Page 1

1


2


LUCY Há um amor tão forte que não pode ser medido. Um coração tão forte que nunca será lento. Há uma promessa tão certa que nunca poderá ser desmentida. Ele me prometeu que o amor era para sempre. Mesmo quando não fosse o suficiente. CAMERON Para sempre. Eternamente. Não há nenhuma medida de tempo. Nenhum som de tique-taque de um relógio. Apenas a ascensão e a queda do sol. E o nosso próprio para sempre. Mas talvez o nosso para sempre não seja eterno...

3


Para todos os meus leitores. Sempre.

4


PRÓLOGO CAMERON Minha mãe me disse que não há absolutamente nenhuma dor pior do que a do trabalho de parto. Por 16 horas, ela disse que passou por um inferno absoluto. Ela brinca que às vezes se pergunta se valeu a pena. Eu chamo besteira. Eu digo que nada, absolutamente nada, pode ser pior do que ser atingido no pau por um taco de beisebol. Os olhos de Lincoln ficam enormes enquanto ele faz uma careta. "Eu sinto muito, Cam." Estou dobrado sobre mim mesmo, muito preocupado com a dor abaixo do meu estômago. Às vezes, há um atraso com a dor. Mas não desta vez. Desta vez foi instantânea. Eu tento falar, mas não sai nada. Parece que ele quer chorar e eu quero assegurar-lhe que está tudo bem, mas eu não posso. Liam, irmão gêmeo de Lincoln, está rindo. O pequeno punk. Eu vou ter a certeza de dar mais trabalho para ele no próximo treino. "Cam, você está bem?" Eu tento me levanta, mas isso só piora a dor. "Sim, amigo. Eu só tenho que deixar passar." "Eu juro que não vi você atrás de mim." Há pânico claro em sua voz e por um segundo eu quero dizer a mim mesmo para parar com isso e deixar de ser um maricas, mas eu não posso fazer isso. A dor é muito impressionante. Liam ainda está rindo pra caramba. Meus olhos se estreitam para ele, e Lincoln deve perceber, porque ele se vira para seu irmão e o empurra com força suficiente para que ele caia no chão. Isso faz a risada de Liam parar. Ele se levanta e espana a sujeira do seu uniforme. "Nós devemos ir, Linc, nós somos os últimos aqui." Lincoln olha em volta. Assim como eu. Liam estava certo, todo mundo se foi. "Eu só vou ajudar Cam a arrumar tudo." Lincoln responde, pegando o saco de equipamentos da equipe e lançando os capacetes e o bastão de beisebol perto

5


dos meus pés. Ele olha para mim de novo, e eu posso ver como realmente ele sente muito. Levantando-me a altura total, e faço o meu melhor para ignorar a dor. "Está tudo bem, Linc. Sério, isso é passado agora." Não é, mas ele não precisa saber disso. Ele termina de arrumar tudo de qualquer maneira, e me entrega a bolsa; é maior do que ele. Eu pego-a de suas mãos e olho em volta novamente. "Sua mãe ou seu pai que vêm buscar vocês?" "Nah." Diz Liam, o riso e diversão se foram agora. "Lucy está aqui." "Lucy?" "A nossa irmã." Explica Lincoln. Ambos olham para as arquibancadas. Eu sigo os seus olhares. Uma garota solitária estava sentada no banco do fundo. Algo liso, preto e retangular está na sua mão, como uma espécie de tablet eu acho. Seus olhos estavam focados nele, enquanto seu pé balançava um carrinho de bebê para trás e para frente. Isso me parece estranho, porque a garota me parece familiar. Ela está na minha classe. Ela é uma estudante do segundo ano e tem um bebê? Coisas assim não acontecem em nossa cidade e se isso acontecesse, eu saberia. Todo mundo saberia. "Lucy!" Liam grita. Ela não olha para cima. "Lucy!" Lincoln faz o mesmo. Ainda assim, seus olhos não se levantam, mas o pé continua balançando o carrinho. "Luce!" Liam grita novamente. Nada.

6


Meus olhos se estreitam antes de olhar para os meninos. "A sua irmã... uh... é deficiente auditivo?" Ambos soltam um bufo simultâneo. "Não." Responde Lincoln, puxando o boné ainda mais para baixo na sua cabeça e olha para mim. Seus olhos rolam quando ele diz. "Ela só está lendo." *** Ela aparece em cada jogo nas próximas seis semanas. Toda semana ela parece mais triste, como se a vida estivesse lentamente sugado-a. E sabe como eu sei de tudo isso? Porque enquanto ela estar lendo em modo preocupado... Eu estou preocupado lendo ela.

LUCY Lachlan chorou todo o caminho para casa, o que significava que eu tinha que levá-lo com uma mão e empurrar o carrinho com a outra, o tempo todo tentando me certificar de que Lincoln e Liam não saíssem para estrada. O que seria bom, mas eu acidentalmente coloquei em suas lancheiras *Kool-Aid, em vez de suas bebidas esportivas e tornou tudo um pouco louco. Vou me lembrar na próxima vez de mantê-los afastados do açúcar. Lachlan ainda está chorando quando meu pai desce as escadas e entra na cozinha. Ele se oferece para pegá-lo de minhas mãos, mas eu posso ver em seus olhos o quão cansado ele estar. Digo-lhe que estou bem, e mando ele se sentar. Ele não tem saído de seu quarto muito ultimamente, o que é um sinal de que as coisas estão piorando. Os médicos disseram que era normal que as coisas piorassem antes de melhorarem. Pergunto-me por um momento, se os médicos têm um livro de provérbios clichês que eles usam para tentar justificar a saúde. Um riso amargo tenta escapar, mas eu consigo segurá-lo, enquanto assisto meu pai sentar á mesa de jantar, com as mãos já cobrindo seu rosto antes que ele estivesse totalmente sentado. *Kool-Aid é uma marca de suco em pó, controlada pela Kraft Foods. Foi inventado por Edwin Perkins em Hastings, Nebraska.

7


Ouço os sinais sonoros do microondas e retiro a mamadeira de Lachlan. Silêncio enche meus ouvidos. Eu tento me lembrar da última vez que não ouvir nada. Em uma casa com nove pessoas, o silêncio é raro. Minha mente se perde em alguns pensamentos por um breve momento até ouvir um suspiro do papai. "Está ficando pior, Luce." Sua voz estava profunda. "O médico veio fazer um atendimento em casa. Isso não parece bem." Ele descobre o rosto e olha para mim agora, seus olhos vermelhos por causa da falta de sono ou das lágrimas querendo saírem, mas muito provavelmente ambos. "Quão mais?" São duas palavras. Duas palavras que afetam toda a minha vida. "Três meses." Três meses. Eu paro de respirar. Lachlan chora e começa a jorrar leite através da sua tosse. Papai se levanta e o pega de mim. Eu saio da cozinha e vou para o banheiro. E vomito. Três meses. Quando termino, ligo a torneira e lavo minha boca, em seguida, olho para mim mesmo no espelho. Segurando a borda da pia, eu estou péssima. Faço isso mais algumas vezes até que a cor volta para o meu rosto. "Fodidamente cresça, Lucy." Eu sussurro. "Você tem quinze anos. Pare de agir como uma criança." Alguns minutos se passam e eu finalmente encontro forças para abrir a porta e sair. Papai está esperando com os braços cruzados sobre o peito. Sem Lachlan. "Ele adormeceu nos meus braços, eu o coloquei no berço para tirar um cochilo." Ele responde a minha pergunta não formulada. "Você está bem, garota?" Nesse mesmo o riso amargo da tentativa anterior tenta escapar novamente. E mais uma vez, eu consigo segurá-lo. Porque mesmo que ele se referisse a mim como uma, eu não sou uma garota. Longe disso.

8


"Eu estou bem." Eu minto. "O calor de estar do lado de fora do campo acabou comigo. Eu estou bem." Repito. Sua cabeça pende para o lado e os olhos apertados, avaliando-me. "Eu estou bem." Eu minto, pela terceira vez. Passo por ele e subo as escadas, indo para o único quarto que posso estar neste momento. Ela está acordada, mas está tão fora de si, que pode muito bem não estar. Eu amaldiçôo, esperando que ela já fosse morrer. Esperando que isso fosse tirar sua dor. Não só para ela, mas para todos nós. Esperar que alguém morra tem que ser a piada mais cruel do mundo. "Lucy." Ela suspira. "Como você está?" Eu finjo um sorriso. "Tudo bem." Quatro "Tudo bem". Quatro mentiras. Ela corresponde ao meu sorriso falso e dá um tapinha na cama ao seu lado. Eu chuto meus sapatos, deito-me e puxo meu e-reader debaixo do travesseiro. Ela solta um suspiro, ao mesmo tempo em que eu o ligo. Nem sei porque eu me incomodava em pegá-lo. Eu sei toda a história que ela quer que eu leia para ela. Eu sei palavra por palavra. Eu lia para ela todos os dias desde o dia em que os médicos disseram que ela tinha câncer. Eu inalo profundamente. "As quatro irmãs March sentaram-se na sala de estar..." *** Minha mãe se apaixonou por leitura depois que ela leu *Little Women. Eu me apaixonei pela leitura depois que ela leu para mim. Ela disse que queria que eu crescesse com uma casa cheia de irmãs. Acabei com seis irmãozinhos. Quando mamãe e papai nos contaram a sua curta história, mas doce. Eles se conheceram no dia da formatura da faculdade, de alguma forma, nunca tinham se encontrado antes disso. Duas semanas mais tarde, eles tornaram oficial. Dois meses depois, eles se casaram. *Little Women é um livro de inspiração autobiográfica de Louisa May Alcott publicado em 1868. Conta a história de quatro irmãs crescendo entre 1861 e 1865, durante a Guerra Civil Americana. Teve uma seqüência chamada "Good Wives" em 1869.

9


Destino. É tudo sobre o destino, Lucy. Isso é o que ela sempre dizia para mim. E eu acredito nisso. Eles nos deram todos os nomes que começam com L. Porque L (Love) representa amor. E o amor é algo que deve ser lembrado todos os dias. Eu engulo o nó já formado em minha garganta e viro a cabeça para encará-la. Ela está dormindo. Ela provavelmente tem estado assim por mais de uma hora e eu não tinha percebido. Beijo sua testa e digo o que costumo dizer logo antes de sair do seu quarto. "Eu te amo. Adeus." Sempre adeus. Porque eu não sei se vão ser as últimas palavras que eu vou dizer a ela. Silenciosamente, sem querer ser notada, eu ando para o meu quarto e vou para o meu banheiro, fecho a porta atrás de mim. Inclino-me contra ela e deslizo para baixo até que minha bunda batesse no chão. Eu choro com tanta força que acabo vomitando de novo. E eu não me importo com isso. Porque enquanto minha mãe está morrendo á duas portas de mim, vomitar é a única coisa que me faz sentir viva.

10


CAPÍTULO 01 LUCY Pelo menos a espera acabou. Esse é o pensamento que corre pela minha cabeça durante todo o funeral. Ela se foi, e tudo o que posso pensar é o alívio que eu não tenho mais que acordar todos os dias e me pergunta quando. A família do meu pai está aqui e eles estão me ajudando a cuidar dos meninos. Nós enxugamos suas lágrimas, e os seguramos quando eles choram, assegurando-lhes que ela vai ficar bem, mesmo quando não temos ideia do que vai acontecer. Ninguém cuida de mim. Ninguém. Nem mesmo meu pai. Ele não consegue nem cuidar de si mesmo.

CAMERON Se um coração partido tinha um rosto, o dela seria ele. Observo-a durante todo o funeral, assim como a vejo agora, andando ao redor de sua casa cumprimentando a todos com um sorriso falso. Eu sei que é falso porque a sua mãe se foi, seu pai está uma bagunça, e ela tem seis irmãos para cuidar. Neste momento, não há luz no fim do túnel. Nenhuma alegria na face da tragédia. É por isso que acho estranho que ela não tenha derramado nem uma lágrima. Nem uma. Seu irmão recém nascido vomita sobre ela e ela nem sequer reclama. Simplesmente entrega o bebê para uma mulher e sai da sala. Espero ela voltar depois de alguns minutos, mas ela não volta. E uma onda de pânico passa através de mim. Eu não sei por que isso me afeta tanto. Por que ela me afeta tanto. Mas eu tenho que encontrá-la. Eu tenho que ter certeza de que ela está bem.

11


Ela está de costa na lavanderia, sacudindo os ombros para cima e para baixo. Então, de repente, ela se endireita, como se soubesse que alguém estava assistindo-a. Suas mãos sobem para seu rosto antes que ela se virasse lentamente. Há uma calma em seus olhos que não parece justificável... Como uma calmaria antes da tempestade. E então acontece — a tempestade. Seu rosto muda e eu sei que a represa está prestes a quebrar. Meu coração acelera, minhas mãos suam — porque não posso ficar e assistir a este acontecimento. E mesmo que eu possa ver o quão duro ela tenta segurar um soluço que acaba escapando. Eu dou alguns passos para chegar até ela. "Lucy." Eu sussurro. Ela joga os braços em volta do meu pescoço e me puxa para ela, chorando no meu peito. Ela chora tanto que parece que é a primeira vez que faz isso. Talvez seja. Eu silenciosamente seguro-a até que ela acabe. Há algo sobre a maneira como ela estar em meus braços. Como talvez que a calma nos seus olhos de mais cedo poderia ser justificada. Talvez eu pudesse ser sua calma. Eu quero ser sua calma. Quando ela acaba, ela dá um passo para trás, limpando o rosto. Então ela sorri, aquele mesmo sorriso falso que ela deu para todo mundo. Ela acena com a cabeça uma vez e passa por mim. "Lucy." Eu sussurro novamente, desta vez para mim mesmo. Eu tento o meu melhor para ler-la enquanto ela se afasta. *** Eu gostaria de ter conversado com ela. Eu gostaria de ter as palavras certas. Mesmo agora, enquanto estou na sua porta da frente, suando como um porco por causa do passeio de bicicleta depois da escola — eu ainda não consigo pensar em nada para dizer. Já faz alguns dias desde o funeral. Hoje foi o primeiro dia em que ela estava de volta na escola. Não que eu estava prestando atenção ou me perguntando onde ela estava, porque eu não estava.

12


Bato três vezes, mas ninguém responde. Eu posso ouvir as crianças gritando e gritando. Alguém pode até estar chorando. Eu bato de novo e a porta se abre. Uma das crianças mais jovem olha para mim, com as sobrancelhas arqueadas, mas ele não diz uma palavra. "Onde está Lucy?" Pergunto-lhe. Ele abre a porta ainda mais e aponta para a cozinha, então foge. Se eu fosse um assassino, eles estariam todos mortos. * Ela está de pé no balcão com comida em todos os lugares, mas não é isso que eu noto. São as lágrimas sem fim que caem dos seus olhos. Ela olha para cima quando eu entro, com a mesma expressão que seu irmãozinho tinha quando ele abriu a porta. "Quem é você?" Eu ignoro a irritação por ela não se lembrar. Ou me reconhecer. Ou o fato de que ela mal me olha enquanto enxuga o rosto e continua o que estava fazendo. As crianças vêm para a cozinha, correndo em círculos ao redor do balcão. Eles são altos. E irritantes. Ela deixa cair o que está em suas mãos e espalma as mãos sobre o balcão. Seus olhos fechados enquanto ela inala um enorme suspiro. E eu posso sentir — a tempestade está vindo. Pego uma das crianças pelo braço. "Onde está o seu pai?" É o mesmo garoto da porta da frente. Ele aponta para cima e se solta do meu aperto, e depois foge. "Quem é você?" Ela diz novamente. "Cameron." Ela olha para cima e eu juro; o tempo para quando nossos olhares se encontram. Em seguida, uma criança grita e ele quebra o que diabos aconteceu entre nós. "Eu só quero que isso pare." Ela sussurra. Eu não sei se ela disse para mim ou para si mesmo, mas seja qual for a razão, eu quero fazer parar. Levando meus dedos á minha boca, eu assobio. Alto. Meu olhar nunca a deixa.

13


Silêncio. Seus olhos se arregalam. "Quem é você?" Ela diz, pela terceira vez. "Cameron." Repito. Desta vez, mais lento e mais alto. Talvez o meu primeiro instinto esteja certo, talvez ela seja deficiente auditivo. Ela balança a cabeça, o canto dos lábios se puxando. "Não, eu quero dizer que sei que Cameron é o seu nome. Mas quem é você? O que você está fazendo na minha casa?" Lincoln fala por mim: "Ele é o nosso treinador." Os meninos estão de pé na cozinha agora. Eu nem tinha notado quando eles entraram. Eu me volto para Lucy e arregaço minhas mangas. "Você precisa de ajuda?" Seus olhos se estreitam e os lábios se formam em uma linha. "Eu não sei quem você é ou o que você está fazendo aqui, mas estamos bem. Nós não precisamos da sua ajuda." Não sei qual a reação que eu esperava dela, mas não era essa. Antes que eu tivesse a chance de responder, o choro de um bebê nos interrompe. Ela solta um grunhido frustrado antes de lavar as mãos e ir embora. "Oi Cam!" Lincoln diz, com o mesmo sorriso de sempre. Gostaria de saber se ele compreende plenamente o fato de que sua mãe está morta. Se foi. Para sempre. "Ei cara." Eu tento manter o meu nível de voz para que ele não visse o quanto tenho pena dele agora. "O que você acha que podemos fazer para ajudar a sua irmã um pouco?" "Basta ficar fora do caminho dela." Diz o garoto mais velho. "Ela não quer a nossa ajuda." Concordo com a cabeça. Faz sentido agora sua reação a mim. Eu dou uma olhada em cada um deles e tento justificar o que estou fazendo aqui. Mas não há nenhuma razão, e agora, eu acho que realmente não importa.

14


Olho pela janela da cozinha, para seu quintal sem fim. "Vocês têm alguma coisa que podemos usar para bases? Poderíamos sair, rebater algumas bolas, agarrar algumas—" Os garotos saem pela porta de trás antes que eu possa terminar minha frase. Eu os sigo, não querendo esperar que ela me pedisse para sair novamente. Minutos depois a porta dos fundos se abre e ela põe a cabeça para fora. "Vocês têm lição de casa." Ela grita, segurando seu irmão mais novo em seus braços. Os mais velhos gemem, mas não discutem; eles apenas entram de volta para dentro da casa, um por um. "Desculpe-me." Eu digo a ela. "Eu não sabia." "Você não sabe muita coisa." Ela diz, fechando a porta. "Ela está triste." Olho para Liam, que estava a poucos metros na minha frente. "Todos nós estamos." "Está tudo bem." Eu tento consolá-lo: "Vocês estão autorizados a ficarem tristes." "Mas ela está realmente triste. Ela fica tão triste que fica doente."

15


CAPÍTULO 02 LUCY "Tem um cara que não para de olhar para você." Eu escuto Claudia falar e espero que ela não toque nesse assunto novamente. Eu nem sei de que cara que ela está se referindo, mas não me importo. Ela suspira antes de perguntar: "O que você está lendo?" Só agora percebo que o meu e-reader na minha mão está ligado, palavras exibidas... mas não vou lê-las. Minha mente está muito ocupada com outras coisas. Como o fato de que eu coloquei um cookie a mais na merenda do Lincoln e não fiz o mesmo na do Liam, que em última análise significa que quando eu for buscá-los, um deles vai estar com o olho roxo. Ótimo. Ela suspira novamente e isso me puxa dos meus pensamentos. "Eu tenho algo para lhe dizer." Diz, o tom da sua voz muda. Ela não está falando de rapazes mais. Então deve ser algo mais. Meus olhos se levantam e encontram os dela, ela amarra o cabelo em um rabo de cavalo. Depois pega uma folha que cai da arvore acima de nós, examina ambos os lados antes amassá-la em sua mão. "Estamos nos mudando." "Onde?" Espero que isso não signifique muito longe, porque Claudia é a minha melhor amiga — minha única amiga. "New Jersey." Meu coração cai. Eu faço um cálculo rápido na minha cabeça de quão distante esteja em um raio de distância. Oito horas, mais ou menos. "Você não pode dirigir oito horas para a escola e vice-versa." Ela sorri tristemente. "Estamos saindo neste fim de semana, Lucy. Sinto muito. Eu sei disso há um mês. Deveria ter dito, mas você tinha tanta coisa acontecendo com a sua mãe, e sua família, eu não sabia como dizer isso para você."

16


Lágrimas instantaneamente caem dos meus olhos. Eu pego o meu sanduíche, apenas para tentar fazer outra coisa, mas a visão faz meu estômago revirar. "Está tudo bem." Eu digo a ela. "Eu estou bem." O que é mais uma mentira, certo? "Eu tenho que usar o banheiro. Vejo você depois da aula." "Oh." Ela diz surpresa. "Ok." Eu fico de pé rapidamente. Muito rapidamente. Minha cabeça gira e eu me sinto fraca. E então acontece. Eu desmaio.

CAMERON Vejo-a ficar de pé antes de cair lentamente no chão. Seus joelhos primeiro, depois o resto dela. Parece que eu deveria ter chegado até ela antes, mas segundos de pânico ocorreu antes da minha mente retroceder. E o resto é um borrão. Sua amiga está sobre nós, enquanto eu descanso sua cabeça em meu colo. "O que aconteceu?" Logan pergunta a sua amiga. "Eu não sei." Ela está tão apavorada quanto eu, se não pior. "Ela está desidratada?" Logan pega o que parece ser um sanduíche. "Isto é dela? Ela comeu?" Eu não sei por que me irrita tanto que Logan esteja fazendo todas as perguntas certas e tudo o que eu posso fazer é olhar para ela. Ela está respirando, então eu acho que é alguma coisa. Ele cai de joelhos do seu outro lado e derrama água da sua garrafa em sua mão, então ele passa em sua testa e em seu couro cabeludo. "Ela está bem, cara?" Jake pergunta. Ele é novo na cidade e tem um sotaque estranho, mas Logan diz que ele é legal por isso o mantêm por perto.

17


Logan faz a coisa da água novamente, e desta vez seus olhos lentamente se abrem. E solto a respiração que estava segurando. "Está tudo bem." Logan diz a ela. "Você simplesmente desmaiou." Ele está perto demais do seu rosto agora, e eu quero lhe dar um soco por ele ser a primeira coisa que ela vê quando abre os olhos. Eu estava aqui primeiro; Eu era o único observando-a quando ela caiu. Deveria ter sido eu. Ela senta-se de forma rápida e passa a mão na cabeça, os olhos se movendo lentamente ao seu redor. A campainha toca, mas ninguém faz um movimento para sair. "Eu estou bem." Ela diz em voz baixa. "Eu tenho um teste." Sua amiga diz fazendo uma careta. "Você tem certeza que está bem?" Ela acena com a cabeça, mas olha para o chão. Todo mundo sai. Todos, menos eu. "Você deveria ir para aula." Ela diz. E então vai embora. *** Espero perto do seu armário depois da aula. Eu sei onde fica seu armário porque no dia seguinte os seus irmãos me disseram onde era, eu comecei a notar-lhe muito mais. Admito que não foi a primeira vez que eu tinha reparado nela. Eu já tinha visto-a na escola, mas nós andamos em círculos diferentes, tínhamos interesses diferentes. Eu sempre achei que ela era bonita, um pouco magra, mas ainda bonita. Ela aparece logo após o sinal, tento alcançá-la, mas ela é mais rápida. E então eu faço algo totalmente absurdo; eu a sigo. Eu não sigo-a porque estou perseguindo-a. Sigo-a, porque quero ter certeza de que ela chegue em casa a salvo.

18


Sabe uma coisa que é realmente difícil de fazer? Andar de bicicleta e seguir alguém que está andando. Ela anda rápido, mas é difícil pedalar lentamente atrás de alguém e não chamar atenção. Ela acaba no ensino fundamental e pega seus irmãos. Eles esperam no ponto de ônibus por alguns minutos antes do ônibus chega e todos eles irem. Eu os assisto irem. E então pedalo como um louco, tomando um atalho pela floresta em direção a sua casa. No momento em que começo a chegar a sua garagem, minhas pernas estão queimando. E então percebo que estou em pé no meio do seu caminho, que é, no mínimo, dois hectares de distância de qualquer outra pessoa... e eu não tenho absolutamente nenhuma razão para estar aqui. Lincoln me vê primeiro. "Ei Cam!" Ele grita casualmente. Entro em pânico. "Sabemos que é um adeus esta semana... se é por isso que você está aqui." Salvo. "É... é por isso que estou aqui." Ele sorri antes de acenar. "Tchau Cam!" Todos eles caminham de cabeça baixa para sua garagem. Ela me vê, mas não se incomoda nem mesmo em fingir um sorriso. Isso não me incomoda, o que me incomoda é que ela não tem absolutamente nenhum indício de reconhecimento em seus olhos. Eu fui para sua casa. Eu estava no funeral da sua mãe. Segurei-a quando ela desmaiou, e depois de quatro horas ela não me reconheceu. Aposto que ela está pensando em Logan. Aquele idiota. Eu deveria ter dado um soco nele como queria. "Espere!" Ela se encolhe. Por que ela se encolhe? "Entrem em casa." Ela ordena aos meninos. Ela assiste todos entrarem antes de se virar para mim. "Qual é o seu nome?"

19


Juro por Deus, eu quero dar um soco em Logan e nem sei por que, mas eu sinto que ele é o motivo pelo qual ela não se lembra de mim. Eu tento manter o meu nível de voz, mesmo que por dentro eu quero sacudi-la para que ela se lembre de mim. "Cameron." "Certo." Ela acena com a cabeça. "Cameron." Ela cruza os braços sobre o peito. "O que você quer?" "Eu disse a você ontem. Eu quero ajudar." Seus olhos se estreitam. Seus dentes se apertam. Mas de alguma forma ela consegue dizer: "Eu lhe disse ontem que não preciso da sua ajuda." Eu dou de ombros. Não tenho ideia do que diabos fazer. Estou nervoso. E ela me assusta. "Por quê?" Ela pergunta. "Por quê?" Eu pergunto incrédulo. "Sim. Por quê?" Ela dá um passo para frente, deixando seus braços cairem ao lado do corpo. "Você é uma daquelas pessoas da igreja... ou você está tentando se redimir para compensar algum pecado que não consegue se livrar? É isso, Cameron? Temos cara de quem precisa de ajuda? Você acha que eu preciso de ajuda?" "Sim." Digo antes que eu possa me conter. Seus ombros caem e pela primeira vez vejo algo nela além da força, ou da tristeza. Vulnerabilidade. E medo. Ela está com medo. "Honestamente, sim." Eu repito, testando as águas. Abro a boca para continuar, mas ela me corta. "Tudo bem." Ela suspira. Então se vira e caminha em direção à casa. Eu lentamente sigo-a, sabendo também que eu não tenho nenhuma porra de ideia do que diabos estou fazendo. *** Os próximos três dias, ela me ignora completamente. Ela nem me cumprimenta. Não fala comigo. Nunca diz o meu nome. Nunca me reconhece. Eu deveria estar chateado, mas eu não estou. Porque naqueles três dias, eu percebi uma coisa. Eu não estava lá para ela mais; Eu estava lá para os seus

20


irmãos também. E, independentemente dela mostrar ou admiti isso, ela precisa de ajuda. Todos eles precisam. No quarto dia, ela fez algo que eu nunca esperava. "Você está convidado para ficar para o jantar, eu fiz muito." É isso aí. Isso é tudo o que ela diz. E mesmo que seja de passagem, eu sei o esforço que foi preciso para que ela oferecesse isso. Estamos todos sentados à mesa de jantar gigante, enquanto os meninos conversam entre si. Ela lê, e eu leio ela. E é assim que eu passo as próximas semanas. Todos os dias, ela fala mais algumas palavras para mim, e cada dia eu me encontro cuidando mais do que devia. *** Seco o último prato na pia antes dela tirá-lo das minhas mãos e colocá-lo no fogão. Limpando minha garganta, eu digo: "Então, eu queria perguntar algo para você." Ela acena com a cabeça, seu olhar nunca se levanta. "Estava me perguntando se eu poderia trazer o meu Xbox amanhã... ver se ele pode entreter os meninos um pouco." Eu me amaldiçôo pelos meus nervos que saem na minha voz. "É só que estou ficando para trás na minha lição de casa e pensei—" Seus olhos fixam em mim. "Você não tem que vir todos os dias. Ninguém te obriga a fazer isso." Frustrado, deixo escapar um suspiro com um grunhido e inclino a cabeça para trás, olhando para outro lugar para encontrar paciência que estava faltando. "Eu não me importo de vir aqui. Era apenas uma ideia. Só vou ficar até mais tarde e fazer quando chegar em casa." Eu suspiro, cansado demais para conter a dor na minha voz. "Vejo você amanhã, Lucy."

21


Eu começo a me afastar, mas a mão no meu antebraço me para. "Sinto muito." Ela diz, tão baixinho que eu quase não ouço-a. "Eu só não quero que você se sinta como se tivesse que estar aqui." Ela tenta sorrir, mas não consegue. "Traga o Xbox. Eles vão adorar." "Ok." Viro-me para sair, mas ela me interrompe novamente. "Eu realmente sinto muito, Cameron." Ouvi-la dizer meu nome sem raiva ou agravamento faz minha respiração parar. Ela mastiga os lábios, seus olhos vagando de volta para o chão. "Eu não sei por que você está aqui, mas eu não quero questionar isso. Eu só quero apreciá-lo." Seu olhar levanta. "Obrigado." *** "O filho pródigo retorna." Minha mãe ri. Ela está sentada no sofá da sala de estar com o namorado, Marcos. Ele olha para longe da TV, quando eu entro na sala. "Oi, mãe." Eu caminho até ela e beijo sua bochecha. Tem sido alguns dias desde que eu a vi. Ela passa quase todas as noites na casa de Mark, ou ele está aqui. Eu estendo a mão para apertar a dele, mas ele bate-a. "Por quê? Não vou ganhar nenhum beijo?" Ele espreme seus lábios e espera. Eu tento não rir, mas não consigo segurar uma risada. "Talvez você não seja bonito o suficiente." Minha mãe zomba. Ele envolve um braço em volta dos seus ombros. "Sorte que você é bonita o suficiente por nós dois." Ele diz, beijando o lado de sua cabeça. "Isso foi tão brega, Marky Mark." Eu brinco. Seus olhos se estreitam para mim. Então ele sorri. "Você sabe o que mais é brega?" "O quê?" Eu levanto o meu queixo em direção a ele em desafio. "Média de rebatidas da sua época." Ele tenta chutar a parte de trás do meu joelho, mas eu passo para trás muito rapidamente. Ele se levanta, o sorriso ainda no lugar. "Minha avó rebate bolas melhor do que você." Eu rio. "Oh sim, eu aposto que ela adora bater bolas."

22


Suas feições caem. "O que você está dizendo sobre a vovó Tallulah?" "TALLULAH?" Eu digo em um ataque de riso. "Você não pode falar nada." Ele grita por cima da minha gargalhada. "Aladim." Agora meu rosto cai. Olho para minha mãe, depois para Marcos. "Quem nomeia seu filho de Aladdin?" Minha mãe senta-se e joga uma perna para frente, chutando Mark na parte de trás do seu joelho. Ele cai no chão antes que possa se salvar. Então, ela rapidamente se vira para mim. "Pegue-o, bebê." Então, eu faço. Em poucos segundos estamos em uma luta no solo. Nenhum de nós sabe merda sobre luta livre, então estamos apenas rolando no piso se socando. "Quando diabos você obteve músculos, garoto?" "Eu tenho treinado." Eu tento chutá-lo nas bolas, mas ele se afasta. "Levantamento de peso que te deixa ocupado para trabalhar em suas habilidades de rebatidas?" "Foda-se." Eu rio. A campainha toca e paramos por um segundo, mas apenas um segundo antes dele se aproveita da minha distração e se lança em minhas costas. Ele começa a golpear minha cabeça, prendendo meus braços ao mesmo tempo. "Cameron?" Meu coração bate fora do meu peito. "Merda." Lucy está acima de nós com um olhar inseguro sobre seu rosto. Ela olha de mim para Mark, para mim, para Mark, para mim... "Merda." Eu digo novamente, tentando empurrar Mark de cima de mim. Ele me deixa empurrá-lo sem lutar. Eu arrumo minhas roupas e limpo as palmas das minhas mãos em meu short. O que ela está fazendo na minha sala de estar?

23


Eu corro a mão pelo meu cabelo. Meu cabelo bagunçado. Meu boné deve ter caído enquanto estávamos rolando no chão. "Merda." Eu sussurro, procurando por ele. Marcos coloca-o na minha cabeça e, em seguida, fica ao lado da minha mãe, atrás de Lucy, com um enorme sorriso de merda no rosto. Eu engulo, ajusto meu boné e, finalmente, tomo coragem para encará-la. "Oi." Ela sorri, o mesmo triste sorriso falso de sempre. "Oi." E então eu entro em pânico. Por que ela está aqui? "O que aconteceu? Está tudo bem com os meninos?." Eu começo a andar para a porta da frente, mas ela me interrompe. "Tudo está bem. Você só..." Ela leva a mão ao bolso e pega o meu celular. "Você deixou isso em casa. Achei que você pudesse precisar dele." Meus ombros relaxam instantaneamente. "Então, todo mundo está bem?" Ela acena com a cabeça, em seguida, olha para a porta da frente. "É melhor eu ir." Ela continua segurando meu celular. Pego-o da sua mão e levo-a até a porta, ignorando o olhar de preocupação no rosto de Mark e da minha mãe. "Como você chegou aqui?" Eu abro a porta e espero por ela passar. "Quem está olhando os meninos?" "Eu liguei para minha tia. Ela está em casa, mas ela não pode ficar muito tempo. Eu só queria ter a certeza de que você tivesse seu celular de volta, no caso de você precisar... para o que quer que seja..." "Eu não preciso disso." Digo a ela: "Você poderia ter esperado." "Oh." Seu olhar cai. "Sinto muito." "Está tudo bem." Eu digo rapidamente. Ela puxa as chaves do bolso e se movimenta em direção de uma minivan na garagem. "Eu te vejo mais tarde, Cameron." Meus olhos se movem de suas chaves para a minivan. "Você tem licença para dirigir?" Isso não faz sentido. Se ela pode dirigi então por que estava pegando o ônibus todos os dias?

24


Sua cabeça se move lentamente de um lado para o outro enquanto ela olha por cima do ombro, provavelmente para minha mãe. "Só a minha autorização. Mas meu pai me ensinou a dirigir quando eu tinha doze anos. Então está tudo bem." "Querida." Minha mãe diz, ela está atrás de mim agora. "Você veio para cá sem uma licença para dirigir?" "Sim senhora. Mas eu sou uma boa motorista. Prometo." Lágrimas começam a se formar em seus olhos e eu não sei por quê. Minha mãe está ao meu lado. "Eu não me sinto bem em deixá-la ir para casa sozinha, querida. Vou com você. Mark!" Ela grita por cima do ombro. "Você segue com Cameron, ok?" "Oh, não." Lucy balança a cabeça rapidamente. "Você não precisa fazer isso. Eu estou bem." Sua voz falha. "Eu não tive a intenção de fazê-la sair. Sinto muito." "Apenas faça o que ela diz." Mark grita atrás de nós. "É mais rápido desta forma. Confie em mim." Lucy acena uma vez, mas recusa-se a olhar para qualquer um de nós. Ela caminha até seu carro, com a cabeça baixa o tempo todo. Uma vez que ela chega ao seu carro e o destrava, entra no lado do motorista. "Nós vamos falar sobre isso." Minha mãe diz com um tom de finalidade. *** "Sente-se." Mamãe aponta para o sofá. "Não é um grande negócio." Ela se senta no sofá em frente. "Eu realmente não sei o que está acontecendo, então não posso justificar o que é um grande negócio e o que não é." Seu rosto perdeu toda a cor. "Vinho!" Ela grita para Mark. "Agora. Eu tenho um sentimento que vou precisar disso." Mark entra na cozinha e lhe entrega a garrafa. Ela toma sem hesitação. "Coloque tudo para fora, Cameron. Só diga para mim." "O quê?" Meus olhos se estreitam. "O que diabos têm de errado com você?" Seus ombros endurecem e seus olhos encontram meu olhar. "Apenas me diga."

25


"Dizer o que? Por que você está tão chateada?" Ela agarra a garrafa de vinho mais apertado enquanto Mark se senta ao seu lado, esfregando seus ombros para deixá-la calma. "Por que estou chateada?" Ela ferve. "Talvez porque o meu filho de quinze anos de idade, está prestes a me dizer que ele engravidou uma menina e tem seus próprios filhos com ela... e ele manteve em segredo! Quando isso aconteceu, Cameron?" Eu rio. Todos riem. "Isso não é engraçado!" Ela grita. Eu não consigo parar de rir. "Pare de rir!" Eu ouço-a. Eu tento. Mas simplesmente não consigo. Eu não consigo parar de rir. Ela joga uma almofada na minha cabeça enquanto continuo rindo. E quase chorando. Mulheres são burras. "CAMERON!" Eu ergo meu dedo para dizer-lhe para esperar um minuto enquanto eu tento me controlar. "É onde você esteve todas as noites? Vendo seus filhos. Oh meu Deus." Ela geme: "Eu sou avó." Meu riso fica ainda mais forte. "Terminei!" Ela está com a garrafa de vinho apertada contra seu peito. "Eu estou indo malhar, ou jogar bingo, ou fazer tudo o que as avós fazem... e você pode apenas sentar e rir de mim." "Sinto muito." Eu consigo dizer. "Mas é um absurdo." "O quê?"

26


"Eu não deixei ninguém grávida." Ouço Mark soltar uma respiração. "Mas sim, ela é o lugar aonde eu vou todas as noites." Eu solto algumas respirações até que eu sei que minhas palavras vão sair. "Eu estou apenas ajudando-a." Ela se senta de novo e coloca o vinho na mesa de café. "O que quer dizer ajudando-a? Ela é da sua escola? E os meninos que você falou? Onde estão seus pais?" Eu solto um suspiro e tento responder às suas perguntas o mais reto possível. "Sim, ela é da minha escola. Os meninos são seus irmãos, seis deles na verdade." Seus olhos ficam enorme, mas ela não fala. "Sua mãe faleceu há algumas semanas. Seu pai está... instável. Assim, ela só precisa de um pouco de ajuda." Ela permite que todo o ar em seus pulmões saiam e se recosta no sofá. "Tudo bem." Ela diz, depois balança a cabeça lentamente. "Então, você vai lá e o quê?" Eu dou de ombros. "Eu fico entretendo os meninos enquanto ela cozinha o jantar... Ou o que quer que seja. Acabo ajudando-a a limpar tudo um pouco... Fazer as coisas. Há um bebê, mãe. Ela está na minha classe, ela tem quinze anos e carrega o peso do mundo. Ela acorda, apronta-os para a escola e sua tia vem durante o dia para cuidar do bebê enquanto ela está na sala de aula. Mas então ela volta para casa e faz isso tudo de novo. Ela não dorme bem. E seu irmão me disse que ela fica tão triste que a deixa doente. Eu não sei o que isso significa, mas eu não posso fazer nada para ajudar. Ela está sozinha. Ela não tem ninguém." Minha mãe enxuga as lágrimas que caem do seu rosto. "Eu não sei o que dizer, Cam. Quer dizer... você sempre se preocupou muito. Mesmo quando criança... mas isso... isso pode ser muito longe, mesmo para você. Esta é a vida. A família de alguém. Você tirar um pouco desse peso dela e se torna seu. Essa é uma grande responsabilidade para uma criança da sua idade. Tem certeza de que ninguém mais pode ajudá-la?" Suas palavras me atingem instantaneamente. Ela não precisa de mais ninguém. Ela me tinha. "Eu só quero ajudar."

27


Ela balança a cabeça lentamente, pegando o vinho e toma outro gole. "Temos que falar sobre isso um pouco mais. Deixe-me pensar sobre—" "Pensar sobre o que? Eu não vou parar." Aumento meu tom. Porque mesmo que ela estivesse tentando ajudar, eu sei que ela está tentando encontrar uma maneira de levar Lucy para longe de mim. "Você não pode me impedir de vêla." Há um choque claro em seu rosto, e eu entendo. Eu realmente entendo. Mas ela não tem ideia de quanto Lucy significa para mim. E até agora, nem eu sabia. "Querido, eu não vou." "Bom." Eu me levanto com uma bufada. "Porque eu sou um bom garoto. Você não pode negar isso. Eu sempre faço o que você pede. Nunca quebro as regras e não estou fazendo nada de errado." "Eu sei, Cameron." Ela olha para mim com piedade em seus olhos e eu olho para ela. Meu coração bate com força contra meu peito. Eu estou com raiva. Estou chateado. E estou frustrado porque ela não entende isso. Mas, novamente, nem eu entedia. Em seguida, Mark solta um pigarro. "Ela é uma gracinha, né?" Eu não posso parar o sorriso que se forma em meu rosto. "Eu vou para cama." "Boa noite." Ambos dizem, mas eu já estou no meio do caminho até as escadas. "Em algum momento, você vai ter que começar a agir como seu pai, Mark, e não como o irmão mais velho." Minha mãe diz calmamente. "Heather, vou adotá-lo agora mesmo e começar a agir como um pai se você finalmente disser sim e se casar comigo." Eu rio sob a minha respiração. Minha mãe responde: "Isso não vai acontecer." "Você está partindo meu coração, sabe disso?" Eu fecho a porta do quarto e me jogo na minha cama. Estou exausto. Mas então penso sobre Lucy, e como ela deve estar cansada, e nem se compara.

28


Empurrando a mão no meu bolso, eu retiro o meu celular e procuro o seu número. Eu nem sequer penso, só disco. "Olá?" "Lucy?" "É..." "Obrigada por trazer o meu celular. Eu acho que não disse quando você estava aqui." Silêncio. Eu limpo minha garganta. "É Cameron." Mais silêncio. Eu desligo. Merda, isso foi estranho. O meu celular vibra ao meu lado. O nome dela pisca na tela. Levanto-me e tento me acalmar. O toque para. "Merda." Eu disco seu tom número — ocupado. Eu tento de novo, mesma coisa. Então meu celular toca. Eu atendo. "Olá?" Estou tão ansioso que quase quebro o celular ao lado do meu rosto. E então eu o solto... "Olá? Cam?" Ouço o som da sua voz através dos alto-falantes preenchendo todos os meus sentidos. "Espere!" Eu grito. "Eu deixei cair o telefone." Dirijo-me em círculos esfregando o lado do meu rosto e procurando pelo meu celular. Onde diabos ele foi? "Olá?" Ela diz novamente. "Merda." "Olá?" Eu caio no chão e procuro por ele. Está debaixo da minha cama. Claro que está. Eu movo a pilha de pornografia escondida lá e o pego. "Eu deixei cair meu celular. Basta esperar. Por favor, não desligue." Eu grito.

29


"Ok." Quando pego o celular, eu começo a entrar em pânico. Uma batida na porta me faz saltar para fora da minha pele. Cobrindo o celular com a palma da mão, eu abro a porta. Os olhos de Mark estreitam quando vê meu rosto... Então se alargam quando vê o telefone na minha mão. Um sorriso lento se desenvolve em seu rosto. "Lucy?" Ele sussurra. Concordo com a cabeça freneticamente. Ele coloca as mãos nos meus ombros e me sacode suavemente. "Você tem isso, garoto. Basta ser você mesmo." Eu continuo concordando. Seus olhos vagueiam para algum lugar atrás de mim. "Sua pornografia está em exibição." Eu me viro para ver a pilha de revistas do ano passado espalhadas no chão. Eu devo ter batido nelas. Chuto-as de volta para debaixo da cama. Depois volto para a porta, mas ele já se foi. Eu puxo um enorme fôlego e levo o celular ao meu ouvido. "Olá?" "Ei." Meu punho aperta ao meu lado como uma tentativa de acalmar meus nervos. "O que você está fazendo?" "Uh... não muito, apenas embalando a merenda dos meninos para amanhã." "Legal." Legal? Perdedor! Eu sou um perdedor! "O que você está fazendo?" Ela pergunta. Eu posso ouvir seus próprios nervos em sua voz e, por algum motivo estúpido é reconfortante. Como se eu não fosse o único que se sente assim com essa conversa. "Eu só estou deitado na cama. Estou exausto." Ela ri — é a primeira vez que eu ouço. "Eu sei o que você quer dizer." "Sim? Você não pode fazer a merenda dos meninos amanhã de manhã?" Ela boceja, em voz alta, por tanto tempo que me faz rir.

30


"Sinto muito." Ela diz. E eu quase posso imaginá-la sorrindo. "Não, se eu fazer isso amanhã eu tenho que acordar às quatro. É mais fácil dessa maneira." Eu tento pensar em uma maneira de ajudá-la. "Eu poderia passar ai ao longo da manhã, mas eu tenho treino cedo." "Oh não, eu não espero que você faça isso. Você já faz muito." Então algo me bate — estamos conversando ao telefone. "Droga." Ela sussurra. Eu rio. "Droga?" "Lachlan acordou. Tenho que trocar sua fralda." "Oh." Meu coração afunda. Eu estava esperando passar algum tempo conversando, tentando conhecê-la um pouco. "Isso só deve demorar alguns minutos. Eu poderia ligar de volta?" "Sim!" Meus olhos se fecham. Estou ansioso. Muito ansioso. "Tudo bem. Vou ligar para você em breve. Não deixe seu telefone cair de novo." "Ok." Eu digo com um enorme sorriso. Aproveito o momento para acalmar meus nervos para que eu não soe como um idiota ao telefone. Poucos minutos depois, ela liga de volta. "Então, sua mãe e seu pai parecem legais." "Oh, ele não é o meu pai. É o namorado da minha mãe." "Sério? Bem... ele parece legal." "Sim, eles são boas pessoas." "Como eles se conheceram?" "Você realmente quer saber?" "Sim. Eu adoro um bom romance. Por favor, você vai me dizer?"

31


Então eu digo, porque acho que eu nunca poderia dizer não para ela. Eu digo-lhe tudo, e ela ouve e faz perguntas. E mesmo que nada disso realmente importasse para ela, o fato de que nós estamos conversando realmente importa para mim. "Então você lê muito?" Eu pergunto. "Sim. Bem, eu costumava. É difícil encontrar um tempo agora. Quando todos estão na cama, eu estudo. Costumo dormir com meu e-reader no meu rosto." Ela ri baixinho. "Eu sou uma idiota."

LUCY Ele suspira ao telefone, e eu tento não imaginá-lo deitado na cama, com seu cabelo loiro bagunçado em todo o lugar, e os seus grandes olhos escuros encarando o teto, enquanto enxuga o cansaço do jeito que ele faz. Então eu tento não saber o que ele está vestindo, ou não está. "Você não é uma idiota." Ele diz. "Você é bonita." Minha respiração trava, e ele deve ouvir, porque pede desculpas antes que eu possa falar. Eu empurro para trás a dor dele ter se desculpado. Eu quero ser bonita para ele. Eu não sei quanto tempo conversamos, mas no momento em que desligamos, é quase duas da manhã. Eu descanso minha cabeça em meu travesseiro com um sorriso no meu rosto. E então eu me lembro de tudo. Lembro-me de como a minha vida é. E o que eu não posso ter. E me lembro que ela se foi. E que não tenho o direito de estar feliz. Estar sorrindo. Eu saio da cama e silenciosamente vou para o banheiro, onde me puno por pensar sobre as possibilidades de um futuro feliz.

32


CAPÍTULO 03 CAMERON Eu pensei que depois do que aconteceu ontem à noite as coisas iriam mudar. Que ela iria parar de me ignora na escola e na sua casa. Eu esperei por um momento que talvez um pouco da sua tristeza tivesse ido, mas ela parece pior hoje. Há um mal-estar na boca do estômago que está me dizendo que talvez eu causei isso. Talvez eu devesse ter dito ou feito algo diferente. "Você está bem?" Ela estava na máquina de lavar louça e olha em torno da cozinha, mas não há ninguém por perto, os meninos estão ocupados. Sua carranca se aprofunda e seu olhar cai. Ela não responde. Ela simplesmente vai embora. Um dia desses, eu vou impedi-la de se afastar de mim. Eu fico o mais tarde possível, sem quebrar o toque de recolher. Assim que estou prestes a sair pela porta da frente, eu ouço sua voz. "Ok pai." Ela diz em voz baixa, em seguida, uma porta se fecha e passos silenciosos descem as escadas. "Você ainda está aqui?" Eu ignoro sua pergunta, e o aborrecimento em seu humor. "Eu queria falar com você." Seus olhos se estreitam em questão. "Meu pai está vindo para cidade amanhã para uma reunião. Vou passar o dia com ele, por isso não vou estar no jogo dos gêmeos... e então prometi aos meus amigos que iria sair com eles amanhã à noite. Logan disse que eu nunca faço nada mais com eles..." "Tudo bem." Ela murmura, os olhos encontrando os meus. E eu juro; Vejo decepção neles. "Ninguém te obriga a vir aqui, lembra? Você não precisa me informar ou pedir permissão, ou o que quer que seja." Eu engulo meus nervos, ou raiva, ou ambos. Eu libero tudo em um suspiro gigante. "Tchau Lucy." E depois que saio. Subo na minha bicicleta, ponho os pés sobre os pedais estúpidos e vou para casa. O segundo em que estou sob minhas cobertas, tudo o que quero fazer é ligar para ela. Então, quando meu celular toca e seu nome começa a piscar na tela, quase me mijo nas calças.

33


Quase. Estou tão preocupado querendo saber se eu realmente fiz xixi que nem percebo que eu já atendi, até que ela diz Olá, pela terceira vez. Eu levo o celular ao meu ouvido, mas todas as palavras estão presas na minha garganta. "É Lucy." Ela diz. "Eu sei." Eu murmuro. Porque eu de repente me transformei em um idiota. Ela solta um suspiro pesado. "Desculpe-me por ligar. Eu não queria incomodálo." Ela funga. Será que ela está chorando? Foda-se. Eu a fiz chorar. Em seguida, a chamada cai, ou pelo menos é o que eu digo a mim mesmo, porque eu realmente não quero acreditar que ela desligou na minha cara. Eu tento ligar de volta. Seis vezes. Ela nunca responde. *** Passar o dia com meu pai significava sentar ao redor do seu quarto de hotel, enquanto seu telefone estava colado à sua orelha. Ele é um agente esportivo de Nova Jersey e veio aqui para ver um estudante do segundo ano que tem muito potencial e talento, o *MLB já foi atrás dele. Eu não disse a ele que eu era amigo do garoto que ele estava atrás. Se meu pai sabia que nós éramos da mesma escola, ele nunca mencionou isso. E se Jake estava interessado que meu pai o representasse, ele iria fazer essa escolha sem qualquer influência minha. Ele me pergunta a média de rebatidas da minha temporada, mas seu telefone toca antes que eu tenha chance de responder. E foi isso. Eu tento ligar para Lucy. Três vezes. Ela nunca responde. "O que há com você, Cam? Você tem estado tão fora recentemente." O olhar de Logan segue uma loira do outro lado da sala. Quando seus olhos finalmente a deixam, ele toma um gole da sua cerveja, em seguida, aponta para mim. "Onde diabos você esteve ultimamente?" *Major League Baseball é o nível mais alto de jogo em beisebol profissional nos Estados Unidos da América.

34


Eu dou de ombros e jogo mudo, assim como duas meninas caminham até nós. E foi aí que eu soube que a 'noite dos meninos' que Logan tinha planejado para nós não está mais em jogo. Ele e Jake terão as mãos cheias em dois segundos. E eu — tudo o que posso pensar é na menina quebrada e triste que tenho passado tempo demais sonhando. Então não é nenhuma surpresa que eu desista da festa e acabe onde estou... Andei até sua casa depois de uma estúpida longa entrada. Já são dez horas, e o interior da casa está escuro. Eu dou alguns passos até chegar à sua varanda iluminada, onde atualmente ela está de costa. Ela está em seu pijama; amarelo com livros azuis sobre ele. "Lucy?" Ela gira lentamente em torno — o cabelo em uma cortina em volta do seu rosto. E então ela olha para cima... Se um coração partido tivesse um som, seria seu soluço. Ela levanta o regador na mão e regar algumas plantas ao seu redor. "Estas eram dela." Ela sussurra, apontando para os vasos de rosas ao seu redor. Seus olhos perfuram os meus enquanto ela continua. "Eu fico pensando que se eu mantê-las vivas, então talvez ela vá voltar." Suas lágrimas caem, mas ela não as enxuga. Eu cubro a distância para chegar até ela. Mas não toco-a. Eu não falo. Eu não sei o que diabos fazer. "Você acha que vai funcionar, Cameron? Você acha que ela vai voltar? Se eu cuidar das coisas que ela fazia... talvez não seja tão ruim para ela voltar. Eu não importo se ela continuar em seu leito de morte. Ela só poderia fazer isso." Ela chupa uma respiração instável. Merda. Que porra eu devo fazer? "A culpa é minha." Ela diz através de um grito. "Eu queria que ela morresse. Desejei isso. E agora ela se foi..." Ela derruba o regador no chão, e depois cai de joelhos e enterra a cabeça entre as mãos. E eu estou ali com ela, segurando-a. "Ela se foi e tudo que eu quero é tê-la de volta. Eu sinto tanta falta dela." Ela chora forte no meu peito. "Sinto falta de segurar sua mão. Tenho saudades da sua voz. Sinto falta do seu cheiro." Ela se afasta um pouco e procura meu rosto. Sua mão se estende até ele, enxugando as lágrimas que eu não sabia que estavam lá. Em seguida, ela libera uma respiração, seus ombros caindo com a força. Seu olhar se move em direção a casa, depois de volta para mim. "Por favor, não conte a ninguém." Ela sussurra. E eu não tenho a mínima ideia do que diabos aconteceu. Concordo com a cabeça de qualquer maneira. Lentamente, ela se levanta, levando-me com ela. E agora estamos cara-a-cara, mais perto do que nunca. "Está com fome?" Ela pergunta. Eu não estou, mas aceno independentemente.

35


Ela pega minha mão e me leva para sua casa. Eu não gosto de ficar longe dela. E agora, tenho a sensação de que ela precisa de alguém próximo. * "Você não vai comer?" Ela se senta na minha frente com nada além de um copo de água e sacode a cabeça lentamente. "Eu meio que me sinto estranho sentado aqui comendo sua comida sozinho." Ela balança a cabeça novamente. "É seu. Fiz isso para você." Meus olhos se estreitam enquanto levo suas palavras. "Eu disse que não viria hoje. Esqueceu?" "Não." Seus dedos se arrastam em um ponto gasto em cima da mesa. "Apenas no caso se você decidisse aparecer." Ela diz em voz baixa. Meu coração bate com força. "Você queria que eu aparecesse?" Seus olhos travam com o meu. Ela acena com a cabeça ligeiramente. É um movimento pequeno, mas foi o suficiente para virar todo o meu mundo fora do eixo. Escondo meu sorriso com a boca cheia de comida. Continuamos em silêncio até que eu tenha acabado. "Você está fora do toque de recolher?" Ela leva o meu prato e coloca-o na pia. Levanto-me e balanço a cabeça. "Toque de recolher não é até o fim de semana." "Oh." Ela olha do relógio para mim — um pequeno sorriso toca em seus lábios. É tão confuso quanto é gratificante. Forço-me a acreditar que eu sou a razão. Eu sou a razão dela está sorrindo. "Então..." Ela começa, parecendo desconfortável. "Você quer ver um pouco de TV? Os meninos dizem que temos Netflix. Eu realmente não sei como usá-lo, mas estou—"

36


"Claro." Eu a interrompo. "Eu realmente não me importo com o que iremos fazer. Estou feliz que você não está me pedindo para sair." E aí está; aquele sorriso novamente.

LUCY Nós deveríamos estar assistindo a um filme, mas eu continuo pegando-o me observando. Isso me deixa desconfortável, mas não da maneira que deveria. Faz-me sentir como se eu devesse mudar do pijama para algo mais agradável. Algo mais bonito. Pela primeira vez na minha vida, eu desejei estar mais bonita. Eu quero ser mais bonita para ele. "Eu tenho que ir." Ele diz rapidamente, levantando-se e caminhando para a cozinha. Eu tento acalmar minha respiração antes de andar atrás dele. Ele está lavando seu prato de mais cedo. "Você não tem que fazer isso." Ele dá de ombros, me entregando o prato para secar. Normalmente, ele seca, e eu lavo. Ele é um bom secador. Eu apresso as coisas, deixo manchas molhadas. Ele faz as coisas bem. Lentamente. Até que estivesse perfeito. Eu olho para o prato na minha mão e faço uma nota mental para secá-lo até que ele esteja perfeito. Então é isso que estou fazendo, secando e inspecionando o prato na minha frente quando ele sussurra meu nome. Meus olhos encontram com os seus. E, em seguida... Lábios. Em mim. Em meus lábios. Boca. Lábios.

37


Boca. Eu choramingo. Um legítimo gemido. Mas não sei o que está acontecendo e o que eu deveria fazer, fico congelada como uma estátua com o prato ainda na minha mão e os olhos fechados. E é tudo muito rápido, sem mais lábios. Por que ele tirou sua boca da minha? Até o momento que eu abro meus olhos, ele virou-se, olhando para baixo na pia, com as mãos segurando a borda da mesma. "Desculpe." Ele diz. Eu tento perguntar por que, mas tudo o que sai é um processo contínuo "Wwww." Eu limpo minha garganta e tento parar o mundo de girar. Quando fiquei tão tonta? Eu tento de novo. "Mais boca." Merda. Não foi isso o que eu quis dizer. Ele ri levemente e isso me faz sentir idiota, mas só por um segundo antes dele se virar para mim. Levando o prato do meu aperto e colocando-o em cima do balcão, ele segura minhas duas mãos e se move lentamente. Eu me preparo desta vez. As palavras sobre beijo nos livros que eu li voam pela minha mente. Não pode ser tão difícil. Eu posso fazer isso totalmente. Eu ignoro o barulho nos meus ouvidos. E, em seguida... Boca. Lábios. Mais boca. Lábios. Lábios macios. Isso é uma língua? Meu Deus. Ele se afasta e meus olhos se abrem. Seus olhos estão arregalados enquanto ele procura o meu rosto. "Luce?" Eu morro. Amo o jeito que meu nome sai dos seus lábios. Seus lábios...

38


"Você está bem?" Ele espera, suas sobrancelhas se arqueando a cada segundo que passa. Responda-lhe. Ele solta minhas mãos e eu acho que ele está prestes a se afastar, mas ele move suas mãos para os meus quadris. Eu morro. Mais uma vez. "Esse... Quero dizer... você já foi beijada antes?" Minha cabeça se agita freneticamente. Eu não posso controlar isso. Seu rosto se ilumina. Eu não sei por que ele está feliz de estar beijando uma boca virgem de pijamas. Isso não soa como momentos felizes em tudo. "Então, eu sou o seu primeiro?" Concordo com a cabeça novamente. A mesma velocidade que antes. É isso aí, eu perdi o controle de todas as funções corporais. "Eu gosto disso." Ele diz, a boca descendo lentamente. Ele aperta seus lábios suavemente contra os meus. Eu aperto meus olhos e rezo para que eu possa realmente fazer alguma coisa neste momento. "Relaxe." Ele sussurra contra os meus lábios. "Entendi." Eu sinto o momento em que a tensão sai do meu corpo. E, em seguida ... Lábios. Oh. Meu. Deus. Lábios. Tão diferente desta vez. Suave. Orientado. Ele está me guiando no meu primeiro beijo. Eu combino meus lábios nos seus movimentos. E então algo acontece. Como um clique de peças.

39


Uma harmonia perfeita. Um arco-íris duplo. Meus braços estão ao seu redor agora, segurando a parte de trás da sua camisa. Ele me puxa para mais perto, até que eu estou na ponta dos pés, estendendo a mão para ele. Não querendo que o momento acabasse. Então... Língua. E tudo se fecha. Meus olhos. Meus lábios. Ele puxa de volta, me liberando lentamente no chão. Ou talvez eu só imagine que eu estava flutuando no ar. Quando abro os olhos, ele está bem ali, com o rosto a poucos centímetros de mim. Um leve sorriso enfeita seus lábios. "Você pode me dizer quando estiver pronta para mais, Luce." Até agora, eu perdi a necessidade de respirar. Eu seguro sua camisa e puxo-o de volta para mim. "Agora." Digo a ele. Ele solta uma risada suave, mas minha boca na sua o corta. Eu estou uma bagunça. Minha mente está se recuperando e meu corpo formiga em todos os lugares. Abro a boca levemente, incentivando-o a continuar de onde ele parou. Quando sua língua escova contra a minha, nós gememos na boca um do outro. Ele assume o controle, mostrando-me o que fazer para deixar o meu primeiro beijo perfeito. Ele se afasta antes que eu esteja pronta para parar. Puxo-o de volta para mim pela camisa. Ele ri de novo, e desta vez eu não me sinto idiota. Apenas o sinto seus lábios, a língua e as mãos na minha cintura, segurandome firmemente. Nós não nos beijamos por tempo suficiente por causa do seu celular tocando e nós relutantemente nos afastamos. Seus olhos nunca me deixam quando ele leva o celular ao ouvido. "Oi, mãe... Eu sei... sinto muito, estarei em casa em breve." Eu olho para o relógio com uma careta. São vinte minutos após o toque de recolher. "Eu sei." Ele continua. "Não, eu sai festa... Estou com Lucy. Sim... Não... Sim... Ok."

40


Ele desliga o celular e olha para mim, e quase timidamente, um sorriso se espalha por seu rosto. "Você é tão pequena." Eu rio disso. Mas suas características achatam com o som. Em seguida, ouço passos pesados descendo as escadas. Meus olhos se arregalam e minha respiração trava. Eu puxo sua camisa até que estávamos na despensa, e eu fecho a porta para esconder Cameron do meu pai. Ou talvez o contrário. Está escuro, a única luz que vem é debaixo da porta. "O que está acontecendo?" Ele sussurra. Eu cubro sua boca com a mão. Seus dedos fazem círculo no meu pulso e puxa-o para longe. Então seus braços se encaixam melhor em mim enquanto eu lentamente desmorono no chão. Eu odeio essas noites. Eu odeio que ele fique assim. Eu odeio que ele é permitido e eu não sou. Eu odeio isso. Eu odeio tanto que deixo as lágrimas de raiva saírem. Preensão de Cameron fica mais apertada quando ele se aproxima. Tão perto que eu estou enrolado em uma bola em seu colo. E as lágrimas não param. Eu odeio todos. Eu odeio tudo.

CAMERON Ouço passos no baque para a cozinha. Eu posso ouvir o tilintar de vidro e o cheiro de uísque. Ela está enrolada em si mesma, seu rosto pressionado contra o meu peito com lágrimas silenciosas caindo em minha camisa. Eu acaricio seu cabelo, querendo confortá-la. Não sei se isso ajuda, mas não sei mais o que fazer. O som de vidro quebrando a faz estremecer. "Porra!" O profundo teor de sua voz deixa seu coração disparado. "Droga!"

41


O som dos passos mais perto bate forte. Ela senta-se e move-se na minha frente — como se estivesse pronta para me proteger. Ela não precisa me proteger. Estou aqui para protegê-la. "KATHY!" Seu pai grita. "Kathy!" Mais baixo neste momento. E então um baque alto; como um corpo caindo no chão. Ela recua novamente. Eu seguro seu rosto e faço com que ela olhasse para mim. "Está tudo bem." Eu sussurro. E então a beijo. Porque não sei mais o que fazer, e não sei como tornar as coisas melhores. Então tento distraí-la do que está acontecendo fora da porta. Tento distraí-la do que está acontecendo em sua vida. Tento distraí-la da sua realidade. Quando os minutos se passam sem mais sons, eu me afasto. "Pronta?" Ela me beija e balança a cabeça mais uma vez. Nós nos levantamos e eu tenho a certeza de que ela está atrás de mim quando abro a porta e espio. Ele está deitado de lado, desmaiado no chão da cozinha, uma garrafa de uísque esmagada perto dos seus pés. Ela se move ao redor, vai até ele e fica de joelhos na sua frente. "Papai." Ela sussurra, sacudindo-o com força. "Papai!" Ele rola e grunhi em resposta. Seu olhar rapidamente se movimenta para mim antes que ela levante seu braço e o coloque ao redor dos seus ombros. Esse pequeno olhar era tudo o que eu precisava para saber que o momento que nós compartilhamos antes acabou, e que os muros que a cercavam voltaram. "Vamos lá, papai. Vamos te levar para a cama." Seu tom é plano. Não era sincero. Não era simpático. Ela se esforça para ajudá-lo a ficar de pé. Só agora eu percebo o quão grande ele é. Pelo menos 6-5. Construído como um caminhão Mack. Eu não sei como ela consegue segura-lo. Ela é quase um metro, pesa o equivalente a uma perna direita. Dou um passo à frente, uma oferta para ajudar, mas ela balança a cabeça para me impedir. "Onde está Kathy?" Ele diz, grogue. Ela não responde; só continua lutando para levá-lo para fora da cozinha e subir as escadas. Eu varro os cacos de vidro do chão e jogo-os em um saco de lixo, pelo menos dez garrafas de álcool. Quando passo pela porta depois de jogá-los fora, ela

42


está caminhando para a cozinha. Ela sorri com tristeza quando me vê — a parede ainda está em vigor. "Eu acho que sua mãe está aqui." Eu tinha esquecido completamente que ela viria me pegar. "Você vai ficar bem?" Ela me leva até a porta da frente, sem nem uma vez olhar para mim. "Eu estou bem." Eu passo por ela e seguro suas mãos, meus olhos procuram os seus. "Tem certeza?" "Você não pode dizer nada a ninguém, Cameron. Quero dizer isso." Ela murmura. "Eu não faria isso, Luce." "Estou falando sério." Ela puxa suas mãos. "As pessoas vão começar a se preocupar. Elas vão enviar pessoas para nos verificar e vão nos separar. Vou perder meus irmãos. E você — você nunca deveria ter visto nada disso." Ela abre a porta da frente para mim. Os faróis da minha mãe me cegam por um momento. Ela deve ver a minha reação, porque os desliga. "Eu vou passar por aqui mais cedo amanhã, ok?" Ela balança a cabeça. "Não, Cameron. Não amanhã." Dou um passo para trás em surpresa, minhas sobrancelhas se arqueiam enquanto procuro seu rosto por uma razão. "Por quê?" "Eu só preciso de um tempo com a minha família. Sozinha." Eu não sei o que dizer, então fico em silêncio. Ela se encolhe quando toco sua mão, mas isso não me impede de lhe agarrar e puxá-la para mim. "Eu gostaria de poder ajudar. Quem me dera poder consertar as coisas." Eu beijo o topo da sua cabeça. "LUCY!" Seu pai grita, sua voz fazendo meu sangue ferver. Ela olha para mim agora, seus olhos como pedras frias. "Eu o odeio." Ela sussurra antes de se soltar e voltar para sua casa.

43


CAPÍTULO 04 CAMERON Ontem foi o primeiro dia desde que comecei a ir em sua casa que eu não a vi. Levou tudo o que eu tinha para não chamá-la. Cheguei à escola cedo, na esperança de que eu iria encontrá-la antes da aula, mas eu nunca a vi no seu armário. Meus olhos continuavam procurando por ela em todos os lugares. No intervalo eu comecei a entrar em pânico. Mas quando eu a vejo sentada sozinha, contra a parede do prédio em frente ao refeitório, onde atualmente eu estava, o pânico foi substituído por outra coisa. Nervos. Excitação. Antecipação. "Eu estou fora." Bato no ombro de Jake e passo pelas pessoas esperando na fila da comida. Minhas mãos já estão suadas na hora que eu chego até ela. Eu estou sobre ela, mas ela não me vê, com os olhos muito fixos no e-reader em sua mão. Isso me faz rir, lembrando-me da primeira vez que eu realmente a notei. "Ei." Eu digo, tentando chamar sua atenção. Ela não se move. Eu suavemente chuto seu sapato com o meu. Ela finalmente levanta a cabeça. Seus olhos se arregalam quando vê que sou eu, e lentamente seus lábios começam a se espalhar em um sorriso. "Posso me sentar?" Ela acena com a cabeça, seu sorriso cada vez mais amplo. "Estou interrompendo sua leitura?" Ela se inclina para frente, olha para seu e-reader e balança a cabeça. Sento-me ao seu lado e estico meu braço atrás dela, querendo estar mais perto... Lembrando de como foi bom tê-la em meus braços. Eu tenho pensado muito sobre isso, mas também penso sobre o que aconteceu depois, a merda com seu pai e como ela agiu por causa disso. "Você está bem?" "Eu estou bem."

44


E algo me diz que o seu 'estou bem' é uma dela se livrar de perguntas. De mentir. Levanto minha mão e inclino seu queixo com meu dedo para que eu possa realmente ver seu rosto. Suas bochechas estão vermelhas e eu finjo uma confiança que não existia. Inclinando-me, lentamente, eu coloco meus lábios nos dela. Ela sorri contra eles, mas se afasta rapidamente, olhando ao nosso redor. Afasto-me e sinto uma ligeira sensação de rejeição. "O que você está lendo?" "Nada." "Você não pode estar lendo nada. Sobre o que é?" "É sobre um garoto e uma garota que se apaixonam." "Sim? O cara é um garanhão? Seu nome é Cameron?" Ela ri, o som tão poderoso que abafa todos os outros sons. "Não." "Leia para mim um pouco." "Não." "Vamos. Quero saber o que esse garoto faz que te deixou tão atraída nessa história." "Não." Ela diz novamente. "Eu não vou ler para você. Isso é estranho." "Bem." Me inclino para que eu possa ler sobre seu ombro. Estamos perto. Muito perto. Meu nariz esfrega contra sua bochecha, e os meus lábios o seguem. Eu beijo sua bochecha; o calor do seu rubor aquece meus lábios. Ela está congelada, como no sábado à noite, e amo que eu tenha esse efeito sobre ela. Meus lábios escovam pelo seu rosto e na curva do seu pescoço, onde eu a beijo novamente. Ela se afasta rapidamente. E eu não posso ignorar a rejeição na segunda vez. "Você não quer me beijar em público?"

45


"Não." Ela diz. "Não é o que..." Seu nariz torce. "Quero dizer, eu não sei se eu quero. Só que eu realmente não sei o que é isso ainda... você e eu. Acho que só preciso de algum tempo para descobrir. E você me conhece... você sabe da minha vida... você vê como as coisas são para mim. Eu não sei se eu posso—" "Ok." Eu a corto. "Tome seu tempo. Decida o que você quer. Mas só para você saber, nada disso significa alguma coisa para mim, a sua vida, eu quero dizer. Isso não muda o fato de que eu quero você." Faço uma pausa, repetindo as palavras em minha cabeça. Eu apenas disse a ela que eu a queria. Eu deveria me sentir envergonhado, ou pelo menos estranho, mas não sinto. "Eu vou esperar por você, Luce, até que esteja pronta. Apenas me diga agora, então eu não sentar-me e ter esperanças... você acha que talvez um dia você vá me querer também?" Ela morde o lábio inferior e olha em volta novamente. Em seguida, ela levanta o e-reader e cobre meu rosto, impedindo que o resto do mundo nos veja. Ela me beija suavemente, é mais do que eu esperava. "Sim." Ela diz, afastando-se. Eu não posso deixar de sorrir como um idiota. "Bom." Ela se inclina para mais perto, até que estamos encostados um no outro. É um sinal — sua maneira de me mostrar que ela me quer, sem ter que dizer uma palavra. Eu ouço Logan e Jake falando alto quando passam por nós. Logan para no meio do caminho quando nos ver. Eu quero escondê-la dele. Eu não quero que ele saiba quem ou o que ela é para mim. Ele sorri, logo antes de começar a mover os quadris no ar. Eu balanço a cabeça para ele. "Seus amigos são uns idiotas." Ela ri, mas seus olhos são lançados para baixo, focados em seu e-reader novamente. "Sim, eles meio que são." Eu vejo como seus olhos se movem de um lado para o outro. "Então, eu tenho treino depois da escola, vou passar na sua casa logo depois." Ela guarda seu e-reader em sua bolsa. "Treino de beisebol?" "Sim." "Tudo bem... você vai estar com fome depois, certo?" Eu rio. "Provavelmente."

46


Ela fica de joelhos e joga sua mochila sobre os ombros. "Bom. Vou fazer mais por você." Seus olhos pesquisam a área em torno de nós, e quando ela está satisfeita que ninguém pode nos ver, ela coloca as duas mãos em meus ombros e me empurra contra a parede. Meus olhos se arregalam de surpresa. "Apenas um rápido beijo de despedida." Ela diz, antes de se mover e me beijar. *** "Eu odeio esse cara." Logan sacode a cabeça para o garoto novo. "O garoto novo? Dylan?" Ele balança a cabeça. "Ele acha que é dono da escola." "Sério?" Eu olho mais para eles. "Aparentemente, ele deve ser bom na quadra de basquete, mas eu não sei." Dou de ombros. "Ele não disse duas palavras para mim. Ele parece tranquilo." "Esses são os que você tem que se preocupar, Cam. Os idiotas tranquilos sempre pegam todas as meninas. Melhor observá-lo em torno da sua nova garota." Eu jogo mudo. "Que nova garota?" "Cala a boca, idiota. Você acha que eu não vi você olhando para ela toda a porra do tempo?" Eu levanto meu queixo. "Eu acho que se há um idiota na escola inteira para observar, é você." Ele ri e ajusta seu boné. "Você não precisa se preocupar comigo. Não roubo as garotas dos meus amigos." Ele enfia a mão na luva de beisebol. "Diga a palavra. Reivindique-a. Prometo ficar longe e eu vou ter certeza de que ela seja intocável para todos os outros." "Eu não sou um idiota e ela não é propriedade. Não posso possuí-la." "Se é isso que você quer." Ele levanta uma sobrancelha. "Ela é uma gracinha. Em alguns anos ela vai ser quente. Caras vão cair em cima dela. Estou apenas tentando ajudar."

47


Eu penso sobre o que ele está dizendo, e ele tem um bom ponto. Só que está errado, ela já é quente. "Tudo bem. Eu reivindico-a. Ela é minha." Seu sorriso é instantânea. "Você não pode ter alguém, seu porco. Ela não é propriedade." Eu rio. "Foda-se". Jake se aproxima de nós. "Vocês acham que o garoto novo, Dylan, pode sair com a gente? Ele parece ser um cara top." O olhar de Logan move-se para mim, a confusão evidente em seu rosto. Eu dou de ombros. Ele solta uma risada antes de segurar os ombros de Jake e os sacode suavemente. Ele olha-o nos olhos, fala devagar e claramente. "Eu não tenho ideia do que diabos você acabou de dizer." *** Eu não me incomodo em bater quando chego à sua casa, e estou feliz por não ter feito, porque ninguém me ouviria sobre seu grito. "O que há de errado com ele?" Ela grita. Eu largo minha mochila e corro para cozinha. Os meninos estão de pé em cima dela, os mais jovens estão chorando... e ela também. Histericamente. Ela está segurando o bebê em seu braço, com uma mão tocando sua testa. Eu caio de joelhos ao seu lado. "O que está errado?" "Eu não sei." Ela soluça, tentando nivelar a respiração. "Ele não para de chorar e está queimando em febre. Cheguei em casa da escola e minha tia teve que sair correndo. Ele estava bem, e depois ele não estava. Ele não parou de chorar." "Você ligou para sua tia?" Minha voz está tensa. Estou com medo. Eu quero ajudá-la, mas não sei como. "Dê-me o telefone." Ela grita com os meninos. Onde está seu pai? Leo entrega a ela o telefone. Seus dedos fazem um trabalho rápido apertando os botões. Ela o leva á sua orelha, enquanto seus olhos se movem para o meu. "O que eu fiz para ele?" Ela sussurra.

48


Meu coração se parte. "Não é culpa sua." Eu digo a ela, mas ela já está falando histericamente no telefone. "Tia Leslee, algo está errado com Lachlan." Ela mal pode falar através dos seus gritos. Ela olha para cima, dando uma olhada em cada um dos meninos, e depois para mim. "Peça ajuda." Ela diz. Eu pego o telefone quando ela termina e disco 911 e tento ficar calmo quando digo a eles o tanto que sei, que é porra nenhuma. Então desligo e ligo para minha mãe. "Eu preciso que você venha para casa de Lucy. Agora." Ela não perde tempo fazendo perguntas — apenas me diz que está à caminho. Lucy não parou de chorar, e nem o bebê. Os meninos mais velhos estão confortando os mais jovens, tanto quanto possível, mas eu posso ver em seus rostos que eles estão com medo, como todos nós estamos. Onde diabos está seu pai? E agora eu estou chateado. Porque não é Lucy que tem que carregar tudo isso sozinha. "Fique com ela." Eu digo para Lucas, o mais velho, de doze. Ele balança a cabeça, os olhos já cheios de lágrimas. Eu marcho para as escadas. Cada passo, minha raiva constrói. Até o momento em que estou na porta do seu quarto, a raiva é tão forte que eu não posso nem pensar. Eu apenas chuto a porta e o vejo. "Levante-se idiota." Eu me inclino puxo-o, ignorando o cheiro de bebida. "Sua família precisa de você." Eu sacudo-o tão forte quanto possível, mas tudo que ele faz é gemer em resposta. Meu olhar se lança ao redor do quarto, à procura de algo para fazer ele se levantar. Não há nada aqui, apenas garrafas vazias de uísque. Pego a garrafa mais próxima e corro para seu banheiro. Então a esvazio e preencho-a com água. Volto para o quarto e esvazio a garrafa sobre a sua cabeça. Ele se empurra para cima. "Kathy." Geme. E por uma fração de segundo eu realmente sinto pena dele. "Desça as escadas." Eu grito. "Seu bebê está doente e Lucy precisa de você." "Lucy?" "Lucy. Sabe... sua única filha. Aquela que tem mantido a família unida, uma vez que você desistiu." Ele se senta na beira da cama e esfrega a palma da mão no seu rosto. "AGORA!" Eu grito. E parece que ele finalmente compreende a gravidade do que está acontecendo.

49


Ele corre descendo as escadas, tropeçando no último degrau. Eu ajudo-o e empurro-o em direção à cozinha. Nada mudou no tempo que eu tinha saido. A porta da frente se abre. Um momento depois, parece como se um milhão de pessoas enchessem a cozinha — os paramédicos, minha mãe e sua tia. "Lucy." Seu pai balança de pé, olhando para ela chorando no chão. Ele nem foi até ela ainda. Meus punhos se apertam — é a única maneira que eu posso manter minha raiva sob controle. Uma lágrima cai do seu olho. "O que você fez, Lucy?" Suas palavras só liberam a raiva e eu o soco. Posso dizer que dói mais em mim do que nele, porque ele quase não recua. Eu o odeio. Minha mãe grita meu nome e os meninos começam a gritar. Lucy grita. "Ela não fez merda nenhuma." Eu vejo surpresa em seu rosto. "Ela não fez nada além de quase se matar cuidando dos seus filhos. Ela tem quinze anos! Ela não precisa dessa merda." "Pare com isso!" Ela grita. "Por favor, Cameron, pare!" Eu paro. Nós todos fazemos. Mesmo o bebê — que agora está nas mãos da paramédica. "Querida." Ela diz para Lucy, estendendo uma mão para ajudá-la a ficar em pé. "Os seus dentes estão começando a crescer. É doloroso para bebês. É normal que eles fiquem com febre... e chorem. Está tudo normal." Ela olha para o pai de Lucy, mas suas palavras são destinadas a Lucy. "Você não fez nada de errado." A respiração de Lucy falha antes dela empurra todo mundo e correr para a escada. Eu vou atrás dela, mas minha mãe me segura. "Ela só precisa de algum tempo, querido." Eu saio do seu alcance e ignoro suas palavras. Lucy não precisa de tempo. Ela precisa de mim. Meu coração bate enquanto caminho até o seu quarto. Ela não está lá, mas eu posso ouvir seus gritos através da porta do seu banheiro.

50


Minhas mãos cobrem a maçaneta da porta, mas então as palavras da minha mãe se repetem na minha cabeça. Ela só precisa de algum tempo. Eu pressiono meu ouvido contra a porta e tento ouvir qualquer sinal de que ela estava bem. E então eu ouço um som que muda tudo. Ela está vomitando. Eu giro a maçaneta e empurro lentamente a porta. Ela está em pé sobre o vaso sanitário com o dedo na boca. Ela está fazendo a si mesma vomitar. "Lucy." Eu respiro fundo. "Pare." Seus olhos permanecem em mim, enquanto eu os assisto virar pedra. Com o rosto molhado de lágrimas, ela empurra lentamente seu dedo ainda mais em sua boca. Eu me movo. Mais rápido do que pensava ser possível. Tiro sua mão para fora da sua boca e envolvo meus braços em torno dela, prendendo seus braços ao seu corpo. "Não." Ela chora, mas posso sentir a força deixá-la. Eu aperto-a e nos levo ao chão. "O que você está fazendo, Luce?" Eu estou chorando. E não me importo. Eu não ligo para nada, só com ela. Pego uma toalha da prateleira e limpo sua boca. "Eu só quero que isso pare." Ela chora, e eu deixo. Seus dedos apertam meus braços tão apertado que eu sei que vai ficar uma contusão. Mas não é nada comparado com a dor que eu sinto por ela. Ela limpa o rosto na minha camisa e olha para mim com um vazio em seus olhos. Eu nunca mais quero vê-los assim novamente. "Eu quero que isso pare, Cameron. Por favor faça parar." Meus olhos se fecham. "Ok, Luce. Vou fazer parar. Vou tornar tudo melhor. Prometo." E eu faço. Eu prometo-lhe, e prometo para mim também, ali mesmo; Vou fazer isso direito. Eu a levo para sua cama, grato que passei os últimos meses carregando pesos. Ficamos deitados juntos em cima das cobertas, com sua cabeça no

51


meu peito e meus braços em torno dela. Em algum momento, ela adormece. E, assim como a luz dentro dela, eu vejo a luz do dia ir da sua janela e a escuridão chegar. * Minha mãe aparece na porta do quarto de Lucy com uma carranca no rosto. Nós estivemos aqui por horas. Eu esqueci que ela estava aqui. Levo meu dedo aos lábios e aponto para Lucy. Ela acena com a cabeça e silenciosamente caminha até a cama. "Como ela está?" "Não está bem." Eu tento manter minha voz baixa, mas Lucy acorda de qualquer maneira. Ela vê a minha mãe, que está sobre nós e enterra a cabeça no meu peito. Mamãe sorri, mas é triste. "Lucy, querida?" Ela começa a chorar novamente. Eu acaricio seu cabelo, esperando confortá-la um pouco. Mamãe suspira. "Empacote algumas coisas, querida. Você vai ficar conosco por alguns dias." Ela não discute. Ela não provoca uma briga. Ela faz as malas, desce as escadas, sai de casa e entra no carro da minha mãe. Ela nem uma vez olha para trás, para sua família. *** Ela não fala nada na viagem para casa, e nem eu Sentamo-nos à mesa de jantar, enquanto minha mãe faz comida para nós. Não comi nada desde que sair da escola e ela vomitou o conteúdo do seu estômago. Minha mãe coloca o prato na minha frente e eu dou algumas garfadas até que a ouço limpar a garganta. Eu olho para ela, ela sacode a cabeça para Lucy. Lucy olha para seu prato com uma carranca no rosto. Eu coloco meu garfo em cima da mesa e me volto para ela. "Você precisa comer alguma coisa, Luce." Sua cabeça se move lentamente de um lado para o outro. "Eu não estou com fome."

52


Suspirando, eu alcanço sua mão debaixo da mesa e falo perto do seu ouvido, minhas palavras são apenas para ela. "Por favor, querida. Você precisa comer. Estou preocupado." Ela lentamente se vira para mim, enfrento o mesmo vazio em seus olhos de mais cedo. "Por favor." Eu imploro. "Por mim." Ela balança a cabeça e pega o garfo. Eu vejo-a dar uma mordida, devagar, quase dolorosamente. Como se estivesse fazendo em uma forma de punição. Ela dá mais duas mordidas antes de empurrar o prato para longe, sua mente perdida em um mundo de seus próprios pensamentos. Eu gostaria de poder ler-la melhor. Seu olhar se levanta, primeiro para minha mãe e depois para mim, e volta para o lugar vazio à sua frente. "Ele me odeia porque eu pareço a minha mãe." *** Ela está deitada na minha cama ao meu lado — a cabeça no meu peito, com meus dedos acariciando seu cabelo. Minha mente está em sobremarcha, bem como a agitação no meu estômago. Ela não disse nada sobre o que eu vi em seu banheiro, mas estou preocupado. E não posso ignorar a preocupação mais. "Lucy?" Ela choraminga em resposta. "Liam, ele me disse que às vezes você fica tão triste que te deixa doente, é verdade?" Ela levanta a cabeça, seu olhar procurando meus olhos. "Foi aquilo que ele quis dizer... que você fica tão triste que se faz vomitar?" Seus olhos se fecham e ela solta uma respiração, juntamente com sua luta para continuar fingindo estar bem. Ela balança a cabeça lentamente, quase como se estivesse triste por admitir. "Nunca mais, ok?" Meu tom é firme. "Eu não vou deixar isso acontecer de novo, Lucy."

53


Lágrimas começam a cair dos seus olhos. "Ok, Cameron. Prometo." Minha mãe abre a porta sem bater. A preocupação em seu rosto é esmagadora. "Eu fiz sua cama no sofá, Cameron." "Ok." Eu respondo, sem surpresa. Eu sabia que não seria capaz de ficar com Lucy. Eu começo a me levantar, mas ela segura meu braço, segurando com força contra o peito. "Por favor." Ela sussurra, os olhos suplicantes. Eu olho para minha mãe, ainda de pé na soleira da porta. "Por favor." Eu murmuro. Ela acena com a cabeça e levanta um dedo. "Uma noite." Ela diz de volta, abrindo a porta e achatando a palma da mão contra ela para mantê-la no lugar.

LUCY Eu acordo com os braços de Cameron ao meu redor, juntamente com uma dor de cabeça latejante. Pego o celular na mesa de cabeceira, e vejo que horas têm. Duas horas da manhã. Lentamente, levanto seu braço de cima de mim e faço o meu caminho para fora do quarto em busca de aspirina. Seu pai — não... O namorado da sua mãe está na mesa de jantar. Papeis e uma caixa de envelopes na sua frente. "Ei." Ele se inclina para trás em sua cadeira e levanta a mão em um aceno. "Tudo bem?" Eu levo minha mão a minha cabeça, na esperança de aliviar a dor. "Aspirina." Ele sorri e movimenta a cadeira à sua frente. "Sente-se. Eu já volto." E ele volta, com duas aspirinas e uma garrafa de água. Ele espera até que eu tenha engolido antes de se sentar. "Noite difícil?" Ele pergunta. Apesar do seu tom de voz ser casual, eu posso sentir a preocupação em suas palavras. Concordo com a cabeça. "O que está fazendo até tão tarde?" Ele ri, entendendo a minha necessidade de mudar de assunto. "Trabalhando. Sempre trabalhando."

54


Eu olho a confusão de papéis na minha frente. "Precisa de ajuda?" "Você não quer voltar a dormir?" Eu balanço minha cabeça. "Eu dormi o suficiente. Não estou acostumada a mais do que algumas horas." "Ok." Ele se anima. "Eu preciso de toda a ajuda que puder conseguir." Ele empurra a caixa de envelopes para o meu lado da mesa e me entrega uma lista de nomes e endereços. "Eu espero que você tenha uma caligrafia elegante." Passamos os próximos minutos em silêncio, mas eu posso sentir seus olhos em mim. Mantenho minha cabeça baixa e escrevo os endereços que ele pediu. Então, ele deixa cair uma pilha de papéis ao lado da minha mão — folhetos para uma concessionária de carros. Cameron me disse que foi assim que sua mãe e Mark se conheceram. Ela entrou para comprar um carro, ele não tinha o modelo que ela queria... Disse-lhe para voltar na próxima semana, quando o modelo certo estaria disponível. Ele disse isso a ela em um total de dois meses. Durante dois meses ela apareceu cada fim de semana, querendo ver o novo modelo. Finalmente, ele lhe disse que não havia nenhum modelo novo, ele só queria vê-la. Examino o folheto novamente. É desenhado à mão, como uma história em quadrinhos. A essência geral é que o comprador sai como um super-herói. "Deixe sua próxima compra capacitá-lo." Diz a manchete. "Isso é ótimo." Digo a ele. "É muito legal, né?" "Quem desenhou isso?" Ele fica em silêncio por tanto tempo que eu acho que ele não me ouviu. Eu finalmente tiro o meu olhar da arte e olho para ele. Ele sorri antes de responder: "Cam." Meus olhos se arregalam. "Cameron fez isto?" Ele balança a cabeça, sentimento de orgulho tomando conta dele. "Ele sabe desenhar?" Minha voz sai mais alta do que o esperado. Ele ri. "Sim, Lucy. Ele sabe. Ele é meio surpreendente, certo?"

55


Levanto o folheto para que eu possa consultá-lo mais de perto. "Incrível é um eufemismo." "Não posso acreditar que você não sabia." Ele brinca, balançando a cabeça. E então percebo uma coisa; todos os dias que ele esteve na minha casa, todas as horas que eu passei com ele, ele nunca me disse nada sobre si. Era sempre sobre mim. Sempre foi sobre mim. Mark deve ler os meus pensamentos, porque pergunta: "Você não sabe muito sobre ele não é?" Eu balanço minha cabeça, minha mente ainda se recuperando do que acabei de descobrir. "Conte-me sobre ele?" Ele ri. "Eu vou te dizer o quanto acho que ele vai deixar." "Ok." "Por onde você quer que eu comece?" "Há quanto tempo você o conhece?" "Desde que ele tinha seis anos." E é assim que passamos as próximas horas; com Mark me dizendo o quanto ele pode sobre Cameron. Cameron é um artista. Ele é um atleta. Ele é um filho incrivelmente respeitoso. Acima de tudo isso, Cameron tem um coração do tamanho do oceano. Mas ele não precisou me contar essa parte. Se alguém sabia o tamanho do coração de Cam, esse alguém era eu. Levanto-me. "Você sabe que pode inserir esses nomes e endereços em uma planilha e imprimir diretamente em envelopes." Os olhos de Mark se alargam. "Você é uma mentirosa." Sua seriedade me faz sorrir. Quando volto para o quarto de Cameron, ele está sentado em sua cama com seu celular na mão. "Lucy." Ele suspira. "Onde você estava? Achei que você tivesse ido embora." O pânico em sua voz cria uma dor no meu peito.

56


"Eu só precisava de aspirina. Sinto muito." Ele suga um grande fôlego e se joga para trás na cama, batendo no local ao seu lado. "Venha aqui." Eu subo de volta na cama com ele e descanso minha cabeça em seu peitoral, da mesma forma que adormeci antes. Ouço o som alto do seu coração batendo com força contra meu ouvido. "Eu posso sentir o seu batimento cardíaco." "Eu sei." Ele responde. "Eu fiquei preocupado. Eu não gosto de não saber se você está bem."

57


CAPÍTULO 05 LUCY Ele não está na cama quando eu me levanto na manhã seguinte. Tomo banho em seu banheiro, depois me visto para ir à escola e desço as escadas. "Ele está na garagem." Sua mãe me diz. "Lucy?" "Sim?" "Você vai ficar conosco por alguns dias... e eu sei que é difícil, o que você está passando no momento, mas não posso deixar Cameron ficar com você todas as noites." Ela faz uma careta ligeiramente. "Sinto muito." "Está tudo bem." Eu falho em uma tentativa de sorrir. "Eu vou tentar ser mais forte." Ela coloca a mão no meu braço enquanto eu tento passar por ela e balança a cabeça lentamente. "Não é sobre—" Ela se corta com um suspiro. "Eu simplesmente não posso deixar que adolescentes durmam na mesma cama debaixo do meu teto. Você consegue entender isso, certo?" Só agora eu entendo o que ela está dizendo. Nunca me ocorreu. Estar com Cameron em sua cama não é físico ou sexual. "Eu entendo." Digo a ela. "Mas você não precisa se preocupar, não é assim. Cameron, ele é a minha força. E agora, eu não sei se tenho alguma sobrando." *** "Ei." Ele deixa cair a chave de venda na bancada e caminha até mim. "Dormiu bem?" Concordo com a cabeça, sentindo-me um pouco tímida. Ele inclina seu rosto para mais perto, seus lábios já se enrugando. E minha mente entra em pânico. Beijo na boca? Beijo no rosto? O que é este beijo? Entro em pânico, inclino minha cabeça para o lado e rapidamente me movo em torno dele. Mudando de assunto para esconder minha vergonha, eu pergunto: "O que você está fazendo aqui?" Ele se vira para mim com mágoa clara em seus olhos e meu coração cai. Dou um passo à frente e agarro sua mão — é tudo o que posso oferecer no momento.

58


Segundos se passam, enquanto nós olhamos para as nossas mãos unidas, então ele aperta uma vez, fazendo-me levantar meus olhos e olhar para ele. Um sorriso perfeito se espalha em seu rosto, e eu nunca quis beijá-lo tanto. Então, eu faço, me levanto na ponta dos pés e o beijo. É rápido, porque eu não tenho certeza se estou pronta para mais. Mas quando me afasto, sei que isso é o suficiente. Não só para mim, mas para ele também. "Eu estava colocando pinos na minha bicicleta." Ele diz, com um sorriso cada vez mais amplo. "Pinos?" Ele me leva até a sua bicicleta — com as nossas mãos ainda entrelaçadas e define seu pé em um pedaço de metal redondo saindo do centro da roda traseira. "Pinos; você fica em cima deles enquanto eu pedalo, para que você não tenha que andar." Ele solta minha mão, puxa minha mochila do meu ombro, e pendura-a no guidão. "Acho que é a melhor maneira de se locomover nos próximos dias. A menos que você sinta vontade de roubar algum carro e dirigir ilegalmente de novo?" Ele sacode a cabeça para o carro de sua mãe. Depois da noite que tive ontem, eu achei que não fosse possível, mas de alguma forma, ele me fez rir — o som surpreendente para os meus próprios ouvidos. *** Passei o dia inteiro me preocupando com os meninos. No momento em que o dia termina, eu estou uma bagunça. "Eu procurei por você no intervalo." Afirma com um sorriso. Ele puxa sua bicicleta fora do rack onde eu estive esperando por ele. "Eu tive que estudar." Eu minto. Eu não estava estudando; Estava na biblioteca lendo — me perdendo em outro mundo que não fosse a minha realidade. "Acho que eu deveria ir para casa, Cam." Seu sorriso some. "Por quê?" "Porque simplesmente não parece certo que eu esteja com você quando precisam de mim." "Mas." Ele solta um suspiro e assente com a cabeça. "Se é isso que você quer, Luce. Okay. Mas eu posso, pelo menos, levá-la em algum lugar antes?" "Onde?"

59


Ele pega a mochila do meu ombro e a coloca no guidão novamente. "É uma surpresa." Meus olhos se estreitam. "Surpresa?" Ele se senta em sua bicicleta e estende uma mão para mim. "Você confia em mim, certo?" "Sim." Eu respondo sem hesitação. *** Ele me leva ao rio que corre por trás das moradias onde ele vive e começa a tirar os sapatos. Eu olho dele, para a água e vice-versa. "Não." "Não?" Suas sobrancelhas se arqueiam. "Você disse que confiava em mim." "Eu sei, e confio, mas quando você disse que era uma surpresa, eu pensei que você queria dizer 'Aqui, Luce. Pegue o unicórnio'. Não 'Aqui, Luce, pule no rio." Sua cabeça se atira para trás em uma gargalhada. "Não é tão ruim assim." Ele segura minha mão, com a outra vira o boné para trás. "Acredite em mim. Você precisa disso." "Eu preciso disso?" Ele deixa cair a minha mão e solta um suspiro de frustração. Inclinando a cabeça para o lado, ele me olha com uma expressão entediada. "Tudo bem." Murmuro, tirando meus sapatos. * Nós caminhamos até que a água chegasse aos nossos ombros — ou pelo menos no meu. Ele dobra os joelhos para que estivéssemos no mesmo nível. "E agora?" "Agora... você grita." "O quê?" Eu rio. Ele ainda está fazendo-me rir.

60


Ele dá um passo para frente até que estivéssemos cara-a-cara, o mais perto que poderíamos estar sem nos beijar. Deixo escapar um som do fundo da minha garganta quando vejo sua mão começar a subir. Ele está fazendo que eu sinta algumas sensações! Ele faz uma pausa no movimento e me olha com cautela. "Você confia em mim, lembra?" Concordo com a cabeça, mas ficar congelada. Sua palma se achata contra o meu peito, onde eu tenho certeza que ele pode sentir o martelar do meu coração. "Lucy." Ele sussurra, seus olhos perfurando os meus. "Eu quero que você leve tudo o que sente aqui..." Sua mão se move para mais baixo, saindo do meu peito e indo para o meu estômago, onde se instala. "E tudo aqui..." Ele a leva para cima e mantém ao lado da minha cabeça. "E tudo aqui." Meus olhos se fecham com seu toque. Então eu sinto seus lábios macios nos meus, me beijando antes de se afastar. "Eu quero que você tome todos esses sentimentos, a acumulação de todo o estresse, a preocupação... levar tudo... mergulhe a cabeça na água... e grite." Meus olhos se abrem. Eu procuro respostas em seu rosto, por uma pergunta que não existe. Inalo uma respiração instável, eu deixo as palavras dele afundarem. Junto com cada emoção que eu venho tentando empurrar para baixo. A preocupação. O sentimento de culpa. O stress. A pressão. E acima de tudo, a dor. Meus olhos se enchem de lágrimas e eu tento respirar através do nó gigante na minha garganta. Ele coloca as duas mãos na lateral do meu rosto e me beija novamente. "Deixe para lá, Luce. Tudo isso." Eu sinto a água encher o meu nariz primeiro, depois os meus ouvidos, e depois a minha boca quando eu abro-a para gritar. Quando subo em busca de ar, meu peito se ergue com o esforço das respirações muito necessárias. Abro os olhos para encontrá-lo me olhando com os lábios tão apertados que perderam a cor. Eu sugo outra respiração instável, mergulho a cabeça sob a água... e faço tudo de novo. E mais uma vez. E mais uma vez. Ele está na minha frente. Sem nunca falar. Sem nunca interromper. Sem nunca me dizer para parar ou que eu já tive o suficiente. Ele silenciosamente espera até que eu termine. Até que todos os sentimentos se foram e é substituído por um que eu pensei que nunca iria sentir novamente.

61


Quando termino, eu silenciosamente caminho para fora da água e deito-me na grama. Minutos se passam até que ele esteja lá, deitado ao meu lado e entrelaçando nossos dedos. Nem uma única palavra é falada. Não há justificação para o que aconteceu. Não há explicação para as minhas lágrimas que estão caindo agora. Quando os gritos finalmente diminuem e minha respiração se acalma, dirijo-me a ele. "Você é um artista?" Sinto-o ficar tenso. "Não." Eu solto sua mão e me inclino sobre o cotovelo para que eu possa ver seu rosto. "Isso é engraçado. Vi o folheto para venda de Mark. Quem desenhou aquilo é definitivamente um artista e ele disse que foi você, de modo que faz de você um artista. Não?" Ele suspira e espelha a minha posição, assim nós estamos enfrentando um ao outro. "Eu queria ser um artista, Luce. Mas eu não sou. Artistas — eles podem imaginar as coisas em sua mente e deixar fluir fora delas. Eu não sou assim. Sim, eu posso desenhar algumas coisas, mas não tudo. Não tenho a mão livre." Ele ri para si mesmo. "Tudo o que faço são linhas, ângulos, objetos simétricos. O que eu faço não é difícil. Não é criativo. Definitivamente não é arte. Então, não, eu não sou um artista." Ele olha para o lado, sua mente vagando para outro lugar. Seus lábios formam uma careta, e eu odeio isso. Eu odeio que ele consegue me corrigir quando estou quebrada e eu não sei como fazer o mesmo por ele. "Eu tentei escrever um livro uma vez." Eu digo. Ele sorri agora, seu olhar voltando para mim. "Sim?" Ele diz, movendo uma mecha do meu cabelo para trás da orelha. Concordo com a cabeça. "Eu tenho no meu computador e digitei cinco palavras. Quer saber quais essas cinco palavras foram?" "Por favor." "Sem titulo. Por Lucy Lovesalot."

62


Ele arqueia uma sobrancelha. "Lovesalot?" Eu dou de ombros. "Foi um pseudônimo, mas esse não é o ponto. A questão é que eu tentei. Eu tentei e não consegui nada. Um dia, eu poderia tentar novamente. Mas você — você colocou a caneta no papel e produziu algo. Para mim e, sobretudo, para Mark — que aprecia querer poder mostrar ao mundo — é arte. Isso faz de você um artista, Cameron, independentemente de como você quer vê-lo." Seus olhos se arregalam ligeiramente em surpresa. E então ele sorri; aquele mesmo sorriso perfeito que ainda me deixa nervosa. Ele se inclina e beija minha testa. "Você me faz querer tentar, Lovesalot." Ele se afasta e olha nos meus olhos. "Você quer que eu te leve para casa agora?" Eu balanço minha cabeça. "Ainda não. Vamos ficar aqui por um tempo." "Eu estava esperando que você dissesse isso." *** Ele não pergunta, e eu não lhe conto, mas acabamos onde ambos queríamos estar. Sua casa. Passamos o resto da tarde no rio conversando. E se beijando. Nós demos um monte de beijos. Deito na sua cama enquanto meu corpo luta uma batalha perdida contra o sono. Toco meus lábios com a ponta dos meus dedos, eu sorrio contra eles. Eu ainda posso sentir sua boca na minha. E há o mesmo sentimento que tive depois da minha libertação emocional. O que eu pensei que nunca mais poderia sentir novamente. Esperança.

63


CAPÍTULO 06 CAMERON O próximo par de dias são uma repetição do passado. Nós vamos à escola, e depois vamos ao rio. Nós saímos, conversamos, e conhecemos mais sobre o outro. Cada dia fica melhor que o anterior. Até hoje. Eu tiro minha bicicleta do rack e encaro-a. "Almoça comigo no intervalo hoje?" Ela balança a cabeça rapidamente. "Eu tenho que estudar." "Onde você estuda?" "Em nenhum lugar, realmente. Qualquer um, mais ou menos." Meus olhos se estreitam. "Isso não é um lugar real." Dou um passo à frente e pego sua mão. "Por que você não vai almoçar comigo?" Ela encolhe os ombros, assim que Logan chega até nós. "Ei, idiota." Ele diz, com os olhos fixos em nossas mãos unidas. Ela puxa sua mão da minha. "Até mais." Diz, e depois vai embora. "O que há com ela?" Logan pergunta, seu olhar fixo em sua bunda. Eu o empurro. Com força. "Pare de olhar para ela." Seus olhos saltam para fora. "Puta merda, cara. Você entendeu mal." "Você estava olhando para sua bunda." "Eu não estava—" "Eu a reivindiquei! Eu disse que ela era minha! Você prometeu que iria deixá-la em paz!"

64


Suas sobrancelhas se arqueiam, e ele me empurra de volta. "Eu não estava olhando pra ela." Em seguida, um sorriso se desenvolve. "Ok, talvez eu estivesse." Ele dá de ombros e começa a sair. Meus punhos se apertam. "Seu pequeno arrogante fodido." Eu grito atrás dele. Ele congela e lentamente se vira. "O que você disse?" Dou um passo à frente. "Você me ouviu." "Foda-se, Cam. Esta cadela está te deixando louco." Eu o agarro. "Não a chame assim, porra!" Nós caímos no chão. Ele é maior do que eu, mas estou mais irritado. E a emoção sempre vence. Nós não temos muito tempo antes de sermos separados. O sotaque irritante de Jake mói em meus nervos. "Deixe-o em paz, amigo." Ele diz. Mas eu não posso. Eu não posso deixá-lo ir. *** "Sinto muito." Logan está sentado na minha frente na lanchonete. "Se eu estava olhando para ela, não foi intencional. Eu quis dizer o que disse daquela vez. Eu nunca tomaria a garota de um amigo. Nunca." Eu procuro em seu rosto algum sinal de que ele estava brincando, mas não há nenhuma. "Eu não consigo encontrá-la." "Ela saiu da escola?" "Eu duvido." Balanço minha cabeça. "Yo, se eu gostasse de ler, para onde eu iria?" Ele ri. "Hum. Biblioteca?" E é aí que eu a encontro, entre as prateleiras de livros. Sentada no chão e lendo. "Lucy?" Seus olhos se levantam dentre as páginas e um sorriso aparece — como se ela não tivesse absolutamente nenhuma ideia do que fez esta manhã. "Você me encontrou." Ela se afasta para que eu possa me sentar ao seu lado. Eu

65


tomo o lugar, mas mantenho a minha distância. Não parei de pensar sobre a maneira como ela reagiu quando Logan apareceu. Como se afastou do meu lado, como se recusou a olhar para mim, do jeito que ela apenas se afastou. Penso nas palavras certas para usar... Para poupar seus sentimentos. Mas então eu percebo, foda-se, eu sou a pessoa que está machucada. "Então você gosta de Logan?" Ela bufa. Mas seu rosto cora e ela desvia o olhar. Meu coração martela alto em meus ouvidos. Há uma queimação na boca do estômago e eu não sei o que é. "Basta dizer, Lucy. Digamos que você esteja a fim dele." Ela se vira para mim agora, seu nariz enrugado. "Quero dizer, ele é bonito, mas não é como se eu tivesse sentimentos por ele ou o que quer que seja." "E quanto a mim? Você tem sentimentos por mim?" Ela recua e olha em torno de nós. "Que história é essa?" Sua não-resposta é tudo o que posso tomar. Eu me levanto — só assim posso encará-la. "É por isso que você não vai sair comigo? É por isso que você não quer me beijar? É tudo muito bem e bom quando estamos sozinhos, mas não em público? Porque você preferia estar com ele?" Eu vejo a mudança em seu rosto, como se ela estivesse prestes a chorar, mas, em seguida, uma emoção diferente toma conta. Ela lança seus livros na mochila, depois a joga por cima do ombro e se levanta. Ela me empurra para passar por mim, mas eu agarro seu braço para impedi-la. Ela não pode fugir disso. Não mais. "Diga isso, Lucy. Admita. Diga-me que você está a fim dele." Ela achata as palmas das mãos contra o meu peito. O lento e suave, quase íntimo movimento. Mas então, seus olhos se estreitam. E então ela me empurra. Forte o suficiente para que me fizesse cair para trás e bater na estante atrás de mim. Seus olhos se arregalam em surpresa, mas ela não parece muito preocupada. Ela parece chateada. "Eu não faço essa merda na escola, porque as pessoas falam, Cameron. Você não ouviu os rumores porque você corre em seu pequeno círculo superior e perfeito, com todos os seus amigos jogadores e ninguém ousa falar merdas sobre você. Mas eu — eu sou uma ninguém. Ou pelo menos eu era. Agora embora? Agora eu sou a menina com a mãe morta e

66


o pai alcoólatra, e você foi o único a me salvar. Agora, eu vou ficar na sua casa, dormindo em sua cama. E não, você não pode simplesmente estar fazendo isso por bondade do seu coração. Claro que não. É claro que eu estou abrindo minhas pernas. Prostituindo-me pela sua generosidade. Eu sou uma prostituta, Cam. Você não sabia?" Eu solto uma respiração instável, lutando para deixar suas palavras afundarem. Minha boca se abre, mas não sai nada. "Então, não, Cameron. Não estou escondendo você, porque tenho sentimentos por seu amigo idiota. Estou fazendo isso porque eu tenho merda o suficiente para lidar. Minha mãe, meu pai, meus irmãos, minha vida inteira! Eu não preciso dos dramas mesquinhos da escola para tornar pior. Mas, se alguém deveria entender..." Seus ombros caem com seu suspiro. Ela está ali, com a cabeça inclinada para trás, olhando para mim. Uma carranca puxa em seus lábios, mas o seu impacto não tem nada em comparação com a decepção em seus olhos. Segundos passam como horas, enquanto eu assisto seus olhos se encherem de lágrimas. "Eu pensei que nós éramos amigos." Ela sussurra. "Talvez um dia, nós poderíamos ter sido mais." Eu não chamo o nome dela. Eu não impeço-a de ir embora. Acabo caindo no chão e enterrando minha cabeça em minhas mãos, e me pergunto o que diabos eu vou fazer para manter minha promessa de fazer tudo parar. De tornar tudo melhor. De fazer isso direito. Eu deveria ter feito isso direito. *** Suas mãos mal me tocam. Normalmente, quando nós estamos na bicicleta seus braços envolvem em torno dos meus ombros, e ela se inclina tão perto que eu posso sentir sua respiração na minha bochecha. Às vezes conversamos. Na maioria das vezes só eu falo, tentando fazê-la rir. Tentando presentear os meus ouvidos com o som que faz o meu mundo parar. Ela corre para o meu quarto assim que chegamos. Ela não falou nem uma palavra desde o que aconteceu na escola. Eu me jogo no sofá, cubro os olhos com o braço, e me afogo em uma abundância de vergonha e auto-piedade. "Eu sou um idiota." Sussurro para mim mesmo. "O que você fez?" Minha mãe está em cima de mim com os braços cruzados e um olhar preocupado no rosto. Antes que eu possa começar a responder, a porta se abre.

67


Lucy. E suas malas. Eu me levanto e corro para o seu lado, tão rápido que a minha cabeça gira. "O que você está fazendo?" Ela olha para o chão. "Indo para casa." "Não, você não vai." Eu tento puxar as bolsas das suas mãos. Minha voz sai desesperada e carente. Porque eu estou. Eu sou um desesperado, pirralho necessitado e ela é meu brinquedo. E eu não posso deixá-la ir. "O que está acontecendo?" Minha mãe pergunta trás de mim. O olhar de Lucy levanta agora. "Obrigado por me permitir ficar em sua casa." Ela diz, com a voz embargada. "Deixei um pouco de dinheiro em cima do balcão pela a comida e outras coisas. Não é muito—" "Querida." Minha mãe dá alguns passos em volta de mim. "Você não precisa fazer isso, foi um prazer ter você aqui." Ela pega as chaves fora do gancho ao lado da porta. "Eu vou te levar para casa." "Mãe!" Cameron é o meu nome e eu tenho quatro anos de idade. "Eu vou esperar lá na frente." Lucy diz. Minha mãe espera até que Lucy esteja fora do alcance da sua voz. "Ela precisa ir para casa, Cam. Está na hora."

LUCY Há uma mulher desconhecida em pé na minha cozinha e eu quero dar um soco nela. "Quem é você?" "Você deve ser a Lucy." Meus braços dobram sobre o meu peito. "E você deve ser idiota, porque eu lhe fiz uma pergunta."

68


"Lucy." Ouço a voz do meu pai atrás de mim. Ele vai até a mulher e fica ao seu lado. Pelo menos ele está na posição vertical, que é alguma coisa. Ele sorri. Eu quero dar um soco em ambos. Quem é essa mulher com o meu pai, cozinhando em nossa cozinha e por que ele está sorrindo? Ele seguiu em frente. Esta mulher está substituindo a minha mãe. "Nós somos pobres." Digo a ela. Suas sobrancelhas se arqueiam em confusão. "Se você está atrás do meu pai pelo seu dinheiro. Ele não tem nenhum. Nós somos pobres." É uma mentira. Nós não somos pobres. Meu pai tem a sua própria empresa de construção. Vivemos em um trilhão de hectares e temos a maior casa da cidade. Mas ela provavelmente já sabe de tudo isso. "Lucy." Meu pai balança a cabeça. "Este é Virginia. Ela vai ficar aqui como nossa nova babá." "Ficar aqui?" Eu zombo. "Ela vai ficar do lado da cama da minha mãe? Ela morreu lá, se lembra?" Depois do dia de merda com Cameron, eu não tenho forças para filtrar meus pensamentos. Ele era a minha força, e agora ele se foi. "Dê-nos um minuto." Meu pai diz para Virginia. Que combina com Vagina. Quando ela sai da cozinha meu pai se aproxima de mim. Ele tem cheiro fresco. Não o cheiro nojento de bebida que eu tinha me acostumado. Ele me olha e para baixo. E apesar da barba que cobre a maior parte do seu rosto — que ele tem há anos — eu posso ver seu cenho franzido. Eu posso ver a tristeza. "Querida." Ele sussurra, envolvendo-me em seus braços. "Eu senti tanto sua falta." E eu já não estava brava ou chateada com o mundo. De repente eu tenho quatro anos de idade e os braços do meu pai é o lugar mais seguro em todo o mundo. Ele beija o topo da minha cabeça e se afasta. "Um dia eu vou fazer isso para você. Eu serei um homem melhor." "Eu não quero um homem melhor." Digo a ele. Eu seguro-o apertado e enxugo minhas lágrimas em sua camisa. "Eu só quero o meu pai de volta." ***

69


Quando eu me desculpo com Virginia, ela ri. "Está tudo bem, Lucy." Ela diz. "Pelo menos você não ligou meu nome a Vagina." Nós duas rimos, assim que a campainha toca. Eu olho da porta para ela. "Eu sou uma babá, não uma empregada." Mas ela abre a porta de qualquer maneira. Mark estar do outro lado. Ele parece em pânico. Ou com medo. Talvez os dois. "Se você está aqui por causa do Cameron, então você pode ir." "Cameron? O bostinha?" Ele balança a cabeça e solta sua gravata. "Não. Lembra quando você me contou sobre a planilha e os envelopes e a impressão?" Concordo com a cabeça. "Eu não sei como fazer e tenho um outro email que preciso entregar até segunda-feira. Preciso da sua ajuda." Ele une as mãos na sua frente. "Estou aqui para lhe oferecer um emprego. Não, estou te implorando para aceitar o trabalho." Ele aperta as mãos unidas, mendigando. "Por favor." "Quando?" "Sábado." "Isso é amanhã." Ele balança a cabeça. Eu dou de ombros. "Tudo bem. Vejo você amanhã."

70


CAPÍTULO 07 LUCY Mark deixa cair uma caixa de envelopes em sua mesa. "Você tem tudo o que precisa?" "Sim." Levo mais tempo para fazer o que ele queria, porque os arquivos no seu computador estão uma bagunça desorganizada. Eu não sei por quanto tempo ele planejava me contratar, mas acabo escrevendo uma lista de outras coisas que precisam ser feitas. "Yo." Ouço, e depois um estrondo. Um pedaço de papel está sendo prensado contra a janela do escritório de Mark com história em quadrinhos em preto e branco que enfeitam a página. Cameron. Por uma fração de segundo, eu realmente considero me esconder sob a mesa, mas eu estou muito atrasada. Ele já está olhando para o escritório, sua mão ainda pressionada contra o vidro. Seus olhos se arregalam. "Seja qual for—" Sua voz falha. Ele remove a folha da janela e caminha para sala. "O que você está fazendo aqui?" "Mark—" Isso é tudo o que eu condigo dizer. Puta merda, ele parece quente. Ele tira o boné e passa a mão pelo cabelo. Seu estúpido perfeito cabelo bagunçado. E então algo me bate — o que está fazendo todas as palavras prenderem na minha garganta. Ele está em seu uniforme de beisebol. Eu sabia que ele jogava, eu tinha visto fotos na sua casa, mas eu nunca tinha visto de perto, na vida real. Uniforme de beisebol estúpido. "Então?" Ele diz, com um sorriso se desenvolvendo em seu rosto. Ele sabia que eu estava verificando-o.

71


"Mark me pediu ajuda com algumas coisas para que ele pudesse ter o material feito e ele disse que precisava de ajuda com o material." Eu curvo a cabeça de vergonha. Ouço seus passos se aproximando, mas eu não olho para cima. Então sinto seu cheiro, o mesmo cheiro que eu tinha ficado familiarizada em dormir em sua cama nas últimas noites. Seu braço escova contra o meu peito, me fazendo estremecer. Empurro-me de volta para mesa. As rodas da cadeira prendem no tapete e então eu estou caindo para trás... Ele pega a cadeira a tempo — com o sorriso estúpido cada vez mais amplo. Sorriso estúpido. É assim que eu deveria chamá-lo. Eu rio para mim mesmo. Ele olha para mim como se eu fosse louca. Eu estou. Ele e seu cabelo estúpido, seu uniforme estúpido, e seu rosto sorriso estúpido — me deixam louca. Sua cabeça pende para o lado enquanto ele se inclina sobre mim, seus olhos nunca deixam os meus. Então eu faço algo que é totalmente louco. Eu o cheiro. "Você acabou de—" "Não." "Eu pensei que ouvir você—" "Não." Eu ergo meus ombros. "O que você quer?" Ele sai de cima de mim, pega o telefone e aperta alguns botões. Suas sobrancelhas arqueadas enquanto ele me olha, olhando-me de cima a baixo. Ele limpa a garganta, o som se repetindo através dos alto-falantes do edifício. "Marky Mark e o *Funky Bunch, por favor, traga seu traseiro e todas as suas boas vibrações, de volta ao seu escritório. Há uma menina bonita sentada em sua mesa. Não há necessidade de alarme. Aparentemente ela está aqui apenas para farejar." *Marky Mark and the Funky Bunch era um grupo de hip-hop americano liderado por Mark Wahlberg. A canção mais conhecida do grupo é "Good Vibrations", que chegou ao número um na Billboard Hot 100 em 1991.

72


Um momento depois, Mark entra. Ele tenta conter o sorriso, mas é evidente que ele achou tão engraçado quanto eu. Eu não rio, porém, ou mesmo sorrio, porque se eu fizer... O sorriso estúpido ganha. Ele dá uma tapa na parte de trás da cabeça do Cam. "O que foi que eu disse sobre o uso do sistema PA como o seu próprio microfone pessoal?" Ele pisca para mim. "Você quer que eu diga a menina bonita na minha mesa sobre o tempo em que você tinha dez anos e pensava que poderia fazer *beat-box? E como eu tinha que configurar todo o telefone e sistema de PA, porque você cuspia tanta saliva no receptor que não era possível ouvir nos alto-falantes? " O sorriso de Cam desaparece. E eu rio. Todos riem. Leva completamente tudo de mim. Eu rir algumas vezes desde que a minha mãe morreu, mas não desse jeito. Não tão forte que eu não consigo controlar. Seguro minha barriga, tentando aliviar a dor. Quando finalmente me acalmo e abro os olhos, Mark foi embora. Cam está encostado na mesa me olhando com uma emoção em seu rosto que eu não consigo decifrar. Ele se empurra para fora da mesa e sopra um suspiro longo e pesado. "Você faz meu mundo parar, Lucy." *** Ele trocou do seu uniforme de beisebol e para um moletom de treino e uma regata apertada. Aparentemente, ele trabalha na concessionária, lavando os carros. Não que eu esteja o observando da janela do escritório. Eu não noto como os garotos como ele não devem parecer assim aos quinze anos. Nem penso constantemente sobre a maneira como ele me beija. Eu não estou olhando para ele. Não. Nem por um segundo. Não estou nem olhando para ele quando uma garota se aproxima e começa a conversar. Ele para o que está fazendo, deixa cair a mangueira, e caminha até ela.

73


*O termo beatbox (que, a partir do inglês, significa literalmente caixa de batida) refere-se a percussão vocal do hip-hop. Consiste na arte em reproduzir sons de bateria com a voz, boca e cavidade nasal.

Eu não percebo que ele olha para o escritório rapidamente. Ele não vai me ver assistindo, porque eu não estou olhando. Ela ergue o quadril para o lado e cruza os braços sob os seios, empurrando-os para frente. Reconheço a menina, ela é da nossa escola. A júnior. Ela ri de algo que ele diz e esfrega seu braço para cima e para baixo. Eu me levanto intensamente, sem observá-los. Então ela se aproxima ainda mais, tão perto que eles estão quase se tocando. Eu nem sequer percebo que deixei o prédio até que o sol atinge a minha pele — o calor dele combinando com o calor do meu sangue que está pulsando em meus ouvidos. Antes de percebe, meus olhos estão fechados, a mangueira de água está na minha mão, e eu estou puxando o gatilho. Seu grito me faz abrir os olhos. A costa de Cam está para mim. Seus ombros estão levantados e seu corpo rígido. "O que diabos tem de errado com você?" Ela grita. Cam se vira com um olhar já em vigor. Quando ele vê que sou eu, o brilho desaparece. Ele cruza os braços para coincidir com os dela. "Eu acho que você deve a Gabby um pedido de desculpas." "Oh meu Deus." Gabby chora, antes de se virar nos calcanhares e caminhar para fora. Eu faço o mesmo. "Onde você pensa que vai?" Cam grita atrás de mim. "Ligar para o Logan." Eu grito por cima do meu ombro. Dou uma risadinha para mim mesma, orgulhosa de ser capaz de chegar em uma réplica tão rapidamente. Mas não dura muito tempo, uma explosão de água fria atinge minha costa. Eu congelo. Minhas mãos se apertam em punhos ao meu lado quando me viro para encará-lo. "Você é um idiota!" "Sim?" Ele diz, deixando cair a mangueira. "Eu conheço alguém que pode discordar de você." Ele vira o boné para trás, e eu sei o que significa. É o sinal. Era uma coisa que ele fazia antes de me beijar. Eu relembro em minha mente

74


— ele caminha em minha direção, me agarra pela cintura e me puxa para ele. E então me beija. Mas isso não é o que acontece. Ele vira as costas para mim e caminha para fora. "Yo, Gabby!" Ele grita. E eu perco. Ele estava certo. Ele me deixa louca. Eu corro atrás dele e pulo em suas costas, passando os braços em volta do seu pescoço e minhas pernas ao redor da sua cintura. Ele se dobra sobre si mesmo, e eu acho que ele vai tentar se livrar de mim, mas de alguma forma, ele me gira e então estamos cara a cara com as minhas pernas ainda em torno dele. Ele sorri. "O que você está fazendo?" Sorriso estúpido. "Eu vou tirar esse sorriso idiota do seu rosto." Ele ri. "Como?" "Com o meu punho." "Faça-o com a boca." Ele desafia. Meu corpo fica tenso, e eu olho ao redor. A razão de eu não fazer essas coisas na escola ainda estão de pé. Nada mudou. Nada, mas Gabby — que agora estar de pé apenas alguns metros de distância. "Você me chamou?" Ela pergunta a Cam. E um fogo queima na boca do meu estômago. Eu sei o que esse fogo significa agora. É ciúme. "Sim." Eu olho para ela. "Ele te chamou de prostituta." Ouço a risada de Cam. Eu não sei por que, não é engraçado. "Quem diabos é você?" Ela grita. Reviro os olhos e vejo o sorriso de Cam ampliar. Isso me irrita tanto que eu limpo-o... com a minha boca. Eu beijo-o, mais forte do que já beijei antes. Porque não é só um beijo, é uma mensagem.

75


Quando me afasto, ele tem uma sobrancelha levantada. Com minhas pernas ainda em torno dele e seus braços me segurando no lugar, eu dou de ombros. "Eu não gosto de compartilhar." "Bom." Ele diz, antes de passar para outro beijo. Meus olhos se fecham, e meus lábios se antecipam com a sensação dos seus. Mas somos interrompidos quando uma explosão de sprays de água fria nos atinge. Eu grito. Ele resmunga. Mark está com a mangueira na mão e balança a cabeça para nós. "Acalmemse." Ele diz, esguichando em nós novamente. "Merda. Vocês estão encharcados. Vocês são inúteis para mim agora. Saiam daqui." Corremos, de mãos dadas, para sua bicicleta. Eu salto sobre os pinos, com a roupa encharcada e tudo. Inclinando-me o mais perto que eu posso, e o envolvo em meus braços. Ele inclina a cabeça para olhar para mim. "Eu sinto muito pelo que eu disse ontem, mas eu não gosto da ideia de compartilhar você também. Sem mais jogos. Você é minha garota agora, Luce." E eu quase desmaio. Quase. *** Acabamos no rio, sentados na grama e olhando para a água. "Então, as coisas estão bem em sua casa, com seu pai quero dizer, ele está bem agora?" "Eu acho que sim. Ele contratou uma babá em tempo integral." "Eu sei." "Como você sabe?" "Minha mãe me disse ontem à noite." Ele se aproxima e joga uma braço preguiçoso ao redor dos meus ombros. "Ela organizou. E o ajudou com a entrevista. Ela estava lá todos os dias cuidando dessas coisas." Meus olhos se arregalam. "O quê? Por ela faria—"

76


Ele dá de ombros, como se o que estava dizendo não era um grande negócio. "Porque ela gosta de mim, e eu me preocupo com você, por isso é importante para ela." Eu pressiono minha bochecha contra seu peitoral para esconder meu rubor. "Ela mora no quarto da garagem. Virginia é o seu nome." Ele zomba. "Parece vagina." *** Nós dois estamos rindo quando entramos na minha garagem. Mas nossa risada para quando vemos meu pai sentado na varanda com as crianças. Os ombros de Cameron ficam tensos sob minhas mãos, mas ele não diz nada. Eles permanecem assim até que paramos perto dos degraus da varanda. Eu desço dos pinos e limpo minhas roupas, nervosa com a situação. Cameron olha para o chão, os músculos do seu maxilar se movendo para trás e para frente. Então Lincoln grita seu nome, fazendo-o olhar para cima. O sorriso no rosto de Cam é instantâneo. Liam segue atrás de Linc, ao mesmo tempo, a porta se abre e Logan e Lucas saem. Não o Logan idiota, o meu irmão Logan. Lincoln chega em Cam, seus braços firmemente em torno da sua cintura. "Você está de volta agora? Vai começar a jogar com a gente de novo?" "Eu posso estabelecer as bases em dois minutos." Diz Lucas, e mesmo que ele fosse apenas três anos mais novo que nós, eu posso ver que ele está tão animado por ver Cam como o resto deles. "Sim, sim." Logan se junta. Papai solta um pigarro. "Está ficando tarde." Ele fala lentamente. "Eu vou ver vocês no jogo de amanhã." Cam diz a Lincoln e Liam. Para mim, ele pergunta: "Você vai estar lá, também, certo?" Quando vou responder meu pai corta me corta. "Ela não vai estar no jogo." "Oh." Qualquer sinal de excitação o deixa. "Eu acho que vou vê-la na escola, então."

77


Os pés pesados do meu pai batem com força contra os degraus da varanda enquanto ele faz o seu caminho até nós. Eu não sei se Cam percebe, mas ele dá um passo na minha frente, tornandose um escudo entre meu pai e eu, os olhos do meu pai se estreitam, mas os cantos dos lábios se levantam. Papai é um cara grande, intimidante para a maioria. Cameron só não o leu direito. Eu seguro sua mão e aperto uma vez, então ele entende que não há problema, que as coisas estão resolvidas e que eu não tenho medo dele. Não mais. "Lucy." Meu pai diz, suavizando sua voz. "Amanhã é o primeiro domingo do mês." Minha respiração trava. "Mas..." Cam dá alguns passos para o lado, permitindo que meu pai e eu pudéssemos conversa. "Eu sei que nós nunca fizemos isso, você e eu." Papai esfrega a mão na barba. "E sei que era um dia para você e sua mãe. Mas ela não está mais aqui, Lucy, sou só eu agora. Então, eu gostaria de levá-la amanhã. Só nós dois. Se você me quiser."

78


CAPÍTULO 08 LUCY "Você parece exausto." Eu rio, vendo meu pai esfregar os olhos. "Eu estou bem, querida." Ele toma um gole de café. "Então é isso que você e sua mãe faziam? Iam as compras por duas horas?" Concordo com a cabeça. "Isso são apenas roupas. Nós não chegamos a livraria ainda." Seus olhos se arregalam em choque, mas ele esconde rapidamente. "E quanto tempo normalmente levaria? Uma meia hora?" Minha cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Não, essa é a melhor parte do nosso dia. Normalmente em torno das quatro." Ele engasga com o café. "Mas eu posso ser rápida. Tenho uma lista." Ele balança a cabeça, seu sorriso cada vez mais amplo. "É o seu dia, você toma o tempo que precisar." *** Meu pai adormece em uma cadeira na livraria. Ele ronca tão alto que as pessoas começam a reclamar. Eu faço um trabalho rápido para encontrar os livros que eu precisava e rio enquanto o sacudo seus ombros para acordá-lo. "Kathy?" Ele murmura. E não é mais engraçado. "Não pai, é a Lucy. Eu peguei o que preciso. Podemos ir agora." Ele olha para o relógio. "Nós só estamos aqui há uma hora." "Está tudo bem." Eu sorrio com tristeza. "Há mais um lugar que eu quero leválo." ***

79


Eu o levo ao rio que corre atrás da casa de Cameron. "Você confia em mim, certo?" Ele me olha com cautela. "Sim." Eu tiro meus sapatos e faço um gesto para ele fazer o mesmo. Ele hesita por um momento antes de concordar. Caminhamos para a água, tanto quanto eu posso ir. Eu seguro suas mãos e faço-o me encarar. "Eu costumava segurar tudo isso, como você faz. Guardei dentro de mim por tanto tempo que senti como se eu fosse explodir. Era constante esta dor no meu coração, porque eu sentia muita falta dela." "Eu sinto—" Ele começa, mas eu o interrompo. "Não, pai. Não estou dizendo a você, porque quero que você se desculpe. Estou dizendo porque sei uma maneira de corrigi-lo. Fazer parar. Fazer isso direito. Mas você tem que confiar em mim." Ele solta um suspiro, os ombros levantam com a força. "Ok." Ele murmura. "Mostre-me." Oito vezes. Oito vezes ele mergulha sua cabeça, e grita. E chora. Eu nunca tinha visto meu pai chorar. Quando termina, ele silenciosamente caminha para fora da água e se senta na grama, assim como eu fiz. Sento-me ao seu lado e espero. Porque eu sei como é estar tão perdido. E encontrado. Tudo ao mesmo tempo. "Você já fez isso antes?" "Sim." Ele se vira para mim. "Esse menino... Cameron? Ele te ajudou com isso?" Concordo com a cabeça lentamente, sem saber a sua reação. "Conte-me sobre ele?"

80


"O quê?" "Você significa muito para ele, não é difícil perceber isso. Então me diga sobre ele." "Ele está na minha classe. Tem quinze anos. Joga baseball. Sua casa fica perto daqui." Eu aponto para a área geral de onde fica sua casa. "Não, Luce." Ele diz. "Eu quero que você me conte sobre ele. Que tipo de pessoa ele é. Quem ele é." E sem saber, meu sorriso está de volta. "Ele me faz feliz." Papai ri. "Isso é óbvio, mas diga-me por quê? Como?" Viro-me para ele agora, confusa com suas palavras. Ele revira os olhos e cruza as mãos sobre o peito. Então, com um tom agudo para corresponder ao de uma menina pré-adolescente, ele zomba: "Ah, mas papai, ele é apenas um sonhooooo." Eu rio e dou um soco no seu braço. Ele me cutuca em resposta. E foi aí que eu sinto um tipo de calma — do tipo que não se consegue se escondendo, ou vivendo sua vida através das páginas de um livro. É o tipo de calma que luta contra a tempestade. Eu deixo minha mente vagar para Cameron. Minha cabeça competindo com tantos pensamentos, eu não sei o que dizer em primeiro lugar. "Então?" Meu pai incentiva. "Ele é feroz." Suas sobrancelhas se arqueiam. "Feroz?" "Sim. A maneira como ele cuida de mim, do jeito que ele me protege. É feroz. Ele é feroz." Eu tomo um momento para reunir as minhas palavras. "Ele é um garoto, pai. Nós dois somos. Mas ele não age como se fosse, não comigo, e não como os outros garotos. Os meninos — é como se eles fossem seus irmãos. E eu sei que mesmo se eu não tivesse em jogo, ele teria aparecido todos os dias. Ele teria feito isso por eles. Porque o seu coração é enorme, maior do que qualquer pessoa que eu já conheci. E ele me faz sorrir. Ele me

81


faz rir depois de tudo o que aconteceu, achei que eu não seria capaz de voltar a rir, quero dizer que pensei que fosse impossível ser capaz de rir de novo. Mas ele fez isso... ele fez o meu impossível, possível. E ele não tinha absolutamente nenhuma ideia de que estava fazendo isso." "Ele parece um bom homem." "Ele é, pai. Realmente. Você vai gostar ele." Ele sorri para mim. O mesmo sorriso orgulhoso que ele sempre me dava. Às vezes, como agora, eu achava que ele dava esse olhar só para mim. "Então, quando eu posso conhecê-lo?"

CAMERON Luce: Eu vou estar ocupada durante todo o dia de hoje, mas não quero que você pense que eu estou te ignorando ou 'estudando'. Só pensei que você deveria saber para que não se preocupe. Ou o que quer que seja. Eu li essa mensagem esta manhã. Não sei porquê continuo fazendo isso. Eu até memorizei. Está gravada em meu cérebro. Porque não é apenas uma mensagem, é a confirmação do que ela é para mim. Quando eu olho para cima, vejo Logan me olhando. Ele balança a cabeça. "Dou-lhe duas semanas para ela possuir suas bolas." Eu rio e termino de me vestir para o treino. "Pare de ser ciumento." Eu dou um tapinha na sua cabeça quando passo por ele. "Um dia você vai conhecer uma garota e terá prazer em entregar-lhe as suas bolas." Ele zomba. "Não eu, idiota. Nunca." Ele treme. "Nunca mais." O olhar de desgosto em seu rosto rígido me faz rir. Todos nós saímos do vestiário e vamos para o campo. Assim que estou a ponto de passar os portões, ouço-a chamar meu nome. Eu me viro para vê-la correndo para mim. "Espere!" Ela grita, e isso me faz rir. Claro que eu esperaria. Eu esperaria para sempre por ela. Ela para apenas alguns metros de distância e se curva, tentando recuperar o fôlego. "Quanto você correu?"

82


"Do ônibus até aqui." Ela diz sem fôlego. "Isso é tipo seis metros de distância." Ela achata a palma da mão na minha barriga e tenta me empurrar, mas ela está extremamente fraca e não tem absolutamente nenhum efeito. "Sinto muito Sr. Sorriso estúpido, eu não corro para me divertir." Eu sorrio, observando e esperando sua respiração se acalmar. Quando isso acontece, ela se endireita a altura máxima. Ela tenta conter o sorriso quando diz: "Eu estava esperando pegá-lo antes da prática." "Bem, você me pegou." Ela mastiga os lábios, seus olhos varrendo a área em torno de nós. Toda a minha emoção de vê-la é imediatamente drenada. Suas palavras voltam para mim, as que dizem que ela está com medo de ser vista comigo. Com medo do que as pessoas vão pensar dela. Faço uma nota mental para descobrir quem diabos disse aquilo, e socá-los. Eu nunca fui do tipo físico, mas aparentemente, ela me deixa assim. Dou um passo em frente e hesito, apenas por um momento, antes de pegar corajosamente suas mãos. Ela engasga, seu olhar lentamente encontrando o meu. Minhas sobrancelhas se arqueiam em questão. Eu preciso que ela saiba que é minha agora, e todos os dramas mesquinhos do ensino médio, os sussurros e os rumores, eles podem ir para o inferno. Vou fazer isso direito. Ela puxa as mãos para fora da minha. O sentimento de rejeição quase me mata. Mas então, ela descansa uma no meu peitoral, a outra move meu boné para trás. Ela descansa a mão na parte de trás do meu pescoço e puxa meu rosto até o dela. E então ela faz isso de novo — limpa o sorriso idiota do meu rosto com sua boca. Eu não percebo que a ergo no ar até que Logan grita e nós paramos. Eu a coloco no chão, meus olhos nunca deixando os seus.

83


Ela ri baixinho antes de envolver seus braços em volta da minha cintura. Sua cabeça se inclina todo o caminho de volta para olhar para mim. "Então, você está vindo depois do treino?" "Claro." "Bom, meu pai quer conhecê-lo." Meu rosto cai. Ela ri. "Venha!" Logan grita. "Vejo você em breve." Ela diz, andando para longe de mim. Então eu pego o meu boné para cobrir o meu pau e sento em um banco. "Eu preciso de um minuto." Grito para Logan. Tesão estúpido. *** Minhas mãos já estão suadas quando eu bato na sua porta. Ela abre com um sorriso já em vigor. Ele deveria me acalmar, mas não acontece. "Você está bem?" Concordo com a cabeça. Ela me olha com cautela antes de segurar minha mão e me levar para a cozinha. Seu pai já está lá, sentado no balcão. Ele olha para cima quando eu entro. E então ele resmunga. Eu juro — mesmo se eu fosse até sua casa e o visse com uma espingarda na varanda — o grunhido é uma tonelada mais intimidante. Lucy me leva para o outro lado do balcão e faz um gesto para que eu sente. Eu faço.

84


Ele resmunga novamente. Eu recuo. "Pare com isso, papai." Ela sussurra perto de mim. E então ele ri, todo o seu corpo tremendo com força. Não me atrevo a dá uma risada. Ou até mesmo sorrir. Estou com muito medo de fazer qualquer coisa. Ela segura minha mão sob o balcão. "Ele está brincando." Ela diz, mas isso não faz diferença. Ele ajeita sua posição, a sua enorme estrutura nos sombreando. Ele abre a boca, e por um segundo eu imagino o Godzilla comendo todas as pessoas em Tóquio. Isso é ruim. Isto é muito, muito ruim. "Respire, filho." Ele diz. E eu faço. Eu faria qualquer coisa que ele pedisse — com a espingarda ou não. "Então..." Ele inclina seus cotovelos no balcão e olha entre Lucy e eu. Ele deixa escapar um suspiro e coça a barba. "Estou fora do meu elemento aqui. Eu realmente não sei o que deveria dizer." Ele balança a cabeça lentamente, e depois olha diretamente para mim. Mas não é o mesmo olhar. Este não é feito para intimidação. Nós olhamos um para o outro por tanto tempo que eu me pergunto se ele nunca iria falar. "Ela é a minha menina, Cameron." Sua voz falha. Lucy segura minha mão com mais força. "Ela é a minha menina e eu não sei o que dizer agora. Kathy — a mãe de Lucy, ela teria sido ótima resolvendo assuntos como esse. Toda esta reunião com você... definindo as regras." Ele sorri, mas é triste. "Eu só..." Suas palavras morrem no ar. Ele olha para Lucy com uma nuvem de fracasso e decepção em seu rosto. Eu limpo minha garganta. Ele se concentra seu olhar em mim. Eu tomo uma respiração profunda. "Eu tenho visto Lucy quase todos os dias desde que sua esposa se foi, senhor. Gosto de passar tempo com ela e os meninos. Os meninos tornaram-se como irmãos para mim. Então eu pretendo — não — espero ainda ser capaz de fazer isso. Meu toque de recolher é às dez horas em dias da semana, e no fim de semana é livre. Mas eu posso mudar isso para o que Lucy quiser, ou se você quiser definir para ela. Não tenho certeza se você sabe que eu ajudo no treino dos gêmeos com os pequenos jogos da liga, no fim de semana eu gostaria de ser capaz de levar Lucy para sair depois. Ela é a minha primeira namorada, então acho que eu preciso pensar em algumas coisas. Mas eu posso ter a certeza de comunicar as coisas para você em

85


primeiro lugar, senhor, se for isso que você quiser. Temos apenas quinze anos. Meu meio de transporte é a bicicleta, então eu acho que nós não estaríamos indo fazer muita coisa. Faço dezesseis em poucos meses e pretendo obter a minha licença. Quando isso acontecer, você pode definir novas regras. Se isso combina com você, senhor." Silêncio. Então, seu longo e alto suspiro enche meus ouvidos. Ele lentamente levanta a mão. Eu recuo e fecho os olhos com força, esperando o impacto de um murro na minha cara. Ele nunca chega. Quando abro meus olhos, seu sorriso é apertado. "Aperte a mão dele." Lucy sussurra. Meu olhar se move para sua mão estendida e esperando. Eu seguro e agito-a. "Eu sou o Tom." Ele diz, e então se vira para Lucy. "Você poderia nos dar um minuto?" "Papai!" Lucy lamenta. "Está tudo bem, Luce." Eu asseguro, soltando a mão dele. Ele espera até que ela estivesse fora da cozinha antes de falar. "Lucy descreve você como feroz." Eu faço uma careta. "Porque eu dei um soco em você? Eu sinto muito por isso." "Não." Ele diz balançando a cabeça. "Ela disse que você é feroz na maneira que se importa com ela. E na maneira de protegê-la." "Eu acho." Dou de ombros. Ele solta um suspiro pesado. "Ela está certa. Não é difícil de ver isso. Também não é difícil ver que os meninos gostam de ter você por perto. Para ser honesto, Cameron, eu não estou realmente feliz que ela tenha um namorado. E não estou feliz que um namorado tenha uma grande presença em sua vida. Mas eu não vou proibir. Isso não quer dizer que eu não goste de você, eu só não gosto disso. Mas vou tolerar. Isso é tudo o que posso oferecer agora."

86


Eu empurro minha cabeça em um aceno de cabeça. "Isso é tudo o que eu posso pedir, senhor." *** Ela caminha na minha frente, através do bosque atrás da sua casa, rindo o tempo todo. "Você deveria ter visto a sua cara!" "O cara é enorme. Se um furacão passasse pelo seu pai ele não iria consegui movê-lo. Eu fiquei com medo. Estou autorizado." Ela para em suas trilhas e me encara. "Você tinha o discurso preparado?" "Que discurso?" "Tudo o que você disse lá." Eu dou de ombros. "Não foi um discurso." Segurando minha mão, nos passemos pelo bosque até uma clareira que se abre para um lago. Meus olhos mergulham na paisagem. "Puta merda, isso é sua propriedade?" "Sim." Ela aperta minha mão para chamar minha atenção. "Obrigado, Cam." "Pelo o quê?" "Por dizer o que você disse. Por saber que ele precisava de ajuda e dar-lhe aquelas pequenas ideias. Ele tem o suficiente para se preocupar no momento, e você, dizendo o que disse, deu-lhe uma coisa a menos para se preocupar. Ele aprecia... mesmo se ele não disse." Eu movo-me para beijá-la, mas ela recua, depois, lentamente, começa a levantar o vestido. Meus olhos se arregalam. Estou prestes a ter relações sexuais. Ela está vestindo um biquíni. Puta merda.

87


Ela empurra meu peito. Com força. "Pare de olhar fixamente!" Mas eu não posso. Minha boca se seca. Eu tento engolir. Eu falho. Ela ri. Minha respiração para. Meu pau — eu não tenho nenhuma ideia do que diabos ele está fazendo. Ela vai até o fim do cais e mergulha. "Você vem?" Sim. Em meus shorts. Agora mesmo. Estou arruinado. Arruinado.

88


CAPÍTULO 09 CAMERON Levei duas semanas para convencer Lucy a se sentar com a gente no intervalo, e mais uma semana para ela se sentir confortável com isso. O pai dela veio com mais algumas regras depois que ele teve algum tempo para pensar sobre isso. Ele pediu meu número de telefone, eu estava mais do que feliz em dar-lhe. Escola vem em primeiro, o que foi bom, porque ela acabou me ajudando a estudar de qualquer maneira. E o principal; as portas devem permanecer abertas se estivéssemos em um quarto juntos, e nunca, sob nenhuma circunstância, nunca, não estou autorizado a pisar na escada que leva aos quartos. Nunca. Para esse último, ele fez questão de me mostrar sua espingarda. Era para ser uma ameaça, mas quando eu perguntei se ele poderia me ensinar como usá-la, seus olhos se iluminaram. Um guardanapo amassado bate na minha testa, me puxando para fora dos meus pensamentos. Meu olhar encontra o de Logan, sentado à minha frente. Suas sobrancelhas estão franzidas enquanto ele empurra a cabeça em direção de Lucy, que está sentada ao meu lado. Eu viro minha atenção para ela; ela está focada em seu e-reader, seus olhos se movendo freneticamente de um lado para o outro. Ela usa um garfo para pegar sua salada de frutas, mas ela não come. Na verdade, ela não comeu nada em sua bandeja. Eu volto para o Logan. "O que há com ela?" Ele murmura. Eu balanço minha cabeça, dizendo-lhe para deixá-la em paz. Então sua gargalhada nos interrompe. Ela ri tanto que seus olhos começam lagrimar. O som é tão contagiante que eu me pego sorrindo para ela. "O que aconteceu?" "O cara..." Ela para, para tomar um fôlego. "Neste livro..." Todos nós esperamos até que ela se acalmasse. "Veio em suas calças, deixando-a molhadinha!" "Que estranho." Jake diz. Logan a olha com diversão em seus olhos. "O que diabos você lê, garota?"

89


Ela balança a cabeça e enxuga os olhos. "Oh homem, isso foi bom."

LUCY "Eu tenho que falar com você sobre algo." Ele diz. Meu corpo fica tenso imediatamente. Eu tento esconder a minha reação e termino de regar as plantas na varanda. Ele ocupa um lugar nos degraus e faz um gesto para que eu sente ao seu lado. "Eu não sei como dizer isso e estou com medo de que vá te chatear." Viro-me para ele agora, tentando esconder minhas emoções. Eu sabia o que estava por vir. Coloco o regador no chão e subo os poucos degraus para chegar até ele. Hesito por um momento, não tenho certeza de que estou fisicamente capaz de levar o golpe que ele está prestes a me dar. Acho que preciso de forças antes de me sentar e segurar sua mão. "Está tudo bem, Cameron. Eu entendo." Eu viro meu corpo em sua direção. "Quer dizer, eu estava esperando que isso fosse acontecer, eu só não achei que aconteceria tão cedo." Ele olha para mim, sua carranca consumindo todo o seu rosto. "Então você sabe o que eu quero falar?" Concordo com a cabeça lentamente, sabendo que as coisas estavam boas demais para ser verdade. Eu tinha que ser grata pelo tempo que durou. "Sim." Eu respondo. "E está tudo bem. Você não precisa poupar meus sentimentos. Eu estou apenas grata que você entrou na minha vida." Ele abre a boca para falar, mas eu interrompo-o. "Você não tem que me dizer, mas você acha que eu poderia ter feito algo diferente? Eu poderia ter sido melhor de alguma forma?" Ele recua, suas sobrancelhas se unem. "O que você está falando, Luce?" "Talvez eu tenha beijado errado ou algo assim. É isso? Ou é porque você quer beijar outras meninas? Por favor, não me diga que você já beijou outras garotas." Eu sinto a bile subir na minha garganta, mas eu empurro-a para baixo.

90


"Lucy—" "Eu sei que seus amigos são assim. Ouço as histórias, sei que eles saem com garotas aleatórias, ou o que quer que seja. Ela era apenas uma garota aleatória? Eu não sei o que dói mais. Me dizer ou não me dizer. Só—" "Lucy—" "Oh cara. Eu estava preparada para ser ferida." Eu solto um suspiro e pressiono a mão no meu coração. "Eu achei que isso não iria doer tanto." "Lucy, pare!" Sua voz é alta. Comandando. Sua mão se levanta e enxuga as minhas bochechas. Lágrimas. Eu estava chorando. Eu estava tão sobrecarregada com a dor do meu coração partido que nem sabia que estava chorando. "Baby." Seus olhos percorrem o meu rosto. "O que você está falando?" "Você." Eu empurro sua mão e ignoro o olhar de mágoa que passa sobre ele. "Você beijando outras garotas." Ele balança a cabeça lentamente. "Lucy, eu não estou beijando outras garotas." "Mas você quer, certo?" Ele luta para conter o seu sorriso. "O que diabos está acontecendo nessa sua cabeça?" "Você! Você está na minha cabeça." Eu lamento. "Você costumava sair com outras garotas o tempo todo. Sei que não sou o seu primeiro beijo, e você disse ao meu pai que você nunca teve uma namorada antes, então eu sei que não significava nada para você e agora você está sentado sobre os meus degraus da varanda e quer terminar comigo." "Whoa." Ele cobre a minha boca com sua mão. Todos os sinais do seu sorriso anterior completamente desaparecido. "Pare." Sua respiração está mais pesada agora, igual a minha. Ele tira lentamente sua mão, com medo de que eu pretendo continuar falando. "Babe." Ele suspira. E eu começo a chorar de novo. Ele envolve um braço em volta dos meus ombros e me puxa para ele. Então ele começa a rir. Ele está rindo de mim chorando.

91


Eu tento ficar de pé para que eu possa chutá-lo na cabeça e correr para dentro, mas ele me prende com mais força. "Você está louca." Ele afirma. Eu me afasto; usando a força que eu não sabia que existia. "Te odeio!" Ele ri com mais força, envolvendo os braços em volta de mim neste momento. Eu deveria ter me levantado quando tive chance e o chutado duas vezes. "Pare com isso, Luce. Como diabos você poderia pensar que eu ficaria com mais alguém além de você?" Ele agarra meus ombros e me mantém longe para que ele possa me olhar nos olhos. "Eu sou louco por você. Como você não pode ver isso? Como alguém não pode vê isso? Sim, houve outras garotas. E sim, elas não significavam nada para mim. Mas você, Luce. Você significa o mundo para mim." Respire. Ele se inclina com cuidado, como se hesitasse por um momento. E então ele me beija. Lentamente. Suavemente. E a cada segundo que sua boca está na minha, ele repara o meu coração partido. Quando se afasta, seus olhos penetram os meu. "Melhor?" Ele sussurra. "Sim." "Bom." Ele sorri e beija-me outra vez, mais rápido desta vez. "Você vai me deixar falar agora?" Eu não posso parar a risada que escapa da minha boca. "Sim." "Ok." Ele faz uma pausa por um momento, preparando suas próximas palavras. "Naquela noite, quando você pensou que Lachlan estava doente... e eu te encontrei no—" "Não." Eu o interrompo. Olho para longe dele, muito envergonhada com o que ele viu. "Se você está perguntando se eu ainda estou fazendo isso, a resposta é não." "Bom. Isso é bom." Momentos de silêncio passam, nem um de nós sabe o que dizer em seguida. "Posso te perguntar uma coisa?"

92


Eu posso ouvir a cautela em sua voz e isso me deixa nervosa, mas eu concordo, porque ele ganhou o direito de todas as respostas. "Você pode me perguntar qualquer coisa." "Por que você fez isso?" "Fiz o que?" Eu digo, mesmo que sabendo exatamente o que ele está perguntando. "Não finja que não sabe, ok? Será que foi porque você achava que estava gorda, porque eu posso te dizer agora—" "Não." Viro-me para ele, então estamos cara a cara. Ele gosta de ser capaz de ver o meu rosto. Ele diz que é porque gosta de ler-me. "Quando minha mãe começou a ficar doente, as coisas ficaram difíceis para mim." "Está tudo bem." Ele diz rapidamente. "Você não precisa falar sobre isso. Desculpa por perguntar." Inalo uma respiração instável, me inclino para mais perto e deixo-o me abraçar. "As coisas ficaram difíceis. Era como se todos os dias passassem e eu mal estava vivendo com ele. O sol nascia e tudo o que eu sentia era o vazio. Era o mesmo. Todo dia ela estava morrendo. E todos os dias eu estava assistindo. Esperando. E nunca parecia terminar. Eu sentia que estava acontecendo comigo. Sua morte, sentia como se fosse minha. E às vezes eu chorava por horas. Às vezes, era silencioso, e outras eu chorava tanto que me fazia vomitar. A primeira vez que fiz isso, não foi intencional. E então começou a acontecer mais, e eu comecei a sentir alguma coisa. Olhando para trás, eu nem sei o que era. Mas se isso fazia eu me sentir... viva? Então eu precisava disso. Naquele tempo, eu precisava sentir algo diferente. Algo que não me fizesse sentir como se eu estivesse vivendo em um laço eterno cercado pela morte." "Sinto muito, Luce." Sua voz falha, e eu sei, sem ter que olhar para ele que ele está segurando as lágrimas. Eu sei porque, independentemente do que eu pensei que estava acontecendo alguns minutos atrás, eu sei como ele se sente sobre mim. Eu sei a proteção feroz que ele tem por mim. "O que mudou?" Eu olho para ele agora, seus olhos estão vidrados, me olhando com uma intensidade que faz meu coração martelar contra o meu peito. A dor ainda está lá, mas não é tão ruim. É outra coisa. Algo que crianças aos quinze anos não devem estar sentindo. "O que fez você parar?" Ele pergunta.

93


Eu não hesito. "Você, Cameron. Você me mudou. Você entrou na minha vida e você me curou. Você me fez sentir viva novamente." Digo-lhe a verdade, e com isso, eu lhe entrego o meu coração. Para sempre.

94


CAPÍTULO 10 CAMERON Ela está na frente do seu armário e mastiga o último pedaço da sua maçã, certificando-se de que eu veja. Ela tem feito muito isso desde a nossa conversa em sua varanda, há algumas semanas. É uma espécie de bonito — o jeito que ela quer me assegurar que não tenho nada com que me preocupar. Ela poderia ter £ 250 e eu ainda me preocuparia. Ela me mostra o que sobrou e joga no lixo, em seguida, abre seu armário e pega uma nota. Ela desdobra o papel e lê lentamente, quase tão lento quanto o sorriso que puxa em seus lábios. "O que é isso?" Eu pergunto, tentando manter a minha curiosidade em cheque. Há uma nota em seu armário... E tudo o que diz a fez sorrir. Alguém está fazendo-a sorrir. Ela coloca o bilhete de volta e dá de ombros. "Nada." "Eu não chamo nada, Luce. O que é isso?" Seus olhos rolam quando ela pega o pedaço de papel e joga contra meu peito. Obrigada por ser uma parceira incrível de laboratório. Você torna o aprendizado divertido. Adam. Eu torço a nota e lanço-a no lixo. "Você torna o aprendizado divertido?" Eu zombo. "Que coisa mais idiota de se dizer." "É fofo." Ela diz, sua voz cheia de simpatia. "Deixe-o em paz." "Você acha que é fofo?" Eu rio um pouco. "Você está sendo ingênua, Luce. Ele quer entrar em suas calças." Seu queixo cai. Reviro os olhos. Ela restringe os dela.

95


"O que quer que seja. Deixar notas de outro cara em seu armário e ainda te faz sorrir. Eu tenho que estar bem com isso?" Eu bato a palma da minha mão contra um armário e vou embora. Ela grita o meu nome, mas eu ignoro. Talvez ela pense que estou sendo um idiota, mas eu não estou. Eu tenho todo o direito de ficar puto. "Cameron!" Ela puxa meu braço, me impedindo de ir mais longe. "O quê!" Eu me viro, preparado para uma discussão, mas ela está sorrindo. Estou chateado e ela está sorrindo para mim. Ela puxa a minha mão e me leva para fora do corredor, de modo que estamos sozinhos. Estendendo a mão com a palma para cima, ela diz. "Telefone." "O quê?" "Dê-me o telefone." Eu faço o que ela diz. Logan estava certo, em um par de meses que estávamos namorando, ela fez um rápido trabalho em possuir minhas bolas. Ela aperta os botões algumas vezes e depois o entrega de volta para mim. "Essa é a minha combinação do armário." Ela diz. "Você pode ir lá e verificar sempre que quiser. Não tenho nada a esconder de você, Cameron." Meus ombros caem. Eu não tinha percebido o quão tenso eu estava até agora. "Quem é esse Adam, Lucy? O Masters ou Deluca?" Seus lábios formam um sorriso. Eu tento passar, mas ela descansa as palmas das mãos no meu peito e empurra até que eu estivesse contra a parede — ela continua na minha frente, me impedindo de ir a qualquer lugar. "Pare com isso." Ela diz, com os olhos dançando em diversão. "Essa merda não é engraçada. Diga-me ou eu vou socar os dois." Ela ri com isso, e por um segundo eu quero também. Pareço um idiota. Eu sou um idiota. Coloco a mão na sua cintura, a outra em seus cabelos, puxando-a para perto de mim. "Eu não gosto disso." Afirmo, forçando-me a me acalmar. "Você é minha, e os idiotas aqui precisam saber disso."

96


"Ok." Ela acena com a cabeça, inclinando-se e beijando-me rapidamente. "Hm..." Ela mastiga o lábio e olha para o lado, com as bochechas mais vermelhas do que estavam momentos atrás. "O que, Luce? O que você ia dizer?" Eu inclino minha cabeça e bloqueio sua visão, certificando-me de que ela não tem escolha a não ser olhar para mim. "As garotas mais velhas, eu as vejo vestindo a camisa dos seus namorados... com os seus nomes na parte de trás... você, quero dizer... poderíamos fazer isso?" Meus olhos se arregalam, e isso torna o meu sorriso patético. "Você quer fazer isso? Você não é um objeto, não quero que você pense que eu penso assim de você." Ela encolhe os ombros. "Por que não? Eu sou sua." * Eu nunca consegui descobrir qual Adam era, mesmo assim eu ameacei dar um soco em ambos. Logan riu, mas eu não me importo. Lucy me deixa assim.

LUCY Olho para as camisas sobre os meus pés. Elas acabaram de cair do meu armário. Tem de haver mais de vinte. Todas com o nome Gordon na parte de trás. "Eu não sabia qual ficaria melhor com essas saias curtas com babados e botas de cowboy que você sempre usa, então lhe dei um monte de escolhas." Ele me beija, puxando meu top, antes de inclinar o ombro no armário ao lado do meu. "Bom dia." Tento conter o meu sorriso. "Bom dia." Eu escolho uma e coloco-a. "Como estou?" Ele fica congelado. Com os olhos arregalados e boca aberta. "Cam?"

97


Ele sai do seu torpor e olha ao redor — as salas estão vazias. Ele sabe que eu gosto de vir cedo para a escola, então agora ele faz, também. Aparentemente gastar cada segundo do nosso tempo livre juntos não era suficiente. Não para nós. Precisamos da meia hora extra. Segurando minha mão, ele me leva para uma sala vazia. Ele fecha a porta atrás de mim e, lentamente, me manobra contra ela. Ele se inclina para perto, sua respiração roçando meu rosto quando ele sussurra em meu ouvido: "Você está tão..." Sua voz falha, incapaz de terminar a frase. Seus olhos passam por mim da cabeça aos pés. Eu posso sentir o calor tomar conta do meu corpo. Ele se move, colocando seus lábios nos meus, mas ele não os move. É como se ele estivesse hesitante e não tenho ideia do porquê. Finalmente, ele abre a boca, deixando escapar um gemido ao mesmo tempo. E então ele me beija. Puta merda, e que beijo. Nós já nos beijamos antes, mais do que algumas vezes. Cada beijo é melhor que o anterior. Mas eles sempre foram apenas isso. Beijos. Este — este é conduzido por pura necessidade. Puro desejo. Ele faz uma pausa, respira, e sussurra: "Merda." Em seguida, continua de onde parou. Eu puxo sua camisa, o querendo o mais próximo possível. Há uma certa resistência. Por que ele está resistindo? Eu libero sua camisa, seguro seus quadris e puxo-o para mim. Ele imediatamente para de me beijar e deixa cair a cabeça no meu ombro. E eu estou feliz que ele fez isso, porque o meu queixo está no chão e eu perdi a capacidade de me mover. "Luce." Ele sussurra, dando um passo para trás. Eu tento engolir, mas meus olhos não vão deixar a enorme protuberância em sua bermuda. "Não é como se eu pudesse me parar..." Suas palavras morrem no ar quando ele vê a minha mão se movendo. O resto do meu corpo está congelado, mas minha mão não vai parar de chegar até ele. Meus olhos estão fixos. Não consigo desviar o olhar. "Luce." Ele diz novamente, quase como um aviso.

98


Minha mão se achata em seu estômago enquanto eu dou um passo adiante. Eu levanto a cabeça para vê-lo me observando. Não a minha mão, mas meu rosto. Seus olhos perfuraram os meus. Eu movo minha mão para mais baixo. Seus olhos se fecham. Mais baixo. Ele deixa escapar um gemido. E então eu o toco. "Merda." Ele murmura. "Pênis." Eu sussurro. *** Pênis. Pênis. Pênis. Pênis. Pênis. Pênis. Isso é tudo o que eu conseguia pensar depois de tocá-lo esta manhã. Eu tive que desenhar um diagrama de tubos de ensaio no laboratório de ciência. Sabe o que eu desenhei? Pênis. Pênis. Pênis. "Eu tenho um monte de lição de casa hoje à noite, então talvez você possa ir só amanhã?" Ele puxa a bicicleta para fora do rack, mas recusa-se a olhar para mim. "Ok, te vejo amanhã!"

CAMERON

99


Por 20 minutos eu tento pegar o olhar de Mark enquanto ele e minha mãe estão sentados no sofá assistindo TV. Quando ele finalmente percebe, eu discretamente empurro minha cabeça em direção às escadas. "Meu quarto." Eu murmuro. Seus olhos se estreitam em confusão. Eu alargo os meus olhos, e faço novamente, como se isso fosse fazê-lo entender. Ele balança a cabeça lentamente. "Agora." Movo minha boca, e depois corro até a escada e vou para o meu quarto. Ele me faz esperar mais dez minutos antes de bater na minha porta. Ele deve ser capaz de ver o pânico no meu rosto porque sua confusão se transforma em preocupação. "O que há com você?" "Tem alguma coisa errada com meu pau." "O QUE!" Eu fecho a porta e digo para ele ficar quieto. "Estou em pânico aqui, garoto. Mas que diabos?" "Não é você quem deveria estar em pânico! Eu estou em pânico. Algo está errado com o meu pau." Sua voz se eleva. "O que diabos isso significa? O que aconteceu com ele?" "Lucy o tocou e ela—" "Lucy tocou na sua coisa?" Ele grita. Eu pego a coisa mais próxima que posso alcançar e jogo-o em sua cabeça; um pedaço de papel. "Mantenha sua voz baixa, idiota. Mamãe não precisam ouvir sobre o meu pau estar quebrado!" "Está quebrado!" Ele grita novamente. Eu suspiro e me jogo na minha cama.

100


"Ok." Ele começa a andar pelo quarto. "Respire e me diga o que aconteceu desde o início." "Ok." Eu solto um suspiro e tento me acalmar. "Então, ela tocou no meu pau." "Onde?" "Meu pau! Você não está ouvindo?" "Acalmem-se, idiota. Onde vocês estavam quando ela tocou..." Seu rosto se contorce em uma careta. "Você sabe... seu..." "Meu pau? Na escola." "Puta merda! Que diabos eles estão deixando acontecer nas escolas nos dias de hoje?" "O quê?" Eu grito, frustrado. "Não! Não é como se ela puxou minha calça para baixo no refeitório enquanto todos estavam almoçando e decidimos dar uns amassos." "Nojento." "Cale-se!" Levanto-me e começo a andar pelo quarto. "Foi tipo... um toque de leve." "Um toque de leve?" "Sua mão! Ela meio que... escovou lá." "E, em seguida?" "Ela não tem falado comigo desde então. Ela não queria que eu fosse à sua casa hoje. Ela acha que está quebrado ou algo assim." "Que diabos?" Ele para de andar e descansa as mãos nos quadris, balançando a cabeça e olhando para o chão. "Então, o que você quer que eu faça?" "Eu não sei!" Eu jogo minhas mãos no ar. Em seguida, abaixo minhas calças. "Cheque ele!" "Jesus Cristo!" Ele se vira rapidamente, uma mão cobrindo os olhos, a outra mando eu me vestir. "Coloque suas calças de volta!"

101


Eu suspiro e puxo-a para cima. "Eu não sei o que há de errado com ele!" "Eu não sou médico, não posso dizer. Você tem pentelhos ainda?" Ele se vira lentamente, abrindo um olho primeiro, em seguida, abre o outro. "Sim, eu tenho. Eu não tenho oito anos." Ele revira os olhos. "Então, ela passou a mão em seu... você sabe... e então ela não quer mais vê-lo?" "Sim. Eu, ou meu pau quebrado." Ele ri, mas depois para quando vê que eu não estou nem perto de estar brincando. "Ela provavelmente está apenas nervosa, ou envergonhada. Tenho certeza de que não é nada. Vocês são jovens, provavelmente muito jovens para estar tocando um ao outro assim. Talvez apenas a surpreendeu e ela se sente estranha. Você só precisa falar com ela. como os adultos fazem." Concordo com a cabeça, minha respiração, finalmente, assemelhando-se algo normal. Ele caminha até a porta e coloca a mão na maçaneta. "Você está bem, Cam?" "Sim." Eu digo. "Acho que sim." "Ok." Ele vira a maçaneta da porta, mas não abre. Todos os sinais de diversão e pânico o deixaram. "Obrigado por ter vindo falar comigo. Significa muito." Eu dou de ombros, confuso com suas palavras. "Por que eu não iria?" *** "Então, nós precisamos conversar sobre o que aconteceu ontem." Estamos na doca do seu lago, sentados frente a frente. Estamos tentando estudar, mas eu posso ver seus olhos vagando sobre meu pau. "Sobre o que?" Ela diz, forçando seus olhos a se concentrarem em seu livro. "Sobre o que aconteceu na sala de aula." Ela olha para mim agora. "Pênis?" Eu lanço a minha caneta na água e deito-me sobre as tábuas de madeira. "Oh meu Deus." Eu gemo. "Eu não posso acreditar que estamos tendo essa

102


conversa. Quero morrer." Estúpido Marky Mark e seu conselho estúpido podem se foder. "O que há de errado?" Ela diz, sua voz cheia de inocência. Ela não tem ideia Passei toda a noite examinando meu pau quebrado. E não no bom caminho, também. "Eu acho que não deveríamos fazer novamente." Eu digo, ao mesmo tempo, em que ela diz. "Eu quero tocá-lo novamente." "O quê?" Nós dois gritamos. Sento-me, dobro os joelhos e descanso os cotovelos sobre eles. "Lucy..." Eu balanço minha cabeça, não acreditando no que estou prestes a dizer. "Eu acho que talvez a gente precise ir com calma com tudo isso. Olha como reagimos. Eu só acho que talvez a gente não esteja maduros o suficiente para lidar com esse tipo de coisa. As coisas do sexo." "Mas o pênis..." Ela sussurra. Eu olho-a com curiosidade, mas continuo mesmo assim. "Eu sei que fiquei um pouco... fora do controle ontem, e peço desculpas. Mas acho que devemos manter esses hormônios em cheque, só um pouquinho." "Portanto, sem pênis?" "Sem pênis." Eu rio. "E eu acho que você deveria parar de chamá-lo de pênis." Ela joga a cabeça para trás numa gargalhada e se deita ao meu lado. Segurando minha mão, ela diz baixinho: "Mas eu não consigo parar de pensar sobre pênis." Uma risada lenta constrói na parte de trás da minha garganta. "É melhor você acabar com essa merda. Livrar-se dele agora." Ela suspira alto. "PÊEEEEEEENNNNIIIIIIIIIIIIIISSSSS!" Ela grita. "Uau, eu me sinto muito melhor agora."

103


CAPÍTULO 11 CAMERON "O que diabos estamos fazendo aqui? E que cheiro é esse?" Ela fareja o ar com um olhar de desgosto em seu rosto. "Eu quero lhe mostrar uma coisa." Eu a conduzo através do ferro-velho até encontrar o que viemos ver. "Então, o que você acha?" Estamos na frente de uma Kombi velha, e eu quero dizer velha mesmo. Do tipo kombi-VW-hippie. Ela olha para mim como se eu fosse louco. "O que eu penso sobre o que?" Eu balanço minha cabeça e fico na frente da Kombi, batendo-a algumas vezes. "Eu acho que vou chamá-la de Filmore, como naquele filme Carros." "Sim." Ela revira os olhos. "Seis irmãos pequenos, lembra-se? Eu sei qual é o filme." "Então?" Pergunto novamente. Seus olhos se estreitam. "Por que uma kombi assim? Quero dizer, não basta ter um carro normal?" "Eu não sei." Eu dou de ombros. "Eu sou alguns meses mais velho que você, então tenho poucos meses até você e seus irmãos dirigirem por aí." Seus olhos se arregalam. "O quê?" Ela quase grita. Então lágrimas instantaneamente aparecem em seus olhos. Dou um passo para mais perto e faço-a olhar para mim, só para ter certeza de que eu não estava imaginando. "Por que você está chorando? O que aconteceu?" "Você não pode comprar um ônibus para mim e meus irmãos dirigirem ao redor, Cam. Isso é estúpido." "O quê?" Cruzo os braços sobre o peito. "Quem disse que eu não posso?"

104


"Eu!" Ela aponta para si mesma. "Você tem 15 anos, Cameron. Você não precisa fazer isso. Você não precisa cuidar de mim, ou meus irmãos. Eles não são sua responsabilidade!" "Lucy, eu já comprei, e você precisa se acalmar. Isto não é como-" "Não, eu não vou me acalmar." Ótimo, agora ela está chateada. "Você não pode escolher um carro baseado em mim ou em minha vida." "Por quê?" Eu grito. E agora eu estou chateado. Ela respira fundo, os punhos cerrados ao lado do seu corpo. "Tudo bem, Cameron." Ela diz com os dentes cerrados. "Eu estou terminando com você!" Meu coração cai. O quê? "O quê?" Eu digo em voz alta. Ela se vira e começa a se afastar. Eu vou atrás dela, puxando seu braço para detê-la. Ela se vira para mim, seus olhos se estreitam. "Você não pode terminar comigo, Luce. Vamos." Minha voz quebra. Estou à beira de chorar. Eu sou um maricas. Eu admito. Mas ela está ameaçando termina e eu não posso deixar que isso aconteça. Ela é meu mundo. Ela deve perceber o que fez, porque seu olhar volta para simpatia e sua boca se transforma em uma carranca. "Sinto muito." Ela diz, envolvendo os braços em volta da minha cintura e olhando para mim. "Não foi a minha intenção." Eu seguro sua cabeça ao meu peito, esperando que as batidas do meu coração se acalmassem. "Tudo bem." Ela concorda. "Vou deixar você comprá-lo com uma condição." Eu me afasto e rio um pouco. Tudo bem, vou entretê-la. Erguendo minhas sobrancelhas, eu digo: "O quê? Qual é a sua condição?" Ela sai dos meus braços e caminha em volta da Kombi. Ela põe a cabeça dentro e olha o interior antes de se virar para mim. "O dia que você obter a sua licença..." Ela dá dois passos para cobrir a distância entre nós. "Você vai me pegar e me levar a algum lugar isolado, e nós fazemos fazer algumas besteiras na parte de trás. Durante horas."

105


Meus olhos ficam enormes e eu balanço lentamente com a cabeça. "Isso pode ser arranjado." Ela sorri. "E eu estou falando em besteiras completas, Cameron. Quer dizer que eu quero que você sem camisa e na horizontal." Eu tento não olhar para minha bermuda; positivo, estou ostentando uma semi-ereção. Ela continua: "E eu quero estar sem blusa e é melhor você estar tocando meus peitos." Eu engasgo com o ar. Ela ri, e depois cruza os braços sobre os seios. "Concorda?" Acho que concordo, mas eu não posso ter certeza, porque agora tudo o que posso pensar é nos seus seios. Eu coloco minhas mãos em sua cintura e empurro-a suavemente até que ela esteja contra a Kombi. E então eu a beijo. Suas mãos vão para o meu cabelo, puxando um pouco, e me levando para mais perto dela. E nós nos beijamos. Quando ela finalmente solta meu abraço, eu a puxo de volta. Ela me beija mais uma vez, e depois suspira. "Você realmente comprou esta Kombi, hein?" Concordo com a cabeça. "Para que você possa me ajudar com os meus irmãos?" Concordo com a cabeça novamente. "É claro, Luce, você é minha garota. É o meu trabalho cuidar de você." Seus olhos ficam vidrados de lágrimas novamente. Eu queria me chutar por fazê-la chorar. Mas antes que eu possa dizer qualquer coisa, ela envolve o braço em volta do meu pescoço e me puxa para outro beijo rápido. Ela se afasta e diz: "Eu realmente gosto de você, Cameron." Eu sorrio. "Sim?" "Sim." Ela diz com um ar sonhador.

106


E então, meu coração começa a acelerar. Minhas mãos começam a suar. E tudo o que eu posso ouvir é o bombeamento de sangue em meus ouvidos. "Bom." Eu respondo, e depois inalo uma grande respiração. "Porque eu estou apaixonado por você, Lucy." Seus olhos se alargam. Seu queixo cai no chão. "O quê?" Ela respira com força. Eu levanto meu queixo e finjo uma falsa confiança que não existe. "Você me ouviu." Silêncio. É o mais longo três segundos da minha vida. Então, finalmente. "Cameron, eu te amo tanto." E então ela me beija. Cinco semanas, três dias e oito horas depois, é tempo que leva para eu tocar nos seus seios. *** "Eu estive pensando." Ela diz, fechando o sutiã de volta. Eu estacionei a Kombi perto da doca em seu lago. Parece apropriado, considerando que se tornou o nosso lugar. Eu abro algumas janelas da Kombi, e, em seguida, sento-me ao seu lado. Ela deita a cabeça no meu colo e olha para mim. E eu não posso deixar de sorrir. "O que você estava pensando?" Ela levanta a cabeça para beijar o meu peito nu e, em seguida, começa a traçar corações sobre ele. "Eu acho que quero esperar. Para o sexo, quero dizer. Eu estava pensando sobre o que você disse, sabe... depois Penisgate." Eu rio. "Penisgate?" "Sim, sabe... todas as coisas escandalosas terminam com 'gate'."

107


Eu suprimo o meu sorriso. "Sim." "Ok, então depois Penisgate... eu comecei a pensar... e acho que você está certo, por estar pronto... emocionalmente. Acho que eu não estou ainda." "Ok, então vamos esperar." Eu dou de ombros. "Vai ficar tudo bem entre nós?" Reviro os olhos. "É claro que vai ficar tudo bem, Luce. Eu nunca te obrigaria a fazer algo que você não esteja prepara. Você sabe disso." "Eu sei." Ela diz, beijando meu peito novamente. "A coisa é que eu não quero prometer-lhe uma hora ou data ou qualquer coisa, porque eu não posso dizer, e eu não quero você—" "Pare." Eu a cortei. "Você não precisa prometer nada. Quando for para acontecer, vai acontece." E quando as palavras deixam os meus lábios não há um pingo de dúvida em minha mente de que eu ia esperar por ela para sempre. "O quê?" Ela deve ver que estou perdido em algum lugar da minha mente, porque ela pergunta: "O que você está pensando?" Minha mente corre com tantos pensamentos, tantas emoções que eu me esforço para encontrar as palavras. Eu me esforço para falar. "É estúpido." Ela corre o dedo pela minha mandíbula. "Diga-me de qualquer maneira." Eu levanto os meus joelhos, fazendo com que a sua cabeça subisse. Eu beijo-a suavemente, sabendo que os nossos lábios estão inchados de beijarmos por tanto tempo. "Luce..." Eu solto um suspiro e ignoro a dor em meu peito. Eu não sei o que é, ou por que está lá. "Às vezes eu acho que isso — você e eu — isso pode ser tão bom que quero que dure para o resto da minha vida e seria perfeito. Eu sinto que te amei por toda a eternidade, e não é nem perto o suficiente. Mesmo agora, quando é verão e não há escola para nos preocupar e podemos passar cada segundo de cada dia juntos, não parece ser suficiente. Acha isso normal? Sentir isso? Ter dezesseis anos e sentir como se sua vida começasse e terminasse com uma pessoa?" Ela balança a cabeça lentamente. "Não é estúpido." Ela diz. "E eu não sei se é normal. Eu sei que te amo, e sei que sinto o que muitas pessoas nunca chegaram a experimentar esse tipo de amor que temos. Mesmo que seja de curta duração."

108


Minhas sobrancelhas se unem. "Você acha que o nosso será de curta duração?" Ela balança a cabeça lentamente. "Eu acho que nada pode ficar no nosso caminho. Nunca."

LUCY Há uma batida na porta do meu quarto, ou é isso que eu penso. Quando abro meus olhos eu não estou no meu quarto. Mas o barulho é incessante. "O que está acontecendo?" Cam pisca rapidamente, tentando acordar a si mesmo. O barulho não para. "LUCY!" A voz do meu pai nos acorda rapidamente. "LUCY!" Ele grita novamente. Ele está batendo na janela traseira da Kombi de Cam. "Oh meu Deus, Cam. Devemos ter adormecido!" Ele não fala, seu foco está em meus seios. Eu olho para baixo. "Merda." Eu sussurro. Eu não estou vestindo uma camisa, apenas o meu sutiã. "LUCY!" Acho minha camisa e me apresso para colocá-la, embora eu saiba que seja tarde demais. O rosto do meu pai está pressionado contra a janela, eu tenho certeza que ele já viu a gente. E Cam — ele está sem camisa, também. "Nada aconteceu." Ele diz as pressas. "Nós não fizemos nada de errado." E como ele mesmo diz, eu posso ver o pânico em seus olhos. "Nós só precisamos explicar para ele, ok? Vai ficar tudo bem." Ele coloca a camisa e abre a porta. "Mr. Preston." Ele começa, suas mãos levantadas em sinal de rendição. "Nós adormecemos. Sinto muito. A culpa é minha. Eu deveria—" "Cale-se!" Me pai rosna. "Cale-se, Cameron."

109


"PAI!" Eu tento sair da Kombi, mas ele agarra meu braço apertado com força. Ele usa tanta força que eu caio no chão. "Pai, pare! Você está me machucando!" Eu me livro do seu aperto e tento me levantar. Os braços de Cameron estão em torno da minha cintura, me ajudando a ficar de pé. Mas eu não posso. Papai está me puxando para longe de novo. Longe de Cameron. "Mr. Preston." Cam entra na nossa frente, andando para trás e tentando falar com ele. "Eu te juro, não aconteceu nada." Mas o meu pai não se importa. E agora eu estou chorando. Eu uso todas as minhas forças para me livrar do seu aperto, e correr para Cameron. Ele para de andar e me move para trás, tornando-se um escudo entre nós, como ele já fez antes. "Nós apenas adormecemos." Cam começa. "Cale-se!" Meu pai grita. "Eu disse para você calar a boca!" Ele empurra Cam fora do caminho com tanta força que ele cai no chão. Eu tento dizer seu nome, mas não consigo. Eu não posso, porque os meus gritos não me deixam. Eu não posso respirar. Eu não posso ver através das lágrimas. Então meu pai olha em meus olhos. E mesmo através da sua raiva eu posso ver a verdade; vergonha. Ele suga a respiração, como se estivesse tentando se acalmar, mas não funciona, porque seus olhos se apertam e um olhar de puro ódio passa por eles. E se ele disse isso para me arruinar, funcionou. "O que sua mãe acharia disso se ela estivesse viva? O que ela diria se soubesse que sua filha era uma prostituta?" Vazio. Escuridão. Isso é tudo o que eu sinto. Isso é tudo o que eu vejo. Em algum lugar distante, ouço a voz de Cameron. "Não se atreva a falar assim com ela." Sua mão agarrando a minha é puro fogo.

110


Isso queima. Isso dói. Eu me machuco. Em todos os lugares. Abro os olhos e deixo o torpor do sofrimento me levar. "Vá para casa, Cameron." *** Todos os dias durante as próximas duas semanas, ele bate na nossa porta. Vagina diz-lhe que eu não estou autorizada a ter visitas; Ordens do meu pai. Mas ela sabe. Ela me vê. Ela entende. Não é só o meu pai que não vai permitir isso. Eu também não. Todos os dias eu o vejo da janela do meu quarto enquanto ele fica em sua Kombi de merda, a que ele comprou para nós. Ele se senta no banco do motorista e olha para minha janela, por alguns minutos que se passam como horas. Sei porque eu o vejo. Eu vejo-o me ver, e eu não faço nada para fazer a dor ir embora. Não por ele, ou por mim. Meu pai não falar comigo. Ele nem sequer olha para mim. Eu sou a sua única filha. Sua filha, a prostituta. Eu não saio de casa. Eu mal saio do meu quarto. O lugar está sempre cheio de gente, cheio de risos, cheio de alegria. Eu? Estou vazia. Eu não sinto nada. Absolutamente nada, mas a agitação constante no meu estômago. Às vezes, eu deixo esse sentimento me controlar. E, às vezes, eu esvazio esse sentimento.

CAMERON Durante duas semanas eu tento vê-la. Eu preciso ter certeza de que ela está bem. Se ela se sente a metade do que eu sinto, eu sei que ela está sofrendo. E o tipo de dor que ela sente não deveria existir. É por isso que eu me encontro no último lugar que qualquer pessoa em sã consciência estaria. "Mr. Preston está aqui?"

111


O homem de meia-idade tira o chapéu e olha para cima. Ele me olha de cima a baixo rapidamente, antes de perguntar: "Você está aqui em busca de trabalho?" "Não, senhor." Eu dou uma olhada ao redor do canteiro de obras. "Estou aqui para falar com o Sr. Preston." Ele acena e vai embora. E eu espero. Com as palmas das mãos suadas e um coração batendo freneticamente, eu espero. "O que você quer?" Sua voz me faz pular, mas eu escondo essa reação. "Eu preciso falar com você." "Não tenho nada para conversa com você." Ele começa a sair, e por um segundo eu quase desisto. Eu conheço homens como ele, meu pai é igual. O orgulho vem em primeiro lugar e seu senso vem em segundo. Ele quer o certo, mesmo quando está errado, e ele gosta de ter poder sobre mim. Mas isso é maior do que o seu orgulho. E é maior do que ele e eu. "Eu acho que Lucy está doente." Ele congela, os ombros rígidos, e sua respiração pesada. Ele lentamente se vira para mim, sua hesitação some. "O que quer dizer que ela está doente?" Peço-lhe para falar em algum lugar mais privado. Ninguém precisa saber sobre isso, e eu não sou de expor publicamente. Ele me leva para o seu escritório portátil e senta-se atrás da sua mesa. Eu fico em pé. Eu não quero ficar confortável, e ele não deve ter esse luxo também. "Enquanto sua esposa estava morrendo, Lucy estava deixando-se doente. Ela se fazia vomitar." Eu tento prender as lágrimas estúpidas e falar através do caroço que está formado em minha garganta. "Ela disse que fazia isso para se sentir viva. Que quando as coisas estavam realmente ruins, ela queria se sentir viva. Naquela noite, quando Lachlan estava doente e você recuperou os seus sentidos... eu vi ela fazendo. Ela disse que não fazia mais, mas eu não estive em torno dela nas últimas duas semanas, e eu estou supondo que você também não."

112


Ele não responde. Ele só olha para fora da janela, com muita vergonha de me enfrentar... Enfrentar o que ele não sabia. "Eu estou dizendo a você, porque eu me preocupo com ela." Ele se vira para mim agora, sua personalidade de durão completamente destruída. "Eu estou dizendo a você, porque eu a amo. Eu a amo mais do que absolutamente tudo neste mundo inteiro. Estou sofrendo por não ser capaz de vê-la, então eu não posso imaginar como ela está se sentindo. Tenho a minha mãe, eu tenho o seu namorado, e eles me ajudam a passar todos os dias. Ela provavelmente não tem ninguém." Ele inclina os cotovelos sobre a mesa e abaixa a cabeça entre os ombros. "Se ela estiver fazendo isso de novo... se ela estiver tentando se sentir viva... se ela estiver tão longe que está se deixando doente de novo... Eu nunca vou te perdoar. E um dia, quando ela de alguma forma, for capaz de passar através de tudo isso, nem ela será."

113


CAPÍTULO 12 LUCY Eu não me incomodo em responder as batidas na minha porta. Se é um dos garotos, que tinham acabado de entrar. Mas eu sei que não é eles, porque eles não vieram em torno de dias. Eles devem saber. Eles devem ser capazes de me ler. Assim como Cameron consegue. Meu pai entra sem explicação. Sento-me na beira da minha cama, de frente para o banheiro. É aí que o vejo; furadeira em uma mão e chave de venda na outra. Seus passos são pesados quando ele caminha para o banheiro e levanta a tampa. Em seguida, ele passa a aparafusar a tampa sobre a base. Eu deveria me importar, mas eu simplesmente não faço. Quando ele termina, ele pega a sua chave de venda e remove a torneira. Ele abre o armário e trabalha em alguma coisa lá. Finalmente, ele se levanta e caminha para fora do banheiro. Eu acho que ele vai sair, mas ele não faz. Em vez disso, ele se senta na minha cama ao meu lado e deixa suas ferramentas no chão. E então ele chora. Forte e alto, em suas mãos. Eu deveria me importar, mas eu simplesmente não consigo. "Ajude-me." Ele diz em voz baixa. "Eu não sei o que estou fazendo." E então, eu finalmente percebo, o que ele fez. Ele deve saber. Cameron deve ter dito a ele. "Eu te odeio." Eu sussurro, meu olhar desfocado. "Eu sei." "Você me fez te odiar." "Eu sei, Luce, eu sinto muito." Lágrimas caem. Eu deixo. "Sabe qual é a pior parte?" "Diga-me. Fale comigo, por favor."

114


"A pior parte é que você me fez sentir vergonha, quando não tenho nada para me envergonhar. E você usou a memória da minha mãe para me fazer sentir desse jeito. Você pegou algo bonito de mim e me fez sentir vergonha. Eu amo Cameron. E eu sei que a mãe teria o amado também. Sabe como eu sei? Porque ela o teria visto pelo que ele é. Ela teria visto o menino que estava lá por mim todos os dias quando você não podia estar. Quando eu mais precisei de você, você virou as costas para mim. Mas Cam — ele não fez. E ele não faz. Mesmo agora, depois de tudo o que o fiz passar, ele ainda está aqui. Ele ainda aparece a cada dia. Ele ainda se preocupa o suficiente para dizer-lhe que eu preciso ser salva. Mas eu não preciso de você para me salvar, pai. Preciso de Cameron. E eu não me importo com o que você diz. Não me importo como você se sente, porque você não entende. Você não entende porque você não se importava o suficiente para perguntar. Tudo o que você fez foi me chamar de prostituta e usou a minha mãe para alimentar a fúria. E eu te odeio por isso." Eu ouço seu choro ficar mais alto, mas eu não me importo. "Você pode pensar que somos jovens, ou que somos ingênuos, mas você se casou com a mãe depois de dois meses. Você acha que se vocês tivessem se conhecido quando tinham quinze anos, os seus sentimentos um pelo outro teria sido diferente? Você acha que sua vida seria diferente? Você acha que esta casa — esta família que ambos construíram juntos seria diferente?" Eu fico em silêncio e espero por sua resposta. Ela nunca vem, e isso me irrita, porque eu mereço respostas. Eu o enfrento, não tenho mais medo dele. "Acha?" Ele balança a cabeça lentamente. "Não, Lucy. Eu não penso assim." "Isso é o que eu pensava." Eu me afasto, voltando meu foco para o nada à minha frente. "Agora imagine se alguém tirasse isso de você. Imagine se você não pudesse ter a única coisa que lhe deu esperança. Isso mesmo... ele foi retirado. Minha mãe foi levada para longe. Mas a diferença é que você tem a sua vida, você tem seus filhos, você tem a sua casa. Você tem que compartilhar tudo isso com seu amor, sua esperança." Eu me viro para ele, fazendo-o me olhar nos olhos. "Mãe teria se apaixonado por ele, assim como eu fiz. E eu odeio que você levou a minha esperança para longe de mim." *** "Lucy." Eu acordei com meu pai me balançando suavemente. Quando abro os olhos, vejo que é a luz do dia. É a primeira vez que eu dormi durante desde a última vez que vi Cameron.

115


Minha cabeça está doendo de todo o choro. "Lucy." Ele diz novamente. "Levante-se. Precisamos ir. Encontre-me lá embaixo em dez minutos." Eu nem sequer o questiono. Não há mais nada a questionar. Depois da nossa conversa, ele chorou mais um pouco, e pediu desculpas, até que eu disse-lhe para sair. Até o fim de tudo, eu estava fisicamente e emocionalmente esgotada. Ele dirige para um bairro familiar, que eu não tinha ido há duas semanas. Ele para na frente da casa de Cameron e sacode a cabeça para a porta da frente. "Vá buscar o seu namorado." Eu não penso duas vezes. Eu já estou sorrindo quando chego a sua porta. Ele abre antes que eu possa ter a chance de bater. Seus olhos se arregalam, e depois ele ri — o tipo aliviado de riso. Eu jogo meus braços em torno dele e beijo-o mil vezes. Mas eu sinto o seu corpo tenso, e sei que ele pode ver meu pai. "O que está acontecendo, Luce?" E é então que eu percebo o quanto eu sentir a sua falta. Sua voz. Seus olhos escuros. Seu cabelo loiro sujo. Seu rosto perfeito. Seu cheiro. Tudo. "Eu não sei." Eu dou de ombros. "Ele só me trouxe até aqui e me disse para levá-lo. Você vem?" Seu olhar se desloca do carro do meu pai para mim. "Babe, eu tenho que trabalhar na concessionária." "Não, você não tem." A voz de Mark vem de algum lugar da casa. Um segundo depois, ele está por trás de Cam, esfregando seus ombros. "Vai ficar com sua garota." Ele sorri sobre o ombro de Cam. "Lucy." Ele acena com a cabeça. "É bom vê-la. Sentimos sua falta por aqui." * Nós dirigimos para cidade em completo silêncio. Eu sento na frente e ele se senta na parte de trás mastigando suas unhas. Eles nem sequer se cumprimentam. * "O que está acontecendo?" Ele sussurra perto de mim.

116


Eu vejo meu pai andando pelo chão da sala de espera do médico. "Eu não sei." Eu sussurro de volta. A recepcionista chama meu nome e eu me levanto, o mesmo acontece com Cam. Nós ainda não sabemos o que estamos fazendo aqui. "Vamos." Meu pai diz. Um homem que é o médico presumo — segura a porta para que a gente entre. "Dr. Matthews." Cam diz, apertando a mão do médico. Ele segura uma cadeira e espera que eu me sente antes de tomar o assento ao meu lado. "Como vai você, Cameron?" O médico pergunta. Minhas sobrancelhas se arqueiam em confusão. "Eu estou bem, senhor." Ele segura minha mão, enquanto o doutor senta à mesa em nossa frente. "Esta é a minha namorada Lucy." O médico sorri para mim, o tipo de sorriso verdadeiro que eu acho raro. "Vejo que você está batendo acima da média." Diz ele para Cam. Cam solta uma risada. "Sim, senhor. E eu sei, também." Ele me encara e faz um gesto com a cabeça para o médico. "Este é o pai de Logan." Meus olhos se arregalam. "Oh." Dr. Matthews solta uma gargalhada. "Eu prometo que não tenho tendências imbecis do meu filho." Ele pisca, e eu encontro-me relaxada. "Ele não é tão ruim." Eu digo a ele. "Ele me salvou de valentões uma vez." Seu sorriso é instantâneo. "Você nunca me disse isso." Cam afirma. Eu dou de ombros. "Não era importante. Não é como se eu estivesse louca por ele." Eu brinco. Cam zomba. "Bom. Vou me lembrar disso." Todo mundo ri. Todos, menos meu pai. Em vez disso, ele limpa a garganta, fazendo-nos parar e prestar atenção. Ele dá um passo para trás de mim e

117


coloca suas mãos na minha cadeira. "Eu — quero dizer, cabe a eles, mas eu acho que seria uma boa ideia discutir sobre o controle de natalidade." Eu engasgo com o ar. Cam solta um som indescritível. Os olhos do Dr. Matthews passam entre nós. "Isso é algo que vocês gostaria de considerar, ou pelo menos discutir?" Silêncio. Ruim. Maldito. Silêncio. Então Cam limpa a garganta, semelhante ao meu pai apenas alguns segundos atrás. "Já conversamos sobre isso, senhor. Queremos esperar até nós dois estarmos maduros o suficiente para lidar com isso emocionalmente. Lucy não me deu um prazo e eu estou feliz com isso. Eu lhe disse que iria esperar, e eu quis dizer isso. Eu esperaria para sempre. Não sei se é algo que temos que pensar agora, mas se for ajudar o seu pai a manter a sua paz de espírito, então eu acho que é uma boa ideia." Ele se vira para mim, apertando a minha mão ao mesmo tempo que fala. "Se você estiver confortável com isso, babe, eu acho que pode ser algo que devemos fazer." Concordo com a cabeça. Não é por mim ou pelo meu pai, mas por Cameron. Porque ele disse nós. É algo que devemos fazer. Cam e eu escolhemos o Implanon — é um implante subdérmico que é implantado sob a pele e tem a duração de três anos. Cam odeia. Ele acha que deveria ser ele a fazer alguma coisa, não eu. Ele se encolhe quando vê o doutor inserido em mim. "Sinto muito." Ele sussurra, mas ele não tem absolutamente nada do que se desculpar. * Eu pensei que meu pai iria deixar Cameron em sua casa, mas ele não faz. Ele nos leva para casa e nos pede para esperar na mesa de jantar. "Estou com medo." Digo para Cameron. Ele coloca o braço em volta dos meus ombros e beija meu templo. "Você não precisa ter medo, Luce. Você nunca tem que ficar com medo quando eu estiver aqui."

118


A raspagem de uma cadeira faz com a gente se afaste. Meu pai senta na nossa frente, seu olhar movendo-se de mim para Cam, e vice-versa. Então, lentamente, ele empurra um pedaço de papel para mim. Um folheto. Aconselhamento familiar. Eu olho para ele. "Eu não preciso de aconselhamento." Cam instala a mão na minha perna debaixo da mesa. "Eu sei." Meu pai diz. "Mas eu sim, Luce. Preciso de ajuda. Não apenas com a criação de filhos por conta própria, mas lidar com a necessidade." Ele inclina os cotovelos na mesa e fala só para mim. "Você estava absolutamente certa com o que disse ontem. Você não precisa de mim para salvá-la, você tem Cameron. Mas eu preciso ser salvo. E eu não tenho ninguém. A terapia é para mim." Abro a boca para falar, mas ele levanta a mão para me impedir. "Você não pode perdoar minhas ações com base em minhas palavras. Perdoeme quando minhas ações provarem que eu mereço." * "Eu ainda o odeio." Enterro meu rosto ainda mais em seu peito e jogo o meu braço sobre seu estômago. Estamos deitados no meu cais, esperando o sol se pôr. "Eu sei. Ele disse algumas coisas muito duras." "Você acha que a sua mãe iria me deixar viver com você até a faculdade?" Ele ri baixinho. "Acho que eu iria encontrar uma maneira de esgueirar-la para dentro, mesmo se ela dissesse que não, mas eu acho que isso não iria resolver nada. Isso não seria a coisa certa a se fazer." "Eu sei." Eu suspiro. "Deve ser difícil para ele. E você é a sua menina. Ele está lutando com a perda da sua mãe, e agora ele acha que está perdendo você também." Sento-me e me apoio em meu braço estendido para que eu possa olhar para seu rosto. Ele move o meu cabelo para longe do meu olho. "Eu não sei, Luce. É difícil para mim entender. Meu pai—" Seu suspiro o corta. "É como se ele soubesse que eu existo, ele simplesmente não se importa. Ele nem mesmo finge. Ele

119


nem sequer tenta. Então, é difícil para mim ver as coisas do seu ponto de vista, quando tudo o que eu posso ver é um homem que tenta curar e fazer as coisas direito por você." Ele tenta sorrir, mas não funciona. "Tudo o que eu estou dizendo é que acho que ele tem boas intenções. Ele só não sabe como lidar com isso. Nós só precisamos apoiá-lo e dar-lhe tempo." E mesmo que eu não concorde com ele, eu aceno de qualquer maneira, porque ele fez isso de novo. Ele disse nós. Precisamos dar-lhe algum tempo. Ele sorri e me puxa de volta para ele. "Eu amo essa hora do dia." "O pôr do sol?" "Sim. Quer saber por quê?" Concordo com a cabeça contra seu peito. "Porque me faz lembrar de nós." "Como?" "Porque é eterno, a ascensão e queda do sol. É para sempre. Assim como nós."

120


CAPÍTULO 13 CAMERON "Ei, você quer ouvir algo realmente brega?" Ela sorri e fecha a porta do seu armário. "O quê?" "Minhãe, Mark e eu, a gente faz uma sessão de filmes um par de noites por ano. É chamada de sessão loucura." "O que acontece nessa sessão loucura?" "Nós temos uma maratona de filmes." Ela me dá seus livros para que possa amarrar seu cabelo. Costumava ser um marrom escuro, mas o sol do verão o deixou mais escuro. Ela me perguntou se deveria pintá-lo e deixá-lo mais leve novamente. Eu disse que ela não precisava. Quanto mais escuro ficava, mais seus olhos azuis se destacavam. Ela riu e perguntou se eu estava lendo seus livros. Eu realmente não sabia o que aquilo significava, mas, obviamente, era uma coisa boa porque começamos uma sessão de amassos, que durou duas horas. "Isso soa legal." Ela começa a se afastar, e eu a sigo, seus livros ainda em minhas mãos. Logan passa por nós e faz um movimento de chicoteamento com a mão. "Foda-se." Eu murmuro para ele. Sua cabeça se atira para trás numa gargalhada silenciosa. Em seguida, ele para de andar e seus olhos brilham com diversão. "Ei, Luce." Ele diz, caminhando até nós. Ela se vira para ele. "Sim?" "Você teve um surto de crescimento ou algo assim durante o verão?" Seus olhos vagueiam de cima a baixo pelo seu corpo. "Não."

121


"Oh." Ele olha-me rapidamente antes de voltar o olhar para ela. "Parece que essas saias que você usa estão ficando mais curtas. Ou talvez seja apenas um tempo desde que eu te vi." Ele dá um passo a frente. "Eu não percebi o quanto eu senti sua falta até agora." Ele estende os braços, um convite para ela abraçá-lo. Eu espero por sua reação, meus punhos se fecham. Suas sobrancelhas se arqueiam enquanto ela olha dele para mim, e vice-versa. Ela balança a cabeça rapidamente e se enfia debaixo do meu braço. Eu rio. "Arranje sua própria namorada para poder abraçá-la." Ele balança a cabeça e ri. "Jake!" Ele grita. "Vem me dar um abraço!" Jake caminha com os olhos já estreitos. "Não, amigo, eu estou bem." Dylan e sua namorada Heidi se juntam a nós e Logan inventa rapidamente uma desculpa para sair. Ele faz muito isso quando os dois estão juntos. A campainha toca e todos caminham para as nossas salas. "Então, é hoje que acontece a sessão loucura?" Lucy pergunta, tirando os livros da minha mão. "Oh, sim. É hoje à noite. Quer vir?" "Não é uma coisa de família?" Reviro os olhos. "Você é da família." Abaixando a cabeça, ela tenta esconder seu sorriso. "Ok." Ela olha para cima, seu sorriso ainda no lugar, e me beija mais do que ela já fez na escola. "Vejo você depois da escola. Eu te amo." E então ela se foi. Eu estou no meio do corredor vazio, sorrindo como um idiota. "Vá para a aula!" Ela grita por cima do ombro. Eu nem sequer tenho meus livros. *** Uma vez que ela estava dentro do Filmore e prendeu o cinto de segurança, ela se vira para mim. "Quais filmes iremos assistir?" "Nós assistimos todos os nossos favoritos, o meu primeiro, então o da minha mãe e, em seguida, Marky Mark."

122


"E quais são eles?" "De Volta Para o Futuro, Aladdin, e Máquina Mortífera. E depois disso, eles disseram que nós podemos tentar ver o seu favorito." Ela sorri novamente, aquele mesmo sorriso tímido de mais cedo. Eu me inclino e beijo sua bochecha, e começo a dirigir para fora do local. Dirijo uma milha antes do meu carro quebra. "Filmore estúpido." Eu chuto o pneu. Ela surge e envolve seus braços em volta de mim, tentando me acalmar. "Eu me sinto mal que você tenha gastado o seu dinheiro com isso. Eu sei que você estava fazendo isso por mim, mas você poderia ter conseguido algo mais confiável." Eu suspiro. "Isso não importa. Está feito agora." "Você não acha que é corrigível?" Eu balanço minha cabeça, o meu sorriso apertado. "Vai custar mais para corrigir do que realmente vale. Estou chateado. Isso não é sua culpa. Sinto muito." Ela puxa o celular do seu sutiã. Suas saias raramente tinham bolsos. "Pai?" Ela diz, segurando o telefone no ouvido. Meus olhos se estreitam em confusão. "Filmore se foi. Você pode organizar um reboque?" Ela dá-lhe a nossa localização. Dez minutos depois ele chega. Mais cinco minutos e o caminhão de reboque aparece. Meia hora depois disso, me disseram que Filmore precisa de um novo lar no céu de carro. Basicamente, onde eu o encontrei. Tom está na frente de nós balançando a cabeça. "Sinto muito." Ele diz com sinceridade. "Eu sei que você comprou Filmore para ajudar Luce e os meninos e eu aprecio isso." Suas palavras não me surpreendem. Luce disse que ele vem fazendo terapia duas vezes por semana, nos poucos meses desde que ele começou. Ela foi para algumas sessões com ele e eles estão trabalhando através de suas questões. Ela me disse que isso ajuda, e eu estou contente

123


que faz. Ela disse que eu dei a ela uma nova perspectiva, que mesmo que ele tenha estragado tudo, ele está tentando. O que é mais do que posso dizer para o meu pai. Ele esfrega a mão na barba e olha entre Lucy e eu "Vocês estavam indo para a nossa casa ou o quê?" Lucy responde por nós dois. "Nós estávamos indo para casa do Cam." E mesmo que podíamos ter caminhado até a minha casa, nós aceitamos a sua carona. Porque não é apenas sobre uma carona, é a mensagem por trás disso. Ele está fazendo um esforço. Não apenas por Luce, mas por mim também. *** "Onde está Filmore?" Mark pergunta, entrando na cozinha. Lucy exagera em um biquinho. "Céu dos carros." Os olhos de Mark se movem de Lucy, para minha mãe, e então finalmente para mim. "Isso é uma merda, cara. Sinto muito." Dando de ombros, eu declaro: "Era inevitável." Deixo escapar um riso amargo. "Só significa que as costas de Lucy vão ficar doloridas por causa da minha bicicleta." Ela bufa. "Eu não me importo, querido. O pior é que eu nem tirei a minha licença ainda." Reunimos nossos lanches e nos movemos para a sala, onde ela posiciona-se no sofá e levanta suas pernas para que eu me sente. Uma vez que estamos resolvidos, ela puxa seu e-reader da mochila e o liga. Mark encolhe os ombros em sua camisa da Máquina Mortífera; e diz: "Eu estou muito velho para esta merda." Minha mãe costumava odiar. Ela pensava que era uma má influência para mim. Ainda não contei a ela sobre a vez em que eu bati na cara dele com meu bastão de beisebol e ele soltou a *bomba C. Eu tinha nove anos. Mark ri e balança a cabeça para Lucy, assim como minha mãe joga um cobertor persa falso sobre eles. "É a sessão loucura, Luce. Nenhum livro." Ele brinca. *É usado em retrospectiva imediata para quando alguém usa a palavra vagina.

124


"Está tudo bem." Eu corto-o. "Ela pode ler. Eu estou acostumado com isso." "Eu só tenho dois capítulos para terminar." "Merda." Eu murmuro. "Meu *Delorean." Rapidamente corro até o meu quarto e pego o carro em miniatura que Mark tinha me dado, porque ele sabia que era o meu filme favorito. Na verdade, agora que penso nisso, foi no dia depois que ele soltou a bomba C. Talvez ele tivesse segundas intenções. Idiota. Eu ainda estou rindo de mim mesmo quando volto lá para baixo. "O que é engraçado?" Minha mãe pergunta. Eu levanto as pernas de Lucy e reposiciono-as no meu colo. "Lembra daquela vez que eu dei a Marky Mark um lábio inchado com o bastão de beisebol?" Minha mãe dá uma risadinha. Eu ergo o Delorean e uma sobrancelha para Mark. Seus olhos ficam enormes quando ele balança a cabeça em sinal de advertência. *** Estou tentando assistir ao filme, mas seus pés em meu colo se mantém esfregando um no outro. Seria bom, só que está no meu colo. Eu olho para ela rapidamente, mas ela está muito entretida em seu livro, seus olhos correndo de um lado para o outro. Ela sorri suavemente. Eu aprendi que isso significa que os personagens fizeram algo demasiado extravagante. Quero sorrir com ela, mas tudo o que posso pensar são nos seus pés esfregando contra meu pau... e o tesão que está construindo mais rápido do que deveria. Contendo um gemido, eu pego uma almofada e faço o meu melhor para não perturbá-la quando levanto seus pés, colocando a almofada no meu colo para esconder as evidências. Ouço Mark rir e olho para ele. Sua mão está levantada em punho, apontando-o para cima e para baixo; o sinal universal para masturbação. Eu olho para ele. Ele ri mais. Eu levanto minha mão e dou-lhe o dedo do meio, ao mesmo tempo em que os olhos da minha mãe se movem para mim. "Você acabou de me dar o dedo do meio?"

125


*DeLorean Motor Company foi uma empresa automobilística irlandesa fundada por John Zachary DeLorean em 1975. O DeLorean ficou mundialmente conhecido por ter sido usado na trilogia do filme De Volta Para o Futuro.

Eu balanço minha cabeça rapidamente. "Não." "Eu vi isso." Diz Mark. "Ele fez totalmente, querida." Mamãe revira os olhos, assim que Lucy grita. Ela senta-se e mantém seu ereader no peito. "Cameron, eles deram o primeiro beijo!" Ela suspira com um ar sonhador. "Sim?" Ela balança a cabeça rapidamente, seu sorriso imitando a emoção que ela sente. E algo me bate — ela está diferente desde quando nos conhecemos. Gostaria de saber o quanto eu tenho a ver com isso... se estar em sua vida tem feito um impacto significativo. "Ohhh." Ela murmura, segurando seu e-reader mais apertado. "Eu amo tanto o meu primeiro beijo." Eu rio e coloco meu braço em torno dela, trazendo-a para o meu lado. "Sim?" Pergunto, meus olhos nunca deixando os seus. Ela acena com a cabeça novamente, e meu coração se aperta. Eu costumava sentir isso muito vezes — um aperto no meu peito. Levei um tempo para descobrir o que era; amor — o tipo de amor que não deveria existir em jovens de 16 anos. É quase demais. Muito pesado. Muito breve. Eu costumava me preocupar sobre o que poderia acontecer. O que há para olhar para frente quando você cai neste tipo de amor, quando você é tão jovem? E então eu fiz funcionar. Para sempre. Eu tenho o nosso sempre a olhar para frente. "Esses livros estão errados, Cam. A maneira como eles descrevem o primeiro beijo..." Ela se inclina e me beija, não se importando se minha mãe e Mark estavam na sala. "Não é nem perto de como eu me sentia." Seu sorriso começa a desaparecer e uma seriedade assume. "Eu te amo. Você sabe disso, né?" Eu olho para longe dela. Eu sei. "Eu sei, querida." Respondo, fingindo uma casualidade na minha voz. "Eu também te amo." Ela joga o e-reader na mesa de café e enrola o braço em volta do meu estômago, movendo-se o mais próximo possível.

126


"Seu livro terminou com um primeiro beijo?" "Não." Ela diz. "Eu só não vejo o ponto de leitura e de viver no mundo de outra pessoa quando a minha realidade é tão perfeita." *** Mark está de pé e estende os braços, cantando Johnny Be Good. Quando ele canta o refrão, ele anuncia: "Tempo para o filme de Cam!" "Eu pensei que nós iríamos assisti Aladdin agora?" Lucy diz. Mark ri. "Ela não sabe, não é?" Ele me pergunta. Eu suspiro, sabendo o que está por vir. "Não." "Saber o quê?" Ela me encara. Minha mãe fala por mim. "O nome do meio do Seu namorado é Aladdin. Ele odeia." Lucy solta um grunhido antes de apertar os lábios entre os dentes. Seu rosto fica vermelho. Eu balanço minha cabeça. "Você pode rir." Eu digo a ela. "Todo mundo faz." Então ela faz. E mesmo agora, quando ela está rindo tanto para mim, o som ainda faz o meu mundo parar. "Na verdade." Diz Mark, esperando Lucy parar de rir. "Eu quero lhe mostrar uma coisa. Apenas nós." Ele volta sua atenção para Lucy, que agora está limpando as lágrimas de seus olhos. "Eu prometo trazer o seu namorado de volta em breve." Ela acena com a cabeça, ainda tentando se recompor. "Leve seu tapete mágico, vai ser mais rápido." *** "Você está me levando a um lugar para me matar?"

127


Ele repousa o antebraço no volante e olha para mim. "Sim." "Isso é uma vergonha. Se você esteve com a minha mãe todo este tempo pensando que podia me substituir e tomar o meu lugar no seu testamento, você escolheu a garota errada. Você viu onde vivemos, certo? Tudo o que vai restar é um tapete persa." "Maldição." Ele zomba. "Todo aquele sexo para nada." Eu vomito. "Isso é nojento, Mark. Não traga essa merda de novo." Sua cabeça se atira para trás numa gargalhada, assim que vira em sua rua. Ele estaciona em frente à sua casa e para o motor. "O que estamos fazendo aqui?" Eu pergunto, confuso. Eu só estive aqui um punhado de vezes desde que eles começaram a namorar. Ouvi-lo uma vez, argumentando porque não iríamos morar com ele. Sua casa era muito maior. Não como a casa grande de Lucy, mas muito maior do que a nossa velha e pequena moradia. A minha mãe disse a ele que não queria que eu tivesse instabilidade. Ficava muito mais fora da cidade, então eu teria que pegar um ônibus para escola. Mas não foi apenas isso. Ela também disse que trabalhou duro para construir uma casa para nós desde que meu pai nos deixou, e ela não queria que isso tudo fosse em vão. Ele entendeu, mas eu tenho a sensação de que não foi a última vez que ele perguntou a ela. "Primeiro." Mark diz, de frente para mim. "Não fale nada sobre sua mãe. Estou com ela porque eu amo a merda fora dela. Você deve saber o que como me sinto. Você tem Lucy, e para ser honesto, eu estou meio com ciúmes que você encontrou ela tão jovem. Gostaria de ter encontrado sua mãe pela primeira vez. Eu queria ser a pessoa que você chamaria de pa—" Ele se cala. Eu solto um suspiro nervoso. É raro temos conversas sérias. Contorcendo-me no meu lugar, eu espero que ele fale. Todas as palavras que eu gostaria de poder dizer estavam presas na minha garganta. "Em segundo lugar." Ele suspira, então balança a cabeça. "Não se preocupe. Deixe-me mostrar-lhe." Ele aperta o controle remoto para a porta da garagem se abrir e sai do carro. Eu o sigo para garagem e espero enquanto ele liga as luzes. A única coisa que tem aqui é um carro, mas está coberto. Ele olha para mim rapidamente antes de levantar lentamente a tampa.

128


Meus olhos quase saem da minha cabeça. "Puta merda! Isso é um—" "Delorean? Sim." "Puta merda!" Eu ando um círculo completo em volta do carro. "Puta merda!" Estou tão tonto que nem posso contê-lo. "O quê?" Eu olho para ele. "Eu estou tão confuso agora. Será que você o alugou?" Ele ri baixinho. "Não." Coçando a cabeça, ele continua: "Na verdade, eu comprei há um ano." Ele puxa um conjunto de chaves fora do gancho na parede. "Tenho construído-o lentamente, fazendo algumas modificações. A última parte veio em poucos dias." Ele aperta um botão no controle remoto. Eu vejo com admiração quando as duas portas se levantam. "Portas hidráulicas!" Eu grito. Ele ri de novo. "Muito legal, hein?" Concordo com a cabeça, muito animado para falar. "Sente-se." Eu hesitei por um momento, não tenho certeza se quero tocar ou estragar nada. "É a porra de um Delorean!" Sento-me no banco do motorista e seguro o volante, certo de que a minha boca entreaberta está em estado de choque. Espero até que ele se sente no banco do passageiro antes de olhar para ele. "Como é que você nunca o dirigiu de novo?" "Porque." Ele começa, com a voz trêmula. Eu olho para o interior do carro e mexo em alguns botões no painel. "Cameron." Eu olho para cima e o vejo me observando. "Eu não o dirigir ainda." "O quê? Por quê?" "Porque não é meu, Cam." Ele estende as chaves entre nós. "É seu."

129


Minha respiração pega em um suspiro. Eu não falo. Não me mexo. Eu não pisco. Ele coça a cabeça novamente. "Eu o comprei e queria dar a você no seu décimo sexto aniversário, mas você tinha o Filmore, o que foi bom, porque ele não era cem por cento. Então eu ia esperar e dar a você como um presente de formatura, mas foi o tipo de timing perfeito. Filmore está no céu e agora ele está finalmente pronto para você." Eu libero o fôlego, ainda não compreender totalmente o que está acontecendo. "Será que minha mãe sabe?" "É claro. Fiz questão de contar tudo a ela. Ela pensa que eu sou louco, mas ainda assim, acho que se ela não tivesse aprovado eu ainda teria feito isso." "Por quê?" Ele dá de ombros e olha para longe. "Eu não sei. Quer dizer, eu não quero que você leve a mal, mas você merece algo assim. Acho que seu pai é um tipo de burro por não ver isso, e não se orgulhar de você. Se eu fosse seu pai, eu estaria muito orgulhoso da maneira que você acabou ficando. Sua mãe sempre diz como deseja poder lhe dar mais—" Eu abro minha boca para interromper, mas ele fala antes que eu possa ter uma palavra. "Essa é a coisa, Cam. Nunca pedi mais do que o que está dado. Você entende e aprecia tudo o que tem. Sua mãe, ela nunca tem que se preocupar com você. Você poderia ter sido muito pior. Inferno, você poderia ter virado um idiota como eu." Ele ri para si mesmo, mas eu estou me afogando em muitas emoções para ter uma reação. "Quero dizer... Eu gostaria de pensar que eu tenho algo a ver com isso, o jeito que você acabou ficando. Sendo legal ou não, você é meu filho. E isso é algo que eu queria fazer." Ele sopra uma respiração pesada e olha para o pára-brisa. Olho para as chaves na minha mão. Nós ficamos em um silêncio confortável enquanto eu deixava suas palavras se repetirem na minha cabeça. Então digo algo que eu tenho me envergonhado de admitir para alguém além de mim. "Eu queria que você fosse meu pai, também." Ele limpa a garganta.

130


Eu mantenho meus olhos lançados para baixo, não querendo deixá-lo ver as lágrimas neles. "Você sempre foi um pai melhor do que ele, e eu nunca quero que isso mude." Ele limpa a garganta de novo, um pouco mais áspero neste momento. "Vamos para casa. Você pode pegar Lucy e dar umas voltas. Conheço um grande estacionamento isolado. Eu costumava levar todas as meninas lá quando eu tinha a sua idade. Deixávamos vapor até nas janelas, se você sabe o que quero dizer." Eu olho para ele agora, seu sorriso em pleno vigor. "Eu vou dizer isso para minha mãe." Afirmo. Então coloco as chaves na ignição, grito como uma menina quando o motor pega... tenho o meu próprio Delorean. Cadelas. *** Ela geme em minha boca e empurra-se para mais perto de mim. Ela está montando meu colo enquanto eu estou sentado no banco do motorista. É o mais próximo que eu já estive, mas o espaço neste carro não nos dá muita escolha. Tenho que agradecer Marky Mark por isso. Eu removo minha mão do seu seio e movo-a para baixo do seu estômago, sentindo-me mais ousado do que nunca. Eu corro um dedo entre sua cintura e a sua saia, um sinal de qual eram as minhas intenções. Ela choraminga e faz círculos com os dedos em volta do meu pulso, me impedindo de ir mais longe. Ela se afasta. Eu deixo cair a minha cabeça em seu ombro. "Sinto muito." Ela sussurra. Eu tento não mostrar meus verdadeiros sentimentos. Estou frustrado. Sexualmente. Mark estava certo, eu vou ter que cuidar de mim esta noite. "Está tudo bem, eu sinto muito por pressioná-la." "Você não me pressionou." Ela suspira e se inclina o mais para trás possível. "Eu só tenho uma coisa sobre isso... sabe?" Minhas sobrancelhas se arqueiam. "Não, Luce. Não sei. O quê?" Ela olha em volta do estacionamento abandonado que Mark me contou. "Vaginas." Ela sussurra. "O quê?" Eu rio.

131


Ela dá um tapa em meu peito. "Não é engraçado, Cam. Vaginas são estranhas." Eu rio mais ainda. "Que diabos você está falando?" "Elas são estranhas. São como as coisas mais feias do mundo inteiro. Pele flexível e abas e buracos." "Meu Deus." Estou segurando meu estômago agora, incapaz de manter meu riso em cheque. "Cameron!" Ela grita. "Estou falando sério. Tenho visto os pornôs debaixo da sua cama!" Eu deveria ter vergonha, mas estou muito ocupado rindo. "Essas vaginas não são reais! Elas não podem ser. E mesmo se fossem, elas ainda não seriam algo agradável de se olhar. Eu não posso nem imaginar o que seria quando você possa vê-la, e muito menos tocá-la! Tocar!" Ela zomba. "Eu não quero nem tocar em mim própria. E acredite em mim, eu já pensei sobre isso." Seus olhos estão arregalados, enquanto ela acena com a cabeça freneticamente. "Todas as noites, após estas sessões de amassos que temos... Eu quero me tocar. Eu realmente quero. Mas tudo o que posso pensar é sobre as dobras flexíveis e buracos aleatórios!" Meu rosto cai. "Espere. O quê?" Merda não é mais engraçado. "Você quer tocar a si mesmo?" "Sim! O tempo todo!" Eu empurro-a para fora de mim, enfio as mãos dentro da minha calça, me ajustando e levo-a para casa. "Não é nem o toque de recolher ainda." Ela sussurra enquanto eu me despeço rapidamente e empurro-a para fora. Eu dirijo para casa, mais rápido do que é legal, corro para cima, tranco a porta e... Bem... Você pode imaginar. A imagem mental de Lucy se tocando me leva ao ponto de explosão... Sim, explosão, em menos de um minuto. Eu ligo para ela assim que me limpo e não me incomodo em mentir sobre minhas ações. Eu digo a ela que sinto muito pelo meu comportamento, mas não por te a chutando para fora, porque se eu não fizesse, algo muito, muito ruim poderia ter acontecido. Ou, algo realmente bom pra caralho.

132


No meu maldito Delorean. Droga.

133


CAPÍTULO 14 CAMERON "Eu preciso fazer xixi." Lucy sussurra. Ela queria sair de casa e passar algum tempo sozinha, então eu a levei para o cinema. Eu tiro os olhos da tela e me concentro nela. "Babe, é tipo a quinta vez desde que o filme começou." "Eu sei." Ela me beija rapidamente. "Eu vou ser rápida." Ela se foi a menos de um minuto até que seu assento é tomado por alguém que não é ela. "Tess." Aceno com a cabeça, os olhos nunca deixando a tela. "O que está acontecendo?" "Essa era a Lucy?" Ela diz em voz baixa. Reviro os olhos. Antes de ficar com Lucy, eu tinha um lance com a Tess. Quando estávamos em festas, nós sempre acabávamos juntos. Nunca foi mais longe do que beijos, embora uma vez chegamos perto. Eu ouvi o que ela disse a todos sobre mim. Logan me disse que ela ainda quer que algo aconteça, mesmo sabendo que eu estou com Lucy. Eu estou grato de que isso não tenha chegado a Lucy ainda. Ela deixou claro mais de uma vez que não gosta de partilhar. "Você sabe que é. O que você quer?" Ela se inclina para mais perto, seu perfume barato invade minhas narinas. "Vocês estão juntos há algum tempo, só achei que você iria se cansar dela já. Honestamente, eu não sei o que você ver—" "Cala a boca." Eu digo e encaro-a. "Não fale nada sobre Lucy. Nunca. E é melhor você ir antes que ela volte. Ela vai ficar chateada se ver você em seu lugar." Ela sorri. Como se de repente ganhasse o jogo que eu nem sabia que estávamos jogando. "Então ela sabe sobre mim?" "Não." Eu xingo.

134


"Ela não tem ideia sobre o nosso passado?" Eu suspiro. "Não temos passado. Nós ficamos algumas vezes. Só isso." Seu sorriso se alarga. "Então, ela não tem nada para se preocupar, certo?" "Cameron?" A voz de Lucy puxa meus olhos para longe de Tess. Eu tento agir de forma normal, apesar de já estar com medo de como o resto da noite vai acabar. "Ei, babe." Tess ri. "Eu estava apenas entretendo o seu namorado enquanto você estava fora. Sabe? Relembrando os velhos tempos." Seus olhos se fecham e ela começa a cantarolar. Lucy limpa a garganta. Eu engulo o meu medo. "Pare de gemer como uma puta e saia do meu lugar." Ela cruza os braços e dá um passo intimidante para frente. Tess sai sem dizer uma palavra. Lucy recupera seu lugar. Eu falho em sufocar a minha risada. "Cala a boca, Cam."

LUCY "Você acha que eu não sei essas merdas que ela diz sobre vocês dois?" "Eu não sei o que você quer que eu diga!" Nós dois estamos gritando enquanto ele me leva para casa. É a nossa primeira competição de gritos, e para ser honesto, é uma espécie de libertador. "Você deveria ter me dito, eu não deveria ter ouvido de outras pessoas na escola!"

135


"Não há nada a dizer!" "Ela era sua garota antes de mim, eu acho que isso é alguma coisa!" "Ela não era minha garota, Luce! Eu te disse! Não havia ninguém antes de você!" "Oh, eu sinto muito!" Eu exagero. "O que eu quis dizer foi que ela era sua prostituta antes de mim!" "Isso não é justo! Eu disse que tinha estado com outras garotas. Isso não era um segredo!" "Foda-se, Cam!" Seu rosto cai. E então ele começa a ri. "O que diabos é tão engraçado?" Ele para o carro no lado da estrada e me encara, com o rosto contorcido em gargalhadas. E eu perco. "Foda-se duas vezes! Na sua bunda! Com uma serra elétrica!" Ele solta uma alta gargalhada — sem sequer se preocupar em contê-la. Eu tento sair do carro, mas a porta estúpida leva uma eternidade para levantar. "Pare." Ele diz, inclinando-se e fechando a porta antes que eu possa sair. "Sinto muito." Ele começa, mas outra risada acaba saindo. Ele tenta pará-la antes de perde o controle. Isso acontece algumas vezes, enquanto eu me sento com os braços cruzados e espero que ele se acalme. "Você é tão bonitinha quando está com raiva. É uma das razões pelas quais eu estou tão apaixonado por você." Eu sinto a tensão deixar meus ombros. Suspirando, ele olha ao nosso redor. "Venha aqui." Ele puxa meu braço e me ajuda a sentar em seu colo. Movendo o cabelo dos meus olhos, ele beija minha testa uma vez. "Luce, se eu pudesse apagar meu passado e acabar com todas

136


as garotas com quem estive, eu faria, instantaneamente. Mas mesmo se eu pudesse, não iria fazer diferença. Você é a única garota que importa para mim. A única garota que importa. Se você quiser, eu posso escrever uma lista para que você possa andar pela cidade e chamar todas de puta. Vou segurar sua mão e nós podemos fazer isso juntos. Mas isso não vai mudar o fato de que você e eu — nós estamos acima de tudo isso. O que temos é maior que tudo isso. Sempre, lembra?" *** Ele segura minha mão enquanto subimos meus degraus da varanda. "Estamos bem?" Ele pergunta. "Sim babe." Seu discurso e a volta para casa ajudou a me acalmar. Paramos no topo da escada quando vemos meu pai sentado na varanda, uma abundância de papéis em cima da mesa na sua frente. Alguns deles estão amassados no chão. "Pai?" Seu olhar se levanta. "Ei crianças, como foi o filme?" Eu puxo a mão de Cam, até que estivéssemos de pé ao seu lado. Dando de ombros, eu respondo: "O livro é melhor." "O que é isso?" Cam diz, com os olhos freneticamente passando pelos documentos em cima da mesa. "É a causa de todos os meus problemas, Cameron." Meu pai suspira. Cam puxa uma cadeira e toma um assento, seus olhos nunca deixando a propagação de papéis. Ele pega um e leva-o para mais perto. Eu estive em torno do trabalho do meu pai o suficiente para saber que eles são planos de desenvolvimento. "Café?" Pergunto-lhes. "Sim, por favor." Ambos respondem. Quando eu volto para fora com os seus cafés, eles não se moveram. Duvido que eles sequer falaram um com o outro.

137


Sento-me ao lado de Cam e olho-o. Suas sobrancelhas estão franzidas em concentração. Seus lábios estão apertados, mas seus olhos, seus olhos estão em toda parte, levando tudo. Volto minha atenção para o meu pai, que está fazendo exatamente a mesma coisa. "Qual é o problema?" Ele bebe seu café e suspira. "Eu estava tão perto de finalizar este contrato com esses desenvolvedores. O projetor que contratei tinha tudo planejado e parecia ótimo. Na última hora, os desenvolvedores mudaram de ideia." "Por quê?" Cam pergunta, seu olhar nunca se levantando. Ele puxa outra folha da pilha e fiscaliza. "Eles disseram que querem mais espaço no quintal." Meu pai se inclina sobre os cotovelos. "O projetor ficou chateado e saiu. Tenho até segunda-feira para apresentar um novo plano e eu não tenho nada." Ele esfrega os olhos. "Eu não posso perder esse contrato, mas eu não tenho absolutamente nenhuma ideia de como diabos eu posso mudá-lo." Eu sorrio e dou um tapinha em seu braço. "Tenho certeza que você vai conseguir isso, pai." Levanto-me e caminho até a porta da frente. "Cam?" "Huh?" "Você vem para dentro?" "Sim." Ele diz , dando um último olhar antes de se levantar e se juntar a mim. Eu deito no sofá com os meus pés no seu colo tentando ler. A TV está ligada, mas ele não está prestando atenção. Em vez disso, ele está escrevendo algo em seu celular, suas sobrancelhas agrupadas em concentração. "O que você está fazendo?" "Nada." Ele disse rapidamente. Eu o deixo em paz. Claramente, eu estou interrompendo. "Merda." Ele bufa, empurrando meus pés e deixando-os cair no chão. "Desculpe." Ele diz, mas já estar a meio passo da porta da frente. Levanto-me e passo a mão por baixo da minha saia. Eu deveria estar com raiva, mas estou muito malditamente confusa.

138


Cam está de pé ao lado do meu pai na mesa, apontando o dedo para os planos em frente deles. "Vire-o!" "O quê?" Papai diz. "Vire-o. Quer mais espaço de quintal? Vire-o. Ninguém usa o quintal da frente de qualquer maneira, especialmente quando não são cercados de espaço, é apenas desperdiçado assim que um carro pode caber na frente da garagem. Vire-o. Faça na parte de trás. Blocos únicos entre as pistas certo?" Ele está falando muito rápido, e está claro que meu pai não consegue entender. "Basta introduzir na parte de trás e passar a cozinha para o outro lado, de maneira que eles estão olhando para o quintal em vez da rua. Você pode mover o último andar para frente dessa forma, e pode ter uma varanda, se você quiser e o... o que é isso?" Ele aponta para os planos. "O suporte de apoio?" "É... eles. Você pode ampliá-los, certo? Se os compradores podem pagar você pode construir um pátio lá." Ele bate o dedo duas vezes. "Você pode aumentálo, ter um SPA ou algo assim. Não há nada bloqueando... o quê? O que é isso?" Ele inclina para mais perto. "Uma janela na lavanderia. Você pode se livrar da janela. Ninguém precisa dessa merda." Meu pai sopra uma respiração lenta. "Eu estou tentando entender o que você está dizendo, Cam, mas eu não consigo acompanhá-lo." Cam solta um gemido frustrado. "Você apenas tem que inverter alguns dos elementos." Meu pai faz uma careta. "Eu não entendi." "Apenas inverter!" Suas palavras saem frustradas e ele sabe disso, porque pede desculpas imediatamente. Eu estou ao seu lado e passando minha mão em sua costa para acalmá-lo. Ele olha para mim com os lábios franzidos, mas é óbvio que seus pensamentos estão em outro lugar. Envolvendo seus braços ao redor dos meus ombros, ele me puxa contra ele e beija o topo da minha cabeça. E é assim que nós ficamos com ele em silêncio me segurando e eu sem ter ideia do que diabos está acontecendo. Meu pai olha para o relógio, mas não fala nada. E, lentamente, eu sinto o corpo de Cam relaxar. Ele se afasta e sorri, verdadeiramente desta vez. "Ok." Ele respira fundo. Se vira para o meu pai. "Você tem uma folha em branco e uma caneta?"

139


Ele se senta no banco com a caneta na mão, mas depois congela. "Vá em frente." Meu pai diz a ele. Ele engole alto e olha para mim. O olhar de hesitação e dúvida em seus olhos quase me mata. Eu descanso minha mão em seu ombro. "Você não tem que se sentir como se você não pudesse fazer." Ele pisca e solta todo o ar dos seus pulmões. Então serpenteia o braço em volta da minha cintura e me puxa para o seu colo. "Você me faz querer experimentar." Ele sussurra em meu ouvido. E então ele faz. Ele coloca a caneta no papel. Com uma mão na minha cintura e outra trabalhando freneticamente, ele começa a criar algo incrível. "Puta merda." Meu pai repete uma e outras vezes, mas eu não acho que Cam ouve. Os olhos do meu pai continuam movendo-se da mão de Cam para mim, sacudindo a cabeça lentamente o tempo todo. Quando Cam termina, ele joga a caneta na mesa e empurra o esboço para o meu pai. Seu olhar encontra o meu, a mesma incerteza de antes os preenche. "Você fez bem, babe." Eu garanto. "Bem?" Meu pai grita. Ambos olhamos para ele. "Puta merda, garoto. Como você, quero dizer — eu estive sentado aqui por horas e você — você se senta com uma caneta e um pedaço de papel e faz alguma coisa. Você criou. Tinha uma imagem em sua cabeça e você faz isso acontecer." Ele balança a cabeça novamente e solta uma gargalhada incrédula. "Você sabia que ele conseguia fazer isso?" Ele me pergunta. Concordo com a cabeça orgulhosamente. Ele olha para Cameron. "O que você tem é talento cru absoluto." Ele começa a arrumar os papéis na pasta, mas faz uma pausa no meio do movimento. "Você poderia ser um arquiteto."

140


CAPÍTULO 15 CAMERON "Sua namorada está muito quente nos dias de hoje." Viro-me para Matt, cujos olhos estão fixos em Lucy sentada na arquibancada. Seu pai e alguns dos seus irmãos estão com ela. Eles estão vindo para todos os meus jogos recentemente. Perguntei-lhe a razão; ela apenas disse que era porque eles queriam me apoiar. "Ela sempre foi quente." Eu digo a ele, tentando manter meu ciúme em cheque. "Vocês estão juntos o que? Um ano agora?" "Um ano e meio." Ele solta um assobio longo. "Isso é muito tempo. O sexo ainda não enjoou?" Eu rapidamente largo a minha bolsa de treino e o empurro com força. Ele cai no chão com um sorriso idiota na cara. "Cale a boca." Ele ri, enquanto se levanta e espana a poeira do seu uniforme. "Cara, estamos apenas conversando. Qual é o seu problema?" Eu empurro-o novamente, mas desta vez, ele está pronto para isso. Sorte dele que Jake e Logan ficam entre nós. "Pare de falar merda ou você realmente verá o meu problema." Eu sinto a presença de Lucy antes de ouvi-la. "O que fez o raivoso Cam sair?" Ela pergunta a Logan. Matt ri novamente. Eu odeio esse garoto. "Nada baby." Ele cantarola, piscando para ela. Meu punho começa a tremer, mas os braços de Logan me seguram. Matt continua de qualquer forma. "Apenas falando sobre como a vida sexual de vocês devem ser."

141


"Vamos lá, meu bem." Ela diz, segurando minha bolsa para mim. Ela puxa meu braço até que eu me vire e começamos a ir embora. "O quê? Você pode sair por aí jogando insultos, mas não tem nada para ele?" Ela fica em silêncio por todo o caminho até seu carro — que era o antigo carro da sua mãe. Ela conseguiu sua licença há algumas semanas. Acho que a novidade de mim dirigir por toda a parte havia finalmente tinha se desgastado. Eu sento emburrado no banco do passageiro, enquanto ela liga o carro. "Ele está certo?" "O quê?" "Você está entediado? Da nossa vida sexual, ou a falta dela?" Meus olhos rolam tão alto que vejo estrelas. "Não, e eu não me importo que ele disse isso. Eu me importo que ele acha que pode falar merdas sobre você. E agora você está deixando ele fugir com isso." Ela se vira para mim agora, com uma emoção em seu rosto que eu não consigo decifrar. "Você, porém, quero dizer, é por isso que está realmente chateado? Não é porque acha que ele pode estar certo?" Eu jogo minha cabeça para trás contra o assento. "Não estou tendo essa conversa, Luce." "Tudo bem." Ela murmura, dirigindo para fora do local. *** "Matt está falando merda sobre a sua bunda virgem." Eu congelo com a metade do meu hambúrguer na minha boca. Encarando Logan primeiro, e depois toda a cafeteria, e respondo: "Matt pode lamber um saco bola de merda." Jake rir, Logan — ele apenas sorri. "Vocês não têm...?" Eu suspiro, deixando cair o hambúrguer na minha bandeja e cruzando os braços. "Não é da conta de ninguém, mas sim nossa. Nós não temos problema com isso então ninguém mais deveria." Ele balança a cabeça lentamente. "Isso é muito tempo."

142


"Eu pensei que eu tinha demorado." murmura Jake. Logan zomba. "Cala a boca com o seu auto-nomeado voto de celibato. Ninguém dá a mínima." Ele se vira para mim. "Cam embora—" "Cale-se." Eu jogo o meu hambúrguer em sua cabeça, mas ele abaixa muito rápido e acaba atingindo uma garota atrás dele. A menina se vira, seus olhos se estreitam. "Ei baby, você fez algo diferente no seu rosto?" Logan diz a ela. Suas bochechas se avermelham antes dela se vira, rindo com todas as suas amiguinhas. "Você está ferrado." Digo a ele. Ele estende os braços. "Pelo menos um de nós está." Jake bate no peito de Logan antes de empurrar a cabeça para chamar minha atenção. "Vocês estão esperando — até o casamento eu quero dizer, porque se assim for, isso é legal. Sem julgamento." Eu balanço minha cabeça. "Não, não é assim..." Eu me inclino para frente em meus cotovelos para que ninguém mais possa ouvir. Eles fazem o mesmo. "Ela tem essa coisa com vaginas." Os olhos de Logan ficam enormes. "Você quer dizer que ela gosta delas?" Eu volto a retaguarda. "O quê? Não! Quê? Não! Oh meu Deus, não! Ela acha que é estranho." Logan se afasta, seu rosto uma mistura de confusão e decepção. "O que diabos isso significa?" Dando de ombros, eu respondo: "Eu não tenho ideia. Ela não quer me deixar ver ou tocá-la." "Você não pode nem sequer olhar para ela?" Dylan pergunta. Eu nem tinha percebido que ele se juntou a gente. Eu balanço minha cabeça. "É como se ela achasse que é o Triângulo das Bermudas ou algo assim. Ela está com muito medo de deixar qualquer um se aventurar por dentro ou por fora."

143


Nós todos rimos, mas eu me calo quando vejo-a se aproximando. "Calem a boca, ela está vindo." Eles fazem de tudo para abafar suas risadas. "Oh meu Deus, babe, estou com tanta fome." Ela se senta no meu colo e começa a pegar em minha comida. "Eu também." Diz Logan. "Sabe o que eu adoraria agora?" Ele olha em volta da mesa. "Tacos." Jake cobre a boca para parar de cuspir a bebida. Assim que ele consegue se acalmar, ele se inclina para trás em sua cadeira. "Você sabe o que eles têm no metrô agora? *Carteiras feitas de Ham." Dylan diz. "Eu tive que devolver uma camisa a loja ontem. Ela tinha *mangas muito longas." "O quê?" Lucy pergunta. E então algo me bate — eu sei o que eles estão fazendo. "Merda." "Eu sei qual loja é." Diz Logan. "Eles têm figurinos certos? Eu queria receber um *corte de machado de presente." Todos eles riem. "Eu odeio essa loja." Jake diz desta vez. "Tem cheiro de amêijoas." Sinto Lucy ficar tensa. "Que diabos?" Ela sussurra. "*Whispering eye." Logan canta, assim que Heidi toma um assento. "Cortinas de carne." Dylan diz. "Bolsa de moedas." Jake novamente. "Pia rosa." Logan ri. *1: Carteiras feitas de Ham (Ham Wallets): Descreve a vagina de uma mulher - que "parece" uma carteira feita de Ham. 2: *Mangas muito longas (wizard sleeves): Uma vagina com lábios muito grandes. 3: *Corte de machado (axe wound): A abertura da divisão de uma vagina é um pouco semelhante à figura de um corte feito por um machado. 4: Whispering eye: É um termo muito antigo usado para Vagina.

144


Em seguida, Heidi fala. "Por que vocês estão falando sobre vaginas?" Lucy suspira alto antes de se virar para mim. "Você disse a eles?" Ela grita. Eu balanço minha cabeça, mas meus lábios estão presos entre os dentes e meu rosto está vermelho. Quero rir. Oh meu Deus, eu preciso rir. "*Punani." Logan grita. "Pare com isso!" Lucy grita. "É engraçado para vocês, caras! Elas são estranhas. E feias. Muito feias!" Os outros balançam a cabeça para ela. "Não, elas não são." Dylan diz. "Eu não sei." Ela olha para todos, um por um, antes de se inclinar e sussurrar: "E se eu tiver um *clitórossauro-rex?" *** Ela está encostada no meu carro esperando por mim depois da escola. "Eu vou ao shopping com Heidi." "O quê?" Eu estava sorrindo um segundo atrás, e agora eu estou chateado. Não por ela, mas porque Logan estava certo. Sobre essa coisa de ser chicoteado. Não no sexo. Talvez um pouco sobre o sexo. "Você nunca sai com Heidi." "Eu sei." Ela encolhe os ombros. Eu largo minha bolsa do treino e dou um passo em frente, empurrando-a para o meu carro. Segurando sua mão, eu levanto-a e a coloco em volta da minha cintura, então coloco minha cabeça em seu ombro e espero que ninguém mais possa me ouvir. "Eu sinto como se não tivesse te visto desde sempre. Sinto sua falta." Ela ri baixinho. "Nós passamos o dia inteiro juntos ontem." "Não é o suficiente." 1: *Punani: bem, originalmente a palavra "punany" ou "punani" foi utilizada na Índia -- no Kama Sutra -para descrever o órgão sexual feminino. 2: Clitóris + dinossauro- rex= clitórossauro-rex.

145


Ela torce seu dedo através do meu cabelo abaixo do boné. "Você está carente?" "Sim." Eu beijo seu pescoço. "Eu vou passar por aqui depois." "Eu posso ir com você." Ela se afasta, seu rosto já vermelho. "Você não pode, é uma coisa garotas." Meus olhos se estreitam. "Coisa de garotas?" "Ela está me levando para limpar minha manga longa (wizard sleeve)." *** Eu não sei o que diabos significa limpar sua manga longa, por isso faço o que qualquer adolescente normal faria; Eu vou para casa, corro para o meu quarto, abro meu laptop e pesquiso no Google. Estou na terceira página do Google Imagens quando sinto uma mão em meu ombro. "Sua mãe tem essa coisa de pista de pouso." Fecho meu laptop e engulo em seco. Não é brincadeira. Eu corro para o banheiro e curvar-me na privada, tentando remover mentalmente a pista de pouso da minha mãe de todas as vaginas que acabei de ver. Mark inclina-se contra o batente da porta com os braços cruzados e um sorriso no rosto. "Você é um idiota." "Eu tento." Ele encolhe os ombros. "Deixe-me adivinhar, você vai chamar isso de pesquisa?" Eu me levanto e limpo o cuspe do meu queixo. "Lucy—" Eu me cortou. "Não importa." "Tem certeza? Todas as piadas de lado, se você precisa falar sobre isso, eu estou aqui." Eu olho-o enquanto passo por ele, procurando por qualquer indício de zombaria. Zombaria? Isso é mesmo uma palavra?

146


Me jogo na cama, cubro os olhos com o braço, e então eu digo a ele. Tudo. Mesmo sobre o infame clitórossauro-rex. Ele ouve o tempo todo, nunca interrompe. Quando eu termino, ele respira fundo e diz: "Você está por sua conta, amigo." E então ele sai. Eu disse a ele sobre a aparecia da vagina da minha namorada e tudo o que ele fez foi sair. "Eu nunca vou conseguir." *** "Eu tenho uma solução para seus problemas, Luce." Diz Logan. Já se passaram três dias desde Vaginagate e tem sido o principal tema de conversa durante o almoço. Todo mundo está falando sobre a vagina da minha namorada, e eu nem vi ainda. "O que é?" Ela pergunta. "*Coragem líquida." Devo dizer-lhe para se calar, mas ele meio que tem um ponto, e eu não sou o único que pensa assim. Lucy gira lentamente no meu colo, sua sobrancelha levantada em questão. Eu dou de ombros. Nós nunca fomos a uma festa juntos. Eu apenas assumi que não era uma sua coisa. Às vezes eu saia com os caras e tomava uma cerveja, em seguida, saia e ia parar em sua porta. Após a quinta vez, seu pai parou de questionar. "O que você acha?" Ela pergunta.

"Eu acho que você deveria fazer o que quiser, babe."

147


*O título para qualquer bebida alcoólica que lhe permite se aproximar e conversa mais livremente com as pessoas.

LUCY "Volte para o seu quarto e troque de roupa, garota." Meu pai diz, mas ele está sorrindo. "Você tem sorte." Digo a ele. "Tenho dezessete anos e vou para a minha primeira festa do ensino médio." Suas sobrancelhas se erguem. "Você vai beber?" Pego minhas chaves do balcão. "Você quer que eu minta?" "Sim." "Então, não. Eu não vou beber." "Essa é a minha garota." *** A porta da frente de Cam se abre antes que eu possa bater. Sua mãe está na entrada com os olhos arregalados. "Você está..." Eu faço uma careta. "Indecente?" Ela ri. "Não, querida, você está linda." Olho para mim mesmo. Eu não estou usando nada muito diferente do que costumo usar todos os dias. Minha saia é um pouco mais curta e meu top é um pouco mais apertado. Heidi me ajudou a escolhê-los. Eu não sei se isso é uma coisa boa ou não. "Querida." Ela diz. "Estou apenas—" Ela ri e balança a cabeça lentamente. "Você é como uma filha para mim, e sinto como se tivesse visto você crescer, sabe? Você parece uma mulher, e eu estou apenas acostumada a ver a minha garotinha." Suas palavras causam uma dor no meu peito, e imediatamente eu estou chorando. Ela levanta a mão para dar um tapinha na minha bochecha, ou então eu acho, mas ela está enxugando minhas lágrimas. "Você pensou em sua mãe?"

148


Concordo com a cabeça, porque eu não quero falar. Eu não quero que as minhas palavras substituam o a sua voz em minha mente. Ela se move para frente e me envolve em seus braços. "Eu não poderia ter desejado uma garota melhor para o meu Cameron." "O que esse idiota fez?" Ouço a voz de Mark atrás dela. Nós nos separamos rindo. "Nada." Diz Heather, batendo-lhe no peito. "Vamos." Ela pisca para mim. "Cameron está no quarto se arrumando, e nós estamos indo em um encontro." "Espero que eu fique com alguém." Brinca Mark, quando ambos passam por mim. Eu corro para cima e abro a porta do quarto de Cam sem bater. E então eu congelo. Ele está saindo do seu banheiro sem nada além do seu short intimo — as duas mãos segurando a toalha para secar o cabelo. Seu corpo está molhado, não todo, apenas em seus ombros. Meus olhos fixam em uma gota de água que cai lentamente para baixo da sua clavícula, no peito, e em cada gominho do seu tanquinho. Quando diabos ele conseguiu isso? Eu tento engolir, mas minha boca está muito seca. E agora, assim estão os meus olhos, porque eu não consigo piscar. Eu não quero. Eu não quero perde quando a gota de água passar pelo caminho de cabelo logo acima da cintura, e desaparece dentro do seu short... Puta merda. Um suspiro escapa da minha garganta. "Ei." Ele diz, com os olhos focados nos meus. Mas só por um momento, antes de se arrastarem para baixo e mais baixo, e em seguida, dar uma conferida. Eles param em meus seios, se alargando quando fazem isso. Ele lambe o lábio inferior, em seguida, lentamente passa os dentes por ele. O movimento é tão lento, tão hipnotizante. Eu não posso tirar meus olhos da sua boca.

149


Sua mão levanta a toalha quando ele limpa seu peito. E agora os meus olhos estão lá, observando-o — esperando seu próximo movimento. Ele move-a para baixo, e mais para baixo do seu estômago perfeito. Eu lambo meus lábios. Ele deixa escapar um gemido. "Foda-se." Ele diz, cobrindo-se com a toalha, mas é tarde demais. Eu já vi isso. "Lucy." Ele sussurra, e eu lentamente tiro meus olhos do seu tesão coberto e olho para ele. Seus olhos estão escuros, mais escuros do que eu já vi. Ele dá um passo para frente, a fome em seu olhar é tão evidente. Ele lambe os lábios de novo enquanto segura a ponta de sua porta. "Onde está a minha mãe?" Ele pergunta. "Em um encontro." Eu choramingo. Ele acena com a cabeça, seus olhos nunca deixam os meus. Ele deixa cair a toalha e coloca a mão na minha cintura enquanto lentamente empurra a porta com a outra. O movimento dos nossos corpos faz com que eu bata contra ela. Ele descansa suas mãos na porta, uma de cada lado da minha cabeça e se inclina. Seus lábios mal tocam os meus quando ele sussurra: "Então, nós estamos sozinhos?" Eu suprimo um gemido e balanço a cabeça lentamente. Sua língua se lança e lambe meus lábios. Lentamente. De um lado para o outro. "Eu aposto que você tem um gosto tão bom quanto parece." E foi aí que eu me perdi. Minha cabeça se arremessa para trás, batendo na porta atrás de mim. Meus olhos se fecham, à espera de mais. E ele dá. Ele me dá mais. Sua boca cobre a minha; macia, úmida, como sua língua, quando ele esfrega-a contra a minha. "Babe." Ele geme em minha boca.

150


Minhas mãos se movem, agarrando seus ombros e puxando-o para baixo. Suas mãos se movem para minha cintura, seus dedos enrolam e esfregam o polegar lentamente na minha barriga nua. E, em seguida, se deslocam. Mas para baixo. Para baixo da minha saia — os dedos passam pelo material. Por uma fração de segundo, eu gostaria que ele estivesse usando uma camisa, para que eu pudesse agarrá-la e então arrancar ele. Foda-se. Minhas pernas se esfregam juntas, tentando aliviar a imensa dor na boca do meu estômago. Ele solta a minha saia e passa as mãos nas minhas coxas nuas. Uma mão levanta minha perna e coloca-a em torno dele. Ele empurra em meu centro. Só uma vez. Mas é tudo o que eu preciso. Sua outra mão se move para mais alto na minha coxa, o toque é tão leve que me faz tremer. Ele não percebe. Seus movimentos não vacilam. Nem por um segundo. Não até que sua mão está cobrindo minha bunda. "Foda-se." Ele cospe, pouco antes de agarrar minha bunda com força. Tão apertado que dói. E me excita. Ele me levanta do chão, minhas pernas automaticamente indo ao seu redor. Eu posso senti-lo entre minhas pernas, sua dureza pressionada em mim. Ele se inclina para trás, com os olhos ardendo de tesão. Ambas as mãos apertando minha bunda agora, quando ele olha para os meus seios. "Tire sua camisa." Não é uma pergunta. É uma demanda que eu não vou discutir. Ele engole em voz alta. Seus olhos estão em toda parte, de uma só vez. Ele empurra em mim novamente, suas mãos apertando-me com mais força. Eu posso sentir a minha umidade. Eu deveria ter vergonha, mas não tenho. Eu quero que ele saiba o quanto preciso dele, o quanto ele me excita. Ele resmunga, me pressionando ainda mais contra a porta e coloca a boca nos meus seios, logo acima do meu sutiã. Seu olhar se eleva, mas sua boca fica. "Você está bem?" Suas palavras saem ásperas, alimentada pelo desejo. Sua voz vibra em minha pele, e agora é a minha vez de empurrar contra ele. Isso é tudo o que ele precisa. Seus dentes prendem ao redor do meu sutiã, puxandoo para baixo e liberando um seio. E então ele faz algo que nunca tinha feito antes. Arqueio minha costa quando sinto o calor da sua boca em meu mamilo. Primeiro um, em seguida, o outro. Ele deixa uma mão na minha bunda e a outra na minha costa. E então estamos nos movendo. Ele anda com minhas pernas ainda em volta dele para sua cama. Ele me coloca sobre a cama lentamente e fica em pé. Meus olhos se fecham. Eu posso sentir seu olhar em mim, levando-me da cabeça aos pés. Ele levanta as minhas pernas, e remove

151


as minhas botas. Lentamente. Tomando seu tempo. "Porra, Luce, você é linda." Abro os olhos, sem mais constrangimento. Sem medo. Ele balança a cabeça de um lado para o outro, antes de colocar um joelho na cama, entre as minhas pernas. Ele usa-o para abri-las ainda mais. Eu sei o que ele quer. Concordo com a cabeça lentamente, de modo que ele saiba que eu também quero. Ele se inclina para baixo, suas mãos se movendo lentamente até o interior das minhas coxas. O material da minha saia se levanta com o movimento de suas mãos. E então eu entro em pânico. Eu tento aperta as pernas juntas, mas suas mãos fortes me param. Suas palmas achatam no topo das minhas coxas, tornando impossível o movimento. "Se você quer que eu pare, diga." Ele lambe os lábios de novo, esperando que eu responda. Mas eu não posso falar. Eu não posso mentir. Eu não quero que ele pare. Então respondo-lhe da única maneira que eu posso, deixo meus músculos relaxarem e abro minhas pernas ainda mais para ele. Ele não vai devagar desta vez. Seus dedos enrolam na minha calcinha e ele a puxa para baixo nas minhas pernas. O ar frio bate na minha umidade me fazendo suspirar. "Venha aqui." Eu consigo dizer. Ele não hesita; ele vem para cama ao meu lado e me beija. Primeiro, a minha boca, então a minha mandíbula, e depois meu pescoço. Ele beija meu seio, movendo-se cada vez mais para baixo. Sua língua deixa um rastro de umidade nos meus seios. Ele leva um na boca de novo, usando a língua, os lábios, os dentes, tudo isso me está me deixando louca, além do que eu já sentir antes. "Cameron." Eu sussurro. Seu olhar se levanta. Eu removo sua mão do meu seio e a empurro para baixo, onde nós dois queríamos que ela estivesse. "Você tem certeza?" Eu não respondo com palavras, eu apenas empurro sua mão para mais baixo. O primeiro contato faz com que eu levante a cabeça do travesseiro.

152


Ele chupa meu mamilo com força. "Puta merda." Ele geme, correndo um dedo lentamente para cima, e para baixo novamente. Ele move a boca para meu outro seio, bem antes de senti-lo dentro de mim. Ele levanta sua boca. "Babe." Ele geme. Minha costa se arqueia. Meus olhos se fecham. Minha respiração trava. Meu mundo para. A porta se abre. "Cameron?" "Mãe!" Gritos. Isso é tudo o que eu posso ouvir. Gritos e gritos. Eu estou gritando. Cam está gritando também. "Saia!" Eu reposiciono meu sutiã e tento me esconder. Mas nós dois estamos em cima dos cobertores e eu não posso puxar o suficiente para me cobrir. Eu estou chorando. Estou chorando lágrimas de constrangimento e vergonha. Cam se cobre com uma mão e tenta me cobrir com a outra. "Saia!" Ele grita novamente. Mas sua mãe continua congelada na porta, com os olhos fixos em algo no chão. Minha calcinha. "Oh meu Deus." Eu grito, pulando para fora da cama e pegando minhas roupas.

153


Eu corro para o banheiro e tranco a porta, me esforçando para permanecer em silêncio. Não funciona. "Saia!" Ele diz novamente: "Você não pode ouvir o choro dela? Falaremos sobre isso mais tarde. Agora não." "Cameron." Ouço-a dizer. Eu rapidamente me visto e seguro a maçaneta da porta. Eu quero me esconder, mas não é justo com ele. Ele não deveria estar lidando com isso sozinho. Eu silenciosamente abro a porta. "Apenas me diga." Ela sussurra em voz alta. "Vocês estão fazendo sexo?" "Não." Eu respondo por ele, enxugando as lágrimas do meu rosto. "Mas eu acho que quero." "O quê?" Cam grita. "Agora mesmo?" Eu balanço minha cabeça. "Não agora, mas em breve, eu acho." Seus olhos se arregalam, mas ele não fala. "O que está acontecendo?" Mark diz, agora de pé atrás de Heather. Seu olhar se move de Cam, para mim, e depois para a cama. "Oh..." Ele balança a cabeça em entendimento. "Mãe." Cam implora. "Eu não posso falar sobre isto—" "Na verdade." Eu o corto. "Cameron, você se importa de sair? Eu gostaria de falar com sua mãe por um momento." Ele se vira para mim rapidamente. "O quê? Não, querida. Se você quer fazer isso agora, nós vamos fazer juntos." "Não." Eu balanço minha cabeça. "Não é isso. Você pode apenas ir por favor?" Eu imploro, deixando escapar outro soluço. Seus ombros caem. "Babe..."

154


"Por favor?" "Vamos lá." Diz Mark. "Deixe as meninas conversarem." *** "Nós não fizemos sexo." Eu digo a ela. Ela se senta na beira da cama ao meu lado, olhando para o chão. "Na verdade, esta é a primeira vez que algo assim aconteceu, e eu sinto muito. Sinto muito se você acha que foi uma violação da sua confiança, porque nós fizemos sob seu teto, mas não foi planejado. Eu não quero que você pare de confiar em mim. Ou em Cam." Minhas palavras terminam em um soluço. "Eu não quero que você me odeie." Ela suspira alto e pega minha mão. "Eu não odeio, querida. É apenas uma responsabilidade muito grande. Eu nunca poderia te odiar." Eu espelho a sua posição e olho para o chão. Há um certo momento de silêncio desconfortável. A dor em meu peito fica mais apertado. "Minha mãe me disse uma vez que eu saberia... quando chegasse a hora, eu quero dizer. Ela disse que eu iria sentir no meu coração." Eu encaro-a agora, meus olhos se enchem de lágrimas. "E eu sinto. Eu sinto isso por Cameron. Estou tão apaixonada por ele." Eu choro. "E estou com medo." Ela agarra a minha mão com mais força. "Do que você está com medo?" "De compartilha algo assim com alguém. Não é apenas físico. Não com a gente. É por isso que esperei tanto tempo. Mas não é só isso. Quer dizer... Eu tenho tantas perguntas e não sei—" "Você tem perguntas?" Ela me interrompe, sua voz cheia de simpatia. Concordo com a cabeça. "Você pode me perguntar." Ela diz. "Pergunte-me qualquer coisa." Eu olho para ela e deixo as lágrimas caírem. "Dói?"

155


Ela solta uma pequena risada, mas não no sentido de zombaria. Mais como entendimento. "Sim." Ela afirma. "Eu não vou mentir para você. Dói. E para ser honesta, provavelmente nas primeiras vezes. Não espere que vá se sentir incrível como dizem que vai ser. Leva tempo. Porque como você disse, não é apenas uma conexão física que vocês estão tendo. É emocional. Extremamente emocional." Ela suspira, e depois aperta minha mão novamente. "Lucy." Eu olho para ela. "Eu sei que sua mãe não está por perto. Sei que ela estaria muito mais preparada para estes tipos de conversas do que eu, mas eu quero que você se sinta confortável em vir falar comigo. Cameron não é o único da família que ama você."

CAMERON "Então..." Mark diz, tomando um gole da sua cerveja. "Então..." Eu respondo, esticando meus pés sobre a mesa de café e fazendo o mesmo. Nós nunca bebemos cervejas juntos, mas ele diz que esta ocasião pede. "Então..." Ele diz novamente. "Então..." Ele se inclina para frente, apoiando os cotovelos sobre os joelhos. "Eu tenho que perguntar." Eu olho para ele. Ele levanta uma sobrancelha. "Clitórossauro-rex?" Eu rio e jogo uma almofada na sua cabeça. "Pronto para ir?" Lucy diz da escada. Os olhos da minha mãe se estreitam para a cerveja na minha mão. "Mark me deu." Eu digo a ela.

156


Eu rapidamente pego Lucy e transporto nossos traseiros para fora de lรก.

157


CAPÍTULO 16 CAMERON "Eu não vou beber mais para que eu possa dirigir para casa." Eu pego uma bebida cor-de-rosa do refrigerador que está fixado no balcão da cozinha. Eu não tenho ideia de quem é a casa que estamos. "Nós chamamos de bebida das cadelas." Eu abro-a e entrego a garrafa a ela. "Tem gosto de Ponche, mas ainda é alcoólica, apenas—" Ela me corta devolvendo-me a garrafa vazia. "Ou você poderia apenas engolir isso. Qualquer maneira funciona." Ela sorri. "Isso é bom. Dei-me outra." Eu pego outra, mas mantenho-a na minha costa. Ela faz beicinho. "Lucy, me escute. Se você continuar assim, vai vomitar ou desmaiar, e nenhum dos dois são bons no momento, especialmente para mim." Ela dá um passo para frente e envolve seus braços em volta da minha cintura, inclinando a cabeça para olhar para mim. "Então, basta relaxar, caso contrário você vai perder a diversão." "Eu entendo." Ela diz. Dez minutos depois ela está bêbada. "Eu lhe disse para relaxar." Eu rio. Estamos no quintal, tomando um assento no pátio recentemente abandonado. Ela está sentada de lado no meu colo com um braço em volta do meu pescoço. "Calma, Cam." "Eu disse que você—" "Shh!" Ela cobre a minha boca com a mão. "Calma, eu não quero ouvir isso."

158


Logan chega e toma um assento em nossa frente. "Como é que a coragem líquida vai indo, Luce?" "Foda-se você e sua coragem líquida." Ela diz a ele. Seus olhos se arregalam. "Você e sua coragem líquida podem se foder." Logan ri agora. Nós todos fazemos. Em seguida, uma menina aleatória se aproxima dele. "Eu encontrei um quarto, você vem?" Ele nem sequer parece surpreso; ele simplesmente se levanta e segue atrás dela. O queixo de Lucy cai no chão. "Ele vai? E ela? Vão?" Eu dou de ombros. "Provavelmente." Ela se ajeita no meu colo e fica entre as minhas pernas, descansando os antebraços sobre os meus ombros. "Nós devemos fazer isso." Ela comenta. "O quê?" Eu rio. "Ter relações sexuais sem sentido?" "Não." Ela se inclina para mais perto. Minhas mãos se estabelecem na parte de trás das suas coxas, debaixo da sua saia, à poucos centímetros da sua bunda. Sinceramente, eu não parei de pensar em terminar o que começamos. Ela beija meu rosto, depois o meu pescoço, e então levemente morde minha orelha. "Eu quero terminar o que começamos." Ela sussurra. Instantaneamente, eu estou de pé. Não apenas em pé, tudo em mim está para cima. Por uma fração de segundo, eu luto uma guerra contra mim mesmo. "Eu não quero tirar vantagem de você em seu estado." "Pssh." Ela zomba. "Se alguém vai está tirando proveito, sou eu... de você..." Ela se aproxima e me puxa para baixo; a boca já está aberta, esperando por mim.

159


Eu seguro sua mão com força, enquanto nós andamos através da festa. A casa está cheia, e a música alta. Eu levo-a lá para cima, onde eu sei que vai estar mais silencioso. "Você tem certeza?" Eu pergunto. Ela revira os olhos e começa a bater nas portas de cada lado do corredor. Após a quinta, não há palavrões, sem estrondo de algo sendo jogado contra a porta. Sorrindo de orelha a orelha, ela lentamente abre, certificando-se de que não está perturbando ninguém. Ela acende a luz, mas não é um quarto, é um banheiro. Eu esfrego suavemente seus ombros. "Podemos procurar—" "Isso vai servi." Ela me puxa pela camisa e fecha a porta. E, de repente, eu estou nervoso. Porque deixei meu pau pensar por mim, e não tenho absolutamente nenhuma ideia do quão longe ela planeja ir. "Eu não quero ter relações sexuais." Ela diz casualmente. A tensão deixa meus ombros. Estou prestes a perguntar o que ela quer, mas algum idiota decide bater na porta. Ela solta um suspiro frustrado, abre a porta um pouco e espreita para fora. Então uma gargalhada escapa da sua boca. Eu abro mais a porta para que eu possa ver o que diabos é tão engraçado. Matt e Tess estão de mãos dadas do outro lado. "O que é tão engraçado, vadia?" Pergunta Tess. Lucy apenas ri mais. Tess da um passo à frente, mas Matt prende-a de volta. "A prostituta e o pau-pequeno." Lucy bufa. "Isso não é como trocar um cachorro-quente por tofu?" Eu abafo meu riso. "Sim?" Tess diz, estreitando os olhos e inclinado seu pescoço quando acrescenta: "Eu brinquei com o hot-dog do seu namorado há duas semanas." Ok. Então, uma vez Logan me fez assistir um vídeo de duas gostosas rolando no chão e dando socos uma na outra. Ele perguntou se eu achava que era quente. Eu disse-lhe que sim, mas menti. Eu não vi o apelo nele em tudo.

160


Acho que eu só precisava que uma daquelas garotas fosse Lucy. Pego-a de cima de Tess, jogo-a por cima do meu ombro e volto para o banheiro. Lentamente, eu coloco-a de pé e espero que sua respiração se acalme. Quando finalmente consegue, ela olha para mim, os olhos já estão estreitos. "É verdade, não é?" "O quê?" Eu não posso deixar de rir. É tão absurdo quanto no tempo que a minha mãe achava que eu tinha deixado Lucy grávida. "Ela brincou com o seu hot-dog!" Eu rio ainda mais. E você sabe por quê? Porque. MULHERES. SÃO. BESTAS. Um rosnado sai dos seus lábios e seus olhos se enchem de raiva. Eu sinto antes de ver. A palma da sua mão se ergue, pronta para um ataque. Eu seguro seu pulso com força. Seus olhos se apertam em fendas. Ela tenta de novo com a outra mão. Eu faço a mesma coisa. "Eu te odeio." Ela diz. Ela morde o lábio. A raiva em seus olhos estão muito longe e é substituída completamente por outra coisa. Desejo. Eu uso meu corpo para imobilizá-la à parede, com as mãos ainda segurando-a firmemente no lugar. Dobro os joelhos, e dou um beijo de boca aberta em seu pescoço. "Você me ama."

LUCY 161


Ele está me prendendo contra a parede com seu corpo, uma de suas pernas entre as minhas, empurrando contra o meu centro, enquanto sua ereção se esfrega contra o meu estômago. Eu quero tocá-lo. Em todos os lugares. Mas suas garras me apertam cada vez que eu tento escapar. "Eu te odeio." Eu digo novamente. Ele sorri, aquele mesmo sorriso arrogante que ele me dá quando sabe que está me excitando. Ele levanta meus braços acima da minha cabeça e prende-os lá com uma mão, a outra de se move para o meu queixo, levantando-o para que ele possa olhar nos meus olhos. Tudo o que ele vê faz com seus olhos se arregalem ligeiramente. Ele pisca uma vez, longo e com força — como se estivesse tentando mudar o foco. Ele se inclina para baixo, lambendo os lábios, em seguida, passa a língua levemente entre meus lábios. "Você não me odeia." Ele sussurra. Mas a minha mente é um nevoeiro e eu não tenho ideia do que diabos estamos falando mais. "Sim, eu faço." Eu digo de qualquer maneira. Ele puxa de volta, o mesmo sorriso arrogante ainda no lugar. Ele move a mão pelo meu queixo, meu pescoço e meu seio. Seus dedos escovam nos meus mamilos tensos. Meus quadris se empurram para frente, me esfregando em sua perna. Sua mão se achata no meu estômago, movendo-se para cima e levantando minha camisa. Eu sinto o ar frio batendo nos meus seios antes que eu perceba o que está acontecendo. Ele afasta uma perna; Ao mesmo tempo em que sinto o calor da sua respiração entre os meus seios. Eu arqueio minha costa, convidando-o para mais. Droga, eu preciso de mais. Estendo a mão para ele, mas seu aperto em minhas mãos não deixam, mais uma vez. "Eu quero tocar em você." "Eu pensei que você me odiasse." Eu estou bêbada demais. Não da agitação do álcool, mas ele me deixar assim. Bêbada de desejo. "Eu te odeio." Ele move sua mão da minha costa, seus dedos habilmente abrem minha saia. Ela cai em silêncio em meus pés.

162


"Eu aposto que você não me odeia." Ele murmura, seus dentes roçando no meu mamilo. Ele corre um dedo entre as minhas pernas, ao longo da minha calcinha. "Yup." Ele diz, estalando o 'p'. "Você definitivamente não me odeia." Sua mão se move sob minha calcinha e para minha bunda. Gemendo, ele começa a se mover novamente. Eu viro minha cabeça para o lado, evitando o seu beijo. "Eu quero tocar em você. Por favor, Cameron." Eu sinto seus dedos relaxarem em meus pulsos, e tento me mover. Desta vez, ele deixa. Eu achato a palma da minha mão sob a sua camisa e passo meu dedo no seu abdômen. Ele empurra minha calcinha pelos meus quadris, passando pela minha bunda, e observo-a cair no chão. Em seguida, ele mergulha o dedo dentro de mim, movendo-se lentamente para dentro e para fora. Eu desabotôo e abro seu jeans e puxo para baixo. Sinto o seu corpo ficar rígido, mas eu não paro, não até que ele esteja libertado e os meus dedos estão enrolados em torno dele. Eu gemo quando sinto o calor do seu pau em minhas mãos. "Mostre-me o que fazer?" Ele remove a boca do meu seio e me beija suavemente, usando a mão livre para orientar o seu prazer. Só leva alguns minutos para que a dor no meu estômago atinja o seu pico. "Alguma coisa está acontecendo." Eu choramingo enquanto meus olhos se fecham e meu corpo treme. "Você quer que eu pare?" Ele soa em pânico. Eu estou em pânico. "Fodidamente não." "Bom." Ele diz, nossos olhares se encontram. Seus dedos trabalham enquanto minha mão se move para cima e para baixo. "Meu Deus." Seus dedos... "Meu Deus." Dentro. Fora.

163


"Oh meu Deus." Eu repito. "Lucy, eu estou tão perto." Dentro. Fora. "Cameron!" "Beije-me." Então, eu faço. Meus olhos rolam para o fundo da minha cabeça. Meus quadris se empurram para frente. E, se possível, ele fica ainda mais duro em minhas mãos. Sua boca. Seus dedos. "Porra!" Eu lamento. E então acontece. Mais e mais. E mais. E mais. Lento. Mas rápido. Eu rujo. ROAR. Minha cabeça se debate, esmagando contra a parede por trás de mim. Ele vem ao mesmo tempo na minha mão, calça jeans, minha camisa, em todos os lugares. Meu corpo fica mole. Ele se afasta, os olhos fechados e sua mandíbula tensa. Sua respiração está ofegante, a minha em correspondência. Seus olhos estão abertos, mas eles parecem distantes. "Meu Deus." Um sorriso se forma em seu rosto perfeito. "Foi tudo bem? Concordo com a cabeça.

164


"Nós provavelmente devemos nos limpar." Eu rio enquanto ele caminha para pia. Ele liga a torneira e leva as mãos sob a água corrente. Quando eu termino, ele usa uma toalha para limpar minha camisa, calça jeans, e, finalmente, suas mãos. Sento-me no balcão e espero ele terminar. Quando termina, ele olha para mim com as sobrancelhas levantadas e um sorriso no rosto. "Isso foi incrível." Digo a ele, envolvendo minhas pernas em volta dele e o puxo para mim. Ele termina de abotoar seu jeans e descansa sua testa em meu ombro. "Você é incrível." Ele beija o meu pescoço, até meu queixo e minha boca. "Nós provavelmente deveríamos sair daqui antes que a gente faço algo estúpido." Eu rio. "Eu acho que preciso de uma bebida." * Ele me dá uma bebida. Eu peço mais. E agora estou vomitando nos arbustos enquanto ele segura meu cabelo para fora do caminho. "Sinto muito, querida. Eu deveria ter parado você." Não é culpa sua. Eu queria beber para que eu pudesse me impedir de estuprar ele em público. "Oh meu Deus." Murmuro, pensando sobre a maneira como seus dedos estavam dentro de mim. "Eu sinto muito." Ele repete. Eu vomito novamente. Quando termino, ele me ajuda a sentar na calçada. Estávamos a meio caminho de chegarmos até o carro quando meu estômago decidiu que não queria tudo o que estava lá dentro. "Você está bem?"

165


Concordo com a cabeça, mas minha cabeça está pesada e eu estou ridiculamente cansada de repente. "Você quer ficar aqui, enquanto eu vou pegar o carro?" Concordo com a cabeça novamente. "Só não fale com ninguém, ok? Vou ser rápido." Eu o vejo se afastar, pegando seu celular no meio do caminho antes que eu incline minha cabeça para baixo e tire um cochilo. Cochilar é bom. "Ei." Eu ouço a voz de uma garota a cima de mim. Eu não reconheço, mas sei que não é a prostituta da Tess. "Você está bem?" Eu ergo minha cabeça muito rapidamente. Ela está com outras pessoas, mas ela diz-lhes para pegar o carro e encontrá-la aqui. "Você não se sente tonta?" Ela se senta ao meu lado e cruza as pernas. Eu não sei quem ela é, mas ela parece boa o suficiente. "Eu vomitei." Ela ri baixinho. "Sim, eu posso sentir isso." Faço uma careta, e encaro-a. "Sinto muito." Ela balança a cabeça, seu sorriso caloroso. "Está tudo bem. Todos passamos por isso." "Você não é da minha escola." Digo a ela. "Não, eu não sou." Ela me cutuca de leve. "O que você está fazendo aqui sozinha?" "Meu namorado foi pegar meu carro. Ele vai vir me salvar. Ele me salva muito." Ela ri com isso. "Isso é um bom. Quanto tempo vocês estão juntos?" Eu nem acho estranho que um estranho esteja falando comigo enquanto o cheiro do meu vômito nos rodeia. Talvez eu esteja bêbada, ou talvez ela só pareça tão verdadeira que não se importa. "Desde o segundo ano." Eu respondo.

166


"Eu também!" Ela se anima. "Bem, não o seu namorado, obviamente, mas o meu." Eu não posso deixar de sorrir. "Melhor não ser meu namorado. Porque eu teria que chutá-la, e eu não quero fazer isso. Eu gosto de você." Ela ri baixinho novamente. "Não, meu namorado está na faculdade. Nós fazemos a coisa de longa distância." Eu levanto os meus joelhos e descanso minha cabeça sobre eles, sabendo que a garota que estou encarando está apenas falando para manter minha mente fora do vômito. E isso é bom. Ela é legal. "Isso deve ser um saco. Cameron e eu somos... qual é a palavra? Iseparáves?" "Inseparáveis?" Eu ronco. "Sim, é isso! E eu quero ser uma escritora." "Ei." Ela diz, com as sobrancelhas levantadas. "Nem todo escritor precisa conhecer todas as palavras, só precisam saber como usá-las." "Isso é verdade." Ouço passos se aproximando e tento levantar minha cabeça, mas está extremamente pesada. "Lucy?" Logan diz, mas, em seguida, fareja o ar. "Eu vomitei." Eu anuncio em voz alta. Ele se agacha na minha frente, ao lado da garota estranha. "Eu sei. Cameron ligou e pediu que eu cuidasse de você. Aqui." Ele me dá uma garrafa de água. "Beba isso." Eu bebo tudo. E arroto quando termino, mas ele não parece se importar. Nem a garota estranha. "Será que eu interrompi o seu... sabe..." Olho ao nosso redor; certificando-me de que ninguém pode me ouvir. Quando sei que é seguro, continuo com um sussurro. "Momentos sexy?" Ele ri e balança a cabeça. "Não, Luce. E mesmo que tivesse, você sabe que é a minha única garota." "Cuidado." A garota estranha lhe diz: "Se o seu namorado for como ela, ele vai chutar você."

167


Logan ri, mais alto desta vez. "Oh, ele tentou." Ele responde. Eu não sei o que ele quis dizer, mas eu não pergunto. "Eu sou Logan." Ele diz. Ele deve estar falando com a estranha garota, porque eu sei que Logan é seu nome. Eu não sou uma retardada. Eu deixo cair a cabeça sobre os joelhos novamente. "É bom conhecer você, Logan. Eu sou Amanda." Um carro para no meio-fio. "E essa é a minha carona." Eu levanto a cabeça e dou um tchauzinho. Ela entra, nem mais uma palavra é falada.

168


CAPÍTULO 17 CAMERON Ela adormeceu no banco do passageiro enquanto continuo repetindo a noite na minha cabeça. Eu nunca quis que acontecesse assim, a primeira vez que ficamos... Eu não sei... Íntimo? Eu queria que fosse uma coisa que ela se lembrasse. Algo que ela estaria animada para contar para Claudia — sua amiga de New Jersey e contar a ela sobre o que aconteceu. Não queria que fosse em um banheiro de uma festa enquanto ela estava bêbada. Eu não me arrependo, apesar de tudo. Nem por um segundo. Eu acho que é a razão pela qual estou com um sorriso de comedor de merda enquanto paro na sua garagem. A luz da varanda está ligada e seu pai estar no seu lugar habitual quando fica trabalhando até tarde. Eu abro uma janela e saio do carro, certificando-me de fechar a porta silenciosamente para não acordá-la. "Ei Cam." Ele diz, enquanto eu subo os degraus. Seus olhos estão vermelhos, e ele parece cansado. Percebo a meia garrafa vazia de uísque na sua frente. "Ela desmaiou?" "Só adormeceu." Meu olhar se move da garrafa para ele. "Tudo bem?" Seus olhos se fecham, mas ele concorda. "Apenas uma noite estressante." Ele se inclina para trás em sua cadeira e olha para Lucy, cuja cabeça está descansando na janela do carro. "Eu estava indo levá-la para o seu quarto se estiver tudo para você?" "Ela bebeu hoje à noite?" "Você quer que eu minta para você?" Ele ri. "Sim." "Então, não, ela não bebeu. Ela também não vomitou."

169


Seu rosto se transforma em uma careta. "Pelo menos ela experimentou uma vez, certo? Fico feliz que você estava lá com ela." "Claro." Ele inala profundamente e olha para o relógio. "Toque de recolher?" "Sim, senhor." Esfregando a mão pela barba, e pergunta: "Você acha que pode ligar sua mãe? Pergunte a ela se você pode ficar com Luce esta noite? Ela pode precisar de alguém no caso dela ficar doente de novo." Minhas sobrancelhas se arqueiam em confusão. Nós nunca passamos a noite juntos, mas eu acho que nunca pedi. Nós apenas supomos que não seria permitido. "Você tem certeza?" Seus olhos se fecham novamente, como se ele quase não pudesse controlá-lo. "Só não se aproveite, ok?" "Eu só vou mandar uma mensagem, ela está provavelmente ocupada com Mark." Eu clico em enviar, e um segundo mais tarde seu nome brilha na minha tela. Ela fala com Tom rapidamente antes de concordar. Ele me diz para deixar Lucy no carro e sentar-me com ele por um tempo. "Você tem certeza que está bem?" Pergunto-lhe. Ele não responde à minha pergunta. "Você já bebeu uísque?" Eu balanço minha cabeça negativamente. Ele puxa um copo da bandeja e começa a derramar a bebida lá. É a segunda vez que um adulto me dá álcool hoje. O líquido queima na minha garganta. Tom ri. "Isso é..." "Um gosto adquirido." Ele termina por mim. "É para homens adultos." Eu tento de novo. Mesma reação. "Como está a escola?"

170


"Bem. Lucy me mantém sob controle." "Planos para faculdade?" "Ainda o mesmo." Ele se inclina para trás em sua cadeira, com os braços cruzados sobre o peito. "Diga-me outra vez?" E mesmo que eu tenha um sentimento de que ele já sabe de tudo isso, eu digo a ele de qualquer maneira. Porque acho que não é sobre os planos da faculdade. Acho que ele está apenas se sentindo solitário. Eu realmente nunca pensei sobre a faculdade até que Lucy apareceu. No começo, era só porque eu sabia que ela queria ir para a UNC. Ela disse que é onde seus pais se conheceram no dia da formatura. Não foi até que Tom viu meu desenho e disse que eu poderia me torna um arquiteto que eu comecei a levar a sério. Lucy me ajudou a mudar de classe e começar um plano. Por enquanto, UNC é apenas um sonho. Duvido que eu seja aceito, e mesmo que eu fizer, não serei capaz de pagar. Minha mãe e Luce ficaram loucas procurando por subsídios e bolsas de estudo. Eles disseram que seria improvável que eu ganhasse uma ajuda financeira por causa da renda do meu pai, não que nós temos acesso a isso. Eu tento ficar fora disso. Elas podem pensar que é possível, mas eu não quero criar esperanças. O plano original é que eu a seguisse para lá, conseguir um emprego em tempo integral e talvez um pequeno apartamento para nós. Agora, a faculdade comunitária é mais provável e, de alguma forma, juntar bastante para comprar um apartamento minúsculo. Eu acho que ela não gostaria de viver comigo em um lugar como esse, mas eu não quero ficar longe dela quero ser capaz de vêla todos os dias. Todo mundo sabe os meus planos, e o único que tem me questionado por seguir minha namorada da escola como um cachorrinho doente é o meu pai. Gostaria de discutir com ele, mas eu posso ver o seu ponto. No papel, parece loucura. Na vida real, louco seria eu se não conseguisse vê-la todos os dias. Tom balança a cabeça enquanto eu explico tudo isso para ele, mas eu duvido que ele realmente esteja ouvindo. "Você tem certeza de que está bem, Tom?" "Sim." Ele suspira. "Eu estou tendo um dia difícil, isso é tudo."

171


Eu esfrego a parte de trás do meu pescoço nervosamente. "Você quer falar sobre isso?" Ele está me olhando agora, seu olhar tão intenso que eu quase esqueço de respirar. "Lachlan chamou Virginia de mãe." Ele esfrega os olhos com a palma da mão. "Na verdade, ele está chamando qualquer mulher que vê de mãe. Virginia disse que é porque ele fica confuso com os grupos infantis que ela o leva." Ele suspira e toma mais um gole da sua bebida. "Eu só sinto falta dela, Cam." Ele funga e enxuga os olhos novamente, tentando esconder as lágrimas. "Alguns dias são bons, alguns dias são ruins. O dia de hoje foi ruim. Mas dois dias atrás, eu tive o pior dia. Esqueci dela." Ele funga de novo, limpando a garganta aproximadamente. "Não tem um dia em que eu não pense sobre ela, e fui para cama pensando que era um bom dia, e então eu percebi porquê. Não quero esquecê-la, mas dói demais me lembrar dela sempre, sabe?" "Não." Minha voz falha, eu limpo-a rapidamente. "Eu não sei." Eu respondo com sinceridade. "E, para ser honesto com você, eu não quero saber. Não posso passar um dia sem ver Lucy. Eu não quero nem começar a compreender o mundo de dor, se fosse para sempre." Ele balança a cabeça, as lágrimas caindo mais rápido do que antes. "Ei, lembra aquela vez que você e Lucy estavam aqui e ela estava dizendo como imaginava sua primeira casa? Sabe, depois da faculdade." Eu rio. "Sim, ela era tão detalhista que me pediu para desenhá-la." Ele pega sua pasta e a abre. Ele pega algumas folhas de papel e passa por elas. "Este é o seu esboço, certo?" Ele empurra meu esboço sobre a mesa. "Sim, é esse." Eu sorrio. "Como você conseguiu isso?" "Você deixou na mesa do café." "Oh." Ele abre a boca para falar, mas não sai nada. Em seguida, ele suspira pesadamente e descarta o resto dos papéis na minha frente. "Eu a construí." Afirma. Antes que eu possa envolver minha cabeça em torno do que ele disse, ele continua. "Cerca de um quilômetro daqui, ainda em nossa propriedade. Vou mostrar a Luce amanhã. Ela precisa de um lugar mais calmo, ela está sempre reclamando que não consegue estudar com todo esse barulho. Só não abusem da minha confiança está bem, Cam?"

172


Eu balanço minha cabeça. "Não, senhor. Eu não faria isso." "Eu sei." Ele balança a cabeça lentamente. "Eu sei." Ele diz de novo. "Posso ser honesto com você?" "Sempre." "Eu não sei... talvez quando vocês forem para faculdade, você possa vir me visitar de vez em quando. Essa cabana estará sempre lá para vocês dois. Talvez nos verões vocês possam voltar para casa? Eu sei que os meninos vão sentir sua falta." Ele limpa os olhos novamente, incapaz de mantê-lo por mais tempo. "O jeito que você apareceu na vida de Lucy, eu não sei o que teria acontecido se você não estivesse lá, se você não estivesse lá para vê-la sofrer. Às vezes me pergunto como ela estaria agora sem você..." Ele limpa a garganta. "Eu estou apenas grato por você está por perto para a minha menina." Eu vejo como ele olha para mesa, com os olhos vermelhos de todas as lágrimas que ele está chorando, provavelmente bem antes que eu aparecesse. E eu nunca senti o que sinto agora, uma dor intensa por um homem que perdeu metade de si mesmo. Um homem que está tão ferido e tão confuso com a memória de sua esposa que está preso a ele. Não querendo avançar, mas com medo de voltar. "Minha esposa teria amado você, garoto." Ele murmura, seus olhos nunca se levantam. E mesmo agora, quando ele está tão emocionalmente esgotado, ele ainda está pensando nela. Ele ainda a chama de sua esposa. Eu me pergunto se ele vai sempre pensar nela assim, mesmo quando ela estiver muito longe. Sua esposa para sempre. Eu respiro fundo e engulo nervosamente. Levantando meu queixo, eu informo: "Eu vou fazer Lucy minha esposa um dia." "Eu sei." Ele diz sem hesitação. "E quando esse dia chegar, venha me ver, ok?" *** "Minha boca tem gosto de vômito." Ela diz, tropeçando em seu banheiro. Eu acho que ela não está mais bêbada, apenas cansada. Ela faz uma pausa com a escova de dentes na boca e olha para mim rapidamente antes de abrir o armário sob a pia e me entregando uma escova nova. Quando ela termina, cai

173


em sua cama, com as pernas balançando para fora da borda com um braço cobrindo os olhos. "Boa noite." Rindo, eu estou sobre ela e olhando-a. Tudo dela. Meu coração faz aquela coisa. Aquele aperto, o que me faz lembrar de como estou apaixonado por ela. "Vamos tirar suas roupas." "Sério, Cam?" Ela lamenta. "Meus irmãos estão na sala ao lado." "Sim, Luce." Eu zombo. "Eu estava pensando em ter você agora. Porque você acha que eu estou aqui?" Ela inclina-se sobre os cotovelos, os olhos desfocados. Ela me olha com curiosidade, questionando se eu estou falando sério. Reviro os olhos e pergunto: "Onde está o seu pijama?" "Gaveta de baixo." Ela diz, apontando para a cômoda. Eu puxo a gaveta e encontro os que comprei para ela no Natal do ano passado. O par que diz 'garotos fictícios são melhores'. Ela riu quando eu lhe dei, mas lançou-se sobre mim e beijou todo o meu rosto. "É uma mentira, sabe?" Ela disse. "Nenhum garoto fictício se compara a você." Eu pego seu pijama da gaveta, mas paro no meio do caminho quando vejo um livro embaixo. Tem capa de couro e parece antigo. "Este é o seu diário?" Eu provoco-a, voltando-me para ela. "O quê?" Eu levanto e mostro. "Oh, não. É da minha mãe. Ela me deu antes de morrer." "Oh." Eu me sinto como um idiota. "Está tudo bem." Ela diz. "Na verdade, traga-o para cá." Eu o pego com cuidado e levo para ela, junto com o seu pijama. Eu tiro sua roupa e coloco seu pijama lentamente. Olhando em cada curva do seu corpo. Quando termino, ela deita em sua cama e dá um tapinha no lugar ao seu lado. Eu dou de ombros e tiro minha calça jeans e deito. "Isso é bom." Ela diz. "Ter você aqui. Passar a noite com você."

174


Nós ficamos confortáveis, lado a lado, com sua cabeça na dobra do meu braço. Ela coloca o diário de sua mãe no meu peito. "Eu costumava ler quando ela começou a ficar muito doente e ela mal conseguia falar. Eu o levava para o meu armário e lia com uma lanterna." Ela boceja alto. "Às vezes eu pegava minhas cobertas e as jogava em cima de mim. Ela costumava fazer isso com nós, as crianças. Ela criava uma tenda improvisada na sala e nos colocava em círculo, enquanto ela nos lia histórias. Eu sempre sentava ao seu lado." Ela ri um pouco, mas é do tipo triste. "Ela costumava fingir que não sabia as palavras e eu lia para ela. Ela fazia eu me sentir tão inteligente, sabe?" Ela enxuga os olhos em meu braço. O calor de suas lágrimas encharcam minha pele. "Eu sinto falta dela." "Eu sei, querida." "Você vai ler um pouco para mim?" "Você tem certeza?" Ela acena com a cabeça através de um bocejo. "Só um pouco, até eu dormir." Eu pego o diário e coloco na primeira página. Então eu começo a ler para ela. Quando eu era criança, tínhamos um cachorro. Um carro o bateu quando eu tinha dez anos. Eu chorei e chorei. Eu gritei e gritei, minha mãe me segurava em seus braços e me dizia que estava tudo bem. 'Mas eu o amo Mimi' eu dizia a ela. 'Eu o amo tanto. Mais do que qualquer coisa no mundo inteiro!' Minha mãe riu de mim. 'Espere até ter filhos', ela disse. E eu nunca acreditei nela, não até agora, não até eu escrever esse post com Lucy em meus braços. Ela tem um dia de idade. E ela é mais perfeita do que a maior harmonia, ou o mais brilhante do arco-íris. Ela é mais do que eu sempre sonhei. Tom está na cadeira no canto da sala, com um cobertor jogado sobre ele, roncando levemente. Eu não sei quem teve o pior momento durante o parto; ele ou eu. Ele chorou. Ele nunca chorou. Não que eu saiba, de qualquer maneira. Mas ele fez. Ele chorou como um grande bobão. Ele disse que estava com ciúmes porque agora teria que compartilhar meu amor. Mas ele estava errado. O amor não tem limites. Sem fronteiras. Não há tempo. É eterno. Para sempre.

175


E quando eu olho para o meu pequeno bebê, eu nunca senti essa verdade antes. Então mamãe, se você pode de alguma forma ler isto — de onde você estiver sentada em suas nuvens fofas no céu, eu quero que você saiba que estava certa. Não há absolutamente nenhum amor maior do que aquele que você tem pelos seus filhos. Nenhum. Eu paro de ler e olho para baixo para ela; ela está dormindo. Seus olhos estão fechados e sua respiração está calma. A boca parcialmente aberta, babando no meu braço. Eu deveria está com nojo, mas é bonitinho. Eu fico mais confortável e leio mais algumas páginas. Mais da vida de uma mulher que eu desejei ter a chance de conhecer. Muitas são sobre Lucy, e me pergunto se cada um dos meninos têm algo semelhante, um pedaço dela para manter para sempre. Eu nem sequer percebo o quão pesadas minhas pálpebras estão até eu chegar à última página, mas a escrita é diferente. É de Lucy. Eu olho para ela novamente. Ela não se moveu desde que ficou nesta posição. Eu questiono se devo ler ou não, mas ela me deixou ler. Ela queria que eu lesse. Querida mamãe, Eu nunca quis que você estivesse tão viva quanto agora. Eu queria que você estivesse aqui para poder sentar-se no armário comigo enquanto você finge estar envolvida em todos os meus segredos femininos, como costumava fazer quando eu era criança. Nós riamos juntas e você me fazia perguntas que eram tão insignificantes para você, mas você fazia que fosse muito significativo para mim. Você sempre fez isso. Em uma casa cheia de sete filhos, você sempre conseguiu fazer-nos sentir como indivíduos. Cada um de nós foi o nosso próprio eu. Mas cada um de nós era um pedaço de você, e meu pai, e uns aos outros. Mas você não está aqui. E todos os dias eu sinto sua falta mais e mais. Apesar de alguns dias, especialmente nos últimos, eu penso sobre a dor de perder você cada vez menos. Eu me machuquei cada vez menos, mãe. E você quer saber por quê? É um segredo, mas eu vou compartilhar com você. É por causa de um menino. Seu nome é Cameron. E eu acho que estou apaixonada por ele.

176


Eu sei que você vai rir agora, e pensa consigo mesmo: 'Você não sabe o que é o verdadeiro amor, você só tem quinze anos.' Mas você continuaria fazendo perguntas de qualquer maneira, e você faria eu me sentir menos idiota por pensar assim, se este não é o verdadeiro amor, então eu não quero saber o que é o amor verdadeiro. Eu só quero sentir tudo o que sinto por ele, para sempre. Porque em um momento de nada além de dor, raiva e vazio... ele me curou. Ele fez parar. Ele tornou melhor. Ele fez eu me apaixonar. Amor. Eu amo ele. E ele aparece cada dia, pensando que eu não o vejo. Que eu não quero falar com ele. Que eu não presto atenção nele. Mas eu faço. Algum dia eu vou ter a coragem de beijá-lo. E um dia, depois disso, eu vou ter a coragem de dizer que eu o amo. Ou... Eu poderia ficar aqui e continuar sonhando com o quão quente ele é. Talvez eu só vá fazer isso. Eu solto um suspiro e dou ao meu coração tempo para se acalmar. A pancada enfraquece. O ritmo diminui. A dor ainda está lá. Eu esfrego minha mão contra ele, na esperança de que vá aliviar de alguma forma. Mas não é uma dor causando isso. É amor. Eu fecho o diário, coloco-o sobre o criado-mudo e desligo a lâmpada. Eu envolvo ambos os braços em volta dela, puxando-a para mais próximo possível, mas não perto o suficiente. "Eu te amo, Cameron." Ela sussurra. "Para sempre, Luce. Eu te amo, para sempre."

177


CAPÍTULO 18 LUCY "Eu não posso acreditar que meu pai construiu aquela cabana para mim!" Cam boceja alto e sacode sua cabeça com sonolência. "Eu sei. Quão legal é isso?" Ele boceja novamente. "Você está bem, babe?" Ele joga a cabeça para trás contra o banco do carro. "Eu estou tão cansado, Lucy. Não sei como você dorme tão pouco e ainda consegue fazer funcionar." Eu encosto na frente da sua casa e me viro para ele. "Eu estou acostumada com isso." Ele boceja novamente. "Vamos sair um pouco?" "Você não quer dormir?" "Mais tarde. Vou sempre escolher você ao sono." Nós nos sentamos no sofá por cinco minutos antes dele me puxa para baixo, para uma posição em que ele se encontra de frente para mim. Ele envolve seus braços em volta da minha cintura e joga uma perna sobre a minha, me puxando contra ele. "Eu deveria ir—" "Shh! Fique quieta." Eu rio quando ele se instala confortavelmente a sua cabeça no meu peito. "Talvez só—" "Shh!" Ele diz novamente, apertando-me com força. Um minuto depois, ele está fora. E não muito depois disso, eu também não sei quanto tempo depois que ambos caímos no sono quando ouço a porta da frente se abrir. Eu ergo minha cabeça para ver Mark e Heather entrarem. Nossa posição não mudou, então eu levo o meu dedo à boca para que eles saibam que ele está dormindo.

178


Ela sorri calorosamente e caminha até ele. Sacudindo-o suavemente, ela sussurra seu nome. Ele geme em resposta. Ela faz isso de novo. Um de seus olhos se abre e um sorriso se forma em seus lábios. "Peitos." Ele diz, antes de esfregar seu rosto em meus seios. "Cameron!" Heather e eu gritamos ao mesmo tempo. Ele deve ouvir a voz da sua mãe sobre a minha, porque ele preguiçosamente inclina sua cabeça para trás e olha para ela. "Mãe." Ele não demonstra nenhuma expressão, em seguida, retoma a sua posição. Mark brinca: "Heather, você deve ser a empata foda do ano." "Eu ouvi isso!" Cam diz, levantando a mão para um high five que nunca chega. Eu rio. Ele posiciona a perna ainda mais em torno de mim e me puxa para mais perto dele. Sua mãe suspira, mas há diversão em seus olhos. O mesmo olhar que a minha mãe nos dava quando ela nos pegava fazendo algo estúpido. "Talvez você devesse—" "Não." Cam aperta-me com mais força, sua cabeça nunca se levantando, seus olhos nunca se abrem. "Ela é minha. Não a leve embora." Ele esfrega a cabeça contra o meu peito de novo, tentando ficar confortável. Corro os dedos pelo seu cabelo. É raro eu ter a chance de fazer isso, porque ele sempre está usando um boné. Está mais desgrenhado, e mais escuro, desde que começamos a namorar. Ele mudou muito desde então. Heather ri baixinho. "Eu ia dizer, por que você não leva Lucy para o seu quarto e dorme lá?" "Oh." Ele levanta a cabeça para olhar para mim. Eu já estou olhando para ele, sorrindo, perguntando-me como eu tive tanta sorte. Seus olhos se fecham novamente. "Você vai me levar, amor?"

179


"Ooh." Mark sussurra. "Ele está fazendo a voz falsa de bêbado, coisa que ele costumava fazer quando era um garoto, assim eu tinha que carregá-lo do carro." Cam geme em resposta, e então drasticamente tenta se levantar. Primeiro uma perna, depois um braço, em seguida, de alguma forma, ele gira completamente e sobre fica de quatro no chão. Todos nós prestamos atenção com perplexidade, por ele fazer algo que parece ser a coisa mais difícil no mundo da física. Depois ele cai no chão e se enrola em uma bola. Eu tenho que cutucá-lo com o meu pé para fazê-lo se acordar novamente. "Tudo bem." Ele suspira, mas não se move. "Tudo bem, eu vou estar na sua cama esperando por você." "Ela tem peitos." Mark repreende. Cam solta grunhidos, antes de se levantar e segurar minha mão para me levar para o seu quarto. Ele fecha e tranca a porta, em seguida, inclina-se contra ela. "Disseram-me que haveria peitos." Ele diz, com a voz rouca de sono. Eu rio enquanto deito em sua cama. "Volte e me abrace como você fez, estava tão bom." "Assim, sem peitos?" Eu balanço minha cabeça. "Por que todo mundo mente para mim?" Ele dá de ombros enquanto tira sua calça jeans e a camisa. Eu o observo o tempo todo. "Eu sei que você me quer." Ele diz, sorrindo enquanto se junta a mim na cama. Cinco minutos depois, ele está roncando baixinho ao meu lado.

CAMERON "Foi incrível." Eu ouço-a sussurrando. "Eu nunca me sentir assim antes. Mesmo quando sonhei com ele, ele nunca fez eu me senti assim." Eu lanço a minha mão procurando por ela, mas ela não está aqui.

180


"Eu não posso fazer isso!" Ela sussurra em voz alta. Sento-me e tento me orientar. "O que eu devo dizer?" ela ri. Eu olho em volta do meu quarto como um idiota tentando encontrá-la. A coisa é, eu sou um daqueles idiotas que precisam dormir quando estou cansado. E há uma razão para isso; é porque eu virei um idiota. Prova: Eu estou olhando embaixo da minha cama por ela. "Oh meu Deus, Claudia. Não posso fazer isso." Ela ri. A porta do banheiro se abre e eu posso ver o seu reflexo no espelho, recostando-se sobre o balcão com o telefone no ouvido. Eu arremesso meu corpo para trás e tento ficar confortável novamente. "Então, eu devo dizer, 'ei Cameron, obrigado por me deixar ter o melhor orgasmo alucinante e me deixar vir em e em torno dos seus dedos. Quer fazer isso de novo?'" "Estou acordado!" Eu grito. Foda-se, e estou duro. Ela ri alto. "Eu te ligo mais tarde, Claud." Ela sai do banheiro, sobe na cama e descansa suas pernas uma em cada lado de mim, me montando. "Você ouviu o que eu disse?" "Sim." "Então?" Eu tento esconder o meu sorriso, aperto sua bunda e puxo-a para mim. "Então?" Suas bochechas coram. Eu levanto uma sobrancelha. "Você vai me perguntar?" "Não!" Ela deixa cair a cabeça no meu ombro, com vergonha de me enfrentar. Levo meus dedos em seu cabelo e enrolo-os; puxando levemente para sua cabeça se inclinar para trás e ver seu rosto.

181


Ela lambe os lábios, os olhos ardendo de desejo. Em seguida, ela empurra para a frente, pressionando seu calor no meu pau e empurrando seus seios mais perto da minha boca. Seus olhos parecem se estreitar e ampliar, ao mesmo tempo. Ela se inclina para frente, beijando-me suavemente. Meus dedos puxam seu cabelo, e a outra mão agarra sua bunda. Ela se inclina para trás, seus olhos nunca deixando os meus. "Por favor, me fode logo, Cam." E com essas palavras, eu perco o controle. Eu jogo-a de cima de mim com tanta força que ela rola duas vezes na cama antes de pousar no chão com um baque. "Cam!" Ela grita, mas eu estou muito ocupado batendo a porta do banheiro, entrando no chuveiro, e ligando a água fria. Eu entro, de bermuda e tudo, e começo a... Bem... Você sabe. Ela bate na porta. "Cam!" "Foda-se, sim. Diga meu nome." Eu sussurro. Meus olhos estão fechados enquanto eu a imagino debaixo de mim. Comigo entre as suas pernas e dentro dela. "Cam!" "Mais uma vez, babe." Eu digo um pouco mais alto. Foda-se. Eu sou um verme. "Cam!" Eu rio. E venho. Ao mesmo tempo. *** Eu falei com minha mãe, perguntei a ela se eu podia passar a noite com Lucy em sua cabana. Aparentemente, Tom já tinha falado com ela. Na verdade, ele pediu sua aprovação antes de ir em frente e construir. Ela fez um show dramático dizendo que iria perder seu filho para sempre. Lucy se sentiu mal e disse que eu deveria ficar em casa. Isso foi há uma semana. Passamos todas as noites aqui desde então. Na verdade, nós gastamos cada segundo livre juntos desde então. Tento respeitar os desejos do seu pai e não me aproveitar da situação, então eu mantenho minhas mãos longe dela até irmos para cama. Mas eu não posso fazer nada sobre o meu tesão quando chegamos lá.

182


Ela normalmente fica em sua leitura. Adormeço muito rápido, acordando apenas quando ela se deita comigo. Nós adormecemos com os braços em torno do outro e com sua cabeça no meu peito. E ficamos assim até acordamos para ir a escola. *** Foda-se. Estou tendo um sonho molhado, e eu estou na cama de Lucy. Isso é ruim. Isso é realmente muito ruim. Corpo: Merda homem, isso está acontecendo. Apenas aceitei. Cérebro: Você pode acordar antes que aconteça. Está tudo bem. Corpo: Caramba, é tão bom. É tão quente. Você sabia que seria tão quente? Cérebro: Eu não sabia. "Foda-se, baby, você faz eu me sentir tão bem." Murmuro em voz alta. Merda. Eu sinto-a rir. Corpo: O que diabos você quer dizer com 'sentir' ela rir? Cérebro: Cara, acorda, porra! "Huh?" Meus olhos se abrem. Eu olho para o meu pau... Na sua boca! "Puta merda!" Eu tento puxar de volta, mas ela segura meu quadril no lugar. Cérebro: Cara, deixe acontecer. Corpo: Puta merda, cara. Por favor, deixe isso acontecer. "Meu Deus." Ela puxa para trás, fazendo com que o ar frio batesse no meu pau. "Será que isso te faz se sentir bem?"

183


"Sim querida. É tão bom." Ela sorri, a boca descendo novamente. "Então, eu deveria continuar?" Corpo: Ela é estúpida? É claro que ela deve continuar! Cérebro: Espere. Você não pensou isso no chuveiro hoje? Corpo: Quem se importa. Cale a boca, cérebro. "Uh huh!" Eu coloco minha cabeça no travesseiro, fecho os olhos. E depois a olho. "Oh meu Deus." Eu gemo novamente, sentindo o prazer de sua boca em torno de mim. Eu faço o meu melhor para me segurar. Não querendo empurrar para cima e forçá-la. "Meu Deus." Ela puxa de volta. Eu olho para ela. Do lado da minha coxa estar seu e-reader e ela está passando o dedo na tela. "Você seriamente está lendo agora?" "Não." Ela balança a cabeça. "Eu estou pesquisando." Eu me inclino para cima, apenas o suficiente para lançar seu e-reader para fora da cama. Ele voa através do quarto e bate na parede. "Foda-se a pesquisa babe, você está fazendo incrível." Eu agarro a parte traseira da sua cabeça e empurro-a de volta para baixo. Ela ri, antes de tomar-me em sua boca novamente. Corpo: Foda-se simmmmm! "Diga-me como você gosta, babe." Ela diz , meu pau ainda tocando seus lábios. "Uh huh, só continue." Cérebro: Isso não foi muito agradável, Cam.

184


Corpo: Cale a boca, cérebro. "Segure minhas bolas." Que porra é essa? O que acabei de dizer? Ela se senta. Corpo: Nãoooooo! Suas sobrancelhas arqueadas. "O que quer dizer com isso?" Eu tento mostrar-lhe com as mãos. "Sabe, tipo... Acariciá-las." "Acariciá-las?" "Não é difícil... tipo não aperte. Apenas acaricie." Ela encolhe os ombros. E então ela as acaricia. Corpo: Puta merda, cara! Cérebro: Eu sei, certo? "Por favor, não pare, Luce." "Oh." Ela parece surpresa. "Você quer que eu faça as duas coisas ao mesmo tempo?" "Uh huh." "Ok." Ela encolhe os ombros antes de voltar ao trabalho. Corpo: Puta. Merda. Cérebro: Você não merece isso, idiota. Corpo: Sério, cala a boca, cérebro. "Dê-me a outra mão." Eu digo a ela, inclinando-me para que eu possa alcançála. Ela me dá sua mão. Eu levo-a e envolvo-a em torno da base do meu pau, e mostrando-lhe como movê-la. Ela aprende de imediato.

185


"Foda-se." Eu gemo. Corpo: Simmmmm amigo! Meus quadris começam a se mover por conta própria, combinando com seus movimentos. "Babe." Eu advirto. Corpo: Ainda não, cara. Cérebro: Ele não pode pará-lo. "Babe, eu vou vir." Ela continua mais rápido, mais determinada. Cérebro: Ela não vai... Corpo: Ainda não! Ainda não! Oh. Foda-se... Deixo escapar um gemido quando venho. Eu tento acalmar a minha respiração. Ela engole tudo. Sua cabeça se levanta. Em seguida, suas mãos cobrem a boca. "Você está bem?" Eu pergunto ofegante. Ela levanta um dedo, me pedindo para esperar, e então corre para o banheiro. Ouço a torneira ser ligada, e ela cuspindo. Em seguida, ela escova os dentes. Cospe. Escova. Cospe. Isso acontece mais quatro vezes. Eu me inclino para trás no meu travesseiro, meus dedos entrelaçados atrás da minha cabeça. Corpo: Foda-se sim! Você é o cara! Cérebro: Você, Cameron Aladdin Gordon, é um garanhão maldito. Minhas bochechas doem do enorme sorriso. Ela sai do banheiro com uma garrafa de bochechos em sua mão. Ela olha para mim com os olhos apertados, mas não fala nada. Ela apenas caminha de volta

186


para o banheiro e cospe. Quando ela acaba, volta para fora e olha para mim. Ela pega seu e-reader do chão e começa passar o dedo.na tela. "Qual o problema, querida?" "Shh." Deito-me e fico confortável, minhas mãos ainda atrás da minha cabeça, maravilhado com a glória de receber meu primeiro boquete. "Isso é besteira!" Ela murmura. "Ou este livro é fodido ou a mulher que escreveu isso é uma puta maluca." Eu rio. Ela olha. Eu paro. Ela volta seu olhar para o e-reader, com os olhos examinando as linhas. "Aqui." Ela aponta para ele. "Na verdade, diz, 'Oh meu Deus, você é o cara." Ela diz. "Eu amo o seu membro latejante em torno da minha boca. Adoro o sabor da sua porra. É o meu gosto favorito em todo o mundo. Venha para mim de novo." Ela olha para mim. "Não, Cam. Apenas. Fodidamente. Não." Ela caminha até a janela, e antes que eu possa perguntar o que diabos ela está fazendo, ela abre-a e lança o e-reader para fora. "Isso é besteira, Cam. Ninguém quer essa merda na sua boca." Tudo o que posso fazer é rir agora. "Que gosto você esperava que tivesse?" Ela encolhe os ombros, seu rosto se contorce em desgosto. "Eu não sei. Não esse. Tipo... talvez o que você comeu no jantar." "Hot-dog?" Ela faz uma careta e vem para cama. "Portanto, sem mais boquetes?" Ela joga um braço e uma perna em cima de mim. "Eu não estou dizendo que nunca, eu estou dizendo não por enquanto."

187


Rindo, eu beijo o topo de sua cabeça e puxo-a para mais perto. "Obrigado, babe." Ela inclina a cabeça para trás e olha para mim. "Foi bom?" "Foi incrível." Ela sorri. "Eu fiz certo?" "Você fez melhor do que certo, Luce." Ela sorri de orelha a orelha e beija meu peitoral. "Foi uma espécie de quente. Eu realmente gostei. Até, você sabe... a coisa desagradável em minha boca."

188


CAPÍTULO 19 LUCY Nas duas últimas semanas ele passou toda noite na minha cabana. Algumas noites jantamos na casa da sua mãe e eu disse que ele deveria ficar lá. Sua mãe brincou que ele poderia muito bem morar comigo. Eu não tenho certeza se Cameron sabia que ela estava brincando, porque agora ele tem uma gaveta na minha cômoda, metade do meu closet, e o banheiro está cheio de produtos para barbear e colônia masculina. Não que eu esteja reclamando. Eu amo tê-lo perto todo o tempo. O que eu não amo é o fato de que ele mal me toca. Duas semanas nós dormimos na mesma cama. Com ele usando nada além de suas boxers, e eu, de regata e calcinha tentando parecer bonita. Ainda assim, ele não me toca. E eu não tenho ideia do porquê. E estou frustrada. Tanto, que estou observando-o mastigar sua caneta enquanto ele está sentado à minha frente na nossa mesa de jantar, e isso está me excitando. Isso, e o fato de que ele está sem camisa. E quente. Quando ele ficou assim tão quente? Quero dizer, ele sempre foi bonito... Mas agora... Puta merda, eu estou molhada. E agora ele está lambendo os lábios. Deus, eu amo seus lábios. Eu aperto minhas pernas juntas, tentando aliviar a dor. Meus olhos caem, focando nas palavras no livro na minha frente. Nós deveríamos estar estudando, mas tudo o que posso pensar é em sua boca. Eu olho para cima. Ele está fazendo isso de novo. Lambendo o lábio. Oh merda, agora ele está mordendo-o. Eu me pergunto se ele não vai olhar assim para mim. Eu olho para mim mesma. Eu estou vestindo uma camisa que Logan me comprou após Vaginagate. Diz: "Eu odeio tacos, Juan diz não sempre." Não. Eu duvido que ele olhe para mim.

189


Eu suspiro alto. Seus olhos se levantam e um sorriso se curva em seus lábios. Oh meu Deus, o seu sorriso. Seus lábios. Ele lentamente se ajeita, colocando as palmas das mãos sobre a mesa. "Luce." Ele diz. "Mm?" Eu murmuro, ainda que por dentro, eu estou dizendo: Tome-me! Leveme agora! "Você tem molho de pizza em seu rosto." Eu quase morro. Ele entra na cozinha minúscula e traz de volta um guardanapo para mim. "Obrigado." "De nada." Ele se instala em seu assento, seus olhos já se concentrando em sua lição de casa na mesa. Eu afundo em minha cadeira, sentindo-se estúpida. E com tesão. Estou tão excitada. Talvez eu possa fazer ele me querer. Um sorriso se forma em meus lábios quando um plano vem à minha mente. Eu li em livros, vi em filmes, com certeza vai funcionar. Lentamente, levanto meu pé; talvez eu possa deixá-lo duro, esfregando no caminho certo. No instante em que o meu pé faz contato com a sua perna, ele se afasta. "Puta merda!" Ele grita. "Será que é o seu pé? Está fodidamente congelando." Eu deixo cair o queixo no meu peito. "Desculpe." Eu murmuro, meu rosto queimando de vergonha. "Você está com frio?" Eu olho para ele. Ele se levanta, passando a mão em seu peito nu. LAMBER. "O quê?" Ele pergunta. Merda, eu disse a palavra lamber em voz alta.

190


Seu olhar de confusão é tão gostoso que eu acho que quero estuprá-lo. Sim. Se levante e comece a montar em sua perna. "Você está doente?" Ele pergunta. "Huh?" "Seus pés estão frios, mas o seu rosto está vermelho, como se você estivesse queimando, e você continua gemendo e se contorcendo em seu lugar." Seus olhos se estreitam ainda mais. "Eu vou pegar suas meias e uma aspirina. Sente-se, querida, vá com calma." Eu resmungo no meu lugar enquanto espero ele voltar. Quando ele volta, se ajoelha no chão, entre minhas pernas, e pega meu pé. Meus olhos se fecham, imaginando sua linda boca beijando, lambendo, sugando o seu caminho até ao meu centro. Eu preciso dele. "Tudo feito." Informa, fazendo-me abrir os olhos. Ele cobriu meus pés com meias, mas não me beijou. Meus olhos brilham em minhas pernas. Talvez elas estejam cabeludas. Talvez ele pense que eu sou feia. Pode ser isso. Ele sai e volta com um copo de água e uma aspirina. "Eu me pergunto o que há de errado com você. Seu período não veio por mais de uma semana, certo?" Eu quero amá-lo por estar tão em sintonia comigo que sabe até sobre o meu ciclo, mas eu não posso pensar nisso. Não quando eu quero lambê-lo todo. Ele volta para o seu lugar de novo, todo relaxado e quente, como se não tivesse ideia do que eu estou passando. Ele pega a caneta e eleva-a à sua boca já aberta. Ele lambe os lábios uma vez, lentamente pra caralho, então ele corre o fim da caneta na parte inferior, espalhando a umidade. Eu choramingo. Sento-me reta e tento acalmar a minha respiração. Talvez dê certo na segunda vez, eu penso comigo mesmo. Levanto meu pé de novo, mais determinado no momento. E, em seguida... "Porra, LUCY!" Estremeço ao ouvir suas palavras e me encolho em meu lugar.

191


"Você acabou de chutar minhas bolas, que porra é essa?" Ele está gritando, de pé. "Sinto muito!" Eu grito de volta, ficando de pé e indo até ele. "O que aconteceu?" Entro em pânico. "Eu tive uma coceira." "No meu pau?" Estou tentando abraçá-lo, esperando que vá deixá-lo melhor, mas ele me empurra. "Sinto muito!" Digo mais uma vez. "Está tudo bem." Ele diz, um pouco mais calmo desta vez. Ele lentamente coloca a mão no meu rosto. "Está tudo bem." Ele repete. "Sinto muito." Ele se inclina e coloca a boca molhada na minha. "Essa merda dói." Ele tenta se afastar de novo, mas eu aperto seus quadris e me recuso a deixálo ir. Eu beijo-o novamente, mais do que ele fez. "Você quer que eu o beije para ficar melhor?" Eu pergunto. Seus olhos se arregalam. "Huh?" Eu sorrio, tentando parecer sexy, e, em seguida, caio de joelhos. Eu fico olhando para ele enquanto ele mastiga o lábio novamente. Enrolo meus dedos em torno da sua bermuda, eu puxo-a para baixo e liberto-o. Então meus olhos se arregalam. "Oh." "O quê?" "Está apenas—" "Bem, não está duro, Luce, o que você esperava?" "Eu sei. Eu só não esperava que fosse tão pequeno." "Foda-se." Ele diz, mas está rindo. Ele empurra sua mão contra minha testa até que eu caia para trás.

192


Ele puxa sua bermuda de volta e vai para cozinha. "Eu te odeio." Ele grita por cima do ombro. Eu pulo em sua costa, envolvendo minhas pernas e braços ao seu redor. "Sinto muito!" Digo a ele. "Não, você não está perdoada." Ele se inclina e me gira até que eu estou na sua frente com os meus braços em volta do seu pescoço e minhas pernas ao redor da sua cintura. Ele me coloca no balcão. "Você tem mãos de homem." Ele diz. Eu franzo a testa e levanto minhas mãos para olhar para elas. "E você baba durante o sono, é nojento." Eu limpo a minha boca com as minhas mãos de homem. "E você—" Ele se corta com um suspiro. "Nada. Eu não tenho nada. Você é perfeita." Ele entrelaça nossos dedos e beija cada uma das minhas mãos. "E você não tem mãos de homem. Isso foi maldade. Sinto muito." Eu puxo suas mãos até que seus braços estão em volta de mim e me inclino para frente, tentando estar o mais próximo possível dele. Eu corro meus dedos por seu peito nu. "Eu quero lamber você." Digo-lhe, sem vergonha agora. "Em todo lugar. Seus lábios primeiro. Eu amo seus lábios." Eu beijo-o devagar, sentindo seus dedos apertarem minha cintura. Ele se inclina para trás antes que eu esteja pronta. "Eu tenho dever de casa." "Oh." Ele suspira, enquanto suas mãos puxam seu cabelo. "Eu só preciso aprender auto-controle com você. Eu não posso simplesmente... Eu prometi ao seu pai .. Nós não podemos..." Eu beijo-o novamente, desta vez mais profundo. "Mas eu estou tão excitada, Cam. Eu preciso de uma liberação." Ele resmunga, antes de me pegar e me jogar por cima do ombro. Ele caminha para o quarto e me joga em nossa cama. "Eu vou fazer você vir, Luce." Ele diz como um aviso. "E isso é até onde nós vamos, ok?" Concordo com a cabeça.

193


Ele puxa meus tornozelos até que minhas pernas estivessem fora da cama. "Tire sua camisa e seu sutiã, eu quero ver seus seios." Sento-me. "Cam mandão." Eu sorrio. "Eu amo o Cam mandão." Ele cruza os braços sobre o peito e arqueia uma sobrancelha. Ele está duro agora, dar para ver a grande protuberância em sua bermuda. Eu estendo a mão para tocá-lo lá, mas ele se afasta. "Luce, é só sobre você. Não estou brincando." Cinco minutos depois, meu short e calcinha estão fora e sua boca estar exatamente onde eu quero. Meus dedos se curvam sobre a colcha debaixo de mim. "Puta merda, Cam." Ele não vacila, nem por um segundo. Seus dedos deslizam para dentro e para fora, seus beijos e a sua língua. Seus movimentos ficam mais rápidos, mais apressados. Peço-lhe para ir com calma, assim ele faz. E agora, agora ele está perfeito, me trazendo para a borda duas vezes, apenas para se afastar sorrindo. "Cam!" E ele começa de novo. "Você tem que me deixar..." Eu respiro fundo. A vibração da sua resposta contra minha umidade me contorce. Ele usa seu antebraço para segurar minha barriga, me mantendo no lugar. Meus quadris se empurram para frente, querendo mais dele. E ele dá. Porra, fodidamente me dá. Minha costa se arqueia para fora da cama. Estou ofegando seu nome, mais e mais. Ele nunca para. Não até que a última onda me atinge e meu corpo entra em colapso. "Eu não consigo sentir minhas pernas." Eu gemo. "Ou o meu rosto." Eu olho para ele através das minhas pálpebras pesadas. Ele fica na extremidade da cama, sua ereção esticando sua bermuda. Ele pega minha camisa descartada e limpa a boca. Em seguida, ele olha para mim. Da cabeça, todo o caminho até os dedos dos pés. Ele nunca me viu completamente nua.

194


Seus olhos trilham de volta para cima enquanto ele lambe os lábios. "Você é tão sexy, Lucy. Eu estava tão perto de vir apenas degustando seu gosto." Sento-me e puxo sua bermuda para baixo, libertando-o completamente. "Eu quero fazer sexo, Cam, por favor." Eu me empurro em cima da cama até que minha cabeça bata no travesseiro, e depois abro minhas pernas para ele. "Eu estou pronta." Digo-lhe, minha voz saindo com um sussurro. E uma tonelada de emoções me atinge com força total. Eu amo ele. Eu não quero compartilhar isso com ninguém, e eu estou deitada aqui, preparada para ele. Esperando por ele. Enquanto ele está no final da cama olhando para mim, lutando uma guerra em sua cabeça. Eu não sei por que esperei tanto tempo, não quando eu sempre fui tão certa dele. De nós. "Por favor, Cameron." Ele arranca sua bermuda e sobe na cama, ficando entre as minhas pernas. "Lucy, eu não—" "Você me ama?" Pergunto-lhe. Ele descansa os braços em ambos os lados da minha cabeça, enquanto seus olhos me encaram. "Você sabe que eu amo." "Então por que você está hesitando?" Ele balança a cabeça, em seguida, repousa sobre o ombro, abaixando lentamente seus quadris para que eu possa sentir sua dureza contra mim. "Eu não queria que fosse assim... no calor do momento. Eu queria fosse romântico. Sabe, quarto de hotel, jantar à luz de velas, lareira, pétalas de rosa e essas merda." Levo minhas mãos à sua cabeça e faço com que ele esteja olhando para mim. "Eu não me importo com isso. Eu só quero você." Ele balança a cabeça. "Estou nervoso." "Estou com medo." "Talvez a gente não deveria—" "Não, eu quero."

195


Ele olha para baixo do meu corpo, para onde estamos prestes a nos juntar. Apoiando-se em um braço, ele usa o outro para se posicionar. Eu sinto o que acho que eu deveria sentir, e espero. "Você tem certeza?" Sua voz falha. "Eu não quero que você se sinta pressionada." Concordo com a cabeça. "Eu te amo." "Eu também te amo." Ele me beija, o meu gosto em seus lábios me excita ainda mais. Eu empurro um pouco, acolhendo-o. "Eu te amo tanto, Luce." Ele diz, empurrando para dentro de mim. Meus olhos se espremem fechados, tentando parar de gemer de dor quando ele me enche. "Você está bem?" Ele sussurra em meus ouvidos. "Mm hmm." Eu respondo — meus olhos ainda fechados, para evitar que as lágrimas caíssem. "Entrou tudo?" "Não babe, eu não estou nem no meio do caminho ainda." Eu choramingo. "Tudo bem, basta ir. Faça. Acabe logo com isso." "Lucy." Sua voz está instável. "Talvez nós não estejamos prontos. Talvez nós—" Deixo escapar um soluço. Dói muito e ele não está nem todo o caminho ainda. "Eu não posso fazer isso, Luce, não quando você está chorando." "Não!" Eu pressiono minhas mãos firmemente em sua bunda para que ele não possa se mover. Ele levanta a cabeça, entrando de uma vez. "Ok." Em seguida, uma dor tão insuportável toma conta do meu corpo inteiro. Eu grito tão alto que é surpreendente para os meus próprios ouvidos. "Eu sinto muito." Ele diz, com o corpo tremendo. "Merda, merda, merda."

196


Ele tenta sair, mas eu o seguro no lugar. "Eu só preciso me acostumar com isso." Eu grito. "Apenas fique parado por um momento." "Eu não posso, Lucy. Você está fodidamente chorando. Eu fiz você chorar. Não é assim que eu queria que fosse. Isto deveria ter sido perfeito para você e eu arruinei." "Pare com isso." Eu choramingo. "É perfeito, Cam. Você é perfeito. Eu só—" "Eu odeio isso." Ele me corta, enxugando os olhos no meu ombro e recusandose a olhar para mim. "Eu não posso continuar, Luce. Não gosto disso." Eu fungo as lágrimas, e as seguro. Porque isto não é apenas sobre mim, é sobre ele, e eu estou estragando tudo para nós dois. "Não dói mais." Eu minto. "Comece a se mover." Ele levanta a cabeça, seus olhos procurando os meus. "Você tem certeza?" "Sim, babe." Concordo com a cabeça. "Basta ir devagar, ok?" "Não vai demorar muito, eu — eu prometo." E então ele se move. Dói como o inferno. Eu faço o meu melhor para ficar em silêncio, para não estremecer de dor, para não pedir-lhe para parar. "Eu te amo, Lucy." Ele sussurra, levantando os olhos para mim — com tanta emoção — e os segundos se passam como horas, olhamos um para o outro. E então ele me beija, e fazemos amor. E é perfeito. Do jeito que ele queria.

CAMERON Depois que eu vim, ela praticamente correu para o chuveiro, e permaneceu lá por uma boa meia hora. Eu não sabia o que fazer. Eu não sabia o que dizer. E agora ela está chorando em meus braços e eu estou perdido. Estou tão perdido.

197


"Eu não estou chorando porque dói." Ela diz, de alguma forma, lendo minha mente. "Então por quê?" Eu sussurro, levando-nos para cima da cama e para debaixo das cobertas, então estamos cara a cara. "Diga-me." "Porque eu estou emocional." Ela parece quase envergonhada. "Eu me sinto muito só agora, com você dentro de mim assim, e foi mais do que apenas físico. Eu não..." Ela sopra um suspiro pesado. "Eu não quero que você compartilhe isso com mais ninguém." "O quê?" Eu pergunto, confuso. "Eu só não quero pensar no futuro, e se acontecer alguma coisa... dói muito pensar que você poderia compartilhar algo parecido com outra pessoa, algo tão puro e íntimo. Eu odeio—" "Pare." Eu corto-a. Eu não tenho nenhuma ideia de onde isso está indo, mas eu não quero questioná-la, porque se há uma coisa que eu sei de viver com a minha mãe, e estar com Lucy, é que as mulheres são bestas. "Você acha que eu quero isso? Que eu quero estar com outras pessoas?" "Eu acho que, eventualmente, você—" "Você está errada, Luce. Tão errada que não é engraçado." Eu rolo para minha costa e penso no que estou prestes a dizer-lhe, porque eu sei que é errado que jovens de dezessete anos pensem sobre o que eu penso. Mas eu olho para ela agora, com lágrimas nos olhos, e eu não me importo. Eu digo a ela de qualquer maneira. "Eu penso muito no nosso futuro. Mais do que você quer saber." "Sim?" Ela pergunta, um sorriso se formando em seus lábios. "O que você pensa?" Ela senta-se na minha frente, remove o cobertor de nós, e cruza as pernas. Eu faço o mesmo. "Eu penso em me casar com você, Lucy, e ter um monte de crianças." Ela ri baixinho, as lágrimas quase desaparecem. "Quantos filhos?" "Bem, pelo menos quatro." Eu digo a ela honestamente. "Quatro meninas. Meg, Jo, Beth e Amy." Ela suspira baixinho. "Como em Little Women?" Ela diz, sua voz saindo alta, como uma garotinha.

198


Concordo com a cabeça. "Uh huh." "Você leu o livro?" Balanço a cabeça com uma careta, e respondo: "Eu vi o filme." Ela ri, antes de se aproximar ainda mais de mim. "O que mais?" "Eu quero um par de rapazes, pelo menos. Sabe, então eu não vou está cercado por mulheres loucas." Eu vejo quando sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Você está mentindo." Ela diz. "Eu não estou. Até mesmo desenhei a casa em que vamos viver. Eu acho que o seu pai pode construí-la para nós. Vai levar um tempo, mas—" "Cam." Ela sussurra, com lágrimas caindo de novo. Mas eu sei o motivo dela está chorando agora. Eu aprendi a lê-la. Estas lágrimas são do tipo felizes. As mais felizes. "Nosso quarto vai ser o melhor na casa." Eu começo, puxando-a para perto de mim. "Vai ter enormes portas duplas, como as que têm nas bibliotecas da cidade." Ela sorri. Eu continuo: "Com um titulo na porta, vai está escrito: 'Mansão da mamãe'." Suas sobrancelhas se arqueiam. "Sua mãe vai morar com a gente?" Eu rio. "Não, não a minha mãe. Vai ser o seu quarto. Você vai ser mãe até então." "Você vai esboçar o quarto para mim?" Ela pergunta, hesitante. Ela sabe que eu ainda estou um pouco desconfortável mostrando-lhe as minhas coisas. Mas do jeito que ela está olhando para mim agora, eu iria encontrar uma maneira de voar para a lua se ela me pedisse. "Sim, babe." Ela grita e pula em cima mim, depois sai da cama, e vai para sua mochila para retirar uma caneta e bloco de notas. Sento-me contra a cabeceira da cama e

199


espero por ela. Quando ela volta se senta entre as minhas pernas, eu coloco o bloco de notas na sua frente e envolvo meus braços ao redor da sua cintura e coloco meu queixo no seu ombro. Eu pressiono a caneta no papel... E então desenho. O seu quarto na nossa futura casa. E eu explico-lhe tudo, e o que eu imagino. Paredes com prateleiras com nada além de livros. Sua própria lareira. Sua enorme poltrona confortável, e, em seguida, poltrona menores na frente dela. Então, ela e nossos filhos podem sentar-se para ler, ou ela pode ler para eles. Ela chora o tempo todo. Mas não é nada comparado com a sua reação quando eu digo a ela a melhor parte — uma estante com entrada escondida. Ela se abre quando alguém puxa um determinado livro, o livro é Little Women. "Podemos pendurar roupas no teto." Eu digo a ela. "Dessa forma, você e nossos filhos podem ter sua própria tenda improvisada, como sua mãe fazia com você. E você pode ler histórias para eles, fazê-los ajudá-la com as palavras, sabe?" Faço uma pausa e espero que seus soluços parem. "Você pode dizer uns aos outros seus segredos. Você pde construir memórias, Luce. E você pode recordá-las, também. Você pode se lembrar da sua mãe todos os dias."

200


CAPÍTULO 20 CAMERON Lucy recebeu sua admissão cedo, todos nós esperávamos que ela faria, mas isso não nos impede de comemorar como loucos — um pequeno com a família, em seguida, um grande com os nossos amigos. Por enquanto, ela e Jake estavam indo para UNC. O resto de nós ainda está esperando. Nossos amigos nunca planejaram ir para a mesma faculdade, meio que aconteceu. Ela chorou naquela noite, no entanto. Ela disse que era meio agridoce; que ela não sabia o que aconteceria se eu não entrasse. Ela me disse que não iria sem mim. Eu disse que ela estava sendo idiota, e que eu iria com ela de qualquer maneira, mesmo que isso significasse classes de trabalho. Mesmo que isso levasse dez anos para que eu conseguisse um diploma, não havia nenhuma maneira que eu iria deixá-la. Agora, ela está chorando por um motivo diferente. "Cameron." Ela grita. E eu rio. Ela vê minha carta de aceitação no ar antes se lançar em mim, beijando-me milhares de vezes. "Estou tão orgulhosa de você!" "Obrigado, babe." A verdade é que eu estou orgulhoso de mim mesmo também. Eu trabalhei muito duro durante o último ano para conseguir entrar. O único problema é que eu não sei se posso me dar ao luxo de ir, mas não estraguei o momento. "Sua mãe sabe?" Eu balanço minha cabeça. "Não, eu só fui lá rapidamente para verificar o email, mas ela não estava em casa. Vim direto para cá." "Precisamos comemorar!" Ela diz. Meu sorriso é instantâneo. "Como?" * Acontece que Lucy é uma dama na rua e uma louca na cama. Nós não tivemos relações sexuais por algumas semanas depois da primeira vez, porque ela ainda estava fisicamente dolorida. Após a quarta vez, ela meio que ficou obcecada em mim. Honestamente, nós dois ficamos. Por alguns meses,

201


porém, ela estava sangrando. Fomos ver o Dr. Matthews; ele disse que podia ser o efeito do Implonen. Ele o tirou dela e escolhemos o *DIU dessa vez. Desde então, ela ficou bem. Melhor do que bem. "Puxe meus cabelos!" Eu ia rir, mas estou tão perto que se eu me movesse acabaria vindo. "PUXE-O!" "Ok!" Eu grito. Inclino-me e puxo seu cabelo. "Foda-se sim, babe!" Ela está de quatro, no chão da sala de estar. "Agarre meus peitos!" Faço o que ela pediu, tentando não perder o ritmo das minhas estocadas. Foda-se, eu a amo assim. "Esfregue meu clitóris!" "Eu não tenho mais mãos!" Ela resmunga e começa a bater sua bunda em mim. Sinto-a me apertar e sei que ela está perto. Tento segurar até que eu saiba que ela veio. Quando ela vem, ela rosna e cai em seus braços, com a bunda no ar. E eu venho. Oh merda, eu venho. *** "Se você não vai aceitar o meu dinheiro, você deve pelo menos pedir ao seu pai!" Mark sussurra alto o suficiente para que possamos ouvi-lo da cozinha à sala de estar da casa da minha mãe. Luce e eu olhamos um para o outro enquanto estamos sentamos no sofá. Ela sorri tristemente e pega a minha mão. Depois de duas semanas desde que a carta de aceitação chegou, isto é o que tem sido. Após os primeiros dias de procura por bolsas e ajuda financeira, desistimos. A poupança da minha mãe era apenas o suficiente para cobrir um semestre, se tivéssemos sorte. E isso não inclui moradia. Isso significa duas horas e meia de carro em cada sentido. *DIU: "Em forma de T" é um pequeno dispositivo inserido no útero para evitar a gravidez; Seguro, eficaz e de longa duração.

202


"Seu pai não pagou um centavo para você desde sempre." Mark continua. "É porque eu nunca lhe pedi. E o que há de errado com você? Você acha que a vida que eu construí para nós não foi boa o suficiente? Huh? Acha que precisávamos desse dinheiro?" "Eu odeio isso." Eu sussurro. "Sinto muito." Mark responde, sua voz ficando mais alta. "Eu só não entendo por que você não me deixa pagar! Por que você é tão teimosa que não vai aceitar ajuda?" Lucy aperta minha mão. "Talvez você possa falar com o Mark? Talvez ele possa lhe emprestar o dinheiro." Eu balanço minha cabeça. Mark acrescenta: "Ele é meu filho, Heather! Seja no papel ou não! Você não quer morar comigo, tudo bem. Eu deixo de lado. Mas eu não entendo por que você não me deixa tomar conta da minha família! " Minha mãe chora. O mesmo acontece com Lucy. Mark pede desculpas. Pego minha mochila e retiro os catálogos da faculdade da comunidade e começo a folheá-lo. Lucy beija minha bochecha. "Estou tão orgulhosa de você." Ela sussurra, sua respiração instável. "Obrigada." Eu digo a ela. "Mas foi tudo em vão." *** Já se passaram três semanas desde que eu recebi a carta, e uma semana desde que eu pensei sobre os pedidos de faculdade comunitária. Estou pensando em ir lá este fim de semana para olhar ao redor para as oportunidades de emprego.

203


"Meu pai nos convidou para jantar hoje à noite." Diz Lucy com uma careta. "Eu acho que é para celebrar a minha entrada na UNC. Ele disse que estava esperando você receber sua carta. Acho que ele ficou hesitante, de talvez você não ir, mas ele ainda quer nos levar, e seus pais também... Quero dizer a sua mãe e Mark." "É claro." Eu digo a ela. "Será que ele não quer fazer isso antes porque tinha medo que eu estaria chateado ou algo assim?" Ela encolhe os ombros. "Eu acho." * Nós encontramos Tom e o resto dos garotos em um dos poucos restaurantes que pode acomodar uma família do tamanho da sua. Minha mãe e Mark têm trabalhado em seus problemas com ele querendo pagar. Ele não entende por que nós dois estamos sendo tão teimosos, mas ele aceitou e seguiu em frente. "Eu tenho treze varas escondidas em Filmore." Lachlan, o irmão mais novo de Lucy, o caçula da família, diz sentado ao meu colo. Depois que Filmore morreu, Tom conseguiu rebocá-lo para sua casa e Lachlan está usando-o como seu próprio pequeno clube desde então. "Treze?" Pergunto-lhe. "Isso é um monte de varas." Ele levanta um dedo, e depois enrola-o, me pedindo para abaixar ao nível dele. Uma vez que meu ouvido está perto da sua boca, ele sussurra. "Eu tenho que escondê-los dos outros. Não diga nada." Eu rio. "Tudo bem, cara. Juro. Não vou contar a ninguém." Ele sorri de orelha a orelha. "Cameron é fiel em guarda segredos." Minha mãe diz a ele. "É verdade." Diz Mark concordando. Os olhos de Lachlan se estreitam de mim para a minha mãe e depois volta para mim novamente. "Sua mamãe é muito bonita." Ele diz. "Eu vou me casar com ela." Eu rio. Mark entra na conversa: "Desculpe, Lachlan, ela é toda minha."

204


"Você ligou para o *Dibs?" Ele grita. Mark recua em surpresa. "DIBS!" Lachlan grita. "Eu ganhei!" A nossa mesa entra em erupção de risos, assim como uma bandeja de champanhe é colocada em cima da mesa. Tom entrega a minha mãe, Mark, Lucy e eu, em seguida, tomamos um assento. "Antes de fazermos um brinde a minha menina." Ele diz. "Eu queria falar alguma coisa bem rápida." "Papai." Lucy lamenta. "Papaaaaai." O pequeno Logan zomba, revirando os olhos. Todos riem. "Está tudo bem, Luce, não é sobre você, ou como você costumava comer suas melecas até fazer sete." Ela engasga. Nós rimos novamente. "Na verdade." Tom continua, olhando diretamente para mim. "Lembra-se do esboço que você fez naquela noite? Na noite em que eu estava em pânico e pensei que tinha perdido o negócio?" Concordo com a cabeça. "Os de desenvolvimento?" "Sim. Você lembra quando eu disse a você que levei para os desenvolvedores e eles adoraram? Depois eu tive que encontrar um escritório de arquitetura para fazer as plantas adequadas. Escolhi o Bradman. Você já ouviu falar deles?" Concordo com a cabeça. "Sim, senhor, eles são um dos maiores escritórios de arquitetura do estado." *Dibs: É usado para dar a posse de um determinado objeto ou ideia.

205


Ele sorri. "Eles não mudaram muito com o seu plano. Eles realmente acharam incrível, que você conseguiu fazer apenas com pensamento." Lucy segura a minha mão debaixo da mesa, sorrindo, quando faz isso. Tom acrescenta: "De qualquer forma, estamos trabalhando juntos novamente em um novo desenvolvimento, então eu tive uma reunião com eles hoje. Fiquei lá por duas horas, enquanto eu esperava por vários jovens que estavam dentro do escritório do Sr. Bradman. Quando eu finalmente consegui me encontrar com ele, perguntei-lhe do que se tratava. Ele disse que eles estavam experimentando uma programação de bolsa—" "Você pegou uma entrevista?" Minha mãe o corta, com os olhos arregalados de antecipação. Tom bufa um suspiro. "Não." Ele diz, e eu posso ver a decepção instantânea nos olhos da minha mãe. "Veja qual é a coisa." Tom continua. "Eu mencionei sobre você, perguntei se ele se lembrava do seu esboço. Ele não sabia que você ainda estava na escola. Ele pensou que estava na faculdade, já no seu caminho..." Ele bebe o champanhe enquanto todos nós esperamos que ele continue. "E?" Lucy diz, sentada na beira de sua cadeira. "E eles não querem uma entrevista." Ele não demonstra nenhuma expressão. Meus ombros caem em decepção. "Eles disseram que você não precisa disso. Seu trabalho está a quilômetros acima dos outros jovens. Eles querem oferecer-lhe uma bolsa, Cameron. Mas apenas para o primeiro ano, até se decidirem se é benéfico para a empresa. Inclui moradia, e eles—" "Todo o primeiro ano?" Minha mãe sussurra. Eu não consigo respirar. Tom concorda. Minha mãe deixa cair a cabeça entre as mãos. "Eu sinto muito." Ela soluça, levantando-se do seu assento. "Desculpe." E então ela se foi.

206


"Babe." Lucy recebe a minha atenção. "Você sabia?" Eu pergunto-lhe, ainda incapaz de respirar. Ela balança a cabeça. "Eu juro. Esta é a primeira vez que ouço sobre isso." Eu passo Lachlan a ela e saio do restaurante. Eu preciso de ar fresco. Eu preciso pensar. Preciso limpar a minha cabeça. "Cameron." Minha mãe diz. Eu nem sabia que ela estava aqui. Ela joga os braços em volta do meu pescoço e me puxa para ela. Ela chora. E eu deixo.

207


CAPÍTULO 21 CAMERON "Droga, Lucy, eu queria tirar você desse estúpido vestido do baile desde que vi você nele." "Você achou estúpido?" Ela pergunta, abrindo a porta da cabana. Levo apenas um segundo antes de tê-la contra a parede e estar dentro dela. "Eu gosto deste vestido." Ela geme, a cabeça jogada contra a parede. Eu agarro sua bunda e levanto-a para que eu possa deslizar melhor. Nós dois estamos bêbados. Não. Além de bêbados. Estamos bêbados e fazendo sexo desleixado. É um dos meus tipos favoritos de sexo, porque com ela, existem vários tipos de sexo. Algumas noites, ela me acordou depois de ler alguma coisa e queria experimentar. Eu juro por Deus que eu sou o idiota mais sortudo do mundo. "Eu acho que há muito desse vestido." Eu digo a ela, minha boca sugando com força seu pescoço. Ela rasga minha camisa e os botões voam por toda parte. Um bate em seu olho. "Ai!" Ela estremece. "Você está muito áspera, Lucy. Você precisa aprender a se controlar." Ela zomba. "Eu estou áspera? E aquela vez que você tentou enfiá-lo no buraco errado?" Eu rio sobre o seu mamilo, que agora está na minha boca. "Você estava implorando por isso!" "Não na minha bunda." "Um dia."

208


"Por que você disse a todos que eu queria lá?" Ela geme. Eu não sei como ela consegue está falando comigo estocando nela assim. "Porque eu estou bêbado." "Válido. Eu li sobre isso, porém, você tem que começar com o dedo mindinho ou algo assim. E depois dois, e então provavelmente você pode fazê-lo. Espere. Pelo tamanho do seu pênis, talvez três ou quatro dedos." Eu paro e endireito-me para que eu possa olhar para ela. "Você está tentando me fazer vir mais cedo?" Ela ri e balança a cabeça. "Eu vou fazer isso agora, Luce." Eu aviso. Ela ri ainda mais. "Temos que ser rápidos, eles estão todos lá fora esperando. Eles vão saber o que estamos fazendo." Eu levo-a para a cama e jogo-a lá, em seguida, removo o resto das minhas roupas. "Tenho certeza de que eles já sabem o que estamos fazendo, querida." Ela se esforça para escapar do seu vestido. Espero com impaciência. Quando ela termina, deita na cama com as pernas já abertas. Eu subo em cima dela e penetro-a com facilidade. "Você está ficando frouxa." Eu brinco. "Talvez o seu pau esteja ficando menor." Nós rimos. "Devemos estar muito bêbados." Ela acrescenta. "Fale por você, eu posso fazer essa merda a noite toda." "Cameron?" Olho para o seu rosto, as pálpebras pesadas por causa do álcool. "Sim, baby?" "Eu sei que eu estou bêbada, mas obrigado por nunca ter me traindo. Essa garota — Mikayla, deve estar uma bagunça. Sorte que existem pessoas boas

209


como Jake para ajudá-la daquele jeito. Estou feliz que nunca passei por essa experiência." "Hm..." Faço uma pausa. "De nada?" "Ela é uma gracinha... Mikayla... se formos ter um ménage à trois com outra garota, eu quero que seja ela." Eu começo a empurrar novamente. "Continue falando merdas assim e eu não vou ser capaz de cuidar de você, Luce." Suas mãos passam lentamente pelas minhas costas. "Eu sou sua menina, Cameron. É o seu trabalho cuidar de mim. Sempre."

LUCY Cam e eu fazemos a todos o café na manhã seguinte, todos, menos Jake. Ele queria ter certeza de que Mikayla chegaria em casa a salvo. Nós nos sentamos na sala de estar e comemos, falando merda sobre a noite anterior. Logan olha ao redor da cabana. Passamos algumas noites aqui no ano passado, bebendo e sendo estúpidos. De todas as coisas que eu sou grata a Cameron, seus amigos é um deles. Quando Claudia se foi, logo depois que minha mãe faleceu, eu lutava com a ideia de não ter amigos. Mas seus amigos me aceitaram, me fizeram parte do grupo. Agora, eu não me lembro de uma época em que eles não faziam parte da minha vida. Mesmo Logan, que eu achava que era um idiota, se tornou um dos meus melhores amigos. "O que vocês vão fazer quando chegarem a UNC?" Ele pergunta. "O que você quer dizer?" Cam diz. "Quero dizer que vocês não se desgrudam. Vocês viveram basicamente um com o outro no último ano ou algo assim. O que vai acontecer lá?" Cam e eu olhamos um para o outro rapidamente. Já falamos sobre isso, mas tentamos não pensar muito. Sabemos que vamos perder um ao outro, mas também sabemos que vamos fazer absolutamente tudo o que pudermos para gastar cada segundo livre juntos. "Nós vamos fazer isso funcionar." Cam diz, beijando minha têmpora.

210


O celular de Logan toca, quebrando a tensão. "O que se passa?" Ele responde. Em seguida, as sobrancelhas se arqueiam. "É, mano. Espere..." Ele coloca o celular na mesa e liga o viva-voz. "Tudo bem." Diz Logan. "Umm..." A voz profunda de Jake vem através dos alto-falantes. Ele suspira pesadamente no telefone. "É sobre Mikayla..." * Peço licença e vou para o nosso quarto. Eu ouço os outros dizendo adeus e então a porta da frente ser fechada. Eu cubro a cabeça sob os lençóis e continuo chorando. A cama se mexe, e o ar frio atinge minha costa, e depois braços quentes de Cameron estão em torno de mim. "Lucy?" Ele sussurra, sua voz hesitante. Sento-me e encaro-o. Ele se inclina para trás contra a cabeceira e aponta para o seu colo duas vezes. Eu subo nele, sabendo que meu rosto está uma bagunça de todas as lágrimas descontroladas. "Você está machucada?" Ele pergunta. Concordo com a cabeça. "Fale comigo." Eu tento acalmar meus soluços, minha voz sai tensa quando digo: "Acho que eu deveria falar com ela. Acho que eu deveria ser sua amiga. Talvez ela não tenha ninguém depois do que aconteceu. Eu não sei. Só sinto que eu deveria fazer alguma coisa." Minha respiração falha a cada inspiração. Eu choro muito e alto em seu pescoço. "Eu sei, querida." Ele diz. "É porque você se importa tanto. Você sente tudo de forma tão intensa. Você odeia ver devastação em torno das pessoas, e você quer ser sua rocha. Sempre foi assim." Eu me inclino para trás e olho em seus olhos. "Mesmo antes da sua mãe morrer, você cuidava da sua família. E quando ela se foi, você cuidou dos seus irmãos, seu pai, todos, mas a si mesmo. Queria ser a cola que os mantinha juntos, mas você está autorizado a quebrar, Lucy.

211


Se você quer ser sua amiga, eu vou apoiá-la, mas você tem que deixá-la quebrar." Concordo com a cabeça e choro. Eu não consigo parar de chorar. "Você é minha rocha." Digo a ele. Eu esfrego os olhos com as costas da minha mão. "Eu não sei como eu teria conseguido se você não tivesse aparecido todos os dias. Se você não estivesse lá..." "Shhh." Ele me puxa para mais perto e esfrega círculos lentos na minha costa, da forma como ele sempre faz quando estou chateada. "Não pense sobre isso." "Mas eu preciso!" Eu me inclino para trás de novo, então estamos cara a cara, porque precisamos ter essa conversa. "Eu não estou sendo mesquinha e insegura, Cameron. Esta é a vida real, isso não é um conto de fadas, onde tudo termina com um felizes para sempre. Se nós formos para a faculdade e as coisas mudarem? E se algo ou alguém fica entre nós? E depois?" "Pare." Ele diz, com os olhos estreitos. "Eu odeio pensar sobre isso." "Eu sei, mas nós precisamos." "Não, nós não precisamos, Luce. Eu te amo. Você me ama. Sempre. Nada mais importa. Eu prometo." "Você não pode prometer isso. Você não pode prever o futuro. Você não pode me dizer que nós vamos ficar juntos para sempre quando você não sabe." Ele deixa a cabeça cair contra a cabeceira da cama e olha para o teto. "Estou falando sério, Cam." "Eu sei, babe." Ele suspira, depois se endireita e segura minha cabeça com as mãos. Nossos olhares se encontram por mais tempo. Como se nós tivéssemos visto um ao outro pela primeira vez, ou pela última. Pode ter sido segundos. Pode ter sido horas. Então ele fala: "Eu amo você, Lucy. Eu sempre vou te amar, mesmo que você não perceba. Então... mesmo que o para sempre não seja eterno, eu prometo te amar para sempre." Eu tento segurar meus soluços, mas não funciona. "E o que acontece se o nosso para sempre for curto? E se algo acontecer?"

212


Ele me beija suavemente, por tanto tempo, que quase me esqueço por que estou chorando. Ele se afasta, mas não o suficiente para que seus lábios deixem os meu. "Então eu vou te amar, para todo o sempre."

213


CAPÍTULO 22 FACULDADE - segundo ano

CAMERON Uma garota ficou me olhando de um jeito estranho desde que a aula começou. Eu já tinha a visto antes, mas nós nunca conversamos. Vejo-a levantar a partir do canto do meu olho e começar a caminhar em minha direção. Ela se veste de forma diferente de Lucy, não de uma maneira ruim. Apenas diferente. A raspagem da cadeira ao meu lado me faz vacilar, mas eu não olho para cima. "Ei." Ela sussurra. "O que está acontecendo?" Eu tento manter o meu tom uniforme. Não hostil, mas não amigável. Eu não quero que ela fique com a ideia errada. "Você é Cameron, certo?" Concordo com a cabeça, meus olhos se mantém fixos no plano que estou trabalhando. "Eu sou Roxy." "Legal." Ela ri baixinho. "Está tudo bem." Ela diz. "Eu não estou tentando dar em cima de você, se essa é a razão que você está sendo um idiota." Eu não posso conter a risada que escapa. Finalmente levanto meus olhos para encontrar os dela, eu pergunto: "O que está acontecendo?" "Você trabalha em Bradman, certo?" "Mais ou menos. Não é remunerado. É mais para que eu possa estudar aqui." "Oh." Ela sorri com emoção. Eu não posso dizer se é verdadeiro ou não. "É tipo uma grande coisa."

214


Eu dou de ombros. "Não é verdade. É uma espécie de... 'Conheço um cara que conhece outro cara' de negócio." Ela continua sorrindo, seu cabelo preto longo balançando com seus movimentos. Minhas sobrancelhas se erguem. "Por quê?" "Oh." Ela diz, rindo novamente. Ela ri muito. Não é falso, eu acho. Mais tipo despreocupado. "Eu me candidatei a um emprego lá. Não é muito, mas é uma boa experiência. Eu estava esperando que talvez você pudesse..." Ela faz uma pausa. "Poderia o que?" Eu pergunto. Eu sei o que ela quer, mas ajo como um idiota. Ela cutuca meu braço com sua mão e revira os olhos. "Você vai me fazer pedir?" "Sim." "Tudo bem." Ela suspira. "Querido Cameron, se você falasse coisas boas de mim para eles seria mais do que fabuloso. Você também pode indicar o fato de que eu tenho seios absolutamente grandes, se assim desejar." Meus olhos caem para os seus seios rapidamente. E então eu xingo a mim mesmo por fazer isso. Ela ri novamente. "Eu estava brincando sobre os peitos, mas ei, funciona. Obrigado, Cam." Ela gira sobre os calcanhares e vai embora. "Qual o seu nome?" Eu grito atrás dela. "Roxy!" "Você já tinha me dito?" "Sim." Ela ri. *** Corro para o meu dormitório depois das aulas, para me vestir para o trabalho. Lucy está sentada na minha porta com fones de ouvido e seu e-reader em sua

215


mão. Eu chuto seu sapato com o meu. Ela olha para mim e sorri. "Ei." Ela coloca suas coisas em sua bolsa e se levanta enquanto eu destravo e abro a minha porta. "Eu senti sua falta hoje." Eu tiro minhas roupas e procuro pelo meu uniforme de trabalho. "Eu também." Olho para o chão a procura dos meus sapatos. "Você tem que trabalhar esta noite?" Ela está de pé no meio do quarto e fica no meu caminho. Eu seguro-a e a coloco na minha cama para que eu possa encontrar minha camisa. "Sim, babe." Acho a minha camisa sob um monte de merda na minha mesa e cheiro. Vai servi. "Quando você tem que sair?" "Dez minutos." Eu me viro em um círculo completo no quarto, olhando para o chão. "Onde estão os meus sapatos?" "Cameron." Eu paro o que estou fazendo, respiro fundo, e me volto para ela. "O quê?" Eu pergunto. Ela sorri tristemente. "Eu sinto muito, eu apenas sinto sua falta." Meus ombros caem. Eu sou um idiota. Eu solto a camisa da minha mão. "Sinto muito, querida. Desde que consegui essa bolsa de trabalho na empresa, e as aulas, e trabalho remunerado, eu fiquei muito ocupado. Sinto muito." Eu repito. "Eu não deveria estar descontando em você." Meu ano de calouro e carga de trabalho estava bem. Eu tive aulas e trabalhava em tempo parcial em uma loja de vídeo game. Este ano, eles mudaram a bolsa de estudos para incluir horas não pagas lá. Eu concordei, porque não era como se eu tivesse uma escolha, mas agora estamos à meses para o segundo semestre e isso está começando a me matar. Ela faz beicinho enquanto se levanta da cama para pegar minha camisa descartada do chão. Ela dá um passo para trás e abre a camisa para eu vestir. Ela me beija, inclinado-se para frente, enquanto faz isso. Minhas mãos se movem pela sua cintura, os dedos cavando em sua pele. Parece uma eternidade desde que eu a toquei assim. "Eu sinto sua falta." Sussurro, me inclinando para trás.

216


Ela se concentra em abotoar minha camisa de baixo para cima. Eu observo-a com os olhos estreitos em concentração. Minhas mãos se movimentam para baixo em sua cintura, até sua bunda, e aperto um pouco. Ela ri e pressiona seu corpo contra o meu. "Você quer que eu te leve para o trabalho e vá te buscar? É um extra de 10 minutos em cada sentido, podemos passar esse tempo juntos?" "Sim, querida. Eu adoraria." Ela sorri e beija-me outra vez. "Sinto muito." Eu digo, pela terceira vez. Porque ela não merece o jeito que eu sei que tenho tratado-a recentemente. Como se ela viesse em segundo lugar. E ela não vem. Ela sempre vai vir em primeiro lugar. "Está tudo bem, Cam. Você está estressado." Ela encolhe os ombros. "Além disso, você precisa de calças." *** Eu falo para os meus chefes sobre a garota Roxy da minha classe. Eu não tenho muito a dizer, além do fato de que ela está na minha classe. Eles me falam que já a escolheram para a posição, o que é legal, porque todo mundo que trabalha aqui tem um freezer gigante de problemas até à bunda. Eu digo a Lucy sobre isso enquanto ela dirige. Ela tem cinquenta perguntas sobre Roxy que eu não posso responder. A única coisa que eu sei sobre ela é que seu nome é Roxy, e talvez eu pudesse adivinhar o tamanho do seu sutiã. Deixo essa última parte só para mim. "Então, ela apenas foi até você e lhe pediu para dizer coisas boas sobre ela? E se ela for uma porcaria, Cam? Isso é com você." Eu jogo minha cabeça para trás contra o banco do carro e coloco minha mão em sua perna. "Não se preocupe com isso, babe." Eu fecho meus olhos, exausto demais para mantê-los abertos. Ela me acorda quando chegarmos ao campus. "O seu dormitório ou o meu?" "O seu, querida." Mitch, o meu companheiro de quarto, que todos chamam Minge — que, aparentemente, é uma gíria britânica para maricas — ronca como um trem de carga. Lucy dormiu algumas vezes no meu dormitório enquanto ele estava lá. Ela continuou ameaçando se levantar e socar seu pau.

217


Uma vez, ela realmente fez. Agora temos uma política em que Lucy não pode dormi lá quando ele estiver. *** Meu alarme dispara mais cedo do que eu gostaria. Ela geme, esfregando o rosto no meu peito. "Desligue-o." Eu esfrego os olhos para acordá-los. "Eu não posso. Tenho uma aula mais cedo." "Ignore-o." "Claro." Eu digo, tentando afastar ela de mim. Ela se prende a mim com mais força. "Não, é tão quente aqui, e está tão frio lá fora. Basta ficar. Cinco minutos mais." Ela está certa, ela é quente. Mas eu preciso ir para a aula. Tento levantar-me novamente, mas ela se move, como um pequeno ninja, e me cobre, as pernas de cada lado do meu corpo. Ela olha para o lado de Rose — sua companheira de quarto. Para sua cama vazia. Ela mastiga os lábios para cobrir o seu sorriso. "Cinco minutos?" E esta é a minha versão favorita de Lucy. Seus olhos ainda estão pesados de sono, o cabelo está uma bagunça completa, não há maquiagem em seu rosto, apenas Lucy. A Lucy que eu me apaixonei. A Lucy que eu não posso dizer não. "Cinco minutos." Digo a ela. Sai como um aviso. Levanto-me e defino o despertador no meu celular. Quando olho para trás, sua camisa já está fora. Cinco minutos depois — que pareceu uma hora. Porque cinco minutos com Lucy não é suficiente. Sempre com Lucy não é suficiente. Ela ri enquanto assiste eu me vestir freneticamente. A porta se abre e Rose entra assim que eu estou puxando a camisa sobre a minha cabeça. "A noite foi boa?" Rose pergunta. "Sempre." Responde Lucy. Eu procuro em torno do meu celular e carteira, enquanto elas continuam falando sobre mim. Rose ri e chuta meu celular do outro lado do quarto. "Quantos?" Ela pergunta a Luce.

218


"Eu perdi a conta depois da terceira." "Eu ainda penso que você mente sobre isso." Eu congelo com a minha carteira no meio do caminho do bolso. Por que ela mentiria? "Isso é porque você nunca esteve com Cameron." Ela ri quando eu lhe dou um beijo adeus. "Te amo, babe." "Eu também te amo." Então Rose se mete. "Eu poderia te amar mais, Cameron." Eu balanço minha cabeça. "Veja você depois, Rose." Ela dá um tapa em minha bunda quando eu passo por ela. "Mais tarde, garanhão." "Não toque no traseiro do meu namorado sua vadia."

LUCY "Eu não entendo, Luce." Rose pega um laço de cabelo da minha cômoda e começa a amarra seu cabelo loiro curto. "A maioria das garotas lutam para chegarem a um clímax e você diz que Cam lhe dá múltiplos. Como? Por favor. Conte-me. Eu tenho perseguido um *O, nos últimos dois meses." "Talvez você devesse parar de se prostituir e se acalmar." Ela zomba e olha para mim como se fosse vomitar. "Como se fosse provável." Eu rio da sua reação. "Eu não sei." Eu dou de ombros. "Eu acho que é diferente com a gente. Algumas pessoas, como você, saem com muitas pessoas diferentes. Estamos juntos desde que tínhamos quinze. Fomos o primeiro de cada um. Nós meio que trabalhamos um com o outro. Quer que eu me cale?" *Abreviação de "orgasmo".

219


"Não." Ela diz séria, sentando em sua cama e cruza as pernas. "Por favor, vá em frente." "Eu acho que nós meio que ensinamos um ao outro do que gostamos. Nós nos conhecemos de dentro para fora." "Literalmente." Ela me corta. Eu jogo um travesseiro nela. "Você sabe o que quero dizer. Nós só sabemos dos gostos um do outro. Sabemos o que funciona e o que não funciona. Nós cuidamos um do outro." Ela levanta uma sobrancelha. "Eu aposto que você cuida. Ei!" Ela fala um pouco mais alto. "Você sabe que eu não me importaria de aprender como cuidar?" Eu olho com desconfiança. "Quem?" "Jake Andrews." É a minha vez de zombar. "Boa sorte com isso." "Sem chance, hein?" "Sem." Seus ombros caem, então levantam novamente e seus olhos se arregalam. "Logan Matthews? Ele vai fazer bem reaaaal." Eu balanço minha cabeça. "Não. Oficialmente fora do mercado." "O quê?" Ela pergunta, incrédula. "Eu fiquei com ele duas vezes no ano passado, e ele disse que não entra em relações." Eu balanço minha cabeça com mais força. "Confie em mim, Rose. Ele está fora dos limites. Amanda possui suas bolas." "Sua amiga Amanda?" Concordo com a cabeça. "Uau. Não esperava por isso." "Isso é o que ela disse."

220


CAPÍTULO 23 CAMERON Estou muito ocupado trabalhando em meu esboço que não vejo quem coloca a xícara de café ao meu lado. "É como agradecimento." Ouço a voz de uma garota perto de mim. Eu não preciso olhar para cima para saber que é Roxy. Sua voz tem uma rouquidão que a torna única. Eu me inclino para trás e olho para o meu trabalho. Alguma coisa está fora do lugar, mas não consigo localizá-lo. "Por quê?" "Eu consegui o emprego." Viro-me para ela depois de mais alguns segundos. "Você acabou de descobrir? Você falou comigo sobre isso há uma semana." "Eles me ligaram esta manhã. Espere. Você sabia antes disso?" Concordo com a cabeça. "Eu sabia desde aquele dia." O sorriso dela é enorme. "Então você falou com ele." Dando de ombros, eu respondo: "Sim, mas você já tinha ganhado o emprego antes que eu mencionasse alguma coisa." "Oh." Seu sorriso e seu olhar vacilam. "Bem, nesse caso, eu não comprei o café. Eles fizeram errado e me deram dois. Eu não queria que fosse para o lixo." Eu rio e balanço minha cabeça. "Bem, obrigado de qualquer maneira." Eu levanto o café para tomar um gole, mas sua mão se instala no meu braço e uma careta assume seu rosto. "É um daqueles mocha com baunilha e caramelo. Eu acho que você não vai gostar." Rindo de novo, eu coloco de volta na mesa. "Quem bebe essa merda." Ela continua, mostrando a língua e fazendo um som de engasgos.

221


"Minha namorada, Lucy. Ela adora isso. Eu não sei por que—" "Deixe-me adivinhar." Ela me corta, olhando-me de cima a baixo. "Eu aposto que você é o tipo de cara que vai dizer: 'Eu não sei por que, ela já é doce o suficiente'." Aperto minha boca fechada. Ela revira os olhos e bate o dedo no meu esboço. "Você tem duas fontes de luz e está fora do seu processamento." Eu estreito meus olhos, com foco no meu trabalho. Ela está certa. Suspirando, eu digo: "Pena que eu quero ser um arquiteto, não um artista." Ela levanta uma sobrancelha. "Pena que eu quero ser uma artista, não um arquiteto." Ela se empurra para fora da mesa e começa a caminhar para o seu lugar. "Ei, Roxy." "Sim?" Ela diz, continuando andando. "Parabéns por conseguir o emprego." Ela se vira agora, sorrindo de orelha a orelha, e faz um show fingindo tirar poeira do seu ombro. "Graças C-Cam." *** Logan: Você está vivo? Cameron: Mal. Logan: Quer ir para o campo? Cameron: Eu tenho aula até as 2, empresa às 14:30-17:30 e depois armazenamento às 18:00-21:00. Logan: Foda-se cara, eu não tenho pena de você. Cameron: Não brinca. Se você ver Lucy em algum momento, diga a ela que eu a amo. Logan: Ela está no shopping com Amanda.

222


Cameron: Então você me mandou uma mensagem porque sente falta da sua garota e está carente? Logan: Cala a boca, idiota. *** Cameron: Eu te amo querida. Vou terminar às 21:00 na loja. Lucy: Eu também te amo. Cameron: Eu sinto sua falta como um louco. Lucy: Eu sinto falta também! *** Eu tenho escutado Chris, o idiota que trabalha comigo, falando sobre pornografia nos últimos quinze minutos. "Tinha duas gostosas, quentes pra caralho, estavam caindo uma sobre a outra..." Eu olho ao redor da loja e certifico-me de ninguém estivesse por perto. Eu não quero que crianças sejam submetidas a essa merda que ele está dizendo. "E elas estavam fazendo uns ruídos. Eu estava sentado na minha mesa, batendo uma. Fecho os olhos, tão perto de explodir... e então ouço a voz de um cara entrando na cena." Ele solta um som de nojo. "Ele entra no quarto, totalmente pelado, tudo para fora..." Eu começo a rir. "O cara tinha tipo uns oitenta. 'Ei bebês' ele resmungou... e eu estava olhando para a tela, querendo vomitar, sentindo meu pau murchar em minhas mãos." Minha cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Não é engraçado, idiota." Ele me empurra levemente. "O que você sabe? Quando foi a última vez que você assistiu pornô? Quando foi a última vez que você ficou sozinho, então pode assisti-lo?" Estou prestes a responder, mas Lucy faz isso por mim. "A gente vê juntos." Ela diz atrás de mim.

223


Eu giro rapidamente, surpreso com sua presença. Eu nem sequer tento esconder minha emoção. "O que você está fazendo aqui?" "Cara." Chris diz: "Seus olhos se iluminaram como uma criança no Natal." Eu o ignoro e entrelaço meus dedos com os dela. "Rose queria emprestar meu carro, então eu pedi a ela para me deixar aqui. Tudo bem que eu esteja aqui? Eu apenas estava sentindo sua falta, mas eu não sabia se você ia estar ocupado esta noite." "Não." Eu balanço minha cabeça e olho-a da cabeça aos pés. "Estou feliz por você estar aqui." Ela se inclina e me beija rapidamente. "Estamos quase acabando." Digo a ela. "Eu estou apenas passando por algumas pré-encomendas." Pego sua mão e puxo-a para trás do balcão. "Eu acho que os funcionários não devem estar na zona exclusiva." Diz Chris. Eu levanto Lucy e sento-a no balcão. Ela cruza as pernas cobertas pelas meias, expostas pela saia que ela está usando. "É aquela saia de novo?" Ela acena com a cabeça, um sorriso que toma conta do seu rosto. "Eu comprei hoje." "Eu gosto disso." Ela olha para Chris rapidamente. "Eu vou te mostrar as outras coisas que estou usando mais tarde." Suas bochechas coram, mas ela não explica. Eu já sei o que ela está falando. Ela está começando a ter uma coisa por cinta-liga e conjunto de suspensórios. Eu não reclamei. É sexy como inferno. Eu mordo meu lábio para impedir um gemido de escapar e tento me concentrar na tela à minha frente, mas tudo o que posso pensar é nela sobre minha cama. O último conjunto que ela usou foi um preto e vermelho. Ela se inclinou em seus braços, com a bunda no ar e me disse para tirá-los com os dentes. Meus olhos se fecham enquanto eu tento me ajustar. Ouço-a rir. Quando abro meus olhos, ela está me observando. Ela acena com a cabeça quase imperceptivelmente.

224


"Chris." Eu digo. "Há algumas caixas na sala de armazenamento que você precisa desfazer." Eu ouço seus passos se afastando, em seguida, a porta se abrir e fechar. Eu não tiro os olhos de Lucy. Seus olhos seguem Chris para a sala de armazenamento, e quando ela sabe que ele foi embora, ela lentamente descruza as pernas. Eu estou na sua frente, minhas mãos tocando levemente suas pernas. Tocando suas coxas, onde eu separo-as. "Não aqui, Cam." Mas eu estou longe demais para me importar. "Há câmeras em todos os lugares." Eu me inclino e beijo seu pescoço. "Então, eles podem ver." Ela rodeia os braços em volta do meu pescoço enquanto minhas mãos vão para mais longe das suas coxas. Corro os dedos sob os suspensórios, movendo mais para cima, até que minhas mãos encontrassem suas coxas. Eu passo o meu polegar sobre sua calcinha. "De que cor são?" Ela inclina a cabeça para trás, permitindo que eu beije seu pescoço melhor. Se um cliente entrasse agora, eu provavelmente o expulsaria a socos. Criança ou não. Ela puxa meu rosto para longe do seu pescoço e me olha nos olhos. Minha mente está muito cheia de luxúria que meu olhar está fora de foco. Ela lambe os lábios antes de falar. "Talvez devêssemos dizer à Chris para ele não desempacotar as caixas e ir fazermos nós mesmos." Eu beijo-a rapidamente e ajudo-a a sair do balcão. Então pego sua mão e levoa para sala de armazenamento da loja e abro a porta. "Ei, para fora." Chris ri e balança a cabeça. "Eu não posso nem bater uma assistindo pornô." Ele me dá um tapinha nas costas, enquanto passa por nós. Uma vez que estamos dentro eu fecho a porta e volto-me para ela. "Mostreme." Ela olha ao redor da sala rapidamente e, em seguida, aponta para a câmera. Eu fico na sua frente, bloqueando a visão. "Mostre-me." Eu digo novamente.

225


Suas mãos escovam o lado da sua saia e seus dedos lentamente seguram o tecido. A cada segundo que ela leva para levantá-la, deixa mais e mais o meu pau mais duro. Eu começo a mexer meu pé com impaciência, esperando a revelação. Ela começa a rir antes de levantá-la. Roxo. "Porra, Luce." Ela ri novamente e coloca a saia de volta no lugar. Ela começa à ir em direção da porta, o tempo todo eu estou pensando em dobrá-la e tirar sua calcinha com os dentes. Ouço um barulho na maçaneta e volto à realidade. Eu bato minha mão contra a porta, impedindo-a de abrir e puxo-a de volta para o meu peito. Ela geme quando sente a minha fúria de tesão em sua costa. "Cam." Ela sussurra, sinto seu corpo enrijecer. "As câmeras podem ver tudo." Eu achato minha mão contra o seu estômago e aperto no interruptor ao lado da porta. Está muito escuro agora, a única luz vem de debaixo da porta. "Eu preciso sentir você, Lucy." Seu corpo relaxa contra o meu. Eu passo minhas mãos em suas pernas, tentando não apressar as coisas, mas eu quero estar dentro dela. Agora. Ela geme novamente quando minhas mãos sobem ainda mais e roçam sua bunda. Eu puxo sua calcinha para o lado e corro meu dedo em seu centro quente. Ela já está molhada, o que torna fácil deslizar meus dedos dentro dela. Ela está respirando pesado. Quase ofegante. "Porra, Cam." Eu trabalho meus dedos dentro e fora lentamente; do jeito que eu sei que ela gosta. Ela deixa cair à cabeça para frente, batendo-a contra a porta. "Não pare." Ela geme. Eu não me atreveria. Ela começa a apertar em torno dos meus dedos e eu sei que ela está perto. Fecho os olhos e imagino seu rosto, seus olhos arregalados e rolando. Uma gota de suor passando pelo seu corpo e seu lábio inferior entre os dentes, o jeito que ela fica quando está prestes a vir. "Por favor, não pare." Ela diz, novamente, um pouco mais alto desta vez. Estendo minha mão para cima e puxo sua blusa para liberar um seio. Eu esfrego um mamilo suavemente. "Porra, Cam." Minha respiração está curta, saindo em jorros, assim como a dela.

226


"Faça-me vir, por favor." Ela implora. "Por favor." Eu solto seu seio e abro o meu jeans. "Não." Ela sussurra. "Nós não podemos foder. Eu não quero correr pelo shopping com porra escorrendo pela minha perna!" Solto um grunhido frustrado e tento pensar. "Eu vou tirar antes." Eu digo a ela. Eu olho em volta, meus olhos se ajustando no espaço escuro, e vejo uma caixa na prateleira ao meu lado. Eu pego uma camisa promocional da pilha. "Eu vou gozar em uma camisa." Eu chuto uma caixa cheia contra a porta e digo-lhe para ficar em pé. Ela é muito pequena para que eu entrar nela dessa maneira. É a razão pela qual temos um banquinho em sua casa. Ela pisa sobre a caixa, sem perguntas. "Mãos contra a porta, baby." O tempo todo, meus dedos continuam trabalhando dentro dela. "Sim, babe." Ela geme. Eu não sei se é um jogo para ela, mas eu adoro tomar o controle. E sei que ela adora quando eu faço. Ela está com as pernas abertas, as mãos contra a porta e sua bunda empinada, esperando por mim. Eu puxo sua blusa para baixo e livro seus seios, tocando e agarrando-os mais áspero do que antes. E então eu puxo meus dedos para fora e deixo escapar um gemido quando estou dentro dela. Eu tento ir devagar, tento cuidar dela primeiro, mas ela está se movendo em mim, dizendo: "Rápido, Cam, mais rápido. Eu preciso." Então eu dou a ela. Mais forte. E mais rápido. Em poucos minutos ela está tremendo, ofegando 'eu te amo' mais e mais. Eu posso sentir o suor em seus seios. Assim que eu sei que a última onda passou por ela, eu saio de dentro dela e furiosamente me masturbo na camisa que peguei anteriormente. Eu começo a sentir o orgasmo vindo e solto um som descontrolado. Ela se vira e puxa meu rosto para o dela, sabendo que nada me faz vir mais rápido do que ela me beijando. Eu rio em sua boca enquanto venho, tentando me lembrar da última vez que me masturbei em uma peça de roupa.

227


Quando estou pronto, eu ligo a luz, jogo a camisa no lixo e começo a descascar a fita de uma caixa. "O que você está fazendo?" Ela diz, ajustando suas roupas. "Trabalho." Eu digo a ela. "Eu não quero ser demitido."

LUCY Chris nos fareja quando saímos da sala de armazenamento. "Eu odeio vocês." Eu sento em um pufe na frente dos consoles no canto da loja, e retiro o meu ereader. Cam vai para ajeita suas prateleiras de negócios e estoques. Toda vez que ele passa por mim, ele me beija em um ponto diferente do meu rosto. Eu fico no meu lugar e espero eles terminarem. "Pronta, querida?" Sua mão se estende esperando que eu segure. "Por você? Sempre." *** "Eu fiz uma coisa." Ele diz, olhando para mim por trás do volante. Meus olhos se iluminam e eu estendo minha mão gritando. "Dê-me, dê-me, dême!" Ele aperta os olhos e torce o nariz. "O que diabos você acabou de dizer?" Ele ri. "Você sabe o que fazer." Meus ombros caem com o meu suspiro. Eu fecho meus olhos e estendo minhas mãos, palmas para cima, no meu colo. Eu ouço o desenrolar de papel, um dos meus sons favoritos no mundo. E então ele coloca em minhas mãos. Desde que começamos a faculdade ele tinha esboçado mais. Não apenas linhas e plantas, mas desenhos reais. "Ok." Ele diz com cautela. "Abra."

228


Eu olho para o esboço. É de mim sentada no pufe lendo. Seu trabalho ficou muito melhor desde que ele começou a assistir as classes corretas na faculdade. Eu disse a ele que quero fazer um papel de parede para o meu quarto com todos os seus desenhos, mas ele não quer que ninguém os veja. Ele disse que fica desconfortável com isso, e que acha que não é bom o suficiente para compartilhar. Mas ele está errado. Eles estão além de incríveis. Ele não pensa assim, muitas vezes, por isso, quando ele faz isso é como uma grande recompensa para mim. Mas a melhor parte — ou talvez a pior, é que ele fala que eu sou a sua arte. "Eu amo isso." Digo-lhe, pegando-o para examiná-lo mais de perto. "Sim?" "Sim, babe. É um dos melhores até agora." "Eu preciso trabalhar na minha prestação." Ele diz. "Parece perfeito para mim." "Isso é porque a minha fonte de inspiração é perfeita." Eu deixo cair o queixo no meu peito para esconder meu sorriso. Cinco anos depois, suas palavras ainda têm a capacidade de me fazer corar. Me deixar ainda mais apaixonada, todos os dias. *** Eu acordo com seu rosto a centímetros do meu. Seus olhos estão fechados, ele dorme tranquilamente. Eu esfregar meu nariz contra seu peito e o cheiro. Seu corpo treme com risos silenciosos. "Você acabou de me cheira?" Eu me inclino para cima e cheiro seu pescoço. "Mmm, você cheira diferente quando está acordando." Ele beija o topo da minha cabeça. "Isso não é assustador em tudo." "Ei! Você me observa quando eu durmo." "Sim, mas isso é porque sinto como se eu não te visse o bastante recentemente. Tenho que tomar o máximo que eu puder."

229


Rose zomba da sua cama. "Vocês estão doentes. Tipo totalmente doentes. Isso me faz querer vomitar." Eu rio contra o seu peitoral. "Não seja ciumenta." Cam diz, sua voz rouca de sono. "Desejamos que você se sossegue e se apaixone." Ele sorri para mim, os olhos castanhos procurando os meus. Rose faz um efeito sonoro de vomito. "Vou para o chuveiro. Vocês têm dez minutos para fazer bebês, mas eu não estou enviando sinais de alerta antes de voltar." Nós não fazemos bebês enquanto ela sai. Ficamos na mesma posição. Abraçados, e conversando. Porque não é só sobre sexo com a gente. É sobre a vida. Ele é a minha vida.

230


CAPÍTULO 24 CAMERON "Psst." Eu olho para cima para ver Roxy olhando por cima do meu cúbico. "É só eu ou todas as pessoas que trabalham aqui têm problemas do tamanho de um ônibus preso até a sua bunda?" Ela sussurra. Eu rio e balanço a cabeça. "Não. É verdade." "E você tem que trabalhar aqui de graça?" Suspirando, eu largo minha caneta sobre a mesa e me inclino para trás em minha cadeira, unindo os dedos atrás da cabeça. "Tudo isso é pela minha bolsa, lembra?" "Isso deve ser um saco." Eu dou de ombros. "Pelo menos eu estou aqui, certo?" Eu aceno dramaticamente os braços no ar. "Vivendo um sonho." Ela bufa, e depois se inclina para mais perto. "O que você vai fazer depois do trabalho? Quer fazer um lanche?" "Não é possível. Vou sair para o aniversário de um amigo." Ela sorri e acena com a cabeça. "O infame, e sempre esquivo, a açucarada e doce Lucy vai com você? Vou conhecê-la um dia?" Estou surpreso com sua descrição, por um momento, mas só por um momento antes de eu decidir que não me importo. "Você deveria. Ela vem me pegar, cinco e meia em ponto." Ela me dá um sorriso falso e seus olhos se arregalam, fingindo emoção. "Eu não posso esperar." ***

231


Lucy está encostada no carro do lado de fora das portas do escritório quando Roxy e eu finalmente saímos. Tivemos uma reunião e, em seguida, o elevador estúpido estava quebrado por isso viemos pela escada. Roxy teve que tirar seus saltos estupidamente altos, para que ela não quebrasse o tornozelo ou algo assim. Eu vejo os olhos de Lucy se alargarem ligeiramente quando ela nos vê, mas ela se recupera rapidamente. "Ei." Diz ela cautelosamente, os olhos correndo para Roxy. "Ei baby, desculpe o atraso, teve uma reunião e o elevador quebrou." Eu me inclino para baixo e beijo-a rapidamente. "Então isso explica a falta de sapatos?" Ela diz, apontando para Roxy. Roxy ri. "Sim, eu não queria que o seu namorado tivesse que me carregar por dezoito lances de escadas." Luce sorri, mas é falso. "Eu sou Roxy." Ela estende sua mão para Lucy. "Você deve ser a Lucy. C-Cam me falou muito sobre você." Ela olha para mim rapidamente, antes de apertar a mão de Roxy. "C-Cam?" Roxy rir. "Apenas um apelido idiota que lhe dei." Seus olhos se movem de mim para Lucy, e então ela franze os lábios e rola sobre os calcanhares. "De qualquer forma, tenham uma boa noite crianças. Tenho um ônibus para pegar." "Espere. O quê?" Eu pergunto. "Você está pegando um ônibus? Onde está o seu carro?" "Está na oficina. O capacitor de fluxo me deixou na mão." Minha cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Cara, você fez referência ao meu filme favorito." "Sim? Quem não ama De Volta para o Futuro, certo?" "Onde você mora? Podemos dar-lhe uma carona." Dirijo-me a Lucy, mas seu olhar está lançado para baixo, olhando para o chão. "Certo babe?" Ela olha para cima. "Huh?"

232


"Podemos dar a Roxy uma carona para casa?" Ela sorri e olha entre Roxy e eu. "Claro." *** Roxy nos faz dirigir por uns bons 20 minutos fora do nosso caminho. Lucy fica quieta o tempo todo, enquanto Roxy e eu falamos citações do filme De Volta Para O Futuro. Paramos em uma rua bem iluminadas com casas bem parecidas umas com as outras, ela aponta para uma do lado direito. "É aqui que eu fico." "Eu pensei que você morasse no campus." Eu digo a ela. "Você estava pensando em mim?" Eu vejo as mãos de Lucy apertarem o volante. Salvando minha bunda, eu opto por não responder. "Não, C-Cam, eu sou local o suficiente." Ela abre a porta e pula para fora do carro. "Obrigado pela carona, Lucy. Eu aprecio isso." "De nada." Lucy diz calmamente. Eu espero que a porta se feche antes de colocar a minha mão em sua perna. "Você está bem?" Ela acena com a cabeça, mas nunca olha para mim. Eu não sei o que dizer, então mantenho minha boca fechada. Estamos á meio caminho de casa antes que ela decida falar. "Então, você e Roxy se dão bem?" "Eu acho." "Ela parece legal." "Eu acho." "Ela tem um apelido para você." "Eu acho."

233


"Ela pode citar o seu filme favorito." "Assim como um monte de gente." "Vocês gastam muito tempo juntos?" "Nós trabalhamos e temos algumas aulas juntos, então sim, eu acho." "Você acho que ela é atraente?" "O quê?" Finalmente, ela olha para mim. "Ela é linda. Você nunca me disse que ela era bonita. Ou sexy. Ou, tipo uma versão de você, mas com uma vagina. Aposto que deve ser bonita, também, sua vagina." Sua voz falha, como se ela estivesse prestes a chorar. Eu me inclino para frente para que eu possa ver seu rosto. Sim. Lágrimas. "Encoste." "Não." "Por favor, Lucy. Encoste." "Por quê? Então você pode me dizer que ela tentou mostrar sua vagina?" "Oh meu Deus. Lucy, encoste agora." Ela finalmente escuta e encosta o carro, mas continua olhando para frente. Eu solto meu cinto de segurança em primeiro lugar, e depois o dela. Estendendo a mão e movo seu queixo com o dedo até que ela estivesse de frente para mim. "Por que você está chorando?" Ela esfrega os olhos e inala profundamente. "Porque eu sinto tanto sua falta e nunca passamos o tempo um com o outro, não como no ano passado e não como na escola quando passávamos todo o nosso tempo juntos, e agora todo esse tempo está sendo usado para cima e você está gastando com uma garota que é quente, pelo menos, dez vezes mais do que eu, e ela chama-lhe de apelidos e pode citar o seu filme favorito, e tudo o que eu faço é ler enquanto você assiste seus filmes, e eu sou uma namorada de merda porque eu deveria prestar atenção nos filmes que você gosta, e eu desejo que eu fosse mais quente e com mais curvas como ela, oh meu Deus, você viu suas curvas? Seu corpo está fora deste mundo e eu sou magra e estúpida e você me odeia e vai

234


me deixar quando ver sua vagina, o que, provavelmente, vai ser muito mais cedo do que quando eu mostrei a minha, e estou chorando porque eu te amo e sinto sua falta e odeio essa garota da vagina perfeita e cheia de curvas que vai tirar isso de mim." Quero rir, mas eu sei que é errado, então seguro. "Lucy." Eu começo. "Desde que eu te vi sentada na arquibancada no jogo dos gêmeos, eu nunca olhei para outra garota. Não porque eu não quero que você descubra, mas porque eu já sabia que nenhuma outra garota iria se comparar a você. Eu não me importo que você não possa citar o meu filme favorito, e você não se importa que eu não sei de que livro *Will e Layken são." Eu sei, mas não conto a ela, pois só iria fazê-la sentir pior ainda. "Isso não importa para nós. Eu não fiz ou disse qualquer coisa para fazer você se sentir do jeito que está se sentindo. E me desculpe se eu fiz ou disse algo ultimamente para que você se sinta desse jeito. Se você está tendo inseguranças, a culpa é minha, e eu vou tentar corrigir. Mas você deve saber que eu só vejo você, e somente você, e é assim que tem sido desde que eu tinha quinze anos." "Pare com isso." Ela sussurra, os olhos fixos nos meus agora. "Parar com o quê?" "Pare de fazer com que eu me apaixone ainda mais por você." Eu sorrio agora, segurando seu rosto em minhas mãos. "Eu nunca vou parar com isso, babe, nunca." Eu beijo-a lentamente, até que eu não sinta suas lágrimas em meus lábios. Até que ela saiba que possui cada minha parte. Para sempre. *** Eu não sei por que garotas demoram tanto tempo para ficar prontas. "Babe! Tenho certeza que você parece bem, a limusine estará aqui em 10 minutos." "Eu sinto muito se você se ofereceu para deixar a sua amiga em casa e agora eu tenho que correr." Ela grita. Um minuto depois, a porta do banheiro se abre e ela sai. Deixo escapar um assobio baixo. Ela parece quente. Mais quente do que quente. O vestido preto é curto, e mais apertado do que o normal. Eu não sei o que diabos ela estava falando sobre as curvas de Roxy, porque o corpo de Lucy ganha de qualquer outra pessoa. *Personagens principais do livro Métrica (Slammed #1) da Colleen Hoover.

235


"Ou podemos ficar aqui e eu posso passar os próximos 10 minutos despindo você." Eu estendo a mão e puxo-a até que ela esteja de pé entre as minhas pernas. Minhas mãos vagueiam por baixo do seu vestido, meu polegar tocando o suspensório e a liga. Tenho um sorriso enorme na minha cara, porque eu já posso sentir a tonelada de diversão que vamos ter hoje à noite, especialmente se ela tomasse algumas bebidas. "Você não acha que é um pouco sacana? Ou também, eu não sei, ousado?" Eu balanço minha cabeça. "Eu gosto de você sacana." Digo a ela. "Mas sacana só para mim, ok?" Ela ri e balança a cabeça. "Você deveria ver o que Amanda comprou para Logan quando fomos fazer compras." "Oh sim?" "Ele vai ter um feliz aniversário." Rose entra enquanto minha mão ainda está na bunda de Lucy. "Jesus Cristo. Vocês dois já estão a ponto de estragar tudo?" "Rose." Saúdo, enquanto Lucy tira minhas mãos de debaixo do seu vestido. "Eu não posso pará-la, Lucy é um animal. Está em seu sangue. Seis irmãos, lembra?" "Oh, isso é certo." Rose concorda com um sorriso. "É melhor você não espirrar ao seu redor, você pode engravidá-la." "É para isso que serve o controle de natalidade." Diz Luce. "Infelizmente para você, o DIU não protege de doenças sexualmente transmissíveis." Eu bloqueio o travesseiro que é jogado em sua cabeça. *** "Foram bons tempos." Ela boceja. Eu tiro minha jaqueta e coloco-a sobre os ombros. "Sim, foi. Acho que Logan teve uma boa noite. Tenho certeza de que ele e Amanda se divertiram no banheiro." Ela para no meio da calçada com os olhos arregalados. "Cale-se!"

236


Eu rio. "Sim, eu não estou brincando. Tenho certeza que ele estava divertindoa com o dedo por debaixo da mesa também." "Quando estávamos todos sentados?" Ela grita. Eu rio ainda mais. "Sim." "Que diabos você está fazendo observando-os? Você é nojento!" "Eu sou nojento? Ok senhorita cheira-cheira." Seus olhos se estreitam, pouco antes de sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. Ela sobe as escadas para seu dormitório. Eu ando atrás dela, caso ela cai. Também porque eu gosto de ver sua bunda. Eu me inclino e seguro dois punhados. Ela nem reclama. Ela sabia o que estava por vir. E eu tendo planos para vir. Logo. Em todo seu rosto. Foda-se, eu estou bêbado. *** "Que barulho é esse?" Ela empurra a cabeça ainda mais em meu peito, mas o toque não para. "O que diabos é isso?" Rose geme da sua cama. "Cale a boca." Eu digo a elas. "Babe, é o celular." Eu cegamente procuro meu celular na mesa de cabeceira e arremesso-o para o outro lado do quarto. "Ai!" Rose solta um gemido de dor. "Desculpe." Lucy se inclina para trás. "Huh?" "Cala a boca." Eu digo a ela. Em seguida, o toque começa novamente. "Luce, agora é o seu celular." Rose diz.

237


Lucy se senta lentamente. Abro um olho para olhar para ela. Seu cabelo está em todo o lugar, a maquiagem está borrada, ela tem uma linha de baba seca de um lado de sua boca e suas roupas estão bagunçadas. E ela nunca esteve mais bonita. "Quem está ligando tão cedo?" Ela parece tão confusa que me faz rir. Sento-me, só assim eu posso puxá-la para baixo comigo. "Esqueça isso, babe, volte para cama." Seu celular começa a tocar de novo, ao mesmo tempo que o meu. "Cara." Diz Rose. "Você tem dezoito chamadas não atendidas." "O quê?" Sento-me agora e peço para ela jogar meu celular de volta. Lucy atende o seu celular. "Micky?" Eu tento concentrar meus olhos cansados na tela e atendo. "Ei, Jake?" "Você precisa vir para o hospital. É Logan e Amanda."

238


CAPÍTULO 25 LUCY Logan não quis ver ninguém no hospital. Ficamos por horas esperando que ele mudasse de ideia, mas ele nunca mudou. No segundo dia, fomos informados de que ele tinha recebido alta. Amanda ainda estava lá. Ela disse que não tinha visto ele, mas que achava que ele estaria em casa esperando por ela. Ele não estava. Ninguém sabia onde ele estava. Isso foi há uma semana. Quando eu fui visitá-la em sua casa, Ethan, seu irmão, nos disse que ela precisava de tempo. Ela não queria ver ninguém que lembrasse Logan, pelo menos por agora. Eu entendi, mas eu me preocupei por ambos. Agora, nós estamos no nosso caminho de volta da casa de Logan. Seu pai abriu a porta parecendo pior do que eu já tinha visto. Ele disse que Logan se isolou na casa da piscina desde que saiu do hospital. Ele não saiu, e não falou com ninguém. Ele nos disse para tentar, mas também confessou que era para deixá-lo em paz, se ele não respondesse. Ele disse que era melhor se ninguém o pressionasse, e que Logan só precisava de tempo. Logan não respondeu quando bati. Nós não esperamos que ele fosse. Cam aperta minha mão para chamar minha atenção. Ele olha para mim rapidamente do banco do motorista do seu Delorean. "Você quer ficar na cabana hoje? Podemos dirigir de volta amanhã cedo para o trabalho. Acho que só precisamos ficar longe do resto do mundo por um tempo." Concordo com a cabeça em concordância. "Eu acho que soa perfeito." *** Ele bate o dedo no lado da minha cabeça. "O que está acontecendo nessa bela mente?" Eu não sei quanto tempo nós estivemos na cama, deitados de lado, olhando nos olhos um do outro. Nós não falamos uma palavra, mas isso não significa que não tenhamos nos comunicado. "Eu estou tentando entender isso." Digo a ele. "Entender o quê?"

239


Eu suspiro e pressiono a minha testa na dele. "Eu não entendo por que essas coisas ruins continuam acontecendo com as pessoas boas. Primeiro Micky e sua família, e agora Logan e Amanda. E eu percebi que ele queria manter seu passado em segredo, eu entendo isso, mas eu não sei por que ele não quer falar com ninguém agora. pensei que fôssemos amigos." Ele passa a mão debaixo da minha camisa e na minha costa, onde ele esfrega círculos lentos. "Eu não iria levar para o pessoal, Luce. Quer dizer, nós somos melhores amigos. Nós crescemos juntos, e ele nunca me disse também. Talvez eu devesse ter sido um amigo melhor para ele, eu não sei. Acho que a única coisa que podemos tirar é que a vida é curta. Muito curta para está pensando o que sempre vai estar lá." Eu me inclino para trás e levanto os olhos para o seu, sabendo que ele já está me observando. Eu me estico e movo seu cabelo desalinhado para longe de seus olhos, em seguida, escovo meus dedos pela barba áspera crescendo em seu rosto, lembrando-me de como era quando tínhamos quinze anos e ele nunca teve que se preocupar em fazer a barba. Seus olhos se fecham ao meu toque, e quando ele abre, eles estão cheios de tantas emoções, tanta necessidade, tanto dele. Ele limpa a garganta antes de falar: "Às vezes eu gostaria de poder estar aqui, de volta a esta cabana quando estávamos na escola e não tínhamos preocupações do mundo. Quando passávamos cada segundo de cada dia juntos, e era só você e eu. Antes da pressão, antes da faculdade, antes da bolsa de estudo, trabalho e vida." "Só eu e você e o nosso para sempre?" "Sim, baby." Ele me beija rapidamente. "Eu te amo, Luce. Mais do que jamais alguém imaginou ser possível." Seus olhos começam a lagrimar, mas ele pisca para esconder. "Nunca vamos deixar que as coisas ruins em nossas vidas superem as boas." "Será que isso não te assusta?" Pergunto-lhe. "O quê?" "Isso, vivemos demais um pro outro. Você já se perguntou o que aconteceria se—" "Cale a boca." Ele sussurra, me cortando. "Eu vou fazer amor com você agora, e vamos esquecer que você acabou de dizer isso." Então, isso é o que ele faz — faz amor comigo.

240


E faço. Eu esqueço. Eu esqueço tudo no mundo inteiro, porque ele é o meu mundo inteiro.

CAMERON Com aulas, estudos, trabalho na empresa e trabalho na loja, eu mal tive tempo de ver Lucy. Fazemos o nosso melhor em dormir na mesma cama durante a noite, mas mesmo isso está se tornando uma luta. Estou mal acordado por tudo isso, é por isso que é legal que Roxy está por perto para me manter sob controle. "Você está morrendo?" Ela diz, puxando uma cadeira e sentando-se ao meu lado na sala de aula. Eu rio, largo o lápis e volto-me para ela. "Que diabos?" Ela encolhe os ombros. "Você faltou algumas aulas ultimamente e perdeu um dia de trabalho no outro dia. Além disso, e por favor, não se ofenda, mas você parece uma merda." "Eu tenho muitas coisas acontecendo." Estendo meus braços e bocejo alto. "Sim?" Ela repousa seus braços sobre a mesa e se inclina para mais perto. Eu desvio o olhar quando meus olhos pegam seu decote. "Qualquer coisa que eu possa ajudar?" Balançando a cabeça, eu respondo: "Não, apenas coisas com o meu melhor amigo, e outras merdas que estão ficando em sobre mim. Não tenho tempo para relaxar, e eu tenho que manter minhas notas altas ou podem retirar a minha bolsa, e Lucy—" "Ela está incomodando você por não passar tanto tempo com ela? Será que ela não entendeu?" Meus olhos se estreitam. "Não, não é nada disso. Ela entende... Eu acho. É nós dois, na verdade. Nós dois queremos estar um com o outro, mas isso está acontecendo cada vez menos e eu acho que isso está me deixando fora do equilíbrio. Ela me mantém ligado à terra, mas é mais difícil agora..." Ela me dá um sorriso simpático. "Há algo que você possa cortar para liberar algum tempo?"

241


Eu não posso deixar de rir. "Não, não há nada. Eu preciso fazer tudo. Preciso trabalhar na empresa ou eu tenho que encontrar uma maneira de pagar por esta faculdade. Preciso de um emprego, para que eu possa comer. Preciso comer para viver. E eu preciso viver para ver Lucy. " Ela sorri, o mesmo sorriso de apenas alguns segundos atrás. "Parece que você faz tudo por Lucy." Reviro os olhos. "Eu faço tudo por Lucy." "Huh." Ela diz, antes de sair de sua cadeira e ir embora. Eu não sei o que ela quer dizer com 'huh', mas eu não me importo o suficiente para pensar sobre isso. *** Eu rapidamente me visto para o trabalho e volto para o meu carro. "Cameron." Ouço, e eu já sei quem é, sem me virar. Roxy está correndo na minha direção com os pés descalços, com seus sapatos em sua mão. "Por favor, me diga que você está indo para o trabalho no momento." "Sim." Eu grito, esperando que ela se acalme. "Oh meu Deus, eu corri para fora da classe e para o banheiro para me trocar e depois perdi meu ônibus e corri todo o caminho até aqui." Ela coloca seus sapatos no chão e se curva para calçá-los, sua blusa se abaixa e seus seios quase aparecem. Eu me afasto. Quando ela finalmente se estabelece o suficiente para ficar de pé, ela cruza os braços sobre o peito. "De qualquer forma." Ela diz, esfregando os braços. "Pode me dar uma carona?" Eu tiro minha jaqueta e dou a ela. "Claro." Eu digo, sacudindo a cabeça em direção ao meu carro. Ela se cobre na minha jaqueta, mas não coloca os braços completamente. "Puta merda." Ela ri. "É um Delorean?" Meu sorriso é presunçoso; ele sempre fica assim quando as pessoas percebem o que eu dirijo.

242


Pressiono o botão do controle remoto e me inclino para trás, enquanto as portas se levantam. "Por favor." Eu zombo, estendendo minha mão. "Entre na minha máquina do tempo." Sua cabeça se joga para trás de tanto rir, Ela entra segurando sua saia para não mostrar sua bunda. "Você é um idiota." Ela diz. "Eu sei." Eu rio. Eu fecho a porta e levanto a cabeça, e então o meu coração para. "Ei." Diz Lucy, seus olhos se movendo lentamente a partir de Roxy para mim. Mas ter Roxy sentada no meu carro não é o que fez as batidas do meu coração vacilar. Não é nem o fato de que ela está magoada com isso. É o fato de que seus olhos estão vermelhos e inchados como se ela estivesse chorando por dias. "O que está acontecendo?" Eu fico em sua frente e seguro suas mãos. Ela levanta o olhar, mas os olhos estão sem foco, sem olhar para mim. "Eu tenho tentado ligar para você." Meus olhos se estreitos em confusão. Eu puxo o celular do meu bolso e vejo mais de vinte chamadas não atendidas. "Foda-se, eu coloquei em modo silencioso quando eu estava na biblioteca. Você está bem?" Seus olhos vão para Roxy no carro, antes de voltar para mim. "Sim, vá para o trabalho." Ela finge um sorriso. "Eu vou falar com você mais tarde sobre isso." Ela começa a sair, mas eu seguro sua mão com mais força. "Lucy." "Está tudo bem." Ela murmura. "Ligue-me quando você estiver terminado." Ela fica na ponta dos pés e me beija rapidamente, mas eu juro que — há um segundo de hesitação, onde ela quase para a si mesma. Ela se inclina para trás, como se talvez estivesse fazendo algo errado. Ela quase arranca a sua mão da minha. E tudo o que eu posso fazer é vê-la ir embora. A buzina do meu carro chama minha atenção. Roxy bate em um relógio imaginário no pulso.

243


*** Não consigo me concentrar. Eu mal consigo ficar acordado. Eu olho para o relógio. Meia hora. Eu preciso ir para casa. Preciso ligar para Lucy, descobrir onde ela está, vê-la, e falar sobre o que aconteceu que a fez chorar. Eu só preciso de Lucy. É por isso que quando o meu patrão passa no meu cubículo e me diz que Roxy e eu precisamos ficar até tarde para digitar alguns arquivos para o Wilmington, vou ao banheiro masculino. É o pior momento de merda, mas eu não discuto. Eu não posso. Então, em vez disso, eu me inclino contra o balcão e disco o número de Lucy. "Ei." Ela responde, a mesma tristeza em sua voz de antes. "Luce." Eu respiro fundo, e já posso imaginar seu rosto se transforma de tristeza para decepção. "Eu tenho que trabalhar até tarde hoje." Silêncio. "Eu ia ficar de fora. Mas—" "Está tudo bem." Ela me corta. "O que você pode fazer?" Ela suspira alto antes de acrescentar: "Ligue-me quando você estiver terminado, ok?" "Sim, querida, eu vou." Mais silêncio. "Eu te amo, Luce." Eu digo, mas ela já desligou. *** "Eu não acredito que nós temos que fazer essa merda." Afirma Roxy. Todo mundo saiu do escritório, menos nós. Estamos presos digitando um monte de documentos e arquivando-os para o servidor. O tipo de trabalho chato, monótono, e não ajuda que a minha mente estivesse se perguntando sobre o que diabos está de errado com Lucy. "Vamos ficar aqui por um tempo." Ela continua. "Você quer chinês ou algo assim? Estou morrendo de fome."

244


"Claro. Qualquer que seja." Quinze minutos depois estamos sentados no chão, com programações de containers na nossa frente. Meu humor se anima um pouco; talvez eu só precisasse de um pouco de comida. Eu chupo um macarrão, deixando-o espirrar por todo o meu rosto como Lachlan faz quando ele come espaguete. "Você está uma bagunça." Ela diz. Ela levanta um guardanapo e se inclina para limpar meu rosto. Eu me inclino para trás. "Eu faço isso." Digo a ela. Uma vez que estou limpo, eu solto a minha gravata e puxo-a sobre a minha cabeça, em seguida, tiro a camisa. Eu só tenho duas camisas apropriadas para o trabalho, e essa que eu estou usando pode durar mais um turno antes que eu precise lavá-la. Dez minutos depois, estamos quase sem comida. "Eu estou tão cheia." Ela puxa a blusa da saia e deita no chão. "Eu sinto que preciso de um cochilo." "Eu sinto que quero comer mais, mas acho que não será capaz de encaixar." Ela ri. "Faça a coisa do pai." "Que coisa do pai?" "Você sabe, desfaça seu cinto da calça, deixe seu intestino livre." "Cara, essa é uma ideia incrível." Ela ri quando eu faço um show desfazendo a meu cinto, mas eu paro em minhas calças. Eu como o que sobrou e copio sua posição no chão, com as embalagens vazias no meio de nós. Uma vez que termino, ela me encara. "Então, eu tenho que te perguntar uma coisa, mas eu não quero que você tome o caminho errado." "Ok?" Ela inclina-se sobre o cotovelo e vira seu corpo para me encarar. Seu decote está ainda mais exposto agora. "Outro dia você disse algo sobre como você faz tudo por Lucy, o que você quis dizer com isso?"

245


"Eu não sei. É apenas a nossa forma de trabalhar, eu acho. Nós fazemos tudo um pelo outro." "Há quanto tempo vocês estão namorando?" "Desde que tínhamos quinze anos." "Puta merda." Ela diz, incrédula. "É um tempo fodidamente longo." "Eu acho." A comida, o cansaço e a minha vida estão começando a cobrar seu preço. Se eu fechar meus olhos, eu estarei dormindo. Gostaria de saber se eu poderia tirar uma soneca. Apenas dez minutos. "Então vocês escolheram faculdades e tudo juntos. Isso é muito legal." Concordo com a cabeça, minhas pálpebras pesadas. "Sim. Totalmente." "Não?" "Não, quero dizer que eu vou onde quer que ela for. Eu não sabia que queria ser um arquiteto, quero dizer, eu tinha isso em mim ou qualquer outra coisa." Deixo escapar um suspiro exausto. "Eu realmente não planejava a faculdade. Minha mãe e eu — nós não somos pobres, mas não temos realmente condições financeiras para pagar a faculdade, sabe?" "Sim." Ela ri. "Você viu onde eu vivo, certo?" "É..." "Cam?" Abro os olhos e encaro-a, tentando evitar seus peitos. "Se você não tivesse conhecido Lucy, o que você acha que estaria fazendo?" Eu nem sequer hesito em responder. "Provavelmente, vendendo carros na concessionária do namorado da minha mãe." Ela acena com a cabeça, como se entendesse. "Então, o que você acha que faria você mais feliz? Aqui ou vender carros?"

246


Eu engulo nervosamente, porque eu sei que a minha resposta está errada. Eu sei que isso parece errado. E eu sei que eu não deveria estar expressando isso, mas eu faço de qualquer maneira. "Vendendo carros." "Huh." Ela diz, deitando-se. Eu tiro o meu olhar dela e olho para o teto, mas eu pego algo com o canto do meu olho. Não é algo, alguém. Sento-me, mais rápido do que meu estômago gostaria. "Lucy". "Eu não sabia." Ela diz, balançando a cabeça. "O quê?" Eu estou de pé agora, caminhando alguns passos para chegar até ela. Seus olhos se movem para baixo do meu corpo e se concentram na minha cintura. Eu olho para o meu cinto desatado. "Não é isso o que—" "Está tudo bem, Cameron." Ela olha para trás de mim, para a pilha das minhas roupas descartadas. Meu coração está batendo no meu peito. "Babe..." Eu sei o que isso parece para ela, mas ela está tão errada. "Eu não sabia." Ela diz novamente. Minha mente está cambaleando. Minhas entranhas estão torcidas. Há um nó na garganta tão grande quanto a bola de ansiedade na boca do meu estômago. Diga algo. Ela respira fundo, com os olhos tão cheios de lágrimas que se ela piscasse, elas cairiam. E então ela faz. Ela pisca. Elas caem. Eu quebro.

247


"Lucy." Ela finge um sorriso. "Eu vim para..." Ela levanta o saco de papel em sua mão. "Você me trouxe o jantar?" Eu finalmente consigo dizer. Ela acena com a cabeça. Suas lágrimas caem mais rápidas. "Mas você já..." Seus olhos finalmente se movem por trás de mim e sobem, sobem, sobem, até o meu. E o meu mundo para. Por alguma razão completamente diferente. A razão pela qual eu nunca tive que sentir isso antes. É como se eu estivesse caindo. Ou desabando. "Eu não sabia que você não queria isso. Eu não sei por que eu nunca perguntei. Sinto muito, Cameron." Ela soluça. Ela define o saco em uma mesa ao seu lado e enxuga os olhos. Então ela levanta o queixo, farejando as lágrimas, quando faz isso. "Ligue-me quando você terminar, ok?" "Espere." Eu puxo seu braço para impedi-la de sair. "Eu não—" "Está tudo bem." Ela diz. Seus dentes estão cerrados quando ela acrescenta: "Sério, Cam. Está tudo bem." Minha respiração é curta e eu não consigo me acalmar. Tenho medo de que ela está pensando, o que ela está sentindo. Eu puxo seu braço até que ela esteja perto de mim. Eu me inclino para beijá-la, mas ela vira a cabeça, me evitando. "Vamos lá, Lucy." Eu sussurro, meu desespero apenas para seus ouvidos. Roxy limpa a garganta atrás de nós. "Cameron, você pode ir, eu vou terminar aqui." Eu nem sequer penso. Eu só recolho minhas coisas. Murmuro um 'obrigado' para Roxy e saio. Mas ela já está a dez passos à minha frente. "Lucy." Eu grito atrás dela. Ela entra no elevador e espera por mim. "Logan foi embora." Ela não demonstra nenhuma expressão, apenas olha para o chão. "O quê?" Eu xingo, pressionando o botão para o térreo.

248


"Ele foi embora." "O que quer dizer com isso?" Ela olha para mim agora. "Ele se foi. Deixou o país. Ninguém sabe onde ele está, ou quando, ou se ele vai voltar." Eu belisco a ponta do nariz com o polegar e o dedo indicador, tentando enfraquecer as batidas na minha cabeça. Há muito para tomar e eu não sei o que fazer. As portas do elevador se abrem e ela sai, eu sigo-a, ainda sem saber o que dizer. Ela sai do prédio e destrava o carro. "Eu organizei um grupo de estudo, esta noite, eu já estou atrasada. Te ligo mais tarde, Cam." Ela entra em seu carro e vai embora. E eu estou de pé na calçada me perguntando o que diabos aconteceu, e por que eu sinto que meu mundo está caindo aos pedaços. *** Oito vezes eu ligar para ela. Ela nunca atendeu. Olho para o meu celular e caio na minha cama. E então disco o número de Jake. "Oi." Ele responde. "Ei, o que você está fazendo?" Ele ri um pouco. "No Facebook perseguindo Logan, tentando descobrir onde diabos ele está." "Então é verdade?" "Sim, cara. Dr. Matthews ligou hoje e disse-me. Ele não me deu mais nenhuma informação, só que ele se foi." Ele solta outra risada, uma amarga. "Eu estou vendo aquele vídeo dele quando estávamos na cabana de Lucy. Ele estava bêbado e fazendo—"

249


"A dança do MC Hammer?" "Sim. Ele estava tão bêbado naquela noite." Um momento de silêncio passa, nós dois pensando sobre aquela noite. "De qualquer maneira." Ele se anima. "Você quer falar com Luce?" "O quê?" "Eu pensei que você está ligando para falar com Lucy?" Meu coração cai. Ela mentiu. Eu acho que ela nunca mentiu para mim. "Ela disse que tinha grupo de estudo. Ela está aí?" "Sim, cara. Ela está falando com Kayla." "O que elas estão conversando?" "Eu não sei, cara. Elas estão na sala de estar, eu estou estudando." "Bem, foda-se, vá escutar. O que elas estão dizendo?" "Eu não posso fazer isso." "Jake." O nome dele sai como um aviso. "Bem." Ele murmura. "Mas você vai ficar me devendo essa." Ele suspira ao telefone. "Ok." Ele sussurra. Eu mantenho meus ouvidos colados ao telefone, não querendo perder uma palavra. "Kayla está dizendo que ela tem certeza de que não é nada." "O que não é nada?" "Cala a boca. Quer que eu as ouça ou não?" Eu mantenho minha boca fechada.

250


"Ok, então Lucy disse que ela nunca ficou preocupado antes. Que sempre foi uma espécie de piada, como um show... de ciúme e outras coisas..." Minha mão aperta o telefone tão apertado que eu estou com medo de quebrálo. "Ela disse que agora é diferente, ela está realmente com medo. Ela disse que as coisas mudaram, que você está diferente ultimamente. Ela disse que tem um motivo para se preocupar agora. Quem é Roxy?" Foda-se. Eu esfrego meus olhos e tento não gritar como uma cadela no telefone. Eu ouço a porta se fechar, em seguida, a voz profunda de Jake. "Cara..." "O quê!" "Ela está chorando, porra. Tipo chorando mesmo." "Foda-se." "Cameron, o que diabos você fez?" *** Você acha que, considerando como eu estava cansado que eu seria capaz de dormir, mas eu não posso. Eu tentei ligar para ela novamente, mas seu telefone estava ocupado. Com quem diabos ela está falando? Jogando minhas cobertas para fora, eu me visto, pego minhas chaves, e dirijo os poucos minutos para seu dormitório. Rose responde, mas não há nenhum sinal de Lucy. Eu amaldiçôo e tento ligar para ela novamente. Ainda ocupado. Sento-me no chão ao lado de sua porta e espero. Eu não me importo quanto tempo eu tenho que esperar. Eu preciso vê-la. Eu sei que não vou ser capaz de relaxar até que está merda esteja resolvida e ela esteja nos meus braços novamente. Estou prestes a cochilar quando meu telefone toca. O nome dela pisca na tela. Meu coração bate com força. "Babe." Eu respondo. "Eu tenho tentado ligar para você." "Eu tenho tentado ligar para você." "Onde você está?"

251


"Em seu dormitório, onde você está?" "Em seu dormitório." Eu suspiro. "Nós somos uma bagunça hoje." Ela ri. Meu mundo para. "Fique aí, eu vou encontrar você." "Espere." Ela diz, e eu posso ouvir seus pés estalando contra o chão. "Minge está lá?" "Ele estava quando eu saí." "Então fique aí—" Ela se corta e os passos param. Sua voz diminui quando ela acrescenta: "Quero dizer, você quer passar a noite juntos?" Ela diz como uma pergunta, como se ela não tivesse certeza da minha resposta. "Luce, eu não quero estar em outro lugar." "Bom." Ela se anima. "Vou ligar para Rose deixá-lo entra, aqueça minha cama para mim, ok?" "Ok." "Ei, Cam?" "Sim?" "Eu te amo." Meus olhos se fecham e eu sinto todos os músculos do meu corpo lentamente relaxarem. "Para sempre, baby." *** Eu descanso minha cabeça em seu peito, meus braços ao redor da sua cintura e minha perna por cima da dela. Eu seguro-a tão apertado quanto posso, com medo de que se eu deixá-la ir, ela possa não voltar.

252


Seus dedos percorrem meu cabelo. Seu peito sobe e desce, mais rápido do que deveria. Eu levanto o meu olhar; ela já está me observando. "Eu não quis dizer que eu seria mais feliz sem você, Luce." Eu sussurro. Ela se afasta um pouco, então estamos cara a cara, e puxa as cobertas sobre nossas cabeças. "Então o que você quis dizer? Vai explicar isso para mim? Venho tentando entender, mas eu não consigo." Ela engole em voz alta e eu sei que ela está tentando conter um soluço. "Eu só quis dizer que seria mais fácil. Que eu seria mais feliz, agora, eu tenho a cada dia a mesma rotina e tenho que ir para casa todas as noites e apenas estar com você. Eu estou tão estressado no momento. Há tanta coisa acontecendo e as coisas com Logan, estou esgotado, querida. Fisicamente e mentalmente esgotado. Assim que eu fazer as provas finais, eu vou ficar bem." "Por que você não me contou?" "Porque às vezes com você são as únicas vezes que olho para frente. É a única vez que eu posso deixar a bola cair e apenas relaxar e ser eu mesmo. Eu quero meu tempo com Lucy separado de todo o resto." "E por que a roupa?" Eu suspiro e passo a próxima hora respondendo suas perguntas da forma mais honesta que eu puder. Eu não tenho nada a esconder, nada a mentir. "Eu sei que ela é sua amiga e você tem que estudar e trabalhar com ela, e eu estou tentando ficar bem com isso. Estou tentando não ser uma namorada ciumenta, mas é difícil para mim." "Eu não sei o que você quer que eu faça. Não posso largar as classes. Eu não posso sair do—" "Eu sei." Ela corta. "Só... pense sobre meus sentimentos. Só isso." "Tudo bem, querida. Isso é justo." Eu me inclino e beijo-a rapidamente. E então eu testo as águas. "Como foi o seu grupo de estudo?" Ela olha para o lado. "Foi produtivo." Ela mente.

253


CAPÍTULO 26 LUCY Tanto quanto me dói admitir, as coisas mudaram. Eu não sei se sou eu ou ele, ou ambos. Desde a noite em seu trabalho quando eu entrei e vi ele e Roxy 'conversando', ele tem sido... Desligado. Ele está sempre ocupado, o que é bom, eu entendo isso. Mas ele também está mal-humorado. Eu tento o meu melhor para corresponder seus humores. Quando ele está feliz, eu estou realmente feliz. Quando ele está para baixo, eu tento apoiá-lo. Por cinco semanas desde aquela noite, eu tenho tentado fazer tudo o que posso para estar lá para ele. Para ser o que ele precisa e o que ele quer. Passamos todas as noites juntos, porque é o único tempo que temos. E quando ele me diz que está estressado e precisa de uma liberação, eu dou a ele. O segundo em que Minge sai do quarto, ele está dentro de mim. "Eu sinto tanto sua falta." Ele sussurra. Minhas mãos passam sobre seu peitoral. Suas mãos trabalham nos meus seios enquanto eu me movo em cima dele. Ele lambe os lábios enquanto seus olhos perfuraram os meus. Nossas respirações estão ofegantes, sem controle pelo puro desejo que estamos tendo. Ele remove as mãos e inclina-se sobre os cotovelos, levando meu mamilo em sua boca. Seus olhos nunca deixam os meu. Eu continuo o meu ritmo, esperando a tensão construir. E então acontece. Meus olhos se arregalam, surpresa que ele ainda pode me fazer vir. "Baby." Eu ofego. "Eu sei. Venha." Ele senta-se, agarra minha bunda e me puxa para mais perto dele. Minha cabeça se atira para trás. Os movimentos em seus quadris ficam mais rápidos, me levando sobre a borda.

254


"Eu quero ver você." Ele diz. Ele lambe os lábios novamente, então morde o lábio inferior quando vê meu rosto. Em seguida, ele passa o dedo ao longo do suor formando em minha testa. "Cam!" "Foda-se, Lucy." Seus dedos enrolam no meu cabelo, puxando meu rosto para sua boca. Nós nos beijamos. E então, nós desmoronamos. Ele entra no chuveiro e espera que eu saia para me passar uma toalha. "Obrigado." Eu digo a ele. Ele está olhando para o chão, mordendo seu polegar. Eu vejo sua garganta se mover quando ele engole. "Você não disse 'eu te amo'." Ele resmunga. "O que você quer dizer?" Ele olha para mim agora, por segundos que se passam como horas enquanto eu conscientemente seco o meu corpo nu. "Depois de ter relações sexuais, você sempre diz que me ama. Você não disse desta vez. Você saiu e veio direto para cá. Por quê?" Franzo minhas sobrancelhas, mas eu me recupero rapidamente. Tento não deixar que seu tom me machuque. "Sinto muito." Dou um passo à frente e beijo-o de leve. "Eu acho que pensei que você tinha aula mais cedo, então eu não quero tomar muito do seu tempo." "É terça-feira." Ele murmura. "Você sabe que eu tenho mais uma hora livre." Meus olhos caem no chão, e eu espero que meu coração pare de bater tão forte. Que a ferida pare de doer tanto. Eu olho para cima e dou-lhe um sorriso falso. "Sinto muito." Minha voz quebra, e eu desvio o olhar antes que ele saiba exatamente como faz eu me sentir. Porque ele não precisa se preocupar comigo, não em cima de tudo. Viro-me e lentamente começo a me vestir.

255


Seus braços enrolam em volta da minha cintura, antes que ele limpe os olhos no meu ombro. Eu sinto o calor das suas lágrimas em minha pele. "Eu sou um idiota." Eu empurro minhas emoções para baixo e passo minha mão em sua nuca. "Está tudo bem, você está estressado." Suspirando, ele se afasta e me vira para ele. "Mais quatro dias, Luce. Mais quatro dias e eu vou fazer isso por você." Ele me pega pela cintura e me senta em cima do balcão, espalhando as minhas pernas com as mãos para que ele possa ficar entre elas. "Mas, por favor, seja paciente comigo. Você merece muito mais do que a maneira que eu tenho te tratado ultimamente. Você faz tudo por mim, e eu nem sequer aprecio isso." "Está tudo bem—" "Não, não está Lucy. Sinto como se eu fizesse você vir aqui e ter relações sexuais, e apenas isso. Nós—" Ele deve ver a minha reação, porque ele se isola. "O quê?" Ele sussurra. "É assim que você se sente? Você acha que eu te uso para o sexo ou algo assim?" Sua voz falha. Talvez porque ele saiba que está certo. Eu mantenho meus olhos para baixo, não queria que ele visse a minha reação. "Eu não acho que você me usa." Digo a ele. "E isso vai nos dois sentidos, Cam. Quer dizer, eu não tenho que dormir com você... mas eu faço." "Por que não?" Ele levanta meu queixo para que possa ver o meu rosto. Seus olhos encaram os meus enquanto ele leva tudo. Tudo de mim. "Por quê?" Ele repete. Eu hesito em responder, porque não quero mentir. Mas estou com medo de como a verdade vai fazer ele se sentir. Suas sobrancelhas se arqueiam e sua boca se transforma em uma carranca. "Lucy, por quê?" Eu empurro meus nervos para baixo e o nó em minha garganta, e eu lhe digo a verdade, mesmo que isso me mate. "Porque você gastar todo o seu tempo com uma garota que eu não confio, e eu quero que você lembre o que está esperando por você. Eu quero que você pense em mim, mesmo quando está com ela."

256


Seus olhos se estreitam, e eu acho que ele está prestes a se perde. Gritar comigo como ele nunca fez antes. Mas então seus ombros caem e suas feições mudam. "Babe." Ele suspira. Ele envolve seus braços em volta de mim, tão apertado, por tanto tempo, que lentamente pedaços de nós se juntam novamente. "Eu sinto muito que você se sinta insegura sobre nós. Lamento que eu não tenha notado. Eu deveria ter percebido." Ele se inclina um pouco para trás. "Eu não quero que você se sinta como se meu mundo não começasse e terminasse em você. E eu preciso cortar essa merda, porque um dia você vai acordar e perceber que há alguém melhor lá fora que vai tratá-la melhor, Luce. E quando você fizer..." Seus olhos se estreitam e um rosnado escapa dos seus lábios. Seu nariz torce, pouco antes dele resmunga: "Eu vou encontrá-lo, e vou matá-lo." Minha cabeça se atira para trás numa gargalhada. Ele levanta uma sobrancelha. "Você acha que é engraçado?" Concordo com a cabeça através do meu riso. "Eu não acho que seja engraçado." Ele diz, mas está sorrindo. "Sério, Luce. Conheço a floresta atrás da sua casa muito bem. Tenho certeza que eu poderia esconder um cadáver lá. Eu vou fazer isso de modo que pareça que o pequeno Logan fez. Se algum dos seus irmãos iria matar alguém, é ele." "Pare com isso." Eu rio. "Ele não faria isso." "Lucy." Ele não demonstra nenhuma expressão. "Teve uma vez, quando eu estava em sua casa, antes de você me atacar com seus beijos-virgens." Ele para quando eu solto uma gargalhada. "Eu dei-lhe uma tigela de cereais. Ele saiu de sua cadeira, pegou uma faca da gaveta, sentou-se e começou a esfaquear a tigela. Perguntei o que diabos ele estava fazendo, mas em termos mais agradáveis, obviamente, porque eu ainda estava tentando entrar em suas calças... você sabe o que ele disse?" Eu balanço minha cabeça negando, o meu sorriso em pleno vigor. "Ele olhou para mim e disse..." Ele se inclina para frente até que os seus lábios encoste em meu ouvido e sussurra: "Praticando para se torna um serial killer. Una forças comigo, Cameron." Eu o empurro, meu corpo tremia de tanto rir. "Ele não fez."

257


Seus olhos estão arregalados quando ele balança a cabeça. "Juro, Luce. Essa merda é muito boa para fazer as pazes."

CAMERON "Oh meu Deus." Roxy lamenta, se jogando no assento ao meu lado. "Eu entreguei o projeto do Masterson's. Não é como se nós tivemos algumas semanas para trabalhar com ele." Ela zomba. "O desenho do telhado?" "Não." Ela ri. "O projeto inteiro." Eu fico tenso. "O quê?" "Sim." Ela diz, agora parecendo preocupada. "Amanhã é a entrega do projeto inteiro." Seja qual for o olhar que toma conta do meu rosto faz com que seus olhos se arregalem. "Cameron?" "O projeto inteiro é amanhã? Quando diabos isso aconteceu?" "Hum. Pouco mais de um mês atrás." Ela diz, como se eu fosse um idiota por não saber. "Foda-se." "Você não terminou?" "Roxy, eu ainda nem comecei porra. Eu nem sabia que era amanhã. Eu estava na sala de aula?" Ela olha para o teto, como se estivesse perdida em pensamentos. "Cara..." Diz, finalmente olhando para mim. "Eu acho que foi no tempo em que o seu amigo foi atacado e você perdeu algumas aulas." "Por que diabos você não me contou?" Eu estou de pé agora, meu coração batendo tão alto em meus ouvidos que mal consigo enxergar direito. "Quanto vai afetar nas minhas notas se eu não entregá-lo?" Eu estou entrando em pânico, tentando manter a bile na minha garganta.

258


Ela faz uma careta. "Trinta por cento." "Foda-se." Levanto-me e começo a arrumar minhas coisas. "Que horas?" "O quê?" Eu quero gritar com ela por ser estúpida e não entender. Em vez disso, eu respiro fundo. "Que horas é a entrega?" "Oh. Às nove." Eu passo a mão pelo meu cabelo e puxo-o. Com força. Fechando os olhos, eu tento descobrir se é mesmo fisicamente possível para mim fazer ainda, ou se devo esperar pelas notas e ver se isso não vai afetar meu financiamento. "Cam, você está trabalhando hoje à noite?" Eu balanço minha cabeça, sentindo o curso da adrenalina através de mim. "Eu tenho um estúdio em meu galpão nos fundos. Se você tem todos os seus esboços, eu posso ajudar. Eu não sei se isso poderia ajudar. Eu sou uma artista, não um arquiteto, lembra?" "Por favor." Eu imploro, porque eu não tenho outra escolha, porra. * Eu mando uma mensagem para Lucy quando chegarmos no meu carro. Eu digo a ela que tenho um projeto com um grupo de estudos que eu não sabia que existia. Eu digo que vai demorar, e que eu ligo para ela quando terminar. E então digo que eu a amo. Eu luto uma guerra na minha cabeça sobre se devo mencionar que Roxy era minha parceira de estudo. Eu não disse porque não quero que ela se preocupe quando não tem absolutamente nenhuma razão para isso. Depois de cinco minutos, meu telefone começa a tocar. Não apenas ela, mas Jake e Dylan também. Eu desligo-o, porque se eu não fizer não vou ser capaz de me concentrar. E eu preciso de foco. Andamos pela casa para chegar ao quintal. Isso me lembra da casa da minha mãe. A que eu cresci. No ano passado, ela finalmente a vendeu. Agora ela vive com Mark — e eles nunca estiveram mais felizes.

259


O galpão de Roxy é um estúdio de arte convertido com caixas de luzes caseiras e mesas de desenho. Mais ou menos como aqueles que Tom me fez, apenas longe de ser tão bom. Ela tem sua arte emoldurada e pendurada nas paredes. Ela é boa, realmente muito boa, mas eu não tenho tempo para apreciá-los. Ela liga as luzes e se vira para mim. "Eu vou pedir uma pizza e depois vamos começar, ok?" Concordo com a cabeça enquanto retiro as folhas e espalho meus esboços sobre a mesa. "Por onde diabos eu devo começar?" Murmuro para mim mesmo. Eu sinto o calor da sua mão nas minhas costas. "Está tudo bem, C-Cam. Vamos conseguir. Mesmo que leve a noite toda." "E você?" Pergunto, pisando fora do seu alcance. Ela encolhe os ombros. "Eu terminei o meu essa tarde. Estudei pra caramba, eu estou bem." Suspirando, eu digo: "Você está me salvando, Rox. Obrigada." Ela encolhe os ombros novamente. "Tenho certeza que você vai encontrar uma maneira de me pagar de volta." Ela pisca. Eu ignoro. * Meus olhos estão tão fodidamente pesados e meu corpo está tão cansado, que eu não consigo nem desenhar uma linha reta usando uma régua. Ela define uma xícara de café ao meu lado. "Está quase pronto, campeão. Você conseguiu." Levanto-me e estico as pernas e depois os braços, bocejando alto. Ela toma seu café e olha para o meu trabalho. "Ei, seu processamento está muito melhor."

260


"Obrigado." Eu bebo meu café rapidamente e volto ao trabalho. Meia hora mais tarde, eu terminei. Ela finge falsos aplausos, não querendo ser alta. Eu não tenho nenhuma ideia de quanto tempo nós estivemos aqui, trabalhando quase sem parar. "Muito obrigado." Eu digo a ela. Ela dá um soco no meu braço. "Sem problemas". Nós andamos através da sua casa e em direção do meu carro. Ou o que deveria ser o meu carro. Só que não tem rodas. Ela bufa. Eu olho para ela. "Sinto muito." Ela faz uma careta. "Quem diabos iria roubar minhas rodas?" "Sinto muito." Ela diz com simpatia. "Eu provavelmente deveria tê-lo avisado sobre o estacionamento de um Delorean no meu bairro." Eu largo minha bolsa, minhas folhas, e sento na calçada. Puxando meu celular do meu bolso, eu levanto os meus joelhos e descanso os braços sobre eles. "Eu te daria uma carona." Ela diz, sentando-se ao meu lado. "Mas o meu carro ainda não saiu da oficina." Eu ligo o telefone. Dez chamadas não atendidas de Lucy, Jake e Dylan. Então eu amaldiçôo quando vejo a hora. "Já são três?" "Sim." "Meu Deus." Eu atravesso meus contatos telefônicos, decidindo para quem diabos devo ligar. Tento Jake primeiro, ele não responde. Tento Dylan, mas seu celular está fora de área. E então faço o que eu deveria ter feito em primeiro lugar, mas estava com muito medo de fazer. Eu ligo para Lucy.

261


Ela responde no primeiro toque. "Ei." Sua voz está áspera de sono. "Você acabou o seu grupo de estudo?" "Sim." Eu suspiro, balançando a cabeça e tentando evitar o inevitável. "Nós estávamos tentando ligar para você." "Eu sei. Desliguei meu celular para que eu pudesse me concentrar." "Oh bem. Bem, eu preciso te contar uma coisa, você está vindo agora? Vou abrir a porta." "Foda-se." Eu acidentalmente digo em voz alta. "Cameron?" E por alguma razão Roxy acha que é um grande momento para falar. "Apenas diga a ela, C-Cam." Eu estreito meus olhos e balanço a cabeça para ela. Lucy suspira. "Eu preciso perguntar quem é?" Ela sussurra. "Luce, as malditas rodas do meu carro foram roubadas, e eu estou preso aqui. Eu não pediria se eu não precisasse da sua ajuda." Silêncio. Finalmente, ela fala: "Por que alguém do seu grupo de estudo não lhe dá uma carona?" Eu solto um longo e prolongado suspiro. "Porque, Luce, não havia mais ninguém." Ela desliga o telefone. Eu coloco meu celular no bolso. "Você quer que eu te faça uma cama?" Roxy pergunta. "Não, ela está vindo." "Como você sabe?"

262


"Porque eu conheço Lucy. E sei que ela me ama, mesmo quando eu não mereço isso." Vinte minutos depois, ela está aqui. * Ela não disse uma palavra. Ela nem sequer olhou para mim. Não até que ela parou o carro e me cutucou para que eu me acordasse. "Você está em seu dormitório." Ela não demonstra nenhuma expressão. Sento-me e olho ao redor. Estamos no meu dormitório. "Fique comigo hoje à noite?" Seus olhos permanecem fixos nos meus. Respiro fundo e sinto uma lenta queimadura em meu peito enquanto vejo seus olhos se encherem de lágrimas. Ela não pisca. Ela não deixa-as cair. Em vez disso, ela acena com a cabeça e faz o seu caminho para fora do carro e em direção ao meu quarto. Sigo atrás dela, sem falar, sem saber o que dizer para que eu possa nos trazer de volta para esta manhã, depois de falarmos merda e tudo parecia como normal. Nada parece normal, ultimamente, e agora, eu preciso de normal. Abro a porta e espero que ela vá para a cama. Ela está deitada de lado, de frente para a parede. Encaramos um ao outro quando dormimos. Esse é o jeito que sempre foi. Então, isso é mais do que apenas ela deitada na minha cama. É uma mensagem. A forma de punição que eu mereço. Eu fico atrás dela, empurro um braço embaixo no travesseiro e o outro em volta da sua cintura, e puxo-a para perto. "Lucy, posso pelo menos explicar?" Sua respiração fica mais rápida e seu corpo fica tenso. "Dylan se alistou na Marinha. Ele não queria que ninguém soubesse para que esta noite fosse sua última noite com a gente. Ele queria dizer adeus a você, é por isso que estávamos ligando." Meus olhos se fecham quando ouço a decepção em sua voz. Eu entendo. Estou decepcionado comigo mesmo. Eu deveria ter estado lá para ele. E eu não deveria ter mentido para ela. Eu deveria ter sido honesto desde o início. Eu deveria ter feito o que ela pediu e pensado bastante sobre seus sentimentos. Sei que ela está fazendo tudo o que pode para continuarmos juntos, porque eu posso sentir seu peito arfando, e depois parando. Iniciando. E, em seguida,

263


parando. "Talvez você devesse tentar lembrar dos seus velhos amigos. Aqueles que sempre estiveram lá para você." E agora estou chateado porque eu sei quem são os meus amigos. Ela não precisa me lembrar. "Você acha que eu queria não ter dito adeus a ele? Ele foi um dos meus melhores amigos. Agora ele se foi, Logan se foi e Jake está sempre ocupado. Não tenho mais ninguém." "Você tem Roxy." Minha voz se eleva. "Você não nem sabe que porra aconteceu, Lucy." Ela recua, como se estivesse encolhendo fisicamente em meus braços. Eu rolo em minhas costas, e prendo a ponta do meu nariz, na esperança de Deus alivia a batida na minha cabeça e a dor por todo meu corpo. "Sua mãe ligou." Diz em voz baixa. "Eles querem vir aqui na sexta-feira após as últimas provas. Eles querem nos levar para jantar. Eu disse que iria ligar de volta." "Por quê? Você poderia ter apenas dito sim." "Porque." Ela responde, com a voz tensa. "Eu não queria fingir." "Fingir o quê?" "Fingir que nós estamos bem."

264


CAPÍTULO 27 LUCY Ele balança suavemente meu braço. "Lucy." Ele sussurra. Meus olhos se abrem, à espera de ver o seu peitoral, é a maneira que eu acordo toda manhã. Mas eu não vejo. Tudo o que vejo é a parede em branco do seu quarto. Eu sinto a cama afundar, e depois a mão no meu braço novamente. "Luce." Eu viro de costas e olho para o teto. Minhas emoções da noite passada inundam minha mente e eu não quero que ele veja as lágrimas já se formando. "Baby." Ele limpa a garganta. "Eu fiz uma coisa." Meus olhos fixo nele, e meu coração se parte com o olhar em seu rosto. Suas sobrancelhas estão arqueadas e sua mandíbula apertada. Suas pálpebras estão pesadas quando ele pisca. Uma vez. Duas vezes. Sua respiração é longa e lenta. Sentando-me, coloco minhas mãos em meu colo, com as palmas para cima. Eu fecho meus olhos e espero. Eu choramingo quando ouço o som de papel. O som que faz eu me lembrar o quanto ele me ama. E deixo as paredes entre nós desmoronarem. Meu coração bate no meu peito, esperando o momento em que ele vai dizer para mim abrir os olhos. "Abra-os." Ele sussurra. Eu faço. Mas eu não olho para o seu esboço. Eu olho para ele. E pela primeira vez, eu tento lê-lo. Porque ele sempre foi um livro aberto. Ele sempre foi tão cru e tão certo sobre o que sente e o que quer. Mas agora... agora, eu não tenho ideia. Eu não tenho ideia do que ele quer. Ou se eu sou mesmo parte disso. "Você não vai olhar para ele?"

265


Meu olhar cai para o desenho em minhas mãos. Não é de mim. Não só eu. É de nós, deitados na cama. Meu rosto contra o seu peito, os braços em torno um do outro, segurando-nos. "Você é minha arte, Luce. Meu coração." Uma lágrima cai. Eu sinto o calor dele lentamente escorrendo pelo meu rosto, no meu queixo e finalmente pousa no esboço. "O que você acha?" Sua voz é tão baixa que eu quase não o ouço. Eu vejo quando a lágrima penetra o papel, a mancha molhada ficando cada vez mais ampla. Ele suspira, puxando-me do meu transe. "Eu tenho que ir." Ele diz, inclinandose em minha direção. Meus olhos se fecham. Seus lábios tocam os meus pelo que parece uma eternidade. E eu não faço nada. "Beije-me." Ele diz com a voz trêmula contra os meus lábios. "Por favor." "Eu não posso, Cameron." "Por quê?" "Porque eu te amo tanto, e me sinto tão bem, mas iria doer muito, muito mesmo." *** É perto das dez da noite no momento em que falamos. Ele liga e me diz que Minge não passar a noite no seu dormitório e pergunta se eu quero ir. Digo-lhe que estou cansada e só quero dormir. Ele não discute. Ele nem parece decepcionado. "Sinto muito." Diz Rose. Ela se senta na cama e finge um sorriso. "Por quê?" "Pelo que está acontecendo entre você e Cameron. Sei que parece isso, mas eu não tenho realmente um sono profundo. Ouço tudo, Luce."

266


Meu olhar cai no chão. Eu não respondo. Eu não sei o que fazer. "Ele vai fazer isso direito." Eu olho-a agora, pensando em como ela está tão certa e eu não estou. "O que te fez dizer isso?" "Porque ele é o Cameron. E você é Lucy. Vocês são o team Luca. Vocês são para sempre. Se vocês dois não podem fazer funcionar, então estamos todos ferrados." *** Pela primeira vez em muito tempo, eu estou sorrindo. Provas finais, pelo menos para mim. Eu jogo meus braços no ar, comemorando. "Estou livre." Eu zombo. "Tudo bem se acalme." Diz Micky. "Alguns de nós ainda não terminaram." Ela puxa minha mão até que eu estou sentada no chão com ela, entre duas prateleiras de livros. Estamos na biblioteca, onde muitos estudantes estão estudando. "Agora a melhor amiga no mundo inteiro pode me ajudar?" Ela implora, com os olhos arregalados. "Ok." Eu rio. "Vamos ver o que você sabe." Depois das três horas, ela finalmente fecha os livros. "Eu estou pronta." Ela geme. "Meu cérebro não aguenta mais." "Eu não sei por que você está tão preocupada, você sabe bastante coisa." Ela começa a arrumar suas coisas e eu faço o mesmo. "Então, você e Cam estão pendurados ao redor para o fim de semana para o seu trabalho e depois? Você vai para casa por algumas semanas?" À menção do seu nome, faz com que qualquer aparência de felicidade desaparecesse. Esse era o plano. Ele não podia sair do trabalho na empresa no fim de semana, então nós dois íamos ficar por aqui. Era apenas um fim de semana na empresa, e, em seguida, ele estaria livre de lá até o próximo ano letivo. Ele ainda precisava trabalhar na loja, mas ele foi capaz de obter seus turnos coberto por duas semanas para que pudéssemos ir para casa e visitar nossas famílias, e depois teríamos que voltar. Jake e Micky estavam voltando

267


para casa de Jake para o resto do verão e disse que poderíamos ficar lá. O plano era perfeito. Até que não era. Eu faço o meu melhor para fingir um sorriso e aceno, sabendo que ela iria querer falar sobre isso, se ela soubesse que algo estava acontecendo. Eu não queria que ela se preocupasse, e eu não queria falar sobre isso. Ela corre para encontrar com Jake antes que ele tenha um exame. Eu fico por aqui e leio um pouco, sabendo que Rose não vai estar pronta por mais de uma hora. Eu não quero falar sobre o que está acontecendo com Cam, mas eu não quero ficar sozinha também. Quando eu sei que é a hora, eu começo a fazer o meu caminho para a saída.

CAMERON Roxy ligou e perguntou se eu precisava de ajuda com as provas finais de amanhã. Eu disse a ela que eu precisaria de um segundo cérebro, porque o meu atual era inútil. Ela riu, e disse para encontrá-la na biblioteca. Liguei para Lucy antes de sair. Queria que ela soubesse o que eu estava fazendo. Se ela ficou chateada ela não disse, eu não teria, mas ela não respondeu. E eu com certeza como a merda precisava de ajuda. "Às vezes eu vejo você." Sussurra Roxy de perto de mim. "Isso não é assustador." Ela ri, a rouquidão em sua voz saindo com força total. "Não quero dizer quando você está desenhando, ou planejando. É como se você estivesse entediado. Como se você desejasse que seus dedos fizessem algo mais emocionante do que desenhar linhas retas. Você desenha? Para se divertir, eu quero dizer?" Eu dou de ombros, sem saber mais o que fazer. "Eu quero ser uma artista, Cam." Ela começa. "Eu gostaria que houvesse alguma forma de segurança no trabalho em ser um artista, mas não há. Então eu desenho. Eu não amo isso, mas eu faço. Porque você faz isso?" Viro-me para ela agora, mas ela já está olhando para mim. "Lucy é a única que viu o meu trabalho. Ela acha que devo mostrar ao mundo. Ela tenta me convencer a entrar em competições, mesmo que seja de forma anônima. Ela

268


pensa que eu sou bom, mas eu não sei se ela está apenas dizendo por dizer. Eu nem sei se ela sabe o que é bom." "Mostre-me." "Eu não tenho nenhum aqui." "Mentira." Ela murmura. "Se você for como eu, você sabe fazer sempre que algo lhe inspire. Não tenha medo." Ela desenha uma cruz sobre o seu coração com o dedo. "Eu vou ser honesta. Se for uma merda, eu vou te dizer. Quanto mais você vai saber?" Eu empurro para baixo os meus nervos. Minhas mãos já estão suando a partir do pensamento de realmente mostrar alguém. "Vamos lá." Ela me incentiva. Me abaixo para pegar minha mochila e puxo uma folha de papel. Eu desdobroa e coloco-a sobre a mesa. "Mostre-me." Ela diz, pulando em seu assento. Eu respiro fundo e força-a a ficar quieta. E então eu desenho. Ela engasga. Prendo a respiração. E, em seguida... "Cameron?" Lucy. Meus olhos se levantam. Meu mundo acaba.

LUCY

269


Às vezes me pergunto como foi para a minha mãe — saber que a cada dia as coisas iam de mal a pior, e ela não podia fazer nada sobre isso. E então eu me pergunto o que ela sentiu quando a luta acabou e ela deu seu último suspiro. Durante anos, eu me perguntava. Mas agora, eu acho que sei. Meus olhos estão fixos no esboço enquanto minhas lágrimas fazem-no borrar a cada segundo. É de Cameron. Eu sei que é, porque eu vivo e respiro a sua arte. Quando ele não está por perto, eu olho para seus desenhos — por horas, às vezes. Esboço por esboço, minhas fotos e da nossa vida juntos. Mas o que estou olhando — não sou eu. É ela. Ele fica de pé se movendo em minha direção, mas eu não posso me mover. Eu não consigo tirar os olhos do desenho dela. "Baby." Ele diz, pânico claro em sua voz. Meus olhos se fecham. Mais lágrimas do que eu pensei que eu poderia segurar escorrem pelo meu rosto. Eu me afasto quando ele me toca. "Foda-se Lucy, não é—" Dirijo-me para a saída antes que ele possa terminar. Eu corro para fora, onde eu finalmente me deixo respirar. "Lucy." Ele grita atrás de mim, puxando meu braço para que eu esteja de frente para ele. "Não é—" "Pare com isso!" Eu grito pelo meu soluço. "Basta parar, Cameron! Eu não quero ouvir isso." Ele puxa seu cabelo e amaldiçoa. Então ele olha para mim através dos seus cílios. "Eu amo você, Lucy." Ele suspira. E isso. Isso é tudo o que ele diz.

270


Minhas mãos estão em punhos. Meu coração bate com força contra meu peito. Eu quero gritar. Eu quero gritar. Mas também não quero. Em vez disso, aperto minha mandíbula e sussurro. "Eu não acredito em você." Ele dá um passo para frente, estendendo a mão para mim de novo. Mas eu me afasto de novo, revoltada com seu toque. Eu tento. Eu tento tão difícil me acalmar. Mas eu não consigo. Eu não consigo mais fazer isso, porra. "Quando você a desenhou?" Ele balança a cabeça e diz meu nome novamente. Mas não é uma resposta do caralho. E não é o suficiente. "Quando!" Ele esfrega os olhos com seu antebraço. Ele está chorando. Bom. Ele fodidamente merece. "Quando ela estava no meu dormitório uma vez." Eu sinto a bile subir na minha garganta. Eu quero vomitar. Eu quero tanto sentir outra coisa. Algo que não seja isso. Coloco minha mão contra o meu estômago, na esperança de aliviar a dor. "Vocês estavam sozinhos?" Deixo escapar outro soluço enquanto imagino-os. Trabalhando juntos. Sozinhos. Tão sós que ele tinha tempo para desenhá-la. Ele abaixa a cabeça, mas seus olhos continuam fixos no meu. E então ele acena com a cabeça, só uma vez, mas é mais do que suficiente. E mesmo que eu já soubesse a resposta, não faz a dor ou a raiva parar. "Lucy, isso não significa nada." E então eu o perdi. Empurro seu peito com tanta força que o faz dar um passo para trás. "Isso não significa nada?" Eu grito. "Cameron. Você disse que eu era a sua arte. Você disse que eu era o seu coração. E agora você está dizendo que não significa nada?" Sua mão se estende para mim novamente, mas eu me afasto. Eu odeio que ele possa me fazer sentir desse jeito. Eu odeio que ele possa me fazer odiá-lo. Meus ombros caem e tento nivelar a minha respiração. Eu tento falar, mas minha voz é tensa. "Isso era meu, Cam. Sua arte era minha. Era algo que você

271


compartilhava comigo. Só comigo." Meu corpo treme com cada soluço. "Você deu a ela um pedaço de mim. Uma parte de nós. Você compartilhou algo que era tão especial para mim, e você deu a outra pessoa. Deu-lhe o seu coração, Cam." Ele só fica lá me olhando, não é capaz de dizer uma palavra. Porque ele sabe, ele não pode dizer nada para torná-lo melhor. Para fazê-lo parar. Para fazer isso direito. Eu me viro, caminho para o meu carro, e corro para entrar, só assim eu posso chorar em paz. Então, eu posso deixar meu coração quebrar. Ele me segue, ficando no banco do passageiro. "Lucy, por favor." "Saia!" "Baby." "Cam, pare!" Ele recua com a dureza das minhas palavras, mas eu não me importo. "Você precisa parar. Tudo isso. Basta parar! Por favor. Você não pode continuar me machucando assim." Estou suplicando-lhe, pedindo-lhe que me deixe sozinha. "Eu não aguento mais isso!" Eu deixo cair a minha cabeça no volante e choro. E choro. E choro. "Dói muito." Eu digo mais para mim mesmo. Eu ouço-o fungar, vejo-o enxugando os olhos, mas não consigo me importa. Ele fez isso. Ele fez isso acontecer. "Dói pra caralho." Eu digo-lhe agora. "Você me machucou." Sento-me para que eu possa enfrentá-lo. "Basta sair, por favor, Cameron." Ele joga a cabeça para trás contra o assento. E é assim que nós ficamos. Comigo observando-o. Ele chorando. Eu soluçando. Sentindo tudo à nossa volta desaparecer lentamente. Eu estou desaparecendo.

272


Na escuridão. Assim como a minha mãe. Em seguida, ele abre a porta e sai do carro e nenhuma única palavra é falada.

273


CAPÍTULO 28 LUCY Passei a noite toda chorando, tanto que eu vomitei. Várias vezes. Eu disse a Rose que fiquei bêbado para celebrar as provas finais, ela não acreditou em mim, mas não me pressionou. Ela segurou meu cabelo enquanto eu fazia tudo o que podia para não bater na porta de Cameron e exigir uma explicação. Ela me ajudou a deitar na cama, e me segurou enquanto eu chorava, até que eu estava tão exausta de tudo isso que meus gritos finalmente perderam sua luta contra o sono. * Quando Minge abre a porta para o quarto na manhã seguinte com um sorriso no rosto, eu não o questiono. Quando ele vê que sou eu seu rosto cai e fecha parcialmente a porta, o alarme começa a tocar. Quando lhe pergunto o que está acontecendo, tudo o que ele pode fazer é balançar a cabeça, eu sei que algo está errado. Eu achato minha mão contra a porta e empurro-a para frente. Ele não me impede. Quando vejo Roxy sentada na cama de Cameron, eu morro um pouco. A porta do banheiro se abre e ele sai, vestindo apenas calças de moletom e uma toalha em volta do pescoço. Ele me vê primeiro, e todo o olhar que eu tenho no meu rosto, ele corresponde. E então seus olhos se movem para a garota em sua cama. A que eu não consigo nem olhar. "Foda-se." Ele cospe, apressadamente tomando os passos para chegar até mim. Dou um passo para trás, com as mãos para que ele saiba que eu não quero ele perto de mim. Eu engulo o vômito que está ameaçando fazer o seu caminho para fora. Tento fechar minhas mãos em punhos, mas há algo na minha mão direita que me

274


impede. E então a realidade se instala, e lembro-me porque estou aqui. Eu jogo o celular na sua cabeça e vejo-o esmagar contra a parede, quebrando em pedaços. Assim como a porra do meu coração. Ele não reclama. Ele não tira os olhos de mim. "O seu celular deve ter caído do seu bolso quando você estava no meu carro. Sua mãe ligou — quis saber sobre o jantar. Eu disse que sim, porque eu não tive coragem de dizer a ela." Ele dá um passo para frente, para fora do seu quarto, e fecha a porta atrás de si. "Dizer a ela o quê?" Eu balanço minha cabeça, tentando acalmar o meu coração. Tentando me acalmar. Tentando parar a vontade de socar sua cara de merda. "Dizer a ela o que, Luce?" "Que seu filho é um idiota." Se possível, sua carranca se aprofunda. E eu faço o meu melhor para agir como se eu não me importasse, quando por dentro, tudo o que eu quero fazer é perdoá-lo. Segurá-lo. Amá-lo.

CAMERON "Você está com raiva de mim?" Roxy diz, de braços dados com os meus quando saímos do exame final. Eu arranco meu braço da sua mão. "Eu não estou chateado com você. Estou chateado com o mundo inteiro, porra, mas você não está fazendo essa merda mais fácil para mim. Quer dizer, eu sou grato pela sua ajuda, mas você aparecer no meu quarto sem ser convidada—" "Ei, não é a primeira vez. Na última vez que apareci para ajudá-lo a estudar você não pareceu se importa."

275


Eu suspiro, derrotado. Porque ela está certa. Todos estão, e eu sou o errado da historia fodida. "De qualquer forma." Ela se anima. "Eu fiz alguns telefonemas sobre o seu carro — acontece que meu primo foi quem roubou suas rodas, ele pediu desculpas." Ela solta um riso cínico. "Ele passou hoje para colocá-las de volta, mas precisamos pegar o ônibus de volta para a minha casa." Com toda a merda acontecendo com Lucy e as provas finais, meu carro era a última coisa em minha mente. Enfio a mão no bolso à procura do meu celular para mandar uma mensagem para Lucy, mas eu não tenho um, porque ela decidiu que era uma boa ideia do caralho esmagá-lo contra a parede. Quando ela fez isso, eu não me importava. Agora, estou um pouco chateado. "Vamos." Eu digo a Roxy. "Mas eu preciso ir direto para lá e voltar, eu não tenho tempo para foder ao redor." * "Eu ia fazer uma ligação direta e levá-lo para dar uma volta." O primo de Roxy, Joe, diz. "Mas Rox disse que ia cortar minhas bolas e vendê-las. Ninguém quer essa merda." Eu rio. Ele continua. "Ela tem aquele fogo Latino, sabe?" Meus olhos vão para Roxy. "Você é Latina?" Ela zomba. Ele bufa. "O quê? Os peitos grandes e a bunda gorda já não mostram." Ela bate na parte de trás da sua cabeça. Ele ri, mas então seus olhos se apertam. "Há quanto tempo vocês dois estão se enroscando?" Eu engasgo. Ela fala por mim. "Nós não estamos. Cam já tem uma garota."

276


"Huh." Ele diz, em resposta, então se vira para Rox. "Hoje foi suas provas finais?" Ela acena com a cabeça. "Bom. Vou comprar uma caixa de cervejas — colocar em seu estúdio. Vamos beber." "Parece um bom plano." Ela diz através da sua própria risada. Joe me olha por um momento. "E você, garoto rico? Pronto para uma cerveja?" Não é realmente uma pergunta, porque sua mão já está enrolada em volta do meu pescoço e ele já está me levando pela casa. "Eu não sou rico." Digo-lhe, sentindo a agitação da cerveja na minha cabeça. Era para ser uma, mas eu estou na terceira ou quarta. Eu não sei. A única coisa que eu sei é que é a primeira vez em muito tempo que eu tenho relaxado e sido capaz de ser eu mesmo. "Sim?" Ele olha-me de cima a baixo. "Mas você dirige um Delorean? Essas coisas não são baratas." "O namorado da minha mãe comprou para mim. Ele é rico. Não nós. Nós somos... pessoas comuns." "Cidadão comum, o que significa pobre." Roxy opina. Eu me levanto e tropeço para pegar outra cerveja, sem me importar dela estar quente. Eu levanto uma para Joe em oferta. Ele balança a cabeça. Os dois riem. Eu não sei porque. Talvez por que meus movimentos são lentos por causa das cervejas, ou talvez seja outra coisa. "Não, mano." Diz Joe. "A temporada na reabilitação no AA já foi o bastante, fico com o refrigerante." Ele levanta a lata para me mostrar. Eu nem tinha percebido que ele não estava bebendo. Eu deixo suas palavras terminarem, e depois uivo de tanto rir. "O quê?" Ele pergunta, sorrindo quando faz isso. "O que é engraçado?" Eu me inclino para trás no sofá e espero que meu riso morra antes de falar. "Você está com medo de ir para o AA, mas você acha que não há problema em roubar rodas dos outros." "Ei!" Ele diz, apontando o dedo para mim. "Eu sou como o Robin Hood das rodas. Roubo dos ricos e dou aos pobres. Além disso..." Ele encolhe os

277


ombros. "Rodas de elevação nunca faz mal a família." Ele e Rox compartilham uma olhada, mas eu não me importo. "E a sua menina?" Joe pergunta do nada. "Lucy?" Ele encolhe os ombros. "Se esse é o nome dela." "O que tem ela?" "Ela é uma pessoas comum, também?" Eu ronco de riso. "O não, cara. Sua família é rica." "Huh." Ele diz. "Ela é bonita?" Instantaneamente, eu sorrio. Eu não percebo que faço, mas eu faço. E parece que a primeira vez. "Sim, cara. Ela é bonita. Linda. Sexy como o inferno, realmente." "Oh, merda. Você está tipo... apaixonado por ela?" "É claro." Eu digo-lhe, não perdendo o ritmo. "Eu a amava desde que tinha quinze anos e eu vou amá-la para sempre." Eu procuro meu celular de novo, antes de me lembrar que eu não tenho um, então eu pego minha carteira em vez disso. Eu abro-a e mostro-lhe a imagem de nós que continua lá. Ele solta um assobio. "Porra, cara, você não estava brincando." Ele dá um tapinha nas minhas costas, como se estivesse me parabenizando. Ele deve estar orgulhoso. Sinto-me orgulhoso. Eu fiz bem pra caralho com Lucy. Suas sobrancelhas se arqueiam, como se estivesse imerso em pensamentos. "Eu saio com garotas ricas, às vezes. Apenas por diversão, sabe? Mas eu nunca namorei uma. Uma coisa é o sexo, mas estar em um relacionamento..." Seu rosto se transforma em uma careta. "Isso tem que ser difícil. Quer dizer, para mim — eu sempre sinto que a relação é tipo um cronômetro... até encontrar algo melhor. Sinto que eu estava sempre tentando, sempre perseguindo, mesmo que eu já tinha uma garota." Suas palavras me atingem como uma tonelada de tijolos, porra. Eu não respondo, porque eu não sei como é. Em vez disso, eu me levanto e pego outra cerveja. E depois outra. E outra.

278


Eles continuam falando merda sobre suas vidas e suas famílias, sem nenhuma vez percebe que eu estava me afogando em um mar de minhas próprias inseguranças. "Ei, Cam." Joe diz depois de não sei quanto tempo. Eu ergo minha cabeça pesada e tento empurrar para trás os efeitos da bebida quando finjo um sorriso para ele. "Ei." "Onde está a sua menina? Vocês dois não deveriam estar comemorando?" Meus olhos se arregalam com a sua pergunta. "Merda." Então eu rio, porque eu não tenho outra escolha, porra. "Eu tenho que ir."

LUCY Seu carro para no restaurante, música alta e freios guinchando. Eu olho para Heather e Mark por um momento, mas eles estão muito ocupados assistindo a cena. A porta do passageiro se levanta; Roxy sai primeiro, e depois Cameron por debaixo dela. Eu paro olhar — com o coração partido de ver mais. "Que diabos?" Resmunga Heather. Ela diz meu nome, mas eu finjo não ouvi-la. Eu olho para a mesa, tentando esconder minha tristeza e decepção que eu tenho certeza que são evidentes. "Ei." Ele diz, tomando seu assento ao meu lado. "Alguém mais está dirigindo seu carro?" Marcos pergunta. "Sim." Cam ri. "Está tudo de bom. O cara tem medo do AA — ele está reto como uma flecha." Ele põe a mão na minha perna debaixo da mesa. "Ei, baby." Ele beija minha testa rapidamente, e depois se afasta. "Mãe." Eu não sei qual é a sua reação porque eu estou com muito medo de olhar para cima.

279


"Então." Cam diz em voz alta. "O que vocês pediram?" Heather suspira. "Nós já comemos." Os dedos de Cam se movem na minha perna. "O que você quer dizer?" Eu empurro sua mão de cima de mim e, finalmente, levanto o meu olhar. Ignorando o fedor de cerveja que vem dele, e encaro-o. Minha voz sai em sussurro. "Você está três horas atrasado, Cameron." Seu rosto cai e ele olha em volta da mesa. "Huh." Ele diz. "Teria sido legal se eu tivesse meu celular para ver a hora." Ele olha entre Mark e Heather. "Será que Lucy disse que ela o jogou na minha cabeça e o esmagou em uma parede?" Ele solta um riso amargo. "Aposto que a princesa não lhe disse isso." E agora eu estou chorando. Eu freneticamente enxugo minhas lágrimas e fico de pé. "Eu já vou." Eu murmuro. Fecho os olhos e tento recuperar a minha compostura. "Heather, Mark, foi bom vê-los novamente. Eu vou ter a certeza de visitá-los durante o verão." Eu não espero por uma resposta. Corro para recolher minhas coisas para que ninguém me veja quebrar. Sinto sua mão em meu braço, me girando para encará-lo. Ele está de pé agora, elevando-se sobre mim. "Então o que?" Ele se encaixa. "As coisas não estão indo como você esperava?" Eu olho ao redor do restaurante, sabendo que as pessoas estão assistindo. "E quanto a mim, Luce? Você acha que eu queria que fosse assim? Nunca! Você acha que eu quero estar aqui... fingindo ser o namorado feliz? Toda a porra do tempo, que é o que eu faço." Sua voz fica mais alta com cada palavra. Eu vacilo, suas palavras me machucam fisicamente. Porque elas fazem. Elas me machucam pra caramba. "Eu estou tão cansado dessa pressão. Toda essa pressão maldita." Eu quero falar. Quero dizer-lhe para se calar. Mas eu não consigo respirar. Finalmente, ele solta meu braço. "Você poderia ser um arquiteto, Cam'." Ele zomba. E então ri mais uma vez. "Seu pai me disse que eu poderia ser um arquiteto e, de repente, eu estou mudando minhas aulas de merda e refazendo

280


todo o meu plano de vida. Você queria ir para a UNC, de modo que é onde eu estou. Nunca você me perguntou o que eu queria, Lucy. Nem uma vez." Lágrimas silenciosas caem e eu limpo-as. Mas não desvio o olhar. Eu quero olhar para o seu rosto, então vou me lembrar claramente do momento em que ele me destruiu. Nós destruiu. "Seu pai me 'incentivou', fazendo-me uma caixa de projetos e eu deveria apreciá-lo, quando, na verdade, o que ele queria dizer era: 'Ei, pobre idiota, você não é bom o suficiente para a minha filha, faça algo de si mesmo!" "Cameron!" Heather diz. Eu continuo chorando e sentindo cada parte de mim caindo aos pedaços. "Ele está bêbado." Mark tenta acalmar Heather. Mas se ele está bêbado ou não, não faz diferença. "Eu estou afundando sob esta pressão, Lucy! De você, dos meus pais, do seu pai. Todos vocês esperam que eu seja alguma coisa e eu nem sei se quero ser isso! As aulas, a escola, a bolsa de estudos, o trabalho... Eu nunca quis isso. Eu nunca pedi por isso! Você fez! Você quis que eu fosse isso!" Suas palavras saem cortadas, duras. "Ah, e a bolsa!" Ele ri de novo, o mesmo riso amargo. "Você não acha que eu não sei de tudo? Nenhuma empresa queria me apoiar. É o dinheiro do seu pai, eu não sou idiota, Lucy." Ele está no meu rosto agora, apontando o dedo para mim. Suas sobrancelhas estão franzidas e seus olhos arregalados. Ele está tão louco, mas ele está tão errado. "Como diabos você pensa que eu me sentiria? Eu não posso falhar. Não posso deixar a bola cair. Vou decepcionar a todos. E tudo o que vocês fazem é me empurrar cada vez mais. Estou na porra da borda aqui, Lucy! quanto mais você pode me empurrar?" Eu respiro fundo, minha voz tão calma em comparação com seus gritos. "Eu não sabia que eu estava empurrando você, eu apenas pensei que estava te encorajando—" Seus olhos reviram, me cortando. "Claro que não, Luce!" Ele grita de novo, mais alto do que nunca. Pessoas ofegam. Eu recuo.

281


"Você não entende! Você não entende! Porque tudo já foi entregue a você. Você foi criada com uma colher de prata na boca e você nunca teve de se preocupar com nenhuma maldita coisa em toda a sua vida de merda!" E é este. O momento de destruição. Meu corpo treme. Não de soluço. Ou a adrenalina. Mas a partir da dor. Meus olhos se fecham. Eu inspiro. Uma vez. Duas vezes. Parece uma eternidade. Minhas mãos se apertam em punho. "Lucy, querida." Heather murmura. E eu não preciso vê-la para saber que ela está chorando. Respire. Inspire. Expire. Uma vez. Duas vezes. Meus olhos se abrem, fixo em Cam. Todo o sangue foi drenado do seu rosto. Seus ombros caídos. Seus olhos suaves. "Lucy?" Mark suspira.

282


Viro-me para ele e finjo um sorriso perfeito que eu dominei quando tinha quinze anos. "Eu estou bem." Eu digo a ele. É simples. Uma única mentira. "Eu te vejo mais tarde." E então eu vou embora. Longe do meu para sempre.

CAMERON Seus olhos se abrem, e quando o fazem, eu morro. Que porra é essa que eu acabei de fazer? Faz anos. Cinco, para ser exato, desde que eu vi aquele olhar em seus olhos. O mesmo olhar que ela tinha quando a vi na lavanderia em sua casa após o funeral de sua mãe. A calmaria antes da tempestade — só que desta vez, não houve tempestade. Nenhuma ruptura da barragem. Naquela época, eu queria ser a razão para esse olhar calmo em seus olhos. E agora eu sou, mas era do tipo errado. Eu deveria ter sido sua calma. Não a razão. Eu caio de volta na minha cadeira, perguntando como diabos eu vou resolver isso. "O pai dela não está pagando por seus estudos." Minha mãe diz calmamente. "O primeiro ano foi genuíno, Bradman lhe deu a bolsa. No ano seguinte, eles queriam retirá-lo. Não foi benéfico para eles. Tom sabia — ele veio até nós, se ofereceu para pagar por isso." Meu olhar se levanta, tentando me concentrar nela. "Eu não aceitaria isso, Cameron. E eu sabia que você também não. Então, eu vendi a casa e procurei por Bradman, pedi-lhe para dizer que veio deles, porque eu sabia que você não aceitaria isso de mim. Eles disseram que iriam fazer se você trabalhasse lá. Eu não sabia, Cam. Eu não sabia que isso

283


iria ser demais para você, e que você ficaria assim." Ela funga e enxuga as lágrimas, então se vira para Mark. "Eu estou indo atrás de Lucy, ela precisa de uma mãe agora." Há uma dor aguda. Mesmo no meu coração. Eu quero que machuque — mais do que faz. Eu mereço sentir a dor. Mark — ele apenas balança a cabeça, com um olhar de desgosto em seu rosto. "Quando você se tornou um babaca?" E então ele se levanta, e sai. Todo mundo sai. Uma figura familiar segurando uma bandeja vem em minha visão. Ela começa a tirar a mesa. Eu me jogo na minha cadeira, estendo as pernas para fora, e inclino a cabeça para trás, olhando para o teto. "Eu estraguei tudo, Amanda." Ela não responde, apenas continua a limpar a mesa. Sento-me agora, tentando me recompor. "Eu perdi ela e acho que eu nunca vou tê-la de volta." Seus movimentos congelam, e depois ela me encara, com os olhos cheios de lágrimas. "Pelo menos você sabe o porquê, Cameron. Eu nem entendo isso."

284


CAPÍTULO 29 CAMERON Depois que todos foram embora eu me sentei no bar e bebi até que eu não podia sentir meu rosto. Amanda me ignorou o tempo todo. Ela me odeia também. Eu queria ligar para Lucy, mas eu não tinha celular. E duvido que ela fosse atender. Eu acho que Ethan, irmão de Amanda, que estava lá esperando por ela, me deu uma carona para casa. Digo eu acho, porque eu realmente não me lembro. Acabei no seu quarto, batendo mais alto do que deveria. Rose respondeu, mas me disse que ela não estava em casa durante toda a noite. Agora, estou sentado em meu cubículo na firma com a cabeça sobre a mesa e os braços cobrindo-o, tentando me afogar na minha própria auto-piedade e tristeza. "Ei C-Cam." Eu resmungo em resposta. "Eu trouxe seu carro de volta, como você está se sentindo?" Um martelar em minha cabeça. Dores no corpo. Meu coração está morto. Eu tento responder, mas tudo o que posso fazer é gemer. "Levanta daí." Ela diz. Mas eu sou lento, e então a voz de Lucy enche meus ouvidos. "Cameron." Minha cabeça se levanta. Meus olhos encontram os dela. E, de repente, eu estou em alerta. Eu sei que meu coração está vivo de novo porque está martelando tão forte, tão rápido. "Babe." Eu murmuro. Ela sorri. O mesmo sorriso falso da noite passada. E desde os dias depois que sua mãe morreu.

285


Roxy se move da sua posição inclinada sobre a mesa. "Eu já vou." Ela diz lentamente. "Não." Lucy a corta. Isso foi rápido. Muito rápido. Ela tem medo de ficar sozinha comigo. "Está tudo bem, Roxy, fique." Seus olhos se movem para mim. "Eu só vim aqui para dar-lhe a chave da cabana e trazer suas coisas do meu dormitório." Só agora posso vê-la segurando uma caixa. Todas as minhas merda estão lá dentro, incluindo o folio onde guardava todos os meus esboços. O meus desenhos dela. Meu coração. Ela continua: "Eu limpei o quarto durante a noite, então eu queria dar a você." Foda-se. A queimadura em meu peito é tão forte que eu sinto que vou estourar. Eu me levanto e limpo minha garganta. "Eu pensei que estávamos saindo no domingo?" Ela sorri novamente. Eu nunca odiei um sorriso tanto em toda a minha vida fodida. "Eu sei que você queria ficar na cabana, porque você me disse que se sente estranho ficando na casa do Mark." Isso era uma mentira. Eu não me importava onde eu ficaria, mas eu queria estar com ela. Sozinhos. Eu a queria só para mim, por isso inventei isso. "Eu disse ao meu pai que você vai ficar lá. Eu não disse a ele o que aconteceu, então você não tem que se sentir desconfortável." Mesmo sabendo que o pior está acontecendo, ainda assim, eu pergunto: "O que quer dizer com o que aconteceu?" Foda-se ela me dá o sorriso falso de novo. Foda-se tudo. Ela coloca a caixa sobre a mesa, e a chave ao lado dela. "Eu tenho que ir." Ela suspira, olhando para o chão. "Micky está me esperando." Seu olhar se levanta. Seus olhos perfuraram os meus. "Ela está me levando para o aeroporto, Cameron." "O quê!" Eu dou um passo em frente e agarro sua mão. "Onde você vai?" Ela se afasta do meu toque. "Eu só vou para longe um pouco."

286


"Longe?" Meu coração bate mais rápido. Mais forte. Pânico corre através de mim. "Longe?" Repito. "Longe de mim?" Ela tem aquele olhar em seus olhos novamente. Essa calma que não deveria existir, não quando o mundo à nossa volta está desmoronando. Ela acena com a cabeça uma vez. E eu me perco. Puxo seu braço e arrasto-a para um escritório vazio. Batendo a porta atrás de mim, eu me volto para ela. "O que diabos está acontecendo agora?" Eu digo. Ela apenas está lá, com os braços ao lado do corpo e tristeza em seus olhos. Eu nunca esperava ver ela assim novamente. Eu entrelaço nossos dedos. Ela permite. Então me inclino contra uma mesa e puxo-a entre as minhas pernas. Ela puxa a mão da minha e levanta-a, enxugando as lágrimas no meu rosto. Eu não consigo parar de chorar. O nome dela deixa meus lábios. Soa como uma súplica. "Eu sinto muito, Cameron." Ela sussurra. Por que diabos ela está se desculpando? "Eu sinto muito que você se sentiu como se eu tivesse empurrando você, ou te pressionando—" "Pare." "Não." Ela descansa sua testa contra a minha. "Eu preciso dizer isso, e você precisa ouvir." Sua voz está tensa enquanto ela fala através dos seus próprios gritos. "Eu acreditei em você, e sua arte, tanto que pensei que estava te encorajando. Nunca pensei que—" Sua voz falha, ela limpa-a antes de continuar. "Eu nunca pensei que estava te pressionando, ou empurrando. E eu sinto muito. Sinto muito se você se sentiu que não fosse bom o suficiente. Sinto muito que eu nunca disse que te amaria, independentemente do que você escolhesse. Independentemente de quem você queria ser. Eu sinto muito que o nosso tempo juntos foi sobre mim. E que você sempre foi sobre mim. Cameron..." Ela para e respira fundo. Nós dois fazemos. Nossas testas se tocando, respirando o mesmo ar, mas não há espaço infinito entre nós. "Eu te amei antes que você me dissesse. Te amei antes que você me beijasse. Eu amei você todos os dias desde que tinha quinze anos. E eu te amei mais a

287


cada dia que passou. Mas na noite passada, você me destruiu. Você tomou esse amor e me arruinou." Eu deixo a minha cabeça cair em seu ombro e soluço incontrolavelmente. Eu solto sua mão e envolvendo meus braços ao redor da sua cintura. Eu não quero deixá-la ir. "Eu estraguei tudo." Eu digo a ela. "Eu fodi tudo. E eu não queria dizer nada daquilo." Ela não pode controlar seus gritos. E nem eu. Ela se inclina para trás, segura minha cabeça com as duas mãos e me olha bem nos olhos, enxugando minhas lágrimas. "Eu teria amado você, todos os dias, para sempre, Cameron." Minha cabeça se agita lentamente de um lado para o outro, porque eu sei o que isso significa. E eu não quero que isso aconteça. "Não diga isso." Eu quase grito. "Não, Lucy. Por favor. Você está falando como se tivéssemos terminando. Que tudo acabou." Eu paro para respirar. "Prometemos um ao outro o para sempre. Você não se lembra? Sempre, Luce. Você me prometeu." "Nós dois fizemos." Ela diz, com a voz calma agora. "Prometemos um ao outro o nosso para sempre. Mas talvez o nosso pra sempre não seja eterno." Meus dedos se curvam na parte de trás do seu vestido. Eu não quero ouvir nada disso. Eu não quero acreditar. "Não diga isso." Eu imploro. Rogo. "Eu não sei como consertar isso." Ela se inclina para trás, tentando soltar minhas mãos dela. Eu aperto-a com força. "Cam, por favor." Ela soluça. "Eu tenho que ir. Isso dói muito." E com essas palavras, eu a solto. Porque a última coisa que eu queria era machucá-la. Ela inclina-se na ponta dos pés, o gosto salgado, de ambas as nossas lágrimas combinam com o nosso beijo. Um beijo. Um adeus final. "Eu te amei tanto." Ela sussurra. E então ela se foi.

288


Eu deixo cair a minha cabeça em minhas mãos e sento-me no chão, exausto demais para ficar em pé. E então eu choro. Fico com raiva. Choro. Fico com raiva. E então eu faço tudo de novo. Porque ela disse que me amava. Ela me amava.

289


CAPÍTULO 30 LUCY Lucas me encontra no aeroporto de New Jersey. Ele foi o único que respondeu quando liguei ontem à noite para falar com meu pai sobre Cameron ficar na cabana. Ele soube imediatamente que algo estava errado. Eu disse a ele o que tinha acontecido, e disse-lhe para não contar a ninguém. Ele deixou-me chorar por nem sei quanto tempo. E quando ele soube que eu tinha terminado, ele disse. "Luce, eu sinto muito. Merdas assim acontecem. Você não merece isso. Vamos ferrar tudo." Eu rio, e vinte minutos depois, tínhamos vôos reservados para Nova Jersey. Esperamos do lado de fora do aeroporto pela minha amiga Claudia e seu irmão Jason aparecerem. Todos nós crescemos juntos. Jason e Lucas eram inseparáveis quando eram crianças, e mesmo agora anos depois, é como se o tempo não tivesse passado. "Então, meus pais estão fora por algumas semanas, em algum lugar de Bahamas. Nós temos a casa só para nós." Informa Claudia, piscando para mim do espelho retrovisor. Eu tento sorri, mas a dor no meu coração não deixa. "Quão pequena é a porra do seu carro?" Lucas diz de perto de mim. Ele está agachado no pequeno espaço de duas portas de Claudia. "Meu nariz está coçando, mas eu não—" Ele começa a mexer ao redor, fazendo um show de não ser capaz de se mover. Eu coço seu nariz como uma brincadeira. Ele suspira quando eu faço. "Você tem sorte de ser você da altura da mamãe." Ele me diz. Eu rio. Um riso verdadeiro. Ele sorri quando ouve isso. E então algo me bate, quanto às coisas mudaram. Sinto falta da minha família. Sinto falta da minha amiga. "Ei." Diz Jason, girando em seu assento para olhar para nós. "Sua mãe era o que? 1,40 de altura? E o seu pai o que? 1,90?" Lucas e eu olhamos um para o outro rapidamente, e, em seguida, aceno para Jason.

290


Seu nariz torce. "Como eles faziam sexo? Um monte de estilo cachorrinho eu acho." "CARA!" Lucas grita. "Isso é doente." Digo a ele. Claudia diz. "O que te faz pensar sobre os seus pais fazendo sexo?" Lucas solta um som de engasgos. Eu me inclino para trás na cadeira e olho pela janela, prometendo a mim mesmo tentar. Tentar viver sem o meu para sempre. * "Ele não ligou?" Claudia se senta na cadeira ao lado da minha. "Ele não tem mais celular, então não. Mas eu não sei se ele faria. E não sei se eu atenderia. Acho que preciso de tempo, sabe? Ela sorri. "Você está triste?" Eu levanto os meus óculos de sol em cima da minha cabeça e encaro-a. "Não, Claud. Estou devastada." *** No dia seguinte, Jason e Lucas passam umas boas três horas relembrando seus tempos de colégio. Eles gostaram tanto que no dia seguinte, cinco de seus amigos apareceram em casa para sair com eles. Agora, existem sete garotos na casa. A piscina está sempre sendo usada, a música está sempre alta e álcool está sempre fluindo. E é assim que tem sido nas duas últimas semanas. Às vezes, Claudia tenta falar sobre Cameron. Eu realmente não tenho muito que dizer, então fico quieta. Mas isso não significa que eu não pense nele. Durante todo o tempo. "Você acha que já é hora?" Ela disse uma vez. Eu perguntei o que ela queria dizer. Ela apenas deu de ombros e disse: "Ele sempre foi tão perfeito, que você sempre precisava e queria. Você sempre o fez parecer tão perfeito, e eu

291


realmente nunca acreditei em você. Cinco anos vocês estiveram juntos e esta é a primeira vez que você pode dizer algo ruim sobre ele? Então, ele tem falhas, e daí? Talvez seja isso que o torna perfeito."

CAMERON Jake: Kayla me disse que passou pela cabana, mas Lucy não estava lá. Eu jogo o meu celular na mesa do centro de Jake e Micky e caio de volta em seu sofá. Eu estive hospedado aqui desde o dia que Lucy se foi. Eu não me preocupei em ir para casa. Eu não queria ficar na nossa — quero dizer sua— cabana. E minha mãe e Mark... Eu não posso nem lidar com a decepção em suas vozes e muito menos ver seus rostos. Lentamente, eu me levanto e tropeço para o frigorífico para pegar outra cerveja. Isto tem sido a minha vida nas últimas duas semanas, sentado em torno e sentindo pena de mim mesmo e bebendo até que eu não possa mais pensar. Pensar dói pra caralho. Então faz sentindo. Há uma batida na porta. "Lucy." Eu sussurro. Meu coração bate enquanto eu tento reunir meus pensamentos, tento me lembrar da última vez que tomei banho. Eu cheiro minha axila, e depois a minha camisa. Eu acho que estou bem. Outra batida. "Espere!" Eu dou uma olhada ao redor do quarto, não há nada, além dos pacotes vazios de fast-food e latas de cerveja. Knock knock. Foda-se. Tomando passos largos para chegar até a porta mais rápido, eu coloco a minha mão na maçaneta e respiro fundo tentando me acalmar. "Você consegue." Eu abro a porta.

292


"C-Cam." Meus ombros caem, juntamente com todo o meu corpo, porra. "Você não parece feliz em me ver." Ela murmura. "Roxy." Concordo com a cabeça, deixando a porta aberta e sento-me no sofá. Ela fecha a porta atrás de si e me segue, sentando-se ao meu lado. "Como diabos você sequer sabia onde eu estava?" "Fui atrás do seu companheiro de quarto em uma festa na noite passada, ele me disse." Minge fodido. Ela acrescenta: "Então, eu provavelmente não preciso perguntar como você está indo... pelo estado da sua aparência. Acho que você e Lucy terminaram?" Eu me empurro para ainda mais longe dela e apoio os cotovelos sobre os joelhos. "Eu não sei." "Cameron." Ela diz, se aproximando de mim e passando a mão pelo meu braço. Eu tento não me mexe com o seu toque. Ela suspira. "Você quer tirar ela da sua mente?" Eu rio um pouco. "Se você sabe um jeito que me faça parar de pensar nela, então me diga." "Cameron." Ela diz novamente. E é uma espécie de liquidação de familiar de uma forma que eu não consigo explicar. "O quê?" O calor de sua mão na minha perna me faz olhar para ela pela primeira vez desde que ela chegou aqui. Ela sorri para mim e minha guarda cai um pouco. Ela é a primeira pessoa que me tratou como se eu realmente tivesse sentimentos. "Nós somos amigos, certo?" Ela pergunta. Eu dou de ombros. "Eu acho." Sua mão se move mais para cima na minha perna. "Eu poderia ajudá-lo a esquecê-la."

293


Ela sussurra. Meus olhos se estreitam. Minha mente começa a perceber tudo. Então mil malditas emoções correm através de mim. "Posso te perguntar uma coisa?" "Qualquer coisa." Ela diz, sorrindo novamente. "Você está a fim de mim? Tipo a fim mesmo. Alguma vez você quis ser mais do que apenas amigos? Com toda aquela ajuda nos estudos e toda essa merda — era mais do que isso?" Ela olha para o lado por um momento, como se pensasse nas suas próximas palavras. "Meio que pensei que eu estava sendo óbvia." Meus olhos se fecham. Inspire. Expire. Sua mão na minha perna aperta um pouco. Ela diz o meu nome novamente. E agora eu sei o que Lucy sentia todas as vezes que eu a lia, a calmaria que ela sentia, o caminho certo antes da tempestade. Abro os olhos, a bebida não faz absolutamente nada para a minha cabeça agora clara. "Mas você sabia que eu amava Lucy, certo? Quero dizer, eu nunca disse ou fiz qualquer coisa para fazer você se sentir de outra forma. Nunca houve um tempo em que eu te fiz acreditar que escolheria você à ela." Seus olhos procuram os meus quando ela fala. "Era apenas uma questão de tempo." Ela diz com uma confiança injustificada. "Você e eu, nós somos as mesmas pessoas. Ela é diferente de nós, Cameron. Ela é melhor do que nós. Pessoas como você e eu pertencemos um ao outro. Para ela, você era apenas uma fase. Um hobby. Um momento sujo." "Cale-se!" Eu murmuro.

294


Ela ri, sem acreditar. Se ela fosse um homem, eu a socaria. "Você não sabe nada sobre nós, ou o nosso relacionamento. Você não sabe de nada." Eu balanço minha cabeça e fico de pé, e então eu libero a tempestade. "Você se aproveitou de mim, Roxy. Você sabia que eu precisava de ajuda e você se tornou isso, mas eu não tinha ideia do caralho das suas segundas intenções. Talvez para você, o que você estava fazendo era óbvio, e talvez eu seja ingênuo, ou talvez eu esteja tão apaixonado por outra garota que nem sequer notei. Nunca pensei em você assim. Nem uma vez. Nem mesmo por um segundo. Mas você está certa sobre uma coisa: ela é melhor do que eu. E eu sou o idiota mais sortudo do mundo por tê-la durante o tempo que eu tive. Então, se as coisas funcionarem ou não com a gente — basta lembrar que isso não tinha nada a ver com você. Você não ganhou. Eu não vou deixar." Seus olhos se apertam em fendas. Ela abre a boca para falar, mas eu a corto. "Eu estou indo para o meu quarto. Você tem cinco minutos para você e sua roupa de puta saírem daqui, e se você não fizer isso, eu não tenho nenhum problema em chutar sua bunda gorda para fora da porta." Eu ando para meu quarto e bato a porta, em seguida, inclino-me contra ela e solto a cabeça entre os ombros. Eu tento acalmar o nível da minha respiração. Tento acalmar os meus nervos. Tento achar a calma novamente. Porque ela trouxe uma insegurança que eu sempre tive, mas nunca me deixe pensar. * Meia hora depois, há uma outra batida. Eu não me incomodo em ter esperanças neste momento. Minge está do outro lado com um pacote de cerveja. Como se eu precisasse de mais cervejas. "Ei." Eu digo. "Que nojo." Ele fareja o ar. "Você cheira a pés fedidos." Eu abro a porta e sento-me no sofá, o meu lugar favorito em todo o mundo. "Eu trouxe cerveja como um pedido de desculpas." Ele diz.

295


"Por que você está arrependido? Porque Lucy me deixou? Isso não é culpa sua." Ele define a cerveja sobre a mesa e se senta na cadeira. "Não, porque eu estava tonto na noite passada e disse a gostosa, Roxy, onde você estava." "Ela não é quente." Eu murmuro. "Talvez não tanto quanto Lucy, mas para mim ela é gostosa." Eu não respondo. "De qualquer forma." Acrescenta. "Eu apenas pensei em passar por aqui e pedir desculpas, e avisá-lo de que ela poderia aparecer em breve." "Ela já apareceu." "Oh merda. Como foi?" Eu ignoro a sua pergunta e inclino a cabeça em minhas mãos. "Eu preciso falar com Lucy." "Você ligou para ela?" Eu encaro-o agora, suspirando alto. "Estou com medo." "Por quê?" "Porque e se ela não atender? Ou desliga na minha cara? E eu não estou lá para ver o seu rosto, para saber o que ela está sentindo, então eu vou passar o resto da minha vida me perguntando por que ela fez isso... acho que preciso vê-la, tipo, pessoalmente." "E você não sabe onde ela estar?" Eu balanço minha cabeça. "Bem... eu quero dizer, você conhece-a desde sempre. Você conhece todos os seus amigos e familiares. Ela disse que estava indo para o aeroporto, certo? Então, onde ela poderia estar que precise voar para chegar lá?"

296


Eu belisco a ponta do meu nariz, tentando impedir a batida na minha cabeça. E então algo me bate. "Foda-se. Preciso de dinheiro para uma passagem de avião." "Eu tenho dinheiro." "O quê?" "Sim, eu tenho dinheiro. Não deixe que essas roupas de merda e má higiene enganá-lo." Ele ri. "Quanto você precisa?" "Como diabos você tem dinheiro, você não tem sequer um carro." Ele rola os olhos. "Eu sou um espírito livre. Salvo o meio ambiente e toda essa merda. Embora, eu precise alugar um carro por algumas semanas. Você tem um carro. E se eu pudesse alugar o seu. É tipo como o destino, hein?" Mesmo que eu esteja suspeitando de que ele esteja falando merda por um momento, eu realmente considero a possibilidade. Mas só por um momento, antes da realidade cair em cima de mim. "Eu não posso." Eu digo, chateado com o mundo. "Eu tenho que trabalhar na segunda-feira." "Então, hoje é sábado... significa que você terá amanhã. Para onde é que você está pensando em ir?" "New Jersey." Ele sorri. Eu sorrio. E de alguma forma, o mundo começa a girar novamente.

297


CAPÍTULO 31 LUCY Eu desligo o meu e-reader — incapaz de me concentrar nas palavras — e tomo um gole do meu refrigerante. Eu não gosto de tomar álcool quando Cam não está por perto. "É melhor se acostumar com isso", murmuro para mim mesmo. "O quê?" Lucas diz, sentado na cadeira à minha frente. Nós passamos quase todos os dias fora, dentro ou ao redor da piscina. "Nada." Eu respondo. Ele balança a cabeça, mas continua a olhar para mim de forma estranha. Eu vejo o caos acontecendo na piscina cheia de garotos de dezessete anos de idade. "É muito legal aqui." Ele diz. "Foi assim que foram a sua última ferias de verão?" Balanço a cabeça lentamente, e respondo. "Eu acho." Suas sobrancelhas se arqueiam. "Quando meu pai construiu a cabana?" "Final de junho." "Ohhhh." Ele balança a cabeça lentamente, em seguida, suas características mudam para um olhar de desgosto. "Eu acho que posso adivinhar o que você fez até então." Eu rio. "Não foi só isso. Nossos amigos estavam lá. Substituímos a piscina com o lago, o bar com uma fogueira, e a mansão com a minha cabana, chega bem perto disso." Ele abre a boca para falar, em seguida, fecha-a, em seguida, abre-a, em seguida, fecha-a novamente. "Diga." Eu falo a ele. Ele sorri, mas é triste. "Você tem falado com Cam desde que saiu?"

298


Meu olhar cai. "Não." "Lucy..." Suspira. "O quê?" "Quando eu disse que deveríamos vir para cá, eu meio que quis dizer que significava alguns dias. Pensei que talvez você precisasse fugir, limpar sua cabeça. Eu achei que nós não ficaríamos aqui por duas semanas. Eu acho que não foi um grande negócio, sabe? " "Lucas, eu estive com Cam por cinco anos, como não é um grande—" "Não foi isso que eu quis dizer." Ele me interrompe. "Apenas me dê um segundo..." Eu espero. E espero. "Eu conheço Cameron há muito tempo." Ele começa. "Desde que o conheço. Ele é como um irmão para mim, Lucy. Ele é um irmão para todos nós. Sabe quando as pessoas perguntam a Lachlan quantos irmãos e irmãs ele tem, ele diz que tem uma irmã e seis irmãos, ele sempre, sempre, diz o nome de Cam em primeiro lugar." Eu deixo cair os óculos de sol que estavam na minha cabeça para cobrir meus olhos; protegendo-os das lágrimas que eu sei que estão próximas. "Depois que a mamãe morreu, ele estava lá. Ninguém sabia por que, mas ninguém perguntou. Quando as merdas ficaram ruins com o papai, ele o enfrentou por você. Ele fez o que eu queria fazer, mas nunca poderia. Quando você teve as crises de—" "Você sabia?" Eu tremo. Ele balança a cabeça. "Todos nós sabíamos, Luce. Nós simplesmente não sabíamos o que fazer para ajudá-la. Mas Cam — ele sabia. De alguma forma, ele conseguiu fazer você parar. Ele te salvou, e isso significa que ele salvou a todos nós, porque você era a nossa rocha. Você se tornou um pai para nós quando não tínhamos ninguém. E o que era necessário salvar. Você precisava de alguém para ajudá-la a carregar esse peso."

299


Tento respirar através da dor, por meio da dor, através dos gritos que estão querendo escapar. "Eu só acho que você deveria talvez falar com ele, Lucy. Acho que o garoto de quinze anos de idade, que desistiu do seu mundo por você merece isso. Você não acha?" Concordo com a cabeça, porque o caroço gigante na minha garganta não me permite falar. "Bom." Ele diz, com um leve sorriso no rosto. "Porque ele está aqui." "O quê!" Ele sacode a cabeça para o portão lateral onde Cameron está de pé, olhando para o chão com as mãos nos bolsos. "Você disse a ele onde estávamos?" Ele balança a cabeça. "Não, eu estava lá na frente, quando um táxi o deixou." Olho para Cameron novamente. Meu coração bate tão rápido, tão alto, que eu sinto em todos os lugares. "Não agora!" Peço a Lucas. "Agora Luce." Ele diz, levantando-se do seu assento. "Está na hora." Eu respiro fundo tentando me acalmar, enquanto eu o vejo se levantar e girar sobre os calcanhares. "Ei..." Ele se vira. "Eu te amo, Lucy come meleca." Deixo escapar uma risada. E um grito. "Eu também te amo, Lucas cheiro de bunda." Ele balança a cabeça e vai embora... Indo em direção de Cameron. Do cara que eu passei duas semanas tentando esquecer. A cabeça de Cam se levanta quando vê Lucas se aproximando. Eles apertam as mãos, em seguida, ele olha para mim. E o meu mundo para. Respire. Inspire.

300


Dentro. Fora.

CAMERON "Ei." Eu não tinha ficado tão nervoso desde os poucos segundos que eu finalmente tomei coragem para beijá-la pela primeira vez. Sento-me na cadeira que Lucas estava, mas estou distraído. Quem são todos esses caras e por que eles estão aqui? "Ei." Ela diz em voz baixa. Meus olhos se fecham quando sinto sua mão no meu rosto. "Pare com isso." Ela sussurra. Eu tomo coragem de abri-los para que eu possa vê-la. E quando faço, meu mundo para. Ela levanta os óculos de sol de sua cabeça e seus claros olhos azuis perfuram os meus. "Parar com o quê?" Eu murmuro. Ela sorri suavemente. "Isto." Ela esfrega a mão no meu queixo. "Sua mandíbula tensa... e isso..." Seu polegar escova o espaço entre as minhas sobrancelhas franzidas. "São os amigos de Lucas e Jason. Não se preocupe." E por alguma razão estúpida isso significa alguma coisa. Como se ela soubesse que eu estou pensando e se preocupa o suficiente para aliviar meus medos. "Ei." Eu digo de novo, porque não sei mais o que dizer. E então eu olho-a, e minha mandíbula fica apertada e minhas sobrancelhas franzem novamente. Ela está em um biquíni branco, e nada mais. "Podemos falar, em algum lugar mais privado?" "Hum." Ela olha em volta, como se estivesse com medo de ficar sozinha comigo. "Ok." Ela se levanta e eu a sigo, andando atrás dela ao longo do comprimento da piscina. Os moleques olham para ela com a boca aberta. Eu tento encarar a todos, um por um. Sorte minha que Lucas está do meu lado. "Parem de olhar para minha irmã, idiotas. Se eu pegar vocês fazendo isso de novo, eu vou dar uma surra em cada um." Ela entra na casa e sobe as escadas. Leva tudo de mim para não tocá-la, mas sua bunda está na minha cara e...

301


"Aqui." Ela diz, puxando a minha atenção para longe de sua bunda. Ela abre a porta e entra em um quarto. Em seguida, ela se senta na cama, seu corpo quase nu em plena exibição. "Lucas disse que te viu sair de um táxi. Será que você voou até aqui?" Concordo com a cabeça, tentando não olhar para o seu corpo. "Você pode se dar a esse luxo? Como você sabia que eu estava aqui?" Eu olho para ela rapidamente, antes de olhar para longe. "Eu aluguei o Delorean para Minge para comprar a passagem, mas não, eu não sabia que você estava aqui. Eu só tive noção." "Você alugou seu carro para comprar a passagem de avião e voou para cá por capricho?" Concordo com a cabeça novamente. "Cameron..." Eu não sei o que isso significa, mas eu não pergunto. Eu estou fodidamente nervoso, ansioso e emocional. Eu estou muito emocional. "Você está linda." Eu digo a ela. Então reviro os olhos e rio de mim mesmo. Ela tenta sorrir. "Eu ganhei um pouco de peso ultimamente, mas eu vou para o ginásio novamente quando eu voltar para o campus." Meus olhos se estreitam e fixam nela. "Então você vai voltar?" "É claro que eu vou voltar. Minha vida está lá... bem, o que sobrou dela de qualquer maneira." Seu olhar cai para o chão, olhando suas pernas balançando de trás para frente na borda da cama. "E o que quer dizer que você vai voltar para o ginásio? Você foi para a academia?" "Sim." Ela acena com a cabeça. "Perto do fim do ano... você estava sempre ocupado e eu — eu queria algo para fazer, então perguntei Jake para me levar... bem, não me levar, mas estar lá quando eu fosse. Eu sabia que você não iria gostar que eu ficasse sozinha, e eu não queria perguntar..."

302


Há uma dor em meu coração, a mesma que estava lá nas duas últimas semanas, mas é nítida e dói fodidamente mais. Eu me inclino para trás na parede à sua frente e enfio as mãos nos bolsos. "Eu meio que me odeio por não saber o que estava acontecendo em sua vida. Nós ainda víamos um ao outro todas as noites." "Era diferente, Cameron." Ela diz em voz baixa Concordo com a cabeça lentamente. "Quero dizer a alguns dias antes de terminarmos foi..." Meu mundo para de novo, mas por um motivo diferente desta vez. Meu rosto deve mostrar, porque ela para de falar. "Você está bem?" Eu deslizo na parede até que a minha bunda bata no chão, incapaz de ficar de pé. "Isso só dói." Eu digo a ela honestamente. "Eu acho que quando você saiu e disse que talvez o nosso para sempre tinha acabado. Acho que no fundo eu estava mantendo a esperança." Eu puxo de volta as minhas emoções e olho encaro o chão. "Está tudo bem. Sinto muito." "Eu também." Ela sussurra. Momentos de silêncio se passam antes que eu consiga finalmente falar. "Como você tem estado?" Ela encolhe os ombros. "Eu estou... Eu não sei. O que estou pensando?" "Sim? O que você estava pensando?" "Eu acho que tenho perguntas que gostaria de lhe perguntar, mas estou com medo." Meus olhos encaram os dela. "Pergunte, por favor. Pergunte qualquer coisa." Estou desesperado, muito desesperado. Mas eu não me importo. "Você já a viu desde então?" Meu corpo fica tenso, e suas mãos sobem para cobrir sua boca. Eu não sei o que eu estava esperando que ela perguntasse, mas não era isso. "Quando?"

303


Eu deixo cair a cabeça entre os ombros e inspiro profundamente, esperando a coragem para falar. "Ontem." Seu soluço faz meus olhos levantarem para ela. Ela está dobrada sobre si mesma, cobrindo a boca com uma mão, e a outra no estômago. "Por quê?" Ela diz, mas antes que eu tenha a chance de responder, ela está fora da cama e caminhando em direção a mim, ou então eu acho, mas ela passa por mim e pela porta ao meu lado. O banheiro. Eu estou congelado, enquanto a vejo cair de joelhos em frente ao vaso sanitário e levantar a tampa. Então sinto chutes, e a visão dela aos quinze anos fazendo exatamente a mesma coisa inundam minha mente. "Pare!" Eu tento gritar, mas sai como um sussurro. Eu vou até ela e prendo seus braços para os lados. "O que você está fazendo?" Ela tenta me empurrar para longe, mas eu seguro-a com mais força. E, lentamente, eu sinto a luta deixá-la. Eu a deixo ir, mas continuo segurando seus ombros de modo que ela não tenha escolha a não ser olhar para mim. "Porra, Luce, você tem feito isso de novo?" Ela balança a cabeça, mas não há uma cautela em seus olhos que me diga que ela está mentindo. "Eu estou bem." Ela diz, e agora eu sei que ela está. Eu expiro todo o ar em meus pulmões e libero o meu domínio sobre ela, então eu olho para o teto, tentando nivelar os meus pensamentos. Ela se levanta e caminha até a pia para jogar água no rosto. "Você está?" Pergunto novamente. Ela não responde, em palavras, mas as lágrimas que enchem seus olhos é a resposta suficiente. "Foda-se." Eu giro sobre os calcanhares e saio do banheiro, em seguida, faço o meu caminho para a porta do quarto. "Aonde você vai?" Ela pergunta, pânico claro em sua voz. "Eu nunca quis isso, Luce. Eu nunca quis ser a razão para você fazer isso, fazer algo tão errado. Eu criei isso. Fiz você querer fazer isso de novo. Eu não posso... Eu não posso. Preciso deixar você ir."

304


"Diga-me o que aconteceu." Ela diz, com os braços cruzados sobre o peito. "O quê?" "Por que você a viu novamente? Vocês estão... vocês estão namorando agora?" "O quê! Não. Porra nenhuma, Luce. A vi ontem porque o babaca Minge lhe disse onde eu estava." "E o que ela queria?" Eu suspiro, e deixo o inevitável acontecer. Digo-lhe a verdade. "Ela me disse que estava a fim de mim." "Essa puta!" Se fosse qualquer outro momento, qualquer outra pessoa, eu estaria rindo. Mas isso não é motivo de riso. "O que você disse?" "Eu disse para ela e suas roupas de prostituta saírem ou eu chutaria seu traseiro gordo de lá." E de alguma forma, entre tudo o que estamos passando, um sorriso se formam no canto dos seus lábios. "Sério?" Meus olhos se fecham quando ouço a esperança em sua voz. "Sim, realmente, Luce. Sinto muito que eu nunca percebi isso, ou se eu não fiz nada para detê-la quando você sentiu que estava indo dessa forma. Eu nunca percebi isso, mas eu deveria ter escutado você." Seus braços caem para os lados e ela solta um suspiro. "E você?" Eu pergunto. "Quanto a mim?" "Você está fazendo a si mesmo vomitar de novo?" Me movo para que eu esteja à frente dela.

305


Sua cabeça se inclina todo o caminho de volta para olhar para mim, do jeito que ela fez tantas vezes antes. "Não, não intencionalmente. Foi apenas uma vez, Cam. Nunca mais." "Quando?" Ela se senta na beira da cama e olha para o chão. "Na noite em que vi o seu esboço dela." Meu coração cai para meu estômago. Ela levanta as pernas em cima da cama, levantando os joelhos e envolvendo os braços ao seu redor. "Por que você a desenhou?" Ela se esforça para perguntar. Meu coração dói, mas eu digo-lhe a verdade. "Porque eu sou um idiota. Porque ela veio para o meu dormitório uma vez e se ofereceu para me ajudar a estudar. Eu precisava de ajuda, porque eu estava lutando muito, e eu peguei. Eu deveria ter dito não." Eu me inclino contra a parede em frente a ela. "E vocês estavam sozinhos?" Concordo com a cabeça, os olhos nunca deixando os dela. "Mas eu deixei a porta aberta. Eu não queria que ela tivesse ideias erradas. Ela estava trabalhando em algo na minha mesa e eu me sentei na minha cama enquanto esperava. Comecei a adormecer e sabia que não deveria porque eu não seria capaz de acordar, então peguei uma caneta e um papel e apenas fiz isso. Foi tão idiota. Eu não estava pensando. Eu não fiz o que você me pediu para fazer, que era para pensar sobre seus sentimentos. Estou tão triste, Luce. Não posso mesmo dizer-lhe o quanto estou triste. Porra, eu me odeio pelo que fiz a você." Eu paro para respirar, não percebendo o quanto eu estava segurando tudo até que eu não conseguia mais falar. "Eu não tenho sido capaz de pegar uma caneta e papel desde então. Não posso — eu me odeio, porra." "Cameron..." Ela diz de novo, com tanta simpatia que eu quero me socar. Eu não mereço sua simpatia. "Sabe." Ela continua. "Eu estive pensando sobre isso, muito. Sobre o que você disse no jantar." "Meu Deus." Eu gemo e cubro a cabeça com os braços, com vergonha de encará-la. "Eu te conheço há muito tempo, Cameron. Acho que conheço você muito bem, certo?"

306


Eu olho para cima, sem me preocupar em esconder o quanto eu realmente sinto. "Você me conhece melhor do que eu mesmo me conheço, Luce." "Eu sei, certo?" Ela chuta as pernas para fora e senta-se na beira da cama de novo. "Isso é o que eu quero dizer. Portanto, não faz sentido para mim, por que você iria dizer todas essas coisas naquela noite? Quer dizer... você me quebrou, Cam. Você me arruinou, e você arruinou o que eu pensei que nós tínhamos. Você me deixou arrasada e por quê? Porque você estava bêbado? Isso não pode ser tudo. Isso não pode ser uma razão suficiente válida. Tem que haver mais. E eu simplesmente não entendo." "Porque, Luce." Eu inclino minha cabeça para cima e olho para o teto. Então eu abaixo a minha dor e meus medos, e acima de tudo o meu orgulho. "Porque às vezes quando estou com você, eu sinto o que as pessoas podem pensar." "Pensar o que?" "Que eu não pertenço. Que você é boa demais para mim, e às vezes eu me pergunto se você já olhou duas vezes para mim, se eu não fosse à única coisa que está na sua frente. E se nós nos encontrássemos em circunstâncias diferentes? E se você não confiasse em mim? E se você ainda tivesse amigos quando eu comecei a persegui-la? E se Claudia estivesse lá... você teria mesmo falado comigo?" "Cam." Ela diz com ceticismo. "É claro—" "Não, você diz isso agora, Luce. Mas você não sabe. E eu sei que isso soa horrível, mas eu sempre me sentir como se eu fosse menos, e eu te coloquei em um pedestal, e eu não deveria ter. E com Roxy—" Ela hesita, mas eu continuo. Eu preciso continuar. "Com ela, era o contrário, não havia nada de romântico ou físico com ela, mas eu sentia como se eu merecia o que tinha. Ela só me fez sentir como se estivesse tudo bem não ser capaz de pagar a faculdade, ou coisas extravagantes, ou ter que trabalhar para me sustentar. Que eu não sou um idiota por não ser inteligente. Eu sei que você não pode entender isso." Ela está chorando agora, com as mãos freneticamente enxugando as lágrimas. "Você está dizendo que eu fiz você se sentir assim? Será que eu não te mostrei como eu me sentia? Quanto eu te amei?" "Não!" Eu caio de joelhos a seus pés. "Não é você. Você nunca fez nada de errado."

307


"Então por quê?" "É muito difícil de explicar. É como se cada dia que eu acordasse com você em meus braços, parecia que eu estava contando os segundos até que você percebesse o que estava fazendo e você estaria feita comigo. Assim, você poderia seguir em frente e encontrar alguém que vai lhe proporcionar a vida que você está acostumada, a que você merece. Eu não posso fazer isso. Eu não posso nem mesmo—" "Pare!" Ela diz asperamente. "Apenas pare." Ela se levanta e caminha até a cômoda, abrindo a gaveta de cima e segurando algo na mão. Quando ela volta, ela se senta no chão e me encara, em seguida, lentamente mostra o que pegou. "Sabe o que é isso?" Há uma pedra em sua mão. "Uma rocha?" Eu digo nervoso, porque eu tenho certeza que ela está prestes a jogá-la na minha cabeça. "Cam, esta é uma rocha do nosso rio." Eu respiro fundo. "Eu faltei uma aula no dia seguinte que você me levou para lá pela primeira vez e achei isso, tenho guardado-a desde então. Eu guardei, porque é onde você me ajudou a montar o meu coração partido. É onde um garoto que eu mal conhecia me levou e me ensinou que estava tudo bem em quebrar — que eu podia segurar para sempre, que eu poderia deixá-lo ir e curar. E todos os dias, desde aquele dia, eu me lembro que estou curada, e que você me curou. E dinheiro e bens materiais, eles não curam um coração partido, Cameron. Só que você fez." Ela está chorando. Eu estou chorando. E então eu deixo escapar um riso amargo. "Eu quero te abraçar, mas eu nem sei se está tudo bem em abraçar uma ex." "O quê?" Ela diz, com os olhos enormes. Em seguida, ela aperta a mão ao coração. "Uau." Ela chora, esfregando seu peito. "Dói muito." "O que dói?" "Você, me chamando de ex." Ela diz em voz baixa. "É tão final."

308


"Sim, bem, você disse que nós terminamos mais cedo. Tenho certeza de que você quebrou a porra do meu coração." Ela olha para cima, enxugando o rosto coberto de lágrimas. Sua cabeça se move lentamente de um lado para o outro. "Eu não gosto disto." "Eu odeio isso, Lucy." Eu me aproximo, querendo tocá-la, mas eu não sei o que diabos ela quer. "Eu não quero terminar." Eu digo baixinho, olhando-a bem nos olhos. Ela faz beicinho. "Eu não quero ser sua ex." Eu lambo meus lábios enquanto olho para baixo. "Então o que você quer?" Ela pisca, engolindo ruidosamente quando faz isso. "Eu não sei." Ela dá um passo para trás — para longe de mim. "Eu acho que eu quero mais tempo." "Ok." Concordo com a cabeça, me sentindo mais esperançoso do que quando cheguei aqui. "Eu vou dar-lhe todo o tempo que precisar. Vou te dar o sempre, Luce." Ela inala uma respiração instável, olhando de meus olhos para os meus lábios. Eu lambo-os novamente. Por favor, me beije. Antes que ela tenha a chance de fazer qualquer coisa meu celular toca. Eu silencio-o, mas não posso ignorá-lo. "O assistente do meu pai está esperando por mim. Eu não podia pagar um táxi do aeroporto, então pedir ajuda para o meu pai. Ele não iria deixar seu escritório, então mandou seu assistente." "Ok, eu vou levá-lo para fora." Eu pensei que ela fosse se trocar no seu armário, mas ela pega uma calça moletom e veste-a. Então, ela faz algo que envia milhares de mensagens silenciosas no meu corpo. Ela veste uma camisa — minha camisa de ginástica do colegial, a que tem o meu nome na parte de trás. "Pronto?" Ela pergunta. "Não." Eu respiro fundo. "Eu não estou pronto para deixá-la ainda." "Mas você tem que trabalhar amanhã, não é?" "Eu sei." "E eu ainda preciso de tempo, Cam."

309


Eu fecho meus olhos e respiro fundo para me acalmar. E então me lembro por que estou aqui, e o que eu esperava. E sei que o que ela está dando é mais do que eu jamais poderia ter sonhado. Ela está me dando esperança.

310


CAPÍTULO 32 CAMERON Eu estava certo. Minge realmente não precisou do meu carro, o que é evidente porque ele está dormindo no sofá de Jake e Micky desde que eu voltei de Nova Jersey, há uma semana. Eu parei de beber e estou ido ao trabalho, depois disso mais nada. Nada além de pensar em Lucy e verificar o meu celular a cada cinco minutos. Ela disse que queria um tempo e estou fazendo tudo o que posso para dar isso a ela. O que é difícil. Realmente muito difícil, especialmente porque ela não me deu uma dica de quanto tempo levaria. Então, quando meu celular toca e o nome de Lucy aparece com uma mensagem de texto, eu quase mijo nas calças. Quase. "É de Lucy." Eu digo a Minge, que está quase dormindo na cadeira. "Mm?" Eu chuto sua perna. "Lucy. Uma mensagem. É dela." Ele senta-se já com os olhos arregalados. "O que diz?" "Eu não sei." Eu deixo cair o celular na mesa de café e esfrego minhas mãos contra minha bermuda. Minhas mãos estão suando. Meu coração batendo com força. "Leia!" Minge grita. Ele está na ponta da cadeira. "Estou com medo." Eu grito de volta, minha voz igualando a sua. Ele bate na parte de trás da minha cabeça. "Pare de ser um maricas e vire um homem de verdade. Leia a mensagem, idiota." Arregalo meus olhos surpreso. Minge, ele é sempre tão relaxado, tão fácil. Eu nunca o vi animado ou ansioso por coisa alguma. "Ok." Eu xingo, e solto um suspiro.

311


Eu pego o celular e abro a mensagem. "É uma foto." Digo a ele. Eu não sei como eu consegui dizer as palavras através do enorme sorriso do caralho no meu rosto. "E?" Eu mostro-lhe a foto. É ela usando um moletom com uma imagem de Marty McFly do filme De Volta para o Futuro. Acima da imagem diz: "Isso foi pesado", e debaixo diz, 'Você levanta mesmo, mano? Suas palavras eram assassinas embora. Minge sorri enquanto entrega o meu celular de volta. "Pensando em você? Isso é uma coisa boa certo? Ela está pensando em você!" "Eu sei!" Eu limpo a minha testa com a palma da mão. Por que diabos eu estou suando tanto? "Então?" "Então? Então o quê?" "O que você vai escrever de volta?" "Foda-se." Eu solto o celular como se tivesse fogo em minhas mãos. "Eu não sei! O que devo escrever?" "Eu não sei, cara." Ele está tão apavorado quanto eu. "Algo espirituoso? Ela pensou que estava sendo engraçada, certo?" "Eu acho. Eu não tenho nada engraçado para dizer!" Eu pego o celular novamente. "Eu vou só—" Eu digito uma mensagem de texto e clico em enviar, sem pensar. "O que você disse?" Minge pergunta, sua voz estridente. "Eu sinto sua falta." "Eu sinto sua falta!" Ele grita em descrença, em seguida, joga o corpo para trás da sua cadeira. "Que porra é essa? Você acabou de estraga tudo. Agora ela não tem para onde ir! E se ela não disser que sente sua falta de volta? Então o quê? O que será que ela vai dizer?"

312


"Cale-se." Eu fico de pé, andando de um lado para o outro. "Você está me deixando nervoso, porra." "Eu só estou dizendo que... você deveria ter facilitado. Essa foi uma jogada de merda." "Porra!" Eu entrelaço meus dedos atrás da cabeça e olho para o teto. "Quanto tempo se passou desde que eu mandei a mensagem?" Ele encolhe os ombros. "Tipo, trinta segundos." "Ela deveria ter escrito de volta." "Você precisa se acalmar." "Eu estou calmo!" Eu grito. "Você e suas merdas me deixam nervoso. A culpa é sua!" * "Quanto tempo faz?" Pergunto-lhe. Ele olha para o relógio. "Três minutos." Eu pego meu celular, certificando-me de que está com toque e carregado e, em seguida, jogo-o no sofá. * "Quanto tempo agora?" "Sete minutos." Ele diz. "Eu lhe disse para falar algo engraçado. Não, 'sinto sua falta'." "Cale-se." Meu celular apita avisando que chegou uma mensagem. Nós dois nos inclinamos para ele. Eu o soco no estômago quando ele chega primeiro. "Você está ferrado." Ele resmunga, com o braço pressionado contra seu estômago. "Pare de ser um maricas e vire homem de verdade." Eu fecho meus olhos e respiro profundamente, esperando a adrenalina se acalmar. Quando eu abro-

313


os, Minge está de volta na cadeira, mas ele está em pé, de cócoras na beira. "Que porra você está fazendo?" Ele ignora minha pergunta. "Que porra é essa que ela disse?" Eu olho para o meu celular e abro a mensagem. "Também sinto sua falta!" Eu rio, aliviado com suas palavras. Ele aplaude. E depois nos abraçamos, pulando de cima para baixo. Tem a duração de alguns segundos, antes de ambos percebemos que somos caras de vinte e um anos de idade, e não nove. Ele limpa a garganta e faz algo que se parece com flexionar seus músculos. Eu arroto. Porque agora eu acho que é importante que nós dois nos lembrarmos que somos idiotas viris. "Então o que você vai escrever de volta?" Ele pergunta, assim quando eu clico em enviar. Eu faço uma careta. "Que merda você escreveu?" "Um..." Hesito em dizer a ele. Desta vez, ele me dá um soco no estômago, pegando meu celular da minha mão ao mesmo tempo. "Eu te amo!" Ele grita. A mesma descrença que da última vez. "O que diabos há de errado com você?" Eu esfrego a parte de trás da minha cabeça em aborrecimento. "Eu não sei. Ela deveria saber que eu a amo, eu pensei... Eu só... Eu só queria que ela soubesse." Ele revira os olhos tão alto, que eu tenho certeza que ele pode ver a parte de trás da sua cabeça. "Agora vamos sentar aqui e esperar ansiosamente para ela

314


voltar a escrever. E se ela não dizer de volta? O que você vai fazer então? Você ainda vai me ouvir?" "Cale-se!" Eu sei que ele está certo, mas eu não quero pensar nisso. * "Quão mais?" "Dois minutos da última vez que você me perguntou." Nós dois estamos de cócoras em nossos lugares, olhando para o celular no meio da mesa de café. "Vamos lá, Luce." Eu sussurro. "Ela não pode ouvir você, idiota." "Foda-se." Eu murmuro, meus olhos nunca deixando o celular. Finalmente, depois do que parece uma eternidade, ela escreve de volta. Desta vez, nenhum de nós se move. Nós apenas olhamos. "Estou com medo." Digo a ele. "Você deve estar, idiota." "Você deveria ser meu amigo." Ambos continuamos olhando para o celular, sem olhar um para o outro, quando falamos. "Sim." Ele diz. "E os amigos devem ouvir os amigos. Não vejo você me ouvir." Eu aperto meus olhos e tomo coragem para pegar o celular. Eu toco na tela. Abra a mensagem. E, em seguida, leio-a em voz alta. "Eu também te amo. Estou voltando para casa amanhã. Sei que é em cima da hora, mas você poderia ir me pegar no aeroporto? Acho que eu gostaria que você fosse o primeiro rosto que eu vejo." "FODA-SE!" Ele grita. Eu levanto o punho no ar. E depois nos abraçamos.

315


Pulamos de cima para baixo. Giramos em círculos. High five. Em seguida, sentamos e abrimos uma cerveja. "Então o que você vai escrever de volta?" "Que eu vou mover céus e terra para estar lá." "Brega." "Além disso, você precisa cobrir o meu turno amanhã." "Eu nem mesmo trabalho lá." "Eu não me importo."

LUCY "Então, ele vai te encontrar no aeroporto?" Claudia pergunta. Eu termino de me vestir depois do banho e olho para mim no espelho. "Sim." Eu grito para que ela possa me ouvir do seu quarto, do outro lado da porta do banheiro. "Eu mandei uma mensagem para ele esta manhã com os detalhes do vôo." Eu abro a porta para que ela possa me ver. "Isso parece bem?" Suas sobrancelhas se arqueiam, mas seus lábios se curvam nos cantos. "Vocês estão juntos há quanto tempo? Você acha que ele se importa como você parece?" "Eu sei." Eu digo, quase timidamente. "Mas eu ainda quero parecer bonita para ele. Mas sem querer ser óbvia de mais, sabe? Apenas bonita-casual." "Lucy." Ela ri. "Você está nervosa?" Concordo com a cabeça. "Então nervosa. Eu acho que é como seu eu fosse beijá-lo pela primeira vez, sabe? Nunca ficamos tanto tempo assim sem o outro." Eu balanço as minhas mãos, tentando me acalmar.

316


"Você está bonita." Ela me conforta. Volto para o banheiro e dou mais uma olhada. Top e saia com babados, essa é a maneira que ele sempre descreveu como eu me visto, então tenho certeza de que estou usando as minhas melhores roupas. E botas de cowboy. Eu sei que ele adora. Uma dor aguda passa pela minha barriga. Como cólicas, mas pior. Na verdade, isso vem acontecendo muito ultimamente. Eu ignoro, mas a última foi pior ainda. Eu aperto a borda do balcão, tentando respirar em meio à dor. "Merda." Eu sussurro. O aperto no meu estômago é insuportável. E então eu me mijo. Que diabos? Eu começo a olhar para as minhas pernas, querendo saber o que está acontecendo. A dor piora. Meus olhos se fecham. Minha respiração para. E então eu faço xixi um pouco mais. Eu não posso controlar isso. Assim como eu não posso controlar o grito que me escapa. Ouço Claud dizer o meu nome, mas ela está longe. Tudo parece distante. A dor para. Abro os olhos. O meu olhar já apontado para as minhas pernas. Mas não é xixi. É sangue. Eu libero minha respiração, sentindo lágrimas escorrendo pelo meu rosto. "Claud!" Eu tento gritar, mas sai como um sussurro. E então a dor volta. Como mil facas afiadas no meu estômago. Eu dobro sobre mim, meus braços cruzados sobre minha cintura. E então acontece novamente. O sangue. "Claud." Eu grito. Eu caio no chão. Minha saia bonita de babados branca agora encharcada de sangue. Eu passo a mão na minha perna, coberta de vermelho. Tanto vermelho. "Claudia! Socorro!" As portas do banheiro se abrem. "LUCY!" "Eu não sei o que está acontecendo!" Eu grito. "O que está acontecendo?" A dor assume. Eu não posso manter meus olhos abertos... "LUCAS!" Eu ouço-a gritar. Eu não consigo parar de chorar. Eu não consigo respirar.

317


Eu não consigo... "Cameron..." Vazio. Escuridão.

CAMERON Eu verifico meu celular, pela terceira vez, certificando-me de que tenho os detalhes certos do vôo. O avião pousou 45 minutos atrás. Eu assisti todos saírem, todos menos ela. Eu tentei ligar. Seis vezes. Seu telefone está fora de área. Se ela estivesse atrasada, com certeza ela iria me ligar. Perguntei a mulher no balcão da companhia aérea, mas ela não pôde me dizer se Lucy embarcou no vôo. Estou começando a ficar preocupado que talvez ela tenha mudado de ideia. Talvez ela não me queira de voltar. Ou mesmo se ela quisesse, talvez ela não queira voltar para mim. Então meu celular toca e a voz de Lucas enche meus ouvidos. "Cameron." Sua voz está tensa. "É Lucy. Ela está no hospital. Você tem que vir. Agora." Digo-lhe para me mandar uma mensagem com os detalhes enquanto corro de volta para o balcão da companhia aérea. Tento pagar por uma passagem para Nova Jersey, mas meu cartão é recusado. Eu até mesmo tento o cartão de emergência que minha mãe me deu. Recusado. Eu ligo para Minge — eu vou vender a ele a porra do Delorean se isso signifique que eu vou chegar a Lucy. Ele não atende. Sento-me no chão, no canto do aeroporto, tremendo de tanto chorar. Eu tento o meu pai. Sua assistente me diz que ele está em uma reunião. Eu amaldiçôo até que ela desliga na minha cara. Lucas: Princeton Hospital. Estou com medo. Por favor, se apresse! Eu deixo cair a cabeça entre os ombros, disco um número, coloco o celular no meu ouvido, e espero. Ele responde no primeiro toque. "Cameron? Qual é?"

318


"Mark." Minha voz quebra. "Eu preciso da sua ajuda." Isso é tudo o que preciso. Uma hora mais tarde, minha mãe e Mark chegam. Ele tem as passagens précompradas no caminho e uma hora depois, eu estou no ar. Estávamos todos. "Será que eles sabem de alguma coisa?" Minha mãe pergunta. Eu balanço minha cabeça, tentando manter a calma. E faço — até que ela me puxe para seus braços e sussurre: "Está tudo bem, baby. Você vai estar com ela em breve."

319


CAPÍTULO 33 CAMERON Lucy não fala sobre a morte da sua mãe, muitas vezes, mas quando isso acontece, ela me diz que a espera foi a pior parte. O não saber. Eu sempre pensei que era estranho, mas agora, depois de ficar sentado na sala de espera do hospital por 12 horas — eu entendo. Eu totalmente entendo. As enfermeiras na recepção disseram que só família era autorizada à ir além desse ponto. Eu implorei, implorei, até tentei suborná-las com o dinheiro de Mark. Nada funcionou. E então eu estou com raiva, além de raiva, e fui convidado a sair e me acalmar. "Eu sou sua família!" Eu grito para Mark, enquanto ando para fora da entrada. "Eu sei." "Estamos juntos há mais tempo do que algumas pessoas casadas e, aparentemente, isso não é bom o suficiente!" "Eu sei." Ele diz novamente. Depois de cinco minutos e de chutar a merda de uma lata de lixo, eu estava finalmente acalmo o suficiente para voltar. Minha mãe tentou ser forte, mas ela estava se esforçando tanto quanto eu. Sento-me no chão com a cabeça entre os joelhos e espero. E espero. E espero. Então sinto alguém sentar-se ao meu lado. Eu acho que é Mark pois não perco tempo olhando para cima. "Cameron." A voz profunda de Tom ecoa em meus ouvidos. Minha cabeça se levanta e meus olhos encontram os seus. "Ela está bem?" Seus olhos estão vermelhos e cansados, como no tempo em que nós nos sentamos na varanda e conversamos por horas. Parece que foi à vidas atrás. "Vocês podem voltar agora, mas ela só quer falar com você." Levanto-me e sigo atrás dele, minha mãe segura minha mão o tempo todo. Mas todos os meus sentidos estão desligados. Como se eu estivesse debaixo

320


d’água, incapaz de ouvir, incapaz de respirar. Eu quero gritar, como fizemos no rio atrás da minha antiga casa. Mas as pessoas podem me ouvir agora. As pessoas vão saber. Eu coloco minha mão contra a porta. E tento respirar. Uma mão quente agarra meu ombro. Viro-me para Lucas, tão parecido com seu pai. "Seja forte." Ele diz. "Ela precisa da sua força." Ela chora quando me vê, mas ela não olha para mim. "Baby." Sento-me na cadeira ao lado da sua cama e seguro sua mão. "O que aconteceu?" Ela olha para o teto, com os olhos cheios de lágrimas. Ela não fala. Ela não se move. Ela não aperta a minha mão. Ela só chora. Levanto-me apenas para que eu possa olhar para ela, e passo a mão em sua testa e em seu cabelo. "Babe." Ela chora ainda mais quando ouve a minha voz, quando ela vê as minhas lágrimas. "Eu sinto muito, Cameron." Em seguida, ela puxa a mão da minha, e lentamente se vira para o lado, longe de mim. Quero subir na cama. Eu quero abraçá-la. Eu quero saber o que diabos está acontecendo. Existem muitas máquinas, muitos fios. Há muita pressão no meu peito com o peso de tudo. A porta se abre e uma médica entra. Ela sorri para mim, mas é triste. E eu estou começando a ficar chateado novamente. Há muita tristeza e ninguém me diz o porquê. "Você deve ser Cameron." Ela diz. Não é uma pergunta, mas eu aceno de qualquer maneira. Lucy tenta se mover, mas ela geme como se estivesse com dor. "O que aconteceu?" Pergunto a médica. Ela olha para primeiro a mim, depois para Lucy. "Eu sinto muito." Lucy diz novamente. Eu tiro meus sapatos, certificando-me de que eu não estou tocando em qualquer equipamento, e me deito ao seu lado.

321


"Você pode olhar para mim?" Eu sussurro. Eu vejo quando ela faz uma careta, mas se move lentamente, os fios e cabos conectados em torno dela. Seus olhos continuam fechados, como se estivesse lutando uma batalha perdida com o sono. "Diga a ele." Diz ela, movendo a cabeça no meu peito. Eu seguro-a lá, como fizemos tantas vezes antes. "Você tem certeza, Lucy? Ainda está um pouco fora de si. Talvez devêssemos esperar." "Ele precisa saber." Meu coração pega. "Do que eu preciso saber?" Eu pergunto a Lucy, mas as minhas palavras são destinadas para a médica. "Eu sou a Dra. Scott, Cameron." Concordo com a cabeça, porque eu não posso falar. "Lucy pediu que eu falasse com você sobre a sua condição. Tudo bem?" Concordo com a cabeça novamente. "Lucy foi trazida nesta tarde com hemorragia vaginal grave." Lucy deixa escapar um soluço no meu peito. Dra. Scott continua. "Nós fomos capazes de parar o sangramento depois que encontramos a fonte." Ela se senta na ponta da cama ficar confortável. Eu estou com medo de perguntar, mas eu faço isso de qualquer maneira. "E?" Os olhos da Dra. Scott passam de Lucy para mim. "Lucy estava com seis semanas de gravidez." Eu suspiro e puxo Lucy para mais perto. "Mas ela estava usando IUD..." Eu abaixo minha cabeça até que minha boca toque sua orelha. "Você está grávida?" Ela se inclina para trás e olha para mim. Em seguida, balança a cabeça lentamente.

322


"O IUD mudou-se de sua posição, Cameron. Tornou-se ineficaz. E Lucy estava grávida." Dra. Scott responde por ela. "Ela teve um aborto espontâneo, Cameron. Sinto muito." "O quê?" "Há mais." Lucy sussurra em meu peito. Eu tento engolir, mas o nó na garganta impede. "No momento em que a ambulância chegou com ela aqui, Lucy tinha perdido muito sangue. Nós tivemos que levá-la para a cirurgia e encontrar a causa para que pudéssemos pará-lo. Não é normal perder a quantidade de sangue que ela perdeu, não em um aborto padrão, especialmente tão cedo." "Você pode por favor me dizer o que aconteceu?" Eu imploro. Eu não consigo entender. Esperar. O não saber. "Apenas me diga." "Tudo bem." Ela acena com a cabeça lentamente. Lucy chora ainda mais. "O que está acontecendo?" Eu pergunto a ninguém em particular. Dra. Scott limpa a garganta. "Lucy tinha o que é chamado de uma gravidez ectópica. Você sabe o que é isso?" Eu balanço minha cabeça. "Não" "É quando o óvulo se implanta na trompa de Falópio em vez do útero." Eu tento me lembrar de todas as aulas de educação sexual, mas nada faz sentido. "Eu não entendo. Sinto muito." Eu digo a ela. "Por favor, apenas chegue ao ponto. A Lucy vai ficar bem?" Ela sorri, o mesmo sorriso triste. "Lucy, ela mesma, vai ficar tudo bem. O que acontece quando o feto atribui à trompa de Falópio é que não há espaço lá dentro para que ele cresça. Ele pode causar mais danos a um tubo já danificado. Tubo de Lucy foi rompido, foi isso que causou o sangramento intenso. Normalmente, nós seríamos capazes de fazer uma cirurgia laparoscópica não intrusiva, mas por causa da quantidade de perda de sangue, tivemos que realizar uma cirurgia abdominal aberta."

323


Lucy chora e eu faço o meu melhor para fazer o que Lucas pediu, ser a sua força. Mas eu não tenho certeza se posso. Dr. Scott continua: "Nós tivemos que remover o feto, e uma de suas trompas de falópio. Eles também encontraram o tecido da cicatriz devido à endometriose em seu outro... não está em boa forma também." Eu tento deixar suas palavras afundarem, mas eu não consigo. Eu não consigo entender o que ela está dizendo. Talvez eu seja burro, ou talvez o barulho na minha cabeça compense a funcionalidade do meu cérebro. Talvez sua voz está sendo abafada pelo me afogando acima da água. Lucy continua chorando. Ela continua dizendo que está arrependida e não sei porquê. "Cameron." Diz a Dra. Scott. "Eu não quero sobrecarregá-lo com muitos termos médicos, então eu só vou te dizer, ok?" Meu Deus. Dizer-me o que? Pensei que tínhamos terminado. "Ok." "A probabilidade de Lucy ser capaz de conceber naturalmente é bastante baixa. Mesmo que ela não tivesse engravidado, as chances dela ser capaz de levar o bebê até o fim são poucas." "Eu sinto muito." Lucy chora. E eu quebro. Mas não mostro. Porque eu preciso ser sua força. Mesmo quando eu não tenho nenhuma. *** Ela chora até que cair no sono. Eu não falo; porque sei que não existem palavras que possam tirar sua dor. Eu espero até que ela esteja completamente tomada pelo sono antes de deixála. Se minha mãe e Mark estão sentindo a metade do que eu sentir, então eles merecem que a espera acabe.

324


O segundo em que viro as costas e meus pés tocam o chão, algo começa a bater dentro de mim. Até o momento em que abro a porta, eu estou feito. Quebrado. Eu me inclino contra a parede, sem sequer perceber que Jake e Micky estão aqui. Eu deixo minha cabeça cair em minhas mãos, e choro. Deixo tudo para fora. Minha mãe chora muito, mesmo que ela não tem nenhum indício do porquê. A mão de Mark no meu ombro e sua voz parece me acalmar, apenas o suficiente para que eu possa olhar para cima e encará-lo. "Cameron." Seus olhos fixos nos meu, em busca de respostas. Ele não vai perguntar. Ele vai esperar até que eu esteja pronto. "Está tudo bem, filho." Ele diz. E eu quebro tudo de novo. Eu caio porque não tenho força, mas ele está lá para me segurar. Seus braços estão em volta de mim e eu estou chorando. Estou chorando alto pra caralho, mas eu não posso controlar isso. Eu não posso mantê-lo. Não mais. Agora minha mãe está ao meu lado, segurando minha mão. Posso ouvir os soluços de Micky. "Vai ficar tudo bem." Diz Tom, sentado do outro lado de mim. Em seguida, uma voz familiar fica cada vez mais alta enquanto caminha em direção a nós. Mark se afasta. Levanto-me e olho para o meu pai. "Pai." Eu choro, porque eu nunca precisei tanto dele em toda a minha vida como agora. Ele levanta o dedo para que eu espere, e só agora percebo que ele está no telefone. Parecem minutos, não horas, enquanto nós estamos lá. "Ele precisa de mais dez mil." Ele diz para quem está do outro lado. Todos nós ficamos em silêncio, observando, esperando. Seus olhos se movem, e eu acho que eles estão em mim, mas não estão. Ele está olhando para Jake. "Eu vou ligar de volta." Ele diz, em seguida, desliga o telefone. Ele passa por mim, a mão estendida para Jake. Os olhos de Jake se estreitam quando segura, olhando por cima do ombro do meu pai para mim. "Pai." Eu digo em estado de choque.

325


Ele se vira agora, finalmente olhando para mim. Ele nem percebe a minha aparência. Não percebe que eu estou quebrado. "Cameron, o que está acontecendo? Você está bem. Sua mãe ligou para a minha assistente em pânico, dizendo que você estava no hospital. O que há de errado com você?" "É Lucy." Eu gaguejo. Suas sobrancelhas se arqueiam em confusão. "Quem é Lucy?" E toda a dor, toda a dor, todo o sofrimento, é substituída por outra coisa. Ódio. "Eu odeio você." Eu grito. "O quê?" "Você me ouviu. Seu babaca idiota!" "Cameron." Ele diz, com as mãos em sinal de rendição. Eu dou um passo à frente, meus punhos fechados ao meu lado. Tom coloca uma mão firme no meu peito, me impedindo de me mover. "Eu não sei qual é seu problema, mas eu tive que deixar um cliente muito importante para vir aqui—" "Foda-se! Minha namorada acabou de ter uma cirurgia por causa da porra de um aborto espontâneo. Perdemos um bebê! Nós não podemos ter filhos! E tudo o que você pode pensar é no seu trabalho maldito! Vai se fuder!" A mão de Tom no meu peito empurra com mais força, ou talvez eu esteja um passo à frente. "Você precisa ir embora." Tom diz para ele. Ele se vira e vai embora, murmurando algo sobre agradecer a Deus por não ter que ficar aqui. Há um duplo-aperto no meu coração. Dói pra caramba. Eu não consigo respirar, porra. Então minha mãe entra na minha visão, as mãos no meu rosto. "Sinto muito." Ela diz, chorando, enquanto faz isso. "Cameron?" Lucy está em sua porta parecendo fraca. Provavelmente a partir do esforço de se mover.

326


Instantaneamente, eu estou na sua frente, ajudando-a a se levantar. Ela olha para mim, com lágrimas nos olhos e pálpebras pesadas. "Você disse nós." "O quê?" "Cama." Ela murmura. Eu ajudo-a a voltar para cama e puxo as cobertas até seu queixo. "Diga-lhes para irem embora, por favor." Ela sussurra. "Mas eu preciso que você fique." * Ela está deitada de lado, com a cabeça no meu peito, como sempre. "Você disse nós." Ela diz de novo, os olhos lutando para se manterem abertos. "O que você quer dizer?" "Você sempre diz nós, Cam. Como se pudéssemos passar por qualquer coisa. Mas é diferente desta vez. Desta vez, não é nós. É só eu. Você pode ainda ter filhos. Eu não posso."

327


CAPÍTULO 34 CAMERON Lucy permanece no hospital por mais três dias. Os enfermeiros não permitiram que eu ficasse durante a noite, mas eu estou lá do início ao fim do horário de visita. Cada dia, ela fica melhor fisicamente, mas emocionalmente, ela está piorando. No último dia, é como se ela estivesse completamente fora de si. Eu tentei falar com ela, mas ela me ignorava ou ficava chateada. E eu não sei o que dizer ou fazer para tornar melhor. Para fazê-lo parar. Para fazer isso certo. Seu pai reservou uma suíte de hotel em Nova Jersey por mais duas semanas. Ele não quer arriscar nada. Ele quer estar perto do hospital e ter os médicos certos, se acontecer alguma coisa. Eu fecho a bolsa e me volto para ela. "Você está pronta para sair daqui, babe?" Ela olha para janela e para longe. Seu pai vem nos pega no alojamento e nos leva para a suíte. "É hora de você ir para casa, Cameron." Ela não demonstra nenhuma expressão. "O que você quer dizer?" Eu pergunto, distraído colocando suas roupas na bolsa. Ela pega a minha mão e me senta na cama ao seu lado. "Eu preciso que você volte para casa. Preciso de um tempo sozinha, longe de tudo. Longe de você." "Longe de mim?" Eu murmuro. Seus olhos estão vermelhos e cheios de lágrimas à medida que penetram os meu. Ela acena com a cabeça. "Você precisa ir para casa. Você precisa trabalhar. Você não pode colocar sua vida em espera por mim. Estarei lá em duas semanas."

328


Minha respiração está pesada, tão pesada quanto o meu coração. "Mas eu quero ficar com você. Eu não entendo. Fiz alguma coisa errada?" "Não, querido." Ela sussurra. "Você não fez nada. Nenhum de nós fez nada. Só preciso de algum tempo para pensar. Estou só... Eu só preciso de tempo para envolver minha cabeça em torno de tudo. Isso não quer dizer que eu não te ame, porque eu amo. Eu te amo mais do que você poderia imaginar. Eu prometo que não é sobre você." Ela se inclina e enxuga as minhas bochechas. "Sinto muito." Ela diz. Eu tento beijá-la, mas ela se afasta. Ela sempre se afasta. Eu quero ficar. Eu quero lutar com ela sobre isso, mas eu sei que não vai fazer nenhum bem. *** Eu olho para fora da janela do carro enquanto Tom me leva até o aeroporto. Ele já tinha pago minha passagem, o que significa que ele já sabia que ela queria que eu fosse embora, mas nunca me disse. "Eu sei que você está com raiva de mim." Ele diz. Eu não estou. Ele acrescenta: "Mas eu não tinha escolha. É o que Lucy queria, e acho que nós dois concordamos que o que Lucy quer é mais importante agora." Ele está certo, mas o que eu quero deve ser importante também. O que aconteceu não afeta apenas ela, isso afeta a nós dois. Eu fico quieto, porque claramente o que eu tenho a dizer, não importa. *** Conversamos ao telefone todos os dias. No primeiro dia, conversamos por uma hora. Eu não sei o que falamos, mas esse não era o ponto. O ponto foi que ela estava falando comigo. Mas, assim como no hospital, a cada dia ela se tornou mais distante. Tão distante que ela

329


nunca me disse que tinha voltado para casa. Ela disse que ficaria duas semanas. Passou-se apenas uma. "Por que você não me disse que estava em casa?" "Eu não sei." Ela diz em voz baixa. "Posso passar por ai?" "Eu acho que não é uma boa ideia, Cam. Ligo para você amanhã." Em seguida, ela desliga o telefone. Eu pego minhas chaves, entro no meu carro e dirijo para sua casa. Porque eu não posso desisti. Ela é o meu coração. E eu não posso sobreviver sem meu coração. * Eu bato, mas não há resposta. As luzes estão acesas, então eu sei que ela está lá. "Lucy!" Eu bato de novo. E espero. Nada. Eu uso a chave que ela me deu antes de ir embora. Merda, parece que foi a uma vida atrás. Ela está sentada no sofá coberta por um cobertor enrolado com tecidos seu ao redor. Ela está chorando, tanto que seus ombros se movem com cada soluço. Eu vou até ela o mais rápido do que pensava ser possível. "Querida, o que você está acontecendo?" Ela não olha para cima. Ela nem mesmo reconhecer minha presença. Ela só continua chorando, com as mãos segurando a borda de um retrato contra seu peito. Sento-me no sofá ao seu lado e envolvo meus braços em torno dela. "Eu lhe disse para não vir aqui." Ela grita em meio às lágrimas.

330


Eu engulo a dor, porque eu sei que ela está sentindo isso também. "Lucy, vamos lá. Você precisa de mim aqui." "Não!" Ela me empurra. "Esse é o problema, Cam. Eu preciso de você. Eu sempre precisei de você! E você não pode sempre estar lá. Não mais." "O que você está falando?" Eu tento manter minha voz mesmo, mas eu estou lutando. "Babe—" "Pare!" Ela fala mais alto, segurando o quadro mais apertado. "Eu não posso lidar com isso. Eu não posso mais ficar com você!" Eu respiro fundo e solto um suspiro. Junto com qualquer sensação de calma que eu tento segurar. "Por que diabos você está me afastando? Eu não fiz nada, mas quero estar perto de você e você continuar fazendo isso!" Ela chora ainda mais. Eu balanço minha cabeça, o meu olhar avistar a imagem no retrato. "Lucy." Eu sussurro, tentando arrancar o retrato dos seus dedos. "Não." Ela soluça. "É meu." Eu puxo o retrato com mais força, sabendo que tudo o que está lá está causando esse tipo de dor — o tipo que não deveria existir. Ela finalmente solta-o. Eu vejo a imagem. E o meu mundo fica preto. "Entende?" Ela diz, apontando para ele. Levanto-me, só assim sei que eu ainda estou vivo, que ainda sou capaz de respirar através da dor. Olho para o quadro. Um esboço. O que eu fiz depois da nossa primeira vez. Aquele com o quarto dela na nossa futura casa. Aquele com sua enorme poltrona, e todas as poltronas menores na frente para a dela. Para todas as crianças que iríamos ter. "Entende?" Ela diz novamente, mais calma neste momento. Mas eu não consigo. Eu não consigo ver através das minhas lágrimas.

331


Ela prende a respiração, tentando segurá-la de modo que seus gritos não saiam tão altos. "Isso é o que você queria, Cameron." Pela primeira vez na minha vida eu quero que ela fique quieta. Eu não quero ouvir o que ela tem a dizer. Eu não posso suportar. "Isso é o que você imaginou para as nossas vidas e eu não posso te dar isso. Como podemos estar juntos? Como posso ficar com você sabendo que eu não posso te dar o que você sempre quis? Como?" Sua voz se alonga pelo poder de seus gritos. Ela mal pode falar. Eu mal posso ouvir. "Eu tenho que viver com isso, Cam. Tenho que viver com o fato de que eu sou a razão de você não receber o seu sonho. E eu não posso fazer isso. Sinto muito, mas eu não posso." Eu limpo meus olhos com a manga e olho para ela. E isso é tudo o que eu faço. Porque eu não tenho palavras. Eu não tenho forças. "Eu estou bem, Cam." Eu balanço minha cabeça. "Está tudo bem." Ela diz. "Você está autorizado a ficar com raiva de mim." "Cala a boca." Eu murmuro. Ela chora ainda mais. "Essa merda não significa nada sem você. Você acha que os sonhos fazem sentido sem você, Lucy? Você está inventando mentiras em sua cabeça porque você é uma covarde. Tentei estar com você todos os dias desde o aborto. Eu teria ficado bem ali, bem ao seu lado. Você me afastou. Você não me queria lá. Não use isso como desculpa. Se você não me quer mais, se você não me ama mais — se é muito difícil para você, diga!" "É! É muito difícil! Você merece ter isso! Você merece estar com alguém que pode lhe dar isso. Talvez você devesse estar com Roxy!"

332


E com essas palavras, eu me perco. Completamente me perco. Uma onda de raiva passa através de mim. E antes que eu possa me parar, eu levanto o quadro na minha mão e jogo-o contra a parede. Ela grita, um grito tão alto que faz com que eu trema. "NÃOOOO!" Ela está ajoelhada no chão agora, com o quadro quebrado na sua frente. "Te odeio!" "Foda-se." Tento chegar até ela, me ajoelhar ao seu lado, mas ela me empurra. "Lucy, eu sinto muito." "Foda-se!" Ela berra. "Isso é tudo o que eu tinha, Cameron. Isto era tudo para mim. Isto era o nosso para sempre e você estragou tudo." "Baby." Eu estou uma bagunça. Eu estraguei tudo. Minha cabeça chicoteia ao som da abertura da porta. Lucas entra com o resto de seus irmãos. "Que porra é—" Ele se cala. "Jesus Cristo, Lucy, você está sangrando." Eu me volto para Lucy, que está desesperadamente tentando pegar o desenho da moldura e cortando os dedos sobre o vidro. Eu acho que ela ainda não sente. "Lucy, pare." Eu sussurro, agarrando seus pulsos. Ela olha para mim. Seus olhos se estreitaram. Mas eu vejo isso claramente. Não há calma. Apenas a tempestade. "Saia!" Ela empurra meus ombros até que eu caia para trás. "Saia!" Ela grita novamente. Ela bate no meu peito com os punhos fechados. "Eu te odeio! SAIA!" Eu não faço nada. Sento-me em meus calcanhares e deixo que ela me bata. Deixo-a gritar. Deixo-a ficar com raiva. Os braços de Lucas envolvem em torno do seu peito e levanta-a do chão. "Basta ir, Cam." "O que está acontecendo?" Uma voz pequena, pergunta. Lachlan está chorando nos braços de Leo.

333


"Cameron, você precisa sair." Lucas diz novamente. Eu limpo o meu rosto no meu antebraço, e dou mais uma olhada nela. "Para sempre, Luce." E então eu faço o que todo mundo quer. Eu saio.

LUCY Lucas me põe no chão do meu banheiro e se agacha na minha frente. "Você está bem, Lucy meleca?" Eu aceno, mesmo que seja uma mentira e ele sabe disso. "Eu sei que não é justo, mas Lachlan está lá fora. Ele está enlouquecendo." Eu fecho meus olhos com força e respiro fundo, tentando acalmar as minhas emoções. "Eu estou bem." Eu digo a ele. Ele abre o armário sob a pia e pega uma caixa de Band-Aids. Ele pega a minha mão e examina os cortes que eu não sabia que estavam lá. "Você quer falar sobre o que aconteceu?" Ele pergunta, enquanto coloca o primeiro Band-Aid. "Eu não posso fazer isso, Lucas. Eu acho que não posso estar com ele, não quando eu sei o quanto ele quer ter filhos." Seus olhos se movem para o esboço, agora manchado com meu sangue. "Você não acha que talvez essa seja a dele escolha, e não a sua?" "Você conhece Cameron." Murmuro. "Você sabe que ele sempre vai ficar ao meu lado, mesmo quando não deveria. Ele não vai sair. Tenho que fazer isso. Eu tenho que fazê-lo me odiar, só assim ele vai ter o que merece. Pode parecer errado. Mas é o certo." Ele balança a cabeça, aplicando o terceiro e último Band-Aid. "Eu não concordo com você, Luce. Mas é a sua vida." Seus olhos se movem para a

334


sala de estar. "Você deve tomar banho e se limpar. Saia quando estiver pronta. Os meninos estão aqui para vê-la. Eles estão preocupados." "Você disse a eles?" "Não, você me pediu para não contar e eu não vou. Mas um dia você vai ter que fazer isso. Você não pode se esconder para sempre." * Eu saio do chuveiro e fico nua de frente para o espelho de corpo inteiro, com foco na cicatriz fresca que corre em meu umbigo. O lembrete feio de que o meu para sempre não pode ser eterno. Eu fecho meus olhos, lembrando-me de todas as vezes que Cam estava atrás de mim, aqui, com os braços em volta da minha cintura agora danificada. Meus olhos piscam com as lágrimas amargas. "Você é tão linda", ele dizia em meu ouvido. "Eu sou muito sortudo, Luce. E eu nunca vou me esquecer disso". Eu empurro de volta o soluço ameaçando escapar. Ele não tem sorte. De modo nenhum. Não mais. Passando a mão pelo meu pijama, eu finjo um sorriso para o espelho, e levo-o todo o caminho até a sala de estar. E então eu deixo escapar um suspiro alto. Eu choro. E eu rio. "Tempo da história, Lucy meleca." Diz Lucas. De alguma forma, eles criaram uma tenda improvisada usando a mesa de jantar e sofás como paredes, e usaram lençóis para cobri-lo. "Não é tão fácil como costumava ser. Acho que todos nós crescemos desde a última vez. Bem, todo mundo, menos você." Ele brinca. A risada de Lachlan aquece o meu coração. Tão inocente. Sem noção do que está acontecendo. "Você é tão pequena." Ele anuncia. "Eu vou te chamar de shaaawty!"

335


Leo ri com isso. "Isso significa que ela é a sua garota, Lachy. Você não quer que sua irmã seja sua garota." Ele faz uma cara de nojo, enquanto todos nós nos esprememos no pequeno espaço. "Eu tenho uma garota." Ele grita. "Eu cuspo em seu cabelo e peço-lhe para me beijar." O pequeno Logan ruge de tanto rir. "Se isso funcionou, você é meu herói." Os olhos de Lachlan ficam enormes enquanto ele balança a cabeça com entusiasmo. "Totalmente funcionou." Ele diz. "No dia seguinte, eu fiz isso com Michele! Agora eu tenho duas meninas... e tudo o que elas fazem é me atacarem!"

336


CAPÍTULO 35 LUCY Passaram-se semanas desde que vi Cameron pela última vez. Ele não ligou. Eu não liguei. Mas eu sinto falta dele. Tanto. Voltei para a casa principal, após a festa na barraca — que é como nós chamamos. Lucas e eu esperavamos que os outros dormissem lá dentro antes de nós sentarmos nos degraus da varanda e tomarmos uma cerveja. Bem, ele bebe. Eu não posso beber por causa dos analgésicos. Prometemos um ao outro tentar fazer isso uma vez por mês. Ele tem apenas mais um ano antes de ir para a faculdade, se ele for para a faculdade. Ele disse que ainda não sabe. Ele está pensando em ficar em casa, trabalhando com o papai. Ele disse que o rosto do meu pai se iluminou quando ele lhe disse isso e que ele teve uma reunião com seu empresário para ver se poderia mudar o nome da empresa para Preston and Sons (filho). Lucas não disse isso, mas eu sabia que o fazia feliz. Ficar em casa ajudava. Há sempre algo para fazer, alguém para conversar, algo para sorrir ou gargalhar. Mas, infelizmente, ou talvez felizmente, nenhuma dessas coisas é com Cameron. Os garotos passam muitos dias à beira do lago. Eu não fui lá ainda; muitas lembranças. Lachlan e eu começamos a conhecer melhor um ao outro. É um pouco triste que eu perdi seu crescimento nos últimos dois anos. Ele é um garoto incrível, tão cheio de vida. Ele tentou me levar para o Filmore com ele, mas eu não consigo nem chegar perto. Eu acho que meu coração não possa suporta. Ele sempre vai ser a lembrança da primeira vez que Cameron disse que me amava, embora eu ache que nós dois sabíamos bem antes que isso. "Você está pronta?" Meu pai pergunta com Lachlan em suas costas. Eu finjo outro sorriso. "Sim." *

337


Nós vamos para o play center no sexto aniversário de Lachlan. Mesmo que não seja realmente uma festa, nós contratamos um salão de festas para acomodar todos. "Este é o meu lugar favorito no mundo inteiro." Lachlan grita. "Além de Filmore. Adoro Filmore. Papai vai construir um teletransportador lá para mim, para que eu possa construir máquinas de sorvete e teletransportar-los para todas as casas em todos os lugares." "Isso soa incrível." Digo a ele. Sua cabeça gira para a porta. "CAM!" Meus olhos seguem o seu. "Ei, amigo." Cam diz, mas seu olhar está focado em mim. Eu não pisco. Não me mexo. Eu nem sequer respiro. Eu não posso. Porque se eu fizer isso, eu sei que vou acabar em seus braços, dando-lhe uma esperança que não existe. É errado eu querer isso, mas ainda é mais errado que eu sinta a falta dele. "Você veio!" Lachlan grita, em seguida, olha para o papai. "Obrigado!" E o meu coração se aperta. Cam sorrir e depois se abaixa para ficar do tamanho de Lachlan. "Feliz Aniversário!" Ele bagunça o cabelo de Lachlan. "Você está ficando velho. Acho que vi alguns fios brancos aqui." Lachlan ri e empurra sua mão. "Lucy?" Leo pergunta de frente para mim. "Está tudo bem se eu disser oi para o Cam?" Meus olhos se fecham, deixando a dor do meu coração partido me consumir. Eu engulo o nó em minha garganta e tento não deixar meus sentimentos evidentes quando abro meus olhos para vê-lo me olhando, sem saber da minha reação. "Claro que você pode." Eu olho para o resto dos garotos. Eles estão na borda dos seus assentos, tão animados por vê-lo como Lachlan está, mas hesitantes, como se achassem que é errado querer ele aqui. "Vocês." Minha voz falha. "Não há problema em ficarem animados por vê-lo. Vão." Então eles fazem. Um a um, high-five, colisão de punho, aperto de mãos, seja qual for dos meninos. E Cam — ele leva o seu tempo com cada um deles, sabendo as perguntas certas a fazer. Ele sempre fez. Ele sempre sabia o que estava

338


acontecendo em suas vidas. O que cada um deles estavam fazendo. Ele sempre deu atenção especial a cada um, sempre os fez se sentirem únicos. "Não fique chateada, menina." Meu pai diz. "Eu perguntei o que ele queria para o seu aniversário e ele disse Cameron." "Eu não estou chateada." Eu digo-lhe sinceramente. Lachlan senta ao meu lado, puxando a mão de Cameron até que ele esteja sentado do outro lado. Nossos olhos fixam um no outro pelo que parece uma eternidade. "Ei." Ele finalmente diz. Eu tento sorrir. "Ei." A garçonete vem para anotar os nossos pedidos. Aparentemente, ela conhece Lucas, porque seus olhos se arregalam e ela congela no meio do caminho quando o vê. Ela anota os pedidos, e assim que ela se foi a sala irrompe com 'ooooooohhs'. Lucas apenas balança a cabeça, seu rosto vermelho queimando de vergonha. "Ei." O pequeno Logan diz a Lachlan. "Você deveria cuspir em seu cabelo e pedir a ela para beijá-lo. Fazê-la sua shaaaawty." Nós rimos. Lachlan dá de ombros. "Ok!" E então ele está fora de sua cadeira e caminhando em direção à porta. "Não!" Lucas grita atrás dele. Cam fica de pé. "Deixa comigo." Ele joga Lachlan por cima do ombro e se vira para o meu pai. "Está tudo bem se nós jogarmos um pouco?" Meu pai acena com a cabela. "Claro. Tenho certeza que ele vai adorar." Eles vão. E eu também — para tomar um pouco de ar fresco lá fora, porque eu não posso respirar quando Cam estar por perto.

339


Não sei quanto tempo eu fico lá fora antes da cabeça de Lucas sair de trás da porta. "Aí está você. Você está bem?" "Sim." Eu respondo, mentindo mais uma vez. "A comida chegou." Os únicos dois assentos deixados estão ao lado de Cameron. Lucas, sendo o idiota que é, senta no mais distante dele. "Ei, Cam!" Lachlan grita. Tenho notado que viver em uma casa cheia faz com que o grito seja o volume padrão. Eu acho que quando você mora em uma casa com outros cinco garotos, gritar é a única maneira de chamar a atenção. "Sim, amigo?" Cam pergunta, enchendo o prato de Lachlan com um pouco de tudo sobre a mesa. Nuggets, batatas fritas, espaguete e outras coisas. "Eu fui pupsended da escola por três dias!" "Pupsended?" Cam diz confuso. Os gêmeos reviram os olhos simultaneamente. "Ele quer dizer suspenso." Liam diz a ele. "Você foi suspenso?" Cam ri. "Por quê?" "Porque eu fiz isso." Lachlan grita. Todos na mesa gritam 'NÃOOO', Lachlan pega um punhado de macarrão e joga por cima da mesa, em direção do pequeno Logan, gritando: "YOLO!" A cabeça de Cam se inclina para trás numa gargalhada. O pequeno Logan amaldiçoa e sai da sala. "Pelo menos não era cocô de cachorro." Meu pai grita atrás dele. Isso traz mais uma rodada de risadas, até mesmo eu. Quando eu finalmente me acalmo, vejo Cam me observando. "O quê?" Pergunto-lhe. "Você ainda faz o meu mundo parar, Luce."

340


Eu como a minha comida em silêncio, achando impossível engolir, quase tão impossível quanto continuar prendendo as lágrimas. Ele me cutuca de leve com o cotovelo. "Eu tenho que ir." Ele diz em voz baixa, inclinando-se para que só eu pudesse ouvi-lo. "Podemos conversa?" Eu inspiro profundamente e aceno, meus olhos nunca deixando meu prato. "Ei, Lachy." Ele diz, desta vez mais alto. "Muito obrigado por me convidar para sua festa de aniversário, mas eu tenho que ir." Ele se levanta e empurra a cadeira para trás. "Não." Lachlan chora. "Ainda não." Meus olhos fixam nele. Ele está olhando para o nosso pai, com os olhos suplicantes. "Faça-o ficar, papai! Ainda é meu aniversário e ele é o meu presente!" Meu coração não apenas se quebrar nesse momento; desintegra-se em mil pedaços. Cam funga um pouco. "Eu tenho que trabalhar, amigo. Sinto muito." "Não!" Lachlan se levanta em sua cadeira, olhando ao redor da mesa, pedindo que um de nós fizesse Cam ficar. "Por quê?" Ele está chorando agora. "É verão, Lucy está em casa e você não está lá, eu não sei por quê. Você sempre esteve lá quando Lucy estava lá e agora você não está. Ela não gosta quando você cospe em seu cabelo?" Cam ri, mas é triste. Ele olha para mim, e eu olho para longe, porque eu não suporto ver a dor em seus olhos claros. "Eu sinto muito, Lachy, mas eu tenho que trabalhar." "Mas papai vai trabalhar! E ele chega em casa quando termina. Você vai voltar quando terminar o trabalho?" Lucas diz de perto de mim. "Ei Lachy, você ouviu isso? Tenho certeza que foi o slide gigante vermelho chamando seu nome." Papai diz também. "Tenho certeza que acabei de ouvir chamarem todos os homens Preston. Você ouviu isso, Leo?"

341


Leo balança a cabeça, os olhos arregalados. "Ele está gritando por nós, Lachy! Melhor irmos." Lachlan ri e pula nas costas de Lucas. Um segundo depois, nós estamos sozinhos. Só ele e eu. E uma porrada de emoções não resolvidas. Ele enxuga seu rosto com a mão antes de ficar de frente para mim. Sacudindo a cabeça para a porta, ele pergunta: "Do lado de fora?" * Nós nos sentamos nas mesas ao ar livre do play center. "Como você está?" Ele pergunta, com a voz tensa. "Bem." Ele balança a cabeça lentamente. "Isso não é estranho em tudo." "Sim." Ficamos em silêncio enquanto ele olha para frente. "Você queria conversa?" Pergunto-lhe. Ele abaixa a cabeça e se vira para mim. "Sim, mas só parece estúpido agora." "Oh." "Não, eu não quero dizer que falar com você é estúpido, eu só—" Seu suspiro o corta. Em seguida, ele enfia a mão no bolso e tira um pedaço de papel. Eu suspiro. "Não, não é isso—" Ele balança a cabeça rapidamente. "Não é um esboço. Eu ainda não tenho sido capaz de pegar em uma caneta." Uma carranca se forma em meus lábios.

342


Ele desdobra o papel e coloca-o sobre a mesa na minha frente. Eu tiro meus olhos dele e olho para baixo. É um artigo de jornal com uma foto dele e um homem apertando as mãos na frente do estádio perto do campus. A manchete diz; ESTUDANTE DA UNC VENCE COMPETIÇÃO. "O que é isso?" Eu pergunto, meus olhos examinando as palavras. "Sabe quando você costumava dizer-me para participar de competições, para mostrar às pessoas o que eu posso fazer?" "Você entrou em uma?" Ele balança a cabeça. "Sim, o conselho da cidade fez esta competição para projetar um playground em um terreno baldio perto do estádio. E eu ganhei, Luce." Uma enorme sensação de orgulho me consome. Eu choro, mas é tão diferente das milhares de lágrimas que eu derramei recentemente. "Sinto muito." Ele me conforta: "Eu não queria fazer você chorar." Eu balanço minha cabeça, minhas lágrimas em pleno vigor. E então eu olho para ele. Ele lambe os lábios, seus olhos procurando os meus. "São lágrimas boas, Cameron. Estou tão orgulhosa de você." Ele ri um pouco. "Obrigado. Honestamente, eu estou orgulhoso de mim mesmo. Achei que eu não tinha chance." "Mas o seu trabalho é tão bom. E eu estou tão feliz que você mostrou a todos, porque agora você sabe, talvez agora você possa acreditar em si mesmo." "Como você acreditou?" Eu limpo meus olhos e aceno de cabeça. "Eu apenas queria que você soubesse, Lucy, eu não estaria aqui se não fosse por você e seu pai, me guiando na direção certa — me incentivando, acreditando em mim." Ele tenta prender suas lágrimas. Eu sei que ele está escondendo. "Eu só queria dizer obrigado." Eu olho para baixo, para o artigo. "Posso ficar com isso?" "É claro." Ele ri. "Minha mãe meio que enlouqueceu e comprou dezenas de cópias desse jornal. Ela os enviou para quase todo mundo que ela conhece."

343


Eu rio de suas palavras. "Ela só está orgulhoso de você, Cameron. Não posso esperar para mostrar ao meu pai. Ele vai ficar tão animado por você. Quando aconteceu?" "Um par de semanas antes de eu sair para New Jersey." "Oh." Eu dobro o artigo e guardo no bolso. "Então." Ele começa, e depois corta-se. "Então?" Ele inala profundamente, como se estivesse tomando coragem para dizer o que diz em seguida. "Havia um prêmio para o vencedor, é meio que a razão pela qual eu entrei. Era cinco mil dólares em dinheiro." Eu estou sorrindo. Um riso verdadeiro. Pela primeira vez em tanto tempo. "Isso é incrível!" "É..." "O que você vai fazer com esse dinheiro?" "Essa é a coisa, Luce. Entrei na esperança de ganhar porque... porra. Isto é tão difícil." "O que é difícil?" "Tudo isso. Tudo. Falar com você. Estar tão perto e não poder te tocar. Tentar falar com você... mas é como... eu adivinhar tudo o que eu estou dizendo porque—" "Cam." Eu o interrompo. "O que você planejou fazer se ganhasse?" Ele aperta a ponta do seu nariz e, em seguida, solta um pequeno gemido. "Eu procurei por um apartamento perto do campus. Para nós, Luce. Pensei que talvez pudéssemos ter um apartamento juntos. Com esse dinheiro e o dinheiro que economizei durante o verão, pudéssemos comprar um, apenas por um semestre, mas é um começo. E nós não teríamos que dividir o mesmo quarto. Podem ter duas camas, dois banheiros. Você pode ter seu próprio quarto. Eu só pensei..."

344


Eu olho para a mesa, chorando mais com cada palavra que ele fala. Nada mudou. Meus sentimentos sobre ele ainda são os mesmos. Eu o amo. É por isso que eu digo baixinho. "Eu não posso, Cameron." "Sim." Ele respira fundo. Ele se vira de costa para mim, os ombros levantando a cada respiração. "Eu não pensei assim. Eu tive que perguntar de qualquer maneira." A dor em meu peito é sufocante. "Cameron." Ele se encolhe quando eu toco seu braço. Levanto-me, sem querer dizer adeus, porque eu não vou ser capaz de viver com isso. "Você vai fazer algo para mim?" "Qualquer coisa." Ele sussurra, sem olhar para mim. "Pegue uma caneta. Acredite em si mesmo. Acredite em seu coração." Ele ri, um riso amargo. "Você é o meu coração, Luce. E agora você se foi."

CAMERON Eu ligo paro o trabalho quando entro no carro, para dizer-lhes que eu vou chegar atrasado. Chris responde. Ele me diz que está muito vazio e que eles realmente não precisam de duas pessoas. Ele vai bater meu ponto, então eu ainda recebo o pagamento, mas não preciso me incomodar em ir. Agradeçolhe, e paro na garagem da minha mãe e Mark. Mark sorri de orelha a orelha quando abre a porta. "Não fique muito feliz em me ver." Eu digo a ele. "Logo você vai ficar doente de mim pedindo sua ajuda... e seu dinheiro." "Finalmente." Ele grita, acenando com as mãos no ar. Ele fica de lado para que eu entre e dá tapinhas em minha costa quando passo por ele. "Tenho certeza que você tem 15 anos para pedir a minha ajuda para compensar." Passamos a tarde pesquisando online e fazendo chamadas telefônicas, tentando encontrar o espaço perfeito. Há uma razão pela concessionária de Mark ser tão bem sucedida. É porque suas habilidades de negociação são surpreendentes. Ele lê em voz alta o seu número do seu cartão de crédito para

345


a pessoa ao telefone e diz-lhes que vou pegar as chaves amanhã. Quando ele desliga, ele coloca o seu cartão de crédito para longe, mas pega outro e entrega para mim. "Para os suprimentos e outras coisas." Ele diz. Olho para o cartão na minha mão, ele tem meu nome nele. Eu respiro fundo e tento devolvê-lo. "Eu não posso aceitar isso." Ele zomba. "Quinze anos, lembra-se?" *** No dia seguinte eu pego as chaves, uso o cartão de Mark para comprar suprimentos, e vou para o espaço que ele pagou pelo próximo ano. E então eu faço algo que não tenho feito desde o dia em que Lucy se foi. Eu pego uma caneta.

346


CAPÍTULO 36 CAMERON Eu sorrio quando leio a mensagem de Jake. Tudo o que diz é o nome de um edifício, um número de quarto e à hora para encontrá-lo lá. Eu não preciso perguntar o que isso significa. Faço Minge vir comigo para pegar o que eu preciso, e encontro Jake fora do quarto de Lucy. Nós nos mudamos para o nosso ontem. Micky disse para Jake que Lucy estava vindo um dia antes do início das aulas. Isso me deu um pouco menos de uma semana para deixar tudo perfeito. "Eu não posso mesmo agradecer o suficiente." Eu digo a ele. "Não se preocupe." Ele responde. "Só não diga a Kayla. Eu tive que flertar com a RA. Ela ficaria chateada." Minge zomba. "Vocês são todos idiotas." Jake puxa uma chave do bolso e abre a porta. E vamos todos para o trabalho.

LUCY "Estou nervosa." Eu digo a Heidi no telefone. "Você está nervosa pelas aulas, ou nervosa por causa de Cameron?" "Cameron." "Quando foi a última vez que você o viu?" Eu dirijo pelo campus e tento encontrar uma vaga de estacionamento perto o suficiente do meu dormitório. "Duas semanas atrás, na festa de Lachlan." "Como foi?"

347


"Dificil." Ela suspira alto. "Sinto muito, Luce." Sua voz está acalma e com um pouco de simpatia quando ela acrescenta: "Por tudo isso. A coisa com o bebê. Acho que algumas pessoas não percebem a sorte que têm em engravidar, em primeiro lugar, certo?" Estou surpresa com suas palavras, mas tento não engasgar. "Você está bem?" "Sim. Ligue-me quando você estiver terminado, ok?" "Ok." Eu desligo e paro em uma vaga. Rose já está esperando nas portas. "Puta!" Ela grita. "Eu senti falta do seu traseiro perfeito!" Eu rio quando ela abraça-me com força e me levanta do chão. Eu não disse a ela o que aconteceu. Eu acho que nem todo mundo precisa saber. Eu ainda vejo a preocupação do meu pai e Lucas em torno de mim, como se estivessem pisando em ovos, e eu não preciso disso. Eu não quero isso. "Você já foi para o quarto?" Eu pergunto-lhe. Ela balança a cabeça. "Eu estou esperando por um cara que conheci on-line, para me encontrar e descarregar as minhas coisas e levá-las até lá. Não faço trabalho manual, Luce." Eu pego uma caixa do porta-malas e entrego-lhe. "Eu não acabei de dizer—" Eu exagero em um beicinho. Seus olhos se estreitam. "Você tem sorte de ser tão bonita." Estamos rindo à medida que caminhamos para o nosso quarto. Ela abre a porta. Meu coração cai. E o mesmo acontece com a caixa em minhas mãos. "Whoa." Ela sussurra.

348


Nós caminhamos para o centro do quarto e viramos em um processo lento, em círculo. Não tinha percebido que eu tinha parado de respirar até que se torna necessário. "Você está bem?" Ela segura meu cotovelo e me leva para a cama. "É como se o sangue apenas tivesse drenado do seu rosto." Eu quero responder, mas eu não posso. Eu não posso falar. Meu olhar se move freneticamente ao redor do quarto, tentando absorver tudo, mas é muito. Há muita coisa. E antes que eu perceba, estou sentada na cama e chorando em minhas mãos. "Luce." Ela se senta ao meu lado e enrola um braço em volta do meu pescoço, me puxando para mais perto dela. "Você sabe quem fez isso?" Eu limpo meus olhos no meu antebraço e balanço a cabeça. "Quem?" "Cameron." Ela solta um assobio. "Cameron é um artista?" Eu levo o meu tempo e acalmo as minhas emoções, então olho ao redor do quarto. Um mural de tamanho normal nas paredes opostas ocupam todo o espaço. As outras duas paredes são preenchidas com esboços de uma única página. Eu me aproximo, querendo levá-los. "Ele pegou uma caneta." Eu sussurro para mim mesma. Há tantas folhas de papel, tantos esboços. Tantas lembranças de nós. O rio atrás de sua casa, o nosso cais à beira do lago, a varanda da frente da minha casa, Filmore, os pinos da sua bicicleta, meus irmãos — em cada páginas separadas, minha cabana — tudo. Ele levou tudo o que sempre importou para nós e fez sua arte. "O que é isso?" Rose pergunta, apontando para uma que eu perdi. É maior do que os outros, e emoldurado por trás do vidro. Eu ando até ela para que eu possa ver mais claro. "Oh meu Deus." Eu soluço. Eu levanto o quadro da parede e agarro-o contra o meu peito. Então eu sento na cama e corro meus dedos sobre o vidro. É o meu quarto, o que ele imaginou para mim. As paredes estão cheias de livros, a lareira está queimando, a poltrona ainda está lá, mas as pequeninas se foram. Elas foram substituídas por uma mesa. E por baixo do desenho são as palavras que rasgam meu coração em dois. "Nada disso importa sem o meu para sempre." "O que há com o nascer do sol?" Rose pergunta, puxando-me dos meus pensamentos. Ela está em pé na frente do mural, de costas para mim.

349


Ela olha por cima do ombro enquanto eu enxugo minhas lágrimas sem fim. "É o nascer e o pôr do sol." Eu digo a ela. "Ele diz que o faz lembrar do nosso amor." Eu me esforço para falar, respiro fundo e continuo. "Porque é eterno — a ascensão e queda do sol. É para sempre. Assim como nós." *** Deixo o campus e dirijo de volta para casa. Eu acabo no mesmo lugar que eu sei que vai ajudar. Falo com a única pessoa que eu sei que pode me corrigir. "Mãe." Eu sussurro. "Eu preciso de você." Eu coloco as flores na frente da sua lápide e sento-me de frente para ela. "Estou com medo." Digo. "E estou quebrada." Continuo lá por uma hora, derramando mais lágrimas, perguntando-me como é possível que as lágrimas podem continuar fluindo quando seu coração fica seco. Então pego minha bolsa, puxo uma caneta e caderno, e faço algo que eu não fazia desde que ela faleceu. * Sem título * Por Lucy Lovesalot. ...

CAMERON Ela deveria estar no campus ontem, mas eu não ouvi uma palavra. Ela não entrou em contato comigo, ou Micky e Jake. Se ela viu seu quarto, certamente alguém saberia. Deixei Rose como um último recurso, porque eu não sei se ela sabe o que aconteceu com nós neste verão, e eu não quero ser o único a dizer a ela. "Cara." Minge diz, caminhando para o nosso quarto. Ele levanta um pacote em suas mãos para me mostrar. "Você viu isso?" Eu estreito meus olhos antes de sair da minha cadeira e toma-lo de suas mãos. Sentado na cama, eu olho para o embrulho de jornal com o meu nome rabiscado com a letra de Lucy. "Então... Eu vou... uh... fazer outra coisa." Minge murmura.

350


Eu olho de volta para ele. "Obrigado cara." Ele balança a cabeça antes de sair do quarto e fechar a porta atrás dele. Eu limpo as minhas mãos sobre a colcha, esperando meu coração parar de bater tão forte. Na primeira respiração sinto como mil martelos no meu peito, eu lentamente rasgo o embrulho. É a mesma foto dela usando o moletom do filme De Volta Para o Futuro que ela me mandou em uma mensagem de New Jersey, uma miniatura de um Delorean e um bilhete dobrado. As batidas do meu coração começam de novo, mas eu não espero que ele se acalme. Eu desdobro a nota e leio a primeira linha. Sem título - por Lucy Lovesalot. Eu rio um pouco, e então para a mim mesmo, porque eu não tenho ideia do que suas próximas palavras vão fazer comigo. ****** Esta é uma história de um garoto e uma garota, que se apaixonam. Ou pelo menos deveria ser. Mas é mais do que isso. É uma história de um garoto e uma garota que cairam com tanta força no amor, que o amor era a única coisa que eles conheciam. E por tanto tempo, o amor era suficiente. O amor era o tudo. Eles compartilharam seus sonhos, as suas esperanças, os seus planos para o seu futuro. Eles compartilharam tudo, e ao fazê-lo, eles se entregaram um ao outro. Não apenas no sentido físico, mas em todos os outros sentidos possíveis. Então, uma noite, depois de compartilhar seu bem mais íntimo, a garota ficou com medo. Ela temia que talvez um dia o garoto não estivesse lá, e isso partiu o seu coração. "Você está errada", O garoto disse a ela. E então ele começou a dizer-lhe os seus pensamentos, seus sonhos, e o que ele imaginou para o seu futuro. Crianças. Ele queria uma pequena casa perfeita, com a sua pequena perfeita esposa e seus perfeitos filhos pequenos. E a garota — seu coração inchou com o pensamento disso. Não apenas sobre o seu futuro, mas o seu agora. E o eterno amor que o garoto mostrou por ela. E então um dia... Tudo estava acabado.

351


Apenas isso. Eles derramaram mil lágrimas, mais e mais. E quando isso terminou, eles derramaram mais de mil. Agora, o garoto ainda está lá. Ainda olhando para ela. Ainda esperando. Com seus sonhos de um futuro quebrado, ele espera. Mas a garota está com medo. A garota não pode deixar o desgosto pertencer a ambos para sempre. Porque um dia, ela acredita, esse garoto vai construir uma máquina do tempo. Ele vai voltar para o passado, para onde tudo começou, para onde seu amor era tudo o que precisava. Onde eles poderiam imaginar o seu futuro, e uma casa cheia de filhos. Ele vai querer voltar para o rapaz, caindo no amor com a garota. E para a garota que poderia dar-lhe os seus sonhos. Ele vai querer ficar lá para sempre, numa vida que era simples, e a única coisa que importava era o amor. Mas aqui eles estão, presos no presente, querendo saber como avançar. A garota pensa e sente, e pensa um pouco mais, não importa o quanto isso machuque. Mas ela não tem as respostas. Então, um dia, a garota constrói uma máquina do tempo, mas ela não se junta a ele no passado, ela vai para o futuro. Para onde ela vê o garoto que ela se apaixonou por muitos, muitos anos atrás. E ela vê sua tristeza. Ela o ver olhando para o quarto que ele projetou apenas para ela. Ela vê a carranca que puxa em seus lábios quando ele olha para uma única poltrona. Ela o vê olhando para as crianças do seu amigo na liga júnior, e se perguntando a si mesmo o que ele fez de tão errado na vida que não pode ter isso. Então ela vê a maneira como ele olha para ela, com tanto arrependimento, tristeza e ira, porque ele não podia ter nada disso. E um dia, o arrependimento, tristeza e raiva, eles se transformaram em ódio. E o amor que tiveram uma vez, o amor que fez o seu mundo girar, se transformou em ódio. Então, lá estão eles; o garoto no passado, se apaixonando pela garota. E a garota no futuro, com o garoto que não pode mais amá-la.

352


CAPÍTULO 37 CAMERON Meu corpo treme enquanto eu marcho para o seu dormitório, sua nota amassada grosseiramente em minhas mãos. Eu bato na sua porta mais do que deveria. As pessoas olham, me chamam de louco, mas eu não me importo. "LUCY!" Eu bato de novo. Mais forte, mais alto. "LUCY!" A porta se abre, mas não é ela. "Onde ela está?" "Whoa." Rose diz, com as mãos em sinal de rendição. "Você está bem?" "Não, eu não estou bem porra! Onde ela está?" Empurro a porta e entro, meus olhos freneticamente procurando por ela. Abro a porta do banheiro, mas ela não está lá. "Onde ela está, Rose?" "Eu não sei, Cameron, você precisa se acalmar." Ela coloca a mão no meu ombro. "Repire." Ela diz. E eu faço. Uma vez que a adrenalina se instala e meus músculos relaxam, eu olho-a nos olhos. "Rose, se você sabe onde ela está... por favor, me diga." Eu imploro. "Eu preciso vê-la." *** Dez minutos mais tarde, eu estou estacionando atrás do carro de Lucy na frente da casa de Jake e Micky. Eu tento manter a calma enquanto bato em sua porta. Jake responde, mas eu empurro-o para fora do meu caminho e encontro Lucy sentada em seu sofá. "Que diabos é isso?" Eu grito, erguendo a nota em minha mão. Ela se encolhe, puxando os joelhos até o queixo. "Eu estou falando sério, Lucy. Mas que diabos?" Tentei me acalmar antes de chegar aqui, eu realmente fiz, mas estou chateado. Além chateado.

353


"Cameron." Diz Micky, levantando-se e afastando-me. Lucy começa a chorar, ou talvez ela já estivesse. Eu não sei. "Lucy! Olhe para mim!" Ela não olha. Apenas continua soluçando, com os braços protegendo a cabeça, escondendo-se. Se escondendo de mim. Aperto minhas mãos em punhos. "Como diabos você pode sentir isso? Em que ponto eu fiz alguma coisa, qualquer coisa..." Eu grito. "Para que você se sinta assim! Fazer você se sentir como se eu não te amasse ou que eu fosse deixar de te amar! Isso é besteira! Eu não fiz nada, apenas amei você todos os dias desde o dia em que eu soube o seu maldito nome e você acha que pode ir embora, eu não vou deixar você ir!" "CAM!" Jake está ao meu lado agora, puxando meu braço e me levando até a porta. "Eu não vou deixar você ir, Lucy!" Eu grito, assim que Jake me empurra para fora da porta, fechando-a atrás de nós. "Você precisa se acalmar, porra." Ele diz. Mas há uma tristeza em sua voz e eu quero dar um soco nele. Preciso que as pessoas parem de sentir pena de mim. Eu só preciso que as pessoas compreendam. "Você não entende, porra!" Digo-lhe, sentando-me nos degraus da sua varanda. "Você não entende, porra!" Ele se senta ao meu lado, em silêncio, pelo que parece horas. E eu choro. Mais uma vez. Ele esfrega a parte de trás do seu pescoço antes de falar: "Você acha que eu não sei qual é a sensação de querer estar lá para uma garota que você ama? Quando ela está tão quebrada e mágoada que não te vê ali, com os braços abertos..." Sua voz falha, antes que ele limpe a garganta. "Confie em mim, cara. Eu sei. É a porra mais difícil de se fazer — estar em torno da pessoa que você ama, a cada dia, e não ser capaz de tê-la. Eu estive lá. Eu vivi isso. Mas ela precisa de tempo—" "Tempo? Ela teve toda a porra do verão e ela não fez nada, além de me afastar! Ninguém dá a mínima para o que eu sinto. Ela precisa de tempo? Eu preciso dela. E ninguém se importa!"

354


"É difícil, Cam. Ela está aqui porque Kayla entende. Ela está ajudando a lidar com sua perda." Viro-me para ele agora, com os olhos apertados. "Com a sua perda? Que diabos você está falando?" Seus olhos se arregalam ligeiramente, como se estivesse surpreso. "Ela lamenta, Cameron. Vocês fizeram um bebê, e o bebê..." Eu não ouço o que ele diz em seguida. Eu não posso ouvi-lo através do som do sangue correndo em meus ouvidos. Mas ao longo do som, eu ouço sua voz. "Cameron?" Ela diz, sentando-se ao meu lado. Viro-me para ela, meus olhos procurando em seu rosto uma resposta. Ou uma pergunta. "Eu não sabia." Eu sussurro. Ela coloca a mão na lateral do meu rosto. Com os olhos fechados, eu digo a ela: "Eu não sabia que você estava de luto. Eu estava tão concentrado em nós e o que você pensou que era o nosso futuro, que eu não pensei no passado. Eu não pensei sobre o que perdemos. Eu nem sequer pensei que perdi um bebê." Eu prendo o soluço que tenta escapar. "Eu estou tão arrependido, Lucy. Eu deveria saber. Eu sempre fui capaz de te ler, e eu falhei quando você mais precisou." Ela está chorando agora, puxando meu rosto para o seu pescoço. "Está tudo bem." Ela tenta me acalmar. "Eu estou sofrendo, Cam. E não sei como lidar com isso." Ela tenta se afastar, mas eu seguro-a mais apertado. "Por que você não fala comigo sobre isso?" Ela balança a cabeça. "Eu não sei o que dizer. Não sei como explicar. Quer dizer, com a mamãe eu sabia o que iria acontecer, e quando isso aconteceu, eu estava aliviada. Mas isso — eu não esperava. Eu não sabia até que tudo estava acabado. E nós nunca sequer chegamos a dizer 'olá', ou adeus. Não houve adeus. Não houve encerramento."

LUCY

355


Ele me disse para encontrá-lo no rio atrás da sua antiga casa. Ele não me disse o porquê, mas ele me fez prometer que eu apareceria logo antes do por do sol. E era para levar Lucas e meu pai. Ele deve ter ligado de antemão, porque quando eu apareço no sábado à tarde, eles estão prontos, vestidos com ternos, a maneira como eles sempre fazem quando vão visitar a mamãe no aniversário de sua morte. Eu olho para as minhas roupas, me perguntando se eu estou mal vestida. "Você está linda, querida." Papai me diz. Entramos na caminhonete do meu pai, comigo no meio. Lucas segura a minha mão o tempo todo. E eu ainda não sei o que está acontecendo. No instante em que meus olhos vêem o rio, e Cameron de pé na beira usando um terno, e Heather e Mark, vestidos de preto, eu sei. Eu tento me virar, mas Lucas me mantém no lugar. "Está na hora." Ele diz. Há seis cadeiras dobráveis, três de cada lado. Um lado de sua família, e o outro para a minha. Cam não olha para mim. Não diretamente. Quando ele nos vê chegar, ele se senta na cadeira ao lado de sua mãe, e nós nos sentamos nas outras três. Em seguida, senta-se ali, de frente para a água, à espera de não sei o quê. "Eu sinto muito." A voz de um homem rompe o silêncio. Ele está na nossa frente, seu sorriso genuíno no lugar. Ele olha para Lucas e para mim com reconhecimento. "Meu Deus, vocês dois cresceram." Ele diz. Eu reconheço-o como o pastor do funeral da mamãe. Eu cubro minha boca, para impedir o grito de escapar. Ele limpa a garganta e olha para todos individualmente. Ele suspira. Abre seu livro, coloca seu óculos de leitura, e começa. "Não há nenhuma pegada muito pequena, que não pode deixar uma marca neste mundo..." O grito de Cam me faz virar para ele. Ele agarra o antebraço com uma mão, usando-a para cobrir os olhos. Ele se inclina em sua cadeira, soluçando baixinho. Sua mãe chora muito, mas suas lágrimas são silenciosas. Ela esfrega círculos lentos em sua volta, do jeito que ele fez comigo tantas vezes. Inclinando-se

356


para frente, ela sussurra palavras apenas para ele. Ele não para de chorar, e nem eu Finalmente, me levanto e tomo os passos para chegar até ele. Eu coloco minha mão em seu ombro, fazendo-o olhar para cima. Se um coração partido tinha um rosto, seria o dele. Ele senta-se reto, com a mão na minha cintura. Ele chora no meu estômago, sem vergonha. Eu choro com ele, tanto que eu mal posso suportar. Então eu sento no seu colo com os braços em torno de si. E nós gritamos um no pescoço do outro, segurando forte. Sofremos. Nós lamentamos. E nós amamos. Tomamos nossos corações quebrados e nós os juntamos novamente, no lugar onde tudo começou. Quando um garoto que mal me conhecia me ensinou a quebrar. Ensinou-me a deixá-lo ir. E me ajudou a curar. Quando o sol se põe, e o céu fica laranja, cada um de nós segura uma flor em um barco de papel e os soltamos no rio. "Você teve a sensação?" O pastor pergunta. "Se era um menino ou uma menina?" "Menina." Dizemos ao mesmo tempo. Ele sorri para nós. "Vocês querem dar um nome para ela?" Eu olho para Cameron de pé ao meu lado com a mão na minha cintura. "Hope (esperança)." Eu sussurro para ele. "Você me deu esperança." * Cameron está na nossa frente com um pedaço de papel em suas mãos. Ele olha primeiro para sua mãe, e depois para mim sentada ao lado dela. Ele tenta sorrir, e então limpa a garganta enquanto seus olhos vagueiam para o que está em suas mãos. Segundos se passam até que ele fale.

357


"Mais do que sempre." Ele diz, em seguida, olha para mim. "De Cameron Lovesyoumore." E em um momento de completa tristeza, eu achei que não era possível, mas ele me faz sorrir. ****** Era uma vez, havia um garoto cuja mãe o fazia assistir Aladdin — mais vezes do que deveria ser legalmente permitido para garotos. No entanto, cada vez que ele se sentava com ela, sob seu cobertor de tapete mágico e assistia com atenção, porque ele sabia que a fazia feliz. Era uma história sobre um garoto chamado Aladdin — um garoto pobre, que encontrou o amor no mais estranho dos lugares. Ele se apaixonou por uma garota, uma princesa, que vivia em um castelo gigante, cheio de muitas, muitas pessoas. Principalmente meninos. E mesmo que várias pessoas a cercassem, ela estava sozinha. Ela estava triste. A única coisa que ele descobriu que a confortava era seu tigre de estimação que ela levava em todos os lugares. Na minha história, seu tigre é um e-reader. Um dia, o garoto encontrou a coragem de falar com esta linda princesa, sozinha em sua casa gigante. Ele disse a ela: "Você confia em mim?" Ela sorriu e disse que sim. E lá se foram eles, em uma aventura épica. Eles foram em um passeio de tapete mágico. Ele prometeu mostrar-lhe o mundo, brilhando, brilhando, esplêndido... E ele fez. Ou pelo menos tentou. Depois de algumas centenas de vezes assistindo este filme, o garoto se virou para sua mãe e perguntou: "Por que o gênio não deu-lhe mais desejos?" Sua mãe sorriu para ele. "Porque." Ela disse. "É egoísta querer mais do que você já tem." O garoto passou noites pensando nas palavras de sua mãe. E ele prometeu, então, para sempre apreciar o que ele tinha. O que foi dado a ele. E não querer mais. Mas, então, este garoto, um pouco mais velho agora, e definitivamente mais bonito e robusto, apaixonou-se por sua própria princesa, que estava triste e solitária em sua enorme mansão. E mesmo que as palavras de sua mãe se

358


repetissem em sua cabeça, ele não pôde se parar, ele desejou mais. Ele quis mais dela, pequenas versões dela, na forma de suas filhas. Agora, esse garoto é um homem de novo, ainda mais bonito. E ele vê o egoísmo dos seus caminhos; sua falta de querer mais de algo que ele já teve. Algo que ele foi abençoado de ter, em primeiro lugar. Então, por dias e dias este homem procura o gênio, tentando encontrar uma maneira de fazer seus desejos se tornarem realidade. E ele promete a si mesmo que se achasse o gênio, e o gênio lhe oferecesse três desejos, ele vai dizer o que deveria ter dito há muito tempo. "Você pode manter seus dois desejos, eu só vou querer um. Eu quero a minha menina, Lucy. O meu para sempre. E não apenas para o nosso para sempre, mas para a eternidade."

359


CAPÍTULO 38 CAMERON Passaram-se alguns dias desde o funeral de Hope, e eu não tenho notícias dela. Eu não sei se ela quer mais tempo, mas eu estou dando a ela de qualquer maneira. Jake disse que ela vai vir até mim quando estiver pronta, então eu espero. Ou pelo menos eu fiz. Mas agora, vendo-a lendo sob uma árvore como costumava fazer quando tinha quinze anos, eu não posso me parar, só ir até ela. Eu solto minha mochila e sento-me ao seu lado. Ela deixa cair o queixo ao peito, tentando esconder o sorriso. Deus, eu sinto falta do seu sorriso. "O que você está lendo?" Eu pergunto. "Nada." "Não pode ser nada. Sobre o que é?" "É sobre um garoto e uma garota... que se apaixonam." "Sim?" Eu brinco, repetindo as minhas palavras de tanto tempo atrás. "E o cara é um garanhão? Seu nome é Cameron?" Ela ri, o som tão poderoso que abafa todos os outros sons. "Sim, na verdade." "Sério?" Pergunto em descrença. Ela acena com a cabeça, seu sorriso em pleno vigor. Mas os olhos se abaixam, voltada para as palavras. "Mas ele é um sexy e traficante de drogas." "Não me diga?" "Sim." Ela diz. Eu bato no meu peito como um homem das cavernas. "Eu poderia ser sexy e traficante de drogas."

360


Ela ri novamente. "Leia para mim um pouco." Eu peço-lhe. "Não." "Ok." Ela não responde, e acho que terminamos. Mas o calor de sua mão desliza pelo meu braço. Eu assisto ansiosamente enquanto sua mão toca a minha. Meu coração se acelera. Então, ela entrelaça nossos dedos. Deixo escapar um suspiro que eu não sabia que estava segurando. Ela não fala. Ela só fica lá, lendo seu livro, vagamente segurando minha mão. Depois de alguns minutos, ela levanta meu braço até que esteja em torno dela, os dedos ao lado da sua cintura. Ela se inclina para perto, tão perto que eu posso sentir seu shampoo. Eu a cheiro um pouco. Sentir falta daquele cheiro. "Você acabou de me cheira?" "Não." Ela se inclina até que nós estejamos tão perto quanto possível, e é assim que ficamos, em silêncio, até que o sol comece a se definir. Eu vejo como o céu fica laranja, depois vermelho e roxo. E sei que estamos sentados aqui por horas, mas parece minutos, porque o tempo não existe quando estou com ela. Ela treme em meus braços. "Você está com frio?" Ela desliga seu e-reader e olha para mim pela primeira vez desde que me sentei. Meus olhos não podem tomá-la rápido o suficiente. "Sim." Ela diz. "Eu provavelmente deveria voltar para o meu quarto." Tento pensar se eu posso lhe oferecer a minha jaqueta ou algo que vai fazê-la ficar mais tempo, mas não tenho nada. "Oh, tudo bem." Ela se levanta e coloca sua mochila no ombro. "É tarde." Ela diz, enquanto eu fico de pé.

361


"Sim." Eu respondo. "É tipo... a hora do jantar, certo?" Concordo com a cabeça. E fico ali. "Você quer—" Ela começa, e depois se cala. E então algo me bate. "Você quer comer alguma coisa?" "Oh, não. Quero dizer — você quer?" Concordo com a cabeça freneticamente e, em seguida, tento me acalmar. "Ssim... você quer?" Ela solta uma risada. "Por que isso é tão difícil?" "Estou nervoso." Digo-lhe com sinceridade. "É como se eu tivesse quinze anos e eu estou te convidando para sair." Ela sorri. "Eu acho que você não me convidou para sair... tipo... nunca..." "Não?" Eu tento pensar nesse tempo em nossas vidas. "Puta merda. Não fiz, não é?" Ela balança a cabeça, mordendo o lábio enquanto faz isso. "Bem, você gostaria de sair comigo?" Eu pergunto, sentindo-me estúpido e envergonhado, mas acima de tudo, com esperança. Uma baixa risada escapa dela. "Que tal comprarmos o jantar e ir para o meu quarto... poderíamos assistir a um filme ou algo assim?" Eu quero fazer uma piada sobre ela me convidar para o seu quarto no nosso primeiro encontro... E que assistir a um filme é um código para transar... mas eu não acho que é apropriado. "Isso soa muito bem." *** Compramos uma pizza no caminho e vamos para o seu quarto, e eu sou grato que Rose não está lá. "Está tão frio." Ela diz. "Estava tão quente hoje e agora está congelando."

362


Eu coloco a pizza sobre a mesa e vejo-a caminhar até sua cômoda. "Você quer um moletom? Acho que tenho um seu aqui." Eu sorrio com o pensamento dela querendo me manter vestido. "Sim, por favor." Ela joga um moletom na minha cabeça, fazendo-a rir. "Bom braço." Eu brinco. Ela encolhe os ombros. "Jake está me ensinando a lançar." "Huh." Eu forço para baixo o ciúme. Primeiro o ginásio, agora lições de lançamentos. Ela pega o pijama de sua gaveta e aponta para o banheiro. "Eu só vou me trocar bem rápido." Tem sido um longo tempo desde que ela sai para se despir. Eu olho para longe e aceno com a cabeça. Eu espero até ouvir a porta do banheiro se fechar antes de me sentar na cama. Eu deixo minha cabeça cair a em minhas mãos, e penso. Eu penso em quanto tempo vai demorar, e quão difícil vai ser para tentarmos volta para onde estávamos. A cama mergulha quando ela se senta ao meu lado. "Cameron." Ela diz, e eu inclino minha cabeça para encará-la. Ela deve ser capaz de dizer o que está na minha mente, porque ela acrescenta. "Lento, ok?" Concordo com a cabeça, meu coração pesado com a incerteza. Ela se levanta e pega a caixa de pizza e seu laptop. "Lucas baixou o Netflix no meu computador para que possamos ver o que quisermos." Ela se senta em sua cama, com as costas contra a parede e dá um tapinha no lugar ao seu lado. Um filme é reproduzido, mas eu não o assisto. Eu assisto-a. Quando terminamos de comer ela joga a caixa no lixo, e coloca seu laptop em sua cadeira ao lado da cama. "Está frio." Ela diz. "Eu acho que vou ficar debaixo das cobertas. Pode sair, se você precisar ir para aula mais cedo ou algo assim..." "Ou?" Eu pergunto-lhe.

363


"Ou você pode ficar, deitar-se comigo, até o filme acabar." Meu sorriso é instantâneo.

LUCY Puta merda. Estou tão nervosa. Mais nervosa do que quando dei-lhe meus beijos virgens. Eu quero que ele fique. Eu quero estar em seus braços onde eu sei que estou segura. Eu quero ir devagar, mas é difícil. Especialmente porque eu sei o que esperar no final. Ele. Eu deito debaixo das cobertas na beirada da cama e espero que ele fique atrás de mim, mas ele não me toca e eu não sei por quê. "Você ainda está com frio?" Ele pergunta. "Um pouco." A cama se move e eu sinto o seu calor atrás de mim. "Se aproxime." Ele diz. Então, eu faço. E de repente eu estou em seus braços, exatamente onde eu quero estar. Aperto o play para o filme continuar e choro lágrimas silenciosas. Ele não fala. Ele não se move. Ele não tenta me tocar de forma inadequada. Ele apenas me segura. E é perfeito. Ele é perfeito. Assim como sempre foi. * Ele está dormindo. Eu posso dizer, porque o filme acabou e ele não se moveu. Eu sinto seu peitoral nas minhas costas, subindo e descendo pacificamente com cada respiração. Viro-me em seus braços para que eu possa encará-lo. Ele tem o capuz sobre a cabeça e sua boca está parcialmente aberta. Seu lábio inferior treme levemente a cada expiração. A porta se abre e Rose entra. Eu levo o meu dedo à boca, dizendo-lhe para ficar quieta. Suas sobrancelhas se arqueiama em confusão antes que ela olhe de mim para Cameron. Ela faz beicinho, murmurando. "Tão fofo."

364


"Eu sei." Eu murmuro de voltar, meu sorriso em pleno vigor. "Eu vou voltar na parte da manhã." Ela sussurra. Agradeço antes que ela saia do quarto em silêncio. Eu olho para ele e meu coração dói. Mas é o tipo bom. O tipo de amor. Eu me inclino para mais perto, então nós estamos cara a cara e puxo as cobertas até o queixo. E sorrio. Eu sorrio tanto que meu rosto dói. E então faço algo que eu queria fazer há muito tempo. Eu o beijo. Suavemente a princípio. Apenas o lábio inferior. Então eu vou para o topo. Rio quando lembro que eu fazia isso, depois da primeira vez que ele me beijou. Eu coloco meus dedos em meus lábios, lembrando-me do toque. E então o beijo novamente. E mais uma vez. Finalmente, ele engasga e se acorda. "Eu estava sonhando?" Eu matenho a boca fechada. Sua voz é rouca de sono quando ele diz: "Você estava me beijando?" Eu não respondo. Ele me puxa para mais perto. "Você totalmente estava." Ele sussurra. "Eu estou meio chateado de não estar acordado para retribuir." "Sinto muito." Eu digo a ele, mesmo que eu não sinta. "Você parecia tão bonito e tranquilo... e seus lábios estavam apenas lá... esperando..." Ele esfrega seu rosto em meu pescoço. "Você deveria ter me acordado." "Eu não gosto de acordar você." Ele se inclina sobre o cotovelo e descansa a cabeça na mão, olhando para mim. E então ele sorri. Deus, eu sentir falta desse sorriso. Sua cabeça cai na curva do meu pescoço. "Eu senti tanto sua falta, Lucy." Ele sussurra, puxandome para mais perto de novo. Seus lábios escovam no meu pescoço, até meu queixo, e eu posso senti-lo em todos os lugares. Meu corpo vibra em seus braços, como se um milhão de borboletas tentassem escapar. Ele beija minha bochecha. Só uma vez, tão rapido que eu mal sinto. Eu me contorço em seus braços, não querendo fugir,

365


mas querendo ele. "Não." Ele resmunga, apertando-me com mais força. "Você começou a me beijar, agora é a minha vez." Eu mordo o lábio para não deixar um gemido escapar. Seu nariz escova contra o meu. E então sua boca está na minha. Mas ele não se move. Na verdade, ele se afasta. "Lucy." Ele diz, a voz embargada. "Eu sei que você quer ir devagar, e isso é bom. Posso fazer isso até certo ponto. Posso fazê-lo fisicamente, mas emocionalmente, eu preciso saber que você é tudo. Eu sei que devo ser paciente. Eu sei que deveria esperar. Mas é tão difícil, especialmente porque eu quero tudo de você. Eu preciso saber se você quer isso também." Concordo com a cabeça. "Eu quero." Um sorriso toma conta do seu rosto. "Eu vou te beijar agora." Ele diz. E então ele me beija. Puta merda, e que beijo.

366


CAPÍTULO 39 LUCY "Dois meses!" Digo a Rose. "Dois meses malditos! Ele me leva em encontros, nós gastamo cada segundo livre juntos, dormimos na mesma maldita cama todas as noites e ele não me toca. Nem sequer uma escovada! Nada!" "Bem." Ela ri de sua cama. "Você pediu para ele ir devagar, certo?" Eu jogo um travesseiro em sua cabeça. "Sim, eu quis dizer lento, não... parado. Estou tão necessitada, aproveito todas as oportunidades durante o dia quando você não está aqui para agitar meu feijão!" Sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Agitar o quê?" "Cale-se!" Eu rosno em um travesseiro. "Ele sai todas as manhãs e me beija. O tipo de beijos que deveriam ser ilegal, Rose. E ele está ficando mais quente. Como isso é possível? Ele começou a ir ao ginásio novamente e seus músculos, seu abdômen e o seu cabelo... Eu nem sequer... e os beijos." "Cara." Ela me olha de lado. "Você está prestes a vir agora? Porque você—" "SIM!" Eu grito. "Eu estou. Preciso que ele... só..." Eu choramingo em derrota. "Meu clitórossauro-rex não está feliz." "Seu o quê!" Ela está rindo muito agora. Ela corre para o banheiro... Eu acho que para limpar seu rosto, talvez fazer xixi, eu não sei. Ela volta como se nada tivesse acontecido. "Por que você não fala com ele? Ele provavelmente está com medo, não sabe até onde ir, sabe? Se você fazer o movimento, demonstrar iniciativa, tenho certeza que ele vai ficar feliz em ajudar." Eu me levanto. "Sim!" Eu grito triunfante. "Isso é exatamente o que eu vou fazer!" "Foda-se, sim, garota. Vá buscá-lo!" Ela dá um tapa em minha bunda. Eu gemo de prazer.

367


Ela olha para mim com nojo. "Puta merda, Luce, você está com tesão pra caralho." Meu celular apita com uma mensagem. Eu o pego e esmago o dedo contra a tela. Talvez eu esteja mais chateada do que pensava. "Ótimo." Eu digo sarcasticamente: "Ele disse que tem aula o dia todo, mas quer me levar para sair hoje à noite, em um lugar especial. Você sabe o que isso significa, Rose? Sabe? Isso significa que eu tenho que esperar o dia todo para vê-lo e, em seguida, esta noite, ele ainda não vai me tocar! " *** Ele bate na minha porta às sete em ponto, como disse que faria. Ele está usando calça jeans escura e uma camisa de manga comprida azul clara com as mangas empurradas até os cotovelos e os músculos à mostra. Eu quero lambê-lo. Em todos os lugares. Ou me esfregar em sua perna. Algo assim. Ele me entrega um buquê de flores e beija minha bochecha. Eu pego as flores e agradeço-lhe, murmurando baixinho que eu prefiria ter o seu pau do que as flores. "Você está bem, querida?" Ele pergunta. "Yup. Basta dar-me dois minutos para que eu termine de ficar pronta." Ele se senta na cama e eu vou para o banheiro. Sorrio quando termino de me vestir. "Terminei, Cam." Seus olhos se arregalam quando me vê. Regata, saia de babados curta, tão curta que dá para ver o topo das minhas meias, e na parte inferior os suspensórios. "Puta merda." Ele sussurra, cobrindo seu pau com o meu travesseiro. Eu pego um casaco na altura do joelho e me cubro. "Pronto, baby?" Ele engole em voz alta e acena. "S-s-sim." *** Seguro sua mão enquanto ele dirige para onde estamos indo, e coloco-a na minha coxa nua. Ele faz um barulho do fundo da sua garganta e limpa a boca

368


com o ombro. Lentamente e casualmente, eu começo a empurrá-la mais para cima. Ele para o carro em um estacionamento. "Foda-se." Um ponto para mim. "Que diabos você está fazendo?" Ele murmura. Eu bato meus cílios. "O que você quer dizer?" Ele balança a cabeça, seus olhos escuros ardentes de luxúria. "Você vai ficar em apuros, Luce." Eu tento esconder meu sorriso. Ele olha em volta do lugar. "Dois minutos." Ele diz para si mesmo, antes de bater o acelerador. Seus pneus giram quando ele vai embora. Ele se contorce em sua cadeira, continuamente ajustando-se. Dois pontos para mim. *** Ele nos leva a um armazém. "Este é... um..." Ele ri um pouco, pegando a minha mão e me ajudando a sair do carro. "O quê? Como daquela vez que eu levei você para ver Filmore?" "Um pouco, sim." Passamos por cinco fileiras da unidade de armazenamento antes que ele pare. "Isto é meu." Ele informa, puxando as chaves do bolso. Eu começo a tirar meu casaco, mas ele me interrompe. "Você pode querer deixar isso um pouco mais." "Tudo bem?" Ele sorri para mim, antes de segurar meu rosto e me beijar. "Eu amo você, Lucy." Ele abre a porta e desliza-a para cima. E meus olhos estão em toda parte, de uma só vez, olhando ao redor. "O que é isso?"

369


"Mãe." Ele diz. "Sua mãe? O quê?" Ouço os risos de Heather. "Tchau crianças." Ela diz. E então ela se foi. "Que diabos?" Ele desliza a porta de volta para baixo e caminha até mim. "Eu precisava da ajuda da minha mãe. É por isso que ela estava aqui. Também é por isso que eu lhe disse para manter o casaco, mas agora que você está aqui..." Ele desabotoa meu casaco e desliza-o pelos meus ombros, me expondo para ele. Mas meus olhos estão ocupados demais olhando para as pinturas na parede, os esboços em todo o lugar. Há caixas de luz e projetos na mesa e... "Jantar à luz de velas?" Ele ri. "Este é o meu estúdio. Mark me ajudou a encontrá-lo. Ele o pagou por um ano. Este é o lugar aonde eu vim para fazer seus murais e os esboços em seu quarto. Venho aqui para trabalhar, estudar, qualquer coisa." Ele inclina-se contra uma caixa de luz e relógios enquanto eu olho ao redor. "Você está começando a pintar muito com cores." Eu olho para ele rapidamente. "Isso é incrível, baby." Ele não fala. Apenas continua a me assistir. "Você está pensando em mudar suas clases? Mudar para arte?" Ele está ao meu lado agora, segurando minha mão. "Não, eu percebi que a minha paixão é design. Coisas de arte, isso é só para nós." Viro-me e olho para ele. "Eu estou tipo sem palavras agora. Estou... Eu não sei... apenas parece errado para mim dizer que estou orgulhosa de você, porque eu realmente não fiz nada para ajudá-lo, mas eu sentir—" "É claro que você fez, Luce." Ele me corta. "Você acreditou em mim. Isso significa tudo." Eu pisco as lágrimas e respiro profundamente. "Assim, jantar à luz de velas?" Ele balança a cabeça e, em seguida, aponta para o chão.

370


Eu abaixo o meu olhar. "Pétalas de Rosa?" Eu grito. Eu nem tinha notado. "E." Ele diz, caminhando até uma lareira. Ele passa alguns segundos antes de acendê-la, ele diz. "Lareira." Eu faço beicinho. "Como você queria na nossa primeira vez?" Ele balança a cabeça novamente. "Esta vai ser a primeira de muitas primeiras vezes, para nós, não importa o que nós experimentamos tudo é diferente desta vez... Não há perguntas, não há incertezas. Você e eu, baby, para sempre" Um milhão de pontos para Cameron. Mas eu não me importo, porque a minha pontuação é ifinita. *** Nós comemos o jantar e conversamos, rimos, e conhecemos um ao outro, como se fosse à primeira vez. E nós nos apaixonamos ainda mais. Depois, ele pede para que eu sente no seu sofá-cama que ele tem lá dentro. Então, eu faço. Ele leva o seu tempo me desenhando. E cada vez que ele olha para cima do seu desenho com um leve sorriso no rosto, ele me faz sentir bonita. E sei que eu poderia estar usando o que estou agora, ou eu poderia estar usando meu pijama, e ele ainda olharia para mim desse jeito. Porque ele sempre foi, e sempre será assim. Ele não me mostrar o seu trabalho quando termina. Ele disse que é só para ele, para quando eu não estiver ao seu lado. "Agora fique nua." Ele diz. Eu rio. "Você acha que eu estou brincando?" Ele se senta no sofá-cama ao meu lado e me puxa para ele. "Eu vou fazer um acordo. Você posa nua e eu vou tirar toda essa vontade que você está sentindo. Eu sei que você está ficando louca." Meu queixo cai. "Eu não estou sentindo—" Sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Luce, você acha que eu não sei o que você está fazendo? Eu conheço você. Eu conheço o seu corpo. Sei que ele está insano por que eu não o toquei." Eu me lanço sobre ele, e sento-me em sua cintura com os joelhos em ambos os lados. "Por que você não fez?"

371


Sua cabeça cai sobre a almofada, apenas para que ele possa assistir as suas mãos percorrerem as minhas coxas, suavemente empurrando minha saia para cima. "Eu só não queria fazer nada antes que estivéssemos prontos. Não é?" Ele pergunta, sinceramente. "Eu quero dizer emocionalmente." Eu penso em suas palavras, e penso sobre isso, e tudo o que ele significa para mim. "Sim." Ele lambe os lábios antes de sentar-se e me puxar para mais perto. Ele me beija lentamente, profundamente, por minutos, que se passam como segundos. E eu não consigo obter o suficiente. Fisicamente. Emocionalmente. Tudo. Suas calorosas mãos agarram minha cintura, debaixo da minha regata. E então eu entro em pânico. Eu empurro suas mãos, e me afasto do seu beijo. "O que há de errado?" Eu engulo o nó em minha garganta e olho para longe, mas a sua mão no meu queixo me vira para ele. "Babe?" Eu tento não chorar. Eu tento não estragar o momento. Eu realmente tento. Mas eu não consigo segurar. "Ei." Ele tenta me acalmar, me envolvendo em seus braços e esfregando círculos em minha costa. "O que há de errado? Fale comigo." "Eu tenho uma cicatriz." Eu sussurro. "E é feia." Gentilmente, ele agarra meus ombros para que possa me afastar e olhar nos meus olhos. "Você está brincando comigo?" Eu balanço minha cabeça, sentindo-me pequena e insegura. Ele olha para o lado e solta um suspiro. "Eu não sei o que dizer." Ele admite. "Eu não sei como fazer você se sentir melhor sobre isso. Tudo o que posso dizer é que eu acho você é linda, cada centímetro seu, com cicatriz ou sem cicatriz. E se há uma maneira que eu possa provar isso, eu vou fazer. Se você se sentir constrangida sobre isso, você não tem que me mostrar, mas eu gostaria de vê-la. Meio que pertence a nós dois, não acha? " Eu respiro fundo confiante e lentamente tiro minha regata. Seus olhos estão fixos nos meus. Então, lentamente, ele nos vira até que eu esteja em minha

372


volta, e ele me beija. Primeiro, a minha boca, e depois o meu pescoço. Sua língua se lança, deixando um rastro entre os meus seios. Ele abre meu sutiã, e lentamente puxa as tiras para baixo de cada braço. Seus olhos se concentram em meus seios. "Linda." Ele murmura, antes de dar-lhes atenção individual com a boca. Sua língua. Seus dentes. Eu fecho meus olhos e deixo que ele me leve. Suas mãos puxão minha saia, até que passem pelos meus quadris e pelas minhas pernas. Ele beija minha barriga, até o meu umbigo. Lágrimas caem dos meus olhos fechados enquanto antecipo seu próximo movimento, quando ele vê a cicatriz feia que estraga meu corpo ele me chama de bonita. Minha respiração trava quando eu sinto os lábios lá, uma polegada acima do meu osso púbico. Ele dá beijos de boca aberta ao longo do comprimento da cicatriz; todas as quatro polegadas. Ele leva o seu tempo, deixando meu corpo tremer com os soluços que não posso conter. "Você é linda, Lucy." Ele murmura. E eu choro ainda mais. Mas ele não parar com os beijos, ele se move mais para baixo do meu corpo, retirando minha calcinha, meus suspensórios e minhas meias, tudo em um só movimento. Ele fica na extremidade do sofá, com os olhos ardendo de tesão. Ele lambe os lábios, antes de mergulhar a cabeça entre as minhas pernas. Não demorou muito para eu vir. Não uma vez. Não duas vezes. Mas três vezes — só com a sua boca. "Você tem que ficar quieta." Ele ri. "Este espaço é público." "Cala a boca." Eu digo a ele. "Fique nu." Ele ri, mas faz o que eu peço. Em seguida, ele sobe em cima de mim e se posiciona. "Eu vou fazer amor com você agora." Ele diz em meu pescoço. "E eu vou fazer tudo certo desta vez." "Ok." Eu gemo, passando a mão em sua costa. "E depois de fazermos amor, você pode me comer?" Ele sufoca o riso no meu pescoço. "E depois você me comer, você pode me foder?" Ele entra dentro de mim, sem aviso prévio. E, em seguida, seu corpo fica tenso e ele olha para cima. "Merda, Luce, eu nem sequer perguntei. Você... quer dizer... podemos?" "Estou tomando pílula." Eu o beijo apaixonadamente, provando a mim mesmo em sua língua... Sentindo-o ficar ainda maior dentro de mim. "Agora faça amor comigo, para que possamos chegar à parte pervertida."

373


CAPÍTULO 40 CAMERON Eu não gosto de pensar que Lucy e eu terminamos no último verão. Eu digo que nós apenas reiniciamos uma nova rodada de estreias. Todo o resto é o mesmo que sempre foi. Eu tenho mais tempo livre, agora que não estou trabalhando na empresa, e ficou um pouco mais fácil porque não há a pressão de uma bolsa pesando sobre mim. Algumas semanas atrás, Logan voltou. Ele ainda não falou realmente sobre o que aconteceu, mas ele está feliz. E eu sei que a principal razão é por causa de Amanda. Feliz com Lucy também, ela tem dois dos seus melhores amigos aqui. E eu, estou apenas feliz que ela esteja feliz. Ela me ligou chorando uma vez depois que as meninas tiveram o clube do livro. Ela pediu que eu a encontrasse imediatamente. É claro que eu fiz. Ela disse que falou a Amanda sobre nós — sobre não sermos capazes de termos filhos. Ela disse que foi a primeira vez que ela realmente disse a alguém. Ela não contou a Rose, e Micky e Jake sabiam porque eles estavam no hospital. Mas Micky realmente não entendia como, nem por que, mas ela nunca perguntou. Ela disse que explicou os detalhes a elas, e todas se sentaram e choraram. Foi emocionalmente e desgastante para todas elas. Amanda perguntou se Logan sabia, ela lhe disse que não, mas que ela poderia dizer a ele. Então, nós dois estávamos esperando o golpe que veio em sua porta um par de horas mais tarde. Ele estava de pé com as mãos nos bolsos e a cabeça baixa. Ela disse o seu nome e ele olhou para ela, com os olhos vermelhos com suas próprias lágrimas. Ele não falou; ele apenas passou os braços em volta dela. Poderiam ter sido minutos; Poderiam ter sido horas. Ele olhou por ela e para mim, sentado na cama e escutando tudo o que aconteceu. Ele me disse que estava arrependido e que as coisas iriam ficar bem, e que ele estaria lá para mim se eu precisasse de alguma coisa, e ele disse tudo isso sem nunca falar uma palavra. Lucy o abraçou de volta. Eu não sei se era por ela ou por ele. Quando ele estava pronto, ele se afastou, acenou com a cabeça uma vez para ela, e então enfiou as mãos nos bolsos e se foi. Ela fechou a porta atrás de si, voltou para cama comigo, e então ela disse algo que eu estava pensando desde o dia em que descobrir sobre o aborto. "Com quem você acha que ela teria se parecido?"

374


Passamos o resto da noite falando sobre ela. Falando sobre a nossa Hope. Foi um momento de clareza, e um momento de cura. E, como todas as outras noites, declaramos o nosso amor um pelo outro e adormecemos nos braços um do outro. E na manhã seguinte, acordamos, e seguimos em frente. *** "Lucas está no campus." Ela diz, olhando para o seu celular. Eu paro no meio-fio em frente à casa de Jake e Micky. "O que ele está fazendo aqui?" "Ele só disse que estava olhando ao redor." Eu saio e espero por ela na frente do carro. "Ele ainda está indeciso sobre vir para cá?" "Eu acho." Nós passamos pelo portão lateral e vamos em direção do quintal, onde todo mundo já está sentado. Sento-me em uma cadeira e ela se senta ao meu lado, escrevendo uma mensagem em seu celular. "Ele disse que foi até o meu quarto, e, em seguida, para o seu. Minge estava lá, de alguma forma ele o convenceu a ir a uma festa. Ele está lá agora. Ele disse que só vai ficar um pouco por lá e depois vai vir para cá." Ela vai até o refrigerador ao seu lado e tira uma bebida. "Ei Luce." Diz Logan. "Se lembra quando você tinha medo da sua vagina?" A cabeça de Amanda se joga para trás numa gargalhada. "Eu não quero nem perguntar." Ethan, seu irmão, fala. "Lembra quando nós a nomeamos?" Jake entra na conversa. Eu rio com eles. "Não é engraçado." Ela diz, mas está rindo muito. "Dylan tinha as melhores!" Logan acrescenta. "Foda-se, eu sinto falta daquele garoto."

375


"Eu sei! E cada vez que falamos o nome dele é como se todos nós temos que ter um momento de silêncio para o nosso irmão perdido..." Eu digo. "Perdido para os fuzileiros navais?" Micky pergunta. "Nós devemos fazer isso." Diz Jake, ignorando-a. "Toda vez que dissermoa o nome dele, temos que ficar quietos e prestar o nosso respeito." Nós todos rimos, mas concordamo em fazer. Uma hora depois, Lucy está bêbada. Meia hora depois, ela está ainda mais bêbada. "Vou ligar para Lucas, ver o que está acontecendo." Ela disca seu número e leva o celular ao ouvido. "Onde você está?" Ela pergunta. Segundos se passam, em seguida, um olhar de desgosto toma conta do seu rosto. "Cara, você está fazendo sexo?" Os caras aplaudem. Ela desliga o celular e treme. "Nojento." Dez minutos depois, ele aparece. Eu tenho que fazer as apresentações porque Lucy está muito ocupada fazendo sons de engasgos exagerados. "Banheiro, quarto ou carro?" Logan pergunta a ele. Lucy fica mais alta. Amanda se vira para Logan. "O quê? Você é tão nojento." Ele apenas dá de ombros. "Vidas passadas, baby. Antes de você." Amanda começa a fazer os mesmos sons de Lucy. Lucas gira em um círculo em busca de um assento. Eu puxo o braço de Lucy até que ela estivesse sentada no meu colo, e digo a ele para tomar o seu lugar. Uma vez que Lucy está mais calma e seus sons morreram. Lucas responde. "Carro." E o engasgo começa novamente. Lucas ri dela. Então, por algum motivo ele acha que é uma boa ideia encher o saco dela um pouco mais. "Ela era bem escandalosa, também." Ele diz. "Cale-se!"

376


"Eu nem tive que fazer nada. Ela me montou em seu banco traseiro. Suas mãos agarraram seu teto solar e ela me fodeu com força. Realmente com força. Eu tinha que continuar olhando para fora da janela para ver se eu ia ser pego. Ela tinha uma boca suja, também." "Eu juro, Lucas, cale a boca!" Sua risada se transforma em uma gargalhada. "Eu aposto que você nem sabia o nome dela!" "Sim, eu sabia." Ele diz, parecendo quase ofendido. "Era... Robby? Não Roxy!" Eu fico tenso. Sangue bobeando alto em meus ouvidos, mas em qualquer outro lugar... Silêncio. Fodido. Silêncio. "Alguém disse Dylan?" Ethan pergunta. "Roxy!" Lucy ruge. Com as sobrancelhas arquedas para Lucas. "Sim, por quê?" Então seus olhos se arregalam e se concentram em mim. Eu seguro os ombros de Lucy. "Eu vou matá-la!" Ela grita, seu olhar fixo em Lucas. "Foda-se." Ele cospe. "O que diabos há errado com essa puta! Primeiro o meu namorado, agora meu irmão!" Suas mãos se levantam em sinal de rendição. "Eu juro que eu não sabia." Ele parece com medo pra caralho, eu estaria rindo se eu achasse que ele tinha não nenhuma razão de estar. Ele tenta se afastar dela, mas ele se inclina para trás em sua cadeira e cai no chão. Devo ter inconscientemente suspeitado do que estava prestes a acontecer, porque meus braços estão apertados em torno do seu estômago. "Deixe-me ir, Cam! Deixe-me ir!" Eu aperto-a com mais força.

377


"Puta merda." Ethan ri. "Deixe-me ir!" Eu suspiro, derrotado, e, em seguida, empurro a cabeça para Lucas. "Você tem cinco segundos." Eu espero até que ele esteja em seus pés antes de liberá-la. Ele corre. Rápido. Assim como deveria. Ele ri enquanto ela o persegue ao redor do quintal até que ele esteja encurralado. "Espero que o seu pinto tenha sido envenenado pela aquela prostituta e encolha até a morte! E então eu espero que todas as garotas que forem vê-lo riam de você! E então eu espero que ele caia! Você pode olhá-lo e chorar como uma vadia, como você fez quando seu hamster de estimação morreu!" Sua risada para instantaneamente. Ele se endireita, os olhos apertados, o corpo rígido. "Não fale sobre a Princesa Leia desse jeito." "Sim?" Ela diz, cruzando os braços e erguendo seu quadril. "Bem, quando seu pau cair podemos enterrá-lo ao seu lado." E então ela se lança sobre ele. Ela não faz muito dano. Ele é alto como seu pai. Ela é pequena. Ela também é fraca como a merda. "Você está fodidamente me mordendo?" Ele grita. Todos riem. Todos nós ficamos vendo-os rolarem no chão. Ela, de alguma forma puxa seu braço e leva-o até sua boca. "Foda-se." Ele grita. "Cameron! Um pouco de ajuda!" Eu me levanto e caminho preguiçosamente até eles. Ela tenta me empurrar, também, mas eu sou muito rápido e seguro-a. Meio sem jeito, eu puxo-a de cima dele. "Vamos pequena ninja, hora de se acalmar." No momento em que voltamos para os nossos bancos, ela está calma o suficiente para que eu não tenha que estar em alerta para qualquer ataque repentino. Ela ainda está chateada, apesar de tudo. Eu posso dizer, porque seus braços estão cruzados e ela está fazendo beicinho. "Espero que ela se engasgue com um pau." Ela murmura. Isso faz todos riem.

378


"Puta." Amanda murmura. Logan balança a cabeça para ela. "Não a incentive, baby." Então Micky acrescenta: "Que burra." "Sim!" Lucy concorda. "Aposto que ela é burra. Realmente burra! Aposto que a coisa mais inteligente que alguma vez já saiu da sua boca foi um pau. Puta." Mais risos, até mesmo de mim. "Não ria." Ela murmura. Eu paro. Ela rosna. "Eu gostaria de poder socá-la até a morte." "Ou..." Micky começa, seu rosto se ilumina com um sorriso. "Ou o quê?" Lucy pergunta a ela. "Lembra-se de noite do baile... e a caminhonete de James?" "Puta merda." Murmura Logan. "Operação Mayhem?" "O quê?" Ethan quase grita. "Vocês fizeram aquilo com a caminhonete de James?" Micky cobre a boca para parar de rir. "Ele reclamou sobre essa merda por um mês. Eu não posso acreditar que foram vocês." "Ele meio que merecia." Amanda diz. Logan senta-se, apoiando os joelhos nos cotovelos. "Não é o mesmo sem Dylan." E no momento certo, nós silenciosamente inclinamos nossas cabeças. Lucas olha em volta antes de perguntar: "Por que é—" "Cala essa boca só vadia, Lucas." Lucy o interrompe.

379


Então Jake se inclina para frente. "Precisamos de um plano." "Precisamos de suprimentos." Logan responde. "Precisamos de um carro." Micky acrescenta. Lucas limpa a garganta. "Tenho uma minivan." *** A operação Mayhem, que Lucy sutilmente renomeou de operação mata vadia, de alguma forma, consiste no seguinte: Um tubo de Super Bonder. 8 rolos de folha de alumínio. Uma lata de tinta spray. Um rolo de fita adesiva. 16 latas de atum. Bolas coloridas. 36 caixas de gelatina. 12 potes de pudim de chocolate. Uma estátua de concreto mais feia do gárgula que Lucy conseguiu encontrar. 6 correntes de bicicleta. E... Um manequim. Esse último foi o mais difícil. Logan teve que flertar com a vendedora. Felizmente, Amanda estava bem com isso. Ela ainda o encorajou. Lucas nos levou para onde ele foi estuprado. Felizmente, é uma rua lateral que ninguém vai ver e mesmo se vissem, nós esperamos que eles estivessem bêbados o suficiente para acharem tão engraçado quanto nós.

380


Ele não parece chateado com o que estamos fazendo. De qualquer coisa, ele parece meio bêbado. Eu acho que a empolgação de Lucy se esgotou em todos nós. Eu levanto-a até que ela esteja em cima do carro e subindo no meio do teto solar aberto. Ela abre as portas da frente e as traseiras. Com todo mundo trabalhando, leva apenas 10 minutos. Nós colocamos as latas abertas de atum sob os bancos e as escondemos nas aberturas de ventilação. Lucas coloca o manequim no banco do motorista e o cola com Super Bonder no cinto de segurança, enquanto Ethan coloca as bolinhas coloridas sobre o telhado, a estátua é a peça central. As meninas a preenchem com gelatina e pudim, e tudo o que resta do pudim está manchado nos assentos do carro. Eu acho que Lucy gostou mais dessa parte. Quando concluímos o interior, Jake e Logan prendem a estátua e as bolinhas coloridas no teto com as correntes de bicicleta. E quando está pronto, Lucas e eu cobrimos o carro inteiro, estátua e tudo, com a folha de alumínio. Nós todos lutamos para não cacarejar de tanto rir, mas é tão difícil. Que está tudo pronto, todos nós admiramos a obra-prima. "Este é o nosso melhor até agora." Jake anuncia. "Dylan ficaria orgulhoso." Logan comenta. Inclinamos nossas cabeças para um momento de silêncio. E, então, entramos em erupção com o riso. "Porque—" Lucas começa, mas Lucy o corta. "Cala a boca, prostituto." "Foda-se, foram bons tempos." Diz Logan. "Eu sinto falta dessa merda!" Jake dá um tapinha nas costas de Lucas. "Deixe o seu carro aqui." Ele entregalhe uma cerveja. "Fique em nossa casa e você pode sair na parte da manhã. É tarde demais para ir para sua casa." Damos mais uma olhada no que era o carro da Roxy, rimos mais um pouco, e então começamos a caminhar de volta para a casa de Jake e Micky. Lucy segura a minha mão. "Eu amo você, baby." Ela se inclina e beija minha bochecha. "Obrigado." "Por quê?"

381


"Por me deixar ter esse encerramento." *** Eu ando com minhas mãos nos bolsos, observando Lucas e Lucy na minha frente. "Lachy foi suspenso da escola hoje." Ela diz. "Mais uma vez?" "É. Sabe aquela música do filme Frozen, Let it Go?" "Sim?" "Ele ficou cantando para o seu professor." "Bem, isso é bonito, não é?" "Sim, só que ele mudou as palavras, incluindo drogas e sexo sujo na letra." Sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. "Isso é coisa do pequeno Logan." "Eu sei." Ele concorda. "Às vezes eu me pergunto o que a nossa mãe pensaria se soubesse." Ela encolhe os ombros. "Ela provavelmente iria dizer-lhe para parar, mas riria sobre isso quando estivesse sozinha. Ela não ligava muito para punição." "Isso é verdade." Ele diz. "Temos sorte de ter você por perto para nos lembrar dela. Você está ficando cada vez mais parecida com ela." "Não." Ela balança a cabeça. "Minha mãe era linda." Eu quero lhe cortar e dizer que ela é linda também, mas Lucas diz por mim. Ela inclina-se e beija sua bochecha. "Ela muito braba também. Lembra daquela vez que o pai construiu a nova cozinha e mediu errado? Tudo era maior do que deveria ser. Ela teve que usar uma escada para abrir a parte superior dos armários." Eu sorrio.

382


Lucas ri. "Ela ficou tão brava. Ela sempre murmurava palavrões sempre que estava lá." "Eu sei." Lucy ri. "Mas ela nunca realmente falou um palavrão. Ela colocava duas palavras aleatórias juntas, mas era o tom que fazia soar assim." "É isso mesmo." Ele diz, como se fosse uma memória perdida. "O que ela dizia todas as vezes que abria os armários?" A cabeça de Lucy se inclina para trás, como se estivesse pedindo aos céus por uma resposta. "Santa borboleta." Lucas dá uma risadinha. "Que diabos é uma santa borboleta?" "Eu não sei." Lucy responde através do seu riso. "Papai ficava dizendo que iria consertá-lo, mas nunca fez." "Sim, eu acho que meu pai gostava de se sentir necessário, sabe? Como se ele tinha um propósito com ela... cada vez que ela lhe pedia para alcançar alguma coisa... eu o pegava sorrindo. Como se fosse a sua própria piada particular." Lucy suspira. "Eles se amavam muito. E eles mostravam isso também. Não me lembro de nenhuma vez que eles ficaram separados quando ele não estava no trabalho. Eles sempre precisavam estar juntos, sabe? Mesmo que não estivessem fazendo as mesmas coisas, eles estavam sempre no mesmo quarto... simplesmente... amando um ao outro." Ele ri um pouco. "Lembra-me de você e Cam." Ela se vira e olha para mim rapidamente, com um leve sorriso nos lábios. "Sim, como eu e Cam." Logan chega perto de mim e cutuca meu cotovelo com o dele. "É uma espécie de perfeito não é?" "O que?" Pergunto-lhe, meus olhos ainda sobre Lucy. Eu vejo quando sua cabeça se atira para trás numa gargalhada. O som ainda tão poderoso que abafa todos os outros sons. "O universo." Ele diz.

383


Eu sorrio e olho para ele, mas ele está assistindo Amanda rindo com Micky. "Sim, cara. Realmente é." *** Voltamos para casa de Jake e Micky, com todo mundo em alta da Operação Mayhem. Todos, menos Lucas. "Sério, Luce. Você machucou minha pele quando me mordeu. Melhor não ficar cicatriz. Passei 18 anos sem uma única marca em mim." Ela zomba. "Sério, Luke? Você tem uma marca de nascença em seu crânio do tamanho de uma bola do Cam!" Eu solto uma gargalhada. Eu acho que todos fazem. "Eu não tenho." Ele diz defensivamente. "Sim, você tem. Você tem sorte do seu cabelo ser tão espesso que cobre." Ele passa a mão pelo cabelo. "Você está brincando, porra?" Ela balança a cabeça lentamente. "Nunca raspe seu cabelo. A menos que você queira que birthballs seja o seu apelido para a vida." Isso trás mais uma rodada de risos. "Espere." Diz Jake. "Você não tem nenhuma cicatriz? Sem quedas... nunca esmagou sua cabeça em uma mesa... nada?" "Não." Responde Lucas. Ele corre as duas mãos no peito. "Eu sou perfeito." "Eu tenho pequenas, mas nenhum osso quebrado ou qualquer coisa." Micky acrescenta. Nos próximos 10 minutos, compartilhamos as histórias de cada um. "Eu ganhei." Ethan grita. "Tenho pinos na minha perna e uma enorme cicatriz de quando quebrei minha perna." Amanda faz beicinho. "Eu sinto muito, E, você—" Ele levanta o dedo para calá-la. "Dylan." Ele não demonstra nenhuma expressão.

384


E nós inclinamos nossas cabeças, rindo enquanto isso. "Eu tenho uma cicatriz." Lucy diz calmamente. "Desde o lapra... latra..." "A laparotomia." Eu digo a ela. Mas meus olhos se arregalam quando ouço outras pessoas dizerem isso também. Seu rosto cai. "O quê?" Ela murmura, olhando para todos. "Como vocês sabem?" Micky dá de ombros. "Jake e eu pesquisamos depois que você me disse sobre isso." Ela olha para Logan esperando por uma resposta. "Eu já sabia o que era, mas eu meio que vi como isso afetou você." Ele diz. Ela se vira para mim. Eu tento sorrir, mas eu não sei se consigo. Em seguida ela olha um por um, cada um dos nossos amigos. E então ela funga, e eu sei que ela está à beira das lágrimas. "Vocês." Ela chora. Ela respira fundo antes de tentar falar. "Vocês—" Seu soluço a corta. Ela cobre o rosto com as mãos e levanta um dedo, pedindo-nos para esperar. Eu coloco minha mão em sua costa e esfrego-a. E quando ela fica pronta, começa novamente: "Vocês são incríveis. Vocês são os melhores amigos que eu jamais poderia pensar em pedir." Ela se esforça para falar através dos seus soluços. "Quero dizer, depois que minha mãe morreu, e Claudia se foi, eu não tinha ninguém. Eu odiava a ideia de ir para a escola todos os dias com ninguém lá. E então—" Ela faz uma pausa por um momento para tentar acalmar sua respiração. "Babe." Eu digo. "Está tudo bem." Ela balança a cabeça. "Eu preciso dizer isso." Ela se vira para o grupo. "E então Cameron veio junto, e ele fez..." Ela aperta a mão ao coração. "Ele fez doer menos, e então vocês, vocês se tornaram meus amigos, e me acolheram, sem qualquer pergunta. Vocês me fizeram sentir como parte do grupo e não havia nenhuma razão por trás disso... vocês só fizeram isso." Micky segura a mão de Jake e funga em seu braço. "Vocês, todos vocês, vocês se tornaram minha família. E sempre estiveram lá para mim, não importa o que acontecesse."

385


Eu realmente não sei se é por causa do álcool, mas eu deixo-a falar. Eu deixoa dizer o que precisa ser dito. "E depois do que aconteceu comigo e Cam... você nos ajudaram a passar por isso. Posso nem..." Ela deixa cair à cabeça entre as mãos e chora, mais do que eu a vi chorar em um longo tempo. As outras garotas estão chorando agora, e eu também, mas tento esconder minhas lágrimas e abaixou meu boné. "Você está bem, baby?" Eu sussurro. Ela acena com a cabeça. "Eu estou bem." Ela diz. "Eu estou bem, Cameron." Ela se vira e olha em torno do grupo novamente. "Tem sido quase um ano e eu estou curada. Vocês todos me ajudaram a me curar. E não é tão ruim." Ela encolhe os ombros. "Eu quero dizer, os médicos — eles disseram que não poderíamos conceber naturalmente. Isso não significa nada. Ainda temos opções." Puxo-a para mais perto, não por ela, mas por mim. Ela funga algumas vezes e enxuga as lágrimas. "Nós podemos fazer o tratamento de fertilização in vitro, ou mesmo sub-rogação. Mas eu não sei, eu acho que..." Ela olha para mim rapidamente. "Eu acho que eu realmente gostaria de olhar para adoção também." "Foda-se, sim, a adoção!" Logan grita. Ele traz uma mistura de gritos e risadas. Ele se inclina para frente, o punho pronto para uma colisão. Ela ri quando seus punhos se encontram. Puxo-a para ainda mais perto, tiro meu boné e uso-o para esconder nossos rostos. "Estou muito orgulhoso de você. Eu te amo, Lucy." Eu digo a ela, porque eu nunca senti isso mais do que sinto agora. "Para sempre, Cameron."

386


CAPÍTULO 41 CAMERON Deixo Lucy na cama, calmamente roncando. Ela bebeu um monte na noite passada e chegamos em casa muito tarde. Eu digo a ela que vou estar de volta em poucas horas e que quero fazer alguns trabalhos no estúdio. Ela resmunga um eu te amo e puxa as cobertas sobre sua cabeça. Eu entro no meu carro, passo no meu estúdio e, a cada minuto que se passa eu deixo os nervos se construírem no meu corpo. * Eu esfrego as palmas das mãos na minha bermuda e inalo profundamente. Fecho meus olhos e conto até cinco na minha cabeça, então os abro e bato na porta. Tom responde com um sorriso quando me vê, mas, em seguida franze as sobrancelhas. "Tudo bem?" Ele pergunta, olhando por cima do meu ombro. Eu posso entender por que ele está preocupado. É raro que eu apareça sem Lucy por aqui. Seu olhar volta para mim quando ele me olha de cima a baixo, e tudo o que vê em meu rosto o faz sorrir novamente. "Venha." Ele diz, sacudindo a cabeça para dentro da casa. Está calmo aqui, mais silencioso do que eu já ouvi. Olho em volta, mas não posso ver qualquer um dos meninos. Ele deve saber o que se passa na minha mente, porque ele informa. "Virginia levou os meninos para o lago esta tarde." Eu aceno, mesmo que ele não possa ver. Ele me leva para o escritório, onde faz um gesto para que eu me sente. Ele se senta do outro lado da mesa que eu projetei para ele. Ele ainda está sorrindo e eu não sei porquê. Eu não disse uma palavra. Eu tentei. Quando ele abriu a porta, eu tentei. Tentei de novo quando ele estava me levando para o corredor até esta sala. Tentei até mesmo abrir a boca, mas não saiu nada.

387


Eu me contorço no banco, tentando ajustar a minha posição. Eu quero parecer durão, como se eu estivesse no controle. Ergo meus ombros e levanto o meu queixo. Então abro minha boca... Nada. Seu sorriso se alarga. Ele abre a gaveta da escrivaninha e puxa uma pequena caixa preta. "Eu estava me perguntando quando você viria." Ele diz. Eu ainda não consigo falar. "Isto era da sua mãe." E meu coração bate fora do meu peito. "Quando você planeja fazer isso?" Eu engulo meus nervos. "Eu estava esperando para fazer dia vinte e cinco de setembro, senhor." Seus olhos se arregalam. "Eu pensei que seria bom se você e os meninos, e sua esposa estivessem lá para testemunhar isso." Seus olhos estão vidrados enquanto ele acena com a cabeça. "Parece perfeito, filho."

VINTE E CINCO DE SETEMBRO Eu não me sentia assim desde a primeira vez que me aproximei dela na sua lavanderia no velório da sua mãe. As palmas das mãos suadas, o sangue bombeando em meus ouvidos. Pelo menos eles estavam todos a uma certa distância e não podiam me ver neste estado patético. Tenho certeza de que seus irmãos teriam me enchido de perguntas sobre isso. Eu estava tão fodidamente nervoso que meu olho começa a se contorcer. Maricas, é provavelmente o que os meninos me apelidaram por um ano. Eu fecho os olhos, tentando fazer parar. Certamente eu devo parecer um louco agora, de pé sob uma árvore aleatória, à metros de distância de uma enorme família. Eu solto um suspiro. Eu precisava me acalmar. Apertando minha mão contra o meu peito, eu fecho os olhos e começo a contar na minha cabeça. Não parecia

388


ficar melhor. Então eu sinto uma pequena mão contra a minha perna e dedos se envolverem em torno dos meus. Abro um olho e olho para Lachlan. Ele sorri para mim, com os dentes tortos em exposição. Ele começou a fazer isso quando seus dentes adultos estavam completamente lá. "Papai disse que já está na hora." Ele sussurra. Garoto doce. Mas não seria por muito tempo. Seus irmãos mais velhos já tinham começado a falar em fazer e dizer algumas merdas estúpidas, mas eu praticamente o vi crescer a partir de um pequeno bebê para este menino, e em breve, ele seria um adolescente. Aposto que ele vai ser como o pequeno Logan. Esse garoto é um punk. Seu nome combina com ele. Nós andamos de mãos dadas para a lápide de sua mãe. Eu queria dar-lhes todo o tempo para pagar seus respeitos como uma família. Ela espera na frente deles, com o mesmo sorriso triste que eu tinha me acostumado nos últimos seis anos. Seis anos. Puta merda. "Vai ficar tudo bem." Lachlan sussurra. Então ele corre em direção ao seu pai. E tudo começa de novo. Os nervos. As palmas das mãos suadas. O coração acelerado. A porra dos olhos se contorcendo. Eu estava na frente dela, minhas costelas doendo das batidas do meu coração contra elas. Parecia que poderia quebrar os ossos e pele e rasgar-me a qualquer momento. Eu coloco minha mão no bolso e me sinto em torno de quem eu precisava. "Você está bem, Cam?" Sua voz estava cheia de preocupação. "Você parece um pouco pálido." Eu olho para o seu pai. Ele apenas acena com a cabeça, e tenta sorrir. Ele falha, mas eu entendi. Eu não podia sequer imaginar como ele estava se sentindo agora. Talvez ele se sinta como se estivesse prestes a perder a única mulher que esteve em sua vida, mas ele me conhecia melhor do que isso. Ele sabia que nunca iria levá-la embora. Olho para todos os seus irmãos, um por um, quase como se pedisse permissão. Ninguém me deu um fora. Termino em Lachlan, e seu sorriso não foi alterado. Ele acena com a cabeça com tanto entusiasmo como qualquer garoto de sete anos de idade. Eu dou toda a minha atenção para a garota na minha frente. Lucy. Ela devia estar seguindo meu olhar. Sua cabeça vira-se lentamente dos seus irmãos para mim. Com os olhos apertados, ela pergunta: "O que está acontecendo?"

389


Ela me olha da cabeça aos pés, e depois me encara novamente. Mas então seus olhos fixam sobre o que eu estava segurando. Eles se arregalam. Como se estivesse em câmera lenta e levanta a mão para cobrir a boca. Eu chupo uma respiração. Solto-a letamente. E é quando acontece. Eu fico de joelhos. "Lucy..." Ela grita algo semelhante a um sim antes mesmo que eu tenha a chance de perguntar. Ela joga os braços em volta do meu pescoço, o poder do seu impulso é tão forte que eu tenho que me segurar com meu braço estendido. Ela está chorando e rindo. E assim como eu estou. "Será que ele já perguntou a ela?" Lachlan diz. Tom balança a cabeça. "Eu acho que não houve realmente uma pergunta." *** "Eu não posso acreditar que estou usando o anel da minha mãe. É tão surreal." Eu olho para ela rapidamente, enquanto dirijo para casa de Mark e minha mãe. "Então, eu preciso que você faça algo para mim." "Qualquer coisa." Ela diz, ainda distraída com a pedra gigante em seu dedo. "Eu não lhes disse o que eu estava planejando. Estava esperando que fosse uma surpresa." "Ok?" Eu sorrio. "Então, vamos mexer com a mente da minha mãe um pouco." * Minha mãe abre a porta e sorri de orelha a orelha. "Uma visita inesperada do meu filho pródigo." Ela comenta. "Entrem." "Você tem uma aspirina?" Lucy pergunta, antes de pisar para dentro. Ela esfrega a testa com a mão esquerda. "Eu tenho uma dor de cabeça gigante que não vai embora."

390


"Claro." Minha mãe olha para ela como as mães fazem; com preocupação. Mas ela não percebe o anel em seu dedo. "Sim." Lucy finge. "Há uma dor no meu peito, também." Ela esfrega seu peito com a mão. "Oh, querida." Minha mãe murmura. "Cameron está cuidando de você?" "Uh huh." Ela acena com a cabeça e exagera um bocejo, cobrindo a boca. "Eu só estou cansada o tempo todo." Ainda assim... Nada. Uma carranca puxa os lábios da minha mãe enquanto ela nos leva para a cozinha. Sentamos no balcão enquanto minha mãe se ocupa com as aspirinas desnecessárias. Lucy pega-as de qualquer maneira, junto com o copo de água que minha mãe pousa na sua frente. Ela se vira para o seu lado, enquanto bebe a água, só assim minha mãe tem uma visão melhor do anel. "Você parece um pouco pálida, querida." Lucy se engasga com seu riso. Eu balanço minha cabeça para as duas. "Então, Mãe, eu tentei ligar para Mark antes de chegarmos aqui, mas seu telefone estava desligado." "Ele deve estar a caminho de casa agora. Ele teve que ir para a concessionária rapidinho. Venho tentando convencê-lo a tomar fins de semana de folga, mas ele não me ouve." Ela faz uma pausa. "Que barulho é esse?" Ela pergunta. Lucy bate o anel contra o copo. "Eu devo ter deixado cair uma moeda na máquina de secar, eu já volto." Esperamos até que ela sai da sala antes de estourarmos em risadas. "Como ela não vê isso?" Lucy pergunta, incrédula. "Eu não faço ideia." "Ei." Ela parece séria de repente. "Você não disse a sua mãe?" Ela levanta a mão até meu rosto. "E se ela não gostar de mim? Ou gostar de mim, mas não quer que você se case comigo?" Ela faz beicinho. "E se ela quiser—" "Dylan!" Eu murmuro.

391


Ela mantém a boca fechada e deixa seu olhar cair. "Nunca traga isso à tona novamente, Luce." Eu puxo suas pernas até que ela gire em seu assento e seu corpo esteja de frente para mim. "Nunca questione a maneira como a minha mãe se sente por você. Ela te ama tanto quanto eu." Seus olhos se levantam para o meu, antes que ela se incline e me beije. Suave no início, mas rapidamente se transforma em algo mais. Sua cabeça pende para o lado enquanto sua língua roça meus lábios. Ela abre a boca, dando-me acesso. Eu quase esqueço onde estamos e por que estamos aqui. Quase, até o grito da minha mãe me lembrar. Ambos olhamos para ela, a mão de Lucy continua cobrindo meu rosto. Minha mãe está de joelhos, com as mãos cobrindo o rosto. Seus ombros levantam a cada soluço silencioso. "Você está bem, mãe?" Eu digo rindo. "O que aconteceu?" Lucy bate no meu peito e se levanta do seu banquinho. "Heather?" Minha mãe olha agora, com os olhos vermelhos e cheios de lágrimas. Mark entra pela porta que leva para a garagem. "Eu ouvi um grito! O que aconteceu?" Minha mãe chora mais forte, acenando com a mão para nós. Mark nos vê pela primeira vez. Então seus olhos se arrastam de volta para a minha mãe. "O que aconteceu?" Ele pergunta novamente. "Ela — eles — vão —" Seu olhar se move de volta para nós, suas sobrancelhas agrupadas em confusão. De pé sobre ela, ele pergunta: "Querida, você bebeu com as garotas de novo?" Ela balança a cabeça freneticamente. "Eles — anel — vão —" Ela está tentando recuperar o fôlego, incapaz de falar. "Mark." Eu digo, chamando a sua atenção. Lucy mexe os dedos na frente do seu rosto.

392


Seus olhos se estreitam em primeiro lugar, e depois ficam enormes. Ele solta um grito, antes de cair de joelhos ao lado da minha mãe. Ele cobre o rosto com as duas mãos e imita a voz dela. "Eles — ela — ohmeuuuDeuss!" Lucy e eu rimos e ajudamos ambos a ficarem de pé. "Eu só preciso de um minuto." Minha mãe diz. Esperamos pacientemente ela se acalmar. Mark a puxa para os seus braços e segura-a, enquanto ela chora. Ele sorri para nós, é tão contagiante que eu encontro-me sorrindo com ele. Quando minha mãe fica calma o suficiente, ela sai dos braços de Mark e beija minha bochecha. Em seguida, ela vai até Lucy, seu rosto já se contorcendo com outro grito. Ela levanta a mão de Lucy e olha para o anel. Em seguida, ela solta um grito e cobre a boca. "É isto mesmo?" Lucy concorda. "Sim." "É da sua mãe?" Ela acena com a cabeça novamente. "Como você sabe?" Pergunto a ela. Ela me ignora e fala só para Lucy. "É exatamente do jeito que você descreveu." Os olhos de Lucy se enchem de lágrimas. "É lindo." Minha mãe diz a ela. Ela segura o rosto de Lucy com as duas mãos. Seus polegares roçando as bochechas de Lucy, enxugando as lágrimas que devem ter caído. "Assim como você."

LUCY Eu corro um dedo no seu peitoral e nos gominhos do seu abdômen. "Eu não posso acreditar que eu vou ser a sua esposa." Digo a ele. Ele sorri e me levanta, então eu estou em cima dele.

393


Decidimos ficar na cabana durante a noite em vez de voltarmos para o campus. Ele perguntou se eu queria voltar para que pudéssemos dizer aos nossos amigos, eu disse que queria passar a noite com ele. Seus dedos movem meu cabelo para trás da minha orelha. "E eu vou ser o seu marido." Ele diz, com um sorriso se formando em seu rosto. "É surreal." Sento-me, assim estou montando nele. Ele mastiga os lábios, seus olhos vagamente fechados quando eu me pressiono contra ele. Mais dois golpes e ele vai estar duro. Ele entrelaça nossos dedos e beija as palmas de cada uma das minhas mãos. "Agora você vai querer procurar por apartamentos no campus?" Eu puxo minhas mãos das dele e tiro a minha camisa. Ele sorri, o sorriso perfeito com aqueles lábios perfeitos que eu sempre amei. Eu me inclino para baixo e beijo seu pescoço, lentamente lambendo e chupando, fazendo o meu caminho para baixo. "Eu acho que seria uma ideia incrível." Ele se move debaixo de mim, sua ereção agora proeminente. Sua mão corre pelas minhas costas, abrindo meu sutiã e libertando meus seios. Ele puxa as tiras pelos meus braços e então entrelaça seus dedos atrás da sua cabeça, seus olhos vagando pelo meu corpo. Seu olhar cai para onde a minha cicatriz está, mas ele não se mexe, seu rosto não muda, ele não desvia o olhar. Ele nunca faz. Ele senta-se, com os braços esticados segurando-o no lugar. A boca encontra meu pescoço, beijando-me suavemente e movendo seu caminho até meu queixo, e finalmente, até a minha boca. Ele suspira quando sua língua escova contra a minha. "Você tem uma ideia de quando eu quero fazer isso? O casamento, quero dizer." Eu empurro ainda mais contra ele, querendo senti-lo em mim. "Quando?" "Amanhã?" Eu rio em sua boca. "Eu não posso organizar um casamento em um dia." "Bem." Ele se levanta e agarra minha bunda, levantando seus quadris ao mesmo tempo. Deixo escapar um gemido, minha costa se arqueando de prazer. Ele beija o meu pescoço de novo, meu peito, e o topo de cada seio. "Uma semana?"

394


Eu rodeio meus braços ao redor do seu pescoço, segurando-o. "Babe." Eu sussurro, meus quadris lentamente empurrando, meu centro esfregando contra ele. "Eu não posso fazer tudo em uma semana." Ele se afasta e joga seu corpo de volta contra o colchão. "Um mês, Luce. É isto o que eu posso esperar." Eu rio de leve, mas depois paro quando vejo a seriedade em seu rosto. "Um mês?" Eu pergunto. "Um mês, baby. Eu não quero esperar tanto tempo para fazer você minha esposa." Um sorriso lento se forma em meus lábios. "Um mês?" Digo mais uma vez. "Eu posso fazer isso."

395


CAPÍTULO 42 CAMERON "Eu sou o chefe fodão neste jogo." Logan grita, com as mãos levantadas em vitória. Estamos na casa de Jake e Micky, bebendo algumas cervejas. Heidi disse a Luce que ia chegar tarde, algo sobre sua irmandade. As garotas têm passado muito tempo juntas desde que Luce anunciou que ela tinha um mês para planejar um casamento. As garotas choraram quando souberam. Os caras me felicitaram, em seguida, me fizeram beber a noite toda. Foram bons tempos. Até tropecei no quarto de Lucy cego por causa das bebidas e tentei fazer sexo em sua mesa. Ela ainda ri disso. De vez em quando ela me vê fazendo algo estúpido, me chama de fodedor de mesa. Jake chuta o tabuleiro do Monopólio com raiva simulada. "Eu não sei por que nós sempre jogamos isto quando a princesa aqui sempre vence. "Não seja um pirralho." Repreende Micky. Logan ri. "Porque eu sou a porra de um gangsta e faço chover sobre as cadelas!" Ele joga o seu papel-moeda em Amanda. Ela balança a cabeça e olha para ele. "Não faça isso de novo." "Aqui." Ele diz, entregando-lhe uma nota. "Compre algo bonito, você merece." A cabeça de Lucy se joga para trás numa gargalhada. "Ei." Eu falo. "Logan e eu entramos para uma liga de beisebol casual. Nós jogamos nos fins de semana." "O quê!" Jake exclama. "Eu quero jogar com vocês!" "Cala a boca MLB." Logan diz a ele. "Você não é bom o suficiente para jogar com os garotos legais." Ele finge um biquinho. "Espere." Lucy diz. "Vocês estão jogando beisebol de novo?" "Sim." Eu respondo.

396


"Vocês vão usar uniformes?" "Uh huh." Ela se vira para Amanda, que tem os olhos arregalados. Elas compartilham uma mensagem implícita, assim como um sorriso puxa em ambos os seus lábios. "Por quê?" Logan e eu perguntamos ao mesmo tempo. Amanda ri. Lucy dá de ombros. "Nada. É apenas o uniforme de beisebol... nós meio que sentimos falta do jeito que vocês pareciam neles. Era quente." "Ei!" Jake grita. "Eu ainda uso o uniforme!" Lucy e Amanda balanção a cabeça lentamente para ele. Micky se lança sobre Jake, cobrindo seu corpo com o dela. "Caiam fora, cadelas, ele é meu!" Nós todos caímos na gargalhada. Quando terminamos, Lucy diz a ela. "Você pode ficar com ele, eu tenho um noivo. E ele é perfeito." Eu belisco minha camisa, depois solto-a. "Sim." Eu digo, meu nariz no ar imitando a arrogância de Longa. "Eu sou fodão, um artista torturado." Isso trás mais risos. Luce acaricia minha bochecha. "Sim, você é, baby." "Quanto a mim?" Logan pergunta a Amanda, seus olhos se estreitaram. Ele está muito sério. "Diga algo agradável sobre mim." "Como o quê?" Ela ri. "Eu não sei. Como você gosta da ideia de eu ser a porra de um médico ou algo assim."

397


Ela ri novamente. "Ou sobre o fato de que você é ridiculamente quente e tem o melhor abdômen conhecido pela humanidade." "Sim, eu tenho!" Ele grita, sua cabeça balançando lentamente. "Você deve tirar a camisa!" Micky grita. Jake se vira para ela. "Que porra é essa, Kayla?" Ela ri ainda mais. "Faça isso!" Lucy ri. Eu cubro sua boca com a minha mão e puxo-a para mim. "Não incentive essa merda." Logan faz um show esticando seus braços no ar. Então, lentamente, ele tira a camisa. "Sim, baby!" Amanda grita. Ok, então talvez nós bebemos mais algumas cervejas. Muito mais. Lucy murmura algo em minha mão. "Foda-se!" Jake cospe. "Eu estou indo colocar o meu uniforme." Ele começa a se levantar, mas Micky puxa-o de volta para baixo. Lucy está completamente perdida, seu corpo convulsionando contra o meu enquanto ela baba na minha mão. "Foda-se." Eu lhes digo. "Eu ganhei. Vou esboçar todas as vadias." Silêncio. Lucy puxa minha mão e lentamente se vira para mim, seus olhos se estreitam e os lábios se apertam. E agora eu estou com medo. Eu engulo em voz alta. "Você acabou de chamar-nos de vadias?" "Sim!" Amanda acrescenta.

398


"Você fez?" Micky diz, com os braços cruzados. Eu olho para todas elas, sabendo que estou a dois segundos de distância de amarelar. "Em?" Lucy pergunta, sua sobrancelha arqueada. Entro em pânico. A porta da frente se abre e Heidi entra. "Eu trouxe revistas de noivas." Se você quiser ouvir quatro garotas gritarem tão alto que faz com que seus ouvidos se contorçam, basta mencionar as palavras 'revistas de noivas'. Além disso, se você quiser ser expulso de uma sala cheia de garotas guinchando e dizendo para fazer 'merda imbecis de homens', façam a mesma coisa. Jake traz um outro pacote de cerveja para o quintal. Ele coça a parte de trás de sua cabeça enquanto toma um assento ao redor da fogueira, que Logan acabou de acender. "Por que diabos eu sempre sou chutado para fora da minha própria casa?" Logan rir, então chuta meu pé com o seu. "Duas semanas e você será um homem casado." "Eu sei." "Nervoso?" "Não. Ansioso, apesar de tudo. Só quero que isso seja feito logo, sabe? Eu só quero que ela seja minha esposa." Jake me passa uma cerveja destampada. "Quando vocês vão se mudar para o apartamento?" "Amanhã." Logan suspira alto. "O que há com você?" Pergunto-lhe. "Eu só... Eu não sei. Estou nostálgico e essas merdas." Ele olha de mim para Jake. "É estranho. Toda a merda que passamos. Quem teria imaginado que

399


três punks da escola iriam chegar ao lugar onde estamos... fazendo o que estamos fazendo..." Eu não sei o que significa, mas todos nós olhamos para dentro de casa, para as garotas que mudaram nossas vidas. "Eu sempre soube que era Lucy. Nunca houve dúvida. Nem mesmo por um segundo." "Houve um momento?" Logan pergunta. "Tipo um momento distinto quando você soube que ela era para você." Um sorriso puxa em meus lábios. "Na verdade não. Quer dizer, eu poderia mentir, eu poderia dizer que foi na primeira vez que fizemos sexo, ou a primeira vez que ela riu. Mas não sei... talvez não houve um momento, ou talvez eram todos deles." Vejo Lucy sentar-se reta, com os olhos arregalados. Eu me inclino para frente, tentando dar uma olhada melhor. Sua mão se move para cobrir sua boca. Eu começo a levantar-me para que eu possa chegar até ela. Ela diz algo a Amanda, e Amanda se levanta e abre a porta de vidro. "Cam!" Ela grita. "Lucy quer mostrar uma coisa." "Olha." Ela diz com entusiasmo quando eu entro na casa. Eu me agacho ao seu lado. "O que está acontecendo?" Ela levanta a revista para me mostrar uma foto de um vestido — um vestido de noiva. "Olha." Ela diz novamente. E então entendo por que ela está me mostrando — e por que está tão malditamente animada. "Parece o da sua mãe." Ela acena com a cabeça freneticamente. "Podemos ir olhá-lo amanhã?" "NÃO!" Heidi grita. "Ele não pode ver o vestido antes do casamento." Seus ombros caem, assim como os cantos de sua boca. "Eu esqueci disso." "Babe, por que você quer um vestido que se parece com o da sua mãe? Por que você não usa o dela?" E se você quiser ouvir quatro garotas suspirando ao mesmo tempo exato, diga algo assim.

400


*** Desde que Heidi mencionou a regra de "não ver o vestido antes do casamento", ela não me deixa entrar em grande parte do planejamento do casamento, o que é bom, porque eu tenho o meu próprio planejamento para fazer. Eu paro na concessionária de Mark e caminho para o seu escritório, como se eu fosse o dono do lugar. Ele não está lá, então eu pego o microfone e pressiono alguns botões até que eu possa ouvir a minha respiração nos autofalantes. Eu começo tocar um beat boxing no microfone, certificando-me de cuspir mais do que o necessário. "Yo, Marky Mark. Por favor, venha para o seu escritório imediatamente, há um garanhão viril esperando por você." Eu desligo e sento-me em sua cadeira. Então colcoco meus pés em cima da mesa, me inclinando para trás, e entrelaçando os dedos atrás da cabeça. Ele balança a cabeça quando entra, tentando esconder o sorriso. Ele assume a cadeira do outro lado da mesa e empurra meus pés. "Tire estes pés da minha mesa, esta merda é feita de mogno." Eu zombo, mas faço de qualquer maneira. Inclinando-me sobre os cotovelos digo-lhe. "A mesa é uma merda, eu vou criar uma nova." Ele levanta as sobrancelhas. "Já era tempo. Você fez isso para o seu futuro sogro anos atrás, eu estive esperando por minha vez." Eu coloco meus dedos embaixo do queixo. "Todas as coisas boas vêm para aqueles que esperam." Ele ri. "O que você quer, punk?" Eu me inclino para trás e finjo uma atitude arrogante. "Então, você sabe que eu vou me casar em uma semana?" "VOCÊ VAI? Quando isso aconteceu?" Ele brinca com emoção fingida. Eu jogo uma caneta em sua cabeça. "Sim, o que é?" Ele pergunta através de um sorriso. Eu rio, uma mistura de humor e nervos, porque é assim que eu estou, de repente nervoso.

401


"Então, eu estava pensando—" Minha risada me corta. Balanço minha cabeça para limpar meus pensamentos, e tento novamente. "Eu estava—" Eu faço isso de novo. "Você está bem?" Ele não está mais divertido, mais preocupado. "Sim." Eu esfrego as palmas das mãos na minha camisa. "Você está nervoso? Por que você está nervoso?" "Eu não estou nervoso." Digo na defesiva. "Quem disse que eu estou nervoso?" "Cam, você sempre faz isso... você fica com as palmas das mãos suadas e limpa-as em sua roupa quando você está nervoso. Aconteceu alguma coisa? Vocês precisam de dinheiro ou algo porque—" "Não." Interrompo-o, balançando a cabeça. "Não é—" Eu suspiro, e em seguida, limpo as palmas das mãos novamente. Então eu solto um forte suspiro, reunindo a coragem que preciso. "Eu vim para perguntar se você quer ser meu padrinho." Seus olhos se arregalam, mas ele não fala. Ele olha para longe de mim, seu corpo caindo com o que se parece exaustão. Ele coça a cabeça, enquanto eu continuo aqui e espero o momento de rejeição. "Se você não quer—" "Não." "Oh." Meu estômago cai no chão. "Ok, eu vou pedir—" "Não." "Sim, você disse isso. Este é porra embaras—" "Não." "Você pode parar de dizer isso agora." "Não." Ele diz, rindo enquanto faz. "Eu quero dizer não, não é o que eu não quis dizer. Ficaria—" Ele solta um alto suspiro, e então, finalmente, olha para mim. "Eu ficaria tão maldito honrado, Cameron. Só estou surpreso, é tudo. Eu acho que não — quero dizer, não há absolutamente nada que eu queira mais

402


no mundo... mas eu tenho que ser honesto, estou preocupado com o que seu pai diria a você, eu não quero que ele—" "Pare." Eu o corto. "A, o imbecil nem sabe que eu vou me casar. Eu não falei com ele desde que ele apareceu no hospital. B, mesmo que ele saiba e tenha algo a dizer sobre isso, eu não me importaria. e C..." Eu aguardo um momento para as palmas das minhas mãos suarem novamente. Para os nervos começarem. Para o meu ritmo cardíaco aumentar. Mas não há nada disso. Apenas a sensação de verdadeira calma. "C." Eu continuo. "Você é o meu pai."

403


CAPÍTULO 43 LUCY "Eu não posso acreditar que esta é a última noite antes de você ser a esposa de alguém." Diz Micky. "Eu sei. Eu não posso acreditar também." "Eu não posso acreditar que você não quer uma festa de despedida." Acrescenta Heidi. Amanda zomba. "Você conhece Cam e Lucy? Eles são inseparáveis." Eu sorrio com suas palavras. "É verdade." Heidi concorda. "Onde estão os garotos de qualquer maneira?" Micky zomba agora. "No campo, tendo um tempo de homens. Eles provavelmente estão batendo no peito e xingando as pessoas." "Logan provavelmente transando com o bastão de beisebol." Amanda ri. Nós todos rimos. "Por que você está dizendo a elas sobre as nossas travessuras no quarto?" Logan grita, a meio caminho da porta da frente da cabana. Ele se empurra para frente passando entre Jake e Cameron. Heidi derrama sete doses de tequila. Nós estamos em torno da pequena mesa de jantar. A mão de Cam vai para a minha cintura. Jake limpa a garganta. "Por se apaixonar, mesmo quando você não sabe disso." Micky se inclina para ele. Em seguida, seus olhos começam a lagrimar. "Por encontrar amigos que se tornam família, sem perguntas." Ela murmura. Logan fala. "Por reivindicar suas garotas, possuí-las e torná-las suas."

404


Cam ri e eles acenam um para o outro. Eu não sei o que ele quer dizer com isso, mas eu não pergunto. Amanda enxuga os olhos. "Por não desistir quando coisas horríveis acontecem com pessoas boas. Por deixar a conquistar e o amor, seguirem em frente." Logan beija seu templo enquanto todos nós temos um momento para pensar sobre suas palavras. Heidi funga, chamando a nossa atenção para ela. "Por encontrar o seu para sempre e ser capaz de mantê-lo." Eu esfrego uma mão reconfortante em sua costa. Ela respira fundo antes de levantar o copo aos lábios. Todos seguimos seus movimentos, mas antes que eu possa tomar minha bebida, meus olhos pegam a abertura da porta da frente. "Dylan." Eu sussurro. E eles silenciosamente abaixam a cabeça. "Não! Vocês!" Eu rio, apontando para a porta. "Dylan!" Suas cabeças giram até a porta. Dylan solta suas malas. "Eu não poderia perder o casamento do meu melhor amigo."

CAMERON Eu não sei qual de nós chegou a ele primeiro, mas todos nós acabamos em uma pilha no chão com ele na parte inferior. Depois de várias piadas sobre 'é uma arma em seu bolso, ou só está feliz em me ver?' finalmente o soltamos. Acontece que ele está de licença por duas semanas. Ele voltou ontem, mas estava com um amigo em Los Angeles. Dylan, não sendo social do jeito que é, nunca teve uma conta no Facebook para que ele realmente se mantesse em contato com muitas pessoas. Ele viu a conta do seu amigo ontem à noite e decidiu verificar todos nós. Quando ele viu que iriamos casar amanhã, ele pegou o primeiro vôo para cá. Eu não estou muito certo sobre o que aconteceu com ele e Heidi, mas ela tem sido tranquila, um pouco distante. Eles se sentam juntos, mas eles não se tocam, eles quase não se falam, não que isso seja estranho para Dylan. Fazemos-lhe perguntas sobre ser implantado, e ele diz que vai responder a todas elas, após o casamento.

405


As garotas apenas esperam um pouco antes de se dirigem para fora, de volta para a casa principal. Elas vão ficar lá durante a noite e nós vamos ficar aqui. Por volta da meia-noite, eu recebo uma mensagem de Lucy pedindo para encontrá-la na doca. Eu digo aos caras que tenho que ajudar Tom com alguma coisa. Tenho certeza que eles sabem exatamente o que estou fazendo, mas eles não questionam. Ela está sentada no final com os sapatos e os pés mergulhados na água. "O que você está fazendo, noiva?" Ela se vira rapidamente, quase chocada com a minha presença. "Nada. Eu só sentir sua falta." Ela diz, olhando para o lago. Tiro meus chinelos e sento-me ao seu lado, estendendo meu braço atrás dela. "Você está bem?" "Sim." Ela mente. E o meu coração começa a bater com força. "Você estar com os pés frios ou algo assim?" Ela ri baixinho. "Não, nada disso. Só estou... Eu não sei. Isso simplesmente não parece real. Amanhã vamos nos casar, e eu vou ser sua esposa." "Sim, isso é o que eu estava esperando com a coisa toda da proposta." Ela empurra meu ombro com o seu. "Você sabe o que eu quero dizer." Eu embrulho um braço ao redor da sua cintura. Ela suspira e se inclina para mais perto. "Eu não gosto de não estar com você. Mesmo por uma noite. Sei que não deveriamos estar vendo um ao outro, mas eu tinha que te ver." "Estou feliz que você fez, eu estava ficando um pouco louco." Ela se inclina e me beija rapidamente. "Vamos ficar até o sol nascer." Ela diz. "Vai ser o começo perfeito para nossa nova vida." Então é isso que fazemos. Conversamos a noite toda sobre tudo e qualquer coisa. E mesmo que nós gastamos cada segundo livre juntos, nós sempre temos o que dizer. Ela chora

406


algumas vezes, principalmente sobre sentir falta da sua mãe, e lembrando de tudo o que nós passamos. Sento-me, e escuto, cada segundo que se passa, é como um lembrete do por que foi tão fácil me apaixonar por ela, há tantos anos, por isso que quando Logan pergunta se havia um momento de definição, eu não tenho uma resposta. Porque eu acho que eu sempre a amei. Sempre. E sempre. *** Eu dou mais uma olhada no espelho, e mastigo meu lábio. "Está nervoso?" Mark pergunta. Eu respiro fundo. "Sim. Estou meio que me cagando de nervoso, na verdade." "Por quê? Dúvidas? Segundos pensamentos?" Eu balanço minha cabeça. "Nem por um segundo." "Então o que é?" "Sabe aquela sensação? A sensação de calma, bem antes que algo ruim aconteça? Me sinto assim. Sinto-me calmo. Quase muito calmo, e é isso que está me deixando nervoso." Ele esfrega meus ombros. "Talvez você esteja calmo porque tem certeza de que quer isso." "Talvez." "Ou talvez você precise de uma dose de uísque para passar a calma." *** Nós não queriamos um grande casamento. Apenas algo com nossos amigos mais próximos, perto da doca do seu lago. Ela queria que fosse no período da tarde para que pudéssemos dizer os nossos votos e depois curti a festa enquanto o sol se põe. Eu lhe disse que era perfeito, porque era. Era tudo o que eu não sabia que queria.

407


"Você está fazendo todos nós parecerem ruins." Eu sussurro em voz alta para Dylan, enquanto estou no altar que projetei e Tom construiu. Todo mundo está vestindo smoking, mas Dylan está vestindo o seu uniforme azul da Marinha. Ele disse que não tinha muita escolha, considerando que teve um dia para se preparar. "Ei, você acha que eu posso emprestá-lo mais tarde?" O pequeno Logan pergunta a ele. "Eu acho que as meninas iriam adorar, sabe?" Dylan o ignora. Eu olho para baixo, na linha onde meus padrinhos vão ficar. Todos os irmãos de Lucy, Dylan, Jake, Logan, e ao meu lado, o meu pai. "Você está bem?" Mark pergunta. Concordo com a cabeça. "Ainda acalmo?" Concordo com a cabeça novamente, enxugando as mãos na minha calça. Ele sorri, mas fica quieto. Virando-me, eu olho as damas de honra, uma por uma. Claudia, Micky, Amanda, e Heidi. Amanda deixa escapar um soluço enquanto enxuga seu rosto. As garotas tentam consolá-la, mas ela responde que está bem. E que está feliz por nós. "Se acalme, Marquez." Logan sussurra gritando. Ele balança a cabeça, mas está sorrindo. "Eu não posso levá-la em qualquer lugar." Ela chora novamente. "Cala a boca, idiota. Eu te amo." Isso faz todos rirem, até mesmo o pastor que está entre nós, o mesmo que nos ajudou com a nossa Hope. Os convidados suspiram e eu sei que isso significa que eles podem ver Lucy. Eu fico lá, e espero. Espero o meu para sempre.

408


"Respire." Mark diz. Viro-me para ele agora, meus olhos ardendo de lágrimas. E o mesmo sentimento que sentir quando eu estava no hospital esperando para vê-la. Todos os meus sentidos estão desligados. Como se eu estivesse debaixo d'água, incapaz de ouvir, incapaz de respirar. As batidas no meu peito ficam mais rápidas, mais fortes. A música começa. Minha mãe solta um grito. E então eu a vejo. Eu vejo tudo, mais claro do que eu já vi antes. É o oposto da calma que eu sempre pensei. É a calma após a tempestade. Como quando a chuva de repente para, e o sol brilha. É perfeito. Ela é perfeita. Ela caminha em minha direção, com a mão no cotovelo do seu pai. Ela sorri, e eu sei que é só para mim. Eu fungo um pouco, empurrando as lágrimas. A música toca, e finalmente atinge-me por que a minha mãe chorou quando ela ouviu. Não é a música que todos nós esperávamos. É canção favorita da minha mãe, a do Aladdin. O caminho certo após o garoto pergunta a garota se ela confia nele, e ela diz que sim. E lá se foram eles, em uma aventura épica. Em um passeio de tapete mágico, onde ele promete mostrar-lhe o mundo, brilhante, cintilante, esplêndido... *** Nossos votos não demoram muito. Nós queriamos que fosse assim. Nós não queriamos ter que esperar para nos tornarmos marido e mulher. Nós fizemos algo juntos, algo pequeno e pessoal para o pastor ler um pouco antes de dizermos sim. "Há um amor tão forte que não pode ser medido. Um coração tão forte que nunca será lento. Há uma promessa tão certa de que nunca poderá ser desmentida. E nós prometemos que o nosso amor é para sempre.

409


E sempre." Nós escrevemos as nossas próprias notas, não lemos um do outro, apenas soltamos no céu com balões de papel. Nós dêmos as mãos e vimos o pôr do sol à medida que os balões subiam no céu. Nessas notas escrevemos mensagem para sua mãe, para que ela saiba que não foi esquecida. Eu não disse muita coisa na minha, só que estou triste de nunca ter chegado a conhecê-la e que eu sou grato a ela por fazer de Lucy uma garota forte, inteligente e bonita. Eu prometo cuidar e amá-la, através dos bons e maus momentos, na riqueza ou na pobreza, na saúde e na doença, até que a morte nos separe, exatamente como ela e seu marido. Nós cortamos o bolo, e todos se sentamos. Optamos por não ter discursos; Luce disse que sempre pensou que era estranho que as pessoas falassem sobre o amor dos outros. Ela disse que ninguém poderia dizer nada verdadeiro o suficiente, especialmente quando era tão pessoal. E o próprio — voto de casamento — deve dizer tudo. Então, quando Lucas está em cima do palco improvisado e batendo no microfone duas vezes para chamar a atenção, nós começamos a nos preocupar. "Eu sei que o lindo casal não queria discursos, mas tem algo que eu quero dizer, e eu vou lutar contra qualquer um que tente me parar." "Oh, não." Lucy diz, ao mesmo tempo em que eu solto uma risada. Nós olhamos um para o outro rapidamente, antes de voltar nossa atenção para ele. Ele continua: "Muitos de vocês sabem sobre a minha mãe... sobre sua morte e ela ter deixado para trás sete filhos. Vocês sabem sobre a vida que ela viveu e a pessoa que ela era, então eu não vou falar sobre isso. A única coisa que vou dizer é que, quando ela se foi, alguém na minha vida substituiu a presença dela. Não apenas na minha vida, mas nas dos meus irmãos, e definitivamente na de Lucy meleca. Agora, eu não estou dizendo que Cameron é uma garota, ou que ele é afemininado, independentemente das histórias que vocês possam ter ouvido." Ele faz uma pausa para deixar o riso dos convidados encherem seus ouvidos.

410


"Eu me lembro de quando eu tinha doze anos, antes de eu ter esse corpo viril — sem falhas." Mais risos. "Eu estava no quintal, onde Cameron tinha ajudado os meninos a fazerem um campo de beisebol... nós estávamos jogando, e Lucy estava lá fora lendo, segurando Lachlan em seus braços... e eu ficava vendo-o olhar para ela. Não era do tipo assustador de qualquer forma, ele estava apenas olhando para ela, meses se passaram e os dois finalmente resolveram suas coisas e começaram a namorar, um dia eu queria ir dar um mergulho no lago, mas eu parei quando os vi sentados na doca. Eles estavam do lados opostos, as pernas cruzadas, livros escolares na frente deles. Então eu o vi, ele, olhando para cima e olhando para ela. Ele não fez por muito tempo, talvez ele pensou que ela iria pegá-lo e pensar que ele era um peserguidor ou algo assim. Mas assim que sua cabeça estava para baixo, eu a vi fazer a mesma coisa. E eu ali sentado observando-os, por mais de uma hora... ele olhava para cima, olhava-a um pouco, em seguida, olhava para os seus livros. Então ela fazia isso tambem... então ele fazia isso de novo... e eu só queria gritar com eles, 'Basta olhar um para o outro porra!' Meses mais tarde, eu ainda o via fazendo isso. Sempre que ela não estava olhando, ele olhava-a. Então, um dia, eu tive coragem de perguntar-lhe o porquê. Ele riu primeiro e disse que eu não iria entender. Honestamente, eu fiquei um pouco chateado, porque a coisa é — Cameron sempre me tratou como um amigo, como seu igual. Mesmo que eu fosse três anos mais novo, ele nunca me tratou como uma criança. Que de certa forma era estranho agora olhando para trás, porque mesmo que ele pensasse em mim como um igual, eu meio que sempre pensava nele como um herói." Lucy funga e segura a minha mão com mais força. Eu limpo o nó na garganta. O mesmo acontece com Lucas. "De qualquer forma, eu perguntei por que ele fazia isso..." Ele olha diretamente para mim e ri um pouco. "Você disse que estava lendo-a. Disse que gostava de saber o que a fazia sorrir, ou gargalhar. Perguntei-lhe por que você não perguntava a ela — que seria ser muito mais fácil. Se lembra o que você disse?" Eu balanço minha cabeça. "Você disse que não era a mesma coisa. Você disse que poderia perguntar o que a fazia feliz, e ela poderia dizer que eram os livros, mas a resposta não seria o suficiente. Você me disse que queria saber que tipo de livros, e que queria ser o único a dar-lhes a ela. E mesmo assim, você disse, ainda não seria o suficiente para você. Você disse que queria ser seu motivo para amar os livros. Disse que queria ser sua razão para tudo."

411


Lucy enxuga as lágrimas do seu rosto no meu braço. Lucas limpa a garganta novamente e olha em volta, como se tivesse esquecido que ele estava falando para uma plarteia. "Levei anos para descobrir o que você quis dizer, mas eu finalmente consegui. Finalmente entendi. Ontem, vi Lucy te olhando enquanto você não estava olhando. Seis anos depois e ela ainda tinha aquele olhar em seus olhos. O mesmo olhar que você sempre tem no seu. O tipo de olhar que não pode ser descrito em palavras — só no coração. Então, Cameron, todos esses anos que você a observou funcionou. Você é a razão dela para tudo."

412


CAPÍTULO 44 LUCY Lucas sai do palco, caminha em direção a nós, aperta a mão de Cam, e então ele se senta em sua cadeira. Nós ficamos em silêncio na maior parte, minhas lágrimas ainda fluindo. Ouço os soluços de Amanda. Logan revira os olhos. "Por que você está chorando, menina bonita?" Lachlan pergunta ao lado dela. "Cara." Logan diz, inclinando-se e olhando para ele. "Você está sempre roubando meu jogo." Lachlan mostra sua língua. "Tudo bem, você pode tê-la." Seu olhar se move ao redor da mesa e pousa em Heather. "Vou ficar com essa." Ele sai de sua cadeira e bate no ombro de Mark. "Mova-se por favor." Os olhos de Mark se estreitam. O pequeno Logan fala. "Você não pode simplesmente ir de uma menina para outra." Ele murmura. Lachlan solta um pequeno rosnado. Então, lentamente, mas muito rápido para que qualquer um de nós tenha chance de reagir, ele pega um pedaço de bolo e joga nele. Nós observamos o bolo voa no ar, e seu grito "YOLOOOOOOOOO!" enchendo nossos ouvidos. E então... Direito no rosto do pequeno Logan. Eu engasgo no meu lugar em gargalhadas. O pequeno Logan limpa seus olhos cobertos de bolo. "Seu pequeno punk, é melhor você correr." Ele pega seu bolo, sai da cadeira, e começa ir atrás de Lachlan. "Corra, Lachlan!" Lincoln grita. Então ele faz.

413


E assim como o pequeno Logan. "Ei, babe." Cam diz de perto de mim. Viro-me para ele, no mesmo momento em que o bolo atinge todo o meu rosto. Meus ombros endurecem. Eu uso o guardanapo para limpá-lo. Seus lábios estão apertados, mas seu rosto está vermelho por prender suas gargalhadas. Ouço Jake rindo, então me viro para ele, exatamente ao mesmo tempo em que Micky esmaga bolo no seu rosto. E é assim que a maior luta de comida da história da cidade começa. Até mesmo o pastor entra nela. *** Cam e eu sentamos em cima da mesa depois de sairmos da pista de dança, o que significa, basicamente, assistir Logan fazer um strip-tease improvisado apenas para Amanda. Ele sabe que está sendo um idiota, mas Amanda ri disso, e se há uma coisa que eu sei sobre Logan — é que ele faria quase qualquer coisa para fazê-la sorrir. Jake e Micky assistem com seus braços em torno um do outro. Heidi e Dylan desapareceram desde o discurso de Lucas. Tenho certeza que todos nós sabemos o que eles estão fazendo. Heather fica com a gente mesmo com bolo em seu cabelo, no rosto e no peito. Mark, ele está praticamente intocado. Embora, ele agiu como um louco na guerra alimentos. Ele pagou meus irmãos para juntar a sua equipe. Seu alvo: ela. "Bem, tem sido um incrível casamento, filho." Ela diz com um ar sonhador. Mark zomba. "Você poderia ter tido um como este, se você tivesse dito sim nas trinta e seis vezes que eu lhe pedi para se casar comigo." Ele passa o dedo em seu rosto e tira um monte de bolo. Seus olhos procuram por alguma coisa nos seus. Ou talvez ela esteja apenas lendo-o, como Cameron faz comigo. "Pergunte-me novamente." Ela diz.

414


Eu aperto a mão de Cam, um guincho ameaçando escapar. "Que diabos." Cam diz, sem noção do que está prestes a acontecer. O rosto de Mark cai e, em seguida, ele rola seus olhos. "Heather, você quer se casar comigo?" Ele pergunta, quase parecendo entediado. Eu estou na borda do meu assento, enquanto Cam tenta erguer meus dedos do meu aperto de morte em seu braço. "Sim." Ela diz, com um sorriso se formando em seus lábios. Eu espero pela reação de Mark antes de revelar a minha própria. Seus olhos se arregalam. "O que você acabou de dizer?" "Sim." Ela repete. Ele olha primeiro para Cameron, e depois para mim, e depois se volta para a sua nova noiva. Ele a beija rapidamente, e então ele se afasta. Eu finalmente solto um grito. Um minuto depois, ele retorna com o pastor. "Vamos." Ele ordena a Heather. "AGORA?" Ele estala os dedos para nós. "Padrinho, dama de honra. Vamos." "Nós não podemos fazer isso agora." Lamenta Heather. "Eu sinto muito, Heather, mas eu não posso esperar." Eu rio enquanto Cam e eu seguimos atrás deles em direção ao altar. "Tal pai, tal filho." Digo. Eles estão de mãos dadas, olhos fechados, sorrisos largos, enquanto que o pastor faz sua segunda rodada de votos. Nem todo mundo os assiste, mas acho que isso não é importante. Assim como não importa se não é oficial. Eles ainda precisaram obter uma licença, ir ao tribunal, e torná-lo legal. A questão é que eles fizeram isso, e eles fizeram isso por si mesmo, e talvez um pouco por Cameron e eu.

415


Cam chuta a parte de trás do joelho de Mark, assim que ele está prestes a dizer 'eu aceito'. Que recebe uma reação mista de risos e suspiros dos convidados. Heather... Ela ri. Assim como Cam e eu.

CAMERON "Tem sido uma ótima noite." Eu digo sem jeito enquanto ando até Tom. Ele gira em torno de sua posição na doca. Ele esteve aqui uns bons dez minutos, sozinho, com a cabeça baixa e as mãos nos bolsos. Ele não falou muito durante toda a noite, mas eu o peguei olhando Luce e eu, com uma série de emoções mistas em seu rosto. Às vezes, ele sorria, mas na maioria das vezes era forçado, ou pelo menos parecia. "Obrigado pela festa." Eu continuo, parando ao lado dele e combinando sua postura. Ele não responde imediatamente, mas eu não esperava que ele fosse. Depois de alguns momentos de silêncio, ele suspira alto. "De nada, meu filho. Você nunca tem que me agradecer por dar a minha menina o que ela quer." Eu rapidamente olho de novo para a festa, para a pista de dança, onde Lucy parece está em algum tipo de dança de robô com Logan. "O que você está fazendo aqui fora sozinho, está tudo bem?" Seu sorriso é apertado quando ele acena com a cabeça. Seus olhos vagueiam por mim, provavelmente para Lucy. "Ela passou por muitas coisas." Ele diz. "Quero dizer, você também, mas ela... especialmente com sua mãe e depois, com a gravidez." Seu olhar se move de volta para mim. "Estou orgulhoso dela, Cam. Nunca estive mais orgulhoso dela em toda minha vida. Ela escolheu bem, se casando com você." Abro a boca para falar, mas ele faz em primeiro lugar. "Eu acho que isso nunca foi realmente uma escolha, no entanto. Acho que no seu caso, o destino deu uma grande ajuda. É a mesma coisa com Kathy e eu. Pelo menos é o que ela dizia. Destino, é tudo sobre o destino , Tommy." Suas sobrancelhas se unem antes que ele desvie o olhar, agora focado na água. "Você acredita em destino, Cameron?"

416


Penso muito sobre sua pergunta antes de finalmente responder. "Eu tento, senhor, mas às vezes é difícil. É difícil entender a razão pela qual certas coisas acontecem, especialmente para aqueles que menos merecem." "Você está falando sobre ter filhos?" "Sim, senhor." "Sim." Ele suspira. "Essa é uma pergunta difícil. Eu poderia espirrar na direção de Kathy e ela estaria grávida no dia seguinte. Isso não parece fazer muito sentido. Mas eu acredito que há uma razão para tudo, mesmo quando não é claro para nós." Ele limpa a garganta antes de acrescentar: "Como quando ela faleceu... você viu o que eu me tornei, você estava lá no meu ponto mais baixo, e acho que talvez você deveria estar. Talvez seja isso que Kathy quis dizer sobre destino. Talvez ela se foi para que você entrasse em nossas vidas. Assim que Lucy..." Ele para e solta uma respiração pesada. "Talvez tenha acontecido para que Lucy podesse encontrar a sua força. Sua razão. Assim como os meus meninos poderiam encontrar seu herói." Eu uso a palma da minha mão para enxugar minhas lágrimas. "Não tem um dia que eu não a agradeça por trazer você para nós, Cameron." "Eu não fiz nada, senhor. Tudo o que fiz foi se apaixonar por sua filha." "Essa é a coisa. Você nem sabia o que estava fazendo por nós, enquanto você estava se apaixonando por ela. Ela não seria a mesma pessoa se não fosse por você. Você mudou sua vida, Cam. E fato — isso mudou todos nós. *** Amanda pega o buquê, mas ela tenta entregá-lo a outra pessoa. Jake continua dizendo a Micky para pegá-lo, mas seu rosto fica vermelho de vergonha e ela balançou a cabeça. "Não." Ela continuava dizendo. Ela tenta se esconder atrás dele, e eu juro que o vejo murmura. "Você é a próxima." Entramos na limousine que Tom alugou, junto com nossos amigos. Quando sabemos que estamos longe o suficiente para que os convidados não possam ouvir-nos, nós gritamos de alegria, e choramos. Nós pedimos para o motorista estacionar na beira da estrada e esperar. Dez minutos depois, Lucas se junta a nós. "Eu disse ao meu pai que ia visitar Jason por alguns dias."

417


Logan lhe entrega uma carteira de identidade falsa que conseguiu para ele. "Eu nĂŁo posso acreditar que estou permitindo isso." Lucy diz. Seu sorriso se alarga. "EstĂĄ tudo bem, Lucy meleca. O que acontece em Vegas..."

418


CAPÍTULO 45 LUCY Não é por que o nosso casamento foi pequeno que não teriamos uma lua de mel 'real', papai pagou uma viagem de quatro dias em Vegas. Não apenas para nós, mas para os nossos amigos também. "Puta merda." Lucas diz quando abrimos a porta da suíte. Papai queria que fosse uma surpresa, por isso não tinha ideia de que ele estava alugando a suíte Kingpin no Palms. "Eu vou me casar dez vezes, se isso é o que o papai oferece." Ele brinca. Cam pega a bolsa das minhas mãos e entrelaça nossos dedos. "Vejo vocês em dois dias." Ele diz, e então me arrasta para longe. Eu vejo como ele joga as malas para dentro da suíte master e se senta na beirada da cama. "Olá, esposa." Eu tento suprimir o meu sorriso enquanto ando até ele. Suas mãos na minha cintura são suaves quando ele me puxa entre suas pernas. "Diga isso de novo." Eu peço-lhe, rodeando meus braços em seus oumbros. "O quê?" "Chame-me de sua esposa." Seu sorriso combina meu. "Você estava linda hoje, esposa." Sento-me em seu colo com minhas pernas em volta dele. "Você teve um bom dia?" Ele pergunta, com a boca no meu ombro. "Foi tudo o que eu sonhei que seria e muito mais. Foi perfeito, amor." Ele levanta a cabeça, seus olhos procurando os meus. "Você merece isso." "E você? Foi o seu casamento dos sonhos?"

419


Ele balança a cabeça lentamente. "Você era a minha noiva, então sim. Foi exatamente do jeito que eu sempre imaginei. Mas... Eu sentir sua falta. Eu tive que te compartilhar com todos hoje e você sabe que eu não gosto de compartilhar." Eu rio contra o seu pescoço enquanto seus braços me apertam com mais força. "Eu vou tomar banho e lavar a porcaria do meu cabelo, e então nós podemos deitar na cama e você pode me ter só para si."

CAMERON Eu desempacoto nossas malas enquanto ela está no chuveiro. Há uma caixa na dela, ainda fechada, e um cartão de Micky e Amanda dizendo a ela para abri-lo quando chegarmos ao nosso quarto. Eu não tenho ideia do que é, mas estou com muito medo de tentar descobrir. Eu amo Lucy, não me leve a mal, mas quando as três se reúnem, a merda acontece. Eu não quero ser a causa de merda na nossa lua de mel. No fundo de sua bolsa a um envelope. Desta vez, eu não penso duas vezes sobre espionagem, porque é dirigido para a nossa futura Hope, de mamãe e papai. Sento-me na beira da cama e viro-o em minhas mãos. A primeira página é uma cópia do meu esboço; o que eu fiz do seu quarto na nossa futura casa — o primeiro... com a enorme poltrona e todos as pequeninas em torno dela. Há mancha lá, muito provavelmente do seu sangue de quando o quadro quebrou. Eu engulo o caroço na minha garganta e respiro fundo, me preparando para o que está por vir. ***** Querida mamãe, Eu sei que tem sido um tempo desde que eu escrevi para você. Seis anos e um mês. A coisa é, eu não encontrei a necessidade de escrever porque eu encontrei alguém para compartilhar meus segredos. Lembra quando eu escrevi na ultima vez? Sobre um menino que tinha me apaixonado, e ele não tinha ideia de que eu o notava? Bem... Amanhã, eu vou

420


estar diante dele, na frente de todos os nossos entes queridos, e vamos nos tornar marido e mulher. Você sabia? Quando faleceu, você sabia que ele estaria lá? Eu acho que você sabia, mãe. Eu acho que você colocou duas pessoas de frente uma para outra e você deixou o destino usar sua mágica. Espero que um dia, eu possa fazer isso para as minhas filhas. Espero que eu possa mantê-las seguras, protegê-las de todo o mal, e ajudá-las a ver todo o mundo direito. Espero que um dia elas vão encontrar alguém como Cameron. Alguém para ser sua força, sua calma, sua esperança. Eu te amo, Lucy Gordon.

LUCY"Você só quer ficar deitado na cama o resto da noite?" Nós estamos na cama, deitados de lado, nossos rostos quase se tocando. Ele acena com a cabeça antes de beijar meu queixo. "Yup. Eu só quero te abraçar e te amar." "Bom." Eu lhe digo, meus dedos tocando o seu cabelo. "Esta é a minha coisa favorita no mundo inteiro." "Minha também." Ele resmunga. "E faltar no emprego." Minha cabeça se atira para trás numa gargalhada. "E sua risada." Ele diz, seus olhos fixos nos meus. Ele empurra meu ombro até que eu esteja de costa na cama. Inclinando-se sobre o cotovelo e apoiando a cabeça na mão, ele acrescenta: "Sua risada faz meu mundo parar, Luce. Lembra-me da primeira vez que eu a ouvi, quando você estava na escola, e estava lendo. Foram dois dias depois do nosso primeiro beijo. Lembra-me de

421


pensar que eu desistiria de todos os outros sentidos se isso significasse que eu podia ouvi-la rir de novo." Eu levanto minha mão para mover seu cabelo longe dos seus olhos. "Foi como uma recompensa para mim." Ele continua. "Como se todos os dias fisicamente desgastantes de estar com você e os meninos e tentar ser a sua calma, tudo valeu a pena. Só por esse som. Aquela emoção que eu puxei para fora de você. E tudo leveu a isso — você sendo a minha esposa." Eu não posso evitar o sorriso que se forma no meu rosto. Eu adoro ouvir isso — a maneira como ele me chama de sua esposa. "Diga isso de novo." "Esposa." Ele entrelaça nossas mãos. "Você sabe o que isso significa, amor?" Ele diz com uma careta. "Isso significa que você vai ter que aprender a cozinhar, talvez até limpar." Eu enrrugo meu nariz e balanço a cabeça. "Não." "Sim." Ele brinca, balançando a cabeça. "Eu sinto muito, isso meio que vem com o título." "Nããão." Eu sussurro. "Mas tudo isso tira meu tempo valioso de leitura!" "Bem!" Ele revira os olhos. "Eu vou aprender fazer isso. Mas você tem que me prometer que vai ler pelo menos dois livros obscenos por semana." "Feito." "Feito." Ele responde, com um sorriso se formando em seu rosto. "Vamos começar a praticar?" *** Nós não praticamos, na verdade, nós nem sequer fizemos sexo. Nós fazemos o que queríamos, conversamos e nos se apaixonamos ainda mais um pelo outro.

422


CAPÍTULO 46 LUCY "Heidi se foi." Dylan diz do seu assento ao meu lado na mesa de jantar. "O quê?" Eu entrego o prato para Cameron do serviço de quarto que todos nós pedimos e olho para Dylan. "O que quer dizer com ela se foi?" Ele encolhe os ombros. "Pergunte a ela sobre isso." É tudo o que ele diz, mas seu tom de voz diz o que as suas palavras não fazem. Eu pego meu celular e verifico se há quaisquer mensagens ou chamadas perdidas. Não há nenhuma. "Quando ela saiu?" "Ontem à noite." Lucas responde. Minhas sobrancelhas se arqueiam, enquanto eu assisto Dylan. Os músculos da sua mandíbula se apertam enquanto ele finge ler o jornal. Eu olho para todos os outros, mas eles não estão prestando atenção. "Estou feliz que você esteja aqui, Dylan." Eu digo a ele. "Não há nenhuma maneira que teria sido o mesmo sem você. Eu senti muito sua falta quando você se foi." Ele olha para cima, suas características relaxadas quando ele diz. "Vocês são meus melhores amigos, eu deveria ter mantido contato. Desculpe, eu sentir muita falta dela, Luce." Ele segura minha mão descansando sobre a mesa. "Eu deveria ter sido um amigo melhor enquanto você estava passando por tanta coisa." Eu não posso deixar de rir. "Dylan, você estava lutando na guerra." Ele dá de ombros e olha para o lado, soltando a minha mão. "Eu acho que talvez todos nós." E essa é a sugestão para ele parar de falar. "LUCY." Micky grita. "VOCÊ ABRIU O SEU PRESENTE?" "Babe." Diz Jake. "Você está gritando novamente." "OH." Ela olha para a mesa.

423


Jake acrescenta. "Kayla pensou que seria uma boa ideia pular na piscina ontem à noite, ambos dos seus ouvidos estão cheios de água." "MEU DEUS!" Ela grita novamente. "EU AMO ESSE LIVRO!" "O quê!" Cam aumenta o volume da sua voz. "O que diabos você acabou de ouvir?" Suas sobrancelhas se franzem e ela olha para Jake e, em seguida, para o seu prato. "É APENAS BACON E PANQUECAS, CAM." Isso trás uma rodada de risos. "Sério, Luce." Amanda diz. "Você já abriu?" "Ainda não, não sabia se eu deveria abri-lo na frente de Cameron ou não." "Oh." Seus olhos se arregalam. "É para vocês dois." Ela ri. "Na verdade, é mais para Cam." Então Micky grita: "CAM, EU NÃO GOSTO OVOS VERDES E PRESUNTO!" *** "O que é isso?" Cam pergunta, saltando sobre seus pés. Eu lentamente rasgo o papel de embrulho do presente de Micky e Amanda. E então meus olhos quase saltam da minha cabeça. "Espere aqui." Digo-lhe, escondendo o presente na minha costa. "O que é isso?" "Espere aqui!" Repito. "Eu vou tomar banho, e então eu vou te mostrar." Eu começo a ir ao banheiro, mas em seguida, giro em meus calcanhares para encará-lo. "Diga aos rapazes que vamos vê-los hoje à noite e tranque a porta." Seu sorriso é instantâneo. "YO! Ninguém nos incomode nos próximos dois dias!" Todo mundo ri, todo mundo, menos Lucas e Micky. "Essa é a minha irmã." Lucas grita.

424


"NÃO HÁ NENHUMA MANEIRA QUE EU COMA OVOS VERDAS!" Micky grita. *** Cam abre a boca. Fecha-a. Abre-a novamente. Nada. "O que você está pensando, marido?" Eu giro as algemas brancas com o meu dedo. Ela corresponde ao conjunto de lingerie que Micky e Amanda me deram. E o chicote que veio junto. Ele mastiga os lábios, seus olhos me varrem da cabeça aos pés. "O que — do — que..." Ele balança a cabeça para clarear os pensamentos. "Huh." Ele se levanta e se aproxima de mim, sua ereção já evidente em sua calça. "O que você tem em mente?" Ele pergunta, sua boca no meu pescoço e sua mão na minha calcinha. "O que você quiser." *** Estou com os olhos vendados, meus pulsos algemados ao pé da cama, enquanto sua boca está no meu seio e os dedos dentro de mim. "Qualquer coisa?" Ele pergunta, causando uma vibração contra meu mamilo duro. "Qualquer coisa." Eu suspiro. Corpo: eu quero que ele coma sua buceta. Cérebro: Você tem uma boca suja. Corpo: Você me fez desse jeito. Ele beija, lambe, suga, meus seios, o meu estômago, dando uma atenção especial na nossa cicatriz. Cérebro: Eu adoro quando ele faz isso. Corpo: Eu prefiro que ele faça em sua vagina. Cérebro: Se ela não estivesse com os olhos vendados, ela estaria revirando os olhos para você.

425


Ele se move mais para baixo, além da cicatriz e entre as minhas pernas. O calor da sua respiração aquece o meu centro já úmido. Corpo: Húmido? Sério? Cérebro: palavra de merda. Eu concordo. Meus quadris se movem quando sinto sua língua sedosa passar entre as pétalas das minhas dobras internas. Corpo: Ela lê muito. Cérebro: Sim, ela faz! "Baby..." Corpo: Whoa, onde está seu dedo agora? Cérebro: Por que ela disse que ele poderia fazer qualquer coisa? "Babe?" "Você disse qualquer coisa." Ele responde. Corpo: Oh, não. Eu não sei se gosto disto. Cérebro: Por que ela disse quaquer coisa? Corpo: POR QUE SEU DEDO AINDA NÃO SAIU DE LÁ? "Cam?" "Se você não gostar, me diga para parar." Cérebro: Talvez ela devesse tentar. Ela leu sobre isso. E se excitou com isso. Corpo: Eu sei que ela se excitou. Eu sou o único ficando excitado agora. Seu dedo penetra mais profundamente. As algemas cavam meus pulsos quando eu começo a me contorcer. Eu não sei se quero que ele pare ou se quero mais. Sua língua desliza para cima, circulando a minha protuberância inchada.

426


Cérebro: Protuberância inchada? Sério? Corpo: Foda-se, isso é bom. "Foda-se, baby, isso é tão bom." Eu começo a me mover, minha mente imaginando-o nu, o seu cheio, seu membro latejante em sua mão, me assistindo tocar minhas dobras sedosas. Corpo: O que diabos ela acabou de dizer? Cérebro: É por causa desses livros... Corpo: Não consigo me concentrar no prazer se ela continuar pensando assim. Você a controla, faça-a parar. Cérebro: Pensando em quê? "Babe. Foda-se, por favor, não pare." Eu sinto a construção, a dor incômoda na boca do meu estômago. Seu dedo começa a se mover lentamente, os músculos do meu traseiro se apertam em torno dele. Minhas paredes rosas ensaboam em meus sucos enquanto eu começo a apertar. A imagem do seu pau sedoso e pulsante me leva mais perto da borda. Corpo: ISSO! Pensando assim! Paredes cor de rosa? Pau pulsante? Estou surpreso que eu possa... "Oh meu Deus, Cam!" Cérebro: Não tem problema você ficar fora, cale sua boca prostituta. Corpo: Você acabou de chamar minha boca de prostituta? Cérebro: Olhe para você, você está se contorcendo sob seu toque. Você ama isso. Vamos Lucy venha— Corpo: Você ama quando Cam faz essas merdas. Vamos garota. Consiga seu O. Cérebro: Pelo menos nós concordamos com isso! Consiga esse O, garota. De prazer ao seu clitórossauro-rex. "Pare com isso!" Eu rio em voz alta.

427


"O quê?" Cam diz, afastando-se. "Não você!" Eu levanto meus quadris para que ele possa continuar. Eu preciso dele para continuar. "Mas você acabou dizer—" "Cale-se!" Cérebro: Você é má. Corpo: Cale a boca, cérebro. Ele adora isso. Eu amo isso. Olhe ele vir. "Ahhh!" Corpo: Oh merda, ela está tão perto. Cérebro: Deixa ela em paz agora, ela está quase lá. "Ahhh!" Corpo: Foda-se. Meu Deus. Não há palavras. Eu empurro meu quadril, minha úmidade ardente agora em seu rosto. Corpo: Pare com essa merda. "Porra, Cam! Vou..." Corpo: VENHA! VENHA! VENHA! "Eu vou..." Corpo: FODA-SE! "Eu vou..." Corpo: Puta merda. Eu nunca me senti assim... Isso poderia ser... Não é? "Puta merda. Vou vir com tanta força em cima de você." Corpo: Merda. Este é o maior orgasmo que ela já teve. "Eu vou..."

428


Cérebro: Venha. Ela vai vir! "PORRAAAA!" Meu corpo vibra, enquanto ele me mantém no lugar, sua boca nunca me deixando, com o dedo sem parar, não até a última onda vir e eu cair na cama. "Foda-me..." Eu gemo de prazer. "Eu pretendo." Ele murmura. Eu sorrio, mesmo que eu não possa vê-lo. "Você, Cameron Aladdin Gordon, é um maldito garanhão."

429


Epílogo UM ANO DEPOIS

CAMERON Foi difícil, mas eu fiz isso. Eu me formei. Luce conseguiu seu diploma de jornalismo e brincou dizendo que ela provavelmente nunca o usaria. Foi engraçado até que nos mudamos para a cabana por algumas semanas e ela percebeu o quão os trabalhos de jornalismo eram limitados, especialmente perto de casa. Candidatei-me em cerca de dez escritórios de arquitetura, alguns entraram em contato comigo para uma entrevista. Alguns deles até me ofereceram uma vaga, mas isso significava viajar, e nenhum deles ofereciam dinheiro o suficiente. Eu ajudei Tom com alguns dos seus projetos nos primeiros dois meses. Ele me pagou mais do que deveria, o que significava que era mais do que suficiente para flutuar com Lucy, especialmente considerando que estávamos vivendo sem pagar aluguel. Depois de semanas em casa, Lucy começou a perder a cabeça. E então ela encontrou um projeto. A única livraria da cidade — a qual ela e sua mãe costumavam passar horas nos primeiros domingos de cada mês, estava afundando. Eles não estavam fazendo dinheiro suficiente para sobreviver e iriam fechar. Lucy, sendo Lucy, se emocionou e usou essas emoções para lutar pela livraria. Ela passava o dia todo ajudando no que podia para mantê-la aberta. Quando nada funcionou, ela começou uma campanha. Ela organizou um evento onde alguns dos seus autores favoritos apareceram, assinaram os livros, e falaram com os participantes. Ela até os convenceu a doar seus livros para que o dinheiro ajudasse na loja. A proprietária, uma pequena senhora de idade que estava muito além de seus anos de aposentadoria, ficou tão agradecida pelos esforços de Luce. Mas ainda não era o suficiente. Ela chorou quando descobriu. "Não é sobre a loja." Ela disse naquela noite. Segurei-a contra o meu peito enquanto ela chorava lágrimas silenciosas. "É sobre as memórias, Cameron." No dia seguinte enquanto eu trabalhava com Tom, lhe contei sobre o fechamento da loja e como Lucy estava triste com isso. Eu disse a ele que ela

430


passou a maior parte da noite me contando histórias sobre ela e sua mãe indo para lá, e como ela se lembrava da sua mãe comprando sua própria cópia de Little Women. Ela disse que foi um dos melhores dias de sua vida. Uma semana depois, Tom pediu para que nós o encontrassemos lá. Não tínhamos ideia do que se tratava. Então, quando entramos depois de horas e o vimos sentado ao lado da senhora no cantinho de leitura que ela tinha criado, ficamos confusos para dizer o mínimo. Nós nos sentamos em frente a eles e esperamos. A senhora tinha lágrimas em seus olhos, mas Tom não falou. Ele apenas empurrou um monte de papéis na nossa direção. Eram documentos de propriedade para o negócio e para a construção com os nossos nomes já impressos. "Tudo o que vocês tem que fazer é assinar." Tom disse. Lucy chorou. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo. "Você me comprou uma loja de livros?" Ela diz chorando. Meus olhos se estreitam antes de perceber o que estava acontecendo. "Não." Responde Tom. "Eu investi em uma loja de livros." Ele se recosta na cadeira e olha para nós por um momento, reunindo suas próximas palavras. "Na verdade, eu tenho minhas próprias razões para fazer isso, mas sim, a livraria é sua, Lucy." Ela chorou enquanto assinava os papéis. Eu nem me lembro de assinar o meu nome, mas eu tenho certeza que fiz. Após a senhora agredecer, ela me pediu para levá-la até seu carro. "Ela não sabe não é?" Ela pergunta enquanto eu segurava a porta aberta. "Saber o quê?" "Que sua mãe a nomeou por causa do meu nome. Meu nome é Lucille, mas ninguém me chama assim desde que sua mãe se foi." "Não, senhora." Eu respondo. "Ela não tem ideia."

431


"Bom." Ela sorri. "Você pode ser o único a dizer-lhe." Quando volto para a loja, Lucy estava de pé. Ela ainda estava chorando, mas era do tipo bom. "Podemos fazer muito com este espaço." Ela anuncia animadamente. Ela está atrás do balcão, com um lápis e um bloco de notas, estendidos para mim. Então ela começa a nos guiar através de suas ideias. Tom e eu seguimos, nossos sorrisos quase idênticos. "Por favor, desenhe o que eu digo." Ela diz para mim, e então eu faço. Durante duas horas, nós andamos em torno do espaço enquanto ela falava os detalhes, o que ela queria. Esbocei o que ela descreveu, enquanto olhava por cima do meu ombro, me dizendo o que mudar e o que era perfeito. Não foi necessário muitas mudanças, nossas visões eram semelhantes. Tom andava com uma fita métrica e seu próprio bloco de notas, anotando as coisas que precisavam ser fixas ou construídas. Ela queria incluir um ponto de café, aquele onde os clientes poderiam se sentar e ler por horas e horas. Ela caminhou ao redor animada, tão perdida em seu entusiasmo e ideias que eu me encontrei ali com ela... tão animado quanto ela. "Eu quero um canto de leitura, babe." Ela sussurra quando seu pai estava fora do alcance. "Um onde eu possa fazer o tempo da história para as crianças. Eu quero uma enorme poltrona e todos eles podem se sentar na minha frente enquanto eu leio para cada um. Você pode projetar uma placa na cadeira, escrita 'o cantinho da Kathy'? Eu sorrio para ela, observando seus olhos se encherem de lágrimas novamente. "Isso soa como uma ideia incrível, querida." Quando ela termina, fica no meio da loja e vira em um círculo completo. "Eu não posso acreditar nisso." Ela diz. "Isso tudo é meu." Tom esfrega a mão na barba. "Bem, não tudo." Ele murmura. "Me sigam." Luce segura a minha mão e nós o seguimos até as escadas do escritório a trás da loja. Ele nos leva a uma sala vazia. No meio uma mesa, três cadeiras, e uma lâmpada. "Estamos sendo interrogados?" Ela brinca. Fico feliz que ela ache engraçado, porque apesar de eu ter conhecido Tom a sete anos, ele ainda assusta a merda fora de mim. "O que você acha?" Ele diz, ignorando sua pergunta. "Achar o que?" Ela diz.

432


Ele acena com a cabeça para as duas cadeiras em frente onde ele estava agora sentado. "Eu acho que esse pode ser o novo espaço de escritório para Preston and Sons." "Então você vai trabalhar aqui também?" Ela pergunta. Puxo a cadeira antes de me sentar ao seu lado. Tom sorri e espera até que eu esteja sentado. "Eu tentei pensar em alguns nomes." Ele começa, ignorando-a novamente. "Preston and Sons e Gordon, ou Preston, Gordon and Sons, mas que—" "O quê?" Eu finalmente consigo perguntar. "Gordon? Eu?" "Nós!" Lucy estala. "Eu sou uma Gordon também!" "Eu sei, querida." Limpo meus pensamentos e olho para Tom. "Eu não entendi." Ele não responde. Ele simplesmente empurra mais papéis até que eles estavam debaixo do meu nariz. Era um acordo de parceria para o seu negócio. "O quê?" "Você pode mudar o nome se quiser." Eu balanço minha cabeça. "O nome está bom, eu acho, estou apenas confuso." "Eu gostaria de ser o seu parceiro." Ele brinca. "Você pega a parte do design, e eu fico com a construção. Nós podemos trabalhar juntos. Embora, este será o seu espaço de escritório, eu vou estar no local na maior parte do tempo. Além disso, eu te amo como um filho, não me interpretem mal, mas você e minha filha não podem manter suas mãos longe um do outro; não quero estar cercado por isso o dia todo " Lucy ri. Eu não conseguia fazer nada além de olhar para ele. "Então?" Ele pergunta, esperando pela minha resposta. "Não."

433


"O quê?" Lucy lamenta. Viro-me para ela. "Eu não fiz nada para merecer isso, Luce." Ela bufa e revira os olhos. Tom riu. "Eu vou dar-lhes um minuto." Lucy observa-o descer as escadas e, quando estamos sozinhos, ela se vira para mim. "Cameron..." Ela começa. Seus ombros caem com o suspiro. "Eu odeio trazer isso, mas essa sua atitude, essa coisa de orgulho que você tem, quase nos arruinou uma vez. Sei que você sente que não fez nada para merecer isso, mas você fez, e meu pai não iria fazer se ele não confiasse em você. Se ele não acreditasse em você desde o primeiro dia. E desta forma... isso significa que temos de estar juntos todos os dias, nós nunca vamos ter que nos separar. Não é isso o que você sempre quis? " Tom e eu apertamos as mãos quando eu lhe devolvo os papéis assinados. No dia seguinte, começamos a trabalhar. Isso foi há alguns meses atrás. Ontem, finalmente concluímos exatamente do jeito que ela queria. * "Sua namorada está aqui." Eu digo a Logan, que está sentado ao meu lado no banco. Ele me cutuca com o cotovelo. "Sua esposa está aqui." Assistimos, por ambas sairem do carro de Lucy e se sentarem sobre o capô, observando o nosso jogo de beisebol. "Nós estamos fora." Eu digo, pegando minha bolsa de treino e saio. Alguém grita — dizendo que o jogo ainda não acabou, mas nós não nos importamos. "Nós não podemos ser Jake Andrews." Ele brinca. "O punk me excluio do Facebook."

434


"O punk excluio todos do seu Facebook. Ele está muito famoso agora. Vários pedidos de amizades e posts em seu mural. Amanda disse que Micky o fez excluir após ele receber a quinta foto de uma garota nua." Eu rio. "Pobre coitado." O grito de Lucy recebe a minha atenção, e depois eu vejo sua cabeça se inclinar para trás, seu riso alto e despreocupado. Amanda bufa ao lado dela, fazendo Lucy rir ainda mais. "O que diabos vocês estão fazendo?" Logan diz quando paramos na frente delas. Eu espero até que Lucy se instale antes de puxar suas pernas para que eu fique de pé entre elas. Amanda empurra meu ombro. "Como vai, fodedor de mesa?"

LUCY Cameron para no meio do caminho, sem camisa, com a toalha enxugando o seu cabelo. Ele deixa cair as mãos e me olha com curiosidade. "Você está cozinhando?" Concordo com a cabeça, tentando esconder meu sorriso. "Como foi o seu banho, marido?" Ele ignora a minha pergunta e vem para perto de mim, cheirando a tigela de salada que acabei de fazer. "Você está bem?" "Sim! Fiz uma massa, é tudo o que eu realmente consigo fazer por agora, mas estou aprendendo." Ele abre o forno e cheira de novo. "Eu não esperava que você fosse cozinhar, querida." "Eu sei." Eu dou de ombros. "Mas eu queria." "Huh." Ele fica do lado oposto do balcão e se inclina sobre os cotovelos. "Será que você me traiu?"

435


"O QUE!" "Eu não sei, Luce. Parece apenas estranho. Você está cozinhando, e o banheiro está limpo, e você embalou uma pilha de livros ao pé da cama. Imagino que você tenha feito algo de errado e acha que limpando e cozinhando pode tornar mais fácil para mim te perdoar. Isso, ou o seu e-reader quebrou. Quer que eu saia e compre um novo?" Eu zombo. "Vendo e-readers na minha loja, e não ele não está quebrado, eu não fiz nada, ou qualquer coisa errada." Eu dou de ombros. "Eu só queria ser uma boa esposa hoje." Ele ri. "Você foi uma boa esposa ontem à noite quando você me chu—" "CAM!" "Sério, Luce, o que está acontecendo?" Eu retiro os pratos do armário e pego a salada da mesa. "Coloque uma camisa, vamos comer na doca." * "Está bom?" Eu pergunto, tentando suprimir minha risada. Ele termina de mastigar, olhando-me de forma estranha desde que saiu do chuveiro. Ele balança a cabeça lentamente, e depois cheira o prato. "Eu não estou tentando envenená-lo!" Eu rio. "Você está me confundindo, Luce, eu não sei o que está acontecendo." Eu não respondo. "E você está sendo evasiva!" "O sol está se pondo." Ele grunhe em frustração, mas não responde. Pego uma cerveja do refrigerador e entrego a ele. Ele joga no lago. Eu rio.

436


"Quem é ele?" Ele pergunta. "Quem é quem?" "O cara com quem você está me traindo?" Eu rio tanto que minha barriga dói. Ele começa a se levantar, mas eu puxo seu braço para que ele se sente de volta. "Você está sendo um idiota." Ele cruza os braços e olha para longe. "Eu não me importo." "Babe." Eu coloco minhas mãos nos seus joelhos e beijo-o suavemente. Depois de um minuto, ele começa a relaxar. "Fui ao médico hoje." Eu digo contra seus lábios. Ele se inclina para trás, a cor dos seus olhos escuros combinando com o laranja do pôr do sol. "E?" "E eles disseram que poderíamos iniciar o tratamento de fertilização in vitro, logo que possível. Eles querem que a gente comece na segunda-feira para que eles possam seguir os passos com a gente." Ele olha para o lado e sopra um suspiro trêmulo. "Cam?" Ele funga um pouco, com os olhos vidrados quando se concentra em mim. "Então, nós estamos realmente fazendo isso? Tem certeza, Luce, porque eu não quero que você faça isso por mim. Eu quero ter certeza de que você quer isso também." "É claro que eu quero." Minhas palavras são tensas, mas eu continuo. "Eu poderia viver milhares de anos, sendo apenas você e eu, e isso não seria o suficiente. Mas o que temos, o amor que nós compartilhamos, é mais do que suficiente para ir ao redor. Se não funcionar, podemos adotar, temos opções." Sento-me em seu colo e olho para o lago. Ele inclina a cabeça no meu ombro. Meus dedos acariciam seu cabelo. "Você tem certeza?" Ele sussurra.

437


"Não é justo que o mundo limite seu amor só para mim. Seu coração é muito grande, Cameron." Ele olha para o sol, agora meio escondido pela água. "Eu te amo, Luce." Ele sussurra. E não importa quantas vezes ele diga isso, as palavras nunca perdem o seu significado. E elas nunca vão. Porque é mais do que apenas palavras ditas, é seus braços em volta de mim quando eu sinto que estou caindo. É seus lábios nos meus, beijando minha dor. É nossas mãos entrelaçadas quando ele me leva para dentro da água para me deixar quebrar. É darmos a esperança uma para o outro. Viro-me para ele agora, deixando o pôr do sol atrás de mim. "Para sempre, Cameron. Eu te amo, para sempre."

FIM

438


Em breve: MORE THAN ENOUGH Se eu lhe dissesse para pular, você perguntaria de que altura? Ou será que você apenas saltaria? Se não houvesse nenhuma razão por trás disso, você ainda daria o salto? E se eu lhe dissesse que, no final, não haveria nada? E se você fizesse um respingo no mundo e vivesse flutuando em um estado eterno? E se você não pudesse flutuar? E se o ar perdesse a batalha, e você perdesse a guerra? Você iria querer saber o que estava do outro lado? Você se importaria? Ou será que você apenas saltaria... Porque eu fui à única pessoa que perguntou?

Em 2015

439


http://minhateca.com.br/edienywilliams

440

Jay mclean more than #4 more than forever  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you