Page 1

A Voz da Diocese Informativo

Cruz Alta - Dezembro de 2017 - ANO 45 - Nº 336

Natal do menino Jesus Página 09

5º Encontro de Comunidades Quilombolas reúne mais de 250 pessoas

IVC foi tema central da 43ª Assembleia Diocesana de Pastoral

Confira a lista das nomeações, transferências e datas de posses para 2018 Página 13

2018 será o Ano do Laicato Página 10

Página 16

Página 08


Opinião

A DIMENSÃO MISSIONÁRIA NA FORMAÇÃO SACERDOTAL

Editorial Já entramos no mês de dezembro. Aproxima-se o Natal e o ano de 2018 está prestes a chegar. Tanto o Natal, como o Ano Novo trazem para ribalta da vida referências a valores como a fraternidade, solidariedade, paz, justiça, respeito pela dignidade do ser humano, entre outros. Talvez, mais do que em outros momentos históricos, estes valores devem ser refletidos e, sobretudo, colocados na prática. Vivemos tempos difíceis e perigosos (como: o crescimento da violência, escândalos na política, pessoas vivendo em situação de vulnerabilidade social, entre outros) e, embora a responsabilidade maior, de eliminar estes grandes males, esteja nos Políticos que governam o mundo, ninguém pode ficar dispensado de contribuir, ao seu nível, para que este mundo melhore. Se pensarmos bem, existem inúmeras formas de contribuir, de colocar em prática nossa responsabilidade de cidadão, por exemplo: estar informado sobre o que se passa no mundo, manifestar a sua opinião, ajudar na formação dos mais jovens, contribuir com grandes causas de solidariedade, pressionar os poderes econômicos e políticos, etc., etc., etc. Diante deste contexto, lembramos que a Igreja no Brasil celebra, no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, a 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”, animado pelo tema: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”(Mt 5,13-14). Perante grandes desafios que a sociedade, em especial a brasileira, vive neste momento, precisa-se mais do que nunca de cristãos leigos e leigas que, a partir de uma fé madura e convicta, possam dar seu testemunho cristão no mundo. Sendo assim, fica o desejo de que possamos ser sal, luz e fermento na Igreja e na Sociedade.

Boa leitura greice.pozzatto@gmail.com

A Voz da Diocese A Voz da Diocese - Órgão informativo da Diocese de Cruz AltaRS Filiado a UCBC Duque de Caxias, 729 - CEP 98005-020 PROPRIETÁRIA: Mitra Diocesana de Cruz Alta COLABORADOR: DIRETOR: João Verissimo Dom Adelar Baruffi 204/02/02 V Bispo Diocesano Revisão Ortográfica EDITOR: Pe. Aldecir Corassa Coordenador de Pastoral JORNALISTA: Greice Pozzatto MTB: 13956 Capa e Diagramação

CONSELHO EDITORIAL: Pe. Aldecir Corassa e Greice Pozzatto IMPRESSÃO: Gráfica Líder Ltda Fone (54) 3383-1373

Tiragem: 1500 exemplares Contato: diocese@diocesecruzalta.com.br

02

No processo de seguimento a Jesus Cristo, somos chamados a viver nossa ‘vocação’, como Jesus viveu. Conforme Mateus; “Ide e fazei discípulos[...]” (Mt 28,20). A proposta é ‘clara’ e ‘evidente’, basta nos desapegarmos de tudo que nos trava e ir ao encontro daqueles que mais sofrem. Para vivermos a dimensão missionária na formação sacerdotal, deve haver uma ‘configuração a Cristo’. A alegria de sermos discípulos e missionários, tem uma profunda motivação na figura de Jesus Cristo. O futuro sacerdote deve ter um ‘ardor missionário’. Ardor este que surge desde o tempo de sua formação ‘inicial’ até a fase ‘final’. Assim cada etapa na formação do candidato ao sacerdócio é importante, que haja uma boa fundamentação também na ‘vivencia missionária’.“Os seminaristas, nas diversas etapas do seu caminho, precisam ser acompanhados de modo personalizado por aqueles que são destinados a ter um papel na obra educativa, cada qual segundo a função e as competências que lhe são próprias. O propósito do acompanhamento pessoal é levar a cabo o discernimento vocacional e formar o discípulo missionário”. (Rf n. 44). O acompanhamento de um seminarista serve também, para crescer em si

Seminarista: Cleiton Turela Moraes 2º ano de Teologia

a identidade de ser um ‘homem de comunhão’. A‘comunhão’é um preceito básico para o seguimento á Cristo. Seguir a Cristo é estar à disposição e formar a ‘cultura do encontro’, promovida por Jesus e deixada a nós.A formação missionária na vida do seminarista tem de o formar para o ‘bem comum’.O futuro sacerdote, só será um ‘homem de comunhão’, com a preocupação pelo ‘próximo’. Sempre tendo em mente que o próximo são todos aqueles que estão distantes. Assim o dinamismo de ser um sacerdote com intuito missionário, deve partir da vivência missionária, com a preocupação pelo próximo, pelo necessitado. “Um evangelizador não deveria ter constantemente uma cara de funeral. Recuperemos e aumentemos o fervor do espírito, a suave e reconfortante alegria de evangelizar, mesmo quando for preciso semear com lágrimas! [...]”. (EG. n. 10). Conforme a Evangelli Gaudium, vemos claramente que viver a dimensão missionária implica, muito mais em sermos ‘promotores’ da ‘cultura do encontro’, na dimensão missionária a nós confiada. Viver de forma ‘alegre’ e ‘disponível’, são características de um seminarista que vive sua dimensão missionária. Desta forma, rezemos para que a formação sacerdotal seja vertente de ‘novos missionários’.

Arte do cartaz retrata tema da campanha 2018 O cartaz da campanha da fraternidade 2018 mostra um grupo de pessoas de diferentes idades e etnias de mãos dadas, representando a multiplicidade da sociedade brasileira. Especialmente no Ano do Laicato, que terá início na Igreja no Brasil no próximo dia 26 de novembro, o convite é para, por meio da CF 2018, refletir sobre a problemática da violência, particularmente em como superá-la. Segundo o secretário-executivo das Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Luís Fernando da Silva, a escolha do Cartaz, de acordo com o padre Luís Fernando, foi feita com base em duas etapas. A primeira foi aberta à participação da população que pôde enviar sugestões de arte por meio de um edital aberto ao público e a segunda passou pela avaliação do Conselho Permanente da CNBB. “A partir dessa escuta é que chegou à atual configuração do Cartaz”, sublinhou. Com o tema “Fraternidade e superação da violência”, a CF 2018, além de mapear a violência, colocará também em evidência as iniciativas que existem para superá-la, bem como despertar novas propostas com esse objetivo. “A Igreja no Brasil escolheu o tema da superação da violência devido ao crescimento dos índices de violência no Brasil.

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

Esse tema já foi discutido na década de 80, num contexto em que o país vivia a recessão militar e dentro desse contexto foi possível mapear diversas formas de violência”, afirma padre Luís. Ele explica ainda que o lema da CF “Vós sois todos irmãos” foi extraído do capítulo 23 do Evangelho de São Mateus, no qual Jesus repreende os fariseus e mestres da lei, por suas práticas não serem coerentes com os seus discursos. “Os fariseus e mestres da lei valorizavam a sociedade hierarquizada. Jesus propõe-lhes então um novo modelo mais comunitário e fraterno “Vós sois todos irmãos”. “O lema da Campanha da Fraternidade 2018 é um convite para a superação da violência por meio do reconhecimento de que cada pessoa humana é irmão, é irmão e se assim o é então não se pode deferir contra ele (a) atos de violência”, finaliza padre Luís.


Padres da Diocese de Cruz Alta participam de encontro dos Presbiteros do Regional Sul3

Palavra do Coordenador Pe Aldecir Corassa, Coordenador Diocesano de Pastoral e Pároco da Paróquia São José de Pejuçara

E-mail: coordenacaopastoral@diocesecruzalta.com.br

Celebrar a Paz

O 36º Encontro Regional dos Presbíteros, evento que neste ano reuniu cerca de 90 padres das arquidioceses e dioceses do Rio Grande do Sul encerrou no dia 15 de novembro. Da Diocese de Cruz Alta marcaram presença os padres Flávio Antônio Rohr, Ari Pedro Braganholo e Cleverson Nelson Portolan. O encontro foi realizado no Centro de Eventos Cristo Rei (CECREI), em São Leopoldo, com o tema “Presbítero: Discípulo do Senhor e Pastor do rebanho” e o lema “Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho, pois o Espírito Santo constituiu como guardiões” (Ap 20, 28). A programação, que iniciou no dia 13, teve a assessoria da leiga consagrada Miriam Pedrini Siqueira, formada em Teologia, Counseling Espiritual Católico, Coaching Cognitivo e Master em Dinâmicas na Vida Religiosa.

Segundo Miriam, o lema extraído do Apocalipse inspira o cuidado e apresenta uma abordagem de autoconhecimento de si e do outro presbítero. O encontro com os padres do Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é uma preparação ao 17º Encontro Nacional dos Presbíteros, que ocorrerá de 26 de abril a 2 de maio de 2018 no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.

Seminaristas recebem admissão às ordens sacras Um registro especial do rito de admissão as ordens sacras dos seminaristas Cleiton Turela e Daniel Chagas, segundo e primeiro ano de teologia respectivamente. Um momento que marca um importante passo na caminhada de formação presbiteral destes seminaristas candidatos ao sacramento da Ordem. A missa foi celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Adelar Baruffi e teve a presença dos padres Márcio Laufer, Sérgio Cargoso, João Wickert, Pe. Dino Antônio Ciotta e Pe. Gelson Bays. Também familiares, amigos dos seminaristas, seminaristas menores e candidatos ao seminário, participantes do encontro de vocacionados, realizado na diocese.

A encarnação de Jesus traz para a humanidade o rosto de Deus. A Palavra assume a fragilidade humana. A humanidade fragilizada encontra na encarnação do verbo a esperança. Neste ano, mais uma vez, somos motivados a refletir sobre a paz. O tempo do Advento será um momento privilegiado para reflexão. A temática da paz não é apenas necessária, mas urgente. Olhamos ao nosso redor e já temos dificuldades de perceber ações de paz. Talvez o cansaço, o desânimo e a cultura do individualismo nos impedem de fazer uma verdadeira experiência de paz. Impedem-nos de ver no rosto dos irmãos o “autor” da paz. Os descasos com o ser humano dificultam a percepção da esperança... Parece que ela está aprisionada. O mundo, em sua fragilidade, precisa reconhecer o rosto de Deus. Precisa diferenciar os valores que distinguem os humanos dos animais. No rosto do irmão é preciso perceber os traços de Deus. “O Senhor abençoará o seu povo com paz” (Sl 29,11). Deus sempre tem um olhar de paz, basta deixar abertura para que Ele chegue e transforme o ser humano. A humanidade anda, cada dia, mais fragilizada, “dilacerada” por uma cultura violenta quase incapaz de perceber que é possível construir a paz. Diz Santo Agostinho: “a paz é a tranquilidade da ordem de todas as coisas”. A paz não pode ser algo momentâneo, por isso ela é exigente. Não basta apenas querer! É preciso acolher a paz como dom na vida para que se multiplique. Urgente se faz promovera paz, começando pelos pequenos gestos: o olhar, o abraço, o cordial bom dia. Um coração feliz e cheio de paz contagia muitas pessoas. “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus” (Filipenses 4,7). Viver o Natal é estar com o coração em paz. É deixar Deus se encarnar na vida humana. Viver a paz do Natal é colocar-se no processo renovador e transformador do ser humano. Que a paz de Deus possa contagiar e transformar nossas vidas. Celebremos dia a dia a paz! Feliz e abençoado Natal!

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

03


Notícias das Paróquias

Fatos &

fotos

Paróquia de Fátima realiza reunião de projeção para as

Santas Missões Populares Cerca de 100 lideranças pertencentes à Paróquia estiveram reunidas no dia 04 de novembro, para a reunião de projeção das Santas Missões Populares que ocorrerão no próximo ano. O encontro comandado pelo Frei Volmir Luis Warken da

Coral na Paróquia N. Senhora de Fátima

No dia 21 de outubro, teve início os encontros do coral de crianças e jovens da Paróquia de Fátima. Orientados pelos integrantes da Pastoral do Canto Litúrgico, Celso Dill e Andrinelli Kempf, os 25 alunos do coral são só alegria aprendendo e descobrindo novos sons e muitas músicas. Os encontros são quinzenais, sempre nos sábados, às 09h30min. As inscrições podem ser feitas na secretaria paroquial ou pelo telefone.

Paróquia Nossa Senhora da Natividade

Um registro do encerramento do Seminário de Dons Carismático, promovido pelo Grupo de Oração Jesus e Maria da Matriz Nossa. Senhora dada Natividade, na presença do pároco, Pe. Magnus Camargo.

04

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

Ordem dos Freis Capuchinhos do RS, contou com muita animação, reflexão e planejamento para as missões de 2018. “Revelação do amor de Deus, as Santas Missões Populares são momento de reanimar nossa fé e fortalecer a opção por Jesus Cristo”, destaca o Frei. O Pe. Douglas Carré também comentou sobre a expectativa para as missões: “A expectativa é que, através das Santas Missões Populares, as pessoas, grupos e comunidades fortaleçam e reanimem sua fé em Cristo, despertando para a

importância da vida comunitária e para a vivência do Evangelho.” As Pré-Missões ocorrem de 6 a 10 de dezembro deste ano, com celebrações nas comunidades e planejamento, já as SMP ocorrerão do dia 16/02/18 à 25/03/18. Por: Andrineli Kempf/Pascom Paróquia Fátima

Paróquia Cristo Rei celebra seu padroeiro

A Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo foi celebrada com festa na paróquia Cristo Rei de Ijuí. As doze comunidades que formam a paróquia participaram da missa e da festa ao longo do dia, a qual foi preparada com tríduo realizado em cada setor, uma noite em cada comunidade.

A paróquia está organizada em quatro setores de três comunidades. “Aprendendo de Jesus a construir o Reino de Deus” foi o tema, com foco na iniciação à vida cristã incluindo a missão dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade. Em comunhão com a Igreja do Brasil, foi aberto o Ano do Laicato.


Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes de Salto do Jacuí realiza Assembleia “Os Jovens, a fé e o discernimento vocacional”, tema do próximo sínodo dos Bispos, Ano do Laicato entre outros assuntos estiveram na pauta da Assembleia Paroquial da Igreja Matriz Nossa Senhora dos Navegantes, do Salto do Jacuí, realizada no sábado dia 11 de novembro. O encontro reuniu lideranças das Comunidades, Pastorais e Movimentos da Paróquia, que apontaram pontos positivos do ano de 2017 e também traçaram pistas de avanços para 2018. Durante a parte da manhã a Ir Vera Richter explanou sobre o que é uma Assembleia Paroquial e, após, a Ir Maristela Ganassini abordou sobre o Sínodo dos Bispos no próximo ano com o tema “Os Jovens, a fé e o discernimento vocacional” e apresentou a proposta do Ano Vocacional, onde todos os leigos são convidados a rezar pelas vocações bem como divulgar nos meios de

comunicação depoimentos e ações vocacionais. Também foi abordado o Ano do Laicato, onde todos os leigos são convidados ao protagonismo. O Pe. Laercio Rodrigues explanou sobre as ações que aconteceram no decorrer de 2017 e as lideranças puderam expor seus pontos de vista e fazer em grupos um breve relato dos pontos positivos bem como dar sua opinião sobre o que acham que deve ter continuidade. No período da tarde foi feita a prestação de contas da paróquia e logo em seguida a Equipe da

Cooperativa de Crédito Sicredi esteve presente fazendo uma proposta de Seguro para as Comunidades do Interior, visto que foram atingidas pelas intempéries do tempo no início do mês de outubro. Após as explanações da tarde as lideranças receberam a Programação completa para 2018 e o material para divulgação da 66° Romaria de Nossa Senhora dos Navegantes que acontecerá no dia 04 de fevereiro de 2018. Por: Dominicke Flores Pascom paroquia N. Sra Navegantes Fotos: Pe. Laércio Rodrigues

Paróquia de Fátima realiza almoço italiano em prol da reforma de sua área pastoral Cerca de 400 pessoas participaram do almoço italiano promovido pela Paróquia Nossa Senhora de Fátima no domingo, (05), na Casa da Etnia I t a l i a n a d o Pa r q u e I n t e g r a d o d e Exposições. Esse também foi momento de encontro da comunidade e de comemorar o aniversário de Ordenação Sacerdotal do Pároco, Pe. Douglas Carré. “Gratidão a toda comunidade que não mediu esforços para a realização do almoço em comemoração ao aniversário de Ordenação Sacerdotal do Pe. Douglas entendendo a importância da colaboração de todos, cada um à sua maneira, doando tempo, serviço ou dinheiro, em prol da reconstrução do Centro Pastoral de nossa Paróquia”, destacou Rosani Ceratti, secretária Paróquial. Os interessados em contribuir com a Paróquia Nossa Senhora de Fátima podem entrar em contato pelo telefone (55) 3322.1557 e obter mais informações. Por: Andrineli Kempf/Pascom Paróquia Fátima A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

05


Setor Juventude

Juventude

foi o tema principal do Encontro da Província Eclesiástica de Santa Maria O encontro reuniu Bispos, Coordenadores de Pastoral, assessores das Juventudes e Jovens das dioceses da província. De acordo com a Ir. Zenilde, para entender e olhar a juventude, hoje, é necessário olhar para o construto social ao nosso redor. O que a sociedade pensa sobre o jovem? e o que isso influencia no nosso pensar sobre a juventude? “Acreditamos em um jovem que é protagonista, que é sujeito político ativo e que, nesta fase, constrói conosco este ser igreja. Isso é o que nós queremos firmar enquanto igreja, enquanto evangelização da juventude”. Outra questão importante apontada por Ir Zenilde é o acompanhamento do jovem. Segundo ela, para que o jovem possa ter um processo de maturação é preciso assessoria, alguém que o acompanhe. “Vai existir protagonismo se existir acompanhantes adultos com metodologia apropriada, que permitem a este jovem percorrer o seu caminho, buscar as

“Trabalhar com o jovem é uma vocação, um serviço, um chamado”, destaca Ir Zenilde Fontes, Coordenadora do Serviço de Evangelização para a Juventude no Regional Sul 3, ao falar sobre a caminhada da evangelização da juventude e sua integração na evangelização das dioceses, tema do primeiro dia do encontro da Província Eclesiástica de Santa Maria realizado em Cruz Alta, nos dias 25 e 26 de outubro.

suas verdades, fazer o seu projeto de vida. Neste sentido, quem consegue fazer este caminho com o jovem é alguém que tem a vocação. Ou seja, o ministério da assessoria não é para todo mundo, mas é uma vocação, um serviço, um chamado. Este assessor (a) quando descobre este chamado na sua vida, descobre, também, o caminho a percorrer no seu projeto de vida. O jovem passa a estar no seu projeto de vida. Aí faz toda uma experiência de amadurecimento na sua própria fé, enfim, vive a sua fé a partir deste contexto da juventude do acompanhante ou da assessoria

do jovem”, diz. No segundo dia do encontro, entre os assuntos discutidos esteve: o propedêutico, diaconato permanente, a agenda 2018 e partilhas das dioceses. Uma das decisões é início do seminário propedeutico interdiocesano com as dioceses de Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Cruz Alta, Santo Ângelo e Cachoeira do Sul em 2018. A sede será Santa Cruz do Sul. O encerramento do encontro foi na quinta-feira, ao meio dia, Por Greice Pozzatto Assessora de Comunicação da Diocese de Cruz Alta

Juventude celebra

Cerca de 500 jovens das paróquias da Diocese de Cruz Alta estiveram reunidos no Salto do Jacuí, acolhidos pela Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, para celebrar o Dia Nacional da Juventude. A atividade iniciou no dia 28, sábado, com as missões, onde os jovens conheceram a realidade das comunidades do município e, posteriormente, puderam compartilhar as experiências vividas e participar de um luau. No domingo, dia 29, o grande momento foi a caminhada que culminou com uma missa, celebrada pelo Bispo Dom Adelar Baruffi, que é também Bispo Referencial para a Evangelização da Juventude no Regional Sul 3. “Podemos resumir o DNJ realizado neste ano em quatro palavras: celebração, formação, comunhão e missão”, destaca Dom Adelar. Em primeiro lugar, explica ele, foi um grande momento celebrativo. “São jovens de nossas paróquias, que procuram viver sua fé no seguimento de Jesus Cristo e encontraram nele uma luz para suas vidas. Caminhamos e celebramos juntos, sobretudo na celebração momento formativo, de acordo com a proposta eucarística, iluminados pela Palavra”. Em do tema do DNJ, nas reflexões realizadas na caminhada e, também, nos diversos temas segundo lugar, continua o Bispo, foi um grande 06

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

desenvolvidos nas oficinas. Em terceiro lugar, o DNJ consolidou a caminhada de comunhão diocesana das diversas expressões de evangelização da juventude. “Na diversidade dos grupos somos a Igreja diocesana. Também, foi uma experiência de missão, sobretudo para aqueles que tiveram a alegria de visitarem as famílias e levar a Palavra e a alegria jovem. Este momento missionário indica a disposição de superar, pela fé, o individualismo reinante e sair de si para fazer o bem”, diz. Dom Adelar parabeniza a Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, de Salto do Jacuí, e ao Setor Juventude da Diocese pela organização do evento.


Pastorais, Movimentos e Cáritas

Sete projetos sociais serão contemplados com o FDS Sete projetos sociais, oriundos de diversas comunidades pertencentes a Diocese de Cruz Alta foram aprovados para receberem apoio financeiro do Fundo Diocesano de Solidariedade. O resultado foi definido no dia 26 de novembro, durante reunião da Comissão de Avaliação de Projetos da Diocese de Cruz Alta, realizada na Cúria Diocesana. De acordo com Cinara Dorneles, Coordenadora das Pastorais Sociais e Cáritas Diocesana, a idéia é que estes projetos contribuam para uma mudança social e econômica na vida destas famílias envolvidas, que são de baixa renda. Visa, também, fomentar a solidariedade entre as pessoas. O valor a ser repassado para estes projetos é resultado da Coleta da Solidariedade, que aconteceu no dia 09

Corassa, a Coordenadora das Pastorais Sociais e Cáritas, Cinara Dorneles, a Coordenadora da Pastoral da Criança, Maria Klafke e as agentes Magarete Pithan, representante dos empreendimentos de Economia Solidária e Nilza Ramos de Cabral, representante dos Leigos. OS PROJETOS

de abril do corrente ano, através da Campanha da Fraternidade, que neste ano teve como tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15). Esta foi a 2ª etapa de avaliação de projetos do ano. A Comissão é formada pelo Coordenador de Pastoral, Padre Aldecir

ECC Diocesano apresenta novo casal coordenador Uma missa em Ação de Graças celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Adelar Baruffi no dia 11 de novembro, marcou o aniversário de nascimento (em memória) do idealizador do Encontro de Casais com Cristo – ECC - Padre Alfonso Pastore nascido em Soledade. Nesta oportunidade, o ECC da Paróquia Nossa Senhora da Soledade de Soledade recebeu os casais das Paróquias Nossa Senhora Aparecida de Ibirapuitã, São José de Chapada e São Jorge de Espumoso. A celebração foi, também, em homenagem ao novo Casal Diocesano do ECC, Carlos Alberto e Marli Lamel, do Diretor Espiritual Diocesano, Padre Dino Antonio Ciotta, que farão a Gestão 2018/2020. Assim, como em agradecimento ao trabalho realizado pelo Conselho Diocesano Gestão 2015 a 2017, conduzido pelo Diretor Espiritual Padre Dino Antonio Ciotta e pelo Casal Diocesano, Nelso José e Solange Ficagna. A celebração contou com a presença do Diretor Espiritual Diocesano, Padre Dino Antonio Ciotta, do Frei Alcides Cantídio Soares, do Frei Geraldo e do Padre Silveste Ottonelli. Logo após a missa, um jantar de

confraternização no restaurante Novilho Preto, BR. 386 próximo ao Parque de Exposições. O ECC O Encontro de Casais com Cristo - ECC é um serviço da Igreja em favor da Evangelização das famílias, que procura construir o Reino de Deus aqui e agora, a partir da família, da comunidade paroquial, mostrando pistas para que os casais se reencontrem com eles mesmos, com os filhos, com a comunidade e, principalmente, com Cristo, tendo uma visão do que é “ser Igreja hoje” e de seu compromisso com a dignidade da pessoa humana e com a Justiça Social.

Todos por Salto do Jacuí e Estrela Velha – Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes/Salto do Jacuí; Reconstruindo a vida no Jardim Primavera – Q. Paróquia São Marcelino Champagnat/Cruz Alta; V Encontro de Comunidades Quilombolas – Paróquia São Pedro Apóstolo/Fortaleza dos Valos; Encontro de graduadas – Cotefem – Paróquia Divino Espírito Santo/Cruz Alta; Ferramentas para recuperar vidas – Cotefem – Paróquia Divino Espírito Santo/Cruz Alta; Conquista da terra – Paróquia Divino Espírito Santo/Jóia; Fundo de emergência Socioambientais – Diocese de Cruz Alta.

PASTORAL DA CRIANÇA: Três paróquias já implantaram acompanhamento nutricional

Três paróquia da Diocese de Cruz Alta já implantaram o acompanhamento nutricional, são elas: Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, Cruz Alta, São Pedro Apóstolo, de Fortaleza dos Valos e Nossa Senhora da Soledade. De acordo com a Coordenadora da Pastoral da Criança, Maria Klafke, esta implantação está sendo feita gradativamente. Neste programa, além da pesagem da criança, é feita a medição. Este acompanhamento é uma ação com objetivo de avaliar o estado nutricional das crianças a cada três meses no dia da celebração da vida. Uma equipe do ramo é avaliada e responsável pela avaliação. Os líderes orientam e acompanham a mãe, conforme a situação de cada criança.

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

07


Especial

O papel dos leigos A

Igreja tem o salutar costume de refletir e aprofundar temas, num ano especialmente a eles dedicado. Assim, tivemos recentemente, em 2016,o Jubileu da Misericórdia e, no Brasil, o Ano Mariano, concluído no último dia 11 de outubro. No período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, a 25 de novembro de 2018, a Igreja no Brasil irá celebrar o “Ano do Laicato”. O tema escolhido para animar este ano foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”(Mt 5,13-14). O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.Pretende ainda dinamizar o estudo e a prática do Documento: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp,n.497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade. A partir do batismo, fonte de toda vida cristã, os leigos são convidados a aprofundarem sua identidade, sua espiritualidade própria e sua missão, como discípulos missionários de Jesus Cristo, na Igreja e na sociedade. Sua formação se dá numa comunidade, através do caminho de iniciação à vida cristã e da formação permanente. Aí, também, exercem sua missionariedade, nos diversos ministérios que o Espírito Santo suscita. O ponto de referência será sempre sua fé em Jesus Cristo, vivida como um caminho permanente de formação e seguimento, numa comunidade. Nesta recebem a fé, conhecem e rezam a Palavra, com os irmãos celebram os sacramentos, especialmente a Eucaristia, e vivem a caridade. É

neste ambiente eclesial que formam convicções a cerca da pessoa humana, da família e da sociedade, a partir dos valores do evangelho. Porém, diante dos grandes desafios que a sociedade brasileira vive neste momento histórico, precisamos mais do que nunca de cristãos leigos e leigas que, a partir de uma fé madura e convicta, de em testemunho cristão no mundo. Com isto, estamos dizendo que os leigos devem manifestar claramente sua fé e serem sal e luz. Iluminados pela Doutrina Social da Igreja, nossos políticos católicos saibam promover o bem comum a partir do evangelho. Que a partir da mensagem cristã se formem os educadores, intelectuais, médicos, advogados, empresários, comunicadores e artistas. Que o evangelho da alegria seja a base da vida familiar, sem ceder às pressões da ideologia do gênero. Que se construam relações sociais fraternas, onde ninguém fique sobrando, pois todos têm sua dignidade inalienável por serem imagem e semelhança do Criador. A espiritualidade que move os cristãos leigos é a da Encarnação. Deus que “desce e entra em nosso mundo e em nossa história para assumir em tudo a nossa existência. Desta forma, também os cristãos, para seguir e servir a Deus, devem ‘descer’ e ‘entrar’ em tudo o que é humano, que constrói um mundo mais humano e que nos humaniza” (CNBB, Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade, Doc.105, n. 163). Parabenizo todos os leigos e leigas, neste dia a vocês dedicado, e desejo que o Ano do Laicato auxilie para serem verdadeiros sujeitos eclesiais, a partir da vossa dignidade de batizados. Possam viver uma fé madura, amar a Igreja, servir os irmãos e irmãs e ter coragem, criatividade e ousadia para dar testemunho de Cristo.

Por Dom Adelar Baruffi Bispo Diocesano de Cruz Alta

Como forma de homenagear a todos os leigos e leigas atuantes na Diocese de Cruz Alta, nas próximas edições, durante o ano de 2018 estaremos destacando, na Voz da Diocese alguns trabalhos desenvolvidos por leigos e leigas da Diocese de Cruz Alta das mais diversas áreas. Acompanhe!

08

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br


Especial

Jesus Natal do menino

M

uitas crianças já não conhecem a história de Jesus Cristo. Adultos que já ouviram falar do Salvador da humanidade, ainda não fizeram uma experiência de encontro com o Crucificado/Ressuscitado capaz de dar um novo sentido às suas vidas.

No campo social, a corrida pelo dinheiro e pelo consumo reduz o tempo das pessoas, suas possibilidades de relacionamento e de convívio. O sistema econômico neoliberal criou uma‘sociedade dos indivíduos’ vivendo em uma arena de competição na escalada do sucesso profissional. Resultado disso é um empobrecimento afetivo e incapacidade de empatia (se colocar no lugar do outro). Na escala da convivência entre as nações, reina o medo do estrangeiro (ameaça de terrorismo) e o aparelhamento militar com armas capazes de destruir a humanidade. Diante deste cenário dos tempos atuais, o que o menino envolto em faixas, na cidade de Belém, tem a nos ensinar? Ele não era apenas mais uma criança que veio ao mundo. Era o Filho amado de Deus (Mt 3,17). O envidado do Pai (Jo 20,21). Não somente um filho, mas Ele tinha a mesma natureza divina. Era o próprio Deus que existia antes mesmo da criação (a segunda pessoa da Trindade). Portanto, Ele era o Todo-Poderoso, que esteve na criação do céu e da terra (Jo 1,1). Para Ele todas as coisas foram criadas (Cl 1,16). O poder de Deus, sua onipotência se revela, sobretudo, na misericórdia. Diz o catecismo da Igreja Católica, no número 270: “Deus é o Pai Todo-Poderoso. Sua paternidade e seu poder iluminam-se mutuamente. Com efeito, ele mostra sua onipotência paternal pela maneira como cuida de nossas necessidades, pela

adoção filial que nos outorga (‘Serei para vós um pai, e sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor TodoPoderoso’: 2Cor 6,18), e finalmente por sua misericórdia infinita, pois mostra seu poder no mais alto grau, perdoando livremente os pecados”. O Deus que criou tudo e pelo qual tudo foi feito, desceu e assumiu a condição humana, tornando semelhante às suas criaturas, sem deixar de ser Deus. A carta aos Filipenses diz: “Ele, existindo em forma divina, não considerou como presa a agarrar o ser igual a Deus,mas despojou-se, assumindo a forma de escravo e tornando-se semelhante ao ser humano” (Fl 2,6-7) Seu nascimento, em meio à pobreza e simplicidade da gruta de Belém, é o cartão de visita que ilumina a sua missão. Ele veio para servir (Mc 10,45). Ele se fez um servo. Colocou-se no último lugar e ensinou a cada um de nós, seus seguidores, a não assumir o primeiro lugar. “Porque os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos” (Mt 20,16). Em meio ao atual cenário da busca do poder através do acúmulo financeiro, da capacidade de consumo, da corrida armamentista, o Natal oferece o exemplo do menino Jesus que se esvazia, desce até o lugar mais simples e humilde. A onipotência de Deus se apresenta na criança indefesa em meio aos animais. Porque o poder de Deus não está na força do dinheiro, nem das armas; está na esperança de quem tem fé. “Pois, quando estou fraco, então é que sou forte” (2Cor 12,10).

Por Pe. Eliseu Lucas de Oliveira Pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo Ajuricaba - RS

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

09


Geral

Dom Adelar recebe visita de vereadores mirins e idosos Na manhã do dia 03 de novembro, o Bispo Diocesano Dom Adelar Baruffi recebeu, na Cúria Diocesana, os grupos do projeto vereadores mirins e vereadores idosos de Cruz Alta, acompanhados do Vereador Cléberson Gardin, autor do projeto na Câmara, e sua assessoria. A visita teve como objetivo conhecer ao Bispo e saber um pouco mais sobre a Diocese de Cruz Alta. Ao m e s m o t e m p o , apresentar o trabalho que vem sendo desenvolvido por ambos os grupos. Dom Adelar acolheu a todos, respondeu perguntas e explicou sobre o funcionamento de uma Diocese. Para o bispo, este foi um momento muito agradável de proximidade. “Foi muito boa esta proximidade, ouvir as histórias que trouxeram, as perguntas que fizeram, onde foi possível ter um diálogo, nos conhecermos melhor”, ressalta. Segundo o Bispo, estes dois grupos, crianças e idosos, são, muitas vezes, os menos valorizados pela sociedade, que não recebem aquele olhar especial. “Muitas vezes há idosos que são abandonados, sofrem com tristeza, solidão. Mas, neste caso, eles estão atuando, estão nos grupos, não só como vereadores, mas porque já participam em grupos e atuam na sociedade. E quanto as crianças, elas estão sendo preparadas, pois são os líderes de amanhã. Elas foram eleitas,

e

Saúd

Cuidar de corpo e mente é saída para envelhecer com saúde

fizeram propaganda e, hoje, já apresentam demandas na câmara de vereadores, no sentido de fazer com que nossa cidade cresça. Só tenho a parabenizar e desejar que Deus os abençoe e que possam continuar esta bela missão”, diz. O projeto vereadores mirins foi desenvolvido nas escolas, contando com 62 candidatos, dos quais foram eleitos 15. Conforme Gardin, eles fizeram campanha eleitoral, distribuíram santinhos, enfim, tudo como uma eleição de verdade. Já o projeto dos vereadores idosos é composto por 15 integrantes, sendo as vagas reservadas para os idos participantes dos programas desenvolvidos pelo município, como: Cras, Creas, Centro de Convivência do Idoso, além de outros elencados pela secretaria de Assistência Social do município, mediante processos seletivos de escolha, sendo vedada a reeleição.

A vida que se leva hoje, não importa a sua idade, influencia como você estará na terceira idade. Mas nunca é tarde para começar a se cuidar. Não há dúvidas de que a população com mais de 60 anos só aumenta no mundo todo. Mas, de que forma podemos nos prevenir para termos um envelhecimento saudável? Aqui algumas dicas: *Comer bem é o melhor remédio. A natureza é rica de qualquer nutriente de que o corpo necessita. *As fibras presentes nas frutas são benéficas para o bom funcionamento do intestino; * O leite e derivados auxiliam da reposição do cálcio perdido com o avançar da idade; *Alimentos integrais, legumes e verduras precisam estar sempre presentes da rotina alimentar; *As proteínas são fundamentais para reforçar o sistema imunológico, além de ajudar na manutenção da massa magra; *As gorduras boas são aliadas no combate às doenças do coração. *Além da alimentação, é fundamental consumir, no mínimo, 2 litros de água por dia. A disposição e o equilíbrio do corpo estão intimamente ligados à hidratação.

5º Encontro de Comunidades Quilombolas reúne mais de 250 participantes Celebrando o Dia da Consciência Negra, aconteceu no dia 18 de novembro, o 5º Encontro de Comunidades Quilombolas, em Fortaleza dos Valos, promovido pela Cáritas Diocesana de Cruz Alta. O encontro reuniu cinco comunidades quilombolas da região, e contou com a participação de mais de 250 pessoas. Durante o dia as discussões e trabalhos foram pautados pelo tema "Identidade e Empoderamento quilombola". As comunidades Costaneira e Capão dos Lopes acolheram a todos com um café da

10

manhã, seguida de uma mística e espiritualidade, que refletiu sobre o patrimônio material e imaterial dos agricultores quilombolas. A assessoria temática ficou a cargo dos professores do IFRS, Maurício e Silvane, que contaram sua história de vida e empoderamento. Os dois irmãos nasceram

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

na comunidade quilombola da Costaneira. Tivemos também a Fila do Povo, onde todos puderam se manifestar se assim quisessem. O encontro contou com apresentações culturais, como: danças afro e capoeira, e rodas de conversa promovidas pela Unicruz. Foram parceiros do evento: Emater Fortaleza dos Valos, Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Fortaleza dos Valos, PPG em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social da Unicruz e Instituto Federal - Campus Ibirubá.

Fotos: Daniel Lima


Dica de Liturgia Por: Vera Prevedello e Josemar Bagolin

Equipe Diocesana de Liturgia

Ano Litúrgico O Ano Litúrgico é o "calendário religioso". Por ele, o povo cristão revive anualmente todo o Mistério da Salvação centrado na Pessoa de Jesus, o Messias. O Ano Litúrgico contém as datas dos acontecimentos da História da Salvação; contudo, não coincide com o ano civil, que começa no dia primeiro de janeiro e termina no dia 31 de dezembro.

O

Ano Litúrgico, por sua vez, começa com o Primeiro Domingo do Advento e termina na última semana do Tempo Comum, onde se celebra a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo (Cristo Rei). Em outras palavras, ele começa e termina quatro semanas antes do Natal, cumprindo sempre três ciclos: A, B,e C. No Ano (ou ciclo) A, predomina a leitura do Evangelho de São Mateus; no Ano (ou ciclo) B, predomina a leitura do Evangelho de São Marcos e no Ano(ou ciclo) C, predomina a leitura do Evangelho de São Lucas.

O Ano Litúrgico é composto de diversos "tempos litúrgicos" e sua estrutura é a seguinte: Tempo do Advento Tempo do Natal Tempo Comum ( Primeira parte ) Tempo da Quaresma Tríduo Pascal Tempo Pascal Tempo Comum

Início: Primeiro Domingo do Avento e término dia 24 de dezembro à tarde. Esse tempo é dividido em duas partes: do início até o dia 16 de dezembro, a Igreja se volta para a segunda vinda do Salvador, que vai acontecer no fim dos tempos. A partir do dia 17 até o final, a Igreja se volta para a primeira vinda do Salvador, que se encarnou no ventre de Maria e nasceu na pobre gruta de Belém. Duração do tempo: quatro semanas Espiritualidade: esperança; Ensinamento: anúncio da vinda do

Messias; Cor: roxo no primeiro, segundo e quarto e róseo ou rosado no terceiro, chamado “Domingo "Gaudete”, ou Domingo da Alegria”. Essa alegria é por causa do Natal que se aproxima. Personagens bíblicos mais lembrados nesse tempo: Isaías, João Batista e Maria. O Símbolo mais comum desse Tempo é a Coroa do Advento, com quatro velas a serem acesas a cada Domingo. Dicas: usa-se instrumentos musicais e ornamenta-se o altar com flores; porém, com moderação. A recitação do Hino de Louvor ("Glória a Deus nas alturas") é omitida.

Início: 25 de dezembro Toda semana seguinte a esse dia é chamada Oitava de Páscoa. São dias tão solenes quanto o dia 25. No primeiro Domingo após o dia 25 de dezembro, celebra-se a Festa da Sagrada Família; porém, quando o Natal do Senhor ocorrer no Domingo, a Festa da Sagrada Família se celebra no dia 30 de dezembro. No dia 01 de janeiro, celebra-se a Solenidade da Santa Maria, Mãe de Deus. No segundo domingo depois do Natal (entre 2 e 8 de janeiro), celebra-se a Solenidade da Epifania do Senhor. No domingo seguinte à Epifania que ocorrer no domingo 7 ou 8 janeiro, a Festa do Batismo do Senhor é celebrada na segunda-feira seguinte. O Tempo do Natal termina com a Festa do Batismo do Senhor. Cor: Branco Espiritualidade: Fé, alegria, acolhimento Ensinamento: O Filho de Deus se fez Homem Símbolos: presépio; luzes

Início: primeiro dia logo após a Festa do Batismo do Senhor O Tempo Comum é interrompido pela Quaresma. Com isso, essa primeira parte vai até a Terça-feira de Carnaval, pois na Quarta-feira de Cinzas já começa o Tempo da Quaresma. Cor: Verde Espiritualidade do Tempo Comum: Escuta da Palavra de Deus. Ensinamento: Anúncio do Reino de Deus

Início: Quarta-feira de Cinzas Término: Quinta-feira Santa de manhã Espiritualidade: Penitência e conversão Ensinamento: A Misericórdia de Deus Cor: Roxa O quarto Domingo é chamado "Laetare", ou seja, Domingo da Alegria. Semelhante ao terceiro Domingo do Advento, o quarto da Quaresma também é caracterizado pela alegria da Páscoa que se aproxima. Nesse dia, também pode-se usar paramento cor-de-rosa, que é uma cor mais suave. O sexto Domingo da Quaresma é Domingo de Ramos na Paixão do Senhor. Nesse dia, a cor Vermelha. Também nesse dia, inicia-se a Semana Santa. Dicas para o Tempo da Quaresma: exceto noDomingo da Alegria, não se ornamenta o altar com flores e o toque de instrumentos musicais é só para sustentar o canto. Durante todo o Tempo, omite-se o Aleluia, bem como também o Hino de Louvor. Continua na próxima edição

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

11


Geral

Pe. João Bernardo retorna Diocese de Cruz Alta dá boas à sua diocese de origem vindas ao padre Gibrail Walendorff “Meus queridos!” Esta simpática forma de tratamento repetida tantas vezes pelo Padre João Bernardo Limberger ao se dirigir a todos – quase um bordão – ficará na memória de todos aqueles que o conheceram e conviveram com ele durante o tempo em que esteve prestando seus serviços na Diocese de Cruz Alta. Depois de 21 anos, aos 65, o padre retornará à sua diocese de origem. Natural de Santa Cruz do Sul, o Pe. João Bernardo nasceu em 24 de junho de 1952 e foi ordenado no dia 03 de dezembro de 1978. Desde 1996 integrava o clero da Diocese de Cruz Alta, tendo atuado nas paróquias: Nossa Senhora de Lourdes, de Ibirubá (9 anos), Nossa Senhora Aparecida, de Ibirapuitã (3 anos), São João Batista, de Lagoão (8 anos) e, atualmente, atendia as paróquias São Pedro Apóstolo, de Fortaleza dos Valos e Nossa Senhora Aparecida, de Boa Vista do

Incra. O Pe. João Bernardo

deixará saudades pela sua alegria, carisma e dedicação ao sacerdócio. Ele atuará como pároco da Paróquia Nossa Senhora da Purificação, em Travesseiro e auxiliar na Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Arroio do Meio. A Diocese de Cruz Alta agradece pelo tempo em que esteve conosco e lhe deseja muitas bênçãos em sua caminhada. Que Nossa Senhora de Fátima interceda por vós.

Ao mesmo tempo em que se despede do Pe. João Bernardo, a Diocese de Cruz Alta dá as boas vindas ao padre Gibrail Walendorff, cedido pela Diocese de Osório. O padre Gibrail é n a t u r a l d e Soledade, nascido em 19/02/1961 e ordenado padre em 29/04/1995. Atualment e, o padre Gibrail desempenhava suas funções na paróquia São José Operário, em Torres/RS. Na Diocese de Cruz Alta, conforme nomeado pelo Bispo Diocesano, Dom Adelar Baruffi, o padre Gibrail assume a paróquia São Pedro Apóstolo, de Ajuricaba. Sua posse está prevista para o dia 28/01/2018.

Calendário de posse dos párocos 27/01/18 Pe. Marcos Rogério Denardi; 28/01/18 Pe. Gibrail Walendorff – 10h; 03/02/18 Pe. Eliseu Lucas Alves de Oliveira – 18h; 09/02/18 Pe. Estacínio – Boa Vista do Incra – 19h30min; 11/02/18 Pe. Estacínio – Fortaleza – 10h.

Dezembro

Agenda Diocesana 02/12 – 08h30min – Encontro de Estudos da Campanha da Fraternidade – CDFP; 02/12 – Assembleia Diocesana da Caritas – CDFP; 02 e 03/12 - Específica e investidura de MECEPs – CDFP; 17/12 – 14h – Reunião do Setor Juventude – CDFP; 25/12 – Natal.

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

13


Reflexões Por Renati Machiaveli Equipe de Liturgia

03/12/2017 I DOMINGO DO ADVENTO “Vigiai!” No domingo de hoje, inauguramos um novo Ano Litúrgico. É tempo do Advento, tempo de preparação pessoal, familiar e comunitária, de espera e conversão, pelo Deus Menino que se faz homem no meio de nós. A liturgia de hoje nos reforça a maneira como devemos fazer esta espera e preparação: vigiando! Na primeira leitura o profeta Isaías nos conta que o povo se afastou de Deus , e não consegue mais reconhece-lo. Ele clama para que novamente o Senhor se revele, especialmente aos que praticam a justiça com alegria, e andam nos caminhos de Deus. No evangelho de Mateus, encontramos nas palavras de Jesus a atitude da espera vigilante. Jesus pede para que não nos entreguemos apenas às tarefas diárias, mas que em cada momento de nossos dias, saibamos estar prontos e preparados para o Deus que vem ao nosso encontro. “Não sabeis quando o dono da casa vem...e que não suceda que vindo de repente, vos encontre dormindo”. Ora, quem dorme, dorme à noite. Nós, como dizia Paulo, somos filhos da luz e não das trevas. Portanto, para de novo reconhecermos e encontrarmos o Senhor que vem vindo, precisamos ter atitudes de filhos e filhas da luz; e neste tempo que preparamos o Natal, somos convidados por Cristo à superarmos os momentos de desânimo ou dificuldades que enfrentamos, e colocar nossa firme esperança no Senhor que vem! E a promessa de Paulo aos Coríntios, na segunda leitura de hoje, nos conforta: em Cristo fomos enriquecidos, Ele é a revelação e o encontro deste Deus, do qual muitas vezes nos afastamos, e Ele que nos dá a perseverança de continuar a caminho, na construção do Reino de Deus. Iniciando bem a preparação do Natal, façamos ecoar o refrão do salmo de hoje, pedindo ao Pai que ilumine com vossa face a nossa vida, e fazei-nos chegar a conversão para que sejamos salvos. 10/12/2017 II DOMINGO DO ADVENTO “Preparai o caminho do Senhor!” Fazendo a nossa cainhada de Advento, da feliz espera do Senhor, neste segundo domingo, acendemos a segunda vela da Coroa do Advento, e vamos expressando, como cristãos leigos e leigas, a nossa espera e confiança em Deus que vem para salvar. O evangelho de hoje nos apresenta um personagem muito importante no caminho da preparação da chegada de Jesus: Joao Batista. Ele foi o precursor no anúncio da vinda do Messias. Batizava, nas águas do Jordão, e anunciava um batismo de conversão, onde a atitude maior era a mudança de vida. E multidões eram batizadas por João, não somente pelo Batismo, mas pelo testemunho que João dava deste batismo: vivia de forma muito humilde e justa. Inspirava as pessoas a viverem desta forma também. João repetia o apelo do profeta Isaías: “preparai o caminho do Senhor, endireitai e aplainai suas veredas”. Ele veio à frente, e provando sua humildade, declarou que o Messias estava chegando, não era digno de desamarrar 14

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

suas sandálias. A voz de João e Isaías precisa ecoar ainda hoje para nós. É preciso preparar o terreno para a chegada do Senhor. Neste tempo que antecede o Natal , vemos muita preparação de casa, no comércio, com faxinas e com luzes; mas o que vem do evangelho é outra preparação: é preciso preparar o nosso coração; é preciso mudar nossas atitudes, no conselho de São Pedro, para uma vida santa e piedosa. Só assim o Messias vai inaugurar, também para nossas vidas, um novo céu e uma nova terra, onde reina a justiça e a paz, a verdade e o amor. Muito maior que presentes materiais, demos, neste Natal, a nós mesmos um grande presente espiritual: na força da oração, da vigilância e da esperança, preparamos o terreno de nossas famílias, para acolher o Deus que vem nascer para cada um de nós. 17/12/2017 III DOMINGO DO ADVENTO “O Senhor fará germinar a justiça entre as nações” O terceiro domingo do advento é o domingo da Alegria. Nosso Deus quer caminhar com seu povo, e está próximo. Como Maria, a Mãe do Salvador, queremos cantar as maravilhas que Deus faz quando caminha com seu povo: sacia de bens os famintos, acolhe seu povo, está com ele. No evangelho novamente vemos o precursor, João Batista; ele não é a luz, mas vem dar testemunho da luz; ele não é o Profeta, nem Elias, nem o Messias, mas vem para preparar a chegada do Deus que se encarna entre nós, cumprindo a promessa do profeta Isaías: “Deus irá fazer germinar a justiça e a glória diante de todas as nações”. Tememos a Deus, e a sua presença, pois muitas vezes entendemos Deus como algo extraordinário. Mas ele se revela como um Deus diferente, na presença de um menino, um homem que caminha no meio do povo. Este homem cumpre a promessa feita ao povo de Israel, e traz consigo grande comprometimento: a boa nova aos humildes, curar as feridas da alma, a redenção aos cativos, e a liberdade aos que estão presos. Eis porque devemos estar muito alegres. Deus está muito próximo de nós, e nos traz boas notícias. Mas é preciso que reparemos nosso coração, e estejamos abertos à sua presença. São Paulo pede aos tessalonicenses: guardai tudo o que for bom; afastai-vos de toda maldade! Eis as atitudes daqueles que preparam com alegria um Natal santo! É preciso converter-nos, para reconhecer, no meio de nós, aquele que já caminha conosco, e quer mais uma vez nascer em nós. Que a nossa alma esteja alegre, sadia, caminhando na justiça e na verdade, para bem recebermos o Senhor. Ele vem chegando! Está próximo de nós! Alegremo-nos! 24/12/2017 IV DOMINGO DO ADVENTO “Faça-se em mim segundo a tua palavra!” Vivemos o quarto domingo do Advento. As quatro velas já estão acesas, porque a grande luz já vai chegando para nos iluminar. Somente hoje, recebemos no evangelho a presença de

Maria. Foi pelo sim aberto e humilde, e comprometido, que se realizou a salvação. Mais uma vez , a humildade se ressalta. É do meio dos humildes que Deus quer se fazer presença: primeiro por João Batista, agora por Maria, a humilde serva do Senhor. Na primeira leitura, vemos a narração da preocupação do rei Davi com a casa do Senhor: “eu resido num palácio, e a Arca do Senhor em uma tenda!” Mas Deus revela sua grande majestade, fazendo nascer seu Filho, confirmando a promessa à Davi, de continuar a descendência, que será chamado Filho do Altíssimo. A promessa se cumpre em Maria. Assim como ela, nós também humildemente temos que receber Jesus. A grande mensagem do evangelho de hoje é a confiança que Maria deposita nos plano de Deus. Ela tem plena confiança no Senhor, e em seu plano de salvação. Mesmo sabendo das dificuldades da sociedade da época, ela se entrega totalmente ao que Deus planeja para ela. E nós, somos capazes de nos entregar totalmente a Deus? Somos capazes de nos entregar totalmente e livremente aos planos de Deus para nós? Deus quer nascer de novo para nós, mas somente se revelará a cada um, quando soubermos confiar Nele plenamente. Exerçamos a nossa fé, e com confiança e esperança, anunciemos o nascimento de Deus entre nós, a exemplo de Maria, neste Natal que se aproxima. 25/12/2017 NATAL DO SENHOR “E a Palavra se fez carne e habitou entre nós” É Natal! Deus quis fazer entre nós sua morada. E a faz para aqueles que acorreram até Ele, como os humildes pastores. E o faz para aqueles que prepararam os caminhos, e o faz para aqueles que depositaram sua confiança em Deus. O evangelho de João, no seu início nos lembra da Palavra: no princípio era a Palavra. Nos faz lembrar do livro do Gênesis, onde no princípio Deus criou o céu e a terra, e os criou pela sua Palavra. Ele ordenou, e tudo se fez. Tudo que existe é obra da palavra de Deus. Ela é luz para aqueles que a aceitam e querem caminhar com ele. Jesus, o menino que nasce, é a perfeição da Palavra de Deus. Ele é a grande luz que vem para iluminar a todos, especialmente aqueles que o aceitam, tornando-nos filhos e filhas da luz, filhos e filhas de Deus. A Palavra se fez carne e habitou entre nós. No salmo cantamos que o Senhor fez conhecer a salvação, e todo o seu amor sempre fiel. Deus cumpriu e cumpre a promessa que faz. Mas é preciso que façamos este salmo, e o Natal, ressoar todos os dias em nossas vidas: a salvação está disponível, planejada para cada um e cada uma, é preciso porém, que estejamos firmes caminhantes no seu encontro, pela conversão a cada dia. É preciso que o Menino Jesus, agora recém nascido, seja acolhido nos corações, e faça crescer seu plano die amor em cada um de nós. Deus sustenta o poder de sua Palavra. E nós, queremos acolhê-la com sinceridade e compromisso? Que as luzes do Natal, e o Menino que hoje contemplamos na manjedoura, sejam sinais para cada diae cada momento que vivemos, na construção da paz e da justiça.


Palavra do Bispo Dom Adelar Baruffi Bispo Diocesano de Cruz Alta

O rosto de nossa Diocese Realizamos nossa 43º Assembleia Diocesana de Pastoral, nos dias 07 e 08 de novembro. Que rosto nossa Igreja Particular mostrou? Que Igreja queremos ser? Igreja comunhão e participação. A Diocese quer caminhar na comunhão e participação. A Assembleia Diocesana de Pastoral é parte essencial desta eclesiologia de comunhão. A avaliação realizada partiu das paróquias e foi partilhada e aprofundada na Assembleia. Porém, podemos aqui nos perguntar: quem participou e teve a possibilidade de falar? As pessoas que estiveram presentes são realmente representantes da caminhada pastoral da Paróquia? A metodologia da Pastoral diocesana, que vem sendo trabalhada há anos, supõea superação do modelo “sócios”, “diretoria” e “presidente”para a existência de conselhos que congregam, sob a presidência do pároco, todas as iniciativas pastorais e administrativas da paróquia. É visível a dificuldade de comunhão paroquial e diocesana quando este Conselho não está organizado. Quando os leigos e leigas se sentem participantes do caminho evangelizador, não são somente executores de tarefas, mas sujeitos eclesiais. Mais uma vez, apareceu o desafio urgente de que todas as paróquias tenham organizado e funcionando o Conselho Paroquial de Pastoral e o Conselho Paroquial de Economia e Administração, com pessoas de fé, que estejam num caminho de formação permanente e num serviço eclesial. Igreja que forma discípulos missionários de Jesus Cristo. A característica principal do rosto de nossa Diocese, que emerge de nossa Assembleia, é a confirmação da Iniciação à Vida Cristã como o foco, a bússola, o olhar principal de nossa ação evangelizadora. Em todas nossas comunidades e paróquias, temos a necessidade de apostar em tudo o que ajuda nossos batizados a serem bons cristãos, seguidores de Jesus Cristo, discípulos missionários. Este é um caminho inadiável e irrenunciável. Ou somos capazes de oferecer percursos para que nossos cristãos vivam e testemunhem sua fé, a partir

do sempre renovado encontro com Jesus Cristo, com sua Palavra, com a Eucaristia e vinculados numa comunidade de fé, ou nossos batizados não terão a alegria de terem a amizade com o Ressuscitado e uma comunidade de irmãos e irmãs. Porque queremos oferecer Jesus Cristo e seu projeto, devemos ter nossos grupos missionários permanentes em cada comunidade, para ir ao encontro e oferecer a Palavra. Porque queremos que a formação seja não somente no período da catequese, desejamos que envolva os jovens, as famílias, grupos de estudo, oração e reflexão.Daqui resulta que nossos investimentos econômicos, nas comunidades, sempre tenham a prioridade de formar pessoas e, somente se sobrar, para obras materiais, como salões comunitários. Igreja misericordiosa, a serviço da vida. O rosto de nossa Diocese só será verdadeiramente belo quando formos pessoas de fé madura e dermos testemunho desta fé em Jesus Cristo na sociedade. Alegramo-nos por tantas iniciativas que estão funcionando, mas neste ponto precisamos crescer muito. Foi, a meu ver, o maior desafio que se mostrou: nossa presença como “sal” e “luz” na sociedade. Se nossa fé não nos leva a sairmos de nós mesmos, de nosso comodismo e indiferença e irmos ao encontro, com misericórdia, dos mais sofridos, então ela não tem a marca de Jesus Cristo. Temos esperança que o Ano do Laicato nos ajude a crescer na ousadia de testemunhar a fé em todos os ambientes. O que mais podemos e devemos fazer para que os pobres não fiquem esquecidos? Enfim, o rosto de nossa Diocese será mais belo ainda com o compromisso assumido de caminharmos cada vez mais na comunhão diocesana, evitando a indiferença e o personalismo pastoral. Nossa Senhora de Fátima, modelo de vida cristã, nos inspire e interceda pela nossa Diocese.

A Voz da Diocese/www.diocesecruzalta.com.br

15


Última

Assembleia Diocesana de Pastoral dá ênfase à IVC Durante dois dias, bispo, padres, religiosos e religiosas, lideranças paroquiais e diocesanas estiveram reunidos no Centro Diocesano de Formação Pastoral, para a 43ª Assembleia Diocesana de Pastoral realizada nos dias 07 e 08 de novembro. Neste ano, a assembléia concentrou suas atividades em torno do 19º Plano da Ação Evangelizadora, com ênfase na Iniciação a Vida Cristã, caminho proposto pela Igreja, tema abordado no primeiro dia pelo Diácono Ricardo Rossatto. Segundo ele, a iniciação à vida cristã se dá, primeiramente, na família, onde se estabelecem as relações que a criança terá com os pais, com a sociedade, com o mundo e com Deus. “Se a pessoa não tem essa iniciação à vida cristã, se ela não acontece no tempo devido nós vamos ter que recuperar e é isso que vai dar sustentação à vida inteira dela. A psicologia nos mostra que nós formamos a personalidade básica até os seis anos. Se nós não formarmos até os seis anos, não oferecermos este alimento que é a IVC, isso vai ter uma falha para o resto da vida da pessoa”, explica. Para o Diácono Rossatto, as pessoas buscam razões de viver e, muitas vezes, não se

Diaconato Permanente e outros temas

dão conta de que a razão de viver fundamental vem pela fé. “Temos que oferecer, de fato, não podemos privar os nossos jovens, os nossos filhos daquilo que os torna melhores, mais felizes, e a iniciação à vida cristã é o que vai nos fazer assim”, ressalta.

Tempo de reforçar as ações propostas pela Igreja Para o Bispo Diocesano Dom Adelar Baruffi, a assembléia é um momento de avaliação da caminhada diocesana e de reforçar as ações que estão sendo colocadas em prática nas paróquias. “No decorrer desses dois anos, iluminados pela reflexão teológica dos pastoralistas e confirmados pelo documento 107 da CNBB, olhamos, preferencialmente, para o ponto central de toda ação evangelizadora, que é a iniciação à vida cristã. A partir dela queremos que todas as outras urgências da ação evangelizadora sejam iluminadas. Ou seja, tudo aquilo que fizermos enquanto igreja diocesana possa, de verdade, ajudar para que aqueles que são batizados vivam a sua fé, descubram a alegria de serem cristãos e possam a cada dia firmar segmento de Jesus Cristo como bons discípulos e missionários numa comunidade de fé a que pertencem e, também, suas consequências práticas na vida do dia a dia, seja na sua vida pessoal, na sua vida familiar, na vida social, no bem que nós somos chamados a construirmos o mundo”, destaca. Segundo Dom Adelar, a assembleia é, também, um momento bonito de comunhão diocesana, momento de celebração, de

www.diocesecruzalta.com.br

Fo r a m d i s c u t i d o s e apresentados, ainda, temas como: a caminhada para a implantação do Diaconato permanente na Diocese, novo formato do Curso de lideranças, experiências e mudanças, Agenda diocesana, Ano do laicato, entre outros. O tema Diaconato Permanente foi apresentado pelo Pe. Magnus Camargo que falou dos aspectos práticos e o andamento da implantação do diaconato na Diocese de Cruz Alta. Conforme o padre está confirmado o início desta primeira turma para o início de 2018. As aulas serão realizadas em Santa Maria, no sistema de módulos, (cerca de mil horas/aulas), com conteúdos da teologia, sendo um final de semana por mês, com possibilidade de intensivo de uma semana no mês de janeiro. O padre reforça que haverá acompanhamento da comissão diocesana para o diaconato. Sobre o tema, o Bispo Diocesano Dom Adelar Baruffi reforçou que as paróquias que desejam indicar nomes para o diaconato podem fazer até o final do ano. Estes nomes devem passar pelo Conselho Paroquial. “Não é uma questão de indicar um nome, mas uma questão de vocação, muito pessoal de cada um de servir a este ministério”, diz.

Apresentação alegria, de convívio e de aprofundamento. Portanto, um momento que merece ser destacado, que merece ser celebrado como Diocese de Cruz Alta. “Como nos diz a Escritura, “oh, como é bom, como é agradável para irmãos unidos viverem juntos” (Sl 132,1). Todos são participantes ativos da Assembleia. Convivemos, rezamos, aprofundamos os temas e tomamos decisões juntos. Manifestamos a comunhão diocesana, que continua em cada uma das paróquias da Diocese”.

www.facebook.com/diocesede.cruzalta

Durante a assembleia, Dom Adelar apresentou os dois novos sacerdotes que passam a compor o clero da Diocese: Pe. Gibrail Walendorff e Pe. Ademir Alves Moreira.

twitter.com/diocesecruzalta

Jornal de dezembro  
Advertisement