Page 42

Levando-se em conta todos os aspectos do processo de produção, comercialização e uso de agrocombustíveis, fica claro que dificilmente se reduzem as emissões à atmosfera. 4.3 Considerações finais O presente relatório demonstra que as energias renováveis a base de bioenergia nada têm de “renováveis”. O crescimento de monocultivos de árvores para energia no Sul tende a aumentar as injustiças social, climática e ambiental. Insistir neste caminho da bioenergia com base no monocultivo em grande escala, que busca se legitimar com selos verdes de certificação, confunde a opinião pública. Além disso, tem um custo altíssimo: retarda ainda mais as medidas estruturais para enfrentar as crises social, energética e climática. Contudo, principalmente na União Europeia, que hoje é o principal consumidor de biomassa de madeira, existe a possibilidade de optar por outro rumo em vez de substituir combustíveis fósseis por bioenergia. Este informe pretende ser um incentivo a mais nessa necessária mudança nos sistemas de produção e consumo de energia excessiva e extremamente dependente de recursos energéticos externos - antes, os combustíveis fósseis, e hoje, cada vez mais, a bioenergia. Até que os governos tomem as medidas necessárias para frear o avanço das plantações para energia no Sul, mas também no Norte, resta à sociedade civil e aos movimentos sociais do Sul e do Norte trabalhar conjuntamente para enfrentar esta nova tendência, continuar a luta para conseguir que os territórios possam atender às demandas das populações locais, contribuindo com a soberania alimentar e, acima de tudo, com um mundo mais justo.

Referências: • Agencia Europea de Medioambiente, 2010. Estimación del potencial de bioenergía de la agricultura compatible con el medio ambiente. (http://www.magrama.gob.es/es/calidad-y-evaluacion-ambiental/publicaciones/ EstimacionPotencialEnergia_tcm7-1882.pdf) • Atanasiu, B., 2010.The role of bioenergy in the National Renewable Energy Action Plans: a first identification of issues and uncertainties. Institute for European Environmental Policies. (http://www.ieep.eu/assets/753/ bioenergy_in_NREAPs.pdf) • Carbon Trade Watch, 2012.Nothing neutral here: large-scale biomass in the UK and the role of the EU ETS. • Cocci, M., 2011. Global wood pellet industry: Market and trade study. IEA Bioenergy, task 40: sustainable international bioenergy trade. • Duran, R.F., 2012.The global breakdown of capitalismo: 2000-2030; preparing for the beginning of the collapse of the industrial civilization. Ecologistas en Acción • Eräjää, S., 2012. Felling the golden goose: the sustainable limits of Finland´s biomass ambitions. Fern and Finnish Association for Nature Conservation • Ernsting, A., 2012. Sustainable biomass: a modern myth. Biofuelwatch. • Flach, B., et al, 2011. EU-27 Annual Biofuels Report. Gain Report nr. NL1013. USDA Foreign Agricultural Service. (http://gain.fas.usda.gov/Recent%20GAIN%20Publications/Biofuels%20Annual_The%20Hague_EU27_6-22-2011.pdf)

42 Plantações de árvores no Sul para gerar energia no Norte

Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Advertisement