Page 1


Douglas Reis

Ivatuba, Paranรก.

Instituto Adventista Paranaense 2014


©Douglas Reis Todas as citações bíblicas foram extraídas da Nova Versão Internacional (NVI), salvo indicação. 1ª edição 2ª impressão: 1 mil exemplares Tiragem acumulada: 2 mil exemplares 2014 Editor: Douglas Reis Projeto Gráfico : Vilma Baldin Capa: Michelson Borges Fotos da Capa: www.sxc.hu Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, sejam quais forem os meios empregados, sem autorização por escrito do Autor. Os infratores responderão às penas previstas em lei. ISBN: 978-85-89168-02-1 IMPRESSO NO BRASIL PRINTED IN BRAZIL Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Biblioteca Pública do Estado do PR, Brasil) Reis, Douglas D299e Explosão Y : adventismo, pós-modernidade e gerações emergentes / Douglas Reis. -- Ivatuba : Instituto Adventista Paranaense, 2014. 272 p.

ISBN: 978-85-89168-02-1.

1. Conduta de vida. 2. Evangelização contemporânea. 3. Gerações emergentes. 4. Igreja Adventista do Sétimo Dia Doutrinas. 5. Pós-modernidade – Aspectos religiosos. 6. Valor (Filosofia). I. Titulo.

CDD 21.ed. 286.732


A Amin A. Rodor, teólogo sólido e pregador profundo, que um dia disse à minha turma na faculdade: "leiam de tudo".


Estou ansioso para ler o livro agora “de caneta na mão”. Douglas Reis foi usado por Deus para escrevê-lo e fico imaginando seu impacto sobre os leitores. De alguma forma, alguns de nós vivemos em uma ilha de adventismo, ignorando em parte o que se passa ao redor. Outros, que são parte do processo de aculturação que hoje existe na igreja, talvez possam descobrir-se durante a leitura do livro. Enfim, achei o livro muito interessante, relevante e obrigatório, tanto para os que se preocupam com a identidade e o futuro do adventismo, quanto para os que desejam compreender a atual geração a fim de alcançá-la com o evangelho eterno – Marcos Faiock Bomfim, diretor dos departamentos de Saúde e Família da Divisão Sul-Americana da IASD

Numa época em que todas as crenças e instituições são questionadas, a Igreja Adventista do Sétimo Dia se transformou numa grande vidraça contra a qual muitos não hesitam em atirar suas pedras. Sob uma chuva de pedras, cada vez mais pessoas têm perdido ou relativizado sua fé. O quadro exige atitude. Requer um olhar mais introspectivo, de redescoberta das próprias raízes da igreja. Exige também outro olhar igualmente importante, mais voltado à mentalidade pós-moderna. Neste livro, Douglas Reis propõe esse duplo olhar. Encara o desafio de a igreja manter sua identidade, sem jamais descuidar das pessoas as quais pretende alcançar. Alerta para os perigos da pós-modernidade, ao mesmo tempo em que destaca a urgência de nos tornarmos compreensíveis a ela. É uma ótima leitura para todos os que acreditam que, como movimento, não estamos aqui por acaso. – Diogo Cavalcanti, editor-associado do Comentário Bíblico Adventista em português

Na visão de Henry e Richard Blackaby, “liderança espiritual é levar as pessoas a agirem de acordo com os planos de Deus. É movê-las de onde estão para onde Deus quer que elas estejam”. No contexto da pós-modernidade, o desafio se impõe. Como (re) significar valores adventistas a jovens plugados e multi-tarefas? Douglas Reis diz que isto é possível, porém, “temos de aprender a lidar com as objeções sem atalhos”. E conclui: “Ou isso, ou a obsolescência”. Se você deseja tornar relevante o Evangelho para a Geração Y, abra o livro e deguste. Na interconexão dos capítulos, o autor de “Paixão Cega” e “Marcados pelo Futuro” trata temas complexos de forma simples para você não perder o link com a nova mentalidade. Aventure-se, contudo, não se esqueça: é o Espírito Santo quem capacita. – Jael Eneas, Diretor de Desenvolvimento Espiritual e Pastor do UNASP campus Hortolândia, SP.

Desde o seu surgimento, no início dos anos 1800, o adventismo entende a si mesmo como detentor da missão de ‘reparar brechas’ e restaurar verdades bíblicas, pisoteadas ou ignoradas pelos demais grupos religiosos. Obviamente, a conscientização dessa realidade o torna diferente desses outros segmentos. Porém, passados quase dois séculos, o mundo mudou radicalmente, e as transformações culturais e sociais nos trouxeram à assim chamada era pós-moderna, com seu relativismo generalizado, sua aversão a verdades absolutas bem como à igreja institucionalizada, além de valores e estilos comportamentais tremendamente diferenciados da filosofia original adventista. Presente no mundo e na sociedade, e com a missão de transformá-los, a Igreja Adventista do Sétimo Dia não está, entretanto, imune às influências do que poderíamos chamar de cristianismo pós-moderno. Quais são os estilos de vida e adoração que ameaçam fazê-la mudar? Quanto disso parece estar se imiscuindo sutilmente em suas fileiras? O que deve ser feito a fim de evitar a perda do rumo? Essas e outras muitas perguntas são magistralmente respondidas por Douglas Reis neste livro de conteúdo atual, oportuno e relevante. – Zinaldo A. Santos, pastor e jornalista, editor da revista Ministério.


Sumário Introdução ............................................................................................................. 6 1. Adventistas até os extremos ........................................................................ 12 2. O Y da questão............................................................................................... 25 3. Quem se importa com a cosmovisão ......................................................... 41 4. Não dá para viver assim! .............................................................................. 50 5. Quem precisa de certo ou errado? ............................................................. 61 6. Tolerância intolerável ................................................................................... 70 7. Deus: o Réu ................................................................................................... 84 8. O risco de um cristianismo pós-moderno ................................................ 96 9. Alguém tem alguma dúvida? .................................................................... 107 10. Vida e morte daqueles que conhecem o Deus Verdadeiro..................... 122 11. O Deus amordaçado da pós-modernidade ............................................. 130 12. Cultura: um desafio movediço .................................................................. 148 13. Educação superior ...................................................................................... 159 14. Há realmente critérios para a música sacra? ........................................... 167 15. Escatologia, aqui me tens de regresso ...................................................... 181 16. Enquanto isso, lá em Roma ....................................................................... 197 17. Igreja: modo de usar .................................................................................. 213 18. É hora de trocar de roupa .......................................................................... 225 19. Vizinho do campo missionário ................................................................ 233 20. O coração do discipulado .......................................................................... 241 Epílogo. Alegria, resultado da comunhão .................................................... 249 Bibliografia ....................................................................................................... 257


Introdução

Q

Quando comecei a escrever meu primeiro livro, Paixão Cega,1 li bastante a respeito da pós-modernidade. Embora houvesse me familiarizado com o termo na faculdade de Teologia, apenas na ocasião pude entender melhor seu significado. Minha abordagem inicial visava contextualizar a vivência da espiritualidade cristã no período pós-moderno. O livro não tencionava se aprofundar na questão da pós-modernidade em si, apenas defini-la de forma restrita para meus interesses imediatos. Mesmo quando terminei de escrever Paixão Cega, no primeiro semestre de 2008, minha pesquisa sobre pós-modernidade prosseguiu. Assim, foi natural que em meu segundo trabalho, Marcados pelo futuro,2 dedicasse maior espaço a ela. Além de capítulos escritos exclusivamente sobre o assunto, ali a pós-modernidade se fazia mais presente. Porém, o livro gravitava em torno da parousia (volta de Jesus); mais especificamente, seu enfoque tratava de obstáculos a um compromisso com a esperança na segunda vinda (como o evolucionismo, a desconfiança na Bíblia, a espiritualidade difusa, além da própria pós-modernidade). Finalmente, posso dizer que, no presente trabalho, a pós-modernidade recebe um tratamento mais amplo. Foi necessário um período de maturação de informações garimpadas em cerca de sete anos. Mas por que dedicar tanto tempo a escrever sobre esse assunto? Qual a importância em se conhecer sobre pós-modernidade? Aparentemente, pós-modernidade soa para alguns cristãos como um termo tão hermético ou filosófico que seria um esforço inútil empreender um estudo de seu sentido. Logo, é preciso que se esclareça que não estamos tratando de algo “filosófico” e abstrato, sem nenhum tipo de consequência prática mensurável. Como pastor, tenho percebido uma diluição dos valores adventistas entre os que fazem parte dessa denominação, sejam membros regulares ou líderes. Em parte, a assimilação de valores da pós-modernidade tem enfraquecido conceitos caros à denominação, como, por exemplo, a afirmação de que temos uma verdade a ser dada ao mundo. 1. Douglas Reis, Paixão Cega: o herói que precisou perder a visão para enxergar (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2010). 2. Idem, Marcados pelo futuro: vivendo na expectativa do retorno do Senhor (Niterói, RJ: ADOS, 2011).


Introdução / 9

Já conversei pessoalmente com muitos adventistas que acreditam que deveríamos ser mais “humildes” e reconhecer que “não somos melhores do que os outros”. Segundo eles, se continuarmos nos intitulando “os donos da verdade” afastaremos as pessoas. Nossa missão seria conduzir outros a Cristo, não à nossa denominação, porque as doutrinas não são importantes e, sim, o relacionamento com a pessoa de Cristo. Por trás dessas afirmações, encontramos sérios problemas. Afinal, se as doutrinas não importam, por que sustentá-las? Por outro lado, o crer em Cristo, não é em si mesmo uma doutrina (um ensinamento)? Sendo assim seria essa a única doutrina que teríamos o direito de compartilhar com as pessoas? Partindo do pressuposto de que todos têm o direito a ter suas crenças particulares, nosso respeito pela opinião e crenças alheias não deveria nos impedir de querer “forçar” as pessoas a crerem como nós? E, se isso for assim mesmo, como concluiremos a “grande comissão” (Mt 28:18-20), a ordem de Jesus para pregarmos a todas as pessoas, de todos os lugares e culturas? Assim, me parece que alguns estão confundindo genuína humildade com relativismo, a ideia de que todas as crenças não representam a verdade última, somente opiniões equivalentes, uma vez que seriam todas culturalmente condicionadas. Será que o adventismo está fadado a ser isso – uma opinião qualquer de um determinado grupo religioso que está feliz em manter uma política de não interferência em relação a outros grupos sociais, assumidamente religiosos ou não? Esse pensamento não se restringe a muitos adventistas que encontrei; trata-se de algo de amplitude maior. O pós-modernismo é uma forma de pensar e viver de toda a sociedade ocidental (e influencia até mesmo culturas orientais que adotam comportamentos ocidentais). Por isso, não causa surpresa que muitos cristãos tenham escrito, palestrado e feito conferências sobre o assunto, especialmente nos últimos, diríamos, trinta anos. Os adventistas, por sua vez, não estão alheios aos desafios da pós-modernidade. Teólogos e pensadores do movimento vêm dedicando atenção ao tema. Quero destacar alguns escritos recentes que expressam preocupação com a influência pós-moderna sobre a igreja. Em que resultaria a interação de adventistas pós-modernos com outros membros, digamos, mais conservadores? Reinder Bruinsma, teólogo e líder adventista, responde à indagação em Is the Postmodern Adventist a threat to the Unity of his Church [O adventista pós-moderno é uma ameaça à unidade de sua igreja?].3 Bruinsma assume que cristãos pós-modernos ainda mantenham a crença em doutrinas básicas do cristianismo, mas montam “suas próprias coleções de verdades”. A questão para ele não seria tanto de natureza teológica, mas relacionada à estrutura mental. Adventistas pós-modernos teriam “uma atitude diferente para com a doutrina”. Não estariam interessados prioritariamente em saber se algo é verdadeiro, como os pioneiros adventistas se perguntavam; ao contrário, querem saber como a crença os afeta de modo prático. Eles necessitam experimentar a religião e dão preferência à 3. Reinder Bruinsma, “Is the Postmodern Adventist a threat to Unity of his Church?”, in: Borge Schantz e Reinder Bruinsma, Exploring the frontiers of faith: Festschrift in honour of Dr. Jan Paulsen (Lueneburg, Germany: Advent-Verlag, 2009),


10 / Explosão Y

música religiosa contemporânea, começando a vencer o que Bruinsma chama de “inibição adventista de levantar suas mãos enquanto cantam e louvam”.4 Outro livro a tratar do adventismo na pós-modernidade foi escrito pelo conhecido historiador e pensador adventista George Knight. Em seu provocativo A visão apocalíptica e a neutralização do adventismo,5 Knight discute o conceito de relevância, que permeou o protestantismo liberal na década de 1960. “O que provaram, no entanto, foi que o atalho para a irrelevância é a mera relevância”, afirma o autor. Ele conclui: “Afinal, quem precisa obter mais daquilo que pode ser encontrado na cultura dominante?” O ponto não é que os cristãos (e os adventistas em particular) não devam ser relevantes para a sociedade na qual estejam inseridos. O livro se prontifica a esclarecer que, na tentativa de alcançar os demais com sua mensagem, muitas denominações se preocuparam tanto em se aculturar que acabaram assimilando valores do pensamento da sociedade, sendo absorvidas pela cultura dominante. “O cristianismo saudável deve, por necessidade, estar acima da cultura dominante e se apegar às verdades que a cultura julga detestáveis.” Como exemplo de que o cristianismo seja contracultural, nesse aspecto, Knight cita o sermão do monte, cujo sistema de valores “difere radicalmente daquele adotado pelo mundo e pela maioria das igrejas”. Aos adventistas que ignoram as lições do protestantismo liberal, Knight adverte contra a insistente busca pela relevância nos seguintes termos: “Desperdiçamos tempo demais tentando tornar Deus um cavalheiro do século XXI ao apresentá-Lo como um grande intelectual adventista ou um bondoso médico do hospital adventista.” Ao invés disso, deveríamos nos lembrar de que temos uma mensagem profética a transmitir. “O Apocalipse de João é o julgamento da mentalidade pós-moderna, que evita qualquer certeza a respeito da verdade religiosa e procura, em seu lugar, uma espiritualidade nebulosa.”6 Mais recentemente, o teólogo adventista Fernando Canale escreveu o bombástico artigo The eclipse of Scriptura and the protestantization of the adventist mind [O eclipse da Escritura e a protestantização da mente adventista].7 Canale afirma ter detectado “profundas divisões teológicas presentemente operando na igreja adventista que não desaparecerão pela inércia ou pronunciamento administrativo. Assim, sua existência secularizará a mente das gerações mais jovens transformando o adventismo em uma denominação evangélica pós-moderna”. Ele escreve que o processo se acha ligado à forma como se busca fazer evangelismo. Com o intuito de atrair os jovens, “o ministério evangélico e o louvor tem se tornado pós-moderno, ecumênico, progressivamente independente da Escritura e mais próximo da Igreja Católica 4. Idem, p. 76, 78, 81. 5. George Knight, A visão apocalíptica e a neutralização do adventismo: estamos apagando nossa relevância? (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2010). 6. Idem, p. 20, 27. 7. Fernando Canale, “The eclipse of Scriptura and the protestantization of the adventist mind: Part 1: The assumed compatibility with evangelical theology and ministerial practices”, in: Journal of adventist theological society, vol. 21, no 2, p. 133-165.


Introdução / 11

Romana”. Infelizmente, os adventistas têm adotado e reproduzido as mesmas práticas evangelísticas. Quais serão as consequências? As “consequências não intencionais” desse curso de ação estão transformando o adventismo em uma genérica denominação secular e não bíblica. A emergência de uma nova geração de adventismo carismático ecumênico está em curso. Embora use as Escrituras funcionalmente, como um meio para receber o Espírito, esta geração não pensará ou agirá biblicamente.8

Ainda segundo Canale, o livro de Knight mencionado anteriormente “falha em observar e aplicar a norma macro-hermenêutica que a doutrina do santuário desempenha na interpretação da Escritura e da construção de uma teologia sistemática sola-tota-prima Scriptura”, além de sustentar que o adventismo mantém em comum com os evangélicos as doutrinas cristãs e a proclamação do evangelho, somadas a uma estrutura escatológica.9 Diante desse quadro, é válido que a discussão sobre pós-modernidade seja ampliada. É bem verdade que o termo esteja bem difundido, mas isso acaba contribuindo mais para confusões sobre seu real sentido. Com frequência, pós-moderno é um termo aplicado às artes (plásticas, em geral), justamente o contexto de onde se originou a expressão. Alguns aplicam pós-moderno a um estilo de se vestir ou de se comportar. Enquanto tais entendimentos superficiais da pós-modernidade vigorarem, ficará difícil compreender com clareza os desafios que se interpõem entre o adventismo e sua missão. Com o objetivo de auxiliar a preencher essa lacuna, escrevi o presente trabalho. Procurei cobrir o maior número de questões envolvendo adventismo e pós-modernidade, para que fosse possível dar uma visão panorâmica dos desafios que o movimento enfrenta. Uma vez que “os adventistas não estão imunes à maioria dos desafios que o cristianismo em geral enfrenta”,10 é natural que determinados tópicos de discussão sejam de interesse comum com outros grupos cristãos. Obviamente, questões mais técnicas, que envolvessem o construtivismo, estruturalismo e temas similares não poderiam receber tratamento adequado em um trabalho desta natureza. Também nos limitamos ao estudo tópico apenas dos filósofos pós-modernos mais relevantes para as questões discutidas, sem pretender apresentar um guia bem acabado de todas as escolas filosóficas relacionadas à pós-modernidade. Por outro lado, evitou-se o uso de linguagem excessivamente teológica e o uso de jargões denominacionais. A intenção era alcançar um público mais amplo. Assim, embora muitos capítulos sejam mais “carregados” de conteúdo, acredito que o material seja acessível a obreiros, pastores, líderes e membros em geral. 8. Idem, p. 133-135. 9. Fernando Canale, “The eclipse of Scriptura and the protestization of the adventist mind: Part 2: From the Evangelical Gospel to Culture”, in: Journal of adventist theological society, vol. 22, no 1, p. 108-109. 10. Reinder Bruisma, The body of Christ: an Adventist understanding of the church (Hagerstown, MD: Review and Herald publishing association, 2009), p. 193.


12 / Explosão Y

Cada capítulo foi escrito dentro de uma temática própria, sendo possível efetuar sua leitura de forma independente. Entretanto, o leitor atento não deixará de perceber as conexões entre cada tema. Muitos dos capítulos existiram inicialmente como textos menores utilizados na série de estudo bíblicos O resgate da Verdade.11 Desse modo, eles servem como material complementar para aqueles que ministrarem os assuntos. Alguns textos também foram publicados em periódicos denominacionais, entre os quais Conexão JA, Revista Ministério e a publicação acadêmica Kerigma. Nesses casos, ampliações e atualizações do material fizeram com que fossem apresentados com mais exatidão na forma presente. O livro se inicia relembrando quem são os adventistas, quais tendências, grosso modo, convivem na denominação e como recuperar a essência do movimento (capítulo 1). Em seguida, trata do surgimento de uma nova mentalidade, sob a influência da revolução digital e suas implicações para o adventismo (capítulo 2). O terceiro capítulo aborda o conceito de cosmovisão e zeigeist, duas ferramentas úteis usadas no decorrer do livro. A partir daí, promove-se uma investigação mais efetiva da pós-modernidade, procurando definir seus conceitos básicos (capítulo 4), suas noções morais (capítulo 5) e a concepção pós-moderna de tolerância (capítulo 6). Além disso, uma questão bastante séria, que parece corroborar a ideia de que Deus seja intolerante com outros povos, é lidada no capítulo (7) seguinte. A seguir, discute-se as implicações de um cristianismo que adote os pressupostos pós-modernos, utilizando para isso um estudo de caso (capítulo 8). O ceticismo pós-moderno é revisto, bem como sua influência em seriados populares (capítulo 9). O próximo capítulo revela como a compreensão correta sobre Deus afeta substancialmente a vida dos cristãos. Passamos a análise dos questionamentos recorrentes sobre o papel dos escritos de Ellen G. White no adventismo, inicialmente avaliando o fenômeno de inspiração em seus escritos e na própria escritura (capítulo 11); segue-se uma breve digressão sobre cristianismo e cultura (capítulo 12); na sequência, volta-se a avaliar os testemunhos de Ellen G. White e sua implicação tanto para a filosofia educacional (capítulo 13), quanto para os critérios musicais utilizados no ato de prestar culto (capítulo 14), visto que essas áreas sofrem forte influência da mentalidade pós-moderna. O papel da Igreja Católica Romana e sua reação à pós-modernidade recebem atenção e a interpretação adventista sobre eles é destacada (capítulos 15 e 16), uma vez que a identidade adventista se acha vinculada ao estudo das profecias apocalípticas. Não olvidamos questões essenciais, como a natureza da comunidade cristã em meio à influência pós-moderna (capítulo 17) e a genuína experiência de salvação (capítulo 18). O enfoque missionário, que envolve sacrifício e disposição de se dedicar ao Senhor Jesus, é assunto de dois capítulos (19 e 20). Finalmente, a alegria cristã 11. Michelson Borges (ed.), O resgate da Verdade (Brasília, DF: Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, 2012).


Introdução / 13

como solução ao desejo pós-moderno de encontrar satisfação aparece no epílogo do livro, com um formato mais devocional. Aproveito para agradecer a todos que contribuíram para fazer desse livro algo sensivelmente melhor do que eu havia planejado. Luiz Gustavo e sua esposa Marina Assis, Matheus Cardoso, Joêzer Mendonça, Heber Tothi e Cláudio Sampaio, meus “leitores colaborativos”, que leram muitos dos capítulos, fornecendo preciosas sugestões e oportunas correções. Obviamente, os lapsos que existirem no texto permanecerão sob minha inteira responsabilidade. Sou grato pelas conversas instrutivas com Isaac Meira, companheiro de capelania e fonte segura de informações sobre tendências teológicas. Outras sugestões úteis e apoio em tempos difíceis vieram de Zinaldo Santos (editor da Revista Ministério), Marcos Bonfim (Diretor dos departamentos de Saúde e Família da Divisão Sul-Americana da igreja adventista) e Felipe Lemos (Diretor de Comunicação da Divisão Sul-Americana da igreja adventista). As conversas por telefone com o diretor do Centro White, o Dr. Renato Stencel, foram extremamente propícias. Para a escolha do título da obra, contei com um pelotão de especialistas: além dos leitores colaborativos, recorri à experiência de Marily Sales dos Reis, Wendel Lima, Danívia Mattozo e Diogo Cavalcanti (visionário e sempre disposto a ajudar). Meu amigo Michelson Borges fez sugestões essenciais, além de contribuir para a capa, junto com Daniel Reis, meu irmão. Não poderia deixar de mencionar que sou grato a Luciana Gruber e Danívia Mattozo, as quais, por fazerem competentemente a revisão dessa obra, evitaram que o público notasse meus descuidos. Vale dizer que sem a colaboração de Levi de Paula Tavares, Jenise Torres, Sérgio Junqueira, Samuel Ferreira, Adilson Pavan e Sônia Reis (minha mãe), esse livro jamais teria saído do papel. Por último, jamais poderia deixar de mencionar o carinho e paciência que minha esposa, Noribel Reis, demonstrou durante o longo processo de pesquisa e escrita desse trabalho. Foram longas horas de ausência, que ela resignadamente suportou. Sem dúvida, sem o seu apoio e amor dedicado o homem teria sucumbido diante do pesquisador. Mas, graças à minha esposa, o pesquisador se humanizou. Desejo que esta obra abençoe e elucide todos os que sinceramente querem entender os tempos em que vivemos para testemunhar com eficácia do breve retorno de Jesus, bem como do preparo necessário para encontrá-Lo. Em essência, esse é o significado de ser um adventista do sétimo dia.


Epílogo

Alegria, resultado

A

da comunhão

A cada sinal vermelho, era como se fosse um parto. Primeiro, porque significava um minuto de espera. E quando se está atrasado, todos os minutos contam. Segundo, porque eu e minha esposa compráramos o carro havia poucas semanas. Desde as aulas na autoescola, eu não sabia mais o que significava estar atrás de um volante. Por isso, a cada sinal vermelho, eu era obrigado a parar e ter de esperar o sinal verde; mas, justamente aí, ao dar a partida, o carro “morria”. Em todos os semáforos. Sem exceção. Seria cômico. Se a senhora no banco de trás não estivesse prestes a entrar em pane. Eu e minha esposa tentávamos acalmá-la. Seus dentes não conseguiam deixar de lado as unhas. Olhava para o pulso esquerdo, acompanhando o movimento do ponteiro. E a rodoviária parecia estar além dos Andes. Eu sentia um misto de desespero e diversão. Seria cômico, se não fosse pela senhora no banco de trás. A aventura chegou ao fim. Naquela noite, minha mãe perdeu o ônibus. Porém, conseguiu um outro que a levaria a São Paulo. E eu voltei para casa. Sem a pressão do tempo. Ainda “morrendo” a cada sinal verde. Estranho como rimos nas horas mais inapropriadas. Rimos de alguém que escorrega e cai. De um ciclista que perde o equilíbrio durante uma curva. De quem tromba com um poste a sua frente. Ou quando tudo dá errado e nos atrasamos em levar a mãe à rodoviária. Rimos do trágico, do infame, do grotesco, do injusto. Pergunte a um humorista o que faz o seu programa “dar ibope”. Os quadros têm que falar sobre maridos enganados. Satirizar homossexuais. Conter expressões com duplo sentido. Expor transeuntes a humilhações. Ridicularizar pessoas públicas. Os televisores são ligados porque as pessoas querem rir dessas situações. Rir nas horas inapropriadas. Rir de coisas inapropriadas. Talvez mais do que rir, as pessoas procuram diversão. As boates trabalham a todo vapor. As danceterias e bares noturnos lucram oferecendo descontração a granel. As repúblicas seguem a receita de amenizar os períodos árduos de estudo com festas que atravessam a madrugada. Candidatos atraem o eleitorado organizando showmícios. Qualquer festinha de aniversário de uma criança de cinco anos precisa de um DJ presente. Você vê a fila de carros em frente a clubes noturnos? Pode apostar que aquela gente vai passar horas muito movimentadas. Os hits da noite impedem que alguém fique


252 / Explosão Y

escorado em alguma parede. Não, ninguém fique parado! É hora de dançar e curtir. Pular e gritar. A noite não é uma criança? Se a inibição bater à porta, não se apavore. Nada como um copo de chope para descontrair. Se estiver ansioso, não se preocupe. Uma tragada relaxa qualquer um. Se faltar energia, não tem problema. Um pouco de êxtase resolve. O que não falta são ingredientes para incrementar sua diversão. Agora ouça-me, por favor. Será que toda essa fixação pelo entretenimento, dos DVDs aos programas televisivos, dos sites de humor aos cartoons dos jornais, não indica uma falta de alegria puro-sangue? Para que milhões sejam gastos para fazer as pessoas rirem, não estaria faltando um riso natural, não provocado, sincero? Fale francamente: você se define como uma pessoa feliz? Você é do tipo que consegue suportar a fofoca sem perder o branco do sorriso? Você consegue sair da cama satisfeito com a vida, mesmo quando é inverno e um ônibus lotado lhe espera para conduzi-lo a um trabalho estressante? Ficar em casa, cuidando de dois filhos briguentos, sem contato com outro adulto, ainda é pouco para deslustrar sua felicidade? Mas será que existe uma felicidade blindada contra todo embaraço e pressão externa? Uma felicidade que suporta insulto e indisposição, mesmo daqueles que pareciam ser amigos? Felizmente sim! A boa-nova do Evangelho para você é que Deus criou o mundo e Ele conhece o que criou. Esse Deus veio viver em nosso mundo e compartilhou Seu conhecimento. Ele ofereceu Seu exemplo. Portanto, o Deus que nos criou e que viveu entre nós conhece os ingredientes para se alcançar uma vida plenamente feliz. Se adotarmos Deus como um referencial confiável, veremos que a felicidade não é a marquise da vida, mas seu alicerce. Por favor, não pense que a espiritualidade proporciona equações que resultem em tristeza. Se o Espírito de Deus nos influencia, em nossa vida se verificará o desenvolvimento de um caráter cristão com características bem delineadas. Nada de santidade nebulosa. Sem espaço para teorias religiosas. O Espírito atua num mundo real, em pessoas reais, desenvolvendo traços reais de caráter. Pois escute isso: Deus não se esqueceu de incluir a alegria como um dos aspectos desenvolvidos pelo Espírito Santo na vida daqueles que aceitam Sua atuação (Gl. 5:22). Não deixe este detalhe escapar: Deus pensou no melhor para você. Ele conhece o mundo, porque o criou e viveu nele também. Se para Deus a alegria foi mencionada, é porque se trata de algo importante. Esta é a notícia mais incrível! Você não precisa fabricar alegria. Não precisa dançar até amanhecer para sufocar uma vida sem sentido. Não precisa acreditar que a atividade sexual com maior número de parceiros lhe dará satisfação plena. Você não tem necessidade de pavimentar a estrada para um reino distante aonde a alegria deixe de ser utopia. Deus quer lhe indicar a alegria maiúscula. Esqueça-se do que tem sido chamado de alegria. Deus é o único que pode fazê-lo experienciar uma vida fundamentada na alegria autêntica. Se você estiver disposto a ouvir o plano divino, me acompanhe.


Alegria, resultado da comunhão / 253

Salmos: uma música diferente É comum que se faça um link da alegria com a música. De maneira geral, a Bíblia associa estar feliz com o ato de cantar (Pv 25:20; 29:6). Especificamente, os salmos, hinos cantados no Templo judeu e em festividades religiosas de Israel, eram conhecidos como canções alegres – até pelos outros povos (Sl 137:3). E quais motivos tinham os compositores desses hinos primitivos para expressar sua felicidade pela música? Uma rápida análise de alguns temas no livro de Salmos nos ajudará a encontrar a resposta. Um tema frequente nos Salmos é o ato de cantar os feitos de Deus com alegria. Deus é reconhecido por atos específicos e grandiosos, como a Criação (Sl 19), o Êxodo (Sl 105), a volta do cativeiro (Sl137), etc. O homem se sente admirado e pequeno diante do que contempla (Sl 8:3, 4; 144:3), mas isso o impele a transmitir alegria em forma de canção (Sl 65:8; 92:4). Uma das funções desses cânticos era anunciar os feitos de Deus (Sl 107:22); mas a alegria, cantada ou não, se aplicava igualmente em nível devocional: se Deus nos satisfizer com Seu amor todas as manhãs, cantaremos felizes (Sl 90:14). A alegria deve acompanhar as ações diárias de Deus (Sl 128:24). Você percebe? Deus é o centro da alegria dos salmistas! Qualquer coisa que aludisse à presença de Deus deveria ser celebrada com alegria – tanto a arca, símbolo da aliança divina com o homem (Sl 132:8,9), como a cidade de Jerusalém, lugar da habitação de Jeová (Sl 137:6); a própria nação teria a felicidade condicionada a sua submissão a Deus (Sl 144:15). Nosso Pai nos alegra quando nos é favorável (Sl 86:4). Na pessoa de Deus reside nossa alegria e esperança (Sl 146:5), porque Sua glória, ou seja, a revelação de quem Ele é através de Seu favor para com Seu povo, nos satisfaz (Sl 149:5). Estritamente ligado a essa glória, os Salmos exploram o tema da justiça do Senhor. Você e eu não vivemos num mundo muito justo, não é? Os deputados não se reúnem decidindo em quanto vão aumentar nosso salário – mas o salário deles. No primeiro emprego depois de formados, recebemos um valor menor do que a mensalidade do curso que fizemos. Planos de saúde são cancelados na hora em que mais precisamos. Amigos nos deixam sem direito à despedida. Quando estamos cercados por injustiça de todas as formas, a mensagem de que a justiça do Senhor é real não poderia ser mais oportuna! A justiça de Deus traz alegria ao justo e faz o ímpio calar-se (Sl 106:42). Mas, calma! Isso pode não ser para agora. Não espere ler no jornal que todos os corruptos foram banidos de Brasília. Ou que não há mais tráfico no Rio de Janeiro. A dimensão da justiça celeste pode ser a longo prazo. De qualquer forma, um dia, a alegria do justo fará um impressionante contraste com a humilhação do ímpio, devido ao que Deus dará a cada um (Sl 109:28). Ainda assim, o clamor pela urgência de que a justiça seja feita pode ser expresso de forma chocante nos salmos (Sl 137:8,9). Não se impressione com o exagero do desabafo. Temos que entender que a justiça retributiva era esperada. E ela acontece. Deus permite que os maus sofram as consequências de seus atos malignos. Senão aqui, naquele dia do acerto de contas. A realização da justiça, em todo caso, propor-


254 / Explosão Y

ciona felicidade e compensa os tempos de sofrimento (Sl 90:15). O resultado da obediência semeada em sofrimento trará messe de alegria (Sl 33:18-22; 126:5, 6). Ou, no belíssimo verso de Davi, “o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria” (Sl 30:5, Cf. v. 11). A alegria será plena quando a justiça for plena. No plano pessoal, você e eu podemos acertar nossa vida com Deus e ter um gostinho daquela alegria completa, mesmo tendo como vizinhos tristeza, depressão e vazio. Tudo começa quando aceitamos o oferecimento de uma nova vida, através do perdão. “Como é feliz aquele que tem suas transgressões perdoadas e seus pecados apagados! Como é feliz aquele a quem o Senhor não atribui culpa e em quem não há hipocrisia!” (Sl. 32:1,2; cf.: 51:8,12). A salvação é um tema bem explorado no mais amado livro poético da Bíblia. Especialmente, o termo “novo canto”, usado em muitos dos salmos, refere-se não a uma nova moda musical, mas a experiência de viver a salvação com alegria (Sl 144:9, 11). Ouça outra verdade contundente: a alegria acompanha a obediência. Entre os diversos salmos, o 119, o mais longo do livro, ensina enfaticamente essa verdade. Felizes são aqueles que obedecem aos mandamentos divinos (v. 1, 2, 4, 74, 111, 162)! Satisfação existe na obediência aos mandamentos (v. 16, 24, 35, 47, 70, 77, 92, 143, 174). Salvação e vida de fé, embora atinjam os fiéis no aspecto pessoal, são experiências comunitárias. Por isso, Deus chama você para participar da comunidade de fé; ali, os adoradores reconhecem alegremente o amor do Pai que os alcançou (Sl 106:4, 5). Não é à toa que existe alegria genuína entre os que vivem dessa forma, assistindo a “casa de Deus” (Sl 65:4). Não é à toa que o crente se sinta feliz apenas por ser convidado a participar da adoração (Sl 122:1). Resumidamente: com os Salmos, aprendemos que há felicidade em cantar o que Deus faz, em estar na presença de Deus, em confiar na justiça divina, em aceitar o perdão e a salvação para viver uma vida de obediência ao que Deus nos pede, pessoal e comunitariamente. Se Deus é seu motivo, a alegria será de tal espécie duradoura como nenhuma outra coisa seria capaz de proporcionar.

Jesus: a alegria por meio de alegorias “Quando estou triste, Deus me mostra uma criança.” Esse pensamento me acompanha há anos. E é cada vez mais verdadeiro para mim. Já tentei usá-lo como parte de um poema (trata-se de um legítimo verso alexandrino). Em vão. A capacidade das crianças em proporcionar alegria está relacionada a sua disposição de serem felizes. As crianças pequenas não andam, saltitam. Riem com qualquer careta boba. É fácil provocar gargalhadas nos pequenos. As crianças também são atraídas por rostos risonhos e brincadeiras simples. Isso nos leva à outra consideração: como Jesus atraía as crianças, sendo tão sério? Olhe bem para as gravuras: um Jesus sisudo, determinado, envolvido em repreender os sacerdotes; às vezes sereno e contemplativo; nos vitrais, Sua imagem apresenta um tom que oscila entre o aborrecimento e a irritação. Quanto dessa iconografia sisuda corresponde ao verdadeiro Amigo das crianças?


Bibliografia Abbagnamo, Nicola. Dicionário de filosofia (tradução da 1a edição brasileira coordenada e revista por Alfredo Bosi; revisão da tradução e tradução de novos textos por Ivone Castilho Benedetti; São Paulo, SP: Martins Fontes, 2007), 5a ed. Revista e ampliada. Agostinho, Santo. A cidade de Deus (tradução: J. Dias Pereira, Lisboa, Portugal: Edição da Fundação Calouste Gulbenkian, 1991), vol. 1. Aguilar, Ruben. “Cosmovisão e Educação Adventista”, in: Gross, Renato (org.). Cristo na sala de aula: uma abordagem adventista sobre integração fé e ensino (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 1997), vol. 1. Alexander, T. Desdemon. Do paraíso à terra prometida: uma introdução aos temas principais do pentateuco (São Paulo, SP: Shed Publicações, 2010). Allen, Willoughby C. A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to S. Matthew – The International Critical Commentary on the Holy Scriptures of the Old and New Testaments (New York: C. Scribner’s sons, 1907), vol. 26. Almeida, Ronaldo de. “Tradução e mediação: missões transculturais entre grupos indígenas”, in: Montero, Paula (org.). Deus na aldeia: missionários, índios e mediação cultural (São Paulo, SP: Editora Globo, 2006). Alpert, Bernard; Alpert, Fran. Archeology and the biblical record (Lanham, Maryland: Hamilton Books, 2012). Anderson, Carl. “Levar a moral ao público”, disponível em <http://zenit.org/article23489?l=portuguese>. Acesso: 7 de dez. 2009. Anderson, Perry. As origens da Pós-modernidade (Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 1999). Anderson, Shane. Cómo matar la educación adventista y como darle una oportunidad (Col. Narvante, Del. Bento Juala, México: Gema Editores, 2010). ______________. How to kill adventist education (and how to give it a fighting chance!, (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2009).

Andrioli, Antonio Inácio. “As políticas educacionais no contexto do neoliberalismo”, in: Revista Espaço Acadêmico, ano II, nº 13. Disponível em <http://www.espacoacademico.com. br/013/13andrioli.htm> Acesso: 6 de jul. de 2013. Anzenbacher, Arno. Introdução à filosofia ocidental (Petrópolis, RJ: Vozes, 2009). Appéré, Guy. O mistério de Cristo: meditações sobre Colossenses (Durham, Inglaterra: Edições Peregrino, 1990). Arasola, Kai. The End of Historicism: Millerite Hermeneutic of Time Prophecies in the OldTestament, University of Uppsala Faculty of Theology (Sigtuna: Datem, 1990). Araújo, Dario Pires de. Música Adventismo e Eternidade (Engenheiro Coelho, SP: Gráfica Alfa, 2007), 4a edição. Araújo, Glauber. “Desmond Ford e a doutrina do Santuário: análise comparativa de duas fases distintas”, in: Kerigma, vol.3, no 1. Archer Jr, Gleason. Enciclopédia de dificuldades bíblicas (São Paulo, SP: Editora Vida, 1997). _______________. Merece Confiança o Antigo Testamento? (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2000), 6a reimpressão da 3a ed. Assange, Julian; Appelbaum, Jacob; Müller-Maguhn, Andy; Zimmermann, Jérémie. Cypherpunks: liberdade e o futuro da internet (São Paulo, SP: Boitempo, 2013). Assis, José Carlos de. A razão de Deus: ciência e fé, criacionismo e evolução, determinismo e liberdade (Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2012). Assis, Luiz Gustavo S. “Vicarius Filli Dei: sua origem e uso na Iasd como interpretação de apocalipse 13:8”, in: Kerigma, vol. 3, no 2. Aurélio, Daniel. O Senhor da Guerra: o nome de Deus como justificativa para a morte e a destruição (São Paulo, SP: Universo dos livros, 2005). Bacchiocchi, Samuele. Crenças Populares: o que as pessoas acreditam e o que a Bíblia realmente diz, (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2012). Ball, Bryan W. “Towards an Authentic Adventist Identity”, in: Schantz, Børge; Bruinsma, Reinder. Exploring the frontiers of faith: Festschrift


260 / Explosão Y in honour of Dr. Jan Paulsen (Lueneburg, Germany: Advent-Verlag, 2009). Baptista, Paulo Agostinho N. Libertação e ecologia: a teologia teoantropósmica de Leonardo Boff (São Paulo, SP: Paulinas, 2011). Barber, Benjamin R. Consumido: como o Mercado corrompe crianças, infantiliza adultos e engole cidadãos (Rio de Janeiro, RJ: Record, 2009). Barton, Bruce B., Matthew – Life Application Bible Commentary (Wheaton, Ill.: Tyndale House Publishers, 1996). Bauman, Zygmunt. Capitalismo Parasitário, (Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2010). _______________. Ensaios sobre o conceito de cultura, (Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2012). _______________. Ética Pós-moderna, (São Paulo, SP: Paulus, 1997). _______________. O mal-estar da pós-modernidade, (Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 1997). _______________. Vida a crédito: conversas com Citlali Roviroza-Madrazo (Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2010). Beach, Bert B. “Estilos adventistas de culto”, in: Diálogo Universitário, vol. 14, no 1. Bemmelen, Peter M. van. “Revelação e Inspiração”, in: Dederen, Raoul (ed.). Tratado de teologia adventista (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011). Bento XVI, “Caritas in veritate”, disponível em <http://zenit.org/article22072?l=portuguese>. Acesso: 7 de jul. de 2009. Bergler, Thomas E. The juvenilization of american christianity (Grand Rapids, Michigan: Eerdmans Publishing, 2012). Bergoglio, Jorge Mario; Skorka, Abraham. Sobre o céu e a terra: o que pensa o novo papa Francisco sobre família, a fé e o papel da Igreja no século XXI (São Paulo, SP: Paralela, 2013). Bergoglio, Jorge Mario; Skorka, Abraham; Figueroa, Marcelo. Razão e fé (São Paulo, SP: Saraiva, 2013). Bernardo, Gustavo. Ficção e luto, in: Baitello Junior, Norval; Guimarães, Luciano José; Menezes, Eugênio de Oliveira; Paiero, Denise (org.), Os símbolos vivem mais do que os homens: ensaios de comunicação, cultura e mídia (São Paulo, SP: Annablume, 2007), 1a ed. Biallowons, Simon. Francisco: o papa do povo: fé, bondade, família, humildade e o futuro da Igreja Católica (São Paulo, SP: Pensamento, 2013).

Billard, François. A vida cotidiana no mundo do Jazz (São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2001). Blamires, Harry. A mente cristã: como um cristão deve pensar? (São Paulo, SP: Shedd Publicações, 2006). Blinder, Caio. “O terror do 11 de setembro e os atentados contra a verdade”, disponível em <http://veja.abril.com.br/blog/nova-york/oriente-medio/o-terror-do-11-de-setembro-e-osatentados-contra-a-verdade/>. Acesso: 12 de Set de 2012. Bloesch, Donald. Spirituality Old & New: Recovering Authentic Spiritual Life (Dowers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 2007). Blomberg, Craig L. Nem pobreza nem riqueza: as posses Segundo a teologia bíblica (Curitiba, PR: Editora Esperança, 2009). Boa, Kenneth D. & Bowman Jr., Robert M. An unchanging faith in a changing world: understanding and responding to critical issues that Christians face today (Nashville, Tennessee: Thomas Nelson Publishers, 1997). Boff, Leonardo. “Transcendência e transparência”, in: A Notícia, 15 de Dezembro de 2007, p. A2. ____________. Cristianismo: o mínimo do mínimo (Rio de Janeiro, RJ: Vozes, 2011). ____________. Ética da Vida: a nova centralidade (Rio de Janeiro, RJ: Editora Record, 2009). Bohannon, John S. Preaching and the emerging church: na examination of four founding leaders: Mark Driscoll, Dan Kimball, Brian McLaren, and Doug Pagitt (USA, 2010). Bomilcar, Nelson. Os sem-igreja: buscando caminhos de esperança na experiência comunitária (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2012). Borges, Michelson (ed.). O resgate da Verdade (Brasília, DF: Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, 2012). Brand, Leonard. “A teoria da evolução é científica?”, in: Diálogo Universitário, vol. 24, no 1. Britto, Rovilson Robbi. “A sociabilidade contemporânea e o ciberespaço”, in: Ciberteologia - Revista de Teologia & Cultura - Ano VI, nº 28. Bromiley Geoffrey W. (ed.). The International Standard Bible Encyclopedia, Revised. (Wm. B: Eerdmans, 2002), vol. 4. Bruce, F.F. Romanos, Introdução e comentários: série cultura bíblica (São Paulo, SP: Edições Vida Nova, 2002), 10a reimpressão da 1a ed.


Bibliografia / 261 Bruinsma, Reinder. “Is the Postmodern Adventist a threat to Unity of his Church?”, in: Schantz, Borge; Bruinsma, Reinder. Exploring the frontiers of faith: Festschrift in honour of Dr. Jan Paulsen (Lueneburg, Germany: Advent-Verlag, 2009). _______________. “Theological diversity: a threat, na asset, or what?”, in: Ministry, Dezembro de 2010. _______________. Seventh-day Adventist Attitudes Toward Roman Catholicism 1844 1965 (Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 1994). _______________. The body of Christ: an Adventist understanding of the church (Hagerstown, MD: Review and Herald publishing association, 2009). Brum, Eliane. “Meu filho, você não merece nada”, in: Época, 11 de set. de 2011. Disponível em: <http://revistaepoca.globo.com/Revista/ Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html>. Acesso em: 9 de Maio de 2012. Bueno, Aleixei, (org.). Olavo Bilac: Obra Reunida (Rio de Janeiro, RJ: Nova Aguilar, 1997), reimpressão da 1a ed. Cadwallader, Edward M. Principios de la educación adventista en el pensamiento de Elena de White: filosofía, objetivos y misión (México: Adventus, 2010). Caesar, Lael O. “Hermenêutica e cultura”, in: Reid: George W. (ed.), Compreender as Escrituras: uma abordagem adventista (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2007). Calderari, Juliana. “Eu não acredito”, in: Folhateen, 14 de Setembro de 2009. Calvino, João. O livro dos Salmos (São Paulo, SP: Edições Paracletos, 1999). Camus, Albert. A queda (tradução de Valerie Rumjarek; Rio de Janeiro, RJ: Editora Record, s/d). Canale, Fernando. “¿Epistemología bíblica para la investigación adventista? Una propuesta de trabajo”, in: Apuentes Universitários, vol. 1, no 1. ______________. “Completando la teología Adventista I: La tarea teológica em la vida de la Iglesia – Parte I”, in DavarLogos, vol. 6, no 1. ______________. “Completando la teología Adventista: El Proyecto teológico adventista y su impacto em la iglesia – parte II”, in: DavarLogos, vol. 6, no 2. ______________. “Deconstrucción y teologia: uma propuesta metodológica”, in: DavarLogos, vol. 1, no 1.

______________. “Doutrina de Deus”, in: Dederen, Raoul (ed.). Tratado de teologia adventista (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011). ______________. “Importance of our worldview”, in: Ministry, Dezembro de 1995, disponível em <https://wwws.ministrymagazine.org/archive/1995/December/importance-ofour-worldview>. Acesso: 14 de DEZ. de 2012. ______________. “Revelação e Inspiração”, in: Reid, George W. (ed.), Compreender as Escrituras: uma abordagem adventista (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2007). ______________. “Sola Scriptura y la hermenêutica: ¿Son la teologia evangélica y la adventista compatibles?”, in DavarLogos, vol. 10, no 1. ______________. “The eclipse of Scriptura and the protestantization of the adventist mind: Part 1: The assumed compatibility with evangelical theology and ministerial practices”, in: Journal of adventista theological society, vol. 21, no 2. ______________. “The eclipse of Scriptura and the protestization of the adventist mind: Part 2: From the Evangelical Gospel to Culture”, in: Journal of adventista theological society, vol. 22, no 1. ______________. “The Emerging Church Part 1: Historical Background”, in: Journal of the Adventist Theological Society, vol. 22, no 1. ______________. “The Emerging Church Part 2: Epistemology, Theology, and Ministry”, in: Journal of the Adventist Theological Society, vol. 22, no 2. ______________. “The Emerging Church Part 3: Evangelical Evaluations”, in: Journal of the Adventist Theological Society, vol. 23, no 1. ______________. A Criticism of Theological Reason: Time and Timelessness as Primordial Presuppositions (Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 1983), Andrews University Seminary Doctoral Dissertation Series, vol. 10. ______________. O princípio cognitivo da Teologia cristã: um estudo hermenêutico sobre Revelação e Inspiração (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2011). Caputo, John D. What would Jesus deconstruct? The Good News of Post-modernismo for the church (Grand Rapids, MI: Baker Publishing Group, 2007). Cara, Mariane. “Gerações juvenis e a moda: das subculturas à materialização da imagem virtual”, in: Modapalavra: Núcleo de Comunicação – CEART / UDESC, ano 1, n. 2, ago-dez 2008.


262 / Explosão Y Disponível em: <http://www.ceart.udesc.br/modapalavra/files/geracoes_juvenis-mariane_cara. pdf>. Acesso: 14 de Maio de 2012. Carmo, Paulo Sérgio do. Culturas da rebeldia: a juventude em questão (São Paulo, SP: Editora SENAC São Paulo, 2003), 2a ed. Carr, Nicholas. A geração superficial: o que a internet está fazendo com os nossos cérebros (Rio de Janeiro, RJ: AGIR, 2011). Carson, D. A. Becoming a conversant with emerging church: understand a movement and its implications (Grand Rapids, MI: Zondervan, 2005). __________. Christ & Culture revisited (Grand Rapids, MI: William B. Eerdmans Publishing Company, 2012) – paperback edition. __________. Collected Writings on Scripture (Wheaton, IlI: Crossway, 2010). __________. The intolerance of tolerance (Grand rapids, Michigan: Eerdmans Publishing, 2012). Carvalho, Guilherme Vilela de. “O dualismo natureza graça e a influência do humanismo secular no pensamento social cristão”, in: Leite, Cláudio Antônio Cardoso; Carvalho, Guilherme Vilela de; Cunha, Maurício José Silva (org.), Cosmovisão cristã e transformação: espiritualidade, razão e ordem social (Viçosa, MG: Ultimato, 2006). ________________________. “O senhorio de Cristo e a missão da igreja na cultura”, in: Ramos, Leonardo; Camargo, Marcel; Amorim, Rodolfo (org.), Fé cristã e cultura contemporânea: cosmovisão cristã, igreja local e transformação integral (Viçosa, MG: Ultimato, 2009). Case, Steve. “Podemos Dançar?”, in: Diálogo Universitário, vol. 6, no 2. Cavalcanti, Robinson. “Missão e cultura”, in: Winter, Ralph D.; Hawthorne, Steven C.; Bradford, Kevin D. (ed.), Perspectivas no movimento cristão mundial (São Paulo, SP: Vida Nova, 2009). Cerbone, David R. Fenomenologia (Petrópolis, RJ: Vozes, 2012). Cerdá, Carlos H. Relación entre laodiceia y La sociedade posmoderna: efectos em la iglesia, in: Klingbeil, Gerald A.; Klingbeil, Martin G.; Núñes, Miguel Ángel. Pensar la iglesia Hoy: hacia una eclesiología adventista – estudios teológicos sudamericano em honor a Raoul Dederen (Libertador San Martín, Entre Rios, Argentina: Editorial Universidad Adventista del Plata, 2002).

Challita, Mansour. As mais belas páginas da literatura árabe (Rio de Janeiro, RJ: Ingraf, s/d). Coenen, Lothar; Brown, Colin. Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2000), 1a reimpressão da 2a ed. Colson, Charles; Pearcey, Nancy. O cristão na cultura de hoje: desenvolvendo uma visão de mundo autenticamente cristã (Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2006), 2a ed. Comparato, Fábio Konder. Ética: direito, moral e religião no mundo moderno (São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2006). Copan, Paul. “True for you but not for me”: deflating the slogans that leave Christians speechless (Bloomington, Minnesota: Bethany House Publishers, 2009). _________. How do you know you’re not wrong?: responding to objects the leave christians speechless (Grand Rapids, MI: Baker Books, 2005). _________. Is God a Moral Monster?: making sense of the Old Testament God (Grand Rapids, MI; Baker Publishing Group, 2011). Corduan, Winfried. “General Revelation”, in: Journal of Christian Apologetics, vol. 1, no 2. Courson, Jon. Jon Courson’s Application Commentary (Nashville, TN: Thomas Nelson, 2003). Craig, William Lane. “Fé, razão e a necessidade da apologética”, in: Francis J. Beckwith, William Lane Craig e J. P. Moreland (ed.), Ensaios apologéticos: um estudo para uma cosmovisão cristã (São Paulo, SP: Hagnos, 2006). ________________. On guard: defending your faith with reason and precision (Colorado Springs, CO: David C. Cook, 2010). Croatto, J. Severino. Isaías: a palavra profética e sua releitura hermenêutica, vol. III: 56-66: A utopia da nova criação (Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2002). Crobb, Kelton. The Blackwell guide to theology and popular culture (Gasington Road, Oxford: Blackwel Publishy, 2005). Cunha, Olívia Maria Gomes da. “Fazendo a ‘coisa certa’: Reggae, rastas e pentecostais em Salvador”, disponível em: <http://www.anpocs.org. br/portal/publicacoes/rbcs_00_23/rbcs23_09. htm>. Acesso: 9 de jul. de 2013. D’aubigné, J. H. Merle. História da Reforma Protestante do décimo sexto século (São Paulo, SP: Casa Editora Presbiteriana, s/d), vol. 5.


Bibliografia / 263 Daily, Steve. Adventism for a new generation (Oregon: Better living Publishers, 1994). Darius, Fábio Augusto; Pancotte, Rebeca Pizza. “Princípios educacionais em Ellen G. White”, in: Kerygma, vol. 8, no 1. Dautzenberg, Gerhard. Teologia e pastoral na tradição paulina, in: Schreiner, Josef; Dautzenberg, Gerhard. Forma e exigência do Novo Testamento (São Paulo, SP: editora Teológica, 2004). Davidson, Richard M. “Cosmic Metanarrative for the coming millenium”, in: Journal of adventista thelogical society”, vol. 11, no 2. Deák, Csaba. “Globalização ou crise global”, in: Seminário Internacional Globalização e estrutura urbana, FAUUSP, 9 e 10 de setembro de 1997, São Paulo, FAUUSP e em forma revisada com o acréscimo da seção 7, no Encontro Nacional da ANPUR, 2001, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.usp.br/fau/docentes/ depprojeto/c_deak/CD/3publ/01glob-cr/index. html>. Acesso: 6 de jul. de 2013. Dederen, Raoul. “The Revelational-Inspiration phenomenon according to the Bible writers”, in: Holbrook, Frank; Dolson, Leo Van (ed.), Issues in Revelation and Inspiration (Berrien Springs, MI: Adventist Theological Society Publications, 1992), Adventist Theological Society occasional papers, vol. 1. Dembski, William A. “O argumento do desígnio teórico-informativo”, in: Francis J. Beckwith, William Lane Craig e J. P. Moreland (ed.), Ensaios apologéticos: um estudo para uma cosmovisão cristã (São Paulo, SP: Hagnos, 2006). ________________. The End of Christianity: Finding a Good God in an Evil World (Nashville, Tenn.: Broadman & Holman, 2009). Dorneles, Vanderlei. Cristãos em busca do êxtase (Engenheiro Coelho, SP: UNASPRESS, 2006), 3a Ed. Douglass, Herbert E. Mensageira do Senhor: o ministério profético de Ellen G. White (Tatuí, SP: Casa publicadora Brasileira, 2003), 3a ed. ________________. Truth Matters: An Analysis of the Purpose Driven Life Movement (Nampa, Idaho: Pacific Press, 2006). Dowing, Crystal L. How postmodernism serves (my) faith (Downers Grove, IlI: IntervarsityPress, 2006). Down, David. The archeology book, (Green Forest, AR: Master Books, 2010).

Dungy, Gwendolyn Jordan. “A national perspective: testing our assuptions about generational cohorts”, in: Bonner II, Fred A.; Marbley, Aretha F.; Howard-Hamilton, Mary F. Diverse millenial students in college: implications for faculty and student affairs (Sterling, VA: Stylus Publishing, 2011). Dunn, James D. G. A teologia do apóstolo Paulo (São Paulo, SP: Paulus, 2008), 2a ed. Dupertuis, Rubén René. “Young Adults Make Adventism Their Own”, in: Adventist Today, March-April 1997. Eagleton, Terry. A ideia de cultura (São Paulo, SP: Editora Unesp, 2011). Eco, Umberto; Martini, Carlo Maria. Em que creem os que não creem?, (Rio de Janeiro, RJ: Record), 6a ed., 2001. Eichrodt, Walther. Teologia do Antigo Testamento (São Paulo, Hagnos, 2005). Elmore, Tim. Generation iY: our last chance to save the future (Atlanta, Georgia: Growing Leaders, 2010). Elwell, Walter A.; Wesley, Philip Comfort. Tyndale Bible Dictionary (Wheaton, Ill.: Tyndale House Publishers, 2001). Engel, Pascal; Rorty, Richard. Para que serve a verdade? (São Paulo, SP: Editora Unesp, 2008). English, Andreas. O homem que não queria ser papa (São Paulo, SP: Universo dos livros, 2013). Ernesto. Bernardes, “Teologia da colisão”, entrevista com Leonardo Boff, in: Veja, 16 de Agosto de 1995. Evans, Anthony T. God’s Glorious Church: The Mystery and Mission of the Body of Christ (Chicago: Moody Publishers, 2003). Feijó, Márcia. “Metáforas de Leonardo Boff ”, in: Diário Catarinense, 27 de Agosto de 1997, Variedades. Ferry, Luc. O anticonformista: uma autobiografia intelectual: entrevistas com Alexandra Laignel-Lavastine (Rio de Janeiro, RJ: DIFEL, 2012). ________. O homem Deus: ou o sentido da vida (Rio de janeiro, RJ: DIFEL, 2012), 5a ed. Figueroa, Víctor. “Reflexiones sobre el dialogo luterano-católico-romano: La autoridad magisterial y La inefabilidad en la iglesia”, in: Theologika, no 2, vol. VII. Filosofia Adventista de Música (Diretrizes Relativas a uma Filosofia de Música da Igreja Adventista do Sétimo Dia), Associação Geral – IASD, Concílio Outonal – 1972, disponível em


264 / Explosão Y <http://www.musicaeadoracao.com.br/documentos/filosofia.htm> Acesso: 3 de ago. de 2007. Flanagin, Andrew J.; Metzger, Miriam J. Kids and Credibility: an empirical examination of youth, digital media use, and information credibility (Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2010). Foucault, Michel. As palavras e as coisas (trad.: Salma tannus Muchail; São Paulo, SP: Martins Fontes, 2010), 9a edição. Foulkes, Francis. Efésios: Introdução e comentários (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2006), 7a reimpressão da 2a ed. Fraga, Fernando Aranda. “La escatologia secular contemporânea: ¿Retorno a la inmanencia?”, in: DavarLogos, vol. 3, no 1. Freeman, James M.; Chadwick, Harold J., Manners & Customs of the Bible. Rev. ed. (North Brunswick, NJ : Bridge-Logos Publishers, 1998). Friberg, Timothy; Friberg, Barbara; Miller, Neva F. Analytical Lexicon of the Greek New Testament – Baker’s Greek New Testament Library (Grand Rapids, MI: Baker Books, 2000), vol. 4. Gane, Roy E. “Israelite Genocide and Islamic Jihad”, in: Spectrum, vol. 34, no 3. __________. Heroes imperfectos de Dios (Buenos Aires, Argentina: Asociación Casa Editora Sudamericana, 1996). Goldstein, Clifford. “Seventh-day Darwinians”, disponível em <http://www.adventistreview.org/2003-1530/story4.html>. Acesso: 1o de Set. de 2012. Gonçalves, Alonço. “‘A letra mata.’ A contribuição de André Torres Queiruga para uma leitura não fundamentalista da Bíblia, in: Ciberteologia – Revista de Teologia & Cultura – ano VIII, no 39. Gonçalves, Kleber O. “The Challenge of the postmodern condition to adventist mission in South America”, in: Journal of Adventist mission studies, vol. 5, no 1. Graz, John. Discussões sobre fé & liberdade: defendendo o direito de professar, praticar e promover sua crença (Brasília, DF: Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, 2009). Greenleaf, Floyd. Terra de esperança: o crescimento da Igreja Adventista na América do Sul (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011). Greer, Robert C. Mapping postmodernism: a survey of Christian options (Downers Grove, IlI: Intervarsity-Press, 2003). Grenz, Stanley J. A busca pela moral: fundamentos da ética cristã (São Paulo, SP: Editora Vida, 2006).

_____________. Pós-modernismo: um guia para entender a filosofia de nosso tempo (São Paulo, SP: Vida, 2008), 2ª ed. Groger, Renato. “Tempo e espaço na civilização dromoimagética”, in: Kerigma, vol. 20, no 3. Grondin, Jean. Hermenêutica (São Paulo, SP: Parábola Editorial, 2012). Groothuis, Douglas. Christian apologetics: a comprehensive case for biblical faith (Downers Grove, IlI: InterVarsity Press, 2011). ________________. Truth Decay: defending Cristianity against the challenges of postmodernism (Downers Grove, IlI: Intervarsity Press, 2000). Gross, Renato; Gross, Janine Schoemberg. Filosofia da educação cristã: uma abordagem adventista (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2013). Guareschi, Pedrinho A.; Pelizzoli, Laura Helena. “Big Brother Brasil: a banalidade do cotidiano”, in: Revista de Ciências Humanas, nº 35. Guerra, Larissa. “Qual é a da Geração Y”, in: A Notícia, ed. 25.797, ano 88, terça-feira, 6 de Dezembro de 2011. Guinness, Os. Encontrando Deus em meio à dúvida: a segurança da fé para além das questões mais difíceis da vida (Brasília, DF: Palavra, 2011). __________. O chamado: uma iluminadora reflexão sobre o propósito da vida e seu cumprimento (São Paulo, SP: Cultura Cristã, 2001). __________. Sete pecados capitais: navegando através do caos em uma época de confusão moral (São Paulo, SP: Shedd Publicações, 2006). Gulley, Norman. “Terror gobal: O Apocalipse 13 à luz do 11 de Setembro”, in: Timm, Alberto R.; Rodor Amin A.; Dorneles Vanderlei (ed.). O futuro: a visão adventista dos últimos acontecimentos: artigos teológicos apresentados no V Simpósio Bíblico Teológico Sul-Americano em homenagem a Hans K. Larodelle (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2004). _____________. Christ is coming! (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 1998). Gundri, Stanley (ed.), Deus mandou matar? Quatro pontos de vista sobre o genocídio cananeu (São Paulo, SP: Editora Vida, 2006). Gundry, Robert. Panorama do Novo Testamento (São Paulo, SP: Edições Vida Nova, 2007), 8a reimpressão da 2a ed. Guy, Fritz. Thinking Theologically – Adventist Christianity abd the interpretation of Faith (Barrien Springs, MI: Andrews University Press, 1999).


Bibliografia / 265 Harris, R. Laird; Archer Jr, Gleason L.; Waltike, Bruce K. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento (São Paulo, SP: Vida Nova, 2005), 4a reimpressão. Harris, Sam. The moral Landscape: how science can determine human values (New York, NY: Free Press, 2010). Harvey, David. Condição pós-moderna (São Paulo, SP: Edições Loyola, 2011), 21a ed. Hasel, Gerard F. “The ‘third Wave’ roots of celebrationism”, in: Koranteng-Pipim, Samuel (ed), Here we stand: evaluating new trends in the church (Berrien Springs, Michigan: Adventism Affirm, 2005). Hendriksen, William. Comentário do Novo Testamento: Efésios (São Paulo, SP: Casa Editora Presbiteriana, 1992). ________________. Colossenses e Filemon (São Paulo, SP: Casa Editora Presbiteriana, 1993). Hesselgrave, David J. A comunicação transcultural do Evangelho (São Paulo, SP: Vida Nova, 1995). Hill, Christpher. A Bíblia Inglesa e as revoluções do século XVII (Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2003). Himitian, Evangelina. A vida de Francisco: o papa do povo (Rio de Janeiro, RJ: Objetiva, 2013). Hoffman, Joshua; Rosenkrantz, Gary. The divine atributes: Exploring the Philosophy of Religion (Crowley Road, Oxford, UK; Blackwell Publishing Company, 2002). Hoffner. Jr, Harry A. “Incest, Sodomy and Beastiality”, in: Hoffner. Jr, Harry A. (ed), The Ancient Near East Orient and Ocident: Essays present to Cyrus H. Gordon on the occasion of his sixty-fifth birthday (Germany: Neukirchen, 1973). Horton, Michael. “Trapos sujos (da imundícia) ou perfeita justiça?”, in: Kistler, Don (org.), Crer e Observar (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2009). Houaiss, Antônio; Villar, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss (Rio de Janeiro, RJ: 2001). Hughes, R. Kent. Romans: Righteousness from Heaven (Wheaton, Ill.: Crossway Books, 1991), série Preaching the Word. Huntley, Rebecca. The world according Y: inside the new adult generation (Crowns Nest, NSW: Allen & Unwin, 2006). Ilari, Beatriz. “A música e o desenvolvimento da mente no início da vida: investigação, fatos e

mitos”, disponível em <http://www.rem.ufpr.br/ REMv9-1/ilari.html> Acesso: 9 de jul. de 2013. Japiassú, Hilton; Marcondes, Danilo. Dicionário básico de filosofia (Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 2008), 5a ed. Jenkins, Henry. Cultura da convergência (São Paulo, SP: Aleph, 2009), 2a ed. Jerphagnon, Lucien. “Por que o cristianismo? Do Ponto de vista dos Romanos”, in: Ferry, Luc; Jerphagnon, Lucien. A tentação do cristianismo: de seita à civilização (Rio de Janeiro, RJ: Objetiva: 2011). Johnson Jr., S. Lewis; Paul and the Knowledge of God: Bibliotheca Sacra, (Dallas, TX: Dallas Theological Seminary, 1972), Vol. 129. Jones, Clay. “We don’t hate sin so we don’t understand what happened to the canaanites: an addendum to ‘divine genocide arguments’”, in: Philosophia Christi, vol. 11, no 1. Kamanchek, Amanda. “Te achei no Facebook”, in: Folha de São Paulo, 5 de Dezembro, p. C6. Keen, Andrew. Vertigem digital: por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando (Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2012). Keener, Craig S. InterVarsity Press: The IVP Bible Background Commentary: New Testament (Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press, 1993) edição eletrônica. Kellner, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno (Bauru, SP: EDUSC, 2001). Kerbs, Raúl. “El Método Histórico-Crítico En Búsca De Su Estructura Básica Y De Las Interpretaciones Filosóficas Subyacentes (Parte 1)”, in: Davarlogos, vol. 1, no 2. _________. “El Método Histórico-Crítico En Búsca De Su Estructura Básica Y De Las Interpretaciones Filosóficas Subyacentes (Parte 2)”, in: Davarlogos, vol. 2, no 1. Khan, Salman. Um mundo, uma escola: a educação reinventada (Rio de Janeiro, RJ: Intrínseca, 2013). Kidner, Derek. Salmos 1-72: Introdução e comentários (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2006), 6a reimpressão da 1a ed. Kimball, Dan. Eles gostam de Jesus, mas não da igreja: insights das gerações emergentes sobre a igreja (São Paulo,SP: Editora Vida, 2011). Kirkpatrick, David. O efeito Facebook: os bastidores da história da empresa que conecta o mundo (Rio de Janeiro, RJ: editora Intrínseca, 2011).


266 / Explosão Y Kis, Miroslav. “Biblical Authority and Moral Responsibility: The Word Cannot Be Silenced, But Must Not Be Made Void”, in: Journal adventist theological society, vol. 10, no 1. Kjos, Berit. “Igreja Dirigida pelo Espírito ou Orientada por Propósitos? - Parte 1: Análise do livro Uma Vida com Propósitos, de Rick Warren”, disponível em <http://www.jesussite.com.br/ PurposeDriven1.asp>. Acesso: 3 de ago. de 2007. Klingbeil, Chaltal J. “Iglesia y Cultura ¿Amigas o Enemigas?”, in: Klingbeil, Gerald A.; Klingbeil, Martin G.; Núñes, Miguel Ángel. Pensar la iglesia Hoy: hacia una eclesiología adventista – estudios teológicos sudamericano em honor a Raoul Dederen (Libertador San Martín, Entre Rios, Argentina: Editorial Universidad Adventista del Plata, 2002). Knight, George R. “Educação Redentora, parte 1: fundamentação filosófica”, in: Educação Adventista, no 33. _______________. A visão apocalíptica e a neutralização do adventismo: estamos apagando nossa relevância? (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2010). _______________. Ellen White: how to understand and apply her writings (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 1997). _______________. Mitos na educação adventista: um estudo interpretativo da educação nos escritos de Ellen G. White (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2010). Koranteng-Pipim, Samuel. Must We Be Silent? Issues dividing our church (An Arbor, Michigan: Beran Books, 2001). Kraft, Charles H. “Cultura, cosmovisão e contextualização”, in: Winter, Ralph D.; Hawthorne, Steven C.; Bradford, Kevin D. (ed.), Perspectivas no movimento cristão mundial (São Paulo, SP: Vida Nova, 2009). Krüger, Fernando Luiz; Cruz, Dulce Márcia. “Jogos (virtuais) de simulação da vida (real): o The Sims e a Geração Y”, in: Ciberlegenda – UFF, v. 9, 2007. Lake, Jude. Ellen White under fire: identifying the mistakes of her critics (Nampa, Idaho: Pacific Press Association, 2010). LaRondelle, Hans K. Armagedom: o verdadeiro cenário da guerra final (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2004). _________________. Las profecias del fin (Buenos Aires, Ar: Asociación Casa Editora Sudamericana, 1999).

Latourette, Kenneth Scott. A history of Christianity: volume 1: beginnings to 1500 (Nova York, NY: HarperCollins Publishers, 1975), revised edition. Leal, Jônatas de Mattos. “Método: Falácia ou eficácia: notas em H. G. Gadamer”, in: Hermenêutica, vol. 10, no 1. Lehmann, Richard P. “O remanescente no Apocalipse”, in: Rodriguez, Ángel Manuel (org.), Teologia do remanescente: uma perspectiva eclesiológica Adventista (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2012). Leite, Cláudio Antônio Cardoso; Leite, Fernando Antônio Cardoso. Evangélico ou Evangelico? A igreja Brasileira entre os exemplos do passado e o dilema do presente, in: Leite, Cláudio Antônio Cardoso; Carvalho, Guilherme Vilela de; Cunha, Maurício José Silva (org.), Cosmovisão cristã e transformação: espiritualidade, razão e ordem social (Viçosa, MG: Ultimato, 2006). Lennox, John C. Por que a ciência não consegue enterrar Deus? (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2011). ____________. The God’s undertaker: has science buried God? (Oxford, Inglaterra: Lion Hudson, 2007). Lichtenwalter, Larry L. “Worldview Transformation and Mission: Narrative, Theology, and Ritual in John’s Apocalypse” in: Journal of adventista theological society, vol. 21, no 1. Llosa, Mário Vargas. “Breve discurso sobre a cultura”, in: Machado, Cassiano Elek (org.), Pensar a cultura (Porto Alegre, RS: Arquipélago editorial, 2013). Lobel, Fabrício. “A vida sem Facebook”, in: Veja, 31 de Outubro de 2012, seção “Panorama”. Lopes, Augustus Nicodemos. “A Hermenêutica da Teologia da Libertação: Uma Análise de Jesus Cristo Libertador, de Leonardo Boff ”, in: Fides Reformata, volume III, no 2. ______________________. O ateísmo cristão e outras ameaças à igreja (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2011). ______________________. O que estão fazendo com a igreja: ascensão e queda do movimento evangélico brasileiro (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2008). Luna, Denise. “Mais pessoas acham que baixar música sem pagar não é crime”, in: Folha de São Paulo, 6 de Dezembro de 2012, seção “mercado”, p. B11.


Bibliografia / 267 Luna, Miguel. “Un estudio comparativo sobre el tema de la Revelación en el Concilio Vaticano I y el Concilio Vaticano II”, in: Theologika, nº 1, vol. VIII. Lutzer, Erwin W. Quem é você para julgar? (Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2005). Lyotard, Jean-François. A condição pós-moderna (Rio de Janeiro, RJ: José Olympio, 1998). MacArthur, John. Matthew (Chicago: Moody Press, 1989). Machado, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura (RJ: Jorge Zahar, 2005), 3a ed. Manning, Brennan. O obstinado Amor de Deus (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2007). Marthe, Marcelo. A cura pela razão, revista Veja, edição 2208, ano 44, no 11, 16 de março de 2011. Martin, Ralph P. Colossenses e Filemon: introdução e comentários: série Cultura Bíblica (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2006), 4a reimpressão da 1a ed. Martines, Carmelo L. “Ateísmo pós-moderno: Análisis y crítica de sus argumentos”, in: Davar Logos, vol. 9, no 2. _________________. “Teología y contextualización”, in: Gerald A. Klingbeil (ed.), Misión y contextualización (Libertador San Martin, Entre Rios: Universidad Adventista del Plata editorial, 2005). Matthews, Lionel. Sociology: A Seventh-day Adventist Approach for Students and Teachers (Berrien Springs, Michigan: Andrews University Press, 2006). Maués, Raymundo Heraldo. ‚’‘Bailando com o Senhor’: técnicas corporais de culto e louvor (o êxtase e o transe como técnicas corporais)”, in: revista de Antropologia, vol. 46, n° 1, grifos suprimidos. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo. php?pid=S0034-77012003000100001&script=sci_ arttext&tlng=en>. Acesso: 21 de jul. de 2007. Maxwel, C. Mervyn. História do Adventismo (Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1982). _______________. Uma nova era segundo as profecias de Daniel (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1996). McFarland, Ken. The Called… The chosen: God has always had a people (printed by Review and Herald Graphics). Mchaney, Roger. The new digital shoreline: how web 2.0 and millenials are revolutionizing higher education (Sterling, VA: Stylus Publishing, 2011).

McLaren, Brian. “O método, a mensagem e a história em andamento”, in: Sweet, Leonard. A igreja na cultura emergente: cinco pontos de vista (São Paulo, SP: Editora Vida, 2009). McManus, Erwin. “A intersecção global”, in: Sweet, Leonard. A igreja na cultura emergente: cinco pontos de vista (São Paulo, SP: Editora Vida, 2009). Megoran, Nick Solly. The war on terror: how should Christian respond? (Nottingham, UK: Intervarsity-Press, 2007). Mendoza-Álvarez, Carlos. O Deus escondido da pós-modernidade: desejo, memória e imaginação escatológica. Ensaio de teologia fundamental pósmoderna (São Paulo, SP: Realizações Editora, 2011). Metaxas, Eric. Bonhoeffer: pastor, mártir, profeta, espião (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2011). Miller, Ed. L.; Grenz, Stanley J. Teologias contemporâneas (São Paulo, SP: Vida Nova, 2011). Moreland, J. P. O triângulo do reino: restabelecendo a mente cristã, renovando a alma, restaurando o poder do Espírito (São Paulo, SP: Editora Vida, 2011). Moreland, J. P.; Craig, William Lane. Filosofia e Cosmovisão Cristã (São Paulo, SP: Vida Nova, 2005). Moss, C. Michael. 1, 2 Timothy & Titus; The College Press NIV Commentary (Joplin, Mo.: College Press, 1994), edição eletrônica. Mota, Regina. “Música cristã no século 21: um ‘cântico novo’ ou repetição do passado?”, disponível em <http://eoqha.net/reflexoes/musicacrista-no-seculo-21-um-%e2%80%9ccanticonovo%e2%80%9d-ou-repeticao-dopassado/#more-1369> Acesso: 3 de ago. de 2007. Motta, Manoel Barros de. (org.), Michel Foucault: a problematização do sujeito: Psicologia, Psiquiatria e Psicanálise (Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 2010), 3ª ed. Mounce, William D. Word Biblical Commentary: Pastoral Epistles (Dallas: Word, Incorporated, 2002), vol. 46. Muggiati, Roberto. Blues: da lama à fama (São Paulo, SP: Editora 34, 1995), 1a reimpressão. Nancy, Jean-Luc. Dis-Enclosure: the deconstruction of Christianity (USA: Fordham University Press, 2008). Nichol, Francis D. (ed.). Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2012), Vol. 1. Nietszche, Fiedrich. Sobre verdade e mentira (organização e tradução: Fernando de Moraes Barros; São Paulo, SP: Herda, 2008).


268 / Explosão Y Novo Testamento, Versão fácil de Ler (São Paulo, SP: Editora Vida Cristã, 1999). Nunes, Luiz. Crises na igreja apostólica e na igreja adventista do sétimo dia: análise comparativa e implicações missiológicas (Engenheito Coelho, SP: Imprensa universitária adventista [Unaspress], 1998), tese doutoral. Nuñez, Miguel Ángel. “Relevancia y Pertinencia actual de la teología de la libertación”, in: DavarLogos, vol. 1, no 4. Oden, Thomas C. First and Second Timothy and Titus; Interpretation, a Bible Commentary for Teaching and Preaching (Louisville: J. Knox Press, 1989). Oliveira, Fabiano de Almeida. “Philosophando Coran Deo: Uma apresentação panorâmica da vida, pensamento e antecedentes intelectuais de Herman Dooyeweerd”, in: Fides Reformata, ano XI, no 2. ________________________. “Reflexões Críticas Sobre Weltanschauung: Uma análise do processo de formação e compartilhamento de cosmovisões numa perspectiva teo-referente”, in: Fides Reformata, volume XIII, no 1. Oliveira, Sidnei. Geração Y: o nascimento de uma nova geração de líderes (São Paulo, SP: Integrae Editora, 2010), p.41. Oliver, Barry D. “Can or should Seventhday Adventist belief be adapted to culture?”, in: Dybdahl, John L. (ed.), Adventist Mission in the 21st Century: The joys and challenges of presenting Jesus to diverse world (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association,1998). Onfray, Michel. A Potência de Existir: manifesto hedonista (São Paulo, SP: Martins Fontes, 2010). Orr-Ewing, Amy. “Postmodern challenges to the Bible”, in: Zacharias, Ravi (ed.). Beyond opinion: living the Faith we defend (Nashville, Tennessee: Thomas Nelson, 2007). Osbeck, Kenneth W. Amazing Grace: 366 Inspiring Hymn Stories for Daily Devotions (Grand Rapids, MI: Kregel Publications, 1990). Park, Andy. Em espírito e verdade: cultivando o coração do líder de louvor e adoração (São Paulo, SP: Editora Vida, 2002). Pasani, Francis; Piotet, Dominique. Como a web transforma o mundo (São Paulo, SP: Editora Senac São Paulo, 2010). Paulien, Jon K. “A hermenêutica da apocalíptica bíblica”, in: Reid, George W. Compreender as Escrituras: uma abordagem adventista (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2007).

____________. “The End of Historicism? Reflections on the Adventist Approach to Biblical Apocalyptic—Part One”, in: Jornal of Adventist theological society, vol. 14, no 2. ____________. “The End of Historicism? Reflections on the Adventist Approach to Biblical Apocalyptic—Part Two”, in: Jornal of Adventist theological society, vol. 17, no 1. ____________. Armageddon at the door: an insider’s guide to the book of Revelation (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing, 2008). ____________. Deus no mundo real: segredos para viver o cristianismo na sociedade moderna (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2008). Pearcey, Nancy. Verdade Absoluta: libertando o cristianismo de seu cativeiro cultural (Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2006). Pearcey, Nancy; Taxton, Charles B. A alma da ciência: fé cristã e filosofia natural (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2005). Pereyra, Mário; Espinosa, Enrique. La Posmodernidad desde la perspectiva profética (Libertador San Martin: Bienestar Psicológico Editorial, 2000). Pereyra, Roberto. “Teologia Cristã e conhecimento”, in: Kerygma, Engenheiro Coelho, SP, vol. 7, nº 2. ______________. Exegese da Homilia aos Hebreus: o cordeiro sacrificado, assentado no trono (Engenheiro Coelho, SP: edição do autor, 2012) – apostila para a convalidação de teologia, UNASP, Janeiro de 2012. Pfandl, Gerhard. “In Defense of the Year-day Principle”, in: Jornal of Adventist theological society, vol. 23, no 1. Phillips, J. B. Cartas para hoje, trad. Márcio Loureiro Redondo (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1994). Pinho, Angela. “Brasil fica no 88º lugar em ranking de educação da Unesco”, disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/saber/882676brasil-fica-no-88-lugar-em-ranking-de-educacao-da-unesco.shtml>. Acesso: 27 de ago. de 2012. Plenc, Daniel Oscar. “Cultos evangelizadores y contextualización cultural”, in: Klingbeil, Gerald A. (org), Misión y contextualización: llevar el mesaje bíblico a um mundo multicultural (San Martín, Entre Ríos: Editorial Universidad Adventista del Plata, 2004). _________________. “Igrejas Emergentes: análise das características e dos riscos de um


Bibliografia / 269 movimento supostamente evangelizador da cultura pós-moderna”, in: Ministério, ano 84, no 499, mar-abr de 2012. _________________. “Las iglesias emergentes: manifestaciones y desafios”, in: DavarLogos, vol. 10, no 2. _________________. “Leia com atenção”, in: Ministério Adventista, ano 81, no 6. _________________. “O culto como adoração: uma perspectiva de Ellen White”, Diálogo Universitário, vol. 20, no2. Disponível em <http://dialogue.adventist.org/articles/20_2_ plenc_p.htm> Acesso: 9 de jul. de 2013. Pondé, Luiz Felipe. Contra um mundo melhor: ensaios do afeto (SP: Leya, 2010). Popcorn, Faith; Marigold, Lys. Click: 16 Tendências que irão transformar sua vida, seu trabalho e seus negócios no futuro (Rio de Janeiro, RJ: Campus, 1997). Price, E. Bruce. Are the churches really growing? Church Growth experiments in secular Australia, in: Koranteng-Pipim, Samuel (ed). Koranteng-Pipim, Samuel (ed), Here we stand: evaluating new trends in the church (Berrien Springs, Michigan: Adventism Affirm, 2005). Puig, Josef Maria. A construção da personalidade moral (São Paulo, SP: Editora Ática, 1998). Rasi, Humberto M. “Cosmovisão, valores cristãos e liderança educacional”, in: Paula, Marcia Oliveira de; Costa, Luciano Serti da (org.), Anais do Congresso Sul-Americano da educação Adventista: escola, sociedade e valores no século XX, 19 a 23 de janeiro de 2000. _______________. “Educação adventista: diante do desafio do pós-modernismo”, in: Educação adventista, no 32. Reale, Giovani; Antiseri, Dario. História da Filosofia: do Romantismo até nossos dias (São Paulo, SP: Paulus, 1991), Coleção Filosofia, 2a ed. Reimer, A. James. Christian and War: a brief history of the church’s teachings and practices (Mineápolis, MN: Fortress Press, 2010). Reis, Douglas. Marcados pelo futuro: vivendo na expectativa do retorno do Senhor (Niterói, RJ: ADOS, 2011). ___________. Paixão Cega: o herói que precisou perder a visão para enxergar (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2010). Ridderbos, J. Isaías: Introdução e comentário (São Paulo, SP: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2006), 2a impressão da 2a edição.

Ripanti, Graziano. “Hans Georg Gadamer (1900-): A alteridade da hermenêutica teológica”, in: Penzo, Giorgio; Gibellini, Rosino (org.), Deus na filosofia do século XX (São Paulo, SP: Edições Loyola, 2000). Ritchie, Jack. Naturalismo (Petrópolis, RJ: Vozes, 2012). Rodor, Amin A. “The impact of Liberation Theologies on the church”, in: Kerigma, vol. 4, no 2. Rodrigues, Adriani Milli. “A ética da responsabilidade na teologia de Dietrich Bonhoeffer”, in: Acta Científica, vol. 20, no 3. ___________________. “E Deus colocou a eternidade no coração do homem: consumismo, desejo e religião”, in: Novaes, Allan; Kuhn, Martin (org.), O universitário cristão na sociedade de consumo (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2010). Rodriguez, Ángel M. (org.). Teologia do remanescente: uma perspectiva eclesiológica Adventista (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2012). _____________________. “O uso da versão modificada da abordagem crítico-histórica por eruditos adventistas”, in: Reid, George W. (ed.). Compreendendo as Escrituras: uma abordagem adventista (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2007). Rorty, Richard. Filosofia Como Política Cultural (São Paulo, SP: Martins fontes, 2009). ____________. Uma Ética Laica (São Paulo, Martins Fontes, 2010). Rubio, Miguel. O contexto da modernidade e da pós-modernidade, in: Vidal, Marciano (org.). Ética Teológica: conceitos fundamentais, (Petrópolis, RJ: Vozes, 1999). Rusconi, Carlo. Dicionário do Grego do Novo Testamento (São Paulo, SP: Paulus, 2005), 2a ed. Sant’ana, Maria Clotilde Perez Rodrigues Bairon. “Cultura do consumo e práticas religiosas”, in: Soares, Afonso Maria Ligorio; Passos, João Décio (org.), A fé na metrópole: desafios e olhares múltiplos (São Paulo, SP: Paulinas e EDUC, 2009). Santana, Peri da Silva; Gazola, Janice Natera Gonçalves. “Gestão, comportamento da Geração Y”, in: XIII Seminários em Administração (Programa de Pós-Graduação em Administração da FEA/USP, SP), 9 a 10 de Setembro de 2010. Santos Júnior, Jairo de Souza. A música evangélica de adoração: uma análise de sua identidade (Revista Teologia Hoje, 2003), vol. 1, nº 2, art. 4, Também disponível em: <http://www.ftsa. edu.br/revista/TeologiaHoje.htm>. Acesso: 3 de ago. de 2007.


270 / Explosão Y Santos, Cristiane Ferreira dos; Ariente, Marina; Diniz, Marcos Vinicius Cardoso; Dovigo, Aline Aparecida. “O processo evolutivo entre as gerações X, Y e Baby Boomers”, in: XIV Seminários em Administração (Programa de PósGraduação em Administração da FEA/USP, SP), 13 a 14 de Outubro de 2011. Santos, Luciana. “Pertencer para crescer: o endomarketing como estratégia de engajamento dos talentos Y”, disponível em <http://www. holdenrh.com.br/resources/uploads/artigos/ e97485c66e04c99a2e1bcc72783b6e56.pdf>. Acesso: 15 de maio de 2012. Santos, Valdeci da Silva. “Educação cristã: conceituação teórica e implicações práticas”, in: Fides Reformata, vol. XIII, ano 2. Santrac, Aleksandar S. “Evangelismo além da amizade”, In: Ministério, ano 79, no 2, Março/ Abril de 2008. Saramago, José. A viagem do elefante (São Paulo, SP: Companhia das letras, 2008). _____________. Caim (São Paulo, SP: Companhia das letras, 2009). _____________. Memorial do Convento (Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2008). _____________. O Evangelho segundo Jesus Cristo (São Paulo, SP: Companhia das letras, 2005). Savage, Sara; Collins-Mayo, Sylvia; Mayo, Bob; Gray, Graham. Making sense of Generation Y: the world view of 15-25-years-old (London, UK: Church House Publishing, 2006). Schaeffer, Francis. A morte da razão (São Paulo, SP: Aliança Bíblica Universitária do Brasil; São José dos Campos, SP: Editora Fiel da Missão Evangélica, 1989), 5a ed. _______________. O Deus que intervém (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2002). _______________. Verdadeira espiritualidade: uma vida cheia de beleza, que edifica e inspira (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2008), 2a ed. Schaper, Valério Guilherme. “Emblemas da intolerância: Jean Calas, Jean Charles e a tolerância segundo Voltaire”, in: Revista Eletrônica de Estudos do Protestantismo (NEPP) da Escola Superior de Teologia, vol. 12, jan.-abr. de 2007. Schökel, L. Alonso; Diaz, J.L. Sicre. Profetas I: Isaías-Jeremias (São Paulo, SP: Paulus, 1988). Schwantes, S.J. O profeta do Evangelho: comentário sobre o livro de Isaías (Engenheiro Coelho, SP: Gráfica da União Central Brasileira, 1999). SCHWARZ, Richard W; Greenlaf, Floyd.

Portadores de Luz (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2009) Schwartsman, Hélio. “A fé verdadeira”, coluna publicada em 12 de Fevereiro de 2013, disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/ colunas/helioschwartsman/1229414-a-fe-verdadeira.shtml>. Acesso: 13 de Fev. de 2013. _________________. “Saudades do politeísmo”, in: Folha de São Paulo, Terça-Feira, 18 de Setembro de 2012, p. A2. Sell, Carlos Eduardo; Brüseke, Franz Josef. Mística e Sociedade (Itajaí, SC: Universidade do Vale do Itajaí; São Paulo, SP: Paulinas, 2006). Sennett, Richard. A corrosão do caráter (Rio de Janeiro, RJ: Record, 2009). Shea, William H. Estudios Selectos sobre interpretación profética, (Buenos Aires, Ar: Asociación Casa Editora Sudamericana, 1990), tomo I. Sider, Ronald J. O escândalo do comportamento evangélico: Por que cristãos estão vivendo exatamente como o resto do mundo? (São Paulo, SP: Editora Vida, 2006). Silva, Antonio Ozaí da. “Monoteísmo e intolerância religiosa e política”, in: Protestantismo em revista, set.-dez. de 2010. Silva, Cácio. “Evangelização de grupos sincretistas”, in: Winter, Ralph D.; Hawthorne, Steven C.; Bradford, Kevin D. (ed.), Perspectivas no movimento cristão mundial (São Paulo, SP: Vida Nova, 2009). Silva, Rodrigo P. “Teologia Adventista – seu lugar e função na igreja remanescente”, in: Revista teológica do SALT Iaene, vol. 4, no 1. _____________. Escavando a Verdade: A arqueologia e as incríveis histórias da Bíblia (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2008). Simkins, Ronald A. “Worldview”, in: Freedman, David Noel; Myers, Allen C.; Beck, Astrid B. Eerdmans Dictionary of the Bible (Grand Rapids, Mich. : W.B. Eerdmans, 2000), edição eletrônica. Sire, James W. Hábitos da mente: a vida intelectual como um chamado cristão (São Paulo, SP: Editora Hagnos, 2005). Smith, René Rogelio. El Processo Pedagógico: ¿Agonia o resurgimento? Uma búsqueda desde la cosmovisión bíblica (Nuevo León, México: Publicaciones Universidad de Montemorelos, 2004). Sontag, Frederick. “Who are the truly poor? Francis, Boff, Kazantzakis”, in: Jornal of evangelical society, vol. 39, no 4. Souza, Dinesh de. A verdade sobre o cristi-


Bibliografia / 271 anismo: por que a religião criada por Jesus é moderna, fascinante e inquestionável (Rio de Janeiro, RJ: Thomas Nelson Brasil, 2008). Spadano, Antonio. Ciberteologia: pensar o cristianismo nos tempos da rede (São Paulo, SP: Paulus, 2012). Spangler, J. Robert. “Secularization in the New Testament times”, in: Meeting the secular mind: some adventist perspective: selected work papers of the committee on secularism of the General Conference of Sevent-Day Adventists, 19811985 (Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 1985). Springett, Ronald M. O limite do prazer: o que a Bíblia diz sobre identidade sexual (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2007). Sproul, R. C. “Atlas encolheu os ombros: adorando na beleza da santidade”, in: Wilson, Douglas (org.). Eu não sei mais em quem tenho crido (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2006). _________. Sola Gracia: A controvérsia sobre o livre-arbítrio na História (São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 2001). Stefani, Gino. “Uma teoria da competência musical”, disponível em <http://www.musicaecultura.ufba.br/artigo_stefani_08.htm>. Acesso: 5 de ago. de 2007. Stefani, Gino. “Uma teoria da competência musical”, disponível em <http://www.musicaecultura.ufba.br/artigo_stefani_01.htm> Acesso: 9 de jul. de 2013. Stefani, Wolfgang H. M. “Música: Força Ecumênica?”, disponível em <http://www.musicaeadoracao.com.br/artigos/adoracao/musica_ ecumenica.htm>. Acesso: 9 de jul. de 2013. ___________________________. “The language of Praise: what the Bible says about music” in: Koranteng-Pipim, Samuel (ed.), Here we stand: evaluating new trends in the church (Berrien Springs, Michigan: Adventism Affirm, 2005). ___________________________. Música sacra, cultura e adoração (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2002). Stern, David H. Comentário Judaico do Novo Testamento (São Paulo, SP: Editora Didática Paulista; Belo Horizonte, MG: Editora Atos, 2008). Stevens, John. “The Facebook divorces: Social network site is cited in ‘a THIRD of splits”’, in: Dailymail, West Virginia, 30 de Dezembro de 2011. Disponível em: <http://www.dailymail. co.uk/femail/article-2080398/Facebook-cited-

THIRD-divorces.html>. Acesso em: 10 de jan. de 2012. Stott, John. A mensagem de Efésios (São Paulo, SP: Aliança Bíblica Universitária, 1986), série A Bíblia fala Hoje. Strong, Augustus Hopkins. Teologia Sistemática (São Paulo, SP: Hagnos, 2003), vol. I. Suárez, Adolfo S. Redenção, liberdade e serviço: os fundamentos da pedagogia de Ellen G. White (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2010). Sweet, Leonard. Post-modern pilgrims: first century passion for the 21st century world (Nashville, Tennesse: Broadman & Holman Publishers, 2000). Teixeira, Jerônimo. “Santos entre taças de vinho”, in: Veja, Ed. 2225, ano 44, no 28, 13 de Julho de 2011. Ternes, Apolinário. “A igreja é autoritária, se recusa a ouvir o seu povo, entrevista com Leonardo Boff ”, in: A Notícia, 29 de Setembro de 1997. The Open Bible: New King James Version (Nashville : Thomas Nelson Publishers, 1998, c1997), edição eletrônica. Therborn, Göran. Sexo e poder: a família no mundo, 1900-2000 (São Paulo, SP: Contexto, 2006). Thiessen, Elmer John. The Ethics of Evangelism: A Philosophical Defense of Proselytizing and Persuasion (Downers Grove, Ill: Intervarsity Press, 2011). Thomas, Adam. Digital disciples: real christianity in virtual world (Nashville, Tenesse: Abingdon Press, 2011). Tiba, Içami. “As gerações Y e M e os presentes de Natal”, in: Portal UOL, disponível em: <http://educacao.uol.com.br/colunas/icami-tiba/2010/12/08/as-geracoes-y-e-m-e-os-presentes-de-natal.htm>. Acesso: 7 de Fevereiro de 2013. Timm, Alberto R. “A espiritualidade das escolas adventistas”, in: Timm, Alberto R. (org.), A educação adventista no Brasil: uma história de aventuras e milagres: II Simpósio da Memória adventista no Brasil (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2004). _____________. “A importância das datas de 508 e 538 a.D. no processo de estabelecimento da supremacia papal”, in: Revista teológica do SALTIaene, Jan-Jun. de 1999, vol. 3, no 1. _____________. “Escatologia Adventista do Sétimo Dia, 1844-2004: breve panorama histórico”, in: Timm, Alberto R.; Rodor Amin A.; Dorneles Vanderlei (ed.). O futuro: a visão adventista dos últimos acontecimentos: artigos teológicos apresentados no V Simpósio Bíblico Teológico Sul-


272 / Explosão Y Americano em homenagem a Hans K. Larodelle (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2004). _____________. O Santuário e as Três Mansagens Angélicas: Fatores integrativos no desenvolvimento das doutrinas adventistas (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2009), 5a ed. Tornielli, Andrea. Francisco: a vida e as ideias do papa latino-americano (São Paulo, SP: Planeta, 2013). Torres, Milton L. “Contenções quanto à interpretação tradicional de 666 em apocalipse 13:8”, in: Revista teológica do SALT – Iaene, Janeiro-Junho de 1998, vol.2, no 1. Torres-Queiruga, Andrés. La revelación de Dios em la realización del hombre (Madrid; Ediciones Cristandad, 1987). Twenge, Jean M. Generation me: why today’s young Americans are more confident, assertive, entitled – and more miserable than ever before (Nova York, NY: Free Press, 2006). Twenge, Jean M.; Campbell, W. Keith. The narcissism epidemic (Nova York, NY: Free Press, 2009). Vázquez, Adolfo Sánchez. Ética (Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2008). Veith Jr, Gene Edward. Postmodern times: a Christian guide to contemporary thought and culture (Wheaton, Ill: Crossway books, 1994). Veyne, Paul. Foucault: Seu pensamento, sua pessoa (Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2011). _________. O império Greco-romano (Rio de Janeiro, RJ: Campus/Elsevier, 2009). Villaça, Nízia. A edição do corpo: tecnologia, artes e moda (São Paulo, SP: Estação das letras e cores, 2011), 2a ed. ___________. Mixologias: comunicação e o consumo da cultura (São Paulo, SP: Estação das Letras e Cores, 2010). Vincent, Marvin Richardson. Word Studies in the New Testament (Bellingham, WA: Logos Research Systems, Inc., 2002), vol. 1. Vine, W. E.; Unger, Merril F.; White Jr., William. Dicionário Vine: o significado exegético e expositivo das palavras do Antigo e do Novo Testamento (Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2002). ___________. Dicionário Vine: o significado exegético e expositivo das palavras do Antigo e do Novo Testamento (Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2005), 5a ed. Vogel, Winfried. “Biblical Truth in the con-

text of new modes of thinking”, in: Journal of Adventist Theological Society, vol. 9, no 1. Volf, Miroslav. A public Faith: how followers of Christ should serve the common God (MI: Brazos Press. 2011). Wagner, E. Glenn. Scape from the church, Inc.: the return the pastor-shepherd (Grand Rapids, MI: Zondervan, 1999). Walvoord, John F.; Zuck, Roy B. Dallas Theological Seminary: The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Wheaton, IL: Victor Books, 1983-1985), vol. 2. Warren, Rick. Uma igreja com Propósito (São Paulo, SP: Editora Vida, 2002), 2a Ed., 7a reimpressão. Water, Mark. The New Encyclopedia of Christian Martyrs (Alresford, Hampshire: John Hunt Publishers Ltda, 2001). White, Ellen G. A ciência do bom viver (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2006) ____________. Caminho a Cristo (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2007). ____________. Conselho sobre Mordomia (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2001). ____________. Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2007). ____________. E recebereis poder (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1999). ____________. Educação (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2003). ____________. Evangelismo (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1997). ____________. Fundamentos da Educação Cristã (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1996). ____________. Maranatha (Review and Herald Publishing Association, 2002). ____________. Mensagens aos Jovens (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2004 ). ____________. Mensagens Escolhidas (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1985), vol. 1. ____________. Música: Sua influência na vida do cristão (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1985). ____________. O desejado de todas as nações (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2007). ____________. Patriarcas e Profetas (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2006). ____________. Selected Messages (Review and Herald Publishing Association, 2002), vol. 3. ____________. Testemonies for the Church,


Bibliografia / 273 Nampa, Idaho; Oshawa, Ontario, Canada: Pacif Press Association, 1948), vol. 1. ____________. Testemonies for Church (Nampa, Idaho; Oshawa, Ontario, Canada: Pacif Press Association, 1948), vol. 2. ____________. Testemonies for the Church, Nampa, Idaho; Oshawa, Ontario, Canada: Pacif Press Association, 1948), vol. 9. ____________. Testemunhos Seletos (Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1984), vol. 1. Wiersbe, Warren W. Wiersbe’s Expository Outlines on the New Testament (Wheaton, Ill.: Victor Books, 1997). ________________. The Bible Exposition Commentary (Wheaton, Ill.: Victor Books, 1996), edição eletrônica. Winograd, Morley; Hais, Michael D. Millennial momentum: how a new generation is remaking America (New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2011). Witerick, Kathy. “Baby Storm’s mother speaks on gender, parenting and media”, dis-

ponível em <http://www.vancouversun.com/life/ Baby+Storm+mother+speaks+gender+parenti ng+media/4857577/story.html>. Acesso: 10 de dez. 2012. Wright, Christopher J. H. Old Testament Ethics for the People of God (Grove, Ill: Intervarsity Press, 2004). Yazbek, André Constantino. 10 Lições sobre Foucault (Petrópolis, RJ: Vozes, 2012), 2a ed. Yuan, K.; Qin, W.; Wang, G; Zeng, F; Zhao, L; et al., “Microstructure Abnormalities in Adolescents with Internet Addiction Disorder”, in: PLoS ONE, vol. 6, no 6. Zacharias, Ravi. Pode o homem viver sem Deus? (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 1997). ____________. Por que Jesus é diferente (São Paulo, SP: Mundo Cristão, 2003). Zschech, Darlene. Adoração Extravagante (Belo Horizonte, MG: Editora Atos, 2006), 2a reimpressão da 2a ed.


Explosão Y preview  

O primeiro livro em português a lidar com adventismo, pós-modernidade e a emergência de novas gerações, representantes de uma mentalidade o...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you