Page 1

Manual do paciente bariรกtrico Termo de entendimento


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

informações úteis

Nome: Cirurgia realizada: IMC Inicial: IMC 1º CPO: IMC 2º CPO: IMC 3º CPO: CPO: Consulta Pós Operatória

Observações

Esteja sempre com a saúde em dia. Busque o melhor caminho para viver bem.

www.drdouglasmauricio.com.br


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

índice Como é feito o By-Pass gástrico?...................................................................................... 04 A cirurgia tem riscos?............................................................................................................... 04 O que é hérnia interna?........................................................................................................... 04 O que é fístula?.............................................................................................................................05 Dúvidas frequentes.....................................................................................................................05 Meu estômago volta a crescer?.........................................................................................05 Preciso usar vitaminas pelo resto da vida?...................................................................05 Posso usar qualquer medicamento no pós-operatório?......................................... 06 Operei, quer dizer que nunca mais vou engordar?................................................... 06 Como funciona a perda de peso depois da minha cirurgia?................................ 06 Posso engravidar no pós-operatório?............................................................................. 06 Vou desenvolver cálculo na vesícula?..............................................................................07 Tenho refluxo gastro esofágico e gastrite, posso operar?.....................................07 Quando posso fazer a cirurgia plástica?........................................................................07 “Minha vizinha falou...na internet fala...”........................................................................07 O tratamento cirúrgico é indicado no meu caso?......................................................07 Preciso retornar em consulta com o cirurgião no pós?.......................................... 08 Mitos e Verdades........................................................................................................................ 08 Pessoas submetidas à cirurgia bariátrica retomam seu peso.............................. 08 Chance de morrer pela cirurgia bariátrica................................................................... 08 A cirurgia é um “escape”. Para perder e manter o peso.........................................09 Alcoólatras após a cirurgia...................................................................................................09 A cirurgia aumenta o risco de suicídio............................................................................ 10 Deficiência de vitaminas e minerais................................................................................. 10 A obesidade é um vício semelhante ao alcoolismo ou drogas.................................11


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

DR. DOUGLAS MAURÍCIO Sou graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas - UNIVAS. Realizei residência médica em Cirurgia Geral pelo Hospital Márcio Cunha, participei do Programa de Treinamentos em Cirurgia Bariátrica e Laparoscópica na Santa Casa de São Paulo e sou membro associado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Dentre as principais cirurgias que realizo, destacam-se as que utilizam Videolaparoscopia – cirurgia auxiliada por uma endocâmera – realizada na bariátrica, nas hérnias em geral, na colecistectomia. apendicecromia, entre outras. Este manual é dedicado a todo o público que busca conhecimento em relação à obesidade e seu principal tratamento cirúrgico, denominado By-pass gástrico em y de Roux. O conteúdo abrange técnica cirúrgica, indicação, complicações, dúvidas mais frequentes e também esclarece vários mitos em relação à bariátrica, que quando bem indicada é capaz de transformar a vida das pessoas. A obesidade representa um dos principais desafios da saúde pública global. O excesso de peso acomete até 2/3 da população mundial e estima-se que em 2030, 38% terão sobrepeso (IMC= 25kg/m2) e 20%, obesidade (IMC maior ou igual a 30kg/m2). No Brasil, segundo dados do VIGITEL 2016, observou-se 53,4% de sobrepeso e 18,9% de obesos. Quem pode fazer? Pessoas com IMC acima de 30 com comorbidades ou IMC acima de 40.

04


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

O que é o By-pass Gástrico?

A principal vantagem é que ela é totalmente reversível. Ter um estômago menor não quer dizer que você passará fome. O pouco ingerido dará saciedade. Atualmente, sabemos que existe um hormônio responsável pelo nosso apetite chamado grelina.

Consiste na redução do estômago através de grampeamento. O estômago é dividido em duas partes: uma menor, na qual o alimento irá transitar e outra maior, que ficará isolada.

Este hormônio é produzido em todos os segmentos do trato digestivo, mas é produzido em maior quantidade na parte do estômago que ficará isolada depois desta cirurgia, gerando uma inapetência no período pós-operatório.

Este pequeno estômago é então ligado ao intestino para que o alimento possa seguir seu curso natural. Todas as secreções do estômago separado serão levadas através do intestino a uma nova costura feita adiante no intestino que é costurado no “estômago pequeno”. A perda média de peso nesta cirurgia é de 35 a 40% do peso inicial.

É muito comum, depois da cirurgia, os pacientes perderem totalmente o apetite. Com o tempo, o apetite volta devido ao aumento da produção deste hormônio pelo intestino.

05


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

desse espaço durante o próprio procedimento, o que diminui muito a incidência deste mal. Os sintomas podem não ser muito significativos, porém pode ocorrer dor abdominal intensa, náusea e vômitos.

A cirurgia tem riscos? Toda cirurgia pode apresentar riscos, inclusive de morte. Atualmente, as publicações médicas referem um risco de morte desta operação entre 0,2 a 0,4 % (2 a 4 casos em mil cirurgias). Isto é equivalente a uma cirurgia de risco pequeno, porém presente. Em questões práticas, significa que dois em cada mil pacientes operados podem morrer.

A hérnia interna pode ser vista por meio de exames de imagem como a tomografia computadorizada (TC) do abdômen. Às vezes, pode ser necessário fazer uma laparoscopia (procedimento não muito invasivo), onde uma vez constatada, se coloca o intestino no lugar e é possível costurar as aberturas para que a hérnia interna não retorne.

Complicações também não são comuns, mas podem ocorrer em torno de 1% dos casos. Entre as complicações que mais preocupam o cirurgião estão a tromboembolia pulmonar, trombose venosa profunda (que é o entupimento das veias da perna), pneumonia (infecção no pulmão), atelectasia (quando parte do pulmão murcha e não quer se expandir), hérnias internas e finalmente, a fístula, que mais preocupa o cirurgião.

Em casos mais graves, uma cirurgia convencional ou aberta pode ser realizada, possivelmente com a necessidade da retirada de uma parte do intestino.

O que é uma fístula? Fístula é quando ocorre um “vazamento” do conteúdo do estômago ou intestinal para dentro da cavidade abdominal. De todas as complicações que existem relacionadas à cirurgia, esta é a mais temida pelos cirurgiões.

o que é hérnia interna? São brechas, falhas criadas durante a cirurgia bariátrica (By Pass gástrico). Quando o paciente perde muito peso após a cirurgia bariátrica, a parte interna do abdômen fica com menos gordura, e as alças intestinais ficam mais soltas, diante disso, algumas hérnias internas podem se formar.

As causas do aparecimento das fístulas são variadas. Entre as mais observadas, estão: a ingestão alimentar exagerada pelo paciente nos primeiros dias de pós-operatório, uma deficiência do suprimento sanguíneo no estômago operado e até uma “rejeição” do estômago aos “grampos” utilizados na cirurgia.

Quando o procedimento por By Pass gástrico em y de Roux é realizado, a formação de hérnia pode surgir em dois lugares, mas a incidência é baixa. Uma é pela alça intestinal que é ligada ao estômago e, outra é na alça intestinal ligada ao intestino. A maior parte dos cirurgiões bariátricos já faz o fechamento

As fístulas usualmente ocorrem em menos de 1% dos casos. Ter complicações faz parte do risco de qualquer cirurgia.

06


manual do paciente bariåtrico • termo de esclarecimento

07


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

dúvidas frequentes

1

3

Meu estômago volta a crescer?

Não. O que pode acontecer no paciente que operou por By-pass é a junção do seu novo estômago com o intestino delgado, se alargar com o tempo. E isso não necessariamente vai te fazer engordar novamente.

Deve-se evitar o uso de anti-inflamatórios (Diclofenaco, Voltarem, Ibuprofeno, Alivium, Cataflan, Cetoprofeno, Tenoxicam e outros) em qualquer forma. Anticoncepcionais e alguns outros medicamentos podem não ter a mesma absorção e podem não funcionar muito bem depois da cirurgia. Na dúvida, converse com seu médico.

A importância é manter a educação alimentar e a prática regular de atividades físicas para manutenção de peso em longo prazo.

2

posso usar qualquer medicamento no pós?

4

Preciso usar vitaminas pelo resto da vida?

Operei, quer dizer que nunca mais vou engordar?

A cirurgia bariátrica não é milagre. Se o paciente não entender que a adoção de hábitos de vida saudáveis (reeducação alimentar e prática de atividade física regular) são essenciais, tanto para a perda de peso quanto para manutenção em longo prazo, ele poderá readquirir peso ou talvez não perder o suficiente.

Sim. Imagine a vitamina como sua alimentação. Precisa se alimentar bem e de maneira saudável para o resto da vida? Precisa. Então a vitamina funciona do mesmo jeito. Vitamina não engorda! Pizza, hambúrguer, massa, pastel engordam…

08


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

5

7

Como funciona a perda de peso depois da cirurgia?

Aproximadamente 30% dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica irão desenvolver cálculo na vesícula com 12-18 meses, após a cirurgia. Nesses casos, é indicada a cirurgia por via videolaparoscópica.

Nos primeiros meses (principalmente o primeiro), a perda ponderal vai ser maior, em decorrência de desidratação e perda de massa magra controladas, depois, a tendência é a estabilidade do peso. O ideal é que o paciente controle a ansiedade e não perca peso muito rápido para melhor adaptação do organismo ao novo corpo.

8

Fique tranquilo e mantenha-se persistente nas orientações da equipe multidisciplinar. Assim, sua perda de peso virá.

6

Vou desenvolver cálculo de vesícula?

Tenho Refluxo Gastro esofágico E gastrite, posso operar?

Todo paciente submetido à cirurgia bariátrica necessita realizar EDA no pré-operatório com pesquisa de Helicobacter Pylori. Uma vez diagnosticada a bactéria, deverá ser tratada.A presença de Doença de Refluxo Gastro esofágico pode piorar em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica Sleeve, mas pode ser melhorada através do By-pass Gástrico.

Posso engravidar no pós-operatório?

9

O ideal é esperar 15-24 meses para estabilização do peso. Assim, diminuímos o risco de aborto espontâneo, prematuridade e outras complicações com o bebê.

Quando posso fazer a cirurgia plástica?

Nem sempre é necessária a cirurgia reparadora. Cada caso deve ser individualizado e discutido com o cirurgião. O ideal é esperar a perda de peso estabilizar, o que acontece a partir de 12 a 15 meses.

Procure seu ginecologista para definir o melhor método de contracepção no período.

09


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

10

Minha vizinha falou… Na internet fala…

Por outro lado, os benefícios do procedimento, tanto na melhora da qualidade de vida, como na redução significativa das complicações de doenças associadas e do risco de morte, são compensadores para a grande maioria dos pacientes.

Cuidado com essas afirmações. Somos indivíduos com particularidades e histórias de vida diferentes. Nem sempre o que aconteceu com um conhecido vai acontecer comigo ou o que é bom para o outro é bom para mim.

12

Na dúvida, procure um médico especialista que você confie e tire suas dúvidas com ele.

11

Preciso retornar em consulta com cirurgião no pós

Sim. Os retornos programados com a equipe de cirurgia são importantes para monitorar o pós-operatório e avaliar possíveis complicações inerentes ao procedimento cirúrgico, principalmente em casos de dor, vômitos ou intensa fraqueza.

O tratamento cirúrgico é indicado no meu caso?

Entretanto, os principais cuidados desta fase estão relacionados à equipe multidisciplinar: nutricionistas, psicólogos, cardiologista, endocrinologista, cirurgião, etc.

A decisão de realizar uma operação para tratar a obesidade mórbida é difícil e só deve ser tomada após uma reflexão demorada, uma conversa com seus familiares e uma consulta com o seu médico de confiança.

Serão eles os responsáveis por auxiliar os pacientes na mudança comportamental (correções alimentares, suplementos nutricionais, evoluções de consistências alimentares, expectativas reais, fortificações, adequações de autoimagem, prática correta e regular de atividade física, retirada ou adequação de medicamentos de uso contínuo).

Você deve considerar que estas cirurgias são de grande porte, apresentam riscos e envolvem modificações importantes no seu aparelho digestivo. Você precisará modificar os seus hábitos nos pós-operatório para o resto da vida, para que o procedimento tenha um sucesso duradouro.

10


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

DÚVIDAS ENTRE EM CONTATO CONOSCO • 37. 3221.1211 | 37. 99907.2193

11


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

taxa é menor ou igual a outras cirurgias, considerando cirurgia para retirada de vesícula, cirurgia de substituição de quadril e retirada do útero.

mitos e verdades É muito importante não confundir apetite com “vontade de comer”.

De fato, os dados mostram uma redução de 89% na mortalidade geral, bem como reduções altamente significativas nas taxas de mortalidade devido a doenças específicas. A mortalidade por câncer, por exemplo, é reduzida em 60% para pacientes bariátricos. A morte associada ao diabetes é reduzida em mais de 90% e a da doença cardíaca em mais de 50%.

A maioria das pessoas submetidas à cirurgia bariátrica retoma seu peso. Verdade: Até 50% dos pacientes operados talvez readquiram aproximadamente 5% do peso, após dois

A cirurgia é um “escape”. Para perder e manter o peso, os indivíduos afetados pela obesidade grave só precisam fazer um programa de dieta e exercícios. Verdade:

Readiquirem 5% do peso

anos ou mais. Lembrando que estudos demonstraram que a grande maioria dos pacientes já se consideram bem sucedidos com a perda de 50% do excesso de peso.

A chance de morrer na cirurgia bariátrica é maior do que a chance de morrer pela obesidade. Verdade: Importantes estudos mostram que o risco de morte com cirurgia bariátrica nos 30 dias pós-operatórios é de aproximadamente 0,13%, essa

12

Indivíduos afetados por obesidade grave são resistentes à perda de peso a longo prazo, por dieta e exercício. Os Institutos Nacionais do Painel de Especialistas em Saúde (EUA) reconhecem que a perda de peso “a longo prazo”, em outras palavras, a capacidade de “manter” a perda de peso é quase impossível para aqueles afetados pela obesidade grave por outros meios que não cirurgia bariátrica metabólica. Além disso, alguns procedimentos bariátricos, ao contrário da dieta, também causam mudanças biológicas que ajudam a reduzir o consumo de energia (alimentos, bebidas). Uma diminuição no consumo de energia com a cirurgia resulta, em parte, de alterações anatômicas no estômago ou no intestino que restringem a ingestão de alimentos ou causam má absorção de nutrientes. Além disso, a cirurgia bariátrica aumenta a produção de certos hor-


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

cirurgia, entre em contato com seu médico de atenção primária ou cirurgião bariátrico e converse sobre isso. Eles poderão ajudá-lo a identificar os recursos disponíveis para resolver qualquer problema relacionado ao álcool.

mônios intestinais que interagem com o cérebro para reduzir a fome, diminuir o apetite e aumentar a saciedade (sensação de plenitude). Desta forma, a cirurgia bariátrica e metabólica, ao contrário da dieta, produz perda de peso a longo prazo.

Muitos pacientes bariátricos se tornam alcoólatras após a cirurgia.

A cirurgia aumenta o risco de suicídio.

Verdade:

Verdade:

Na verdade, apenas uma pequena porcentagem dos pacientes bariátricos afirma ter problemas com o álcool após a cirurgia. A maioria (mas não todos) que abusam do álcool após a cirurgia teve problemas com álcool em algum período de tempo antes da cirurgia.

Indivíduos afetados por obesidade grave que buscam cirurgia bariátrica e metabólica têm maior probabilidade de sofrer de depressão ou ansiedade e ter baixa autoestima e qualidade de vida geral, do que alguém com peso normal.

A sensibilidade ao álcool, especialmente se for consumido durante o período de perda de peso rápida, aumenta após a cirurgia bariátrica, de modo que os efeitos são sentidos com menos bebidas do que antes da cirurgia. Por todas estas razões, os pacientes bariátricos são aconselhados a tomar certas precauções em relação ao álcool:

A cirurgia bariátrica resulta em melhora altamente significativa no bem-estar psicossocial para a maioria dos pacientes. Por essa razão, programas bariátricos abrangentes requerem avaliações psicológicas antes da cirurgia e muitos têm terapeutas comportamentais disponíveis para consultas aos pacientes após a cirurgia.

• Evite

bebidas alcoólicas durante o período de perda de peso rápida; • Esteja ciente de que mesmo pequenas quantidades de álcool podem causar intoxicação; • Evite dirigir ou operar equipamentos pesados depois de beber qualquer bebida alcoólica; • Procure ajuda se o consumo de bebida alcóolica se tornar um problema. • Se você sentir que o consumo de álcool pode ser um problema para você após a

Pacientes bariátricos têm sérios problemas de saúde causados por deficiências de vitaminas e minerais. Verdade: Operações bariátricas podem levar a deficiências em vitaminas e minerais, reduzindo a ingestão de nutrientes ou reduzindo a absorção do intestino. As operações ba-

13


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

riátricas variam no grau de má absorção que podem causar e em quais nutrientes podem ser afetados. Os procedimentos bariátricos mais disabsortivos também aumentam o risco de deficiência proteica. Deficiências em micronutrientes (vitaminas e minerais) e proteínas podem afetar adversamente a saúde, causando fadiga, anemia, perda óssea e muscular, visão noturna prejudicada, baixa imunidade, perda de função nervosa apropriada e até mesmo dificuldades cognitivas. Felizmente, as deficiências nutricionais que se seguem à cirurgia podem ser evitadas com uma dieta apropriada e o uso de suplementos dietéticos, isto é, vitaminas, minerais e, em alguns casos, suplementos proteicos.

Problemas de saúde devido a deficiências geralmente ocorrem em pacientes que não acompanham regularmente o cirurgião para estabelecer níveis saudáveis de nutrientes.

A obesidade é apenas um vício, semelhante ao alcoolismo ou dependência de drogas. Verdade: Existe uma porcentagem muito pequena de indivíduos afetados pela obesidade que apresentam transtornos alimentares, como a síndrome do transtorno da compulsão alimentar periódica, que podem resultar na ingestão excessiva de alimentos (calorias), para a grande maioria dos indivíduos afetados pela obesidade. Trata-se de uma doença complexa causada por muitos fatores.

Diretrizes nutricionais para diferentes tipos de procedimentos de cirurgia bariátrica foram estabelecidas pelo Comitê de Especialistas em Nutrição da ASMBS e publicadas na revista Surgery for Obesity and Other Related Disorders.

Ao tratar o vício, como álcool e drogas, um dos primeiros passos é se abster de drogas ou álcool. Essa abordagem não funciona com a obesidade, pois precisamos comer para viver. Além disso, podem haver outras questões que afetam o peso de um indivíduo, como problemas psicológicos.

Antes e depois da cirurgia, os pacientes são aconselhados sobre suas necessidades alimentares e suplementares e seguidos por um nutricionista com experiência bariátrica. A maioria dos programas bariátricos também exige que os pacientes tenham suas vitaminas e minerais checados regularmente após a cirurgia.

O ganho de peso geralmente ocorre quando há um desequilíbrio energético ou, em outras palavras, a quantidade de alimento (energia) consumida é maior que o número de calorias queimadas (energia gasta) pelo organismo no desempenho das funções biológicas, atividades diárias e exercício.

As deficiências nutricionais e quaisquer problemas de saúde associados são evitáveis com o monitoramento do paciente e a adesão às recomendações dietéticas e de suplementos (vitamina e minerais).

O desequilíbrio de energia pode ser causado

14


manual do paciente bariátrico • termo de esclarecimento

por excessos ou por não se ter atividade física e exercício suficientes. Existem outras condições, no entanto, que afetam o equilíbrio energético e/ou o metabolismo da gordura que não envolvem alimentação excessiva ou comportamento sedentário, incluindo: • Perda de sono crônica; • Consumo de alimentos que, independentemente do conteúdo calórico, causam alterações metabólico-hormonais que podem aumentar a gordura corporal (açúcar, xarope de milho rico em frutose, gordura trans, carnes processadas e grãos processados); • Baixa ingestão de alimentos que combatem a gordura (frutas, verduras, legumes, nozes, sementes, proteína de qualidade); • Estresse e sofrimento psicológico; • Muitos tipos de medicamentos.

obesidade, que é muito mais do que apenas um “vício” em relação à comida. O tratamento da obesidade apenas como um vício pode ser benéfico para uma porcentagem muito pequena de indivíduos cuja única causa subjacente para a obesidade é a alimentação excessiva e viciante, mas é improvável que beneficie as multidões, particularmente aqueles indivíduos afetados pela obesidade severa.

A obesidade também “gera” a obesidade, que é uma das razões pelas quais a doença é considerada “progressiva”. O ganho de peso provoca uma série de alterações hormonais, metabólicas e moleculares no corpo que aumentam o risco de acúmulo de gordura e obesidade ainda maiores. Tais alterações, associadas à obesidade, reduzem a utilização de gordura, aumentam a conversão de açúcar em gordura e a capacidade do corpo de armazenar gordura, elevando o número de células adiposas e reduzindo a degradação da gordura. Esses defeitos no metabolismo da gordura significam que mais calorias consumidas são armazenadas como gordura. Para piorar a situação, a obesidade afeta certos reguladores do apetite e da fome de uma maneira que pode causar um aumento na quantidade de comida ingerida em qualquer refeição e o desejo de comer com mais frequência. Existem muitas causas para a

15


manual do paciente bariåtrico • termo de esclarecimento

drdouglasmauricio.com.br drdouglasmauricio drdouglasmauricio

Profile for Dr Douglas Mauricio

Manual do Paciente Bariátrico  

Preparamos um manual para que você tire todas as suas dúvidas sobre a cirurgia bariátrica. Como é feito a cirurgia? Existem riscos? Como é o...

Manual do Paciente Bariátrico  

Preparamos um manual para que você tire todas as suas dúvidas sobre a cirurgia bariátrica. Como é feito a cirurgia? Existem riscos? Como é o...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded