Issuu on Google+

FELIZ PÁSCOA 2009! O Cônsul Geral de França falou ao JV sobre os 200 anos das Invasões Francesas no Porto e a relação entre ambos os países. (ver p.7)

Consulado

ANO I | N.4 | ABRIL 2009

|

Director ANDRÉ RUBIM RANGEL |

AVULSO: €1,40

ASSINATURA NORMAL: € 14

|

PARANHOS - PORTO

PRÓXIMA SESSÃO: 20 ABR.

Enfoques JV

JORNADAS PAULINAS DE PARANHOS

O que interessa é amar já!

:: A jovem entre os jovens, imagem do Criador. Obrigado, São! ______________ pág. 4

O 3.º encontro reflexivo sobre S. Paulo deu-se a 23/03, com D. António Marcelino e Graça Franco, concluindo-se que podemos sair da senda pecaminosa, por via da conversão a Deus, disponível diariamente...

:: A AI - Port. tem 2 grupos no Porto. Abrirá Núcleo, em breve. Sede: Paranhos! ______________ pág. 5

:: Sugestões e reflexões para viver melhor a caminhada entre a Semana Santa e o Pentecostes. ______________ pág. 9

C R Ó N I C A

5

“Xenofobia”-Fernanda Freitas

6

SENTIR PARANHOS-N.Cardoso

6

VIA ConJUNTA-Pedro Sampaio

8

“Ano Sacerdotal”- J.Cordeiro

10

“IPCG”– Emílio Rui Vilar

10

“Actividade física”– L.Portela

10

“UPT” – José Tedim

11

SUGESTÕES - I.Pires de Lima

11

COOL INÁRIA - Hélio Loureiro

12

NUM ÁPICE COM… - Rui Rio

O 5.º Roteiro de Inclusão do Presidente da República teve passagem pelo Porto, à AMI, na tarde de 9/03.

O Chefe de Estado, bastante preocupado com situação do país, disse que estas visitas que faz servem para mostrar os bons exemplos que existem, por isso “é preciso ir ao terreno”, frisou. Entende que a urgência da solidariedade social se deve expandir em “causa nacional”. Congratulou-se com a obra da AMI, “que não é de hoje”. ◘

Retribuição A directora de Informação da RR sublinhou que a liberdade de cada um, mesmo pecadores, vem de Deus. "Entendemos isto pela essência da fé, já que só a razão não chega", frisou. Uma vez convertidos "o prémio é secundário, pois o que interessa é amar já, nesta terra, a Deus e aos irmãos". SS

Pg

Aníbal Cavaco Silva apela à causa nacional solidária para combater a pobreza

O Bispo Emérito de Aveiro recordou o projecto de Deus não é de condenação, mas de salvação: «Vim para que tenhais a vida e a tenhais em abundância», disse Jesus, que reconhece sermos pecadores, mas que nos quer dar a graça, porque "o pecado não é definitivo, mas de passagem". Alertou ainda que o conceito de 'pecado' não existe sem a perspectiva da "conversão evangélica".

SS

:: Nuno de Santa Maria, português desaproveitado e talvez distorcido. ______________ pág. 8

Pecado

ARR

:: D. Manuel Clemente e os Direitos Humanos, na OF - Secção do Porto(Paranhos). ______________ pág. 5

Conversão Para D. António a conversão "não é mudança de vida na ordem moral, mas é à pessoa de Jesus, apelo pessoal para a vida". Entende que o caminho duma conversão é: "Palavra guardada, mastigada e que abre o coração, de forma séria e não meramente emocional". Graça Franco acrescentou que nesta caminhada, com a ajuda de todos, "a conversão leva-nos a ver e perceber como somos todos iguais em Cristo". ◘

O JV JÁ ESTÁ ONLINE, EM BLOGUE E NA REDE SOCIAL TWITTER. ASSOCIE-SE A NÓS:

http://jornalveris.blogspot.com http://twitter.com/JornalVERIS




02

local

Abril 2009

INSTANTES I.

AUGÚRIOS

BLOGUE DO JV

Manuel Martins

Vamos participar? Na nova ferramenta do JV estão os artigos dos nossos Colunistas, para que os leitores interessados possam comentar. Para aliciar e estimular todos os que possam navegar em http://jornalveris.blogspot. com o JV vai oferecer prémios de 2 em 2 meses para quem contribuir com mais comentários e achegas neste Blogue! Vá lá, seja nosso seguidor! ◘

CONS. CONSULTIVO JV

Análise de Ricardo Jorge Pinto (Expresso)

ERRATA JV

Seminário EspaçoT Reconhecemos o nosso erro e pedimos desculpa pelo mesmo. No número anterior anunciámos o IV Seminário do Espaço T em Março, enquanto que se realizará a 27 e 28 de ABRIL. ◘

Vicentino e Pároco de Paranhos

Esperança

A

André Rubim Rangel Jornalista e Professor

Antes

de mais, uma palavra sobre a ligeira mudança das secções neste número. Por estarmos em mês especial que se revive e convive do Mistério Pascal de Cristo, acrescentou-se uma página de ‘Religião’, com supressão, seguramente pontual, da secção ‘Reportagem’. Portanto, em Maio, voltaremos a dar voz aos Bairros paranhenses.

Em

Q

uaresma é tempo propício para a reflexão sobre os grandes objectivos humanos que existem em cada pessoa, nomeadamente sobre a fé e a sua vivência. Em tempos de crise de civilização, (financeira, mas sobretudo de razões e valores profundos) urge falar de ESPERANÇA.

tempo pascal, quando pelas nossas ruas e casas ecoa a bela notícia da Ressurreição de Jesus, desejo a todos uma Santa Páscoa e muita alegria em Cristo Senhor. ◘

E foi sobre ela que nos veio falar o Rev. Padre Manuel Nóbrega, C.M., nos encontros quaresmais da Paróquia de Paranhos nos dias 16, 17, 18 e 19 de Março. Falou-nos sobre "Jesus Cristo Esperança única", o "Sofrimento, crise de esperança", e "Creio na Vida eterna" ou "Horizontes de Esperança". O medo é um obstáculo a vencer para que a esperança seja efectiva.

PÚLPITO DO LEITORADO

Q

uero felicitá-lo pela ousadia da iniciativa e pela qualidade que pude perceber no n.º 1. O Porto precisa de iniciativa cívica, de intervenção activa dos cidadãos. O Jornal VERIS deixa-me, por isso, muito feliz. Conte com toda a ajuda que eu possa dar. ◘ Manuel Pizarro (Secret.Estado da Saúde)

Desejo-vos

NÓS POR AÍ…

esperança é a bandeira do cristão contra o pessimismo e a indiferença. Com ela, o cristão é optimista e aberto à mais bela utopia que na fé é uma realidade existencial. O mal e a morte não têm a última palavra, porque o nosso Deus muito nos ama. Para nos provar que assim é, não hesitou em dar a vida por nós.

ARR

O aspecto mais positivo é claramente a diversidade informativa do jornal: muitas peças de diferentes quadrantes e com variadas tipologias enriquecem a publicação. O facto de muitos dos colunistas serem pessoas com visibilidade pública também torna o jornal mais apetecível (embora eu ache que deve continuar a equilibrar estes nomes nobres com novos talentos, como já tenta fazer nas primeiras edições). (…) O jornal é um bom produto e, mais importante ainda, tem muito potencial de crescimento. A aposta em mais peças informativas e analíticas (para além das colunas opinativas) darão mais solidez à componente jornalística. A linha editorial é completamente respeitada, o que se salienta como aspecto muito positivo, e não se percebe nenhuma tendência facciosa política ou económica (a não ser a religiosa, o que está legitimamente implícito). Parabéns pelo projecto. ◘

PROJECTO DE PUBLICIDADE: O JV, juntamente com outros órgãos regionais, aderiu a este estudo que a Associação de Imprensa de Inspiração Cristã está a realizar em parceria com a Univ. Católica Portuguesa. Daí que com este número alguns assinantes irão receber um Inquérito que agradecemos que respondam e entreguem no JV até ao fim do mês. ◘

um grande sucesso e

felicito-vos pela iniciativa que me parece muito interessante. Saudações cordiais! ◘ Nassalete Miranda (Jornalista)

No jornal do mês de Março, do qual sou assinante e o qual gosto muito de ler, vem um artigo que tem o titulo, “A vida para além da morte”, do senhor Guilherme Sousa que a dada altura se interroga “diz ele” se a fé na vida futura, não será uma história para nos ajudar a suportar a vida terrena. Pois eu não tenho dúvidas na vida para além da morte, pois quando perguntaram a Jesus se Ele era rei, Ele respondeu: “Sou Rei, mas o Meu Reino, não é deste mundo”; e uma outra passagem das escrituras Jesus diz: “Que adianta ao homem ganhar o mundo, se perde a alma?”. Eu pergunto, se isto não quer dizer nada ou será que as escrituras são fal-

Q

uero também reforçar a importância de termos novos Colunistas fixos neste nosso projecto - figuras do Porto igualmente notáveis àquelas que se associaram desde a primeira hora -, que muito prestigiam e elevam o JV : Emílio Rui Vilar, Hélio Loureiro e Vasco Graça Moura. A estes e a todos os outros a minha enorme estima, consideração e gratidão. Certamente

sas. Quanto a mim, acredito nas sagradas escrituras do fundo do coração e acredito numa outra vida além da morte. ◘ Ant.º Carlos Lopes (Paranhos)

G

ostei imenso do concerto do André Sardet, tanto as músicas, como as representações: espectaculares! Ainda bem que temos um jornal com este tipo de iniciativas. ◘ Liliana Coelho (Paranhos)

S

em palavras! (Sobre a CONFAP do Sr. Albino). Para que conste e porque muita gente não sabe, a CONFAP (Confederação Nac. das Assoc. de Pais) recebeu do Ministério

que é de consenso geral que percepcionámos o quanto estas relações contribuem para a identidade e corolário de qualquer órgão e meio de Comunicação Social e, sobretudo, deste Jornal, já que tal revestimento e enriquecimento de experiências e partilhas ajuda-nos a cumprir a nossa visão estatutária de não ficarmos na perspectiva redutora de ser uma “coisa pequena”, ou de se lhe chamar “jornal paroquial”, como por vezes oiço. Não gosto e ponto final. A razão é simples: para além do que já foi aqui explanado, o JV é muito mais do que isso e quase nem se dá por isso. Penso que a consistência e persistência destas primeiras 4 publicações já são suficientes para assumir esta dinâmica mais alargada em termos geográficos, temáticos e de interacção conjunta.

Santa Páscoa! ◘ da Educação (M.E.) duas tranches de €38.717,50 cada uma, no 2.º semestre de 2006, conforme publicação no D.R. n. 109 de 6/6/2007 (pág. 15720). Recebeu ainda mais €39.298,25 no 1.º semestre de 2007, conforme publicação no D.R. n. 201, de 18/10/2007(pág. 30115). Trata-se da única organização que recebe verbas directamente do Gabinete da Ministra. Com um salário destes, o que se pode esperar do senhor Albino Almeida? Mais de €150.000 por ano é muito dinheiro; ele é apenas e só um assalariado do M.E. (por sinal, muito bem pago com os nossos impostos - vergonhoso!). ◘ Anónimo (Mail identificado) ND - Obrigado pelas mensagens e apoio manifestado.

O Jornal VERIS salvaguarda a identificação correcta dos artigos publicados, que são, por sua vez, da autêntica responsabilidade dos respectivos autores. O JV tem o direito de seleccionar os textos recebidos decidindo o que publicar, mediante os critérios editoriais e estatutários. Deste modo, tem também autonomia de, porventura, cortar partes de texto, caso ultrapasse o tamanho previsto. Quanto aos Pagamentos, quando feitos por cheque devem vir à ordem de: Jornal VERIS; e se transferidos via bancária devem acompanhar-se do talão comprovativo com o nome do Assinante. ◘

FICHA TÉCNICA

Fundadores: ARR e MM; Data Fundação: 24/01/2009; Director: André Rubim Rangel (CP 8286); Administrador: Manuel Martins; Editor: Paróquia de S. Veríssimo de Paranhos (Porto); Propriedade: Comissão da Fábrica da Igreja; Redactores: Álvaro Santos e MiZé Matos; Conselho Consultivo: Agustina Bessa-Luís, Artur Santos Silva, Daniel Serrão, Germano Silva, José Azeredo Lopes, José Marques dos Santos e Ricardo Jorge Pinto; Colunistas: Benedita Rangel Valente, Daniel Serrão, Emílio Rui Vilar, Fernanda Freitas, Guilherme Sousa, Hélio Loureiro, Isabel Pires de Lima, José da Silva Peneda, Manuel Martins, Maria Botelho, Maria do Carmo Almeida, Maria Helena Costa, Maria Rosa Silva, Miguel Seabra + Executivos da JFP e Vasco Graça Moura; Colaboradores Permanentes: Catarina Magalhães, José Pinheiro e Maria Marinho; Correspondente: José Cordeiro (Vaticano); Colaboradores nesta edição: Aldezira Carvalho, Amnistia Internacional Porto, André Sardet, António Carlos Lopes, Dom Duarte Pio, Joaquim Pereira, José António Barros, José Tedim, Luís Portela, Manuel Fernando Soares, Margarida Ramos, Maria Cândida, Maria José, Maria Ludovina Cunha, Nuno Cardoso, Pedro Sampaio, Philippe Barbry, Ricardo Parada, Rui Jorge e Rui Rio; Tesoureira: Sara Sousa; Marketing: Filipe Couto e José Mário Lopes; Cooperadores: Alcina Ferreira, António Oliva, José de Azevedo, José Pinheiro, Liliana Coelho, Manuel Madureira, Manuel Oliveira, Maria José Pinto e Mariete Valente; Revisor/Tradutor: Guilherme Sousa; Informático: Arlindo Pereira; Designer: Álvaro Santos; Fotógrafos: Agência Lusa, ARR e Liliana Coelho; Reprografia: Emília Sousa; Expedidoras: Manuela Coelho e Tereza Oliva; Benfeitores: Agrupam. CNE 1104 Paranhos, Antero Melo, António Lopes, António Mesquita, Eduardo Tavares, Ermelinda Chibante, Esmeralda Costa, Fátima Dias, Fernando Sequeira, Fernando Sousa, Francisco Ribeiro, Horácio Teixeira, Jaime Lopes, Joaquim Cardoso, José Mário Lopes, José Miguel Lopes, José Pinheiro, José Paulo Pinheiro, Licínia Soares, Manuel Gonçalves, Manuel Oliveira, Miquelina Nogueira, Nélson Picão, Tereza Oliva e Victor Seabra; Impressão: CLARET - Companhia Gráfica do Norte (Avintes).

CARACTERÍSTICAS Título: “Jornal VERIS”; Sede: = Editor; Periodicidade: Mensal; Tiragem: 500 ex.; N. Pág.: 12; Formato: Tablóide; Preço Avulso: €1,40; Assinatura Normal Anual: €14,00; Assinatura Benfeitor: ≥ €25,00; Preço de Publicitário: €134,00 / ano (com assinatura incluída) - tamanho normal de 5 x 4cm (tamanhos superiores = preço proporcional ao de base); NIPC: 502022043; Registo ERC: n.º 125599; Depósito Legal: 287693/09; Sócio AIC: n.º 268; Postos de Venda: Sede, Junta de Freguesia de Paranhos, Fundação Voz Portucalense, Centro Apostólico de Liturgia, Livraria Paulinas e algumas Papelarias de Paranhos; NIB (MG): 0036 0127 99100027318 75. CONTACTOS Horários do Gabinete de Direcção/ Redacção do JV : Domingos, 9h15 - 12h30 | Quartas-feiras, 18h00 - 19h30 | Sextas-feiras, 18h30 - 19h30; Endereço: A/C do Director, Largo da Igreja de Paranhos (Paróquia), 4200-325 PORTO; Endereço Electrónico: jornal.veris@gmail.com; Blogue: http://jornalveris.blogspot.com; Rede Social: http://twitter.com/JornalVERIS; Fax: 220 113 159; Tel.: 225 020 729. ◘


Em 12/03/2009 Paranhos viveu algo inédito e realmente raro: umas bodas de diamante matrimoniais (60 anos). PARABÉNS ao casal José Ferreira e Maria José Ferreira! ◘

03

local GS

Abril 2009

Devolução dos Mealheiros...

Gr. Casais

Iniciativa de Março, promovida pelo JV, inserido no programa que o mesmo leva a cabo, “+ 1 mês, + 1 evento!”, de modo a: lançarse, dar-se a conhecer e projectar-se.

Os vários Mealheiros entregues em 2008, no Dia de Cristo Rei, para colecta de oferendas em favor da construção da nova igreja de Paranhos, deverá ser agora entregue na Páscoa, sobretudo e se possível, na Eucaristia da Ceia do Senhor, na Quinta-feira Santa, onde integrarão a procissão da Apresentação dos Dons. ◘

VISITA PASCAL/COMPASSO

Forte Campanha JV Na manhã do Domingo de Páscoa, 12/04, juntamente com as Cruzes do Compasso serão distribuídos/vendidos alguns exemplares deste número, para angariação de receitas (a tiragem que temos começa a não chegar, temos de aumentar) e de assinaturas! Solicita-se a colaboração de todos! ◘

No Sábado dia 14 de Março, pelas 18h, teve lugar na Igreja Paroquial um Concerto de Beneficência. Actuaram 3 jovens artistas cuja qualidade é sobejamente reconhecida pela crítica, a saber: Mónica Pais, soprano; Francisco Reis, tenor; Paulo Freitas, organista. Os que tiveram o privilégio de os ouvir deliciaram-se com a excelente interpretação das maravilhosas peças musicais (15 peças de música sacra, como por exemplo: Panis Angelicus de C. Frank e Ave Maria de Shubert, entre outras bem conhecidas). O concerto encerrou um pouco antes das 19h, altura em que, normalmente, é celebrada a missa vespertina. Eventos culturais desta qualidade, são raros de acontecer na nossa Paró-

Joaquim Pereira

CORTE CELESTIAL EXÉQUIAS - Mar.2009 Na Paróquia de Paranhos… - Dia 1, no Hospital de S. João, faleceu ANTÓNIO CONCEIÇÃO BRAZ, de 74 anos, casado com Maria Rosa do Carmo Gonçalves Ramos. (Funeral dia 2; Cemitério de Paranhos). - Dia 2, na sua residência, faleceu AUGUSTO GERMANO RODRIGUES, de 83 anos, viúvo de Marinete da Conceição Pinto Machado. (Funeral dia 3, Cemitério de Paranhos). - Dia 5, na sua residência, faleceu ANTÓNIO AUGUSTO ALVES, de 88 anos, viúvo de Maria Felismina de Jesus. (Funeral dia 6, Cemitério de Cinfães).

- Dia 11, na sua residência, faleceu PIEDADE SOARES DOS SANTOS, de 94 anos, solteira. (Funeral dia 12, Cemitério de Paranhos). - Dia 11, no Hospital de Santo António, faleceu ANTÓNIO JOSÉ DA COSTA RIBEIRO, de 87 anos, casado com Olga Guedes Cardoso Ribeiro. (Funeral dia 12, Cemitério de Paranhos). - Dia 13, no IPO, faleceu LUÍS FILIPE DA SILVA CARDINAL, de 40 anos de idade, solteiro. (Funeral dia 14, Cemitério de Paranhos). - Dia 18, no IPO, faleceu MARIA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA DA SILVA MENDES, de 73 anos, casada com Alberto Guedes Mendes. (Funeral dia 19, Cemitério de Paranhos. Partic. dos Jufristas).

MAIA: Amaro Carvalho, Maria Alice Cabral, Rogério Couto; PORTO: Ana Gomes, Ana Maria Alves, António Oliveira, Deolinda Sousa, Elisa Monteiro, Ermelinda Chibante, Esmeralda Costa, Idalina Pestana, Joaquim Matias, José Paulo Pinheiro, Leonor Moura, Lurdes Soeiro, M.ª Antónia Costa, M.ª Cândida

Rodrigues, M.ª das Dores Ribeiro, M.ª de Fátima Loureiro, M.ª da Glória Pereira, M.ª Madalena Couto, Vicentina Sarmento; VALONGO: M.ª Fernanda Carvalho; V.N. DE GAIA: Lídia Piedade. Muito Obrigado a todos os Assinantes. Bem hajam! ◘

A ideia do grupo foi do senhor Padre Magalhães e a primeira reunião realizou-se em 23/10/1990, com cerca de 20 casais. No nosso grupo existe uma união e entreajuda, que nos dá uma grande cumplicidade. Ao longo dos anos as nossas reuniões têm debatido os mais diversos temas. «Um ano a caminhar com São Paulo» foi o livro aconselhado pelo senhor Padre Martins para aprofundarmos os nossos conhecimentos sobre o grande Apóstolo. A maneira simples e aberta como o nosso Abade aborda os temas, faz com que as reuniões sejam cada vez mais interessantes. Nessa perspectiva nasceu um novo Grupo de Casais jovens. Sei que ainda são poucos, mas com muito entusiasmo e ideias novas para ajudar a crescer a nossa Maria Ludovina Cunha Paróquia. ◘

quia, e certamente, seria muito bom que viessem a ocorrer outros eventos de tão grande ou ainda maior qualidade. Porque “nem só de pão vive o Homem, …”.◘

- Dia 8, na sua residência, faleceu JOSÉ ANTÓNIO MARTINS GUIMARÃES, de 57 anos, viúvo de Maria Célia Lopes Madureira. (Funeral dia 11, Cemitério de Prado do Repouso).

NOVOS ASSINANTES

GRUP A N D O

- Dia 21, na sua residência, faleceu FRANCISCO FERNANDES DE SOUSA, de 82 anos, divorciado de Almerinda Alves. (Funeral dia 23 de Março, Cemitério de Paranhos). - Dia 24, na sua residência, faleceu DEOLINDA MIMOSA PINTO DOS SANTOS SOARES, de 86 anos, viúva de António Moreira Soares. (Funeral dia 25, Cemitério de Paranhos). - Dia 24, no Hospital de S. João, faleceu MANUEL VIEIRA TAVARES DA SILVA, de 70 anos, casado com Maria Isabel Soares Gonçalves da Silva. (Funeral dia 26, Cemitério de Paranhos). - Dia 28, no Hospital de Viana do Castelo, faleceu CONCEIÇÃO AUGUSTA DAS NEVES ROCHA, de 80 anos, viúva de Fernando de Bastos Calvino. (Funeral dia 30, Cemitério de Paranhos). ◘

ARR

IGREJA NOVA

A

ARR

Maria José (RCC)

JV e Música Clássica

ARR

Nos dias 6, à noite, e 7 deste mês de Março, vivemos mais um retiro paroquial. Foi uma nova oportunidade para nos conhecermos um pouco melhor e a partir da necessidade de uma mudança de vida, partirmos para um maior e melhor conhecimento de Deus. Durante estes dois dias foram aprofundados vários temas, contudo, um dos momentos mais significativos do encontro foi a entrevista feita a S. Paulo, em que este nosso Amigo nos aconselhou a debruçarmo-nos mais nas suas cartas para ficarmos mais esclarecidos sobre quem é Jesus Cristo – Jesus Cristo crucificado. 1.º tema: “O encontro” = deixarmo-nos seduzir por Cristo e transformarmo-nos em novas criaturas; 2.º tema: “Somos uma nova Criação” = aqui reflectimos em que é que a vida mudou, ou pode mudar, e quais as áreas de maior fragilidade. É a partir desta observância atenta e continuada que vamos caminhando para a santidade, dispostos a cada dia mais nos identificarmos com Jesus; 3.º tema: “Abraçar a Cruz” = reflectindo sobre a frase de S. Paulo: “Na fraqueza da Cruz é que está a grandeza de Deus”, e caminhando na contemplação da Cruz, recordamos o que Jesus nos ensina sobre a superioridade da realeza, na humildade do serviço, isto é, o mais importante é aquele que serve o seu irmão na simplicidade e humildade O maior é o servo. 4.º tema: “Viver no Espírito” = somos habitados pelo Espírito de Deus, por isso somos Templos do Espírito Santo, que não nos deixa ficar instalados em nós próprios, mas nos impele para fora, para os outros, para a comunidade – Viver no Espírito: viver na Vertical em união com Deus, de mãos dadas com o semelhante. A conclusão do retiro quaresmal de 2009 fez-se em comunhão com a paróquia, na Eucaristia das 11h30, em que louvamos e demos graças ao Senhor por todas as bênçãos concedidas. Partimos, então, para a vida mais fortalecidos na Graça para sermos em Cristo: ALEGRES na Esperança, PACIENTES na Tribulação, PERSEVERANTES na Oração. Glória e louvor a Deus por tão grande dádiva. ◘

INSTANTES II.

ANIVERSÁRIOS

Retiro Paroquial

M.E.Comunhão Há 20 anos e a convite do Pároco, P. José Alberto Vieira Magalhães, um grupo de 6 pessoas ligadas à Paróquia (catequese, CPM, leitores, etc) fizeram a respectiva formação e foram empossados pelo Rev.mo Bispo do Porto, D. Júlio Tavares Rebimbas. Assim, se iniciou um grupo na nossa Paróquia, para, em colaboração com o seu Pároco, darem o seu contributo, não só, ajudando na distribuição da Sagrada Comunhão nas Eucaristias, mas também, levando a mesma aos doentes da Paróquia, impossibilitados de se deslocarem à Igreja. O senhor Padre Magalhães reunia, assiduamente, com este grupo, a fim de nos esclarecer sobre casos práticos e situações pontuais que fossem surgindo, mas também dando uma formação catequética muito profunda e foi criando em nós o hábito da leitura da Liturgia das Horas. Vivemos momentos de oração muito fortes. Com o passar do tempo o senhor Padre foi fazendo outros convites e o grupo foi crescendo. É, neste momento, um grupo de 14 elementos, existindo entre todos um forte laço de união, lealdade, coesão, idoneidade. São pessoas activas na nossa Paróquia ao serviço do Senhor e que se mantêm à disposição do novo Pároco, P. Manuel Martins. ◘

Aldezira Carvalho


juventude

Abril 2009

M.ª CONCEIÇÃO NOGUEIRA DA SILVA MENDES

A jovem entre os jovens... A São Mendes – a grande dinamizadora de grupos de jovens jufristas e não jufristas, de Paranhos e de outros grupos eclesiais - deixou esta terra a 18/03 para a grande peregrinação à Terra Prometida. Ela transportava uma jovialidade única, quer pelo sorriso penetrante (de que a foto é fiel e absoluto retrato, não dum momento, mas de sempre), quer pela gargalhada contagiante que continua a ecoar nos nossos corações. Como mulher íntegra e bastante integrada na vida paroquial, o JV também lhe presta tributo na morte, já que o fizera mesmo em vida, dedicando-lhe o Concerto quaresmal de 14/03. É a 1.ª assinante do JV que, nestas entrelinhas, acompanhar-nos-á agora nas linhas eternas do Céu. Com os seus 73 anos ela é e sempre será a nossa jovem, que tantos e tantos ajudou, escutou, amou, apoiou, serenou, alegrou…

Perseguir, Seguir, Não às Prosseguir VEM JOVEM

G S

“(…) Sentimos que um pouco de nós morre quando perdemos alguém querido. É a nossa «irmã morte». Para além da vicissitude deste vale de lágrimas é de um encontro face a face com Aquele que nos criou e nos acompanhou toda a vida. Desta forma, nós vamos pressentindo-O e contemplando-O. Eis agora, São, que estás na presença d’Aquele que te criou até ao fim. Foste, para nós, imagem deste Deus Criador.”

AGRUP. CNE 1104

“Que a São continue a ser a nossa estrela polar junto do PAI. PAI.” ” Rui Jorge

MUNDO INQUIETANTE Maria Botelho Psicóloga

Promessas escutistas em Paranhos

ARR

Com estes três verbos podería-

Quaresma é um momento de reflexão, transformação para uns e de privação de comer carne ou abstinência para outros. A onda de crise em que vive o país pode ser entendida e percepcionada como um desafio aos mais jovens que podem desenvolver um espírito empreendedor que pode ser benéfico para o futuro. O Empreendedorismo é uma forma de criar o seu próprio emprego, projecto, colmatar a percentagem de desemprego que existe nos nossos dias. Mas, o jovem pode desenvolver qualida-

des/ características e competências para empreender de uma forma simples, como sejam: quanto custa umas calças de ganga de marca? E, umas de “marca branca”?, o mesmo quando vai ao supermercado com a mãe ajudar a comprar produtos de qualidade e que sendo de marca é o dobro do preço, o mesmo não acontece se for de marca branca. O importante será o jovem fazer este exercício com a sua mesada, ao pôr de parte a quantia poupada, poderá utilizá-la numa viagem, em livros, ou partilhar comprando alimentos para aqueles que mais necessitam. Esta atitude vai ajudar os pais a não se sentirem culpados, por não conseguirem satisfazer todos os desejos dos seus filhos, para que estes não se sintam desiguais, educar é também partilhar responsabilidades, dar consciência. Uma feliz Páscoa! ◘

gem de uma conceituada revista sobre o consumo de droga nos jovens, fiquei bastante alarmado porque há jovens que começam a consumir em tenra idade (há casos a partir dos 9 anos de idade!). São jovens que chegam a gastar uma média de 500 euros por mês. Este consumo leva a doenças, lesões cerebrais, degradação física e muitas vezes a que desistam dos estudos.

Levando

agora este tema para a nossa freguesia é preocupante, sendo Paranhos um local onde há bastantes escolas, logo há muitos jovens. É preciso que estes jovens não se deixem leva r po r excitaçõ es momentâneas ou mentalidade facilmente influenciável, também não é preciso consumir droga para se afirmar perante uma pessoa ou um grupo nem permitir que a droga seja uma escapatória para os problemas, porque não os vai resolver vai sim é complicar ainda mais.

mos resumir o itinerário pro-vocacional de S. Paulo... Saulo era um jovem activo, judeu convicto que em nome da sua verdade (e, quem sabe se também do seu “ego”) perseguia os cristãos como um autêntico “franco-atirador”. Mas, um dia, na famosa estrada de Damasco, ouve uma pergunta que, qual provação demolidora, o faz cair abaixo da sua auto-suficiência: «porque Me persegues?»

C

omo quem diz: que andas a fazer da tua vida? Já pensaste bem na vida? Afinal, porquê? E para quê?... E Paulo, naquele momento, perde as suas seguranças, as suas certezas, a sua intolerância, a sua arrogância e, logo mais humilde, responde: «quem és tu?» Que queres de mim?

E

is que surge o tempo da cegueira, da confusão interior que o encontro com alguém mais experiente, (no caso de Paulo foi Ananias) ajudou a clarificar. E de um perseguidor, Deus fez um seguidor. D.R.

Na tarde de 14/03, na Igreja paroquial, realizaram-se estas Promessas: Lobitos = Carolina Santos, Catarina, Eduardo, Tomás Campinho, Vera e Xavier Meneres; Exploradores = André Camilo, Gonçalo Portela, Hugo, Paulo André, Rita Pereira e Rúben Souza; Pioneiros = Inês Rocha e Joana Souza; Caminheiros = Mafalda, Rita Campos e Rui Sousa; Dirigente = Catarina Taborda. Na véspera, na Vigília escutista, fizeram a despedida do Clã, por completarem 22 anos de idade: Carlos Simões e Teresa Mancilha. ◘

Jejuar na crise A

drogas!

Após ler uma reporta-

(P. José Magalhães, na homilia do funeral da São)

INSTANTES III.

(PRO)VOCARE

Dai-lhe, Senhor, o eterno descanso. Paz à sua alma! A Missa do 1.º mês da sua morte é dia 18/04, às 19h, na Igreja de Paranhos.

D.R.

04

Sara Moreira é estudante universitária no IPP (Paranhos), foi do FCP e é uma atleta promissora. Sagrou-se recentemente ViceCampeã Europeia de 3000 metros e Bicampeã Nacional de Corta-Mato Curto. ◘

Diria mesmo que, mais vale perseguir e ser contra, ter uma razão e opor-se, do que ser indiferente ou mero seguidor sem decisão porque é mais cómodo, para não “fazer ondas”. Isso é o pior que nos pode acontecer. Querer viver sem fazer onda! No caso de Paulo de Tarso, quando se fez luz e viu Cristo vivo nos seus discípulos, tudo mudou: há que prosseguir a Sua obra. Agora «para mim viver é Cristo!»

A

droga não leva a nada ou talvez até possa levar, mas é a desgraça a todos os níveis. Qual é a vantagem em consumir drogas? simplesmente não há! Paranhos (e não só claro) precisa e quer jovens inteligentes que saibam ver o caminho certo, o futuro depende dos jovens. ◘

Ricardo Parada

É

compreensível que muitos jovens ataquem a Igreja onde não vêem vida, e não encontrem nela o acolhimento e a libertação procurados. Saibamos, nós também, perguntar a cada um: quem persegues? Diz-me com quem andas? De que é que andas atrás na tua vida, nas tuas lutas, nos teus estudos e divertimentos, nas tuas amizades?... E é possível que num dia destes, quando menos esperares, te caia o véu que te impede de ver e se faça P. M. Fernando Soares luz.◘


CIVILIDADES

filantropia

05 Abril 2009

R E A C R E D I T A R … Amnistia Internacional Portugal (AI)

Fernanda Freitas Jornalista da RTP Apresentadora de “Sociedade Civil”

Xenofobia semáforo: entregam-lhe um jornal, tentam lavar-lhe os vidros ou - como já me aconteceu - um jovem faz uma demonstração de malabarismo – impressionante, a merecer mais palmas do que moedas. Mas, em geral, aproxima-se do seu carro uma jovem com uma criança ao colo pedinchando alguma coisa. Confesso que neste caso, a minha primeira preocupação vai para a coluna vertebral daquelas crianças - não só as que andam (às vezes horas) ao colo mas também as que as transportam, já que muitas vezes só diferem em meia dúzia de anos da que vão carregando de sinal em sinal… Qual é o seu primeiro instinto? Receio de um assalto, devido ao saturante número de e-mails que recebe dando conta de “ataques destes gangs de emigrantes, nos semáfo-

“ (…) a xenofobia prolifera em mensagens sem fonte fidedigna através da internet” ros ?” – exemplo claro destes tempos em que a xenofobia prolifera em mensagens sem fonte fidedigna através da Internet… Indignação, perante esta clara violação dos direitos das crianças, que deviam estar na escola, a aprender e a brincar - em vez de serem usadas repetidamente como instrumento de mendicidade? Talvez sinta algo mais forte: vergonha, desprezo? Analise por uns minutos qual é o seu real posicionamento em relação a estas pessoas que estão ali, vulneráveis, do outro lado do vidro. A tomada de consciência perante a nossa vida – e a dos outros - acontece muitas vezes assim: no curto espaço de tempo entre o vermelho e o verde. ◘

GE AI Esc.

Num

D. R.

D.R.

Depois do RFP se mostrar solidário com as vítimas das Invasões Francesas, eis que representará “Hossana, Jesus Cristo”. Dia 26/04, 16h, na Igreja Sr.ª da Conceição (Porto).◘

Grupo Escolar AI da Esc. Sec. Filipa de Vilhena - Porto

Grupo local 6 da AI Este Grupo começou no Porto em meados dos anos 80 e teve como seu coordenador, muitos anos, o Joaquim, que faz ainda parte do grupo actual. O grupo era bastante dinâmico na época e reunia pessoas de várias áreas, desde a Medicina à Arqueologia. Actualmente, o grupo tem 6 elementos activos (há outros que apenas aparecem nos eventos) e precisamos sempre de voluntários para dinamizar as várias actividades. Virgínia Silva é a coordenadora desde Janeiro de 2006. Qualquer pessoa pode fazer parte dos grupos da Amnistia Internacional, desde que não pronuncie o seu credo religioso ou direcção política em nome

INSTANTES IV. ‘PROGRAMA ESCOLHAS’

Poucas instituições do Porto aderentes Com um lustro de existência, este Projecto assenta na subsidiariedade e no trabalho em parceria, com vista à inclusão social de crianças e jovens, convergindo numa rede nacional com mais de 780 instituições variadas (não só IPSS). De referir no concelho do Porto: “Saber Viver”, promovida pela Junta de Freguesia de Paranhos; “Acreditar”, pelo Agrupamento Vertical Manoel de Oliveira; “Lagarteiro e o Mundo”, pela Junta de Freguesia de Campanhã; “PPR – Poder Para Reagir”, pelo Centro Social da Paróquia de N.ª Sr.ª da Ajuda; “Terço em Movimento”, pelo Instituto Profissional do Terço; “Pular a Cerca II”, pelo Agrupamento Vertical de Escolas do Cerco; “Crescer & Saber”, pelo Espaço T; “Metas – Mediar Escolhas, Trabalhar Autonomias”, pela ADILO; e “Arte na Rua – Pintar o Futuro”, pela Escola EB 2.3 Ramalho Ortigão.◘

da AI ou tenha ideais não compatíveis com os valores preconizados pela organização (tais como xenofobia, apoio à pena de morte, etc...). Logo, as pessoas podem ter ou não formação académica, desde que sejam sensíveis aos DH e queiram contribuir para que estes sejam respeitados. Neste momento os membros do grupo têm idades que variam entre os 20 e 50 anos, com 3 elementos do sexo feminino e 3 do sexo masculino e de áreas profissionais diferentes (comercial, estudantes de direito, ensino, teatro, arqueologia). As actividades desenvolvidas são variadas, desde exposições, manifestações de rua, ciclos de cinema, poesia, escrita de cartas, debates organizados, conferências, formações em escolas... cada membro do grupo tem autonomia e liberdade para apresentar actividades, propor ideias e desenvolve -las. O cargo de "Coordenador" apenas existe para uma melhor organização do grupo, não por uma questão de hierarquia. Há também um tesoureiro e um

Na noite de 20 de Março, D. Manuel Clemente esteve na Secção Regional do Porto da Ordem dos Farmacêuticos, em Paranhos (Rua António Cândido, n.154), para falar sobre os “60 anos da Declaração Universal do Direitos Humanos” (DUDH), acompanhado pelo Presidente da Secção e pelo Prof. Francisco Carvalho Guerra. Recordando o que dissera o Papa Ratzinger aos jornalistas na viagem para Washington (ONU, 2008 – precisamente para comemoração desta efeméride), adiantou que na DUDH “confluem várias tradições culturais. Estes valores são fundamentais” porque ins-

A AI é um movimento de activistas que centra a sua actividade, de forma voluntária, na exaltação e respeito pelos Direitos Humanos (DH), denunciando quando tais são violados. Em 2009 o projecto global direcciona-se para a Campanha da Dignidade, que dedicar-se-á às questões da pobreza e dos DH. No Porto, a AI tem dois grupos (local 6 e GE Filipa de Vilhena) e, ainda este mês, vai formar-se um Núcleo (no 1.º ano tem esta designação, passando depois a ‘Grupo’), sedeado em Paranhos, mas alargado a outras Freguesias contíguas. Será coordenado pelo director do JV, André Rubim Rangel.

secretário, segundo consta nos Estatutos da AI. Em declarações ao JV, Virgínia Silva alegou que “todas as actividades são levadas a cabo consoante a disponibilidade e compromisso de cada um: somos voluntários. No entanto e exactamente por isso, esperamos que as pessoas tenham ‘vontade’ de estar envolvidas nas actividades. Reunimos mensalmente. Por vezes quinzenalmente, caso seja necessário. Não temos uma sede própria por motivos monetários. Como muitos grupos, reunimos em casa dos membros ou no café”.

critos e intrínsecos ao ser humano. “Hoje atribuímos noções mais vastas aos Direitos Humanos (DH) do que nas primeiras redacções”, acrescentou D. Manuel, notando que as divisas da Revolução Francesa, no que toca à fraternidade e à igualdade, começaram a ganhar outro revestimento depois da DUDH: “se por um lado está menos consolidada o entendimento dos DH, por outro lado vão-se alargando a outras dimensões e áreas”. Para o Bispo do Porto os DH estão cada vez mais presentes como “linguagem comum e extracto

GE F. Vilhena da AI Este é um grupo particular, de carácter mais educativo/ escolar (como existe noutros pontos do país), na Escola Secundária Filipa de Vilhena (Paranhos, Porto). Este Grupo Escolar (GE) da AI é coordenado pelos professores Carla Ferreira e António Queiroz e o seu projecto insere-se no Projecto Educativo da Escola. A coordenadora explicou-nos que “todos os anos fazemos o nosso plano de actividades, proposto ao Conselho Pedagógico, em articulação com o Plano Anual de Actividades da Escola. Os nossos objectivos inscrevem-se no trabalho de uma Pedagogia de boas práticas dos Direitos Humanos. Temos dois blocos de 45 minutos por semana para reunir”. O grupo mais próximo de alunos com quem trabalham tem cerca de 48 elementos. Contudo, nas actividades que realizam (Colóquios , Exposições, Maratonas de Cartas, Comemorações de dias internacionais alusivos aos Direitos Humanos, petições, canções, powerpoints realizados pelos alunos, quadros vivos, danças, entre muitos outros) envolvese toda a comunidade educativa. Acrescentou ainda que “temos tido muita receptividade por parte dos vários grupos disciplinares, que dinamizam connosco as actividades propostas. Ao mesmo tempo que se trabalham as temáticas dos DH, conseguimos que os alunos desenvolvam competências não só ao nível do saber - ser / saber -estar, mas também noutros domínios como por exemplo nas áreas das TIC, na aquisição de conhecimentos no âmbito da poesia, escrita, literatura, arte, história, etc... ◘

ético”, o que promovê-los implica uma consciência e solidez comum, “com consistência global, para que não caiam no relativismo”. Referiu ainda a liberdade religiosa, que gerou polémica no modo como foi entendida neste mundo europeu e ocidental (séc.s XIX-XX). Até esse tempo considerava-se que era evitável a liberdade, sendo mais exaltada a segurança, visto que “havia um confronto de escolha se a verdade era objectivada, em Deus e para além de Deus, sem ser imposta”, declarou D. Manuel. Tal também se devia ao facto dos DH se colocarem como uma “reivindicação individual aos poderes absolutos que regiam em sistemas de soberania”, frisou o Prelado. Por outro lado, os DH entendiam-se com cidadania, pela participação política”. ◘


06

Faculdade de Engenharia da Univ. do Porto e área envolvente, situada no Pólo Universitário de Paranhos.

Nuno Cardoso Ex-Presid. da C.M. Porto ed de Águas do Douro e Paiva

O

Jornal VERIS, novo titulo da “nossa” Cidade, que desde já felicito e desejo muito sucesso, convidou-me a fazer um pequeno artigo. Agradeço o convite, é sempre grande o prazer de poder falar do Porto.

CURIOSIDADES DE PARANHOS

Vou apenas pontuar os aspec-

Tronco, Aguêto, Monte das Cabras, Carriçal, etc., onde existia muito gado caprino e lanígero. Existiam, também, uns casotos ou casinhotos acerca dos quais os Fenícios teriam dito que os referidos casinhotos eram mais próprios para anhos e não para pessoas como eles.

Na

crónica anterior tínhamos prometido falar da antiguidade da nossa Paróquia. Assim, e como o prometido é devido, vamos hoje tentar fazê-lo.

tos mais relevantes de Paranhos, freguesia que acolhe a Paróquia de S. Veríssimo.

T

erritório de expansão da cidade antiga, vê surgirem durante a segunda metade do século XX equipamentos de elevado valor, hospitais e universidades.

A

lguns autores apontam a existência de Paranhos para datas anteriores à fundação da nacionalidade pelo nosso primeiro Rei, D. Afonso Henriques.

A

ssim, a freguesia ficaria a ser conhecida por PARANHOS. No entanto o nome de Paranhos, segundo alguns autores, pode derivar da antiga palavra Paramio ou Paramo que designava: Honra, Couto, Amparo ou Isento.

D.R.

Hoje em dia, Paranhos é das zonas da cidade com mais actividade e dinamismo. Congregando um dos principais pólos nacionais de saúde, aonde domina o cinquentenário Hospital de S. João, com o pólo de ensino superior e investigação científica mais relevante do país.

O Pólo 3 da U.P., o Politécnico e as outras escolas superiores aqui localizadas enriquecem muito Paranhos, fazendo com que se afirme como líder em número de estudantes universitários.

Muito haveria que falar sobre as instituições e as pessoas de Paranhos, mas pelo pouco que foi sublinhado fica a ideia clara que Paranhos é sem dúvida uma das mais importantes freguesias do país e do Porto. ◘

PUB

SENTIR PARANHOS

D.R.

Abril 2009

Consultado o Dicionário Enciclopédico Lusobrasilei-ro, Lello Universal, Edição de 1981, pode lerse: Paranho = Terra Privilegiada.

Consta

que José Anastácio de Figueiredo e Frei Lucas de Santa Catarina, cronistas da Ordem de Malta, teriam sabido que os Fenícios acamparam numa zona ou lugar situado numa área compreendida entre o

O

território tinha a regalia de ter Honra, por nele ter sido criado e amamentado por uma mulher casada, algum filho de ricohomem ou fidalgo honrado.

Presidente: Miguel Seabra

VIA conJUNTA

Rua Álvaro de Castelões, 811/831; 4200-047 Porto

Pedro Sampaio Executivo Junta de Freguesia (Pelouro da Cultura e Patrim.)

Tel. 225020046 Fax 225503714

Junta de Freguesia de Paranhos

Os novos tempos da Política

A eleição do Presidente Barack Obama veio acentuar a Lusa

mudança do paradigma na forma de fazer política e de os políticos se apresentarem ao Povo. 1.º) Falou claro. Explicou aos Americanos, numa linguagem simples e objectiva, sem lugares-comuns ou os chamados sound-bites, o seu projecto para governar os E.U.A.; 2.º) Utilizou como nenhum candidato, as novas tecnologias da informação: sites, twitter, blogues, e-mail. Informou os eleitores, por exemplo, por sms, do nome do candidato a Vice-Presidente; 3.º) Desmistificou a “regra” que em rigor “obrigava” a que um candidato ganhador tivesse largos anos de experiência no Congresso, fosse apoiado por fortíssimos lobby’s, tivesse fortuna pessoal, ou tivesse discursos diferentes conforme as características sociais e culturais de cada Estado; 4.º) “Passeou” normalmente, em campanha, no meio das pessoas, dimi-

nuindo a distância psicológica e tornando-se assim igual ao cidadão comum. 5.º) Claro que o colapso económico dos E.U.A. e do mundo, ajudou a que a mensagem se centrasse nas questões sociais e financeiras, o que, dada a evidente falência do sistema, foi um discurso de optimismo, auto-confiança, trabalho árduo e esperança que cativou os eleitores. Muito bem. E em Portugal? Aqui, as coisas ainda não se alteraram.

D.R.

porto paranhos

Belmiro de Azevedo vai receber o grau de Doutor Honoris Causa pela Univ. Porto, como reconhecimento do exemplar percurso profissional deste licenciado na FEUP (1963). Cerimónia em Maio! ◘

No Portugaliae Monumenta Histórica, em documento do ano de 1048, aparece escrito PARAMIO e PARAMIOS.

No Censual do Cabido do Porto, no qual foram reunidos pergaminhos antigos referentes aos séculos XI a XIV e que é o Códice mais antigo (Séc. XII), sobre a matéria, indica, no que respeita a censos: Ecclesia S. Verissimi de Paramos e, na pág. 567, Peranhos. ◘

José Pinheiro

Os nossos governantes confundem ainda optimismo com eleitoralismo, esperança com demagogia, autoconfiança com arrogância e comunicação com controlo informativo. Mas os tempos claramente estão a mudar. A geração de hoje não é a do 25 de Abril de 74. Tem outro nível de exigência, tem maior acesso à informação, tem mais formação e acima de tudo está cansada de linguagem redonda e bacoca, de chavões e de promoções de imagem. Os partidos têm de perceber rapidamente que estão a mudar (vamos admitir que sim…) a uma velocidade muito mais lenta que a sociedade e que o confronto dos conceitos e paradigmas será inevitável. Sou claramente a favor dos Partidos e da sua importância em Democracia. Mas está na hora de tirar o som dos megafones dos comícios e ouvir verdadeiramente as pessoas. ◘

INSTANTES V. RUI RIO E CLERO DO PORTO

Reunião em nome da Solidariedade... Os Párocos, Reitores e demais presbíteros da Cidade portuense foram convidados pelo edil camarário, Rui Rio, e por Carlos Mota Cardoso (foi o seu rosto no programa “Porto Feliz”) a reflectir em “formas concertadas de atender à população sem-abrigo e outros cuidados e carências de carácter social”, conforme constava na carta circulatória. A reunião aconteceu a 11/03, na Casa do Roseiral, e teve boa adesão. ◘

AUTOCARROS STCP

Horários reduzidos: tempo de férias... A observar, pelo menos, nas artérias próximas às Escolas Básicas e Secundárias de Paranhos, verifica-se que há menos autocarros quando há interrupção de aulas. Há pessoas que se mostram indignadas - não é para menos -, pois quem trabalha e se serve dos transportes públicos fica prejudicada na ida e regresso do emprego! ◘

CASA DA CULTURA

Expo. “A Arte do Espontâneo”... Esta exposição de arte naïf, da autoria de Teodoro Buest, inaugura a 11/04, às 15h, e estará patente até 24/04. Conta com a participação especial do poeta Jorge Vieira. ◘


D.R.

“A separação do religioso com a esfera pública é mais marcada em França do que em Portugal.”

especial

JV – Como entende o facto desta Cidade e suas Altas Entidades Civis, Religiosas e Culturais se associarem conjuntamente na comemoração desta data? PB – É uma ilustração da unanimidade com a qual as autoridades civis, religiosas, militares e culturais consideram a memória como um factor importante da coesão nacional.

Nasceu no dia 1 de Março de 1951 no norte de França, perto de Lille. Diplomado do Instituto de Estudos Políticos de Paris (ciências políticas), em 1973. Diplomata no Ministério dos Negócios Estrangeiros desde 1977. Esteve a exercer na Nigéria, Ilhas Maurícias, Costa Rica, Nova Iorque, Londres, Índia, Grécia, Madagáscar e Marrocos. Está agora no Consulado Geral do Porto, desde 2006. ◘

vez mais visitam Portugal, as empresas francesas estão muito presentes em Portugal, os intercâmbios culturais, escolares e universitários são numerosos e mais de um milhão de portugueses ou de cidadãos de origem portuguesa vivem em França. JV – Dentro da missão concreta do Monsieur Philippe Barbry, qual tem sido o papel fundamental enquanto Cônsul Geral de França em Portugal? PB – O papel do Cônsul no Porto, representante do Embaixador no Norte de Portugal, é afirmar a presença francesa em todos os campos, estabelecer relações entre actores e intervenientes dos dois países nos

“O Porto tem vários trunfos para vencer os desafios que se apresentam às cidades europeias, no século XXI, nomeadamente no turismo” domínios políticos, económicos, educativos e culturais. JV – No horizonte da evolução e expansão de inúmeras cidades europeias, que análise faz das po-tencialidades e fragilidades presentes no Porto do séc. XXI? PB – O Porto tem vários trunfos para vencer os desafios que se apresentam às cidades europeias no século XXI, nomeadamente no domínio do turismo com uma situação geográfica privilegiado ao mesmo tempo fluvial e marítima, uma grande História com um património arquitectónico do passado mas também contemporâneo invejável, uma vida cultural notável com essas âncoras que são o Museu de Serralves e a Casa da Música, o sentido da hospitalidade dos seus habitantes. JV – Em que consistem as Alliances Françaises no mundo e, particularmente, no Porto? PB – Criada em 1883 por um grupo de personalidades, entre as quais se contavam Louis Pasteur e Jules Verne, a Alliance Française é uma instituição sem fins lucrativos cujos objectivos são a difusão da língua e da cultura francesa no mundo, a cooperação e os intercâmbios culturais

no intuito de defender e promover a diversidade cultural. Para tal promove o ensino do francês como língua estrangeira, concede diplomas de conhecimentos linguísticos e organiza e apoia manifestações de carácter cultural. A rede da Alliance Française no mundo compreende mais de 1000 estabelecimentos instalados em 130 países onde estudam mais de 400.000 pessoas. Portugal conta com 12 Alliances Françaises instaladas de norte a sul do país. A Alliance Française do Porto é presidida pelo Prof. Eng. Luis Valente de Oliveira e reúne nos seus órgãos directivos eminentes personalidades da cidade. Partilha as suas instalações com o Goethe Institut, fruto da vontade expressa pelos Ministérios Alemão e Francês dos Negócios Estrangeiros de implementar uma cooperação institucional estreita no âmbito da construção europeia. A Alliance Française do Porto propõe cursos de língua francesa para jovens e adultos, para principiantes e para alunos com conhecimentos da língua, para profissionais em todos os ramos. Organiza ao longo do ano eventos culturais, como a Festa do Cinema Francês, e colabora com as principais instituições culturais da Cidade entre as quais a Fundação de Serralves, a Casa da Música, o Teatro Nacional de São João ou a C. M. do Porto. JV – Qual a orientação/rumo da política que prevê e deseja no presente e que desenhará o futuro próximo, com a fornada de três actos eleitorais? PB – O nosso dever de reserva proíbe-nos tecer considerações sobre os assuntos de política interior. JV – Por que estamos em tempo particularmente religioso, como analisa esta vivência “cá e lá”, por aquilo que vê e sente, e à luz dos fenómenos de laicidade e de laicismo na História gaulesa? PB – A França é o país do racionalismo, o país de Descartes e de Voltaire. A separação do religioso com a esfera pública é mais marcada em França do que em Portugal. ◘ ARR

e do Diário

do Porto

A propósito da tomada de assalto das forças gaulesas ao Norte português, precisamente em Março de 1809, originando a fatídica tragédia de milhares de mortos na Ponte das Barcas, que unia o Porto a V.N. de Gaia, importa recordar uma relíquia histórica originada nessa altura, marcante para o Jornalismo nacional. Nesta expansão napoleónica por toda a Europa, surgiu uma imprensa tanto anti-napoleónica (e, por vezes, clandestina) bem como pronapoleónica. Assim, as tropas francesas orientadas pelo Marechal Soult - financiaram o nascer de novos periódicos, como aconteceu com o DIÁRIO DO PORTO. Embora tivesse essa designação não era diário e foi apenas publicado entre Abril e Maio de 1809. Era profundamente noticioso e não continha artigos de fundo, no sentido lato da expressão. Os seus conteúdos dividiamse entre notícias variadas, que predominavam, logo a seguir com notícias militares e ainda, mas com menos espaço e destaque, com decretos assinados por Soult e demais avisos. DECLARAÇÕES EXCLUSIVAS AO JV :

“Foi um privilégio enorme para o Coliseu ser ele o palco de abertura das comemorações. Perdoemme a imodéstia mas este - Portugal - foi um espectáculo diferente dos outros. Criamos uma peça para o momento, com mensagens do maior poeta português, Fernando Pessoa - e não estou a pôr de lado Luís de Camões, é outro estilo e o efeito foi o que se viu: 700 coralistas entusiasmados e duas orquestras, num grito de esperança e de mudança.” ◘

José António Barros (Presid.AACP e Presid.AEP) “É sempre útil lembrarmos a nossa História. Foi pertinente pelo senhor Bispo celebrar esta Missa em memória dos 200 mil que morreram em Portugal. Isto mostra a loucura duma guerra puramente ideológica. Foi a modificação da Europa pela força. Temos de aprender com a História e não violentar a vontade dum Povo. A lição é estar preparado!” ◘

Dom Duarte Pio (Duque de Bragança)

PUB

(A) GENTE SOLIDÁRIA (O)

ARR

JV – Desde há dois séculos para cá e mais actualmente, de que forma estão as relações entre as nações portuguesa e francesa nos diversos campos, que não somente o político? PB – Portugal e França têm em comum a cultura latina. Muitos portugueses conhecem a França e a sua língua, os franceses cada

PHILIPPE BARBRY

Bicentenário das Invasões Francesas

ARR

JV – O Porto comemora agora os duzentos anos da invasão das tropas francesas e respectiva tragédia na Ponte das Barcas. Como diplomata francês que breve leitura faz deste acontecimento? PB – Este episódio do nosso passado europeu, constituído por muitos confrontos ao longo dos séculos, pertence à História. Doravante, e felizmente, o presente é a construção da União Europeia, uma obra de paz, de solidariedade e de relativa prosperidade.

>> p e r f i l <<

Abril 2009

Philippe Barbry

NA 1.ª PESSOA COM… A propósito desta efeméride que o Porto vive, se justifica esta entrevista. O Cônsul francês falafala-nos do Porto, do seu papel diplomático e das Alliances Françaises.

07

ANA COUTO GABINETE DE CONTABILIDADE AV. COMENDADOR FERREIRA DE MATOS, N.º 401, SALA 310 – 4450-000 MATOSINHOS TELEFONE / FAX: 22 937 81 82

Av. Fernão Magalhães, 600; 4350-150 Porto

Correio electrónico: c0uto@hotmail.com

Tel.: 225 106 215


08

religião

Nun’Álvares Pereira

CARTA DE S.PAULO AOS PARANHENSES

A figura do beato Nuno de Santa Maria é de tal maneira impressionante na nossa História que já de há muito – meados do séc. XX – se esperava a decisão desta canonização, pela Santa Sé, que vai ocorrer no próximo dia 26. JV, em conversa com D. Car-

SPES - Porto, Bispo Auxiliar de Lisboa e Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social), colocou a questão de

haver uma coincidência deste final, envolto num processo burocrático longo, com a crise que vivemos, ao que o Prelado respondeu: “é provocante, porque, de facto, aquilo que Nun’Álvares Pereira vive é também um momento crítico civilizacional. Mesmo não sendo crise mundial, tratava-se da História nacional”.

Depois de ser o chefe militar

Mas todo este ascendente de

MeditaiMeditai-as “Continuando à conversa com os meus queridos irmãos da Comunidade de Paranhos que procuram viver «de Cristo, em Cristo e para Cristo», eu vos animo e recordo que não passeis o tempo a lamentarvos pelos momentos menos bons que viveis. (Também vivi tempos difíceis). Se puserdes o essencial nas vossas vidas o que é acidental cai, desaparece. Aprendi que sem Cristo eu não podia viver e isso vo-lo quero transmitir. Levai–O aos Jovens, às Famílias, aos Marginalizados e a todos aqueles que vos parecerem mais afastados, para que unidos num mesmo ideal possamos dizer: - «Já não sou eu que vivo é Cristo que vive em mim». Se as minhas Cartas vos parecerem úteis, meditai-as!” ◘

Margarida Ramos

Nuno Álvares Pereira no próprio currículo da sua vida, demonstrou o seu carácter destemido e corajoso, alguém muito próximo de Deus e profundamente marcado com o sentido do Absoluto, por isso tinha determinação nas suas lutas e combates pelo bem da nação, que o afirmava totalmente sem outras cobiças.

Ele era um homem do bem comum,

ARR

antes da sua partida para África, o Papa Bento XVI anunciou a convocação de um ano sacerdotal (19 de Junho 2009 – 19 de Junho 2010), a propósito do 150º aniversário da morte do Santo Cura de Ars, anunciando, ao mesmo tempo, que o proclamará padroeiro de todos os sacerdotes do mundo.

O

dote na Igreja e na sociedade contemporânea».

Outro

objectivo importante é a «necessidade de potenciar a formação permanente dos sacerdotes ligando-a à dos seminaristas». Esperemos que seja uma ocasião favorável para evidenciar a dinâmica do mistério e do ministério ordenado dos sacerdotes, isto é, dos Bispos e dos Presbíteros, a fim de que se

DISCURSO DE OBAMA

A Religião e o Secularismo...

tema escolhido para o Ano Sacerdotal é: «fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote». Este ano iniciará com uma celebração de Vésperas, no dia 19 de Junho, solenidade do Sagrado Coração de Jesus e dia de santificação sacerdotal, na presença da relíquia do Cura de Ars e encerrará com um encontro mundial de sacerdotes na Praça de S. Pedro.

O

objectivo deste ano é, segundo expressou o próprio Papa aos membros da Congregação para o Clero, «ajudar a perceber cada vez mais a importância do papel e da missão do sacer-

Não há Nova Evangelização que não passe pela família... “O apostolado familiar é hoje fundamental”, afirmou preponderante D. Manuel Clemente na tarde de Jornadas organizadas pelas Equipas de Nossa Senhora (ENS) – Secção Regional, ocorridas a 21/03, no Porto. O Prelado diocesano disse ser urgente passar duma “consideração individualista, para uma consideração familiar da Sociedade”. A partir de indivíduos é “uma abstracção”; a partir da realidade “cada um de nós tem um eixo de relações onde cada um se realiza”.

manifeste a fidelidade ao mistério – Cristo/Igreja –, na fidelidade ministerial dos sacerdotes. ◘

Há uma perspectiva familiar inserida nas vinculações com outras pessoas, com base no trabalho, no emprego, na escola. Alegou que se tem de ter em conta essas pessoas “nas suas condições, se protege ou não o agregado familiar”, se apoia ou não tudo o resto, já que “a família é um valor social diferente”. Para o Bispo do Porto, se a família não for assim entendida “a Sociedade ficará sempre em crise, porque não se acolhem as crianças, não se acompanham os idosos”, já que é na família que isto acontece, não se podendo cair no risco de institucionalizar tudo e todos. E rematou: “não há Nova Evangelização que não passe pela família”, já que ela é geradora de fé. ◘

D.R.

com enorme consenso militar e também político. Por ele nunca desejar a cobiça, podemos referir que ele já tinha atitudes de santo, do destino do país e da identidade da nação. Para D. Carlos, as suas atitudes são “fortes e estimulantes e, em tempo de crise no seu tempo, soube corresponder com firmeza à hora que viria”. De referir ainda que a Conferência Episcopal Portuguesa dedicou uma Nota Pastoral a São Nuno de Santa Maria, por ocasião da sua canonização, intitulada EXEMPLO HERÓICO EM TEMPO Imagens de Nuno de Santa Maria e de D. DE CRISE. Vale a pena ler! ◘ ARR António Ferreira Gomes.(Fundação SPES)

Ainda em Quaresma, a Sé terá a sua última celebração neste tempo na Quinta-feira Santa, dia 9 de Abril, com a Missa Crismal (10h). O Tríduo Pascal começa às 17h30, com a Missa da Ceia do Senhor. Depois na Sexta-feira Santa, haverá Ofício de Leituras e Laudes (10h) e celebração da Paixão do Senhor (15h). No Sábado, Laudes de novo às 10h, e Vigília Pascal às 22h. Já no Domingo de Páscoa, dia 11, a Missa Estacional realizase às 11h, animada pelo Coro da Sé. ◘

ARR

em campo contra o cerco que Lisboa estava a sofrer, de ser nomeado para comandar as tropas no Alentejo e, finalmente, de ser o Condestável, estamos perante aquele que realmente seria o Chefe Maior do Exército - digamos assim -, em termos actuais! Aliás, numa das crónicas semanais que D. Carlos escreve no Correio da Manhã, o Prelado adianta: “Como tantos lusos, continua a ser um português desaproveitado e talvez distorcido. Poucos se dão conta como São Nuno representa a nova sociedade precursora da Renascença. As suas opções revelam uma luta de princípios entre a velha e a nova sociedade, em tempo de transição”.

Ritos na Catedral...

Presbítero, Reitor do Pontifício Colégio Português em Roma e Professor Universitário

Ano Sacerdotal D.R.

los Azevedo (Presidente da Fundação

SEMANA SANTA E PÁSCOA

José Cordeiro

“Dada a crescente diversidade das populações dos EUA, os riscos de sectarismo estão maiores do que nunca. O que quer que nós já tenhamos sido, nós não somos mais uma nação cristã. Pelo menos não somente. Somos também uma nação judaica, uma nação muçulmana, uma nação budista, uma nação hindu e uma nação de descrentes. (…) E mesmo se nós tivéssemos apenas cristãos entre nós, se expulsássemos todos os não-cristãos dos EUA, o cristianismo de quem nós ensinaríamos nas escolas? Seria o de James Dobson ou o de Al Sharpton? Que passagens das Escrituras deveriam instruir as nossas políticas públicas? Deveríamos escolher o Levítico, que sugere que a escravidão é aceitável? E que comer frutos do mar é uma abominação? Ou poderíamos escolher o Deuteronómio, que sugere apedrejar o seu filho, se ele se desviar da fé? Ou deveríamos apenas ficar com o Sermão da Montanha? Uma passagem que é tão radical que é de se duvidar que o nosso próprio Departamento de Defesa sobreviveria à sua aplicação. (…) Então, antes de nos empolgarmos, vamos ler as nossas Bíblias agora. As pessoas não têm lido a Bíblia.” ◘

FUNDAÇÃO AIS

Reverta os seus Benefícios fiscais... A Fundação ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ é uma IPSS de Utilidade Pública com forte acção no mundo. Os donativos que fizer são dedutíveis para o IRS e IRC. Pode atribuir à Fundação AIS 0,5% dos seus impostos, preenchendo o Quadro 9 do Anexo H, colocando a Denominação, o NIPC (505 152 304) e a  no item próprio das IPSS. ◘

ARR

O

INSTANTES VI.

VATICANO ONLINE

Com grande surpresa,

D.R.

Abril 2009

Bento XVI alertou, em África, à consciência das crises éticas deste tempo, para lá e além da questão do preservativo, que tem proliferado muito (e com distorção e confusão)! No dia 2/04 recordou S.S. o Papa João Paulo II. ◘


D.R.

D. António Ferreira Gomes, o mais mediático e histórico Bispo do Porto, faleceu precisamente há 20 anos (13/04)! ◘

09

religião

Abril 2009

 POETISANDO

Sugestões e Reflexões: QUARESMA - PÁSCOA 2009

A Cruz

bolo do testemunho cristão. Através dele queremos também testemunhar a nossa fé em Cristo.

Através do sofrimento Que Cristo sofreu na Cruz Hoje tem direito ao Céu Quem está de bem com Jesus.

:: IV DOM. T.PASCAL, 03/05 (‘Bom Pastor’) > Tema = Conhecer! > Símbolo = Cajado. > Texto explicativo = O Pastor conduz o rebanho suportado pelo seu cajado. Tu Senhor és o nosso Pastor e, porque nos amas, conheces-nos a todos pelo nome e nos conduzes para uma vida melhor.

Foi preciso que morresse E ressuscitasse também Para irmos para junto d’Ele E de Sua Santa Mãe. Pois só com a Sua morte E ressurreição também Todos nós depois da morte Temos direito ao além.

:: V DOM. T.PASCAL, 10/05 > Tema = União! > Símbolo = Videira. > Texto explicativo = A videira e os ramos significam a relação que Jesus Cristo quer manter connosco. Nós somos os ramos, Ele é videira e desta união resultarão bons frutos.

Bendita seja ó cruz Do Divino Salvador Pois nela tanto sofreu E tudo por nosso amor.

ARR

Na cruz bendita pregado Foi Ele que nos amou Pelo sangue derramado Cristo a todos nos salvou. > Estar atento aos sinais e propostas de liberdade que a Palavra me apresenta e que me conduzem do deserto para a vida nova da Páscoa. > Viver e celebrar a Páscoa de Jesus, como superação do deserto, isto é, com grande alegria, muita felicidade e vontade interior de continuar a descobrir, durante o tempo pascal e por meio da Palavra, a vida nova de Jesus vivo e ressuscitado.

Se Cristo não tivesse morrido E ressuscitado também Ninguém ia para o Céu Mesmo praticando o bem. Por isso não desesperes Quando tens alguma dor Muito mais sofreu Jesus E tudo por nosso amor. ◘

ARR

Ant.º Carlos Lopes

no quadro que se apresenta em cima, que nos guia desde a Semana Santa até ao II Dom. Pascal a fim de se viver melhor estes Tempos, ficam aqui outras sugestões do Arciprestado de Braga (Zona Oeste-Veiga).

Dioc. Braga

Quaresma: A Palavra exige e dá fé. Páscoa: A Palavra evangeliza e manda evangelizar.

:: Imaginário Tivemos o deserto na Quaresma, mostrando que devemos centrar-nos apenas no essencial, de tal modo que na Páscoa tenhamos um espaço cheio de vida nova.

:: Concretização litúrgica

:: Objectivos > Saber que a Palavra orienta a vida para a ressurreição e a partir da ressurreição. > Viver a Quaresma como um tempo de purificação e preparação para o mistério Pascal.

:: DIA DE PÁSCOA, 12/04 > Tema = Ressuscitar! > Símbolo = Flores na Cruz. > Texto explicativo = A cruz enfeitada com flores simboliza a árvore da vida. Deste modo, para nós cristãos, a cruz tornase fonte de vitória e de vida nova para todos os que crêem, pois é nela que Jesus entrega a sua vida por todos. :: II DOM. T.PASCAL, 19/04 > Tema = Acreditar! > Símbolo = Flores no deserto. > Texto explicativo = As flores simbolizam a Primavera, a esperança, o perfume de Cristo e o acreditar que está sem­pre connosco e nos ajuda a viver uma vida confian­te e cheia de esperança.

Para além das propostas

:: Tema

tempo. Sugere-se ainda a utilização do círio pascal na procissão de entrada e a sua colocação junto do ambão.

> Prepara-se na igreja um espaço onde se coloca um dístico com o tema da caminhada. Em cada domingo acrescenta-se um símbolo, conforme as propostas seguintes, a seguir à proclamação do Evangelho. Enquanto é colocado o símbolo lê-se um texto explicativo; > Existe também para cada domingo uma admonição e sugere-se, no tempo pascal, o acto penitencial segundo o rito da aspersão da água, sugerido pelo Missal Romano para este

:: III DOM. T.PASCAL, 26/04 > Tema = Testemunhar! > Símbolo = Peixe. > Texto explicativo = O testemunho que Cristo nos deixou é a sua Palavra. As iniciais da frase “Jesus Cristo Filho de Deus Salvador” formam a palavra ‘peixe’, que se tornou o sím-

Este painel, embora se destinasse às semanas da Quaresma (uma ‘fatia’ por semana), pode servir de desafio à caminhada pascal, desde o dia de Páscoa até ao Pentecostes.

:: VI DOM. T.PASCAL, 17/05 > Tema = Amar! > Símbolo = Arco-Íris. > Texto explicativo = Aos nossos olhos, o arco-íris aparece como uma ponte que une o céu e a terra. É uma escada de cores de cores que nos aponta o caminho do amor, pois só amando nos é permitido alcançar o Reino eterno. :: DOM. ASCENSÃO, 24/05 > Tema = Evangelizar! > Símbolo = Sandálias e Cabaça. > Texto explicativo = Elementos indispensáveis ao caminhante evangelizador. O peregrino é aquele que tem sempre as suas sandálias à mão e no coração o desejo de partir. A evangelização não pode ficarse apenas por teorias. Deve reflectir-se em acções concre­ tas, começando na caminhada; no ir ao encontro do outro. :: DOM. PENTECOSTES, 31/05 > Tema = Fortalecer! > Símbolo = Sete Velas. > Texto explicativo = O nosso Deus é um fogo devorador (Heb 12,29). Ele aquece, ilumina e alastra-se. A luz que se recebe transmite-se para continuar a iluminar a vida de cada um. ◘

Dioc. Aveiro

Propostas Catequéticas para o Tempo Pascal Esta proposta (aqui deixamos somente uma pequena parte) nasceu dos desafios lançados pelo Plano Pastoral Diocesano de Aveiro e da Palavra da Igreja, nomeadamente da DSI. As actividades apresentadas servem quer para os catequizandos, quer para todos os outros membros da comunidade paroquial...

1. Via Lucis “Em cada paróquia deve ser designado um dia por semana para a celebração da Via Lucis aberta à comunidade. Essa celebração poderá ser animada por diversos grupos ao longo do Tempo Pascal (por exemplo, uma semana por grupos de crianças, outra por grupos de adolescentes, outra por grupos de adultos, ou uma semana animada por dois grupos de catequese, ou por todos os grupos de catequese da infância, ou por todos os grupos da adolescência, entre outras hipóteses que ficam ao critério de cada paróquia).”

2. Dons do Espírito Santo Em cada semana do Tempo Pascal, os catequistas deverão explicar aos catequizandos um dom do Espírito Santo, pela seguinte ordem: Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Ciência, Piedade e Temor de Deus. Se possível, na sala de catequese, ao longo do Tempo Pascal, o catequista deverá orientar a construção de um painel representativo dos dons do Espírito Santo, que poderão ser em forma de línguas de fogo.

3. Pentecostes Na Vigília ou Domingo de Pentecostes, propõe-se que seja solenizada a Eucaristia com a participação das crianças e dos adolescentes da catequese. Se possível, nesta celebração deve fazer-se referência à caminhada feita pelos catequizandos, ao longo do Tempo Pascal. No final da celebração deverá ser entregue a cada participante uma língua de fogo com um dom do Espírito Santo descrito. Essas línguas de fogo a entregar aos participantes da celebração do dia de Pentecostes deverão ser elaboradas pelos grupos de catequese ao longo do Tempo Pascal. ◘


10

sociedade

Abril 2009

JUSTAPOSIÇÃO Emílio Rui Vilar Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Instituto Português de Corporate Governance

Por iniciativa do Insti-

D.R.

tuto Português de Corporate Governance (IPCG) está em discussão pública um projecto de “Código de Bom Governo das Sociedades”

lado dos problemas. O actual Código das Sociedades Comerciais contém já normas que são essencialmente de natureza ética e deontológica, como é o caso do artigo 64º sobre os deveres fundamentais dos gerentes ou administradores das sociedades: os deveres de cuidado e de lealdade, incluindo a ponderação dos interesses dos chamados sujeitos relevantes (“stakeholders”) para a sustentabilidade da sociedade, como são os seus trabalhadores, clientes e credores.

VIVER SALUTAR

COM NEXO E CONEXÃO

Luís Portela

José Tedim

Médico, Presidente: BIAL e Health Cluster Portugal, Administrador de várias empresas

Professor e Reitor da Universidade Portucalense

Actividade física As actuais condições de vida e a própria evolução tecnológica e social têm conduzido a sociedade para hábitos sedentários, nomeadamente as camadas mais jovens. Portugal é um dos países da União Europeia que tem os piores índices de actividade física e o sedentarismo da população atinge níveis preocupantes. É crucial contrariar esta tendência da sociedade moderna.

A

Durante os últimos anos, em resultado ou não da crise financeira e económica que estamos a experimentar, muitos casos de “mau governo” de empresas têm estado na ribalta dos meios de comunicação e têm a justo título chocado (quando não lesado severamente) o cidadão comum. Para além das situações do foro criminal, de que polícias e tribunais se devem ocupar, há aquelas que, não sendo ilegais, são moralmente condenáveis e/ ou que revelam egoísmo e ganância desmedidos.

“há um forte movimento da sociedade civil no sentido da auto-regulação” É também evidente que o quadro legal, apesar de progressos recentes, continua imperfeito e com malha aberta, permitindo expedientes e curtocircuitos. Como terá havido falhas e descuidos na regulação e na supervisão e que as agências de “rating” e os auditores foram superficiais e passaram muitas vezes ao

Na generalidade dos países europeus, para além das normas legais e dos regulamentos emitidos pelas autoridades, há um forte movimento da sociedade civil no sentido da auto-regulação, ou seja, na elaboração e adopção voluntária de normas de conduta mais exigentes. Normas de conduta que inculcam comportamentos íntegros e transparentes e visam fazer da empresa uma entidade responsável perante a comunidade em que se insere e contribuinte para o bem comum, o que os anglo-saxónicos chamam o “corporate citizenship”. É neste movimento que o IPCG, depois de ter publicado em 2006, um livro branco sobre o governo das sociedades no nosso País, em que se fazia a avaliação da situação no universo empresarial português, lança agora um projecto de “Código de Bom Governo das Sociedades”. Este código é dirigido essencialmente às sociedades cotadas em Bolsa e às entidades de interesse público, mas pode ser também um referencial para empresas de menor dimensão e mesmo, com as necessárias adaptações, para outras entidades como as organizações sem fins lucrativos. ◘

A UP está a celebrar o seu 98.º aniversário. Felicitamos a Instituição, na pessoa do seu Reitor e Conselheiro do JV, Prof. Marques dos Santos. ◘

importância da actividade física para evitar o aparecimento e o agravamento de várias doenças está cientificamente reconhecida. A prática de exercício físico regular é fundamental no controlo de múltiplos factores de risco associados às doenças cardiovasculares, caso da hi-pertensão arterial, obesidade, diabetes e

hipercolesterolemia. É também relevante no retardar de algumas doenças de foro neurológico e cognitivo e tem um papel importante a nível psicológico.

“a adopção de um estilo de vida saudável está nas mãos de cada um”

A

adopção de um estilo de vida saudável e a opção pela prática desportiva está nas mãos de cada um. Desde a natação ao ciclismo, passando pela ginástica ou, simplesmente, pela marcha regular, são várias as hipóteses de desenvolver uma actividade desportiva. É importante todos nós percebermos a importância que a actividade física pode ter na melhoria da qualidade de vida e que um corpo activo é condição essencial para uma mente enérgica e serena. ◘

Lusa

António Oliveira na USC

Alunos estrangeiros no IPP

Decorreu em 27/03 a 2.ª Sessão do I Ciclo de Conferências PORTO SÉNIOR. Foi orador António Oliveira. O professor universitário e ex-jornalista da RTP abordou as temáticas da Linguagem e da Comunicação, fazendo alusão à industria de conteúdos e ao género de produtos que os meios de C.S. produzem. Num debate moderado pela editora da Rádio SIM, Teresa Almeida, procurou-se perceber a razão da comunicação de massas e quais os principais objectivos dos Media. ◘

O Instituto Politécnico do Porto (IPP) acolheu a 19/03 cerca de 100 estudantes internacionais recém-chegados ao país, numa sessão de boasvindas destinada à apresentação da Instituição e das respectivas cidades onde está. Estarão cá durante o 2.º Semestre de 2009. A Rede Internacional IPP é constituída por 241 acordos bilaterais com instituições de ensino superior estrangeiras, em 28 países de toda a Europa e, também, no Brasil. ◘

Universidade Portucalense Desde a sua fundação, em 1986, que a Universidade Portucalense tem pautado a sua estratégia como uma Instituição Privada de Ensino Superior de âmbito regional. Ocupando inicialmente as instalações da Santa Casa da Misericórdia, no antigo Colégio de Nossa Senhora da Esperança em S. Lázaro, no Porto, desde muito cedo se preocupou em dotar -se de instalações próprias, o que viria a acontecer com a construção de raiz dum novo edifício em terreno anexo ao Pólo Universitário da Asprela, na freguesia de Paranhos. Em 1996, todos os cursos ministrados nesta Instituição estavam definitivamente instalados num novo edifício dotado de todas as condições para se desenvolver um projecto ousadamente de qualidade, procurando cumprir integralmente os pressupostos dum ensino de vanguarda, orientado na formação integral dos seus alunos. Desde a primeira hora que a UPT procurou aderir e estar em sintonia com o espírito de Bolonha, alavancando-se para a renovação da Instituição em direcção ao sucesso do seu projecto científico e pedagógico. Hoje, com todos os cursos integrados na Reforma de Bolonha, a UPT, apesar da sua vocação regional, conta com várias parcerias com Universidades estrangeiras, ora inseridas no programa Erasmus, ora em protocolos científicos para a realização conjunta de Congressos, Conferências, Seminários, Workshops, etc., sempre pensados na valorização científica e humana dos nossos alunos para um mercado cada vez mais exigente. Para além das Licenciaturas que fizeram tradição nesta Instituição, a UPT tem desenvolvido um conjunto significativo de outras propostas formativas quer ao nível de Mestrados e Doutoramentos, quer na organização de pós-graduações e especializações, sempre inseridas em estudos de mercado, procurando responder às necessidades reais do meio onde estamos inseridos. Somos um projecto assente na base da Responsabilidade e Confiança que pode orgulhar o Ensino Superior Português, bem como a freguesia portuense onde estamos instalados há quase 15 anos – Paranhos e com quem temos mantido, e pretendemos reforçar em acções futuras, uma relação muito estreita, concretizada através de diversas intervenções em áreas científico-pedagógicas, culturais e de voluntariado. ◘

UPT


José Júlio Sousa Pinto foi um conceituado pintor português. Nasceu em Angra (1856), mas veio para o Porto com 14 anos, onde viveu e estudou. Uma das suas obras é “O Pescador” (na foto). Faz, em 14/04, 70 anos que faleceu, na Bretanha. ◘

cultura D.R.

Abril 2009

SUGESTÕES DE...

C O O L INÁRIA Hélio Loureiro

Isabel Pires de Lima

Chef de Cozinha e Director do Porto Palácio Hotel, Chef da Selecção Nac. Futebol e Presid. de Confrarias

Professora Univ., ex-Ministra da Cultura

1.-

2.-

PUB

Não é fácil ver dança contemporânea no Porto. Aproveite a oportunidade que, em Matosinhos, a programação do recém-inaugurado CineTeatro Constantino Nery lhe oferece, trazendo a 10 e 11

de Abril a produção “Gulai Cabbar” da Companhia de Olga Roriz, inspirada numa catástrofe natural ocorrida na Turquia e numa série de acidentes trágicos que desencadeia. E passe a pôr o belo Cine-Teatro Constantino Nery na sua rota cultural. A sua programação merece.

3.- Para comemorar o 25 de Abril, vá à Casa da Música que apresenta a 26, sob a rubrica Música e Revolução, o concerto “The inside songs of Curtis Mayfield”, sob a direcção do contrabaixista William Parker. Curtis Mayfield foi o criador de célebres hinos de luta pelos direitos civis e pelo “Orgulho Negro” nos EUA, nos anos 60. A sua música foi pioneira de géneros novos como o funk, agora submetida aos arranjos originais de Parker. ◘

ENTRETENIMENTOS Soluções n. ant.: 1. Sopa de Letras:

AÇORDA COM LÍNGUAS DE BACALHAU PANADAS Prato de eleição para os dias magros da Quaresma, segundo a tradição portuguesa, o bacalhau é sem dúvida também prato de festa. Estas línguas de bacalhau são pois um petisco digno de um banquete de festa.

- 300 gr de pão de padronelo ou alentejana - 4 dentes de alho - 1 colher de sopa bem cheia de coentro picados - 50 gr de bacalhau demolhado - 1 dl de azeite - 500 gr de línguas de bacalhau - 150 gr de farinha - 2 ovos - 150 gr de pão ralado - 4 dl de azeite virgem.

BOLO DE AMÊNDOAS E OVOS-MOLES

-

5 gemas 5 claras em castelo 200 gr de açúcar 250 gr de amêndoas moída 15 gr de farinha 10 gr de fermento em pó 100 g de amêndoas palitada torrada.

Junte o açúcar com as gemas, adicione as amêndoas moídas, a farinha e o fermento e envolva com as claras batidas em castelo. Unte um tabuleiro com papel vegetal untado e com manteiga, e verta o preparado do bolo. Leve ao forno a 180ºc durante 20 minutos.

2. Caça a Palavra: Sacarose. 3. Diferenças:

M.ª do Carmo Almeida

Ed.: PEDRA ANGULAR A.: D. Manuel Clemente Ano: 2009 | N. Pág.: 414

2

“Na homilia da Missa Crismal de 2008, D. Manuel Clemente apresenta as linhas de rumo de um programa pastoral que corresponsabiliza, activa e criativamente, todos os membros da Igreja na inadiável tarefa da Nova Evangelização. É uma declaração histórica: pela convocação oficial que faz à Igreja do Porto para que entre agora em dinamismo de Missão e pela largueza profética, ardor e ousadia daquilo que se propõe. À luz dessa homilia se podem, ou melhor, se devem ler todas as outras, bem como os escritos e ensinamentos pastorais de vária ordem que D. Manuel tem vindo a semear em circunstâncias e contextos diversos. (…)” (P. Américo Aguiar). ◘

9

4

Corte o pão em fatias grossas e demolhe em água, no momento de usar escorra muito bem retirando a água espremendo muito bem. Leve ao lume um tacho com o azeite quando quente adicione os dentes de alho e deixe alourar , junte o bacalhau em pequenos pedaços e verta um pouco de água quente junte o pão escorrido, mexa bem e acrescente com água quente se necessário, deixe cozinhar em lume brando mexendo para que não pegue ao fundo. Tempere de sal , pimenta, coentros e salsa, no momento de servir coloque as duas gemas e envolva tudo muito bem. Depois de bem demolhadas as línguas de bacalhau temperas de limão e um fio de azeite, passe-as por farinha , ovo e pão ralado e frite-as em azeite quente, escorra-as bem e coloque em papel absorvente. ◘

BOM APETITE! Feliz Páscoa!

É um bolo tradicional das terras dourienses, aquele bolo para o chá da tarde de Domingo de Páscoa enquanto se espera pelo Compasso e em que o aroma das ruas cobertas de flores, alecrim e rosmaninho no anunciam que a Primavera está aí…

Como fazer?

4. Ordene as Palavras: a) Cubos; b) Saquetas; c) Janela; d) Açúcar. 6 1 8 5. Soma Perfeita: 7 5 3

Como fazer?

Leve a ferver o açúcar com a água durante 10 minutos. Retire do lume e deixe arrefecer um pouco, verta sobre as gemas e mexa bem com as varas e leve de novo ao lume a engrossar até obter ponto de estrada. Corte 3 rectângulos iguais de bolo , recheie e cubra com os ovos moles e polvilhe com amêndoas palitada torrada. ◘

A.: D. Ant. Ferreira Gomes Ano: 2009 | N. Pág.: 174

André Sardet apresentou “Mundo em Cartão” no Coliseu do Porto, a 14/03, tendo o JV oferecido bilhetes, fruto da campanha lançada. O músico, no fim, falou com o JV e deixou dedicatória... JV - O que te vai na alma, depois deste concerto em que elogias, novamente, o Porto? AS - A reacção tem a ver com a forma como fui recebido. O público deu-me grande energia no início e eu retribuí a essa energia. A sala estava cheia! JV - É só por causa dessa energia que gostas de vir cá ou há algo mais? AS - Tenho agora dois concertos de grande memória: em 2/02/2007 e hoje. Sinto muito este calor e participação das pessoas portuenses. JV - Cerca dum terço do público era constituído por crianças. Isto fazte sentir de novo criança? AS - Sempre disse que este álbum é transversal e não só infantil. Acho que há músicas que dizem mais aos pais do que aos filhos. O público torna-se assim muito familiar. JV - Qual é a tua grande preocupação neste projecto? Parece haver aqui uma tónica pedagógica de desfazer preconceitos… AS - As músicas foram feitas no meio de muitas experiências lá em casa e, tal como todos os pais e filhos, a minha filha falou-me duma menina lá da escola que não tinha a pele branca. Eu tive de lhe falar sobre o assunto e outros presentes neste álbum. Não há a tentativa de passar mensagens, mas a partilha de histórias pessoais e verdadeiras.

- É e/ou foi muito exigente? AS - É tão exigente como o pai, daí que ficaram muitas músicas de fora. ◘ JV

- 500 gr de açúcar - 15 gemas - 2,5 dl de água.

Ed.: ALETHEIA

Sardet (en)cantou!

JV - Foi ela a primeira grande ouvinte? Foi com ela a tua estreia? AS - Foi ela quem seleccionou as músicas, quem me dizia ‘gosto’ ou ‘não gosto’ e eu fazia ou não fazia.

Ovos moles

Num momento em que se ultimam os preparativos para a canonização do Santo Condestável, a reedição da estreia literária (1931) de D. António Ferreira Gomes, dramatizando a vida de Nun’Álvares Pereira, o chefe militar que desempenhou um papel fundamental na luta contra Castela. Tornado carmelita em 1423, após a morte de sua mulher, Beato Nuno de Santa Maria, como também ficou conhecido, recebeu mesmo aí a visita de D. João I, o amigo próximo que o nomeou Condestável em agradecimento ao auxílio precioso prestado nesse combate. Esta obra coordenada pela Fundação SPES, apresenta introdução de G. d’Oliveira Martins. ◘

ARR

“ Ta mbo res na noite”, uma peça da juventude de Bertold Brecht, então ainda não enfileirado na ortodoxia marxista, encenada pelo novo director do Teatro Nacional de S. João, Nuno Carinhas, para ver entre 20 de Março e 26 de Abril. Trata-se de uma comédia que conta a história de um herói falhado que vindo da guerra, entusiasma-se pelos ideais socialistas, mas acaba por sacrificá-los, de novo sem heroísmo, em nome do amor. Promete.

11

Ed.: DOM QUIXOTE A.: Ant. Lobo Antunes Ano: 2008 | N. Pág.: 263

Começamos por uma casa, pelo sentimento uma força em exercício, um poder que vem de há muito tempo, quando essa casa era igual mas era uma herdade, um latifúndio, quando nada faltava – a família, as empregadas na cozinha, o feitor, os campos, a vila ao fundo, e a voz do avô a comandar o mundo. (…) A herdade foi tirada ao autista, e a doença (de quem?) é um arquipélago branco nas radiografias dos outros, um arquipélago normal, inocente. Estão todos mortos ou estão todos a sonhar e trocaram de sonhos, como se pudéssemos trocar de sonhos. De qualquer forma, sabemos que daqui a nada será manhã – mas aquilo que se disse ainda se ouve lá dentro. ◘


ANO I | N.4

Mário Soares esteve no Porto a 1/04, num debate com D. Manuel (que foi elogiado pelo ex-Chefe de Estado), e reconheceu ser homem de esperança. ◘

destaques

Abril 2009

AVULSO: €1,40

ASSINATURA: € 14

|

PARANHOS - PORTO

ARR

12

VERITAS COGITUM

NUM ÁPICE POR… Rui Rio Presidente da Câmara do Porto

>> II) Para si, qual o paranho de Paranhos? RR - O Pólo Universitário, fonte de prestígio nacional e internacional.

>> V) Breve mensagem aos nossos leitores... RR – O actual Executivo olha a cidade como um todo, apostando na coesão social e reabilitação da cidade,

ARR

>> III) Oportunidades e ameaças da Paróquia paranhense... RR – Oportunidades de crescimento e importância de uma paróquia que se quer jovem e dinâmica.

>> IV) Que S. Veríssimo (Padroeiro) e como sê-lo no nosso tempo? RR – Frontal, determinado, com medidas concretas e que tragam mais bemestar às populações.

nas áreas do edificado, animação e reabilitação dos seus edifícios emblemáticos. Estas prioridades são igualmente acompanhadas de importantes intervenções nos mais variados sectores, como a Educação, Ambiente e arranjo e manutenção da Via Pública. No caso concreto de Paranhos, a freguesia vai ser agora beneficiada com um “novo” Parque Urbano – a Quinta do Covelo – que se pretende seja um local para toda a família, mas, sobretudo, para os mais novos. Esperamos que esta nova área verde, com abertura marcada para breve, seja do agrado de todos. ◘

ARR

>> I) Porto, porta(l) e pórtico de quê? RR – Cidade ancestral, que se afirma todos os dias pela sua capacidade empreendedora e imagem de marca de uma região.

MEMORIAL

ARR

Recordar a vivência em Paranhos, na década dos anos 30, é uma lembrança tão diferente do presente que quase não parece verdadeira.

A

De Paranhos fazia parte uma zona mais urbana, a sul da igreja e

A

parte sul mais povoada, pois vinha crescendo a partir do centro da cidade e servida já de transporte público, o eléctrico.

E

stas casas bastantes grandes, para além de habitações, possuíam também instalações necessárias para os animais: bois, vacas, cavalos, aves para trabalho

A parte rural, muito característica por núcleos: Lamas, Aval de Cima e Aval de Baixo, Asprela, Azenha, Regado, Ameal, onde se encontravam as casas da lavoura a quem pertenciam os terrenos abrangidos até à circunvalação e cultivadas pelos mesmos proprietários.

Amélia Vieira

Freguesia e Paróquia abrangiam o mesmo território, o que hoje não acontece posto que a freguesia mantém-se, mas a paróquia diminuiu. Não no número de habitantes mas na extensão de território, visto que várias partes passaram a pertencer a novas paróquias como: Areosa, Senhora da Conceição, Carvalhido e Ameal.

uma mais rústica a norte da mesma.

de recolha e amanho e guarda dos produtos da terra. Possuíam ainda espaço

DATA 9 Abr.

para albergar o pessoal que vinha de aldeias próximas ou mesmo longínquas. Este, além de alojamento, tinha alimentação e lavagem de roupa. Vindo para trabalhos de lavoura, passando algum

tempo e chegados à hora de constituir família, procuraram também emprego ou na construção civil ou nos serviços públicos. ◘

Maria Cândida

AGENDA | ACTIVIDADES In. Tríduo Pascal:

Eucaristia - Ceia do Senhor, Cripta: 19h15

10 Abr.

Laudes, Igreja: 10h | Paixão do Senhor, Cripta: 19h15

11 Abr.

Sáb. St.:

12 Abr.

Dia PÁSCOA: Eucaristias, Igreja: 8h30; 12h30 e 19h

12 Abr.

Compasso /Vis.Pascal, Área paroquial: 9h30 - 12h30

14 Abr.

3.ª Reunião de Casais Jovens, Centro Pastoral: 21h30

16 Abr.

Reunião de Catequistas, Centro Pastoral: 21h30

18 Abr.

Conferência JV com Dom Duarte Pio, na UCP: 15h

20 Abr.

4.ª Sessão -Jornadas Paulinas JV, Centro Pastoral: 21h10

23 Abr.

Adoração Eucarística ‘Rogai’ pelas Vocações: 21h - 22h

1-2 Maio

Peregrinação a Santiago de Compostela e Covadonga

Laudes, Igreja: 10h | Vigília Pascal, Cripta: 22h


Abril 2009