__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Luis Silva

O sonho de ser... Xadrezista p. 11

Escola Cooperativa V.S. Cosme - Didáxis Número 78 Abril 2010

ENTREVISTA

SEMANA DA LEITURA p. 12 e 13

Carnaval p. 04

Dia do Pai p. 11

XADREZ: Inês Machado Oliveira Campeã Nacional Sub-14 p. 08 Limpar Portugal p. 02

“Semana Fitnessgram” p. 09

F1 in Schools p. 06

II Feira das Ciências p. 24


02

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

OPORTUNIDADES

EDITORIAL

P

ortugal viveu um curto período de prosperidade económica, depois de entrar na União Europeia. Décadas passadas, constatamos que não aproveitou a oportunidade para se fundir com a Europa, económica, tecnológica e culturalmente. Entretanto, a Europa irrompeu, em força, pelas nossas fronteiras e mudou, em certa medida, a paisagem, a economia, as leis… e nós, mudando por fora, não mudamos a nossa mentalidade. Apesar do muito que há de bom, Portugal, tal como a nossa região (Vale do Ave, do Pelhe, do Este…) continua um país pobre e desnivelado. Todavia, no contexto europeu, há países pequenos e ricos.

Landes (1998) diz-nos que “ o empenho no trabalho e no conhecimento explica por que é que alguns países se tornam mais ricos do que outros”. Nos países avançados, a economia da era industrial deu o passo à era da economia conduzida pelo conhecimento. Nas organizações, nas empresas públicas e privadas desses países, o capital intelectual, na interacção dinâmica das suas componentes, é a nova fonte de riqueza. Na era do conhecimento, as organizações que são capazes de inovar e são reconhecidas pelos clientes pelo seu valor, ganham vantagem competitiva sustentável, face à concorrência global. O recurso mais valioso das organizações está no capital humano, nas pessoas, no seu conhecimento, nas suas habilidades, na sua experiência, competências, na capacidade de resolver problemas. A gestão do capital intelectual implica uma nova cultura empresarial de criação, desenvolvimento e conversão do

conhecimento individual em conhecimento colectivo. Todavia, um conhecimento em renovação contínua implica formação e aprendizagem permanente, ao logo da vida, e neste sentido, algo começa claramente a mudar no nosso País. A vontade de agarrar o futuro, hoje, manifesta-se, por exemplo, no regresso da população adulta à Escola, que, reconhecendo que os conhecimentos obtidos enquanto jovens não são suficientes à vida, está a aproveitar a Iniciativa Novas Oportunidades. Com efeito, recentemente, no grande auditório da Casa das Artes, num acto solene emocionante, mais de três centenas de adultos, orgulhosos e confiantes, tiveram a oportunidade de receber, por acção do Centro de Novas Oportunidades da nossa Escola, um diploma que certifica um nível mais elevado, na sua educação e formação. Um exemplo para os mais novos

que, doravante, também têm a oportunidade de alargar o nível geral de conhecimentos, com o alargamento da escolaridade obrigatória até ao 12º ano /18 anos. Todavia, a sociedade da era do conhecimento é uma sociedade de controlo que implica disciplina e cumprimento de regulamentos, sob pena de exclusão. Sendo assim, não é aceitável que a formação se fique apenas pelo que é útil e eficaz à produtividade do trabalho. A efectiva reviravolta para uma sociedade de sucesso, uma sociedade com lugar para todos, passa pelo aprofundamento do conhecimento da democracia, implica os valores, as atitudes e os comportamentos cívicos, políticos e jurídicos próprios das sociedades desenvolvidas. Sendo desejável, a transformação é possível. Preciso é querer! Alcino Faria

“Limpar Portugal” – Didáxis

O

projecto Limpar Portugal foi idealizado por três amigos (Nuno Mendes, Paulo Torres e Rui Marinho), tendo por base uma iniciativa semelhante que ocorreu na Estónia, a 8 de Maio de 2008. A nossa escola decidiu aderir ao projecto, que se desenvolveu por todo o país, e, no dia 20 de Março, uniu-se ao Sr. Pedro Antunes (coordenador da freguesia) e à Junta de Freguesia de Vale S. Cosme, visando contribuir para esta iniciativa ecológica. Apesar do dia não estar muito convidativo, apareceram, na nossa escola, 63 voluntários, entre professores, alunos

e familiares. Fomos para a área que nos foi destinada, o Trilho do Castro da Bóca. Todos ficámos deveras impressionados com a quantidade de lixo que conseguimos recolher. No final da manhã, regressámos à nossa escola para almoçar, com a sensação de dever cumprido. Deixo aqui os meus sinceros agradecimentos à professora Patrícia Fernandes e às alunas Adriana, Gabriela, Ana Maria e Ângela da turma 12.1, pela ajuda prestada na divulgação do projecto junto dos alunos; às empresas: Talho Maxi, Talho Crespo, Sampaio Pimenta & Filhos, à Padaria Montinho e ao professor Joaquim Ferreira por patrocinarem o

almoço para os voluntários; ao Pedro Antunes e ao Eng. Ilídio Vilaça pela disponibilidade e apoios prestados. Por último, a todos quantos participaram nesta actividade, a nível local e nacional, que demonstraram que o voluntariado faz-se “quer faça chuva quer faça sol”. Utilizando as palavras do Nuno Mendes “foram todos uns verdadeiros heróis”. A 23 de Março foram contabilizadas 715 toneladas de lixo recolhidas, sem incluir os pneus recolhidos, e a nível concelhio participaram cerca de 1383 voluntários. Vamos manter as nossas florestas limpas!!! Sandra Freitas

Propriedade: Escola Cooperativa de Vale S. Cosme (DIDÁXIS), Avenida de Tibães, nº 1199, Vale S. Cosme – 4770 568 - V.N. de Famalicão, telf. 252910100 / Fax 252910109 Direcção: Alcino Faria Paginação e arranjo gráfico: José Azevedo Fotografia: Nuno Marinho, Paulo Silva e alunos do Núcleo Multimédia Redacção: Núcleo Multimédia Co-responsável pela redacção: Helena Dias Pereira Assessor de imprensa para o exterior: Pedro Reis Sá Impressão: Empresa do Diário do Minho Colaboração: Professores: Sandra Freitas,; Otília Loureiro; Patrícia Fernandes, Mário Oliveira; Maria João Drumond, Estevão Liberal, Adalberto Machado, Cristiano Silva, Paulo Oliveira, Marta Ferreira, Nuno Moinhos, Helder Cardoso, Vanessa Marques, Isabel Matos, António Batista, Emilia Cardoso, Anabela Nogueira; António Soares. Alunos: André Marinho, Tânia Ferreira, Patricia Duarte e Catarina Sá Duarte (turma 6.6), Turma 9.3, Turma 9.6, Turma 1.TGPSI, Guilherme Marques da Fonseca, Luís Silva 9.2, Helena Castro, Rosa Gomes, Fábio Costa (turma 6.1), Ricardo Costa 9.2, Ana Silva, Ana Torres, Francisco Carvalho, Gabriel Araújo, Ana Catarina Silva e David Peliteiro. João Reis, João Guimarães, Diogo Pinto (Turma 11.3), João Fontão 2.TR, Eva Neves 3.TCOM, João Silva 2.TEAC; Marina Veloso 2TGEI.


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

03

Jornal O Vale

Mini Concerto foi um Espectáculo

Comentários “Gostei de ser o apresentador deste evento cultural da nossa escola. Adorei a iniciativa”

“Adorei! Tive a oportunidade de ver e ouvir os colegas da escola a tocarem os seus instrumentos”.

André Marinho 6º6

Tânia Abreu 6º6

No dia 1 de Outubro de 2009, Dia Mundial da Música, houve um pequeno momento musical na Sala de Eventos, onde estiveram presentes vários colegas, Professores, Auxiliares de Acção Educativa… Tocaram alunos dos 2º e 3º ciclo e Ensino Secundário, desde repertório clássico, interpretando peças com o violino, o clarinete, o piano, a flauta transversal, ao repertório pop, como a guitarra e as congas… Para acabar em grande, algumas turmas de 6º e 7º ano, cantaram o “Intervalo, dos Perfume” e o nosso colega Miguel Mendes, da turma 6º6, e a professora Carla Reis Neves, de Educação Musical, tocaram a melodia na guitarra. Foi uma excelente iniciativa que nos permitiu ouvir aquele “pequeno grande” concerto que foi um espectáculo preparado pelas professoras de Educação Musical. Catarina Sá Duarte Turma 6º6

OS REIS/JANEIRAS NO VALE – NÚCLEO DE CAVAQUINHO

No dia 6 de Janeiro de 2010, os alunos do 2º e 3º ciclos da nossa escola cantaram os Reis/ Janeiras, junto da sala dos professores. As Professoras de Educação Musical / Núcleo de Cavaquinho, Carla Reis Neves e Paula Pereira, e a Professora de Matemática e, também nossa Directora de Turma, Ana Raquel Moreira, responsáveis pelos ensaios, também participaram nesta actividade. O nosso grupo musical foi muito aplaudido. Acerca desta actividade, o Director do 2º Ciclo, o professor Hélder Cardoso, afirmou: «Gostei muito do espectáculo. Foi muito bonito. Foi um acontecimento diferente, com muitos alunos e com instrumentos musicais tradicionais, pouco usuais na nossa escola.»

No dia 9 de Janeiro, o Grupo Musical reuniu-se novamente para cantar os Reis/ Janeiras na Igreja de S. Cosme do Vale. As melodias apresentadas foram «Aqui Vimos Todos» e «De Belém Vimos». Foi uma actuação diferente e de grande qualidade. Os nossos pais puderam assistir à nossa prestação e apreciar a nossa evolução, ao nível da Educação Musical. O grupo coral Didáxis, ensaiado pela maestrina Mónica Pais, também apresentou várias melodias, encantandonos com a sua prestação. A igreja estava repleta e houve muitos aplausos e elogios no final do espectáculo. A 15 de Janeiro, os alunos da turma 6.6, juntamente com as professoras Ana Raquel Moreira e Carla Reis Neves,

actuaram em restaurantes, para angariar fundos para uma Visita de Estudo de Final de Ciclo, que se realizará nos dias 1 e 2 de Abril. O primeiro restaurante onde actuaram foi o Forever e o segundo foi o Outeirinho, onde actuaram duas vezes - numa festa onde decorria um jantar de Natal e numa onde se encontravam casais a jantar. Assim, em nome da turma 6.6, podemos afirmar que, depois de procedermos à contagem do dinheiro… ficámos muito felizes com o nosso resultado! A nossa turma gostou muito de participar nestas actividades e deseja que se voltem a desenvolver no próximo ano! Tânia Ferreira e Patrícia Duarte – 6.6


04

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

DESFILE / CONCURSO “Máscaras” de CARNAVAL O Departamento de Expressões Artísticas e Tecnológicas, pretendendo comemorar o tradicional Carnaval e, também, dar a conhecer à Comunidade Educativa os trabalhos artísticos realizados no âmbito das disciplinas de E.V.T. pelos alunos do 5º e 6º anos, realizou, no dia doze de Fevereiro, um desfile/concurso de máscaras tridimensionais feitas e decoradas pelos alunos. A iniciativa pretendeu valorizar o empenho, a criatividade e a imaginação, assim como, o rigor técnico e o sentido estético que constituíram os critérios da selecção das melhores máscaras. Cumpriu-se, assim, um dos grandes objectivos da disciplina, que consiste em colocar em prática e possibilitar aos alunos a demonstração das técnicas que adquiriram nas aulas, bem como envolver a comunidade escolar no clima hilariante de alegria e entusiasmo. Fizeram parte do júri os seguintes elementos: Professores Carlos Silva e Hélder Cardoso (membro da Direcção Pedagógica), Dª Joaquina chefe dos serviços administrativos e a aluna do ensino secundário Cátia Soares. Estes foram unânimes na atribuição dos seguintes prémios:

5º Ano: 1º - Prémio - Ariana Patrícia da Silva Oliveira, nº 7382, 5º4 2º - Prémio -Paulo Miguel Gomes Cruzeiro, nº 7584, 5º6 3º - Prémio -Ana Filipa Pereira Ramos, nº 7418, 5º3 6º Ano: 1º Prémio - Juliana Isabel Gonçalves Carvalho, nº 6903, 6.8 2º Prémio - Carlos Filipe Marques Cruz, nº 6832, 6.5 3º Prémio - Luís Miguel Campos Pereira, nº 6849, 6º5 A todos os participantes muito obrigada e muitos parabéns pelos belíssimos trabalhos apresentados. A Coordenadora Otília Loureiro

Baile de Carnaval No dia 12 de Fevereiro realizou-se na nossa Escola um Baile de Carnaval, com o objectivo de angariar fundos para a viagem de finalistas doa alunos do 9º ano, a Paris. Com a colaboração de todas as turmas foi possível realizar, na Sala de Eventos, uma grande festa com um excelente ambiente! Desde o som à limpeza, tudo estava perfeito e, com a ajuda de todos, aquele dia transformou-se num magnífico dia! O Baile teve um pouco de tudo: pipocas, a cargo do Gaspar, da 9.6, som, a cargo da 9.1, decoração, a cargo da 9.5, comida, a cargo das turmas 9.3, 9.4, 9.5, 9.6 e a entrada, a cargo da turma 9.2. Foi saltar, dançar e gritar até ao

fim. O sucesso foi total a todos os níveis. Queremos, desde já, agradecer a colaboração de todos os que se empenharam e tornaram possível a realização desta tão fantástica e lucrativa actividade: Direcção Pedagógica, Directores de Turma, Pais/ Encarregados de Educação, Alunos do 9º ano e Alunos de toda a Escola. Gostaríamos de tecer um especial agradecimento à Pastelaria – Pão Quente – Miga Doce, que, com as suas deliciosas ofertas, contribuiu para um Baile ainda mais divertido e… saboroso! Ansiamos pelo próximo… Turma 9.6 – Liliana Carvalho, João Rebelo

Jovens talentos Virados para o ambiente Somos o Grupo 2 do projecto «Jovens Talentos», um projecto coordenado pelo professor da nossa Escola, Paulo Lago, com a supervisão do Professor Doutor Leandro de Almeida, da Universidade do Minho. O tema escolhido para este ano é «Sustentabilidade da Terra» e o nosso grupo está a trabalhar o subtema – A Biosfera. Durante o 1º Período estivemos a recolher dados sobre o estado em que se encontra o nosso solo e organizamos um «dossier» com materiais pesquisados na INTERNET e outros fornecidos pelas nossas professoras Sandra Freitas e Maria Emília Cardoso. Embora nós já tivéssemos algum conhecimento sobre o estado em que se encontra o nosso PLANETA TERRA, com o nosso «dossier» temático nós ficamos a conhecer

muito mais profundamente os problemas do meio ambiente. Gostamos muito da palestra sobre as políticas do meio ambiente pois recebemos informações muito importantes sobre os países mais poluidores do planeta (China, Índia, Estados Unidos) e também sobre os países que não cumpriram o principal objectivo do Protocolo de Quioto, que era de reduzir em 5% as emissões de Dióxido de Carbono para a atmosfera. Foi também graças a este projecto que nós ficamos muito bem informados sobre a Cimeira de Copenhaga e fomos sensibilizados para acompanhar todas as decisões que lá se tomaram. Ficamos muito desiludidos com os nossos políticos pois apercebemo-nos que eles não ficaram muito sensibilizados para o

perigo que a TERRA corre e não conseguiram colocar os interesses de todos os habitantes do Planeta acima dos seus próprios interesses. Como jovens, estamos preocupados com o nosso futuro, pois se não mudarmos o nosso comportamento, se não mostrarmos mais respeito pelo ambiente, a TERRA, tal qual a conhecemos agora, não durará muito tempo. No 2º Período, iniciámos a 2ª fase do nosso projecto, com a criação de um pequeno livro de contos que aborda o «sofrimento» da TERRA. Durante as férias do Natal, ficámos a pensar nas personagens e nas histórias que iriam fazer parte do nosso livro e a partir de Janeiro deitámos mãos à obra! No final do ano, esperamos conseguir terminar o nosso produto final, com a qualidade que este grupo certamente saberá apresentar.

Ana Silva, Ana Torres, Francisco Carvalho, Gabriel Araújo, Gabriela Sousa, Ana Catarina Silva, David Peliteiro


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

05

Jornal O Vale

Actividade

“VAMOS KIMIKAR” No intuito de fazer um breve relato acerca de uma visita de estudo que a turma 8.4, à qual eu pertenço, fez à Universidade do Minho, procurarei demonstrar-vos que a Química não é tão “chata” como alguns podem pensar, muito pelo contrário! No dia 13 de Janeiro a minha turma partiu da escola, por volta das 13:00h, para uma fantástica visita ao Mundo da Química! Apesar do tempo bastante chuvoso em

Braga, fomos muito bem recebidos pelos estudantes e professores. A turma foi dividida em dois grupos, para facilitar o trabalho e assim podermos realizar todas as experiências que nos foram propostas. Fizemos seis experiências diferentes, como, por exemplo, a que todos nós gostamos imenso, a criação de um “Pega-Monstros”, que nos autorizaram a trazer para nossas casas como recordação. Mas não pensem

que era só brincadeira… No final de cada experiência, tínhamos de responder a algumas perguntas relacionadas com a mesma, para colocarmos em prática a nossa sabedoria e para podermos confirmar que aquilo tudo não era magia, mas sim Química! Mais tarde, fizemos uma pequena visita guiada aos estabelecimentos desportivos da Universidade, os estudantes universitá-

No âmbito do projecto Kimicar, na disciplina de Físico-Química, a nossa turma deslocou-se à Universidade do Minho para, deste modo, experimentar todo um mundo relativo à química. Nesta visita, realizada

no dia 20 de Janeiro, efectuámos várias experiências relacionadas com a química como, por exemplo, a elaboração de um “Pega-Monstros”. Esta experiência foi a que, no geral, motivou mais os alunos pre-

sentes. Acompanhados por um guia experiente no ramo do desporto, visitámos, também, as instalações desportivas da Universidade do Minho. Também esta actividade promoveu o gosto pelo desporto e

ALGUNS TESTEMUNHOS… Eu gostei imenso da visita de estudo à UM, particularmente da visita aos pavilhões desportivos. Nuno Vieira 9.3

Eu achei esta experiência muito enriquecedora a nível de conhecimentos científicos. Foi também muito engraçado conviver com os alunos da universidade. Vera Silva 9.3

Eu penso que a visita à UM foi bastante didáctica para todos os alunos. Além disso, creio que toda a turma se divertiu muito.

Gabriela Oliveira 9.3

rios ou mesmo nós podemos manter uma boa forma física. Infelizmente, por volta das 18:20, tivemos de voltar para as nossas casas. Agora, a única coisa que nos resta é olharmos para os nossos “Pega-Monstros” e recordarmos o empolgante dia à volta da Química! Daniela Azevedo, 8.4

incentivou muitos de nós a prosseguir os seus estudos nesta mesma universidade.

Alunos da turma 9.3

Para mim, esta foi uma tarde muito bem passada. No entanto, as experiências que realizámos sobre a Química foi a parte que mais me entusiasmou, nomeadamente a criação de um vulcão. João Dias 9.3


06

A

Ano XXII

Jornal O Vale

F1 in Schools

lunos da Didáxis de S. Cosme protagonizaram a reportagem sobre o F1 in Schools, transmitida pela Jornal da Tarde da RTP, no dia 12 de Abril de 2010. Uma peça que antecipa as finais regionais e nacional deste projecto liderado pela RECET e que envolve vários Centros Tecnológicos de Portugal. Recorde-se que este projecto tem como objectivo motivar alunos para a Indústria recorrendo a tecnologia e inovação. O F1 in Schools consiste no desenvolvimento, por parte dos alunos e com recurso a software 3D, de carros de Fórmula 1 em miniatura, levando em conta conceitos como a

A

nº 77 Abril 2010

aerodinâmica e o design. Cada equipa desenvolve uma estratégia de marketing de modo a angariar patrocinadores e constrói um portefólio onde demonstra todo o seu trabalho. A Didáxis participa no F1 in Schools dinamizado pelo CITEVE com 15 equipas, envolvendo perto de 100 alunos e vários professores, nomeadamente o Prof. Paulo Oliveira, Prof. Cristiano Silva, Prof. Rui Cancelinha e o Prof. João Dias. A final regional organizada pelo CITEVE vai ter lugar no próximo dia 14 de Abril, no Lago Discount, no âmbito da Quinzena da Educação, actividade promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. Neste momento, cinco equipas

da Didáxis lutam por um lugar na final. Os “86 OverWhells”, a “Team Echoes”, os “The Legacy”, “Avalanche Team” e a “GroundForce”. Na final regional as equipas terão um stand individual onde vão divulgar todo o trabalho efectuado, para além de apresentar o seu trabalho ao júri do concurso e competir em pista de modo a comprovar a velocidade e aerodinâmica do seu carro. A final regional elege 3 equipas para a final nacional. A melhor equipa do país participará na final mundial, a realizar em Singapura.

Didáxis no pódio da RoboParty®

RoboParty® consiste num evento pedagógico que reúne equipas de 4 pessoas, durante três dias e duas noites, para ensinar a construir robôs móveis autónomos, de uma forma simples, divertida e com acompanhamento por pessoas qualificadas. A RoboParty® é idêntica a uma LANParty e também funciona 24h/24h mas tem um objectivo pedagógico e educacional. Inicialmente, é dada uma curta formação (para se aprender a dar os primeiros passos em Electrónica, programação de robôs, e construção mecânica), depois é en-

tregue um KIT robótico desenvolvido pela empresa SAR - Soluções de Automação e Robótica e pela Universidade do Minho, para ser montado pelos participantes (Mecânica, electrónica, e programação) e que no final do evento pertence à equipa. Todas as equipas têm acompanhamento de pessoas com conhecimento para ajudar na construção e programação do teu robô. Decorrem em paralelo diversas actividades lúdicas como desporto, música, Internet. Cada participante traz o seu saco cama e fica lá durante todo o evento. São ainda dadas a conhecer as regras das competições nacionais e internacionais de robótica mais importantes, para que os participantes se possam aventurar neste mundo da robótica. A Didáxis, Cooperativa de Ensino de S. Cosme do Vale, participou com duas equipas tendo conseguido resultados meritórios, entre 120 equipas participantes num total de cerca de 500 pessoas intervenientes directamente neste RoboParty®. Assim sendo, na prova de perseguição, a DidaRun (assim se chamava a equipa) ficou na segunda posição. Os membros Ma-

nuel Araújo e João Silva, juntamente com o professor Cristiano Silva, conseguiram a medalha de prata neste evento que consistia num conjunto de eliminatórias com dois robôs por prova. A equipa da Didáxis só foi vencida na final por uma equipa de estudantes universitários. Na prova de Obstáculos, em que o robô tinha que sair de um labirinto sem embater nas paredes, a formação da Didáxis, com o nome DidaLine, conseguiu a terceira posição.

Os elementos Joel Moreira e Bruno Pinheiro, auxiliados pelo professor Vítor Machado, finalizaram com o terceiro melhor tempo, depois de analisadas as penalizações de se embater na parede, em 120 equipas participantes. Esta foi mais uma iniciativa em que o Núcleo de Robótica da Cooperativa de Ensino Didáxis de S. Cosme participou. Mais do que os bons resultados, o importante prende-se na aprendizagem dos alunos em funcionar com este tipo de robôs.

II DEBATE PRÓS E CONTRAS 2009/2010 - AMBIENTE vs. ECONOMIA O II Debate Prós e Contras deste ano lectivo colocou em confronto duas dimensões fundamentais da existência humana: por um lado, a importância do desenvolvimento económico como forma de assegurar qualidade de vida a todos os seres humanos; por outro, a necessidade de respeitar e proteger a nossa casa comum – o Planeta. O debate, dinamizado por alunos do Ensino Secundário (Cursos Profissionais e Ciências e Tecnologias), mostrou que o tema não é tão consensual como à primeira vez se poderia pensar, uma vez que são várias as dificuldades que se levantam, sobretudo por vivermos hoje um perío-

do de crise económica e de graves desigualdades entre os países mais desenvolvidos e menos desenvolvidos. Talvez por isso tenha sido tão difícil chegar-se a um acordo na Cimeira de Copenhaga… A actividade contou com a presença do Vereador do Ambiente, o Eng. José Manuel Santos, que participou na discussão, analisando o problema do ponto de vista dos órgãos de gestão da autarquia e enunciando algumas das medidas que o Município pretende adoptar na área ambiental.


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

07

Jornal O Vale

PEJ: Parlamento Europeu Jovem 1ª Sessão Inter-Escolas Em virtude da vitória na última edição regional do PEJ e dando continuidade ao espírito empreendedor demonstrado já inúmeras vezes, a nossa Escola decidiu organizar, nos passados dias 8 e 9 de Janeiro, uma 1ª Sessão Inter-Escolas para a qual convidou as seguintes instituições da região: a nossa parceira Didáxis de Riba de Ave, o Instituto Nun’Alvres, o Colégio Didálvi, o Externato Delfim Ferreira e o Externato D. Henrique. No primeiro dia, a nossa Escola deu as boas-vindas a todas as delegações que preencheram a sua tarde com jogos didácticos, que visavam o convívio inter-escolar, e com uma revisão das suas moções junto dos seus “chairs” (alunos encarregues de orientar as delegações neste projecto), precavendo-se de investidas alheias e preparando ataques às medidas apresentadas pela oposição. No dia seguinte, dia das apresentações finais, as actividades tiveram lugar no auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide S. Miguel, onde estiveram presentes diversas individualidades, como o Director Regional de Educação do Norte, António Leite, Nuno Melo, deputado Europeu, Mário Passos, vereador da Juventude na Câmara de Famalicão, José Cerqueira, director da Cooperativa de Ensino Didáxis, assim como os directores pedagógicos das

diversas escolas presentes e ainda a presidente da Associação Portuguesa do PEJ, Joana Vieira da Silva. Antes das intervenções da praxe, o núcleo de Teatro realizou um momento cultural, deveras elogiado, com a encenação do mito português “O Velho do Restelo”. Este foi um dos momentos altos do dia no Centro de Estudos Camilianos, onde a cultura portuguesa foi evocada e apreciada por todos. Apesar de todo o nervosismo inerente à circunstância, temas como Segurança (Riba de Ave), Hábitos Alimentares Saudáveis (Externato Delfim Ferreira), Leitura (Externato D. Henrique), Cidadania (INA) e Migração (Didálvi) foram apresentados com brilhantismo, discutidos e avaliados, não só na perspectiva dos membros do parlamento, mas também por um grupo de jurados pertencente ao Parlamento Europeu Jovem. No final do dia, já no recinto da nossa Escola, realizaram-se actividades desportivas e culturais, em que a palavra de ordem foi a convivência e, para encerrar a noite em beleza, cada escola interveniente presenteou as demais com a apresentação de sketches humorísticos e sensibilizadores, imediatamente seguida pela entrega de prémios, onde foi divulgado, como grande vencedor, o Externato Delfim Ferreira, com a moção Hábitos Alimentares Saudáveis.

O principal intuito desta iniciativa foi fomentar nos jovens o interesse pelos principais problemas da nossa sociedade e, tal como no parlamento, onde ouvimos os nossos políticos discutir medidas eficazes para o nosso país, desta feita foram os jovens a compor o parlamento e a apresentar/defender as suas moções.

Para finalizar, gostaríamos, apenas, de salientar o facto de todo este projecto ter sido quase totalmente levado a cabo apenas por alunos da nossa Escola (“chairs” e “organizers”), tendo estes demonstrado uma atitude bastante determinada e prestativa, bem como mostrado estar à altura do desafio. João Reis, João Guimarães e Diogo Pinto, 11.3

Semana das línguas Estrangeiras “Uma Semana de União Linguística” O Departamento de Línguas Estrangeiras, da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme Didaxis, celebrou a III edição da Semana das Línguas Estrangeiras. Uma Semana dedicada à representação, ao canto e à declamação nas três línguas estrangeiras - Inglês, Francês e Espanhol – ministradas. Foram variadíssimas as actividades que decorreram nesta semana: momentos culturais, Café-concerto, Five O’clock Tea, Petit Déjeuner, jogos de futebol, envolvendo representantes dos três países de Língua Estrangeira, The weakest Link, cinema e, para concluir a semana, um almoço tipicamente British apreciado pelos professores de Línguas Estrangeiras e pelos membros da Direcção Pedagógica. O momento alto daquela sema-

4º SEMINÁRIO “ESPAÇOS VERDES NO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO” (4 de Março de 2010) A Didáxis Escola Cooperativa de Vale de São Cosme, em parceria com a empresa Mesquita Guimarães, Agro-Florestal, Lda., promoveram, no passado dia 4 de Março mais um encontro de especialistas para um debate em torno da importância dos espaços verdes no ordenamento do território, que decorreu no salão nobre da Universidade Lusíada em Vila Nova de Famalicão, tendo superado todas as expectativas. A Sessão teve início com a apresentação de projectos à escala local, pelas arquitectas paisagistas Elisa Bairrinho (AGROPARQUE – Uma Estratégia para a Estrutura Ecológica Urbana) e Cristina Pereira (Corredor Ribeirinho do Rio Pelhe: da escala

municipal à definição da Estrutura Ecológica Urbana de Vila Nova de Famalicão), tendo-se posteriormente realizado uma

“Estes seminários são já um clássico dos espaços verdes em Portugal” “Uma iniciativa ímpar no Noroeste de Portugal” Paulo Farinha Marques mesa redonda, que reuniu especialistas de diversas áreas, moderada pelo Prof. Doutor Paulo Farinha Marques (Arq. Paisagista), e que proporcionou uma reflexão profícua e profunda sobre a temática do seminário.

Esta edição ficou ainda caracterizada pela participação do Prof. Doutor Valleria Paül Carril, da Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) e pela apresentação pública de um sítio na internet, a plataforma do “Seminário Espaços Verdes”, que se pretende interactiva entre a organização e o público-alvo. Muito em breve será possível o acesso a todos os conteúdos dos seminários já decorridos e apresentação de novas edições. Estamos já a preparar a 5ª Edição e prometemos novidades. A organização: Escola Cooperativa de Vale S. Cosme (Didáxis) e empresa Mesquita Guimarães, Agro-Florestal, Lda.

na foi a abertura, logo pela manhã, desenvolvida por alunos de diversas turmas e níveis de escolaridade, que, com diversas apresentações de poesia, dança, música e teatro, a três línguas, revelaram a máxima dedicação e empenho alguma vez observado, e encantaram uma plateia receptiva e entusiasmada. Nesse mesmo dia, e como sempre, os membros deste Departamento proporcionaram, a todo o corpo docente, um delicioso Five O’clock Tea, havendo um pormenor importante a destacar: professores e alunos envolveram-se no canto e na música … um verdadeiro café-concerto, num ambiente de cultura e convívio!


08

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

CAMPEONATO NACIONAL DE JOVENS DE XADREZ NXVSC - DIDÁXIS BRILHA: Inês Machado Oliveira Campeã Nacional Sub-14 Alice Machado Oliveira Vice-Campeã Nacional Sub-08 Luis Silva quinto lugar Sub-16

Inês Machado Oliveira alcança feito inédito na história do NXVSC-Didáxis!

Decorreu em Torres Vedras, no Hotel Golf Mar, entre os dias 28 de Março e 1 de Abril, o Campeonato Nacional de Jovens de Xadrez 2010. Os Campeonatos Nacionais de Jovens foram organizados pela Federação Portuguesa de Xadrez, com o apoio do Hotel Golf Mar, IDP, Câmara Municipal de Torres Vedras, FCCN e Águas do Vimeiro. A competição subdividiu-se em 7 torneios, designadamente: sub-8, sub-10, sub-12, sub-14, sub-16, sub-18 e sub-20, num total de 400 jogadores. O N.X.V.S.C. – Didáxis participou neste torneio pela sétima vez consecutiva, fazendo-se representar com 14 atletas associados ao Distrito de Braga, sendo o balanço bastante positivo, em relação às épocas

anteriores, perspectivando-se, com efeito, o desenvolvimento da modalidade e a respectiva sedimentação no Concelho de Vila Nova de Famalicão. O responsável pela delegação foi o professor José Azevedo e o apoio técnico foi garantido pelo treinador FIDE António Caramez Pereira. Foi, pois, com enorme satisfação que o N.X.V.S.C.-Didáxis registou um feito inédito: Inês Machado Oliveira, no escalão Sub-14, em 68 participantes, alcançou o seu primeiro título nacional feminino, na vertente lentas (90 minutos para cada jogador acabar a partida com 30 segundos de incremento por cada lance efectuado), após a conquista na época passada do vice-título nacional. De realçar, também, a sua classificação absoluta: 4º lugar obtendo 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota. O campeão absoluto foi David Martins que apenas cedeu um empate (6,5 pontos) perante a famalicense Inês Machado Oliveira! No escalão Sub-08, a sua irmã, Alice Machado Oliveira alcançou o seu primeiro vice-título nacional feminino com os mesmos pontos que a campeã, Cristina Martins (Clube Amador de Mirandela), mas pior coeficiente de desempate. No que concerne à classificação absoluta posicionou-se em 9º lugar (5 pontos) em 46 participantes. O grande vencedor acabou por ser André Costa (Pontex - S. Tirso) cedendo apenas um empate no torneio (6,5 pontos). No mesmo escalão, os colegas de equipa, André Cardoso (4 pontos) e Elisa Machado Oliveira (3,5 pontos) obtiveram prestações bastante satisfatórias classificando-se em 14º e 23º lugares, respectivamente. No escalão Sub-16, Luis Miguel Silva continuou a dar provas de estar em grande forma classificando-se no 5º lugar (5 pontos) perdendo apenas com o 1º e 2º classificados, Pedro Neves (Clube de Xadrez Montemor o Velho) e Jorge Viterbo Ferreira (Grupo Desportivo Dias Ferreira - Mato-

sinhos), respectivamente. A campeã foi, mais uma vez, a vimaranense Ana Meireles (Amiguinhos do Museu Alberto Sampaio – Guimarães). Rui Pedro Gomes (15º lugar; 4,5 pontos), Pedro Ferreira (33º lugar; 3,5 pontos) e João Guerra (37º lugar; 3,5 pontos) cumpriram amplamente os objectivos predefinidos.

Alice Oliveira Vice-Campeã Nacional Sub-08!

Ivo Dias, no escalão Sub-12, em 77 participantes, alcançou o 11º lugar (5 pontos), mas chegou a sonhar com o pódio caso vencesse a última sessão. O vencedor, com performance 100% vitoriosa, foi Henrique Aguiar (Clube dos Galitos – Aveiro) e Diana Nogueira (Moto Clube do Porto) foi a campeã. Rui Barreira, no seu 1º ano neste escalão, com 4 vitórias e 3 derrotas superou a performance de 50% alcançando o 30º lugar. Os estreantes Carlos Azevedo e Francisco Machado Ruivo classificaram-se em 63º e 74ºlugares, respectivamente.

Luis Romano, no escalão Sub-18, em 34 participantes, obteve o 12º lugar (4 pontos) e só uma derrota na última jornada o afastou, também, do pódio. A sua colega de equipa, Alice Marinho, lutou pelo pódio feminino até à última partida obtendo um empate e não sendo suficiente (3 pontos em 7 jogos) classificou-se em 5º lugar feminino (24º lugar absoluto). Atendendo aos resultados obtidos por estes atletas podemos afirmar que temos um futuro promissor, traduzindo-se consequentemente numa progressão do Xadrez Concelhio. O NXVSC-Didáxis gostaria de agradecer o apoio da Cooperativa de Ensino Didáxis CRL aos nossos campeões distritais, da Associação de Pais da Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis a duas jovens promessas, bem como, aos Encarregados de Educação pela sua organização no transporte e toda a logística necessária para o bem-estar dos nossos atletas. A nível distrital tem que se realçar, para além dos dois pódios conquistados por atletas do NXVSC-Didáxis, o título nacional feminino de Ana Meireles (A.M.A.S. - Guimarães) no escalão Sub-16 e o 3º lugar feminino alcançado por Beatriz Rasteiro (GDR Amigos de Urgeses) no escalão Sub08. De destacar, também, o 5º lugar obtido por Bruno Ribeiro (A.M.A.S. - Guimarães) no escalão Sub-12; o 6º e 7º lugares obtidos por Carlos Machado (GDR Amigos de Urgeses) e Alexandre Belsley (A.M.A.S. Guimarães), respectivamente no escalão Sub-16; o 4º lugar de Nuno Martinho (Escola E.B. 2,3 João De Meira) no escalão Sub18 e 6º lugar de Carlos Novais (A.M.A.S. - Guimarães) no escalão Sub-20. Prof. Mário Oliveira

Preliminar do Campeonato Distrital Absoluto (Vale S. Cosme) Nuno Miguel Silva vencedor surpresa!

Nuno Miguel Silva vencedor surpresa!

O Núcleo Xadrez de Vale S. Cosme - Didáxis organizou em parceria com Associação de Xadrez de Braga uma das Preliminares Distritais Absoluto na Escola Cooperativa Vale S. Cosme.Esta competição iniciouse no mês de Fevereiro e finalizou-se no passado dia 26 de Março.Bruno Gomes (NXVSC-Didáxis) liderou o torneio até à 7ª e última sessão, sendo surpreendido pelo seu colega de equipa Nuno Miguel Marques da Silva que terminou o torneio com 6 vitórias e 1 derrota. O último lugar do pódio foi ocupado por Rui Pedro Gomes (5,5 pontos) que alcançou na tabela classificativa o seu irmão mas obteve um coeficiente de desempate inferior.

Este Campeonato teve a participação de 32 jogadores oriundos do Famalicense Atlético Clube, Clube de Xadrez Escola Bernardino Machado e NXVSC-Didáxis permitindo o apuramento de 7 jogadores para a Final Distrital Absoluto 2010 de Xadrez que decorrerá nas instalações dos Amigos de Urgeses – Guimarães a partir do dia 16 de Abril e prolongando-se até ao dia 4 de Junho (6ª feira, 21h00m). Desta forma, ordenados pela tabela classificativa, os restantes apurados foram: Hélio Silva (NXVSC-Didáxis), José Veloso (FAC), João Veloso (NXVSC-Didáxis) e Pedro Ferreira (NXVSC-Didáxis) e, Miklos Nagy e Ivo Dias (NXVSC-Didáxis) aguardam uma pos-

sível repescagem. De realçar, também, que 5 atletas do NXVSC-Didáxis já se encontravam apurados directamente para a Fase Final graças ao seu rating FIDE/Classificação na Fase Final da época transacta: Mário Oliveira, Ricardo Cardoso, Yaroslav Minakov, Luis Silva e Luis Romano. As Preliminares Distritais envolveram a participação de cerca de 150 jogadores subdivididas por Escola EB 2,3 João de Meira, Casa de Vila Pouca, Museu Alberto Sampaio e Urgeses (Guimarães), Vale S. Cosme (Vila Nova de Famalicão) e Barcelos constituindo um factor de desenvolvimento crescente da modalidade no Distrito de Braga.

“Infantis entram finalmente em acção” Foi no dia 6 de Fevereiro de 2010 que a equipa infantil masculina de Basquetebol da nossa Escola realizou a sua primeira jornada competitiva e oficial. Após um ano lectivo completo sem actividade competitiva, devido ao facto de não existirem equipas de outras escolas no mesmo escalão e, por isso a incapacidade de realização de um torneio oficial, a nossa equipa apresentou-se motivada e cheia de vontade de demonstrar o seu valor.

A nossa equipa deslocou-se à escola EB 2/3 de Manhente e realizou dois jogos, um contra a equipa da escola organizadora da jornada e outro contra a equipa da escola EB 2/3 D. Maria II. A experiência foi bastante enriquecedora, e esse era o nosso principal objectivo. Foi bastante interessante observar a prestação positiva e a evolução dos nossos pequenos atletas que se superaram e valorizaram o nome e a imagem da nossa

Escola. Efectivamente, e em termos de resultado, não conseguimos ganhar as duas partidas. A escola organizadora apresentou-se no jogo bastante forte e determinada, com uma equipa constituída quase na totalidade por alunos do 7º ano. Deste facto se percebe que não conseguimos ultrapassar este adversário, mas, por outro lado, a nossa prestação no jogo com a escola EB 2/3 D. Maria II foi bastante positiva, pelo que saí-

mos vencedores. Finalizando, aproveito esta oportunidade para dar, mais uma vez, os parabéns aos meus alunos/atletas pela personalidade demonstrada em campo, reconhecendo que somos uma equipa bastante jovem, com muita força de vontade e com uma grande margem de progressão. Professor Estêvão Liberal


Ano XXII

09

Jornal O Vale

nº 77 Abril 2010

Futsal Infantil Masculino No passado dia dezasseis de Janeiro, iniciouse a primeira fase dos quadros competitivos de futsal do Desporto Escolar no escalão infantil. A Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, como já é tradição, iniciou da melhor forma a competição, tendo ganho os dois primeiros jogos. S. Cosme venceu a Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Lijó por 6 – 1 e o Colégio La Salle a formação da casa por 3 – 1. Os seguintes dois jogos, no dia vinte e três de Janeiro, foram realizados na Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Lijó, tendo a nossa escola ganho os dois jogos por 3-1. Os últimos dois jogos desta fase realizaram-se dia seis de Fevereiro e ditaram uma primeira fase recheada de vitórias, sem qualquer derrota ou empate, em nossa casa. Os Infantis de Futsal ganharam os dois jogos por 5-4 e sagraram-se campeões da primeira fase com 18 pontos em 18 possíveis. Os alunos que tiveram a oportunidade de participar nestes encontros dividem-se por 3 anos lectivos: 5º, 6º e 7º anos. Os participantes nos

encontros foram: Maximiano Campos, Bruno Araújo, Mauro Faria, Abílio Almeida, Duarte Oliveira, André Marinho, André Costa, Jorge Pinho, Carlos Pereira, José Ribeiro, André Faria, Joel Alves, Luís Andrade, Bruno Costa, Rui Correia, Luís Vale, Luís Sousa, Diogo Marques, Pedro Carvalho como sub-capitão e Eduardo Rebelo como capitão de equipa. Estes alunos, bem como outros que ainda não tiveram a oportunidade de participar nestes encontros competitivos, treinam duas vezes por semana no pavilhão da escola Cooperativa Vale S. Cosme. Apesar de ainda muito jovens, tenho muito gosto em orientar estes alunos. Espero que eles tenham muitas alegrias no desporto e possam também trazer para a nossa escola o reconhecimento do bom trabalho que aqui é feito a favor da Educação Física e do Desporto Escolar. Saudações Desportivas Professor Nuno Moinhos

“Semana Fitnessgram” – 1 a 5 de Março de 2010 Na semana de 1 a 5 de Março de 2010, pelo terceiro ano consecutivo, o Departamento de Educação Física e Desporto Escolar da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, organizou a “Semana Fitnessgram”. Durante uma semana as aulas de Educação Física foram dedicadas à realização de uma avaliação à condição física de todos os alunos que frequentam a disciplina. Ao longo do ano lectivo os alunos foram-se familiarizando com os testes, realizando-os na aula de forma informal e experimental, para que no dia da avaliação os resultados fossem válidos e fiáveis. O protocolo permite a avaliação do aluno a vários níveis, sua composição corporal, resistência, força, flexibilidade e destreza, distribuídos por vários testes, tais como, “vai e vem”, “abdominais”, “extensão de braços”, extensão do tronco”, “senta e alcança” e “flexibilidade de ombros”, permitindo, também, numa fase posterior, estabelecer a relação e o estudo da evolução do aluno ao longo do seu trajecto escolar. A actividade decorreu de acordo

Na Rota dos Móveis sobre Patins No dia 13 de Março último, os alunos do Núcleo de Patinagem deslocaram-se ao Pavilhão Rota dos Móveis, em Lordelo, Paços de Ferreira. As provas eram duas:

uma, de Perícia; outra, um jogo de Basquetebol sobre Patins. Foi só rolar! A actividade facultou-nos o contacto com outras escolas, a prática competitiva da

modalidade e a aquisição de experiência. Efectivamente, esta foi mais uma experiência para um Núcleo ainda jovem, mas já vencedor e que pretende continuara amea-

com o planeado, o apoio de todos os colegas de Educação Física foi excepcional, apesar das dificuldades que surgiram devido às más condições climatéricas, pois alguns dos testes são realizados no exterior. O projecto Fitnessgram, na sua essência, não se cinge apenas à realização da referida semana de actividade, mas surge através de todas as iniciativas que o Departamento proporciona, desde as próprias aulas até qualquer actividade de promoção da saúde, desporto e actividade física, entendendo-se estas como uma forma de valorização da capacidade física. Dentro desta perspectiva e dadas as características do projecto, este é cada vez mais um projecto da escola e para toda a comunidade escolar, daí que o Departamento de Educação Física e Desporto Escolar tem apresentado cada vez mais iniciativas no intuito de envolver os alunos, Encarregados de Educação, docentes e não docentes, tais como a semana do movimento, o corta-mato escolar e o Dia do Pai. Professor Estêvão Liberal Coordenador do Projecto Fitnessgram

lhar troféus! É esperar para ver… O Professor responsável Adalberto Machado


10

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

Brilhante Estreia Realizou-se, a 14 de Março no kartódromo Internacional de Palmela a primeira prova pontuável para o Baltar Kart Cup 2010, na qual o piloto Ricardo Costa, aluno da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, esteve presente. O Baltar kart Cup é caracterizado pela enorme competitividade de todos os pilotos em pista, desde os mais novos com 6 anos até aos mais graúdos divididos pelas cinco categorias. Desta feita, o piloto famalicense viria a participar na categoria X30 Júnior, com motores 125cc e chassis Robert Kubica. Como estreante na categoria e no monolugar o resultado não poderia ser melhor. O piloto conseguiu apenas alcançar um 5º lugar no final dos treinos cronometrados, devido a falhas nas afinações do motor do seu kart. Na primeira manga os problemas persistiram, chegando o piloto ainda a dar as voltas iniciais em 4º classificado, mas a não conseguir manter a posição devido à rapidez (Claramente maior) do piloto que o seguia, acabando assim a manga 1 em 5º classificado. Após o longo e árduo trabalho dos seus preparadores, Jorge Amaro e António Teixeira, os problemas com a afinação do motor do mo-

nolugar foram resolvidos e, logo na 2ª manga, o piloto fez uma partida brilhante e, numa luta renhida com o 3º classificado, acabou por ultrapassar a duas voltas do final de uma manga constituída por 13 voltas, finalizando, assim, a manga em 3º classificado. O piloto iria assim partir em 4º lugar na manga final, manga que iria ser decisiva.Antes da partida, o piloto encontrava-se bastante nervoso, visto que iria partir do lado que menos o favorecia. Após uma excelente partida, o piloto posicionou-se em 3º classificado, vindo a ultrapassar o 2º classificado ainda na primeira volta de uma corrida com 15 voltas. Durante as 14 voltas que se seguiram, o piloto famalicense iria, aos poucos, perdendo espaço para o primeiro classificado, que se mostrava claramente mais rápido. Mas, ainda assim, cruzou a linha de meta em 2º classificado, sendo esta uma prova onde o piloto demonstrou, mais uma vez, as capacidades que tem e que pode neste campeonato ter o seu triunfo. A próxima prova irá realizar-se no dia 11 de Abril e contará com a presença do piloto famalicense. Todos poderão assistir a esta prova! Ricardo Costa

Didáxis de S. Cosme ganha colectivamente Francisco Rodrigues vence corta mato

F

rancisco Rodrigues e a equipa de Iniciados da Didáxis S. Cosme brilharam no passado Sábado, em Vagos, tendo vencido categoricamente o campeonato nacional de corta-mato escolar.

Esta foi mais uma prova onde os atletas da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme Didáxis demonstraram as suas potencialidades. Uma equipa forte, solidária e cada vez mais experiente para atingir os objectivos traçados.

Ao atleta Francisco Rodrigues faltava-lhe este título. Venceu quatro anos consecutivos o corta-mato distrital e no ano lectivo anterior tinha ganho duas provas nacionais: o Mega/Km e o Olímpico Jovem. A equipa já tinha a experiência duma participação no

ano anterior e estava confiante numa boa prestação. Quando os resultados foram divulgados, os atletas não cabiam em si de contentes e reconheceram que o esforço e a dedicação acabam por ser recompensados.


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

11

Jornal O Vale

Dia do Basquetebol No dia 25 de Março de 2010 a nossa escola foi brindada com a presença da equipa, Profissional de Basquetebol, do Vitória Sport Club - escalão sénior. Esta iniciativa partiu da professora Elisabete Silva, com o objectivo de motivar e despertar o interesse dos alunos para esta modalidade, proporcionando uma manhã “enriquecedora”, visto que os nossos alunos puderam

conviver e interagir com verdadeiros profissionais – uma experiência única. Esta modalidade é bastante apreciada pelos nossos alunos, nomeadamente no desporto escolar, onde se regista uma significativa participação nos escalões existentes – infantis e iniciados masculinos. Do programa constaram uma série de actividades relacionadas com a moda-

lidade, e no final como não poderia deixar de ser, houve uma sessão de autógrafos com os jogadores da equipa convidada. Os Jogadores gostaram muito da vinda à nossa escola, da organização da actividade e do empenho e motivação demonstrada pelos nossos alunos/jogadores. A Professora responsável Elisabete Silva

Dia do Pai... Um dia a recordar todos os dias...


12

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

Uma viagem “d

“Meus filhos terão computado livros, sem leitura, os nossos sua própria história.” Bill Gates Na Didáxis, Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, durante uma semana intensa e culturalmente riquíssima, celebrou-se, pela segunda vez, a Semana da Leitura, que, este ano, deu ênfase ao caminho que se faz desde a palavra até ao mito. Intitulação desta semana, “Da palavra ao mito”, deu voz aos Encarregados de Educação, aos alunos e aos ilustres convidados que não quiseram deixar de partilhar leituras e vivências literárias. No primeiro dia, António Leite, Director Regional de Educação do Norte, enalteceu o evento e testemunhou o quão importante é a leitura para o crescimento pessoal, para o conhecimento e para a vida. Realçou a diversidade de leituras e de géneros literários, frisando que a iniciativa “Ler por Prazer”, projecto da Didáxis, em muito pode contribuir para o crescimento da literacia e de leitores, sendo que, o que, muitas vezes começa por ser incutido, acaba por se tornar força natural e intrínseca a todos. Não terminou a sua intervenção sem antes deixar um conselho: “Se alguém vos perguntar que livro andam a ler…Devolvam-lhe a resposta”. Nesta semana de partilhas e descobertas, sempre com uma grande adesão por parte dos Encarregados de Educação que não quiseram deixar de fazer parte desta comunidade de leitores, os vere-

adores da Educa VN Famalicão, Le pectivamente. Co mais os marcara despoletaram em se ter sempre um do os palestrante “novos mundos”, destacando, de e malicense, Camil de excelente liter Demonstrando qu livros e à vivênci da Associação “O mela, agraciou es ferente e entusias de partida para a interactivas, levan nas acções propo les inscritas e a v alunos presentes aos livros. José Marques, p nho, marcou o q mais filosófica da desmistificar o ne


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

13

da palavra ao mito”

ores, sim, mas antes terão livros. Sem filhos serão incapazes de escrever a

ação e da Cultura da Câmara de eonel Rocha e Paulo Cunha, resonsigo trouxeram as leituras que am, as experiências que os livros m suas vidas e a importância de m livro “à mão”. Os livros, segunes deste segundo dia, levam-nos a a “histórias dignas de se contar”, entre os muito citados, o escritor falo Castelo Branco como referência ratura. ue a leitura não se resume só aos ia pessoal, a responsável cultural Os Bandeirantes”, Maria Luísa Laste evento, com uma dinâmica dismante, tornado a leitura um ponto a realização de muitas actividades ndo os alunos a assumir primazia ostas. Os jogos, as actividades nevontade de interacção deixaram os s ávidos de mais iniciativas ligadas

professor da Universidade do Miquarto dia com uma abordagem a leitura e dos mitos. Procurando egativismo inerente ao conceito de

mito, explanou diferentes abordagens e noções de mito ao longo da história da literatura e as repercussões que assumiram no nosso universo literário. Fechando este penúltimo dia, “Da Palavra ao Mito”, realizou-se um Fórum de Poesia, com a afamada presença de Ivo Machado e Agostinho Fernandes que, de forma muito pessoal e marcante, entusiasmaram todos os presentes com a selecção de poemas e poesias, com a declamação e a musicalidade das suas escolhas literárias. Neste espaço de tertúlia participaram, para além dos professores e alunos do ensino diurno, os alunos dos Cursos EFA e de Segurança e Higiene no Trabalho, com a recitação de poemas vários, de autoria própria e de outros grandes poetas. No último dia desta semana, Luís Loureiro de Castro, Director Regional da ACT - Autoridade para as Condições do Trabalho – apresentou uma visão muito própria e fundamentada da “Metamorphose”, de Kafka, incentivando à leitura e à reflexão. Durante a semana, muitos foram os “Laços de Leitura” que se estreitaram entre os Encarregados de Educação e a Comunidade Escolar. Apesar de vivermos na era da tecnologia, não podemos, nunca, descurar a importância e a força dos livros e da leitura,

TESTEMUNHOS...


14

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Visita de Estudo CISCO System

Jornal O Vale

No dia 10 de Março, as turmas dos Cursos Profissionais de Nível III da Área de Informática (Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos) e o Curso de Educação e Formação tipo 3 (Operador de Informática), deslocaram-se ao novo parque tecnológico em Lisboa – Oeiras, Lagoas Park, para visitar a CISCO que é uma empresa líder mundial em soluções de rede. Esta visita foi acompanhada pelos professores Ana Filipa Braga, Bárbara Branco, Márcia Gomes, Rui Sá, Sílvia Ferreira e o ex aluno e técnico de informática João Rocha. Os alunos tiveram a opor-

tunidade de contactar com as últimas tecnologias de rede e ver os laboratórios de testes e soluções de transporte de dados, voz e vídeo. Para além disso, ficaram a conhecer a história da empresa tomaram contacto com o seu modo de trabalho e as oportunidades que ela apresenta, nomeadamente as Academias CISCO. A visita foi acompanhada pelo Eng.º João (CISCO System Engineer), Eng.ª Raquel (CISCO Software Enginner) e o Dr. Nuno Guarda (CISCO Academy Manager), que não podemos deixar de referir a forma atenciosa que fomos recebidos. Turma 1. TGPSI

Visita ao Museu Ferroviário de Lousado O Comboio em Portugal A memória nas oficinas ferroviárias

Rosa Gomes Recolha de Fábio Costa, 6.1

No dia vinte de Janeiro do presente ano, a nossa turma foi visitar o Museu Ferroviário, que se situa na estação ferroviária de Lousado, ou seja, no entroncamento da Linha do Minho com a Linha de Guimarães. Este Museu dos Caminhos-de-ferro de Lousado ocupa as antigas oficinas da Companhia dos Caminhos-de-ferro de Guimarães. É um edifício coberto de telha, com clarabóias e forro em madeira. As paredes de xisto preto e castanho lembram o nome da terra, Lousado. Esta visita foi organizada no âmbito da disciplina de H.G.P. Neste local, havia várias “coisas” relacionadas com os comboios ao longo dos tempos. Vimos bilhetes guardados em armários e uma marcadora de bilhetes. Vimos uma mala de primeiros socorros, uma lanterna de sinais com várias cores e um cofre de valores. Os guardas desempenhavam a função de fechar a cancela para o comboio passar e colocavam-se à vista do condutor com uma bandeira vermelha. A sinalização das linhas férreas era feita com uma chave que mudava o sinal em questão. Em seguida passámos pelas oficinas de carpintaria e serralharia onde havia um forno e uma forja.

No passado os comboios eram de três tipos: comboios de passageiros, de passageiros e de mercadorias e comboios só de mercadorias. O coração da oficina era uma máquina a vapor que, através de um sistema de correias, fazia movimentar todas as máquinas da carpintaria. Entrámos num comboio a vapor onde o carvão tinha lugar próprio junto à locomotiva. A primeira carruagem era de passageiros e era de primeira classe, com 28 lugares e a segunda era de 3ª classe e tinha 30 lugares. Depois observámos um comboio de 1950. Descobrimos, também, que os comboios a vapor foram sucessivamente trocados por comboios eléctricos e a gasóleo. Depois, espreitámos para dentro de um comboio muito luxuoso: tinha casa de banho, sofás, camas, mesas…Era nele que viajavam os nossos presidentes da República…Vimos uma dresine que servia para transportar os trabalhadores das linhas. Mais à frente, havia um quadriciclo a pedal que servia para visualizar os carris… Posteriormente, observamos uma grua rolante que o nosso guia pôs a funcionar e um posto médico fixo, todo equipado para qualquer situação, onde havia um aviso que dizia: ”É favor tirar o chapéu, não fumar e não cuspir no chão”. Por último, assistimos a um filme sobre o museu em questão. O comboio é uma das maravilhas do século XIX, um meio de transporte rápido, barato e seguro. A primeira viagem de comboio, em Portugal, aconteceu em 1856, na linha que ligava Lisboa ao Carregado, no tempo do rei D. Pedro V. O grande impulsionador da construção dos caminhos-de-ferro foi Fontes Pereira de Melo. No regresso da visita, passámos pela ponte românica da Lagoncinha (século XIII), sobre o rio Ave. Foi ali que uma parte das tropas do General Soult venceu a resistência do povo português, durante a 2ª invasão francesa (1809). Gostei muito desta visita de estudo e espero repeti-la um dia. Helena Castro, 6.1


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

15

Jornal O Vale

O sonho de ser...Xadrezista Nome completo: Luís Miguel Neves da Silva Idade: 15 anos (3 de Janeiro de 1995) Naturalidade: Vila Nova de Famalicão Clube de Xadrez: Em Portugal: NXVSC-Didáxis. Em Espanha: Escuela Internacional de Ajedrez Marcote-Kasparov O torneio que decorreu em Mondariz (Espanha), no passado mês de Dezembro, foi, igualmente, um grande passo no meu xadrez. NM: Como manténs o teu nível técnico? LS: Estudo segundo um plano rigoroso (cerca de 21 horas semanais, como já referi), elaborado com a ajuda do meu treinador pessoal, credenciado pela Federação Internacional de Xadrez, António Caramez, e é claro que também mantenho o nível técnico jogando cada vez mais. NM: Qual o livro que consideras fundamental para um bom jogador de xadrez? Núcleo Multimédia: Como aconteceu a descoberta do Xadrez? Quem te despertou o interesse para o mundo mágico das 64 casas? Luís Silva: Tudo começou quando a professora Rosário foi à minha escola primária, no intuito de nos ensinar esta modalidade. Sinceramente, não via nenhum interesse naquilo. Aliás, detestava. Foi quando entrei no 5º ano de escolaridade que, vendo alguns rapazes a jogar na sala ao lado da secretária, comecei a introduzir-me naquele meio e a ganhar motivação até que um dia, o meu colega de turma, Luís Carvalho, me perguntou se eu queria entrar para o Núcleo de Xadrez. Nesse dia, aceitei a proposta e conheci o professor e dirigente do clube, Mário Oliveira, e o professor José Azevedo, bem como alguns dos muitos colegas que conheço nesta área, que me ensinaram e fizeram com que desse os primeiros passos no xadrez. NM: Depois desta fase inicial, como foram os primeiros passos no sentido de melhorares o teu xadrez? LS: Depois de entrar no Núcleo, jogava e aprendia umas nuances dadas nas lições, com o professor Mário Oliveira, bem como analisava as jogadas dos colegas. O progresso ocorria, mas lentamente, pois o treino, na altura, não era intensivo. Recentemente (há cerca de 1 ano e meio) um “rapaz” de nome António Caramez Pereira fez com que eu começasse a ler livros desta ciência, bem como a ter aulas com um grupo do Núcleo. A partir daí, progredi consideravelmente, mas o “Big-Bang” deu-se, quando, além das aulas, iniciei um plano de estudo rigoroso de cerca de 21 horas por semana e a jogar cada vez mais em torneios. NM: E as competições? Fala-nos um pouco dos eventos mais relevantes em que já participaste. LS: O evento mais importante em que participei foi o campeonato da União Europeia de Jovens. Representar o nosso país é algo que requer muito esforço, amor à “camisola” e “sangue frio”. Jogar com pessoas estrangeiras num patamar tão alto fica para a nossa história. Os Campeonatos Nacionais de Jovens também são claramente espectaculares, principalmente o primeiro em que participei. Foi uma experiência muito boa, não só por jogar com jogadores de todas as partes do país, mas também devido à convivência com os amigos, o que nos dá uma “pitada” de magia.

LS: Hoje em dia existe uma enorme variedade de livros de xadrez e, na maior parte deles, o assunto é o mesmo, fazendo com que nenhum seja fundamental. Mas recomendo livros como “How To Reassess Your Chess”, de Jeremy Silman, “The Road To Chess Improvement”, de Alex. Yermolinsky, e “Secrets of Modern Chess Strategy”, de John Watson.

Internacional de Ajedrez Marcote Kasparov). O título de Campeão Distrital Absoluto de Semi-Rápidas, que decorreu em Outubro, foi também um dos grandes prémios que ganhei e em que derrotei os irmãos Castro, que têm “por estas bandas” a faceta de melhores jogadores do distrito. Apesar de não ter ganho nada, o campeonato da União Europeia foi igualmente uma enorme conquista, só por conseguir jogar nessa prova. NM: Quais os objectivos no xadrez para este ano e projectos a longo prazo? LS: Para este ano, quero fazer o melhor resultado possível no campeonato Nacional de Jovens, para conseguir jogar uma ou mais competições Internacionais, representando a selecção portuguesa. Também pretendo continuar a melhorar e ganhar torneios, dinheiro e, se possível, alcançar a margem dos 2100 de ELO FIDE (Rating Internacional). A longo prazo quero atingir a mestria nesta arte.

como aos meus professores, que sempre me acompanharam nesta caminhada, mas também aos meus amigos do Núcleo de Xadrez de Vale S. Cosme, pois sem eles nada disto seria possível; aos professores Mário Oliveira e José Azevedo, pela eficácia com que dirigem este clube, pelo esforço feito na cativação de jovens jogadores e pelo apoio que me dão, sempre que necessário, em termos xadrezísticos e económicos. Aproveito esta oportunidade para fazer referência à Direcção da Escola, nomeadamente ao Sr. Director José Fernandes, por todo o apoio dado. Obrigado, também, a todos os restantes professores e funcionários que mantêm esta Escola num ambiente agradável e estável, o que ajuda sempre uma pessoa a sentirse feliz e motivada. Claro que não poderia acabar sem agradecer à minha família, que é sempre a parte mais importante, pois sem ela a possibilidade de jogar esta modalidade seria vazia. Apesar de não ser da nossa Escola, mas que intervém bastante na minha vida, não posso deixar de referir o meu treinador,

NM: De que maneira definirias o teu estilo de jogo? LS: Depende de muitos factores: o meu estado de espírito, o adversário, as condições do torneio e de outras considerações, a nível físico e psicológico. NM: Destaca os principais resultados da tua carreira. LS: O campeonato Nacional de Jovens de Semi-Rápidas, no escalão etário de sub-14, decorrido na época passada, em que ganhei o título de campeão nacional, trouxe-me muita felicidade. Pode dizerse que a maior parte das pessoas pensa que esta foi a minha maior conquista, mas para mim o primeiro lugar no escalão sub2000, no torneio que decorreu em Mondariz (Pontevedra), na Espanha, foi o meu melhor resultado de sempre. Ganhei 400€ de prémio e surpreendi tudo e todos, ganhando e empatando com jogadores com um “rating” muito mais elevado que o meu. Isto fez com que desse um enorme passo para o desenvolvimento das minhas capacidades, obtivesse uma afirmação maior nesta modalidade, e também me permitiu jogar pelo melhor clube espanhol (Escuela

NM: Quem são os teus jogadores preferidos (português e internacional)? LS: O meu jogador preferido português é, sem dúvida, o Mestre FIDE, Jorge Ferreira (de 15 anos de idade, apenas), que é um exemplo de como o esforço, dedicação, estudo e paixão por este desporto nos levam ao topo. A nível internacional, mas de tempos passados, gosto muito do antigo campeão do mundo, o russo Garry Kasparov, pelo dinamismo e energia com que jogava as posições, bem como do russo Mikhail Tal, também ex-campeão do mundo, pela sua enorme coragem, intuição e dinamismo com que enfrentava cada desafio, nesta arte. Em termos actuais, gosto muito do estilo de jogo do búlgaro Veselin Topalov e do jovem prodígio norueguês, Magnus Carlsen. NM: Para terminar, gostaríamos que deixasses uma mensagem à comunidade educativa da nossa Escola. LS: Antes de mais, gostaria de agradecer a todos os meus colegas da turma 9º2, bem

António Caramez Pereira, que me tem ajudado muitíssimo nesta modalidade, quer na aprendizagem desta arte, quer no apoio moral que me tem dado e por toda a confiança que deposita em mim. Obrigado também à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, porque está sempre pronta a ajudar. Em jeito de conclusão, posso dizer que a nossa comunidade deve continuar o trabalho esplêndido que tem vindo a desenvolver, pois está no caminho certo.

Perguntas rápidas… Disciplina preferida na Escola: Matemática Clube de Futebol: Sporting Clube de Portugal Melhor amigo do Xadrez: António Caramez Pereira Numa palavra, o Xadrez é: Perfeito


16

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

OLMPÍADAS PORTUGUESAS DA MATEMÁTICA (FINAL REGIONAL) Luis Silva e João Guerra representam a Didáxis – Vale S. Cosme Luis Silva apurado para a FASE FINAL NACIONAL! A final regional, realizou-se no Externato Delfim Ferreira, em Riba de Ave, no dia 13 de Janeiro de 2009. Realizaram a prova 6 alunos do ensino básico e 2 do ensino secundário das Escolas do Concelho de Vila Nova de Famalicão. Da Escola Cooperativa Vale S. Cosme - Didáxis realizaram a prova os alunos Luis Silva (9º 2) na categoria A (8º e 9º anos) e João Guerra (10º 2) na categoria B (10º, 11º e 12º anos de escolaridade). Luis Silva alcançou o feito notável de apuramento para a FASE FINAL NACIONAL que decorrerá entre 25 a 28 de Março na Escola EB 2,3 de Santa Clara em Évora. Este evento reunirá os 30 melhores classificados em cada categoria (A e B) subdivididos por três zonas: Norte, Centro e Sul. As Olimpíadas estão actualmente na sua 28ª edição e já está confirmada para a entrega de prémios a presença da ministra da educação, Isabel Alçada. Em paralelo, nos dias 27 e 28 de Março decorrerá em Évora o 1º Encontro para a organização das Olimpíadas Matemáticas da Comunidade de Países de Língua Por-

tuguesa. Este evento prorrogar-se-á em Lisboa no dia 29 de Março. Num país onde a Matemática costuma ser associada às más notas, as Olimpíadas são um sinal constante do progresso que se faz na educação nesta área. O número de participantes, que nas primeiras edições era de 151 escolas e 6028 estudantes, atingiu no ano corrente aproximadamente 1000 escolas e 30000 alunos. Graças à preparação crescente dos jovens, houve grandes avanços nos resultados das competições internacionais: nos últimos anos, a equipa portuguesa ganhou pela primeira vez medalhas de prata e de ouro nas Olimpíadas Ibero-americanas, e passou a trazer sistematicamente medalhas de bronze – tendo alcançado, em 2009, mesmo uma de prata – nas Olimpíadas Internacionais (IMO), nas quais até 2005 apenas menções honrosas e duas medalhas de bronze haviam sido conquistadas. As colocações do país também melhoraram substancialmente: de 78º colocado nas IMO de 2002, passou a 33º na edição de 2009.

OPM um dos objectivos do concurso é a detecção precoce de vocações científicas e, em particular, para a matemática. É com agrado que se verifica que muitos dos vencedores de edições anteriores das OPM têm iniciado carreiras científicas que auguram bastante sucesso.

Ao Luis Silva, o Departamento de Matemática deseja os maiores sucessos e parabéns! Coordenador de Departamento: Mário OliveiraI

Tal como é expresso no regulamento das Os alunos, João Guerra e Luis Silva


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

17

Jornal O Vale

ENTREVISTA Vanessa Marques - Presidente da Associação Alunos de Sempre da Didáxis do Vale Nome: Vanessa Filipa Rego Salgado Marques Idade: 27 Frequência na Didáxis: 1992 - 2000 Alcunha: Fernando Couto. Desde pequena que tenho uma paixão muito grande pelo futebol e como, na altura, jogava sempre a defesa direito e tinha um cabelo encaracolado era chamada de Couto, apesar de jogar sempre com a camisola do glorioso Benfica Professor que mais a marcou: Ao longo do meu percurso académico na Didáxis, vários foram os professores que me marcaram, pois todos eles fizeram parte de uma fase específica da minha adolescência. No meu secundário, tive, também, um grupo de professores de excelência, que me acompanhou do 10º ao 12º anos. Foram os três anos mais decisivos da minha vida e sempre tive nesses professores todo o apoio e carinho necessários para concluir o secundário com sucesso e atingir o grande objectivo de ingressar no ensino universitário. O meu director de turma da altura, o professor Ernesto, foi um professor que me marcou, em especial, pois sempre me acompanhou e aconselhou da melhor maneira, de modo a que eu conseguisse superar todos os obstáculos inerentes a esta fase da vida. Disciplina favorita: Alemão Perfil: altruísta, determinada, independente, teimosa

Sim, é um dos objectivos. De facto, a Associação propõe-se manter e reforçar os laços de amizade entre os antigos alunos e a escola, fortalecendo, deste modo, a Comunidade Didáxis. Para tal, tem promovido convívios entre antigos alunos e várias acções de cariz cultural, recreativo e assistencial adequadas a esse fim. É, sem dúvida, papel fundamental desta Associação representar e defender os interesses dos antigos alunos Didáxis, apoiando a sua integração na vida activa e o seu desenvolvimento profissional.

uma associação que promove o regresso às origens e o reencontro com amigos da adolescência é a melhor, como se fosse, há muito, algo pelo que esperavam. E enquanto sócios fundadores e principais responsáveis pela dinamização desta Associação tudo faremos pelo seu crescimento e implementação na comunidade.

Como surgiu a ideia de se formar a Associação Alunos de Sempre da Didáxis do Vale (ASDV)? A ideia surgiu através de uma conversa informal com dois amigos, alunos de sempre, na qual questionamos a razão pela qual a Didáxis S. Cosme ainda não tinha uma associação, que promovesse a reaproximação entre a escola e os seus antigos alunos. O primeiro passo com vista à constituição da Associação “Alunos de Sempre da Didáxis do Vale S. Cosme” foi formar uma comissão pró ASDV em Setembro de 2008, que elaborou os estatutos e preparou as primeiras eleições, que se realizaram a 7 de Fevereiro de 2009. Às primeiras eleições candidatou-se uma lista única, constituída, maioritariamente, por elementos que pertenciam já à comissão pró ASDV, tendo ganho sem quaisquer sobressaltos. A tomada de posse dos órgãos fundadores ASDV realizou-se a 3 de Abril de 2009. E o facto de seres presidente, é uma tarefa acrescida? Sem dúvida alguma que sim. Como presidente tenho que, antes de mais, conseguir mobilizar esforços no sentido de divulgar o nome da Associação, de modo a que o aumento dos seus associados e o seu crescimento e implantação junto dos antigos estudantes e da comunidade em geral seja possível. Rever colegas e saber do seu percurso de vida é o objectivo desta Associação?

Com um ano de existência, como tem sido a adesão dos antigos alunos? A adesão tem sido significativa, atendendo ao número de antigos alunos que tem conhecimento desta Associação. A divulgação da ASDV é, sem dúvida, o nosso maior desafio, porque é difícil, mas essencial, fazer chegar a todos a nossa existência. Tenho a consciência de que podemos fazer mais por isso, daí estarmos empenhados no cumprimento de tal objectivo. Como perspectivas o futuro da ASDV? Eu acredito sinceramente que a ASDV terá um futuro seguro. A reacção dos antigos alunos quando sabem que existe, já,

As diferenças entre a Didáxis no seu início e a Didáxis neste momento são muito grandes? Se são…. Quando cá cheguei em 92, a escola era bem mais pequena, as aulas eram nos pré-fabricados de madeira, o pátio em terra e os espaços desportivos resumiamse a um campo de futebol, um de basquetebol e um pequeno pavilhão. Quando saí em 2000, a escola já tinha sofrido grandes alterações, mas quando regressei em 2008 as diferenças ainda foram mais notórias, não só a nível de instalações, mas também em relação aos professores, que eram em maior número. A Didáxis é, hoje, sem qualquer dúvida, uma grande referência a nível de escola.

Quais são os projectos que a ASDV possui para o futuro? O projecto mais ambicioso é, sem dúvida, o alargamento significativo do número de sócios ASDV, dinamizando-os, convencendo aqueles que ainda não o são a aderirem à Associação, trabalhando em prol da ASDV, promovendo-a, ao mesmo tempo que eleva também, o nome e o prestígio da própria Didáxis. E é a partir deste objectivo que centramos todas as actividades. Para que tal seja possível, temos já agendadas algumas actividades para breve: A primeira será no dia 17 de Abril, o Rally Paper Aniversário ASDV, seguindo-se do jantar convívio, onde contamos com a presença de todos os Alunos de Sempre para apagar a primeira vela de aniversário. No dia 5 de Junho iremos organizar o Cicloturismo Aniversário Didáxis, actividade essa integrada no programa de comemoração do aniversário da Cooperativa. No final de Julho, realizar-se-á o 2º Encontro de Verão ASDV, no qual esperamos, no mínimo, repetir o sucesso do ano anterior.

mente, que, enquanto as minhas amigas brincavam às “casinhas”, eu brincava aos “professores”. Por isso, sim, sempre me imaginei “do outro lado” e tive a sorte de poder concretizar esse objectivo.

Conta-nos ao Jornal o Vale o teu percurso depois de teres saído desta escola…

De que te recordas do teu tempo na Didáxis? Quando olho para a minha adolescência e recordo com nostalgia o tempo passado na Didáxis, as primeiras imagens que surgem são aquelas das velhas festas de Magusto ao sábado à tarde, as fogueiras espalhadas pelo antigo pátio de terra e nós a correr à sua volta, tentando pintar as caras dos nossos amigos com as suas cinzas. Mas quem não se lembra, também, das tradicionais festas de natal e de carnaval à entrada do velho pavilhão? Ou das festas de final de ano, que começavam de manhã e terminavam já à noitinha, também no velho pátio de terra? O professor “Chico” era sempre o anfitrião e conseguia sempre com que essas festas ficassem na nossa memória. Estás a trabalhar na Cooperativa. Imaginavas estar do “outro lado”? Sabes, era eu ainda criança e ser professor já era um desejo. Lembro-me, perfeita-

Como já referi saí desta escola em 2000, altura em que entrei na Universidade do Minho, no curso de Inglês/Alemão, via ensino. Concluí a licenciatura em 2005 e logo comecei a trabalhar na minha área de formação. Comecei a leccionar Inglês no 1º ciclo do ensino básico público, onde ainda me encontro. Em 2008 surgiu a oportunidade de regressar a esta escola, agora não mais como aluna, mas como professora, o que acaba por ser uma experiência magnífica, ter desempenhado o papel de aluna e agora fazê-lo como professora. Uma mensagem para os futuros alunos de sempre… Yes, we can. Antes de mais, apelo aos futuros alunos de sempre a participarem no projecto ASDV e juntamente connosco elevarem o nome da Associação. Porque, e agora falarei directamente para eles, apesar de iniciarem uma nova etapa nas vossas vidas, esta escola, os seus professores, auxiliares educativos e todos os amigos que aqui fizeram, farão sempre parte das vossas vidas. É por tudo o que a Didáxis representa para todos vós que existe esta associação.


18

A

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

A GLOBALIZAÇÃO – Uma Reflexão

globalização teve vários efeitos positivos no mundo, unindo as pessoas de todos os países e permitindo a partilha de conhecimentos. Isso possibilitou ajudas entre os países a nível económico e tecnológico, pois com a partilha de conhecimentos é mais fácil desenvolver novos produtos, tais como vacinas, avanços na tecnologia e na electrónica, novas formas de reduzir custos no fabrico de produtos, etc. Por outro lado, a globalização é vantajosa para o desenvolvimento e bem-estar das populações, pois leva os governos a gerir melhor o seu capital interno. Mas as vantagens da globalização não chegam a todos os países, nomeadamente aos países mais pobres, pois estes são exportadores de matérias-primas e assim o dinheiro que ganham não suporta os

custos das tecnologias de que necessitam, levando-os a pedir empréstimos a outros países. Com isto aumentam a sua divida externa, que é sempre maior por causa dos juros, impedindo que estes países gastem dinheiro no seu próprio progresso. Por outro lado, os países mais poderosos e industrializados do mundo, integrantes do G8, defendem os seus próprios interesses, mascarados pelas intenções de ajudar os países mais pobres. Isto leva à revolta de muitas pessoas contra esta forma de se aproveitarem da globalização para enriquecerem à custa dos outros (assim, surgiu o Fórum Social Mundial e moimentos cívicos como o Live 8). Apesar de tudo isto, será que a globalização é um benefício? Eu entendo que sim, pois com ela temos um maior conhecimento do mundo e de outras culturas,

na medida em que estamos todos ligados uns aos outros, na medida em que deixamos de ser uma comunidade nacional para passarmos a ser uma comunidade global. O problema é que a distribuição dos benefícios económicos não é justa: os países mais ricos ganham sempre mais, e nos países mais pobres passa-se o contrário. Entendo, por isso, que os países ricos têm a obrigação moral de ajudar os mais pobres, que são constantemente alvo de desigualdades de desenvolvimento e onde as pessoas vivem em condições de pobreza extrema, como no Haiti e em vários países africanos. Revolto-me, sobretudo, contra os países mais ricos que os exploraram e depois os deixaram para trás, quando já não tinham mais interesse.

João Fontão, 2.TR

A GLOBALIZAÇÃO – Uma Reflexão

A globalização teve vários efeitos positivos no mundo, unindo as pessoas de todos os países e permitindo a partilha de conhecimentos. Isso possibilitou ajudas entre os países a nível económico e tecnológico, pois com a partilha de conhecimentos é mais fácil desenvolver novos produtos, tais como vacinas, avanços na tecnologia e na electrónica, novas formas de reduzir custos no fabrico de produtos, etc. Por outro lado, a globalização é vantajosa para o desenvolvimento e bem-estar das populações, pois leva os governos a gerir melhor o seu capital interno. Mas as vantagens da globalização não chegam a todos os países, nomeadamente aos países mais pobres, pois estes são exportadores de matérias-primas e assim o dinheiro que ganham não suporta os custos das tecnologias de que necessitam, levando-os a pedir empréstimos a outros países. Com isto aumentam a sua divida externa, que é sempre maior por causa dos juros, impedindo que estes países gastem dinheiro no seu próprio progresso. Por outro lado, os países mais poderosos e industrializados do mundo, integrantes do G8, defendem os seus próprios interesses, mascarados pelas intenções de ajudar os países mais pobres. Isto leva à revolta de muitas pessoas

contra esta forma de se aproveitarem da globalização para enriquecerem à custa dos outros (assim, surgiu o Fórum Social Mundial e moimentos cívicos como o Live 8). Apesar de tudo isto, será que a globalização é um benefício? Eu entendo que sim, pois com ela temos um maior conhecimento do mundo e de outras culturas, na medida em que estamos todos ligados uns aos outros, na medida em que deixamos de ser uma comunidade nacional para passarmos a ser uma comunidade global. O problema é que a distribuição dos benefícios económicos não é justa: os países mais ricos ganham sempre mais, e nos países mais pobres passa-se o contrário. Entendo, por isso, que os países ricos têm a obrigação moral de ajudar os mais pobres, que são constantemente alvo de desigualdades de desenvolvimento e onde as pessoas vivem em condições de pobreza extrema, como no Haiti e em vários países africanos. Revolto-me, sobretudo, contra os países mais ricos que os exploraram e depois os deixaram para trás, quando já não tinham mais interesse. JoãoSilva, 2.TEAC

O HOMEM MODERNO E A RELIGIÃO Com o séc. XIX inicia-se uma fase de ateísmo e descrença que marcará todo o século XX, mas há quem entenda que a partir do séc. XXI a religião voltou a ganhar terreno. O que é facto é que desde sempre a religião esteve incutida nas sociedades e em nome dela foram justificados inúmeros conflitos. Na sociedade do século XXI, a religião continua a deparar-se com dois problemas principais. Um deles é o conflito entre religiões. Nin-

Este conflito pode ser solucionado através do diálogo entre as religiões: o ecumenismo, que se iniciou com o Papa João Paulo II no âmbito das Igrejas Cristãs. Este diálogo deve assentar no Bem que todas as religiões defendem. Se as religiões se baseiam em princípios éticos idênticos, não há motivo para não se darem bem e respeitarem-se. Só será possível a paz entre as religiões através deste diálogo. O outro conflito com que se depara a socie-

Religião… Nos tempos que correm, Religião e Ciência já são mais tolerantes, mas mesmo assim é preciso encontrar soluções para que se entendam, solução essa que deve passar pelo diálogo e tolerância, para que juntos cheguem mais perto da verdade. A minha crença é a de que deus não existe e acredito que a ciência acabará por dar, não todas, mas muitas respostas que o Homem constantemente se coloca e a que a

“Parece inevitável que existam várias religiões, mas essa diversidade não pode ser usada para fazer o Mal, pois se existir deus, esse terá de ser só um, pois só um único deus pode ter criado o Universo, a Terra e o Homem.” guém tem dúvidas de que todas as religiões têm como objectivo o Bem, mas muitas vezes são utilizadas para o Mal. Muitas guerras e o terrorismo realizam-se, hoje, em nome de deus, e algumas religiões não respeitam os Direitos Humanos em nome de deus. Assim, inocentes morrem em nome de Alá nos atentados terroristas. E na época dos Descobrimentos, as populações nativas foram obrigadas a abandonar as suas crenças e a converterem-se ao cristianismo. Noutros casos, e como defende Marx, a religião torna-se o ópio do povo, e os governantes utilizaram e utilizam a religião como meio político.

dade é o conflito entre Religião e Ciência. Muitos cientistas foram vistos como inimigos da religião, por defenderem algo que não correspondia àquilo que era dito pela Igreja, sobretudo Católica. Assim, muitos foram silenciados ou mortos. Durante a Inquisição, as pessoas eram perseguidas, não podendo pôr em causa a autoridade da Igreja ou ler livros de cientistas que punham em causa os dogmas da fé. A teoria evolucionista, defendida por Charles Darwin no século XIX, foi fortemente atacada e ainda hoje é posta em causa em alguns países e por algumas pessoas. Mais uma vez, conflitos feitos em nome da

religião tenta responder e não consegue. Acho também que, se deus existe, a ciência acabará por o provar. Na minha opinião, o conflito entre religiões deve ser ultrapassado. Parece inevitável que existam várias religiões, mas essa diversidade não pode ser usada para fazer o Mal, pois se existir deus, esse terá de ser só um, pois só um único deus pode ter criado o Universo, a Terra e o Homem. As religiões só serão verdadeiras religiões se se respeitarem e praticarem o Bem. Uma religião que utiliza deus para atingir fins políticos não é uma verdadeira religião.


Ano XXII

nยบ 77 Abril 2010

Jornal O Vale

19


20

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

ENTREVISTA

Dr António Batista A nossa Escola está representada na CSIF do Vale do Pelhe. Com esta entrevista, pretendemos dar maior visibilidade à Rede Social do nosso Concelho, no momento em que comemoramos os 10 anos da respectiva criação. ficuldades e privações na sua vida. J.V.- Qual é / foi o seu papel, função, responsabilidade relativamente à criação / desenvolvimento da Rede Social do nosso Concelho? Fui um elemento de uma equipa de pessoas muito motivadas que já tinha começado o trabalho e para as quais tentei dar o meu contributo de análise especializada de técnicas e métodos de planeamento, de equipas e projectos. J.V.- Tem referido, com frequência, a Rede Social de V. N. de Famalicão como um bom exemplo a seguir noutros concelhos. Pode Justificar? A rede de Famalicão teve a humildade de se questionar e procurar sempre fazer melhor por isso não estagnou como outras e soube desenvolver metodologias de trabalho inovadoras e muito criativas.

J.V.- Pode falar-nos de aspectos relevantes do seu currículo, nomeadamente, da sua educação e formação escolar /académica e profissional? A minha formação académica começou por ser em História e depois Sociologia e Gestão. Mas as minhas aprendizagens mais relevantes foram na minha actividade profissional sobretudo o que aprendi com as pessoas com quem trabalhava e para as quais trabalhávamos, as que tinham di-

J.V.- Pode estabelecer um paralelo entre a actual Rede Social e a que havia há mais de 10 anos? Quando começou ainda ninguém sabia o que era uma rede e muito menos uma rede que conseguisse frutos com tanta gente diferente e com muitas visões diferentes sobre o que era mais importante fazer. Só conhecíamos a “rede eléctrica”, podem por isso imaginar a mudança que aconteceu entretanto. J.V.- Para si são mais importantes os recursos

humanos ou os recursos materiais, numa rede social? Sem dúvida os recursos humanos. Numa rede os recursos materiais vêm sempre depois e são fruto do trabalho colectivo. Por estranho que pareça o mais difícil é que os técnicos e os dirigentes estejam dispostos a trabalhar por algo em que acreditam. J.V.- Que caminho / perspectiva prevê quanto ao desenvolvimento futuro da Rede Social?

Trabalhar em equipa, mas integradas com todas as outras, e comunicando com as necessidades e expectativas das pessoas do concelho.

J.V.- Como avalia o papel das escolas, no âmbito da Rede Social? Haverá uma forma óptima de alcançarem objectivos comuns?

PERGUNTAS RÁPIDAS: OS MEUS PREFERIDOS:

As escolas poderiam ser o laboratório de inovação de que a sociedade precisa. Para mim as escolas devem deixar de pensar que a sua função é a transmissão do saber (não existe nem uma coisa nem outra) e serem um espaço de trabalho na construção partilhada do conhecimento que é uma coisa que se atinge quando trabalhamos de uma determinada maneira. Cada escola deveria encontrar o seu papel especializado num projecto comum para Famalicão.

-Livro – “O Velho e o Mar” de Ernest Hemingway

J.V.- A nossa comunidade educativa vive / habita em freguesias que integram várias

-Prato – Arroz com lulas

Republicanos. E agora?

“É lamentável que até na nossa Lei Fundamental, os nossos preguiçosos legisladores continuem a fazer colagens bacocas e obsoletas de leis cujo prazo de validade já há muito foi ultrapassado. “ monárquicos. Ao que parece, as hordas de D.Duarte existem, e estão inquietas com a celebração da bela data republicana. Curioso por saber mais sobre esse protesto, que em número, pensava eu, “só deveria mesmo ter euros gastos”, fui tentar saber mais sobre as razões de tais amarguras por

parte dos adeptos da coroa, e deparei-me com o “Aqui D’El-Rei!”, um livro de Nuno Pombo, anunciado na primeira página do site da livraria Bertrand. Dizem que deve“Qualquer revisão constitucional é possível, e passo a citar, “se for respeitada a forma republicana de Governo”. Esta é uma forma especial de democracia!”

mos conhecer quem se nos opõe para os podermos criticar legitimamente, e como tal, li o pequeno livro de princípio a fim: Adivinhe-se, continuo republicano, mas houve um queixume por parte desses mesmos adeptos da monarquia, que me indignou. E fê-lo não contra ao meu lado republicano apenas, mas contra o meu lado democrata, e ao meu respeito não pela nossa constituição como um todo, mas ao que de bom não temos feito com ela. Na verdade, a nossa Constituição, formalmente tão democrática e universalista, possui os mecanismos autoritários e antidemocráticos das suas congéneres de 1911 e 1933. A alínea b) do artigo 288.º - é a derradeira tranca administrativa do regime. Qualquer revisão constitucional é possível,

J.V.- O que é que pode e deve ser feito para que as pessoas venham a ser mais autónomas relativamente à Rede Social?

Prevejo um grande futuro com a modernização da maneira de trabalhar, usando novas tecnologias e sobretudo abrindo um caminho de oportunidades para as pessoas e deixando para trás o assistencialismo actual.

DILUENTE CRÓNICO

Comemorado este ano o centenário da República Portuguesa, República essa, que depois de passar por dois anteriores regimes menos felizes que o actual, está sem dúvida a atravessar águas turvas neste nosso “jardim à beira mar plantado”. Sendo eu republicano de convicção, observei com particular interesse os primeiros festejos e celebrações destes nossos gabados cem anos de sistema republicano. Até tive pena de ter faltado ao concerto de celebração no Coliseu do Porto, por parte do enorme Rui Reininho, mas algo que me saltou à vista foram os (minimamente) mediatizados protestos por parte de alguns resistentes

comissões sociais inter-freguesias. Que recomendações deixaria aos membros destas comissões, no sentido de desempenharem com maior eficácia o seu papel? Façam encomendas às escolas com soluções para os problemas que têm. As escolas estarão lá para produzir as soluções que precisamos.

e passo a citar, “se for respeitada a forma republicana de Governo”. Esta é uma forma especial de democracia! Aquela que estabelece que a mesma só existe para a facção dominante, deixando quem pensa de forma diferente fora da legalidade e do democraticamente possível. É antidemocrático, e é feio, mas acredito que a mudança deste artigo fosse de fácil execução, dado que o factor “liberdade” seria prontamente reconhecido neste tema… É lamentável que até na nossa Lei Fundamental, os nossos preguiçosos legisladores continuem a fazer colagens bacocas e obsoletas de leis cujo prazo de validade já há muito foi ultrapassado. Resumindo, depois de ultrapassados os Salazares e Sidónios, vive-se num país tão livre e democrático onde mesmo que o povo na sua maioria seja apologista de outro sistema de governação democrática que não o actual, esse sistema não poderá ser aplicado, pois devemos respeitar a “mui nobre” república de 100 cãs. Francamente, este nosso actual regime começa a lembrarme de certo modo, a moral que se extrai das obras de Eça de Queirós: Os tempos mudam, mas os erros mantêm-se os mesmos. E eu até que sou republicano… Guilherme Marques da Fonseca

-Hobby - Surf

-Filme – “A Cidade Branca” -Música – todas dos Radio Head -Desporto - Natação -Clube – Sem clube - não gosto de desporto de competição


Ano XXII

nº 77 Abril 2010

21

Jornal O Vale

Didáxis Solidária

Haiti A Escola Cooperativa de Vale S. Cosme – Didáxis promoveu, sob organização do núcleo Didáxis solidária, um minuto pelas vitimas do terramoto no Haiti. Como forma de sensibilizar os alunos para a causa e principalmente para os fazer pensar e reflectir, a campainha da Escola tocou e durante um minuto representantes das turmas e professores levaram uma vela para ao lado do monumento da Família. Sempre com música de fundo, esta iniciativa contou com a adesão de todos, inclusive do Director Pedagógico da Escola Dr. José Fernandes.

Vamos rolar com esta ideia” Penso que todos já ouviram falar na “Missão Rolhinhas”, que se está a realizar em várias escolas do nosso país, inclusive na nossa escola: Didáxis – Escola Cooperativa de Vale S. Cosme. No âmbito desta iniciativa, os alunos têm contribuído, activamente, para ajudar o Sr. SALVADOR, que precisa de uma cadeira de rodas com diversas condições específicas. Apesar de já ter recebido a cadeira, ainda falta pagar metade do seu custo, sendo necessário recolher, ainda, várias

Plantar uma flor no Jardim Estimados alunos, É a primeira vez que vos escrevo e não o faço só em meu nome, mas em nome de todos os outros professores e funcionários. Não vos escrevo pelos melhores motivos, como verão, no entanto, esperando invocar em vós o que de melhor têm para dar! Como sabem, no passado dia 20 de Fevereiro, a nossa ilha da Madeira foi vítima das terríveis e imparáveis forças da Natureza. Muito se perdeu: chora-se pelos infelizes que partiram prematuramente, pelos desa-

toneladas de rolhas. É muito fácil ajudar! Têm, apenas, de arranjar algumas rolhinhas e entregálas aos responsáveis por esta actividade: professora Quitéria Campos, Ricarda Veloso e Direcção Pedagógica. Podem, também, depositá-las no bar, no cesto junto de outras rolhas que lá se encontram… Espero que todos colaborem, pois “Uma rolha, um Sorriso”… A todos os que colaboraram e aos que estão a colaborar, muito obrigada!

parecidos e lamenta-se tudo aquilo que se construiu e que agora está reduzido ao triste nada, como a história de uma vida completamente apagada, ou um livro reduzido às cinzas. No entanto, como portugueses fortes, nobres e solidários que somos, é hora de pôr mãos à obra e reconstruir ou, pelo menos, ajudar a reconstruir, plantar uma flor no Jardim, pois, como diz o Bailinho “A Madeira é um jardim, […], No mundo não há igual!” Quanto a vocês, estimados alunos, não venho apelar para que contribuam com dinheiro, pois, são poucos que, entre vós, têm emprego. Apenas peço que contribu-

Daniela Azevedo 8.4

am com pequenas coisas, objectos que vos fariam falta caso estivessem na difícil situação dos alunos madeirenses a quem a catástrofe tudo levou. Um caderno, um lápis e borracha, livros, canetas, enfim, tantas coisas que vocês, tanto como eu e todos os adultos, sabem que são fundamentais! Que vos parece? Alinham? É apenas uma simples tarefa com grandiosos resultados! Não duvidem, nem por um único segundo, de que nos espantarão! Vamos plantar uma flor no Jardim! Bem hajam,

Professor:

António Soares

Quando crescer quero ser mecânico Toda a minha vida gostei de automóveis e, desde que entrei para a Didáxis, digo que gostaria de aprender coisas sobre o funcionamento dos carros. Sempre que tenho oportunidade, procuro estar atento à maneira como as pessoas que arranjam o carro do meu pai o fazem e, mesmo sabendo que é um trabalho duro e complicado, gosto muito de ver as manobras e experiências que é possível fazer com um motor. Não me importo nada de sujar as mãos! O motor do carro é um aparelho muito interessante. Vejam na imagem que se segue quantas peças pequenas o constituem! E todas têm de trabalhar em conjunto! Querem ver a pesquisa que fiz na internet sobre isso? Leiam o artigo que se segue: “ O Motor é a fonte de energia do automóvel. Converte a energia calorífica

produzida pela combustão da gasolina em energia mecânica, capaz de imprimir movimento nas rodas. O carburante, normalmente constituído por uma mistura de gasolina e ar (a mistura gasosa), é queimado no interior dos cilindros do motor. A mistura gasosa é formada no carburador ou calculada pela injecção electrónica, nos motores mais modernos, e admitida nas câmaras de explosão. Os pistões, que se deslocam dentro dos cilindros, comprimem a mistura que é depois inflamada por uma vela de ignição. À medida que a mistura se inflama, expande-se, empurrando o pistão para baixo. O movimento dos pistões para cima e para baixo é convertido em movimento rotativo pelo eixo de manivelas o qual, por seu turno, o transmite às rodas atra-

vés da embraiagem, da caixa de câmbio do eixo de transmissão e do diferencial. Os pistões estão ligados ao eixo pelas bielas. Uma árvore de cames, também conhecida por árvore de comando de válvulas, movida pelo eixo, acciona as válvulas de admissão e escape situadas geralmente na parte superior de cada cilindro. A energia inicial necessária para por o motor em movimento é fornecida pelo motor de arranque. Este engrena numa cremalheira que envolve o volante do motor, constituído por um disco pesado, fixado à extremidade do eixo ou árvore de manivelas. O volante do motor amortece os impulsos bruscos dos pistões e origina uma rotação relativamente suave ao eixo. Devido ao calor gerado por um motor de combustão interna, as peças metálicas

que estão em contínuo atrito engripariam se não houvesse um sistema de arrefecimento. Para evitar desgastes e aquecimento excessivos, o motor inclui um sistema de lubrificação. O óleo, armazenado no cárter sob o bloco do motor, é obrigado a circular sob pressão através de todas as peças do motor que necessitam de lubrificação.” http://webdrops.wordpress. com/2007/12/18/motor-automovel/ E agora? Não acham que tenho razão? É claro que sim! Mas eu sei muito bem que para ser mecânico de automóveis preciso de estudar muito. É isso que vou fazer! João Costa, 8.6


22

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

Viagem pelas palavras Podíamos dizer de Richard Dawkins que é um eminente zoólogo e biólogo. Podíamos acrescentar que é um divulgador ágil da ciência e do pensamento científico. Podíamos ainda referir que se trata de um defensor intransigente da teoria da selecção natural de Darwin, que ele procura actualizar, atendendo aos desenvolvimentos da ciência. Podíamos dizer tudo isto e nada seria mentira. Mas não é por tudo isto que Richard Dawkins é actualmente um dos cientistas mais populares do panorama filosófico e científico. O que de facto torna Dawkins um dos mais famosos e polémicos intelectuais da actualidade é a defesa fervorosa e militante do “orgulho de ser ateu”. Depois de várias obras conhecidas, como O Gene Egoísta e O Relojoeiro Cego, Dawkins publicou, em 2006, uma obra que rapidamente se tornou num bestseller a nível mundial: A Desilusão de Deus, pretende cumprir o objectivo, nas palavras do autor, de “despertar consciências” para a possibilidade que cada pessoa tem de renunciar à religião que lhe foi imposta pelos pais e pela sociedade em que nasceu e perceber que, se analisar correctamente os factos, só resta uma solução: tornarmo-nos ateus. O livro é claramente panfletista e propagandís-

Prof. Patrícia Fernandes

tico e envolve o leitor num discurso emotivo e inflamado, que acaba por desvirtuar o objectivo da clareza e da racionalidade. Mas se conseguirmos manter um certo distanciamento, podemos deixar que Dawkins nos faça reflectir sobre problemas cruciais da sociedade moderna. Chamaria aqui a atenção para três deles.

«Não basta ver que um jardim é belo sem ter de acreditar que lá ao fundo também esconde fadas?»

(Douglas Adams, dedicatória de R. Dawkins)

Em primeiro lugar, qual o lugar da liberdade religiosa do homem quando aceitamos o baptismo precoce das crianças? Como podemos falar em crianças cristãs ou muçulmanas, se as crianças não têm sequer maturidade para se pronunciar sobre estas questões? Em segundo lugar: por que razão é possível discutir sobre todos os assuntos, passando pelo futebol até à política, mas parece que é proibido

A propósito da leitura do Livro “A Lua de Joana”…

PALAVRAS&LETRAS EU EU: SOU uma miúda que apenas quer... QUERO ser feliz TENHO ânsia de viver AMO a minha família, a minha escola, os meus amigos… ODEIO pessoas hipócritas SINTO neste momento sinto-me ansiosa pelo que o futuro me reserva ESCUTO todas as palavras de quem me quer ensinar um pouco mais CHEIRO o cheiro da vida de tudo o que me rodeia IMPLORO a mim mesma para ter paciência todos os dias DANÇO quando gosto da música e estou p'ra aí virada CANTO quando estou feliz

GANHO o dia quando a escola corre bem e o amor continua a durar PERCO não sei se perco, mas fico um pouco em baixo por ser assim tão frontal! E a minha expressão facial denuncia logo o que me vai na alma! PROCURO uma oportunidade ARREPENDO-ME daquilo que não fiz SINTO DOR por antecipação do que ainda não chegou IMPORTO-ME com o bem-estar dos meus NÃO FICO satisfeita se não der o meu melhor CHORO quando me apetece ESCREVO quando quero FICO FELIZ quando está sol PRECISO...

Marina Veloso, 2.TGEI

Ama-me como eu te amo

SONHO Deitei-me...ao fechar os olhos...pareceu-me estar num sítio completamente diferente, mas que eu conhecia bem, muito bem. Talvez de outro mundo, outra vida, outro lugar. Vi então duas portas. A primeira era grande, linda, magnífica. A segunda era pequena, velha, estreita e esquisita. Cheia de curiosidade, entrei na primeira. Era como se estivesse noutro planeta: calmo, belo, distante de todo o mal.

Ama-me como eu te amo… Marina Veloso, 2.TGEI

Estava dentro de um sonho. Depois espreitei a segunda. Parecia um mundo virtual: tudo muito confuso, a realidade… Volto a deitar-me naquele quarto, naquele sítio longínquo de tudo o resto. Penso e penso. Chego à conclusão que vou ficar para sempre no mundo de sonhos... Bem longe da realidade. Apareceu-me um anjo que me parecia familiar. Ele também me conhecia. Mas de onde?! Tento tocar-lhe e é como se visse o seu interior, era transparente a tudo. Pergunta-me se eu tenho a certeza do que quero. Sem palavras. Não sei o que dizer, nem pen-

sar… Diz-me também que qualquer sonho se pode realizar, em qualquer sítio, com qualquer pessoa. Continuo sem comentários. Leva-me até à realidade, àquele sítio confuso. Mostra-me como consigo ver as coisas de outra maneira. Aquele anjo era realmente um amigo, que eu conhecia há anos e não sabia. Tenho medo de acordar...De enfrentar a realidade. O que irá acontecer?! Será que as coisas estarão como eu as vi agora, ou voltará tudo ao normal, àquela confusão de pensamentos?!...

PROPOSTA DE LEITURA: O MUNDO É PLANO

ECONOMIA – CURSOS PROFISSIONAIS

Um História Breve do Século XXI

ENIGMAS do QUOTIDIANO para aprender Economia*

Thomas L. Friedman

Prefácio de João César das Neves

Desde que foi editado pela primeira vez nos EUA, em Abril de 2005, esta obra tem ocupado o topo da lista dos livros mais vendidos neste país. Neste livro, o autor defende que o mundo está a evoluir para uma nova “forma” e explica como e porquê isso está a acontecer e quais são os principais acontecimentos que motivam esta evolução. Qual é o impacto que terá nas empre-

O Tema sem Tema

sas, nos países, nas comunidades, nos cidadãos e, como podem e devem os governos e as sociedades adaptar-se a esta nova realidade, são alguns dos temas abordados ao longo dos 15 capítulos deste livro que se apresenta como uma breve história do século XXI. No entender de João César das Neves, autor do prefácio, trata- se de uma obra que se ocupa da globalização…mas que não diz mal dela! Esta é uma obra a não perder

BOAS LEITURAS! ECONOMIA C – 12ºANO

Trabalhos de casa

Vi-te apenas um momento, O tema que não tem tema Momento nunca mais te esqueci. e que, sem algum problema, Vives no meu pensamento de tema faz! Desde a hora que te vi. Pode gritar, cantar, rir e chorar, Quando te vejo e este é o tema que tu tens de dar. E não te posso abraçar, Meu sangue foge das veias Sempre pronto a dar tema, Meu coração do lugar. mesmo sem o ter, e este é o tema que eu vou escrever. Jurei ao céu ser tua, Às estrelas de te amar. Fala de tudo Também jurei à lua e ao mesmo tempo de nada De nunca mais te deixar. escreve poemas e contos de fada. Duas vidas num destino, Dois amores no coração… Ama-me como eu te amo E terás o meu perdão.

falar sobre religião? Como se esta não fosse um assunto susceptível de uma discussão racional como qualquer outro tema, ao ponto de lhe estar reservado um lugar de assunto-sobre-o-qualnão-se-pode-discutir-ou-pôr-em-causa. Por último: o mundo não seria um lugar melhor sem religião? Imaginemos, como faz John Lennon e reitera Dawkins, um mundo sem religião. Imaginem um mundo sem Cruzadas, pessoas queimadas no fogo da Inquisição, conversão forçada de judeus e nativos das terras novas, guerras entre católicos e protestantes. Imaginem um mundo sem mulheres condenadas a apedrejamento por mostrarem um pouco de pele, sem mutilação genital feminina, sem cortes de membros por crimes leves. Imaginem um mundo sem atentados terroristas, sem 11 de Setembro, aviões em prédios, pessoas desesperadas que tentaram voar. Um mundo sem bombas em Madrid, sem bombistas-suicidas a explodirem-se todos os dias, matando pessoas inocentes que simplesmente estavam no lugar errado à hora errada. Imaginem um mundo sem islamofobia, nem leis sobre o véu islâmico ou referendos sobre minuetes. Imaginem um mundo sem religião.

Tanto está saudável, como doente. Fazer de nada para ele é diferente. Chama-se João e ao mesmo tempo Martim, e é com este tema que eu faço o fim. Simão Oliveira, turma 8.3

Os trabalhos de casa são muito importantes, porque com eles podemos praticar exercícios que nos vão aumentar o conhecimento e fazer com que sejamos alunos mais inteligentes. Os trabalhos de casa ajudam-nos a treinar e aperfeiçoar os nossos conhecimentos. Eu adoro fazer trabalhos de casa, acho que são um bom método para desenvolver as nossas capacidades na escola. Quando há um teste, há exercícios de revisão nas aulas anteriores. Eu faço os exercícios de trabalhos de casa e outros. Com isto, e o estudo individual da matéria, o meu conhecimento aumenta e eu tiro boas notas. Marina Sofia, 5.4

Por que razão é o leite vendido em embalagens rectangulares, enquanto os refrigerantes surgem em recipientes cilíndricos? Praticamente todos os recipientes para refrigerantes, quer de alumínio quer de vidro, são cilíndricos, mas as embalagens de leite são quase transversalmente rectangulares. Se esta forma utiliza o espaço das prateleiras mais economicamente do que cilíndrica, porque razão os produtores de refrigerantes não optam por ela? Uma possível explicação diz que como os refrigerantes são frequentemente consumidos directamente da embalagem, o custo extra de armazenar embalagens cilíndricas é justificado pelo facto de serem mais fáceis de agarrar. Isto não é tão relevante no caso do leite, que não costuma ser consumido directamente da embalagem. No entanto, mesmo que a maior parte das pessoas o fizesse, o princípio do custo/benefício sugere que seria improvável vermos este produto à venda em embalagens cilíndricas. Embora as rectangulares economizem espaço na prateleira, independentemente do que contenham, o espaço que poupam é mais valioso no caso do leite. Nos supermercados, os refrigerantes são, regra geral, guardados em prateleiras abertas, baratas e com custos operacionais baixos. Já o leite armazena-se exclusivamente em espaços refrigerados, cujos

Alexandra Guimarães – 5.3.

custos de aquisição e operação são elevados. Neste caso, o espaço tem um custo acrescido, o que gera o benefício adicional de embalar o leite em recipientes rectangulares. Por que razão estão as baleias em perigo de extinção, mas não as galinhas? Raramente passa um ano sem que ocorra uma manifestação de rua realizada por activistas ambientais que condenam a caça, a nível internacional, de alguns dos grandes mamíferos com o argumento de que tal actividade ameaça a extinção das espécies. No entanto, tanto quanto eu saiba, nunca houve uma manifestação a pedir-nos que salvemos as galinhas. Porquê? A resposta rápida é que as galinhas nunca estiveram em perigo de extinção. No entanto, isto apenas conduz à questão de saber por que razão uma espécie está em perigo e outra não. As populações de baleias têm vindo a definhar porque ninguém é proprietário delas. Estes animais nadam em águas internacionais e várias nações têm-se recusado a respeitar os tratados que pretendem protegê- las. (…) Em contraste, a maior parte das galinhas são propriedade de alguém. (…) As galinhas e as baleias são ambas economicamente valiosas. O facto de as pessoas beneficiarem de direitos de propriedade seguros no caso das primeiras, mas não no das segundas, explica por que razão umas estão a salvo, enquanto espécie, e as outras em perigo de extinção *Robert H. Frank, O Economista Natural, casa das letras


Ano XXII

nยบ 77 Abril 2010

Jornal O Vale

23


24

Ano XXII

nº 77 Abril 2010

Jornal O Vale

II FEIRA DE CIÊNCIA DA ESCOLA COOPERATIVA DE VALE S. COSME

P

elo 2º ano consecutivo os professores do Departamento de Ciências Naturais desafiaram os seus alunos a dar provas de sabedoria e criatividade numa Feira de Ciência. Responderam ao desafio 30 turmas, num total de cerca de 700 alunos. Assim, de 22 a 25 de Março quem visitou esta feira foi desvendando alguns mistérios da

vida que a ciência, ao longo dos tempos, doi explicando de forma objectiva e fundamentada. os projectos passaram por pudins feitos à base de algas, perigos da desflorestação, desenvolvimento sustentável, sistema respiratório, sangue, células, a teoria de Darwin até

às bactérias que estão por todo o lado! Contou até com a presença de um modelo biológico - as “Dáfnias” foram voluntárias em nome da ciência! Houve visitantes de todas as idades e de todos os tamanhos, mas todos estavam de olhos e ouvidos bem abertos para adquirir todo o turbilhão de conceitos/teorias a que ficaram sujeitos. Foi uma semana de correrias, mas as expectativas foram superadas e, no fim, todo o trabalho foi compensado. Ficamos à tua espera para o ano, sentes-te preparado para o desafio? Diana Correia (turma 11.2)

SEMANA INTERNACIONAL DO CÉREBRO

Pelo 5º ano consecutivo o Instituto de Ciência Bio-médicas Abel Salazar marcou presença na Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme para comemorar a “Semana Internacional do Cérebro”. Os alunos da 11.2 não sabiam o que esperar mas a experiência que iam presenciar deixou-os na expectativa. Numa primeira fase, o engenho dos alunos foi puxado ao limite, cérebros pensaram, debateram-se e desesperaram para encontrar respostas a perguntas,problemas e questões sobre o funcionamento e constituição dos seus próprios cérebros (ou mais correctamente o seu Sistema Nervoso). Como fun-

ciona? Porquê? Quando? De que maneira?- São exemplos de perguntas que o Investigador Professor Doutor Paulo Correia de Sá do ICBAS apresentou com um pequeno sorriso, sabendo intimamente o caminho tortuoso que os alunos da 11.2 tinham de percorrer. Dos neurónios às células efectoras, dos neurónios à glía, os alunos, começaram o percurso, pé ante pé, passo a passo, “tacteando” a anatomia do sistema mais importante, complexo e desconhecido que os humanos possuem, o Sistema Nervoso. E como juízes e carrascos, os “visitantes” julgavam e condenavam as nossas tentativas fúteis (no entanto criativas!) de justificar o funcionamento do “comando das operações” que todos usam e que poucos conhecem!Depois de algum tempo de furioso debate e alguma frustração, satisfeitos com os nossos esforços os professores do ICBAS corrigiram as respostas e conclusões a que chegámos, para podermos prosseguir para a actividade laboratorial. Esta actividade envolveu um porquinho-da-índia, uma agulha e lidocaína (anestesiante, para quem não souber), não temam o animal foi (muito) magoado no decorrer desta experiência. O Objectivo era testar a resposta da cobaia à dor, na presença e ausência do anestesiante, ou seja, comprovar que de facto podemos actuar a nível da fase química (neurotransmissores) desta transferência de “informação”. De modo a não provocar ferimentos desnecessários ao animal (medida de precaução, em nada relacionada com os alunos), não tomámos um papel activo nesta fase da actividade, apenas observámos os resultados: houve resposta apenas quando não foi aplicada

Ciência Viva

Este ano lectivo a Ciência Viva presenteou as escolas com uma série de desafios interessantes na área da biologia. A nossa escola, agarrou todos! Durante o segundo período prepararam os seus projectos alunos do 6º, 8º, 11º e 12º anos, num total de 7 equipas. Das algas na alimentação, aos testes de toxicidade, passando pela resistência de bactérias aos antibióticos e pela utilização de macroinvertebrados na determinação da qualidade da água, o trabalho foi intenso e a aprendizagem valiosa, sempre com alguma diversão e muita boa disposição à mistura. Os resultados estão à vista: blog, vídeos, site e relatórios. Para o terceiro período já estão na “partida” 4 grupos de alunos do 8º, 11º e 12º anos. Desta feita, os trabalhos irão envolver ostras (3º ciclo) e bactérias (Ensino Secundário). Desabafos de quem passou um mês a estudar cianobactérias

O projecto “Ciência Viva” representou um obstáculo a superar. Inúmeros problemas foram surgindo e cumprir o que nos foi requisitado dentro das datas estipuladas tornou-se numa tarefa hercúlea. Vieram os testes,o trabalho acumu-

lidocaína. Pior sorte teve o rato cujo nervo ciático colocado num dispositivo experimental tivemos oportunidade de anestesiar...e comparar o potencial de acção antes e após o bloqueio dos canais de sódio. Finalizada a experiência os alunos retiraram-se do laboratório. Se mais esclarecidos ou se apenas confusos não o sei dizer (talvez ambos, arrisco eu). Mas o que foi de facto surpreendente foi a maneira como perguntas sobre o cérebro puxaram por milhões de neurónios. Luís Costa (turma 11.2)

lou, horas mal dormidas, resultados inesperados, enfim uma tonelada de trabalho. Mas todos (ou quase) sobreviveram às condições agrestes.Todos carregam as cicatrizes da “batalha” (no meu caso, padrões de sono bruscamente alterados e consequentemente mau humor continuado, não é nada bonito acreditem). Mas conseguimos,conseguimos e agora em retrospectiva posso olhar para trás e avaliar o meu trabalho (tarefa penosa!). E agora que olho por cima do ombro vejo erros óbvios, asneiras e alguma preguiça, algo evitável (embora comum). Mas não me perco na minha postura auto-crítica, nada se ganha em ficar preso em erros passados. Há que parar, reflectir e aprender para depois prosseguir, embalado no pensamento” para à próxima não falho!”. Apesar de tudo considero que este trabalho foi algo positivo, permitiu-me restabelecer limites, levou-me grandes feitos (não dormir para poder trabalhar entre eles)e, para além disto, gosto de pensar que evoluí não só como aluno mas como pessoa. Daí que não perdi tempo com as cianobactérias, ganhei algo muito mais importante com este projecto. Luís Costa (turma 11.2)

Profile for Didáxis V.S.Cosme

Jornal O Vale - Edição Nº 78  

Jornal O Vale - Edição Nº 78

Jornal O Vale - Edição Nº 78  

Jornal O Vale - Edição Nº 78

Profile for didaxis
Advertisement