Page 31

América del Sur Com relação à América do Sul, o Brasil vai se posicionando como um dos principais países que oferecerão madeira para a produção de energia no Norte. Desde a década de 1970, o país já tem mais de 1 milhão de hectares de plantações de eucalipto usadas para gerar energia, concentrados no estado de Minas Gerais. Depois de cortado, o eucalipto se transforma em carvão vegetal para alimentar cerca de 200 siderúrgicas que produzem principalmente ferro-gusa, tendo a indústria automobilística como principal cliente. A história desse tipo de plantação nos últimos 30 a 40 anos está marcada por graves impactos, por exemplo, a expulsão de centenas de comunidades tradicionais da região do cerrado (geraizeiros), a destruição da vegetação nativa (cerrado) e trabalho escravo na produção de carvão vegetal. Hoje em dia, está ocorrendo uma expansão das plantações de árvores no Brasil, objetivando especificamente a produção de energia com vistas a atender à demanda recente, inclusive na Europa.72 Desde 2005, começaram a ser realizados experimentos com eucaliptos plantados em maior densidade para comprovar o rendimento em termos de biomassa por hectare. Em 2007, no estado de São Paulo, estabeleceu-se um projeto-piloto de plantações de maior densidade para abastecer com energia uma usina de álcool. Em 2009, no estado do Tocantins, a empresa GMR Florestal estabeleceu sua primeira área-piloto com eucaliptos clonados para produzir 33MW de eletricidade; hoje, a mesma empresa tem planos de ampliar para 350.000 hectares suas plantações na região. No mesmo ano, mas no Estado de São Paulo, o Grupo Bertin também desenvolveu experiências-piloto com plantações de eucaliptos clonados para biomassa. Técnicos de Uruguai, Chile, México, Nicarágua e Guatemala já visitaram a região, o que demonstra um claro interesse de parte da indústria florestal desses países em desenvolver esses cultivos. Uma das últimas novidades é o projeto da Suzano Papel e Celulose73 de realizar grandes plantações de eucaliptos para produzir biomassa de madeira no nordeste do Brasil. A Suzano é uma empresa privada que funciona há 85 anos. É a segunda maior produtora de pasta de madeira do mundo, com cinco fábricas de celulose no Brasil, localizadas nos estados de São Paulo e Bahia, tendo produzido 2,7 milhões de toneladas de celulose e papel em 2008. Hoje em dia, controla 722.000 hectares de terra, dos quais 324.000 são plantações de eucalipto nos estados de São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Tocantins e Maranhão. A Suzano tem planos ainda mais ambiciosos: investir em um novo tipo de plantações: as plantações para biomassa. Para isso, em meados de 2010, o Grupo Suzano criou uma nova empresa chamada Suzano Energia Renovável. O investimento proposto é de 1,3 bilhão de dólares e inclui cinco unidades de produção de pellets de madeira, com capacidade de produção total anual de 5 milhões de toneladas desse combustível de biomassa. A primeira etapa consiste em adquirir terras e construir três unidades de produção de pellets, de um milhão de toneladas cada uma, as quais começariam a funcionar em 2013. A Suzano espera conseguir uma receita líquida de 500 milhões de dólares em 2014 e já garantiu contratos de venda de 2,7 milhões de toneladas. Em agosto de 2010, a Suzano e a empresa britânica MGT Power Ltd assinaram uma carta de intenções nesse sentido.

72 Com base em informaçções da Rede Brasilera de Biomasa para Energia. 73 Overbeek, 2011 Uma nova ameaça para comunidades e florestas

31

Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Advertisement