Page 1


June e Day já sacrificaram muito pelas pessoas da República, e agora eles estão a bordo de uma nova existência — um país em paz, com a esperança de unir as colônias. Ambos estão de volta a boa graça da República: June está trabalhando entre os círculos mais altos enquanto Day está em um posto militar de alto escalão. Mas justo quando um tratado de paz é iminente, uma praga causa pânico nas colonias. A guerra ameaça as cidades nas fronteiras mais uma vez. Essa nova praga é mais mortal do que nunca e, como logo June descobre, a única defesa da República pode custar tudo que Day possui.


SÃO FRANCISCO, CALIFÓRNIA REPÚBLICA DA AMÉRICA POPULAÇÃO: 24.646.320


1 DE TODOS OS DISFARCES QUE EU JÁ USEI, ESTE PODE SER O MEU FAVORITO Cabelo vermelho-escuro, bastante diferente do meu habitual loiro claro, cortado apenas pelos meus ombros e puxado para trás em um rabo. Lentes verdes que parecem naturais quando colocadas sobre os olhos azuis. Uma amarrotada camisa de gola, seus minúsculos botões de prata brilhando no escuro, uma jaqueta militar fina, calças pretas e botas de bico de aço, um lenço cinza grosso enrolado em volta do meu pescoço, queixo e boca. Um boné escuro de soldado puxado sobre a testa, e uma tatuagem vermelha, pintada, que se estende por todo o lado esquerdo do meu rosto, me transformando em alguém desconhecido. Fora isso, eu uso o sempre presente fone de ouvido e microfone. A República insiste nisso. Na maioria das outras cidades, eu provavelmente atrairia ainda mais olhares do que eu costumo fazer por causa dessa gigante tatuagem, não exatamente uma marca sutil, eu tenho que admitir. Mas aqui em São Francisco, eu me misturo bem com os outros. A primeira coisa que notei quando eu e Eden nos mudamos para Frisco há oito meses foi a tendência local: os jovens pintavam padrões pretos ou vermelhos em seus rostos, alguns pequenos e delicados, como selos da República, em suas têmporas ou algo semelhante, outros enormes e gigantescos, como padrões de gigantes mapas da República. Hoje, eu escolhi uma tatuagem bem genérica, porque eu não sou leal o suficiente com a República para acabar com essa lealdade bem na minha cara. Deixe isso para June. Em vez disso, eu tenho chamas estilizadas. Bom o suficiente. Minha insônia está agindo hoje à noite, então em vez de dormir, eu estou andando sozinho por um setor chamado Marina, que, tanto quanto eu posso dizer é o mais montanhoso, é equivalente em Frisco ao setor Lake em Los Angeles. A noite é fria e muito tranquila, e uma leve garoa está


soprando da baía da cidade. As ruas são estreitas, brilham molhadas e cheias de buracos, e os edifícios que se levantam em ambos os lados, a maioria deles são altos o suficiente para desaparecer embaixo desta noite de nuvens, são ecléticos, pintados com seu vermelho, dourado e preto, seus lados enriquecidos com enormes vigas de aço para combater os terremotos que rolam através de cada par de meses. Os JumboTrons a cinco ou seis andares de altura estão assentados em cada esquina, bombardeando a todo volume as habituais notícias da República. O ar tem um cheiro salgado e amargo, como fumaça e resíduos industriais misturados com água do mar, e em algum lugar lá dentro, um leve cheiro de peixe frito. Às vezes, quando eu viro em uma esquina, acabo de repente perto o suficiente da borda da água que chego a molhar minhas botas. Aqui a terra se inclina para a baía e centenas de edifícios estão até a metade submersos ao longo do horizonte. Sempre que tenho uma vista da baía, também posso ver as ruínas da Golden Gate, os restos retorcidos de uma velha ponte toda amontoada ao longo do outro lado da margem. Um punhado de pessoas se chocam passando por mim agora, mas a maior parte da cidade está dormindo. Fogueiras dispersas em becos, pontos onde pessoas de rua do setor se reúnem. Não é muito diferente de Lake. Bem — eu acho que há algumas diferenças agora. O Estádio de Provas de São Francisco, por exemplo, que se encontra vazio e apagado à distância. Menos policiamento nas ruas nos setores mais pobres. Os grafites na cidade. Você sempre pode ter uma ideia de como as pessoas estão se sentindo, olhando para o grafite recente. Muitas das mensagens que eu tenho visto ultimamente realmente apoiam o novo Eleitor da República. Ele é o nosso salvador, diz uma mensagem rabiscada no lado de um edifício. Outra pintada na rua diz: O Eleitor vai nos guiar para fora da escuridão. Um pouco otimista demais, se você me perguntar, mas suponho que sejam bons sinais. Anden deve estar fazendo algo certo. E, no entanto. De vez em quando, eu também vejo mensagens que dizem: O Eleitor é um engano, ou Lavagem cerebral, ou O Day que conhecíamos está morto. Eu não sei. Às vezes esta nova relação de confiança entre Anden e as pessoas se parece como uma manipulação… e eu me sinto como se fosse uma marionete. Além disso, talvez o grafite feliz seja falso, pintado por oficiais de publicidade. Por que não?


Você nunca sabe com a República. Eden e eu, é claro, temos um apartamento em Frisco em uma área rica chamada Pacífica, onde ficamos com a nossa governanta, Lucy. A República tem que cuidar de seu criminoso mais procurado de dezesseis anos que virou herói nacional, não é mesmo? Lembro-me o quanto eu desconfiava de Lucy, uma severa, robusta, senhora de cinquenta e dois anos de idade vestida com as clássicas cores da República, quando ela apareceu pela primeira vez em nossa porta em Denver. “A República me designou para ajudá-los meninos”, ela me disse enquanto se movimentava no nosso apartamento. Seus olhos tinham imediatamente se instalado sobre Eden. “Especialmente o pequeno.” Sim. Aquilo não parecia bom para mim. Primeiro de tudo, tinha levado dois meses para que eu pudesse ter Eden na minha vista. Nós comemos lado a lado, dormimos lado a lado, eu nunca estava sozinho. Eu tinha ido tão longe como ficar fora de sua porta do banheiro, como se de alguma forma soldados da República fossem sugá-lo através de um respiradouro, levá-lo para um laboratório e ligá-lo a um grupo de máquinas. “Eden não precisa de você”, eu rebato para Lucy. “Ele tem a mim. Eu cuido dele.” Mas depois que a minha saúde começou a oscilar nos primeiros dois meses. Alguns dias eu me sentia bem, outros dias, eu estava preso na cama com uma dor de cabeça incapacitante. Naqueles dias ruins, Lucy assumia— e depois de um pouco de gritaria, eu e ela nos acostumamos em uma rotina rancorosa. Ela faz tortas de carne bastante impressionantes. E quando nos mudamos aqui para Frisco, ela veio com a gente. Ela orienta Eden. Ela se encarrega dos meus medicamentos. Quando eu finalmente estou cansado de andar, percebo que tenho vagado direto de Marina para um distrito vizinho mais rico. Eu paro na frente de um clube com The Obsidian Louge em uma placa de metal sobre a porta. Eu deslizo contra a parede em uma posição sentada, com os braços apoiados sobre os joelhos, e sinto as vibrações da música. Minha perna de metal gelada através do tecido da calça. Na parede em frente a mim, há grafite rabiscado em letras vermelhas, Day = Traidor. Eu suspiro, tiro uma lata de prata do meu bolso e puxo um longo cigarro. Eu corro um dedo sobre o texto HOSPITAL CENTRAL DE SÃO FRANCISCO impresso em seu comprimento. Cigarros receitados. Ordens do médico, né? Eu o coloco em


meus lábios com os dedos trêmulos e o acendo. Fecho os olhos. Dou uma tragada. Aos poucos, eu me perco nas nuvens da fumaça azul, à espera do doce, efeito alucinógeno que toma conta de mim. Não demora muito esta noite. Logo, a constante e maçante dor de cabeça desaparece, e o mundo a minha volta se transforma em um brilho borrado e eu sei que não é só da chuva. Uma garota está sentada ao meu lado. É Tess. Ela me dá um sorriso com o qual eu estava tão familiarizado de volta às ruas de Lake. “Qualquer notícia a partir dos JumboTrons?” Ela me pergunta, apontando para uma tela do outro lado da rua. Eu exalo fumaça azul e preguiçosamente balanço a cabeça. “Não… quer dizer, eu vi um par de manchetes relacionados aos Patriotas, mas é como se vocês tivessem desaparecido do mapa. Onde você esteve? Por onde você andou?” “Você sente a minha falta?” Tess pergunta em vez de responder. Eu fico olhando para a imagem cintilante dela. Ela está como eu me lembro dela das ruas; seu cabelo castanho avermelhado amarrado em uma trança bagunçada, com os olhos grandes e luminosos, amável e gentil. A pequena Tess. Quais foram as minhas últimas palavras para ela… quando os Patriotas fracassaram na tentativa de assassinar Anden? Por favor, Tess, eu não posso deixá-la aqui. Mas isso foi exatamente o que eu fiz. Eu me afasto, dando outra tragada no meu cigarro. Eu sinto falta dela? “Todos os dias”, eu respondo. “Você está tentando me encontrar”, diz Tess, chegando mais perto. Eu juro que quase posso sentir seu ombro contra o meu. “Eu vi você, procurando nos JumboTrons e nas ondas de rádio por notícias, escutando nas ruas. Mas os Patriotas estão se escondendo agora.” É claro que eles estão escondidos. Por que eles atacariam, agora que Anden está no poder e um tratado de paz entre a República e as Colônias está feito? Qual poderia ser nova causa? Eu não tenho nenhuma ideia. Talvez eles não tenham uma. Talvez eles nem sequer existam mais. “Eu gostaria que você voltasse”, eu murmuro para Tess. “Seria bom vê-la


novamente.” “E quanto a June?” Quando ela pergunta isso, a sua imagem desaparece. Ela é substituída por June, com seu longo rabo de cavalo e olhos escuros que brilham com toques de ouro, séria e analisando, sempre analisando. Eu inclino a minha cabeça contra o joelho e fecho os olhos. Mesmo a ilusão de June é o suficiente para enviar uma dor aguda no meu peito. Inferno. Eu sinto tanta falta dela. Eu me lembro quando eu disse adeus pra ela, em Denver, antes de eu e Eden mudarmos para Frisco. “Eu tenho certeza que estaremos de volta,” eu disse a ela, tentando preencher o silêncio constrangedor entre nós. “Após fazer o tratamento do Eden.” Era uma mentira, é claro. Nós estávamos indo para Frisco para o meu tratamento, não do Eden. Mas June não sabia disso, então ela apenas disse: “Volte logo.” Isso foi há quase oito meses. Eu não tenho notícias dela desde então. Eu não sei se é porque cada um de nós é muito hesitante em incomodar o outro, com muito medo de que o outro não queira falar, ou talvez ambos sejam muito orgulhosos para ser o único desesperado o suficiente para procurar. Talvez ela apenas não esteja interessada o suficiente. Mas você sabe como isso é. Uma semana passa sem contato, e depois um mês, e em breve muito tempo se passou e chamá-la só iria parecer estranho e aleatório. Então, eu não sei. Além disso, o que eu diria? Não se preocupe, os médicos estão lutando para salvar a minha vida. Não se preocupe, eles estão tentando diminuir a área de problema no meu cérebro com uma pilha gigante de medicação antes de tentar uma operação. Não se preocupe, a Antártida poderia me conceder o acesso ao tratamento em seus principais hospitais. Não se preocupe, eu vou ficar bem. Qual é o ponto de manter contato com a garota por quem você é louco, quando você está morrendo? O lembrete envia uma dor latejante na parte de trás da minha cabeça. “É melhor assim”, digo a mim mesmo pela centésima vez. E é. Por não vê-la por tanto tempo, a memória de como nós nos conhecemos se torna nebulosa, e eu me pego pensando sobre sua conexão com as mortes da minha família com menos frequência. Ao contrário de Tess, por algum motivo a imagem de June nunca diz uma palavra. Tento ignorar a miragem cintilante, mas ela se recusa a ir


embora. Tão malditamente teimosa. Finalmente, eu levanto, jogo o cigarro no chão, e passo pela porta da Obsidian Lounge. Talvez a música e a luz vão sacudir o meu sistema. Por um instante, eu não consigo ver nada. O clube é um breu, e o som é ensurdecedor. Imediatamente eu sou parado por um enorme par de soldados. Um deles coloca uma mão firme no meu ombro. “Nome e ramo?” Ele pergunta. Não tenho nenhum interesse em fazer a minha verdadeira identidade conhecida. “Cabo Schuster. Força Aérea”, eu respondo, deixando escapar um nome aleatório e o primeiro ramo que me vem à mente. Eu sempre penso primeiro na força aérea, principalmente por causa de Kaede. “Sou destinado a Segunda Base Naval”. Os guardas assentem. “Crianças da Força Aérea ficam na parte de trás, perto dos banheiros. E se eu ouvir que você se meteu em qualquer luta nas cabines do exército, você está fora e seu comandante ouvirá sobre isso na parte da manhã. Entendeu?” Concordo com a cabeça, e os soldados me deixam passar. Eu ando por um corredor escuro e através de uma segunda porta, em seguida, me fundo entre a multidão e as luzes piscando em seu interior. A pista de dança está lotada com pessoas com camisas soltas e mangas arregaçadas, vestidos combinando com uniformes amarrotados. Acho as cabines da força aérea na parte de trás da sala. Bom, há várias vazias. Eu deslizo em uma cabine, sustento minhas botas contra os assentos almofadados, e inclino a cabeça para trás. Pelo menos a imagem de June desapareceu. A música alta dispersa todos os meus pensamentos. Eu só estive na cabine por alguns minutos quando uma garota corta seu caminho através da pista de dança lotada e tropeça em minha direção. Ela parece corada, os olhos brilhantes e provocantes, e quando eu olho atrás dela, eu observo um grupo de meninas rindo e nos observando. Eu forço um sorriso. Normalmente, eu gosto da atenção nos clubes, mas às vezes, eu só quero fechar os olhos e deixar que o caos me leve para longe. Ela se inclina e pressiona os lábios contra meu ouvido. “Desculpe-me”, ela grita por causa do barulho. “Minhas amigas querem saber se você é o Day.” Já fui reconhecido? Eu instintivamente encolho para longe e balanço a


cabeça para que os outros possam ver. “Você pegou o cara errado”, eu respondo com um sorriso irônico. “Mas obrigado pelo elogio.” O rosto da menina está quase totalmente coberto nas sombras, mas, mesmo assim, posso dizer que ela está corando furiosamente. Suas amigas caem na gargalhada. Nenhuma delas parece acreditar na minha negação. “Quer dançar?” A menina pergunta. Ela olha por cima do ombro em direção as luzes em azul e ouro, depois de volta para mim. Isso deve ser algo que suas amigas a desafiaram a fazer também. Quando eu estou tentando pensar em algum tipo de recusa educada, eu observo a aparência da garota. O clube escuro demais para eu dar uma boa olhada para ela, e tudo o que vejo são vislumbres de destaques de néon em sua pele e longo rabo de cavalo, os lábios brilhantes se curvam em um sorriso, seu corpo magro e liso em um vestido curto e botas militares. Minha recusa desaparece na minha língua. Algo nela me faz lembrar June. Nos primeiros oito meses desde que June tornou-se uma Princesa Eleita, eu não me senti animado sobre outras meninas, mas agora, com esta sósia sombria me chamando para a pista de dança, eu me sinto esperançoso novamente. “Sim, por que não?” Eu digo. A menina abre um largo sorriso. Quando me levanto da cabine e pego a mão dela, todas as suas amigas soltam um suspiro de surpresa, seguido de um viva. A menina me leva através deles, e antes que eu perceba, nós empurramos nosso caminho para as multidões e abrimos um pequeno espaço no meio da ação. Eu me pressiono contra ela, passa a mão ao longo da parte de trás do meu pescoço, e nos deixamos levar pela batida. Ela é bonita, eu admito para mim mesmo, cego neste mar de luzes e membros. As músicas mudam, então mudam novamente. Eu não tenho nenhuma ideia de quanto tempo estamos perdidos assim, mas quando ela se inclina para frente e escova os lábios sobre os meus, eu fecho meus olhos e a deixo. Eu até sinto um arrepio na espinha. Ela me beija duas vezes, a boca macia e suave, sua língua com gosto de vodka e frutas. Eu coloco uma mão sobre as costas da garota e a puxo para mais perto, até que seu corpo esteja firmemente contra o meu. Seus beijos se tornam mais urgentes. Ela é June, eu digo a mim mesmo, escolhendo entrar na fantasia. Com os olhos fechados, minha mente ainda nebulosa do meu cigarro de alucinógenos, eu acredito que por


um momento — eu posso imaginá-la me beijando aqui, levando até a última respiração dos meus pulmões. A menina provavelmente sente a mudança de meus movimentos, minha súbita fome e desejo, porque ela sorri contra os meus lábios. Ela é June. Esta é June escovando o cabelo escuro contra o meu rosto, longos cílios de June que tocam meu rosto, o braço de June enrolado no meu pescoço, o corpo de June deslizando contra o meu. Um suave gemido me escapa. “Vamos lá”, ela sussurra. Suas palavras lançadas com malícia. “Vamos pegar um pouco de ar.” Quanto tempo faz? Eu não quero ir embora, porque isso significa que eu vou ter que abrir os olhos e June terá desaparecido, substituída por essa garota que eu não conheço. Mas ela puxa minha mão e eu sou forçado a olhar ao redor. June está longe de ser vista, é claro. As luzes do clube piscam e eu estou momentaneamente cego. Ela me guia através da multidão de dançarinos, para baixo no corredor escuro do clube, e para fora por uma porta dos fundos sem identificação. Nós entramos em um beco tranquilo. Alguns postes brilham ao longo do caminho, dando a tudo, um brilho esverdeado assustador. Ela me empurra contra a parede e me afoga em outro beijo. Sua pele está úmida, e eu sinto seus arrepios sob meu toque. Eu a beijo de volta, e uma pequena risada de surpresa escapa dela quando eu nos viro em torno e a fixo contra a parede. Ela é June, eu digo a mim mesmo em repetição. Meus lábios trabalham avidamente ao longo de seu pescoço, saboreando fumaça e perfume. Uma fraca estática chia no meu fone de ouvido, como o som da chuva e ovos fritando. Tento ignorar a chamada recebida, assim quando a voz de um homem enche meus ouvidos. Por falar de um estraga prazeres. “Sr. Wing”, diz ele. Eu não respondo. Vá embora. Estou ocupado. Poucos segundos depois, a voz começa novamente. “Sr. Wing, aqui é o Capitão David Guzman da Patrulha Quatorze da cidade de Denver. Eu sei que você está aí.” Oh, esse cara. Este pobre Capitão é sempre o encarregado de tentar me controlar.


Eu suspiro e me afasto da menina. “Desculpe,” eu digo sem fôlego. Lhe dou uma careta de desculpa e gesticulo para a minha orelha. “Dê-me um minuto?” Ela sorri e arruma o seu vestido. “Eu vou estar lá dentro”, ela responde. “Me procure.” Então ela entra pela porta e volta para o clube. Eu viro meu fone e começo a andar devagar para cima e para baixo no beco. “O que você quer?” Eu digo num sussurro irritado. O Capitão suspira sobre o fone de ouvido e se lança em sua mensagem. “Sr. Wing, sua presença é solicitada em Denver amanhã à noite, no Dia da Independência, no salão de festas da Torre do Capitólio. Como sempre, você é livre para recusar o pedido — como você costuma fazer”, ele murmura baixinho. “No entanto, este banquete é uma reunião excepcional de grande importância. Se você optar por participar, nós vamos ter um jato particular esperando por você na parte da manhã.” Uma reunião excepcional de grande importância? Já ouviu falar tantas palavras bonitas em uma frase? Reviro os olhos. Todos os meses, mais ou menos, eu recebo um convite para um evento social importante, como um baile com todos os Generais de alto escalão da guerra ou a celebração quando Anden finalmente terminou com as Provas. Mas a única razão pela qual eles querem que eu vá para essas coisas é para que eles possam me mostrar e lembrar as pessoas: “Olha, só no caso de você esquecer, Day está do nosso lado!” Não abuse da sorte, Anden. “Sr. Wing”, o Capitão diz quando eu fico em silêncio, como se ele recorresse a algum argumento final, “o glorioso Eleitor pessoalmente solicita a sua presença. O mesmo faz a Princesa Eleita.”

A Princesa Eleita. Minhas botas trituram em uma parada no meio do beco. Eu esqueço de respirar. Não fique muito animado — afinal, há três Príncipes Eleitos, e ele pode estar se referindo a qualquer um deles. Alguns segundos se passam antes de eu finalmente perguntar: “Qual Princesa Eleita?” “A única que realmente importa para você.”


Minhas bochechas esquentam com a provocação em sua voz. “June?” “Sim, a Srta. June Iparis”, o Capitão responde. Ele parece aliviado por finalmente ter a minha atenção. “Ela quer fazer um pedido pessoal neste momento. Ela gostaria muito de vê-lo no banquete da Torre do Capitólio.” Minha cabeça dói, e eu luto para firmar minha respiração. Todos os pensamentos sobre a menina no clube vão para fora da janela. June não tem, pessoalmente, me chamado em oito meses – esta é a primeira vez que ela pediu que eu assistisse a uma função pública. “O que é isso?” Eu pergunto. “Apenas uma festa do Dia da Independência? Por que é tão importante?” O Capitão hesita. “É uma questão de segurança nacional”. “O que isso quer dizer?” Meu entusiasmo inicial diminui lentamente, talvez ele esteja apenas blefando. “Olha, Capitão, eu tenho alguns negócios inacabados para cuidar. Tente me convencer novamente pela manhã.” O Capitão amaldiçoa em voz baixa. “Tudo bem, Sr. Wing. Irá tê-lo à sua maneira.” Ele murmura algo que eu não consigo entender, então desliga. Eu franzo a testa em desespero quando o meu entusiasmo inicial desaparece naufragando em decepção. Talvez eu devesse ir para casa agora. É hora de eu voltar e checar Eden, de qualquer maneira. Que piada. As chances são de que ele provavelmente está mentindo sobre o pedido de June, em primeiro lugar, porque se ela realmente queria que eu voltasse para a capital, que mal, ela—. “Day?” Uma nova voz vem em meu fone de ouvido. Eu congelo. Teria o efeito dos alucinógenos dos remédios não desaparecido ainda? Acabei de imaginar a sua voz? Mesmo que eu não tenha a ouvido em quase um ano, eu a reconheceria em qualquer lugar, e o som por si só é suficiente para evocar a imagem de June de pé, diante de mim, como se eu tivesse a encontrado por acaso neste beco. Por favor, não deixe que seja ela. Por favor, que seja ela. Será que sua voz sempre tem esse efeito em mim? Não tenho ideia de quanto tempo eu estive congelado como estava, mas deve ter sido um tempo, porque ela repete: “Day, sou eu. June. Você está aí?” Um arrepio me percorre.


Isso é real. É realmente ela. Seu tom é diferente do que eu me lembro. Hesitante e formal, como se ela estivesse falando com um estranho. Eu finalmente consigo me recompor e clico em meu microfone. “Eu estou aqui”, eu respondo. Meu próprio tom é muito diferente também — apenas hesitante, um tanto formal. Espero que ela não ouça o ligeiro tremor na minha voz. Há uma breve pausa no outro lado antes de June continuar. “Oi”. Então um longo silêncio, seguido de: “Como você está?” De repente, eu sinto uma tempestade de palavras se acumulando dentro de mim, ameaçando derramar. Eu quero deixar escapar tudo: Eu penso em você todos os dias desde aquela despedida final entre nós, eu sinto muito por não entrar em contato com você, eu queria que você tivesse me ligado. Estou com saudades.

Estou com saudades. Eu não digo nada disso. Em vez disso, a única coisa que eu consigo é: “Tudo bem. O que está acontecendo?”. Ela faz uma pausa. “Oh. Isso é bom. Peço desculpas pela ligação tarde, como estou certa que você deve estar tentando dormir. Mas o Senado e o Eleitor me pediram para enviar esta solicitação para você pessoalmente. Eu não faria isso a menos que eu sentisse que era realmente importante. Denver está dando um baile para o Dia da Independência, e durante o evento, vamos ter uma reunião de emergência. Precisamos que você compareça”. “Por quê?” Acho que eu tenho recorrido a respostas de poucas palavras. Por alguma razão, é tudo que eu posso pensar com a voz de June na linha. Ela exala, o envio de uma leve explosão de estática através do fone de ouvido e, em seguida, diz: “Você já ouviu falar sobre o tratado de paz que está sendo elaborado entre a República e as Colônias, né?” “Sim, claro” Todo mundo no país sabe disso: a maior ambição do nosso precioso pequeno Anden, para acabar com a guerra que está acontecendo


por quem sabe quanto tempo. E, até agora, as coisas parecem estar indo na direção certa, bem o suficiente para que a frente de guerra esteja tranquilamente em um beco sem saída nos últimos quatro meses. Quem diria que um dia como esse poderia vir, da mesma forma como nós nunca esperávamos ver os Estádios das Provas inutilizados em todo o país. “Parece que o Eleitor está no caminho certo para se tornar o herói da República, não é?” “Não fale cedo demais.” As palavras de June escureceram, e eu sinto como se eu pudesse ver a sua expressão através do fone de ouvido. “Ontem recebemos uma transmissão irritada das Colônias. Há uma praga se espalhando por suas cidades de frente de guerra, e eles acreditam que ela foi causada por algumas das armas biológicas que tínhamos enviado através de suas fronteiras. Inclusive eles rastrearam os números de série sobre o revestimento das armas que eles acreditam que começou esta praga.” Suas palavras se tornaram abafadas pelo choque na minha mente, o nevoeiro que está trazendo de volta lembranças do Eden e dos olhos pretos e sangrando, daquele rapaz no trem que estava sendo usado como parte na guerra. “Isso quer dizer que o tratado de paz está cancelado?” Eu pergunto. “Sim.” A voz de June cai. “As Colônias dizem que a praga é um ato oficial de guerra contra eles.” “E o que isso tem a ver comigo?” Outra pausa longa, sinistra. Isso me enche de pavor frio tão gelado que eu sinto como se meus dedos estivessem ficando dormentes. A praga. Está acontecendo. É tudo um círculo completo. “Eu vou te dizer quando você chegar aqui,” June finalmente diz. “Melhor não falar mais sobre isso nos fones de ouvido.”


2 EU DESPREZO MINHA PRIMEIRA CONVERSA COM Day depois de oito meses sem comunicação. Eu odeio isso. Quando eu me tornei tão manipuladora? Por que tenho que usar sempre suas fraquezas contra ele? Ontem à noite, 2306 horas, Anden veio ao meu complexo de apartamentos e bateu na minha porta. Sozinho. Eu nem sequer pensei que os guardas estavam posicionados no corredor para sua proteção. Foi o meu primeiro aviso de que tudo o que ele precisava me dizer tinha de ser importante e… secreto. “Eu tenho que pedir um favor a você”, ele disse enquanto eu o deixava entrar. Anden quase aperfeiçoou a arte de ser um jovem Eleitor (calmo, frio, recolhido, um queixo orgulhoso sob estresse, a voz, mesmo quando irritado), mas desta vez eu podia ver a profunda preocupação em seus olhos. Até o meu cão, Ollie, poderia dizer que Anden estava perturbado, e tentou tranquilizá-lo, empurrando o nariz molhado contra a mão de Anden. Eu cutuquei Ollie para fora antes de voltar para Anden. “O que aconteceu?” Perguntei. Anden passou a mão pelos seus cachos escuros. “Eu não quero incomodá-la tão tarde da noite”, disse ele, inclinando a cabeça para baixo em direção a minha silenciosa preocupação. “Mas eu tenho medo que essa não seja uma conversa que você esperava.” Ele estava perto o suficiente para que, se eu quisesse, eu poderia inclinar meu rosto e, acidentalmente, escovar meus lábios contra os dele. Meu batimento cardíaco acelerou com o pensamento. Anden pareceu sentir a tensão em minha postura, porque ele deu um passo para longe apologético e me deu mais espaço para respirar. Eu senti uma estranha mistura de alívio e decepção. “O tratado de paz acabou”, ele


sussurrou. “As Colônias estão se preparando para declarar guerra contra nós mais uma vez.” “O quê?” Eu sussurrei de volta. “Por quê? O que aconteceu?” “A notícia de meus generais é que um par de semanas atrás, um vírus mortal começou varrendo as cidades de frente de guerra das Colônias como pólvora.” Quando ele viu os meus olhos se arregalarem em entendimento, ele assentiu. Ele parecia tão cansado, sobrecarregado com o peso da segurança de uma nação inteira. “Aparentemente, eu demorei muito para retirar as armas biológicas da frente de guerra.” Eden. Os vírus experimental que o pai de Anden tinha usado na tentativa de causar uma epidemia nas Colônias. Durante meses, eu tentei empurrar isso para o fundo da minha mente, afinal, Eden estava seguro, agora, sob os cuidados de Day e, por último que ouvi, estava lentamente se ajustando a uma vida aparentemente normal. Nos últimos meses, a frente de guerra tinha ficado em silêncio enquanto Anden tentava discutir um tratado de paz com as Colônias. Eu pensei que teríamos sorte, que nada sairia dessa guerra biológica. Mera ilusão. “Será que os Senadores sabem?” Eu perguntei depois de um tempo. “Ou os outros Príncipes Eleitos? Por que você está me dizendo isso? Dificilmente sou sua conselheira mais próxima.” Anden suspirou e apertou a ponte de seu nariz. “Perdoe-me. Eu gostaria de não ter que envolvê-la nisso. As Colônias acreditam que temos a cura para este vírus em nossos laboratórios e estamos simplesmente a ocultando. Eles exigem que a gente compartilhe, ou então eles irão colocar toda a sua força por trás de uma invasão em larga escala na República. E, desta vez, não será um retorno a nossa antiga guerra. As Colônias têm um aliado garantido. Eles fecharam um acordo de comércio com a África— as Colônias obtém ajuda militar, e, em contrapartida, a África recebe metade das nossas terras.” Um sentimento de mau presságio se apoderou de mim. Mesmo sem ele dizer isso, eu poderia dizer que isso estava acontecendo. “Nós não temos uma cura, não é?” “Não. Mas sabemos que ex pacientes têm o potencial para nos ajudar a encontrar a cura.” Comecei balançando a cabeça. Quando Anden estendeu a mão para tocar no meu cotovelo, eu me afastei.


“Absolutamente não”, eu disse. “Você não pode pedir isso de mim. Eu não vou fazer isso.” Anden parecia triste. “Eu darei um banquete privado amanhã à noite para reunir todos os nossos Senadores. Nós não temos escolha se quisermos acabar com isso e encontrar uma maneira de assegurar a paz com as Colônias.” Seu tom ficou mais firme. “Você sabe isso tão bem quanto eu. Eu quero que ele participe deste banquete e nos ouça. Precisamos da autorização dele, se nós tivermos que chegar ao Eden”. Ele estava sério, eu percebi em choque. “Você nunca vai levá-lo a fazer. Você percebe isso, não é? O apoio do país com você ainda é leve, e a aliança de Day com você é hesitante na melhor das hipóteses. O que você acha que ele vai dizer disso? E se você irritá-lo o suficiente para ele chamar as pessoas para ação, para dizer-lhes para se rebelar contra você? Ou pior, e se ele pedir a eles para apoiarem as Colônias?” “Eu sei. Eu pensei em tudo isso.” Anden esfregou as têmporas em exaustão. “Se houvesse uma opção melhor, eu ia considerá-la.” “Então você quer que eu o faça concordar com isso”, acrescentei. Minha irritação era forte demais para me preocupar em escondê-la. “Eu não vou fazer isso. Pegue os outros Senadores para convencer Day, ou tente convencê-lo você mesmo. Ou encontre uma maneira de pedir desculpas ao líder das Colônias e peça para negociar novos termos”. “Você é a fraqueza de Day, June. Ele vai ouvir você.” Anden estremeceu quando ele mesmo disse isso, como se ele não quisesse admitir. “Eu sei como isso me faz soar. Eu não quero ser cruel, eu não quero que Day nos veja como o inimigo. Mas eu vou fazer o que for preciso para proteger as pessoas da República. Caso contrário, as Colônias vão atacar, e se isso acontecer, você sabe que é provável que o vírus vá se espalhar aqui também.” Era pior do que isso, apesar de Anden não ter dito isso em voz alta. Se as Colônias nos atacarem com a África ao seu lado, então os nossos militares não serão fortes o suficiente para contê-los. Desta vez, eles podem ganhar. Ele vai ouvir você.


Fechei os olhos e inclinei a cabeça. Eu não queria admitir, mas eu sabia que Anden estava certo. Então eu fiz o que ele pediu. Liguei para Day e lhe pedi para voltar para a capital. Apenas o pensamento de vê-lo novamente fez meu coração ressoar, doendo de sua ausência na minha vida ao longo destes últimos meses. Eu não tenho visto ou falado com ele por tanto tempo… e isso está indo ser como vamos nos reunir? O que ele vai pensar de mim agora? O que ele vai pensar da República quando descobrir o que eles querem com seu irmão mais novo? 1201 HORAS. TRIBUNAL DE CRIMES FEDERAIS DO CONDADO DE DENVER. 24°C DENTRO DE CASA. SEIS HORAS ATÉ EU VER DAY NO BAILE A NOITE. 289 DIAS E 12 HORAS DESDE A MORTE DE METIAS Thomas e a Comandante Jameson estão em julgamento hoje. Estou tão cansada de julgamentos. Nos últimos quatro meses, uma dúzia de ex Senadores foram julgados e condenados por participar do plano para assassinar Anden, o plano que Day e eu mal tínhamos conseguido parar. Os Senadores foram todos executados. Razor já foi executado. Às vezes eu sinto como se alguém novo fosse condenado a cada semana. Mas o julgamento de hoje é diferente. Eu sei exatamente quem está sendo condenado hoje, e por quê. Sento-me na varanda com vista para o palco rodado do tribunal, minhas mãos inquietas nas luvas de seda branca, meu corpo em constante mudança no meu colete e casaco preto de babados, minhas botas batendo calmamente contra os pilares da varanda. Minha cadeira é feita de carvalho sintético e almofadado com veludo macio, escarlate, mas de alguma forma eu não posso me fazer confortável. Para manter-me calma e ocupada, estou entrelaçando cuidadosamente quatro clipes de papel endireitado no meu colo para formar um pequeno anel. Dois guardas estão atrás de mim. Três linhas circulares de vinte e seis Senadores do país cercam o palco, uniformizados em seus correspondentes ternos escarlates e pretos, as suas dragonas de prata que refletem a luz da câmara, suas vozes ecoando ao


longo do teto arqueado. Eles soam em grande parte indiferentes, como se eles estivessem atendendo cerca de rotas de comércio em vez de destinos das pessoas. Muitos são os novos rostos que substituíram os Senadores traidores, que Anden tinha substituído. Eu sou a única que se destaca com a minha roupa preta e dourada (até mesmo os setenta e seis soldados montando guarda aqui são revestidos de escarlate, dois para cada Senador, dois para mim, dois para cada um dos outros Príncipes Eleitos, quatro para Anden, e quatorze nas entradas dianteiras e traseiras da Câmara, o que significa que os réus, Thomas e a Comandante Jameson são considerados de bastante alto risco e poderiam fazer um movimento súbito). Eu não sou nenhuma Senadora, claramente. Eu sou uma Princesa Eleita e precisava ser distinguida como tal. Dois outros na câmara usavam o mesmo uniforme preto e dourado que eu. Meus olhos vagueiam para eles agora, onde eles se sentam em outras varandas. Após Anden ter aproveitado para me treinar para a posição de Princesa Eleita, o Congresso pediu-lhe para selecionar vários outros. Afinal, você não pode ter apenas uma pessoa se preparando para se tornar o líder do Senado, especialmente quando essa pessoa é uma garota de dezesseis anos de idade, sem um pingo de experiência política. Então Anden concordou. Ele escolheu mais dois Príncipes Eleitos, ambos já Senadores. Uma deles é chamada de Mariana Dupree. Meu olhar se instala nela, o nariz virado para cima e com os olhos pesados com severidade. Trinta e sete anos de idade, no Senado por dez anos. Ela me odiou no instante em que pôs os olhos em mim. Eu olho para longe dela e para a varanda, onde o segundo Príncipe Eleitor está. Serge Carmichael, um Senador agitado de trinta e dois anos de idade com grande espírito político, que não perdeu tempo me mostrando que ele não aprecia minha juventude e inexperiência. Serge e Mariana. Meus dois rivais para o título de Princesa. Eu me sinto exausta só de pensar nisso. Em uma varanda a várias dezenas de metros de distância, sentado ladeado por seus guardas, Anden parece calmo, revendo algo com um dos soldados. Ele está vestindo um casaco militar cinzento considerável com brilhantes botões de prata, dragonas de prata e insígnias de prata na manga. Ele ocasionalmente olha para baixo em direção aos prisioneiros de


pé no círculo da câmara. Eu o assisto por um momento, admirando sua calma aparência. Thomas e a Comandante Jameson vão receber suas penas por crimes contra a nação. Thomas parece mais arrumado do que o habitual, se isso é possível. Seu cabelo está penteado para trás, e eu posso dizer que ele deve ter esvaziado uma lata inteira de graxa de sapato para cada uma de suas botas. Ele está de pé em posição de sentido, no centro da câmara, e olha para frente com uma intensidade que faria qualquer Comandante da República orgulhoso. Eu me pergunto o que está passando em sua mente. Ele está imaginando aquela noite no beco do hospital, quando ele matou meu irmão? Ele está pensando nas muitas conversas que teve com Metias, os momentos em que ele havia baixado a sua guarda? Ou a noite fatídica, quando ele tinha escolhido trair Metias em vez de ajudá-lo? Comandante Jameson, por outro lado, parece ligeiramente despenteada. Seus olhos frios e sem emoção estão fixos em mim. Ela esteve me olhando com firmeza nos últimos 12 minutos. Eu olho para baixo por um momento, tentando ver alguma dica de uma alma em seus olhos, mas não existe nada lá, exceto um ódio gelado, uma absoluta falta de consciência. Eu olho para longe, tomando respirações profundas, lentas, e tentando me concentrar em outra coisa. Meus pensamentos voltam para Day. Tem sido 241 dias desde que ele visitou meu apartamento e me deu adeus. Às vezes eu desejo que Day possa me segurar em seus braços novamente e me beijar da forma como ele fez naquela última noite, tão perto que mal podia respirar, seus lábios macios contra os meus. Mas então eu tomo de volta esse desejo. O pensamento é inútil. Isso me lembra da perda, da mesma forma como sentada aqui e olhando para as pessoas que mataram a minha família me faz lembrar de todas as coisas que eu costumava ter, que me lembra muito da minha culpa, de todas as coisas que Day costumava ter e que eu lhe tirei. Além disso, Day provavelmente nunca irá querer me beijar novamente. Não depois que ele descobrir por que eu lhe pedi para voltar para Denver. Anden está olhando na minha direção agora. Quando eu pego o seu olhar, ele acena com a cabeça uma vez, sai de sua varanda, e um minuto


depois ele pisa na minha sacada. Levanto-me e, junto com meus guardas, ajusto uma saudação. Anden levanta uma mão impaciente. “Sente-se, por favor”, diz ele. Quando eu relaxo de volta na minha cadeira, ele se inclina para o meu nível dos olhos e acrescenta: “Como você está se mantendo, June?”. Eu luto contra o rubor, uma vez que se espalha por todo meu rosto. Depois de oito meses sem Day na minha vida, eu me vejo sorrindo para Anden, apreciando a atenção, ocasionalmente, até mesmo esperando por isso. “Indo bem, obrigado. Eu estive ansiosa por este dia.” “É claro.” Anden assente. “Não se preocupe, não vai demorar muito para que os dois estejam fora de sua vida para sempre.” Ele dá ao meu ombro um aperto tranquilizador. Em seguida, ele sai tão rapidamente quanto chegou, desaparecendo com o tilintar fraco de medalhas e dragonas, reaparecendo momentos depois em sua própria varanda. Eu levanto a minha cabeça em uma vã tentativa de bravura, sabendo que os olhos gelados da Comandante Jameson ainda devem estar em cima de mim. Quando cada um dos Senadores sobe para lançar em voz alta o seu voto em seu veredicto, eu prendo a respiração e cuidadosamente afasto cada lembrança que tenho de seus olhos me encarando, dobrando-os em um compartimento limpo na parte de trás da minha mente. A votação parece demorar uma eternidade, ainda que os Senadores sejam todos rápidos para dizer o que eles acham que vai agradar o Eleitor. Ninguém tem a coragem de contrariar Anden depois de assistir a tantos outros condenados e executados. No momento em que chega a minha vez, a minha garganta está seca. Eu engulo algumas vezes, em seguida, falo. “Culpado”, eu digo, minha voz clara e calma. Serge e Mariana dão seus votos depois de mim. Corremos através de outro turno de votação para Thomas, e então nós terminamos. Três minutos mais tarde, um homem (careca, com um rosto redondo e enrugado e com uma túnica escarlate até o chão a qual ele está segurando com a mão esquerda) se apressa na varanda de Anden e lhe dá uma reverência apressada. Anden inclina-se para o homem e sussurra em seu ouvido. Eu assisto sua interação com uma curiosidade tranquila, pensando se eu posso prever o veredicto final por seus gestos. Depois de uma breve deliberação, tanto Anden quanto o mensageiro acenam. Em seguida, o mensageiro levanta a voz para toda a assembleia.


“Agora estamos prontos para anunciar o veredicto para o Capitão Thomas Alexander Bryant e a Comandante Natasha Jameson da Oitava Patrulha da cidade de Los Angeles. Todos se levantem para o glorioso Eleitor!” Os Senadores e eu fazemos com um barulho uniforme, enquanto Comandante Jameson simplesmente se vira para Anden com um olhar de desprezo absoluto. Thomas ajusta uma saudação brusca na direção de Anden. Ele mantém a posição quando Anden se levanta, endireita, e coloca as mãos atrás das costas. Há um momento de silêncio, enquanto aguardamos o seu veredicto final, a um voto que realmente importa. Eu luto contra uma vontade crescente de tossir. Meus olhos vagueiam instintivamente para o outro Príncipe Eleito, algo que eu agora faço o tempo todo; Mariana tem uma carranca satisfeita em seu rosto, enquanto Serge só olha entediado. Um dos meus punhos cerra firmemente em torno do anel de clipes de papel que eu estou trabalhando. Eu já sei que vai deixar sulcos profundos na palma da minha mão. “Os Senadores da República apresentaram seus veredictos individuais”, Anden comunica ao tribunal, suas palavras carregam toda a formalidade das tradições de um discurso. Fico maravilhada com a forma como a sua voz pode soar tão suave e ao mesmo tempo tão bem carregada. “Eu levei em conta a decisão conjunta, e agora eu dou a minha própria.” Anden faz uma pausa para voltar seus olhos para baixo na direção de onde os dois estão esperando. Thomas ainda está em uma saudação completa, ainda olhando fixamente para o ar vazio à sua frente. “Capitão Thomas Alexander Bryant da Oitava Patrulha da cidade de Los Angeles”, diz ele, “a República da América o considera culpado…” A sala fica em silêncio. Eu até luto para manter a minha respiração. Pense em algo. Qualquer coisa. E sobre todos os livros políticos que tenho lido esta semana? Tento recitar alguns dos fatos que eu aprendi, mas, de repente, eu não consigo me lembrar de nada. Muito incomum. “…da morte do Capitão Metias Iparis na noite de 30 de novembro, da morte da civil Grace Wing sem os mandados necessários para a execução, de executar sozinho, doze manifestantes na Praça da Batalha, na tarde de…” Sua voz entra e sai da confusão de ruídos em minha cabeça. Eu inclino a mão contra o braço da minha cadeira, solto um suspiro lento, e tento me impedir de balançar.


Culpado. Thomas foi considerado culpado de matar tanto o meu irmão quanto a mãe de Day. Minhas mãos tremem. “…e, assim, condenado à morte por fuzilamento dois dias a partir de hoje, às 17 horas. Comandante Natasha Jameson da Oitava Patrulha da cidade de Los Angeles, a República da América a considera culpada…” A voz de Anden desaparece em um maçante, zumbido irreconhecível. Tudo ao meu redor parece tão lento, como se eu estivesse vivendo rápido demais para tudo e deixando o mundo para trás. Um ano atrás eu tinha estado do lado de fora do Batal a Hall em um tipo diferente de fase judicial, olhando com uma enorme multidão enquanto um juiz dava a Day exatamente a mesma sentença. Agora Day está vivo, e é uma celebridade da República. Abro os olhos novamente. Os lábios da comandante Jameson estão definidos em uma linha apertada quando Anden lê sua pena de morte. Thomas parece inexpressivo. Ele está sem expressão? Eu estou longe demais para dizer, mas as sobrancelhas franzidas parecem em um estranho tipo de tragédia. Eu deveria me sentir bem com isso, eu me lembro. Tanto Day quanto eu deveríamos estar se regozijando. Thomas matou Metias. Ele atirou na mãe de Day a sangue frio, sem um segundo de hesitação. Mas agora o tribunal se afasta e tudo que eu posso ver são memórias de Thomas como um adolescente, quando ele, Metias e eu costumávamos comer carne de porco e Edame no interior de um carrinho na rua, com a chuva caindo ao nosso redor. Lembro-me de Thomas mostrando a mim a sua primeira arma atribuída. Eu ainda me lembro do tempo que Metias me levava para seus treinos da tarde. Eu tinha doze anos e tinha acabado de começar meus cursos na Drake por uma semana, como tudo parecia inocente naquela época. Metias me pegava depois das minhas aulas da tarde, na hora certa, e nós íamos para o setor de Tanagashi, onde ele estava correndo com a sua patrulha através de exercícios. Eu ainda podia sentir o calor do sol batendo em meu cabelo, ainda via o movimento da capa preta de Metias, o brilho de suas dragonas de prata, e ainda ouvia os cliques afiados de suas botas brilhando no cimento. Enquanto me acomodava em um banco no canto e virava meu computador para (fingir) fazer algumas 3 – Edame é um preparado feito com grãos de soja ainda dentro da vagem, comumente


encontrado no Japão, Havaí, China e Coréia. As vagens são fervidas em água junto com condimentos (como sal) e servidas inteiras. leituras de antecedência, Metias alinhava seus soldados para a inspeção. Ele fazia uma pausa na frente de cada soldado para apontar as falhas em seus uniformes. “Cadete Rin”, ele latiu para um dos soldados mais novos. O soldado pulou pelo aço na voz de meu irmão, em seguida, baixou a cabeça de vergonha quando Metias bateu na medalha solitária presa no casaco do cadete. “Se eu usasse a minha medalha desta maneira, Comandante Jameson me tiraria do meu título. Você quer ser removido desta patrulha, soldado?” “N-não, senhor”, o cadete gaguejou. Metias manteve as mãos enluvadas enfiadas atrás das costas e seguiu em frente. Ele criticou mais três soldados antes de chegar a Thomas, que ficou em atenção perto do fim da linha. Metias olhou por cima do uniforme com uma popa, olhar atento. Claro, a roupa de Thomas era absolutamente impecável, nem um único fio fora do lugar, cada medalha e dragona polida a um brilho luminoso, botas tão impecáveis que eu provavelmente poderia ver meu reflexo nelas. Uma longa pausa. Eu coloco meu computador para baixo e me inclino para assistir mais de perto. Finalmente, meu irmão assente. “Muito bem, soldado”, disse ele a Thomas. “Mantenha o bom trabalho, e eu vou ver se a Comandante Jameson o promove antes do final deste ano.” A expressão de Thomas nunca mudou, mas eu o vi levantar o queixo com orgulho. “Obrigado, Senhor”, respondeu ele. Os olhos de Metias permanecem nele por um segundo, e então ele segue em frente. Quando ele finalmente terminou de inspecionar todos, meu irmão virou-se para toda a sua patrulha. “Uma inspeção decepcionante, soldados”, ele gritou para eles. “Vocês estão sob meu turno agora, e isso significa que vocês estarão sob a vigilância da Comandante Jameson. Ela espera um calibre mais elevado deste lote, assim vocês fariam bem se tentassem melhorar. Entendido?” Responderam-lhe com continências afiadas. “Sim, senhor!” Os olhos de Metias voltaram para Thomas. Eu vi o respeito no rosto do meu irmão e até


mesmo admiração. “Se cada um de vocês prestasse atenção aos detalhes na maneira que Cadete Bryant age, nós seríamos a maior patrulha no país. Que ele sirva de exemplo para todos vocês.” Ele se junta a eles em uma saudação final. “Viva a República!” Os cadetes repetem com ele em uníssono. A memória desaparece lentamente dos meus pensamentos, e voz clara de Metias transformada em sussurros de um fantasma, deixando-me fraca e exausta na minha tristeza. Metias sempre tinha falado sobre a fixação de Thomas em ser o soldado perfeito. Me lembro da devoção cega que Thomas deu a Comandante Jameson, a mesma devoção cega que agora ele dá ao seu novo Eleitor. Então eu vejo Thomas e eu sentados em frente um do outro em uma sala de interrogatório, me lembro da angústia em seus olhos. Quando ele me disse que queria me proteger. O que aconteceu com aquele menino tímido, desajeitado de setores pobres de Los Angeles, o menino que costumava treinar com Metias a cada tarde? Algo borra minha visão e eu rapidamente passo uma mão em meus olhos. Eu poderia ser compassiva. Eu poderia pedir a Anden para poupar sua vida e deixá-lo viver seus anos na prisão, e dar a ele uma chance de se redimir. Mas ao invés disso eu fico ali com os meus lábios fechados e a postura firme, meu coração duro como pedra. Metias seria mais misericordioso na minha posição. Mas eu nunca fui uma pessoa tão boa como meu irmão. “Isso conclui o julgamento para o Capitão Thomas Alexander Bryant e a Comandante Natasha Jameson,” Anden termina. Ele segura a mão na direção de Thomas e acena com a cabeça uma vez. “Capitão, você tem algumas palavras para o Senado?” Thomas não vacilou nem um pouco, não mostrou um único indício de medo ou remorso ou raiva no rosto. Eu o vejo de perto. Depois de uma batida do coração, ele vira os olhos para onde Anden está, então se curva para baixo. “Meu glorioso Eleitor”, ele responde com uma voz clara, firme. “Eu tenho desonrado a República, agindo de uma forma que tanto desagradou e decepcionou. Eu humildemente aceito o meu veredicto.” Ele se levanta, em seguida, retorna à sua saudação. “Viva a República” Ele olha para mim quando os Senadores todos expressam a sua concordância com o veredicto final de Anden. Por um instante, nossos olhos se encontram. Então eu olho para baixo. Depois de um tempo, eu olho


de volta e ele está olhando para frente novamente. Anden volta sua atenção para a Comandante Jameson. “Comandante”, diz ele, estendendo a mão enluvada em sua direção. Seu queixo levanta em um gesto real. “Você tem palavras para o Senado?” Ela não vacila em olhar para o jovem Eleitor. Seus olhos são frios, ardósias escuras. Depois de uma pausa, ela finalmente concorda. “Sim, Eleitor”, diz ela, seu tom áspero e zombeteiro, um contraste gritante com Thomas. Os Senadores e soldados movem-se inquietos, mas Anden levanta a mão, pedindo silêncio. “Eu tenho algumas palavras para você. Eu não fui a primeira a ter esperança para sua morte, e não serei a última. Você é o Eleitor, mas você ainda é apenas um garoto. Você não sabe quem você é.” Ela estreita os olhos… e sorri. “Mas eu sei. Eu já vi muito mais do que você viu, eu drenei o sangue de prisioneiros duas vezes a sua idade, eu matei os homens com o dobro da sua força, eu deixei prisioneiros agitados com seus corpos quebrados que provavelmente têm o dobro de sua coragem. Você acha que é salvador deste país, não é? Mas eu sei melhor. Você é apenas o filho de seu pai, tal pai, tal filho. Ele falhou, e assim você vai.” Seu sorriso se alarga, mas nunca toca seus olhos. “Este país vai cair em chamas com você no comando, e meu fantasma rirá de você todo o caminho até inferno.” A expressão de Anden nunca muda. Seus olhos ficam claros e sem medo, e neste momento, estou atraída por ele como um pássaro para um céu aberto. Ele encontra seu olhar friamente. “Isto conclui o julgamento de hoje”, ele responde, sua voz ecoando por toda a câmara. “Comandante, eu sugiro que você salve as ameaças para o pelotão de fuzilamento.” Então ele cruza as mãos atrás das costas e acena para seus soldados. “Retire-os da minha vista.” Eu não sei como Anden pode mostrar tão pouco medo na frente da Comandante Jameson. Eu invejo isso. Porque, enquanto eu assisto os soldados levá-la para longe, tudo o que posso sentir é, um poço profundo gelado de terror. Como se ela não tivesse acabado com a gente ainda. Como se ela estivesse nos alertando para vigiar as nossas costas.


3 NÓS POUSAMOS EM DENVER NA MANHÃ DO BANQUETE DE EMERGÊNCIA. As próprias palavras me fazem querer rir: banquete de emergência? Para mim, um banquete ainda significa uma festa, e eu não vejo como qualquer emergência deve ser motivo de uma montanha monumental de alimentos, mesmo que seja para o Dia da Independência. É assim que esses Senadores lidam com crises— enchendo suas caras gordas? Depois que Eden e eu nos estabelecemos em um apartamento temporário do governo e Eden cochila exausto, de nosso voo cedo pela manhã, eu relutantemente o deixo com Lucy, a fim de atender a assistente designada para me preparar para o evento de hoje à noite. “Se alguém tentar vê-lo”, eu sussurro a Lucy enquanto Eden dorme, por qualquer motivo, por favor me contacte. Se alguém quiser—” Lucy, acostumada com a minha paranoia, me silencia com um aceno de sua mão. “Deixe-me acalmar sua mente, Sr. Wing”, ela responde. Ela acaricia meu rosto. “Ninguém vai ver Eden enquanto você estiver fora. Eu prometo. Eu vou chamá-lo em um instante se acontecer alguma coisa.” Concordo com a cabeça. Meus olhos permanecem em Eden, como se ele fosse desaparecer se eu piscar. “Obrigado.” Para participar deste evento de luxo, eu preciso me vestir para a ocasião—e vestir para a ocasião, a República atribui a filha de um Senador para me levar pelo centro do distrito, onde se concentram as principais áreas comerciais da cidade. Ela me encontra exatamente onde o trem para no centro do distrito. Não há nenhuma dúvida de quem ela é, ela está vestida com um uniforme elegante da cabeça aos pés, seus olhos castanhos


claros contrastam com a pele marrom escura e cabelos grossos em ondas amarrados em uma trança presa. Quando ela me reconhece, ela abre um sorriso. Eu pego ela me examinando, como se já criticando minha roupa. “Você deve ser o Day”, diz ela, pegando a minha mão. “Meu nome é Faline Fedelma, e o Eleitor me designou para ser sua guia.” Ela faz uma pausa e levanta uma sobrancelha para minhas roupas. “Nós temos algum trabalho a fazer.” Eu olho para as minhas roupas. Calças enfiadas em botas gastas, uma camisa de colarinho amassado e um cachecol velho. Teriam sido considerados de luxo nas ruas. “Que bom que você aprova”, eu respondo. Mas Faline apenas ri e dá a volta no meu braço. Enquanto ela me leva a uma rua especializada em roupas de noite do governo, assimilo a multidão correndo ao redor de nós. Pessoas de classe alta, elegantes. Um trio de estudantes passa, rindo sobre uma coisa ou outra, vestidos com uniformes militares imaculados e botas polidas. Quando nós dobramos a esquina e entramos em uma loja, eu percebo que os soldados estão de guarda a cima e a baixo da rua. Um monte de soldados. “Há geralmente tantos guardas no centro?” Pergunto a Faline. Ela dá de ombros e levanta uma roupa contra mim, mas eu posso ver o desconforto nos olhos. “Não”, ela responde: “não realmente. Mas eu tenho certeza que não é nada para você se preocupar.” Eu deixo para lá, mas um pulso de ansiedade corre pela minha mente. Denver aumentou os procedimentos de defesa. June não explicou por que ela precisava tanto de mim para participar deste banquete, tanto o suficiente para ela mesma me ligar, depois de tantos meses sem uma palavra. O que diabos ela precisaria de mim? O que significa, o que a República quer desta vez? Se a República realmente vai voltar para a guerra, então talvez eu deveria encontrar uma maneira de tirar Eden do país. Depois de tudo, agora nós temos o poder de sair. Não sei o que está me mantendo aqui. Horas mais tarde, depois que o sol se pôs e fogos de artifício para o aniversário do Eleitor foram disparados em partes aleatórias da cidade, um jipe leva-me do nosso apartamento para Colburn Hall. Espio com impaciência para fora da janela. As pessoas viajam para cima e para baixo


nas calçadas em grupos densos. Hoje à noite cada um deles está vestido com roupas muito específicas, principalmente em vermelho, com toques de maquiagem dourada e selos da república estampados com destaques aqui e ali, na parte de trás das luvas brancas ou nas mangas dos casacos militares. Eu me pergunto quantas dessas pessoas concordam com o grafite que Anden é o nosso salvador e quantas na mensagem ao lado com Anden é um engano. Tropas marcham para cima e para baixo pelas ruas. Todos os JumboTrons tem imagens de enormes selos da República em exibição, seguido de imagens ao vivo das festividades que acontecem dentro do Colburn Hall. Para crédito de Anden, recentemente tem havido um declínio constante das propagandas da República nos JumboTrons. Ainda não há notícias sobre o mundo do lado de fora, no entanto. Acho que você não pode ter tudo. No momento em que chego as escadas de pedras de Colburn Hall, as ruas são uma confusão de celebrações, a multidão e os guardas sem sorrir. Os espectadores soltam uma enorme ovação quando eles me veem sair do jipe, um rugido que sacode os meus ossos e envia um espasmo de dor através da parte de trás da minha cabeça. Eu aceno hesitante de volta. Faline está esperando por mim na parte inferior dos degraus que levam até Colburn Hall. Desta vez ela está vestida com um vestido dourado e suas pálpebras brilham com sombra dourada. Trocamos reverências antes de seguir atrás dela, vendo como ela faz sinal para os outros deixarem o caminho limpo. “Você está muito bem”, ela diz. “Alguém vai ficar muito contente de vêlo.” “Eu não acho que o Eleitor está tão animado quanto você pensa.” Ela sorri para mim por cima do ombro. “Eu não estava falando sobre o Eleitor.” Meu coração pula por isso. Nós fazemos o nosso caminho através da multidão gritando. Eu giro meu pescoço e olho para a elaborada beleza de Colburn Hall. Tudo brilha. Hoje à noite cada pilar está adornado com altas bandeiras vermelhas que exibem o selo da República e pendurado bem no meio dos pilares e acima da entrada do salão está o maior retrato que eu já vi. O rosto gigante de Anden. Faline me guia pelo corredor, onde os Senadores estão tendo conversas aleatórias e outros convidados de elite falam e riem uns com os outros, como se todo o país estivesse indo muito bem. Mas por trás de suas


máscaras alegres estão sinais de nervosismo, olhos cintilando e cenho franzido. Eles tem que sentir o número incomum de soldados aqui também. Tento imitar a maneira correta e precisa que eles têm de andar e falar, mas paro quando Faline me percebe fazendo. Nós vagamos pelo cenário exuberante, aberto de Colburn Hall por vários minutos, perdidos no mar de políticos. As borlas das minhas dragonas tilintam juntas. Eu estou procurando por ela, mesmo que eu não saiba o que vou dizer quando — se — eu encontrá-la. Como vou pegar um vislumbre dela no meio de todo esse luxo? Onde quer que viramos, eu vejo outra enxurrada de vestidos coloridos e trajes brilhantes, fontes e pianos, garçons carregando taças compridas de champanhe, pessoas extravagantes vestindo seus sorrisos falsos. Sinto uma súbita sensação de claustrofobia. Onde eu estou? O que estou fazendo aqui? Como se na sugestão, no instante em que eu me faço essas perguntas é o instante em que eu finalmente a vejo. De alguma forma, no meio desses aristocratas que se misturam em um retrato borrado, meus olhos pegam sua silhueta e se detêm. June. O barulho em torno de mim se desvanece num zumbido monótono, silencioso e desinteressante, e toda a minha atenção se volta, impotente para a garota que eu pensei que eu seria capaz de encarar. Ela está vestida com um longo vestido escarlate profundo, e seu cabelo grosso e brilhante está penteado em escuras ondas, preso no lugar com pentes cravejados de gemas vermelhas que captam a luz. Ela é a garota mais bonita que eu já vi, facilmente a garota mais deslumbrante na sala. Ela cresceu mais nos oito meses desde que eu a vi, e do jeito que ela se mantém — serena e graciosa, com seu esbelto pescoço de cisne e seus profundos olhos escuros, é a imagem da perfeição. Quase perfeição. Ao olhar mais de perto, vejo algo que me faz franzir a testa. Há um ar de constrangimento sobre ela, algo incerto e inseguro. Não como a June, que eu conheço. Como se impotente a sua visão, eu me vejo guiando ambos Faline e eu em sua direção. Eu só paro quando as pessoas ao seu redor se afastam, revelando o homem de pé ao seu lado.


É Anden. Claro, eu não deveria estar surpreso. Ao lado, várias meninas bem-vestidas estão tentando em vão chamar sua atenção, mas ele parece estar focado apenas em June. Eu vejo como ele se inclina para sussurrar algo em seu ouvido, em seguida, continua sua conversa descontraída com ela e vários outros. Quando eu me afasto em silêncio, Faline franze a testa para a minha mudança repentina. “Você está bem?” Ela pergunta. Tento um sorriso tranquilizador. “Ah, com certeza. Não se preocupe.” Eu me sinto tão fora de lugar entre esses aristocratas, com suas contas bancárias e maneiras elegantes. Não importa quanto dinheiro a República dê para mim, eu vou sempre ser o menino das ruas. E eu tinha esquecido que um rapaz das ruas não combina com a futura Princesa.


4 1935 HORAS COLBURN HALL, SALÃO DE BAILE PRINCIPAL 20 °C ACHO QUE VEJO DAY NA MULTIDÃO. UM CLARÃO DE CABELO loiro claro, olhos azuis brilhantes. De repente quebro minha atenção da conversa com Anden e os outros Príncipes Eleitos, e eu giro meu pescoço, na esperança de obter um melhor olhar— mas ele se foi, novamente, se é que já esteve lá. Desapontada, volto meu olhar para os outros e dou meu sorriso ensaiado. Day vai aparecer hoje à noite? Certamente os homens de Anden teriam nos alertado se Day houvesse se recusado a entrar no jato particular enviado a ele esta manhã. Mas ele parecia tão distante e estranho no fone, naquela noite, talvez ele decidiu que simplesmente não valia a pena vir aqui depois de tudo. Talvez ele me odeie, agora que tivemos tempo suficiente para ele pensar claramente sobre nossa amizade. Eu examino a multidão novamente quando os outros Príncipes Eleitos estão rindo das piadas de Anden. A sensação no meu estômago me diz que Day está aqui. Mas estou longe de ser uma pessoa que se baseie no instinto. Eu distraidamente toco as joias no meu cabelo, me certificando que elas estão todas ainda nos lugares certos. Elas não são as coisas mais confortáveis que eu já usei, mas o cabeleireiro ofegou com a forma que os rubis se destacaram nos meus cabelos escuros, e reação foi o suficiente para que eu achasse que elas valiam a pena. Eu não sei por que eu me preocupei em parecer tão bonita para esta noite. É o Dia da Independência, eu suponho, e é uma grande ocasião. “Senhorita Iparis é tão precoce como todos nós assumimos que ela seria,” Anden diz agora aos Senadores, voltando-se para mim com um


sorriso. Sua felicidade aparente é tudo para o espetáculo, é claro. Eu tenho sido a sombra de Anden por tempo suficiente até agora para saber quando ele está tenso, e esta noite seu nervosismo reflete cada gesto que faz. Estou nervosa também. Um mês a partir de agora, a República poderá ter bandeiras das Colônias sobrevoando suas cidades. “Seus tutores dizem que nunca viram um aluno progredir tão rapidamente através de seus textos políticos.” “Obrigada, Eleitor”, eu respondo automaticamente ao seu cumprimento. Ambos Senadores riem, mas por trás de suas expressões alegres está o ressentimento persistente contra mim, essa menina que tem sido escolhida pelo Eleitor para potencialmente se tornar sua líder um dia. Mariana me dá um diplomático, embora severo, assentimento, mas Serge não parece muito satisfeito com a maneira que o solteiro Anden me escolheu. Eu ignoro a carranca escura que o Senador lança em minha direção. Suas carrancas costumavam me incomodar, agora eu estou cansada delas. “Ah, bem.” O Senador Tanaka da Califórnia puxa o colarinho de sua jaqueta militar e troca um olhar com sua esposa. “Essa é uma notícia maravilhosa, Eleitor. É Claro, eu tenho certeza que os tutores também sabem o quanto se aprende do trabalho de um Senador fora dos textos e de anos de experiência na câmara do Senado. Como o nosso querido Senador Carmichael aqui.” Ele faz uma pausa para acenar graciosamente para Serge, que se envaidece. Anden minimiza sua consideração. “É claro”, ele ecoa. “Tudo a seu tempo, Senador.” Ao meu lado, Mariana suspira, se inclina virando o queixo para Serge. “Se você olhar para sua cabeça tempo suficiente, poderia nascer asas e alçar voo”, ela murmura. Sorrio para isso. Eles trocaram o tema sobre mim para como melhor classificar os alunos em escolas de ensino médio agora que os testes foram interrompidos. A conversa política irrita os meus nervos. Eu começo examinando a multidão novamente a procura do Day. Depois de procurar inutilmente, eu finalmente ponho a mão no braço de Anden e inclino-me para sussurrar, “Desculpe-me. Eu estarei de volta.” Ele balança a cabeça em troca. Quando eu viro as costas e começo a me misturar com a multidão,


posso sentir seu olhar persistente em mim. Passei vários minutos caminhando pelo salão em vão, cumprimentando vários Senadores e suas famílias a medida que avanço. Onde está Day? Eu tento ouvir trechos de conversas, ou perceber onde grupos de pessoas possam estar reunidas. Day é uma celebridade. Ele deve estar atraindo a atenção se já chegou. Estou prestes a fazer o meu caminho através da outra metade do salão de baile quando sou interrompida pelo alto-falante. O juramento. Eu suspiro, em seguida, volto para onde Anden já tomou seu lugar na frente do palco, com soldados da República em ambos os lados segurando bandeiras. “Eu juro fidelidade à bandeira da República da América…” Day. Está aqui. Ele está de pé a cerca de quinze metros de distância, suas costas parcialmente viradas para mim, eu só posso ver uma pequena parte de seu perfil, o cabelo solto, grosso e perfeitamente alinhado, em seu braço está uma menina em um resplendoroso vestido dourado. Quando eu o observo mais de perto, percebo que sua boca não está se movendo. Ele fica em silêncio durante todo o juramento. Eu viro minha atenção de volta para a frente quando aplausos enchem a câmara, Anden começa seu discurso preparado. De canto de olho, eu vejo Day por sua vez, olhar por sobre seu ombro. Minhas mãos tremem neste instante pela visão de seu rosto. Realmente tinha esquecido como ele é bonito, como seus olhos selvagens e indomáveis refletem algo, livre, mesmo em meio de toda essa ordem e elegância? Quando o discurso termina, eu vou direto na direção de Day. Ele está vestido com uma jaqueta militar preta perfeitamente adaptada e terno. Ele está mais magro também? Ele parece ter perdido uns dez quilos desde a última vez que o vi. Ele tem estado doente recentemente. Quando eu chego mais perto, Day me vê e faz uma pausa na conversa com a sua acompanhante. Seus olhos se arregalam um pouco. Eu posso sentir o calor subindo nas minhas bochechas, mas o forço para baixo. Este será o nosso primeiro encontro cara a cara em meses, e eu me recuso a fazer papel de boba. Eu paro a poucos metros de distância. Meus olhos vagueiam na sua acompanhante, uma menina de quem eu reconheço como Faline, dezoito anos de idade, filha do Senador Fedelma.


Faline e eu trocamos um aceno rápido. Ela sorri. “Oi, June”, diz ela. “Você está linda esta noite.” Ela faz com que um verdadeiro sorriso escape de mim, um alívio depois de todos os sorrisos praticados que eu tenho dado aos outros Príncipes Eleitos. “Você também.”, eu respondo. Faline não perde nem um único segundo incômodo – ela nota o leve rubor nas minhas bochechas e faz uma reverência para nós. Em seguida, ela se dirige de volta para a multidão, deixando-me sozinha com Day no mar de pessoas. Por um segundo, nós apenas olhamos um para o outro. Eu quebro o silêncio antes que se estenda por muito tempo. “Oi”, eu digo. Eu estudo seu rosto, refrescando minha memória com cada detalhe. “É bom vê-lo.” Day sorri de volta e se inclina, mas seus olhos nunca me deixam. A maneira como ele me olha envia rios de calor através de meu peito. “Obrigado pelo convite.” Ouvir sua voz pessoalmente novamente… e u tomo uma respiração profunda, me lembrando do motivo pelo qual eu o convidei aqui. Seus olhos dançam no meu rosto e no meu vestido— parece que ele estava pronto para comentá-lo, mas em seguida, decidi contra e acena a mão para o salão. “Festinha legal você tem aqui.” “Nunca é tão divertido quanto parece”, eu respondo em voz baixa, para que os outros não possam me ouvir. “Eu acho que alguns desses Senadores poderiam estourar de ver-se obrigados a falar com as pessoas que eles não gostam.” Minha provocação traz um pequeno sorriso de alívio para os lábios de Day. “Ainda bem que eu não sou o único infeliz.” Anden já deixou o palco, e o comentário de Day me lembra que eu deveria estar escoltando-o para o banquete em breve. O pensamento me deixa sóbria. “Está quase na hora”, eu digo, apontando para Day me seguir. “O banquete é muito privado. Você, eu, os outros Príncipes Eleitos, e o Eleitor.” “O que está acontecendo?” Day pergunta enquanto ele segue ao meu lado. Seu braço roça uma vez contra o meu, enviando arrepios pela minha


pele. Eu me esforço para recuperar o fôlego. Foco June. “Você não foi exatamente específica em nossa última conversa. Espero que esteja me colocando com todos esses idiotas esnobes do congresso por uma boa razão.” Não posso deixar de me divertir com a forma que Day refere-se aos Senadores. “Você vai descobrir quando chegarmos lá. E mantenha seus insultos ao mínimo.” Eu olho para longe dele e para o pequeno corredor, estamos caminhando para a Câmara Jasper, uma sala discreta em ramificações longe do salão principal. “Eu não vou gostar disso, não é?” Murmura Day perto do meu ouvido. A culpa nasce em mim. “Provavelmente não.” Nós nos estabelecemos na sala de banquete privado (uma pequena mesa de madeira de cerejeira retangular com sete lugares), e depois de um tempo, Serge e Mariana entram e cada um senta-se em cada lado de Anden em cadeiras reservadas. Eu fico ao lado de Day, como tinha desejado Anden. Dois serventes vão ao redor da mesa, colocando pratos delicados de melancia e salada de carne de porco ante a cada assento. Serge e Mariana fazem uma educada conversa fiada, mas nem Day nem eu dissemos mais nada. De vez em quando, eu consigo roubar um olhar para ele. Ele está olhando para as fileiras de garfos, colheres e facas com uma carranca desconfortável, tentando entendê-los sem pedir ajuda. Oh, Day. Eu não sei por que isso me dá uma sensação dolorosa que vibra no meu estômago, ou por que ele leva meu coração para ele. Eu tinha esquecido como seus longos cílios captam a luz. “O que é isso?” ele sussurra para mim, segurando um de seus talheres. “A faca de manteiga.” Day faz uma carranca para a faca, passando um dedo ao longo da borda arredondada. “Isso”, diz entre dentes, “não é uma faca.” Ao lado dele, Serge percebe sua hesitação também. “Acho que você não está acostumado com garfos e facas de onde você vem?” Diz friamente para ele. Day enrijece, mas não perde o ritmo. Ele pega uma faca maior, de propósito tirando cuidadosamente do lugar e faz um gesto casual com ela.


Ambos Serge e Mariana se afastam da mesa. “De onde eu venho, nós somos mais a favor da eficiência”, ele responde. “Uma faca como essa atravessa alimentos, passa manteiga e corta gargantas tudo ao mesmo tempo.” Claro que Day nunca cortou uma garganta em sua vida, mas Serge não sabe disso. Ele inala audivelmente com desdém ante a resposta, mas o sangue é drenado de seu rosto. Eu tenho que fingir tossir para não rir da expressão falsamente séria de Day. Para aqueles que não o conhecem bem, suas palavras soam realmente intimidantes. Eu também noto algo que eu não tinha percebido antes, Day parece pálido. Muito mais pálido do que eu me lembro. Minha diversão vacila. Será sua recente doença algo mais sério do que eu tinha assumido a princípio? Anden chega na sala um minuto depois, causando a agitação habitual, quando todos nós levantamos por ele, e faz um gesto para todos tomarmos os nossos lugares. Ele é acompanhado por quatro soldados, um dos quais fecha a porta atrás de si e, finalmente, nos fecha para a nossa refeição privada. “Day”, Anden cumprimenta. Ele faz uma pausa e acena com cortesia na direção de Day. Day parece infeliz com a atenção, mas consegue devolver o gesto. “É um prazer vê-lo novamente, mesmo que sob infelizes circunstâncias.” “Muito infelizes”, diz Day em troca. Me movo desconfortavelmente na cadeira, tentando imaginar um cenário mais complicado do que este jantar arranjado. Anden deixa passar a resposta dura. “Deixe-me pôr você a par sobre a situação atual.” Ele abaixa o garfo. “O tratado de paz que temos trabalhado com as Colônias está agora arquivado. Um vírus atingiu a frente de batalha no sul das Colônias com força.” Ao meu lado, Day cruza os braços e encara o grupo com uma expressão de suspeita em seu rosto, mas Anden continua. “Eles acreditam que este vírus foi causado por nós, e eles estão exigindo que enviemos a cura se quisermos continuar as negociações de paz.” Serge limpa a garganta e começa a dizer alguma coisa, mas Anden levanta a mão, o silenciando. Ele então, passa a derramar todos os detalhes, de como as Colônias primeiro enviaram uma mensagem dura para a República, exigindo informações sobre o vírus que causou estragos entre as suas tropas, apressadamente retirando seus soldados afetados, e depois


transmitiram seu ultimato aos generais de frente de batalha, alertando para consequências terríveis se a cura não for entregue imediatamente. Day escuta tudo sem mover um músculo ou dizer uma palavra. Uma de suas mãos segura a borda da mesa com força o suficiente para deixar os nós dos dedos brancos. Gostaria de saber se ele imagina onde isso está indo e o que tudo isso tem a ver com ele, mas apenas espera até que Anden tenha terminado. Serge se recosta na cadeira e franze a testa. “Se as Colônias querem jogar com a nossa oferta de paz”, ele zomba, “então os deixe. Nós estivemos em guerra tempo suficiente, nós podemos segurar um pouco mais.” “Não, nós não podemos”, Mariana interrompe. “Você honestamente acha que as Nações Unidas vão aceitar a notícia de que o nosso tratado de paz se desfez?” “Será que as Colônias tem alguma evidência do que causou isso? Ou essas acusações são vazias?” “Exatamente. Se eles acham que nós estamos indo para —” De repente Day fala com o rosto voltado para Anden. “Vamos parar de arrastar os pés”, ele diz. “Diga-me por que estou aqui.” Ele não é alto, mas o tom ameaçador de sua voz na conversa, silencia a sala. Anden retorna seu olhar com um outro igualmente sério. Ele toma uma respiração profunda. “Day, eu acredito que este é o resultado de uma das armas biológicas do meu pai e que o vírus veio do sangue de teu irmão Eden.” Os olhos de Day se estreitam “E?” Anden parece relutante em continuar. “Há mais do que uma razão pela qual eu não queria todos os meus Senadores aqui com a gente.” Ele se inclina para a frente, abaixa a voz e dá um olhar humilde a Day. “Eu não quero ouvir mais ninguém agora. Eu quero ouvir você. Você é o coração do povo, Day, sempre foi. Você deu tudo que você tem a fim de protegê-los.” Day endurece ao meu lado, mas Anden continua. “Eu temo pelo povo. Eu me preocupo com sua segurança, isso será como dar-lhes para o inimigo justo quando nós estamos começando a juntar as peças.” Ele torna-se calmo. “Eu preciso fazer algumas decisões difíceis.” Day levanta uma sobrancelha. “Que tipo de decisões?”


“As Colônias estão desesperadas por uma cura. Eles vão nos destruir para obtê-la, tudo o que ambos nos importa. A única chance que temos de encontrarmos uma é levar Eden temporaria-” Day empurra sua cadeira e se levanta da mesa. “Não”, ele diz. Sua voz é plana e gelada, mas eu lembro bem o suficiente de minhas antigas discussões exaltadas com o Day para reconhecer a fúria na profundidade da sua calma. Sem dizer outra palavra, se vira e afasta-se do grupo. Serge começa a levantar-se, sem dúvida para gritar com Day acerca de sua grosseria, mas Anden atira um olhar de advertência e um gesto para ele se sentar. Anden então vira-se para mim com um olhar que diz: Fale com ele. Por favor. Eu assisto a figura de Day desaparecer. Ele tem todo o direito de recusar, todo o direito de nos odiar por perguntar isso a ele. Mas eu ainda me vejo levantando de minha cadeira, afastando-me da mesa de banquete, e correndo em sua direção. “Day espere.” Eu chamo. Minhas palavras me enviam uma dolorosa lembrança da última vez que estivemos juntos em uma sala, quando tínhamos nos despedido. Nos dirigimos para um corredor menor, que leva para fora do salão principal. Day não se vira, mas ele parece abrandar os seus passos na tentativa de me deixar acompanhar. Quando eu finalmente o alcanço, tomo uma respiração profunda. “Olha, eu sei…” Day pressiona um dedo nos meus lábios, silenciando-me, em seguida, pega a minha mão. Sua pele é quente através do tecido de sua luva. A sensação de seus dedos ao redor dos meus é tão chocante depois de todos esses meses que eu esqueço o resto da minha frase, tudo é sobre ele, seu toque, sua proximidade, parece certo. “Vamos conversar em privado,” ele sussurra. Nós colocamos as cabeças dentro de uma das portas que contém no corredor, em seguida, fechamos atrás de nós e trancamos. Meu olhos fazem uma clara varredura da sala (câmara de jantar privada, sem luzes acesas, uma mesa redonda e todas as doze cadeiras cobertas de panos brancos, e uma única janela grande, arqueada na parede traseira que permite o derramar do luar). O cabelo do Day aqui se transforma em um lençol prateado. Ele vira o olhar de volta para mim agora.


É minha imaginação, ou ele parece tão perturbado quanto eu sobre o nosso breve contato com as mãos? Eu sinto um aperto repentino da cintura do vestido, o ar batendo em meus ombros expostos e clavícula, o peso do tecido e as joias no meu cabelo. Os olhos de Day permanecem no colar de rubi assentado na minha garganta. Seu presente de despedida para mim. Suas bochechas ficam um pouco rosadas na escuridão. “Então,” ele diz, “É sério a razão pela qual eu estou aqui?” Apesar da raiva em sua voz, a sua franqueza é como uma doce brisa depois de todos esses meses de calculadas conversas políticas. Eu quero respirá-lo. “As Colônias se recusam a aceitar quaisquer outros termos” Eu respondo. “Eles estão convencidos de que temos uma cura para o vírus, e o único que poderia levar a cura é Eden. A República está executando testes em outros… experimentos… para ver se eles pode encontrar qualquer coisa.” Day estremesse, então cruza os braços na frente de seu peito e me olha com uma cara feia. “Está executando testes”, murmura para si mesmo, olhando para as janelas iluminadas pelo luar. “Desculpe, não posso estar mais entusiasmado com essa ideia”, acrescenta secamente. Eu fecho meus olhos por um momento. “Nós não temos muito tempo,” eu admito. “Todos os dias que nós não entregamos a cura, mais irritada as Colônias ficam.” “E o que acontece se não damos?” “Você sabe o que acontece. Guerra.” Um traço de medo aparece nos olhos de Day, mas ainda dá de ombros. “A República e as Colônias já estão em guerra desde sempre. Como isso vai ser diferente?” “Desta vez eles vão ganhar”, eu sussurro. “Eles têm um forte aliado. Eles sabem que estamos vulneráveis durante nossa transição para um novo jovem Eleitor. Se não pudermos entregar esta cura, não teremos chance.” Eu estreito os olhos. “Você se lembra o que vimos quando fomos para as Colônias?” Day faz uma pausa por um instante. Apesar dele não dizer isso em voz


alta, eu posso ver o conflito escrito claramente em seu rosto. Finalmente, suspira e aperta os lábios com raiva. “Você acha que eu vou deixar a República tomar Eden de novo? Se o Eleitor acredita, então eu realmente cometi um erro dando meu apoio a ele. Eu não vou ajudá-lo apenas para vêlo atirar Eden de volta em um laboratório.” “Sinto muito”, eu digo. Não adianta tentar convencê-lo de quanto Anden também odeia a situação. “Não devia ter feito uma pegunta como essa.” “Ele colocou você nisso, não foi? Aposto que você também resistiu, né? Você sabe como isso soa.” Seu tom se torna mais exasperado. “Você sabia qual seria minha resposta. Por que você veio mesmo assim?” Eu olho em seus olhos e digo a primeira coisa que me vem à mente. “Porque eu queria vê-lo. Não é por isso que você concordou também?” Isso faz com que ele pare por um momento. Então ele vira, passando ambas as mãos pelos cabelos, e suspira. “Então o que você pensa? Diga-me a verdade. O que você me pediria para fazer, se você não se sentisse absolutamente pressionada por qualquer outra pessoa neste país?” Enfio uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. Força, June. “Eu iria…” Eu começo, então hesito. O que eu diria? Logicamente, eu concordo com a avaliação de Auden. Se as Colônias fazem o que ameaçam fazer, se nos atacarem com toda a força da ajuda superpoderosa, então muitas vidas inocentes serão perdidas a menos que tomemos o risco de tirar uma vida. É uma decisão simples mas não fácil. Além disso, nós poderíamos garantir que Eden seja tratado tão bem quanto possível, com os melhores médicos e o máximo de conforto físico. Day poderia estar presente durante todos os possíveis procedimentos, poderia ver exatamente o que estava acontecendo. Mas como é que eu explicaria isso a um menino que já perdeu a família inteira, que viu seu irmão ser um experimento antes, que foi um experimento ele mesmo? Esta é a parte que Anden não entende tão bem como eu, mesmo que saiba do passado de Day no papel, ele ainda não conhece Day, não viajou com ele e testemunhou o sofrimento que ele passou. A questão é muito complicada para ser respondida com simples lógica. Mais importante — Anden é incapaz de garantir a segurança de seu irmão. Tudo virá com um risco, e eu sei, com certeza, que nada no mundo poderia fazer Day tomar esse risco.


Day deve ver a frustração dançando no meu rosto, porque ele amolece e dá uns passos mais perto. Eu posso praticamente sentir o calor vindo dele, o calor da sua proximidade torna minha respiração superficial. “Eu vim aqui esta noite por você”, ele diz em voz baixa. “Não há nada no mundo que eles poderiam ter dito para convencer-me, exceto que você me queria aqui. E eu não posso recusar um pedido seu. Eles disseram-me que você pessoalmente tinha…” Ele engole. Há uma guerra familiar de emoções em sua expressão que me faz sentir doente — emoções que eu sei que são desejo, pelo que uma vez tivemos, e angústia por desejar uma garota que destruiu sua família. “É tão bom vê-la, June.” Ele diz como se estivesse deixando ir um enorme fardo que tem segurando. Gostaria de saber se ele pode ouvir meu coração batendo freneticamente contra as minhas costelas. Quando eu falo, porém, eu consigo manter minha voz firme e calma. “Você está bem?” Eu pergunto. “Você está pálido.” O peso retorna aos seus olhos, e seu momento de intimidade desaparece, dando passos para longe e brincando com a borda de suas luvas. Ele sempre odiou luvas, eu me lembro. “Eu tive uma gripe ruim no último par de semanas”, ele responde, lampeja-me um rápido sorriso. “Ficando melhor agora, no entanto.” (Seus olhos piscam sutilmente para o lado, arranha a borda de sua orelha, a rigidez de seus membros, um pouco fora do tempo entre suas palavras e seu sorriso.) Eu inclino a cabeça para ele e franzo a testa. “Você é um péssimo mentiroso, Day,” eu digo. “Você pode muito bem me dizer o que está em sua mente.” “Não há nada para dizer”, ele responde automaticamente. Desta vez olha para o chão e coloca as mãos nos bolsos. “Se eu pareço mal, é porque eu estou preocupado com Eden. Ele ficou um ano em tratamento para os olhos e ele ainda não consegue ver muito. Os médicos me disseram que eu preciso de alguns contatos especiais, e mesmo assim, ele nunca poderia ter a visão completa de volta.” Posso dizer que esta não é a verdadeira razão por trás da aparência exausta de Day, mas ele sabe que trazer a recuperação do Eden para esta conversa vai parar todas as minhas perguntas. Bem, se ele realmente não quer me dizer, então eu não vou pressioná-lo.


Eu limpo minha garganta, sem jeito. “Isso é terrível”, eu sussurro. “Eu sinto muito em ouvir isso. Ele está indo bem, de outro modo?” Day acena. Nós caímos de volta para o nosso silêncio iluminado pela lua. Eu não posso deixar de recordar a última vez que estivemos sozinhos em uma sala, quando ele pegou meu rosto em suas mãos, quando suas lágrimas caíram contra minhas bochechas. Me lembro da maneira que ele sussurrou sinto muito contra os meus lábios. Agora, enquanto estamos a um metro de distância um do outro nos olhando, eu sinto a distância que vem com passar tanto tempo separados, um momento cheio de eletricidade de primeiro encontro e a incerteza de estranhos. Day inclina-se para mim, como se atraído por uma força invisível. O apelo trágico em seu rosto torce meu estômago em nós dolorosos. Por favor, não peça isso a mim, seus olhos imploram. Por favor, não me peça para desistir do meu irmão. Eu faria qualquer coisa por você. Só não isso. “June, eu…” Ele sussurra. Sua voz ameaça romper com toda a mágoa que ele está mantendo contido dentro. Ele nunca termina a frase. Em vez disso, suspira e abaixa a cabeça. “Eu não posso concordar com os termos do seu Eleitor,” ele diz em um tom sombrio. “Eu não vou entregar o meu irmão para a República como outro experimento. Diga que eu vou trabalhar com ele para encontrar outra solução. Eu entendo o quanto tudo isto é sério — eu não quero ver a República cair. Eu ficaria feliz em ajudar e descobrir outra saída. Mas Eden fica de fora disso.” E esse é o fim da nossa conversa. Day acena para mim em despedida, permanece uns poucos segundos mais, e em seguida caminha até a porta. Eu me inclino contra a parede em súbita exaustão. Sem ele por perto, há uma falta de energia, um desbotamento da cor, o cinza da luz da lua que há ali, antes era prateado. Eu estudo a sua palidez, por fim, analisando-o com o canto do meu olho. Ele evita o meu olhar. Algo está errado, e ele se recusa a me dizer o que é. O que estou perdendo aqui? Ele puxa a porta aberta. Sua expressão endurece antes dele sair da sala. “E se por alguma razão, a República tenta tirar Eden a força, eu vou virar o povo contra Anden tão rápido que uma revolução estará sobre ele antes que ele possa piscar.”


5 SÉRIO, EU DEVERIA ESTAR ACOSTUMADO AOS MEUS PESADELOS A ESSAS ALTURAS. Desta vez eu sonho sobre mim e Eden em um hospital de São Francisco. Um médico ajustando em Eden um novo par de óculos. Acabamos em um hospital, pelo menos uma vez por semana, para que eles possam acompanhar a maneira como os olhos de Eden estão lentamente se ajustando a medicação, mas esta é a primeira vez que eu vejo o médico sorrir encorajador para o meu irmão. Deve ser um bom sinal, certo? Eden se vira para mim, sorri, e incha o peito, num gesto exagerado. Eu tenho que rir. “Como lhe parece?”, Ele me pergunta, brincando com suas enormes novas armações. Seus olhos ainda estranhos, numa pálida cor roxa, e ele não pode focar em mim, mas eu noto que agora ele pode perceber coisas como as paredes em torno dele e a luz que vem das janelas. Meu coração salta à vista. Progresso. “Você se parece com uma coruja de onze anos de idade”, eu respondo, caminhando até ele para bagunçar o seu cabelo. Ele ri e golpeia minha mão. Enquanto nós nos sentamos juntos no escritório, à espera da papelada, eu assisto Eden ocupado dobrando pedaços de papel juntos em algum tipo de projeto elaborado. Ele tem que se debruçar perto dos papéis para ver o que ele está fazendo, com os olhos estrábicos quase cruzados em concentração, seus dedos ágeis e deliberados. Eu juro, o garoto está sempre fazendo uma coisa ou outra. “O que é isso?” Pergunto a ele depois de um tempo. Ele está muito concentrando para me responder imediatamente. Finalmente, quando ele enfia um último triângulo de papel no design, ele o


segura e me dá aquele sorriso atrevido. “Aqui”, diz ele, apontando para o que parece uma folha de papel saindo da bola de papel. “Puxe isso.” Eu faço o que ele diz. Para meu espanto, o projeto se transforma em um elaborado trabalho 3-D. Eu sorrio de volta para ele no meu sonho. “Muito impressionante.” Eden toma o seu projeto de papel de volta. Nesse instante, um alarme retumba por todo o hospital. Eden deixa cair à flor de papel e salta para os pés. Seus olhos quase cegos estão abertos em terror. Eu olho para as janelas do hospital, onde os médicos e enfermeiros se reúnem. Fora ao longo do horizonte de São Francisco, uma linha de aeronaves das Colônias navegam para cada vez mais perto de nós. A cidade abaixo deles queima em uma dúzia de incêndios. O alarme me ensurdece. Eu pego a mão de Eden e nos apressamos para fora da sala. “Nós temos que sair daqui,” eu grito. Quando ele para, incapaz de ver para onde estamos indo, eu o levanto em minhas costas. As pessoas correm ao redor de nós. Chego a escada e lá, uma linha de soldados da República nos impede. Um deles puxa Eden das minhas costas. Ele grita, chutando as pessoas que ele não pode ver. Eu me esforço para me libertar dos soldados, mas o aperto deles é forte, e sinto meus membros como se estivessem afundando em lama profunda. Precisamos dele, uma voz irreconhecível sussurra em meu ouvido. Ele pode salvar a todos nós. Eu grito bem alto, mas ninguém pode me ouvir. Ao longe, os dirigíveis das Colônias visam o hospital. Vidro quebra em torno de nós. Eu sinto o calor do fogo. No piso encontra-se a flor de papel de Eden, suas bordas queimando em chamas. Eu não posso mais ver o meu irmão. Ele se foi. Ele está morto. * Uma dor de cabeça martelando me tira do meu sonho. Os soldados desaparecem, o alarme silencia, o caos do hospital desaparece na tonalidade azul escura do nosso quarto. Eu tento respirar fundo e olho ao redor para Eden, mas a dor de cabeça esfaqueia a parte de trás do meu crânio como um picador de gelo, e eu me levanto com um suspiro de dor. Agora eu me lembro onde eu realmente estou. Estou em um apartamento temporário de volta em Denver, na manhã depois de ver June.


Sobre a cômoda do quarto fica a minha usual caixa de transmissão, a estação ainda sintonizada a uma das ondas que eu pensei que os Patriotas poderiam usar. “Você está bem?” Leva-me um segundo para perceber que o amanhecer ainda não “Daniel?” Na cama ao lado da minha, Eden se mexe. Alívio me bate, mesmo no meio da minha agonia. Apenas um pesadelo. Como sempre. Apenas um pesadelo. “Você está bem?” Leva-me um segundo para perceber que o amanhecer ainda não chegou com o quarto ainda escuro, e tudo que eu posso ver é a silhueta do meu irmão contra o preto azulado da noite. Eu não respondo imediatamente. Em vez disso, eu balanço minhas pernas para o lado da cama para encará–lo e agarro a minha cabeça com as duas mãos. Outro choque de dor atinge a base do meu cérebro. “Pegue meu remédio”, murmuro ao Eden. “Devo chamar Lucy?” “Não. Não a acorde”, eu respondo. Lucy já tinha duas noites sem dormir por causa de mim. “Remédio.” A dor me faz mais rude do que o habitual, mas Eden pula da cama antes que eu possa me desculpar. Ele imediatamente começa e se atrapalhar com o frasco de comprimidos verdes que sempre está sobre a cômoda entre nossas camas. Ele a agarra e mantém o frasco na minha direção. “Obrigado.” Eu pego dele, despejo três comprimidos na minha mão com a mão trêmula, e tento engoli-los. A garganta está muito seca. Eu me levanto da cama e cambaleio em direção à cozinha. Atrás de mim, Eden pronuncia outro “Você tem certeza que está bem?”, mas a dor na minha cabeça é tão forte que eu mal posso ouvi-lo. Mal posso ver. Chego a pia da cozinha e viro a torneira, pego um pouco de água em minhas mãos, e bebo com o medicamento. Então eu deslizo para o chão na escuridão, descansando as costas contra o metal frio da porta da geladeira. Está tudo bem, eu me consolo. Minhas dores de cabeça pioraram em relação ao ano passado, mas os médicos me garantiram que esses ataques não devem durar mais do que meia hora cada vez. Claro, eles também me disseram que se alguma delas parecer extraordinariamente grave, deveria ser levado às pressas e imediatamente para o pronto-socorro. Assim, cada


vez que tenho uma, eu me pergunto se eu estou passando por um dia típico ou o último dia da minha vida. Poucos minutos depois, Eden tropeça na cozinha com seu bastão de caminhar na frente dele, o dispositivo apita sempre que ele fica muito perto de uma parede. “Talvez devêssemos pedir a Lucy para chamar os médicos”, ele sussurra. Eu não sei por que, mas a visão de Eden tateando o seu caminho através da cozinha me envia em um ataque de riso, incontrolável. “Oh homem, olhe para nós”, eu respondo. Meu riso se transforma em tosse. “Que dupla, né?” Eden me encontra, colocando uma mão hesitante na minha cabeça. Ele se senta ao meu lado com as pernas cruzadas e me dá um sorriso irônico. “Ei, com a sua perna de metal e metade de um cérebro, e meus quatro sentidos de sobra, quase dá para fazer uma pessoa inteira.” Eu ri ainda mais, o que faz a minha dor de cabeça muito pior. “Quando você ficou tão sarcástico, menino?” Eu dou-lhe um empurrão carinhoso. Ficamos debruçados em silêncio pela próxima hora quando a dor de cabeça vai e continua. Estou agora me contorcendo de dor. O suor encharca o colarinho branco da camisa e lágrimas traçam meu rosto. Eden senta ao meu lado e agarra a minha mão em suas pequenas. “Tente não pensar sobre isso”, ele insiste em voz baixa, olhando para mim com os olhos roxos pálidos. Ele empurra os óculos de aro preto mais para cima do nariz. Pedaços de meu pesadelo voltam para mim, as imagens de sua mão sendo arrancada da minha. O som de seus gritos. Eu aperto a mão com tanta força que ele estremece. “Não se esqueça de respirar. O médico sempre diz que respirar fundo é suposto para ajudar, certo? Inspire, expire”. Eu fecho meus olhos e tento seguir os comandos do meu irmãozinho, mas é difícil ouvi-lo em tudo através do bater da minha dor de cabeça. A dor é insuportável, consome tudo, uma faca incandescente esfaqueando repetidamente na parte de trás do meu cérebro. Inspire, expire. Este é o padrão, primeiro há uma maçante dor entorpecente, seguida logo pela pior dor absoluta que você pode imaginar em sua cabeça, uma lança empurrando através de seu crânio, e o impacto dela é tão forte que todo o seu corpo fica tenso; tem a duração de sólidos três segundos, seguido por um segundo de alívio. E, então, se repete mais uma vez. “Quanto tempo faz?” Eu suspiro para Eden. Luz azul opaca está lentamente filtrando das janelas.


Éden retira um pequeno quadrado e pressiona um botão solitário. “Hora”, pergunta ele. O dispositivo imediatamente responde: “Zero cinco e trinta.” Ele o guarda, uma carranca preocupada no rosto. “Tem sido quase uma hora. Isso tinha que ter passado muito antes?” Eu estou morrendo. Eu realmente estou morrendo. É em momentos como este, quando eu fico feliz que eu não tenha mais visto muito a June. O pensamento de ela me ver suado e sujo no chão da cozinha, segurando a mão de meu irmãozinho pela minha vida como um fracote choroso, enquanto ela está deslumbrante em seu vestido vermelho e cabelo cravejado de pedras preciosas… Você sabe, para esse assunto, neste momento eu estou aliviado até mesmo que mamãe e John não possam me ver. Quando eu gemo de outra punhalada de dor excruciante, Eden pega seu computador novamente e pressiona o botão. “É isso. Vou ligar para os médicos.” Quando o computador emite um sinal sonoro, levando-o para o seu comando, ele diz, “Day precisa de uma ambulância.” Então, antes que eu possa protestar, ele levanta a voz e grita para Lucy. Segundos depois, eu ouço a aproximação de Lucy. Ela não acende a luz, ela sabe que isso só faz as minhas dores de cabeça muito pior. Em vez disso, eu vejo sua silhueta robusta na escuridão e a ouço exclamar: “Day! Quanto tempo você esteve aqui?” Ela corre até mim e coloca uma mão rechonchuda contra minha bochecha. Então ela olha para Eden e toca o queixo. “Você ligou para os médicos?” Eden acena. Lucy inspeciona meu rosto de novo, então estala a língua em preocupada desaprovação e agita-se para pegar uma toalha fria. O último lugar que eu quero estar agora é deitado em um hospital da República, mas Eden já fez a chamada, e eu não prefiro morrer de qualquer maneira. Minha visão começa a se confundir, e eu percebo que é porque eu não posso evitar que meus olhos parem de chorar. Eu passo a mão no meu rosto e sorrio fracamente para Eden. “Porra, eu estou pingando como uma torneira.” Eden tenta sorrir de volta. “Sim, você já teve dias melhores”, ele responde. “Ei, garoto. Se lembra quando John pediu-lhe para ficar responsável por regar as plantas à nossa porta?”


Eden faz careta por um segundo, cavando através de suas memórias, em seguida, um sorriso ilumina seu rosto. “Eu fiz um trabalho muito bom, não foi?” “Você construiu essa pequena catapulta improvisada em frente à nossa porta.” Eu fecho meus olhos e entro na memória, uma distração temporária de toda a dor. “Sim, eu me lembro daquela coisa. Você mantinha balões de água sendo arremessados nessas pobres flores. Será que elas ainda tinham quaisquer pétalas restantes depois do que você fez? Oh homem, John estava tão chateado.” Ele estava ainda mais louco porque Eden tinha apenas quatro anos na época e, bem, como você puni o seu irmão bebê de olhos arregalados? Eden ri. Estremeço quando outra onda de agonia me bate. “O que foi que a mãe costumava dizer sobre nós?”, Ele pergunta. Agora eu posso dizer que ele está tentando manter minha mente em outras coisas também. Eu gerencio um sorriso. “Mamãe dizia que ter três meninos era como ter uma espécie de tornado de estimação que falava.” Nós dois rimos por um momento, pelo menos antes de eu apertar os olhos fechados novamente. Lucy volta com a toalha. Ela a coloca contra a minha testa, e eu suspiro de alívio em sua superfície fria. Ela verifica o meu pulso, então a minha temperatura. “Daniel,” Eden interrompe enquanto ela trabalha. Ele chega mais perto, seus olhos ainda olhando fixamente para um ponto à direita da minha cabeça. “Aguente firme, ok?” Lucy atira uma carranca crítica sobre o que seu tom implica. “Eden”, ela repreende. “Mais otimismo nesta casa, por favor.” Um caroço sobe na minha garganta, tornando minha respiração mais fraca. John foi embora, mamãe se foi, papai se foi. Eu assisto Eden com uma dor forte no peito. Eu usei a esperança de que uma vez que ele era o mais novo de nós, ele poderia ser capaz de aprender com os meus erros e os de John e ser o mais sortudo de nós, talvez fazer uma faculdade ou ganhar uma boa vida como mecânico, que estaríamos por perto para guiá-lo através dos tempos difíceis na vida. O que aconteceria com ele se eu não estivesse aqui


também? O que aconteceria se ele tivesse que ficar sozinho contra a República? “Eden”, de repente, eu sussurro para ele, puxando-o para perto. Seus olhos se arregalam com meu tom urgente. “Ouça com atenção, sim? Se a República lhe pedir para ir com eles, e se eu não estiver em casa ou eu estiver no hospital e eles vierem bater à nossa porta, nunca vá com eles. Você me entende? Você me chama primeiro, você grita para Lucy, você…” Eu hesitei. “Você chama June Iparis”. “Sua Princesa Eleita?” “Ela não é minha—” Eu faço uma careta em outra onda de dor. “Basta fazer. Chame-a. Diga a ela para impedi-los.” “Eu não entendo—” “Prometa-me. Não vá com eles, seja o que for. Ok?” Paro de falar quando um choque de dor me atinge forte o suficiente para me enviar em colapso no chão, enrolado em uma bola apertada. Eu engasgo um grito, minha cabeça parece que está sendo dividida em dois. Eu até mesmo coloco a mão trêmula na parte de trás da minha cabeça, como se para ter certeza que meu cérebro não está vazando para o chão. Em algum lugar acima de mim, Eden está gritando. Lucy faz outra ligação para o médico, desta vez frenética. “Só se apresse!”, Ela grita. “Depressa! ” No momento em que os médicos chegam, estou entrando e saindo da consciência. Por meio de uma nuvem de neblina e nevoeiro, sinto-me sendo levantado do chão da cozinha e levado para fora do prédio, em seguida, em uma ambulância que espera disfarçada para se parecer com um jipe da polícia regular. Está nevando? Alguns flocos derivam no meu rosto, me chocando com alfinetadas de frieza. Eu chamo Eden e Lucy, eles respondem a partir de algum lugar que eu não posso ver. Então estamos na ambulância e nos afastando. Tudo o que vejo há algum tempo são bolhas de cor, círculos difusos movendo para trás e para frente em toda a minha visão, como se eu estivesse olhando através da espessura de um vidro irregular. Tento


reconhecer alguns deles. Eles são pessoas? Eu espero como um inferno que sim, caso contrário eu realmente devo ter morrido, ou talvez eu esteja flutuando no oceano e detritos estão apenas flutuando ao meu redor. Isso não faz nenhum sentido, porém, a menos que os médicos só tenham decidido me atirar direto no Pacífico e se esquecer de mim. Onde está o Eden? Eles devem ter o levado embora. Assim como no pesadelo. Eles arrastaram-no para os laboratórios. Eu não posso respirar. Minhas mãos tentam voar até a minha garganta, mas, em seguida, alguém grita alguma coisa e eu sinto um peso contra meus braços, prendendo-me para baixo. Algo frio está acontecendo na minha garganta, me sufocando. “Acalme-se! Você está bem. Tente engolir.” Eu faço como a voz diz. A deglutição é mais difícil do que eu pensava, mas eu finalmente gerencio um gole, e qualquer que seja a coisa fria, ela desliza direto na minha garganta e no meu estômago, esfriando o meu núcleo. “Não”, a voz continua, menos agitada agora. “Deve ajudar com quaisquer futuras dores de cabeça, eu acho.” Ele não parece falar mais de mim e um segundo depois, outra voz entra na conversa. “Parece funcionar um pouco, Doutor.” Eu devo ter desmaiado novamente depois disso, porque a próxima vez que eu acordo, o padrão do teto é diferente e a luz do final da tarde entra para o meu quarto. Eu pisco e olho ao redor. A dor excruciante na minha cabeça se foi, pelo menos por agora. Eu também posso ver claramente o suficiente para saber que estou em um quarto de hospital, o sempre presente retrato de Anden em uma parede e uma tela contra outra parede, transmitindo notícias. Eu gemo, em seguida, fecho os olhos e solto um suspiro. Hospital estúpido. Tão cansado deles. “O paciente está acordado.” Me viro para ver um monitor perto da minha cama que recita a frase. Um segundo depois, a voz de um verdadeiro ser humano aparece sobre seus alto-falantes. “Senhor Wing?”, Diz. “Sim”, eu murmuro de volta. “Excelente”, a voz responde. “Seu irmão chegará em breve para vê-lo.”


Antes de sua voz sumir, minha porta explode e Eden vem correndo com duas enfermeiras exasperadas em seu encalço. “Daniel”, ele suspira, “você está finalmente acordado! Claro que você levou tempo suficiente.” Sua falta de visão vem com ele, ele tropeça contra a borda de um gaveteiro antes que eu possa avisá-lo, e as enfermeiras têm de pegá-lo em seus braços para evitar que ele caia no chão. “Calma aí, garoto”, eu chamo. Minha voz soa cansada, apesar de eu me sentir alerta e livre de dor. “Quanto tempo estive fora? Onde está…?” Faço uma pausa, confuso por um momento. Isso é estranho. Qual era o nome da nossa nova governanta? Eu puxo por ela em meus pensamentos. Lucy. “Onde está Lucy?” Eu termino. Ele não responde imediatamente. Quando as enfermeiras finalmente situam Eden ao meu lado na cama, ele se arrasta para perto de mim e arremessa os braços em volta do meu pescoço. Para minha surpresa, percebo que ele está chorando. “Hey.” Eu afago sua cabeça. “Calma, está tudo bem. Eu estou acordado.” “Eu pensei que você não fosse conseguir”, ele murmura. Seus olhos pálidos procuram os meus. “Eu pensei que você tinha ido embora.” “Bem, eu não fui. Eu estou bem aqui.” Eu o deixo chorar por um tempo, com a cabeça enterrada no meu peito, as lágrimas borram os óculos e mancham a minha roupa de hospital. Há um mecanismo de enfrentamento que eu comecei a usar recentemente onde eu pretendo recuar de volta para a concha do meu coração e rastejar para fora do meu corpo, como se eu não estivesse realmente aqui e sim observando o mundo a partir da perspectiva de outra pessoa. Eden não é meu irmão. Ele não é nem mesmo real. Nada é real. Tudo é ilusão. Isso ajuda. Eu espero, sem emoção quando Eden gradualmente se recompõe, e então eu me deixo cuidadosamente voltar para o meu corpo. Finalmente, quando ele limpa a última de suas lágrimas, ele se senta e toca o meu lado. “Lucy já preencheu a papelada.” Sua voz ainda soa um pouco trêmula. “Você esteve fora por cerca de dez horas. Eles disseram que tinham que correr para fora do nosso edifício através da entrada principal, simplesmente não havia tempo para tentar esgueirá-lo.” “Será que alguém viu?”


Eden esfrega suas têmporas, na tentativa de se lembrar. “Talvez. Eu não sei. Não me lembro, eu estava muito distraído. Passei toda a manhã na sala de espera porque não me deixaram entrar.” “Você sabe…” Eu engulo. “Você já ouviu alguma coisa dos médicos?” Eden suspira de alívio. “Na verdade não. Mas, pelo menos, você está bem agora. Os médicos disseram que você teve uma reação ruim ao medicamento que tomou. Eles estão tirando ele de você e irão tentar algo diferente.” A maneira que Eden diz isso faz meu coração bater mais rápido. Ele não compreende totalmente a realidade da situação, ele ainda pensa que a única razão que eu tinha entrado em colapso não foi porque eu estou ficando pior, mas porque eu tive uma reação ruim. A sensação de mal estar bate no meu estômago. É claro que ele estaria otimista sobre tudo isso, é claro que ele acha que isso é apenas um contratempo. Eu tinha estado com pouca medicação nos últimos dois meses e após as duas primeiras rodadas também pararam de funcionar, e com todas as dores de cabeça e pesadelos e náuseas extras, eu esperava que as pílulas tinham, pelo menos, feito algo de bom, que eles estavam encolhendo com sucesso o local problema no meu hipocampo, sua palavra chique para o fundo do meu cérebro. Aparentemente não. E se nada funcionar? Eu respiro fundo e coloco um sorriso para o meu irmão. “Bem, pelo menos eles sabem agora. Talvez eles vão tentar algo melhor dessa vez.” Eden sorri junto, doce e ingênuo. “Sim”. Alguns minutos depois, o meu médico chega e Eden se move para trás para fora da sala de espera. Quando o médico fala em voz baixa para mim sobre nossas próximas opções, quais os tratamentos que eles tentarão experimentar, ele também me diz em voz baixa quão pequena é a chance que eles têm. Como eu temia, minha reação não era apenas um problema temporário do remédio. “A medicação está diminuindo lentamente a área afetada”, diz o médico, mas sua expressão permanece sombria. “Ainda assim, a área continua a apodrecer, e seu corpo começou a rejeitar a medicação antiga, obrigando-nos a procurar novas. Estamos simplesmente correndo contra o relógio, Day, tentando reduzi-la o suficiente e retirá-la antes que isso possa fazer o seu pior.” Eu escuto tudo isso com uma cara séria; sua voz soa como se ele estivesse debaixo d’água, sem importância e fora de foco.


Finalmente, eu o interrompo e digo: “Olha, diga-me de uma vez. Quanto tempo eu tenho? Se nada der certo?” O médico franze os lábios, hesita, e depois sacode a cabeça com um suspiro. “Provavelmente um mês”, ele admite. “Talvez dois. Estamos fazendo o melhor que podemos.” Um mês ou dois. Bem, eles estiveram errados no passado, um mês ou dois, provavelmente, significam mais como quatro ou cinco. Ainda. Eu olho para a porta, onde Eden provavelmente está pressionado contra a madeira tentando, em vão, ouvir o que estamos dizendo. Então eu volto ao médico e engulo o caroço na minha garganta. “Dois meses”, repito. “Existe alguma chance?” “Podemos tentar alguns tratamentos mais arriscados, embora esses tenham efeitos secundários que podem ser fatais se você reagir mal a eles. Uma cirurgia antes de estar pronto provavelmente vai te matar.” O médico cruza os braços. Seu óculos capta a luz fluorescente fria e brilha de uma forma que bloqueia os olhos completamente. Ele se parece com uma máquina. “Eu sugiro, Day, que você comece a colocar suas prioridades em ordem.” “As minhas prioridades em ordem?” “Prepare o seu irmão para a notícia”, ele responde. “E resolva qualquer negócio inacabado”.


6 AS 0810 HORAS NA MANHÃ SEGUINTE AO BANQUETE DE EMERGÊNCIA, Anden me chama. “É o Capitão Bryant”, diz ele. “Ele fez um último pedido, e seu último pedido é para te ver.” Sento-me na beira da minha cama, piscando para longe de uma noite de sono profundo, tentando trabalhar a energia para entender o que Anden está me dizendo. “Amanhã vamos transferi-lo para uma prisão no outro lado de Denver para se preparar para o seu dia final. Ele perguntou se ele pode vê-la antes disso.” “O que ele quer?” “Tudo o que ele tem a dizer, ele quer que seja ouvido somente pelos seus ouvidos”, Anden responde. “Lembre-se, June, você tem a opção de recusar. Não temos de conceder esse último pedido” Amanhã, Thomas estará morto. Gostaria de saber se Anden sente qualquer culpa sobre sentenciar um soldado a morte. O pensamento de enfrentar Thomas sozinha em uma cela envia uma onda de pânico através de mim, mas eu me preparo. Talvez Thomas tenha algo a dizer sobre o meu irmão. Eu quero ouvi-lo? “Eu vou vê-lo,” eu finalmente respondo. “E espero que esta seja a última vez.” Anden deve ouvir alguma coisa na minha voz, porque suas palavras amolecem. “Claro. Vou providenciar a sua escolta.” 0930 Horas Penitenciária do Estado de Denver


A sala onde Thomas e Comandante Jameson estão detidos é iluminado com uma fria luz fluorescente, e o som de minhas botas ecoa contra o teto alto. Vários soldados me escoltam, mas para além de nós, o salão parece vazio e sinistro. Retratos de Anden pendurados em intervalos esporádicos ao longo das paredes. Meus olhos mantêm o foco em cada uma das celas que passam, estudando-as, detalhes correndo pela minha mente em um esforço para me manter calma e concentrada. (10 x 10 metros de tamanho, paredes de aço lisas, vidro à prova de balas, câmeras montadas fora das celas, em vez de dentro. A maioria delas estão vazias, e as que estão preenchidas estão com os três dos Senadores que haviam conspirado contra Anden. Este piso é reservada para prisioneiros associados especificamente com a tentativa de assassinato de Anden.) “Se você tiver algum problema,” um dos soldados diz para mim, batendo em sua boina em uma reverência educada, “só nos chamar para dentro e iremos ter o traidor no chão antes que ele possa fazer um movimento.” “Obrigada”, eu respondo, meus olhos ainda fixos nas celas quando nos aproximamos. Eu sei que não vou precisar fazer o que ele disse, porque eu sei que Thomas nunca vai desobedecer o Eleitor e tentar me machucar. Thomas é muitas coisas, mas rebelde ele não é. Chegamos ao final do corredor, onde duas celas adjacentes encontramse, cada uma guardada por dois soldados. Alguém mexe na cela mais próxima de mim. Eu me viro para o movimento. Eu nem sequer tenho tempo para estudar o interior da cela antes de uma mulher bater os dedos contra as barras de aço. Eu pulo, então engulo o grito que se levanta na minha garganta enquanto eu olho para o rosto da Comandante Jameson. Quando ela fixa os olhos em mim, ela me dá um sorriso que me faz suar frio. Lembro-me desse sorriso, ela sorriu como na noite em que Metias morreu, quando ela me aprovou para me tornar um agente júnior em sua patrulha. Não há emoção lá, nada de compaixão ou até mesmo raiva. Poucas coisas me assustam, mas enfrentar a expressão fria, implacável do verdadeiro assassino do meu irmão é uma delas. “Bem”, disse ela, em voz baixa “Se não é Iparis, que veio aqui para nos ver.” Seus olhos piscam para mim; Os soldados se reúnem perto de mim,


em um gesto de proteção. Não tenha medo. Eu me endireito tão bem quanto eu posso, então aperto meu queixo e me forço a encará-la sem pestanejar. “Você está desperdiçando meu tempo, Comandante”, eu digo. “Eu não estou aqui para você. E a próxima vez que eu a vir, será o dia em que você estará diante do pelotão de fuzilamento.” Ela apenas sorri para mim. “Tão corajosa, agora que você tem o seu jovem e bonito Eleitor para se esconder atrás. Não é mesmo?” Quando eu estreito meus olhos, ela ri. “Comandante DeSoto teria sido um Eleitor melhor do que aquele garoto poderia ser. Quando as Colônias invadirem, eles vão queimar este país até o chão. O povo vai se arrepender para sempre por colocar o seu apoio atrás de um menino.” Ela pressiona contra as grades, como se estivesse tentando chegar tão perto de mim quanto possível. Eu engulo em seco, mas mesmo através do meu medo, a minha raiva ferve sob a superfície. Eu não desvio o olhar. É estranho, mas eu acho que eu vejo um brilho doente sobre os olhos, algo que parece desconcertante acima do seu sorriso instável. “Você era uma das minhas favoritas. Você sabe por que eu estava tão interessada em ter você em minha patrulha? É porque eu me vi refletida em você. Somos iguais, você e eu. Eu teria sido Princesa Eleita, também, você sabe. Eu merecia.” Arrepios correm em meus braços. Flashes da noite que Metias morreu atravessam minha mente, quando a Comandante Jameson me levou até onde seu corpo jazia. “Pena que não deu certo, não é?” Eu agarro. Desta vez eu não posso manter o veneno das minhas palavras. Espero que você seja executada sem a menor cerimônia, como fizeram com Razor. Comandante Jameson só ri de mim. Seus olhos se dilatam. “Melhor ter cuidado, Iparis”, ela sussurra. “Você pode acabar como eu.” As palavras me esfriam até os ossos, e eu finalmente tenho que virar e quebrar meu olhar longe dela. Os soldados que guardavam a cela, não olham para mim, eles continuam a olhar para frente. Eu continuo andando. Atrás de mim, eu ainda posso ouvir sua leve, risada baixa. Meu coração bate contra as minhas costelas. Thomas está sendo mantido dentro de uma cela retangular com paredes de vidro grosso, espesso o suficiente para que eu não consiga ouvir nada do que está acontecendo lá dentro. Eu espero do lado de fora, me firmando depois do meu encontro com a Comandante Jameson. Por um


instante, eu me pergunto se eu deveria ter ficado longe e recusado seu pedido final, talvez isso tivesse sido melhor. Ainda assim, se eu sair agora, vou ter que enfrentar a Comandante Jameson novamente. Eu poderia precisar de um pouco mais de tempo para me preparar para isso. Então eu respiro fundo e passo em direção às barras de aço da porta da cela de Thomas. Um guarda abre, permite dois guardas adicionais depois de mim, e depois a fecha atrás de nós. Nossos passos ecoam no pequeno, espaço vazio. Thomas levanta-se com um barulho de suas correntes. Ele parece mais despenteado do que eu já o vi, e eu sei que, se as suas mãos estivessem completamente livres, ele as iria passar sobre seu uniforme amarrotado e pentear seu cabelo rebelde imediatamente. Mas em vez disso, Thomas clica os calcanhares. Não é até que eu diga a ele para relaxar sua postura que ele olha para mim. “É bom vê-la, Princesa Eleita”, diz ele. Há um toque de tristeza em seu sério, rosto severo? “Obrigado por ceder o meu pedido final. Não vai demorar muito antes que você esteja livre de mim inteiramente”. Eu balanço minha cabeça, com raiva de mim mesma, irritada que, apesar de tudo o que ele fez, a lealdade inabalável de Thomas à República ainda mexe com uma gota de simpatia por mim. “Sente-se e fique à vontade”, digo a ele. Ele não hesita por um segundo em um movimento uniforme, nos ajoelhamos no chão frio da cela, ele encosta-se à parede da cela, dobro minhas pernas debaixo de mim. Ficamos assim por um momento, deixando o silêncio constrangedor ficar entre nós. Eu falo primeiro. “Você não precisa mais ser tão leal à República”, eu respondo. “Você pode deixar ir, você sabe.” Thomas só balança a cabeça. “É o dever de um soldado da República ser fiel até o fim, e eu ainda sou um soldado. Eu vou ser um, até eu morrer.” Eu não sei por que o pensamento dele morrer puxa as cordas do meu coração de muitas maneiras estranhas. Estou feliz, aliviada, irritada, triste. “Por que você quer me ver?” Eu finalmente pergunto.


“Srta. Iparis, antes de amanhã chegar…” Thomas fica em silêncio por um segundo antes de continuar. “Eu quero dizer-lhe todos os detalhes de tudo o que aconteceu com Metias naquela noite no hospital. Eu me sinto… eu sinto que eu devo isso a você. Se alguém deve saber, é você.” Meu coração começa a bater. Estou pronta para reviver tudo isso de novo, eu preciso saber isso? Metias se foi; conhecer os detalhes do que aconteceu não vai trazer ele de volta. Mas eu encontro-me encontrando o olhar de Thomas com um olhar calmo. Ele deve isso a mim. Mais importante, eu devo isso ao meu irmão. Depois de Thomas ser executado, alguém deve continuar a memória da morte do meu irmão, do que realmente aconteceu. Lentamente, eu firmo meu coração. Quando eu abro a minha boca, minha voz racha um pouco. “Tudo bem”, eu respondo. Sua voz é calma. “Eu me lembro de tudo sobre aquela noite. Cada detalhe.” “Diga-me, então.” Como o soldado obediente que é, Thomas começa sua história. “Na noite da morte de seu irmão, eu recebi uma chamada da Comandante Jameson. Estávamos esperando com os jipes na entrada do hospital. Metias estava conversando com uma enfermeira na frente das principais portas de correr. Eu estava atrás dos jipes a alguma distância. Em seguida, veio a chamada.” Quando Thomas fala, a prisão em torno de nós se derrete e é substituída pela cena da fatídica noite, o hospital, o jipe militar e os soldados, as ruas, como se eu estivesse andando ao lado de Thomas, vendo tudo o que ele viu. Revivendo os acontecimentos. “Eu sussurrei uma saudação a Comandante Jameson sobre o meu fone de ouvido”, Thomas continua. “Ela não se incomodou em me cumprimentar de volta.” “Tem que ser feito hoje à noite’, ela me disse. ‘Se não agirmos agora, o seu Capitão pode planejar um ato de traição contra a República, ou até mesmo contra o Eleitor. Eu estou te dando uma ordem direta, Tenente Bryant. Encontre uma maneira de levar o Capitão Iparis para um local privado hoje à noite. Eu não me importo como você irá fazer isso.”


Thomas me olha nos olhos agora e repete: “Um ato de traição contra a República. Eu apertei minha mandíbula. Eu estava temendo esta chamada inevitável, desde que eu tinha ouvido pela primeira vez sobre Metias invadir os bancos de dados dos civis falecidos. Manter segredos da Comandante Jameson era quase impossível. Meus olhos dispararam para o seu irmão na entrada. ‘Sim, Comandante’, eu sussurrei.” “‘Bom’, disse ela. ‘Diga-me quando estiver pronto. Vou enviar pedidos separados para o resto de sua patrulha para estar em um local diferente durante esse tempo. Faça isso rápido e limpo’.” “Foi quando minha mão começou a tremer. Tentei argumentar com a Comandante, mas sua voz só ficou mais fria. ‘ Se você não fizer isso, eu vou. Acredite em mim, eu vou fazer uma bagunça, e ninguém ficará feliz com isso. Entendido?’” “Eu não lhe respondi imediatamente. Em vez disso, eu assisti o seu irmão quando ele apertou a mão da enfermeira. Ele se virou, procurando por mim, e então me viu pelos jipes. Ele acenou para mim, e eu balancei a cabeça, cuidando para manter meu rosto em branco. ‘ Entendido, Comandante’, eu finalmente respondi.” “‘ Você pode fazer isso, Bryant’, ela me disse. ‘ E se você for bemsucedido, considere-se promovido a Capitão.’ A chamada foi cortada.” “Eu entrei entre Metias e outro soldado na entrada do hospital. Metias sorriu para mim. ‘ Outra noite longa, hein? Juro, se nós ficarmos presos aqui até o amanhecer de novo, eu vou reclamar com a Comandante Jameson como se não houvesse amanhã’.” “Eu me forcei a rir junto. ‘ Vamos esperar por uma noite sem intercorrências, então.’ A parecia mentira tão suave.” ” ‘Sim, vamos torcer para isso’, disse Metias. ‘ Pelo menos eu tenho você como companhia’.” “‘Da mesma forma’, eu disse a ele. Metias olhou para mim, seus olhos pairando por uma batida, em seguida, olhou para longe novamente.” “Os primeiros minutos se passaram sem incidentes. Mas, em seguida, momentos depois, um menino maltrapilho do setor da favela arrastou-se até a entrada e parou para conversar com uma enfermeira. Ele era uma bagunça, lama, sujeira e manchas de sangue em todo seu rosto, cabelo escuro sujo afastado de seu rosto, e um mancar desagradável.


‘Posso ser internado, amiga?’, Ele perguntou à enfermeira. ‘Ainda há lugar hoje à noite? Eu posso pagar.’” “A enfermeira só continuou escrevendo em seu bloco de notas. ‘O que aconteceu?’, Ela finalmente perguntou.” ” ‘Foi em uma luta’, o menino respondeu. ‘ Acho que fui esfaqueado’. “A enfermeira olhou para o seu irmão, e Metias acenou para dois de seus soldados. Eles caminharam para revistar o rapaz. Depois de um tempo, eles embolsaram algo e levaram o menino para dentro. Quando ele passou cambaleando, inclinei-me mais perto de Metias e sussurrei: ‘ Não gosto da aparência daquele. Ele não anda como alguém que foi esfaqueado, anda?’” “Seu irmão e o menino trocaram um breve olhar. Quando o menino tinha desaparecido dentro do hospital, ele acenou para mim. ‘Concordo. Fique de olho nele. Depois de fazer a nossa ronda, eu gostaria de questioná-lo um pouco.’” Thomas faz uma pausa, procurando o meu rosto, talvez pedindo permissão para parar de falar, mas eu não lhe dou. Ele respira fundo e continua. “Corei então em sua proximidade. Seu irmão parecia sentir isso também, e um silêncio constrangedor se passou entre nós. Eu sempre soube sobre sua atração por mim, mas aquela noite ele parecia particularmente exposto. Talvez tivesse algo a ver com o seu cansado dia, suas loucuras universitárias, seu habitual ar de comando submetido e cansado. E debaixo da minha calma exterior, o meu coração batia contra as minhas costelas. Encontre uma maneira de obter o Capitão Iparis em um local privado hoje à noite. Eu não me importo como você irá fazer isso. Esta vulnerabilidade seria minha única chance.” Thomas olha brevemente para suas mãos, mas continua. “Então, algum tempo depois, eu bati no ombro de Metias. ‘ Capitão’, murmurei. ‘ Posso falar com você em particular por um momento?’” “Metias piscou. Ele me perguntou: ‘Isto é urgente?’” “Não, senhor’“, eu disse a ele. ‘ Não muito. Mas… eu prefiro que você


saiba.’” “Seu irmão olhou para mim, momentaneamente confuso, em busca de uma pista. Em seguida, ele fez sinal para um soldado para tomar seu lugar na entrada e nós dois nos dirigimos para uma rua tranquila, escura, perto do hospital.” “Metias imediatamente deixou cair um pouco de sua pretensão formal. ‘ Algo de errado, Thomas? Você não parece bem.’” “Tudo o que eu conseguia pensar era na traição contra a República. Ele nunca faria isso. Ele iria? Nós tínhamos crescido juntos, treinamos juntos, amadurecemos juntos… então me lembrei das ordens da minha Comandante. Eu senti a faca com bainha presa pesadamente na minha cintura. ‘ Estou bem,’ eu disse a ele.” “Mas o seu irmão riu. ‘Vamos. Você nunca precisou esconder nada de mim antes. Você sabe disso, né?’.” “Basta dizer, Thomas. Eu disse a mim mesmo. Eu sabia que estava oscilando entre o familiar e o ponto de não retorno. Forçar as palavras. Deixe-o ouvir. Finalmente, olhei para cima e disse: ‘O que é isso entre nós?’” “O sorriso de seu irmão vacilou. Ele ficou muito silencioso. Em seguida, ele deu um passo para trás. ‘O que você quer dizer?’” “’ Você sabe o que quero dizer’, eu disse a ele. ‘ Isso. Todos esses anos.’” “Agora Metias estava estudando meu rosto atentamente. Longos segundos se passaram. ‘ Isso‘, ele finalmente respondeu, enfatizando a palavra. ‘ Não pode acontecer. Você é o meu subordinado.’” “Então eu perguntei: ‘ Mas isso significa alguma coisa para você, senhor. Não é?’” “Alguma coisa alegre e trágica dançou no rosto de Metias. Ele se aproximou. Eu sabia que o muro entre nós finalmente tinha formado uma rachadura. ‘ Será que isso significa alguma coisa para você?’ Ele me perguntou.” Mais uma vez, Thomas faz uma pausa. Então, com uma voz


mais suave, ele diz: “A lâmina de culpa torceu dolorosamente no meu peito, mas já era tarde demais para voltar atrás. Então, eu dei um passo para frente, fechei os olhos, e eu o beijei.” Outra pausa. “Seu irmão congelou, como eu pensei que faria. Houve completo silêncio. Nós fomos além, o pesado silêncio em torno de nós, e por um momento eu me perguntava se eu tinha cometido um grande erro, se eu simplesmente descaracterizei cada sinal dos últimos anos. Ou talvez, talvez ele sabia o que eu estava fazendo. Eu senti uma estranha sensação de alívio com esse pensamento. Talvez fosse melhor se Metias descobrisse os planos da Comandante Jameson para ele. Talvez haja uma maneira de sair dessa.” “Mas, então, ele se inclinou para frente e devolveu o beijo, e a última das paredes desmoronou.” “Pare”, de repente eu digo. Thomas fica em silêncio. Ele tenta esconder suas emoções por trás de uma aparência de nobreza, mas a vergonha é evidente em seu rosto. Eu me inclino para trás, viro o rosto para longe dele, e pressiono as minhas mãos nas minhas têmporas. Raiva ameaçava me oprimir. Thomas não só tinha acabado de matar Metias sabendo que meu irmão o amava. Thomas tinha tomado esse conhecimento e o usou contra ele. Eu quero que você morra. Eu te odeio. A maré da minha raiva cresce mais forte, até que finalmente eu ouço o sussurro da voz de Metias na minha cabeça, a luz fraca da razão. Vai ficar tudo bem, joaninha. Ouça-me. Tudo vai ficar bem. Eu espero, meu coração batendo de forma constante, até que suas palavras gentis me trazem de volta. Meus olhos abrem, e eu dou um olhar fixo em Thomas. “O que aconteceu depois disso?” Thomas leva um longo momento antes de falar novamente. Quando ele faz, sua voz treme. “Não havia nenhuma maneira de dar errado. Metias não tinha ideia do que estava acontecendo. Ele tinha caído no plano com fé cega. Minha mão rastejou para a faca na minha cintura, mas eu não poderia fazê-lo. Eu não conseguia nem respirar.” Meus olhos se enchem de lágrimas. Eu queria tão desesperadamente ouvir cada detalhe e ao mesmo tempo que Thomas parasse de falar, para fechar esta noite, ir embora e nunca mais voltar.


“Um alarme cortou o ar. Pulamos separados. Metias parecia corado e confuso e apenas um segundo depois do que fizemos, ambos percebemos que o alarme vinha do hospital.” “O momento foi quebrado. Seu irmão voltou ao modo Capitão e correu em direção à entrada do hospital. ‘ Fique por perto’, ele gritou por cima do fone de ouvido. Ele não olhou para trás. ‘Eu quero metade de vocês lá, identificando a fonte. Reúna os outros na entrada e aguarde o meu comando. Agora!’ ” “Eu comecei a correr atrás dele. Minha chance para atacar tinha desaparecido. Gostaria de saber se a Comandante Jameson tinha de alguma forma sido capaz de ver o meu fracasso. Os olhos da República estão em toda parte. Sabem tudo. Entrei em pânico. Eu tinha que encontrar outro momento, outra chance de obter o seu irmão sozinho. Se eu não pudesse fazê-lo, então o destino de Metias cairia em mãos muito mais duras.” “Até o momento em que eu o alcancei na entrada, seu rosto era escuro com raiva. ‘ Assalto’, disse ele. ‘ Foi aquele menino que vimos. Eu tenho certeza disso. Bryant, pegue cinco e circule a área leste. Eu vou para o outro lado.’” “O seu irmão já estava em movimento, reunindo seus soldados. ‘ Ele vai ter que sair do hospital de alguma forma’, ele nos disse. ‘ Nós esperaremos por ele quando ele tentar.’” “Fiz o que Metias ordenou, mas no instante em que ele estava fora do alcance da voz, eu ordenei a meus soldados que fossem para o leste e, então, me esgueirei em direção das sombras. Eu tenho que segui-lo. Esta é a minha última chance. Se eu falhar, eu estou praticamente morto, de qualquer maneira. O suor escorria pelas minhas costas. Eu me fundi nas sombras, me lembrando de todas as lições que Metias havia me ensinado sobre sutileza e discrição.” “Então, de algum lugar no meio da noite eu ouvi vidro quebrando. Eu me escondi atrás de uma parede quando seu irmão passou correndo, sozinho e desprotegido, em direção à fonte do som. Então eu o segui. A escuridão da noite me engolindo inteiro. Por um momento, eu perdi Metias nos becos. Onde ele estava? Eu me virei em um beco, tentando descobrir


onde seu irmão tinha ido.” “Só então, uma chamada veio. Comandante Jameson latiu para mim. ‘É melhor você encontrar uma segunda chance de derrubá-lo, Tenente. Logo’ .” “Finalmente, minutos mais tarde, eu achei Metias. Ele estava sozinho, lutando para se levantar do chão com uma faca enterrada em seu ombro, cercado por sangue e vidro quebrado. A poucos metros dele estava uma tampa de esgoto. Corri para o lado dele. Ele sorriu brevemente para mim, enquanto segurava a faca em seu ombro.” “‘ Era Day’, ele suspirou. ‘ Ele escapou para baixo nos esgotos.’ Então ele estendeu a mão para mim. ‘Aqui. Me ajude.’” “Esta é a sua chance, eu disse a mim mesmo. Esta é sua única chance, e se você não pode fazê-lo agora, isso nunca vai acontecer.” A voz de Thomas vacila quando eu procuro a minha própria. Eu quero detê-lo novamente, mas eu não posso. Estou entorpecida. Thomas levanta a cabeça e diz: “Eu gostaria de poder dizer-lhe todas as imagens que giram em minha mente, Comandante Jameson interrogando Metias, o torturando por informações, arrancando suas unhas, cortando-o aberto até ele gritar por misericórdia, matando-o lentamente da mesma forma que ela fez para todos os prisioneiros de guerra.” Enquanto ele fala, as palavras vêm mais rápido, caindo de sua boca em um emaranhado frenético. “Eu imaginei a bandeira da República, o selo da República, o juramento que eu tinha tomado no dia que Metias me aceitou na patrulha. Que eu permaneceria para sempre fiel a minha República e ao meu Eleitor, até o dia da minha morte. Meus olhos dispararam para a faca enterrada no ombro de Metias. Faça-o. Faça isso agora, eu disse a mim mesmo. Agarrei sua gola, puxei a faca do seu ombro, e a mergulhei profundamente em seu peito. Direto até o punho.” Eu me ouvi ofegar. Como se eu esperasse um final diferente. Como se uma vez que eu ouvisse isso várias vezes, a história fosse mudar. Isso nunca acontecia. “Metias soltou um grito quebrado”, sussurrou Thomas. “Ou talvez ele


viesse de mim, eu não me lembro mais. Ele caiu de volta no chão, com a mão ainda segurando meu pulso. Seus olhos estavam arregalados com o choque.” “‘ Eu sinto muito’, eu botei pra fora.” Thomas olha para mim quando ele continua, o seu pedido de desculpas serve tanto para mim quanto para meu irmão. “Ajoelhei-me sobre o seu corpo tremendo. ‘ Eu sinto muito, sinto muito,’ eu disse a ele. ‘Eu não tinha escolha. Você não me deu escolha!’” Eu mal posso ouvir Thomas quando ele continua. “Uma faísca de entendimento apareceu nos olhos do seu irmão. Com ele ferido, algo que ia além de sua dor física, um momento de sangrenta realização. Então repulsa. Decepção. ‘ Agora eu sei por que’, ele sussurrou. Eu não tinha que perguntar para saber que ele estava se referindo ao nosso beijo.” “Não! Eu falei sério! Eu queria gritar. Foi um adeus, o único que eu poderia dar. Mas eu quis dizer isso. Eu prometo.” “Em vez disso, eu disse, ‘ Por que você tem que contrariar a República? Eu avisei, uma e outra vez. Contrarie a República muitas vezes, e, eventualmente, eles vão queimar você. Eu te avisei! Eu disse para você ouvir! ’” “Mas o seu irmão sacudiu a cabeça. É algo que você nunca vai entender, seus olhos pareciam dizer.” “Sangue vazou de sua boca, e sua mão apertou no meu pulso. ‘ Não machuque June’, disse ele. ‘ Ela não sabe de nada.’ Então uma feroz, luz apavorada apareceu em seus olhos. ‘ Não a machuque. Prometa-me.’” “Então, eu disse a ele: ‘ Eu vou protegê-la. Eu não sei como, mas vou tentar. Eu prometo.’” “A luz desvaneceu gradualmente de seus olhos, e seu aperto afrouxou. Ele olhou para mim, até que ele não podia olhar mais, e então eu sabia que ele tinha ido. Mova-se. Saia daqui, eu disse a mim mesmo. Mas eu fiquei abaixado sobre o corpo de Metias, minha mente em branco. Sua ausência repentina me bateu. Metias se foi, Metias nunca ia voltar, e foi tudo culpa minha. Não. Viva a República. Isso é o que realmente importa, eu disse a mim mesmo,


sim, sim, isso era o mais importante. Isso, o que quer que isso tenha sido entre Metias e eu, não foi real, nunca poderia ter acontecido de qualquer maneira. Não com Metias como meu Capitão. Não com Metias como um trabalho criminal contra o país. Foi o melhor. Sim. Foi.” “Finalmente, eu ouvi os gritos das tropas se aproximando. Eu me levantei. Limpei meus olhos. Eu tinha realizado com êxito agora. Eu tinha feito isso, eu tinha ficado fiel à República. Algum instinto de sobrevivência prevaleceu. Tudo parecia mudo, como um nevoeiro se instalando sobre a minha vida. Bom. Eu precisava da estranha calma, a ausência de tudo, que isso trouxe. Dobrei meu pesar cuidadosamente de volta no meu peito, como se nada tivesse acontecido, e quando as primeiras tropas chegaram ao local, eu fiz uma chamada para a Comandante Jameson.” “Eu nem precisei dizer uma palavra. Meu silêncio disse tudo o que ela precisava saber. ‘ Busque a pequena Iparis quando você tiver uma chance’, disse ela para mim. ‘ E muito bem, Capitão.’” “Eu não respondi.” Thomas permaneceu em silêncio, a cena se desvanece. Encontro-me de volta em sua cela na prisão, minhas bochechas manchadas de lágrimas, meu coração cortado aberto como se ele tivesse me esfaqueado no peito, tão certo como ele esfaqueou meu irmão. Thomas olha para o chão entre nós com olhos vazios. “Eu o amava, June”, diz ele depois de um momento. “Eu realmente o amava. Tudo o que eu fiz como um soldado, todo o meu trabalho duro e formação, foi para impressioná-lo.” Sua guarda está finalmente para baixo, e eu posso ver a verdadeira profundidade de sua tortura agora. Sua voz endurece, como se ele estivesse tentando se convencer do que ele está dizendo. “Eu respondo à República, Metias me treinou para ser o que eu sou. Até mesmo ele entendeu.” Estou surpresa com o quanto meu coração está partido por ele. Você poderia ter ajudado Metias a fugir. Você poderia ter feito alguma coisa. Qualquer coisa. Você poderia ter tentado. Mas mesmo agora, Thomas não cede. Ele nunca vai mudar, e ele nunca, nunca vai saber quem Metias realmente era. Eu finalmente percebi o verdadeiro motivo pelo qual ele solicitou esta reunião comigo. Ele queria dar uma confissão real. Assim como durante a nossa conversa quando ele me prendeu, ele está pescando desesperadamente pelo meu perdão, algo que justifique de qualquer


pequena maneira, o que ele fez. Ele quer acreditar que o que ele fez foi justificado. Ele quer que eu simpatize. Ele quer a paz antes que ele vá. Mas ele desperdiçou seus esforços em mim. Eu não posso dar-lhe a paz, mesmo em seu último dia. Algumas coisas não podem ser perdoadas. “Eu sinto pena de você”, eu digo em voz baixa. “Porque você é tão fraco.” Thomas aperta os lábios. Ainda à procura de alguma aceitação, ele diz: “Eu poderia ter escolhido a rota de Day. Eu poderia ter me tornado um criminoso. Mas não o fiz. Eu fiz tudo certo, você sabe. Isso foi o que Metias amava em mim. Ele me respeitava. Eu segui todas as regras, eu obedeci todas as leis, eu trabalhei minha maneira acima de onde eu comecei” Ele se inclina para mim. Seus olhos crescem mais desesperados. “Eu fiz um juramento, June. Eu ainda estou vinculado por esse juramento. Eu vou morrer com honra para sacrificar tudo o que tenho, tudo para o meu país. E, no entanto, Day é a lenda, enquanto eu estiver para ser executado.” Sua voz finalmente rompe com toda a sua angústia e tormento interior, a injustiça que ele sente. “Isso não faz sentido.” Eu me levanto. Atrás de mim, os guardas se movem em direção a porta da cela. “Você está errado”, eu digo com tristeza. “Faz todo o sentido.” “Por quê?” “Porque Day escolheu caminhar na luz.” Eu viro as costas para ele pela última vez. A porta se abre; bares da cela abrem caminho para o hal , uma nova rotação de guardas da prisão, liberdade. “E assim o fez Metias”. 1532 Horas Naquela tarde, eu fui para a pista da Universidade de Denver com Ol ie em uma tentativa de limpar meus pensamentos. Lá fora, o céu parecia amarelo e obscuro com a luz do sol da tarde. Tentei imaginar o céu coberto com aeronaves das Colônias, em chamas com o fogo de batalhas aéreas e explosões. Daqui a doze dias precisaremos oferecer algo para as Colônias. Sem a ajuda de Day, como é que vamos fazer isso? O pensamento me incomoda, mas felizmente ele ajuda a manter as memórias de Thomas e da Comandante Jameson para fora da minha cabeça. Eu pego o meu ritmo. Meus tênis batem contra o pavimento. Quando eu cheguei na pista, notei guardas posicionados em cada entrada. Pelo menos quatro soldados por portão. Anden deve estar fazendo


a sua rotina de exercícios em algum lugar por aqui também. Os soldados me reconhecem, deixam-me passar, e entrar no estádio, onde está a pista em torno de um campo grande, aberto. Anden está longe de ser visto. Talvez ele esteja lá embaixo nos vestiários subterrâneos do estádio. Eu faço uma série rápida de alongamentos enquanto Ollie aguarda impacientemente, andando de uma pata para pata, e então me dirijo para a pista. Eu corro mais rápido e mais rápido ao longo da curva até que eu estou correndo em torno das voltas, meu cabelo fluindo atrás de mim, Ollie ofegante ao meu lado. Imagino Comandante Jameson correndo atrás de mim, arma na mão. Melhor ter cuidado, Iparis. Você pode acabar como eu. Quando faço uma curva na pista onde estão os alvos preparados, eu derrapo para uma parada, saco a arma da minha cintura, e atiro em cada um dos alvos em rápida sucessão. Quatro miras. Sem pausa, giro ao redor da pista novamente e repito a minha rotina três vezes. Dez vezes. Quinze vezes. Finalmente eu paro, meu coração batendo em um acorde frenético contra meu peito. Eu mudo para uma caminhada, pegando lentamente minha respiração, meus pensamentos girando. Se eu nunca tivesse conhecido Day, eu poderia ter crescido para me tornar Comandante Jameson? Fria, calculista, impiedosa? Eu não tinha me transformado em exatamente nisso quando eu descobri pela primeira vez quem era o Day? Eu não tinha levado os soldados e levado a própria Comandante Jameson até a porta de sua família, sem pensar duas vezes se devia ou não prejudicar a sua família? Eu redefini minha arma, em seguida, apontei os alvos novamente. Minhas balas acertando os centros das placas. Se Metias estivesse vivo, o que ele teria pensado do que eu fiz? Não. Eu não posso pensar no meu irmão sem lembrar a confissão de Thomas desde esta manhã. Eu disparei a minha última bala, em seguida, sentei-me no meio da pista com Ollie e enterrei minha cabeça em minhas mãos. Eu estava tão cansada. Eu não sei se eu conseguirei exceder os limites como eu costumava fazer. E agora eu estou fazendo tudo de novo, tentando convencer Day a desistir de seu irmão novamente, tentando usálo para proveito da República. Finalmente eu me levanto, limpo o suor da minha testa, e sigo para os vestiários subterrâneos. Ollie resolve descer para esperar por mim sob o beiral fresco perto das portas, ele lambe com sede um recipiente de água


que ponho diante dele. Eu desço as escadas, em seguida, viro a esquina. O ar está úmido das chuvas, e a tela solitária incorporada no final do corredor tem uma fina película de vapor sobre ela. Eu ando pelo corredor que se divide em vestiários masculino e feminino. Algumas vozes ecoam ao longe pelo corredor. Um segundo depois, eu vejo Anden emergir do vestiário com dois guardas de pé ao lado dele. Eu coro de vergonha com a visão. Anden parece que acabou de sair do banho há poucos minutos, sem camisa e ainda enxugando o cabelo úmido, seus músculos magros tensos depois do treino. Ele tem uma camisa de colarinho jogada sobre um ombro, o branco do tecido em contraste surpreendente contra a sua pele azeitonada. Um dos guardas fala com ele em voz baixa, e com um sentimento de naufrágio, eu me pergunto se ele tem algo a ver com as Colônias. Um momento depois, Anden olha para cima e finalmente me percebe olhando para eles. A conversa faz uma pausa. “Srta. Iparis”, diz Anden, um sorriso educado encobre tudo o que poderia estar o incomodando. Ele limpa a garganta, entrega sua toalha para um dos guardas, e puxa um braço pela manga da camisa. “Peço desculpas por meu estado meio vestido.” Eu curvo a cabeça uma vez, me esforçando para parecer imperturbável quando todos os olhos se fixam em mim. “Não se preocupe, Eleitor.” Ele acena para seus guardas. “Vão em frente. Eu encontrarei ambos nas escadas.” Os guardas reverenciam em uníssono, em seguida, nos deixam em paz. Anden espera até eles desaparecerem ao virar da esquina, antes de voltar para mim. “Eu espero que a sua manhã tenha sido boa o suficiente”, diz ele, enquanto começa a abotoar a camisa. Suas sobrancelhas franzem. “Algum problema?” “Sem problemas,” eu confirmo, sem vontade de me debruçar sobre a minha conversa com Thomas. “Bom”. Anden passa a mão pelo cabelo úmido. “Então você teve uma manhã melhor do que eu que passei várias horas em uma conferência privada com o Presidente da cidade de Ross, na Antártida. Nós pedimoslhes ajuda militar, no caso de uma invasão.” Ele suspira. “Antártida simpatiza, mas eles não são fáceis de agradar. Eu não sei se podemos dar a volta usando o irmão de Day, e eu não sei como convencer Day para permitir isso.”


“Ninguém será capaz de convencê-lo”, eu respondo, cruzando os braços. “Nem mesmo eu. Você diz que eu sou a sua fraqueza, mas a sua maior fraqueza é a sua família.” Anden fica quieto por um momento. Eu estudo o seu rosto com cuidado, imaginando quais pensamentos estão passando por sua mente. A memória volta para mim de como ele pode ser impiedoso quando ele decide, como ele não vacilou quando sentenciou Thomas à morte, como ele tinha jogado os insultos da Comandante Jameson de volta em seu rosto, como ele nunca hesitou em executar cada pessoa que tentou destruí-lo. Profundamente abaixo da voz suave e coração bondoso reside algo frio. “Não irá forçá-lo”, eu digo. Anden olha para mim com surpresa. “Eu sei que isso é o que você está pensando.” Anden termina de abotoar a camisa. “Eu só posso fazer o que eu tenho que fazer, June”, diz ele suavemente. Soa quase triste. Não. Eu nunca vou deixar você machucar Day assim. Não do jeito que eu já o feri. “Você é o Eleitor. Você não tem que fazer nada. E se você se preocupa com a República, você não correrá o risco de irritar a pessoa a qual o povo acredita.” Tarde demais, eu mordo minha língua. As pessoas acreditam em Day, mas eles não acreditam em você. Anden estremece visivelmente, e mesmo que ele não comenta sobre isso, eu silenciosamente amaldiçoou-me por minhas notórias frases. “Eu sinto muito”, murmuro. “Eu não quis dizer isso.” Uma longa pausa se arrasta antes de Anden falar novamente. “Não é tão fácil como parece.” Ele balança a cabeça. Uma pequena gota de água cai de seu cabelo em seu colarinho. “Você faria diferente? Arriscar uma nação inteira, em vez de uma pessoa? Eu não posso justificar. As Colônias atacarão se não dermos um antídoto, e toda essa confusão é resultado de algo pelo qual eu sou responsável”. “Não, seu pai foi o responsável. Isso não significa que você é.” “Bem, eu sou filho do meu pai”, Anden responde, sua voz de repente severa. “Que diferença isso faz?” As palavras surpreendem a nós dois. Eu aperto meus lábios e decido não comentar sobre isso, mas meus pensamentos agitam freneticamente. Isso faz diferença.


Mas então eu penso sobre o que Anden uma vez me falou sobre a fundação da República, como seu pai, e os Eleitos antes dele tinham sido forçados a agir naqueles sombrios, primeiros anos. Melhor ter cuidado, Iparis. Você pode ficar como eu. Talvez eu não seja a única que precisa ter cuidado. Algo aparecendo na tela no final do corredor me distrai. Eu olho para ela. Há alguma notícia sobre Day, as imagens mostram velhos vídeos dele e, em seguida, uma breve cena do hospital de Denver, mas mesmo que a maior parte do vídeo esteja cortado, posso vislumbrar multidões se reunindo em frente ao prédio. Anden se vira para olhar para a tela também. Eles estão protestando? O que eles poderiam protestar? DANIEL ALTAN WING INTERNADO PARA EXAME MÉDICO PADRÃO SERÁ LIBERADO AMANHÃ. Anden aperta a mão ao ouvido. Recebendo uma ligação. Ele olha rapidamente para mim, em seguida, clica em seu microfone e diz: “Sim?” Silêncio. Quando a transmissão da tela continua, o rosto de Anden fica pálido. Faz-me lembrar por um instante de como Day tinha parecido pálido no banquete, e os dois pensamentos convergem para um único pensamento, assustador. De repente eu sei, sem sombra de dúvida, que este é o segredo que Day estava escondendo de mim. Uma sensação horrível se forma no meu peito. “Quem aprovou a publicação destas cenas?”, Diz Anden depois de um momento, sua voz agora um sussurro. Eu ouço a raiva nele. “Não haverá uma próxima vez. Informe-me em primeiro lugar. Está entendido?” Um caroço sobe na minha garganta. Quando a sua chamada finalmente termina, ele deixa cair sua mão e me dá um olhar grave longo. “É Day”, diz ele. “Ele está no hospital.” “Por quê?” Eu exijo. “Eu sinto muito.” Ele inclina a cabeça em um gesto trágico, então se inclina para frente para sussurrar no meu ouvido. Ele me diz. E de repente eu me sinto tonta, como todo o mundo se canaliza para um borrão de movimento, como nada disso é real, como eu estou de volta no Hospital Central de Los Angeles na noite em que me ajoelhei diante do corpo frio de


Metias, sem vida, olhando para um cara que eu já não reconhecia. Meu batimento cardíaco diminui até parar. Tudo para. Isso não pode ser real. Como o menino que agitou uma nação inteira pode morrer?


7 ME MANTIVERAM NO HOSPITAL DURANTE A NOITE ANTES de me liberarem para ir ao meu apartamento. A essa altura, a notícia já saiu, espectadores tinham me visto sendo transportando para fora, e a notícia se espalhou para outras pessoas, e logo a propagação foi imparável, e o rumor foi dito em todos os cantos da cidade. Eu vi os ciclos de notícias tentarem escondê-lo duas vezes. Que eu estava no hospital para um checkup padrão, que eu estava no hospital para visitar o meu irmão. Todos os tipos de benditas histórias. Mas não estão acreditando. Passei todo o dia desfrutando do luxo de uma cama não hospitalar, observando a neve meio derretida caindo fora de nossa janela, enquanto Eden acampa fora da cama aos meus pés e brinca com um kit de robótica que tínhamos recebido da República como um presente. Agora ele está montando uma espécie de robô, coincide com um cubo magnético de luz — uma caixa do tamanho de uma palma com minitelas nas laterais — com vários braços, pernas e cubos de asas para criar o que é, essencialmente, um pequeno homem JumboTron voador. Ele sorri com prazer no que faz, então, rompe os cubos separando e os reorganiza em um par de pés de andantes que exibem uma tela de vídeo JumboTron sempre que se movem. Eu sorrio também, momentaneamente contente por que ele estar contente. Se há uma coisa boa sobre a República, é que eles favorecem o amor de Eden para construção de coisas. A cada duas semanas nós vemos alguma nova engenhoca que eu só vi crianças de classe alta possuírem. Gostaria de saber se June é quem fez este pedido especial para Eden, sabendo o que ele faz. Ou talvez Anden só se sinta culpado por todas as coisas que seu pai nos fez passar. Eu me pergunto se ela já ouviu a notícia. Ela deve ter. “Cuidado”, eu digo quando Eden sobe na minha cama e se inclina para


colocar sua nova criação na borda da janela. Suas mãos tateiam ao redor, sentindo a janela e a vidraça. “Se você cair e quebrar alguma coisa, nós vamos ter que voltar para o hospital, e eu não vou ficar feliz com isso.” “Você está pensando sobre ela de novo, não é?” Eden dispara suavemente em resposta. Seus olhos cegos olham vesgos para os blocos de pé apenas a uns centímetros de seu rosto. “Você sempre muda a sua voz”. Eu pisco para ele com surpresa. “O quê?” Ele olha em minha direção e levanta uma sobrancelha para mim, e a expressão parece cômica no rosto de uma criança. “Oh, vamos lá. É tão óbvio. O que essa menina June é para você, afinal? Todo o país fofoca sobre vocês dois, e quando ela lhe pediu para vir a Denver, você não poderia fazer nossas malas rápido o suficiente. Você me disse para chamar a ela, no caso da República vir para me levar embora. Você vai ter que derramar isso mais cedo ou mais tarde, não é? Você está sempre falando sobre ela.” “Eu não falo sobre ela o tempo todo.” “Uh-huh, certo.” Estou feliz que Eden não possa ver a minha expressão. Eu ainda tenho que falar com ele sobre June e sua conexão com o resto da nossa família, outra boa razão para ficar longe dela. “Ela é uma amiga”, eu finalmente respondo. “Você gosta dela?” Meus olhos voltam a estudar a cena da chuva fora de nossa janela. “Sim”. Eden espera que eu diga mais, mas quando eu permaneço em silêncio, ele encolhe os ombros e volta ao seu robô. “Tudo bem”, ele resmunga. “Diga-me quando quiser.” Como se fosse um sinal, meu fone soa uma suave estática por um segundo, me avisando de uma chamada recebida. Eu aceito. Um momento depois, a voz sussurrante de June ecoa no meu ouvido. Ela não diz nada sobre a minha doença — ela apenas sugere, “Podemos conversar?” Eu sabia que só seria uma questão de tempo antes que eu ouvisse dela. Eu assisto Eden jogar por um segundo a mais. “Temos que fazer isso em outro lugar”, eu sussurro de volta. Meu irmão me olha, momentaneamente curioso com as minhas palavras. Eu não quero estragar o meu primeiro dia


fora do hospital por revelar meu prognóstico deprimente para um garoto de onze anos de idade. “Que tal um passeio, então?” Eu olho para fora da janela. É hora do jantar, e os cafés no piso térreo ao nível da rua estão cheios de fregueses, quase todos eles estão encolhidos sob chapéus, bonés, guarda-chuvas e capas, se protegendo neste crepúsculo de neve derretida. Pode ser um bom momento para passear sem atrair muita atenção. “Que tal isso. Venha, e nós vamos sair daqui.” “Ótimo,” June responde. Ela desliga. Dez minutos depois, minha campainha toca e assusta Eden por completo — o novo robô de cubo que ele construiu cai de minha cama, três de seus membros se separam. Eden vira seus olhos em minha direção. “Quem está aí?”, ele pergunta. “Não se preocupe, garoto”, eu respondo, caminhando até a porta. “É June.” Os ombros de Eden relaxam com minhas palavras; um sorriso brilhante ilumina seu rosto, e ele pula para fora da borda da cama, deixando seu robô na janela. Ele sente o seu caminho em direção ao outro lado da cama. “Bem”, ele exige. “Você não vai deixá-la entrar?” Parece que durante o tempo que eu passei vivendo nas ruas, eu estava perdendo de ver Eden crescer. O garoto calmo tornou-se teimoso e obstinado. Não posso imaginar como ele herdou isso. Eu suspiro — eu odeio esconder as coisas dele, mas como eu explicaria isso? Eu disse a ele ao longo do último ano que June é: uma garota da República que decidiu nos ajudar, uma garota que agora está treinando para ser a futura Princesa do país. Eu ainda não descobri como dizer-lhe o resto — então eu não digo qualquer coisa sobre isso a ele. June não sorri quando eu abro a porta. Ela olha para o Eden, depois de volta para mim. “Esse é o seu irmão?”, diz ela em voz baixa. Concordo com a cabeça. “Você não o conhece ainda, não é?” Eu me viro e o chamo. “Eden. Os modos.” Eden cumprimenta da cama. “Oi”, ele diz em voz alta. Eu dou um passo para o lado para que June possa entrar, ela faz seu


caminho para onde Eden está, senta-se ao lado dele com um sorriso, e toma sua pequena mão na dela. Ela sacode duas vezes. “Prazer em conhecer você, Eden”, diz ela, com a voz suave. Eu me inclino contra a porta para assistir a troca. “Como você está indo?” Eden dá de ombros. “Muito bem, eu acho”, ele responde. “Os médicos dizem que os meus olhos já estabilizaram. Eu estou tomando dez comprimidos diferentes todos os dias.” Ele inclina a cabeça. “Mas eu acho que eu estou ficando mais forte.” Ele incha o peito um pouco, em seguida, faz uma pose falsa flexionando seus braços. Seus olhos são sem foco e olham ligeiramente para a esquerda do rosto de June. “Como é que eu estou?” June ri. “Eu tenho que dizer, você parece melhor do que a maioria das pessoas que eu vejo. Eu já ouvi muito sobre você.” “Eu ouvi muito sobre você também”, Eden responde rápido, “principalmente de Daniel. Ele acha que você é quente.” “Ok, isso é o suficiente.” Eu limpo minha garganta alto o suficiente para ele ouvir, em seguida, lhe atiro um olhar irritadiço mesmo que ele seja cego como uma rocha. “Vamos.” “Você já comeu?”, ela pergunta quando nós vamos em direção à porta. “Era para eu seguir Anden com os outros Príncipes Eleitos, mas ele foi chamado para o quartel da Muralha para uma rápida sessão informativa — algo sobre intoxicação alimentar entre os soldados. Então, eu tinha um par de horas livre.” Um leve rubor toca seu rosto enquanto ela diz isso. “Eu pensei que talvez pudéssemos fazer um lanche.” Eu levanto uma sobrancelha. Então, eu me inclino em direção a ela para que minha bochecha encoste contra a dela e para minha emoção, a sinto tremer ao meu toque. “Por que, June,” brinco com a voz baixa e suave, sorrindo contra sua orelha. “Você está me convidando para um encontro?” O rubor de June se aprofunda, mas o calor não toca os olhos. Meu momento de travessura termina. Eu limpo minha garganta, então olho por cima do ombro para Eden. “Eu vou trazer um pouco de comida para você quando voltar. Não saia por conta própria. Faça o que Lucy lhe disser para fazer.” Eden acena, já absorto com o robô novamente.


Minutos mais tarde, nos dirigimos para fora do complexo de apartamentos e para a garoa espessa. Eu mantenho minha cabeça e meu rosto escondidos sob a sombra de um capuz de soldado, meu pescoço protegido sob meu grosso lenço vermelho, e minhas mãos estão metidas profundamente nos bolsos de meu casaco militar. É estranho o quanto eu me acostumei com roupas da República. June puxa a gola alta do seu casaco, e sua respiração se espalha ao redor dela em nuvens de vapor. A neve derretida aumenta um pouco, enviando gelo e água fresca em meu rosto e fazendo cócegas em meus cílios. Bandeiras vermelhas ainda pendem das janelas da maioria dos arranha-céus, e os JumboTrons tem um símbolo vermelho e preto nos cantos das suas transmissões em homenagem ao aniversário de Anden. Outros se apressam ao longo da rua passando em um borrão de movimento. Nós andamos em silêncio confortável, saboreando a simples proximidade um do outro. É meio estranho, na verdade. Hoje é um dos meus melhores dias, e eu não tenho um monte de problemas em acompanhar June, hoje, não me sinto como se eu só tivesse um par de meses de vida. Talvez os novos medicamentos que me deram vão funcionar desta vez. Não dissemos uma palavra até June, finalmente, nos parar em um pequeno café fumegante a vários blocos de meu apartamento. Logo de cara eu posso ver por que ela o escolheu — está quase vazio, um pequeno ponto no primeiro andar de um arranha-céu molhado com neve derretida, e não muito bem iluminado. Mesmo que seja ao ar livre, como muitos outros cafés na área, tem alguns recantos escuros que são agradáveis para nós sentarmos, e suas únicas luzes vêm de lanternas brilhantes em forma de cubo em cada uma das mesas. A recepcionista nos leva para dentro, a pedido de June, sentamos em um dos cantos escuros. Pratos rasos com água perfumada estão espalhados por todo o café. Eu tremo, mesmo que o nosso lugar seja quente, graças ao calor de nossa lanterna. O que estamos fazendo aqui de novo? Um estranho nevoeiro passa por mim, em seguida se dispersa. Estamos aqui para jantar, que é o que estamos fazendo. Eu balanço minha cabeça. Lembro-me da breve luta que eu tive alguns dias atrás, quando eu não conseguia lembrar o nome de Lucy. Um pensamento assustador emerge.


Talvez este seja um novo sintoma. Ou talvez eu esteja apenas sendo paranoico. Depois de fazermos nossos pedidos, June fala. As manchas douradas em seus olhos brilham na luz da lanterna laranja. “Por que você não me contou?”, ela sussurra. Eu coloco minhas mãos contra a lanterna, saboreando o calor. “Que bem teria feito?” June franze as sobrancelhas, e só então é que eu percebo que seus olhos parecem meio inchados, como se tivesse chorado. Ela balança a cabeça para mim. “Os rumores estão em todo o lugar”, ela continua em uma voz que eu mal consigo ouvir. “Testemunhas dizem que viram você sendo transportado de seu apartamento em uma maca a 34 horas atrás — uma delas aparentemente ouviu o médico falando sobre sua condição.” Eu suspiro e levanto minhas mãos em rendição. “Você sabe o que, se tudo isto está de alguma forma causando tumultos nas ruas e mais problemas para Anden, então eu sinto muito. Disseram-me para manter isso em segredo e eu fiz — tão bem quanto eu podia. Tenho certeza de que o nosso glorioso Eleitor vai descobrir uma maneira de acalmar as pessoas.” June morde o lábio uma vez. “Deve haver alguma solução, Day. O seu médico tem -” “Eles já estão tentando de tudo.” Como se fosse um sinal, eu estremeço com um espasmo doloroso que percorre a parte de trás minha cabeça. “Eu já passei por três rodadas de experimentos. Até agora um progresso lento e doloroso.” Eu explico a June o que os médicos me falaram, a infecção incomum em meu hipocampo, a medicação que está me enfraquecendo, sugando a força do meu corpo. “Acredite em mim, eles estão correndo através de soluções.” “Quanto tempo você tem?”, ela sussurra. Eu fico em silêncio, fingindo estar fascinado com a lanterna. Eu não sei se tenho coragem de dizê-lo. June se inclina mais perto, até que seu ombro bate suavemente contra o meu. “Quanto tempo você tem?” ela repete. “Por favor. Espero que você ainda se importe comigo o suficiente para me dizer.”


Meu olhar cai lentamente sobre ela — como sempre parece que faço — de volta sob sua atração. Não faça eu fazer isso, por favor. Eu não quero dizer isso em voz alta para ela, isso significaria que é realmente de verdade. Mas ela parece tão triste e com medo que eu não posso guardar isso. Eu solto minha respiração, em seguida, passo a mão pelo meu cabelo e abaixo minha cabeça. “Eles disseram que um mês”, eu sussurro. “Talvez dois. Eles disseram que eu deveria ter minhas prioridades em ordem.” June fecha os olhos — eu acho que a vejo tremer ligeiramente em seu assento. “Dois meses”, ela murmura vagamente. A agonia em seu rosto me lembra exatamente por que eu não queria que ela soubesse. Depois de mais um longo silêncio entre nós, June sai do torpor e alcança algo em seu bolso e puxa. Ela volta com algo pequeno e metálico na palma da mão. “Eu tinha a intenção de dar isso a você”, diz ela. Eu fico olhando fixamente para ele. É um anel de clipe de papel, linhas finas de fio puxados em uma elegante série de redemoinhos e fechado em um círculo, assim como o que eu tinha feito uma vez para ela. Meus olhos se arregalam e saltam nos dela. Ela não diz nada, em vez disso, ela olha para baixo e me ajuda a empurrá-lo no meu dedo anelar da mão direita. “Eu tive um pouco de tempo”, ela finalmente murmura. Maravilhado, corro uma mão em todo o anel, isso estica as cordas do meu coração. Uma dúzia de emoções correm através de mim. “Me desculpe,” gaguejo depois de um tempo, tentando dar uma interpretação mais esperançosa a tudo. Isso é tudo que posso dizer, após este presente dela? “Eles acham que ainda há uma chance. Logo eles vão testar algum novo tratamento”. “Você me disse uma vez por que você escolheu ‘Day’, como seu nome de rua”, diz ela com firmeza. Ela move a mão para que esta cubra a minha, escondendo o anel de clipe de papel de vista. O calor de sua pele contra a minha faz minha respiração mais curta. “Todas as manhãs, tudo é possível novamente. Certo?” Um rio de formigamento corre pela minha espinha. Eu quero ter seu rosto em minhas mãos de novo, beijar suas bochechas e estudar seus olhos escuros e tristes, e dizer a ela que eu vou ficar bem. Mas isso seria apenas mais uma mentira. Metade do meu coração está partido com a dor em seu rosto, a outra metade, eu percebo com culpa, se incha com felicidade de saber que ela ainda se importa. Há amor em suas


palavras trágicas, nas dobras do anel de metal fino. Não há? Finalmente, eu tomo uma respiração profunda. “Às vezes, o sol se põe mais cedo. Dias não duram para sempre, você sabe. Mas eu vou lutar tão duro quanto eu posso. Eu posso prometer-lhe isso.” Os olhos de June amolecem. “Você não tem que fazer isso sozinho.” “Porque você deve ter que suportar isso?” Murmuro de volta. “Eu só… pensei que seria mais fácil por este caminho.” “Mais fácil para quem?” June estala. “Você, eu, o público? Você prefere apenas, um dia, passar para outra vida silenciosamente, sem jamais ter que respirar outra palavra para mim?” “Sim, eu gostaria”, encontro-me atirando de volta. “Se eu lhe dissesse, naquela noite, você teria concordado em tornar-se uma Princesa Eleita?” Quaisquer que sejam as palavras que se sentam na ponta da língua de June, ela não as diz. Ela faz uma pausa, então as engole. “Não”, ela admite. “Eu não teria tido a coragem de fazê-lo. Eu teria esperado.” “Exatamente.” Eu tomo uma respiração profunda. “Você acha que eu queria reclamar com você sobre a minha saúde, naquele momento? Para ficar no caminho da posição que você desejou a vida toda?” “Essa era a minha escolha a fazer,” June diz entre dentes. “E eu queria que você fizesse isso sem eu no caminho.” June balança a cabeça e os ombros caem ligeiramente. “Realmente acha que eu me importo tão pouco com você?” Então a nossa comida chega — fumegantes tigelas de sopa, pratos de sanduíches para o jantar, e um pacote bem embalado de comida para Eden — e eu caio em agradecido silêncio. Teria sido mais fácil para mim, eu adiciono a mim mesmo. Eu prefiro me afastar do que ser lembrado todos os dias que eu só tenho alguns meses para estar com você. No entanto, tenho vergonha de dizer isso em voz alta. Quando June olha mim com expectativa por uma resposta, eu apenas balanço a minha cabeça e encolho os ombros. E isso é quando ouvimos. Um alarme soa em toda a cidade. É ensurdecedor. Nós dois congelamos, então olhamos para os altofalantes que cobrem todos os edifícios da rua. Eu nunca ouvi uma sirene como esta em toda a minha vida — um grito infinito e ensurdecedor que encharca o ar, abafando qualquer coisa em seu caminho. Os JumboTrons


ficam escuros. Eu atiro a June, um olhar perplexo. Que diabos é isso? Mas June já não mais me olha. Seus olhos estão fixos nos alto-falantes com estridentes alarmes ao longo de toda a rua, e sua expressão está cheia de horror. Juntos, vemos o JumboTron cintilar para vida — desta vez cada tela está em vermelho sangue, e cada uma tem duas palavras douradas gravadas em negrito em toda a sua tela:

PROCURAR ABRIGO “O que significa isso?” Eu grito. June pega a minha mão e começa a correr. “Isso significa que um ataque aéreo está a caminho. A Muralha está sob ataque.”


8 “EDEN”. É a primeira palavra que sai da boca de Day. Os JumboTrons continuam transmitindo seu sinistro aviso escarlate enquanto o alarme ecoa em toda a cidade, me ensurdece com seu zunido rítmico, apagando todos os outros sons na cidade. Ao longo da rua, outros estão espreitando para fora das janelas e fluem das entradas dos edifícios, tão perplexos como nós sobre o alarme incomum. Os soldados em formação estão enchendo a rua, gritando em seus fones de ouvido quando eles veem o inimigo se aproximando. Eu corro ao lado dele, os pensamentos e os números correndo pela minha mente à medida que avançamos. (Quatro segundos. Doze segundos. Quinze segundos em um bloco, o que significa 75 segundos até chegarmos ao apartamento de Day, se mantivermos o nosso ritmo. Existe uma rota mais rápida? E Ollie. Eu preciso tirá-lo do meu apartamento e o ter ao meu lado.) Um estranho foco se apodera de mim, igual ao primeiro momento em que libertei Day do Batalha Hal a tantos meses atrás, como o momento em que Day escalou a Torre do Capitólio para fazer frente as pessoas e eu levei os soldados para fora do seu caminho. Eu posso me converter em uma silenciosa observadora na desconfortável câmara do Senado, mas aqui fora nas ruas, em meio ao caos, eu posso pensar. Eu posso agir. Lembro-me de ler sobre e ensaiado para este alarme em especial na escola, embora Los Angeles fosse tão longe das Colônias que mesmo os exercícios práticos eram raros. O alarme era para ser usado somente se as forças inimigas atacassem a nossa cidade, se eles estivessem justo nas fronteiras e importunado a cidade no seu caminho, eu não sei como é o processo em Denver, mas eu imagino que não pode ser tão diferente — vamos evacuar imediatamente, em seguida, procurar o bunker mais próximo atribuído e o metrô que nos transporte para uma cidade mais segura. Depois que entrei na faculdade e me tornei oficialmente um


soldado, o exercício mudou para mim: Soldados devem relatar imediatamente suas posições aos seus oficiais comandantes através de seus fones de ouvido. Devemos estar prontos para a guerra a qualquer momento. Mas eu nunca ouvi o alarme sendo usado para um ataque real em uma cidade da República, porque nunca houve um. A maioria dos ataques foram frustrados antes que pudessem chegar até nós. Até agora. E enquanto eu corro ao lado de Day, eu sei exatamente o que deve estar passando por sua mente. Isso aciona um sentimento de culpa familiar no meu estômago. Day nunca ouviu o alarme antes, nem nunca passou por uma simulação para ele. Isto é porque ele é de um setor pobre. Eu não tinha certeza antes, e eu admito que nunca pensei muito sobre isso, mas ver a expressão confusa de Day torna tudo muito claro. Os bunkers subterrâneos são apenas para a classe alta, o setor gema. Os pobres são deixados à própria sorte. Lá em cima, um motor grita. Um jato da República. Em seguida, vários outros. Os gritos aumentam e se misturam ao alarme — me preparo para uma chamada de Anden a qualquer momento. Então, longe ao longo do horizonte, vejo o primeiro clarão de luz laranja ao longo da Muralha. A República está lançando um contra-ataque dos muros. Isso realmente está acontecendo. Mas não deveria ser assim. As Colônias nos tinham dado tempo, no entanto pouco, para entregar um antídoto para eles — desde o ultimato, apenas quatro dias se passaram. Minha raiva incendeia. Será que eles querem nos pegar de surpresa de uma forma tão extrema? Eu agarro a mão de Day e ele pega meu ritmo. “Você pode chamar Eden?” Eu grito. “Sim,” Day ofega. Imediatamente eu posso dizer que ele não tem mais a resistência que ele costumava ter — sua respiração está um pouco difícil, os seus passos um pouco mais lentos. Um nó se aloja na minha garganta. De alguma forma, esta é a primeira evidência de sua saúde enfraquecida, isso me atinge e meu coração aperta. Atrás de nós, outra explosão reverbera em todo o ar da noite. Eu aperto meu agarre em sua mão. “Diga a Eden para estar pronto na entrada do seu complexo”, eu grito. “Eu sei onde podemos ir.” Uma voz urgente vem do meu fone de ouvido. É Anden. “Onde está


você?”, diz. Eu tremo ao detectar um leve toque de medo em suas palavras, outra coisa que eu raramente ouvi. “Estou na Torre do Capitólio. Vou enviar um jipe para buscá-la.” “Envie um jipe para o apartamento de Day. Eu estarei lá em um minuto. E Ol ie, meu cão…” “Eu vou tê-lo enviado para os bunkers imediatamente”, diz Anden. “Tenha cuidado”. Em seguida, um som de clique, e eu ouço estática por um segundo antes do meu fone de ouvido ficar mudo. Ao meu lado, Day repete minhas instruções para Eden no seu próprio microfone. No momento em que chegamos ao complexo de apartamentos, jatos da República estão zunindo a cada dois segundo, pintando dezenas de trilhas no céu noturno. Multidões já começaram a se reunir fora do complexo e estão sendo guiadas em várias direções por patrulhas da cidade. Um tremor de medo se apodera de mim quando eu percebo que alguns dos jatos no horizonte não são todos da República — mas pertencem aos estranhos inimigos. Se eles estão tão perto, então devem ter passado por nossos mísseis de longo alcance. Dois pontos pretos maiores se movem nos extremos do céu. Dirigíveis das Colônias. Day vê Eden antes de mim. Ele é uma figura pequena, de cabelos dourados segurando as grades da porta de entrada do complexo de apartamentos, olhando em vão para o mar de pessoas ao seu redor. Sua cuidadora está atrás dele com as duas mãos firmemente sobre os ombros. “Eden!” Day chama. O menino vira a cabeça em nossa direção. Day pula os degraus e o acolhe em seus braços, em seguida, volta-se para mim. “Para onde vamos?”, Ele grita. “O Eleitor enviou um jipe para nós”, eu respondo-lhe ao ouvido, de modo que os outros não ouvem. Já tem umas poucas pessoas que estão nos lançando olhares de reconhecimento, mesmo quando eles correm por nós em uma névoa de pânico. Puxo a gola do meu casaco tão alta quanto posso, então curvo minha cabeça. Vamos, murmuro para mim mesma. “June”, diz Day. Eu encontro seus olhos. “O que vai acontecer com os outros setores?”


A questão que eu estava temendo. O que acontecerá com os setores pobres? Hesito, e naquele momento de silêncio, Day percebe a resposta. Seus lábios apertam em uma linha fina. A raiva profunda sobe em seus olhos. A chegada do jipe me salva de responder imediatamente. Ele guincha a uma parada a vários metros de onde os outros se aglomeraram ao redor, e dentro eu vejo Anden me saudar uma vez do lado do passageiro. “Vamos,” Peço a Day. Nós fazemos o nosso caminho descendo as escadas quando um soldado abre a porta para nós. Day ajuda Eden e sua cuidadora a entrar primeiro, e quando eles estão de cinto de segurança, subimos. O jipe arranca em ritmo alucinante a medida que mais jatos da República voam acima. Ao longe a um outro brilho laranja em forma de nuvem de cogumelos na Muralha. Sou eu, ou parece estar mais perto do que antes? (Talvez mais perto uns bons cem metros, dado o tamanho da explosão.) “Fico feliz em ver todos vocês em segurança”, diz Anden sem se virar. Ele profere uma saudação rápida para cada um de nós, então murmura um comando para o motorista, que faz uma curva acentuada ao redor do próximo quarteirão. Eden solta um grito assustado. A cuidadora aperta os ombros dele e tenta acalmá-lo. “Por que tomar o caminho mais lento?” Anden diz quando viramos em uma rua estreita. O chão treme com outro impacto distante. “Desculpas, Eleitor,” o motorista fala de volta. “Notícias de várias explosões dentro da Muralha — nosso percurso mais rápido não é seguro. Bombardearam alguns jipes no outro lado de Denver.” “Algum ferido?” “Não muitos, felizmente. Um par de Jipes capotaram — vários prisioneiros escaparam, e um soldado morreu.” “Quais prisioneiros?” “Nós ainda estamos confirmando.” A premonição desagradável me bate. Quando eu tinha ido ver Thomas, tinha havido uma rotação de guardas que estavam na frente da cela da Comandante Jameson. Quando eu saí, os guardas eram diferentes. Anden faz um som de frustração, então se vira para olhar de novo para


nós. “Nós estamos indo para um porão subterrâneo chamado Subterrâneo Um. Se você precisar entrar ou sair do porão, meus guardas vão digitalizar seus polegares na porta de entrada. Você ouviu o nosso motorista — não é seguro sair por conta própria. Entendeu?” O motorista pressiona a mão ao ouvido, empalidece, e olha para Anden. “Senhor, temos a confirmação dos prisioneiros que escaparam. Havia três.” Ele hesita, então engole. “Capitão Thomas Bryant. Tenente Patrick Murrey. Comandante Natasha Jameson.” Meu mundo balança. Eu sabia. Eu sabia. Ainda ontem eu tinha visto a comandante Jameson segura atrás das grades, e conversei com Thomas enquanto ele estava definhando na prisão. Eles não poderiam ter ido longe, eu digo a mim mesma. “Anden”, eu sussurro, forçando os meus sentidos em ordem. “Ontem, quando eu fui ver Thomas, tinha havido uma rotação diferente de guardas. Eram os soldados que deveriam estar lá?” Day e eu trocamos um olhar rápido, e por um instante eu sinto como se o mundo inteiro estivesse brincando conosco como tolos, tecendo nossas vidas em uma piada cruel. “Encontrem os prisioneiros”, Anden fala no seu microfone. Seu rosto se tornou branco. “Dispare neles assim que os vir.” Ele olha para mim enquanto ele continua falando. “E me tragam os guardas que estavam de plantão. Agora. ” Eu tremo com mais uma explosão que estremece o chão. Eles não poderiam ter ido longe. Eles vão ser capturados e alvejados até o final do dia. Repito estas palavras a mim mesma mais e mais. Não, há outra coisa em jogo aqui. Minha mente voa através das possibilidades: Não é coincidência que a comandante Jameson conseguiu escapar, que o ataque das Colônias aconteceu no mesmo dia em que ela estava sendo transferida. Deve haver outros traidores nas fileiras da República, soldados que Anden não erradicou ainda. Comandante Jameson pode ter passando informações para as Colônias através deles. Afinal de contas, as Colônias de alguma forma sabiam que nossos soldados da Muralha giravam em turnos, e, particularmente hoje tivemos menos soldados posicionados na Muralha do que o habitual devido à intoxicação alimentar. Eles sabiam como atacar em nosso momento de


fraqueza. Se for esse o caso, então, as Colônias podem ter planejando um ataque durante meses. Talvez ainda antes do surto de peste. E Thomas. Ele estava na coisa toda? A menos que ele estivesse tentando me avisar. É por isso que ele perguntou por mim ontem. Como seu pedido final, mas também na esperança de que eu notaria algo estranho com os guardas. Meu batimento cardíaco acelera. Mas por que ele apenas não deu um aviso? “O que acontece em seguida?” Pergunto entorpecida. Anden inclina a cabeça contra o assento. Ele provavelmente está pensando em uma lista similar de possibilidades sobre os prisioneiros fugitivos, mas ele não diz isso em voz alta. “Nossos aviões estão todos empenhados justo fora de Denver. A Muralha deve segurar por um bom tempo, mas há uma forte probabilidade que mais forças das Colônias estejam a caminho. Nós vamos precisar de ajuda. Outras cidades próximas foram alertadas e estão enviando suas tropas para reforço, mas…” Anden faz uma pausa para olhar por cima do ombro para mim, “podem não ser suficiente. Enquanto mantivermos civis indo para o subterrâneo, June, eu e você precisamos ter uma conversa particular de imediato.” “Onde você está evacuando os pobres, Eleitor?” Pergunta Day calmamente. Anden vira-se em seu acento novamente. Ele encontra os hostis olhos azuis de Day com o olhar mais nivelado que ele pode gerenciar. Eu noto que ele evita olhar para o Eden. “Eu tenho as tropas a caminho para os setores externos”, ele diz. “Eles vão encontrar abrigo para os civis e defendê-los até que eu dê uma ordem contraria.” “Nenhum bunker subterrâneo para eles, eu acho”, responde Day friamente. “Eu sinto muito.” Anden solta um longo suspiro. “Os bunkers foram construídos há muito tempo, antes do meu pai até mesmo se tornar o Eleitor. Estamos trabalhando para adicionar mais.” Day se inclina para frente e estreita os olhos. Sua mão direita aperta a de Eden. “Então, divida o bunkers entre os setores. Meio pobre, meio rico. A


classe alta deve arriscar o pescoço tanto quanto a classe mais baixa.” “Não”, Anden diz com firmeza, mesmo que eu ouça pesar em suas palavras. Ele comete o erro de discutir este ponto com o Day, e eu não posso impedi-lo. “Se fôssemos fazer isso, a logística seria um pesadelo. Os setores exteriores não têm as mesmas rotas de evacuação — se explosões atingissem a cidade, centenas de milhares de pessoas estariam vulneráveis ao ar livre, porque não seria capaz de organizar todos em tempo. Nós evacuamos os setores gema primeiro. Então podemos -” “Faça isso!” Grita Day. “Eu não me importo com a sua maldita logística!” O rosto de Anden endurece. “Você não vai falar comigo desse jeito”, ele repreende. Eu reconheço o aço em sua voz do julgamento da Comandante Jameson. “Eu sou seu Eleitor.” “E eu o coloquei lá,” Day estala de volta. “Tudo bem, você quer falar logicamente? Joguemos. Se você não fizer um esforço maior para proteger os pobres, agora mesmo, eu posso praticamente garantir que você vai ter uma revolta completa em suas mãos. Você realmente quer isso, enquanto as Colônias estão atacando? Como você disse, você é o Eleitor. Mas você não vai ser se o resto dos pobres do país ouvirem sobre como você está lidando com isso, e mesmo eu não poderia ser capaz de impedi-los de iniciar uma revolução. Eles já acham que a República está tentando me matar. Quanto tempo você acha que a República pode se sustentar contra uma guerra tanto no exterior como no interior?” Anden se vira para a frente novamente. “Essa conversa acabou.” Como sempre, a voz dele está perigosamente tranquila, mas podemos ouvir cada palavra. Day solta uma maldição e despenca para trás em seu acento. Eu troco um olhar com ele, em seguida, nego com minha cabeça. Day tem um ponto, é claro, assim como Anden. O problema é que não temos tempo para todo este absurdo. Depois de um momento de silêncio, eu me inclino para a frente, limpo a garganta, e tento uma alternativa. “Nós devemos evacuar os pobres para os setores ricos”, eu digo. “Eles ainda estarão acima do solo, mas os setores ricos estão situados no coração de Denver, e não ao longo da Muralha onde a luta está acontecendo. É um plano falho, mas os pobres também vão ver que nós estamos fazendo um esforço concentrado para protegê-los. Então, quando as pessoas nos


bunkers estiverem sendo evacuadas gradualmente para LA via metrôs subterrâneos, teremos o tempo e o espaço para começar a filtrar todas as pessoas para o subterrâneo também.” Day murmura algo em voz baixa, mas, ao mesmo tempo, ele grunhe em aprovação relutante. Ele me lança um olhar agradecido. “Soa como um plano melhor para mim. Pelo menos as pessoas têm alguma coisa.” Um segundo depois, eu descubro o que foi que ele murmurou. Você daria um Eleitor melhor do que esse idiota. Anden permanece em silêncio por um momento enquanto considera minhas palavras. Então, ele acena com a cabeça em concordância e pressiona um mão contra seu ouvido. “Comandante Greene”, diz ele, em seguida, lança uma série de ordens. Eu encontro os olhos de Day. Ele ainda parece chateado, mas, pelo menos, seus olhos não estão queimando com raiva como estavam um segundo atrás. Ele volta sua atenção para Lucy, que tem um braço envolto protetoramente em torno de Eden. Ele está enrolado no canto do assento do jipe com as pernas dobradas e os braços em volta delas. Ele aperta os olhos para a cena indefinida, mas eu não tenho certeza do quanto ele pode realmente decifrar. Eu me atravesso por Day e toco o ombro do Eden. Ele fica tenso imediatamente. “Está tudo bem, é June”, eu digo. “E não se preocupe. Nós vamos ficar bem, me ouve?” “Por que as Colônias romperam?” Eden pergunta, virando os olhos arregalados em tons de roxo de mim para Day. Eu engulo em seco. Nenhum de nós responde a ele. Finalmente, depois de ele repetir a pergunta, Day se aproxima o abraçando e sussurra algo em seu ouvido. Eden se estabelece contra o ombro do irmão. Ele ainda parece infeliz e com medo, mas o terror é, pelo menos, moderado, e conseguimos terminar o resto do percurso sem dizer uma palavra. Parece uma eternidade (na realidade a viagem leva apenas dois minutos e doze segundos), mas finalmente chegamos a um prédio comum, perto do coração da baixa Denver, um arranha-céus de trinta andares coberto com vigas de apoio cruzadas em todos os seus quatro lados. Dezenas de patrulhas da cidade estão misturadas com multidões de civis, organizando-os em grupos na entrada. Nosso motorista puxa o jipe até ao lado do prédio, onde as patrulhas nos deixam passar pela porta com uma cerca improvisada.


Através da janela, vejo soldados baterem seus calcanhares juntos em rápidas saudações quando nós passamos. Um deles está segurando Ol ie em uma coleira. Eu fico aliviada ao vê-lo. Quando o jipe para, dois deles abrem prontamente as portas para nós. Anden sai — imediatamente ele é cercado por quatro capitães de patrulha, todos febrilmente o atualizando — sobre a forma como a evacuação está indo. Meu cachorro puxa o soldado freneticamente ao meu lado. Agradeço o soldado, assumo a coleira, e esfrego a cabeça de Ol ie. Ele está ofegante em aflição. “Por aqui, Srta. Iparis”, o soldado que abre a porta, diz. Day segue atrás de mim em um silêncio tenso, sua mão ainda segura firmemente em torno da de Eden. Lucy sai por último. Eu olho por cima do ombro para onde Anden agora está em profunda conversa com seus capitães — ele faz uma pausa para trocar um olhar rápido comigo. Seus olhos se movem ao Eden. Eu sei que o pensamento que ele tem deve ser o mesmo pensamento que atravessa a mente de Day: Mantenha Eden seguro. Concordo com a cabeça, sinalizando para ele que eu entendo, e então nos movemos além de um grupo que espera ser evacuado e o perco de vista. Em vez de lidar com a formação de civis na entrada, os soldados nos acompanham através de uma entrada separada e para baixo num conjunto sinuoso de escadas, até chegar a um corredor mal iluminado, que termina em uma série de largas portas duplas de aço. Os guardas de pé na entrada mudam a sua postura quando me reconhecem. “Por aqui, Srta. Iparis”, dizem eles. Um deles endurece à vista de Day, mas olha rapidamente para longe quando Day encontra seu olhar. As portas se abrem para nós. Somos recebidos por uma rajada de ar quente e úmido e uma cena de caos ordenado. O lugar que entramos parece ser um enorme armazém (metade do tamanho de um estádio das Provas, três dúzias de lâmpadas fluorescentes, e seis fileiras de vigas de aço que revestem o teto), com um JumboTron solitário na parede esquerda explodindo instruções para os evacuados de classe alta que movem-se ao nosso redor. Entre eles estão um punhado de pessoas do setor podre (quatorze deles, para ser exata), aqueles que devem ser as governantas e zeladores de algumas das casas do setor gema. Para minha decepção, eu vejo soldados separando-os para uma fila diferente. Várias pessoas de classe alta lançam olhares simpáticos, enquanto outros olham com desdém.


Day os vê também. “Acho que somos todos gerados iguais”, resmunga. Eu não digo nada. Algumas salas menores se alinham na parede direita. No outro extremo da sala, o final de um vagão de trem repousa estacionado dentro de um túnel, e multidões de ambos, soldados e civis se reúnem ao longo de suas duas plataformas. Os soldados estão tentando organizar a multidão desorientada, pessoas assustadas no metrô. Aonde os levará, só posso adivinhar. Ao meu lado, Day observa a cena em silêncio, com olhos de raiva. Sua mão se mantém em torno da de Eden. Gostaria de saber se ele está notando o vestuário aristocrático que a maioria destes refugiados estão vestindo. “Desculpe a bagunça”, uma guarda me diz enquanto ela nos acompanha em direção a uma das salas menores. Ela bate na borda do boné educadamente. “Estamos nos estágios iniciais de evacuações, e como você pode ver, a primeira leva ainda está em andamento. Podemos colocá-la, bem como Day e sua família, na primeira leva também, se você não se importa de descansar por um momento em uma suíte privada.” Mariana e Serge já podem estar esperando em seus próprios quartos. “Obrigada”, eu respondo. Nós passamos por várias portas, janelas largas e retangulares revelando quartos vazios em branco com retratos de Anden pendurado em suas paredes. Um par deles parecem que foram reservados para funcionários do alto escalão, enquanto outros parecem prender as pessoas que devem ter causado problemas — detidos com rostos carrancudos ladeados por pares de soldados. Um quarto que passamos detém várias pessoas cercadas por guardas. É esta sala que me faz pausar. Eu reconheço uma das pessoas lá dentro. Será que realmente é ela? “Espere”, eu digo, me aproximo da janela. Nenhuma dúvida sobre isso, eu vejo uma jovem com os olhos arregalados e um corte de cabelo curto bagunçado, sentada em uma cadeira ao lado de um menino de olhos cinzentos e três outros que parecem mais esfarrapados do que me lembro. Eu olho para a nossa soldado. “O que eles estão fazendo lá?” Day segue meu exemplo. Quando ele vê o que eu vejo, ele toma uma respiração afiada. “Leve-nos lá dentro”, ele me sussurra. Sua voz adquire uma urgência desesperada.


“Por favor.” “Estes são prisioneiros, Srta. Iparis”, responde a soldado, intrigada com o nosso interesse. “Eu não recomendo—” Eu aperto meus lábios. “Eu quero vê-los,” eu interrompo. A soldado hesita, olha ao redor da sala, e depois balança a cabeça com relutância. “Claro”, ela responde. Ela dá um passo em direção à porta e a abre, em seguida, nos introduz dentro. Lucy fica lá fora segurando firmemente a mão de Eden. A porta se fecha atrás de nós.


9 Eu encontro-me olhando diretamente para Tess e um punhado de Patriotas. BEM, MALDIÇÃO. A ÚLTIMA VEZ QUE VI TESS, ela estava de pé no meio da rua, perto de onde deveríamos assassinar Anden, os punhos cerrados e seu rosto uma imagem quebrada. Ela parece diferente agora. Mais calma. Mais velha. Ela também ficou um bom bocado mais alta, e seu rosto uma vez de bebê ficou mais fino.

Estranho de ver. Ela e os outros estão todos algemados a cadeiras. A visão não ajuda o meu humor. Eu reconheço um de seus companheiros de imediato, Pascao, o corredor de pele escura, com uma cabeça de cachos curtos e os olhos cinzentos ridiculamente pálidos. Ele não mudou muito, embora agora que estou perto o suficiente, eu posso ver os vestígios de uma cicatriz em seu nariz e outra perto de sua têmpora direita. Ele me pisca um sorriso branco brilhante que escorre sarcasmo. “É você, Day?”, Diz ele, dando-me uma piscadela sedutora. “Ainda tão lindo como você sempre foi. Uniformes da República ficam bem em você.” Suas palavras picam. Eu viro meu olhar sobre os soldados montando guarda sobre eles. “Por que diabos eles estão presos?” Um deles inclina o nariz para mim. Com base em todas as malditas condecorações em seu uniforme, ele deve ser o Capitão deste grupo ou algo assim. “Eles são ex Patriotas”, diz ele, enfatizando a última palavra como se ele estivesse tentando dar um soco em mim. “Nós os pegamos ao longo dos limites da Muralha, onde eles estavam tentando desativar o nosso


equipamento militar e ajudar as Colônias.” Pascao muda indignado em sua cadeira. “Besteira, você é cego cara”, ele estala. “Nós estávamos acampados ao longo da Muralha, porque estávamos tentando ajudar seus soldados feridos. Talvez não devêssemos ter incomodado.” Tess me olha com um olhar desconfiado do qual ela nunca usou comigo antes. Seus braços parecem tão pequenos e finos com essas algemas gigantes apertadas em torno de seus pulsos. Eu cerro os dentes; meu olhar cai para as armas nos cintos dos soldados. Sem movimentos bruscos, eu me lembro. Não em torno desses idiotas com gatilho fácil. Do canto do meu olho, eu noto que um dos outros tem um sangramento no ombro. “Deixe-os ir”, eu digo ao soldado. “Eles não são o inimigo.” O soldado olha para mim com desprezo frio. “Absolutamente não. Nossas ordens eram para detê-los, até que—” Ao meu lado, June levanta o queixo. “Ordens de quem?” A bravura do soldado oscila um pouco. “Srta. Iparis, minhas ordens vieram diretamente do glorioso próprio Eleitor.” Suas bochechas ruborizam quando ele vê June estreitar seus olhos, e então ele começa tagarelando algo sobre a sua viagem de serviço ao redor da Muralha e quão intensa a batalha tem sido. Eu passo mais perto de Tess e me inclino para baixo até que estamos no mesmo nível dos olhos. Os guardas mudam suas armas, mas June estala um aviso para eles pararem. “Você voltou”, eu sussurro para Tess. Mesmo que Tess ainda olhe desconfiado, algo suaviza em seus olhos. “Sim”. “Por quê?” Tess hesita. Ela olha para Pascao, que vira seus olhos cinzentos surpreendentes totalmente em mim. “Voltamos”, ele responde, “porque Tess o ouviu chamando por nós.” Eles me ouviram. Todas essas transmissões de rádio que eu estava enviando por meses e meses não tinham acabado perdidas em algum lugar no escuro, de alguma forma, eles me ouviram. Tess engole em seco antes de trabalhar coragem suficiente para falar. “Frankie pegou pela primeira vez nas ondas do rádio há alguns meses”, diz ela, apontando para uma menina


de cabelos encaracolados amarrada a uma das cadeiras. “Ela disse que você estava tentando entrar em contato conosco.” Tess abaixa os olhos. “Eu não queria responder. Mas então eu ouvi sobre a sua doença… e…” Então. A notícia tem definitivamente chegado ao redor. “Ei,” Pascao interrompe quando ele pega a minha expressão. “Nós não voltamos para a República só porque nós sentimos muito por você. Nós ouvimos as notícias que chegaram sobre você e as Colônias. Ouvimos sobre a ameaça de guerra.” “E você decidiu vir em nosso auxílio?” June salta. Seu olhar desconfiado. “Por que tão generosos de repente?” O sorriso sarcástico de Pascao desaparece. Ele considera June, com uma inclinação de cabeça. “Você é June Iparis, não é?” O Capitão começa a dizer-lhe para cumprimentar June, em uma forma mais formal, mas June apenas balança a cabeça. “Então você é a pessoa que sabotou os nossos planos e dividiu nossa equipe.” Pascao encolhe os ombros. “Sem ressentimentos, não que, você sabe, eu fosse um grande fã de Razor ou qualquer coisa.” “Por que você está de volta ao país?” Repete June. “Ok, tudo bem. Fomos expulsos do Canadá.” Pascao respira fundo. “Nós estávamos nos escondendo lá depois que tudo se desfez durante o…” ele faz uma pausa para olhar para os soldados em torno deles “o, ah, você sabe. Nosso encontro com Anden. Mas, então, os canadenses descobriram que não deveríamos estar em seu país, e nós tivemos que fugir de volta para o sul. Muitos de nós foram espalhados aos ventos. Eu não sei onde metade do nosso grupo original está agora, as chances são de que alguns deles ainda estejam no Canadá. Quando a notícia sobre Day estourou, a pequena Tess aqui perguntou se ela poderia nos deixar e voltar para Denver por conta própria. Eu não queria que ela, bem, morresse, por isso viemos junto.” Pascao olha para baixo por um momento. Ele não parava de falar, mas posso dizer que ele está apenas balbuciando neste momento, tentando nos dar qualquer razão, menos a sua principal. “Com as Colônias invadindo, eu pensei que, se nós tentássemos ajudar como um reforço na guerra, então talvez pudéssemos obter um perdão e permissão para permanecer no país, mas sei que o seu Eleitor, provavelmente, não é o nosso maior—”


“O que é isso tudo?” Todos nós nos viramos com a voz, justo quando os soldados na sala estalam em continências. Levanto-me da minha posição para ver Anden parado na porta com um grupo de guarda-costas atrás, seus olhos escuros e ameaçadores, seu olhar fixo primeiro em June e em mim e, em seguida, sobre os Patriotas. Mesmo que não faça tanto tempo desde que ele ficou para trás para falar com seus generais, ele tem uma fina camada de poeira sobre os ombros de seu uniforme, e seu rosto parece sombrio. O Capitão que estava falando com a gente antes agora limpa a garganta nervosamente. “Minhas desculpas, Eleitor”, ele começa, “mas esses criminosos foram detidos perto da Muralha—” Nisso, June cruza os braços. “Então, eu estou supondo que não foi você quem aprovou isso, Eleitor?”, Diz ela para Anden. Há uma margem em sua voz que me diz que ela e Anden não estão no melhor dos termos agora. Anden observa à cena. Nossa discussão na viagem de carro provavelmente ainda está estufando em sua mente, mas ele não se incomoda olhando na minha direção. Bem, bem. Talvez eu tenha lhe dado algo para se pensar. Finalmente, ele acena com a cabeça para o Capitão. “Quem são eles?” “Ex Patriotas, senhor.” “Eu vejo. Quem ordenou isso?” O Capitão fica vermelho. “Bem, Eleitor…”, responde ele, tentando parecer oficial, “meu comandante-” Mas Anden já voltou sua atenção para longe do Capitão mentiroso e começa a sair da sala. “Tire essas algemas fora deles”, diz ele, sem olhar para trás. “Os mantenha aqui, por agora, e depois leve-os com o último grupo. Os vigie com cuidado.” Ele faz um gesto para nós o seguir. “Srta. Iparis. Sr. Wing. Por favor.” Eu olho para trás mais uma vez a Tess, que está assistindo os soldados soltarem as algemas de seus pulsos. Então eu saio com June. Eden corre para mim, quase colidindo comigo em sua pressa, e coloca a mão na minha. Anden nos para diante de um grupo de soldados da República. Eu franzo a testa com a visão. Quatro dos soldados estão ajoelhados no chão, com as mãos na cabeça. Seus olhos permanecem baixos. Um chora


silenciosamente. Os demais soldados do grupo têm suas armas apontadas para os soldados ajoelhados. O soldado responsável aborda Anden. “Estes são os guardas que estavam a cargo da Comandante Jameson e Capitão Bryant. Encontramos uma comunicação suspeita entre um deles e as Colônias”. Não admira que ele nos trouxe aqui, para ver os rostos de nossos potenciais traidores. Eu olho para os guardas capturados. O que chora, olha para Anden com olhos suplicantes. “Por favor, Eleitor”, ele implora. “Eu não tive nada a ver com a fuga. Eu… eu não sei como isso aconteceu. Eu—” Suas palavras cortadas quando o cano de uma arma é golpeada em sua cabeça. O rosto de Anden, normalmente pensativo e reservado, se torna frio. Eu olho para os soldados ajoelhados de costas para ele. Ele está em silêncio por um momento. Então, ele acena para seus homens. “Os interrogue. Se eles não cooperarem, mate-os. Espalhe a palavra para o resto das tropas. Que seja uma lição para todos os outros traidores dentro de nossas fileiras. Deixe-os saber que vamos cortá-los pela raiz.” Os soldados batem as armas em seus calcanhares. “Sim, senhor.” Eles colocam os traidores acusados de pé. Uma sensação de enjoo bate no meu estômago. Mas Anden não retira suas palavras, em vez disso, ele observa enquanto os soldados são arrastados, gritando e implorando, para fora do bunker. June parece afetada. Seus olhos seguem os prisioneiros. Anden gira em torno de nós com uma expressão grave. “As Colônias têm ajuda.” Um baque surdo ecoa em algum lugar acima de nós, o chão e o teto tremem em resposta. June observa Anden mais de perto, como se o analisando. “Que tipo de ajuda?” “Eu vi os seus esquadrões no ar, à direita além da Armadura. Eles não eram todos jatos das Colônias. Alguns deles tinham estrelas africanas pintadas em seus lados. Meus generais me disseram que as Colônias estão confiantes o suficiente para ter estacionado um dirigível e um esquadrão de aviões a menos de um quilômetro da nossa Armadura, criaram uma pista de pouso improvisada. Eles estão preparando um outro ataque.” Minha mão aperta em torno da de Eden. Ele aperta os olhos para o enxame de refugiados lotando o metrô, mas ele provavelmente não pode ver nada mais do que uma massa de borrões em movimento. Eu gostaria de


poder tirar esse olhar assustado do seu rosto. “Quanto tempo Denver vai aguentar?” Eu pergunto. “Eu não sei”, responde Anden severamente. “A Armadura é forte, mas nós não podemos lutar contra uma superpotência por muito tempo.” “Então o que vamos fazer agora?”, Diz June. “Se não podemos segurálos sozinhos, então estamos indo só para perder esta guerra?” Anden balança a cabeça. “Precisamos de ajuda também. Eu estou indo para obternos uma audiência com as Nações Unidas ou com a Antártida, ver se eles estão dispostos a reforçar as tropas. Eles podem nos comprar tempo suficiente para…” Ele olha para o meu irmão, calmo e tranquilo ao meu lado. Uma pontada de culpa e raiva me bate. Eu estreito meus olhos para Anden — minha mão mais apertada no braço do meu irmão. Eden não deve ter que estar no meio disso. Eu não deveria ter que escolher entre perder o meu irmão e perder este maldito país. “Espero que isso não chegue a esse ponto”, eu digo. Quando ele e June se lançam em uma conversa profunda sobre a Antártida, eu olho para trás na sala onde Tess e os Patriotas estão sendo mantidos. Através da janela, posso ver Tess tendo cuidado com a menina com o ombro sangrando enquanto os soldados olham com expressões inquietas. Não sei por que todos esses assassinos treinados devem ter medo de uma menina armada com um punhado de ataduras e álcool. Eu tremo quando penso na maneira como Anden ordenou que os soldados acusados saíssem do bunker e fossem mortos. Pascao parece frustrado, e por um momento, ele reconhece o meu olhar através do vidro. Mesmo que ele não mova a boca, eu posso dizer o que ele está pensando. Ele sabe que, prender os Patriotas dentro de uma sala durante o meio de uma batalha, enquanto os civis e soldados estão sendo mortos na superfície, é um desperdício total. “Eleitor”, de repente eu digo, voltando-me para enfrentar Anden e June. Ele faz uma pausa para olhar para mim. “Deixe-os sair deste bunker.” Quando Anden fica em silêncio, obrigando-me a seguir em frente, eu acrescento: “Eles podem ajudar reforçando lá em cima. Aposto que eles podem jogar o jogo de guerrilha melhor do que qualquer um de seus soldados, e uma vez que você não irá evacuar os setores pobres por um tempo, você pode precisar de toda a ajuda que puder conseguir.”


June não diz nada sobre o meu pequeno golpe, mas Anden cruza os braços sobre o peito. “Day, eu perdoou os Patriotas como parte do nosso acordo original, mas eu não me esqueci da minha história difícil com eles. Ainda que eu não queira ver os seus amigos como prisioneiros acorrentados, não tenho nenhuma razão para acreditar que agora irão ajudar um país que eles têm aterrorizado por tanto tempo.” “Eles são inofensivos”, eu insisto. “Eles não têm razão para lutar contra a República.” “Três prisioneiros no corredor da morte acabaram de escapar”, Anden pressiona. “As Colônias lançaram um ataque surpresa a nossa capital. E agora os meus supostos assassinos estão sentados a uma dezena de metros de mim. Eu não estou no clima mais clemente.” “Eu estou tentando ajudá-lo,” eu atiro de volta. “Você acabou de pegar seus traidores, de qualquer maneira, não é? Você realmente acha que os Patriotas tinham alguma coisa a ver com a fuga da Comandante Jameson? Especialmente quando ela os jogou para os cães? Você acha que eu gosto da ideia de que os assassinos de minha mãe estejam à solta agora? Liberte os Patriotas, e eles vão lutar por você.” Anden estreita os olhos. “O que faz você pensar que eles são tão leais à República?” “Deixe-me levá-los”, eu digo. Eden sacode a cabeça para mim, surpreso. “E você vai ter a sua lealdade.” June me lança um olhar de advertência — eu respiro fundo, engulo a minha frustração, e me acalmo. Ela está certa. Não adianta ficar com raiva de Anden se eu precisar dele ao meu lado. “Por favor”, eu acrescento, em voz baixa. “Deixe-me ajudar. Você tem que confiar em alguém. Não basta deixar as pessoas lá fora para morrer.” Anden estuda meu rosto por um longo momento, e com um calafrio, eu percebo o quanto ele se parece com o pai. A semelhança está lá apenas por um instante, em seguida ela logo desaparece, substituída pelo severo, olhar preocupado de Anden. Como se, de repente ele se lembrasse de quem somos. Ele suspira profundamente e aperta os lábios. “Deixe-me saber qual é o seu plano”, ele finalmente diz. “E nós vamos ver. Nesse meio tempo, eu sugiro que você coloque o seu irmão em um metrô.” Quando ele vê a minha expressão, ele acrescenta: “Ele estará seguro até que você se junte a ele. Você tem a minha palavra.”


Em seguida, ele se afasta e propõe a June que o acompanhe. Eu deixo minha respiração sair enquanto eu assisto um soldado levar ele e June em direção a um grupo de generais. June olha por cima do ombro para mim enquanto eles vão. Sei que ela está pensando a mesma coisa que eu. Ela está preocupada com o que esta guerra está fazendo para Anden. O que ele está fazendo para todos nós. Lucy interrompe meus pensamentos. “Talvez devêssemos colocar seu irmão no trem de evacuação”, diz ela. Ela me dá um olhar simpático. “Certo.” Eu olho para baixo em Eden e aperto seu ombro. Eu tento o meu melhor para ter fé na promessa do Eleitor. “Vamos até o trem e obter os detalhes sobre como tirá-lo daqui.” “E você?” Eden pergunta. “Você realmente vai liderar algum tipo de ataque?” “Eu vou encontrar com você em Los Angeles. Eu juro.” Eden não faz nem um som quando nos encaminhamos para a plataforma do trem e deixamos os soldados nos escoltar para a frente. Sua expressão se torna séria e mal-humorada. Quando finalmente estamos na frente da porta de vidro fechado do trem, eu abaixo até o seu nível dos olhos. “Olha, me desculpe por eu não ir com você imediatamente. Eu preciso ficar aqui e ajudar, tudo bem? Lucy vai com você. Ela vai mantê-lo seguro. Vou me juntar com você em breve…” “Sim, está bem,” Eden resmunga. “Oh”. Pigarreio. Eden está doente e indisposto e, de vez em quando, desagradável, mas ele raramente está com raiva assim. Mesmo depois de sua cegueira, ele ficou otimista. Assim, sua franqueza me derruba. “Bem, isso é bom”, eu decido responder. “Estou feliz por você-” “Você está escondendo algo de mim, Daniel”, ele interrompe. “Eu posso dizer. O que é?” Faço uma pausa. “Não, não estou.” “Você é um péssimo mentiroso.” Eden puxa-se para fora do meu alcance e franze a testa. “Se é alguma coisa. Eu podia ouvi-la na voz do Eleitor, e então você disse aquela coisa estranha para mim no outro dia, sobre como você estava com medo que os soldados da República viessem bater à nossa porta… Por que eles fariam isso de repente? Eu pensei que


estava tudo bem agora.” Eu suspiro e curvo minha cabeça. Os olhos de Eden amolecem um pouco, mas sua mandíbula fica firme. “O que é?”, Ele repete. Ele tem 11 anos de idade. Ele merece saber a verdade. “A República quer você de volta para experimentação”, eu respondo, mantendo minha voz baixa, de modo que só ele pode me ouvir. “Há um vírus se espalhando nas Colônias. Eles acham que você tem o antídoto em seu sangue. Eles querem levá-lo para os laboratórios.” Eden olha na minha direção por um longo tempo, em silêncio. Acima de nós, outro baque surdo treme a terra. Eu me pergunto o quão bem a Armadura pode aguentar. Segundos se arrastam. Finalmente, eu coloco a mão em seu braço. “Eu não vou deixá-los levá-lo embora”, eu digo, tentando tranquilizá-lo. “Tudo bem? Você vai ficar bem. Anden — o Eleitor — sabe que não pode levá-lo para longe, sem arriscar uma revolução entre as pessoas. Ele não pode fazer isso sem a minha permissão.” “Todas essas pessoas nas Colônias vão morrer, não vão?” Murmura Eden sob sua respiração. “Aqueles com o vírus?” Hesito. Eu nunca me atrevi a perguntar sobre quais eram exatamente os sintomas da peste. Eu parei de ouvir no instante em que mencionaram o meu irmão. “Eu não sei”, eu confesso. “E então logo vai se espalhar para a República.” Eden vira a cabeça para baixo e torce as mãos. “Talvez esteja se espalhando agora. Se ocupar a capital, a doença vai se espalhar. Não é?” “Eu não sei”, eu repito. Os olhos de Eden procuram meu rosto. Mesmo que ele seja quase cego, eu posso ver a tristeza neles. “Você não tem que tomar todas as minhas decisões, você sabe.” “Eu não acho que eu estive fazendo. Você não quer ir para LA? É mais seguro lá, e eu lhe disse – eu estarei com você lá. Eu prometo.” “Não, não é isso. Por que você decidiu manter isso em segredo?” É por isso que ele está chateado? “Você está brincando, certo?” “Por quê?” Eden pressiona. “Você estaria de acordo?” Eu me aproximo dele, então olho em volta


para os soldados e refugiados e diminuo a minha voz. “Eu sei que eu declarei o meu apoio para Anden, mas isso não significa que eu esqueci o que a República fez com a nossa família. Para você. Quando eu vi você ficar doente, quando as patrulhas da peste vieram à nossa porta e o arrastaram nessa maca, com sangue escurecendo seus olhos…” Faço uma pausa, fecho meus olhos, e apago a cena. Eu joguei na minha cabeça um milhão de vezes; não há necessidade de revisitá-la novamente. A memória faz com que a dor incendeie a parte de trás da minha cabeça. “Você não acha que eu sei disso?” Eden dispara de volta, em voz baixa, desafiador. “Você é meu irmão, não a nossa mãe.” Eu estreito meus olhos. “Eu sou agora.” “Não, você não é. Mamãe está morta.” Eden respira fundo. “Eu me lembro o que a República fez com a gente. Claro que sim. Mas as Colônias estão invadindo. Eu quero ajudar.” Eu não posso acreditar que Eden me disse isso. Ele não entende o quão longe a República irá para conseguir isso — ele realmente tem esquecido as suas experiências? Eu me inclino para a frente e coloco minha mão em seu pequeno pulso. “Isso poderia matá-lo. Você percebe isso? E poderiam nem mesmo encontrar a cura através do seu sangue.” Eden se afasta de mim novamente. “É a minha decisão. Não a sua.” Suas palavras ecoam as de June mais cedo. “Tudo bem”, eu agarro. “Então, qual é a sua decisão, garoto?” Ele se fortalece. “Talvez eu queira ajudar.” “Você tem que estar brincando comigo. Você quer ajudá-los? Você está apenas fazendo isso para ir contra o que estou dizendo?” “Estou falando sério.” Um caroço sobe na minha garganta. “Eden”, eu começo, “nós perdemos mamãe e John. Papai está desaparecido. Você é tudo que me resta. Eu não posso dar ao luxo de perdê-lo também. Tudo o que eu fiz até agora, eu fiz para você. Eu não vou deixar você arriscar sua vida para salvar a República, ou as Colônias”. O desafio desaparece dos olhos de Eden. Ele apoia os braços no corrimão e inclina a cabeça contra suas mãos. “Se há uma coisa que eu sei


sobre você”, diz ele, “é que você não é egoísta.” Faço uma pausa. Egoísta. Eu sou egoísta, eu quero que Eden fique protegido, fora de perigo e não me importa o que ele pensa sobre isso. Mas em suas palavras, a minha culpa borbulha. Quantas vezes tinha John tentado me manter longe de problemas? Quantas vezes ele me alertou por mexer com a República, ou por tentar encontrar uma cura para o Eden? Eu nunca tinha ouvido, e eu não me arrependo. Eden me encara com olhos cegos, uma deficiência que a República entregou a ele. E agora ele está oferecendo a si mesmo, um cordeiro de sacrifício para a matança, e eu não consigo entender o porquê. Não. Eu entendo. Ele é como eu — ele está fazendo o que eu teria feito. Mas o pensamento de perdê-lo é demais para suportar. Eu coloco minha mão em seu ombro e começo a levá-lo para dentro. “Chegue a LA primeiro. Falaremos sobre isso mais tarde. É melhor você pensar sobre isso, porque se você se voluntariar para esta—” “Eu vou pensar nisso”, responde Eden. Em seguida, ele puxa para fora do meu alcance e recua através do portão da embarque. “E além disso, se eles vieram para mim, você realmente acha que podemos detê-los?” E então, chega sua hora de entrar. Lucy o ajuda a pisar no metrô, e eu seguro sua mão por um breve momento antes de o deixar ir. Apesar de quão chateado ele parece estar, Eden ainda aperta a minha mão com força. “Apresse-se, está bem?” Ele me diz. Sem aviso, ele joga os braços em volta do meu pescoço. Ao lado dele, Lucy me dá um de seus sorrisos tranquilizadores. “Não se preocupe, Daniel”, diz ela. “Eu vou vigiá-lo como um falcão.” Eu aceno com gratidão para ela. Então eu abraço apertado Eden, espremo os olhos fechados, e respiro fundo. “Vejo você em breve, garoto”, eu sussurro. Então eu relutantemente desembaraço seus dedos dos meus. Eden desaparece para o metrô. Momentos depois, o trem se afasta da estação e leva a primeira onda de refugiados em direção a costa oeste da República, deixando apenas as palavras de Eden para trás, tocando em minha mente.

Talvez eu queira ajudar.


Sento-me sozinho por algum tempo depois da saída do metrô, perdido em meus pensamentos, repassando essas palavras repetidamente. Eu sou seu guardião, agora eu tenho todo o direito de evitar que ele sofra algum dano, e inferno, se eu voltar a vê-lo nos laboratórios da República depois de tudo que eu fiz para impedi-lo de estar lá. Eu fecho meus olhos e enterro minhas mãos no meu cabelo. Depois de um tempo, eu faço o meu caminho de volta para a sala onde os Patriotas estão sendo mantidos. A porta está aberta. Quando eu entro, Pascao sai esticando seus braços e Tess olha para cima de onde ela está terminando a bandagem de ombro da garota ferida. “Então,” eu digo a eles, meus olhos demorando em Tess. “Vocês vieram para a cidade para dar as Colônias algum inferno?” Tess deixa cair seu olhar. Pascao encolhe os ombros. “Bem, não importará se ninguém nos deixa voltar lá para cima. Por quê? Você tem alguma coisa em mente?” “O Eleitor deu a sua permissão”, eu respondo. “Enquanto eu estiver no comando, ele acha que vamos ser bons o suficiente para não nos voltarmos contra a República.” Que medo estúpido, de qualquer maneira. Eles ainda têm o meu irmão, não é? Um lento sorriso se espalha no rosto de Pascao. “Bem. Isso soa como se pudesse ser divertido. O que você tem em mente?” Eu coloco minhas mãos em nos bolsos e coloco minha máscara arrogante novamente. “O que eu sempre fui bom.”


10 51,5 HORAS DESDE A MINHA CONVERSA FINAL COM THOMAS. 15 HORAS DESDE QUE EU VI DAY PELA ÚLTIMA VEZ. 8 HORAS DESDE QUE O BOMBARDEIO DAS COLÔNIAS NA MURALHA DE DENVER DEU UMA TRÉGUA. ESTAMOS NO AVIÃO DO ELEITOR INDO PARA A CIDADE DE ROSS, ANTÁRTIDA. Sento-me em frente a Anden. Ollie está deitado aos meus pés. Os outros dois Príncipes Eleitos estão em um compartimento adjacente, separados de nós por um vidro (1,00 m × 2,00 m, à prova de balas, selo da República esculpido no lado de frente para mim, a julgar a partir das bordas do corte). Fora da janela, o céu é azul brilhante e um cobertor de nuvens ao fundo do nosso ponto de vista. A qualquer momento, devemos sentir o avião mergulhar e ver a expansão da metrópole Antártida entrar em exibição. Eu fiquei em silêncio pela maior parte da viagem, escutando enquanto Anden recebe um fluxo de chamadas intermináveis de Denver sobre a batalha. Somente quando estamos quase sobre as águas da Antártida que ele finalmente se cala. Eu vejo como a luz brinca com suas feições, contornando o rosto jovem que mantém tais pensamentos cansados do mundo. “Qual é a história entre nós e a Antártida?” Pergunto depois de um tempo. O que eu realmente quero dizer é, você acha que eles vão nos ajudar?’ mas essa questão é apenas conversa fiada, impossível de responder e, portanto, inútil para perguntar. Anden para de olhar para a janela e fixa os olhos verdes brilhantes em


mim. “Antártida nos dará ajuda. Temos tido ajuda internacional a partir deles por décadas. A nossa própria economia não é forte o suficiente para ficar em sua própria.” Isso ainda me perturba, que a nação, uma vez que acredita ser tão poderosa, na realidade, está lutando pela sobrevivência. “E qual é a nossa relação com eles agora?” Anden mantém seu olhar constantemente em mim. Eu posso ver a tensão em seus olhos, mas seu rosto continua composto. “A Antártida prometeu duplicar a sua ajuda se pudermos elaborar um tratado que faça com que as Colônias falem com a gente de novo. E eles ameaçaram reduzir para metade a sua ajuda, se não tivermos um tratado até o final deste ano.” Ele faz uma pausa. “Então, nós estamos visitando-os não só para pedir ajuda, mas para tentar convencê-los a não reter a sua ajuda.” Temos que explicar por que tudo desmoronou. Eu engulo. “Por que Antártida?” “Eles têm uma longa rivalidade com a África”, Anden responde. “Se alguém com poder vai nos ajudar a vencer a guerra contra as Colônias e a África, serão eles.” Ele se inclina para a frente e repousa os cotovelos sobre os joelhos. Suas mãos enluvadas estão a um pé longe de minhas pernas. “Vamos ver o que acontece. Devemos-lhes muito dinheiro, e eles não têm estado felizes com a gente nos últimos anos.” “Alguma vez, você já viu o Presidente em pessoa?” “Algumas vezes eu o visitei com meu pai”, Anden responde. Ele me oferece um sorriso torto que envia vibrações inesperadas através do meu estômago. “Ele era encantador durante as reuniões. Você acha que eu tenho alguma chance?” Eu sorrio de volta. Eu posso sentir o duplo sentido na sua pergunta, ele não está falando apenas sobre a Antártida. “Você é carismático, se é isso que você está perguntando,” eu decido dizer. Anden ri um pouco. O som me aquece. Ele olha para o lado e abaixa os olhos. “Eu não tenho sido muito bem-sucedido em qualquer encanto ultimamente”, ele murmura. O avião mergulha. Eu viro minha atenção para a janela e respiro fundo, lutando contra o rosa subindo nas minhas bochechas.


As nuvens crescem mais perto à medida que descemos, e logo estamos envoltos em um turbilhão de névoa cinzenta; depois de alguns minutos saímos do centro para ver um trecho enorme de terra coberta por uma densa camada de arranha-céus que vêm em uma variedade selvagem de cores brilhantes. Prendo minha respiração com a visão. Um olhar é tudo que eu preciso para confirmar quanta diferença tecnológica e econômica existe entre a República e a Antártida. Uma fina e transparente cúpula se estende em toda a cidade, mas nós passamos através dela tão facilmente como nós passamos através das nuvens. Cada edifício parece ter a capacidade de mudar de cor por um capricho (dois já passaram de um verde pastel para um azul profundo, e um muda de dourado para branco), e cada edifício parece novo, polido e sem falhas de uma forma que muito poucos edifícios da República são. Enormes pontes elegantes conectam muitos dos arranha-céus, um brilhante branco sob o sol, cada um ligando o piso de um edifício para o seu edifício adjacente, formando uma colmeia de marfim. As pontes superiores têm plataformas redondas em seus centros. Quando eu olho mais perto, vejo o que parece aeronaves estacionadas nas plataformas. (Outra esquisitice: Todos os arranha-céus têm enormes hologramas prateados de números flutuando sobre seus telhados, cada um variando entre zero e trinta mil. Eu franzo o cenho. Estão sendo transmitidos a partir de uma luz em cada telhado? Talvez isso signifique a população que vive em cada arranha-céu, embora se fosse esse o caso, trinta mil parece um teto relativamente baixo, dado ao tamanho de cada edifício.) A voz do nosso piloto ressoa pelo interfone para nos informar sobre o nosso pouso. Enquanto os edifícios coloridos docemente preenchem todo o nosso ponto de vista, nós pousamos em uma das plataformas das pontes. Lá embaixo, eu vejo as pessoas correndo para se preparar para o pouso do nosso jato. Quando estamos finalmente pairando sobre a plataforma, uma sacudida brusca nos tira de nossos lugares. Ol ie levanta a cabeça e late. “Estamos magneticamente ancorados agora”, Anden me diz quando vê minha expressão de espanto. “De agora em diante, o nosso piloto não precisa fazer nada. A plataforma em si vai puxar-nos para baixo para a aterrizagem.” Descemos tão suavemente que eu não sinto nada. À medida que saio do avião, com a nossa comitiva de Senadores e guardas, fico surpreendida primeiro pela temperatura de fora. Uma brisa fresca, o calor


do sol. Não estamos no extremo da terra? (Vinte e dois graus é a minha suposição, vento sudoeste, uma brisa surpreendentemente leve, considerando o quão alto a partir do nível do solo estamos.) Então eu me lembro, a cúpula sem substância pela qual passamos. Pode ser uma maneira da Antártida controlar o clima em suas cidades. Em segundo lugar, sou surpreendida ao ver-nos imediatamente sendo levados a uma tenda de plástico por uma equipe de pessoas com roupas brancas de risco biológico e máscaras de gás. (A notícia da praga das Colônias deve ter se espalhado aqui.) Um deles inspeciona rapidamente os olhos, nariz, boca e ouvidos, e em seguida, passa uma luz verde brilhante em todo o meu corpo. Eu espero em silêncio tenso enquanto a pessoa (homem ou mulher? eu não posso ter certeza) analisa a leitura em um dispositivo portátil. Do canto do meu olho, eu posso ver Anden sofrer os mesmos testes—ser o Eleitor da República aparentemente não dispensa estar possivelmente contaminado com peste. Demora uns bons dez minutos antes de sermos todos liberados para entrar e levados para fora da tenda. Anden cumprimenta três pessoas (cada um vestido, respectivamente, com um terno verde, preto e azul, cortado em um estilo desconhecido) esperando por nós na ponte de desembarque com alguns guardas. “Eu espero que o seu voo tenha corrido bem”, diz um deles enquanto Mariana, Serge e eu nos aproximamos. Ela nos recebe em Inglês, mas o sotaque dela é grosso e exuberante. “Se preferir, podemos enviar-lhes para casa em um dos nossos jatos”. A República dificilmente é perfeita, o que eu sei há muito tempo e, certamente, desde que conheci Day. Mas as palavras da mulher Antártida foram tão arrogantes que eu me sinto irritada. Aparentemente, nossos jatos da República não são bons o suficiente para eles. Eu olho para Anden para ver qual será sua reação, mas ele simplesmente abaixa a cabeça e oferece um belo sorriso para a mulher. “Gracias, Lady Medina. Você é sempre tão gentil”, ele responde. “Estou muito grato por sua oferta, mas eu certamente não quero abusar. Nós gerenciaremos. Eu não posso deixar de admirar Anden. Todos os dias, vejo novas evidências da carga que ele leva. Depois de alguma discussão, eu relutantemente deixo um dos guardas levar Ollie ao quarto do hotel onde eu vou ficar. Então, todos nós caímos em


uma procissão silenciosa enquanto somos levados para fora da plataforma e ao longo da ponte que conecta o prédio de cor escarlate, embora eu não tenha certeza se é em honra de nosso pouso. Eu faço questão de andar perto da borda da ponte, para que eu possa olhar para a cidade. Pela primeira vez, me leva um tempo para contar os andares (com base nas pontes ramificando-se a partir de cada andar, este edifício tem mais de três centenas de andares, cerca de trezentos e vinte e sete, embora, eventualmente, eu olho para longe para afastar uma sensação de vertigem). A luz do sol banha os andares mais altos, mas os andares mais baixos também estão iluminados, devem ter simulando a luz solar para os que andam ao nível do solo. Eu assisto Anden e Lady Medina conversar e rir como se fossem velhos amigos. Anden parece tão interessado que eu não posso dizer se ele realmente gosta da mulher ou se ele está simplesmente fazendo o papel de um político agradável. Aparentemente nosso último Eleitor pelo menos treinou seu filho bem nas relações internacionais. A entrada da ponte do edifício, um arco emoldurado com redemoinhos esculpidos, desliza aberto para nos receber. Nós paramos em um lobby ricamente decorado (tapete marfim grosso que, ao meu fascínio, irrompe com redemoinhos da cor onde quer que eu pise, fileiras de palmeiras em vasos, uma parede de vidro curvo exibindo anúncios luminosos e que parecem ser as estações interativas para coisas que eu não entendo). À medida que caminhamos, eles a cada um de nós um fino par de óculos. Anden e muitos dos Senadores imediatamente os colocam como se eles estivessem acostumados a esse ritual, mas os Antarticanos explicam os óculos de qualquer maneira. Eu me pergunto se eles sabem quem eu sou, ou se eles se importam. Eles certamente perceberam minha perplexidade com os óculos. “Mantenham isso durante a sua visita,” Lady Medina nos diz com seu rico sotaque, embora eu saiba que suas palavras são dirigidas a mim. “Eles vão ajudar você a ver Ross City como ela realmente é.” Intrigado, eu coloco os óculos. Eu pisco, surpresa. A primeira coisa que eu sinto é uma sutil cócega em meus ouvidos, e a primeira coisa que eu vejo são os números pequenos, brilhantes pairando sobre as cabeças de cada um dos Antarticanos. Lady Medina tem 28.627: nível 29, enquanto seus dois companheiros (que ainda não emitiram um som) têm, respectivamente, 8.819: nível 11 e 11.201: Nível


13. Quando eu olho em volta do lobby, eu vejo todos os tipos de números virtuais e palavras, a planta bulbosa verde no canto tem água: +1 pairando sobre ela, enquanto limpa: +1 flutua sobre um escuro meio círculo, ao lado de uma mesa. No canto dos meus óculos, eu vejo pequenas, palavras brilhantes: JUNE IPARIS 3ª PRÍNCESA ELEITA REPÚBLICA DA AMÉRICA NÍVEL 1 SETEMBRO 22.2132 PONTUAÇÃO DIÁRIA: 0 PONTUAÇÃO ACUMULADA: 0 Nós começamos a andar novamente. Nenhum dos outros parecem particularmente preocupado com o ataque de texto virtual e números colocados sobre o mundo real, por isso estou abandonada a minha própria intuição. (Embora os Antarticanos não estejam usando óculos, seus olhos ocasionalmente piscam ante coisas virtuais em todo o mundo de uma forma que me faz pensar se eles têm algo embutido em seus olhos, ou talvez em seus cérebros, que simula permanentemente todas essas coisas virtuais para eles.) Um dos dois companheiros de Lady Medina, um homem de ombros largos e cabelos brancos, olhos muito escuros e pele marrom dourada, anda mais devagar do que os outros. Eventualmente, ele chega perto do fim da procissão e cai em passo ao meu lado. Eu tenso em sua presença. Quando ele fala, no entanto, a sua voz é baixa e gentil. “Srta. June Iparis?” “Sim, senhor”, eu respondo, inclinando a cabeça respeitosamente da maneira como Anden tinha feito. Para minha surpresa, eu vejo os números no canto dos meus óculos mudarem: SETEMBRO 22.2132 PONTUAÇÃO DIÁRIA: 1 PONTUAÇÃO ACUMULADA: 1 Minha mente gira. De alguma forma, os óculos devem ter gravado minha ação de inclinar a cabeça e acrescentou um ponto a este sistema de


pontuação Antarticano, o que significa que me inclinar é igual a um ponto. Aqui é quando eu também percebo uma coisa: Quando o homem de cabelos brancos falou, eu não ouvi absolutamente nenhum sotaque, ele agora está falando um Inglês perfeito. Olho para a senhora Medina, e quando eu pego dicas do que ela está dizendo a Anden, noto que seu Inglês agora soa impecável também. As cócegas que senti nos meus ouvidos quando eu coloquei os óculos… talvez ele esteja agindo como uma espécie de dispositivo de tradução de idiomas, permitindo que os Antarticanos revertam sua língua nativa, enquanto ainda se comunicam com nós sem perdemos o ritmo. O homem de cabelos brancos, agora se inclina para mim e sussurra: “Eu sou o Guarda Makoare, um dos guarda-costas mais recentes de Lady Medina. Ela atribuiu-me para ser seu guia, Srta. Iparis, como nossa cidade parece estranha para você. É completamente diferente da sua República, não é?” Ao contrário de Lady Medina, a forma como o Guarda Makoare fala não tem condescendência em tudo, e sua pergunta não me afeta do jeito errado. “Obrigado, senhor”, eu respondo com gratidão. “E, sim, eu tenho que admitir que estes números virtuais que vejo em todo o lugar é estranho para mim. Eu não entendo muito bem isso.” Ele sorri e coça a pequena barba branca em seu queixo. “A vida em Ross City é um jogo, e todos nós somos seus jogadores. Nativos Antarticanos não precisam de óculos, como vocês visitantes, todos nós temos chips embutidos perto de nossas têmporas quando completamos treze anos. É um pedaço de software que atribui pontos para tudo que nos rodeia.” Ele aponta para as plantas. “Você vê a palavra água: +1 pairando sobre essa planta?” Eu aceno. “Se você decidir regar plantas, por exemplo, você receberia um ponto por fazê-lo. Quase todas as medidas positivas que você faz em Ross City lhe darão pontos de conquista, enquanto as ações negativas subtraem os pontos. À medida que você acumula pontos, você ganha níveis. Neste momento, você está no nível um.” Ele faz uma pausa para apontar o número virtual flutuando sobre sua cabeça. “Eu estou no nível treze.” “Qual é o ponto de conquistar… níveis?” Pergunto ao deixarmos a sala e entrar em um elevador. “Será que isso determina seu status na cidade? Será que mantém seus civis na linha?”


O Guarda Makoare assente. “Você vai ver.” Saímos do elevador e nos dirigimos para uma outra ponte (desta vez ela está coberto com um telhado de vidro em arco) que liga este edifício ao outro. À medida que caminhamos, eu começo a ver o que o Guarda Makoare está falando. O novo edifício que entramos parece com uma enorme academia, e quando olho através dos painéis de vidro das salas de aula, ladeadas por fileiras do que devem ser estudantes, percebo que todos eles têm as suas próprias pontuações e níveis pairando sobre suas cabeças. Na parte da frente da sala, uma tela de vidro gigante exibe uma série de questões de matemática, cada uma com uma pontuação brilhante sobre elas. CÁLCULO 2 º SEMESTRE Q1: 6 PTS Q2: 12 PTS E assim por diante. Em um ponto, eu vejo um dos alunos inclinar-se e colar de um vizinho. A contagem de pontos sobre a sua cabeça pisca em vermelho, e um segundo depois o número diminui em cinco. FRAUDE: -5 PTS 1642: NÍVEL 3 O estudante congela, em seguida, rapidamente retorna o olhar para o seu próprio exame. Guarda Makoare sorri quando me vê analisar a situação. “Seu nível é tudo em Ross City. Quanto maior o nível, mais dinheiro você ganha, você pode escolher os melhores empregos e o mais respeitado você é. Nossos pontuadores mais altos são amplamente admirados e muito famosos.” Ele aponta para as costas do aluno trapaceiro. “Como você pode ver, os nossos cidadãos estão tão absortos neste jogo da vida que a maioria deles entendem que fazer certas coisas diminuirá sua pontuação. Temos muito pouco crime em Ross City como resultado”. “Fascinante”, murmuro, meus olhos ainda grudados na sala de aula, mesmo quando chegamos ao fim do corredor e nos dirigimos para uma outra ponte. Depois de um tempo, uma nova mensagem aparece no canto dos meus óculos.


ANDOU 1.000 METROS: +2 PTS PONTUAÇÃO DIÁRIA: 3 PONTUAÇÃO ACUMULADA: 3 Para minha surpresa, ver os números subir me dá uma breve emoção de realização. Dirijo-me ao Guarda Makoare. “Eu posso entender como esse sistema de nivelamento é uma boa motivação para os seus cidadãos. Brilhante.” Eu não digo meu próximo pensamento em voz alta, mas, secretamente, eu me pergunto, como é que distinguem entre boas e más ações? Quem decide isso? O que acontece quando alguém fala contra o governo? Será que sua pontuação sobe ou desce? Fico maravilhada com a tecnologia disponível aqui – isso realmente deixa claro, pela primeira vez, exatamente como muito atrás a República está. As coisas sempre foram tão desiguais? Alguma vez fomos os líderes? Nós finalmente entramos em um edifício com uma grande câmara, semicircular utilizada para reuniões políticas (“O Quarto de debate,” Lady Medina chama). É forrado com bandeiras de países ao redor do mundo. No centro da câmara está uma longa mesa, de madeira de mogno, e agora os delegados da Antártida sentam de um lado, enquanto nos sentamos no outro. Outros dois delegados que estão em níveis semelhantes como Lady Medina se juntam a nós quando começamos nossas conversas, mas é um terceiro delegado que me chama a atenção. Ele está em seus quarenta e poucos anos, com cabelo cor de bronze e pele escura e uma barba bem aparada. O texto que paira sobre sua cabeça lê Nível 202. “O Presidente Ikari,” Lady Medina diz quando o apresenta a nós. Anden e os outros Senadores abaixam a cabeça respeitosamente. Eu faço o mesmo. Embora eu não me atreva a desviar os olhos da discussão, eu posso ver a bandeira da República, em minha visão periférica. Com meus óculos eu vejo o texto virtual REPÚBLICA DA AMÉRICA acima dela em letras brilhantes. Logo a seguir é a bandeira das Colônias, com suas listras preto e cinza e o pássaro de ouro brilhante em seu centro. Algumas das bandeiras dos outros países têm a palavra Aliado pairando sob seus nomes. Mas nós não. Desde o início, nossa discussão é tensa. “Parece que os planos do seu pai tem repercutido contra você”, o presidente diz a Anden. Ele se inclina para a frente com firmeza. “As Nações


Unidas estão, naturalmente, preocupadas que a África já tenha oferecido ajuda para as Colônias. As Colônias recusaram um convite para conversar com a gente”. Anden suspira. “Nossos cientistas estão trabalhando duro em uma cura”, continua ele. Eu noto que ele não menciona o irmão de Day em tudo isso, e à falta de cooperação de Day. “Mas as forças das Colônias são esmagadoras com o dinheiro e ajuda militar da África os apoiando. Precisamos de ajuda para empurrá-los para trás, ou corremos o risco de ser invadidos dentro desse mês. O vírus pode se espalhar para nós, como bem —” “Você fala com paixão”, o Presidente interrompe. “E eu não tenho dúvida de que você está fazendo grandes coisas, como novo líder da República. Mas uma situação como esta… o vírus deve primeiro ser contido. E eu ouvi que as Colônias já violaram suas fronteiras.” Os olhos cor de mel dourado do Presidente são profundamente brilhantes. Quando Serge tenta falar, ele o silencia imediatamente, sem tirar os olhos de cima de Anden. “Deixe seu Eleitor responder”, diz ele. Serge cai para trás em silêncio sombrio, mas não antes de eu pegar um olhar complacente entre os Senadores. Meu temperamento sobe. Eles – o Senador, o Presidente da Antártida, mesmo os próprios Príncipes Eleitos – estão todos provocando Anden em suas próprias maneiras sutis. Interrompendo-o. Enfatizando sua idade. Eu olho para Anden, silenciosamente desejando que ele se levante por si mesmo. Mariana concorda com a cabeça uma vez para ele. “Senhor?”, Diz ela. Estou aliviado quando Anden primeiro lança um olhar de desaprovação a Serge, então levanta o queixo e responde calmamente. “Sim. Nós conseguimos segurá-los por agora, mas eles estão justo na periferia de nossa capital.” O Presidente se inclina para frente e repousa os cotovelos sobre a mesa. “Então, há uma possibilidade de que este vírus já atravessou para o seu território?” “Sim”, responde Anden. O Presidente está em silêncio por um momento. Finalmente, ele diz: “O que exatamente você quer?”


“Precisamos de apoio militar”, Anden responde. “Seu exército é o melhor do mundo. Ajude-nos a proteger nossas fronteiras. Mas acima de tudo, nos ajude a encontrar uma cura. Eles nos alertaram que a cura é a única maneira que eles irão recuar. E nós precisamos de tempo para que isso aconteça.” O Presidente aperta os lábios e balança a cabeça uma vez. “Nenhum apoio militar, dinheiro ou suprimentos. Temo que você fique muito em dívida com nós por isso. Posso oferecer meus cientistas para ajudá-lo a encontrar uma cura para a doença. Mas eu não vou enviar minhas tropas em uma área infectada com a doença. É muito perigoso.” Quando ele vê o olhar no rosto de Anden, seus olhos endurecem. “Por favor, nos mantenha atualizados, enquanto eu espero tanto quanto você para ver uma resolução para isso. Peço desculpas que não podemos ser de mais ajuda para você, Eleitor.” Anden se inclina sobre a mesa e entrelaça os dedos juntos. “O que eu posso fazer para convencê-lo a nos ajudar, Sr. Presidente?”, Diz. O Presidente se senta em sua cadeira e considera Anden por um momento com um olhar pensativo. Isso me arrepia. Ele estava esperando por Anden dizer isso. “Você vai ter que me oferecer algo que vale o meu tempo”, ele finalmente diz. “Algo que seu pai nunca ofereceu.” “E o que é isso?” “Terra.” Meu coração torce dolorosamente a essas palavras. Renunciar a terra. A fim de salvar o nosso país, vamos ter de nos vender a outra nação. Algo sobre isso parece como uma violação como a venda de nossos próprios corpos. Dar o seu próprio filho a um desconhecido. Rasgando longe um pedaço da nossa casa. Eu olho para Anden, tentando decifrar as emoções por trás de seu exterior composto. Anden olha para ele por um longo momento. Ele está pensando sobre o que seu pai diria em uma situação como esta? Ele está se perguntando se ele é tão bom líder para o seu povo? Finalmente, Anden inclina a cabeça. Gracioso, mesmo na humildade. “Estou aberto a discussão”, diz ele em voz baixa. O Presidente acena com a cabeça uma vez. Eu posso ver o pequeno


sorriso no canto dos lábios. “Então, vamos discutir”, ele responde. “Se você encontrar uma cura para esse vírus, e se concordar com a terra, então eu prometo a você apoio militar. Até então, o mundo terá que lidar com isso, como fazemos com qualquer pandemia”. “E o que você quer dizer com isso, senhor?” Anden pergunta. “Vamos precisar fechar seus portos e fronteiras, bem como os das Colônias. Outras nações terão de ser notificadas. Eu tenho certeza que você entende.” Anden fica em silêncio. Espero que o Presidente não veja o olhar ferido em seu rosto. A República inteira vai ser colocada em quarentena.


11 JUNE VIAJOU PARA A ANTÁRTIDA. EDEN FOI PARA LOS ANGELES com a segunda leva de evacuados. O resto de nós permaneceu neste bunker, ouvindo como o ataque das Colônias continua. Desta vez, a luta parece pior. Às vezes a terra treme tanto que há uma chuva de poeira fina sobre nós do teto do bunker subterrâneo, cobrindo as filas de evacuados com poeira cinza enquanto eles se apressam para os trens esperando. Luzes rotativas ao longo do túnel pinta a todos nós com flashes de vermelho. Me pergunto como os outros nos bunkers em toda a cidade estão esperando. As evacuações crescem mais urgentes quanto cada trem sai na hora e é substituído por um novo. Quem sabe quanto tempo esse túnel permanecerá estável. De vez em quando eu vejo soldados empurrando civis de volta a fila quando se tornam indisciplinados. “Fila única!” Eles vociferam, levantando suas armas ameaçadoramente. Seus rostos estão escondidos atrás de máscaras antidistúrbio que eu conheço muito malditamente bem. “Dissidentes serão deixados para trás, sem perguntas. Movam-se, gente!” Eu fico em uma extremidade do bunker enquanto continua a chover pó, junto com Pascao, Tess e os outros Patriotas restantes. No início alguns soldados tentaram me apressar em um dos trens, mas eles me deixaram em paz depois que os ataquei com uma série de maldições. Agora eles me ignoram. Eu vejo as pessoas entrarem no trem por alguns segundos antes de voltar para a minha conversa com Pascao. Tess se senta ao meu lado, embora a tensão silenciosa entre nós faz sentir-se muito mais longe. Minha sempre presente dor de cabeça martela num ritmo maçante contra a parte de trás da minha cabeça. “Você viu mais da cidade do que eu”, eu sussurro para Pascao. “Como você acha que a Muralha está aguentando?”


“Não muito bem,” Pascao responde. “Na verdade, com outro país ajudando as Colônias, eu não ficaria surpreso se a Muralha quebrasse em questão de dias com esse tipo de assalto. Não irá aguentar por muito tempo, confie em mim.” Eu me viro para ver quantas pessoas ainda estão esperando para embarcar nos trens. “Como deveríamos fazer para surpreender as Colônias?” Outra voz começa a falar. É um dos Hackers, Frankie, a menina com o ombro ferido. “Se conseguirmos por nossas mãos em algumas electrobombas”, diz ela com uma voz pensativa: “Eu posso provavelmente as reconfigurar para embaralhar algumas das armas das Colônias ou algo assim. Podemos ser capazes de colocar seus jatos fora de combate também.” Jatos. Isso mesmo — Anden tinha mencionado os jatos das Colônias estacionados em um campo de pouso improvisado fora dos muros da Muralha. “Eu posso colocar minhas mãos em algumas”, eu sussurro. “E em granadas também.” Pascao estala sua língua em emoção. “Vamos nos divertir com nitroglicerina em seu plano? Ponha em prática, então.” Ele se vira para Baxter, que me lança um olhar irritado. Seu ouvido parece tão mutilado como sempre. “Ei, menino Baxter. Dê respaldo a Gioro e Frankie, certifique-se de cobrir eles enquanto estão trabalhando a sua magia.” “Pascao”, digo em voz baixa. “Você está preparado para algum trabalho de chamariz?” Ele ri. “É no que os corredores são melhores, não é?” “Vamos brincar um pouco com eles — eu quero que você seja minha dupla, enquanto eu estou indo em direção a seu campo de pouso improvisado.” “Parece promissor.” “Ótimo.” Apesar da severidade da situação, eu sorrio. Uma nota de altivez se arrasta em minha voz. “Esta noite vai acabar com um monte de máquinas militares caras e inúteis.” “Você está fora de sua mente, menino cego”, me espeta Baxter. “A República em si não pode mesmo manter as Colônias fora, você acha que o nosso pequeno grupo tem uma chance de vencê-los?” “Nós não precisamos vencê-los. Tudo o que precisamos fazer é atrasálos. E eu tenho certeza que estamos bem com isso.”


Baxter solta um bufar alto de irritação, mas o sorriso de Pascao cresce cada vez mais. Perto de mim, Tess se mexe desconfortavelmente. Ela provavelmente está pensando em meus crimes passados, como ela teve que testemunhar todos eles e como ela tinha que me enfaixar depois de cada um deles. Talvez ela esteja preocupada comigo. Ou talvez ela esteja feliz. Talvez ela preferisse que eu não estivesse aqui. Mas ela tinha voltado por minha causa. Isso é o que ela disse, não é? Ela ainda deve se importar, pelo menos em algum nível. Tento pensar na coisa certa para dizer-lhe para preencher esse silêncio constrangedor, mas eu questiono os outros. “Vocês me disseram antes na sala que vieram para cá porque queriam ser perdoados. Mas vocês poderiam ter tentado fugir para um país diferente do da República, não é? Vocês nem sequer tem que ajudar a República. Anden — quer dizer, o Eleitor, teria perdoado tudo de qualquer maneira.” Meus olhos caem sobre Pascao. “Você sabia disso, não é? Por que todos voltaram aqui realmente? Eu sei que não é só porque vocês ouviram o meu apelo.” O sorriso de Pascao desaparece e, por um momento, ele realmente parece sério. Ele suspira, então olha ao redor para o nosso pequeno grupo. É difícil acreditar que costumava ser uma parte de algo muito maior. “Nós somos os Patriotas, certo?” Ele finalmente diz. “Nós deveríamos estar empenhados para que os Estados Unidos retornem de uma forma ou de outra. Com a forma como as coisas parecem estar nas Colônias, eu não sei se eles seriam os corretos para trazer esse tipo de mudança. Mas eu tenho que admitir, o novo Eleitor da República tem potencial, e depois do que Razor nós fez fazer, mesmo eu acho que Anden poderia ser a resposta que nós estávamos esperando.” Pascao faz uma pausa para acenar a Baxter, que apenas dá de ombros. “Mesmo o menino Baxter aqui pensa assim.” Eu franzo a testa. “Então vocês vieram para cá porque vocês realmente querem ajudar a vitória da República nesta guerra? Vocês querem a sério nos ajudar a nos defender?” Pascao acena novamente. “Por que você não disse antes na sala? Teria parecido muito nobre.” “Não, isso não.” Pascao balança a cabeça. “Eles não teriam acreditado. Os Patriotas, os terroristas que usaram a cada chance que eles tiveram para destruir soldados da República? Sim, certo. Imaginei que seria melhor para nós se jogássemos a carta perdão em seu lugar. Parece uma resposta mais


realista para o seu Eleitor e seus pequenos Príncipes Eleitos.” Eu fico em silêncio. Quando Pascao vê minha hesitação, ele tira o pó de suas mãos e se levanta. “Vamos começar,” ele me diz. “Não há tempo a perder, não com esta chuva de pedra acontecendo lá em cima.” Ele faz um gesto aos outros Patriotas para se reunir em volta e começa a dividir as suas tarefas individuais. Eu me agacho. Tess toma uma respiração profunda, e quando ela captura meu olhar novamente, ela fala comigo pela primeira vez desde que estávamos juntos na sala. “Sinto muito, Day.” Ela diz em voz baixa, para que os outros não possam ouvir. Eu congelo onde eu estou, descansando meus cotovelos sobre minhas pernas dobradas. “Por quê?”, eu respondo. “Você não tem nada do que se desculpar.” “Sim, tenho.” Tess olha para longe. Como ela cresceu tão rapidamente? Ela ainda é magra, ainda delicada, mas os olhos dela pertencem a alguém mais velha do que eu me lembro. “Eu não tive a intenção de deixá-lo para trás, e eu não quis culpar June por tudo. Eu realmente não acredito que ela é ruim. Eu nunca acreditei. Eu estava com tanta… raiva.” Seu rosto me atrai em direção a ela como sempre faz, da maneira como fez quando eu a vi pela primeira vez cavando ao redor do lixo. Eu gostaria de poder abraçá-la, mas eu sento e espero, deixando-a tomar a decisão. “Tess…” digo devagar, tentando descobrir a melhor maneira de expressar o que estou sentimento. Inferno, eu já disse tantas coisas estúpidas para ela no passado. “Eu te amo. Não importa o que aconteceu entre nós.” Tess envolve seus braços em volta dos joelhos. “Eu sei.” Eu engulo em seco e olho para baixo. “Mas eu não te amo do jeito que você quer. Me desculpe se eu lhe dei a impressão errada. Eu não acho que tenha te tratado tão bem quanto você merece.” Meu coração torce dolorosamente quando as palavras saem da minha boca, golpeando-a ao sair. “Portanto, não se desculpe. A culpa é minha, não sua.” Tess balança a cabeça. “Eu sei que você não me ama assim. Você não acha que eu saberia disso agora?” Uma nota de amargura entra em sua voz. “Mas você não sabe como eu me sinto sobre você. Ninguém sabe.” Eu olho para ela de soslaio. “Diga-me, então.”


“Day, você significa mais para mim do que uma paixão.” Suas sobrancelhas sulcam enquanto ela tenta se explicar. “Quando o mundo inteiro virou as costas para mim e me deixou para morrer, você me acolheu. Foi a única pessoa que se preocupou com o que poderia acontecer comigo. Você foi tudo. Tudo. Você se tornou a minha família inteira — era os meus pais, meus irmãos e meu protetor, meu único amigo e companheiro, que era tanto o meu protetor quanto meu protegido. Você vê? Eu não amo você da forma que você pode ter pensado que eu fiz, embora eu não posso negar que era parte dela. Mas o que eu sinto vai além disso.” Abro a boca para responder, mas não sai nada. Eu não sei o que dizer. Tudo que posso fazer é olhar. Tess deixa escapar um suspiro trêmulo. “Então, quando eu pensei que June podia levá-lo embora, eu não sabia o que fazer. Eu senti que ela estava levando tudo que importava para mim. Eu senti que ela tirava de você todas as coisas que eu não fazia.” Ela abaixa os olhos. “É por isso que eu sinto muito. Eu sinto porque você não deveria ter que ser tudo para mim. Eu tive você, mas eu tinha esquecido que eu tinha a mim também.” Ela faz uma pausa para olhar para os Patriotas, que estão em uma conversa profunda. “É um novo sentimento, algo que eu ainda estou me acostumando.” E num piscar de olhos, nós somos duas crianças de novo. Eu nos vejo mais jovens, balançando os pés sobre a borda de algum arranha-céu arruinado, vendo o sol mergulhar todas as noites no horizonte do oceano. Quanto temos visto desde então, o quão longe nós chegamos. Eu me inclino e toco seu nariz uma vez, da mesma forma como sempre fiz.

Ela sorri pela primeira vez. * A noite fez a transição para as horas mais cedo antes do amanhecer, e a garoa e a lama finalmente fizeram uma pausa, deixando a cidade brilhante sob a luz da lua. O alarme de evacuação ainda ecoa de vez em quando, e os JumboTrons continuam seu sinistro alerta vermelho para procurar abrigo, mas uma breve calmaria atingiu a batalha e os céus não estão cheios de jatos e explosões. Acho que ambos os lados têm de descansar ou algo assim. Eu esfrego o cansaço dos meus olhos e tento


ignorar minha dor de cabeça — eu poderia descansar um pouco. “Não vai ser fácil, você sabe”, sussurra Pascao para mim quando nós dois somos vigias da manhã. “Eles estão, provavelmente, à procura de soldados da República.” Estamos empoleirados no topo da Muralha, observando o campo um pouco além dos limites da cidade. Não é como se as pessoas não vivessem fora da Muralha, mas ao contrário de LA, que é apenas uma grande propagação de edifícios que se funde diretamente em suas cidades vizinhas, a população de Denver é maior fora da segurança de seus muros. Pequenos grupos de edifícios se assentam aqui e ali. Eles parecem vazios, e me pergunto se a República viu as Colônias aproximando-se a distância e evacuaram as pessoas para dentro da Muralha. Embora os dirigíveis das Colônias tenham retornado para a sua terra, a fim de reabastecer, eles deixaram um monte de jatos nos campos, e as áreas que eles estão ocupando bem iluminadas com holofotes. Estou meio chocado pela repulsa ante o pensamento das Colônias nos ganhando. Um ano atrás, eu torceria a todo pulmão para este exato cenário. Mas agora eu só ouço o slogan das Colônias mais e mais na minha cabeça. Um estado livre é um estado corporativo. Os anúncios que me lembro de suas cidades me fazem tremer. É difícil decidir o que eu prefiro, realmente: ver o meu irmão crescer sob as leis das Colônias, ou ver como o levam de volta para experimentos pela República? “Sim, eles estarão à procura”, eu concordo. Então eu me afasto da borda da Muralha e começo a fazer meu caminho até o muro. Ao longo da borda externa da Muralha, jatos da República estão estacionados, posicionados e prontos. “Mas nós não somos soldados da República. Se eles podem nos atingir com um ataque de surpresa, então nós também podemos.” Pascao e eu estamos vestidos exatamente iguais, de preto da cabeça aos pés, com máscaras sobre nossos rostos. Se não fosse por uma pequena diferença de altura, eu não acho que alguém seria capaz de nos distinguir. “Vocês dois estão prontos?” Murmura Pascao em seu microfone para os nossos hackers. Então ele olha para mim e dá um sinal de polegar para cima. Se eles estão no lugar, então isso significa que Tess está no lugar também. Fique segura. Nós fazemos o nosso caminho para o chão e, em seguida, deixamos


vários soldados da República nos guiar em torno de uma pequena passagem subterrânea, discreta. Isso leva para fora da Muralha e em território perigoso. Os soldados acenam com um silencioso “boa sorte” para nós antes de se retirarem para dentro. Espero como o inferno que tudo isso funcione. Olho para o campo onde os jatos das Colônias estão estacionados. Quando eu completei quinze, eu tinha colocado fogo em uma série de dez caças F–472 da República novíssimos estacionados na base da força aérea de Burbank em Los Angeles. Foi o primeiro golpe que me levou ao topo da lista dos mais procurados, e um dos crimes que June realmente me fez confessar quando eu estive preso. Primeiro eu roubei galões de nitroglicerina azul altamente inflamáveis a partir da base da força aérea, em seguida, despejei o líquido nos tanques dos jatos e ao longo da cauda. No instante que deram ignição nos motores, suas caudas explodiram em chamas. A memória volta para mim com força. O design dos jatos das Colônias parece diferente, com suas estranhas asas para a frente, mas ao final do dia, eles ainda são apenas máquinas. E desta vez, eu não estou trabalhando sozinho. Eu tenho o apoio da República. E o mais importante, eu tenho os seus explosivos. “Pronto para fazer a sua jogada?” Eu sussurro para Pascao. “Tem suas bombas?” “Você acha que eu esqueceria de trazer bombas? Você deveria me conhecer melhor do que isso.” A voz de Pascao se torna provocativa. “Day — não o arruíne dessa vez. Entende, menino bonito? Se de repente você achar que quer ir, é melhor você me dizer primeiro. Então, pelo menos eu vou ter tempo para golpeá-lo na cara.” Eu sorrio um pouco com suas palavras. “Sim, senhor.” Nossas roupas nos misturam com as sombras. Nós rastejamos para a frente, sem um som, até que estejamos a uma curta distância de onde as armas da Muralha poderiam nós proteger. Agora estamos a distância e o campo de pouso improvisado das Colônias aparece dentro do alcance. Seus soldados estão em guarda ao longo dos limites do campo. Não muito longe dali estão algumas fileiras de tanques. As aeronaves podem não estar aqui mas, com certeza, são máquinas de guerra suficientes para iniciar outra batalha.


Pascao e eu agachamos atrás de uma pilha de escombros perto do campo de pouso. Tudo o que posso ver nesta luz é sua silhueta. Ele acena com a cabeça uma vez antes de sussurrar algo em seu microfone. Esperamos por alguns tensos segundos. Em seguida, os JumboTrons que se alinham nas bordas exteriores da Muralha se iluminam em uníssono. Exibindo nas telas uma bandeira da República, e pelos altofalantes ao longo da cidade, a proclamação ressoa cruzando a noite. A coisa toda parece exatamente com um típico filme de propaganda da República — os JumboTrons começam a exibir vídeos genéricos de soldados Patriotas e civis, vitórias de guerra e ruas prósperas. Na pista de pouso a atenção dos soldados se desloca para os JumboTrons. No início, eles olham alertas e cuidadosos, mas quando o filme continua por alguns segundos a mais, os soldados das Colônias relaxam. Boa. Eles pensam que estão apenas transmitindo um vídeo motivador da República. Nada estranho o suficiente para colocar as Colônias em estado de alerta, mas algo divertido o suficiente para manter o seu interesse. Eu escolho uma área onde os soldados estão todos observando os JumboTrons, em seguida, aceno para Pascao. Ele faz um gesto para mim. Minha vez de sair. Aperto os meus olhos para ver onde posso passar para o campo de pouso. Há quatro soldados das Colônias aqui, todos eles voltados para a transmissão; um soldado vestido como piloto é o mais distante e está de costas para mim, e daqui parece que ele está tirando sarro da transmissão com um amigo dele. Eu espero até que todos os guardas estejam olhando para longe de onde estou. Então eu corro ao longo da borda sem fazer barulho e me escondo atrás da roda de pouso traseira do jato mais próximo. Eu me dobro em uma bola, deixando minha roupa preta misturarme com as sombras. Um dos guardas olha casualmente sobre o ombro na direção do jato. Quando ele não vê nada de interessante, no entanto, ele retorna a inspecionar a Muralha. Eu espero por mais alguns segundos. Então ajusto minha mochila e subo no bocal de exaustão do jato. Meu coração bate com antecipação no déjà-vu que isso me dá. Eu não perco tempo — puxo um pequeno cubo de metal da minha mochila e o fixo com firmeza dentro do bocal. Seu visor


emite um brilho vermelho muito fraco, tão fraco que apenas eu posso vê-lo. Eu tenho certeza que está seguro, e, em seguida, me desloco para a extremo do bocal. Não teremos muito mais tempo antes que os guardas percam o interesse em nossa pequena propaganda de distração. Quando o terreno está livre, eu saio para fora do bocal. Minhas botas acolchoadas na terra não fazem ruido. Eu me arrasto de volta para as sombras projetadas pelo trem de pouso do jato, presto atenção nos guardas, e passo para a próxima linha de jatos. Pascao deve estar fazendo exatamente o mesmo trabalho do outro lado do campo. Se isso tudo der certo como planejado, então um explosivo por linha deve fazer muitos danos. Até o momento que faço meu caminho para a terceira fila de jatos e termino meu trabalho lá, eu estou molhado de suor. Ao longe, a propaganda dos JumboTrons continua funcionando, mas posso dizer que alguns dos guardas já perderam o interesse. Hora de sair daqui. Eu me abaixo silenciosamente em direção ao chão de novo, balanço lá nas sombras, e em seguida, escolho o momento certo para cair e correr em direção à escuridão. Só que não era realmente o momento certo. Uma das minhas mãos desliza na borda de metal do bocal de exaustão e corta a palma da mão aberta. Meu corpo enfraquecido não pousa perfeitamente e solto um grunhido de dor e me movo muito lentamente nas sombras do trem de pouso. Um guarda me vê. Antes que eu possa deter ele, seus olhos se arregalam e ele levanta a arma para mim. Ele nem sequer tem a chance de gritar quando uma faca brilhante vem voando para fora da escuridão e se afunda no pescoço do soldado. Eu observo por um instante, horrorizado. Pascao. Eu sei que é ele, salvando a minha bunda enquanto chama a atenção. Já há um par de gritos surgindo no outro lado do campo de pouso. Ele está puxando o foco para longe de mim. Aproveito a oportunidade, correndo para a relativa segurança fora do campo de pouso. Clico em meu microfone e chamo Pascao. “Você está seguro?” Eu sussurro urgente. “Tão salvo quanto você, menino bonito”, ele sussurra de volta, com sons de respiração pesada e passos no meu fone de ouvido. “Acabou de sair do alcance do campo de pouso. Dê o ok a Frankie — eu tenho que tirar dois fora da minha cola.” Ele desliga.


Entro em contato com Frankie. “Estamos prontos”, digo a ela. “Deixeos ir.” “Entendido”, Frankie responde. Os JumboTrons param de repente sua transmissão e desligam — no escuro o som ressoante através da cidade cessa, mergulhando todos em um silêncio assustador. Os soldados das Colônias que provavelmente estavam perseguindo Pascao agora olham para as JumboTrons em confusão, acompanhado dos outros. Uns poucos segundos de silêncio a mais passam. Em seguida, uma brilhante explosão ofuscante rasga o centro do campo de pouso. Eu me equilibro. Quando olho para trás na primeira linha de soldados na rua, vejo-os caídos e lentamente se recuperando do transe. Faíscas de eletricidade enchem o ar, pulando freneticamente de um lado a outro entre os jatos. Soldados mais distante da rua apontam suas armas para cima para os edifícios, disparando aleatoriamente, mas os que estão ao longo da linha de frente descobrem que as armas não funcionam mais. Eu mantenho a corrida de volta para a Muralha. Outra explosão sacode a mesma área e uma enorme névoa dourada engole tudo à vista. Gritos de pânico aumentam nas tropas das Colônias. Eles não podem ver o que está acontecendo, mas eu sei que agora mesmo cada bomba que temos plantado está destruindo as linhas de jatos, enquanto são paralisados e desativos temporariamente os ímãs em suas armas. Alguns deles disparam com suas armas aleatoriamente na escuridão, como se soldados da República estivessem à espreita. Eu acho que eles não estão totalmente errados. Logo em seguida, os jatos da República ao longo da Muralha decolam em direção ao céu. Seus rugidos me ensurdecem. Eu clico meu microfone de volta para Frankie. “Como as evacuações estão indo?” “Tão bem quanto possível”, ela responde. “Provavelmente mais duas levas de pessoas foram. Pronto para seu grande momento?” “Vá em frente”, eu sussurro de volta. Os JumboTrons acendem a vida. Desta vez, porém, eles estão mostrando meu rosto pintado em todas as suas telas. Um vídeo prégravado que fizemos. Eu sorrio amplamente para as Colônias, mesmo que eles lutem pelos jatos que ainda têm, e, neste instante, eu sinto como se


estivesse olhando para o rosto de um estranho, um cara que é estranho e assustador por trás de sua ampla faixa preta. Por um momento, eu nem me lembro de gravar este vídeo em primeiro lugar. O pensamento me faz lutar em pânico pela memória, até que eu finalmente recordo e dou um suspiro de alívio. “Meu nome é Day”, diz minha imagem do vídeo no JumboTrom, “e eu estou lutando com as pessoas da República. Se eu fosse você, eu teria um pouco mais de cuidado.” Frankie corta meu vídeo novamente. Sobre nossas cabeças, jatos da República gritam pelo céu — eu vejo bolas de fogo laranja iluminar o campo de pouso. Com o nosso truque, metade de seus jatos se foram, e com vantagem da surpresa, os soldados das Colônias tocam em retirada. Aposto que as chamadas de volta para os seus comandantes estão rápidas e furiosas agora. Frankie volta a linha. Ela parece feliz. “As tropas da República se inteiraram do nosso sucesso”, diz ela. No fundo — para meu alívio — eu ouço um clique na linha do Pascao. “Bom trabalho, Corredores. Gioro e Baxter já estão a caminho.” Ela parece distraída. “Estamos voltando agora. Me dê alguns segundos, e nós estaremos-” Ela corta. Eu pisco, surpreso. “Frankie?” Eu digo, me reconectando a ela. Nada. Tudo o que eu ouço é estática. “Para onde ela foi?” Pascao diz através do ruído. “Será que ela ficou offline para você também?” “Sim.” Eu me apresso a diante, tentando não pensar no pior. A segurança da Muralha não está muito longe, eu posso distinguir a pequena entrada lateral pela qual deveríamos voltar — e aqui, no meio de todo o caos, eu vejo vários soldados da República correndo através da poeira para enfrentar quaisquer tropas das Colônias que poderiam ter nos seguido. A poucos metros da porta agora. Uma bala passa por mim, rente ao meu ouvido. Então eu ouço um grito que faz o meu sangue gelar. Quando eu giro ao redor, vejo Tess e Frankie correndo atrás de mim. Elas estão se inclinando uma sobre a outra. Atrás delas deve ter cinco ou seis soldados das Colônias. Eu congelo, em seguida, mudo rapidamente o curso. Eu arranco uma faca do meu cinto e jogo contra os soldados tão duro quanto eu posso. Ela pega num deles no lado ele cai de joelhos. Os outros me notam. Tess e Frankie mal retornam até a porta. Corro em direção a elas. Atrás de


mim, os soldados içam suas armas. Assim quando Tess empurra Frankie através da entrada, um soldado sai das sombras perto da porta. O reconheço instantaneamente. É Thomas, uma arma pendurada em uma das mãos. Seus olhos estão fixos em Tess e eu, e sua expressão é escura, mortal, e furiosa. Por um instante, o mundo parece em silêncio. Eu olho para a sua arma. Ele a ergue. Não. Instintivamente, eu me movo em direção a Tess, protegendo-a com o meu corpo. Ele vai nos matar. Mas, no momento que este pensamento corre por minha mente, Thomas vira as costas para nós, de frente para os soldados das Colônias que se aproximam. Sua mão treme de raiva e aperta na arma. Choque pulsa através de mim, mas não há tempo para pensar sobre isso agora. “Vá” , incito Tess. Tropeçamos pela porta lateral. Nesse mesmo momento, Thomas levanta a arma, ele dispara um tiro, depois outro, depois outro. Ele solta um grito de gelar o sangue a cada bala arremessada em direção às tropas inimigas. Leva-me um segundo para saber o que ele está gritando. “Viva o Eleitor! Viva a República!” Ele dispara seis tiros antes que os soldados das Colônias retornem o fogo. Eu abraço Tess no meu peito, em seguida, cubro os seus olhos. Ela solta um grito de protesto. “Não olhe,” eu sussurro em seu ouvido. Naquele exato momento, vejo a cabeça de Thomas cair violentamente para trás e todo o seu corpo ficar mole. Uma imagem da minha mãe pisca diante dos meus olhos. Um tiro na cabeça. Ele levou um tiro na cabeça. A morte por fuzilamento. A explosão faz com que Tess salte — ela solta um soluço estrangulado por trás de minhas mãos protetoras. A porta balança fechando. Pascao nos cumprimenta no instante que estamos em segurança. Ele está coberto de poeira da cabeça aos pés, mas ele ainda tem um meio sorriso no rosto. “A leva de evacuação final está esperando por nós”, diz ele, balançando a cabeça para dois jipes estacionados prontos para nos levar de


volta para o bunker. Soldados da República já caminham para nós, mas antes de qualquer um de nós possa se sentir aliviado, percebo que Frankie desabou no chão e Tess está pairando sobre ela. O meio sorriso de Pascao desaparece. Enquanto soldados selam a entrada lateral, nos reunimos em torno de Frankie. Tess pega um kit de suprimentos. Frankie começa a convulsionar. Seu casaco abre completamente, revelando uma camisa encharcada de sangue por baixo. Seus olhos estão arregalados em estado de choque, e ela está lutando para respirar. “Ela foi baleada quando estávamos fugindo”, diz Tess enquanto ela rasga a camisa de Frankie. Ela tem gotas de suor ao longo de sua testa. “Três ou quatro vezes.” Suas mãos trêmulas voam através do corpo de Frankie, dispersando o pó e pressionando pomada nas feridas. Quando ela termina, puxa um chumaço grosso de bandagens. “Ela não vai conseguir”, murmura Pascao a Tess enquanto ela o empurra fora do caminho e aperta firmemente as feridas sangrentas de Frankie. “Nós temos que nós mover. Agora.” Tess enxuga a testa. “Só me dê um minuto”, ela insiste com os dentes cerrados. “Nós temos que controlar o sangramento.” Pascao começa a protestar, mas eu o silencio com um olhar perigoso. “Deixe-a fazê-lo.” Então eu ajoelho ao lado de Tess, meus olhos impotentes atraídos pela figura lamentável de Frankie. Eu posso dizer que ela não vai conseguir. “Eu vou fazer o que você diz,” murmuro para Tess. “Deixe me ajudar.” “Mantenha a pressão sobre suas feridas”, Tess responde, acenando com a mão para as bandagens que já estão mais vermelhas do que brancas. Ela corre para fazer um cataplasma. As pálpebras de Frankie vibram. Ela engasga um grito estrangulado, então consegue olhar para nós. “Vocês… tem que… ir. As Colônias… eles estão… vindo” Demora um minuto inteiro para ela morrer. Tess continua aplicando medicamentos por mais algum tempo, até que eu finalmente coloco uma mão sobre a dela para impedi-la. Eu olho para Pascao. Um dos soldados da República se aproxima de nos de novo e faz uma careta severa. “Este é o seu último aviso”, diz ele, gesticulando para as portas abertas de dois jipes. “Estamos indo.”


“Vá”, eu digo a Pascao. “Vamos levar o jipe bem atrás de você.” Pascao hesita por um segundo, golpeado com a visão de Frankie, mas então pula de pé e desaparece no primeiro jipe. Se vai, deixando uma nuvem de poeira em seu rastro. “Vamos lá,” Peço a Tess, que fica debruçada sobre o corpo sem vida de Frankie. No outro lado da Muralha, há sons da raivosa batalha. “Nós temos que ir.” Tess se livra do meu agarre e lança forte seu rolo de ataduras na parede. Em seguida, ela gira para olhar para o rosto pálido de Frankie. Eu me levanto, forçando Tess para fazer o mesmo. Minha mão ensanguentada deixa impressões em seu braço. Soldados nos agarram e nos conduzem em direção ao jipe restante. Quando nós finalmente estamos em nosso caminho, Tess vira os olhos para os meus. Eles estão cheios de lágrimas, a visão de sua angústia parte meu coração. Nós nos afastamos da Muralha enquanto soldados carregam Frankie em um caminhão. Então nós viramos uma esquina em velocidade na direção do bunker. No momento em que chegamos, o jipe de Pascao já descarregou e já foram para o trem. Os soldados estão tensos. A medida que passamos a cerca de arame na entrada do refúgio, outra explosão da Muralha envia tremores através do solo. Como se estivesse em um sonho, temos pressa descendo a escada de metal e pelos corredores inundados com luzes vermelhas tênues, o som de bater das botas ecoam devidamente a partir do exterior. Mais e mais para baixo nós vamos, até que finalmente alcançamos o bunker e fazemos o nosso caminho para o trem que espera.

Soldados nos puxam a bordo. A medida que o metrô ganha vida e nos afastamos do bunker, uma série de explosões reverberam através do espaço, quase nos atirando fora de nossos pés. Tess se agarra a mim. Quando eu a seguro perto, o túnel atrás de nós desaba, encerrando-nos na escuridão. Nós aceleramos. Ecos de explosões reverberam pela terra. Minha dor de cabeça se inflama. Pascao tenta dizer algo para mim, mas eu não posso mais ouvi-lo. Eu não consigo ouvir nada. O mundo ao meu redor se torna cinza, e sinto-me


girando. Onde estamos novamente? Em algum lugar, Tess grita o meu nome — mas eu não sei o que ela diz depois disso, porque eu me perco em um oceano de dor e caio na escuridão.


12 2100 HORAS. SALA 3323, NÍVEL INFINITY HOTEL, ROSS CITY. TODOS NÓS NOS INSTALAMOS EM QUARTOS INDIVIDUAIS NO hotel. Ollie descansa ao pé da minha cama, nocauteado depois de um dia exaustivo. Eu não posso me imaginar dormindo, porém. Depois de um tempo, eu me levanto em silêncio, deixo três guloseimas para Ol ie perto da porta, e saio. Eu ando pelos corredores com meus óculos virtuais enfiados em meu bolso, aliviada em ver o mundo como ele realmente é mais uma vez sem o ataque de números e palavras flutuando. Eu não sei para onde estou indo, mas eventualmente eu acabo dois pisos acima e não muito longe do quarto de Anden. É mais silencioso aqui. Anden pode ser o único a ficar neste andar, acompanhado de uma alguns guardas. Enquanto vou, passo uma porta que leva a uma grande câmara que deve ser alguma sala central e pública nesse piso. Viro e olho dentro. O lugar parece caiado, provavelmente porque eu não tenho os meus óculos virtuais e não posso ver todas as simulações; a sala é dividida em uma série de cabines cilíndricas, em cada uma, um círculo de altas placas de vidro transparentes. Interessante. Eu tenho uma daquelas cabines cilíndricas em um canto do meu quarto no hotel, embora eu não tenha me incomodado a experimentar ainda. Eu olho ao redor da sala, em seguida, empurro cuidadosamente a porta. Ela desliza aberta sem um som. Entro e tão logo passo a porta, ela se fecha atrás de mim, a sala declara algo em Antártico que eu não consigo entender. Pego meus óculos virtuais do meu bolso e os coloco. Automaticamente, a sala se ilumina e a voz repete sua frase, desta vez em inglês. “Bem-vinda à sala de simulação, June Iparis.” Eu vejo minha pontuação virtual subir em dez pontos, me parabenizo por usar uma sala de simulação


pela primeira vez. Como eu suspeitava, a sala agora parece brilhante e cheia de cores, e as paredes de vidro das cabines cilíndricas têm todos os tipos de telas moveis. O seu acesso ao portal longe de casa! diz em um painel. Use em conjunto com o seu óculos virtual para uma experiência de total imersão. Por trás do texto tem um exuberante vídeo retratando o que parecem ser cenas bonitas de todo o mundo. Gostaria de saber se o seu portal é a maneira de se conectar à Internet. De repente, o meu interesse é despertado. Eu nunca naveguei na Internet fora da República, nunca vi o mundo como ele é, sem máscaras e filtros da República. Eu me aproximo de uma cabine cilíndrica de vidro e entro. O vidro ao meu redor se ilumina. “Olá, June”, diz. “O que eu posso encontrar para você?” O que devo procurar? Eu decido experimentar a primeira coisa que vem à minha cabeça. Respondo hesitante, me perguntando se vai ler a minha voz. “Daniel Altan Wing”, eu digo. Quanto mais o resto do mundo sabe sobre o Day? De repente, tudo ao meu redor desaparece. Em troca, estou de pé em um círculo branco com centenas — milhares — de flutuantes telas retangulares todas ao meu redor, cada uma coberta com imagens, vídeos e textos. No começo eu não sei o que fazer, então eu fico onde estou, olhando com espanto para as imagens todas em torno de mim. Cada tela tem informações diferentes do Day. Muitas delas são artigos de notícias. A mais próxima a mim está rodando um velho vídeo do Day em pé em cima do balcão Capitol Tower, chamando as pessoas para apoiar Anden. Quando eu olho para ela tempo suficiente (três segundos), uma voz começa a falar. “Neste vídeo, Daniel Altan Wing — também conhecido como Day — dá seu apoio ao novo Eleitor da República e impede uma revolta nacional. Fonte: Arquivos públicos da República da América. Ver o artigo inteiro?” Meus olhos piscam para outra tela, e a voz da primeira tela desaparece. Esta segunda tela vem a vida quando eu olho, rodando um vídeo de uma entrevista com uma garota que eu não conheço, com pele morena clara e olhos castanhos claros. Ela ostenta uma mecha escarlate em seu cabelo. Ela diz: “Eu vivo em Nairóbi nos últimos cinco anos, mas nunca tinha ouvido falar dele até os vídeos de seus ataques contra o R-zero-A começarem a aparecer on-line. Agora eu pertenço a um clube…” O vídeo faz uma pausa lá, e a mesma voz suave de mais cedo diz: “Fonte: Kenya


Broadcasting Corporation. Ver todo vídeo?” Dou um passo cuidadoso para a frente. Cada vez que eu passo, as telas retangulares reorganizam em torno de mim para mostrar o próximo círculo de imagens para que eu examine. Imagens do Day aparecem a partir de quando ele e eu ainda trabalhávamos para os Patriotas, vejo uma imagem borrada do Day olhando por cima do ombro, com um sorriso em seus lábios. Isso me faz corar, então eu rapidamente desvio o olhar. Eu olho através de mais duas rodadas delas, então decido mudar minha busca. Desta vez eu procuro algo que eu sempre fui curiosa. “Estados Unidos da América”, eu digo. As telas com vídeos e imagens do Day desaparecem, deixando-me estranhamente desapontada. Um novo conjunto de telas giram em torno de mim, e quase posso sentir uma leve brisa, que move o lugar. A primeira coisa que aparece é uma imagem que eu reconheço de imediato, a bandeira completa que os Patriotas tanto usam e baseia seu símbolo. A narração diz: “A bandeira do antigo Estados Unidos da América. Fonte: Wikiversity, a Academia Livre. História dos Estados Unidos de Um-zero-dois, Grau Onze. Ver artigo completo? Para versão textual, dizer ‘texto’.” “Ver o artigo completo”, digo. A tela amplia em minha direção, me envolvendo com seu conteúdo. Eu pisco, momentaneamente sacudida pela avalanche de imagens. Quando abro meus olhos novamente, eu quase tropeço. Eu estou pairando no céu sobre uma paisagem que parece ao mesmo tempo familiar e estranha. O contorno parece ser alguma versão da América do Norte, exceto que não há lago que se estende de Los Angeles a São Francisco, e o território das Colônias parece muito maior do que eu me lembro. Nuvens flutuam abaixo do meu pés. Quando dou um passo hesitante a baixo, cubro parte das nuvens e posso realmente sentir o ar fresco assobiando sob os meus sapatos. A narração começa. “Os Estados Unidos da América — também conhecida como USA, e Estados Unidos, US, América e os Estados — era um país de destaque na América do Norte, composto de cinquenta estados mantidos juntos como uma república constitucional federal. Ele primeiro declarou a independência da Inglaterra em 4 de julho de 1776, e tornou-se reconhecido em 3 de setembro de 1783. Os Estados Unidos foi dividido oficialmente em dois países, em 1 de outubro de 2054, tornou-se


oficialmente a oeste a República da América e a leste as Colônias da América em 14 de março, 2055.” Aqui a narração pausa, então muda. “Ir para um subtópico? Subtópicos populares: os Três Anos de Inundação, a Inundação de 2046, a República da América, as Colônias da América.” Uma série de marcadores azuis brilhantes aparecem ao longo dos litorais leste e oeste da América do Norte. Eu fico olhando para eles por um momento, meu coração batendo forte, antes de eu chegar e tentar tocar um marcador perto do litoral sul das Colônias. Para minha surpresa, eu posso sentir a textura da paisagem sob o meu dedo. “As Colônias da América”, digo. O mundo corre por mim com uma velocidade alucinante. Agora estou de pé sobre o que se parece como terra firme, ao meu redor tem milhares de pessoas amontoadas em abrigos improvisados em uma inundada paisagem urbana, enquanto centenas estão lançando ataques contra soldados vestidos com uniformes que não reconheço. Atrás dos soldados há caixas e sacos do que parecem ser rações. “Ao contrário da República da América,” a narração começa, “onde o governo faz cumprir as regras através de lei marcial, a fim de acabar com o fluxo de refugiados em suas fronteiras, as Colônias da América formada em 14 de março de 2055 depois de corporações assumirem o controle do governo federal (o antigo Estados Unidos, consulte o índice mais elevado), após o fracasso do último governo para lidar com a dívida acumulada desde a inundação de 2046.” Eu dou alguns passos para a frente, é como se eu estivesse aqui no meio da cena, estando apenas algumas dezenas de metros de onde as pessoas estão em tumulto. O ambiente parece um pouco trêmulo e pixelado, como se processado a partir de vídeos pessoais de alguém. “Nesta gravação civil, a cidade de Atlanta encena um motim de quinze dias contra a Agência Federal de Gestão de Emergências dos Estados Unidos. Motins semelhantes apareceram em todas as cidades do leste ao longo de três meses, após as cidades declaram lealdade à corporação militar DesCon, que possuía fundos que o governo estabelecido não tinha.” A cena borra e limpa, colocando-me no centro de um campus enorme cheio de edifícios, cada um exibindo um símbolo que eu reconheço como o logotipo DesCon. “Junto com doze outras empresas, DesCon contribuiu com seus fundos para ajudar os civis. No início de 2058, o governo dos Estados


Unidos deixou de existir completamente no leste e foi substituído pelas Colônias da América, formada por uma coalizão das treze maiores corporações do país e amparada por seus lucros conjuntos. Depois de uma série de fusões, as Colônias da América agora é composta por quatro empresas dominantes: DesCon, Cloud, Meditech e Evergreen. Ir para uma empresa específica?” Eu fico em silêncio, observando imersa o resto do vídeo que desenrola até que finalmente faz uma pausa no último quadro, uma imagem perturbadora de um civil desesperado protegendo o rosto da arma empunhada por um soldado. Depois removo meus óculos virtuais, esfrego os olhos e saio do cilindro de vidro agora branco e estéril. Meus passos ecoam na câmara vazia. Sinto-me tonta e dormente da súbita falta de imagens em movimento. Como pode dois países com filosofias radicalmente diferentes se reunirem? Que esperança nós eventualmente podemos ter de transformar a República e as Colônias no que eram uma vez? Ou talvez eles não são tão drasticamente diferentes como eu acho que eles são. Não são as corporações das Colônias e o governo da República realmente a mesma coisa? O poder absoluto é o poder absoluto, não importa do que é chamado. Não é? Eu saio da câmara, perdida em meus pensamentos, quando eu viro a esquina para ir para o meu quarto, eu quase esbarro direitamente em Anden. “June?”, ele exclama quando me vê. Seu cabelo ondulado está ligeiramente despenteado, como se tivesse passado suas mãos por ele, e sua camisa de gola está amassada, as mangas arregaçadas até os cotovelos e os botões perto do seu pescoço desfeitos. Ele consegue se recompor o suficiente para me oferecer um sorriso e uma reverência. “O que você está fazendo aqui?” “Só explorando.” Devolvo o sorriso. Estou cansada demais para mencionar todas as minhas pesquisas online. “Eu não tenho certeza o que eu estou fazendo aqui, para ser honesta.” Anden ri baixinho. “Eu também não. Eu estive vagando pelos corredores por mais de uma hora.” Fazemos uma pausa momentânea. Então ele se vira para trás na direção de sua suíte e me dá um olhar interrogativo. “Os Antárticos não vão nos ajudar, mas eles têm sido gentis em me enviar uma garrafa de seu melhor vinho para o meu quarto.


Gostaria de um gole? Eu poderia aproveitar alguma companhia — e alguns conselhos.” Conselhos de sua mais humilde Princesa Eleita? Eu caio em sintonia com ele, muito consciente da proximidade entre nós. “Muito educado da parte deles”, eu respondo. “Extremamente educado”, ele murmura tão baixinho que eu mal posso ouvi-lo. “Na próxima, eles vão nos fazer um desfile.” A suíte de Anden é mais agradável, é claro, do que a minha — pelo menos os Antárticos fizeram essa cortesia. A janela de vidro curvo corre ao longo de metade da parede, dando-nos uma vista deslumbrante da cidade de Ross envolta em milhares de luzes cintilantes. Os Antárticos devem simular este anoitecer também, tendo em conta que é suposto ser verão aqui — mas a simulação parece impecável. Eu penso novamente na cúpula que parece uma película que passamos enquanto descíamos para a cidade. Talvez atue como uma tela gigante também. Faixas dançam silenciosamente através do céu em folhas de cor deslumbrante, turquesa, magenta e dourado, todas elas girando juntas e desaparecendo e reaparecendo em um cenário de estrelas. Me deixa sem ar. Deve imitar a aurora austral. Eu tinha lido sobre essas luzes do sul durante as nossas semanas de aulas, embora eu não esperava — que parecessem tão belas, simulação ou não. “Bela vista”, eu digo. Anden sorri ironicamente, uma pequena faísca de diversão brilhando através de seu estado de espírito de outro modo cansado. “As vantagens inúteis de ser Eleitor da República”, ele responde. “Eu tenho certeza de que podemos ver através deste vidro, mas que ninguém de fora pode nos ver. Então, novamente, talvez eles estejam apenas brincando comigo.” Nós nos acomodamos em cadeiras macias, perto da janela. Anden derrama vinho em duas taças. “Um dos guardas acusados confessou sobre a Comandante Jameson”, diz ele, quando entrega um copo para mim. “Soldados da República descontentes com as minhas regras, pagos pelas Colônias. As Colônias estão aproveitando o conhecimento da Comandante Jameson nos nossos militares. Ela pode até ainda estar dentro das nossas fronteiras.” Eu saboreio meu vinho entorpecida. Então, era tudo verdade. Eu desesperadamente queria poder voltar no tempo para quando visitei


Thomas em sua cela, que eu poderia ter notado a troca incomum de turno. E ela ainda pode estar dentro de nossas fronteiras. Onde está Thomas? “Tenha certeza,” Anden diz quando vê minha expressão, “que estamos fazendo tudo o que pudermos para encontrá-la.” Tudo o que pudermos pode não ser o suficiente. Não com a nossa atenção e os soldados tão espalhados, tentando lutar uma guerra em tantos lados. “O que vamos fazer agora?” “Voltamos à República amanhã de manhã”, ele responde. “Isso é o que vamos fazer. E vamos expulsar as Colônias sem a ajuda dos Antárticos.” “Você realmente vai dar um pouco da nossa terra para eles?” Pergunto após uma pausa. Anden roda o vinho no copo antes de tomar um gole. “Eu não os recusei ainda”, diz ele. Eu posso ouvir o desgosto consigo em sua voz. Seu pai deve ter visto tal movimento como a maior traição de seu país. “Sinto muito”, eu digo baixinho, sem saber como consolá-lo. “Eu sinto muito também. A boa notícia é que eu recebi a notícia de que Day e seu irmão foram evacuados com sucesso para Los Angeles.” Ele exala um longo suspiro. “Eu não quero forçá-lo a qualquer coisa, mas eu poderia ficar sem opções. Ele está mantendo sua palavra, você sabe. Ele concordou em nós ajudar de qualquer maneira que podia, menos desistir de seu irmão. Ele está tentando ajudar, na esperança de que vai me fazer sentir culpa de pedir Eden. Eu gostaria que nós trouxesse. Eu gostaria que ele pudesse ver a situação pelo meu ponto de vista.” Ele olha para baixo. Meu coração se aperta de novo com o pensamento do Day sendo morto em ação, e se alivia com a notícia dele ter sobrevivido incólume. “E se nós convencermos os Antárticos a tomar Day para tratamento? Pode ser a única chance dele sobreviver a doença, e que poderia, pelo menos, fazê-lo considerar o risco de deixar Eden sofrer testes.” Anden balança a cabeça. “Não temos nada para negociar. A Antártida ofereceu toda a ajuda que estão dispostos a dar. Eles não vão se aborrecer com a tomada em um dos nossos pacientes.” No fundo, eu sei isso também. No final é apenas uma ideia desesperada minha. Entendo, assim como ele, que Day nunca entregaria seu irmão em


troca de salvar a sua própria vida. Meus olhos se voltam novamente a exibição de luz exterior. “Eu não o culpo, nem um pouco”, diz Anden depois de uma pausa. “Eu deveria ter parado as armas biológicas no instante em que me nomearam Eleitor. No mesmo dia que meu pai morreu. Se eu fosse inteligente, isso é o que eu teria feito. Mas é tarde demais para me debruçar sobre isso agora. Day tem todo o direito de recusar.” Sinto uma onda de simpatia por ele. Se ele forçadamente levar Eden em custódia, Day, sem dúvida, chamaria o povo a levantar-se em revolta. Se ele respeita a decisão do Day, ele corre o risco de não encontrar uma cura a tempo permitindo que as Colônias assumam a nossa capital — e nosso país. Se ele entrega um pedaço de nossa terra para a Antártida, as pessoas podem vê-lo como um traidor. E se os nossos portos estão fechados, não receberemos quaisquer importações ou suprimentos em tudo. E, no entanto, eu não posso culpar Day também. Eu tento me colocar no lugar dele. A República tenta me matar quando eu sou uma criança de dez anos de idade; eles experimentam em mim antes de eu fugir. Eu vivo os próximos anos nas favelas mais duras de Los Angeles. Eu assisto a República envenenar minha família, matar minha mãe e meu irmão mais velho e cegar meu irmão mais novo com as suas pragas de engenharia. Por causa de experimentos da República, estou lentamente morrendo. E agora, depois de todas as mentiras e crueldades, a República se aproxima de mim, implorando por minha ajuda. Implorando para mim, que lhes permitam experimentar mais uma vez no meu irmão mais novo, experiências que não podem garantir sua segurança absoluta. O que eu diria? Eu provavelmente recusaria, assim como ele fez. É verdade que a minha própria família sofreu destinos horríveis nas mãos da República… mas o Day foi na linha de frente, vendo tudo se desenrolar a partir do momento que ele era pequeno. É um milagre que Day tenha dado seu apoio à Anden em primeiro lugar. Anden e eu saboreamos o vinho por mais quatro minutos, observando as luzes da cidade em silêncio. “Eu invejo Day, você sabe”, diz ele, com a voz tão suave como nunca. “Eu tenho ciúmes que ele pode fazer decisões com o coração. Cada escolha que ele faz é honesta, e as pessoas o amam por isso. Ele pode se dar ao luxo de usar o coração.” Seu rosto escurece. “Mas o mundo do lado de fora da


República é muito mais complicado. Simplesmente não há espaço para a emoção, não é? Todas as relações de nossos países são detidos junto a uma teia frágil de linhas diplomáticas, e esses tópicos são o que nos impedem de ajudar um ao outro.” Algo se quebra em sua voz. “Não há espaço para a emoção no palco político”, eu respondo, colocando a minha taça de vinho para baixo. Eu não tenho certeza se estou ajudando, mas as palavras saem de qualquer maneira. Eu nem sequer sei se eu acredito nelas. “Quando falha a emoção, a lógica vai te salvar. Você pode invejar Day, mas você nunca vai ser ele e ele nunca será você. Ele não é o Eleitor da República. Ele é um garoto protegendo o seu irmão. Você é um político. Você tem que tomar decisões que quebram seu coração, isso dói e desaponta, e ninguém vai entender. É o seu dever.” Mesmo quando eu digo isso, porém, sinto a dúvida na parte de trás da minha mente, as sementes que Day plantou. Sem emoção, qual é o ponto de ser humano? Os olhos de Anden estão pesados com tristeza. Ele se curva, e por um momento eu posso vê-lo como ele realmente é, um jovem Príncipe sozinho contra uma maré de oposição, tentado levar a carga de seu país sobre os ombros, com um Senado cooperando apenas por medo. “Eu sinto falta do meu pai às vezes”, diz ele. “Eu sei que não deveria admitir isso, mas é verdade. Eu sei que o resto do mundo vê ele como um monstro.” Ele coloca a taça de vinho sobre a mesa do lado, então enterra a cabeça entre as mãos e esfrega o rosto uma vez. Meu coração dói por ele. Pelo menos eu posso lamentar meu irmão sem medo do ódio dos outros. Como deve ser saber que o pai que você amou uma vez foi o responsável por tais atos de maldade? “Não se sinta culpado por sua dor”, eu digo baixinho. “Apesar de tudo, ele era seu pai.” Seu olhar vem descansar em mim, e como se puxado por uma mão invisível, ele se inclina para a frente. Ele oscila ali, pairando perigosamente entre o desejo e a razão. Ele está tão perto agora, perto o suficiente que se eu fosse para frente um pouco, nossos lábios poderiam se escovar um contra o outro. Eu sinto sua respiração fraca contra minha pele, o calor da sua proximidade, a mansidão tranquila de seu amor. Neste momento, sinto-


me atraída por ele. “June…”, Ele sussurra. Seus olhos dançam pelo meu rosto. Em seguida, ele toca o meu queixo com uma mão, me persuade a frente, e me beija. Eu fecho meus olhos. Eu deveria impedi-lo, mas eu não quero. Há algo eletrizante sobre a paixão nua no jovem Eleitor da República, a maneira como ele se inclina para mim, seu desejo exposto mesmo sob sua polidez infalível. Como ele abre seu coração para ninguém além de mim. Como, apesar de tudo trabalhando contra ele, ele ainda tem a força para sair todos os dias com a cabeça erguida e as costas eretas. Como um soldado, por causa de seu país. Como todos nós. Deixei-me sucumbir. Ele se afasta dos meus lábios para beijar minha bochecha. Em seguida, a linha suave de minha mandíbula, bem debaixo da minha orelha. Então, meu pescoço, apenas o murmúrio suave de um toque. Um arrepio me percorre. Eu posso senti-lo se segurando, e eu sei que o que ele realmente quer fazer é atar os dedos pelo meu cabelo e afogar-se em mim. Mas ele não o faz. Ele sabe, tanto quanto eu, que isso não é real. Eu tenho que parar. E com um esforço de dor, eu me afasto. Eu me esforço para recuperar o fôlego. “Eu sinto muito,” eu sussurro. “Eu não posso.” Anden olha para baixo, envergonhado. Mas não surpreso. Suas bochechas têm um leve rosa na penumbra da sala, e ele passa a mão pelo cabelo. “Eu não deveria ter feito isso”, ele murmura. Caímos em um silêncio desconfortável por alguns segundos, até Anden suspirar e se inclinar todo o caminho de volta. Eu me curvo um pouco, tanto desapontada quanto aliviada. “Eu… sei que você se importa profundamente com o Day. Eu sei que não posso esperar competir com isso.” Ele faz uma careta. “Isso foi inadequado de minha parte. As minhas desculpas, June.” Eu tenho um desejo fugaz de beijá-lo novamente, para lhe dizer que eu me importo, e para apagar a dor e vergonha em seu rosto que puxa meu coração. Mas eu também sei que eu não o amo, e eu não posso levá-lo assim. Eu conheço a verdadeira razão pela qual fomos tão longe, é que eu não podia suportar afastá-lo em seu momento mais sombrio. Que eu queria, no fundo… é que ele fosse outra pessoa. A verdade me enche de culpa. “Eu deveria ir”, eu digo tristemente.


Anden se move para mais longe mim. Ele parece mais sozinho do que nunca. Ainda assim, ele recompõe-se e inclina a cabeça respeitosamente. Seu momento de fraqueza passou, e sua polidez habitual, assume. Como sempre, ele esconde bem a sua dor. Então ele se levanta e estende a mão para mim. “Eu vou levá-la de volta para seu quarto. Descanse um pouco — sairemos cedo manhã.” Eu levanto também, mas eu não tomo sua mão. “Está tudo bem. Eu posso encontrar meu caminho de volta.” Eu evito o encontro com o seu olhos. Eu não quero ver como tudo que eu digo só o machuca mais. Então eu me volto para a porta e o deixo para trás. Ol ie me cumprimenta com um rabo abanando quando eu volto para o meu quarto. Após uma sessão de afagos, decido experimentar o portal Internet no meu quarto, enquanto ele se enrola nas proximidades e cai imediatamente no sono. Eu faço uma pesquisa sobre Anden, bem como sobre o seu pai. O portal do meu quarto é uma versão simplificada dos portais que utilizei anteriormente, sem texturas e sons interativos anexados, mas ainda é muito além de qualquer coisa que eu já vi na República. Eu seleciono silenciosamente através dos resultados da busca. A maioria é fotos e vídeos de propaganda que eu reconheço — Anden tem seu retrato quando menino, o ex-Eleitor em pé na frente de Anden em eventos da imprensa oficial e reuniões. Mesmo a comunidade internacional parece ter pouca informação sobre a relação entre pai e filho. Mas quanto mais fundo eu cavo, mais eu tropeço em momentos de algo surpreendentemente genuíno. Eu vejo um vídeo de Anden com uns quatro anos de idade, segurando sua saudação com um rosto jovem solene enquanto seu pai mostra-lhe pacientemente como. Eu encontro uma foto do falecido Eleitor segurando um choroso e assustado Anden em seus braços e sussurrando algo em seu ouvido, alheio à multidão que os rodeia. Eu vejo um clipe dele furiosamente empurrando a imprensa internacional para longe de seu pequeno filho, dele apertando a mão de Anden com tanta força que suas mãos juntas estão brancas. Eu tropeço em uma rara entrevista entre ele e um repórter da África, que lhe pergunta o que é mais importante na República. “Meu filho,” o Eleitor responde sem hesitação. Sua expressão nunca abranda, mas as nuances de sua voz mudam ligeiramente. “Meu filho sempre será tudo para mim, porque um dia ele será tudo para a República.”


Ele faz uma pausa por um segundo para sorrir para o repórter. Dentro desse sorriso, eu acho que vejo vislumbres de um homem diferente, que uma vez existiu. “Meu filho… lembra a mim.” * Nós tínhamos inicialmente previsto retornar à capital na manhã seguinte, mas a notícia chega justo quando estamos embarcando em nosso jato em Ross City. Ela vem mais cedo do que pensávamos que seria. Denver caiu ante as Colônias.


13 “DAY. ESTAMOS AQUI.” Abro os olhos grogue ao som suave da voz de Tess. Ela sorri para mim. Há uma pressão na minha cabeça, e quando eu chego a tocar no meu cabelo, eu percebo que as ataduras estão enroladas em torno da minha testa. Meu corte na mão também está agora coberto de linho branco limpo. Isso me dá mais um segundo para perceber que eu estou sentado em uma cadeira de rodas. “Oh, vamos lá,” Eu digo imediatamente. “Uma cadeira de rodas?” Minha cabeça parece nebulosa e leve, a sensação familiar de sair de uma dose de analgésicos. “Onde estamos? O que aconteceu comigo?” “Você provavelmente precisará parar em um hospital, quando sairmos do trem. Eles acham que toda a comoção provocou uma resposta ruim em você.” Tess caminha ao meu lado, enquanto algum soldado me empurra para baixo ao longo do vagão do trem. Mais à frente, vejo Pascao e outros Patriotas descerem do trem. “Estamos em Los Angeles. Estamos de volta para casa.” “Onde estão Eden e Lucy?” Eu pergunto. “Você sabe?” “Eles já se estabeleceram em seu apartamento temporário no setor Ruby,” Tess responde. Ela fica quieta por um segundo. “Suponho que o setor joia seja a sua casa agora.” Casa. Eu me calo enquanto saio do trem para a plataforma com os outros soldados. Los Angeles parece tão quente como nunca, um dia obscuro típico do final do outono, e a luz amarelada me faz olhar de soslaio. A cadeira de rodas é tão estranha e irritante. Eu tenho uma vontade súbita de me levantar e chutá-la para os trilhos. Eu sou um corredor, não deveria estar preso nesta coisa. Outra resposta ruim, desta vez desencadeado pela


comoção? Eu cerro os dentes para o quão fraco eu me tornei. Último prognóstico do médico me assombra. Um mês, talvez dois. A frequência de fortes dores de cabeça tem definitivamente aumentado. Os soldados me ajudam a entrar em um jipe. Antes de sair, Tess chega através da minha janela aberta do carro e me dá um abraço. O calor repentino dela me assusta. Tudo que posso fazer é abraçá-la de volta, saboreando o momento breve. Nós olhamos um para o outro até que o jipe finalmente se afasta da estação e a figura de Tess desaparece em torno de uma curva. Mesmo assim, eu continuo virando no meu lugar para ver se consigo encontrá-la. Nós paramos em um cruzamento. Enquanto esperamos para um grupo de pessoas evacuadas atravessarem na frente do nosso jipe, eu estudo as ruas do centro de Los Angeles. Algumas coisas parecem inalteradas: Linhas de soldados latindo ordens para refugiados indisciplinados; outros civis ficam à margem e protestam contra o afluxo de novas pessoas; os JumboTrons continuam piscando mensagens de incentivo das chamadas vitórias da República na frente de guerra, lembrando as pessoas: Não deixe que as Colônias conquistem a sua casa! Apoie a causa! Minha conversa com Eden se reproduz em minha mente. Eu pisco, então olho mais de perto as ruas. Desta vez, as cenas que eu achava que eram conhecidas tomaram um novo contexto. As linhas de soldados latindo ordens estão realmente distribuindo rações para os novos refugiados. Os civis que protestavam contra as novas pessoas estão realmente sendo permitidas protestarem contra — soldados olham, mas suas armas permanecem escondidas em seus cintos. E as propagandas dos JumboTrons, uma vez que as imagens que pareciam tão ameaçadoras para mim, agora parecem mensagens de otimismo, uma transmissão de esperança em tempos sombrios, uma tentativa desesperada de manter o espírito das pessoas para cima. Não muito longe de onde o nosso jipe parou, eu vejo uma multidão de crianças desalojadas em torno de um jovem soldado. Ele ajoelhou-se ao nível dos seus olhos, e em suas mãos está uma espécie de brinquedo fantoche que ele está usando agora animadamente para contar às crianças uma história. Eu rolo minha janela para baixo. Sua voz é clara e otimista. De vez em quando, as crianças riem, seus medos e confusão momentaneamente mantidos à distância. Perto dali, os pais olham


com rostos ambos exaustos e agradecidos. As pessoas da República… estão trabalhando em conjunto. Eu franzo a testa com o pensamento estranho. Não há dúvida de que a República tem feito algumas coisas horríveis para todos nós, que ainda pode estar fazendo essas coisas. Mas… talvez eu também tenha visto as coisas que eu queria ver. Talvez agora que o velho Eleitor desapareceu, os soldados da República já começaram a lançar suas máscaras também. Talvez eles realmente estão seguindo o exemplo de Anden. O jipe leva-me primeiro para ver o apartamento onde está Eden. Ele sai correndo para me cumprimentar quando paramos em frente, toda a tristeza da nossa briga anterior se foi. “Eles disseram que você causou um monte de problemas lá fora”, diz ele, enquanto ele e Lucy se juntam a mim no jipe. Um olhar de desaprovação se arrasta em seu rosto. “Nunca mais me assuste assim de novo.” Dou-lhe um sorriso irônico e despenteio o cabelo dele. “Agora você sabe como eu me sinto sobre a sua decisão.” No momento em que parei fora do Hospital Central de Los Angeles, o rumor da nossa chegada já tinha se espalhado como fogo e uma enorme multidão estava esperando meu jipe. Eles estavam gritando, chorando, cantando, e levou duas patrulhas de soldados para formar o suficiente de uma passarela para que eles nos introduzisse no interior do hospital. Olho entorpecido para as pessoas enquanto eu passo. Muitos deles têm uma faixa escarlate em seus cabelos, enquanto outros sustentam placas. Eles gritam a mesma coisa.

NOS SALVE. Eu desvio o olhar nervosamente. Eles todos viram e ouviram sobre o que eu fiz com os Patriotas, em Denver. Mas eu não sou um supersoldado, sou um menino morrendo que está prestes a ser preso, indefeso, no hospital, enquanto um inimigo assume nosso país. Eden se inclina sobre o guidão da minha cadeira de rodas. Mesmo que ele não diga uma palavra, eu dou uma olhada em seu rosto solene e sei exatamente o que está passando através de sua mente. O pensamento envia terror escorrendo pela minha espinha. Eu posso salvá-los, o pensamento do meu irmãozinho. Deixe-me salvá-


los. Uma vez que estamos dentro do hospital e os soldados barram as portas, eles me levam até o terceiro andar. Ali, Eden espera fora enquanto os médicos amarram um monte de nós e fios de metal em mim. Eles executam uma varredura cerebral. Por fim, me deixam descansar. Por tudo isso, minha cabeça lateja continuamente, às vezes tanto que eu sinto que estou em movimento, mesmo que eu esteja deitado em uma cama. Enfermeiras entram e me dão algum tipo de injeção. Um par de horas mais tarde, quando eu estou forte o suficiente para me sentar, um par de médicos vêm me ver. “O que é isso?” Pergunto para que possam falar. “Eu só tenho três dias? Qual é o problema?” “Não se preocupe”, disse um deles, o mais jovem e mais inexperiente. “Você ainda tem um par de meses. O seu prognóstico não mudou.” “Oh”, eu respondo. Bem, isso é um alívio. O médico mais velho coça desconfortavelmente em sua barba. “Você ainda pode se movimentar e fazer atividades normais, o que quer que seja”, ele resmunga, “mas não se esforce. Quanto aos seus tratamentos…” Ele faz uma pausa aqui, então me olha por cima de seus óculos. “Nós vamos tentar algumas drogas mais radicais”, o médico continua com uma expressão estranha. “Mas deixe-me ser claro, Day, o nosso maior inimigo é o tempo. Estamos lutando duro para preparar uma cirurgia muito arriscada, mas o tempo das suas necessidades de medicação pode ser mais longo do que o tempo que lhe resta. Há muita coisa que podemos fazer.” “O que podemos fazer?” Eu pergunto. O médico acena para o saco de fluido pingando pendurado ao meu lado. “Se você fizer isso com o curso completo, você pode estar pronto para a cirurgia alguns meses a partir de agora.” Eu abaixo a minha cabeça. Eu tenho alguns meses? Eles não tem certeza sobre a interrupção. “Então,” eu murmuro, “Eu poderia estar morto no momento em que a cirurgia chegar. Ou talvez não haveria uma República.” Meu último comentário drena o sangue do rosto do médico. Ele não responde, mas ele não precisa. Não admira que os outros médicos


tinham me avisado para arrumar minhas coisas em ordem. Mesmo na melhor das circunstâncias, eu poderia não sobreviver a tempo. Mas eu posso realmente viver o suficiente para ver a queda da República. O pensamento me faz tremer. A única maneira que a Antártida ajudará é se a prova de uma cura contra esta praga, dar lhes uma razão para chamar as suas tropas para impedir a invasão das Colônias. E a única maneira de fazer isso é deixar Eden se entregar à República. * O medicamento me bate, e é um dia inteiro antes de recuperar a consciência. Quando os médicos não estão lá, eu testo minhas pernas tomando caminhadas curtas ao redor do meu quarto. Eu me sinto forte o suficiente para ir sem uma cadeira de rodas. Ainda assim, eu tropeço quando tento andar de um lado do quarto para o outro. Nada. Eu suspiro de frustração, em seguida, me puxo de volta para a cama. Meus olhos mudam para uma tela na parede, onde imagens de Denver estão sendo jogadas. Posso dizer que a República é cuidadosa sobre o quanto eles mostram. Eu tinha visto em primeira mão como ela estava quando as tropas das Colônias começaram a chegar, mas na tela há apenas tiros distantes da cidade. O espectador pode apenas ver a fumaça subindo de vários edifícios e a linha sinistra de aeronaves da Colônia pairando perto da borda da Muralha. Em seguida, ele corta para imagens de jatos da República alinhados no aeródromo, se preparando para se lançarem a batalha. Pela primeira vez, estou feliz que a propaganda está no lugar. Simplesmente não há ponto de assustar o inferno fora de todo o país. Poderia muito bem mostrar a luta da República de volta. Eu não posso parar de pensar sobre o rosto sem vida de Frankie. Ou a forma como a cabeça de Thomas caiu quando os soldados das Colônias atiraram nele. Estremeço, pois repete em minha mente. Eu espero em silêncio por mais meia hora, observando enquanto as imagens da tela mudam da batalha de Denver para manchetes sobre como eu tinha ajudado a abrandar as tropas invasoras das Colônias. Mais pessoas estão nas ruas agora, com suas listras vermelhas e placas feitas à mão. Eles realmente acham que eu estou fazendo a diferença. Eu esfrego a mão no meu rosto. Eles não entendem que eu sou apenas um garoto – eu nunca quis me envolver tão profundamente em nada disso. Sem os Patriotas, June, ou


Anden, eu não poderia ter feito nada. Eu sou inútil no meu próprio país. Estática de repente bate fora do meu fone de ouvido; uma chamada recebida. Eu pulo. Em seguida, uma voz masculina desconhecida no meu ouvido: “Sr. Wing”, diz o homem. “Eu presumo que é você?”. Eu franzo a testa. “Quem é?” “Sr. Wing”, o homem diz, acrescentando um toque de emoção rachada que envia um arrepio na espinha. “Aqui é o Chanceler das Colônias. Prazer em conhecê-lo.” O Chanceler? Eu engulo em seco. Sim, certo. “Isso é algum tipo de piada?” Eu estalo no microfone. “Algum hacker—” “Oh, vamos. Isso não seria uma piada muito engraçada, agora não é?” Eu não sabia que as Colônias poderiam acessar nossas linhas de fone de ouvido e fazer chamadas como esta. Eu franzo a testa, em seguida, abaixo a minha voz. “Como você entrou?” São as Colônias vencedoras em Denver? Será que a cidade já caiu, logo depois que terminamos de evacuá-la? “Eu tenho os meus meios”, o homem responde, com a voz totalmente calma. “Parece que alguns do seu povo desertaram para o nosso lado. Eu não posso dizer que os culpo.” Alguém na República deve ter passado informação para as Colônias, permitindo que eles utilizassem as nossas linhas de dados como esta. De repente, meus pensamentos correm de volta para o trabalho que eu tinha feito com os Patriotas, onde os soldados das Colônias tinham disparado na cabeça de Thomas, as imagens enviam um tremor violento através de mim, e eu me forço a afastá-las.

Comandante Jameson. “Espero que eu não esteja incomodando você”, o Chanceler diz antes que eu possa responder, “dada a sua condição e tal. E eu tenho certeza que você deve estar se sentindo um pouco cansado depois de sua pequena aventura em Denver. Estou impressionado, devo dizer.” Eu não respondo a isso. Eu me pergunto o que mais ele sabe – se ele sabe em qual hospital atualmente estou deitado… ou pior, onde o nosso


novo apartamento é, onde está Eden. “O que você quer?” Eu finalmente sussurro. Eu posso praticamente ouvir o sorriso do Chanceler sobre o meu fone de ouvido. “Eu odiaria desperdiçar seu tempo, então vamos chegar ao miolo desta conversa. Eu percebo que o atual Eleitor da República é este sujeito, o jovem Anden Stavropoulos.” Seu tom é condescendente. “Mas vamos, você e eu sabemos quem realmente manda em seu país. E esse é você. As pessoas te amam, Day. Quando minhas primeiras tropas entraram em Denver, você sabe o que eles me disseram? ‘Os civis têm cartazes de Day colados nas paredes. Eles querem vê-lo de volta nas telas.’ Eles têm sido muito teimosos para cooperar com os meus homens, e é um processo surpreendentemente cansativo conseguir que o façam.” Minha raiva lentamente queima. “Deixe os civis fora disso”, eu digo através de uma mandíbula apertada. “Eles não pediram para você invadir suas casas.” “Mas você esquece”, diz o Chanceler em uma voz persuasiva. “Sua República fez exatamente a mesma coisa para eles por décadas — não fizeram para sua própria família? Estamos invadindo a República por causa do que eles nos fizeram. Este vírus que eles enviaram através da fronteira. Exatamente onde está sua lealdade, e por quê? E você percebe, meu filho, quão incrível é a sua posição na sua idade, como você tem o seu dedo no pulso da nação? Quanta energia você mantêm-” “Qual é o seu ponto, Chanceler?” “Eu sei que você está morrendo. Eu também sei que você tem um irmão mais novo que você gostaria de ver crescer.” “Você traz Eden para isso de novo, e essa conversa acaba.” “Muito bem. Somente tenha paciência comigo. Nas Colônias, Meditech Corp lida com todos os nossos hospitais e tratamentos, e posso garantir-lhe que fariam um trabalho muito mais fino lidando com seu caso do que qualquer coisa que a República pode oferecer. Então aqui está o negócio. Você pode lentamente esculpir tudo o que resta de sua vida, permanecendo fiel a um país que não é leal a você, ou você pode fazer algo por nós. Você pode pedir publicamente as pessoas da República para aceitar as Colônias, e ajudar este país em queda sob o domínio de algo melhor. Você pode começar o tratamento em um local de qualidade. Isso não seria legal?


Certamente você merece mais do que o que você está recebendo.” Uma risada desdenhosa força o seu caminho para fora de mim. “Sim, certo. Você espera que eu acredite nisso?” “Bem, agora”, diz o Chanceler, tentando soar divertido, mas desta vez eu detecto escuridão em suas palavras. “Eu posso ver que este é um argumento perdedor. Se você optar por lutar pela República, vou respeitar essa decisão. Só espero que o melhor aconteça para você e seu irmão, mesmo depois de estabelecer o nosso lugar firmemente na República. Mas eu sou um homem de negócios, Day, e eu gosto de trabalhar com um plano B em mente. Então, deixe-me perguntar-lhe isto no lugar.” Ele faz uma pausa por um segundo. “A Princesa Eleita June Iparis. Você a ama?” Uma garra gelada agarra meu peito. “Por quê?” “Bem”. O Chanceler permite transformar sua voz sombria. “Você tem que ver essa situação do meu ponto de vista”, diz ele suavemente. “As Colônias vão ganhar, inevitavelmente, a este ritmo. Srta. Iparis é uma das pessoas sentadas no coração do governo perdedor. Agora, meu filho, eu quero que você pense sobre isso. O que você acha que acontece com o governo regente no lado perdedor de uma guerra?” Minhas mãos tremem. Este é um pensamento que flutuava nas trevas da minha mente, algo que eu me recusava a pensar. Até agora. “Você está a ameaçando?” Eu sussurro. O Chanceler repreende em desaprovação ao meu tom. “Eu só estou sendo razoável. O que você acha que vai acontecer com ela, uma vez que declararmos vitória? Você realmente acha que vamos deixar viver uma menina que está a caminho de se tornar a líder do Senado da República? Isto é como todas as nações civilizadas trabalham, Day, e tem sido assim há séculos. Por milênios. Afinal de contas, eu tenho certeza que o seu Eleitor executou aqueles que estavam contra ele. Não foi?” Eu fico em silêncio. “Srta. Iparis, junto com o Eleitor e seu Senado, serão julgados e executados. Isso é o que acontece a um governo perdedor em uma guerra, Day”. Sua voz fica séria. “Se você não cooperar conosco, então você pode ter que viver com o seu sangue em suas mãos. Mas se você cooperar, eu poderia encontrar uma maneira de perdoá-los de seus crimes de guerra. E mais”, acrescenta ele, “você pode ter todos os confortos de uma vida de qualidade. Você não vai precisar se preocupar com a segurança de sua família nunca


mais. Você não terá que se preocupar com as pessoas da República também. Eles não sabem de nada; o povo comum nunca sabe o que é bom para eles. Mas você e eu não, não é? Você sabe que está melhor sem as regras da República. Às vezes, eles simplesmente não entendem as suas escolhas, eles precisam de suas decisões tomadas por eles. Afinal, você escolheu manipular as pessoas para si mesmo quando você queria que eles aceitassem seu novo Eleitor. Estou correto?” Julgada e executada. June teria ido. Temer a possibilidade é uma coisa; ouvi-la soletrada para mim, em seguida, usá-la para me chantagear é outra. Minha mente gira freneticamente para encontrar maneiras que eles poderiam fugir em vez disso, para encontrar asilo em outro país. Talvez a Antártida pode manter June e os outros protegidos no caso das Colônias invadir o país. Deve haver uma maneira. Mas… o que acontece com o resto de nós? O que impede as Colônias de prejudicarem o meu irmão? “Como eu sei que você vai manter sua palavra?” Eu finalmente consegui resmungar. “Para mostrar a minha verdadeira natureza, dou-lhe minha palavra de que as Colônias cessaram os seus ataques a partir desta manhã, e eu não vou retomá-los por três dias. Se você concordar com a minha proposta, que garantiria a segurança das pessoas da República… e de seus entes queridos. Então, deixo a escolha ser sua.” O Chanceler ri um pouco. “E eu recomendo que você mantenha a nossa conversa para si mesmo.” “Eu vou pensar sobre isso”, eu sussurro. “Maravilhoso.” A voz do Chanceler ilumina. “Como eu disse, o mais breve possível. Depois de três dias, eu vou esperar ouvir de volta um anúncio público para a República. Isto pode ser o início de uma relação muito frutífera. O tempo é a essência, eu sei que você entende disso mais do que ninguém.” Em seguida, a chamada termina. O silêncio é ensurdecedor. Me sento diante do peso da nossa conversa por um tempo, assimilando. Pensamentos correm interminavelmente pela minha mente… Eden, June, a República, o Eleitor. Seu sangue em suas mãos. A frustração e o medo borbulham dentro do meu peito ameaçando me afogar em sua maré. O


Chanceler é inteligente, eu vou dar-lhe isso – ele sabe exatamente quais são os meus pontos fracos e ele vai tentar usá-los a seu favor. Mas dois podem jogar este jogo. Tenho de avisar June, e eu vou ter que fazê-lo em silêncio. Se as Colônias descobrirem que eu passei a palavra em vez de manter a minha boca fechada e fazer como diz o Chanceler, então quem sabe que truques eles podem tentar puxar. Mas talvez a gente possa usar isso a nosso favor. Minha mente gira. Talvez possamos enganar o Chanceler em seu próprio jogo. De repente, um grito ecoa a partir do corredor do lado de fora que levanta cada fio de cabelo na minha pele. Viro a cabeça na direção do som. Alguém está vindo pelo corredor contra a sua vontade, quem quer que seja deve estar fazendo uma luta muito boa. “Eu não estou infectada,” protesta a voz. Ela cresce mais alta até chegar do lado de fora da minha porta, em seguida, desaparece como o som das rodas das macas que passam no corredor. Eu reconheço a voz imediatamente. “Faça os testes novamente. Não é nada. Eu não estou infectada.” Mesmo que eu não saiba exatamente o que está acontecendo, tenho instantaneamente certeza de uma coisa: a doença se espalhando através das Colônias tem uma nova vítima.

Tess.


14 PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DA REPÚBLICA, não há capital para pousar. Nós pousamos em um aeródromo localizado no extremo sul da Universidade Drake as 1600 horas, nem a um quarto de milha de distância de onde eu costumava assistir a todas as minhas aulas de História da República. A tarde está desconcertantemente ensolarada. Foi realmente há menos de um ano desde que tudo aconteceu? À medida que saio do avião e espero que a nossa bagagem seja descarregada, eu olho ao redor em um estado de estupor maçante. O campus, tanto nostálgico e estranho para mim, está mais vazio do que eu me lembro — muitos dos estudantes do último ano, eu ouvi, foram empurrados para a graduação mais cedo, a fim de enviá-los para a frente de guerra para lutar pela sobrevivência da República. Eu ando em silêncio pelas ruas do campus alguns passos atrás de Anden, enquanto Mariana e Serge, como parte de sua natureza de Senadores, mantêm um fluxo constante de conversas com seu Eleitor de uma forma tranquila. Ollie fica perto do meu lado, os pelos da nuca levantados. O pátio principal da Drake, normalmente cheio de alunos passando, é agora o lar de uns poucos refugiados trazidos de Denver e algumas cidades vizinhas. Uma estranha vista inquietante. No momento em que chegamos a uma série de jipes esperando por nós e começamos a viajar através do setor Batal a, percebo as várias coisas em toda LA que foram alteradas. Centros de evacuação surgiram onde o setor Batalla se une com Blueridge, onde os edifícios militares dão lugar a arranha-céus de civis, e muitos dos edifícios mais antigos, meio abandonados ao longo destes setores pobres foram apressadamente convertidos em centros de evacuação. Grandes multidões de refugiados de Denver lotam as entradas, tudo na esperança de ter a sorte de conseguir um quarto. Um olhar me diz que, naturalmente, as pessoas esperando aqui são, provavelmente, todos a partir de setores pobres de Denver. “Onde estão colocando as famílias de classe alta?” Pergunto a Anden.


“Em um setor joia, eu acredito?” Acho que é difícil dizer algo assim agora, sem uma ponta afiada na minha voz. Anden parece infeliz, mas ele calmamente responde: “Em Ruby. Vocês todos, Mariana e Serge terão apartamentos lá.” Ele lê a minha expressão. “Eu sei o que você está pensando. Mas eu não posso dar ao luxo de ter nossas famílias ricas se revoltando contra mim por forçá-los em centros de evacuação nos setores pobres. Eu tinha definido um número de espaços em Ruby a ser alocados para os pobres — eles foram atribuídos a eles em um sistema de sorteio.” Eu não respondo, simplesmente porque eu não tenho nada para argumentar contra. O que há para fazer em relação a esta situação? Não é como se Anden pudesse arrancar a infraestrutura de todo o país no espaço de um ano. Quando eu olho pela janela, um grupo crescente de manifestantes se reúne ao longo da borda de uma zona vigiada de refugiados. MOVA-OS PARA A PERIFÊRIA! Um dos cartazes diz. MANTÊNHA-OS EM QUARENTENA! A visão envia um arrepio na espinha. Não parece tão diferente do que tinha acontecido nos primeiros anos da República, quando o oeste protestou pelas pessoas que fugiam do leste. Conduzimos em silêncio por um tempo. Então, de repente, Anden pressiona a mão contra sua orelha e gesticula para o motorista. “Ligue a tela”, diz ele, apontando para o pequeno monitor embutido nos assentos do jipe. “General Marshall diz que as Colônias estão transmitindo algo pelo nosso décimo segundo canal.” Todos nós vemos quando o monitor vem à vida. No começo a gente só vê uma tela em preta e branco, mas, em seguida, a transmissão vem, e eu olho enquanto o slogan e o selo das Colônias aparecem sobre uma bandeira oscilante. AS COLÔNIAS DA AMÉRICA CLOUD. MEDITECH. DESCON. EVERGREEN UM ESTADO LIVRE É UM ESTADO CORPORATIVO Em seguida, uma paisagem noturna de uma cidade bonita e brilhante aparece, completamente coberta de milhares de luzes azuis cintilantes. “Cidadãos da República”, diz uma voz grandiosa. “Bem-vindos as Colônias da América. Como muitos de vocês já sabem, as Colônias têm superado a


capital da República de Denver e, como tal, declarado uma vitória não oficial sobre o regime tirânico que tem mantido todos sob seu polegar. Depois de mais de uma centena de anos de sofrimento, agora você está livre.” O cenário muda para um mapa de cima para baixo, tanto da República e das Colônias, com exceção desta vez, a linha que divide as duas nações se foi. Um arrepio percorre minha espinha. “Nas próximas semanas, você vai ser integrado em nosso sistema de concorrência leal e de liberdade. Você é um cidadão das Colônias. O que significa isso, você pode se perguntar?” A narração faz uma pausa, e as imagens mudam para uma família feliz segurando um cheque na frente deles. “Como um novo cidadão, cada um terá direito a pelo menos cinco mil Notas das Colônias, o equivalente a sessenta mil Notas da República, concedidos por uma de nossas quatro principais corporações em que você decidir trabalhar. Quanto maior a sua renda atual, mais nós vamos pagá-lo. Você não vai mais responder a polícia de rua da República, e sim para as patrulhas da cidade DesCon, sua própria polícia de bairro privada dedicada para servir você. O seu empregador não será mais a República, mas uma de nossas quatro distintas corporações, onde você poderá aplicar uma carreira gratificante.” O vídeo muda novamente para cenas de trabalhadores felizes, orgulhosos, rostos sorridentes pairando sobre ternos e gravatas. “Nós oferecemos a vocês, cidadãos, a liberdade de escolha.” A liberdade de escolha. Flash de imagens na minha mente do que eu tinha visto nas Colônias quando Day e eu nos aventuramos a primeira vez em seu território. As multidões de trabalhadores, as favelas dos pobres em ruínas. Os anúncios impressos por toda as roupas das pessoas. Os comerciais que cobriam cada centímetro quadrado das construções. Acima de tudo, a polícia de DesCon, a maneira como eles se recusaram a ajudar a mulher que foi roubada e que não havia feito seus pagamentos a seu departamento. É este o futuro da República? E de repente eu me sinto enjoada, porque eu não posso dizer se as pessoas estariam melhores na República ou nas Colônias. A transmissão continua. “Nós só pedimos que você retorne um pequeno favor para nós.” Os vídeos mudam novamente, desta vez para uma cena de pessoas que protestavam em solidariedade. “Se você, como um civil, têm queixas contra a República, agora é o momento de expressá-las. Se você for corajoso o suficiente para realizar protestos em toda as suas


respectivas cidades, as Colônias pagarão a você um adicional de cinco mil Notas das Colônias, bem como conceder-lhe um desconto de um ano em todos os nossos produtos comestíveis Corp Cloud. Envie a sua prova de participação em qualquer sede DesCon em Denver, Colorado, com o seu nome e endereço para correspondência.” Então, isso explica os vários protestos aparecendo ao redor da cidade. Mesmo sua propaganda soa como um anúncio. Um perigosamente tentador. “Declarando vitória um pouco cedo demais”, eu digo baixinho. “Eles estão tentando voltar as pessoas contra nós”, murmura Anden em resposta. “Eles anunciaram um cessar-fogo, esta manhã, talvez como uma oportunidade para disseminar propagandas como estas.” “Eu duvido que isso será eficaz”, eu digo, embora eu não soe tão confiante como eu deveria. Todos esses anos de propagandas contra as Colônias vão fazer as coisas difíceis para eles. Não vão? O jipe de Anden finalmente desacelera a um impasse. Eu franzo a testa, confusa por um segundo. Em vez de levar-me de volta a um arranha-céu para o meu apartamento temporário, estamos agora estacionados em frente ao Hospital Central de Los Angeles. O lugar onde Metias morreu. Eu olho para Anden. “O que estamos fazendo aqui?” Eu pergunto. “Day está aqui”, Anden responde. Sua voz falha um pouco quando ele fala o nome de Day. “Por quê?” Anden não olha para mim. Ele parece relutante em discutir o assunto. “Ele teve um colapso durante a evacuação de Los Angeles”, explica ele. “A série de explosões que usamos para destruir os túneis subterrâneos, aparentemente desencadearam uma de suas dores de cabeça. Os médicos começaram uma nova rodada de tratamento com ele.” Anden faz uma pausa, em seguida, me dá um grave olhar. “Não há outra razão pela qual estamos aqui. Mas você vai ver por si mesma.” O jipe para. Eu saio, então aguardo Anden. Um sentimento de medo se arrasta lentamente através de mim. E se a doença de Day piorou? E se ele não sobreviver? É por isso que ele está aqui? Não há nenhuma razão para Day pisar no interior deste edifício de novo, a não ser que ele tenha sido forçado, não depois de tudo o que este hospital o fez passar.


Juntos, Anden e eu entramos no prédio com os soldados nos seguindo. Subimos até o quarto andar, onde um dos soldados libera a entrada, e, em seguida, caminhamos pelo chão do laboratório do Hospital Central. O sentimento tenso no estômago só aperta à medida que avançamos. Finalmente, paramos em frente a uma pequena série de salas que revestem o lado do piso principal do laboratório. Enquanto passamos por uma dessas portas, vejo Day. Ele está de pé, fora de uma sala com paredes de vidro, fumando um de seus cigarros azuis e olhando enquanto alguém dentro é inspecionado por técnicos de laboratório em trajes de corpo inteiro. O que me faz perder o fôlego, no entanto, é que ele está apoiando-se fortemente em um par de muletas. Há quanto tempo ele está aqui? Ele parece exausto, pálido e distante. Eu me pergunto que novas drogas que os médicos estão tentando nele. O pensamento é um lembrete súbito do esfaqueamento fugaz na vida em declínio de Day, os poucos segundos que lhe resta, lentamente passando. Ao lado dele estão alguns técnicos de laboratório com equipados macacões brancos e óculos pendurados no pescoço, cada um deles observando o quarto e escrevendo em seus cadernos. A uma curta distância, Pascao está em uma profunda conversa com outros Patriotas. Eles deixam Day sozinho. “Day?” Eu digo quando nos aproximamos. Ele olha para mim, uma dúzia de emoções cintilam através de seus olhos, algumas fazem minhas bochechas ruborizarem. Então ele percebe Anden. Ele consegue dar ao Eleitor um aceno rígido de sua cabeça, em seguida, volta-se para assistir ao paciente, do outro lado do vidro. Tess. “O que está acontecendo?” Pergunto à Day. Ele dá mais uma tragada em seu cigarro e baixa os olhos. “Eles não vão me deixar entrar. Eles acham que ela pode ter vindo com o que quer que seja esta nova peste”, diz ele. Sua voz é calma, mas eu posso ouvir uma corrente de frustração e raiva. “Eles já fizeram testes em mim e nos outros Patriotas. Tess é a única que não veio limpa.” Tess golpeia para longe uma das mãos dos técnicos de laboratório, então tropeça para trás como se ela estivesse tendo problemas para manter o equilíbrio. Suor se forma em sua testa e escorre pelo pescoço. O branco de seus olhos tem uma coloração amarela doentia neles, e quando eu olho de perto, eu posso dizer que ela


está apertando os olhos em um esforço para ver tudo ao seu redor, algo que me faz lembrar de sua miopia, o jeito como ela olhava nas ruas de Lake. Suas mãos estão tremendo. Eu engulo em seco com a visão. Os Patriotas não poderiam ter sido expostos por muito tempo aos soldados das Colônias, mas, aparentemente, foi o suficiente para que algum soldado carregando o vírus passasse para um deles. Também é uma possibilidade muito real de que as Colônias estão propositadamente espalhando a doença de volta para nós, agora que eles estão no nosso território. Minhas entranhas se tornam geladas quando eu me lembro de uma frase do antigo diário de Metias: Um dia nós vamos criar um vírus que ninguém será capaz de parar. E isso só pode provocar a queda de toda a República. Um dos técnicos de laboratório se vira para mim e oferece uma explicação rápida. “O vírus parece uma mutação de uma de nossas experiências passadas com a peste”, diz ela, disparando a Day um olhar nervoso (ele deve ter lhe dado um tempo difícil sobre isso antes) antes de continuar. “Até onde podemos dizer a partir das estatísticas que as Colônias lançaram, o vírus parece ter uma taxa de absorção baixa entre adultos saudáveis, mas quando infecta alguém, a doença progride rapidamente e a taxa de mortalidade é muito elevada. Estamos observando que o tempo entre infecção e morte leva cerca de uma semana.” Ela se vira momentaneamente para Tess, do outro lado do vidro. “Ela está mostrando alguns sintomas como febre, tontura, icterícia, e o sintoma que nos aponta para um de nossos próprios vírus fabricados, cegueira temporária ou, possivelmente, permanente.”. Ao meu lado, Day aperta suas muletas com tanta força que os nós dos seus dedos ficam brancos. Conhecendo-o, eu me pergunto se ele já teve várias brigas com os técnicos do laboratório, tentando forçar seu caminho para vê-la ou gritar com eles para deixá-la sozinha. Eu sei que ele deve estar imaginando Eden agora, com os olhos roxos, meio cego, e neste momento um ódio profundo com a antiga República enche meu peito. Meu pai tinha trabalhado atrás daquelas portas de laboratório experimentais. Ele havia tentado parar uma vez que ele descobriu o que eles estavam realmente fazendo com todas essas pragas locais de LA, e ele deu a sua vida como um resultado. É realmente esse o país que nós estamos protegendo agora? Pode a nossa reputação nunca mudar, aos olhos do


mundo ou das Colônias? “Ela tentou salvar Frankie,” sussurra Day, com os olhos ainda fixos em Tess. “Ela entrou na Muralha logo depois que fizemos. Eu pensei que Thomas iria matá-la.” Sua voz se torna amarga. “Mas talvez ela já estivesse marcada para morrer.” “Thomas?” Eu sussurro. “Thomas está morto”, ele murmura. “Quando Pascao e eu estávamos fugindo para a Muralha, eu o vi de pé enfrentando os soldados das Colônias sozinho. Ele continuou a disparar contra eles, até que um tiro o acertou na cabeça.” Ele recua nesta sentença final. Thomas está morto. Eu pisco duas vezes, de repente paralisada da cabeça aos pés. Eu não deveria estar chocada. Por que eu estou chocada? Eu estava preparada para isso. O soldado que havia esfaqueado o meu irmão através do coração, que tinha disparado na mãe de Day… ele se foi. E, claro, ele teria morrido desta forma, defendendo a República até o final, inabalável em sua lealdade insana para um estado que já tinha virado as costas para ele. Eu também entendo de imediato por que isso tem afetado tanto Day. Um tiro na cabeça. Eu me sinto vazia com a notícia. Exausta. Entorpecida. Meus ombros cedem. “É o melhor”, eu finalmente sussurro através do nó na minha garganta. Flashes de imagens na minha cabeça de Metias, e do que Thomas me contou sobre sua última noite vivo. Eu forço meus pensamentos de volta para Tess. Para os vivos, e naqueles que ainda importam. “Tess vai ficar bem”, eu digo. Minhas palavras soam convincentes. “Nós apenas temos que encontrar um caminho.” Os técnicos de laboratório dentro da sala de vidro enfiam uma agulha longa no braço direito de Tess, depois no esquerdo. Ela deixa escapar um soluço engasgado. Day arranca seus olhos longe da cena, ajusta o controle sobre suas muletas, e começa a fazer o seu caminho em direção a nós. Quando passa por mim, ele sussurra, “Essa noite”. Então, ele deixa o resto de nós para trás e se dirige para o final do corredor. Eu o vejo passar em silêncio. Anden suspira, olha triste para Tess, e


junta-se aos outros técnicos de laboratório. “Você tem certeza que Day está limpo?” Diz ele a quem havia compartilhado a informação do vírus com a gente. Ela confirma isso, e Anden acena para ela em aprovação. “Eu quero uma segunda verificação em todos os nossos soldados imediatamente.” Ele se vira para um dos outros Senadores. “Então eu quero que uma mensagem seja enviada de imediato para o Chanceler das Colônias, bem como o seu CEO da DesCon. Vamos ver se a diplomacia pode nos levar a algum lugar.” Finalmente, Anden me dá um longo olhar. “Eu sei que não tenho o direito de pedir isso de você”, diz ele. “Mas se você pudesse encontrá-lo em seu coração e pedir novamente a Day sobre seu irmão, eu ficaria muito grato. Nós ainda poderíamos ter uma chance com a Antártida.” 1930 HORAS SETOR RUBI 23º GRAUS O arranha-céu onde ficarei fica a poucos quarteirões de distância de onde Metias e eu costumávamos viver. A medida que o jipe onde estou se aproxima, eu olho para a rua e tento ter um vislumbre do meu antigo apartamento. Mesmo o Setor Ruby está agora bloqueado com segmentos de fita indicando quais áreas são para desabrigados, e os soldados enchem as ruas. Gostaria de saber onde Anden fica no meio de toda essa confusão; provavelmente em algum lugar no setor Batalha. Ele estará definitivamente acordado até tarde esta noite. Antes que eu fosse para o meu apartamento atribuído, ele tinha me levado a um lado na sala de laboratório. Seus olhos brilharam inconscientemente em meus lábios e, em seguida, ele os levantou novamente. Eu sabia que ele estava revivendo o breve momento que nós compartilhamos em Ross City, bem como as palavras que vieram depois disso. Eu sei que você se importa profundamente com Day. “June”, disse ele depois de uma pausa estranha. “Vamos nos encontrar com o Senado amanhã de manhã para discutir quais serão nossos próximos passos. Eu quero lhe dar o aviso que esta será uma conferência onde cada um dos Príncipes Eleitos vão entregar algumas palavras ao grupo. É uma oportunidade de experimentar o que cada um de vocês faria se você fosse o Príncipe Oficial, mas já aviso, as coisas podem ficar quentes.” Ele sorriu um pouco. “Esta guerra nos deixou na borda, para dizer no mínimo.” Eu queria dizer a ele que eu iria ficar de fora. Outra reunião com os Senadores, outras quatro horas de duração da sessão ouvindo quarenta cabeças falantes


todas lutando para superar um ao outro, tratando de influenciar Anden para estar ao seu lado ou constrangê-lo na frente dos outros. Sem dúvida, Mariana e Serge vão levar os argumentos para ver qual deles poderá ser o melhor candidato para Príncipe. A simples ideia drena toda a minha força restante. Mas, ao mesmo tempo, a ideia de deixar Anden arcar com o fardo sozinho em uma sala cheia de pessoas que são tão frias e distantes é muito difícil de suportar. Então eu sorrio e curvou-me para ele, como uma boa Princesa Eleita. “Eu estarei lá”, eu respondo. Agora, o jipe segue até meu complexo atribuído e para, eu empurro a memória para fora da minha mente. Eu saio do jipe com Ol ie, em seguida, vejo o Jeep ir até que ele vira uma esquina e desaparece completamente de vista. Me dirijo até o interior do arranha-céu. Inicialmente, eu pretendo passar no apartamento de Day logo depois de me estabelecer em meu próprio, para ver o que ele quis dizer com o seu comentário “esta noite”. Mas quando eu chego no meu apartamento, eu vejo que eu não preciso. Day está acampado do lado de fora da minha porta, sentado preguiçosamente contra a parede e distraidamente fumando um cigarro azul. Suas muletas estão largadas à toa ao lado dele. Mesmo que ele não esteja se movendo, um pequeno pedaço de sua forma selvagem, imprudente, desafiante, ainda brilha, e por um instante eu pisco de volta para quando eu o conheci nas ruas, com seus olhos azuis brilhantes, movimentos rápidos e o rebelde cabelo loiro. Essa imagem nostálgica é tão doce que de repente eu sinto meus olhos lacrimejando. Eu respiro fundo para não chorar. Ele se levanta quando me vê no final do corredor. “June”, diz ele enquanto eu me aproximo. Ol ie trota para cumprimentá-lo, e ele acaricia meu cachorro uma vez na cabeça. Ele ainda parece exausto, mas consegue me dar um vacilante e triste sorriso. Sem as muletas, ele oscila em seus pés. Seus olhos estão pesados com angústia, e eu sei que é por causa do que aconteceu mais cedo no laboratório. “A partir do olhar em seu rosto, eu estou supondo que a Antártida não foi de muita ajuda.” Eu balanço minha cabeça, em seguida, destranco a porta e o convido para dentro. “Na verdade não”, eu respondo enquanto fecho a porta atrás


de mim. Meus olhos instintivamente estudam o lugar, memorizando seu layout. Lembra a minha antiga casa um pouco demais para o conforto. “Eles contactaram as Nações Unidas sobre a peste. Eles vão lacrar todos os nossos portos para o tráfego. Sem importações ou exportações, sem ajuda, sem suprimentos. Estamos todos sob quarentena agora. Eles nos disseram que eles podem nos ajudar só depois de mostrar-lhes a prova de uma cura, ou se Anden lhes entregar um pedaço de terra da República como pagamento. Até então, eles não vão enviar qualquer tropa. Tudo o que sei agora é que eles estão monitorando nossa situação bem de perto.” Day não diz nada. Em vez disso, ele se afasta de mim e fica na varanda da sala. Ele se inclina contra a grade. Coloco um pouco de comida e água para Ollie, então junto-me a ele. O sol se pôs há um tempo atrás, mas com o brilho das luzes da cidade, podemos ver as nuvens baixas que bloqueiam as estrelas, cobrindo o céu em tons de cinza e preto. Percebo como pesadamente Day se apoia no corrimão para se sustentar, e eu estou tentada a perguntar-lhe como ele está se sentindo. Mas a expressão em seu rosto me para. Ele provavelmente não quer falar sobre isso. “Então”, diz ele depois de outra tragada no cigarro. As luzes do JumboTrons distantes pintam uma linha brilhante de azul e roxo em torno de seu rosto. Seus olhos deslizam através dos edifícios, e eu sei que ele instintivamente está analisando como ele correria através de cada um deles. “Acho que nós estamos por nossa conta agora. Não posso dizer que estou chateado com isso, no entanto. A República sempre esteve para fechar suas fronteiras, não foi? Talvez ela irá lutar melhor assim. Nada lhe motiva mais do que estar sozinho e encurralado nas ruas.” Quando ele levanta o cigarro aos lábios de novo, eu vejo sua mão trêmula. O anel de clipe de papel brilha em seu dedo. “Day”, eu digo suavemente. Ele apenas levanta uma sobrancelha e me olha de lado. “Você está tremendo.” Ele exala uma nuvem de fumaça azul, cerra os olhos para as luzes da cidade na escuridão, e em seguida abaixa os cílios. “É estranho estar de volta em Los Angeles”, ele responde, com a voz distraída e distante. “Eu estou bem. Apenas preocupado com Tess.” Uma longa pausa segue. Eu sei o nome — Eden — que paira nas pontas de ambas as nossas línguas, embora nenhum de nós quer levá-la pela primeira vez. Day finalmente termina o


nosso silêncio, e quando o faz, ele se aproxima do tema com lenta e penosa dor. “June, eu estive pensando sobre o que o seu Eleitor quer de mim. Sobre, você sabe… sobre o meu irmão.” Ele suspira, depois se inclina mais longe no corrimão e passa a mão pelo cabelo. Seu braço roça o meu, mesmo este pequeno gesto faz meu coração bater mais rápido. “Eu tive uma discussão com Eden sobre isso tudo.” “O que ele disse?” Eu pergunto. De alguma forma, eu me sinto culpada quando eu penso sobre o pedido de Anden para mim. Se você pode encontrá-lo em seu coração para pedir a Day novamente sobre seu irmão, eu ficaria muito grato. Day coloca o cigarro na grade de metal. Seus olhos encontram os meus. “Ele quer ajudar”, ele murmura. “Depois de ver Tess, hoje, e depois do que você me disse, também…” Ele aperta sua mandíbula. “Eu vou falar com Anden amanhã. Talvez haja alguma coisa no sangue de Eden que pode, você sabe… fazer a diferença em tudo isso. Talvez.” Ele ainda está relutante, é claro, e eu posso ouvir claramente a dor em sua voz. Mas ele também está concordando. Concordando em deixar a República usar seu irmão mais novo para encontrar uma cura. Um pequeno sorriso agridoce puxa os cantos da minha boca. Day, o herói do povo, aquele que não pode suportar ver aqueles ao redor dele sofrerem em seu nome, que de bom grado dá a vida por aqueles que ama. Só que não é a sua vida que precisamos para salvar Tess, mas a do seu irmão. Arriscando um ente querido por causa de outro ente querido. Gostaria de saber se qualquer outra coisa o fez mudar de ideia. “Obrigada, Day,” eu sussurro. “Eu sei como isso é difícil.” Ele faz uma careta e balança a cabeça. “Não, eu só estou sendo egoísta. Mas eu não posso fazer nada.” Ele olha para baixo, deixando à mostra suas fraquezas. “Só diga a Anden para trazê-lo de volta. Por favor, traga-o de volta.” Há outra coisa o incomodando, algo que está fazendo suas mãos tremerem incontrolavelmente. Eu me inclino para ele, em seguida, coloco uma de minhas mãos sobre a dele. Ele me olha nos olhos novamente. Há uma profunda tristeza e medo em seu rosto. Quebra meu coração. “O que mais está errado, Day?” Eu sussurro. “O que mais você sabe?” Desta vez, ele não desvia o olhar. Ele engole, e quando ele fala, há um ligeiro tremor em sua voz. “O Chanceler das Colônias me ligou enquanto eu


estava no hospital.” “O Chanceler?” Eu sussurro, cuidando de manter a voz baixa. Nunca se sabe. “Tem certeza?” Day acena uma vez. Então ele me diz tudo, a conversa que teve com o Chanceler, os subornos, chantagens e ameaças. Ele me diz o que as Colônias têm planejado para mim, que Day deveria recusar. Todos os meus medos nunca ditos. Finalmente, ele suspira. A liberação de toda essa informação parece aliviar o peso sobre seus ombros, mesmo que seja apenas um pouco. “Deve haver uma maneira que podemos usar isso contra as Colônias”, diz ele. “Alguma maneira de enganá-los com seu próprio jogo. Eu não sei o que ainda, mas se pudermos encontrar uma maneira de fazer o Chanceler pensar que eu vou ajudá-lo, então talvez possamos pegálo de surpresa.” Se as Colônias realmente ganharem, eles vão vir atrás de mim. Nós vamos ser mortos, todos nós. Eu tento soar tão calma como ele faz, mas eu não tenho sucesso. Um tremor ainda consegue rastejar em minha voz. “Ele vai esperar que você reaja emocionalmente a tudo isso”, eu respondo. “Pode ser tão bom quanto qualquer oportunidade de acertar as Colônias com a sua própria marca de propaganda. Mas tudo o que fizermos, temos que ter cuidado com isso. O Chanceler deve saber melhor do que confiar em você de todo coração.” “As coisas não ficarão bem para você, se vencerem”, sussurra Day, com a voz aflita. “Eu nunca os considerei gentis e compassivos, mas talvez você devesse encontrar uma maneira de fugir do país. Esgueirar-se para um lugar neutro e procurar asilo.” Fugir do país, fugir de todo esse pesadelo, e me esconder em alguma terra distante? Uma pequena e escura voz na minha cabeça concorda com isso, que será mais seguro assim… mas eu retrocedo o pensamento. Me recomponho tão bem quanto eu posso. “Não, Day”, eu respondo suavemente. “Se eu fugir, o que todo mundo irá fazer? E aqueles que não podem?” “Eles vão te matar.” Ele se aproxima. Seus olhos me imploram para ouvir. “Por favor.” Eu balanço minha cabeça. “Eu vou ficar bem aqui. As pessoas não precisam de sua moral esmagada ainda mais. Além disso, você pode


precisar de mim.” Eu dou um pequeno sorriso. “Eu acho que sei algumas coisas sobre o exército da República que poderiam vir a calhar, você não acha?” Day balança a cabeça em frustração, mas ao mesmo tempo ele sabe que eu não vou ceder. Ele sabe, porque ele não faria diferente na minha posição. Ele pega a minha mão na sua e me puxa para ele. Seus braços envolvem em torno de mim. Estou tão habituada ao seu toque que este abraço envia uma onda avassaladora de calor pelo meu corpo. Eu fecho meus olhos, me derrubo contra seu peito, e saboreio. Tem realmente tanto tempo desde a última vez que nos beijamos? Eu realmente sentia falta dele tanto assim? Ter todos os problemas ameaçando nos destruir, nos enfraqueceram tanto ao ponto em que estamos lutando para respirar, agarrando-se desesperadamente ao outro para sobreviver? Eu esqueci o quão certo parece ao estar em seus braços. Sua camisa amarrotada parece suave contra minha pele, e por baixo dela, seu peito é quente e vibra com as batidas fracas do seu coração. Ele tem cheiro de terra, fumaça e vento. “Você me deixa louco, June,” ele murmura contra o meu cabelo. “Você é a mais inteligente, mais corajosa e sem medo que eu conheço, e às vezes não posso nem respirar, porque eu estou tentando tanto prosseguir. Nunca haverá outra como você. Você percebe, não é?” Eu inclino meu rosto para vê-lo. Seus olhos refletem as luzes fracas dos JumboTrons, um arco-íris de cores da noite. “Bilhões de pessoas vão entrar e sair deste mundo”, diz ele em voz baixa, “mas nunca haverá outra como você.” Meu coração torce até que ele corre o risco de quebrar. Eu não sei como responder. Então ele me libera abruptamente, o frescor da noite é um choque repentino na minha pele. Mesmo na escuridão, eu posso ver o rubor em suas bochechas. Sua respiração soa mais pesada do que o habitual. “O que é isso?”, Digo. “Sinto muito”, ele responde, com a voz tensa. “Eu estou morrendo, June… não sou bom para você. E eu estava muito bem até eu vê-la em pessoa, e então tudo muda de novo. Eu acho que eu não me importo mais com você, que as coisas são mais fáceis quando você está longe, e então, de repente, eu estou aqui de novo, e você está…” Ele faz uma pausa para olhar para mim. A angústia em sua expressão é uma faca cortando meu coração. “Por que eu faço isso para mim? Eu vejo você e sinto…” Ele tem lágrimas nos olhos agora. A visão é mais do que posso suportar. Ele dá dois passos para longe de mim e, em seguida, volta-se como um animal enjaulado.


“Você ainda me ama?” De repente ele pergunta. Ele agarra meus ombros tão forte. “Eu já disse a você antes, e eu ainda quero dizer isso. Mas eu nunca ouvi isso de você. Eu não posso dizer. E então você me dá este anel”, ele faz uma pausa para segurar sua mão para cima, “e eu não sei mais o que pensar.” Ele se aproxima, até eu sentir seus lábios contra meu ouvido. Meu corpo inteiro treme. “Você tem alguma ideia?”, Diz ele em um quebrado, suave sussurro, rouco. “Você sabe… o quanto eu desejo…” Ele se afasta o suficiente para me olhar desesperadamente nos olhos. “Se você não me ama, apenas diga, você tem que me ajudar. Isso provavelmente seria o melhor. Isso faria mais fácil ficar longe de você, não faria? Eu poderia deixar ir.” Ele diz como se estivesse tentando convencer a si mesmo. “Eu posso deixar ir, se você não me ama.” Ele diz isso como se achasse que eu sou a pessoa mais forte. Mas eu não sou. Eu não posso continuar com isso melhor do que ele pode. “Não”, eu digo com os dentes cerrados e a visão embaçada. “Eu não posso ajudá-lo. Porque eu te amo”. Aí está, em campo aberto. “Eu estou apaixonada por você”, repito. Há um olhar em conflito nos olhos de Day, uma alegria e uma tristeza, que o torna tão vulnerável. Percebo então o quão pouco ele tem em defesa contra as minhas palavras. Ele ama tão completamente. É a sua natureza. Ele pisca, tenta encontrar a resposta certa. “Eu-” ele se depara. “Eu tenho tanto medo, June. Então, com medo do que poderia acontecer com-” Coloco dois dedos contra os seus lábios para lhe calar. “O medo faz você mais forte”, eu sussurro. Antes que eu possa me parar, eu coloco minhas mãos em seu rosto e pressiono minha boca na dele. Qualquer resto de autocontrole em Day agora tinha se desintegrado em pedaços. Ele cai no meu beijo com urgência impotente. Eu sinto suas mãos tocar meu rosto, uma palma lisa e uma ainda envolta em ataduras, e então ele coloca os braços freneticamente ao redor da minha cintura, puxando-me tão perto que eu suspiro em voz alta. Ninguém se compara a ele. E agora, eu não quero mais nada. Nós fazemos o nosso caminho para o quarto, nossos lábios nunca


separados. Day tropeça contra mim, então, perde o equilíbrio, e nós caímos para trás em minha cama. Seu corpo bate o fôlego de dentro de mim. Suas mãos percorrem o meu queixo e pescoço, nas minhas costas, pelas minhas pernas. Puxo o casaco. Os lábios de Day se afastam dos meus e ele enterra seu rosto contra o meu pescoço. Seu cabelo cai em meu braço, pesado e mais suave do que qualquer seda que já usei. Day finalmente encontra os botões da minha camisa. Eu já abri a sua, e por baixo do tecido sua pele é quente ao toque. O calor irradiando dele me aquece. Eu saboreio o peso dele. Nenhum de nós se atreve a dizer uma palavra. Estamos com medo de que as palavras vão nos parar, que elas vão rasgar o feitiço que nos une. Ele está tremendo tanto quanto eu estou. De repente, ocorre-me que ele deve estar tão nervoso. Eu sorrio quando seus olhos encontram os meus, em seguida, baixam em um gesto tímido. Day é tímido? Uma nova emoção estranha em seu rosto, algo fora do lugar e ao mesmo tempo tão apropriado. Estou aliviada ao vê-lo, porque eu posso sentir o rubor subindo quente em minhas próprias bochechas. Envergonhada, eu sinto uma vontade de encobrir minha pele exposta. Eu frequentemente imaginei como isso seria, me deitar com Day pela primeira vez. Eu sou apaixonada por ele. Eu timidamente testo essas novas palavras de novo em minha mente, espantada e assustada com o que poderia significar. Ele está aqui, e ele é real, de carne e osso. Mesmo em sua paixão febril, Day é gentil comigo. É uma gentileza diferente do que eu sinto ao redor de Anden, que é refinado e elegante. Day é grosseiro, aberto, incerto, e puro. Quando eu olho para ele, vejo o sorriso sútil nas bordas de sua boca, o menor toque de malícia que só reforça o meu desejo por ele. Ele fuça meu pescoço; seu toque provoca arrepios dançando ao longo da minha espinha. Day suspira de alívio contra o meu ouvido de uma maneira que faz meu coração bater, um suspiro de libertação de todas as emoções escuras que o atormentam. Eu caio em outro beijo, passando minhas mãos pelo seu cabelo, deixando-o saber que eu estou bem. Ele gradualmente relaxa. Eu chupo em minha respiração enquanto ele se move contra mim; seus olhos são tão brilhantes que eu sinto que eu poderia me afogar neles. Ele beija meu rosto, colocando uma


mecha do meu cabelo atrás da minha orelha com cuidado, enquanto ele faz, e eu deslizo meus braços em torno dele e o trago mais perto. Aconteça o que acontecer no futuro, não importa onde nossos caminhos nos levem, este momento será sempre nosso. Depois, permanecemos em silêncio. Day fica ao meu lado com cobertores cobrindo parte de suas pernas, seus olhos fechados adormecidos, sua mão ainda entrelaçada com a minha, como se por garantia. Eu olho ao redor de nós. Os cobertores penduram precariamente fora do canto da cama. Com rugas que se irradiam para fora, parecendo uma dúzia de pequenos sóis e seus raios. Há recuos profundos em meu travesseiro. Cacos de vidro e pétalas de flores no chão. Eu nem tinha percebido que tinha derrubado um vaso da minha cômoda, não tinha ouvido o som dele quebrando contra as tábuas de cerejeira. Meus olhos voltam a Day. Seu rosto parece tão calmo agora, livre de dor no brilho fraco da noite. Até mesmo ingênuo. Sua boca não está mais aberta, as sobrancelhas não estão franzidas. Ele não está tremendo mais. O cabelo solto emoldura o rosto, alguns fios pegando as luzes da cidade a partir do exterior. Me inclino para a frente, passando a mão ao longo dos músculos de seu braço e tocando meus lábios em sua bochecha. Seus olhos abrem; eles piscam para mim sonolentos. Ele olha para mim por um longo momento. Eu me pergunto o que ele vê, e se toda a dor, alegria e medo que ele havia confessado anteriormente ainda está lá, sempre o assombrando. Ele se inclina para me dar o mais gentil, mais delicado beijo. Seus lábios permanecem, com medo de sair. Eu não quero ir embora também. Eu não quero pensar em acordar. Quando eu o puxo para perto de mim novamente, ele obriga, ansiando por mais. E tudo o que posso pensar é que eu sou grata por seu silêncio, por não me dizer que eu estou juntando a nós quando eu deveria deixá-lo ir.


15 NÃO É COMO SE EU NÃO TIVESSE A MINHA QUOTA DE MOMENTOS COM AS meninas. Eu tive o meu primeiro beijo quando tinha doze anos, quando uni meus lábios com uma garota de dezesseis anos de idade, em troca de não me delatar para a polícia de rua. Eu brinquei com um punhado de meninas nos setores de favelas e algumas dos setores ricos — houve até uma do setor joia, no primeiro ano da escola tive um par de dias de romance quando tinha quatorze anos. Ela era bonita, com cabelo castanho claro, curto estilo chanel e pele cor de oliva impecável, e nós escapávamos todas as tardes para o porão de sua escola e, bem, nós divertirmos um pouco. É uma longa história. Mas… June. Meu coração foi aberto completamente, assim como temia que seria, e não tenho força de vontade para fechá-lo. Qualquer barreira que eu poderia ter conseguido colocar em volta de mim, qualquer resistência que poderia ter construído contra os meus sentimentos por ela, agora estão desaparecidas. Quebradas. Na escura luz azul da noite, me estico e passo uma mão ao longo da curva do corpo de June. Minha respiração ainda é superficial. Eu não quero ser o primeiro a dizer alguma coisa. Meu peito está pressionado levemente em suas costas e meu braço está descansando confortavelmente em torno de sua cintura; seu cabelo cai sobre seu pescoço como um colar escuro e brilhante. Eu enterro meu rosto contra sua pele suave. Um milhão de pensamentos correm pela minha cabeça, mas como ela, eu fico em silêncio. Não há simplesmente nada a dizer. * Eu acordo sobressaltado na cama, ofegante. Eu mal posso respirar — meus pulmões se elevam na tentativa de sugar o ar. Eu olho ao redor


freneticamente. Onde eu estou?

Estou na cama de June. Foi um pesadelo, só um pesadelo, não há beco no setor Lake nem rua e nem sangue. Eu deito ali por um momento, tentando silenciosamente recuperar o fôlego e diminuir as batidas do meu coração. Estou encharcado de suor. Olho para June. Ela está deitada de lado e de frente para mim, seu corpo ainda sobe e desce em um ritmo suave e constante. Bom. Eu não a acordei. Eu apressadamente limpo as lágrimas do meu rosto com a palma da minha mão não ferida. Então eu fico lá por alguns minutos, ainda tremendo. Quando é óbvio que eu não vou ser capaz de voltar a dormir, eu lentamente me sento na cama e dobro os braços contra os meus joelhos. Eu curvo minha cabeça. Meus cílios escovam a pele do meu braço. Eu me sinto tão fraco, como se tivesse acabado de subir um prédio de trinta andares. Este foi facilmente o pior pesadelo que eu tive até agora. Inclusive estou aterrorizado em piscar durante muito tempo, em caso de rever as imagens que dançavam sob minhas pálpebras. Eu olho ao redor do quarto. Minha visão borra de novo; com raiva enxugo as lágrimas frescas. Que horas são? Ainda está escuro como breu lá fora, apenas o fraco brilho dos JumboTrons distantes e postes se filtra no quarto. Eu olho em direção a June, observando como a luz tênue salpica cor através de sua silhueta. Desta vez, eu não estendo a mão e a toco. Eu não sei quanto tempo sentei lá dobrado assim, tomo uma respiração profunda atrás da outra até que, finalmente, estabiliza. É tempo suficiente para que o suor no meu corpo inteiro seque. Meus olhos vagueiam à varanda do quarto. Eu fico olhando para ela por um tempo, incapaz de desviar o olhar, e então eu cuidadosamente deslizo para fora da cama sem fazer barulho e visto a minha camisa, calças e botas. Eu torço meu cabelo em um nó apertado, em seguida, coloco o gorro confortavelmente sobre ele. June se mexe um pouco. Eu paro de me mover. Quando ela fica tranquila novamente, eu termino de abotoar minha camisa e caminho até as portas de vidro da varanda. No canto do quarto, o cachorro de June inclina a cabeça curioso para mim. Mas ele não faz um


som. Eu digo um silencioso obrigado na minha cabeça, em seguida, abro as portas da varanda. Elas se abrem, então fecham atrás de mim sem nenhum clique. Subo diligentemente nas grades da varanda, me empoleirando lá como um gato, e estudo os arredores. O setor ruby, um setor joia é tão completamente diferente de onde eu vim. Estou de volta em LA, mas eu não a reconheço. Limpeza, ruas bem cuidadas, novos e brilhantes JumboTrons, largas calçadas sem rachaduras e buracos, sem a polícia arrastando pela rua órfãos chorando para longe dos mercados. Instintivamente, minha atenção se volta na direção da cidade que o setor Lake seria. Deste lado do prédio, eu não posso ver o centro de LA, mas posso sentilo lá, as memórias que me acordaram e sussurraram para que eu voltasse. O anel de clipes de papel está pesado no meu dedo. Um escuro e terrível humor permanece na parte de trás da minha mente depois do pesadelo, algo que eu não consigo me livrar. Pulo do lado da varanda e trabalho o meu caminho até a borda inferior. Eu faço o meu caminho em silêncio, andar por andar, até que minhas botas batem no pavimento e me misturo nas sombras da noite. Minha respiração vem entrecortada. Mesmo aqui em um setor joia, agora já tem patrulhas da cidade que guardam as ruas, com as armas em punho como se estivessem prontos para um ataque surpresa das Colônias a qualquer momento. Fico longe deles para evitar quaisquer perguntas, e volto para os meus antigos hábitos de rua, faço meu caminho através dos labirintos de becos e sombras ao lado dos edifícios até chegar a uma estação de trem, onde os jipes estão alinhados, esperando para darem passeios. Ignoro os jipes — eu não estou com vontade de ficar tagarelando com um dos motoristas e, então, eles me reconhecerem como Day, e em seguida, ouvir rumores se espalhando pela cidade na manhã seguinte sobre o que diabos eles pensam que eu estava fazendo. Em vez disso, sigo para a estação de trem e espero que o próximo transporte automático venha e me leve até a Union Station no centro. Meia hora mais tarde, saio da estação do centro e faço o caminho silenciosamente através das ruas até que eu estou perto da velha casa de minha mãe. As rachaduras nas calçadas em todo o setor de favelas são boas para


uma coisa, aqui e ali eu vejo porções de margaridas do mar que crescem desordenadamente, pequenas porções de turquesa e verde em uma rua de outro modo cinza. Por instinto, eu me abaixo e pego um punhado delas. As favoritas da mamãe. “Você ai. Ei, garoto.” Viro para ver quem está chamando. E realmente leva alguns segundos para encontrá-la, porque ela é muito pequena. Uma velha mulher está encurvada contra a lateral de um edifício murado, tremendo no ar noturno. Ela está dobrada ao meio, com um rosto completamente coberto por rugas profundas, e suas roupas estão tão esfarrapadas que eu não posso dizer onde qualquer uma termina ou começa — é apenas um grande esfregão esfarrapado. Ela tem uma caneca rachada colocada entre seus pés descalços e sujos, mas o que realmente me faz parar é que suas mãos estão envoltas em ataduras apertadas. Assim como mamãe. Quando ela vê que a minha atenção está sobre ela, seus olhos se iluminam com um leve brilho de esperança. Eu não tenho certeza se ela me reconhece, mas eu também não tenho certeza o quão bem ela pode ver. “Qualquer moeda solta, menino?” Ela grasna. Eu procuro em meus bolsos aturdido, em seguida, puxo um pequeno maço de dinheiro. Oitocentas Notas da República. Não muito tempo atrás, eu teria colocado a minha vida em perigo para por minhas mãos em tanto dinheiro. Eu me agacho ao lado da mulher de idade, em seguida, coloco as notas na sua trêmula palma e aperto as mãos enfaixadas com as minhas. “Mantenha-o escondido. Não diga a ninguém.” Quando ela apenas continua a olhar para mim com choque nos olhos e a boca aberta, eu me levanto e começo a caminhar de volta para baixo na rua. Eu acho que ela grita, mas eu não me incomodo em virar. Não quero ver essas mãos enfaixadas novamente. Minutos mais tarde, chego ao cruzamento da Watson e Figueroa. Minha antiga casa. A rua não mudou muito de como eu me lembro, mas desta vez a casa da minha mãe está bloqueada e abandonada, como muitos dos outros prédios nos setores de favelas. Eu me pergunto se há posseiros lá, todos escondidos em nosso antigo quarto ou dormindo no chão da cozinha. Nenhuma luz brilha na casa. Eu ando devagar em direção a ela, me perguntando se eu ainda estou perdido no pesadelo.


Talvez eu não tenha acordado. Não há mais bloqueio de fitas de quarentena isolando a rua, não mais patrulhas da praga fora da casa. Quando ando em direção a ela, percebo uma mancha de sangue antiga ainda visível, é apenas um pouco sobre o concreto quebrado que conduz a casa. Parece marrom desbotada e diferente de como eu me lembro. Fico olhando para a mancha de sangue, dormente e insensível, então passo em torno dela e continuo. Minha mão agarra firmemente o punhado de margaridas do mar que trouxe. Quando me aproximo da porta da frente, vejo o familiar X vermelho ainda lá, embora agora esteja desbotado e lascado, várias tábuas de madeira apodrecendo estão pregadas em toda a moldura da porta. Fico lá por um tempo, correndo o dedo ao longo das faixas de tinta desbotadas. Poucos minutos mais tarde, eu saio do meu torpor e passeio em volta da casa. Metade do nosso muro já entrou em colapso, deixando o pequeno quintal exposto e visível aos nossos vizinhos. A porta traseira também tem tábuas de madeira pregadas em toda ela, mas elas estão tão podres e frágeis que tudo o que tenho a fazer é colocar um pouco de peso sobre e elas se quebram em um estalo surdo de farpas. Eu forço a porta e entro. Removo meu gorro enquanto avanço, deixando meu cabelo cair para baixo nas minhas costas. Mamãe sempre nos disse para tirar nossos chapéus enquanto estivermos em casa. Meus olhos se acostumam à escuridão. Dou passos em silêncio até entrar na parte de trás da nossa pequena sala de estar. Eles podem ter fechado a casa como parte de algum protocolo padrão, mas os móveis dentro da casa estão intocáveis, o diferente é apenas que está tudo coberto com uma camada de poeira. Poucos pertences da minha família ainda estão aqui, exatamente na mesma condição que vi pela última vez. O retrato do antigo Eleitor está pendurado na parede do fundo da sala, proeminente e centrado, e nossa pequena mesa de jantar de madeira ainda tem uma grossa camada de papelão pregada a uma de suas pernas, ainda fazendo o seu trabalho de manter a mesa em pé. Uma das cadeiras está deitada no chão, como se alguém tivesse de se levantar com pressa. Isso deve ter sido John, agora eu me lembro. Lembro-me de como todos nós tínhamos ido ao quarto para agarrar Eden, tentando pegar nosso irmãozinho antes que a patrulha da praga viesse por ele. O quarto. Eu viro minhas botas na direção da nossa porta do estreito quarto. Leva apenas alguns passos para alcançá-la. Sim, tudo aqui é


exatamente o mesmo também, talvez com algumas teias de aranha extras. A planta que Eden havia trazido para casa ainda está posicionada no canto, embora agora ela esteja morta, suas folhas e caules pretos e amassados. Fico ali por um momento, olhando para ela, e em seguida, volto para a sala. Eu ando uma vez em torno da mesa de jantar. Finalmente, eu me sento na minha antiga cadeira. Ela range como sempre fez. Coloco o punhado de margaridas do mar cuidadosamente sobre a mesa. Nossa lanterna fica no meio da mesa, apagada e sem uso. Normalmente, a rotina era assim: a mãe chegava em casa por volta das seis horas todos os dias, algumas horas depois de eu ter chegado da escola primária, John chegaria em casa em torno de nove ou dez horas. Mamãe adiaria acender a lanterna da mesa cada noite até que John voltasse, e depois de um tempo Eden e eu nos acostumamos a desejar “a iluminação da lanterna” que sempre significava que John acabara de entrar pela porta. E isso significava que teríamos que nós sentar para jantar. Eu não sei por que me sento aqui e sinto a velha expectativa conhecida que a mãe vai vir para cozinha acender a lanterna. Eu não sei como eu posso sentir uma explosão de alegria em meu peito, pensando que John está em casa, que o jantar está servido. Velhos hábitos estúpidos. Ainda assim, meus olhos ficam na expectativa da porta da frente. Minhas esperanças se elevam. Mas a lanterna fica apagada. John permanece fora. Mamãe não está em casa. Eu inclino meus braços fortemente contra a mesa e pressiono as palmas das mãos nos meus olhos. “Ajude-me,” Eu sussurro desesperadamente para a sala vazia. “Eu não posso fazer isso.” Eu quero, eu a amo, mas eu não posso suportar isso. Tem sido quase um ano. O que há de errado comigo? Por que não posso seguir em frente? Minha garganta tem um nó. As lágrimas vêm rápidas. Eu não me incomodo de detê-las, porque eu sei que é impossível. Eu soluço incontrolavelmente, eu não posso parar, não posso pegar minha respiração,


eu não posso ver. Eu não consigo ver a minha família, porque eles não estão aqui. Sem eles, tudo isso não é nada mais do que móveis, as margaridas do mar em cima da mesa não fazem sentido, a lanterna é apenas um velho pedaço enegrecido de lixo. As imagens do meu pesadelo permanecem me assombrando. Não importa o quanto eu tente, não consigo afastá-las O tempo cura todas as feridas. Mas não esta. Ainda não.


16 NÃO ME MOVO, MAS ATRAVÉS DAS MINHAS PÁLPEBRAS, MEIO sonolentas, vejo Day sentar-se na cama ao meu lado e enterrar o rosto em seus braços. Ele está respirando pesadamente. Sete minutos mais tarde, ele se levanta em silêncio, lança um último olhar em minha direção, e desaparece para fora das portas da varanda. Ele é tão silencioso como sempre, e se ele não tivesse acordado de seu pesadelo eu não teria despertado, ele poderia facilmente ter deixado meu quarto sem que eu nunca soubesse. Mas eu sei, e desta vez eu vou logo depois que ele sai. Eu coloco alguma roupa, pego as minhas botas, e saio atrás dele. O ar fresco passa sobre o meu rosto, o luar banha a noite em um prateado escuro. Mesmo em sua deteriorada condição, ele ainda é rápido quando ele quer ser. Até o momento em que o alcanço na Union Station e o sigo pelas ruas do centro da cidade, o meu coração está batendo forte de maneira constante como faz depois de um treino completo. Até agora, eu já sei onde ele está indo. Está retornando à velha casa de sua família. Observo quando ele finalmente chega a interseção da Watson e Figueroa, vira a esquina, e se dirige para dentro da minúscula casa bloqueada com um X desbotado ainda pintado na sua porta. Basta estar de volta aqui para ficar tonta com a memória. Eu não posso imaginar o quão pior deve ser para o Day. Cautelosamente eu faço o meu caminho até as janelas tapadas, em seguida, ouço atentamente. Ele entra pela porta traseira — o ouço circulando por dentro, seus passos subjugados e abafados, e depois para na sala de estar. Eu vou de janela em janela até que eu finalmente encontro uma que ainda tem fenda entre duas de suas tábuas de madeira. No começo eu não posso vê-lo. Mas, eventualmente, eu vejo. Day está sentado na mesa da sala de estar com a cabeça entre as mãos.


Mesmo que seja muito escuro dentro para eu ver suas características, eu posso ouvi-lo chorando. Sua silhueta treme de dor, sua angústia está gravada em cada músculo tenso de seu corpo devastado. O som é tão estranho que rasga o meu coração; vi Day chorar, mas eu não estou acostumada com isso. Não sei se eu alguma vez estarei. Quando levo uma mão ao meu rosto, percebo que as lágrimas estão correndo por minhas bochechas também. Eu fiz isso a ele… e porque ele me ama, nunca poderá realmente escapar. Ele vai se lembrar do destino de sua família cada vez que ele me vê, mesmo que ele me ame, especialmente se ele me ame.


17 EU FINALMENTE RETORNO, COM CARA DE SONO E EXAUSTO, PARA O QUARTO DE JUNE, pouco antes do amanhecer. Ela ainda está lá, aparentemente imperturbável. Eu não tenho a intenção de voltar para cama ao lado dela; em vez disso, eu desmorono em seu sofá e caio em um sono profundo e sem sonhos até a luz ficar mais forte lá fora. June é a que me sacode acordado. “Hey,” ela sussurra. Para minha surpresa, ela não comenta sobre como vermelhos ou inchados meus olhos devem estar. Ela nem parece chocada ao acordar e me encontrar dormindo em seu sofá, em vez de em sua cama. Seus olhos parecem pesados. “Eu tenho… informado a Anden sobre o que você decidiu. Ele disse que uma equipe do laboratório estará pronto para buscar você e Eden, em duas horas, em seu apartamento.” Ela parece grata, cansada e hesitante. “Eu estarei lá”, murmuro. Eu não posso deixar de olhar vagamente para o espaço por alguns segundos, nada parece real, agora, e eu sinto que eu estou nadando em um mar de névoa onde as emoções e imagens e pensamentos estão todos fora de foco. Eu me forço a levantar do sofá e vou para o banheiro. Lá, eu desabotoo minha camisa e jogo água no meu rosto, no peito e nos braços. Estou com medo de olhar no espelho neste momento. Eu não quero ver John olhando para mim, com a minha venda amarrada ao redor dos seus olhos. Minhas mãos estão tremendo tanto; o corte na palma da minha mão esquerda está aberto novamente e sangrando, provavelmente a partir do fato de que eu continuo apertando a mão instintivamente. Teria June me visto sair? Tremo quando eu revivo a memória dela ali fora na casa da minha mãe, esperando a frente de um esquadrão de soldados. Então eu repasso as palavras do Chanceler para mim, a situação precária que June está… que Tess está, Eden… e na que estamos todos metidos.


Eu jogo água repetidamente em meu rosto, e quando isso não ajuda, eu pulo no chuveiro e me afogo com água escaldante. Mas não entorpece as imagens. No momento em que eu finalmente saio do banheiro, meu cabelo ainda está molhado e minha camisa abotoada pela metade, estou de um pálido doente e tremendo. June me observa em silêncio, enquanto ela se senta na beira da cama, tomando um chá roxo pálido. Mesmo que eu saiba que é inútil tentar esconder algo dela, eu ainda tento. “Eu estou pronto”, eu digo com um sorriso tão genuíno quanto eu possa reunir. Ela não merece ver esse tipo de dor no meu rosto, e eu não quero que ela pense que ela é a única causadora disso. Ela não é a única causadora disso, eu me lembro com raiva. Mas June não comenta sobre isso. Ela me estuda com aqueles olhos profundamente escuros. “Acabei de receber um telefonema de Anden”, diz ela, passando a mão pelo cabelo, desconfortável. “Eles têm algumas novas evidências de que a Comandante Jameson é a responsável por repassar alguns segredos militares para as Colônias. Parece que ela está trabalhando para eles agora.” Debaixo da minha onda de emoções, um profundo ódio brota. Se não fosse pela Comandante Jameson, talvez tudo teria sido melhor entre June e eu, e talvez nossas famílias ainda estivessem vivas. Eu não sei. Nós nunca saberemos. E agora ela está trabalhando para o inimigo quando ela deveria estar morta. Eu murmuro uma maldição sob a minha respiração. “Existe alguma maneira de saber exatamente onde ela está? Ela está, na verdade, na República?” “Ninguém sabe”. June balança a cabeça. “Anden diz que eles estão tentando ver se alguma coisa sobre ela pode ser rastreado, mas ela deve ter mudado há muito tempo sua roupa de prisão, e os chips de rastreamento de suas botas devem ter ido até agora. Ela vai ter a certeza disso.” Quando June vê a frustração na minha cara, ela faz uma careta de simpatia. Nós dois, quebrados pela mesma pessoa. “Eu sei.” Ela coloca seu chá para baixo e aperta minha mão ilesa. Imagens violentas cintilam através da minha memória ao seu toque, estremeço antes que eu possa me parar. Ela congela. Por um segundo, eu vejo a profunda dor em sua expressão. Eu rapidamente encubro o meu erro a beijando, tentando perder-me no gesto que eu tive ontem à noite. Mas eu nunca fui o melhor mentiroso, pelo menos não em torno dela.


Ela dá um passo para longe de mim. “Desculpe”, ela sussurra. “Está tudo bem”, eu digo em uma corrida, irritado comigo mesmo por arrastar nossas velhas feridas de volta à superfície. “Não é—” “Sim, é isso.” June obriga-se a me encarar. “Eu vi que você foi ontem à noite… eu vi você lá…” Sua voz se desvanece enquanto ela olha para baixo com culpa. “Me desculpe, eu segui você, mas eu tinha que saber. Eu tinha que ver que eu era a única a causar toda a tristeza em seus olhos.” Quero tranquilizá-la de que não é tudo por causa dela, que eu a amo tão desesperadamente que eu tenho medo do sentimento. Mas eu não posso. June vê a hesitação no meu rosto e sabe que é uma confirmação do seu medo. Ela morde o lábio. “A culpa é minha”, diz ela, como se fosse apenas simples lógica. “E eu não tenho certeza se alguma vez serei capaz de ganhar o seu perdão. Não deveria.” “Eu não sei o que fazer.” Minhas mãos balançam ao meu lado, impotentes. Imagens terríveis de nosso passado piscam na minha mente de novo, minhas melhores tentativas não podem detê-las. “Eu não sei como fazê-lo.” Os olhos de June estão brilhantes de lágrimas, mas ela consegue mantê-las de cair. Realmente pode um erro destruir nossa vida juntos? “Eu não acho que há uma maneira”, ela finalmente diz. Dou um passo em direção a ela. “Hey,” eu sussurro em seu ouvido. “Nós vamos ficar bem.” Eu não tenho certeza se é verdade, mas parece que é a melhor coisa a se dizer. June sorri, jogando junto, mas seus olhos refletem minha própria dúvida. * É o segundo dia de cessar-fogo prometido pelas Colônias. O último lugar que eu quero voltar é para o laboratório do Hospital Central Los Angeles. É difícil o suficiente estar lá e ver Tess contida atrás de paredes de vidro, com produtos químicos sendo injetados em sua corrente


sanguínea. Agora eu volto lá com Eden ao meu lado, e eu vou ter que lidar em ver a mesma coisa acontecer com ele. Enquanto nos preparamos para ir até o jipe que espera na frente do nosso apartamento temporário, eu me ajoelho na frente do Eden e endireito seus óculos. Ele olha solenemente para trás. “Você não tem que fazer isso”, eu digo novamente. “Eu sei”, responde Eden. Ele roça minha mão impacientemente quando eu tiro fiapos dos ombros de sua jaqueta. “Eu vou ficar bem. Eles disseram que não levaria o dia todo, de qualquer maneira.” Anden não podia garantir a sua segurança; ele só podia prometer que tomaria todas as precauções. E vindo da boca da República, até mesmo uma boca que eu vim a contragosto confiar, essa pequena fissura de tranquilidade significa quase nada. Eu suspiro. “Se você mudar de ideia a qualquer momento, você me avisa, está bem?” “Não se preocupe, Daniel”, diz ele, dando de ombros diante da coisa toda. “Eu vou ficar bem. Isso não parece tão assustador. Pelo menos você estará lá.” “Sim. Pelo menos eu estarei lá”, repito entorpecido. Lucy reclama sobre seus cachos loiros bagunçados. Mais lembranças de casa e da minha mãe. Fecho os olhos e tento limpar meus pensamentos. Então eu chego e toco Eden no nariz. “Quanto mais cedo eles começarem” Eu digo a ele, “mais cedo poderão terminar.” Minutos depois, um jipe militar me pega, enquanto um caminhão de médico transporta Eden separadamente para o Hospital Central Los Angeles. Ele pode fazer isso, repito para mim mesmo quando eu chego ao laboratório do quarto andar. Estou acompanhado por técnicos em uma câmara com janelas de vidro grosso. E se ele pode, então eu posso viver com isso. Mas, ainda assim, minhas mãos estão suando. Eu as aperto novamente em uma tentativa de parar o tremor interminável, e uma pontada de dor atravessa a palma da mão ferida. Eden está dentro dessa câmara de vidro. Seus cachos loiros pálidos estão desorganizados e embaraçados apesar dos esforços de Lucy, e ele está agora usando uma fina roupa vermelha cirúrgica para pacientes. Seus pés estão descalços. Um par de técnicos de laboratório o ajuda a subir em uma longa, cama branca, e um deles


arregaça as mangas de Eden para tomar sua pressão arterial. Eden estremece quando a fria borracha toca seu braço. “Relaxa, garoto”, diz o técnico de laboratório, com a voz abafada pelo vidro. “Basta respirar fundo.” Eden murmura um leve “ok” como resposta. Ele parece tão pequeno ao lado deles. Seus pés nem sequer tocam o chão. Eles balançam alternadamente enquanto ele olha em direção à janela que nos separa, procurando por mim. Eu aperto e abro minhas mãos, em seguida, as pressiono contra a janela. O destino de toda a República repousa sobre os ombros de meu irmão mais novo. Se minha mãe, John, ou meu pai estivessem aqui, eles provavelmente iriam rir de quão ridícula essa coisa toda é. “Ele vai ficar bem”, o técnico de laboratório de pé ao meu lado murmura em garantia. Ele não parece muito convincente. “Os procedimentos de hoje não devem lhe causar qualquer dor. Nós só vamos tomar algumas amostras de sangue e, em seguida, lhe dar alguns medicamentos. Enviaremos algumas amostras para as equipes de laboratórios da Antártida para a análise também.” “Se supõe que isso irá me fazer sentir melhor?” Eu agarro ele. “Os procedimentos de hoje não devem lhe causar qualquer dor? E o que acontecerá amanhã?” O técnico de laboratório levanta as mãos defensivamente. “Eu sinto muito”, ele gagueja. “Isso saiu errado, eu não quis dizer isso assim. Seu irmão não sentirá nenhuma dor, eu prometo. Algum desconforto, talvez, a partir do medicamento, mas estamos tomando todas as precauções que podemos. Eu, é… eu espero que você não vá informar isso negativamente para o nosso glorioso Eleitor”. Então, é com isso que ele está preocupado. Que se eu estou chateado, eu vou correr para Anden e lamentar. Eu estreito meus olhos para ele. “Se você não me der nenhuma razão para relatar qualquer coisa ruim, então eu não vou.” O técnico de laboratório pede desculpas novamente, mas eu não estou prestando atenção nele. Meus olhos voltam a Eden. Ele está pedindo algo a


um dos técnicos, embora ele esteja falando baixo o suficiente para que eu não possa ouvir. O técnico de laboratório balança a cabeça para o meu irmão. Eden engole saliva, olha para trás nervosamente em minha direção, e depois aperta os olhos fechados. Um dos técnicos de laboratório pega uma seringa, em seguida, cuidadosamente injeta na veia do braço do Eden. Eden aperta o maxilar apertado, mas ele não profere um som. A dor surda familiarizada pulsa na base do meu pescoço. Eu tento me acalmar. Me estressar e provocar uma das minhas dores de cabeça em um momento como este não vai ajudar Eden. Ele escolheu fazer isso, eu me lembro. Eu incho com orgulho súbito. Quando Eden cresceu? Eu sinto que pisquei e perdi. O técnico de laboratório finalmente remove a seringa, que agora está cheia de sangue. Ele pressiona algo no braço de Eden, então faz o curativo. O segundo técnico, então, coloca um punhado de comprimidos na palma da mão aberta de Eden. “Engula-os juntos”, ele diz ao meu irmão. Eden faz como ele diz. “Eles são amargos, é melhor tomá-los de uma só vez.” Eden faz uma careta e engasga um pouco, mas consegue engolir as pílulas com um pouco de água. Em seguida, ele se deita na cama. Os técnicos o levam para uma máquina cilíndrica. Eu não consigo lembrar o nome da máquina, mesmo que eles tenham me falado há menos de uma hora atrás. Eles lentamente o colocam dentro dela, até que tudo o que posso ver de Eden são as pontas de seus pés descalços. Eu lentamente descanso as minhas mãos na janela. Minha pele deixa impressões sobre o vidro. Um minuto depois, o meu coração torce em meu peito enquanto eu ouço Eden chorando do interior da máquina. Algo sobre isso deve ser doloroso. Eu cerro os dentes com tanta força que eu acho que a minha mandíbula pode quebrar. Finalmente, após o que parece uma eternidade, um dos técnicos do laboratório vem até mim e me deixa entrar. Passo imediatamente por eles e entro na câmara de vidro e me inclino sobre o lado de Eden. Ele está sentado na beira da cama novamente. Quando ele me ouve chegando, ele abre um sorriso. “Não foi tão ruim”, ele me diz em uma voz fraca.


Pego a mão dele e a aperto com a minha. “Você fez bem”, eu respondo. “Eu estou orgulhoso de você.” E eu estou. Estou mais orgulhoso dele do que eu já estive de mim, estou orgulhoso dele por estar de pé ao meu lado. Um dos técnicos de laboratório me mostra uma tela com o que parece ser uma visão ampliada de células do sangue de Eden. “Um bom começo”, ele nos diz. “Nós vamos trabalhar com isso e tentar injetar em Tess uma cura esta noite. Se tivermos sorte, ela aguentará por mais cinco ou seis dias e dar-nos algum tempo para trabalhar.” Os olhos do técnico estão sombrios, ainda que as suas palavras sejam muito esperançosas. A estranha combinação faz com que eu tenha um arrepio na espinha. Eu aperto a mão de Eden ainda mais apertado. “Nós não temos muito tempo para perder,” sussurra Eden para mim quando os técnicos de laboratório nos deixam conversar em paz. “Se eles não conseguirem encontrar uma cura, o que vamos fazer?” “Eu não sei”, eu admito. Não é algo que eu realmente queira pensar, porque me deixa mais impotente do que eu gostaria. Se não encontrar uma cura, não haverá nenhuma ajuda militar internacional. Se não há nenhuma ajuda, então nós não teremos nenhuma maneira de ganhar contra as Colônias. E se as Colônias invadirem… lembro-me do que eu vi quando estava lá, e lembro-me o que o Chanceler tinha me oferecido. Se você escolher, nós podemos trabalhar juntos. As pessoas não sabem o que é melhor para elas. Às vezes você apenas tem que ajudá-las um pouco. Não é mesmo? Eu preciso encontrar uma maneira de entretê-los, enquanto nós trabalhamos em uma cura. Qualquer coisa para retardar as Colônias, para dar a Antártida a chance de vir em nosso auxílio. “Simplesmente vamos ter que lutar” Digo a Eden, despenteando seu cabelo. “Até não podermos lutar mais. Essa é a maneira que sempre parece ser, não é?” “Por que a República não pode ganhar?” Eden pergunta. “Eu sempre pensei que os seus militares fossem os mais fortes do mundo. Esta é a primeira vez que eu realmente gostaria que eles fossem.” Eu sorrio tristemente para a ingenuidade de Eden. “As Colônias têm aliados”, eu respondo. “Nós não.” Como diabos eu explico tudo isso? Como


posso dizer-lhe exatamente como eu me sinto impotente, de pé como um fantoche quebrado enquanto Anden conduz seu exército em uma batalha que não podem ganhar? “Eles têm um exército melhor, e nós simplesmente não temos soldados suficientes para todos.” Eden suspira. Seus pequenos ombros caem de uma forma que me engasga. Eu fecho meus olhos e me esforço para acalmar. Chorar na frente de Eden em um momento como este é muito embaraçoso. “Pena que todos na República não são soldados”, ele resmunga. Abro os olhos. Pena que todos na República não são soldados. E assim, eu sei o que eu preciso fazer. Eu sei como responder a chantagem do Chanceler e como parar as Colônias. Eu estou morrendo, eu não tenho muitos dias, a minha mente está lentamente caindo aos pedaços, e com isso, também minha força. Mas eu tenho força suficiente para uma coisa. Eu tenho tempo suficiente para dar um passo final. “Talvez todos na República pudessem ser soldados”, eu respondo em voz baixa.


18 A ÚLTIMA NOITE PARECEU UM SONHO, EM TODOS OS DETALHES. Mas esta manhã é um contraste gritante, não há nenhuma dúvida sobre o desagrado que eu senti de Day quando eu toquei seu braço, o tremor violento que passou por ele em apenas uma escovada da minha mão. Meu coração ainda dói quando eu saio do meu apartamento, me dirijo para um jipe estacionado que espera por mim. Passo a manhã com o Senado. Eu tento, em vão, tirar Day da minha mente, mas é impossível. Uma reunião do Senado parece tão trivial agora, as Colônias estão gradualmente empurrando o nosso país de volta com a ajuda de aliados fortes, a Antártida ainda se recusa a nos ajudar, e a Comandante Jameson está foragida. E aqui estou eu sentada, falando de política quando eu poderia estar, deveria estar, lá fora em campo, fazendo o que fui treinada para fazer. O que eu vou dizer a todos eles, afinal? Algum deles ainda vai ouvir? O que vamos fazer? Não. Eu preciso me concentrar. Eu preciso apoiar Anden enquanto ele tenta, mais uma vez, negociar com o Chanceler, CEOs e os Generais das Colônias. Nós dois sabemos que isso não vai nos levar a lugar nenhum… a única coisa que vai fazê-los ceder é uma cura. E mesmo assim, pode não ser o suficiente para conter as Colônias. Mas ainda assim. Temos que tentar. E talvez ele estará de acordo em ajudar os Patriotas com seus planos, especialmente se ele souber o quanto Day estará envolvido com eles. O simples pensamento de Day traz lembranças da noite passada. Minhas bochechas esquentam, e eu sei que não é por causa do tempo quente de Los Angeles. Momento estúpido, eu me repreendo, e empurro a noite passada com os meus pensamentos. Tudo ao meu redor, as ruas normalmente


movimentadas de Lake estão estranhamente vazias, como se estivéssemos nos preparando para uma tempestade que se aproxima. Acho que isso não é tão impreciso. A sensação de formigamento de repente viaja até minha espinha. Eu paro por um momento e, em seguida franzo a testa. O que foi isso? As ruas ainda parecem desertas, mas uma premonição estranha faz com que os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantem. Alguém está me observando. Imediatamente a ideia parece exagero, mas quando eu ando, eu aperto minha mandíbula e deixo minha mão descansar em minha arma. Talvez eu esteja sendo ridícula. Talvez o aviso que Day tinha me dado, que as Colônias podem me usar contra ele ou que eles poderiam me ter na sua mira, está começando a pregar peças em minha mente. Ainda assim, não há razão para jogar a precaução ao vento. Eu me inclino contra o edifício mais próximo, de modo que minhas costas estão protegidas, e chamo Anden. Quanto mais cedo este jipe chegar, melhor. E então eu a vejo. Eu paro a chamada. Ela usa um bom disfarce. (Roupa desgastada da República que deveria ser usada apenas por soldados do primeiro ano, o que significa que ela parece banal e fácil de ignorar: um boné de soldado puxado sobre o rosto dela, com apenas algumas mechas vermelhas escuras aparecendo por debaixo dele) Mas, mesmo a partir desta distância, reconheço seu rosto frio e duro. Comandante Jameson. Eu olho casualmente para longe e finjo cavar em torno de meus bolsos por alguma coisa, mas por dentro, meu coração bate em um ritmo furioso. Ela está aqui em Los Angeles, o que significa que de alguma forma ela conseguiu escapar dos combates em Denver e evitou as garras da República. É uma coincidência muito grande que ela esteja no mesmo lugar onde eu estou? Será que ela está aqui porque sabia que eu estaria aqui? As Colônias. Deve haver outros olhos aqui. Minhas mãos tremem enquanto ela passa por mim do outro lado da rua. Ela não dá nenhuma indicação de ter me visto, mas eu sei que ela me notou. Em uma rua tão vazia, deveria ser impossível eu passar despercebida, e eu não estou disfarçada. Quando ela finalmente vira as costas para mim, eu cruzo meus braços, inclino a cabeça um pouco para baixo, e chamo Anden no meu fone de ouvido novamente. “Eu vejo ela. Ela está aqui. Comandante Jameson está


em Los Angeles”. Minha voz soa tão baixa e murmurada que Anden tem problemas para entender. “Você a viu?”, Pergunta ele, incrédulo. “Ela está na mesma rua que você?” “Sim”, eu sussurro. Tenho o cuidado de manter um olho na figura desaparecendo da Comandante Jameson. “Ela pode estar aqui intencionalmente, procurando onde meu jipe irá me levar ou talvez tentando localizá-lo.” Enquanto ela se afasta, um enorme desejo surge em mim. Pela primeira vez em muito tempo, minhas habilidades de agente estão chamando. Atrasada em relação a política; de repente eu volto para o campo. Quando ela vira uma esquina, eu abandono imediatamente o meu lugar e começo a ir atrás dela. Onde ela está indo? “Ela está por Lake e Colorado”, eu sussurro urgentemente para Anden. “Girando para o norte. Envie alguns soldados aqui, mas não deixe que ela saiba que você está acompanhando. Eu quero ver onde ela está indo.” Antes que Anden possa dizer qualquer outra coisa, eu termino a chamada. Eu paro no lado dos edifícios, com cuidado para ficar nas sombras, tanto quanto eu posso, e tomo um atalho através de um beco em direção à rua onde eu acho que a Comandante Jameson está indo. Em vez de espreitar ao virar da esquina e, potencialmente, me delatar, eu me escondo no beco e calculo quanto tempo passou. Se mantivesse o mesmo ritmo, e ela ficasse nesta rua, então ela deve ter passado neste beco pelo menos um minuto atrás. Cuidadosamente, eu me inclino para fora até que eu possa ter um vislumbre rápido da rua. Com certeza, ela já passou por mim, e eu posso ver a parte de trás de sua figura correndo para longe. Este vislumbre rápido também é o suficiente para me dizer outra coisa, ela está falando em seu próprio microfone. Desejo que Day estivesse comigo. Ele saberia de imediato, a melhor maneira de andar por essas ruas sem ser visto. Por um segundo eu contemplo em chamá-lo, mas é um trajeto muito longo para ele chegar aqui a tempo. Em vez disso, eu sigo a Comandante Jameson. Eu a sigo por uns bons


quatro quarteirões, até entrar em uma faixa do Setor Ruby que faz fronteira com parte do Setor Batalha, onde duas ou três bases de aeronaves se encontram ao longo da rua. Ela faz uma curva novamente. Corro para não perdê-la, mas na hora que eu olho para baixo na rua, ela se foi. Talvez ela soubesse que alguém a seguia; afinal de contas, a Comandante Jameson é muito mais experiente neste tipo de rastreamento do que eu. Eu olho para os telhados. A voz de Anden crepita no meu fone de ouvido. “Perdemos ela”, ele confirma. “Eu dei um alerta silencioso para as tropas a procurarem e comunicar imediatamente de volta. Ela não poderia ter ido muito longe.” “Isso é verdade”, eu concordo, mas os meus ombros afundam. Ela desapareceu sem deixar rasto. Quem tinha falado com ela em seu fone? Meus olhos varrem a rua, tentando descobrir o que ela deve ter vindo fazer aqui. Talvez ela esteja recrutando. O pensamento me enerva. “Eu vou voltar”, eu finalmente sussurro em meu próprio fone. “Se minhas suspeitas estiverem corretas, então poderíamos ter—” Uma lufada de ar, uma centelha ofuscante, algo explode diante de meus olhos. Eu recuo e me lanço instintivamente para o chão atrás de uma lata de lixo próxima. O que foi isso? Uma bala. Eu olho para a parede onde ela bateu. Um pequeno pedaço de tijolo está faltando. Alguém tentou atirar em mim. Meu giro repentino para voltar por onde eu vim deve ter sido a única coisa que salvou minha vida. Eu começo a colocar outra chamada frenética para Anden. O sangue corre através de minhas orelhas como uma onda de ruído, bloqueando lógica e permitindo que o pânico entre. Outra faísca de bala contra o metal da lata de lixo. Não há dúvida agora que estou sob ataque. Cancelo a chamada. De onde a Comandante Jameson está atirando? Há outros com ela? Tropas das Colônias? Soldados da República que viraram traidores? Eu não sei. Eu não posso dizer. Eu não posso ouvir e eu não posso ver. Através do meu pânico crescente, a voz de Metias materializa. Mantenha a calma, joaninha. A lógica vai te salvar. Concentre-se, pense, aja.


Eu fecho meus olhos, tomando uma respiração profunda, estremecendo, e permitindo-me um segundo para estabilizar a minha mente, para me concentrar na voz do meu irmão. Não é o momento para desmoronar. Nunca deixe que as emoções obtenham o melhor de mim, e eu não vou começar agora. Pense, June. Não seja estúpida. Depois de mais de um ano de trauma, depois de meses e meses de acordos políticos, depois de dias de guerra e morte, eu estou começando a suspeitar de tudo e de todos. Isto é como as Colônias poderiam nos dividir… não com os seus aliados ou armas, mas com a sua propaganda. Com medo e desespero. Meu pânico desaparece. A lógica volta. Primeiro, eu arranco a minha própria arma do coldre. Então, eu faço um gesto exagerado, como se eu estivesse prestes a sair de trás da lixeira. Em vez disso, fico parada, mas minha estratégia é o suficiente para provocar outra bala. Faísca! Ela ricocheteia na parede de tijolos onde minhas costas estão pressionadas. Instantaneamente eu olho para a marca deixada e identifico de onde pode ter vindo. (Não dos telhados, o ângulo não é grande o suficiente. Quatro, talvez cinco andares acima. Não o edifício em frente de mim, mas sim o da direita ao lado dele.) Eu olho para as janelas que revestem os pisos. Várias estão abertas. No começo eu quero apontar de volta para as janelas, mas então eu lembro que eu poderia atirar em alguém sem querer. Em vez disso, eu estudo o edifício. Parece ser uma emissora de rádio ou uma sala militar perto o suficiente das bases aéreas que me pergunto se é de onde as aeronaves estão sendo monitoradas. Como ela está envolvida com as bases aéreas? As Colônias planejam um ataque surpresa aqui? Clico meu fone novamente. “Anden”, eu sussurro depois de introduzir seu código. “Tirem-me daqui. Use o rastreador da minha arma.” Mas minha chamada não tem tempo suficiente de chegar. Uma fração de segundo depois, outra bala acerta direto acima da minha cabeça, desta vez eu recuo e me achato debaixo do lixo. Quando abro os olhos, vejo-me olhando diretamente nos olhos frios da Comandante Jameson. Ela pega o meu pulso. Eu giro para fora sob o lixo antes que ela possa me alcançar. Eu giro e aponto a arma para ela, mas ela já saiu correndo. Sua própria arma está


levantada. Logo de cara eu posso dizer que ela não está com o objetivo de matar. Por quê? A questão passa por minha mente na velocidade da luz. Porque as Colônias precisam de mim viva, porque eles precisam de mim para negociar. Ela dispara, eu rolo no chão. Uma bala não acerta a minha perna por centímetros. Eu pulo para os meus pés e aponto para ela de novo, desta vez eu atiro. Eu não acerto por um fio de cabelo. Ela abaixa atrás do lixo. Ao mesmo tempo, eu tento fazer uma chamada de novo. Eu consigo. “Anden,” Eu suspiro no fone enquanto eu viro e corro. “Tirem-me daqui!” “Já estamos em nosso caminho”, Anden responde. Eu corro ao redor de uma esquina justo quando eu ouço outro tiro disparado atrás de mim. É o último. Bem na hora, um jipe corre para mim e canta ao parar a vários metros de distância de mim. Um par de soldados saem, me protegendo enquanto outros dois correm para a rua em direção a Comandante Jameson. Eu já sei que é tarde demais para pegá-la, porém, ela deve ter corrido também. Está tudo acabado tão rápido como começou. Eu subo no jipe com a ajuda dos soldados, em seguida, entro em colapso contra o banco enquanto nos distanciamos. Adrenalina corre através de mim. Meu corpo inteiro treme incontrolavelmente. “Você está bem?” Um dos soldados pergunta, mas sua voz soa distante. Tudo o que posso pensar é o que o encontro significou. Comandante Jameson sabia que eu iria esperar naquela rua pelo meu jipe; ela deve ter me atraído na tentativa de me capturar. Sua presença nas bases aéreas não foi coincidência. Ela está alimentando informações para as Colônias sobre as nossas rondas e locações aqui. Há provavelmente outros soldados das Colônias escondidos entre nós também, Comandante Jameson é uma fugitiva procurada. Ela não pode se mover tão facilmente sem ajuda. E, com sua experiência, ela provavelmente poderia manter uma caça humana atrás dela nestas ruas o tempo suficiente até as Colônias chegarem. Para que as Colônias cheguem. Eles escolheram seu próximo alvo, e seremos nós. Sobre o meu fone de ouvido, a voz de Anden vem novamente. “Eu estou no meu caminho”, diz ele com urgência. “Você está bem? O jipe vai levá-la direto para o Batalha Hall, e eu vou ter um guarda para você”


“Ela está alimentando-os com informações sobre os portos,” eu respiro no fone antes que possa terminar. Minha voz treme quando eu digo isso. “As Colônias estão prestes a atacar Los Angeles.”


19 RECEBO A CHAMADA SOBRE JUNE QUANDO ESTOU SENTADO COM EDEN. Depois de uma manhã de teste, ele finalmente adormeceu. Lá fora, as nuvens cobrem a cidade inteira com uma atmosfera sombria. Bom. Eu não sei como me sentiria se fosse um dia ensolarado, não com esta notícia sobre a Comandante Jameson e o fato de que ela tentou atirar em June a céu aberto nas ruas. As nuvens se adaptam ao meu humor muito bem. Enquanto espero com impaciência June chegar ao hospital, eu gasto meu tempo assistindo Tess através do vidro da janela do seu quarto. A equipe do laboratório ainda a rodeia, monitorando seus sinais vitais como um bando de benditos abutres em um antigo show da natureza. Eu balanço minha cabeça. Eu não deveria ser tão duro com eles. No começo eles me deixaram colocar um traje, me sentar lá dentro ao lado da Tess, e segurar a mão dela. Ela estava inconsciente, é claro, mas ela ainda podia apertar seus dedos nos meus. Ela sabe que eu estou aqui. Que eu estou esperando por sua cura. Agora a equipe do laboratório parece que está injetando algum tipo de fórmula misturada de um lote feito a partir de células de sangue do Eden. Inferno eu sei o que vai acontecer a seguir. Seus rostos estão escondidos atrás de máscaras com viseiras reflexivas, transformando-os em algo estranho. Os olhos de Tess ficam fechados, e sua pele está em um amarelo doentio. Ela tem o vírus que as Colônias propagaram, eu tenho que me lembrar. Não, que a República propagou. Maldição esta minha memória. Pascao, Baxter e outros Patriotas permanecem acampados no hospital


também. Onde diabos mais eles poderiam ir de qualquer maneira? Enquanto os minutos se arrastam, Pascao toma um assento ao meu lado e esfrega as mãos. “Ela está aguentando ali dentro”, ele murmura, seus olhos demorando em Tess. “Mas há relatos de alguns outros focos na cidade. Veio principalmente de alguns refugiados. Você viu a notícia nos JumboTrons?” Eu balanço a cabeça. Meu queixo está tenso de raiva. Quando é que June chega? Eles disseram que estavam trazendo ela aqui a mais de um quarto de hora atrás. “Não tenho ido a lugar algum a não ser ver o meu irmão e Tess.” Pascao suspira, esfregando a mão no rosto. Ele é cuidadoso para não perguntar sobre June. Eu tinha que me desculpar com ele sobre o meu temperamento, mas estou com muita raiva para me importar. “Três zonas de quarentena foram criadas agora no centro da cidade. Se você ainda está planejando executar o seu pequeno truque, temos que sair nos próximos dias.” “Esse é todo o tempo que nós precisamos. Se os rumores que ouvimos de June e do Eleitor são verdades, então esta será a nossa melhor chance.” O pensamento de que parte de Los Angeles esteja sendo isolada por quarentena envia uma nostalgia sombria e desconfortável através de mim. Tudo está tão errado, e eu estou tão cansado. Eu estou tão cansado de me preocupar com tudo isso, sobre se devo ou não me importar se as pessoas vão durar a noite ou sobreviver ao dia. Ao mesmo tempo, eu não consigo dormir. As palavras de Eden, de hoje de manhã ainda soam em meus pensamentos. Talvez todos na República possam ser soldados. Meus dedos percorrem o anel de clipe de papel que adorna meu dedo. Se June tivesse se ferido esta manhã, eu me pergunto se os últimos pedaços de minha sanidade mental teriam desaparecido. Eu sinto que eu estou pendurado em por um fio. Eu acho que é certo em um sentido muito literal — minha dor de cabeça têm sido implacável hoje, e tenho me acostumado com a dor perpétua pulsando na parte de trás da minha cabeça. Apenas alguns meses, eu penso. Apenas alguns meses, como os médicos disseram, e então talvez a medicação trabalhe o suficiente para me deixar fazer a cirurgia. Segue aguentando. No meu silêncio, Pascao vira seus olhos claros para mim. “Vai ser perigoso, o que você me disse”, diz. Parece que ele está pisando com cuidado. “Alguns civis morrerão. Simplesmente não há maneira de evitar.”


“Não acho que nós temos uma escolha”, eu respondo, retornando seu olhar. “Não importa o quão distorcido este país seja, ainda é sua terra natal. Nós temos de chamá-los para ação.” Gritos ecoam do salão além do nosso. Pascao e eu paramos para ouvir um segundo — e se eu não soubesse melhor, eu juro que era o Eleitor. Estranho. Eu não sou exatamente o maior fã de Anden, mas eu nunca o ouvi perder a paciência. As portas duplas no final do salão abrem com um golpe — de repente, os gritos preenchem o salão. Anden entra como uma tempestade com sua habitual multidão de soldados, enquanto June se mantém ao lado dele. June. Alívio inunda meu corpo. Fico de pé. Seu rosto se ilumina quando corro até ela. “Eu estou bem”, diz ela, acenando antes que eu possa sequer abrir a boca. Ela parece impaciente sobre isso, como se tivesse passado o dia inteiro convencendo toda a gente da mesma coisa. “Eles estão sendo excessivamente cautelosos, me trazendo aqui —” Eu poderia me importar menos se eles estão sendo excessivamente cautelosos. A interrompo e a puxo para um abraço apertado. Um peso se eleva em meu peito, e o resto da minha raiva vem inundado. “Você é o Eleitor”, eu atiro para Anden. “Você é o maldito Eleitor da República. Você não pode assegurar que a sua própria bendita Princesa Eleita não seja assassinada por uma prisioneira que vocês não podem sequer manter encarcerada? Que tipo de guarda-costas que você tem, de qualquer maneira — um bando de cadetes do primeiro ano?” Anden me lança um olhar perigoso, mas para minha surpresa, ele fica em silêncio. Eu me afasto de June para que eu possa manter seu rosto em minhas mãos. “Você está bem, certo?” Peço urgentemente. “Você está completamente ok?” June levanta uma sobrancelha para mim, então me dá um beijo rápido e reconfortante. “Sim. Estou completamente ok.” Ela lança um olhar sobre Anden, mas ele está muito distraído conversando com um de seus soldados agora. “Encontre-me os homens designados para respaldar a Princesa Eleita”, ele estala ao soldado. Círculos escuros se alinham na pele sob seus olhos, e seu rosto parece tão abatido e furioso. “Se a sorte não estivesse do nosso lado, Jameson a teria matado. Eu tenho quase decidido classificá-los todos


como traidores. Há muito espaço no pátio do pelotão de fuzilamento para todos eles.” O soldado se coloca em posição firme e sai correndo com vários outros para fazer o que disse Anden. Minha raiva diminui, e um frio corre através de mim quando sinto a familiaridade de sua ira. Como se estivesse olhando para seu pai. Agora ele me enfrenta. Sua voz se torna mais calma. “A equipe do laboratório me disse que seu irmão tem passado pelos testes até agora muito bravamente”, diz ele. “Eu queria agradecer mais uma vez por—” “Não tiremos conclusões precipitadas,” eu interrompo com uma sobrancelha levantada. “Essa coisa toda não acabou ainda.” Depois de mais dias como hoje, onde Eden vai enfraquecer ainda mais rápido com todos experimentos, eu poderia não ser tão educado. Eu abaixo minha voz, fazendo um esforço para soar civilizado novamente. É um meio trabalho. “Vamos falar em privado. Eleitor, tenho algumas ideias para serem executadas por você. Com esta recente notícia da Comandante Jameson, podemos ter a oportunidade de causar alguns problemas para as Colônias. Você, eu, June, e os Patriotas.” Os olhos de Anden escurecer ante a isso, e sua boca aperta em um gesto incerto quando ele verifica sua audiência. O gigante Pascao, com seu sempre presente sorriso não parece melhorar seu humor. Após alguns segundo, porém, ele acena para seus soldados. “Consigam-nos uma sala de conferências”, diz ele. “Eu quero as câmeras de segurança desligadas.” Soldados se esforçam para fazer a sua vontade. À medida que nós enfileiramos atrás dele, eu troco um longo olhar com June. Ela está bem, ela está sã e salva. No entanto, eu tenho medo que ela vá desaparecer se eu me descuidar o suficiente para desviar o olhar. Eu me forço a segurar a pergunta a ela sobre o que aconteceu até que estejamos todos na sala privada — e pelo olhar em seu rosto, ela também espera pelo mesmo momento. Minha mão dói para segurar a dela. Eu mantenho isso para mim também. A nossa dança em torno do outro sempre parece que está condenada a repetir-se uma e outra vez. “Então”, Anden diz, uma vez que tenhamos nos instalado em uma sala e sua patrulha desativou todos as câmeras. Ele se inclina para trás em uma das cadeiras e me examina com um olhar penetrante. “Talvez devêssemos começar com o que aconteceu com a nossa Princesa Eleita esta manhã.” June levanta o queixo, mas suas mãos tremem levemente. “Eu vi a


Comandante Jameson no setor Ruby. Meu palpite é que ela estava na área para explorar o local — e ela deve ter sabido onde eu estaria.” Fico maravilhado com o quão estável June parece. “Eu a segui por um tempo, até que alcançou a zona da base dos dirigíveis na fronteira entre Ruby e Batalla. Ela me atacou lá.” Mesmo neste curto resumo é suficiente para me fazer ver vermelho. Anden suspira e passa a mão através de seu cabelo. “Nós suspeitamos que a Comandante Jameson pode ter dado alguns locais e horários para as Colônias sobre a base dos dirigíveis de Los Angeles. Ela também pode ter tentado sequestrar Srta. Iparis para poder barganhar.” “Isso quer dizer que as Colônias estão planejando atacar LA?” Pascao pergunta. Eu já sei o seu próximo pensamento. “Mas isso significa que é verdade, Denver caiu…” Ele se cala ante a expressão de Anden. “Estamos recebendo alguns dos primeiros rumores,” Anden responde. “Dizem que as Colônias têm uma bomba que pode arrasar toda a cidade. A única coisa que os detêm de usá-la é uma proibição internacional. Eles não gostariam de finalmente forçar a Antártida a se envolver, ou gostariam?” Desde quando Anden se tornou tão sarcástico? “De qualquer forma, se eles atacarem agora, seremos duramente pressionados para ter uma cura pronta para mostrar a Antártida antes que as Colônias nos esmaguem. Podemos nos defender contra eles. Não podemos nos defender contra eles e a África.” Hesito, em seguida, exponho os pensamentos que estão agitados na minha mente. “Eu conversei com Eden esta manhã, durante seus testes. Ele me deu uma ideia.” “E qual é?” June pede. Eu olho para ela. Segue sendo tão linda como nunca, mas mesmo June está começando a mostrar a tensão desta invasão, os ombros levemente curvados. Meus olhos voltam para Anden. “Renda-se,” eu digo. Ele não esperava isso. “Você quer que eu levante a bandeira branca para as Colônias?” “Sim, a rendição.” Eu abaixo minha voz. “Ontem à tarde, o Chanceler das Colônias me fez uma oferta. Ele me disse que se eu pudesse levar as pessoas da República a se levantar em apoio as Colônias e contra os soldados da República, assegurou que o Eden e eu seremos protegidos uma vez que as Colônias ganhem a guerra. Digamos que você se rende, e ao


mesmo tempo, eu ofereço um encontro com o Chanceler para dar a resposta ao seu pedido, que eu vou pedir para o povo que adote as Colônias como seu novo governo. Então você terá a chance de pegar as Colônias desprevenidas. De qualquer maneira o Chanceler já assume que você vai se render um dia desses.” “Fingir uma rendição é contra a lei internacional”, murmura June para si mesma, embora ela me estude com cuidado. Eu posso dizer que ela não é exatamente contra a ideia. “Eu não sei se os Antárticos apreciarão isso, e o ponto disso tudo é convencê-los a nos ajudar, não é?” Eu balanço a cabeça. “Eles não parecem se importar que as Colônias quebraram o cessar-fogo sem nos advertir, nos respaldando quando tudo isso estourar.” Eu olho para Anden. Ele me olha de perto, com o queixo descansando em sua mão. “Agora, você tem que retribuir o favor, certo?” “O que acontece quando você se encontrar com o Chanceler?”, Ele finalmente pergunta. “Uma falsa rendição pode só durar certo tempo antes de agirmos.” Eu me inclino até ele, minha voz urgente. “Você sabe o que Eden me disse esta manhã? ‘ É uma pena que nem todos na República possam ser soldados.’ Mas eles podem.” Anden permanece em silêncio. “Deixe-me marcar cada um dos setores na República, com algo que vai deixar as pessoas saberem que eles não podem simplesmente sentar e deixar que as Colônias assumam suas casas, algo que vai pedir que esperem pelo meu sinal e os lembre que todos nós estamos lutando. Então, quando eu fizer o anúncio que o Chanceler das Colônias quer que eu faça, eu não vou pedir para o povo adotar as Colônias. Eu vou chamá-los para a ação.” “E se eles não responderem ao seu chamado?” diz June. Eu lhe dou um rápido sorriso. “Tenha um pouco de fé, amor. As pessoas me amam.” Apesar de tudo, June sorri de volta. Eu me viro para Anden. Seriedade substitui meu flash de diversão. “As pessoas amam a República mais do que você pensa”, eu digo. “Mais do que eu pensava. Você sabe quantas vezes eu vi os evacuados por aqui cantando músicas patrióticas da República? Você sabe quanto grafite eu vi ao longo


dos últimos meses, que apoiam tanto você quanto o país?” Uma nota de paixão entra na minha voz. “As pessoas não acreditam em você. Elas acreditam em nós. E elas vão lutar por nós, se nós os chamarmos — eles vão ser os que rasgarão as bandeiras das Colônias, em protesto na frente dos postos das Colônias, transformando suas próprias casas em armadilhas para os soldados das Colônias.” Eu estreito os meus olhos. “Eles se converterão em um milhão de versões de mim.” Anden e eu olhamos um para o outro. Finalmente, ele sorri. “Bem,” June me diz, “enquanto você está ocupado tornando-se o criminoso mais procurado das Colônias, os Patriotas e eu podemos participar de suas façanhas. Vamos fazer a nível nacional. Se a Antártida protestar, a República pode dizer que eram apenas ações de alguns vigilantes. Se as Colônias querem jogar sujo, então vamos jogar sujo.”


20 1700 Horas Batalla Hall 20°C EU ODEIO REUNIÕES DO SENADO. AS ODEIO COM PAIXÃO — nada mais é, que um mar de políticos discutindo e falando, falando, falando o tempo todo, enquanto eu poderia estar lá fora nas ruas, dando a minha mente e corpo um treino saudável. Mas depois do plano que Day, Anden e eu temos preparado, não há escolha a não ser informar o Senado. Agora eu me sento na câmara de reunião circular em Batal a Hal , no meu lugar frente a Anden do outro lado da sala, tentando ignorar os intimidantes olhares dos Senadores. Poucos eventos me fazem sentir mais como uma criança do que as reuniões do Senado. Anden aborda seu público inquieto. “Os ataques contra nossas bases em Vegas tem sido frequentes desde que Denver caiu”, diz ele. “Nós vimos esquadrões africanos se aproximando da cidade. Amanhã, me dirijo para encontrar os meus generais lá.” Ele hesita aqui. Prendo a respiração. Eu sei o quanto Anden odeia a ideia de expressar derrota para alguém, especialmente para as Colônias. Ele olha para mim — meu sinal para que eu continue. Ele está tão cansado. Nós todos somos. “Srta. Iparis,” diz alto. “Se você quiser, eu entrego a palavra para que você explique sua história e seu conselho.” Eu tomo uma respiração profunda. Me dirijo ao Senado: a coisa que eu odeio mais do que assistir reuniões do Senado, se faz ainda pior pelo fato de que eu tenho que vender uma mentira. “Até agora, tenho certeza que todos vocês têm ouvido sobre o suposto trabalho da Comandante Jameson com as Colônias. Com base no que sabemos, parece provável que as Colônias vão atacar Los Angeles de surpresa muito em


breve. Se o fizerem, e os ataques contra Vegas continuarem, não vamos durar por muito tempo. Depois de conversar com Day e os Patriotas, sugerimos que a única maneira de proteger nossos civis é possivelmente negociar um tratado justo, e anunciar nossa rendição as Colônias.” Há um atordoado silêncio. Em seguida, a sala explode em conversas. Serge é o primeiro a levantar a voz e desafiar Anden. “Com todo o respeito, Eleitor,” diz ele, com a voz trêmula de irritação, “você não discutiu este assunto com seus outros Príncipes Eleitos.” “Não foi algo que eu tive a oportunidade de discutir com você até agora,” Anden responde. “A srta. Iparis sabe porque ela teve a infelicidade de experimentar em primeira mão.” Mesmo Mariana, muitas vezes do lado de Anden, levanta a voz contra a ideia. “Esta é uma negociação perigosa,” diz ela. Pelo menos ela fala com calma. “Se você está fazendo isso para poupar nossas vidas, então eu recomendo que você e a Srta. Iparis reconsiderem imediatamente. Entregar as pessoas para as Colônias não vai protegê-las.” Os outros Senadores não mostram a mesma restrição. “A rendição? Mantivemos as Colônias fora da nossa terra por quase cem anos!” “Certamente nem tudo está enfraquecido ainda? O que eles fizeram, além de ganhar temporariamente Denver?” “Eleitor, isso é algo que você deveria ter discutido com todos nós, mesmo em meio a essa crise!” Eu olho como cada voz sobe mais alta do que a outra, até que toda a câmara se enche com sons de insulto, raiva e descrença. Alguns com ódio vomitam coisas sobre Day. Alguns amaldiçoam as Colônias. Alguns solicitam a Anden reconsiderar, para pedir mais ajuda internacional, para pleitear com as Nações Unidas parar o fechamento dos nossos portos. Barulho. “Isso é um ultraje!” Um Senador (magro, provavelmente não mais de sessenta quilos, com uma careca reluzente) grunhe, olhando para mim como se eu fosse responsável pela queda de todo o país. “Certamente não tomaremos as diretrizes de uma menina? E de Day? Você deve estar brincando. Nós vamos entregar o país com base no parecer de algum


maldito garoto que ainda deveria estar na lista de criminosos da nossa nação!” Anden estreita os olhos. “Cuidado como você se refere a Day, Senador, antes de as pessoas virarem as costas para você.” O Senador zomba de Anden e eleva-se o mais alto que pode. “Eleitor,” diz ele, com um tom exagerado e zombeteiro. “Você é o líder da República da América. Você tem poder sobre este país inteiro. E aqui está você, refém das sugestões de alguém que tentou matá-lo.” Meu temperamento começa a subir. Eu abaixo a minha cabeça para que não tenha que olhar para o Senador. “Em minha opinião, s enhor, você precisa fazer alguma coisa antes que todo o seu governo — e toda a sua população — o veja como nada mais que um covarde, sem força de vontade, que nos bastidores de negociação é um bobalhão que se curva às demandas de uma adolescente e um criminoso e uma equipe de terroristas ralé. Seu pai teria—” Anden salta de pé e bate a mão na mesa. Instantaneamente, a câmara se torna silenciosa. “Senador,” Anden diz calmamente. O homem olha em volta, mas com menos convicção do que ele tinha a dois segundos atrás. “Você está certo sobre uma coisa só. Como filho de meu pai, eu sou o Eleitor da República. Eu sou a lei. Tudo o que eu decido afeta diretamente quem vive ou morre.” Eu estudo o rosto de Anden com um crescente sentimento de preocupação. Seu gentil e suave tom de voz está desaparecendo lentamente por trás do véu de escuridão e violência herdados de seu pai. “Você faria bem em lembrar o que aconteceu com aqueles Senadores que realmente tramaram o meu falho assassinato.” A câmara fica tão quieta que eu sinto que eu posso ouvir as gotas de suor escorrendo pelo rosto dos Senadores. Mesmo Mariana e Serge empalidecem. No meio de todos eles está Anden, seu rosto uma máscara de fúria, o queixo tenso, e em seus olhos uma profunda tempestade crescente. Ele se vira para mim, eu sinto um enorme estremecimento elétrico percorrer meu corpo, mas eu mantenho o meu olhar firme. Eu sou a única na câmara disposta a olhá-lo nos olhos. Mesmo que a nossa rendição seja falsa, a qual os Senadores não tem propósito de entender, eu me pergunto como Anden vai lidar com este grupo, uma vez que tudo estiver acabado. Talvez ele não precise. Talvez a gente pertença a um país diferente, ou talvez tanto Anden como eu estaremos mortos.


Neste momento, sentada entre um Senado dividido e um jovem Eleitor lutando para mantê-los juntos, eu finalmente vejo claramente o meu caminho. Eu não pertenço a isso. Eu não deveria estar aqui. A compreensão me bate tão forte, de repente acho difícil respirar. Anden e os Senadores trocam mais algumas palavras tensas, mas depois que tudo acabou, e nós saímos da sala enfileirados, uma multidão inquieta. Acho Anden — seu uniforme vermelho-escuro brilhante é marcante contra o negro dos Senadores — no corredor e o puxo de lado. “Eles vão ceder,” eu digo, tentando ofertar tranquilidade em um mar de hostilidade. “Eles não têm uma escolha.” Ele parece relaxar, mesmo que apenas por um segundo. Algumas simples palavras minhas são suficientes para dissipar a sua raiva. “Eu sei. Mas eu não quero que eles não tenham escolha. Eu quero que eles solidamente sigam atrás de mim por sua própria vontade.” Ele suspira. “Podemos falar em particular? Eu tenho algo a discutir com você.” Eu estudo seu rosto, tentando adivinhar o que ele quer me dizer, temo isso. Finalmente, eu aceno. “Meu apartamento está mais perto.” Nós nos conduzimos ao seu jipe e dirigimos em silêncio todo o caminho para o meu arranha-céus no setor Ruby. Lá, nós fazemos o nosso caminho para cima e entramos no meu apartamento sem uma palavra. Ollie nos cumprimenta, tão entusiasmado como sempre. Eu fecho a porta atrás de mim. O temperamento de Anden a muito desapareceu. Ele olha em volta com uma expressão inquieta, em seguida, volta-se para mim. “Você se importa se eu me sentar?” “Por favor,” eu respondo, sentando-me na mesa de jantar. O Primeiro Eleitor, pedindo permissão para sentar-se? Anden toma o assento ao meu lado com toda a sua distinta graça e esfrega suas as têmporas com mãos cansadas. “Eu tenho uma boa notícia”, diz ele. Ele tenta sorrir, mas eu posso ver como é pesado. “Eu fiz um acordo com a Antártida.” Eu engulo em seco. “E então?” “Eles confirmaram que vão enviar apoio militar — algum apoio aéreo, por agora, mais apoio terrestre quando provarmos que foi encontrada uma cura,” Anden responde. “E eles vão concordar em tratar Day.” Ele não olha


para mim. “Em troca de Dakota. Eu não tive escolha. Eu estou dando o nosso maior território.” Meu coração salta com uma enorme sensação de alegria e alívio — e ao mesmo tempo, ele afunda em simpatia por Anden. Ele foi forçado a fragmentar o país. Dar nosso mais precioso recurso; o recurso mais precioso de todos no mundo. Era inevitável. Cada vitória vem com um sacrifício. “Obrigada,” eu digo. “Não me agradeça ainda.” Seu sorriso irônico rapidamente se transforma em uma careta. “Estamos por um fio. Eu não sei se a sua ajuda virá rápida o suficiente. A palavra da frente de batalha é que estamos perdendo terreno em Las Vegas. Se os nossos planos com esta rendição falsa falhar, se não encontrarmos uma cura logo, esta guerra vai acabar antes do apoio da Antártida chegar.” “Você acha que encontrar uma cura fará com que as Colônias parem?” Pergunto com calma. Anden balança a cabeça. “Não temos muitas opções,” ele responde. “Mas temos que aguentar até que a ajuda chegue.” Ele fica em silêncio por um momento. “Vou amanhã a frente de batalha em Vegas. Nossas tropas precisam disso.” Direto para o foco da guerra. Eu tento manter a calma. “Seus Príncipes Eleitos vão também?” Eu pergunto. “Seus Senadores?” “Só os meus generais se unirão a mim,” Anden responde. “Você não vai vir, e nem Mariana e Serge. Alguém precisa manter-se firme em Los Angeles.” E aqui está o ponto do que ele quer me dizer. Minha mente dá voltas sobre o que eu sei que ele vai dizer em seguida. Anden se inclina sobre a mesa e enfia os dedos enluvados juntos. “Alguém tem de manter-se firme em Los Angeles,” ele repete, “o que significa que um dos meus Príncipes Eleitos terá que tomar o meu lugar e agir como um Eleitor. Ela precisaria controlar o Senado, mantê-los em cheque, enquanto eu estou longe com as tropas. Eu escolheria essa pessoa, é claro, e o Senado confirmaria.” Um pequeno sorriso triste se desenha nas bordas de seus lábios, como se ele já soubesse qual será a minha resposta. “Eu já falei individualmente com Mariana e Serge sobre isso, e ambos estão ansiosos para a minha nomeação. Agora eu preciso saber se você também está.” Viro a cabeça e olho para fora da janela do apartamento. A ideia de atuar como Eleitor da República — mesmo que minhas chances de ser escolhida empalidecem em comparação com a de Mariana e Serge —


deveria me excitar, mas isso não acontece. Anden me observa com cuidado. “Você pode me dizer,” ele finalmente diz. “Eu percebo o quão inevitável esta decisão é, e sinto seu desconforto faz um tempo.” Ele me dá um olhar nivelado. “Diga me a verdade, June. Você realmente quer ser uma Princesa Eleita?” Eu sinto um vazio estranho. Eu estava pensando nisso por um longo tempo, meu desinteresse e cansaço com a política da República, a briga no Senado, a luta entre os Senadores e o Príncipes Eleitos. Pensei que isso seria difícil de dizer a ele. Mas agora que ele está aqui, esperando pela minha resposta, as palavras vêm facilmente, com calma. “Anden, você sabe que o papel de Princesa Eleita tem sido uma grande honra para mim. Mas enquanto o tempo passa, eu posso dizer que alguma coisa está faltando, e agora eu sei o que é. Você tem a oportunidade de levar seu exército contra os nossos inimigos, enquanto Day e os Patriotas estão lutando contra as Colônias em sua própria maneira de guerrilhar. Sinto falta de estar em campo, trabalhando como agente júnior e confiar em mim mesma. Eu sinto saudade dos dias em que as coisas eram simples em vez de política, quando eu podia facilmente perceber o caminho certo e o que deveria fazer. Eu… sinto saudade de fazer o que meu irmão me treinou a fazer.” Sustento o olhar firme. “Eu sinto muito, Anden, mas eu não sei se sou talhada para ser um político. Eu sou um soldado. Eu não acho que você deve me considerar como uma Eleitora temporária em sua ausência, e eu não tenho certeza se deveria continuar como sua Princesa Eleita.” Anden busca meus olhos. “Compreendo,” ele finalmente diz. Embora haja uma pontada de tristeza em sua voz, ele parece concordar. Se há uma coisa que se destaca no Anden, ainda mais do que no Day, é o entendimento de onde eu venho. Um momento depois, eu vejo outra emoção em seus olhos — inveja. Ele está com inveja que eu tenho a opção de me afastar do mundo da política, que posso me tornar algo mais, quando Anden será para sempre e sempre o nosso Eleitor, o país precisa de alguém para se apoiar. Ele nunca poderá se afastar com a consciência limpa. Ele limpa a garganta. “O que você quer fazer?” “Eu quero me juntar as tropas nas ruas,” eu respondo. Eu estou tão


certa da minha decisão, desta vez, tão animada com a perspectiva, que mal posso suportar. “Mande-me de volta lá para fora. Deixe-me lutar.” Eu abaixo minha voz. “Se perdemos, então nenhum dos Príncipes Eleitos vão importar de qualquer maneira.” “É claro,” Anden diz assentindo. Ele olha ao redor da sala com uma expressão incerta, e atrás de sua corajosa fachada posso ver o rei menino nele lutando para se segurar. Então ele percebe um casaco amarrotado pendurado ao pé da minha cama. Demorando-se nele. Eu nunca me dei ao trabalho de colocar o casaco de Day em outro lugar. Anden finalmente olha para longe dele. Eu não preciso dizer-lhe que o Day passou a noite — já posso ver na compreensão em seu rosto. Eu coro. Eu sempre fui boa em esconder minhas emoções, mas desta vez eu estou envergonhada de que algo sobre aquela noite — o calor da pele do Day contra a minha, o toque de sua mão tirando o cabelo longe do meu rosto, o toque de seus lábios contra meu pescoço — irá mostrar-se nos meus olhos. “Bem,” disse ele após uma longa pausa. Me dá um pequeno sorriso triste, então se endireita. “Você é um soldado, Srta. Iparis, genuinamente, mas tem sido uma honra vê-la como uma Princesa Eleita.” O Eleitor da República se inclina para mim. “Aconteça o que acontecer a partir daqui, eu espero que você lembre-se disso.” “Anden,” eu sussurro. A memória de seu rosto escuro, furioso na câmara do Senado volta a mim. “Quando você estiver em Vegas, me prometa que será você mesmo. Não se transforme em alguém que você não é. Ok?” Ele pode não ter ficado surpreso com a minha resposta, ou pelo casaco do Day. Mas isso parece pegá-lo de guarda baixa. Ele pisca, confuso por um segundo. Em seguida, ele entende. Balança a cabeça. “Eu tenho que ir. Eu tenho que levar os meus homens, assim como fez meu pai.” “Isso não é o que eu quis dizer”, eu digo com cuidado. Ele luta por um momento para encontrar as próximas palavras. “Não é nenhum segredo o quão cruel foi meu pai, ou quantas atrocidades que ele


cometeu. Os experimentos, as pragas…” Anden se detém um pouco, a luz em seu olhos verdes fica distante quando ele rememora lembranças de alguém que poucos de nós chegou a conhecer. “Mas ele lutou com seus homens. Você entende isso, talvez mais do que ninguém. Ele não ficava atrás do Senado da câmara enquanto enviava as suas tropas para morrer. Quando ele era jovem e levou o país a partir de uma bagunça sem lei a lei marcial rigorosa, ele estava nas ruas e na frente de seus esquadrões. Lutou na própria frente de batalha, abatendo jatos das Colônias.” Anden faz uma pausa para me dar uma olhada rápida. “Eu não estou tentando defender qualquer coisa que ele fez. Mas se era qualquer coisa, ele era alguém sem medo. Ele ganhou a lealdade de seu exército através da ação, porém implacável… quero elevar a moral dos nossos soldados também, e eu não posso fazer isso enquanto me escondo em LA. Estou—” “Você não é o seu pai,” eu digo, segurando seu olhar com o meu. “Você é Anden. Você não tem que seguir os seus passos; você tem os seus próprios. Você é o Eleitor agora. Você não tem que ser como ele.” Penso em minha própria lealdade para com o ex-Eleitor, de todas as imagens de vídeo dele gritando ordens do cockpit de um avião de combate, ou dirigindo tanques nas ruas. Ele estava sempre nas linhas de frente. Ele era destemido. Agora, quando olho para Anden, eu posso ver o mesmo destemor queimando de forma constante em seus olhos, a necessidade de afirmar-se como um líder digno de seu país. Quando seu pai era jovem, talvez ele também tinha sido como Anden — idealista, cheio de sonhos e esperanças, com intenções nobres, corajoso e determinado. Como ele lentamente se tornou o Eleitor que criou uma nação tão obscura? Que caminho escolheu seguir? De repente, por um breve segundo, eu sinto como se entendesse a antiga República. E eu sei que Anden não pode ir por esse mesmo caminho. Anden retorna meu olhar, como se ouvisse minhas palavras não ditas… e pela primeira vez em meses, eu vejo algumas nuvens escuras se elevando de seus olhos, a escuridão que dá luz a seus momentos de temperamento furioso. Sem a sombra de seu pai no caminho, ele é lindo. “Eu vou fazer o meu melhor”, ele sussurra.


21 SEGUNDA NOITE DO CESSAR-FOGO DAS COLÔNIAS. BEM, NÃO ADIANTA VOLTAR PARA CASA ESTA NOITE. PASCAO e eu vamos correr através de Los Angeles, marcando portas e paredes e alertando as pessoas em silêncio para a nossa causa, e que poderia muito bem fazê-lo a partir de uma localização central, como o hospital. Além disso, eu precisava me sentar com Eden por um tempo. Uma noite de exames de sangue não o deixou bem—ele havia vomitado duas vezes desde que eu estive aqui. Enquanto uma enfermeira corre para fora da sala com um balde na mão, eu derramo um copo de água para o meu irmão.

Ele bebe de uma vez. “Teve sorte?” Pergunta ele fracamente. “Você sabe se eles encontraram alguma coisa?” “Ainda não.” Eu tomo o copo vazio dele e o coloco de volta em uma bandeja. “Eu vou verificar com eles daqui a pouco, no entanto. Ver como eles estão fazendo. Melhor valer a pena tudo isso.” Eden suspira, fecha os olhos, e inclina a cabeça contra a montanha de travesseiros empilhados em sua cama. “Eu estou bem”, ele sussurra. “Como está a sua amiga? Tess?” Tess. Ela não acordou ainda, e agora encontro-me desejando que pudéssemos voltar para quando ela ainda era capaz de empurrar a equipe do laboratório ao redor. Eu engulo em seco, tentando substituir a minha imagem mental de sua aparência doentia com a cara doce, alegre que conheço há anos. “Ela está dormindo. O laboratório diz que sua febre não diminuiu.” Eden range os dentes e olha de volta para a tela de monitoramento dos seus sinais vitais. “Ela parece legal”, ele finalmente diz.


“De tudo o que eu ouvi.” Eu sorrio. “Ela é. Depois que tudo isso acabar, talvez vocês dois possam sair ou algo assim. Vocês iriam se dar bem.” Se sairmos de tudo isso, acrescento a mim mesmo, e, em seguida, rapidamente apago o pensamento. Droga, a cada dia está ficando cada vez mais difícil manter meu queixo para cima. Nossa conversa acaba depois disso, mas Eden mantém uma mão agarrada firmemente na minha. Seus olhos se fecham. Depois de um tempo, sua respiração muda no ritmo constante de sono, e sua mão cai para descansar em seu cobertor. Eu puxo o cobertor para cobri-lo até o queixo, o observo por mais alguns segundos e, em seguida, fico em pé. Pelo menos ele ainda pode dormir muito profundamente. Eu não. A cada hora, mais ou menos, pelos últimos dois dias, eu me desperto de um pesadelo horrível e tenho que andar um pouco antes de tentar dormir novamente. Minha dor de cabeça fica comigo, uma constante, leve companhia, lembrando-me de meu relógio correndo. Abro a porta e fujo o mais silenciosamente que eu posso. A sala está vazia, exceto por algumas enfermeiras aqui e ali. E Pascao. Ele está esperando por mim em um dos bancos da sala. Quando ele me vê, ele se levanta e me pisca um breve sorriso. “Os outros estão tomando as posições”, diz ele. “Temos cerca de duas dezenas de corredores, apesar de tudo, já foram e marcaram os setores. Creio que nos dará tempo para sair também.” “Pronto para despertar as pessoas?” Eu digo, meio brincando, enquanto ele me leva para o corredor. “A emoção de tudo isso está fazendo meu ossos doerem.” Pascao empurra para abrir um conjunto de portas duplas no fim do corredor, entramos numa sala de espera maior, e, em seguida, em um quarto de hospital não utilizado com as luzes ainda apagadas. Ele as acende. Meus olhos vão imediatamente para algo deitado na cama. Parece um par de trajes escuros, com contorno cinza, ambos dispostos ordenadamente em cima dos cobertores estéreis. Ao lado dos trajes está algum tipo de equipamento que se parece um pouco como armas. Eu olho para Pascao, que enfia as mãos nos bolsos. “Olhe essas”, diz ele, em voz baixa. “Quando estávamos procurando ideias esta tarde com Baxter e um par de soldados da República, eles emprestaram esses trajes para nós corredores. Deve ajudar você


especialmente. June disse que ela usa trajes e lançadores de ar como estes para se locomover pela cidade de forma rápida, sem ser detectada. Aqui.” Ele me joga um. “Coloque isto.” Eu franzo a testa para o traje. Ele não se parece com nada em especial, mas eu decido dar à Pascao o benefício da dúvida. “Eu estarei na sala ao lado”, diz Pascao enquanto ele joga seu próprio traje por cima do ombro. Ele cutuca meu ombro enquanto ele passa. “Com essas coisas, nós não devemos ter problemas cobrindo Los Angeles esta noite.” Eu começo a avisá-lo de que, com as minhas dores de cabeça recentes e medicamentos, eu provavelmente não sou forte o suficiente para manter-me com ele por toda a cidade, mas ele já está fora da porta, deixando-me sozinho no quarto. Eu estudo o processo de novo, então desabotoo minha camisa. O traje é surpreendentemente leve como uma pena, e se encaixa confortavelmente desde os pés até a minha garganta com um zíper. Eu o ajusto ao redor dos meus cotovelos e joelhos, depois ando um pouco. Para minha surpresa, meus braços e pernas parecem mais fortes do que o habitual. Muito mais fortes. Tento um salto rápido. A ação absorve quase toda a força do meu peso, e sem muito esforço eu sou capaz de saltar alto o suficiente para ultrapassar a cama. Eu dobro um braço, depois o outro. Parecem fortes o suficiente para levantar algo mais pesado do que eu estou acostumado durante os últimos meses. A emoção repentina corre através de mim.

Eu posso correr com isso. Pascao bate na minha porta, em seguida, entra com o seu próprio traje. “Como se sente, menino bonito?” Pergunta ele, me olhando. “Cai muito bem em você.” “Para o que é usado?”, Eu pergunto, ainda testando meus novos limites físicos. “O que você acha? A República geralmente destina estes para os seus soldados para missões fisicamente desgastantes. Existem molas especiais instaladas próximos as articulações – cotovelos, joelhos, o que for. Em outras palavras, isso vai fazer de você um pequeno herói acrobata.” Incrível. Agora que Pascao mencionou isso, eu posso sentir um ligeiro


empurrar e puxar de algum tipo de mola em meus cotovelos, e a elevação sutil que as molas dão em meus joelhos sempre que eu os dobro. “É uma sensação boa”, eu digo, enquanto Pascao me olha com um olhar de aprovação. “Muito bom. Parece que eu posso escalar um prédio de novo”. “Aqui está o que eu estou pensando,” Pascao diz, sua voz diminuindo novamente para um sussurro. Sua atitude alegre se desvanece. “Se as Colônias pousarem suas aeronaves aqui em Los Angeles após o Eleitor anunciar a rendição, a República terá as suas tropas numa posição para encenar um ataque surpresa sobre os dirigíveis. Eles podem paralisar um inferno de um monte deles antes das Colônias sequer perceberem o que estamos fazendo. Vou levar os Patriotas com as equipes da República, e nós vamos cabear algumas das bases aéreas para explodir aeronaves que estão pousadas sobre elas.” “Soa como um plano.” Eu flexiono um dos meus braços devagar, maravilhado com a força que o processo me dá. Meu coração martela em meu peito. Se eu não levar a cabo este plano e o Chanceler descobrir o que estamos realmente fazendo, em seguida, a República vai perder a vantagem de nossa falsa rendição. Nós só temos uma chance. Nós abrimos as portas de vidro do quarto do hospital e nos dirigimos para a varanda. O ar frio da noite me refresca, tirando um pouco da dor e do estresse dos últimos dias. Com este fato, eu me sinto um pouco como eu, de novo. Olho para os prédios. “Será que devemos testar essas coisas?” Pergunto à Pascao, içando o lançador de ar no meu ombro. Pascao sorri, então me joga uma lata de tinta spray vermelha brilhante. “Você tirou as palavras da minha boca.” Então, lá vamos nós. Eu desço escalando até o primeiro andar tão rápido que eu quase perco meu pé, e, em seguida, faço o meu caminho sem esforço para o chão. Nós nos separamos, cada um cobrindo uma seção diferente da cidade. Enquanto eu faço o meu setor, não posso deixar de sorrir. Eu estou livre de novo, eu posso sentir o vento e tocar o céu. Neste momento, os meus problemas derretem e mais uma vez eu sou capaz de fugir deles – eu sou capaz de me misturar perfeitamente com a


ferrugem e os escombros da cidade, transformando-a em algo que pertence a mim. Eu faço o meu caminho através de becos escuros do setor Tanagashi até me deparar com edifícios históricos, lugares onde eu sei que a maioria das pessoas terá que passar e, em seguida, retiro a minha lata de tinta spray. Eu escrevo o seguinte na parede: ME OUÇAM Abaixo disso, desenho a única coisa que eu sei que todo mundo vai reconhecer como vindo de mim – uma faixa vermelha pintada sobre um esboço de um rosto. Eu marco tudo o que eu possa pensar. Quando eu termino, eu uso o lançador de ar para viajar para um setor vizinho, e ali, repito todo o processo. Horas mais tarde, o meu cabelo está encharcado de suor e meus músculos doloridos, eu faço o meu caminho de volta para o Hospital Central. Pascao espera lá fora por mim, um brilho de suor em seu próprio rosto. Ele me dá uma saudação zombeteira. “Uma corrida de volta?”, Pergunta ele, piscando-me um sorriso. Eu não respondo. Somente começo a subir, e assim ele faz. A figura de Pascao é quase invisível na escuridão, uma forma disforme que salta e brinca a cada andar com a facilidade de um corredor natural. Corro atrás dele. Outro andar, e depois outro. Nós subimos de volta para a varanda que corre ao longo de todo o quarto andar da torre. Dentro encontra-se a ala hospitalar que tínhamos deixado. Mesmo que eu esteja fora do ar e minha cabeça esteja batendo de novo, eu fiz a corrida quase tão rápido quanto Pascao fez. “Inferno”, murmuro a ele enquanto nos inclinamos contra a grade em exaustão. “Onde estava este equipamento quando eu estava mais saudável? Eu poderia sozinho ter destruído a República sem suar a camisa, não é mesmo?” Os dentes de Pascao brilham na noite. Ele examina a paisagem urbana. “Talvez seja uma coisa boa você não tê-lo. Caso contrário, não haveria República para nos salvar.” “Vale a pena?” Pergunto depois de um tempo, aproveitando o vento frio. “Você está realmente disposto a sacrificar sua vida para um país que


não fez muita coisa por você?” Pascao fica em silêncio por um momento, e então levanta um braço e aponta para algum lugar no horizonte. Eu tento ver o que ele quer que eu veja. “Quando eu era pequeno”, ele responde: “Eu cresci no setor Winter. Eu assisti duas das minhas irmãzinhas falhar no Teste. Quando eu fui para o estádio e tive o meu próprio Teste, eu quase não consegui também. Eu tropecei e cai em um dos saltos físicos, você sabe. Irônico, não acha? De qualquer forma, um dos soldados me viu cair. Eu nunca vou esquecer o olhar em seus olhos. Quando percebi que ninguém tinha me visto, exceto ele, lhe pedi para deixar passar. Ele parecia malditamente torturado, mas ele não gravou a minha queda. Quando eu sussurrei meus agradecimentos, ele me disse que se lembrava das minhas duas irmãs. Ele disse: ‘ Eu acho que duas mortes em sua família já é o suficiente. ’” Pascao pausa por um momento. “Eu sempre odiei a República para o que eles fizeram com as pessoas que eu amava, para todos nós. Mas às vezes eu me pergunto o que aconteceu com aquele soldado, como era sua vida, por que ele se preocupava, e se ele ainda está até mesmo vivo. Quem sabe? Talvez ele já morreu.” Ele encolhe os ombros com o pensamento. “Se eu olhar para o outro lado e decidir deixar a República lidar com seu próprio negócio, e logo ela cair, eu acho que eu poderia deixar o país. Encontrar uma maneira de viver em outro lugar, me esconder do governo.” Ele olha para mim. “Eu realmente não sei por que eu quero ficar sobre a colina com eles agora. Talvez eu tenha um pouco de fé.” Pascao quer se explicar ainda mais, como se ele estivesse tão frustrado que ele não sabe como colocar a sua resposta nas palavras certas. Mas eu já o entendo. Balanço a cabeça e olho para o setor de Lake, lembrando do irmão de June. “Sim. Eu também.” Depois de um tempo, nós finalmente voltamos para dentro do hospital. Eu tiro a roupa e mudo de volta para minhas próprias roupas. Se supõe que o plano deveria entrar em vigor a partir do anúncio da rendição de Anden. Depois disso, é tudo um dia de cada vez. Tudo pode mudar. Enquanto Pascao se dirige para descansar um pouco, eu refaço meus passos pelo corredor e volto para o quarto de Eden, me perguntando se as equipes de laboratório enviaram todos os novos resultados para olharmos.


Como se eles já tivessem lido minha mente, eu vejo alguns deles agrupados fora da porta de Eden, quando eu chego. Eles estão falando em voz baixa. A serenidade que eu senti durante a nossa breve noite de corrida desaparece. “O que é isso?” Eu pergunto. Já posso ver a tensão em seus olhos. Meu peito dá um nó com a visão. “Diga-me o que aconteceu.” Por trás do plástico transparente de seu capuz, um dos técnicos de laboratório me diz: “Recebemos alguns dados da equipe de laboratório da Antártida. Achamos que conseguimos sintetizar algo do sangue de seu irmão que quase pode agir como uma cura. Está funcionando… em certo nível”. A cura! Uma onda de energia rompe através de mim, me deixando tonto de alívio. Não posso evitar que um sorriso se derrame em meu rosto. “Já disseram ao Eleitor? Será que funciona? Podemos começar a usá-lo em Tess?” O técnico de laboratório me para antes que eu possa seguir em frente. “Quase age como uma cura, Day”, ele repete. “O que você quer dizer?” “A equipe da Antártida confirmou que o vírus sofreu uma provável mutação do original ao qual Eden desenvolveu imunidade, ou que podem ter combinado o seu genoma com outro genoma ao longo do caminho. As células T do seu irmão tem a capacidade de mudar junto com este vírus agressivo; em nossas amostras, uma das curas que desenvolvemos parece funcionar parcialmente.” “Sim, eu posso entender você”, eu digo, impaciente. O técnico de laboratório faz uma carranca para mim, como se eu pudesse infectá-lo com a minha atitude. “Nós estamos perdendo alguma coisa”, diz ele com um suspiro indignado. “Estamos perdendo um componente.” “O que quer dizer, você está perdendo alguma coisa?” Eu exijo. “O que está faltando?” “Em algum lugar ao longo do caminho, o vírus que está causando nossos surtos atuais sofreram mutações do original vírus da praga da República e se combinou com outros vírus. Há algo faltando ao longo do caminho, como resultado.


Achamos que ele pode ter sofrido mutações nas Colônias, talvez um bom tempo atrás. Meses atrás, inclusive. Meu coração afunda enquanto eu percebo o que eles estão tentando me dizer. “Isso significa que a cura não funciona ainda?” “Não é apenas que a cura não vai funcionar ainda. É que nós não sabemos se alguma vez poderemos fazê-la funcionar. Eden não é o Paciente Zero para isso.” O técnico de laboratório suspira novamente. “E se não conseguirmos encontrar a pessoa da qual este novo vírus mutante partiu, eu não tenho certeza se alguma vez criaremos uma cura.”


22 ACORDO AO SOM DE UMA SIRENE ATRAVÉS do nosso complexo de apartamentos. É o alarme de ataque aéreo. Por um segundo, eu estou de volta, em Denver, sentada com Day em um pequeno café iluminado por lanternas, enquanto granizo cai em torno de nós, ouvindo-o me dizer que ele está morrendo. Estou de volta nas caóticas ruas inundadas com pânico enquanto as sirenes tocam — nós estamos de mãos dadas, correndo para o abrigo, aterrorizados. Aos poucos, o meu quarto se desvanece em realidade e a sirene continua. Meu coração começa a bater. Eu salto para fora da cama, faço uma pausa para confortar um Ol ie se lamentando, em seguida, corro para ligar a minha tela. Notícias retumbam, lutando com a sirene – e correndo ao longo da parte inferior da tela está um grave aviso vermelho.

BUSQUEM ABRIGO Eu examino as manchetes. DIRIGÍVEIS INIMIGOS SE APROXIMAM DOS LIMITES DE LOS ANGELES TODAS AS TROPAS REPORTEM AO SEU LOCAL SEDE PRIMEIRO ELEITOR IRÁ FAZER UM ANÚNCIO DE EMERGÊNCIA Eles previram que as Colônias ainda levariam mais três dias antes de fazer um movimento em Los Angeles. Parece que eles estão à frente do cronograma e se preparando para o fim do cessar-fogo de três dias, o que significa que é preciso colocar o nosso plano antes do previsto. Eu cubro meus ouvidos da sirene, corro para a varanda, e olho para o horizonte. A luz da manhã ainda é fraca e o céu nublado torna difícil para eu ver corretamente, mas, mesmo assim, os pontos que alinham acima do horizonte na montanha da Califórnia são inconfundíveis. Minha respiração


pega na minha garganta. Aeronaves. Das Colônias, Africanas — eu não posso dizer muito a esta distância, mas não há nenhuma dúvida do fato de que elas não são as naves da República. Com base na sua posição e velocidade, eles pousarão sobre o centro de Los Angeles antes da hora acabar. Clico meu fone, então corro para o armário para colocar algumas roupas. Se Anden está se preparando para fazer um anúncio em breve, em seguida, será sem dúvida a rendição. E se esse for o caso, eu vou ter de juntar Day e os Patriotas o mais rápido que eu puder. A rendição falsa só vai funcionar por tempo suficiente antes dela se transformar em uma real. “Onde vocês estão?” Eu grito quando Day aparece na linha. Sua voz soa tão urgente quanto a minha. O eco da sirene soa do seu lado também. “Quarto do hospital de Eden. Você vê as aeronaves?” Olho novamente para o horizonte antes de amarrar minhas botas. “Sim. Eu vejo. Estarei aí em breve.” “Observe o céu. Fique segura.” Ele hesita por dois segundos. “E depressa. Nós temos um problema.” Então, a nossa ligação termina, e eu estou fora da porta com Ollie próximo ao meu lado, galopando como o vento. Quando chegamos ao andar do laboratório do Hospital Central na Torre Bank e nos dirigimos para ver Day, Eden e os Patriotas, as sirenes param. A eletricidade do setor deve ter sido desligada de novo, e para além dos principais edifícios do governo, como a Torre Bank, a paisagem fora parece assustadoramente escura, engolindo quase todas as sombras úmidas da manhã. No final do corredor, as telas mostram um pódio vazio onde Anden estará de pé a qualquer momento, prestes a dar um discurso ao vivo a nação. Ol ie permanece colado ao meu lado, ofegando de angústia. Eu estendo a mão e lhe acaricio várias vezes, e ele me recompensa com uma lambida em minha mão. Eu encontro Day e os outros no quarto de Eden quando Anden aparece na tela. Eden parece exausto e meio consciente. Ele ainda tem uma intravenosa ligada ao seu braço, mas fora isso, não há outros tubos ou fios. Ao lado da cama, um técnico de laboratório está escrevendo notas em um caderno.


Day e Pascao está vestindo o que parece ser escuros trajes da República destinado para missões fisicamente exigentes — é o mesmo tipo de roupa que eu uma vez usei quando pela primeira vez precisei tirar Day do Batalha Hall, quando passei uma noite pulando telhados de edifícios em busca de Kaede. Ambos estão falando com um técnico de laboratório, e com base em suas expressões, eles não estão recebendo uma boa notícia. Quero pedir-lhes detalhes, mas Anden já está andando até o pódio, e as minhas palavras desaparecem enquanto voltamos nossa atenção para a tela. Tudo o que ouço é o som de nossa respiração e o distante zumbido ameaçador das aeronaves se aproximando. Anden parece tranquilo; e mesmo que ele esteja apenas um ano mais velho do que a primeira vez que eu o conheci, o peso e a gravidade no rosto o fazem parecer muito mais maduro do que ele realmente é. Só o ligeiro aperto de sua mandíbula revela uma pitada de suas emoções reais. Ele está vestido de branco sólido, com dragonas de prata em seus ombros e um selo de ouro da República preso perto da gola do casaco militar. Atrás dele estão duas bandeiras: uma é a República enquanto a outra não mostra nada, é branca, desprovida de qualquer cor. Eu engulo em seco. É uma bandeira que eu conheço bem de todos os meus estudos, mas que eu nunca vi sendo usada. Todos nós sabíamos que isso aconteceria, tínhamos planejado isso e nós sabemos que não é real, mas, mesmo assim, eu não posso deixar de sentir um profundo sentimento escuro de dor e fracasso. Como se estivéssemos realmente entregando nosso país para outra pessoa. “Soldados da República”, Anden começa abordando os soldados que o cercavam na base. Como sempre, sua voz é ao mesmo tempo suave e autoritária, tranquila, mas clara. “É com um grande pesar que eu venho a vocês hoje com esta mensagem. Eu já transmiti estas mesmas palavras para o Chanceler das Colônias.” Ele faz uma pausa por um momento, como se reunindo a sua força. Eu só posso imaginar que, para ele, mesmo fingindo tal gesto deve pesar sobre ele muito mais do que já faz em mim. “A República foi oficialmente entregue as Colônias.” Silêncio. A base, cheia de barulho e caos apenas alguns minutos atrás, está de repente quieta — cada soldado congelado, ouvindo com incredulidade. “Estamos agora cessando toda a atividade militar contra as Colônias,” Anden continua, “e dentro do dia seguinte, vamos nos reunir com


principais funcionários das Colônias para elaborar os termos da rendição oficial.” Ele faz uma pausa, deixando a informação assentir ao longo de toda a base. “Os soldados continuarão sendo atualizados sobre informações referentes a esta medida que tomamos” Então, a transmissão é interrompida. Ela não termina com Viva a República. Um arrepio me percorre quando as telas são substituídas por uma imagem, não da bandeira da República, mas sim das Colônias”. Eles estão fazendo um trabalho estelar de fazer esta entrega parecer convincente. Espero que a Antártida mantenha sua palavra. Espero que a ajuda esteja a caminho. “Day, não temos muito tempo para obter essas bases prontas para explodir”, murmura Pascao. Os três soldados da República com a gente estão preparados de forma semelhante, todos prontos para orientá-los para onde as bases aéreas estarão conectadas. “Você vai ter que nos comprar algum tempo. A notícia é que as Colônias começarão o desembarquem de suas aeronaves em nossas bases em algumas horas.” Day acena. Quando Pascao vira-se para recitar algumas instruções para os soldados, os olhos de Day piscam para mim. Neles, eu vejo uma tensa sensação de medo que faz meu estômago embrulhar. “Algo está errado com a cura, não é?” Eu pergunto. “Como Eden está?” Day suspira, passando a mão pelo cabelo e, em seguida, olha para o irmão. “Ele está aguentando.” “Mas…?” “Mas o problema é que ele não é o Paciente Zero. Eles disseram que está faltando alguma coisa a partir de seu sangue.” Eu olho para o menino frágil na cama do hospital. Eden não é o Paciente Zero? “Mas o quê? O que está faltando?” “Seria mais fácil mostrar do que tentar explicar. Vamos. Isso é algo que vamos precisar para alertar Anden. Qual é o ponto de encenar toda esta entrega se não seremos capazes de obter ajuda da Antártica?” Day nos leva para fora e para o final do corredor. Nós andamos em um tenso silêncio por um tempo, até que finalmente paramos na frente de uma porta sem


descrição. Day a abre. Entramos em uma sala cheia de computadores. Um técnico de laboratório que monitora as telas se levanta quando ele nos vê, em seguida, nos acompanha. “Hora de atualizar Srta. Iparis?” “Diga-me o que está acontecendo”, eu respondo. Ele nos senta na frente de um computador e passa vários minutos carregando uma tela. Quando finalmente termina, vejo duas comparações de lado a lado de alguns slides que eu assumo que são células. Olho mais de perto. O técnico aponta para a da esquerda, que se parece com uma série de pequenas partículas, poligonais agrupadas em torno de uma grande célula central. Anexado às partículas estão dezenas de pequenos tubos saindo da célula. “Isso”, o técnico de laboratório diz, circulando a grande célula com o dedo, “é uma simulação de uma célula infectada que estamos tentando atingir. A célula tem uma tonalidade vermelha, indicando que os vírus se apoderou. Se a cura não está envolvida, esta lise celular irá explodir e morrer. Agora, está vendo essas pequenas partículas em torno dela? Essas são simulações de partículas de cura da qual precisamos. Elas grudaram no exterior da célula infectada” Ele bate duas vezes na tela onde está a célula grande, e uma curta animação é reproduzida, mostrando as partículas se agarrando ao exterior da célula; eventualmente, a célula diminui em tamanho e a cor muda. *A Lise Celular é o processo de ruptura ou dissolução da membrana plasmática (que é a estrutura que delimita todas as células vivas). “Elas salvam a célula da explosão.” Meus olhos deslocam até a comparação com a direita, que também tem uma célula semelhante infectada rodeada por pequenas partículas. Desta vez, eu não vejo nenhum tubo unindo as partículas. “Isto é o que está realmente acontecendo”, explica o técnico de laboratório. “Nós estamos perdendo algo de nossas partículas de cura que podem anexar aos receptores da célula. Se não se desenvolvem, o resto das partículas não podem funcionar. A célula não pode entrar em contato direto com o medicamento, e a célula morre.” Eu cruzo meus braços e troco uma carranca com Day, que encolhe os ombros, impotente. “Como podemos descobrir a peça que falta?”


“Essa é a coisa. Nosso palpite é que esse recurso de fixação especial não era uma parte do vírus original. Em outras palavras, alguém especificamente alterou este vírus. Podemos ver traços desse marcador quando rotulamos a célula.” Ele aponta para pontos brilhantes minúsculos espalhados em toda a superfície da célula. “Isso pode significar, Srta. Iparis, que as Colônias realmente alteraram fisicamente este vírus. A República certamente não tem nenhum registro de manipulação com este vírus em específico de forma direta.” “Espere um minuto,” Day interrompe. “Isso é novidade para mim. Você está dizendo que as Colônias criaram esta praga?” O técnico de laboratório nos dá um olhar sombrio, em seguida, retorna para a tela. “Possivelmente. Aqui está a coisa curiosa, no entanto. Nós pensamos que esta peça adicional, o recurso de anexar, veio originalmente da República. Há um vírus similar que saiu de uma pequena cidade do Colorado. Mas os rastreadores nos dizem que o vírus alterado saiu da Cidade de Tribuna, que é uma cidade de frente de guerra no lado das Colônias. Então, em algum lugar ao longo dessa linha, o vírus do Eden de alguma forma entrou em contato com algo mais na Cidade de Tribuna.” Isto é, quando as peças do quebra-cabeça, finalmente, se encaixam no lugar para mim. A cor drena do meu rosto. Cidade de Tribuna: aquela cidade que Day e eu tínhamos a princípio tropeçado quando fugimos para as Colônias. Recordo quando eu tinha ficado doente durante a minha prisão na República, quão doente e febril tinha estado quando Day nos levou através desse túnel subterrâneo de Lamar todo o caminho para o território das Colônias. Eu estive em um hospital das Colônias por uma noite. Eles haviam injetado medicina em mim, mas eu nunca considerei o fato de que eles poderiam ter me usando para uma finalidade diferente. Se eu fosse uma parte de uma experiência, mesmo sem perceber? Eu sou a única segurando a peça do quebra-cabeça faltando na minha corrente sanguínea? “Sou eu”, eu sussurro, cortando o técnico de laboratório. Tanto ele como Day me dão um olhar assustado. “O que você quer dizer?” O técnico de laboratório pergunta, mas Day permanece em silêncio. Um olhar de compreensão penetra em seu rosto. “Sou eu”, repito. A resposta é tão clara que eu mal posso respirar. “Eu estava na Cidade de Tribuna há oito meses. Eu tinha ficado doente, enquanto estive presa em Colorado. Se este outro vírus que falamos por


primeiro se originou primeiro na República e, em seguida, voltou da Cidade de Tribuna nas Colônias, então é possível que a resposta para o seu quebracabeça esteja comigo.”


23 A TEORIA DE JUNE MUDA TUDO. Imediatamente, ela se junta à equipe do laboratório em um quarto de hospital em separado, onde atam vários tubos e fios a ela e tiram amostra de sua medula óssea. Eles executam uma série de exames que a deixam parecendo nauseada, eu já vi sendo feito no Eden. Eu gostaria de poder ficar. Os testes de Eden terminaram, felizmente, mas o risco mudou agora para June, e neste momento tudo que eu quero fazer é ficar aqui e me certificar que tudo corra bem. Pelo amor de Deus, eu digo a mim mesmo com raiva, não é como se você estando aqui vai ajudar em alguma coisa. Mas quando Pascao nos faz finalmente sair pela porta e saio do hospital para me juntar aos outros, eu não posso deixar de olhar para trás. Se o sangue de June tem a peça que faltava, então temos uma chance. Nós podemos conter a praga. Podemos salvar a todos. Podemos salvar Tess. À medida que tomamos um trem do hospital em direção a base dos dirigíveis em Batalla com vários soldados da República a reboque, esses pensamentos se acumulam em meu peito até que eu mal posso suportar a espera. Pascao percebe a minha inquietação e sorri. “Você já foi para a base antes? Eu me lembro de você fazendo alguns truques lá.” Suas palavras desencadeiam algumas memórias. Quando fiz quatorze anos, eu quebrei dois dirigíveis de Los Angeles que estavam designados para ir a frente de batalha. Entrei — não muito diferente de meu truque com os Patriotas em Vegas — as escondidas através do sistema de ventilação, e em seguida, contornando toda a aeronave sem ser detectado tecendo meu caminho através de suas saídas de ar. Eu ainda estava a meio


caminho através do meu surto de crescimento na época; meu corpo era mais magro e menor, e não tive problemas em fazer meu caminho através das passagens estreitas de seus túneis. Uma vez lá dentro, eu roubei tanta comida enlatada das suas cozinhas quanto eu podia, em seguida, botei fogo em suas salas de máquinas que destruíram as naves o suficiente para finalmente inutilizá-las para a República durante anos, talvez para sempre. Foi este truque em particular que me colocou em primeiro na lista dos mais procurados da República. Não foi um trabalho tão ruim, digo a mim mesmo. Agora penso no layout das bases. Além de algumas bases de dirigíveis no setor Batalla, as quatro principais bases navais em LA ocupam uma estreita faixa de terra ao longo da costa oeste da cidade, que fica entre o nosso enorme lago e o Oceano Pacífico. Nossos návios de guerra ficam lá, não utilizados na maior parte. Mas a razão que os Patriotas e eu vamos lá agora é que todas as docas dos dirigíveis de LA também estão lá, e é onde as Colônias atracarão seus dirigíveis se — quando — eles tentarem ocupar a cidade depois da nossa rendição. É o terceiro e último dia do cessar-fogo prometido pelas Colônias. Quando o trem acelera através dos setores, eu posso ver grupos de civis que se aglomeram em torno dos JumboTrons que agora estão veiculando em repetição o aviso de rendição de Anden. A maioria parece arrasada e em choque, agarrando-se uns aos outros. Outros estão furiosos — atiram sapatos, pés de cabra e pedras nas telas, com raiva da traição do seu Eleitor. Bom. Fiquem com raiva, usem essa raiva contra as Colônias. Eu precisarei desempenhar minha parte em breve. “Tudo bem, crianças, escutem”, diz Pascao quando nosso trem se aproxima das pontes que levam as bases navais. Ele estende as mãos para nos mostrar uma série de dispositivos pequenos de metal. “Lembrem-se, seis por doca.” Ele aponta para um pequeno gatilho vermelho no centro de cada dispositivo. “Queremos explosões limpas e contidas, os soldados nos indicarão os melhores pontos para plantarmos essas coisas. Se feito corretamente, nós seremos capazes de paralisar qualquer aeronave das Colônias usando nossas docas de desembarque, e um dirigível com uma aterrissagem comprometida é inútil. Sim?” Ele sorri. “Ao mesmo tempo, não vamos estragar demais as docas de desembarque. Seis por doca.” Eu olho para longe e de volta para janela, onde a primeira base naval se aproxima no horizonte. Enormes bases de desembarque em forma de pirâmide se alinham, escuras e imponentes, e instantaneamente penso na


primeira vez que eu tinha visto Vegas. Meu estômago torce inquieto. Se o plano falhar, se não pudermos mandar as Colônias de volta e os antárticos nunca vierem ao nosso socorro, se June não é o que precisamos para a cura — o que vai acontecer com a gente? O que vai acontecer quando as Colônias finalmente colocarem suas mãos em Anden, ou June, ou em mim? Eu balanço minha cabeça, forçando as imagens saírem da minha mente. Não há tempo para me preocupar com isso. O que vai acontecer ou não vai. Nós já escolhemos o nosso curso. Quando chegamos ao primeiro ancoradouro da Base Naval Um, posso ver o suficiente do interior da cidade para observar os minúsculos pontos escuros no céu. Tropas das Colônias — dirigíveis, jatos, alguma coisa — estão pairando não muito longe dos arredores de Los Angeles, preparando-se para atacar. Um baixo e monótono zumbido enche o ar — acho que já posso ouvir a aproximação de suas aeronaves. Meus olhos se viram em direção aos JumboTrons ao longo das ruas. O anúncio de Anden continua, acompanhado com um brilhante aviso vermelho de Procure Abrigo correndo ao longo da parte inferior de cada tela. Quatro soldados da República se juntam a nós enquanto nos apressamos para sair do jipe e até o interior da base da pirâmide. Me mantenho perto deles enquanto nos acompanham pelo elevador até o telhado interno onde se vislumbra a base, onde os dirigíveis decolam e pousam. Tudo ao nosso redor é o som ensurdecedor de botas de soldados que ecoam pelo piso, correndo para seus postos e se preparando para decolar contra as Colônias. Pergunto-me quantas tropas Anden foi forçado a enviar para Denver ou Vegas para reforço, eu só posso esperar que tenha deixado para trás o suficiente para nos proteger. Esta não é Vegas, eu me recordo, tentando não pensar sobre o momento em que eu me deixei ser preso. Mas isso não ajuda. No momento em que galgamos o nosso caminho da base até o topo e subimos um lance de escadas até o topo da pirâmide aberta, meu coração está batendo com a força de uma tempestade e isso não é tudo por causa do exercício. Bem, se isso não traz memórias de quando eu comecei os primeiros trabalhos para os Patriotas. Eu não posso parar de estudar as vigas metálicas cruzando o interior vulnerável da base, todas as pequenas peças da engrenagem que se prendem as aeronaves uma vez que aterrizam. O traje escuro que estou


usando parece leve como o ar. É tempo para plantar algumas bombas. “Você vê essas vigas?” Um Capitão da República diz para Pascao e eu, apontando para as sombras do teto em uma, duas, três fendas que parecem particularmente difíceis de alcançar. “Máximo dano no dirigível, mínimo de dano para a base. Vamos ter que acertar dois dos três pontos em cada base. Nós seríamos capazes de chegar até eles se montarmos nossos guindastes, mas não temos tempo para isso.” Ele faz uma pausa para nos dar um sorriso forçado. A maioria destes fodidos soldados ainda não parecem inteiramente confortáveis trabalhando ao lado de nós. “Bem,” diz ele depois de uma pausa incômoda, “parece factível? Vocês serão rápidos o suficiente?” Eu quero gritar com o Capitão se ele esqueceu a minha reputação, mas Pascao me para deixando escapar um de seus altos, risos cintilantes. “Você não tem fé suficiente em nós, não é?” Ele diz, cutucando o Capitão alegremente nas costelas e sorrindo para o rubor indignado que ele recebe de volta. “Bom,” o Capitão responde com firmeza antes de avançar com os outros Patriotas e sua própria patrulha. “Depressa. Não temos tempo.” Ele nos deixa para o nosso trabalho, em seguida, começa a ditar como fixar bombas para os outros. Uma vez que ele se foi, Pascao deixa cair seu sorriso gigante e concentra-se nas fendas que o Capitão apontou. “Não será fácil de alcançar,” ele resmunga. “Tem certeza que está pronto para isso? Está suficientemente forte, vendo como você está morrendo e tudo mais?” Lancei-lhe um olhar fulminante, em seguida, estudo cada uma das fendas por sessão. Eu testo meus joelhos e cotovelos, tentando avaliar quanta força tenho. Pascao é um pouco mais alto que eu — ele vai ser capaz de lidar melhor com as duas primeiras fendas, mas a terceira fenda está encravada em uma posição tão apertada que só eu posso chegar a ela. Eu também posso ver imediatamente por que o Capitão assinalou este ponto. Mesmo se nós não plantarmos seis bombas ao longo deste lado da base, nós provavelmente desabilitaríamos qualquer aeronave com uma bomba única naquele local. Eu aponto para ele.


“Fico com essa,” eu digo. “Tem certeza?” Pascao estreita os olhos para ela. “Eu não quero ver você cair para a morte em nossa própria primeira base.” Suas palavras instigam um sorriso sarcástico em mim. “Você não tem nenhuma fé em mim?” Pascao sorri. “Um pouco.” Nós começamos a trabalhar. Eu tomo um salto voador da borda das escadas para a viga entrecruzada mais próxima, e, em seguida, traço perfeitamente pelo labirinto de metal. Que sensação de déjà-vu. As molas embutidas nas articulações do meu traje tomam um pouco de tempo para eu me acostumar — mas depois de alguns saltos mais, me adapto a ele. Eu sou rápido. Muito rápido com a sua ajuda. No espaço de dez minutos, eu cruzei um quarto do teto da base e estou agora a pouca distância da fenda. Filetes finos de suor correm no meu pescoço, e minha cabeça pulsa com a dor familiar. Abaixo, os soldados param para nos ver, mesmo quando todos os dispositivos eletrônicos da base continuam a anunciar o aviso de rendição. Eles não têm nenhuma bendita ideia do que estamos fazendo. Faço uma pausa, em seguida, faço o meu salto final. Meu corpo atinge a fenda e desliza confortavelmente dentro instantaneamente eu retiro a pequena bomba, abro o seu clipe, e planto firmemente no lugar. Minha dor de cabeça me deixa tonto, mas eu a forço ir embora. Concluído. Eu lentamente faço o meu caminho de volta ao longo das vigas. Até o momento que oscilo para baixo nas escadas de novo, meu coração batendo forte com a adrenalina. Eu identifico Pascao ao longo das vigas e dou lhe um rápido polegar para cima. Este é o fácil, eu me lembro, a minha emoção dando lugar a uma ansiedade sinistra. A parte mais difícil vai ser contar uma mentira convincente para o Chanceler. Nós terminamos com a primeira base, em seguida, passamos para a próxima. No momento em que terminamos com a quarta base, minha força está começando a ceder. Se eu estivesse totalmente em meu elemento, este traje poderia ter me feito quase um maldito imparável — mas agora, mesmo com a sua ajuda, os meus músculos doem e minha respiração soa forçada. Enquanto os soldados me guiam agora para uma sala na base


aérea e me prepararam para fazer o meu apelo e minha transmissão, estou silenciosamente grato que eu não precise escalar mais tetos. “O que acontece se o Chanceler não comprá-lo?” Pascao pergunta enquanto os soldados saem em fila da sala. “Sem ofensa, menino bonito, mas você não tem exatamente a melhor reputação em manter suas promessas.” “Eu não prometi nada a ele,” eu respondo. “Além disso, ele vai ver o meu anúncio sair na República inteira. Ele vai pensar que todos no país vão ver eu mudar suas alianças para as Colônias. Não vai durar. Mas vai comprar-nos algum tempo.” Silenciosamente, eu espero como o inferno que nós possamos descobrir a cura definitiva antes que as Colônias percebam o que estamos fazendo. Pascao olha para o lado e para fora da janela da sala, onde podemos ver os soldados da República terminando as últimas colocações de bombas no teto da base. Se isso não funcionar, ou se as Colônias perceberem a falsa rendição antes de termos tempo para fazer algo a respeito, então provavelmente estaremos acabados. “É tempo para você fazer a sua chamada, então,” murmura Pascao. Ele tranca a porta, encontra uma cadeira e a puxa para um canto. Em seguida, ele se senta comigo para esperar. Minhas mãos tremem um pouco quando eu clico no meu microfone e chamo o Chanceler das Colônias. Por um momento, tudo o que eu ouço é estática, e uma parte de mim espera que de alguma forma não seja possível rastrear o nome que havia me chamado antes, e que de alguma forma eu não vou ter nenhuma maneira de chegar a ele. Mas, então, a estática termina, a chamada é limpa, e eu ouço conectar. Saúdo o Chanceler. “Sou Day. Hoje é o último dia do seu cessar-fogo prometido, não é? E eu tenho uma resposta ao seu pedido.” Alguns segundos se arrastam. Então, essa voz nítida, eficiente vem do outro lado. “Sr. Wing,” diz o Chanceler, educado e agradável como sempre. “Bem na hora. Como é encantador ouvir de você.” “Tenho certeza que até agora você já viu o anúncio do Eleitor,” eu


respondo, ignorando suas sutilezas. “Eu tenho, é verdade” o homem responde. Ouço alguns barulhos de papéis no fundo. “E agora com a sua chamada, o dia de hoje está parecendo cheio de boas surpresas. Eu vinha me perguntando quando você entraria em contato conosco novamente. Diga-me Daniel, tem pensado um pouco sobre a minha proposta?” Do outro lado da sala, os olhos pálidos de Pascao travam nos meus. Ele não pode ouvir a conversa, mas ele pode ver a tensão no meu rosto. “Eu tenho,” eu respondo depois de uma pausa. Tenho que me fazer soar realista e relutante, sim? Gostaria de saber se June aprovaria. “E o que você decidiu? Lembre-se, esta é absolutamente sua decisão. Eu não vou forçá-lo a fazer qualquer coisa que você não deseja fazer.” Sim. Eu não tenho que fazer nada — eu só tenho que ficar e assistir enquanto você destrói as pessoas que eu amo. “Eu vou fazer isso.” Outra pausa. “A República já se rendeu. As pessoas não estão felizes com a sua presença, mas eu não quero vê-los prejudicados. Eu não quero ver ninguém prejudicado.” Eu sei que eu não tenho que mencionar June pelo nome para que o Chanceler entenda. “Eu vou fazer um pronunciamento em toda a cidade. Temos acesso aos JumboTrons através dos Patriotas. Não vai demorar muito para que o pronunciamento atinja todas as telas em toda a República.” Eu ponho um pouco mais de atitude para manter a minha mentira autêntica. “Isso é bom o suficiente para que você mantenha suas benditas mãos longe de June?” O Chanceler bate palmas uma vez. “Fechado. Se você estiver disposto a se tornar o nosso… porta-voz, por assim dizer, então eu lhe asseguro que a Srta. Iparis será poupada do julgamento e execução que vêm com uma reviravolta de poder.” Suas palavras mandam um frio através de mim, lembrando-me que se falharmos, então o que eu vou fazer não vai salvar a vida de Anden. Na verdade, se falharmos, o Chanceler vai provavelmente descobrir que estou por trás de tudo isso, também, e lá se vão as chances de segurança de June… e provavelmente Eden. Eu limpo minha garganta. Do outro lado da sala, o rosto de Pascao se transformou duramente com tensão. “E o meu irmão?” “Você não precisa se preocupar com o seu irmão. Como eu mencionei para você antes, não sou um tirano. Eu não vou ligar ele em uma máquina e o encher de produtos químicos e venenos — não vou fazer experimentos


com ele. Ele — e você — vão viver uma vida segura e confortável, livre de danos e preocupação. Isso, eu posso lhe garantir.” O tom do Chanceler muda para o que ele acha que é calmante e gentil. “Eu posso ouvir a infelicidade em sua voz. Mas eu não faço nada, exceto o que é necessário. Se seu Eleitor me prendesse, não hesitaria em me executar. Esta é a maneira do mundo. Não sou um homem cruel, Daniel. Lembre-se, as Colônias não são responsáveis por sua vida de sofrimento,” “Não me chame de Daniel.” Minha voz sai baixa e calma. Eu não sou Daniel a ninguém fora da minha família. Sou Day. Pura e simplesmente. “As minhas desculpas.” Na verdade, ele parece genuinamente arrependido. “Eu espero que você entenda o que eu estou dizendo, Day.” Eu permaneço em silêncio por um momento. Mesmo agora, eu ainda posso sentir a força contra a República, todos os pensamentos obscuros e memórias que sussurram-me a dar as costas, para deixar tudo desmoronar. O Chanceler pode me avaliar melhor do que eu teria pensado. Uma vida inteira de sofrimento é difícil deixar para trás. Como se ela pudesse perceber a força do feitiço perigoso do Chanceler, ouço a voz de June cortar essa linha de pensamento e sussurrar algo para mim. Eu fecho os olhos e me agarro a ela, tirando força dela. “Diga-me quando você quer que eu faça este pronunciamento,” eu digo depois de um tempo. “Tudo está conectado e pronto para ir. Vamos fazer isso de uma vez.” “Maravilhoso.” O Chanceler limpa a garganta, de repente, soando como um homem de negócios de novo. “Quanto mais cedo, melhor. Eu vou pousar com as minhas tropas nas bases navais no exterior de Los Angeles no início da tarde. Vamos providenciar para que você fale nesse momento. De acordo?” “Feito.” “E mais uma coisa,” o Chanceler acrescenta quando estou a ponto de desligar. Eu endureço, a minha língua pronta para clicar meu microfone desligado. “Antes que eu me esqueça.”


“O quê?” “Eu quero que você faça o pronunciamento do deck da minha aeronave.” Assustado, eu olho para Pascao, e mesmo que ele não tenha ideia do que o Chanceler disse, ele franze a testa para a forma como a minha cara acaba sem cor. Na aeronave do Chanceler? É claro. Como poderíamos pensar que ele seria assim tão fácil de enganar? Ele está tomando precauções. Se algo der errado durante o pronunciamento ele vai me ter em suas garras. Se o pronunciamento for outra coisa do que dizer ao povo da República curvar-se as Colônias, ele podia me matar ali mesmo no deck da aeronave, cercado por seus homens. Quando o Chanceler fala novamente, eu posso sentir a satisfação em sua voz. Ele sabe exatamente o que ele está fazendo. “Suas palavras vão ser mais significativas se forem dadas direto de uma aeronave das Colônias, você não concorda?” Ele diz. Bate palmas mais uma vez. “Vamos esperar você na Base Naval Um em poucas horas. Estou ansioso para conhecê-lo pessoalmente, Day.”


24 A REVELAÇÃO SOBRE MINHA LIGAÇÃO COM ESTA PRAGA muda todos os meus planos. Em vez de sair com os Patriotas e ajudar Day a preparar as bases dos dirigíveis, eu fiquei para trás no hospital, deixando as equipes de laboratório me ligarem as máquinas e executar uma série de testes. Meus punhais e arma repousam em uma cômoda próxima, de modo que não vão ficar no caminho de todos os cabos, apenas uma faca fica escondida ao longo da minha bota. Eden senta na cama ao meu lado, sua pele pálida e enferma. Várias horas passam, e a náusea começa a bater. “O primeiro dia é o pior,” Eden me diz com um sorriso encorajador. Ele fala devagar, provavelmente por causa da medicação que a equipe do laboratório deu-lhe para ajudar a dormir. “Fica melhor.” Ele se inclina e dá tapinhas na minha mão, e eu me encontro aquecida por sua compaixão inocente. Assim deve ter sido Day quando ele era jovem. “Obrigada,” eu respondo. Eu não falo o resto dos meus pensamentos em voz alta, mas eu não posso acreditar que uma criança como o Eden foi capaz de tolerar esse tipo de teste por alguns dias. Se eu soubesse, eu poderia ter feito o que Day originalmente queria e recusado o pedido da Anden completamente. “O que acontece se eles descobrirem que você combina?” Eden pergunta depois de um tempo. Seus olhos começam a se fechar, e sua pergunta sai arrastada. O que acontece, na verdade? Nós temos uma cura. Podemos apresentar os resultados para a Antártida e provar a eles que as Colônias usaram deliberadamente o vírus; podemos apresentá-lo para as Nações Unidas e forçar as Colônias a retroceder.


Teremos nossos portos abertos novamente. “Os antárticos prometeram que a ajuda estaria a caminho,” eu decido a dizer. “Podemos vencer. Só, talvez.” “Mas as Colônias já estão à nossa porta.” Eden olha para as janelas, onde os dirigíveis do inimigo estão agora pontilhando o céu. Alguns já atracados em nossas bases, enquanto outros pairam no céu. A sombra cruzando o nosso próprio edifício Bank Tower me diz que está pairando sobre nós agora. “E se Daniel fracassar?” Ele sussurra, lutando contra o sono. “Nós apenas temos que jogar tudo com cuidado.” Mas as palavras de Eden fazem meu olhar vagar a paisagem urbana também. E se o Day falhar? Ele me disse enquanto saia que entraria em contato conosco antes de sua transmissão pública. Agora, vendo o quão perto os dirigíveis das Colônias estão, sinto uma enorme sensação de frustração por não poder estar lá fora com eles. E se as Colônias perceberem que as bases de dirigíveis são todas fraudadas? E se eles não voltarem? Mais uma hora passa. Enquanto Eden cai em um sono profundo, eu fico acordada e tento manter longe as náuseas que rolam em ondas. Eu mantenho meus olhos fechados. Isso parece ajudar. Devo ter adormecido, porque de repente sou despertada pelo som de nossa porta abrindo. Os técnicos do laboratório finalmente retornam. “Srta. Iparis,” diz um deles, em seu crachá está escrito MIKHAEL. “Não foi uma combinação perfeita, mas mais perto — perto o suficiente para que nós fossemos capazes de desenvolver uma solução. Estamos testando a cura em Tess agora.” Ele é incapaz de evitar um sorriso cruzando o seu rosto. “Você era a peça que faltava. Bem debaixo dos nossos narizes.” Eu fico olhando para ele sem dizer uma palavra. Nós podemos enviar os resultados para a Antártida — os pensamentos fluem pela minha mente. Podemos pedir ajuda. Podemos parar a propagação da praga. Temos uma chance contra as Colônias. Os companheiros de Mikhael começam a me desprender do emaranhado de fios e, em seguida, me ajudam a ficar em pé. Eu me sinto forte o suficiente, mas o quarto ainda oscila. Eu não tenho certeza se minha instabilidade faz parte dos efeitos colaterais dos testes ou do pensamento de que tudo isso pode ter funcionado. “Eu quero ver Tess,” eu digo enquanto começamos a nos dirigir para a porta. “Quanto tempo demora


para a cura começar a trabalhar?” “Nós não temos certeza”, Mikhael admite enquanto nós entramos em um longo corredor. “Mas nossas simulações são sólidas, e nós corremos várias culturas laboratoriais com células infectadas. Devemos começar a ver a saúde de Tess melhorar muito em breve.” Nós paramos nas janelas de vidro longas do quarto da Tess. Ela encontra-se em meio a um sono delirante em sua cama, e todos ao seu redor são técnicos de laboratório que correm ao redor em trajes completos, monitores mostrando seus sinais vitais, tabelas e gráficos estão afixados nas paredes. Uma IV injetado em um de seus braços. Eu estudo seu rosto, procurando por algum sinal de consciência, e não consigo encontrar. Soa estática no meu fone de ouvido. Uma chamada entrando. Eu franzo a testa, pressiono a mão ao meu ouvido, e então clico em meu microfone. Um segundo depois, ouço a voz do Day. “Você está bem?” Seu primeiro pensamento. Claro que é. A estática é tão grave que eu mal posso entender o que ele está dizendo. “Eu estou bem,” eu respondo, esperando que ele possa me ouvir. “Day, me escute — nós encontramos uma cura.” Sem resposta, apenas estática, forte e implacável. “Day?” Eu digo de novo, e do outro lado eu ouço alguns estalidos, algo parecido com o desespero dele tentando se comunicar comigo. Mas não conseguimos ficar conectados. Incomum. A recepção nessas bandas militares geralmente é cristalina. É como se algo estivesse bloqueando todas as nossas frequências. “Day,” eu tento novamente. Eu finalmente capto sua voz novamente. Ele mantém uma tensão em sua voz que me lembra de quando ele tinha escolhido ir para longe de mim tantos meses atrás. Isso envia um rio de medo por minhas veias. “Eu estou dando… o anúncio a bordo de um dirigível… celer das Colônias não vai permitir de outra maneira…” A bordo de um dirigível das Colônias. O Chanceler teria todas as cartas nesse caso — se Day fizer um movimento súbito, ou fizer um anúncio que vai contra o que eles concordaram, o Chanceler poderia tê-lo preso ou assassinado no ato. “Não faça isso,” eu sussurro automaticamente. “Você não tem para onde ir. Nós encontramos a cura, eu era a peça do quebra-cabeça que faltava.” “—June?—” Então, nenhuma resposta, apenas mais estática. Eu tento novamente


mais duas vezes antes de desligar meu microfone em frustração. Ao meu lado, eu posso ver o técnico de laboratório também tentando em vão fazer uma chamada. E então eu me lembro da sombra ao longo do edifício em que estamos. Minha frustração se desvanece imediatamente, seguida por ondas de terror e compreensão. Oh, não. As Colônias. Eles estão bloqueando nossas frequências — eles tomaram o controle delas. Eu não pensei que eles fariam um movimento tão rapidamente. Corro até a janela, olhando para a paisagem urbana de Los Angeles, em seguida, viro os olhos para o céu. Eu posso ver um enorme dirigível das Colônias pairando acima — e quando eu olho mais de perto, noto que os aviões menores estão deixando a altitude maior e circulando mais baixo. Mikhael se junta a mim. “Nós não podemos conectar com o Eleitor”, diz ele. “Parece que todas as frequências estão com interferência.” É isso em preparação para o anúncio do Day? Ele está em apuros. Eu sei disso. Justo quando esse pensamento passa pela minha cabeça, as portas no final do corredor se abrem. Cinco soldados vêm marchando para dentro, armas empunhadas, e num piscar de olhos eu posso ver que estes não são soldados da República afinal — mas tropas das Colônias, com seus casacos azuis marinho e estrelas douradas. Pânico corre através de mim da cabeça aos pés. Instintivamente me movo em direção ao quarto do Eden, mas os soldados me veem. Seu líder levanta a arma para mim. Minha mão voa para a minha arma presa à cintura — em seguida, eu me lembro que todas as minhas armas (salvo por uma faca no tornozelo) estão repousando inúteis no quarto do Eden. “Com a rendição da República,” diz ele com uma voz imponente, “todas as rédeas do poder tem sido transferidas para os funcionários das Colônias. Este é o seu comandante lhe dizendo para ficar de lado e nos deixar passar, para que então possamos executar uma busca completa.” Mikhael levanta as mãos e faz como o oficial diz. Eles se aproximam. Memórias giram em minha mente — elas são todas as lições de meus dias em Drake, um fluxo de manobras que atravessam a minha mente na velocidade da luz. Eu calculo com cuidado.


Uma pequena equipe enviada até aqui para realizar alguma tarefa específica. Outras equipes devem estar fervilhando cada um dos andares, mas eu sei que estes soldados devem ter sido enviados até nós para algo em particular. Eu me preparo, pronta para uma luta. É a mim que eles buscam. Como se lesse minha mente, Mikhael acena uma vez para os soldados. Seus braços se mantêm no ar. “O que você quer?” O soldado responde: “Um garoto chamado Eden Bataar Wing.” Eu sei bem que não devo prender minha respiração e assim revelar que Eden está neste piso — mas uma onda de medo passa por mim. Eu estava errada. Eles não estão atrás de mim. Eles querem o irmão de Day. Se o Day é obrigado a dar o anúncio a bordo do dirigível do Chanceler, sozinho, ele vai ficar impotente se o Chanceler decidir levá-lo como refém — e se ele põe suas mãos em Eden, ele vai ser capaz de controlar Day em cada capricho. Meus pensamentos se apressam ainda mais. Se as Colônias realmente tiverem sucesso em assumir a República hoje, em seguida, o Chanceler poderia usar Day indefinidamente como sua própria arma, como um manipulador de pessoas da República, durante o tempo que as pessoas continuarem a acreditar em Day como seu herói. Abro a boca antes que Mikhael possa. “Este andar só abriga vítimas da peste”, eu digo para o soldado. “Se você está procurando o irmão do Day, ele estará em um andar superior.” O soldado aponta a arma para mim. Ele aperta os olhos em reconhecimento. “Você é a Princesa Eleita” afirma. “Não é você? June Iparis.” Eu levanto o meu queixo. “Uma das Princesas Eleitas, sim.” Por um momento, eu acho que ele pode acreditar no que eu disse sobre o Eden. Alguns de seus homens até começam a voltar para as escadas. O soldado me olha por um longo tempo, estudando os meus olhos e em seguida olha para o corredor atrás de mim, onde o quarto do Eden se encontra. Não me atrevo a recuar. Ele franze a testa para mim. “Conheço sua reputação.” Antes que eu possa pensar em algo mais para dizer, para tirá-lo de cima, ele inclina a cabeça para suas tropas e usa sua arma para gesticular ao corredor. “Façam


uma busca minuciosa. O menino deve estar neste piso.” Tarde demais para mentir agora. Se eu devo algo a Day, eu devo isso a ele. Me desloco no espaço entre os soldados e o corredor. Cálculos correm por minha cabeça. (O corredor é um pouco maior que um metro e vinte de largura — se eu passar por ele, posso impedir os soldados de me atacarem todos de uma vez e assim acabo com meus adversários em duas ondas pequenas em vez de uma grande.) “Seu chanceler não vai querer me matar,” eu minto. Meu coração bate furiosamente. Ao meu lado, o técnico de laboratório olha com olhos aflitos, sem saber o que fazer. “Ele vai me querer viva e intacta. Você sabe disso.” “Tais grandes mentiras fora de uma boca tão pequena.” O soldado ergue sua arma. Prendo a respiração. “Saia fora do caminho, ou eu atiro.” Se eu não visse a dica de hesitação no seu rosto, eu teria feito o que ele pediu. Não serei útil para Day ou Eden se eu for simplesmente morta a tiros. Mas o flash de incerteza do soldado é tudo que eu preciso. Levanto meus braços lentamente e com cuidado. Meus olhos permanentemente fixos nele. “Você não quer me matar,” eu digo. Eu estou chocada com o quão firme a minha voz soa — nem uma onda de tremor nela, apesar da adrenalina correndo em minhas veias. Minhas pernas balançam um pouco, ainda um toque instável dos experimentos. “Seu Chanceler não parece um homem que perdoa.” O soldado hesita novamente. Ele não sabe o que o Chanceler tem em mente para mim. Ele tem que me dar o benefício da dúvida. Mantemos nosso impasse durante vários segundos. Por fim, ele cospe uma maldição e abaixa a arma. “Levem-na,” ele grita para seus soldados. “Não atirem.” O mundo se amplia para mim — tudo desaparece, exceto o inimigo. Meus instintos chutam a toda velocidade. Vamos jogar. Você não tem ideia com quem está lidando. Eu agacho em posição de combate quando os soldados correm para mim de uma vez. A estreiteza do corredor funciona instantaneamente a meu favor — em vez de lidar com cinco soldados, ao mesmo tempo, eu lido apenas com dois. Me abaixo no primeiro soldado, pego minha faca da bota, e corto sua panturrilha cruelmente tanto quanto posso. A lâmina rasga facilmente através da perna da calça e tendão. Ele grita. Instantaneamente


sua perna cede, levando-o para o chão se debatendo. O segundo soldado corre para mim passando direto sobre seu companheiro caído. Eu chuto o rosto do segundo soldado, derrubo e o deixo inconsciente, passo por cima de suas costas, ataco o terceiro soldado. Ele tenta me dar um soco. Eu bloqueio seu golpe com um braço — minha outra mão dispara para cima em direção ao seu rosto e bate em seu nariz com tanta força que eu sinto o triturar de osso quebrando. O soldado cambaleia para trás uma vez e cai, segurando seu rosto em agonia. Três caíram. Minha surpresa de ataque desaparece com os dois últimos soldados que me tomam mais cautelosamente. Um deles grita no microfone por reforços. Atrás deles, Mikhael começa esgueirar-se a distância. Mesmo que eu não me atreva a olhar em sua direção, eu sei que ele deve estar se movendo para bloquear os corredores da escada, tornando impossível para mais soldados das Colônias virem como enxames. Um dos soldados restantes levanta a arma e aponta para as minhas pernas. Eu chuto. Minha bota bate no cano da arma justo quando ele dispara, enviando uma bala ricocheteando violentamente por cima do meu ombro. Um alarme ressoa através de todos os intercomunicadores do edifício — as escadarias estão bloqueadas, um alerta foi enviado. Eu chuto a arma novamente em arco para trás, atingindo o soldado duro no rosto. Ele fica atordoado momentaneamente. Eu giro e bato com força na mandíbula com o meu cotovelo… …mas então algo bate forte na parte de trás da minha cabeça. Estrelas explodem em toda a minha visão. Eu tropeço, caio de joelhos, e luto para me equilibrar em minha cegueira. O segundo soldado deve ter me atingido por trás. Eu balanço novamente, tentando o meu melhor para adivinhar onde o soldado está, mas eu falho e caio novamente. Através de minha visão turva, eu vejo o soldado levantar a coronha da arma para me atacar no rosto novamente. O golpe vai me derrubar inconsciente. Tento em vão rolar. O golpe não vem. Eu pisco, lutando para ficar em pé. O que aconteceu? Quando minha visão limpa um pouco, percebo o último soldado caído no chão e o técnico do laboratório correndo para amarrar as mãos e os pés. De repente, há pessoas em todos os lugares. De pé a cima de mim está Tess, pálida, doente e respirando com dificuldade, segurando um rifle de um dos


outros soldados caídos. Eu não tinha notado ela sair do quarto. Ela consegue um sorriso fraco. “De nada,” diz ela, estendendo a mão para me ajudar a levantar. Eu sorrio de volta. Ela me puxa em pé, tremendo. Quando eu balanço com as pernas bambas, ela me oferece o ombro para me apoiar. Nenhuma de nós está muito estável, mas não caímos. “Srta. Iparis,” Mikhael arfa a medida que ele se apressa até nós. “Conseguimos contactar o Eleitor — nós lhe dissemos sobre a cura. Mas também acabamos de receber um aviso para evacuar a Torre Bank. Eles dizem que a rendição falsa vai acabar muito em breve e que um dos primeiros alvos de retaliação das Colônias será—” Um tremor sacode o hospital. Todos ficamos paralisados onde estamos. Eu olho para o horizonte — a princípio o tremor parece um pouco como um terremoto, ou o barulho de um dirigível que passa, mas o tremor é desencadeado em intervalos curtos e regulares, em vez de uma forte onda sísmica ou do zumbido baixo e constante das aeronaves — um instante depois, eu percebo que as bombas das bases dos dirigíveis devem ter começado a explodir. Eu corro para a janela com Tess, onde olhamos para nuvens tão brilhantes de laranja e cinza que elevam-se das bases que se alinham no horizonte. Pânico toma conta de mim. Day deve ter feito o anúncio. Se ele sobreviveu ou não, eu não tenho ideia. A falsa rendição terminou; o cessar-fogo acabou. A luta final da República já começou.


25 QUANDO TINHA QUINZE ANOS, EU ENTREI EM um banco em Los Angeles depois que os guardas de pé em sua entrada de trás não acreditaram que eu poderia fazê-lo em dez segundos. Na noite anterior, eu tinha feito uma lista mental detalhada do layout desse banco, observando cada ponto de apoio, janelas e parapeitos, e os clientes estimados em cada andar. Eu esperei até a troca dos guardas à meia-noite, e então eu sorrateiramente entrei no porão do edifício. Lá, eu coloquei um pequeno explosivo no fechamento do cofre. Não havia nenhuma maneira que eu pudesse quebrar durante a noite sem disparar seus alarmes… mas na manhã seguinte, quando os guardas foram para o cofre para verificar o inventário, a maioria dos alarmes guiados a laser em todo o edifício estaria desligado. Eu cronometrei minha entrada no dia seguinte, para coincidir. Enquanto eu provocava os guardas na entrada dos fundos do banco, os guardas dentro do banco estavam abrindo a porta do cofre. E o explosivo explodiu. Ao mesmo tempo, eu subi até a janela do segundo andar do banco, em seguida, desci as escadas para o cofre em meio a fumaça e poeira, e fiz meu caminho para fora do prédio me pendurando com as correntes da linha de espera do banco e me balançando para fora do piso superior. Você deveria ter me visto. Agora, enquanto eu ando em linha reta até as rampas internas de uma doca pirâmide e para a entrada do meu primeiro dirigível das Colônias, ladeada de ambos os lados por soldados das Colônias, eu relembro a minha velha façanha do banco e sinto um desejo irresistível de fugir. Girar para o lado da aeronave, perder de vista as tropas me seguindo e entrar pelas saídas de ar. Meus olhos varrem a aeronave e tento mapear as melhores rotas de fuga, os mais próximos esconderijos e pontos de apoio mais convenientes. Ando em linha reta, assim não me sinto demasiado aberto e vulnerável. Ainda assim, eu não demonstro no meu rosto. Quando eu chego


à entrada, um par de Tenentes me leva para dentro, em seguida, me dão uma inspeção minuciosa a procura de quaisquer armas, eu apenas sorrio educadamente para eles. Se o Chanceler quer me ver intimidado, ele poderia ficar desapontado. Os soldados não pegam os minúsculos discos redondos do tamanho de moedas costurados em minhas botas. Um deles é um gravador. Se há alguma conversa que eu quero ter para usar contra as Colônias, é esta, para ser mostrada para todo o público. Os outros são pequenos explosivos. Lá fora, em algum lugar além da base aérea e escondidos nas sombras dos edifícios, estão Pascao e vários outros Patriotas. Espero que as pessoas estejam prontas para o meu sinal. Espero que eles estejam ouvindo meu último passo, observando e esperando. É a primeira vez que estou em uma aeronave que não tem retratos do Eleitor nas suas paredes. Em vez disso, há bandeiras azuis e douradas em forma de rabo de andorinha intercaladas entre anúncios, telas tão elevadas nas paredes que anunciam de tudo, desde alimentos até produtos eletrônicos para casa. Recebo uma desconfortável sensação de déjà-vu, lembrando o tempo que June e eu tínhamos caído nas Colônias, mas quando os Tenentes olham na minha direção, eu simplesmente dou de ombros para eles e mantenho meus olhos para baixo. Nós fazemos o nosso caminho através dos corredores e até dois lances de escadas antes de finalmente me conduzir em uma grande câmara. Fico ali por um momento, sem saber o que fazer a seguir. Isto se parece com uma espécie de plataforma de observação, com uma janela de vidro longa que me dá uma visão de Los Angeles. Um homem solitário está ao lado da janela, a luz da cidade pinta sua silhueta em negro. Ele acena para mim. “Ah, você está finalmente aqui!”, Ele exclama. Instantaneamente eu reconheço a suave voz persuasiva do Chanceler. Ele não se parece em nada como eu imaginei: Ele é baixo e pequeno, frágil, seu pouco cabelo é cinza, sua voz é muito para seu corpo. Há uma ligeira curva em seus ombros, e sua pele parece fina e translúcida, em algumas áreas, parece como se ele fosse de papel e pudesse desabar se eu tocá-lo. Eu não posso evitar a surpresa em meu rosto. Este é o homem que governa uma corporação como DesCon, que ameaça e intimida toda uma nação e negocia com precisão manipuladora?


Um pouco decepcionante, para ser honesto. Eu quase o ignoro antes de eu dar uma boa olhada em seus olhos. E é aí que eu reconheço o Chanceler com quem eu falei antes. Seus olhos calculistas, analistas, que me deduzem de uma forma que me arrepia até os ossos. Algo está incrivelmente errado sobre eles. Então eu percebo porquê. Seus olhos são mecânicos, artificiais. “Bem, não fique aí parado”, diz ele. “Venha até aqui. Aproveite a vista comigo, filho. Este é o lugar onde nós vamos ter de fazer a sua declaração. Um bom ponto de vista, não é?” Uma réplica - “A vista é provavelmente melhor sem todas as aeronaves das Colônias no caminho” - está na ponta da minha língua, mas eu engulo com algum esforço e faço o que ele diz. Ele sorri quando eu paro ao lado dele, e eu faço o meu melhor para não olhar em seus olhos falsos. “Bem, olhe para você, todo jovem e de aspecto fresco.” Ele me bate nas costas. “Você fez a coisa certa, você sabe, vir aqui.” Ele olha de volta para Los Angeles. “Você vê tudo isso? Qual é o ponto de ficar fiel a isso? Você é um Coloniano agora, e você não terá que aturar leis retorcidas da República mais. Vamos tratar você e seu irmão tão bem que em breve você vai saber porque você nunca hesitou em se juntar a nós.” Pelo canto dos meus olhos, eu faço nota das possíveis rotas de fuga. “O que vai acontecer com as pessoas da República?” O Chanceler toca seus lábios em uma demonstração de consideração. “Os Senadores, infelizmente, podem ficar menos felizes com a coisa toda, e para o próprio Eleitor… bem, você só pode ter um verdadeiro governante em um país, e eu já estou aqui.” Ele me oferece um sorriso que faz fronteira com a bondade, um contraste surpreendente com suas próprias palavras. “Ele e eu somos mais parecidos do que você imagina. Nós não somos cruéis. Nós somos simplesmente práticos. E você sabe o quão difícil pode ser isso ao lidar com traidores.” Um arrepio percorre minha espinha. “E a Princesa Eleita?” Eu repito. “E sobre os Patriotas? Isso foi parte do nosso acordo, lembra?” O Chanceler assente. “É claro que eu me lembro. Day, há coisas que você vai aprender sobre as pessoas e a sociedade, quando você ficar mais velho. Às vezes, você só tem que fazer as coisas da maneira mais difícil. Agora, antes que


entre em pânico, saiba que a Srta. Iparis estará ilesa. Nós já temos planos para perdoá-la por sua causa, uma vez que você estará nos ajudando. Parte do nosso acordo, assim como você disse, e eu não volto atrás na minha palavra. Os outros Príncipes Eleitos serão executados com o Eleitor.” Executados. Assim tão fácil, apenas assim. Tenho uma sensação de náusea no meu estômago com a lembrança do assassinato fracassada de Anden. Desta vez, ele pode não ter tanta sorte. “Contanto que você poupe June” Eu consigo balbuciar, “e enquanto você não ferir os Patriotas ou meu irmão. Mas você ainda não respondeu à minha primeira pergunta. O que acontecerá com o povo da República?” O Chanceler olha para mim, então se inclina para mais perto. “Diga-me, Day, você acha que as massas têm o direito de tomar decisões por toda uma nação?” Obrigo-me a olhar para a cidade. É uma longa queda daqui para a parte inferior da base aérea; Eu vou ter que encontrar uma maneira de retardar a minha decida “As leis que afetam toda uma nação também afetam os indivíduos dessa nação, certo?”, Eu respondo, incitando-o. Espero que o meu gravador pegue tudo isso. “Então, naturalmente, as pessoas têm o direito de contribuir para essas decisões.” O Chanceler assente. “Resposta justa. Mas a justiça não governa nações, Day, não é? Eu li histórias sobre as nações onde cada pessoa teve um início igual na vida, onde todos contribuem para o bem maior e ninguém é mais rico ou mais pobre do que qualquer outra pessoa. Você acha que o sistema funcionou?” Ele balança a cabeça. “Não com as pessoas, Day. Isso é algo que você vai aprender quando crescer. As pessoas, por natureza, são injustas, indignas e coniventes. Você tem que ter cuidado com eles – você tem que encontrar uma maneira de fazêlos pensar que você está atendendo a todos os seus caprichos. As massas não podem funcionar por conta própria. Eles precisam de ajuda. Eles não sabem o que é bom para eles. E, quanto ao que vai acontecer com o povo da República? Bem, Day, eu vou te dizer. As pessoas como um todo estarão encantadas para serem integradas em nosso sistema. Eles vão saber tudo o que eles precisam saber, e vamos ter certeza de que serão todos bem aproveitados. Vai ser uma máquina bem lubrificada.” “Tudo o que eles precisam saber?” “Sim.” Ele cruza as mãos atrás das costas e ergue o queixo. “Você


realmente acredita que as pessoas podem fazer todas as suas próprias decisões? Que mundo assustador. As pessoas nem sempre sabem o que realmente querem. Você deve saber melhor do que ninguém, Day, com seu anúncio há muito tempo em favor do Eleitor, e com o anúncio que você vai nos dar hoje.” Ele inclina a cabeça um pouco quando ele fala. “Você faz o que você precisa fazer.” Você faz o que você precisa fazer. Ecos da filosofia do próprio Ex-eleitor da República – ecos de algo que, não importa o país em que estou, nunca parece mudar. Na superfície, eu apenas aceno, mas por dentro, eu sinto uma hesitação súbita de ir adiante com meu plano. Ele está atraindo você, eu me lembro, perdido na luta. Você não é como o Chanceler. Você luta para o povo. Você está lutando por algo real. Não é? Eu tenho que sair daqui, antes que ele trabalhe o seu caminho mais profundo em minha mente. Meus músculos ficam tensos, prontos para o anúncio. Eu estudo a sala da minha visão periférica. “Bem”, eu digo com firmeza, “vamos acabar com isso.” “Mais entusiasmo, meu rapaz”, diz o Chanceler, estalando a língua em desaprovação simulada, e, em seguida, me dá um olhar sério. “Nós absolutamente esperamos que você venda seu ponto para o povo.” Concordo com a cabeça. Eu passo em frente para a janela, em seguida, deixo dois soldados ligarem meu microfone a um transmissor a partir da aeronave. Um vídeo transparente, ao vivo de mim de repente aparece no vidro. Diversos calafrios atravessam todo o meu corpo. Há soldados das Colônias em todo o lugar, e eles garantiram que se eu não fizer o meu movimento corretamente, condenarei a mim mesmo e muito provavelmente, a todos os meus entes queridos à morte. É isso. Não há mais volta a partir daqui. “Pessoas da República”, eu começo. “Hoje, eu estou aqui com o Chanceler das Colônias, a bordo de sua própria aeronave. Eu tenho uma mensagem para todos vocês.” Minha voz soa rouca, e eu tenho que limpar a garganta antes de continuar.


Quando eu movo meus dedos dos pés, eu posso sentir a colisão dos dois pequenos explosivos na parte inferior da sola das minhas botas, prontos para o meu próximo passo. Espero como o inferno que os marcadores que Pascao, os outros corredores, e eu deixamos em toda a cidade tenham feito o seu trabalho, e que as pessoas estejam preparadas. “Nós já passamos por muitas coisas juntos”, eu continuo. “Mas algumas coisas têm sido mais difíceis do que outras nesses últimos meses na República. Acredite em mim, eu sei. Adaptar-se a um novo Eleitor, ver as mudanças que vêm por aí… e como todos vocês já sabem, eu não tenho feito muito bem a mim mesmo.” Minha dor de cabeça lateja como se em resposta. Fora da aeronave, minha voz ecoa em toda a cidade a partir da transmissão de vídeo tocando a partir de dezenas de aeronaves das Colônias e centenas de telas gigantes em Los Angeles. Eu respiro fundo, como se esta pudesse ser a última vez que eu falo com as pessoas. “Vocês e eu provavelmente nunca vamos ter a chance de nos conhecer. Mas eu os conheço. Vocês me ensinaram sobre todas as coisas boas da minha vida, e por isso que eu lutei pela minha família todos esses anos. Espero grandes coisas para seus próprios entes queridos, que podem passar a vida sem sofrer da maneira como a minha sofreu.” Faço uma pausa aqui. Meus olhos se voltam para encarar o Chanceler, e ele acena com a cabeça uma vez, me persuadindo a ir adiante. Meu coração está batendo tão alto que eu mal posso ouvir minha própria voz. “As Colônias têm muito a oferecer”, eu digo, minha voz ficando mais forte. “Suas aeronaves estão agora em nossos céus. Não vai demorar muito para você verem banners das Colônias voando acima das escolas de seus filhos e sobre suas casas. Povo da República, eu tenho uma mensagem final para vocês, antes de vocês e eu dizermos adeus um ao outro.” Está na hora. Minhas pernas tensionam e os meus pés mudam ligeiramente.

O Chanceler observa. “A República é fraca e está quebrada.” Eu estreito meus olhos. “Mas


ainda é o seu país. Lutem por ele. Esta é a sua casa, não deles”. No mesmo momento em que eu vejo a expressão furiosa do Chanceler, eu salto de onde estou de pé e chuto o vidro tão forte quanto eu posso. Os soldados das Colônias correm na minha direção. Minhas botas batem na janela, os explosivos embutidos em minhas solas dão dois breves estalos, enviando tremores através dos meus pés. Rompendo o vidro. E agora eu estou no ar, navegando através do espaço aberto. Meus braços agitam e agarram a borda superior da vidraça quebrada. Uma bala passa raspando. O grito furioso do Chanceler se eleva a partir do interior. Acho que eles não vão tentar me manter vivo depois disso. Toda a minha adrenalina corre em um dilúvio de calor. Me balanço para cima e para fora no ar da tarde. Não há tempo a perder. Meu boné ameaça voar, me penduro na janela por um segundo e tento ajustá-lo mais confortavelmente na minha cabeça. A última coisa que eu preciso agora é ter meu cabelo soprando ao redor como um farol para qualquer um no chão me ver. Quando as rajadas acalmam um pouco, me empurro completamente para fora e agarro-me a moldura da janela. Eu olho para cima, medindo a distância para a próxima janela. Então eu pulo. Minhas mãos agarram a borda inferior do marco, e com dificuldade, consigo me puxar para cima. Eu resmungo do esforço. Nunca teria tido um problema com isso há um ano. Quando eu subo para uma quarta janela, ouço o som fraco de algo disparando. Então, a primeira explosão. O tremor é mais profundo através de toda a aeronave, quase fazendo eu perder meu equilíbrio, e quando eu olho para baixo, vejo uma bola laranja e cinza explodindo a partir de onde a aeronave está ancorada à sua base de pirâmide. Os Patriotas estão fazendo o seu movimento. A segunda explosão segue, desta vez, a aeronave range um pouco, inclinando para o leste. Rangendo os dentes, eu pego velocidade. Um dos meus pés desliza contra a moldura da janela, ao mesmo tempo, uma rajada de vento sopra em mim, eu quase perco o equilíbrio. Por um segundo, minha perna oscila precariamente. “Vamos,” eu me repreendo. “Você chama isso de uma corrida?” Então eu jogo um braço para cima, tanto quanto eu posso e consigo pegar a próxima janela antes de minhas pernas cederem completamente. O esforço dispara um flash maçante de dor na parte de trás


da minha cabeça. Eu estremeço. Não, agora não. A qualquer momento, mas não agora. Mas não adianta. Eu sinto a dor de cabeça vindo. Se eu começar a sentir isso agora, eu estarei com tanta dor que eu vou despencar para a morte, com certeza. Desesperadamente, eu subo mais rápido. Meus pés escorregam novamente na janela do nível superior. Eu consigo me pegar no último segundo, em seguida, pego a borda do andar superior quando a minha dor de cabeça explode em pleno vigor. Aguda dor cegante. Eu oscilo lá, agarrando-me pela minha vida, lutando contra a agonia que ameaça me puxar para baixo. Mais duas explosões seguem as primeiras em rápida sucessão, e agora a aeronave range e geme. Trate de se mexer, saia da base, mas tudo o que consigo fazer é estremecer. Se o Chanceler pôr suas mãos em mim agora, ele vai me matar. Em algum lugar longe, eu ouço um som de sirene, soldados no convés superior devem saber agora que eu estou indo para lá, e eles estarão prontos para mim. Minha respiração vêm em suspiros curtos. Abra seus olhos, eu me ordeno. Você tem que abri-los. Através de um véu borrado de lágrimas, eu tenho um vislumbre do convés superior e dos soldados correndo. Seus gritos ressoam através da plataforma. Por um instante, eu perco a memória de novo de onde eu estou, o que estou fazendo, qual é minha missão. O desconhecimento faz com que meu estômago revire, e eu tenho que me impedir de vomitar. Pense, Day. Você já esteve em situações ruins antes. Minha memória borra. O que eu preciso fazer aqui outra vez? Finalmente eu limpo a minha mente, eu preciso de alguma maneira, descer até a parte inferior da aeronave. Então eu me lembro das grades de metal que revestem a borda da cobertura, e meu plano original, meus olhos giram até a grade mais próxima. Com enorme esforço, alcanço e agarro nisso. Falho na primeira vez. Os soldados me veem agora, e vários deles correm em minha direção. Eu cerro os dentes e tento novamente. Desta vez, atinjo a grade. Eu a agarro com ambas as mãos, em seguida, puxo para baixo. A grade fica livre de seus ganchos. Me jogo para o lado da aeronave e me deixo cair. Espero como no inferno que essa grade possa suportar meu peso. Há um coro de estalos quando a grade fica livre dos


ganchos em ambos os lados, enviando-me ao chão a uma velocidade vertiginosa. A dor na minha cabeça ameaça enfraquecer meu aperto. Eu me penduro com cada pingo de força que eu tenho. Meu cabelo agita em torno de mim, e eu percebo que meu boné deve ter caído. Para baixo, para baixo, eu continuo caindo. O mundo passa diante de mim na velocidade da luz. Através do vento impetuoso, minha cabeça lentamente fica clara. De repente, um dos lados da grade solta quando eu chego a parte inferior da aeronave. Uma lufada de ar me escapa quando eu salto para um lado. Eu me viro para pegar o restante da grade com as duas mãos e me penduro firmemente enquanto eu balanço ao longo do lado inferior da aeronave. A base da pirâmide está quase perto o suficiente dos meus pés para eu pular, mas eu estou indo rápido demais. Eu balanço mais perto do lado da aeronave, em seguida, raspo os saltos das minhas botas forte contra o aço. Há um alto, longo grito. Minhas botas finalmente encontram tração, a força me faz rodar do meu balanço e me envia girando. Eu luto para me equilibrar. Antes que eu possa, no entanto, a grade finalmente rompe e eu caio para o lado de fora da base da pirâmide. O impacto bate todo o ar para fora de mim. Eu derrapo contra as paredes inclinadas e lisas por alguns segundos, até que minhas botas travam contra a superfície e eu paro por ali, machucado e mancando, soldados convictos vão me encher de balas enquanto eu deito vulnerável contra a pirâmide. Pascao e os outros vão saber agora por que eu fiz o meu movimento, e eles estarão desencadeando as bombas ao longo das bases aéreas. É melhor eu sair daqui antes que eu seja queimado feito uma batata frita. Esse pensamento enche minha mente e me dá a força para me puxar para cima. Eu deslizo para o lado tão rápido quanto eu posso, abaixo, eu já posso ver os soldados das Colônias correndo para me parar. A sensação de desesperança me apunhala. Não há nenhuma maneira no inferno que eu vou passar por todos eles a tempo. Ainda assim, eu me mantenho em movimento. Eu tenho que ficar longe do local da explosão. Estou várias dezenas de metros longe da parte inferior. Os soldados estão escalando para me prender. Eu tenso, me esforço em um agachamento, e rapidamente me movo lateralmente contra a base inclinada. Eu não vou fazer isso. No instante em que isso passa pela minha cabeça, as duas explosões finais explodem sob a aeronave.


Um enorme estrondo por cima de mim abala a terra, e quando eu olho para trás, vejo uma enorme bola de fogo subir a partir de onde a aeronave esteve encaixada com a parte superior da base. Ao longo de toda a base aérea, chamas alaranjadas brotam de cada pirâmide da doca. Elas explodiram em uníssono. O resultado é absolutamente de cair o queixo. Rapidamente eu olho de volta para os soldados que estavam me perseguindo, eles pararam, chocados com o que eles estão assistindo. Outra explosão ensurdecedora de fogo irrompe acima de nós e os tremores batem todos fora de seus pés. Eu me esforço para me estabilizar contra a parede inclinada. Vamos, vamos, vamos! Eu cambaleio até os últimos metros da parede da base e caio de joelhos no piso. O mundo gira. Tudo o que posso ouvir são os gritos dos soldados e do rugido dos infernos iluminando as bases navais. Mãos me agarram. Eu me esforço, mas não tenho mais forças. De repente, eles me soltam e eu ouço uma voz familiar ao meu lado. Me viro surpreendido. Quem é este? Pascao. O nome dele é Pascao. Seus brilhantes olhos cinzas estreitam para mim, ele pega a minha mão e me pede para correr. “Estou feliz em vê-lo vivo. Vamos mantê-lo assim.”


26 DA TORRE BANK NO CENTRO DE LOS ANGELES, eu posso ver as colunas gigantes de fogo laranja iluminando as bases navais ao longo da costa. As explosões são enormes, iluminando a borda do céu com luz ofuscante e ecoando pelo ar, a força sacudindo as janelas de vidro da torre enquanto eu olho. Um redemoinho de pessoas do hospital está ao redor de mim em uma cena de comoção. As equipes de laboratório estão preparando Tess e Eden para a evacuação. Recebo uma chamada de Pascao. “Eu tenho Day”, ele grita. “Encontrenos lá fora.” Meus joelhos enfraquecem com alívio. Ele está vivo. Ele fez isso. Eu espreito para dentro do quarto de Tess, onde ela está sendo colocada em uma cadeira de rodas, e lhe dou um polegar para cima. Ela ilumina, mesmo em seu estado debilitado. Fora da torre, eu vejo a sombra que envolve o edifício começando a se mover, aeronaves das Colônias sobrevoando o local estão se dirigindo para longe de nós para se juntar à batalha. Como se nossas explosões tivessem perturbado um ninho de vespas, dezenas de caças das Colônias decolam de suas plataformas, bem como das plataformas das aeronaves distantes e danificadas, as suas formas formando esquadrões no céu. Jatos da República os encontram no ar. Depressa Antártida. Por favor. Corro do andar do laboratório e desso as escadas para o lobby da Torre Bank. Há caos em todos os lugares. Soldados da República se apressam passando por mim em um borrão de movimento, enquanto vários se reúnem nas portas da frente para evitar que qualquer outra pessoa entre. “Este hospital está fora dos limites!” Ladra um. “Traga os feridos para a


rua, estamos evacuando!” As telas que revestem as salas mostram cenas dos soldados da República em conflito com as tropas das Colônias nas ruas e, para minha surpresa, civis da República empunhando quaisquer armas que possam encontrar, juntaram-se para fazer as Colônias retrocederem. Incêndios queimam ao longo das estradas. Na parte inferior de cada tela em negrito e letras ameaçadoras passa o texto: TODOS OS SOLDADOS DA REPÚBLICA QUEBREM A RENDIÇÃO. TODOS OS SOLDADOS DA REPÚBLICA QUEBREM A RENDIÇÃO. Eu estremeço no lugar, mesmo que isso seja exatamente o que tínhamos planejado. Lá fora, o barulho da batalha me ensurdece. Caças rugem passando em cima de nós, enquanto outros pairam diretamente sobre a Torre Bank, preparando para defender o edifício mais alto de LA, se – quando – as Colônias tentarem atacar. Vejo formações semelhantes em relação a outros edifícios importantes do centro. “Vamos, Day,” murmuro, olhando as ruas próximas para os sinais de seu cabelo brilhante, ou pelos olhos claros de Pascao. Um tremor profundo faz tremer o chão. Outra bola de chamas laranja explode atrás de várias fileiras de prédios, em seguida, um par de jatos das Colônias passam ao redor, seguidos de perto por um avião da República. O som é tão alto que eu pressiono ambas as mãos nos meus ouvidos, até que tenha passado. “June?” A voz de Pascao vem no meu fone, mas eu mal posso ouvi-lo. “Estamos quase chegando. Onde você está?” “Em frente à Torre Bank,” eu grito por causa do barulho. “Temos de evacuar”, ele responde imediatamente. “Conseguimos informações de nossos Hackers – as Colônias tem a intenção de atacar o prédio dentro de uma hora-” Como se fosse um sinal, um jato das Colônias ruge e um instante depois, uma enorme explosão ocorre no topo da Torre Bank. Soldados em torno de mim soltam gritos de alerta enquanto o vidro cai de andares mais altos. Eu salto para trás, para a segurança da entrada do edifício. Detritos chovem em uma tempestade estrondosa, esmagando jipes e quebrando em mil pedaços. “June?” A voz de Pascao vem de volta, claramente alarmado agora. “June, você está bem?” “Eu estou bem”, eu grito de volta. “Eu vou ajudar com as evacuações uma vez que eu te veja. Vejo vocês em breve!” Então eu desligo. Três minutos mais tarde, eu finalmente vejo Day e Pascao


cambaleando em direção à Torre Bank contra a maré de civis fugindo da área e soldados correndo para defender as ruas. Eles tropeçam entre os escombros. Corro a partir da entrada em direção a Day, que está apoiandose fortemente contra o ombro bom de Pascao. “Algum de vocês está ferido?” Eu pergunto. “Eu estou bem”, Pascao responde, apontando para Day. “Não tenho certeza sobre esse cara. Mas acho que ele está mais exausto do que qualquer outra coisa.” Balanço o outro braço de Day ao redor do meu ombro. Pascao e eu o ajudamos a entrar em um edifício a várias quadras da Torre Bank, onde ainda temos uma visão direta da torre e da praça caótica, cheia de detritos que se encontra entre os dois edifícios. No interior, fileiras de soldados feridos já estão acampados, com médicos correndo freneticamente entre eles. “Estamos limpando a torre”, eu explico quando nós gentilmente ajudamos Day a deitar. Ele faz uma careta de dor, mesmo que eu não consiga encontrar nenhuma ferida específica sobre ele. “Não se preocupe”, Eu o tranquilizo quando ele olha para mim, alarmado. “Eden e Tess estão sendo evacuados agora.” “E você também deveria”, acrescenta. “A luta está apenas começando.” “Se eu disser para você parar de se preocupar, você irá?” Minha resposta recebe um sorriso irônico dele. “A Antártida está vindo para nos ajudar?” Day pergunta. “Você disse a Anden sobre a cura-” “Acalme-se”, eu o interrompo, em seguida, levanto e coloco a mão no ombro de Pascao. “Cuidado com ele. Vou voltar para a torre para ajudar com as evacuações. Vou dizer-lhes para trazer seu irmão aqui.” Pascao acena rapidamente, e eu lanço um último olhar em direção a Day antes de correr para fora do prédio. Um fluxo de pessoas está fazendo o seu caminho para fora da torre, com soldados da República os escoltando em ambos os lados. Alguns estão de muletas ou em cadeiras de rodas, enquanto outros estão precisando de macas e sendo levados por uma equipe de médicos. Soldados da República ladram ordens para eles, suas armas içadas e seus corpos tensos. Corro passando por eles e para a entrada, em seguida, empurro o meu caminho para as escadas. Eu subo os degraus de dois em dois até que eu finalmente atinjo o andar do laboratório, onde a porta está um pouco aberta e uma enfermeira está orientando as pessoas em direção ao elevador.


Chego a enfermeira e lhe agarro o braço. Ela se vira para olhar para mim, assustada. “Princesa Eleita”, ela consegue deixar escapar, às pressas inclinando a cabeça. “O que você está-” “Eden Bataar Wing”, eu digo sem fôlego. “Ele já está pronto para ir?” “O irmão de Day”, ela responde. “Sim, sim, ele está em seu quarto. Estamos nos preparando para movê-lo confortavelmente. Ele ainda precisa estar em uma cadeira de rodas, mas-” “E Tess? A menina que estava sob quarentena?” “Ela já está a caminho do andar térreo-” Eu não espero a enfermeira terminar antes de correr para a sala principal de laboratório e em direção ao corredor. No final, eu vejo um par de médicos tirando Eden do quarto. Parece que ele está inconsciente, descansando em um pequeno travesseiro apoiado entre a sua cabeça e as costas da cadeira, a testa úmida de suor. Eu dou as instruções médicas sobre onde levá-lo, quando nos apressamos juntos em direção ao elevador. “Você vai ver o Day lá. Mantenha-o com o seu irmão.” Outra explosão rasga através do edifício, forçando a metade de nós a ficar de joelhos. Alguns dos médicos gritam. Chuva de poeira cai do teto, fazendo meus olhos lacrimejarem, eu desabotoo meu casaco, então o tiro e o coloco sobre Eden, para protegê-lo. “Sem elevador”, Eu suspiro, indo em direção as escadas em vez disso. “Podemos levá-lo até lá embaixo?” Uma das enfermeiras cautelosamente pega Eden e o prende firmemente em seus braços. Corremos pelas escadas à medida que mais chuva de poeira cai sobre nós e sons abafados de gritos, armas e explosões ecoam de fora. Nos apressamos para fora em uma noite completamente iluminada pelo fogo da batalha. Ainda nenhum telefonema de Anden. Meus olhos varrem os telhados quando fazemos uma pausa por baixo da entrada, outros desabrigados rodopiam ao nosso redor e entre os guardas da República. Um dos guardas me reconhece e corre, jogando uma saudação rápida, antes de falar. “Princesa Eleita”, ele grita. “Chegue ao abrigo adjacente, tão rápido quanto você puder, vamos enviar um jipe para leválos ao Eleitor.” Eu balanço a cabeça imediatamente. “Não. Eu vou ficar


aqui.” Uma faísca nos telhados me faz olhar para cima, e instantaneamente todos nós estremecemos quando uma bala atinge a saliência na frente da entrada principal. Há atiradores das Colônias nos telhados. Vários dos soldados da República apontam suas armas e abrem fogo. O guarda que tinha falado comigo põe a mão no meu ombro. “Então movam-se”, ele grita, gesticulando para nós. A enfermeira segurando Eden dá vários passos para a frente, com os olhos ainda fixos em terror nos telhados. Eu coloco a mão para detê-la. “Ainda não”, eu digo. “Fique aqui um momento.” Nem dois segundos depois das palavras saírem da minha boca, eu vejo uma bala atingindo um dos desabrigados, sangue respinga em todos os lugares, e imediatamente as pessoas ao redor dele fogem, gritos ecoando no ar. Meu coração bate fortemente enquanto eu olho os telhados de novo. Um dos soldados da República finalmente alcança o atirador, e eu vejo alguém em um uniforme das Colônias cair do alto de um prédio próximo. Eu olho para longe antes que o corpo atinja o solo, mas eu ainda sou surpreendida por uma onda violenta de náusea. Como vou manter Eden a salvo? “Fique aqui”, Eu ordeno a enfermeira segurando Eden. Então eu toco quatro dos soldados da República. “Me cubram. Estou indo lá em cima.” Eu gesticulo para um dos guardas para me entregar a arma no cinto, e ele a passa sem hesitação. Me movo entre a multidão e faço o meu caminho em direção aos prédios. Tento imitar a graça sem esforço que Day e Pascao têm nesta selva urbana. Enquanto as evacuações caóticas continuam e os soldados de ambos os lados se enfrentam uns contra os outros, eu me apresso para as sombras de um estreito beco próximo e começo a fazer o meu caminho até a lateral do prédio. Eu sou pequena, vestida com roupas escuras, e sozinha. Eles não vão esperar que eu venha até aqui. Minha mente funciona através de todas as minhas aulas de tiro. Se eu puder me livrar deles, vou dar aos evacuados mais possibilidades de saírem. Enquanto penso isso, um outro jato das Colônias se aproxima e outra enorme nuvem de chama vermelha brilhante estoura na Torre Bank. Um jato da República segue atrás dele, disparando na medida que avança, enquanto eu olho, consegue acertar o avião das Colônias danificando um de seus motores, enviando-o violentamente para um lado e deixando um rastro de fumaça escura por trás dele. Um rugido ensurdecedor segue, ele deve ter batido a vários quarteirões. Eu olho de volta para a torre em chamas. Nós não temos muito


tempo. Este edifício vai cair. Eu cerro os dentes e faço o meu caminho o mais rápido que eu posso. Se eu fosse tão boa corredora como Day e Pascao. Eu finalmente chego ao piso superior. Daqui eu tenho uma boa visão do campo de batalha abaixo de mim. A Torre Bank está sob o cerco por céu e terra, onde centenas de tropas da República estão lutando nas ruas contra uma maré constante de soldados inimigos. Os pacientes e médicos seguem em um turbilhão a partir da torre e descendo a rua em direção ao abrigo improvisado, junto com funcionários do governo dos andares mais altos, muitos deles completamente cobertos de pó branco e sangue. Espio sobre o parapeito. Não há homens armados aqui. Eu me puxo para cima do telhado, cuidando para ficar nas sombras. Aperto a arma com tanta força que eu mal posso sentir meus dedos. Eu examino os telhados na zona de perigo levando até o abrigo, até que finalmente eu vejo vários soldados das Colônias agachados em cima dos edifícios vizinhos, tendo como objetivo as tropas da República comandando a evacuação. Eu faço o meu caminho em silêncio em direção a eles. Levo o primeiro para baixo rapidamente, apontando até ele por trás, enquanto eu espio por cima do parapeito do piso superior do edifício. É como se eu pudesse sentir Metias guiando minha arma, tendo certeza que eu os acerto em algum lugar que não seja fatal. Quando ele entra em colapso com um grito abafado que está perdido em todo o caos, eu corro e pego sua arma, em seguida, a jogo para o lado do telhado. Então eu bato na cara dele com força suficiente para nocauteá-lo. Meus olhos se estabelecem no próximo soldado. Eu pressiono uma mão contra o meu fone de ouvido e o ligo. “Diga a enfermeira que continue esperando”, Eu assobio com urgência para o guarda da Torre Bank. “Vou mandar um sinal quando for-” Eu nunca tive a chance de terminar minha frase. Uma explosão me joga sobre o telhado. Quando eu abro os olhos e olho para baixo, toda a rua está completamente coberta de cinzas e poeira. Bombas de fumaça? Através do véu de fumaça e sujeira, os evacuados estão correndo em pânico em direção ao abrigo e rompem as linhas de soldados da República os escoltando, ignorando completamente os seus gritos. Os homens armados das Colônias tem viseiras. Eles devem ser capazes de ver através de toda


essa fumaça. Eles atiram para baixo, para as multidões, espalhando-os em todas as direções. Eu olho freneticamente em direção à torre. Onde está o Eden? Corro para o meu próximo alvo, levando-o para baixo, da mesma forma como o último. Outro atirador para baixo. Eu tranco no meu terceiro alvo, em seguida, cuspo uma maldição quando eu percebo que a minha arma acaba de ficar sem balas. Estou prestes a fazer o meu caminho para fora do telhado quando algo brilhante reflete de um telhado. Eu congelo. Não muito longe de mim em um edifício mais alto, a Comandante Jameson se agacha em um telhado. Um calafrio me sacode dos pés à cabeça quando vejo que ela tem uma arma em sua mão. Não. Não. Ela está encontrando os soldados da República, uma bala de cada vez. Então, meu coração para quando ela avista algo que desperta seu interesse. Ela mira em um novo alvo no chão. Meus olhos seguem a linha de sua arma. E isso é quando eu vejo um rapaz com cabelos loiros brilhantes abrindo caminho contra a corrente de pessoas em direção a Torre Bank. Ela está mirando em Day.


27 TESS CONSEGUE SER EVACUADA PRIMEIRO — VEJO SUA FORMA MOLE sendo carregada nos braços de uma enfermeira quando elas saem do Bank Tower. A tomo dos braços da enfermeira, assim que chego perto, então a levo junto com o fluxo de outros evacuados. Ela parece apenas meio consciente, alheia a minha presença, com a cabeça pendendo para um lado. No meio do caminho para o abrigo, eu desacelero. Droga, estou tão cansado e com muita dor. Pascao pega Tess dos meus braço. Ele a levanta contra o peito. Nos telhados, faíscas voam — sinais de tiros. “Volte para a entrada do Bank Tower,” ele grita para mim antes de virar as costas. “Eu vou levá-la para longe!” E então ele se vai antes que eu possa discutir. Eu os assisto ir por um tempo, não querendo desviar o olhar até que eu tenha certeza que Tess está segura do outro lado da praça. Quando eles chegam ao abrigo, eu viro minha atenção de volta para a torre. Eden deve ter descido por agora. Eu estico meu pescoço, apertando os olhos por entre a multidão procurando uma cabeça com cachos loiros. June já terá descido? Eu não a vejo na massa em pânico e sua ausência envia uma sacudida de preocupação por mim. Em seguida, uma explosão. Sou jogado no chão. Fumaça. Uma bomba de fumaça, eu consigo pensar através do barulho na minha cabeça. No começo eu não posso ver nada através de toda a fumaça — há caos em toda parte, faíscas voando, e os ocasionais sons abafados de tiros; através da poeira branca flutuante, vejo um borrão de pessoas correndo em direção a segurança das barricadas da República,


suas pernas se movendo como se estivessem em câmera lenta, a boca aberta em gritos silenciosos. Eu balanço minha cabeça, cansado. Sinto meus próprios membros como se estivesse os arrastando pela lama, e a parte de trás da minha cabeça lateja, ameaçando me afogar em dor. Eu pisco contra ela, tentando manter meus sentidos em linha reta. Desesperadamente eu chamo de novo por Eden, mas eu não posso nem ouvir a minha própria voz. Se eu não posso ouvi-lo, como ele pode? As pessoas se espalham por um momento. E então eu o vejo. É Eden. Ele está inconsciente nos braços de uma enfermeira aterrorizada da República, que parece tropeçar cegamente através da fumaça, indo na direção errada — em linha reta em direção às tropas das Colônias que revestem o lado esquerdo da praça, em frente de onde está o abrigo. Eu não paro para pensar ou gritar, eu não hesito ou espero por um bom intervalo no tiroteio. Eu só começo a correr em direção a ele.


28 A COMANDANTE JAMESON VAI ATIRAR NELE — a direção que está apontando a arma é inconfundível. Day está correndo através da fumaça que cobre a rua. Day, o que você está fazendo? Ele tropeça em seu trajeto, mesmo dos telhados eu posso dizer que ele está se esforçando para fazer seu corpo se movimentar, que a cada centímetro grita em exaustão. Ele está se esforçando demais. Eu olho na direção que ele está indo, procurando o que chamou a atenção dele. Eden. Claro. A enfermeira que sustenta Eden tropeça e cai no meio de toda a fumaça ondulante, e quando ela se levanta, o medo tem o melhor dela porque começa a fugir sozinha. Fúria se eleva dentro de mim. Deixou Eden para trás, se mexendo lentamente e completamente vulnerável na rua aberta, cego, separado do grupo, e tossindo incontrolavelmente por causa da fumaça. Me ponho em pé em um pulo. Como Day está correndo em direção contraria a todos os outros, ele logo estará em uma área onde ele será um alvo fácil. Minha mão voa para minha cintura — e, em seguida, me lembro que a minha arma está sem balas. Eu corro para o outro lado do telhado em direção ao meu último alvo, onde eu não tinha pego sua arma que caiu no telhado. Quando eu olho em direção a Comandante Jameson novamente, a vejo tensa e apontando. Não. Não! Ela dispara um tiro. A bala perde Day por um alguns centímetros. Ele tropeça em sua pressa, jogando um braço brevemente sobre a cabeça por instinto, mas se levanta e continua obstinadamente adiante. Meu coração bate freneticamente contra meu peito. Mais rápido. Eu tomo um salto e voo de um telhado para o outro. Lá embaixo, eu


vejo Day se aproximando de Eden. Então ele está lá, ele o alcançou, ele derrapa até parar ao lado de Eden e joga os braços protetores em torno de seu irmão mais novo. A poeira em torno deles torna difícil de localizá-los, como se ambos estivessem em cores desbotadas como fantasmas. Minha respiração vem em suspiros rasos quando me aproximo dos soldados caídos. Eu espero que a poeira atrapalhe a pontaria da Comandante Jameson. Eu alcanço o soldado caído. Pego a arma dele. Resta uma bala. Abaixo, Day pega Eden, coloca uma mão protetora contra a parte de trás da cabeça de seu irmão, e depois começa a cambalear de volta para o abrigo o mais rápido que seu corpo quebrado permitirá. A Comandante Jameson mira de novo — eu grito na minha cabeça e me esforço para ir mais rápido. Toda a minha adrenalina, cada fibra da minha atenção e concentração, agora está focada como uma flecha sobre ela. Ela dispara. Desta vez a bala perde os irmãos, mas faíscas passam a trinta centímetros de distância Day. Ele nem se incomoda em olhar para cima. Ele só agarra Eden mais apertado, então tropeça adiante. Eu finalmente chego perto do telhado onde ela está. Eu salto para ele, pousando em sua superfície plana de concreto. A partir daqui, posso ver tanto o telhado que estou quanto a rua abaixo. Trinta metros à frente de mim, parcialmente escondida por chaminés e ventilação, a Comandante Jameson está agachada de costas para mim, seu foco nas ruas. Ela dispara novamente. Lá em baixo, eu ouço um grito rouco de dor de uma voz que eu conheço muito bem. Toda respiração me escapa. Olho rapidamente para a rua para ver Day cair de joelhos, soltando Eden por um momento. Os sons ao meu redor se apagam. Ele levou um tiro. Ele estremece, então se levanta novamente. Recolhe Eden em seus braços novamente. Cambaleia para a frente. A Comandante Jameson dispara mais uma vez. A bala faz contato. Eu ergo a arma em minhas mãos, em seguida, aponto diretamente para ela. Estou perto o suficiente agora, tão perto que vejo os cumes de seu colete à prova de balas que recobre suas costas. Minhas mãos tremem. Eu tenho uma vista perfeita, um tiro certeiro na cabeça da Comandante Jameson. Ela está se preparando para disparar novamente.


Eu aponto. Como se o mundo de repente abrandasse em um milhão de quadros por segundo, a Comandante Jameson gira ao redor. Ela sente a minha presença. Seus olhos estreitos — e, em seguida, ela gira a arma em minha direção, tirando seu foco fora do Day. Pensamentos correm na minha mente na velocidade da luz. Eu puxo o gatilho da minha arma, disparando minha última bala direto na cabeça. E eu falho. Eu nunca falho. Sem tempo para me debruçar sobre isso — a Comandante Jameson tem a arma apontada para mim, e quando minha bala passa do lado seu rosto, eu a vejo sorrir e disparar. Eu me jogo no chão, em seguida, rolo. Algo faísca a dois centímetros do meu braço. Me apresso atrás de uma chaminé perto e me pressiono tão firmemente contra a parede quanto eu posso. Em algum lugar atrás de mim, o som de botas pesadas se aproxima. Respire. Respire. Nosso último confronto pisca na minha mente. Por que eu posso enfrentar todo mundo, exceto a Comandante Jameson? “Saia e jogue, pequena Iparis,” ela grita. Quando eu fico em silêncio, ela ri. “Vem para fora, assim você pode ver o seu menino bonito sangrando até a morte na rua.” Ela sabe exatamente como cortar diretamente o meu coração. Mas eu cerro os dentes e forço a imagem de um Day sangrando e morrendo da minha cabeça. Eu não tenho tempo para essa besteira. O que eu preciso fazer é desarmar ela — e com esse pensamento, eu olho para a minha arma inútil. Hora de jogar um jogo de fingir. Ela está em silêncio agora. Tudo que eu posso ouvir é som suave de botas se aproximando, a aproximação constante da assassina do meu irmão. Minhas mãos apertam a arma. Ela está perto o suficiente. Fecho os olhos por um instante, murmuro um rápido sussurro de boa sorte — e em seguida, giro para fora do meu esconderijo. Aponto minha arma para a Comandante Jameson como se eu estivesse prestes a disparar. Ela faz o que eu espero — ela recua para o lado, mas desta vez eu estou pronta, e eu invisto diretamente nela. Eu salto, em seguida, chuto seu rosto tão forte quanto eu posso. Minha bota faz um som satisfatório com o impacto. Sua cabeça vai para trás. Afrouxa o controle sobre a arma, aproveito a oportunidade para chutá-la direto fora


de suas mãos. Ela colapsa no telhado com um baque — sua arma voa para um lado, depois cai para a direita do telhado e para as ruas abaixo cheia de fumaça. Não me atrevo a parar o meu impulso. Enquanto ela ainda está caída, eu golpeio meu cotovelo no seu rosto em um esforço para derrubá-la inconsciente. Meu primeiro golpe acerta — mas meu segundo não. A Comandante Jameson agarra meu cotovelo, encaixa a outra mão no meu pulso como um grilhão, e, em seguida, torce. Eu viro com ele. Dor dispara no meu braço, uma vez que se dobra em sua posse. Antes que ela possa quebrá-lo, dou a volta e bato em seu braço com o calcanhar afiado da minha bota. Ela estremece, mas não se deixar ir. Eu bato de novo, com mais força. Seu aperto solta por um fio de cabelo e eu finalmente consigo escapar de seu alcance. Ela salta em pé quando coloco alguma distância entre nós e volto para encará-la. Começamos a circular uma a outra, nós duas respirando pesadamente, meu braço ainda doendo muito e seu rosto transformado por um fio de sangue saindo de sua têmpora. Eu já sei que não posso vencer ela seguindo todas as regras. Ela é mais alta e mais forte, equipada com anos de treinamento que meus talentos não podem igualar. Minha única esperança é pegá-la de surpresa de novo, encontrar uma maneira de transformar a sua própria força contra ela. Enquanto eu continuo a circular, esperando e observando uma abertura, o mundo ao nosso redor desaparece. Eu tiro toda a minha raiva, deixo substituir o meu medo e me dar força. É só você e eu agora. Este é o jeito que sempre foi destinado a ser, este é o momento em que eu estive esperando desde que tudo começou. Vamos enfrentar uma a outra no final com as nossas próprias mãos. A Comandante Jameson ataca primeiro. Sua velocidade me aterroriza. Um segundo ela está diante de mim e no próximo ela está ao meu lado, seu punho voando em direção ao meu rosto. Eu não tenho tempo de me esquivar. Tudo o que consigo fazer é erguer meu ombro no último segundo, e seu punho bate em vez com um golpe de raspão. Vejo estrelas. Tropeço para trás. Viro para me esquivar do seu próximo golpe — por pouco. Eu rolo longe dela, lutando para limpar a minha visão e volto a ficar em


pé. Quando ela dá o bote novamente, eu pulo e chuto sua cabeça. A alcança, mas ela é muito rápida para que seja de frente. Corro para longe novamente. Desta vez, vou em direção à borda do telhado e retrocedo lentamente, meus olhos aterrorizados sem deixá-la. Bom, eu me lembro. Pareça o mais assustada que você pode. Finalmente, a parte detrás da minha bota bate na borda do telhado. Eu olho para baixo, em seguida, de novo para a Comandante Jameson. Apesar de uma ligeira instabilidade, ela parece destemida. Não é difícil para mim fingir o medo em meus olhos arregalados. Ela caminha em minha direção como uma predadora. Ela não diz uma palavra, mas ela não precisa — tudo o que ela sempre quis me dizer já foi dito antes. Corre através de minha cabeça como um veneno. Pequena Iparis, o quanto você me faz lembrar de mim na sua idade. Adorável. Algum dia, você vai aprender que a vida não é sempre o que você quer que ela seja. Que você não vai sempre conseguir o que deseja. E que há forças fora de seu controle que moldarão você em quem você é. Pena que o seu tempo termina aqui. Teria sido divertido ver no que você se tornaria. Seus olhos me hipnotizam. Neste momento, não posso imaginar pior visão. Ela se lança para frente. Eu tenho apenas uma chance. Me abaixo, agarrar-lhe o braço, e dou a volta sobre a minha cabeça. Seu impulso a envia voando sobre a borda do telhado. Mas sua mão agarra o meu braço. Eu estou no meio do caminho sobre a borda — meu ombro esquerdo se desloca. Grito. Meus saltos cavam contra a borda, lutando para não cair. A Comandante Jameson alinha-se contra a lateral do prédio, lutando por pontos de apoio. Suas unhas cavam tão fundo em minha carne que posso sentir minha pele rasgando. Lágrimas saem dos meus olhos. Lá em abaixo, soldados da República ainda estão ajudando os evacuados, disparando contra os soldados inimigos em outros telhados, gritando ordens em seus microfones. Eu grito para eles com tudo o que me resta. “Atirem nela!” Eu grito. “Atirem nela!” Dois soldados da República viram as cabeças em minha direção. Eles me reconhecem. Quando apontam suas armas em minha direção, a Comandante Jameson olha nos meus olhos e sorri. “Eu sabia que


você não poderia fazer.” Então os soldados abrem fogo, o corpo da Comandante Jameson convulsiona, seu aperto de repente se solta e ela cai como um pássaro ferido para a rua. Eu me afasto, então eu não tenho que olhar, mas eu ainda ouço o som nauseante de seu corpo batendo contra o pavimento. Ela se foi. Assim mesmo. Eu deixo suas palavras e as minhas próprias soarem em meus ouvidos. Atirem nela. Atirem nela. As palavras de Metias soam na minha mente. Poucas pessoas matam pelas razões certas. Eu apressadamente enxugo as lágrimas do meu rosto. O que acabei de fazer? Seu sangue mancha minhas mãos — eu esfrego minha mão boa contra a roupa, mas eu não posso tirá-lo. Eu não sei se vou ser capaz. “Esta é a razão certa,” eu sussurro repetidamente. Talvez ela tenha destruído a si mesma e eu só ajudei. Mas mesmo esse pensamento parece oco. A agonia do meu ombro deslocado me deixa tonta. Eu levanto o braço direito, aperto forte o braço esquerdo ferido, cerro os dentes. Eu grito novamente. O osso resiste por um instante — então sinto meu ombro voltar para o lugar. Lágrimas frescas correm pelo meu rosto. Minhas mãos tremem descontroladamente, meus ouvidos zumbem, bloqueando qualquer som em torno de mim, exceto as batidas do meu coração. Quanto tempo faz? Horas? Alguns segundos? A luz pulsante da lógica se infiltra em minha mente, cortando a dor. Como sempre, ela me salva. Day precisa de sua ajuda, ela sussurra . Vá até ele. Eu procuro Day. Ele chegou ao outro lado da rua, nas áreas mais seguras ao redor do abrigo, onde soldados da República criaram suas barricadas… mas mesmo quando eu começo a correr para a beira do telhado, noto que os outros têm puxado a forma inconsciente de Eden longe de Day e estão levando-o para segurança. Alguns pairam sobre Day enquanto ele está no chão, momentaneamente o obscurecendo do meu ponto de vista. Eu escalo o prédio o mais rápido que eu posso, até chegar a uma


escada de incêndio e me apresso a descer os degraus de metal. Medo e adrenalina entorpecem minhas lesões. Por favor, eu imploro em silêncio . Por favor, deixe-o ficar bem. Até o momento que eu o alcanço, uma multidão se formou. Eu posso ouvir um deles gritar: “Mexam-se! Recuem, nos deem algum espaço! Digalhes para se apressar!” Um nó na garganta me sufoca, deixando-me com falta de ar. Minhas botas batem contra o chão, mantendo o ritmo com o meu coração. Eu empurro as pessoas para o lado e caiu de joelhos ao lado do Day. A pessoa gritando era Pascao. Ele me dá um olhar frenético. “Fique com ele”, ele me diz. “Eu estou indo buscar os médicos.” Eu aceno uma vez e ele se afasta correndo. Eu mal noto todas as pessoas aglomeradas em torno de nós em um círculo. Tudo que posso fazer é olhar para o Day. Ele está tremendo da cabeça aos pés, com os olhos arregalados em choque, seu cabelo agarrado ao rosto. Quando eu olho mais de perto em seu corpo, noto duas feridas derramando sangue escuro em toda a camisa, uma ferida no peito e outra perto de seu quadril. Um grito estrangulado vem de alguém. Talvez seja de mim. Como se fosse um sonho, me dobro sobre ele e toco seu rosto. “Day, sou eu. É June. Eu estou bem aqui.” Ele olha para mim. “June?” Ele consegue suspirar. Ele tenta levantar a mão para o meu rosto, mas ele está tremendo tanto que ele não consegue. Eu chego perto e embalo seu rosto com ambas as mãos. Seus olhos estão cheios de lágrimas. “Eu — eu acho — que fui baleado —” Duas pessoas da multidão colocam suas mãos sobre suas feridas, apertando com força o suficiente para forçar um soluço doloroso de sua boca. Ele tenta olhar para eles, mas não tem força para levantar a cabeça. “Os médicos estão a caminho,” digo-lhe com firmeza, me inclinando perto o suficiente para pressionar os meus lábios contra bochecha dele. “Aguente firme. Ok? Fique comigo. Continue olhando para mim. Você vai ficar bem.” “Eu não — penso assim,” Day gagueja. Ele pisca rapidamente, derramando lágrimas ao longo dos lados de seu rosto. Elas molham as pontas dos meus dedos. “Eden — está ele seguro —?” “Ele está a salvo,” eu sussurro. “Seu irmão está são e salvo e você vai vê-lo muito em breve.”


Day começa a responder, mas não pode. Sua pele parece tão pálida. Por favor, não. Eu me recuso a pensar no pior, mas paira sobre nós como uma sombra negra. Eu sinto o peso da morte que paira sobre meu ombro, seus olhos cegos olhando para dentro da alma do Day, esperando pacientemente para esmagar sua luz. “Eu não quero — ir —” Day finalmente consegue dizer. “Eu não quero — deixar você — Eden —” Eu o calo tocando meus lábios com os seus trêmulos. “Nada de ruim vai acontecer ao Eden,” eu respondo suavemente, desesperada para mantêlo comigo. “Mantenha-se focado, Day. Você está indo para o hospital. Eles estão vindo por você; não vai demorar muito.” Não vai demorar muito. Day apenas sorri para mim, uma expressão tão triste que quebra através do meu torpor, e eu começo a chorar. Aqueles olhos azuis brilhantes. Frente a mim está o menino que enfaixou minhas feridas nas ruas de Lake, que tinha vigiado sua família com todos os ossos do seu corpo, que ficou ao meu lado, apesar de tudo, o menino de luz, riso e vida, de dor, fúria e paixão, o menino cujo destino está entrelaçado com o meu, para sempre e sempre. “Eu te amo,” ele sussurra. “Você pode ficar mais um pouco?” Ele diz alguma coisa, mas sua voz some tão silenciosamente que eu não posso entender. Não. Não. Você não pode. Sua respiração fica mais rasa. Eu posso dizer que ele está lutando para ficar consciente, que a cada segundo, seus olhos têm cada vez mais dificuldade para se concentrar em mim. Por um momento, Day tenta olhar para algo atrás de mim, mas quando eu olho sobre o meu ombro, não há nada lá, mas céu aberto. Eu o beijo novamente e, em seguida, inclino a cabeça contra a dele. “Eu te amo,” eu sussurro uma e outra vez. “Não vá.” Eu fecho os olhos. Minhas lágrimas caem sobre suas bochechas. Enquanto estou agachada contra ele, sentindo sua vida lentamente se esvair, eu sou consumida por tristeza e raiva. Eu nunca fui uma pessoa religiosa. Mas agora, quando eu vejo médicos apressados a distância para nós, eu envio uma oração desesperada para algum poder superior. Para quê, eu não sei. Mas espero que Alguém, Qualquer Um, me ouça. Que nos


leve em Seus braços e tenha piedade de nós. Eu jogo esta oração para o céu com cada pingo de força que me resta. Deixe-o viver. Por favor, não o leve para longe deste mundo. Por favor, não deixe-o morrer em meus braços, não depois de tudo o que passamos juntos, não depois de ter levado tantos outros. Por favor, eu imploro, permita que ele viva. Estou disposta a sacrificar qualquer coisa para que isso aconteça — estou disposta a fazer qualquer coisa que Você pedir. Talvez Você vá rir de mim por uma promessa tão ingênua, mas eu quero dizer isso a sério, e eu não me importo se ela não faça sentido ou pareça impossível. Deixe-o viver. Por favor. Eu não posso suportar isso uma segunda vez. Eu olho desesperadamente à nossa volta, a minha visão ficou turva de lágrimas, e tudo é uma mancha de sangue e fumaça, luz e cinzas, e tudo que eu posso ouvir são gritos e tiros e ódio, e eu estou tão cansada da luta, tão frustrada, irritada, desamparada. Diga-me que ainda há bem no mundo. Diga-me que ainda há esperança para todos nós. Através de um véu d’água, eu sinto mãos em meus braços me afastando de Day. Luto teimosamente contra elas. Dor irradia até meu ombro ferido. Os médicos curvam-se sobre o corpo de Day. Seus olhos estão fechados agora, e eu não posso vê-lo respirar. Flash de imagens do corpo de Metias voltam para mim. Quando os médicos tentam novamente me puxar de Day, eu os empurro rudemente para longe e grito. Eu grito por tudo o que deu errado. Eu grito por tudo de quebrado em nossas vidas.


29 ACHO QUE JUNE ESTÁ DEBRUÇADA SOBRE MIM, MAS EU TENHO PROBLEMAS para distinguir os detalhes de seu rosto. Quando eu me esforço, as bordas da minha visão se filtram em um branco ofuscante. A dor, a princípio excruciante, não é nada agora. Memórias se desvanecem dentro e fora… memórias de meus primeiros dias assustado e sozinho nas ruas, com o joelho sangrando e o estômago vazio; de Tess jovem e depois de John quando ele soube que eu ainda estava vivo; da casa da minha mãe, o sorriso do meu pai, do Eden como um bebê. Lembro-me da primeira vez que encontrei June nas ruas. Sua postura desafiadora, seus olhos ferozes. Então, gradualmente, eu tenho dificuldade em lembrar de qualquer coisa. Eu sempre soube que, em algum nível, que eu não viveria muito tempo. Isso simplesmente não estava escrito em minhas estrelas. Algo brilhante pairando atrás do ombro de June me chama a atenção. Eu viro minha cabeça, tanto quanto eu posso para vê-la. No começo parece como uma esfera brilhante de luz. Enquanto eu continuo olhando, porém, percebo que é minha mãe. Mãe, eu sussurro. Eu me levanto e dou um passo em direção a ela. Meus pés parecem tão leves. Minha mãe sorri para mim. Ela parece jovem e saudável, e inteira, suas mãos já não estão envoltas em ataduras, o cabelo da cor do trigo e da neve. Quando eu chego a ela, suavemente segura meu rosto entre suas mãos suaves, não lesionadas. Meu coração para de bater; ele se enche de calor e luz e eu quero ficar aqui para sempre, trancado neste momento. Eu vacilo em meus passos. Mamãe me pega antes que eu possa cair, e nos ajoelhamos ali, juntos de novo. “Meu menino perdido”, ela murmura.


Minha voz sai como um sussurro quebrado. “Eu sinto muito. Eu sinto muito.” “Silêncio, meu menino.” Eu curvo minha cabeça enquanto ela se ajoelha sobre mim. Ela beija minha testa, e eu sou uma criança de novo, impotente e cheio de esperança, repleto de amor. Mas além da linha borrada dourada de seu braço, eu posso olhar para o meu corpo pálido, quebrado no chão. Tem uma garota agachada em cima de mim, com as mãos no meu rosto, seu longo cabelo escuro caído sobre o ombro dela. Ela está chorando. “Estão John e o papai…?” Eu começo a dizer. Mamãe apenas sorri. Seus olhos são tão incrivelmente azuis, como se eu pudesse ver o mundo inteiro dentro deles, o céu e as nuvens e tudo mais além. “Não se preocupe”, ela responde. “Eles estão bem, e eles te amam muito.” Eu sinto uma enorme necessidade de acompanhar a minha mãe aonde ela vai, onde quer que isso possa nos levar. “Eu sinto falta de vocês”, eu finalmente digo a ela. “Dói todos os dias, a ausência de alguém que alguma vez esteve ali.” Mamãe desliza suavemente uma mão em meu cabelo, o jeito que ela costumava fazer quando eu era pequeno. “Meu querido, não há necessidade de sentir nossa falta. Nós nunca nos fomos.” Ela levanta a cabeça e acena para a rua, passando pelas multidões de pessoas que se reuniram em volta do meu corpo. Agora, uma equipe de médicos está me levantando para uma maca. “Volte ao Eden. Ele está esperando por você.” “Eu sei”, eu sussurro. Eu levanto meu pescoço para ver se eu posso pegar um vislumbre de meu irmão no meio da multidão, mas eu não o vejo ali. Mamãe se levanta; suas mãos deixam meu rosto, e eu me vejo lutando para respirar. Não. Por favor, não me deixe. Eu estendo a mão para ela, mas alguma barreira invisível interrompe. A luz cresce mais brilhante. “Onde você vai? Posso ir com você?” Mamãe sorri, mas balança a cabeça. “Você ainda pertence ao outro lado do espelho. Algum dia, quando você estiver pronto para dar o passo para o nosso lado, eu vou vê-lo novamente. Viva bem, Daniel. Faça o último passo valer a pena”.


30 DURANTE AS TRÊS PRIMEIRAS SEMANAS QUE DAY ESTEVE NO HOSPITAL, eu nunca sai. As mesmas pessoas vêm e vão; Tess, é claro, quem está na sala de espera, tanto quanto eu estou, esperando para o Day sair do coma; Eden, que fica o tempo que Lucy lhe permite; outros Patriotas restantes, especialmente Pascao; uma variedade infinita de médicos e paramédicos que eu começo a reconhecer e saber o nome após a primeira semana; e Anden, que retornou da frente de guerra com suas próprias cicatrizes. Hordas de pessoas continuam acampados em todo o hospital, mas Anden não tem o coração para dizer-lhes que se dispersem, mesmo quando eles continuam a demarcar os terrenos durante semanas e depois meses. Muitos deles têm as listras vermelhas familiares pintadas em seus cabelos. Pela maior parte, eles ficam em silêncio. Às vezes, eles cantam. Agora me acostumei com a sua presença, até o ponto onde é reconfortante. Eles me lembram que o Day ainda está vivo. Ainda lutando. A guerra entre a República e as Colônias, pelo menos por agora, está terminada. A Antártida finalmente veio em nosso socorro, trazendo com eles sua tecnologia temível e armas que intimidaram a África e as Colônias a voltar ao nosso acordo de cessar-fogo, trazendo tanto Anden e o Chanceler perante o tribunal internacional, impondo as sanções apropriadas contra nós e eles, e finalmente, por último, iniciaram o processo para um tratado de paz permanente. As cinzas de nossos campos de batalha ainda estão aqui, no entanto, junto com uma hostilidade persistente. Eu sei que vai levar tempo para fechar as feridas. Eu não tenho nenhuma ideia de quanto tempo vai durar este cessar-fogo, ou quando a República e as Colônias vão encontrar a verdadeira paz. Talvez a gente nunca vá. Mas, por enquanto, isso é bom o suficiente. Uma das primeiras coisas que os médicos tiveram que fazer para o


Day, depois de costurar as feridas horríveis de bala, era operar seu cérebro. O trauma que ele sofreu significava que ele não poderia receber o tratamento completo de medicamentos necessários para prepará-lo adequadamente para a cirurgia… mas eles foram em frente com isso. Se ele estava pronto ou não era irrelevante naquele momento; se não o fizessem, ele teria morrido de qualquer jeito. No entanto, isso ainda me mantém acordada a noite. Ninguém sabe ao certo se ele vai acordar em tudo, ou se ele vai ser uma pessoa completamente diferente do que ele era. Dois meses passam, e, em seguida, três. Aos poucos, todos nós começamos a fazer a nossa espera em casa. As multidões no hospital finalmente começam a diminuir. Cinco meses. O inverno passa. Às 0728 horas de uma quinta-feira de março durante o início de primavera eu chego a sala de espera do hospital para o meu habitual registro. Como esperado, a esta hora, eu sou a única aqui. Eden está em casa com Lucy, conseguindo algum sono necessário. Ele continua a crescer, e se o Day estivesse acordado para vê-lo agora, eu sei que ele iria comentar sobre como seu irmão está crescendo, perdendo a graça de bebê em seu rosto e tomando os primeiros passos na vida adulta. Mesmo Tess ainda não está aqui. Ela tende a vir no final da manhã para trabalhar como assistente de médico, na sombra dos médicos, e quando eu a pego em seus intervalos, nos amontoamos e trocamos conversa em voz baixa. Às vezes, ela ainda me faz rir. “Ele te ama, realmente”, ela me disse ontem. “Ele te amaria mesmo que isso o destruísse. Ele combina com você. Eu acho que é lindo.” Ela disse isso com um sorriso relutantemente tímido no rosto. De alguma forma, ela conseguiu voltar para o lugar onde eu a havia conhecido primeiro, mas agora como alguém mais madura, mais alta, e mais sábia. Eu a cutuquei carinhosamente. “Vocês têm uma ligação que eu nunca poderia tocar”, eu respondi. “Ainda quando estamos no nosso pior momento.” Ela corou, e eu não pude deixar de abrir meu coração para ela. A Tess amorosa é uma das vistas mais doces do mundo. “Apenas seja boa para ele”, ela sussurrou. “Promete?”


Agora saúdo a enfermeira na janela da sala de espera, então me estabeleço em minha cadeira habitual e olho ao redor. Esta manhã parece tão vazia. Encontro-me sentindo falta da companhia de Tess. Eu tento me distrair com as manchetes de notícias que passam no monitor. O PRESIDENTE DA ANTÁRTIDA, IKARI, JUNTO AS NAÇÕES UNIDAS, MOSTRA SUA APROVAÇÃO DO NOVO TRATADO DE PAZ ENTRE A REPÚBLICA E AS COLÔNIAS. O PRIMEIRO ELEITOR ANUNCIA O INÍCIO DO NOVO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO PARA SUBSTITUIR AS ANTIGAS PROVAS. NOVAS CIDADES QUE FAZEM FRONTEIRA ENTRA A REPÚBLICA E AS COLÔNIAS SERÃO RENOMEADAS AS CIDADES UNIDAS, COMEÇARÃO A PERMITIR A IMIGRAÇÃO DE AMBAS NAÇÕES NO FINAL DO PRÓXIMO ANO. A SenadorA MARIANA DUPREE SE ALISTA OFICIALMENTE COMO PRINCESA DO SENADO. As manchetes trazem um leve sorriso ao meu rosto. Ontem à noite, Anden tinha parado no meu apartamento para me dizer pessoalmente sobre Mariana. Eu disse a ele que eu daria meus parabéns a ela diretamente. “Ela é muito boa no que faz”, eu disse. “Mais do que eu era. Estou feliz por ela.” Anden inclinou a cabeça. “Você poderia ter sido melhor, a longo prazo, eu acho”, ele respondeu com um sorriso gentil. “Você entende o povo. Mas estou feliz que você está de volta onde você se sente mais confortável. Nossas tropas têm a sorte de ter você.” Ele hesitou, então, e por um momento ele pegou a minha mão na sua. Lembro-me do revestimento de neoprene macio de suas luvas, o brilho prateado de suas abotoaduras. “Agora talvez eu não te veja muito. Talvez seja melhor assim, não é? Ainda assim, por favor, me visite de vez em quanto. Será bom ouvir sobre você.” “Igualmente,” eu respondi, apertando a mão dele em troca. Meus pensamentos pulam de volta para o presente. Um dos médicos surgiu a partir do corredor perto da sala do Day. Ele me vê, respira fundo e se aproxima. Eu me endireito, enrijeço. Tem sido um longo tempo desde


que eu ouvi alguma atualização real sobre a condição de Day do Dr. Kann. Uma parte de mim quer pular de emoção, porque, talvez, a notícia seja boa; outra parte de mim se encolhe de medo, no caso de a notícia ser ruim. Meus olhos escaneiam o rosto do médico, em busca de pistas. (Pupilas ligeiramente dilatadas, o rosto preocupado, mas não na maneira em que alguém está prestes a informar a pior notícia. Há indícios de alegria em seu rosto.) Meu pulso acelera. O que é que ele vai me dizer? Ou, talvez, não seja nenhuma novidade em tudo… talvez ele simplesmente vai me dizer o de sempre. Temo que não haja muita mudança hoje, mas, pelo menos, ele ainda está estável. Me acostumei tanto a ouvir isso. Dr. Kann se detêm antes de chegar até mim. Ele ajusta os óculos e coça inconscientemente sua aparada barba sal e pimenta. “Bom Dia, Srta. Iparis”, diz ele. “Como ele está?” Eu pergunto, a minha saudação habitual. Dr. Kann sorri, mas hesita (outra raridade, a notícia deve ser significativa). “Notícia maravilhosa.” Meu coração para por um segundo. “Day acordou. Menos de uma hora atrás.” “Ele está acordado?” Eu respiro. Ele está acordado. De repente, a notícia é muito grande, e eu não tenho certeza se eu posso suportar. Eu estudo o seu rosto com cuidado. “Há mais do que isso, no entanto. Não há?” Dr. Kann coloca as duas mãos sobre os meus ombros. “Eu não quero que se preocupe, Srta. Iparis, não em tudo. Day tem se recuperado de sua cirurgia muito bem, quando ele acordou, ele pediu água e, em seguida, pelo seu irmão. Ele parece bastante alerta e coerente. Fizemos uma verificação rápida do seu cérebro.” Sua voz se torna mais animada. “Vamos precisar fazer uma verificação mais aprofundada, é claro, mas à primeira vista parece que tudo normalizou. Seu hipocampo parece saudável, e os sinais parecem disparar normalmente. Em quase todos os aspectos, o Day que nós conhecemos está de volta.” Lágrimas formigam nas bordas dos meus olhos. O Day que nós conhecemos está de volta. Depois de cinco meses de espera, a notícia é tão repentina. Num minuto ele estava deitado inconsciente na cama,


agarrando-se noite atrás de noite pela vida, e agora ele está acordado. Assim mesmo. Eu quebro em um sorriso com o médico, e antes que eu possa me parar, eu o abraço. Ele ri, acariciando minha cabeça sem jeito, mas eu não me importo. Eu quero ver o Day. “Ele pode receber visitas?” Eu pergunto. Então, de repente, eu percebo o que o médico realmente disse. “Por que você disse ‘quase’?” O sorriso do médico vacila. Ele ajusta os óculos novamente. “Não é nada que não podemos corrigir ao longo da terapia prolongada. Você vê, a região do hipocampo afeta as memórias, tanto a curto como a longo prazo. Parece que as memórias de longo prazo de Day, sua família, seu irmão Eden, sua amiga Tess, e assim por diante, estão intactas. Depois de algumas perguntas, no entanto, parece que ele tem muito pouca lembrança de pessoas e eventos do último ano ou dois. Nós o chamamos de amnésia retrógrada. Ele se lembra de mortes de sua família, por exemplo…” A voz de Dr. Kann se torna desconfortável aqui. “Mas ele não parece familiarizado com o nome da Comandante Jameson, ou a invasão recente dos Colônias. Ele também não se lembra de você.” Meu sorriso se desvanece. “Ele… não se lembra de mim?” “Claro, isso é algo que pode curar com o tempo, com a terapia adequada,” Dr. Kann novamente me tranquiliza. “Suas habilidades de memória de curto prazo estão funcionando bem. Ele se lembra da maioria das coisas que eu digo a ele, e forma novas memórias sem muito problema. Eu só queria avisá-la antes de vê-lo. Não se assuste caso ele não lembrar de você. Tome seu tempo e se apresente de novo a ele. Aos poucos, talvez daqui a alguns anos, suas memórias antigas podem voltar.” Concordo com a cabeça para o médico como se estivesse em um sonho. “Ok”, eu sussurro. “Você pode vê-lo agora, se você quiser.” Ele sorri para mim, como se ele estivesse entregando a maior notícia no mundo. E ele está. Mas quando ele me deixa, eu só fico lá por um momento. Minha mente em uma névoa. Pensando. Perdida. Então eu tomo passos lentos em direção ao corredor onde está o quarto de hospital de Day, o corredor se fechando em torno de mim como um túnel de nevoeiro, embaçado. A única coisa passando pela minha cabeça é a memória de minha oração desesperada sobre o corpo ferido de Day, a promessa que eu tinha oferecido para os céus em troca de sua vida.


Deixe-o viver. Estou disposta a sacrificar qualquer coisa para que isso aconteça. Meu coração afunda, fica cinza. Eu entendo agora. Eu sei que Algo tenha respondido a minha oração, e ao mesmo tempo também me disse qual seria o meu sacrifício. Me foi oferecido a chance de nunca ferir Day novamente. Eu entro no quarto do hospital. Day está alerta, apoiado em travesseiros e surpreendentemente mais saudável do que as vezes que eu o vi deitado inconsciente e pálido ao longo dos últimos meses. Mas algo está diferente agora. Os olhos de Day me seguem sem uma pitada de familiaridade neles; ele está me olhando com educada distância, com medo de um desconhecido, a maneira como ele olhou para mim quando nos encontramos pela primeira vez. Ele não sabe quem eu sou. Meu coração dói, arrancado de mim enquanto eu me aproximo de sua cama. Eu sei o que tenho que fazer. “Oi”, ele diz, quando eu sento em sua cama. Seus olhos vagueiam curiosamente no meu rosto. “Oi”, eu respondo suavemente. “Você sabe quem eu sou?” Day parece culpado, isso só enfia a faca mais profundo. “Deveria?” Leva todo o meu esforço para não chorar, para suportar a ideia de que Day se esqueceu de tudo entre nós, a nossa noite juntos, as provações que passamos, tudo o que nós compartilhamos e perdemos. Temos sido apagados de sua memória, não deixando nada para trás. O Day que eu conhecia não está aqui. Eu poderia dizer-lhe agora mesmo, é claro. Eu poderia lembrá-lo de quem eu sou, que eu sou June Iparis, a menina que tinha uma vez o salvo nas ruas e se apaixonado. Eu poderia dizer-lhe tudo, assim como Dr. Kann disse, e que poderia desencadear suas velhas memórias. Diga a ele, June. Basta dizer-lhe. Você vai ficar tão feliz. Seria tão fácil. Mas eu abro minha boca e não sai nenhum som. Eu não posso fazê-lo. Seja boa com ele, Tess tinha me dito. Promete? Enquanto eu permanecer na vida do Day, eu vou machucá-lo. Qualquer


outra opção é impossível. Penso no modo como ele havia deitado, chorando, na mesa da cozinha de sua família, lamentando o que eu tinha tirado dele. Agora o destino entregou a solução para mim em uma bandeja de prata; Day sobreviveu a sua provação e, em troca, eu preciso sair de sua vida. Mesmo que ele olhe para mim agora como uma estranha, ele não tem mais o olhar de dor e tragédia que sempre parecia vir com a paixão e o amor com que ele olhava para mim. Agora ele está livre. Ele é livre de nós, deixando-me como a única portadora do fardo do nosso passado. Então eu engulo em seco, sorrio e inclino a cabeça para ele. “Day”, eu me obrigo a dizer: “é bom conhecê-lo. Fui enviada pela República para ver como você está. É maravilhoso vê-lo acordado novamente. O país vai se alegrar quando ouvir a boa notícia.” Day acena educadamente, em contrapartida, a sua tensão inconfundível. “Obrigado”, diz ele com cautela. “Os médicos me disseram que eu estive fora por cinco meses. O que aconteceu?” “Você foi ferido durante uma batalha entre a República e as Colônias”, eu respondo. Tudo o que eu estou dizendo soa como se estivesse saindo da boca de outra pessoa. “Você salvou seu irmão Eden”. “Eden está aqui?” Os olhos de Day se iluminam com o reconhecimento, e um belo sorriso floresce em seu rosto. A visão dele me traz dor apesar de estar feliz que ele se lembra de seu irmão. Eu queria tanto ver esse olhar de familiaridade em seu rosto quando ele estivesse falando de mim. “Eden vai ficar muito feliz em vê-lo. Os médicos estão avisando a ele, então ele vai chegar em breve.” Eu volto a sorrir, e desta vez é genuíno, mas agridoce. Quando o Day estuda meu rosto de novo, eu fecho meus olhos e arco ligeiramente para ele. É hora de deixar ir. “Day”, eu digo, escolhendo cuidadosamente quais serão minhas palavras finais para ele. “Foi um privilégio e honra lutar ao seu lado. Você salvou muitos mais de nós do que você jamais saberá.” Por um breve momento, eu fixo meus olhos nos dele, dizendo-lhe em silêncio tudo o que eu nunca vou dizer a ele em voz alta. “Obrigado”, eu sussurro. “Por tudo.” Day parece intrigado com a emoção na minha voz, mas ele inclina a cabeça em troca. “A honra é minha”, ele responde. Meu coração se parte em


tristeza com a falta de calor em sua voz, o calor que eu sei que teria ouvido se ele tivesse lembrado de tudo. Eu sinto a ausência do amor doloroso que eu vim a ansiar por que eu queria muito ganhar. Ele se foi agora. Se ele soubesse quem eu sou, eu diria outra coisa para ele agora, algo que eu deveria ter dito a ele com mais frequência quando tive a chance. Agora tenho a certeza dos meus sentimentos, e é tarde demais. Então eu dobro as três palavras de volta no meu coração, por causa dele, e me levanto da cama. Absorvo cada último detalhe maravilhoso, de seu rosto e o armazeno em minha memória, esperando que eu possa levá-lo comigo onde quer que eu vá. Trocamos silenciosas saudações. Então vou embora pela última vez. * Duas semanas depois, parece como se toda a cidade de Los Angeles fosse ver o Day deixar o país para sempre. Na manhã que deixei a cama de Day, a Antártida veio chamar tanto por ele como por seu irmão. Eles haviam tomado conhecimento do toque talentoso de Eden com a engenharia e ofereceram-lhe um lugar em uma de suas academias. Ao mesmo tempo, eles ofereceram a Day a chance de ir junto. Eu não me junto as multidões. Eu fico no meu apartamento em vez disso, observando o desenrolar dos acontecimentos, enquanto Ollie dorme contente ao meu lado. As ruas em volta do meu complexo estão cheias de pessoas, todas disputando uma com a outra para ver os JumboTrons. Seu ensurdecedor caos transforma em ruído branco enquanto eu olho o desdobrar na minha tela. DANIEL ALTAN WING E IRMÃO PARTEM ESTA NOITE PARA ROSS CITY, ANTÁRTIDA. Isso é o que dizem as manchetes. Na tela, Day cumprimenta as pessoas que se reúnem em torno de seu apartamento enquanto ele e Eden são escoltados até um jipe por uma patrulha da cidade. Eu deveria chamá-lo de Daniel, como a tela faz. Talvez ele realmente seja apenas Daniel, agora, sem a necessidade de um alias. Observo enquanto ele deixa seu irmão entrar no veículo, e em seguida, segue, sendo perdido completamente de vista. É tão estranho, eu penso comigo mesma enquanto minha mão se move


distraidamente em toda o pele do Ol ie. Não muito tempo atrás, as patrulhas da cidade queriam prendê-lo. Agora, ele está deixando a República como seu campeão, a ser celebrado e lembrado por toda a vida. Eu desligo o monitor, em seguida, sento na escuridão tranquila do meu apartamento, saboreando o silêncio. Lá fora nas ruas, as pessoas ainda estão gritando seu nome. Eles o clamam profundamente na noite. Quando a comoção finalmente morre, eu me levanto do meu sofá. Eu puxo minhas botas e um casaco, em seguida, enrolo um lenço fino ao redor do meu pescoço e me dirijo para as ruas. Meu cabelo sopra na suave brisa da noite, mechas se prendem em meus cílios. Durante um tempo eu vagueio sozinha pelas ruas tranquilas. Eu não tenho certeza para onde estou indo. Talvez eu esteja tentando encontrar meu caminho de volta para Day. Mas isso é ilógico. Ele já se foi, e sua ausência deixa uma dor penetrante no meu peito. Meus olhos lacrimejam pelo vento. Eu ando por uma hora antes de finalmente tomar um curto passeio de trem para o setor Lake. Lá, eu passeio ao longo da borda da água, admirando as luzes do centro da cidade, bem como o, agora não utilizado e apagado Estádio de Testes, um assombroso lembrete de eventos que já se foram. As rodas hidráulicas gigantescas que giram no lago, o ritmo de seu movimento estabelecendo uma sinfonia de fundo reconfortante. Eu não sei para onde estou indo. Tudo o que sei é que, neste momento, o setor Lake parece mais casa para mim do que Ruby. Aqui, eu não estou tão sozinha. Nessas ruas, eu ainda posso sentir a batida do coração de Day. Eu começo a refazer meus velhos passos, passando pelos mesmos edifícios à beira do lago e as mesmas casas em ruínas, os passos que eu tinha tomado, quando eu era uma pessoa completamente diferente, cheia de ódio e confusão, perdida e ignorante. É um sentimento estranho vagar nestas mesmas ruas como a pessoa que sou agora. Ao mesmo tempo familiar e estranho. Uma hora depois, eu paro sozinha diante de um beco qualquer que se ramifica numa rua vazia. No fim deste beco, uma abandonada torre acima de doze andares, cada uma de suas janelas tapadas e seu primeiro andar do jeito que eu me lembro, com janelas ausentes e cacos de vidro no chão. Ando entre as sombras do edifício, lembrando. Este é o lugar onde o Day tinha estendido pela primeira vez sua mão para mim em meio a fumaça e poeira e me salvou há muito tempo, antes mesmo de descobrirmos quem o


outro era; este foi o início das poucas noites preciosas quando simplesmente nos conhecíamos como um menino nas ruas e uma garota que precisava de ajuda. A memória entra em foco. Há uma voz me dizendo para me levantar. Quando eu olho para o meu lado, eu vejo um rapaz segurando a mão para mim. Ele tem olhos azuis brilhantes, sujeira em seu rosto, e um boné surrado velho, e, neste momento, acho que ele pode ser o rapaz mais bonito que eu já vi. Meu passeio me levou para o início de nossa jornada juntos. Suponho que seja apenas justo para mim, estar aqui no final dessa jornada. Eu estou na escuridão por muito tempo, deixando-me afundar nas memórias que uma vez compartilhamos. O silêncio me envolve em braços reconfortantes. Uma das minhas mãos chega no meu lado e encontra a velha cicatriz de onde Kaede tinha me ferido. Tantas lembranças, tanta alegria e tristeza. Lágrimas escorrem pelo meu rosto. Gostaria de saber o que Day está pensando neste momento, enquanto está a caminho para uma terra estrangeira, e se uma pequena parte dele, mesmo que esteja enterrada profundamente, tem ou não lascas de mim, pedaços do que nós tivemos uma vez. Quanto mais tempo eu fico aqui, mais leve se sente o fardo em meu coração. Day vai seguir em frente e viver a sua vida. Então eu também vou. Nós vamos ficar bem. Algum dia, talvez, no futuro, longe e distante, vamos nos encontrar outra vez. Até então, eu vou lembrar dele. Estendo a mão para tocar uma das paredes, imaginando que eu posso sentir a sua vida e calor através dela, e eu olho de novo, em direção ao piso superior, em seguida, todo o caminho para o céu da noite, onde algumas estrelas fracas podem ser vistas, e lá eu acho que realmente posso vê-lo. Eu posso sentir a sua presença aqui em cada pedra que ele tocou, cada pessoa que ele já levantou, cada rua e beco e cidade que ele mudou nos poucos anos de sua vida, porque ele é a República, ele é a nossa luz, e eu o amo, eu o amo, até o dia em que nos encontremos de novo eu vou te segurar em meu coração e protegê-lo ali, sofrendo pelo que nós nunca tivemos, valorizando o que fizemos. Eu queria que você estivesse aqui. Eu te amarei, sempre.


LOS ANGELES, CALIFÓRNIA REPÚBLICA DA AMÉRICA * DEZ ANOS DEPOIS


31 1836 HORAS, 11 DE JULHO. SETOR BATALLA, LOS ANGELES 25 °C HOJE É MEU VIGÉSIMO SÉTIMO ANIVERSÁRIO. Eu celebro a maioria dos meus aniversários, sem muito problema. No meu décimo oitavo, me uni a Anden, um par de Senadores, Pascao e Tess, e vários ex-colegas de Drake para um jantar discreto em um lounge em uma cobertura no setor Ruby. Meu décimo nono aconteceu em um barco em Nova York, as Colônias reconstruíram uma versão de uma antiga cidade submersa cuja periferia agora se inclina suavemente para o Oceano Atlântico. Eu tinha sido convidada para uma festa dada por vários delegados internacionais da África, Canadá e México. Passei meu vigésimo confortavelmente sozinha, escondida na cama com Ollie roncando no meu colo, assistindo a um breve noticiário sobre como o irmão do Day, Eden tinha se formado precocemente na academia da Antártida, tentando um vislumbre de Day como homem de vinte anos de idade, tendo a notícia de que ele mesmo tinha sido recrutado pela agência de inteligência da Antártida. Meu vigésimo primeiro aniversário foi um assunto elaborado em Vegas, onde Anden me convidou para um festival de verão e, em seguida, acabou me beijando no meu quarto de hotel. Vigésimo segundo: o primeiro aniversário que comemorei com Anden como meu namorado oficial. Vigésimo terceiro: passei em uma cerimônia de condecoração que me colocou como a Comandante de todos os esquadrões da Califórnia, a mais jovem Comandante na liderança na história da República. Vigésimo quarto: um aniversário que passei só com Ol ie. Vigésimo quinto: jantar e dançar com Anden a bordo do RS Constellation. Vigésimo sexto: gasto com Pascao e


Tess, quando disse a eles sobre meu recém-termino com Anden, como o jovem Eleitor e eu havíamos chegado a um acordo mútuo que eu simplesmente não poderia amá-lo do jeito que ele queria que eu o fizesse. Alguns destes anos foram gastos com alegria, outros com tristeza, mas os acontecimentos mais tristes eram sempre toleráveis. Coisas muito piores tinham acontecido, e nada trágico durante estes anos posteriores poderia se comparar com os acontecimentos de minha adolescência. Mas hoje é diferente. Eu estive temendo este aniversário em particular por anos, porque me leva de volta a alguns dos eventos do meu passado que eu tento tão duramente manter enterrado. Passo a maior parte do dia em um clima bastante calmo. Eu levanto cedo, sigo as minhas rotinas de aquecimento usuais na pista, e depois vou para o setor Batalla organizar meus capitães para as suas várias operações na cidade. Hoje eu estou levando duas das minhas melhores patrulhas para escoltar Anden durante uma reunião com os delegados das Colônias. Nós não compartilhamos o mesmo apartamento mais, mas isso não muda como ferozmente eu me assisto sobre seu segurança. Ele será sempre o meu Eleitor e pretendo mantê-lo assim. Hoje, ele e as Colônias estão no meio de uma profunda discussão sobre o delicado status de imigração ao longo da nossa fronteira, onde as Cidades Unidas transformaram-se em áreas emergentes com ambos cidadãos tanto das Colônias quanto da República. No que foi uma vez uma linha divisória clara entre nós agora parece mutável. Eu olho para o lado de fora como Anden agita as mãos com os delegados e posa para fotos. Estou orgulhosa do que ele fez. Passos lentos, mas passos, no entanto. Metias teria ficado feliz em vê-lo. Assim como Day. Ao final da tarde, eu finalmente deixo Batal a Hall e sigo para uma edificação branco-marfim na extremidade leste de Batal a Square. Lá, eu mostro minha identidade na entrada e faço o meu caminho até o décimo segundo andar do edifício. Eu sigo os passos familiares até o final do corredor, minhas botas ecoando contra o piso de mármore, até que eu paro na frente de uma lápide de dez centímetros quadrados com o nome Capitão METIAS IPARIS gravado em sua superfície cristalina. Eu fico lá por um tempo, em seguida, sento de pernas cruzadas diante dele e curvo minha cabeça. “Oi, Metias,” eu digo com voz suave. “Hoje é meu aniversário. Você sabe quantos anos eu tenho agora?” Eu fecho meus olhos, e através do silêncio que me cerca eu acho que eu


posso sentir uma mão fantasmagórica no ombro, nestes momentos tranquilos sou capaz de sentir de vez em quando a presença suave do meu irmão. Eu imagino ele sorrindo para mim, sua expressão relaxada e livre. “Eu faço vinte e sete anos hoje,” eu continuo em um sussurro. Minha voz trava por um momento. “Nós somos da mesma idade agora.” Pela primeira vez na minha vida, eu não sou sua irmã mais nova. No próximo ano vou cruzar esta linha e ele ainda estará no mesmo lugar. De agora em diante, vou ser mais velha do que ele foi. Eu tento passar para outros pensamentos, por isso eu digo ao fantasma de meu irmão sobre meu ano, minhas lutas e sucessos comandando minhas próprias patrulhas, minhas semanas de trabalho agitado. Digo-lhe, como sempre faço, que eu sinto falta dele. E como sempre, eu posso ouvir o sussurro de seu fantasma em meu ouvido, sua resposta suave que ele sente a minha também. Que ele está olhando por mim, a partir de onde ele está. Uma hora mais tarde, quando o sol finalmente se pôs e a luz que atravessava as janelas desvanece, me levanto da minha posição e, lentamente, faço meu caminho para fora do prédio. Eu escuto algumas mensagens perdidas no meu fone de ouvido. Tess deve estar deixando seu turno hospital em breve, provavelmente armada com uma série de novas histórias sobre seus pacientes. Nos primeiros anos após Day ir, os dois ficaram em estreito contato, e Tess me manteve constantemente atualizada sobre o que ele estava fazendo. Coisas como a visão do Eden melhorar. O novo trabalho do Day. Jogos antárticos. Mas, com o passar dos anos, as suas conversas ficaram menos frequentes, Tess cresceu e se dedicou a sua própria vida, e gradualmente, suas conversas diminuíram para breves saudações anuais. Às vezes, nenhuma. Eu mentiria se eu dissesse que eu não sinto falta de suas histórias sobre o Day. Mas ainda assim, eu me pego esperando algumas conversas no jantar com ela e Pascao, que deve estar vindo da Universidade de Drake, provavelmente ansioso para compartilhar suas últimas aventuras com cadetes em treinamento. Eu sorrio quando penso sobre o que eles poderiam dizer. Meu coração se sente mais leve agora, um pouco mais livre depois da minha conversa com o meu irmão. Meus pensamentos vagueiam brevemente para Day. Gostaria de saber onde ele está, com quem ele está, se ele está feliz.


Eu realmente, sinceramente, espero profundamente que ele esteja. O setor não está cheio hoje à noite (não precisamos de muitos policiais de rua nos últimos anos) e além de alguns soldados aqui e ali, eu estou sozinha. A maioria dos postes não ligou ainda, e na crescente escuridão posso ver um punhado de estrelas cintilando lá cima. O brilho dos JumboTrons lança um caleidoscópio de cores em todo o pavimento cinza do setor Batalla, e eu me pego andando deliberadamente debaixo deles, estendendo uma mão para observar as cores que dançam através da minha pele. Eu assisto trechos de notícias sobre as telas com leve desinteresse, enquanto deslizo por minhas mensagens perdidas. As dragonas sobre meus ombros tilintam suavemente. Então, faço uma pausa em uma mensagem que a Tess me deixou no início da tarde. Sua voz preenche meus ouvidos, cheia de calor e diversão. “Oi. Confira a notícia.” Isso é tudo o que ela diz. Eu franzo a testa, em seguida, rio um pouco do jogo de Tess. O que está acontecendo no noticiário? Meu olhos retornam às telas, desta vez com mais curiosidade. Nenhuma delas me chama a atenção. Eu continuo à procura, olhando para o que Tess pode estar falando. Ainda nada. Então… um pequeno, título qualquer, tão breve que eu devo ter pulado o dia todo. Eu pisco, como se eu pudesse ter interpretado mal isso, e o leio novamente antes que mude. EDEN BATAAR WING ESTÁ EM LOS ANGELES PARA UMA ENTREVISTA PARA A POSIÇÃO DE ENGENHEIRO EM BATALLA. Eden? Uma onda rompe o silêncio que me acalmou o dia todo. Eu li a manchete mais e mais antes de finalmente me convencer de que eles estão, na verdade falando sobre o irmão mais novo do Day. Eden está aqui para entrevista de um trabalho em potencial. Ele e Day estão na cidade. Eu olho em volta das ruas instintivamente. Eles estão aqui, andando pelas mesmas ruas. Ele está aqui. Eu balanço minha cabeça para a menina adolescente que, de repente, acorda no meu coração. Mesmo depois de todo esse tempo, eu tenho esperança. Acalme-se, June. Mas, ainda assim, meu coração fica na minha garganta. A mensagem de Tess ecoa em minha mente. Eu volto a andar pela rua. Talvez eu possa descobrir onde eles estão


hospedados, só para pegar um vislumbre de como ele está depois de todo esse tempo. Decido chamar Tess de volta depois de alcançar a estação de trem. Quinze minutos depois, estou na periferia do setor Batalha; a estação de trem que leva a Ruby aparece ao virar a esquina. A escuridão aumentou o suficiente para os postes de luz ligarem, alguns soldados estão caminhando pela calçada oposta; além deles, eu sou a única nesta quadra. Mas quando eu chego a uma ligeira curva na rua, vejo duas pessoas juntas caminhando em minha direção. Eu paro de repente. Então eu franzo a testa e examino melhor a rua a minha frente. Eu ainda não tenho certeza do que eu estou vendo. Um par de homens jovens. Os detalhes flutuam automaticamente através de minha mente, tão familiar agora que eu mal penso duas vezes sobre eles. Ambos são altos e magros, com o cabelo louro claro que se destaca na noite mal iluminada. Instantaneamente eu sei que eles devem estar relacionados, com as suas características semelhantes e andar gracioso. O da esquerda usa óculos e está conversando animadamente, escovando os cachos dourados de seus olhos conforme ele anda, suas mãos desenham algum tipo de diagrama na frente dele. Ele continua puxando as mangas de volta até seus cotovelos, e seu colarinho está solto e amarrotado. Um sorriso despreocupado ilumina seu rosto. O jovem da direita parece mais reservado, ouvindo pacientemente ao seu companheiro de cabelo crespo enquanto ele mantém suas mãos enfiadas casualmente nos bolsos. Um pequeno sorriso toca os cantos de seus lábios. Seu cabelo é diferente do que eu me lembro, agora curto e ligeiramente rebelde, e quando ele ocasionalmente passa a mão, deixa-o ainda mais rebelde. Seus olhos são tão azuis como sempre. Mesmo que ele esteja mais velho agora, com o rosto de um jovem em vez do adolescente que conheci tão bem, ele ainda mostra indícios do antigo fogo sempre que ele ri das palavras de seu irmão, momentos de surpreendente brilho e vida. Meu coração começa a bater mais rápido, cortando a tristeza que pesa sobre meu peito. Day e Eden. Eu mantenho a minha cabeça baixa à medida que me aproximo. Mas a partir do canto da minha visão, eu vejo Eden me notar primeiro. Ele faz uma pausa por um segundo no meio de sua sentença, e um rápido sorriso


aparece em seu rosto. Seu olhos viajam para o seu irmão. Day me lança um olhar. A intensidade me pega de surpresa, eu não tenho sido submetida a seu olhar em tanto tempo que de repente eu não posso recuperar o fôlego. Me endireito e acelero o meu ritmo. Eu preciso sair daqui. Caso contrário, eu não tenho certeza se eu posso manter minhas emoções de aparecerem no meu rosto. Passamos uns pelos outros sem uma palavra. Sinto como se meus pulmões pudessem estourar, levo algumas rápidas respirações para me equilibrar. Eu fecho meus olhos. Tudo que eu posso ouvir é o fluxo de sangue em meus ouvidos, o constante bater do meu coração. Aos poucos, eu ouço o som de seus passos desaparecer atrás de mim. Um sentimento de naufrágio lentamente se instala. Eu engulo em seco, forçando uma enxurrada de lembranças da minha mente. Eu estou indo em direção a estação de trem. Eu vou para casa. Eu não vou olhar para trás. Eu não posso. Então… ouço passos atrás de mim novamente. Botas apressadas contra o pavimento. Faço uma pausa, endureço e olho por cima do meu ombro. É Day. Ele chega até mim. A alguma distância atrás dele, Eden espera com as mãos nos bolsos. Day olha nos meus olhos com uma expressão suave e perplexa — enviando uma descarga elétrica na minha coluna. “Desculpe-me,” diz ele. Oh, essa voz. Mais profunda, mais suave do que eu me lembro, sem a rudeza da infância e com a nova elegância de um adulto. “Já nos conhecemos antes?” Por um momento, eu estou sem palavras. O que eu digo? Passei tantos anos me convencendo que já não nos conhecíamos. “Não,” eu sussurro. “Sinto muito.” Na minha mente, imploro-me a dizer o contrário. Day franze a testa, confuso por um momento. Ele passa a mão pelo cabelo. Nesse gesto, eu pego um vislumbre de algo brilhante no seu dedo. É


um anel feito de arames. De clipes de papel. A respiração me escapa em estado de choque. Ele ainda está usando o anel de clipes de papel, que uma vez eu tinha dado a ele. “Oh,” ele finalmente responde. “Sinto muito incomodá-la, então. Eu só… você parece muito familiar. Tem certeza de que não nos conhecemos de algum lugar?” Eu procuro seus olhos em silêncio. Eu não posso dizer nada. Há uma emoção secreta emergente em seu rosto agora, em algum lugar entre a estranheza e a familiaridade, algo me diz que ele está lutando para situar-me, para descobrir onde eu pertenço. Meu coração protesta, desejando que ele descubra isso. Ainda assim, as palavras não saem. Day procura o meu rosto com o olhar suave. Em seguida, ele balança a cabeça. “Eu te conheci,” ele murmura. “Há muito tempo. Eu não sei onde, mas eu acho que eu sei por quê.” “Por que, então?” Peço gentilmente. Ele fica quieto por um momento. Então, ele dá um passo mais perto, perto o suficiente para que eu possa ver essa pequena ondulação de imperfeição do seu olho esquerdo. Ele ri um pouco, rubor rasteja em suas bochechas. “Eu sinto muito. Isto vai soar tão estranho.” Eu sinto como se estivesse perdida em uma névoa. Como se este fosse um sonho que não me atrevo a despertar. “Eu…,” ele começa, como se estivesse procurando as palavras certas. “Eu tenho procurado por longo tempo por algo que eu acho que perdi.” Algo que ele perdeu. As palavras trazem um nó na garganta, uma súbita explosão de esperança selvagem. “Não é estranho em tudo,” ouço eu mesma responder. Day sorri de volta. Algo doce e ansioso aparece em seus olhos. “Eu senti como se encontrasse alguma coisa quando eu vi você lá atrás. Você tem certeza… você me conhece? Eu conheço você?” Eu não sei o que dizer. A parte de mim que uma vez tinha decidido sair de sua vida me diz para fazê-lo novamente, para protegê-lo do conhecimento que havia machucado ele há muito tempo. Dez anos… tem tanto tempo assim? A outra parte de mim, a menina que o conheceu na rua, me impele a dizer-lhe a verdade. Finalmente, quando eu consigo abrir a boca, eu digo, “Eu tenho que ir encontrar com alguns amigos.”


“Oh. Sinto muito.” Day limpa a garganta, inseguro de si mesmo. “Eu também, na verdade. Uma antiga amiga no Ruby.” Uma antiga amiga no Ruby. Meus olhos se arregalam. De repente, eu sei por que Tess soou tão travessa em sua mensagem, porque ela me disse para ver as notícias hoje à noite. “E o nome da sua amiga é Tess?” Pergunto hesitante. É a vez do Day parecer surpreso. Ele me dá um sorriso intrigado e perplexo. “Você a conhece.” O que estou fazendo? O que está acontecendo? Isso realmente é tudo um sonho, e eu tenho medo de acordar dele. Eu tive esse sonho muitas vezes. Eu não quero que se vá de novo. “Sim”, murmuro. “Jantarei com ela nesta noite.” Nós olhamos um para o outro em silêncio. O rosto de Day é sério agora, e seu olhar é tão intenso que eu posso sentir o calor atravessando cada centímetro do meu corpo. Estamos juntos assim por um longo, longo momento, e pela primeira vez eu não tenho ideia de quanto tempo se passou. “Eu me lembro,” ele finalmente diz. Eu procuro nos olhos dele pela mesma tristeza doente, o tormento e angústia que sempre esteve lá sempre que estávamos juntos. Mas eu não posso mais vê-lo. Em vez disso, encontro outra coisa… vejo uma ferida curada, uma cicatriz permanente, que tem no entanto, se fechado, algo de um capítulo de sua vida que ele tem finalizado, depois de todos estes anos, fez as pazes. Eu vejo… Será possível? Isso pode ser verdade? Vejo pedaços de memórias em seus olhos. Pedaços de nós. Eles estão quebrados e dispersos, mas estão lá, gradualmente se unindo novamente com a visão de mim. Eles estão lá. “É você,” ele sussurra. Há maravilha em sua voz. “É mesmo?” Eu sussurro de volta, minha voz tremendo com todas as emoções que eu mantenho escondidas por tanto tempo. Day está tão perto e seus olhos são tão brilhantes. “Eu espero,” ele responde em voz baixa, “para conhecê-la novamente. Se você está disposta a isso. Há uma névoa em torno de você que eu gostaria de dissipar.” Suas cicatrizes nunca vão desaparecer. Estou muito certa disso. Mas talvez…


talvez… com o tempo, com a idade, podemos ser amigos novamente. Podemos curar. Talvez possamos voltar a esse lugar que estivemos uma vez, quando éramos jovens e inocentes. Talvez nós realmente pudéssemos nos conhecer como as outras pessoas fazem, em alguma rua numa noite agradável, onde cada um de nós chama a atenção do outro e para e se apresenta. Ecos do desejo antigo do Day voltam para mim agora, emergindo da névoa dos nossos primeiros dias. Talvez haja uma coisa como o destino. Ainda assim espero, muito insegura de mim mesma para responder. Eu não posso dar o primeiro passo. Eu não deveria. Esse passo pertence a ele. Por um momento, eu acho que isso não vai acontecer. Então Day estende a mão e toca a minha. Ele a envolve em um aperto de mão. E, assim com isso, eu estou ligada com ele de novo, eu sinto o pulsar da nossa ligação e história e amor através de nossas mãos, como uma onda de magia, o retorno de um amigo há muito perdido. De algo destinado a ser. O sentimento traz lágrimas aos meus olhos. Talvez possamos dar um passo adiante juntos. “Oi,” diz ele. “Eu sou Daniel.” “Oi,” eu respondo. “Eu sou June.” Fim

Champion (Legend #3) - Marie Lu  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you