Issuu on Google+

Ano IV—2011-2012 Fevereiro-Março

3ª edição

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Eduardo Brazão de Castro

Galeão de Notícias Ana Gomes Entrevista

Nesta edição: Clube Pontilinha

2

Taça Escolar

2

Exposição de Educação Tecnológica

2

Curso de Cozinha

2

Festa de Carnaval

3

O equipamento da escola costuma estar sempre em boas condições? - Não, são muitas pessoas a utilizar os mesmos.

Como considera o comportamento dos alunos atualmente? Acha que há diferença entre estes e os da altura em que era aluna?

Torneios de ténis de 3 mesa e de campo Trabalhos dos EFA

4

Ana Gomes é a funcionária da nossa escola responsável pelo material multimédia e audiovisual. Eis a entrevista.

Há quanto tempo trabalha nesta escola? Ficha Técnica : Coordenador Docente Bruno Mendonça Colaboradores / redatores e membros do Clube — O Galeão de Notícias : Tiago Soares, do 7º 1 , Hugo Gil, José Sousa, do 7º2; Olavo Soares 5º 5; Diogo Martins 7º4; Filipe Encarnação, 8º 5. Ana Gomes; Margarida Quintal e Cristina Santos.

- 19 Anos.

Já trabalhou noutras escolas? - Não.

- Diferente, acho que atualmente a principal crise não é monetária mas si de valores e afetos, na minha altura nós fazíamos coisas diferentes mas tínhamos uma coisa que eles agora não têm que é medo e respeito.

Quando era pequena o que queria para a sua vida profissional? - Gostava de ser psicóloga, apesar de não ter conseguido acho que estou na profissão certa, faço uma coisa de que gosto e indiretamente estou em contacto com os alunos apercebendo-me de coisas que às vezes outros não se apercebem.

Gosta do seu trabalho? - Gosto.

Quais são as suas funções atualmente? - Técnica multimédia e audiovisual.

Dia Mundial da poesia No passado dia 21 de março, dia mundial da Poesia, o grupo de Português e os professores da Equipa Multidisciplinar organizaram uma sessão de declamação de poesia, na sala de convívio, pelas 15h00m. Para o efeito, foram convidados alguns alunos de diversas turmas que ouviram, com muito entusiasmo os poemas, ora musicados, ora declamados. No final, os professores de Português ofereceram um delicioso lanche, acompanhado de chá. Foi uma excelente tarde. Filipe Encarnação, 8º5

Tiago e Diogo


Galeão de Notícias

Clube Pontilinha No átrio principal da nossa escola estiveram expostos alguns trabalhos elaborados pelos elementos do clube «Pontilha».

revistas, como podemos ver na imagem. André 7º 2

A matéria-prima utilizada foi a partir de materiais reciclados, mais precisamente caixas de papel e cartão.

Exposição de educação tecnológica As turmas de sétimo ano juntamente com os seus respetivos professores de educação tecnológica criaram alguns projetos com materiais reciclados: plásticos e metais.

redução e a reutilização. Alguns dos objetos elaborados foram: um moinho, um pinguim, etc. Tiago Soares

Com o objetivo de sensibilizar os alunos, os pais e toda a comunidade educativa para a reciclagem, a

Nesta exposição pudemos observar alguns objetos como, pisa papéis e suportes para lápis, canetas ou

Taça Escolar No passado dia 12 de janeiro realizou-se na nossa escola, durante a manhã primeira fase da taça escolar inserida no projeto “Prevenção Rodoviária Portuguesa”. Os alunos foram divididos em três grupos; grupo A, grupo B e grupo C. Cada grupo realizou uma prova escrita com perguntas sobre regras de transito, pela prova de orientação e uma de bicicletas na qual três agentes da PSP ajudaram a apurar os resultados. Finalmente os vencedores finais foram apurados pelos professores de educação

física.

Curso de Cozinha

Eis os vencedores:

No 2º ciclo

Orientação: André Filipe Freitas Aguiar e Gregório Paulo Camacho Cruz.

Taça Escolar: Rúben Tiago Sousa Lucas No 3º ciclo

Os alunos do Curso profissional de cozinha, na sua vertente prática , no módulo de Artes Decorativas, criaram, a partir de produtos naturais, estátuas de animais com o propósito de enfeitar mesas de restauração. Como podemos ver na imagem o bom trabalho desempenhado, perfilam-se, quem sabe, futuros “Chefs”.

Orientação: Tiago Vieira Soares e Joana Patrícia Pontes Azevedo.

Taça Escolar: Magno Daniel Franco Neves

Bruno Mendonça Página 2


3ª edição

Festa de Carnaval Na sexta-feira que antecedeu o carnaval teve lugar na sala da equipa multidisciplinar da nossa escola teve lugar um “concurso de mascarados”. O grupo de participantes era composto por alunos individualmente ou em grupo. Os professores também fizeram parte desta folia, mascarados de “Smurfs”, os famosos bonequinhos azuis. Os mascarados tiveram de desfilar na “passerelle” observados por um público entusiasta e avaliado por um júri constituído por três professores.

Nesta época carnavalesca, a sala de convivo esteve engalanada com apetrechos típicos elaborados a partir de caixas de cartão reciclado. No final, foram entregues os seguintes prémios: 1º lugar individual - cheque prenda no valor de 10€; 2º prémio individual - pen no valor de 5€; prémio de grupo - cheque prenda no valor de 15€ Foi um momento muito divertido e que proporcionou momentos de muita gargalhada e as típicas “bocas” de escárnio. Mas, como é carnaval…

TIAGO SOARES 7º1 E PEDRO 7º2

A boa disposição dos professores

Bilhar na escola O I Torneio "Bilhar na Escola", decorreu no Hotel Four Views Monumental Lido, ao longo do dia de hoje, das 9h as 15h30. A competição contou com 3 escalões, infantis, iniciados e juvenis, e com as seguintes escoTorneios de raquete las: Escola Básica do 2.º e 3.º Ciclos do Caniço, Escola Básica e Secundária da Calheta, Escola Básica e Secundária de Santa Cruz, Escola Secundária Dr. Na semana antecedente ao Carnaval realizaram-se, dois torneios de ténis, um de Mesa, no dia 15 de Fevereiro, e outro de mini ténis de cam- Brazão de Castro, Escola Bartolomeu Perestrelo, Clube Desportivo Os Especiais. po, no dia 17. Os alunos chegavam ao local combinado e faziam aí a sua inscrição e a competição foi feita por eliminação dos jogadores que perdessem 2 Eis os jovens que venceram nas respetivas categojogos. rias: O sistema de competição foi definido por sets até 11, finalizando à Vencedor Infantis: NUNO TEIXEIRA (Escola Básica melhor de 3. 2.º e 3.º Ciclos do Caniço); Vencedor Iniciados; Os vencedores por ciclo foram L. Rodrigues do 5º2 e José Sousa 7º 4. ORLANDO (Escola Secundária Dr. Brazão de CasNo torneio de mini Ténis de Campo os jogadores eram eliminado após a tro); Vencedor Juvenis segunda derrota. LUIS LUZ (Escola Básica e Secundária de Santa Os alunos foram distribuídos Quadro da esquerda; Na 1ª derrota transita Cruz) (Diáro de Notícias) para o quadro da direita e o sistema de competição foi definido por jogos com pontos diretos até 10, finalizando à melhor de 3 jogos. O vencedor foi o Sancho do 8º2. Como balanço final, esta iniciativa, inserida no plano de atividades do grupo de Educação Física, foi muito positiva, pois nada melhor do que um corpo são numa mente igualmente sã para o período decisivo de avaliações que se avizinhavam aos nossos alunos. Página 3

TIAGO SOARES 7º1


Galeão de Notícias

Turmas EFA No dia 16 de janeiro, a turma B2 Kapa dos Cursos EFA (Educação e Formação de Adultos) realizou uma visita de estudo ao presépio do Centro Recreativo e Cultural do Galeão. Esta visita de estudo tinha como objetivo principal recolher dados para o Tema de Vida da Turma intitulado: “Arquitectura popular da Madeira – A casa dos nossos antepassados”. Tivemos o prazer de sermos guiados na nossa visita pelo Sr. Juvenal Fernandes Silva, a quem queremos agradecer a gentileza com que nos forneceu inúmeras informações, todas elas importantes para o nosso trabalho. As casas tradicionais da Madeira eram construídas, habitualmente com um telhado de palha de centeio ou trigo e chão era feito de terra batida. Estas habitações eram na sua maioria de pequenas dimensões e contendo poucos utensílios e mobiliário, estes eram reduzidos ao essencial. Num quarto tradicional madeirense, dado ao seu espaço reduzido, era comum encontrar uma cama de ferro, um berço de ferro, um bacio e móveis feitos de madeira como por exemplo: mesinha de cabeceiro com tampo de mármore, cadeira, mesa de metro e mesa de costura. Os móveis eram enfeitados com bordados feitos em linho da terra, nas cómodas era comum encontrar vários santos, o Menino Jesus e um rosário de contas sendo este espaço usado como oratório.

Berço e cama de ferro. No que diz respeito à iluminação era utilizadas as lanternas de velas e os candeeiros de petróleo.

LENDA DO MEL Era uma vez uma camponesa muito velhinha que ficou muito doente, estava muito constipada, rouca, com tosse… precisando de ajuda, mandou chamar a vespa, que assim respondeu ao mensageiro: - Estou a apertar o cinturão para ir a missa. E deixou-se ficar. Aborrecida com má resposta, a camponesa disse: - Pois há de apertar tanto o cinturão que ficará com uma cinturinha fininha, fininha… E foi que aconteceu! A camponesa mandou então recado a aranha, que lhe mandou dizer: - Não posso lá ir, estou a fazer a minha teia. Mais uma vez a camponesa aborrecida falou: - Pois vais fazer a tua teia mas nunca conseguirás acabar! Depois, a camponesa mandou chamar a abelha, que estava a fazer a cera. Logo a abelha ajudou a camponesa no momento em que ela precisava. De tão contente que a camponesa ficou disse à abelha: - A tua cera é tão boa, que para além de me curar vai servir para iluminar as noites escuras, e o Santíssimo Sacramento no altar! E graças ao mel da abelha, a velhinha ficou curada. A partir deste acontecimento o mel serviu para a cura de todas as maleitas das pessoas do campo.

Autores da lenda : Helena, Judite e

Mesinha de cabeceira, candeei- Alcindo. ros de petróleo e lanterna de vela Turma Beta Cómoda, máquina de costura e uma cadeira de madeira

Turma B2 Kapa e Professora Margarida Quintal

Lenda dos Pentes Há muitos, muitos anos vivia um homem numa aldeia. Ele era alto, bonito, forte e tinha uns longos cabelos. Era um dos únicos homens mais cobiçados pelas mulheres da aldeia por causa dos seus longos cabelos, e até, alguns homens o invejavam. Certo dia, o homem quando passeava pela aldeia exibindo os seus longos cabelos, foi provocado por três belas mulheres que estavam acompanhadas pelos seus maridos, no centro da praça. A maneira como as suas mulheres o olhavam transtornou-os e decidiram então vingança. No dia seguinte, os homens encontraramse no centro da praça. Combinaram então fazer algo que acabasse com o seu bem mais precioso, os seus cabelos… lançando-lhe um feitiço. Tempos depois os seus cabelos tornaram-se difíceis de pentear perdendo a sua beleza. Confiante decidiu então ir á loja dos pentes mais famosa da Aldeia dos Pentes, comprando o melhor pente do mercado, o pende de ouro. Cada vez que passava a pente pelos seus cabelos, os dentes do pente iam-se partindo aos poucos, e cada vez que o pente deslizava pelos seus cabelos cada fio tornava-se… arame. O homem ficou desfeito e nem saia de casa durante o dia para que ninguém o visse. Certa noite o homem saiu á rua e passou por umas mulheres que quando o viram gritaram apavoradas. - Olhem o homem do cabelo de arame. Como todos os seus pentes se partiam e nada melhorava os seus cabelos decidiu então falar com o dono da melhor loja de pentes da ‘’Aldeia dos Pentes mágicos’’, obrigando-o então a encomendar um pente mágico que lhe resolvesse o problema e assim foi. Quando o homem passou o pente mágico pelos seus cabelos, parecia magia… e tudo voltou ao normal. E a partir daí todas as pessoas da aldeia compraram o pente mágico, ficando com os seus cabelos lisos e brilhantes. Sendo este um acessório indispensável até aos dias de hoje. Os milagres que um pente não faz….

Carolina Silva e Rubina Silva Turma Beta Professora Cristina Santos


Galeão de Notícias - Fevereiro-Março 2012