Page 1

02

INTERNATIONAL MAGAZINE FROM KOMATSU FOREST

NO 02/2011

! W NE

Uma máquina de desbaste refinada

18

04

Novo cabeçote de grande porte Rússia – um país com amplos recursos florestais

Independentemente do tipo de colheita, há um cabeçote de corte Komatsu adequado para a tarefa. A família de cabeçotes de corte Komatsu oferece uma ampla variedade de soluções para qualquer tipo de trabalho, do desbaste ao processamento de toras de grande diâmetro.

14


TOSHIO MIYAKE CHIEF EXECUTIVE OFFICER, KOMATSU FOREST

ÍNDICE

Qualidade e relações com o cliente Nesse momento há sinais que indicam uma queda iminente no mercado. Há uma incerteza global, mas acredito que é muito cedo para um declínio tão rápido, depois da grande crise de dois anos atrás. Independentemente de como o mercado se desenvolva, nosso foco permanece. Continuaremos fazendo o melhor possível para garantir que nossos clientes estejam satisfeitos, fornecendo a eles produtos Forestry Quality. Além disso, para melhorar ainda mais nossas áreas de concentração, aproveitaremos os efeitos sinérgicos de fazer parte do grupo Komatsu. Um bom exemplo é que otimizamos e melhoramos a produção na fábrica. Também temos colaborações valiosas no desenvolvimento de produtos, como no trabalho de design: Em relação à garantia de qualidade, estamos investindo em um novo centro de testes na fábrica de Umeå onde, entre outras coisas, testaremos componentes de suporte de carga. Além disso, um gerente de garantia de qualidade da fábrica de Osaka, no Japão, implementará o controle de qualidade de acordo com o Komatsu Way, para garantir a qualidade florestal. Também manteremos nosso foco no desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação (ICT, Information and Communication Technology), para nossos clientes e nossas próprias atividades de pós-vendas, melhorando ainda mais nossos serviços e nossa cadeia de fornecimento de peças de

reposição. Em relação ao desenvolvimento do mercado de máquinas florestais, acredito que as previsões continuam muito boas, e que o crescimento acontecerá principalmente nos mercados em desenvolvimento da América do Sul, Rússia e Indonésia. Nesta edição da Just Forest, você poderá ler sobre os novos produtos desenvolvidos especificamente para esses mercados. As escavadeiras estão sendo adaptadas e usadas como máquina base para cabeçotes de corte em vários mercados. Continuaremos trabalhando em conjunto com nossos clientes para ajudá-los a melhorar sua eficiência e produtividade, oferecendo novos produtos e oportunidades. O contato com nossos clientes, que sempre foi importante, será intensificado. Trabalharemos mais perto deles em vários novos projetos para ajudá-los a atingir suas visões e objetivos. Acredito que a maior colaboração trará vantagens para ambas as partes e beneficiará a todos. Finalmente, gostaria de destacar que as máquinas florestais já são uma parte importante das atividades globais do grupo Komatsu. Quando o Sr. Noji, CEO da Komatsu Ltd, visitou a fábrica de Umeå há alguns meses, declarou que o foco estará no setor florestal, e que as máquinas florestais serão uma das áreas de negócios importantes no futuro.

14 26 28 Uma máquina de desbaste refinada ............... 4 Um cabeçote confiável ..................................... 6 Novo cabeçote de corte para máquinas de esteiras........................................ 7 378P - um cabeçote forte e resistente ........... 8 Uma posição importante no cabeçote de corte ...................................... 10 Escavadeiras preparadas para a floresta.... 13 Cabeçotes produtivos para todas as tarefas ...................................... 14 Grande interesse no kit para escavadeira no Brasil ..................................... 16 Rússia – um país com amplos recursos florestais ............................ 18 Uma ótima oportunidade ............................... 20 O Tartaristão investe em suas florestas ...... 21 Grandes exigências para o suporte ............. 23 Novas máquinas com esteiras ...................... 24 Florestas em crescimento no Uruguai ......... 25 Classificação superior na Áustria................. 26 Cinco décadas de Forestry Quality .............. 28

JUST FOREST INTERNATIONAL MAGAZINE Editor: Roland Lundqvist, roland.lundqvist@komatsuforest.com Editor: Gunnar Andersson, gunnar@dynamopress.se Endereço: Just Forest, Komatsu Forest AB, Box 7124, SE-907 04 Umeå, Suécia Contato: Telefone +46 90 70 93 00, fax +46 90 12 04 60 Internet: www.komatsuforest.com Produção: Dynamo Press AB

Layout e original: Ågrenshuset Produktion, Bjästa Impressão: Ågrenshuset Produktion, Bjästa Papel: Multi art matt 115 g Tiragem: 40.000 Idiomas: sueco, finlandês, inglês, alemão, francês, português, espanhol e russo O conteúdo pode ser citado se a fonte for indicada.

Corporate Headquarter, Umeå, Sweden Phone: +46 90 70 93 00 E-mail: info@komatsuforest.com Postal adress: Komatsu Forest Box 7124, 907 04 Umeå, Sweden


APRESENTAÇÃO: Komatsu 901TX.1 O verdadeiro especialista em desbastes da Komatsu agora está disponível em uma nova versão, o Komatsu 901TX.1, que, com o conceito de motor E3-Power, é tão bom para o meio ambiente quanto para a produtividade, além de ter baixo consumo de combustível.

UMA MÁQUINA DE DESBASTE REFINADA O KOMATSU 901TX.1 é uma máquina prod-

utiva e suave. Sua potência, capacidade de manobra e alcance a tornam uma verdadeira especialista em desbaste e corte final de árvores de menor volume. Além disso, não agride o meio ambiente nem pesa no bolso do proprietário. A nova tecnologia do motor oferece uma economia de combustível comprovada e atende às normas vigentes de emissões. O CONCEITO DO MOTOR E3-POWER

é sinônimo de Ambiental, Econômico e Eficiente. (E3 - Environmental, Economical, and Efficient) O conceito do E3-Power apresenta combustão otimizada. Isso reduz a quantidade de partículas a serem filtradas, diminuindo os riscos de problemas. Diminui também o consumo de combustível ao mesmo tempo que mantém o desempenho e a resposta do motor. Testes em campo, sob condições normais de trabalho, mostraram uma economia de combustível de até 16% em comparação com os modelos Stage 3/Tier 3. Naturalmente, o uso de combustível pode variar conforme o ambiente de trabalho, mas os testes em campo foram realizados sob condições reais. 4 JUST FOREST NO 2 • 2011

Ao ser comparado com outros métodos de controle de emissão, o E3-Power reduz o uso de combustível e diminui os custos operacionais. Outros recursos permitem que o motor opere mais frio. O motor também é mais silencioso, pois o conversor catalítico ajuda a reduzir o ruído. NO ENTANTO, ESTE NÃO é só o motor do Komatsu 901TX.1 que respeita o meio ambiente. O conceito Komatsu de comfort bogie e os pneus de 24,5” resultam em uma baixa pressão sobre o solo, o que ajuda a preservar o terreno florestal e as árvores restantes durante o desbaste. As vedações ORFS por toda a máquina garantem maior confiabilidade e minimizam vazamentos de óleo. Isso é bom tanto para o meio ambiente quanto para o custo de operação. As conexões de ORFS baseiam-se em duas superfícies planas dotadas de um anel em O que cria uma ótima vedação. Capacidade de manobra, alcance e elevação são outros fatores importantes para um desbaste eficaz. O Komatsu 901TX.1 está equipado com uma grua de 10 m (32’10”) ou 11 m (36’), oferecendo a melhor capacidade

de elevação do mercado a 170 kNm (62,7 ton/ pés). Juntamente com o conceito Komatsu de cabine e grua integradas, isso vale muito, principalmente ao operar em terrenos íngremes. O Komatsu 901TX.1 apresenta ainda uma altura do solo muito grande, facilitando a mobilidade em terrenos difíceis com pedras altas e tocos. O Komatsu 901TX.1 está disponível nos modelos de quatro ou seis rodas. OUTROS NOVOS RECURSOS do Komatsu 901TX.1 abrangem um novo filtro de ar com maior fluxo para maior potência e manutenção facilitada. A cabine do Komatsu 901TX.1 é ampla e espaçosa, oferecendo um ambiente de trabalho confortável ao operador. Por dentro, o espaço generoso para o operador é visível, e a cabine é comprida e larga. O controle eletrônico da temperatura (ECC) da cabine tem uma grande entrada de ar e um pré-filtro extra de ar-condicionado adicional, oferecendo melhor qualidade do ar. Além disso, é claro, o Komatsu 901TX.1 apresenta o sistema de controle MaxiXplorer 2.1 potente e fácil de usar, fornecido com funções para corte otimizado.


JUST FOREST NO 2 • 2011 5


APRESENTAÇÃO: Komatsu 398 O novo Komatsu 398 foi projetado para alto desempenho no corte e processamento de árvores grandes, com até 610 mm de diâmetro. Com seu design robusto, chassi e componentes fortes, o 398 é uma excelente escolha para madeiras de grande porte.

UM CABEÇOTE CONFIÁVEL A produtividade é decisiva em todo o trabalho de colheita. A alta produtividade em árvores de grande volume, baixos custos de manutenção e mínimo tempo de parada foram os três principais objetivos do projeto de desenvolvimento do 398. O cabeçote tem um design estrutural totalmente novo com chapas mais espessas e uma serra superior (top saw). A boa proteção da linha hidráulica e o fácil acesso são o resultado da incorporação de requisitos da manutenção ao design estrutural inicial. Um novo elo do rotator elimina a exposição das mangueiras da ponteira até o cabeçote, diminuindo o desgaste das mangueiras. O Komatsu 398 é equipado com uma válvula principal, de fácil acesso, a mesma utilizada e aprovada do cabeçote 378. O cabeçote também usa vedações de face plana de anel em O (ORFS) para proporcionar conexões hidráulicas com maior proteção contra vazamentos. ESTE É O PRIMEIRO cabeçote de grande porte Komatsu, com 3 rolos de tração e com o exclusivo conceito Komatsu de rolos de tração com geometria para sustentar a árvore junto ao chassi do cabeçote durante o processamento, aumentando a acuracidade no traçamento. O modelo 398 foi projetado para montagem em máquinas de grande porte sobre esteiras Um rolo motorizado central reduz a fricção na alimentação. A versão padrão do Komatsu 398 apresenta duas facas de desgalhamento móveis superiores e uma faca superior flutuante. Para melhor desgalhamento, está disponível uma faca móvel adicional na parte inferior do cabeçote e uma faca inferior montada no chassi, para melhor desgalhamento em reversão. A estrutura do chassi do 398 foi projetada para uma serra superior. O cabeçote está disponível sem a serra superior, se necessário. O Komatsu 398 foi projetado para montagem em escavadeiras de 27 toneladas ou mais; em harvesters de esteiras Komatsu XT320-2 e XT450L-2 ou equivalentes. 6 JUST FOREST NO 2 • 2011

Esse cabeçote funciona igualmente na colheita no campo ou no processamento à beira da estrada. Um sensor que localiza o fim da tora foi projetado na caixa de corte inferior para maior eficiência durante o processamento do comprimento da árvore. O sensor “Localizar fim” identifica onde começar a medição do comprimento sem ter que ativar o corte dos troncos. A RODA DE MEDIÇÃO DE COMPRIMENTO é controlada por um cilindro hid-

ráulico que mantém máximo contato com o tronco. O resultado são medidas de comprimento altamente precisas. E o que é melhor, os pulsos da roda de medição são transferidos por meio de um sensor remoto. O 398 também é equipado com o EcoOiler da Komatsu, um sistema inovador de lubrificação de sabres de 24 V. A quantidade de lubrificação do sabre pode ser ajustada no sistema de controle MaxiXplorer Head para diferentes espécies de árvores e épocas do ano. A serra superior também é lubrificada com o inteligente sistema EcoOiler. Está disponível a marcação opcional com duas cores. O Komatsu 398 foi projetado para uso com o sistema de controle MaxiXplorer Head.

DESTAQUES DO KOMATSU 398 • Forte estrutura • ”Carry” style feed roller geometry with four motors and three driven feed rollers • Tecnologia combinada a soluções inovadoras • Facas de desgalhamento em curva, projetadas para uma ampla gama de diâmetros e desgalhamento de alta qualidade • Sistema patenteado de medição de comprimento para máximo contato com o tronco • Design do rolo de alimentação diferenciado, com firme agarre para obter excelente controle e acuracidade • Forte caixa de corte inferior com sistema de corte de ¾” • Pontos de manutenção de fácil acesso • Facas desgalhadoras projetadas para selecionar as pilhas de troncos para o processamento • Faca desgalhadora inferior opcional • A serra superior poderá ser removida se não for necessária • Marcação de cor opcional


APRESENTAÇÃO: Komatsu 378P O Komatsu 378P é um cabeçote novo, potente, confiável e altamente produtivo, projetado especialmente para máquinas de esteira e escavadeiras de 20 toneladas ou mais.

NOVO CABEÇOTE HARVESTER PARA MÁQUINAS DE ESTEIRAS O NOVO KOMATSU 378P foi projetado para cortar, desgalhar, descascar e processar árvores pesadas de alta densidade. Durante o programa de desenvolvimento, o foco foi colocado na funcionalidade e na simplicidade. Isso foi feito para criar um cabeçote durável, produtivo e de fácil manutenção. O cabeçote está baseado em componentes aprovados de outros produtos Komatsu. Todos os componentes essenciais do cabeçote, como a estrutura, unidade de corte, motores, facas e sistema hidráulico foram projetados para assegurar um uso altamente produtivo em ambientes exigentes. OUTRO EXEMPLO são as mangueiras totalmente protegidas, da extremidade da grua até o rotator. Essa proteção significa que o tempo de inatividade devido a falhas de mangueira é ínfimo se comparado aos produtos concorrentes no mercado. O Komatsu 378P tem dois rolos de alimentação e motores do rolo que também

minimizam os custos com manutenção. Para maior confiabilidade ao descascar, a medição do comprimento é feita usando-se transdutores de pulso nos rolos de alimentação, em vez de uma roda de medição. O Komatsu 378P usa um sistema de controle de tração para minimizar o deslizamento do rolo de alimentação. ACHAMOS QUE A SERRA INFERIOR

está em uma condição muito boa. Isso cortará o tronco muito rápido. O cabeçote é controlado pelo sistema MaxiXplorer Head. Ajustes nos sistemas de alimentação, corte e desgalhamento são todos feitos da cabine e podem ser ajustados para diferentes desempenhos com base no diâmetro da árvore.

JUST FOREST NO 2 • 2011 7


A Komatsu PC200 equipada com 378P comprovou ser uma combinação produtiva para a PT. Forestindo Permai, empresa que faz a colheita florestal na ilha de Sumatra.

KOMATSU 378P: UM CABEÇOTE FORTE E RESISTENTE Na ilha de Sumatra, na Indonésia, o Komatsu 378P é usado no corte de plantações de eucalipto. Além de ser um tipo de árvore pesada e de alta densidade, o eucalipto, geralmente, é torto e tem vários troncos e cascas duras e firmemente presas.

8 JUST FOREST NO 2 • 2011

A KOMATSU FOREST assinou recentemente um acordo importante com a PT. Riau Andalun Pulp & Paper (RAPP), de Sumatra, na Indonésia. Mais de 40 cabeçotes Komatsu 378P estão sendo usados para aumentar radicalmente a mecanização da colheita nas plantações da RAPP. A Riau Andalun Pulp & Paper (RAPP) faz parte da Asia Pacific Resources International Limited (APRIL), que é líder em desenvolvimento de plantações e tem uma das maiores fábricas de celulose e papel. Por meio da empreiteira interna da RAPP, PT. Pech Tech Services Indonesia, a empresa adquiriu mais de 40 cabeçotes Komatsu 378P. A Komatsu PC200-8 e a Komatsu PC200LC-8 são usadas como equipamentos de transporte. A PT. United Tractors Tbk fará o serviço. Os kits de fábrica tornam a instalação do 378P fácil e rápida nas máquinas Komatsu. Esses kits in-

cluem segurança do veículo com proteção da janela dianteira do operador. O KOMATSU 378P foi desenvolvido em colaboração com a RAPP. O cabeçote foi projetado para o corte de plantações de eucaliptos de maior densidade. O projeto desse cabeçote forte e resistente permite cortar e descascar diferentes espécies de eucalipto, como Acacia mangium e Acacia crassicarpa. Normalmente, essas árvores são tortas e apresentam diversos troncos. Na colheita, as árvores são derrubadas, descascadas e cortadas em toras de 4 metros para serem transportadas. O novo Komatsu 378P é compacto. Um fator importante na decisão foi o fato de que a Komatsu Forest desenvolveu uma solução para as necessidades da RAPP, a qual foi bem adaptada às máquinas Komatsu, com kits de instalação montados na fábrica. Outro fator importante para a compra foi a


Os eucaliptos extraídos na Indonésia são, com frequência, tortos e com múltiplos troncos. Além disso, a casca é mais dura e está mais firmemente presa ao tronco do que na maioria das outras espécies.

O cabeçote está sob muita pressão durante a colheita, mas executa o trabalho sem grandes problemas

forte presença da United Tractors na silvicultura da Indonésia. O suporte ao produto é essencial, e o contrato com a RAPP abrange também o treinamento dos operadores e mecânicos, bem como uma rede eficaz de fornecimento de peças. Além disso, a RAPP usará dois cabeçotes adicionais, um Komatsu 378E e um Komatsu 378P, como “opção” para maximizar o tempo de operação durante a manutenção planejada. COMO PARTE DO treinamento dos operadores, a Komatsu Forest também forneceu à RAPP um simulador com o novo sistema de controle para cabeçotes montados em escavadeiras, o MaxiXplorer Head. Junto com um simulador existente, o novo simulador faz da RAPP a líder em centros de desenvolvimento de mecanização florestal no sudeste asiático.

As plantações da RAPP estão localizadas próximas à linha do Equador. Considerando as altas temperaturas e abundância de chuvas, suas plantações proporcionam uma das maiores rentabilidades do mundo. JUST FOREST NO 2 • 2011 9


A tendência na Finlândia está voltada para estruturas um pouco mais pesadas, porém mais estáveis, tendo um desbaste eficaz como pré-requisito. Os cabeçotes de corte Komatsu 340 e 365 complementam a série em termos de tamanho, juntamente com o Komatsu 350. As condições locais decidem qual a melhor combinação de máquina base e cabeçote.

UMA POSIÇÃO IMPORTANTE NO CABEÇOTE DE CORTE

TIMO NURMELA: ”UM TAMANHO MAIOR FOI A ESCOLHA PERFEITA” TN-MOTO OY trabalha na costa oeste da Finlândia. As florestas estão começando a ficar arrumadas, o terreno é basicamente plano e limpo, e a típica costa rochosa só aparece aqui e ali. Infelizmente, há muitas árvores velhas com troncos espessos que foram derrubadas pelo vento. O proprietário da TN-Moto, Timo Nurmela, chama essas árvores de “árvores de serra elétrica”. O termo entrou em seu vocabulário enquanto ele ainda usava a última geração de cabeçotes de corte. Há um ano, Timo teve que tomar uma decisão: era hora de trocar seu 911 e, para o cabeçote de corte, a escolha estava entre um modelo antigo ao qual ele estava acostumado e o novo modelo 365. A nova máquina agora totaliza mais de 2.000 horas de trabalho, e Timo parece muito feliz em ter escolhido o eficaz cabeçote 365. ”Um dos motivos por que escolhi o novo cabeçote é o peso. Diziam que ele era leve, e isso é verdade. É um pouco maior que o Komatsu 350, mas pode ser manobrado até 10 JUST FOREST NO 2 • 2011

mesmo durante o desbaste em florestas densas. Antes, eu tinha que ligar a serra elétrica toda vez que encontrava uma árvore grande, velha e bem conservada, mas, com o novo cabeçote, não precisei fazer isso nenhuma vez”, conta Timo. O PRINCIPAL CLIENTE DA TN-MOTO

é a Pihlavan Saha Oy, que tem processado árvores no estuário do rio Kokemäki desde 1875. De acordo com Timo, quase um terço de suas horas de trabalho são gastas em desbaste, mesmo que ele esteja produzindo madeira para uma serraria. A Pihlavan Saha também está interessada em madeira cortada em diâmetro pequeno, o que explica a quantidade excessiva de desbaste. “Os períodos de desbaste são agendados para quando a serraria está cheia de madeira, mas até agora não tive que trocar para colheita de biomassa. No entanto, tentei desgalhar árvores para utilizar como postes de cerca, fazendo o uso do acumulador de árvores. E o cabeçote também lidou bem com essa tarefa. Ao realizar o corte raso, as árvores são mantidas na garra,

e o cabeçote permanece em pé, apesar da carga crescente”, diz Timo. NA FINLÂNDIA, QUASE 100% das florestas privadas têm a transferência e o preço baseados nas medições feitas pelos madeireiros. Então não é estranho que os empreiteiros também considerem questões de medição ao trocar para um novo modelo de cabeçote. “As medições de comprimento e volume, além do traçamento, são importantes. No meu caso, o cliente da madeira, Pihlavan Saha Oy, assumiu a responsabilidade pela verificação das medições. Seus especialistas florestais conduzem as medições de teste exigidas pela lei finlandesa. Naturalmente, isso facilita meu trabalho ao mesmo tempo que indica como a questão da medição é importante. Posso concluir, com alegria, que o novo modelo 365 atendeu plenamente a todos os requisitos de precisão nas medidas. A esse respeito, também estou muito satisfeito com a minha decisão”, diz Timo.


ASKO LINDGREN: A MADEIRA DERRUBADA PELO VENTO É O VERDADEIRO TESTE DE UM CABEÇOTE NO VERÃO DE 2010, o leste da Finlândia foi atingido novamente por uma grande tempestade. As notícias de 31 de julho indicavam a estimativa inicial da extensão do desastre: mais de 600.000 metros cúbicos. Agora, um ano depois, temos números mais precisos: o número correto é provavelmente mais de 8 milhões de metros cúbicos. O trabalho de limpeza após a tempestade, chamada Asta, ainda está em andamento. No arquipélago de Saimen, nove máquinas estão tentando salvar o máximo possível. A maioria do que foi retirado está sendo usado para celulose. Para Asko Lindgren, esse foi um ano estressante. ”Retiramos a primeira madeira derrubada pelo vento usando nossa máquina anterior, com um cabeçote pequeno. Na feira FinnMETKO Exhibition, adquiri a combinação de harvester Komatsu 911/365, e o trabalho não tem sido difícil. A colheita normal foi algo que só tivemos por um curto período no inverno passado”, ele explica. O ARQUIPÉLAGO DE SAIMEN tem

florestas férteis. Asko é ajudado por duas balsas, e essa não é a primeira vez que ele leva suas máquinas para as ilhas. Alguns anos atrás, Asko e seus colegas desbastaram as florestas em uma das ilhas. Com a tempestade do verão passado, as árvores estão espalhadas por tudo agora. “A tempestade atingiu com mais força as áreas desbastadas. Haverá lacunas nas florestas, mas não podemos realizar o corte raso em tudo”, diz Asko. ELE RELEMBRA as instruções para a área danificada assim que a tempestade passou: “Primeiro, nossa tarefa era limpar as estradas. Cortamos as árvores e as levamos para as margens da estrada. O arquipélago de Saimen tem o mais denso agrupamento de chalés de verão da Finlândia, todos erguidos próximos uns dos outros, então é possível imaginar o cenário. Tivemos que retirar os chalés debaixo das árvores derrubadas pelo vento. Por sorte, ninguém sofreu ferimentos, já que os piores ventos chegaram no meio da noite”, diz Asko.

Asko diz que essas condições não são difíceis apenas para os operadores das máquinas, mas também para elas próprias. “Normalmente, a corrente dura um turno, talvez dois. Fazendo isso, usamos dez correntes por dia”, diz Asko. ELE TEM UM pequeno amolador movido à bateria, usado para afiar as facas em menos de um minuto. Mas observe que Asko tem vinte anos de experiência como trabalhador florestal. Ele parece feliz com seu Komatsu 365 – quase três mil horas de processamento de madeiras pesadas derrubadas pelo vento revelaria algum ponto fraco. Mas está claro que não há nenhum. Ele está muito satisfeito pelo modo como esse modelo agarra facilmente as árvores deitadas no chão da floresta, usando suas quatro facas móveis, e pela construção espaçosa do cabeçote, que simplifica a manutenção diária.

JUST FOREST NO 2 • 2011 11


LEO YLI-HEMMINKI: ”O KOMATSU 340 É A MELHOR SOLUÇÃO DE DESBASTE” OS CABEÇOTES de tamanho médio são

os mais adequados às condições da Finlândia. Além dos diferentes tamanhos, o cliente pode escolher entre dois designs básicos: cabeçotes com dois ou três rolos de alimentação. Leo Yli-Hemminki é um empreiteiro do oeste da Finlândia especializado em extração de madeira. Quando se trata de máquinas florestais, ele é bastante exigente e crítico. Sua receita para o sucesso baseiase, em grande parte, em ter padrões bem altos. Por exemplo, ele considera todos os resultados de precisão de medições abaixo de 100% como uma falha. Um empreiteiro especializado exige equipamento projetado especificamente para o trabalho. Metsäkoneurakointi YliHemminki Oy investiu em um Komatsu 901 4x4 e um Komatsu 340 para desbaste. Surpreendentemente, considerando sua natureza exigente, Leo acha o design quase perfeito. Após mais de mil horas, ele está 12 JUST FOREST NO 2 • 2011

pronto para aceitar duas falhas de mangueira, já que o Komatsu 340 atende aos outros requisitos que Leo espera do cabeçote: ser leve, rápido e forte o suficiente. Então o que há de tão especial no cabeçote de motor duplo? ”A árvore passa pelo cabeçote com dois rolos de maneira totalmente diferente. Os rolos de alimentação agarram e conduzem as árvores enquanto as facas desgalham e mantêm a árvore no cabeçote. Em termos de medições, é importante permitir que a árvore se mova. As facas superior e inferior, juntamente com os rolos de alimentação, ajudam a centralizar as árvores para obter uma medição de diâmetro precisa. Ao lidar com árvores tortas, há vantagens neste design. Acredite, tenho experiência”, diz Leo, e continua: ”Entre os cabeçotes da Komatsu, o 340 apresenta excelente potência no início, devido à distância correta entre os rolos de alimentação e os motores. O cabeçote de

corte consegue até mesmo lidar com árvores com até 35cm diâmetro. E com a grande roda de medição, e seu posicionamento na parte inferior do cabeçote, a precisão na medição de comprimento é muito boa”, diz ele. A EXCELENTE ECONOMIA DE combustível da máquina também pode ser atribuída ao cabeçote 340, diz ele. “A máquina deve ter potência suficiente, a bomba deve ser produtiva o suficiente e o motor não deve cair abaixo de 1.500 RPM. Tudo isso é muito importante para a economia de combustível. Se você apenas desbasta com sua máquina, o 901 4x4 e o cabeçote 340 formam o melhor conjunto”, conclui Leo.


APRESENTAÇÃO: Kit para escavadeira Os novos kits flexíveis e inovadores facilitam a instalação de cabeçotes de corte nas escavadeiras. Use esses kits para transformar uma escavadeira normal em um harvester ou processador.

ESCAVADEIRAS PREPARADAS PARA A FLORESTA CONFIGURAR

UMA

ESCAVADEIRA

como um harvester ou um processador requer adaptações especiais que dependem do mercado e das aplicações. Agora, a Komatsu oferece um novo pacote de instalação flexível, que inclui os componentes necessários para a instalação de cabeçotes. Isso significa, por exemplo, adaptadores especialmente projetados para conectar a ponteira da escavadeira ao cabeçote, além de tubos, mangueiras e componentes hidráulicos para o sistema hidráulico. Inclui também o novo sistema de controle MaxiXplorer Head. O novo sistema de controle MaxiXplorer Head está equipado com PC, visor colorido, joysticks e todos os fios e conexões necessários. O resultado final é um sistema desenvolvido para enfrentar, no mundo todo, os mais diversos tipos de condições desafiadoras que é praticamente ”plugar e usar”. O sistema MaxiXplorer Head da Komat-

su tem todas as funcionalidades do bemsucedido sistema de controle do harvester de pneus, o MaxiXplorer. Funções como o sistema de controle de tração exclusivo da Komatsu impedem que os rolos de alimentação deslizem ao pegar uma árvore. Ele também oferece corte otimizado e o melhor sistema de gerenciamento de banco de dados do mercado para dados de produção/ colheita e relatórios de operação. EMBORA O MAXIXPLORER Head seja repleto de funções avançadas, o sistema se destaca pela simplicidade. A interface gráfica é simples e fácil de usar. Naturalmente, o MaxiXplorer Head inclui requisitos rígidos de segurança e está equipado com botões de abertura da porta e de parada de emergência, ambos acionados com a confirmação do operador. O sistema pode ser ligado ou desligado de forma independente da máquina de base. OUTROS EXEMPLOS DE componentes incluídos no kit são as ponteiras cônicas

especialmente projetadas para a extremidade da lança, as linhas hidráulicas especialmente desenvolvidas para se conectar à máquina, o capô de proteção para a entrada de ar e do compartimento do motor, uma proteção de policarbonato (lexan) para o para-brisa dianteiro e as proteções florestais da máquina. Todos os componentes foram selecionados para possibilitar o desempenho ideal das escavadeiras Komatsu e estão disponíveis para a maioria dos cabeçotes Komatsu.

JUST FOREST NO 2 • 2011 13


APRESENTAÇÃO: Cabeçotes Independentemente do tipo de colheita há um cabeçote de corte Komatsu adequado para a tarefa. A família de cabeçotes de corte Komatsu oferece uma ampla variedade de soluções, da operação de desbaste ao pesado processamento de toras de grande diâmetro.

CABEÇOTES DE CORTE PRODUTIVOS PARA TODAS AS TAREFAS Todos os cabeçotes de corte Komatsu se baseiam em designs básicos, melhorados e aperfeiçoados ao longo do tempo para atender às necessidades do cliente. O menor membro da série, o Komatsu 340 tem todas as qualidades necessárias para o desbaste eficiente em florestas densas. Esse cabeçote está equipado com uma válvula hidráulica compacta e utiliza vedações de face plana de anel em O (ORFS) para melhorar a vedação das conexões hidráulicas. O próximo da série é o Komatsu 350.1, que se estabeleceu em mercados muito além das florestas nórdicas, devido ao seu alto desempenho e facilidade de manutenção. Combinando energia, velocidade e leveza, ele pode ser usado tanto para o desbaste quanto para o corte raso. Os cabeçotes Komatsu 340 e 350.1 estão disponíveis com a opção de acumulador para várias árvores, permitindo que o cabeçote suporte até três troncos de uma vez. O acumulador de árvores Komatsu permite que o operador derrube e acumule até três árvores antes de processá-las, o que resulta em um aumento considerável na produção. O Komatsu 365 é um exemplo de cabeçote de corte muito produtivo e confiável que combina força, flexibilidade e confiabilidade. O cabeçote é bem balanceado, tem um chassi exclusivo de alta resistência e pouco peso que melhora o desempenho de elevação da grua, especialmente ao trabalhar com o alcance máximo. O sistema 14 JUST FOREST NO 2 • 2011

de alimentação, com quatro motores e três rolos conduzidos, tem um design diferenciado que proporciona melhor agarre do tronco, oferecendo alta tração e velocidade. Um sistema exclusivo de controle de tração comanda os motores para minimizar os deslizamentos e melhorar o desempenho. O alcance estendido do movimento de inclinação do cabeçote também contribui para um melhor desempenho da alimentação, especialmente ao trabalhar em terrenos íngremes. O Komatsu 360.2 faz parte da série de cabeçotes de corte Komatsu há muito tempo. Com seu design robusto e sua tecnologia refinada, é um cabeçote de corte que oferece alta produtividade no corte raso e no desbaste. O irmão mais velho da série é o Komatsu 370.2, feito para trabalhos mais exigentes em florestas densas com árvores grandes. É a escolha perfeita para o corte raso. O Komatsu 370E é um cabeçote de corte robusto, poderoso e muito produtivo, desenvolvido principalmente para ser montado em escavadeiras que operam em condições exigentes. O Komatsu 370E também está disponível com uma opção de rotação contínua. O cabeçote Komatsu com rotação contínua possui design diferenciado, sem mangueiras expostas entre a ponteira e o cabeçote, permitindo a rotação em 360º sem danos às mangueiras e cabos elétricos. Esse cabeçote é muito conhecido nas florestas brasileiras de eucaliptos por

sua capacidade de desgalhar, descascar e processar a madeira com agilidade. O Komatsu 378 é o menor cabeçote ”pesado”, projetado especificamente para máquinas florestais com esteiras e escavadeiras para aplicação florestal de 20 toneladas ou mais. Esse cabeçote foi desenvolvido, desde o início, com uma estrutura mais robusta para possibilitar a produção e a durabilidade em usos mais exigentes. Um primo do 378 é o Komatsu 378E, modificado especificamente para descascar madeiras mais duras. Outra versão do 378 é o Komatsu 378P. Trata-se de um novo cabeçote projetado para montagem em escavadeiras adaptadas para o trabalho florestal, de 20 toneladas ou mais. O Komatsu 378P foi projetado para cortar, desgalhar, descascar e processar árvores pesadas de alta densidade de forma eficiente. O mais novo membro da família de cabeçotes é o Komatsu 398, um cabeçote desenvolvido especificamente para processar e cortar árvores de grande porte. O sistema de alimentação de quatro motores, os três rolos com design de agarre diferenciado e as estruturas robustas do Komatsu 398 o diferenciam dos outros cabeçotes Komatsu quando se trata de árvores de grande porte. Possui mangueiras protegidas entre o cabeçote e a ponteira da lança. Um produto desenvolvido para montagem em grandes harvesters de esteira ou em escavadeiras para uso florestal de 27 toneladas ou mais, tanto da Komatsu quanto de outras marcas


Atualmente, o cabeçote de corte se tornou um acessório importante para alta produtividade, qualidade consistente das toras e custo mais baixo por unidade de produção no setor florestal. Desde o início da mecanização florestal o objetivo foi o desenvolvimento de cabeçotes exclusivos e eficientes que atendessem às demandas do setor florestal mundial. Consequentemente, a geração atual de cabeçotes de corte inclui recursos que atendem às necessidades dos clientes do mundo todo.

340 Ágil, leve, compacto e forte. Eficiente em florestas densas e exigentes, com diâmetro médio de 10 a 25 cm. 350.1 Combina eficiência, energia e confiabilidade. Alta confiabilidade com design forte e inovador para árvores de diâmetros variados. 360.2 Um cabeçote forte, ágil e compacto com alta tração e confiabilidade. Funciona nas mais variadas condições de árvores e tipos de florestas. 365 Um cabeçote produtivo, leve e de alta resistência, especialmente para longo alcance. O excelente desempenho da alimentação aumenta a variedade de aplicações desse cabeçote. O amplo ângulo de inclinação facilita o trabalho em terrenos íngremes, e a exclusiva roda de medição adere ao tronco, proporcionando medidas de comprimento precisas. 370.2 Uma escolha eficiente para o corte

raso em operações pesadas e exigentes. Confiável, potente, robusto e comprovado. 370E Resistente, potente e produtivo, pro-

jetado principalmente para máquinas de esteiras. Projetado para usos exigentes no descascamento de eucaliptos. 378 O primeiro cabeçote pesado novo e

atualizado da Komatsu projetado especificamente para harvesters sob esteiras e escavadeiras florestais pesando 20 toneladas ou mais. O exclusivo roteamento de mangueira entre o cabeçote e a extremidade da grua elimina a tradicional área de desgaste da mangueira para diminuir o custo operacional. 378E Um cabeçote de alto desempenho

para descascar eucaliptos. 378P Gerencia o processamento de espé-

cies pesadas de árvores, com troncos tortos de alta densidade e cascas firmemente presas. Especialmente projetado para máquinas de esteira e escavadeiras que pesam 20 toneladas ou mais. 398 Projetado para alta produção de madeira de grande diâmetro. Para uso em máquinas de esteira de grande porte. Novas estruturas robustas, sistema de alimentação com três rolos conduzidos e faca inferior opcional. Esse cabeçote tem a flexibilidade de cortar e processar grandes troncos quando instalada em máquinas de esteiras de 27 toneladas ou mais. JUST FOREST NO 2 • 2011 15


A edição 2011 da Expoforest aconteceu na cidade de Mogi Guaçu, no estado de São Paulo, Brasil. Pela primeira vez, os visitantes puderam ver os produtos em ação. O cabeçote de corte Komatsu 378E atraiu muito interesse.

GRANDE INTERESSE NO KIT PARA ESCAVADEIRA NO BRASIL EXPOFOREST É UMA feira internacional. Esse ano, contou com a participação de visitantes de 26 países diferentes. Os visitantes brasileiros vieram de 743 cidades diferentes, de todos os 26 estados brasileiros e do distrito federal. O Brasil é um dos mercados mais interessantes para cabeçotes. O Komatsu 370E é um grande sucesso e é amplamente usado em conjunto com uma escavadeira. As condições do setor florestal sul-americano fazem com que surjam demandas especiais em relação aos produtos. Por isso, o Komatsu 370E é um cabeçote poderoso e confiável especialmente desenvolvido para o mercado brasileiro. A Expoforest DESSE ANO foi a primeira em que os visitantes puderam ver as máquinas e equipamentos em ação na floresta. A Komatsu Forest Brasil participou da 16 JUST FOREST NO 2 • 2011

feiras com a linha completa de harvesters, forwarders, cabeçotes, garras, escavadeiras para uso florestal, simuladores, rotores, pneus, esteiras, peças de reposição e acessórios. “O simulador com plataforma motion, o novo cabeçote de corte Komatsu 378, e a escavadeira adaptada para uso florestal Komatsu PC160 com coveador atraíram muito o interesse dos visitantes”, disse Lonard dos Santos, gerente de marketing e vendas da Komatsu Forest Brasil. QUEM VISITOU o stand da Komatsu também se divertiu com músicas e danças brasileiras. “Nossa participação na Expoforest desse ano foi um grande sucesso. Tivemos a oportunidade de demonstrar toda a nossa linha, e os visitantes gostaram muito de ver as máquinas em ação”, finaliza Lonard.


JUST FOREST NO 2 • 2011 17


Como normalmente o terreno é pantanoso, muitas vezes são construídas largas pontes de madeira, conhecidas como ”lezhnyovka”, para o transporte até a rodovia mais próxima. Os incêndios florestais sempre foram um grande problema. Em 2010, 936.000 hectares de floresta foram perdidos em incêndios na Rússia.

RÚSSIA – UM PAÍS COM RECURSOS FLORESTAIS ILIMITADOS A Rússia é conhecida por seus amplos territórios e sua abundância de recursos naturais. Não por acaso o petróleo, o gás e os minerais são muito importantes para a economia do país. No entanto, as florestas estão ganhando importância. Mais de 40% da área do território russo está coberta por florestas naturais. O volume total de florestas é de 80 bilhões de m3, com o corte anual de aproximadamente 635 milhões de m3 de madeira. Devido às grandes distâncias e falhas na rede rodoviária, estima-se que as 18 JUST FOREST NO 2 • 2011

florestas financeiramente viáveis compreendem apenas 367 milhões de m3. Durante a era soviética, o volume de cortes real era de aproximadamente 350 milhões de m3. Atualmente, esse volume é de aproximadamente 150 milhões de m3. Saber quanto se extrai ilegalmente é difícil, mas os números oficiais estimam a extração ilegal em 10% do total. O corte raso é o método usado com maior frequência na Rússia. Para o desbaste, é empregado um método conhecido como silvicultura de cobertura contínua, que envolve a remoção de árvores em seu crescimento máximo, mantendo intocadas as árvores menos maduras. No entanto, graças à mecanização e à utilização do sistema cut-to-length (CTL), a utilização da floresta e a eficiência do corte estão aumen-

tando em várias regiões. Paralelamente, o número de máquinas florestais fabricadas localmente diminuiu, de aproximadamente 20.000 máquinas na era soviética para 450 máquinas atualmente. As máquinas florestais que ainda são fabricadas são principalmente máquinas com esteiras usadas para o corte, desgalhamento e transporte. Os métodos de corte podem variar muito entre regiões. Normalmente, os operadores trabalham em turnos, e as máquinas funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana. A equipe de trabalho vive em alojamentos na floresta por uma semana. Os alojamentos são equipados com camas e oficinas para reparos básicos. Após uma semana, outra equipe de trabalho assume seu lugar. Normalmente, os operadores são pagos por metro quadrado produzido.


Em geral, os trabalhadores trabalham em turnos, operando as máquinas 24 horas por dia, sete dias por semana e ficam na floresta por uma semana. Os alojamentos têm camas e oficinas para reparos básicos.

O terreno pode ser muito pantanoso. Por isso, as empresas florestais normalmente constroem pontes de madeira conhecidas como ”lezhnyovka”, para poder transportar as toras do terreno até uma estrada melhor. Caminhões pesados da marca URAL muitas vezes são usados para transportar toras nessas estradas, que podem chegar a ter 20 km de extensão. Os incêndios florestais sempre foram um grande problema para as pessoas que moram perto das florestas russas. Em 2010, 936.000 hectares de floresta foram perdidos em incêndios na Rússia. A enorme extensão do dano foi causada não

somente pelo terreno difícil e pelo verão excepcionalmente quente, mas também devido à infraestrutura subdesenvolvida. Como resultado da devastação vista em 2010, o governo tomou medidas e estabeleceu equipes especiais de combate a incêndios para diferentes regiões, um investimento de aproximadamente 250 milhões de euros. As equipes de combate a incêndios possuem tratores, caminhões, helicópteros e outros equipamentos especializados para proteger as florestas do fogo. Nos últimos anos, o governo russo tentou melhorar os investimentos no setor

florestal. No entanto, muitas empresas estrangeiras ainda não estão prontas para estabelecer operações a longo prazo na Rússia. As florestas russas são de propriedade do Estado, que tem a ambição de desenvolver a indústria local de processamento de madeira. Esses esforços tiveram resultados concretos, e muitos projetos de investimento prioritários estão sendo implementados na Rússia. Esses projetos são apoiados pelo governo através de benefícios extras e de direitos de extração concedidos a empresas que processam a matéria-prima em vez de simplesmente exportá-la. JUST FOREST NO 2 • 2011 19


Vasil Gizzatullin, diretor da Sabinsky, o vice-ministro florestal do Tartaristão, Zinnur Hairullin, e Jari Alahuhtala, da Komatsu Forest

No ano passado, 11 de setembro foi um dia importante para a Komatsu Forest na Rússia. Nesse dia, o presidente da República do Tartaristão, Rustam Minnikhanov, recebeu uma delegação da Komatsu Forest Rússia, em Cazã, para ouvir as ideias e soluções que podem ser oferecidas às operações de extração da região.

UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE Após essa reunião, as iniciativas avançaram rápido, e as primeiras máquinas novas foram entregues em abril deste ano. ”É bom participar desse tipo de projeto; todos os envolvidos estão muito motivados”, disse Jari Alahuhtala. ”Tudo indica que o projeto dará certo.” As florestas do Tartaristão são similares àquelas do norte da Europa, com árvores relativamente do mesmo tamanho e com muitas espécies diferentes. Florestas em seu crescimento máximo ainda serão desbastadas usando a silvicultura de cobertura contínua (que sempre foi o método tradicional aqui), o que é sensato, já que plantar em terreno aberto demora. As maiores má20 JUST FOREST NO 2 • 2011

quinas da Komatsu Forest são adequadas para esses padrões. ”A entrega da primeira máquina também inclui o treinamento de mais de 100 pessoas, incluindo operadores, mecânicos e equipe de suporte técnico. Na Rússia, os operadores de máquinas florestais se comunicam extensivamente e se ajudam diariamente. É importante que todos aprendam a usar a mesma terminologia florestal. Esse é um dos principais objetivos do treinamento”, diz Jari. As máquinas entregues até agora em Tartaristão são os harvesters Komatsu 911.5 e 911.3 e os cabeçotes Komatsu 365 e 370.2. Os forwarders que foram entre-

gues são o Komatsu 860.4 8x8 e o Komatsu 890.3. A capacidade dos forwarders é adequada aos harvesters e à madeira que está sendo cortada. O terreno é pantanoso, mas os verões secos e os invernos frios facilitam as operações. Estradas florestais estão sendo construídas. Grandes investimentos em pessoal, em assistência técnica e em instalações de treinamento em Sabinsky oferecem aos usuários uma boa plataforma para aprender a nova tecnologia. O centro de operações será grande o suficiente para abrigar peças de reposição, oficinas e instalações de treinamento modernas, com os simuladores Komatsu.


Os recursos florestais russos são ilimitados; o bioma de floresta de coníferas do norte cobre todo o país, da Escandinávia ao Mar do Japão. Há muitos centros florestais, mas do ponto de vista econômico, as florestas são muito subutilizadas. Grandes distâncias, terreno difícil, pântanos e tundra garantem que a enorme e inacessível taiga permanecerá para as próximas gerações.

O TARTARISTÃO INVESTE EM SUAS FLORESTAS

O presidente do Tartaristã o, Rustam Min nikhanov, é especialista em florestas

”Em comparação com muitos outros países, as distâncias na Rússia são enormes. Precisamos ajudar nossos clientes a criar depósitos locais de peças de reposição. Isso também se aplica à Sabinsky. As entregas de rotina são enviadas de São Petersburgo de trem ou caminhão. O transporte ferroviário é muito eficiente. Em casos urgentes, o transporte aéreo é utilizado, e, felizmente, o segundo maior aeroporto da Rússia localiza-se em São Petersburgo. A cidade tem cinco milhões de habitantes, e as maiores empresas de logística têm terminais aqui”, diz Jari.

A RÚSSIA SEGUE a política florestal com um intensivo manejo para a regeneração das florestas. Um bom exemplo é a República do Tartaristão, onde o desafio é restaurar as florestas ao mesmo nível de 200 anos atrás, quando mais de 50% da área do país tinha florestas. A República do Tartaristão está situada na Europa Oriental, 800 kma sudeste de Moscou. Trata-se de uma região industrializada. Os produtos mais importantes são petróleo, gás e tecnologia de desenvolvimento de máquinas. O clima é continental com quatro estações – com verões quentes e invernos frios. Ao longo do rio Volga, no meio de campos cultivados, vivem pessoas simpáticas e trabalhadoras. O Tartaristão é uma república independente que está se desenvolvendo e que sempre teve boas relações com a Federação Russa. Trata-se de um país que se modernizou e se desenvolveu com a ajuda do governo central da Rússia. Igrejas ortodoxas e mesquitas convivem pacificamente lado a lado, o que também fortalece a região. A necessidade de terra cultivável e o excesso de extração na época da guerra reduziram as florestas a 17%. Há muito trabalho à espera: Algumas terras cultiváveis

e terras menos férteis serão reflorestadas, estradas serão construídas, o planejamento será melhorado e as estruturas industriais mudarão. De acordo com uma publicação florestal russa, um plano de desenvolvimento estratégico está em execução até 2018, custará 275 milhões de euros. O presidente da República do Tartaristão, Rustam Minnikhanov, está muito envolvido nos problemas florestais. Ele tem ensino especializado em florestas, o que indica que os investimentos nessa área continuarão conforme planejado. Muitas medidas concretas já foram tomadas. PARA AUMENTAR a quantidade de florestas, o cultivo de mudas é um dos primeiros aspectos que devem ser finalizados. A região de Sabinsky está concentrada nessa questão. No vilarejo de Leshoz, a aproximadamente 150 km da capital Cazã, há um viveiro de mudas de última geração, com quatro estufas. As estufas têm ar condicionado e cada uma dela produz um milhão de mudas de três gerações diferentes a cada ano, um total de 12 milhões de mudas por ano. As estufas vêm da Finlândia, e sua tecnologia da Suécia. As principais espécies de árvores são variações siberianas de pinheiros, abetos e alerces. O suprimento futuro de sementes vem de fenótipos que são cultivados principalmente na região viJUST FOREST NO 2 • 2011 21


Tudo começa assim: A área plantada por ano no Tartaristão aumentará para cobrir aproximadamente 60.000 hectares.

zinha de Kirov. A temperatura nos bancos de sementes é mantida a -34 C. Grandes quantidade de mudas também são produzidas em terreno aberto. Uma inovação local interessante é que as mudas são cultivadas em terreno ou clareiras em formato oval, onde a floresta existente protege as plantas do sol em dias quentes de verão. EM SABINSKY, recentemente foi criado um centro para o combate de incêndios florestais. Mais de 20 veículos off-road ficam de prontidão e podem chegar a velocidades de até 100 km/h. Os incêndios florestais não são um grande problema em Sabinsky, mas é importante garantir que os investimentos futuros não sejam destruídos por eles. Os métodos de corte também foram modernizados. Um sistema escandinavo eficiente foi colocado em funcionamento. Em breve, um centro de operações será concluído perto dessas instalações. Esse centro abrigará tudo o que for necessário para o corte eficiente. Manutenção técnica, serviços e peças de reposição estarão disponíveis para as máquinas Komatsu. Além disso, uma solução exclusiva de treinamento será usada. 22 JUST FOREST NO 2 • 2011


GRANDES EXIGÊNCIAS PARA O ATENDIMENTO AO CLIENTE Mais de 700 máquinas Valmet e Komatsu estão em uso na Rússia. A primeira máquina foi entregue há mais de 30 anos. Uma área geográfica enorme e clientes exigentes demandam muito do atendimento ao cliente. A REDE DE REVENDEDORES DA KOMATSU FOREST na Rússia abrange 11 re-

vendedores espalhados pelo país. A sede em São Petersburgo foi inaugurada em 2008. Muitos dos clientes que possuem máquinas na Rússia são grandes empresas de papel e celulose. O maior cliente individual possui mais de 70 máquinas vermelhas. Considerando os limites da rede rodoviária e as duras condições climáticas, você pre-

cisa de uma equipe de trabalhadores qualificados que possam garantir que as máquinas sejam mantidas em boas condições. A rede de mecânicos da Komatsu Forest é formada por 80 pessoas que se ajudam e compartilham seus conhecimentos. TREINAR os funcionários dos dealers e dos clientes é outro desafio. Esse ano, a Komatsu Forest Rússia treinará mais de 400 operadores e mecânicos. No entanto, São Petersburgo não é o único lugar onde o pessoal pode ser treinado, já que também há centros de treinamento regionais. Esses centros públicos treinam operadores de máquinas florestais e mecânicos sobre os detalhes das máquinas novas e usadas que serão entregues. A Rússia tem operadores de máquinas muito competentes e, apesar da falta de qualificação e de treinamento gerais, eles cuidam bem das máquinas e conseguem uma boa produtividade. DEVIDO ÀS variações das condições de

operação, como terreno pantanoso ou declives íngremes, verões quentes e invernos frios, e um volume médio de 0,25 e 1,2 metros cúbicos por árvore, quase todos os modelos de máquinas são usados. No entanto, o modelo mais popular entre os harvesters é o 911 6x6; entre os forwarders, é o 860 8x8. Essas máquinas conseguiram sua popularidade graças a sua confiabilidade e conforto, além de características que facilitam sua utilização e manutenção. Aproximadamente 90% das máquinas são pedidas com as especificações padrão da Rússia, o que facilita o estoque de peças de reposição localmente. Um equipamento que normalmente é necessário nas florestas áridas da Rússia é o aquecedor com motor a diesel. As escavadeiras da Komatsu estão se tornando cada vez mais populares como equipamentos para colheita, especialmente no noroeste da Rússia. Normalmente, o cliente compra um Komatsu PC200 e um cabeçote de corte Komatsu 370E ou 365. O modelo mais popular entre os harvesters é o 911 6x6; entre os forwarders, é o 860 8x8. Além disso, as escavadeiras Komatsu estão se tornando cada vez mais populares como equipamentos para colheita, especialmente no noroeste da Rússia.

JUST FOREST NO 2 • 2011 23


NOVAS MÁQUINAS COM ESTEIRAS A Komatsu lançou uma nova linha de fellerbunchers e harvesters de esteira em março de 2011, na feira ConExpo, em Las Vegas. A nova série XT de feller-bunches e harvesters da marca Komatsu têm maior durabilidade e capacidade de manutenção. AS NOVAS MÁQUINAS KOMATSU XT4302 , XT430L-2, XT445L-2, e XT450L-2 substituem as antigas máquinas da série FX/FXL da Valmet. A nova série XT, projetada e montada na fábrica da Komatsu em Chattanooga,

24 JUST FOREST NO 2 • 2011

Tennessee, mantém a sólida reputação do modelo anterior, mas oferece melhor projeto de material rodante, capacidade de manutenção e durabilidade. Uma melhoria importante na nova série XT é o material rodante. Protetores de roletes e slides mais longos para o suporte da esteira, rodas dentadas especiais e janelas antibarro nas caixas da esteira funcionam juntos para aumentar a vida útil. CAVIDADES NA CAIXA DA ESTEIRA

reduzem o acúmulo de materiais e ajudam a simplificar a manutenção dos roletes. Novas rodas dentadas com perfil antibarro/neve ajudam a manter a tensão correta da esteira em condições de acúmulo. O XT430L-2 tem dois roletes inferiores adicionais que proporcionam a melhor distribuição do peso e maior vida útil dos roletes e da corrente da esteira. O XT430L-2 também tem um sistema de recuo de eixo frontal aprimorado

AINDA MAIS RECURSOS: O pinhão do sistema de giro da cabine agora está selado e em banho de graxa para melhor proteção, lubrificação contínua e maior vida útil. Essas engrenagens também têm revestimento aprimorado para aumentar sua vida útil. Os rolamentos do giro da cabine têm pinos guia para melhor alinhamento e manutenção reduzida. O sistema de lubrificação do comando de nivelamento pode ser acessado facilmente para manutenção. Um novo local facilmente acessível para o filtro de óleo do motor reduz o tempo de manutenção.


NO URUGUAI, AS FLORESTAS ESTÃO CRESCENDO Há muito tempo, o Brasil é o maior país com florestas da América do Sul. Mas a demanda por máquinas florestais está aumentando em outros países sulamericanos. Várias grandes fábricas de celulose estão por trás do aumento da mecanização. HÁ VÁRIOS ANOS, a finlandesa UPM opera uma das maiores fábricas de celulose em Fray Bentos, no oeste do Uruguai. A capacidade anual da fábrica é de 1,1 milhão de toneladas de celulose, o que requer mais de 4 milhões de metros cúbicos de eucaliptos. 70% da matéria-prima vem das florestas da empresa. A Stora Enso e a empresa florestal chilena Arauco decidiram construir uma nova e revolucionária fábrica de celulose em Punta Pereira. A nova fábrica de celulose será o maior investimento privado da história do Uruguai. Espera-se que a fábrica de celulose seja concluída durante o primeiro trimestre de 2013, e que a matéria-prima processada lá seja principalmente eucalipto

originado das próprias plantações da empresa. ”Celulose de BAIXO CUSTO, com base em plantações, é uma das nossas estratégias. Nosso investimento é um passo concreto no trabalho de implementação da estratégia para criar um novo futuro para nossa empresa. “Temos uma visão comum para começar as operações no Uruguai, que fornecerá um modelo apreciado em todo o mundo,” disse o CEO da Stora Enso, Jouko Karvinen, quando os planos de investimento foram anunciados publicamente. Esses importantes empreendimentos resultarão na necessidade de máquinas florestais. Só a nova fábrica de celulose da Stora Enso e da Arauco precisará de aproximadamente 4 milhões de metros cúbicos de matéria-prima por ano. Calcula-se que a Montes Del Plata, que vai gerenciar o corte, precise de muitos harvesters e forwarders novos para concluir a tarefa. O Uruguai tem por volta de 1,75 milhões de hectares de florestas, dos quais mais da metade é formada por plantações cujo principal objetivo é abastecer a indústria de celulose, de acordo com uma auditoria feita pelo Ministério da Agricultura, com apoio da ONU. Ao mesmo tempo, a área de floresta atual compreende aproximadamente 20% do potencial total.

A empresa de consultoria International Forestry Investments (IFI) também acredita que a indústria florestal uruguaia está apenas começando. De acordo com a IFI, as plantações florestais aumentaram dez vezes desde 1987, em parte devido a investimentos internacionais consideráveis. A IFI também declara que investimentos estrangeiros são bem-vindos. Grande parte dos investimentos recentes em plantações vieram do exterior, com financiadores de países como Finlândia, Holanda, Espanha, Chile e Canadá. OS NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE EM LARGA ESCALA serão principalmente

abastecidos com matéria-prima das próprias plantações das fábricas, o que gerará uma grande necessidade de máquinas para colheita e transporte, manutenção e treinamento.

DADOS O Uruguai é um país relativamente pequeno, localizado na costa leste da América do Sul, entre os dois gigantes sul-americanos: Brasil e Argentina. Ele tem uma população de 3,5 milhões de pessoas, altamente concentrada nas cidades, cuja vasta maioria vive em Montevidéu.

JUST FOREST NO 2 • 2011 25


CLASSIFICAÇÃO SUPERIOR NA ÁUSTRIA Esqui, alpes, montanhas e ar fresco – isso é o que associamos à Áustria. E as florestas? Elas também estão muito associadas aos Alpes. Aproximadamente 48% do território da Áustria está coberto por florestas, o que equivale a aproximadamente 4 milhões de hectares. A maioria delas está em terreno íngreme, e é por isso que a empresa florestal austríaca Manfred Serschön escolheu o Komatsu 911.5X3M. Um mestre das subidas, com nova tecnologia de motores, que ajuda a economizar combustível e, portanto, protege o ambiente. Olhando para cima da estrada florestal em direção à estrada íngreme que segue as extremidades da montanha, você pode ver os contornos de uma máquina vermelha. Aqui em Niederösterreich, terrenos íngremes e inacessíveis são comuns. A estrada para chegar à máquina parece um desafio. Terrenos íngremes repletos de pedras grandes. Toras ordenadamente empilhadas contornam os dois lados da estrada. O som das correntes é cada vez mais forte. As quatro esteiras independentes com área de superfície de mais de 4 m2 garantem que os 26 JUST FOREST NO 2 • 2011

rastros deixados no chão da floresta sejam quase imperceptíveis. Manfred Serschön, que opera o harvester, está particularmente satisfeito não só com a capacidade de subida, mas também com o baixo consumo de combustível. ”A economia de combustível melhorou muito em comparação com as máquinas mais antigas. Economizamos muito combustível em todos os turnos de trabalho,” diz Manfred. Na versão padrão, essa é a quinta geração do harvester Komatsu 911. Equipado com um motor de seis cilindros Sisu, desenvolve 228 hp a 1.700 rpm. Condições de trabalho incomuns exigem soluções incomuns. É por isso que Manfred comprou sua terceira X3M, também conhecida como ”Cobra” devido à sua capacidade de subida. Em comparação com as tradicionais máquinas florestais de pneus, o conceito de quatro esteiras independentes oferece vantagens em terrenos íngremes. Cada bogie está conectado aos cubos da roda através de uma flange. Graças aos rolamentos de giro, as esteiras giram para permanecer totalmente em contato com o solo, de modo similar ao funcionamento de um eixo do bogie. E com sua fantástica estabilidade, essa máquina inspira confiança até mesmo em áreas com grandes pedras e declives íngremes. Além disso, as pressões no solo são bastante reduzidas.

A relação alterada da marcha cria uma enorme tração de 400 Nm e garante máxima potência de tração. O design da máquina proporciona mais vantagens em terrenos difíceis. O nivelamento da cabine, por exemplo, garante um ambiente de trabalho ergonômico, que ajuda a evitar o cansaço do operador. Quando a máquina é manobrada, os movimentos do eixo forçam a ida do óleo dos cilindros de estabilização para o eixo traseiro do cilindro, abaixo da cabine, que se inclina. Isso permite que a cabine se ajuste perfeitamente às condições variáveis do solo. Um rebocador normal é usado para transporte no local de colheita. Como nenhuma dimensão ultrapassa três metros, não são necessárias autorizações na Áustria. Portanto essa máquina pode ser movida rapidamente, sem precisar de permissões especiais onerosas. O X3M também foi projetado com o objetivo de ter a maior flexibilidade possível. Em aproximadamente meio dia ele pode ser convertido de máquina com esteira a máquina de quatro rodas, apenas removendo as esteiras e colocando as rodas padrão no lugar. Então, nosso especialista em subidas se transforma rapidamente em uma máquina universal para trabalhos de corte tradicionais. De acordo com Manfred, no entanto, vai demorar para que o trabalho nos terrenos íngremes da Áustria seja concluído.


JUST FOREST NO 2 • 2011 27


Esse ano marca o cinquentenário da plantação das primeiras sementes que floresceram e se transformaram na Komatsu Forest de hoje. No entanto, essa história não tem apenas um, mas dois inícios. Um na Suécia e um na Finlândia. Dois caminhos de desenvolvimento tecnológico e duas empresas diferentes que se encontrariam e se fundiriam sob uma bandeira comum para tornarem-se os líderes mundiais no desenvolvimento e fabricação de máquinas florestais.

CINCO DÉCADAS DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAIS NA FINLÂNDIA, a empresa estatal Val-

met Oy foi fundada após a segunda guerra mundial. A Valmet Oy tinha uma divisão de tratores em Tourula, no centro da Finlândia, que começou a desenvolver tecnologia para mecanizar o trabalho de transporte. Na Suécia, as raízes da empresa começaram com a Umeå Mekaniska, que foi fundada em 1961 em Umeå, 700 km ao norte de Estocolmo. Durante os anos 60, houve um grande desejo de mecanizar o trabalho florestal 28 JUST FOREST NO 2 • 2011

na Suécia e na Finlândia. A Valmet estava desenvolvendo rebocadores, enquanto a Umeå Mekaniska estava testando a mecanização do desgalhamento e do processamento de madeira A Volvo BM, que era a líder de mercado na Suécia nos anos 70, estava muito interessada na empresa. Isso resultou na aquisição da Umeå Mekaniska em 1976, como parte do empreendimento da empresa no setor florestal. NO ENTANTO, JÁ no ano seguinte, em 1977, a Volvo queria se desfazer de todas as

suas operações com tratores agrícolas, o que incluía as máquinas florestais. Em 1979, a Volvo BM iniciou uma colaboração com a Valmet Oy e, em 1986, a Valmet assumiu a propriedade total. Como resultado, a marca se aprimorou e se tornou Valmet, no mercado há 25 anos. As flutuações econômicas no setor florestal muitas vezes são mais extremas que em muitos outros setores. Depois de muitos anos de avanços consideráveis no mercado florestal, o mundo inteiro entrou em uma recessão histórica em 1990.


VOCÊ

tas nos GOSTARIA d ú muitos ltimos 50 an e saber mais os? O sobre n exemp sit lo cas en genhos s interessan e komatsufo ossas conqu iste rest5 0 a vam à s, outro s. Algu .co fre n s de des nte do seu te são tentativa s são soluçõ m tem envolvim es m sa ento te po. Mas a ma mbiciosas q técnicnológ io ri a são os ue estaico ded resulta icado. do s

DE MÁQUINAS A recessão atingiu o setor em cheio, e a Valmet foi forçada, pela primeira vez, a fazer cortes dramáticos de pessoal, ao mesmo tempo que racionalizava e otimizava toda a cadeia de produção. Em 1998, o grupo industrial finlandês Partek tornou-se o primeiro proprietário privado. O nome da empresa mudou para Partek Forest. A Partek Forest tinha grandes visões para a fabricação de suas máquinas florestais. Apesar disso, a Partek Forest foi adquirida em 2002 pela empresa finlandesa

Kone, fabricante de elevadores e de escadas rolantes. Após a aquisição feita pela Kone, as portas se abriram para que a Komatsu comprasse a Partek Forest. Em 2004, a Komatsu Ltd passou a ser a proprietária, e o nome comercial passou a ser Komatsu Forest. Isso proporcionou à Komatsu o acesso a um know-how técnico importante, enquanto sua longa tradição em qualidade industrial e trabalhos de produtividade japoneses contribuíram para a melhoria dos produtos.

HÁ 50 ANOS, quando os primeiros simples precursores das máquinas florestais de alta tecnologia de hoje foram fabricados, a marca que agora é a Komatsu era conhecida como Valmet. Com os produtos de alta tecnologia de hoje, há muitas oportunidades para se adquirir máquinas florestais que ofereçam rentabilidade e sustentabilidade a longo prazo, e a Komatsu Forest continuará a definir o padrão para o trabalho florestal realmente efetivo. A jornada continua...

JUST FOREST NO 2 • 2011 29


ProSelect

FORESTRY QUALITY CLOTHING

www.komatsuforest.com


CONTACT US

PRODUCTION UNITS Komatsu Forest AB Phone: +46 90 70 93 00 www.komatsuforest.com Komatsu America Corp Phone: ++1 847 437 5800 www.komatsuforest.com

DISTRIBUTION CENTERS, SALES CENTERS AND DEALERS EUROPE AUSTRIA Karner und Berger GmbH www.forstmaschinen -service.at Phone: +43 2769 84571 CROATIA Iverak d.o.o. www.iverak.hr Phone: +385 1 291 0399 CZECH REPUBLIC Komatsu Forest GmbH www.komatsuforest.cz Phone: +420 2 7270 1438 DENMARK Helms TMT Centret AS www.helmstmt.com Phone: +45 9928 2930 ESTONIA Zeigo Service OÜ www.valmet.ee Phone + 372 504 4964 FINLAND Komatsu Forest Oy www.komatsuforest.fi Phone: +358 20 770 1300 FRANCE Pialleport SA www.camox.fr Phone: +33 4 74 20 18 00 Carrère Espace Materiéls www.carrere-materiel.com Phone: +33 555 930 222

MORE INFORMATION ABOUT THE PRODUCT LINE

GERMANY Komatsu Forest GmbH www.komatsuforest.de Phone: +49 74549 6020 HUNGARY Kuhn Kft. www.kuhn.hu Phone: +36 128 980 80 LATVIA SIA Valtek www.valtek.lv Phone +371 6 3084570 LITHUANIA Lifore Technika Ltd. www.komatsuforest.com Phone +370 5 260 2059 NETHERLANDS W. van den Brink www.lmbbrink.nl Phone: +31 3184 56 228 NORWAY Komatsu Forest A/S www.komatsuforest.no Phone: +47 62 57 8800 POLAND Arcon Serwis SP.ZO.O. www.arconserwis.pl Phone +48 22 648 08 10 PORTUGAL Cimertex, S.A. www.cimertex.pt Phone: +351 22 091 26 00

ROMANIA ALSER Forest SRL www.alser-forest.com Phone +40 744 995450 SLOVAKIA Komatsu Forest www.komatsuforest.cz Phone: +420 2 7270 1438 SPAIN Hitraf S.A. www.hitraf.com Phone: + 34 986 59 29 10 SWEDEN Komatsu Forest Sweden www.komatsuforest.se Phone: +46 90 17 22 00 SWITZERLAND W Mahler AG www.wmahler.ch Phone: +41 44 763 5090 UKRAINE Forstmaschinengesellschaft Forest Ukraine www.forestukraine.com Phone +38 067 342 22 43 UNITED KINGDOM Komatsu Forest Ltd www.komatsuforest.com Phone: +44 1228 792 018

RUSSIA, CIS Komatsu Forest Russia www.komatsuforest.ru Phone +7 812 44999 07 NORTH AMERICA UNITED STATES AND CANADA Komatsu America Corp. Forest Machine Business Department Rolling Meadows, IL www.komatsuforest.com Phone: +1 847 437 5800

To find your local dealer/sales representative. Go to www.komatsuforest.com

SOUTH AMERICA BRAZIL, ARGENTINA, Komatsu Forest Ltda. www.komatsuforest.com Phone: +55 41 2102 2828

CHILE Komatsu Chile S.A. www.komatsu.cl Phone: +56 419 25301

URUGUAY Roman S.A. www.roman.com.uy Phone: +598 233 68865

OCEANIA AUSTRALIA Komatsu Forest Pty Ltd www.komatsuforest.com.au Phone: +61 2 9647 3600

com rest. o f u ats .kom w w w

NEW ZEALAND Komatsu NZ www.komatsuforest.com.au Phone: +64 9 277 8300

OTHER MARKETS INDONESIA PT Komatsu Marketing Support Indonesia www.komatsu.co.id Phone: +62 21 460 4290

PT United Tractor Tbk www.unitedtractors.com Phone: +62 21 460 5959

SOUTH AFRICA Komatsu Southern Africa Ltd Phone: +27 11 923 1110

JUST FOREST NO 2 • 2011 31


Just Forest 2-2011 PT  

Komatsu Forest customer magazine

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you