Issuu on Google+

Projeto de Redação 2010

Coleção Os Novos Escribas (Coletânea de textos selecionados)

Organização e apresentação Patrícia Nogueira – Professora de Redação do Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré


APRESENTAÇÃO Escrever é recriar universos através de suas próprias emoções. É se permitir fazer uma leitura própria de acordo com sua compreensão. Temos uma tendência a ler a vida e a imaginar que a nossa personalidade se estrutura em íntima conexão com nossa competência verbal. Essa proposta foi apresentada para os alunos da 5º série do Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, nas aulas de redação, no ano letivo de 2010, um convite a uma produção de textos que buscassem a criação com liberdade, uma união da criatividade com a força da palavra em uma caminhada onde o principal objetivo é a criação autoral. A partir do projeto de leitura “ Imagem e Identidade”, realizado pela disciplina de Redação com co-participação de Filosofia e Artes, no primeiro trimestre, os alunos desenvolveram várias atividades após a leitura dos livros “ Oliver Twist” , de Charles Dickens e “ No olho da rua , historinhas quase tristes”, de Georgiana Martins, ambos abordam a temática da criança e seu espaço enquanto cidadão do mundo, eixo condutor das discussões iniciais do projeto. Desta reflexão, por meio das leituras realizadas, surgiram as primeiras produções textuais. O gênero escolhido, nesta fase, para a narrativa de Oliver Twist foi o diário. Cada aluno escolheu o seu momento mais significativo na história e apropriou-se dele como se fosse sua própria vivência, buscando a emoção sentida pelo inesquecível personagem de Charles Dickens e reescrevendo como se aquela história fosse a sua. Em um segundo momento, seguindo a mesma temática, e com a proposta de retratar histórias do dia-a-dia de uma criança, surgiram as narrativas do cotidiano, contos e crônicas, que encerram a primeira etapa de nosso trabalho. No segundo trimestre, vivenciando o projeto de leitura “Poesia e Fantasia, a gente cria”, os alunos mergulharam nos textos fantásticos e cheios de lirismo de Marina Colasanti, em “ Uma idéia toda azul” e produziram paródias de contos de fadas e poemas repletos de sensibilidade e emoção que foram apresentados , em parceria com matemática experimental, na exposição “ Formas poéticas”. No terceiro trimestre, finalizando este processo, os alunos leram o mitológico “Odisséia” de Homero e desenvolveram narrativas inspiradas nas lendas e mitos da nossa literatura. É fundamental incentivar a leitura e a produção textual, despertando a autoria de criar mundos imaginários e possíveis através da palavra, por isso cada texto desta coletânea é único, nasceu do pensamento, da ideia de uma pessoa de acordo com o seu universo de mundo e de palavras. O que leremos a seguir será uma seleção destas produções, que exemplifica o grande acervo de textos que surgiram com estas atividades. Certamente, um marco na vida de cada um de nós, que deixará uma contribuição positiva para todos que dela participaram. Professora Patrícia Nogueira

Volume 01


O Diário de Oliver Twist (baseado no livro de Charles Dickens “Oliver Twist”)

(Os textos apresentados foram produzidos no projeto de leitura “ Imagem e Identidade” realizado no 1º trimestre de 2010 pelos alunos da 5º série )


Alunos participantes: Benedito Augusto Oliveira – 505 -Jayme Kirra dos Santos Gabbay – 504 - Ariel Leão Leal – 503 - Jade Botelho de Almeida Craveiro da Silva – 505 -Bruno Braz Araújo – 504 -Lunna Martins Coelho – 505 - Maria Clara Rossini Lima Costa – 502 -Dorival Santa Brigida Nascimento Filho – 505 Lais Nunes Pereira - 503 - Camila Nascimento Braga Santos – 502 - Isabella Klautau de Amorim Ferreira – 505 Leonardo Portela - 502 - Ágatha Soares Amaro – 501 - João Victor da Silva Dias Canavarro – 501 - Isabella de Oliveira Hass – 501 -Luana Reis Mendonça – 504 - Guilherme Barbosa Rodrigues Fonseca Nave – 502 - Carlos Manuel Monteiro Gonçalves - 504 - João Pedro Gomes Nogueira – 502 - Maria Clara Fonseca Santos – 505 André Fonseca dos Santos – 505 - Marcus Vinicius Ribeiro Lobato – 501 - Mary Elizabeth Czelusniak – 504 - Caroline Santa Brigida da Silva – 503 -Gabriel Teixeira Sá – 505

José Claudio Klautau - 505

- José Ricardo Cascante Aguilar – 504 - Alexia Teixeira de Freitas da C. Nunes – 504 Victória Gurjão - 502 - Arthur Moutinho Parry – 504 Luana Macedo - 502 Amanda Crespo - 505 - Laís Loren Silva Barlete – 504 Luiza Braga - 502 - Vitória Serralva Bonneterre - 502 - Nicolle Monteiro Machado – 505

(As datas apresentadas são fictícias.Alguns textos sofreram pequenas adaptações e/ou correções para ficarem coerentes com a sequência narrativa)


Parte 1 08 de março de 1838 Meu nome é Oliver, tenho 8 anos, nasci num abrigo.Minha mãe morreu quando eu nasci, daí fiquei órfão, o que você irá ler aqui, será o meu diário. Assim você conhecerá um pouco da minha vida. escrito por Benedito Augusto Oliveira - 505 Querido diário, Eu, Oliver Twist, sou um menino pobre, órfão e fraco. Eu sou uma criança solitária, sem mãe para me alimentar, me cuidar e me sustentar para que eu possa ser uma criança saudável e feliz. Fui abandonado e levado a um asilo de mendigos, onde sou uma pessoa muito infeliz e mal alimentada, mas o que quero ser é uma criança com uma mãe e fico triste das pessoas dizerem que eu sou malvado e malcriado , por isso sou um garoto que chora todos as noites. Não sei quem é minha família, mas um dia irei encontrá-la, por enquanto estou com o Sr.Bumble, mas eu sei que escaparei desse lugar, para caminhar a uma vida melhor, encontrar meus irmãos e não ser mais uma criança solitária e sem mãe e, com certeza, encontrarei eles na Inglaterra. Oliver (escrito por Jayme Gabbay – 504) Parte 02 12 de março de 1838 Querido diário, você nem sabe o que aconteceu , fiquei trancado no porão só porque passei fome. Quando sai de lá, falaram que eu tinha idade o suficiente para ser mandado ao abrigo de adultos, já pensou, eu só tenho 8 anos.! Com um pedaço de pão na mão, eu fui levado e deixei o lar miserável de meus anos O abrigo adulto era um local muito rigoroso. Minutos depois de chegar o senhor Bumble , o bedel, me levou para encontrar o conselho de oficiais. Ele iria decidir o que aconteceria comigo. Eu chorei enquanto escutava meu destino. Oliver


(escrito por Ariel Leal – 503) Parte 03 16 de março de 1838 Querido diário, É duro ser uma criança de 8 anos, sem mãe e sem pai.Eu não sei mais quanto tempo vou aguentar viver aqui no abrigo, o pior é que eu e meus colegas passamos todos os dias.fome, pois eles só dão um bocadinho de mingau para a gente, e se nós pedirmos mais comida,eles acham um absurdo. Eu tenho medo da vida,pois não sei o que será de mim.Sinto falta da minha mãe, mesmo sem conhecê-la, sinto ela tomando conta de mim.Bom, agora a única companhia que eu tenho é você. Até logo, diário, um abraço do teu amigo, Oliver (escrito por Jade Botelho – 505) Parte 04 17 de março de 1838 Querido diário amigo! Hoje foi outro dia muito ruim, acordei muito cedo para trabalhar. Trabalhei muito o dia todo, na hora que fui comer botaram muita pouca comida para mim, quando acabei de comer continuei com muita fome... Só me resta escrever para você... (escrito por Bruno Braz Araújo – 504) Parte 05 18 de março de 1838 Querido Diário, Hoje no asilo eles queriam economizar , e decretaram que só iriam dar uma papa de “não-sei-o-quê”, uma cebola, duas vezes por semana e meio pão dormido, parece muito? Mas não é nada, diário. Logo nessa época fui fazer nove anos.... ...Para piorar um cara de colete branco ficava me encarando, e depois ele me perguntou: - Você sabe o que é um órfão , rapaz?


E eu falei; - O que é isso , meu senhor? Ele ficou gritando comigo e depois comecei a chorar.Eu estava mais magro e fraco a cada dia que se passava. Tchau, depois te conto mais. Olivier ( escrito por Lunna Martins Coelho – 505) Parte 06 20 de março de 1838 Querido Diário, Hoje, na hora da refeição, estava quase morrendo de fome, e todas as crianças faziam fila para pegar um pouquinho de mingau, era tão pouco que nunca havia o bastante para todos, bom , preciso me contentar com isso... Os meus amigos estavam com tanta fome quanto eu, então me escolheram para pedir mais mingau, e eu fui, fazer o que, né? Mas se eu soubesse o que iria acontecer,não teria ido nunca! Ninguém nunca tinha pedido mais comida e o Sr. Bumble contou ao conselho, e eles me prenderam! E agora, diário?! O que será de mim? Estou preso em uma masmorra, com só uma janela iluminando as minhas lágrimas, escorrendo até chegar a esse chão frio onde estou sentado, escrevendo. Oliver (escrito por Maria Clara – 502) Parte 07 21 de março de 1838 Querido diário, Hoje eu senti tanta fome e frio ! E assim, diário eu passo mais um ano de vida , assim ...num porão, sujo e fedorento. Depois de muito tempo trancado me tiraram e me levaram até o Sr. Bumble que me levou até o conselho, foi muito cruel pois ainda às seis da manhã , tive que levar cordas velhas para fazer estopa... Olivier (escrito por Dorival Santa Brigida Nascimento Filho - 505


Parte 08 22 de março de 1838 Querido diário, Hoje de manhã queriam me adotar, cheguei até um juiz de cabelo brancos e estranhos, que me disse que ia ser adotado por um senhor. Umas pessoas em uma mesa estavam decidindo o meu futuro e me disseram que eu ia deixar o abrigo hoje à noite! Oliver

Parte 09

Escrito por Lais Nunes Pereira - 503 23 de março 1838

Querido Amigo, O único que tenho, fui levado pela última vez ao conselho, que decidiu que eu deveria sair do abrigo e ir morar como o Sr.Sowerberry, que é um agente funerário. Hoje, Sr. Bumble me levou até a casa onde devo passar o resto de minha vida, e chegando lá, me entregou para meus novos patrões.Nossa, como são horríveis! A mulher do Sr. Sowerberry me deu de jantar alguns pedaços de carne fria e depois me levou para um quarto cheio de caixões grandes e assustadores. Vou passar essa noite e, muitas outras, numa cama estreita embaixo do colchão, estou com tanto medo do que me espera no futuro, estou sufocado com a tristeza que me cerca, estou a ponto de chorar. Oliver (escrito por Camila Braga – 502)

Parte 10 24 de março de 1838 Diário,


Sou maltratado, abandonado, e, às vezes, até aproveitado. Um órfão! Sinto frio, fome, as vezes, choro.Pensando em um dia ser feliz, e ser feliz é ser alegre, e, principalmente, estudar.Não viver em um abrigo, ser puxador de funeral, ou até mesmo, ser um ladrão.Enquanto pessoas queriam me defender, outras queriam me usar... Oliver (escrito por Isabella Ferreira – 505) Parte 11 25 de março de 1838 Querido diário, Hoje me deram de novo sobras amanhecidas e deram um bom café para Noah, ele me bateu muito porque outros assistentes se vingaram dele. Depois fui puxar funerais e fui levando um corpo de uma pobre mulher , fui andando mais rápido que pude. Noah me perguntou como estava minha mãe, me deu raiva, não gosto que ninguém fale dela e ainda me falou que minha mãe era uma fracassada, eu me senti sozinho... Oliver (escrito por Luana Reis Mendonça – 504) Parte 12 26 de março de 1838 Olá , de novo, diário, hoje o dia foi mais complicado do que ontem... Como você sabe, diário, ontem eu dormi em um quarto escuro e úmido, que ficava perto do porão de guardar carvão, e hoje de manhã acordei com o barulho da porta sendo chutado e advinha quem era...Noah Claypole A empregada serviu um café delicioso para ele , enquanto eu estava comendo em um canto mais frio da sala, e para piorar Noah descontou toda sua raiva quando chegou em mim, e ainda virei um puxador de funerais Noah ficou me provocando e não resisti e parti para cima dele, mas esse foi um dos piores erros da minha vida... Oliver


(Escrito por Agatha Amaro – 501) Parte 13 27 de março de 1838 Querido diário, Quando bati no Noah, fui trancado no porão e, finalmente, fui mandado para a cama porque antes a sra.Sowerberry mandava eu dormir debaixo do balcão. De manhãzinha, fugi da casa do agente funerário .... Oliver, Leonardo Portela -502 Parte 14 28 de março de 1838 Querido Diário, Hoje estou na rua caminhando, para poder chegar em Londres, estou muito cansado, meus pés doem e estão sangrando. Mas é melhor, pois se eu ficasse naquela casa trabalhando iria sofrer muito.As pessoas de lá não gostam de mim. Talvez quando eu chegar em Londres, vou ver se tem alguém que deixe eu ficar em sua casa. Também vou ver se posso trabalhar para me sustentar, mas ainda sou criança... Espero que no lugar que eu vá ficar, as pessoas me tratem bem... Boa noite, querido diário Oliver (escrito por João Victor Canavarro – 501) Parte 15 30 de março de 1838 Querido diário, estou tão solitário, pois estou andando a três dias para ir a Londres onde posso me esconder daquelas pessoas más, que me espancaram anteontem. Tenho fome, frio, sede,solidão...não é possível que ninguém me ame neste mundo! Sempre as pessoas acham que eu sou um lixo! Isto é muito injusto!


Bem, é melhor estar sofrendo aqui do que com que Noah...Estes momentos são tristes, dá vontade de chorar...estou chorando...chorando, diário Enfim, quando chegar em Londres as coisas vão melhorar...eu espero... Oliver (escrito por Isabela Hass – 501) Parte 16 01 de abril de 1838 Diário, Logo quando cheguei numa cidade chamada Barnet, encontrei como um garoto da minha idade, e veio na minha direção, ele foi legal comigo e, ainda bem que ele me deu comida porque eu tava com muita fome. O nome dele é Jack Dawkins, mas ele disse que o chamavam de “ Raposa Astuta”, ele disse que ia para Londres de noite e que eu poderia ir com ele. Olivier (escrito por Guilherme Naves -502) Parte 17 02 de abril de 1838 Diário, Estava muito escuro na cidade quando nós chegamos. Numa casa velha,Raposa assobiou e os garotos entraram,Jack me levou para um quarto no fundo da casa, no andar de cima. Lá estava um velho enrugado, cozinhando salsichas no fogo,e quatro ou cinco garotos. O sujeito se chamava Fagin, me serviu um jantar e para Jack também e depois serviu-me um copo quente de água com alguma coisa, acho que gin. Que me deixou baqueado,logo eu dormia profundamente , numa cama rústica, feita de sacos velhos. Oliver (escrito por Carlos Manuel – 504) Parte 18 03 de abril de 1838 Olá , querido diário!


Após conhecer o meu amigo Jack, ontem à noite eu fui dormir... Quando acordei vi Fagin remexendo uma caixa com muitos objetos de valor, quando me viu, ele se assustou, guardando a caixa rapidamente. Logo após, Raposa e Charley chegaram com mais objetos de valor, Raposa trazia duas carteiras, Charley, quatro lenços de seda. Fagin os elogiou e foi me ensinar como “trabalhar”, no linguajar deles. Fagin fingiu ser uma pessoa qualquer andando na rua, quando ele parou, os meninos foram por trás dele silenciosamente e limparam os seus bolsos em um segundo, quando eu fui tentar fiquei com vergonha, mas consegui, pois Fagin disse que eu seria um grande homem.Após isso fui dormir. Boa noite, Oliver (João Pedro Nogueira – 502) Parte 19 07 de abril de 1838 Diário! Eu não aguento mais tanta tristeza, essa vida de miséria, sou só uma criança triste e só querendo ser criança mas tudo tomaram de mim! Apesar de tudo , acredito que ainda existam pessoas de bom coração. Fagin está me ensinando essa brincadeira de pegar coisas e sair correndo... Oliver (Escrito por Maria Clara – 505) Parte 20 08 de abril de 1838 Meu Diário, Oi, sou eu de novo. Hoje Fagin me ensinou o trabalho que amanhã vou fazer. Sobre meu trabalho, de novo estou treinando, me sinto feliz por Fagin fazer jogos comigo e me dar comida. Bom, por hoje é só, amanhã nos falamos.


Oliver (Escrito por André dos Santos – 505) Parte 21 09 de abril de 1838 Querido Diário, Hoje fiquei muito curioso para saber o trabalho de meus amigos.Fiquei meio confuso quando vi meu amigo Raposa pegando uma maçã de uma barraca e colocando no bolso do meu casaco, depois entendi o trabalho deles quando Raposa pegou um lenço do bolso de um cavalheiro, fiquei assustado quando vi o que Raposa fez e corri mas o senhor que foi roubado, pelo Raposa gritou “ Pega ladrão!”. Dois policiais me pegaram e fui levado a um juiz, desmaiei quando ele me falou que iria pegar três meses de trabalho duro... Acordei nesta casa, do homem que fui acusado de furtar, seu nome é Sr Brownlow e aqui tem o retrato de uma moça parecida comigo... Até mais , querido Diário Oliver (Escrito por Marcos Vinicius – 501) PARTE 22 10 de abril de 1838 Diário, Estou na casa do Sr.Brwnlow, apesar de achar que sou um ladrão, foi bondade dele me trazer para sua casa e me socorrer, fora isto fico sempre pensando, porque toda santa hora me acontece uma desgraça? Será que sou ingênuo demais para sobreviver neste mundo? Sinceramente , não sei o que fiz para me acontecer tantas desgraças! Agora, minha dor é tão grande, que tinha de extravasar, não aguentaria suportá-la dentro de mim.Mas apesar de tudo que ocorreu ao longo da minha vida, acho que sobreviverei. Oliver (escrito por Mary Elisabeth – 504)


Parte 23 16 de abril de 1838 Hello my friend Billy, Hoje o senhor Brownlow pediu para eu levar alguns livros e comprar outros com cinco libras e o troco de seis xilins,só que Nancy, que é da turma de Fangin, me encontrou e me trouxe para casa de Fagin, onde encontrei a Raposa Astuta , Charles Bate e outras crianças e adolescentes, eles começaram a gozar do meu vestuário novo. O Raposa Astuta, que é muito intrometido, achou as cinco libras no meu bolso de trás da calça, tentei pegar o dinheiro para eu ir embora, só que não deixaram,então tive uma idéia, distrair Fagin e os outros para eu poder fugir, mas não deu certo, eram várias pessoas contra mim, por isso eu estou na casa do Fagin neste momento... Tchau Billy, até amanhã Oliver (escrito por Caroline Silva – 503)

Parte 24 17 de abril de 1838 Querido Diário, ...Fagin me levou ao porão e conversou comigo que a última criança que falou com outra pessoa dele, morreu enforcada.Acho que Nancy se arrependeu sobre o que ela fez.Puxa vida, diário agora você sabe como minha vida é estressante!!!! Oliver (escrito por Gabriel Sá – 505)

Parte 25 18 de abril de 1830 Caro Diário, Já estou cansado de roubar , está vida não é pra mim sabe as pessoas trabalham pesado e depois vão lá e roubam . Eu não quero mais roubar! Só roubo porque o Fagin manda e quando eu não roubo, fico sem comer .Eu prometo que eu vou melhorar e nunca mais vou fazer isso! Tchau diário!


Oliver (escrito por José Claudio Klautau - 505) PARTE 26

21 de abril de 1838 Querido diário, Hoje, bem cedo, o Bill Sikes me levou para uma taverna, lá a gente comeu e o Sikes pediu uma carona para um viajante, eles me levaram até uma casa, onde havia um homem, o Sikes o conhecia, ele se chama Toby Crackit. Eu não fui muito com a cara do Crackit, e nem ele com a minha, nós três demos a volta em uma casa, o Sikes abriu uma pequena janela, ele me disse que era do meu tamanho, e que era pra eu ir e abrir a porta da frente para deixar eles entrar.Eu decidi alertar as pessoas que moravam ali, apesar de não gostar nada da idéia, percebi que me viram, Bill gritou, deixei cair a laterna, vi umas pessoas no segundo andar, Bill gritou para eu voltar, depois disso, ai vi um homem com uma arma apertando o gatilho e ficou tudo escuro ... Oliver ( escrito por Jose Ricardo – 604) PARTE 27 22 de abril de 1838 Meu Diário, Hoje quando acordei vi que tinha três pessoas ao meu redor, perguntei quem eram e o que tinha acontecido, eles se apresentaram , eram Sra Maylei, Rose e Sr. Losberne. Eles também me explicaram que me encontraram na frente de sua porta e depois me levaram para uma cama no quarto de hóspedes, e eu fiquei muito agradecido pela gentileza. Estou muito feliz porque pela primeira vez me senti como parte de uma família. Oliver (escrito por Alexia Nunes– 504)


PARTE 28 23 de abril de 1838 Diário, Tudo o que me lembro é da hora que Sikes me passou pela aquela pequena janela, e que minutos depois ouvi um grito e um barulho muito forte. Acordei , numa cama com um ferimento enfaixado no braço, eu estou sendo muito bem tratado neste lugar, a dona da casa se chama Sra Maylie, eu tive oportunidade de contar para ela toda minha história e ela está me ajudando a melhorar.Eu realmente não sei como vou mostrar meu agradecimento para ela, eu vou me oferecer para servi-la da forma que posso. Abraços, Oliver Twist (escrito por Victória Gurjão – 502) PARTE 29 02 de maio de 1838 Querido diário, Hoje aconteceram coisas muito tristes, Rose ficou doente após uma longa caminhada, a senhora Maylie temeu que ela estivesse em risco de morte, isso me deixou muito triste. A senhora Maylie escreveu uma carta para eu levar ao senhor Losberne. Após o doutor Losberne chegar para curar Rose, já deduzia que a doença não era grave, isso me deixou calmo e feliz. No caminho para entregar a carta esbarrei em um homem, ele era comum para mim. Fiquei assustado.Ele tentou me atacar, mas caiu no chão numa espécie de colapso.Enquanto Rose restabelecia sua saúde, fui ler um livro, e sem querer cai no sono e o pior aconteceu comigo! Tive um pesadelo , vi aquele homem e Fagin na janela.Eu gritei, o empregado da senhora Maylie correu para o quarto para saber o que estava acontecendo.Disse o que vi na janela.O empregado foi ver se tinha alguém, mas não tinha ninguém na casa! É, esse não foi o melhor dia da minha vida, até amanhã! Oliver

(escrito por Arthur Parry – 504) PARTE 30 12 de maio, 1838

Querido Diário,


Hoje viajei até aqui, a minha cidade natal, com a companhia de Rose, Maylie e Sr. Bedwin. Vamos ficar em um hotel e depois jantaremos com o Sr.Brownlow.Sei que terei muita coisa para escrever... Luana Macedo - 502 13 de maio de 1838 Meu querido diário Twist, Hoje tive um acontecimento muito marcante em minha vida, quando estava voltando para minha cidade natal. Passei em frente ao abrigo onde nasci...O Sr. Brownlow disse que eu tinha um irmão.Na hora que o vi, percebi que o meu irmão. Na hora que era o rapaz que tinha visto ao lado de Fargin. Sr. Brawnlow e meu irmão me contaram sobre toda a história de nosso pai, e de sua herança.Nosso pai não poderia casar com minha mãe, pois ele já era casado. Oliver (escrito por Amanda Crespo – 505) Parte 31 14 de maio de 1838 Diário, encontrei minha família! Diário, como já relatei, depois de dois dias da morte de Bill Sikes, eu viajei para minha cidade natal com a sra Maylie e com o Sra Bedwin.Enquanto a carruagem se aproximava da minha cidade, eu reconheci alguns lugares. Mostrei a Rose. A carruagem entrou na minha cidade e passou pelo o meu antigo abrigo.A gente ficou em um hotel e jantamos, depois o Sr. Brownlow chegou com um dos amigos de Fagin, como eu já disse, e eu quase gritei e o Sr. Brownlow disse que era meu irmão, Monks, ele revelou que depois da morte de seu pai, a mãe dele encontrou o testamento e uma carta para Agnes. Depois eu continuo... (escrito por Laís Barbosa – 504) Parte 32 15 de maio de 1838 Querido Diário, Hoje descobri que meu pai deixara duas coisas , um testamento dizendo que a maior parte da sua herança ficaria para mim e minha mãe, Agnes , e uma carta para ela dizendo que ele não poderia se casar com ela, porque ele já era casado!


Minha mãe deixou um medalhão que iria me levar a minha verdadeira família, ele continha duas mechas de cabelos e uma aliança de ouro e o nome de uma mulher. Fiquei espantado quando soube que meu meio irmão, Monks , pagava Fagin para me tornar um trombadinha, mas para tanto espanto, uma surpresa, Rose era minha tia, assim irmã de minha mãe, depois dessas descobertas poderei viver um novo começo. Oliver

PARTE 33

(Escrito por Vitoria Boneterre-502)

16 de maio de 1838 Querido diário Hoje fui ao julgamento de Fagin, ele foi condenado culpado, pois era o chefe da gangue de ladrões, depois de tudo que ele me fez ainda me pediu para salvá-lo , fiquei com pena, mas não tive coragem. Quase salvei ela da forca, pois fiquei com dó , do Charley Bates e Raposa Astuta, que não tinham com quem ficar Oliver (escrito por Luiza Braga – 502) PARTE 34 20 de maio de 1838 Querido diário, ontem quando fui dormir eu lembrei de toda a minha vida desde quando eu estava naquele triste abrigo até hoje, Eu lembrei de quando eu fui pra casa daquele agente funerário. Sabe diário, eu lembro que quando eu estava lá eu chorava muito , mas hoje , eu rio te tudo isso. Eu também lembrei de quando eu fugi e eu encontrei o Raposa, sabe aquele menino que quando conheci eu pensava que era do bem, mas quando eu vi ele era um ladrãozinho... Eu também lembro quando eu vi pela primeira vez o Sr. Brownlow, ele estava todo bem vestido e elegante. Hoje ainda sou muito agradecido a ele e a sra Maylie e Rose, gosto muito deles. Bom, já está ficando tarde, diário, tenho uma longa nova vida pela frente, até amanhã, diário, sim porque agora , eu tenho um amanhã. Oliver,

(escrito por Nicolle Machado – 505)


Fim

Volume 02


O Resgate de uma infância (Histórias de todo dia)

(Os textos apresentados foram produzidos no projeto de leitura “ Imagem e Identidade” realizado no 1º trimestre de 2010 pelos alunos da 5º série ) Alunos participantes: Gabriel Remor - 505 Raul dos Santos Amaral Neto - 505 Guilherme Barbosa Rodrigues Fonseca Nave – 502 Victória Lima Gurjão-502 Vitória Serralva Bonneterre – 502 Jully Ana Pereira Mendes – 502 Ana Beatriz Murrieta- 501 Beatriz Melo Ohashi – 501 Natasha Terra Demachki – 501 Leila Assef Mendes – 503


Guilherme Wilson Castilho – 503 Rafaella Pereira Leite – 505 Natalia Megumi Morikawa – 505 Bárbara Mendonça Paiva Antonio José – 505 Jorge Antonio da Silva Xerfan – 504 Lucas Fonseca dos Santos – 504 Matheus Benedito Hanna – 503 Caio Vítor Melo Leão – 503 Adriano Arouck de Araújo – 502 Olivier Junior Deslovére – 502 Rodrigo Leite Nóbrega – 502 Christian Berbary Abdou – 501 Gabriel Mizzerani Siqueira – 501 Fernanda Soares - 505 Gabriela Rodrigues Veludo Gouveia – 501 André Fonseca dos Santos – 505 Flávia Alcantra Coutinho – 505 Diane Elen Damasceno – 501 Ahna Paula Monteiro - 505 Sergio Ronaldo Junior Pimentel – 503 Clarisse Dias Reis – 503 André Machado - 505 Armando Rosa – 501 Benedito Oliveira - 505 Felipe Salame - 505 Carolina Maneschy - 505

“ Toda criança e o adolescente tem o direito de ter tudo na sua vida: casa, educação, família, escola e todo o resto. As coisas mais importantes para a criança e para o adolescente são a família, educação, e bons estudos que são direitos de toda criança e adolescente de todo mundo.” Gabriel Remor - 505 José era um garoto abandonado, tinha 7 anos.Nunca foi a escola, nem conheceu seus pais, foi abandonado quando tinha 4 anos e vivia na rua. Um dia achou um orfanato e ficou lá, mas como ninguém o adotava, mandaram ele embora.


Ficou durante seis meses na rua e achou uma comunidade pobre, achou que poderia ficar, mas não ficaram com ele. No dia do seu aniversário, encontrou um casal que queria uma criança e ficaram com ele e todo dia na hora de dormir ele agradece a Deus rezando o Pai Nosso. Esta é uma história que não acontece ainda no cotidiano de um menino de rua... Escrito por Raul dos Santos Amaral Neto – 505

UM DIREITO GARANTIDO Um dia estava passeando com minha mãe e vi na rua um menino sem nenhum direito garantido. Ele não tinha direito à alimentação, à saúde, à família, ele não tinha direito a nada! Vi aquilo e fiquei horrorizado, e o pior é que ainda havia muito mais meninos com ele... Quando passei por eles , um outro me pediu dinheiro, não aguentei e tive que dar. Vou confessar fiquei com medo, em ver aquele menino lá ,deitado na rua, sujo, me deu arrepios, mas eles parecem ser pessoas boas. O pior é que agora eu os vejo quase todos os dias isso! Se todas as pessoas os ajudassem, não só com o dinheiro, eu acho que não teria mais isso.

(escrito por Guilherme Naves – 502)

TODA CRIANÇA MERECE TER DIREITOS José é um garoto de 10 anos que vive na rua com seu irmão mais novo, que se chama João, eles foram abandonados e agora vivem rodando pela cidade de Santa Catarina. Os dois irmãos, todo dia, comem num lixão com outras crianças.Lá eles brigam por comida com as outras crianças Eles dois não tem os direitos que as crianças merecem , eles não tem boa alimentação, não tem saúde, não tem lazer, não vão à escola, eles tem que viver essa vida, diferente da nossa.Eu tenho muita sorte de ter saúde, aprendizado e um pai e uma mãe.

(escrito por Victória Gurjão - 502)

TODOS PELA EDUCAÇÃO Toda família que bota seus filhos para trabalhar, não sabendo, está cometendo um grande erro. Se as crianças e adolescentes estivessem na escola, no futuro elas poderiam ser grandes profissionais, existem muitas pessoas menores de 18 anos trabalhando e para que elas estejam na escola é preciso que o governo invista em mais escolas públicas.


-Vem, Fafá, o sinal fechou. - Já estou indo, Bolinha - Você gostaria de alguns chicletes – diz Fafá - Em vez de eu comprar alguns chicletes, o que você acha de eu lhe dar um livro? -Livro?! O que é isso? -É um passo para educação. -E nós só conseguimos educação lendo um livro? -Não, um livro é um pontinho para a educação.

(escrito por Vitoria Bonneterre – 502)

UMA SOLUÇÃO Em um dia comum um homem chamado Paulo estava indo para o trabalho, como era de manhã cedo, não havia trânsito, o sinal estava funcionando e as pessoas que vendem balas fazendo malabarismos e outras coisas.Paulo viu um menino vendendo doces e falou: -Ô do bombom – chamou Paulo - O que você quer? – perguntou o menino -Um Mentos. - São dois e cinquenta. Paulo se sentia obrigado a ter que estacionar o carro pois o sinal tinha acabado de ficar verde. - Menino, o bombom está muito caro, porque este preço? - Porque se eu não chegar com mais de dez reais em casa levo uma boa surra do papai. - Menino, minha mulher é dona de um abrigo para meninos como você, depois do trabalho venho lhe buscar. E conforme o prometido, o menino cresceu saudável sem levar surras. (escrito por Jully Ana – 502)

A ADOÇÃO Acordei com uma braba de uma dor de cabeça. Deve ter sido do soco que levei dos brutamontes só porque eu estava sozinha, eles me deram uma surra, não sei o que fiz para eles, ou talvez fosse porque sou de rua. Discriminação braba! Estava em algum lugar com cortinas, paredes e uma poltrona, tudo branco. Lugarzinho chique também! Percebi que tinha um bipe irritante em algum lugar. - Que bip irritante esse! - comentei e alguém riu, era uma voz feminina. - Onde estou? - perguntei a voz. - No hospital - respondeu-me. - Quem é você?- tentei virar a cabeça, mas ela latejou com mais força. - Sou sua nova família. - Como é que é? – falei tão rápido que acabei enrolando as palavras em uma só. Ela riu de novo.


- Você ouviu, vai ficar comigo. Isto é, se você quiser. - Eu quero – gritei e rindo à toa. -Ok. Enchi-me de felicidade. Sabia que ia gostar dela mesmo sem a conhecer. Teria uma mãe só pra mim. (escrito por Ana Beatriz T. Murrieta- 501)

EDUCAÇÃO Era quatro de fevereiro de 2009, na saída do balé, esperando minha mãe chegar, vejo um menino vendendo bombons e me pergunto “ Todos dizem que criança não pode trabalhar, mas sim tem que estudar, por que ela está aí e não na escola?” Então fui lá com o menino e perguntei:: - Por que você está vendendo bombons na rua? Você não deveria estar na escola? -Não tenho como ir à escola, não tenho mãe , nem nada, este é o único jeito de sobreviver. Mamãe chegou e eu fui embora. Fiquei chocada com a situação do menino e comecei a refletir sobre isso até encontrar uma solução. Até que depois de muito pensar eu encontrei uma solução. Pra mim a única solução pro resgate dessa criança é a educação não só do menino, mas também da mãe que abandonou ele na rua quando mais precisava. ( escrito por Beatriz Melo Ohashi – 501)

A VIDA DE UMA CRIANÇA Todo mundo sabe que as crianças e adolescentes tem os seus direitos! Mas acontece que nem todas as pessoas respeitam essa lei! Na semana passada eu fui comprar um carro novo com meu pai, ele deixou eu escolhe – lo. Escolhi um carro lindo, preto, com alguns detalhes, também, pretos. Saímos da loja de carro novo e eu toda feliz! De repente vi um garoto, que parecia ter uns 8 anos, ele era pobrezinho, não tinha nada! Depois de um tempo o garoto começou a nadar em direção aos carros, e vinha pedir esmola pra gente. Foi ai que perguntei para o papai por que aquele garoto estava na rua pedindo esmolas, se ele era uma criança e, criança tem seus direitos. O meu pai disse que com certeza os pais daquele garoto teriam o abandonado. Perguntei se ninguém nunca teve a vontade de levar ele para um orfanato. Papai achava que ninguém se importava com ele . “E se nós o levássemos para um lugar adequado?” perguntei. E meu pai concordou. Nos aproximamos do garoto, conversamos e explicamos para ele o que iríamos fazer e o levamos para um orfanato, soubemos que durante muito tempo ninguém o queria adotar, comecei a ficar com pena dele e eu pedi para


o papai adotá-lo.O papai demorou bastante para aceitar, mas disse sim.Foi tão legal ! Ele brincava comigo o dia inteiro. Acho que as pessoas podem fazer as crianças felizes , mas, principalmente, os seus pais não podem deixar faltar-lhes carinho. (escrito por Natasha Terra Demachki – 501)

A SALVAÇÃO Hoje eu parei em um sinal e de repente um menininha, que devia ter uns 7 anos , parou em frente do meu carro, ele estava ferido e mancando, fiquei com pena dele e mandei –o entrar para que eu pudesse levá-la ao hospital. Ao chegar lá chamei o médico para atendê-lo, minutos depois ele me chamou para dizer que o menininho estava doente e que se eu não tivesse levado-o ao hospital ele iria morrer. Uma semana depois o menino saiu do hospital e eu e meu marido resolvemos adotá-lo, ele ficou super feliz, adorou a ideia. Ao chegar lá, ele ficou deslumbrado com as camas , os lustres , as cadeiras , as mesas , e assim, ficou morando comigo. (escrito por Leila Assef Mendes – 503)

UMA CRÔNICA Em uma cidade havia um menino que era maltrato por seus pais, era obrigado a pedir esmola para ajudar a botar comida na mesa. Um dia ele não conseguiu dinheiro, então, ao chegar em casa, seu pai lhe deu uma cinturada, o menino se deitou, chorou, chorou, então, pela madrugada, ele fugiu. Andou a madrugada toda até chegar a uma delegacia e falou ao policial: - Senhor, policial, me maltratam! Você precisa fazer algo. - Sim, meu filho, onde você mora? Irei dar uma advertência a seus pais. O policial deu a advertência, eles refletiram e pediram desculpas. ( escrito por Guilherme Castilho – 503)

A MENINA DA ÁGUA DE CÔCO Na avenida Serzedelo Correa , uma menina chamada Bruna, de 11 anos, vendedora de côco, tentava vender bastante, mas não conseguia. Ela na gostava de trabalhar porque era só uma criança, queria estudar. Ela achava que tinha seus direitos, que eram: saúde, alimentação, o direito de estudar. Até que o dia mais especial de sua vida chegou, o dia que ela sempre esperava. Em uma tarde sua mãe conseguiu colocá-la em um colégio na 6º série, e foi muito legal, porque Bruna teve seus direitos, como uma criança deve ter.


(escrito por Rafaella Pereira Leite – 505)

NEM TODOS TEM A MESMA SORTE! Todos querem ter uma mãe ou pelo menos um pai, pode ser até pais adotivos, mas o fato mesmo é que não podemos ficar sozinhos no mundo, como se não fossemos ninguém. Pena que nem todas crianças ou, até mesmo, adolescentes, não tenham a mesma sorte de: estudar, de brincar, de ter uma família, de passear no shopping, de fazer compras, de viajar, de amar, de ter pessoas que amam, de ter comida na mesa toda hora, de ir a aniversários Enquanto isso tem pessoas que vivem no escuro , na fumaça, na solidão, no silêncio profundo e isso faz com que a pessoa não tenha prazer nenhum de sorrir, de sonhar e, principalmente, não tenha o prazer de viver sua vida! ( escrito por Natalia Mori kawa – 505)

OS DIREITOS INFANTIS Na cidade de Belo Horizonte vivia um menino chamado Leonardo, ele era muito pobre , seu pai era alcoólatra e quando ele chegava em casa maltratava a esposa e o coitado do Leonardo Leonardo fugiu de casa e foi morar na rua. Uma senhora o viu e o entregou a um orfanato para poder ter um abrigo e ela não poderia adotá –lo pois já estava perto da morte. Ninguém adotava, o pobre Leonardo, até que um dia uma moça que já tinha um filho , mais ou menos da idade de Leonardo, quando o viu , quis adotálo naquele exato momento! Chegando a sua nova casa, Leonardo ficou tão , mas tão feliz que seus olhos brilhavam. Logo depois ele tomou um banho, trocou de roupa e foi fazer a sua matricula no colégio. Até o dia de hoje, Leonardo é muito feliz com sua nova família e preserva todos os direitos da criança e do adolescente. (escrito por Barbara Mendonça Paiva Antonio José - 505)

DIREITOS CONQUISTADOS Eu era apenas uma criança abandonada na rua Santo Neves, em São Paulo.Desde os 10 anos, tinha que ganhar o meu dinheirinho e catava garrafa para fazer brinquedos Desde o dia que fui abandonado, queria ter o direito de ter uma família que me amasse, direito de brincar e estudar e ter amigos mas a minha realidade era vender brinquedos no meio da rua. Até que um dia passei na frente de uma casa que abrigava crianças e lá me adotaram.Lá eu conquistei o direito de brincar, de ter uma família e de estudar. (escrito por Jorge Xerfan – 504)


A HISTÓRIA DE CHICO Chico nasceu em São Paulo, no ano de 1999, ficou órfão, passou cinco anos morando na rua , sobrevivendo de lixo. Aos 7 anos, Chico foi encontrada por bandidos que o obrigavam a trabalhar, ele era explorado e maltratado, não tinha direito de ir para a escola, de comer, enfim, de ser feliz. Quando o Sr. Smith , um bandido,um dia saiu, Chico não parou de gritar: - Socorro, me ajudem, por favor! Mas ninguém o ouvia, ele chorava e estava agoniado, por isso resolveu se jogar da janela para tentar fugir.Ficou ferido mas continuou andando, até que achou um policial e pediu para que o ajudasse. Ele fez várias perguntas e Chico as respondeu e disse que estava preso em uma pequena casa velha, muito quebrada. O policial encontrou o bandido que tentou fugir, mas foi capturado e condenado por violar os direitos da criança. (escrito por Lucas Fonseca dos Santos – 504)

UM SONHO IMPOSSÍVEL Em Belém do Pará, vivia um garoto chamado João, de nove anos, esse menino vendia bombons para poder comer.Seu sonho era ter uma mãe e pai, porque o pobre João não tinha. Um dia João encontrou seis livros velhos e rasgados,mas não sabia ler, passado um tempo, começou a aprender lendo os livros várias vezes. Quando caminhava, João achou uma escola pública chamada D. Pedro II, não perdeu a oportunidade e se inscreveu na escola. João começou a estudar e só tirava nota dez, então os diretores da escola Santa Catarina deram uma bolsa de estudos para ele que ficou tão feliz que gritou quando soube da notícia e aceitou a bolsa. Quando passou 16 anos, João se formou em Direito e virou um bom juiz.João agradeceu por um ótimo amigo que encontrou e salvou sua vida,, um amigo chamado, estudo. (escrito por Matheus Hanna – 503)

OS MALABARISTAS DO SEMÁFARO Hoje, de manhã, assim que saí da escola, de carro com minha mãe vi dois irmãos fazendo malabarismo com garrafas de plásticos.Um parecia ter uns oito anos de idade, e o outro uns quinze anos .Eles eram morenos com olhos escuros, cabelo curto e usavam roupas rasgadas, velhas e sujas Enquanto os dois pediam dinheiro para os motoristas, o sinal abriu, lembrei de uma aula que tivemos sobre os direitos da criança e do adolescente e pelo visto eles não tinham esses direitos. Depois do almoço, fui andar de bicicleta, na praça Batista Campos, vi os dois procurando restos de comida no lixo, e logo depois, vi quem eu acho que


deveria ser o pai deles acompanhado de um homem. Eles começaram a falar e eu ouvi, o que achava que era o pai deles, dizer que queria vendê-los com a condição que o outro homem os botassem em uma escola pública, então poderia fazer o que quisesse com eles.O outro homem falou que ia cuidar deles, mas não ia maltratá-los, nem coisa parecida.Depois disso, fui me embora, antes que me percebessem.Uma coisa é certa, não os verei mais pedindo dinheiro na rua... (escrito por Caio Vitor – 503)

O MENINO INJUSTIÇADO Quando nasci não pude ser cuidado pela minha mãe e fui adotado por uma família chata, lá fui maltratado Eu fugi para muito longe, achei uma caixa de bombons, estava com muita fome, então, comi algumas e o resto eu vendi, Não gostava daquela vida, o ar era poluído, não havia onde dormir, tinha pouca saúde e viviam me xingando. Certo dia, estava muito doente e uma mulher me viu, pensei que ela ia passar direto, mas não, ela me pegou, me deu comida, moradia e saúde e , o principal, me deu uma família muito bonita e boa.Fui adotado por eles , uma família perfeita. (escrito por Adriano Arouck- 502)

A SALVAÇÃO DE UMA CRANÇA Muitas vezes uma moça ia ao supermercado Líder, na Doca e sempre que passava lá, via um menino triste, sem mãe, que morava na rua.Todos riam dele e ele sofria muito.A moça ia todos os dias fazer suas comprar e ajudá-lo, dandolhe comida.Um dia ela foi lá e perguntou a ele quantos anos ele tinha, ele respondeu: -Eu não sei, nunca fiz aniversário.Meu nome é Carlos, e o seu? - Meu nome é Elaine! -Posso lhe fazer uma pergunta? -Claro que pode!Qual é? -É legal ter uma família? - É claro que é ! -Poxa,. Você tem sorte! - Você também! - Como assim? Não tenho família... - Agora terá, pois resolvi que você irá morar comigo. Ele pulou de alegria, depois disse: - Você é muito legal ! -Obrigada. E então, como em um conto de fadas, viveram felizes para sempre (escrito por Olivier Junior – 502)


DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, RESGATE DE UMA VIDA Toda criança tem seu direito de viver: rico, pobre, classe média... não importa como ela é e sim quem ela é.Cada um tem seu jeito de viver. Todos são iguais por dentro, ninguém é diferente, pode ser bebê, criança ou adolescente, não importa a idade, a aparência, a popularidade ou a riqueza. O que importa é viver, pode até ser uma pessoa que você odeie, mas é seu dever ajudar quem precisa. Todos tem um motivo para viver, brincar, dançar, pular, correr e se divertir pois é a vida .Todo mundo tem que ajudar, fazendo boas ações como reciclar lixo, doando um pouco de dinheiro ou coisas que não usam mais Tudo que você não precisa, outros podem precisar, então porque você não doa para os que precisam? Eles têm , também, o direito de viver, então, mãos a obra! (escrito por Rodrigo Leite Nobrega – 502)

O MENINO E SUA PIPA Ao sair da última aula da minha escola, fui em direção ao portão do meu colégio.Chegando lá, avistei um menino empinando pipa com uns amigos. Ao começar o ventar, o menino perdeu o controle da pipa e caiu nos fios de alta tensão do colégio.Ao cair a pipa, o menino levou um choque muito forte e desmaiou.Eu saí correndo em direção ao menino para ver se ele estava bem, logo vi que minha mãe estava acudindo- o, pois ela é médica , logo depois, chegou a ambulância e o acompanhei com minha mão ao hospital. Chegamos ao hospital e fiquei na sala de espera, ansioso por notícias do menino.Logo minha mãe chegou e disse que ele estava bem.Fui visitá-lo com uma nova pipa, dei um abraço e um sorriso veio no seu rosto. (escrito por Christian Berbary – 501)

A CRÔNICA Em 8 de julho de 2002, um menino de 12 anos que se chamava João estava esperando seu pai no colégio onde ele estudava, em um dia de muita chuva, ele estava observando um menino pedindo esmola no meio da rua. Quando o sinal abriu o menino continuou pedindo esmola no meio da rua, até que um carro não viu o menino e ele foi atropelado, quando um homem saiu do carro João percebeu que era seu pai. O João foi até lá e eles pegaram o menino que estava desmaiado e botaram ele no carro e foram para o hospital, por coincidência o pai de João era médico.


Quando eles chegaram no hospital, o menino estava muito ferido e ele precisou ser operado, o pai de João foi operar o menino, o João ligou para mãe ir para o hospital. Já eram dez horas da noite quando a mãe de João chegou no hospital, mas como já era muito tarde João teve que ir para casa dele. No dia seguinte, o pai dele o acordou, João estava muito ansioso para saber se a cirurgia tinha dado cerro. O pai dele falou que a cirurgia dera certo e falou que o menino não tinha família e que o menino teria que ficar no hospital por um mês. Nesse um mês, o João e os pais dele decidiram adotar o menino, quando ele saiu do hospital, João e seus pais perguntaram se ele queria ficar com eles o menino ficou feliz e aceitou. (escrito por Gabriel Mizzerani Siqueira – 501)

O MENINO QUE REALIZOU SEU SONHO ZeKe é um menino que vive na rua, não tem mãe, não estuda e nada para comer. Um dia Zeke foi em uma escola pública pedir para estudar lá. Quando foi se matricular, uma secretária falou que não iam aceitar meninos como ele. Zeke começou a chorar, mas havia uma senhora o observando e ela foi lá com o Zeke e perguntou porque ele estava chorando, Zeke falou o porquê. A senhora foi lá com a secretária e perguntou porque ela não deixou ele se matricular, mas a secretária não falou nada.A senhora falou que as crianças tinham direitos com saúde, educação e respeito.A secretária pensou em que a senhora tinha falado e deixou Zeke estudar. Zeke ficou muito feliz e ele garantiu que seria o melhor aluno da escola. (escrito por Fernanda Soares – 505)

A CAÍDA DA SORTE PARA VIDA Eu sou Thália, uma menina infeliz, sem família e sem esperanças , sempre a trabalhar na rua, vendendo bonequinhas de pano de cinco reais feitas por mim, como não tenho dinheiro acabo tendo de andar descalça, fazendo com que quando chove meus pés fiquem molhados, quando faz frio meus pés congelam e quando faz sol meus pés ficam queimando. Um belo dia eu estava vendendo minhas bonecas, tropecei , cai e bati a cabeça em um carro, desmaiei, quando eu acordei, estava em um hospital e um homem que deveria ser o dono do carro disse: - Você está acordada!? Ainda bem, você tropeçou e bateu a cabeça no meu carro e você tinha tropeçando nesse livro.Ele me deu o livro mais eu disse que não sabia ler, o homem ficou indignado e perguntou se eu não tinha pais, eu respondi que não, então ele disse que ia me adotar e fez isso. Agora eu tenho 15 anos estou no ensino médio de uma escola particular. Graças àquele livro, que tenho até hoje, eu consegui ter meus direitos. (escrito por Gabriela Gouveia – 501)


DIREITOS QUE DEVEM ESTAR PRESENTES NA VIDA DE UMA CRIANÇA Existia um menino chamado Rodrigo ele morava nas ruas e não sabia ler. Ele tinha 11 anos, era muito magrinho e tinha um cachorro chamado Bob,Ele raramente comia pois ganhava pouco dinheiro pedindo pois , muitos o ignoravam. Um dia, Rodrigo entrou em um restaurante e quando o dono do restaurante o viu chamou a polícia e disse: -Ele queria roubar alguma coisa! - Mentira! - retrucou o garoto - Onde você mora, menino? Perguntou o policial. -Não sei. – respondeu o garoto. Houve um pequeno silêncio e o policial levou o menino para a delegacia. - Você conhece os direitos da criança e do adolescente? – perguntou o policial. -Não. – respondeu o garoto. O policial quando chegou a delegacia, explicou os direitos mais importantes como: - Uma criança tem direito à vida, à saúde e à educação.A criança não pode ser discriminada como o dono do restaurante fez com você. – explicou o policial. Depois de tudo isso, o amigo do policial adotou Rodrigo e o cachorro Bob. (escrito por André Santos – 505)

O MENINO ADOTADO Havia um menino de 10 anos, chamado Caio de olhos claros, branquinho e muito bondoso que foi deixado pela sua família, por não ter condições de cuidar do menino, ele foi para um abrigo, e de lá fugiu, pois maltratavam ele e não respeitavam seu direito de ter uma boa alimentação, e uma família, então começou a trabalhar na rua vendendo balas para se sustentar. Num belo dia, deitado na calçada, uma moça veio e o acordou perguntando: - Por que está jogado no chão? - Porque n��o tenho onde morar, fui abandonado – disse garoto - Qual o seu nome? – a moça perguntou - Meu nome é Caio. -Venha você irá morar comigo, vou falar com o juiz e você tem direito de ter uma família, uma escola e uma boa alimentação – disse a moça. E assim por diante Caio passou a ser muito feliz em ter uma família e todos os seus direitos respeitados. (escrito por Flávia Coutinho- 505)

A CRIANÇA E SEUS DIREITOS


Sou Arthur, tenho 12 anos, moro pelas ruas e fico vendendo balas por ai, mas eu não gosto muito de trabalhar, aliás criança tem que estudar e não trabalhar, mas eu não tenho família para cuidar de mim.Fazer o quê, né? Não tenho casa, alimentação, então tenho que trabalhar para pelo menos ganhar algumas moedas, pois esse trabalho não é nada fácil.Me falaram que eu tenho que correr atrás dos meus direitos e foi isso que fiz. Fui no tribunal e falei toda minha história, e eles me mandaram para um orfanato, depois de uma semana, a senhora Claúdia e os senhor Claudio me adotaram e eu fiquei muito feliz com eles. Eles me dão presentes, carinho, atenção, e agora , eu estudo, e também tenho um irmão e uma irmã, que são o Lucas e a Lorena, com eles vivo a brincar. ( escrito por Diane Damasceno – 501)

CRIANÇA QUER SER FELIZ Certo dia , em Minas Gerais, Júlio um garoto de 11 anos, que trabalhava para um homem chamado Denis, resolveu fugir,pois não aguentava mais ser maltratado, desde pequeno ele apanhava.Naquela noite, Julio pulou a cerca da casa onde vivia e fugiu em busca de uma vida melhor. No outro dia, Júlio foi encontrado por uma moça, que era uma pessoa muito boa, o nome dela era Antônia.A moça resolveu levar o garoto para sua casa, onde cuidou dos ferimentos.No acordar, Julio disse muito assustado. -Quem é você?Onde eu estou? - Sou Antônio.Esta é minha casa – respondeu a moça. Júlio contou a ela, sobre tudo que passou na vida.Antônia adotou o garoto e ele descobriu, finalmente, o significado da vida. (escrito por Ahna Paula Mendonça – 505) O MENINO DO SINAL Um dia, num sinal, numa rua muito movimentada havia um menino. Ele vê o primeiro carro parar e pede para abaixar os vidros do carro.O menino pede uma moeda, a senhora diz que não tem, ele aponta uma arma para a senhora e ela ainda tenta convencê-lo oferecendo casa,comida,mas ele não quer.Ela pensa na sua família, filhos, netos, noras, genros, e oferece tudo de novo.Ele não quer nada do que ela oferece! Ela dá, então, sua bolsa, mas ele quer também o carro. Ela insiste em leválo para um abrigo. Ela , enfim , aceita e ao chegar lá, fica muito feliz.Ela então resolve recolher das ruas todos os meninos que ficam no sinal roubando, fumando, cheirando. Quando todas as crianças chegam na sua casa ela lhes oferece cama bem quentinha com comidas que eles nunca provaram, chocolate, pizza, sorvete, hot-dog e várias delicias. Assim age como uma pessoa boa de coração, não só porque tem dinheiro , mas também porque acredita no ser humano e esses meninos viverão com ela , até ficarem adultos e poderem ajudar outros meninos. (escrito por Sergio Ronaldo Junior Pimentel – 503)


O MENINO DO TROCADO Um dia estava no carro e um menino bateu na janela do carro e me pediu um trocado, dei para ele dez reais e ele ficou tão agradecido. Tinha passado um tempo sem o ver , foi quando o vi se aproximar do meu carro e me falou para fazer o que ele mandasse, pediu para eu passar tudo o que eu tinha de valioso. Assustada, perguntei: -Mas por que isso!? Você era tão bom! - Ah , tia, eu também tenho limitações estava passando fome Falei para ele: - Ei, venha,comigo que eu vou lhe levar para comer algo bem gostoso para essa fome toda passar. Ele falou: - Ah, obrigado de novo , tia. - Ah, não, você não vai mais me chamar de tia e sim, de mãe pois hoje você vai comigo para casa, num verdadeiro lar e não em cima de um pedaço de papelão jogado na rua Escrito por Clarisse Dias Reis – 503 A SALVAÇÃO Hoje , hoje mesmo, eu vi uma criança vendendo chiclete e perguntei: - Onde está o teu pai? - Tá em casa. - Porque ele não te manda para a escola? -Ele não tem dinheiro. Peguei o menino , levei para o pai dele e perguntei: - Posso botar ele na escola? Eu mesmo pago . O pai respondeu: -Ok. Botei ele na escola e fiquei feliz por ajudar uma criança. E você faria o mesmo? Escrito por André Machado – 505 NOSSOS DIREITOS Oi! Eu, que também sou criança, fiz este texto para discutir os direitos da criança e do adolescente. - Será que todas as crianças tem casa? - Não! Toda vez que passo em alguma lanchonete vejo uma ou duas crianças na rua pedindo comida. -Será que todas as crianças e adolescentes estudam? -Acho difícil!Na minha escola,uma das maiores, só tem 2000 (só, porque comparado as crianças que não estudam , isso é pouco). -Será que todas as crianças tem amor?


-Poucas, muitas nem sabem quem é sua família. Como fazemos para acabar com essa história triste?Simples, não as abandonando, nem deixando faltar o essencial amor e carinho. Assim as histórias do dia-a-dia de todas as crianças serão mais felizes! Armando Rosa – 501 O MENINO Benedito é um menino de 13 anos, não tem mãe, vive na rua,quase não tem o que comer,vende doces , mas não muito, por isso pede esmolas e passa muita fome. Na rua dorme em caixas de papelão todos os dias apenas vai mudando de lugar procurando algo para comer.Ninguém gosta de um garoto de rua e pobre.Ele queria ter tanto uma mãe! Benedito tenta trabalhar, mas e muito difícil, cansa muito, também ele é apenas uma criança. De vez em quando, come lixo da rua, como ele queria uma família para brincar e se divertir uma pouco É um menino triste porque não tem mãe, pai e um irmão.Queria ser mecânico, mas isso não vai acontecer, as vezes , queria ser astronauta, mas isso não vai , também acontecer. Benedito é um menino sozinho, que a única coisa que sabe é que um dia irá morrer. Escrito por Benedito Oliveira – 505 A criança tem muitos deveres como: brincar, estudar, sair, viajar, enfim ela pode fazer o que ela quiser no seu tempo mas ela tem hora para parar de brincar e prestar atenção nas aulas e estudar bastante. Tanto faz se a criança é negra, branca ou morena podem ser amigos e também se uma é mais pobre ou mais rica , elas ainda podem ser amigas e se divertir juntas. A amizade de uma pessoa é verdadeira, não pode ser comprada, nem vendida... Escrito por Mario Waknin – 505 Toda criança tem que ter mãe, pai, família, respeito, uma alimentação saudável, onde ser socorrida...Se uma criança está sendo torturada pelo adulto , deve ser ajudada. Uma criança estava jogando bola na rua e, de repente, a bola rolou para o meio da estrada de uma cidade.Um caminhão estava vindo quando a criança estava correndo para buscar a bola, mas uma pessoa que passava pelo local viu e correu para salvá-la e livrou-a de morrer atropelada. A criança se assustou e a pessoa pensou: “ Valeu muito a pena!” São atos assim que as crianças precisam contar nas suas histórias de todo dia. Escrito por Felipe Messias Salame – 505


A VIAGEM DE CAROLINA Carolina é uma menina muito esperta e brincalhona, tem olhos azuis e cabelos claros, gosta muito de viajar na sua imaginação e sair com os amigos para conhecer o mundo. Ela viaja imaginando estar com sua mãe em Fortaleza, no hotem Marina Park, indo para o Beach Park, para feirinha e para a praia... Carolina passeou no seu sonho,na feirinha comprou presentes para os amigos, brincou em todos os brinquedos do Beach Park e a noite descansou no hotel. Foi um sonho muito legal, uma viagem inesquecível. Escrito por Carolina Maneschy - 505 FIM

Volume 03


Fantasia e Poesia a gente cria (poemas)

(Os textos apresentados foram produzidos no projeto de leitura “Fantasia e poesia , a gente cria” realizado no 2º trimestre de 2010 pelos alunos da 5º série )

Alunos Participantes

Kauê Edmundo Maia Guimarães – 504 Yuri Tocantins Ferreira – 504 Arthur Parry – 504 Afonso Claudio Pinto Alves Filho – 504 Pedro Augusto Costa Affonso – 504 Ronaldo Guimarães de Almeida – 504 Victória Oliveira da Costa – 502 Bruno Sérgio Cruz da Silva – 502


Helena Correia Pereira – 503 Evelyn da Silva Monteiro – 504 Victória Pires Franco – 502 Letícia Sabathé – 503 Ana Amélia Mileo – 503 Andrezza do Vale e Silva Aguiar – 503 Yasmim Bentes – 503 Alan Saito – 503 Ivete Vieira – 501 Bruno Costa de Aguiar – 501 Concita Magno Bentes – 501 Angelo Taboni – 501 Beatriz Castro – 504 Mario Henrique Neto -504 Karina Serruya de Brito – 504 Lucas Santos – 501 Flávia Freire – 502 Miguel Maksud Hanna Neto – 502 Maria Eduarda Mulatinho- 502 Giovanna Rocha de Sousa – 503 Bernardo Soeiro - 504 Giovanna Campbell Falesi – 502 Gabriela Custódio – 503 Luisa Profeti - 503

A ilha Minha ilha tem coqueiros É uma ilha calma Onde eu descanso Principalmente a minha alma Os pássaros cantam A vida é tranquila

Toco meu violão Pensando na minha vida A noite a lua mostra Sua beleza pra mim Parece uma pérola Brilhando assim Minha ilha tem coqueiros Armo a rede, e descanso


Esse é meu canteiro Onde brinco e danço (Kaué Guimarães – 504)

Os sentimentos O sentimento é saudade Também pode ser maldade O sentimento é coisa de valor Assim como o pleno amor Mesmo não sendo vividos Os sentimentos podem ser sentidos Sentimentos não podem ser concretizados Mas mesmo assim ainda podemos adorá-los Yuri Tocantins Ferreira– 504

Poema Poema é se divertir é compreender que é rimar o que é brincar de bola, de bóia no lago, ou no mar não importa aonde ou em que lugar é só brincar Arthur Parry - 504

A lua A lua é errante e brilhante Quando aparece, ilumina nossa noite Se aparecer vira romance para quem a vê As estrelas que a cercam , deixam ela mais cintilante A coisa que mais emociona É quando ela aparece no céu E as coisas que mais me deixam triste E quando ela desaparece É lua sem o mel A lua parece uma pérola no céu

Ela é muito linda quando esta junto das estrelinhas Se ela desaparece logo vem a tristeza Quando reflete na água é mais bonita que uma pérola Afonso Filho - 504

O meu sentimento O meu sentimento O mais numeroso Dor,alegria Tédio e amor Os quatro melhores Da minha cabeça Cabeça é o mundo Mundo é a cabeça Eu não sei escrever muitos sentimentos Que vivem no coração Mas o meu Vive em minha cabeça É a minha razão Pedro Augusto – 504

A flor do poema Você é como a flor Sempre permanece Linda e poética Como o amor é último que morre Como o meu amor Por você, poema Ronaldo de Almeida - 504

Poema O beija-flor que beija Era feliz! A não ser pela atriz Que sempre brilhava Mas esse pequeno beija-flor Que ansiava pela fama Sempre tentando imitá-la Dançando sonhos Oh, beija-flor que na verdade não era tão feliz


Com sua flor-de-lis Victoria Costa - 502

Na solidão e vou esperar A morte para viver no paraíso Ou acabar de vez na solidão

O animal

Evelyn Monteiro– 504

Vi antes de ontem um animal No belo parque Catando comida numa lata de lixo Quando encontrava algo Não olhava , nem cheirava Engolia rapidamente Aquilo não era um elefante Não era uma elefanta Não era um gato, ou rato O animal, meu senhor, era uma mulher Bruno Sergio- 502

Hora da Brincadeira Aproveite quando ainda és criança Você pode brincar e encher a sua pança Comer arroz, comer bife, comer salsicha Brincar é uma verdadeira delícia Brincar é se divertir Correr, ser alegre mesmo se cair E quando a brincadeira acabar Todo mundo se entristecerá Helena Pereira – 503

Na solidão Tenho saudade de ser feliz Não me dá carinho Me sinto sozinha Não sei a razão do meu viver Faço tudo pra eles Mas eles não retribuem para mim Sinto falta de passear e brincar Agora eu não sei o que fazer Pois minha vida está acabando De tanta tristeza que eu sinto Sem ter uma família Sou agora uma simples pessoa

Meia noite e meia Meia noite e meia Todos dormem O gato mia Pra lua cheia As luzes da cidade Iluminam tudo Até mesmo Minha vaidade Sonhando com bobeira Construo castelos No ar livre A noite inteira Victória Pires Franco – 503

Amigas amadas Tenho amigas para sempre Tenho amor de amigos Tenho amigas carinhosas Tenho amizades infinitas Tenho amigas sonhadoras Tenho amigas pensativas Tenho amigas bem bonitas Tenho amigas engraçadas Tenho amigas maravilhosas Tenho amigas de famílias Tenho amigos que me protegem Tenho amigas que me apóiam Tenho amigas coloridas Tenho amigas bem amadas Letícia Sabathé – 503

Poema Biográfico Eu sou carinhosa Mas nem sempre amorosa Sou baixinha


Mas nem um pouco feinha As vezes olho para janela e vejo um pássaro no céu Para ir para o balle, no cabelo passo gel Eu adoro comer mel! Adoro andar de bicicleta E a chuva completa Gosto de ver TV junto com você!

Bolão, balão, roda mais uma vez o pião E as coisas começam a rimar, como remam para o mar Legal, rimou! Como rimam as palavras! Alan Saiton -503

Sem Confusão

Ana Amélia – 503

Quando alguém lhe confrontar, Não faça confusão, não seja trapalhão, lembre da água.

Convite

“ a água, não confronta os inimigos Mas, se desvia deles”

Eu estava triste, Lembrei que você existe E pensei... Há Vou convidá-la Para sair Só assim esqueço a tristeza E vou me divertir Andrezza Aguiar – 503

Convite Você está convidado Para o meu aniversário Vai ser um arraso Com você por acaso Vai ser tão legal Pois será matinal Nós podemos brincar, que tal? Vai ser um festival Não espere ninguém Tem alguém pra convidar, quem? Yasmim Bentes – 503

Poesia Poesia a gente pode brincar com as letras Como se brinca com um brinquedo como bola Pião, barco, barquinho, barcão

Então se estão te atrapalhando Não discuta, desvie-se dele Não dê bola , os trapalhões Só querem a atenção Ivete Vieira - 501

O gatinho Ele tem hora de miar Ele tem hora pra pular E é muito fofinho Com dor ou sem dor Miau! Miau! Bruno Aguiar -501

Amigas Amiga é amiga Fica no MSN conversando Com as amigas, Encontrar todas as novidades das revistas Se sua amiga é diferente. Só o que eu tenho a dizer E que sorte! Concita Bentes – 501 Não chame meu grande amor de doido Nem do que você pensar


Pois todo o meu encanto a só uma se alia E de uma só maneira vou conseguir E não, de hoje que eu te amo e desde sempre Inalterável, em grande excelência Por isso minha rima é tão bonita Beleza e verdade eis o que exprimo.

Esperar cair seus frutos Para sempre viver Karina – 504

O cachorrinho Tão bonitinho mas Tão quietinho

Angelo Taboni - 501

Tem hora pra brincar Tem hora pra sonhar

Não me rejeite

Depois de um dia Tão bonitinho ele vai descansar.

Não chame meu amor de nada, Meu amor, realça quem eu sou Pois todo o seu rejeito destrói meu amor Mas meu amor continua E tento te conquistar Mas você me rejeita Você é bela de verdade Mas você não vê que te amo de verdade “Te amo, te amo” Você é minha vida! “ Te amo, Te amo” você é minha alegria! Beatriz Castro – 504 Quando os dias ficam calmos eu encho dos meus dias De ficar calmo e de não querer mais os dias De que os dias a tua riqueza toca É ouro falso que irrita a pele De que modo a fama bafeja E me enche de vida Aos que a facilidade aparece E o sol não aparece Mas nada se espera Tudo que se quer Mario – 504 Se um dia eu fosse uma flor Ia me ajudar a crescer Ia ficar embaixo de uma árvore

Lucas Santos 501

Os irmãos mais velhos Você conhece? Pois eu conheço muito bem. Eles são aqueles que nos batem, gritam e nos xingam de idiotas, mas no fundo eles só fazem isso porque nos amam e só querem nosso bem . Eu já levei muitos tapas de meus irmãos mas nunca deixei de amá-los e eles nunca deixaram de me amar porque entre irmãos não há maldades só verdades e almas a sorrir e a brincar (Flávia Freire – 502)

Sentimentos A tristeza de chorar de perder Recuar parar choramingar Beijar amar sentir recuar chorar. Desistir de viver desistir de tentar A tristeza de perder é maior do que a felicidade de ganhar


Quando vejo o sol brilhar Vejo uma alegria no ar

Miguel Neto – 502

Minha bonequinha Bonequinha de crista Ela é loirinha! mingau

Ela adora comer Minha bonequinha é Muito lindinha! Para mim, Ela é mais que

perfeita!

Ela é sensacional! Eu adora ela !!!

Maria Eduarda Mulatinho - 502 Memórias As mães nunca esquecem Depois que a gente cresce De quando éramos criança Aquela longa infância! Já os pais nunca esquecerão Daquele longo sermão Que recebi E, infelizmente, não soube fugir (Giovanna Rocha de Sousa – 503)

A natureza Quando eu vejo uma flor nascendo Vejo uma nova pessoa na terra E quando vejo uma flor morrendo Vejo uma pessoa que se desespera

A lua é errante e brilhante As estrelas que a cercam Deixam ela mais cintilante Bernardo Soeiro -504

Objetivo Por muito tempo eu sentia falta de alguma coisa e eu me sentia uma lástima. Às vezes eu era ignorante e outra sentia falta de alguém Mas hoje não lastimo. Pois naquela época eu descobri que o que procurava estava o tempo todo dentro de mim. Era uma coisa com palavras bem pequenas. E com um grande significado. A coisa que eu estava sentindo tanta falta a ausência. Agora ninguém, mas me faz esquecer. Giovanna Falesi - 502 Quando me tratas mal fico triste Sinto que não tenho valor Quando ficas contra mim, fico ao teu lado E ainda te elogio, provo que és bem Reconheço meus erros e te apoio Quando me perdes tem toda glória Curvo-me diante do teu amor Tudo suporto Gabriela de Arruda Custódio - 503

Quando vejo chuva Vejo uma tristeza no tempo

Volume 04


Paródia de contos clássicos

(Este livro é uma coletânea de textos produzidos na avaliação por área (AVA) realizado no 2º trimestre de 2010 pelos alunos da 5º série )


Alunos participantes: Kalil Nunes Naim – 502 Victória Gurjão-502 Luiza Braga – 502 Daniel Webb Santos – 505 Jaíne Roberta Lima Borges – 502 Elisa Carmo Viana – 504 Karimy Moreira – 503 Ana Carolina Souza – 504 Evelyn Monteiro – 504 Giovanna Caetano Braga – 501 Matheus Aguiar – 501 Lucas Fonseca – 504 Thor Castro-502 Mary Elizabeth CzeLusniak – 504 Carlos José Potiguar - 504 Paulo André Vieira de Carvalho – 504 Lucas Monteiro - 505 Carlos Viana – 505 Lorena Sousa – 505 Eduardo Jorge Amorim de Barros Colares – 501 Yasmin Isabelle Santana – 503 Maria Gabriela Crispino -505 João Gabriel Duarte – 505 João Diogo Soares Pessoa – 505 Rafaela Brugenera Tomedi – 501 Marina Abnader – 505 Amanda Gabay Moreira - 502 Eduarda Teixeira Braga Bastos – 505 Raul Amaral Neto - 505 Clio Azevedo - 501 Giovanni e Ian Favacho - 503

Rapunzel sem tranças Era outra vez Rapunzel e suas tranças belas, longas e loiras e o príncipe, que na verdade, não era mais príncipe. Ele virou cabeleireiro muito famoso na velha e elegante cidadezinha de Olinda.


O príncipe pensou, pensou e resolveu mudar o estilo de Rapunzel, tentou cachos, chapinha, mas nenhum penteado ficou bacana.Até que ele resolveu cortar o cabelo de Rapunzel, só que ela não queria de jeito nenhum. Rapunzel dormiu pensando no assunto, e quando acordou, decidiu que ia cortar o cabelo, mas com uma condição que o príncipe que era cabeleireiro voltasse a ser príncipe de novo, e ele aceitou. Quando Rapunzel viu seu cabelo caindo no chão começou a chorar lembrando dos tempos que ela ficou presa na torre, mas ao terminar o corte, ela ficou linda e com o príncipe de volta ao cargo de príncipe, viveram felizes para sempre.Bem, isso é o que se espera... ( Kalil Nunes Naim – 502) BELA ACORDADA Era uma vez uma princesa chamada Bela, ela era uma jovem muito alegre e muito tagarela, parece que a única coisa que ela bebia era Red Bull, e por conta disso, seus colegas a chamam de Bela Acordada. Bela, como era muito bonita, era invejada por quase todos os meninos de sua vizinhança e uma delas era Marisol, que era muito linda e rica, mas mesmo assim invejava Bela. Um dia, Marisol falou com seu pai e comprou todo material para fazer uma porção para roubar a beleza de Bela.Quando ficou pronta, Marisol botou na ponta do galho onde havia uma maçã bem vermelha, porque Bela, todo dia colhia maçã. Bela,foi colher a bela maçã, se espetou e desmaiou na hora, mas, para surpresa de Marisol, Bela levantou depois de cinco minutos.Vendo isso Marisol ficou tão estressada que começou a nascer verrugas no seu rosto , ficou pálida e seu cabelo ficou horrível , ou seja, virou uma bruxa! E nem uma revista da Avon resolveu, Bela era alérgica a veneno e logo ficou inchada e vermelha, parecida com aquela bela maçã! E esse foi o “feliz” final da história. (Victória Gurjão-502) DEPOIS DO FELIZ PARA SEMPRE TUDO MUDA Era uma vez uma linda menina chamada Branca de Neve, ela tinha uma madrasta muito má, que não aceitava que Branca fosse mais bonita que ela.


-Pára tudo! A minha enteada não é mais bonita que eu , não quero mais essa história, esse “conto de fada” só é bom para a Branca de Neve, nessa história eu sou feia e , além disso, sou malvada ( Buaaaaaaaa! Buaaaaaaaaaaa!) – disse a madrasta - Mesmo eu sendo bonitona, eu também quero mudar a história, poxa , porque eu sou tão burra na história,não gostei – disse a Branca de Neve - Eu também não gostei, a Branca pode até ser linda mas beija muito mal – disse o príncipe. - Pessoal, vocês estão vendo o lado ruim. Madrasta, você é muito inteligente, Branca, você é gatinha, pra que quer ser inteligente? Não, precisa. E príncipe, você tá com fama de pegar menina mais linda da floresta, e se importa com o beijo ?! Cai na real. E foi assim que eu, o narrador, convenci o personagem a voltar a fazer o velho conto de fadas. ( Luiza Braga – 502) CHAPEUZINHO LARANJA E OS TRÊS PORQUINHOS Um certo dia, Chapeuzinho Vermelho achou que sempre acontecia a mesma história e resolveu ir conversar com a mãe sobre o que ela achava.Mas sua mãe não concordou que ela parasse de levar doces para a avó. Então ela resolveu fugir para a cidade e disfarçasse de Chapeuzinho Amarelo, como ela é inteligente resolveu deixar um rastro no caminho com doces que ia levar para a avó, para o caso de resolver voltar e acabou que não achou a cidade e se perdeu. O problema era que os pássaros comeram os doces , e tentando voltar para casa ela encontrou dois porquinhos correndo do mesmo lobo que ela tinha muito medo e correu junto com eles para casa bem segura do terceiro porquinho.chegando lá o lobo disse que ia soprar e ia derrubar a casa , mas não derrubou.Então disse que ia pela chaminé, mas o fogo estava acesso e se queimou e nunca mais resolveu perturbar ninguém. Os três porquinhos entraram na internet e falaram com a mãe da Chapeuzinho pelo MSN e a mãe de Chapeuzinho Amarelo foi buscá-la com seu carro rapidamente e levou-a para casa. Na sua casa pintou em um papel o amarelo junto com vermelho e apareceu a cor laranja. A partir daquele dia ela tornou-se a Chapeuzinho Laranja.


(Daniel Webb Santos - 505)

UMA PARÓDIA Era de dia, quando Chapeuzinho Vermelho ia entregar seus doces para sua avó, no outro lado da floresta.Ao chegar no meio do caminho, Chapeuzinho avistou três porquinhos correndo desesperados e falando: _Corra, menina, corra! Um dos porquinhos pegou o seu braço e a puxou correndo.De tanto fugirem, nem perceberam que voltaram para o inicio da floresta.Chapeuzinho, com muita raiva , gritou: - Mas que diabos, fizeram eu voltar para o começo do caminho! - Pelo menos fugimos do lobo. – falou o porquinho mais novo Já o mais velho completou: - Nos desculpe, senhorita! - Desculpo sim, mas agora já está anoitecendo e a casa da minha avó está longe demais – respondeu Chapeuzinho. De repente, uma fada chegou dizendo: - Isso deixem comigo, é só eu transformar esta pedra em um carro e ... Parou a fada assustada com o lobo que se aproximava.Mas, de repente, a fada completa a sua fala: -E este lobo em um grande motorista. Chapeuzinho entregou os doces para sua avô e todos viveram “felizes para sempre”,...ou não... (Jaíne Roberta Lima Borges – 502) A LINDA BRANCA DE NEVE Era uma vez uma bela moça chamada Branca de Neve, depois que seu pai morreu ela teve que lidar com sua madrasta, que era uma rainha muito invejosa.Branca de Neve fazia tudo, limpava o chão, os banheiros e, também, cozinhava.Elas moravam em um castelo , mas Branca de Neve era obrigada a dormir em um quartinho que era cheio de teias de aranha. Todos os dias a rainha perguntava para o espelho “touch screen” se ela era a mais bonita dos Estados Unidos e o espelho sempre falava que sim. Um belo dia a rainha recebeu uma resposta negativo vindo do espelho , ele disse que o mais bonito era a Branca de Neve, ela ficou com tanta raiva que as suas espinhas do rosto


estouraram , ela , então chamou o caçador para roubar a Branca de Neve, o seu “iphone”, o seu “ipod touch”, seu notebook e suas maquiagens,porque assim, segundo a rainha, a Branca de Neve iria ficar feia, e , é claro, a rainha chamou um estecista para dar um jeito nas suas espinhas estouradas. E assim foi feito, o caçador roubou tudo o que lhe foi mandado A rainha então fez outra tentativa e perguntou de novo para o espelho se ela era o mais bonita dos Estados Unidos. O espelho respondeu que não novamente e a rainha ficou assustada e perguntou por que a Branca de Neve ainda era a mais bonita e o espelho respondeu que era porque ela tinha beleza interior e isso era uma coisa que a rainha nunca iria ter.A rainha ficou de depressão e foi internada em uma clínica .A Branca de Neve viveu muito feliz e aprendeu que mesmo importa e a beleza interior. (Elisa Carmo Viana – 504) Depois do casamento de Aurora e do príncipe Eduard, os dois decidiram morar em um castelo em Nova York.O que Aurora não sabia era que o príncipe era um terrível vigarista, que só queria a riqueza , os dotes, o castelo e tudo que a princesa tivesse. Certo dia a princesa caminhava pelo seu jardim real e viu seu amado negociando com uma bruxa má. A princesa decidiu se esconder e ouviu a conversa dos dois. - Essas maçãs funcionam mesmo? – falou o príncipe - Sim, é só ela dar uma mordidinha e é morte certa – disse a bruxa – Meu jovem, por que você quer matar Aurora? – perguntou - Porque a fortuna dela está estimada em mais de 40 bilhões de dólares. A princesa assustada decidiu fugir mas o falso príncipe descobriu e foi correndo atrás dela.Até que chegaram em um penhasco.Ela ficou encurralada, mas saltou sobre a cabeça do príncipe e o empurrou sobre o abismo e, desde então, a princesa viveu feliz para sempre, de novo! (Karimy Moreira – 503) ******* Chapeuzinho Vermelho depois de enfrentar o lobo se mudou para Hollywood. Ela cresceu e parou de usar o capuz e começou a usar uma blusa e um short curto. Ela foi para lá,pois queria ser atriz e conseguiu.Foi chamada para fazer um filme chamado “ O espião” e


tudo isso graças a sua avó que ganhou na loteria e patrocinou seu sonho. Quando Chapeuzinho voltou para casa estava chovendo muito, ela não viu um buraco que estava cheio de água e tropeçou, como caiu de mau jeito quebrou a perna e começou a gritar: - Help, help, please!!! Sua avó que estava logo atrás vindo do shopping em sua limousine , ouviu os gritos e a trouxe para sua casa.Lá dentro Chapeuzinho ouviu uma música muito estranha chamada “ Eu me remexo muito”, e ficou triste pois com o acidente não poderia fazer seu personagem no filme. No outro dia, ela foi na gravadora, e o diretor do filme falou que ela poderia continuar com o seu papel, só que o filme seria adiado.Depois de seis meses, o filme foi lançado, e virou um sucesso. Para comemorar, sua avó deu uma festa em sua mansão, com uma música de funk, e elas foram até o chão (escrito por Ana Carolina e Evelyn Monteiro – 504) ***** A NOVA RAPUNZEL Tudo começou quando Rapunzel estava se arrumando para a festa da Cinderela.Ela estava experimentando vários penteados e decidiu colocar um aplique de cabelo.Ela ficou linda, o aplique caía até o seu pé. Quando ela estava pronta recebeu um telefonema da Bela Adormecida avisando que já estava na porta. Rapunzel desceu as escadas correndo e entrou rapidamente no carro. A festa estava super animada, estava lá todas as amigas de Rapunzel. Na festa Rapunzel conheceu Edward, o primo do namorado de Cinderela, eles conversaram a festa inteira.Até que na sacada Edward escorregou e caiu, ele gritou: - Rapunzel, jogue as suas tranças!!! Rapunzel jogou as traças, mas quando Edward segurou nelas, o aplique soltou e Edward caiu no chão.Desde aquele dia Rapunzel não ouviu falar mais de Edward. (escrito por Giovanna Caetano Braga – 501) ******


CHAPEUZINHO AZUL Depois do feliz para sempre, Chapeuzinho Azul cresceu e teve uma filha com o caçador. E também eles saíram da floresta para morar na cidade porque achavam que era muito perigoso para filha deles ficar na floresta. Além do mais, com aquele lobo mau...Só que eles não sabiam que ele também havia se mudado para cidade para tentar emprego pois, hoje em dia, está difícil conseguir emprego. Chapeuzinho viu o lobo pedindo esmola na rua e ela disse para ele. - Lobo, mesmo você tentando roubar a minha sacola de doces, eu irei lhe ajudar e deixarei você ficar em minha casa alguns dias. E o lobo respondeu: -Muito obrigado, Chapeuzinho. E eles foram até a casa dela, mas quando a Chapeuzinho saia para trabalhar,o lobo roubava sua jóias e suas coisas valiosas e ela não sentia falta. Teve um dia que Chapeuzinho chegou mais cedo do trabalho e viu o lobo roubando suas coisas e ela disse: - Lobo, que você está fazendo com as minhas coisas? E o lobo respondeu: - Chapeuzinho, você tinha pensado que eu mudei, mas você estava errada. E ele fugiu com as jóias.E a Chapeuzinho ligou para o seu marido, o caçador, que era policial, dizendo para eles estavam sendo roubados e o caçador conseguiu chegar a tempo e pegar o lobo e todos viveram felizes para sempre. (escrito por Matheus Aguiar – 501) O PATO PITT Era uma vez um patinho chamado Feio, que morava nas margens do rio Tietê. Todo dia comia os restos de alimentos jogados no rio. Um dia ficou doente e foi procurar o médico, usou um “pataxi” e quando o doutor viu o patinho contar sua história se emocionou e recomendou um cirurgião plástico. Na cirurgia ele ficou assustado, mas no final não era mais feio e mudou seu nome para Pato Pitt e fez vários filmes como “ Patohomem”, “Patp Potter”, “Patrix” e virou o melhor jogador de pato-bol do mundo, e virou escritor e escreveu livros muito famosos como “Fábulas Filosóficas” e sobre medicina, e por fim, viveu feliz os seus últimos anos até virar canja. (escrito por Lucas Fonseca – 504)


ERA OUTRA VEZ Era outra vez uma menina chamada Chapeuzinho Vermelho, ela morava com sua mãe Rapunzel, na grande cidade de São Paulo. Num belo dia, sua mãe a mandou comprar feijões na feira , porque sua mãe iria fazer feijoada para vender. Na ida a feira Chapeuzinho Vermelho percebeu que havia um homem a seguindo então ela decidiu mudar de caminho. Quando ela chegou a feira ela percebeu que o homem tinha parado de perseguir, foi quando o velhinho lhe ofereceu feijões mágicos, foi ai que a Chapeuzinho comprou na hora os feijões. Na volta para casa Chapeuzinho decidiu ir de ônibus, para não se deparar com aquele homem de novo, foi quando ele entrou no ônibus e declarou um assalto, mas aquele ônibus havia um policial que prendeu o homem que chamava Lobo Mau, a feijoada foi um sucesso e Chapeuzinho foi feliz para sempre. (escrito por Thor Castro-502) CHAPEUZINHO VERMELHO A vida nos contos de fadas às vezes começa ficar cansativa para os personagens, e foi isso que aconteceu com a Chapeuzinho,assim, ela parou no meio da história e disse: - Já estou cansada disso! A mesma rotina sem fim!...Quer saber , eu vou para outro lugar!Já chega! Parei!Quero aproveitar a vida!...Tchau povo!...Se eu soubesse como sair daqui... Segundos depois, apareceu um coelho para ajudá-la, e antes dele se apresentar, Chapeuzinho reclamou: - Um coelho!? Você não veio me levar para aquela história da Alice, não é? - Ah...não – disse o coelho girando seu relógio, assim, foram. Eles foram parar na Cinderella, bem na parte do sapatinho, assim a Chapeuzinho reclamou: - Fala sério!... -Aff!...Ok, vamos para no outro lugar. Chegando no outro mundo ela sentiu-se com um novo visual , e viu seu reflexo na água - Uau! Que visual! Parece aqueles de vídeo game de luta...Coelho...TIRE ME DAQUI AGORA!! Quero ir para o Crepúsculo. E assim foi...Chapeuzinho virou a Bella e viveu feliz com o seu vampiro, o Edward (escrito por Mary Elizabeth CzeLusniak - 504)


OUTRA HISTÓRIA DE CHAPEUZINHO VERMELHO Depois do caçador ter matado o lobo ficaram todos muito felizes por um ano, mas no momento que eles menos esperavam uma notícia urgente passou na TV. - O filho do Lobo Mau está destruindo as casas de toda região! Chapeuzinho ficou desesperada e foi contar a notícia para sua avó.Na manhã seguinte, ela estava passeando e foi lanchar quando viu um porco correndo - O que estava acontecendo? - Um lobo destruiu a minha casa e a de meus irmãos.- disse o porco. - Vá para casa da minha avó, lá lhe darei comida e abrigo. Chapeuzinho foi para sua casa e ficou esperando por lá.Depois de alguns minutos, os porquinhos chegaram na casa dela e ela foi para a cidade procurar o lobo. Ela o encontrou chorando e ele disse que estava triste por ter feito todo aquele estrago, pois não tinha feito por mal. O que aconteceu foi que ele estava com problemas digestivos, e toda vez que soltava um pum, derrubava alguma casa.Chapeuzinho o levou na farmácia, comprou um remédio para gazes e a fama de lobo mau foi embora...Todos continuaram vivendo felizes para sempre. (Carlos José e Paulo André – 504) A MUDANÇA DE RAPUNZEL Rapunzel era uma simpática mulher, até meio doidinha.Um certo dia os três porquinhos bateram na sua porta pedindo ajuda, pois o Lobo Mau estava perseguindo sua filha, Chapeuzinho Amarelo. Com isso , Rapunzel e o marido decidiram se mudar. E compraram , justamente, a casa de chocolate de João e Maria. Quando chegou o dia da mudança, Rapunzel pegou sua peruca, os pães de mel, junto com a filha e o marido foram para casa adocicada. Chegando na casa, Rapunzel desembalou sua coisas e encontrou um pedaço da asa do dragão que guardava a torre no seu tempo de mocinha.Teve um leve sentimento de tristeza, mas logo que lembrou que foi lá que conheceu seu marido, por isso tratou de ficar feliz.Correu para o braço de seu marido e de sua filha, ficando assim com a esperança de felicidade para toda sua família.


(escrito por Lucas Monteiro e Carlos Viana – 505) BOINA VIOLETA Era uma vez uma menina que morava com sua vó Esmeralda. A menina era chamada de Violeta, pois sua mãe, que havia falecido, tinha feito uma boina de cor violeta e, por isso, todos a chamavam assim. Um belo dia sua avó falou para ela levar salgadinhos para o Lobo, que estava com a “suína”.Violeta se arrumou, colocou luvas e máscaras, para ela não pegar a gripe A. Sua avó falou: -Tenha cuidado com a raposa. - Tá, vó, vou ter cuidado... Violeta estava cantarolando e uma raposa apareceu por traz dela e abocanhou-a, mas um belo príncipe apareceu e abriu a barriga da raposa quando estava dormindo. O príncipe tirou Violeta de lá e se casaram, e o lobo foi junto morar no palácio do príncipe e todos viveram felizes para sempre, menos a raposa. (escrito por Lorena Sousa – 505)

O SAPO Havia um sapo que vivia num lago perto de um lindo castelo, lá morava o rei de Tedi, que era o maior do reino onde o sapo vivia. O sapo se chamava Bili e seu sonho era ser uma pessoa de verdade.No castelo, morava o príncipe Lucas, que era um grande amigo do sapo Bili, e o tratava como animal de estimação.Bili contou para o príncipe que se achava injustiçado, pois só viraria gente se uma princesa o beijasse. O príncipe convenceu a princesa Luiza, sua irmã, a beijar o sapo,ela aceitou e eles viveram felizes para sempre (escrito por Eduardo Collares – 501) BIANCA, A BRANCA DE NEVE Era uma vez, uma princesa que seu nome era Bianca, ela tinha olhos azuis da cor dos céus, cabelos escuros como a noite, pele


branca como a neve, e lábios vermelhos como as rosas. Um dia Bianca brigou com seus pais, e fugiu de casa, e foi para a floresta onde encontrou uma bruxa que ao descobrir que ela era uma princesa a transformou em uma anã. Bianca perdida pela floresta, achou uma casa, onde todos os móveis eram grandes, e decidiu tirar uma soneca, as camas eram enormes, dava para gigantes dormirem nelas. Quando Bianca acordou havia sete gigantes olhando para ela. E os gigantes disseram: -Você quer comer, trouxemos maçãs.? Bianca respondeu: -Quero comer! Mas eu quero Mc Lanche Feliz, pois o brinde é uma boneca da Barbie. Os gigantes responderam: -Somos vegetarianos! E Bianca voltou para casa e de recompensa os gigantes moraram no castelo com a princesa. E todos viveram felizes para sempre. ( escrito por Yasmin Santana – 503)

DEU A LOUCA NOS CONTOS Era uma vez uma menina alegre, que falava com todos, nunca ficava triste sempre com um sorriso no rosto, era chamada Chapeuzinho Colorido.Ela e sua mãe eram pessoas do campo. Naquela época estavam acontecendo o desaparecimento de várias amigas de Chapeuzinho, como a Mônica, a Aurora, e a Cinderela, e Chapeuzinho Colorido quis procurar suas amigas, mas nada de aparecerem, entrou em todos os contos. E finalmente achou Mônica no castelo da Cinderela sendo obrigada a trabalhar e perguntou: - O que fazes aqui? E Mônica respondeu: - Ora,sou a Cinderela! E a Chapeuzinho achou estranho. Então encontrou Aurora com a turma da Mônica , e ela dizia que era a Mônica. Encontrou a Cinderela no castelo de Aurora, dizendo que era Aurora. Chapeuzinho tentou achar uma solução para isso, e foi a biblioteca e achou um livro, no qual dizia que se ela fizesse um suco com todas as frutas do mundo e desse para as três beberem , verteria o problema. E Chapeuzinho percorreu o mundo atrás das frutas, e conseguiu, misturou as frutas e deu as três.


No final todas voltaram a ser quem realmente eram e sem problema nenhum. (escrito por Maria Gabriela Crispino -505) A NOVA BRANCA DE NEVE Era uma vez, uma bela moça morena de olhos castanhos, chamada Branca de Neve, com um sonho de se casar com o príncipe de saia grande. Ela sempre estava acompanhada da sua mãe e dos oito anões. Tinha brigas com a bruxa má e seu pai, Afonso, que usava uma saia e não tirava o celular de dentro da saia. Num belo dia, a bruxa perguntou a seu pai quem era a mais bela mulher do mundo dos shoppings, e seu pai disse que era a Branca de Neve, e a bruxa logo pegou seu carro e o celular e ligou para o pai e marcou um encontro no shopping. O pai decidiu que haveria uma disputa para ficar com o príncipe, a disputa seria entre a bruxa e a Branca de Neve, as duas mostrariam todas as suas roupas e o príncipe escolheria a mais bonita. O príncipe escolheu a Branca de Neve, a bruxa atacou a Branca de Neve! ( era o planejado) mas o príncipe a prendeu com sua grande saia, a maior saia já vista, e com estilo prendeu a bruxa. No final a Branca de Neve e o príncipe da enorme saia, se casaram e viveram felizes para sempre. (escrito por João Gabriel Duarte – 505)

OS TRÊS MENINOS Era uma vez três irmãos chamados Jack, João e José. Os três meninos viviam na parte rural da cidade. Jack era o mais inteligente e esperto dos três, João por sua vez também era inteligente, mas não tanto quanto Jack, já José era o mais burro de todos. Num belo dia os três meninos estavam andando pela cidade quando viram um homem suspeito seguindo-os, onde eles iam o homem ia junto até que eles pararam e construíram uma casa cada. Jack construiu uma casa de tijolos resistentes, João construiu uma casa de madeira nem tão resistente e José uma casa de palha fraca. O homem atravessou a de palha e assustou José, queimou a de madeira e assustou João, destruiu a de Tijolos e assustou Jack. Quando estavam encurralados o homem disse segurando um dinheiro: -Aqui está o dinheiro que vocês deixaram cair.


-Só isso? Não queria nos pegar? – Eles disseram. -Não, só queria devolver o dinheiro. – O homem falou. E assim todos viveram felizes para sempre. (Escrito por João Diogo Soares Pessoa – 505) A BRANCA DE NEVE NA MODERNIDADE Era uma vez, há pouco tempo atrás, uma mulher cujo sonho era ter uma filha. Um dia ela estava se sentindo enjoada, foi na farmácia e fez o teste de gravidez que deu positivo. A alegria foi geral! Depois de nove meses nasceu uma menina tão branca que quase levou o nome de albina, mas a mãe colocou Branca de Neve. O tempo passou e um dia a mãe morreu e o pai casou-se com uma outra mulher que se fazia de santa, mas era muito má. Ela tinha inveja da Branca de Neve porque batom vermelho só combinava com a Branca de Neve. A madrasta chamou uns caras e mandou eles fazerem Branca de Neve ter amnésia. Eles fizeram isso só que deram o remédio errado, ou seja, assim que Branca acordou, ela se lembrou de tudo. Branca de Neve não sabia onde estava e procurou ajuda em uma casa onde habitava sete adolescentes e ela acabou se apaixonando por um que a deixou ficar. Em casa o pai nem se preocupou ( achou que era namorico), mas a madrasta soube que ela só estava perdida e não com amnésia, ela resolveu se fantasiar e colocar remédio para rato no hot- dog que ela daria a menina. Chegando lá Branca de Neve aceitou o hot- dog e depois de comê-lo nada aconteceu pois a madrasta se esqueceu de por o veneno. Branca de Neve entendeu tudo e obrigou a madrasta a levá-la para casa com o seu novo namorado. A madrasta não se atreveu a continuar a morar lá, mas Branca de Neve e seu namorado viveram felizes para sempre na casa de seu pai. (Rafaela Brugenera Tomedi – 501)

Era uma vez, uma menina chamada Chapeuzinho Vermelho. Ela era tão malcriada com sua família. Então, um dia sua mãe pediu para que ela levasse uns doces a sua avó que morava na floresta, mas sua mãe lhe disse: - Chapeuzinho, vá pelo caminho da ponte, pela floresta é perigoso demais. Quem disse que ouviu sua mãe, foi pela floresta mesmo, como ela dizia, não tinha medo de então ele falou:


-Olá , garotinha,o que uma menina tão pequena faz na floresta? - Vou entregar doces para a minha avó, e não sou tão pequena quanto você pensa. O lobo furioso disse: - Aqui é muito perigoso, você sabia que tem lobos aqui? -Sim, mas eu não tenho medo de lobos, e agora eu tenho que ir, tchau. O lobo ficou tão furioso, que foi por um atalho que chegou primeiro a casa da avó. A vovozinha e o lobo tramaram contra a Chapeuzinho. A vovozinha se escondeu embaixo da cama e o lobo vestiu a suas roupas, logo depois a Chapeuzinho bateu e disse: -Abre a porta, coroa E o lobo disse: - Pode entrar minha, netinha. Quando Chapeuzinho entrou e viu-o disse: - Eu sei que você não é a minha avó, e vá embora antes que eu te bata, Mané ! O lobo ficou tão ofendido que foi embora chorando. E até hoje a Chapeuzinho é muito malcriada. (escrito por Marina Abnader – 505) A BELA E A FERA Depois do tradicional “ felizes para sempre” a Bela e o príncipe fizeram uma viagem para Paris onde Bela ficou grávida . Quando o príncipe ficou sabendo da gravidez de Bela organizou uma festança, mas infelizmente o convite que foi enviado para a feiticeira não chegou a tempo, então, no dia da festa ela apareceu e disse: -Vocês vão pagar por não me convidarem para essa festa, vocês verão quando nascerem as crianças, me aguardem e vocês irão ver.Hahahaha!!! Nove messes depois a feiticeira fez o prometido, no dia 28 de outubro, quando Manuela e Luis nasceram a feiticeira apareceu e disse: -Eu avisei agora vou jogar um feitiço no menino e na menina, hahhahahaha!!! -O menino em toda noite de Lua cheia irá virar um lobo e sairá andando pela floresta. A Bela e o príncipe disseram: -Mas nós a convidamos para festa, o convite é que não chegou. Ela respondeu: -Se o convite não chegou, não fui convidada, hahahaha!!!


Chegou a vez da menina. Bela e o príncipe interromperam a feiticeira e a desesperado disseram: -Queremos que você seja madrinha dela. A feiticeira então abriu um enorme sorriso no rosto e disse: -Então assim Manuela será a menina mais bonita do mundo.Bela e o príncipe de um suspiro de alivio e pediram que tirasse o feitiço de Luís e com uma cara triste a feiticeira disse: -Sinto muito, mas o feitiço não tem volta e o feitiço só acabará quando ele completar 15 anos. Escrito por Amanda Gabay Moreira - 502 A PRINCESA E O PRÍNCIPE No reino muito distante, havia uma linda jovem de cabelos longos, olhos verdes e bem branquinha pescando e enquanto pescava, os passarinhos ficaram pulando ao seu lado.Depois de muito tempo pescando, resolveu dar uma soneca.E um príncipe apareceu e viu essa linda jovem dormindo e pensou: - Eu vou levá-la para minha casa. Ele achou que ela estava desmaiada e deu-lhe um beijo para acordar. Quando ela despertou, tomou um susto e ainda brigou com o príncipe porque ele estava atrapalhando sua pescaria. ( Eduarda Teixeira Braga Bastos – 505)

DEU A LOUCA EM CHAPEUZINHO E SUAS AMIGAS Era uma vez uma menina chamada Chapeuzinho Azul que tinha esse nome pois tudo que tinha era azul.Tinha 18 anos e adorava ir para festa com suas amigas.Moravam em Miami e eram vizinhas Todos os dias a mãe de Chapeuzinho fazia biscoitos para ela levar para sua avó, mas a casa da avó era um pouco longe e ela tinha que ir de carro, como não tinha um, ia no carro da sua amiga. Um dia foram deixar os biscoitos na casa da vovó e encontraram no caminho comum caçador que chamou as meninas para irem a uma festa. Na festa encontraram o caçador, dançaram e , quando estavam para ir embora Chapeuzinho tomou um refrigerante, mas o lobo mau com ciúmes, colocou remédio para ela dormir e ela só acordaria com o


beijo do verdadeiro amor.Como o caçador era na verdade um príncipe ele a beijou e viveram felizes para sempre. (Matheus Cruz – 501) Era outra vez uma mulher chamada Rapunzel, ela tinha um marido chamado Jeremias, eles não tinham nenhum filho. Em um errado dia, Rapunzel descobriu que tinha câncer e teve que raspar seu longo cabelo, mas ela resolveu comprar uma peruca. Jeremias voltou para torre deles bêbado e tinha perdido a única chave deles, ele gritou para Rapunzel “Jogue sua peruca!” e ela jogou.Quando ele chegou no topo da torre ele caiu e morreu! Rapunzel teve uma vida horrível depois desse dia, nunca mais namorou nem nunca teve seu feliz para sempre. Escrito por Tiago Carvalho Pereira – 501 CINDERELA Era uma vez uma linda princesa que vivia no castelo com sua madrasta e sua irmãs.Ela era maltratada por elas. Um belo dia o príncipe resolveu dar um baile para ver com quem ele ia se casar.A madrasta foi convidada para ir ao baile. O príncipe convidou todas elas, mas a madrasta disse: - Cinderela, você vai fazer nossos vestidos, os nossos cabelos e depois vai fazer a faxina da casa. Eu quero ir bem bonita para o baile. - Sim, madame.- disse Cinderela. Cinderela passou a noite inteira fazendo os vestidos e estava muito cansada. No outro dia, já de noite, chegou a hora do baile e Cinderela não foi com suas irmãs e sua madrasta, ficou fazendo faxina. A fada madrinha apareceu e disse: -Cinderela, pare a faxina agora. Eu vim para leva-la ao baile. -Fada madrinha, nem roupa eu tenho para ir ao baile. -Só uma mágica e resolvo isso rapidinho, disse a Fada madrinha. E de repente um lindo vestido apareceu. -Fada madrinha, este estilo está lindo. Cinderela chegou ao baile e era a mulher mais linda. Todos cochicharam, mas chegou a meia noite e ela saiu desesperada do castelo, porém o príncipe foi atrás e eles se casaram e foram felizes para sempre.


Escrito por Maria Renata – 501

JOÃOZÃO E O PÉ DE HAMBÚRGUER Era uma vez um vilarejo de Roday onde todos eram magros, menos uma pessoa, Joãozão. Seus pais eram magros, por isso que ele ficava tão indignado e era humilhado na escola. Um dia ele estava voltando na escola, e um estranho o ofereceu um hambúrguer. Ele nem pensou duas vezes e disse: ‘’ Sim, claro, por que não?’’ E o estranho disse: ‘’Com uma condição, quando eu lhe der, você não poderá comê-lo, pois ele é mágico. Você tem que jogá-lo na terra e esperar uma noite.’’ Ele concordou ,mas quando foi fazer outra pergunta sobre o que aconteceria, o estranho sumiu. Ao chegar em casa jogou o hambúrguer no jardim e foi dormir, quando amanheceu nem tomou café da manha, foi logo para o jardim. Quando chegou lá havia um enorme hambúrguer com um buraco no meio, ele pulou no buraco e caiu em um prato de macarrão. Parecia estar em uma casa gigante, então ouviu um barulho muito forte, era um gigante, Joãozão correu, tropeçou e deu um pulo, foi quando percebeu que tudo era um sonho e se deu conta que existem pessoas iguais a ele e viveu feliz para sempre. Escrito por Raul Baraúna 501

DEU A LOUCA NA CINDERELA Cinderela em uma garota cujo pai morreu e passou a morar com a madrasta que a tratava muito mal. Um dia Cinderela estava varrendo a casa quando apareceu a fada madrinha que queria levá-la ao baile para dançar com o príncipe.Cinderela disse que sim. E foram ao baile , a madrasta estava cansada de sempre perder, juntou os vilões de todas os cantos e batalhou com a madrinha. E ganhou todos os cantos voltaram para sua historias ele foi ao baile perdeu o sapato de cristal se casou com o príncipe e bem você já sabe o resto. Escrito por Raul dos Santos Amaral Neto – 505 CHAPEUZINHO VERMELHO


Era uma vez uma garota chama Mariana, seu apelido era Chapeuzinho Vermelho, porque ela era loira, de olhos verdes e branca.Mas só que de doce ela não tinha nada, pois era lutador de boxe.Ela morava com sua mãe em uma fazenda na floresta. Ela tinha acabado de vencer um homem chamado Zé Lobo-mau, ele queria revanche, mas ela nem deu bola... A avó de Chapeuzinho estava muito doente, a mãe de Chapeuzinho pediu para ela ir visitar a vovó no hospital , já estava noite mas como era para sua avó ela enfrentava tudo. O carro dela era uma Mercedes que tinha uma voz que avisa sobre tudo no carro, e de repente, avisou que tinha um pneu furado, mas ela não sabia que foi truque do Ze lobo e ao sair do carro a pegou, botou no porta malas e levou-a para casa dele, mas ao tirá-la para prendê-la os olhares se cruzaram e eles se apaixonaram, e como um contos de fadas, casaram e foram felizes para sempre. Escrito por Gabriel Araújo - 501 SONHO DE PRINCESA Nos tempos de hoje, ainda existem princesas, e agora é hora de conhecer a Bela Adormecida. Ela como o tempo ganhou um vestido, uma sapatilha e o poder de ver o futuro. Em uma das visões que aconteciam nos sonhos, a Bela Adormecida viu que ganharia uma amiga, mas ela viraria a sua inimiga.Ao acordar ela percebeu que foi só um sonho. Dias se passaram e a Bela Adormecida ganhou uma amiga por acaso. Elas se divertiram, conversaram e se despediram com um abraço. Um dia as amigas se encontraram e a amiga da Bela adormecida, machucou a Bela Adormecida de propósito,percebendo a ameaça chamou a polícia que chegou ao local rápido e agradeceu a Bela Adormecida por ter ligado. Logo ela percebeu que a sua “amiga” era a bruxa e que ela precisam para encontrar o príncipe dormir E ela viveu feliz para sempre. Escrito por Júlia Dias - 501 DEU A LOUCA NOS CONTOS DE FADAS


Era uma vez uma mulher linda, Branca feito neve, ela morava com sua filha, que era conhecida como Chapeuzinho Vermelho, ela tinha dois amigos, João e Maria, eles moravam com seu pai e sua mãe , que se chamavam Cinderela e Fera, todos moravam no Rio de Janeiro. Um certo dia Branca de Neve desmaiou e, por isso, Chapeuzinho foi pedir ajuda para seus amigos, João e Maria, eles como sempre aceitaram, porém , sua mãe , Cinderela disse para que fossem comprar remédio na Avenida Atlântica, que era uma rua bem movimentada da cidade maravilhosa,mas eles se perderam e foram parar na favela do Cantagalo e buscaram um mapa para poder se encontrar.João e Maria estavam com fome, Chapeuzinho tinha até dinheiro pra comer o remédio de sua mãe, mas um assaltante de nome Lobo mau , apareceu e levou o seu dinheiro. Ela foi direto para delegacia, falar com o delegado Caçador e descobriu que esse bandido já era procurado por outras histórias. João e Maria perderam o mapa e foram parar na casa de uma mulher de bom coração que lhes alimentou muito. Finalmente, Chapeuzinho voltou pra casa e teve uma surpresa, sua mãe estava acordada e tomando um chá com Cinderela. Chapeuzinho, não entendeu nada e disse: - Deu a louca nos contos de fadas! E todos riram e viveram felizes para sempre! Escrito por Guido Couceiro Elias – 501 A CHAPEUZINHO VERDE Era uma vez uma menininha chamada Chapeuzinho Verde, um dia sua mãe lhe pediu um favor: -Chapeuzinho Verde, você pode levar estes doces para sua vovó? - Claro mãe, o que eu não faria por você? E assim ela se foi. No caminho ela se perdeu, vocês devem estar pensando ‘’ como ela se perdeu?’’ Ela se perdeu porque se distraiu mandando torpedos do seu celular, perdeu o caminho e encontrou uma terrível criatura, o lobo mau: -Ei, psiu, aonde vai garotinha? -Estou indo para casa da vovó. -Eu sei onde fica a casa da vovó, porque pelo visto você perdeu. -Sim, estou perdida. -Quer ajuda?


-Não, porque sou esperta para me achar, diferente de você que é burro! O lobo ficou muito bravo e resolveu se vingar... Ao chegar na casa da vovozinha, Chapeuzinho Verde já havia e teve uma surpresa! Sua avó estava amarrada, mas e o lobo mau estava fantasiado de avó, mas ela era muito esperta e chamou o caçador que o expulsou da casa da vovozinha e salvou todo mundo. Escrito por Ricardo Acatuassu – 505 O SAPO O castelo do príncipe ficava nas nuvens e andando por lá encontrou uma princesa, Ele foi correndo rapidamente para conhecêla.Disse o nome dele e perguntou o dela.Era Romeu , ela o levou ao castelo para jantarem juntos.Uma terrível bruxa apareceu e transformou em sapo e assim foi que surgiram as histórias de sapos pelo mundo dos contos de fadas. Escrito por Filipe Moutinho Marta – 504 E AGORA O QUE NÓS FAREMOS? Houve um tempo em que tudo era um “mar de rosas” todo mundo ia ao cinema, comprava DVD da Disney, camisetas, bonéis...Mas esse tempo ACABOU! Ninguém mais queria comprar os produtos Disney, simplesmente, a Disney faliu!!! Então, ela resolveu fazer um último filme, reunindo todos os personagens do seus contos clássicos, mas tinha um problema, nem todos estavam conservados, por exemplo: Pinóquio , estava cheio de cupim, pois o veneno de cupim tinha acabado e Gepeto, muito velhinho, não conseguia ir sozinho ao supermercado.Branca de Neve se separou, Chapeuzinho Vermelho e seu lobo fugiram.Rapunzel teve piolho e raspou toda sua cabeleira. Os três porquinhos foram para o açougue e viraram torresmo, mas mesmo assim a Disney fez uma reunião onde todos compareceram e aceitaram a proposta. As filmagens começaram , e tudo até que correu tudo bem, com exceção de Gepeto que deslocou o osso, mas não se preocupem que ele já está bem.Eles concorreram ao prêmio de pior filme do ano, mas perderam para “Alvin e os esquilos”, ninguém merece ,mesmo, suportar aqueles esquilos! É, nem todos tiveram um final feliz!


Escrito por Clio Azevedo - 501 A REVOLTA DOS LOBOS Depois da morte do lobo, todos os lobos da floresta se reuniram para matar o caçador, Chapeuzinho e avó. O caçador chamou seu exército para matá-los, como viu que estava em minoria, entrou para casa de Chapeuzinho. A avó tinha uma surpresa para eles, dentro do seu guarda-roupa, tinha uma passagem secreta para o mundo real.Chegando lá, todo mundo começou a querer vê-los Chapeuzinho estava tão famosa que até apareceu no jornal Nacional, estavam tão famosos que resolveram chamar todos os soldados de São Paulo, e voltaram para o mundo imaginário com eles. Voltando para lá, os soldados estavam, agora, na maioria, e , finalmente, conseguiram matar os lobos, e daí em diante, Chapeuzinho , sua mãe e sua avó nunca mais sofreram ataques de lobo. escrito por Giovanni e Ian Favacho - 503


LENDAS E outras hist贸rias que o povo conta


(Este livro é uma coletânea de textos produzidos na sala de aula realizado no 3º trimestre de 2010 pelos alunos da 5º série )

Alunos participantes: Marina Brito dos Santos – 504 Giovanni de Julio – 503 Fernanda Couceiro – 503 Marcus Roberto Amaral Júnior – 503 Letícia Gibson – 503 Juliana Sassim – 503 Yang Gabriel Santos Silva - 503 Hugo Oliveira – 503 Carlos Gabriel da Cruz – 503 Nivaldo Barros Neto - 502 Alexia Mollinar – 503 Jorge Nicolau Neto – 502 Marina Vasconcelos – 502 João Victor Franco – 502 João Pedro Zuniga – 505 Gusttavo Henrique Remor da Fonseca – 502 Matheus Akira Yamaguchi – 504 Bruno Matheus Frota – 504 Thadeu Xavier – 505 Vinicius Gemaque- 505 Larissa Benetti – 503 Carolina Franco – 503 Moises Anaisse – 504 Luis Henrique Fagosi – 505 Vitoria Brandt – 501 João Gabriel Rodrigues - 501


Iago Paiva Bezerra – 501 Daniela Monteiro -501 Ana Luisa Estácio – 505 Leonardo Lôbo – 503 Bianca Alencar – 505 Raphaela Gemaque de Pinho – 502

A LENDA DO GIRASSOL Sol era uma jovem bonita e humilde, trabalhava como jardineira na casa de sua vizinha que tinha uma mansão e um jardim com grandes flores de pétalas amarelas. Sol adorava essas flores eram de sua cor favorita, amarelo, mas num terrível dia apareceu um bicho de duas bocas que entrou no jardim e matou Sol. Ao morrer, ela virou uma grande luz solar e subiu para o céu. De acordo com o lado que se movia no céu todas as flores amarelas acompanhavam. A falência de Sol fez surgir um nome para estas flores, que foram chamadas de girassóis e até hoje , todos os girassóis do mundo viram para o Sol lembrando da jardineira. (escrito por Marina Brito dos Santos– 504) A LENDA Num certo dia, na floresta, estava passeando Juca, um menino conhecido por todos, e que foi deixado na floresta porque seus pais não aguentavam mais ele fazendo tanta bagunça.Ele era um menino que maltratava os animais, destruía a floresta e outras coisas ruins. Juca ouviu falar que existia um ser na floresta que conseguia fazer tudo, através de mágica.Ele decidiu ir ver esse ser.Chegando lá, viu um pássaro vermelho e preto e perguntou se era ele o ser misterioso, o pássaro respondeu que sim, que o nome dele era Pássaro dos Desejos e falou a Juca que se ele continuasse a agir daquele jeito iria se arrepender.Juca saiu rindo de lá. Ele continuou a fazer maldades,por isso o pássaro lançou um feitiço que o transformaria em sapo quando ele fosse dormir.Juca foi dormir, e quando acordou estava em forma de sapo, Juca ficou desesperado, e viu como era a vida na floresta, todos os animais falavam mau dele e ele pensou que deveria das mais valor aos animais e a floresta.


(escrito por Giovanni de Julio – 503) O LOBO Um dia de lua cheia no escuro, um homem foi pescar e de repente o barco começou o sacudir. Ele pensou “ deve ser um peixe”. Ele foi puxar o anzol e veio um casco de tartaruga, quando ele olhou para trás tinha um sapo que estava muito machucado. O homem estava muito assustado mas ficou olhando e de repente , resolveu pegar o sapo que lhe jogou um veneno, depois de dia, o homem voltou ao rio e lá estava o sapo no mesmo lugar e de repente, sem explicação, virou um lobo para todo sempre. E o homem pensou “ na floresta a mistérios que o homem nunca irá entender...” Nunca mais ele voltou aquele misterioso e confuso lugar. (escrito por Fernanda Couceiro – 503)

A LENDA DA ÁRVORE Era uma vez uma linda floresta com muitos animais e flores florescendo.Várias pessoas iam lá para visitá-la e nunca jogavam lixo por lá. Um dia uma pessoa da região achou uma garrafa de bebida na floresta, ela ficou muito apavorada e perguntou para si “ quem em sã consciência faria isso num lugar belo desse?” No dia seguinte ela voltou ao bosque, viu árvores cortada e ficou mais assustada ainda e foi reclamar para o IBAMA , mas continuou vendo árvores sendo queimadas. Até que um dia todas as flores e árvores do mundo acabaram-se! Ela tentou fazer plantação de sementes de várias flores e árvores. Todo dia, jogava água e adubo.Dias foram se passando e ela tentando proteger o meio ambiente , como não encontrou solução , resolveu se plantar e virar planta, era a única e última coisa que poderia fazer. (escrito por Marcus Amaral – 503) A LENDA DO MACACO Certo dia, um homem foi à floresta Amazônica, e chegando lá, deixou todas as coisas dele no chão, pegou uma serra e começou a derrubá-las. Depois ele se cansou e começou a caçar, mas não viu uma macaca que estava com o seu filho.Na verdade, tinha visto somente a macaca e atirou nela que caiu em cima dele e foi ai que pode ver o macaquinho. Ele tomou um susto e se deitou no chão e começou a pedir perdão a Deus pelo o que fez à mãe daquele macaquinho até que acabou dormindo.O homem estava chateado pois tinha matado a mãe do macaquinho e pediu pra Deus que virasse um macaco.E assim foi feito, de repente toda macacada


apareceu e ele ficou tão alegre que começou a pular de alegria de galho em galho. (escrito por Leticia Gibson – 503) A LENDA Um menino chamado Thor, dizia que era o máximo e enchia a paciência de todos.Zombava com a cara de todos, até que um dia um homem pediu esmolas para ele e como sempre , Thor zombou e riu com a cara daquele homem.Só que este homem era um feiticeiro e transformou-o em uma cobra. O menino era chutado, pisado e zombado na condição de cobra, até que um homem mandou buscar aquela cobra e fez um trato , falou que Thor poderia ficar até o por do sol como menino para mostrar que estava mudado e depois, a noite, se transformaria em cobra.Ele topou. O menino se tornou bom e caridoso até que aquele feiticeiro viu que Thor estava arrependido e transformou-o de vez em menino, em sua forma real. (escrito por Juliana Sassim – 503)

O SAPO ÍNDIO Em uma aldeia distante, existia um índio muito arrogante chamado Tupinama, ele sempre reclamava de tudo. Um dia, Tupã ficou muito aborrecido com sua arrogância e enquanto Tupinama estava dormindo ele o transformou em um sapo.Quando acordou ele tinha virado mesmo um sapo e começou a chorar o dia inteiro. Então decidiu tomar uma decisão. Ele ia pedir a tupã para o transformar de volta em homem, Tupã disse: - Se tu fizeres uma boa ação, eu o transformo de volta num homem. Tupinama foi para a selva e viu um Leão preso e o tirou dali, então Tupã falou: - Você ajudou esse leão, vou lhe transformar em homem de novo. Tupinama virou homem de novo e ficou muito bondoso respeitando a todos. (escrito por Yang Gabriel Santos Silva - 503) A LENDA DO LEÃO Numa aldeia existia um garoto chamado Leopamgary, ele era forte e corajoso e já defendia a sua família com apenas nove anos. Quando fez 14, mudou-se para cidade grande. Conheceu muitas coisas na cidade grande, ele foi morar em uma bem bonita casa e com as cores da floresta. Seus pais compraram uma bicicleta para ele, ele a amava muito que deu até um nome, Bicicleite.


Um belo dia seus pais tiveram um outro filho, Leopamgary tinha que dividir tudo com ele menos a sua Bicicleite porque ela era muito preciosa para ele. Certo dia seus pais pediram para levar seu irmão mas novo para passear de bicicleta, na volta para casa Leopamgary foi abordado por um ladrão ,que pediu a bicicleta, Leopamgary não quis dar a bicicleta para o ladrão. Depois de um tempo discutindo com Leopamgary, o ladrão ameaçou atirar no seu irmão, então ele deu a sua bicicleta.Chegando bem longe o ladrão atirou no irmão mais novo ,mas Leopamgary pulou na frente do seu irmão e foi morto.Mas como ele havia feito um ato heróico os deuses o transformaram em um leão bravo e forte. (escrito por Hugo Oliveira – 503) A LENDA DO LOBO Era uma vez um ladrão inteligente e sagaz, ele era famoso por nunca ter sido preso.Uma vez ele viajou para muito longe e lá ele ficou sabendo que muito mais longe existia uma cidade feita de ouro maciço, então .ele levou o máximo de dinheiro possível de lá e partiu.Passou por vários lugares e reinos estranhos até chegar numa vilazinha que no futuro seria o estado do Amapá. Eles lhe deram comida e ele só prosseguiu depois de um longo tempo vivendo por lá. Continuando viagem ele chegou numa casa que tinha um ancião que lhe presenteou com uma sacola mágica que o levaria para qualquer lugar.Então resolveu voltar para o Reino de ouro, já que havia sido fácil roubar lá, mas quando retornou percebeu que uma terrível bruxa havia chegado lá e roubado tudo.Quando o viu , como punição ela o transformou em lobo para o resto da vida, assim como fez com os outros habitantes transformando aquele lugar como o vale dos lobos. (escrito Carlos Gabriel Cruz – 503) UMA LENDA Era uma vez , um certo garoto que adorava lendas e seu avô lhe contou uma história sobre uma cabra de um olho só e o avô dele disse que ela soltava fogo e morava perto da casa do garoto.Um dia o menino foi procurá-la e a encontrou. O menino desapareceu, depois disso , todos o procuraram, mas ninguém o encontrou e até hoje não sabem o que aconteceu. (escrito por Nivaldo Barros Neto – 502) A COBRA VENENOSA Em uma bela tarde, um príncipe chamado Edward, foi para o bosque, chegando lá ficou olhando as rosas e viu uma cobra se aproximando, mas ele não se assustou muito, fingiu que nem estava lá, mas não demorou muito para ela morde-lo e ele a jogou longe, com o pé , e voltou correndo para casa. No dia seguinte ficou só descansando pois ainda a mordida doía.De tarde ele foi até a cozinha e percebeu que tinha estava se transformando em uma cobra e se assustou muito, mas depois de uma hora, ele voltou ao normal,


e contou ao médico da família que disse que não haveria jeito, pois o veneno era de uma cobra encantada e a maldição era que ele se transformaria em cobra todo inicio de tarde. (escrito por Alexia Mollinar – 503) A LENDA DA COBRA VENENOSA Dizem que a cobra só matava só de noite. Um dia um grupo de alunos foi acampar na mata e quando chegaram foram direto para dentro da mata, andaram, andaram e de repente a cobra atacou eles, três morreram na hora, quatro ficaram feridos e o resto da turma saiu para bem longe do mato e voltaram para a cidade pedindo ajuda, mas quando chegaram no médico já era tarde. O veneno da cobra, que só matava a noite, tinha feito efeito e eles morreram. ( escrito por Jorge Neto – 502) A LUA DE OURO E O CACHORRO UIVANTE Era uma vez um cacique e um curumim questionador: -Mas porque o cachorro uiva tanto para lua? – perguntou o curumim, conhecido como Beque. - Vou lhe contar a história, mas preste atenção,pois senão a resposta vira pergunta – respondeu o cacique – Tudo começou numa noite de lua cheia dourada como ouro... “Na lua havia homenzinhos estranhos que queriam saber tudo sobre nós.Um dia o chefe mandou um jovem à Terra, seu nome era Terrário, e disse que ele seria um cachorro, o melhor amigo do homem, descobriria tudo sobre a espécie e contaria para eles. Assim se foi o jovem à Terra em forma de cachorro, caiu da ponta da lua e parou de bumbum no chão! Aproximou-se muito do homem e, quando achou que já sabia tudo uivou para lua pensando estar falando sua língua, mas era tarde demais, era um cachorro para sempre! O chefe não entendia o porquê da demora e mandava mais cachorros atrás dele. “Daí em diante, sua história foi passada para seus sucessores que uivavam para tentar voltar para lua, mas o chefe só fazia mandar mais cachorros para encontrar Terrário, assim chamado de O Desbravador.” (escrito por Marina Vasconcelos – 502) O PRÍNCIPE ENFEITIÇADO Conta a lenda que certo dia, houve uma discussão com a família do príncipe Salomom, sua mãe Elizabeth descobriu que a irmã do príncipe, chamada BrinThing estava envolvida no assassinato de seu tio, chamado Richard, por ter batido nele. Seis anos depois, Salomom se tornou o maior investigador de todos os tempos, pois buscava provas para descobrir o assassinato de seu tio. Depois de


uma semana, chegou um sujeito muito estranho no castelo e disse para Salomon: - Desejo falar com a Princesa Elizabeth. - Quem é você? O que queres? – perguntou o guarda do palácio. - E o sujeito não disse nada , apenas arrombou a porta do palácio e enforcou o guarda. Salomom ouviu os gritos e foi tentar enfrentá-lo, sem entender o porquê de tudo aquilo. O homem misterioso jogou um feitiço sobre a princesa Elizabeth mas Salomom,se meteu na frente, salvando-a. Este feitiço o transformou em um sapo.Inconformado saiu coaxando para brechó e a partir daí construíram um lago perto do palácio para ele morar e essa é a lenda do príncipe Salomom. (escrito por João Victor – 502) O MENINO LOBO Dizem que um menino muito mau-educado chamado Lolt, morava com sua tia Petulia.Todo dia depois da escola Lolt ia aprontar com alguém. Naquela tarde Lolt roubou um colar de pérola de sua tia, com medo foi para floresta e encontrou sete lobos, e resolveu viver com eles, a falar com eles... Desde aquele dia, começou a agir como um lobo.De noite de um jeito e de dia de outro. (escrito por Juliana Ruffeil – 501) OS OLHOS DO SAPO Um dia uma bruxa estava preparando um porção para um homem que odiava, ela sabia que ele iria aparecer. Quando ele apareceu na mesma hora ela jogou a porção nele que imediatamente transformou em um sapo,mas não era um sapo horroroso, era um sapo fofinho com olhos gigantes. A bruxa com raiva pegou o sapo e o levou para longe.Todo dia ela ficava olhando para o sapo preso em uma bola de vidro Um dia ela não resistiu aqueles olhos carinhosos, abriu a bola e desfez o feitiço.O homem agradeceu e os dois ficaram amigos. Graças aos olhos gigantes do sapo. (João Pedro Zuniga – 505) A LENDA DO GIRASSOL Existia uma deusa chamada Sued, que o contrário da escrita palavra Deus, ela também não fazia só o bem.Também havia uma mulher chamada Girassol,que nunca fazia nada e todos reclamavam dela.Ela achava que era a melhor e não precisava fazer nada. Vivia deitada de olho no sol. Um dia as pessoas pediram a deusa Sued para fazer algo e ela fez. Já que Girassol adorava olhar deitada sol, Sued a deixou tretraplégica até ela morrer e nasceu no lugar que ela morreu uma flor que todos a chamaram de girassol.


(escrito por Gusttavo Henrique da Fonseca – 502) A LENDA DO ÍNDIO Num certo dia o índio Yacou estava caçando, e quando reparou as árvores haviam sumido então o índio correu para avisar a sua tribo, quando o índio falou para sua tribo que as árvores haviam sumido, a tribo não acreditou, então o índio tentou provar para eles. Ele chamou sua tribo para ver o que havia acontecido, quando a tribo viu que as árvores haviam sumido eles entraram em desespero. Depois quando eles viram era uma pessoa que estava cortando as árvores. Eles fizeram uma reunião e decidiram assustar aqueles caras. No dia seguinte eles iam se fantasiar de personagens das lendas e iam assustar aquelas pessoas então eles se vestiram e assustaram eles e a tribo começou a plantar arvores para ficar como antes. (escrito por Matheus Akira– 504) O ECLIPSE DA SERPENTE Um dia gelado a noite aconteceu o que todos temiam, o eclipse da serpente... O eclipse da serpente é uma lenda, cujo seu nome (da serpente) é Voi-li, um chinês que adorava cobras. Contam que um dia sua mãe ficou tão assustada que o mandou pra a igreja para o padre poder exorcizá-lo, quando isso aconteceu o menino caiu em sono profundo, faltava 2h para o eclipse da serpente. As 2h se passaram e sua mãe ficou assustada, então ela foi para trás pegar um chá (o lugar que ele estava), mas ele havia sumido, ela foi ao seu quarto e viu uma serpente, mas não sabia que a serpente era seu filho e tentou matá-la, porém a serpente foi mais rápida e a matou. Quando o eclipse acabou ele voltou ao normal. Agora a cada eclipse da serpente o garoto se transforma em uma serpente e volta a matar pessoas. E o espírito da sua mãe o acompanha em quanto ele mata as pessoas. (escrito por Bruno Matheus – 504) A LENDA Há muitos e muitos anos atrás, um índio chamado Pitô estava na floresta brincando quando foi atacado por um urso e morreu, mas antes ele viu um cachorro sagrado que falou: - Vou deixar você viver só que você virará um animal pequeno, veloz e parecido com um belo cachorro. - Sim, eu aceito. E dizem que este cachorro sagrado dá a vida as pessoas que estão preste a morrer na floresta transformando-os em lobos. (escrito por Thadeu Xavier – 505) O LOBO


Num dia de lua cheia, um belo rapaz estava andando pela rua e viu uma coisa muito estranha e quando ele foi ver o que era, um lobo apareceu, pulou em cima dele e o levou para sua toca. O homem assustado saiu correndo, passando por um portal sobrenatural e se transformou em um lobo assassino. Quando chegava noite de lua cheia, ele saía para atacar qualquer pessoa que passasse por ali e levava também para uma toca e eles também se transformavam em lobo. Um dia o lobo mestre estava dormindo junto com os seus lobos escravos, como castigo pelas maldades, morreram e nunca mais ninguém foi assassinato por eles. (escrito por Vinicius Gemaque – 505) TUIRAPURÚ Em uma aldeia muito distante vivia o índio Tuirapuru. Ele era moreno com cabelos pretos como o ébano e tinha olhos verdes. Tuirapuru era um índio místico. Tinha o poder de transformação. Uma vez encontrou um ‘’Homem Branco’’ cortando várias árvores e disse ao homem com uma voz macabra: - Só vou avisar uma vez, se você continuar fazendo isso vou tomar medidas drásticas. O homem achava que era um mero índio tentando assustá-lo. No outro dia o índio viu o ‘’Homem Branco’’ fazendo a mesma coisa, só que dessa vez ele não estava só, estava com mais dois amigos. O indio pegou seu cajado mágico e rapidamente transformou um dos homens em um sapo verde e nojento, o outro saiu correndo. Depois desse dia ninguém resolveu voltar lá. (escrito por Larissa Benetti – 503) MONGA Era uma vez uma mulher muito bonita e amável, mas tinha um problema não gostava das pessoas e sua família a mandou ir embora, a menina se chamava Monga. Quando sua mãe expulsou-a de casa, ela chorou muito e não tinha onde ficar e nem se alimentar, então a menina pálida resolveu dormir ficar embaixo da ponte. A menina estava comendo baratas que tinham um veneno, e esse veneno fazia virar algum bicho, a menina estava se sentindo mal de tanto comer baratas então, desesperada, começou a pedir socorro e ninguém ouvia ela e de tanto se sentir mal ela desmaiou. No outro dia ela acordou se sentindo pior e com sede, então procurou o lago mais próximo, e quando ela chegou lá, mergulhou e saiu com fome a menina foi procurar mais baratas pois a única coisa que a menina achava era isso, e o dia se passou e Monga virou um gorila e nunca mais ninguém achou ela.


(escrito por Carolina Franco – 503) A LENDA DO LOBO U|m índio que pegava frutas para comer resolveu caçar um dia, ele foi, caçou e pegou mais comida que o normal, e resolveu caçar todo dia. Certo dia ele foi caçar, e pegou alguns animais, quando foi pegar uma ave (mais especificamente uma águia), jogou a lança nela, a lança não a alcançou, e caiu no chão se quebrando, ele voltou para sua cabana chateado, comeu e dormiu, quando acordou foi caçar pulando em cima dos animais, e mordendo os bichos para matá-los. E isso se passou por duas semanas e seis dias quando que ele acordou com unhas maiores e dentes maiores e quatro patas correndo a 40 km/h, caçou, comeu muito e voltou para a cabana e dormiu, e quando acordou, virou um lobo. (escrito por Moises Anaisse – 504) A LENDA Um dia, em uma tribo havia um índio que tinha costumes diferentes dos outros, ele se chamava Muiraktã, e sempre ficava sozinho às 23 horas em ponto. Muiraktã sempre ficava pensando em sua vida, Huasá, seu protetor espiritual estava ao seu lado quando Muiraktã perguntou ‘’o que seria de mim se eu me transformasse num sapo?’’ No outro dia houve uma invasão, Muiraktã foi morto por um dos guerreiros oponentes, seu corpo foi levado para a mesa de cristal. Após 24 horas, seu corpo sumiu e o que restou foi um sapo com outra vida a proteger. (escrito por Luis Henrique Seixas Fagosi – 505) Há tempos atrás as pessoas criaram lendas de sapos, cães e outros bichos. A lenda da cobra é de quando curumins fugiam dela e viravam pássaros. No passado as pessoas podem ter vivido esse momento, podem ter visto ou não a lenda da cobra ou de pessoas virando pássaros, que é muito assustador. .Teve uma época que as pessoas das aldeias não encontraram mais seus filhos Muitos anos se passaram, esperaram muito até que o garoto apareceu na forma de pássaro, mas ninguém o reconheceu e ele não entendeu o porquê. O rei de sua aldeia se comunicou com o menino , mas não adiantou. O rei deu uma água com um pó da selva e ele não retornou a sua forma de humano, e assim, com aquela forma , acabou morrendo por não ser mais como era antes. Escrito por Victória Brant Cruz Garcia – 501 O LOBISOMEM


Uma noite de lua cheia, um homem caminhava no bosque da cidade de Lodres, mas nem imaginava que estava sendo vigiado por um lobo amaldiçoado.A fera não demorou muito para atacá-lo e assim o transformou em um homem lobo, que em toda noite de lua cheia se transforma em uma fera com sede de sangue. Reza a lenda que a fera só morrerá com um tiro de uma bala de prata no seu peito.Uma certa noite, cinco meninos foram caçar e quatro deles morreram, menos um, que foi esperto que o lobisomem, pois subiu em cima de uma árvore e acertou a fera com um tiro no peito, assim acabando com a maldição. Escrito por João Gabriel – 501 A MULHER – CASCAVEL Em uma bela manhã, Larissa estava passeando com sua mãe, quando de repente apareceu uma cascavel e , rapidamente, num piscar de olhos, a cascavel avançou e deu uma mordida na mão de Larissa. A mãe da menina começou a se sentir mal. - Vamos mãe temos que ir para o hospital. Chegando lá, deram uma injeção e Carmem começou a se sentir bem. - Vamos deixar sua mãe internada para observação. No meio da noite, Carmem começou a se transformar numa cascavel e ficou nessa forma para sempre. Iago Paiva Bezerra – 501 Um dia um índio estava procurando um peixe para pescar e compartilhar com sua família, de repente ele vê uma coisa muito distante. O índio pensou que era um peixe e remou até o objeto e fica espantado com o que vê,um peixe dentro de uma caixa brilhante que nós conhecemos como lata de sardinha. Ele pegou sua lança, espetou o peixe e foi para a sua oca e contou várias mentiras de como conseguiu o peixe, depois foi até a fogueira e preparou o seu jantar. ( Daniella da Silva Monteiro – 501) Em um dia muito ensolarado , um índio chamado Karú estava indo pescar, quando seu filho Tutin ofereceu-lhe uma ajuda, Karú agradeceu pelo esforço de seu filho, mas não aceitou, até porque ele iria pescar perto de grandes correntes de água, o que poderia ser perigoso para o seu amado filho. Quando ele foi pescar estranhou pois toda mata que fica concentrada as margens dos rios havia desaparecido e, por isso, os peixes estavam quase todos mortos, o único peixe que encontrou foi um mínimo, dentro de uma lata , era uma sardinha.Logo ele trouxe todos os objetos velhos que estavam na floresta e levou até a cidade. Reclamou com as autoridades e ensinou os homens brancos como cuidar da floresta, seu filho Tutin, ficou muito orgulhoso de seu pai.


Tuby D’ Oliveira Neto -501 O CORPO MUDADO Era uma vez uma garota sapa que morava em uma árvore, na beira do lago, chamada Marilene.Ela era uma sapa muito elegante, andava sempre de jóias, maquiagem e acessórios. Tudo bem chique. Um belo dia ela e sua mãe, Floribella foram a casa de Lelê, tia de Marilene, que apesar de ninguém saber , era uma sapa feiticeira, que adorava fazer porções. Quando chegaram na casa da tia, Lelê logo percebeu que Marilene se vestia que nem uma humana e decidiu dar um chá a suas parentes, mas botou uma porção dentro do chá de Marilene que faria ela virar humana. Depois voltando para casa Marilene começou a ficar com os gestos de uma humana.Ela foi ficando cada vez mais, até virar humana completamente. E assim dizem que um dia uma sapa virou gente! Escrito por Ana Luisa Estácio – 505 A GARRAFA MISTERIOSA Existem lendas que surgem na cidade, essa é uma delas. No morro da coca-cola estava Dani escorregando com os amigos, há muitas histórias sobre este lugar. Estavam na descida ,quando de repente apareceu uma garrafa de Coca-cola escrita ; “ Beba-me” Daniel curioso a tomou, só que não aconteceu nada, mas uma cobra apareceu.Daniel , como odiava cobras, chutou-a para bem longe. Neste momento, ele virou uma cobra que até hoje vive no morro da coca-cola, esperando que alguém chute-o, quebre o feitiço e fique no seu lugar. Escrito por Bianca Alencar – 505 A COBRA CHORONA Numa cidade chamada MortadelaCity, morava Cleuzemir, ele tinha 46 anos, morava com sua família, que eram sua mãe, sua avó e seus tios, Bob e Brenda. Em um dia ensolarado de verão, Cleuzemir estava passeando numa rua escura com seu velocípede e de repente,roubaram o seu velocípede, ele chorou, chorou, até que ,lá do fundo da rua veio um homem que disse: - Por que chora, grande homem? Disse a feiticeiro com uma capa grande e grossa. Cleuzemir assustado disse: -Quem é você? -Sou um amigo, já que você gosta de deslizar , não se preocupe vou lhe transformar numa cobra e você nunca mais vai precisar do velocípede. O homem transformou Cleuzemir numa cobra que saiu pelas ruas , mas continuou chorando para sempre.


Escrito por Leonardo Lobo – 503 Um dia um garoto estava brincando de ser lobo e foi para floresta, ele bateu a cabeça dele em uma árvore e desmaiou , quando acordou não conseguia andar mais em duas pernas, voltou para sua casa e quando chegou lá sua mãe o recebeu com vassouradas, ele não entendeu nada! Foi embora, quando ele voltou para a floresta , percebeu que tinha virado um lobo.e , então , entendeu o porquê da sua mãe ter o expulsado. Desejou muito voltar a ser humano e voltou.Ele entendeu que ele tinha o poder de mudar de forma, voltou para casa e guardou em segredo sua nova vida secreta. Escrito por Bruno Leite – 503 Um índio, andando com sua canoa por ai, atrás de comida, acabou encontrando uma lata de sardinha.O índio pensou que fosse uma santa e começou a rezar para a latinha.Levou para o cacique da sua tribo e todos pensavam que era um deus.E deste daquele dia é dia da da Santa Sardinha. Escrito por Leonardo Salehb – 501 Tinha um índio que se chamava Salambada, ele morava na Ilha de Tucuruí, na aldeia que era protetora do ambiente, contra poluição, desmatamento, fauna e flora, chamada Salamalama. Um dia Salambada estava na canoa, andando pelo rio e viu um lindo peixe chamado Shiva, era um peixe enlatada da marca sardinha.O índio se apaixonou pelo seu sabor pois comeu. Ele ficou procurando até sua morte outra lata de sardinha que fosse do mesmo sabor, mas não sabia que aprimeira estava estragada e ele teve dor de barriga para o resto da vida. Escrito por Raphaela Gemaque de Pinho - 502


Projeto Novaos Escribas