Issuu on Google+

A População O Japão tem cerca de 128 milhões de habitantes, a grande

maioria

originária

deste

arquipélago.

Os

japoneses descendem dos povos Jomon, Yayoi e Ainus. A esperança média de vida situa-se nos 81 anos, há um envelhecimento crescente da população e a taxa de natalidade tem vindo a diminuir. Os estrangeiros legais são uma minoria e são, sobretudo, de origem coreana, chinesa, tailandesa e filipina.

Regime político Hoje em dia, o Japão é uma monarquia constitucional em que o voto é um direito de todos os cidadãos com mais de 20 anos. O chefe de governo é o primeiroministro que tem o poder executivo, nomeando e demitindo ministros de Estado. O poder legislativo pertence à Dieta Nacional cujas leis são promulgadas pelo imperador; este tem um poder limitado e é definido pela Constituição como “símbolo do Estado e da unidade do povo, devendo a sua posição à vontade do povo, detentor do poder total’’. Quanto ao poder judicial, todos os juízes são independentes e os seus poderes estão sujeitos à Constituição e às leis dela resultantes.


Religião Apesar da Constituição japonesa assegurar o direito à liberdade religiosa, a grande maioria da população são, em simultâneo, devotos de duas religiões: o Xintoísmo e o Budismo. O Xintoísmo, uma espécie de culto da Natureza, é a religião mais antiga do Japão, segundo a qual os kami são divindades que tudo regulam. Ainda hoje são frequentes as cerimónias de batismo da terra, as visitas aos templos Xinto em dias festivos e no dia de Ano Novo, uso de amuletos (omamori) ritos xintoístas nos casamentos. O Budismo, vindo da Índia, chegou ao Japão no século VI através da China e da Coreia. Esta religião tem tido um importante papel no enriquecimento do saber e das artes no Japão, destacando-se as celebrações nos festivais de Tóquio os memoriais de pedra, os pagodes, as estátuas de Jizo, as peregrinações a lugares budistas e a prática da meditação princípio do budismo – o caminho para a Iluminação é limpar a mente dos pensamentos confusos. O Cristianismo é apenas seguido por uma minoria da população. Foi introduzido no Japão em 1549 pelo missionário S. Francisco Xavier mas, após a unificação do país no final do século XVI, acabou por ser proibido.


A População, Regime Político e Religião Japonesa