Page 1

COLABORADORES 06.10.2011

O grande apedeuta premiado MARIO GUERREIRO *

Nem tudo que brilha é prata e nem tudo que reluz é ouro. É um lugar-comum, mas não deixa de ser verdade por isso: as aparências nem sempre enganam, mas às vezes enganam de fato.

Por acaso, você acreditava que tinham algum valor real as 433 medalhas douradas pespegadas no peito de Idi Amin Dadá, ex-ditador perpétuo de Uganda (África)?

Não? Então como você pode acreditar nas, até hoje, 7 medalhas de Doutor Honoris Causa no peito de um pernambucano lá de Garanhuns, que não tem nem primeiro grau completo e sofre de epistemofobia crônica? Fala sério, amizade!

Leio na Folha em 27/9/2011 que Lula ganhou o título de Doutor Honoris Causa do Instituto de Ciências Políticas de Paris. Mon bon Dieu de la France! Ça c’est la fin du monde! Só está faltando o escrevinhador Paulo Coelho receber o Nobel de literatura.

O molusco cefalópode decápode Loligo brasiliensis – este é seu nome científico - já recebeu 5 títulos do mesmo tipo no Brasil e 2 no exterior, um na Universidade de Coimbra - Valha-me meu Santo Antônio de Lisboa! - e este agora na França...


Que prova isto? Que Lula é um grande estadista? Não, quando muito um grande estatista.

Estadistas eram Winston Churchill, Konrad Adenauer, Margaret Thatcher, etc. Estatistas eram Mussolini, Hitler, Stalin, etc. Ah! que diferença faz uma única letrinha!

Lula acredita piamente no Estado-Papai Noel, na terminologia de Roberto Campos ou Estado-Babá na mais recente terminologia de David Harsanyi.

O Estado que pretende cuidar dos cidadãos from womb to tomb (do útero ao túmulo), mas como todo Estado do Bem-Estar (welfare state), “acaba sempre quando o dinheiro dos outros acaba”, segundo minha querida baronesa Maggie Thatcher.

Vide o caso da Grécia com uma dívida externa maior do que seu PIB e com a esperança de que a Alemanha aceite acolher essa massa falida. Resultado imediato: as ações nas Bolsas têm despencado de Tókio a São Paulo...

Parece até que a Grécia está dizendo para o Brasil: “Eu sou você amanhã!” Te cuida Dilmandona! Desenvolvimentismo é uma concepção caquética que não se importa com inflação desenfreada. E este triste filme nós já vimos... E não gostamos nem um pouquinho...

Diriam os idiotas da subjetividade: “Mas o Brasil não teve um grande avanço socioeconômico com os governos do PT?!”


Resposta: “Quem diz isto é como aquele sujeito que se joga do 30.o andar de um edifício; mas, quando está passando lá pelo 6.o andar, diz: So far so good (Até agora tudo bem)...”

Quem é Lula? Um político matreiro e oportunista elevado ao pódio por intelectuais esquerdistas da USP, pela esquerda católica e por pelegos do submundo sindical, que um dia se reuniram numa casa da Rua Maria Antônia em São Paulo (SP) e fundaram o PT (Perda Total, no jargão das companhias de seguros).

Que fez Lula? Criou o bolsa família, o bolsa detenção, o bolsa ou a vida, etc. Financiou determinadas ONGs e o MST com dinheiro público, fez uma gastança sem peias que só concorreu para aumentar o déficit público e a carga tributária.

Gastou verdadeiras fortunas, no País e no exterior, com seu Aerolula e seu marketing pessoal pelo mundo afora.

Mas não se pode dizer que seu marketing e sua propaganda tivessem sido ineficazes. E a maior prova disso é que o mundo inteiro o toma pelo que ele não é e não o toma pelo que sabemos que é.

O jornalista José Nêumane - que o acompanhou desde o início de sua triunfante carreira - é quem conhece bem essa figura nefasta de carreirista... Vide seu imperdível livro O Que Sei de Lula.


Além disso, Lula desenvolveu uma política externa desastrosa em que deu seu apoio a ditadores decrépitos do terceiro mundo, como El Coma Andante Fidel Castro, Hugorila Chávez, Primevo Inmorales, Ahmadinejad, Khadafi et caterva.

Botou o BNDES para financiar metrô em Caracas, reconstrução do Porto de Mariel em Cuba e estradas na Bolívia, gastando dinheiro brasileiro com los hermanitos que estão sempre esbravejando Abajo los imperialistas brasileños! É mole ou quer mais?!

Perdoou dívidas de repúblicas-bananas – só a de Moçambique foi coisa da ordem de R$1.000.000.000,00 (um bilhão de reais) - e bajulou seus governantes com mil agradinhos, tudo em nome de apoios para o Brasil conquistar uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. Que vã pretensão!

Cai na real, mermão! Só são membros desse Conselho potências bélicas mundiais – Estados Unidos, Inglaterra, China, Rússia, etc. - mas as Forças Armadas brasileiras estão todas sucateadas - revanchismo dos derrotados por elas?

A Aeronáutica mal tem dinheiro para pagar o combustível dos aviões que alçam seu vôo, os submarinos da Marinha correm risco de submergir e não mais emergir e o Exército, só Deus sabe como, consegue pagar o rancho dos recrutas.


Isso só pode ser coisa de fraco abusado ou de alguém sem desconfiômetro (ou mesmo ambos).

E culminou sua (des)governança com o Mensalão. Alegou cinicamente que não sabia de nada - M’engana qu’eu gosto! - e fritou seus companheiros para salvar sua pele. Bem como tinha alegado que assinara um documento oficial sem o ter lido!

Só essa confissão, a título de desculpa esfarrapada, seria motivo suficiente para um impeachment! Ou, no mínimo, para uma imediata interdição, fosse o País um país sério.

Mas 80% do povo é tão apedeuta quanto seu próprio ex-governante. Além disso, sofre de amnésia crônica. Não adianta mudar de governo, temos é que mudar de povo. E de mentalidade também!

E agora esse mesmo Lula recebeu seu sétimo, mas não o último, diploma de Doutor Honoris Causa. Com todo o respeito, meu preclaro general De Gaulle: La France n’est pas un pays sérieux!

Há muito tempo que digo isso, mas não adianta: brasileiros e portugueses amam de paixão esse país produtor de perfumes, modas e leviandades, que não consegue se livrar de uma utopia socialista.

Eu pensava que a imbecilidade e a ignorância eram patrimônios invendáveis da República da Bruzundanga. Estava enganado!


Elas estão se tornando patrimônios da humanidade tão protegidos pela UNESCO quanto Ouro Preto e o Taj Mahal.

Mas no dia em que Lula receber esse título da Universidade de Harvard, da de Oxford ou da de Cambridge – as 3 melhores do mundo, segundo o Times Higher Education - ou mesmo da Escola Normal Superior (Paris), a 18.a colocada no ranking e a mais bem colocada da França, aí eu acreditarei que o título recebido não foi efeito da propaganda e da politicagem barata.

Mas enquanto ele estiver recebendo títulos de universidades brasileiras, portuguesas, francesas, etc., que não aparecem no ranking ou só aparecem na rabada, não se deve levar a coisa a sério. As universidades desses países estão todas abaixo da 15.a colocação no ranking do Times Higher Education, esta uma prestigiosa instituição do Reino Unido que avalia constantemente o ensino universitário em mais de 220 países. E nossa melhor universidade, a USP, está abaixo da 200.a colocação! Tal como os (des)governos do PT, a USP, pra ficar ruim, ainda tem que melhorar muito!

***

P.S. Eu já havia escrito o artigo acima quando li em 3/10/2011 o artigo de Guilherme Fiuza no site do Instituto Millenium (www.imil.org.br) intitulado: “A


França condecora um Lula imaginário”, em que o referido autor começa dizendo:

“Se os intelectuais deram a ele o título de doutor em Paris, deve ter havido algum erro na tradução de “mensalão” para o francês

Luiz Inácio da Silva foi condecorado na França. O título de doutor honoris causa, concedido ao ex-presidente brasileiro pelo Instituto de Ciências Políticas de Paris, tem valor especial: em 140 anos de existência da prestigiada instituição, apenas 17 pessoas receberam a homenagem. Para os intelectuais franceses, Lula é o homem do povo que dobrou as elites, o ex-operário que superou a ignorância para salvar os pobres. Só quem não superou a ignorância, pelo visto, foram os cientistas políticos parisienses.

[O grifo é meu]. Paris é realmente uma badalada festa!

Como já disse e agora repito: A França não é um país sério! E para aqueles que acham que estou exagerando, recomendo a leitura do livro de um sério intelectual francês, que foi três vezes Ministro de De Gaulle. Refiro-me a Alain Peyrefitte e ao seu excelente livro: Le Mal Français (Paris, Plon). **

Quanto à utopia socialista francesa, eu também não estava exagerando. Para se certificar disso, basta ler François Furet: O Passado de uma Ilusão (São Paulo, Siciliano, 1995).


* Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor Adjunto IV do Depto. de Filosofia da UFRJ. Membro Fundador da Sociedade Brasileira de Análise Filosófica. Membro Fundador da Sociedade de Economia Personalista. Membro do Instituto Liberal do Rio de Janeiro e da Sociedade de Estudos Filosóficos e Interdisciplinares da UniverCidade.

REF IMAGENS: WIKIPEDIA e IL

** N.E.: Capa de outro livro de Peyrefitte, ‘A sociedade de confiança’, publicado no Brasil pelo Instituto Liberal [ http://www.institutoliberal.org.br/produto.asp?ProdId=38 ]

Textos il colaboradores col mg o grande apedeuta premiado  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you