Page 1

XXI edição 2018

galardões reconhecimento público ao mérito de cidadãos e entidades


Nota de Abertura

galardões XXI edição | 1

Na realização de mais uma edição de Galardões “A Nossa Terra”, a organização reassume os princípios que nortearam a idealização e a concretização desta iniciativa, ao longo de vários anos, com o objetivo de reconhecer, publicamente o mérito de cidadãos e entidades que se distinguiram em ações de relevo em prol da comunidade, do concelho, da região ou do país em diferentes áreas de atuação, contribuindo, desse modo, para uma maior dignificação e prestígio do bom nome de Braga. Para este propósito, contou, à semelhança das edições anteriores, com o apoio de uma prestigiante comissão de honra de 24 entidades, de áreas distintas como da política, da economia, da cultura, da educação, do desporto, entre outras. Na sua vontade de fazer desta iniciativa um projeto abrangente, isento e credível, a organização constituiu um corpo de júri de várias centenas de pessoas e instituições em representação de vários setores de atividade, permitindo um melhor conhecimento do meio e dos seus valores. A concretização de mais uma edição dos Galardões “A Nossa Terra” deve-se ainda ao importante contributo do tecido empresarial, que de diferentes formas e em diferentes medidas permitiram a realização desta iniciativa, tornando-a num exemplo da capacidade de envolvimento, participação e cooperação. É ainda importante manifestar, o profundo reconhecimento a todos os nomeados e galardoados anteriores bem como a todos nomeados da presente edição que pelo seu fazer bem, contribuíram para a construção de uma comunidade melhor, estimulando outros e dignificando A Nossa Terra. A organização

Índice ‡1RWDGH$EHUWXUD ‡%UDJD²&LGDGH3ROLYDOHQWHH0XOWLFRORU ‡0HPyULDGR(YHQWR *DOD;;j,(GLomR ‡6DUDX$UWtVWLFRH&XOWXUDO ‡&RPLVVmRGH+RQUD²;;,(GLomR ‡2VQRPHVTXHID]HPRHYHQWR *DODUGRDGRV²,j;;(GLomR -~UL;;,(GLomR 1RPHDGRV;;,(GLomR ‡*DODUGmR$UWHV7UDGLFLRQDLVH3RSXODUHV ‡3UpPLRGH0pULWR%UDFDUHQVH ‡*DODUGmRGH-RUQDOLVPR ‡*DODUGmR+RQUDH&RQVDJUDomR

1 2 4 26 28 30

72 72 72 72

Ficha Técnica Título: Galardões “A Nossa Terra” Edição e Propriedade: Direnor – Comunicação e Divulgação Regional, Lda Sede: Rua D. Afonso Henriques, n.º 67 – 1.º esq. 4700-030 Braga Telefones: 253 213 201 / 253 216 923 Fax: 253 616 820 E-mail: galardoes@direnor.pt Site: www.direnor.pt http://galardoesanossaterra.direnor.pt

Facebook: facebook.com/direnor Diretor: José Ferreira Textos, Produção, Design e Paginação: Direnor – Departamento de Comunicação e Marketing Fotografia: Direnor, Loja Fotografia, Queirós Fotógrafo, Wapa, Hugo Carvalho Araújo, Francieli Castro e Ricardo Rodrigues. Depósito Legal: 124609/98 Nota: A todos os que tornaram possível pôr de pé este projeto, o nosso sentido e sincero muito obrigado.


2 | Braga - Cidade Polivalente e Multicolor


galardþes XXI edição | 3

Braga – Cidade Polivalente e Multicolor

Capital da verde e fÊrtil região Minho, esta augusta cidade mostra atualmente visíveis e promissoras condiçþes de crescimento, conciliando harmoniosamente o moderno e o ancestral, provando ser uma cidade de manifesta dinâmica e de olhos postos no futuro. &LGDGHVHFXODUGHUDUDHSHFXOLDUEHOH]DRVWHQWDXP rosto jovial e limpo, envolto numa moldura montanhosa de fascinantes desígnios. A singularidade dos traços que exibe transforma-a naquele que Ê indubitavelmente um dos pólos de atração turística nacional. A sua prosperidade jå lhe valeu o título de capital do FRPpUFLRH[LELQGRYDULDGRVFHQiULRVGHVXFHVVR(FRnomicamente empreendedora, Braga oferece a quem a visita excelentes condiçþes, mercê, igualmente, de um multifacetado associativismo, atuante e crescente, testemunho dinâmico e voluntarioso de uma cidadania aberta à participação e dada à solidariedade. A par de tudo, um extenso e valioso leque de infraestruturas municipais proporcionam aos bracarenses esSDoRVDSUD]tYHLVHEHPDSHWUHFKDGRVSDUDDSUiWLFD desportiva e para um saudåvel aproveitamento dos WHPSRV GH OD]HU $V VXDV ELEOLRWHFDV XQLYHUVLGDGHV e outras instituiçþes de ensino e de cultura fervilham de iniciativas e de gente em busca de mais tÊcnica e mais saber, que garantem a identidade, a consciência HDJUDQGH]DGHVWHFRQFHOKR &RQVLGHUDGD D ´5RPD 3RUWXJXHVD¾ D ´&LGDGH GRV Arcebispos� Ê dotada de uma tradição fortemente religiosa e Ê ao mesmo tempo um verdadeiro santuårio GH EHOH]DV QDWXUDLV GH VXDYHV UHFDQWRV H PiJLFRV encantamentos. Velha senhora da nacionalidade lusitana, vive orgulhosamente o seu passado, que lhe confere uma identidade inigualåvel em termos de riTXH]DKLVWyULFRSDWULPRQLDO É da conjugação de todos estes vÊrtices que Braga verå no futuro recompensada a sua natural intenção de se colocar no patamar de importância que lhe assiste e pertence por direito.


4 | Memória do Evento Gala - XX Edição (Theatro Circo de Braga)

*DODUGRDGRV;;(GLomR

%DFNVWDJH(VFRODGH'DQoDH$UWHV3HUIRUPDWLYDV

5XVJDGH69LFHQWHGH%UDJD²*(%0

Nova Comédia Bracarense

/DELQD *DODUGmR(PSUHVD6HWRU,QGXVWULDO H0LJXHO5LEHLUR

*UXSRGH3RHVLDGD8QLYHUVLGDGHGR0LQKR

Conservatória de Música Calouste Gulbenkian de Braga (QVLQR$UWLFXODGR

Juliana Duarte

Apolo Braga – A R Latino

&DVWUR*DODLFR)HVWLYDOGH1RJXHLUy *DODUGmR(YHQWR


galardões XXI edição | 5

&RPSDQKLD%RPEHLURV6DSDGRUHVGH%UDJD *DODUGmR 2UJDQLVPRVGH6HUYLoR3~EOLFR H2UODQGR2OLYHLUD

,QVWLWXWR'-RmR1RYDLVH6RXVD *DODUGmR,QVWLWXLomRGH6ROLGDULHGDGH6RFLDO

0DULD7RUFDWR%DSWLVWD *DODUGmR$VVRFLDWLYLVPR

8QLmRGH)UHJXHVLDVGH5HDO'XPHH6HPHOKH *DODUGmR-XQWDGH)UHJXHVLD H$OWLQR%HVVD

)HUQDQGR&DUGRVR *DODUGmR$UWHV7UDGLFLRQDLVH3RSXODUHV

0XVHX''LRJRGH6RXVD *DODUGmR(QWLGDGH H5LFDUGR5LR

-RmR7RUUHV *DODUGmR$OWUXtVPR

(VFROD6HFXQGiULDGH0D[LPLQRV *DODUGmR(QWLGDGHÉUHDGH(QVLQR

'DQLHO3HUHLUD´&ULVWRµ *DODUGmR0~VLFD

3HGUR6HURPHQKR *DODUGmR$UWHVH&XOWXUD


6 | Memória do Evento Gala - XIX Edição (Parque de Exposições de Braga)


galardões XXI edição | 7


8 | Memória do Evento Gala - XVIII Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - XVII Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 9


10 | Memória do Evento Gala - XVI Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - XV Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 11


12 | Memória do Evento Gala - XIV Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - XIII Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 13


14 | Memória do Evento Gala - XII Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - XI Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 15


16 | Memória do Evento Gala - X Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - IX Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 17


18 | Memória do Evento Gala - VIII Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - VII Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 19


20 | Memória do Evento Gala - VI Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - V Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 21


22 | Memória do Evento Gala - IV Edição (Parque de Exposições de Braga)


Memória do Evento Gala - III Edição (Parque de Exposições de Braga)

galardões XXI edição | 23


24 | Memória do Evento Gala - II Edição (Theatro Circo de Braga)


Memória do Evento Gala - I Edição (Theatro Circo de Braga)

galardões XXI edição | 25


26 | Sarau Artístico e Cultural

Tom Clássico - Tocámos emoções O Grupo Tom Clássico tem vindo a afirmar-se, no panorama musical português, como uma referência no acompanhamento musical de cerimónias religiosas ou civis, bem como noutros eventos sociais. Todos os elementos são profissionais da área da música e dispõem de um vasto repertório, do clássico ao ligeiro, que tentam adequar às preferências e gostos musicais de quem os procura. Participam em eventos com a presença e colaboração de alguns artistas de renome. Trabalham com prazer, gosto, requinte e esforçam-se para abrilhantar, de uma forma muito especial, dias importantes. Nos momentos felizes propõem-se “tocar emoções”. É a paixão pela arte que os une e isso sente-se em cada apresentação musical.

Malad’Arte Formado em Braga há cerca de 3 anos o MalaD’arte é um grupo de teatro que tem conseguido dar resposta às necessidades culturais da cidade. São conhecidos pela imensa paixão, alegria e entrega com que sobem para cima de um palco. Com uma agenda preenchida, são requisitados para todo o tipo de animações, organização de eventos e recriações históricas, com grande destaque para a produção de espetáculos para o público infantil. O grupo tem trabalhado com jovens atores privilegiando a troca de ensinamentos e o contacto entre artistas de outro tipo de áreas. Pelo seu profissionalismo, amor à Arte e, sobretudo, pela Paixão que o grupo tem em criar a “Obra”, a MalaD’arte é já uma referência do panorama cultural do concelho.

Tó Fernando Falar de Tó Fernando é falar de quem nasceu a sonhar com a música. Natural de Braga, aqui cresceu e a paixão pela música, também, fazendo da guitarra a sua fiel companheira. Começou por tocar covers em casas de amigos, aniversários, no Grupo coral de Merelim S. Pedro e no escutismo. Em 1986, iniciou com os concertos, mais a sério, em que o primeiro foi no emblemático “Theatro Circo”, ao qual se seguiu o habitual percurso pelos bares e todo o tipo de eventos, sempre numa carreira a solo e cantando covers. Em 1995, formou os “Xystema Show” (Banda de Baile), que ainda está no ativo, com muitos espetáculos. Em 1999, cria uma escola de música (Escola de Viola de Merelim), onde no início só ensinava Guitarra e Cavaquinho. Em 2005, a escola de música passou a chamar-se “Escola de Música Tó Fernando”, aí já com aulas de Piano, Guitarra e Baixo. Em 2010, o sonho, finalmente, começa a tornar-se uma realidade. Após a composição de vários originais, que tinha escrito e musicado ao longo dos anos (Pop/rock, cantado em Português), entra em estúdio e no ano seguinte apresenta o seu primeiro trabalho discográfico “Um Sonho de Sempre”. Em 2013, surge o segundo trabalho “Tudo o que eu faço”. Atualmente está novamente em estúdio a gravar o 3º Álbum, com apresentação prevista para muito breve. Com uma agenda repleta de espetáculos, Tó Fernando vive para a música, compor e escrever é a sua arte, numa carreira que pretende que nunca acabe!

Mário Bruno Jovem bracarense, natural da freguesia de Fradelos, desde muito pequeno demonstrou um grande interesse pela música. O Fado é o estilo musical que mais o encanta, não só pela autenticidade dos seus poemas, mas também, pelo som único da guitarra portuguesa que sempre o apaixonou e o leva a transformar-se, sempre que sobe a um palco. Iniciou o seu percurso, em 2013, quando decidiu concorrer à Grande Noite de Fado de Braga (Bragafado), na qual chegou ao leque de finalistas, atuando, assim, no palco do Parque de Exposições de Braga. Em 2014 regressou ao palco da noite de fado bracarense, desta vez com uma participação especial. Neste mesmo ano cantou no Museu do Fado, em Lisboa. Desde então, não mais parou de cantar, e vai conjugando o seu percurso académico com a sua “Alma Fadista”. Em 2015, foi finalista da Grande Gala do Fado do Porto, numa noite especial onde teve a oportunidade de partilhar o palco com os grandes nomes do Fado, nomeadamente Rodrigo, Jorge Fernando e Celeste Rodrigues, no Teatro Sá da Bandeira.Em 2016, voltou a concorrer e a encantar na final do Bragafado, desta vez no Theatro Circo. Em 2017, cantou no Teatro Gil Vicente, na Grande Noite de Fados de Barcelos. Na sua bagagem artística, durante estes anos, conta, ainda, com algumas noites de fado realizadas na cidade de Braga.


galardões XXI edição | 27

Jovens Talentos Inês Miguel de Carvalho A Inês Miguel de Carvalho, natural de Braga, tem 12 anos e iniciou os seus estudos musicais na Yamaha Music School Braga/Escola de Música Mozart, com 5 anos, tendo ingressado no Junior Music Course. A filosofia do sistema de ensino da Yamaha Music School, consiste em aprender música a OUVIR, CANTAR, TOCAR, LER e CRIAR, aperfeiçoando a musicalidade com que cada criança nasce, desenvolvendo a capacidade de criar, bem como executar, a sua própria música, encorajando-a a partilhá-la com as outras pessoas. O espelho desta filosofia de ensino são os Concertos de Jovens Compositores (JOC), em que crianças das escolas de música Yamaha têm a oportunidade de apresentar em público as suas próprias composições. A Inês já participou em 3 JOC. O primeiro, com 9 anos, em Braga (concerto ibérico, 2016) com a peça “A Flor da Minha Mãe”, o segundo em Hamburgo (concerto europeu, 2018), com a peça “Pautas ao Vento” e o último em Madrid (concerto ibérico). Em março de 2018, a Câmara Municipal de Braga atribuiu-lhe um Voto de Louvor pelo facto de ter sido a representante de Portugal e da Yamaha Music School Braga no Concerto Europeu de Jovens Compositores, na Alemanha.

Carolina Dias Teixeira A Carolina é uma talentosa menina bracarense de apenas 14 anos. Começou o seu percurso no mundo das cantorias com apenas 9 anos. Cantar é um talento, mas é também uma diversão. Em cima do palco é muito feliz e por isso mesmo tem participado em inúmeros concursos, onde tem tido a oportunidade de cantar e encantar. Já participou no Got Talent, no Tadim a Cantar, em 2016, onde ganhou o 1º lugar, nos Jovens talentos Ibero Americano onde conseguiu o 2º lugar, entre muitos outros.

Aida Gomes Desde os 2 anos que adora dançar… os espetáculos para os amigos e família eram habituais! Aos 6 anos pediu para entrar numa escola de dança e encontrou a “Backstage Escola de Dança e Artes Performativas”. Adorou as aulas de Dança Jazz e cada vez queria aprender mais… começou a esforçar-se verdadeiramente aos 11 anos, e como recompensa ganhou uma bolsa de mérito. Atualmente ensaia todos os dias da semana… Dança Jazz, Hip-Hop, Dança Contemporânea, Pole Dance, Ballet Clássico, Elementos Gímnicos, Flexibilidade. No presente integra a Companhia Júnior Backstage e participa em imensos espetáculos, galas e concursos por ano, tendo sido premiada tanto em grupo como solista com vários primeiros lugares. A par desta genuína paixão é também uma excelente aluna. Reconhece que a Backstage não só a ensina a dançar, mas também a instrói a ser uma pessoa organizada e disciplinada. Cada dia sente mais amor pela Dança.

Rodrigo Gonçalves Rodrigo Gonçalves nasceu em 2007. Iniciou aos 4 anos o Curso Estrelita da Fundação Yamaha na Escola de Música Mozart, em Braga. Ingressa no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga em 2013, para o ensino básico, estudando piano com o professor Pedro Andrade. Ao longo do seu percurso tem participado em vários concursos, obtendo no passado ano o 2º lugar ex aequo do Prémio Jovens Talentos de Braga.

Escola de Música Mozart A Escola de Música Mozart/Yamaha Music School Braga é uma instituição direcionada para o ensino da música. Leciona vários estilos musicais, do erudito à música tradicional portuguesa, passando pelo Pop, Rock e Jazz, apoiada nas mais recentes metodologias e tecnologias. Os cursos são direcionados para todas as faixas etárias, havendo a possibilidade das aulas serem individuais ou em grupo, dependendo do curso em questão. Como a qualidade de ensino é uma preocupação constante, a Escola de Música Mozart associou-se a instituições internacionais de elevada reputação para certificarem os cursos nela ministrados. Saiba mais em www.escolamusicamozart.com


28 | Comissão de Honra

Presidência da República Marcelo Rebelo de Sousa Ministério da Cultura Luís Castro Mendes Câmara Municipal de Braga Ricardo Rio Arquidiocese de Braga Jorge Ortiga Turismo do Porto e Norte de Portugal Melchior Moreira Universidade do Minho Rui Vieira de Castro Universidade Católica Portuguesa João Manuel Duque Associação Comercial de Braga Domingos Macedo Barbosa AIMinho – Associação Empresarial António Marques Sporting Clube de Braga António Salvador ABC de Braga Rui Silva Hóquei Clube de Braga Luís Botelho Fundação INATEL Francisco Caneira Madelino Instituição Português do Desporto e Juventude Vítor Baltazar Dias Regimento da Cavalaria de Braga José Talambas Bombeiros Voluntários de Braga António Miguel Ferreira Hospital de Braga João Ferreira Cruz Vermelha Portuguesa Armando Osório Santa Casa da Misericórdia de Braga Bernardo Reis Corpo Nacional de Escutas – Junta do Núcleo de Braga Alexandra Gonçalves Orfeão de Braga Margarida Oliveira Fundação Bracara Augusta Sameiro Araújo ASPA – Associação de Defesa do Património Armando Malheiro da Silva Sociedade Portuguesa de Autores Fernando Jorge Lima

Patrocinador Oficial


Os nomes que fazem o evento Galardoados e Nomeados

galardões XXI edição | 29


30 | Empresa Setor Comércio/Serviços patrocinado por Tipografia Priscos

Galardoados I Edição

II Edição

José Gomes, S.A.

VIII Edição

José P. Rodrigues e C. Lda.

IX Edição

Clínica Médico-Cirúrgica de Santa Tecla

XV Edição

Armazém dos Terceiros

Cidadela Electrónica

XVI Edição

Pic Pic

III Edição

Cardoso da Saudade

X Edição

Livraria 100ª Página

XVII Edição

Hospital Privado de Braga

IV Edição

Livraria Minho

XI Edição

Centro de Tomografia de Braga

XVIII Edição

Centro de Cardiologia de S. Lazáro

V Edição

Lab. de Patologia Clínica Hilário de Lima

XII Edição

Braga Parque

XIX Edição

Farmácia Pipa

VI Edição

Primavera Software

XIII Edição

Casa de Saúde de S. Lázaro

VII Edição

Torrestir

XIV Edição

Sapatarias Fernando

XX Edição

Gandias

Júri XXI Edição Empresa Setor Comércio e Serviços (53 elementos) A.S. Consult (Ângelo Sousa), Agripalmeira (João Correia), AKI (Miguel Dias), ALR (Adelino Lopes Ribeiro), AMI Informática (Pedro Aguilar), Armazém Terceiros (Francisco Gomes), Arte Sacra Mário Pereira (Mário Pereira), Banco BIG (Pedro Oliveira), Bernardo da Costa, Lda. (Ricardo Costa), BF Consultores (Rafaela Silva), Braga Parque (Ana Rodrigues), Capela Morais Serviços (Manuel Morais), Centro de Tomografia de Braga (Angelina Cruz), Civarq (Cláudio Silva), CMI (Paulo Barbosa), Confort Electrodomésticos (António Costa), Construções Sá Taqueiro (Paula Ferreira), Electro Antunes (Sérgio Antunes), Fiel Amigo Clínica Veterinária (Sofia Ferreira), Francisco Vilaça, Grupo Jota (Jorge Teixeira), Homefinder (Marco Carvalho), Imporescape (Carvalho Ferreira), InvestBraga (Carlos Silva), JC Group (Daniel Pedro), Lacbraga (Ana Oliveira), Loja do Jó (Jorge Ferreira), Maxigrula (Augusto Silva), Mediata (José Matos), Minho Grafe (Abílio Pereira), Nostri (Sérgio Pinho), Paula Lage (Nélson Costa), Pic-Pic (Carlos Rêgo), Publicidade É Connosco (Pedro Barbosa), Rodel (Nuno Lameiras), Santos da Cunha II (Elísio Ferreira), Sindicato do Comércio e Serviços do Minho (António Lima), Solcortinados (António Faria), Tecnomato (António Pinto), Triformis (Silvina Alves), Urbegás (Albertino Esteves), Yang Therapy (Mário Alves), …


galardões XXI edição | 31

Nomeados XXI Edição Bernardo da Costa Em 1957, o jovem empreendedor Bernardo da Costa abre a empresa “Electra Luz Avenida de Bernardo da Costa”, com sede na Av. Central, em Braga. Desde a fundação, teve como objetivo servir e satisfazer as necessidades do público, dedicando-se a instalações elétricas de apoio à construção civil, bem como, ao comércio a retalho de material elétrico, eletrodomésticos, iluminação e aparelhos de força motriz. Em 1979, alarga o seu projeto pessoal, dando sociedade aos seus filhos, passando a empresa a designar-se por ”Bernardo da Costa & Filhos, Lda”. Com o passar dos anos e com o reconhecimento dos serviços prestados, crescem os amigos, clientes e fornecedores. Em 1994, remodela a casa do seu fundador, em S. Victor, criando escritórios e armazém e adquire um pavilhão em Adaúfe (2001). Em 2002, converte-se em sociedade anónima, adotando a designação social de “Bernardo da Costa & Filhos, S.A”. O seu fundador, não deixou apenas uma Empresa, implementou uma herança cultural, de fortes laços familiares, que tem perdurado no tempo e que é hoje, o Grupo Bernardo da Costa. Atualmente, presente nos cinco continentes, trabalha na distribuição de equipamentos de Segurança Eletrónica, controlo de acessos, CCTV, domótica, anti-shoplifting, análise de vídeo, chamada de emergência, instalações elétricas, formação e construção civil. O Grupo Bernardo da Costa tem um total de 174 colaboradores, 81 em Portugal e 93 nas empresas espalhadas pelo mundo inteiro.

Pires Joalheiros Para a Pires Joalheiros, ética nos negócios gera amizade e continuidade. Modernidade, e tradição são os pilares desta empresa, que há mais de 80 anos ocupa uma posição privilegiada no coração da cidade de Braga, sendo uma referência do comércio tradicional local. A aliança entre a fidelidade do seu lema, a ética na atividade comercial e as grandes marcas que representam criam laços de amizade em quatro gerações de clientes e distribuidores. A Pires Joalheiros destaca-se pela qualidade no serviço prestado, sendo uma referência de bem servir e privilegiando, sempre, o contato próximo com o cliente. Os artigos tradicionais do seu ramo, são o perfeito complemento das joias, relógios e pratas de design contemporâneo de marcas de alto prestígio que representam em exclusivo. A Pires Joalheiros representa uma grande diversidade de conceituadas marcas em relojoaria (Rolex, Cartier, Omega, Montblanc, Ulysse Nardin, Chronoswiss, Cuervo y Sobrinos, Ebel, Tudor, Eberhard, Seven Friday, Briston e Reguladora) e em joalharia (Eleuterio, Dámaso Martínez, Gatto, Gucci, K Di Kuore e Barakà).

Sabseg É uma empresa de corretagem de seguros independente, sólida e rigorosa que opera no mercado com total transparência, em absoluta parceria com os seus clientes, há mais de 18 anos. Tem sido uma das suas preocupações constantes a procura e o desenvolvimento de soluções seguradoras que, por meio da sua abrangência e otimização, concorram para o reforço da segurança dos seus clientes. Hoje, a SABSEG, é Líder no Mercado Nacional, com 24 escritórios abertos ao público. Conta com mais de 1.000 colaboradores diretos e indiretos que todos os dias trabalham para satisfazer os mais de 100.000 clientes particulares e 15.000 empresariais que tem. É também uma empresa multinacional com presença em 3 Continentes sendo uma referência no mercado de corretagem do mundo lusófono. A sua ambição é continuar a crescer em dimensão, inovação, atingindo níveis de serviço que projetam de forma clara a preferência que têm obtido junto de todos os seus clientes e parceiros. Constroem Relações Seguras.

Salão Mozart O Salão Mozart é uma empresa sediada em Braga, fundada em 1978, que conta com a participação da 3ª Geração da família. Dedica-se à comercialização de instrumentos musicais, projetos e instalação de som e luz, estando também ligado ao ensino da música através da Escola de Música Mozart, que integra o sistema de educação musical orientado e programado pela Yamaha Music School, uma instituição de referência a nível mundial. Este ano o Salão Mozart celebra o 40º aniversário. Desde a sua fundação prima pelo rigor, competência e profissionalismo. Conta com uma equipa dinâmica e especializada que oferece aos seus clientes um aconselhamento e orientação de qualidade, sendo o seu objetivo ir ao encontro das necessidades dos clientes. Acreditando num modelo de negócio baseado na sustentabilidade e apostando continuamente em novos objetivos, dão a conhecer aos seus clientes instrumentos de topo, novas soluções para projetos de som e luz e serviços mais completos, garantindo variedade, qualidade e assistência à altura de uma empresa de excelência. Continuar entre as principais empresas do mercado, é sem dúvida, o objetivo principal do Salão Mozart.


32 | Empresa Setor Industrial patrocinado por Banco BPI

Galardoados I Edição

R.I. Pneus, S.A.

VIII Edição

II Edição

III Edição

J. Gomes - Sociedade de Construções do Cávado, S.A.

Domingos da Silva Teixeira, S.A.

IX Edição

X Edição

Navarra - Extrusão de Alumínio, S.A.

Camilo Pinto, S.A.

Duarte & Filhos, S.A.

XV Edição

XVI Edição

XVII Edição

Bosch Car Multimedia Portugal

ETMA

Balanças Marques

IV Edição

Empreiteiros Casais, S.A.

XI Edição

O Feliz Metalomecânica

XVIII Edição

Cachapuz

V Edição

VI Edição

Serafim da Silva Serralharia O Setenta, Jerónimo & Filhos, Lda. S.A.

XII Edição

Recauchutagem Ramôa

XIX Edição

F3M - Information Systems, S.A.

XIII Edição

Paularte Indústria de Mobiliário

VII Edição

FDO

XIV Edição

Lacatoni

XX Edição

Labina

Júri XXI Edição Empresa Setor Industrial (41 elementos) A.S. Consult (Ângelo Sousa), Agripalmeira - Comércio de Máquinas Agrícolas (João Correia), António Fernandes Coimbra, Atrito (Paula Gomes), Banco BIG (Pedro Oliveira), Bernardo da Costa, Lda. (Ricardo Costa), BF Consultores (Rafaela Silva), Bramolde, Lda. (Hélder Pereira), Cachapuz-Equipamentos Para Pesagem (Graça Coelho), Carlos e Miguel (Carlos Lisboa), Construções Sá Taqueiro (Paula Ferreira), Firmago (João Araújo), Francisco Vilaça, Grupo Jota (Jorge Teixeira), InvestBraga (Carlos Silva), JC Group (Daniel Pedro), Lacbraga (Ana Oliveira), Mármores Tibães (António Gomes), Mediata (José Matos), Mendes Caldas e Abreu, Lda. (Mário Abreu), Narciso Carvalho & Filhos Lda. (Cecília Sousa), Navarra-Extrusão de Alumínio (Avelino Gonçalves), Olirum (Murilo Lima), Pavimentos Império (Pedro Junqueira), Publicidade É Connosco (Pedro Barbosa), Rodel (Nuno Lameiras), Setimep, Lda. (Henrique Gonçalves), TLCI-Soluções Integradas de Telecomunicações (José Pereira), Triformis (Silvina Alves), Urbegás (Albertino Esteves), …


galardões XXI edição | 33

Nomeados XXI Edição Bragalux Com cerca de 40 anos de experiência no mercado das instalações elétricas, a BRAGALUX é uma das empresas nacionais de referência no setor da engenharia elétrica, contando, também, com as atividades de AVAC e hidráulica no seu portefólio.A BRAGALUX tem merecido a confiança dos clientes mais exigentes, sendo chamada regularmente para a execução de obras de referência (indústria, terciário e residencial), pertence, ainda, ao restrito número de parceiros nacionais da EDP no campo das infraestruturas de distribuição, tendo a seu cargo a construção e manutenção de rede elétrica e de iluminação pública em várias zonas do país.A BRAGALUX faz parte do GRUPO TRES60, que tem 18 empresas sediadas em Portugal, Espanha, Angola, Alemanha e França, gerando um volume de negócios de 180 milhões de euros e contando com a dedicação de cerca de 1.100 colaboradores. O Grupo está sobretudo presente nos setores da Eletricidade, Telecomunicações e Gás, exercendo atividades industriais, comerciais e de engenharia, ocupando lugares de referência nos diversos mercados onde atua.

Construções Sá Taqueiro A empresa Sá Taqueiro surgiu na década de 60 do século passado e dedicava-se, então, à colocação de pavimentos de madeira. A partir daí modernizou-se, criou e obteve uma dinâmica própria que lhe tem permitido crescer de forma sustentada, ano após ano, consolidando a imagem de qualidade e credibilidade do seu produto no mercado, através dos mais diversos empreendimentos que tem construído. Com uma equipa fortemente motivada e com formação adequada, desenvolve a sua atividade no setor da construção civil, remodelações e móveis – cozinhas, casas de banho e interiores, criando soluções de qualidade, reconhecidas pelos seus clientes. Com mais de meio século de vida, pautados pela experiência e rigor, a Sá Taqueiro, empresa de referência na construção na região norte, conhecida pelos seus altos padrões de qualidade e competência em construção residencial, investe fortemente na inovação e em projetar empreendimentos onde se privilegia a qualidade de vida e integração com a envolvente. A Sá Taqueiro, empresa certificada em Qualidade e Segurança, desde 2005, garante fiabilidade, rigor e inovação aos seus clientes.

Grupo Fehst Grupo Fehst é um grupo familiar sediado em Braga, que detém o controlo da Fehst Componentes, Lda., da Enancer Electrónica S.A. e da Siroco - Soc. Ind. de Robótica. A Fehst Componentes é a principal empresa do Grupo e um dos principais fornecedores portugueses para a indústria automóvel, já com 23 anos de atuação no mercado. Foi fundada em 1995 a partir de um management buyout da Grundig Componentes. Especializada na produção de peças decorativas para o interior do automóvel, a Fehst Componentes produz, na sua fábrica em Braga, painéis frontais para sistemas de áudio e ar condicionado, módulos para o volante, além de diversos comandos, incluindo os de vidro. Atualmente exporta cerca de 95% de sua produção para países na Europa. Conta com máquinas de injeção de plásticos, sofisticadas linhas de pintura automática com cura UV e linhas de montagem robotizadas. Em 2017, investiu numa nova linha de cromagem para servir a indústria automóvel. Com a concretização deste importante investimento, gerou mais empregos qualificados e contribuiu substancialmente para o aumento da faturação na região de Braga.

Mário da Costa Martins e Filho, Lda. A casa ortopédica “Orthopedia Médica”, fundada em 1897, centrava a sua atividade no fabrico de instrumentos cirúrgicos, pernas e braços artificiais, aparelhos ortopédicos, reparação de armas de defesa e de caça, fundição de metais, acessórios para bicicletas, entre outros produtos metálicos. Atualmente a principal atividade económica, da Mário da Costa Martins (MCM), centra-se na produção de componentes obtidos por estampagem para a indústria eletrónica, elétrica, automóvel e de auto-rádios e na conceção e produção de ferramentas utilizadas na produção de peças em chapa, para aplicação nas diversas indústrias. Recentemente, recuperando uma tradição da empresa, volta a trabalhar na área médica, através da produção de próteses e implantes. Com 121 anos de existência, é uma empresa familiar, colaborando na gestão da mesma a terceira e quarta geração. Contando com cerca de 140 colaboradores, a MCM atingiu um volume de negócios de 25 milhões de euros em 2017. Apesar da maioria da sua produção ter como destino o mercado interno, apenas 2% das peças que produz fica em Portugal, sendo a quase totalidade exportada pelos seus clientes. A MCM abrange, ainda, os mercados europeu, asiático e americano, para onde exporta diretamente.


34 | Empresa Setor Restauração/Pastelaria/Hotelaria

Galardoados I Edição

II Edição

Restaurante S. Frutuoso

VIII Edição

Hotel do Parque

IX Edição

Restaurante Bem-Me-Quer

XV Edição

Pastelaria Lusitana

Doçaria S. Vicente

XVI Edição

Restaurante Cozinha da Sé

III Edição

Frigideiras do Cantinho

X Edição

Restaurante O Pórtico

IV Edição

V Edição

VI Edição

VII Edição

Hotel do Elevador

Albergaria Senhora-A-Branca

Restaurante Sameiro (Maia)

Café “A Brasileira”

XI Edição

XII Edição

XIII Edição

XIV Edição

Hotel da Falperra

XVII Edição

XVIII Edição

Meliã Braga Hotel & Spa

Restaurante Dona Júlia

Café Vianna

XIX Edição

Restaurante Elvira

Pastelaria São João

Hotel Turismo

XX Edição

Colinatrum Café

Júri XXI Edição Empresa Setor Restauração/Pastelaria/Hotelaria (40 elementos) António Barroso, Barhaus (Diogo Fernandes), Bernardo da Costa, Lda. (Ricardo Costa), Bragadouro, Lda./McDonald’s (Maria Teresa Soares), Câmara Municipal de Braga (Altino Bessa), Casa dos Lagos (Andrelina Barbosa), Confraria Gastronómica do Abade (Agostinho Peixoto), Hotel de Lamaçães (António Carvalho), Hotéis do Bom Jesus (Albino Viana), InvestBraga (Carlos Silva), Padaria Confeitaria Maximinense (Carlos Clemente), Pastelaria Bolo Fresco (Hélder Costa), Pastelaria Brígida (Patrícia Cardoso), Pastelaria Frigideiras da Sé (Paulo Pereira), Pastelaria S. João (Carlo Cichetti), Pastelaria Veneza (Paulo Vilaça), Restaurante Costa (Artur Costa), Restaurante O Gato do Rio (Jorge Oliveira), Sismaster (Márcio Veloso), Taberna Hortelã Pimenta (Hernani Marinho), …


galardões XXI edição | 35

Nomeados XXI Edição Casa das Natas Iniciou a sua atividade em 23 de dezembro de 2006, com uma equipa constituída por 4 pessoas, dotadas de grande experiência em pastelaria e uma zona de fabrico de 80 m2. Três anos depois, em 2009, abre a sua segunda casa na freguesia de Nogueira, em Braga. Com o passar do tempo, nestas duas casas foram feitas remodelações, melhorando a sua imagem e a qualidade no serviço. No ano de 2012, inaugurou mais uma Casa das Natas, também em Braga. Atualmente, conta com 5 casas e 47 colaboradores. A vontade em fazer chegar ao maior número de pessoas possível a sua pastelaria de elevada qualidade, levou à sua participação em diversas feiras e festivais, como por exemplo o Festival Internacional de Óbidos, no qual alcançou três pódios (1º, 2º e 3º lugar). Entre as distinções obtidas, destaca-se ainda o ter sido a 2ª vencedora do Concurso de Montras em Chocolate – 2011. Entre a imensa pastelaria de excelência, as natas são os doces mais procurados, dispondo de vários exemplos deste doce (nata simples, nata com tudo – açúcar e canela, nata com chocolate e nata com amêndoa), satisfazendo os gostos distintos dos seus clientes.

Hotel do Templo Integrado no grupo “Hotéis do Bom Jesus”, o Hotel do Templo é um verdadeiro refúgio de paz e bem-estar para todos que desejam descobrir a essência do norte de Portugal e descansar numa região inesquecível. Os 42 quartos desta unidade de alojamento, remodelados e equipados com serviços modernos, dispõem de wi-fi grátis e TV satélite, de modo a assegurar a máxima comodidade, junto ao famoso santuário e longe da habitual rotina. O centro de saúde e bem-estar, a piscina interior climatizada, o jacuzzi, o banho turco, o ginásio, a zona de massagens e o spa são locais de encontro inevitáveis, pontos de partida para um convívio descontraído e refrescante. A fachada remodelada e voltada ao Santuário, considerado uma das primeiras construções neoclássicas em Portugal, esconde atrás de si um hotel moderno, para a partir daqui ir à descoberta de uma região de encanto. Descubra o poder da excelência. Explore, neste paraíso dotado da beleza natural que é o Minho, as diferenças subtis que aqui convergem: calor humano, serviço esmerado, uma homenagem diária à arte da culinária e aos vinhos de Portugal. Definitivamente, um alojamento para todos.

Restaurante Arcoense Fundado há cerca de 30 anos pelo seu proprietário de sempre, Joaquim Rebelo Barroso, o Restaurante Arcoense, distingue-se pela excelência da sua cozinha tradicional e genuinamente minhota. Reconhecido pela qualidade superior dos seus produtos, da sua ementa destacam-se as carnes certificadas, com produção própria de porco bísaro e o peixe fresco de mar, sempre servidos com grande simpatia e regados com os vinhos disponíveis numa garrafeira de excelência. Dispõe de duas salas amplas e acolhedoras, onde são visíveis, na decoração, alguns dos prémios conquistados em concursos gastronómicos, tendo ainda a particularidade de a cozinha poder estar sob os olhares dos seus clientes.

Sardinha Biba A discoteca Sardinha Biba tem sido, nas três últimas décadas, um espaço de referência na animação noturna bracarense e é hoje em dia uma Marca com notoriedade, consagrada a nível nacional, que faz parte da imagem da cidade e região. Situada em pleno coração de Braga, dispõe de duas áreas distintas: uma sala mais eclética, onde os sons pop, funky, disco e house music, estão sempre presentes e uma área dedicada aos ritmos mais quentes da música brasileira, africana e latina, onde a dança merece uma especial atenção. Numa filosofia de Super-Club, com o toque íntimo e o requinte dos espaços acolhedores, mas com imponência de grande discoteca. Com uma aparência cuidada e intemporal, continuamente melhorada para elevar o nível do espaço, privilegia um serviço de qualidade e profissionalismo. Perfeitamente habilitada para a organização de eventos pontuais, salienta-se a consistência e longevidade das “Quartas Académicas” e das “Sextas Girls Night Out” com muitas surpresas e ofertas para o público feminino. Além destes dias, o Sardinha Biba funciona também aos sábados e vésperas de feriado com inúmeras festas temáticas, cantores, performers e djs convidados, de valor indiscutível, no panorama musical nacional e internacional. Enquanto palco de lazer e animação noturna, conta já com mais de três décadas de atividade ininterrupta e de plena realização, cativando público muito para além dos limites fronteiriços de Bracara Augusta.


36 | Juventude patrocinado por Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Galardoados III Edição

Ana Alegria

VIII Edição

Hugo Delgado

IX Edição

Luis Tarroso Gomes

XV Edição

Inês Vinagre

XVI Edição

Cristina Nogueira-Silva

X Edição

IV Edição

Jessica Augusto

XI Edição

Ivo Carneiro

Célio Peixoto

XVII Edição

XVIII Edição

Sofia Sarmento

Rita Martins

V Edição

Joana Gama

XII Edição

Bárbara Passos

XIX Edição

Carlos Alberto Videira

VI Edição

José Carlos Macedo

XIII Edição

Hugo Pires

VII Edição

Emanuel Silva

XIV Edição

Pedro Sousa

XX Edição

Catarina Gonçalves

Júri XXI Edição Juventude (61 elementos) A.C.I.J.E. (Luz Duarte), ACOFA (Américo Camarinha), Ágora Bracarense (Marta Ferreira), Ana Gomes, Ângelo Sousa, António Fernandes, António Guimarães Rodrigues, António Vilas Boas, Associação Académica da Universidade do Minho (Bruno Alcaide), Associação de Andebol de Braga (Manuel Moreira), Associação de Basquetebol de Braga (Fernando Monteiro), Associação de Futebol de Braga (Manuel Machado), Associação Musical “Sinfonieta de Braga” (Paulo Morais), Bárbara Passos, Bragacine (Artur Moreira), C.A.F.J.E.C. (Helena Sarmento), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Câmara Municipal de Braga (Sameiro Araújo), Célio Peixoto, Centro Académico de Braga (Ana Fernandes), CLIB-Colégio Luso-Internacional de Braga (Helena Vaz), Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (Ana Caldeira), Coro Académico da Universidade do Minho, Coord. Local de Desporto Escolar do Distrito Braga (Carlos Dias/Luís Covas), Ent’Artes (Diana Sá Carneiro), Equipa Espiral (Armando Rosas), Escola EB 2,3 Frei Caetano Brandão-Agrupamento Oeste Colina (Virgílio Silva), Escola EB 2,3 Tadim-Agrupamento de Escolas Trigal Santa Maria (José Sil), Goreti Machado, Hóquei Clube de Braga (Luís Botelho), Hugo Delgado, Hugo Olival, Ida e Volta (Carlos Bonjardim), Instituto Português do Desporto e Juventude (Vítor Baltazar Dias), José Barroso, José Carlos de Miranda, José Händel de Oliveira, Manuel Mendes, Mélissa Antunes, Nova Comédia Bracarense (Carlos Barbosa), Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), S.C. de Braga-Secção Atletismo (Manuel Lopes), S.C. de Braga-Secção de Bilhar (José Vale), S.C. de Braga-Secção de Desporto Adaptado (Luís Marta), S.C. Braga-Secção de Natação (Hélder Correia), S.C. Braga-Secção de Voleibol (Nádia Covas), Sílvia Faria, Tin.Bra (Maria Torcato Baptista), …


galardões XXI edição | 37

Nomeados XXI Edição Maria Miguel Com apenas 17 anos, Maria Miguel é uma das modelos portuguesas mais promissoras da atualidade. A sua carreira começou após vencer o concurso L’Agence Go Top Model, em 2016, que atraiu para si as atenções do mundo da moda e, sobretudo, proporcionou-lhe a oportunidade de uma vida: ser modelo exclusiva da Saint Laurent. Durante cerca de um ano, a modelo bracarense trabalhou numa relação diária com Anthony Vaccarello, diretor criativo da marca, e foi a modelo eleita para abrir o desfile da coleção primavera/verão 2018 da Saint Laurent, em setembro do ano passado, na cidade de Paris. De resto, e depois de desfilar novamente para a Saint Laurent em março deste ano, e de ter integrado a campanha mundial de Verão 2018 da marca, Maria Miguel já pisou, também, a passerelle para marcas como Chanel (duas vezes) e para Isabel Marant. Mais recentemente, venceu o Globo de Ouro para Melhor Modelo Feminino numa iniciativa organizada pela SIC e pela revista Caras.

Maria Soares Portela Nascida em agosto de 1999, em Braga, onde vive desde então, Maria Portela é uma curiosa nata que se interessa “por tudo”, dos puzzles numéricos à literatura. Distinguiu-se na ciência, tendo conquistado medalhas de prata e de bronze nas Olimpíadas Ibero-americanas e Internacionais da Biologia, respetivamente em 2016 e 2017. Participou, também, nas olimpíadas nacionais de matemática, física e astrofísica. Produziu vídeos de divulgação científica no âmbito do concurso internacional Breakthrough Junior Challenge, tendo-se classificado entre os finalistas na edição de 2015. Mais recentemente, competiu no concurso de comunicação científica FameLab, tendo conquistado o primeiro lugar na eliminatória da Universidade do Minho. Integrou também a sessão nacional do Parlamento dos Jovens, na Assembleia da República, em 2016. Os seus méritos académicos valeram-lhe a admissão no Imperial College de Londres, onde iniciará os estudos de Bioengenharia Molecular no próximo ano letivo. Paralelamente, estuda música - variante de composição - no CMCG Braga, tendo já estreado várias obras da sua autoria. Atuou em concertos como membro da orquestra, coro e coro de câmara deste conservatório, e foi solista no projeto musical “The Little Prince(ss)”. Pratica orientação, o desporto da floresta, tendo representado Portugal em dois Campeonatos do Mundo de desporto escolar, em 2013 e 2015. Pertence ainda à associação católica Gambozinos, onde anima campos de férias e atividades mensais com crianças e jovens de meios socioeconómicos contrastantes.

Sofia Silva Sousa Sofia Silva Sousa é uma violetista portuguesa que iniciou os seus estudos na classe do professor Dírio Alves, no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Atualmente estuda com James Sleigh, no último ano da licenciatura na Royal Academy of Music (RAM), em Londres, suportada pela Santander Universities Scholarship e a Helen Worswick scholarship. Como solista, ganhou o prémio Theodore Hollande, na RAM; o segundo lugar no Concurso Jovens Músicos, em Portugal (2015) e o primeiro prémio no II Concurso Nacional de Cordas Vasco Barbosa (2016), o que lhe permitiu atuar com a Orquestra Sinfónica Portuguesa. É membro da European Union Youth Orchestra , desde 2014, tendo trabalhado com Vasily Petrenko, Bernard Haitink e Vladimir Ashkenazy. Recentemente, a Sofia foi selecionada para participar no IMS em Prussia Cove, na classe de Thomas Riebl. Também teve a oportunidade de contactar com grandes violetistas como Yuri Bashmet, Hartmund Rohde, Máté Szücs, Lawrence Power, Tatjiana Masurenko, Garth Knox, Martin Outram e Igor Sulyga. Como chefe de naipe da orquestra sinfónica da RAM pôde trabalhar sob a batuta de grandes maestros como Semyon Bychkov, Mark Elder e Edward Gardner. Em 2017, foi selecionada para a LSO string-experience e, desde aí, já realizou vários concertos com a Orquestra Sinfónica de Londres.

Vânia Silva Vânia Silva, 28 anos, licenciada em Teatro pela UM. Aos 16 anos entrou no Tin.Bra e aí fez o seu percurso formativo na área do teatro. Em 2008 representou a Academia Tin.Bra na República Checa com a peça “Os Outros”. Participou no Festival “Janeiro de grandes espetáculos”, atuou no Recife e noutras cidades do Brasil. Foi atriz residente, assistente de encenação e formadora no Centro de Criatividade e em “Fafe - Cidade das Artes” até 2013. Durante todo este percurso artístico esteve sempre ligada ao Tin.Bra como dirigente, formadora e atriz. Desde 2014 até à presente data é diretora artística, encenadora, atriz e formadora no Tin.Bra - Academia de Teatro.


38 | Música patrocinado por Steelnor, Lda.

Galardoados I Edição

II Edição

Adolfo Luxúria Canibal

VIII Edição

Artur Caldeira

IX Edição

Dora Rodrigues

XV Edição

António de Sousa Batista

XVI Edição

António Vilas Boas

Canto D’Aqui

III Edição

Luís Pipa

X Edição

António Costa Gomes

XVII Edição

Sara Braga Simões

IV Edição

João Duque

XI Edição

Miguel Pedro Guimarães

XVIII Edição

peixe : avião

V Edição

Manuel Beleza

XII Edição

Joana Gama

XIX Edição

Hugo Torres

VI Edição

Firmino Neiva

XIII Edição

Elisa Lessa

VII Edição

Fernando Lapa

XIV Edição

Paulo Peixoto

XX Edição

Daniel Pereira “Cristo”

Júri XXI Edição Música (51 elementos) A.R.C.U.M.-Associação Recreativa e Cultural Universitária do Minho (André Marcos), A.R.C.U.M.-Grupo Folclórico da Universidade do Minho (Lurdes Rodrigues), A.R.C.U.M.-Tuna Universitária do Minho (João Barbosa), Academia de Dança Alunos de Apolo de Braga (José Bacelar), ACOFA (Américo Camarinha), Ana Gomes, António Vilas Boas, Associação Cultural e Recreativa de Dume (José Macedo), Associação Cultural e Recreativa Fado Com Arte (Karter Mendes), Associação Musical “Sinfonieta de Braga (Paulo Morais), Bárbara Passos, Banda Musical de Cabreiros (Carlos Sousa), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Célio Peixoto, Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (Ana Maria Caldeira), Coro Académico da Universidade do Minho, Dora Rodrigues, Félix Cabrerizo, Félix Duarte, Gnration (Luís Fernandes), Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio (Manuela Sá Fernandes), Grupo Rusga Caminhos da Romaria (Alexandrina Cardoso), João Duque, João Pires Brás, Jorge Leitão, José Carlos de Miranda, Juliana Duarte, Manuel Lima, Manuel Mendes, Manuela Santos, Nélson Costa, Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), Orquestra de Cordas Dedilhadas do Minho (Rui Gama), Rui Pedro, Rusga de S. Vicente (Carlos Barros), S.P.A. – Sociedade Portuguesa de Autores (Fernando Lima), Salão Mozart (Victor Vaz), Sílvia Faria, Sons do Clássico (Rui Ferreira), Tuna Académica do Externato Infante D. Henrique (Abel Gonçalves), …


galardões XXI edição | 39

Nomeados XXI Edição Ana Gomes Iniciando o seu percurso em festivais infantis e juvenis. Depois de Caminhos D’água, o seu primeiro disco, conheceu o maestro Uriel Varallo ao lado de quem fundou Fado in Bossa, projeto que uniu o fado à bossa nova. Lançaram Fado Tropical (Ovação, 2014) e percorreram o país, e alguns países da Europa, em concertos e presenças nas televisões e rádios nacionais. Posteriormente começou a trabalhar com o pianista de jazz André Sarbib e outros elementos da banda de Ivan Lins na Europa, com quem produziu o álbum Balanço (Sony Music, 2016) que conta com composições de Tozé Brito e a chancela da Blitz Records. Este álbum de smooth jazz conta com um tema do compositor em dueto com Ana Gomes, Apenas mais um caso, cantado e tocado ao vivo em vários concertos e programas de televisão. A estreia do Balanço aconteceu no festival EDP COOLJAZZ, em que Ana Gomes se apresentou ao lado de Marisa Monte e Carminho. Já em 2018 Ana Gomes foi uma das vozes eleitas por Tozé Brito para integrar o estreito núcleo de cantores convidados para o seu álbum de comemoração de 50 anos de carreira, “A memória do amor”, ao lado de Ana Moura e António Zambujo, interpretando o tema “Até amanhecer”.

Budda Power Blues Band Considerados a melhor formação de Blues em Portugal, os Budda Power Blues são um power trio à moda antiga, vestidos pelo manto da improvisação e reconhecidos pela forma explosiva e contagiante como se apresentam ao vivo, usam o público como 4º elemento. A banda é composta por: Budda Guedes (voz e guitarras), Nico Guedes (bateria e coros) e Carl Minnemann (baixo e coros). Já marcaram presença nos principais festivais de Blues em Portugal e no mundo, onde partilharam o palco com nomes sonantes do Blues internacional como, Shemekia Copeland, Sherman Robertson, Shirley King, Little Mike e Paul Lamb. Destacam-se os seguintes: Festival Cotai Jazz & Blues (Macau), Blues Garage (Hannover), Luxembourg Blues Express (Luxemboug), Hootenanny (Culturgest Lisboa), BBBlues Fest, Lisbon Blues Fest, Porto Blues Fest. Em 2016 foram a primeira banda a representar Portugal “European Blues Challenge” na final Europeia em Itália. Editaram um disco em parceria com a cantora de Jazz Maria João, intitulado “The Blues Experience” em 2017. Neste ano de 2018 lançaram o seu 7.º álbum intitulado “ Back To Roots, que marca um reencontro com as sua raízes portuguesas.

Filipe Lopes da Silva Nasceu em 1966 em Saint Denis, França. Iniciou os estudos musicais aos 6 anos, no Conservatório de Música de Saint Denis. Em 1978, ingressa no C. de M. Calouste Gulbenkian de Braga onde concluiu o Curso de Clarinete (1987). É licenciado em Supervisão Pedagógica e Avaliação Docente e concluiu a “Suficiência Investigadora” do doutoramento em Educação Artística na Univ. de Valladolid, Espanha. Ingressou, na Banda da GNR (1984) e foi membro efetivo da Orq. Sinfónica Juvenil (1984/87). Iniciou atividade docente como prof. de Clarinete no C. de M. Calouste Gulbenkian de Braga (1987) e integrou o seu órgão de gestão como secretário e vice-presidente. Lecionou na Academia de Música de Viana do Castelo e na Esc. Prof. de Música da mesma cidade e, durante 11 anos, na Esc. Prof. de Arte de Mirandela. Colaborou com a Orq. de Câmara do Distrito de Braga e com a Orq. “Sin nomine”, do Porto. Integrou, como responsável máximo, a Comissão Organizadora dos I, II, III e IV Estágios da Orq. Clássica Juvenil “Bracara Augusta” (1997-1999). Dirigiu a Banda de Música dos B. V. de Vila Verde e a Banda de Golães. Integrou o Júri dos III e IV Concurso de Bandas Filarmónicas de Braga. Atualmente leciona as disciplinas de Clarinete e Classes de Conjunto – Orq. de Sopros no C. de M. Calouste Gulbenkian de Braga e desempenha funções de Coord. do Depart. de Sopros e Percussão, Coord. do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular e Coord. do ENES/ENEB/PAEB. Dirige, desde 2013/14, a Orq. de Sopros do C. de M. Calouste Gulbenkian.

Sofia Sousa Rocha Sofia Sousa Rocha nasceu em 1986, na cidade de Braga. Iniciou o seu percurso no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian aos onze anos. Durante o Ensino Secundário enveredou pela área de Composição, com orientação de Paulo Bastos. Posteriormente ingressou no Curso de Composição na Escola Superior de Música de Lisboa (ESML). Estudou com vários compositores de destaque da música contemporânea portuguesa. Em 2012, concluiu o Mestrado em Música na ESML. Recebeu o 1º prémio do Concurso de Composição da ESML/Museu Nacional de Arqueologia na categoria de orquestra. Teve obras encomendadas pela Antena 2/Prémio Jovens Músicos, pelo Festival de Música de Alcobaça, pelo Festival Música em Leiria, pelo Sond’Ar-te Electric Ensemble e pelo Teatro Nacional de São Carlos. Participou no II Atelier de Leitura da Orquestra do Algarve, no 7º Workshop da Orquestra Gulbenkian. Apresentou duas obras interpretadas pelo Coro Ricercare e pela Sinfonietta de Lisboa e apresentou uma ópera breve no Teatro Nacional de São Carlos, com encenação de Luís Miguel Cintra. Participou no Atelier da Orquestra Clássica do Sul, dirigido pelo maestro Cesário Costa e orientado pelo compositor António Pinho Vargas. Participou no IV Fórum Internacional para Jovens Compositores do Sond’Ar-te Electric Ensemble. É, atualmente, jovem compositora associada do Teatro Nacional de São Carlos. Desde 2013, é professora de Composição no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga e no Conservatório Bomfim.


40 | Associativismo

Galardoados I Edição

II Edição

José Peixoto Rodrigues

VIII Edição

João Gomes de Oliveira

IX Edição

Barros Pereira

XV Edição

António Fernandes

António Salvador

XVI Edição

João Araújo

III Edição

Félix Ribeiro

X Edição

Luís Teles

XVII Edição

Domingos Macedo Barbosa

IV Edição

Alfredo Barros

XI Edição

Carlos Alberto Pereira

XVIII Edição

Ricardo Sousa

V Edição

José Händel de Oliveira

XII Edição

Abílio Vilaça

XIX Edição

Ana Cristina Costa

VI Edição

Manuel Sá Fernandes

XIII Edição

Fernando Almeida

VII Edição

Alice Torres

XIV Edição

Alberto Botelho

XX Edição

Maria Torcato Baptista

Júri XXI Edição Associativismo (85 elementos) .COM (Tânia Covas), A.A.A.E.I.C.B. (Cláudio Silva), A.C.F. Os Sinos da Sé (José Fernandes), A.C.I.J.E. (Luz Duarte), ACOFA (Américo Camarinha), A.C.R. Adaúfe (José Pedro), A.C.R. Cabreiros (António Araújo), A.C.R. Dume (José Macedo), A.C.R. Fado Com Arte (Karter Mendes), A.C.R. Morreira (José Ferreira), A.D.C. Aveleda (João Fernandes), Ágora Bracarense (Marta Ferreira), António Fernandes, A.R.C.U.M. (André Marcos), A.R.C.U.M.-G. Fados Coimbra (Jaime Leite), A.R.C.U.M.–G. Folc. Universidade do Minho (Lurdes Rodrigues), A.R.C.U.M.–Tuna Universitária do Minho (João Barbosa), Arsenal Clube Devesa (Henrique Ferreira), ASPA (Armando Silva), Ass. Amigos Satélite 79 (Joaquim Trindade), Ass. Andebol Braga (Manuel Moreira), Ass. Basquetebol Braga (Fernando Monteiro), Ass. Futebol Braga (Manuel Machado), Ass. Guias Portugal (Daniela Queiroga), Ass. Ref. e Pensionistas de Semelhe, Ass. de Reformados e Pensionistas de Vale D’ Este (Manuel Vaz), Ass. Musical Sinfonieta de Braga (Paulo Morais), Ass. Soc. e Cultural de Sobreposta (Fernando Mendes), Banda Cabreiros (Carlos Sousa), Bombeiros Vol. Braga (António Ferreira), Braga+ (Luciano Duarte), Bragacine (Artur Moreira), Centro Académico Braga (Ana Fernandes), C.A.F.J.E.C. (Helena Sarmento), Câmara Municipal de Braga (Sameiro Araújo), Casa Povo Lomar (Miguel Ferreira), Casa do Professor (Hilário Sousa), C.A.U.M., C.C. Origens de Fradelos (António Ferreira), C.N.E.-Agr. N.º 2 (José Gomes), N.º 426 (António Matos), N.º 427 (José Cunha), Coord. Local Desp. Escolar (Luís Covas/Carlos Dias), Equipa Espiral (Armando Rosas), Francisco Vilaça, G. Cénico Arentim (Laura Pinto), G. Coral Figueiredo (Manuel Peixoto), G. Coral e Inst. do Carmo (José Palha), G. Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio (Manuela Sá Fernandes), G.D. Bairro Misericórdia (António Fontes), G. Espírito Jovem (Céu Ribeiro), G.R. Caminhos da Romaria (Alexandrina Cardoso), Hóquei Clube Braga (Luís Botelho), Ida e Volta (Carlos Bonjardim), I.P.D.J. (Vítor Baltazar Dias), José Handel de Oliveira, Jovem Coop (Margarida Pereira), Lomarense F.C. (Eurico Fernandes), Nova Comédia Bracarense (Carlos Barbosa), O Patrimonense F.C. (José Ferreira), Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), Orion (João Vieira), Patronato N. Sra. Luz (Sofia Cunhal), Ricardo Costa, Rusga de S. Vicente (Carlos Barros), Soarense S.C. (Carlos Guimarães), S.C. Leões das Enguardas (António Araújo), S.P.A. (Fernando Lima), Tin.Bra (Maria Torcato Baptista), …


galardões XXI edição | 41

Nomeados XXI Edição Alberto Cerqueira Alberto Cerqueira nasceu em1951. Licenciado em Orientação Educativa, pela Universidade Católica, foi professor do ensino básico durante mais de 40 anos. Desde cedo mostrou uma forte aptidão para o associativismo, como forma de participação ativa na comunidade, em várias áreas: na Educação: dirigente de associações de pais e encarregados das escolas André Soares e Carlos Amarante; Socioprofissional: delegado sindical e dirigente da APTM-Associação de Professores de Trabalhos Manuais; Ambiental: membro da Associação de Amigos do Rio Este; Desporto: dirigente do Clube Desportivo de Celeirós; Solidariedade Social: sócio do Lar Conde de Agrolongo; Cultural: dirigente, durante vários anos, da Associação Cultural e Recreativa Semear Alegria (Grupo Folclórico Semear Alegria de Celeirós), tendo sido um dos seus fundadores, no ano de 1988, e sendo atualmente membro ativo do mesmo, com a função de tocador de cavaquinho. É nesta associação que vê o seu trabalho culminar em vários êxitos e sucessos, associados à mesma, no folclore, na cultura e na etnografia.

Armando Fernandes A sua ligação ao dirigismo desportivo vem já de longa data. Assim, iniciou-a como dirigente (e antes jogador) do Grupo Desportivo e Recreativo de Santa Tecla, nos longínquos anos da década de 70. Posteriormente, integrou a Comissão de Propaganda e Fundos do Sporting Clube de Braga, nas direções dos Eng. Artur Silva e Luís de Sousa, tendo colaborado, desta forma, com a principal coletividade do concelho. A partir de 1994, inicia a sua ligação ao ABC de Braga, como dirigente na formação, tendo alcançado nesta sua experiência, inúmeros títulos nacionais na que é considerada a melhor escola de formação de andebolistas do país. A partir de 2005, passou a desempenhar a função de diretor desportivo da equipa sénior, onde a sua presença dedicada é sinónimo de equilíbrio, bom senso e ponderação, motivos pelos quais é reconhecido pela comunidade ligada à modalidade. Armando Fernandes está, também naturalmente, ligado à conquista de títulos de campeões nacionais e Taças de Portugal, conquistados neste período de 13 anos com a principal equipa do clube.

Hilário Sousa Hilário Fernandes C. de Sousa nasceu em Lisboa, a 8 de dezembro de 1963, viveu a infância e adolescência em Quintiães (Barcelos), e reside em Braga desde 1987. É Licenciado em Humanidades (Português, Latim e Grego), pela Faculdade de Filosofia de Braga/Universidade Católica Portuguesa, e Mestre em Educação – Supervisão Pedagógica em Ensino do Português, pela Universidade do Minho. Foi Militar do Exército Português, Professor dos Ensinos Básico e Secundário, Orientador de Estágio de Latim, da Faculdade de Filosofia de Braga, Presidente dos Conselhos Diretivo, Pedagógico e Administrativo da Escola Secundária de Amares. Integra os quadros da Inspeção-Geral da Educação e Ciência/Equipa Multidisciplinar do Ensino Superior e Ciência. Iniciou a sua atividade no movimento associativo em 1981, como cofundador da Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Quintiães, entidade da qual foi Presidente, Tesoureiro e Secretário. Foi ainda Presidente da Academia Ser e Saber – Instituição Particular de Solidariedade Social (Braga). Em agosto de 2009, assumiu o cargo que atualmente desempenha – Presidente da Casa do Professor. No exercício destas funções, coordenou diversos projetos nacionais e internacionais nas áreas social, cultural, formativa e educativa. É também Administrador da Associação para o Desenvolvimento Pessoal e Social, entidade titular do Colégio João Paulo II (Braga). É autor de comunicações apresentadas em conferências, seminários e colóquios, assim como dinamizador de ações de formação e cursos de pós-graduação sobre temáticas de natureza curricular/escolar.

João Paulo Vieira João Paulo Vieira tem 46 anos de idade e é pai de dois filhos. É presidente da ORION – Sociedade Científica de Astronomia do Minho e atualmente é o Diretor do Planetário - Casa da Ciência de Braga, Centro Ciência Viva. Arquiteto de formação escolheu tornar-se professor, em 1990, por vocação. Tem na Astronomia e na Ciência a sua grande paixão o que o levou a concluir o Mestrado, na Universidade do Porto em 2004. Enquanto professor tornou-se, nos últimos anos, uma referência na Ciência com várias distinções nas mais importantes competições a nível mundial. Foi nomeado para professor do ano em 2013. É dirigente Associativo há 14 anos e tem na divulgação e sobretudo na comunicação da Ciência a sua grande missão. Iniciou o percurso associativo em 1998 com o projeto “Astronomia no Verão”. Fundou o NASTAB em 2001 e posteriormente, em 2005, sediou o seu trabalho em Braga onde fundou a ORION. Hoje esta associação bracarense, sediada em Gualtar, é uma referência nacional e internacional com parcerias e colaborações com dezenas de escolas, universidades e institutos de referência. João Vieira é ainda formador acreditado na área de “Astronomia” e realiza periodicamente palestras e cursos para professores e público em geral. É autor e co-autor de livros, artigos e publicações científicas sobre Astronomia, Astrofísica, Ensino de Ciências e Astrofotografia.


42 | Artes e Cultura patrocinado por AGERE-EM

Galardoados I Edição

Henrique Barreto Nunes

VIII Edição

II Edição

III Edição

José Manuel Mendes

Victor Aguiar e Silva

IX Edição

X Edição

Rui Prata

XV Edição

Eduardo Pires de Oliveira

Sande Lemos

Eduardo Jorge Madureira

IV Edição

Vergílio Vieira

XI Edição

Aida Mata

XVI Edição

XVII Edição

XVIII Edição

Fernando Pinheiro

Almeno Gonçalves

Joana Providência

V Edição

Maria Ondina Braga

XII Edição

António Durães

XIX Edição

Rui Madeira

VI Edição

Mário Sequeira

XIII Edição

Isabel Silva

VII Edição

Luís Coquenão

XIV Edição

Miguel Melo Bandeira

XX Edição

Pedro Seromenho

Júri XXI Edição Artes e Cultura (64 Elementos) Academia de Dança Alunos de Apolo de Braga (José Bacelar), Adão Silva, Adere Minho, António Barroso, António Carlos Fernandes, António Durães, António Manuel Fernandes, António Pinheiro “Guladas”, Alberto Moreira Marinho-Restauração de Arte Sacra (Alberto Marinho), Arte Sacra Mário Pereira (Mário Pereira), Artimúsica (Miguel Alves), Associação de Artesãos da Região Minho (José Torres), Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (Aida Alves), Braga+ (Luciano Duarte), Bragacine-Festival de Cinema Independente de Braga (Artur Moreira), Câmara Municipal de Braga (Altino Bessa), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Casa do Professor (Hilário de Sousa), Colégio Luso-Internacional de Braga (Helena Vaz), Cobres Silva (Abílio Silva), Correaria Moderna (Carlos Guimarães), Ent’Artes–Escola Dança (Diana Sá Carneiro), Equipa Espiral (Armando Rosas), Fernando Cardoso, Fernando Melo Mendes, Galeria d’Artes Nimbus (Manuel Araújo), Galeria Mário Sequeira (Mário Sequeira), Grupo Cénico de Arentim (Laura Pinto), Grupo Rusga Caminhos da Romaria (Alexandrina Cardoso), Hugo Delgado, Hugo Olival, InvestBraga (Carlos Silva), José Händel de Oliveira, Livraria Bertrand (Alexandra Silva), Livraria Minho (Augusto Ferreira), Luísa Ribeiro, Manuel Ferreira Machado, Manuel Mendes, Manuel Moreira, Maria Joana Rito, Mosteiro de S. Martinho de Tibães (Lurdes Rufino), Museu dos Cordofones (Domingos Machado/Alfredo Machado), Nélson Costa, Nova Comédia Bracarense (Carlos Barbosa), Nuno Araújo, Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), PED (Pedro Barbosa), Pedro Seromenho, Ricardo Costa, Rusga de S. Vicente (Carlos Barros), Sociedade Portuguesa de Autores (Fernando Lima), Tin.Bra (Maria Torcato Baptista), Zaara Martins, …


galardões XXI edição | 43

Nomeados XXI Edição José Gonçalves José Gonçalves, também conhecido por “Zé Violas”, nasceu em Braga, a 05 de agosto de 1969. Filho mais novo de António Gonçalves, desde cedo ficou fascinado por esta arte e assim deu continuidade à herança familiar e marcante tradição de um ofício bracarense, o de violeiro. Começou muito jovem, com cerca de 12 ou 13 anos, a embrenhar-se na arte de construir, de forma artesanal, os tradicionais cordofones portugueses: cavaquinhos, guitarras portuguesas, bandolins, violas braguesas, campaniças, beiroas e amarantinas, entre outros. Aos 46 anos, José Gonçalves ganha a vida a construir estes instrumentos em pau santo, mogno, nogueira ou pinho da Flandres, com embutidos de ébano e de madrepérola. Mas o que realmente marca a diferença deste trabalho artesanal é o acabamento final: o som, a afinação e o design únicos, que encantam músicos e colecionadores, habituais clientes do artesão. Um negócio de portas abertas há 55 anos, que dá continuidade a um trabalho singular e que leva alegria ao coração das pessoas com o som das cordas dos seus instrumentos, promovendo com grande orgulho a tradição cultural portuguesa.

José Teixeira Natural de Braga é o rosto principal do grupo dst, do qual é o Presidente do Conselho de Administração. A ligação do grupo à cultura manifesta-se na forma de mecenato, com uma aposta num programa de responsabilidade social que abrange diversas áreas: cultura, educação, saúde, segurança, ambiente e conhecimento. Assim, ao manter a tónica no mecenato, prioriza as atividades culturais desde a sua fundação, elevando o seu posicionamento e diferenciando-se na forma de fazer negócios. Todos os anos, realiza inúmeras iniciativas e apoios: é o principal mecenas da Companhia de Teatro de Braga e da Feira do Livro e atribui, há mais de 20 anos, o Grande Prémio da Literatura dst; Desenvolve, continuadamente, a sua política de apoio aos livros e à leitura, através da oferta de livros e da edição da newsletter do grupo, a partir do contributo interno e através da oferta de obras para bibliotecas escolares. Estimula, também, a participação dos seus colaboradores em ações de voluntariado, ao colaborar com a Habitat e com o Instituto Português do Sangue e da Transplantação. Além disso, é também o mentor do projeto zet gallery, que pretende ajudar os artistas emergentes a obter o reconhecimento e pagamento pelo seu trabalho, permitindo-lhes a exposição das suas obras de arte a um nível global, através de uma plataforma online com galerias associadas.

Miguel Louro Miguel Louro nasceu na Póvoa do Varzim, em 30 de novembro de 1955, reside na freguesia de Tebosa, Braga. Paralelamente à sua exigente atividade profissional, desde muito cedo, descobriu a paixão pela arte de registar imagens e momentos através da sensibilidade do “olhar” minucioso da sua “objetiva”. Possui um laboratório fotográfico pessoal e tem vindo, ao longo dos tempos, a desenvolver um talento amplamente reconhecido no meio artístico. Detentor de um extraordinário percurso conta com um notável portfólio, composto por várias dezenas de Exposições Fotográficas, no país e no estrangeiro. Publicou mais de uma dúzia de livros, dos quais merece especial realce “40 Anos de Fotografia Uma Leica Pendurada ao Pescoço” e “Sameiro Beleza na Devoção“. É médico de profissão, especialista em Medicina no Trabalho. Assistente graduado em Medicina Geral e Familiar – MGF, com o Grau de Consultor. Blog para consulta – www.miguellouro.pt

Orlando Costa “Zé Gato” Orlando Costa nasceu em Braga em 1948. 20 anos depois, rumou a Lisboa e ao Conservatório Nacional de Teatro. Os primeiros tempos foram difíceis…a adaptação ao vocabulário, às novas rotinas, as saudades de casa e da família. Mas o amor ao Teatro falou mais alto! Ainda no Conservatório, fez a primeira estreia profissional no Teatro Experimental de Cascais. Fez televisão, algum cinema, alguma rádio, mas sobretudo teatro: Teatro Experimental de Cascais, Grupo de Acção Teatral, Villaret, Casa da Comédia, outra vez o TEC. Em 1973, ajudou a fundar o Teatro da Cornucópia. Depois seguiu-se o Teatro A Barraca, o Nacional, Seiva Trupe, de novo A Barraca. Teatro d`Almada, Teatro do Bulhão. Produções pontuais e sempre, as televisões. Andou também pelas cantigas: para teatro, algumas para cinema e televisão. Gravou dois discos e fez uns programas de rádio. Orlando Costa é um apaixonado pelo Teatro e pela Educação. Diz que “se um dia decidirem que têm de lutar por uma ideia, por uma causa, escolham a EDUCAÇÃO. Essa, a das escolas, das universidades. Vão ver que tudo o mais que é tão importante, vem por aí fora, direitinho. É! Educação…. Muita e da boa!”


44 | Associação Cultural e Recreativa

Galardoados I Edição

II Edição

Equipa Espiral

VIII Edição

Corpo Nacional de Escutas

IX Edição

Coro Académico da Universidade do Minho

Tuna Universitária do Minho

XV Edição

Azeituna Tuna de Ciências da Universidade do Minho

III Edição

ASPA

X Edição

Companhia de Teatro de Braga

XVI Edição

XVII Edição

A.R.C.U.M. - Ass. Recreativa e Cultural Universitária do Minho

JovemCoop Jovem Cooperante Natureza/Cultura

IV Edição

Rusga de S. Vicente de Braga

XI Edição

Velha-a-Branca Estaleiro Cultural

XVIII Edição

Nova Comédia Bracarense

V Edição

Orfeão de Braga

XII Edição

Tin.Bra Grupo de Teatro Infantil de Braga

XIX Edição

Grupo Coral e Instrumental do Carmo

VI Edição

Banda Musical de Cabreiros

XIII Edição

Grupo Cénico de Arentim

VII Edição

Grupo Folclórico “Dr. Gonçalo Sampaio”

XIV Edição

Ass. Cultural e Festiva “Os Sinos da Sé”

XX Edição

Associação Cultural e Artística “Ida e Volta”

Júri XXI Edição Associação Cultural e Recreativa (64 elementos) A.A.A.E.I.C.B. (Cláudio Silva), A.C.I.J.E. (Luz Duarte), Acofa (Américo Camarinha), A.C.R. de Morreira (José Ferreira), A.C. Festiva Os Sinos da Sé (José Fernandes), A.C.R. de Adaúfe (José Pedro), A.C.R. de Cabreiros (António Araújo), A.C.R. de Dume (José Macedo), A.C.R. Fado com Arte (Karter Mendes), Ágora Bracarense (Marta Ferreira), António Coimbra, A.R.C.U.M.–Assoc. Recreativa e Cultural Universitária do Minho (André Marcos), A.R.C.U.M.–Grupo de Fados de Coimbra (Jaime Leite), A.R.C.U.M.–G. Folclórico da Universidade do Minho (Lurdes Rodrigues), A.R.C.U.M.–Tuna Universitária do Minho (João Barbosa), ASPA (Armando Silva), Associação de Guias de Portugal (Daniela Queiroga), Ass. Ref. e Pensionistas e Idosos de Semelhe, Ass. Ref. e Pensionistas e Idosos do Vale D’ Este (Manuel Vaz), Ass. Musical Sinfonieta de Braga (Paulo Morais), A.S.C. de Sobreposta (Fernando Mendes), Banda Musical de Cabreiros (Carlos Sousa), Braga + (Luciano Duarte), Bragacine (Artur Moreira), C.A.B.–Centro Académico de Braga (Ana Fernandes), C.A.F.J.E.C. (Helena Sarmento), Câmara Municipal de Braga (Sameiro Araújo), Casa do Povo de Lomar (Miguel Ferreira), Casa do Professor (Hilário Sousa), C.C. “Origens de Fradelos” (António Ferreira), C.N.E.-Agr. N.º 2 (José Gomes), C.N.E.- Agr. N.º 426 (António Matos), C.N.E.- Agr. N.º 427 (José Cunha), Coro Académico da Universidade do Minho, Equipa Espiral (Armando Rosas), Grupo Cénico de Arentim (Laura Pinto), Grupo Coral de Figueiredo (Manuel Peixoto), Grupo Coral e Instrumental do Carmo (José Palha), Grupo Espírito Jovem (M.ª do Céu Ribeiro), G.F. Dr. Gonçalo Sampaio (Manuela Sá Fernandes), G. Rusga Caminhos da Romaria (Alexandrina Cardoso), Ida e Volta (Carlos Bonjardim), I.P.D.J. (Vítor Baltazar Dias), José Händel de Oliveira, Jovem Cooperante Natureza/ Cultura (Margarida Pereira), Nova Comédia Bracarense (Carlos Barbosa), Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), Orion (João Vieira), PED–Populum Escola de Danças (Pedro Barbosa), Rusga de S. Vicente (Carlos Barros), S.P.A. (Fernando Lima) e Tin.Bra (Maria Torcato Baptista), ...


galardões XXI edição | 45

Nomeados XXI Edição Associação Recreativa e Cultural de Palmeira A Associação Recreativa e Cultural de Palmeira foi fundada pelo Doutor Victor de Almeida, em maio de 1979. Ao longo destes 39 anos de existência, tem procurado ser uma referência ao nível da Cultura, Folclore, Etnografia e Desporto, não só na freguesia, mas também em todo o concelho. Desde sempre muito ativa e presente na comunidade, as suas atividades encontram-se divididas em 4 secções. O Folclore, onde está inserido o Grupo Folclórico e Etnográfico de Palmeira, conhecido pelo seu dinamismo participa em vários encontros e festivais nacionais e internacionais. Realiza anualmente, e desde 1982, o Festival de Folclore de Palmeira, iniciativa que todos os anos apresenta uma Revista Oficial com as biografias dos grupos participantes. A Secção de Desporto que alberga o Clube de Karaté da ARCP. A Secção Cultural que realiza anualmente o Concurso de Maios e o Concurso do Vestido Pintado, realizado desde 1972.E a Secção de Recreio responsável pelo cortejo de Carnaval da Freguesia de Palmeira e pela emblemática Festa da Páscoa, com a tradicional Leitura do Testamento e “Queima” do Judas, animação musical e sessão de fogo-de-artifício. Para este ano, a associação tem, ainda, previsto a publicação de um livro autoria de Manuel A.S. Maia sobre as tradições de belíssima freguesia de Palmeira.

Gatuna Numa tentativa de alargar e modificar a longa tradição de tunas masculinas, surgiu a ideia de formar uma Tuna Feminina. Assim, por entre jantaradas cantantes e um grande desejo de cantar, nasceu a Gatuna, e já lá vão 25 anos. Com um nome muito curioso e com uma maneira muito própria de ser tuna, aliada à originalidade da sua música, a Gatuna tem vindo a conquistar um lugar sólido no panorama musical universitário. As suas atuações são sempre mescladas com uma sobriedade típica aliada à tradicional irreverência minhota. A propósito dos 25 anos, este marco tão importante, terá a si associados uma série de eventos, de forma de celebrar este quarto de século de Gatuna. Como parte das celebrações foi lançado o primeiro videoclip da tuna, ao som do original “Braguesa”, e serão também realizados, em breve, uma digressão, um espetáculo de 25 anos e uma exposição fotográfica. A Gatuna tem, ainda, o prazer de apresentar todos os anos, o TROVAS, um festival de Tunas Femininas de reconhecida qualidade a nível nacional, que este ano decorrerá no dia 20 de outubro no Theatro Circo. E como cultivam a arte de bem receber, organizam um momento único para todos os caloiros que ingressam na academia minhota, o Jantar do Caloiro, onde não falta alegria, convívio e muitas surpresas.

Grupo de Cantares Mulheres do Minho O Grupo de Cantares Mulheres do Minho iniciou a sua atividade musical em 1998. Surgiu com o propósito de preservar e divulgar a música cantada pelas lavradeiras minhotas. Para o fazer foi inicialmente feito um trabalho de pesquisa e de recolha de músicas, ficando tudo compilado no livro “Os Cantares Polifónicos do Baixo Minho” (1997) da autoria de Ana Maria Azevedo. Dentro das tradições musicais do Minho, estes cantos femininos constituídos por polifonias vocais executadas a cappella (sem qualquer acompanhamento instrumental) ocupam um lugar de destaque mas são hoje muito pouco conhecidos. Daí este projeto de pesquisa, registo e divulgação. Só um ano depois viria a nascer a Associação e a edição do primeiro CD deste “museu vivo”, constituído por pessoas que juntam o gosto de cantar à vontade de dar voz a estes cantos de mulheres. Uma vez que alguns elementos do grupo tiveram um contato direto com estas manifestações musicais, foi possível chegar a uma representação fiel das músicas cantadas na época. Este ato de apropriação tem como única finalidade preservar aquilo que no passado foi semente de trabalho e de fruição. Acredita-se que estes cantares que, durante séculos, animaram trabalhos e serões, poderão ser recantados e apresentados como uma situação poético-musical que traz em si a marca de uma realidade social e artística. Em 2003, surgiu um segundo CD também composto por cantos religiosos.

Synergia A associação SYnergia foi fundada em 2004. É constituída por uma equipa multidisciplinar de jovens proactivos e empreendedores, com o objetivo de promover eventos e desenvolver projetos com e para os jovens, mantendo uma relação de proximidade com toda a comunidade. Baseia-se nos valores que sustentam as associações juvenis: justiça, solidariedade,cooperação, responsabilidade e consciência social e espaço para exercer e reivindicar direitos: ambiente, mobilidade, cultura, desporto, lazer.A associação tem, através das inúmeras iniciativas que desenvolve, contribuído para a consolidação e promoção do tecido social,procurando ser um contributo importante de transformação social, inovação e mobilizador da comunidade. O SYnergia persegue, nos últimos anos, uma missão de replicação no território nacional, como a Madeira, Bragança, Paços de Ferreira, Vila Real, bem como no projeto em Santo Antão, um trabalho de continuidade - SYnergia Cabo Verde. Este movimento SYnérgico é atualmente alvo de projetos internacionais de replicação de Academias de Juventude envolvendo parceiros europeus e asiáticos.De jovens para jovens e com o lema “Só Faltas Tu!”, o SYnergia está organizado por departamentos: Artes Urbanas, Projetos Europeus, a TOCA - Trabalho de uma Oficina Cultural e Associativa, Academia SYnergia (rede desportiva local com mais de 40 parceiros), Centro de Medicina Desportiva de Braga, Apoio ao Projeto, Apoio Psicológico e o mais recente desafio em curso – o Centro de Artes e Desporto Inclusivo.


46 | Desporto

Galardoados I Edição

II Edição

III Edição

Aleksander Donner

Manuela Machado

Conceição Ferreira

VIII Edição

IX Edição

X Edição

Jorge Rito

XV Edição

José Carlos Macedo

Jesualdo Ferreira

XVI Edição

Mélissa Antunes

Emanuel Silva

XVII Edição

Luís Marta

IV Edição

Quim

XI Edição

Carlos Carvalhal

XVIII Edição

Humberto Gomes

V Edição

Raquel Felgueiras

XII Edição

Eduardo

XIX Edição

Alan

VI Edição

Barroso

XIII Edição

Jéssica Augusto

VII Edição

Sameiro Araújo

XIV Edição

Paulo Faria

XX Edição

Carlos Resende

Júri XXI Edição Desporto (40 elementos) António Coimbra, Albertina Machado, Associação de Andebol de Braga (Manuel Moreira), Associação de Basquetebol de Braga (Fernando Monteiro), Associação de Futebol de Braga (Manuel Machado), Câmara Municipal de Braga (Sameiro Araújo), Carlos Batista da Silva, Coordenação Local de Desporto Escolar do Distrito Braga (Carlos Dias/Luís Covas), Francisco Vilaça, Guilhermina Rodrigues, Hóquei Clube de Braga (Luís Botelho), Pedro Miguel Oliveira, Indoor Soccer (Luís Paço), Instituto Português do Desporto e Juventude (Vítor Baltazar Dias), José Alberto Mota, Márcio Veloso, Mélissa Antunes, Offside Desportos (Fernando Lourenço), Ricardo Costa, Rui Lages, S.C. de Braga–Seção de Atletismo (Manuel Lopes), S.C. de Braga–Seção de Bilhar (João Vale), S.C. de Braga–Seção de Desporto Adaptado (Luís Marta), S.C. de Braga–Seção de Natação (Hélder Correia), S.C. de Braga–Seção de Voleibol (Nádia Covas), Tribraga, ...


galardões XXI edição | 47

Nomeados XXI Edição André Machado Natural de Braga (23 de julho de 1983). Iniciou a prática da modalidade de futsal no G.D.R. São Lázaro, em 1998, tendo passado pelo S.C. de Braga (2000/04), Famalicense AC (2004/05) e G.D. Fundação Jorge Antunes (2005/06). Desde 2006 que integra a equipa de futsal do S.C. de Braga/AAUM de que é capitão e referência, onde se sagrou vice-campeão nacional na época transata e disputou a UEFA Futsal Cup na presente época desportiva. Finalista vencido na Taça de Portugal (2006 e 2013) e da Supertaça de Portugal (2007 e 2013). Alcançou o 5º lugar na Recopa (2008), sendo o melhor marcador da competição. Integrou a Seleção Nacional Universitária, que alcançou o 6º lugar no Campeonato Mundial Universitário (Polónia, 2006). Vice-campeão Europeu Universitário pela AAUM (2012). Eleito para o 5 ideal dos primeiros EUSA Games (Córdoba 2012) e para o 5 ideal do 8º Europeu Universitário de futsal (Tampere, 2011). Alcançou os títulos de campeão Nacional Universitário pela AAUM (2012 e 2013). Troféu Desportivo “O Minhoto”/14 – Futsal.

Filomena Costa Filomena Costa nasceu em Braga em 1985. Iniciou a prática da modalidade de atletismo aos 10 anos, no S. C. de Braga, sendo treinada, desde sempre, pela Prof. Sameiro Araújo. Representa no momento o clube madeirense ACD Jardim da Serra. Atleta várias vezes internacional em representação da Selec. Nac. Portuguesa, tem como ponto mais alto do seu percurso desportivo o 12º lugar na Maratona do Campeonato do Mundo de Pista Ar Livre (Pequim 14/15); Medalha de Prata por Equipas na Taça da Europa de Maratona, prova em que se classificou em 15º lugar ind. na Maratona do Campeonato da Europa de Pista Ar Livre (13/14) e na época (16/17) foi 28ª na Maratona do Campeonato Mundo de Pista Ar Livre (Londres). Do notável percurso destaca-se, ainda, a vitória na Maratona de Sevilha (Espanha 14/15), tendo realizado a marca de 2h28, mínimos para o Campeonato do Mundo de Pista Ar Livre, assim como mínimos para os Jogos Olímpicos (Rio de Janeiro 2016); 4ª classificada na Maratona de Praga (República Checa 10/11); 6ª classificada na Maratona de Hamburgo (Alemanha 13/14); 3ª classificada na Maratona do Porto (16/17). Foi vencedora da S. Silvestre de Braga, da Meia Maratona Manuela Machado e da Meia Maratona de Braga (17/18). Possui um palmarés considerável em campeonatos nacionais, destacando-se 7 títulos de Campeã Nacional (ind. e col.), 4 medalhas de prata e 6 medalhas de bronze. Vencedora do Troféu Desportivo “O Minhoto”/15 - Atletismo.

Jorge Gomes Braz Jorge Gomes Braz nasceu em 1972, em Edmonton (Canadá). Contata com o futsal no inicio dos anos 90 e cedo se rendeu à modalidade, inicialmente como jogador, no FCDEF (Futsal Universitário), na Seleção Nacional Universitária (FADU Futsal Universitário) e na Pontauto, mais tarde ligado à vertente técnica. O seu percurso como treinador começou em 1997, na Universidade do Minho, onde se manteve até 2001. Seguiu-se uma experiência na UTAD (2001 a 2003), antes de regressar à Universidade do Minho, onde permaneceu até 2004. Esteve na Fundação Jorge Antunes, entre 2004 e 2007. Em termos de títulos, soma um Campeonato Mundial Universitário Masculino e um Vice-Campeonato Mundial Universitário Feminino. Estreou-se como treinador nacional em 2003, mas é a partir de 2006 que se fixa na equipa técnica nacional, coadjuvando Orlando Duarte. Em 2010 assumiu o cargo de selecionador nacional e, desde então, Jorge Braz já conduziu a nossa Seleção à fase final dos Campeonatos da Europa, Croácia-2012 (quartos de final), Bélgica-2014 (a equipa das quinas foi quarta classificada) e Sérvia-2016 (quartos de final). O atual responsável técnico luso qualificou, ainda, a formação portuguesa para as fases finais dos Mundiais Tailândia-2012 (quartos de final) e Colômbia-2016 (quarto lugar). Em 2018, na Eslovénia, sagrou-se Campeão da Europa de Futsal. Troféu Desportivo Minhoto/15- Treinador.

Tamila Holub Estudante, nascida em maio de 1999, afirma-se como a nova menina-prodígio da natação portuguesa em representação do S.C. de Braga, contando já com mais de 20 internacionalizações em representação de Portugal. Conquistou já 14 títulos de Campeã Nacional Absoluta, 8 de Juniores e 10 de Juvenis. Ao longo do seu ainda curto percurso na modalidade, alcançou já um total de 54 novos recordes nacionais, em diferentes distâncias no estilo Livre (o mais velho de todos com mais de 30 anos de existência), sendo que a maioria deles foram obtidos entre a presente época desportiva e a anterior. Desses recordes 12 são mesmo absolutos. Representou Portugal no Campeonato de Mundo de Juniores (Singapura 15/16), Campeonato de Europa de Juniores (Holanda 14/15), Campeonato de Mundo absoluto de piscina curta (Doha 14/15), Festival Olímpico da Juventude Europeia (Holanda 12/13), Jogos Olímpicos da Juventude (China 14/15), Campeonato de Mundo Absoluto de piscina curta (Canadá), Campeonato da Europa de piscina curta (Israel), Campeonato de Europa de Piscina Curta (Dinamarca 16/17), Campeonato de Mundo (Hungria 16/17). Em 2016, tornou-se Campeã de Europa Júnior aos 1500 e Vice-Campeã aos 800m livres, tendo estado, também, presente nos Jogos Olímpicos de 2016. Em 2017, classificou-se em 10º lugar no Campeonato de Mundo (Hungria). Na presente época encontra-se a treinar nos Estados Unidos e competirá no Campeonato de Europa 2018 (Glasgow).


48 | Associação Desportiva

Galardoados I Edição

Sporting Clube de Braga

VIII Edição

II Edição

Associação de Atletismo de Braga

IX Edição

A.P.P.C. - Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral

Merelinense Futebol Clube

XV Edição

Associação Portuguesa de Deficientes

XVI Edição

Associação de Basquetebol de Braga

III Edição

Associação Académica da Universidade do Minho

X Edição

Associação de Andebol de Braga

XVII Edição

A.S.C.R.E.D.N.O Associação Social, Cultural, Recreativa e Desportiva de Nogueiró

IV Edição

Clube Automóvel do Minho

XI Edição

Clube de Ténis de Braga

XVIII Edição

Arsenal Clube da Devessa

V Edição

Hóquei Clube de Braga

XII Edição

Associação de Futebol de Braga

XIX Edição

Associação Desportiva e Cultural de Gualtar

VI Edição

Escola E.B. 2/3 de Lamaçães

XIII Edição

Soarense Sport Clube

VII Edição

G.D.A.S. DST - Grupo Desportivo André Soares

XIV Edição

Clube de Caçadores de Braga

XX Edição

.COM - Clube de Orientação do Minho

Júri XXI Edição Associação Desportiva (38 elementos) .COM (Tânia Costa), Arsenal Clube da Devesa (Henrique Ferreira), Associação de Amigos Satélite 79 (Joaquim Trindade), Associação de Andebol de Braga (Manuel Moreira), Associação de Basquetebol de Braga (Fernando Monteiro), Associação de Futebol de Braga (Manuel Machado), Associação Desportiva e Cultural de Aveleda (João Fernandes), Câmara Municipal de Braga (Sameiro Araújo), Carlos Silva, Coordenação Local de Desporto Escolar do Distrito de Braga (Carlos Dias/Luís Covas), Francisco Vilaça, Grupo Desportivo Bairro da Misericórdia (António Fontes), Hóquei Clube de Braga (Luís Botelho), Indoor Soccer (Luís Paço), Instituto Português do Desporto e Juventude (Vítor Baltazar Dias), José Händel de Oliveira, Lomarense Futebol Clube (Eurico Fernandes), O Patrimonense Futebol Clube (José Ferreira), Ricardo Costa, Soarense Sport Clube (Carlos Guimarães), S.C. Leões das Enguardas (António Araújo) e Tribraga, ...


galardões XXI edição | 49

Nomeados XXI Edição AWIKP - Associação Wado Internacional Karaté-Do Portugal A AWIKP nasceu em 1996, em Braga, com o objetivo de fomentar e difundir a prática do karate a nível regional e nacional, respeitando e incentivando os valores fundantes da modalidade em crianças, jovens e adultos, independentemente do estrato sociocultural. Com mais de meio milhar de associados, espalhados por cerca de 25 clubes, é uma das maiores associações de karate do país, com elevado número de praticantes inscritos na federação nacional. Ao longo dos anos organizou vários eventos de grande dimensão desportiva, impacto social e cultural, nomeadamente no quadro de competições nacionais, mundial de karate wado-ryu (2008), copa ibero-americana (2016) e foi coorganizadora do campeonato do mundo de karate universitário (2016). Tem organizado os melhores e mais mediáticos estágios nacionais e internacionais na modalidade convidando grandes mestres do mundo de karate. É uma entidade agregadora e dinamizadora de atividades anuais diferenciadas, desde a competição, educação escolar e formação dos agentes desportivos, em várias cidades de norte ao sul do país, estabelecendo dinâmicas de rede com as autarquias locais, associações juvenis, IPSS, IPDJ, SEJD, escolas públicas e privadas, forças policiais e clubes. Detentora de um palmarés desportivo digno de realce, o grande destaque vai para os vários atletas campeões nacionais, medalhados em campeonatos da europa e do mundo, bem como para com os os vários agentes ligados ao associativismo, nomeadamente para os cargos diretivos e técnicos na FNKP e comissão técnica mundial da federação internacional de karate wado (WIKF).

Braga Rugby O Braga Rugby surgiu no final de novembro de 2010 no seio do Centro Cultural e Social de Santo Adrião. Em apenas 6 anos de existência, integra cerca de centena e meia de atletas federados, sendo já o segundo maior clube do norte de Portugal, apenas atrás do CDUP. Competindo em provas nacionais e regionais, nos 9 escalões etários existentes no rugby, desde os sub8 até aos seniores, o Braga Rugby integra, ainda, uma equipa feminina. Para além de desenvolver um projeto social, integrando crianças carenciadas nas suas equipas e de colaborar com diversas instituições do concelho de Braga, esta associação organiza várias competições, sendo algumas delas já referências para a modalidade ao nível Ibérico, nomeadamente, o Braga Youth Rugby Cup - Torneio Internacional de Rugby Infantil. Nestas competições, habitualmente, o Braga Rugby traz até Braga várias centenas de atletas nacionais e estrangeiros. Este jovem clube bracarense conta, entre as suas muitas conquistas, o facto de ter diversos atletas nos seus escalões sub14 e sub16 chamados a treinos da Seleção Nacional e a representarem a Seleção Regional Norte em competições, tanto em Portugal como no estrangeiro e, ainda, de ter tido várias atletas femininas integradas na Academia de Rugby Feminino da Região Norte (antecâmara da Seleção Nacional). Foi Semifinalista do Campeonato Nacional Sénior - CN3 -.

S. Paio d´Arcos Futebol Clube O S. Paio d’Arcos Futebol Clube inicia a sua atividade com uma equipa de futebol popular e foi num desses jogos que sentiram que podiam fazer mais. Foi, então, que começaram a treinar regularmente e fundaram o clube, a 6 de julho de 1975. Inicialmente, participavam no campeonato do INATEL, o que aconteceu até 1986. Neste ano participaram pela primeira vez na A.Futebol de Braga, filiando-se na respetiva Associação. Em 1989, é inaugurado o campo de futebol. Volvidos 20 anos, acontece nova inauguração, desta vez, de um campo com relvado sintético e novas instalações a nível de balneários, bar da sede e demais infraestruturas de suporte à atividade. O entusiasmo futebolístico foi-se mantendo ao longo deste percurso de 43 anos de história. Na atualidade o clube, sedeado numa das mais pequenas freguesias do nosso concelho, compete no “Pró Nacional”, o campeonato mais exigente da A. F. Braga. Considerada a equipa sensação da época passada foi, com orgulho, que conquistaram o prémio “Fair Play”, que premeia a equipa mais disciplinada do campeonato. Garantiram, também, a permanência neste desafiante campeonato. Clube feito de gente aguerrida e apaixonada pela modalidade, tem como grande objetivo a ampliação do campo de jogos que vai permitir melhores condições para este nível desportivo. O clube aposta, ainda, na formação com uma equipa de juniores que serão o garante do futuro desta associação.

S.C. Leões das Enguardas Leões um dia, Leões para sempre!”, lema que guia o S.C. Leões das Enguardas desde a sua fundação, em 1952. Criado no antigo (e extinto) Bairro do Carandá por um grupo de apaixonados pelo desporto, teve como principal base a dedicação ao Sporting C.P., fonte de inspiração para o nome e cores do clube.Ao longo dos seus 65 anos de história, teve já modalidades como futsal e atletismo, dedicando-se hoje ao futebol, ao basquetebol e, mais recentemente, ao karaté com grandes resultados a nível Nacional através da F.N.K.P., tendo há 6 anos atrás ficado à frente do S.C.P. no Nacional de juniores, sendo esta a filial número 154 do SCP. Um dos principais destaques da sua história, vai para a secção de basquetebol, criada em 1991. Inteiramente feminina, esta secção tem diversos escalões. No palmarés destacam-se os feitos alcançados pelos escalões de formação: campeãs em iniciadas em 98/99, 00/01; campeãs em cadetes em 98/99, 00/01, 02/03 e 06/07; e em juniores em 99/00. Também a secção de futebol tem tido vários sucessos ao longo dos anos. Após se ter sagrado Campeã do Inatel em 84/85, a equipa foi inscrita na A.F. de Braga, atingindo o estatuto federado em 1988, sendo a 1.ª classificada da respetiva série da III Divisão Distrital logo na época seguinte, Campeão de Série 1ª Divisão 201/2015. Milita atualmente na A.F.Braga, em escalões de formação com equipa: Benjamins; Infantis, Iniciados e Juvenis. Conta, no presente, com mais de 200 jovens e uma massa associativa superior a 350 pessoas.


50 | Organismo de Serviço Público patrocinado por EDP Distribuição

Galardoados III Edição

Hospital de S. Marcos

VIII Edição

IX Edição

X Edição

Loja do Cidadão

AGERE

Museu dos Biscaínhos

XV Edição

XVI Edição

XVII Edição

Museu Regional de Arquelogia D. Diogo de Sousa

Regimento da Cavalaria de Braga

Hospital de Braga

IV Edição

Biblioteca Pública de Braga

XI Edição

Câmara Municipal de Braga

XVIII Edição

Arquivo Distrital de Braga

V Edição

Instituto Português da Juventude Direcção Regional do Norte

XII Edição

Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva

XIX Edição

Guarda Nacional Republicana

VI Edição

Mosteiro de S. Martinho de Tibães

XIII Edição

Quinta Pedagógica

VII Edição

Braval

XIV Edição

Polícia Segurança Pública

XX Edição

Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga

Júri XXI Edição Organismo de Serviço Público (46 elementos) Agere (Rui Morais), António Barroso, Autoridade Nacional de Proteção Civil-Comando Distrital Operacional de Braga (Hermenegildo Abreu), Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (Aida Alves), Biblioteca Pública de Braga (Elísio Araújo), Bombeiros Voluntários de Braga (António Ferreira), Braval, S.A. (Pedro Machado), CAD-Centro de Aconselhamento e Deteção Precoce de Infeção VIH/Sida (Luís Sousa), Câmara Municipal de Braga (Altino Bessa), Câmara Municipal de Braga (Firmino Marques), Cartório Notarial-2º Arquivo (Rodrigo Peixoto), C.I.A.B.-Centro de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Vale Cávado (Fernando Viana), Conservatória do Registo Predial (Carlos Vilar), CTT-Correios de Portugal, S.A. (Carlos Monteiro), Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa (Armando Osório), Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (Manuel Cardoso), EDP Distribuição (José Miguel Santos), Guarda Nacional Republicana (Paulo Soares), Hospital de Braga (João Ferreira), Iapmei-Núcleo de Braga (João Fernandes), InvestBraga (Carlos Silva), Instituto Português do Desporto e Juventude (Vítor Baltazar Dias), José Händel de Oliveira, José Sampaio, Mosteiro de S. Martinho de Tibães (Lurdes Rufino), Museu dos Cordofones (Domingos Machado/ Alfredo Machado), Nuno Araújo, Polícia de Segurança Pública (Pedro Teles), Polícia Judiciária (Henrique Passos), Regimento de Cavalaria N.º 6–Braga, Ricardo Costa, S.P.A.–Sociedade Portuguesa de Autores (Fernando Lima), TUB/EM-Transportes Urbanos de Braga (Teotónio dos Santos), Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Adaúfe (Mário Mendonça), Unidade de Cuidados na Comunidade da Colina (Maria Manuela Ribeiro), …


galardões XXI edição | 51

Nomeados XXI Edição Bragahabit Empresa Municipal de Habitação de Braga, detida a 100% pela CMB, foi constituída em 1999, com o objetivo da promoção e gestão da habitação social, que se enquadra no Regime de Arrendamento Apoiado, bem como na prestação de serviços na área da educação e ação social, por delegação de competências do Município. Em média a Bragahabit apoia anualmente cerca de 1.200 famílias, nos seus diferentes regimes de apoio social de habitação, que se distribuem por quatro regimes de apoio: O arrendamento de casas próprias, o subarrendamento de outras que aluga para o efeito na cidade, o apoio financeiro direto à renda de famílias com casa alugada e a atribuição de um quarto e usufruto das partes comuns nas Residências Partilhadas. A Bragahabit é responsável pela gestão de um parque habitacional de 768 fogos, estando a sua maioria (80%) localizada em bairros, como Andorinhas, Enguardas, St.ª Tecla, Picoto e Ponte dos Falcões, estando os restantes 20% espalhados pela cidade.Na área dos serviços de educação, a Bragahabit serve uma média anual de 180 mil refeições abrangendo mais de 1300 crianças, em 6 Jardins-de-infância e 10 escolas do 1.º ciclo, prestando igualmente serviços em atividades de animação e apoio à família.De destacar o importante acompanhamento de proximidade junto de todas as famílias que lhe solicitam ajuda, com o encaminhamento das situações mais específicas para outras entidades sociais (da rede concelhia) com quem protocolaram parcerias.

Fundação Inatel A Fundação INATEL é uma das mais antigas e respeitadas instituições da sociedade portuguesa, pela relevância do seu papel único a nível nacional, pela diversidade das atividades desenvolvidas e a dimensão da sua implementação no território. A sua missão consiste na promoção das atividades para ocupação dos tempos livres e lazer dos trabalhadores, dos jovens e séniores, as quais contribuem para o bem-estar integral, o desenvolvimento pessoal, bem como para a inclusão social de todos os cidadãos. Na sua Unidade Orgânica Local de Braga, oferece aos seus beneficiários e à população em geral, atividades transversais a todas as faixas etárias. Nomeadamente nas áreas do turismo social, da cultura popular e da prática do desporto amador, numa excelente conjugação de qualidade e preços acessíveis a todos, praticando a discriminação positiva relativamente aos mais desfavorecidos, como é o caso do programa INATEL 55+.pt. As parcerias estabelecidas com as instituições locais têm contribuído para o desenvolvimento da inclusão social sendo, por isso, motivo de grande orgulho para a instituição.

InvestBraga A InvestBraga - Agência para a Dinamização Económica de Braga atua, desde a sua fundação, como o braço económico do município e tem como missão promover o desenvolvimento económico da região. Com a inovação como fio condutor, a agência aposta na credibilização do concelho, enquanto parceiro de negócio, junto de investidores nacionais e internacionais. Ao longo da sua existência tem atuado de acordo com os objetivos de atrair investimento que potencie a criação de emprego na região. Posicionar Braga no radar nacional e internacional do investimento e do empreendedorismo, através do desenvolvimento e da promoção dos recursos do município, bem como, promover o desenvolvimento e a gestão de uma rede local que integre todos os agentes responsáveis pelo crescimento económico. Além disso, a InvestBraga pretende criar um ambiente propício para posicionar Braga como um polo atrativo para o estabelecimento de investidores, empresários e Startups e com o renovado Forum Braga, transformar a cidade e a região num destino de eleição para o Turismo de Negócios, assim como, local de referência para a realização de grandes eventos, conferências, feiras e exposições.

Polícia Judiciária (PJ) A criação da “Inspeção de Braga da Polícia Judiciária”, na cidade de Braga, à data assim designada, ocorreu em 1980, localizando-se as instalações na Rua D. Pedro V (S. Victor), englobando a sua competência territorial, a Comarca de Braga (municípios de Amares, Barcelos, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Verde e Vizela), a Comarca de Viana do Castelo (municípios de Arcos de Valdevez Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponta da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira), a Comarca de Porto Este (município de Felgueiras), e a Comarca de Vila Real (município de Mondim de Basto). Em 1982 foram inauguradas as atuais instalações, sitas na Rua Professor Mota Leite (Maximinos). No ano de 2000 passou a designar-se “Departamento de Investigação Criminal de Braga da Polícia Judiciária” (DIC de Braga da PJ), tendo por missão, coadjuvar as autoridades judiciárias (Magistrados Ministério Público e Judiciais) na prevenção e investigação criminal. A PJ está estruturada hierarquicamente e ao DIC de Braga compete a prevenção da criminalidade, a investigação criminal cuja competência investigatória lhe estão reservados e a coadjuvação das autoridades judiciárias. O DIC de Braga da PJ tem atualmente 84 trabalhadores, uns da carreira de investigação criminal e outros de apoio à investigação criminal.


52 | Junta de Freguesia patrocinado por ASR - Artur da Silva Ribeiro, Lda.

Galardoados I Edição

II Edição

Adaúfe

VIII Edição

Cunha

IX Edição

Nogueiró

XV Edição

Nogueira

Este S. Pedro

XVI Edição

Panoias

III Edição

Maximinos

X Edição

S. Vicente

XVII Edição

Priscos

Júri XXI Edição Junta de Freguesia (45 elementos) Inclui Juntas e Uniões de Freguesias do concelho de Braga, …

IV Edição

Lamaçães

XI Edição

S. Victor

XVIII Edição

Sobreposta

V Edição

Lamas

XII Edição

VI Edição

S. José de S. Lázaro

XIII Edição

Palmeira

Gualtar

XIX Edição

XX Edição

Sequeira

União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe

VII Edição

Aveleda

XIV Edição

Celeirós


galardões XXI edição | 53

Nomeados XXI Edição Padim da Graça Presidente – João Moreira | Secretário – Nuno Silva | Tesoureira – Sandra Rodrigues Com cerca de 1500 habitantes, espalhados por 335 hectares, esta é uma freguesia rica em equipamentos, serviços, movimento associativo e locais de interesse. As gentes de Padim da Graça têm ao seu dispor várias estruturas, caso da sede da Junta (com enfermagem, recolha de análises clínicas, fisioterapia e psicologia), jardim de infância (com refeições e ATL), EB1 (com refeições e ATL), salão polivalente, casa paroquial, centro de convívio, polidesportivo, piscina, campo de futebol (piso sintético), viatura de apoio e 5 barcos de recreio (remos). O movimento associativo local é representado por diversas coletividades, que desenvolvem a sua atividade em áreas como o desporto, recreio, formação humana, cultural, social e religiosa. O património de Padim da Graça é sobretudo religioso, com destaque para a Igreja Paroquial, capela de N.ª Sr.ª da Graça, nichos do Sr. da Fonte e Sr. da Pedra, cruzeiro e alminhas. Numa visita à localidade merecem destaque o Parque de Lazer do Quintalejo e zona envolvente ao Rio Cávado.

União das Freguesias de Ferreiros e Gondizalves Presidente: João Manuel Faria da Costa | Secretária: Gabriela Patrícia Silva | Tesoureiro: Raúl da Silva Gomes A União das Freguesias de Ferreiros e Gondizalves estende-se numa área de 503 hectares e integra cerca de 10200 habitantes. Se noutros tempos teve uma importante componente rural, com o acompanhar da evolução e à semelhança do que se verifica em grande parte da região, a sua economia carateriza-se pela crescente dinâmica do setor industrial, de serviços e de comércio, que assumem um papel importante no contexto social da freguesia. Este território tem ao dispor da população equipamento social bastante significativo, que abarca todas às áreas sociais: lar de idosos, centro de dia, creche, jardim de infância, apoio domiciliário e de enfermagem, equipamentos educativos, desportivos e de lazer que proporcionam uma boa qualidade de vida aos residentes. O movimento associativo acrescenta grande dinamismo com várias instituições de cariz social, recreativo, cultural, desportivo e etnográfico. No que respeita ao Património Cultural, destaca-se, em Ferreiros, a Igreja Matriz com portal românico da Igreja Velha e Brasão de Fé de D. Diogo de Sousa, Capelas da Misericórdia e de S. Nicolau de Tolentino. Em Gondizalves realça-se a Igreja Paroquial, o Pelourinho, a Casa do Assento, a Capela da Sra. da Saúde ou de Cid. Terra de seculares tradições, a população presta homenagem a Santa Maria de Ferreiros, S. Brás, Nossa Senhora da Misericórdia e Santo André. Para além das festividades religiosas, organizam-se dois importantes festivais de folclore, que atraem centenas de pessoas.

União das Freguesias de Lomar e Arcos S. Paio Presidente: Manuel Dias | Secretario: Rolando Siva | Tesoureira: Liliana Vilaça Esta união das freguesias, com 6805 habitantes (censos 2011), situa-se a 2 Km da sede concelhia e estende-se por um vale de onde se avista a Veiga do Penso até ao Monte de Guisande. Dos locais de interesse turístico destaca-se o Monte Capelão (vista panorâmica) (Lomar); zona envolvente à igreja e cruzeiro no Largo do Centro Cívico (Arcos S. Paio). Quanto ao património cultural imóvel destaca-se a Igreja Matriz (séc. XII) e Igreja Nova, Capelas da Ponte Nova, de Santo António das Mouras, Ponte Velha, Casa e Quinta Meira Braga, Quintas da Bouça, de Bemposta e de Varziela, Casa Souto Noval, Moinhos Velhos e Novos, Cruzeiro e Nicho de Nossa Senhora de Fátima (Custóias) (Lomar); Igreja Matriz, Casa das Bouças (com brasão setecentista), Alminhas (Lugar de Correia) e Casa da Viscondessa Gramosa (Arcos S. Paio). Nas festividades, realce para São Pedro (29 de junho), Santo António (13 de junho) e Festa do Senhor dos Milagres (8 a 11 de agosto), São Paio (28 de junho), São Vicente (22 de janeiro ou domingo seguinte) e Nossa Senhora de Fátima (1º domingo de maio). No que respeita à comunidade associativa existe o Centro Bem-Estar da APPACDM, Centro Cultural e Social e Centro Social da Paróquia, C.N.E. – Agrupamento Nº. 671, Associação de Pais, Grupo Folclórico, Jovens em Caminhada e Lomarense F. C., Grupo Coral, Grupo de Cavaquinhos e S. Paio d’Arcos F. C.

União das Freguesias de Santa Lucrécia de Algeriz e Navarra Presidente: Mário Vieira | Secretário: Mário Nuno Baptista | Tesoureiro: Maria da Glória Basto Situada a cerca de 8 Kms a noroeste do centro urbano do concelho de Braga, na envolvente da encosta da Serra do Carvalho, a União das Freguesias de Santa Lucrécia de Algeriz e Navarra mantem a sua matriz rural, de vivência acolhedora, e uma população residente de aproximadamente mil habitantes. Relativamente à atividade económica, o setor agrícola marca o quotidiano pacato deste território que beneficiou, nos últimos anos, de alguma dinâmica no setor industrial que trouxe emprego e a implementação de alguns serviços e espaços comerciais. Esta União das Freguesias possui muito do que a sua comunidade necessita para uma boa qualidade de vida, em função de um interessante conjunto de equipamentos sociais, culturais e desportivos. Merece referência, os edifícios das Juntas de Freguesia, o Jardim de Infância, Salão Paroquial, dois Polidesportivos, dois Campos de Futebol, duas Capelas Mortuárias e Parque Infantil. O Centro de Acolhimento de Atividades Ocupacionais (CAO) da CERCI Braga, a funcionar nas antigas instalações da escola primária de Navarra veio trazer, para a localidade, um importante equipamento social de apoio ao cidadão com deficiência intelectual e multideficiência. Destaca-se, na paisagem, as deslumbrantes margens do Rio Cávado, bem como a Quinta de Juste (Sta Lucrécia), edificada no século XVI. Local de culto, a Capela de Santa Cristina é um dos monumentos de maior destaque, em Navarra.


54 | Ciências e Educação patrocinado por Hospital de Braga

Galardoados I Edição

II Edição

Sérgio Machado dos Santos

VIII Edição

Lúcio Craveiro da Silva

IX Edição

Acílio da Silva Rocha

XV Edição

Irene Montenegro

III Edição

Licínio Chaínho Pereira

X Edição

IV Edição

Amadeu Torres

XI Edição

V Edição

Carlos Alegria

XII Edição

Sousa Basto

Roque Cabral

Alfredo Dinis

XVI Edição

XVII Edição

XVIII Edição

XIX Edição

João Cunha

Artur Marques

Abel Rua

Cecília Pinto Leão

João Formosinho

VI Edição

Viriato Capela

XIII Edição

António Cunha

VII Edição

António Guimarães Rodrigues

XIV Edição

Matus Cruz

XX Edição

Nuno Sousa

Júri XXI Edição Ciências e Educação (47 elementos) Acílio Estanqueiro Rocha, Ângelo Sousa, António Guimarães Rodrigues, António Manuel Fernandes, Associação Nacional de Professores–Braga (Paula Carqueja), Atrito–Engenharia e Construções (Paula Gomes), Biblioteca Pública de Braga (Elísio Araújo), Bragacine (Artur Moreira), CAD–Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce Infecção VIH/Sida (Luís Sousa), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Casa do Professor (Hilário de Sousa), Centro Qualifica (Marco Antunes), CLIB–Colégio Luso-Internacional de Braga (Helena Vaz), Clínica Pediátrica de Braga (Celestino Afonso), Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (Ana Maria Caldeira), Fernando Sá Menezes, Galeria Mário Sequeira (Mário Sequeira), Goreti Machado, Hospital de Braga (João Ferreira), Hospital de Braga–Serviço de Gastrenterologia (Raquel Gonçalves), IPCA (Rosário Fernandes), João Ramalho Fontes, José Carlos de Miranda, José de Araújo Sampaio Advogados (José Sampaio), José Matos Cruz, Ordem dos Advogados–Delegação Comarca de Braga (António Barbosa), Ricardo Costa, Sérgio Santos, Sociedade de Advogados–Serra Moreira, Luísa & Alcino Pinto Cardoso (Manuel Moreira), Tiago Braga da Cruz, Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Adaúfe (Mário Mendonça), Unidade de Cuidados na Comunidade da Colina (Maria Manuela Ribeiro), Universidade Católica Portuguesa–Centro Regional de Braga (João Duque), Universidade do Minho–Centro de Ciências e Tecnologias da Computação (José Manuel Machado), Universidade do Minho–Escola de Economia e Gestão (Francisco Veiga), ...


galardões XXI edição | 55

Nomeados XXI Edição Hortense Lopes dos Santos Hortense Lopes dos Santos é natural de Muro, Trofa, mas reside em Braga desde 1984. Licenciada em Geografia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Mestre em Ciências da Educação – Administração e Organização Escolar, pela Universidade Católica, exerce a atividade docente desde 1983. Ingressou na Escola Secundária Carlos Amarante no ano letivo de 1984/85 onde foi titular de vários cargos diretivos desde 1999, nomeadamente o de vice-presidente, presidente do Conselho Executivo e de diretora. Integra o Conselho Consultivo do Instituto da Educação da Universidade do Minho, como membro externo, desde 2013. Atualmente é diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante em Braga e preside à Assembleia Municipal do município, desde outubro de 2013. Escreve ainda regularmente no jornal “O Correio do Minho”, onde colabora na rubrica “Voz às Escolas”.

João Duque Professor Doutor João Duque é o presidente do Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa e diretor da Faculdade de Teologia do mesmo Centro Regional. Além disso, é também Professor Catedrático na Universidade Católica Portuguesa. Até à data conta com mais de 100 publicações académicas, das quais 12 livros, tendo como foco as áreas de Teologia, Filosofia, Estética, Ética e Religião.

José Manuel Tarroso Gomes Nasceu a 25 de setembro de 1948, na freguesia de São João do Souto, no coração da Cidade de Braga. Licenciado em Direito, pela Universidade de Coimbra, é advogado desde 1976. Filho do notável bracarense José Tarroso Gomes herdou de seu pai o elevado Sentido de Ética, prosseguindo com um Legado que hoje conta, já, com uma terceira geração na família. José Manuel Tarroso Gomes é um advogado de causas, dedicando-se às mais diversas áreas do direito, privilegiando o direito administrativo. Civicamente atento tem desenvolvido, ao longo da sua vida, uma presença ativa na comunidade. Ocupou vários cargos diretivos na Cooperativa Novos Pioneiros, criada em Braga em 1969. Carismático e de gosto eclético, ajudou, também, a fundar o Cineclube de Braga, que tem como principal objetivo ser um ponto de encontro de todos quanto gostam de cinema. A literatura é à sua grande paixão.

Rui Vieira de Castro Licenciado em Ensino de Português-Inglês, na Universidade do Minho, em 1981. Mestre em Linguística Portuguesa Histórica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1987. Doutor em Educação, na área de conhecimento de Metodologia do Ensino do Português, pela UMinho, em 1994. Ingressou na UMinho, como assistente estagiário, em 1983, sendo professor catedrático do Instituto de Educação Minho, desde 2005. Desenvolveu a sua atividade de ensino nas áreas das Literacias e da Educação e Linguagem. Os seus interesses científicos concentramse nas áreas da Educação e Linguagem, com foco principal nas questões do ensino do português, e das Literacias, com ênfase nos usos de linguagem em contexto de trabalho. Dirigiu a Revista Portuguesa de Educação (1998 e 2003), Presidente da Associação Portuguesa de Linguística. Vogal da Direção da Sociedade Portuguesa de Didática das Línguas e das Literaturas (2004-06). Coordenou painéis de bolsas de doutoramento e pós-doutoramento da FCT no domínio das Ciências da Educação. Colaborou com o Ministério da Educação, no contexto de reformas curriculares, da formação de professores e da avaliação educacional. Diretor do Departamento de Metodologias da Educação do Instituto de Educação(2003-06). Presidente da Unidade de Educação de Adultos, (2004-11). Vice-Presidente do Conselho Académico da UMinho (2006-08). Vice-Reitor da UMinho, entre 2009 e 2013, com o pelouro do Ensino e da Investigação e entre 2013 e 2017 com o pelouro da Educação. Reitor da UMinho desde 2017.


56 | Entidade Área de Ensino

Galardoados I Edição

Escola Primária S. João do Souto

VIII Edição

II Edição

III Edição

IV Edição

Colégio S. Caetano

Instituto de Estudos da Criança

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian

IX Edição

X Edição

XI Edição

Escola Secundária Carlos Amarante

XV Edição

Colégio Teresiano

Externato Infante D. Henrique

Jardim de Infância Quinta da Armada

XVI Edição

XVII Edição

Escola E.B. 2/3 Lamaçães

Escola Secundária D. Maria II

Escola Secundária Alberto Sampaio

XVIII Edição

Agrupamento de Escolas André Soares

V Edição

Universidade Católica Portuguesa

XII Edição

Escola Profissional de Braga

XIX Edição

Escola Básica Dr. Francisco Sanches

VI Edição

VII Edição

Centro de Formação Profissional de Braga

Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian

XIII Edição

XIV Edição

Colégio D. Diogo de Sousa

Escola Secundária Sá de Miranda

XX Edição

Escola Secundária de Maximinos

Júri XXI Edição Entidade Área de Ensino (43 elementos) António Guimarães Rodrigues, Associação Nacional de Professores–Braga (Paula Carqueja), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Casa do Professor (Hilário de Sousa), Centro Escolar de Maximinos–Braga N.º 9 (António Pereira), Centro Qualifica (Marco Antunes), CLIB (Helena Vaz), Colégio D. Diogo de Sousa (Cândido Azevedo de Sá), Colégio João Paulo II (Fernando Fidalgo), Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (Ana Maria Caldeira), Escola EB 2,3 Frei Caetano Brandão–Agrupamento Oeste Colina (Virgílio Silva), Escola EB 2,3 de Tadim–Agrupamento de Escolas Trigal de Santa Maria (José Sil), Escola Primária de Celeirós–Braga N.º 39/Garapôa (Jorge Gomes), Escola Primária de Nogueira Braga V, Escola Primária de Nogueiró–Braga N.º 17 (Conceição Gomes), Escola Primária de Pedralva (Marcos Chaves), Escola Primária de Ruílhe (Manuela Noversa), Escola Primária de S. João do Souto–Braga N.º 8–Agrupamento D. Maria II, Escola Primária de S. Victor–Braga N.º 29 (Enguardas)–Agrupamento Fontes (Manuela Reis), Escola Primária de S. Victor–Braga N.º 7 (Elisabete Vasconcelos), Escola Secundária Alberto Sampaio (João Andrade), Escola Secundária Carlos Amarante (Hortense Santos), Escola Secundária de Maximinos (António Pereira), Escola Profissional Profitecla (Hugo Sá), Francisco Xavier Santos, Goreti Machado, IPCA (Rosário Fernandes), Jardim de Infância Quinta da Armada (Joana Costa), José Carlos de Miranda, Lancaster College (Natália Lopes), Ricardo Costa e Universidade do Minho–Escola de Economia e Gestão (Francisco Veiga), ...


galardões XXI edição | 57

Nomeados XXI Edição Agrupamento de Escolas Trigal Santa Maria O Agrupamento de Escolas Trigal de Santa Maria, criado em 1999, com um território educativo abrangendo as freguesias de Aveleda, Fradelos, Priscos, Vilaça, Vimieiro, Tadim e, desde 2008, Arentim, Cunha, Ruilhe e Tebosa, conta atualmente com 382 alunos. O Projeto Educativo do AETSM salienta que a vida social exige da escola contributos essenciais: sólida formação de base e atitude social, onde imperem valores humanos. Mas também sonhos, vontades e realizações para além das nossas fronteiras. Dos inúmeros sucessos alcançados ao longo do seu percurso, destaca-se o facto de em 2012, ter sido uma das 5 escolas selecionadas, a nível nacional, para o “Prémio Escolar Montepio”, que premiou o “Projeto Aprendizagens ECO Sustentáveis – Tenho no Exterior uma Sala de Aula”, desenvolvido durante dois anos letivos (2012-2014). Na procura incessante de melhoria das condições de aprendizagem a EBTSM concorreu ao “Egd\gVbV<jaWZc`^VcFjVa^ÒXVdYVhCdkVh<ZgVZh” que premiou o “Projeto EMA – Estímulo à Melhoria das Aprendizagens / Centro de Aprendizagens do Trigal” que teve o seu epílogo em 2015. Desde 2008 a escola tem sido consecutivamente galardoada com a Bandeira Verde, sendo uma das Eco escolas mais antigas do concelho de Braga. Há já 4 anos, a aposta na inclusão levou a Escola a implementar um Projeto Inovador de “Inclusão e Organização Curricular – Necessidades Educativas Especiais”, que tem vindo a consolidar-se. Mais recentemente, a EBTSM tem participado em múltiplos Programas Internacionais Erasmus+.

Colégio João Paulo II Foi fundado em setembro de 2006 e nasceu da visão e vontade de um grupo de pessoas em desenvolver um projeto educativo ao serviço das Famílias e da Sociedade. Assumiu, desde a primeira hora, o compromisso de levar à prática a nobre tarefa de educar. Educar para os valores, reconhecendo, além da vertente académica, a dimensão humana, o esforço e a criatividade, a reflexão e a tranquilidade, a razão e a fé. É uma Instituição de Ensino Particular, propriedade da ASDPESO – Associação para o Desenvolvimento Pessoal e Social – entidade coletiva religiosa, sem fins lucrativos, que assume a sua origem católica, centrada na vivência quotidiana dos valores do Amor, da Justiça e da Paz. Com cerca de 800 alunos, dos 4 meses ao 12.º ano, o Colégio João Paulo II aposta num projeto educativo distintivo, na medida em que cria condições favoráveis ao desenvolvimento do sentido crítico, da inovação, do espírito empreendedor, da capacidade de resolver problemas e de trabalhar em equipa. Além do ensino formal, o Colégio João Paulo II procura sensibilizar os seus alunos para a importância dos chamados soft skills, ao ensiná-los a usar a razão na multiplicidade das suas formas, preparando-os para uma sociedade em mudança, em que o diferencial está na preparação de cada um para nela atuar. O Colégio João Paulo II orgulha-se, ainda, de incluir na sua ação uma componente de responsabilidade social. Ao dar corpo ao desejo de construir uma escola onde todos tenham lugar, em coerência com a enorme tradição educativa cristã, dispõe de um sistema de atribuição de bolsas de estudo a alunos com dificuldades económicas.

Escola Básica 2,3 de Gualtar A Escola EB 2,3 de Gualtar nasce em 1993/94 e em 2003/04 redefine o seu território educativo, passando a integrar todos os estabelecimentos de ensino, localizados nas freguesias de Gualtar, Este S. Pedro, Este S. Mamede, Espinho, Pedralva e Sobreposta. Em 2011, passa a designar-se Agrupamento de Escolas de Gualtar e agrega-se ao Agrupamento de Escolas Carlos Amarante a 1 de abril de 2013. Em 2005 é aprovado o Projeto Educativo “Educar na Excelência” que marca o ideário do agrupamento ao longo da sua existência. A dinâmica de trabalho e a cultura de escola consolidadas permitem apresentar taxas de transição superiores a 90%, nos dois ciclos, e um desempenho constante de excelência nas provas de final de ciclo, superior à média nacional. As duas UEEA a funcionar na EB de Gualtar dão corpo a um agrupamento de referência no que respeita a práticas de educação inclusiva. Tendo em vista a formação integral dos alunos, a disciplina de Oferta Complementar é Educação para a Cidadania Global. O Agrupamento organiza a sua ação pedagógica segundo um conjunto bem definido de valores educativos e promove uma educação orientada para uma participação democrática e humanista, centrada no respeito por si mesmo, pelos outros e pelo ambiente; uma educação para a saúde; uma educação orientada para o futuro, assente em percursos diferenciados promovendo o desenvolvimento maximizado de todos os alunos.

Esprominho A Esprominho – Escola Profissional do Minho, é um estabelecimento de ensino profissional particular, que iniciou atividade no ano letivo 1999-2000, ministra cursos de formação profissional com nível de qualificação II e IV, para jovens e adultos, conferindo equivalência até ao 12.º ano de escolaridade. O Projeto Educativo da Esprominho assenta em valores como o profissionalismo, o rigor, o conhecimento, o empreendedorismo, liderança, multiculturalismo, humanismo e internacionalização. Descendendo da Noroeste Pioneira, ao longo de 28 anos, a prática pedagógica tem um valor reforçado, e um nível de sucesso e integração profissional de cerca de 85%, algo que pode explicar-se com base nos seguintes factores: um corpo docente motivado, altamente qualificado científica e profissionalmente; um projeto educativo e organigrama funcional alicerçado na realidade profissional e empresarial; uma formação sociocultural forte, visando a cidadania ativa e solidária dos valores estruturantes da democracia e da liberdade, promovendo a educação ambiental, educação para a saúde e da educação social. Desenvolve, ainda, várias dinâmicas educativas como: sessões de formação / informação abertas; visitas de estudo e intercâmbios; dinâmicas de participação e promoção do empreendedorismo. Assenta, também, na formação científica e técnica adequada a cada saída profissional e de acordo com as solicitações do mercado: formação em contexto simulado de trabalho e em contexto real de trabalho. A consolidação do projeto educativo alcança um nível pleno através de outras duas realidades que consideram imprescindíveis ao processo: excelentes condições físicas e instrumentais, bem como, uma orientação educativa contínua.


58 | Altruísmo patrocinado por Laboratório Hilário de Lima

Galardoados II Edição

Francisco Alvim

VIII Edição

IX Edição

José Alberto Fonseca

Carolina Granja

XV Edição

Isabel Varanda

XVI Edição

Roberto Rosmaninho Mariz

III Edição

Fernando Monteiro

X Edição

Cristina Ribeiro

XVII Edição

Lucinda Vilaverde

IV Edição

Carlos Aguiar Gomes

XI Edição

Bernardo Reis

XVIII Edição

José Costa Pinto

V Edição

Elvira Gonçalves

XII Edição

Manuel Lomba

XIX Edição

António Machado

VI Edição

Filomena Bordalo

XIII Edição

João Sousa

VII Edição

Fernando Leite

XIV Edição

Goreti Machado

XX Edição

João Torres

Júri XXI Edição Altruísmo (47 elementos) A.C.A.P.O. (Cristina Ferreira), A.P.A.V. (Marta Mendes), A.P.C.B. (José Alves), Ass. Assistência S. Vicente Paulo da Sé (Maria Gomes/Mariana Silva), Ass. Cultural e Recreativa de Cabreiros (António Araújo), Ass. Famílias (Carlos Gomes), Banco Alimentar Contra a Fome de Braga (Isabel Varanda), Bombeiros Voluntários de Braga (António Ferreira), Câmara Municipal de Braga (Firmino Marques), Cáritas Arquidiocesana de Braga (Eva Ferreira), Casa de Saúde do Bom Jesus (Pedro Menezes), C. Comunitário Paroquial de Palmeira (João Monteiro), C. Comunitário de S. Martinho de Dume (Romeu Gomes), C. Cultural e Social de S. Pedro de Lomar (António Gonçalves), C. Solidariedade da Sagrada Família (Lurdes Costa), C. Paroquial e Social de S. José S. Lázaro (Roberto Mariz), C. Social da Paróquia de Ferreiros (Miguel Simões/Marcelino Ferreira), C. Social e Cultural de Ferreiros (António Gonçalves), Centro Social e Paroquial de S. Vicente de Braga, Deleg. da Cruz Vermelha Portuguesa (Armando Osório), Fundação Vieira Gomes–Centro Bem Estar Social (José Milhão), Goreti Machado, Helena Vaz, Hospital de Braga (João Ferreira), Instituto Juvenil Maria Imaculada (Cristina Ribeiro), Instituto Monsenhor Airosa (Luís Gonzaga Dinis), Irmandade de Santa Cruz (Luís Rufo), Oficina de S. José (Serafim Gonçalves), Patronato de Nossa Senhora da Luz (Sofia Cunhal), Ricardo Costa, Rotary Club de Braga (Artur Moreira), Rotary Club de Braga-Norte (Jorge Gomes), Rui Barreira, Santa Casa da Misericórdia (Bernardo Reis), Sismaster (Márcio Veloso) e União Distrital das IPSS (Roberto Mariz), ...


galardões XXI edição | 59

Nomeados XXI Edição César Ruiz Matín César Ruiz Martín nasceu em Marcilla de Campos, em terras castelhanas, no dia 8 de novembro de 1956. Realizou a formação básica e secundária com os Irmãos das Escolas Cristãs e os estudos universitários em Teologia e Línguas Estrangeiras nas Universidades de Salamanca, Burgos e Braga. Atualmente tem a dupla nacionalidade, espanhola e portuguesa, mas considera-se “cidadão do mundo”. Para além do serviço prestado em diversos centros lassalistas, a maior parte da sua missão como educador lassalista foi vivida no Colégio de São Caetano, onde se encontra presentemente na função de Diretor Técnico. Para César Martín, continua a ser um dos maiores desafios que, como Irmão De La Salle pode ter, a de estar ao serviço de crianças e jovens em risco, servindo-os diretamente e simultaneamente orientando a Equipa Educativa que com ele trabalha no Lar. Como apaixonado pela leitura, pelas caminhadas, pela reflexão, pela contemplação e pela criatividade na missão, está convencido que um bom educador para além de velar pela saúde dos seus educandos precisa de despertar neles o gosto pelo saber, a admiração pela natureza, a sensibilidade pelas pessoas e pela vida, o sentido da interioridade e da transcendência.

Fátima Soeiro Coordenadora Regional da Delegação de Braga da Liga Portuguesa Contra o Cancro, em regime de voluntariado, desde 2013, cujos objetivos são o atendimento psicológico gratuito aos doentes oncológicos e suas famílias, bem como o desenvolvimento de ações de prevenção do cancro, junto da população em geral e da população escolar, em particular, através de ações de sensibilização e/ou formação. Licenciada em Psicologia, pela Universidade do Porto e Mestre em Psicologia da Educação, pela Universidade do Minho. Foi Psicóloga e Coordenadora do Ensino Especial Integrado; Docente e Orientadora de estágios de Psicologia na Universidade do Minho e Psicóloga no Serviço de Consulta Psicológica da mesma Universidade. Como voluntária, ocupou os cargos de Presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Braga, durante 8 anos; de Presidente da Associação das Famílias de Afeto, de âmbito Nacional, durante 6 anos; de Coordenadora do Projeto de Medição Escolar, durante 3 anos; de Coordenadora do Projeto GIEC, dirigido à Etnia Cigana, durante 1 ano; foi Presidente da Associação Cultural Francisco Sá de Miranda, durante 4 anos e Vice-presidente da Associação para a Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Civitas Braga, durante 3 anos. Foi sócia fundadora da ACARE, Associação Comunitária de Apoio à Reabilitação de Braga; fez parte da Coordenação do Projeto de Apoio à Deficiência no Distrito de Braga. Foi, ainda, Coordenadora do Projeto “Um Dia pela Vida em Braga” da Liga Portuguesa Contra o Cancro, com o objetivo de sensibilizar e prevenir o cancro.

Luís Gonzaga Dinis Nasceu em 1947, em Oliveira, S. Mateus, Vila Nova de Famalicão, no seio de uma família profundamente cristã. Frequentou o Seminário de Nossa Senhora da Conceição, e o Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga, mas é à frequência do Centro Académico de Braga (CAB), dirigido pelos Jesuítas, que atribui, depois da influência da família onde cresceu, a pedra de toque da sua formação humana e cristã. Frequentou a licenciatura em Administração do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), da Universidade Técnica de Lisboa e concluiu o Bacharelato em Direito da Faculdade de Direito de Lisboa. A nível profissional pertenceu aos quadros da Direcção Geral das Alfândegas, tendo prestado serviço nas Alfândegas de Ponta Delgada, Lisboa, Porto e Braga. Integra desde 2000, como voluntário, os Órgãos Sociais do Instituto Monsenhor Airosa (IMA) onde exerceu funções de Vogal do Conselho Fiscal e de Vice-Presidente da Direção. Atualmente é Presidente da Direção do IMA, desde o ano de 2006.

Manuel Joaquim Costa Manuel Joaquim Azevedo da Costa nasceu a 9 de abril de 1971, em Vila Nova de Famalicão. Em 1982 entrou para o Seminário Menor de Nossa Senhora da Conceição e em 1989 frequentou o Seminário Maior de S. Pedro e S. Paulo. Em 1996, formou-se em Teologia pela Universidade Católica Portuguesa em Braga, tendo sido ordenado diácono pelo Arcebispo Primaz D. Eurico Dias Nogueira, na Cripta do Sameiro a 20 de julho desse ano. Em 1997 foi ordenado sacerdote. Desde a sua ordenação que é pároco da Paróquia do Divino Salvador de Tebosa e da Paróquia de S. Miguel de Cunha, ambas do Arciprestado de Braga, e ainda da Paróquia de S. Tiago de Cambeses (1998), do Arciprestado de Barcelos. Em 2008 foi nomeado durante seis meses como administrador paroquial de S. Martinho de Fradelos e Santa Maria de Aveleda, ambas do Arciprestado de Braga. Em 2014 assumiu a responsabilidade de mais duas paróquias do Arciprestado de Braga: Divino Salvador de Arentim e S. Paio do Ruílhe. Atualmente é pároco em 5 paróquias e desde 2015 presidente do Centro Social Padre David Oliveira Martins.


60 | Instituição de Solidariedade Social patrocinado por Braga Retail Center

Galardoados I Edição

II Edição

Centro Social Fraternidade Cristã S. José de S. Lázaro

VIII Edição

Projecto Homem

IX Edição

Asilo de S. José

XV Edição

A.P.C.B. Ass. de Paralisia Cerebral de Braga

Associação da Creche de Braga

XVI Edição

Santa Casa da Misericórdia

III Edição

Centro Social Padre David Oliveira Martins

X Edição

Associação Portuguesa de Deficientes

XVII Edição

Banco Alimentar Contra a Fome de Braga

IV Edição

Casa de Saúde do Bom Jesus

XI Edição

Instituto Monsenhor Airosa

XVIII Edição

Ass. Portuguesa de Paramiloidose de Braga

V Edição

Cruz Vermelha Portuguesa

XII Edição

Patronato Nossa Senhora da Torre

XIX Edição

AIA - Associação para a Inclusão e Apoio ao Autista

VI Edição

Centro Cultural e Social de Santo Adrião

XIII Edição

A.C.A.P.O. Ass. dos Cegos e Amblíopes de Portugal

VII Edição

Oficina de S. José

XIV Edição

Ass. Humanitária Habitat

XX Edição

Instituto D. João de Novais e Sousa

Júri XXI Edição Instituição de Solidariedade Social (53 elementos) A.C.A.P.O. (Cristina Ferreira), A.P.A.V. (Marta Mendes), A.P.C.B. (José Alves), António Fernandes Coimbra, Associação Assistência S. Vicente Paulo da Sé (Maria José Gomes/Mariana Silva), Associação Cultural e Recreativa de Cabreiros (António Araújo), Associação Famílias (Carlos Gomes), Associação Juvenil A Bogalha, Associação Maximinos Solidário (António Rodrigues), Banco Alimentar Contra a Fome de Braga (Isabel Varanda), Bombeiros Voluntários de Braga (António Ferreira), Câmara Municipal de Braga (Firmino Marques), Cáritas Arquidiocesana de Braga (Eva Ferreira), Casa de Saúde do Bom Jesus (Pedro Menezes), Cento Comunitário de Palmeira (João Monteiro), Centro Comunitário de S. Martinho de Dume (Romeu Gomes), Centro Cultural e Social de S. Pedro de Lomar (António Gonçalves), Centro de Solidariedade da Sagrada Família (Lurdes Costa), Centro de Solidariedade Espírito Santo (Esmeralda Gonçalves), Centro Paroquial e Social de S. José de S. Lázaro (Roberto Mariz), Centro Social da Paróquia de Ferreiros (Miguel Simões/Marcelino Ferreira), Centro Social e Cultural de Ferreiros (António Gonçalves), Centro Social e Paroquial de Celeirós (Maria Fátima Ferreira), Centro Social e Paroquial de S. Vicente de Braga, Centro Social e Paroquial de Tenões (Miguel Costa), CLIB–Colégio Luso-Internacional de Braga (Helena Vaz), Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa (Armando Osório), Fundação Vieira Gomes–Centro Bem Estar Social (José Milhão), Goreti Machado, Hospital de Braga (João Ferreira), Instituto Juvenil Maria Imaculada (Cristina Ribeiro), Instituto Monsenhor Airosa (Luís Dinis), Irmandade de Santa Cruz (Luís Rufo), Liga Portuguesa Contra o Cancro (Fátima Soeiro), Oficina de S. José (Serafim Gonçalves), Patronato de N. Sra. da Luz (Sofia Cunhal), Ricardo Costa, Rotary Club de Braga (Artur Moreira), Rotary Club de Braga–Norte (Jorge Gomes), Rui Barreira, Santa Casa da Misericórdia (Bernardo Reis) e União Distrital das IPSS (Roberto Mariz), ...


galardões XXI edição | 61

Nomeados XXI Edição Bogalha Fundada num espírito de partilha e irreverência, a Bogalha pretendeu desde o primeiro momento ser a casa onde as crianças encontrassem o conforto e a coragem para experiências e aventuras, encorajando-as a sonhar e a viver a infância em toda a sua plenitude. Prestes a completar 31 anos de história, é hoje uma referência na cidade, com atuação completa e integrada nas áreas da educação, cultura e ação social, ao encontro das necessidades da comunidade, desde a 1ª infância até à 3ª idade. No plano educativo, uma equipa dedicada e experiente procura firmar o bem-estar, a felicidade e o desenvolvimento integral de cada criança, em ligação com as famílias. Na Creche, Berçário, Jardim de Infância e CATL, crianças e jovens são estimulados a ser e conhecer, experimentando ativamente o mundo à sua volta. No domínio social, a Bogalha trabalha junto de centenas de famílias, quer prestando cuidados alimentares, ocupacionais e de higiene e saúde a idosos e doentes, num serviço de Apoio Domiciliário reforçado em qualidade e permanência, quer através do Gabinete RSI, onde uma equipa multidisciplinar atua no acompanhamento e superação de situações de vulnerabilidade económica, social e cultural, com vista à construção de projetos de vida plenos. Com um âmbito muito vasto, age em permanente cooperação com estruturas da comunidade e na criação de projetos em prol do desenvolvimento humano, socioeconómico e cultural.

CAFJEC - Centro de Acolhimento e Formação Jovens em Caminhada Fundado em 1988, numa reunião com os Animadores do Movimento Jovens em Caminhada, o CAFJEC presta uma especial atenção a situações dramáticas de jovens abandonados. A generosidade de muitos, a criatividade dos jovens, concretizada em diversas actividades, a ajuda da Câmara Municipal de Braga, da Segurança Social, da Companhia de Jesus e do Instituto Português do Desporto e Juventude permitiram que a “Casa da Roda” recuperasse a sua missão de solidariedade social. E, assim, em 1994 dá-se a abertura, do Centro de Acolhimento para jovens carenciados e sem abrigo. Um projecto que pretende testemunhar solidariedade efectiva para com os pobres, marginalizados e sem-voz, seguindo o exemplo do seu Mestre Jesus Cristo. Ao longo destes 20 anos, foram acolhidos mais de três mil e quinhentos jovens e, para muitos, o centro foi lugar de reencontro com a vida, de recuperação da dignidade perdida, de recuperação dos laços familiares e de reinserção social. Foi lugar onde aconteceu “novidade de vida”. Toda esta meritória obra, tem sido levada a cabo por um grupo de funcionários remunerados, de acordo com protocolo estabelecido com a Segurança Social. No entanto, o trabalho dos voluntários torna-se imprescindível, que fazem do trabalho o gesto visível da solidariedade por amor aos mais desfavorecidos.

CERCI Braga A CERCI Braga, Cooperativa de Educação e Reabilitação para Cidadãos mais Incluídos foi fundada em 2011 no concelho de Braga por um grupo de pais, amigos e técnicos com a missão de contribuir para a congregação e articulação de esforços, no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual e multideficiência. Tem por objetivos: capacitar a pessoa com deficiência para a sua auto-representação e participação ativa na sociedade; sensibilizar a Sociedade e o Estado para os seus problemas e das suas famílias; colaborar com instituições públicas e privadas que fomentem a investigação/ação sobre deficiência; criar estruturas e equipamentos adequados à intervenção nos diferentes domínios de apoio; promover atividades de lazer, educação, formação, reabilitação e de integração profissional adequados ao desenvolvimento integral da pessoa com deficiência intelectual e multideficiência; entre outros. Assente num modelo de funcionamento de base comunitária, o envolvimento da CERCI Braga em diversas iniciativas e atividades realizadas na e pela cidade, traduzem-se numa grande proximidade e apoio à cooperativa. Atualmente, dá resposta a jovens/adultos com deficiência intelectual e multideficiência, no Centro de Atividades Ocupacionais em Navarra, inaugurado em 2016.

Lar Conde de Agrolongo O Lar Conde de Agrolongo foi fundado em 30 de maio de 1884 com a denominação de Associação de Beneficência do Distrito de Braga. Mais tarde passou a designar-se Asilo de Mendicidade, e em 1981 adotou a designação atual em homenagem ao grande benfeitor Conde de Agrolongo, que em 1908 mandou construir o atual edifício, inaugurado em 1916. Esta centenária Instituição Particular de Solidariedade Social com a valência única de ERPI – Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, presta serviços em regime de internamento a 186 idosos de ambos os sexos, conferindo alojamento, alimentação, assistência médica e medicamentosa, animação, tentando proporcionar o melhor bem-estar e tranquilidade possíveis aos seus residentes. Há várias décadas que o Lar tem vindo a ser alvo de obras de renovação e beneficiação dos espaços interiores e exteriores, aquecimento central, sistema de segurança contra incêndios, poupança de energia, entre outros. A Instituição é dirigida, em regime de voluntariado, por uma Direcção composta por sete elementos. Em Maio de 1984, por altura da comemoração do seu primeiro centenário, foi condecorada pela Câmara Municipal de Braga com a Medalha de Ouro, pelos serviços públicos prestados num espirito filantrópico aos mais necessitados.


62 | Evento patrocinado por Vila Galé Collection Braga

Galardoados III Edição

Solenidades da Semana Santa

VIII Edição

IX Edição

Agro

XV Edição

Braga 2012 - Capital Europeia da Juventude

Mimarte

XVI Edição

Rampa da Falperra

X Edição

IV Edição

Festas de S. João

XI Edição

V Edição

Feira do Livro

XII Edição

VI Edição

Braga Jazz

XIII Edição

Encontros da Imagem

Braga Romana

XVII Edição

XVIII Edição

XIX Edição

XX Edição

CELTA - Certame Lusitano de Tunas Académicas

Noites Brancas da Senhora-a-Branca

Castro Galaico Festival de Nogueiró

Noite Branca

F.I.T.U. - Festival Internacional de Tunas Universitárias

Enterro da Gata

VII Edição

Encontro Internacional de Gigantones e Cabeçudos

XIV Edição

Presépio ao Vivo de Priscos

Júri XXI Edição Evento (48 elementos) Acofa (Américo Camarinha), António Barroso, António Carlos Fernandes, António Vilas Boas, Associação de Basquetebol de Braga (Fernando Monteiro), Associação de Futebol de Braga (Manuel Machado), Best Events–Eventos e Comunicação Lda. (Jorge Ferreira/Aureliano Ferreira), Bragacine (Artur Barros Moreira), Bragadouro Lda. (Maria Teresa Soares), Câmara Municipal de Braga (Altino Bessa), Câmara Municipal de Braga (Lídia Dias), Confraria Gastronómica do Abade (Agostinho Peixoto), Equipa Espiral (Armando Rosas), Félix Cabrerizo, Félix Duarte, Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio (Manuela Sá Fernandes), Hotéis do Bom Jesus (Albino Viana), Hugo Olival, Ida e Volta (Carlos Bonjardim), InvestBraga (Carlos Silva), Manuel Mendes, Manuel Serra Moreira, Nova Comédia Bracarense (Carlos Barbosa), Orfeão de Braga (Margarida Oliveira), Padaria Confeitaria Maximinense (Carlos Clemente), Pastelaria Frigideiras da Sé (Paulo Pereira), Pastelaria S. João (Carlo Cichetti), Pastelaria Veneza (Paulo Vilaça), Restaurante Costa (Artur Costa), Restaurante Elvira, Ricardo Costa, Rui Lages, Salão Mozart (Victor Vaz), Sílvia Faria, SPA–Sociedade Portuguesa de Autores (Fernando Lima), Taberna Hortelã Pimenta (Hernani Marinho) e Tin.Bra (Maria Torcato Baptista), ...


galardões XXI edição | 63

Nomeados XXI Edição Bragacine O Bragacine - Festival Internacional de Cinema Independente de Braga foi pioneiro neste género de certame, tendo sido o primeiro festival de cinema independente do nosso país. Surgiu com o objetivo de divulgar os valores nacionais e internacionais da sétima arte com a apresentação de um cartaz diversificado, que foi adquirindo notoriedade ao longo dos anos. Os Cinemas NOS BRAGAPARQUE acolheram a 15ª edição, deste evento, que, mais uma vez, surpreendeu pela diversidade de filmes apresentados, tendo sido, à semelhanças das edições anteriores, um enorme sucesso, sempre com lotação esgotada em todos os dias do festival. Do repertório deste certame, destaca-se, a produção de filmes como Ela de Julian Grant, rodado no Bom Jesus de Braga, Heróis Olímpicos e Ponte Atlântico de José Carlos de Oliveira, assim como a inauguração das sessões cinematográficas do Theatro Circo e sessões de cinema ao ar livre. Em parceria com A União das Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, o Bragacine inaugurou, em 2015, a Filmoteca - Museu do filme, espaço único da nossa região, constituído por uma sala de projeção e um acervo de filmes nacionais e internacionais. Para o futuro o evento pretende criar a “Braga Film Comission” que irá captar e atrair realizadores, produtores nacionais e internacionais para a rodagem de filmes em Braga.

Bragafado O BRAGAFADO, uma realização da ACOFA, Associação Social e Cultural, assume-se, na qualidade de concurso de fado, como um dos mais significativos eventos fadistas realizados no país. Com mais de década e meia de história, a edição 2017 apresentou-se renovada e com um novo esplendor, tendo sido o culminar de um conjunto de fatores que marcaram o inicio de um novo ciclo para O Fado em Braga. Para isso muito contribuiu o grande sucesso da I SEMANA DO FADO DE BRAGA, organizada pela Associação em parceria com o Município de Braga, a recente parceria desenvolvida com a Rádio SIM, como Rádio Oficial do Evento e o reconhecimento de entidades culturais como, o Ministério da Cultura e o Museu do Fado, dos esforços desenvolvidos, ao longo dos anos por esta associação, na divulgação do Fado tradicional junto de novos interpretes. Este percurso foi determinante para um aumento na qualidade interpretativa do Fado e do número de candidatos ao concurso BRAGAFADO 2017 , cuja Gala Final teve lugar no dia 04 de novembro, no Teatro Circo, em Braga. Neste ano o BRAGAFADO®, apresentou-se ao público, num novo figurino de exibição, ao incluir momentos de Fado, constituídos por rapsódias da “Tasquinha dos Fados”, num ambiente/cenário das origens do Fado, nas vozes dos fadistas, Toni Reis, Margarida Rocha, Pedro Martins e Margarida. O artista convidado foi o fadista José da Câmara, uma das grandes vozes do Fado português, com distinta discografia e locutor na RÁDIO SIM, no programa diário “Casa dos Fados”. Os intervenientes foram todos acompanhados pelos músicos: Mário Henriques | Guitarra Portuguesa, Bruno Brás | Guitarra Clássica (viola de Fado) e Torcato Regufe | Baixo Acústico.

Corrida de São Silvestre de Braga A Corrida S. Silvestre de Braga assume-se como um dos eventos desportivos mais procurados na região norte. Fruto não só da qualidade organizativa, mas também do trajeto que percorre as principais ruas do centro histórico bracarense, devidamente ornamentadas e iluminadas para a época natalícia. Alia um colorido conjunto de atletas, iluminação e muitos espetadores, um ingrediente, que ano após ano tem resultado num enorme sucesso. A Corrida S. Silvestre de Braga alcançou em 2017 a sua 40.ª edição, mantendo-se como a Corrida S. Silvestre mais antiga do Minho e a terceira mais antiga do país. Apesar da sua longevidade, não perde capacidade de evolução registando records de participação ano após ano.

Festival Internacional de Orgão de Braga O Festival Internacional de Órgão já faz parte da paisagem cultural de Braga. Ao longo das suas cinco edições alcançou um lugar de destaque na agenda dos grandes eventos culturais, nacionais e internacionais, bem como o reconhecimento da qualidade da sua programação. Respondendo ao desafio que hoje se coloca, com a crescente procura turística, informada e exigente, e a necessidade da urbe possuir uma oferta cultural dinamizadora do Património material e imaterial, nasceu o Festival de Órgão, numa organização da Arquidiocese de Braga, do Município, da Irmandade de Sta. Cruz e a Santa Casa da Misericórdia. Com lotação completa, em todos os concertos, este Festival autêntico traz todos os anos a Braga alguns dos mais prestigiados músicos, reservando um espaço especial aos intérpretes portugueses, mas apostando em alguns dos maiores nomes mundiais ligados a este instrumento. De várias geografias chega também o público que, propositadamente para o evento, viaja de vários pontos de Portugal, de Espanha, França, Alemanha, Itália, Polónia, Holanda, Brasil e mesmo da Austrália. Um Festival eclético que conjuga diversos géneros musicais, desde a música antiga à composição contemporânea, e decorre em instrumentos históricos da cidade, com algumas experiências pioneiras, juntando ao “rei dos instrumentos” o saxofone, a gaita de foles, as percussões. Numa das cidades com maior Património organístico do mundo, com cerca de meia centena de órgãos históricos, Braga e o Festival Internacional de Órgão caminham para a afirmação da região e o reconhecimento do imensurável valor do órgão ibérico.


64 | Carreira

Galardoados IV Edição

Luís Braga da Cruz

VIII Edição

IX Edição

Júlio Vaz

XV Edição

Maria do Céu Sousa Fernandes

Pedro Rodrigues

XVI Edição

António Macedo

X Edição

XI Edição

João Barbosa

José Sampaio

XVII Edição

XVIII Edição

José Marques

Fernando Sá Menezes

V Edição

Luís Costa

XII Edição

Tomé Gonçalves

XIX Edição

António Cândido de Oliveira

VI Edição

Domingos da Silva Araújo

XIII Edição

Artur Mesquita

VII Edição

Jorge Miranda

XIV Edição

Américo Ferreira Alves

XX Edição

José da Cruz Vilaça

Júri XXI Edição Carreira (601 elementos) António Machado, Assembleia Municipal de Braga (Hortense Santos), Jornal Correio do Minho (Paulo Monteiro), Jornal Diário do Minho (Damião Pereira), Luís Veloso, Mais Atual (Francisco Faria), Rádio Antena Minho (Paulo Monteiro), Rádio Sim (Fernando Fernandes), Rádio Universitária do Minho (Vasco Leão), Revista Rua (Andreia Ferreira) e Revista Sim (Carlos Pereira/Manuel Costa), acrescidos da totalidade dos elementos do júri de cada um dos galardões anteriormente apresentados, num total de várias centenas de elementos. Os órgãos de comunicação social e alguns elementos acima descritos participaram também nas votações de todos os outros galardões.


galardões XXI edição | 65

Nomeados XXI Edição Armando Osório Armando Maria da Cunha Osório Araújo nasceu na freguesia de São Lázaro, em Braga, a 13 de abril de 1943. Estudou Administração no Instituto Superior de Ciências Sociais da Universidade Técnica de Lisboa, tendo-se tornado Delegado do Instituto do Trabalho, Previdência e Ação Social de Moçambique, lugar que ocupou de 1971 a 1975 na cidade da Beira. Foi diretor e, mais tarde, administrador dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho, de junho de 1975 a outubro de 2003, data da sua aposentação, período em que foi também membro do Senado desta Universidade. De 1986 a 1989, foi vereador da Câmara Municipal de Braga. Em 1985, ocupou o cargo de Chefe de Gabinete do Ministro da Educação. Em 1986, presidiu o Conselho de Administração da Editora Correio do Minho. Armando Osório foi, ainda, presidente do Conselho Nacional de Ação Social do Ensino Superior em 2003 e, em 2008, tornou-se vice-presidente da Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa. É nesta instituição de referência que se mantém como presidente desde julho de 2011. Em 2017 foi nomeado Delegado Regional da Cruz Vermelha Portuguesa para o distrito de Braga. É, ainda, vogal do Conselho Fiscal da Fundação Lloyd Braga. Em janeiro de 2014, é-lhe atribuída a medalha de Ouro dos 25 anos da Associação Académica da U.M.; é sócio honorário de várias associações como a Associação Académica da Universidade do Minho, da Associação Recreativa, Cultural Universitária do Minho e da quase totalidade dos grupos culturais desta Universidade.

José Dias Pereira José Dias Pereira nasceu em Landim, concelho de Vila Nova de Famalicão, a 28 de setembro de 1947. Mestre em Teologia pela Universidade de Navarra, Espanha (1976) e em Ciências Morais pela Universidad de Comillas, Espanha (1979), tem uma longa carreira como docente. Foi professor no Magistério Primário de Braga em 1980/81 e 1983/84; lecionou Educação Moral e Religiosa Católica entre 1980 a 1987 e entre 1994 a 1997. Já no ensino superior, lecionou na Escola Superior de Enfermagem, Calouste Gulbenkian – Braga (1997/98), Escola Superior de Teologia e Ciências Humanas de Viana do Castelo (1997/99), Faculdade de Teologia de Lisboa (1990/92) eUniversidade Católica – Faculdade de Teologia de Braga (1979/2017), onde atualmente continua a lecionar como professor convidado. Enquanto pároco, assumiu funções como Capelão Militar na Metrópole e na Guiné Bissau (1971/1974) e como Capelão Hospitalar no Hospital de Braga e Hospital de S. Marcos (2002/2017). Membro ativo na comunidade bracarense, integrou a equipa Formadora do Seminário de Teologia de Braga (1979/1983), foi membro do Departamento do Ensino da Igreja Nas Escolas – Educação Moral e Religiosa Católica de Braga (1979/1985), foi diretor do Secretariado Arquidiocesano da Educação Cristã de Braga (1985/1993), diretor do Departamento do Ensino da Igreja nas Escolas – Braga e Diretor adjunto do Colégio Dom Diogo de Sousa (1997/2002).

Rena Martins Farias Licenciada em Biologia em 1957, Rena Martins Faria dedicou-se ao ensino. Em 1970, concluiu o mestrado em Conservação e Utilização de Recursos Genéticos Vegetais e em 1976, obteve o doutoramento em Botânica, na área da Conservação Genética, na Universidade de Birmingham, em Inglaterra. Por esta altura, deu início ao trabalho de colheita de Recursos Fitogenéticos, em vários continentes. Efetuou colheitas de cereais e leguminosas em grão em todo o Portugal e na Galiza, sob a égide de Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) e depois na Turquia, Tunísia, Chipre e Marrocos. Entre 1977 e 2004, realizou um total de 68 missões de colheita de Recursos Fitogenéticos de cereais, leguminosas grão, pastagens e forragens, hortícolas, fibras, plantas aromáticas e medicinais, abrangendo culturas tradicionais e espécies silvestres. Rena Martins Farias foi pioneira na área de conhecimento de colheitas, que culminou com a criação do Banco Português de Germoplasma Vegetal, em Braga. Este banco possui uma colecção de mais de 17.000 populações, representativas de um número superior à centena de espécies, que se encontram conservadas em frio, vidro e no campo. Este banco assume ainda a responsabilidade de ser o Banco Mediterrânico do Milho. Em 2010, Ano Internacional da Biodiversidade, o Bioversity International e o Global Forum on Agriculture Research, consagraram-na como Guardiã da Biodiversidade Mediterrânica. Em 2012, foi homenageada em Arouca, tendo-lhe sido atribuída a placa de Guardiã da Biodiversidade.

Renato Jorge Ramos Morgado Nasceu em1935. É casado, tem quatro filhos, 15 netos e três bisnetos. Licenciou-se em Engenharia Eletrotécnica na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Após a conclusão da sua licenciatura ingressou na Efacec, onde fez carreira. Foi um dos fundadores da Academia Efacec, da qual foi pró-Presidente e responsável pelo seu pilar Gestão do Conhecimento. Foi o responsável pela criação do Comité de Tecnologia do Grupo Efacec, e seu Coordenador, cuja missão é o desenvolvimento tecnológico estratégico do Grupo. Presentemente é membro do referido Comité. Em 1997, iniciou carreira docente na Escola de Engenharia da Universidade do Minho, como Professor Convidado, tendo atingido o limite de idade em 2006 com a categoria de Professor Catedrático. Na Universidade do Minho, além da actividade de docente, criou e foi Diretor da Agência da Universidade do Minho para a Energia e o Ambiente (AUMEA) e foi Membro do Conselho Geral da Fundação Loyd Braga. Mantém colaboração ativa com a Universidade do Minho, com a categoria de Professor Catedrático Convidado, exercendo funções de assessoria para projetos estratégicos da Escola de Engenharia. É autor de um significativo número de publicações e tem feito palestras e conferências à volta dos temas ligados com o Ensino da Engenharia e o Desenvolvimento Científico e Tecnológico. É Membro Emérito da Academia da Engenharia e Membro Conselheiro da Ordem dos Engenheiros.


66 | Personalidade

Galardoados I Edição

Pedro Bacelar de Vasconcelos

VIII Edição

II Edição

Francisco Mesquita Machado

IX Edição

Lúcio Craveiro da Silva

XV Edição

Miguel Macedo

Amadeu Torres

XVI Edição

Emanuel Silva

III Edição

Jorge Ortiga

X Edição

António Braga

IV Edição

António Sousa Fernandes

XI Edição

Francisco Alvim

XVII Edição

XVIII Edição

Ricardo Rio

António Cunha

V Edição

Eduardo de Melo Peixoto

XII Edição

António Guimarães Rodrigues

XIX Edição

Firmino Marques

VI Edição

Sérgio Machado dos Santos

XIII Edição

António Salvador

VII Edição

Manuel Braga da Cruz

XIV Edição

Domingos Paciência

XX Edição

Jéssica Augusto

Júri XXI Edição Personalidade (601 elementos) António Machado, Assembleia Municipal de Braga (Hortense Santos), Jornal Correio do Minho (Paulo Monteiro), Jornal Diário do Minho (Damião Pereira), Luís Veloso, Mais Atual (Francisco Faria), Rádio Antena Minho (Paulo Monteiro), Rádio Sim (Fernando Fernandes), Rádio Universitária do Minho (Vasco Leão), Revista Rua (Andreia Ferreira) e Revista Sim (Carlos Pereira/Manuel Costa), acrescidos da totalidade dos elementos do júri de cada um dos galardões anteriormente apresentados, num total de várias centenas de elementos. Os órgãos de comunicação social e alguns elementos acima descritos participaram também nas votações de todos os outros galardões.


galardões XXI edição | 67

Nomeados XXI Edição Carlos Carvalhal Carlos Carvalhal nasceu em 1965, em Braga. Após a sua carreira como futebolista na 1.ª Divisão Portuguesa, iniciou o percurso como treinador em 1998, em divisões inferiores, mas depressa atingiu a elite dos treinadores portugueses, passando por vários clubes, incluindo o Sporting Clube de Portugal. Tem experiência em competições europeias e em clubes de diferentes estatutos. Iniciou o percurso internacional na época 2008/09, no Asteras Tripolis (Grécia); seguiu-se a Turquia (Beúiktaú e Istambul) na época 2011/12 e 12/13; Al Ahli Dubai – UAE (como diretor técnico da academia 2013/15) e desde a época 2015/16 está em clubes britânicos (Inglaterra e Gales). Em 2018 tornou-se o treinador do Swansea City, impressionando toda a gente com o bom futebol e grandes resultados. Nesse mesmo ano, derrotou o Arsenal e o Liverpool na 1.ª Liga Inglesa. Atingiu os playoffs da Championship (2016/17); foi finalista dos play offs de promoção da Championship, melhor treinador e 1/4 de final da League Cup, eliminou o Newcastle e o Arsenal (3-0) na Taça da Liga Inglesa (2015/16); 4.º lugar na Liga Turca e 1/8 de final da Liga Europa (2011/12); Campeão da Taça da Liga pelo Vitória de Setúbal e qualificação para a Taça UEFA (2007/08); finalista da Supertaça Portuguesa (2002/03); primeiro treinador português finalista da Taça de Portugal com uma equipa da 2.ª Divisão B (Leixões) e consequente qualificação para a Taça UEFA (2001/02).

José Paulo Abreu José Paulo Abreu nasceu em 1959, em Guimarães. Em 1982, concluiu o curso de Teologia, no Instituto Superior de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, em Braga. Licenciou-se em Direito Canónico, na Pontifícia Universidade de São Tomás de Aquino, Roma, em 1985. Onze anos depois, doutorou-se em História da Igreja, na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma. Ao longo de todos estes anos, desempenhou e exerceu funções distintas, tais como: Professor da Universidade Católica Portuguesa, na Faculdade de Teologia de Braga; Membro do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa; Membro do Conselho Cientifico da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa; Diretor do Museu Pio XII em Braga; Diretor Por escolha da Conferência Episcopal Portuguesa, foi Presidente (por parte da Igreja) da Comissão Bilateral da Concordata para o desenvolvimento da cooperação quanto a Bens da Igreja; Diretor do Museu / Tesouro da Sé; Presidente do IHAC (Instituto de História e Arte Cristãs da Arquidiocese de Braga) e Presidente do Conselho de Curadores da Fundação Bracara Augusta. Do seu vasto currículo constam ainda meritórios cargos como Vigário Geral e Moderador da Cúria Arquidiocesana de Braga; Presidente da Confraria de Nossa Senhora do Sameiro; Juiz do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Braga e Deão do Cabido da Sé Primacial de Braga.

Manuel Caldeira Cabral Manuel Caldeira Cabral nasceu em Lisboa, em 1968. É o atual Ministro da Economia de Portugal, desde 26 de novembro de 2015. Licenciou-se em Economia pela Universidade Nova de Lisboa em 1992, tendo concluído, em 1996, um mestrado em Economia Aplicada pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa. Entre 1996 e 2004 trabalhou como investigador, em tempo integral, no Departamento de Nottingham, como estudante de doutoramento. Foi, também, em 2004, que iniciou a sua carreira como professor de Economia da Universidade do Minho. Foi investigador visitante do Departamento de Investigação de Comércio e Integração Económica do Banco Mundial, em Washington, em 2012, em licença sabática. Foi representante do Partido Socialista na negociação do quadro comunitário de apoio 2020 (2013-2014); Assessor Económico do Ministro da Economia e Inovação do XVII Governo (em 2009); Membro do Conselho para a promoção da Internacionalização (2010-2011) e da Rede Coordenadora da Estratégia Europa 2020 (2010 e 2011); Avaliador do Open Budget Questionaire de Timor Leste (2010 a 2013) para a International, Budget Partnership e Cooperante do Programa da Fundação das Universidades Portuguesas em Timor Leste (em 2004 e 2007). Além disso, foi assessor na Associação Portuguesa de Seguradores (1991-1992) e foi jornalista do Diário Económico e Semanário Económico como trabalhador estudante (1988-91); desde 2007, escreve uma coluna quinzenal no jornal de negócios.

Sameiro Araújo Nasceu em Prado, Vila Verde, em 1957. Licenciou-se em Psicologia pela Univ. Minho (2001). Iniciou a atividade profissional como docente de Educação Física no Externato Infante D. Henrique (1982 /2007). De 2007 a 2013 foi vice-presidente da Alfacoop, Cooperativa de Ensino. Desde 2013 exerce a função de vereadora do Desporto, Juventude, Associativismo e Saúde e Bem-Estar na C. M. de Braga. Iniciou a prática desportiva no S.C. Braga em 1967 e em 1975 inicia a carreira como treinadora de Atletismo, no mesmo clube. Treinadora de atletas olímpicas nos Jogos Olímpicos de Los Angeles/1984; Seoul/1988; Barcelona/1992; Atlanta/1996; Sidney/2000; Atenas/2004 e Londres/2008; Rio de Janeiro/2016. Treinadora de duas atletas Campeãs do Mundo e de três atletas Campeãs da Europa. Coletivamente treinou a equipa do SCB que venceu 14 Taças dos Clubes Campeões Europeus. No currículo conta com 15 medalhas individuais conquistadas por atletas treinadas por si apenas em Campeonatos do Mundo e da Europa. Foi Selecionadora Nac. de Atletismo e fez parte da estrutura técnica da Fed.Port. de Atletismo. Foi Presidente da A. Geral da Assoc. Portuguesa “Mulheres e Desporto” e da Assoc. de Treinadores de Atletismo. Foi condecorada com a Medalha de Mérito Desportivo e Medalha de Honra ao Mérito pelo Governo Português; Medalha de Bons Serviços pelo Comité Olímpico Internacional; foi-lhe também atribuída a distinção “ European Athletics Coaching Award 2012, pela Associação Europeia de Atletismo.


68 | Entidade

Galardoados I Edição

II Edição

III Edição

IV Edição

V Edição

VI Edição

Académico Basket Clube

A.P.P.A.C.D.M. - Ass. Pais e Amigos Cid. Def. Mental

Bombeiros Voluntários de Braga

Centro Social Padre David Oliveira Martins

Colégio S. Caetano

IX Edição

X Edição

XI Edição

XII Edição

XIII Edição

Universidade do Minho

VIII Edição

Hospital de S. Marcos

Sporting Clube de Braga

XV Edição

Corpo Nacional de Escutas

XVI Edição

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian

Oficina de S. José

XVII Edição

Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia

Cáritas Diocesana

XVIII Edição

Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva

Theatro Circo

XIX Edição

Câmara Municipal de Braga

Mosteiro de S. Martinho de Tibães

VII Edição

Cruz Vermelha Portuguesa

XIV Edição

Centro Cultural e Social de Santo Adrião

XX Edição

Museu D. Diogo de Sousa

Júri XXI Edição Entidades (601 elementos) António Machado, Assembleia Municipal de Braga (Hortense Santos), Jornal Correio do Minho (Paulo Monteiro), Jornal Diário do Minho (Damião Pereira), Luís Veloso, Mais Atual (Francisco Faria), Rádio Antena Minho (Paulo Monteiro), Rádio Sim (Fernando Fernandes), Rádio Universitária do Minho (Vasco Leão), Revista Rua (Andreia Ferreira) e Revista Sim (Carlos Pereira/Manuel Costa), acrescidos da totalidade dos elementos do júri de cada um dos galardões anteriormente apresentados, num total de várias centenas de elementos. Os órgãos de comunicação social e alguns elementos acima descritos participaram também nas votações de todos os outros galardões.


galardões XXI edição | 69

Nomeados XXI Edição Confraria do Bom Jesus do Monte Corria o ano de 1629, quando um punhado de devotos bracarenses pensaram na fundação de uma confraria, sob a invocação do Bom Jesus do Monte, para reacenderem a extinta devoção à Santa Cruz. É a partir desta data que a encosta ocidental do Monte de Espinho se transforma no Monte Calvário, encastoado na montanha a leste da cidade de Braga, e se instituiu uma Confraria. A Confraria do Bom Jesus com quase 400 anos de vida, florescente em diferentes épocas históricas, noutras algo passiva, foi a participação ativa de clérigos e fieis na vida e missão da Igreja, com iniciativas ligadas ao culto, à ajuda mutua, à solidariedade, no seu papel institucional, no relacionamento social e a na mobilização de recursos, para aumento e beneficio do património. Entre as múltiplas manifestações de devoção ao Bom Jesus do Monte, a criação da sua Confraria, é por certo, uma das mais importantes e significativa, tanto pela sua longa duração de 4 seculos, como pelo número de fiéis que ao longo desse tempo tem movimentado, atualmente, cerca de um milhão de pessoas visita o Bom Jesus. Em 1822 D. João VI coloca o Santuário e respetiva Confraria debaixo da Sua proteção, conferindo-lhe o título de Real. No ano de 1929, foi declarada instituição de utilidade pública e em 5 de Julho, de 2015, o Papa Francisco eleva a Igreja do Bom Jesus à categoria de Basílica Menor. Na persecução dos seus objetivos, a Confraria do Bom Jesus, tem como grande desafio, alcançar a distinção como património Mundial da Humanidade.

Diário do Minho O “Diário do Minho” foi fundado em 15 de abril de 1919. Define-se como um jornal diário, de expansão regional e inspiração cristã. É propriedade da Empresa Diário do Minho, Lda. As atuais instalações estão sediadas na freguesia de Gualtar, em Braga. Tem edição impressa e digital e a tiragem média diária é de 8.500 exemplares. No seu estatuto editorial pode ler-se que o “Diário do Minho” está ao serviço de todo o homem e da construção de uma sociedade cada vez mais justa e mais fraterna, onde cada um seja respeitado na sua dignidade e nos seus direitos. Coloca o bem comum acima dos interesses particulares e não privilegia ninguém, procurando, no entanto, ser a voz dos sem voz. Como instrumento ao serviço da pessoa humana, considera condenável tudo quanto se opõe à vida humana, tudo o que viola a integridade da pessoa humana; tudo quanto ofende a dignidade da pessoa, como as condições de vida infra-humanas, as prisões arbitrárias, as deportações, a escravidão, a prostituição, o tráfico de mulheres e jovens; as condições degradantes de trabalho, em que os operários são tratados como meros instrumentos de lucro e não como pessoas livres e responsáveis. Está aberto ao pluralismo e à diversidade de opiniões, tendo por limites os decorrentes da Doutrina da Igreja. É um jornal independente de qualquer poder político e económico.

Hospital de Braga O Hospital de Braga abriu portas em Maio de 2011, com uma capacidade de internamento até 705 camas. É uma unidade hospitalar integrada no Serviço Nacional de Saúde e o seu modelo de gestão resulta da parceria entre o Estado português e o Grupo José de Mello Saúde. O Hospital de Braga, que presta cuidados de saúde a cerca de 1.2 milhões de pessoas dos distritos de Braga e Viana do Castelo, dispõe de equipas clínicas multidisciplinares, altamente qualificadas para a prestação de serviços de saúde de excelência, assim como dispõe de equipamentos com tecnologias de primeira linha. O Hospital de Braga concilia, nas suas instalações, unidades de assistência médica, investigação e ensino universitário. Desde o ano de 2014 é considerado o melhor hospital do país, por obter a melhor classificação a nível nacional em Excelência Clínica no Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), desenvolvido pela Entidade Reguladora da Saúde. Desde 2015 tem vindo a conquistar o primeiro lugar no grupo de melhores hospitais de média/grande dimensão do Serviço Nacional de Saúde nos prémios “TOP 5’ 16 - A Excelência dos Hospitais”, promovido pela IASIST – empresa multinacional de benchmarking hospitalar.

Universidade Católica A Universidade Católica Portuguesa é uma universidade da Igreja, com sede em Lisboa e Centros Regionais em Braga, Porto e Viseu. O Centro Regional de Braga, criado em 1999, é constituído pelas Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais (a mais antiga Faculdade da Universidade) e a Faculdade de Teologia. A Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, dirigida pela Companhia de Jesus, resulta da fusão entre a Faculdade de Filosofia – que existe desde 1947, como Faculdade Pontifícia, e que deu origem, em 1967, à Universidade Católica Portuguesa – e a Faculdade de Ciências Sociais, criada em 2001. A Faculdade de Teologia, apoiada pela Arquidiocese, resultou da transformação, em 1987, do Instituto Superior de Teologia de Braga, que por sua vez estende as suas raízes ao antiquíssimo Seminário Conciliar da Arquidiocese de Braga. É um núcleo da única Faculdade de Teologia em Portugal, que possui outro núcleo no Porto e a sede em Lisboa. A tradição de ambas as Faculdades foi marcante na clara orientação para as Ciências Humanas e Sociais, com cursos em áreas como Psicologia, Ciências da Comunicação, Serviço Social, Tecnologias da Comunicação e Informação, Turismo, Filosofia, etc. A orientação humanística e a referência filosófica mantêm-se em todos os cursos.


70 | Saudade

Galardoados I Edição

II Edição

Francisco Salgado Zenha

VIII Edição

António Freire

IX Edição

Manuel Rocha Peixoto

XV Edição

José Vaz Pinto

Adriano Cerqueira

XVI Edição

António Pedro Losa

III Edição

José Ferreira Salgado

X Edição

Vasco Sameiro

XVII Edição

João Braga dos Anjos

IV Edição

José Sarmento

XI Edição

José Tarroso Gomes

XVIII Edição

Eurico Dias Nogueira

V Edição

Cândido Pires

XII Edição

Renato Feio

XIX Edição

Jorge Coutinho

VI Edição

José Moreira

XIII Edição

Fernando Moura Machado

VII Edição

Jaime Lemos

XIV Edição

Domingos Silva Teixeira

XX Edição

Joaquim da Cunha Guimarães

Júri XXI Edição Saudade (601 elementos) António Machado, Assembleia Municipal de Braga (Hortense Santos), Jornal Correio do Minho (Paulo Monteiro), Jornal Diário do Minho (Damião Pereira), Luís Veloso, Mais Atual (Francisco Faria), Rádio Antena Minho (Paulo Monteiro), Rádio Sim (Fernando Fernandes), Rádio Universitária do Minho (Vasco Leão), Revista Rua (Andreia Ferreira) e Revista Sim (Carlos Pereira/Manuel Costa), acrescidos da totalidade dos elementos do júri de cada um dos galardões anteriormente apresentados, num total de várias centenas de elementos. Os órgãos de comunicação social e alguns elementos acima descritos participaram também nas votações de todos os outros galardões.


galardões XXI edição | 71

Galardoado XXI Edição Augusto Vila-Chã Ele dava de si, antes de pensar em si. Todos podemos copiar um pouco da vida do padre Augusto Vila-Chã, que dava prioridade às necessidades do próximo e não aos seus desejos. Braga perdeu, não só um sacerdote, mas também um Homem de personalidade ímpar. Valorizou o doente como membro ativo da comunidade, dinamizando uma presença que vai além dos sacramentos e breves visitas nos hospitais. Como poucos, ele percebeu uma das doenças graves da humanidade: a marginalização dos doentes. Nasceu a 22 outubro de 1934 e em 1954 ingressou na Companhia de Jesus, tendo estudado Filosofia em Braga, Teologia em Granada (Espanha) e Teologia Pastoral da Saúde em Camillianum (Roma), até ser ordenado sacerdote em 1966. Prestou serviço como diretor espiritual e professor no Seminário de Dili-Timor e de regresso ao continente assumiu diversas missões pastorais. Capelão do Hospital de S. Marcos durante vinte e cinco anos, Augusto Vila-Chã tornou-se membro da Comissão de Ética deste hospital e da Casa de Saúde do Bom Jesus. Com uma vida dedicada à luta de uma assistência mais humana do doente, fundou a Fraternidade Cristã dos Doentes, e integrou a sua equipa internacional como assistente adjunto, o que lhe permitiu participar em várias jornadas internacionais em países como Espanha, Canadá, México, Porto Rico, Argentina e Brasil. Foi coordenador do Departamento Arquidiocesano da Pastoral de Saúde de Braga, ainda dedicou parte do seu tempo às tarefas de editor e diretor da “Carta do Amigo”, um boletim bimensal destinado aos doentes, familiares e profissionais de saúde, onde são abordados vários temas relacionados com a Pastoral da Saúde. Numa ingressão pelo mundo da escrita publicou três livros: “O Mundo da Saúde: um apaixonante desafio”; “Ao serviço da vida – para uma assistência mais humana do doente” e “A arte de confortar – reflexões sobre a Pastoral da Saúde nos hospitais”. Ao longo da sua vida ensinou-nos que a enfermidade é uma situação concreta na vida. Ninguém se pode dela alhear, para ele o doente não era um ser marginalizado pela comunidade. Ele não recusou ninguém. Foi ao encontro dos marginalizados, dirigiu-se aos pobres, ofereceu a salvação sem segregar alguém. O padre Augusto Vila-Chã deixa-nos uma enorme caminhada a percorrer: ser cada vez mais contagiados pela luta a favor da vida. Mente brilhante, Ser Humano incansável, faleceu no 29 de abril de 2013. (texto da autoria de António Costa Guimarães, em 02 de maio de 2013)


72 | Memória

Galardoados Artes Tradicionais e Populares I Edição

José Veiga

VIII Edição

Karter Mendes

XV Edição

Alfredo Machado

II Edição

Domingos Machado

IX Edição

Manuel Lima

XVI Edição

Ana Maria Azevedo

III Edição

IV Edição

José Machado “Fecisco”

X Edição

Jerónimo Silva

XI Edição

Alexandrina Cardoso “Ginha”

XVII Edição

António Torres

José Pinto

V Edição

Arlindo Fagundes

XII Edição

José Machado

VI Edição

Alberto Vieira

XIII Edição

Manuel Guimarães “Clemente”

XVIII Edição

XIX Edição

XX Edição

António Castanheira

Manuel Ferreira Machado - “Pinha“

Fernando Cardoso

VII Edição

Luís Neto

XIV Edição

Francisco Neto

Prémio de Mérito Bracarense - Individual

Prémio de Mérito Bracarense - Colectivo

IV Edição - Francisco Mesquita Machado V Edição - José Veiga VI Edição - Agostinho Domingues VII Edição - Alberto Rego Amorim VIII Edição - Carlos Baptista da Silva IX Edição - Agostinho Oliveira X Edição - Fernando Sá Menezes XI Edição - Eduardo de Melo Peixoto XII Edição - António Salvador XIII Edição - Domingos Paciência

IV Edição - Sporting Clube de Braga V Edição - Associação Comercial de Braga VI Edição - Universidade do Minho VII Edição - Cáritas Diocesana VIII Edição - Académico Basket Clube IX Edição - Lar Conde Agrolongo X Edição - Santa Casa da Misericórdia XI Edição - Casa do Professor XII Edição - Universidade Católica Portuguesa XIII Edição - Arquidiocese de Braga

Galardão Jornalismo I Edição - Domingos Xavier

Galardão Honra e Consagração III Edição

D. Eurico Dias Nogueira


Galardões "A Nossa Terra" - XXI Edição  

Revista oficial da XX edição da gala anual dos Galardões "A Nossa Terra"

Galardões "A Nossa Terra" - XXI Edição  

Revista oficial da XX edição da gala anual dos Galardões "A Nossa Terra"

Advertisement