Issuu on Google+

presente! R.U.

ANO IX - Nº 55 OUTUBRO/ 2013

IMPRESSA DIGITAL MURAL

PERMANÊNCIA: Está com dificuldade no curso? Tem problemas em adaptação? Saiba como lidar com essa situação

COMIDA BOA E BARATA EM BREVE NA UFT

PESQUISOU? PUBLIQUE!

Conheça melhor as revistas científicas

TURISMO:

O TO também tem caverna, conheça as mais bonitas

ENADE As provas mudaram! Confira as novidades


2 presente! EDITORIAL

CALENDÁRIO ACADÊMICO

Reitoria Itinerante: descentralizando a gestão Desde o dia 11 de setembro eu, a vice-reitora Isabel Auler e todo nosso grupo gestor estamos percorrendo todos os Câmpus com a Reitora Itinerante, projeto que visita cada unidade para conhecer melhor suas demandas e discutir, junto com a comunidade acadêmica, os melhores caminhos para a UFT, de acordo com as particularidades de cada câmpus. Projeto importante porque materializa um dos conceitos fundamentais de nossa visão para a Universidade: a descentralização da gestão. Um conceito que abraçamos desde que assumimos a Reitoria, e que acreditamos ser uma solução mais eficiente para administrar uma instituição multicampi como a nossa – e também para obter o melhor desempenho possível do enorme privilégio que é estar presente de norte a sul do Estado. Nesse contexto, contamos também com a Prefeitura Universitária. Por meio dela, fica muito mais fácil e ágil tomar conta da infraestrutura de cada unidade. Questões como manutenção em salas de aula, laboratórios e equipamentos ficam a cargo da Prefeitura, deixando assim as Direções livres para tratar dos assuntos acadêmicos. Descentralizar a gestão significa integrar mais profundamente nossa comunidade; reunir de maneira mais eficiente diferentes públicos da Universidade em torno de seu bem comum, com atenção especial às características de cada região. Com este projeto, temos certeza de que a UFT só tem a ganhar. Márcio Silveira Reitor

21 a 24/10 Período de ajuste de matrícula (inclusão e/ou exclusão de disciplinas). 25/10

Solicitação de matrícula em outro curso/câmpus.

23 a 25/10 Planejamento do Semestre 29/10

Início do Semestre Letivo de 2013

30/10

Último dia para solicitação de aproveitamento de disciplinas para o 2º

04/11

Último dia para solicitação de aproveitamento de disciplinas para o 2º semestre/2013.

04/11

Último dia para envio da Lista de Formandos 2013/1º

13/11

Consepe

18/11 a 18/12

Período de colação de grau oficial – 2013/1º.

20/11

Consuni

22/11

Reunião do Cerimonial com as Comissões de Formatura 2013/2º.

ESPAÇO DO ALUNO Sara da Costa é estudante de Ciências Sociais e artesã. Sustentabilidade e respeito ao meio ambiente foi o que a levou a iniciar seu trabalho de reutilização de materiais. O primeiro passo aconteceu em abril de 2013, quando ocorreu a I Jornada de Movimentos Sociais, no câmpus de Tocantinópolis. Durante o evento, ela ministrou uma oficina reutilizando garrafas pet, revistas, recipientes de produtos de limpeza e outros, que foram transformadas em objetos de decoração e pufs. A partir daí, Sara vem expondo em vários eventos da região, além de continuar com as oficinas, sempre muito procuradas pelo público.

Aqui é o seu espaço! Você pode publicar poesia, crônica, artigo, foto artística, charge, desenho, caricatura e o que mais sua criatividade permitir. Envie o trabalho para uftpresente@uft.edu.br. Os trabalhos serão selecionados pela Diretoria de Comunicação e publicados a cada edição.

EXPEDIENTE

presente!

Reitor: Márcio Silveira; Vice-reitora: Isabel Cristina Auler Pereira; Chefe de gabinete: Emerson Subtil Denicoli; Pró-reitora de graduação: Berenice Feitosa da Costa Aires; Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação: Waldecy Rodrigues; Pró-reitora de Avaliação e Planejamento: Ana Lúcia de Medeiros; Pró-reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários: George França; Pró-reitor de Administração e Finanças: José Pereira Guimarães Neto; Pró-reitor de Assuntos Estudantis: George Lauro Ribeiro de Brito; Diretor do Câmpus de Araguaína: Luiz Eduardo Bovolato; Diretor do Câmpus de Arraias: Idemar Vizolli; Diretor do Câmpus de Gurupi: Eduardo Andrea Lemus Erasmo; Diretor do Câmpus de Miracema: Vânia Maria de Araújo Passos; Diretor do Câmpus de Palmas: Aurélio Pessoa Picanço; Diretor do Câmpus de Porto Nacional: Juscéia Aparecida Veiga Garbeline; Diretor do Câmpus de Tocantinópolis: Flávio Moreira; Prefeitura: Erich Collicchio. ELABORADO E DESENVOLVIDO POR: Diretoria de Comunicação da Universidade Federal do Tocantins (Dicom) – Telefone: (63) 3232-8140 e-mail: comunicacao@uft.edu.br Direção: Celene Fidelis; Reportagens: Bianca Zanella, José Filho, Samuel Lima, Virgínia Magrin e Thomas Muller; Revisão: Paulo Aires; Edição: Virgínia Magrin; Diagramação: Eliene Lago; Estagiários: Caio Capela, Deborah Sena, Isabela Costa, Viuller Bernardo, Taciano Gouveia, Thiago Bastos, Denis Casina, Rita Coelho e Talita Melz; Administradora: Mirian Parente; Departamento de Produção Gráfica: Denise Neves, Felipe Leite, Talles Moura, Vladimir Alencastro.


presente! 3

CONHECENDO A UFT

Prograd cuida da gestão acadêmica Aprimoração da qualidade do ensino também é papel do setor Por Thomás Müller Thomás Müller

partir do momento em que um aluno entra na Universidade, passa a ter o que se chama de “vida acadêmica”: tem matrículas e rematrículas a fazer, aulas para assistir, é avaliado e recebe notas, escolhe e cursa disciplinas... Enfim, uma série de procedimentos que viabilizam o seu aprendizado e crescimento - e que permitem que seu desempenho seja acompanhado, para que esses processos se desenrolem da melhor forma possível. Berenice explica que a Prograd é responsável E é para desenvolver e acompanhar todas pelo desenvolvimento do aluno na UFT. essas atividades que existe a Prograd - PróReitoria de Graduação, órgão responsável pela entrada e por toda a vida acadêmica do aluno dentro da UFT. É de lá que saem as ações de planejamento e coordenação para manter a organização e o funcionamento dos cursos de graduação e, ainda, as medidas para sempre aprimorar a qualidade da educação. “Somos responsáveis por pensar o edital de entrada junto com a Copese e todo o processo de gestão da vida acadêmica do aluno. Acompanhamos seu desenvolvimento e retornamos as informações às Coordenações de Curso, para melhorar as atividades de ensino. Cuidamos ainda da emissão de diplomas, colação de grau, e até do acompanhamento dos egressos”, explica a pró-reitora, professora Berenice Feitosa Aires.

PROGRAMAS ESPECIAIS A Prograd oferece diversos projetos voltados à melhoria do desenvolvimento acadêmico dos alunos. Conheça alguns deles: - PET - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL É composto por grupos de estudantes, com tutoria de um professor, organizados a partir de cursos de graduação, sendo um grupo por curso. Contribui para o desenvolvimento e o envolvimento dos alunos em trabalhos de ensino, pesquisa e extensão. - PIBID - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INCIAÇÃO À DOCÊNCIA A função do Pibid é colocar o aluno em contato com as atividades da docência - e assim, mais preparados para atuar de maneira efetiva na na educação básica. - PIM - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA Outro programa que tem como objetivo despertar o interesse pela docência - embora não seja restrito aos alunos de licenciatura. Quem participa tem a oportunidade de exercitar seu potencial ainda na Universidade, chegando assim mais preparado ao mercado de trabalho. - PIMI - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA INDÍGENA É um programa semelhante ao PIM, mas voltado aos estudantes indígenas da UFT. A ideia é facilitar a inclusão desses alunos indígenas nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, e garantir o sucesso da sua empreitada na Universidade. Os professores que conhecem a cultura indígena do Estado, com projetos e pesquisas desenvolvidos na área, acompanham as atividades do PIMI.

Também são atribuições da Prograd os programas de capacitação dos professores da UFT, e a gestão de todo o sistema acadêmico - onde entram o acompanhamento de trancamentos, jubilamento, oferta de disciplinas e antecipação de cursos. “Cuidamos ainda da discussão e implementação dos projetos político-pedagógicos (PPPs) dos cursos e também dos programas de estágio supervisionado”, diz Berenice. Outra atribuição importante é a realização do Programa de Formação dos Professores da Educação Básica, o Parfor - realizado por meio de convênio com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Por meio dele, a UFT providencia formação de qualidade a 26 turmas de professores do Tocantins. Para dar conta de tudo isso, a Prograd conta com três diretorias: - Diretoria de Registro e Controle Acadêmico: cuida, entre outras atribuições, do acompanhamento das notas, do controle de oferta de disciplinas e do rendimento do aluno. Toda a integralização curricular é controlada por essa Diretoria. - Diretoria de Programas Especiais: trata de todos os projetos de acompanhamento e desenvolvimento acadêmico (veja Box) e também da formação de professores. - Desenvolvimento da Graduação: responsável por questões que envolvam Legislação, pelo abastecimento do banco de dados do e-MEC (sistema eletrônico de acompanhamento dos processos que regulam a educação superior no Brasil) e também pela discussão e implementação dos PPPs.

Atendimento Você, que está lendo esta matéria, deve estar se perguntando: “Se a Prograd é responsável por tantos aspectos da vida acadêmica, como é que eu faço para entrar em contato com ela?” É aí que entram as Secretarias Acadêmicas, que são todas subordinadas à Pró-Reitoria. “Para fazer suas reivindicações, o aluno deve se dirigir ao protocolo das Secretarias - que já estão, por si mesmas, preparadas para atender várias dessas demandas”, diz a pró-reitora. As coordenações de curso também estão aptas a atender algumas das solicitações dos alunos. De acordo com Berenice, “quando não é possível resolver a questão por esses meios, ela é levada diretamente à Prograd para análise e providência. A função da Prograd nesse âmbito é dar o parecer final sobre todas as questões acadêmicas da Universidade”.

Informatização Uma iniciativa importante nesse sentido é a implantação de um novo protocolo acadêmico, totalmente informatizado, que está sendo implantado gradativamente pela pró-reitoria. O novo sistema vai agilizar os processos e otimizar a sua distribuição (por exemplo, detectar automaticamente quais demandas irão para as coordenações ou para a Prograd). Aos poicos, o sistema permitirá que os estudantes façam seus pedidos e consultas diretamente pelo Portal do Aluno – reduzindo expressivamente a necessidade de filas e ligações. O processo de implantação já teve início, com a capacitação dos servidores que irão utilizar o sistema. Taciano Gouveia

A

As coordenações de curso também estão aptas a atender algumas das solicitações dos alunos.


4 presente! Arquivo pessoal

dificuldades acadêmicas? Conheça a historia de alguns alunos que deram a volta por cima e mantiveram o sonho da formação superior

Por José Filho

O

sonho de passar no vestibular em uma universidade pública federal e se formar na área escolhida, muitas vezes, é interrompido durante a graduação. Alguns fatores podem contribuir para essa situação como, por exemplo, a não identificação com o curso, dificuldades de aprendizagem em algumas disciplinas, não conciliação com o tempo de estudo, dentre outros. Isso pode suscitar dúvidas, insegurança e causar futuros prejuízos aos acadêmicos. Muitas vezes, quando o aluno passa por esse tipo de experiência, uma das primeiras atitudes de muitos é a opção pela mudança de curso. Já outros buscam alternativas, dentro da mesma área, no intuito de tornar a vida acadêmica mais dinâmica e interessante. Mas

EXTRAVESTIBULAR Hoje denominado Transferência Interna, Transferência Facultativa, Reingresso e Ingresso de Portador de Diploma: é o processo seletivo realizado a cada semestre para preenchimento de vagas ociosas nos cursos de graduação. É aberto para toda comunidade acadêmica (interna e externa). REUNI Processo seletivo realizado semestralmente para atender o estudante que estiver no ciclo de formação geral dos cursos interdisciplinares do Reuni/UFT e que deseja optar por outra área de formação dentro da mesma área de conhecimento. MOBILIDADE ACADÊMICA NACIONAL Permite que estudantes de qualquer curso de graduação das Instituições credenciadas junto à Andifes possam se deslocar para outras IFES para cursarem parte das disciplinas do currículo de seu respectivo curso. As instituições que obtiveram o maior número de ingressos são: Universidade de Brasília , Universidade Federal de Viçosa, Universidade Federal do Pará, Universidade Federal de Goiás, Universidade Federal do Paraná, entre outras. Mais informações pelo e-mail mobilidade@uft.edu.br, ou pelo telefone (63) 3232-8271.

profissional bem mais completa. Também diria que não só a vida acadêmica fica mais dinâmica e interessante, mas a vida em todos os seus aspectos”. “Em Londres tive a oportunidade de estagiar na Useful Simple Projects com pessoas que são referências mundiais na área que pretendo atuar profissionalmente, e os tenho hoje como colaboradores para o meu projeto de TCC. Poder vencer todos os desafios me dá segurança em afirmar que participar de um programa como esse pode sim, ser considerado um upgrade”, conclui. Antônia Lopes Sousa, que está prestes a ingressar no 6º período de Engenharia Ambiental, viveu a angústia da não organização do tempo para organizar os estudos, o que acabou afetando seu desempenho em sala de aula. “Não tive controle do tempo e isso me prejudicou muito”, conta ela, acrescentando que a saída foi buscar orientação na sala de Apoio Psicopedagógico do Câmpus de Palmas. “Com a orientação, eu recuperei minha autoconfiança e estou mais preparada para seguir no meu curso”, observa. Para a pedagoga do Apoio Psicopedagógico, Sirlene Oliveira, quando o aluno sentir necessidade, é muito importante buscar orientação pedagógica ou psicológica. “Porque ele (aluno) vai ser levado a refletir sobre o contexto do que realmente procura. Isso pode evitar frustrações e até conflitos internos”, explica. Sirlene diz também que com a orientação, o aluno pode decidir qual o melhor caminho a seguir ou então passa a ver de forma mais clara as possibilidades que o curso oferece e passa a gostar da área que está cursando. Na UFT, aqueles acadêmicos que, por algum motivo, enfrentam dificuldades com o curso escolhido, podem fazer o extravestibular para mudar de área; quem faz parte dos cursos do Reuni, também pode fazer a reopção de cursos. E há também a possibilidade de participar dos programas de mobilidade acadêmica nacional e internacional.

APOIO PSICOPEDAGÓGICO O atendimento individual aos alunos acontece no Bloco II – Sala 31 – Câmpus de Palmas. Fone: (63) 3232 8245

al

MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL Se dá por meio de Chamadas/Editais periódicos, quando são realizadas seleções e testes de proficiência em língua estrangeira. A Diretoria de Assuntos Internacionais (DAI) possui várias instituições parceiras e lança editais continuamente. No programa Ibero-americanas Santander há vagas para Zaragoza e Múrcia/ Espanha, no Top Espanha - Santander Universidades há vagas para Salamanca, Zaragoza e Múrcia. A DAI ainda mantêm alguns convênios, tais como o Brafagri (Convênio Brasil x França) para os cursos de Agronomia e Engenharia Florestal, Nopa (Alemanha) para os cursos de Engenharia de Alimentos e Nutrição e com o Programa de Mobilidade Mercosul (Argentina). Além disso, também há os convênios diretos entre a UFT e parceiros do exterior em países como a França, Portugal, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Canadá. Até agora 17 alunos já retornaram do exterior, 40 estão saindo no início deste semestre e aproximadamente 60 alunos estão aguardando serem chamados para o início de 2014. Mais informações pelo e-mail mobilidade@uft.edu.br, ou pelo telefone (63) 3232-8271.

Radson durante m omento de descontração em parque de Londre s

Arquivo pesso

Leonardo durante a colação ia de grau no curso de Econom

no geral, os discentes enfrentam conflitos internos que podem atingir a autoconfiança e se refletirem no desempenho em sala de aula. Para quem viveu essa situação, a frase “nunca é tarde para recomeçar” é bem aplicada. É o caso de Leonardo Brasil. Aprovado em Comunicação Social/Jornalismo, ele chegou ao 5º período do curso, quando percebeu que não se imaginava trabalhando na profissão. Então, resolveu parar e tentar um outro vestibular para Economia. Cinco anos depois, Leonardo Brasil se formou e atualmente é mestrando em Desenvolvimento Regional pela UFT, além disso, é economista do IFTO. “Optei por ser um profissional feliz. Minha mudança foi acertada. Não me arrependo”, afirma. Já o aluno do 9º período de Engenharia Ambiental, Radson Lima Figueiredo, na intenção de dar um upgrade no curso, buscou vôos mais altos e resolveu participar da mobilidade internacional. “Queria ter uma formação complementar em uma universidade do exterior, além disso, sempre tive vontade de conhecer outros países, culturas e línguas”, explica. O acadêmico retornou no início de setembro do intercâmbio de um ano na University of East London (Inglaterra). Radson destaca a importância do intercâmbio. “Com as experiências que tive, eu tenho uma formação


Samuel Lima

presente! 5

Cota indígena Busca de conhecimento para melhorar a comunidade indígena

Por Samuel Lima

O

estado do Tocantins está em uma região bastante diversa em se tratando da questão indígena. São pelo menos seis povos só no Tocantins (Apinajé, Karajá-Xambioá, Krahô, Krahô-Kanela, Javaé e Xerente), sem falar nas etnias dos estados vizinhos. Para os indígenas, a Universidade disponibiliza oportunidades de ingresso e permanência no ensino superior por meio de cota específica. Em 2004, foi realizado um levantamento socioeconômico, social e étnico-racial na UFT, envolvendo 4.560 estudantes e que resultou na autodeclaração de 64,4% destes como negros (pretos e pardos), 33,4% brancos, e 0,6% indígenas. Desde então, por entender que havia necessidade de inclusão dos povos indígenas no ensino superior, a UFT prevê em seus vestibulares 5% do total de vagas para as comunidades indígenas. O candidato indígena precisa comprovar, por meio de declaração da Fundação Nacional do Índio (Funai), sua etnia e assim pode concorrer às vagas disponibilizadas pelo Vestibular. Na última edição do Vestibular, por exemplo, foram disponibilizadas 47 vagas para indígenas, para as quais foram feitas 80 inscrições (concorrência de 1,7 candidato/vaga). O curso mais concorrido foi Medicina, com 20 candidatos para as duas vagas disponíveis; seguido de Pedagogia, com oito candidatos para as duas vagas. Enfermagem, Ciências Sociais e Direito vieram a seguir, como os cursos mais procurados no último processo vestibular. A cota indígena - a primeira do gênero no Brasil - já começa a surtir bons resultados, com a conclusão dos estudos em várias vertentes do conhecimento, tanto na graduação quanto na pós-graduação. A UFT tem hoje 174 estudantes indígenas com vínculo ativo em seus diversos câmpus e cursos – entre presenciais e via ensino à distância (EaD).

GTI - Grupo de Trabalho Indígena

Na UFT foi criado um Grupo de Trabalho Indígena, com o intuito de tornar-se um espaço de discussão e realização de ações de melhoria da qualidade de vida e da educação dos povos indígenas, minimizar as dificuldades pedagógicas e ampliar a discussão sobre diversidade sociocultural. Objetiva ainda recepcionar os alunos indígenas; promover o intercâmbio entre indígenas e a comunidade acadêmica; promover debates sobre a diversidade cultural e a educação inclusiva; propor projetos de extensão voltados para a diversidade étnico-racial; e compor a Comissão Especial de Políticas de Promoção para a Igualdade Racial da UFT.

Pimi O Programa Institucional de Monitoria Indígena (Pimi) tem como objetivo facilitar a inclusão dos alunos indígenas nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, contribuindo, dessa forma, para a sua permanência e sucesso acadêmico. A função do monitor remunerado ou voluntário será exercida por estudantes regularmente matriculados nos cursos de graduação e classificados em processo seletivo realizado no Colegiado de Curso ao qual o aluno indígena está vinculado.

PET Indígena O Programa de Educação Tutorial consiste na organização, a partir dos cursos de graduação, de ações desenvolvidas por grupos de estudantes - monitorados por um docente - sob o tripé ensino/pesquisa/extensão. Os Programas de Educação Tutorial atuam em áreas prioritárias e de políticas públicas de desenvolvimento na correção das desigualdades sociais e regionais.

Tapuia, que está nos períodos finais do curso de Ciências da Computação, no Câmpus da UFT em Palmas. Ele conta que o sistema de cotas é importante para o indígena, porque permite que ele tenha acesso ao conhecimento que, depois, deverá retornar para seu povo, na aldeia. “A motivação de todos os estudantes indígenas, hoje, é esta: formar-se para poder voltar à aldeia e ajudar seu povo!”, diz o estudante que vem da região do Lago Grande do Curuaí, município de Santarém, no estado do Pará. Ele destaca também que os indígenas podem ser os próprios protagonistas na defesa dos seus direitos. “Precisamos nos formar para defender os direitos dos povos indígenas”, resume Uirá. Ao falar sobre a permanência na UFT, o indígena frisa que para boa parte dos estudantes é uma questão muito importante, principalmente por causa da grande diferença na formação básica, na comparação com os estudantes não-indígenas. “É preciso que tenhamos indígenas em todas as áreas de conhecimento para podermos também melhorar a qualidade do ensino educacional nas aldeias, onde todos nós começamos os estudos”, diz o estudante. Também com o mesmo sentimento, o estudante Railton Karajá ingressou este ano no curso de Engenharia Civil da UFT em Palmas. Ele destaca que já está sentindo dificuldades, mas espera conseguir superar tudo e formar-se para poder voltar à aldeia. “Se para o estudante não-indígena já é difícil, imagina para o indígena, que tem uma base do ensino básico menor. Mas acredito que vou conseguir. A intenção é voltar para meu povo e conseguir melhorar – mantendo nossa cultura – nosso modo de construir as moradias”, pontuou o estudante.

Jpsé Filho

Motivação - Um dos alunos indígenas a caminho da conclusão do curso é Uirá

Cultura indígena está presente na Universidade


6 presente!

Restaurante Universitário comida boa e barata

Caio Capela

em breve na uft

Proest estima que deverão ser servidas cerca de 2,3 mil refeições por dia de 2,3 mil refeições diárias, sendo 1,4 mil no horário do almoço e outras 900 refeições no horário do jantar. “É uma vitória da comunidade acadêmica e de toda a Universidade”, pontua o pró-reitor. Ainda segundo ele, o RU consolida de forma importante parte da política de assistência estudantil, promovendo a permanência do estudante no ambiente universitário. “É um grande avanço para que o estudante, sobretudo aquele carente, consiga desenvolver a contento suas atividades no ambiente universitário”, complementa Brito.

Brito também anunciou que deverá ser implementado um auxílio-alimentação, visando atender principalmente aqueles estudantes que têm comprovadamente dificuldades na situação financeira. “Pretendemos colocar bolsas de 100% e de 50%, conforme o perfil socioeconômico do aluno”, complementou o pró-reitor. Outra novidade é a busca de sustentabilidade também em relação aos utensílios que serão fornecidos pelo Restaurante Universitário. Os copos, por exemplo, não serão descartáveis. “Faremos uma distribuição de canecas, personalizadas, para os usuários. Cada um terá sua caneca e que servirá para que ele possa tomar o suco ou mesmo a água. Não teremos copos descartáveis, preservando assim a natureza de receber este material depois de utilizado, e também para atender à missão da UFT, no sentido do fomento à preservação do meio ambiente”.

Subsídios e bolsas

Cardápio balanceado

Por Samuel Lima

Os

restaurantes universitários (RUs) de Palmas e de Araguaína estão na fase final de licitação e deverão entrar em efetivo funcionamento até o final deste ano. A previsão é do pró-reitor de Assuntos Estudantis e Comunitários da Universidade Federal do Tocantins, George Brito. Na última semana de agosto teve início o processo licitatório para escolha da empresa responsável pelo RU, tendo como vencedora a empresa Vogue Alimentação e Nutrição Ltda. ME, de Aparecida de Goiânia (GO). A empresa ficará responsável pela gestão dos restaurantes, sob a forma de concessão pelo período de um ano, prorrogável por mais cinco anos. O Restaurante Universitário é um dos grandes anseios da comunidade acadêmica, principalmente a estudantil. Cada um dos restaurantes terá 1.119,06 metros quadrados, com espaço para instalação de 276 assentos na parte interna e mais 116 na parte externa – nas varandas do prédio. Segundo o pró-reitor, é esperada a produção de um total

Parte do custo da alimentação no Restaurante Universitário será subsidiado pelo Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES). Conforme explicado pelo pró-reitor, os valores de cada refeição ainda estão sendo definidos, mas será compatível com o que é cobrado hoje, por exemplo, nos restaurantes universitários existentes no país, com a diferença que no RU serão servidas refeições também no período do jantar.

Outro detalhe diferencial no Restaurante Universitário será o cardápio que, segundo o pró-reitor, já está sendo trabalhado. ‘Em cada Câmpus onde houver restaurante universitário, (no caso, Palmas, Araguaína e posteriormente Gurupi cujo restaurante ainda está em fase de construção) teremos nutricionistas para trabalhar a questão da qualidade da comida”, disse Brito, Ressaltando que estes estarão vinculados à UFT/ Prost/


Gestão e funcionamento

A licitação para escolha da empresa que vai gerir o restaurante universitário teve início no dia 28 de agosto, no Câmpus da UFT em Palmas. Segundo George Brito, o restaurante deverá funcionar de segunda a sexta-feira, tanto no horário do meio-dia quanto no final da tarde. Os dois primeiros restaurantes deverão funcionar em Palmas e em Araguaína. O de Gurupi terá seu início em uma segunda etapa. “Já estamos iniciando o processo licitatório para o restante (40%) dos equipamentos”, disse o pró-reitor. Para Brito, os restaurantes universitários vão suprir grande parte da demanda de alimentação da Universidade. Ainda assim, outras alternativas estão sendo estudadas para beneficiar ainda mais a comunidade universitária.

Vivência e convivência Sobre a necessidade de espaços de convivência na UFT, o reitor Márcio Silveira diz que “a universidade além de se preocupar com o ingresso, tem que buscar implementar mecanismos de permanência dos estudantes. Isto tem tudo a ver com espaços de convivência e vivência, espaços esportivos e boa alimentação”, afirma. Silveira frisa ainda que nutricionistas vão acompanhar a qualidade da alimentação e isto terá efeito direto no rendimento de estudantes. “Da maneira como foi projetado à qualidade da refeição, temos a convicção de que a comunidade universitária vai ficar satisfeita com o Restaurante Universitário”, diz o reitor. “Será um espaço de vivência, convivência e será um espaço onde os cursos se integram, os estudantes se encontram “, complementa Silveira.

Estudante

Samuel Lima

Vários estudantes almoçam na UFT. É o caso de Lucas Pucci, que cursa Engenharia Civil. Ele diz que prefere almoçar na Universidade por conveniência e espera que com funcionamento do Restaurante Universitário a qualidade da alimentação melhore. Ele prefere não falar sobre suas expectativas quanto ao RU, mas foi bastante enfático ao dizer que a qualidade vai depender de como o espaço vai ser gerido pela empresa que vencer a licitação. “A questão da qualidade da comida, da higiene, do espaço, são importantes”. Ele enfatiza que apesar de o RU ser um espaço para convivência, também, são necessários outros espaços na Universidade.

Lucas espera que a qualidade da alimentação na UFT melhore com o RU.

presente! 7 Mais investimentos em Laboratórios Doze programas de pós-graduação Stricto Sensu (mestrados e doutorados) da UFT vão receber da Capes recursos no valor de R$ 700.535,63 para aquisição de equipamentos para compor seus laboratórios. O valor foi concedido por meio do edital Capes nº 27/2013, que apoia propostas que visem atender a necessidade de equipamentos destinados à melhoria da estrutura de pesquisa científica e tecnológica dos Programas de Pós-Graduação, em todas as áreas do conhecimento, nas Instituições Públicas de Ensino Superior, priorizando investimentos em equipamentos de uso compartilhado no desenvolvimento de pesquisas. Segundo a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesq), no ano passado o valor foi de R$ 393.808,41 - um aumento de mais de 40% para este ano. Segundo o titular da pasta, professor Waldecy Rodrigues, o acréscimo corrobora a qualidade dos projetos feitos pelos programas e também o interesse da própria Capes em fortalecer Instituições Federais de Ensino Superior na região norte do País. Ainda segundo ele, a infraestrutura será fortalecida e, consequentemente, a qualidade da pesquisa realizada na UFT. A UFT tem hoje 25 programas Stricto Sensu. A compra dos materiais seguirá os trâmites normais, com o processo licitatório tendo início até o final do ano. Deverão ser beneficiados com os recursos os programas de Ciência Animal Tropical, Agroenergia, Ciências da Saúde, Engenharia Ambiental, Ciências do Ambiente, Ecologia de Ecótonos, Geografia, Produção Vegetal, Ciência e Tecnologia de Alimentos, Modelagem Computacional, Ciências Florestais e Ambientais e Biotecnologia.

Entenda o que é o PNAES Criado em 2008, o Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) apoia a permanência de estudantes de baixa renda matriculados em cursos de graduação presencial das instituições federais de ensino superior (Ifes). O objetivo é viabilizar a igualdade de oportunidades entre todos os estudantes e contribuir para a melhoria do desempenho acadêmico, a partir de medidas que buscam combater situações de repetência e evasão. O Pnaes oferece assistência à moradia estudantil, alimentação, transporte, à saúde, inclusão digital, cultura, esporte, creche e apoio pedagógico. As ações são executadas pela própria instituição de ensino, que deve acompanhar e avaliar o desenvolvimento do programa. Os critérios de seleção dos estudantes levam em conta o perfil socioeconômico dos alunos, além de critérios estabelecidos de acordo com a realidade de cada instituição. (Fonte: MEC)

Eliene Lago

Câmpus e das wempresas concessionárias. É prevista também a instalação de uma sala para estágio dos estudantes dos cursos de Nutrição e Engenharia de Alimentos, para dar suporte e análise quanto à qualidade do que será servido aos usuários.


8 presente!

Você vale o tanto que publica!

O velho ditado da academia é uma realidade para quem quer alçar voos mais altos

Por Virgínia Magrin

Caio Capela

cronograma do Enade

Estudantes de graduação devem ficar atentos às mudanças

Por Bianca Zanella

A

lunos ingressantes e concluintes dos cursos de Zootecnia e Veterinária (Câmpus de Araguaína), Agronomia (Gurupi), Enfermagem, Medicina e Nutrição (Palmas), e Serviço Social (Miracema) da Universidade Federal do Tocantins (UFT) devem ficar atentos às datas do cronograma do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) 2013. A prova acontece no dia 24 de novembro, e este ano, diferentemente dos anos anteriores, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), todos os estudantes concluintes desses cursos inscritos pela Universidade deverão ser convocados. Já os ingressantes precisam apenas se certificar de estarem inscritos e em situação regular com o Enade, o que é condição indispensável para a colação de grau. A UFT inscreveu 1.490 alunos para o exame este ano, segundo a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), e destes cerca de 500 – que são os concluintes - devem ser convocados para a prova. A lista dos estudantes inscritos e convocados ao Enade 2013 foi divulgada pelo Inep no dia Fiqu e At 20 de setembro, no dia 22 de ento outubro começa o prazo para As p ! ro que os estudantes respondam no d vas do En ia o questionário eletrônico Outr 24 de no ade aco a n v s de avaliação, que também é obtid inform embro. tecem a a ç obrigatório. Todas as informações http: s no site ões pod //por em s sobre o Exame podem ser tal.in er e acompanhadas por meio do p.gov . br/en banner do Enade, no Portal do ade. Aluno da UFT. Os cursos avaliados a cada edição são definidos pelo Ministério da Educação (MEC).

No meio acadêmico sempre ouvimos falar da importância da produção científica, de propagar o conhecimento e consequentemente enriquecer o currículo e adquirir cada vez mais experiência em diferentes áreas do conhecimento. Os meios para isso são diversos, mas um dos mais conhecidos e apreciados na academia são as Revistas Científicas. Para o diretor de pesquisa da UFT, Patrick Letouze, isso acontece porque a revista, atualmente, é o principal indicador de produtividade de um cientista no mundo inteiro, além de permitir uma apresentação mais detalhada, que em um congresso por exemplo. No Brasil, a relevância de uma revista é indicada pelo sistema Qualis da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), no entanto, no restante do mundo, o item mais importante é o fator de impacto publicado pelo JCR (Journal of Citation Reports), onde as revistas são ranqueadas por área. Além disso, também existem outros índices, ou fatores de impacto de revistas, tais como o H-index e SCImago O diretor de Pós-graduação da UFT, Abraham Zuninga, explica que o fato de uma revista não ter o Qualis, não significa que ela seja ruim, pois a avaliação da Capes demora e pode ser que ela ainda não tenha sido avaliada pelo sistema. Outra questão que é importante ter em mente, é a dinamicidade do sistema – uma revista que é bem conceituada hoje, pode ser que não seja amanhã – garante ele. Letouze aconselha: “Para um aluno de graduação, publicar junto com seu orientador, significa aumentar sua probabilidade de ingressar em um dos mestrados do país com bolsa, ou pular com mais facilidade de um mestrado, para um doutorado”, garante ele, que já viu muitos de seus orientandos se beneficiar com isso. O que está esperando para começar a publicar? Abaixo você confere as revistas existentes na UFT atualmente.

Nome da revista

Desenvolvimento & Território EntreLetras Journal of Biotechnology and Biodiversity Perspectivas Revista Amazônica de Medicina Tropical e Saúde Pública

Núcleo ou programa vinculado

E-mail

Mestrado em Desenvolvimento Regional

revistadet@uft.edu.br

Pós em Ensino de Língua e Literatura da UFT

camargolitera@uft.edu.br

Mestrado de Biotecnologia

jbb@uft.edu.br

Colegiado de Filosofia

jusantanaa@uft.edu.br

Escola de Medicina

revamtropmed@uft.edu.br

Maturidade

Colegiado de Pedagogia

neilaosorio@uft.edu.br

Escritas

Colegiado de História da UFT

histarag@uft.edu.br

Colegiado de Geografia

reaft@uft.edu.br

Estudos Amazônicas: Fronteiras e Territórios

Caio Capela

Interface

Núcleo de Pesquisa em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento

Pontos e Tramas

Colegiado de Letras

pontosetramas@uft.edu.br

Teatro e Construção de Conhecimento

Colegiado de Arte-Teatro

juliano.casimiro@uft.edu.br

Vertentes do Direito

Curso de Direito

suyenerocha@uft.edu.br

Tocantinense de Geografia

Colegiado de Geografia

nemad@uft.edu.br

delagnisse@uft.edu.br


presente! 9

ESPORTE

´ Qual o papel da atletica no curso? uniram. Juntos, eles planejam possíveis campeonatos e festas, para fortalecer o nome da engenharia na universidade e criar uma interação maior entre os alunos. Para o presidente da Atlética de Engenharia Civil, Rainner Clen, o projeto é uma forma de unificar as engenharias e aumentar a vontade dos alunos pela prática do esporte, ajudando também na qualidade de vida dos mesmos.

Por Rita Coelho e Virgínia Magrin

E

star no ambiente universitário é poder vivenciar diferentes experiências, entre elas estão as Atléticas. O nome ainda não é tão comum, mas seu objetivo é bastante aceito - unir os alunos para defender o nome do curso e promover a integração por meio do esporte e festas. Muitos podem confundir o papel da Atlética com o papel do Centro Acadêmico (CA), mas não há confusão, garantem os participantes. O CA é uma entidade que representa os alunos nas organizações de atividades acadêmicas como palestras, semana acadêmica, mediação de conflitos, entre outros. Já a Atlética, tem como atividades principais o esporte, a bateria e a diversão. A integração é importante, afinal, o objetivo é o mesmo: alcançar os alunos e trazerem melhorias para o curso. Em Palmas, as Atléticas de Engenharia de Alimentos, Ambiental, Civil e Elétrica se

VOCÊ REPÓRTER

Futebol não tem gênero, tem craques! Por Rosalvo Carvalho *Rosalvo Carvalho é Assistente em Administração, do Câmpus de Arraias.

O projeto “Futebol não tem gênero, tem craques”, teve início em setembro de 2012 visando articular práticas esportivas com ações educativas e humanitárias. A intenção é possibilitar às alunas/atletas da educação básica participar de práticas esportivas, como o futebol de salão, e ao mesmo tempo retirá-las do processo de vulnerabilidade social. Atualmente as atividades contam com 30 alunas na faixa de 9 a 15 anos e a procura para entrar no projeto vem aumentando. O projeto é coordenado pelo Prof. Antonivaldo de Jesus (Tony) e pela Profª. Valdirene de Jesus (Pedagogia) e conta com a participação de vários voluntários. Jesus explica que muitas participantes, fora de seus horários de aulas, estão expostas à ociosidade, drogas e outras práticas ilícitas. “Na cidade, as crianças encontram várias situações de risco, um exemplo, é o número de gravidez na adolescência e a prostituição infantil”.

O estatuto de uma Atlética se adéqua de acordo com o curso e não existe uma regra, mas é importante que os alunos peçam informações para a gestão atual da atlética do curso. O tempo de gestão é de um ano letivo e a chapa pode ser composta por seis a dez membros. Para que a gestão possa ser válida, é necessário que tenha eleição. Quando o curso não tem Atlética ou a mesma está inativa é necessário que os alunos peçam informações ao Centro Acadêmico. Segundo o diretor de esportes da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis, Joab Virgínio, os projetos de esportes solicitados pelas Atléticas à diretoria têm sido apoiados nos últimos anos, com troféus, materiais esportivos, arbitragem, transporte e empréstimo de coletes e uniformes.

Apoio Para solicitar o apoio da UFT em jogos e eventos, as diretorias das atléticas devem apresentar um documento por escrito do evento à Diretoria de Esportes/ PROEST ou encaminhar pelo e-mail uftesportes@uft.edu.br. Esclarecimentos podem ser feitos pelo telefone (63) 3232 8594.

O projeto foi proposto como forma de dar condições a uma saúde física e mental e com melhores perspectivas de vida futura individual e familiar, por meio da prática esportiva. Aliado a essa possibilidade, espera-se que contribua ainda, com o desempenho escolar destas alunas/atletas, pois as atividades de aperfeiçoamento esportivo podem contribuir na melhoria comportamental e evidenciar “novas e diferentes” perspectivas de vida. I.C., é mãe de duas das alunas/atletas que fazem parte do projeto, ela diz que tem visto muitas mudanças em suas filhas. “Uma delas, no início, não queria participar, pois achava que não seria capaz de aprender a jogar, acertar os passes. Hoje ela mudou, está mais alegre, mais confiante, melhorou a autoestima e está mais entusiasmada. Fica contando os dias para os treinos. Está sendo muito bom. Antes ela tinha poucos amigos e queria ficar só em casa isolada. Hoje não! Nas duas, observo que está sendo muito significativo!”, comemora a mãe.

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Como montar a Atlética do seu curso?


Acervo do Tocantins Espeleo Grupo - TEG

10 presente! TURISMO

Tocantins tem 293 cavernas catalogadas Saiba como conhecer toda essa beleza natural de perto Por Virgínia Magrin

Mendes), através do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cecav). Esses órgãos dão a liberação de acordo com o fim que você tem - científico, didático e turismo”, garante o professor. A caverna é um bem da união, portanto é preciso conversar com o dono da propriedade para visitá-la, pedir uma liberação. Outro cuidado a ser tomado é com a segurança. Morais alerta que é preciso entrar com equipamento de proteção individual, capacete para exploração de cavernas e iluminação de cabeça que deixa suas mãos livres para se locomover. Com todos os cuidados tomados é só escolher um destino e partir para desvendar as belezas do Tocantins.

Aurora do Tocantins - Nem sempre é fácil acessar esses ambientes, é preciso ter bom preparo fixo, estar bem equipado e acompanhado - não se entra em caverna sozinho!

Oportunidade de trabalho No Tocantins hoje há pouquíssimas pessoas habilitadas em trabalhar com cavernas, isso faz com que seja um campo bastante promissor para profissionais da área de Geografia, Biologia, Engenharia Ambiental e História.

Curiosidades A maior caverna do Tocantins se chama Explosão e tem 1.203m. A mais profunda é a Babaçulândia com 75m. Na página https://www.facebook.com/teg. tocantinsespeleogrupo você encontra várias fotos e informações sobre outras cavernas do estado. Acervo do Tocantins Espeleo Grupo - TEG

A

cada passo dentro de uma caverna uma surpresa diferente, belezas e mistérios que vão sendo contemplados e desvendados por curiosos ou pesquisadores. Para quem gosta deste tipo de beleza natural, o Tocantins fornece uma gama de locais turísticos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Espeleologia, há 293 cavernas catalogadas no estado. O professor do colegiado de Geografia em Porto Nacional, Fernando Morais conhece bem essa realidade. Ele estuda cavernas há 13 anos, já mapeou mais de 100 cavernas, participou de levantamentos nos estados de Minas Gerais, Bahia, Tocantins e Goiás, além de ter experiências com grupos espeleológicos do Uruguai e Eslovênia. Ele explica que as cidades que mais apresentam cavidades propícias ao turismo no estado são Aurora do Tocantins, Arraias, Lagoa da Confusão, Taguatinga, Pindorama e Dianópolis. “É lógico que essas são as mais chamativas, mas existem ainda outras cidades com ocorrências e acesso difícil, que ainda não foram estudadas”, esclarece Morais. Quem quer conhecer esses lugares, como a belíssima caverna da Lagoa do Japonês, em Pindorama, é preciso ficar atento a alguns cuidados. “Procure alguém que esteja habilitado a levar você na caverna, geralmente são guias turísticos da cidade, que precisam ter autorização do ICMBIO (Instituto Chico


Lagoa da Confusão – Localizada aproximadamente a 3 km da sede do município, essa caverna fica acessível apenas de três a quatro meses por ano, o restante do tempo ela fica inundada. A caverna, que já foi palco de missas no dia de finados, possui um alto grau de significado geológico, pois através dela dá para saber como foi a evolução da Lagoa da Confusão como um todo.

Caverna em Dianópolis - Localizada em uma área chamada Complexo do Queijo Suíço, com mais de seis cavernas pequenas e interligadas que evoluíram juntas, o local conta com várias cachoeiras e é um excelente atrativo turístico para os finais de semana.

Pindorama – Situada a 10 km da sede do município, essa caverna esta na borda de uma lagoa de águas cristalinas e se desenvolve em dois pavimentos, como se fossem dois andares. Ela é bem ornamentada com vários espeleotemas raros e no seu interior foram encontradas alguns exemplares de quelônios ainda não catalogados neste ambiente no Tocantins.

A UFT que queremos até 2022 Novo planejamento estratégico da UFT deve ser concluído até dezembro Por Bianca Zanela

Que caminhos de desenvolvimento a Universidade Federal do Tocantins (UFT) deve trilhar nos próximos nove anos? É essa pergunta que norteia o trabalho da comissão formada para atualizar o planejamento estratégico da instituição. Liderada pela pró-reitora de Avaliação e Planejamento, Ana Lúcia Medeiros, a equipe conta com o apoio do professor da Universidade Nacional de Brasília (UNB), Elimar Nascimento, que participou da elaboração do primeiro planejamento estratégico da UFT e já colaborou também com outros projetos da instituição. O processo de planejamento é descentralizado. Sete subcomissões trabalham na elaboração do diagnóstico de cada câmpus e toda a comunidade acadêmica será chamada a responder um questionário com dados que servirão de base para as etapas finais do trabalho. A comunidade externa também está convidada a participar com sugestões pelo e-mail planejamentoestrategico@uft.edu.br, e todos podem acompanhar as informações sobre o que vem sendo desenvolvido pela comissão por meio do site da UFT. Professores, servidores e alunos podem ainda opinar em um fórum criado especialmente para esta finalidade na plataforma Moodle, usando seus logins institucionais.

Até dezembro devem ocorrer três oficinas em Palmas com a participação de representantes de todos os câmpus e de todas as categorias que compõem a comunidade acadêmica, onde com base nos diagnósticos serão definidos os objetivos estratégicos, a visão e os valores que irão conduzir o desenvolvimento da UFT até 2022. Segundo a pró-reitora, a própria missão da Universidade deverá ser repensada. “Infelizmente essas oficinas não poderão ser abertas a todos, mas é muito importante que, por meio dos canais disponíveis (fórum, questionário, e-mail), toda a comunidade se envolva neste processo de planejamento participativo, porque no final isso se refletirá em questões como a distribuição de recursos, investimentos e, sobretudo, na sociedade e nos serviços que a Universidade oferece aos cidadãos, que vão muito além do ensino”, comenta Ana Lúcia. Depois da consolidação, que deve acontecer até dezembro deste ano, o planejamento estratégico servirá de base para a elaboração de planos e programas de ação a serem desenvolvidos pelos mais diferentes setores da instituição.

Acervo do Tocantins Espeleo Grupo - TEG

Acervo do Tocantins Espeleo Grupo - TEG

Acervo do Tocantins Espeleo Grupo - TEG

presente! 11


12 presente! EVENTOS O que?

Onde?

Quando?

Todos os Câmpus

28 de outubro a 01 de novembro

Câmpus de Palmas

05 e 06 novembro

Câmpus de Araguaína

05 a 08 novembro

I Semana de Teatro e Filosofia: lugares e ficções

Câmpus de Palmas

05 a 08 novembro

X Simpósio de Educação do Campus de Palmas da UFT

Câmpus de Palmas

06 a 08 novembro

Câmpus de Araguaína

11 a 13 novembro

VI Semana Acadêmica de Medicina

Câmpus de Palmas

14 a 16 novembro

A Interdisciplinaridade Aplicada aos Sistemas de Energia

Câmpus de Palmas

18 a 22 de novembro

VI Semana Acadêmica de História: Cultura, Poder e Território

Câmpus de Araguaína

19 a 22 novembro

Semana Integrada de Administração, Contábeis e Economia

Câmpus de Palmas

19 a 21 novembro

Câmpus de Palmas e Miracema

19 a 22 novembro

III Semana Acadêmica de Engenharia Civil

Câmpus de Palmas

19 a 22 novembro

Formação de Professores: Desafios das Licenciaturas de Matemática e Pedagogia para o Século XXI

Câmpus de Arraias

25 a 29 novembro

I Semana Acadêmica Integrada

Câmpus de Gurupi

25 a 29 novembro

Seminário de Iniciação Científica

Câmpus de Palmas

26 a 29 de Novembro

Semana dos Livros e das Bibliotecas da UFT II Workshop Modelagem Computacional Educação e Ciências: Reflexões Sobre Gestão do Conhecimento e Inovação

IX Semana Acadêmica de Letras e I Simpósio de Linguística, Literatura e Ensino: Perspectivas Críticas e Epistemológicas para o Ensino de Língua e Literatura na Contemporaneidade

I Semana Acadêmica da Saúde

REVELANDO OS CÂMPUS Quem mandou as fotos nesta edição, foi o acadêmico de Serviço Social em Miracema, Rodrigo Mamédio de Lima. Abaixo, ele descreve com suas palavras como vê seu câmpus.

Hall de entrada do Câmpus de Miracema É um dos locais mais visitados, tanto pelos servidores quanto pela comunidade acadêmica, uma vez que nesse prédio administrativo são contempladas as salas dos professores, a sala de audiovisual, o laboratório de informática, a secretaria acadêmica e o auditório.

GTI O Grupo de Trabalho Indígena é um espaço de suma importância para a comunidade indígena em especial. Nesse local estão alunos das aldeias Xerentes e Carajás. Eles têm a oportunidade de fazer pesquisas, desenvolver projetos, fazer leituras com o apoio de bolsistas orientadores e até mesmo com o apoio de professores.

O Labin Laboratório de Informática serve como um apoio importantíssimo tanto para a comunidade acadêmica quanto para os demais usuários. Nesse espaço os alunos podem realizar pesquisas e fazer trabalhos. É um ambiente de entretenimento e aquisição de conhecimento.


Presente Nº 55