Issuu on Google+

VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

www.agazeta.com.br REPRODUÇÃO

Entrelinhas

EM COLETÂNEA DE CRÔNICAS, RUBEM BRAGA ESCREVE COM ELEGÂNCIA E LEVEZA SOBRE O COTIDIANO Página 3

Literatura

O RESGATE DA TRAJETÓRIA DE LACY RIBEIRO, QUE RETRATOU COM LIRISMO A VIDA MARGINAL Página 4

Música

POR MEIO DA MANIPULAÇÃO SONORA, GIMU DESCONSTRÓI ESTRUTURAS TRADICIONAIS Página 5

História

MEMÓRIAS DE JOSÉ WALDIR MERÇON, QUE LUTOU NA SEGUNDA GUERRA

Página 16

Pintura de Stanislaw Warchalowski, o Lao, que chegou ao Brasil quanto tinha oito meses de idade, vindo da Polônia com os pais

Linhagem artística

O LEGADO DOS WARCHALOWSKI, FAMÍLIA DE ORIGEM POLONESA RADICADA NO ESTADO

Páginas 8 e 9


2

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

marque na agenda prateleira

quem pensa

Visitas monitoradas Neith Lisboa Cruz é licenciada em Letras pela Ufes e professora aposentada pelo Ifes. cruz-neith@hotmail.com

Por dentro da Biblioteca Pública

Os interessados em conhecer os serviços da Biblioteca Pública do Espírito Santo, como os acervos de obras raras, braille e literatura capixaba, podem agendar visitas monitoras e personalizadas pelo e-mail sergio.blank@secult.es.gov.br ou (27) 9902-1631.

Francisco Aurelio Ribeiro é professor e escritor. Membro da Academia Espírito-Santense de Letras. faribe@gmail.com

Curso História, literatura e cultura

Estão abertas até 31 de janeiro as inscrições para o curso “As Interfaces Espanha x América Após os Processos de Independência: Romantismo, Modernismo e Geração de 98”, que acontece na Ufes entre os dias 4 e 8 de fevereiro com o professor José Alberto Miranda Poza, da UFPE. Mais informações: (27) 4009-2515.

André Graciotti é designer, músico e tem o projeto cellardoor. agraciotti@gmail.com

27

Lúcio Manga é professor de linguagem, músico e escritor. mluciomanga@gmail.com

Simone Modolo é secretária de Cultura e Turismo de Vila Velha, turismóloga e tradutora. simodolo@gmail.com.

Caê Guimarães é jornalista, poeta e escritor. Publicou quatro livros.www.caeguimaraes.com.br

Tavares Dias é jornalista, escritor e mestre em Estudos Literários pela Ufes. tavaresdiasjorn@gmail.com

de janeiro

Grupo capixaba estreia montagem de August Strindber g Ne

MARESSA MOURA/DIV ULGAÇÃO

ste domingo, dia 27, o grupo teatral Boyásha Trup, de Vila Velha, retorna aos palcos do Estado com um novo espetáculo teatra l. De autoria do escritor e dramaturgo sueco Augu st Strindberg, “Credores” tem pré-estreia no Teatro Ca rlos Gomes, com sessão du pla, às 17h e às 20h, e entra da a preço popular: R$ 2 (in teira) e R$ 1 (meia). Inform ações: (27) 3075-2352.

Kleber Galvêas é pintor www.galveas.com

Herbert Soares Caçador é estudante do curso de História do Centro Universitário São Camilo. herinter@hotmail.com

29

de janeiro

Ópera de Giacomo Puccini

A montagem da Royal Opera House, de Londres, para a ópera “La Bohème”, do italiano Giacomo Puccini, será exibida no Cinemark Vitória nos dias 29 de janeiro (terça), às 19h; 2 de fevereiro (sábado), às 11h; e 3 de fevereiro (domingo), às 16h. As entradas podem ser adquiridas no site www.cinemark.com.br e custam R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia).

Com seu estilo elegantemente erudito, o historiador discute temas como identidade nacional e noção de progresso nesta coletânea de ensaios da maturidade, ocupando-se mais diretamente das armadilhas e dos métodos da disciplina que o consagrou como um dos observadores privilegiados do mundo moderno. Companhia de Bolso 432 páginas, R$ 29,50

As Antenas do Caracol Dirce Waltrick do Amarante

A obra discute aspectos nada óbvios da literatura infanto-juvenil, a partir de casos como a adaptação dos Irmãos Grimm para quadrinhos, o teatro infantil, a censura a Monteiro Lobato, a utilidade da literatura e as duas relações com a educação. Iluminuras 144 páginas, R$ 38

Origens do Totalitarismo Hannah Arendt

Clássico sobre a história dos movimentos políticos totalitários, no qual Hannah aborda o crescimento do antissemitismo na Europa, o imperialismo colonial europeu até a Segunda Guerra e discute as instituições e operações desses movimentos. Companhia de Bolso 832 páginas, R$ 39,50

Crepúsculo Stefan George

Esta coletânea reúne o melhor de Stefan George, poeta maior do simbolismo alemão. A tradução de Eduardo Valadares traz uma versão idiomaticamente equivalente, numa formulação inovadora dos versos, que faz reviver sua magia sedutora. Iluminuras 240 páginas, R$ 47

Tiago Zanoli

ARTE EM FAMÍLIA Com uma história de mais de três décadas dedicadas às artes plásticas, o pintor Kleber Galvêas é grande entusiasta da produção local, bem como da preservação da memória e dos acervos de nossos artistas. Seu ateliê, na Barra do Jucu, também soma mais de 30 anos. Nesse período, o espaço recebeu exposições dos mais diversos lugares: do Espírito Santo, de outros Estados e outros países. De origem polonesa, a família Warchalowski teve obras expostas, mais de uma vez, no ateliê de Kleber. Segundo ele, Stanislaw (carinhosamente chamado de Lao), sua esposa, Wanda, e a filha do casal,

Sobre História Eric Hobsbawm

é editor do C2+Pensar.

tzanoli@redegazeta.com.br

Beatriz, tiveram grande sucesso de público e crítica. Na edição deste sábado, Galvêas destaca a história da família, bem como o seu legado artístico. A importância do clã Warchalowski pode ser medida pela informação que o pintor solta logo de cara: um livro sobre a família foi lançado em 2009, em Varsóvia, durante exposição das obras de Lao e Wanda no Museu da História do Movimento Popular Polonês. Obra que Galvêas, aliás, sugere ser traduzida e lançada por estas terras. Afinal, foi onde a família fixou residência. Boa leitura!

Pensar na web

Leia trechos da obra de Rubem Braga e da escritora Lacy Ribeiro e ouça também músicas do compositor Gimu no site gazetaonline.com.br/pensar

Editor: Tiago Zanoli; Editor de Arte: Paulo Nascimento; Textos: Colaboradores; Diagramação: Dirceu Gilberto Sarcinelli; Fotos: Editoria de Fotografia e Agências; Ilustrações: Editoria de Arte; Correspondência: Jornal A GAZETA, Rua Chafic Murad, 902, Monte Belo, Vitória/ES, Cep: 29.053-315, Tel.: (27) 3321-8511


3

entrelinhas

Pensar

por NEITH LISBOA CRUZ

O HUMOR E A TERNURA DE UM PROSADOR DO COTIDIANO

R

ecado de Primavera” reúne trinta e sete saborosas crônicas, entre as quais, o texto à moda epistolar que empresta seu título a esta coletânea. Através dela, Rubem Braga se dirige ao poeta e também cronista, Vinicius de Moraes, desaparecido anteriormente àquela estação que vem, desde sempre, inspirando os artistas da palavra. Na referida crônica, Braga aborda temas que costumam nutrir a imaginação lírica dos cronistas: mar, mudanças sazonais, pássaros, flores, lugares e musas. Apesar de inusitada, a mensagem ao amigo falecido mistura humor e ternura, graças à sensibilidade, à intimidade com a palavra e ao fato de Braga ter sido um excepcional observador dos acontecimentos, característica indispensável a quem se inspira neles para exercer o ofício de “prosador do cotidiano”. Por conta das profissões que exerceu na imprensa – foi cronista, repórter, correspondente de guerra – Braga viajou muito. Viveu no exterior e em várias cidades brasileiras, entre elas, Belo Horizonte, Recife e Rio de Janeiro. Por isso, experiências de sua vida itinerante estão registradas em textos memorialistas, como “O Colégio de Tia Gracinha”, educandário de Cachoeiro de Itapemirim, onde, modéstia à parte, nasceu. O texto em questão se passa quando as mulheres ainda eram educadas para o casamento, e tudo o que podiam exibir eram prendas domésticas e algum talento musical: “... o tempo era de pouca máquina e nenhuma pressa. Moças não trabalhavam fora”. Ainda na esteira do saudosismo, “Macuco Tem Ovos Azuis” evoca telefones pretos e geladeiras brancas.

Intelectuais

Em “Recado de Primavera”, sobram referências a intelectuais ilustres. É o caso da bela crônica “O Chamado Brasil Brasileiro”, na qual Braga transcreve Capistrano de Abreu, Paulo Prado, Manuel Bandeira, Sérgio Buarque de Holanda, Euclides da Cunha, Oswald e Mário de Andrade, numa tentativa de definir o espírito do brasileiro, caracterizado por aqueles escritores como “triste”, “alegre”, “desterrado”, “forte”, “raquítico”, “neurastênico”, “desgracioso” e “fraco”. A interpretação de Braga, no entanto, reflete afeto e sentimentalismo. Para ele, o brasileiro é, sobretudo, “bom e solidário”.

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

Recado de Primavera Rubem Braga Record, 176 páginas Quanto: R$ 29,90

REPRODUÇÃO

A genialidade do observador pode ser apreciada em “A Mulher que Ia Navegar”. Segundo o cronista, ele e “ela” participavam de um bate-papo numa roda de amigos comuns. Aqui, a linguagem assume o tom predominantemente expressivo – a metáfora já é percebida no título – para criar uma atmosfera de suspense e mistério, de sensualidade e tédio, o cenário perfeito para inserir a esposa que, indiferente ao marido – “o porco” – procura parceiro. Entre os presentes, está o “piloto”, o escolhido. Há que se registrar, ainda, a presença sensual do elemento desencadeador do desejo: o braço feminino, um quase-personagem. A objetividade de Braga se faz sentir, especialmente, nas frases de abertura: curtas e concisas, de pronto anunciam o assunto, conforme se lê em “Uma Água-Marinha para Bárbara”: “– Já trabalhei com joias”. Ou em “Passarinho Não se Empresta”: “– Não é bom que o homem esteja só”.

Atemporal

Pai da crônica brasileira moderna, Rubem Braga escrevia com leveza e elegância

Como repórter, Rubem Braga cobriu, para o Jornal da Tarde, de Belo Horizonte, a Revolução Constitucionalista de 1932, missão que gerou “Na Revolução de 1932”, crônica que marca cinquenta anos de sua experiência como “correspondente de guerra”. Os fatos narrados, em primeira pessoa, gravados na memória do então jovem jornalista, trazem à cena nomes importantes da vida pública brasileira – civis e militares – da primeira metade do século XX. Braga, homem de posições firmes, irritava as autoridades e a censura porque se recusava a distorcer certos fatos que presenciava. “Vale o escrito”, resume em “Navegação nas Galápagos”, crônica de viagem que se inicia com referências a acidentes geográficos, passa pela Astronomia, pela metalinguagem, e deságua no interrogatório a que

foi submetido, no Quartel de São Cristóvão, o jovem militante socialista resistente a retratações. Devido à importância do conteúdo, as crônicas históricas, em especial, enriquecem e perpetuam a obra do jornalista. A sensualidade é outro elemento que se faz presente nesta coletânea. Nos textos protagonizados por personagens femininas, nos encontros e desencontros, há evidências de que o cronista teria sido um grande namorador. “Foi bom” responde à carta de uma mulher com quem teve um caso de amor morno, sem o calor das grandes paixões. Já em “As Estrelas que Nós Amamos”, irreverente, opina que “... a deusa não pode ser quotidiana, a deusa a gente vê no máximo duas vezes por ano. A rotina envenena tudo”.

Aqueles que discriminam a crônica, sob a justificativa da transitoriedade, devem ler “Fumando Espero Aquela...” Trata-se do depoimento do ex-fumante Braga, publicado em 1982, que poderia ter saído no último número de um periódico atual. Nela, o autor se reporta ao que denomina “literatura tabagista”, integrada por um seleto grupo de escritores fumantes, apologistas do cigarro, “vício chique” de outrora. Braga expõe o drama que lhe fora imposto pela dependência, que incluía tosse, hérnia, enfisema e algumas cirurgias. Reconhece que o vício foi uma das maiores bobagens que fez na vida. Não pretendia, contudo, convencer ninguém: “Já tentei fazer isso, mas o sujeito ainda caçoa da gente, de cigarro no bico. Ah, quem quiser que se fume”, arremata, irônico. Em última análise, a leitura de “Recado de Primavera” esclarece por que Rubem Braga sempre foi prestigiado pelos leitores e por que se atribui a ele a paternidade da crônica moderna. Sua linguagem, isenta de adornos, abastece-se de humor, ironia e irreverência para produzir crônicas leves e elegantes, a despeito da rapidez com que os fatos se precipitam em direção ao desfecho, nos textos curtos. Por tais razões, Braga consegue, com muita competência, divertir, criar suspense e provocar, no leitor, o desejo de ler sem parar. De resto, louvem-se as piadas engraçadas, porém ingênuas, inseridas entre as crônicas, com as quais ele nos presenteia.


4

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

5

falando de música

letras

Pensar

por ANDRÉ GRACIOTTI

por FRANCISCO AURELIO RIBEIRO

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

O SUBLIME E A TRANSCENDÊNCIA NAS COMPOSIÇÕES DE GIMU

MARGINALIDADE, PAIXÃO E MORTE Dos primeiros versos à prosa realista-documental, professor analisa a trajetória da premiada escritora Lacy Ribeiro, brutalmente assassinada no início deste ano

A

companhei, desde o início, a carreira literária de Lacy Ribeiro, capixaba nascida em Barra de São Francisco, em 1948, e assassinada, brutalmente, em sua residência, neste janeiro do ano que se inicia, pois seu primeiro livro publicado, “Primeiro Passo”, de poemas, foi lançado no mesmo ano em que entrei na Ufes, em 1982. Desde aquela época, já pretendia estudar a literatura contemporânea feita no Espírito Santo, objeto de minha tese de doutoramento defendida oito anos depois. O livro de poemas de Lacy Ribeiro não me chamou a atenção, pois era mais um livro de poesias subjetivas de uma escritora que se propunha a dar o “primeiro passo” na literatura. No entanto, minha percepção mudou quando ela publicou “Contos de Réis”, antologia de contos, em 1986, e “Avenida República”, coletânea de crônicas, em 1987, pela editora Cátedra, do Rio de Janeiro. Naquele momento, vi que Lacy Ribeiro era uma escritora com potencial literário e que se enquadrava na chamada “literatura marginal”, neorrealista ou neonaturalista daqueles anos, que fugia das características do “realismo fantástico”, ou “mágico”, predominante na década anterior. No Brasil, a chamada “geração marginal” ou “neonaturalista” deu escritores como João Antônio, Ivan Ângelo, Sérgio Sant’Anna, Oswaldo França Jr., Carlinhos Oliveira e muitos outros prosadores e poetas. No Espírito Santo, Lacy Ribeiro veio a se juntar a Luiz Fernando Tatagiba, o maior representante dessa geração, Amylton de Almeida, Antônio Alaerte, Milson Henriques e Valdo Motta. No mesmo ano em que Lacy Ribeiro lançava “Contos de Réis”, histórias curtas que enfocavam os marginais de toda sorte da sociedade brasileira recém-saída da ditadura militar (1964-1985) e caída na realidade da bancarrota econômica, Fernando Tatagiba lançava um manifesto chamado “Por uma Literatura-Povo, por uma Literatura-Rua”, em que dizia: “A literatura capixaba, excetuando-se a poesia, sempre foi feita pela burguesia – beletrista por excelência. Sendo assim, essa burguesia-fascista ou ‘liberal’, mas definitivamente alienada, estava obviamente afastada do povo, das ruas, do cheiro muitas vezes doloroso do ser hu-

CARLITO MEDEIROS/ARQUIVO AG

bendita, iluminada, querida por todos e mal entendida por alguns, faz uma literatura diversificada: poesia, contos, crônicas, romances, ensaios etc.”. A prosa realista-documental de Lacy Ribeiro retratava o povo da rua, a fauna humana que habita as madrugadas, os bares, os pontos de ônibus. Com uma linguagem sintética, contida, irônica, hiper-realista, às vezes, por sua crueza, sem ser fácil ou mal cuidada, Lacy focalizava o submundo das ruas de Vitória, seus personagens marginalizados: mendigos, pivetes, prostitutas, travestis, drogados, desempregados. Seus temas recorrentes eram a miséria, a solidão, a violência, o desamor, a vida urbana. Mesmo fazendo uma prosa quase naturalista, Lacy Ribeiro nunca deixou de ser lírica, idealista, romântica, às vezes, como se pode ver nos contos “Banquete” (do livro “Contos de Réis”), “A Cega” e “Novenas de Esperança” (de “Avenida República”).

Prêmios

Com linguagem sintética e irônica, Lacy retratou o “submundo” das ruas de Vitória

mano comum da esquina. (...) É necessário que a literatura capixaba (...) mergulhe de vez na rua, na passarela comum, se encharque de povo, de pessoas simples, gente da esquina e da praça”. Lacy Ribeiro seguia essa cartilha ideológica e literária. Militante da esquerda, foi advogada, secretária de

multinacionais, aproveitando “tudo que extrai de suas experiências ombro a ombro com o povo humilde, o que trabalha, o que fica desempregado, o deslembrado dos que dominam”, conforme consta da sua biografia, em “Contos Bastardos”, em que também se lê: “Lacy Ribeiro, escritora maldita,

O auge de sua carreira como escritora ocorreu ao ganhar dois concursos literários do antigo Departamento Estadual de Cultura (DEC), hoje Secult. Primeiro, na categoria Romance, em 1989, com “Rocks e Baladas de Marcos Furtado”, obra que tematiza as dificuldades do protagonista para assumir sua homossexualidade na sociedade provinciana de Vitória dos anos 60 e 70. Depois, em 1990, na categoria Contos, com “Contos Bastardos”, sua melhor obra literária. Nos sete contos, há uma narrativa catártica, enfocando personagens marginais, psicóticos, num cenário final de século, pós-moderno. Lacy Ribeiro ganhou mais um prêmio, em 1993, na categoria InfantoJuvenil, com seu conto “Grades Suspensas”, e então desapareceu do cenário literário. Fez concurso para a Polícia Civil e passou a trabalhar diretamente com os marginais que sempre a seduziram. Apaixonou-se por um deles, presidiário, e contou essa história no romance autobiográfico “Paixão de Cárcere, Romance Proibido”, sua última obra, publicada em 2009. Desde então, seu nome sumiu das páginas culturais e apareceu agora, nas policiais, assassinada a facadas por um de seus personagens.

O

drone, musicalmente falando, é o uso de sons repetidos e monocórdicos, geralmente explorados por artistas experimentais. Há quem diga que o drone existe desde o começo dos tempos, pois, se “no princípio era a palavra”, essa palavra era “oooooooommmmm”. Deus seria, então, o pioneiro da música drone. Não é nenhum exagero, portanto, considerar que há de fato algo de religioso e até mesmo de espiritual nesse tipo de música, e o representante capixaba no gênero, Gimu (alcunha de Gilmar Monte), que acaba de lançar mais um álbum, chamado “Opaque Black”, sabe bem disso. Em seus já 18 lançamentos (somente em 2012 foram 7 álbuns!), ao contrário do que seu ritmo frenético de produção pode sugerir, cada novo registro parece buscar o sublime e a transcendência, através do trabalho com texturas e camadas sobrepostas de ruídos e loops, que evocam atmosferas ora serenas e etéreas, ora caóticas e sufocantes. À frente da terrorturbo, banda electro-pop-rock que teve alguns longos anos de vida no cenário musical de Vitória, por volta dos anos 2000, Gimu inicialmente compunha inspirado no eletrônico do New Order e no romantismo e na melancolia de The Smiths e Joy Division. Já na sua carreira solo como artista drone, ele não parece mais interessado na construção de harmonias e melodias pop, mas na manipulação sonora; um processo de composição que vem da ânsia da desconstrução e deterioração de estruturas. Um inusitado ímpeto criativo que, ao tentar distorcer, retorcer, dobrar e esticar determinado som, é o mais próximo que a música pode chegar a uma ideia de manipulação tátil. De vestígio do synth-pop e rock dos anos oitenta de sua formação musical, ficou a paixão por reverbs e delays. Afinal, sendo a reverberação a persistência de um som após o original ser reproduzido, na música de Gimu há quase que um obsessivo interesse por esse efeito – mas apenas com o resultado gerado, como ecos de uma fonte invisível (e inaudível), extendidos, ampliados e distorcidos até onde é possível.

DIVULGAÇÃO

alma, desapegados do imediatismo do pop e que sentem prazer com a incerteza, com o processo de investigar tudo o que possivelmente constitui aquela massa sonora por vezes tão desnorteante.

Esmero

Explorando texturas e camadas sobrepostas de ruídos e loops, Gimu evoca, em sua música, atmosferas ora serenas e etéreas, ora caóticas e sufocantes

Esse tipo de música pode soar um tanto aleatório ou denso demais para ouvidos casuais, mas não se deixe enganar. Tudo na música de Gimu é feito com profunda paixão e empatia, com cuidado minucioso aos detalhes e às

nuances muitas vezes perceptíveis apenas com um bom fone de ouvido. São águas que gente como John Cage, Brian Eno e Stars of the Lid já navegaram tão bem e se tornaram tão influentes. É música para os inquietos e curiosos de

Seu cuidado criativo é perceptível desde os curiosos e sugestivos títulos (este último trabalho, “Opaque Black”, apresenta títulos como “Oh Jack, They Must Suffer and Cry Before They Get It Right”, ou “In a Turbine of an Old Design”), reveladores da origem dos loops e samples manipulados ou do contexto em que foram concebidos. São esforços conceituais que acabam funcionando não apenas para designar palavras a uma música que se caracteriza, na maioria das vezes, pela ausência verbal, mas que legitimam cada faixa como uma narrativa própria, oriunda do universo muito particular de seu criador. Um de seus trabalhos mais curiosos é o “Chundongqiuxia”, um álbum inteiramente feito com a manipulação dos sons do clássico e simpático aparelhinho chinês “Buddah Machine”, que continha loops inspirados nos mantras de canto budista. Inevitavelmente, não é um gênero de fácil aceitação no mainstream e dificilmente será. Ainda assim, é curioso como, somente agora, mais de vinte anos depois de começar a se aventurar na música, Gimu parece ter encontrado o seu nicho e o merecido reconhecimento. Seu trabalho vem tendo grande notoriedade no meio, com alguns de seus álbuns lançados em cópias físicas por diversos selos nacionais e internacionais (nos Estados Unidos, na Rússia e no Reino Unido), além de ter sido convidado para parcerias com outros artistas experimentais mundo afora. O que o ouvinte sentirá ao pressionar “play” na música de Gimu, é algo impossível de prever. Um turbilhão de emoções confusas e nebulosas certamente virão a princípio, mas com a devida entrega e atenção, é possível alcançar uma epifania – momento este em que a abstração da música de Gimu se revelará por completo, enfim transfigurada e concretizada em imagens, palavras e melodias diversas. E aí, quem sabe, talvez até mesmo sem que o ouvinte se dê conta, sua transcendência espiritual estará completa.


6

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

poesias

errei na mosca! por LÚCIO MANGA!

JÁ QUIS DEMAIS ALGUMA COISA JÁ QUIS ALGUMA COISA JÁ? (leia a coluna de hoje ouvindo “já”, com titãs. acesse aí, vai: youtu.be/ pWCySsJhm_Y)

Q

uando penso em escrever, respiro superficialmente, que é justamente para negar qualquer relação vexaminosa com a inspiração, e ligo uma canção... nada sai de mim se uma canção não disser antes a mim mesmo o que é que estou sentindo... a minha vida tem trilha sonora... você já tentou encontrar uma resposta para a existência? se já, não há dúvidas, é porque já tentou varrer a areia da praia. a impossibilidade é a marca humana mais evidente, daí o corre atrás de um deus que diga os porquês de tudo isso aí... nada explica o que se é, nem os analistas de plantão, nem madame soraya que promete a pessoa amada de volta em 7 dias. você já tentou compreender de onde vem o fôlego das cigarras? se já, é porque já ficou no escuro ouvindo o canto da cigarra. o barulho implacável. a denúncia explícita de que a noite vem aí com a sua escuridão. o bocejar do dia na sua luta contra o sono. o despertador dos vampiros, imaginários ou não, que odeiam sangue. você já se viu reflexo de si e não foi capaz de dizer sequer um olá? se já, é porque já ficou na frente do espelho rindo

sozinho da sua cara, à procura de algo que nunca estará lá. não basta uma roupa... a imagem que se tem de si o espelho não captura... são detalhes tão antropofágicos de nós um... são vermes resistentes, esses mocinhos existenciais do ego. você já deitou na cama e sentiu uma solidão que o cobertor não é capaz de isolar? se já, é porque já dormiu sem ninguém num canto de rodoviária... a metáfora existencial do abandono do ônibus que nunca chegará. da eterna espera pelo outro... por uma pessoa que possa existir como amor até que a morte os repare. você já beijou alguém somente pela necessidade de se parecer desejável? se já, é porque já dormiu com alguém por migalhas... é a prostituição das necessidades, o pior mal... é quando se torna michê de si mesmo e coloca anúncios classificados de vendo-si por todos os cantos da alma. você já acordou assustado no meio da madrugada com a sensação de que deveria estar em outro lugar? se já, é porque já perdeu a hora quando o tempo para... no momento em que não era para ser absolutamente nada demais, mas que você transforma em uma sessão de tortura da alma, acorda, dá voltas pela casa e perde o sono para sempre... você já tentou explicar por incontáveis vezes a mesma história e ainda

assim não conseguiu transformá-la em verdade? se já, é porque já gritou uma palavra até perder a fala... para rouquidão da verdade não há pastilha valda, nem mesmo água. o que se pode dizer quando não há roteiro de filminho água com sugar? você já tentou ir embora da vida de alguém? se já, é porque já colocou todas as roupas do armário na mala e não conseguiu dizer adeus... quando se quer ir embora da vida de alguém não se pensa em se arrumar a mala, e nem se acertam as contas... se o que se quer é de fato ir, deve-se simplesmente abrir

você já deitou na cama e sentiu uma solidão que o cobertor não é capaz de isolar? se já, é porque já dormiu sem ninguém num canto de rodoviária...

birinto é uma casa edificada para confundir os homens; sua arquitetura, pródiga em simetrias, está subordinada a esse fim. no palácio que imperfeitamente explorei, a arquitetura carecia de fim. abundavam o corredor sem saída, a alta janela inalcançável, a aparatosa porta que dava para uma cela ou para um poço, as inacreditáveis escadas inversas, com os degraus e a balaustrada para baixo. outras, aderidas aereamente ao costado de um muro monumental, morriam sem chegar a nenhuma parte, no fim de dois ou três giros, na treva superior das cúpu-

a porta e não olhar para trás. você já se sentou frente ao abismo e desejou outra vida? se já, é porque já viu sumir a última estrela da madrugada... naquele instante em que o sol lança o primeiro raio e acende uma luz... a realidade não tem interruptor. você já se esqueceu de todos os afazeres e simplesmente cruzou os braços em sinal de chega... basta!? se já, é porque já ficou um dia, um mês, um ano sem fazer absolutamente nada... seja por não ter o que fazer, seja por não querer fazer, seja por não precisar fazer... embora haja vantagens significativas quando se pode não precisar fazer... você já desconstituiu família no café da manhã? se já, é porque a sua casa já desmoronou no meio da sala... nesse caso, a morada perdeu o posto de eterno retorno e o seu corpo passou a vagar dentro de um labirinto sem migalhas de pão... é nesse momento que as cortinas se abrem e os artistas entram em cena... é quando você presta atenção nas falas em que se diz o amor e começa a errar tudo de novo. quem, que por essa hora me lê, jamais quis alguma coisa já quis alguma coisa já? a resposta rápida e segura, nesse caso, pode ser um erro... essa é a esfinge que devora o nunca querer coisa alguma recheada com o querer já... viver é, vassoura nas mãos, tentar varrer a areia da praia...

NA MOSCA!

distraídos venceremos “este palácio é obra dos deuses”, pensei primeiramente. explorei os inabitados recintos e corrigi: ‘os deuses que o edificaram morreram’. notei suas peculiaridades e disse: ‘os deuses que o edificaram estavam loucos’. disse isso, bem sei, com incompreensível reprovação que era quase remorso, com mais horror intelectual que medo sensível. a impressão de enorme antiguidade juntaram-se outras: a do interminável, a do atroz, a do complexamente insensato. eu havia cruzado um labirinto, mas a nítida cidade dos imortais me atemorizou e repugnou. um la-

crônicas

las. ignoro se todos os exemplos que enumerei são literais; sei que durante muitos anos infestaram meus pesadelos; já não posso saber se esse ou aquele traço é transcrição da realidade ou das formas que desatinaram minhas noites. ‘esta cidade’, pensei, ‘é tão horrível que sua mera existência e perduração, embora no centro de um deserto secreto, contamina o passado e o futuro e, de algum modo, compromete os astros. enquanto perdurar, ninguém no mundo poderá ser valoroso ou feliz’. trecho de “o imortal”, de borges, o jorge luis.

“ando tão à flor da pele que qualquer beijo de novela me faz chorar” —

POR BALEIRO, O ZECA

POEMA SIMPLES SIMONE MODOLO Procuro a palavra boba A palavra que brinca com ela mesma Que se diverte entre significados tolos Busco a leveza das letras A pincelar pontes e elos Juntas dedilhando pensares vagos Anseio pela poesia simples A poesia que toca despreocupada Que faz sentir prazer nos olhos E inquietude no coração

ESFOLADO A pedra dura me esfola os dedos Que ardem por ansiar a liberdade dos medos Quanto de mim terá que atravessar E do outro lado espiar, gostar, curar, amar É do outro lado que escorre a água que penetra Que fura a crosta, quebra a casca A água que lava e revela O lado velho, duro de muitas marcas

A MORTE E A RESSURREIÇÃO DA BOEMIA NA ILHA DE NOSSA SENHORA DA VITÓRIA por CAÊ GUIMARÃES

19 de janeiro. Uma tarde sem precedente de tão excelente. No Recreio dos Olhos, o Regional da Nair tocou samba na mesa lugar de garrafas e certezas – e destilou alegria para um milhar e meio de gente. Em seguida, a Orquestra Voadora fez sua pajelança e deixou no ar notas finas de alegria genuína. Tarde linda. Público heterogêneo. O espírito da boemia estava lá, vivo em cada abraço e olhar que sorria. Lembrei o artigo “Cidade Vazia” que meu amigo Tarcíso Bahia, arquiteto e professor da Ufes, publicou aqui em A Gazeta no mesmo dia. Ele discorre sobre o fechamento sistemático de bares na cidade de Vitória. No dia seguinte, reli um texto que escrevi quando vários bares da cidade começaram a fechar. Ainda que decretem a morte da boemia, que é a morte do senso crítico, da ironia e da alma da cidade,

sempre haverá meia dúzia de malucos resolutos em fazer todo mundo dançar, falar, se expor. E em canto, trago e diálogo, pensar com graça e ironia. Porque sem ambas, só nos restará a esquizofrenia. Segue aqui o texto: Eis que vão calar cantor e canto. E todos os bares da cidade, a começar pela Praia do Canto. Não haverá poeta algum para contar a história da menina que vendia rosas, do esquizóide que falava com as estrelas ou do andino que corria as mesas tocando charango. Bebericar? Conversa (a)fiada? Olhar o mundo da calçada? Tudo isso começou a acabar. A partir daí, a marcha seguirá triunfante, e em movimentos concêntricos se espalhará por toda ilha. No lugar do boteco, lotérica. Ali onde a turma bebia, padaria. Uma loja de colchões, cheia de brancura e espuma, será instalada onde

7

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

antes, logo há pouco, um ficava rouco. O outro olhava torto. A charmosa destilava dengo e promessa de fervura. E a gostosona flertava com o mundo, cheia de desejo, mas no fundo buscando com volúpia e medo apenas o próprio reflexo no espelho úmido do olhar alheio. Nunca mais bêbados santos pela madrugada. Esqueça as melenas jogadas ao vento das Carolinas, Dianas e Madalenas às quatro da manhã. E os casais que se unem e desfazem ou o homem velho e seu cachimbo inviolável. Apague das rugas da memória qualquer ideia de encontro. Ou fuga. A cidade vai ser ainda mais silenciosa. Muda. E obtusa. Quem vive de música, que vá procurar outro lugar. Você é garçom? Temos vagas na indústria do petróleo. Quer um trago ao sair do escritório? Não desça. Rabisque da memória o som das mesas tinindo e a sua bebida favorita descendo pela goela e subindo até o infinito sem que perceba. A cidade vai ser só silêncio. Lojas de colchões. Óticas e padarias. Espere para ver a vida sem música e boemia. Não haverá sequer rastro da melancolia para doer. Iniciativas como a do Regional da Nair fazem com que eu tenha que reescrever este final. Assim seja. E desce outra cerveja.

GENTE TAMBÉM É PARENTE por TAVARES DIAS

O sentimento está na ponta dos dedos E nos cascos deste fausto lascivo Mente e membros prontos a romper O que não se cabe em paredes

ESSA MULHER Essa mulher me sufoca um pouco Apareceu do nada e do nada cismou comigo De cara, disse que eu já estava morto Quando surpreso por sua investida Fiz-me de bobo para sobreviver Tão certeira e segura que até me assusta Deixa-me confuso, com medo de enredar-me Medo de me perder naqueles cabelos vermelhos De me afogar nas águas de suas entranhas Ela tem um quê de dominadora, de usurpadora Não tem medo do não Não tem medo do se Muito menos do sim É a luxúria em pessoa O desejo em carne e osso Cheira a sexo e a fogo Tem no olhar a flecha do inevitável Ai de mim, pobre menino Protejam-me os santos e as santas Dessa mulher que tenho medo

Bim-blão. Noinha chega sem avisar. Desatinaldo abre a porta, e ela logo dispara a contar um sonho recorrente que a tem deixado mal. Noinha relata que sonha com cachorros que carregam sacolinhas e puxam, pela coleira, pessoas peladas que caminham de quatro pés. Outros cães passantes assoviam e estalam dedos para as pessoas. Essas, na falta de um rabinho pra balançar, rebolam feito cachorras de funk. E mais: na TV, a última edição do “Gente Também É Parente” traz imagens de cachorros tosando pessoas, anunciando hotéis, restaurantes, dentistas e cemitérios para humanos. Numa mesa-redonda, cachorros especialistas discutem as relações entre cães e pessoas. Ali, um cão cinopsicólogo defende que humanos seriam importantes para fazer companhia a filhotes cujos pais, ocupados, não possam lhes dar atenção. Idem quanto a cães da melhor idade. Já

um representante de outra corrente canina sustenta que cachorros que exageram no conforto a humanos só o fazem porque pessoas são capazes de dar um tal amor incondicional, enquanto que as relações entre caninos exigem aceitação, respeito e um amor em que um constrói o outro. Muito trabalhoso. Segundo Noinha, um debatedor da mesa-redonda é mais radical: – Milhares de cães vivem em orfanatos, em asilos e nas ruas, enquanto cachorros das classes média e alta compram pessoas cujas raças nem existiam, originalmente. Tudo fruto de cruzamentos genéticos produzidos por cães pesquisadores capitalistas. Cachorros que vivem de vender pessoas cascateiam que são amigos de humanos, quando se sabe que amigo não compra nem vende amigo. Ainda de acordo com Noinha, outro especialista argumenta que há cães incapazes de amar outros cães. Assim,

melhor do que ficar sozinhos seria mesmo criar humanos, ainda que em apartamentos, habitats artificiais e prejudiciais à saúde tantos de cães quanto de seus homens e suas mulheres de estimação. Além disso, acrescenta o mediador, em caso de cachorros reconhecidamente maus e desequilibrados, é melhor, mesmo, castrarem seres humanos e descarregarem neles sua piração do que fazê-lo com seus semelhantes. Um pecado menor, segundo a doutrina milenar de Dog God, o eterno. Noinha acrescenta, irritada, que sempre acorda, nesse ponto, e fica sem saber o final do sonho. E quer que o amigo o interprete pra ela. – Qual é, Noinha? – Desatinaldo corta rente. – Isso é assunto pra terapeutas. Além disso, conheço muitos cães que possuem pessoas de estimação. E eu lá ia fazer uma cachorrada, digo, uma pessoada dessas com eles?


8

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

9

artes plásticas

Pensar

por KLEBER GALVÊAS

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

O pintor Kleber Galvêas sugere a tradução para o português de um livro lançado há mais de três anos em Varsóvia sobre a família de origem polonesa que fixou residência no Espírto Santo

WARCHALOWSKI: UMA FAMÍLIA DE ARTISTAS

REPRODUÇÃO

VIDA E OBRA DE LAO, WANDA E BEATRIZ, CUJOS TRABALHOS DEVERÃO SER EXPOSTOS NESTE ANO, NA BARRA DO JUCU

E

m 2 de junho de 2009, em Varsóvia, Polônia, a Biblioteka Iberyjska lançou o livro “I Polecial w Swiat Daleki ... Wspomnienia z Brazylii, Polski i Peru”, que conta a saga da família Warchalowski. O livro, escrito em polonês, contém várias ilustrações em suas 251 páginas. O lançamento aconteceu durante a abertura da exposição das obras plásticas de Stanislaw, o Lao, e Wanda Warchalowski no Museu da História do Movimento Popular Polonês. Tenho o livro, presente de Beatriz, filha desse casal de artistas. Ela foi convidada para o lançamento e me trouxe um volume. Graduada em Artes pela Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, Beatriz cuida de maneira exemplar da memória e do acervo deixado pelos pais, promovendo generosamente a difusão desse legado. Vendo as ilustrações, lembro das histórias contadas por Lao sobre sua vida sem fronteiras, rica em aventuras nos diversos lugares em que atuou. Será muito interessante a sua tradução para o português, pois noventa por cento dessa curiosa história se passam no Brasil, e boa parte, no Espírito Santo, onde fixou residência definitiva. Desde criança, via Dona Wanda passar a caminho das compras, pela Avenida Champagnat, em frente ao Colégio Marista. Pelo seu porte elegante, por

DIVULGAÇÃO

apresentou um retrato dele feito com grafite. Como voluntária, participou da escola de arte que montamos no ateliê e, nas tardes de sábado, dava aulas para jovens interessados em pintura. Ainda não conheci ninguém que dominasse a técnica do guache como Lao Warchalowski; ninguém que fizesse esculturas de pano com estrutura de arame com tanta graciosidade, movimento, expressiva vivacidade e riqueza de detalhes, como as produzidas por Wanda Warchalowski.

Lao Warchalowski, no alto, posa com uma de suas obras; enquanto sua esposa, Wanda, exibe uma escultura de pano. Acima, Beatriz, hoje guardiã da memória e do acervo deixado pelos pais. Na imagem à esquerda, a “Madona” pintada por Lao.

Acervo

“Baiana com Menino”, de Wanda: escultura de pano com estrutura de arame

suas roupas e por seu coque na nuca, pensava tratar-se de uma senhora espanhola muito delicada e recatada. Só conversei com ela e o Lao muito tempo depois. Primeiro vi-o na TV Gazeta dando uma simpática entrevista. Quando visitei o ateliê da família na Praia da Costa, convidei a todos eles para fazerem exposições no meu ateliê: Lao, guache; Wanda, esculturas; e Beatriz, desenhos. Foi amor à primeira

vista. A convivência a partir de então foi muito rica e interessante para mim, pois recuperei um bom e experiente conselheiro (que havia perdido com a morte do Massena). Lao, Wanda e Beatriz fizeram exposições no meu ateliê da Prainha. Mostraram ali seus trabalhos mais de uma vez, com grande sucesso de crítica e de público. Beatriz, em exposição póstuma que organizei para homenagear seu pai,

Após a exposição em Varsóvia, parte das obras do casal passou a integrar o acervo do museu polonês. A maior parte continua no acervo particular de Beatriz. São essas peças que pretendemos mostrar em 2013, no ateliê da Barra do Jucu. Como chefe de topografia, Lao corrigiu o caminho por onde os trens da Vale trariam o minério de ferro de Minas para o Espírito Santo. Nas folgas do serviço, desenhou “ao vivo” cenas pitorescas dos trabalhadores colocando trilhos (desenhos expostos permanentemente no Museu Ferroviário da Vale). Por esse mesmo caminho, veio com toda a família de Governador Valadares para Vila Velha, em 1956. Primeiro moraram na Sete de Setembro, depois formaram entre os pioneiros na ocu-

>

>

pação da Praia da Costa, onde o casal viveu os últimos anos desenvolvendo atividades artísticas. Em 2006, visitei dona Wanda com 102 anos. Sentada próxima à janela,

usando agulhas grossas de tricô, fazia mantas para serem distribuídas pelas Irmãs Vicentinas às mães carentes. Nascido na Polônia, Lao chegou com oito meses ao Paraná, onde Kazimierz,

seu pai, um dos líderes da colônia polonesa, publicou jornal em polonês. Com 19 anos, foi estudar engenharia na Polônia, onde também lutou boxe. Voltando ao Brasil, fez-se garimpeiro no

sertão de Minas. Viveu dez anos no Peru, onde se casou, após receber, por navio vindo da Polônia, a jovem e bela noiva Wanda. Logo mudaram para o Brasil e foram morar no Rio de Janeiro, onde Lao montou estúdio pioneiro de publicidade. Admitido na Vale, foi com a esposa para Governador Valadares e, em seguida, para Vila Velha. Por ficarem mais tempo de suas vidas morando na capital histórica do Espírito Santo, são capixabas. Capixabas que os poloneses conheceram e admiraram através da arte e da bela história de vida: mas que os capixabas e brasileiros ainda precisam conhecer.


10

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

11

roteiro

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

BATUCADA

FUNK

SHOW

SAMBA

BAMBAS

FESTIVAL

Pré-carnaval com Monobloco

Os sucessos de MC Leozinho

A bela voz de Amélia Barretto

Festa da Andaraí agita Vitória

Grupo 522 de volta à Rua da Lama

Encontro de grandes nomes do reggae

Multiplace Mais. Rua Iriri, Quadra A, Lote 9, em Meaípe, Guarapari. Entrada: R$ 70 (pista/meia), R$ 600 (camarote/mesa para quatro pessoas), R$ 120 (camarote/individual/sem reserva de mesa). Informações: (27) 3272-1565.

Boate Luazul. Rua M, 3, em Nova Guarapari, Meaípe, Guarapari. Entrada: R$ 30 (meia), R$ 60 (inteira), R$ 60 (área vip/meia) e R$ 120 (área vip/inteira). Informações: (27) 3272-1311.

II Feira Verão de Camburi. Praia de Camburi, em Vitória. Aberto ao público.

Ginásio do Álvares Cabral. Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 2.100, em Bento Ferreira, Vitória. Entrada: R$ 10. Informações: (27) 3134-0101.

Belisco Bar. Avenida Saturnino Brito (Rua da Lama), 669, em Jardim da Penha, Vitória. Informações: (27) 3235-7873.

Fazenda Camping. Rodovia ES 060, Barra do Jucu, Vila Velha. Ingressos: R$ 25 (2º lote) e R$ 35 (3º lote). Informações: (27) 9956-2833.

Consagrado por incorporar diversos ritmos e estilo musicais à batida do samba, o Monobloco, do Rio de Janeiro, antecipa o carnaval neste sábado, a partir das 22 horas.

A partir das 22 horas, rola muito funk com o carioca MC Leozinho, que apresenta seus sucessos como “Se Ela Dança, Eu Danço” e “Toda Gostosa”.

A cantora Amélia Barretto vai se apresentar neste sábado, a partir das 19h30, dentro da programação cultural da II Feira Verão de Camburi, interpretando grandes sucessos da música popular brasileira.

Barbosa Lima

MPB. A partir das 20h, no Arcos da Lapa. Praia da Costa, em Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 3063-5251.

Fernando Duarte e Fábio do Carmo

Chorinho. A partir das 20h, no Bistrô Solarium. Rua Guilherme Faria, 179, Praia da Costa, Vila Velha. Couvert: R$ 7. Mais informações pelo telefone (27) 3063-3388.

Grupo NGK

Jazz, bossa nova e MPB. A partir das 20 horas, no bar Vila do Rancho Forte. Rua Cabo Aylson Simões, 250, no Centro de Vila Velha. Couvert: R$ 8. Mais informações pelo telefone (27) 3075-3522.

Marcus Macedo

Variado. A partir das 20h, no Moqueca Bar. Rua Jorge Risk, 212, Parque das Gaivotas, Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 3339-6509.

Renato Lopes Trio

Variado. A partir das 21h, Prainha Botequim. Rua Heitor Lugon, 2, Prainha de Muquiçaba, em Guarapari. Mais informações pelo telefone (27) 3261-6098.

Thobias Lieven

Variado. A partir das 18h, Shopping Norte Sul. Av. José Maria Vivacqua Santos, 400, Jardim Camburi, Vitória. Aberto ao público. Mais informações pelo telefone (27) 3350-2001

Victor Humberto e Andréa Ramos

Jazz e Bossa. A partir das 20h, no Wunderbar Kaffee. Av. Rio Branco, 1305, Praia do Canto, Vitória. Couvert: R$ 10. Mais informações pelo telefone (27) 3227-4331

FESTA Bloco Galinights

Participação dos ritmistas do Bloco Unidos da Toca. A partir das 14h, com concentração na portaria da Sétima Etapa do bairro Coqueiral de Itaparica. Entrada: R$ 15. Vendas de abadás com a diretoria do bloco pelo telefone (27) 9981-3529.

Botequim do Ferreira

Com Unidos da Jucutuquara, Pega no Samba, São Torquato e Boa Vista. A partir das 12h, no Álvares Cabral. Av. Beira-mar, 2100, Vitória. Aberto ao público. Mais informações pelo telefone (27) 3134-0101.

Com repertório que passeia por Chico Buarque, Sérgio Sampaio e Vinicius de Moraes, o grupo 522 está de volta à Rua da Lama para uma grande roda de samba, às 16h.

O Uiê Now Reggae Festival reúne, a partir das 22h, grandes nomes do reggae nacional e internacional, como Reobote Zion, Solomon Jabby, Avion Blackman (foto) e Palavrantiga

DIVIRTA-SE

DIVIRTA-SE MÚSICA AO VIVO

Hoje à noite vai rolar a festa Andaraí Folia, com muito samba e pagode, ao som dos grupos Pique Novo (foto) e Sampagode Jr. A festa começa a partir das 22 horas.

Sommerfest 2013

Com os grupos Fröhliche, Original Donauschwaben Musikanten e Os Germanos. A partir das 21h, no Centro de Domingos Martins. Aberto ao público. Mais informações no site www.domingosmartins.es.gov.br

SHOW Leandro Solosanto

A partir das 20h, na Praia do Morro, em Guarapari. Aberto ao público. Mais informações pelo telefone (27) 3636-8006.

Rosa de Saron

A partir das 19h, na Praia de Itaparica, Vila Velha. Aberto ao público.

Vizinho da Arte

Shows de Tiago Costa e Banda, Percursamba, Tem Nego, Preta Roots, Grupo Skolsadinho, Tim Santos, Lolo, Sam’Bar, Samuca 05 e Danilo Cézar. A partir das 18h, no ponto final do bairro Caratoíra, em Vitória. Aberto ao público.

BALADA Adeja Sertaneja

Com show da dupla sertaneja Rony & Ricy, a partir das 23 horas. Avenida Leitão da Silva (em frente à Logos Livraria), Enseada do Suá, em Vitória. Entrada: gratuita (feminino) e R$ 40 (masculino).

Adega Tira Teima

Sertanejo Universitário, com Tatyana Arantes, a partir das 22h. Rua Euclides da Cunha, 357, em Laranjeiras, Serra. Mais informações pelo telefone (27) 3228-0416.

A Fábrica Danceteria

Com Reder Matos e DJ Fabrício Furtado, a partir das 22 horas. Entrada: free (mulher/lista/até 23h30) e R$ 25 (homem/lista/até 23h30). Avenida Eudes Scherrer de Souza, 575, em Laranjeiras, Serra. Mais informações pelo telefone (27) 3071-3640.

Balístico Music Bar

Com Wanderson & Barcelos e DJ André Knup, a partir das 22 horas. Couvert: R$ 10. Rua Joaquim Lírio, 800, na Praia do Canto, em Vitória. Mais informações pelo telefone (27) 7811-5285.

Bar Cais da Barra

Com a banda Malkia, a partir das 18h. Entrada franca. Rua Vasco Coutinho, 17, na Barra do Jucu, em Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 9927-8344 e 9982-3854.

Bar Pós-Graduação

Com a banda Wave Goth 80, a partir das 22h. Entrada: R$ 7. Rua Cabo Aylson Simões, 1180, Centro de Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 3239-2662.

Degusta Music & Lounge

Com Richard Viana e os DJs Junior Ceará e André Costa, a partir das 22h. Entrada: gratuita (mulher/lista/até 0h), R$ 25 (homem/lista/entrada/até 0h) ou R$ 50 (homem/lista/consumação/até 0h); R$ 15 (mulher), R$ 25 (homem), R$ 30 (mulher/consumação), R$ 80 (homem/consumação). Rua Edgar Gonçalves, 5, Dona Augusta, Cariacica. Mais informações: (27) 3226-7577 e (27) 9913-9276.

Pub em Reforma

Tributo ao Pink Floyd, com banda Revival e DJ Rike Sick, a partir das 22h. Entrada: R$ 15 (até 0h) e R$ 20 (após 0h). Rua Rômulo Samorini, 33, Praia do Canto, Vitória. Mais informações pelo telefone (27) 9299-3254.

Rouge House

Com DJs Shine & Fagner Backer (SP), Sii Campos e DJ Ranlusy Louis Mor, a partir das 23h59. Entrada: R$ 25 e R$ 50 (consumação). Rua João Joaquim da Mota, 390, Praia da Costa, em Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 9694-8736.

São Firmino Botequim

Com Cacá Marins, a partir das 21h30. Couvert: R$ 6,50 (mulher), R$ 7,50 (homem). Rua Ilda Rhor, 366, Santa Fé, em Cariacica. Mais informações pelo telefone (27) 3386-8926.

Swingers Remember, com os DJs Thales Gonzalez e Phill Fernandes, a partir das 22h. Entrada: R$ 30 (mulher) e R$ 50 (masculino). Reta da Penha, 1297, na Praia do Canto, em Vitória. Mais informações pelo telefone (27) 3201-6600.

Ensaio Botequim

Villa Shows

Dona Rosa Bar

Pop rock, com Rodrigo CX, a partir das 22 horas. Rua Joaquim Lírio, 778, na Praia do Canto, em Vitória. Couvert: R$ 10. Mais informações pelo telefone (27) 3034-3124.

Espaço Celebration

Pool Party, com os DJs Gabriel Kulza e convidados, a partir das 16h. Entrada: R$ 10. Avenida Saturnino Rangel Mauro, 505, em Jardim da Penha, Vitória. Mais informações pelo telefone (27) 9299-3254.

Fuel Station Bar

Com o cantor Marcelo Ramazotti e Banda, a partir das 22h30. Couvert: R$ 15. Rua Manoel Gonçalves Carneiro, 85, na Praia do Canto, em Vitória. Mais informações pelo telefone (27) 3314-5434.

La Villa

Com o cantor Bruno Havengar, a partir das 21h30. Couvert: R$ 10 (salão) ou R$ 6 (deck). Rua José Penna Medina, 380, na Praia da Costa, em Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 3340-6835.

Le Point Acústico

Com Grupos Jeito De Ser, PedalaSamba, Carlos Magno e DJ Leandro Netto, a partir das 22 horas. Entrada: R$ 20 (mulher), R$ 30 (homem). Rua Itapemirim, 02, Itaparica, em Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 3299-0090.

Move Music

Com DJs Fabiano Morais, Tonny Davino e Henderson, a partir das 23h59. Entrada:R$ 30, R$ 50 (consumação fever), R$ 60 (entrada+consumação up). Avenida Adalberto Simão Nader, 387, Mata da Praia, em Vitória. Mais informações: (27) 3314-5968.

Sertanejo Universitário, com Wallace & Allison, a partir das 21h. Avenida Jair de Andrade, 39, na Praia da Itapoã, em Vila Velha. Entrada: R$ 15 (até 0h) e R$ 20 (após 0h). Mais informações pelo telefone (27) 3075-0101.

Villa Spazio

Com a banda Clave de Sol e o DJ 007, a partir das 22 horas. Entrada: R$ 15. Rua do Terminal de Vila Velha, próximo ao Santuário, no Centro de Vila Velha. Mais informações pelo telefone (27) 9923-1813.

AUDIOVISUAL Cine Cesan

Eflúvio de Maresia

De André Magnago, a exposição reúne 12 gravuras que têm como temática a vida junto às águas da baia de Vitória. No Museu Histórico da Ilha das Caieiras. Rua Felicidade Corrêa dos Santos, Ilha das Caieiras, Vitória. Visitação: terça à sexta, das 9h às 17h; sábados, domingos e feriados, das 12h às 16h. Entrada gratuita. Informações: (27) 3323-9993. Até o dia 17 de março.

Elisa

A exposição reúne obras de dez artistas que dialogam com a poética de Elisa Queiroz. Na Galeria e Arte Espaço Universitário, Ufes, Avenida Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras, Vitória. Visitação: de segunda a sexta, das 8 às 18h. Entrada franca. Informações e agendamento de visitas: (27) 3335-7853. Até o dia 8 de março.

Íntima Idade

Primeira mostra individual da fotógrafa Débora Benaim, que retrata a relação entre ela e sua avó, Beatriz. Na Galeria Homero Massena. Rua Pedro Palácios, 99, Cidade Alta, Vitória. Visitação: de segunda a sexta, das 10h às 18h; sábados, das 13h às 18h. Entrada gratuita. Atendimento a grupos no horário noturno mediante agendamento pelo telefone (27) 3132-8395. Até o dia 15 de fevereiro.

Livros de Rubem Braga

A mostra reúne obras de Rubem Braga. A homenagem marca o ano do centenário do cronista capixaba. Na Biblioteca Pública Estadual do Espírito Santo. Avenida João Batista Parra, 165, Praia do Suá, Vitória. Visitação: de segunda a sexta, das 8h às 19h. Entrada franca. Até o dia 28 de fevereiro.

A partir das 20 horas, exibição dos curtas “Ele”, “Albertinho”, “Mestre Vitalino e Nós do Barro” e “As Curvas de Niemeyer”, que fazem parte do Projeto Animação, do Instituto Marlin Azul. Mais tarde, o público assistirá ao filme “Rio”, de Carlos Saldanha. Em frente ao Quiosque Chopp Brahma, na Curva da Jurema, em Vitória. Aberto ao público.

O Corpo da Luta: A experiência quilombola no Espírito Santo

EXPOSIÇÃO

Paisagens Capixabas Caprichadas

Casa Porto: De chegada e de partida

Vinte obras assinadas por seis jovens artistas plásticos capixabas. A exposição se funda em princípios da arte contemporânea transitória, precária, atemporal. Visitação: todos os dias, das 9h às 17h. No Memorial da Paz, Praça do Papa, Enseada do Suá. Entrada gratuita. Informações: (27) 3132-5295. Até o dia 03 de março.

A mostra contém 120 fotos escolhidas do acervo de oito anos de trabalho do antropólogo Sandro José da Silva com os quilombolas. No Museu Capixaba do Negro. Avenida República, 121, Centro, Vitória. Visitação: de 9h às 17h. Entrada gratuita. Mais informações: (27) 3132-8351. Até 13 de março.

Telas mostram a impressão do artista Kleber Galvês sobre paisagens do

Espírito Santo. No Ateliê Kleber Galvêas. Rua Antenor P. Carneiro, 66, Barra do Jucu, Vila Velha. Visitação: todos os dias, das 9h às 18h. Entrada gratuita. Informações: (27) 3244-7115. Até o dia 31 de março.

Paulo Mendes da Rocha: A Natureza como Projeto

Maquetes, painéis e dois filmes realizados pelo documentarista Gustavo Moura. Museu Vale, antiga Estação Pedro Nolasco, em Argolas, Vila Velha. Visitação: de terça a domingo, das 10h às 18h. Entrada gratuita. Informações: (27) 3333-2484. Até 17 de fevereiro.

Recuerdo de Tucumán

Da artista Monica Neves Leão, a mostra é fruto de uma viagem à cidade de San Miguel de Tucumám. A exposição reúne fotografias, desenhos, gravura e vídeo. No Espaço Cultural Casarão Cerqueira Lima. Rua Muniz Freire, 23, Cidade Alta, Vitória. Visitação: de terça à sexta, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 12h às 16h. Entrada franca. Informações: (27) 8811-9888. Até o dia 17 de março.

MUSEUS Museu do Pescador

Acervo sobre a história e os personagens populares da Ilha das Caieiras. Segunda a sexta, das 13h às 17h. Rua Felicidade Correia dos Santos, Ilha das Caieiras, Vitória. (27) 3132-8372.

Martini Museu do Telefone

Telefones de todos os tempos e estilos. De segunda a sexta, das 14h às 18h. Sábado, das 8h ao meio-dia. Rua Dionísio Rosendo, 37, Cidade Alta, Centro, Vitória. (27) 8134-4222.

Museu Capixaba do Negro

Exposições de artistas retratando a cultura afro-brasileira. Oficinas gratuitas de música e dança. Segunda, quarta e sexta, das 8h às 18h. Terça e quinta, das 8h às 22h. Sábado, das 8h às 12h. Avenida República, 121, Centro de Vitória. (27) 3222-4788.

Museu de Arte Aeronáutica

Maquetes sobre a história da aviação e a vida de Alberto Santos-Dumont. Rua Pio XII, 5, Campo Grande, Cariacica. Visitas com agendamento pelo telefone (27) 3236-6736.

Para divulgar um evento... Envie e-mail para cadernodois@redegazeta.com.br, com pelo menos dois dias de antecedência. No material devem constar horário, endereço completo, gênero musical, telefone e valor do ingresso ou couvert. Os preços e horários divulgados pelo Caderno 2 são de responsabilidade dos promotores dos eventos, e estão sujeitos a alteração. Para o roteiro de sábado e domingo, o envio é até quarta, às 18h.

CINEMA

VVVV Lincoln

ESPECIAL

(idem, EUA, Índia, 2012, 145 min). Drama. Direção: Steven Spielberg. Com Daniel Day-Lewis. Durante a Guerra Civil Americana, Abraham Lincoln lidera a vitória do norte do país. 12 anos. Cinemark, sala 2: 13h, 16h10, 19h10, 22h20. Kinoplex, sala 7: 13h50 (apenas hoje e amanhã), 14h20 (exceto hoje e amanhã), 17h30, 20h40.

Ópera

O Resgate

VVVVV VVVV VVV VV l

Imperdível Vale a pena Veja se tiver tempo Espere pelo DVD Fuja

Royal Opera House: La Boheme. 12 anos. Cinemark, sala 3: 19h (apenas terça). Ingressos com preços diferenciados.

PRÉ-ESTREIA Amor

(Amour, França, Alemanha, 2012, 127 min). Drama. Direção: Michael Haneke. Com Jean-Louis Trintignant. Georges e Anne são professores de música erudita que já passaram dos 80 anos. Um dia, Anne é vítima de um acidente e o amor que une este casal é posto à prova. 14 anos. Cine Metrópolis: 20h20 (apenas hoje). Cine Jardins, sala 2: 21h (apenas hoje).

ESTREIA Infância Clandestina

(idem, Argentina, 2011, 112 min). Drama. Direção: Benjamín Ávila. Com Natália Oreiro. Argentina, 1979. Juan vive na clandestinidade com seus pais e seu tio. Na escola, é conhecido como Ernesto e encontra María, de quem sabe apenas o nome. 14 anos. Cine Metrópolis: 16h (exceto quinta), 18h10 (exceto quinta), 20h20 (exceto hoje e quinta).

João e Maria Caçadores de Bruxas

(Hansel & Gretel - Witch Hunters, EUA, 2012, 83 min). Ação. Direção: Tommy Wircola. Com Gemma Arterton. Anos após incidente envolvendo a casa de doces, João e Maria tornaram-se caçadores de bruxas. 14 anos. Cinemark, sala 1: 11h30, 13h50, 16h, 18h20, 20h40 (exceto terça e quinta), 23h. Cinemark, sala 5 (3D): 12h50, 15h10. Cinemark, sala 5 (3D/dub): 17h30, 20h, 22h10. Kinoplex, sala 1 (3D/dub): 13h30, 15h30, 17h30. Kinoplex, sala 1 (3D): 19h30, 21h30. Cinesercla Laranjeiras, sala 2 (3D/dub): 14h40, 16h40, 18h40, 20h40. Cine Ritz Guarapari, sala 3 (3D/dub): 17h, 19h. Cine Ritz Guarapari, sala 3 (3D): 21h15. Multiplex Araújo, sala 3 (dub): 15h30, 17h30, 19h30, 21h30. Multiplex Araújo, sala 4 (3D/dub): 17h (exceto terça e quinta), 19h, 21h. Multiplex Araújo, sala 5 (dub): 14h30 (exceto terça e quinta), 16h30.

(Stolen, EUA, 2012, 96 min). Ação. Direção: Simon West. Com Nicolas Cage. Ex-ladrão procura pela filha sequestrada e trancada no porta malas de um táxi. 14 anos. Cinemark, sala 8: 16h50, 19h20, 21h40. Kinoplex, sala 4: 16h20, 18h40, 21h. Multiplex Araújo, sala 5 (dub): 19h30, 21h30.

EM CARTAZ A Filha do Pai

(La Fille Du Puisatier, França 2011, 107 min). Drama. Direção: Daniel Auteuil. Com Kad Merad. Na França pré-Segunda Guerra Mundial, pai fica dividido entre o seu senso de honra e o amor por sua filha, após ela se envolve com o filho de um rico comerciante. 12 anos. Cine Jardins, sala 2: 17h.

VVV A origem dos guardiões

(Rise of the Guardians, EUA, 2012, 97 min). Animação. Direção: William Joyce e Peter Ramsey. Papai Noel e o Coelho da Páscoa reúnem um grupo para combater o Bicho-Papão. Livre. Cine Jardins, sala 1 (dub): 15h. Cine Ritz Sul, sala 1 (dub): 17h20.

VVA saga Crepúsculo: Amanhecer – O final

(The Twilight Saga: Breaking Dawn Part 2, EUA, 2012, 117 min). Drama. Direção: Bill Condon. Com Kristen Stewart. Depois do nascimento de Renesmee, os Cullens juntam outros clãs de vampiros para proteger a criança. 14 anos. Cine Ritz Guarapari, sala 1 (dub): 15h20, 17h20.

VVVVA Viagem

(Cloud Atlas, Alemanha, EUA, 2012, 172 min). Drama. Direção:Tom Tykwer, Andy Wachowski e Lana Wachowski. Com Halle Berry. Seis histórias passadas em diferentes lugares e tempos se entrelaçam. 12 anos. Cinemark, sala 7: 14h30, 18h, 21h30. Kinoplex, sala 6: 20h30. Cine Shopping Cachoeiro, sala 2: 20h.

VVVVAs Aventuras de Pi

(Life of Pi, EUA, 2012, 129 min). Aventura. Direção: Ang Lee. Gênero: aventura. Com Irrfan Khan. Garoto se muda com a família da Índia para o Canadá em um navio que naufraga, deixando-o à deriva no oceano Pacífico junto com uma zebra, uma hiena, um oran-

gotango e um tigre de Bengala. 10 anos. Cine Jardins, sala 1: 19h. Cine Jardins, sala 1 (dub): 16h45. Cine Ritz Conceição, sala 2: 19h, 21h. Cine Shopping Cachoeiro, sala 1 (dub): 18h15. Cine Via Sul (dub): 19h.

VVAs Palavras

(The Words, EUA, 2012, 102 min). Drama. Direção: Brian Klugman e Lee Sternthal. Com Bradley Cooper. Rory Jasen trabalha numa editora de livros e alimenta o sonho em um dia ter o próprio livro publicado. Com o tempo, o sonho dá lugar à frustração e Rory conclui que nunca conseguirá escrever algo bom. 14 anos. Cine Jardins, sala 1: 21h15 (exceto terça).

VVVVArgo

(idem, EUA, 2011, 120 min). Drama. Direção: Ben Affleck. Com Ben Affleck e John Goodman. Um agente da CIA e um maquiador de Hollywood criam um falso filme para tentar tirar clandestinamente americanos do Irã. 16 anos. Cine Jardins, sala 2: 19h.

VVDe pernas pro ar 2

(idem, Brasil, 2012, 98 min). Comédia. Direção: Roberto Santucci. Com Ingrid Guimarães. Alice surta por excesso de trabalho, vai para um spa controlar suas obsessões. 14 anos. Cinemark, sala 4: 12h30, 15h, 17h20, 19h40, 22h. Kinoplex, sala 5: 14h (apenas hoje e amanhã), 15h (exceto hoje e amanhã), 17h10, 19h20, 21h30. Cinesercla Laranjeiras, sala 3: 14h45, 16h45, 18h45, 20h45. Cine Ritz Guarapari, sala 2: 19h30, 21h30. Cine São Mateus, sala 1: 21h. Cine Ritz Sul, sala 1: 19h15. Cine Via Sul: 21h15. Multiplex Araújo, sala 1: 15h, 17h, 19h, 21h.

VVVVDetona Ralph

(Wreck-It Ralph, EUA, 2013, 101 min). Animação. Direção: Rich Moore. Vilão do Conserta Félix Jr., Ralph começa a andar por outros jogos para mostrar seu valor. Livre. Cinemark, sala 3 (3D/dub): 11h, 13h20, 18h30 (exceto terça). Kinoplex, sala 3 (dub): 13h50, 16h10, 18h40. Cine Jardins, sala 2 (dub): 15h. Cinesercla Larajeiras, sala 1 (dub): 14h30, 16h30. Cine Ritz Guarapari, sala 1 (dub): 19h20. Cine São Mateus, sala 1 (dub): 17h, 19h. Cine Ritz Conceição, sala 3 (dub): 17h (apenas hoje e amanhã), 19h. Cine Shopping Cachoeiro, sala 2 (dub): 18h. Cine Via Sul: 17h. Multiplex Araújo, sala 4 (3D/dub): 15h (exceto terça e quinta), 17h (terça e quinta).

VVVVVDjango Livre

(Django Unchained, EUA, 2012, 165 min). Faroeste. Direção: Quentin Tarantino. Com Leonardo DiCaprio. Escravo, que agora é caçador de recompensas, quer resgatar sua mulher das mãos de um fazendeiro. 16 anos. Cinemark, sala 6: 14h10, 17h40, 21h. Kinoplex, sala 2: 13h40, 17h, 20h20.

Multiplex Araújo, sala 2: 16h30.

VVVVJack Reacher – O último tiro

(Jack Reacher, EUA, 2013, 130 min). Drama, Direção: Christopher McQuarrie. Com Tom Cruise. Investigador das forças armadas se envolve em uma caso em que cinco vitimas aleatórias foram atingidas por um atirador de elite. 14 anos. Cinemark, sala 3: 15h40, 20h50 (exceto terça). Cine Ritz Conceição, sala 3: 21h. Cine Shopping Cachoeiro, sala 1: 20h30.

VVVO último desafio

(The Last Stand, EUA, 2012, 107 min). Ação. Direção: Jee-woon Kim. Com Arnold Schwarzenegger. O Xerife Owens aceita uma última chance de recuperar sua dignidade. 14 anos. Cinemark, sala 8: 11h50, 14h20. Kinoplex, sala 3: 21h10. Cinesercla Laranjeiras, sala 4 (dub): 14h40, 16h40, 18h40, 20h40. Cine Ritz Guarapari, sala 1 (dub): 21h30. Cine Ritz Conceição, sala 1 (dub): 19h, 21h. Cine Ritz Sul, sala 2 (dub): 16h40, 18h40, 20h40. Multiplex Araújo, sala 2 (dub): 19h30, 21h30.

VVOs Penetras

(idem, Brasil, 2012, 97 min). Comédia. Direção: Andrucha Waddington. Com Marcelo Adnet. Beto e Marco passam passam por situações inusitadas e hilarias no louco reveillon carioca. 12 anos. Cine Ritz Sul, sala 1: 21h15.

VVVVPara Roma, com amor

(To Rome With Love, Espanha, Itália, EUA, 2012, 104 min). Comédia romântica. Direção: Woody Allen. Com Jesse Eisenberg. Italianos e estrangeiros vivem encontros e desencontros rodeados pelas belas paisagens de Roma. 16 anos. Cinemark, sala 1: 20h40 (apenas terça e quinta).

VVVParis-Manhattan

(Idem, França, 2012, 77 min). Comédia. Direção: ophie Lellouche. Com Alice Taglioni. História sobre a farmacêutica Alice, obcecada por Woody Allen e seu pretendente. 14 anos. Cine Jardins, sala 2: 21h10 (exceto hoje).

Sammy 2: A grande fuga

tomar conta dos netos, tenta métodos modernos de educação, mas retorna ao estilo antigo. Livre. Kinoplex, sala 6 (dub): 13h40, 15h50, 18h10. Cinesercla Laranjeiras, sala 1 (dub): 18h30, 20h30. Cine Ritz Guarapari, sala 2 (dub): 15h30, 17h30. Multiplex Araújo, sala 2 (dub): 14h30.

INGRESSOS Cinemark

Shopping Vitória, Enseada do Suá, Vitória. (27)3324-5973. Segunda, terça e quinta até às 17h: R$ 16 (inteira). Após 17h: R$ 18 (inteira). Sexta, sábado, domingo e feriados até às 17h: R$ 20 (inteira). Após 17h: R$ 22 (inteira). Quarta: R$ 16 (inteira). Sala 3D: segunda, terça e quinta: R$ 23 (inteira); quarta: R$ 22 (inteira); sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 27.

Kinoplex

Shopping Praia da Costa, Praia da Costa, Vila Velha. (27) 3350-0007. Sexta a domingo e feriados, até 17h: R$ 19 (inteira). Após 17h: R$ 21 (inteira). Segunda, terça e quinta, até 17h: R$ 15 (inteira). Após 17h: R$ 17 (inteira). Quarta: R$ 15 (inteira). Sala 3D: Sexta a domingo e feriados, por R$ 26 (inteira); segunda, terça e quinta: R$ 23 (inteira); quarta: R$ 22 (inteira). Sessão Descontão: sessões iniciadas até as 14h, aos sábados e domingos, em todas as salas: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia), exceto para as salas 3D.

Multiplex Araújo

Shopping Mestre Álvaro. Serra. (27)3211-0237. Segunda e quarta: R$ 8 (meia). Terça e quinta: R$ 13 (inteira) e R$ 6,50 (meia). Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 15 (inteira), antes das 18h, e R$ 17 (inteira), a partir das 18h. Salas 3D: segunda e quarta: R$ 10 (meia). Terça e quinta: R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia). Sexta, sábado domingo e feriados: R$ 18 (inteira), antes 18h, e R$ 20 (inteira), a partir 18h.

Cine Jardins

Shopping Jardins, Rua Carlos Eduardo Monteiro de Lemos, 262, Jardim da Penha, Vitória. (27) 3350-2002. Sexta, sábado, domingo e feriado: R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia). Quarta: R$ 12 (inteira), R$ 6 (meia). Segunda, terça e quinta: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia).

(Sammy 2: The Great Escape, Bélgica, 2012, 93 min). Animação. Direção: Ben Stassen. Continuação da aventura da tartaruga marinha Sammy, que viajou o mundo por 50 anos e o viu se transformar por causa do aquecimento global. Livre. Cinemark, sala 7 (dub): 12h20. Kinoplex, sala 4 (3D/dub): 14h10. Multiplex Araújo, sala 4 (3D/dub): 13h (exceto terça e quinta), 15h (apenas terça e quinta).

Ufes. Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras, Vitória. (27) 3335-2376. Segunda a quinta: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Sexta a domingo e feriados: R$ 10 e R$ 5 (meia).

Uma família em apuros

Cinesercla Laranjeiras

(Parental Guidance, EUA, 2012, 104 min). Comédia. Direção: Andy Fickman. Com Billy Cristal. Avô precisa

Cine Metrópolis

Laranjeiras, Serra. (27) 3281-2474. Segunda e quarta: R$ 6 (preço único). Terça e quinta: R$ 9 (inteira) e R$ 4,5

(meia). Sexta a domingo e feriados: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Sala 3D: Segunda e quarta: R$ 9 (preço único). Terça e quinta: R$ 13 (inteira), R$ 6,50 (meia). Sexta a domingo e feriados: R$ 17 (inteira), R$ 8,50 (meia).

Cine Ritz Guarapari

Shopping Guarapari. Rua Dr. Roberto Calmon, 140, Centro, Guarapari. (27) 3350-2001. Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia). Segunda, terça e quinta: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Quarta: R$ 10 (inteira) e R$ 4 (meia). Sala 3D: sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Segunda, terça e quinta: R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia). Quarta: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia).

Cine Via Sul

Shopping Via Sul. Rua do Cajueiro, Arrais, Marataízes. (28) 3532-2465. Sexta a domingo e feriados: R$ 12 (inteira), R$ 6 (meia). Terça e quinta: R$ 10 (inteira), R$ 5 (meia). Quarta: R$ 8 (inteira), R$ 4 (meia).

Cine Shopping Cachoeiro

Rua 25 de Março, 33, Centro, Cachoeiro de Itapemirim. Mais informações: (28) 3517-8373. Sexta a domingo e feriados: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia). Segunda, terça e quinta: R$ 12 (inteira), R$ 6 (meia). Quarta: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Cine Ritz Sul

Shopping Sul. Av. Francisco Lacerda de Aguiar, 138, Gilberto Machado, Cachoeiro de Itapemirim. Informações: (28) 3517-8373. Sexta a domingo e feriados: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia). Segunda, terça e quinta: R$ 12 (inteira), R$ 6 (meia). Quarta: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Cine Teatro Castelo

Praça Três Irmãos Corrêa de Lima, Centro, Castelo. (28) 3542-8532. Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia).

Cine Gama

Av. Getúlio Vargas, 481, Centro, Colatina. (27) 3722-2130. Sexta, sábado e domingo: R$ 10. Segunda, terça e quinta: R$ 8; quarta: R$ 6.

Cine Ritz Conceição

Av. Pref. Samuel Batista Cruz, 2801, Conceição, Linhares. (27) 3264-3566. Terça a quinta: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Quarta: R$ 8 (inteira), R$ 4 (meia). Sexta a domingo e feriados: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Não funciona segunda.

Cine São Mateus

Praça São Benedito, s/n, Centro, São Mateus. (27) 3763-2721. Sexta, sábado, domingo e feriado: R$ 12 (interia), R$ 6 (meia). Segunda, terça, quarta e quinta: R$ 10 (inteira), R$ 5 (meia).


12

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

13

zig zag

Pensar

zig-zag@redegazeta.com.br - (27) 3321-8516

Coluna Zig Zag

@zigzag_ag

@zigzag_ag

Troféu da folia Promoção da Rede Gazeta, o troféu Walmor Miranda será entregue no dia 7 de fevereiro, no Auditório da Rede Gazeta. A premiação vai eleger os melhores do Carnaval de Vitória nas categorias Escola, Rainha de Bateria, Intérprete, Ala das Baianas, Bateria e Escola Mais Empolgante.

1.

Os top spas da América do Sul Maior site de viagens do mundo, o Tripadvisor, acaba de divulgar o Top 10 Melhores Spas em Hotéis da América do Sul, baseado na qualidade e quantidade de comentários e avaliaçõe dos seus usuários. Dois hotéis brasileiros estão no Top 10: Hotel das Cataratas, em Foz do Iguaçu, e Copacabana Palace Hotel, no Rio de Janeiro, classificados em 3º e 8º lugar, respectivamente. Os outros da lista são Tambo del Inka, The Westin Lima, Aguas Calientes e Hotel Paracas, no Peru; Sofitel Santa Clara, na Colômbia; Hotel Madero e Meliá de Buenos Aires.

Festa da “Coruja”

Moda. Mariluce Salazar, Danda Zamprogno e Josiane Pedrosa: em noite de desfile de estilista capixaba. FOTO: MÔNICA ZORZANELLI

1. Bianca e Jorge Nicchio.

Vai ser ao som de Gilsinho, intérprete oficial da Portela e Bruno Ribas, da Unidos da Tijuca, que a Unidos do Jucutuquara vai comemorar 41 anos, neste domingo. A festa, com direito a bolo de aniversário, agita a quadra do Anchieta Social Clube, com samba e cerveja.

RENATA RASSELI

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

DICA DE VIAGEM

BRATISLAVA, A CAPITAL DE TODAS AS CULTURAS A Bratislava, capital da Eslováquia, tem apenas 367 quilômetros quadrados e é conhecida como a pequena grande cidade do país. Serviu de residência para celtas, romanos, alemães, húngaros e judeus, povos

responsáveis pela diversidade cultural e arquitetônica do destino que por vezes confunde e surpreende o visitante. Localizada às margens do rio Danúbio, a Bratislava é a única capital da Europa localizada próxima a fronteiras de outros países, como as da Hungria e a Áustria.

FOTO: CACÁ LIMA

ZIG. Projeto da nossa arquiteta Júlia Cruz estampa na capa da revista “Construir mais por Menos”. A aconchegante casa de Gabi Lorenção e Bruno Zanetti, em Fradinhos, brilha na publicação.

2. Rodrigo Júdice e Mariana Covre. FOTO: MÔNICA ZORZANELLI

Porque hoje é sábado...

3. Constantino e Marilza Dadalto.

sorriem para a foto e saem por aí ... Renata Rosa e Renato Arantes: LI abraçadinhos. FOTO: MÔNICA ZORZANEL

“A” estilista de Hollywood

sempre

FOTO: CACÁ LIMA

2.

Stylist queridinha de famosas como Beyoncé e Angelina Jolie, Nicole Miller terá suas peças penduradas nas araras da multimarcas de Edilon Silva.

ZAG. Flávia Saade voltou para a Ilha cheia de novidades da Première Brasil, uma das maiores feiras de tecidos do mundo, em São Paulo.

3.

ZIG. Faltam seis semanas para a chegada de Anna Luiza, a primeira herdeirinha de Marianna Faé e Luiz Felipe Dalla Bernardina. Vovô Elvécio Faé está ansioso.

App de quem usa camisinha Um novo aplicativo para iPhone permite que homens meçam o comprimento e a circunferência do pênis e ainda recebam de volta sua posição em um ranking mundial, de acordo com as suas medidas. O Condom Size fornece também informações 30 modelos de camisinha de acordo com as medidas. Custa US$ 0,99 e dizem que a procura está grande por aqui devido ao carnaval.

Coquetel. Aécio e Maira Bumachar: irmãos que sorriem e trabalham juntos. FOTO: MÔNICA ZORZANELLI

COLABORAÇÃO: TAYNÃ FEITOSA

A Gazeta ouve você e defende os seus interesses. Participe. Este é um jornal para leitores que têm algo a dizer.

LIXO NA PRAIA? DENUNCIE.

Onde você precisar, A Gazeta.

/donaencrencaAG 3321-8625

leia • acesse • participe

ZAG. Fabiana Croce e Fabrício Fontana já escolheram o destino do carnaval: Pedra Azul. Antes, o casal confere os desfiles do Sambão do Povo.

ZIG. Na reta final, Jace Theodoro coleciona pedidos de amigos que querem desfilar com a Unidos de Jucutuquara, dia 2 de fevereiro, no carro que representa a cobertura de Rubem Braga, o homenageado da escola. ZAG. Bia Bonadiman vai conferir o desfiles das campeãs do Carnaval do Rio. ZIG. Renata Zampier virou adepta da cozinha zen do Aroeira Bistrô. ZAG. Uma foto da advogada Vicky Saraiva, de Vila Velha, está entre as imagens que estampam o novo cardápio Outback Steakhouse, disponível em todo Brasil. A capixaba foi uma das ganhadoras do concurso cultural da que elegeu os mais votados cliques feitos nas casas.

Moda 2. Clau Lorenzoni e Sara Fuzatto: em noite de lançamento de grife catarinense na Ilha. FOTO: MÔNICA ZORZANELLI


14

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

passatempo

televisão

HORÓSCOPO ÁRIES

SUDOKU CÂNCER

LIBRA

(21 JUN. A 21 JUL.) Júpitermagnetizaseusetor espiritual,porissoassinalauma faseótimaparavocêdesaceleraroritmoedaratençãoa suanecessidadedeelevação etranscendência.

(23 SET. A 22 OUT. ) Nesteperíodoseusdonscriativos estãoreforçadospeloSoleJúpiter, quelhepermitemrevelarsuasmelhorespotencialidadeseafirmar-sevigorosamente.Ajademodomaisconfianteedeterminado.

(22 DEZ. A 20 JAN.) Osastrosfazemcomqueesteperíodosejaexcelenteparaabrirnovoscamposdeaçãoealiar-seàs outraspessoas.Maisdoquenuncavocêpodeperceberoquantoé verdadequeauniãofazaforça.

gratificante.

Dica: pensar positivo será especialmente produtivo.

Dica: o Sol acentua seu romantismo.

Dica: o seu espírito de crítico está em alta.

TOURO

(21 ABR. A 20 MAI. ) Júpitervibraacentuasuacapacidadedeconcretizarelhedácondiçõesdesair-sebememtudoo queexijaperseverança.Júpiter lhetornaumapessoamaisconsequenteemsuasações

— Dica: perceba que as crises fortalecem você.

GÊMEOS

(21 MAI. A 20 JUN.) OSolestáemótimoaspecto comJúpiter,queestáemseusigno,eajudavocêavenceroimediatismo.Vocêpodefazeruma coisadecadavez,comtodocaprichoeconcentração.

Dica: Não diga nem assine nada de modo precipitado.

LEÃO

((22 JUL. A 22 AGO.)) NestafaseJúpiterharmoniza-se comoSol,queestánosigno complementaraoseu.Assim, movimentaasrelaçõespessoais, acentuaseuladoaltruístaesua capacidadedecooperação.

— Dica: não provoque rupturas indesejáveis.

VIRGEM

ESCORPIÃO

(23 OUT. A 21 NOV. ) Vocêestáemritmodedesaceleração,poisJúpiterenviabonsfluidosparaseusignodeconcepção. Issofazcomquevocêsintanecessidadedeisolar-se,refletire reavaliarantigasexperiências.

— Dica: não se deixe massacrar

por problemas domésticos.

SAGITÁRIO

(23 AGO. A 22 SET.) Suacapacidadedetrabalhoestá emaltagraçasaobomaspectode JúpitercomoSol,queestimula seuladoesforçado,permiteavocê atuarcomcompetênciaeacentua opoderpurificadordeseucorpo.

(22 NOV. A 21 DEZ. ) Aproveiteestesdiasparafazerum balançodesuavidaafetivaeprocureentendermelhorasmotivaçõesdaspessoasmaispróximase queridas.Issolheajudaapreservarumclimadeentendimento.

sem pensar.

nálise serão enriquecedores.

— Dica: seja tolerante e não fale

QUADRINHOS

— Dica: os momentos de autoa-

Como reconquistar o ex-namorado Depois de ser desprezada pelo namorado, Tati busca maneiras de reconquistá-lo. Para isso, procura Conrado, que

poderá assistir aos episódios dos programas “Cozinha Caseira”, “Brasil no Prato” e “Programa da Palmirinha”.

defende uma tese sobre as conquistas afetivas. “Qualquer Gato Vira-Lata” é destaque do Telecine Pipoca, às 16h40.

PROGRAMAÇÃO DE TV

AQUÁRIO

(21 JAN. A 19 FEV. ) OSolvibraharmoniosamenteem seusigno,porissoafaseéde grandemagnetização.Aproveite paracuidardesi,abranovasfrentesemsuavidaedêumbomimpulsoemseusempreendimentos.

TV GAZETA C4 07h10 07h40 08h00 08h30 09h00 09h30 09h45 10h00

— Dica: Júpiter dá total proteção

aos assuntos amorosos.

PEIXES

(20 FEV. A 20 MAR.) OfatodeoSol,emseusetorespiritual,vibrarharmoniosamenteparaJúpiterfazcomqueoperíodosejaidealparavocêisolar-se,meditarefazerumbalançodosúltimosacontecimentos.

Dica: dê mais atenção a seus limites físicos e emocionais.

O Sudoku é um tipo de desafio lógico japonês. As regras: o jogador deve preencher o quadrado maior, que está dividido em nove grids, com nove lacunas em cada um, de forma que todos os espaços em branco contenham números de 1 a 9. Os algarismos não podem se repetir na mesma coluna, linha ou grid

PALAVRAS CRUZADAS

Globo Universidade Ação Gazeta Comunidade Estação Esporte Em Movimento Sitio do Picapau Amarelo Turma da Mônica Superliga de Vôlei Feminino Rio de Janeiro x Sesi SP 12h00 ESTV 1ª Edição 12h45 Globo Esporte 13h20 Jornal Hoje 13h50 Estrelas 14h45 TV Xuxa 16h10 Caldeirão do Huck 18h20 Lado a Lado 19h05 ESTV 2ª Edição** 19h25 Guerra dos Sexos 20h30 Jornal Nacional 21h10 Salve Jorge 22h20 Big Brother Brasil 13 22h45 Zorra Total 23h50 Supercine: O Poder e a Lei 01h55 Altas Horas 04h00 Flash Big Brother Brasil 13 04h05 American Dad 04h30 Corujão: Pânico no Lago

TV EDUCATIVA C2 07h30 07h45 08h30 09h00 09h30 10h00 10h30 11h00 12h00 12h30 13h00 14h00 15h00 15h30 16h00 17h00 17h30 18h00 18h30 19h30 19h45 20h00 20h30 21h00 21h30 22h30 00h45 01h15 01h45 02h15 03h15

Programa Especial Reencontro Taxista Empreendedor Bom para todos Opção Saúde Ser Saudável Programa Especial Papo de Mãe TV é Ciência Expedições Alto Falante - Musical Stadium + Ação Conhecendo Museus Eu Sou o Samba Paratodos Animania Espaço Dois Oportunidades Conexão Brasília Documentário Arte do Artista Oncotô Repórter Brasil Musicograma Cine Nacional - Estamira Curta TV Oncotô Comentário Geral Segue o Som Doc TV Novos Olhares - As Vilas Volantes 04h15 Curta os Curtas 04h30 A Grande Música 05h30 Via Legal

SAMANTA Alpino

RECRUTA ZERO Mort Walker

MARLY Milson Henriques

TV VITÓRIA C6

GERVÁSIO Gilberto Zappa

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

Maratona dos doces na TV O canal Bem Simples exibe hoje, a partir das 20h30, a “Maratona Doces Férias”. Nesse especial, o telespectador

CAPRICÓRNIO

(20 MAR. A 20 ABR.) GraçasaoSoleJúpitervocêestá comosolhosvoltadosparaofuturo.Assim,aproveiteparafazer planos.Sejarealista,paranão desperdiçarinutilmenteseu tempo,dinheiroeenergia.

— Dica: curtir os amigos será

15

Pensar

07h00 08h00 10h00 12h00 12h30 13h00 13h30 14h00 14h30 15h30 18h00 20h00 20h30

SOLUÇÕES

Nosso Tempo Fala Brasil Especial - HD Esporte Fantástico Jornal da TV Vitória Negócios de Sucesso - HD Privilège - HD Vitória Fashion Art Et Decor Record Kids Cine Aventura O Melhor do Brasil Jornal da Record - HD O Melhor do Brasil Continuação 23h15 Fazenda de Verão 00h00 Série: The Cape (1ª Temporada) - HD - Estréia

TV TRIBUNA C7 07h00 08h30 09h00 09h30 10h00 10h30

Sábado Animado Terra Capixaba Imóveis In Foco Desafios Sabor a Bordo Sábado Animado Continuação 12h00 Tribuna Notícias - 1ª Edição

12h35 13h00 13h35 14h15 18h30 19h15 19h40 20h30 21h30 22h15

Ponto Cult Tribuna na Estrada Nossa Terra Programa Raul Gil Aventura Selvagem Tribuna Notícias - 2ª Edição SBT Brasil Esquadrão da Moda Supernanny Cine Família - A Bússula de Ouro 00h00 Cine Belas Artes Madrugada Muito Louca 01h45 Série: Dois Homens e Meio / Two and a Half Men 02h15 Big Bang a Teoria 03h00 Elas e Eu 03h45 Uma Família Perdida no Meio do Nada 04h15 Um Maluco no Pedaço 05h15 Arnold

TV CAPIXABA C10 07h30 08h00 08h15 08h45 09h45 10h15 10h35 10h45 11h00 11h30 12h00 13h00 13h10 13h40 14h30 16h50 18h50 19h20 20h25 21h20 21h30 22h15

Country & Cia Desenhos É Tempo de Vitória Vitória em Cristo Desenhos Doutor Saúde Desenhos Programa Destaque Desenhos Acontece - Reapresentação Vitória em Cristo Band Folia Família Dinossauros Conversa de Gente Grande Festival Star Wars Brasil Urgente Acontece Jornal da Band Show da Fé Mr Bean Acredite se Quiser Top Cine: Determinado a Matar 00h00 Show Business 00h50 Cinema da Madrugada Além da Linha Vermelha

REDETV! ES C18 08h00 08h15 08h45 09h15 09h45 10h15 11h15 11h45 12h15 12h45 13h00 13h30 13h45 14h00 17h00 17h45 18h15 18h45 19h00 19h45 20h45 21h30 22h00 22h30 23h00 00h30 02h00 02h30

Tempo de Colheita Shop Tour Movimento Pentecostal IEBV Ressurreição e Vida Espaço de Arte Celga TV Revista Programa Wesley Sathler Destaque Empresarial Shop Tour Igreja Família de Baixo da Graça TV Bereana Parceria Sábado Total Encantador de Cães Parceria Polishop Parceria Companhia de Viagem Amaury Jr. Show RedeTV News ES! News Shop Tour Wwe SmackDown Mega Senha Saturday Night Live Bola de Neve Super Papo

TV PAGA TELECINE PREMIUM (SKY/NET) 11h55 13h55 15h50 17h35 19h20 22h00

Maré Negra Qual o Seu Número? Abismo do Medo 2 O Fada do Dente 2 Histórias Cruzadas O Homem do Futuro

TELECINE PIPOCA (SKY/NET)

12h45 15h00 16h40 18h25 20h20 22h00

Gigantes de Aço Marte Precisa de Mães Qualquer Gato Vira-Lata Os Pinguins do Papai Atividade Paranormal 3 Sem Saída

TELECINE CULT (SKY/NET) 14h25 16h10 18h05 19h50 22h00 23h55

Dinheiro, Poder e Bananas E o Mundo Marcha Glória Feita de Sangue Um Só Pecado A Árvore A Paixão de Cristo

GNT (SKY/NET)

22h00 Sessão de Terapia (Série de Ficção) - Júlia 22h30 Sessão de Terapia (Série de Ficção) - Breno 23h00 Sessão de Terapia (Série de Ficção) - Nina 23h30 Sessão de Terapia (Série de Ficção) - Ana e João

MTV (SKY/NET/TVA)

18h00 19h00 20h00 20h30 21h00 22h00 23h00

In Motion Moods: What's New? Moods: Foo Fighters Moods: Katy Perry In Motion Moods: Essential Dance Moods: Hottest Of 2012

HBO (TVA/NET)

15h30 HDTV - Juntos Pelo Acaso 17h30 A Fantástica Fábrica de Chocolate 19h32 Tintim: Aventura Além dos Quadrinhos 20h06 Os Smurfs 22h00 HDTV - As Aventuras de Tintim 23h58 HDTV - Colombiana - Em Busca de Vingança

CINEMAX (SKY/NET)

15h30 16h30 17h45 19h00 21h00 22h45

Revolution Revolution Revolution A Mão do Diabo Risco Absoluto Crash

TNT (SKY/NET) 14h40 16h20 18h30 20h05 22h00

A Pantera Cor-de-Rosa 2 Kick-Ass - Quebrando Tudo Mansão Mal-Assombrada Rocky Balboa 007 - Cassino Royale

WARNER CHANNEL (SKY/NET)

15h00 15h30 16h00 17h55

Two and a Half Men The Big Bang Theory Jurassic Park 3 Viagem ao Centro da Terra - O filme 19h55 Invasores 22h00 HDTV - O Exterminador do Futuro 3: Rebelião das Máquinas

SONY (SKY/NET) 15h00 16h00 17h00 18h00 19h00

Drop Dead Diva Revenge Once Upon A Time Private Practice Saneamento Básico - O Filme 21h00 Os Inquilinos 23h00 Palo Alto

DISCOVERY KIDS (SKY/NET) 20h00 20h30 21h00 21h30 22h00 22h30 23h00 23h30

Mister Maker Mecanimais Dino Dan Hi-5 Austrália Backyardigans Bob, o Construtor Caillou Barney e Seus Amigos

Lado a Lado TV GAZETA, 18H20

Sandra tenta acalmar Laura e afirma que Edgar a ama. Sandra conta a Laura que Ângelo é seu filho. Berenice tenta chantagear Constância, mas a baronesa se nega a lhe dar dinheiro. Mário diz a Diva que Luciano não está pronto para estrear no teatro. Albertinho pede que Laura interceda junto a Isabel, para que ele possa se encontrar com Elias. Albertinho vai até a casa de Isabel e encontra Zé Maria. ¦

Guerra dos Sexos TV GAZETA, 19H25 ¦Nieta

confessa que aceitou o suborno de Otávio e deixa Dino e Carolina indignados. Roberta se enfurece com Kiko e expulsa Nenê de sua casa. Carolina e Dino deixam Nieta sozinha. Otávio pede para Felipe voltar para a loja. Nando suspeita de que Felipe tenha encomendado seu sequestro. Felipe pensa em uma forma de seduzir Roberta. Charlô fica intrigada ao ver Isadora com Ronaldo. Juliana decide seguir o conselho de Vânia.

Salve Jorge TV GAZETA, 21H10

Barros lembra Helô de que Jô não estará presente no depoimento de Wanda e Russo. Wanda e Russo afirmam a Helô que Jéssica era viciada em drogas. Antônia assina os contratos de novas meninas para serem traficadas. Amanda fala para Celso que instruiu o detetive a coletar provas da traição de Carlos e Antônia. Helô avisa a Stênio que Berna prestará queixa contra Pepeu. Morena conta para Sheila que foi traficada. ¦


16

Pensar

A GAZETA VITÓRIA, SÁBADO, 26 DE JANEIRO DE 2013

história por HERBERT SOARES CAÇADOR

A SAGA DE JOSÉ WALDIR MERÇON Importante personagem muniz-freirense, o ex-combatente da Segunda Guerra Mundial, que mais tarde tornou-se cirurgião-plástico, registrou suas memórias em quatro livros

J

osé Waldir Merçon nasceu no dia 27 de abril de 1923, em Muniz Freire, filho de José Merçon de Lima e Leontina Merçon de Lima. Servindo como terceiro-sargento, foi para Segunda Guerra Mundial de forma voluntária. Após a experiência na guerra, publicou quatro livros – além de ter sido médico cirurgião plástico. Em 23 de agosto de 2004, José Waldir faleceu em Brasília, mas sua história está ligada ao Espírito Santo e a Muniz Freire. Foi no início de 1937 que sua vida mudou radicalmente, com a ida da família para o Rio de Janeiro. Na idade de prestar o serviço militar, uma nova mudança fundamental ocorre em sua vida. Em seu livro “A Saga de John”, José Waldir Merçon conta porque decidiu entrar para o Exército: “Estava na época de eu prestar serviço militar e era difícil encontrar emprego, pois ninguém empregava alguém que poderia ser chamado para servir. Resolvi logo o problema apresentando-me como voluntário”. Em “A Minha Guerra”, outro livro de José Waldir Merçon, ele revela que pediu para ir ao conflito na Europa: “A 1ª bateria foi designada para compor a FEB e eu pedi para ir. Não queria bancar o herói, nem matar alemães, mas tinha enorme curiosidade de ver a guerra e essa oportunidade era única. Também, queria conhecer a Europa, mesmo na guerra”.

Tensão

José embarcou para a Itália no dia 22 de setembro de 1944. No referido livro, o autor descreve um momento tenso da viagem, quando um submarino inimigo foi detectado na costa da África, e o confronto tornou-se inevitável: “Meu beliche ficava sob um canhão de popa e os canhões começaram a atirar e a cada tiro parecia que tínhamos a cabeça enfiada numa lata e esta era batida por uma pedra. O barulho infernal continuou por toda a noite e assim dormi e não ouvi mais nada”. Ainda nesse mesmo livro, também é narrada a chegada ao topo do Monte Castelo: “No alto da montanha, o clima era outro, era uma luta de vida ou morte entre um punhado de brasileiro que gostavam de sua maneira de viver,

REPRODUÇÃO

José Waldir Merçon em dois momentos: em Florença, na Itália, em 1945, e durante o encontro de ex-combatentes da FEB

e outro punhado de alemães que queriam impor o predomínio de sua raça sobre todas as outras”. Em 15 de março de 1945, da Itália, ele escreveu para a mãe: “Lembranças a todos, tio, parentes e amigos, do filho que pede a benção da melhor das mães do mundo”. A mãe parabenizou o filho pelo seu aniversário, em 27 de abril de 1945, por meio de uma emocionante carta: “Querido Waldir, mil bênçãos e abraços de sua saudosa mãe neste dia abençoado em que Deus se dignou passar mais uma data venturosa do aniversário de um bravo combatente como você que é o orgulho de nossa família, a honra para o nome Merçon no Brasil”. A relação entre mãe e filho era muito íntima, visto que ficara órfão de pai ainda novo. Em outra carta à mãe, no dia 18 de maio de 1945, ele estava aliviado pelo fim da guerra: “Damos graças ao Altíssimo pelo término duma das maiores catástrofes da história, na qual eu também fiz parte. Quis a providência que

eu ficasse ileso para poder voltar e testemunhar o que se passou. Estou passando bem, já passou o perigo alemão, agora só se fala na volta, em como seremos recebidos”. Sobre a festiva chegada dos soldados ao Brasil, o nosso personagem disse: “A chegada no Rio foi deveras apoteótica. Saímos do cais e nos formamos para o desfile e toda a população na rua em festa, vendo-nos passar”.

Horrores

No livro “A Minha Guerra”, o soldado José Waldir Merçon definiu os horrores daquele conflito de uma maneira peculiar: “Minha experiência de guerra provou que ela é a maior desgraça que pode acontecer entre dois povos e isto só acontece pela intolerância e prepotência de seus dirigentes. Sonho com um mundo sem guerra. Utopia? Não, tenho confiança na humanidade”. Durante um tempo, exerceu as profissões de motorista de lotação, ven-

dedor de seguros e vendedor de laboratório farmacêutico. Trabalhando como guarda municipal, resolveu prestar vestibular e conseguiu passar em duas Escolas de Medicina, formando-se em 19 de fevereiro de 1962. Ele concluiu também o curso de Economia, em 14 de dezembro de 1974, e terminou o mestrado em cirurgia plástica em 1989. Além disso, foi presidente da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira (ANVFEB). Casou-se duas vezes, mas não teve filhos. Seu primeiro casamento foi com Maria Ceci Osório. Ao ficar viúvo, ele se casou com Sônia Batista Dias. Além dos dois livros já citados, José Waldir Merçon, publicou outros dois: “São Pedro de Alcântara” e “Genealogia das Famílias Merçon no Brasil”. A viúva de José Waldir Merçon doou todo o acervo do marido para a Casa da Cultura de Muniz Freire. Nesse local, será criado um espaço para expor e preservar todo o acervo desse importante personagem muniz-freirense.


Caderno Pensar janeiro 2013