Page 19

2.3 Projetos de biomassa em alguns países da Europa

Usinas de biomassa no Reino Unido A Grã-Bretanha se situa à frente da expansão da bioenergia industrial na Europa. De acordo com a organização Biofuelwatch, a indústria de biomassa planeja queimar, no futuro, mais de 90 milhões de toneladas de madeira verde ou bruta42 para eletricidade por ano, nove vezes mais do que a que atualmente está disponível no país.43 O Reino Unido subsidia generosamente44 e com garantias a biomassa sólida e, assim, está acontecendo um desenvolvimento sem precedentes da geração em grande escala de energia de biomassa. O governo britânico previu subsídios generosos, que são os principais impulsores do investimento empresarial no ramo da eletricidade a partir de biomassa. Seriam necessários pelo menos 3 bilhões de libras em subsídios por ano para cumprir esses planos ambiciosos anunciados pela indústria.45 O objetivo principal da estratégia do governo britânico para bioenergia é estimular a conversão de usinas de carvão mineral em usinas de bioenergia. A capacidade de uma destas centrais de carvão, Tilbury B, da RWE Npower, é substancialmente maior do que a de qualquer outra central de biomassa do mundo, e requereria 7,5 milhões de toneladas de madeira verde por ano. Até o momento, as empresas de energia anunciaram planos para converter 5 usinas de carvão mineral no Reino Unido para biomassa que, ao todo, requererão granulados de madeira de cerca de 63 milhões de toneladas - um dado que não inclui a madeira necessária para um grande número de usinas de energia de biomassa propostas.46 Três usinas, planejadas pela Forth Energy na Escócia, queimariam 3,5 milhões de toneladas de madeira. A MGT Power espera iniciar a construção de uma usina de energia de biomassa de 300 MW, que será abastecida com granulados de madeira de eucalipto do Brasil. A empresa também indicou planos para outras mega-usinas do mesmo tamanho.

A biomassa energética na Alemanha A Alemanha é outro exemplo de país onde os próprios recursos da madeira não conseguem contribuir de forma significativa à demanda nacional. Se toda a madeira disponível naquele país se destinasse a fins energéticos, ela cobriria apenas 4% do consumo de energia primária. E ainda que, em suas florestas e plantações florestais, tenham sido colhidos, em média, em torno de 56 milhões de metros cúbicos de madeira entre 2002 e 2009, o governo alemão quer mobilizar muito mais para fins energéticos. O uso de biomassa na Alemanha está regulado desde 2003 pela Lei de Energias Renováveis (EEG, na sigla em alemão). Existem fortes subvenções para a produção de eletricidade e calor a partir da biomassa, na forma de plantações cultivadas e resíduos de granjas industriais

42 A madeira verde gera 9,5 MJ/kg, enquanto os pellets geram 19,8 MJ/kg (http://www.forestbioenergy.net/training-materials/ fact-sheets/module-5-fact-sheets/fact-sheet-5-8-energy-basics). 43 Ernsting, 2012 44 Por meio de Renewable Obligation Certificates, ROCs. Segundo a Wood Panel Industries Federation, esses subsídios no Reino Unido chegam a £75 por tonelada métrica de madeira queimada, um fator crucial na expansão de usinas de biomassa no Reino Unido. (Carbon Trade Watch: Nothing neutral here: large-scale biomass in the UK and the role of the EU ETS, 2012). 45 Ernsting, 2012 46 Biofuelwatch biomass power station map (http://www.biofuelwatch.org.uk/wp-content/maps/uk-biomass.html)

Uma nova ameaça para comunidades e florestas

19

Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Uma nova ameaça para comunidades e florestas  
Advertisement