Page 1

INTRODUÇÃO

Todas as quintas-feiras, a seguir ao intervalo da manhã, vamos para a biblioteca onde a professora Fátima Carvalhos (a coordenadora da nossa escola) nos lê histórias muito interessantes. Há uns dias, fomos ouvir a história de Sophia de Mello Breyner Andresen que se chama A Noite de Natal. Nós gostámos muito da história e ouvimos com muita atenção. Mais tarde, na sala de aula, recontámos a história e desenhámos uma BD. Todos os trabalhos ficaram bonitos mas nós elegemos o trabalho da Ana Carolina como o melhor. Esperamos que apreciem! Gonçalo e Vasco


Era uma vez uma casa pintada de amarelo com um jardim à volta. No jardim havia tílias, bétulas, um cedro muito antigo, uma cerejeira e dois plátanos.


Joana n達o tinha irm達os e brincava sozinha.


Mas, numa manh達 de Outubro encontrou um amigo. Joana estava encarrapitada no muro quando passou um garoto. Estava todo vestido de remendos e os seus olhos brilhavam como duas estrelas.


Joana mostrou o jardim ao seu amigo Manuel. Joana mostrou-lhe o tanque e os peixes vermelhos, o pomar, as laranjeiras e a horta. E chamou os cĂŁes para ele os conhecer. E mostrou-lhe a casa da lenha onde dormia o gato. E mostrou-lhe todas as ĂĄrvores e as relvas e as flores.


Manuel disse à Joana que era muito pobre. O pai estava no céu e a mãe não tinha dinheiro para ter uma casa. Morava no pinhal e o dono deixava-o dormir na cabana onde dormia um burro e uma vaca.


Manuel era um amigo maravilhoso. As flores voltavam as suas coroas quando ele passava, a luz era mais brilhante em seu redor e os pĂĄssaros vinham comer as migalhas na palma das suas mĂŁos.


Passaram muitos dias, muitas semanas atĂŠ que chegou o Natal.


No dia de Natal, Joana vestiu o seu vestido de veludo azul e os seus sapatos de verniz. Penteou-se muito bem e Ă s sete e meia saiu do seu quarto. Foi Ă  sala de jantar e viu que a mesa estava posta.


De seguida foi ao jardim. Estava muito frio. As folhas das tílias, das bétulas e das cerejeiras tinham caído. Só o cedro tinha os seus ramos cobertos. Na escuridão milhões e milhões de estrelas brilhavam.


Foi Ă cozinha falar com a cozinheira Gertrudes.


Joana ficou muito triste porque Gertrudes disse que o seu amigo Manuel n達o ia ter presentes porque era pobre. Durante a ceia de Natal n達o conseguiu deixar de pensar no seu amigo.


O jantar de Natal era igual ao de todos os anos. Da ĂĄrvore de Natal nascia um brilho maravilhoso que pousava sobre todas as coisas. No presĂŠpio, as figuras de barro (o Menino, a Virgem, S. JosĂŠ, a vaca e o burro) pareciam conversar uns com os outros.


No final da ceia, todos abriram os seus presentes e desejaram "Bom Natal" uns aos outros. Joana n達o conseguia deixar de pensar no Manuel.


Ă€s 11horas e 30 minutos, os adultos foram para a Missa do Galo e Joana foi para o seu quarto dormir. NĂŁo conseguia dormir e decidiu levar um dos seus presentes ao Manuel.


Saiu de casa. A noite estava gelada. As árvores pareciam enormes e os seus ramos, sem folhas enchiam o céu de desenhos iguais a pássaros fantásticos. Estava tudo deserto. Joana teve medo mas... muito decidida, continuou.


Joana sentia-se perdida. Olhou para o céu e viu uma estrela muito brilhante e começou a segui-la. Passado algum tempo, encontrou três reis e todos juntos seguiram através do pinhal.


Chegaram a um lugar onde a estrela tinha parado e Joana viu um casebre sem porta. Estava cheio de claridade porque o brilho dos anjos o iluminava. O seu amigo Manuel estava deitado entre a vaca e o burro e dormia sorrindo.

Fim

A Noite de Natal  

Os alunos do 3.º B recontaram "A Noite de Natal" de Sophia de Mello Breyner Andresen