Issuu on Google+

Série Países Especial para o IL 07.11.06

Divulgado hoje o Índice de Liberdade Econômica no Mundo, elaborado pelo Fraser Institute O Vice-Presidente do Instituto Liberal, Candido Prunes, está no encontro mundial que acaba de divulgar o Índice e escreve para o IL:

Há esperanças na América Central ___ Candido Prunes* Até uma década atrás os países da América Central eram sinônimo de repúblicas de bananas. Para piorar ainda mais a situação, muitas nações eram governadas por oligarquias, ou então passaram a sê-lo por regimes demagógicos de esquerda, o que só agravou a situação de pobreza na região. Mas nos últimos dez anos aconteceram mudanças significativas, quando alguns países começaram a se dar conta sobre a relação que há entre liberdade econômica e prosperidade. Um país se destaca nesse novo cenário. É a Costa Rica. Em meados dos anos 80, a Costa Rica era classificada no "Índice Mundial de Liberdade Econômica", divulgado pelo Fraser Institute do Canadá, entre as últimas nações do planeta, com nota 5,4 (na classificação, zero significa ausência de liberdade econômica e 10 representando o ideal de liberdade). Era um país medíocre nesse índice, como todos os demais países da América Latina. A partir dos anos 90 houve um esforço grande para o aperfeiçoamento de instituições e condições para os negócios, elevando a classificação da Costa Rica para 7,2, em 2004. Ainda não é uma avaliação entusiasmante, mas representa um grande passo. Sob muitos aspectos, a Costa Rica é um país que apresenta excelentes perspectivas para seus cidadãos. Não há gastos com Forças Armadas nem serviço militar obrigatório (há, evidentemente, polícia). Há total liberdade cambial e para manter depósitos em moeda estrangeira. Importações e exportações são moderadamente taxadas. Graças a um grau relativamente elevado de liberdade econômica, a Costa Rica tem recebido crescentes investimentos na indústria eletrônica e no setor de turismo. Este último é um capítulo à parte no impulso desenvolvimentista da Costa Rica. O país se deu conta da importância de preservar a natureza mediante a criação de inúmeros parques nacionais e de reservas da biosfera. Também está se preparando para um fluxo turístico crescente, com a construção


de hotéis, flats e condomínios, especialmente na costa do Pacífico. A segurança dos turistas também está na ordem do dia, pois é o único fator capaz de afetar negativamente o desempenho do setor. A melhor evidência sobre o acerto do caminho seguido pela Costa Rica é o fato de que MEIO MILHÃO de nicaragüenses imigraram para a Costa Rica nos últimos anos. Como se sabe, a Nicarágua é um desses países que comprovam a tese de que a miséria lança raízes sempre que se combinam o autoritarismo político com opressão econômica. Infelizmente, a recente eleição do Sr. Ortega como Presidente da Nicarágua tem todos os ingredientes para manter o fluxo migratório para fora de seu país. Além da Costa Rica, o Panamá e a Guatemala são outros países que chamam positivamente a atenção para a América Central. Sobre eles ainda falaremos em próximos artigos. * Vice-Presidente do Instituto Liberal em viagem à Costa Rica para a reunião de divulgação mundial do Índice de Liberdade Econômica 2006 do Fraser Institute. • fonte da imagem: WIKIPEDIA


Série países ha esperancas na america central