Jornal da Diocese de Blumenau Outubro/2011

Page 1

Cáritas Diocesana faz campanha para ajudar vítimas de enchente

pág.

ANO XI - nº 121 - Outubro de 2011 - Leia mais: www.diocesedeblumenau.org.br

Diocese de Blumenau CNBB Regional Sul 4

12

Jornal da

Diocese de Blumenau

O mundo é a nossa missão

Bento XVI

Destinados ao anúncio do Evangelho são todos os povos. O Evangelho é um dom a ser dividido, confiado a todos os batizados


2

www.dioceseblumenau.org.br Outubro de 2011 . Jornal da Diocese de Blumenau

Opinião

“Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20,21)

A misericórdia de Deus é para todo ser vivo se porta-voz deste urgente apelo missionário. Urgente, sim, porque enquanto um cristão titubeia em sua resposta, com certeza, muitos irmãos e irmãs morrem de fome e sede da Palavra de Deus. E num tempo de catástrofes climáticas, violência, miséria e desconsideração do ser humano, essas dramáticas afirmações não são apenas metáforas. Por outro lado, não são realidades distantes de nós. Nos morros e periferias das nossas cidades, no trânsito das nossas ruas, nas casas das nossas famílias, a vida corre perigo. Precisa ser protegida, cuidada, cultivada, em todas as suas manifestações. Deus o ilumine, caro leitor, para que na generosidade do seu “sim” ao chamado descubra também a alegria e o sentido da sua vida e até mesmo da sua dor e dificuldades.

“Necessitamos todos, inclusive em momentos de lazer e diversão, manter vivo nosso relacionamento com Deus”

Artigo

Editorial

Na parábola dos trabalhadores da vinha, no Evangelho de Mateus, à pergunta do patrão “Porque estais aí, desocupados?” - surpreende a resposta daqueles homens: “Porque ninguém nos contratou”. Os padres da Igreja, especialmente São Gregório Magno, diz que esses que ninguém contratou são os que não conhecem Jesus. Pois todos os que O conhecem verdadeiramente descobrem também seus dons e sua missão. Novamente estamos vivenciando o Mês Missionário. Sob o tema “Missão na Ecologia” e o lema “A misericórdia de Deus é para todo ser vivo” (Eclo 18,12b), em todas as comunidades católicas/cristãs soa o apelo ao compromisso missionário. O Jornal da Diocese, atento ao chamado do Senhor, quer fazer-

É tempo de alegria no Vale O mês de outubro, para Blumenau e Vale do Itajaí, transformou-se num tempo de festas. Capitaneadas pela Oktoberfest, várias cidades da região têm programadas as suas festas de tradição. Esse clima alegra-nos por dois motivos. O potencial turístico da região é evidenciado e prestigiado pelos inúmeros visitantes, inclusive do exterior. Sabemos como, em relação ao desenvolvimento integral de uma região, vai adquirindo cada vez mais destaque o setor turístico. Não há dúvida de que a região e Santa Catarina podem valer-se dessa vocação turística. A diversão é característica de um povo feliz. Nem é necessário muito poder aquisitivo para partilhar alegria. As culturas presentes em nossa região adquirem visibilidade nas tradições que são revividas e celebradas. Além disso, alegria é saúde, celebração de vida e comunhão entre pessoas, grupos, povos. Por outro lado, não há como esconder a preocupação com os exageros e prejuízos conseqüentes de comportamentos e costumes alheios aos nossos valores. Em

lugares de exploração turística observase a exacerbação de certos males, como a agressão à natureza, a drogadição (especialmente o alcoolismo), a prostituição infantil e a violência, principalmente no trânsito, uma vez que aumenta consideravelmente o movimento de veículos em nossas estradas. Cabe a todos nós uma vigilância de preservação dos nossos valores, principalmente a família, a natureza, o relacionamento humano sadio e construtivo. A Igreja, nesse sentido, em muitos lugares, marca presença com a Pastoral do Turismo. São capacitados agentes pastorais para exercer autêntico apostolado entre os turistas, proporcionando-lhes acolhida cristã, orientação quanto a celebrações e atendimento pastoral. Pois necessitamos todos, inclusive em momentos de lazer e diversão, manter vivo nosso relacionamento com Deus. Diz o apóstolo Paulo: “ Nele vivemos, nos movemos e somos” (At 17,28). Padre Raul Kestring

Dom José

Por que um Congresso Eucarístico Diocesano? “O Congresso Eucarístico é uma oportunidade, um remédio para reavivar a caridade, motivar a esperança, num mundo que nos desafia, querendo ofuscar a presença de Deus”

Chegamos à decisão de realizar um Congresso Eucarístico Diocesano, depois de dois anos de caminhada. Quem nos ajudou a chegar até aqui foram os discípulos de Emaús que, em nosso plano pastoral, vislumbraram para nós a pedagogia de Jesus, que, depois da ressurreição, colocou-se ao lado deles para orientá-los no caminho do anúncio da vida cristã. No ano passado, Jesus nos ensinou a viver e a pôr em prática a sua Palavra. Neste ano, nos ajudou a viver melhor a liturgia, sentando conosco à mesa e partindo o pão. O que é um Congresso Eucarístico? A palavra “congresso” nos leva a entender um convergir de pessoas,

experiência do povo, que se reúne, faz um percurso junto, se reencontra. Na palavra “eucarístico” encontramos o motivo do “encontrar-nos”. É o elemento que nos atrai, o sujeito que nos chama. O fato de nos congregarmos nasce de um chamado. A Eucaristia é o Cristo presente no Santíssimo Sacramento, que nos chama e convoca. O termo “diocesano” sublinha a dimensão eclesial comunitária do evento. Na Diocese, as 38 paróquias em 13 municípios têm a mesma fé em Cristo, vivem a mesma missão e se sentem empenhadas em viver o caminho da caridade e da santidade. O tema do Congresso nasceu do

trecho de Lucas, sobre os discípulos de Emaús: “Seus olhos se abriram e eles o reconheceram”. E por que celebrar um Congresso Eucarístico? Precisamos colocar novamente no centro a fé e a vida de fé em Jesus Cristo. Ele nos assegurou: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20). Celebrar um Congresso Eucarístico é contar, anunciar ao mundo que Cristo na Eucaristia está mais próximo de nós do que pensamos. Se acreditamos, devemos mostrar que experimentamos a presença do Ressuscitado. Nós não testemunhamos um morto, mas um vivente. Outro significado do Congresso

Eucarístico é sua dimensão eclesial, de fazer da Igreja o que dizia João Paulo II: “casa e escola de comunhão”. Isso será possível se a Igreja se deixar plasmar a partir da Eucaristia. A comunhão nasce da experiência com Cristo, único pão repartido e doado. O Congresso Eucarístico é uma oportunidade para reavivar a caridade, motivar a esperança, em um mundo que nos desafia, querendo ofuscar a presença de Deus. Lanço para todos uma frase, que podemos repetir um ao outro: “Eu vou ao Congresso Eucarístico, porque sou Igreja e quero encontrar Jesus nos meus irmãos e irmãs”.


3

Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

Diocese

“Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as escrituras?” (Lc 24,32)

CONGRESSO

Eucaristia, comunhão e compromisso O encontro com Jesus Ressuscitado no partir do pão nos envia, com renovado ardor e vigor, à missão Neste Ano da Liturgia, a Diocese de Blumenau, ajoelhada, diante de Jesus, Pão vivo descido do céu, na realização do Congresso Eucarístico, proclama, em ato de fé, esperança e amor: “meu Senhor e meu Deus!”. O Concílio Vaticano II, na constituição sobre a Sagrada Liturgia, nos ensina que “a Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, é a fonte donde emana toda a sua força. Da Liturgia, portanto, mas da Eucaristia, principalmente, como de uma fonte, se deriva a graça para nós e com a maior eficácia é obtida aquela santificação das pessoas em Cristo e a glorificação de Deus, para a qual, como a seu fim, tendem todas as demais obras da Igreja”. (SC.10). Ao vivermos com entusiasmo o Congresso Eucarístico estamos implorando ao Senhor que nos faça, como Diocese, Povo de Deus em profunda comunhão com a Trindade Santa e com todos os irmãos.

Lavar os pés O encontro com Jesus Ressuscitado no partir do pão

nos envia, com renovado ardor e vigor, à missão (Lc 24,32-33), em evangélica opção preferencial pelos pobres e excluídos. Jamais nos esqueçamos de que a autêntica vivência da Eucaristia está comprometida com o serviço ao próximo, com o “lavar os pés”. Porque Jesus, na Ceia Eucarística, assim o fez e nos mandou fazermos o mesmo! (Jo13,1-17). A Eucaristia vivida no templo, no Santo Sacrifício da Missa, nos empurra para o compromisso evangelizador, ao encontro com Jesus hóstia viva - nos irmãos atirados às drogas, ao sexo pelo sexo, aos excluídos pelas mais diversas discriminações. São urgentes, neste contexto, as palavras de São João Crisóstomo, bispo e doutor da Igreja, exigindo coerência entre o culto e a vida: “Queres honrar o Corpo de Cristo? Não comeces por desprezá-lo quando ele estiver nu. Não o honres com vestes de seda, para o desprezar quando sofre o frio ou a nudez. Porque, aquele que disse ‘Isto é o meu Corpo’ é o mesmo que disse ‘Viste-me com fome e não me destes de comer’. Que vantagem haverá em que a mesa do Cristo esteja carregada

com vasos de ouro, enquanto Ele morre de fome? Começa por saciar o faminto e, com aquilo que te sobrar, honra o seu altar. Fazes um cálice de ouro e não Lhe das um copo de água fresca? E, para que serve revestir o altar de Cristo com véus de ouro, se não dás a roupa de que Ele precisa? Por isso, quando tu ornamentas a igreja, não esqueças de teu irmão em sofrimento, porque este templo tem mais valor do que o outro”.

Com estes sentimentos, vamos avante, de esperança em esperança, como Diocese discípula, missionária, profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia! Brilhe sobre esta amada Diocese o “sol da justiça e reine a paz sobre nós!” (cf.Is 58,10). Dom Angélico Sândalo Bernardino Bispo Emérito de Blumenau

Programação do Congresso Eucarístico é alterada A programação do I Congresso Eucarístico Diocesano de Blumenau, marcado para acontecer na semana de 25 de setembro a 2 de outubro, sofreu alterações. O evento vinha envolvendo muitas pessoas, recursos e encaminhamentos, sem falar no público de 5 mil congressistas, esperados para a grande festa, no Ginásio de Esportes Galegão. A menos de um mês do Congresso, a ocorrência da enchente, que atingiu a marca de 12,6 metros, trouxe novamente sofrimento e dor à nossa região, que ainda tenta se recuperar da lama e dos prejuízos. O bispo Dom José e os padres da Diocese entenderam que não é possível manter uma programação tão complexa nestas circunstâncias, diante das privações e dificuldades vividas por muitas famílias. Uma nova agenda foi criada para celebrar o Congresso Eucarístico, com a realização de duas celebrações na Catedral São Paulo Apóstolo e para as quais toda a comunidade diocesana está convocada. No domingo, 25 de setembro, foi celebrada a Missa de Abertura do Congresso Eucarístico Diocesano. Simbolizando a unidade da nossa Igreja Particular (Diocesana), foi trasladada para cada igreja matriz, uma hóstia consagrada nessa missa. Recepcionada em cada paróquia, a Sagrada Eucaristia ali permanecerá durante toda a Semana Eucarística, para que as comunidades promovam adorações, vigílias, caminhadas e encontros de formação sobre a Eucaristia. No domingo seguinte, 2 de outubro, às 15 horas, o povo é convidado novamente para a solene Celebração Eucarística de encerramento do Congresso. Nessa ocasião serão feitas preces pelos atingidos da enchente, que segundo avaliações, chegam a mil famílias. A coleta da celebração será destinada à campanha da Cáritas Diocesana de Blumenau, para ser encaminhada aos mais atingidos. Nessa situação, toca-nos o ensinamento da Igreja. O Papa Paulo VI, certa ocasião, falando às educadoras dedicadas ao cuidado de crianças doentes, disse: “Elas são destinadas a uma espécie de adoração perpétua, que não é a do Senhor, sob as aparências eucarísticas, na sua presença real, mas aquela que Bossuet chamava ‘a presença humana de Cristo Jesus nos sofredores’” (In Insegnamenti di Paolo VI, II, Poliglota Vaticana, 1966, p. 1178).


4

www.dioceseblumenau.org.br Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau

Igreja

“Como é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos, também vós, em todo o vosso proceder” (1 Pd 1,15)

EXEMPLO

O que é ser santo? Escreve São Pedro Apóstolo: “Como é santo aquele que vos chamou, tornai-vos também santos em todo o vosso comportamento, porque está escrito, sede santos, porque eu sou santo” (1Pd 1,15-16). Santo Agostinho de Hipona, na homilia para a festa de todos os santos, declarou: “Se eles e elas chegaram a ser santos, porque não posso eu também?”. Santa Teresinha do Menino Jesus, desde menina, sonhava em ser santa “e uma grande santa”. E o foi. Realmente, Santa Teresinha é, de verdade, uma grande santa, conhecida no mundo inteiro. Querida e sábia doutora da Igreja, padroeira das missões, dos floristas e dos aviadores. Deixou-nos o seu testamento espiritual no livro autobiográfico “História de uma alma”, um dos mais lidos depois da Bíblia Sagrada. Ela disse: “Quero passar meu céu fazendo o bem sobre a terra”. A primeira santa da Índia - Alfonsa da Imaculada Conceição - dizia desde criança: “Quero ser santa como Santa Teresinha do Menino Jesus”. Foi canonizada no dia 12 de outubro de 2008 pelo Papa Bento XVI, na Praça de São Pedro, no Vaticano. Seu lema, “Consumir-se como uma vela para iluminar os outros”.

Preparando a celebração do Dia de Todos os Santos, uma reflexão sobre o que inspirou estes escolhidos

Força Ser santo é viver a fortaleza do corpo, da alma e do espírito no alimento do Pão Eucarístico. É amar o Cristo, a Igreja, o céu, o pecador e o diferente. Não pode haver maior desejo no coração do cristão do que o de ser santo. O método mais eficaz para evangelização e a resposta radical para o mundo em franca decadência é a nossa santificação. A santidade é a maior pregação e o maior testemunho da vida cristã. Não existe refutação para essas duas práticas. Ser santo é ser feliz. A meta do santo é contemplar para sempre a face do bom Deus. Sabemos que o século 21 será o século abissal dos eremitas, dos místicos e dos santos.

Inspiração Mas, afinal o que é ser santo? A resposta está nas Escrituras. No Evangelho de Mateus vemos: “É aquele que ama a Deus, a si mesmo e ao próximo” (Mt 22,37-39). Ou ainda, “É aquele que guarda os mandamentos do bom Deus” (Mt 19,17). Na carta de São Paulo aos Corintios está decretado: “É aquele que tem a alma lavada no sangue de Jesus Cristo” (2Cor 7,1; 1Jo 1,7.9). E também em Lucas e nas cartas de João há definições de santidade: “É aquele que vive separado das coisas mundanas e vive unido pela graça para o serviço do Reino de Deus” (Lc 9,57-62 e 1Jo 2,15-17).

TEMPERADOS

Roncaglio

A santidade está na dimensão do amor. Deus é amor. Os grandes companheiros da santidade são o amor, a fé, a esperança, a verdade, o perdão e a graça. No amor, tudo é dinâmico na novidade do Espírito Santo e tudo é novo para o progresso da santidade. As coisas velhas, as trevas e o passado de morte ficaram apagados para sempre. Caminhamos na luz de Cristo para a cidade da luz eterna (Ap 22,5). Desde o nosso batismo brilha a nossa veste branca, a nossa vela e a nossa vida. Pelo batismo e em Cristo somos santificados (Rm 6,1-4 e 1Cor 1,2). São Maximiliano Kolbe disse: “O santo vai sempre para frente, sem ligar para o próprio estado de saúde ou a idade. Pelo contrário, as doenças e as aflições se tornam para ele uma escada para uma maior perfeição. No seu fogo ele se purifica como o ouro”.

Padre Inácio do Vae, professor de História da Igreja na Faculdade de Teologia de Volta Redonda (RJ)

SANTO DO MÊS

Santa Terezinha do Menino Jesus O dia 1º de outubro é consagrado à padroeira dos missionários, Santa Teresinha do Menino Jesus. Sua biografia não registra pregação de missões em países distantes, mas uma alma missionária. Quando criança, expressara o desejo de ser missionária para anunciar Jesus, pronta até a morrer pela fé. Teve um grande amor às missões e aos missionários, com quem se correspondia e por eles rezava. Ao iniciar, então, o mês missionário lembrando esta santa, somos impelidos também nós, no lugar em que moramos e trabalhamos, a ser missionários de Jesus. Pois Santa Teresinha foi missionária dentro do seu convento. Teresinha nasceu em Alençon, França, em 1873. Sua família era modesta e temente a Deus. Os pais, Luís e Zélia, tiveram oito filhos, além de Teresa. Quatro morreram com pouca idade. Aos 15 anos, Teresinha entrou no Mosteiro das Carmelitas de Lisieux, com autorização do Papa Leão XIII. Sua vida se passou na humildade, simplicidade e confiança plena em Deus. Todos os sacrifícios oferecia a Deus, pela salvação das pessoas e na intenção da Igreja. Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face esteve como criança nos braços do Pai, livre como um brinquedo aos cuidados do Menino Jesus. Tomada pelo amor, aprendeu e ensinou um lindo e possível caminho de santidade: a infância espiritual. Morreu de tuberculose aos 24 anos, em 30 de outubro de 1897, dizendo suas últimas palavras: “Oh!.... amo-O. Deus meu, amo-Vos!” Após sua morte, foram publicados seus escritos. A chuva de rosas, de milagres e graças que ela prometera quando chegasse ao paraíso, começaram a ser realidade em todo o mundo. Foi beatificada em 1923, canonizada em 1925 e declarada padroeira universal das missões em 1927, pelo Papa Pio XI. Em 1997 o Papa João Paulo II proclamou Santa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face doutora da Igreja.

◗ Potas e Janelas ◗ Espelhos acb. em Bisote ◗ Box p/ Banheiro ◗ Decoração ◗ Prateleiras ◗ Tampos ◗ Vidros temperados

Rua: XV de Novembro, 810 e 866 – Centro – Blumenau – Telefone 33267000 Aristiliano Ramos, 211 - Centro - Gaspar - Telefone 33180100

Fone/Fax: (47) 3323 3159 Rua 25 de Julho, 1100 - Bairro It. Norte - Blumenau - SC

Proteja seus olhos com total segurança, vá à Optica Heusi! ✓ Óculos Solar ✓ Lentes Progressivas ✓ Lentes Anti-Reflexo

Armações de várias marcas e modelos. Tudo com certificado de garantia e qualidade.

Rua Padre Jacobs, 14 ❘ centro, junto a torre da Catedral ❘ Fone 3340 8042 Fax 3322 8299 ❘ e-mail: Jorge.luiz001@terra.com.br

57 AN

de tradição OS p Blumenau ara e região


5

Outubro 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

Catequese

“Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda a criatura” (Mt 16,15)

Como foram as concentrações

REFLEXÃO

A importância das concentrações catequéticas “Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós e sereis minhas testemunhas... até os confins da terra”(At 1,8) A catequese, em estilo catecumenal, é um itinerário especial e decisivo para o cumprimento do mandato missionário de Jesus. O catequista participa desta missão que a Igreja recebeu de Jesus: fazer da catequese um caminho de formação de discípulos missionários. “Ser discípulo é dom destinado a crescer” (DAp 288). O seguimento é a melhor forma de explicitar a identidade cristã, responder ao chamado de Jesus e colocar-se a caminho, entrando na dinâmica processual do discipulado. Daí a necessidade de propostas claras e definidas para a formação de catequistas. Insistimos afirmando que a catequese na Igreja deve ser prioridade e por esta razão desejamos cuidar bem da formação dos educadores da fé nos diferentes níveis de atuação, deixando marcos no caminho: “Levanta marcos para ti, coloca indicadores de caminho, presta atenção ao percurso, no caminho onde caminhaste” (Jr 31,21). A partir desta introdução, apresentaremos um relato das concentrações de catequistas realizadas, uma no mês de abril e três no mês de agosto, em quatro comarcas: Timbó, Blumenau Norte,

[+] Objetivos ✗ Reunir catequistas para reflexão e estudo de tema em destaque na Diocese, de forma mais aprofundada, com enfoque na formação continuada. ✗ Criar laços de unidade entre catequistas das diversas paróquias e comarcas. ✗ Fortalecer o sentido da vida e a convivência comunitária. ✗ Oportunizar a partilha de experiências vividas na catequese, o bem-querer, a criatividade, a confraternização, a festa. ✗ Valorizar a missão e fazer discípulos seguidores de Jesus, “ pelos quais a comunidade cristã é, em si mesma uma catequese viva, por aquilo que é, anuncia e celebra, opera e permanece sempre o lugar vital, indispensável e primário da catequese” (DGC 141b).

Quatrocentos catequistas participaram da Concentração da Comarca Norte, na Paróquia São Francisco de Assis, em Blumenau, assessorada pelo Frei Pascoal Fusinato

Blumenau Sul e Navegantes. As concentrações não acontecem por acaso, têm seus objetivos definidos. Emanuel, também conhecido como Pipoca, com seu violão, animou a concentração da Comarca de Navegantes, na Paróquia Nossa Senhora da Paz, em Piçarras

Padre Marcelo Martendal assessorou a Concentração Catequética da Comarca Sul, no Salão Nossa Senhora Aparecida, anexo à Catedral, da qual participaram 160 catequistas

“Encontramos o Senhor! Vem e vê”! (Jo 1,4b.46c) Sob o tema “Mistagogia, novo caminho formativo de catequistas, ocorreu o Sulão, com o objetivo de ajudar os catequistas a aprofundarem a reflexão bíblico-catequética para sua formação, tendo em vista a Iniciação à Vida Cristã. Saber as exigências necessárias, despertando o aspecto mistagógico,

apontando caminhos para o discipulado missionário. Participaram deste evento, Joana (Comarca Sul), Raquel (Navegantes), Rosemary (Comarca Norte), Padre Alexandre (Timbó) e Irmã Anna (da equipe de Coordenação do Sulão). Foram 37 participantes das 10 dioceses do Regional Sul IV.

Comarca Blumenau Norte: realizada em 7 de agosto, na Paróquia São Francisco de Assis, contou com a participação de 400 catequistas de seis paróquias. Foi um momento de reflexão e alegria com apresentações criativas sobre o tema, com assessoria do Frei Pascoal Fusinato. Comarca Blumenau Sul: no dia 28 de agosto, Dia do Catequista, 160 pessoas participaram da concentração na Paróquia da Catedral. Foi um momento forte e de efetiva participação, assessorado pelo Padre Marcelo Martendal. Dom José esteve presente, saudou e agradeceu a cada catequista, ressaltando a importância de sua missão. Comarca de Navegantes: ocorreu no dia 4 de setembro, na Paróquia Nossa Senhora da Paz, em Piçarras. Foi uma concentração celebrativa, com a participação de 250 catequistas entusiasmados, vibrantes e criativos. Dom José esteve presente para a celebração Eucarística, agradecendo a cada catequista, o serviço prestado à Igreja, Um agradecimento especial da Coordenação Diocesana de Catequese a Dom José, pela presença alegre. Nosso obrigado igualmente aos catequistas e aos padres das respectivas paróquias, que se fizeram presentes, apoiando e acompanhando os participantes na festa e na alegria. Uma comarca não realizou concentração este ano. Quatro paróquias e seus catequistas não participaram. Estes encontros são momentos fortes e oportunizam a ajuda e o incentivo de caminhar junto com a Diocese, valorizando tantos homens e mulheres que dedicam sua vida à catequese, dando seu tempo e vida e fazendo ecoar a Palavra de Deus no coração de crianças, adolescentes, jovens e adultos.

PARÓQUIA SANTUÁRIO NOSSA SENHORA APARECIDA Convida você e sua família a participarem da festa da Padroeira

07 a 12 de Outubro de 2011

Irmã Anna Gonçalves - Coordenadora Diocesana de Catequese

Apoio

Distribuidor de Bebidas, Arcor, Gold, Sufresh, Pilhas Panasonic.

Tel (47) 3340-0001

JK DISTRIBUIDORA DE CARNES

Fone: (47) 3397-7100

MultiAr Condicionados Ltda.

Rua Paris, 150 - Itoupava Norte - Blumenau - SC - Tel: (47) 3378-3930


6

www.dioceseblumenau.org.br Outubro 2011. Jornal da Diocese de Blumenau

Ecumenismo

“Eu vivo, mas não eu: é Cristo que vive em mim” (Gl 4,20)

SULÃO

[+] Compromissos do Sulão

Mutirão Ecumênico manifesta a vitalidade do empenho pela unidade

✗ Construir espaços locais e regionais de encontro ecumênico, com o objetivo de formar e envolver novos agentes ecumênicos; ✗ Fortalecer ações comuns, através da convivência e da celebração, incentivando a participação da juventude; ✗ Aprofundar temas como saúde, meio ambiente e alternativas ecológicas, provocando um maior envolvimento das Igrejas no âmbito social de projetos e ações;

De Santa Catarina, 30 pessoas participaram e têm agora a missão de solidificar os compromissos do evento Quem imagina que, no Brasil o movimento ecumênico vive tempos de inverno, surpreende-se ao perceber o oposto, uma realidade viva e em plena expansão. Foi o que saltou aos olhos no VI Sulão Ecumênico, nos dias 26, 27 e 28 de agosto, em São Leopoldo (RS). Cristãos de diferentes credos, nas diferentes formas de cristianismo (Católica Romana, Luterana, Anglicana, Presbiteriana, Batista e Metodista) viveram a unidade na diversidade. Momentos de oração, canções, estudos, coreografias, exibições culturais, troca de experiências demonstravam o calor,

Participantes vieram de vários países, para consolidar o movimento do ecumenismo alegria e entusiasmo de um grupo que, como uma verdadeira família, buscava mais caminhos, pontes, ideais comuns, mesmo nas suas diferenças. Às diferenças religiosas somavam-se as cores culturais. Os participantes vieram de todos os cantos do nosso continente (São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Pernambuco, Uruguai, Argentina, Cuba e Colômbia) e também de terras mais distantes (Moçambique, na África). Ao todo, 210 agentes ecumênicos foram acolhidos com alegria em terras

sul-riograndenses. De Santa Catarina, um grupo de 30 pessoas envolvidas diretamente com o trabalho ecumênico esteve presente ao Sulão, trazendo a missão de trabalhar para solidificar as organizações que assumem esse sonho entre nós. “Buscamos respostas proféticas e ousadas, pois sentimos que a criação espera com impaciência a manifestação dos filhos de Deus”, afirmou o Padre Elias Wolf, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso, da CNBB.

✗ Ampliar a articulação da REJU Sul, divulgando as mobilizações e se articulando para a Rio +20 (Conferência da ONU) e a Conferência dos Povos, que ocorrerá no Rio de Janeiro, em junho de 2012, com ações e espaços de encontro e de estudo; ✗ Inserir-se nos movimentos de mobilização, articulação e reivindicação social frente às questões ecológicas, sociais e econômicas, sendo uma voz profética na defesa da vida. ✗ Realizar um novo encontro no ano de 2013, tendo sido escolhido o Paraná como indicativo de local.

Bispo de Chapecó fala de ecumenismo em Timbó Integrantes da equipe de ecumenismo da cidade de Timbó convidaram Dom Manoel João Francisco, bispo de Chapecó e presidente do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil), para um bate-papo sobre ecumenismo. O encontro ocorreu no dia 20 de setembro, no Auditório da Paróquia Santa Teresinha. Houve envolvente troca de informa-

A Carta do Mutirão Ecumênico destaca os momentos marcantes do encontro: 1. Aprofundamento da história do movimento ecumênico mundial, dos desafios e perspectivas da ecologia, do compromisso com as questões ecológicas e as implicações derivadas de uma ética social ecumênica. 2. Aproximamo-nos e conhecemos experiências concretas partilhadas e construídas em parceria e mutirão: o Movimento Indígena, a Agroecologia, os Quilombolas, o Movimento dos Focolores, a Rede Ecumênica da Juventude (REJU), a Federação Universal dos Movimentos Estudantis Cristãos (FUMEC), Pastoral da Ecologia, a ONG Trilha Cidadã, a Fundação Luterana de Diaconia (FLD), o Movimento de Catadores, o Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos (CEBI). 3. A REJU e a FUMEC promoveram reuniões com a juventude presente, traçando metas de mobilização e articulação. Das reflexões e ponderações feitas pelos palestrantes e pelas intervenções do plenário, a conclusão foi de que muitas ações são necessárias para se criar um mundo com novas relações, com posturas éticas e comprometidas com a justiça social, sustentabilidade e defesa da vida.

Encontro com Dom Manoel foi uma oportunidade de aprendizado e integração para a comunidade de Timbó

ções, o que demonstrou o vivo relacionamento ecumênico naquela região. Dom Manoel destacou duas comemorações com fortes marcas ecumênicas: o 500º Aniversário da Reforma, que está sendo preparado para celebrar no ano de 2017 e o 5º aniversário do Concílio Ecumênico Vaticano II, que será comemorado em 2012.

Fone: (47) 3327 4019

Rua Coripós, 1001, Sl 02 - Asilo Blumenau, SC

Momentos marcantes

3337 3764 9925 0771

gmusinagens@gmail.com

Rua Paulo Zingel Filho, 69 - Itoupava Central - Blumenau - SC


7

Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

Enfoque Pastoral

“Ninguém te menospreze por seres jovem. De tua parte, procura ser para os que creem um exemplo, pela palavra, conduta, pelo amor, pela fé, pela castidade” (1Tm 4,12)

JUVENTUDE

Aprendizados em meio à fé A experiência dos representantes diocesanos na Jornada Mundial, em Madri

Nomeação O Papa Bento XVI nomeou hoje, 28, como Arcebispo de Florianópolis o atual Bispo de Tubarão, Dom Wilson Tadeu Jönck. Diocesanas e diocesanos de Blumenau, com nosso bispo Dom José Negri, manifestamos nossa alegria por esta notícia e desejamos a Dom Wilson as boas vindas ao novo encargo em nosso Estado de Santa Catarina, como também um apostolado fecundo em Florianópolis e entre nós.

Prevenção é o lema na Pastoral da Saúde Representantes da Diocese participaram ativamente da agenda da Jornada Mundial da Juventude, na Espanha O versículo bíblico “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé” (Cl 2,7) foi o norte dos participantes da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), realizada em Madri, na Espanha. O aprendizado e as experiências na caminhada pela fé foram vivenciados por uma delegação oficial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na qual se inseriram os jovens do nosso Regional Sul IV. Estes embarcaram em Florianópolis, no dia 9 de agosto, e retornaram no dia 25 agosto. A Diocese Blumenau esteve representada por quatro integrantes: Eduardo Vicente (Comarca Navegantes), Andréia Rodrigues (Comarca Timbó), Jaime Tavares (Comarca Blumenau) e o Padre Roberto Carlos Cattoni (coordenador do Setor Juventude da Diocese). A CNBB enviou 500 jovens para a Jornada, que recebeu 16 mil brasileiros e milhares de jovens de 170 países. Antes mesmo do início da programação da JMJ, milhares de jovens tiveram a oportunidade de vivenciar a pré-jornada em algumas dioceses de

Madri. Os integrantes da nossa diocese participaram da programação em Sevilla, acolhidos pelas Irmãs da Oscus (Obra Social Cultural Sopeña). Missas, orações, catequeses, atividades culturais e visitas religiosas integraram a agenda pré-jornada. O Padre Cattoni destaca as experiências e vivências oportunizadas no contato com famílias e institutos da Espanha. “Também foi possível ter um contato maior com a cultura e as tradições locais, além de conhecer pontos turísticos do país”, diz.

A caminhada A Jornada foi marcada pela chegada do Papa Bento XVI a Madri, na Praça de Cibeles, onde ocorreu uma celebração. Os jovens ainda acompanharam o Sumo Pontífice em uma Via Sacra. “Jovens do mundo todo foram chegando, sob o sol forte, para a grande vigília com o Papa, no Aeródromo de Quatro Ventos”, relata o Padre Cattoni, destacando as palavras do Santo Padre: “Parabéns, jovens, por estarem aqui. Obrigado por seguirem firmes na

KEUNECKE F E R R A G E N S F E C H A D U R A S

fé”. Os jovens aclamaram o Papa com palmas e saudações de ‘Bento, Bento!’ e ‘Esta é a juventude, papa!”. De volta para casa, o desafio é envolver mais pessoas com a causa jovem. “Voltamos motivados e trouxemos o compromisso de mobilizar o maior número de pessoas para fazer da JMJ no Brasil, no Rio de Janeiro, em 2013, um sucesso. Voltamos com a certeza de que o jovem também é Igreja”, ressaltou o Padre Cattoni. Ele afirma que os jovens expressaram sua fé, mostraram que são capazes de se mobilizar e fazer acontecer. “Trazemos o ardor de uma juventude que ama a Igreja e que precisa de espaço e oportunidades”.

Rua 2 de Setembro, 3715 - Fax 3323 4153 - Blumenau SC

e 14 cursos nas paróquias. O coordenador diocesano da Pastoral da Saúde, Padre Ailton Rocha, diz que o movimento não cuida de doentes ou de doenças. “Não visitamos hospitais, nem casas. Nosso trabalho é de orientação às pessoas, para que preservem a saúde mental, espiritual e corporal”. O trabalho envolve hábitos alimentares, qualidade de vida e espiritualidade. A Pastoral atua nas paróquia Santo Antonio e Nossa Senhora da Glória (Blumenau), Imaculada Conceição (Rio dos Cedros), Santa Luzia e Santuário Nossa Senhora de Navegantes (Navegantes) e Santa Inês (Indaial).

Dia Nacional da Juventude A Diocese de Blumenau celebra no dia 30 de outubro, o Dia Nacional da Juventude. O Setor Juventude convida a todos os grupos de jovens que venham participar e mostrar sua força e fé, num grande encontro que será promovido na Paróquia Santa Teresinha, em Timbó.

Fone: 3323 3 (47) 322

As melhores opções em ferragens, fechaduras rass e acessórios para portas, janelas e móveis

A Pastoral da Saúde da Diocese de Blumenau atua na prevenção de doenças e promove cursos de formação, estimulando as pessoas a uma vida mais saudável. O quarto encontro deste ano foi realizado em setembro, na Paróquia Santa Inês, em Indaial. Avaliar o ano, revelar o amigo secreto, confraternizar e vivenciar uma palestra sobre “Prevenção de doenças dos tempos modernos” com o médico Ademar Schonfelder foram os objetivos. Para 2012 – ano em que a Campanha da Fraternidade terá o tema “Fraternidade e Saúde Pública, a Pastoral prevê a realização de quatro cursos diocesanos

Foco é a orientação para a qualidade de vida


Especial

8

“IDE”

[+] Como usar o materiais da Campanha Missionária

A missão renova a

✗ Novena Missionária: livreto de 64 páginas com orações, partilhas, canções. Contém informações sobre preservação do meio ambiente, além de indicar sites e vídeos para a melhor vivência do missionário. Pode ser utilizado pelos grupos de reflexão, comunidades, escolas ou em casa.

Igreja

✗ DVD: apoio para dinamizar as discussões e reflexões. Para cada dia de novena é oferecido um documentário, com uma realidade da missão ligada à ecologia. Pode ser utilizado nas homilias, reuniões pastorais, conselhos paroquiais e comunitários e nos grupos.

Esta é a graça e a vocação da Igreja, a sua identidade profunda. Existe para evangelizar Neste mês de outubro, realiza-se a Campanha Missionária, em consonância com a Campanha da Fraternidade 2011. O tema, “Missão e Ecologia”, é mais um sinal da preocupação com a preservação do meio ambiente. A campanha alarga os horizontes para o mundo, dando ênfase à dimensão missionária, objetivo principal das Pontifícias Obras Missionárias, responsável pela sua organização. Entre em contato com sua paróquia e veja como adquirir e utilizar os materiais da campanha na comunidade, nos grupos de reflexão, na catequese, nos movimentos e pastorais. Acesse, também, os sites missionários para ver como o mundo digital está sendo contagiado pela mensagem do Evangelho. Veja o trabalho missionário, a animação, o caráter social, a rede ecumênica e outros exemplos de missão.

E você? Quanta evangelização está acontecendo?... E você? Como pode ser um missionário? Esse não é um privilégio de determinadas pessoas, mas a essência do cristão. “Anunciar o Evangelho é necessidade que se me impõe” (1Cor 9,16). É um compromisso de toda a comunidade que vive e transmite sua fé. Ser missionário não é só percorrer distâncias, ir a outros continentes, mas a difícil viagem de sair de si, ir ao encontro do outro, do diferente, do marginalizado. A evangelização “com renovado ardor missionário” exige que a pregação do

✗ Cartaz: representa a retirada de tudo que não corresponde à preservação do meio ambiente. Seus personagens são missionários que têm consciência da sua responsabilidade para fazer do planeta a verdadeira morada para todos. Deve ser fixado nos murais ou lugares que facilitem a visualização.

Evangelho responda aos novos anseios do povo. Exige de todos uma abertura constante, pessoal e comunitária para responder aos desafios de hoje. É a missão de fidelidade ao envio de Jesus: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20,21). Sem entusiasmo e convicção, arriscaremos perder a alegria do anúncio da boa-nova libertadora.

Novas missões Como consequência, nasce um novo estilo de missões. Não levar, mas descobrir. Não só dar, mas receber. Não conquistar, mas partilhar. Não ser mestre, mas aprendiz da verdade. A missão nos permite criar novos laços, um novo jeito de olhar a vida, de ser Igreja. Fica o desafio: como posso ser missionário em minha casa, no trabalho e na comunidade em que vivo? Assumo o compromisso de cristão, vivendo e transmitindo a boa-nova da paz, da justiça, do amor, do perdão, da fraternidade, da acolhida? Ser missionário é fazer uma decisão radical de entrega ao reino de Deus pela promoção humana. Que neste mês missionário, em família, nos grupos ou na comunidade, crianças, jovens, adultos ou idosos, possamos trabalhar em conjunto. “Ai de mim se não evangelizar”.

9

✗ Envelope: tem por objetivo arrecadar, nos dias 22 e 23 de outubro, coletas em favor das missões universais. Devem ser distribuídos nas comunidades, paróquias e instituições católicas e depois recolhidos com as ofertas.

Para navegar: www.mundomissão.org.br www.pimeibi.com.br www.revistamissoes.org.br www.missionologia.or.br www.cnbb.org.br www.cimi.org.br www.pom.org.br www.alemfronteiras.org.br

✗ Folhetos dominicais: suporte para a prece da comunidade nas missas, cultos, reuniões das pastorais, de grupos e movimentos.

Mensagem do Papa João Paulo II, no início do milênio, reiterou a necessidade de renovar o empenho de levar a todos o anúncio do Evangelho “com o mesmo ímpeto dos cristãos dos primeiros tempos”. É o serviço mais precioso que a Igreja pode render à humanidade e a cada pessoa que busca razões profundas para viver em plenitude a própria existência. Por isso, o convite ressoa, a cada ano, no Dia Mundial das Missões. O incessante anúncio do Evangelho aviva a Igreja, seu fervor e espírito apostólico, renova seus métodos pastorais para que seja sempre mais apropriado às novas situações: “A missão renova a Igreja, revigora a fé e a identidade cristã, dá novo entusiasmo e novas motivações. A fé reforça doando-a! A nova evangelização dos povos cristãos encontrará inspiração e sustento no empenho para a missão universal” (João Paulo II, Enc. Redemptoris Missio, 2).

Vai e anuncia Este objetivo é reavivado na celebração da liturgia, especialmente da Eucaristia, ecoando o mandamento de Jesus aos Apóstolos: “Ide...” (Mt 28,19). A liturgia é um chamado e um envio para testemunhar o que se experimentou: a potência santificadora da Palavra de Deus, do Mistério Pascal de Cristo. Os que encontraram o Senhor Ressuscitado sentiram a necessidade de anunciar, como fizeram os discípulos de Emaús, após reconhecer o Senhor ao partir do pão. “Levantaram-se e voltaram a Jerusalém. Aí acharam reunidos os onze e todos diziam: o Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu a Simão’” (Lc 24,33-34). João Paulo II exorta a sermos “vigilantes e prontos a reconhecer Seu rosto e correr para os nossos irmãos levando o grande anúncio: ‘Vimos o Senhor!’” (Carta Ap. Novo Millenio Ineunte, 59).

da missão do Filho e do Espírito Santo, segundo o designo de Deus Pai” (CONC. ECUM. VAT. II, Decr. Ad gentes, 2). Esta é “a graça e a vocação da Igreja, a sua identidade profunda. Existe para evangelizar” (Paulo VI, Exort. Ap. Evangelii Nuntiandi, 14). Por consequência, não pode fecharse em si mesma. Está enraizada em determinados lugares para andar em outros. A sua ação, em adesão à Palavra de Cristo e sobre a efusão da sua graça e caridade, se faz plena e presente a todos os homens e aos povos, para conduzi-los à fé em Cristo (cfr Ad Gentes, 5). Este dever não perdeu sua urgência. “A missão de Cristo, confiada à Igreja, ainda está longe de ser cumprida e devemos nos empenhar ao seu serviço” (João Paulo II, Enc. Redemptoris Missio, 1). Não podemos permanecer tranquilos ao pensamento que, depois de 2000 anos, existem povos que não conhecem Cristo e não escutaram sua mensagem de salvação. Ou, tendo recebido o anúncio do Evangelho, o esqueceram e o abandonaram e não se reconhecem mais na Igreja.

Corresponsabilidade de todos A missão universal envolve a todos, acima de tudo e sempre. O Evangelho não é um bem exclusivo dos que o receberam, mas um dom a ser dividido, uma notícia a comunicar. E este domempenho é confiado a todos os batizados, “povo eleito, nação santa, povo de Deus conquistado” (1Pd 2,9), para que proclame suas obras maravilhosas. É importante que estejam, cada batizado e as comunidades eclesiais, interessados de modo constante, como forma de vida cristã. O Dia das Missões não é um momento isolado, mas uma ocasião para refletir se e como respondemos à vocação missionária, uma resposta essencial para a vida da Igreja.

A todos Evangelização global Destinados ao anúncio do Evangelho são todos os povos. A Igreja, “por natureza é missionária, porque deriva

A evangelização é um processo complexo e compreende vários ele-

mentos. Entre eles, uma atenção particular da parte da animação missionária, checando se sempre foi dada à solidariedade. Este é um dos objetivos do Dia Mundial das Missões, que, por meio das Pontifícias Obras Missionárias, solicita ajuda para o desenvolvimento da evangelização nos territórios de missão. Se trata de sustentar instituições necessárias para a estabilização e consolidação da Igreja mediante catequistas, seminaristas e sacerdotes e também de dar a contribuição ao melhoramento das condições de vida das pessoas nos países onde há pobreza, desnutrição, doenças, carência de serviços sanitários e educação. Também isso entra na missão da Igreja. Anunciando o Evangelho, cuida da vida humana num sentido pleno. Não é aceitável, dizia Paulo VI, que na evangelização deixem de ser considerados os temas que envolvem a promoção humana, a justiça, a liberdade, no respeito à autonomia política. Ignorar os problemas temporais da humanidade significaria “esquecer a lição que vem do Evangelho sobre o amor ao próximo” (Exort. Ap. Evangelii Nuntiandi, 31.34). Não estaria em sintonia com o comportamento de Jesus que “percorria as cidades e aldeias, ensinava nas sinagogas, pregando o Evangelho e curando o mal e a enfermidade” (Mt 9,35). Por meio da participação corresponsável para com a missão da Igreja, o cristão torna-se construtor da comunhão, da paz, da solidariedade que Cristo nos doou e colabora com a realização do plano de salvação de Deus para toda a humanidade. O Dia das Missões revive o desejo e a alegria de andar ao encontro da humanidade, levando a todos o Cristo. No Seu nome, vos concedo minha Bênção Apostólica, em particular àqueles que lutam e sofrem por causa do Evangelho.

Padre Alcimir José Pillotto

Solicite seus documentos de qualquer lugar do Brasil. 2ª Via de Certidões Pasta Pronta Imbiliária

cartoriopostal@r7.com

Reabilitação de Crédito

Localizado na Rua Sete de Setembro, 1315 - sala 2 - Blumenau/SC - (Ao lado do Shopping Neumarkt)

Fone/Fax (47) 3340 5044

Oneda Móveis, Transformando ambientes de trabalho em escritórios de verdade. Fone/ Fax: (47) 3322 6867 / 3322 1688 Alameda Duque de Caxias (Rua das Palmeiras), 210 - Centro - Blumenau / SC

E-mail:vendas@onedamoveis.com.br - www.onedamoveis.com.br


Especial

8

“IDE”

[+] Como usar o materiais da Campanha Missionária

A missão renova a

✗ Novena Missionária: livreto de 64 páginas com orações, partilhas, canções. Contém informações sobre preservação do meio ambiente, além de indicar sites e vídeos para a melhor vivência do missionário. Pode ser utilizado pelos grupos de reflexão, comunidades, escolas ou em casa.

Igreja

✗ DVD: apoio para dinamizar as discussões e reflexões. Para cada dia de novena é oferecido um documentário, com uma realidade da missão ligada à ecologia. Pode ser utilizado nas homilias, reuniões pastorais, conselhos paroquiais e comunitários e nos grupos.

Esta é a graça e a vocação da Igreja, a sua identidade profunda. Existe para evangelizar Neste mês de outubro, realiza-se a Campanha Missionária, em consonância com a Campanha da Fraternidade 2011. O tema, “Missão e Ecologia”, é mais um sinal da preocupação com a preservação do meio ambiente. A campanha alarga os horizontes para o mundo, dando ênfase à dimensão missionária, objetivo principal das Pontifícias Obras Missionárias, responsável pela sua organização. Entre em contato com sua paróquia e veja como adquirir e utilizar os materiais da campanha na comunidade, nos grupos de reflexão, na catequese, nos movimentos e pastorais. Acesse, também, os sites missionários para ver como o mundo digital está sendo contagiado pela mensagem do Evangelho. Veja o trabalho missionário, a animação, o caráter social, a rede ecumênica e outros exemplos de missão.

E você? Quanta evangelização está acontecendo?... E você? Como pode ser um missionário? Esse não é um privilégio de determinadas pessoas, mas a essência do cristão. “Anunciar o Evangelho é necessidade que se me impõe” (1Cor 9,16). É um compromisso de toda a comunidade que vive e transmite sua fé. Ser missionário não é só percorrer distâncias, ir a outros continentes, mas a difícil viagem de sair de si, ir ao encontro do outro, do diferente, do marginalizado. A evangelização “com renovado ardor missionário” exige que a pregação do

✗ Cartaz: representa a retirada de tudo que não corresponde à preservação do meio ambiente. Seus personagens são missionários que têm consciência da sua responsabilidade para fazer do planeta a verdadeira morada para todos. Deve ser fixado nos murais ou lugares que facilitem a visualização.

Evangelho responda aos novos anseios do povo. Exige de todos uma abertura constante, pessoal e comunitária para responder aos desafios de hoje. É a missão de fidelidade ao envio de Jesus: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20,21). Sem entusiasmo e convicção, arriscaremos perder a alegria do anúncio da boa-nova libertadora.

Novas missões Como consequência, nasce um novo estilo de missões. Não levar, mas descobrir. Não só dar, mas receber. Não conquistar, mas partilhar. Não ser mestre, mas aprendiz da verdade. A missão nos permite criar novos laços, um novo jeito de olhar a vida, de ser Igreja. Fica o desafio: como posso ser missionário em minha casa, no trabalho e na comunidade em que vivo? Assumo o compromisso de cristão, vivendo e transmitindo a boa-nova da paz, da justiça, do amor, do perdão, da fraternidade, da acolhida? Ser missionário é fazer uma decisão radical de entrega ao reino de Deus pela promoção humana. Que neste mês missionário, em família, nos grupos ou na comunidade, crianças, jovens, adultos ou idosos, possamos trabalhar em conjunto. “Ai de mim se não evangelizar”.

9

✗ Envelope: tem por objetivo arrecadar, nos dias 22 e 23 de outubro, coletas em favor das missões universais. Devem ser distribuídos nas comunidades, paróquias e instituições católicas e depois recolhidos com as ofertas.

Para navegar: www.mundomissão.org.br www.pimeibi.com.br www.revistamissoes.org.br www.missionologia.or.br www.cnbb.org.br www.cimi.org.br www.pom.org.br www.alemfronteiras.org.br

✗ Folhetos dominicais: suporte para a prece da comunidade nas missas, cultos, reuniões das pastorais, de grupos e movimentos.

Mensagem do Papa João Paulo II, no início do milênio, reiterou a necessidade de renovar o empenho de levar a todos o anúncio do Evangelho “com o mesmo ímpeto dos cristãos dos primeiros tempos”. É o serviço mais precioso que a Igreja pode render à humanidade e a cada pessoa que busca razões profundas para viver em plenitude a própria existência. Por isso, o convite ressoa, a cada ano, no Dia Mundial das Missões. O incessante anúncio do Evangelho aviva a Igreja, seu fervor e espírito apostólico, renova seus métodos pastorais para que seja sempre mais apropriado às novas situações: “A missão renova a Igreja, revigora a fé e a identidade cristã, dá novo entusiasmo e novas motivações. A fé reforça doando-a! A nova evangelização dos povos cristãos encontrará inspiração e sustento no empenho para a missão universal” (João Paulo II, Enc. Redemptoris Missio, 2).

Vai e anuncia Este objetivo é reavivado na celebração da liturgia, especialmente da Eucaristia, ecoando o mandamento de Jesus aos Apóstolos: “Ide...” (Mt 28,19). A liturgia é um chamado e um envio para testemunhar o que se experimentou: a potência santificadora da Palavra de Deus, do Mistério Pascal de Cristo. Os que encontraram o Senhor Ressuscitado sentiram a necessidade de anunciar, como fizeram os discípulos de Emaús, após reconhecer o Senhor ao partir do pão. “Levantaram-se e voltaram a Jerusalém. Aí acharam reunidos os onze e todos diziam: o Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu a Simão’” (Lc 24,33-34). João Paulo II exorta a sermos “vigilantes e prontos a reconhecer Seu rosto e correr para os nossos irmãos levando o grande anúncio: ‘Vimos o Senhor!’” (Carta Ap. Novo Millenio Ineunte, 59).

da missão do Filho e do Espírito Santo, segundo o designo de Deus Pai” (CONC. ECUM. VAT. II, Decr. Ad gentes, 2). Esta é “a graça e a vocação da Igreja, a sua identidade profunda. Existe para evangelizar” (Paulo VI, Exort. Ap. Evangelii Nuntiandi, 14). Por consequência, não pode fecharse em si mesma. Está enraizada em determinados lugares para andar em outros. A sua ação, em adesão à Palavra de Cristo e sobre a efusão da sua graça e caridade, se faz plena e presente a todos os homens e aos povos, para conduzi-los à fé em Cristo (cfr Ad Gentes, 5). Este dever não perdeu sua urgência. “A missão de Cristo, confiada à Igreja, ainda está longe de ser cumprida e devemos nos empenhar ao seu serviço” (João Paulo II, Enc. Redemptoris Missio, 1). Não podemos permanecer tranquilos ao pensamento que, depois de 2000 anos, existem povos que não conhecem Cristo e não escutaram sua mensagem de salvação. Ou, tendo recebido o anúncio do Evangelho, o esqueceram e o abandonaram e não se reconhecem mais na Igreja.

Corresponsabilidade de todos A missão universal envolve a todos, acima de tudo e sempre. O Evangelho não é um bem exclusivo dos que o receberam, mas um dom a ser dividido, uma notícia a comunicar. E este domempenho é confiado a todos os batizados, “povo eleito, nação santa, povo de Deus conquistado” (1Pd 2,9), para que proclame suas obras maravilhosas. É importante que estejam, cada batizado e as comunidades eclesiais, interessados de modo constante, como forma de vida cristã. O Dia das Missões não é um momento isolado, mas uma ocasião para refletir se e como respondemos à vocação missionária, uma resposta essencial para a vida da Igreja.

A todos Evangelização global Destinados ao anúncio do Evangelho são todos os povos. A Igreja, “por natureza é missionária, porque deriva

A evangelização é um processo complexo e compreende vários ele-

mentos. Entre eles, uma atenção particular da parte da animação missionária, checando se sempre foi dada à solidariedade. Este é um dos objetivos do Dia Mundial das Missões, que, por meio das Pontifícias Obras Missionárias, solicita ajuda para o desenvolvimento da evangelização nos territórios de missão. Se trata de sustentar instituições necessárias para a estabilização e consolidação da Igreja mediante catequistas, seminaristas e sacerdotes e também de dar a contribuição ao melhoramento das condições de vida das pessoas nos países onde há pobreza, desnutrição, doenças, carência de serviços sanitários e educação. Também isso entra na missão da Igreja. Anunciando o Evangelho, cuida da vida humana num sentido pleno. Não é aceitável, dizia Paulo VI, que na evangelização deixem de ser considerados os temas que envolvem a promoção humana, a justiça, a liberdade, no respeito à autonomia política. Ignorar os problemas temporais da humanidade significaria “esquecer a lição que vem do Evangelho sobre o amor ao próximo” (Exort. Ap. Evangelii Nuntiandi, 31.34). Não estaria em sintonia com o comportamento de Jesus que “percorria as cidades e aldeias, ensinava nas sinagogas, pregando o Evangelho e curando o mal e a enfermidade” (Mt 9,35). Por meio da participação corresponsável para com a missão da Igreja, o cristão torna-se construtor da comunhão, da paz, da solidariedade que Cristo nos doou e colabora com a realização do plano de salvação de Deus para toda a humanidade. O Dia das Missões revive o desejo e a alegria de andar ao encontro da humanidade, levando a todos o Cristo. No Seu nome, vos concedo minha Bênção Apostólica, em particular àqueles que lutam e sofrem por causa do Evangelho.

Padre Alcimir José Pillotto

Solicite seus documentos de qualquer lugar do Brasil. 2ª Via de Certidões Pasta Pronta Imbiliária

cartoriopostal@r7.com

Reabilitação de Crédito

Localizado na Rua Sete de Setembro, 1315 - sala 2 - Blumenau/SC - (Ao lado do Shopping Neumarkt)

Fone/Fax (47) 3340 5044

Oneda Móveis, Transformando ambientes de trabalho em escritórios de verdade. Fone/ Fax: (47) 3322 6867 / 3322 1688 Alameda Duque de Caxias (Rua das Palmeiras), 210 - Centro - Blumenau / SC

E-mail:vendas@onedamoveis.com.br - www.onedamoveis.com.br


10

www.dioceseblumenau.org.br Outubro 2011. Jornal da Diocese de Blumenau

Variedades

“Quem me oferece o sacrifício de louvor, me honra, e a quem caminha retamente farei experimentar a salvação de Deus” (Sl 50/49,23)

PENSE

CONTO

O primeiro companheiro de São Francisco (parte II)

Conhecendo a Bíblia Procure as respostas do teste abaixo nos livros da Sagrada Escritura O desafio bíblico que sugerimos mensalmente nesta página é uma oportunidade para quem deseja aprofundar seus conhecimentos sobre a Sagrada Escritura. Encare as novas

questões desta edição e concorra a uma bíblia. Mande suas respostas até o dia 20 de outubro para o e-mail jornal@diocesedeblumenau.org.br ou pelo Correio para a Cúria

DESAFIO BÍBLICO VOCÊ SABE? 1. A Bíblia registra os sonhos de uma única mulher. Quem? a) Rute b) A mulher de Pilatos c) Bate-Seba d) Ester 2. Quais são as únicas mulheres que têm sua idade mencionada na Bíblia? a) Sara e Ana

b) Sara e BateSeba c) Sara e Rute d) Sara e Ester 3. O livro do Gênesis foi escrito por: a) Adão b) Moisés c) Caim d) Josué 4. A Bíblia católica contém quantos

livros? a) 73 b) 72 c) 64 d) 66 5. Qual dos discípulos negou Jesus três vezes antes do galo cantar? a) Bartolomeu b) Mateus c) André d) Pedro

Diocesana de Blumenau, aos cuidados do Padre Raul Kestring (Rua XV de Novembro, 955 / Blumenau-SC / CEP 89010-003). Informe seu nome completo, telefone e endereço.

RESPOSTAS DO TESTE ANTERIOR Parabéns a João Benjamim Booz, da Paróquia Santa Isabel, no Bairro Progresso, em Blumenau. Ele foi o ganhador da bíblia no teste do mês passado, acertando todas as questões. Confira as respostas corretas. 1. Em que livro se encontra a oração: “Cria em mim um coração puro, ó Deus”? c) Salmos 2. Em que livro se encontra a Oração do Senhor? a) Mateus 3. Em que livro se encontra a frase “no princípio era o

RECORDANDO

Catequese é ministério da Palavra Nesta coluna Recordando, destacamos matéria publicada há 10 anos no Jornal da Diocese, na edição nº 22, em setembro de 2002. Como refere-se ao Mês da Bíblia, a página catequética (talvez a página mais substanciosa e fiel do Jornal, desde o seu início), ocupou-se do tema Bíblia na Catequese. Aliás, esta é a manchete de capa da edição, ilustrada por duas imagens do livro sagrado, uma delas apresentando uma criança folheando suas páginas.

Ainda na capa são enumeradas as páginas 2, 8 e 9, que apresentam matérias sobre o mesmo tema. Na página 2, destaca-se a ímpar figura eclesial/ catequética de São Jerônimo, padroeiro dos estudiosos da Bíblia, com a manchete: “No mês da Bíblia, Jerônimo nos ensina o amor à Palavra de Deus”. Padre Adriano Cemin, salesiano que trabalhava na Paróquia de Rio dos Cedros, manifestava verdadeiro carinho e

competência pela catequese. Por isso, a matéria sobre o assunto principal daquele jornal, publicada

Verbo”? c) João 4. Qual dos seguintes é o filho de Isabel e Zacarias? e) João Batista 5. Qual o dia santo, em cuja proximidade Jesus foi crucificado? a) Páscoa

nas páginas centrais, é de sua autoria. Lendo-a novamente, percebe-se sua importância e utilidade ainda hoje. Em breve, todas as edições do jornal estarão disponibilizadas no site da Diocese (www. diocesedeblumenau.org.br) e, então, nossos leitores poderão ter o privilégio de ler os conteúdos de matérias como esta. O Padre Cemin conclui sua reflexão dizendo: “Deus quer formar um povo, por isso a catequese deve ajudar este povo na sua vivência comunitária, onde exista a participação ativa na história, isto é, a luta pela justiça e pela libertação da pessoa. Catequese é ministério da Palavra”.

Iluminado pelo espírito da profecia, prevendo as grandes coisas que Deus ia realizar por seu intermédio e de sua Ordem e, considerando a sua insuficiência e pouca virtude, Francisco clamava e suplicava a Deus que, com a sua piedade e onipotência, sem a qual nada pode a humana fragilidade, suprisse, ajudasse e cumprisse o que por si não podia. Vendo monsenhor Bernardo, à luz da lâmpada, os devotíssimos atos de Francisco e, considerando as palavras que ele dizia, foi tocado e inspirado pelo Espírito Santo a mudar de vida. Pelo que, ao amanhecer, chamou-o e disse: “Irmão Francisco, estou inteiramente disposto, no meu coração, a abandonar o mundo e a seguir-te no que mandares”. Ouvindo isto, Francisco alegrouse e falou: “Monsenhor Bernardo, isto que disseste é coisa tão grande e maravilhosa, que é preciso pedirmos conselho a Nosso Senhor Jesus Cristo e rogar-lhe que nos mostre a sua vontade e nos ensine o modo de executá-la. Vamos ao bispado, onde há um bom padre. Pediremos que celebre a missa, depois ficaremos rezando até terça, pedindo a Deus que, abrindo o missal três vezes, nos mostre o caminho que lhe agrada seguirmos”. Respondeu Bernardo que isso era muito de seu agrado. Puseram-se a caminho e foram ao bispado. Depois de ouvirem a missa e estarem em oração até terça, o padre, a pedido de Francisco, tomou o missal e, feito o sinal da cruz, o abriu por três vezes em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na primeira vez apareceu a palavra de Cristo no Evangelho ao jovem que lhe perguntou pelo caminho da perfeição: “Se queres ser perfeito, vai, vende o que tens e dá aos pobres e segue-me”. Na segunda, apareceu o que Cristo disse aos apóstolos, quando os mandou pregar: “Nada leveis para a jornada. Nem bordão, nem alforje, nem sandálias, nem dinheiro”. Querendo, com isto, ensinar-lhes que deviam pôr em Deus toda a esperança na vida e dar toda a atenção à pregação do Evangelho. Na terceira abertura do missal apareceu a palavra em que Cristo disse: “Quem quiser vir após mim, abandone a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. (Continua na próxima edição)


11

Outubro 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

Nossa História

“Se a riqueza é um bem desejável na vida, que há de mais rico do que a sabedoria, que realiza todas as coisas?” (Sb 8,5)

Expediente

TIMBÓ

Jornal da Diocese de Blumenau

Paróquia em louvor a Santa Terezinha

Direção Geral: Dom José Negri PIME

Instituição ocorreu em 1963, mas a comunidade existe desde a década de 1930

Diretor Geral: Pe. Raul Kestring

A história Pe. Antônio Francisco Bohn Dom Gregório Warmeling, bispo de Joinville, criou a Paróquia de Timbó, no dia 3 de abril de 1963. Estabeleceu seus limites: 1) com o município de Rio dos Cedros, começando na nascente do Rio São Bernardo, seguindo por uma linha seca que atravessa o Rio dos Cedros, até a cabeceira do Ribeirão Pomerano, continuando por outra linha seca ao ponto mais alto do Morro Azul. 2) com o município de Pomerode, a partir do ponto mais alto do Morro Azul, seguindo pelo divisor das águas até encontrar a nascente do Ribeirão Kellermann. 3) com o município de Indaial, começando na nascente do Ribeirão Kellermann, seguindo por uma linha seca até a foz do Rio Arapongas Grande no Rio Benedito, subindo pelo primeiro até a foz do Rio Khloehn, por este acima, até a sua nascente, daí, continuando por uma linha seca até a nascente do Rio Belo. 4) com o município de Rodeio, a partir da nascente do Rio Belo, seguindo por uma linha seca até a nascente do Ribeirão Albrecht, por este acima até a foz do Ribeirão Dona Clara, subindo por este até a sua nascente, continuando pelo divisor das águas dos rios Benedito e Cedros, até encontrar a nascente do Ribeirão Santa Rosa. 5) com o município de Benedito Novo, a partir da nascente do Ribeirão Santa Rosa, seguindo pelo divisor das águas até a nascente do Rio São Bernardo.

Primeira capela, construída na década de 1930, em terreno doado por um morador

A Igreja Matriz atual foi projetada na década de 1960, após ser criada a Paróquia Santa Terezinha

[+] Participe! ✗ Se você quer publicar o histórico de sua paróquia, capela ou comunidade nesta página do Jornal da Diocese envie textos e fotos para nós. Estamos selecionando artigos para futuras edições. Os textos devem ser digitados, com no máximo 3.000 caracteres (incluindo espaços), na versão Word 2003. O artigo deve vir acompanhado de pelo menos uma foto, dando-se preferência a imagens antigas (da primeira construção da igreja), em formato jpg. Os materiais devem ser enviados por e-mail para o endereço artigoscapelas@hotmail.com.

Diretor Comercial: Pe Almir Negherbon

Em junho de 1935 foi celebrada a primeira missa, pelo Frei Romano, na residência de José Lueken, que serviu de capela provisória até 1939. Cinco famílias católicas, residentes em Timbó, foram fundadores da comunidade: professor José Lueken, Arthur Scoz, Theodósio Correia, José Kienen e João Silva. No dia 3 de outubro de 1937 ocorreu uma reunião para a instituição da capela e a indicação do título “Santa Terezinha do Menino Jesus”. A oficialização, pelo bispo Dom Pio de Freitas, deu-se em 1938. Deu-se início à campanha para angariar recursos para a aquisição de um imóvel e a construção da capela. No decorrer da campanha, Oscar Bremer doou um lote urbano na Rua Germano Brandes Senior, o que possibilitou a aquisição de mais um lote, onde foi edificada a capela, no mesmo local onde se encontra atualmente a Igreja Matriz. No ano de 1963, Dom Gregório Warmeling criou a Paróquia e, a seu convite, a Sociedade do Verbo Divino aceitou designar um pároco àquela comunidade. O Padre Martinho Stein assumiu essa incumbência a partir do dia 3 de abril de 1963. Em frente à Matriz havia um terreno baldio adquirido com auxílio da Alemanha, para que servisse às obras paroquiais. Hoje este espaço é conhecido como Praça Padre Martinho Stein. No mesmo ano de 1965, também com recursos do “Adveniat” (Alemanha), foi adquirida a Casa Paroquial. No ano seguinte, Dom Gregório indicou a firma “Marna”, para fazer o projeto de construção da Igreja Matriz.

Textos e edição: New Age Comunicação (47) 3340-8208 Jornalista Responsável: Marli Rudnik (DRT 484) marli@newagecom.com.br Fotografias: Acervo da Diocese de Blumenau, e Divulgação Revisão: Pe Raul Kestring Raquel Resende Alfredo Scottini Impressão: Jornal de Santa Catarina Tiragem: 20 mil Periodicidade: Mensal Distribuição gratuita Correspondência Cúria Diocesana de Blumenau Rua XV de Novembro, 955 Centro (47) 3322-4435 Caixa Postal 222 CEP: 89010-003 Blumenau/SC www.diocesedeblumenau.org.br Sugestões de matérias, fotos, artigos e outras contribuições para o Jornal da Diocese podem ser feitas pelo e-mail comunicacoes@diocesedeblumenau.org.br até o dia 12 de cada mês.

Fone/Fax:

(047) 3323 3339 332 38606

çados e ções, Cal Confec

Uniformes escolares - Feminino - Masculino -

Infantil

Rua Bahia, n° 136 – Itoupava Seca – Blumenau – SC

RELOJOARIA E ÓTICA

UNIVERSAL 40

AN

OS

(47)

3144 3577

Rua 15 de Nobembro, 1513 - Centro - Blumenau

www.relojoariauniversal.com.br

MB

ÇAS COMÉRCIO DE PE

A AUTOMOTIVAS LTD

Fones: (47) 3334-1226 3334-4611 Rod. Br 470, km 59, Nº 5.290, Blumenau, SC mb.com.pecas@terra.com.br


12

www.dioceseblumenau.org.br Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau

Movimentos

“Quem é o meu próximo?” (Lc 10,29)

SOLIDARIEDADE

[+] COMO AJUDAR

Cáritas mobilizada para ajudar vítimas das cheias Campanha de arrecadação de donativos e recursos vai beneficiar famílias da região Ação, coração e oração. Baseada nesse tripé, a Cáritas Diocesana lançou uma campanha de arrecadação de donativos e recursos financeiros para ajudar as famílias vitimadas pelas inundações e deslizamentos. A exemplo do que ocorreu em novembro de 2008, quando promoveu uma ação beneficente de socorro aos atingidos pela tragédia climática, a Cáritas se mobiliza e pede a solidariedade de todos na Diocese. Alimentos não

Doações ✗ Blumenau: Central de Donativos da Defesa Civil (Rua Bahia, 4.333 - no portão há uma identificação da Prefeitura) ✗ Timbó: Associação dos Servidores da Prefeitura (Bairro Tiroleses) ✗ Gaspar: Conferência Vicentina, no Salão Cristo Rei ✗ Gaspar: Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição, Bela Vista (Ação Social Imaculada Conceição)

perecíveis, roupas, produtos de higiene e colchões são os itens de maior necessidade. Este é o momento de agirmos em comunidade para amenizar o sofrimen-

to dos que sofrem as consequências do tempo. A Cáritas está disponibilizando uma conta bancária para arrecadação de fundos que serão usados no amparo dos prejudicados.

“A criação geme em dores de parto” (Rm 8,22) Depois de a Campanha da Fraternidade ter despertado um sinal de alerta em relação às ameaças do planeta, acabamos por ser vítimas dessas mudanças climáticas. As enchentes e deslizamentos nestes últimos dias prostraram mais uma vez o nosso povo, que se estava reerguendo após as tragédias de 2008. Homens e mulheres continuam gemendo e sofrendo, juntamente com toda a criação. Famílias assistem à destruição, em segundos, de algo construído com suor e fadiga, por longos anos. São obrigadas a deixar as próprias casas para se

Depósitos Banco do Brasil Agência: 3420-7 Conta corrente: 127.213-6 Cáritas Diocesana de Blumenau

refugiarem em abrigos, à espera de socorro, de água potável e comida. Neste triste cenário, há somente uma solução: conscientizar-nos de que somos filhos do mesmo Pai, uma só família e Igreja. Gestos de solidariedade e fraternidade estão mostrando que, junto com a enchente de água veio uma inundação de amor. Se cada um fizer a sua parte, der a sua contribuição de amor concreto, ajudando os irmãos flagelados, com certeza tudo em breve voltará à normalidade. Quero apresentar o testemunho do que vi, andando pelos abrigos das nossas paróquias: gestos co-

moventes de solidariedade, prestados a irmãos que nem pertencem à nossa Igreja. Doações vindas de todos os lugares, pessoas cansadas, que trabalhavam como voluntárias. Deus, obrigado por esses gestos de amor! Como viver, nesse clima, o Congresso Eucarístico Diocesano, marcado para 2 de outubro? Ajoelhados diante da Eucaristia, redobraremos nossas forças para nos ajoelharmos diante dos irmãos atingidos que, agora, sofrem as consequências de tudo isso. Convido-os a procurarem Jesus pobre, flagelado, desabrigado,

JK DISTRIBUIDORA DE CARNES FILÉ DUPLO selecionado e inspecionado para festas em qualquer quantidade, com qualidade. Vendemos somente por atacado.

Fone: (47) 3397-7100 Rua Bonitácio Haendchen, 5263 - Belchior Central - Gaspar/SC CEP: 89.110-00 - e-mail: carnejk@netvis.com.br

Mais informações ✗ Consulte a Cáritas Diocesana pelo fone (47) 3237-0037 (das 8 às 12 horas)

nas ruas, nos bairros, nas cidades. Convido-os a socorrerem esse Jesus que precisa do nosso apoio e solidariedade. No dia 2 de outubro, às 15 horas, na Catedral São Paulo Apóstolo, rezaremos uma missa e da Eucaristia, sacramento da caridade, seremos inspirados para viver concretamente o amor para os irmãos. Através da Cáritas Diocesana estamos organizados para receber e distribuir donativos monetários aos atingidos pela enchente de setembro. Contribuições de qualquer parte do País podem ser depositadas na conta específica, mencionada nesta página.

FRANCISCANISMO Santa Clara é uma personalidade ímpar na história da Ordem Franciscana. Era de família nobre. Motivada por Francisco, largou tudo e enfrentou a fúria da família, a qual deseja vê-la casada e celebrando alianças políticas. Desde criança, se destacou pela piedade e devoção. Era-lhe hábito enviar comida e dinheiro para os necessitados, fazia jejuns e penitências. A voz de Francisco lhe chegou como uma mensagem de ouro. Logo se interessou pelos ideais do jovem revolucionário. Almejava mudar de vida, dedicar-se aos outros, rezar e fazer penitência, imitando a Jesus e seguir os conselhos do Evangelho. Fugiu de casa, iniciando a Segunda Ordem Franciscana, das Clarissas. Tudo que pregava, confirmava com atos e posturas. Seguia com rigor o ideal da pobreza, fazia jejuns prolongados, usava cilícios sob as vestes, para reprimir os anseios de prazer e gula. Por vezes, ficava doente de tantos jejuns e São Francisco era intimado a exortá-la a diminuir a intensidade dos mesmos. Ela obedecia, mas, aos poucos, voltava ao rigor. Podemos ver nela um exemplo de vida, de franciscanismo e devoção aos ensinamentos evangélicos. Obedecia às normas, jejuava, rezava, ajudava a todos, sobretudo às irmãs de convento. Possuía o hábito de lavar os pés das irmãs, principalmente, das mais humildes. Após, os beijava e enxugava. Mesmo no convento, algumas irmãs da nobreza nutriam discriminação contra as de origem plebeia. Santa Clara combateu essa atitude e a exterminou dos seus conventos. São Francisco, quando assaltado por alguma dúvida, mandava Frei Leão ouvir a opinião de Clara. Seguia os conselhos com perfeição. A vida de Santa Clara é um exemplo para todos que queremos caminhar na luz do franciscanismo e observar a palavra evangélica. Seremos, assim, semeadores da Paz e plantadores do Bem entre as pessoas.

Dom José Negri, bispo de Blumenau Alfredo Scottini


13

Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

Paróquias

“Nós nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo. É por ele que, já desde o tempo presente, recebemos a reconciliação” (Rm 5,11)

ENCHENTE

FOTOS RICARDO SILVA

BENEDITO NOVO

TIMBÓ

RIO DOS CEDROS

Unidos na reconstrução No cenário de destruição causado pelas fortes chuvas, o lema foi ajudar ao próximo Medo, desespero, preocupação e tristeza foram sentimentos que tomaram conta dos corações catarinenses durante as chuvas que castigaram o Estado no início de setembro. Mas, em meio a tantas dificuldades, a palavra que predominou foi a solidariedade. Ajudar ao próximo também foi a missão das paróquias da Diocese de Blumenau. Quando as águas começaram a subir, no dia 8 de setembro, as portas de algumas igrejas permaneceram abertas para abrigar famílias afetadas pela enchente, independente de crença ou religião. Além disso, as paróquias arrecadaram donativos e roupas para quem perdeu tudo ou quase tudo, menos a fé. Algumas comunidades também foram atingidas pelas águas, a exemplo da Paróquia Santa Terezinha, de Timbó. A cidade, aliás, foi bem castigada. Pelo menos 500 das 1,2 mil ruas ficaram alagadas, com o nível máximo do Rio Benedito chegando a 10,01 metros na manhã do dia 9 de setembro. Cerca de mil residências tiveram que ser abandonadas pelos moradores e outras cinco mil foram atingidas pelas águas. Igrejas As capelas Nossa Senhora Aparecida, no Bairro dos Estados e Santa Rita de Cássia, no Bairro dos Capitais ficaram com as estruturas físicas dos arredores comprometidas. Os pátios e salas de catequese foram tomados pela enchente, que danificou móveis, eletrodomésticos e outros materiais. A

[+] A enchente em Santa Catarina

✗ A Defesa Civil de Santa Catarina divulgou boletim das chuvas no dia 11 de setembro, às 18h30. Indicando que 91 municípios foram impactados. ✗ Destes, 36 decretaram situação de emergência e oito ficaram em estado de calamidade pública. ✗ O Estado contabilizou 159.490 catarinenses desalojados, ✗ 15.020 desabrigados ✗ 935.932 pessoas afetadas. ✗ Em Blumenau o nível do Rio Itajaí-Açu chegou aos 12,60 metros no dia 9 de setembro, às 11 horas. ✗ A Secretaria da Assistência Social e a Defesa Civil chegaram a ativar 27 abrigos para a população. ✗ Foram mais de 100 mil blumenauenses atingidos e 394 ruas afetadas.

Três lojas Rua Amazonas, 3176 Rua Frederico Jensen, 4500 Rua 2 de Setembro, 2515

Garcia Blumenau SC Itoupavazinha Blumenau SC Itoupava Norte Blumenau SC e-mail: apmateriais@terra.com.br

para melhor atender

Fone: (47) 3324 0013 Fone: ( 47) 3334 2100 Fone: (47) 3041 1388

própria comunidade auxiliou na limpeza, quando a água baixou. A Paróquia de Timbó foi poupada e por isso se tornou referência como abrigo para duas famílias, além de ter sido procurada pelos moradores atingidos, que lá guardaram seus pertences. O pátio serviu para o pouso de dois helicópteros que precisaram fazer o transporte de pacientes em estado grave do pronto-socorro em frente à igreja. A comunidade católica de Timbó também entrou na corrente solidária que tomou conta da região e está arrecadando mantimentos para auxiliar as vítimas da enchente. “Ajudamos a todos, indiferente de religião. Todos foram muito solidários”, afirma Karina Frainer, auxiliar administrativa da Paróquia. Palavras de conforto soavam nos corações das pessoas durante uma missa celebrada no dia 18 de setembro, pelo Dom José Negri, na Paróquia de Timbó.

Auxílio Em Blumenau, a Paróquia São Francisco de Assis abrigou mais de 100 pessoas no final de semana da enchente. Assim como na Catedral São Paulo Apóstolo, a paróquia do Bairro Fortaleza recebeu doações e a comunidade ajudou a dar um suporte moral aos atingidos. Solidariedade vivenciada também em Gaspar, onde a Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição abrigou 32 famílias e agora está distribuindo roupas e alimentos, através do grupo da Ação Social.

De mãos dadas na superação A orientadora pedagógica, auxiliar de catequese e integrante da liturgia da Paróquia de Timbó, Maria Odete Roda, 44 anos, teve sua residência atingida pelas águas das chuvas. A casa localizada à Rua Natal, no Bairro dos Capitais, foi invadida com 1,85 metro de água. Em 2008 o local havia sido afetado com 60 centímetros. A família perdeu muitos pertences, como móveis e alimentos. “Não imaginávamos que a água pudesse alcançar esse nível na nossa casa. Fomos surpreendidos e com muita rapidez. É triste ver o que você lutou para conseguir se perder em segundos”, afirma Maria Odete, que reside no local há 15 anos, com o marido e dois filhos. A família ficou ilhada no segundo piso da casa durante as cheias. Já de cabeça erguida, Maria Odete enfatiza que houve muita solidariedade. “As pessoas perguntavam se precisávamos de ajuda e ofereciam suas doações. Mesmo os atingidos queriam ajudar”. Ela ainda ressalta a ajuda dos padres Alexandre Nogueira e Carlos Humberto de Camargo, que além da presença, deram sua bênção especial no momento de dificuldade. “A Igreja apoiou, não só com palavras de conforto, mas com ações”.


14

Vida Missionária

www.dioceseblumenau.org.br Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau

“Eu te louvarei entre os povos, Senhor, a ti cantarei hinos entre as nações, porque tua bondade é grande acima do céu, e tua fidelidade chega até as nuvens” (Sl 108/107,4)

EXEMPLO

A missão de ajudar ao próximo Aloísio Boeing realiza trabalho voluntário junto à Pastoral da Criança no Maranhão Uma experiência dolorida e ao mesmo tempo gratificante. Estas características são elencadas por Aloísio Boeing, 65 anos, que embarcou rumo à cidade de Centro Novo do Maranhão (MA), com a missão de ajudar ao próximo. Sua jornada pastoral iniciou no dia 15 de janeiro e se estende até 15 de dezembro de 2011, quando retorna à Diocese. Neste projeto, 21 missionários da Pastoral da Criança de diferentes regiões do Brasil levam aos lares dos menos favorecidos, orientações e métodos de melhorar as condições de vida. Mais do que isso, levam seu amor. Em 2011, a atuação é nos estados do Ceará, Maranhão e Amazonas. A expectativa do movimento é dobrar o número de líderes participantes e de crianças atendidas até o final do ano. Nos três estados, já foram capacitados 70 líderes em 15 comunidades. Hoje são atendidas 566 famílias, incluindo gestantes na primeira gravidez e 718 crianças menores de seis anos.

Percepções Ao falar sobre a experiência, Aloísio Boeing afirma que muitas situações despertaram sentimentos de tristeza e preocupação. “Faltam médicos, a educação é precária, a área social inexistente. Isso fez e faz com que as condições de vida de muitas famílias se tornem um verdadeiro desespero diário”. Mas, em compensação, ele acrescenta que os voluntários sempre encontram um povo muito feliz e acolhedor à chegada dos visitantes. “A mudança começou a acontecer”. O missionário salienta que os esforços são redobrados a cada obstáculo, com a vontade de superar os desafios, vencer e fazer com que as condições de vida das famílias prevaleçam sobre as dificuldades. Boeing reside em Balneário Piçarras e participa da Pastoral da Criança desde 2002. Em 2004 fez a capacitação para líder e realizou o curso para missionário em julho de 2010, na cidade de Bacabal (MA).

Através desse projeto missionário, a Pastoral da Criança se fortalece nos locais mais distantes e necessitados de atenção

Aloísio Boing (em pé, de óculos) vai ficar 11 meses na cidade de Centro Novo do Maranhão, fazendo trabalho voluntário

Como funciona o projeto Os candidatos a missionários são encaminhados pela Pastoral da Criança de suas dioceses e passam por uma formação específica, com duração de 21 dias, ministrada por uma equipe multidisciplinar. Após a capacitação estes voluntários são enviados à missão, que dura 11 meses, em municípios de extrema pobreza. Sua meta é implantar naquela localidade, a Pastoral da Criança. O trabalho é voluntário, mas a Pastoral se responsabiliza por todos os custos da capacitação.

Mês Missionário No ano litúrgico, a Igreja nos convida a rezar e refletir sobre diversas realidades. Para cada mês, tem algo específico. Maio é dedicado a Maria, junho aos santos populares, agosto às vocações e setembro à Bíblia. Outubro é o Mês das Missões. Queremos refletir de forma especial o nosso compromisso de discípulos missionários. O tema deste ano – “Missão na Ecologia”, sugerido pelas Pontifícias Obras Missionárias, propõe quatro encontros (um por semana). Celebrações missionárias que ajudam a preparar a Campanha Missionária, sendo que os dias 22 e 23 de outubro marcam o auge do Dia Mundial das Missões. É no coração da humanidade que somos chamados a viver missionariamente o nosso batismo, pois, dificilmente, encontraremos outro caminho para viver este sacramento, a não ser pelas estradas missionárias, que nos levam a participar de maneira profunda e explícita da natureza da Igreja. Pois a Igreja é, por natureza, missionária. Desde 1926, com a instituição do Dia Mundial das Missões, intensificou-se o apelo de renovar e direcionar o ardor e a vida missionária para além das fronteiras, em dimensão universal. A V Conferência do CELAM, em Aparecida, fez um apelo para que a Igreja e os batizados se tornem discípulos missionários de Cristo. O Papa Bento XVI disse que são muitos os batizados, mas nem todos são evangelizados. É mediante realidades como esta que devemos permitir que cresça a consciência missionária. Dom Pedro Casaldáliga, numa poesia

orante, diz: “se sou batizado, sou missionário. Se não sou missionário, não sou cristão”. A tarefa missionária se abre às comunidades, assim como ocorreu em Pentecostes. Daí a grande importância da nossa participação na vida da comunidade, na caminhada da paróquia. A V Conferência Geral considerou uma oportunidade para que todas as paróquias se tornem missionárias, centros de irradiação missionária, lugares de formação permanente e fonte dinâmica do discipulado missionário. Quando nos deparamos com a pergunta “Por que um mês missionário?” percebemos que muito a Igreja fez, mas ainda tem muito mais para ser construído, pois novos desafios exigem novas respostas. A vivência da missão vai além de um mês missionário, perpassa toda a vida da Igreja. Nesta ótica, devemos acolher com carinho e determinação o Projeto Nacional de Evangelização, aprovado pelo Conselho Permanente, com o título “O Brasil na Missão Continental” e o lema “A alegria de ser discípulo missionário”. Me aproprio das palavras de Dom Dimas, em entrevista recente no Católico News: “a Igreja Católica em nosso País sempre se caracterizou pela vitalidade e pelo compromisso de tornar o Evangelho uma realidade na vida de nosso povo”. Isto é viver nosso compromisso missionário.

Padre Alcimir José Pillotto


15

Outubro de 2011. Jornal da Diocese de Blumenau www.dioceseblumenau.org.br

“Se tivesse toda a fé, a ponto de remover montanhas, mas não tivesse amor, eu nada seria” (1Cor 12,2)

Espaço da Família EVENTO

Diocesanos participam do Congresso Nacional Familiar Lema foi inspirado em Efésios: “somos cidadãos e membros da família de Deus” Foi na capital mineira, Belo Horizonte, que aconteceu o 13º Congresso Nacional Familiar, nos dias 19, 20 e 21 de agosto, sob o tema “Família, pessoa e sociedade”. A Diocese de Blumenau foi representada pelo diácono Carlos e sua esposa Jaira (de Luis Alves), além do coordenador diocesano Hilário Couto (Blumenau), que aproveitaram este momento de formação, reflexão e orarão. O evento teve a presença de sete bispos, além de sacerdotes,diáconos e agentes da Pastoral Familiar de todo o Brasil. A humanidade vive uma fase nova, de grandes transformações. E a família está cada vez mais ameaçada com tantas ideologias e modelos efêmeros. Somos seis bilhões, cada um único e singular, mas todos à imagem e semelhança de Deus. O hino do Congresso fala que a família deve ser alimentada pela Palavra, eucaristia e oração. Só desta forma enfrentaremos com sabedoria a globalização. As pessoas estão perdendo sua identidade. Precisamos nos fazer e refazer em Deus, todos os dias. Chegamos ao ponto de não saber mais quem somos, em meio a conhecimentos e valores falsos. Nesta transformação, nós e nossas famílias estamos vivendo a fase dos “cacos”. Os pedaços de tanto individualismo significam uma liquefação da vida, sem saber qual a melhor forma para enfrentar os desafios dos tempos modernos. Mas, como Pastoral Familiar, devemos semear esperança no meio do im-

BLU ALVES FORROS

(47)

3339 2340

O primeiro milagre de Jesus aconteceu em Caná, a pedido da sua mãe. Faltava vinho no final da festa. Maria pediu um milagre e Jesus converteu água em vinho, abundante, de qualidade, de graça, vinho de final de festa. O milagre de Caná foi o primeiro sinal de Jesus, símbolo de outra infinidade de milagres que se realizam no dia a dia dos matrimônios humanos. Há muitos casais que, na sua simplicidade, convivem diariamente com o milagre. Não é um verdadeiro milagre o amor de homem e mulher que decidem unir suas vidas para sempre? O milagre que acontece na maior parte dos casamentos não é a transformação da água em vinho, mas do egoísmo humano em amor, doação. Em amor conjugal, amor paterno e materno, capaz dos mais incríveis sacrifícios. Sem os sacrifícios que pais e mães fizeram desde o início, nosso mundo seria um planeta triste e frio, sem beleza, sem poesia, sem música, sem sabedoria, sem amor. Nós, cristãos, acreditamos que o matrimônio é um sacramento, sinal de uma força superior capaz de transformar os egoísmos humanos em amor, a dor em sacrifício, a inconstância humana em fidelidade eterna, o ódio em perdão, o fechamento em diálogo franco e sincero.

seres incríveis que desabrocham nos lares e são a obra mais perfeita do planeta. O milagre de ver nascer, crescer e amadurecer esses seres dotados da faculdade de pensar, agir e amar. Milagre nos matrimônios humanos, do homem e da mulher que se tornam criadores como o Pai, salvadores como o Filho, mestres e guias como o Espírito. Há, também, o milagre do quererse e do perdoar-se, o segredo de que não termine o vinho da alegria, mas que se renove, devido à infinita criatividade do amor. Há, ainda, o milagre do perdão para as pequenas coisas e as maiores. O milagre de chegar até o fim, fiel a uma promessa, sem fraquejar. Existem muitos casais celebrando bodas de prata, ouro e diamante, com a presença desse grande milagre. Certamente eles constatam que, o vinho servido no final da festa é melhor do que o primeiro. O vinho de última hora, feito de sacrifícios, renúncias, alegrias, tristezas, lutas, esperanças, sonhos e fracassos, mas abençoado por Deus, que completa o milagre da vida a dois no casamento. Se porventura o vinho vier a faltar em sua vida a dois, juntem as mãos para suplicar a Maria que interceda ante seu Filho com a mesma súplica: Filho, eles não têm mais vinho.

Há, ainda, o milagre do perdão para as pequenas coisas e as maiores.

possível e defender que a família é plano de Deus. Somos homens e mulheres criados com amor para vivermos comprometidos com Cristo, como discípulos que levam o Evangelho, vivem o exemplo e promovem o diálogo. A Igreja tem a missão de ajudar a curar as feridas que a sociedade está produzindo nas famílias com suas ideologias. Somos nós que devemos ir ao encontro do outro, estar aberto para o diálogo, resgatar os valores éticos e cristãos, dar resposta evangélica a esta sociedade individualista e indiferente. Devemos nos questionar. Será que estamos sabendo fazer pastoral? Somos questionadores da realidade das famí-

lias? Família não é passado, é presente. Não nasce pronta, é o que fazemos dela. Lembremos o beato João Paulo II: “família, torna-te aquilo que és!”. Família é cuidado, proximidade, afeto e amor. Uma relação que se constrói todos os dias. Que a Pastoral seja luz, iluminando com a verdade e ajudando a afastar as trevas de nossos lares. Fomente a alegria e o prazer de ser família no plano de Deus. Que nossa Pastoral Familiar tenha a atitude de Maria diante da cruz, atendendo ao pedido de socorro das famílias que pedem o essencial: o diálogo, a escuta, o compromisso com o outro. Quem anda sempre no amor não cansa nem se cansa.

O milagre dos filhos Há, em primeiro lugar, o milagre dos filhos, tão maravilhoso quanto o vinho de Caná. Esses

Comércio de forros em PVC

EM PVC

Forro, isolamento térmico, Luminárias e divisórias

O vinho do fim da festa

Finaciam os pela VIACRE DI em

até 36X

DAPAZ

Trabalha m com colo os cação

Aceitamos AAceitamo oos cartão de credito Rua Francisco Vahldieck, 1980 - sala 2 - Forlateza - Blumenau - SC - blualves@yahoo.com.br

Diácono João Zimmermann

CONSTRUTORA E INCORPORADORA Crea 062850-7

Rua Joinville nº 1018 - sala 02 - Bairro Vila Nova - Blumenau -SC - Fone: 3323-2947

Armazém da

MADEIRA

✓ Madeiras bruta ✓ Madeiras beneficiadas ✓ Deck ✓ Assoalho, ✓ Forro e similares

Fone: 4 3330-20 7 77

Rua Bahia, 6451 - Salto Weissbach, Blumenau - SC armazem.damadeira@terra.com.br - www.armazemdamadeiramoveis.com.br


Diocesanos participam de congresso em Belo Horizonte

Diocese de Blumenau CNBB Regional Sul 4

pág.

15

Diocese de Blumenau www.diocesedeblumenau.org.br

IMAGENS

Eventos marcantes do último mês na Diocese Reuniões, celebrações e encontros estiveram na agenda dos movimentos, nas paróquias e nas coordenações

No dia 19 de setembro, no Seminário da Mãe de Jesus, em Blumenau, os padres da diocese participaram de um curso de atualização, assessorado por Dom Manoel João Francisco, bispo da Diocese de Chapecó e presidente do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil).

A Diocese de Blumenau comemorou o Dia Estadual da Pastoral da Criança (25 de agosto) com um encontro de líderes, missa e palestra motivacional, no dia 28 de agosto, reunindo 250 participantes. A programação envolveu dinâmicas e palestras e culminou com o Envio Ecumênico, dirigido por Dom José Negri e pelo pastor Dieter Thiel.

A Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, recebeu, no dia 9 de setembro, as paróquias da Comarca Sul para a Leitura Orante ministrada por Dom José. Muitas pessoas participaram deste momento de encontro com Jesus, através da Palavra.

Quem entra na Capela São Cristóvão, na Rua Bahia, em Blumenau, pode se encantar com uma novidade, a nova pintura na parede do altar, que evidencia a presença de Cristo Ressuscitado. No ano em que a Diocese vivencia a Liturgia, com ênfase na Eucaristia, o cuidado e o bom gosto daquela comunidade são elogiáveis.

No dia 17 de setembro, a Paróquia São José Operário, em Blumenau, celebrou Missa de Renovação da Profissão de Fé Batismal para 200 jovens que receberão a Crisma. Padrinhos e madrinhas estavam ao lado de seus afilhados.

O Conselho Pastoral da Comarca de Timbó esteve reunido no dia 15 de setembro, na Paróquia Imaculada Conceição, em Rio dos Cedros. Vinte leigos, sacerdotes e religiosas participaram, debatendo projetos pastorais comuns para a caminhada diocesana e eclesial.