Page 1

COLUNA CERVICAL EM FOCO

Novas medicações Prevenção e tratamento Osteopenia ou Osteoporose?

Especial Osteoporose Saiba como prevenir e tratar esta doença que atinge cerca de 10 milhões de brasileiros


EDITORIAL

Simples assim! Esta é a primeira edição da Revista Coluna Cervical em Foco. Nossa publicação tem o objetivo de fornecer informações relevantes ao público sobre neurocirurgia e patologias ligadas à coluna cervical. Vamos abordar temas atuais sobre tratamentos, deformidades, dores nas costas, hérnias de disco, entre outros problemas de maneira esclarecida e objetiva. Nesta edição, apresentamos um especial sobre osteoporose, em comemoração ao Dia Mundial da Conscientização da Doença, celebrado neste 20 de outubro. Espero que goste! Dr. Vinicius Benites CRM-SP 122.080


O QUE É OSTEOPOROSE, AFINAL? É denominada como uma doença metabólica, caracterizada pela diminuição progressiva da densidade óssea. Atinge cerca de 30 milhões de pessoas, sendo 30% mulheres, principalmente na época da menopausa. Isso porque as alterações hormonais desta fase causam alguns problemas como perda de massa óssea e massa muscular. Sobre a perda de massa óssea, a que chamamos de osteopenia, sabemos que algumas mulheres podem evoluir para a osteoporose e daí, sofrer com todos os problemas dessa condição. Os ossos do corpo humano se renovam constantemente e quando há um desequilíbrio entre a formação óssea e a absorção pelo organismo, a pessoa adquire a osteoporose, tendo os ossos mais porosos, e consequentemente, mais frágeis. Realmente as mulheres são as mais acometidas, principalmente aquelas após a menopausa, já que os hormônios femininos são muito importantes para o metabolismo do osso e à medida em que eles diminuem no corpo, a produção óssea pode ficar prejudicada. O perfil típico da mulher com osteoporose são as idosas e magras, ou seja, aquelas que comumente dizemos “parece que vai quebrar”. Homens podem ser acometidos, mas principalmente aqueles com mais de 70 anos e sedentários.


A FALTA DE PARATORMÔNIO Outras doenças também levam à osteoporose, mesmo em pessoas jovens, como por exemplo, as doenças relacionadas com a falta de alguns hormônios no corpo, sejam em homens ou mulheres. É possível que a osteoporose possa estar associada ao paratormônio (PTH), também conhecido como hormônio da paratireoide. São glândulas que ficam sobre a tireóide e atuam diretamente na dinâmica do cálcio no organismo, assim como na função da vitamina D. Por este motivo, é extremamente importante para os ossos. É um hormônio que liga-se a receptores de membrana em célulasalvo (nos ossos, rins e intestino) e atua estimulando a captação de cálcio para o meio extracelular, aumentando a concentração sérica de cálcio. Ou seja, está diretamente envolvido com as células responsáveis pela absorção óssea. Além de exercer essa função, o PTH ativa nos rins, uma enzima envolvida na síntese de calcitriol (forma ativa da vitamina D encontrada no corpo), a expressão de receptores de vitamina D e o transporte iônico de cálcio, fosfato e outros íons. Portanto, também está totalmente ligado aos níveis de cálcio no organismo. No exame de sangue (PTH) pode-se detectar como está o funcionamento deste hormônio. A DOENÇA ATINGE 30 MILHÕES DE PESSOAS, 30% MULHERES EM FASE DA MENOPAUSA


Os ossos são preenchidos por uma trama óssea muito densa. À medida em que uma pessoa inicia o processo de perda da massa óssea, essa trama vai ficando menos densa e dá-se o nome de osteopenia, a qual não é considerada uma doença. Quando o processo está em fase mais avançada e o osso está realmente com grandes buracos no meio de sua trama óssea, chamamos de osteoporose. Essa condição é uma doença na qual os ossos que sustentam o corpo ficam mais frágeis e susceptíveis a fraturas, principalmente os ossos que possuem grande quantidade de osso esponjoso, ou seja, a coluna, a bacia e a porção superior do fêmur (cabeça e colo do fêmur). Esses ossos são justamente os responsáveis por aguentarem a maior parte da carga do corpo, portanto são os mais susceptíveis às fraturas em pacientes idosos. Nesse caso, uma vértebra osteoporótica pode não suportar um simples escorregão e sofrer uma fratura com achatamento. Estimativas mostram que aos 80 anos, cerca de 40% das mulheres provavelmente terão alguma fratura na coluna vertebral.


HEREDITARIEDADE Isso é fato! A osteoporose tem uma forte correlação hereditária. Pessoas que tem familiares próximos com osteoporose possuem um risco muito maior de também apresentarem o problema. No entanto, a gravidade da osteoporose e a idade de maior perda óssea geralmente variam entre os familiares. As pessoas mais afetadas são mulheres, baixa estatura, magras, menopausa precoce, raça branca, com perda de cálcio e as que fazem alto consumo de cafeína e tabaco. Pessoas que tomaram por muito tempo remédios com cortisona, como antiinflamatórios, também correm o risco de sofrer osteoporose porque essa substância ataca o osso. FUMO E ABUSO DE ÁLCOOL PREJUDICAM A RENOVAÇÃO ÓSSEA. O HÁBITO DE FUMAR, A FALTA DE EXERCÍCIO FÍSICO E O CONSUMO DE BEBIDAS EFERVESCENTES RICAS EM ÁCIDO SÃO FATORES BASTANTE PREJUDICIAIS À SAÚDE DOS OSSOS.

OSTEOPOROSE E A COLUNA CERVICAL Esta condição pode causar dores nas costas de forma crônica ou eventual. E também pode estar associada a algum tipo de fratura, frequentes em casos de osteoporose. No entanto, este tipo de fratura, dos ossos que compõem a coluna, não causa necessariamente grandes traumas no osso. Existe sim o quadro de dor e desconforto, principalmente em ficar por muito tempo em pé ou sentado. O problema, quando relacionado à artrose, envelhecimento natural da coluna cervical, pode causar problemas de postura, principalmente em idosos.


TEM TRATAMENTO NOVO? A osteoporose pode ser tratada de diversas maneiras, desde suplementação de cálcio e vitamina D, além de diversas medicações que atuam diminuindo a perda de massa óssea, como os bifosfonatos (alendronato, risedronato). No entanto, a melhor medicação para a reversão da osteoporose, quando ela já está em estágio avançado, no qual o paciente está com alto risco para fraturas, é sem dúvida o teriparatide, que é um derivado de um hormônio da paratireóide e ajuda a formar osso, mesmo nesses casos mais graves. Essa medicação já está disponível. Mas é importante lembrar da orientação médica especialista em qualquer caso, seja de diagnóstico ou tratamento da osteoporose. Somente o profissional poderá analisar o quadro de cada paciente e sugerir o melhor tratamento.

Medicações atuais: • Bifosfonatos em comprimidos ou injeção como o Alendronato, Etidronato, Ibandronato ou Ácido Zolendrônico: ajudam a manter a densidade óssea e reduzir o risco de fratura; • Ranelato de estrôncio: auxilia no aumento da formação de massa óssea; • Raloxifeno: ajuda a manter a densidade óssea e a reduzir o risco de fratura, especialmente da coluna; • Teriparatida em forma de injeção: ajuda a aumentar a densidade óssea; • Suplementos de cálcio e vitamina D: são usados quando a alimentação não é suficiente para suprir as necessidades de cálcio e vitamina D. • Terapia de reposição hormonal: recomendada em mulheres na menopausa porque pode ajudar a controlar os sintomas, pois ajuda a manter a densidade óssea e reduzir o risco de fratura. Deve ter o acompanhamento do ginecologista.


EXAMES São fundamentais, tanto os de sangue para checar o perfil hormonal e aporte de minerais, quanto os de imagem e urina. A densitometria óssea é um exame importante para avaliar a massa óssea e sua qualidade, sendo indicado principalmente em pessoas idosas ou as que possuem algum tipo de doença endocrinológica que possa interferir na formação de osso. Faz parte de um conjunto de exames de avaliação para tratamento ou prevenção, prescritos pelo médico especialista.

VITAMINA D Atualmente, há uma tendência da suplementação de vitamina D, como uma maneira de prevenir principalmente a Osteoporose. Mas é importante salientar que só vale a pena tomar a vitamina D, se no exame de sangue essa taxa foi apresentada como “baixa”. Caso contrário, além de gastar dinheiro, a pessoa pode ter a substância em excesso no corpo, causando fadiga, indisposição, vômitos e até envelhecimento precoce. Nunca tome nenhuma medicação ou vitamina antes de procurar um médico e saber da real necessidade no organismo, após a realização de exames.


PREVENÇÃO SEMPRE! Para uma pessoal saudável que deseja prevenir a Osteoporose, é importante seguir simplesmente 3 itens básicos: prática de esporte + funcionamento saudável da parte hormonal + alimentação correta. A atividade física além de auxiliar na formação óssea, também evita a perda de densidade dela ao longo do tempo. Já os exames de rotina irão acusar se existe algum problema metabólico que possa estar prejudicando a absorção de cálcio no organismo. E a alimentação rica em cálcio e vitamina D irão colaborar com a saúde e fortalecimento dos ossos. No mais, tome sol nos horários devidos e tente adquirir hábitos saudáveis como uma rotina com menos estresse e longe do fumo e do álcool.


ESPORTE Como falamos anteriormente, a atividade física é fundamental para fortalecer os ossos porque colabora para a densidade mineral óssea (DMO), ou seja, na própria formação e fortalecimento do osso. Mas para que isso aconteça, o exercício precisa ter um mínimo de impacto como as modalidades que sugerimos abaixo. Importante lembrar que toda atividade física deve realizada sob a supervisão de um profissional, com o objetivo de evitar lesões e má postura. Escolha uma atividade que lhe dê prazer ao realizá-la! #ficaadica • Caminhada • Corrida • Escalar montanhas ou subir escadas • Musculação • Tênis • Dança

*Cuidado ao praticar atividades físicas sem orientação, principalmente quem já tem algum histórico de dor ou problema na coluna.

Já a perda de massa muscular gera uma percepção por parte da mulher, de que ela não é mais capaz de fazer determinadas coisas que fazia antes, ou seja, menos disposição principalmente nas atividades que exijam força. A melhor prevenção é associar atividades físicas aeróbicas (corrida, caminhada, natação, bicicleta, hidroginástica, etc) com atividades físicas anaeróbicas (musculação ou atividades com peso). Alongarse várias vezes ao dia também proporciona maior bem-estar. O uso de terapia de reposição hormonal pode trazer benefícios, mas é uma alternativa que deve ser discutida com o seu ginecologista.


ALIMENTAÇÃO A nutrição pode colaborar muito com o fortalecimento e manutenção dos ossos. Portanto, invista em boas fontes de cálcio, que é um mineral indispensável para o corpo humano e está contido de maneira suficiente em uma dieta balanceada simples. No entanto, algumas pessoas podem ter deficiência de cálcio por diversos motivos, seja por doenças metabólicas como problemas renais ou nas glândulas paratireóides, seja por questões do envelhecimento. Este último é muito mais frequentes em mulheres, pois estas, após a menopausa, diminuem muito os hormônios que participam da absorção e uso do cálcio. Portanto, podem sofrer de osteoporose. Nestes casos, em geral, é recomendado a suplementação de cálcio que somente o médico especialista poderá receitar.

• • • • • • • • • • • • • • • • •

Invista!

Leite desnatado ou integral, iogurte, coalhada, ricota, queijos Cereais Brócolis, espinafre, agrião, salsão, couve manteiga, mostarda, quiabo, taioba Sardinha em lata Bacalhau Feijão, grão-de-bico, soja Gergelim, orégano, hortelã, semente de girassol Azeitona verde Amêndoas Gelatina Ameixa preta, damasco, figo, laranja, morango, banana-maçã Chocolate (com moderação) Ovos Tofu Alfafa Açaí Comidas enriquecidas com cálcio como alguns sucos de frutas, cereais ou pães


A RECOMENDAÇÃO, SEGUNDO ESPECIALISTAS, É QUE SE CONSUMA, EM MÉDIA, QUATRO PORÇÕES DE LÁCTEOS POR DIA. ESSAS PORÇÕES PODEM SER REPRESENTADAS, POR EXEMPLO, POR DOIS COPOS DE LEITE, UM COPO DE IOGURTE E UMA A DUAS FATIAS MÉDIAS DE QUEIJO. NO BRASIL, O EQUIVALENTE É, EM MÉDIA, MENOR DO QUE UMA PORÇÃO AO DIA.

CHOCOLATE Cuidado com o consumo exagerado de chocolate! O alimento, que popularmente é conhecido como rico em cálcio, tem altas concentrações de cacau, que em pequenas quantidades, é benéfico para a saúde, porém não possuem quantidades relevantes de cálcio para o organismo. Consumido moderadamente, é uma ótima fonte de energia.

ÁGUA Beber água é importante sim para a saúde da coluna cervical. A hidratação é fundamental para todos os sistemas do organismo, inclusive para os ossos. O ideal é ingerir no mínimo 2 litros de líquidos por dia. A medida que envelhecemos, nosso organismo vai sofrendo uma desidratação natural e os discos intervertebrais, onde ocorrem as chamadas hérnias de disco, também desidratam. Para mantê-los saudáveis, deve-se praticar atividades físicas e se hidratar regularmente.


COLÁGENO HIDROLISADO O colágeno hidrolisado, aquele em pó que vende no mercado, para prevenir osteoporose e reforçar os ossos, não possui evidência científica na prevenção ou tratamento da osteoporose. Realmente, o colágeno é a proteína mais abundante no nosso organismo, representando cerca de 25% de toda proteína corporal, constituída principalmente pelos aminoácidos, sendo o principal elemento fibroso da pele, ossos, tendões e dentes. Esta proteína é reposta por meio da alimentação equilibrada, principalmente no consumo de carnes, ovos, peixes e de alimentos ricos em vitaminas C, E, Beta Caroteno e Licopeno, que ajudam na absorção do colágeno.

DIETAS E RESTRIÇÕES ALIMENTARES Segundo cientistas britânicos da National Osteoporosis Society, as dietas da moda que cortam leite e laticínios podem aumentar o risco de desenvolver osteoporose. Mas outros alimentos fontes de cálcio também podem estar em déficit na alimentação de quem sofre de inteolerância à lactose, por exemplo. Para adultos, a quantidade de cálcio recomendada é de 700mg por dia, mas adolescentes entre 11 e 18 precisam de até 1000mg.


EXPEDIENTE Esta publicação editorial é realizada pela jornalista Daniella Trindade (MTB3351) com supervisão da Clínica de Neurocirurgia e Cirurgia da Coluna Dr. Vinicius Benites, em São Paulo.

Dr. Vinicius Benites (CREMESP 122.080) é neurocirurgião, membro das Sociedades Brasileiras de Coluna e de Neurocirurgia, da AOSpine International e da Unifesp. Tem especialização em Cirurgia da Coluna Vertebral no Center for Spinal Surgery and Neurotraumatology at Berufsgenossenschaftliche Unfallklinik, Frankfurt am Main, Alemanha.

Endereço: R. Borges Lagoa, 1065 - Vila Mariana, São Paulo CEP: 04038-032 Telefone: (11) 2362-6051 | 2408-7012 | 2408-8356

www.drviniciusbenites.com.br www.facebook.com/drviniciusbenites


Profile for Dr. Vinicius Benites

Coluna Cervical em Foco  

Primeira edição da Revista Coluna Cervical em Foco

Coluna Cervical em Foco  

Primeira edição da Revista Coluna Cervical em Foco

Advertisement