Issuu on Google+


Mary Jo Putney >

>

>

UM BEIJO DO DESTINO

Tradução Dayse Batista


PRÓLOGO

Mansa˜ o Harlowe Hertfordshire, Inglaterra novembro de 1737

A

s gotas de chuva caíam do céu outonal como lágrimas, clima perfeito para um funeral. Gwyneth Owens era

grata à tradição que bania a presença de mulheres perto do túmulo, pois não conseguiria manter a compostura enquanto seu pai era baixado para a cova sob o terreno encharcado. Como de costume, ela refugiou-se na biblioteca de Lorde Brecon. Seu pai, Robert Owens, havia sido o responsável pela biblioteca durante quase trinta anos, e Gwynne crescera entre essas valiosas obras. Seus dedos correram delicadamente pelo couro trabalhado e títulos dourados na seção de diários de viagem. Seu pai sempre lhe dizia que uma mente bem abastecida era à prova de solidão. Esperava que sim, já que agora precisaria daquele conforto. Enquanto caminhava pela ala sul, viu-se de relance no espelho acima da lareira. Virou-se, evitando a visão de sua figura alta demais e de seus cabelos fora de moda e nada elegantes. Lamentava não ter herdado o poder do pai ou a beleza da mãe.


10

>

>

>

MARY JO PUTNEY

Talvez uma cavalgada vertiginosa pelas colinas de Harlowe pudesse aliviar sua tensão, mas isso não era possível no momento, pois logo seria chamada ao piso inferior para liderar a cerimônia solene que seria realizada em honra de seu pai. Ansiando por movimentar-se, ela destrancou a galeria adjacente, onde estavam localizados a biblioteca particular e o escritório do pai. Um arrepio de energia sutil e quase imperceptível percorreu sua pele ao pisar no aposento. A câmara extensa e com pé-direito alto continha a mais impressionante coleção de livros e manuscritos sobre magia de toda a Inglaterra. As obras também representavam a história e a sabedoria das famílias ancestrais guardiãs das ilhas britânicas. Os Guardiães — o clã de seu pai. Humanos, mas dotados de poderes mágicos, eles viviam clandestinamente entre os mundanos desde tempos imemoriais. Gwynne, apesar de não ter nenhum desses poderes, havia sido criada como guardiã em virtude da descendência do pai. Era grata por fazer parte das Famílias, já que as mulheres desfrutavam de um grau de igualdade com os homens sem igual entre os mortais comuns. Esse costume evoluíra desde cedo, uma vez que nos domínios da magia as mulheres tinham poderes que se igualavam ou superavam os dos homens. Os Guardiães eram assim chamados em virtude do juramento que prestavam, de usar seu poder para proteger e servir seus companheiros até onde lhes fosse possível. Devido a essa missão, veneravam a história, na esperança de evitar a repetição dos erros do passado. Ocasionalmente, tinham sucesso. Como Protetor da Tradição, o conde de Brecon era responsável por esses livros e manuscritos preciosos. Aos seis anos de idade, Gwynne já ajudava o pai a conservar os livros. Começara tirando o pó, manuseando as obras com o cuidado que teria ao lidar com porcelana fina. Depois, aprendera a copiar textos em decomposição para novos pergaminhos, avançando nos segredos da conservação daqueles trabalhos.


UM BEIJO DO DESTINO

>

>

>

11

Ela examinou as prateleiras com pesar, sabendo que sentiria enorme falta desses livros caso tivesse de deixar o lugar. Dada a importância da coleção, logo tratariam de contratar um novo bibliotecário; assim, deveria preparar-se para a mudança, retirando dali os pertences pessoais de seu pai. Ao menos não seria jogada ao mundo sem recursos — os Guardiães cuidavam dos seus. Certamente tratariam de encontrar alguma ocupação para a filha desfavorecida de Robert Owens. Com sorte, tal ocupação poderia ser em Harlowe, o único lar que conhecera. Não ousaria esperar mais que isso. Com um suave som felino, sua gata gorducha, Athena, saltou para a escrivaninha e ali se encolheu, formando uma bola de pelo. Reconfortada pela presença da gata, Gwynne acomodou-se e começou a vasculhar as gavetas, buscando os pertences pessoais do pai. Manter-se ocupada era essencial para não lamentar-se pelo passado ou preocupar-se excessivamente com o futuro. Piscou para afastar as lágrimas ao encontrar o medalhão de sua mãe na pequena gaveta do centro. O estojo oval mostrava, em seu interior, miniaturas de seus pais, pintadas na época do noivado. Eram jovens e pareciam muito apaixonados. Certamente o pai mantivera o medalhão ali para poder olhar sempre a imagem da esposa e sonhar com tempos mais felizes. Robert Owens, um homem reservado e culto, levara uma vida tranquila na Mansão Harlowe. Seu único ato de rebeldia havia sido o casamento com Anna Wells, contra a vontade das duas famílias. A família da noiva a deserdara. Os Owens aceitaram as bodas, ainda que com relutância. Os Guardiães tinham por princípio casar com outros Guardiães, e Anna era uma mundana. Embora bela e de temperamento doce, não havia magia em sua alma. Ainda assim, o casamento havia sido feliz, e a morte de Anna por febre, dois anos antes, fora devastadora para a sua pequena família. Agora Robert também partira, deixando Gwynne sozinha no mundo. Pena não ter tido um irmão ou irmã para lhe fazer companhia no luto.


12

>

>

>

MARY JO PUTNEY

A última gaveta estava quase vazia quando a porta se abriu. As batidas secas e curtas de uma bengala no piso anunciaram a entrada de Emery, Lorde Brecon. Ela animou-se ao ver sua figura esbelta e suntuosa. Alto e elegante, os cabelos do homem eram espessos e tão naturalmente brancos que não havia necessidade de pó para deixá-los mais ao gosto da moda. O conde era o centro em torno do qual Harlowe girava. Sua cortesia e erudição eram lendárias, e ele sempre fora gentil com a menininha que adorava os livros. Ao vê-la, ele disse baixinho: — Está tudo resolvido, querida. — Meus pais estão juntos agora e descansam em paz. Enquanto ela falava, a verdade do que dizia ressoou em seu íntimo. Gwynne tinha pequenos surtos de conhecimento absoluto, seu único traço do poder dos Guardiães. Não era o mesmo que chamar os ventos, predizer o futuro ou curar os enfermos. — Estamos sendo aguardados na sala de desenho azul, mas espero que não se importe se eu descansar aqui por alguns instantes antes de descermos. Havia um vento cortante lá fora. — Ele acomodou-se na grande poltrona de couro junto à lareira acesa. — Estou contente pela chuva. Um dia bonito me pareceria errado para um funeral. — Não existem bons dias para funerais. — Seu olhar percorreu o cesto de vime que ela havia enchido com a eclética mistura de anotações e objetos do pai. — Vejo que você esteve trabalhando. A biblioteca ficará mais pobre com sua partida. Então seria realmente mandada embora. O choque dessa percepção deu-lhe coragem para fazer um pedido que lhe parecia ser a única chance de conquistar seu sonho secreto. — Sempre adorei trabalhar na biblioteca. De fato, meu senhor, eu... eu esperava ser contratada como bibliotecária, no lugar de meu pai. Embora me falte educação formal, ele ensinou-me bem o ofício. Trabalhei com livros minha vida inteira. Meu pai dizia que ninguém


UM BEIJO DO DESTINO

>

>

>

13

sabia restaurá-los como eu, e minha caligrafia é fina e clara quando copio manuscritos frágeis. Se não como bibliotecária principal, não haveria como continuar aqui como assistente? — Você tem apenas dezessete anos, criança — disse o conde, espantado. — É jovem demais para enterrar-se entre livros. A vida é para ser vivida, não apenas estudada entre páginas empoeiradas. Nunca se casará se um belo jovem não puder encontrá-la. Ela quase gargalhouNão era possível que o conde a tivesse olhado bem, se a considerava capaz de encontrar pretendente. Ela não possuía fortuna ou beleza, e poucos dos rapazes próximos sequer percebiam sua existência. — Não conheci ninguém que me causasse tanto interesse quanto um bom livro ou um bom cavalo, meu senhor. As sobrancelhas volumosas do homem franziram-se. — Pensei que teríamos essa discussão mais tarde, mas pareceme que chegou o momento. Quais são seus planos e desejos para o futuro? Ela ergueu o queixo um pouquinho. — Não há nada decidido ainda, mas não se preocupe. Não pretendo ser um fardo para você. — Como se fosse possível. Harlowe é seu lar, Gwynne, e você será sempre bem-vinda aqui. Entretanto, se prefere partir... — Um primo de papai escreveu-me, oferecendo um lugar para eu morar. — Ela hesitou, mas então concluiu que precisava ser honesta, já que estava decidindo os rumos de todo o seu futuro. — Não me importo de trabalhar para garantir meu sustento, mas preferiria auxiliar seu novo bibliotecário a ser ama-seca sem pagamento dos filhos de meu primo. — Você merece mais do que cuidar de crianças ou enterrar-se em livros. — Seus olhos azul-claros a estudaram com intensidade desconfortável. — Contudo, ainda não está pronta para casar-se. É cedo demais. Atentando para o significado mais profundo dessas palavras, ela indagou, em tom ansioso:


>

14

>

>

MARY JO PUTNEY

— Então o senhor já viu meu futuro? — Apenas nos termos mais gerais. Seu caminho está turvo, com muitas possibilidades. Entretanto, minha irmã Bethany e eu temos a impressão de que um grande destino a aguarda. Grande e difícil. Um grande destino. — Como isso poderia ser verdade, se eu não tenho nenhum poder? — O destino nada tem a ver com poder. Mundanos sem uma partícula de magia criaram a maior parte da história do mundo. Não que você não tenha a magia em si, Gwynne. Como uma rosa de inverno, seu desenvolvimento é apenas um pouco mais lento. — Espero que tenha razão, meu senhor. — Ela fechou os olhos por um momento, piscando para livrar-se das lágrimas que hoje estavam muito próximas da superfície. Quando criança, sonhara em ser uma grande maga, detentora de fenomenal magia. Ao tornar-se moça, despertava todo dia ansiosa para ver se o poder já desabrochara, mas era sempre em vão. Tudo o que tinha era a intuição simples que qualquer mundano poderia possuir. — Com ou sem magia, você é um ser raro e precioso. Nunca se esqueça disso. Gwynne supôs que, já passando dos setenta anos, ele idealizava a juventude. Ainda assim, suas palavras traziam-lhe algum conforto. — O senhor me ensinou que todo ser humano é raro e precioso, quer sejamos Guardiães ou mundanos. Nunca me esquecerei disso. Ele entrelaçou as mãos sobre sua bengala, franzindo a testa com uma hesitação que ela nunca vira antes. — Há uma possibilidade que se recusa a sair de minha mente, não importando o quanto eu tente espantá-la. À primeira vista parece absurda... mas, ao mesmo tempo, parece correta. — Sim? — ela disse, incentivando-o a falar. A ideia de que o lorde de Harlowe pensava nela e em seu futuro era gratificante. — Tenho cogitado em pedir-lhe a mão em casamento.


UM BEIJO DO DESTINO

>

>

>

15

Ela engasgou, surpresa e sem fala. — A ideia a choca. — Ele deu-lhe um sorriso seco. — Não lhe tiro a razão. Um abismo de mais de cinquenta anos nos separa. O casamento seria escandaloso. As mulheres me desprezariam por tirar proveito de sua inocência. Muitos homens demonstrariam inveja, e com razão. Se a ideia a ofende... — Ele pegou sua bengala para levantar-se e ela percebeu que estava constrangido, parecendo até mesmo tímido. — Não! — Parou-o, com um gesto rápido. — A ideia me surpreende, mas não... não ofende. — Estudou o rosto familiar com outros olhos . — O senhor tem sido como o sol, as estrelas e o céu sobre Harlowe, e eu não sou mais que um singelo pardal. É difícil crer que não esteja brincando. — Não estou. Você precisa aprender mais sobre o mundo, antes que o destino possa levá-la em suas asas. — Ele remexeu na bengala novamente. — Não seria um casamento convencional. Não tenho mais um grande futuro à minha frente, de modo que você logo se tornaria uma jovem viúva com grande fortuna e independência. — Certamente seus filhos serão contra tal casamento. Considerarão nossas bodas como um insulto à memória da mãe e se ressentirão com qualquer herança que eu porventura receba. — Ela pensou nos três filhos crescidos do conde. Tratavam-na com gentileza cabível para alguém de menor importância dentro daquela casa, mas a ideia da jovem Gwynne Owens como sua madrasta era de fato absurda. — Ainda sou o proprietário de Harlowe e minha decisão é soberana — disse ele, em tom prático. — Entretanto, depois que falar com eles, não apresentarão objeção. Esse casamento servirá aos interesses dos Guardiães, se você aceitar-me como seu esposo. Ela tentou encobrir seu desapontamento. — Seu pedido é apenas para honrar seu dever com as Famílias, Lorde Brecon? — Embora prepará-la para seu destino beneficie nosso povo, eu poderia fazê-lo sem desposá-la. Eu... sempre desfrutei grande prazer


16

>

>

>

MARY JO PUTNEY

em sua companhia, Gwynne — disse, hesitante. — Os anos desde a morte de Charlotte foram solitários. Sua inteligência, sensibilidade e graça seriam uma bênção maior do que qualquer homem idoso merece. Eu me sentiria honrado e grato, se me desse sua mão em casamento. Gwynne percebeu que a proposta era séria. Esse homem maravilhoso, com poder e sabedoria, realmente desejava desposá-la. Pela primeira vez em sua vida, ela sentiu a presença do poder — não do poder da magia, mas do poder ainda mais antigo que uma mulher tem, o de agradar um homem. Radiante, levantou-se e estendeu-lhe as mãos. — Essa é uma honra além de tudo que já imaginei, meu senhor. Se realmente desejar, terei o prazer de desposá-lo. Com um sorriso que a deixou sem fôlego, ele tomou-lhe as mãos entre as suas. — É o certo a fazer por nós dois. Eu sei. Ela também sabia, com uma certeza irracional. Impulsivamente, levantou as mãos de ambos e beijou as juntas dos dedos encurvados do homem. Desde já, sentia-se melancólica ao pensar no curto tempo que teriam juntos. Entretanto, trataria de garantir que ele não se arrependesse de sua decisão. O destino encontraria seu caminho. Por enquanto, ela se ocuparia em ser uma boa esposa.


Um Beijo do Destino - Primeiro Capítulo