Page 1

Ano IX - Edição 193 - 11 de março de 2014

|

edicaodenoticias@uol.com.br

|

Nas bancas - R$1,00

9ª Edição da FIQ começa hoje Evento dirigido ao setor moveleiro mostra máquinas, acessórios e matérias-primas para as indústrias fabricantes de móveis de todo o país

Queima de Estoque de Arapongas será realizada nos dias 18 a 22 de junho Pág. 05

João de Freitas presta homenagem às funcionárias pelo Dia Internacional da Mulher Pág. 06 Abrindo o calendário de eventos dirigidos ao setor moveleiro em 2014, a nona edição da FIQ – Feira Internacional da Qualidade em Máquinas, Matérias-primas e Acessórios para a indústria Moveleira começa hoje (11) e vai até dia 14 de março, das 13 às 20 horas, no Centro de Eventos Ex-

poara, em Arapongas/PR. O evento conta com uma vitrine de lançamentos dirigidos aos fabricantes de móveis de todo o país. A expectativa dos visitantes é encontrar diferenciais que possibilitem maior competitividade e novas soluções para produção e design do mobiliário nacional. Pág. 03

CONFIRA A PLANTA COMPLETA DOS EXPOSITORES DA FIQ

Págs. 10 e 11

Confira mais matérias sobre a FIQ 2014 em nosso site durante a semana.

www.ednoticias.com

Estacionamento Rotativo deixa de funcionar em Arapongas Pág. 07


Pág. 02

Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Editorial

Que tipo de mulher você quer ser? No dia internacional da mulher, é momento de refletir. A feminilidade, à sensibilidade, intuição, cuidado, afeto e acolhimento, são características das mulheres que expressam mais esta feminilidade. Já os aspectos da masculinidade são: racionalidade, objetividade, praticidade, competitividade, dentre outros. A mídia cobra muito da mulher. Os seus sonhos não são seus, mas os vendidos pelas revistas e mídia em geral. Suas características pessoais também, muitas vezes, são causa de infelicidade e sofrimento na medida em que destoam dos modelos estéticos, profissionais e de consumo veiculados e valorizados na sociedade do efêmero e superficial. A mídia vende a imagem da mulher perfeita, sem rugas e com o corpo perfeito. Isso tudo é ilusão. Na bíblia a mulher considerada com as qualidades ideais é chamada de “Mulher virtuosa, o seu valor muito excede o de finas jóias.”( Provérbios 31:10) O valor dessa mulher está acima do monetário (dinheiro), como medir o valor de uma boa mãe? De uma boa esposa? Existem coisas que o dinheiro não compra, e essas atitudes são uma delas! É uma mulher que não pode ser comprada com dinheiro, jóias, presentes. Não negocia seus princípios, pois sabe o seu valor” O texto também fala sobre o trabalho realizado pela mulher. Não foi a revolução feminina da década de 70 que deu o direito da mulher trabalhar dentro e fora de casa, a mulher de provérbios 31 já trabalhava e muito! Deus concedeu essa liberdade! Ela gosta de trabalhar “Busca lã e linho e de bom grado trabalha com as mãos.Ela garante a provisão de sua casa. A mulher virtuosa não deixa faltar nada pro seu marido “O coração do seu marido confia nela, e não haverá falta de ganho.” ( Provérbios 31:11)Outro aspecto que também ressalta no texto, A Mulher Virtuosa tem uma beleza que não acaba, só aumenta A vaidade é com equilíbrio, é saudável. “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.” ( Provérbios 31:30) Mesmo que a mulher virtuosa cuide-se bem, vista-se bem, ela não é obcecada pela beleza exterior. “Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua.”( provérbios 31:26) Ela sorri diante do futuro, não tem medo da velhice, não se tortura com cirurgias e cirurgias; Ela não quer voltar a ser adolescente, pois a cada dia fica melhor, mais sábia, mais mansa, mais dócil, mais virtuosa!”Levantam-se seus filhos e lhe chama ditosa; seu marido a louva, dizendo: Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.( Provérbios 31:28-29) Muitas são bastante elogiadas no trabalho, ganham prêmios por seu brilhantismo intelectual, mas dentro de casa é um horror! Seja a mulher virtuosa também e principalmente na sua casa.A Mulher Virtuosa tem uma beleza que não acaba, só aumenta A vaidade é com equilíbrio, é saudável. “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.” ( Provérbios 31:30) Mesmo que a mulher virtuosa cuide-se bem, vista-se bem, ela não é obcecada pela beleza exterior. Atitude diferente do que a mídia vende.”Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua.”( provérbios 31:26) Ela sorri diante do futuro, não tem medo da velhice, não se tortura com cirurgias e cirurgias; Ela não quer voltar a ser adolescente, pois a cada dia fica melhor, mais sábia, mais mansa, mais dócil, mais virtuosa!”Levantam-se seus filhos e lhe chama ditosa; seu marido a louva, dizendo: Muitas mulheres procedem virtuosamente mas tu a todas sobrepujas.( Provérbios 31:28-29) Muitas são bastante elogiadas no trabalho, ganham prêmios por seu brilhantismo intelectual, mas dentro de casa é um horror! Seja a mulher virtuosa também e principalmente na sua casa pois sua família foi instituída por Deus! Feliz dia da Mulher!

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Secretaria de Esporte homenageia mulheres no Mateus Romera

As alunas que participam do grupo de ginástica para a terceira idade no Ginásio Mateus Romera tiveram uma surpresa nesta sexta-feira(7): flores e café da manhã como presente pelo dia internacional da mulher que será comemorado neste sábado, 08 de março. O Secretário de Esporte Professor Ricardo Gonçalves cumprimentou as alunas e falou sobre a importância das mulheres, se referindo a elas como “anjos na terra”. Ele entregou ainda a primeira rosa

de presente para a aluna que está a mais tempo participando do grupo, dona Laura de Oliveira Domiciano, que há 15 anos se exercita ali. Em seguida, todas as outras alunas foram homenageadas recebendo a flor.Cerca de 100 idosos participam do grupo de ginástica no Mateus Romera, se exercitando toda a semana. Esse trabalho, é apenas parte das diversas atividades realizadas para os idosos em Arapongas. Compromisso da Prefeitura Municipal para o bem estar da população.

O jovem e o mercado de trabalho Daniela Rezende Assistente jurídico e professora De acordo com as normas do direito do trabalho, considera-se menor a pessoa entre 14 e 18 anos, que não tem capacidade plena, ou seja, pessoa não adulta. Ingressar no mercado de trabalho pela primeira vez é um grande desafio, entretanto, também há oportunidades. Para quem deseja maior rapidez, uma das alternativas é a realização de cursos técnicos ou profissionalizantes. A vantagem dessa escolha é que você poderá, futuramente, optar por um curso superior, estando já com o emprego e uma renda para custear os seus próprios estudos. Outro desafio do jovem do século XXI é compreender que as coisas na vida real não acontecem na mesma velocidade que no mundo da internet, onde estão acostumados a lidar. É difícil pedir ao jovem para ter paciência, pois é algo próprio da idade, o desejo de rapidez para mudar o mundo. Entretanto, calma não significa acomodação. À partir dos 14 anos admite-se o trabalho na qualidade de “aprendiz”. O contrato de aprendizagem, é um contrato especial, sendo voltado para o aprendizado de uma função pelo jovem, não podendo ultrapassar o período de 02 anos. Os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a contratar aprendizes, sendo o equivalente a 5% no mínimo e 15% no máximo dos trabalhadores existentes. Com mais de 16 anos, podem ser contratados com vínculo empregatício, porém é necessário autorização do responsável no contrato de trabalho. Os jovens precisam ser motivados, é preciso que encontrem motivos que os façam correr atrás do espaço dentro do mercado de trabalho, seja pelo salário, seja pela experiência, seja pelo aprendizado.


Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Pág. 03

9ª Edição da FIQ começa hoje Evento dirigido ao setor moveleiro mostra máquinas, acessórios e matérias-primas para as indústrias fabricantes de móveis de todo o país Abrindo o calendário de eventos dirigidos ao setor moveleiro em 2014, a nona edição da FIQ – Feira Internacional da Qualidade em Máquinas, Matérias-primas e Acessórios para a indústria Moveleira começa hoje (11) e vai até dia 14 de março, das 13 às 20 horas, no Centro de Eventos Expoara, em Arapongas/ PR. O evento conta com uma vitrine de lançamentos dirigidos aos fabricantes de móveis de todo o país. A expectativa dos visitantes é encontrar diferenciais que possibilitem maior competitividade e novas soluções para produção e design do mobiliário nacional. A FIQ terá área expositiva de 23,5 metros quadrados que abrigará 165 estandes com um total de 200 expositores do Brasil e do exterior. Nesta edição, em relação à última realizada em 2012, a FIQ está 12% maior. Somente o segmento de exposição de máquinas e equipamentos representa 65% do total de expositores. O evento ainda conta com a participação de expositores do mercado externo vindos da Itália, República Checa e China. A expectativa dos organizadores é receber 18 mil visitantes de todos os Estados brasileiros e países da América Latina e América Central. O evento recebe 30 caravanas de empresários vindos das regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste, além da confirmação da presença das 150 maiores indústrias fabricantes do setor moveleiro. Em negócios, a estimativa é superar a marca dos R$ 300 milhões. Para linhas de crédito, os visitantes da FIQ podem contar com a presença de duas instituições financeiras. A Caixa Econômica terá R$ 60 milhões destinados a linhas de Crédito para Capital de Giro, Antecipações de Recebíveis e Investimento. O BRDE vai oferecer o Finame PSI (Programa Sustentável de Investimento) com juros fixos de 4,5% ao ano e o FCO (Fundo Constitucional do Centro Oeste), também com juros fixos de 4,5% ao ano para investimentos específicos na região do Mato Grosso do Sul. As parcelas de pagamento podem se estender até 120 meses. Como evento paralelo, a FIQ está com oficinas tecnológicas sobre vários te-

mas e visitas guiadas no evento para disseminação de conhecimentos teóricos e práticos e incremento da produção industrial. A Feira traz ainda espaço específico para fornecedores da área de logística com o objetivo de mostrar às indústrias moveleiras as novidades na área de transporte, armazenagem, movimentação e serviço. “A FIQ se fortalece como uma feira referencial para fornecedores de máquinas, matérias-primas e acessórios para o mobiliário . A proximidade física com um dos maiores e mais importantes polos moveleiros do Brasil estimula o setor a realizar lançamentos e evidenciar novidades que favoreçam investimentos na expansão da indústria moveleira”, afirma Wanderley Vaz de Lima, presidente do Expoara. A última edição da FIQ, realizada em 2012, foi um marco em relação à qualificação técnica da visitação e à projeção de negócios. Nos quatro dias de feira, 18,9 mil pessoas ligadas diretamente à cadeia produtiva moveleira e a importantes indústrias moveleiras de todo o País, passaram pelo Expoara vindas de 25 Estados e do Distrito Federal. A FIQ também recebeu visitantes de nove países como Argentina, Peru, Chile, Paraguai, Espanha, Nigéria, Itália, México e Estados Unidos. “As edições da FIQ são sempre palcos de exposição de tecnologia e lan-

çamentos de novas matérias-primas e acessórios para a indústria moveleira nacional”, salienta Lima. Para o Pólo Moveleiro do Norte do Paraná, segundo ele, a semana de realização da FIQ é uma referência para o setor que constantemente se renova com a implantação de novos modelos tecnológicos e opções

sustentáveis de produção e design. Para o secretário da Indústria e do Comércio de Arapongas, Irineu Berestinas, a FIQ é uma oportunidade de conhecimento para as empresas do setor moveleiro. “ A feira acontece a cada dois anos, possibilitando inovação e descobertas de novas tecnologias em maquinários,”, afirmou Berestinas.


Pág. 04

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Edição de Notícias

Visitantes da FIQ podem contar com lista de endereços e telefones de estabelecimentos em Arapongas Nesta semana, a cidade de Arapongas terá visitantes de todo Brasil, devido a 9ª Edição da Feira Internacional da Qualidade em Maquinas (FIQ), para ajudá-los, o Jornal Edição de Noticias selecionou alguns dos principais locais de visitação e estabelecimentos gastronômicos e de outros segmentos.Segue a lista com endereços e telefones: Restaurantes: Veneza Pizzaria – Rua Pavão, 373 Telefone : (43)3056-4444 / 3275-5958 Terça a Domingo Bianeto – Self Service de segunda a sábado Rua Beija-Flor, 398 Telefone 3275-2916 Mercado Municipal- Horário de Funcionamento: Lojas das 8:30 às 21:00 e Praça de Alimentação até as 23:00, às sextas a partir das 18:00 horas Happy Hour com música ao vivo – Em Frente à Igreja Matriz Chaplin – Restaurante e Pizzaria – Avenida Arapongas, 1048 Telefone: 3252-3856 Bonno Fast Food e Restaurante – Rua Uirapuru, 1543 Telefone:-31520700 Restaurante Massa Pura – Rua Uirapuru, 1405 Telefone : 3055-3799 Restaurante New Cooker – Rua Harpia, 749 Telefone : 3055-2081 Padaria Chik – Avenida Arapongas,

Telefone: 3152-4700 Churrascaria Gaúcha –BR 369 Rod Km 181 - Telefone: 3276-1656 Deck 34 Lounge Bar- De quinta a sábado a partir das 22:00 h Rua Tico Tico, 34 Locais de visitação Parque dos Pássaros O Parque dos Pássaros foi criado no ano de 2000 pela Prefeitura Municipal de Arapongas. Quando criado, várias escolas ajudaram com seus alunos a plantarem árvores e a deixarem nosso parque como ele é hoje e trazendo mais um lugar para o lazer de Arapongas O nome foi dado por uma criança em um concurso municipal de escolas, integrado para decidir o nome do parque, no qual vários nomes foram citados e Parque dos Pássaros foi o escolhido. Lá encontramos diversas opções de lazer como: Caminhada no interior do parque; Futebol de campo no interior do parque; Pista de skate, bicicleta, etc; Praça Mauá A Praça Dr. Julio Junqueira foi a primeira a ser construída em Arapongas, foi batizada com o nome Dr. Julio Junqueira em homenagem ao primeiro prefeito de Arapongas. A praça é popularmente chamada de Praça Mauá. Também contém um parque infantil, que não pode ser usufruído muito pela população infantil, pois está sendo vítima de poluição e vandalismo Praça Matriz Existem outras praças pela cidade de Arapongas. Como a praça da igreja Matriz. Nessa praça há lugares para se jogar xadrez, dama, etc. E também é muito utilizada pelos idosos. Hospitais Hospital João de Freitas PR 218, Rod KM 1 Telefone 3275-0200 Santa Casa 3172-4500 Rua Calu, 155 Farmácias Farma-Shop Avenida Arapongas, 281 Telefone: 3172-5959 Farmácia Nikkey Avenida Arapongas, 1575

PARQUE DOS PÁSSAROS

IGREJA MATRIZ

PRAÇA MAUÁ


Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Pág. 05

Queima de Estoque de Arapongas será realizada nos dias 18 a 22 de junho A Queima de Estoque 2014, será realizada de 18 a 22 de junho no Expoara Eventos (BR 369, KM 181). Cerca de 70 representantes de vários ramos do varejo participaram do encontro na sede da entidade, que deu o pontapé à locação de estandes. Com 13 mil metros quadrados, o evento traz 189 espaços na área da MegaFeira e 18 no Festival Gastronômico, pretendendo envolver 150 lojistas e 13 donos de restaurantes e lanchonetes. Até 09 de maio, a preferência fica com associados da Acia. Depois daí, lugares remanescentes podem ser adquiridos por outras empresas. E é bom o empresário correr: 45,5% dos locais destinados às lojas foram ocupados só no lançamento. “A Queima de Estoque está fortemente consolidada pelo tripé Acia, empresários e consumidores”, comemora a gerente-administrativo da Associação. Elizabeth Liberato constata que “o sucesso de hoje [quinta-feira] nos indica o sucesso da própria Queima de Estoque.” Segundo números da entidade, 2011 era até então o ano com mais estandes locados no primeiro

dia, com 46. Ano passado, o número não chegou a 35. “Com 86 espaços comercializados no lançamento, nós praticamente triplicamos o resultado de 2013”, se entusiasma. Mais 16 foram vendidos só na manhã de sexta (28). E os 87 que faltam têm destino

DIA DA MULHER tem programação até dia 29 de março em Apucarana A programação do Mês da Mulher se estenderá até o dia 29 de março. Hoje (sábado – 8 de março), dia em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, a Praça Rui Barbosa vai ser palco, entre 9 e 16 horas, de uma série de atividades alusivas à data. O Núcleo de Aconselhamento, Testagem e Tratamento de Apucarana (NATTA) disponibilizará testes rápidos de HIV e Hepatite, além de orientações sobre a Saúde Bucal. A Secretaria da Mulher e Assuntos da Família vai cuidar da beleza das apucaranenses, oferecendo esmaltação de unhas ao longo do dia. Na mesma linha entra a participação do SENAC prestando o serviço de design de sobrancelha. No espaço SESC, as mulheres terão atendimentos de avaliação postural, ginástica multifuncional e orientações sobre saúde. Já o

SESI/SENAI marca sua participação com aferição do teste de visão e curso de mecânica básica para mulheres. A programação na Praça Rui Barbosa é uma realização da ACIA, Núcleo Setorial de Floriculturas (Programa Empreender), SESC, SENAC, SESI/SENAI, Secretaria da Mulher, Natta (Núcleo de Aconselhamento Testagem e Tratamento de Apucarana), Sivana, Prefeitura Municipal de Apucarana, Câmara da Mulher Empreendedora e Sicoob. Ao longo do mês, haverá ainda diversas outras atividades nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS), na Escola de Desenvolvimento Humano Casa do Caminho (Edhucca), Centro de Apoio Social ao Adolescente (CASA), entre outros locais.

quase certo. “Vários empresários não puderam vir, mas ligaram agendando visitas para depois do Carnaval.” Com processo para locação iniciado ainda em março, o Festival Gastronômico vai abrir espaço para mais cinco restaurantes e lanchonetes que tenham produtos diferentes dos já apresentados nos outros 13 boxes. “Pretendemos ampliar o número de expositores no Festival, mantendo, claro, a qualidade que conquistamos.” Atrações Realizado na primeira fase da Copa, o evento terá decoração temática, além de duas salas com TVs na MegaFeira e dois telões no Festival transmitindo ao vivo as partidas, em uma parceria com a RPC TV. “Mesmo que a Seleção Brasileira não entre em campo durante os cincos dias da promoção [nosso time joga dias 12, 17 e 23 de junho nesta fase], as pessoas gostam de assistir à Copa, ainda mais agora, que acontece na nossa casa. Então, elas podem curtir esse hobby na própria Queima de Estoque.”. Haverá desfiles várias vezes ao dia mostrando looks existentes nas lojas expositoras e lugar para recreação infantil, com atividades lúdicas supervisionadas por monitores. “A mãe pode deixar pai e filhos ali enquanto dá um fugidinha para as bancas”, brinca Elizabeth. Potencial de consumo Entre as maiores feiras varejistas do Paraná, a Queima de Estoque de Arapongas deve atrair 65 mil consumidores, gerando R$ 6 milhões em

negócios. Historicamente, quase um terço dessas pessoas vêm de fora, como Londrina, Apucarana, Astorga, Maringá e outras cidades da região. Os homens foram a maioria (56%) em 2013, segundo pesquisa do departamento de administração da Unopar, supervisionada pelo diretor do campus local, Alexandre Frigeri. O estudo apontou que, no ano passado, 46% dos visitantes integravam a classe C (renda familiar de R$ 1.147 a R$ 2.654,00) e 35% a classe B (R$ 2.654 a R$ 9.263). “Dez por cento dos entrevistados demonstram possuir um poder de consumo muito grande, tendo renda familiar acima de R$ 5.241”, afirmaram os professores Fábio Iwakura e Cássio Tsay, autores do trabalho. Fatia considerável dos gastos (26%) oscilou de R$ 100 a R$ 250. Já 16% das pessoas desembolsaram de R$ 250 a R$ 400. Enquanto 7% deixaram no Expoara de R$ 400 a R$ 550, 6% investiram de R$ 500 a R$ 1.000. Mais de 60% dos consumidores pagaram em dinheiro e 36% preferiram cartões de crédito ou débito. “As pessoas esperam a MegaFeira, economizam durante o ano para aproveitar as promoções”, observa a gerente-administrativo da Acia, Elizabeth Liberato. A sondagem da Unopar foi feita com 400 entrevistados, tem margem de erro 2,5 pontos percentuais para mais ou menos. Informações sobre a Queima de Estoque 2014 podem ser conseguidas pelo telefone (43) 3055 3377.


Pág. 06

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Edição de Notícias

João de Freitas presta homenagem às funcionárias pelo Dia Internacional da Mulher

A Associação Norte Paranaense de Combate ao Câncer realizou neste último dia 08 de março de 2014, o 1º Encontro Mulheres em Ação – “Flower Tea and Hat”, em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, o evento foi oferecido às colaboradoras da instituição e familiares no intuito de homenagear a todas aquelas que expressam diariamente sua importância e essência no trabalho. O evento foi marcado por diversos momentos, a Enfermeira Elza de Lara Bezerra, organizadora e madrinha da 1ª edição, com apoio da Sra. Rouse Cristina Stefanelli e Andrea Miranda de Souza, abriu enfatizando a garra e feminilidade das mulheres e sua importância a sociedade. Logo após, a Companhia de Dança Luciano Graça apresentou dois números de dança, envolvendo as convidadas em ritmos sensuais como tango e salsa, as Irmãs e psicólogas Francisca Carvalho e Fátima Naves, palestraram sobre a “Força e atitudes das mulheres”. A Missionária Joice de Matos Elias da Igreja Metodista, realizou uma benção tornando aquele momento único e iluminado, um desfile elegante e descontraído com a participação de funcionárias e da Miss Paraná - 2009 – Vivian Ridão, durante o evento foi possível desfrutar de um delicioso e requintado Chá da tarde, seguido de homenagens o evento foi finalizado com alegria e o propósito de repetição para 2015. “Além de reunir as colaboradoras, sabendo que a maioria dos funcionários do Hospital Regional João de Freitas, atinge uma média de mais de 90% do sexo feminino, podemos afirmar que como mulheres temos muito que oferecer a nossa sociedade, a garra e atitude são características que marcaram este “1º Chá das Mulheres em Ação”, em um momento agradável e descontraído, fazendo-o possível e real, e assim aguardaremos mais momentos alegres como este em 2015”, declara a Gerente Administrativa Cirlene de Deus.


Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Pág. 07

Estacionamento Rotativo deixa de funcionar em Arapongas Os Motoristas que tanto reclamavam das multas aplicadas pelo estacionamento rotativo regulamentado, não terão mais o que reclamar. A Caiuá, empresa responsável pelo serviço, pediu suspensão do contrato, e não atua mais no trânsito. Segundo informações da prefeitura, o contrato entre empresa e município foi suspenso na última sexta-feira. Após a redução da área de atuação da Zona Pássaro Branco, realizada no ano passado, a empresa alegou não conseguir manter o equilíbrio econômico previsto em contrato. De acordo com o procurador jurídico da prefeitura, Fernando Sartori, a empresa solicitou a suspensão temporária alegando que não estava compensando financeiramente manter uma sede no município. “A empresa nos deu duas opções: ou aumentaríamos o valor cobrado no estacionamento ou suspenderíamos o contrato até que esta ação civil pública esteja em trânsito julgado”, diz. No ano passado, o MP entrou com uma ação civil pública e obteve liminar proibindo os agentes da empresa de multarem os motoristas. A ação pede, inclusive, o ressarcimento de multas pagas pelos usuários. De acordo com Sartori, a empresa ale-

gou que não estava conseguindo recursos sequer a folha de pagamento dos funcionários. Vinte e três agentes vinham atuando no trânsito, um número de funcionários menor que o necessário. Agora, o município estuda uma medida paliativa para que o estacionamento rotativo volte a funcionar até que uma nova empresa seja licitada para prestar o serviço. “Nós devemos aguardar as recomendações do MP (Ministério Público) para remodular o sistema e colocá-lo dentro da legalidade, a partir daí o serviço será licitado novamente”, comenta o procurador. Pegos de surpresa, os moradores da cidade defendem que o estacionamento é importante para manter a organização nas vagas disponíveis no centro. “Eu acho importante a cidade adotar o sistema rotativo, mas faltava organização. Antes a gente precisava ficar procurando as moças para conseguir comprar o cartão. Na minha opinião, a cidade deveria ter aquelas máquinas que a gente mesmo coloca o dinheiro e imprime o cartão, como tem em Londrina”, defende o araponguense Airton Prado. Na opinião de Arthur Pitta, morador

A empresa solicitou a suspensão temporária alegando que não estava compensando financeiramente manter uma sede no município. da cidade há 50 anos, o município deve se apressar para contratar outra empresa para dar continuidade ao serviço. “Se não tiver o rotativo, fica impossível estacionar

no centro. O pessoal que chega mais cedo estaciona e passa o dia todo na vaga. Precisa desse serviço para conseguir organizar as vagas e ter lugar para todo mundo”, diz.


Pág. 08

Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Famílias ganham reforço e orientações para reconstruir vida matrimonial

Famílias, em toda parte, estão clamando por socorro. Conflitos entre casais e entre pais e filhos se tornaram muito intensos nos últimos anos, porque as virtudes do casamento estão sendo banalizadas. O número de divórcios cresce assustadoramente. Não basta, entretanto, constatar esse quadro. Pensando em oferecer uma ajuda real e positiva aos envolvidos, o casal Jorge e Ângela, Líderes do Ministério de Família da IPRC de Arapongas, tem oferecido orientações, ministrando palestras com temas voltados para família. Palestras Os cursos são oferecidos gratuitamente através de Congressos para casais, homens, mulheres e filhos. Ocorrem em escolas, universidades e igrejas e têm sido realizados com sucesso em vários estados e cidades brasileiras. Neles são abordados temas de maneira dinâmica e criativa, tais como comunicação, diferenças, finanças, pais e filhos, motivação, perdão e outros de fundamental importância para o bom relacionamento conjugal e familiar. Além das palestras, os componentes da Rede de Casais estão habilitados a prover aconselhamento em caráter pessoal e/ou conjugal, visando

à solução de problemas e ao estabelecimento de uma vida a dois mais gratificante e frutífera. Estrutura O Ministério da Família e Rede de Casais Renovando Vidas conta atualmente com uma equipe de 60 líderes, os quais auxiliam em todas as esferas dos trabalhos realizados. O objetivo primordial é alcançar o sonho de ajudar as famílias na sua reestruturação, para que encontrem a felicidade que o casamento deve proporcionar. Paralelamente, treinam outros líderes para multiplicar esses propósitos e atuar em outras cidades. CONVITE: Lançamento de Livro para família Para reforçar o alcance dos objetivos da Rede de Casais, fazendo chegar sua mensagem a mais famílias, com o apoio de empresários e amigos,está lançando o livro LIÇÕES PARA FAMÍLIA. Compõe-se de vários artigos voltados a família e de um caderno de atividades com perguntas para refletir, charges, histórias em quadrinhos e tarefas para serem executadas em família. Trata-se, portanto, não de um livro sobre a família, mas de um livro para a família.

O Ministério da Família e Rede de Casais Renovando Vidas convida você e sua Família para o lançamento do LIVRO E CADERNO DE ATIVIDADES LIÇÕES PARA FAMÍLIA. O lançamento e culto de ação de graças serão realizados no dia 13/04 – domingo –19:00h– na Igreja Presbiteriana Renovada Central de Arapongas (Rua Calú, 35 – centro- Arapongas-PR).

Contatos

O Pr. Jorge e Ângela, além de liderar o Ministério da Família e Rede de Casais Renovando Vidas, também são apresentadores do Programa Renovando Vidas, que vai ao ar pela TV Antares, canal 22 eNET canal 15, com transmissão também através da Web TV – Aravídeos – www.aravideos. com.br e Ministério Renovando Vidas – www.ministeriodafamilia.com.br Rua Condor, 1389 – Sobreloja – 86700-135 – Centro – Arapongas, PR Site – www.ministeriodafamilia.com.br Fan page - www.facebook.com/ministeriodafamiliarenovandovidas

Fones (43)3152 4833 – (43) 8809 0299 – (43) 8809 0285


Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Pág. 09

SAÚDE: Reforma da Upa de Arapongas termina este mês

Após muito tempo pronta, mas sem uso por causa de falhas na construção do prédio, finalmente a UPA de Arapongas poderá ser aberta no fim deste mês. As obras estão na fase final mas representam um desperdício. Foi preciso gastar mais dinheiro para consertar o que estava errado. Após o carnaval, as obras voltaram aceleradas. Do lado de dentro já está quase tudo pronto para finalmente começar a funcionar para atendimento dos quase 300 pacientes previstos por dia. Com as previsões de chuva, o Secretário de Saúde, Alcides Livrari Junior afirma que o prazo para reabertura da unidade está mantido. “As obras estão a todo vapor, dentro do cronograma esperado. Nossa previsão é Inaugurar dia 31 de março”, garante o secretário. O prédio custou 1 milhão e 600 mil reais e demorou 3 anos para ficar pronto. A unidade chegou a ser inaugurada, mas nunca chegou a receber um paciente sequer. Ela precisou ser reformada depois de uma vistoria da Vigilância Sanitária que apontou elo menos 30 irregularidades que impediam que a unidade abrisse as portas. Problemas por exemplo como a falta de pias adequadas em salas de atendimento, consultórios e ambulatórios. “Os médicos, enfermeiros e técnicos não podem entrar em contato com a pia, e a lavagem

tem que ser feita em toda a mão e antebraço; não obedecer esses critérios das pias e das torneiras que tinham aqui na UPA. É um grande risco de contaminação por ser uma unidade que atende pronto-atendimento e, pacientes com risco de contaminação que ficam na nossa observação”, informou Luís Otávio Davanso, Coord. Saúde da Família. Erros no projeto, também fizeram que os banheiros não tivessem janelas, e pra resolver os problemas vai ser instalados um sistema de ventilação artificial. A sala de expurgos, onde são trocados todos os dejetos teve de ser trocado de lugar. Antes

ela ficava enfrente a sala de esterilização de materiais. Foi preciso também providenciar um novo acesso para o setor de isolamento, onde serão atendidos pacientes com doenças contagiosas e transtornos psiquiátricos. “Esses pacientes precisam de uma atenção diferenciada, um acesso as ambulância diferenciado, um setor de isolamen-

to diferenciado. Isso não existia na nossa UPA, uma cobertura para esse local, porta de acesso, pra que esses pacientes possam entrar e serem atendidos dignamente no setor de isolamento e assim encaminhados. A questão é dos pacientes com perigo de infecção, que poderiam transitar pela unidade também”, disse Luís Otávio. Ao todo a prefeitura precisou investir 270 mil reais nas readequações. Dinheiro que poderia ser usado na compra de materiais e equipamentos. O assunto de saúde pode agora virar caso de justiça, já que os problemas na UPA, já estão no Ministério Público. “Todas as irregularidades estão sendo apuradas e levantadas pela Procuradoria Geral do município. À nós, coube a parte técnica, enviar para à Procuradoria, relatórios da Vigilância Sanitária, e assim por diante. Todos os levantamentos técnicos foram enviados para o Ministério Público do Paraná. Esperamos realmente a verificação de quem foram as falhas”, disse Alcides Livrari Junior.


Pág. 12

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Edição de Notícias


Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Pág. 13

Senai-Arapongas participa do Programa Inova Talentos

Sete empresas paranaenses tiveram projetos inovadores aprovados na primeira edição do programa Inova Talentos, uma iniciativa do Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que visa incentivar a inovação nas organizações, colaborando com o crescimento e aumento da competitividade. São elas: Bosch, Renault, Neodent, Barion, Bematech, Senai Arapongas e Site – Soluções em Tecnologia Educacional. O programa oferece bolsas para trainees subsidiadas pelo CNPq e que variam de R$ 1,5 mil a

R$ 3mil pelo período de um ano. As empresas participantes do Inova Talentos e o IEL no Paraná assinaram um termo de parceria técnica e financeira. O evento aconteceu no Campus da Indústria, em Curitiba. Ao todo serão desenvolvidos 18 projetos inovadores em diversas áreas do conhecimento. Vinte e quatro vagas de trainees já estão abertas no site do IEL (www. ielpr.org.br). O superintende do IEL no Paraná, José Antônio Fares, explica que o principal objetivo do programa é inserir talentos nas indústrias do Estado, incenti-

Representantes das sete empresas que participam do programa Inova Talentos

vando a inovação. “Este é o principal fator para a sobrevivência das empresas atualmente”, destacou. Em todo o Brasil foram mais de 200 projetos de inovação aprovados. O processo de inscrição das empresas nesta primeira edição iniciou no ano passado. Elas tiveram que inscrever projetos inovadores, que passaram por uma banca examinadora do CNPq, formada por especialistas no tema. No Paraná, as empresas contaram com a expertise do IEL e do Senai – Centro Internacional de Inovação, que auxiliaram na descrição do projeto e preenchimento de documentação. Alfredo Marczynski representou a Renault durante a assinatura do termo de parceria. Segundo ele a montadora francesa já tem investido em inovação e o Inova Talentos vem para acrescentar ainda mais incrementos nesta área, visando a criação e a busca de inovações junto ao mercado e às entidades parceiras que facilitem o processo de aprendizado e implantações de novas ações. “A inovação é hoje um diferencial no mercado competitivo. Quem não inovar corre o risco de se estagnar, ficar com custos altos e com um produto obsoleto”, destacou. “A inovação está no DNA da Bosch. Prezamos e incentivamos essa prática na organização e já temos projetos em parcerias com universidades tecnológicas e o Inova Talentos é uma nova possibilidade que vem para consolidar ainda mais essa prática”, afirmou a chefe de Recursos Hu-

manos da Bosch, Jéssica Nevel. Segundo ela, a empresa aguarda candidatos que tenham análise crítica, curiosidade investigativa, além do trabalho em equipe e boa comunicação. “Todos querem fazer inovação, mas poucos conseguem. Cada vez mais as empresas estão em volta da sua rotina e se esquecem de trazer novidades. Se não inovarmos, não seremos competitivos. É preciso buscar formas diferentes de fazer a mesma coisa para resultar em mais eficiência e competitividade”, disse o diretor da Barion, Rui Francisco de Paula. Para ele, o Inova Talentos trará um novo movimento dentro da empresa. “Teremos uma pessoa na rotina da empresa para provocar o assunto inovação”, acrescentou. Segunda edição - As inscrições para a segunda edição do programa já estão abertas e as empresas interessadas devem entrar em contato com o IEL regional por meio do telefone (41) 3271-7950 para receber login e senha de acesso, além de todas as orientações necessárias para submeter os projetos inovadores nowww. portaldaindustria.com.br. O prazo é 13 de junho. Os projetos aprovados serão divulgados no dia 14 de julho. O Inova Talentos oferecerá, até 2015, mil bolsas em todo o país para estudantes do último ano da graduação e recém-formados, para que desenvolvam inovações nas empresas. Até lá, o CNPq vai investir R$ 29 milhões no pagamento das bolsas.


Pág. 14

Uma dieta balanceada aliada à prática regular de exercícios físicos garantem um corpo saudável e um bom funcionamento do organismo. A ingestão de nutrientes durante todas as refeições do dia é importante, inclusive, na prevenção de doenças, e doenças graves, como o câncer, por exemplo. Vários cuidados devem ser tomados com a alimentação do trabalhador durante o horário de trabalho, pois desta maneira conquistamos maiores benefícios obtidos através uma boa alimentação e evitamos os males que uma má alimentação pode causar, nos resultados de desempenho do funcionário. As pessoas são o que elas comem, e

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Edição de Notícias

essa ingestão de alimentos exerce total influência no desempenho profissional. Uma boa alimentação é importante no aspecto nutricional porque envolve todo funcionamento celular, garantindo um balanço energético positivo. Veja Se um trabalhador come demais, fica obeso (segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde, 50% da população mundial está acima do peso). A obesidade é uma doença, e consequentemente terá suas consequências ou doenças aliadas à ela como por exemplo: diabetes, hipertensão arterial, doenças cardio-vasculares, entre outras. Em contrapartida, se o trabalhador comer pouco, fica com a resistência baixa e mais suscetível a processos infecciosos. Vale lembrar também que se a refeição for muito pesada pode comprometer o desempenho profissional porque a digestão desses alimentos acaba consumindo sangue e energia e dando sono. Repare que todos os animais carnívoros dormem depois que comem, e isso ocorre por causa da digestão da carne, que é um alimento pesado. Para que seus funcionários obtenham melhores resultados em seus afazeres, procure fornecer a estes uma alimentação balanceada.

Verrugas Plantares (Olho de peixe) As verrugas são tumores benignos causados por vírus e são extremamente contagiosas. Assemelham-se a pequenas couves-flores com distintos vasos capilares que sangram com facilidade ao serem feridos, aumentando assim os riscos de auto contágio. Elas se multiplicam bastante em ambientes úmidos, pois, a maior propagação de verrugas ocorrem no verão devido à exposição dos pés descalços nos solos arenosos das praias e nas pedras porosas das piscinas. Geralmente as verrugas surgem devido à baixa resistência do organismo. As crianças e adolescentes são mais propensas ao contágio

do vírus devido as constantes trocas químicas por fatores hormonais e emocionais, bem como por estarem mais expostos por andarem mais descalços. Dica: é sempre recomendável usar chinelos para que a fricção contra o solo não permita que o vírus penetre nas micro fissuras existentes na pele.


Edição de Notícias

O irmão e a irmã entram em casa machucados. A mãe ficou preocupada e quis saber o que tinha acontecido. A irmã disse: -É que eu escorreguei em uma casca de banana e caí. A mãe perguntou: -E você, meu filho, como se machucou? -Eu ri do tombo dela. O gerente chama o empregado recém -admitido à sua sala e inicia o diálogo: - Qual é o seu nome? - João - responde o empregado. - Olhe - explica o gerente - eu não sei em que espelunca você trabalhou antes, mas aqui nós não chamamos as pessoas pelo primeiro nome. É muito familiar e pode levar à perda de autoridade. Eu só chamo meus empregados pelo sobrenome: Ribeiro, Matos, Souza... Só. E quero que o senhor me chame de Sr. Mendonça. Bem, agora quero saber: Qual é o seu nome? O empregado responde: - Meu nome é João Amorzinho. - Tá certo, João. Pode ir agora... No bar, o bêbado desabafa com o amigo: — A minha mulher anda com uma mania esquisita, rapaz. Ela passa a noite inteira, em pé, debruçada na janela do quarto. — Nossa! E o que é que ela fica fazendo este tempo todo? — Esperando eu chegar!

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Durante o jantar, o marido olha pra esposa e pergunta: - Ontem você estava vendo o canal de culinária na TV. Pra quê, já que você nem sabe cozinhar? - Ah, me deixa em paz... você assiste o canal pornô e eu nunca reclamei! Joãozinho chega da escola e a mãe dele pergunta: -Por que você chegou em casa todo molhado meu filho? -Porque eu estava brincando de cachorrinho na escola. -E desde quando brincar de cachorrinho te deixa molhado? -Ah,mãe, é que hoje eu era o poste! O sujeito tinha ido ao hospital visitar a sogra, que estava em estado grave. Na volta a esposa, muito preocupada, pergunta: — E então, querido? Como a mamãe está? — Está ótima! Com uma saúde de ferro! Ainda vai viver por muitos anos! Na semana que vem ela vai receber alta do hospital e vai vir morar com a gente, pra sempre! — Nossa, que maravilha! — diz a esposa — Mas isso é muito estranho, querido... Ontem mesmo ela parecia estar no seu leito de morte, os médicos diziam que ela deveria ter poucos dias de vida! — Bom, eu não sei como ela estava ontem — respondeu ele — Mas hoje quando eu cheguei no hospital o médico já foi logo me dizendo que a gente devia se preparar para o pior!

Pág. 15


Pág. 16

Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

CLASSIFICADOS - IMÓVEIS - CLASSIFICADOS - IMÓVEIS - CLASSIFICADOS - IMÓVEIS

12006 – CASA ALVENARIA JD.S.ALICE – área total 300m²-útil 220m², c/3 dormitórios sendo 1 suíte máster,2 cozinhas 1c/churrasqueira,edícula c/churrasqueira e lavandeira-garagem coberta p/2 carros. R$350.000,00 5207 – CHÁCARA VILA BERNARDES – ampla área c/4.378m² em área residencial/comercial c/2 casas alvenaria/madeira, excelente oportunidade de investimento. R$860.000,00 8381 – APARTAMENTO VILA APARECIDA – área total 96,84 útil 73,60 c/3 dormitórios sendo 1 suíte-cozinha americana-área de lazer completa-1 vaga garagem. R$192.300,00 117158 – CASA ALVENARIA JD.PRIMAVERA – área total 150m² útil 100m² c/2dormitóriossala-copa – cozinha – lavanderia -garagem-edícula c/dormitório e despensa. R$160.000,00 117139 – CASA ALVENARIA JD. MONACO – área total 316,25m² útil 110m² c/3dormitórios – sala de TV – lavanderia externa coberta – garagem p/2carros próx. Hospital João de Freitas. R$180.000,00 12032 – APARTAMENTO NOVO V. APARECIDA – área total 49,70m² útil 43,25m²c/2dormitórios sala e copa conjugada –cozinha – lavanderia – garagem. R$95.000,00 12040 - CASA ALVENARIA JD. S. ANTONIO – área total 300m² com edícula c/ 1dormitório –salacozinha- bwc- lavanderia – espaço para vários carros descoberto. R$150.000,00

12049 – CASA ALVENARIA JD. SAN RAPHAEL – área total 200m² útil 106m² c/3dormitórios sendo 1suíte- sala – cozinha- bwc – lavanderia – garagem coberta p/2 carros. R$155.000,00

Casa sobrado - locação - Jardim Dona Martinha, Dormitórios: 3 (sendo 1 suíte), Banheiros: 2, Vagas de garagem: 1, Churrasqueira, quintal, lavanderia. Valor: R$ 725,00

TERRENOS RESIDENCIAIS/COMERCIAIS/INDUSTRIAIS NO VALE DAS PEROBAS-VILA INDUSTRIAL/ PQ. INDUSTRIAL II/VILA APARECIDA/JD. MORUMBI/PQ. INDUSTRIAL IV CENTRO/JD. SANTA ALICE/VILA NOVA/JD. CASAGRANDEII/PAULINO FEDRIGO.

Casa - Locação - Centro, Dormitórios: 3, Banheiros: 1, Vagas de garagem: 1, Copa, Área de serviço, Sala de TV. Valor R$ 705,00

Sala Comercial de Alvenaria, Locação, Parque Veneza, 97m² + 02 wc’s. Valor 1.400,00 reais.

Ao findarmos mais um semestre queremos prestar contas aos senhores associados dos resultados obtidos, bem como das atividades e ações desenvolvidas em 2013 na Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Arapongas Sicoob Arapongas Senhores Associados Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras do primeiro semestre de 2013 da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Arapongas - Sicoob Arapongas, na forma da Legislação em vigor. 1. Situação Econômico-Financeira e Patrimonial Seguindo os principais balizadores do cooperativismo, em especial a “transparência na gestão”, esclarecemos aos seus associados a situação econômico-financeira e patrimonial da cooperativa, onde buscamos voltar o nosso trabalho para o crescimento e expansão. Em conformidade com o artigo 11º Resolução do CMN nº. 3.859, de 27/05/2010, informamos que as premissas constantes no plano de negócios e estudo de viabilidade econômica foram atendidas, conforme a seguir:

Indicadores

Apartamento residencial, locação, Centro, Apartamento residencial com 01Suíte, 02 quartos, sala, cozinha, WC social,Área de serviço, sacada e garagem. R$ 1400,00

BREVE LOTEAMENTO EM ÁREA NOBRE.

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

Associados Índice de imobilização Resultado Antes das Destinações Patrimônio Líquido Rentabilidade do PL Capital Social Depósitos Totais Carteira de Crédito

Objetivos Estratégicos Propostos 2.182 4,49% 520.245 4.750 10,95% 2.958 13.538 8.920

Realizado 2.734 2,54% 1.882 7.123 26,42% 3.962 23.652 16.437

% Proposto X Realizado 125% 57% 0,36% 150% 241% 134% 175% 184%

2. Avaliação de Resultados No exercício de 2013 o Sicoob Arapongas obteve resultado de R$ 829 mil (oitocentos e vinte nove mil), representando um retorno sobre o Patrimônio de Referência de 26,42% 3. Ativos

Casa de Alvenaria, venda, Conjunto Novo Centauro II, 01 suíte, 02 quartos, sala, cozinha, wc social, área de serviço e garagem. Valor 250.000,00 reais. Apartamento locação - Edifício Residencial Uirapuru, Área total: 250,00 m², Área útil: 220,00 m², Dormitórios: 3 (sendo 1 suíte), Banheiros: 1, Vagas de garagem: 2, Sala de jantar, Sala de estar, Lavabo, Sala de TV, Armários nos dormitórios, Armários na cozinha, R$ 1.510

Sobrado de Alvenaria, venda, Jardim Panorama, 01 suíte com closet, 02 quartos, sala, cozinha planejada, wc social, área de serviço e garagem. Área Construída 180m², Terreno 150m². Sob consulta.

Casa - locação - Vila Triângulo, Dormitórios: 3 (sendo 1 suíte), Banheiros: 1, Vagas de garagem: 1, Quintal, Cerca elétrica. Valor: R$ 805,00

Chácara com campo de futebol suíço com alambrado e iluminado, Quiosque com churrasqueira e banheiros à beira do campo, Piscina com hidro, Edícula, Churrasqueira, Cozinha equipada, 02 banheiros externos, sendo 01 com chuveiro e 01 banheiro interno. 02 dormitórios, Sala, Salão aberto à beira da piscina, Lavanderia, Amplo estacionamento, Área totalmente arborizada. Maiores informações entrar em contato conosco. VENDA 1.200.000,00 reais, LOCAÇÃO sob consulta.

Casa - locação - Jardim Cultura, Dormitórios: 3 (sendo 1 suíte), Banheiros: 1, Vagas de garagem: 1, Sala de TV, Lavanderia, Valor: R$ 785,00

Casa de Alvenaria, locação, 02 suítes, 01 quarto, 02 salas, copa, cozinha planejada, área de serviço, churrasqueira e garagem para 02 carros. Valor 1.600,00 reais.

Casa - locação - Jardim Monte Carlo II, Área do terreno: 360,00 m², Área construída: 100,00 m², Dormitórios: 3, Banheiros: 1, Vagas de garagem: 1, Sala de TV, Lavanderia. Valor: R$ 910,00

Residência, locação, Jd. Aerporto, em alvenaria com 02 quartos, sala, cozinha, WC social, área de serviço, entrada p/ carro. R$ 650,00 Residência em alvenaria, locação, Vale das Perobas II, com 03 quartos, sala, cozinha, WC social, lavanderia, garagem e churrasqueira. R$ 730,00 Residência em alvenaria, locação, Jardim San Rafael, com 02 quartos, sala, cozinha, WC social, área de serviço, garagem. R$ 650,00 Apartamento residencial, Venda, Centro, 01Suíte c/ armários planejados e hidro, 02 quartos, sala, cozinha planejada, wc social c/ armário,Área de serviço c/ wc e 01 garagem. R$ 380.000,00 Terreno, venda, Jardim San Rafael II, com 200m². R$ 80.000,00 Sobrado Residencial, Venda, Parque Veneza, Sobrado com 176 m² sendo 02 Suítes com closet, 01 quarto e 01 WC social na parte superior, 01 sala de jantar, cozinha, copa, sala de TV, lavabo, lavanderia, despensa e garagem na parte inferior. 350.000,00.

CLASSIFICADOS - VEÍCULOS - CLASSIFICADOS - VEÍCULOS - CLASSIFICADOS - VEÍCULOS

Em 31/12/2014 os recursos depositados na Centralização Financeira somaram R$ 16.505 mil (dezesseis milhões, quinhentos e cinco mil). Por sua vez, a carteira de crédito representava R$ 16.437 mil (dezesseis milhões, u quatrocentos e trinta e sete mil). Em comparação ao exercício de 2012, observa-se um acréscimo de 38,27% 4. Captação As captações em 31/12/2013 eram da ordem de R$ 23.652 mil (vinte e três milhões, seiscentos e cinquenta e dois mil), havendo uma evolução em relação ao exercício de 2012 de 9,21%. As captações encontravam-se assim distribuídas: DEPÓSITOS 23.652 Depósitos à Vista 9.010 Depósitos a Prazo/Outros Depósitos 14.642 5. Patrimônio de Referência Em 31/12/2013, o Patrimônio de Referência do Sicoob Arapongas era de R$ 7.123 mil (Sete milhões, cento e vinte e três mil), representando uma evolução de 30,81%, em comparação ao exercício de 2012. O quadro de associados era composto por 2.734 cooperados.

6. Política de Crédito A Política de Crédito, também chamada, por alguns autores, de Padrões de Crédito, tem como objetivo básico orientar, de forma uniforme, as decisões de crédito. No Sicoob Paraná a Política de Crédito é utilizada nos deferimentos de operações e nos planejamentos estratégicos e negociais das Cooperativas Singulares para com seus Associados. Para garantir rentabilidade em crédito com segurança, as Cooperativas de Crédito definem orientações na forma de políticas. As políticas de crédito compreendem, assim, um conjunto de macro orientações que visam garantir padrões de desempenho em crédito compatíveis com a boa técnica de mercado. O Sicoob Arapongas adota a política de classificação de crédito de sua carteira de acordo com as diretrizes estabelecidas na Resolução CMN nº 2.682. 7. Resumo da Descrição da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil – Sicoob 7.1 - Risco Operacional 7.1.1 O gerenciamento do risco operacional do Sicoob Arapongas objetiva garantir a aderência às normas vigentes e minimizar o risco operacional, por meio da adoção de boas práticas de gestão de riscos, na forma instruída na Resolução CMN 3.380/2006. 7.1.2 Conforme preceitua o artigo 11 da Resolução CMN 3.721/2009, o Sicoob Arapongas aderiu à estrutura única de gestão do risco operacional do Sicoob, centralizada na Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Ltda. (Sicoob Confederação), a qual encontra-se evidenciada em relatório disponível no sítio www.sicoob.com.br. 7.1.3 O processo de gerenciamento do risco operacional do Sicoob consiste na avaliação qualitativa dos riscos objetivando a melhoria contínua dos processos. 7.1.4 O uso da Lista de Verificação de Conformidade (LVC) tem por objetivo identificar situações de risco de não conformidade, que após identificadas são cadastradas no Sistema de Controles Internos e Riscos Operacionais (Scir). 7.1.5 As informações cadastradas no Sistema de Controles Internos e Riscos Operacionais (Scir) são mantidas em banco de dados fornecido pelo Sicoob Confederação. 7.1.6 6. A documentação que evidencia a efetividade, a tempestividade e a conformidade das ações para tratamento dos riscos operacionais, bem como as informações referentes às perdas associadas ao risco operacional são registradas e mantidas em cada entidade do Sicoob, sob a supervisão da respectiva entidade auditora (se cooperativa singular, da cooperativa central; se cooperativa central e Bancoob, do Sicoob Confederação). 7.1.7 7. Para as situações de risco identificadas são estabelecidos planos de ação, com a aprovação da Diretoria Executiva, que são registrados em sistema próprio para acompanhamento pelo Agente de Controles Internos e Riscos (ACIR). 7.1.8 8. Não obstante a centralização do gerenciamento do risco operacional, o Sicoob Arapongas possui estrutura compatível com a natureza das operações, a complexidade dos produtos e serviços oferecidos e é proporcional à dimensão da exposição ao risco operacional. 7.2 - Risco de Mercado e Liquidez 7.2.1 1. 1. O gerenciamento dos riscos de mercado e de liquidez do Sicoob Arapongas objetiva garantir a aderência às normas vigentes e minimizar os riscos de mercado e de liquidez, por meio das boas práticas de gestão de riscos, na forma instruída na Resolução CMN 3.464/2007 7.2.2 2. 2. Conforme preceitua o artigo 11 da Resolução CMN 3.721/2009, o Sicoob Arapongas aderiu à estrutura única de gestão dos riscos de mercado e de liquidez do Sicoob, centralizada no Banco Cooperativo do Brasil S.A. (Bancoob), que pode ser evidenciada em relatório disponível no sítio www.sicoob.com.br. 7.2.3 3. 3. No gerenciamento do risco de mercado são adotados procedimentos padronizados de identificação de fatores de risco, de classificação da carteira de negociação (trading) e não negociação (banking), de mensuração do risco de mercado de estabelecimento de limites de risco, de testes de stress e de aderência do modelo de mensuração de risco (backtesting).

Strada TREK FLEX 1.4 R$ 26.900,00

2010/2010 - Prata Capota Marítima Direção Hidráulica Focus Sedan 1.6 - 2009/2009 - Prata - Alarme, Ar Condicionado, Ar quente, CD Player, Desembaçador Traseiro, Direção Hidráulica, Insulfilm, Trava Elétrica, Vidro Elétrico - R$ 29.900,00 Honda City LX FLEX - 2012/ 2013 Flex - Preto, Air Bag, Air Bag Duplo, Alarme, Ar Condicionado, Ar quente, Câmbio Automático, CD Player, Desembaçador Traseiro, Direção Hidráulica, Freio ABS, Insulfilm, Rodas de Liga Leve, Trava Elétrica, Vidro Elétrico - R$ 51.900,00 Saveiro 1.6 CS TROOPER 2012/2012 - Flex - Branco, Ar Condicionado, Ar quente, Direção Hidráu-

lica, Insulfilm, Som, Trava Elétrica, Vidro Elétrico. R$ 32.900,00 Punto 1.4 FLEX - 2010/2010 - Vermelho - Flex, Ar quente, Desembaçador Traseiro, Direção Hidráulica, Insulfilm, Limpador Traseiro, idro Elétrico, R$ 28.900,00 Astra Sedan ADVANTAGE 2.0 2006/2007, Prata, Flex, Alarme, Ar Condicionado, Ar quente, Desembaçador Traseiro, Direção Hidráulica, Insulfilm, Rodas de Liga Leve, Trava Elétrica, Vidro Elétrico Celta 1.0 LS, 2011/2012, Branco, Flex, Ar quente, Desembaçador Traseiro, Limpador Traseiro

TODOS OS VEÍCULOS SE ENCONTRAM NO COM FOTO E DETALHES NO SITE:

g8multimarc as.com.br

09/10-PALIO FIRE ECONOMY AZUL 4 PORT COMPLET(-AR) 62.790KMS SUPER OFERTA FINANCIO SEM ENTRADA R$22.500 09/10- FOX 1.0 FLEX PRATA 4 PORTAS COMPLETO (-AR) 43.390 MIL KMS SUPER OFERTA FINANCIO SEM ENTRADA VENDIDO 09/10-CITROEN C/4 GLX HATCH PRATA 2.0 COMPLET+AIR BAG DUPLO+ABS+FAROL NEBLIN+MP3 C/ BLUETOOTH+COMP BORDO+PILOT AUT R$34.900 2009 - FOX 1.0 FLEX PRATA DIREÇÃO + TRAVA + ALARME + LIMP. DESEMB. TRASEIRO 26.900 KMS R$23.900 08/09- GOL TREND 1.0 PRETO 4 PORTAS COMPLETO 110.590 KMS SUPER OFERTA SÓ A VISTA R$21.900 06/07- FORD KA GL CINZA VIDRO+TRAVA ALARM+ AR QUENTE+LDT+SOM SUPER OFERTA FINANCIO SEM ENTRADA R$14.500 2007- PALIO WEEKEND ELX 1.4 FLEX COMPLETA + COURO CINZA METALICA -R$22.900 2006-POLO HATCH 1.6 FLEX PRAT 4 PORT COMPLET MAN+CÓP CHAV SUPER OFERTA FINANCIO SEM

ENTRADA R$22.900 05/06- FOX 1.6 FLEX PRATA 4 PORT COMPLET(-AR) ) CAPU ELÉTRIC SUPER OFERTA FINANCIO SEM ENTRADA R$22.900 05/06-PEUGEOT 206 1.4 PRESENC COMPLET 4 PORT VERMELHO SUPER OFERTA FINANCIO SEM ENTRADA R$18.900 04/05-COROLLA XLI 1.6 PRETO METALICO COMPLETO - AUTOMÁTICO 128.900 KMS- R$25.900 2004- FIESTA HATCH PERSONALITE 1.0 8VL BRANCO 4 PORTAS COMPLETO (–AR) - R$16.900 2003- CITROEN XSARA PICASSO EX 2.0 PRATA COMPLETA + COURO + REVISADA + MANUAL - R$20.900 2003- POLO HATCH 1.6 COMPLETO RODAS DE LIGA PRETO METALICO PNEUS NOVOS 106.900 KMS-R$19.900 2003- POLO HATCH 1.6 CONFORTLINE COMPLETO ROD DE LIGA 15 PRATA METALIC PNEUS NOV 151900 KMS AR DIGITAL R$20.900 02/03- CORSA SEDAN CLASSIC 1.0 MPFI PRATA 4 PORTAS ALARME LDT-R$14.200

7.2.4 4. 4. 4. Não obstante a centralização do gerenciamento do risco de mercado e de liquidez, o Sicoob Arapongas possui estrutura compatível com a natureza das operações e com a complexidade dos produtos e serviços oferecidos, sendo proporcional à dimensão da exposição ao risco de mercado da entidade.

7.3 - Risco de Crédito 7.3.1 1. O gerenciamento de risco de crédito do Sicoob Arapongas objetiva garantir a aderência às normas vigentes, maximizar o uso do capital e minimizar os riscos envolvidos nos negócios de crédito por meio das boas práticas de gestão de riscos. 7.3.2 2. Conforme preceitua o artigo 10 da Resolução CMN nº 3.721/2009, o Sicoob Arapongas aderiu à estrutura única de gestão do risco de crédito do Sicoob, centralizada no Banco Cooperativo do Brasil S.A. (Bancoob), a qual encontra-se evidenciada em relatório disponível no sítio www.sicoob.com.br. 7.3.3 3. Compete ao gestor a padronização de processos, de metodologias de análises de risco de clientes e de operações, de criação e de manutenção de política única de risco de crédito para o Sicoob, além do monitoramento das carteiras de crédito das cooperativas. 7.3.4 4. Não obstante a centralização do gerenciamento de risco de crédito, o Sicoob Arapongas possui estrutura compatível com a natureza das operações, a complexidade dos produtos e serviços oferecidos, sendo proporcional à dimensão da exposição ao risco de crédito da entidade. 7.4 - Risco de Capital 7.4.1 1. A estrutura de gerenciamento de capital do Sicoob Arapongas objetiva garantir a aderência às normas viegentes e minimizar o risco de insuficiência de capital para fazer face aos riscos em que a entidade está exposta, por meio das boas práticas de gestão de capital, na forma instruída na Resolução CMN 3.988/2011. 7.4.2 2. Conforme preceitua o artigo 9 da Resolução CMN 3.988/2011, O Sicoob Arapongas aderiu à estrutura única de gerenciamento de capital do Sicoob, centralizada na Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob LTDA (Sicoob Confederação), a qual encontra-se evidenciada em relatório disponível no sítio www.sicoob.com.br 7.4.3 O gerenciamento de capital centralizado consiste em um processo contínuo de monitoramento do capital, e é realizado pelas entidades do Sicoob com objetivo de: a) avaliar a necessidade de capital para fazer face aos riscos que as entidades do Sicoob estão sujeitas; b) planejar metas e necessidades de capital, considerando os objetivos estratégicos das entidades do Sicoob; c) adotar postura prospectiva, antecipando a necessidade de capital decorrente de possíveis mudanças nas condições de mercado. 7.4.4 4 Adicionalmente, são realizadas também simulações de eventos severos em condições extremas de mercado, com a consequente avaliação de seus impactos no capital das entidades do Sicoob. 8. Agradecimento Agradecemos aos nossos associados pela preferência e pela confiança e aos colaboradores pela dedicação. Arapongas/PR, 28 de fevereiro de 2014. Conselho de Administração e Diretoria Executiva


Edição de Notícias

Pág. 17

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)  

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Arapongas - Sicoob Arapongas

 

Balanço patrimonial em 31 de dezembro

   

Em milhares de reais

 Ativo

2013

2012

28.701

23.865

517 517

434 434

Relações interfinanceiras Centralização Financeira - Cooperativas (Nota 6)

16.505 16.505

15.849 15.849

Operações de crédito (Nota 7) Operações de crédito (Provisão para operações de crédito de liquidação duvidosa)

11.349 12.236 (887)

7.469 7.770 (301)

Outros créditos Rendas a receber Diversos (Nota 8) (Provisão para outros créditos de liquidação duvidosa)

162 156 24 (18)

110 102 21 (13)

Outros valores e bens (Nota 9) Bens de uso não próprio Despesas antecipadas

168 160 8

3

5.467

4.799

4.180

3.912

4.180 4.201 (21)

3.912 4.118 (206)

965 965

484 484

Imobilizado de Uso (Nota 10b) Outras imobilizações de uso (Depreciação acumulada)

150 387 (237)

168 381 (213)

Diferido (Nota 10c) Gastos de organização e expansão (Amortização acumulada)

141 282 (141)

197 281 (84)

31 61 (30)

38 60 (22)

Circulante Disponibilidades (Nota 6) Caixa

Não circulante Realizável a longo prazo Operações de crédito (Nota 7) Operações de crédito (Provisão para operações de crédito de liquidação duvidosa) Investimentos (Nota 10a) Outros investimentos

Intangível (Nota 10d) Outros ativos intangíveis (Amortização acumulada) Total do ativode Crédito de Livre Admissão Cooperativa de Arapongas - Sicoob Arapongas

Passivo e patrimônio líquido Circulante Depósitos (Nota 11) Depósitos à vista Depósitos a prazo

2013

2012

27.044

23.220

23.651 9.010 14.641

21.658 7.201 14.457

Obrigações por empréstimos (Nota 12) Empréstimos no País - outras instituições



6 6

Relações interdependências (Nota 13) Recursos em trânsito de terceiros

1.624 1.624

332 332

Outras obrigações Cobrança e arrecadação de tributos e assemelhados Sociais e estatutárias Fiscais e previdenciárias Diversas (Nota 13)

1.769 4 633 96 1.036

1.224 2 451 81 690

Patrimônio líquido (Nota 15)

7.124

5.444

Capital social De domiciliados no País (Capital a realizar)

3.962 3.972 (10)

3.390 3.445 (55)

Fundo de reserva Sobras acumuladas

2.333 829

1.502 552

3

34.168

28.664







 Total do passivo e do patrimônio líquido

34.168

28.664

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras.

Demonstração de sobras ou perdas

                                                 

Em milhares de reais

1 de 23

 Exercícios findos em 31 de dezembro Semestre findo em 31 de dezembro 2013 Ato cooperativo

Ato não cooperativo

2013

Total

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão 2.504 2.504 de Arapongas - Sicoob Arapongas 2.504 2.504

Receitas da intermediação financeira Operações de crédito (Nota 7)

Despesas de intermediação financeira Operações de captação no mercado Em milhares de reais e Operações de empréstimos repasses (Nota 12) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (Nota 7)

(965) Demonstração de sobras ou perdas (672)

Resultado bruto da intermediação financeira Outras receitas e despesas operacionais Receitas de prestação de serviços Rendas de tarifas bancárias Despesas de pessoal Despesas administrativas (Nota 16) Receitas da intermediação Despesas tributárias (nota 17) financeira Outras receitas operacionais (Nota 19) Operações de crédito (Nota 7) (Nota 20) Outras despesas operacionais

Despesas de intermediação financeira Resultado operacional Operações de captação no mercado Operações de empréstimos e Resultado não operacional repasses (Nota 12) Provisão para créditos de liquidação Resultado antes da tributação sobre duvidosa (Nota 7) lucro Resultado bruto da intermediação Imposto de renda e contribuição social financeira Provisão para imposto de renda (Nota 18) Outras receitas e despesas operacionais Provisão para contribuição social Receitas de prestação de serviços (Nota 18) Rendas de tarifas bancárias Despesas de pessoal Sobras do semestre/ exercício Despesas administrativas (Nota 16) Despesas tributárias (nota 17) Destinações Outras receitas operacionais (Nota 19) Provisão de Juros ao capital Outras despesas operacionais (Nota 20) Fates - Ato não Cooperativo Fates - Destinação Estatutária Ato Resultado operacional Cooperativo Reserva Legal - Destinação Estatutária Resultado não operacional Reserva Legal - Rendas não Operacionais Resultado antes da tributação sobre lucro ou perdas líquidas do semestre/ Sobras exercício Imposto de renda e contribuição social Provisão para imposto de renda (Nota 18) Provisão para contribuição social (Nota 18)

Sobras do semestre/ exercício Destinações Provisão de Juros ao capital Fates - Ato não Cooperativo Fates - Destinação Estatutária Ato Cooperativo Reserva Legal - Destinação Estatutária Reserva Legal - Rendas não Operacionais Sobras ou perdas líquidas do semestre/ exercício

(965) (672)

) (293_

(293)

1.539 findo em 31 de Semestre dezembro 2013 (579) 34 230 Ato Ato 118 não 314 cooperativo cooperativo (30) (706) (1.043) (43) (11) (2) 2.504 723 2.504 (95)

(965) 960 (672) ) (293_ 960 1.539 (579) 230 314 (706) 960 (1.043) (2) (856) 723 (174) (95) 960 (79) (603)

960 104

1.539

Ato cooperativo

Total

4.978 4.978

3.608 3.608

3.608 3.608

(1.461) (1.087)

(1.461) (1.087)

(1)

(1)

(373)

(373)

(652)

(652)

3.174

(965) 994 (672)

(1.804) 1.840 (1.152)

(14)

(14)

20

(293) 980

3.174

2013 91

(1.334)

Ato 219 não cooperativo (44) (63) (21)

91 (14)

(652) 1.838

(35) 3.174

(17) 91 219 (18)

(17) (1.243) 634 (18) 590 (1.376) 1.882 (2.108) (25) (1.053) 1.215 (299) (173) (72)

3.174 (1.334) 415 590 (1.332) 1.838 (2.045) (4) (981) 1.215 (299) (173)

(14)

994) (79 (603) (14)

1.840 (79) (603)

20 70 (18)

980 34 (18)

1.838 857

(9)

(9)

(17)

(9)

(9)

(18)

962

(856) (174)

(72)

(928) (174) (72)

(981) (299)

(79) (603)

(79) (603)

(79) (603)

(44) 42 (63) (21) (72) (72)

91 (14)

77 (30) (35)

1.838

(1.461) 1.277 (1.087)

(652) 1.917

(9) (545) 348 (9) 314 (736) 962 (1.086) (13) ) (928 723 (174) (95) (72)

2

(1.804) 1.931 (1.152)

77

(9) 34 118 (9)

960

295 Ato 499 cooperativo (1.077) (1.589) (7) 3.608 1.204 3.608 (195)

(35)

(18) 1.539

(870)

17

Ato 153 não cooperativo (38) (82) (16)

(1) (373) 1.277 2.147

2012 (853) 448 499 Total (1.115) (1.671) (23) 3.608 1.204 3.608 (195)

17

(1.461) 1.294 (1.087)

1

1 (1)

18

(373) 1.295

(7)

(7) 2.147

(3) 17 153 (4)

(3) (853) 448 (4) 499

(1.077) 1.277 (1.589) (7) (724) 1.204 (273) (195)

(38) 11 (82) (16) (12)

(1.115) 1.288 (1.671) (23) (736) 1.204 (273) (195) (12)

1.931 (79) (603) (14)

1.277 (50) (401)

17 1

1.294 (50) (401) 1 -

1.917 829 (35)

1.277 553

18 (1) (7)

1.295 552 (7)

(17)

(3)

(3)

(18)

(4)

(4)

(870) 295 499

42

1.882

(72)

(1.053) (299) (72)

(724) (273)

(79) (603)

(50) (401)

(72)

1.277

(12)

11 (12) (12)

1.288 (736) (273) (12) (50) (401) -

104

70

34

857

(30)

829

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Arapongas - Sicoob Arapongas

553

(1)

552

  

 

Demonstrações dos fluxos de caixa Em milhares de reais   

Exercícios findos em 31 de dezembro 2.147 2.147

(1.243) 634 590 Total (1.376) (2.108) (25) 4.978 1.215 4.978 (173)

(14)

(18)

(72)

Total

(1.804) (1.152)

34

34

Ato não cooperativo

4.978 4.978

415 Ato 590 cooperativo (1.332) (2.045) (4) 4.978 1.215 4.978 (173)

(72)

Ato cooperativo

(1.804) (1.152)

(545) 348 314 Total (736) (1.086) (13) 2.504 723 2.504 (95)

(30) 2 (43) (11) (72)

2012

Ato não cooperativo

Semestre findo em 31 de dezembro de 2013

   

Exercícios findos em 31 de dezembro

2013

2012

980

1.917

1.295

54 54

108 108

Fluxos de caixa das atividades operacionais Sobras antes do imposto de renda e da contribuição social Ajustes as sobras/perdas líquidas Despesas de depreciação e amortização Variações patrimoniais Relações interfinanceiras e interdependências Operações de crédito Outros créditos Outros valores e bens Depósitos Obrigações por empréstimos e repasses Outras obrigações Imposto de renda e contribuição social efetivamente pagos Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimentos Aquisição de investimentos Aquisição de imobilizado de uso Aplicação no diferido Aplicação no intangível Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos

3.176 1.624 (2.188) (12) 14 2.905 (1) 834 (18) 4.192

(540) 1.292 (4.149) (51) (166) 1.994 (6) 547 (35) 1.450

105 105 3.751 332 (1.381) (15) 7 4.759 (10) 29 (7) 5.144

(353) (13)

(481) (26) (1) (1)

(31) (1) (8)

(366)

(509)

(40)

(29) 295

(202) 248

(151) (174)

(151) (299)

(179) 167 (10) (62) (273)

(29)

(201)

(179)



Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Variações patrimoniais Aumento de capital Destinação das sobras relativas ao exercício anterior - FATES Destinação ao FATES – legal Despesas de juros ao capital Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamentos Aumento líquido de caixa e de equivalentes de caixa

3.797

739

4.925

Caixa e equivalentes de caixa no início do semestre/ exercício

13.225

16.283

11.357

Caixa e equivalentes de caixa no fim do semestre/ exercício

17.022

17.022

16.282

   





As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras.

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

2 de 23

4 de 23

 

Demonstração das mutações do patrimônio líquido Em milhares 2 de 23 de reais

 

   



Capital social integralizado

Fundo de reserva

Sobras acumuladas

Total

Em 1° de janeiro de 2012 Destinação do resultado acumulado Distribuição de sobras Integralizações de capital (Nota 15 b) Baixas de capital(Nota 15 b) Resultado do exercício Destinações do resultado do exercício FATES - legal (Nota 15e) FATES - ato não cooperativo (Nota 15e) Reserva legal Juros ao capital próprio provisionado (Nota 15c)

3.028

898

410

4.336

(410)

(10) 400 (449) 1.288

Em 31 de dezembro de 2012

3.390

197 400 (449)

203

1.288

401 214 1.502

(50)

(50)



(12) (401) (273)

(12)



552

(59)



5.444

 Destinação do resultado acumulado Distribuição de sobras Integralizações de capital (Nota 15b) Baixas de capital(Nota 15b) Resultado do exercício Destinações do resultado do exercício FATES - legal (Nota 15e) FATES - ato não cooperativo (Nota 15e) Reserva legal Juros ao capital próprio provisionado (Nota 15c)

 

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras.

324 206 (210)

228

(552) 1.882

603 252

206 (210) 1.882

(79)

(79)

(72) (603) (299)

(72) (47)

Em 31 de dezembro de 2013

3.962

2.333

829

7.124

Em 1° de julho de 2013 Integralizações de capital (Nota 15b) Baixas de capital (Nota 15b) Resultado do semestre Destinações do resultado do semestre FATES - legal (Nota 15e) FATES - ato não cooperativo (Nota 15e) Reserva legal Juros ao capital próprio provisionado (Nota 15c)

3.668 178 (14)

1.730

795

6.192 178 (14) 962

Em 31 de dezembro de 2013

3.962

962

603 130

2.333

(79)

(79)

(72) (603) (299)

(72)

829

(169) 7.124



                  

 

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Arapongas - Sicoob Arapongas

                                                         

   

                                            













                                               

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras.

3 de 23






Pág. 18  

 

 

 

 

 

   

   

   







                                     

        

         

        

        

      



          

         

                                                                



 

 

 

  

  

  

 

 

     

  



     



 

  

  

  

 

 

   

   

  

  

  

  

  

  

           

 

            



     

   



 

           

          

           

 

 

     

      

      

       

  











        

        

        

        

 











       

       

           

 



 

            

                        

                   

       

 

    

    

    

    

    

           





    

    

       

    

    

    

 

            

       

     

 





 

      

                        

 

   

               

          

 

 

 

        

             

 

                                                            

        

 





                         

 

         



         

     

  



      

                

     

 

  



 



   

   

                                        

       

                      

 

           



   



  

      

  

  

   

 

   

     

    

 

  

    

     

                        

 



                           

    

 



     



                           



 

     

                           

 





     



   



 

  

Edição de Notícias

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

     

           

           

     

           

           







                                                         


Edição de Notícias

 

 

 

 

   

    

        





                       



   

              

          

                

                         

     



                

 

                  

  



  





  



   



 

   

     

   



 

 

    

    





   



 

 

 

 

   

   

       





     

      

     

     



         

  



    

    



      



 

                                                                                              







 

 





 

 

   

   



 

   

         



  



  

  

            

        

  



          



      

 

 

 

      



 

 





        



        





  



Pág. 19

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

         

         

   

   

     

  

  



 



 



                                           

                             



 



  

    














Pág. 20

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13)

Apucarana vai receber campeonato de karatê interestilos

De 3 a 6 de abril, Apucarana sedia o Campeonato Zonal Sul/Sudeste/Centro-Oeste de Karatê Interestilos 2014. A competição será disputada no Centro Esportivo Madre Josafata, no Colégio Nossa Senhora da Glória (Glorinha) em uma promoção da Associação Karatê Vida e supervisão da Federação Paranaense de Karatê Esportivo. Realizado nas categorias mirim, infantil, infanto, juvenil, júnior, adulto e master (masculino e feminino), a projeção da organização é contar com a participação de mais de 900 atletas, sendo 400 deles pertencentes ao Paraná. Nesta semana, o prefeito Beto Preto (PT) foi pessoalmente comunicado da competição pelo carateca Alan Pereira da

Silva, proprietário da “Karatê Vida”. “Temos trabalhado bastante para resgatar o esporte em nossa cidade e ao recebermos uma competição grandiosa como esta, ficamos bastante confiantes de que estamos no caminho certo. Desejamos sucesso ao evento, todas as delegações serão muito bem recebidas pelo município”, disse o prefeito. O Campeonato Zonal também terá a presença de atletas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Brasília. “Os melhores karatecas destes estados virão para Apucarana, num campeonato que promete um alto índice técnico”, frisa Alan, que também é presidente da Federação Paranaense de Karatê Esportivo.

Edição de Notícias

FUTEBOL

Primeira fase acaba com empate do Arapongas em Toledo Após estar perdendo por dois gols, e com dois jogadores a menos, o Arapongão busca o empate e vai motivado para os próximos jogos. Revigorado após a troca de comando técnico e a boa vitória na última partida, o Arapongas viajou até Toledo almejando uma classificação pra lá de improvável, devido a combinação de resultados que precisaria contar. A classificação não veio, nem a vitória, mas um empate em 2×2 valeu tanto quanto a vitória pelas circunstâncias. Mesmo com uma vitória o alviverde não escaparia da disputa do já intitulado Torneio da Morte, que indicará as duas equipes que disputarão a divisão de acesso no próximo ano, pois os resultados das outras partidas não favoreceriam a classificação para próxima fase. E esta disputa paralela já começa no próximo domingo, quando o Arapongas viaja novamente à Ponta Grossa

enfrentar o Operário, que junto com Cianorte, Toledo e próprio Arapongas configuram as equipes do indigesto torneio. Após este empate, ainda mais da forma que foi, o time confirma a nova boa fase dentro da competição e terá uma semana inteira para trabalhar, ajustar e iniciar a nova fase da competição da melhor forma. Os jogadores na saída de campo reafirmaram o apresso pelo resultado e reforçaram o compromisso em não deixar que o Arapongas caia. Nas palavras de Rafa Mineiro sobre o jogo – “Viemos para buscar a vitória, não deu. Ter jogadores a menos desde o começo dificultou, mas o empate é valido”. Já para o zagueiro Marlon a hora é de focar nos próximos jogos – “demos o máximo hoje, tivemos que nos superar, mas nosso grupo é isso. O certo é que vamos lutar até o fim, temos vergonha na cara e esse time não vai cair”.

Edicao 193  

1ª quinzena de março/2013 EDIÇÃO ESPECIAL FIQ 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you