 23 cm ISBN 978-85-7995-009-4

Composto por reflexões de críticos, curadores e pesquisadores renomados nacional e internacionalmente sobre importantes e urgentes questões relacionadas à dança contemporânea no Brasil, o livro compila artigos sobre os seguintes tópicos: “Crítica de dança e jornalismo cultural”; “Dramaturgia e dança: tendências estéticas e processos de criação”; “Produção em dança: especificidades de um ofício” e “Estratégias de colaboração para a dança no Brasil”.

TEATRO E DANÇA

171


PRÓXIMOS LANÇAMENTOS ENCONTROS COM SHAKESPEARE Ron Daniels

Neste volume dividido em três “atos”, o grande encenador Ron Daniels narra sua experiência com o teatro, desde seu início no Oficina até a Royal Shakespeare Company. Na segunda parte do livro ele, que já dirigiu atores de renome como Gary Oldman, estabelece um manual para o ator e diretor de Shakespeare no Brasil. Já a terceira parte do livro contempla as traduções que encenou com Marcos Daud para as montagens shakespearianas que realizou no Brasil: Medida por medida, Rei Lear, Macbeth e Hamlet.

GIANNI RATTO

Antonia Ratto e Elisa Byington

Gianni Ratto foi um cenógrafo, diretor teatral e escritor italiano que desenvolveu uma carreira transatlântica. Iniciou a vida profissional na Itália, sendo cofundador, em 1946, do Picollo Teatro e, depois, vice-diretor técnico do Teatro Alla Scala, ambos em Milão. Em 1954 veio para o Brasil a convite de Maria Della Costa para dirigir uma peça e aqui ficou. Sua carreira se estendeu por cinco décadas. Esta obra, organizada por Antonia Ratto, sua filha, e Elisa Byington, documenta a extensa produção de Gianni por meio de fotografias e desenhos. Um ensaio de Vittoria Crespi analisa sua fase italiana, e outro de Sérgio Carvalho, a fase brasileira.

REFLEXÕES SOBRE LINGUAGEM E SIGNIFICADO Peter Brook

Quase um irmão de Reflexões sobre Shakespeare na leveza e sabedoria de seu texto, Reflexões sobre linguagem e significado é muito mais abrangente que seu antecessor. Neste, o autor trata de diferenças sutis entre francês e inglês, do reconhecimento do mundo que temos através da língua, e revisita seu conceito seminal de “espaço vazio”, aborda os diversos níveis nos quais podemos apreciar as obras de Shakespeare – ao refletirmos sobre a linguagem e o significado de cada palavra –, e reflete sobre as mudanças ocorridas no teatro e no mundo durante sua longa carreira.

172


UM CIRCO DE RINS E FÍGADOS o teatro de Gerald Thomas organização | Adriana Maciel

Com ensaios do jornalista Dirceu Alves Jr. e da professora de teoria do teatro Flora Süssekind, mais textos da fortuna crítica referente a cada uma das peças de Gerald Thomas e seus respectivos textos integrais, esta obra pretende ser a mais completa em língua portuguesa sobre a profícua produção autoral desse dramaturgo brasileiro, abrangendo até mesmo o texto teatral de sua peça mais recente, Dilúvio, encenada no Brasil em 2017.

TEATRO E DANÇA

173


174


ÍNDICE POR TÍTULO 18º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul............................................... 16 19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: artistas convidados.............. 17 19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: leituras ................................ 17 19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL Panoramas do Sul: obras selecionadas e projetos comissionados.................................... 18 20º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL .......... 19 UMA COMUNIDADE MÚLTIPLA 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil................................................. 19 1917 o ano que abalou o mundo................................. 111 ABECEDÁRIO DE PERSONAGENS DO FOLCLORE BRASILEIRO............................... 67

A MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NA VITROLA DE MÁRIO DE ANDRADE.................. 135 ANTROPOLOGIA DO ESPAÇO.............................. 21 ANTUNES FILHO poeta da cena.................................................... 157 A PRESENÇA DE SIMONE DE BEAUVOIR HOJE.. 92 ARAWETÉ um povo tupi da Amazônia................................... 22 ARQUITETURA DE EXPOSIÇÕES Lina Bo Bardi e Gisela Magalhães ....................... 29 ARQUITETURA E URBANISMO NO VALE DO PARAÍBA........................................ 29 ARTE AFRICANA.................................................. 8 ARTE EM CENA a direção de arte no cinema brasileiro................. 51 A SABEDORIA DO BIBLIOTECÁRIO................... 129 AS IMAGENS DA IMAGEM DO SESC.................. 109

ABERTO [OPEN]: FITEIRO CULTURAL................. 7

A SUBVERSÃO DO SER identidade, mundo, tempo, espaço: fenomenologia de uma mutação.......................... 47

A BIBLIOTECA uma história mundial........................................ 109

ATMOSFERAS URBANAS grafite, arte pública, nichos estéticos................ 144

ABISMO DE ROSAS vida e obra de Canhoto........................................ 38

AVES DO SESC BERTIOGA................................ 131

ABRAHÃO SANOVICZ desenhos e gravuras ............................................ 7 A CONDIÇÃO HUMANA as aventuras do homem em tempos de mutações.. 84 A DEMOCRACIA NO MUNDO DIGITAL: HISTÓRIA, PROBLEMAS E TEMAS................... 147

A VINGANÇA DE PLATÃO política na era da ecologia................................... 79 BARÉ povo do rio........................................................... 22 BENS CULTURAIS E DIREITOS HUMANOS....... 146

AGITE ANTES DE USAR...................................... 71

BIG BANDS PAULISTAS história de orquestras de baile do interior de São Paulo.................................... 135

A HISTÓRIA DOS CAXINAUÁS POR ELES MESMOS............................................ 21

CADEIA DE RECICLAGEM um olhar para os catadores............................... 131

A INVENÇÃO DA POLÍTICA CULTURAL............. 143

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 10.................... 12

ÁLBUM imagens musicais............................................... 95

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 11.................... 13

ÁLBUM DE FAMÍLIA a imagem de nós mesmos................................. 143

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL 12.................... 13 CAIXA PAULO EMÍLIO ........................................ 51

ALDEMIR MARTINS o viajante amigo.................................................... 8

CAMINHOS volta ao mundo de bicicleta ................................. 96

A LEITURA, OUTRA REVOLUÇÃO ..................... 125

CAMINHOS CRUZADOS Teatro de Dança Galpão 1974-1981 ................... 158

AMAZÔNIA OCUPADA......................................... 95 A MEMÓRIA, A JUSTIÇA E O PERDÃO................ 79 AMOR AO TEATRO Sábato Magaldi.................................................. 157

CAPAS DE SANTA ROSA .................................... 65 CARLOS MOREIRA – SÃO PAULO ....................... 96 CENOGRAFIA BRASILEIRA notas de um cenógrafo ....................................... 158

175


CENOGRAFICAMENTE da cenografia ao figurino .................................. 159

DIDÁTICA DA PARTICIPAÇÃO teoria, metodologia e prática .............................. 67

CENTROS DE MEMÓRIA uma proposta de definição ................................ 110

DIMENSÕES DA CULTURA políticas culturais e seus desafios .................... 103

CÉREBRO ATIVO reeducação do movimento .................................. 73

DIREITO, ARTE E LIBERDADE ......................... 106

CÉU DE LUIZ ...................................................... 97 CHINA: UMA HISTÓRIA EM OBJETOS............... 115 CHORAR, AMAR, RIR, COMPREENDER ............. 80 CHOROS DE GAROTO ....................................... 136 CIDADELAS DA CULTURA NO LAZER ............... 23 CIDADELA DA LIBERDADE Lina Bo Bardi e o Sesc Pompeia ......................... 30 CIDADE DAS IDEIAS | IDEAS CITY | SÃO PAULO ................................... 30 CIDADES SUL-AMERICANAS COMO ARENAS CULTURAIS ............................... 35 CINEMA COMO ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS ...... 59 CINEMA EXPLÍCITO representações cinematográficas do sexo .......... 52 CIVILIZAÇÃO ISLÂMICA EM TRINTA BIOGRAFIAS ................................. 113 COEDUCAÇÃO ENTRE GERAÇÕES ................... 121 CONFLITO E COOPERAÇÃO ENTRE GERAÇÕES .......................................... 121 CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS TRADIÇÃO, POÉTICAS E INTERFACES ............................... 126 COPACABANA a trajetória do samba-canção (1929-1958) ........ 140 CORPO VIVO reeducação do movimento .................................. 73 CULTIVANDO DIFERENÇAS fronteiras simbólicas e a formação da desigualdade ............................................... 146 CULTURA E AÇÃO CULTURAL uma contribuição a sua história e conceitos ...... 148 CULTURA POPULAR E ALTA CULTURA uma análise e avaliação do gosto ...................... 148 DA ARGILA À NUVEM uma história dos catálogos de livros (II milênio – século XXI) ....................... 128 DA MESMA MATÉRIA QUE OS SONHOS sobre consciência, racionalidade e livre-arbítrio .47 DIÁRIO DA CALIFÓRNIA .................................... 80

176

ECONOMIA DO PATRIMÔNIO CULTURAL ......... 104 EDUARDO COUTINHO ........................................ 52 ELOGIO DO POLÍTICO uma introdução ao século XXI ............................. 81 ENCONTROS COM ARIANE MNOUCHKINE erguendo um monumento ao efêmero ............. 160 ENCONTROS COM SHAKESPEARE .................. 172 ENCICLOPÉDIA DO CINEMA BRASILEIRO ......... 53 ENSAIOS SOBRE O MEDO .................................. 81 ENTRADAS CLOWNESCAS uma dramaturgia do clown ............................... 160 ERA O HOTEL CAMBRIDGE arquitetura, cinema e educação .......................... 53 ESPAÇO EM OBRA ............................................. 31 ESPORTE PARA IDOSOS uma abordagem inclusiva ................................. 122 ÉTICA E CULTURA ............................................. 82 ÉTICA URGENTE ................................................ 82 FALA DE BICHO, FALA DE GENTE cantigas de ninar do povo juruna ........................ 23 FARÓIS NO CAOS ............................................... 61 FASES DA VIDA .................................................. 76 FERNANDA MONTENEGRO itinerário fotobiográfico ...................................... 37 FILMAR O QUE NÃO SE VÊ ................................. 56 FOTOGRAFIA DE PALCO .................................... 97 FOTOGRAFIA DE PALCO II ................................. 98 FRECHAL, QUILOMBO PIONEIRO NO BRASIL da escravidão ao reconhecimento de uma comunidade afrodescendente ................... 100 GEMAS DA TERRA imaginação estética e hospitalidade ................. 132 GENTE HUMILDE vida e música de Garoto ...................................... 38 GERAÇÃO ØØ a nova fotografia brasileira ................................. 98 GERALDO DE BARROS E A FOTOGRAFIA .......... 99

DICIONÁRIO DO TEATRO BRASILEIRO temas, formas e conceitos ................................ 159

GERALDO DE BARROS: ISSO ............................. 10

DICIONÁRIO SESC a linguagem da cultura ..................................... 149

GESTO ORIENTADO reeducação do movimento .................................. 74


GIANNI RATTO ................................................. 172

MEMÓRIAS INAPAGÁVEIS ................................ 15

GUIA BRASILEIRO DE PRODUÇÃO CULTURAL ações que transformam a cidade ...................... 104

MEMÓRIAS SERTANISTAS cem anos de indigenismo no Brasil .................... 24

HERANÇA COMPARTILHADA ........................... 110

MERCADOS E FEIRAS LIVRES EM SÃO PAULO (1867-1933) ............................ 117

FIAMINGHI: CORLUZ ......................................... 19 HIEROFANIA o teatro segundo Antunes Filho ........................ 161 HILDA HILST FERNANDO LEMOS...................... 99 HISTÓRIA DO TEATRO BRASILEIRO I das origens ao teatro profissional da primeira metade do século XX .......................... 161 HISTÓRIA DO TEATRO BRASILEIRO II do modernismo às tendências contemporâneas............................................... 162 IDOSOS NO BRASIL vivências, desafios e expectativas .................... 122 IMAGINAI! o teatro de Gabriel Villela ................................. 162 IMAGINÁRIOS estranhamentos urbanos ................................. 144 INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS uma experiência em pedagogia do esporte e da atividade física no Sesc São Paulo .. 75 INTERTERRITORIALIDADE mídias, contextos e educação ............................. 68 INTERVENÇÕES URBANAS arte/cidade ......................................................... 32 ISAAC JULIEN .................................................... 14 JARDIM DA LUZ um museu a céu aberto ...................................... 32 JOGOS E BRINCADEIRAS NA CULTURA KALAPALO ..................................... 24 JOGOS PARA ATORES E NÃO ATORES ............. 164 KAZUO E YOSHITO OHNO ................................ 101 LÉVI-STRAUSS .................................................. 39 LEVANTES ........................................................... 9

MEU ALFABETO ensaios de literatura, cultura e psicanálise ......... 84 MEU NOME NÃO É PIXOTE o jovem transgressor no cinema brasileiro ......... 56 MICHEL ARNOULT, DESIGN E UTOPIA móveis em série para todos ................................ 65 MULHERES BRASILEIRAS E GÊNERO NOS ESPAÇOS PÚBLICO E PRIVADO uma década de mudanças na opinião pública ... 149 MITOLOGIA um guia dos mundos imaginários ..................... 112 MUTAÇÕES a experiência do pensamento ............................. 85 MUTAÇÕES a invenção das crenças ....................................... 85 MUTAÇÕES dissonâncias do progresso ................................. 92 MUTAÇÕES elogio à preguiça ................................................ 86 MUTAÇÕES entre dois mundos .............................................. 89 MUTAÇÕES fontes passionais da violência ............................. 87 MUTAÇÕES novas configurações do mundo ........................... 88 MUTAÇÕES o futuro não é mais o que era ............................. 86 MUTAÇÕES o novo espírito utópico ........................................ 88 MUTAÇÕES o silêncio e a prosa do mundo ............................. 87 NA BASE DO FAROL NÃO HÁ LUZ cultura, educação e liberdade ............................. 69

LITERATURA EXPANDIDA ................................ 14

NA HORA DA DECISÃO somos sujeitos conscientes ou máquinas biológicas? .................................... 48

MACKSEN LUIZ ET ALII ................................... 164

NÃO EXISTE AMOR PERFEITO ........................... 83

MAIO DE 68 E SEUS DESDOBRAMENTOS ........ 117

NA TRILHA DE MACUNAÍMA ócio e trabalho na cidade .................................. 150

LIÇÕES DE RESISTÊNCIA .................................. 62

MÁQUINA PARA OS DEUSES anotações de um cenógrafo e o discurso da cenografia ................................... 166 MARIANNE PERETTI a ousadia da invenção ......................................... 33 MÁXIMA ARTE, MÍNIMA ARTE as escalas da arte ............................................... 10

NOTAS SOBRE PISCATOR teatro político e arte inclusiva ........................... 165 NOVA HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO I....... 54 NOVA HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO II .... 55 O ATORMENTADOR minhas ideias sobre teatro ............................... 166

177


O AUTOR NO CINEMA......................................... 59 O CARNAVAL DE PIXINGUINHA ....................... 137 ÓCIO ESTÉTICO VALIOSO .................................. 89 O CORPO POÉTICO uma pedagogia da criação teatral ..................... 167 OLAFUR ELIASSON ........................................... 15 O LIVRO DO JAZZ de Nova Orleans ao século XXI .......................... 138 O LEITOR COMO METÁFORA o viajante, a torre e a traça ............................... 126 O QUE É CENOGRAFIA? ................................... 167 O QUE É UM LIVRO? ......................................... 129 OS PIONEIROS DA HABITAÇÃO SOCIAL ............ 33 OS SERTÕES edição comemorativa dos 150 anos de nascimento de Euclides da Cunha .................... 112 O TAPA NO ARENA repertório em imagens ..................................... 168 O TEATRO DA MORTE ...................................... 168

PROGRAMA CURUMIM memórias, cotidiano e representações ............... 68 PSICOLOGIA CULTURAL DA MÍDIA .................... 61 QUANDO MARINA ABRAMOVIĆ MORRER uma biografia ..................................................... 40 QUER JOGAR? .................................................... 70 RAÍZES ERRANTES ............................................ 49 REFLEXÕES SOBRE LINGUAGEM E SIGNIFICADO (TÍTULO PROVISÓRIO) ........... 172 REFLEXÕES SOBRE SHAKESPEARE................ 170 ROBERT LEPAGE conversas sobre arte e método.......................... 170 RODRIGO BROTERO LEFÈVRE E A IDEIA DE VANGUARDA ...................................................... 32 RUBENS MATUCK, TUDO É SEMENTE ............... 11 SAPIENTIA uma arqueologia de saberes esquecidos ............ 90

O TEATRO DE VICTOR GARCIA a vida sempre em jogo ........................................ 40

SENTIR, PERCEBER E AGIR educação somática pelo método Body-Mind Centering®......................................... 75

O TEATRO DOS MORTOS introdução a uma filosofia do teatro .................. 169

SÉTIMA ARTE um culto moderno .............................................. 57

O TEATRO LABORATÓRIO DE JERZY GROTOWSKI 1959-1969 ......................................................... 169 O THÉÂTRE DU SOLEIL os primeiros cinquenta anos ............................. 163 PARA ALÉM DAS MÁQUINAS DE ADORÁVEL GRAÇA cultura hacker, democracia e cibernética ......... 154 PASSAGENS DE TEMPO ..................................... 49 PATATIVA DO ASSARÉ o sertão dentro de mim .................................... 101 PATRIMÔNIO COLONIAL LATINO-AMERICANO . 35

SIGNOS, MÁQUINAS, SUBJETIVIDADES ............ 90 SOBRE A ARTE BRASILEIRA da pré-história aos anos 1960............................ 114 SOBRE A MORTE invariantes culturais e singularidades humanas . 26 SOBRE O SOCIAL EM TEMPOS DE INCERTEZA .27 SOCIOFOBIA mudança política na era da utopia digital ............ 91 SOCIOLOGIA DA CULTURA ............................... 151 SOCIOLOGIA DAS PRÁTICAS CULTURAIS ........ 151

PIO & MÁRIO diálogo da vida inteira ...................................... 114

SOCIOLOGIA EMPÍRICA DO LAZER .................. 152

PIXINGUINHA outras pautas ................................................... 137

TARSILA DO AMARAL a modernista ...................................................... 41

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS da ideia à ação .................................................. 105

TEATRO SESC ANCHIETA um ícone paulistano ......................................... 171

PLURAL E COMUM sociologia de um mundo cosmopolita................ 155 POLÍTICA CULTURAL E ECONOMIA DA CULTURA .............................. 150 PONTOS DE VISTA artistas e seus referenciais ................................. 11 PÓS-FOTOGRAFIA, PÓS CINEMA novas configurações das imagens ....................... 59

178

PRAZERES E PECADOS DO SEXO NA HISTÓRIA DO BRASIL ................................ 118

TEMAS PARA A DANÇA BRASILEIRA .............. 171 TEORIA CULTURAL E CULTURA POPULAR uma introdução ................................................ 152 TEORIA DOS DIREITOS CULTURAIS fundamentos e finalidades ............................... 145 TERRA COMUNAL .............................................. 12 TERTÚLIA o autor como leitor ........................................... 127


TOKYOGAQUI um Japão imaginado .......................................... 25 TRADIÇÃO E RESISTÊNCIA encontro de povos indígenas ............................... 25 TUDO SOBRE TOD@S redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais ............................................ 153 TURISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL interpretação e qualificação .............................. 105 TUTTO FELLINI .................................................. 57 UM ANO SÍSIFO diário do fim do século ........................................ 80 UMA ÁRVORE DA MÚSICA BRASILEIRA .......... 141 UMA BIOGRAFIA DA ÁGUA desde a sua origem na infância do Universo ....... 44 UMA NOVA INTRODUÇÃO À ARTE DO SÉCULO XX .................................... 116 UM CIRCO DE RINS E FÍGADOS o teatro de Gerald Thomas................................ 173 UM FANTASMA LEVA VOCÊ PARA JANTAR do cosmos ao GPS .............................................. 43 UTOPIA a história de uma ideia ...................................... 116 VÁRZEA DO CARMO A PARQUE DOM PEDRO II de atributo natural a artefato ............................ 118 VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO .................................... 58 VIDA VÍCIO VIRTUDE .......................................... 91 VIDEOBRASIL .................................................... 16 VIOLÃO-CANÇÃO diálogos entre o violão solo e a canção popular .138 VIVER A CIDADE, ENVELHECER NA CIDADE os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal ................................ 123 VOZES DO BRASIL ........................................... 141 WALTER SMETAK o alquimista dos sons ....................................... 139

179


180


ÍNDICE POR COLEÇÃO Coleção Acadêmica

BENS CULTURAIS E DIREITOS HUMANOS....... 146

CIDADELAS DA CULTURA NO LAZER uma reflexão em antropologia da imagem sobre o Sesc São Paulo................................................... 23

CULTIVANDO DIFERENÇAS fronteiras simbólicas e a formação da desigualdade................................................ 146

CONFLITO E COOPERAÇÃO ENTRE GERAÇÕES .......................................... 121

CULTURA POPULAR E ALTA CULTURA uma análise e avaliação do gosto...................... 148 SOCIOLOGIA DA CULTURA............................... 151

Coleção Arte, Trabalho e Ideal............ 19 Coleção Bibliofilia DA ARGILA À NUVEM....................................... 128 O QUE É UM LIVRO........................................... 129 A SABEDORIA D0 BIBLIOTECÁRIO................... 129

Coleção Ciência no Cotidiano UMA BIOGRAFIA DA ÁGUA desde a sua origem na infância do Universo........ 44 UM FANTASMA LEVA VOCÊ PARA JANTAR do cosmos ao GPS.................................................. 43

Coleção Críticas AMOR AO TEATRO Sábato Magaldi................................................. 157 MACKSEN LUIZ ET ALII.................................... 164

Coleção Culturas CENTROS DE MEMÓRIA uma proposta de definição................................ 110 TEORIA DOS DIREITOS CULTURAIS Fundamentos e finalidades............................... 145 A INVENÇÃO DA POLÍTICA CULTURAL............ 143

SOCIOLOGIA DAS PRÁTICAS CULTURAIS........ 151 TEORIA CULTURAL E CULTURA POPULAR uma introdução................................................. 152 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS da ideia à ação.................................................. 105 DIMENSÕES DA CULTURA políticas culturais e seus desafios..................... 103

Coleção Diários De Edgar Morin CHORAR, AMAR, RIR, COMPREENDER.............. 80 DIÁRIO DA CALIFÓRNIA..................................... 80 UM ANO SÍSIFO diário do fim do século........................................ 80

Coleção Gestão da Cultura DIREITO, ARTE E LIBERDADE.......................... 106

Coleção Memórias AS IMAGENS DA IMAGEM DO SESC ................ 109 PROGRAMA CURUMIM memórias, cotidiano e representações................ 68 TEATRO SESC ANCHIETA um ícone paulistano.......................................... 171

181


182


ÍNDICE POR AUTOR ADAUTO NOVAES......................................81

CÉSAR RENDUELES.................................91

.................................................................84

CHASE F. ROBINSON..............................113

.................................................................85

CHICO SARAIVA......................................138

.................................................................86

CHRISTINE GREINER...............................25

.................................................................87

CHRISTINE LEIDGENS...........................100

.................................................................88

CHRISTOPH WULF...................................90

.................................................................89

CHRISTOPHER DELL..............................112

.................................................................91

CLAUDINEI NAKASONE.........................168

.................................................................92

CORINNE ERNI.........................................30

ADEMIR ASSUNÇÃO.................................61

CRISTINA FLÓRIA....................................25

ADRIÁN GORELIK.....................................35

CRISTINA MARTINS FARGETTI................23

ADRIANA KLISYS.....................................70

CRISTIANE DEMÉTRIO...........................131

ADRIANA MACIEL..................................173

CRISTIANE OLIVIERI..............................104

AMELIA VALCÁRCEL................................79

...............................................................106

ANA MAE BARBOSA.................................68

CYRO DEL NERO.....................................166

ANA MARIA CAMARGO...........................110

DANILO SANTOS DE MIRANDA................82

ANA PATO.................................................14

DAVID ROSELLÓ CEREZUELA................105

.................................................................18

DENISE MILAN.......................................132

ANA PAULA KOURY..................................33

DIB CARNEIRO NETO.............................162

ANDRÉA HOLZ PFUTZENREUTER..........123

DIEGO MATOS...........................................18

ANDRÉ WAINER.......................................30

DIEGO VILLAR..........................................21

ANITA LIBERALESSO NERI....................122

DOMINGOS TEIXEIRA.............................136

ANTONIA RATTO.....................................172

ED ANDERSON.........................................56

AGUSTÍN PÉREZ RUBIO...........................15

EDER CHIODETTO....................................98

ARMANDO SILVA....................................143

EDGAR MORIN..........................................80

...............................................................144

EDLA VAN STEEN...................................157

ARGUS CARUSO SATURNINO...................96

EDSON NATALE......................................104

AUDÁLIO DANTAS....................................97

...............................................................106

AUGUSTO BOAL......................................164

EDUARDO VIVEIROS DE CASTRO.............22

AUGUSTO MASSI......................................99

ELIANE CAMARGO...................................21

BÉATRICE PICON-VALLIN......................163

ELISA BYINGTON....................................172

BEATRIZ FURTADO...................................59

EMIDIO LUISI..........................................101

BEATRIZ LEMOS.......................................18

...............................................................157

BERNARDO JOSÉ DE SOUZA....................17

EMMANUELLE LOYER..............................39

.................................................................18

ETHEL LEON.............................................65

BIA PAES LEME......................................137

EUCLIDES DA CUNHA............................112

BITU CASSUNDÉ......................................17

FABIANA DE BARROS.................................7

.................................................................18

.................................................................10

BONNIE BAINBRIDGE COHEN..................75

.................................................................19

CARLA CAFFÉ..........................................53

FABIANA WERNECK BARCINSKI...........114

CARLOS DIAS...........................................32

FÁBIO HENRIQUE NUNES MEDEIROS....126

CAMILA DE CAUX.....................................22

FELIPE MILANEZ.....................................24

CÉLIO TURINO........................................150

FERNANDA ARÊAS PEIXOTO...................35

CÉSAR AUGUSTO SARTORELLI................29

FERNANDA MONTENEGRO......................37

183


184

FERNANDA SANOVICZ ..............................7

JOÃO ADOLFO HANSEN.........................129

FERNANDO SAVATER...............................82

JOÃO FARKAS..........................................95

FERNÃO PESSOA RAMOS.........................53

JOÃO LAIA................................................17

.................................................................54

.................................................................18

.................................................................55

.................................................................19

FLÁVIA CAMARGO TONI.........................135

JOÃO KULCSÁR......................................110

FLÁVIA ROBERTA COSTA.......................105

JOÃO ROBERTO FARIA...........................159

FRANCIS MÁRCIO ALVES MANZONI......117

...............................................................161

FRANCIS WOLFF......................................83

...............................................................162

FRANÇOISE BENHAMOU........................104

JOCHEN VOLZ...........................................12

FRANK WILLETT........................................8

.................................................................15

GEORGES BALANDIER.............................27

JOFFRE DUMAZEDIER...........................152

GEORGES DIDI-HUBERMAN.......................9

JOHN STOREY........................................152

GIUSEPPE MININNI..................................61

JORGE DUBATTI.....................................169

GREGORY CLAEYS..................................116

JORGE MELLO..........................................38

GUGA STROETER....................................141

...............................................................136

GUILHERME ORLANDINI HEURICH..........22

JOSÉ CARLOS DURAND..........................150

GUILHERME WISNIK................................31

JOSÉ CARLOS FERRIGNO.......................121

GUSTAVO VENTURI.................................149

JOSÉ DE ANCHIETA................................159

HERBERT J. GANS..................................148

JOSÉ ILDEFONSO MARTINS...................135

HELOISA ESPADA.....................................99

JOSÉ PEDRO SOARES MARTINS............135

HENRIQUE GOMIDE................................136

JOSETTE FÉRAL.....................................160

HERMES FERREIRA BALBINO.................75

JUDITH MALINA.....................................165

HUMBERTO CUNHA FILHO......................145

JÚLIA REBOUÇAS.....................................12

INÊS BOGÉA...........................................158

.................................................................17

INÊS VIRGÍNIA PRADO SOARES.............146

.................................................................18

ISAURA BOTELHO..................................103

JULIO MARIUTTI......................................31

ISMAIL XAVIER.........................................57

JULIA KRISTEVA......................................84

IVALDO BERTAZZO...................................73

.................................................................92

.................................................................74

KARIM AÏNOUZ.........................................58

.................................................................76

KIM DORIA..............................................111

IVANA JINKINGS....................................111

KRISTIN ROSS........................................117

J. C. SERRONI.........................................158

LENISE PINHEIRO....................................97

J. GUINSBURG........................................159

.................................................................98

...............................................................161

LIGIA FONSECA FERREIRA......................62

...............................................................162

LILIAN AMARAL.......................................68

JACOB KLINTOWITZ...................................8

LUDWIK FLASZEN..................................169

JACQUES DEMAJOROVIC.......................131

LUÍS BUENO.............................................65

JACQUES LECOQ....................................167

LUIZ FELIPE MIRANDA............................53

JAMES W. P. CAMPBELL........................109

LUIZ SANFILIPPO...................................131

JAMES WESTCOTT...................................40

M. A. AMARAL REZENDE..........................19

JANUÁRIA CRISTINA ALVES....................67

MARCELO FERRAZ...................................30

JEAN-PHILIPPE DOMECQ......................116

MARCEL FOURNIER...............................146

JEFFERSON DEL RIOS.............................40

MARCELO GOMES.....................................58

JERZY GROTOWSKI................................169

MÁRCIA LIMA.........................................131

JESSICA HARRISON-HALL.....................115

MARCIA ZOLADZ......................................19

JOACHIM-ERNST BERENDT...................138

MARCÍLIO LOPES...................................137


MARCO ANTONIO FARIAS SCARASSATTI...139

PHILIPPE COULANGEON........................151

MARCO AURELIO OLIMPIO.......................95

PHILIPPE DUBOIS....................................59

MARGARETH BRANDINI PARK.................68

PHILIPPE GAULIER................................166

MARIA APARECIDA CECILIANO

PHILIPPE URFALINO..............................143

DE SOUZA...............................................122

PIO LOURENÇO CORRÊA........................114

MARÍA LUISA AMIGO FERNÁNDEZ

PLINIO MARTINS FILHO.........................128

DE ARROYABE..........................................89

RAFAEL EVANGELISTA..........................154

MARÍA TERESA ANDRUETTO.................125

RENATA CERVETTO..................................71

MARIANGELA ALVES DE LIMA...............159

RENATA SIEIRO FERNANDES..................68

MARINA HERRERO...................................22

RENATE KLETT ......................................170

.................................................................24

RICARDO MUNIZ FERNANDES.................25

MÁRIO DE ANDRADE..............................114

RODRIGO AUDI.......................................162

MARION SEGAUD.....................................21

RODRIGO GERACE....................................52

MARISA MIDORI DEAECTO.....................128

RODRIGO MALTEZ NOVAES......................13

MATTHEW SHIRTS.................................110

RICARDO OHTAKE....................................32

MATTHIEU BÉRA....................................151

RICHARD FLOOD......................................30

MAURICE GODELIER................................26

RON DANIELS.........................................172

MAURIZIO LAZZARATO.............................90

ROSELY NAKAGAWA................................11

MAURO MALDONATO...............................47

.................................................................96

.................................................................48

SABRINA MOURA.....................................17

.................................................................49

SANDRA CUREAU...................................146

.................................................................69

SAM STOURDZÉ........................................57

MICHEL FAVRE.........................................19

SEBASTIÃO MILARÉ...............................157

MICHEL MELOT......................................129

...............................................................161

MICHÈLE LAMONT.................................146

SERGIO AMADEU DA SILVEIRA..............153

MIGUEL A. LÓPEZ.....................................13

SÉRGIO ESTEPHAN..................................38

.................................................................71

SHEILA SCHVARZMAN.............................54

MIGUEL ANTONIO BUZZAR......................34

.................................................................55

MILTON OHATA.........................................52

SIGRID NORA..........................................171

NABIL BONDUKI.......................................33

SILVANA GOULART.................................110

NÁDIA BATTELLA GOTLIB........................41

SIMON GRANT..........................................11

NELSON BRISSAC PEIXOTO.....................32

SOLANGE FARKAS...................................14

NEWTON CUNHA....................................148

.................................................................17

...............................................................149

.................................................................18

NORVAL BAITELLO JUNIOR.....................90

SOLANGE FERRAZ DE LIMA...................109

OLGÁRIA MATOS.....................................132

TACTIANA BRAGA....................................33

PAMELA HOWARD..................................167

TADEUSZ KANTOR.................................168

PATRICIA PALUMBO...............................141

TAIZA MARA RAUEN MORAES................126

PAULO ARAGÃO......................................137

TATAU GODINHO.....................................149

PAULO EMÍLIO SALES GOMES.................51

THOMAS ELSAESSER...............................59

PAULO SÉRGIO DO CARMO.....................118

TIAGO NOVAES.......................................127

PATRICIO GUZMÁN...................................56

TIAGO SANTANA.......................................97

PEDRO ARAGÃO.....................................137

...............................................................101

PERCIVAL TIRAPELI.................................29

TRISTAN MANCO......................................10

.................................................................35

TRISTAN RÉMY.......................................160

PETER BROOK........................................170

ULISSES CAPOZZOLI................................43

...............................................................172

.................................................................44

185


ULYSSES FERNANDES.............................22 .................................................................24 VANESSA COSTA RIBEIRO......................118 VERA HAMBURGER..................................51 VINCENT PEILLON...................................81 VINCENZO CICCHELLI............................155 VICTOR J. VENTOSA PÉREZ.....................67 WILL PRYCE...........................................109 WILLIAM OPHULS....................................79 WILSON GOMES.....................................147 YANN SORDET........................................128 YARA SCHREIBER DINES.........................23 YVON LAMY............................................151 ZUZA HOMEM DE MELLO.......................140

186


COMERCIAL Tel: (11) 2227-7460 comercial@edicoes.sescsp.org.br DISTRIBUIDOR WMF Martins Fontes

Tel: (11) 3293-8150 Rua Professor Laerte Ramos de Carvalho, 133 | 01325-000 São Paulo - SP vendas@wmfmartinsfontes.com.br DISTRIBUIDOR DE LIVROS DIGITAIS Bookwire

brasil@bookwire.com.br

Acesse conteúdos exclusivos e acompanhe as novidades sobre a editora pela internet: sescsp.org.br/edicoes /edicoessescsp

187


188


EDIÇÕES SESC SÃO PAULO Rua Cantagalo, 74 | 13º e 14º andar 03319-000 | São Paulo | SP | Brasil Tel.: 55 11 2227-6500 edicoes@edicoes.sescsp.org.br sescsp.org.br/edicoes


Catálogo Edições Sesc SP 2018  

Os títulos estão à venda nas livrarias, nas lojas das unidades do Sesc São Paulo e no portal sescsp.org.br/loja

Catálogo Edições Sesc SP 2018  

Os títulos estão à venda nas livrarias, nas lojas das unidades do Sesc São Paulo e no portal sescsp.org.br/loja

Advertisement