Page 155

Me encontrará”. Quer seja madeira ou pedra ou qualquer coisa: se você penetrar no seu âmago, na sua essência mesma, você O encontrará. Você deve: porque a essência de todas as coisas está contida no Verbo. E o Verbo é um Ímã que atrai todas as coisas para si e para dentro de si. No seu sermão do “modicum” – numa passagem de rara beleza –, Eckhart fala desta atração suprema e do “destino” universal: Vocês devem entender que todas as criaturas estão por natureza se empenhando para serem como Deus. Os céus não girariam a não ser que seguissem a trilha de Deus ou a Sua semelhança. Se Deus não estivesse em todas as coisas, a Natureza iria ficar imóvel, nem trabalhando e nem querendo; pois, quer você goste ou não, quer você saiba ou não, a Natureza está fundamentalmente buscando, embora obscuramente, e tendendo em direção a Deus. A caça da Natureza não é carne nem bebida... nem qualquer coisa em absoluto em que não haja nada de Deus, mas veladamente ela busca e cada vez mais ardorosamente ela persegue a trilha de Deus nisto.

Nós não podemos fazer melhor do que encerrar com as palavras com as quais o próprio Meister conclui o seu sermão: “Tendo por fim que possamos apreender isto e nos tornarmos eternamente felizes, que o Pai, o Filho e o Espírito Santo nos auxiliem. Amém”. [ 208 ] Rm 1, 20. [ 209 ] Ibid., 1, 21. [ 210 ] Ibid., 1, 22. [ 211 ] 1Jo 3, 2. [ 212 ] Entretanto, a despeito dessa descrença disseminada, a doutrina cartesiana teve um profundo efeito na psique ocidental, a ponto de provocar uma espécie de “esquizofrenia coletiva”, assunto com o qual eu lidei amplamente em: Wolfgang Smith, Cosmos and Transcedence, Angelico Press/Sophia Perennis, Tacoma, WA, 2012. [ 213 ] Vide meu tratado: Wolfgang Smith, O enigma quântico, Vide Editorial, Campinas, 2012. [ 214 ] Um físico teórico (e nada menos que aluno de David Bohm), Bortoft pertence ao contingente excessivamente diminuto de cientistas contemporâneos que transcenderam a visão de mundo cientificista contemporânea. [ 215 ] Mt 13, 13. [ 216 ] A descrição mais plena desses “centros” foi sem dúvida exposta na tradição Tântrica da Índia, a qual se refere a eles como chacras (literalmente, “rodas”) e “padmas” (“lótus”). O Tantrismo Caxemirense desenvolveu uma ciência efetiva no tocante a este assunto. Veja o capítulo 6. [ 217 ] Henri Bortoft, The wholeness of Nature, Lindisfarne Press, Hudson, NY, 1996, p. 14. Este é, sem dúvida, o melhor livro sobre o “caminho de Goethe em direção à ciência da participação consciente na natureza”, que também é o subtítulo do livro. [ 218 ] Não é surpresa que, em conseqüência desta descoberta, tenha havido um surto de interesse na obra científica de Goethe, a qual nos dias idos havia sido descartada como obra de um amador. [ 219 ] Eu digo “em princípio” porque acontece que os cientistas, virtualmente sem exceções, ainda estão imbuídos com os pressupostos cartesianos. Para ser preciso, conheço apenas dois físicos que tenham transcendido aquela premissa filosófica ou que tenham ao menos reconhecido sua natureza hipotética. [ 220 ] Eu lidei com esta questão em: Wolfgang Smith, Cosmos and Transcendence, op. cit., cap. 7. [ 221 ] Sermão 12. [ 222 ] 1Cor 3, 2; Hb 5, 14. [ 223 ] Por exemplo, em 2Cor 4, 4. [ 224 ] Jo 17, 3. [ 225 ] Jo 12, 45. [ 226 ] Jo 10, 9. [ 227 ] Sermão 69. [ 228 ] Jo 16,16. [ 229 ] Mt 5, 8. [ 230 ] Neste contexto, o princípio eckhartiano é equivalente ao que eu chamo de “realismo antrópico”, uma posição que prova ser crucial para toda a cosmologia e, em particular, para o entendimento da ciência contemporânea e, em especial, da teoria quântica. V. Wolfgang Smith, Christian Gnosis: From St. Paul to Meister Eckhart, Angelico Press/Sophia Perennis, Tacoma, WA, 2012, cap. 2. [ 231 ] O manual fundamental do ioga, de acordo com tradição hindu. [ 232 ] Contudo, deve-se atinar que a “mente” por si mesma – mente “sem modificações” – não é mais “mente” do modo como entendemos o termo. [ 233 ] O leitor pode se recordar do nomen Dei do Êxodo 3:14: “Ego sum qui sum”. [ 234 ] Is 6, 9.

Ciencia e mito wolfgang smith  

Ciencia

Ciencia e mito wolfgang smith  

Ciencia

Advertisement