Page 1


Apresenta:

Mรกfia Ties # 1 Fiona Davenport

Lanรงado

Prรณximos Lanรงamentos


O amor não é cego, Vê mais não menos;

Mas porque vê mais, Ele escolhe para ver menos. ~ Desconhecido ~


Capítulo 1 Anna

― Bom dia, Anna, a recrutadora na agência de babá Manhattan me

cumprimentou, acenando para a cadeira na frente de sua mesa. ― Você está linda esta manhã. ― Obrigado. Minha resposta foi fraca. Eu poderia parecer bem no

exterior, mas eu era uma bagunça no interior quando me sentei em frente a ela. Eu tinha vestido com cuidado extra esta manhã, porque eu precisava do impulso na confiança. Eu esperava ter sido colocada com uma família agora, mas cada uma das minhas entrevistas tinha sido pior do que a outra casa, a primeira família tinha sido um desastre e eles totalmente esperam que a babá sejam a única a limpar as crianças, a segunda, os familiares eram terrores sagrados que tinham conseguido afugentar três babás em duas semanas. Minha terceira entrevista foi há alguns dias e tinha sido horrível. A matriz não tinha sido capaz de fazer a nomeação devido a um compromisso de trabalho e o pai deixou bem claro que ele esperava receber atenção especial se ele me contratasse. Tinha sido o suficiente para me fazer seriamente reconsiderar se eu fui cortada para ser uma babá. ― Eu estou arrependida as coisas não têm corrido bem para você até

agora. Combinar uma babá com uma família não é sempre é uma tarefa


fácil, mas eu tenho certeza que vamos ser capazes de encontrar algo adequado para você. Pelo menos uma de nós tinha certeza. ― Eu odeio admitir isso, mas eu estava pensando que talvez este era

um sinal de que eu deveria tentar fazer outra coisa em seu lugar. Ela inclinou a cabeça e me estudou um momento, provavelmente tentando avaliar o quão sério eu estava em desistir. ― Você está disposta a me dar mais uma chance?

Minhas mãos torcidas no meu colo, brincando com a borda do suéter que eu tinha emparelhado com um vestido de verão para torná―lo mais adequado para uma visita ao seu escritório. ― Talvez. Com um aceno de cabeça, ela levantou uma pasta de documentos fora do topo de uma pilha e abriu. Ela examinou―o rapidamente antes lançando―me um sorriso. ― Eu acho que isso pode ser perfeito para você. A menina tem seis anos

de idade e teve problemas de saúde, quase desde o nascimento. Por causa de sua doença, é mais difícil de encontrar uma babá para aceitar a posição. Sua escolaridade poderia ser colocada em bom uso. Minhas cordas do coração puxaram, mesmo sabendo que o meu um ano estudando para me tornar uma terapeuta física assistente não seria de grande ajuda quando se trata de cuidar de uma criança doente. ― Sua avó foi cuidar dela, mas ela não é capaz de manter―se com ela

por mais tempo, não por causa de problemas de saúde de Sophia, mas porque ela teve um susto de saúde dela própria. Seu pai veio até nós há várias semanas, mas até agora não tivemos nenhuma sorte combinando―os com uma babá.


Notei uma omissão flagrante em sua descrição da família. ― E quanto a sua mãe? Ela vasculhou os papéis na pasta antes de responder. ― Eu só posso supor que ela não é uma parte da vida da filha, desde que não havia nenhuma menção a ela nas informações fornecidas. ― Depois do que aconteceu na última entrevista, eu realmente prefiro

uma posição com uma família, com uma esposa que será em torno de um lote. Nem um único pai. Ela fechou a pasta e se inclinou para mim, baixando a voz. ― Eu tive sorte o suficiente para atender com o Sr. DeLuca em pessoa.

Eu não acho que eu já conheci um homem mais lindo. Confie em mim quando digo que ele não tem necessidade de tirar proveito de um empregado. Não só ele é sexy, ele tem dinheiro também. Você é uma menina bonita, mas eu tenho certeza que ele tem mulheres se jogando para a esquerda e para a direita. ― Ok, eu suspirei, sentindo como se ela tivesse me colocado no meu

lugar. Eu era uma babá que não poderia encontrar uma carga e essa menina parecia que não poderia encontrar um babá. Talvez ela foi concebida para ser. Além disso, se a entrevista não for bem, eu poderia simplesmente jogar a toalha e pensar em outra coisa para fazer. Realmente, o que seria a pior coisa que poderia acontecer? Uma hora mais tarde, eu estava desamarrando o meu cardigã da minha cintura para que eu pudesse colocá―lo novamente, antes de bater na porta do arenito impressionante, no lado oeste superior, na minha frente. Apesar do meu vestido de verão da cor creme e rosa listrado, ser lisonjeiro, era pouco adequado para uma entrevista com as alças finas


e o decote. Tudo o que eu não era capaz de cobrir com o meu cardigã antes da porta se abrir. Um homem alto, de cabelo escuro com uma barba bem aparada ficou na minha frente. Seu terno preto, botão para baixo, a camisa foi desenhada sobre o peito muscular, porque um dos seus braços foi puxado pelas costas enquanto ele segurava a porta. Seu olhar escuro tomou conta de mim da cabeça aos pés, e eu senti o meu calor da pele em

resposta

ao

alargamento

em

seus

olhos

quando

eles

desembarcaram no meu peito. Ele sussurrou algo sob sua respiração, isto parecia que poderia ter sido italiano. Eu rapidamente coloquei meu cardigã e abotoei, bem consciente que o seu olhar permaneceu em mim o tempo todo. Quando eu levantei a cabeça mais uma vez, seus lábios estavam inclinados para cima em um sorriso que de alguma forma o fez ainda mais atraente. ― Anna Martin, eu presumo? Sua voz era profunda e ligeiramente

grossa, uma combinação perfeita para sua aparência. ― Sim, eu respondi, minha voz tremendo no final quando ele levantou

a mão aos lábios em vez de sacudi―la. ― Sou Niccolo DeLuca. Nic, ele apresentou―se, puxando―me para

dentro de casa e mantendo a posse de minha mão para me levar para um escritório na parte de trás. Eu deveria saber, mas ele era muito mais jovem do que eu esperava. Muito provavelmente ainda em seu início de vinte anos. Santo Parreira, o recrutador não estava brincando quando disse que ele era quente. Se alguma coisa, ele o tinha subestimado. Depois da minha experiência com o pai na minha terceira entrevista, eu estava compreensivelmente nervosa com a ideia de trabalhar para um único pai. Mas se Nic DeLuca


queria algo sexualmente de mim, me assediar, não tinha certeza se iria reclamar. ― Por favor, sente, ele apontou para um pequeno sofá de couro

marrom. Depois que ele me ajudou a me instalar, ele caiu sobre a cadeira correspondente que foi diagonalmente ao oposto de mim. Suas pernas eram longas o suficiente para que minha perna nua roçou suas calças. ― Obrigado por concordar em se encontrar comigo em tão pouco

tempo. ― Não foi um problema de todos. Eu tive uma reunião na agência, esta

manhã, então eu já estava fora de qualquer maneira, eu assegurei a ele. ― Minha mãe caiu e quebrou o braço cerca de um mês atrás, e isso

trouxe a minha atenção para o quanto ela faz para Sophia e eu. Infelizmente, seu médico decidiu que ela precisa de cirurgia, porque a ruptura não está se curando da maneira como ele gostaria. Assim, a necessidade de encontrar uma babá adequada para a minha filha é mais urgente do que nunca. Seus olhos suavizaram quando ele falou sobre sua mãe e filha, fazendo―o ainda mais atraente do que antes. Eu mentalmente me balancei, tentando superar sua atração magnética. ― Estou triste de ouvir sobre sua mãe. ― Obrigado. Ele piscou―me outro sorriso antes de começar a trabalhar. ― A agência enviou o seu currículo. Notei que até alguns meses atrás

você estava estudando para se tornar uma assistente física de terapia. Você decidiu não continuar com isso? Porque as horas que eu preciso


que você esteja disponível não são conducentes a um completo, ou mesmo a tempo parcial da carga horária. ― Não, eu decidi que não era para mim, então eu não vou voltar. ― O que fez você decidir tentar ser uma babá? ― Eu amo crianças, eu soltei sem jeito. ― Quero dizer, eu sempre fui boa com as crianças. Eu comecei sendo

babá quando eu tinha doze anos, me ofereci na creche da igreja por toda a escola e tinha planejado para me concentrar em pacientes pediátricos como um PTA. ― Você só passou um ano na faculdade. Eu estou esperando quem eu

contratar vai ficar por pelo menos vários anos. ― Sophia tem apenas seis anos e provavelmente irá crescer anexada a

sua babá. Eu não quero fazer qualquer mudança desnecessária para sua rotina, uma vez que está resolvido. Encontrar as palavras certas para explicar foi difícil. Nenhum dos meus amigos ou os poucos meninos que eu tinha tentado namoro no ensino médio compreendiam onde eu estava vindo. Ele tinha que ser feito, embora, por isso forcei as palavras da minha boca. ― Sair da escola da maneira que eu fiz, provavelmente, faz me parecer

esquisita, mas eu juro eu não sou. Ele só não era certo para mim, não é o que eu realmente estou procurando na vida. Pode fazer―me soar antiquada, mas o que realmente me vejo fazendo é ser esposa e mãe. Desde que eu não tenho encontrado o cara certo para mim, no entanto, ser uma babá faz sentido. Eu não posso prometer permanecer de babá para sempre com a Sophia, mas eu posso te dizer que eu sou leal. Eu provavelmente vou crescer como anexada a ela, como ela vai me anexar, e seria difícil deixá―la.


― Você está contratada.

Eu senti meu queixo cair quando eu me inclinei para ele. ― Mas você não tinha ainda verificado minhas referências ou nada, balbuciou. ― Eu não estou acostumado a ninguém questionar as minhas decisões.

Seu tom continha um traço de aço misturado com humor, por isso era difícil dizer se ele gostava que eu estava questionando―o, ou se eu nunca devesse fazê―lo novamente. ― Mas, é claro, a oferta está sujeita à verificação de antecedentes eu

vou correr em você. ― Desde que eu sempre fui uma a seguir as regras, eu não precisava

me preocupar que ele descobrisse qualquer coisa e encolhi os ombros. ― Eu gostaria que você volte para atender Sophia amanhã, depois que

eu tiver a chance de falar com ela sobre você. ― Isso vai ficar bem, eu concordei. ― E então, se tudo correr bem, eu vou querer que você se mova neste

fim de semana quando estou disponível para ajudar. ― Mover―me? Engoli em seco. ― Eu não sabia que isso era para uma

posição de moradia. ― É agora. Alguns dos meus choques devem ter se mostrado no meu

rosto. Não precisa se preocupar, no entanto. Não somente será que vamos ter você com a minha filha para agir como uma dama de companhia, mas a minha mãe vive no andar de cima. Eu não entendia exatamente o que ele quis dizer sobre a posição só agora ser uma moradia, mas eu encontrei―me concordando de qualquer maneira. Parecia que eu tinha encontrado a posição de babá que eu queria, só que era mais do que eu esperava.


Capítulo 2 Nic

― Caduto dalle Nuvole2, eu murmurei baixinho. A expressão de

surpresa tinha deslizado dos meus lábios involuntariamente quando eu abri minha porta da frente para encontrar a mulher mais linda que eu já vi. Não em no sentido tradicional, como um modelo de altura, em forma de Barbie. Esta mulher era todas as curvas e doçura uma combinação tão sexy, de repente eu estava lutando para não assustá―la afastando com uma ereção óbvia. De repente, tive um forte ódio para blusas de manga longa com botões na frente. Seu cabelo escuro, olhos verdes e pele cor de oliva insinuando uma herança italiana, e eu arquivei aquilo para mais tarde. Em um segundo derrame, eu não tinha dúvida de que a mulher era minha. Eu tinha tomado sua mão e levei―a de volta para meu escritório para uma "entrevista". Parecia o mais sensato de ação no momento. Eu não queria assustá―la. Não que eu a deixaria ir. Na verdade, quando ela falou sobre seu desejo de ser esposa e mãe, eu decidi levá―la conosco.

Surpreendentemente,

ela

não

tinha

tomado

muito

convincente, e eu tinha que sufocar um sorriso lascivo quando percebi que ela estava tão afetada por mim como eu estava por ela.

2

Caiu das nuvens


Peguei a mão dela mais uma vez, ajudando a sair de seu assento e orientando―a para a porta da frente. Eu levantei sua mão e escovei meus lábios sobre a pele sedosa na parte de trás. ― Até amanhã, mia dolce3.

Os olhos de Anna estavam arregalados e um pouco confusos, como ela balançou a cabeça, em seguida, virou―se para descer lentamente as escadas que levam à minha porta da frente. Quando chegou à calçada, ela olhou de volta para onde eu estava de pé, encostado no batente da porta, observando―a. Eu sorri e pisquei, imensamente satisfeito com o tom rosado que apareceu em suas bochechas. Maldição, ela estava linda e eu não podia esperar para obter um outro olhar para a exuberância debaixo de seu vestido e aprender o quão longe ela iria corar quando eu estivesse adorando seu corpo. E não se engane, ele estaria acontecendo em breve. Eu não perdi tempo ligando para a agência e informando―os da mudança de status para moradia e pedir para ela verificar o fundo para ser enviado por fax. Ele estava em minhas mãos menos de dez minutos mais tarde. Eu levantei a sobrancelha para o nome impresso na parte superior confirmando minhas suspeitas quanto à sua genealogia. Gianna. O nome combinava com ela. Ele era tão requintado quanto ela. Porque no mundo que ela iria usar Anna? Ocorreu―me então, ela era minha Gianna e só minha, enquanto toda a gente tem Anna. Eu mexi no meu assento, desconfortavelmente, meu pau definitivamente amando a ideia.

3

Meu doce


― Papai! A voz doce soou como um borrão de braços pequenos e

pernas, com o cabelo escuro fluindo para fora para trás, atirou―se em meus braços. Eu estava mesmo a tempo de pegá―la para cima e girar em torno dela. ― Como está o minha preziosa hoje? Perguntei para Sophia quando eu

bati um beijo em sua bochecha um pouco gorda. Ela riu e devolveu o gesto. ― Estou me sentindo bem hoje, posso ir ao parque? Ela piscou seus longos cílios para mim, seus olhos castanho―claros de largura e mendicância. ― Por favor? Como poderia alguém negar a essa menina preciosa alguma coisa? Olhei para o relógio, eu não tinha outra reunião até mais tarde à noite. ― Por que não? Todo o seu rosto se iluminou com seu sorriso e eu me

senti como o rei do mundo. Eu faria o que fosse preciso para ver um sorriso no rosto, sempre. Dias como estes, quase me fez esquecer aqueles onde seu rosto perfeito estava magro e pálido, quando ela tinha os olhos cor de uísque cheios de dor. Minha mãe mudou―se de seu apartamento para o quinto andar da nossa casa. Eu o tinha construído dois anos antes, quando meu pai faleceu. Ela sabendo que estava envelhecendo, e, eventualmente, as escadas seriam muito, eu tinha um elevador instalado, o que foi uma bênção para Sophia, que muitas vezes não têm a resistência para as escadas. Nossa casa estava em Central Park West, por isso, só tinha que atravessar a rua para sair do concreto para o verde exuberante para atmosfera pacífica do parque. Minha mãe e eu estabelecemos em um banco para assistir Sophia enquanto ela brincava no trepa―trepa. ― Como foi a entrevista, Niccolo? Ela perguntou.


Eu não tinha certeza de como responder, mas a honestidade parecia a melhor política, especialmente quando se tratava de minha mãe. Ninguém na família poderia fugir mentindo para Mamma Allegra. ― Eu a contratei. Mas, ela não será a babá de Sophia por muito tempo. Mãe começou rindo, e eu olhei seu caminho intrigado. ― Assim como seu pai, não é você Niccolo? ― Agradeço o elogio, Mamma, mas você se importaria de partilhar a

piada? Ela estendeu a mão e acariciou minha mão. ― Seu pai deu uma olhada em mim e no dia seguinte ele tinha arranjado um casamento com meu pai. Nossos pais eram certamente felizes para a aliança, mas não teria importância para o meu Lorenzo. Ele teria roubado ― me embora se eles não tivessem dado sua permissão. Sorte para ele, eu estava sonhando acordada depois dele e fui muito feliz em deixar que ele me varresse fora de meus pés. Eu sabia que meus pais tinham um casamento arranjado das sortes e que tinham sido profundamente no amor, enquanto eu podia me lembrar, mas eu não sabia o resto da história. ― Você não sabia que Papà, antes, que ele pediu sua mão? Ela balançou a cabeça. ― Ele trabalhou para sua família, e eu só o vi quando ele veio a nossa casa para negócios. Eu não deveria estar em qualquer lugar, mas uma vez eu peguei um vislumbre dele, eu pairava em segundo plano cada vez que ele estava lá. Ela riu de novo suavemente, mas seus olhos tristes. ― Eu sinto ele todos os dias. Ela me prendeu com um olhar. ― Se ela é a única, não a deixe escapar, Niccolo.


― Ela é e eu não vou, eu disse com firmeza. ― Ela vai voltar para

conhecer Sophia amanhã. Então eu estou movendo ela neste fim de semana. ― Em seu próprio quarto? Minha mãe perguntou, desconfiada. Criado

em uma devotada casa católica, família italiana, ela não aprovaria eu partilhar uma cama com uma mulher, muito menos um quarto antes de nós sermos casados. Eu não tinha tais escrúpulos e, enquanto eu respeitava profundamente minha mãe, era a minha casa, minhas regras. ― Por enquanto. Eu odiava decepcionar a minha mãe, mas eu estava

determinado a ter Gianna permanentemente em minha cama até o final da próxima semana. Passamos uma hora no parque, então eu levei as minhas meninas para casa, instruindo a minha mãe para descansar e deixar―me pedir pizza. Como esperado, ela estava chocada que iríamos comer pizza que ela não tinha cozinhado. Eu olhei apontando para o braço quebrado, e ela bufou, mas concordou. Enquanto comiam e assistiam a um filme, voltei para o meu escritório para uma chamada de conferência. ― Niccolo, você vai ter que tomar as rédeas em breve, eu estou ficando

velho demais para esta merda, disse meu tio, Antônio. Quando meu pai morreu, Sophia ficou extremamente doente e eu tinha apenas 20 anos de idade. Perguntei ao irmão mais velho do meu pai de intervir para ele até que eu estivesse pronto para tomar o seu lugar. Antônio nunca tinha tido qualquer desejo de conduzir os negócios da família. Ele tinha sido feliz na execução do negócio a frente da empresa


de transporte, o perfeitamente impecável e legítimo. Mas, ele tinha entendido e acordado. Dois anos mais tarde, ele foi lembrado por isso que ele nunca quis estar no lugar do meu pai e ele tinha sido depois de mim para tomar seu lugar. Eu sabia que meu tempo estava se esgotando. Mas agora, mais do que nunca, eu precisava de um pouco mais de tempo. Eu não poderia assumir até Gianna ser oficialmente minha. Eu queria um anel em seu dedo e uma bebê em sua barriga antes que ela descobrisse sobre o meu trabalho "real". Eu a aliviaria para a vida antes de abrir seus olhos para tudo. ― Eu conheci alguém, Antônio, eu disse em voz baixa. Houve um

momento de silêncio. ― Sério? Perguntou. ― Ela é minha. Mesmo que ela não saiba ainda.

Antônio riu. ― Há tanta coisa DeLuca em você, Nic. Tudo bem, eu sei que não vai demorar muito então. Vou te dar um pouco mais de tempo. ― Obrigado. Vejo você na próxima sexta―feira no encontro com a

O'Reilly.

Um

dedo―duro

que

tivemos

no

nosso

bolso

tinha

recentemente trazido ao nosso conhecimento que uma facção local da máfia irlandesa estava tentando tomar uma polegada do nosso território. Nós estávamos indo para tentar uma solução pacífica em primeiro lugar, mas eu sabia que este grupo, e eu não previ que isso aconteceria sem força. Se as coisas não vão bem, eu teria que contratar um segurança para Gianna e Sophia.

***


A campainha tocou e Sophia animou―se de onde estava a colorir na mesa da cozinha. Acenei para ela ficar parada enquanto eu fui para responder a intimação. Eu não percebi o quão tenso eu tinha sido até que eu vi Gianna de pé na varanda. Ela parecia nervosa, mas animada, e foi bonita como o inferno. Eu varri meus olhos por seu corpo suculento, tendo na elevação de seus amplos seios, pressionando contra o tecido da blusa branca. Sua cintura fina, quadris cheios e pernas longas (Apesar de sua altura, que ela tinha listado como cinco pés) aumentou a saia vermelha sedutora que ela estava vestindo. Eu olhei um pouco a barra, querendo que ela cresça mais. Quando meus olhos voltaram para os dela, suas bochechas estavam rosas e meu corpo formigava com a necessidade ansiosa de arrastá―la para dentro de mim e beijar a boca dela. ― Gianna, eu cumprimentei calmamente, mascarando a excitação

cantarolando no meu corpo. Maldição, ela era linda. Suas sobrancelhas se ergueram para o uso de seu nome completo. ― É Anna, corrigiu ela enquanto ela se movia para entrar. Virei―me para o lado, mas permaneci na entrada, obrigando―a a escovar por mim. O toque era demais. Ela agarrou sua mão e arrastou―a na esquina mais próxima. Eu me apoio na parede da minha sala de estar e agarro sua cintura com firmeza. Seus olhos esvoaçavam ao

redor apreensivos, mas, eventualmente, a piscinas

bloqueando para o meu olhar. ― Não para mim, eu disse a ela rispidamente. ― Para mim, e só para mim, você é minha Gianna.

verdes


Seus olhos se arregalaram um pouco, mas só vi ele por um segundo já que na próxima, meus lábios caíram para baixo nos dela.


Capítulo 3 Anna

Eu tinha sido beijada antes. Ou pelo menos eu pensei que tinha, até o momento da boca de Nic DeLuca reivindicado os meus lábios. Não havia nada, a estranheza usual de um primeiro beijo. Sem chance para eu me perguntar como devo manter minha cabeça, se eu gosto do bálsamo de morango nos meus lábios que coloquei mais cedo, ou se eu deveria separar meus lábios. Assim que seus lábios exuberantes encontraram os meus, eu engasguei de surpresa e ele assumiu o controle. Cabeça inclinada para a direita, sua língua varreu dentro em confusão com a minha. Seus dedos escavados na minha cintura, me puxando contra seu corpo e provando exatamente o quanto ele estava gostando do nosso beijo quando senti seu comprimento quente contra o meu estômago. No momento em que ele se afastou para roer os meus lábios, eu mal podia ver em linha reta, e muito menos sustentar por mim sem ele me manter em pé. Os beijos que eu tinha recebido tinham sido dos meninos, mas Nic DeLuca não era um garoto, ele era todo o homem. Uma vez que eu me firmei, uma de suas mãos escorregou da minha cintura, até a barra da minha saia. Eu estremeci quando ele deslizou pela minha coxa, o calor de sua palma queimando minha pele. – Se tivesse mais tempo, eu poderia vir a apreciar sua escolha da saia, mas minha filha está esperando por nós na cozinha.


Sua filha, que eu viria a conhecer e prontamente tinha esquecido quando ele tinha começado colocando seus lábios nos meus. ― Merda.

Sua profunda risada me fez perceber que eu tinha dito em voz alta e não apenas na minha cabeça. Senti o calor de um rubor subir no meu pescoço para o meu rosto. Ele passou o polegar em toda a minha maçã do rosto e ele olhou para mim. ― Tanta inocência, ele suspirou. ― É quase uma vergonha que você

encontrou o seu caminho até a minha porta. Ele não me deu a chance de perguntar o que ele queria dizer com sua declaração, entrelaçando os dedos nos meus e levando―me para fora da sala de estar e um corredor para a cozinha. Ele foi equipado com top de linha, aparelhos de aço inoxidável e brilhantes bancadas pretas, mas ainda parecia caseiro. Coloridos desenhos foram presos ao frigorífico, alguns pratos estavam na pia, e uma grande tigela de frutas estava no meio do contador. Eu mal tive tempo para apreciar a beleza da sala, meus olhos foram rapidamente atraídos para a menina com cabelo marrom longo, praticamente vibrando em sua cadeira na mesa enquanto ela olhava para nós com olhos castanhos brilhantes. ― E esta é ela, papai? Ela perguntou, sua voz alta com entusiasmo. ― Sim, minha preziosa. Esta é Anna. O sorriso que ele enviou ao seu

caminho, o seu amor por sua filha claro em seus olhos, fê―lo ainda mais atraente. ― Anna, esta é a minha menina, Sophia. ― Eu não sou mais um bebê, papai, Sophia disse, exasperada. ― Eu tenho quase sete anos.


― Seu aniversário não é por mais cinco meses, ele lembrou. ― Eu sei, ela suspirou. ― É por isso que eu tenho quase sete anos.

Ela era muito adorável. Eu ri com a resposta dela e a risada de nós duas rapidamente se juntou. ― Oh, eu vejo o que vai acontecer, ele resmungou exageradamente. ― Vocês duas vão juntar―se contra mim, não é?

Sophia e eu sorrimos uma para a outra, rindo ainda mais difícil. Uma vez que nossa risada morreu para baixo, eu dei de ombros para Nic e ofereci―lhe um sorriso de desculpas. ― O que posso dizer? Nós meninas precisam ficar juntas. ― Sim, papai, Sophia entrou na conversa. ― É uma coisa de menina, você não entenderia.

Sua resposta fez Nic rosnar de novo e partiu mais uma rodada de risos para mim, que era interrompida pelo toque de um telefone celular. ― Sinto muito, desculpou―se Nic depois de puxar seu telefone do bolso

da calça e olhando para baixo na tela. ― Eu estive esperando um telefonema sobre um assunto urgente e

preciso levar isso. ― Vá em frente. Eu mandei―o embora, puxando a cadeira ao lado de

Sophia para fora e caindo sobre ela. ― Sophia e eu vamos ficar bem. Parece que ela tem algumas belas fotos

aqui que ela pode me mostrar.


Houve um momento de silêncio constrangedor quando Nic deixou a sala, mas eu rapidamente o preenchi, pedindo Sophia sobre suas fotos. ― Este é um gatinho? ― Sim, ela suspirou. ― Eu realmente, realmente quero um, e papai disse que eu poderia ser

capaz de obter um em breve. Isto depende do que o médico diz para o meu próximo compromisso. Espero Dr. Declan dizer que eu estou melhor e papai me surpreender com um gatinho. ― Que tipo de gatinho que você quer? ― Um branco macio! Sua resposta foi muito rápida, como se ela tivesse

dado um lote de pensamento para ele. ― Ou um cinza, mas tem que ser super fofo. ― Eu vou ter certeza de dizer―lhe para olhar apenas gatinhos super

macios se você puder obter um, ok? ― Obrigado, disse ela docemente. ― Você é bem―vinda, mas eu amo gatinhos macios, também. ― Talvez você possa ajudar com o gatinho? Papai disse que você está

se movendo conosco. Na voz angélica de Sophia não tinha a menor nota de incerteza. ― Seu pai pensou que seria mais fácil para mim para ajudar a cuidar

de você, se eu fizer, mas só se você estiver tudo bem comigo vivendo aqui, eu a tranquilizei. ― Oh, eu estou! Ela deixou escapar. ― Mas eu não sei se você teve uma menina como eu em casa que ficaria

com saudades.


Eu saí da minha cadeira e cai de joelhos na frente dela, tomando as suas mãos nas minhas. ― Não, nada de meninas ou meninos para mim ainda. Se eu fizer, então

eu não seria capaz de morar com você. Eu me formei em ensino médio há um ano, mas eu ainda moro com minha mãe e meu pai. Tenho certeza de que vão sentir minha falta, mas eles sabem que é o tempo para eu sair de casa de qualquer maneira. ― Meu pai me teve quando ele estava na escola e quando ele viveu na

antiga casa de nonno e nonna. Sua admissão confirmou minha suposição anterior sobre a idade de Nic. ― Mas nós nos mudamos para fora quando eu tinha dois anos porque o papai queria ter uma casa para todos nós. Então, quando nonno morreu, ele disse para nonna que ele estava disposto a me compartilhar com ela, e ela foi morar no andar de cima e temos um elevador. Isso foi uma grande quantidade de informação a partir de uma tal boquinha. Eu não tinha certeza do que atacar primeiro, então eu fui com o assunto mais seguro. ― No elevador, hein? Eu adoraria você mostrar para mim. Na casa da minha mãe e meu pai não tem um desses. Ela inclinou a cabeça para mim. ― Eu não tenho uma mãe, apenas um papai e nonna. ― Eu estou trabalhando nisso, minha preziosa.

Eu pulei para os meus pés e virei, assustada com o som da voz de Nic. Para um grande cara, ele com certeza foi uma luz em seus pés. Eu não tinha ouvido ele voltar, mas certamente ele não tinha dito o que eu pensava. O pai único rico, quente, caindo de cabeça sobre os saltos


para a babá, à primeira vista, era algo que só aconteceu em romances, não na vida real. Mesmo que o fizesse, ele certamente não iria acontecer para mim. Eu balancei a cabeça para limpar meus pensamentos e me afastei de Sophia, que estava olhando para nós dois, seu olhar giratório de frente e para trás enquanto ela tinha um grande sorriso em seu rosto quando ela pegou em seu olhar determinado. ― Lamento dizer que eu preciso cortar nossa reunião curta. Tenho

assuntos de negócios que precisam da minha atenção e minha mãe está esperando por Sophia se juntar a ela no andar de cima antes de eu sair. Sophia mexeu―se na sua cadeira e atirou―se para as pernas de Nic, dando―lhe um abraço. ― Tchau, Papai.

Ele se inclinou e apertou um beijo no topo de sua cabeça. ― Tchau, minha preziosa. Não vou demorar muito. ― Ok, ela respondeu alegremente. Ela afastou―se dele e antes que eu

percebesse, ela foi arremessando―se em minha direção. Seus braços magros em volta da minha cintura quando ela apertou sua bochecha contra mim em um abraço. ― Tchau, Anna. Foi bom conhecê―la. ― Foi bom conhecer você também, querida.

Ela tinha ido em um flash, correndo embora, provavelmente para o elevador que ela me contou anteriormente. ― Isso foi bem, murmurou Nic, entrelaçando minha mão na sua, mais

uma vez. ― Ela fez, eu concordei quando ele me levou para o corredor e para a

porta. Meu olhar pousou na parede onde ele me beijou e eu quase perdi


o que estava dizendo quando eu me lembrava da sensação de seus lábios nos meu. ― Analisamos a sua verificação de antecedentes e referências da

agência, como você me instruiu a fazer, ele disse ironicamente. ― A julgar pelo abraço que ela lhe deu, você tem selo de aprovação de Sophia, também. Não há nada que faça você parar de se mover neste fim de semana. Será sábado de manhã de trabalho para você? ― E o nosso beijo? Isso certamente parecia ser algo que poderia me

impedir da mudança. Não é? Ele olhou para o relógio Rolex preto e prata amarrado ao seu pulso. ― Qualquer conversa sobre o beijo vai ter que esperar, porque eu não

posso sair tarde para esta reunião. Posso mandar um carro e homens para ajudá―la com suas posses. Sábado de manhã, às nove horas? ― Um carro? ― Sim, Gianna. Um carro, ele repetiu. ― Na verdade, você vai usar o meu agora para ir para sua casa para

que o meu motorista saiba onde ir para buscá―la e eu vou ter um associado da minha confiança para buscar―me a caminho de nossa reunião. Antes que eu soubesse o que estava acontecendo, eu estava empacotada no banco de trás de um carro negro reluzente. Quando o motorista parou em frente da casa de meu pai, eu percebi que ainda não tinha dado a ele o endereço. Ele já sabia como encontrar a casa. O que significava que realmente não tinha qualquer necessidade de lhe dizer para me levar para casa e Nic tinha bem conhecido ele. Homem sorrateiro.


Capítulo 4 Nic

― Brandon. Espere um segundo. Meu melhor amigo desde a infância

virou de onde ele tinha dirigido em direção à porta e caminhou de volta para mim. Ele também era o homem que iria entrar como meu número dois, quando eu finalmente assumisse. Ele parou ao lado da mesa e correu as mãos sobre o zumbido, preto cabelo, das mangas curtas em sua

camiseta

exibindo

suas

muitas

tatuagens.

Ele

parecia

definitivamente a parte do executor, e que usamos, frequentemente, na nossa vantagem. ― O que há, Nic? Eu acenei para ele tomar um banco e esperei até que era só ele e meu tio deixou no quarto comigo. ― Houve movimento na organização O'Reilly. Palavra é, alguém está tentando mover―se nas fileiras para assumir o DeLucas. Brandon correu as mãos frustradas sobre a cabeça e soltou um suspiro. ― Você conseguiu isso a partir de Silas? ― Entre outras fontes, Antônio confirmou. ― Eu não ponho muito nele se ele era só o cão de caça que bebia. Mas, a sua informação é geralmente correta e quando ouvi o mesmo a partir de um informante, eu sabia que precisava levar a sério. ― Um informante? Brandon repetiu incrédulo.


Não havia muito que Brandon não sabia sobre o negócio da família, mas o fato de que eu tinha sido abordado por alguém na família O'Reilly seis meses antes era um deles. Meu tio e eu fomos contatados por alguém que quer sair e, em troca de nossa ajuda, ela concordou em passar algum tempo atuando como nosso informante. Nós nunca teríamos perguntado isso a ela, mas ela estava ansiosa para iniciar seu pai do seu lugar como o chefe da organização para que ela pudesse ser completamente livre de seu tirânico reinado quando ela finalmente sair. Tanto quanto eu confiava em Brandon, eu não estava disposto a arriscar ninguém saber sobre Carly. A posição dela era muito precária e as informações que ela fornecia também eram vitais. Mas, com a forma como as coisas estavam se movendo, eu sabia que era hora de trazê―lo. ― Sinto muito que não lhe disse antes de agora, irmão, mas eu queria manter o círculo tão pequeno quanto possível. É a filha de Grady, Carly, essa situação está tão fodida, precisamos da sua ajuda. Ele balançou a cabeça, consciente de que sendo o número dois significava que ele não tem que lidar com cem por cento da treta, mas sempre disposto a ajudar, a eliminar a minha e a carga de Antônio. ― Eu estou movendo alguém comigo no sábado. Eu vou ter as mãos cheias com ela. Eu fui consciente do significado duplo em que a declaração foi dita e o sorriso de Antônio disse que estava também. ― Bem como proteção para Sophia e minha mãe. As sobrancelhas de Brandon disparou em sua linha do cabelo. ― Você decidiu que Sophia precisa de uma babá na sua casa? Você é louco?


Você vai ter um emprego o tempo inteiro apenas mantê―la longe do negócio da família. ― Vai ser a sua família em breve também, o rosto de Brandon afrouxou com surpresa. ― Mas você é direito, para o momento, eu gostaria de mantê―lo clara de tudo. É por isso que eu preciso da sua ajuda. Eu não posso ajudar sentindo como se a merda está prestes a bater no ventilador. Eu preciso de você para se tornar a sombra de Carly. Se você sentir o aroma mais ínfimo que ela está queimada, tem que tirá―la e levá―la e a esconder. Ela mais do que merece a nossa proteção. Ele concordou, ainda, parecendo um pouco em estado de choque. ― Tudo o que você precisar, cara. Você sabe que eu vou ter feito. Nós dois levantamos para apertar as mãos, as nossas mãos livres dando batida um no outro na parte de trás um par de vezes. ― Deixe―me pegar e ter Gianna resolvido, então eu quero que você venha conhecê―la. Se eu lhe trazer cedo demais, você vai assustar a merda fora dela, eu combino. Brandon virou e saiu rápido para fora da sala, rindo. ― Então, Antônio demorou, chamando minha atenção, ― movendo―a em tão pouco tempo? Seu sorriso traiu sua falta de surpresa. ― Mamma não está feliz sobre o regime de dormir, mas ela vai ter que viver com isso até eu chegar. Gianna vai se casar comigo. Desta vez, ele fez registrar um pequeno choque. ― Você está movendo―a para o seu quarto? ― Não no sábado, expliquei. ― Mas, eu tenho plenamente a intenção de engravidá―la o mais rapidamente possível, de modo que esse regime não vai durar muito.


Antônio começou a rir. ― Tão DeLuca, ele murmurou através de sua gargalhada. Dei de ombros com um sorriso. – É o que eles me dizem.

*** Eu parei abruptamente e olhei para a bunda mais perfeita do mundo. Gianna estava curvada colocando algumas coisas em uma gaveta da cômoda de carvalho em seu novo quarto. Todos os dias, eu tinha sido forçado a suportar a visão de suas longas pernas em calças de yoga apertadas e uma camiseta que manteve em escorregar de seu ombro para revelar um sutiã amarelo limão. Eu tinha forçado para baixo a necessidade de perfurar todos os outros que tem um vislumbre de sua pele cremosa. Tínhamos acabado de descarregar a última de suas caixas, e eu vim para cima para me certificar de que ela estava estabelecendo―se com tudo certo. Meus olhos se desviaram para a cama queen size na parede distante, era um grito distante da king de grandes dimensões no meu quarto, mas ainda estava tentando como o inferno. Especialmente desde que Sophia estava gastando a noite com ela e nonna. ― Gianna. Ela gritou, saltando para seus pés e girando ao redor. Sua mão voou para seu peito, puxando a minha atenção aos seus peitos incríveis como eles levantaram e caíram com ela em uma respiração rápida. ― Grilo Falante, Nic! Você assustou o inferno fora de mim! Eu ri e balancei a cabeça quando eu rondava em sua direção. Ela nunca foi muito tão foda e adorável. Eu queria que ela mudasse. Bem, com


exceção de trazer à tona a tigresa interior. Eu sabia que estaria lá no quarto. Seus olhos se abriram para discos enquanto eu fechava sobre ela, mas ela não recuou ou quebrou o contato visual. Sua língua rosa disparou para fora para molhar os lábios, e eu estava porra indo. Escorregando minhas mãos em volta sua cintura puxei―a contra o meu corpo. ― Você me tenta além de toda razão, dolce mia4. Baixei a cabeça para colocar meus lábios suavemente sobre o pescoço dela e minhas mãos viajaram mais para baixo até que eu coloquei sua bunda redonda em minhas palmas. ― Eu não gostei de todos vendo o que é somente para os meus olhos, Gianna, eu murmurei, beliscando sua pele. Ela estremeceu com um suspiro e eu sorri enquanto eu corria o meu nariz até sua orelha. ― Sua? Ela perguntou. Eu apertei minhas mãos apertado e empurrei minha pélvis para dentro dela, mostrando a ela o quanto eu a queria. ― Sim, Gianna. Minha, rosnei. ― Eu acho que essa ... calça, eu disse a palavra com escárnio ― precisa ser eliminada. Inclinando―se um pouco para trás, eu fiz a varredura do seu rosto para avaliar sua reação ao meu pedido flagrante. Eu iria abrandar se eu precisasse, no entanto, não havia nenhuma maneira que eu estava deixando ir. Ela parecia um pouco atordoada, mas seus olhos de musgo―verde estavam rodando com o desejo. Sim, mia dolce Gianna me queria tanto quanto eu ansiava por ela.

4

Meu doce.


Desta vez, quando minha cabeça inclinou para baixo, eu escovei meus lábios nos dela, antes de executar a minha língua ao longo da costura de seus lábios. Seu pequeno suspiro me deu minha abertura e eu mergulhei minha língua nos recessos quentes de sua boca. Só de pensar sobre o quanto mais quente a sua boca seria em torno de meu pau teve o zíper da minha calça jeans cavando minha ereção. Minhas mãos ainda firmemente em sua bunda, eu a levantei e coloquei sobre a cômoda, movendo―me para ficar entre suas pernas. Nossas bocas dançaram, nossos gemidos os únicos sons no quarto de outra forma tranquila. Eu estava pronto para levá―la para a direita então, afundar―me profundamente dentro de sua vagina, e, esperando, deixá―la com uma pequena parte de mim. Exceto, se eu estava certo, ela era uma inocente, e eu sabia que ela não estaria pronta ainda. ― Baby, eu sussurrei entre beijos. ― Me conte algo. Separando nossas bocas, vi sua expressão quando eu perguntei, ― Você é virgem? Suas bochechas tingidas de rosa e ela olhou para baixo, recusando―se a encontrar meus olhos. Eu adorava ver o flush em sua pele. Era sexy como o inferno. Mas, eu queria que ela soubesse que não havia nada para se envergonhar. Eu coloquei um dedo sob o queixo e levantei seu olhar para encontrar os meus, sorrindo gentilmente. ― Eu quero você de qualquer forma, mia dolce. Mas, se você é intocada, seria o maior presente que você poderia me dar, até que você esteja redonda com meu bebê. Gianna olhou chocada com as minhas palavras, por um momento, mas depois todo o seu rosto se iluminou como o dom. Ela parecia incrível,


e levou todo o meu controle para permanecer imóvel e terminar nossa conversa. ― Sim, ela respondeu timidamente. Uma onda de possessividade tomou conta de mim e eu rosnei quando eu levei seus lábios mais uma vez. Comecei a beijar meu caminho até a grande gola de sua camisa e a puxei para baixo com facilidade, revelando seu sutiã laçado amarelo. Parecia um reflexo de sua inocência e por uma fração de segundo, a dúvida entrou na minha mente, imaginando se ela estaria arruinada pela verdade de quem eu era. A visão de beleza me varreu a preocupação afastando tão rapidamente como tinha chegado. Eu avidamente olhei o sutiã preencher os seus peitos cheios, quase grande demais para o sutiã. Deslizando minhas mãos para cima no seu torso e sobre o peito, eu os cobri com as palmas das mãos. Em seguida, os movi para o sul, arrastei os copos para baixo com eles e seus mamilos cor de rosa apareceram, enrugado e pronto para a minha boca. Dobrei os joelhos levemente, me colocando ao nível dos olhos com os deliciosos picos e lambi em torno de um antes de sugar em minha boca. Gianna gemeu e derreteu em mim, suas mãos se aprofundaram em meu cabelo e segurando a cabeça para o peito dela. Eu belisquei e chupei até que ela estava mexendo sem descanso, com os joelhos apertando um pouco acima dos meus quadris. Depois de dar ao seu outro mamilo a mesma atenção, coloquei um pequeno beijo em cada ponta e comecei a se mover para o sul, mais uma vez, terminando de joelhos diante dela.


Não era hora de levá―la ainda, mas eu precisava de um sabor para me segurar mais. Eu estava sem paciência, então eu agarrei o tecido em ambos os lados da costura cobrindo sua buceta e puxei até que se desfez com um som alto. Gianna fez um pequeno som de surpresa, mas não protestou. Minha boca regada com a visão de sua correspondente calcinha amarela. Deslizando o laço de lado, eu grunhi para os lábios brilhantes de sua vagina. ― Olha como você está molhada, baby. Eu aposto que você tem gosto de céu. Ela choramingou e suas pernas instintivamente alargaram―se, trazendo um sorriso ao meu rosto. Minha menina estava implorando para mim, e eu não ia decepcioná―la. Inclinando, tomei uma longa lambida, lento, lambendo seus sucos, satisfeito quando ela se tornou ainda mais molhada e um gemido alto escapou. Olhei para cima para encontrá―la me observando atentamente, isso armou o meu desejo. ― Coloque as palmas das mãos atrás de você e incline―se para trás, mia dolce. Abra amplamente estas lindas pernas para mim. Ela fez como lhe foi dito e descobri ainda mais bem aparada buceta. Usando

minhas

mãos,

eu

empurrei

as

pernas

ainda

mais,

movendo―me para mais perto e usando meus ombros largos para mantê―la aberta para mim. Com meus dedos, eu abri os lábios e todo o sangue no meu corpo correu para o meu pau. Ele começou a pulsar, cada batida uma ameaça que poderia vir a qualquer momento. Fechei os olhos e fiz meu melhor para me acalmar. Reabri―os, e coloquei meu rosto no ápice de suas coxas e inalei profundamente. Ela cheirava como o açúcar, tão doce quando eu provei.


Eu mergulhei e comi dela, uma mistura de águas rasas e profundas lambidas, mordidelas e empurrando minha língua dentro dela. Dentro de minutos, ela estava chorando, seu corpo tenso e vibrando com energia. Um olhar em cima seu rosto e a confusão lá, um pouco de medo entre o olhar agudo de prazer, lembrou―me a trilhar cuidadosamente. Isso foi tudo novo para ela. Eu coloquei um beijo suave em sua parte interna da coxa e soprei levemente sobre seu sexo encharcado. ― Não tenha medo, mia dolce. Basta deixá―lo acontecer. Este é apenas o início do prazer que eu vou lhe mostrar. Eu aliviei um dedo dentro dela, gemendo com o aperto lá. Quando senti a resistência, eu parei, um rosnado rasgando dentro de mim eu imagino como seria mergulhar através dele com meu pau e fazendo―a totalmente minha. ― Eu não posso esperar para estalar esta cereja doce, a empurrar tão profundo em você, nós vamos ser um, e para derramar―me dentro de você sem proteção. Gianna foi perdida para mim por esse ponto, a cabeça jogada para trás, gritos de paixão caindo de seus lábios cada vez que eu empurrava para trás. Seu pequeno broto era rosa e duro, indicando quão perto estava. Voltando minha boca para seu calor, eu chupava seu clitóris duro, e, em seguida, o meu dedo, mais uma vez, desapareceu em sua vagina. Ela gritou e seu corpo começou a tremer incontrolavelmente. Eu usei o meu outro lado para continuar trabalhando seu clitóris enquanto eu me sentei de volta para que eu pudesse vê―la vir. Era sexy para caralho, e pela primeira vez desde que eu tinha sido um adolescente, eu explodi em minhas calças, meu orgasmo rasgando através de mim enquanto eu observava a minha mulher, sabendo que cada arrepio, cada gemido, era tudo por minha causa.


Capítulo 5 Anna Acordei na manhã de domingo, eu estava determinada a começar com uma base mais profissional do que eu passei o dia anterior. Não que isso seria difícil desde que eu tinha terminado com a boca do meu chefe por todo o meu corpo, e seus dedos dentro de mim enquanto eu experimentei o primeiro orgasmo que alguém tinha me dado. Depois que ele tinha rasgado as minhas calças de yoga e um dos meus pares favoritos de calcinha, foi um dos principais eufemismos para dizer meu primeiro dia como babá de Sophia não foi em tudo como eu esperava. Secretamente fantasiava sobre ele por dias? Talvez. Mas o esperado? Nem um pouco. Ele não tinha passado algum tempo com Sophia, exceto para dizer olá e obter um rápido abraço antes de desaparecer no andar de cima do apartamento de sua nonna para o dia. E noite. Nic tinha rondado o dia todo como um grande, animal selvagem, praticamente rosnando para os homens que ele havia contratado para me ajudar a mover―me. Ele exalava uma matéria primal de masculinidade que era impossível de ignorar. Toda vez que eu olhava para ele, seus olhos estavam em mim. A atenção dele foi intensa, feroz. Eu sabia que não deveria deixar que nada acontecesse entre nós, mas, em seguida, ele tinha me perseguido no meu quarto e todas as minhas boas intenções voaram para fora da janela.


Eu nunca tinha tido uma reação física tão forte por um cara. É por isso que eu não era apenas uma virgem, eu estava completamente intocada. Houve meninos bonitos no ensino médio e um par de caras atraentes na faculdade que tinham me pedido para sair. Mas nenhum deles tinha a mesma energia que Nic. Ele era lindo. Selvagem. Completamente sem vergonha de sua atração por mim. E ele atirou―me totalmente fora de equilíbrio a cada vez que eu estava perto dele. Mas hoje foi um novo dia, e eu estava indo fazer o meu melhor para esquecer o que era ter seus lábios nos meus mamilos e clitóris, a sensação de seu bigode suave nas minhas coxas. Seu dedo dentro mim. Danado! Balançando a cabeça para limpar a névoa sensual que Nic foi capaz de envolver em torno de mim por meros pensamentos dele, eu às pressas fui me vestindo, ficando pronta para começar meu dia. Retirando um vestido, eu ansiosamente olhei para um par de jeans. Após a destruição da minha calça de yoga ontem por Nic, um vestido provavelmente não era a escolha mais sábia de roupas porque iria dar―lhe um acesso mais fácil para o meu corpo. Nós estávamos começando a manhã fora na igreja, embora, e eu não poderia trazer―me a usar algo tão impróprio. Olhando para o relógio, notei quão cedo era, escovando meu cabelo, puxei―o para trás, indo para a cozinha, para iniciar esta manhã com o pé direito, fazendo para Sophia um pequeno―almoço. Verificando o meu reflexo no espelho acima do meu armário, eu balancei a cabeça em satisfação antes de sair pela porta. Eu fechei a porta silenciosamente atrás de mim e rastejei passando para o quarto de Nic na ponta dos pés. Eu não ouvi os sons de trás da porta, mas eu não confiava em ele não ter um radar interno que lhe dissesse que eu estava acordada e fora do meu quarto. Ou, para ser uma luz suficiente


na cama para me ouvir movendo―me no meu quarto, desde que nós dividimos uma parede. Sim, ele me colocou no quarto ao lado dele. Eu achei que era apenas um pouco menos chocante do que a maneira como ele me fez vir. Nic DeLuca vai ser um punhado. Cheguei na cozinha sem incidentes e à toa em até encontrar todos os ingredientes e ferramentas para fazer torradas. Eu cantarolava baixinho, perdida no conforto de algo que eu gostava e foi bom. Eu nem sequer notei Nic entrar na sala até que seus braços deslizaram em torno da minha cintura, me fazendo ganir com surpresa. ― Bom dia, belíssima, ele murmurou, sua respiração aquecendo meu ouvido. Sua voz causou arrepios na minha espinha. Ele era letal, e completamente injusto que um cara que tinha sua aparência também soasse tão sexy. O som dele falando em italiano foi o suficiente para fazer minha calcinha molhada. ― Bom dia, eu resmunguei, minha voz hesitante e insegura. Ele se aninhou contra o meu pescoço. ― Você olha e cheira bom o suficiente para comer. Ele mordiscou minha pele, fazendo―me guinchar em voz alta, antes de levantar a cabeça para olhar por cima do ombro para a panela no fogão. ― Mas eu acho que vou ter que satisfazer a minha fome com o café da manhã que você está me fazendo desde que Sophia e minha mãe vão estar aqui a qualquer minuto. ― Sua mãe? Engoli em seco, girando em seus braços para olhar para ele com surpresa durante a execução de minha mão na frente do meu vestido para suavizar as rugas que eu tinha conseguido desde que eu tinha saído.


― Não há necessidade de ter medo da minha mãe, Gianna. Ela está animada para conhecê―la. Ele provavelmente quis me tranquilizar, mas suas declarações só enviaram meu coração correndo mais. Se ela era animada para me encontrar, então eles devem ter falado sobre mim. Meu rosto aquecido com o pensamento de conhecê―la tão pouco tempo depois do que tinha acontecido no meu quarto ontem à noite. O humor nos olhos de Nic e o sorriso inclinando os lados de seus lábios me fez querer pisar o pé em frustração. Ele não parece no mínimo estar preocupado. ― Eu nunca conheci a mãe de um namorado antes, eu soltei, assim que as palavras deixaram a minha mão voando para cobrir minha boca enquanto eu tinha acabado de chama―lo de meu namorado. Quanto mais de uma idiota que eu poderia ser? Aparentemente, Nic tinha uma coisa para meninas dorky5 porque seus olhos estavam aquecidos e com um brilho possessivo. ― Bom, ele ronronou. ― Eu sou um homem ganancioso e quero todas as suas estreias para estar comigo. ― Dê a pobre moça algum espaço, Niccolo. Minha coluna endireitou ao som da voz feminina repreendendo Nic. Tentei afastar dele, para ligar e cumprimentar sua mãe, mas ele não me deixou ir muito longe. Em vez disso, ele envolveu um braço ao redor minha cintura e me levou até onde ela estava.

5

Dork é uma gíria dos EUA. A imagem estereotipada do Dork nos meios de comunicação e na ficção é a de um jovem que usa óculos de grau de aros pretos grossos (geralmente quebrados e reparados com fita isolante ou resina epoxi), protetores do bolso, calça curta e camisa ou a roupa demasiadamente formais para as circunstâncias.


― Bom dia, mamãe, ele murmurou, curvando―se para beijá―la na bochecha. ― Espero que você esteja com fome Gianna, porque ele se parece com o meu marido, eram feitas rabanadas o suficiente para alimentar um exército. Minhas bochechas ainda mais aquecidas, mas a mãe de Nic não me deu a chance de pensar sobre como seu filho tinha me apresentado a ela. Ela puxou―me para longe de Nic, seu olhar me varreu da cabeça aos pés, antes de um sorriso largo se espalhar através de seu rosto. ― Uma garota tão bonita. ― É bom conhecê―la, Sra. DeLuca. ― Por favor, me chame de Mamma Allegra, ela pediu, me envolvendo em um abraço caloroso antes de pisar embora e me dando tapinhas na bochecha. ― Não há necessidade de ser tão formal. ― Obrigado, eu respondi fracamente, perguntando ainda mais sobre o que Nic poderia ter dito a sua mãe sobre mim. Eu ampliei meus olhos para ele com espanto da forma como as boas―vindas da sua mãe estavam sendo, como ela mudou―se para o fogão. ― E ela cozinha! Exclamou ela, ajudando―me para obter a comida que eu tinha feito servida e placas na mesa. ― Mais do que alimentos de pequeno almoço? ― Sim, senhora. Ela levantou uma sobrancelha para mim e eu corri para me corrigir. ― Sim, Mamma Allegra. Eu adoro cozinhar. ― Estou tão feliz em saber que não terá de se preocupar com a propensão do meu filho para encomendar se eu não vou cozinhar para ele, o meu grande baby.


― Rabanada! Sophia gritou da porta, ainda vestida com seu pijama. Ela correu para a quarto e subiu em uma cadeira na mesa. ― Obrigado, Nonna. ― Não me agradeça, disse Allegra, acenando em minha direção. ― Gianna fez café da manhã para todos nós esta manhã. ― Anna, Nic corrigiu, praticamente rosnando para ela. ― Eu pensei que o nome dela era Gianna? Perguntou Allegra, seu olhar correndo entre nós dois. ― É, eu confirmei. ― Mas todo mundo me chama Anna. ― Exceto para o meu filho, ela murmurou, enviando―lhe um sorriso malicioso antes de sorrir para mim. ― Eu entendo completamente. Vou certificar de chamá―la de Anna partir de agora. Murmurei algo fraco, completamente confusa e incerta quanto ao que ela tinha entendido. Querendo uma maneira de sair da conversa, eu ajudei Sophia a cortar sua comida enquanto Allegra e Nic se sentaram. Uma vez que todos tinham seus pratos completos, eu me servi e estava prestes a sair da sala quando a mão de Nic sacou para agarrar meu cotovelo. ― Onde você pensa que está indo? ― Eu pensei que eu iria comer no meu quarto para dar à família um pouco de privacidade. ― Não ficará se escondendo longe de nós como um servo, ele resmungou. ― Você come com a gente. ― Isto é o que acontece quando você não espera por uma senhora que se sentasse como eu te ensinei a fazer, Allegra entrou na conversa,


fazendo Sophia rir em torno de um bocado de pão francês e aliviar um pouco da tensão. Nic se levantou de seu assento e me ajudou no meu, sua mão escorregando da minha parte inferior das costas a minha bunda e dando―lhe um aperto rápido ao longo do caminho. ― Você sabe como fazer panquecas com pedaços de chocolate neles? Sophia perguntou enquanto Nic sentava. Eu era grata pela distração que sua pergunta me deu e transformou toda a minha atenção para ela. ― Eu sei como fazer todo o tipo de panquecas. Pedaços de chocolate, mirtilo, banana. Mesmo maçã de caramelo queridos. ― Chip de chocolate é meu tipo favorito, mas eu gostaria de tentar os de maçã também. ― Vou fazê―los para você em breve, eu prometi, chegando com o meu guardanapo para limpar algum xarope de seu queixo. ― Muito bem feito, Niccolo, Allegra sussurrou, mas não em voz baixa o suficiente para que eu não ouvi―la. Levantei minha cabeça e peguei os dois olhando para Sophia e eu. Allegra tinha um olhar de aprovação em seu rosto, enquanto Nic parecia que ele queria me arrastar para a caverna mais próxima. Recusei―me a considerar o que tudo isso poderia significar. Agora não era o momento, então eu tinha arquivado tudo fora para consideração posterior, o melhor que eu podia, enquanto eu comia meu café da manhã. Nic insistiu em limpar a bagunça na cozinha, então eu o deixei enquanto eu ajudei Sophia chegar pronta para a igreja. Eu perdi a batalha para sentar na parte de trás do carro com Sophia quando Allegra insistiu que era mais confortável para ela no banco de trás. Eu


estava ultra consciente tanto eles montados atrás de nós quando Nic puxou minha mão do meu colo e entrelaçou os dedos com os meus na console central. Ele só deixou ir depois que ele estacionou o carro. Saí enquanto ele estava ajudando Sophia e Allegra, ganhando um olhar e um rosnado. ― Você espere por mim para abrir a porta para você a partir de agora, Gianna. Ele não esperou por uma resposta, levando todos nós para dentro da igreja. Nic fez um gesto para eu entrar e sentar em primeiro lugar no banco da igreja que era de sua família. Eu não poderia argumentar, ciente de todos os olhares dirigidos no nosso caminho. Ele seguiu atrás de mim, segurando Sophia em seu outro lado e sua mãe ao lado dela. A massa passou em um borrão, comigo mais ciente do calor do corpo de Nic roçando meu lado do que as palavras ditas pelo padre. E se eu estava indo para a confissão de hoje, eu teria um grande número de pecados a confessar. Tanto em ações e pensamentos. Saímos indo para os degraus da igreja antes que fossemos parados pelo sacerdote, que parou para falar com Allegra. ― E quem é esta linda jovem que tinha sentada com você hoje? Ele perguntou, seu olhar voltando em minha direção. A pergunta do padre foi dirigida para Allegra, mas Nic se colocou entre nós e respondeu por ela. ― Esta é a minha Gianna. Você pode chamá―la de Anna. ― Você sabe que ele fez um voto de celibato, Allegra riu suavemente. ― Bem―vinda à minha igreja. A atenção do padre virou―se de mim para Nic. ― Eu vou manter minha agenda como aberta quanto possível desde que eu espero que você tenha a necessidade de me ver em breve.


Capítulo 6 Nic

Gianna foi um pouco nervosa para o resto de domingo, evitando―me e passando a maior parte de seu tempo jogando com Sophia. Eu deixei ela fugir com ela porque eu gostava delas assistindo bond, sabendo que Gianna foi caindo no amor com a minha menina. Sophia a adorava e cada vez que minha preziosa sorriu, ela fortaleceu minha determinação para manter Gianna. Ela estava indo para fazer uma excelente mãe para nossos filhos. Eu fiz o meu melhor para não repetir constantemente o nosso tempo juntos em seu quarto. A sensação de sua pele macia, seus gritos de realização, a visão de seu rubor em sua pele cremosa. Domingo à noite, depois que todos tinham ido para seus aposentos, eu fui para uma corrida noturna, empurrando―me até que eu tinha certeza que eu iria cair de exaustão. Eu cheguei em casa e tentei esfriar o meu corpo e meus pensamentos com um banho gelado. Mas, eu era tão inquieto como eu tinha sido na noite anterior, sabendo que seu corpo delicioso era apenas uma parede longe de mim. Na segunda―feira, Gianna e eu levamos Sophia para a escola. Ela correu para o ônibus com tanta energia, eu quase podia esquecer que ela já tinha estado doente. Ela tinha sido diagnosticada com doença da artéria renal, quando ela tinha pouco mais de três anos de idade. Tinha sido difícil identificar a fonte de sua dor naquela idade, e sendo um rapaz

de

dezenove

anos

de

idade,

pai

solteiro,

tinha

sido

excepcionalmente áspero. A mãe de Sophia não possuía um único osso


maternal em seu corpo, e assim que Sophia nasceu, ela se foi. Nós não tínhamos ouvido ou visto―a desde então. Mas, Sophia e eu fomos excepcionalmente abençoados por ter os meus pais. Eles eram a minha rocha quando eu estava forçado a assistir a minha menina sofrer. Logo antes de meu pai passou, eles realizaram uma cirurgia para restaurar o fluxo de sangue para os rins dela e ela parecia estar muito melhor. No entanto, os médicos continuaram a acompanhar sua função renal, com medo de novos desenvolvimentos e danos a longo prazo para os rins dela. Apesar de sua exuberância da energia naquele dia, ela estava mais cansada do que o habitual e foi acerca de mim. Tomei Gianna de volta ao meu escritório e ela caminhou comigo através da história médica de Sophia, rotinas, e outras informações pertinentes. Eu joguei fatos sobre mim, assim como incentivando―a a sem saber a responder vários dos meus próprios. Depois de um par de horas, o meu estômago roncou e eu olhei para o meu relógio para ver que era apenas após meio―dia. ― O ônibus de Sophia vai deixá―la em cerca de duas horas. Eu sorri e me levantei, arredondando minha mesa para ajudá―la a partir de sua cadeira no outro lado. ― Vem, mia dolce. Vou levá―lo para o almoço. Gianna sacudiu a cabeça e deu um passo atrás, ganhando uma carranca escura. ― Você não tem que fazer isso. Eu amo cozinhar e você tem uma grande cozinha aqui. Eu acariciava seu rosto e lhe dei um sorriso suave. ― Estou feliz por ter você para cozinhar para a família, Gianna. Mas, às vezes, eu quero estragar a minha menina.


Ela piscou para mim, aparentemente confusa. Eu não tinha certeza se ela realmente sabia o que fazer com essa situação, ainda. Talvez eu não tivesse sido suficientemente claro. Agarrei sua cintura e puxei―a para frente para que eu pudesse envolvê―la em meus braços. ― Você é minha, Gianna. Estou mantendo você. A partir do momento que eu vi você em pé na minha varanda, fresca, enfrentado e inocente. Eu esfreguei o nariz contra o dela e sorri – E um pouco provocadora, vestir―se escondendo―se debaixo de um vestido. Baixei a cabeça para sussurrar em seu ouvido, meus lábios escovando a concha do seu ouvido. ― Somente como se estivesse escondendo a tigresa dentro, eu sei lá. Uma que só eu vou chegar a ver, a que eu vou libertar quando eu te foder. Ela engasgou e sua cabeça recuou, o rosto uma máscara de choque. Mas, mesmo depois de apenas alguns dias de conhecê―la, eu estava ciente de quanto eu poderia empurrá―la, e as minhas palavras grosseiras tinham causado um incêndio para queimar nas profundezas de seus olhos verdes. Beijei―a, pedindo―lhe para deixar o fogo crescer, para ser a sedutora que eu não podia esperar para explorar. Quando eu finalmente me forcei a parar, era porque eu era um fio de cabelo antes de dizer foda―se, e levá―la para a cama. Ela estava ofegante e seus olhos estavam colados aos meus lábios. ― A menos que você queira que isso aconteça logo porra, é melhor você lançar o seu burro fora desta sala e preparar―se para ir comer. Ela assentiu com a cabeça, ainda em um pouco de deslumbramento, e flutuou do quarto. Eu assisti seus quadris lindos e balançando de fundo, minha boca cheia de água com a visão. Eu estava perdendo a


batalha com a minha paciência, eu não podia esperar estar dentro dela e o que estava para acontecer, em breve. Após o almoço, decidimos pegar Sophia na escola e ir para casa. No caminho, eu recebi uma ligação de Antônio, informando―me que houve um incidente e que precisava da minha atenção imediata. Eu amaldiçoei silenciosamente, no tempo de merda e me desculpei com minhas meninas como eu tinha que sair de casa. Depois de dar para cada uma um beijo, Gianna ganhou um riso de Sophia, eu pisquei para elas e pulei de volta no carro de cabeça para o nosso armazém em Washington Heights. Quando entrei no prédio, houve gritos vindo da retaguarda. Corri de volta para lá e encontrei Brandon, Antônio, e dois dos nossos outros aplicadores em uma troca aquecida. Todos eles caíram em silêncio no momento em que me viram e uma sensação de mau agouro me cercou. ― O que aconteceu? Perguntei a Antônio calmamente. Ele esfregou as mãos para cima e para baixo no seu rosto, antes de olhar diretamente para mim, e de repente eu notei quão cansado seus olhos estavam. ― Um dos nossos embarques foi impulsionado a partir do armazém em Queens. Porra! Foi onde nós armazenamos a nossa carga mais sensível. Os itens que não eram exatamente legal. ― Quanto? ― Tudo, desde a entrega de sábado, Brandon respondeu sombriamente. Houve claramente alguma outra coisa por trás de sua raiva, então eu esperei com uma sobrancelha levantada alertando-o para se apressar a fala. ― Foi a O'Reillys, ele mordeu fora. ― Nosso motorista avistou―os


esvaziar o caminhão e se escondeu até que tivessem ido. Ele chamou reforço, mas chegamos lá muito tarde. Eu cocei meu queixo, em seguida, corri os dedos pela minha barba, enquanto eu estava ali, pensando. Alguma coisa não se sentia bem. "Essa expedição foi anormalmente grande, como foi que vocês não os alcançaram a tempo?" Brandon balançou a cabeça, concordando com a minha linha de pensamento. ― Ele obviamente não colocou uma chamada direita em nós. – E.. Ele parou e olhou para longe, seu rosto escurecendo com uma carranca feroz. ― E? Eu solicitei. ― Carly sabia sobre a expedição. Eu tinha certeza que o instinto da maioria das pessoas teria sido a aceitá―la imediatamente como a culpada, mas eu achei difícil acreditar que ela iria levantar um dedo para ajudar a família de alguma forma depois do que tinha contando―me sobre sua infância. ― Não foi Carly, eu disse, meu tom de voz mortal. Eu não estava a ser questionado e eles sabiam disso. Eu apontei para os outros dois homens na sala. ― Vocês dois, obtenham os seus ouvidos para o chão e descubram onde diabos nossa carga está. Olhei para eles com foco laser, a minha voz agora cheia de advertência. ― Obtenham de volta e certifique―se que eles saibam o que acontece com as pessoas que tentam nos foder. Eles murmuraram o meu acordo e saíram da sala, deixando os três de nós. Eu enfrentei Brandon, minha expressão transmitiu a seriedade do que eu estava prestes a dizer. ― É preciso aceitá―lo quando eu digo que


não era Carly, e se você não pode mantê―lo para si mesmo e fazer o que eu lhe digo. Capisci6? ― Sim, ele murmurou e andou até a porta, mas parou antes que ele estivesse no corredor e virando costas. ― Por que você não me avisou que ela era uma dor na bunda, stronzo7? Então ele se virou e foi. Eu poderia ter rido se a situação não fosse tão grave. Eu sabia o que estava por vir e que era hora de parar de colocá―lo de fora. ― Nós o olhamos fraco, Nic. Eu não estou destinado para isso e eles sabem disso. Suspirei e enfrentei meu tio. ― Eu sei. Eu sinto muito que eu o coloquei nessa posição. Você está certo, é hora. Entrei no meu lugar como o chefe desta família. Os olhos de Antônio brilharam com orgulho, e isso me fez sentir como um filho da puta por desejar que ele continuasse a liderar no meu lugar por apenas um pouco mais. Agora que eu tinha conhecido Gianna, seria ainda mais uma luta para esconder a natureza do meu negócio, quem eu realmente sou, até que ela fosse amarrada a mim para sempre. ― Seu pai ficaria orgulhoso de você, Nic. O homem que você se tornou, o pai maravilhoso, e ... ele piscou para mim, ― o marido que você está certamente prestes a ser. Ele se aproximou e me deu um tapinha enquanto caminhava até a porta. ― Vou chamar um encontro para amanhã à noite. Não temos quaisquer corridas agendadas e mais todo mundo vai poder assistir.

6 7

Você entende? Imbecil


Fui para casa com o peso do mundo sobre os meus ombros ainda, e eu percebi uma parte de mim foi pronto. Era hora de fazer o meu dever e chumbo. Ao longo dos próximos dias, eu estava incrivelmente ocupado com a transição. Eu encontrei tempo para passar com Sophia e Gianna, mas não foi tanto quanto eu gostaria. Eu esperava ter convencido Gianna para mover―se para o meu quarto até então, mas tudo que eu tinha sido capaz de realizar foram momentos roubados com beijos quentes e algumas carícias. Eu a tinha feito entrar um par de vezes, mas não foi o suficiente. O estresse do meu trabalho me fez precisar dela mais do que nunca. Eu desejava afundar dentro do calor dela e perder―me lá inteiramente. Finalmente, na sexta―feira, o carregamento foi localizado e os capangas que havia despojado o caminhão foram feitos de exemplo. Seus corpos foram entregues aos O'Reillys como uma mensagem. Eu sabia que isso significava que provavelmente isso acabaria em uma guerra,

mas

não

gostaríamos

de

ser

vulneráveis,

sem

uma

demonstração de força e poder. Como esperamos para o próximo passo, eu jurei me concentrar em Gianna, para realmente faze―la minha. Ela teve tempo suficiente para aceitar o que estava acontecendo. Sábado à noite, Sophia iria ficar com um amigo, e eu estava indo para usar todas as armas no meu arsenal para mostrar quem ela pertencia.


Capítulo 7 Anna ― Vou levá―la para jantar. Levou toda a minha energia para parar meus lábios de inclinar para cima em um sorriso com a forma como Nic pediu―me para jantar. Ele tinha totalmente pulado a parte de perguntas e me disse o que íamos fazer. Ele estava tão danado mandão e não tinha nada a ver com o fato de que ele realmente era meu chefe. ― É a primeira noite que eu tenho livre desde que me mudei. Talvez eu já tenha planos. ― Planos? Ele rosnou, rondando em minha direção. ― Eu tenho uma data quente com um pouco de xampu e condicionador, Eu brinquei em uma tentativa de aliviar o clima, desde que ele se parecia com um leão que estava pronto para atacar. Ele teve o efeito oposto do que pretendia. Os olhos de Nic queimando, aquecido com um desejo animalesco. Quando ele foi polegadas perto de mim, ele alcançou um dedo para fora, envolveu―o em torno de um longo cabelo, escuro e puxou. ― Se o seu cabelo precisa ser lavado, eu vou fazer isso para você. Engoli em seco com o pensamento de tomar banho com ele, com as mãos dele por todo meu corpo molhado e minhas mãos em todo o seu corpo. Era muito fácil imaginar―nos juntos sob uma corrente de água. Inclinei―me em sua mão, o punho desapertando, então minha


bochecha descansava contra a palma da mão. ― O jantar é provavelmente um plano melhor. ― Foda―se o jantar, ele murmurou, varrendo―me em seus braços e indo para seu quarto. ― Eu vou alimentá―la mais tarde. Ele me deixou cair no superdimensionado colchão e me seguiu. ― Eu tentei ir devagar, Gianna, ele rosnou no meu ouvido, me fazendo revirar os olhos, porque o ritmo em que ele mudou era tudo, menos lento. ― Eu queria dar―lhe tempo para esquentar a cabeça com o que está acontecendo entre nós, mas eu estou cansado de esperar. Eu não posso mais fazer isso. Eu preciso muito de você, então eu estou levando o que é meu. Sua

agressividade provavelmente deveria

ter sido

um grande

desligamento. Em vez disso, meu corpo traiu exatamente o quanto isso me

despertou. Meu

coração

disparou,

meus músculos foram

negligentes, e os meus lábios se separaram quando eu lutava para arrastar o ar em meus pulmões. E isso tudo antes dele beijar meu pescoço, raspando seus dentes levemente contra o ponto do meu pulso, antes de sugar a minha pele em sua boca com força suficiente. Eu sabia que iria deixar uma marca. Meu primeiro chupão. Eu ri baixinho e ele rosnou para o som, erguendo―se sobre um braço para libertar o outro para que ele pudesse puxar minha camisa para cima e sobre a cabeça. Meu sutiã rapidamente seguindo e meus seios estavam à mostra a sua visão e tato. Ele segurou um deles, rolando o mamilo entre o pontas dos dedos e tornando duro. Trilhando beijos pelo meu peito, ele chegou ao meu outro seio e passou a língua sobre o mamilo várias vezes antes de sugá―lo em sua boca.


― Nic, eu gemi, minhas costas arqueando enquanto eu corria meus dedos por seu cabelo escuro, tentando puxar sua boca mais perto de mim. Ele riu contra a minha pele, e desviou sua atenção para o outro lado. ― Por favor, eu soluçava. ― Eu adoro o som de seus gemidos, ele murmurou. ― Sabendo que eu sou o único que sempre vai ouvi―los. Eu não estava correndo dele, então eu desisti de tentar. Minhas mãos deslizaram de sua cabeça, ao longo de seus ombros e nas costas, traçando seus músculos com eles agrupados com seus movimentos. Quando foi descendo e beliscando a pele da minha barriga, eu me inclinei para fora da cama, minhas unhas cavando em sua pele. Eu estava desesperada para que ele movimentasse ainda mais baixo, bem consciente do prazer que sua boca era capaz de me dar. Nic levantou para olhar para mim, e o calor em seu olhar me fez queimar ainda mais quente. Abaixei―me, ele desabotoou minha calça jeans e deslizou para baixo o zíper antes de eu levantar meus quadris para que eu pudesse empurrá―los, juntamente com a minha calcinha, para baixo e chutá―los fora. Seu olhar varreu a minha forma nua, espalhada por baixo ele. ― Eu sou o único que consegue vê―la assim. Sempre. ― Talvez pudéssemos avançar a partir da parte que estávamos à procura do que fazer para a noite? Perguntei, sentindo um pouco atrevida, mas imediatamente um rubor aqueceu meu rosto. ― Então, impaciente, minha belíssima. Mas eu preciso de outro gosto de você em primeiro lugar, disse Nic.


Suas mãos estavam quentes enquanto segurava as pernas abertas. Quando ele se inclinou sobre minha buceta, eu senti sua respiração contra mim e empurrei meus quadris para acima. Seu controle apertado, e minha bunda desembarcou de volta no colchão. Eu contorcia debaixo dele, mas não consegui mover meus quadris para fora da cama com seu aperto em mim. ― Por favor, eu implorei. ― Minha, ele rosnou, sua língua passando rapidamente contra o meu clitóris. ― Sua, eu gemi, tentando, sem sucesso, abrir as pernas mais amplo. Ele arrastou a língua de um lado do lábio da minha buceta e fez do mesmo modo no outro, uma e outra vez, deixando―me louca. Ele alternava os furtos de sua língua com lambidas ao meu clitóris, facilitando fora cada vez que o meu corpo apertava o com prazer. Depois do que pareceu horas de tortura sem fim, ele passou a língua no meio e dirigiu para dentro de mim. ― Sim! Eu gritei, minhas mãos apertaram nas folhas como sua língua lanceou dentro e fora de mim. ― Tem um gosto tão bom, ele murmurou, deslizando uma das mãos em volta do meu quadril e pelo meu estômago até que ele descansou sobre o meu clitóris, tão levemente. Ele sacudiu―a suavemente uma vez, fez o meu quadril idiota. Quando ele o fez uma segunda vez, com um pouco mais de pressão, senti um aperto no fundo da minha barriga. E no terceiro, eu saí como um foguete. Nic me lambeu através do meu orgasmo, achatando sua língua e suavizando seu toque quando comecei a tremer no final. ― Minha nossa, eu sussurrei quando acabou, fazendo―o rir enquanto lambia ao longo da pele da parte interna da minha coxa.


Deitei inerte na cama, minhas pernas esparramadas, completamente nua com ele completamente vestido em cima de mim. ― Eu acho que você está um pouco vestido. ― Eu estou, Gianna, ele concordou, rapidamente tirando a camisa e calças, deixando―o em apenas um par de cuecas boxer com uma protuberância visivelmente dura. Era grande o suficiente e eu engoli em hesitação. ― Não fique nervosa, ele sussurrou, empurrando sua cueca para baixo. Seu pênis saltou livre, longo e difícil. Incrivelmente longo. ― Você é tão grande, eu respirei. ― Eu prometo que vai caber, mia dolce, ele jurou, seus dedos deslizando contra minha buceta. ― Você é tão molhada para mim. Nós não devemos ter quaisquer problemas. Mas deixe―me esticar para fora um pouco em primeiro lugar. Um de seus dedos bombeado para dentro de mim e eu choraminguei, mesmo enquanto eu ampliei minhas pernas. ― Você é tão apertada. Ele acrescentou um segundo dedo, trabalhando―os dentro e fora de mim. Me alongamento. Me preparando para ele. ― Eu preciso estar dentro de você, Gianna. Eu vou fazer isso bom para você, eu prometo, ele sussurrou em meus lábios antes de me beijar suavemente. ― Dê―se para mim agora. Por favor. ― Sim, eu gemi. Ele se afastou e olhou nos meus olhos. ― Não há como voltar atrás com isso. Você é minha, Gianna.


― Eu sei, eu sussurrei suavemente. Não havia como negar a maneira como ele me fez sentir. Isso foi mais do que atração física. Ele pode ser louco, mas eu estava me apaixonando por ele. Rápido. Uma de suas mãos segurou meu quadril e a outra agarrou a parte de trás da minha coxa. Eu instintivamente a envolvi em torno dele, a outra seguindo até que eu era capaz de bloquear meus tornozelos juntos. A dureza dele cutucou contra mim, e eu senti um pânico momentâneo. Então, ele estava pressionando em mim. Tão devagar. Centímetro a centímetro, dando―me tempo para me adaptar. Não doeu, não exatamente. Eu apenas senti esticada além do meu conforto, porque ele era tão grande. Depois que ele bateu contra a prova da minha inocência, ele se afastou um pouco e dirigiu em mim com um poderoso impulso de seus quadris. Em seguida, ele me machucou. Eu senti como se ele estivesse me rasgando em dois. ― Sinto muito, mia dolce, ele murmurou, beijando as lágrimas do meu rosto. ― Eu tentei prepará―la, para ser gentil. Eu deveria ter lhe dado mais tempo, mas eu quero muito de você. ― Você é muito grande, eu chorei. ― Eu vou faze―la sentir melhor, eu prometo. A absoluta sinceridade em sua voz acalma meu coração, mas fez muito pouco para a dor física que eu estava sentindo. Eu confiava nele para ir tão longe, então eu esperei, meus olhos fixos nos dele, enquanto meu corpo ajustava. Após alguns minutos, a dor diminuiu para uma dor que não demorou muito para se transformar em o menor formigamento de prazer quando minhas paredes se abriram, e ele deslizou mais profundo dentro.


― Mmm, eu gemi, balançando meus quadris e testando para ver se havia alguma dor. ― É uma sensação boa agora. ― Você sabe que você está no lugar certo, onde você pertence, Gianna. Você não acha? Eu derreti nele. ― Me diga que você conhece. Eu balancei a cabeça, incapaz de falar, mas sabendo que ele estava certo. Eu me senti com desespero para estar com ele que deveria me assustar. ― Eu queria fazer isso devagar pela primeira vez, Gianna. Mas eu não acho que eu posso agora. Porra, eu juro que vou compensá―lo, no entanto. Estendi a mão para descansar minha mão em sua bochecha. ― Está tudo bem, Nic. Tome o que você precisa de mim. Ele retirou―se lentamente, olhando meu rosto para qualquer sinal de dor. Quando não houve qualquer, ele bateu seu pau de volta para mim com um golpe duro. ― Tão fodidamente apertada, ele gemeu. ― Perfeita. ― Por favor, Nic. Eu preciso de mais, eu sussurrei, meu corpo apertando contra ele enquanto ele dirigia dentro e fora de mim. Ele levantou uma das minhas pernas e trouxe―o por cima do ombro para que ele pudesse ficar ainda mais profundo. ― Oh meu, eu respirei o quão longe ele foi com o novo ângulo. Ele bombeando para mim, duro e rápido, seus olhos trancados com os meus enquanto observava o orgasmo construir em mim. ― Eu acho que eu vou vir, eu soluçava. ― Venha para mim, ele me pediu. ― Agora, dolce mia.


Ele deixou cair a perna de seu ombro, e eu passei―a na cintura enquanto ele continuava a martelar em mim. Meus dedos se cravaram em sua bunda enquanto eu levantei meus quadris para encontrá―lo em cada impulso. E então eu voei sobre a borda novamente, apertando contra seu pau e levá―lo comigo. ― Uau, isso foi incrível, eu sussurrei quando meu coração parou de bater como um louco e eu podia falar novamente. ― Você é incrível, ele murmurou no meu ouvido, rolando de costas e me embalando contra seu

peito. Estamos ali juntos, corpos

entrelaçados, enquanto nós sussurrávamos para o outro antes de ele me puxar um banho. Ele me levou para o banheiro, aliviando―me na água, insistindo que eu precisava para acalmar quaisquer dores. Quando meu banho foi feito, eu mal podia ficar no meu próprio, caindo no sono assim que minha cabeça bateu no travesseiro. Eu acordei um par de horas mais tarde, atingindo um braço para Nic, mas o espaço ao meu lado estava vazio. Levantando―me em um cotovelo, eu encontrei um bilhete em seu travesseiro me dizendo que ele tinha sido chamado por uma emergência de trabalho. Foi no meio da noite, seus lençóis foram corados com a prova da minha virgindade que ele tinha tirado, e ele tinha sido forçado a deixar―me lá sozinha. Ele parecia mais tenso ultimamente, estressado com alguma coisa no trabalho. Deve ser muito ruim se o puxou de sua cama em um momento como este. Eu só queria que ele estivesse disposto a compartilhar um pouco da carga comigo.


Capítulo 8 Nic

― Que porra é essa? Eu gritei quando eu bati a porta do armazém fechada. ― Alguém tinha uma melhor porra louca para me arrastar para longe da minha mulher às três da manhã. ― Bem, então, eu acho que é melhor que eu morra, eu não deveria? Minha cabeça virou para o lado, como dois dos meus homens arrastaram Brandon através de outra porta. Ele estava apoiando―se em um enquanto ele mancava para a frente, sangue escorrendo de um ferimento na coxa. Corri e substitui um dos homens, gritando com eles para chamar um médico. Nós o levamos para uma sala nos fundos mantida para os guardas durante a noite e o deitei sobre uma velha cama do tamanho de solteiro. ― O que diabos aconteceu? Eu exigi, pegando uma faca e cortando a perna da calça de Brandon para avaliar os danos. Vendo que era apenas um arranhão em sua coxa, eu enviei uma oração de agradecimento Brandon suspirou, mas quando ele não falou imediatamente, eu olhei para cima para encontrar sua expressão estranha uma mistura de vergonha e raiva, que era quase cômico. Ele olhou para o teto enquanto ele gritou fora, ― Carly atirou em mim. Choque quase me bateu na minha bunda. De maneira nenhuma. ― Carly nos traiu? Eu resmunguei.


A expressão de Brandon ficou ainda mais negra. ― Não, ela atirou em mim porque eu insinuei que ela possa ter nos traído. Eu balancei a cabeça um pouco, ainda confuso. ― Brandon, você me tirou de uma cama quente com a mulher dos meus sonhos de merda, assim você poderia me dizer que levou um tiro por ser um idiota? ― Não, filho da puta, Brandon resmungou, ― É por isso que, ele apontou para Freddy e Enzo chamaram. ― Liguei para você, porque, enquanto Carly estava ameaçando atirar em mim por ser um idiota, o tiro só fui fora porque alguém atirou em nós em primeiro lugar. Pavor me encheu. ― O que aconteceu? ― Ela correu para longe de mim. E deixe―me dizer―lhe, quando eu colocar minhas mãos sobre ela, eu vou levá―la por cima do meu joelho e bater em sua bunda. O punho de Brandon bateu contra a parede quando ele terminou. ― Bran!, eu gritei, ― Foco. Que diabos está acontecendo? Quem atirou em Carly? ― Eu não acho que eles estavam apontando para ela. Isto foi dito por Freddy quando ele abriu a porta para outro homem para entrar na pequena sala. O mais velho, careca, um homem corpulento era um médico que eu tinha conhecido desde que eu era criança. Doutor tinha sido amigo de meu pai, e ele era o único que pediu que se tivesse lesões, um hospital deveria ser evitado. ― Mova―se, rapaz. Vamos ver o que este está reclamando. Eu estava a deixá―lo, observando Brandon resmungar com Doutor por um segundo antes de virar um sério olhar em mim.


― Eu estava com Carly, não, ele levantou a mão, vendo claramente a minha intenção de pergunta: ― nós não temos tempo para isso agora. Eu levantei uma sobrancelha, mas o deixei continuar. ― Freddy e Enzo tem que apenas no tempo de ver aquele merda do Darby correndo. ― Quer parar de abanar, rapaz? Doc estalou. ― Você precisa de pontos e eu prefiro não costurar as suas bolas em vez de a ferida. Doc sorriu. ― Embora esses podem ser muito bem murcho e fora do meu caminho. Ouvir dizer que você foi atingido por uma pequena dama. Brandon revirou os olhos. ― Pelo amor de... Eu estava pronto para atirar em alguém, eu. ― Silêncio! Eu explodi. Virei―me para Enzo, que tinha sido calmo todo esse tempo, não é de surpreender. Ele foi geralmente mais visto do que se ouviu. Mas, esta foi a razão pela qual eu olhei para ele por respostas. Muitas vezes ele viu mais do que a maioria e foi deliberado em seus pensamentos quando vocalizado. ― Explique. Enzo cruzou os braços e encostou―se na porta (sanfonada) geleia, seu corpo apenas metade no quarto aglomerado. ― Freddy e eu tínhamos acabado de sair de turno no bar e fomos tomar uma bebida quando ouvimos um par de pequenos merdas falando sobre uma recompensa Pat O'Reilly, apenas colocar para fora para a captura de qualquer DeLuca. A raiva ferveu dentro de mim, mas eu fiquei em silêncio, sabendo que não havia mais. ― Darby, seu filho mais novo, estava pendurado com o grupo, e eu o vi esgueirar―se por trás. Ele era a embalagem, de modo que o segui. Eu não sei se ele sabia onde Brandon estaria, ou se foi por acaso, mas ele


parou diante da casa de Bran e se escondeu no mato. Houve uma discussão muito alta acontecendo lá dentro, olhos de Enzo cortando para Brandon, que fez uma careta em regresso. ― E quando entrou Bran na vista, Darby levou um tiro antes que pudéssemos chegar até ele. Ele é um tiro pobre mijo e ele foi à loucura, mas quando ouvimos o segundo tiro e Bran desceu, nós apressamos para casa para chegar até ele. As rodas em minha mente estavam girando cem milhas por hora. O que Carly tinha vindo a fazer na casa de Brandon era uma pergunta para outro dia. O que eu estava mais preocupado era a probabilidade que Darby viu sua irmã no interior. ― Será que Darby a viu? Eu dirigi minha pergunta para Brandon, raiva com a situação e colocando uma mordida de preocupação na minha voz. Ele balançou a cabeça lentamente. ― É por isso que ela atirou. Ela não quis ouvir quando eu lhe disse que era melhor para ela para ficar comigo. Eu não podia ir exatamente atrás dela. Ela me xingou ao inferno e voltou, então rapidamente a tirei de lá. Ele parou e seus olhos corriam para longe, relutantes em continuar. Andei até a cabeça da cama e fui direto em seu rosto, cansado de suas evasivas. ― Pare de brincadeira e diga―me o resto. ― A coisa é, ele disse hesitante, ― ela veio me dizer sobre a recompensa. ― Pelo amor de merda, Brandon! Eu gritei. ― Darby, provavelmente, disse a Pat por agora, e ela está lá fora por sua própria conta, porque você não poderia fazer o que foi especificamente dito para fazer e manter sua boca fechada, porra?


Os lábios de Brandon apertaram em uma linha fina, mas sua expressão não deu nenhuma indicação de que ele irá pensar de outra forma. ― Eu vou encontrá―la. Olhei em seus olhos e acenei com a cabeça quando vi a convicção lá. Isto foi além do dever, embora, eu me preocupava com o que poderia ter suscitado entre os dois. Falando de faíscas, eu estava pronto para voltar para Gianna, mas eu sabia que ia ficar preso para limpar este grupo fudido para o resto da noite. Doc terminou a perna de Brandon e disse―lhe para descansar um pouco, mas ficou claro que ele não tinha intenção de seguir a sugestão. Assim que ele podia, ele estava fora da porta. Eu despachei Freddy e Enzo para obter um par de outros caras e colocar seu ouvido no chão. Eu queria saber tudo o que havia para saber sobre a recompensa e até onde a palavra foi sendo espalhada. Para contanto que eu conseguia lembrar, nós tínhamos feito o nosso melhor para manter nossa família e negócios em um estado de paz com as outras gangues locais, ou do que você quiser chamá―los. Desde que meu pai morreu, Pat O'Reilly estava tentando agitar a merda entre as famílias. Mas agora ele tinha ido longe demais. Era hora de me preparar para a etapa acima, e considerando o estado frágil do meu relacionamento com Gianna, naquele momento, era apenas mais um motivo para estar fora de seu sangue. Voltei para casa e silenciosamente fiz o meu caminho para o segundo andar. Quando passei quarto de Sophia, eu espiei e olhei para a cama vazia, cheia de bonecas. Ela era minha princesa, a luz da minha vida, e agora eu tinha uma outra mulher que era tão preciosa. Ambas precisavam de ser protegidas.


Continuando ao meu próprio quarto, preenchido até a minha cama e olhei para a bela mulher que dormia pacificamente. Seu cabelo escuro estava espalhado por trás dela e ela estava do seu lado, enrolado em volta do meu travesseiro, o lençol mergulhando baixo, mostrando a extensão suave e cremosa de suas costas. Eu ansiava para escorregar em seu lugar, mas havia trabalho a ser feito. Inclinando―me, sussurrei um beijo em frente seus lábios, em seguida, desci as escadas para o meu escritório. Comecei por enviar um e―mail para um colega de trabalho da mina. Ele correu uma empresa de segurança e entre outras coisas, ele forneceu segurança privada. Eu queria guarda―costas de Gianna e Sophia, primeira coisa. Então entrei em contato com os compradores de nossos próximos dois carregamentos e mudei a hora e o local das vendas. Eu ainda estava trabalhando quando o sol apareceu e algum tempo depois, uma batida na porta do meu escritório atraiu minha atenção. ― Entre. Antônio entrou para o quarto, principalmente fechando a porta atrás de si antes de tomar um assento na cadeira em frente a mim. ― Precisamos de uma demonstração de liderança, Niccolo, disse ele a sério. ― É uma coisa a dizer à família, mas é hora de deixar claro para todo mundo. Precisamos de uma resposta a este desafio de O'Reilly. Faço claro para você que não é uma tarefa simples, e ninguém se mete com os DeLucas. Suspirei e passei a mão na minha barba, coçando o queixo, e pensei. ― Eu prefiro não iniciar uma guerra, Antônio. Eu não quero a vida de minha família, qualquer um deles, colocada em mais perigo do meu trabalho.


Antônio balançou a cabeça lentamente. ― Eu entendo, Nic. Mas, eles estão em perigo ainda maior se você parecer fraco. ― Você tem uma sugestão? Ele deu de ombros, com uma expressão de arrependimento em seu rosto. ― Infelizmente, isso vai ter que ser tudo de você. Eu nunca fui cortado, para isso, Nic. Eu só sei que é hora de tomar uma posição, e para esta família sobreviver, ele não pode ser eu conduzindo a carga. Eu sabia que ele estava certo. Eu ia ter que ser extremamente cuidadoso e estratégico se eu queria manter a paz. ― Você não disse a ela ainda? A voz de Antônio não era censura, apenas curioso, mas a culpa me assustou de qualquer maneira. ― Não. Eu realmente não posso evitá―lo por mais tempo. Com tudo o que tal grupo fodido, ela é obrigada a descobrir e eu quero que ela ouça isso de mim. Minha voz endureceu com determinação. ― Eu não vou deixá―la ir. Antônio balançou a cabeça e abriu a boca para dizer algo, mas foi cortada pelo som da campainha. Olhei para o meu relógio e vi que era um pouco depois das sete. ― Eu não quero que quem quer que esteja acordando Gianna, eu disse enquanto me levantei e caminhei ao redor da mesa. Antônio levantou―se também e acariciou minhas costas quando passei por ele. ― Eu preciso ir de qualquer maneira. Falaremos outra vez. Entramos na sala de volta, e enquanto eu me dirigi para a porta da frente, Antônio foi até a cozinha e à esquerda pela porta de trás. Na outra extremidade do nosso pequeno pátio era um portão para um beco, e havia um lado pista de uma quadra que atravessava duas ruas.


Ele viveu apenas dez quarteirões de distância, por isso, sair pela volta pegamos casa um pouco mais rápido. Eu ouvi o murmúrio de vozes a partir da frente da casa e franzi a testa, irritado que a pessoa tinha acordado Gianna. Eu tinha usado ela na noite anterior e ela precisava de descanso. Atingindo a sala da frente, eu reconheci a voz de Carly. Minhas emoções estavam em guerra, uma parte feliz de ver que ela estava bem, e a outra com raiva, não querendo Gianna em qualquer lugar próximo a bagunça que Carly foi envolvida. Virei a esquina bem a tempo de ouvir Carly dizer: ― A fofoca está se espalhando sobre você. Mas, eu tenho que dizer, você não é o que eu esperava. Você parece muito inocente para estar com o cruel chefe da máfia local. E gritou a uma parada. ― Oh merda!

.......... Continua.


Perigo Máfia Ties # 2 Anna Martin estava procurando um emprego como babá, mas ela encontrou mais do que ela esperava, quando ela se apaixonou pelo pai solteiro Nic DeLuca. Quando ela descobre que ele é um chefe da máfia, sua cabeça lhe diz para correr, mas seu coração lhe diz para ficar. Com sua filha no hospital, Anna ficará ao lado dele quando ele mais precisa. Mas quando o perigo surge em suas vidas, será que eles vão conseguir encontrar a felicidade juntos?

Atenção: o romance de Nic & Anna é uma história de três partes, mas não há *cliffhangers de relacionamento.


*Uma história ou uma situação que é emocionante porque o seu fim ou resultado é incerto até que isso aconteça

Blog: http://portale―books.blogspot.com.br Página no Facebook: https://www.facebook.com/portalebooks

Visite―nos!

Deception (mafia ties #1) pee  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you