Issuu on Google+

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

1


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

2


Editorial

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

A BELEZA NEGRA MOSTRA SUA CARA A Brasil Angola Magazine é uma publicação que surgiu devido a necessidade em haver um veículo de comunicação que realmente venha potencializar o intercâmbio entre estas nações irmãs - Brasil e Angola - aproveitando os laços que as une como o idioma e a amizade. A Brasil Angola Magazine se preocupa em primeiro lugar em levar informações úteis aos nossos leitores, devido a isto fechamos parcerias com instituições que se preocupam em apresentar ao mercado soluções e informações de real interesse, por isto nos orgulhamos em ter conosco a ANTAB - Associação Nacional do Turismo Afro Brasileiro e a CBA/CE - Câmara Brasil Angola/CE.

Nesta edição não poderíamos deixar de destacar a coroação de Leila Lopes, como a mulher mais bonita do Mundo, e esta vitória fez com que as empresas de cosméticos começassem a ver o mercado afro e étnico com outros olhos. Os investimentos em Angola são enormes, só na construção de novos hotéis está se investindo cinco bilhões de dólares nos próximos anos. Também nesta edição mostraremos os Cinco Setores que valem a pena investir em Angola, e muito mais. Esperamos a partir de agora contar com a colaboração de cada um de vocês leitores, dando sua opinião e sugestões para futuras matérias. Obrigado a todos , boa leitura e até a próxima. O Editor

Expediente Brasil Angola Magazine Ano I, número 01, Outubro-Novembro-2011 Editor Chefe: José André dos Santos – MTB 13.152 – redacao@brasilangola.com.br Editoria Especial Africa Antonio Lucio - AIRJ 9219/86 - MTb 35490- polcomune@uol.com.br Diretor de Marketing: Neemias B. Oliveira – neemias@brasilangola.com.br Diretor Comercial: Glécio Ortega – ortega@brasilangola.com.br Diretor administrativo: Ronaldo Carniello – administração@brasilangola.com.br Diagramação e Produção Gráfica Diego Adel – producao@brasilangola.com.br Tiragem: 8.000 exemplares Periodicidade: Bimestral Circulação – Brasil e Angola www.brasilangola.com.br - sac@brasilangola.com.br

DIRETORIA COMERCIAL EM ANGOLA Diretor Comercial – Ubirajara Honório Telefone (00 244) 933 53 6263 - (+55 11) 8415-8485 ubirajara.honorio@brasilangola.com.br PARCERIAS EM DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PROJETOS ANTAB - Associação Nacional do Turismo Étnico Afro Brasileiro assocnacionalafro@yahoo.com.br - www.antab.com.br CBA - Câmara Brasil Angola brasilangola.admce@gmail.com BRASILA ANGOLA MAGAZINE é uma publicação da Carniello Propaganda e Publicidade Ltda. - CNPJ – 01.354.870/0001-21 Rua Santo Antonio, 446 – cj 104 – São Paulo/SP Publicidade (+55 11) 3104-9461 / (+55 11) 2836-7807 www.brasilangola.com.br - www.carniello.com.br Brasil Angola Magazine tem seu pedido de registro junto ao INPI sob nº0000231109449315 em 21/10/2011

Os artigos assinados não representam necessariamente a opinião desta publicação e de seus editores.

3


Parcerias

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

PARCERIAS PARA UM SUCESSO MAIOR Câmara Brasil Angola-CE fecha parceria com a revista “Brasil Angola Magazine” durante a realização do ENLP

No encerramento das atividades realizadas durante o terceiro dia do Encontro de Negócios na Língua Portuguesa (ENLP), a Câmara Brasil Angola-CE, assinou Termo de Parceria com a Carniello Propaganda e Publicidade Ltda, de São Paulo, que é detentora da publicação Brasil Angola Magazine. O referido termo faz da

Brasil Angola Magazine o veículo oficial da Câmara Brasil Angola – CE, publicando textos de interesse da Câmara, artigos, notícias, informes e permitindo o anúncio de empresas que tenham interesse em Angola. Os informes também serão inclusos no site da revista www.brasilangola.com.br.

Associação Nacional do Turismo Étnico Afro Brasileiro

De acordo com Roberto Marinho, presidente da Câmara Brasil Angola – CE, tal Termo de Parceria se traduz em importante ferramenta de divulgação das ações da Câmara Brasil Angola, pois a publicação, conta com uma tiragem de 10.000 exemplares e tem sua distribuição no Brasil e em Angola.Com essa ação pretende-se uma interação maior entre a Câmara e a revista apresentando produtos para exportação com destino a Angola, discussão de assuntos referentes ao relacionamento entre os dois países, comércio exterior, cultura, entretenimento e muito mais. “Acreditamos que esta parceria tornará a Câmara Brasil Angola mais visível no Brasil e em Angola, resultando num número maior de ações e de resultados para os sócios e para as relações entre o Brasil e Angola.” Confirma Marinho. O Termo de Parceria foi assinado na presença do Sr. Carlos Duarte, vice-presidente da Câmara Brasil Angola – CE e do Sr. Eliseu Gaspar vicepresidente da Associação Industrial de Angola. Contato - brasilangola.admce@gmail.com

ETNIC HAIR BEAUTY

A ANTAB E A Carniello Propaganda e Publicidade Ltda. Assinaram acordo de parceria no ultimo mês de setembro, durante a realização da BEAUTY FAIR, em São Paulo. A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DO TURISMO ÉTNICO AFRO BRASILEIRO - ANTAB, fundada em 2005 durante a edição do Salão Nacional Roteiros do Brasil realizado em São Paulo, o objetivo da entidade é o desenvolvimento do turismo cultural, de negócios e pedagógico tendo atrativo principal os equipamentos e manifestações culturais da população negra, o afro negócio e a proposta de se fazer valer as Leis Federais 10.639 e 12.288 no Brasil. Na edição do Salão Nacional do Turismo de 2009, foi lançado o coletivo gestor para trabalhar o turismo e negócios afro-brasileiro. A meta é que o grupo gestor organize os segmentos e as lideranças da cultura afro no País como gestores de seus empreendimentos. Entre as ações da ANTAB esta á promoção do turismo étnico em feiras de beleza, de turismo e de negócios no segmento cultural e empresarial. Além disso, uma das prioridades é buscar com o Ministério do Turismo a introdução da cultura afro-brasileiras nos 65 destinos induto-

4

res e articular um diálogo com as 12 cidades sede na Copa de 2014 com o sentido de abrir espaços e oportunidades para que as manifestações culturais e os roteiros afro étnicos venham a ser atrativos dentro das programações antes e durante do maior evento esportivo do mundo que acontecerá no Brasil em 2014. Uma das principais conquistas da ANTAB, foi a criação do Programa Beleza Étnica Brasil 2014, e a introdução da lei que Cria do Dia do Turismo Étnico Afro Brasileiro em 27 cidades do estado de São Paulo, incluindo a capital. A inclusão dos cabeleireiros afros dentro da Classificação Brasileira de Ocupação do Ministério do Trabalho em 2009, é uma das maiores vitórias da entidade, que também fez o pedido de inclusão das Feiras Beauty Fair, Hair Brasil, Thebeauty (Porto Alegre), Hair Beauty (Rio de Janeiro) no calendário de eventos do Ministério do Turismo, assim como a Festa do Carmo de Araraquara e a Festa de São Benedito em Tietê. Contato:- www.antab.com.br ou pelo e-mail assocnacionalafro@yahoo.com.br

Empresa especializada em eventos de turismo, negócios e qualificação profissional para o segmento de beleza, moda e estética afro. Fundada em 1999 a empresa já realizou diversos congressos, workshops, cursos e apresentações em feiras em todo o país, sempre destacando a importância dos profissionais de beleza afro no Brasil. Como destaque a empresa apresenta os Congressos de Beleza Negra, Etnic Hair Beauty, Cabeleireiros Afros e Étnicos do Brasil, além dos cursos sobre química, manutenção e produção em cabelos afros e tranças estilizadas. Uma das atrações da empresa é a Hairstylle “ Eliana da Silva “que já realizou apresentações em diversas feiras em todo o país e que é especialista em cabelos afros e europeus. Contatos: feteab.turismo@gmail.com ou fhsilvino@hotmail.com


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Entrevistas

BRASIL DESENVOLVEU IMPORTANTE PROJETO EM ANGOLA

Celso Salles e o Jornalista Antônio Lúcio A exemplo de muitos projetos que se realizam na República de Angola, desenvolvidos por empresas brasileiras ou brasileiros que se propõe trabalhar colaborando para que o desenvolvimento do país africano seja cada dia mais presente, Celso Salles, com amplo conhecimento na área de informática e marketing, desenvolveu o projeto ANGOLA CONECTADA. Durante meu último périplo por países do Continente Africano, África do Sul e República do Zimbabwe, no último mês de outubro, tive a oportunidade de ter como companheiro de viagem para participar da Sanganai Hlanganani realizada em Harare, capital do Zimbabwe, a jornalista Karis Cozer e Celso Salles, aliás, nós três fomos os únicos brasileiros representantes da mídia brasileira a participar do evento considerado um dos mais importantes realizados no continente e pude me aprofundar para conhecer um pouco mais sobre o projeto ANGOLA CONECTADA, que tomei conhecimento através de personalidades angolanas com as quais mantenho contato permanente. Nos dias que estivemos em solo africano tiver a oportunidade de saber de Celso Salles um pouco mais sobre o projeto por ele idealizado para a Pátria do Herói Nacional Agostinho Neto, a República de Angola e fui às perguntas. Antonio Lúcio - Como surgiu a idéia de criar o Angola Conectada ? Celso Salles - ANGOLA CONECTADA é um Projeto Sem Fins Lucrativos, foi idealizado no ano de 2004, portanto 2 anos após o término da Guerra em Angola, fomos contactados pelo Sr. João Selésio, na época funcionário do escritório da ONU em Kuito - Bié. O Sr. Selésio pediu nossa ajuda, o que foi prontamente oferecida em regime voluntário. Juntamente com as ONGs. do Bié na época, criamos um Projeto de Marketing que denominamos: PLANO BIÉ DESENVOLVIMENTO, que pode ser visto no website www.biedesenvolvimento.org O Plano Bié Desenvolvimento reunia ONGs do Bié e procurava dar visibilidade aos seus trabalhos sociais, para que pessoas em todo mundo pudessem ajudar. Em 2010, a jornalista Gabriela Forlin foi para Angola fazer o seu Trabalho de Conclusão de Curso e, com a sua ida, vários outros projetos puderam nascer, tais como: OTCA - ON LINE TEAM COLLABORATION ANGOLA, website: www.otca.pbworks.com - OS MENINOS PINTORES DE ANGOLA, web-site: www. osmeninospintoresdeangola.com . Também com a ida de Gabriela para Angola, o Educasat

passou a ter acesso a pessoas e ONGs que anteriormente não tinha. Ainda em 2010, mais precisamente no mês de Novembro, o Educasat, juntamente com a ABRASA e a ANANGOLA, duas associações em Viena-Áustria, a primeira brasileira e a segunda angolana, ambas divulgando suas respectivas culturas em território austríaco, participaram do evento batizado pelo Educasat com o nome de “All The Dreams” que, contando com o trabalho dedicado das senhoras da OTCA, levaram os Meninos Pintores de Angola para exporem seus quadros na cidade de Viena - Áustria. Com todas estas ações, conhecimentos e relacionamentos, o Educasat criou enfim o projeto ANGOLA CONECTADA, que foi realizado na cidade de Luanda, Angola, no período de 6 a 26 de Outubro de 2011. Durante estes 7 anos de trabalho, o que ficou muito latente, foi a dificuldade de comunicação entre Angola e o Resto do Mundo, mesmo diante de tantas tecnologias já existentes. A idéia de seu criador, o publicitário Celso Salles foi exatamente munir as ONGs de conhecimentos para que os seus projetos tenham visibilidade internacional e possam receber ajudas de várias partes do mundo, reduzindo assim a grande distância de Angola com o Resto do Mundo. Para dinamizar ainda mais, o ANGOLA CONECTADA durante os 20 dias em que funcionou em Luanda, não só treinou ONGs e Associações, como também formou 8 Monitores para darem continuidade ao trabalho. Qual a receptividade alcançada com a implantação Angola Conectada? Celso Salles - A receptividade foi total, pois os meios de comunicação de Angola abriram suas portas e possibilitaram que ONGs. de vários províncias tivessem acesso às informações e formações, como pode ser visto no Website www.angolaconectada.blogspot.com Os trabalhos iniciados pelo Educasat terão continuidade em Angola? Celso Salles - Os trabalhos implantados pelo Educasat através do Projeto ANGOLA CONECTADA terão duas vertentes de continuidade: 1. Social: www.angolaconectada.blogspot.com 2. Corporativa e Educacional: www.angolaconectada.com Ambos os trabalhos já estão sendo desenvolvidos pelos Monitores do ANGOLA CONECTADA, sob a supervisão do professor, Sr. João Daniel da Costa. Celso Salles, bacharel em Administração de Empresas, com especialização em tecnologia de internet e satelital, ficou em território Angolano do dia 6 ao dia 26 de Setembro onde deu treinamento de tecnologias para ONGs e Associações. Destaque em especial para a FAPED ANGOLA – Federação Angolana das Associações das Pessoas Com Deficiência, cujo website já começou a ser estruturado e deverá ser finalizado com Celso Salles ainda em território Angolano: www.fapedangola.org. O principal objetivo do Projeto ANGOLA CONECTADA foi transmitir conhecimento às ONGs e Associações para que possam divulgar na internet e via satelital os seus projetos, aumentando con-

sideravelmente a captação de recursos financeiros oriundos de várias partes do mundo, tão necessários para a manutenção de seus variados projetos de ajuda social. Softwares para elaboração de Projetos também fizeram parte do treinamento proposto pelo ANGOLA CONECTADA que nesse ano de 2011 iniciou mais uma importante fase nas ações de apoio e ajuda social para o desenvolvimento de Angola. Quais as perspectivas do Educasat em relação ao intercâmbio do Brasil Angola na área educacional? Celso Salles - O grande projeto que o Educasat já está trabalhando desde que retornamos de Angola é o CONHECIMENTO VIA SATÉLITE, onde estarão configurando como parceiros a INFRASAT, empresa estatal angolana, o ANGOLA CONECTADA Corporativa e Educacional. Através de Projeto que o Educasat já está trabalhando, Organizações como a Fundação Bill Gates e outras de grande porte, serão convidadas a apadrinharem este que promete ser um dos mais audaciosos programas de Educação via satélite em todo o mundo. Celso Salles, bacharel em Administração de Empresas, com especialização em tecnologia de internet e satelital, ficou em território Angolano do dia 6 ao dia 26 de Setembro onde realizou treinamento de tecnologias para ONGs e Associações. Destaque em especial para a FAPED ANGOLA - Federação Angolana das Associações das Pessoas Com Deficiência, cujo website foi estruturado e finalizado com Celso Salles ainda em território Angolano: www. fapedangola.org. O principal objetivo do Projeto ANGOLA CONECTADA foi transmitir conhecimento às ONGs e Associações para que possam divulgar na internet e via satelital os seus projetos, aumentando consideravelmente a captação de recursos financeiros oriundos de várias partes do mundo, tão necessários para a manutenção de seus variados projetos de ajuda social. Softwares para elaboração de Projetos também fizeram parte do treinamento proposto pelo ANGOLA CONECTADA que nesse ano de 2011 iniciou mais uma importante fase nas ações de apoio e ajuda social para o desenvolvimento de Angola.

Jornalista Antonio Lucio Diretor do BUREAU POLCOMUNE, ex-Articulista da revista ANGOLA HOJE, Articulista e Colunista do PORTAL ÁFRICAS, Colunista da AFROPRESS-Agência de Informação MultiÉtnica, Diretor de Relações Institucionais e Imprensa do Portal ZIMBA BRASIL.

5


Economia

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

CINCO BILHÕES DE DÓLARES EM NOVOS HOTÉIS Angola investirá cinco bilhões de dólares na construção de 345 novos hotéis nos próximos anos

Angola terá, dentro de três anos, uma oferta de 205 novos hotéis estatais com um investimento de 1,47 bilhões de dólares e outras 141 unidades privadas, representando um investimento de 3,4 bilhões de dólares. Atualmente, Angola conta com cerca de uma centena de hotéis. O governo de Luanda vai apresentar o Plano Diretor do Turismo em Julho do próximo ano, que está sendo desenvolvido pela consultora Roland Berger. No total, o reforço da capacidade hoteleira angolana irá disponibilizar, no mercado, mais 30 mil quartos e 60 mil leitos sendo 13,1 mil quartos na rede estatal de hotéis e 16,1 mil nas unidades privadas. No ano passado, o setor do turismo gerou receitas de 500 milhões de dólares. O governo de Luanda quer duplicar o número de turistas no país de 366 mil registrados em 2009 (onde 22,6% eram portugueses) para 715 mil visitantes em 2014.

6

A seguradora angolana AAA, do grupo da petrolífera Sonangol, está desenvolvendo a “maior rede de hotéis” do país, já em construção, com um total de 78 unidades, de médio e alto padrão, cujo prazo de conclusão das obras, no conjunto, poderá acontecer dentro de quatro anos. A cadeia de hotéis, que vai abranger todo território nacional, deverá contribuir para a promoção do turismo interno, e serão administrados por uma empresa angolana. As unidades em construção nas cidades de Luanda, Huíla, e Benguela já estão em fase avançada. Esta rede hoteleira será constituída por dois segmentos. O primeiro será o IKA, com 21 hotéis, que representará o padrão de hotéis de luxo da rede, que terão 145 quartos executivos amplos, cinco suítes executivas, e outros atrativos. A outra rede, denominada IU, é uma cadeia de hotéis mais simples, com 60 quartos, mas com um elevado padrão de conforto, que no total irão garantir 3.500 postos de trabalho.

As cadeias de hotéis IKA e IU vão cobrir vários locais “turísticos raríssimas de Angola”, e muitas unidades serão erguidas nas capitais das províncias e zonas do interior. Recentemente abriu na capital angolana os hotéis Skyna e Vila Alice, de 4 e 3 estrelas respectivamente, e 2012 será o ano de abertura do primeiro hotel 5 estrelas de Angola, o Epic Sana da cadeia portuguesa Sana. Para 2013 está prevista a conclusão do VIP Grand Luanda, da cadeia portuguesa VIP, e de mais um hotel 5 estrelas que se especula será administrado pela cadeia Intercontinental. Outras rede Hoteleiras estão investindo forte em Angola, uma delas é a TD HOTELS que depois do Trópico e Alvalde, abre o seu terceiro hotel em Luanda, o HOTEL BAÌA. Localizado na nova marginal da Praia do Bispo, com vista sobre a Baia de Luanda, permite desfrutar de um ambiente tranquilo, onde a facilidade de acessos convida a conciliar uma estadia de negócios, com momentos de descontração e lazer.


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Com abertura prevista para início de 2012, as obras do novo Hotel Terminus Lobito, propriedade da empresa Imogestin SA, já se encontram em ritmo avançado. Implantado sobre as areias da praia atlântica da Restinga, ao lado do prestigiado Hotel Terminus, o novo hotel terá 100 quartos, dos quais doze suítes, restaurante, salas de conferências, bares, piscina, spa e um jango de praia. Quase dentro da cidade do Lubango, secretamente dissimulado entre a vegetação e as montanhas, nasceu um dos mais luxuosos empreendimentos de Angola, o PULULUKA LODGE, que em umbundo significa “descanso”.

Com uma arquitetura de vanguarda que lhe confere um ambiente moderno e acolhedor, o Hotel Baía dispõe de 138 quartos (seis suítes, doze quartos King size e 120 quartos standard) um restaurante com cozinha internacional, dois bares, um Fitness Center e SPA e uma multiplicidade de serviços à sua disposição. Tudo, para que possa tornar sua estadia ainda mais agradável. No Restaurante é possível desfrutar do ambiente mais acolhedor de África e saborear as melhores iguarias da cozinha internacional. O almoço e o jantar são servidos em forma de Buffet, para que possa eleger os seus sabores favoritos com toda a liberdade. No ultimo piso existe uma área de lazer com piscina exterior e um extraordinário HealthClub, onde o ambiente foi pensado para proporcionar momentos únicos de tranquilidade e descontração.

Propriedade do grupo COSAL, este luxuoso resort pensado ao mais ínfimo pormenor, é um projeto arrojado, implantado numa área com vários hectares, serpenteado por um rio, e pontilhado com vários lagos, em casamento perfeito com a natureza.

Economia

Num ambiente seguro e tranquilo, com um serviço excepcional e eficiente, os hóspedes vão poder desfrutar de luxuosos jardins, num jogo entre a diversidade e a variedade de cores que estimulam os sentidos. Mais do que um Hotel, o HCTA é um espaço, refrescante, sensual e incomparável, para recuperar os seus sentidos. A tradição foi perfeitamente capturada e transformada em elementos sofisticados e modernos únicos, criando uma ligação emocional com os hóspedes. Nas principais capitais de província, têm surgido várias unidades de pequeno porte, de duas e três estrelas,onde com certeza o turista, tanto a negócios como laser se sentira muito bem acolhido.

Com um restaurante central, com amplos espaços exteriores e vistas deslumbrantes, a oferta de alojamento é composta por 60 luxuosos bangalôs, implantados em três “aldeias” com características diferentes, ligadas por longos passadiços, ora em madeira, ora em pedra. O projeto prevê também uma quinta pedagógica, povoamento animal, spa, etc. A Abertura esta prevista para 2011. Ao sul de Luanda, com excelente acessos ao aeroporto, surgiu o primeiro cinco estrelas de Luanda. Excepcional, Chique e Emocionante, o Hotel de Convenções de Talatona e as suas luxuosas vilas, estão integrados num complexo que integra também o Centro de Convenções de Talatona e o Centro Internacional de Feiras, este último ainda em fase de acabamento.

7


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Turismo

BENGUELA

A cidade das Acácias Rubras, pelo número de acácias vermelhas que se encontram espalhadas por toda a cidade

Benguela situa-se no litoral-central de Angola e a província é constituída por nove Municípios: Benguela (a capital), Baía-Farta, Balombo, Bocoio, Caimbambo, Chongoroi, Cubal, Ganda e Lobito, distribuídos por uma superfície de 37.802 Km²

cobre. Em 17 de Maio de 1617 é fundada S. Filipe de Benguela. A sua posterior evolução foi prejudicada pelo mau clima, más condições econômicas, assim como pelas doenças oriundas dos pântanos que cercavam a cidade.

O clima é tropical árido, influenciado pela corrente fria de Benguela e a temperatura média anual é de 24ºC.

A fauna desta província é rica em espécies como zebras, leões, elefantes, olongos, golungos, búfalos, onças, ongivas e a cabra de leque, principalmente na zona de Mamué.

Por volta de 1601, ocorreram os primeiros desembarques de portugueses (na Baía das Vacas), atraídos pela aparente riqueza pecuária e pela potencial existência de minas de prata e

A população de Benguela é na sua maioria da etnia Ovimbumdo e Nganguela e vive essencialmente da pesca, pecuária e agricultura. A língua mais falada na província é o Umbundo.

8


Turismo

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

COMO CHEGAR Benguela possui dois Aeroportos: o Aeroporto 17 de Setembro, na capital da Província, que recebe vôos de pequeno e médio porte e o aeroporto militar de Catumbela. É possível chegar por via marítima através do porto de Lobito de onde saem embarcações de pequeno e grande porte, de carga, ou de passageiros.

ONDE RELAXAR Ao longo de toda a costa existem excelentes praias como a Praia da Caota, Praia da Baía Azul, Praia da Caotinha, Praia da Equimina, as Praias do Lobito (Restinga, Cabaia, Compão e Liro) e a conhecida Praia Morena, na parte baixa da cidade de Benguela.

Existem acessos rodoviários para a capital Luanda assim como para as províncias do centro e sul do País.

PRINCIPAIS DATAS E EVENTOS O Carnaval do Lobito é considerado o segundo melhor depois do de Luanda. O dia de Benguela é comemorado em 16 de Maio e o dia do Lobito em 2 de Setembro. As festividades mais importantes são as religiosas como a festa de Nossa Senhora dos Navegantes em Maio e a de Nossa Senhora da Graça em Dezembro

O QUE VISITAR Igreja da Nª Srª do Pópolo - Construída em 1748, de estilo barroco, é considerada Monumento Nacional. Ermida da Nª. Sª. dos Navegantes – construída em 1957, na crista do morro, a arquitetura inclui um cruzeiro que se avista à grande distância, quando iluminado. Ermida da Nª Sª da Graça – situada na localidade de Cavaco, a 3 km a norte de Benguela. Ainda hoje acontecem importantes festividades em honra à Nª Sra. da Graça. Ponta do erca de 10 km a oeste da cidade, num alto com a forma de um sombreiro. Plataforma – com vista Panorâmica da Caotinha Palácio do Governo – no Lobito, de arquitetura colonial antiga. Igreja de Nª Sª da Arrábida – no Lobito Farol do Quilve – no Lobito Farol de S. Pedro da Catumbela – na Catumbela Termas da Jomba – no Lobito Museu ArqueoSombreiro – Farol localizado na parte ocidental da Baía de Benguela a clógico – na Catumbela Plataforma – Com vista panorâmica da Bela Vista Parque Regional da Chimalavera - É a principal reserva natural da província de Benguela. Tem uma superfície de 150 Km² e possui uma fauna variada. Reserva Parcial do Búfalo - Deve o seu nome ao búfalo preto e foi criada em 1974. Tem 400 Km² de superfície e possui fauna variada.

ITINERÁRIOS Distingue-se pela variedade do relevo e da flora. A sul da cidade, entre 10 e 25 km, estão as praias de águas límpidas e areia branca da Caota, Caotinha e Baía Azul (famosa pelo azulado das suas águas). A praia Morena, localizada na Marginal é a preferida pelos casais de namorados. A norte da cidade, localiza-se o Lobito, que já foi uma das cidades mais lindas da Costa Africana, daí ser chamado, a Sala de Visitas de Angola. Do município, parte a maior ferrovia do país que cruza todo o território angolano. O Lobito tem o porto mais importante da costa ocidental de África. No Lobito, poderá desfrutar das águas salgadas da Restinga, apreciar a culinária da região e os mariscos nos vários restaurantes à beira-mar. Existem lugares de onde se pode contemplar a beleza do Lobito e arredores, como os miradouros da Quileva da Bela Vista e do Forte da Catumbela, possui também, lugares com uma beleza tropical espetacular, como a Hanha, o Parque dos Bambus e as Palmeirinhas na Catumbela. Na estrada que liga Benguela ao Lobito, poderá contemplar a plantação do Vale do Cavaco, bem como, a Vila da Catumbela, situada na margem do rio com o mesmo nome, vila essa, que se desenvolveu em apoio ao pólo industrial existente. Visite também a Baía Farta. Fotos – Felipe.Silva

9


Capa

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

LEILA LOPES, A NOVA MISS No ultimo mês de setembro, em concurso realizado pela primeira vez no Brasil, na cidade de São Paulo, a angolana Leila Luliana da Costa Vieira Lopes, nascida em 26 de fevereiro de 1.986, 25 anos, foi eleita a mulher mais bonita do planeta. A partir de agora, por uma questão contratual, a nova miss universo, fixará residência em Nova York, sob a tutela do comitê organizador do concurso. Demonstrando muita emoção logo após o término do concurso em entrevista, a nova Miss Universo disse um pouco sobre o concurso e os prêmios que arrebatou. Sem falar em valores, só citou os vários prêmios que recebeu entre eles um troféu, brincos de diamantes, um telefone móvel número de Nova York, um apartamento na “grande maçã”, arrendado pelo período do seu reinado e alguns contratos de publicidade. “Dedico este prêmio ao povo angolano, por conseguir demonstrar a sua capacidade e persistência”, Disse emocionada Leila Lopes. Sobre o concurso, a mulher mais bonita do mundo, disse que foi para o concurso confiante e pedindo força, alegria e inteligência a Deus. “Foi isto que me fez convencer o público e os jurados”, disse.

Mesmo antes do concurso, a angolana já havia recebido elogios por parte de algumas colegas, entre as quais as Miss Brasil, Priscila Machado, que ficou em terceiro lugar no mesmo concurso,com quem partilhava o quarto e as Miss de Portugal e Bolívia, por fazerem parte do seu grupo de trabalho. “Não só tinha o carinho das colegas como também do pessoal do hotel que faziam muitos elogios a meu respeito”, disse a Angolana. Durante os vinte dias no Brasil, Leila Lopes procurou mostrar Angola às colegas com as quais partilhava a casa. “Sempre que estava com as colegas, procurava falar sobre Angola, desde a cultura, à comida, música e dança”, acentuou. “Cheguei mesmo a interpretar algumas musicas e a explicar como é a maneira dos angolanos se expressaram”, explicou, acres-

10

centando que o termo “ya” E “aié”, este último uma interjeição que significa espanto, ficaram no léxico de algumas candidatas.


Capa

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

UNIVERSO É ANGOLANA

Na família Lopes é só orgulho A vitória de Leila Lopes é um orgulho para todas as mulheres angolanas. A afirmação é de sua mãe, que acompanhou a cerimônia de perto, na casa de espetáculos em São Paulo.

Leila Lopes é Convidada pela ONU para ser Embaixadora da Boa Vontade

Em declarações, explicou que foi emocionante ver a filha ser coroada Miss Universo. “A minha fé começou a aumentar ao vê-la entre as dez melhores”, Declarou Dulce Costa, para quem a escolha serve de estimulo para que a mulher angolana lute pela sua afirmação a nível internacional.

A nova Miss Universo, manifestou disponibilidade para ser Embaixadora da Boa Vontade, durante uma reunião entre a Missão Permanente de Angola junto das Nações Unidas em Nova York , o secretário executivo da convenção da ONU sobre o Combate à Desertificação (UNCCD) e a organização Miss universo.

A infância No Bairro Azul, onde a jovem miss viveu parte da sua infância todos os familiares estavam muitos felizes e excitados com a vitória de Leila, que nem conseguiram dormir, tanto pela felicidade como pelos muitos telefonemas que receberam. As tias sempre acreditaram na capacidade da sobrinha, querendo inclusive que seja realizado uma carreata em Luanda em homenagem a nova Miss Universo.

Leila Lopes, já fazia trabalhos sociais com crianças, pessoas doentes e idosos.” Meu país precisa da minha voz e como Miss Universo espero ver mais” , declarou.

Durante a reunião, realizada na missão Angolana e conduzida pelo representante permanente de Angola junto das nações Unidas, embaixador Ismael Gaspar Martins, a Miss Leila Lopes e os membros da Organização Miss Universo receberam informações detalhadas do Secretariado Executivo da UNCCD acerca do papel e importância de um embaixador da Boa Vontade da ONU, especialmente nas questões atinentes ao combate à desertificação.

11


Espaço ANTAB

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

supera expectativas e MOVIMENTA mais de 390 milhões de reais em volume de negócios Em sua 7ª edição, o evento consolidou-se como a segundo maior do mundo no segmento de cosméticos, beleza e bem estar Em 2011 a Beauty Fair – Feira Internacional de Cosméticos e Beleza, mais importante evento de cosméticos, beleza e bem estar das Américas, realizada de 10 a 13 de setembro, superou todas as expectativas de seus organizadores e ultrapassou a marca de 390 milhões de reais em volume de negócios gerados, 15% a mais do que no ano anterior. Durante os quatro dias de realização, a Feira recebeu mais de 130 mil visitantes, entre profissionais e empresários do setor, vindos de todos os estados do Brasil e de diversas partes do mundo, como Estados Unidos, México, Inglaterra, Itália, Espanha, Portugal, China, Dubai, Canadá, do continente africano e de toda a América do Sul. Com 82 mil m2 de área expositiva, quase 8% a mais do que em 2010, a Feira alcançou o posto de segundo maior evento do setor de beleza no mundo, ficando atrás apenas da Cosmoprof Bolonha, da Itália. O índice de participação de marcas estrangeiras em 2011 teve um crescimento de --34% em relação ao ano passado. Nesta edição eram --39, sendo 29 dos Estados Unidos, sete da Itália, uma da Polônia, uma da Inglaterra e uma dos Emirados Árabes.

12

Assim como nas demais edições, a Beauty Fair contou com a participação das mais importantes empresas do segmento nacional como Niely, Taiff, Embelleze, Amend, Vita A, Aroma do Campo, Bel Col, Bio Extratus, Gota Dourada, Colorama, Mundial-Impala, entre outras; além de

grandes marcas internacionais, reforçando ainda mais a importância do evento para o cenário mundial, como AlfaParf Group, Wella Professionals, Parlux, TIGI, Senciense, Unilever, Procter&Gamble e as estreantes MoroccanOil, L’Anza, Paul Mitchell, Clairol, e Farouk Systems.


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Espaço ANTAB

Mercado de cosméticos ainda está em falta com a pele negra Em um levantamento entre as principais marcas, raras foram as que dispunham de itens exclusivos para essas consumidoras

ta que, no Sul, a venda se concentra em maquiagens de tom rosa por causa da ascendência européia, na qual predomina pele bem clarinha. Já nas cidades do Rio, Vitória e Salvador, os campeões de vendas são os produtos direcionados para as muitas tonalidades que vão da morena à negra. Em São Paulo, contudo, a mistura é tão grande que fica impossível definir um perfil dominante. Apesar da predominância morena e negra no País, Julia Petit reclama da postura das empresas nacionais. “É como se aqui fosse um país nórdico”, brada a produtora expert em makeup, autora do blog Petiscos e apresentadora do programa “Base Aliada” (GNT) - ambos com conteúdo de beleza e moda.

A variedade da pele negra é enorme, mas o mercado de beleza não tem oferecido produtos na mesma proporção. Em um levantamento entre as principais marcas, raras foram as que dispunham de itens exclusivos para essas consumidoras. A base, por exemplo, é essencial na maquiagem, mas é difícil encontrar uma tonalidade ideal entre a ampla gama vendida para mulheres

de pele branca, observa Mirian Costa, maquiadora da marca de cosméticos Dailus. “Fizemos uma pesquisa e percebemos essa carência”, diz a profissional. “Para preencher essa lacuna, a empresa criou uma vasta linha para essas mulheres.” Ao desenvolver maquiagem para pele negra, a Dailus delineou um panorama do consumo de beleza feminino por região. Mirian con-

Sua indignação é tão grande que ela não cansa de fazer a mesma pergunta quando encontra alguém do ramo de cosméticos: “Você tem linha para pele negra?” Mas a resposta que mais escuta é: “Não há mercado para esse nicho”. Julia questiona: “Será que não tem mercado porque não tem produto?” Para ela, o mercado brasileiro é muito atrasado nesse sentido.

13


Beleza

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

CABELOS AFROS, COMO TRATA-LOS! Entrevista com Eliana da Silva - Hairstylle e Especialista em cabelos afros e europeus nais, com produtos específicos para cabelos crespos, e no salão, hidratações mensais voltadas a recuperar a estrutura e amaciar os fios”, afirma Fernando.

Os cabelos afros, são fios delicados que exigem cuidados extras para se manterem bonitos e saudáveis. Isso porque, além de possuírem uma estrutura fina e porosa, por causa da ondulação, eles são naturalmente secos. É por isso que, normalmente, quem os possui não gosta muito do que a natureza ofereceu. “Se não forem bem cuidados, os cabelos afros ficam com um aspecto muito ressecado e armam demais, fazendo com que a maioria das mulheres invista em tratamentos alisantes”, afirma a cabeleireira Eliana da Silva Segundo Eliana, este é um dos grandes erros que cometem as mulheres de cabelos crespos. “Tudo bem alisar os fios, mas é preciso, antes disso, tratar os cabelos, para deixá-los hidratados, fortes, macios e saudáveis. Se todas as mulheres que alisam os cabelos fizessem hidratações periódicas, com certeza aceitariam melhor seus cabelos naturais”, garante. O principal truque para manter os cabelos afros bonitos e saudáveis é mesmo a hidratação. “Em casa, deve-se fazer hidratações sema-

Em alguns casos, apenas hidratar não é suficiente. É preciso investir em tratamentos diferenciados, como a Permanente Afro.Eliana explica que este tratamento é indicado principalmente para as mulheres que gostam de ter os cabelos crespos, mas percebem que os cachos não possuem definição. “A Permanente Afro é um processo químico feito para dar cachos em cabelos sem forma. Ela é feita em duas etapas: na primeira aplica-se um produto com amônia para tirar o excesso de volume; na segunda, aplica-se um produto para cachear e dar forma aos cabelos”,esclarece.

pecialista, o alisamento mais eficaz em cabelos afros é o mais simples, a base de guarnidina ou de sódio. É importante ressaltar também que, para executar qualquer tipo de tratamento químico, deve-se ficar de cinco a seis meses, pelo menos, sem aplicar químicas. “Faz-se o teste da mecha, para ver se o cabelo pode receber uma química, que, em caso positivo, é aplicada somente na parte virgem dos fios”, ressalta a especialista. Cabelos com descoloração e tintura não podem receber alisamentos, sob o risco de cair e quebrar. Além disso, quem alisa ou relaxa os cabelos deve evitar fazer alongamento com cola porque na hora que você tira o alongamento, o cabelo, que está fragilizado pelos processos químicos, pode cair.

Existem também outros dois tratamentos para quem tem cabelos crespos ou muito crespos: o relaxamento e o alisamento. Segundo Fernando Fernandes, os dois utilizam a mesma fórmula química, com variação na quantidade e no tempo de atuação nos fios. “O relaxamento é voltado para mulheres que possuem cabelos encaracolados e querem diminuir o volume, sem perder os cachos. Já o alisamento, como diz o nome, deixa os fios lisos”, diz. Já as chamadas escovas progressivas, não são indicadas para cabelos crespos ou muito crespos. “Eu desaconselho totalmente estas escovas em cabelos afros porque, além de não funcionar nestes fios como deveriam, estes tratamentos utilizam formol na fórmula, substância proibida e que faz mal”, adverte. Segundo o es-

Eliana da Silva é diretora da Etnic Hair Beauty, e ministra cursos e workshops em todo o país, Atualmente coordena o projeto Beleza Étnica Brasil que foi lançado na cidade e Paulinia no Seminário de Empreendedorismo e Turismo Étnico Afro Brasileiro, que contou com a participação do cantor/apresentador e vereador Netinho de Paula.

Março de 2012 Profissional, dinâmica, especialmente preparada para atender o mercado dos salões de beleza e clínicas de estética, a HAIR BRASIL é a feira que lança novos produtos, sinaliza tendências e promove negócios na área de beleza. Empresas e profissionais de todos os setores já comprovaram: a HAIR BRASIL desenvolveu um novo conceito em feiras especializadas e se tornou o grande ponto de encontro do trade da beleza no País. Um estilo de feira que

14

une informação, gestão, moda e negócios, num formato único, sem igual em nenhum país do mundo. E que rapidamente se transformou em referência para todo o setor, no Brasil e na América Latina. Em 80.000 metros quadrados, a feira traz novidades de 800 marcas de produtos para cabelos, estética, equipamentos e serviços que escolheram a Hair Brasil como o melhor caminho para chegar aos empresários de redes e profissionais de todo o país. Cabeleireiros, esteticistas, administradores de salões e clínicas de beleza também elegeram a HAIR BRASIL como seu grande momento de atualização. O HAIR BRASIL Fashion Show, os congressos, seminários e workshops da Hair Brasil tornam disponíveis no Brasil informações

antes só encontradas no exterior. Os profissionais podem conhecer nestes eventos o talento e o melhor da técnica mundial. Podem ver as novidades da indústria e falar direto com seus fornecedores, trocando experiências e desenvolvendo idéias. Atingindo todas as expectativas de visitação e contatos, a HAIR BRASIL 2011 encerrou sua 10ª edição, registrando 80.000 visitas de cabeleireiros, esteticistas, manicures, maquiadores e demais profissionais da área de beleza, vindos de todo o país e do exterior. A 11ª Edição da HAIR BRASIL - Feira Internacional de Beleza, Cabelos e Estética será realziada de 24 á 27 de Março no Pavilhão de Eventos do Expo Center Norte.


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

15


História

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

ANGOLA 36 anos de IndependênciaEducação

O Brasil desde a época da Independência e durante os últimos 36 anos, mantém com Angola uma relação muito importante em termos de apoio ao desenvolvimento e estabilidade política do africano país irmão. As relações do Brasil com Angola, remontam ao dia 11 de Novembro de 1975, quando o general Ernesto Geisel, presidente da República, decidiu reconhecer a Independência do território angolano, então sob o jugo colonial português e a cada dia mais se reforçam os laços de cooperação técnica e tecnológica nos mais variados segmentos de atividades com a assinatura durante estes anos de vários protocolos entre os dois países. A República de Angola chegou no dia 4 de abril deste ano de 2011 ao seu 9º aniversário de Paz no solo angolano, de acordo com o documento firmado entre o governo do Presidente José Eduardo dos Santos e o então guerrilheiro comandante da UNITA Jonas Savimbi, que possibilitou o fim de uma guerra que durou 27 anos de lutas. A partir daquele momento a população do país começou a pensar seriamente na tranqüilidade e desenvolvimento, além de possibilitar aos que vivem fora do solo pátrio, realizar seu sonho de empreender a viagem de volta, para ao lado dos familiares, amigos e a sociedade civil angolana entrar no processo de reinserção social, indo de encontro ao que um dia, durante a luta fratricida, foi preconizado na poesia daquele herói que lutou para que houvesse a libertação nacional de Angola. Angola avança em todos os segmentos do desenvolvimento do país, como o petrolífero, onde o Brasil se faz presente na parceria da Petrobrás com a estatal angolana Sonangol e na construção civil, onde é marcante a presença de diversas empresas brasileiras, destacado-se entre outras o Grupo Odebrecht que realiza várias obras no país irmão na área de obras essenciais como redes de água, luz, esgoto habitação, pavimentação e principalmente na construção de Capanda a maior usina hidrelétrica do Continente Africano, já em funcionamento. A Construtora Norberto Odebrecht tem uma responsabilidade social com a população dos países onde atua e com Angola não é diferente, pois segundo seu presidente Marcelo Odebrecht, trabalha incansavelmente para a in-

16

tegração dos jovens nas empresas do grupo através de ações executadas em benefício dos mesmos. Na área de engenharia e construção, empregam mais de 10 mil pessoas, 52% dos trabalhadores com menos de 30 anos. A empresa desenvolveu um programa denominado “Havemos de Voltar”, baseado nas poéticas palavras de Agostinho Neto, em parceria com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizado Industrial), onde atua há mais de 20 anos, destinado à formação profissional de jovens angolanos residentes no Rio de Janeiro, que após a conclusão do curso recebem passagem de volta a Angola, com emprego garantido pela Odebrecht, tanto na Capital Luanda como nas províncias de Malange e Benguela. O empresário Emilio Odebrecht destacou no seu escrito na revista ANGOLA HOJE (ano 05 nº 22), a relação secular bilateral e a Independência de Angola: > “O relacionamento de Angola com o Brasil transcende séculos. Com a Bahia, especialmente a relação é histórica, devido a marcante presença desde os tempos coloniais da cultura angolana e da miscigenação com a conseqüente absorção de manifestações originárias da Costa Atlântica da África e, particularmente, de Angola. (...). Jamais deixei de acompanhar atentamente o esforço desenvolvido para a consolidação da sua Independência, buscando compreender sua complexidade e suas contradições, sofrendo com a conjuntura marcada por conflitos internos e testemunhando a mobilização dos angolanos no rumo da tão sonhada unificação nacional.Testemunhei também a sinceridade de propósitos do governo de Angola quando enfrentou ciladas e obstáculos originários do exterior, com conseqüências e incidentes internos e vice-versa, ou seja, incidentes internos com conseqüências externas. O mundo assistiu os diversos acordos de paz para a mesma guerra, além das dificuldades de provimento de alimentos e medicamentos, bem como as emergências oriundas das necessidades decorrentes do conflito, da mesma maneira como acompanhou a competência do governo, sob a liderança do Presidente José Eduardo dos Santos.(...) Nos últimos anos, os angolanos puderam dispor de paz e segurança para pensar o seu país e delinear soluções para os problemas que se colocam na reconstrução de infraestruturas básicas. Nesse período, o crescimento econômico voltou a se fazer presente e o panorama de estabilidade tem se consolidado com a queda dos índices de inflação.(...) Com 76 milhões de afro-descentes, somos a maior nação do mundo fora da África e o país está empenhado em refletir esta circunstância em sua atuação externa. Este claro compromisso do Brasil com uma renovada agenda política, econômica, social, comercial e cultural com a África.” O governo do Presidente José Eduardo dos Santos está programando a realização de mais uma jornada de eleições livres e diretas que poderão ser realizadas ou não em 2012, onde mais da metade da população angolana deverá votar, consolidando o processo democrático

vigente na Pátria de Agostinho Neto, pregando a continuidade da Paz e Desenvolvimento participando o país ativamente dos grandes foros internacionais como a ONU, a CPLP, a OMS e mais recentemente, em outubro deste ano, o Comitê Mundial de Segurança Alimentar. É importante ressaltar que foram positivos para o país, os acordos, conversas e protocolos firmados desde a data histórica de 11 de Novembro de 1975, que desembocaram no entendimento e na conquista do constante progresso porque hoje atravessa a Pátria Nação de Agostinho Neto. Para nós particularmente, que acompanhamos a luta pela Independência e o trabalho do povo angolano desde 1960 e que lá estivemos em oportunidades que pudemos desfrutar do convívio pacífico com os irmãos angolanos é gratificante poder observar que depois da PAZ conquistada em 2002. O nível de desenvolvimento permanente do país é surpreendentemente com a realização de ações voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população e o crescimento da República de Angola que é um dos berços da ancestralidade da maioria do povo brasileiro, consolidando os investimentos para que a economia angolana através do trabalho da sua população alcance uma alta taxa de crescimento, como ficou demonstrado no último ano. UM SONHO ANGOLANO

Agostinho Neto, na Sagrada Família. HAVEMOS DE VOLTAR 1 – Às casas, às nossas lavras, às praias, aos nossos campos havemos de voltar 2 – Às nossas terras, vermelhas de café, brancas de algodão e verde das molheiras havemos de voltar 3 – Às nossas minas de diamantes, ouro, cobre, petróleo havemos de voltar 4 – Aos nossos rios, nossos lagos, às montanhas, às florestas havemos de voltar 5 – À frescura da mulemba, às nossas tradições, aos ritmos e as fogueiras havemos de voltar 6 – À marimba e ao guisangue, ao nosso carnaval havemos de voltar 7 – À bela angolana, às nossas terras, nossa mãe havemos de voltar 8 – Havemos de voltar a Angola libertada Angola independente Cadeia de Ajube- outubro/1960)

Antonio Lucio Diretor do BUREAU POLCOMUNE


Informe Publicitario

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

17


Cultura

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Turismo Étnico, um nicho bilionário

“Podemos dizer que, devido, paradoxalmente, ao processo de globalização, a medida reacenderá no Brasil a criação de novas tendências mercadológicas, como o turismo étnico, que se tornou realidade em outras nações. “ O turismo um produto de exportação, com várias áreas de diversificação tem no segmento étnico um dos seus maiores atrativos.

Segundo a Embratur, os turistas negros americanos visitam a Bahia em busca do resgate de suas raízes, onde encontram traços da cultura africana manifestadas em tradições e festas populares como o Festival da Nossa Senhora da Boa Morte, que acontece todos os anos em Cachoeira, a 100 Km de Salvador. Além de Salvador, também podem ser exploradas pelo turismo étnico no Brasil as cidades do Rio de Janeiro e São Luiz, no Maranhão. Em Alagoas, a recente inauguração do Parque Memorial Quilombo dos Palmares, inaugurado em novembro de 2007, na Serra da Barriga, pode se tornar um pólo do turismo étnico na região Nordeste. Já em Salvador, o Dique do Tororó, construído por escravos, abriga estátuas de Orixás, as divindades do Candomblé, importante referência da cultura negra brasileira. O Elevador Lacerda, a Igreja Nosso Senhor do Bonfim e alguns terreiros de candomblé, como o Gantois, também são fortes referências da cultura negra na cidade. No Maranhão, as cidades de São Luiz e Alcântara são as principais representantes da cultura afro-descendente no Brasil. O centro da cidade abriga inúmeros casarios construídos pelos escravos. E na cidade de Alcântara, localizada numa ilha em frente à capital maranhense, e onde vivem aproximadamente 12 mil pessoas, há mais de 150 comunidades remanescentes de quilombos. Fonte:- Jornal O Globo

18

Podemos dizer que, devido, paradoxalmente, ao processo de globalização, a medida reacenderá no Brasil a criação de novas tendências mercadológicas, como o turismo étnico, que se tornou realidade em outras nações. Por sermos uma nação multirracial, essa segmentação turística - devido aos incontáveis benefícios que pode gerar para as políticas sociais de todo o País -, tem tudo para aumentar a receita do Rio de Janeiro e de outros estados. Resultante do contato direto entre grupos étnicos de países diferentes com o mesmo perfil antropológico, e gerador de fortes vínculos de amizade e solidariedade entre o grupo receptivo e o visitante, e o melhor, o turismo étnico não implica grandes investimentos. Em geral, o turista pode ficar em hotéis sem perder contato direto com a cultura local ou mesmo hospedar-se na casa de cidadãos com a mesma cultura que ele. Existem cerca de 75 milhões de afrodescendentes no Brasil (depois da Nigéria, o país com a maior população afro), e, no Rio de Janeiro, são aproximadamente cinco milhões de negros e pardos, produzindo produtos originais, que fascinam os visitantes de todas as etnias. No caso afro-brasileiro, por exemplo, onde este tipo de turismo já vem sendo praticado há bastante tempo - mas de forma ainda pouco convencional, como na Bahia e no Rio de Janeiro, através de redes montadas por negros brasileiros e afro-americanos - ele pode gerar a consolidação de um nicho de mercado superpotenci-

al, pois, mexe em quase todos os setores do mercado turístico. Ou seja, ele pode gerar novos empregos, maximizar receitas públicas e privadas, melhorar a capacitação da mão-deobra, potencializar o patrimônio histórico-cultural, redistribuir renda e desenvolver áreas negras decadentes, como aconteceu com o Pelourinho, em Salvador, e o Bairro do Recife, em Pernambuco. Segundo a Organização Mundial de Turismo, o turismo étnico já é uma realidade em muitos lugares e é um segmento que têm tido rápido crescimento. O potencial mais notável deste tipo de turismo está relacionado ao mercado afro-americano. Os “blacks” dos EUA, que têm visitado muito o Rio de Janeiro e Salvador nos últimos anos, estão famintos por contato direto com as culturas negras brasileiras. Nos EUA, várias agências de viagens vêm oferecendo pacotes para festas afro, como o desfile das Escolas de samba e a festa religiosa de Nossa Senhora da Boa Morte, uma irmandade de mulheres negras iniciadas no candomblé, em Cachoeira, na Bahia. Segundo a Travell Industry of America (TIA), cerca de 65% dos 35 milhões de negros dos EUA gastaram muito dinheiro com turismo, principalmente na América do Sul, Caribe e África. A National Tour Association in Kentucky (EUA) diz que, em 1998, os afro-americanos dispunham de US$ 34 bilhões para gastar em viagens de lazer. Em 2002, este número saltou para mais US$ 54 bilhões. Segundo a Câmara de Comércio Afro-Americana, os negócios envolvendo negros nos EUA já movimentam US$ 600 bilhões, um dos dez maiores PIB do mundo. Em 2005, de acordo com as projeções do censo norte-americano, os EUA terão um milhão de negros novos ricos, com renda anual de quase US$ 200 mil, querendo gastar em serviços politicamente corretos. Com este fabuloso nicho de mercado à vista, é necessário que as agências estatais de turismo e o trade atentem para investirem e capacitarem os empreendedores afro-brasileiros, pois são eles os


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Cultura

detentores dos principais insumos que o afroamericano quer ter acesso e desfrutar: a cultura negra. Neste caso, seria o encontro de dois gigantes para gerar o terceiro, ou seja, o gigantismo dos produtos afro-brasileiros e o gigantismo de consumo afro-americano. O terceiro gigante seria a grande perspectiva de investimentos que os negros dos EUA podem fazer no estado do Rio de Janeiro e no Brasil, como várias câmaras de comércio negras dos EUA vêm sinalizando desde 1999, quando 150 empresários “black” estiveram na Firjan, fazendo negócios e mantendo contato interétnico com empresários brancos e negros. Em síntese, além de seu potencial de turismo receptivo-cultural, este mercado pode atrair capitais para a indústria brasileira, pois, como dissera, em 1999, no Rio, Harry Alford, presidente da Câmara de Comércio Afro-Americano, “A globalização fez a gente correr para oportunidades de negócios em todo o mundo, principalmente na África e na América do Sul”. Mesmo sem estar ainda organizado, o mercado étnico já funciona informalmente no Rio de Janeiro, com alguns bares da orla sendo freqüentados pelos turistas negros em alta e baixa temporada. Muitos são levados para se deliciar com

os pratos afro-cariocas em botecos especializados ou visitarem quilombos do litoral norte do estado. Alguns deles chegam a fazer, segundo conversas reservadas de donos de casas de jóias de Copacabana (Rio de Janeiro) - reduto dos turistas negros -, compras de pedras brasileiras em torno de US$ 40 mil. Para este de turismo funcionar corretamente, é necessário, em primeiro lugar, a capacitação de guias e empreendedores afro na língua inglesa.

de dois em dois anos, de congressos de investidores afro das Américas, Caribe e da África, como é o desejo da própria Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que têm programas de desenvolvimento de comunidades de baixa renda, através de geração de negócios para pequenos empreendedores.

No mesmo tom, devemos reformar e melhorar o acesso aos monumentos negros do estado, organizar as comunidades de quilombolas para esta nova realidade. Sem também um shopping de produtos afro, pouco vai fazer efeito. Enfim, propostas existem, é necessário que este tipo turismo seja levado a sério. A atividade pode abrir caminho para novos e diversificados tipos de mercados étnicos. Por do Mercosul ou a realização no Rio de Janeiro,

Por Paulo Cesar - ANTAB

19


Saúde

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

A SAÚDE BUCAL E O BEM ESTAR FÍSICO E SOCIAL Poucas pessoas sabem a real importância e os benefícios de uma perfeita saúde e harmonia bucal. A partir de uma mastigação deficiente, podem surgir inúmeros problemas de saúde, como dores de cabeça, dores de ouvido, desgaste na articulação da mastigação (ATM), gastrite, problemas posturais, sinusite e até mesmo problemas cardiológicos. Nesta matéria sobre saúde bucal, vamos esclarecer algumas dúvidas com o Dr. Thiago Correia, cirurgião dentista responsável pela Clínica Vega, clínica especializada em reabilitação bucal e maxilo-facial estabelecida no Brasil na cidade de São Paulo. - Dr. Thiago, como a mordida errada pode causar tantos problemas de saúde nas pessoas? O encaixe dos nossos dentes, que chamamos de oclusão dentária, em associação com a articulação têmporo-mandibular (ATM), que é a articulação da mastigação e os músculos mastigatórios formam um conjunto que, coordenados, são os elementos responsáveis pela nossa mastigação. Quando algum destes elementos não estão funcionando em harmonia, isto causa um desequilíbrio que prejudica toda a mastigação, levando a uma dificuldade mastigatória, o que desgasta a articulação têmporo-mandibular (ATM), estômago, causa problemas posturais e podem afetar até mesmo a correta dicção de algumas palavras. - Então podemos afirmar que a mordida errada está diretamente ligada a perda da qualidade de vida de uma pessoa? Sim, com certeza, como foi dito na pergunta anterior, a mordida errada causa um desgaste na ATM (articulação da mastigação) e este desgaste pode apresentar como sintomas iniciais dores de cabeça, dores de ouvido, estalos ao abrir e fechar a boca, dores no ato da mastigação, dores na coluna cervical e com a evolução deste desgaste os sintomas podem chegar a enxaquecas, dores fortes de ouvido que podem causar zumbidos ou em alguns casos perda parcial da audição e nos casos mais severos, pode haver um travamento da articulação com a boca fechada ou até mesmo com a boca aberta. A oclusão dentária (encaixe dos dentes) errada não desgasta somente a ATM, o estômago também está entre as principais vítimas que sofrem este desgaste, pois a mal oclusão dos dentes leva a uma dificuldade para triturar os alimentos, o que faz com que o paciente faça a ingestão de partículas de alimentos maiores, desta for-

20

ma sobrecarregando o estômago e levando a uma gastrite que pode evoluir para uma úlcera. Então estes, dentre outros fatores, causam dores, dificuldades para alimentarse, falar e prejudicam o convívio social, acabando com a qualidade de vida das pessoas. - Quais seriam os tratamentos para as pessoas que já apresentam alguns destes sintomas? Dependendo do grau de evolução do desgaste da articulação existem vários tipos de tratamento, desde tratamentos clínicos como fisioterapias, acupuntura e fonoterapia; até tratamentos cirúrgicos que variando com o grau de gravidade da artropatia pode ser uma cirurgia minimamente invasiva por meio de artroscopia, cirurgia realizada por meio pequenos orifícios na pele com o auxílio de uma câmera com 1mm de diâmetro, até cirurgias de porte maior como cirurgias reconstrutivas com próteses articulares. Na realidade, o desgaste da articulação, quando já presente, é irreversível, portanto o melhor é que seja feita uma avaliação preventiva ou quando o paciente já notar o aparecimento de algum dos primeiros sintomas, este já procure o especialista, para que sejam diagnosticados os possíveis fatores causadores da lesão e estes sejam eliminados, desta forma, geralmente tratamentos clínicos odontológicos, como restaurações de dentes cariados, a reabilitação de dentes perdidos e o equilíbrio do posicionamento dos dentes com um tratamento ortodôntico, geralmente já são suficientes para restabelecer o equilíbrio mastigatório, eliminando assim um dos fatores causadores do desgaste na articulação. - É verdade que a falta de saúde bucal pode prejudicar o coração? Sim, isso tem correlação com a doença periodontal ou periodontite. Esta patologia é causada inicialmente pelo acúmulo de placa bacteriana (resíduo alimentar) que se adere aos dentes e com a ação de sais de cálcio presentes na saliva, esta é mineralizada, formando assim o tártaro, que é rico em bactérias e fica em íntimo contato com os dentes entre a gengiva e o osso, o que causa sucessivos processos inflamatórios e infecciosos na região, levando a perda óssea com a respectiva mobilidade dos dentes que pode evoluir para a perda deste. Na região que este tártaro está presente, pode existir a presença de bolsas periodontais que são espaços criados pela infecção entre a gengiva, o osso e o dente, este espaço é altamente contaminado com a presença de vários tipos de bactérias, que por

intermédio dos vasos sanguíneos que existem nesta região levam estas bactérias à circulação sanguínea, podendo parar no coração ou em qualquer outro órgão. Sendo assim uma infecção na boca pode ser a origem de infecções em vários órgãos de nosso organismo. - Esta doença periodontal é a causadora do mau hálito? A halitose (mau hálito), pode ser ocasionado por vários fatores, mas com certeza, um dos principais fatores é a doença periodontal ou até mesmo a gengivite, que é o estágio inicial da periodontite. O produto do metabolismo das bactérias que ficam presentes na placa bacteriana, no tártaro e nas bolsas periodontais tem um odor forte que sem dúvidas causam a halitose. O mau hálito além de ser sinal de algum problema de saúde também afeta a vida social das pessoas, pois provoca mudanças no padrão comportamental do indivíduo, o que acaba por afetar suas relações inter-pessoais, sua segurança, espontaneidade e auto estima, o que termina por comprometer a sua saúde emocional. Sabe-se que a saúde emocional é de fundamental importância para todos os aspectos da vida profissional, emotiva e social de cada indivíduo, portanto julgo a saúde bucal, intimamente ligada à auto-estima, de suma importância e muitas vezes, apenas com a visita regular ao cirurgião dentista, o paciente pode se prevenir de forma mais simples e menos mórbida de várias doenças, não só na boca como em todo o organismo. - A equipe da Brasil Angola Magazine agradece sua atenção e gostaríamos de saber se o doutor gostaria de fazer mais alguma consideração? Eu que agradeço a participação nesta edição da Revista e gostaria de dizer aos leitores que por trás de um belo sorriso existe saúde, bem estar, bons hábitos alimentares e um bom cirurgião dentista. Dr. Thiago Correia - Responsável técnico pela Vega Clínica de Reabilitação Oral e Maxilo-Facial; - Cirurgião especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial; - Implantodontista; - Aperfeiçoamento em Cirurgia de ATM pela University of Pennsylvania no Hospital of the University of Pennsylvania - Philadelphia – USA; - Aperfeiçoamento em Cirurgia Ortognática e Planejamento Cirúrgico no Arnett Facial Reconstruction Course - Santa Barbara - Califórnia – USA; Aperfeiçoamento em Piezocirurgia na Mectron - Sestri Levante - Itália


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Variedades

Casa de Cultura Afro Brasileira - Casa de Angola

O NUCONO – Núcleo da Comunidade Negras de Osasco- foi uma entidade do movimento negro que muito lutou pela causa negra da região, inclusive está retornando a militância para dar continuidade aos seus trabalhos. Uma das reivindicações do Nucono era que em Osasco houvesse um espaço de referência de cultura negra e que os laços entre Brasil e Angola fossem fortalecidos e valorizados. Houve um grande empenho entre o governo e movimento negro e em 09 de junho de 2004 foi assinado o Decreto Lei 3868 que criou a Casa de Cultura Afro Brasileira – Casa de

Angola, com a proposta de estimular a cultura afro brasileira e a inclusão social dos afro-descendentes. A inauguração teve a presença de personalidades importantes como a Comitiva Oficial da cidade de Viana (Angola) liderada pelo seu prefeito Sr. Julio Sebastião Fernandes de Carvalho, o Prefeito de Osasco(SP) Celso Giglio, o Vereador Mario Luiz, a Cantora Leci Brandão, membros da comunidade negra de Osasco e cidadãos da cidade em geral. Desde então a Casa de Angola tem sido um espaço de articulação das discussões étnicos raciais, capoeira, maracatu, oficina de bone-

cas, eventos como Encontro de Trancistas, Encontro de Cabelos Black Power, Roda de Samba de raiz, atividades de Matriz Africana. O espaço está aberto para visitas monitoradas para professores e alunos e todas as pessoas que tiverem interesse em conhecer o Museu da Casa de Angola, que contem peças que foram doadas pelo prefeito de Viana para a cidade de Osasco e outras peças doadas por diversas instituições e sociedade civil para compor o acervo além de uma biblioteca para pesquisa. A Casa de Cultura Afro Brasileira está aberta de segunda a sexta feira das 10h as 16h.

21


Tecnologia

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

ENERGIA EOLICA Solução para o futuro disponível no presente

Existem atualmente varias fontes para geração de energia elétrica, porém a ENERGIA EOLICA é comprovadamente a mais interessante por ser altamente eficiente na geração de energia, oferece preço acessível ao usuário final, gera pequeno impacto ambiental na instalação, possibilita grande rapidez na montagem dos equipamentos, é uma energia limpa e não poluente (gerada pelo vento), oferece garantia por 20 anos para todo o equipamento e funcionamento, adequação do projeto conforme a necessidade de energia elétrica da região, área onde as torres eólicas são montadas pode continuar sendo usada para lavoura, pecuária ou outros fins, matéria prima com custo zero (grátis) uma vez que a energia elétrica é gerada pelo vento, garantia de fornecimento da energia elétrica por contrato, grande numero de residências atendidas por uma única torre, como exemplo, um parque Eólico com 40 torres pode gerar energia elétrica para atender até 160 mil residências. Apesar de ser relativamente nova no Brasil, a energia eólica tem demonstrado forte crescimento nos últimos anos e registrou crescimento superior a 1.700% (Um mil e setecentos por cento) na quantidade de torres instaladas ou em instalação, na região nordeste e sul do Brasil. Um dos motivos para que esteja ocorrendo tamanho crescimento e ampliação desta fonte energética é o preço cobrado pela energia elétrica gerada pelos parques eólicos, os quais são extremamente mais baixos do que os custos com geração de energia elétrica de maneira convencional, ou seja, gerada por Usinas hidrelétricas, térmicas, nucleares ou a carvão, alem do que estas fontes de energia são poluentes (térmicas, nucleares e carvão) e a hidrelétrica causa grande impacto ambiental para instalação.

22

No Brasil, muitos empresários, fundos de investimentos e o próprio Governo Federal, estão de olho neste potencial de geração de energia elétrica limpa e com custos baixos, e estão investindo pesadamente na criação e ampliação de parques eólicos no Brasil e nos Países vizinhos, tais como Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai. A própria Petrobras Petróleos do Brasil S.A., quarta maior empresa petrolífera do mundo, está investindo fortemente na montagem de parques eólicos no Brasil aproveitando as oportunidades existentes e o imenso potencial futuro. A Petrobras esta adotando uma estratégia muito inteligente e interessante, pois esta montando seus parques eólicos bem ao lado das suas refinarias de petróleo, com isto ela consegue atender sua própria demanda por energia elétrica com custo baixo, não corre o risco de sofrer com a falta ou corte de energia elétrica na refinaria, e ainda consegue vender toda produção excedente de energia elétrica gerada para o Governo brasileiro, o qual repassa esta energia à população da região. No inicio de Setembro/2011, concluímos nossa participação no projeto para montagem de 52 torres eólicas na cidade de Guamaré (Rio Grande do Norte), sendo que este parque eólico foi adquirido pela Petrobras e montado bem ao lado da refinaria de Petróleo chamada

Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC). O Governo Brasileiro, a fim de incentivar a criação de novos parques eólicos e promover a redução no preço da energia elétrica oferecida à população, tem disponibilizado aos investidores linhas de credito com juros baixos, agilidade na liberação das licenças de instalação e garantia de COMPRA de toda energia elétrica gerada nestes parques eólicos pelo prazo de 20 (vinte) anos com preços pré-determinados em contrato, procedimento que garante ao empresário retorno do investimento realizado, uma vez que a energia gerada é adquirida pelo Governo e repassada á população que se beneficia de preços mais baixos e garantia de fornecimento ininterrupto. O foco desse evento será apresentar os serviços de Estatísticas e Estudos de viabilidade econômica para implantação de Parques Eólicos, Medição e Direcionamento dos ventos, Projeto de Engenharia Técnica e detalhamento físico da região, Gerenciamento da Implantação, Montagem, treinamento e Operação Assistida, para o contratante/cliente.

A INTERCARRIER e BRASIL ANGOLA MAGAZINE através de empresas técnicas coligadas irão realizar evento para investidores, empresários e entidades governamentais para tratar do tema. Apenas como referencia, se as condições físicas e técnicas da região forem boas, a montagem de um parque eólico com 40 torres eólicas leva em media 06 (seis) meses desde a preparação do terreno até o inicio da operação (start-up). As empresas, INTERCARRIER e a ANGOLA BRASIL MAGAZINE estão procurando identificar potenciais clientes, ou mesmo sócios locais, no mercado Angolano para desenvolver projetos no Pais, beneficiando á população, Governo e setor privado com a geração de energia elétrica limpa e com preços acessíveis. Contatos podem ser feitos através do e-mail – eventos@brasilangola.com.br


Educação

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Educação e Colaboração a Distância Limites e Possibilidades um espaço físico, número de materiais de formação impressos e um palestrante. Tendo em vista, o advento desta nova realidade de anseio por conhecimento por esta nova geração, não temos mais dúvidas que necessitamos repensar modelos, potencializados e suportados pelo aparato tecnológico disponível – software ou hardware. Agora, a discussão central é quando as organizações, alunos e profissionais estarão dispostos a vivenciar e apostar nesse novo mundo de possibilidades e aceitar que a difusão do conhecimento não se faz somente eficaz, por meios arcaicos e tradicionais. Nos dias atuais, muito se discute a respeito da aplicabilidade e sobre o real benefício das iniciativas de “Educação e Colaboração a Distância”, nos meios sociais e corporativos. Discussão essa, vista como fundamental no momento que vivemos, para desenhar os novos rumos da educação e difusão do conhecimento, em uma realidade que se apresenta cada vez mais interconectada. A Internet trouxe a absurda democratização de informação, rompeu obstáculos inimagináveis há alguns anos atrás, brindou-nos com a cultura da alta disponibilidade e a eliminação completa das fronteiras físicas e temporais, tudo ao esforço de um simples clique, através dos mais diversos dispositivos tecnológicos existentes. Claramente, essa expectativa se converte agora, sobre a forma que trabalharemos com o conhecimento estruturado, os quais ocorrem, há anos, fundamentados, em processos tradicionais, presenciais e poucos inventivos. O advento e interesse de propiciar novos formatos de interação e aprendizado são oriundos da necessidade de atender a este novo perfil de consumidores vorazes, por informação e conhecimento, no meio acadêmico, assim como no meio corporativo. O perfil de consumo de informação tem se modificado fortemente nas últimas décadas, as novas gerações de alunos e profissionais buscam quebras de paradigmas e possuem expectativas bastante diferenciadas para receber essa quantidade massiva de informação. Os processos tradicionais não estão preparados para suprir essa necessidade dinâmica, seja por restrições de modelo inflexível de custos e estrutural. Muitas organizações, profissionais e alunos não podem freqüentar aulas ou reuniões presenciais, em virtude da escassez de tempo, complexidades logísticas, altos custos, dispersão

geográfica, baixa adesão de inscritos a determinados eventos; ademais as adversidades de transporte e trânsito, intrínsecos a grandes centros urbanos; esta nova possibilidade torna-se sim, uma alternativa real e eficaz. Atualmente, em todos os segmentos de mercado já encontramos iniciativas bem sucedidas, amplas e maduras de Ensino e Colaboração a Distância, em: Universidades, Corporações e Governo. Permitindo via tecnologia que usuários tenham acesso em tempo real ou sob demanda a: conteúdos de conhecimento interativos, salas de aulas virtuais, recursos de vídeos, áudio, chat, visualização de apresentações, compartilhamento de telas, quadros brancos, questionários e pesquisas avançadas; todos integrados em uma única plataforma, com total convergência da informação, propiciando experiências positivas e impressionantes aos participantes, independente por qual meio tecnológico estejam conectados – tablets, smart phones, celulares, notebooks, outros.

Rodrigo Quinalha Gerente Negócios - Empresa HB BRASIL www.hbbrasil.com.br rodrigo.quinalha@hbbrasil.com.br

Um grande equívoco, em pleno o século XXI, é crer que o universo do conhecimento está ainda moldado, delimitado e restrito a

23


Economia

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Cinco setores para se investir em Angola Tradicionalmente, os investimentos, principalmente, portugueses em Angola concentram-se nas áreas financeiras e da construção civil. Nos últimos anos, tem-se assistido a uma diversificação para setores como as TI, a logística, a distribuição, a consultoria, a formação de recursos humanos, entre outros. Conheça os novos setores em ascensão em Angola. A transversalidade do investimento nacional está “no conhecimento, na tecnologia e na qualidade das empresas portuguesas” o que lhes permite, segundo o presidente da CCIPA, atuar “em qualquer setor de atividade e em qualquer província de Angola”. Do ponto de vista do governo angolano, que quer diminuir a dependência do setor petrolífero, agropecuária, indústria transformadora, telecomunicações e TI, energia e águas, habitação social, saúde e educação, hotelaria e turismo, são já setores chave.

1 - Turismo

Agora que alcançou a paz, as autoridades angolanas esperam que o setor do turismo atinja nos próximos dez anos 5,5 bilhões de dólares de faturamento. O governo aposta nesta atividade que, por enquanto, corresponde a modestos 0,5% da riqueza gerada e representa 550 milhões de dólares por ano. O objetivo é que passe a representar 10% do PIB. A criação de empregos é consequência desejada resultante do crescimento do setor. Segundo Carlos Borges, consultor do Ministério da Hotelaria e Turismo, os próximos dez anos serão fundamentais para alterar este quadro negativo. O Plano Diretor do Turismo em Angola estabelece como metas, receber cerca de 4,7 milhões de turistas até 2020 (um crescimento de mais de mil por cento em relação aos números atuais) e colocar o país, já em 2015, entre as principais rotas do turismo internacional. O Plano indica que Portugal é o país que mais alavancou o setor do turismo no país.

24

2 - Energia e Água

Em Luanda há milhares de geradores que compensam, atualmente, a insuficiência dos fornecimentos de energia das barragens de Cambambe e Capanda, inclusivamente para alimentar a iluminação pública. Daí que o processo de reabilitação das infra-estruturas básicas, de energia, água e a construção de barragens hidroelétricas, com vista ao aumento da produção/distribuição de energia e água ao país, seja uma das prioridades do executivo. Este esforço financeiro ascenderá a 20 bilhões de dólares até 2017, a ser suportado por um fundo alimentado com receitas do petróleo. Outro setor com grande potencial de crescimento, com necessidades que vão desde o desenvolvimento de projetos até à sua implementação, é o setor de água e saneamento. Grande parte da população não tem acesso a água potável e, até 2012, o governo traçou a meta de uma taxa de cobertura de 100% nas zonas urbanas e 80% nas rurais. A aposta nos serviços de abastecimento de água e no tratamento seguro de águas residuais é encarada como uma prioridade já que põe em causa um valor essencial que é o da saúde pública.

3 - Produção Industrial Canalizações, cimentos, resinas, a lista é infindável e Angola importa quase tudo de que necessita para a sua reconstrução. Ora as autoridades angolanas querem alterar esta realidade, criando indústria no país, geradora de novos postos de trabalho e de modernização na economia angolana. Nesse sentido, foram criadas as Zonas Econômicas Especiais (ZEE) a primeira das quais Luanda-Bengue com vista a receber estas indústrias. Os empresários angolanos têm prioridade, mas as empresas estrangeiras podem abrir portas nestas ZEE desde que os seus setores de atividades sejam: comércio e serviços, indústria transformadora e agropecuária. Criar postos de trabalho e dar formação aos seus colaboradores é condição essencial. 4 - Telecomunicações e TI O mercado das telecomunicações e TI em Angola apresenta um grande potencial de crescimento para os operadores angolanos e estrangeiros. O setor das telecomunicações está em mudança com vista a desenvolver a sociedade da informação e do conhecimento entre 2010 e 2015. O Livro Branco das TIC dá um enquadramento legal que visa garantir concorrência no setor e com ela qualidade a preços competitivos. A aposta na criação de infraestruturas e na abertura do setor aos operadores privados é, hoje, evidente em Angola.

5 - Formação e Qualificação de Mão-de-Obra

A falta de qualificação da mão-de-obra é muito significativa em Angola, sendo, dentro de uma política de médio e longo prazo, muito importante uma aposta plena na formação de quadros locais, em contrapartida de expatriados que, pelos seus elevadíssimos custos e estadias muitas vezes no curto ou médio prazo, não garantem, por si sós, a sustentabilidade dos projetos, devendo ser utilizados só quando não existe alternativa da mesma qualidade e especialização, defende o presidente da CCIPA. É outra área prioritária para as autoridades angolanas.


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

Espaço CBA

Relações Comerciais Entre Nordeste Brasileiro e África

O Relacionamento comercial Brasil África remonta o descobrimento e vem atravessando diversas fases desde então. Recentemente, com um reforço de imagem dado pelo Ex-Presidente Lula, estamos cada vez mais próximos. Diversas empresas brasileiras se estabeleceram em vários países do continente africano, algumas há bastante tempo e outras aproveitando as oportunidades que se abriram com esta proximidade patrocinada pelo Governo Brasileiro. Esta conjuntura se torna mais atraente quando percebemos que a grande maioria dos países africanos possui um parque fabril deficiente, quer por guerras que o destruíram, quer por nunca terem existido. É visível que este fato impulsiona um fluxo de importações maiores, mas também gera uma necessidade premente de industrialização e geração de empregos, renda, diminuição da dependência externa e diversificação da economia, baseada hoje quase que exclusivamente em recursos naturais. O Brasil é um grande fornecedor de matérias primas e produtos industrializados em condições de atender amplamente as demandas do mercado africano, desde que se utilize a inteligência comercial, estratégias de acesso e manutenção de mercados e adequação de produtos, diferenciando assim da concorrência. O Nordeste brasileiro atualmente é uma região em efervescência, retomando seu lugar de destaque no país e com isto, novas vantagens competitivas se criam em diversos setores, como: industrial, comercial, turismo e serviços. É nesse contexto que defendemos uma partici-

pação efetiva nas exportações brasileiras e apostamos que o destino “África” é uma alternativa extremamente viável, operacionalmente possível e estrategicamente acertada. Entendemos que há um “gargalo” nesta relação que é a logística, mas estudos estão sendo desenvolvidos para mitigar estas questões e encontrar saídas viáveis. Um destes estudos está sendo concluído por nossa empresa Ceará Trade Brasil para a ABASE (Associação Brasileiras dos SEBRAE Estaduais) através do SEBRAECE e mostra os pontos positivos e os desafios propostos para se atingir o resultado satisfatório. Na África, historicamente por uma questão estratégica e geográfica, Las Palmas nas Ilhas Canárias, Cabo Verde e África do Sul foram protagonistas das rotas marítimas estabelecidas pelos navegadores das expedições comerciais, que se transformaram em conquistas de territórios, hoje comparados às conquistas de mercados mundiais. Com o passar do tempo outros países foram entrando no radar comercial e hoje é factível termos fluxo comercial com vários deles a exemplo do grande mercado de Angola, Moçambique, Senegal, Egito, Namíbia, Tanzânia, entre tantos outros. Há que se entender que cada um dos países que formam o continente africano têm características próprias, línguas diversas, culturas e colonizações distintas, o que torna absoluta-

mente necessário um perfeito entendimento destas disparidades e transformação em grandes oportunidades de diversificação de mercados, baseados em cooperação e transferência de tecnologia.

25


Espaço CBA Atualmente existe um intenso fluxo comercial entre Brasil e África, gerando um montante aproximado de US$28 bi em mercadorias exportadas pelo Brasil entre os anos de 2008/10, uma média de US$9,3 bi ao ano, com participação aproximada de 5,1% no total das exportações brasileiras. Apesar do decréscimo nas exportações de 2008/09, por conta da crise financeira internacional, o país se recuperou bem atingindo um crescimento de 7% em 2009/10. Fazendo um comparativo do primeiro trimestre de 2011/10 das exportações brasileiras para o continente africano, acreditamos que 2011 será de grande crescimento para o Brasil, pois foram exportados US$2,5 mi contra US$1,8 mi em 2010. O Brasil possui uma vasta pauta de exportações para a África, mas vale destacar os três principais grupos de produtos: açúcares e produtos de confeitaria, carnes e veículos automóveis e suas partes, representando 48% de todas as exportações brasileiras, com aproximadamente US$13,5 bi no período de 2008/10. Os Estados nordestinos exportaram juntos, durante o mesmo período, US$1,48 bi, com participação aproximada de 5,3% de todas as exportações para o continente africano. O Estado do Ceará, entre os anos de 2008/10, exportou para o mundo US$3,6 bi, dos quais US$122 mi tiveram como destino o continente africano. Já Pernambuco, exportou US$2,8 bi para o mundo e US$388 mi tiveram como destino a África. Devido a esse grande volume de exportações dos dois estados, desenvolvemos a idéia de se estabelecer em ambos, pontos de concentração de cargas originadas nestes e nos demais Estados nordestinos e, eventualmente outras regiões brasileiras, com destino a África, gerando assim um maior volume de cargas e contribuindo para a solução da questão logística. Uma série de fatores dificulta a aceleração dos processos de exportação, dentre os principais se destacam a falta de rotas comerciais ma-

26

Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011 rítimas e aéreas que liguem diretamente os portos nordestinos ao continente africano, a defasagem tecnológica dos equipamentos dos portos e aeroportos nordestinos, baixa intensidade de integração intermodal, entre outras citadas no estudo encomendado pela ABASE e SEBRAE/CE a ser divulgado em breve. Boa parte dos países africanos se utiliza do recurso da re-exportação, comprando mercadorias para consumo próprio e se utilizando da vantagem geográfica, se transformam em entreposto para exportações com destino a países vizinhos. É com este propósito que também destacamos o esforço de se criar em Cabo Verde, Angola e Moçambique, entrepostos aduaneiros ou não, com o propósito de armazenarem cargas brasileiras que terão como destino final os inúmeros países do Continente Africano. Dentre as principais importações da África, o Brasil merece destaque especial nos produtos: açúcar e produtos de confeitaria, carnes e miudezas, comestíveis, petróleo e seus derivados, cereais, móveis, colchões, assentos, aparelhos p/ iluminação, Automóveis de passageiros e transporte de mercadorias, e suas partes, aparelhos telefônicos, fios e cabos p/ linha telefônica, entre outros. Na análise Nordeste-África também durante os anos de 2008/10, podemos destacar alguns produtos que possuem força para adentrar e aumentar sua participação, como: Móveis e mobiliário, Ceará ocupou a primeira posição nas exportações nordestinas para a África com US$1,9 mi, Bahia foi o segundo com US$820 mil e Pernambuco o terceiro com US$425 mil. Calçados, o Ceará também se destacou em primeiro maior exportador nordestino com US$24,1 mi, Paraíba com US$11,8 mi, Bahia e Pernambuco com US$3,6 mi e US$2,9 mi respectivamente. Confecções e moda, Pernambuco ocupou a melhor posição no nordeste com US$5,3 mi, Bahia em segundo com US$690 mil e logo atrás Alagoas e Ceará, com US$325 mil e US$308 mil.

Para alcançarmos este objetivo, Empresas, Governos, Federação de Indústrias, SEBRAE, APEX, Câmaras de Comércio, Comerciais Exportadoras e sociedade em geral, devem caminhar juntos na importante e necessária melhoria da cultura exportadora, estratégia internacional e diversificação de mercados. Os números e o cardápio estão postos, quem se habilita?

Roberto Marinho Dir. Ceará Trade Brasil Pres. Câmara Brasil Angola CE Vice Pres. Câmara de Comércio Brasil Portugal CE Ger. Reg. Câmara de Comércio Brasil Moçambique CE


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

27


Brasil Angola Magazine | Outubro/Novembro de 2011

28


BRASIL ANGOLA MAGAZINE 1 out2011