Issuu on Google+

Ano XXII • Ed 249 • Fevereiro 2014 • www.diocesevaladares.com.br

PÁGINA 7

ordenação pe. celino Nossa Diocese iniciou o ano com uma grande notícia para toda a comunidade. O então diácono Celino Alves Ferreira, recebeu o Sacramento da Ordem em seu segundo nível e se tornou sacerdote da nossa diocese. No dia seguinte à solenidade, padre Celino celebrou, pela primeira vez, o Santo Sacrifício.

cristo, nosso tudo

PÁGINA 3

“Bendito sejais, ó Pai, que nos abençoastes, em Cristo, com todas as bênçãos espirituais”(Ef1,3).

campanha de solidariedade

Ajude e apoie essa campanha em favor dos atingidos pelas enchentes. PÁGINA 3

cidade dos meninos Esta poderia ser a grande motivação para podermos caminhar ao longo deste mês de fevereiro. Um mês já se passou! Somos convidados a renovar as nossas motivações e perceber essa graça de Deus presente em nós e, com ela, acolhermos Jesus, Verbo encarnado, em nossa realidade humana, “Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem”. Como homem, Jesus é Caminho, é aquele que nos toma pela mão para nos reconduzir ou nos levar ao encontro do Pai. Ele é a fonte da nossa vida porque recebeu do Pai a Plenitude da graça e a cada um de nós a oferece. É Ele o Mestre que nos ensina o caminho para irmos a Deus.

É Jesus, também, nosso fim. Jesus é o Verbo encarnado e como Verbo é, em tudo, igual ao Pai e ao Espírito Santo. Como o Pai e o Espírito Santo é, pois, Jesus o nosso princípio, o Criador de quem procede qualquer vida natural e sobrenatural. E sendo nosso princípio, é também nosso fim último, nosso termo para o qual devemos tender pela fé, pelo amor, pelo serviço generoso e constante, para depois gozá-lo eternamente no céu junto com o Pai e o Espírito Santo. Que o próprio Deus nos dê a graça de vivermos e buscar sempre fazer a sua vontade. Um Fraterno abraço

Seja um colaborador neste belo projeto social da nossa cidade. PÁGINA 8

por que fazer teologia?

Paróquia de nossa cidade oferece curso de teologia para leigos. PÁGINA 14

De seus amigos:

13º intereclesial das cebs Dom werner siebenbrock - bispo diocesano

pe. gilberto faustino braz - ass. de comunicação

Fiéis de todo o Brasil participaram do evento em Juazeiro do Norte.


2 folha da boa nova

palavra do bispo Dom Werner Siebenbrock

IMACULADA

CONCEIÇÃO Milagres, ou seja, prodígios não explicáveis cientificamente, nunca faltaram na Igreja Católica, desde os tempos apostólicos até hoje. Só a igreja jamais chamou atenção a este fenômeno. Achou normal que Deus pudesse agir, ultrapassando as leis da natureza, quando é Sua Vontade. Além disso, sabemos que um milagre nunca poderá causar a fé, apenas fortificá-la ou aprofundá-la. Deus nunca se impõe, jamais obriga, deixa sempre espaço para o livre arbítrio da pessoa. Quem não quiser crer, não tiver boa vontade, nunca vai ter fé, mesmo vendo o maior milagre (c.f. Lc 16.19-31). Já Jesus Cristo e os apóstolos só realizavam milagres quando constatavam nas pessoas as condições necessárias: Fé, confiança, boa vontade. (cf. Mt 13,58, At. 14.9) “Ele tinha fé para ser curado”. O lugar no mundo, onde desde 1858 acontece o maior número de curas milagrosas, é Lourdes, na França. Como no dia 11 desde mês celebraremos a festa de Nossa Senhora de Lourdes, convém tocar resumidamente no assunto. No dia 25 de março de 1858, dia em que celebramos a Anunciação do Senhor, Nossa Senhora disse quem era: “EU SOU A IMACULADA CONCEIÇAO”. Sem entender que significavam estas palavras, Bernadete repetiu-as ao Pároco, lembrou que quatro anos antes, no dia 08 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX havia proclamado o Dogma da Imaculada Conceição. Desde o dia 11 de fevereiro até 16 de julho de 1858, a Virgem Maria tinha aparecido 18 vezes a Bernadette Soubirous, pequena pastora de 14 anos de idade, na gruta de Nassabielle. Com as palavras “Eu sou a Imaculada Conceição”, indicou que, em previsão dos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, ela foi concebida sem aquela ferida íntima que chamamos de “pecado original”, e se manteve fiel a este privilégio durante

EXPEDIENTE

toda a vida, sem mancha, sem ruga, sem pecado, ilesa, intacta, imaculada. A festa recorda-nos o triunfo de Maria sobre o mal, a serpente, da mulher revestida de sol do Apocalipse, o ideal da pessoa redimida. As mensagens de Nossa Senhora de Lourdes, de um modo geral, não acrescentam ensinamentos novos do Evangelho ou da doutrina cristã. Ajudam-nos a fortalecer a fé e a aumentar a nossa confiança em Jesus Cristo, apelam à conversão, à transformação de nossa vida, à vivencia do nosso Batismo, à vida de simplicidade, à realidade da Eucaristia. Mesmo com o fim das aparições, Lourdes continuou a receber peregrinos, tornando-se a maior santuário mariano do mundo, lugar onde aconteceu a maior número de milagres, cientificamente comprovados, por juntas médicas formadas por médicos e especialistas católicos e não católicos, que examinam as pessoas antes e depois de se dar o fato extraordinário. É interessante verificar, que a Comissão de médicos nãocatólicos aceita um número bem maior de curas milagrosas do que a comissão Católica que é mais severa no exame dos fatos. Desde os tempos apostólicos até hoje, a Igreja Católica nunca foi atrás de milagres para atestar sua origem divina. Sempre os tinha com freqüência e foi lenta em reconhecer um fato cientificamente não explicável como milagre. Já Jesus Cristo e os apóstolos só realizavam milagres quando constatavam nas pessoas as condições necessárias: Fé, confiança, boa vontade (cf. Mt 13, 58, At. 14.9). Que os sinais miraculosos de Lourdes não atraiam simplesmente a nossa curiosidade, mas nos ajudem a testar a nossa fé, a seguir o exemplo da Mãe de Deus, a testemunhar a presença de Deus no mundo atual.

Jornal da Diocese de Governador Valadares

produção e Contato comercial

Fundado em Março de 1993 Uma publicação mensal

Parresia Comunicação Católica

Diretor Responsável Dom Werner Franz Siebenbrock Bispo Diocesano de Governador Valadares

Assessor de Comunicação da Diocese Padre Gilberto Faustino Braz

Editor Geral

Ricardo de Araújo Gomes MTB 37387/SP

Rua Arthur Bernardes, 715 - Centro Governador Valadares - MG Fone: 3279.0073 www.agenciaparresia.com.br comercial@agenciaparresia.com.br

Administração Cúria Diocesana de Governador Valadares Av. Brasil, 2770 – Centro 35010-070 – Governador Valadares Fone: 33 3271.6056 www.diocesevaladares.com.br


folha da boa nova 3

Campanha da solidariedade

Queremos solicitar aos senhores apoio à Campanha de Solidariedade em favor dos atingidos pelas enchentes, de uma maneira especial, pelos moradores de Virgolândia, Aimorés, Jardim do Trevo e outras localidades. O objetivo da campanha é arrecadar recursos para a compra e doação de colchões para os atingidos (valor aproximado da unidade de um colchão de solteiro, R$ 220,00 – qualidade D33). Fraternalmente, Dom Werner (presidente honorário) e Pe. Francisco Vidal (presidente)

faça a sua doação e articule esta campanha na sua paróquia! ATENÇÃO: ENTREGAR O RECURSO ARRECADADO NA SECRETARIA PAROQUIAL E DEPOSITAR NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL – CÁRITAS DIOCESANA – AGÊNCIA 0116 CONTA CORRENTE 030000 1435 DÍGITO 0

na hora da compra, escolha vassouras “cidade dos meninos” Aumentar os recursos financeiros da entidade. É esta a proposta da Fábrica de Vassouras da Cidade dos Meninos, um empreendimento social e empresarial que atualmente produz cerca de 300 vassouras por dia. Porém, a instituição, que distribui seus produtos apenas dentro de Governador Valadares, faz hoje um apelo aos consumidores: na hora da compra, faça a opção pela vassoura produzida pela Cidade dos Meninos e contribua com a manutenção da entidade, que acolhe e assiste crianças e adolescentes carentes que sobrevivem, exclusivamente, da caridade. A qualidade das vassouras, produzidas artesanalmente, é um dos grandes atrativos do produto. “Não trabalhamos com material inferior, utilizamos piaçava de primeira categoria”, garante João Avelino, responsável pela produção. De acordo com ele, a venda varia de 3.500 a 4.000 vassouras por mês, quantidade que, segundo o produtor, pode ser considerada baixa se levada em conta a necessidade da entidade. Apesar disso, ele lembra logo que a fábrica foi reaberta (em agosto de 2012) só foram vendidas 51 vassouras no primeiro mês. Por ser de alta qualidade, o produto pretende ganhar espaço no mercado, com planos futuros para estender as vendas além do município.

HISTÓRIA A Cidade dos Meninos recebeu como doação do Sr. Luiz Chaves um jogo de maquinário para industrialização e fabricação de vassouras. O patrimônio era de propriedade da extinta ‘Pró Menor’. Durante cinco anos as Irmãs administraram a fábrica, porém, devido à preocupação com o cuidado às crianças, resolveram terceirizar a empresa, passando a ter como renda o aluguel do local. O contrato foi reincidido e, após organizarem a documentação, a fábrica voltou a todo vapor. A intenção da organização é trabalhar sempre as questões socioeconômicas, psicossociais e assistenciais. A fábrica beneficia, direta ou indiretamente, cerca de 280 famílias que vivem nos arredores da Cidade dos Meninos. No entanto, para colher os frutos do próprio trabalho, a Cidade conta com a colaboração das donas-de-casa _ que podem optar pela vassoura no ato da compra_ e da sociedade civil de um modo geral. Contribua você, também, com a cidade dos meninos Localidade: BR 116, Km 402 - GV/MG Contato: (33) 3221-1262


4 folha da boa nova

A Quaresma, neste ano de 2014, acontecerá logo no início do mês de Março. Algumas dúvidas sobre o período quaresmal são constantes. Antes de iniciarmos este santo período de penitência, o Jornal Folha da Boa Nova publica a resposta de algumas perguntas comuns que passam por nossa cabeça. O texto é um escrito do Padre Cristovam Lubel De onde vem a palavra “quaresma”?

Somente o tempo da Quaresma é tempo de conversão?

A Palavra “quaresma” vem da palavra “quarenta”, que é, por sua vez, uma referência a alguns fatos bíblicos que estão, simbolicamente, atrelados (ligados) ao número quarenta, como, por exemplo, os quarenta dias do dilúvio (cf. Gn 8,6), os quarenta dias de Moisés no Sinai (cf. Dt 9,9), os quarenta dias de Elias a caminho do monte Horeb (cf. 1Rs 19,8), os quarenta dias de Jonas (cf. Jn 3,4), os quarenta anos do povo de Deus no deserto (cf. Dt 2,7) e os quarenta dias de oração e penitência de Jesus (cf. Lc 4,1-2)

Não! Todos os dias são dias propícios à conversão! O tempo da quaresma é um tempo especial – e não exclusivo -, em que a Igreja convida os cristãos a fazerem um esforço concentrado para abrir-se a Deus e ao próximo, abandonando tudo o que é mal e acolhendo o que é bom e justo (cf. Ef 4, 17-23; Cl 3, 1-17; 1Pd 4,1-11)

O que, simbolicamente, significa o tempo “quarenta” (dias ou anos)?

O tempo da Quaresma é marcado como tempo penitencial porque, ao “olhar” com sinceridade para o nosso interior, descobrimos que muitos são os nossos pecados, a começar pelo pecado da omissão. Ao descobrir que pecamos, somos chamados a nos arrepender, a fazer o propósito de viver uma “vida nova”, a ir ao encontro de Deus e do outro para perdoarmos e sermos perdoados. A penitência – que é um sinal interno e externo de que estamos arrependidos do mal que praticamos – consiste num exercício de mudança de vida; é uma demonstração de que a nossa conversão não é de aparência – e portanto falsa -, mas que é autêntica, e visa uma vida nova, fundamentada na prática da justiça e da caridade.

O tempo denominado “quarenta” – dias ou anos – significa o tempo suficiente para que algo novo ou extraordinário se realize. É tempo de espera, de preparação, de “gestação” do novo, de arrumação, de renovação, de reconciliação, de reordenamento, de conversão. A Igreja sempre celebrou o tempo da Quaresma? Sim. De início, apenas com um tempo, não definido em dias, de preparação para a celebração da ressureição de Jesus. Depois, a partir do final do quarto século, a Quaresma começou a ser celebrada em “quarenta dias”, como a celebramos hoje. É interessante salientar, mais uma vez, que o número “quarenta” é simbólico, isto é, ele remete à idéia de um tempo especial, de uma oportunidade única, no ano itúrgico, de trocar o coração de pedra por um coração de carne (cf. Ez 36, 25-27). Assim sendo, “quarenta” dias se torna apenas uma referência de tempo, e não a observância de exatos quarenta dias. Mais vale o valor simbólico do que o tempo em dias. Quando começa e quando termina o tempo da quaresma? O tempo da Quaresma é iniciado com a quarta-feira de cinzas, e concluído com as celebrações da quinta-feira santa, ou aquelas que forem realizadas até a noite desse dia. A celebração da Ceia do Senhor, com o gesto do lava-pés, já não pertencem mais à quaresma; é o início do Tríduo pascal.

O que faz com que o tempo da quaresma seja caracterizado como um tempo penitencial?

Por que a Quaresma é tempo de oração? A Quaresma é tempo de oração porque somos chamados a deixar-nos amar por Deus e a amá-Lo; porque somos convidados a fazer a experiência de sermos por Ele acolhidos e de acolhê-lo. É tempo de intensificar a vida de oração para continuar a rezar, de todo o coração, durante todo o ano litúrgico. Ajudados e favorecidos pelo ambiente próprio da Quaresma, somos chamados para “mergulhar” em Deus, absorvendo Dele a misericórdia para depois, no dia-a-dia, partilhá-la com o próximo. O tempo da Quaresma é tempo de oração tanto pessoal como comunitária? Sim. A oração pessoal é necessária; a oração comunitária é indispensável. Assim sendo, não podemos dispersar nem uma


folha da boa nova 5 e nem outra. Ambas têm características que as individualizam, assim como ambas têm características que as unem. No centro das duas está a Missa, a “oração das orações”, em que o próprio Cristo reza em nós e por nós, oferecendo-se conosco ao Pai, no Espírito Santo. Por que a Quaresma é tempo de jejum? A Quaresma é tempo de jejum porque é tempo de procurar e encontrar o que é essencial à nossa vida: o próprio Deus! A privação pela qual passamos ao renunciar a algo legítimo nos remete do que é passageiro para o que é eterno, do que é superficial para o que é profundo, do que é criatura para Aquele que é o Criador. Ao jejuar, purificamos não somente o nosso corpo, mas também o espírito. E quanto menos apego e coisas houver em nosso coração, mais espaço terá Deus nele. O Jejum é também uma forma de abrir o coração para o próximo? Sim. Ao renunciar a bens desse mundo, nós entendemos que eles não são exclusivamente nossos, mas que devem ser partilhados com todos. O verdadeiro jejum é aquele que leva à conversão a Deus e ao próximo. Inclusive, ao sentir a falta que o alimento nos faz, por exemplo, nos sensibilizamos e nos solidarizamos com todos aqueles que, empobrecidos, vivem sem alimento digno durante todo o ano. Quem jejua, ao mesmo tempo em que desculpa o coração e o preenche “de” Deus, também o abre ao próximo, assistindo-o e promovendo-o. A Quaresma é preparação para a Páscoa? Sim. A Quaresma, além de ser um convite à conversão, é, também, um tempo de preparação para a Páscoa da Ressureição. Quem vive a Quaresma – e não apenas “passa” por ela – abre-se de uma forma única à grande alegria de celebrar a Ressureição de Jesus, garantia da ressureição de todos os homens e mulheres. Que ligação existe entre a Quaresma e a Campanha da Fraternidade? O tempo em que se celebra a Campanha da Fraternidade coincide, propositalmente, com o tempo da Quaresma. A Campanha é uma forma concreta de transformar a oração, o jejum e a esmola em partilha que conduz à justiça. Nesse sentido, a Campanha fortalece a decisão de quem se propõe a trocar o “coração de pedra” por um “coração de carne”.

Concluindo Com a palavra, São Paulo: “Renovai sem cessar o sentimento da vossa alma, e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade” (Ef. 4, 23-24).

ANUNCIE AQUI

3279.0073 COMERCIAL@AGENCIAPARRESIA.COM.BR


6 folha da boa nova

Sim!

“É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1)

Se por um lado as mãos acorrentadas e estendidas no cartaz da Campanha da Fraternidade de 2014 simbolizam a situação de dominação e exploração dos irmãos e irmãs traficados, por outro ele também nos convida a uma reflexão interior acerca das correntes que hoje nos detêm. Sob o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”, encontramos na mão que sustenta as correntes a força coercitiva do tráfico, que explora vítimas que estão distantes de sua terra, de sua família e de sua gente. Trata-se, portanto, de uma realidade que rompe com o projeto de vida baseado na liberdade e na paz, violando a dignidade e os direitos do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. As correntes rompidas e envoltas em luz revigoram a vida dolorosa das pessoas dominadas por esse crime e apontam para a esperança de liberdade. Nota-se que a maioria das pessoas traficadas é pobre ou está em situação de grande vulnerabilidade. Tais condições facilitam o aliciamento com enganosas promessas de uma vida mais digna. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ao tratar do tráfico humano, o consentimento não é importante para considerar alguém em situação de tráfico. “Há casos em que a vítima sabe da exploração que sofrerá e consente. Ainda nesta situação existe o crime e a vítima é protegida por lei,

oração da campanha da fraternidade 2014 Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados fazei que experimentem a libertação da cruz e a ressurreição de Jesus. Nós vos pedimos pelos que sofrem o flagelo do tráfico humano. Convertei-vos pela força do vosso espírito, e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos. Comprometidos na superação deste mal, vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo nosso Senhor. AMÉM!

Por Ana Paula Teixeira - agência parresia

pois, considera-se que neste caso o consentimento não é legítimo, por ferir a autonomia e a dignidade inerentes a todo ser humano”. Em síntese, as principais causas do tráfico humano são dinheiro, prazer e poder. Como ele é feito às escondidas, pouco sabemos sobre este assunto. É esta invisibilidade que é denunciada pela CF 2014, que pede à sociedade que esteja atenta à sua prática, que aprenda a identificá-la e, corajosamente, a denuncie. É válido aqui uma reflexão paralela, onde ressaltamos que, por diversas vezes, vemo-nos aprisionados pelas correntes provenientes de escolhas erradas, sentimentos doentios e práticas nada saudáveis. A boa notícia é que já sabemos quem tem a chave para nos libertar e livrar destas correntes e, assim, reescrever uma nova história: Jesus. “Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, porque Eu os aliviarei” (Mateus 11:28) Para denunciar o tráfico humano existem dois caminhos: o Disque 100 e o e-mail disquedenuncia@sedh.gov. br. A identidade do denunciante é mantida em sigilo pelo Ministério da Justiça.


folha da boa nova 7

Ordenação

Presbiteral Padre Celino Alves Ferreira

Iniciamos o ano de 2014 com uma grande graça providenciada por Deus. No dia 4 de janeiro nossa Diocese ganhou um novo padre. O então diácono Celino Alves Ferreira foi ordenado na Igreja Matriz da Paróquia São José de Conselheiro Pena. Dom Werner não pôde estar presente na ordenação, por isso, a Solene Eucaristia foi celebrada por Dom José Eudes da Diocese de Leopoldina. A celebração foi belíssima e contou com a participação da comunidade, de padres, diáconos e seminaristas da diocese. Fotos: Júlio Barcelos e Hércules Werneck

Primeira Missa No dia seguinte (05/01) padre Celino celebrou, pela primeira vez, o Santo Sacrifício. A comunidade de Conselheiro Pena se reuniu para louvar e bendizer a Deus junto com o mais novo padre da nossa Diocese. Fotos: Júlio Barcelos e Hércules Werneck


8 folha da boa nova

Por que fazer

teologia? Quando o assunto é formação bíblico-teológica, nos deparamos, frequentemente, com interrogações e dúvidas de muitos fiéis cristãos como as seguintes: por que fazer um curso de teologia se participo de grupos, pastorais e movimentos da minha comunidade? Em que um curso de teologia me ajudaria na vivência da fé? Eu necessito realmente de cursar teologia para ser um bom cristão? Teologia não deveria ser feita apenas por aqueles que se ingressam na vida religiosa, como é o caso dos padres e das irmãs? Minha salvação depende disso? Um curso de teologia não me faria perder a fé? Apesar de as dúvidas existirem, por outro lado, encontramos a abundância de cursos de iniciação teológica e de introdução à Palavra de Deus em muitas comunidades e paróquias, o que é ótimo sinal. Para aqueles, sobre os quais as dúvidas permanecem apresentamos a seguir algumas boas justificativas quanto ao valor da formação bíblico-teológica. Cursos de formação teológica, bíblica, pastoral, humanista e outros se tornaram “quase” obrigatoriedade na vida cristã, em razão, principalmente, das mudanças operadas na sociedade atual. Tais conhecimentos deixaram de ser exigência apenas das pessoas que se ingressam na vida religiosa para se tornarem exigência de todos. Na era da sociedade do conhecimento: celeridade e quantidade assombrosa de informações, multiplicidade de ofertas e outros, os fiéis cristãos sentem necessidade cada vez maior de sólida formação e de conhecimento das tradições, princípios e fundamentos que estruturam a fé cristã. Somos frequentemente desafiados

por costumes, práticas e valores da sociedade atual que se confrontam com os princípios cristãos e exigem-nos respostas coerentes com a vida e a tradição cristãs. Além disso, quanto mais quisermos oferecer um serviço de qualidade à Igreja, mais necessitamos de preparação e conhecimento. Cursos de teologia não salvam ou põem a perder ninguém, pois, a salvação pertence a Deus como oferta (dom) e ao ser humano como comprometimento (resposta) a Deus e ao ser humano no amor, como nos recorda são João “Nós amamos, porque ele nos amou primeiro” (1Jo 4,19). Apesar de não decidirem sobre a salvação ou sua perda, eles podem ajudar no processo de amadurecimento da fé, ou seja, de fazer aquela passagem de uma fé infantil (que se alimenta de leite) a uma fé adulta (que se saboreia de alimentos sólidos) como se justifica São Paulo escrevendo aos cristãos de Corinto “Eu vos alimentei com leite, não com alimento sólido, de acordo com a vossa capacidade” (1Cor 3,2); uma fé que lança suas redes em águas mais profundas, conforme o convite de Jesus. Para ser um bom cristão necessito realmente fazer um curso de teologia? De modo algum. Para sermos bons cristãos necessitamos de amar a Deus e nos comprometermos com nossos próximos. Cursos de teologia e formação bíblica são qualificações importantes que acrescentamos à nossa vivência cristã. Nem todos os fiéis devem ou estão em condições de fazê-los, eles se dirigem prioritariamente àqueles que lideram ou trabalham na formação de outros fiéis, como exemplo, catequis-

tas, líderes, ministros e outros. Por fim, os cursos de formação teológica e bíblica estão em comunhão com as orientações da Conferência de Aparecida e com as “Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 a 2015” (Documento 94 da CNBB). Este último documento estabeleceu cinco urgências a serem enfrentadas pela ação evangelizadora da Igreja. Entre elas está a urgência de fazer da Igreja lugar de animação bíblica da vida e da pastoral. Para corresponder a essa urgência a Igreja orienta a iniciativa dos cursos de formação teológica, bíblica, espiritual e pastoral, bem como de outras práticas que nos aproximem cada vez mais da Palavra de Deus e façam dela o centro de animação da vida cristã. Urge conhecermos os textos bíblicos e as tradições da Igreja. Faz-se necessário que nos aproximemos deles com o auxílio do Espírito Santo para nos fortalecermos espiritualmente e com o conhecimento teológico, para compreendermos o alcance, o significado e a contribuição de tais textos. Acima de tudo, conforme ressalta o teólogo Clodovis Boff, a teologia deve ser genuflexa, feita de joelhos dobrados. Aos que desejam serem iniciados na teologia a Escola Kefas de Teologia do Instituto de Missionários Leigos oferece um curso introdutório, noturno, de dois anos, com funcionamento às segundas, terças e quintas, a partir de 03 de fevereiro de 2014, na sede da Paróquia São José Operário, Diocese de Governador Valadares. Para mais informações, faça contato com o seguinte telefone: (33) 3272-4455.

ESCOLA KEFAS DE TEOLOGIA INSTITUTO DE MISSIONÁRIOS LEIGOS – FUNDAÇÃO DOM JOSÉ HELENO Rua João Lopes da Silva, 82 – Vila Bretas – Governador Valadares – MG Telefax: (33) 3272 - 4455


folha da boa nova 9

A dignidade humana Os temas bíblicos fundamentais da criação e da aliança, da encarnação e do discipulado nos ajudam a entender o sentido da vida humana. Eles são atemporais. Mas, porque os seres humanos sempre vivem numa época e numa cultura particulares, o discernimento do sentido da vida sempre é influenciado por esse mesmo tempo e essa cultura. Pode, pois, ser necessário, com a mudança do tempo e da cultura, encontrar novas formas de expressar a visão e as convicções religiosas a respeito da vida. O que era apropriado e útil na Idade Moderna pode exigir uma articulação diferente na virada do novo milênio. Devemos conservar essa visão bíblica em diálogo com nossa experiência contínua do mundo, com a ciência e a tecnologia e com todas as formas de novo conhecimento. O Concílio Vaticano II (1962-1965) é muito conhecido pelos seus esforços para interpretar os sinais dos tempos e reformular as verdades fundamentais do cristianismo. De modo especial, em sua Constituição pastoral sobre a Igreja e o mundo moderno, o Vaticano II apresentou uma “antropologia teológica”, isto é, uma descrição daquilo que significa ser, verdadeiramente humano, baseado nas Escrituras. “O povo de Deus crê que é guiado pelo Espirito do Senhor que enche o mundo inteiro. Levado por esta fé, ele procura discernir os verdadeiros sinais da presença e do propósito de Deus nos acontecimentos, as necessidades e os desejos que compartilha com toda a humanidade contemporânea. Pois a fé lança uma nova luz sobre tudo e torna conhecido o ideal pleno que Deus destinou para a humanidade, conduzindo assim a mente para as soluções que são plenamente humana”. A dignidade da pessoa proporciona a base para as respostas do documento às crises provenientes das mudanças profundas na cultura, na sociedade, na politica e na religião.

Essa dignidade se baseia em nossa criação a imagem de Deus, dignidade plenamente revelada em Jesus Cristo. O ser humano é essencialmente social, criado para uma comunhão interpessoal e para o conhecimento e o amor do Criador. O ser humano é uno, constituído de corpo e espírito. Possuindo inteligência e liberdade, a pessoa busca a sabedoria e a verdade, e é convidada pela consciência a amar o bem e evitar o mal. O documento reconhece o mal no mundo. Toda a vida humana, individual ou coletiva, está desenvolvida numa luta dramática entre o bem e o mal. Mas o pecado é vencido em Jesus Cristo. O ser humano é redimido por Cristo e se torna nova criatura: “A Igreja crê que Cristo, que morreu e ressuscitou por causa de todos, pode mostrar ao povo o caminho e fortalece-lo através do Espirito, de forma que se torne digno do seu destino... Da mesma forma, a Igreja crê que a chave, o centro e o fim de toda a história humana encontra-se em seu Senhor e Mestre... e esta é a razão por que o concílio, confiado na inspiração de Cristo, imagem do Deus invisível, primogênito de toda a criação, propõese a falar a todo o povo a fim de manifestar o ministério que é a humanidade e cooperar na solução dos principais problemas que enfrenta o mundo de hoje”. Neste discernimento do sentido da vida humana, a Igreja no mundo moderno pode, portanto, tratar dos temas específicos do matrimônio e da família, da vida social e econômica, da guerra e da paz. Com isso, o documento nos lembra que, a fim de responder à pergunta moral específica: “O que devo fazer?”, devemos nos fazer a pergunta anterior: “O que devemos ser?”

Pe.Vidal


10 folha da boa nova

Diácono José Luciano Gabriel A corrida da história nos coloca, cotidianamente, diante de uma diversidade de caminhos, alguns dos quais representam um distanciamento dos principais valores e objetivos que temos, outros, porém, indicam e levam ao alcance de nossas metas, além de favorecerem o cultivo de nossa essência. É necessário que saibamos nos perguntar sobre tais destinos, a fim de termos uma vida mais suave. O dinamismo é um modo eficiente para tratar com as encruzilhadas da vida. A pessoa dinâmica desenvolve condições para lidar com a diversidade e com as adversidades. A vida é dinâmica; a mudança é uma constante, por isso nós também precisamos mudar para não ficarmos anacrônicos. Quem não muda fica fora do compasso; perde o ritmo, sai do tom. A estagnação existencial gera a incompatibilidade entre o sujeito e as circunstâncias. A falta de flexibilidade inibe a visão de mundo e leva a pessoa a não perceber-se como parte de um processo complexo. Por outro lado, desde os antigos, existe o receio de aceitar a mutabilidade como única regra da existência, ou seja, o devir constante cria uma insuportável insegurança e conduz à inacessibilidade da essência do ser, logo, a saída é compreender que há algo que não muda e algo que muda; há uma dimensão do ente que precisa permanecer e outra que precisa mudar. O que não muda pode ser chamado de identidade, de essência, de núcleo da pessoa ou ser e pode ser definido, superficialmente, como o conjunto de características que permitem identificar a pessoa como sendo quem ela é; são os elementos

que fazem de cada pessoa alguém diferente das demais. Quanto à essência, o ideal é que cada um busque conhecer-se o suficiente para perceber aqueles pontos que constituem o núcleo de seu ser. Em relação a esses aspectos, deve haver um cuidado especial a fim de que a pessoa viva de modo coerente e estável. Para haver boa relação entre o imutável e o mutável, entre outras coisas, é fundamental que exista equilíbrio: mudar naqueles aspectos que nos colocam de frente com os avanços ou retrocessos típicos da história (pessoal ou coletiva) e manter fidelidade (a nós mesmos e aos outros) frente aos pontos que desafiam nossa identidade, nossos valores, nossa essência. Portanto, para permanecermos os mesmos precisamos mudar e devemos mudar para conseguirmos permanecer. Fazendo jus a dois grandes Filósofos Antigos (Heráclito e Parmênides), um homem não toma banho duas vezes no mesmo rio; mas para tomar banho outras vezes, necessariamente, há algo de permanente tanto no homem, como no rio. Podemos nos perguntar: que elementos são constitutivos de nossa essência? Quais são os valores e princípios que por estarem gravados em nosso ser, não podemos ignorar? E ainda: em que precisamos mudar? Quais são os comportamentos que devemos alterar para nos relacionarmos melhor com as pessoas e com o mundo? Blog: http://www.jlgabriel.blogspot.com/ e-mail: lugafap@yahoo.com.br


folha da boa nova 11

paróquia N. S. das graças gov. valadares

A Paróquia Nossa Senhora das Graças realizou a Semana de Formação Catequética, entre os dias 20 e 24 de janeiro. Durante os 5 dias, contou a participação de 170 catequistas, aproximadamente. Neste ano participaram, além dos nossos Catequistas, também, catequistas das Paróquias: Cristo Redentor, Santa Rosa de Lima, Nossa Senhora Aparecida, Imaculada Conceição e Catedral de Santo Antônio. Foram passadas formações com Pe. Carmelo, Pe. Fernando, Pe. Jésus (BH) e Rivelino Santiago. Com certeza, todos foram enriquecidos com as palestras que foram muito bem elaboradas pelos que ministraram. Contou com uma ótima equipe de apoio na acolhida, preparação do lanche e toda uma infra estrutura bem acolhedora. Tudo foi preparado com muito carinho. No domingo, dia 23, aconteceu o dia de lazer para os catequistas realizado em uma chácara. Foi um momento de entrosamento e partilha. A Paróquia agradece a presença de todos e deseja a realização de um bom trabalho catequético neste ano. Que Deus os ilumine. Paróquia Nossa Senhora das Graças.


12 folha da boa nova

paróquia catedral de Santo antônio gov. valadares

CENTRO DE CONVIVÊNCIA SÃO TARCÍSIO Centro de Convivência reiniciou suas atividades com muita coragem e esperança. Aconteceu a colônia de ferias e o encontro com jovens da escola de cidadania do CCST e Arte Planalto, um trabalho de integração da diocese de Governador Valadares.

PASTORAL FAMILIAR 2014 A Pastoral Familiar da Paróquia Santo Antônio reinicia sua missão evangelizadora neste ano de 2014. Em fevereiro será realizado o Encontro de Noivos, cuja inscrição deverá ser realizada na secretária da casa Paroquial. É importante os noivos buscarem este encontro pelo menos 6 meses antes da data de seu casamento, o encontro não é um curso onde os noivos saem formados para a vida a dois, mas sim uma oportunidade de ganho em conhecimento da vivencia da vida a dois segundo a luz do evangelho. No encontro será passada informações que irá despertar os noivos para a importância do ato do casamento (parte Civil) e do Sacramento do Matrimônio, e ainda partilhar com casais as experiências de vida matrimonial. Neste mês de fevereiro, em nossa primeira reunião, estaremos também iniciando os preparativos para o encontro de namorados que acontece no mês de março e se preparando para o nosso novo e difícil desafio que é o de realizar o primeiro EC, (Encontro com Cristo) no mês de abril, para pessoas que, por opção, estão vivendo só. Que Deus abençoe nosso ano de 2014. Que seja um ano de muitos bons frutos em nossas famílias.


folha da boa nova 13

paróquia N. s. de lourdes valadares gov. gov. valadares

Novena de Nossa Senhora

de Lourdes Com Nossa Senhora de Lourdes acolhemos Jesus, nossa alegria.

Neste mês de fevereiro temos a alegria de poder celebrar a festa de nossa padroeira. A festa da padroeira é um momento forte da caminhada paroquial, pois teremos a oportunidade de manifestar nossa fé, nosso amor a Deus, a Igreja e a Nossa Senhora de Lourdes, que tanto tem nos ajudado intercedendo junto ao seu Filho por nós. Festejar a padroeira de nossa paróquia tornou-se um mar-

co importante na vida comunitária. Ninguém melhor do que a Mãe para nos fazer participar da verdadeira alegria, que encontramos somente em seu Filho! “Conhecer a Jesus Cristo pela fé é nossa alegria; segui-Lo é uma graça, e transmitir este tesouro aos demais é uma tarefa que o Senhor nos confiou ao nos chamar e nos escolher. Com os olhos iluminados pela luz de Jesus Cristo”. (DAp, 18).

Venha participar conosco do encerramento da novena no dia 11/02: 18h30 - Reza do terço na Capela Espírito Santo 19h - Saída da procissão para Matriz. 19h30 - Missa festiva.

Grupo Novo Nosso grupo formou-se em outubro de 2013, quando aconteceu o Curso do PLC Jovem nos dias 18,19 e 20 do mesmo mês. O grupo juntou-se a outro já existente, e agora somos um novo grupo encontrando sua identidade no caminho da fé. Em dezembro de 2013, realizamos a nossa primeira Ação Social, por meio da qual ajudamos cerca de dez famílias carentes (com cestas básicas e uma tarde animada com teatro, lanche e brincadeiras para as crianças dessas famílias). Entendemos, por meio desta ação, que é necessário sairmos do nosso comodismo e ajudar, de alguma forma, quem realmente precisa. E como já disse, a nossa identidade enquanto grupo já começou a ser formada. Nos identificamos muito com a Ação Social e vamos dar continuidade, acompanhando essas famílias. Buscamos caminhar juntos, não como meros conhecidos, mas como amigos e irmãos: uma nova família se formou para que unidos sigamos o Caminho de Jesus Cristo. E com cada

um ajudando o outro vamos conseguir nos aproximar cada vez mais d'Ele. Vamos caminhando com uma só meta, com o mesmo objetivo, sem desviarmos o olhar, e sim, com os olhos fixos em Jesus. E é n'Ele que nos espelhamos e buscamos seguir os Seus passos em cada atividade e ação que realizamos, claro que com autenticidade, com um jeito jovem e moderno de ser, mas sempre pensando ''o que Jesus faria''. E este ano de 2014 será um ano de muito trabalho e de muita aprendizagem na nossa caminhada da Fé. E como nosso Papa Francisco mesmo disse: ''É necessário que não tenhamos medo de anunciar o Evangelho'.' E vamos seguindo assim, sem medo de servir, sem medo de anunciar o amor de Cristo por nós!

Por Anna Cecília / Marcus / Jessyca / Janine Assessores do Grupo Novo


14 folha da boa nova

13º Intereclesial das CEBs Justiça e profecia a serviço da Vida CEBs, Romeiras do Reino no campo e na cidade

Em atitude romeira, entre os dias 07 e 11 de janeiro de 2014, o povo das Comunidades Eclesiais de Base, de todos os cantos do Brasil, colocou-se a caminho em direção a Juazeiro do Norte, no sertão do Cariri, “coração alegre e forte do Nordeste” respondendo ao chamado da grande fogueira acesa pela Diocese de Crato-CE, convocando para o 13º Intereclesial. Participaram também do encontro representantes de Igrejas irmãs evangélicas e de outras religiões; também de toda a América Latina e Caribe, Europa, África e Ásia. Motivados pela alegria de também poder participar dos momentos celebrativos do Intereclesial, abertos às comunidades e de viver a experiência de romeiros e romeiras nas terras de missão do Pe. Ibiapina, do Pe. Cícero e Beato José Lourenço do Caldeirão, caravanas de romeiros das Dioceses de Leopoldina, Itabira-Fabriciano, Valadares e Teófilo Otoni, em número de 170, foram para Juazeiro do Norte. Durante as manhãs dos dias 8, 9 e 10, em sintonia com a programação do 13º Intereclesial, os romeiros participaram do Tríduo de Estudos ‘Religião e Política no Juazeiro do Pe. Cícero” no Memorial Pe. Cícero. Nós, romeiros, tivemos a alegria também de vivenciar a romaria ao Caldeirão do Beato José Lourenço, em Crato. O sítio foi cedido, sob indicação do Pe. Cícero, em 1926 ao Beato José Lourenço, que organizou o sítio Caldeirão, juntamente com sua família e romeiros, que fugiam da seca, num local de vivência comunitária e de organização social de produção. O lema da comunidade era: oração e trabalho. Porém, dez anos depois (1936), o Pe. Cícero já tinha falecido (1934), os moradores do Caldeirão foram vítimas de perseguição e tiveram que abandonar suas casas e o Caldeirão foi totalmente destruído. Na celebração de acolhida, Dom Fernando Panico, bispo de Crato, proclamou: “as CEBs são o jeito ‘normal’ da Igreja ser’, jeito normal de o povo de Deus responder no hoje a proposta de Jesus: ser comunidade a serviço da vida”. A mensagem do Papa Francisco – pela primeira vez um Papa fez referência ao encontro das CEBs - causou alegria a todos: “que as luzes do Espírito Santo lhes ajudem a viver com

renovado ardor missionário os compromissos do Evangelho de Jesus no seio da sociedade brasileira” (trecho da carta). Foi intensa a programação do encontro, com conferências, análise de conjuntura social e eclesial, debates, testemunhos, visitas missionárias às comunidades, famílias, projetos e algumas instituições. A celebração em memória dos profetas e mártires da fé, da vida, dos direitos humanos, da justiça, da terra e das águas realizada na colina do Horto (onde se ergue a gigantesca estátua do Pe. Cícero) foi marcada por muita espiritualidade e emoção. Na noite do dia 10 a alegria, a festa e a dança tomaram conta de todos – delegados e romeiros – no Encontro dos Artistas da Caminhada, na Igreja de São Francisco. Na Celebração Eucarística de envio dos delegados e delegadas às suas Dioceses, dia 11, na Basílica de Nª Sª das Dores, todos reafirmaram seu compromisso profético de ser CEBs: Romeiras do Reino, profetas da justiça que lutam pela vida, a serviço do bem-viver. O 14º Intereclesial, cuja data será definida na reunião da Equipe da Ampliada Nacional das CEBs em julho, acontecerá na Arquidiocese de Londrina- PR. Números do 13º Intereclesial das CEBs: Delegados: 4.036 Mulheres: 2.248 Homens: 1.788 Bispos: 72 Padres: 232 Religiosos (as): 146 Evangélicos: 20 Outras religiões: 35 Indígenas: 75 Estrangeiros: 36 Assessores / Ampliada: 68 Total (incluindo equipes de serviços e visitantes): 5.036 Para mais informações sobre o 13º Intereclesial acesse www.intereclesialcebs.org ANA DALVA MARTINS CEBs da Diocese de Gov. Valadares - (33)9907-3610 navatins@yahoo.com.br

Carta dos Bispos participantes do 13º Intereclesial de Comunidades Eclesiais de Base ao povo de Deus Irmãs e Irmãos, “Vós sois o sal da terra (...) Vós sois a luz do mundo” (Mt 5,13.14). Nós, bispos participantes do 13º Intereclesial de CEBs, em número de setenta e dois, como pastores do Povo de Deus, dirigimos nossa palavra a vocês participantes das Comunidades Eclesiais de Base com seus animadores e animadoras e demais irmãs e irmãos que assumem ministérios e outras responsabilidades. Em Juazeiro do Norte (CE), terra do Padre Cícero Romão Batista, na centenária diocese de Crato, nos encontramos com romeiros e romeiras, e com eles também nos fizemos romeiros do Reino. Acolhemos com muita a alegria a carta que o Papa Francisco enviou ao Bispo Diocesano, D. Fernando Pânico, trazendo a mensagem aos participantes do 13º intereclesial das CEBs e que foi lida na celebração de abertura.

Participamos das conferências, dos testemunhos no Ginásio poli-esportivo, denominado Caldeirão Beato José Lourenço; de debates e grupos em diversas escolas (ranchos e chapéus) situadas em diversas áreas das cidades de Juazeiro e do Crato; das visitas missionárias às famílias e a algumas instituições; da celebração em memória dos profetas e mártires da fé, da vida, dos direitos humanos, da justiça, da terra e das águas realizada no Horto onde se encontra a grande estátua de Pe. Cícero comungando com a causa dos pobres: povos indígenas, quilombolas, pescadores artesanais e demais sofredores e com a causa do ecumenismo na promoção da cultura da vida e da paz, do encontro. Tivemos também a grande alegria de participar da celebração eucarística de encerramento na Basílica de Nossa Senhora das Dores quando todos os presentes foram enviados para que no retorno às comunidades de origem possamos ser de fato sal da terra e luz do mundo. Estamos vendo como as CEBs estando enraizadas na Palavra de Deus, aí encontram luzes para levar adiante sua missão evan-


folha da boa nova 15 gelizadora vivenciando o que nos pede a todos o lema: “Justiça e Profecia a serviço da vida”. Desse modo, cada comunidade eclesial vai sendo sal da terra e luz do mundo animando os seus participantes a darem esse mesmo testemunho. Muito nos sensibilizaram os gritos dos excluídos que ecoaram neste 13º intereclesial: gritos de mulheres e jovens que sofrem com a violência e de tantas pessoas que sofrem as consequências do agronegócio, do desmatamento, da construção de hidrelétricas, da mineração, das obras da copa do mundo, da seca prolongada no nordeste, do tráfico humano, do trabalho escravo, das drogas, da falta de planejamento urbano que beneficie os bairros pobres; de um atendimento digno para a saúde... Sabemos dos muitos desafios que as comunidades enfrentam na área rural e nas áreas urbanas (centro e periferias). Nossa palavra é de esperança e de ânimo junto às comunidades eclesiais de base que, espalhadas por todo este Brasil, pelo continente latino-americano e caribenho e demais continentes representados no encontro, assumem a profecia e a luta por justiça a serviço da vida. Desejamos que sejam de modo muito claro e ainda mais forte comunidades guiadas pela Palavra de Deus, celebrantes do Mistério Pascal de Jesus Cristo,

Caldeirão Beato José Lourenço - Crato

comunidades acolhedoras, missionárias, atentas e abertas aos sinais da ação do Espírito de Deus, samaritanas e solidárias. Reconhecendo nas CEBs o jeito antigo e novo da Igreja ser, muito nos alegraram os sinais de profecia e de esperança presentes na Igreja e na sociedade, dos quais as CEBs se fazem sujeito. Que não se cansem de ser rosto da Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas e não de uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças, como nos exorta o querido Papa Francisco (cf. EG 49). Para tanto, reafirmamos, junto às Cebs, nosso empenho e compromisso de acompanhar, formar e contribuir na vivência de uma fé comprometida com a justiça e a profecia, alimentada pela Palavra de Deus, pelos sacramentos, numa Igreja missionária toda ministerial que valoriza e promove a vocação e a missão dos cristãos leigos (as), na comunhão. Com o coração cheio de gratidão e esperança, imploramos proteção materna da Virgem Mãe das Dores e das Alegrias. Juazeiro do Norte, 11 de janeiro de 2014, festa do Batismo do Senhor.

Caldeirão Beato José Lourenço - Crato

Celebração de envio

Celebração de envio

Celebração de envio

Celebração dos Mártires

Celebração dos Mártires

Celebração dos Mártires

Colina do Horto

Colina do Horto

Encontro dos Artistas da Caminhada


16 folha da boa nova

Osda Sobriedade 12 passos Cristã Os 12 Passos da Pastoral da Sobriedade são vivenciados, periódica e ciclicamente, traduzindo um Programa de Vida Nova que cumpre a primeira missão da Igreja: a evangelização. São eles: admitir, confiar, entregar, arrepender-se, confessar, renascer, reparar, professar a fé, orar e vigiar, servir, celebrar e festejar. Venha participar de nossas reuniões!

GRUPOS DE AUTOAJUDA DA PASTORAL DA SOBRIEDADE EM GOVERNADOR VALADARES SEGUNDA – FEIRA, às 19h30 Centro Pastoral da Igreja de Lourdes QUARTA – FEIRA, às 19h30 Paróquia Cristo Redentor – Grã Duquesa SEXTA – FEIRA, às 19h30 Catedral de Santo Antônio - Centro

Todas as quintas-feiras, às 15 horas, ao vivo, na TV RIO DOCE – canal 6 – Programa Missão Católica e Pastoral da Sobriedade (reprise às sextas-feiras, às 7h30min) Nossos telefones: (33)8424-6464 / 88096763

ATENÇÃO! Haverá curso de Formação e Capacitação para novos agentes da Pastoral da Sobriedade, em Governador Valadares, nos dias 14, 15 e 16 de março de 2014. Informações: bia270375@yahoo.com

Vicentinos da Diocese de Governador Valadares se preparam para Romaria Nacional por willerson soares - vicentino A Romaria Nacional dos Vicentinos a Aparecida, que é considerada o maior evento vicentino do mundo, já está na sua 44 edição. Neste ano será nos dias 05 e 06 de abril e tem como o tema: Missionários na Caridade. O Conselho Nacional do Brasil da Sociedade de São Vicente de Paulo (CNB/SSVP), que é o organizador da romaria, espera reunir um grande público, como em todos os anos. É um grande evento que agrega fé, arte, cultura, amizade, devoção e espiritualidade e onde é realizada a Festa Regulamentar em honra ao Bem-aventurado Antônio Frederico Ozanam. A expectativa é de que cerca de 200 Vicentinos da Diocese de Governador Valadares estejam presentes. A mobilização está sendo feita pelo Conselho Central de Governador Valadares, Conselho Central Rio Doce e Conselho Central de Conselheiro Pena. Você que tiver o interesse, junte-se aos vicentinos nessa romaria. Informações pelo telefone: (33) 3221-6076 – (33) 3277-8850 ou pessoalmente na Rua Marechal Deodoro, 53 – Centro Governador Valadares/MG.


folha da boa nova 17

Novena

Paróquia São Sebastião (Aimorés)

Com grande júbilo a paróquia São Sebastião (Aimorés/ MG) celebrou a novena em honra ao seu padroeiro. Com o tema “Somos chamados para a liberdade”, pudemos meditar, durante estes dias, principalmente sobre as prisões que o ser humano tende a fazer causadas pelo egoísmo, inveja, mentira e outros sentimentos impuros que, pela intercessão de São Sebastião, podem ser destruídos, pois, este santo martirizado, serve como torre indicadora para que possamos seguir o caminho de Jesus Cristo. Durante a novena os fieis puderam participar, todos os dias, da Santa Missa que foi presidida por diversos padres de nossa diocese, entre eles: Márcio, Euler, Felício, Plácido, Luiz Márcio e Elias. As comunidades vizinhas, e as que constituem esta paróquia, estiveram dinamizando as celebrações. Após as missas, no pátio da igreja, os fiéis se confraternizavam nas barraquinhas que vendiam diversas comidas típicas. Pe. Schneider, administrador paroquial da paróquia São Sebastião, no encerramento dos festejos em louvor ao santo padroeiro, agradeceu todas as pessoas que colaboraram para o acontecimento desta festa. Em seguida, a assembleia foi aspergida com água benta. A novena teve início no dia 10/01 e seu encerramento foi em 19/01 com Missa e procissão.

RCC - renocação carismática católica Nos dias 24 a 26 de janeiro todo nós, povo carismático, nos reunimos em Aparecida do Norte/SP para o ENF, Encontro Nacional de Formação, onde pudemos partilhar direcionamentos para o ano novo de 2014. Nossa Diocese enviou representantes para participar deste que é o maior encontro da RCC no Brasil. Em preparação para o Jubileu de Ouro da RCC no mundo, somos chamados a viver “Um Novo Pentecostes para uma Nova Evangelização!’’. Vem Espírito Santo! Este é o nosso clamor. É tempo de renovar o nosso sim a Jesus, entregando nossa vidas sem restrição. É tempo de nos comprometer com Evangelização. Papa Francisco já nos pede para irmos além das paredes dos nossos

Grupos de Oração. Pede para irmos ao encontro das almas sedentas por Deus. Bate em nós da Diocese de Governador Valadares o grande desejo de sermos instrumentos capacitados por Deus para, através de nossa identidade e fidelidade á Igreja, colaborarmos com a construção da tão sonhada Civilização do Amor. “Conservar a unidade do Espírito pelo vinculo da Paz’’ (Ef 4,3), este é o desejo de Deus para nós: um só rebanho, um só Pastor, uma só Fé. Convocamos a todos os nossos Grupos de Oração da Diocese de Governador Valadares a viver essa unidade. Vem Espírito Santo, enchei os corações dos nossos fieis, enviai Teu Santo Espírito e renovareis a face da terra.


18 folha da boa nova

Seminário Diocesano Nossa Senhora Auxiliadora

Calendário dos Encontros Vocacionais em 2014 A Diocese de Governador Valadares vem buscando atender as exigências pastorais e evangelizadoras da Igreja. Temos uma enorme Igreja para ser pastoreada, conduzida e acompanhada. Nesse contexto, surge cada vez mais a necessidade de sacerdotes formados que dediquem suas vidas e ministérios em favor do povo de Deus, bem como leigos firmes e comprometidos com o projeto do Reino de Deus. E quando faltam as vocações na Igreja? Ainda bem que nossa Diocese pode contar com o trabalho do Serviço de Animação Vocacional (SAV) que já atua há mais de 30 anos e tem como objetivos despertar, cultivar, zelar e acompanhar as vocações, sejam elas leiga, matrimonial, religiosa ou sacerdotal. São acompanhados pela equipe os jovens que desejam discernir sua verdadeira vocação. O Serviço de Animação Vocacional é coordenado pelo Padre Anderson José de Paula, reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora Auxiliadora, e conta com uma equipe formada por padres, religioso(a)s e leigo(a)s comprometidos em colaborar com o discernimento vocacional dos jovens. O trabalho de acompanhamento vocacional do SAV se dá por meio de encontros com temas e dinâmicas direcionados para o discernimento vocacional do acompanhado. Os encontros não são focados somente no despertar de vocações sacerdotais ou religiosas. Queremos ajudar as pessoas a descobrirem sua vocação, seja ela qual for. O primeiro encontro vocacional desse ano acontecerá no domingo, dia 16 de fevereiro, a partir das 8h da manhã, no Colégio Franciscano Imaculada Conceição. Você que deseja descobrir qual é o projeto de Deus para a sua vida, fique atento, pois Ele te chama a segui-Lo mais de perto como leigo (a), sacerdote ou religioso (a) engajado (a) no projeto de um Reino de paz e justiça, comprometido com o povo. Para participar dos encontros vocacionais, segue abaixo o

calendário com as datas dos encontros que serão sempre realizados no Colégio Franciscano Imaculada Conceição. 16 de Fevereiro / 16 de março/ 6 de Abril / 4 de Maio ( Vem e Segue me )/ 15 de Junho/ 17 de Agosto/21 de Setembro/ 19 de Outubro e Retiro Vocacional entre 15 a 17 de Novembro.

Para mais informações entre em contato com o Seminário Diocesano pelo telefone (33)3271-3450, ou pelo e-mail: seminarioauxiliadora@hotmail.com.

Ache-nos, também, na internet: seminarioauxiliadoragv.blogspot.com.br/ e www.facebook.com/seminario.senhoraauxiliadora.


folha da boa nova 19

Igreja no Brasil contribui com formação de docentes em Guiné Bissau Padre da nossa diocese, Nelito Dornelas, integrou equipe enviada para a África A Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB enviou uma equipe à diocese de Bafatá, em Guiné Bissau, para formação de professores das escolas da missão católica. A pedido do bispo local, dom Pedro Zilli, e da missionária brasileira, irmã Ana Lúcia dos Santos, o grupo ministrará, até o dia 09 de fevereiro, o curso de formação humana com objetivo de capacitar os educadores para um saudável relacionamento entre aluno e docente, por meio de técnicas psicopedagógicas. A equipe é formada por quatro membros: a assessora da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária, irmã Dirce Gomes da Silva; a religiosa do Instituto das Irmãs de Instrução Cristã de Maringá-PR, irmã Cleonice; a assistente social Márcia Muniz, de Remanso-BA, e o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, padre Nelito Dornelas. Segundo irmã Ana Lúcia, a e educação é um dos grandes desafios que o povo de Guiné Bissau enfrenta em meio à instabilidade social, política e econômica do país. “Essa formação vai despertar no professor o gosto para o ensino em sala de aula, contribuindo para autoestima, autoconhecimento e orientação para uma pedagogia do afeto”, comenta.

atos de governo

Para o padre Nelito Dornelas, colaborar com a formação de professores que se dedicam com grande amor à causa ficando até oito meses sem receber salário dos órgãos públicos e, mesmo assim, manter a serenidade e o compromisso com a educação “é um grande aprendizado e uma oportunidade para ajudá-los numa nova consciência de classe e transformação social”. O bispo de Bafatá, dom Pedro Zilli, considera a missão “uma valiosa ajuda à obra missionária que está sempre incompleta e, portanto, necessita de novas contribuições”. Dos professores locais, os missionários já recebem os agradecimentos. O docente Idrissa Djedjo agradeceu aos formadores “por terem disponibilizado os seus meios econômicos e pessoais que permitem a materialização desta formação”. A formação acontece nas regiões de Bafatá, Quinara e Tombalim, para um total de 181 professores. FONTE: CNBB



fevereiro-2014