Page 1

Supremo abre mais uma ação penal contra Oziel ❏ Leia as colunas de

Tiragem desta edição

L A AN

Sebastião Nery, Luciano Demetrius, Tizziana Oliveira e Rafael Dias

exemplares

I EV

❏ CONSUMIDORES

ADE

M E S

EM R

6.000

A

ID

ST

Oeste

AC

PÁGINA 5

Ano I ❑ Nº 41 ❑ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 dezembro de 2011

COMPRAM MAIS NESTE NATAL. P˘G. 4

Preço do exemplar em banca

R$ 1,00

Mercado de construção continuará aquecido Empresas comemoram bons resultados deste ano e esperam a continuidade do ‘boom’ de construções na Cidade em 2012. Pág. 3 RAUL MARQUES

R$ 200 milhões para obras no Oeste Vice-governador visita Luís Eduardo e diz a Oeste Semanal que região será beneficiada com financiamento do Banco Mundial. Página 12

O vice-governador Otto Alencar é recebido no aeroporto pelo prefeito Humberto Santa Cruz

A lei que esvaziou o ❏ Finalmente, juiz para Ibama. Págs. 16 e 17 a Vara Cível. Pág. 5 ❏

Luís Eduardo avança no PIB PÁGINAS 6, 7 E 8


2 INFORMAÇÃO

E OPINIÃO

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

PREZADO LEITOR Innfraestrutura, commodities e indústria de transformação

No que tange ao automóvel, o custo de transportar um carro brasileiro exportado para a Argentina é de R$ 875,64, segundo trabalho de Rachel Ballardin, Antonio Cezar Bornia e Rafael Tezza. Uma simples passada de olhos sobre a relação entre custo de transporte e preço da mercadoria sugere que, no caso brasileiro, a exportação de soja é significativamente mais onerada do que a de produtos manufaturados, como veículos. Se houver ganhos de eficiência nas estradas e no portos brasileiros, portanto, os preços dos bens primários no embarque cairão bem mais do que os dos manufaturados. Dessa forma, a vantagem das commodities se ampliará, suas exportações crescerão e o Brasil ficará ainda mais especializado em produtos da natureza. E uma das consequências desse processo será a continuação da valorização do câmbio, que tornará a situação competitiva dos manufaturados ainda mais problemática. Um provável efeito da melhora das estradas e dos portos é o de desestimular a produção de óleo de soja e incentivar a exportação da leguminosa em grão. A lógica aqui é a mesma que afeta os efeitos diferenciados da maior eficiência da infraestrutura nos custos de matériasprimas e de produtos acabados, descrita acima. Assim, por mais paradoxal que possa parecer, as más condições das estradas e os altos custos portuários são favoráveis à indústria de esmagamento de grão de soja no Brasil. Assim, quando se fala na redução do custo Brasil como fator de aumento da competitividade da indústria de transformação, é necessário verificar se as melhorias planejadas afetam de forma positiva o setor manufatureiro especificamente. No entanto, parece incontestável que melhores estradas e portos sejam uma prioridade nacional, e que trarão ganhos para a sociedade brasileira, independentemente do impacto na indústria de transformação. O que é necessário, portanto, é que a estratégia nacional de ampliação e aperfeiçoamento da infraestrutura leve em conta o custo e o benefício dos diversos projetos, no lugar de sim-

plesmente se colocar recursos nos empreendimentos à medida que estes vão surgindo. A opção de investir indiscriminadamente em infraestrutura com recursos públicos deveria ter um pressuposto: as melhoras proporcionadas por estes investimentos deveriam ocorrer de forma abrangente e igualitária entre todos os segmentos sociais e econômicos da vida nacional. Porém, como se viu em relação às manufaturas, aquela hipótese está equivocada. Os benefícios de novas e melhores estradas e portos se distribuem de forma bastante desigual entre diferentes atores sociais e econômicos (e também com forte componente regional, é claro). Não é preciso nenhuma análise mais profunda para se perceber que a carteira brasileira de investimentos públicos em infraestrutura está bastante orientada para a exportação de produtos básicos, com muitos projetos concentrados nos eixos que vão das zonas produtoras de cereais no interior do país aos portos de escoamento, com escassa conexão entre si. Esse padrão, aliás, tem raízes históricas, como fica claro na rede de ferrovias associada ao ciclo do café. Quando se analisa a exportação de produtos básicos, principais beneficiados pelos investimentos em infraestrutura viária e portuária, fica claro que, apesar das inúmeras vantagens que essa atividade traz para as empresas do setor e para o país em geral, há alguns efeitos colaterais indesejáveis. O mais conhecido deles é o câmbio valorizado, prejudicial à indústria. Um problema adicional deriva do fato de o Brasil ser um formador de preços no mercado global de diversas commodities, dados os grandes volumes exportados pelo país. Dessa forma, as melhoras de infraestrutura que barateiam a soja e o minério de ferro acabam trazendo benefícios para o consumidor final, que são as empresas chinesas, por exemplo. Esse efeito é mais uma indicação de que o investimento em infraestrutura deveria ser realizado a partir de uma estratégia que considerasse os diversos e complexos impactos na economia. Grandes corredores de exportação deveriam ser financiados por receitas derivadas dessa própria atividade econômica, e não deveriam contar com recursos do Tesouro Nacional. É interessante notar que foi assim que se procedeu no caso das ferrovias de escoamento durante o ciclo do café. Como é do interesse dos importadores baratear o custo logístico das matérias-primas brasileiras, fica evidente que o escopo para o financiamento privado é muito amplo no caso dos corredores de exportação. A China, aliás, com sua gigantesca poupança excedente e a dependência de matérias-primas exportadas, não tem se acanhado em investir diretamente ou financiar investimentos em infraestrutura nos países fornecedores. Está claro que o dinheiro do Tesouro não fará falta para esse tipo de projeto.

SÓCIOS-DIRETORES Antonio Calegari / Pedro Callegari

CIRCULAÇÃO Aroldo Vasco de Souza

REDAÇÃO João Penido (editor), Antonio Calegari, Luciano Demetrius Leite, Raul Beiriz Marques, Rafael Dias, Sebastião Nery, Tizziana Oliveira, Henrique Cabelo (fotógrafo e diagramação), Paulo Cezar Goivães (projeto gráfico)

IMPRESSÃO Câmara Gráfica Csg 09 – LOTE 03 – GALPÃO 03 – Taguatinga Sul – Distrito Federal – Fone (61) 3356-7654

om o título Nem todo projeto de infraestrutura deve usar recursos do Tesouro, a Carta do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), publicada na última edição da revista Conjuntura Econômica, defende que o Governo federal precisa rever a política de financiamento público em obras de infraestrutura. A carta preconiza que o dinheiro do Tesouro Nacional só seja aplicado em obras rodoviárias e portuárias após análise adequada, sob a ótica de uma estratégia nacional. Como os olhos se voltam para a crise da indústria de transformação e se pede como salvação a melhoria da infraestrutura para aquele setor, a Carta do Ibre alerta que os maiores custos rodoviários e portuários pesam mais sobre a cadeia das commodities do que na de produtos manufaturados. Leia a seguir a Carta do Ibre:

C

“Já não resta dúvida de que a indústria de transformação brasileira passa por um momento difícil. O nível de produção atual ainda não superou o atingido em 2008, logo antes da deflagração da fase mais aguda da grande crise global. São muitas as causas apontadas para o fenômeno: câmbio valorizado, competição chinesa, retraimento dos mercados ricos (que causa sobreoferta) e diversos entraves ligados ao chamado custo Brasil. É nesse último item, porém, que a história se complica um pouco. É comum a afirmação de que uma das ações para aumentar a competitividade da indústria nacional que depende apenas do esforço e da capacidade de decisão dos brasileiros — ao contrário do câmbio, da China e da desaceleração nos EUA, Europa e Japão — é melhorar a infraestrutura do país. Afinal, com melhores estradas e portos, nossos produtos escoarão de forma mais eficiente e barata, tornandose, consequentemente, mais competitivos. É absolutamente certo que o Brasil deva melhorar a infraestrutura, mas, infelizmente, ao contrário do que muitos preconizam, isso pode não facilitar a vida da indústria de transformação. Tudo vai depender do tipo de investimento que será feito. A razão é simples. As deficiências de transporte e logística têm um impacto negativo muito maior na competitividade das commodities do que na dos manufaturados. A participação do frete e dos custos portuários na exportação de soja, por exemplo, é muito maior proporcionalmente do que nas vendas externas de automóveis ou de calçados. Em 2010, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), as despesas portuárias e de frete reduziam a receita líquida do exportador de soja em US$ 70, isto é, de US$ 412 por tonelada (preço FOB, free on board) para US$ 342. Em comparação, a perda nos Estados Unidos, graças aos subsídios, era de apenas US$ 2, para o mesmo preço FOB. Na Argentina, era de US$ 164, por causa da política das “retenciones”, que significa um imposto de exportação de 35%.

Publicação da Oeste Comunicação Integrada Ltda. Rua Jorge Amado, 1.327 – Jardim Paraíso – CEP 47.850-000 – Luís Eduardo Magalhães/BA Inscrição municipal 007132/10 CNPJ 12.835.627/0001-41 - Telefone (77) 3628-0686

oestesemanal@diariodooeste.com.br

PUBLICIDADE Juliana Cadore - (77) 9988-0114

TIRAGEM* 6 mil exemplares *Tiragem jurada pela editora, comprovável quando da

A infraestrutura, entretanto, não se limita a estradas para escoamento de matérias-primas e instalações portuárias. A economia que se deveria fazer nesses projetos poderia ampliar os recursos, por exemplo, para as obras de saneamento e infraestrutura urbana em geral — estas sim, com impactos positivos amplos e bem disseminados entre a grande maioria da população brasileira. Para os demais investimentos, o critério para utilização de recursos públicos seria o de que os projetos componham uma rede com ganhos que se espraiam entre diversos setores e atividades. Diante da necessidade de conter a expansão dos gastos públicos e o aumento da carga tributária, de um lado, e a de fazer do investimento público um indutor do crescimento, do outro, é preciso focalizar muito bem a carteira de empreendimentos do Estado. Não há sentido em usar recursos do contribuinte para financiar investimentos de forte interesse privado, inclusive estrangeiro, e para os quais não faltará financiamento com uma boa engenharia financeira. É preciso, portanto, aprofundar e sofisticar a análise de custos e benefícios dos projetos de infraestrutura que demandam financiamento estatal.

Tempo quente na Câmara Os vereadores, na sessão ordinária de terçafeira, 13, retrucaram acusações feitas pelo radialista e também vereador Alaídio Castilho de Moura. Em seu programa de rádio, Alaídio insinuou que vereadores teriam recebido dinheiro para aprovar o percentual de 50% de remanejamento de recursos no Orçamento do Município, aprovado na semana anterior. Sidnei Giachini chegou a se exaltar ao discursar na sessão na qual dois vereadores faltaram: o próprio Alaídio e Valmor Mariussi.

Promotor transferido O Ministério Público da Bahia retirou o promotor substituto de Luís Eduardo Magalhães, André Bandeira de Melo Queiroz, e o nomeou para a comarca de Coaraci. Até esta sexta-feira, o MPE não havia nomeado novo promotor para a Cidade. O promotor deve mudar de comarca no início do ano.

¤s vezes acontece Oeste Semanal ficou sem internet na quinta-feira, 15. E tem dois provedores: a Bignet e a G7, que caíram ao mesmo tempo. Igual situação certamente foi experimentada por outros clientes das duas empresas. ■ Relatório Reservado e Jornal do Leitor estão na página 19

impressão do jornal, na Gráfica F. Câmara, a par tir das 23 horas das sextas-feiras e quando do início da distribuição das edições, na Rua Jorge Amado, 1.327 – Jardim Paraíso – Luís Eduardo Magalhães, a par tir das 7 horas da manhã dos sábados. As publicações da Oeste Comunicação – Oeste Semanal e DiariodoOeste.com.br não publicam matérias redacionais pagas sem caracterizá-las como Informe Publicitário. A Oeste Comunicação também edita o site online DiariodoOeste.com.br.


CIDADE3

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

Construções vão continuar Empresas esperam crescimento de 10% a 20% na venda de material de construção no próximo ano DA REDAÇ‹O

O

mercado de construção civil em Luís Eduardo Magalhães manteve-se aquecido em 2011 e a expectativa é de continuidade do ‘boom’ no próximo ano, segundo avaliação de empresas de venda de materiais. Milton Vogt, da JK Materiais de Construção, disse a Oeste Semanal que as vendas este ano repetiram os 10% de crescimento registrados em 2010, na comparação com 2009. “Se nada atrapalhar a próxima safra agrícola e os bancos mantiverem o ritmo de financiamentos imobiliários, minha expectativa é de que 2012 seja tão bom quanto os dois últimos anos”, disse Milton Vogt, instalado na Cidade desde 1996. Jaudimir Iopp, da Jaú Materiais de Construção, faz avaliação semelhante à de Milton Vogt, de crescimento de 10% nas vendas este ano, embora ressalte que os anos de governo Lula foram melhores para o setor. Jaudimir Iopp diz que os melhores anos para a atividade foram os de 2009 e 2010. “Este ano, o governo deu uma segurada nos financiamentos”, afirmou. Para 2012, sua expectativa é de aumento de vendas entre 5% e 10%. Resultado maior neste ano é relatado por Ricardo Campos, da Casa Campos. Ele diz que a loja de Luís Eduardo superou a meta de aumento de vendas de 20% e mantém igual percentual de expansão para o próximo ano. Ricardo ressalta que o mercado de Luís Eduardo, diferentemente do de Barreiras, onde está a matriz do grupo, tem segmento de pequenos construtores, que é representativo na manutenção do mercado aquecido. Ricardo credita o forte crescimento ao mix

RAUL MARQUES

HENRIQUE CABELO

HENRIQUE CABELO

JAUDIMIR IOPP

imobiliário da Prefeitura, Marques Sandres de Carvalho Souza. Em 2010, o número de imóAlvarás. A continuidade do aquecimento do veis construídos com inscrições no IPTU mercado de construção na Cidade pode ser havia sido de 627. O estoque de imóveis premedida pelo número de alvarás expedidos pela diais no cadastro do tributo é de 13.353. Prefeitura Municipal. Segundo Luana Fiuza, Somando-se os imóveis com edificações aos coordenadora do Protocolo da Secretaria de terrenos, o número salta para 33.942. Outro número comemorado pela diretora Planejamento e Gestão, foram expedidos este ano, até o último dia 8, 1.281 alvarás. O número Glória Ferreira é o de regularização de proé menor que o de 2010, de 1.801, mas superior priedades no Imposto sobre Transmissão de aos 531 de 2009. O arquiteto Fábio Silva Bens Imóveis (ITBI). No ano, foram regularidados 2.869, imóveis, ante os 2004 Marcacini, analista de processo da de 2010. Os proprietários aproveimesma secretaria, atribui a queda taram o desconto de 50% no tribueste ano, em relação a 2010, às novas NÚMERO to, oferecido pela Prefeitura. Glória exigências do Minha Casa, Minha DE IMÓVEIS Ferreira sugere que a Câmara de Vida. O programa de financiamento passou a exigir ruas asfaltadas onde CONSTRUÍDOS Vereadores prorrogue o desconto, que expira no próximo dia 31. Ele se localizam imóveis a financiar e as E INSCRITOS lembra que o cartório de registro de construtoras deram freada à espera NO IPTU imóveis da Cidade entrou em de asfaltamento por parte da 2001 7.166 recesso e muitos novos proprietáPrefeitura, explicou Marcacini. 2002 340 rios não serão beneficiados com o 2003 208 IPTU. Outros dados corroboram desconto. 2004 274 a continuidade do aquecimento da 2005 185 Novos loteamentos. Outro indiconstrução civil em Luís Eduardo, 2006 200 cativo do aquecimento do mercado como a inscrição de lotes e imóveis 2007 728 é o número de loteamentos na construídos no cadastro do 2008 464 Ciudade, que vão gerar novas coImposto Predial e Territorial 2009 599 nstruções. Os residenciais Jardim Urbano (IPTU). “Foi o melhor ano 2010 627 Sol Nascente, Florais Léa II, Novo da atual administração”, diz Glória 2011 2562 Paraíso, Altos do Cerrado, Campos Ferreira, diretora de Captação de Total 13.353 Elíseos e os comerciais Arnaldo Recursos da Secretaria de Ferreira, Comercial 90 e Setor Administração e Finanças da Prefeitura, ao falar do aumento de 408,6% no Comercial Sul somam mais de 8 mil lotes à número de imóveis construídos no cadastro venda. Outros quatro loteamentos estão à do IPTU, de 2010 para 2011. Até início deste espera de aprovação pela Prefeitura. “Este ano foi bom para o mercado imobimês, o número de imóveis inscritos no ano era de 2.562, segundo o coordenador de cadastro liário e minha expectativa é a de que o próxide produtos e à publicidade.

MILTON VOGT

GLÓRIA FERREIRA

RAUL MARQUES

MARQUES SOUZA

mo ano será ótimo”, disse o corretor Valdir Belchior de Oliveira.

Casas populares. Outro segmnento que ajudará a sustentar o ‘boom’ de construções no próximo ano em Luís Eduardo é o programa Minha Casa, Minha Vida II. A Bahia foi contemplada com 160 mil unidades quando aderiu à segunda fase do programa, no último dia 25 de novembro. O prefeito Humberto Santa Cruz fez pedido de 3 mil casas para a população de baixa renda. Outras 54 cidades baianas disputam as 160 mil unidades. Financiamentos. Em 2012, além da Caixa, o Banco do Brasil atuará fortemente no financiamento de residências para a classe média da Cidade. Como antecipou Oeste Semanal, um dos projetos em análise prevê o financiamenro de 100 unidades. Desaceleração no País. Contrariamente ao que ocorre em Luís Eduardo, a atividade da construção civil no resto do País está em desaceleração, segundo dados da Sondagem Conjuntural do Setor da Construção, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), em parceria com o Banco Central (BC). De acordo com a pesquisa, o Índice da Situação Atual diminuiu 13,5% no trimestre encerrado em novembro deste ano, ante igual período de 2010. O índice, que vai de 0 a 200, ficou em 118,4 pontos em novembro. Valores acima de 100 pontos indicam que as empresas estão otimistas. O Índice de Expectativas (tendências de negócios e demanda futura) registrou queda de 6,9%. HENRIQUE CABELO

LUANA FIUZA

ARQUIVO PESSOAL

RICARDO CAMPOS


4 CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011 FOTOS DE RAUL MARQUES

Consumidor entra no espírito de Natal RAUL MARQUES Da Oeste Comunicação

feito e compartilhar o ano bom que você teve”, disse. A comerciante, que estava em uma loja vizinha à sua, escolhendo o que pretendia dar de presente a um de seus inúmeros amigos, disse que a ceia de Natal deste ano também será melhor. Outro que vê o ato de comprar presente de duas formas é o vendedor de automóveis Weslei de Castro. Na segunda-feira, 4, ele estava na loja Avenida comprando peças de roupa de cama. Perguntado se o Natal ia ser mais gordo, Weslei chegou a titubear na resposta, mas diante da insistência da reportagem, apontou para os embrulhos que carregava e admitiu que ia comprar mais este ano. “Vai ser um Natal melhor, sim. Com mais presentes”, disse. Um dos presentes será para toda a família. Weslei quer reformar a casa em que mora. “Isso é prioridade”, disse. O otimismo de Weslei não para aí. O vendedor de carros informou que terá uma ceia de Natal mais recheada, com uma deliciosa “leitoinha” na mesa. “Mesmo não tendo sido um ano tão bom quanto o passado na venda de veículos, acho que temos que pegar este espírito natalino e espalhá-lo com presentes aos familiares e amigos”, disse, informando que vai comprar, no mínimo, oito presentes de Natal.

relação entre consumidores e o Natal parece mais com um namoro, dizem lojistas. Primeiro, os consumidores compram pequenas coisas – as chamadas lembrancinhas – enquanto ´namoram’ produtos mais caros, como geladeiras, televisores e videogames, avaliando preços e condições de pagamento de cada um para ver o que cabe no orçamento. À medida em que o Natal se aproxima, aí sim, fazem compras de maior porte. Desde a última semana de novembro, os consumidores já mostram disposição em ter um Natal melhor do que o de anos anteriores, gastando mais tanto nas compras de presentes quanto nas de produtos para a ceia de Natal. Eles demonstram cautela em relação à escolha de produtos e fazem pesquisa de preços em algumas lojas. Especializada em finanças empresariais, a consumidora Sueli Ferreira disse que o Natal deste ano será uma festa melhor, com mais presentes, de qualidade, não necessariamente mais caros, e muita viagem. “Vou viajar. Vou para Brasília, Belo Horizonte, Montes Claros, Espinosa (em Minas Gerais) e Salvador, mas não vou deixar ninguém sem presentes, ainda que isso me custe muito”, disse. Sueli tem 26 Primeiro emprego. Ana Carolina Santos sobrinhos; caso fique muito apertada de dinheiro, vai sugerir que a família promova a de Souza é monitora do Parque Fioravante Galvani, seu primeiro emprego, mas faz brincadeira de amigo secreto. Sueli estava em uma loja de roupas, inte- questão de dizer que é também “futura esturessada, inclusive, em camisas masculinas. Já dante de Direito”. Uma pessoa com este grau de otimismo não poderia mostrava certa ansiedade em encarar de forma diferente o relação ao Natal. “Quem vai Natal. “Para mim, para os viajar, como eu, tem que fazer meus amigos, para a minha compras com antecedência”, “Vou comprar mãe e meu irmão, vai ser um disse. mais (presentes Natal melhor. Estou mais Outra que não abre mão de independente”, disse. um Natal gordo é a comerde Natal) porque Ana Carolina estava em ciante Eliane Casali, proprievendi mais em uma loja, em Luís Eduardo tária da loja Glamurosa. “Vou minha loja”, diz Magalhães, analisando precomprar mais porque vendi ços e mercadorias para o que mais em minha loja”, disse. consumidora e talvez seja seu primeiro Mão aberta confessa, Eliane comerciante Natal como consumidora. mantém vivo em seu coração Sem querer estragar a suro hábito de dar presentes. presa para seu irmão, Ana “Não consigo passar uma Carolina escolhia uma camidata destas sem dar presente. Até meus funcionários recebem presentes sa masculina entre as muitas em exposição na loja. neste Natal”, disse. Suédna Juvenal de Souza é vendedora em Eliane Casali entende que as vendas devem dar uma boa aquecida nesta primeira quinze- Barreiras e está bastante animada com o na de dezembro, ainda mais com as promo- Natal. Como trabalha com vendas, diz que já ções feitas pelo comércio, sejam as de pre- percebeu que há maior interesse das pessoas miação ou as de preços, e o pagamento da em comprar. “Todo mundo está animado. segunda parcela do décimo terceiro salário. Sinto isso nas vendas e comigo não vai ser Ela está ciente de que boa parte dos compra- diferente”, disse, dando a entender que vai dores vai viajar, mas isso não a desanima. gastar mais com os presentes neste ano, “Nada impede que você viaje e faça uma boa embora mantenha-se cautelosa. “Vou comcompra. Você quer deixar todo mundo satis- prar com equilíbrio”, disse.

A

SUELI FERREIRA

ELIANE CASALI

WESLEI DE CASTRO

ANA CAROLINA SANTOS

MARIA DE LOURDES

SUÉDNA DE SOUZA

JÔ FERNANDES

JOSELITA DO VALE

LUIZ CARLOS CARVALHO

Suédna é mais uma das que compara a vontade de comprar a um namoro. Ela disse que as grandes compras sempre ficam para depois e que o consumidor, em geral, vai “namorando aos pouquinhos o que deseja comprar”

Pesquisa de preços. A consumidora Maria de Lourdes Santos é uma das que já começaram a pesquisar preços para fazer compras de Natal. Moradora de Roda Velha, circulava pelas principais lojas da Cidade em busca de oportunidades. Ela decidiu economizar. Pretende comprar somente quatro presentes, “apenas o essencial”, disse. Mônica Carvalho mostrava-se desanimada com o Natal. Procurava apenas uma lembrancinha para dar a um colega de trabalho em uma festa. “Na verdade, não estou com muita vontade de dar presente. Quero mais é receber”, disse, em tom de brincadeira. A comerciante Jô Fernandes, que trabalha na área de alimentação, disse que está mais

preocupada em acertar as finanças no final deste ano do que em comprar. Ela disse que pretende comprar presentes mais baratos. “O setor de alimentação enfrentou vários problemas neste ano. Sem presentes eu não deixo ninguém, mas vou gastar menos”. Jô Fernandes acrescentou ter o sentimento de que “o pessoal está mais interessado em viajar do que em comprar presentes”. A assistente administrativa Joselita Gonçalves do Vale é outra que acredita em um Natal melhor. Disse que vai comprar presentes sem se preocupar com os preços. “O que importa é dar presente com amor. Com carinho. Com atenção. Importa é que você foi lembrado e lembrou, não que comprou ou deixou de comprar presentes”, disse. O agricultor Luiz Carlos Carvalho de Souza pesquisava preços de colchões em uma loja da cidade. Não quis falar sobre como será a noite de Natal, mas disse que vai comprar apenas cinco presentes. “Quero economizar”, justificou.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

CIDADE

Supremo abre mais uma ação penal contra Oziel RAUL MARQUES

Da Redação, com Agência Brasil

O

s ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram na quintafeira, 15, por 7 votos a 1, abrir nova ação penal contra o deputado Oziel Alves de Oliveira (PDT-BA). O STF acolheu denúncias de fraudes em licitações na época em que o político era prefeito de Luís Eduardo Magalhães, entre 2005 e 2008. A denúncia de improbidade administrativa, no entanto foi rejeitada. De acordo com o Ministério Público, Oziel Oliveira promoveu licitações direcionadas por meio de cartas-convite em vez de usar o sistema de tomada de preço, restringindo a participação de mais empresas. O modelo de contratação por carta-convite foi usado para reformar escolas municipais. O inquérito que investigou o ex-prefeito de Luís Eduardo foi o de número 3108 e teve como relator o ministro Dias Toffoli. Ele e outros quatro ministros - Cármen Lúcia, Luiz Fux, Ayres Britto e Ricardo Lewandowski - recusaram a denúncia de crime de impobridade administrativa, que constava da peça inicial feita pelo Ministério Público Federal da Bahia. Esta ação soma-se a outras três ações penais que o deputado Oziel Alves de Oliveira tem no STF. Segundo o site Congresso em Foco, o deputado baiano é o segundo parlamentar que

8.666, de 1993, cujo artigo 90 determina que está sujeito a penas de dois ou quatro anos quem “frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de obter para si ou para outrem vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação”. O advogado de defesa do exOZIEL OLIVEIRA prefeito de Luís Eduardo Magalhães alegou que havia Cartas marcadas. A parte da denúncia comissão de licitação instalada na Cidade aceita pelos ministros diz que Oziel Alves de quando Oziel era prefeito, insinuando que a Oliveira promovia licitações para que as empre- responsabilidade não seria dele, nestes casos. sas escolhidas por ele fossem as ganhadoras. As Esta ação penal contra o ex-prefeito de companhias ditas vencedoras reformavam os Luís Eduardo Magalhães não é nenhuma prédios escolares. Entre as licitantes ganhado- novidade na Corte Suprema da Justiça ras está a Engenho Oeste, que chegou a cobrar Brasileira. Segundo levantamento feito pelo pelo mesmo tipo de serviço valores com 77,85% site Congresso em Foco, os crimes contra a de diferença: R$ 103.400 e R$ 58.138. Lei de Licitações lideram os processos no O procurador-geral da República que fez a Supremo. À época, eram 22 tramitando. Na denúncia, Roberto Gurgel, afirmou que segunda posição estão os crimes eleitorais, “trata-se de um caso em que a regra era a rea- com 19 processos. Outros crimes podem ser lização de licitações absolutamente infes- acrescentados à lista de processos, entre os tadas das mais diversas irregularidades, bene- quais o de trabalho escravo, lavagem de dificiando sempre as mesmas empresas”. Estas nheiro, formação de quadrilha e crime contra irregularidades feriram a Lei das Licitações, a o sistema financeiro nacional. mais acumula pendências judiciais. Na época do levantamento, em maio passado, o ex-prefeito de Luís Eduardo Magalhães só perdia para o deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC), ex-prefeito de Joinville, em Santa Catarina. Oziel de Oliveira continua atuando como deputado. Ele também é investigado em dois outros inquéritos (3.107 e 3.109) que ainda não chegaram na fase de denúncia.

5

Vara Cível já tem juiz

CHAPA AMAB

Finalmente, após uma espera que se prolongou por mais de 270 dias, Luís Eduardo Magalhães já tem juiz cível. Pedro Rogério Castro Godinho foi nomeado titular da Vara Cível da Cidade. O magistrado já atuou em diversas JUIZ GODINHO outras comarcas como juiz substituto, entre as quais Sapeaçu, Santo Estevão, Conceição de Almeida e Tucano. Tem quase cinco anos de experiência como magistrado, inclusive como juiz eleitoral. A expectativa é de que assuma a comarca em 30 dias. Pedro Rogério Castro Godinho tem participação atuante na Associação dos Magistrados da Bahia (Amab). Ele integra a direção da entidade, atuando como diretor de Informática. O magistrado é consultor de Informática do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia. Baiano, Pedro Rogério Castro Godinho tomou posse como juiz em 13 de janeiro de 2006. Na ocasião, disse que tinha “grande orgulho e felicidade de passar a integrar o quadro da magistratura baiana”. Ele se preparou por dois anos, estudando doutrina e jurisprudências dos tribunais superiores para passar no concurso.


6

E S TA D O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

Luís Eduardo avança no PIB Município fica em 11º lugar no Estado em 2009; em renda per capita, está em quarto

ANTONIO CALEGARI Da Oeste Comunicação

L

uís Eduardo Magalhães alcançou a quarta maior renda per capita e o décimoprimeiro lugar em Produto Interno Bruto da Bahia de 2009, de acordo com dados divulgados na quarta-feira, 14, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O município ocupou a 34ª posição no ranking nacional de valores adicionados da agropecuária. A produção de bens e serviços em Luís Eduardo totalizou R$ 1,888 bilhão a preços correntes em 2009, gerando renda per capita de R$ 36.274,41. Em 2006, o PIB do município totalizava R$ 849,511 milhões. Em três anos, o crescimento foi de 122,27% - média

anual de 30,5%. Em 2006, Luís Eduardo estava em 18º lugar no ranking estadual; em 2007, subiu para a 15ª posição (R$ 1,165 bilhão); em 2008, para a 12ª (R$ 1,538 bilhão). Mantida a taxa anual de 30% de crescimento, o PIB de Luís Eduardo deve ter fechado 2011 em mais de R$ 3 bilhões. Como a população aumentou exponencialmente, a renda per capita caiu 2,24%, de R$ 37.106,00 em 2006 para os R$ 36.274,41 em 2009 – da terceira para a quarta posição no Estado. Em participação da agropecuária no PIB, Luís Eduardo está em 34º lugar no ranking dos municípios brasileiros, com R$ 261,776 milhões.

Estado. Salvador liderou o PIB no Estado em 2009, com R$ 32,824 bilhões. Em segundo lugar, veio Camaçari, com R$ 12,158 bilhões,

100 MAIORES MUNICÍPIOS DO PAÍS EM VALOR ADICIONADO DA AGROPECUÁRIA - PIB DE 2009 Municípios

Posição R$ 1000 Part. %Part. % re- acumulativa lada Rio Verde/GO 1º 676 226 0,43 0,43 São Desidério/BA 2º 662 504 0,42 0,85 Sorriso/MT 3º 647 021 0,41 1,26 Sapezal/MT 4º 636 862 0,41 1,67 Brasília/DF 5º 541 795 0,34 2,01 Campo Verde/MT 6º 541 372 0,34 2,36 Unaí/MG 7º 503 248 0,32 2,68 Uberaba/MG 8º 480 932 0,31 2,98 Diamantino/MT 9º 480 333 0,31 3,29 Primavera do Leste/MT 10º 473 323 0,30 3,59 Cristalina/GO 11º 471 825 0,30 3,89 Campo Novo do Parecis/MT12º 468 583 0,30 4,19 Nova Mutum/MT 13º 464 372 0,30 4,48 Jataí/GO 14º 397 698 0,25 4,74 Lucas do Rio Verde/MT 15º 373 953 0,24 4,97 Uberlândia/MG 16º 353 405 0,22 5,20 Petrolina/PE 17º 350 872 0,22 5,42 Barreiras/BA 18º 334 411 0,21 5,63 Formosa do Rio Preto/BA 19º 324 966 0,21 5,84 Itapetininga/SP 20º 324 832 0,21 6,05 Porto Velho/RO 21º 324 793 0,21 6,25 Paracatu/MG 22º 322 423 0,21 6,46 Itiquira/MT 23º 320 433 0,20 6,66 Juara/MT 24º 313 806 0,20 6,86 Uruguaiana/RS 25º 308 703 0,20 7,06 Nova Ubiratã/MT 26º 303 233 0,19 7,25 Santa Maria de Jetibá/ES 27º 291 598 0,19 7,44 Patrocínio/MG 28º 287 917 0,18 7,62 Campos de Júlio/MT 29º 284 385 0,18 7,80 Perdizes/MG 30º 282 511 0,18 7,98 Chapadão do Céu/GO 31º 279 837 0,18 8,16 Castro/PR 32º 268 298 0,17 8,33 Alegrete/RS 33º 265 681 0,17 8,50 Luís Eduardo Magalhães/BA34º 261 776 0,17 8,66 Corumbá/MS 35º 261 703 0,17 8,83 Itacoatiara/AM 36º 255 946 0,16 8,99 Mineiros/GO 37º 250 794 0,16 9,15 S. R. das Mangabeiras/MA 38º 248 023 0,16 9,31 Lábrea/AM 39º 245 138 0,16 9,47 Balsas/MA 40º 244 299 0,16 9,62 Dom Pedrito/RS 41º 242 975 0,15 9,78 Frutal/MG 42º 240 639 0,15 9,93 Coromandel/MG 43º 240 238 0,15 10,08 Juazeiro/BA 44º 237 536 0,15 10,23 Casa Branca/SP 45º 236 755 0,15 10,38 Patos de Minas/MG 46º 233 585 0,15 10,53 Rio Paranaíba/MG 47º 233 068 0,15 10,68 Sacramento/MG 48º 231 371 0,15 10,83 Pinheiros/ES 49º 226 203 0,14 10,97 Ipameri/GO 50º 226 109 0,14 11,12 FONTE : IBGE

Municípios

Posição R$ 1000 Part. %Part. % re- acumulativa lada Itaqui/RS 51º 223 330 0,14 11,26 Araguari/MG 52º 221 232 0,14 11,40 Cachoeira do Sul/RS 53º 217 079 0,14 11,54 Monte Alegre de Minas/MG54º 215 914 0,14 11,67 Correntina/BA 55º 210 194 0,13 11,81 Montividiu/GO 56º 208 731 0,13 11,94 Ipiranga do Norte/MT 57º 205 342 0,13 12,07 Pedra Preta/MT 58º 203 479 0,13 12,20 Tupanciretã/RS 59º 202 119 0,13 12,33 Buritis/MG 60º 202 081 0,13 12,46 Itapeva/SP 61º 199 575 0,13 12,58 Catalão/GO 62º 196 993 0,13 12,71 Querência/MT 63º 194 834 0,12 12,83 Morrinhos/GO 64º 193 407 0,12 12,96 Rondonópolis/MT 65º 191 806 0,12 13,08 Lagoa da Confusão/TO 66º 191 225 0,12 13,20 Toledo/PR 67º 190 179 0,12 13,32 Santa Vitória do Palmar/RS68º 190 062 0,12 13,44 Linhares/ES 69º 189 184 0,12 13,56 Brasnorte/MT 70º 187 866 0,12 13,68 São Lourenço do Sul/RS 71º 187 723 0,12 13,80 Ibiá/MG 72º 186 769 0,12 13,92 São Borja/RS 73º 185 768 0,12 14,04 Campos Novos/SC 74º 185 742 0,12 14,16 Tapurah/MT 75º 185 295 0,12 14,27 Maracaju/MS 76º 185 262 0,12 14,39 Santo Antônio do Leste/MT77º 184 767 0,12 14,51 João Pinheiro/MG 78º 184 329 0,12 14,63 Poxoréo/MT 79º 183 678 0,12 14,74 Quirinópolis/GO 80º 183 067 0,12 14,86 Sinop/MT 81º 180 100 0,11 14,97 Marcelândia/MT 82º 178 656 0,11 15,09 Tangará da Serra/MT 83º 177 857 0,11 15,20 São Gabriel/RS 84º 176 718 0,11 15,31 Palmeira das Missões/RS 85º 176 281 0,11 15,43 Açailândia/MA 86º 175 767 0,11 15,54 Luziânia/GO 87º 173 978 0,11 15,65 São Félix do Xingu/PA 88º 173 903 0,11 15,76 Caxias do Sul/RS 89º 173 802 0,11 15,87 Cáceres/MT 90º 173 004 0,11 15,98 Mogi Guaçu/SP 91º 172 303 0,11 16,09 Santa Rita do Trivelato/MT 92º 170 800 0,11 16,20 Tasso Fragoso/MA 93º 168 796 0,11 16,31 Canguçu/RS 94º 167 675 0,11 16,41 São Mateus/ES 95º 167 228 0,11 16,52 Sant'Ana do Livramento/RS96º 165 788 0,11 16,62 Camaquã/RS 97º 165 189 0,11 16,73 Caiapônia/GO 98º 163 826 0,10 16,83 Novo São Joaquim/MT 99º 163 451 0,10 16,94 Piracanjuba/GO 100º 162 696 0,10 17,04

seguida de São Francisco do Conde (R$ 11,437 bilhões), Feira de Santana (R$ 6,358 bilhões), Candeias (R$ 3,224 bilhões), Vitória da Conquista (R$ 3,142 bilhões), Simões Filho (R$ 3,008 bilhões), Lauro de Freitas (R$ 2,672 bilhões), Itabuna (R$ 2,280 bilhões) e Ilhéus (R$ 1,925 bilhão). O menor PIB da Bahia é de Gavião, com R$ 15,638 milhões. Em renda per capita, o ranking foi liderado por São Francisco do Conde (R$ 360.815,83 por habitante), seguido de Camaçari (R$ 51.837,56) e Candeias (R$ 39.471,86). O PIB da Bahia somou R$ 137,074 bilhões, 12,81% maior que o de 2008. O PIB do País ficou em R$ 3,143 trilhões, apenas 0,2% superior ao de 2008. A renda per capita na Bahia situou-se em R$ 9.364,00, crescimento de 35,27% em relação à de 2006. A renda em Luís Eduardo em 2009 foi 287,37% maior que a da Bahia e 114,41% acima da brasileira, que foi de R$ 16.766,00.

Região. Barreiras, que estava em 13º lugar no PIB entre os municípios baianos, caiu em 2009 para a 14ª posição, com R$ 1,693 bilhão. São Desidério situou-se no 21º posto em 2009, com 981 milhões. Em renda per capita, São Desidério vem logo depois de Luís Eduardo, na quinta posição entre os municí-

pios baianos, com R$ 35.657,18. Barreiras obteve o 23º posto em renda per capita, com R$ 12.284,91. A menor renda foi de Lamarão, com R$ 2.327,15 por habitante/ano.

Agropecuária. A liderança na participação da agricultura e da pecuária no PIB do País foi de Rio Verde (GO), com R$ 676,226 milhões. São Desidério veio em 2º, com R$ 662,504 milhões. Barreiras ficou em 18º lugar, com R$ 334,411 milhões, seguida de Formosa do Rio Preto, com R$ 323,966 milhões. Contraste. Apresentar alta renda per capita não significa que tenha forte desenvolvimento. É o caso de São Francisco do Conde, situada no litoral baiano. Os seus 33.172 habitantes de 2009 ficaram distantes da renda per capita anual de R$ 360.815,83. A conta é inflacionada pela produção e refino de petróleo da Petrobras e a sede do município expõe quadro diametralmente oposto ao que se poderia supor, o de muita riqueza. A maioria da população é pobre, 33,7% da cidade não têm rede de esgoto e 7,5% não têm água encanada. Pelo Censo de 2010, 19,6% da população viviam abaixo da linha de indigência – recebem por mês valor inferior a ¼ do salário mínimo.

50 MAIORES RENDAS PER CAPITA DA BAHIA EM 2009 Posição

Municípios

1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º 21º 22º 23º 24º 25º

São Francisco do Conde Camaçari Candeias Luís Eduardo Magalhães São Desidério Mucuri Cairu Simões Filho Formosa do Rio Preto Dias d'Ávila Pojuca Correntina Jaborandi Sobradinho Lauro de Freitas Paulo Afonso Mucugê Madre de Deus Itapebi Conceição do Jacuípe Ibicoara Eunápolis Barreiras Riachão das Neves Prado

Per capita (R$) 2009 (1) 360 815,83 51 837,56 39 471,86 36 274,41 35 657,18 28 424,56 27 773,11 25 786,41 24 070,32 22 879,93 21 366,21 19 332,15 18 118,46 17 509,38 17 026,64 16 342,28 15 577,90 14 681,99 14 189,89 14 052,84 13 399,61 12 344,80 12 284,91 11 118,63 10 972,25

Posição

Municípios

26º 27º 28º 29º 30º 31º 32º 33º 34º 35º 36º 37º 38º 39º 40º 41º 42º 43º 44º 45º 46º 47º 48º 49º 50º

Salvador Feira de Santana Itabuna Igrapiúna Jequié Itapetinga Vitória da Conquista Ibirapuã Alagoinhas Santo Antônio de Jesus Caravelas Barra do Choça Esplanada Bonito Ilhéus Jaguarari Teixeira de Freitas Araças Mata de São João São Sebastião do Passé Catu Itabela São Gonçalo dos Campos Cocos Lajedão

Per capita (R$) 2009 (1) 10 948,50 10 745,41 10 674,79 10 397,48 10 312,48 9 873,13 9 854,71 9 501,76 9 420,34 9 408,31 9 285,64 9 111,24 9 099,65 8 795,91 8 782,21 8 636,72 8 382,72 7 971,25 7 658,37 7 615,17 7 599,95 7 541,91 7 540,27 7 533,76 7 509,75

FONTE : IBGE

EDITAL Noêmia Bispo de Brito, Oficial do Cartório de Registro de Imóveis e Hipotecas do 2º Ofício desta Comarca de Barreiras, Estado da Bahia, na forma da Lei, etc... FAZ SABER a todos quantos o presente Edital virem ou dele conhecimento tiverem, que LINCOLN MURATA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA - ME, CNPJ Nº 13.856.956/0001-31, requereu o REGISTRO do LOTEAMENTO JARDIM SOL NASCENTE, de sua propriedade, situado no Município de Luís Eduardo Magalhães-Bahia, conforme projeto, plantas e memoriais descritivos devidamente aprovados pela Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães-Bahia, através do Decreto nº 2.300/11 de 02 de dezembro de 2011. O loteamento é composto de 22 quadras destinadas a lotes comerciais/residenciais, além de 11 áreas destinadas ao Poder Público, compostas de áreas de preser vação(áreas não edificáveis), áreas verdes, áreas públicas e/ou institucionais, arruamentos e passeios públicos. Área total - 317.007,37 m². Vias públicas - 84.252,85 m²- Áreas de equipamentos públicos - 9.451,85 m². Áreas verdes - 31.831,33 m² - Área de Preservação Permanente 14.142,57 m² - Área dos lotes 177.328,77 m². E para que ninguém alegue ignorância, expediu-se o presente edital que será publicado por três dias consecutivos em jornal de circulação diária e não havendo impugnação de terceiros, será formalizado o registro. Barreiras, 13 de dezembro de 2011. NOÊMIA BISPO DE BRITO OFICIAL


E S TA D O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

7

RANKING DO PIB EM VALORES POR MUNICÍPIO NA BAHIA Posição

1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º 21º 22º 23º 24º 25º 26º 27º 28º 29º 30º 31º 32º 33º 34º 35º 36º 37º 38º 39º 40º 41º 42º 43º 44º 45º 46º 47º 48º 49º 50º 51º 52º 53º 54º 55º 56º 57º 58º 59º 60º 61º 62º 63º 64º 65º 66º 67º 68º 69º 70º 71º 72º 73º 74º 75º 76º 77º 78º 79º 80º 81º 82º 83º 84º 85º 86º 87º 88º 89º 90º 91º 92º 93º 94º 95º 96º 97º 98º 99º 100º 101º 102º 103º 104º 105º

Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios

2005

Salvador 22 532 509 Camaçari 10 271 514 São Francisco do Conde 6 324 432 Feira de Santana 3 492 978 Candeias 1 909 009 Vitória da Conquista 1 796 270 Simões Filho 2 082 070 Lauro de Freitas 1 694 310 Itabuna 1 514 014 Ilhéus 1 479 938 Luís Eduardo Magalhães 999 473 Juazeiro 1 136 053 Paulo Afonso 1 249 034 Barreiras 1 236 360 Jequié 1 055 578 Dias d'Ávila 929 486 Alagoinhas 838 255 Eunápolis 719 380 Teixeira de Freitas 617 968 Mucuri 662 333 São Desidério 798 486 Santo Antônio de Jesus 516 923 Porto Seguro 556 831 Pojuca 913 281 Itapetinga 343 842 Correntina 369 600 Valença 323 036 Formosa do Rio Preto 265 246 Jacobina 307 105 Itamaraju 282 683 Guanambi 312 073 Brumado 365 517 Senhor do Bonfim 277 389 Irecê 277 417 Cairu 46 430 Conceição do Jacuípe 155 135 Serrinha 244 250 Cruz das Almas 252 408 Catu 313 361 Sobradinho 281 314 Bom Jesus da Lapa 214 807 Itaberaba 203 125 Campo Formoso 217 858 São Sebastião do Passé 223 340 Santo Amaro 209 289 Mata de São João 230 569 Casa Nova 169 726 Esplanada 242 030 Conceição do Coité 213 038 Barra do Choça 179 553 Prado 172 476 Ipiaú 145 910 Santo Estêvão 141 335 Jaguarari 211 337 Riachão das Neves 209 633 Euclides da Cunha 151 618 Entre Rios 202 529 Nova Viçosa 157 970 Madre de Deus 125 484 Jaguaquara 171 226 Ipirá 162 106 Ribeira do Pombal 147 731 Caetité 161 624 São Gonçalo dos Campos 133 532 Mucugê 102 891 Ibicoara 90 986 Livramento de N. Senhora 126 540 Poções 145 412 Seabra 124 606 Vera Cruz 136 336 Caravelas 136 840 Rio Real 107 816 Itabela 107 519 Cachoeira 141 310 Santa Maria da Vitória 118 157 Xique-Xique 105 538 Maragogipe 115 429 Gandu 105 327 Araci 94 922 Itapebi 160 177 Tucano 124 964 Inhambupe 100 588 Amargosa 105 014 Monte Santo 99 771 Jaborandi 99 414 Remanso 103 243 Santa Cruz Cabrália 107 910 Camamu 93 090 Medeiros Neto 97 870 Sento Sé 94 857 Camacan 94 107 Barra 88 355 Jeremoabo 85 161 Wenceslau Guimarães 120 862 Macaúbas 95 000 Curaçá 98 378 Canavieiras 99 740 Alcobaça 125 349 Igrapiúna 71 596 Belmonte 83 235 Riacho de Santana 97 081 Nazaré 86 968 Cocos 106 088 Ituberá 88 796 Serra do Ramalho 92 783

Produto Interno Bruto a preços correntes (R$ 1 000) 2006 2007 2008

2009

Per capita (R$) 2009 (1)

24 139 423 26 772 417 29 393 081 32 824 229 9 529 357 10 405 593 11 844 962 12 158 915 6 664 255 7 143 910 6 060 361 11 437 501 3 867 472 4 709 239 5 379 291 6 358 136 2 233 179 2 479 310 3 369 575 3 224 812 2 003 087 2 363 426 2 650 249 3 142 677 2 152 069 2 401 944 2 963 554 3 008 294 1 770 068 2 103 500 2 333 162 2 672 094 1 582 089 1 789 783 1 984 093 2 280 733 1 535 083 1 704 985 1 716 230 1 925 640 849 511 1 163 769 1 607 863 1 888 228 1 290 252 1 465 446 1 471 189 1 745 980 1 543 979 2 037 589 1 982 319 1 743 770 1 181 979 1 402 385 1 629 842 1 693 254 1 132 662 1 287 484 1 402 628 1 552 451 1 329 435 1 202 158 1 297 300 1 320 355 947 706 1 080 577 1 190 322 1 298 216 921 405 1 030 102 1 186 778 1 228 962 674 967 787 461 919 143 1 051 444 664 752 1 009 409 1 111 515 1 009 100 582 873 859 995 1 030 963 981 036 552 888 646 271 724 949 835 157 585 597 628 866 691 613 805 236 934 964 817 856 1 046 166 688 526 379 632 479 878 599 619 658 192 254 550 361 720 498 524 637 574 356 177 406 320 475 878 555 572 197 556 299 917 460 372 533 663 371 961 406 499 462 591 523 242 299 375 356 391 454 124 508 954 343 457 396 948 467 822 491 442 368 348 382 273 422 426 480 991 283 398 336 096 382 698 441 113 292 152 315 567 365 098 415 895 49 485 383 103 802 297 409 265 172 625 240 530 338 819 404 286 267 672 294 855 325 908 393 287 280 536 309 954 343 679 387 271 311 597 282 668 307 753 386 146 357 758 493 759 408 108 385 662 251 379 289 738 327 625 351 413 221 472 255 128 283 944 338 606 254 699 274 537 324 176 337 622 274 609 291 585 341 572 317 994 214 773 229 933 264 814 307 410 272 117 295 225 295 184 303 157 218 885 269 075 276 081 301 915 306 018 342 629 442 804 301 335 227 885 247 999 258 148 292 867 249 339 263 593 275 041 287 250 192 538 216 873 241 002 285 454 157 303 174 850 223 915 271 795 150 512 179 925 210 134 264 767 332 889 237 355 244 461 263 282 146 458 217 475 244 899 260 521 162 076 207 063 235 522 259 547 214 905 222 800 244 721 248 542 171 698 192 016 227 613 248 464 133 745 154 015 264 193 246 408 180 466 209 763 228 231 246 395 178 472 193 440 217 539 245 888 161 877 201 943 219 036 244 964 189 305 214 394 245 282 233 801 139 312 165 554 195 740 231 667 86 129 173 628 204 866 229 213 185 960 233 295 243 403 226 989 149 978 169 324 175 729 222 609 150 731 169 803 184 621 216 375 141 274 176 520 197 858 213 670 152 538 170 440 184 641 207 725 127 206 125 860 196 257 205 352 132 823 139 525 180 345 202 990 113 978 131 424 148 714 201 399 156 016 161 695 181 165 193 705 128 737 146 363 158 893 183 714 113 989 125 216 149 701 183 536 149 001 373 503 158 066 178 406 107 091 120 216 134 072 173 949 113 396 127 160 135 561 172 731 160 237 169 057 182 419 170 321 131 195 149 857 155 647 169 157 96 603 113 646 133 447 163 544 119 777 133 079 142 965 162 853 126 812 128 922 137 337 161 171 108 878 122 798 159 726 161 164 113 458 130 486 140 775 155 141 106 864 109 522 111 959 153 209 92 817 106 366 130 873 149 328 116 534 128 974 140 277 148 739 115 315 137 401 142 747 147 890 98 662 110 150 123 532 147 745 102 179 110 875 126 903 147 346 93 159 118 781 124 256 147 223 117 980 135 030 125 267 144 765 116 514 111 254 125 390 144 158 125 151 138 587 123 623 142 728 103 874 110 023 121 468 142 412 104 375 129 526 156 212 142 097 90 659 95 342 106 430 137 954 91 479 90 509 99 516 136 881 90 071 99 966 120 995 136 802 96 375 106 955 118 919 136 208 80 165 125 280 129 415 135 027 102 012 111 190 119 878 132 643 88 637 103 033 132 026 130 962

10 948,50 51 837,56 360 815,83 10 745,41 39 471,86 9 854,71 25 786,41 17 026,64 10 674,79 8 782,21 36 274,41 7 158,71 16 342,28 12 284,91 10 312,48 22 879,93 9 420,34 12 344,80 8 382,72 28 424,56 35 657,18 9 408,31 6 552,18 21 366,21 9 873,13 19 332,15 6 200,79 24 070,32 6 622,23 7 506,36 6 151,79 7 440,85 5 795,51 6 295,62 27 773,11 14 052,84 5 324,84 6 782,57 7 599,95 17 509,38 5 309,00 5 506,69 4 957,67 7 615,17 5 265,04 7 658,37 4 525,24 9 099,65 4 656,59 9 111,24 10 972,25 6 216,28 5 650,77 8 636,72 11 118,63 4 384,75 6 133,20 6 824,61 14 681,99 5 111,29 3 953,37 4 972,58 4 870,14 7 540,27 15 577,90 13 399,61 4 994,81 4 664,26 5 066,27 5 533,58 9 285,64 5 328,51 7 541,91 5 733,96 4 399,50 3 866,36 4 061,97 5 466,84 3 157,04 14 189,89 3 394,89 4 453,93 4 616,26 3 016,54 18 118,46 3 907,35 5 836,55 4 541,48 6 537,42 3 818,00 4 748,64 2 933,67 3 745,95 5 836,83 2 964,20 4 146,54 3 844,71 7 019,90 10 397,48 6 069,32 4 470,37 4 966,21 7 533,76 5 488,14 4 117,13

Posição Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios

106º 107º 108º 109º 110º 111º 112º 113º 114º 115º 116º 117º 118º 119º 120º 121º 122º 123º 124º 125º 126º 127º 128º 129º 130º 131º 132º 133º 134º 135º 136º 137º 138º 139º 140º 141º 142º 143º 144º 145º 146º 147º 148º 149º 150º 151º 152º 153º 154º 155º 156º 157º 158º 159º 160º 161º 162º 163º 164º 165º 166º 167º 168º 169º 170º 171º 172º 173º 174º 175º 176º 177º 178º 179º 180º 181º 182º 183º 184º 185º 186º 187º 188º 190º 191º 192º 193º 194º 195º 196º 197º 198º 199º 200º 201º 202º 203º 204º 205º 206º 207º 208º 209º 210º 211º

Paripiranga Itiúba Santaluz Ibotirama Laje Muritiba Barra da Estiva Morro do Chapéu Irará Bonito Riachão do Jacuípe Maracás Ruy Barbosa Itambé Capim Grosso Amélia Rodrigues Cícero Dantas Ubaitaba Itapicuru Santana Itajuípe Caculé Itanhém Itagibá Cansanção Planalto Castro Alves Iaçu Lapão Encruzilhada Una Miguel Calmon Iraquara Ibirataia Guaratinga Valente Itaparica Itacaré Ubatã Buerarema Ibicaraí Barrocas Coração de Maria João Dourado Araças Pilão Arcado Mutuípe Paratinga Rafael Jambeiro Carinhanha Mundo Novo Queimadas Uauá Ibirapitanga Cândido Sales Brejões Governador Mangabeira Quijingue Olindina Conceição da Feira Santa Rita de Cássia Presidente Tancredo Neves Canarana Coaraci Conde Itatim Campo Alegre de Lourdes Iguaí Ubaíra Crisópolis Santa Bárbara Dom Basílio Piritiba Utinga Itarantim Ituaçu Taperoá Tanhaçu São Felipe Uruçuca Nova Soure Adustina Paramirim Urandi Palmas de Monte Alto Itororó Coronel João Sá Ourolândia Sátiro Dias Boa Vista do Tupim Ibirapuã Anagé Serra Dourada Oliveira dos Brejinhos Tapiramutá Andorinha Sapeaçu São Félix Tanque Novo Ibicuí Conceição do Almeida Macarani Maraú São Félix do Coribe Itiruçu

2005

88 689 68 620 79 818 82 985 69 897 95 465 98 476 90 456 64 618 89 005 72 466 80 208 79 780 80 073 81 272 87 816 77 786 76 106 67 750 74 065 74 519 64 880 78 693 50 383 74 141 72 764 67 069 66 843 75 123 88 674 94 565 70 417 46 946 71 381 71 644 75 480 67 722 51 900 62 364 75 429 65 865 59 033 62 521 57 354 84 749 66 638 57 970 62 755 57 400 58 482 50 052 57 237 64 604 53 950 93 443 86 285 75 446 60 611 59 073 61 501 62 326 56 115 51 807 71 848 66 978 52 599 60 237 54 522 53 818 51 519 44 240 32 716 42 261 48 992 50 669 46 602 39 283 51 551 52 314 47 271 54 803 56 538 53 655 45 068 42 808 59 307 41 831 47 967 61 555 46 686 37 040 48 658 42 323 54 610 55 462 66 048 50 857 47 381 44 493 44 335 54 517 42 598 43 049 47 059 47 436

Produto Interno Bruto a preços correntes (R$ 1 000) 2006 2007 2008

95 128 78 270 83 172 94 021 70 764 99 176 90 340 104 168 74 797 106 681 84 029 88 480 83 296 87 432 96 128 94 404 85 123 82 743 75 175 81 264 77 428 73 785 87 134 55 917 84 881 77 771 74 887 71 952 70 531 93 242 86 291 77 030 59 181 88 167 76 727 79 118 74 154 62 440 67 786 66 260 73 726 88 907 72 830 56 697 98 398 72 580 63 363 67 202 59 706 65 336 58 311 64 048 70 874 78 774 89 582 67 576 74 425 68 947 63 531 60 066 63 838 60 189 54 865 67 346 64 871 58 004 64 447 64 307 60 509 58 540 52 412 41 362 50 299 57 957 56 324 50 613 48 013 52 768 60 256 57 652 59 911 52 391 57 410 49 528 47 246 62 406 43 161 53 815 87 434 51 368 46 426 55 450 47 703 58 664 53 014 65 722 57 790 57 266 44 993 50 885 56 577 49 086 46 280 49 730 46 851

158 031 97 720 98 351 100 338 90 702 104 433 96 553 128 256 108 264 115 137 93 924 97 491 98 079 96 755 95 503 97 122 102 879 91 612 85 830 97 420 86 411 87 867 96 772 64 529 95 033 86 054 84 952 80 894 88 361 105 504 87 403 82 521 95 899 85 945 81 223 87 752 80 706 74 369 79 206 68 201 78 908 81 975 84 179 70 880 116 657 84 502 73 172 73 804 68 613 75 859 66 094 72 015 80 155 75 588 93 102 75 970 78 465 97 178 70 750 66 240 70 533 74 940 64 009 71 217 69 169 64 976 71 113 71 374 65 972 69 180 56 436 45 041 62 062 73 353 61 555 58 513 56 096 58 506 67 950 60 844 69 293 97 496 65 977 56 669 55 305 62 871 50 679 63 245 70 378 58 970 54 451 62 875 55 944 61 804 67 533 67 401 64 315 68 179 55 133 54 147 59 991 51 703 52 501 55 337 52 294

113 924 110 062 103 662 117 160 110 106 114 559 104 888 119 955 114 000 120 155 105 828 110 294 110 743 106 594 107 776 105 936 104 990 106 989 103 239 106 916 101 233 100 176 106 169 90 904 93 999 93 248 97 039 90 371 94 693 103 650 98 109 93 749 114 885 95 841 86 259 95 961 88 178 83 213 82 827 83 299 82 784 124 740 86 945 90 115 131 771 90 110 82 674 87 470 87 406 85 505 80 239 76 100 86 858 74 540 91 431 86 459 84 708 108 245 82 013 79 153 80 996 91 983 70 091 77 917 87 680 73 189 81 308 76 074 74 471 87 451 81 008 55 911 78 076 73 051 69 949 63 453 65 729 63 289 78 819 70 197 76 643 73 580 70 507 68 544 65 695 67 056 56 241 69 180 78 044 65 919 55 401 67 236 61 249 68 508 79 701 83 932 66 782 72 142 61 077 56 611 64 511 57 817 62 661 62 791 61 455

2009

Per capita (R$) 2009 (1)

130 895 4 403,22 129 551 3 501,75 129 238 3 649,15 129 069 4 885,47 128 748 5 804,69 128 211 4 619,38 127 463 6 206,50 127 061 3 627,09 126 904 4 916,65 126 010 8 795,91 125 705 3 733,89 125 397 3 484,22 125 032 4 109,93 124 284 3 499,77 121 918 4 489,22 120 465 4 918,74 119 277 3 747,07 118 813 5 843,38 118 382 3 635,48 116 221 4 263,59 114 653 5 595,57 114 527 5 077,21 113 195 5 351,01 112 435 6 777,30 112 229 3 291,84 110 698 4 997,44 110 339 4 417,47 109 800 3 838,89 109 688 4 121,14 109 144 5 267,57 108 986 4 421,33 107 700 3 884,72 105 233 4 310,16 104 637 4 263,26 102 757 4 475,49 102 698 4 606,34 102 587 4 933,00 102 075 3 756,91 101 274 3 842,68 100 712 4 834,95 100 709 4 099,04 99 350 7 164,00 98 000 4 122,16 97 670 4 441,55 97 321 7 971,25 97 126 2 818,04 96 836 4 388,47 96 738 3 238,20 96 287 4 011,29 96 257 3 183,10 96 220 3 811,47 95 228 3 314,69 95 182 3 783,23 94 740 3 911,15 93 717 3 448,01 92 945 7 467,86 92 904 4 495,06 92 822 3 298,23 92 409 3 763,06 91 811 4 563,83 91 663 3 329,81 89 919 3 708,16 89 430 3 448,23 88 991 3 995,26 88 530 3 821,57 87 130 5 615,52 86 973 3 143,24 86 859 2 949,48 86 637 4 043,15 85 858 4 233,85 85 316 4 169,69 84 669 7 286,48 84 143 3 203,61 83 167 4 067,24 82 295 4 478,63 82 193 4 378,51 80 989 4 177,25 80 742 4 010,23 80 595 3 846,66 80 547 3 466,33 79 306 2 951,02 78 803 5 101,18 78 535 3 763,06 77 406 4 752,01 77 169 3 498,01 77 047 3 681,18 76 829 4 173,67 76 239 4 463,61 75 908 4 012,29 75 153 4 107,16 74 997 9 501,76 74 546 2 950,91 73 857 4 135,80 73 714 3 124,01 73 053 4 085,97 71 737 5 051,52 70 579 4 130,58 70 210 4 331,82 70 093 4 256,82 69 475 4 219,82 69 316 3 856,48 69 146 4 081,82 68 925 3 991,04 68 297 5 057,51 68 143 4 049,63 CONTINUA NA PÁGINA 8


8

E S TA D O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

RANKING DO PIB EM VALORES POR MUNICÍPIO NA BAHIA Posição

213º 214º 215º 216º 217º 218º 219º 220º 221º 222º 223º 224º 225º 226º 227º 228º 229º 230º 231º 232º 233º 234º 235º 236º 237º 238º 239º 240º 241º 242º 243º 244º 245º 246º 247º 248º 249º 250º 251º 252º 253º 254º 255º 256º 257º 258º 259º 260º 261º 262º 263º 264º 265º 266º 267º 268º 269º 270º 271º 272º 273º 274º 275º 276º 277º 278º 279º 280º 281º 282º 283º 284º 285º 286º 287º 288º 289º 290º 291º 292º 293º 294º 295º 296º 297º 298º 299º 300º 301º 302º 303º 304º 305º 306º 307º 308º 309º 310º 311º 312º 313º 314º 315º Fonte: IBGE

Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios

Boquira Baixa Grande Nova Canaã Água Fria Teofilândia América Dourada Malhada Mairi Condeúba Jucuruçu Ribeirão do Largo Coribe Pindobaçu Salinas da Margarida Ibititá Mirangaba Angical Piatã Cafarnaum Acajutiba São Gabriel Fátima Jaguaripe Baianópolis Nilo Peçanha Wanderley Ponto Novo Pedro Alexandre Saubara Arataca Ibipeba Cabaceiras do Paraguaçu Tremedal Itaeté Mascote Aurelino Leal Cipó Jitaúna Pé de Serra Sítio do Mato Abaré Central Aporá Rio de Contas Buritirama Antas Retirolândia Belo Campo Iuiú Várzea Nova Souto Soares Filadélfia Biritinga Canudos Rio do Antônio Cotegipe Santa Brígida Lençóis Itagi Antônio Cardoso Licínio de Almeida Santa Luzia Boa Nova Jiquiriçá Serra Preta Manoel Vitorino Barra do Mendes Itaguaçu da Bahia Jacaraci Ibitiara Igaporã Andaraí Glória Pindaí Ipecaetá Vereda Umburanas Cardeal da Silva Sítio do Quinto Jandaíra Cristópolis Dário Meira Lajedo do Tabocal Presidente Dutra Heliópolis Ribeira do Amparo Teolândia Muquém de São Francisco Terra Nova Sebastião Laranjeiras Várzea da Roça Serrolândia Uibaí Mortugaba Iramaia Tabocas do Brejo Velho Ibipitanga Maiquinique Caldeirão Grande Jussara Candiba Aracatu São Domingos

2005

50 986 40 977 39 359 41 595 45 805 41 196 47 240 41 950 41 624 43 966 44 130 38 024 41 820 41 273 45 493 35 884 40 561 40 152 41 181 40 764 42 438 37 423 33 287 46 028 37 828 40 902 36 519 29 546 38 357 37 784 40 619 38 076 38 592 35 353 33 860 37 623 34 046 41 980 23 082 42 502 31 044 36 062 35 618 39 695 32 677 31 554 34 440 41 041 38 275 33 904 25 624 37 545 36 168 30 999 33 074 35 945 32 085 34 374 35 226 27 187 32 992 34 621 39 624 32 020 37 612 32 123 32 576 23 991 32 066 24 306 31 841 28 887 30 156 29 618 31 931 28 792 32 148 42 956 40 521 28 952 28 056 34 249 36 815 32 179 28 371 27 607 32 326 43 432 31 300 25 198 27 812 27 473 32 477 30 800 31 462 24 507 28 214 25 422 21 991 33 133 28 118 27 788 23 878

Produto Interno Bruto a preços correntes (R$ 1 000) 2006 2007 2008

56 540 46 208 45 325 43 386 49 604 40 163 43 663 46 458 45 293 46 497 45 620 42 084 44 652 47 324 45 457 42 220 41 416 46 146 36 590 44 266 42 735 44 045 43 695 38 879 40 355 38 937 39 584 32 822 45 196 38 466 40 662 40 110 41 360 38 176 37 778 40 567 40 334 43 680 26 609 41 714 35 000 37 609 38 547 42 833 38 754 34 969 38 077 41 367 35 858 41 607 37 486 40 971 37 887 36 078 36 674 35 367 35 995 37 306 37 462 30 629 36 622 37 184 39 670 34 497 37 379 36 550 36 089 27 271 33 377 30 622 34 254 34 378 33 203 30 944 35 349 31 435 33 330 47 584 38 881 33 000 31 350 37 130 33 592 33 575 30 187 32 846 34 739 39 698 32 735 31 550 32 478 31 116 32 439 34 239 35 529 28 902 33 215 26 991 25 348 32 402 30 235 28 947 26 088

59 413 53 052 52 261 53 950 52 166 47 285 52 887 52 640 54 670 61 386 49 077 47 850 53 213 49 798 52 381 49 175 48 889 49 420 46 647 44 031 50 224 78 495 52 820 49 141 44 502 42 838 44 216 38 192 49 172 42 889 46 580 47 009 49 616 46 668 41 679 44 290 45 720 45 669 30 733 44 680 41 702 42 359 42 448 49 158 42 541 51 437 43 346 49 404 42 857 48 973 48 836 47 707 39 019 39 853 43 200 39 063 54 347 45 060 40 699 32 635 41 250 39 730 42 288 37 802 39 896 40 019 40 028 30 391 39 420 38 168 38 120 40 418 36 411 36 688 37 290 37 420 38 304 45 978 60 212 31 006 34 843 38 428 37 648 39 552 35 455 40 711 45 711 34 340 39 222 37 601 35 107 35 197 36 249 38 155 38 963 32 197 37 876 30 623 30 995 34 862 36 038 32 335 31 172

66 253 58 819 57 278 51 257 55 045 65 592 58 063 57 341 58 595 54 527 55 374 55 187 55 361 55 043 55 071 55 849 56 718 57 001 71 407 52 940 70 664 57 652 56 249 57 903 51 433 50 384 49 707 41 776 51 715 55 261 51 395 54 054 52 642 50 386 47 655 48 766 49 720 50 571 46 595 56 097 48 764 48 210 52 372 51 472 53 474 50 706 46 990 49 939 48 941 46 382 56 503 47 392 43 081 47 332 46 635 48 232 49 962 43 913 43 254 44 270 44 206 44 603 45 637 41 274 43 409 44 806 44 736 37 536 42 205 42 942 43 699 42 247 40 482 42 605 39 665 41 146 40 613 52 686 45 557 40 189 40 973 42 058 40 381 42 640 42 059 41 756 42 108 41 000 45 245 39 660 39 802 39 371 39 940 43 082 43 329 38 268 42 242 39 051 36 719 38 803 40 338 36 142 33 827

Posição 2009

Per capita (R$) 2009 (1)

67 165 67 050 66 927 66 564 66 410 65 304 65 120 64 854 64 650 64 516 63 720 63 455 62 870 62 427 62 367 62 113 62 100 61 810 61 635 61 591 60 514 60 505 60 391 60 240 60 193 59 737 59 007 58 842 58 806 58 449 58 438 58 248 57 884 57 721 57 533 57 520 57 490 57 267 57 216 57 114 56 626 56 314 55 788 55 162 55 080 54 676 54 673 54 279 54 117 53 922 53 800 53 722 53 548 53 531 53 274 53 177 52 940 52 896 52 461 52 210 51 711 51 423 50 580 50 516 50 308 49 993 49 817 49 661 49 422 48 968 48 868 48 729 48 727 48 486 48 457 48 447 48 177 48 083 47 884 47 593 47 488 47 403 47 204 47 003 46 741 46 314 46 184 46 145 45 996 45 913 45 801 45 652 45 637 45 490 45 185 44 927 43 890 43 715 43 519 43 504 43 418 43 216 43 055

2 982,31 3 073,72 3 295,11 4 342,61 3 094,46 3 890,13 3 890,29 3 292,10 3 756,51 6 135,04 4 386,01 4 260,18 3 014,75 4 398,11 3 213,13 3 295,31 4 087,95 3 346,49 3 365,45 4 054,16 3 168,46 3 070,84 3 463,78 4 243,75 4 534,68 4 507,79 4 004,79 3 324,78 5 055,57 5 336,38 3 307,92 3 136,83 3 140,24 3 936,23 3 467,92 4 028,04 3 648,28 3 499,35 3 869,06 4 331,06 3 007,05 3 123,52 2 977,26 3 992,63 2 825,76 3 109,62 4 634,12 3 574,53 4 475,05 3 753,67 2 772,20 3 313,10 3 755,10 3 483,75 3 525,73 3 747,27 3 382,33 5 230,99 3 704,35 4 147,23 3 916,01 3 293,60 3 278,67 3 668,00 3 111,55 3 536,05 3 445,37 3 742,64 3 331,02 2 938,36 3 264,40 3 335,55 3 437,31 3 074,17 3 049,88 6 594,98 2 818,06 5 579,39 3 467,06 4 750,74 3 325,70 3 844,23 5 245,43 3 285,54 3 176,85 3 167,67 3 605,31 4 316,29 3 655,41 4 020,05 3 019,00 3 604,61 3 213,17 3 096,25 3 003,35 3 563,37 3 046,24 4 940,65 3 125,95 2 861,32 3 386,47 3 018,73 4 424,98

316º 317º 318º 319º 320º 321º 322º 323º 324º 325º 326º 327º 328º 329º 330º 331º 332º 333º 334º 335º 336º 337º 338º 339º 340º 341º 342º 343º 344º 345º 346º 347º 348º 349º 350º 351º 352º 353º 354º 355º 356º 357º 358º 359º 360º 361º 362º 363º 364º 365º 366º 367º 368º 369º 370º 371º 372º 373º 374º 375º 376º 377º 378º 379º 380º 381º 382º 383º 384º 385º 386º 387º 388º 389º 390º 391º 392º 393º 394º 395º 396º 397º 398º 399º 400º 401º 402º 403º 404º 405º 406º 407º 408º 409º 410º 411º 412º 413º 414º 415º 416º 417º 418º

Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios

Ibiassucê Potiraguá Milagres Floresta Azul Wagner Itagimirim Brotas de Macaúbas Saúde Lagoa Real Chorrochó Marcionílio Souza Pau Brasil Barro Alto Boninal Itapé Brejolândia Presidente Jânio Quadros Mulungu do Morro Varzedo Capela do Alto Alegre Teodoro Sampaio Itaju do Colônia Itapitanga Botuporã Novo Horizonte Novo Triunfo São José do Jacuípe Banzaê Aramari Piripá Rio do Pires Itamari Piraí do Norte Pintadas Macajuba Santa Inês Nordestina Morpará Caatiba Várzea do Poço Caém Gentio do Ouro Santa Teresinha Matina Nova Ibiá Jussari Palmeiras Antônio Gonçalves Itaquara Mansidão Canápolis Caraíbas Apuarema Aratuípe Planaltino Érico Cardoso Ipupiara Feira da Mata Lamarão Elísio Medrado Quixabeira Caetanos Guajeru Bom Jesus da Serra Rodelas Irajuba Santanópolis Abaíra Barra do Rocha Nova Redenção Jussiape Itanagra Barro Preto Nova Fátima Cordeiros Lajedão Almadina Mirante Muniz Ferreira Caturama Gongogi Anguera Malhada de Pedras Tanquinho Ouriçangas Candeal Macururé Pedrão Nova Itarana Maetinga Santa Cruz da Vitória Aiquara Catolândia Cravolândia Firmino Alves São José da Vitória Ichu Lajedinho Contendas do Sincorá Ibiquera Lafaiete Coutinho Dom Macedo Costa Gavião

2005

28 883 31 764 28 448 25 961 28 627 43 579 24 863 28 399 28 650 19 663 25 253 26 061 28 550 27 436 30 003 22 058 29 121 32 962 21 340 22 199 29 152 25 400 25 709 25 588 20 178 23 184 20 180 22 194 20 961 30 343 25 317 25 758 20 024 20 398 24 297 25 216 25 099 17 681 34 887 17 553 25 527 21 258 19 475 20 880 24 623 20 774 19 801 19 969 23 900 21 695 20 215 20 482 18 614 19 171 17 808 22 541 19 819 22 407 14 608 19 306 16 653 21 710 22 390 17 271 19 953 17 872 15 554 20 269 18 047 17 331 22 045 21 844 18 536 15 617 14 781 21 234 16 700 21 346 17 128 15 728 23 555 16 728 17 894 15 118 18 440 19 874 14 345 15 798 16 438 22 471 18 177 14 208 16 945 13 073 15 194 11 108 11 871 23 357 12 001 9 670 13 566 10 517 9 628

Produto Interno Bruto a preços correntes (R$ 1 000) 2006 2007 2008

29 783 30 506 31 751 31 289 26 439 33 608 28 193 31 446 29 523 24 289 28 101 29 701 28 409 29 489 31 131 24 701 30 813 26 637 25 502 25 676 30 933 26 663 27 219 27 372 23 371 26 056 23 595 25 850 22 474 30 598 24 748 28 120 21 892 23 570 26 587 26 717 28 022 20 511 34 166 22 659 27 589 23 469 21 907 22 845 22 937 21 114 22 445 21 514 25 430 24 942 22 443 23 045 21 675 22 608 20 519 23 919 23 591 23 339 18 727 25 269 18 549 22 785 20 617 19 260 22 131 19 818 18 895 22 757 20 659 21 032 23 018 27 155 19 168 16 796 17 459 21 673 19 115 21 464 19 095 17 949 22 260 18 827 18 834 18 037 19 919 21 339 15 198 18 356 17 521 22 511 19 471 15 817 15 486 14 575 16 074 13 568 13 696 25 507 13 273 10 864 14 144 12 427 11 051

34 556 32 450 37 103 33 838 32 833 34 762 29 850 33 768 36 239 27 771 31 366 32 935 34 070 34 628 33 188 31 108 34 191 33 296 35 080 30 038 33 610 27 940 28 557 32 455 31 242 31 720 28 032 31 878 27 921 31 550 32 784 30 050 23 148 25 803 29 783 29 118 30 726 22 917 30 480 25 965 28 507 26 876 25 106 25 334 25 346 22 789 26 295 27 316 25 742 27 030 25 321 25 515 23 614 25 687 24 860 25 719 26 685 26 868 21 995 30 051 22 902 23 509 20 446 21 946 22 906 23 273 21 797 24 166 23 372 31 507 24 273 30 210 21 864 20 866 21 666 25 457 21 214 20 402 20 993 21 058 23 363 20 660 20 655 20 971 21 716 21 669 17 112 20 252 19 579 21 950 19 784 18 796 19 177 18 568 15 803 15 480 15 448 22 511 14 577 13 841 14 811 16 669 12 466

37 222 37 965 41 060 35 892 37 497 38 507 35 739 37 497 38 098 33 500 34 024 35 894 35 803 37 396 35 774 35 171 34 700 41 492 38 638 34 043 41 885 30 537 32 083 31 864 32 242 32 886 31 107 33 818 29 942 34 520 30 555 29 629 26 305 30 191 34 937 32 144 33 122 26 837 31 899 29 164 29 444 30 161 28 177 30 224 25 151 26 886 32 948 30 239 29 620 30 110 29 488 28 886 25 267 27 991 27 598 28 985 29 271 27 600 25 413 26 221 26 054 26 947 25 115 26 354 26 651 25 523 23 006 26 501 25 345 27 724 25 194 31 801 21 694 23 893 23 810 26 527 23 447 22 190 21 595 22 623 23 906 22 797 21 983 23 125 23 404 23 733 19 810 21 978 22 436 21 173 21 665 20 251 21 364 18 959 19 046 18 150 17 330 19 469 15 399 15 610 16 055 16 544 14 238

2009

42 920 42 642 42 632 42 330 42 086 42 068 41 737 41 635 41 611 41 587 41 508 41 465 41 433 40 730 40 551 40 420 40 023 39 826 39 786 39 229 38 678 38 664 38 621 37 950 37 422 36 864 36 807 36 751 36 619 36 582 36 504 36 500 36 208 36 111 36 031 35 840 35 456 34 772 34 617 34 247 34 143 34 066 33 877 33 801 33 766 33 357 33 297 33 189 33 106 32 636 32 293 32 104 32 103 31 971 31 850 31 642 31 432 30 380 30 241 30 163 30 139 30 036 29 757 29 642 29 633 29 225 29 150 29 148 29 038 28 910 28 545 28 108 27 834 27 641 27 429 27 028 26 829 26 650 26 534 26 457 26 375 26 372 26 241 26 193 26 104 25 680 24 954 24 827 24 763 23 558 23 150 22 533 22 204 21 624 20 694 20 078 19 515 19 471 18 748 17 804 17 013 16 690 15 638

Per capita (R$) 2009 (1)

4 764,61 4 416,06 3 525,67 4 084,32 4 778,67 5 910,10 3 811,97 3 369,86 2 867,75 3 773,09 3 752,67 3 359,68 2 923,60 2 939,29 3 814,74 4 128,31 2 816,15 2 869,51 4 209,67 3 059,04 4 581,62 5 017,40 3 722,12 3 434,98 3 373,79 2 497,06 3 305,78 3 293,98 3 694,75 2 745,40 3 143,67 4 156,72 4 106,12 3 339,89 3 128,54 3 317,64 2 798,45 3 919,69 3 663,17 3 808,55 3 351,64 2 841,65 3 212,28 2 551,99 4 803,77 4 824,57 3 946,50 2 952,79 4 275,57 2 665,45 2 899,83 3 059,02 4 218,57 3 623,96 3 586,75 2 952,47 3 370,69 4 629,74 2 327,15 3 686,03 3 129,34 2 440,57 3 189,37 2 799,55 3 979,71 3 812,29 3 022,95 3 304,34 4 955,34 3 102,55 3 549,00 4 083,10 4 337,61 3 470,80 3 087,79 7 509,75 4 052,03 3 182,08 3 666,90 3 036,50 4 274,74 2 683,93 3 418,09 3 326,08 3 210,40 2 837,53 3 185,30 3 268,00 3 144,47 2 988,13 3 592,99 4 203,20 5 470,20 3 785,11 3 529,04 3 202,16 3 174,15 4 357,96 4 824,48 3 359,31 4 858,19 4 224,20 3 469,68


E S TA D O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

9

ALBERTO COUTINHO/SECOM-BA

Obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste no canteiro de Brumado. Já são dois mil os trabalhadores no primeiro grande trecho da ferrovia, entre Caetité e Ilhéus, de 537 quilômetros

Avançam obras da Oeste-Leste Da Assessoria de Imprensa do Governo da Bahia

vai e vem dos caminhões e dos mais de dois mil trabalhadores fazem parte da construção do primeiro trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). Desde o início deste ano, estão sendo feitas obras entre Caetité, no sudoeste, e Ilhéus, no sul do estado, distantes aproximadamente 537 km. Os quatro eixos de trabalho cortam 20 municípios. De acordo com o vice-governador e secretário de Infraestrutura da Bahia, Otto Alencar, com a expectativa da chegada da ferrovia muitas mineradoras estão se instalando em Brumado. “Os investidores estão adquirindo áreas e fazendo prospecções de minérios de ferro no oeste. E claro, se vem economia, vem desenvolvimento social, capacitação, treinamento de mão de obra e emprego”, comemora. Para o coordenador de Infraestrutura da Casa Civil do Governo do Estado, Eracy Lafuente, a ferrovia é um vetor de transporte de cargas, que promove a oportunidade de desenvolver parques ligados aos grãos, minérios e etanol, três grandes cadeias que favorecem a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) e a descentralização da economia. Aproximadamente 70 milhões de toneladas devem ser transportadas por ano pela Fiol - pelo menos 50 milhões corresponderão a minérios. “Hoje, o escoamento se faz por rodovias e cria um custo operacional em termos de transporte muito elevado. À medida que o custo diminui, a exportação é favorecida e é possível potencializar a produção”, conclui Eracy Lafuente. Com investimentos estimados em R$ 6 bilhões, quando estiver em pleno funciona-

O

mento a estrada de ferro, com 1.500 quilômetros de extensão, vai interligar o Porto Sul, em Ilhéus, à ferrovia Norte-Sul, em Figueirópolis, no Tocantins.

Geração

de

emprego

e

renda.

Atualmente, a atividade nas frentes de trabalho envolve a compactação de pedras, detonação dos espaços rochosos e nivelamento da área. Em diversos galpões, montados ao longo do trecho Caetité-Ilhéus, são fabricadas as aduelas - bueiros para escoamento de água - e os dormentes, suporte transversal do trilho. Carpinteiro há onze anos, Noel Joaquim dos Santos Filho, 34, agora tem emprego fixo. “Desde que entrei na obra, há oito meses, já consegui reformar e ampliar minha casa. Aqui temos muitas oportunidades, inclusive com a possibilidade de trabalhar nas novas empresas que estão chegando”, afirma. Edilson Ramos da Silva, de 30 anos, colocava o último concreto de uma das muitas galerias, que vão servir de base para o escoamento de água, instalada abaixo dos trilhos. O ajudante de pedreiro deixou para trás os trabalhos temporários de servente para ser um profissional da construção, com carteira assinada. “A ferrovia mudou minha vida e a dos meus colegas também, é aqui que estou construindo meu futuro” acredita. As empresas de minério movimentam a economia em Brumado. Maria Dantas Porto, 45, recepcionista da Pousada Renascer, percebeu a mudança quando as vagas nos estabelecimentos da cidade ficaram escassas. “Não temos mais vaga até o mês de abril. Uma mineradora fechou um pacote com a gente para instalar seus funcionários. Em

Ao lado do homem do campo, plantando o futuro dessa terra. (77) 3628-1639

A Terra Agrícola deseja a seus clientes, amigos e parceiros votos de Feliz Natal e um Ano Novo de sucessos.

mais dois outros hotéis de médio porte, o mesmo aconteceu. Se continuar assim, ano que vem vai precisar de mais pousadas pra dar conta da demanda”, disse. As obras são acompanhadas de perto pelos moradores. Genir Batista dos Santos, 69 anos, há mais de 50 mora em Barra do Rocha. Ele afirma que seu conhecimento da região ajudou na elaboração do projeto. “Eu falei para os engenheiros que o nível da água ia subir dois metros no trecho onde o trem iria passar, eles reavaliaram o projeto e mudaram”, garante.

Reflorestamento. Toda a área que vem sendo terraplanada vai passar por refloresta-

mento, após a conclusão dos trabalhos. Só no lote 3, em Tanhaçu, estão sendo cultivadas 140 mil mudas de plantas nativas da região, como aroeira, pau-d’arco e licuri. Elas sairão do viveiro montado no canteiro de obras para as margens do trilho. Balduino Silva Pires, 25, responsável pelo viveiro, reconhece a importância do trabalho que desenvolve. “Este é um processo muito importante, porque com a devastação do meio ambiente algumas árvores, e os animais que se alimentam delas, podem ser prejudicados. Por isso, os biólogos recolhem sementes, passam pra mim que cuido da muda e assim fazemos o reflorestamento e mantemos vivas as espécies de nossa região”.


10

CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

ACONTECEU RAUL MARQUES

CONFRATERNIZAÇ‹O. Mais de 3 mil pessoas compareceram ao Centro de Eventos Nossa Senhora Aparecida, na Gruta, na noite de sexta-feira, para par ticipar da festa de confraternização dos funcionários da Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães. A festa foi embalada por música eletrônica, forró e rap, que animou os funcionários, colaboradores, amigos, familiares e convidados. Foram servidos janHENRIQUE CABELO

FEIJOADA DOS AMIGOS. A Feijoada dos Amigos 2012 reuniu 450 pessoas no domingo, 11, no Centro de Eventos Nossa Senhora Aparecida (Gruta). Entre venda de bebidas e almoços, foram arrecadados pouco mais de R$ 9.400,00, segundo a organização do evento. O total arrecadado será doado para a construção da Vila da Misericórdia, do Abrigo Santa Clara e São Francisco. A nova vila, na Chácara Bom Recreio, no Jardim das Acácias, vai atender a 15 dependentes alcoólicos e de drogas. No local haverá espaço para oficina, enfermaria, capela e casas para os internos. “É desejo do abrigo ter um lugar para o tratamento terapêutico dos nossos internos”, diz o diretor-presidente da Associação São Francisco e Santa Clara, Antonio Carlos Alves dos Santos. A associação mantém a chácara há quatro anos.

Natal é o tempo de amor, paz, esperança e sonhos. É quando todos se confraternizam em busca de um mundo melhor. Que o espírito natalino permaneça pela vida de todos de Luís Eduardo Magalhães. Agora e sempre! Neste e nos próximos anos que chegarem. Um Feliz Natal e um próspero Ano Novo. Que Deus abençoe a todos.!

São os votos De Cledi Bosa

tar e bebidas. O prefeito Humberto Santa Cruz agradeceu a colaboração de todos e pediu o maior empenho possível no próximo ano na administração da Cidade. O único incidente registrado aconteceu por volta das 23h50 quando dois homens, um dos quais seria professor de uma academia de luta, se desentenderam, mas foram contidos por guardas municipais, funcionários da Prefeitura e anônimos. RAUL MARQUES

BINGO DA APAE. Mais de 600 pessoas de Luís Eduardo Magalhães participaram do Bingo beneficente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), na sexta-feira, 9. O sorteio do bingo foi diferente dos demais realizados em outros locais. Foram sorteados os números de 10 cartelas e cada um dos contemplados escolhia uma caixa que continha duas chaves. Uma para tentar abrir o cadeado que prendia o barco e outra para ligar o Montana zero quilômetro. A diretora do Colégio Onero Costa, Liane Giotti (foto), ligou o Montana e levou o prêmio principal. A ganhadora do barco foi a secretária de Saúde Maira de Andrada Santa Cruz, que não estava no local na hora do sorteio porque participava da confraternização dos funcionários da Prefeitura, que acontecia na Gruta. Maira de Andrada foi representada por Aldo Seiber. O juiz Claudemir da Silva Pereira era um dos fazia o sorteio das cartelas e conferia a abertura dos cadeados pelos participantes. A presidente da Apae, Carminha Gatto Missio, agradeceu a participação de todos e lembrou que a compra das cartelas foi um ato para ajudar crianças que precisam de amor e carinho.


CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011 LUCIANO DEMETRIUS

11 FAAHF

POSSE EM ASSOCIAÇ‹O. Tomou posse na sexta-feira, 9, a primeira diretoria da Associação dos Representantes Comerciais Autônomos e Vendedores Externos do Oeste da Bahia (Arco). Na foto, da esquerda para a direita, Edmundo Celestino Borges (conselho fiscal), Leandro Borges de Amorim (presidente), Mailton Ferraz Miranda de Oliveira (vice-presidente), Evanilson de Jesus Barbosa (1º tesoureiro), Wellington Braga (1º secretário), Davbid Marien (2º secretário), Luiz Carlos Pereira dos Santos (conselho fiscal) e Gerson Almir Bender (coordenadoria setorial de supermercados). HENRIQUE CABELO

INAUGURAÇ‹O DE LOJA. Foi inaugurada na terça-feira, 13, a Leni Leis Presentes & Decorações. A loja, no Centro Empresarial Jardim Paraíso, é administrada pela médica Leni Leis e pelo comerciante Ribamar Leis. Projetado pelo arquiteto Marcelo Ferruccio, o local tem opções de enxovais, cristais, porcelanas finas e decorações para o Natal. “É uma alternativa, em lojas do gênero, para quem está distante da região Central. Aqui o cliente vai contar com o apoio de nossa equipe para a escolha de um presente ou uma sugestão em decoração”, afirma Leni Leis.

FORMANDOS DO CEMAC. Alunos do Centro Educacional Maria Cardoso Ferreira (Cemac) receberam certificado de conclusão do 3º ano do Ensino Médio, em solenidade realizada na noite de sábado, 10, no Espaço de Eventos Quatro Estações. Compuseram a mesa diretiva a presidente da Sociedade Educacional Arnaldo Horácio Ferreira, Maria Cardoso Ferreira (Dona Lilia), patronesse do Colégio; a diretora geral do Cemac e paraninfa da turma, Maria Angélica Cardoso Ferreira de Sousa; o diretor acadêmico da Faculdade Arnaldo Horácio Ferreira (FAAHF), José Walter de Sousa Filho; o gestor escolar do Cemac, Leandro dos Santos; a professora homenageada da turma, Giovana Heringer; as professoras regentes do 3º ano 2011, Evenise Beatriz Sabatini e Meire Vilarinho; e o casal representante dos pais dos alunos, Valmir e Noere Guerra.


12 C I D A D E

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

R$ 200 milhões para obras no Oeste RAUL MARQUES Da Oeste Comunicação nvestimentos da ordem de R$ 200 milhões estão previstos para a região Oeste da Bahia, disse a Oeste Semanal, o vicegovernador e secretário de Infraestrutura do Estado, Otto Alencar, que desembarcou sexta-feira, 16, em Luís Eduardo Magalhães. Otto Alencar revelou que este dinheiro é parte de um empréstimo acertado com o Banco Mundial (Bird), no valor de R$ 600 milhões. “É intenção do governador Jaques Wagner que um terço deste dinheiro seja aplicado aqui na região em obras de infraestrutura”, disse o governador em exercício, já que Jaques Wagner se encontrava em missão comercial na China. Este dinheiro, segundo Otto Alencar, deve ser liberado pelo Bird no próximo ano, “no máximo em janeiro de 2013”. “Com estes recursos, a intenção é dar toda a possibilidade para que a região se desenvolva mais rápido”, disse Otto Alencar. Acompanhado do prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz, o vice-governador disse já ter acertado, antes dos recursos do Bird, outras obras para o município, entre as quais estão a conclusão do novo aeroporto e o asfaltamento de estradas vicinais que beneficiarão produtores de Luís Eduardo. “Estas obras já estão acertadas e devem ser realizadas em breve”, disse Otto Alencar, antes de deixar o aeroporto próximo ao Distrito Industrial, de onde seguiu para visitar o novo aeroporto, em construção, no carro do prefeito Humberto Santa Cruz. O prefeito explicou que nas obras necessárias para a conclusão do novo aeroporto estão incluídos o término de pavimentação da pista de taxiamento, do pátio de aeronaves e do acesso ao Corpo de Bombeiros. “Estas obras estão em licitação e devem começar em fevereiro”, disse o prefeito. Otto Alencar disse que vai ceder o equipamento para o Corpo de Bombeiros, informou o prefeito. Quanto ao asfaltamento de estradas vicinais, Humberto Santa Cruz disse que será feito em parceria entre produtores e Governo

RAUL MARQUES

AGENDA Sorteio da Acelem Será realizado no dia 30 de dezembro o sorteio do primeiro carro 0 km da Campanha Natal Show de Prêmios, promovido pela Associação Comercial e Empresarial de Luís Eduardo Magalhães (Acelem). O evento será na praça da Igreja Matriz, a partir das 20h.

Almoços de Confraternização

I

Na quarta-feira, 21, será realizado o almoço de confraternização dos funcionários da AdecoAgro. No dia 1º de janeiro, haverá almoço de confraternização dos funcionários do Hiper Santo Antônio. Os dois eventos começam às 11h e serão realizados no Centro de Eventos Nossa Senhora Aparecida (Gruta).

Simpósio do Café DUDA MENDONÇA NO GP DE TURFE. O publicitário e marqueteiro Duda

Mendonça chegou sexta-feira, 16, em Luís Eduardo Magalhães, para participar do V GP Estado da Bahia de turfe, que acontece nestes sábado, 18, e domingo, 19, no Hipódromo e Parque Constantino Catarino de Souza, no Haras Buriti, em Luís Eduardo Magalhães. O publicitário veio acompanhado do sobrinho Pedro Garcez. Duda Mendonça foi recebido pelo promotor da competição, Juarez Antonio de Souza, do Haras Buriti, e pelo empresário Fabio Lauck, entre outros. O evento terá participação de vários cavalos quarto de milha. Na foto, o empresário Fabio Lauck, Pedro Garcez, Juarez de Souza e Duda Mendonça.

do Estado. “Estas estradas são muito importantes para o escoamento da produção”, disse. Humberto Santa Cruz informou que a primeira estrada a ser asfaltada será a linha Carolina Taboada (Timbaúba), em março. O governador em exercício veio participar da V GP do Estado da Bahia de Turfe, competição que será disputada em sua homenagem, nestes sábado, 17, e domingo, 18, no hipódromo e parque Catarino Constantino de Souza, no Haras Buriti. Ele trouxe na bagagem mais uma boa notícia. Ao desembarcar do avião prefixo PP-ACM, a primeira coisa que anunciou foi a assinatura de contrato com a Coelba para que todo o loteamento Conquista ganhe energia. “Este acordo deve estar sendo assinado agora (sextafeira), 16”, disse Otto Alencar a Oeste Semanal. O avião PP-ACM pertencia ao exgovernador Antonio Carlos Magalhães, mas agora é da empresa Abaeté.

Competição. A recepção ao vice-governador da Bahia foi bastante concorrida. Cerca de 150 pessoas esperavam Otto Alencar no aeroporto. Juarez Antonio de

Souza, proprietário da Haras Buriti, explicou que o evento atrai personalidades de todos os lugares do País. “Hoje (sexta-feira) serão sorteadas as chaves e a competição deve ser acirrada entre os cavalos da raça quarto de milha”, disse. Outra competição foi travada na pista do aeroporto entre a equipe que acompanhava o deputado federal Oziel Alves de Oliveira e a do prefeito Humberto Santa Cruz. A viceprefeita da Cidade, Lídia Katerine Rios, ligada a Oziel, entregou ao vice-governador Otto Alencar ofício no qual solicita a recuperação da rodovia BR 242, no Distrito Industrial, que está cheia de buracos, e a realização de obras na delegacia de Polícia Civil na Cidade, que se encontra em estado precário. Também foram receber o governador em exercício o secretário de Infraestrutura do município, Sérgio Verri; a secretária de Saúde, Maira de Andrada Santa Cruz; a secretária de Cultura, Ana Célia Alves; os vereadores Ondumar Marabá, Sidnei Giachini, Janete Alves e Ariston Aragão; e a prefeita de Barreiras, Jusmari Terezinha de Oliveira, entre outros. RAUL MARQUES

Entre os dias 12 e 14 de março de 2012 será realizado o 13º Agrocafé (Simpósio Nacional do Agronegócio Café), no Pestana Bahia Hotel, em Salvador. Mais informações pelo telefone (71) 2102-6600 ou pelo site www.agrocafe.com.br.

Lembrete ● A inauguração da Praça de Alimentação Marcos Antonio de Carvalho e a reinauguração da Praça Sergio Alvim Motta, no Centro, marcam a abertura oficial do Natal em Luís Eduardo Magalhães, neste sábado, 17, a partir das 20h30, com missa na Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida. Em seguida, apresentação da banda Redenção. No domingo, 18, show com Banda União Suprema, às 19 h. Nos dois dias haverá apresentação de corais, grupos de canto, coreografias, grupos de teatro, Auto de Natal, com a chegada do Papai Noel, que receberá as crianças na Casa Encantada. Dia 31, a partir das 21h, shows com a Banda Look Here e com os cantores Carol e Alan Marquezini e queima de fogos, à meia-noite, na praça da Matriz. ● Será realizado neste sábado, 17, e domingo, 18, o V Grande Prêmio Estado da Bahia, no hipódromo e parque Constantino Catarino de Souza Haras Buriti. Haverá prêmios para os quatro primeiros colocados e também para treinadores e jóqueis melhores classificados. Mais informações pelos telefones (77) 99711377 e 9152-4809. ● Neste sábado, 18, acontece o I Encontro das Academias de Luís Eduardo Magalhães, em frente ao prédio do Centro Administrativo da Prefeitura, a partir das 8h. Serão realizadas avaliações físicas, aulas de dança, aero boxe, caminhadas, apresentações artísticas e de artes marciais e haverá sorteios de brindes relacionados ao esporte. Aos participantes é recomendado o uso de traje de academia e tênis. Mais informações pelo telefone (77) 9996-2536. ● Será inaugurada neste sábado, 17, a partir das 14h, a loja da manos Pneus, na rua 25 de dezembro, no Jardim Paraíso, nos fundos da Topvel. As novas instalações terão 1.700 metros quadrados de área construída. Mais informações pelo telefone (77) 3628-6450.

FIM DO ANO LEGISLATIVO. A sessão solene que marcou o encerramento do ano Legislativo na Câmara de Vereadores, contou com a presença de representantes dos três Poderes. Além do presidente da Câmara, Domingos Carlos Alves dos Santos e de outros sete vereadores, estiveram presentes o prefeito Humberto Santa Cruz e o juiz de direito da Comarca de Luís Eduardo Magalhães, Claudemir da Silva Pereira. Nos discursos, todos enalteceram a união dos Poderes pelo desenvolvimento da cidade.

● Entre os dias 19 e 21 de dezembro, a Igreja Nova Jerusalém comemora o seu terceiro aniversário com congresso entre os fiéis, no ginásio de esportes José Alberto Lauck. Todos os dias, a partir das 8h. Mais informações pelo telefone (77) 3628-9062. ● A Banda Calypso do Pará é a atração do Estação Gê neste sábado, 17, a partir das 22h.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

AGRONEGÓCIO

13


14

E S TA D O

R$ 70 bi em investimentos na BA até 2016 Da Assessoria de Imprensa do Governo da Bahia

Energia eólica. O adensamento de cadeias produtivas vem beneficiando vários segmenbalanço da economia baiana em 2011 tos, e a cadeia de energia eólica é um deles. é extremamente positivo. É o que diz Interessadas em aproveitar o potencial baiao secretário da Indústria, Comércio e no, quatro empresas decidiram investir em Mineração, James Correia, Camaçari. A General MANU DIAS/AGECOM-BA respaldado na quantidade Electric (GE) assinou protoe na qualidade dos investicolo de intenções com o mentos anunciados ou Estado para instalação de realizados este ano. “Foi uma unidade industrial para um ano de colheita do que fabricação de aerogeo governador Jaques radores. O investimento, de Wagner já havia plantado. R$ 45 milhões, vai criar 80 São investimentos signifiempregos diretos. cativos, de longa maturaOutro protocolo foi assição, que exigiram, ao nado pela Torrebrás –Torres mesmo tempo, doses de Eólicas do Brasil, com capapaciência e de ousadia. cidade de produção de 500 Basta lembrar que o govertoneladas por ano. O investinador foi pessoalmente à mento será de R$ 21 miFrança negociar a vinda da JAMES CORREIA lhões, com geração de 235 Alstom, assim como foi à empregos diretos na fase Alemanha conversar com a Basf. Até 2016, inicial. A previsão é que a unidade entre em teremos na Bahia investimentos privados funcionamento em agosto de 2012. previstos de R$ 70 bilhões”. Além de protocolos, os bons ventos trouxeSegundo Correia, o anúncio da montadora ram inaugurações. Primeiro foi a Gamesa, que chinesa JAC Motors, que vai investir R$ 900 iniciou a produção de turbinas eólicas em milhões em uma fábrica em Camaçari, o iní- julho, com investimento inicial de R$ 50 micio da produção nas fábricas de equipamen- lhões. A unidade baiana vai produzir, nesta tos eólicos da espanhola Gamesa e da france- primeira etapa, nacelles com capacidade para sa Alstom, o anúncio da implantação do 300 megawatts/ano, num total de 150 unidaComplexo Acrílico no Pólo Industrial de des/ano. Em novembro, foi a vez de a Alstom Camaçari, com a pedra fundamental da Basf, entrar em operação. A fábrica contou com representando um investimento inicial de investimento de R$ 50 milhões e terá capaciR$ 1,2 bilhão para a produção de ácido acríli- dade instalada de 300 megawatts/ano, geranco, os investimentos significativos anuncia- do 150 empregos diretos e 500 indiretos. dos pela GE, O Boticário, Kimberly-Clark e Usinas sucroalcooleiras. Em outubro, a Cebrace, e o lançamento, em parceria com a Fieb e a Petrobras, do estudo Política Bahia inaugurou duas novas usinas de etanol, Industrial da Bahia são alguns dos fatos mar- a União Industrial Açucareira Limitada (Unial) e a Infinity Bio-Energy (Ibirálcool), cantes do setor este ano. nos municípios de Lajedão e Ibirapuã, Indústria automotiva. A JAC Motors respectivamente. As novas unidades juntas, anunciou investimento de R$ 900 milhões com a Santa Maria (Medeiros Neto) e a Santa para produzir 100 mil carros/ano em sua pri- Cruz (Santa Cruz Cabrália), que já atuam na meira fábrica brasileira, no Pólo Industrial região, transformaram o sul da Bahia em um de Camaçari, a partir de março de 2014. pólo sucroalcooleiro. Outras indústrias de autopeças também Com investimento de R$ 150 milhões, a virão para a Bahia, como o grupo Ítalo Unial vai moer inicialmente 600 mil tonelaLanfredi, que vai investir R$ 140 milhões das/ano e gerar 1,2 mil empregos diretos, para produzir peças fundidas e usinadas para com uma capacidade de 35 milhões de litros a indústria automobilística. Já a canadense de etanol para este ano. A Ibirálcool vai moer, Magna Cosma vai investir R$ 70 milhões, nesta primeira fase, 1,2 milhão de tonelatambém em Camaçari, para produzir siste- das/ano de cana-de-açúcar e deve gerar apromas de carroceria e chassis automotivos. ximadamente mil empregos diretos e três mil indiretos, resultado de investimento de Pneus e borracha. Desde a instalação do mais de R$ 150 milhões. Complexo Automotivo Ford na Bahia, o Petróleo e gás. A Bahia será o terceiro setor de pneus já atraiu mais de US$ 900 milhões em investimentos para o estado. A estado brasileiro a ter o Terminal de Pneus Continental e a Regaseificação de Gás Natural Liquefeito Bridgestone/Firestone, com unidades em (TRBA). A obra é um dos projetos integranCamaçari, e a Pirelli, localizada em Feira de tes do Programa de Aceleração do Santana, anunciaram este ano um investi- Crescimento (PAC) e deve gerar 850 empremento de R$ 464 milhões na ampliação de gos diretos e 2,4 mil indiretos, além de reflexos positivos para o recôncavo. A previsão é suas fábricas baianas. E por causa da ampliação das três fábri- que os trabalhos comecem em março do ano cas, a Columbian Chemicals, fornecedora que vem e a conclusão seja em setembro de da matéria-prima básica para a produção 2013, com um investimento de R$ 1,3 bilhão. de pneus, e instalada no estado desde 2007, O terminal vai garantir a injeção de gás natutambém realizou novo investimento de ral liquefeito (GNL) na Bahia, maior consumidor do produto no Nordeste. US$ 75 milhões.

O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

ESMAGADORA CHINESA DE SOJA NA BR 020/242 NÃO DEMORA O secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles, e o superintendente de Atração de Investimentos da Seagri, Jairo Vaz, se reuniram na terça-feira, 13, com o presidente do Grupo Chongqing Grain Group, Hu Jun Lie, e sua diretoria, para discutir os detalhes para a implantação da indústria Universo Verde, na BR 020/242 em frente à invasão do sem-terra, no município de Barreiras. A reunião aconteceu na sede do grupo, na província chinesa de Chongqing, que está se tornando Estado-irmão da Bahia. O Grupo Chongqing é proprietário da empresa Universo Verde, que já possui escritório em Salvador. As obras da indústria esmagadora de soja serão iniciadas nos próximos meses. Para agilizar os processos e compromissos assumidos, foi formado em Salvador um comitê do qual participam quatro secretarias do governo, a prefeitura de Barreiras e executivos do grupo chinês, que já fixaram residência em Salvador.  Durante a reunião, Hu Jun Lie fez um breve resumo da atuação do grupo, que possui 20 mil funcionários, é um dos sete

maiores grupos chineses e fatura R$ 2,5 bilhões por ano. O grupo possui 42 filiais em 20 províncias chinesas, tem capacidade de armazenagem de seis milhões de toneladas de grãos e capacidade de processamento de 5,6 milhões de toneladas.  De acordo com o líder do Chongqing, a indústria da Bahia será a terceira maior do grupo em capacidade de processamento, com 1,5 milhão de toneladas por ano. O empresário chinês reafirmou a intenção de investir R$ 4 bilhões na Bahia, em agroindustrialização, logística e infraestrutura para escoamento da produção. Somente na indústria de Barreiras estão sendo investidos R$ 500 milhões. Além do esmagamento de soja, a Indústria Universo Verde fabricará 300 mil toneladas de biodiesel, refinará 200 mil toneladas de óleo, fará extração de lecitina, e terá capacidade de armazenagem de 400 mil toneladas de grãos e 300 mil toneladas de óleo, sendo 200 mil de soja e 100 mil de biodiesel. A indústria vai gerar 300 empregos diretos e cerca de mil indiretos quando estiver em pleno funcionamento.

Fruto da projeção do mercado petrolífero um centro de distribuição de cosméticos em para o Brasil, com investimento de US$ 111,4 Camaçari. A nova unidade, com investimenbilhões, previsto pela Petrobras para o pré-sal to previsto entre R$ 350 e R$ 500 milhões, até o ano de 2020, a Bomcobras anunciou vai produzir a marca Eudora, voltada para investimento de R$ 130 milhões na construção consumidores da classe C, que tem no de uma fábrica de máquinas e equipamentos Nordeste um mercado em potencial. A ideia da companhia é fazer frente destinados à prospecção e às concorrentes Avon e extração de petróleo e gás em Natura, por meio da venda Simões Filho. A previsão é que por catálogo, o famoso porta a fábrica entre em operação no Até 2014 devem a porta. Hoje, o mercado final do segundo semestre de ser investidos nacional de cosméticos 2012, gerando 200 empregos R$ 11,7 bilhões movimenta em torno de diretos. US$ 28 bilhões/ano. em mineração, Petroquímica. A Basf lanA multinacional americacom a criaçao çou a pedra fundamental do na Kimberly-Clark anunciou seu empreendimento no investimento de R$ 88 mide 6,4 mil Pólo Industrial de Camaçari, lhões para instalar uma uniempregos dando início à implantação dade em Camaçari que vai do Complexo Acrílico na gerar 430 novas vagas de Bahia. Com investimento de emprego. A previsão é que as R$ 1,2 bilhão, o novo parque obras comecem em janeiro vai produzir em escala mundial. O Complexo de 2012. Acrílico será o primeiro do setor em toda a Lançamento da política industrial. América do Sul e sua planta começa a ser construída em 2012, com previsão de entrada Elaborada para aprimorar a política industrial da Bahia, a Sicm, em parceria com a em operação em 2014. As indústrias de papel e celulose que utili- Fieb, a Petrobras e o Instituto Euvaldo Lodi, zam o peróxido de hidrogênio para clarear o elaborou o Projeto Aliança, com o objetivo de papel passaram a contar com a companhia conhecer a estratégia de industrialização a turca, Peroxy Bahia, que retomou neste mês ser utilizada pelo governo. A estratégia industrial se esmera na mobide dezembro as atividades de sua planta de água oxigenada no Pólo Petroquímico de lização empresarial em torno da defesa de Camaçari. Instalada desde 2008 no estado, a interesses comuns e do aprimoramento da empresa tem plano de investimentos de US$ competitividade. 100 milhões e pretende produzir 40 tonelaEbal. Foi anunciada a reforma da Ceasa do das/ano de peróxido de hidrogênio, além de gerar 250 empregos diretos e indiretos e uma Rio Vermelho, que será concluída no próxiarrecadação anual de R$ 15 milhões em mo ano, gerando mais conforto, espaço e qualidade para a população. As obras serão iniimpostos. ciadas em 16 de janeiro de 2012. Fabricação de vidro. A Cebrace, maior Mineração. Até 2014, devem ser investiprodutora de vidros planos e espelhos da América do Sul, inaugurou o Centro de dos R$ 11,7 bilhões em mineração. Já foram Distribuição Bahia na CIA-Sul, em Simões assinados entre o Estado e empresas privadas protocolos de intenção para a implantaFilho, na Região Metropolitana de Salvador. Em breve, a empresa vai iniciar a construção ção de diversos projetos de mineração, que da sua sexta unidade em Camaçari. A previsão devem gerar 6,4 mil empregos diretos. A produção mineral baiana comercializada é que a fábrica fique pronta no início de 2013, em 2010 foi de R$ 1,7 bilhão, com incremento com investimento de 145 milhões de euros. de 46% sobre a produção de 2009. A projeção Cosméticos. O grupo O Boticário anun- é de que a produção deste ano supere os R$ 2 ciou a instalação de unidade industrial e de bilhões.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

CIDADE

15

LUCIANO DEMETRIUS

O PREFEITO Humberto Santa Cruz e os integrantes da primeira diretoria da Câmara de Dirigentes Lojistas de Luís Eduardo

Toma posse primeira diretoria da CDL DA REDAÇ‹O omou posse na noite de quinta-feira, 15, na sede do Sindicato dos Produtores Rurais, a primeira diretoria da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), seção Luís Eduardo Magalhães. A entidade será presidida pelo empresário do ramo de construção civil Pacífico Murata. A diferença entre a CDL e a Associação Comercial e Empresarial de Luís Eduardo Magalhães (Acelem), segundo Pacífico Murata, está na forma como as duas entidades atuam nas questões ligadas às negociações de dívidas dos clientes. “A Acelem tem a facilidade de incluir o nome de inadimplentes na lista do SPC/Serasa. Já a CDL, entre outras atividades, negocia as dívidas dos clientes do comércio e a retirada dos nomes dos inadimplentes dos serviços de proteção ao crédito”, diz. O presidente salienta que a CDL tem como vantagem a força da entidade em todo país, com mais de 900 sedes em municípios de todos os Estados e do Distrito Federal. “É uma instituição com vínculo forte no setor e tem tradição em questões ligadas à reivindicação no tocante às discussões sobre tributação e impostos”. A Câmara de Dirigentes Lojistas trata de interesses comuns ao comércio, propiciando um clima de cooperação e troca de informações e ideias. A CDL também se dedica a oferecer e aprimorar serviços de apoio e proteção às atividades comerciais e de prestação de serviços, sempre com o objetivo de

T

representar, desenvolver e valorizar o segmento lojista e favorecer o desenvolvimento do mercado de consumo, redução do risco de inadimplência, ampliação das possibilidades de crédito e melhoria na liquidez das transações. Provisoriamente, a CDL funcionará nas mesmas dependências da Acelem o que, segundo Pacífico Murata, possibilitará a ação conjunta das duas entidades junto aos comerciantes locais. A previsão é que, em 2012, a nova entidade tenha sede própria no bairro Santa Cruz. Diretoria da Câmara de Dirigentes Lojistas, seção Luís Eduardo Magalhães Presidente: Pacífico Murata 1º vice-presidente: Carlinhos Antonio Pierozan 2º vice-presidente: Fernando Murata 3º vice-presidente: Ivete Silvestrin 1º diretor-secretário: Fabricio Lira Porto 2º diretor-secretário: Chiquinho Pudinho 3º diretor-secretário: Nivaldo José da Silva 1º diretor-tesoureiro: Marcelo Piccolo 2º diretor-tesoureiro: Vanoli Kuntz Diretor-jurídico: Durval Martins Costa Júnior Diretor de Produtos e Serviços: Rubens Rodrigues de Sá Diretor de Eventos: Douglas Batista Pinto Conselho Fiscal: Rubens Melo, Claudiomiro Garrocinni e Wendel Soares Conselho Fiscal (suplentes): José Adelmo Batista Lobo e Kelia Brito Maciel Stessler.

Correções Na matéria Câmara aprova Orçamento, publicada na página 3 da última edição, a tabela Orçamento 2012 – fixação de despesa contém erro na variação da verba destinada à área de energia. A variação de 13,44% foi negativa e não positiva. ● A realização do Concurso Miss Bahia será no dia 26 de janeiro, e não no dia 26 de dezembro, como constou em texto na página 14 da última edição.


16 A G R O N E G Ó C I O

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

A lei que esvazia o Ibama Dilma Rousseff sanciona projeto que transfere a estados e municípios licenciamento e multas ambientais DA REDAÇ‹O

A ¸NTE GRA DA LEI COMPLEMENTAR 140

A

presidente Dilma Rousseff sancionou integralmente a lei que fixa normas de cooperação entre União, estados e municípios em questões ambientais. Dilma ignorou os apelos da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, para quem as novas regras esvaziam o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama). A ministra havia pedido à presidente oito vetos, entre os quais o de um artigo que concede a governos estaduais e municipais o poder de punir desmatamentos.Até agora, só o Ibama podia aplicar multas. O diretor da Campanha Amazônia do Greenpeace, Paulo Adário, disse a O Globo que o governo está, com as novas regras, promovendo o esvaziamento do Ibama. E, ao mesmo tempo, dando aos outros entes da federação responsabilidades para as quais não estão preparados para assumir. “Essa medida faz parte do processo de castração acelerada do Ibama e do desmonte da legislação ambiental brasileira. O Ibama está perdendo cada vez mais seu poder de órgão fiscalizador. Daqui a pouco, os fiscais do Ibama vão estar fiscalizando o trânsito na Praça dos Três Poderes por falta do que fazer”, disse Adário ao jornal carioca. Segundo O Globo, o Ministério do Meio Ambiente tentou, em vão, excluir também poderes que a lei concede a estados e municípios, além da licença ambiental, para autorizar a realização de obras. Na maior parte dos casos, quem licencia é o estado. Apenas quando se trata de uma obra grande ou de desmatamento em unidades de conservação (casos de parques nacionais e florestas públicas), a licença é dada pelo Ibama. Ainda segundo o jornal, o ministério também queria evitar que cada município tivesse o poder de autorizar desmatamentos em locais licenciados pelos órgãos municipais.

SEM MULTAS A presidente Dilma Rousseff assinou decreto que prorroga mais uma vez o impedimento de aplicação de multas e sanções a desmatadores. Foi a terceira prorrogado, por mais quatro meses, a contar de segunda-feira, 12. O novo prazo vencerá em 11 de abril de 2012.

Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preser vação das florestas, da fauna e da flora; e altera a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei Complementar fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preser vação das florestas, da fauna e da flora. Art. 2º Para os fins desta Lei Complementar, consideram-se: I - licenciamento ambiental: o procedimento administrativo destinado a licenciar atividades ou empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental; II - atuação supletiva: ação do ente da Federação que se substitui ao ente federativo originariamente detentor das atribuições, nas hipóteses definidas nesta Lei Complementar; III - atuação subsidiária: ação do ente da Federação que visa a auxiliar no desempenho das atribuições decorrentes das competências comuns, quando solicitado pelo ente federativo originariamente detentor das atribuições definidas nesta Lei Complementar. Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, no exercício da competência comum a que se refere esta Lei Complementar: I - proteger, defender e conser var o meio ambiente ecologicamente equilibrado, promovendo gestão descentralizada, democrática e eficiente; II - garantir o equilíbrio do desenvolvimento socioeconômico com a proteção do meio ambiente, obser vando a dignidade da pessoa humana, a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades sociais e regionais; III - harmonizar as políticas e ações administrativas para evitar a sobreposição de atuação entre os entes federativos, de forma a evitar conflitos de atribuições e garantir uma atuação administrativa eficiente; IV - garantir a uniformidade da política ambiental para todo o País, respeitadas as peculiaridades regionais e locais. CAPÍTULO II DOS INSTRUMENTOS DE COOPERAÇÃO

jaumat.const@hotmail.com

PROMOÇÃO ARGAMASSA, PORCELANATO INTERNA PRECON R$ 17,00 O SACO

Art. 4º Os entes federativos podem valer-se, entre outros, dos seguintes instrumentos de cooperação institucional: I - consórcios públicos, nos termos da legislação em vigor; II - convênios, acordos de cooperação técnica e outros instrumentos similares com órgãos e entidades do Poder Público, respeitado o art. 241 da Constituição Federal; III - Comissão Tripartite Nacional, Comissões Tripartites Estaduais e Comissão Bipartite do Distrito

Federal; IV - fundos públicos e privados e outros instrumentos econômicos; V - delegação de atribuições de um ente federativo a outro, respeitados os requisitos previstos nesta Lei Complementar; VI - delegação da execução de ações administrativas de um ente federativo a outro, respeitados os requisitos previstos nesta Lei Complementar. § 1º Os instrumentos mencionados no inciso II do caput podem ser firmados com prazo indeterminado. § 2º A Comissão Tripartite Nacional será formada, paritariamente, por representantes dos Poderes Executivos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, com o objetivo de fomentar a gestão ambiental compar tilhada e descentralizada entre os entes federativos. § 3º As Comissões Tripartites Estaduais serão formadas, paritariamente, por representantes dos Poderes Executivos da União, dos Estados e dos Municípios, com o objetivo de fomentar a gestão ambiental compar tilhada e descentralizada entre os entes federativos. § 4º A Comissão Bipartite do Distrito Federal será formada, paritariamente, por representantes dos Poderes Executivos da União e do Distrito Federal, com o objetivo de fomentar a gestão ambiental compar tilhada e descentralizada entre esses entes federativos. § 5º As Comissões Tripartites e a Comissão Bipartite do Distrito Federal terão sua organização e funcionamento regidos pelos respectivos regimentos internos. Art. 5º O ente federativo poderá delegar, mediante convênio, a execução de ações administrativas a ele atribuídas nesta Lei Complementar, desde que o ente destinatário da delegação disponha de órgão ambiental capacitado a executar as ações administrativas a serem delegadas e de conselho de meio ambiente. Parágrafo único. Considera-se órgão ambiental capacitado, para os efeitos do disposto no caput, aquele que possui técnicos próprios ou em consórcio, devidamente habilitados e em número compatível com a demanda das ações administrativas a serem delegadas. CAPÍTULO III DAS AÇÕES DE COOPERAÇÃO Art. 6º As ações de cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão ser desenvolvidas de modo a atingir os objetivos previstos no art. 3º e a garantir o desenvolvimento sustentável, harmonizando e integrando todas as políticas governamentais. Art. 7º São ações administrativas da União: I - formular, executar e fazer cumprir, em âmbito nacional, a Política Nacional do Meio Ambiente; II - exercer a gestão dos recursos ambientais no âmbito de suas atribuições; III - promover ações relacionadas à Política Nacional do Meio Ambiente nos âmbitos nacional e internacional; IV - promover a integração de programas e ações de órgãos e entidades da administração pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, relacionados à proteção e à gestão ambiental; V - articular a cooperação técnica, científica e financeira, em apoio à Política Nacional do Meio Ambiente; VI - promover o desenvolvimento de estudos e pesquisas direcionados à proteção e à gestão ambiental, divulgando os resultados obtidos; VII - promover a articulação da Política Nacional do Meio Ambiente com as de Recursos Hídricos, Desenvolvimento Regional, Ordenamento Territorial e outras; VIII - organizar e manter, com a colaboração dos órgãos e entidades da administração pública dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, o Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente (Sinima);

IX - elaborar o zoneamento ambiental de âmbito nacional e regional; X - definir espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos; XI - promover e orientar a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a proteção do meio ambiente; XII - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que compor tem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente, na forma da lei; XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida à União; XIV - promover o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades: a) localizados ou desenvolvidos conjuntamente no Brasil e em país limítrofe; b) localizados ou desenvolvidos no mar territorial, na plataforma continental ou na zona econômica exclusiva; c) localizados ou desenvolvidos em terras indígenas; d) localizados ou desenvolvidos em unidades de conser vação instituídas pela União, exceto em Áreas de Proteção Ambiental ( APAs); e) localizados ou desenvolvidos em 2 (dois) ou mais Estados; f) de caráter militar, excetuando-se do licenciamento ambiental, nos termos de ato do Poder Executivo, aqueles previstos no preparo e emprego das Forças Armadas, conforme disposto na Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999; g) destinados a pesquisar, lavrar, produzir, beneficiar, transpor tar, armazenar e dispor material radioativo, em qualquer estágio, ou que utilizem energia nuclear em qualquer de suas formas e aplicações, mediante parecer da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen); ou h) que atendam tipologia estabelecida por ato do Poder Executivo, a par tir de proposição da Comissão Tripartite Nacional, assegurada a par ticipação de um membro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), e considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade ou empreendimento; XV - aprovar o manejo e a supressão de vegetação, de florestas e formações sucessoras em: a) florestas públicas federais, terras devolutas federais ou unidades de conser vação instituídas pela União, exceto em APAs; e b) atividades ou empreendimentos licenciados ou autorizados, ambientalmente, pela União; XVI - elaborar a relação de espécies da fauna e da flora ameaçadas de extinção e de espécies sobre-explotadas no território nacional, mediante laudos e estudos técnicocientíficos, fomentando as atividades que conser vem essas espécies in situ; XVII - controlar a introdução no País de espécies exóticas potencialmente invasoras que possam ameaçar os ecossistemas, habitats e espécies nativas; XVIII - aprovar a liberação de exemplares de espécie exótica da fauna e da flora em ecossistemas naturais frágeis ou protegidos; XIX - controlar a expor tação de componentes da biodiversidade brasileira na forma de espécimes silvestres da flora, microorganismos e da fauna, par tes ou produtos deles derivados; XX - controlar a apanha de espécimes da fauna silvestre, ovos e lar vas; XXI - proteger a fauna migratória e as espécies inseridas na relação prevista no inciso XVI; XXII - exercer o controle ambiental da pesca em âmbito nacional ou regional; XXIII - gerir o patrimônio genético e o acesso ao conhecimento tradicional associado, respeitadas as atribuições setoriais; XXIV - exercer o controle ambiental sobre o transpor te marítimo de produtos perigosos; e ➧


AGRONEGÓCIO

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

17

A ¸NTE GRA DA LEI COMPLEMENTAR 140 XXV - exercer o controle ambiental sobre o transpor te interestadual, fluvial ou terrestre, de produtos perigosos. Parágrafo único. O licenciamento dos empreendimentos cuja localização compreenda concomitantemente áreas das faixas terrestre e marítima da zona costeira será de atribuição da União exclusivamente nos casos previstos em tipologia estabelecida por ato do Poder Executivo, a par tir de proposição da Comissão Tripartite Nacional, assegurada a par ticipação de um membro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade ou empreendimento. Art. 8º São ações administrativas dos Estados: I - executar e fazer cumprir, em âmbito estadual, a Política Nacional do Meio Ambiente e demais políticas nacionais relacionadas à proteção ambiental; II - exercer a gestão dos recursos ambientais no âmbito de suas atribuições; III - formular, executar e fazer cumprir, em âmbito estadual, a Política Estadual de Meio Ambiente; IV - promover, no âmbito estadual, a integração de programas e ações de órgãos e entidades da administração pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, relacionados à proteção e à gestão ambiental; V - articular a cooperação técnica, científica e financeira, em apoio às Políticas Nacional e Estadual de Meio Ambiente; VI - promover o desenvolvimento de estudos e pesquisas direcionados à proteção e à gestão ambiental, divulgando os resultados obtidos; VII - organizar e manter, com a colaboração dos órgãos municipais competentes, o Sistema Estadual de Informações sobre Meio Ambiente; VIII - prestar informações à União para a formação e atualização do Sinima; IX - elaborar o zoneamento ambiental de âmbito estadual, em conformidade com os zoneamentos de âmbito nacional e regional; X - definir espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos; XI - promover e orientar a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a proteção do meio ambiente; XII - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que compor tem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente, na forma da lei; XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida aos Estados; XIV - promover o licenciamento ambiental de atividades ou empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, ressalvado o disposto nos arts. 7º e 9º; XV - promover o licenciamento ambiental de atividades ou empreendimentos localizados ou desenvolvidos em unidades de conser vação instituídas pelo Estado, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs); XVI - aprovar o manejo e a supressão de vegetação, de florestas e formações sucessoras em: a) florestas públicas estaduais ou unidades de conser vação do Estado, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs); b) imóveis rurais, obser vadas as atribuições previstas no inciso XV do art. 7º; e c) atividades ou empreendimentos licenciados ou autorizados, ambientalmente, pelo Estado; XVII - elaborar a relação de espécies da fauna e da flora ameaçadas de extinção no respectivo território, mediante laudos e estudos técnico-científicos, fomentando as atividades que conser vem essas espécies in situ; XVIII - controlar a apanha de espécimes da fauna silvestre, ovos e lar vas destinadas à implantação de criadouros e à pesquisa científica, ressalvado o disposto no inciso XX do art. 7º; XIX - aprovar o funcionamento de criadouros da fauna silvestre; XX - exercer o controle ambiental da pesca em âmbito estadual; e XXI - exercer o controle ambiental do transpor te fluvial

e terrestre de produtos perigosos, ressalvado o disposto no inciso XXV do art. 7º. Art. 9º São ações administrativas dos Municípios: I - executar e fazer cumprir, em âmbito municipal, as Políticas Nacional e Estadual de Meio Ambiente e demais políticas nacionais e estaduais relacionadas à proteção do meio ambiente; II - exercer a gestão dos recursos ambientais no âmbito de suas atribuições; III - formular, executar e fazer cumprir a Política Municipal de Meio Ambiente; IV - promover, no Município, a integração de programas e ações de órgãos e entidades da administração pública federal, estadual e municipal, relacionados à proteção e à gestão ambiental; V - articular a cooperação técnica, científica e financeira, em apoio às Políticas Nacional, Estadual e Municipal de Meio Ambiente; VI - promover o desenvolvimento de estudos e pesquisas direcionados à proteção e à gestão ambiental, divulgando os resultados obtidos; VII - organizar e manter o Sistema Municipal de Informações sobre Meio Ambiente; VIII - prestar informações aos Estados e à União para a formação e atualização dos Sistemas Estadual e Nacional de Informações sobre Meio Ambiente; IX - elaborar o Plano Diretor, obser vando os zoneamentos ambientais; X - definir espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos; XI - promover e orientar a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a proteção do meio ambiente; XII - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que compor tem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente, na forma da lei; XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida ao Município; XIV - obser vadas as atribuições dos demais entes federativos previstas nesta Lei Complementar, promover o licenciamento ambiental das atividades ou empreendimentos: a) que causem ou possam causar impacto ambiental de âmbito local, conforme tipologia definida pelos respectivos Conselhos Estaduais de Meio Ambiente, considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade; ou b) localizados em unidades de conser vação instituídas pelo Município, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs); XV - obser vadas as atribuições dos demais entes federativos previstas nesta Lei Complementar, aprovar: a) a supressão e o manejo de vegetação, de florestas e formações sucessoras em florestas públicas municipais e unidades de conser vação instituídas pelo Município, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs); e b) a supressão e o manejo de vegetação, de florestas e formações sucessoras em empreendimentos licenciados ou autorizados, ambientalmente, pelo Município. Art. 10. São ações administrativas do Distrito Federal as previstas nos arts. 8º e 9º. Art. 11. A lei poderá estabelecer regras próprias para atribuições relativas à autorização de manejo e supressão de vegetação, considerada a sua caracterização como vegetação primária ou secundária em diferentes estágios de regeneração, assim como a existência de espécies da flora ou da fauna ameaçadas de extinção. Art. 12. Para fins de licenciamento ambiental de atividades ou empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, e para autorização de supressão e manejo de vegetação, o critério do ente federativo instituidor da unidade de conser vação não será aplicado às Áreas de Proteção Ambiental ( APAs). Parágrafo único. A definição do ente federativo responsável pelo licenciamento e autorização a que se refere o caput, no caso das APAs, seguirá os critérios previstos

nas alíneas "a", "b", "e", "f" e "h" do inciso XIV do art. 7º, no inciso XIV do art. 8º e na alínea "a" do inciso XIV do art. 9º. Art. 13. Os empreendimentos e atividades são licenciados ou autorizados, ambientalmente, por um único ente federativo, em conformidade com as atribuições estabelecidas nos termos desta Lei Complementar. § 1º Os demais entes federativos interessados podem manifestar- se ao órgão responsável pela licença ou autorização, de maneira não vinculante, respeitados os prazos e procedimentos do licenciamento ambiental. § 2º A supressão de vegetação decorrente de licenciamentos ambientais é autorizada pelo ente federativo licenciador. § 3º Os valores alusivos às taxas de licenciamento ambiental e outros ser viços afins devem guardar relação de proporcionalidade com o custo e a complexidade do ser viço prestado pelo ente federativo. Art. 14. Os órgãos licenciadores devem obser var os prazos estabelecidos para tramitação dos processos de licenciamento. § 1º As exigências de complementação oriundas da análise do empreendimento ou atividade devem ser comunicadas pela autoridade licenciadora de uma única vez ao empreendedor, ressalvadas aquelas decorrentes de fatos novos. § 2º As exigências de complementação de informações, documentos ou estudos feitas pela autoridade licenciadora suspendem o prazo de aprovação, que continua a fluir após o seu atendimento integral pelo empreendedor. § 3º O decurso dos prazos de licenciamento, sem a emissão da licença ambiental, não implica emissão tácita nem autoriza a prática de ato que dela dependa ou decorra, mas instaura a competência supletiva referida no art. 15. § 4º A renovação de licenças ambientais deve ser requerida com antecedência mínima de 120 (cento e vinte) dias da expiração de seu prazo de validade, fixado na respectiva licença, ficando este automaticamente prorrogado até a manifestação definitiva do órgão ambiental competente. Art. 15. Os entes federativos devem atuar em caráter supletivo nas ações administrativas de licenciamento e na autorização ambiental, nas seguintes hipóteses: I - inexistindo órgão ambiental capacitado ou conselho de meio ambiente no Estado ou no Distrito Federal, a União deve desempenhar as ações administrativas estaduais ou distritais até a sua criação; II - inexistindo órgão ambiental capacitado ou conselho de meio ambiente no Município, o Estado deve desempenhar as ações administrativas municipais até a sua criação; e III - inexistindo órgão ambiental capacitado ou conselho de meio ambiente no Estado e no Município, a União deve desempenhar as ações administrativas até a sua criação em um daqueles entes federativos. Art. 16. A ação administrativa subsidiária dos entes federativos dar-se-á por meio de apoio técnico, científico, administrativo ou financeiro, sem prejuízo de outras formas de cooperação. Parágrafo único. A ação subsidiária deve ser solicitada pelo ente originariamente detentor da atribuição nos termos desta Lei Complementar. Art. 17. Compete ao órgão responsável pelo licenciamento ou autorização, conforme o caso, de um empreendimento ou atividade, lavrar auto de infração ambiental e instaurar processo administrativo para a apuração de infrações à legislação ambiental cometidas pelo empreen-

dimento ou atividade licenciada ou autorizada. § 1º Qualquer pessoa legalmente identificada, ao constatar infração ambiental decorrente de empreendimento ou atividade utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores, pode dirigir representação ao órgão a que se refere o caput, para efeito do exercício de seu poder de polícia. § 2º Nos casos de iminência ou ocorrência de degradação da qualidade ambiental, o ente federativo que tiver conhecimento do fato deverá determinar medidas para evitá-la, fazer cessá-la ou mitigá-la, comunicando imediatamente ao órgão competente para as providências cabíveis. § 3º O disposto no caput deste artigo não impede o exercício pelos entes federativos da atribuição comum de fiscalização da conformidade de empreendimentos e atividades efetiva ou potencialmente poluidores ou utilizadores de recursos naturais com a legislação ambiental em vigor, prevalecendo o auto de infração ambiental lavrado por órgão que detenha a atribuição de licenciamento ou autorização a que se refere o caput. CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 18. Esta Lei Complementar aplica-se apenas aos processos de licenciamento e autorização ambiental iniciados a par tir de sua vigência. § 1º Na hipótese de que trata a alínea "h" do inciso XIV do art. 7º, a aplicação desta Lei Complementar dar-se-á a par tir da entrada em vigor do ato previsto no referido dispositivo. § 2º Na hipótese de que trata a alínea "a" do inciso XIV do art. 9º, a aplicação desta Lei Complementar dar-se-á a par tir da edição da decisão do respectivo Conselho Estadual. § 3º Enquanto não forem estabelecidas as tipologias de que tratam os §§ 1º e 2º deste artigo, os processos de licenciamento e autorização ambiental serão conduzidos conforme a legislação em vigor. Art. 19. O manejo e a supressão de vegetação em situações ou áreas não previstas nesta Lei Complementar dar-se-ão nos termos da legislação em vigor. Art. 20. O art. 10 da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, passa a vigorar com a seguinte redação: "Art. 10. A construção, instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental dependerão de prévio licenciamento ambiental. § 1º Os pedidos de licenciamento, sua renovação e a respectiva concessão serão publicados no jornal oficial, bem como em periódico regional ou local de grande circulação, ou em meio eletrônico de comunicação mantido pelo órgão ambiental competente. § 2º (Revogado). § 3º (Revogado). § 4º (Revogado)." (NR) Art. 21. Revogam-se os §§ 2º, 3º e 4º do art. 10 e o § 1º do art. 11 da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Art. 22. Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 8 de dezembro de 2011; 190º da Independência e 123º da República. DILMA ROUSSEFF Francisco Caetani


18 C I D A D E

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

SEBASTIÃO NERY A denúncia da tortura RIO – No fim do ano, o mais belo livro do ano: - “As Capas Desta História”. São mais de 300 capas de jornais alternativos, clandestinos e no exílio, inclusive no Golpe Militar (de1964 à anistia em 1979), lançado pelo Instituto Vladimir Herzog, editor e coordenador Ricardo Carvalho com José Luiz Del Roio, Vladimir Sacchetta e José Maurício de Oliveira. O capítulo de abertura – “Precursores Desta Historia” – é uma magnífica pesquisa histórica, que começa com o volume I do “Correio Braziliense ou Armazem Literário”, fundado em Londres em 1808 por Hipólito José da Costa, patrono da imprensa brasileira, que nasce brigando.

Barata E logo vem a primeira pagina da “Sentinela da Liberdade”, do baiano Cipriano Barata, em 1823 (“Na Guarita do Quartel General de Pirajá, Mudada Despoticamente para o Rio de Janeiro e de lá para o Forte do Mar da Bahia, Donde Generosamente Brada “Alerta”!). “Por conta de seus artigos libertários, Cipriano Barata ficou sete anos preso em Recife”. E há mais o “Tiphis Pernambucano” de Frei Caneca, “a “Semana Ilustrada”, a “Revista Ilustrada”, “A Lanterna”, “O Parafuso”, “A Plebe”, “Crônica Subversiva”, “Spartacus”, “O Debate”, “O Cosmopolita”, “O Despertar”, “O Trabalhador Graphico”, “A Luta”, “O Semeador”, “A Hora Social”, “O Homem do Povo”, “O Jornal do Subiroff”, “ A Manha” (do Barão de Itararé)), a maioria anarquistas, todos jornais do fim do século 19 e primeira metade do século 20, e nasce em Minas, em

1952, o “Binômio”, dos jornalistas José Maria Rabelo e Euro Arantes, o mais duradouro dos jornais alternativos do país, afinal fechado pelo golpe militar de 1964.

1964 O golpe militar de 1964 fez surgir mais um longo capitulo da imprensa de resistência no paíss. Começou com o “Pif-Paf”, de Millôr Fernandes, em maio de 1964, dois meses depois do golpe. E vieram “A Carapuça”, de Sérgio Porto, o saudoso Stanislaw Ponte Preta, “O Sol”, da genialidade de Reynaldo Jardim e o “Folhetim”, da “Folha de S. Paulo”. E “O Pasquim” ocupou a praça, com seu humor criativo, avassalador, devastador, inteligente, corajoso, detergente. Na página 46, o livro publica: - “Em 1971, a esquerda nacionalista voltou às bancas com POLITIKA. O jornal, publicado

no Rio de Janeiro por Sebastião Nery, retomou as idéias de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, opondo-se à subordinação da economia brasileira aos interesses do capitalismo. Politika bateu de frente com a ditadura, chegou à tiragem de 38 mil exemplares e sobreviveu nas bancas por mais de dois anos, apesar da censura prévia e da forte pressão econômica exercida pelos militares”.

Tortura A página 47 é toda ela dedicada à primeira página do POLITIKA: “Rio, 11 a 17 de dezembro de 1972 Ano II – Número 60 – Cr$ 2,00”. E a manchete em letras garrafais, tomando toda a página: -“ INQUISIÇÃO E TORTURAS NO BRASIL”. Textos de Aliomar Baleeiro, Moacyr Werneck de Castro, Marcos Freire, Sebastião Nery, Roland Corbisier, Susanne Eckle e Edmar Morel. De manhã cedo, o jornal chegou às bancas e a polícia chegou à minha casa. Tinha sido um desafio calculado, proposital, premeditado. Tortura era uma palavra esconjurada pela ditadura que, naquele 1972, a estava praticando de uma maneira ainda mais escancarada e criminosa. Eu não tinha o que negar e como negar. Fizera conscientemente, sabendo que alguma coisa ia acontecer e algum preço ia pagar. Depois de dois dias de ameaças e medo, sem dormir, sentado em um banquinho duro e descarado, vendo que eu não tinha tido a

conivência de ninguém da censura e apenas a havia driblado, sem mostrar a capa e os textos antecipadamente, eles me mandaram embora, aos gritos: - “Da próxima vez que falar em tortura vai experimentar.”

Politika Não experimentei. E guardo até hoje essa capa-manchete do POLITIKA denunciando a tortura como uma vingança pelos companheiros torturados e um diploma que eu me dei a mim mesmo. O plantão de resistência do POLITIKA foi substituído a partir de 1974 pela bravura e generosidade pública de Fernando Gasparian com o OPINIÃO e Raimundo Pereira com o MOVIMENTO, ambos com recursos e equipes de jornalistas bem maiores do que o nosso pobre e valente POLITIKA, comandado por mim, Philomena Gebran e Oliveira Bastos. A história só acontece quando cada um cumpre sua tarefa. Sebastião Nery, baiano de Jaguaquara, é jornalista político. Foi comentarista do Jornal Nacional, colunista da Folha de S. Paulo e da Tribuna da Imprensa, correspondente de jor nais brasileiros em Moscou, Praga e Varsóvia. Fundou o jornal Politika no início dos anos 70, fechado pela ditadura militar. É autor de 19 livros, entre eles a antológica série Folclore Político. Nery foi também vereador em Belo Horizonte, deputado estadual na Bahia e deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro. Foi ainda adido cultural do Brasil na França e na Itália.

LUCIANO DEMETRIUS

Manifesto do Conseg tem 8 mil adesões LUCIANO DEMETRIUS Da Oeste Comunicação coleta de oito mil assinaturas no manifesto por melhorias na segurança de Luís Eduardo Magalhães foi um dos temas destacados durante a eleição e posse da nova diretoria do Conselho Comunitário de Apoio à Segurança Pública de Luís Eduardo Magalhães (Conseg/LEM), na sede do Sindicato dos Produtores Rurais, na noite de segunda-feira, 12. Segundo o ex-tesoureiro e agora 1º vicepresidente do Conseg-LEM, Fernando Murata, o número está dentro das expectativas da entidade, que era conseguir 10 mil assinaturas em três meses (a coleta teve início em meados de outubro). Para o novo presidente, Jair Francisco, é urgente levar o manifesto ao Governo do Estado. “É questão de honra apresentar o abaixo-assinado ao governador. A ideia é agendar a reunião em Salvador para o início de 2012”, frisou. O mandato da nova diretoria é considerado “tampão” e vai até 29 de junho de 2012. Jair Francisco substitui Julio Celso Kuasnei Mattos, que precisou se afastar da entidade por problemas pessoais. Em discurso na passagem

A

A NOVA diretoria do Conseg, liderada por Jair Francisco, empossada na quinta-feira, 15, na sede do Sindicato dos Produtores Rurais de cargo, Julio Mattos criticou o Governo da Bahia pela desatenção à região Oeste em assuntos relacionados à segurança. “O Governo do Estado não rejeita nossas receitas. Mas nos rejeita quando solicitamos mais ações em áreas cruciais para a segurança pública”. Tão logo assumiu, Jair Francisco propôs a criação de um conselho seletivo composto por representantes da de diversas secretarias municipais, da presidência da Câmara de Vereadores e das polícias Civil, Cipe/Cerrado e Militar, além do juiz e do promotor, para dar suporte aos trabalhos da entidade. Outra sugestão de Jair Francisco é estipular um valor mínimo de contribuição por parte das entidades e pessoas físicas que integram o Conseg-LEM. “A entidade precisa de uma receita mensal que banque seus custos. Entre 2009 e 2011 a média de arrecadação foi de R$ 85 mil por ano. Precisamos fechar, em média, R$ 12 mil a cada mês”.

Nova diretoria do Conseg Presidente: Jair Francisco (Rotary Club) 1° Vice-Presidente: Fernando Keikiti Murata (Anibralem) 2° Vice-Presidente: Carlos Antônio Unterberger Cerentini (Loja Maçônica União e Trabalho Mimosense) 1° Secretário: Milton de Almeida Queiroz (Acelem) 2° Secretário: Dohne Dognani (Abacafé) 1° Tesoureiro: Aristeu Fernando Pellenz (Sindicato Rural) 2° Tesoureiro: Gilmar Hoff (Aprosoja) 1° Diretor (a) de Relações Públicas: Heloíse Steffens (Acelem) 2° Diretor de Relações Públicas: Sigisvaldo Vilares dos Santos (Ammo) 1° Diretor Social: Helliton Bettis (Loja Maçônica Amor e Progresso nº 62) 2° Diretor Social: Reginaldo Alves (Associação dos Moradores do Vereda

Tropical) Diretor (a) de Patrimônio: Ana Vieira Gomes (Associação dos Moradores do Jardim das Acácias) Diretor de Patrimônio: Luiz Ziglioli Barcelos (Asomiba) Diretores de Cultura: Cláudio Giotti (Congregação Evangélica Luterana São Lucas) e Adail José dos Santos Martins (Ordem dos Ministros Evangélicos de Luís Eduardo Magalhães) Conselho Fiscal Titulares Dirceu Gonçalves de Oliveira (Loja Maçônica Amor e Progresso n° 62) Reginaldo Arita (Anibralem) Luciana Kappes (OAB/ Sucursal de Luís Eduardo Magalhães) Suplentes Edson Silva Santos (Amabi) Douglas Batista Pinto (Ama)


CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

Jornal do Leitor

Orçamento é questionado “Em primeiro lugar, gostaria de fazer uma correção no quadro Orçamento 2012. Na função Energia, a variação correta seria 13,44%. A segunda observação seria formada por dois questionamentos para o jornal expor aos leitores: Em primeiro lugar, por que Segurança teve uma redução de 40,62% quando a sociedade organizada se empenha em ajudar financeiramente os órgãos de segurança de nossa cidade por meio do Conselho de Apoio à Segurança de Luís Eduardo Magalhães (Conseg-Lem). Em contrapartida, houve um aumento de 108,19% na Cultura. Nada contra a cultura, mas, sim com relação à distribuição de valores. Outro questionamento diz respeito à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que é um instrumento de Planejamento governamental instituído pela Constituição Federal de 1988, e que em consonância com as normas legais vigentes, constitui-se, em instrumento de ligação e compatibilização entre políticas, objetivos e metas da Administração Pública estabelecidos no plano plurianual, e a fixação e execução das ações governamentais integrantes dos orçamentos. Segundo o Manual do Gestor Público, a LDO brasileira foi inspirada em parte na constituição da Alemanha e da França. Foi uma novidade instituída pela Constituição de 1988 (art. 165, §2º), de natureza formal e compreendera as metas e prioridades da administração, incluindo as despesas de

capital para o exercício. Subsequentemente orientará a elaboração da lei orçamentária anual e disporá sobre as alterações na legislação tributária, sendo uma lei de orientação do próprio orçamento anual e pode-se considerá-la como um esboço das intenções para a feitura do orçamento.  Diante disso, quero mostrar que o Orçamento não é feito de qualquer maneira, mas, sim, de forma planejada ao longo do tempo. Portanto, ter autorização para um remanejamento muito alto nos leva a duas questões: não houve um bom planejamento ou, então, como diz Décio Galdino, com o poder de manipulação do orçamento de 50% ou mais, o Executivo não precisará da Câmara. Ainda segundo Décio, 2009 o Tribunal de Contas do Estado do Paraná tem orientado que a média satisfatória é de 5%. Se durante o exercício financeiro houver a necessidade de realização de despesas acima do limite que está previsto na Lei Orçamentária Anual, o Poder Executivo submete ao Legislativo projeto de lei de crédito adicional. Para encerrar, qual é a orientação do Tribunal de Contas do Estado da Bahia? Por que autorizar antecipadamente um valor tão alto logo se há a possibilidade de autorizar quando necessário? Não necessariamente engessaria a administração desde que se tenha realmente tido um bom planejamento quando da elaboração do Orçamento.” Milton Queiroz, empresário

Dia do Agrônomo “No último dia 11 de Novembro foi o Dia do Engenheiro. Aproveitando esta data para parabenizar todos os engenheiros e arquitetos de Luís Eduardo Magalhães. Gostaria de

dar um depoimento. Cheguei aqui, no antigo Mimoso do Oeste, em junho de 1988 e logo pedi o visto do CREA-BA de Nº 7918. Portanto, sou o primeiro engenheiro a se instalar naquele distrito, que hoje é a Cidade de Luís Eduardo Magalhães. Já se passaram 23 anos. Fui sempre atuante. Atualmente, trabalho na área predial, com o que há de mais atualizado e moderno na construção civil: a alvenaria estrutural. Coordeno a construção do complexo residência Villa Borghesi, nesta cidade, com prédios de oito pavimentos, usando este método de construção. O tempo passa. O sistema de construção evolui.  Hoje, nesta cidade, podemos dar os parabéns a estes profissionais que aqui chegam e se instalaram, vindo de regiões diferentes com diversas culturas. É isto que mescla estes projetos lindos. Até mesmo, os filhos desta terra, que aqui chegaram crianças e, hoje, estão atuando lado a lado conosco como profissionais, com suas idéias inovadoras. Quero aqui citar o nome de duas pessoas filhas desta terra: Dayanne Bortolozzo e Ligiane Kuffel, em nome das quais saúdo os demais profissionais.   Quero dar um alerta a quem está adquirindo as casas do programa do Governo Minha Casa, Minha Vida, para tomarem cuidado. Vejam bem quem está construindo. Se tem um engenheiro responsável. Se o engenheiro acompanha a obra. Não importa o tamanho das casas. Exija o projeto de fundação e peça para que faça parte dos documentos que acompanham o processo. Exija, também, que os Engenheiros contratados acompanhem esta obra e que tenham seu alvará de Construção emitido pela Prefeitura. Antes de contratar, observe bem estes dados. Com estes cuidados tomados,

19

você estará seguro de que escolheu um bom profissional. Mais uma vez, parabéns a todos os profissionais.” João Batista Poyer, engenheiro civil.

Cinzeiro A Philip Morris do Brasil é um cigarro cortado ao meio. Parte da diretoria defende o lançamento de produtos populares para bater de frente com marcas contrabandeadas e a turma da sonegação. Alguns dos executivos, no entanto, enxergam a medida como um disparate. Acham que ela vai derrubar a rentabilidade sem gerar o esperado aumento de market share. Como a subsidiária não se entende, a matriz vai ter de botar ordem na casa.

CEF vs. CEF A CEF ficou pequena demais para abrigar o presidente, Jorge Hereda, e o vice de Pessoa Jurídica, Geddel Vieira Lima. O ex-deputado às vezes cisma e não há ninguém acima dele na hierarquia.

Copyright Relatório Reservado, publicação diária especializada em inside information editada pela Insight Comunicação. www.relatorioreservado.com.br


20

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

SOCIEDADE TIZZIANA OLIVEIRA tizzianaoliveira@diariodooeste.com.br

Em Israel

loja Ana Mix, irão fazer a festa de noivado neste domingo, 18, no bistrô Olavo Nascimento. Eles namoram há oito meses e pretendem se casar em julho de 2013. A festa de noivado terá a presença de aproximadamente 100 convidados.

PING-PONG VIVIANA FARIAS BASTOS JANJAR Professora

Em Porto Seguro Elisabeth Cardoso e seu filho Dareh Henrique viajaram na sexta-feira, 16, para Porto Seguro. Eles ficarão hospedados no Hotel Infinity Beach Hills, na praia de Taperapuan, próximo da Arena Axé Moi. Retornam dia 7 de janeiro.

Em Passo Fundo O casal Felipe e Nice Casali e as filhas Stéfanie e Gabrielle viajaram para Passo Fundo (RS), na quinta-feira, 15. Eles participarão da formatura da sobrinha de Nice. Aproveitarão a viagem para curtir o Natal em terras gaúchas, junto a familiares. NO DESERTO da Judéia, a caminho do Mar Morto, Eliane e Alencar Almeida lencar e Eliane Almeida viajaram no dia 20 de novembro para Israel. Eles passaram oito dias visitando locais bíblicos e históricos. O casal ficou hospedado na cidade de Tel Aviv. Visitaram o Mar Morto, Jerusalém, Nazaré, Tiberias e o deserto da Judéia percorrendo o caminho pelo qual Jesus passou. O casal esteve a 1.500 metros da Faixa de Gaza. “A viagem foi maravilhosa, visitamos vários lugares sagrados e inesquecíveis. Participamos de um casamento judaico. A cerimônia foi memorável. Os homens de um lado e as mulheres de outro. A comida judaica é bem apimentada. Uma delícia”, disse Eliane. O casal retornou ao Brasil no dia 28 de novembro.

A

2… Fashion Day

Visitas da cegonha

A segunda edição do evento Lem Fashion Day foi realizado no sábado, 10, e domingo, 11, às 20h, no Hotel Saint Louis. O evento teve a participação de 11 lojas que mostraram as suas coleções primavera-verão.  As lojas participantes foram Ônix Joalheria, Ana Mix, Duetto Multimarcas, Harumi, Lojas Avenida, Vittore, Cherry, Evolução e Real Calçados. O desfile mostrou as tendências para o Verão de 2012, com influências das cores laranja, amarelo, verde e branco, estampas florais e cetim, que serão usados também em chapéus. Estampas com elementos da fauna, da flora, em tecidos de fibras naturais e apliques artesanais também estarão na moda. Apesar da variedade das cores, o grande trunfo da estação será mesmo a combinação de brilhos, com paetês e lantejoulas.

Sábado, 4, a turma do Clube de Automobilismo do Oeste da Bahia (CAO) organizou um churrasco no CTG Sinuelo dos Gerais para comemorar o nascimento da Eloísa, filha do casal Edson Luis Wartha (Xuxa) e de Camila David Wartha. Edson é o churrasqueiro oficial da turma. Eloísa nasceu no dia 30 de novembro esbanjando saúde e beleza, para orgulho e felicidade dos pais. Nasceu na segunda-feira, 12, na Clínica São Camilo, o pequeno Valentim, filho do casal Vanessa Ficanha e Juliano Honório Vilela.

Em Foz do Iguaçu Celso Cerrato, a esposa Adriana e os filhos Matheus e Gustavo viajaram para Foz do Iguaçu na sexta-feira, 16, para passar o Natal com familiares. Na virada do ano, irão viajar para Balneário Camboriú (SC).

Pollyana e André O casamento de Pollyana Moraes e André Venson será celebrado neste sábado, 17. A cerimônia religiosa e a recepção acontecerão no bistrô Olavo Nascimento.

Noivado Alex Wenzel e Josiane Vigo, proprietária da

RACHEL Monteiro de Moraes e Lenilia

Hespanhol Chagas na inauguração da loja de presentes e decoração Lení e Leis, na terçafeira, 13, no bairro Jardim Paraíso.

Por que Luís Eduardo Magalhães? Porque aqui conseguimos nos realizar. Formamos uma família e conquistamos amizades preciosas. Uma paixão: Minhas filhas. Saudade: Do meu pai. Sonho: Que o mundo fosse mais justo. Por que sua profissão? Ser educadora é muito mais que uma profissão. É dedicação, paciência e amor. Adoro meus alunos. O que não sai da sua bolsa: Batom. Tem loucura por: Massas. Que lugares gostaria de conhecer: Fernando de Noronha e Peru. O que mais lhe irrita: Falsidade. Como definiria sua personalidade: Como uma boa ariana, sou inquieta e impulsiva. Amiga, companheira e mãe. Um filme: Avatar. Um livro: O evangelho segundo o Espiritismo. Uma ideia fixa: Ser feliz e fazer feliz os que convivem comigo. Um perfume: Egeo, do Boticário. Comida preferida: Lasanha. Uma bebida: Água. Medo: Solidão. Futuro: Tranquilidade, saúde e trabalho.  Frase: “Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estará fazendo o impossível.” São Francisco de Assis Luís Eduardo Magalhães precisa de: Um hospital bom e completo.

EDSON Luis Wartha (Xuxa), Camila e Eloísa

NA FEIJOADA DOS AMIGOS, em prol do Abrigo Santa Clara e São Francisco, domingo, 11, no

Centro de Eventos Nossa Senhora Aparecida (Gruta), Jurandir Alves Souza Filho, Ondumar Ferreira Borges, Donaldo Souza Silva, Jader Souza Borges e Miriam Silva Souza Borges.


CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

Assassinado a tiros no Jardim das Acácias DA REDAÇ‹O corpo de um homem ainda sem identificação foi encontrado na manhã de quinta-feira, 15, em uma casa na rua Ingá, no Jardim das Acácias. Policiais civis e militares chegaram até o local por volta das 9h30 após receberem denúncia anônima. O homem, aparentando ter entre 25 e 30 anos, estava deitado de bruços e com perfurações à bala nas costas, perna esquerda e nos braços direito e esquerdo. Ele trajava chinelos pretos, uma calça jeans e camiseta cinza. Na casa, foram encontrados uma balança digital de precisão, duas latas, uma garrafa plástica de água mineral com um líquido parecido com éter, dois tabletes de maconha

O

prensada pesando cerca de 1,6 kg, três sacos plásticos com substância semelhante à cocaína com 2,6 kg, três celulares, três panelas e um prato de cerâmica com vestígios de cocaína e um capacete vermelho. Um cartão de banco em nome de Leonardo C. Oliveira foi encontrado ao lado do corpo, mas não havia certeza se pertencia ao desconhecido. No lado de fora, foi encontrada um moto Honda Bros preta placa MYZ 8359 e uma arma de fogo calibre 38 com cinco munições deflagradas e uma intacta. Segundo investigadores, o homem foi morto de madrugada devido a acerto de contas ligado ao tráfico de drogas. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal, em Barreiras.

Sem-teto é encontrado morto no Mimoso I Erione Barbosa da Silva, 36 anos, foi encontrado morto na avenida JK, no Mimoso I, na manhã de quinta-feira, 15. O corpo foi encontrado por populares. Ao lado havia três sandálias, três facas e uma garrafa com cachaça. Uma moradora da região disse aos policiais civis que viu vultos de duas pessoas que pareciam estar brigando, por volta das 20h30 de quarta-feira, 14. Ela acionou a

Polícia Militar e uma viatura chegou até o local, mas não avistou nada de estranho. Somente às 9h30 de quinta-feira é que o corpo de Erione da Silva foi visto por populares. Investigadores acreditam que o homem fosse morador de rua e tenha se envolvido em uma briga. O corpo de Erione da Silva foi encaminhado para o Instituto Médico Legal, em Barreiras.

Dois são feridos a tiros no Mimoso II O técnico em informática Flávio da Silva Reges e a dona de casa Rita Dias da Silva foram feridos a tiros no início da tarde de quinta-feira, 15, em uma casa na rua Bom Jesus da Lapa, no Mimoso II. Flávio Reges contou aos policiais civis que prestava serviços de informática para Rita da Silva quando um homem invadiu a casa e efetuou os disparos. O técnico em informática levou um tiro de raspão no braço direito e outro na

Frustrada tentativa de fuga da Delegacia A equipe do delegado Rivaldo Luz descobriu na segunda-feira, 12, por volta das 16 horas, túnel na cela 1 da Delegacia de Luís Eduardo Magalhães. Os 58 presos da cela estariam planejando a fuga para a madrugada de terça-feira, 13, quando aproveitariam o tempo chuvoso e as ruas desertas para escapar. Os presos foram retirados da cela e passaram a noite em um caminhão baú, escoltado por policiais da Cipe-Cerrado e da 5ª Companhia da Polícia Militar. Segundo policiais de plantão, o delegado Rivaldo Luz estranhou o fato de os presos estarem muito quietos e silenciosos desde sábado, 10. Durante o final de semana e o início da segunda-feira, o único barulho vindo das celas era de hinos religiosos que os detentos cantavam. Desconfiados, os policiais fizeram uma revista e descobriram o túnel, em buraco feito com brocas improvisadas de 45 cm x 45 cm e que continha até iluminação. Desde junho, a Cidade aguarda a aprovação de um projeto para a reforma da delegacia, que está em análise junto ao Governo do Estado. Nota do Ministério Público. Em relação à medida adotada pela autoridade policial de manter os presos provisoriamente no interior de um veículo, estilo caminhão-baú,

perna esquerda. Já a mulher, que é proprietária de um bar anexo à casa, foi alvejada no tórax. Com dificuldades para falar, ela disse aos policiais que o autor dos disparos é um rapaz chamado Lenon da Silva de Lima, que teria uma rixa com o filho dela. Rita da Silva acredita que o homem imaginou que o técnico em informática fosse seu filho e por isso entrou atirando. Os dois foram levados para o centro de saúde Gileno de Sá Oliveira.

até a realização de reparos na delegacia, no sentido de tapar um túnel escavado pelos detentos, o Ministério Público do Estado da Bahia esclareceu em nota que o promotor de Justiça André Bandeira de Melo Queiroz, assim que foi informado da situação, ligou para o delegado Rivaldo Almeida Luz recomendando a adoção das medidas necessárias à retirada dos presos do veículo e remanejamento deles para outras delegacias da região, bem como entrou em contato com o comandante-geral da CIPECerrado, major Camilo Alonso Uzêda, para fornecer o auxílio necessário à escolta dos detentos até a revitalização do ambiente carcerário. Encaminhou, ainda, ofício para o coordenador do Centro de Apoio da Segurança Pública e Defesa Social (Ceosp), promotor de Justiça Geder Gomes, comunicando o fato e solicitando apoio no sentindo de buscar soluções para a situação de superlotação carcerária no município, tendo em vista o respeito irrestrito à dignidade da pessoa humana.

Recapturado fugitivo da cadeia de Barreiras Policiais militares prenderam na madrugada de quinta-feira, 15, no bairro Santa Cruz, Adriano Alves dos Santos, 22 anos. Ele é fugitivo do Complexo Policial de Barreiras e foi recapturado em uma casa na rua

Caravelas. Por volta da 0h30, a central da Polícia Militar recebeu denúncia anônima de que um detento que participou da fuga em Barreiras no dia 25 de novembro estaria escondido em uma residência do bairro. Ao perceber a chegada da viatura da PM, Adriano dos Santos tentou escapar, mas foi detido pelos policiais. Mesmo dominado, o fugitivo ainda tentou desarmar um dos PMs.

Casa arrombada a marretadas Quebrar parte da parede foi a solução encontrada por ladrões para entrar na casa de Gildene Alves de Souza, no Florais Léa, na manhã desta quinta-feira, 15.A moradora chegou a sua residência por volta das 11h30 e assustou-se ao ver o imóvel arrombado de forma atípica. Provavelmente, os ladrões fizeram uso de marreta para fazer um buraco na parede. Além do estrago no imóvel, Gildene de Souza também teve prejuízo com o notebook, câmera fotográfica, aparelho de DVD, umidificador de ar, sanduicheira, liquidificador, receptor de antena parabólica, aparelho celular, roupas e calçados levados pelos bandidos. Gildene estranhou o fato de os vizinhos nada terem percebido.

No Mimoso II. Após mais um dia de trabalho, Marcelo Pereira de Santana encontrou sua casa, na rua Alagoas, no bairro Mimoso II, com uma das janelas arrombada, por volta das 19h30 de terça-feira, 13. Quando entrou na residência, o morador encontrou móveis revirados e objetos espalhados pelo chão. Foram levados um aparelho de CD, um botijão de gás, três bocas de som e 200 litros de óleo diesel de seu caminhão, que estava na garagem.

Furtadas de empresa 600 placas de alumínio Marcelo Herculano Reinert encontrou sua empresa arrombada na tarde de quartafeira, 14, no Jardim das Acácias, após ausentar-se por um dia, para viajar. O empresário, do ramo de alumínio para indústrias, chegou ao estabelecimento por volta das 13h quando percebeu que a porta principal estava aberta. Ao entrar no terreno – onde também está a sua residência – Marcelo Reinert viu rastros de pneus de caminhão e blocos de cerâmica quebrados. Foram levadas aproximadamente 600 chapas de alumínio e 25 cantoneiras. O empresário acusa os sócios de uma concorrente de serem responsáveis pelo furto. Segundo ele, os concorrentes haviam registrado queixa na Delegacia, alegando ser deles os bens que estavam no pátio da empresa.

21

Carro é roubado por falsos compradores O dono do Kadett placa CCC 1200, ano 92, João dos Reis Santos não podia imaginar que teria problemas ao colocar seu carro à venda. Por volta das 10h de terça-feira, 12, dois homens chegaram até sua casa , na rua Canópolis, em frente ao Salão da Patrícia, no bairro Santa Cruz, mostrando-se interessados no veículo, que estava estacionado na garagem do imóvel. Após uma rápida conversa acerca das características e do valor de venda, os dois supostos compradores pediram para dar uma volta com o carro. Ao entrar no Kadett, um dos dois homens apontou uma arma para o dono do veículo e disse que tratava-se de um assalto. Um deles assumiu a direção, enquanto o outro apontava o revólver para João Santos. Os assaltantes rodaram com o carro por cerca de uma hora, abandonaram João Santos nas proximidades da Comunidade Placas e fugiram no Kadett.

Carro roubado estava com dois assaltantes O Fiat Palio Adventure placa EDA 3962, de Jaboticabal (SP), encontrado pela Cipe/Semi-árido entre Irecê e São Gabriel com dois bandidos que participaram de assaltos a caixas eletrônicos, é o veículo roubado em sequestro-relâmpago em Luís Eduardo Magalhães, em 30 de novembro. O carro pertence ao técnico agrícola Leandro Castello Sispeli, 21 anos, que ficou refém dos bandidos por quase três horas na madrugada de 30 de novembro. Os assaltantes abordaram a vítima no Centro e exigiram que ele rodasse com o veículo. Na ocasião, os ladrões afirmaram ser fugitivos do Complexo Policial de Barreiras, na fuga que aconteceu em 25 de novembro.No domingo, 11, policiais da Cipe/Semi-árido entraram em confronto com os bandidos, que participaram do ataque a caixas eletrônicos de Tapiramutá e São José, dois dias antes. No tiroteio, morreram Reny Rodrigues Lima, fugitivo da cadeia de Barreiras, e Domingos Pereira Alves.

Marcos Valério fica só 12 dias preso O ex-publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza, operador do Mensalão, passou apenas 12 dias em cadeia da Bahia. Preso no último dia 2 por fraude com terras em São Desidério, juntamente com outros 14 suspeitos, foi libertado na terça-feira, 13, por liminar do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sebastião Reis Junior.


22

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

GENTE JOVEM RAFAEL DIAS rafaeldias@diariodooeste.com.br

Souza Santos e Bruno Rafael Campanholi. ● Para o curso de Direito: Luiz Augusto de Albuquerque, Aramis Pacheco Neto,Caiã Fontana, Graziele Prestes, Magali Colli, Viviane Monteiro Peruzzo, Taisa Schardong, Katia Cappellesso, Mônica Luiza Zanotto, Darci Scherer Junior, Vitor Hugo Torales e Rafael Strassburger. ● Para o curso de Agronomia: Marcos

Pooter, Rodrigo da Cunha, Ana Paula Fagundes de Moura, Rodrigo Vieira Brandão, Fábio de Brito Vieira, Diego de Costa Lima, Fernanda Bonni, Diego Vicenzi, Willian Firchhof, Daniela Fonseca Matos, Lucas Di Domenico, Aline Pereira Leal, Graziele Neivert, Diego Felipe Prehll e Henrique Amaral da Silva.

ALINE VICCINI, Bruna Gado e Giovana Lima...

Baile do Fazendeiro o sábado, 10, parecia que carros de todas as ruas da Cidade rumavam para o Centro de Tradições Gaúcha (CTG) Sinuelo dos Gerais. O Baile do Fazendeiro reuniu quase 1.700 pessoas. Com grande estrutura e ambiente muito bem decorado, os organizadores mostraram habilidade na realização de eventos de maior porte. No início da festa, o público foi embalado pela dupla Sertaneja João Arthur e Daniel, que tocou os maiores sucessos do sertanejo universitário. Faltou espaço na pista de dança. A animação era geral. Logo após, foi a vez da banda Sideral. Os músicos brasilienses já se apresentaram várias vezes na Cidade. Não decepcionaram. Com vários sucessos, de diferentes estilos, a banda segurou grande parte do público. Como estava escrito no prospecto da festa, o baile foi até o amanhecer. Também se apresentou o DJ Adriano. O evento teve ainda o lado solidário. Copos personalizados estavam sendo vendidos no local. O dinheiro arrecadado foi destinado a instituições de caridade da Cidade.

N

...DIEGO DAVEIGA E THAYNAN LUCAS...

...CRISTINA E JULIANA OLIVEIRA.

Aprovados

Universidade Federal do Tocantins (UFT), na segunda colocação, para o curso de engenharia alimentos ● Lucas Osiro Brentan foi aprovado no curso de Engenharia Ambietal da PUC de Goiás. ● Carolina Paloschi Guerra é outra que ingressará no mundo universitário. Passou no vestibular da Universidade Positivo de Curitiba para o curso de Enfermagem.

Wendy Delgado da Cunha foi aprovado na quarta colocação para o curso de Enfermagem da Universidade Federal do Tocantins (UFT). ●Fanuel Schwengber passou para a

● Para o curso de Engenharia de Produção: Adriene Kist, Carlos Henrique Rucker, Natalie Ranchel, Raniery Trevisan, Martina Luisa Hanauer, Suelle Cardoso Rocha, Larissa Giotti, Alan Carlos Rambo, Tatiane Paula Sommer, Daniela Rosales Pelissari, Jonatas Cappelari, Débora Berkenbrock e Marlon de Araujo Silva. ● Para o curso de Ciências Contábeis: Gilcelio Lopes Rocha, Rafael Otoni Rodrigues, Caroline Meier Ramos, Juliana Oliveira de Souza, Arlei Garcia dos Santos, Andressa de Paiva Vieira, Elisandro Formighieri e Iandra Oliveira dos Santos.

Chá das 5 Não, não era a degustação de um chá e algumas iguarias. O Chá das 5, tradição na Cidade entre os anos 2003 e 2005, era uma festa que reunia as bandas de rock e músicos da região para uma confraternização. O Chá era realizado pelo menos uma vez a cada dois meses, até a sua extinção. Depois de longo tempo, o Chá das 5 está de volta. A data escolhida para a realização do evento é o próximo dia 28 de janeiro. O Chá das 5 tinha este nome para homenagear o costume de se tomar chá às cinco horas da tarde na Inglaterra, berço dos mais renomados roqueiros. Como o grupo se reunia neste horário, aos domingos, o nome ficou. Será uma data especial. Será a despedida de um dos “paizões” do rock e dos roqueiros na Cidade, Aaron Roos. Ele se despede dos luiseduardenses para retornar ao seu estado, o Rio Grande do Sul. O local e as atrações programadas ainda serão confirmadas.

Confraternização Suélen Cristina Duarte participou da confraternização dos servidores públicos, reasslizada na sexta, 9, no Centro de Eventos Nossa Senhora Aparecida (Gruta). Na festa foi servido um jantar. A festa foi animada por música eletrônica e forró.

Maceió Jessyca Omena tira umas férias ao lado de familiares que ficaram em sua terra natal, Maceió. Aproveitando a estadia na capital alagoana, Jessyca foi ao show da dupla sertaneja Jorge e Mateus, no dia 7. Na mesma ocasião, se apresentaram o grupo Saia Rodada e o cantor Eduardo Pollozi.

Novo point Na quinta-feira, 15, foi inaugurada loja da rede de fast food Subway. A loja era esperada há muito tempo na Cidade. A franquia está localizada na Rua Pernambuco, 371, próximo à Caixa Econômica Federal, no centro da Cidade.

Aniversários Aniversariantes da semana: na segunda, 12, Jessika Oliveira, Vitória Sopran e Francimara Machado; na terça, 13, Luzi Lima, Marcelo Alcântara, Lucas Marfin e Flávia Zorzo; na quarta, 14, Monique Souza, Rafaela Gatto e Jorge Cordeiro; na quinta, 15, Matheus Preto; na sexta, 16, Márcia Vanessa Arruda e Aryane Guimarães. Neste sábado, 17, é a vez de Rafael Marcello. E no domingo, 18, comemora Fernanda Flores.

RAFAELA GATTO

FLÁVIA ZORZO

Aprovados II Alguns aprovados no vestibular da Faculdade Arnaldo Horácio Fereira (Faahf ): ● Para o curso de Administração: Douglas Eduardo Sesse, Marla Andrade Lima, Wesley Lima, Patrícia Cristina Guerra, Andressa Baumgratz, Crislaine Rodrigues de Oliveira, Tatiane Fontana, Diego de

INAUGURAÇÃO DA SUBWAY. Geovana, Gabriela e Enzo Ricardi e Valentina Franciosi

SUÉLEN CRISTINA DUARTE


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

ESPORTES

23

Por uma nova associação Proposta é do técnico de handebol Vinícius de Andrade e visa dar autonomia ao espor te local LUCIANO DEMETRIUS Da Oeste Comunicação riar uma associação independente para o esporte local. O técnico das seleções masculina e feminina de handebol de Luís Eduardo Magalhães, Vinícius Vieira de Andrade, antecipa 2012 com novidade para fora das quadras. O treinador, que conseguiu levar a equipe masculina para a etapa final dos Jogos Abertos do Interior, mesmo com um grupo em formação, está à frente do projeto de criação de uma entidade independente para o esporte local. “Quero que a ideia comece, na prática, pelo handebol e se estenda para outros esportes”, diz. A intenção, segundo Vinícius de Andrade, é criar uma associação que dê suporte para que as modalidades tenham autonomia para participar de competições, montando equipes qualificadas e sem depender apenas de recursos públicos. “No caso do handebol,

C

ARQUIVO

especificamente, estamos tentando trazer quatro atletas profissionais para que atuem em nossa seleção e que também façam o trabalho de formação de atletas”, afirma. A lista já tem nomes definidos: Fábio, que atua no Rio de Janeiro, Alisson, um brasileiro que está na Liga de Portugal, e os mineiros Fabiano e Flávio. O técnico frisa que a associação não ficará restrita à contratação de atletas. Segundo ele, há projeto de criação de pólos com quadras para a prática do handebol e de outras modalidades na praça Gerson Hoffmann e nas outras duas que serão inauguradas nos bairros Santa Cruz e Jardim das Acácias, com vagas para 40 crianças em cada uma das unidades. Os recursos viriam de uma parceria com a Prefeitura, patrocinadores e também do apoio via Lei Municipal de Incentivo ao Esporte. Para evitar questionamentos a respeito da contratação de profissionais para atuar na

VINICIUS VIEIRA DE ANDRADE seleção local – que tem em seus quadros atletas amadores -, Vinícius de Andrade explica que os quatro jogadores vão receber salários

Milk Shake vence na estreia da 2… fase da Super Copa A EQUIPE GALVANI-B: Em pé: Manoel Bala, Toni Robert, Patricio, Gabriel, Mazinho e Uilton Lapão (técnico). Agachados: Márcio, Uillian, Bruno, Nei e Marcelo.

Galvani é campeã do Sesi Com uma vitória por 9 a 4 sobre a Bunge Alimentos, a equipe de futsal masculino da Galvani-B conquistou no sábado, 10, o título dos Jogos Municipais do Sesi no Ginásio de Esportes José Alberto Lauck. A competição teve a participação de cinco equipes de quatro indústrias de Luís Eduardo Magalhães. A Galvani-A ficou em terceiro lugar. A trajetória da Galvani-B teve início com uma goleada sobre a Mauricéa por 9 a 1. Os gols da vitória foram marcados por Uilian (3), Marcelo e Bruno (2) e Márcio e Gabriel. No segundo jogo, nem foi preciso esforço para ganhar os três pontos uma vez que o adversário, o Goringa, não compareceu

para jogar e foi considerada vitória por WO para a Galvani-B. Na final, a equipe dirigida pelo técnico Uliton Lapão enfrentou a Bunge e venceu por 9 a 4 com gols de Bruno, Marcio e Gabriel (2) e Marcelo, Mazinho e Uillian. “A conquista do título apagou a imagem ruim que tivemos uma semana antes, quando fomos eliminados logo na primeira fase da Copa Intergalvanis (competição entre as unidades da empresa, disputada em Lagamar, Minas Gerais, no início de dezembro). Percebi que o grupo estava centrado desde antes do início da competição (Jogos Municipais do Sesi) para se recuperar”, disse Lapão após a decisão.

São Francisco do Conde vence Intermunicipal Com gols de Alex, Pithaco, Julinho e Roni, a seleção de São Francisco do Conde goleou a de Santaluz por 4 a 0, no domingo, 11, e conquistou o título do Campeonato Intermunicipal. A goleada, no estádio Junqueira Ayres, em São Francisco do Conde, rendeu o primeiro título da competição à equipe da casa, que já havia vencido o adversário no jogo de ida, dia 4, por 2 a 0, em Santaluz. Em todo o campeonato, São Francisco do Conde jogou 20 vezes e venceu 13, empatou cinco e perdeu dois jogos. Marcou 57 gols e sofreu 18. Ficha técnica São Francisco do Conde 4 x 0 Santaluz

São Francisco do Conde: Márcio, Diego, Gum, João Carigé e Alex; Junior Ventura, Elton, Gajão e Pithaco (Netinho); Pim e Julinho (Roni). Santaluz: Rôse, Totó, Diego, Dei e Olodum; Dilson (Buiú), Edmundo, Fábio e Robinho (Nininho) (Elielson); Marcelo e Eri. Local: Estádio Junqueira Ayres, em São Francisco do Conde Arbitragem: Arilson Bispo de Anunciação Gols: Alex, Pithaco, Julinho (SFC) Cartões amarelos: João Carigé, Gajão, Elton, Júnior Ventura (SFC) ; Dilton, Dei, Diego (SL) Cartão vermelho: Buiú (SL)

O Milk Shake derrotou por 4 a 3 o Asmeg na abertura da segunda fase da I Super Copa de Futsal, em jogo válido pela Chave C, na quarta-feira, 14, no Ginásio de Esportes José Alberto Lauck. Os gols da vitória foram marcados por Maurício (2), Francisco e José Leonardo. Para o Asmeg marcaram Mário, Douglas e Chaienne. A outra equipe desta chave é o Juventus, que no mesmo dia encerrou sua participação na primeira fase ao vencer o Boca Juniors por 4 a 3, com dois gols de Sidnei, um de Edson e outro de Abdias. A I Super Copa de Futsal prossegue neste sábado, 17, no Ginásio de Esportes Terra Agrícola com mais duas partidas. Na abertura da chave D, o Santa Cruz enfrenta o Agrovitta a partir das 15h. Pela chave C, o Juventus estreia na segunda fase diante do Milk Shake, às 16h. Os jogos Juventus x Asmeg (pela terceira rodada da chave C) e Roma x Agrovitta e Santa Cruz x Roma (pela segunda e terceira rodadas, respectivamente, pela chave D) estão sem datas, horários e locais definidos. De acordo com a comissão organizadora da competição, a previsão é que as partidas aconteçam no Ginásio de Esportes José Alberto Lauck assim que o local for liberado após a desinstalação do octógono das lutas do MMA, que será realizado neste sábado, 17. Classificam-se, para as semifinais, as duas

pelo trabalho de formação de novos talentos. “E nós queremos ver resultados. Não vamos mais aceitar paraquedistas que venham apenas para jogar e que depois abandonem o grupo”, afirma. Ele cita como exemplo a região Sul, onde nos três Estados há preocupação com várias modalidades. “Você vai ao interior do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul e vê forte estrutura no handebol, no futsal, no vôlei e no basquete. Precisamos seguir o exemplo aqui na Bahia e eu desejo que o seja por Luís Eduardo”. Vinícius de Andrade adianta que já foram mantidos contatos com desportistas de outras modalidades e houve aceitação para a criação da nova entidade. “É preciso que o esporte de Luís Eduardo Magalhães vá participar das competições estaduais para disputar título. Não dá mais para ser mero coadjuvante. É preciso mudar, não dá mais para centralizar as conquistas e as melhores equipes somente em Salvador”.

equipes melhores colocadas de cada chave desta segunda fase. Os confrontos das semifinais serão entre o 1º da chave C e o 2º da chave D e o 2º da chave C e o 1º da chave D. Os vencedores decidem o título, enquanto os perdedores disputam o terceiro lugar da competição.


24

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 17 a 23 de dezembro de 2011

L I N H A S D E ATA Q U E LUCIANO DEMETRIUS lucianodemetrius@diariodooeste.com.br

PREFEITURA MUNICIPAL

BATE-BOLA ARQUIVO

AVENTURA. O ciclista venezuelano Moises Mendieta, 32 anos, que há quatro meses pedala pelas costas do Pacífico e do Atlântico, passou por Luís Eduardo Magalhães na segundafeira, 12. Guia turístico em Caracas, Moises saiu de seu país e passou por Colômbia, Equador, Peru, Chile, Argentina, Bolívia, Uruguai e Paraguai até chegar ao Brasil. De Luís Eduardo, ele partiu para Brasília para, depois, seguir para Suriname e Guiana Francesa.

Noite de combates ex-boxeador e atual deputado federal Acelino Popó Freitas vai acompanhar as 14 lutas do Midway Maximum Fight, a partir das 19h deste sábado, 17, no Ginásio de Esportes José Alberto Lauck. Um dos destaques do evento é o combate na categoria feminina entre Cris Unaí, de Minas Gerais, contra Gina Brito Silva, da Bahia. Os demais combates são entre Jairo Soares x Nielsen Grilo; Fabiano Araujo x Gambite; Douglas Dias x Fábio Santos; Alex Soares x Paulo Silva; Edison Teixeira x Rodrigo Gladiador; Uelton Oliveira x Sombra; Cristiano Bob x Nego Apache; Wylk Leandro x Dieguinho; Gabriel Bernardes x Ericson Cruz; Rogério Assis x Heliovanio Dexter; Carlota x Braulio. Outras duas lutas não estavam com os nomes dos atletas participantes até o fechamento desta edição.

O

Presente!

interesse em retornar à equipe.

A equipe do Portelinha está confirmada como a segunda representante de Luís Eduardo Magalhães na Copa Interclubes, com início previsto para janeiro de 2012. A vicecampeã do Seletivo Amador 2011 garantiu presença na última semana para inscrições.

Este é o canal

Aqui, não! A diretoria do Juventus afirma que nenhum dos atletas que deixou a equipe recentemente terá chance de reintegrar-se ao grupo. Na última semana, rumores davam conta de que o meia Miltinho, agora no Agrovitta, teria

O Esporte Interativo supera os concorrentes ao transmitir o Campeonato Mundial de Handebol, disputado em São Paulo. Mais lamentável é o descaso dos canais abertos que não reservaram o mínimo espaço para abordar a competição, que termina neste domingo, 18.

Só para assinantes Quem aguardou para assistir ao jogo do Santos pelas semifinais do Mundial de Clubes, contra o Kashiwa Reysol, do Japão, pela TV aberta, se frustrou. A vitória da equipe brasileira (3 a 1), que garantiu uma vaga na decisão, somente foi transmitida pelos canais fechados. Há rumores de que os anunciantes do programa de Ana Maria Braga não abriram mão da exibição.

Fora do vôlei O técnico Claudio Balbino Júnior pediu demissão da seleção masculina de vôlei de Luís Eduardo Magalhães. Em novembro, ele já havia se desligado da equipe feminina. No mesmo dia em que confirmou a esta coluna a sua saída, na terça-feira, 13, Balbino rece-

À frente do Juventus, que em 2011 conquistou seis títulos entre oito competições de futebol, futsal e futebol society que participou, o técnico Jeder de Oliveira está insatisfeito com a desunião no esporte amador local. “Existem pessoas de caráter duvidoso querendo acabar com o esporte da nossa Cidade”, dispara. Há 17 anos atuando no futebol de Luís Eduardo Magalhães, o ex-jogador que contribuiu para a criação de sua atual equipe que no início não era nem sombra da agremiação vitoriosa de hoje. “Participávamos dos campeonatos no Ginásio Terra Agrícola e só levávamos goleadas”, lembra. A série de conquistas teve início em 2001 em um torneio de futebol society na Comunidade de Placas. O ex-atacante que atuou também pelo Flamengo local e Boca Júniors, da Agronol, e que está afastado devido ao rompimento dos ligamentos do joelho esquerdo, anuncia que vai sair do banco como técnico para retornar aos campos em 2012. É difícil participar do esporte amador em Luís Eduardo Magalhães? Muito difícil. Devido à falta de apoio e a carência de estrutura. A concorrência é desleal nos bastidores do futebol local? Antes não. Hoje, diria que sim. Existem pessoas de caráter duvidoso querendo acabar com o esporte da nossa cidade. Acredito que no nosso meio esportivo há pessoas de bem e que vão vencer as más pessoas, que terão vida curta no meio esportivo. Muita gente abriu os olhos e sabe quem atua com dignidade e quem quer destruir o esporte. E quem são as más influências? Prefiro não comentar quais são, mas tenho certeza que todos envolvidos no meio esportivo sabem e têm certeza a quais nomes eu me refiro. Você acredita que, em breve, possamos ter uma equipe de futebol profissional na Cidade? Certamente, mas devemos ter cautela. O poder público deverá observar quem

beu convite para treinar uma equipe local a ser formada por um grupo empresarial. Ele ficou de analisar a proposta.

Tênis O tenista Régis Barboza conquistou o título do II Torneio Vilagran de Tênis, em Barreiras, pela categoria 1ª Classe. Na final, sexta-feira, 9, o luiseduardense derrotou Sávio Ribas por 2 a 0 (parciais de 6-1 e 6-0).

Jiu-Jitsu Será realizado neste domingo, 18, o 4º Festival Estrela de Jiu-Jitsu, na Escola Municipal Amélio Gatto, no bairro Santa Cruz. As lutas serão para atletas das categorias de faixas preta, roxa, marrom e azul.

pode ajudar e excluir do programa os que não querem comprometer-se com o esporte. Sem a ajuda do poder público e dos empresários não chegaremos a lugar algum. Com tantos títulos na JEDER DE OLIVEIRA bagagem, está nos planos do Juventus profissionalizar-se? É o nosso sonho. Hoje não está dentro da nossa possibilidade. Não temos estrutura mínima. Outro fator negativo é que moramos em uma região muito distante das cidades que sediam os campeonatos profissionais. Os custos com o transporte são altos, mas a esperança é a última que morre. Estamos confiantes. Qual é a fórmula para conquistar seis títulos em um só ano? Se eu falar aqui vou perder minha fórmula (risos). É preciso ser fiel a Deus. Assim as coisas acontecem naturalmente. Depois, é você ter humildade com tudo e com todos. O terceiro fator é trabalhar com honestidade, respeitando sempre os mais velhos e os adversários e ter a certeza que você pode, e tem, condições de vencêlo. Apesar de a Cidade ter bastante praticantes e equipes em várias modalidades esportivas, o que falta para o esporte local deslanchar, ser respeitado além da região Oeste? Prestigiar e homenagear as pessoas que sempre lutaram e brigaram pelo esporte local. Os pioneiros do nosso esporte estão esquecidos e sem prestígio. Tenho medo de que, daqui a alguns anos, esqueçam o meu nome também. Faço um apelo às pessoas que querem ver o esporte da Cidade crescer para lutarmos pela qualidade e aproveitar o apoio do poder público.

Seletivo 2012 A Liga Desportiva de Luís Eduardo Magalhães planeja elaborar um calendário para o Seletivo Amador 2012 que não concorra com os jogos da seleção de futebol.

Oeste Semanal Edição 41  

Oeste Semanal Edição 41

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you