Page 1

8

MEDIAÇÃO LASCÍVIA

PARA DE

SERVIR

A

OUTREM

______________________________________

8.1

CONCEITO, OBJETIVIDADE JURÍDICA E SUJEITOS DO CRIME No art. 227 encontra-se o tipo penal: “Induzir alguém a satisfazer a lascívia de

outrem.” A pena é reclusão, de um a três anos. A proteção é dirigida para impedir que, com a realização do tipo, haja incentivo ou favorecimento à prostituição. O objetivo não é proteger uma moralidade pública média ou os bons costumes, mas, simplesmente, coibir o possível ingresso da vítima desse crime no mundo da prostituição. Sujeito ativo do crime é qualquer pessoa, homem ou mulher, que realizar a conduta. Sujeito passivo é, igualmente, qualquer pessoa, de qualquer sexo, maior de 14 anos, inclusive a prostituta, uma vez que pode esta estar atravessando um momento em que procura se desvencilhar da vida que leva, merecendo, por isso, a proteção penal.

8.2

TIPICIDADE No caput do art. 227 está o tipo fundamental. Nos §§ 1º, 2º e 3º, as formas

qualificadas.

8.2.1 Forma típica simples 8.2.1.1

Conduta

A conduta típica é induzir. Induzir é fazer nascer na mente de alguém a vontade de realizar um comportamento ou dele se abster. É persuadir, é convencer. Realiza-se, normalmente, por meio da palavra, escrita ou oral, mas também por meio de gestos ou


2 - Direito Penal III – Ney Moura Teles outros símbolos. É sempre uma conduta comissiva.

8.2.1.2

Elementos do tipo

O agente induz a vítima a satisfazer à lascívia de outra pessoa. Lascívia é a libido. É o desejo ou o apetite sexual da pessoa. É o desejo sexual. Cada pessoa realiza seus desejos sexuais da forma como preferir. Conjunção carnal, sexo oral, sexo anal, enfim, qualquer ato que contenha o componente libidinoso. É direito de todos realizarem seus desejos sexuais, todavia é induvidoso que, para tanto, é preciso contar com a participação livre e consciente de outro ser humano. A satisfação da lascívia alheia deve ser decisão livre de qualquer pessoa, não podendo quem quer que seja imiscuir-se na mente da pessoa a fim de convencê-la a realizar os desejos de outro. A norma quer referir-se à satisfação da lascívia de determinada pessoa. Se o sujeito incentiva a vítima a dedicar-se a satisfazer a libido de pessoas indeterminadas estará, na verdade, induzindo-a à prática da prostituição, fato esse definido como crime no art. 228, adiante examinado. Age o sujeito ativo com dolo. Com consciência da conduta que realiza e com o fim de que a vítima atenda a sua opinião, aceitando realizar atos libidinosos com outra pessoa. Na realização do tipo básico não se exige nenhum outro fim especial, como o de lucro, que tornará o crime qualificado, como se vê mais à frente.

8.2.1.3

Consumação e tentativa

O crime é material. Consuma-se no instante em que a vítima, tendo cedido ao induzimento do agente, realiza, com terceira pessoa, qualquer ato libidinoso, satisfazendo a sua lascívia. Não é necessário que a pessoa consiga realizar seus desejos sexuais integralmente, bastando, para a consumação, que a vítima tenha-se submetido, efetivamente, à sua lascívia. A tentativa é perfeitamente possível quando a realização dos atos sexuais não ocorre por circunstâncias alheias à vontade do agente, inclusive quando a própria vítima recua e deixa de atender aos desejos do terceiro.

8.2.2 Formas qualificadas


Mediação para servir a lascívia de outrem - 3 A primeira circunstância qualificadora do crime está inscrita no § 1° do art. 227, com a redação da Lei n° 11.106, de 28.03.2005, assim: “Se a vítima é maior de 14 (catorze) anos e menor de 18 (dezoito) anos, ou se o agente é seu ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro, irmão, tutor ou curador ou pessoa a quem esteja confiada para fins de educação, de tratamento ou de guarda: Pena – reclusão, de 2(dois) a 5 (cinco) anos.” Qualifica o crime, portanto, a menor idade da vítima ou uma das relações entre ela e o agente, referidas no preceito. Nela se incluem os professores, educadores, diretores de estabelecimentos de ensino, de saúde, internatos, externatos, casas de internação de menores, enfim, pessoas que estejam exercendo um poder de autoridade, decorrente das relações de tratamento e guarda. Estando ele nas condições referidas na norma, merecerá maior reprovação pela violação do decorrente dever, legal ou jurídico, de protegê-la. Pessoa menor de 14 anos, já se sabe, será vítima do crime de mediação para vulnerável menor de 14 anos servir à lascívia de outrem, caso venha a ser induzida a satisfazer a lascívia de outrem. (item 5). A segunda forma qualificada diz respeito aos meios empregados pelo agente para induzir a vítima. Se usa violência, grave ameaça ou fraude, a pena será de reclusão de dois a oito anos (§ 2º do art. 227). Violência engloba as lesões corporais, leves, graves ou gravíssimas e também as vias de fato. Grave ameaça é a promessa da causação de um mal importante. Fraude é o engodo, o engano, o meio que o agente emprega para manter a vítima em erro ou levá-la a apreciar mal a realidade. Além da pena mais severa, o agente responderá, em concurso material, pelo crime contra a pessoa decorrente do emprego da violência – lesão corporal ou morte. A última circunstância qualificadora, definida no § 3º do art. 227, é o elemento subjetivo que move o agente: fim de lucro, reconhecível quando, ao induzir a vítima, buscava a satisfação de um lucro pessoal. Esse proveito é de natureza econômica e não precisa ser efetivamente obtido pelo agente para a incidência da qualificadora, que impõe, além da pena privativa de liberdade, a pena de multa. É chamado este crime de lenocínio questuário.

8.2. Conflito aparente de normas Se a vítima é menor de 14 (catorze) anos, o crime será o do art. 218, ou o do art. 218-A, quando o agente a induz a presenciar ato libidinoso a fim de satisfazer a lascívia


4 - Direito Penal III – Ney Moura Teles própria ou de outrem. Se a vítima é menor de 18 anos e é induzida à prostituição ou outra forma de exploração sexual, incidirá a norma do art. 218-B. Se maior de 18 anos, o tipo que se aplicará é o do art. 228 do Código Penal.

8.3

AUMENTO DE PENA O art. 234-A determina que a pena seja aumentada de metade, se do crime

resultar gravidez, e de um sexto até metade, se o agente transmite à vítima doença sexualmente transmissível, de que sabe ou deveria saber ser portador.

8.4

AÇÃO PENAL E SEGREDO DE JUSTIÇA A ação penal é de iniciativa pública incondicionada. A suspensão condicional do processo penal, de que trata o art. 89 da Lei nº

9.099/95, somente é aplicável para a forma típica fundamental, que é punida com pena mínima de um ano. Estabelece o art. 234-B que os processos nos quais se apuram os crimes definidos no Título VI tramitarão em segredo de justiça. O segredo de justiça não alcança os sujeitos processuais e seus advogados. O fim da norma é, sobretudo, proteger a vítima e o acusado contra qualquer espécie de sensacionalismo.

8  

8.2.1 Forma típica simples Sujeito ativo do crime é qualquer pessoa, homem ou mulher, que realizar a anos, inclusive a prostituta, uma vez q...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you