Issuu on Google+

ANO XXIII – Nº 194

JULHO 2012

www.diocesedeosasco.com.br/bio

Procissão de Santo Antônio reúne 36 mil pessoas

Pág. 10

II Encom reúne comunicadores da diocese

Entrevista com IRMÃ ENÉDIA CALIMAN

Diocese participa de ato inter-religioso Pág. 7

Pág. 8

Pág. 3


PALAVRA DO PASTOR

Carta Apostólica “Porta Fidei”: ano da fé e comemoração dos 20 anos do catecismo da igreja católica

E

m outra ocasião já tratamos aqui sobre o Ano da Fé, os objetivos que deseja atingir e aquilo que se deve refletir para vivenciá-lo. Igualmente já refletimos sobre a Carta Apostólica “Porta Fidei” expondo uma síntese do seu conteúdo. Estamos nos preparando para abertura do Ano da Fé, por isso, desejamos retomá-la com novo subsídio para que sua abertura e desenvolvimento possa fazer crescer em nós a adesão a Jesus Cristo e à sua Igreja. Na 50ª Assembleia Geral da CNBB, em Aparecida – SP, rea­ lizada em abril de 2012, Dom Pedro Carlos Cipolini membro da Comissão Episcopal Pastoral para Doutrina da Fé apresentou, com o titulo acima, uma reflexão da qual desejamos publicar agora os dois primeiros itens, sendo que o terceiro apresentaremos posteriormente. Segue o texto de D. Cipolini. Preâmbulo

“Tem-se instalado em muitos um sentimento religioso vago e pouco comprometido com a vida; ou ainda várias formas de agnosticismo e de ateísmo prático, que redundam numa vida pessoal e social levada etsi Deus non daretur, como se Deus não existisse” (João Paulo II no Congresso Nacional da Igreja Italiana em 23. 11. 1995). À luz desta observação feita pelo Beato João Paulo II podemos compreender a necessidade e utilidade pastoral do Ano da Fé, anunciado pelo papa Bento XVI: tirar o “cansaço da fé” e tornar Deus presente neste mundo. O Ano da Fé irá de 11/10/2011 (50º aniversário de abertura do Vaticano II) a 30/11/2013 (Solenidade de Cristo Rei). A fé é elemento central no cristianismo, pois a pergunta sobre Deus se coloca juntamente com a questão da fé. O que é a fé? Ter fé hoje em dia? O que é ter fé, num mundo que não pergunta mais

2

sobre a verdade das coisas, mas pergunta sobre a utilidade das coisas? O mundo hoje pede fatos concretos, eficiência. A pessoa de fé, ao contrário confia naquilo que não é feito por ela, não é visível, confia naquilo que é dado por outro. A fé dá um sentido profundo à existência. Este sentido, porém, não pode ser construído pelo homem, mas recebido (é dom). Na fé eu recebo o que não pensei, por isso, a necessidade de ouvir, ouvir o que Deus revela: ouvir a Palavra de Deus. A noção cristã de fé é correlativa à noção de Palavra de Deus. A fé tem dois aspectos interligados: confiança pessoal em Deus e aceitação e obediência ao que Ele revela. A fé é a atitude de quem está plantado no chão sólido da Palavra de Deus (cf. J. Ratzinger, in Introdução ao Cristianismo, Loyola, SP, 2005, 2ª Ed., p.52). A Palavra se fez carne! Em Jesus Deus se manifestou, por isso nós cremos em um Tu, em uma pessoa. O sentido de tudo é Jesus, “autor e consumador da fé” (Hb 12,2). Assim a fé cristã distingue-se da opinião, da crença, da ideologia e também da religião. A fé cristã tem a ver com a verdade e o amor. O essencial da fé consiste na resposta confiante e no abandono a Deus que em Jesus Cristo veio até nós. O Concilio Vaticano II apresenta a fé cristã nestes termos: “A Deus que revela deve-se prestar a obediência da fé, pela qual o homem se entrega livre e to­ talmente, oferecendo a Deus re­velador, a submissão plena da inteligência e da vontade e dando voluntariamente assentimento à revelação feita por Ele” (Dei Ver­ bum n.5). A fé cristã, portanto, é atitude pessoal e livre, de entrega amorosa e confiante a Deus, a partir da aceitação da Revelação que é transmitida pela Palavra encarnada: Jesus Cristo. É importante notar que na teologia de Bento XVI está presente o tema da fé de forma notável. Ele enfatiza

de um lado a centralidade da fé e a necessidade de propô-la e de outro a crise de fé. Introdução

É antigo na Igreja o costume de se ter anos temáticos: Jubileus, Anos Santos, Anos Marianos, etc. O Papa João Paulo II ampliou tal costume. Recorde-se o jubileu do ano 2000 e sua preparação. Podemos auferir deste costume: a) o reavivamento da consciência eclesial a respeito de um aspecto da vida cristã, b) animação da ação evangelizadora das Igrejas locais, c) solidificação do sentido da comunhão universal dos fiéis. Já houve um Ano da Fé em 1967 proclamado por Paulo VI, a ele se refere Bento XVI na Carta Apostólica Porta Fidei, com a qual faz a indicação do Ano da Fé. Qual seria a intenção ou objetivo deste Ano da Fé? O Papa retoma o objetivo do Ano da Fé declarado por Paulo VI no 19º aniversário do martírio de S. Pedro e S. Paulo: “retomar a exata consciência da fé para reavivar, purificar, confirmar, confessar a fé” (Paulo VI, Exort. Apost. Petrum et Paulum Apostolos in AAS 59 (1967) 801). O Papa Bento XVI afirma: “os conteúdos essenciais (da fé) necessitam ser confirmados, compreendidos e aprofundados de maneira sempre nova para se dar testemunho coerente deles em condições históricas diversas das do passado”(Porta Fidei n 4) e ainda objetiva-se: “a profissão da verdadeira fé e sua reta interpretação”(Porta Fidei n. 5). O Papa anunciou sua intenção de convocar o Ano da Fé em 16 de outubro de 2011, na homilia da missa celebrada com os participantes da Congregação Plenária do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização: “Será um momento de graça e de compromisso para uma conversão a Deus cada vez mais completa, para fortalecer a nossa fé nele e para O anunciar com alegria ao homem

do nosso tempo” (Texto in www. vatican.va). No dia seguinte foi publicada a Carta Apostólica Porta Fidei, que fora assinada dia 11 de outubro. O Papa volta ao tema na sessão plenária da Congregação para a Doutrina da Fé, dia 27 de janeiro de 2012, ele explicita como a iniciativa do Ano da Fé responde ao desafio atual que ele considera crucial: a crise de fé: “Estamos diante de uma profunda crise de fé, de uma perda do sentido religioso, que constitui o maior desafio para a Igreja de hoje. A renovação da fé deve ser, portanto, a prioridade no compromisso de toda a Igreja nos nossos dias. Desejo que o Ano da Fé possa contribuir, com a colaboração cordial de todos os componentes do Povo de Deus, para tornar Deus novamente presente neste mundo e para abrir aos homens o acesso à fé, ao confiar-se àquele Deus que nos amou até o fim (cf. Jo 13,1), em Jesus Cristo crucificado e ressuscitado” (cf. texto in www.vatican.va). Em vista do Ano da Fé foi constituído um Comitê ligado à Congregação Para a Doutrina da Fé, a qual, com a colaboração de outros organismos da Santa Sé (Pontifício Conselho para a Nova Evangelização especialmente) elaborou um conjunto de indicações, intitulado Notas com indicações pastorais para o Ano da Fé (Nota)”. “Mencionada no número 12 da Porta Fidei, com a finalidade de oferecer indicações para viver

o Ano da fé nos moldes mais eficazes e apropriados, a Nota foi publicada dia 06 de janeiro de 2012”. O texto é dividido em duas partes: uma introdução e as indicações pastorais. A introdução retoma as características gerais do Ano da Fé já indicadas na Porta Fidei, ressaltando que ele quer contribuir para a) uma conversão renovada ao Senhor Jesus b) à redescoberta da fé, c) para que todos os membros da Igreja sejam testemunhas credíveis e alegres do Senhor res­suscitado. Na segunda parte apresenta os objetivos das indicações pastorais: favorecer o encontro com Cristo e solicitar a responsabilidade eclesial diante do convite do Santo Padre de viver o Ano da Fé como tempo de graça. As indicações são agrupadas em níveis: Igreja Universal; Conferências Episcopais; Dioceses; Paróquias; Comunidades; Associações e Mo­vimentos. A última indicação faz um apelo para que os fiéis comuniquem a própria experiência de fé e caridade, dialogando e sendo missionários em todas as direções e com todas as pessoas. (cf. indicação IV,10)”. Todos os diocesanos são convidados a meditar esse texto co­mo preparação para a abertura do Ano da Fé e assim, de modo esclarecido, acompanhar todas as atividades que se realizarão crescendo na fé e no testemunho cristão. Dom Ercílio Turco Bispo Diocesano de Osasco

Publicação do Boletim Informativo da Diocese de Osasco Distribuição Gratuita (12.000 Exemplares) Bispo Diocesano: Dom Ercílio Turco Coordenação e Editoração: Pe. Valdivino A. Gonçalves Colaboração: Irmã Leticia, Pe. Emerson Pedroso, Diácono Marcio José Pereira, Gil Ortiz, Cristiana Brito, Carol Gonzaga, Rogério Roque Revisão: Sem. Everton da Silva Albuquerque Editoração Eletrônica: Janio Luiz Malacarne Email: biodiocese@yahoo.com.br Cx. Postal: 56 – CEP: 06001-970 Impressão: PAULUS

 Julho 2012


ENTREVISTA

Irmã Enédia Caliman celebra jubileu de ouro de cursar a Faculdade de serviço Social em Ribeirão Preto. Retonei a Cachoeira de Itapemirim, assumindo a direção do Colégio Cristo Rei e depois fui para um bairro da periferia da mesma cidade, dedicando o tempo integral junto aos pobres e a comunidade eclesial na Evangelização. Nessa ocasião coordenei a pastoral vocacional da Diocese de Cachoeira de Itapemirim. Residi também em Tocantins, cidade de Jaú. Foi uma experiência missionária muito forte, onde pude experimentar com o povo a falta de hospital, de estrada, de energia nas comunidades rurais, de ponte, de meio de vida, etc. Mesmo com todos esses desafios, nós

I

rma Enédia Caliman pertence à Congregação das Irmãs de Jesus na Eucaristia e realiza seu trabalho pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Escada em Barueri Neste ano esta celebrando 50 anos de profissão religiosa. BIO: Irmã Enédia, quando e onde a senhora nasceu?

Nasci no dia 23 de maio de 1944, em Venda Nova do Imigrante, Espírito Santo, na região serrana e sul do Estado. É uma terra onde surgiram muitas vo­ cações. Era difícil ter uma família, que não tivesse um ou mais filhos religioso ou religiosa. Sou a quarta filha de 17 irmãos, 6 homens e 11 mulheres. Meus pais eram lavradores e descendentes de italianos. BIO: Como surgiu sua vocação?

Na minha família já havia muitos religiosos e religiosas Julho 2012

mais próximos. E nas férias, quando nos visitavam tínhamos a oportunidade de conhecer e conviver mais de perto.O que mais me motivou foram as visitas de uma Irmã na Escola onde eu estudava, o jeito dela falar, o conteúdo e principalmente sua alegria. Aos 14 anos, essa Irmã foi à minha casa e me convidou para ir com ela, logo aceitei e minha irmã mais velha, Marta, também quis ir comigo, fomos juntas. Naquela época não havia pastoral vocacional, as Congregações levavam as jovens ou adolescentes sem uma preparação adequada. Meus pais em nenhum momento se opuseram, pelo contrário, ficaram felizes e rezavam muito por nós. BIO: Onde a senhora iniciou sua vida religiosa?

Iniciei minha vida religiosa em Cachoeira de Itapemirim -ES, no Colégio Jesus Cristo Rei, local onde foi fundada minha Congregação, pela Madre Ger-

religiosas éramos a referência de esperança, coragem e principalmente na busca da formação humana, cristã e espiritual, pois, não havia padre na cidade. Atualmente estou trabalhando em Barueri, Paróquia de Nossa Senhora da Escada, com mais duas Irmãs, atuando na assessoria das pastorais, visitas e formação, em comunhão com o pároco, Padre Mauro Ferreira. BIO: Que mensagem a senhora deixa para as jovens?

Jovens, não tenham medo, deixem arder dentro de você o amor de Deus e respondam generosamente ao seu apelo (chamado).

trudes de são José, por quem tive o privilégio de ser recebida e com quem convivi na mesma casa por cinco anos, até 1962, ano em que ela faleceu e ocasião em que fiz meus primeiros votos. BIO: Em que lugares a senhora exerceu sua missão? E que tipos de atividades realizou?

Como juniorista (tempo dos primeiros votos) trabalhei em duas cidades bem no interior do Estado do Espírito Santo, na área de educação trabalhei muito com o Mobral além do ensino sistemático, na formação de lideranças comunitária, catequese e celebrações etc. Em Jaboticabal, São Paulo, trabalhei mais na área da promoção social. Coordenei a Casa da Criança, o Conselho das Entidades Assistenciais de Jaboticabal, na COHAB junto aos moradores das Casas Populares, Asilo, Associação das Domésticas. E onde tive a oportunidade

Congregação das Irmãs de Jesus na Eucaristia Você quer nos conhecer? Entre em contato conosco pelo endereço abaixo. Rua Pará, 132 - Nova Aldeinha - Barueri-SP Telefone: (11) 4193-8280 ou enediacaliman@yahoo.com.br Vinde e vede.

3


FORMAÇÃO LITÚRGICA

Sem o dia do Senhor não podemos viver

O

documento de Aparecida, que agora está se tornando cada vez mais conhecido entre os católicos, quando fala dos “lugares de encontro com Jesus Criso”, no capítulo VI, números 252 e 253, nos fala da importância de vivermos integralmente o Domingo, Dia do Senhor. “Entende-se a grande importância do preceito dominical de ‘viver segundo o domingo’, como necessidade interior do cristão, da família cristã, da comunidade paroquial. Sem uma participação ativa na celebração eucarística dominical e nas festas de preceito, não existirá um discípulo missionário maduro. Cada grande reforma na Igreja está vinculada ao redescobrimento da fé na Eu­ caristia. Por causa disso, é importante promover a ‘pastoral do domingo’ e dar a ela ‘prioridade nos programas pastorais’, para novo impulso na evangelização do povo de Deus no Continente latino-americano” (252). Sabemos, no entanto, que no Brasil mais de 70% das comunidades não podem participar de uma celebração eucarística domi-

4

nical, pois não têm um presbítero para presidi-la. Uma grande dor e um grande desafio que a Igreja tem dificuldade de responder. Essas milhares de pessoas, diz Aparecida, “também elas podem e devem viver ‘segundo o domingo’. Podem alimentar seu já admirável espírito missionário participando da ‘celebração dominical da Palavra’, que faz presente o Mistério Pascal no amor que congrega (cf. Jo 3,14), na Palavra acolhida (Jo 5, 24-25) e na oração comunitária (cf. Mt 18,20)”. Transcrevo uma parte da Homilia do Papa Bento XVI, proferida no dia 09 de setembro de 2007, na Catedral de Viena, Áustria. São palavras que podem nos ajudar a valorizar cada vez mais nossas celebrações dominicais. “Sem o dom do Senhor, sem o Dia do Senhor não podemos viver”: assim responderam no ano 304 alguns cristãos de Abitinia, atual Tunísia, quando, surpreendidos na celebração eucarística dominical, que estava proibida, foram conduzidos ante o juiz, que lhe perguntou por que, no

Domingo, haviam celebrado a liturgia, sabendo que isso implicava castigo de morte. Na palavra “domingo” estão enlaçados indissoluvelmente dois significados, cuja unidade devemos novamente aprender a perceber. Encontra-se sobretudo o dom do Senhor – este dom é Ele mesmo: o Ressuscitado, de cujo contato e proximidade os cristãos têm necessidade para serem eles mesmos. Este, no entanto, não é apenas um contato espiritual, interno, subjetivo: o encontro com o Se­nhor inscreve-se no tempo através de um dia preciso. E desta maneira inscreve-se em nossa existência concreta, corpórea e comunitária, que é temporalidade. Dá a nosso tempo e, portanto a nossa vida em seu conjunto, um centro, uma ordem interior. Para aqueles cristãos, a celebração eucarística dominical não era um preceito, mas uma necessidade interior. Sem Aquele que sustenta nossa vida com seu amor, a própria vida é vazia. Abandonar ou trair este centro tira da vida seu fundamento, sua dignidade interior e sua beleza. Essa atitude dos cristãos do século IV é válida também para nós, que temos necessidade de uma relação que nos sustente

e dê orientação e conteúdo a nossa vida. Também nós temos necessidade de contato com o Ressuscitado, que nos sustenta para além da morte. Temos necessidade deste encontro que nos reúne, que nos dá um espaço de liberdade, que nos faz olhar além do ativismo da vida diária o amor criador de Deus, do qual viemos e para o qual caminhamos. «Sem o Dia do Senhor não podemos viver». Sem o Senhor e o dia que Lhe pertence não se realiza uma vida bem conquistada. O Domingo, em nossas sociedades ocidentais, transformou-se em um fim de semana, em tempo livre. O tempo livre, especialmente na pressa do mundo moderno, certamente é uma coisa bela e necessária. Mas se o tempo livre não tem um centro interior, do qual provém uma orientação em seu conjunto, acaba por ser tempo vazio que não nos fortalece e descansa. O tempo livre precisa de um centro – o encontro com Aquele que é nossa origem e nossa meta. Lembro a frase do cardeal Faulhaber: «Dá à alma seu Domingo, dá ao Domingo sua alma». Precisamente porque no Domingo se trata em profundidade o encontro, na Palavra e no Sacramento, com o Cristo res-

suscitado, o alcance deste dia abraça a realidade inteira. Os primeiros cristãos celebraram o primeiro dia da semana como Dia do Senhor, porque era o dia da ressurreição. Contudo, muito logo a Igreja tomou consciência também do fato de que o primeiro dia da semana é o dia da manhã da criação, o dia no qual Deus disse «Faça-se a luz» (Gênesis 1, 3). Por isso, o Domingo é para a Igreja também a festa semanal da criação – a festa do agradecimento e da alegria pela criação de Deus. Em uma época na qual, por causa de nossas intervenções humanas, a criação parece exposta a múltiplos perigos, temos de acolher conscientemente inclusive esta dimensão do Domingo. Para a Igreja primitiva, o primeiro dia, depois, assimilou progressivamente também a herança do sétimo dia, o shabbat. Participamos do repouso de Deus, um repouso que abraça todos os homens. Assim percebemos neste dia um pouco de liberdade e da igualdade de todas as criaturas de Deus”. Que estas palavra de Bento XVI e do documento de Aparecida sejam estímulo para preparamos cada vez mais e melhor nossas celebrações dominicais. Fonte: Pe. Carlos Gustavo Haas

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos 1. Como estamos valorizando as celebrações dominicais em nossa comunidade? Elas são realmente o “ponto alto” da semana? 2. A celebração dominical tem ajudado a sermos “discípulos missionários maduros”? 3. O que poderemos fazer para melhorar ainda mais nossas celebrações dominicais?

Julho 2012


NOTÍCIAS

Missa reúne 1 milhão de pessoas no encerramento do Encontro Mundial das Famílias

N

o sábado, 2 de junho, foi organizado, no moderno estádio de futebol San Siro, sede

E

de duas importantes equipes da Itália, Milan e Inter de Milão, um grande encontro com aproxi-

madamente 80 mil crismandos. O papa Bento 16 os convidou à perseverança. No mesmo dia, à noite, aproximadamente 400 mil pessoas se dirigiram pelas ruas de Milão, a pé ou em alguns meios de transporte, para o aeroporto de Bresso, onde houve a Festa dos Testemunhos. Um palco montado para a ocasião, equipado com a tecnologia de TVs locais, animado com a presença de músicos e artistas, foi o local onde Bento XVI se encontrou com alguns casais, de várias partes do mundo, inclusive do Brasil.

No domingo, 3, como era anunciado pelos jornais e pelas auto­ ridades publicas, um milhão de pessoas participou da missa com o papa. A missa de encerramen­ to do 7º Encontro Mundial das Famílias começou as 10h e termi­ nou ao 12h. Como sempre, durante estes grandes eventos com a presença do sumo pontífice, havia muita alegria e emoção. O papa, ao atravessar quase todo o aeroporto para chegar no palco principal, onde estava o altar, parou varias vezes para abraçar e abençoar algumas crianças. Já no caminho para o aeroporto, muitas famílias jovens realiza-

vam o trajeto como uma pequena peregrinação. Os diversos países representados se destacavam ora pela participação direta de um de seus representantes durante a celebração, ora pela agitação das bandeiras, e finalmente, pelas reações à mensagem do papa em varias línguas. Ao final da missa, o papa Bento XVI anunciou a próxima cidade sede do Encontro Mundial das Famílias, em 2015, e a escolhida foi Filadélfia, nos Estados Unidos. Será a vez de promover o evento no Continente Americano. Fonte: CNBB

Bento XVI comenta os casos de divulgação ilícita de documentos vaticanos homem, apesar das dificulda­des e das provações, a Igreja é guiada pelo Espírito Santo e o Senhor nunca deixará faltar a sua ajuda para sustentá-la na sua estrada”. Bento XVI comentou ainda sobre o comportamento de alguns meios de comunicação: “Mul­t iplicaram-se as ilações, am­plificadas por alguns meios de comunicação, totalmente gratuitas, que foram muito além dos

m gesto de confiança e trans­ parência, Bento XVI falou no dia 30 de maio, durante a au­diência geral semanal, sobre a divulgação ilícita de documentos vaticanos que levou à detenção do seu mordomo. “Os acontecimentos dos últimos dias, a respeito da cúria e dos meus colaboradores, causaram tristeza ao meu coração, mas não se ofuscou nunca a firme certeza de que, apesar da fraqueza do

fatos, oferecendo uma imagem da Santa Sé que não corresponde à realidade”. Por último, o papa expressou o desejo de “renovar a minha confiança e o meu incentivo aos meus mais estreitos colaboradores e a todos aqueles que, cotidianamente, com fidelidade, com espírito de sacrifício e no silêncio, me ajudam no cumprimento do meu ministério”. Fonte: zenit.org

CEI na Irlanda: procissão eucarística nas ruas de Dublin

M

ilhares de pessoas participaram da procissão eucarística na noite de quarta-feira (13/06) ao redor da Royal Dublin Society, onde foi realizado o 50° Congresso Eucarístico Internacional (CEI 2012, 10-17 de junho). O cortejo desfilou pelas ruas da cidade entre orações, cantos, leituras do Evangelho e reflexões de Bento XVI, João Paulo II e do Card. Newman. Aberta com uma Cruz, seguida pelo sino e os ícones do Congresso, a procissão se ‘coloriu’ com a presença da Brigada dos jovens da Igreja da Irlanda,

Julho 2012

dos Escoteiros e Guias do país. Também participaram os membros da comunidade cristã indiana do rito sírio-malabarense residente na Irlanda. No centro da procissão, o ostensório foi levado à mão por quatro pessoas, seguidas por todos os bispos e cardeais presentes, pelos Cavaleiros do Papa, de Malta e do Santo Sepulcro. Padre Robert Mann, sacerdote de uma paróquia de Dublin, destacou que “a perda de sentido do sagrado, que está dominando a nossa sociedade, pode ser revista com este Congresso e com sinais

visíveis, como esta procissão. Precisamos de momentos semelhantes, em que caminhamos juntos e vivemos uma fé comunitária. Escondemos nossa fé durante muito tempo”. Muitos jovens participaram da procissão, e entre eles, Christopher O’Dweyr, 19 anos, que se disse entusiasta do Congresso e da procissão, porque “são uma grande expressão de fé; finalmente veem-se cristãos que não têm vergonha de mostrar publicamente sua crença”. Fonte: Rádio Vaticano

5


NOTÍCIAS

Pesquisa sobre a vida da Princesa Isabel para possível declaração de suas virtudes heroicas

C

erca de 80 mil documentos começaram a ser analisados, numa pesquisa que visa oferecer

à Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, subsídios para a abertura do processo de beatificação da Princesa Isabel (18461921). Dom Orani João Tempesta, Arcebispo Metropolitano do Rio, encarregou ao Prof. Hermes Rodrigues Nery a tarefa de traçar um primeiro perfil biográfico da piedosa e caridosa vida da princesa A “Suas opções e decisões es­ tavam pautadas no humanismo

integral, e deixou a melhor impressão de sua vida virtuosa em todos que conviveram com ela, tendo o respeito inclusive de seus adversários”, afirmou o Prof. Nery. “Houve na Princesa D. Isabel uma grande sintonia com a doutrina moral e social da Igreja, tão bem expressa pelo Papa Leão XIII, com quem ela se correspondia. E como São João Bosco (com quem ela se encontrou pessoalmente em

Milão, em 1880), um dos sinais evidentes de sua santidade foi como suas ações estiveram tão de acordo com o que a Igreja expõe em seu Magistério, e como as consequências destas ações foram tão benéficas para toda a sociedade.” Em dezembro de 2011, assessores do Vaticano estiveram com o Vigário Episcopal para a Vida Religiosa da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Dom Roberto Lopes,

OSB, o Prof. Hermes Rodrigues Nery e Dom Antonio de Orleans e Bragança, membro da Família Real, e receberam dados sobre a vida da Princesa Isabel que justificariam a abertura do processo em prol de sua beatificação. Foi solicitado então um primeiro retrato biográfico para viabilizar os procedimentos visando oficializar o processo. Fonte: Rádio Vaticano

Bispos debatem desafios urbanos

A

Arquidiocese de São Paulo promoveu na segunda-feira ( 21/05), o III Encontro de Bispos das Regiões Metropolitanas. Participaram 26 bispos de cidades como Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Santo André e Guarulhos. Segundo o

Arcebispo Metropolitano de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer esta foi “uma reunião para partilha de experiências e iniciativas”. Com o tema: “A transmissão da fé no contexto das metrópoles”, os bispos refletiram sobre os desafios enfrentados por eles em suas dioceses e arquidioceses. Dom Odilo disse ainda que “os temas são relacionados com a presença e a atuação da Igreja em contexto das grandes cidades, a evangelização e a transmissão da fé”. O arcebispo de Salvador

e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, afirmou que diante dos problemas das grandes metrópoles, é preciso que o povo tenha esperança, pois os “problemas já são muitos e se as pessoas não tiverem uma perspectiva de esperança vão desanimar”. Dom Murilo ressaltou, ainda, que é preciso mudar a mentalidade do cada um por si e Deus por todos, pois “a proposta de Deus é uma proposta de comunhão de solidariedade de aproximação. O cada um por si e Deus por todos é uma heresia. Deus está por todos, quando cada um está pelo irmão. Somos responsáveis pelo irmão”.

Para o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, com o aumento dos problemas urbanos, corre-se o risco de “não atingir as pessoas para educá-las na fé. É preciso repensar as posturas de evangelização, pois com as dificuldades cotidianas, não se prega a boa nova nem aos que vão a Igreja. E, muito menos, aos que ainda estão fora dela”. Dom Odilo ressaltou que, diante das ofertas das grandes cidades, entre as quais “muitas ofertas religiosas, não só da Igreja Católica, mas de todo tipo”, a Igreja deve buscar “novos modos de alcançar as pessoas”.

Cada cristão precisa estar atento ao testemunho no espaço social, público, cultural, mas também, “no espaço das misérias, da carência da cidade, da justiça e da educação”. O cardeal destacou que a Igreja tem uma identidade e um conteúdo de fé que lhe são próprios e sua missão é transmiti-los para toda a comunidade urbana, “para quem crê e para quem não crê”. O próximo encontro será em novembro, no Rio de Janeiro, e terá como temas centrais a juventude e os resultados do Sínodo sobre a Nova Evangelização que será realizado em Roma, em outubro. Fonte: domtotal.com

Rio+20: CNBB pede que mundo acorde para cuidado com Meio Ambiente

Q

ue o mundo acorde para a necessidade do cuidado do meio ambiente. Com este propósito, a Igreja Católica está presente na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e na Cúpula dos Povos,. No domingo, 17, a participação da Igreja foi apresen-

6

tada numa coletiva de imprensa organizada pela Conferência Na­cional dos Bispos do Brasil (CNBB), em parceria com a Arquidiocese do Rio e da Aliança Internacional de Agências Católicas de Desenvolvimento (CIDSE). No evento estavam presentes, entre outros, o representante do Papa na Rio+20, o Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer e o Observador Permanente da Santa Sé na ONU em Nova Iorque, Dom Francis Chullickatt. O mediador da coletiva foi o Secretário-Geral da CNBB, Dom Leornado Steiner, que explicou aos ouvintes do Programa Brasileiro o motivo

da presença da Igreja na Rio+20: “Trata-se de nós, como Igreja Católica, marcarmos uma presença na Rio+20, colocarmos o pensamento da Igreja Católica quanto ao cuidado do meio ambiente, da natureza, sermos uma presença também com outras entidades, outras pastorais, com as pastorais da sociais da Igreja Católica, para assim darmos também visibilidade a questões fundamentais, não apenas econômicas em relação ao meio ambiente, mas principalmente da relação com o meio ambiente.” Durante a coletiva, os membros da CIDSE divulgam uma

mensagem aos líderes mundiais que participam da Conferência da ONU. A finalidade da mensagem é incentivar ações em favor de um mundo mais justo e sustentável, em que “mulheres e homens reconheçam que são uma parte integral da criação, vivendo em harmonia e respeito, consigo e com os outros. A tarefa é urgente, porque construímos um mundo onde ainda demasiadas pessoas não têm alimentação, água e energia suficientes para viver com dignidade”. Os membros da CIDSE afirmam no texto que atuam diariamente com as pessoas em maiores dificuldades,

que estão cada vez mais vulneráveis às ameaças ambientais. A degradação “tem sido a origem de violentos conflitos no mundo inteiro e a luta pelos recursos naturais tornar-se-á ainda mais intensa nas gerações vindouras”. “Temos de assegurar que os resultados da Rio+20 sejam tão ambiciosos quanto possível. Como aliança internacional de 16 organizações membros e parceiros em todo o mundo, a CIDSE está intensificando esforços para alcançar um mundo mais justo e sustentável. A mudança também começa por nós.” Fonte: Rádio Vaticano

Julho 2012


NOTÍCIAS

Cresce o número de sacerdotes no mundo

E

m dez anos, de 2000 a 2010, o número dos sacerdotes diocesanos e religiosos no mundo aumentou: passou-se, de fato,

de 405 mil a 413 mil. A informação foi dada por Mons. Vittorio Formenti, diretor do Setor Estatístico do Vaticano, neste fim de semana durante o encontro italiano do Serra Internacional (associação de leigos que apoia as vocações sacerdotais) na cidade de Bari, no sudeste da Itália. Além deles, em toda a Igreja há mais de 35 mil diáconos per-

manentes, em sua grande maioria nos EUA, Canadá e América Latina. Com relação, depois, ao número dos sacerdotes que deixaram o ministério, este desceu para menos de 1000, enquanto 460 foram os sacerdotes que no ano passado pediram para serem reintegrados no ministério. Mons. Formenti sublinhou que estes números deixam claro um lento, mas constante crescimento. Fonte: Rádio Vaticano

“Fundamentos teológicos” foi o tema da Assembleia Diocesana

N

o dia 19 de maio, realizou-se no Colégio Misericórdia, a Assembleia Diocesana. O en­ contro foi assessorado pelo Pe. José Rocha Cavalcanti filho, CP da Paróquia da Imaculada /

Osasco – SP. A assembléia foi destinada aos padres, diáconos, seminaristas, propedeutas, congregações, casas religiosas, conselho diocesano de pastoral, conselhos das regiões­ pastorais e representantes das pastorais, movimentos e pa­ ró­quias. Foi um momento de comu­nhão e busca da vontade de Deus para os trabalhos pastorais e teve como tema central os “Fundamentos Teológicos da Missão e

sua realidade na dimensão ur­ bana”. Foram desenvolvidos assuntos relacionados à Espiritualidade Missionária e sua importância; destacando-se o fato de que missão privilegia o relacionamento humano. Também, durante o encontro, foi realizada a Análise de Conjuntura da Realidade Diocesana. A abertura da assembleia foi feita pelo bispo diocesano, Dom Ercílio Turco. Fonte: Meire Elaine Canal de Notícias

Datas comemorativas Natalícia JULHO 02/07

Pe. Sebastião dos Reis Miranda

03/07

Pe. Marcelo Pereira da Silva

05/07

Ir. Ivani de Oliveira, ism

05/07

Ir. Ana de Jesus, ocd

07/07

Ir. Margarida Dalle Grave, jbp

77

08/07

Pe. Everaldo Felix da Silva

42

14/07

Ir. Maria dos Anjos, ocd

33

16/07

Pe. Paulo Marcieca

61

16/07

Ir. Maria do Carmo Neves de F., fm

93

17/07

Pe. Raimundo Oto de Miranda

20/07

Ir. Lúcia Aparecida dos Santos, fma

20/07

Ir. Áurea Camargo, mjc

22/07

Ir. Helena do Coração de Maria,ocd

23/07

Mons. Claudemir José dos Santos

23/07

Pe. Paulo Ferreira Pimentel

24/07

Ir. Maria Enoé, cfnsm

25/07

Ir. Maria Aparecida Menzato, iascj

27/07

Pe. Alexandre Pessoa Gracia

28/07

Ir. Maria Gorete de Souza, fmm

60

30/07

Ir. Judite (Maria do Carmo Fernandes)

43

30/07

Pe. Daniel Bispo da Cruz

31/07

Pe. Valdirene Pereira dos Santos, fm

55

45

53 88

62 55 44 55

56 70

40

26 36

Ordenação ou profissão religiosa

01/07

Pe. João Carlos Pacchin

01/07

Pe. Vittorio Saraceno, ssp

39

50

Comunicadores de Osasco participam do II Encom

A

conteceu entre os dias 24 e 26 de maio o 2º ENCOM, o evento contou com a participação de membros das Pascom’s das paróquias e diversos comunicadores da região. Na sua programação, além das palestras, os participan-

Julho 2012

tes puderam desfrutar da Feira de Evangelização, do Espaço Informativo, Oficinas, encerrando o dia com uma agradável confraternização. O ENCOM, Encontro de Co­ municadores da Diocese de Osas­

co nasceu da proposta de Dom Ercílio de a Igreja Católica de Osasco se reunir com os comu­ ni­c adores das cidades tendo como objetivo estabelecer maior comunhão e participação. Através deste pedido a proposta foi trabalhada e ampliada pela Pascom Diocesana, através do grupo de assessoria de imprensa do Canal de Notícias. Para isto, foi escolhido o final de semana posterior ao da Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo, pois é nesta Solenidade que em todos os anos, a Igreja comemora o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

Este ano, o evento teve como palestrantes convidadas Edilma V. Oliveira, produtora da TV Canção Nova, a diretora da Rádio América, Canção Nova em São Paulo, Elaine Gomes e a irmã Helena Corazza diretora do Serviço à Pastoral da Comunicação do Sepac. Durante os dias do encontro tivemos a exposição de livros e produtos católicos, na Feira de Evangelização das livrarias Canção Nova, Paulinas e da Radio Milícia da Imaculada. Já no Espaço Informativo os meios de comunicação puderam expor e apresentar seus materiais de trabalho.

No sábado, dia 26, foram realizadas as oficinas técnicas: fotografia – Aloísio Mauricio, produção e edição de Podcasts – Cadú, locução de rádio – Gil, Radio Milícia da Imaculada, textos para blogs e sites – Rogério Roque. E mais, dois grandes lançamentos o livro O homem, Deus e a Religião, de Carlos Eduardo Campos (Cadú) do blog Dominus Vobiscum e o Blog Oficial do Encom www.encomosasco.wordpress. com, onde os evangelizadores e comunicadores católicos poderão trocar suas experiências. Fonte: Meire Elaine Canal de Notícias

7


NOTÍCIAS

Festividade de Nossa Senhora de Fátima – Jd. Piratininga

A

semana de 07 a 13/05 foi de muita alegria para a Comuni-

dade Nossa Senhora de Fátima da paróquia Nossa Senhora Apareci-

da do Jd. Piratininga. Durante a semana vários eventos marcaram

os festejos de sua Padroeira fortalecendo ainda mais os laços de união e fé da comunidade. Na quinta-feira (10/05) iniciouse o Tríduo de Orações com Ex­posição do Santíssimo e culminando com a Benção para as enfermidades físicas, mentais e emocionais. No segundo dia do Tríduo ti­vemos a Benção para a libertação dos vícios e no terceiro dia a Benção a todos os cuidadores pastorais e profissionais de saúde. O domingo (13/05), dia da Padroeira, começou logo cedo com a Alvorada às 6h da manhã,

seguida da Reza do Rosário e de um delicioso Café da Manhã. Às 17h foi celebrada a Santa Missa em homenagem à Padroei­ra , presidida pelo Pároco Pe. Rogério Lemos, seguida da co­ roa­ção de Nossa Senhora do Ro­sário de Fátima e de Procissão Luminosa. A Procissão Luminosa percorreu as principais ruas do bairro do Jardim Piratininga e encerrou-se na Igreja Nossa Senhora do Rosário de Fátima com homenagens à Santa Padroeira. Fonte: José Geraldo S. Neto Pascom Paroquial

Grande encontro do ECC

N

graças. Nossos palestrantes deixaram para os casais esta certeza de que a família precisa sempre de si alimentar dos frutos e dons do Espírito Santo como igreja doméstica e ao mesmo tempo chamada para evangelizar. Nossos pregadores foram Diácono Alexandre, com o tema, igreja doméstica, Pe. Henrique; igreja

o dia 27/05 deste ano aconteceu o 2º Encontrão do ECC. 1ª, 2ª e 3ª etapa com o tema: Família, comunidade de vida e amor no Colégio Educandário. Tivemos uma presença aproximada de 250 casais. O encontro com certeza foi uma grande bênção de Deus, uma experiência grandiosa do Espírito Santo de Deus, um dia de muitas

atenta a família e Pe. Jorge; Família em estado permanente de missão. Procuramos nos aprofundar dentro dos objetivos e do 7º plano de pastoral da Diocese de Osasco. Na celebração Eucarística estavam presente o Pe. Oto, Pe. Alexandre e Pe. José Ailton que coordenou todo o encontro e encerrou com a Santa Missa.

Diocese de Osasco presente em ato inter-religioso na mostra da cultura judaica em Barueri

O

evento foi realizado entre os dias 15 e 16 de junho, com música, dança, artesanato e culinária promovido pelo Centro Cultural e Social Judaico Bnei Chalutzim de Alphaville que, desta vez, uniu-se ao Instituto da

8

Música Judaica. Houve também exposição de artesanato, degustação de comidas típicas judaicas, apresentação de música. O objetivo foi valorizar as di­ ferenças e celebrar tudo aquilo que se tem em comum e levar

mensagem de paz ao mundo. O evento teve início, às 18 horas, com o plantio de uma oliveira, árvore que simboliza a paz, na Praça das Bandeiras de Barueri, e contou com a presença do Padre Mauro Ferreira (Coordenador

das Pastorais Sociais e Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Escada - Diocese de Osasco), do Padre José Bizon (Mestre em ecumenismo e membro de diversas comissões para o diálogo inter-religioso), do Consul de Israel Ilan Sztulman, do Rabino Alexandre Leoni, do Sheik Mulçumano Houssam Ahmad El-Boustani, do prefeito Rubens Furlan, do secretário de Cultura de Barueri Getúlio F. Azevedo e do presidente do Centro Cultural Judaico Bnei Chalutzim, Luis Angel Eretzky. Na sequência, houve a apresentação da Banda da Guarda Municipal ao som de Imagine, de John Lennon, durante o plantio. Em seguida, foi realizado um Cabalat Shabat no Teatro Municipal de Barueri.

Na cerimônia do Cabalat Shabat, foi possível entrar em contato com a riquíssima e belíssima cultura judaica. O Rabino sempre introduzia os hinos de louvor ou preces com palavras de esperança e paz, assim como os representantes das demais religiões, tudo permeado de alegria, fé e esperança. Houve também comidas típicas, músicas folclóricas e artesanato produzido pela comunidade judaica. Durante seu discurso, Pe. Mauro Ferreira ressaltou os laços culturais que unem a fé católica á judaica e terminou dizendo: “Sonho em que num dia todas as divisões sejam superadas, toda violência religiosa, ou não, seja banida. Que os povos e culturas se deem as mãos e que se estabeleça a paz verdadeira entre os filhos de Deus”.

Julho 2012


NOTÍCIAS

Novo pároco da Paróquia de N. S. Do Carmo e S. Cristóvão

O

dia 15 de abril foi um dia importante para a Paróquia Nossa Senhora do Carmo e São Cristóvão. Às dez horas da manhã iniciou a celebração da missa de posse do segundo pároco, Pe. Paulo Mercieca. A celebração foi presidida por Dom Ercílio Turco

e contou com a presença de Pe. Odair, coordenador da Região Pastoral Cotia, Pe. Everaldo, pá­roco da paróquia de N. S. Imaculada Conceição de Caucaia do Alto e os seminaristas Rodrigo, Denis e Jeferson. Também estiveram presentes representantes das

paróquias de Mairinque , Caucaia do Alto , Cotia e de São Roque As palavras Dom Ercílio, foram bastante animadoras para a missão nesta paróquia tão bonita por natureza mas tão necessitada da ajuda da diocese e das autoridades municipais. Convidamos a participarem conosco da festa de N.S. Carmo, nossa padroeira, aos 14 de julho às 17h É fácil chegar! Entrem pelo Km 39 da Raposo Tavares e vão até o centro de Caucaia do Alto. Subam beirando a Matriz e seguem a placa “Cachoeira” e em seguida “Carmo Messias”. Chegando no centro do bairro ali está a Matriz.

Primeira Missa na nova Igreja dedicada ao Menino Jesus

A

conteceu no último dia 03/06, a grande festa de encerramento do Tríduo ao Menino Jesus de Praga. Celebrada por Padre Fernando Ribeiro, a Santa Missa realizada às 15h, recebeu fiéis de toda a região, já dentro da construção da nova Igreja, no

Bairro Matão em Vargem Grande Paulista. Do alto do morro, Padre Fernando se emocionou ao ver o dia ensolarado e o céu azul que despontou para abençoar a celebração. Os fiéis acomodaram-se no grande salão, ainda sem paredes e teto, diante da estrutura do

altar sagrado. Os ventos sopravam forte como que trazendo o Espírito Santo e o anúncio das boas novas. O calor agradável das 15h foi sendo amenizado com o cair da tarde, enquanto a festa e a fogueira estavam sendo preparadas pra brindar mais uma conquista dos fiéis de Deus. No altar, Nossa Senhora Aparecida abençoava a comunidade e Menino Jesus, trazido em seu florido andor, recebia as homenagens de um povo devoto do caminho da Infância Espiritual. Padre Fernando foi, ainda, homenageado com um presente da comunidade, de quem se despede já com muitas saudades.

Padre Nilso Motta na capa da revista VEJA-SP

P

adre Nilso Motta, sacerdote da diocese de Osasco foi capa na revista de grande circulação nacional, na edição de 06/06/2012, da revista Veja São Paulo, que fala sobre padres jovens que divulgam o Evangelho com discos, livros e programas de rádio e TV. A matéria de capa

Julho 2012

com o título “Mudança de Hábito” acompanhou vários sacerdotes em eventos, inclusive uma vigília de Pentecostes, promovida pela RCC de Osasco, comandada pelo Pe. Nilso. Ele aparece ao lado dos padres Juarez de Castro, Alessandro Campos e Adriano Zandoná.

Pergunte ao Padre J.JÚNIOR pergunta: Padre, sua benção. Estou passando por sérios problemas na escola, pois meu professor de História e Filosofia é Ateu. E eu tenho certeza que quando ele falar na História do Cristianismo e da Igreja, ele vai dizer que a nossa Santa Religião tem origens pagãs. Gostaria de saber se eu devo responder a ele quando ele “falar bobagens”. Gostaria de saber também a origem de alguns símbolos e elementos da Igreja - como a origem da mitra papal - que segundo ele e os protestantes, é “uma insígnia pagã”. Desde já agradeço. PAX ET BONUM. Padre Cido responde: Diretor do Jornal “O São Paulo”, comanda os programas diários “Clube do Passarinho” e “Bom dia Povo de Deus” na Rádio 9 de Julho. Meu amigo J. Junior. Eu quando ouço ou leio cartas de jovens como você, que desejam viver intensamente sua fé e que se deparam com professores que em vez de ministrar os seus conhecimentos em história, filosofia ou ciência, botam na cabeça que devem ser professores de ateísmo, eu fico indignado e tenho pena dos jovens. Como é difícil para eles testemunhar Jesus Cristo num mundo que fala tanto em direitos humanos, em diálogo, em respeito ao diferente, mas está cheio de figurinhas que se dizem educadores e não respeitam esses direitos. Se um dia você tiver a oportunidade de conversar com este professor, diga a ele J. Junior, que você respeita profundamente o ateísmo dele, a irreverência dele em relação a Deus, a Jesus Cristo, à Igreja. É direito dele ser assim. Mas que ele respeite também suas convicções, sua fé, sua opção religiosa. É um direito seu. E vá em frente, J. Junior. Não se deixe abalar pela desonestidade intelectual do seu professor que analisa com conceitos de hoje os erros da Igreja de séculos e séculos atrás, e que, embora sendo educador, não respeita a fé, as opções religiosas, a sensibilidade dos que não têm as mesmas convicções que ele tem. E vai aqui um recado para os professores. Não joguem para a torcida. Sejam honestos. Respeitem as convicções de seus alunos. Não façam gracinhas com as crenças e culturas de seus alunos. Sejam, enfim, educadores. Se quiserem falar de suas convicções, tenham a honestidade de dizer: Os que têm fé pensam assim. Eu respeito. Eu penso diferente. Mas eu e todos aqui devemos respeitar as diferenças. Força e coragem J . Junior. Vamos em frente. Não nos esqueçamos da palavra forte de Jesus: Quem se envergonhar de mim perante os homens eu me envergonharei dele diante do meu Pai que está nos céus. Faça sua pergunta ao padre: www.bio.diocese@yahoo.com.br

9


NOTÍCIAS

Procissão de Santo Antônio reúne 36 mil fieis

O

sasco celebrou na quartafeira, dia 13 de junho, o dia de seu padroeiro, Santo Antônio. As homenagens começaram bem cedo, logo às 7 horas, com uma missa celebrada por padre Romildo na Catedral. Às 10 horas, houve nova missa, desta vez conduzida pelo bispo da Diocese de Osasco, Dom Ercílio Turco, que, ao abençoar pães levados pelos fiéis, como parte da tradição da data, pediu que os alimentos fossem multiplicados nas casas das famílias da cidade. Após as duas celebrações, também foram comercializados pedaços do tradicional bolo de Santo Antônio. Este ano, foram 1,2 mil quilos do doce, produzidos por um grupo de 70 voluntários, com ingredientes doados pela comunidade.

A

envolvidos nos preparativos da festa. E também destacou, em seu sermão, a importância do padroeiro e os principais atos de bondade do santo. A celebração contou ainda com a presença do prefeito Emidio de Souza e do vice-prefeito Faisal Cury. Além da missa, ele acompanhou a procissão e destacou que o padroeiro tem sido um bom protetor para a cidade. “Santo Antônio é generoso com Osasco e tem protegido nossas famílias. Sou muito grato de poder ser prefeito de uma cidade que tem a bênção deste padroeiro” disse. Ao fim da missa, uma verdadeira multidão também aguardava, do lado de fora, a saída da procissão. Como acontece todos os anos, a descida do andor pelas escadarias da catedral reuniu um

rotécnico, incluindo uma cascata que cobriu toda a frente da igreja matriz e fogos saindo das janelas da torre lateral. Outro destaque foi o lançamento de fogos na parte superior da catedral, ato que foi sincronizado com música instrumental, e a descida de uma bandeira, com a imagem do santo, cobrindo a frente da igreja. As celebrações reuniram um total de 36 mil pessoas, segundo informações da Diocese. A catedral continua sediando, até 1º de julho, a Quermesse de Santo Antônio, com barracas de brincadeiras e comidas. A entrada é gratuita até as 18 horas. Após esse horário, os visitantes pagam R$5 e concorrem ao sorteio de um carro. Fonte: Erica Celestini cotidiano@webdiario.com.br

Santo Antônio também foi festejado em Carapicuíba

Paróquia Santo Antonio de Vila Caldas realizou as festividades do padroeiro no período de 22 de Abril a 16 de Junho de 2012. A Trezena de Santo Antônio no corrente ano teve como tema: “GUIADOS POR SANTO ANTÔNIO, SOMOS MISSIONÁRIOS DE CRISTO NA IGREJA E NO MUNDO”. Este tema está em consonância com o 7º Plano Diocesano de Pastoral, na primeira urgência: “Igreja Diocesana em Estado Permanente de Missão. Realizada primeiramente nas casas, esta ação missionária atingiu

10

O bolo ocupou, ao todo, 15 tábuas de 3 metros de cumprimento por 1,5 metro de largura. Segundo a coordenadora da produção, Beatriz Rodrigues Carnaval, os preparativos foram iniciados no feriado de Corpus Christi. “E, na terça-feira, trabalhamos das 9 horas às 23 horas para deixar tudo pronto”, explicou. Nas duas celebrações, os fieis lotaram os 800 lugares da catedral e ainda ocuparam seus corredores central e laterais. O mesmo aconteceu na missa das 15 horas, celebrada pelo pároco da Diocese, Monsenhor Claudemir José dos Santos. Além de fazer a benção dos pães e de objetos levados pelos fieis e dedicar uma benção especial aos enfermos, ele agradeceu o trabalho realizado por cerca de 500 voluntários

grande grupo de moças solteiras, tentando pegar uma das fitas de seus adornos, já que, segundo a tradição, quem pega a fita consegue um marido. Após passar por essa “barreira”, o andor tomou seu lugar à frente da procissão, que já tomava todo o trecho da avenida Santo Antônio em frente à catedral, iniciando a cerimônia. O cortejo, tendo um carro de som à frente, seguiu pela avenida Santo Antônio, desceu a rua Salem Bechara, seguiu pela rua Primitiva Vianco, passou pelo Largo de Osasco e subiu pela rua Antônio Agu, em cerca de uma hora e meia, até voltar à catedral. No local, outra multidão aguardava o fim do cortejo e a tradicional queima de fogos. Foram mais de 30 minutos de show pi-

364 famílias, através dos 28 GER (Grupos de Evangelização de Rua). A Trezena na Igreja contou com a participação de Dom Ercílio Turco, bispo diocesano; Dom Francisco Manuel Vieira, bispo emérito; Monsenhor Claudemir José dos Santos, Vigário Geral; dos padres e dos diáconos Alexandre Santos de Jesus e Diego Martins dos Santos. Os paroquianos e demais comunidades vizinhas participaram de forma significativa e muito intensa. Na festa, dia 13 de junho a igreja ficou repleta de fiéis.

Santo Antonio de Pádua, um dos santos mais populares da Igreja Católica, foi festejado com empenho pelos inúmeros fiéis que compareceram à Igreja de Vila Caldas durante as festividades. Pe. Cláudio Gabriel dos Santos, pároco do local, incentivou a participação dos devotos ,e, para festejar, a comunidade realizou programação extensa que contou com quermesse, apresentações musicais pelo setor juventude, presença do ministérios das artes da RCC e quadrilha junina.

Julho 2012


NOTÍCIAS

B

Ecos da visita pastoral nas Paróquias de Barueri

ondoso Deus, bendito sois vós por nos conceder a graça de receber a visita de nosso pastor Dom Ercílio e ter feito brilhar nele a ternura de vossa paternidade através de seu exemplo

de fé, serenidade, segurança e paz. (trecho da Oração feita por uma paroquiana de N. Sra. da Escada). Dom Ercílio de 15 de maio à 02 Junho visitou as paróquias: Nossa

Senhora de Lourdes ; Santa Cruz, N. Sra. das Graças, N. Sra da Escada e Rainha Santa Isabel Em cada uma das comunidades das paróquias visitadas sempre havia fiéis para acolhê-lo, contar

a realidade de cada uma e apresentar- lhe os trabalhos pastorais que se realizam. Dom Ercilio deixou aos presentes suas palavras de gratidão, animo, coragem e sua benção

para todos e sempre os estimulando a permanecer “firmes da fé”. Ao término de cada visita ce­­lebrava a santa missa com a presença dos fieis.

Encontro com o conselho de pastoral – Paróquia N.Sra. das Graças – Belval

Visita ao Asilo “Luz e Vida”- Paróquia Santa Cruz

Missa de encerramento da visita – Paróquia Santa Cruz

Dom Ercílio visita Escola José Vital Alves Freire – Belval

Dom Ercílio visita o Fórum de Barueri – Paróquia N.Sra da Escada

Visita Pastoral na Igreja Nossa Senhora da Escada – Aldeia de Barueri

Visita pastoral à Paróquia N. Sra. de Lourdes – Alphaville

Missa de encerramento da visita pastoral na Paróquia N. Sra. de Lourdes

Missa de Encerramento da visita pastoral na Paróquia N. Sra. Escada

Encontro com os funcionários da empresa Ki-Caldo – Paróquia R. Santa Isabel

Encontro com os Jovens da Rainha Santa Isabel

Missa de encerramento da visita pastoral na Paróquia Rainha Santa Isabel

Julho 2012

11


VARIEDADES FATOS EM FOTOS

15/06 – Pe. Mauro participa da evento inter-religioso de Barueri

Solenidade do Sagrado Coração de Jesus realizada em Carapicuíba

A

Solenidade do Sagrado Coração de Jesus foi celebrada na sexta, 15 de junho, na Igreja Nossa Senhora Aparecida (igreja amarela) de Carapicuíba, sob a presidência de Dom Ercílio

Turco, bispo diocesano. O evento marcou o Dia Mundial de Oração pela Santificação do Clero na Diocese de Osasco. Estiveram presentes os representantes do Apostolado da Oração de todos os municípios que formam a diocese de Osasco, além dos padres José Maria, Luiz, Everaldo, Douglas, diácono Alexandre de Jesus, seminaristas e propedêutas. Durante a homilia, Dom Ercilio ressaltou a importância da devoção ao Sagrado Coração de Jesus

que ocupa lugar de destaque na Igreja e que permite a contemplação que conduz ao encontro pessoal com Deus. Ressaltou, ainda, a necessidade de testemunharmos o Evangelho de modo autêntico no meio da sociedade e contribuir para a conversão de todos. Por fim, houve confraternização entre os membros do Apostolado da Oração que adornaram o local de vermelho e branco, desfraldando “o pendão da vitória, o Imortal Coração de Jesus”. Foto e texto: Rogerio Roque

Convite

19/05 – Dom Ercilio abre a Assembleia diocesana

É

com grande alegria e júbilo que convidamos a todos os irmãos e irmãs para estarem conosco no dia 15 de Julho, pois

seremos agraciados com a visita do Coração de São Camilo de Léllis, vindo de Roma, e ficará o dia inteiro em nossa Paróquia. Esta é uma oportunidade de nos unirmos mais a Deus e ao mesmo tempo pedir o patrocínio de São Camilo sobre nossas enfermidades. Que ele diante de Cristo rogue pela cura de nossas enfermidades e implore a Deus misericórdia sobre nossos peca-

dos. Esperamos a sua presença! Teremos missas e orações no decorrer do dia inteiro. E as 18h00 Dom Ercílio, nosso Bispo Diocesano, presidirá a Missa Solene de Benção da Igreja Local : Comunidade São Camilo de Lellis (Pertencente à Paróquia Nossa Senhora de Nazaré ) Rua Inácio Cervantes ,856 – P. Ipê – São Paulo : Informações : 3782-1952

Mês da Bíblia 2012 tem como lema : “Coragem! Levanta-te, ele te chama!” (Mc 10,49) 25/05 – II ENCOM foi conduzida por Elane Gomes membra e diretora da Rádio América/Canção Nova

24/05 – II Encom - Presença de Edilma V. Oliveira, produtora da TV Canção Nova

12

A

Comissão Episcopal Pastoral Bíblico-catequética da CNBB definiu que, no Mês da Bíblia dos próximos quatro anos (2012-2105), serão estudados os

evangelhos de Marcos (2012), Lucas (2013) e Mateus (2014), conforme a sequência do Ano Litúrgico, completando com o estudo de João em 2015. Esta sequência repete a experiência feita entre 1997-2000, por ocasião da celebração do Jubileu 2000. O enfoque, agora, é outro. Visa reforçar a formação e a espiritualidade dos agentes e dos féis através do seguimento de Jesus, proposto nos quatro evangelhos. Está tanto na perspectiva de discípulos missionários e da Missão Continental, conforme nos pede a Conferência de Aparecida, quanto no esforço da Nova Evangelização proposta pelo

papa Bento XVI. Cada evangelho será relido na perspectiva da formação e do seguimento, destacando o que é específico de cada evangelista, bem como da comunidade que está por trás de cada evangelho. No Mês da Bíblia deste ano de 2012, será estudado o evangelho de Marcos a partir do tema “Discípulos Missionários a partir do evangelho de Marcos” e do Lema “Coragem! Levanta-te, ele te chama!” (Mc 10,49). O material – livro para aprofundamento e círculos bíblicos- já está pronto e poderá ser adquirido nas Edições CNBB: vendas@ edicoes.cnbb.com.br

Julho 2012


Boletim Informativo de Osasco Julho 2012