Page 1

Ano 7 | Número 19 | Janeiro 2018

Com 21 mil ATMs instaladas no país, Banco24Horas promove facilidade de acesso aos usuários

Managed Services: como a boa estratégia de serviços gerenciados traz economia e eficiência para as companhias


TP SUITE – SOLUÇÃO DE SOFTWARE DE FRENTE DE CAIXA

MUDAR É MOVER-SE ALÉM DAS TRANSAÇÕES! “De experiências tradicionais de ponto de venda ao comércio conectado”

APRIMORE SUA OPERAÇÃO EM TODOS OS CANAIS

Faça a sua jornada mais pessoal, intuitiva e segura com aplicação TP Suite.

• Otimize suas transações com os consumidores, onde quer que estejam • Conecte suas operações em toda jornada • Harmonize seus canais de vendas • Reduza custos na operação • Melhore a eficiência com autoatendimento • Garanta um serviço superior com alta disponibilidade

SUAS PRIORIDADES SÃO NOSSAS PRIORIDADES (11) 3643-3000 | dieboldnixdorf.com.br


EDITORIAL

Elias Rogério da Silva Presidente da Diebold Nixdorf no Brasil

Chegamos a mais uma edição da Revista Diebold Nixdorf com muitas histórias boas para contar. Temos acompanhado de perto a evolução dos hábitos de consumo no Brasil e, seja no segmento de serviços ou produto, a palavra da vez é conveniência. Não só nas transações financeiras, mas também nas operações do comércio, o consumidor quer estar cada vez mais empoderado. Já as empresas buscam alternativas para proporcionar experiências diferenciadas e com eficiência a esta nova geração. Para atender um mercado que necessita realizar a conexão entre os mundos físico e digital do dinheiro, a Diebold Nixdorf segue investindo em novos produtos que colaboram para o avanço dos negócios dos clientes com qualidade. O propósito não é apenas no hardware, mas também nas soluções e nos serviços oferecidos. Nesta edição, temos a satisfação de compartilhar nosso avanço no mercado de varejo com um grande projeto para o Carrefour. Você conhecerá as tecnologias que equipam a nova loja conectada da rede no Brasil. Por falar em varejo, trazemos também uma matéria sobre como quadrilhas organizadas têm expandido os ataques

no e-commerce e quais as recomendações para trafegar com segurança neste ambiente. Em um período marcado pela evolução das operações multicanais, destacamos a aquisição da Kony, companhia de origem americana que acelera o desenvolvimento de aplicações para celulares, tablets e também computadores e wearables. Além disso, apresentamos o marketplace global da AEVI, empresa subsidiária da Diebold Nixdorf, que trata-se de uma loja online, 100% segura e que conta com diversas aplicações disponíveis para os lojistas, personalizadas para cada necessidade de negócio. Por fim, passados mais de um ano como Diebold Nixdorf, temos muitos motivos para celebrar. Frente aos desafios do cenário local, alcançamos a liderança global em automação bancária e comercial. No Brasil passamos a desbravar novos mercados, ampliando o portfólio e oferecendo soluções cada vez mais integradas para nossos clientes. Para os próximos anos seguimos investindo em novas tecnologias, a fim de continuar crescendo como parceira estratégica para o desenvolvimento dos mercados de automação bancária e comercial no país. Boa leitura!


EXPEDIENTE

SUMÁRIO Coordenação Geral Thaís Rocha Marketing e comunicação

Produção de Conteúdo G&A Comunicação Corporativa www.gaspar.com.br +55 11 3037-3200

Jornalista Responsável Carlos Alencar

Tendências

Conheça o Marketplace para Varejo da AEVI e os Serviços Gerenciados da DN

MTB: 15.172

Edição e revisão Heloisa Picos Natália Pereira Redação: Natália Pereira Jackeline Sá Rogério Gama Fotos Mikio Fotografias Banco de Imagens Shutterstock

Antifraude

Confira como funcionam as fraudes digitais e como é possível realizar transações de maneira segura na internet

Direção de Arte e Editoração Eletrônica W5 Publicidade A Revista Diebold Nixdorf é uma publicação semestral da Diebold Nixdorf Avenida Francisco Matarazzo, 1350 4° Andar | Água Branca São Paulo - SP | 05001-100 Tel.: (011) 3643-3000 Atendimento ao leitor: brasil@dieboldnixdorf.com www.dieboldnixdorf.com.br

Capa

O que esperar da transformação digital no varejo? Saiba o que já pode ser encontrado no mercado brasileiro para atender o novo perfil de consumidor


Especial

O segredo do sucesso: saiba como a rede Banco24Horas cresceu 640% nos últimos dez anos

Serviços

Peopleware

Amor pela música une três funcionários da DN

Chefs, Baristas, Sommeliers e Cia

Entenda como a reforma de ATMs traz economia ao setor bancário

Vai uma branquinha aí? Conheça a cachaçaria artesanal mantida pela família de um colaborador DN

50 anos ATM

Compliance

Vida longa aos caixas eletrônicos

Soluções integradas

Veja como a DN está oferecendo mais soluções de mobilidade para o mercado

Saiba por que essa área é importante para a sua empresa


6

te n d ê n c i a s

MARKETPLACE NO VAREJO Facilidades para o varejista e nova experiência para os clientes A conectividade de sistemas aos ambientes online e offline demanda novas formas de fazer negócios. Enquanto os varejistas precisam lidar com a implementação de soluções de pagamento com menor custo e funcionalidades completas, os consumidores esperam um jeito inovador e prático de fazer compras, além de agilidade no atendimento. E é essa exigência que motiva o mercado a procurar por opções

que promovam uma experiência única e diferenciada aos clientes. Essas características definem o marketplace global da AEVI, empresa subsidiária da Diebold Nixdorf; loja online, 100% segura e que conta com diversas aplicações disponíveis para os lojistas, personalizadas para cada necessidade de negócio. O marketplace da AEVI é multivendor e pode ser utilizado no SmartPOS Albert ou em qualquer outro dispositivo

www.aevi.com

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

que funcione com o sistema operacional Android. O Albert é um aparelho 100% seguro, desenvolvido pela DN e que tem design baseado em um tablet, além de impressora integrada com diversas opções para execução do pagamento, como chip, NFC e leitora de tarja. Juntos, eles permitem que o lojista controle seu estoque, faça pagamentos e até peça um táxi para o cliente. Dessa forma, fica mais fácil criar fidelização com um serviço assertivo e que entregue soluções adequadas a cada demanda. De acordo com Marco Pimentel, responsável por inovações de software da Diebold Nixdorf no Brasil, a solução, que já faz parte do portfólio brasileiro, é baseada no conceito de que o POS pode ir além do pagamento e ser uma ferramenta de fidelização do cliente. “Além da redução de custos de infraestrutura de TI dentro do estabelecimento, essa solução gera, ainda, economia de tempo. Por ser uma solução AllIn-One, ela permite que o varejista finalize todo o processo de venda no instante em que acontece a interação com o cliente”, disse


te n dê n c ias

Raio-X do AEVI Gera diferenciação para a marca

Aumenta fidelidade dos clientes

Possibilita oferta diferenciada de produtos

Utiliza um SmartPOS que possibilita controle de loja e promove atendimentos diferenciados

Permite personalização de aplicativos

Funciona em qualquer dispositivo com sistema operacional Android

Flexibilidade VAREJO

Benefícios

HOTEL

AEVI pode ser utilizado em diversos segmentos:

SERVIÇOS

HOSPITAIS

SEGUROS E FINANCIADORAS

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

7


8

te n d ê n c i a s

SERVIÇOS GERENCIADOS MARCAM NOVA FORMA DE FAZER NEGÓCIOS NA DN Parte da inovação da DN está alinhada ao compromisso de fornecer novos modelos de negócios e, assim, oferecer serviços de valor agregado aos clientes. Com isso em mente, a empresa disponibiliza o Managed Service como uma opção de pacote de serviços que dinamiza os processos e proporciona uma maior visão gerencial aos seus clientes.

Temos o compromisso de manter todas as ações dos equipamentos em pleno funcionamento e monitoramos remotamente todo o maquinário Renato Abbiati

Pré vendas da LoB Serviços

Esse é um modelo global da DN que proporciona, além de agilidade, segurança e disponibilidade dos equipamentos. De acordo com Renato Abbiati, pré vendas da LoB Serviços, o serviço vendido inclui funcionalidades que geram experiências aprimoradas para os consumidores dentro dos ambientes, seja em agências ou em lojas. “Temos o compromisso de manter todas as ações dos equipamentos em pleno funcionamento e monitoramos

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

remotamente todo o maquinário. Desta forma, em caso de qualquer chamado, nossa equipe pode responder prontamente e com mais agilidade na resolução dos problemas”, explica. A solução é dividida em duas fases: Gestão remota e gestão de ciclo de vida do site. A primeira inclui monitoramento ativo dos equipamentos, gestão de numerário, distribuição remota de software e pacotes de atualização de segurança. Já a segunda fase inclui suporte e operação para planejamento e gestão de sites, assim como a gestão de desempenho de todos os equipamentos de informática. Segundo Abbiati, esse modelo de negócio vai além da economia, pois é possível ter mais agilidade com o monitoramento contínuo e rápida resolução de chamados. Entenda o pacote do Managed Service:


ten dê n c ias

GERENCIAMENTO DE TODAS AS ATIVIDADES DOS EQUIPAMENTOS

SERVICE DESK

MONITORAÇÃO & GESTÃO REMOTA

MANAGED SERVICE SEGURANÇA & COMPLIANCE

SUPORTE TÉCNICO E OPERACIONAL

GESTÃO DE EFETIVO

MANUTENÇÃO DE HARDWARE

GESTÃO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

9


10

a n ti f ra u de

CRIMINOSOS INVADEM O VAREJO ONLINE Confira como funcionam as fraudes digitais e como é possível realizar transações de maneira segura na internet A evolução da multicanalidade e a crescente busca do usuário por conveniência faz com que o mercado de e-commerce, seja de produtos ou serviços, esteja em contínua expansão. Em 2017, o setor de comércio eletrônico no Brasil deve crescer 12% em relação a 2016 e ter um faturamento de R$ 59,9 bilhões, chegando a mais de 200 milhões de pedidos nas lojas virtuais, segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). A prática do e-commerce também contribui diretamente na redução dos custos operacionais dos provedores destes serviços que, desta forma, podem oferecer preços cada vez mais competitivos, aquecendo o mercado e contribuindo para um crescimento ainda maior do setor. Porém, como todo negócio, possui riscos inerentes a suas operações, como vazamento de dados, fraudes online e clonagem de cartão.

Quem não conhece alguém que já sofreu alguma fraude digital? Atualmente, existem diversas quadrilhas altamente especializadas e organizadas com objetivo único e exclusivo de criar propagandas e ataques contra instituições de e-commerce, bancos e qualquer outra instituição em que se possa obter alguma vantagem financeira. Quando mencionamos quadrilhas especializadas, falamos de uma rede de pessoas interligadas e estruturadas como uma operação de qualquer empresa, com hierarquias e papéis bem definidos. Estas responsabilidades vão desde o aliciador de pessoas para receberem o produto e dinheiro ilícito em suas contas de banco, até mesmo controladores financeiros de todas as entradas e saídas do processo. Existem programadores para desenvolver a construção dos sites falsos e malwares; designers para

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

garantir uma qualidade visual do ataque ao usuário, aumentando a eficiência com relação ao convencimento do mesmo; e até mesmo os operadores de fraude, que são os responsáveis por efetuar as transações falsas. Hoje em dia, a qualidade e tecnologia empregadas na fraude são extremamente altas, além de todo cuidado na comunicação escrita e visual, o que não se via muito no passado.

COMÉRCIO DE DADOS Parece de outro mundo, mas por trás destes ataques existe um comércio paralelo, onde são comercializados credenciais, aliciamento de laranjas, documentos falsos e máquinas de cartões adulteradas para roubar dados de efetivar débitos com cartões clonados, além de uma infinidade de serviços, que vão desde testadores de cartão até documentos falsos para abertura de contas que serão utilizadas para fraude.


capa antif rau de

Engana-se quem pensa que tudo isso ocorre apenas na tão falada DeepWeb. Hoje em dia, isto ocorre utilizando os mesmos recursos digitais usados por nós – Skype, WhatsApp, fóruns e diversos outros meios de comunicação. Ao analisar todo este cenário, fica evidente que este tipo de fraude

não envolve simplesmente o roubo de informações sensíveis. Movimenta também um esquema gigantesco de crime organizado (e muitas vezes, desorganizado) todos os anos. E sabemos para onde vai este dinheiro: diretamente para patrocinar outros crimes, desde roubo até tráfico de armas e drogas.

APESAR DE TUDO, A INTERNET CONTINUA SENDO UM MEIO FANTÁSTICO PARA OS NEGÓCIOS. PARA EVITARMOS TRANSTORNOS, PRECISAMOS NOS ATENTAR A TUDO O QUE CLICAMOS E EXECUTAMOS EM NOSSOS DISPOSITIVOS, SEJAM ELES SMARTPHONES OU COMPUTADORES. VEJA ALGUMAS DICAS DE SEGURANÇA: 1. Cuidado com as mensagens recebidas por e-mail e/ou SMS – Existem diversas cabeças pensando em obter seus dados sensíveis ou até mesmo induzí-lo a tomar ações que podem contribuir para o roubo de informações. 2. Conheça sempre os sites onde você digita informações pessoais – Recomenda-se checar o endereço do browser “https” e verificar se há cadeado ao lado, se houver, significa que é um site legítimo. Preste sempre atenção se um site está pedindo mais informações do que faz normalmente. 3. Mantenha sempre seus programas e sistemas devidamente atualizados. 4. Sempre altere as configurações e senhas padrão dos equipamentos conectados à Internet – não negligencie o IOT (Internet das coisas). 5. Seja sempre crítico com todas as informações que lhe solicitam, inclusive no

mundo físico. Existem diversas pessoas treinadas que se passam por conhecidos ou empresas para tentar extrair suas informações sensíveis. 6. Não divulgue e nem utilize as mesmas credenciais de acesso para seus e-mails e acessos a sistemas. 7. Altere suas senhas regularmente e evite o armazenamento. 8. Sempre que disponível, habilite a autenticação de dois fatores nos sites onde você armazena informações sensíveis. 9. Não baixe e nem instale softwares ou aplicativos desconhecidos – existem diversos programas na internet que prometem melhorar a eficiência de seus dispositivos. E estes podem se tratar de programas espiões. 10. Instale sempre os dispositivos de segurança ofertados pelas instituições financeiras.

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

11


12

ca p a

FORÇA NO VAREJO BRASILEIRO Diebold Nixdorf promove transformação digital no setor varejista e oferece produtos com tecnologia de ponta para atender novo perfil de consumo

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8


capa c apa

Pouco mais de um ano após a fusão com a Wincor Nixdorf, a Diebold Nixdorf reforça sua liderança no mercado de varejo brasileiro. Com o novo portfólio estruturado repleto de ofertas tecnológicas e inovadoras, a empresa mostra que a tecnologia mira além da conexão: a experiência dos consumidores. Esse norte é definido a partir das demandas e exigências de um novo perfil de consumo: aquele que tem o poder de decisão na palma de sua mão e não quer apenas um bom preço, mas qualidade do produto e do atendimento. Miriane Paulino, líder de Varejo da DN no Brasil, explica que as pessoas querem ir além e esperam que as marcas façam o mesmo. “Os consumidores querem que o varejista lhe ofereça mais que um bom produto e preço competitivo. Hoje em dia, eles demandam atendimentos personalizados, únicos e desejam ser o soberano na decisão de compra de determinado produto”, acrescentou. Neste contexto, o estilo de vida conectado é um fator que contribui para que as empresas repensem o modo de vender. Conforme as inovações tecnológicas surgem, o conhecimento do consumidor se torna mais veloz e reconstrói os modelos de negócios. Os dispositivos móveis são ferramentas fundamentais para este novo perfil de consumo e facilitam pesquisas e compras. De acordo com a pesquisa Total Retail Survey 2017*, realizada pela PWC, cerca de

31% dos brasileiros utilizam o celular mensalmente para fazer compras. Como consequência desse hábito, o setor varejista, que antes operava com as linhas mercadológicas mais ortodoxas, mira oportunidades que satisfazem a nova geração. Com intuito de estar na vanguarda de soluções para este mercado, a DN investe em produtos que transformam o relacionamento entre lojas e clientes, contribuindo, assim, para a transformação digital do varejo mundial e brasileiro. Essa mudança cria o varejo conectado, focado em soluções que agilizam as tarefas das pessoas e que oferecem um novo jeito de comprar. “Nossas soluções são voltadas para um novo varejista digital, tendo foco na oferta de uma experiência de compra personalizada de acordo com os hábitos de consumo de cada cliente”, disse Miriane.

VAREJO CONECTADO NO BRASIL Na prática, a DN já tem o primeiro caso de sucesso de um varejista conectado no país. O Carrefour inaugurou este ano o primeiro hipermercado flagship do grupo, localizado no Jardim Pamplona Shopping, na cidade de São Paulo. A parceria com a DN, que globalmente já dura mais de 20 anos, gerou o projeto com soluções pioneiras para melhorar a experiência de compra dos clientes da rede. Miriane explica que o conceito de loja conectada surgiu da

Os consumidores querem que o varejista lhe ofereça mais que um bom produto e preço competitivo. Hoje em dia, eles demandam atendimentos personalizados, únicos e desejam ser o soberano na decisão de compra de determinado produto. Miriane Paulino Líder de Varejo da DN no Brasil

*A Total Retail Survey 2017 foi realizada com cerca de 24 mil pessoas em 29 países, incluindo o Brasil.

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

13


14

ca p a

necessidade de suprir as exigências do novo consumidor. “Ao analisar o perfil de consumo brasileiro, notamos que a demanda é por um atendimento único. Por isso desenvolvemos produtos que permitem a evolução entre o modelo antigo de varejo para um outro, conectado e personalizado”, comenta. Como primeiro caso no país, os produtos implantados no hipermercado se tornarão benchmarking para diversos estabelecimentos que prezam atender esses hábitos de consumo. Além disso, a DN fortalece seu papel de player decisiva no mercado. “Disponibilizamos o nosso portfólio para este projeto e para desafios futuros, pois a nossa busca por novas tecnologias é constante”, falou Miriane.

A CONECTIVIDADE NA FLAGSHIP DO CARREFOUR A estratégia do Carrefour de operar em multicanais, aliando os mundos físico e online, está totalmente sintonizada à oferta de soluções do portfólio da DN e o desenvolvimento de novas tecnologias foi fundamental para criar um ambiente personalizado ao consumidor do hipermercado. Entre as soluções presentes na flagship estão os seis terminais Self-Checkout que concedem autonomia aos clientes ao permitir que eles pesem os produtos, escaneiem as compras por meio dos códigos de barras e efetuem o pagamento via cartão de crédito ou débito. “O Self-Checkout traz uma nova experiência de compra ao cliente e desenvolve uma nova relação de consumo”, explica Miriane.

Disponibilizamos o nosso portfólio para este projeto e para desafios futuros, pois a nossa busca por novas tecnologias é constante Miriane Paulino Líder de Varejo da DN no Brasil

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8


c apa

Miriane comenta que a viabilidade do projeto estava na integração de duas áreas da DN. “Para tornar concreto a flagship do Carrefour, a Diebold Nixdorf trabalhou

em soluções de software e hardware de maneira integrada. Assim, podemos fornecer o melhor produto ao cliente e aos consumidores do hipermercado”, finalizou Miriane.

SOLUÇÕES PARA UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE CONSUMO A plataforma SERVCore, que é altamente personalizável e de implantação ágil, foi utilizada como base para todas as outras inovações da loja, tais como: Terminal CRM: Totens com monitores de cerca de 43’’ e touch-screen dispostos na entrada da loja com serviços tais como: • Identificação de clientes, que estão credenciados no programa de fidelidade, cadastros de novos clientes e geração de cupons de ofertas para serem utilizados durante as compras. • Pesquisa de produto e mapa da loja: Essa função mostra a sessão em que determinado item está localizado e também mostra todos os demais setores. Gerenciamento de filas: O terminal gera e imprime senhas de atendimento por setores, permitindo que cliente continue as compras e acompanhe quando a senha será chamada por meio de displays na loja. Veiculação de ofertas e dados de produtos por meio de mídia box e exibição de campanhas relâmpagos. Info-frame: Um monitor de 42’’, próximo às sessões de eletrodomésticos e eletrônicos, exibe detalhes do produto, preço e possibilita campanhas digitais. Terminal de Sortimento Estendido: Oferece consulta sobre produtos que estão disponíveis na loja e no e-commerce da rede, ampliando significativamente as opções disponíveis ao cliente.

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

15


16

e s p e ci a l

REDE BANCO24HORAS EM CONSTANTE EXPANSÃO A rede de caixas multibanco contribui para o acesso da população aos serviços financeiros e a eficiência do sistema bancário O Banco24Horas, administrado pela TecBan, consolidou-se em 2014 como a rede externa de autoatendimento dos principais bancos do Brasil. Nos últimos dez anos, a Rede teve um crescimento de mais de 640% e, hoje, são 21 mil caixas eletrônicos instalados em, aproximadamente, 11 mil estabelecimentos comerciais parceiros. A decisão de tornar o Banco24Horas a rede de autoatendimento externa dos bancos faz parte de uma tendência já observada em diversos países, de adoção de um modelo de gestão compartilhada das redes de autoatendimento externo. Uma grande vantagem do Banco24Horas é a população poder usar mais de 40 bancos no mesmo caixa, além de oferecer à comunidade

bancarizada acesso ampliado à oferta de serviços financeiros. A rede também beneficia os proprietários do varejo, com o aumento do fluxo de pessoas, do ticket médio, da liquidez e do faturamento de suas lojas. O Banco24Horas já faz parte do dia a dia dos brasileiros, o que reflete no aumento contínuo da utilização dos caixas e, consequente, produtividade da Rede. Em 2016, foi registrado 1,6 bilhão de transações nos caixas eletrônicos, 28% a mais em relação ao ano anterior. Além disso, o número de caixas em 2016 aumentou 7,7% comparado a 2015. Este resultado demonstra a ampla utilização dos consumidores, que incorporaram o Banco24Horas ao seu dia a dia. O planejamento dos próximos anos mantém a expansão contínua do Banco24Horas, em todo o Brasil.

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8


e s pe c ial

Conheça os detalhes que englobam a rede de autoatendimento Banco24Horas

7 DIAS DA SEMANA E 24 HORAS POR DIA DE SERVIÇOS PARA A POPULAÇÃO • São mais de 21 mil caixas Banco24Horas espalhados por todo o Brasil em 11 mil estabelecimentos comerciais. • Presente em 620 municípios em todas as regiões. • Todos os dias, mais de 4 milhões de brasileiros usam o Banco24Horas. • Mais de 2 bilhões de transações na rede previstas para 2017. • Transações financeiras de mais de 40 bancos em um só caixa. • No caixa Banco24Horas o cliente tem a mesma interface de navegação encontrada na rede própria do seu banco

TECNOLOGIA DE PONTA Além da disponibilidade de serviços em diversos locais, os caixas da Rede também possuem tecnologia de ponta: • 100% da Rede Banco24Horas possui a solução de multibiometria com criptografia para identificação do cliente pela impressão digital e leitura da palma da mão. • 3 datacenters que garantem ainda mais o funcionamento ininterrupto dos serviços e transações. • TBNet - A TecBan tem soluções de telecomunicações para trazer mais disponibilidade e mais recursos para a população. • Os caixas eletrônicos são equipados com dispositivos 3G para facilitar a comunicação das máquinas com a TecBan na hora da transação. • Monitoramento 24 horas: mais segurança e mais confiança. • WiFi TecBan: iniciativa proprietária para trazer mais disponibilidade e conectividade à rede. Fonte: TecBan

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

17


18

s e rvi ço s

REFORMA DE ATMs TRAZ ECONOMIA PARA AGÊNCIAS Manter a alta disponibilidade e atualização das ATMs nas agências é um desafio que persiste mesmo em meio ao avanço das novas tecnologias. Somada a este cenário, a constante exigência dos clientes por uma experiência mais completa, inovadora e eficiente no autoatendimento desafia os bancos no trabalho de manutenção e atualização dos equipamentos.

Para manter a alta disponibilidade e qualidade da experiência no autoatendimento de maneira personalizada e ágil para os clientes, os bancos devem atualizar o parque de ATMs conforme fique obsoleto às necessidades dos consumidores Julio Cesar Alves

Gerente de Logística e Supply Chain da Diebold Nixdorf

Como líder de mercado de ATMs no Brasil, a Diebold Nixdorf conhece bem as necessidades dos bancos, principalmente quando o assunto é suporte para o autoatendimento. Neste contexto, um dos trabalhos desenvolvidos pela área de serviços da DN, composta por mais de dois mil técnicos, consiste no desenvolvimento de reformas de equipamentos. “Para manter a alta disponibilidade e qualidade da experiência no autoatendimento de maneira personalizada e ágil para os clientes, os bancos devem atualizar o parque de ATMs conforme fique obsoleto às necessidades dos consumidores”, explica Julio Cesar Alves, gerente de Logística e Supply Chain da Diebold Nixdorf. Ele destaca que, principalmente em cenário de crise econômica, as instituições

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

financeiras acabam adiando esta renovação, e um caminho encontrado é a reforma de ATMs. São duas opões de projetos desenvolvidos pela DN: reforma de hardware e tecnológica. A primeira contempla os serviços de troca de adesivos, teclas, substituição de materiais que compõem o equipamento, dentre outros ajustes físicos; e a segunda já é mais robusta e envolve também um trabalho de atualização da tecnologia embarcada, como criptografia, inclusão de ferramentas de acessibilidade, biometria, tela touch, sistema contactless, dentre outras atualizações. Julio reforça que o recomendável é sempre renovar o parque de ATMs conforme sua vida útil, que costuma ser de 10 anos. “Inúmeras são as tecnologias que estamos desenvolvendo para integrar a estratégia dos bancos no autoatendimento, por meio de ATMs cada vez mais funcionais. Por outro lado, vemos que a reforma de máquinas pode ser uma alternativa em um momento em que o banco não dispõe de verba para a renovação completa do parque, mas deseja melhorar a eficiência dos equipamentos e a experiência dos clientes”, comenta.


s e r viço s

CONFIRA OS BENEFÍCIOS DA REFORMA DE ATMS: • Durabilidade: a reforma tecnológica e de hardware aumenta em cinco anos a durabilidade da máquina; • Economia: o custo para reforma de uma máquina é, em média, 40% do valor de uma nova. Desta forma, o banco consegue atualizar suas ATMs – muitas vezes aquelas que estavam paradas – e equipá-las com novas funcionalidades e tecnologias. • Sustentabilidade: além de aumentar a vida útil do equipamento, ao realizar a reforma das máquinas as peças obsoletas recebem o descarte eletrônico correto para cada tipo de material de sua composição. A DN tem parceria com empresas especializadas no descarte de eletrônicos, evitando que o material contaminante seja depositado no meio ambiente.

Para compor o pacote de reforma oferecido pela DN, a área de suporte identifica os cinco problemas mais recorrentes naquele tipo de ATM e desenvolve soluções para garantir atualização e eficiência para a máquina.

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

19


20

5 0 a n o s d e ATM

VIDA LONGA AOS CAIXAS ELETRÔNICOS Com 50 anos recém completados este ano, a ATM é uma ferramenta que mudou a forma como as pessoas lidam com o dinheiro e é um exemplo de como a velocidade da evolução tecnológica sempre foi constante Criada com apenas a opção de saque, a ATM foi se reinventando ao longo dos anos, tendo o comportamento das pessoas como termômetro para identificar possíveis melhorias e implementações. No Brasil desde a década de 70, os caixas eletrônicos só permitiam saques e funcionavam com cartões perfurados.  Apesar de ter limitação nas operações, as

facilidades que o equipamento apresentou e sua evolução tecnológica se traduziram na sua aceitação. Atualmente, diversos modelos dos terminais foram desenvolvidos e contam com opções que dispensam até a utilização de um atendimento humano. Com o portfólio voltado para a digitalização bancária e o modo como as

pessoas se relacionam com o dinheiro, a DN possui diversas ATMs disruptivas que agilizam o cotidiano das instituições financeiras. Para prover soluções inovadoras, a empresa focou em duas frentes: perfil dos correntistas e necessidades dos bancos. O resultado da mistura desses dois ingredientes pode ser visto abaixo: Linha do tempo das ATMs da DN:

2015

2016

2017

Criação da CS 9900, primeira ATM que substitui o atendimento humano, acumulando funções de saque, depósito de cédulas e moedas, e dando opção de vídeo conferência com o gerente da conta.

DN desenvolve os modelos conceito Irving e Janus. O primeiro não tem monitor e permite que as transações comecem em outros meios, como no celular, e terminem na máquina, o chamado atendimento omnichannel. Já Janus possui módulos compartilhados, um em cada lado, que otimizam o espaço nas agências e a quantidade de atendimentos. Com autonomia própria, cada um dos lados possui autenticação via QR Code, tecnologia Near Field Communication (NFC) e pode atender duas pessoas ao mesmo tempo.

Essence, ATM conceito é criada e mostra que apenas o essencial é necessário. O terminal foi concebido com funcionalidades multitouch para que as transações bancárias sejam feitas de forma ágil e prática e tem estrutura inserida dentro da parede, com aparência similar a um grande smartphone.

CS 6750 é apresentada ao mercado como a ATM que possui reciclagem de cédulas, depósitos sem envelopes, impressão de cheques e transações eletrônicas.

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8


soluções in te gradas

DIEBOLD NIXDORF AVANÇA NO MERCADO MÓVEL Aquisição minoritária da Kony possibilita mais ofertas de aplicações para dispositivos móveis Seja no metrô, na rua, no banco e nos comércios, as pessoas estão cada vez mais conectadas. A tendência do mercado é vivenciar o omnichannel em diversos setores e utilizar dispositivos móveis para as atividades rotineiras. Para acompanhar essa evolução nos mercados bancário e de varejo – assim como a exigência por soluções ágeis e completas, a Diebold Nixdorf fez uma aquisição parcial da empresa Kony, companhia de origem americana que acelera o desenvolvimento de aplicações para celulares, tablets e também computadores e wearables. Com isso, a maior capilaridade de atendimento da DN possibilitará mais oportunidades para esta oferta no mundo e no Brasil. De acordo com Marco Aurélio Rodrigues, diretor de Software e Serviços Profissionais da Diebold Nixdorf no país, essa aquisição posiciona a empresa com liderança no mercado de dispositivos e aplicações móveis. “Já desenvolvemos soluções para omnichannel e queremos continuar acompanhando a tendência

móvel. Nosso intuito é estar na linha de frente com produtos que agregam valor aos nossos clientes e agilizam a disponibilidade ao mercado”, explica Marco Aurélio. No Brasil, a junção da DN com a Kony já gerencia cerca de dez clientes.

OFERTA UNIFICADA Fruto da aquisição, a DN Mobile é a nova solução que está no portfólio global da empresa. Com atributos de segurança, agilidade e personalização de acordo com as necessidades de cada cliente, o produto oferece rápido desenvolvimento de softwares, reduzindo o tempo de programação e o custo total das aplicações. “Como a aplicação é escrita uma única vez, conseguimos disponibilizá-la em diferentes ambientes operacionais. Por isso, aliamos agilidade, tecnologia e segurança nesta oferta para termos uma entrega de qualidade, sem comprometer a experiência do cliente, e que reforça nosso papel na satisfação aos clientes”, finaliza Marco Aurélio. Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

21


22

p e o p l ewa re

TOCANDO A VIDA

Muitos conhecem a história de superação do maestro João Carlos Martins. Mas além de se notabilizar pela garra em enfrentar e vencer barreiras, ele tornou-se maestro, também, pelo amor ao piano e à música – algo que somente quem

toca um instrumento consegue entender e, nem sempre, explicar. É o amor pela música que une, neste texto, os três personagens que você conhecerá a seguir. Eles trabalham em diferentes áreas da Diebold Nixdorf, são casados

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

e se empenham continuamente em busca do aprimoramento de seus trabalhos. Mas, além desses pontos, têm outra característica em comum: tocam instrumentos musicais nas horas vagas. Conheça a seguir um pouco da história de cada um com a música.


peo pleware

Nelio Correia é analista de materiais na área Gestão de Materiais e trabalha na Diebold Nixdorf desde 1993. Tem 46 anos de idade e toca violão desde os 16. Possui cerca de 80 composições registradas, já foi crooner de uma banda: Macondo, nome de uma árvore típica da Colômbia.

“SEMPRE É POSSÍVEL TRAZER O NOVO NA MÚSICA”

“RETRIBUO O QUE RECEBI, ENSINANDO”

“DISCIPLINA E ORGANIZAÇÃO EU LEVO DA BANDA PARA O TRABALHO”

“Houve uma época em que quis viver de música, mas quando minha primeira filha nasceu [ele tem duas, Beatriz, de 13 anos, e a caçula Alice, de dois, que demostra ter herdado o talento do pai], eu me ausentei. Queria muito

ser músico, mas também pai; preferi acompanhar o desenvolvimento da minha filha”, revela. Ele já tocou para 100 pessoas num evento em São Paulo, assim como numa ação da prefeitura de Barueri. “Ao longo do tempo, aprendi que sempre é possível trazer o novo na música: há sempre possibilidade de combinar acordes diferentes ou mesmo com aqueles que eu já utilizava. Isso faz com que tenhamos outras perspectivas”.

O técnico eletrônico Raphael Feu trabalha há cinco anos no laboratório analógico. Formado em engenharia de telecomunicações, é casado há nove anos, tem dois filhos e toca violoncelo. “Tenho 31 anos e comecei tocando violino aos 12. Fui bolsista no conservatório da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (FITO) em Osasco (SP)”, conta Raphael, que revela que no comecinho da carreira de músico chegou a montar um quarteto, que tocava em escolas e no teatro da cidade, pelo conservatório.

Tocar um instrumento está no sangue: um dos membros do quarteto, o do violino, era irmão de Raphael; a mãe toca órgão e o irmão mais novo, clarinete e violão. “Meu filho mais novo, de sete anos, está iniciando no violino. No comecinho de setembro, fizemos um número juntos, eu tocando violino e ele cantando um hino da igreja”, diz o pai orgulhoso.

O assistente administrativo Jairo Guedes da Silva tem 33 anos, é casado há nove anos e há quatro trabalha na Diebold Nixdorf. Ele toca teclado desde que tinha 18.

estúdio e fizemos o videoclipe no teatro do CEU Mitsutani. Este foi o start da banda. Em março de 2018 nos apresentaremos na Marcha para Jesus, em Embu das Artes”, conta.

No início foi hobby. Hoje ele integra a banda: Ministério de Louvor Refúgio, que tem 10 integrantes e toca músicas gospel nos cultos e em eventos. “Em setembro de 2016, a vocalista trouxe-nos uma letra, fizemos o arranjo, gravamos em

Jairo revela que a banda também possui outros vídeos no canal do YouTube. “Disciplina e organização são fatores que levo da música para o trabalho, e vice-versa. Tem uma lógica por trás: não é simplesmente tocar; é necessário ter planejamento”, finaliza.

Hoje, Raphael toca nos cultos da Congregação Cristã do Brasil e dá aulas: “Leciono para alguns jovens: retribuo o que recebi, ensinando”, finaliza.

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

23


24

ch e f s , ba r i st a s, so mme l i e rs e c ia

VAI UMA BRANQUINHA AÍ? Em meados de setembro, a empresária Cristiana Arcangeli investiu R$ 350 mil por 35% de participação da marca de cachaça artesanal Canana que, como o nome sugere, é feita de banana. Pensa que o fato aconteceu num escritório? Não, foi transmitida ao vivo por um programa de televisão: o Shark Tank Brasil, do Canal Sony.

O cenário mudou muito, sob o ponto de vista de tecnologia, cultura, negócios, embalagens e rótulos. Hoje as nossas cachaças estão ganhando os principais prêmios internacionais

Essa cena ilustra bem um movimento que vem surpreendendo o mercado: o crescimento do setor de cachaças artesanais de alambique, apesar da crise. Segundo a Associação Nacional dos Produtores de Cachaça, os 40 mil produtores espalhados pelo Brasil devem engarrafar, em 2017, cerca de 1,4 bilhão de litros de cachaça, 7%

José Lúcio Mendes

Presidente do Centro Brasileiro de Referência da Cachaça

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

a mais que em 2016, superando R$ 6 bilhões. O consumo não fica restrito ao mercado interno (apesar de as exportações representarem apenas 1% do total, afirma a Cúpula da Cachaça), e só não é maior devido à carga tributária: 81%. Antes tida como artigo popular, hoje a bebida é apreciada por pessoas das classes mais altas. Não por acaso, expressões como blend, traço cítrico, amadeirado ou frutado, entre outros, fazem parte do vocabulário dos consumidores. O presidente do Centro Brasileiro de Referência da Cachaça, José Lúcio Mendes, revelou em matéria da Rádio CBN, veiculada no dia 12 de junho: “O cenário mudou muito, sob o ponto de vista de tecnologia, cultura, negócios, embalagens e rótulos. Hoje as nossas cachaças estão ganhando os principais prêmios internacionais”. Um dos mais famosos polos produtores, onde recentemente até surgiu uma confraria feminina, é o estado de Minas Gerais – local onde a família de um colaborador da Diebold Nixdorf produz uma cachaça artesanal. Confira.


c hefs, baristas, som m elie r s e c ia

MEU NOME É CABOCLINHA Marco Pereira com seus familiares, produtores da cachaça Caboclinha

O processo é artesanal, cujo ciclo, do plantio da cana à preparação da bebida, leva seis meses, e envolve cerca de 20 pessoas de uma mesma família, entre pais, irmãos e cunhados. Um deles é Marco Pereira, que trabalha na assistência técnica da Diebold Nixdorf, mas que, aos finais de semana, junta-se ao time exercendo o cargo de “estagiário da moagem”, como ele, com humor, se intitula. Eles produzem dois tipos de cachaça artesanal: a Donzela, branquinha, e a Senhora, amarela. A primeira fica armazenada por pelo menos 180 dias em um tonel de inox; já a segunda, envelhece por três anos num tonel de carvalho europeu. São rótulos da Caboclinha, produzida desde 2012 na cidade mineira de Toledo, que fica a cerca de 130 km de São Paulo. Marco conta que a Caboclinha surgiu da intenção de seu irmão, André Pereira, sair da capital em busca de mais qualidade de vida. Este teve acesso a um estudo do Sebrae sobre os alambiques artesanais em Minas Gerais e se interessou pelo negócio. “Então, ele e meu pai, Sr. Toninho, fizeram um curso de mestre alambiqueiros. Assim nasceu a Caboclinha, que é uma maneira carinhosa de se referir à mulher sertaneja. Meu irmão queria um produto mais tradicional; daí o nome e a embalagem com a moça na janela”, explica. As instalações incluem 50 tonéis de carvalho, dois de jequitibá e dois de aço inox. Atualmente, a produção é de 20 mil litros anuais. No processo, Sr. Toninho e família, após a moagem e secagem da cana, utilizam o que sobra, o bagaço, na queima da caldeira, ao invés de madeira. Além disso, os resíduos da alambicada, que é bastante poluente, voltam para o terreno como adubo, ou são distribuídos a outros produtores para alimentação do gado. Acesse a página da Caboclinha no Facebook para saber mais: https://www.facebook.com/alambiquecaboclinha

Rev ist a Di ebol d N i xdorf | N úm ero 1 9 | J a ne i ro de 2 01 8

25


26

co mp l i a nce

POR QUE COMPLIANCE É IMPORTANTE? Nos últimos anos, devido aos avanços e complexidade do cenário empresarial e regulatório e, em virtude dos inúmeros casos de fraude e corrupção em nosso país, a área de Compliance, embora não seja uma novidade, vem ganhando maior visibilidade e ocupando mais espaço nas estruturas organizacionais das empresas dos mais variados setores, dando um novo direcionamento ao jeito de fazer negócios. Paula Marques, gerente de Ética e Compliance da Diebold Nixdorf Brasil, ressalta que o engajamento e participação da alta direção e

AVALIAÇÃO DE RISCOS

Periodicamente, a empresa deve avaliar os riscos do negócio, com base no ramo de atuação, cenário econômico e mercado em que está inserido para adoção de medidas eficientes.

GESTÃO DE TERCEIROS (DUE DILIGENCEA)

É necessário avaliar e confirmar a integridade dos terceiros – clientes, fornecedores, prestadores de serviços –para assegurar contratações idôneas e evitar riscos para a empresa.

demais colaboradores da DN são pontos positivos e fundamentais que reforçam o compromisso da empresa com a conformidade e integridade.

a credibilidade e reputação da empresa junto ao mercado - seus clientes, fornecedores, acionistas, colaboradores e órgãos reguladores.

A implementação e manutenção de Programas de Compliance demonstra a preocupação e o desejo das empresas em atingir seus objetivos de maneira correta, seguindo padrões éticos e em conformidade com as leis e melhores práticas do mercado. Além disso, os programas visam consolidar e fortalecer a relação com os parceiros comerciais e resguardar

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA

Ações de treinamento e comunicação regular devem fazer parte do plano de Compliance, para reforçar as diretrizes, valores e a cultura da empresa.

CONTROLES INTERNOS

Os controles internos buscam assegurar o cumprimento das políticas e procedimentos e devem ser testados periodicamente para garantir sua efetividade, aplicação e aderência

Rev i st a D ie b o l d Nixd o r f | Número 19 | Janeiro de 201 8

Atualmente, Compliance é sinônimo de integridade. Por isso, transformou-se em um diferencial para as empresas por agregar maior vantagem competitiva, confiabilidade, segurança e transparência na hora de fazer parcerias e estabelecer relações contratuais. Abaixo estão alguns dos pilares que norteiam os esforços e as iniciativas da área de Compliance na DN:

CANAL DE ÉTICA E INVESTIGAÇÕES

Um canal de denúncias para colaboradores e terceiros para relatar (de forma anônima ou não) casos concretos ou suspeitas de fraudes, práticas ilícitas e violações de políticas é um aliado importante da área para identificar e tratar os casos de desvios, cujo processo de investigação deve contar com o envolvimento de outras áreas relevantes (Recursos Humanos, Auditoria e outras).

MONITORAMENTO E AUDITORIA

Para confirmação do cumprimento dos procedimentos, é importante manter um plano de verificação regular dos controles internos e processos implementados.

CÓDIGO DE CONDUTA E POLÍTICAS DE COMPLIANCE

Eles devem ser claros e objetivos, com orientações precisas sobre os padrões aceitáveis e controles necessários na respectiva empresa.


anti f rau de

SOLUÇÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA E COMBATE A FRAUDES: SEGURANÇA E PROTEÇÃO DOS NEGÓCIOS EM SUAS MÃOS Baseado na coleta de dados de múltiplos canais, através de tecnologia de ponta instalada nos desktops e dispositivos mobile, e também na expertise de um time de especialistas em pesquisa e prevenção a fraudes, a solução integrada de segurança e combate a fraudes da DN, utiliza machine learning para entregar o máximo de proteção e segurança contra fraudes digitais do mercado. Utilizando um motor analítico de riscos e fatores adicionais de autenticação calculados em tempo real, a solução garante o menor nível de exposição contra fraudes em canais digitais e a melhor experiência para o usuário.

FATORES DE AUTENTICAÇÃO BASEADOS EM BIOMETRIA FACIAL, TOKEN E IDS ENTREGAM O MÁXIMO DE SOFISTICAÇÃO E EXPERIENCIA AO USUÁRIO CARACTERÍSTICAS:

• Solução que analisa dispositivos, transações e comportamentos e fornece uma nota de risco para o cliente. • Aprende diferentes padrões de ataques rapidamente e dissemina proteções para todos os canais e clientes que usam a solução. • Possui API de consulta ao risco da operação para fácil integração em canais. • Console de visualização de informações provenientes de todos os canais.

SUAS PRIORIDADES SÃO NOSSAS PRIORIDADES e v i s t a D i e b o| l dieboldnixdorf.com.br d Nixdorf | Número 19 | (11) R3643-3000

Novembro de 2017

TOKEN:

• Aplicativo compatível com iOS e Android • Logo e cores definidas pelo cliente • Atende múltiplos canais • Múltiplas contas no mesmo cliente

BIOMETRIA FACIAL:

• Face recognition • Compatível com Android e iOS • Dados biométricos anônimos • Integração rápida e fácil por web service

27


28

a n t i f ra ud e SERVICE MANAGED

VOCÊ NO CONTROLE DO SEU NEGÓCIO Com o Managed Service*, a Diebold Nixdorf pode fornecer alta disponibilidade de sistema, funcionalidade de transação expandida e experiências de consumidor aprimoradas

SERVIÇOS GESTÃO REMOTA:

GESTÃO DE CICLO DE VIDA DO SITE (LOJA/AGÊNCIA):

• Monitoração Ativa • Cash Management • Software Distribution • Segurança e Compliance

• Suporte - Planejamento, Gestão e Consultoria para abertura, fechamento e redesenho de sites • Operação - Gestão de terceiros e Operação do Site • Projetos - Gestão de Desempenho de todos equipamentos de TI

*Consulte o período mínimo de contratação

SUAS PRIORIDADES SÃO NOSSAS PRIORIDADES (11) 3643-3000 | dieboldnixdorf.com.br

Revista Diebold Nixdorf

|

Número 19

|

Novembro de 2017

Revista diebold 19  

Nesta edição, fique por dentro das tendências do varejo conectado.

Revista diebold 19  

Nesta edição, fique por dentro das tendências do varejo conectado.

Advertisement