Issuu on Google+

3 + 1 = 4R As más práticas não se devem à falta da divulgação das vantagens da recolha selectiva de lixos. Estamos constantemente a ser “bombardeados” com campanhas publicitárias sobre esse tema. Mas também se deve dizer que, para além dos maus hábitos, difíceis de eliminar, existe algum cepticismo em relação à seriedade dessas campanhas. A voz mais corrente é que os diversos resíduos, que saem separados dos ecopontos, são depois todos misturados de novo, mal chegam aos aterros sanitários ou ETRS. Pessoalmente, desconheço se isto ocorre, mas, se fosse o caso, seria uma tremenda irracionalidade. A outra versão é a de que as campanhas mais não têm em vista do que diminuir os custos económicos da separação, que estão a cargo das entidades e empresas envolvidas no processo e são, em última instância, financiadas por todos nós, através dos impostos. Em minha opinião, e mesmo que assim seja, acho que se deve ter em conta o seguinte: quanto mais lixo for por separar, maiores são os custos da reciclagem, maior será então o subsídio a suportar por todos nós. Mais teríamos de pagar.

A minha proposta para a política dos 3 + 1 = 4R

Ψ As três acções enunciadas são o resultado de uma conduta individual apropriada, logo racional.

A maioria das pessoas parece não ter, infelizmente, uma ideia clara sobre as problemáticas relacionadas com a reciclagem dos resíduos. É fácil esquecer, por exemplo, quando deitamos fora um pedaço de cartão, que ele é totalmente constituído por matéria vegetal, a madeira das árvores. Ao ser reciclado ou reutilizado, diminui a necessidade posterior de abate de árvores para obter matéria-prima. O mesmo para o vidro: embora a matéria-prima possa ser abundante e barata, o processo de transformação consome muita energia e é poluente. Do mesmo modo para os metais e os plásticos. Os depósitos fósseis não são inesgotáveis, tanto os metalíferos como os de hidrocarbonetos, dos quais derivam os plásticos. E, em qualquer dos casos é tanto maior o consumo de energia e a libertação de poluentes quanto mais longo for o processo de produção.


3+1=4R