Page 86

INSIGHTS

depois são avaliados de forma sistêmica e binária, sem levar em conta outras capacidades. Acontece que, do lado da Tecnologia da Informação, muito se avançou em termos de acompanhar a transformação digital, que definitivamente alterou a maneira como os indivíduos se relacionam, se divertem, trabalham e aprendem. De nada adianta uma instituição de ensino pública ou privada, investir isoladamente em acesso Wi-Fi, portais de alunos, inúmeros sistemas de informação e gestão acadêmica e administrativa, sem estar disposta a capacitar/reciclar seus professores, para que esses passem a ser os facilitadores entre seus alunos e as diversas fontes de conhecimento, criando a atratividade necessária para que seus alunos possam aprender a aprender. Outro pilar não menos importante é realmente desenhar uma estratégia de reformulação de processos, que considera a forma como os professores, pais e alunos irão interagir com as inúmeras tecnologias a sua disposição. Essa estratégia, passa por criar uma infraestrutura computacional e de conectividade, capaz de oferecer a disponibilidade e gestão das inúmeras aplicações

86

INFORMATION MANAGEMENT | ABR 2019

educacionais, portais de alunos, EAD e, principalmente, as informações e comportamentos dos usuários (funcionários, pais e alunos), informações que se bem trabalhadas podem proporcionar insights para a tão sonhada prevenção à evasão educacional. Novas exigências de órgãos reguladores colocam ainda mais pressão nos processos e na gestão das informações dos alunos. A regulamentação LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados), por si só, já cria uma necessidade enorme de controle de acesso, armazenamento, backup e gestão do ciclo de vida da informação, em todos os pontos de acesso e sistemas de qualquer instituição de ensino, independentemente de seu tamanho, grau ou localização geográfica. Todas as instituições e empresas estão sujeitas a essa Lei, mas situações como cyberbullying e o fato do setor de ensino ser um dos principais alvos de ataques cibernéticos, somado a atratividade das aplicações em Cloud Computing, tem levado muitos gestores de TI a criar estratégias de migração de seus ambientes computacionais para a nuvem, sem realizar um estudo profundo, tanto técnico como financeiro, o que na grande maioria dos casos acabam sendo estratégias boas no curto prazo,

mas ruins e caras no longo prazo. Minha experiência de quase 3 décadas em TI, me leva a sugerir que se analise muito bem quais tipos de aplicações e informações devem estar no ambiente da instituição e quais podem ser migradas para a nuvem, considerando a gestão interna que as duas situações exigem, disponibilidade e necessidade de acesso à informação, mas principalmente o custo a médio e longo prazos. Estratégias prematuras de migração sem critério para o processamento em nuvens públicas, criaram até um novo movimento, o Cloud Repatriation, que em bom português, é o movimento de trazer de volta, para as nuvens privadas e datacenter próprios, as aplicações, informações e conteúdo que, por diversas características, se tornaram caras e difíceis de manter em ambientes de nuvem externos. Com muita adoção de tecnologia, novos processos, preparação e reciclagem de educadores e novos modelos de ensino, conseguiremos acelerar a mudança que o setor exige e reverter o modelo de preparação de indivíduos com as competências capazes de enfrentar os desafios profissionais que estão por vir.

www.informationmanagement.com.br

Profile for Editora Guia

Revista IIMA 81  

Revista IIMA 81  

Advertisement