Issuu on Google+

ANJO

1

DIGITAL


ANJO

2

DIGITAL


Jou bert Raphael i a n

ANJO

ANJO DIGITAL

3 DIGITAL


ANJO

4

DIGITAL

ANJO


Raphaelian

5 DIGITAL

Joubert

ANJO

DIGITAL


Editora Mensagem Para Todos Coordenação Editorial Rousemary Maia Capa Souto Dsign Revisão J.G.Silva Editoração døüglas maia

DIGITAL

Preparação Aline Campos Impressão e Acabamento Imprensa da Fé

Copyright (c) 2008 Joubert Raphaelian Todos os direitos reservados a Editora Mensagem Para Todos Caixa Postal 91- CEP 12.914-970 Bragança Paulista - SP Fone/Fax: (11) 4033-6636/ 4035-7575 www.familiaegraca.com.br Falar com o autor: familiaj@uol.com.br Proibida a reprodução total ou parcial por qualquer meio sem a autorização por escrito do autor.

ANJO

6

Joubert Raphaelian (2008) Anjo Digital Ficção/Joubert Raphaelian Editora Mensagem Para Todos, 2008


ANJO

Ao EspĂ­rito Santo de Deus, que me inspirou e capacitou a escrever este livro.

7 DIGITAL


ANJO

8

DIGITAL


ÍNDICE Em busca de um sonho.........................................................009 New York, New York.............................................................017 Retorno em “grande estilo”...................................................033

Fechando o cerco..................................................................069

Apocalipse now....................................................................111 Quem casa quer... liberdade................................................139 Como dar nó em pingo d’água..........................................169 O dia em que a casa caiu.....................................................199 Revanche em meio a luta....................................................211

9 DIGITAL

Controle total.......................................................................089

ANJO

Desencontros e vários bons encontros................................047


ANJO

10

DIGITAL


EM BUSCA DE UM SONHO

11 DIGITAL

O mostrador indicava 3o. andar quando a porta do elevador se abriu. Caminhei pelo largo corredor que terminava frente à porta onde os dizeres “Consulado Geral dos Estados Unidos” indicavam que eu havia chegado ao meu destino. A gentil recepcionista logo entendeu o que eu desejava e me encaminhou para o Setor de Vistos Temporários. Sempre ansiara em conhecer os Estados Unidos, pois essa poderia ser a minha grande chance na área profissional. Com grande sacrifício, meus pais juntaram todas as suas economias para que eu terminasse a faculdade. Consegui boas notas, mas a tão esperada indicação para um bom emprego nunca deu o ar de sua presença; por isso vaguei exaustivamente pelas melhores empresas de colocação profissional, aceitando trabalhar em qualquer empresa, até aparecer finalmente a oportunidade de disputar uma vaga, bem sucedida, numa multinacional.

ANJO

O visto


DIGITAL ANJO

12

Foram dois anos de dedicação intensa, onde meu horário oficial de trabalho era meramente informativo. Com o objetivo de alcançar o tão ambicionado sucesso profissional, trabalhava também à noite, aos finais de semana e às vezes também aos feriados. Finalmente minha dedicação teve êxito: fui selecionado para um estágio na Matriz, em Boston, Estados Unidos da América! Meu contentamento aflorava das minhas feições, pois minha alegria era notória. Sabia de antemão que essa estada não seria fácil, pois teria que vencer a barreira da língua, dos costumes, e principalmente do racismo norte-americano. Apesar de ter nascido no Brasil e ser descendente de italianos, eu seria visto como latino, uma sub-raça aos olhos dos dirigentes da Matriz. Porém o importante é que eu havia sido o escolhido e teria a oportunidade de me atualizar com as mais recentes tecnologias. Enfrentar dificuldades já era uma constante, desde que eu havia conseguido entrar na Faculdade.

O próximo ! A chamada do atendente me trouxe de volta à realidade. Agora, a tarefa seria enfrentar a burocracia. Estava tranqüilo, pois a indicação para o visto era da empresa, e sendo assim, me sentia muito confortável, ao contrário da longa fila de requerentes que tentavam mudar para uma vida melhor em outro país. - O Senhor não possui ainda o RGID - disse secamente a atendente, aguardando uma resposta minha. - Não sei o que é o RGID, mas posso pedir para o Departamento Pessoal para providenciar – eu disse, pensando tratar-se de algum formulário, pois já haviam me alertado que


ANJO

13 DIGITAL

uma papelada enorme seria necessária. - Não é sua empresa quem providencia, mas é o senhor mesmo. Rede Global de Identificação Digital é a sigla de RGID. - O que vem a ser isso ? - indaguei, pois realmente desconhecia esse sistema de identificação. - Esse sistema é obrigatório desde o mês passado, para todos os turistas e também para qualquer pessoa que por qualquer motivo queira ou necessite pisar em solo americano. Vou encaminhá-lo para o setor competente que poderá lhe fornecer maiores informações. O horário de atendimento do setor estava terminando, mas consegui fornecer minhas informações básicas, recebendo um cartão com um número primário de identificação, além de uma apostila informativa, indicando que retornasse assim que fosse providenciado. O trânsito na Avenida Paulista, em São Paulo, onde ficava o edifício com os escritórios do Consulado, estava caótico quando deixei o prédio. A muito custo consegui pegar um táxi, que me levasse para casa. Meu chefe me dera alguns dias de folga, para que pudesse cuidar da documentação. Assim, pretendi me dedicar com afinco nessa atividade. Após saborear o jantar que mamãe preparara, sentei-me ao sofá e comecei a olhar a apostila que haviam me entregado. Em sua capa, os dizeres “Estados Unidos da América – Manual de Procedimentos para requerimento de visto de entrada no país” deixavam clara sua finalidade. Comecei a folheá-lo. Os itens principais diziam: Somente serão concedidos vistos de entrada no país em caráter provisório ou permanente, aos portadores do RGID (Rede Global de Identificação Digital), e que não tenham restrições e sejam aprovados dentro dos critérios do Departa-


DIGITAL ANJO

14

mento de Imigração. Os Estados Unidos da América concederão, sem ônus, durante o período de permanência do estrangeiro em todo o território norte-americano, monitoramento sobre a sua pessoa física, 24 horas diária, com as seguintes finalidades: - Propiciar maior segurança através dos seus departamentos de proteção individual; - Prover a identificação instantânea, sem necessidade de documentos de identificação; - Efetuar a conexão com os sistemas bancários, órgãos de crédito, empresas de seguro e outros. Entendi que com isto eu estaria no topo da escala de tecnologia, acima inclusive dos colegas da empresa, pois em caso de seqüestro, seria imediatamente localizado. Também não teria que me preocupar em portar passaporte, carteira de motorista, cartão do plano de saúde, cartão de crédito, talão de cheque, etc. Enfim, a minha presença seria o suficiente. Nada de documentos, segurança e conforto total. Maravilhas da tecnologia moderna ao meu alcance; ainda tinha a primazia de ser um dos primeiros a ter essa facilidade, bastando cuidar somente da documentação necessária. Então, bastante animado, comecei a providenciar as informações. Tive que ir ao Cartório de Registro Civil onde o registro de meu nascimento havia sido feito. Entreguei o formulário fornecido pelo Consulado Americano, onde orientava o Cartório a fornecer as minhas informações de nascimento pela internet, juntamente com o meu código-chave. Entretanto, algumas informações tiveram que ser complementadas, tais como dados dos pais e avós, ideologia política, motivos da viagem, identificação de irmãos, filhos e outras mais. Bastante burocrático, mas assumi esse trabalho como um álbum de informações que não morreria comigo, pois poderia ser acessado pelas minhas futuras gerações.


ANJO

15 DIGITAL

O próximo passo foi meu histórico escolar. Necessitei percorrer todas as escolas onde estudara, e em todas com o mesmo procedimento: informações pela internet e usando o meu código-chave. No seguro saúde, as coisas não foram assim tão simples, pois precisei fazer um check-up completo, que durou três dias, além de uma imensa bateria de perguntas. Assim não precisaria mais carregar ou guardar minhas informações médicas, pois elas estariam disponíveis a qualquer tempo e em qualquer lugar. A empresa também teve que informar toda minha vida profissional, cursos, cargos e funções exercidas, trabalhos realizados, salários e gratificações recebidas, nome de chefes, subalternos e datas. A justificativa da minha ida aos Estados Unidos teve que ser complementada e aprovada pela presidência da empresa, e o departamento de recursos humanos necessitou especificar com detalhes as datas, lugares, dados da hospedagem, pessoas com quem manteria contato e respectivos assuntos que poderiam ser tratados. Na Polícia, tive que aguardar que meu prontuário ficasse pronto. Na Receita Federal, as minhas informações referentes ao imposto de renda foram também enviadas pela internet, com o meu código-chave. Enfim, estava tudo pronto; tirei fotos de frente e perfil, bem como de corpo inteiro, anexei atestado de meu médico particular onde constavam também meu peso, altura e cor da pele, e voltei ao Consulado dos Estados Unidos. O atendimento foi rápido, cortês, e fui enviado a uma sala onde o RGID seria implantado; esta era magnificamente decorada. Fui tratado como um príncipe, numa condição nunca vista nem filmes ou documentários. Um funcionário graduado me acompanhou o tempo todo, me oferecendo finos petiscos, bebidas e licores. Achava que eles haviam se en-


DIGITAL

ganado, pensando tratar-se de outra pessoa, mas não era erro: tudo aquilo era para mim! O RGID era um pequeno microchip, transparente, na forma de um pequeno quadrado, de 1,5 mm. Com o auxílio de uma seringa especial, dourada, que tinha também a função anestésica, introduziram o RGID nas costas de minha mão direita. Um aparelho que emitia raios laser, cicatrizou rapidamente o pequeno corte. Não senti dor alguma, e a operação toda não durou mais que um minuto. Dali, fui direcionado a uma grande e suntuosa sala, onde o Cônsul Geral me aguardava. Deu-me os parabéns, entregandome uma miniatura da bandeira dos Estados Unidos. - Esses americanos são excêntricos -, pensei. Como gostara da recepção, fui para casa feliz e alegre.

ANJO

16

A viagem Preparei as malas e dirigi-me ao Aeroporto. Ao passar pelo detector do check-in, a porta da esquerda foi rapidamente aberta e uma recepcionista me deu as boas vindas, me chamando pelo nome ! - Seu vôo já está liberado, e o senhor poderá aguardar na sala de espera VIP - disse a atendente, me encaminhando. Um auxiliar pegou minha bagagem e nada tive que falar ou fazer. Estava sendo tratado como um príncipe, e estava começando a gostar disso. A sala VIP fazia jus ao nome: champanhe francês, caviar russo, sashimi de salmão, pistache, e outros aperitivos. Uma festa! Internet, músicas, filmes, revistas e livros completavam a mordomia. A aeronave da USGA (United States Global Air) era luxuosa, pelo menos na classe em que estava: poltronas indi-


ANJO

viduais, totalmente reclináveis, podendo selecionar através de um monitor, filmes, músicas, ou internet e outras facilidades. Conforto total, somente quebrado pelas incessantes passagens da aeromoça, oferecendo os mais variados quitutes e bebidas. Digno de um rei. A chegada em Boston foi, mais uma vez, singular. Ao passar por um corredor, imediatamente minhas malas apareceram na esteira que corria ao lado. Eu as via, mas não conseguiria pegá-las, pois estavam a uma distância maior que meus braços poderiam alcançar. Como elas me acompanhavam, continuei andando; ao final do corredor, uma porta se abriu e uma limusine me aguardava! O motorista pegou as malas, e sem perguntar nada, me levou até o hotel. Não fiz alfândega, não apresentei documentos, não tive que chamar táxi e nem tive que dizer aonde ia. Eu simplesmente era servido. Chegando ao hotel, o camareiro me levou até meu apartamento. Não fiz check-in, nem precisei dizer meu nome, nem apresentar documentos. Parecia que to17 dos já me conhecessem de longa data e eu estivesse em casa. Aproveitei para desfazer as malas e descansar, pois no dia seguinte começariam minhas atividades.

DIGITAL


ANJO

18

DIGITAL


Anjo Digital