Issuu on Google+

ADE

M E S

L A AN

EM R

❏ Leia as colunas de

Tiragem desta edição

Sebastião Nery, Luciano Demetrius, Tizziana Oliveira e Rafael Dias

5.000 exemplares

A

ID

ST

Oeste

AC

Agora, Cidade enfrenta onda de assaltos. Página 11

I EV

Ano I ❑ Nº 16 ❑ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Ex-ministro vem falar de tendências em encontro sobre algodão. Pág. 5 ❏

Preço do exemplar em banca

R$ 1,00

Questão ambiental, tormento do produtor Primeiro era o Ibama, agora é o Inema. Licenciamentos para aber tura de áreas demoram, atrasam projetos e travam o desenvolvimento do Oeste da Bahia. Multas vêm voando, as licenças, a cavalo, diz o diretor de Meio Ambiente da Aiba, José Cisino Menezes Lopes. Sete mil processos de regularização de passivo ambiental dor mem nas gavetas de órgãos federal e estadual. Páginas 3, 4 e 5

A F E S TA D O S A N TA C R U Z É D E S Ã O J O Ã O

HENRIQUE CABELO

A festa começou na quinta-feira, 23, e varou a madrugada de sexta-feira, 24. Com fogos, fogueira, barracas típicas, parque de diversões, dança e música. Págs. 8 e 9

Super operação fiscaliza comercialização de safra. Página 7 Unificação do limite de crédito afeta produtores. Página 7


2

INFORMAÇÃO E OPINIÃO

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

PREZADO LEITOR Ibama, xiitas e questão cultural transformação do Ibama em agência reguladora, ideia que germina no Palácio do Planalto, segundo informações do Relatório Reservado publicada na semana passada por este jornal, foi bem recebida pelo setor agrícola. Influente empresário do Oeste da Bahia, que já enfrentou a caneta-espada de xiitas do Ibama,  diz esperar que os pedidos de  licenciamento ambiental para abertura de áreas de plantio venham a ter igual tratamento que o governo dará aos grandes empreendimentos: prazo fixo em cada etapa do processo para que órgãos governamentais – federais, estaduais ou municipais se manifestem, tornando o descumprimento passagem automática para a etapa seguinte. “O Governo vai mudar o Ibama porque ele está atrasando e encarecendo as obras do PAC. Nós estamos sendo atrasados há anos. Não adianta passar o licenciamento do Ibama para o Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia). A burocracia é a mesma e os xiitas estão nos dois órgãos”, afirma o empresário. “Outra questão que precisa ser mudada é cultural. Não será resolvida somente com a transformação do Ibama em agência reguladora”, diz o empresário, completando: Esse pessoal do Ibama, com algumas exceções, não diferencia o desmatador da Amazônia, que derruba ávores para transformá-la em madeira e enriquecer, e o empresário rural que só quer produzir alimentos.

A

Desvio de função Foi difícil para um grupo de vereadores explicar ao presidente do Sindicato dos Guardas Municipais de Luís Eduardo Magalhães, João Batista Alves França Filho, na última sessão da Câmara, que a corporação não tem poder de polícia para prender bandidos. Os vereadores entendem que o aumento pedido pela categoria é justo, mas os guardas cismam que têm de exercer o patrulhamento das ruas. O propalado convite ao secretário de segurança da cidade à Câmara para prestar esclarecimentos quanto ao desvio de função deve ser feito com a maior urgência. O líder dos guardas alega que em outras cidades a guarda municipal policia as ruas e lembra que dois carros foram comprados para aumentar o poder de vigilância.  O vereador Ondumar Marabá e a vereadora Janete Alves não conseguiram convencer João Batista de que policiar não é a mesma coisa que vigiar. Esse negócio de guarda ser polícia me parece coisa de civil que gosta de vestir jaleco com ‘choque de ordem’ escrito em vermelho para parecer que é autoridade”, comentou, irônico, um vereador.

Buracos esperam Pelas contas de um vereador, a operação tapa-buraco da BR 242 é coisa para o

Publicação da Oeste Comunicação Integrada Ltda. Rua Jorge Amado, 1.327 – Jardim Paraíso – CEP 47.850-000 – Luís Eduardo Magalhães/BA Inscrição municipal 007132/10 CNPJ 12.835.627/0001-41 - Telefone (77) 3628-0686

oestesemanal@diariodooeste.com.br

período das chuvas. Até lá, o tempo é da licitação ou da carta convite do Dnit e de mais buracos.

Jornal e jornais Volta e meia repórteres deste Oeste Semanal ouvem de entrevistados a pergunta de quanto custará a reportagem. Este jornal reitera: nada cobra por notícias.

Novo promotor O promotor André Bandeira de Melo Queiroz substitui a promotora Semiana Cardoso na Comarca de Luís Eduardo. A promotora Semiana entrou em licença maternidade. 

Sem protesto Alívio temporário para os inadimplentes. Os bancos de Luís Eduardo Magalhães e de Barreiras não estão protestando títulos não recebidos, em razão de impasse com o Cartório de Protesto de Títulos. Os bancos se queixavam da demora do cartório para o cumprimento do protesto, houve interferência da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e, até que o impasse se revolva, os bancos deixaram de encaminhar títulos não pagos.

Cargill semeia discórdia em diversas latitudes no Brasil Cargill precisa contratar urgentemente uma tropa de lobistas ou um craque da área de relações institucionais. De uma só vez, os norte-americanos conseguiram angariar a antipatia e a má vontade dos governadores do Paraná, Beto Richa, de Goiás, Marconi Perillo, e de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli. O motivo é o leilão que a empresa deflagrou para a instalação de uma fábrica de processamento de milho, uma operação que poderia muito bem ser fechada na Sotheby´s ou na Christie´s. No melhor estilo “dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três”, a Cargill vem barganhando melhores condições com os três estados. Beto Richa, por exemplo, já dava como certa a construção do empreendimento no Paraná. O governador ofereceu vantagens tributárias e logísticas, leiase o uso do Porto de Paranaguá para o escoamento da produção. Só em renúncia fiscal, a conta chegaria a quase R$ 50 milhões. Richa, no entanto, não conseguiu saciar o apetite dos norte-americanos, que, sorrateiramente, bateram também na porta dos governadores sulmatogrossense e goiano. Sem saber das negociações cruzadas entre a Cargill e outros estados, Mato Grosso do Sul e Goiás também ofereceram contrapartidas fiscais e de infraestrutura. Em determinado momento das conversações, assim como Beto Richa, tanto Perillo quanto Puccinelli tiveram a certeza de que haviam fisgado o empreendimento. No entanto, acabaram entrando na dança da Cargill. Quanto mais benefícios ofereciam, mais os norte-americanos pediam. Mas tudo tem limite. Diante do leilão, a paciência dos personagens envolvidos se esgotou. As relações institucionais entre a Cargill e os três estados se deterioraram nas últimas semanas. Beto Richa, inclusive, teria se negado a receber executivos da empresa para uma nova rodada de negociações. Os três governadores já sinalizaram que não vão mexer mais uma vírgula nas condições apresentadas ao grupo norte-americano. Para o governo dos três estados, a situação é intrincada. O cobertor é curto demais. De um lado, a trinca de governadores se sente usada pela Cargill; por outro, o momento exige uma certa dose de sangue

A

SÓCIOS-DIRETORES Antonio Calegari / Pedro Callegari

CIRCULAÇÃO Aroldo Vasco de Souza

REDAÇÃO João Penido (editor), Antonio Calegari, Luciano Demetrius Leite, Raul Beiriz Marques, Rafael Dias, Sebastião Nery, Tizziana Oliveira, Henrique Cabelo (fotógrafo e diagramação), Paulo Cezar Goivães (projeto gráfico)

IMPRESSÃO Gráfica F. Câmara Csg 09 – LOTE 03 – GALPÃO 03 – Taguatinga Sul – Distrito Federal – Fone (61) 3356-7654

PUBLICIDADE Juliana Cadore

TIRAGEM* 5 mil exemplares *Tiragem jurada pela editora, comprovável quando da

frio, uma vez que o que está em jogo é um investimento de R$ 350 milhões. Cada um usa as armas que tem. Em represália, Beto Richa, por exemplo, freou as negociações com a Cargill para a redução do custo pelo uso do Porto de Paranaguá. Os norteamericanos utilizam o terminal para o escoamento de uma fábrica de processamento de milho que já possuem no estado.

Pedro Parente A rádio corredor da Bunge tem transformado Pedro Parente em uma navalha humana. As notícias são de um segundo semestre tétrico para os trabalhadores da empresa. Pega leve, pessoal! O cara até que é boa gente.

Doce Cuba Rubens Ometto quer fazer um melaço nas terras de Fidel. Vai investir na produção de açúcar e álcool em Cuba. O negócio tem o dedo, ou melhor, a mão inteira de José Dirceu.

Terra árida Há uma briga de trator no mercado brasileiro de máquinas agrícolas. A norte-americana Caterpillar vai aumentar seus investimentos e acelerar o ritmo de lançamentos no Brasil. O objetivo é estancar a perda de mercado para a Case, leia-se Grupo Fiat.

Mineração Investidores chineses da área de mineração estiveram reunidos na semana passada com o governador Jaques Wagner. Em pauta, a compra de jazidas de minério de ferro na Bahia.

Doce da Copersucar O IPO da Copersucar deve ter um convidado de peso. Há conversações para que a BNDESPar compre uma participação na empresa por ocasião da oferta de ações na BM&F Bovespa. O quinhão oscilaria entre 10% e 15% do capital.

Copyright Relatório Reservado, publicação diária especializada em inside information editada pela Insight Comunicação. www.relatorioreservado.com.br

impressão do jornal, na Gráfica F. Câmara, a par tir das 23 horas das sextas-feiras e quando do início da distribuição das edições, na Rua Jorge Amado, 1.327 – Jardim Paraíso – Luís Eduardo Magalhães, a par tir das 7 horas da manhã dos sábados. As publicações da Oeste Comunicação – Oeste Semanal e DiariodoOeste.com.br não publicam matérias redacionais pagas sem caracterizá-las como Informe Publicitário. A Oeste Comunicação também edita o site online DiariodoOeste.com.br.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

AGRONEGÓCIO

3

O tormento dos produtores Multas ambientais vêm voando, mas licenças andam a cavalo, travando o avanço do Oeste da Bahia RAUL MARQUES Da Oeste Comunicação

A

burocracia e o “ambientalismo de escritório” travam o desenvolvimento do Oeste da Bahia. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), já com morte anunciada – vai virar agência reguladora, conforme matéria publicada na última edição do Oeste Semanal -, e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema) - criado a partir da unificação dos Institutos do Meio Ambiente (IMA) e o de Gestão das Águas e Clima (Ingá) - não concedem licença ambiental para que os agricultores possam desmatar e plantar nos percentuais estipulados em lei com a mesma agilidade com que é feita a caça a infratores da legislação. As licenças ambientais agora, na Bahia, passam a ser concedidas pelo Inema, mas também demoram, com espera superior a um ano. Nem mesmo acordos firmados entre os governos federal e estadual e as associações de agricultores da região – que levaram ao lançamento do Plano Oeste Sustentável, no ano passado - conseguiram dar um basta no tormento que é conseguir uma licença. Apesar de ter dado passos largos no começo, o Plano ainda não conseguiu acabar com o passo de tartaruga do licenciamento. Os agricultores alertam que para expandirem a produção, cansam de esperar as licenças ambientais, concedidas com base em legislação de 1988, que, segundo eles, está bem distante da atual realidade do setor de agronegócios no Brasil. Atualmente, há cerca de 7 mil processos emperrados nos órgãos públicos (Ibama e IMA, atual Inema) à espera de vistorias, laudos e concessão de licenciamentos. Tanto as vistorias quanto os laudos e licenciamentos exigem o pagamento de uma taxa pelos produtores. Muitas vezes, as taxas são pagas e o serviço não é efetuado.

Lentidão. O diretor do Departamento do Meio Ambiente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), José Cisino Menezes Lopes, que também exerce cargo de conselheiro em comissão criada, na Bahia Farm Show, no início do mês, para resolver os problemas da lentidão na

concessão de licenças ambientais, é um dos que pagaram pela vistoria e nunca receberam uma visita do Ibama. “Se fosse depender disso, estaria esperando até hoje. Paguei para saber da minha situação à época e nunca obtive resposta”, disse. Cisino guarda até hoje o recibo do pedido de fiscalização, datado de 1990; ou seja, são mais de 20 anos de espera. A relação conturbada entre agricultores e fiscais do meio ambiente é antiga. “No começo, a Aiba tentou ser parceira do Ibama, na função preventiva, mas eles alegavam falta de estrutura. Passou o tempo e mudou-se a forma de pensar dos órgãos de meio ambiente, que agora operam mais como agentes fiscalizadores do que como emissores de licença ambiental”, disse Cisino, sem esconder seu descontentamento com a burocracia emperrante nos órgãos públicos.

da periodicamente. O prazo varia conforme a atividade. Este processo de fiscalização ágil e emissão lenta de licença gerou um passivo ambiental, reconhecido pelos agricultores, que querem regularizar a situação perante os órgãos fiscalizadores. “Tudo era feito na contramão, no sentido inverso. A fiscalização chegava voando. A licença, a cavalo. Você solicitava a licença, tinha que esperar um bom tempo, não agüenRAUL MARQUES

Mais de um ano. Cisino admite que hoje a licença ambiental, a cargo do Inema, corre mais rapidamente, mas diz que, ainda assim, o prazo é bem longo para quem investe em produção de alta escala. José Cisino Lopes, diretor de Meio Ambiente da Aiba Obter uma licença para desmatar ainda leva mais de um ano. “É despropor- tava esperar muito, desmatava e recebia mulcional a vontade de produzir com a forma de tas estratosféricas, algumas até de valores atuar dos órgãos públicos para a concessão superiores ao da própria propriedade”, disse de licenças. É desanimador”, disse. José Cisino. Segundo a legislação, toda atividade e Há casos de multas que beiram os R$ 700 empreendimento que modifique área de mil, como a aplicada a um fazendeiro de vegetação natural ou de um ecossistema Barreiras, pelo agente administrativo federal necessita de licenciamento ambiental. O Eugênio Fagundes de Brito, em 23 de setemlicenciamento é condicionado à elaboração bro de 2010, às 15:01h. A multa de R$ de estudos ambientais, com abrangência 636.482,00 refere-se, segundo cópia do auto definida, e tem que especificar o potencial de de infração ao qual o Oeste Semanal teve degradação ambiental da atividade. Cada ati- acesso, à exploração de “6.364,82 hectares de vidade tem um percentual do quanto pode ou floresta de origem nativa, sem aprovação não pode ser destruído. prévia do órgão ambiental competente”. Ou Após a avaliação técnica dos estudos feitos seja, a multa foi de R$ 100 por hectare. pelo órgão ambiental, é emitida uma Licença O boleto bancário para pagamento da Prévia (LP), seguida da Licença de Instalação multa tem como beneficiário o Ibama e, sur(LI) e da Licença de Operação (LO). Após a preendentemente, permite desconto de 30% concessão da LO, a licença deverá ser renova- até o vencimento, no caso, 13 de outubro de

2010; há multa de 10% até 30 dias do vencimento; findo esse prazo, a multa passa a ser de 20%. Em ambos os casos, deve ser aplicada, ainda, a taxa Selic acumulada. Matematicamente, entre o menor valor proposto pela multa (com desconto de 30% até o vencimento, ou R$ 445.537,40) e o maior (pagamento em dois meses, com 20% de acréscimo, ou R$ 763.778), sem contar a Selic, a diferença é de 71,42%, quase doze vezes a inflação prevista para este ano, de 6,2%. “Este é o pesadelo vivido pelos agricultores. Multas desproporcionais à ação, com embargo da área total da propriedade. Em nove alqueires  de supressão de vegetação nativa, sem licença,  foi aplicada multa no valor de R$ 45 mil. (Ou seja, de R$ 5 mil por hectare). Em área já anteriormente desmatada de 328 hectares, mas com pequeno desenvolvimento da vegetação natural, aplicou-se multa de R$ 300 mil (ou seja, R$ 91,46 por hectare), equivalente ao preço da terra”, disse Cisino. O que facilita o agente fiscalizador, no entanto, é a legislação. Apesar de datar de 1965, o atual Código Florestal brasileiro é considerado avançado pelos ambientalistas. A legislação confere aos fiscais alto poder de punição.

Feridas eternas. José Cisino lembra que as operações realizadas pelos órgãos federais têm, muitas vezes, efeito fulminante nas fazendas, já que são muitos os detalhes a serem lembrados. “Ninguém aqui do Oeste, que é associado da Aiba, quer ter problemas com a fiscalização. Mas, quando os fiscais chegam, talvez por serem mais novos, e com cabeça bem diferente, voltada somente para o ambientalismo, acabam redigindo laudos que provocam feridas eternas na fazenda multada. A multa se paga, mas o teor do laudo deixa o produtor marcado para sempre”, disse. José Cisino destaca, ainda, que os laudos nem sempre são feitos por pessoal técnico. “Não está se discutindo a competência dos fiscais, de quem redige o laudo da infração, mas sim os aspectos técnicos. Os que redigem os laudos nem sempre são de áreas agrícolas, como engenheiros florestais ou agrônomos. Os fiscais são todos concursados, podendo vir de qualquer área” disse.


4

AGRONEGÓCIO

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Problema em O PLANO OESTE SUSTENTÁVEL pequena área leva a embargo da fazenda toda O que o diretor do Departamento do Meio Ambiente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), José Cisino, quis dizer ficou bem representado em uma conversa na Bahia Farm Show entre dois agricultores, que compravam máquinas de uma grande empresa expositora. Na conversa, um deles contou ao outro que o fiscal não sossegou até encontrar algum pequeno detalhe errado em sua propriedade. Os dois chegaram a mencionar que estes problemas foram difíceis de ser solucionados em razão do valor exagerado da multa e do teor do laudo, também exagerado. Cisino lembra, ainda, que se algo está errado em uma fazenda, o embargo sobre a área não é feito de maneira a que o proprietário da lavoura continue a produzir. Cisino tomou como exemplo uma área imaginária de 1.000 hectares, na qual se encontra irregularidade em apenas 20 deles. “A área embargada não equivale apenas a 20 hectares, mas a toda a propriedade. Isso pune todo um trabalho e dói no bolso de qualquer agricultor que cansou de esperar pela emissão de um documento”, disse.

Cadastramento. O Plano Estadual de Adequação e Regularização Ambiental, também chamado de Plano Oeste Sustentável, lançado em junho de 2009 e regularizado pelo decreto 12.071, de 24 de abril de 2010, portanto, há pouco mais de um ano, é, no entender de José Cisino, o que pode reverter o passivo ambiental. O Plano envolve um conjunto de ações relacionadas ao licenciamento de atividades vinculadas ao agronegócio, ao cadastramento de propriedades, ao uso do solo, à recuperação de matas ciliares e à definição e localização de reserva legal. “Enfim, é a solução para resolver o passivo ambiental da região e agilizar a emissão de licenças”, disse. O plano foi desenvolvido conjuntamente por Governo, produtores e pela ONG americana The Nature Conservancy (TNC), em defesa do meio ambiente. Recentemente, o governo do Estado da Bahia, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), cadastrou diversas propriedades rurais na região através do Plano. Segundo José Cisino, foram cadastrados cerca de 70% das propriedades da região, mas ele espera maior participação dos agricultores. “Os cadastrados, quando aderem ao plano, podem iniciar a recuperação ambiental, adequando-se à legislação ambiental, instituindo a reserva legal do imóvel e a recuperação da área de preservação permanente”, disse. O problema, ainda que confirmado com discrição por José Cisino, é a morosidade com que as coisas acontecem. José Cisino faz parte da Comissão Administrativa Técnica para Regularização Ambiental (Catra), criada por ocasião da Bahia Farm Show, realizada em Luís Eduardo Magalhães na virada de maio para junho, durante cinco dias. A Catra tem o objetivo de orientar os produtores na elaboração dos projetos de adequação das propriedades. Na ocasião, também foi assinado o Plano de Adequação de Propriedades Rurais, pelos secretários estaduais do Meio Ambiente, Eugênio Spengler, da Agricultura, Eduardo Sales, e pelo vice presidente da Aiba, Sergio Pitt. O plano tem como meta definir

O Plano Oeste Sustentável foi criado pelo Governo do Estado para a regularização ambiental dos imóveis rurais da região do Estado da Bahia. O plano foi desenvolvido pelas secretarias estaduais da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), e do Meio Ambiente (Sema), e o Instituto do Meio Ambiente (IMA, atual Inema), em parceria com a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba). O Plano envolve um conjunto de ações relacionadas à gestão ambiental, licenciamento de atividades vinculadas ao agronegócio, cadastramento de propriedades, uso do solo, recuperação de matas ciliares e definição e localização de reserva legal. O cadastro é feito de forma voluntária pelos produtores e busca a regularização da terra, contribuindo para corrigir o passivo ambiental existente na região. Os proprietários cadastrados passam aderir ao plano com o objetivo de iniciar a recuperação ambiental, quando for o caso, e a adequação à legislação ambiental, instituindo a reserva legal do imóvel e a recuperação da área de preservação permanente. Abaixo, a íntegra da lei 11.478, de 1 de julho de 2009, sancionada pelo governador Jacques Wagner, e posteriormente regulamentada pelo decreto 11.657, de 11 de agosto de 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei, Art. 1º - Fica aprovado o Plano de Adequação e Regularização Ambiental dos Imóveis Rurais, com o objetivo de promover a adequação ambiental dos imóveis rurais do Estado da Bahia, através da recuperação e regularização da reserva legal e das áreas de preservação permanente. Art. 2º - Para a adesão voluntária ao Plano Estadual de Adequação e Regularização Ambiental dos Imóveis Rurais, os proprietários ou posseiros rurais, pessoas físicas ou jurídicas, deverão requerer a regularização ambiental de seus imóveis junto ao Instituto de Meio Ambiente - IMA, assistidos por responsável técnico, observando os critérios, procedimentos e prazos fixados em ato normativo regulamentador do referido plano. Parágrafo único - O requerimento a que se refere o caput deste artigo deverá conter: I – formulário padrão com a qualificação pes-

Crisostomo Borges Filho. Nomeia como coordenadores José Cisino Menezes Lopes e Joselice Leone Lima Fonseca, do Inema. A morosidade apontada pelo diretor da Aiba ficou estampada na tentativa da reporCatra. A portaria conjunta entre as secre- tagem do Oeste Semanal de entrar em contatarias do Meio Ambiente e da Agricultura que to com o Inema ou o Ibama para falar sobre o cria a comissão tem o número 060 e foi assi- passivo ambiental. Primeiro, a reportagem nada em 31 de maio passado, na Bahia Farm teve dificuldades para obter o endereço do Show. Em seu artigo primeiInema na Internet. O instituro, a portaria define as funto não tem site próprio. ções da comissão, na qual Endereço e telefone foram Lei reduz José Cisino deposita suas encontrados noe sitee do esperanças de resolver os IMA e do Inga. A reportagem multa ambiental problemas com o passivo ligou para o Inema, em em até 90% ambiental da Bahia. O artigo Barreiras, às 15h30 da última diz que a Catra será composquarta-feira. Quem atendeu para quem ta por Aline Alves Leão dos ao telefone disse que “todos aderir ao Plano Santos, representante do já foram embora”. Quintagrupo ambiental TNC, por feira foi feriado nacional de Oeste José Cisino Menezes Lopes, Corpus Christi e sexta-feira, Sustentável Samuel Leite Lopes e Carlo Dia de São João, feriado Rodrigo Pereira Augusto, municipal em grande parte representantes da Aiba; por das cidades da Bahia, entre as Nailton Souza Almeida, Antônio Carlos quais Luís Eduardo Magalhães e Barreiras. Santos Araújo, Orliz dos Santos Santana, Ibama. A reportagem solicitou ao Ibama Uilian Costa de Almeida e Alessandro da Silva Oliveira, da Secretaria de Agricultura, alguém para falar sobre o assunto. O assessor Irrigação e Reforma Agrária (Seagri); e pelos que atendeu a ligação pediu que fosse enviarepresentantes do Inema Joselice Leone do um email com as perguntas. Cinco minuLima Fonseca, Heli Freitas Santos, Helayra tos depois, antes de o email ser enviado, o Mattos Ramos Macêdo e Denizar assessor ligou para a redação para perguntar quais as competências das Secretarias do Meio Ambiente (Sema) e Agricultura (Seagri), Aiba e municípios no processo de regularização ambiental.

ARQUIVO

§ 2º - A celebração de Termo soal do seu proprietário ou posde Compromisso poderá impliseiro e com dados do imóvel car redução de até 90% (novenrural: área total da propriedade ta por cento) do valor da multa e/ou posse (APRT), área de preimposta em autuação anterior, ser vação permanente (APP), ficando o IMA obrigado a motiárea de reserva legal (ARL), área var e circunstanciar o ato no para uso alternativo do solo competente processo. (AUAS), disponibilizando a ima§ 3º - Considera-se rescindigem digital da propriedade ou do de pleno direito o Termo de posse com a indicação de suas Compromisso, quando descumcoordenadas geográficas e prida qualquer de suas cláusumemorial descritivo; las, o que ensejará a execução II – declaração da existência imediata das obrigações dele de passivo da área de reserva JAQUES WAGNER decorrentes, inclusive quanto à legal e de preservação permamulta contratual e aos custos nente; III – cópia autenticada dos documentos pes- para a recomposição do dano ambiental, sem soais do proprietário ou posseiro e do engenheiro prejuízo das sanções administrativas aplicáveis à responsável, do comprovante do recolhimento de espécie. § 4º - Os termos de compromisso deverão ser Atestado de Responsabilidade Técnica (ART) específica da cer tidão atualizada da matrícula do publicados no Diário Oficial do Estado, mediante extrato, sob pena de ineficácia. imóvel rural ou comprovante de posse; Art. 5º - A regularização ambiental constitui IV – projeto de regularização ambiental do imóvel rural, no qual deverão constar as medidas que requisito prévio para o processamento dos pediserão implementadas para sanar o passivo dos de licenciamento de empreendimentos e atiambiental declarado e respectivo cronograma de vidades potencialmente poluidoras localizadas no execução, de acordo com roteiro disponibilizado interior de imóvel rural, no período de vigência do Plano de que trata esta Lei. pelo IMA. Art. 6º - As informações obtidas pelo Instituto Art. 3º - Cumpridos os requisitos previstos no art. 2º desta Lei e aprovada a viabilidade técnica de Meio Ambiente – IMA nos processos de regudo projeto de regularização ambiental do imóvel larização ambiental de imóveis rurais servirão rural, o Instituto de Meio Ambiente – IMA celebra- para atualizar o Cadastro Estadual Florestal de rá Termo de Compromisso, com vistas a promo- Imóveis Rurais – CEFIR, que se constitui no insver as necessárias correções ambientais existen- trumento de monitoramento das áreas de presertes nos imóveis e nas atividades ali desenvolvi- vação permanente, de Reserva Legal, de Servidão Florestal, de Servidão Ambiental e das florestas de das. Art. 4º - O Termo de Compromisso terá efeito produção, necessário à efetivação do controle e de título executivo extrajudicial e deverá conter, da fiscalização das atividades florestais, bem obrigatoriamente, a descrição de seu objeto, as como para a formação dos corredores ecológimedidas a serem adotadas, o cronograma físico cos, nos termos dispostos no art. 14, § 1º, da Lei estabelecido para o cumprimento das obrigações Estadual nº 10.431/06. Art. 7º - Fica o Poder Executivo Estadual autoe as penalidades a serem impostas, no caso de rizado a expedir Decreto a fim de regulamentar os inadimplência. § 1º - No prazo de vigência do Termo de critérios, os procedimentos e os prazos para a Compromisso ficarão suspensas, em relação aos operacionalização do Plano. Art. 8º - Esta Lei entrará em vigor na data de fatos que deram causa à celebração do referido instrumento, a aplicação de sanções administrati- sua publicação. Art. 9º - Revogam-se as disposições em convas contra o proprietário ou posseiro que o houtrário. ver firmado.

se o jornal era impresso ou se tratava-se de um site. Disse que recebera o email (ainda não enviado) e que iria dar retorno. Até o fechamento desta edição, na sexta-feira, 24, não houve retorno. Em relação à legislação, Cisino citou a lei nº 11.478, de 1º de julho de 2009, que aprova o Plano Estadual de Adequação e Regularização Ambiental de Imóveis Rurais (Plano Oeste Sustentável), entre outros pontos. Esta lei, no seu artigo 2º, determina que “para a adesão voluntária ao plano, os proprietários ou posseiros rurais, pessoas físicas ou jurídicas, deverão requerer a regularização ambiental de seus imóveis junto ao Instituto de Meio Ambiente – IMA (agora Inema), assistidos por responsável técnico, observando os critérios, procedimentos e prazos fixados em ato normativo regulamentador do referido plano”. A lei enumera os documentos a serem apresentados, entre os quais estão formulário com a qualificação do dono ou do posseiro; dados da propriedade, com demarcação das áreas de preservação permanente (APP), de reserva legal (ARL) e para uso alternativo do solo (AUAS), disponibilizando a imagem digital da propriedade ou posse com a indicação de suas coordenadas geográficas e memorial descritivo. A lei prevê, também, a redução da multa em até 90%, caso haja a adesão ao plano.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Operação do Ibama em 2008 foi pura pirotecnia

CIDADE/AGRONEGÓCIO

E O TR0NCO SUMIU ...

ARQUIVO

5

HENRIQUE CABELO

Sobre a agilidade na hora de fiscalizar e a lentidão nas emissões de licenças ambientais, a primeira lembrança que vem à memória dos agricultores do Oeste é a da Operação Veredas, feita em 2008, no intuito de “proteger o bioma do Cerrado no Oeste baiano”, conforme matéria da época da Assessoria de Comunicação do Ibama. No dia 6 de novembro de 2008, o fazendeiro Haroldo Uemura foi preso em Formosa do Rio Preto. As acusações eram de ter violado embargo feito em 2004 de área desmatada e de porte ilegal de arma. A área de 2.200 hectares utilizada para o plantio de soja estaria localizada na Fazenda Mauá, dentro do Parque Nacional Nascentes do Rio Parnaíba. Uemura foi autuado em R$ 440 mil. Segundo José Cisino Menezes Lopes, o então ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, desceu cinematograficamente de helicóptero, escoltado por jornalistas especialmente convidados, sobre a fazenda, vestindo um colete estilizado das Forças Armadas. “Ele errou o O que restou da árvore decepada na Avenida Enedino Alves poda de outras coincidia com a inauguração de loja da Ford Buriti. alvo. Não era esta fazenda. Era outra. da Paixão, no dia 15 de março passado, desapareceu. O toco Em entrevista a jornais da Cidade na época, o proprietário da Prendeu a pessoa errada”, disse Cisino, visto na foto à esquerda foi arrancado, certamente para sumir Ford Buriti, José Brandão, disse que contratara serviço de jardidestacando que a Operação Veredas com vestígio do crime ambiental. No lugar da árvore morta foi nagem “com o objetivo de apenas dar manutenção através da poda embargou mais de 12 mil hectares de áreas plantada muda, certamente para amenizar o crime. de duas árvores e substituição de uma muda de planta por outra de no Oeste baiano, com o valor das multas espécie mais adequada, ornamental e de mesmo tamanho”. Na época, este jornal nencionou que o corte raso da árvore e ultrapassando R$ 6 milhões. A região fiscalizada pela Operação Veredas, segundo material divulgado pela Assessoria do Ibama na época, ficava próxima à divisa da Bahia com os estados do Tocantins e Piauí, à Brasileira, como os princípios da Inocência Cisino conclui: “Em síntese, prendeu-se, daqui para a frente ganhará outra dimensão. margem esquerda do rio São Francisco, banha- e da Ampla Defesa e a Garantia do Direito de mostrou-se a prisão, fez-se propaganda Estamos empenhados em resolver as da pelas bacias dos rios Grande, Preto, Corrente Propriedade, restou ao produtor lutar para negativa, para depois apurar-se que tudo questões que entravam a produção”, disse. Cisino lembra ainda das restrições que e Carinhanha, formada por 29 rios perenes, provar que não era culpado. O Ministério e o não passava de um engano”. cujas bacias atingem 62.400 Ibama o acusavam de voltar Outro tiro errado do Ibama lembrado muitas empresas compradoras dos produquilômetros quadrados, o que a desmatar uma área pela pelos agricultores foi o embargo às obras do tos fazem a quem tem algum problema equivale a 82% das áreas dos qual, no passado, sofreu uma aeroporto de Luís Eduardo Magalhães. O ambiental. “Este é o maior problema do O então ministro cerrados. autuação de validade duvi- embargo prevaleceu por mais de um ano laudo técnico mal feito. A multa, o O então presidente da dosa, já que sua área, assim até que se descobriu que a área suposta- empresário paga e acaba. O laudo não. Ele é Carlos Minc Aiba, Humberto Santa Cruz, como a de outros produ- mente desmatada detectada por Minc em perene”, disse. José Cisino lembra, ainda, errou de atual prefeito de Luís tores, havia sido excluída da 2008 era de pastagem e devidamente licen- que a associação não correrá mais atrás de Eduardo Magalhães, redigiu área do Parque por sentença ciada pela proprietária à época, a Agronol, quem ainda não fez o acordo. “É preciso fazenda e um manifesto de repúdio à da 17ª Vara Federal de que a doou para a construção do aeroporto. que os produtores participem. Tem gente prendeu a que paga para ver”, disse, em alusão aos que ação do então ministro do Brasília. Porém, esta decisão Participação geral. O diretor do depar- estão esperando para ver se o programa de Meio Ambiente. No docufoi contestada pelo Ibama, pessoa errada mento, Santa Cruz pleiteava através de recurso que tamento de Meio Ambiente da Aiba destaca regularização vai funcionar ou não. Sobre a instalação de esmagadora de soja que Carlos Minc assumisse o tramita hoje no Superior que a solução para resolver o problema de erro e pedisse desculpas ao sr. Tribunal Regional, concluso demora na emissão de licenças e agilidade em Barreiras pelos chineses, Cisino vê o Haroldo Uemura. Santa Cruz lembra, no para novo julgamento. Vale ressaltar que, na fiscalização está na participação dos fato de duas formas. A primeira é a que deve manifesto, que a notícia da prisão de Uemura desde a primeira autuação, Haroldo agricultores e sua adesão ao Plano Oeste aquecer os mercados local e regional do havia sido publicada com destaque no site do Uemura não descumpriu o embargo”, diz Sustentável para regularizar as terras e produto. “Mas também pode gerar pequenos problemas na relação que já Ministério do Meio Ambiente, além de ser Santa Cruz no manifesto. O então presi- passar a produzir legalmente. “É preciso zerar este passivo ambiental e existe com os compradores habituais que propagada por diversos meios de comuni- dente da Aiba acrescenta que “somente cação. após a soltura de Uemura se descobriu o conquistar a adesão de todos os agricultores estão instalados na região há anos, com “Surpreso, vendo ser feridos seus direitos erro: o auto de infração e a real localização ao programa de regularização. Os produtores janelas curtas para antecipar a compra da têm que entender que qualquer problema produção antes da safra”, disse. fundamentais, previstos na Constituição da Fazenda Mauá não coincidem”.

O SURGIMENTO DO INEMA O projeto de lei 19.100/2011, que cria o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema) foi aprovado na Assembléia Legislativa da Bahia na sessão do último dia 27 de abril. O Inema foi criado a par tir da unificação dos Institutos do Meio Ambiente (IMA) e de Gestão das Águas e Clima (Ingá). Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, o Inema foi criado como uma autarquia vinculada à secretaria, responsável por executar as políticas

estaduais de Meio Ambiente e de Proteção à Biodiversidade; de Recursos Hídricos; sobre Mudança do Clima e de Educação Ambiental. Por sua vez, a Secretaria continuará a planejar, coordenar e super visionar a política estadual e diretrizes gover namentais para o meio ambiente, a biodiversidade e os recursos hídricos. A principal motivação da unificação dos institutos (Ima e Ingá) é proporcionar mais comodidade para os usuários do Sistema Estadual do

Meio Ambiente (Sisema), através da integração e for talecimento das políticas ambientais e de recursos hídricos, além de trazer mais agilidade e qualidade aos processos. “A outorga, anuência prévia, o licenciamento ambiental e a supressão de vegetação, ou seja, instrumentos autorizativos, estarão reunidos em uma única diretoria dentro do Inema, tornando os procedimentos menos burocráticos e qualificados”, destacou o secretário estadual do Meio Ambiente, Eugênio Spengler.


6

AGRONEGÓCIO

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Acordo para conter volatilidade Ministros da Agricultura do G20 decidem aumentar produção para atender ao consumo mundial SISTEMAFAEP.ORG.BR

Da BBC Brasil/Agência Brasil s ministros da Agricultura do G20, grupo que reúne os países ricos e as principais economias emergentes, chegaram quinta-feira (23), em Paris, a um acordo para conter a volatilidade dos preços agrícolas e reforçar a segurança alimentar no mundo. A proposta da França, que preside neste ano o G20, foi integralmente aprovada na reunião ministerial que durou dois dias, apesar das divergências iniciais de países como a China, a Índia e a Austrália. Os ministros concordaram em aumentar a produção agrícola, necessária para atender ao aumento da demanda mundial e que deverá permitir também conter os aumentos dos preços das commodities. O documento final do encontro não indica números sobre o aumento da produção. No acordo, o grupo defende o aumento dos investimentos e de transferência de tecnologias aos países em desenvolvimento. No comunicado de 26 páginas divulgado

O

após a reunião, os ministros afirmam que, para alimentar a população mundial, que deverá ultrapassar 9 bilhões de pessoas em 2050, a produção agrícola deveria aumentar, segundo estimativas, em 70% nesse prazo e quase dobrar nos WAGNER ROSSI países em desenvolvimento. No Brasil, segundo o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, a produção agrícola deverá aumentar entre 3% e 5% ao ano na próxima década. Mas o excedente de exportação, por sua vez, deverá crescer em 10% ao ano, diz Rossi. Outro ponto importante do chamado "plano de ação para conter a volatilidade dos preços alimentares e sobre a agricultura", que prevê cinco ações, é a criação de um

banco de dados sobre a produção, o consumo e os estoques mundiais agrícolas. Esse banco de dados, batizado Sistema de Informação dos Mercados Agrícolas (Sima), que enfrentava resistências por parte da China e da Índia, será implementado rapidamente e ficará sob autoridade da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), disse o ministro francês, Bruno Le Maire. O G20 decidiu também ampliar a coordenação política do grupo. O objetivo é evitar medidas como as adotadas no ano passado pela Rússia, que suspendeu suas exportações de trigo devido à seca e aos incêndios no país, provocando a explosão dos preços do produto.

Coordenação. O comunicado diz que as restrições às exportações agrícolas destinadas à ajuda humanitária serão suprimidas. "Não vamos mais aceitar decisões unilaterais de países que, por razões de seca ou de inundação decidam suspender suas exportações", disse Le Maire. O quarto aspecto do plano francês prevê a

"redução dos efeitos da volatilidade de preços para os (países) mais vulneráveis". Isso permitirá, segundo a proposta, "reforçar a segurança alimentar mundial", com a criação de "reservas de emergência" e instrumentos por facilitar o acesso ao crédito. O texto do acordo é, no entanto, vago em relação à regulação dos mercados financeiros de commodities, último aspecto do plano francês. A França defende a iniciativa como uma maneira de lutar contra "os abusos dos mercados", ou seja, a especulação em relação aos preços dos produtos agrícolas. Os ministros da Agricultura afirmaram a "necessidade de regular os mercados de derivativos de matérias primas". Mas a decisão e as modalidades dessa iniciativa caberão aos ministros das Finanças do grupo, que se reunirão em setembro. Os países que compõem o G20 são responsáveis por 85% da produção agrícola mundial. Esta foi a primeira vez que o tema da agricultura foi discutido em uma reunião do grupo, sob iniciativa da Presidência francesa.

Sr. empresário. Não esconda seu anúncio. ADE

M E S

L A AN A

ID

ST

Oeste

AC

Anuncie no jornal que tem o melhor conteúdo, a maior circulação* e é o mais lido de Luís Eduardo Magalhães.

EM REV

I

77 3628-0686 oestesemanal@diariodooeste.com.br (*) 5 mil exem pla res são dis tri buí dos sema nal men te, por ta-a-por ta, a lei to res com maior poder de com pra de Luís Eduardo.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

AGRONEGÓCIO

7

Super operação fiscal na safra Combate à sonegação em 36 municípios do Oeste tem 157 fiscais, 80 policiais e 23 viaturas Da Assessoria de Imprensa do Governo da Bahia O bom desempenho obtido nos dois primeiros anos da Operação Mimoso do Oeste, maior ação fiscal planejada pela Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz) para controlar o escoamento da safra de grãos e a entrada e saída de mercadorias na região Oeste da Bahia resultou na realização da terceira edição da ação, que em 2011 acontece este mês e em setembro. A Mimoso do Oeste III é realizada pela Sefaz, por meio da Inspetoria de Fiscalização de Mercadorias em Trânsito da Região Sul (IFMT-Sul), com a participação de servidores fiscais das regiões Norte e Metropolitana, além da Polícia Militar. No total, integram a operação 157 servidores da Sefaz, entre agentes de tributos e auditores fiscais, 80 policiais e 23 viaturas.

Corredores. A Mimoso do Oeste III abrange 36 municípios, sendo os principais Barreiras, Luis Eduardo Magalhães, Bom Jesus da Lapa, Correntina e Santa Maria da Vitória, de forma a cobrir os principais centros fornecedores de mercadorias e seus cor-

redores de abastecimento. As vias fiscaliza- base o controle efetivo da circulação de merdas são as BRs 242, 020, 135, 349 e 122, e as cadorias na região, por intermédio do BAs 161, 172, 451, 225, 462, 458 e 460. Quanto aumento do número de fiscais nas divisas da aos produtos, foram feitos mapeamentos das Bahia com Goiás, Tocantins e Piauí, e ainda a culturas do algodão, milho, feijão, café e soja. ampliação do número de Unidades Móveis A estimativa de produção da safra 2010/2011 de Fiscalização. no Oeste da Bahia é de 6,1 milhões de Essas unidades funcionarão com plantões toneladas. permanentes nas vias de acesso aos principais “Esta ação justifica-se em municípios e fortalecendo o razão da importância da monitoramento de segmenregião Oeste como maior tos comerciais, industriais e Foco da ação da produtora de grãos da Bahia de serviços de transportes da Secretaria de e com grande desenvolviregião. “O objetivo é controlar mento sócio-econômico voltoda entrada e saída de merFazenda é nos tado para o agronegócio, cadorias, por meio da verifimunicípios de tendo as cidades de Barreiras cação da documentação fise Luis Eduardo Magalhães cal, conferência dos produtos, Luís Eduardo como centros de distribuição verificação da antecipação e Magalhães e e abastecimento”, explica o da substituição tributária. gerente de Fiscalização do Também serão monitorados Barreiras Trânsito de Mercadorias da os principais contribuintes Sefaz, Eraldo Santana. algodoeiros e os que estão Além de ser considerada a autorizados ao uso de equipamaior matriz produtiva do estado, com cultu- mentos Emissores de Cupom Fiscal (ECF) e ras já consolidadas como as da soja, algodão, do tipo POS, utilizados nas vendas com carcafé e milho, a região Oeste é o portão de tões de crédito e débito, além dos contribuinentrada de açúcar e álcool produzidos no tes obrigados a emitirem da Nota Fiscal Mato Grosso e Goiás. A operação tem por Eletrônica (NF-e)”, afirma o inspetor

Unificação do limite de crédito afeta produtores Da Assessoria de Imprensa da CNA A unificação do limite de crédito de R$ 650 mil para todas as culturas, prevista no Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2011/2012, anunciado pelo governo federal, pode prejudicar produtores que colhem mais de uma safra por ano. A avaliação é do presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas (CNCFO) da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Mário Schreiner, ao falar sobre a alteração na forma de contratar o financiamento de crédito rural. “Essa unificação prejudica produtor de algodão e milho, por exemplo. Antes, ele podia pegar financiamento para as duas culturas, mas agora ele vai ficar limitado a apenas uma”, afirmou Schreiner, que também preside a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG). Ele explica que, anteriormente, o limite fixado no PAP variava de acordo com o tipo de lavoura, mas neste ano o teto será de R$ 650 mil para todos os produtores que aderirem ao

José Mário Schreiner

Carlos Sperotto

financiamento. Ou seja, o critério não será mais por tipo de lavoura e, sim, por CPF. “Além disso, o financiamento da safrinha também ficou prejudicado, já que agora o produtor poderá obter crédito apenas uma vez por safra”, disse José Mário Schreiner. Outro ponto negativo mencionado pelo presidente da

Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA foi a redução do preço mínimo da saca de 60 quilos do feijão em 10%, que caiu de R$ 80 para R$ 72, com o anúncio do PAP 2011/2012. Mas ele também citou medidas importantes no PAP, como a criação de linhas especiais de crédito para a compra de reprodutores e matrizes. Pelo plano, os produtores poderão contratar até R$ 750 mil para adquirir reprodutores e matrizes bovinas e bubalinas. Outro ponto positivo mencionado foi a criação da linha de crédito para a lavoura de cana, de até R$ 1 milhão por produtor. Já o vice-presidente da CNA e presidente da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), Carlos Sperotto, lamentou o fato de a cultura de arroz não ter sido contemplada no PAP 2011/2012, o que é preocupante. “É lamentável que no momento em que se ressalta a grandiosidade da agropecuária nacional, um produto tão importante como o arroz fique só nas promessas”, disse Sperotto.

Pronamp. Apesar da crítica, o vice-presidente da CNA destacou como positivo no plano a ampliação de 48,2% dos recursos destinados ao Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e o aumento dos limites de custeio e investimento no âmbito do Pronamp, de R$ 400 mil e R$ 300 mil, respectivamente. Carlos Sperotto destacou, ainda, o aumento de 6% do montante voltado para financiar o custeio e a comercialização da próxima safra. Ao todo, serão R$ 80,2 bilhões, sendo que R$ 64,1 bilhões poderão ser contratados a juros controlados de 6,75% ao ano. O restante, R$ 20,5 bilhões, será destinado ao financiamento dos investimentos.

Fazendário de Barreiras, Miguel Medrado. “Os prepostos fiscais foram previamente instruídos sobre as principais irregularidades que ocorrem nessa região. O trabalho conjunto entre as Inspetorias de Fiscalização de Estabelecimentos e de Trânsito, inclusive com o deslocamento de servidores de outras regiões, reflete a realidade da Sefaz de desenvolver um trabalho articulado e planejado”, diz o superintendente de Administração Tributária da Sefaz, Cláudio Meirelles.

A primeira. A coordenação das atividades da ação está sob a responsabilidade da IFMTSul, que acompanha todo o andamento do trabalho via os supervisores alocados diretamente para a operação, com o intuito de orientar e apoiar a equipe quando necessário. A Gerência de Mercadorias em Trânsito e a IFMT realizarão reuniões mensais para monitorar e avaliar o desenvolvimento da operação.  A primeira operação foi realizada em 2008 e registrou 835 autuações, com quase R$ 3 milhões de créditos recuperados. Na segunda, no ano passado, foram lavrados 845 autos de infração e recuperados R$ 9,9 milhões aos cofres estaduais.

Ministra Izabela vai propor vetos ao Código Florestal Agência Brasil Se não houver alterações no texto do novo Código Florestal, que ainda será submetido à votação no Senado, a ministra do Meio Ambiente, Izabela Teixeira, pretende recomendar à presidente Dilma Rousseff que vete alguns artigos do projeto. Segundo a ministra, o relatório apresentado pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) tem pontos que precisam ser “aperfeiçoados”. A ministra adiantou que visitará o Senado, na próxima semana, para conversar sobre a proposta. “A expectativa é ampliar o diálogo e sugerir aperfeiçoamentos para ter como resultado um texto que permita segurança jurídica e concilie os interesses da agricultura e da preservação do meio ambiente”, disse a ministra. “O ambiente, nas consultas que tenho feito, é de otimismo, de diálogo e de busca de aperfeiçoamento.” Entre os pontos do texto que precisam ser revistos está a autorização de uso das áreas de preservação permanente (APPs) já ocupadas para atividades agrossilvipastoris, ecoturismo e turismo rural, desde que o desmatamento tenha ocorrido até 22 de julho de 2008, assinalou Izabela. Com isso, acrescentou, o novo código dará tratamento igual para quem cumpriu e para quem descumpriu a lei. “Qualquer leitura que leve à anistia a desmatadores é inaceitável.” A ministra também citou pontos positivos do texto. Entre eles, as regras para restauração da reserva legal e a compensação para preservação do mesmo bioma. A reserva legal, esclareceu, é uma área de propriedade rural necessária à conservação da biodiversidade e à proteção de fauna e flora. O tamanho varia de acordo com a localização.


8

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° julho de 2011

CIDADE

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° julho de 2011

CIDADE

9

FOTOS DE HENRIQUE CABELO

Cidade faz a festa de São João no Santa Cruz RAUL MARQUES Da Oeste Comunicação erca de 10 mil pessoas participaram na quinta-feira, 23, da abertura da festa São João promovida pela Prefeitura no bairro Santa Cruz, em frente ao Mercado Municipal, em Luís Eduardo Magalhães. O prefeito Humberto Santa Cruz abriu oficialmente o evento com um discurso de boas vindas, às 21h40; depois, caminhou entre as barracas, cumprimentando todos os barraqueiros, acompanhado de diversos vereadores, secretários e assessores. Às 23 horas, ele acendeu a tradicional fogueira de São João. Santa Cruz estava feliz com a união de todos em torno da festa. “Esta é a verdadeira festa de São João de uma cidade. C om danças, animação, brincadeiras. Todas as barracas uniformes, com espaço para quem quiser sentar e conversar com os amigos. Estou muito feliz com a integração de todos em torno deste espaço que vai ser usado para grandes eventos”. Humberto Santa Cruz fez questão de elogiar o trabalho de todos os funcionários da prefeitura e das secretarias que fizeram um mutirão para montar a festa. “Antes, várias festas eram realizadas em Luís Eduardo. Agora, não. Agora, temos a festa do São João que esta cidade merece”, disse, prometendo repetir a dose sempre que for possível.

C

Cenário de festa. Quem chegava ao local do São João no Santa Cruz tinha um excelente cartão de visita. Por volta das 19 horas, o parque de diversões se sobressaía. Roda gigante e carrinhos bate-bate eram o destaque. Gente de todas as idades – crianças, jovens, adultos e idosos - percorria cada brinquedo. Na barraca da bola, alguns tentavam a sorte entre o clube sorteado. Três chances para ganhar. Ao lado, uma barraca de dados, também para testar a sorte de cada um. Entre os pontos de diversão, o mais disputado era o das argolas, com prêmios em dinheiro que podiam chegar a R$ 100. Em frente ao parque de diversões, uma fileira de banheiros químicos servia a quem foi à Praça de Eventos. A festa esquentou a partir das 20 horas, quando começaram a se formar filas para andar entre as barracas, tal a quantidade de gente. Na rua à direita do palco, vários barraqueiros serviam pastéis, salgadinhos e bebidas. Algumas barracas serviam churros e maçã do amor. Outras serviam a tradicional pipoca, própria das festas simples e inesquecíveis. Ao lado do mercado Municipal, estava arma-

da a fogueira; fogos de artifício também estavam prontos para serem acesos pelo prefeito. No final da rua, estavam montadas as instalações da Cipe-Cerrado e da Guarda Municipal. Ao todo, eram 30 homens, 15 de cada corporação. Em frente ao palco, formava-se o público para acompanhar a disputa das quadrilhas, Ao redor, várias pequenas lanchonetes, todas com quitutes típicos das festas juninas, bebidas e muitos amigos conversando. Em cada uma delas, formavam-se grupos de conhecidos, interessados em ficar no melhor ponto. Na rua à esquerda do palco, mais bares e áreas de lanche, com a animação muitas vezes feita com som próprio. Enquanto o som da festa tocava até clássicos brasileiros como Tico Tico no Fubá, ao ritmo de forró, algumas barracas arriscavam-se a diversificar o gosto musical colocando para tocar CDs de cantores como Reginaldo Rossi e Amado Batista. As crianças animavam o miolo do pátio correndo e fazendo suas brincadeiras em torno de dois pequenos coretos armados. A quadrilha junina “Flor do Cerrado”, da 3ª idade (grupo do Promati), abriu a noite, surpreendendo pelo entrosamento e fôlego dos dançarinos. Mas a apresentação oficial, do 2º Festival de Quadrilhas de Luís Eduardo Magalhães ficou por conta das quadrilhas “Balanço Baiano” e “Cai Mas Não Cai”. A “Balanço Baiano” apresentou ao público a saga do retirante nordestino, com direito a encenação teatral. Já a “Cai Mas Não Cai” trouxe a animação das quadrilhas do sertão com o tema da preservação do meio ambiente. Depois apresentaram-se as bandas Farol de Fusca, Kravo e Kanela e Manos do Sucesso.

Final da festa. No fechamento desta edição, na noite de sexta-feira, 24, a festa prosseguia. A programação incluia apresentações das quadrilhas Tira o Pé da Brasa e Virou Mexeu e das bandas Forró nu Talo, Forró Perfeito e Baião de Dois. Neste sábado, 25, estão programadas a apresentação da dança do Boi Bumbá, pelo Grupo Jovem do bairro Conquista; a entrega dos prêmios aos vencedores do Festival de Quadrilha, sendo o principal deles uma moto; as apresentações da dança do Boi Cordão – Boi Mimoso e da quadrilha vencedora; e shows das bandas AZ da Pitanga, Domínio e Fuzuê. A Escola Ivo Herig também será premiada, por ter sido a maior arrecadadora de garrafas pet usadas na cenografia do São João.

WILSON LIMA/PREFEITURA MUNICIPAL

No alto, a multidão em frente ao palco; à esquerda, o prefeito Humberto Santa Cruz acende a fogueira; à direita, o prefeito e a secretária Maira de Andrada Santa Cruz com a quadrilha Cai Mas Não Cai; embaixo, público entre barracas na chegada à festa e crianças brincando no parque infantil; à direita, jogo de argola.


10

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

SEBASTIÃO NERY Não vale o escrito

“Vale o escrito.” Minhas crônicas, Serpa, são como o “Constantino”. Valem o escrito. E voltou para o uísque mineiro e generoso de Fernando Sabino.

RIO – 14 de dezembro de 1968. O Brasil acordou com o AI-5 na cabeça e o ministro da Justiça Gama e Silva com a ressaca na boca. Iracema Silveira, mulher de Joel Silveira,telefonou cedo para Rubem Braga: - Prenderam Joel. Cuide-se. - Vou tomar uma providência. E fugiu. Foi para a casa de Fernando Sabino. À tarde, ligou para a casa dele, em Ipanema, a empregada tinha notícias: - Chegaram aqui dois homens de cabelinhos cortados, com um jipe lá embaixo, procurando o senhor.

Dirceu e Palocci

Adonias

Braga

Fernando e Rubem telefonaram para o escritor Adonias Filho, amigo do general Sizeno Sarmento, rei da Vila Militar. Daí a pouco, Adonias, baiano solidário e eficiente, chamou: - Falei com o Sizeno, ele disse para o Rubem ficar onde está e aguardar instruções. Rubem ficou três dias onde estava: no uísque de Fernando. Adonias ligou de novo: - Rubem, você vai ser ouvido, mas não vai ser preso. Será ouvido por um ex-colega seu da FEB, o coronel Andrada Serpa. Amanhã, 8 da manhã. - Não pode ser às 10? 8 é muito cedo.

Rubem chegou ao quartel, o coronel Serpa o esperava: - Dr. Rubem, bom-dia. - Um momento, coronel. Se vai me tratar com cerimônia, me chame de embaixador e eu o chamo de coronel. Sem cerimônia, sou Rubem e você é Serpa, o Rubem e o Serpa da FEB lá na Itália. Rubem depôs até às 9 da noite. As crônicas de Rubem estavam todas sobre a mesa do coronel, marcadas, grifadas em lápis vermelho forte. E o coronel investigando: - O que é que você quis dizer com estas frases aqui, Rubem? - Serpa, você conhece o “Constantino”, aquele jogo do bicho de Niterói? A pule diz assim:

Esse foi o problema do governo de Lula e é o do governo de Dilma : nunca vale o escrito. O PT não deixa. Para o PT, o escrito não vale nada. O ex- procurador-geral da República Fernando Souza acusou (e o Supremo Tribunal concordou, recebeu a denúncia e abriu o processo) que o Mensalão era “uma organização criminosa” e José Dirceu o “chefe da quadrilha”. Lula defendeu Dirceu, dizendo que não houve mensalão, mas “só caixa dois, que todo mundo faz”. Não valia o escrito. Palocci primeiro negou depois foi obrigado a confessar que faturou R$ 20 milhões durante a campanha de Dilma, da qual era coordenador, e desses, R$ 10 milhões entre a vitória e a posse, quando era chefe da Comissão de Transição e já convidado para a Casa Civil. Lula defendeu Palocci e foi ao palácio pressionar Dilma para não demiti-lo, porque “o que ele fez todo mundo faz”. Não valia o escrito. É o catedrático da corrupção.

Aldo O deputado Aldo Rebelo, do PC do B, da

base do governo, preparou, como relator, o projeto do Código Florestal. Na Câmara, o PT cruzou os braços e o PMDB votou contra, derrotando Dilma. Não valia o escrito. O governo mandou para o Congresso estranha Medida Provisória modificando a Lei de Licitações, para manter sigilosas as contratações de obras da Copa e das Olimpíadas. Sarney aproveitou para vingar-se de Dilma, que nomeou presidente da Embratur seu adversário, o ex-deputado Flavio Dino, do PC do B do Maranhão, vetado por ele. Sarney declarou que a MP não seria aprovada. O governo recuou. Não valia o escrito. O governo também mandou para o Congresso projeto fixando tempo de sigilo para os documentos secretos do país. Os expresidentes José Sarney e Fernando Collor discordaram por acharem que alguns precisavam ser resguardados indefinidamente. O Planalto recuou. Não valia o escrito.

Sarney Sarney gastou uma fortuna para a jornalista Regina Echeveria escrever e a editora portuguesa Leya publicar “Sarney, a Biografia”. Terça-feira, no Globo, Ancelmo Gois o destruiu em duas frases: - “Dos 50 municípios mais pobres do pais, 32 estão no Maranhão. Sai pesquisa entra pesquisa e uma coisa não muda no Brasil : o Maranhão de Sarney continua o mais pobre dos pobres”.

Porco à paraguaia reúne mais de mil pessoas

IGREJA LUTERANA

DA REDAÇ‹O Com o objetivo de angariar fundos para a construção da nova sede em Luís Eduardo Magalhães, a Congregação São Lucas da Igreja Evangélica Luterana do Brasil realizou, neste domingo, 19, almoço festivo que contou com a participação de mais de 1.000 pessoas, no Centro de Convenções Nossa Senhora da Aparecida. O cardápio do evento foi porco à paraguaia, com muita salada, preparado pelos 120 membros da congregação. O pastor Nazareno Degem, que comanda a igreja na cidade, disse estar entusiasmado pela participação de toda a comunidade no evento. “Estamos crescendo e participando cada vez mais da nossa cidade. Com a construção da nossa igreja, teremos mais espaço para aumentar nossa ação social na comunidade”, disse. A nova sede da Igreja Luterana em Luís Eduardo Magalhães será construída na Rua Espírito Santo, quadra 78, no Mimoso 2. Os cultos são realizados naquele local, em dias alternados. Nas primeira e terceira semanas de cada mês, acontecem aos domingos, às 8:30h; nas segunda e quarta semanas, os cul-

Participantes são servidos numa das mesas com arroz, legumes, verduras e carne de porco preparada à moda paraguaia. tos são realizados aos sábados, às 19:30h. O pastor Nazareno Degem é mais um que defende a participação ecumênica de todas as igrejas e congregações na solução de problemas de Luís Eduardo Magalhães. “Não importa o credo ou a igreja. É muito importante a participação de todos do ponto de

vista cristão para que haja uma sociedade mais justa, mais sincera, mais humana, mais cristã”, disse Degem. Capixaba, nascido em Domingos Martins, e com passagem por importantes cidades brasileiras, tal qual Joinville, em Santa Catarina, Nagem informou que no próximo dia 24 a

Igreja Evangélica Luterana do Brasil estará comemorando 107 anos da chegada dos primeiros missioneiros ao País, em São Pedro do Sul, no Rio Grande do Sul, para a evangelização. Mais de 250 mil pessoas formam hoje a Igreja no Brasil. “A data será comemorada em todas as congregações”, disse.


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Algodão: exministro vem falar sobre tendências DA REDAÇ‹O O ex-ministro da Fazenda do Governo Sarney Maílson da Nóbrega, hoje consultor, virá a Luís Eduardo Magalhães no próximo dia 8 de julho, para participar do Encontro Técnico do Algodão, promovido pela Abapa. O ex-ministro falará sobre a economia global e as tendências do agronegócio e do algodão. A palestra será às 19h30, no Hotel Saint Louis. O encontro técnico prosseguirá no dia 9, sábado, com palestras na Fundação Bahia: às 8h40 às 10h, as palestras serão sobre novas cultivares de algodão, pelos professores Murilo Barros Pedrosa, da Fundação Bahia, e Camilo de Lelis Morello, da Embrapra Algodão; e sobre algodões de fibras longas e extra-longas – mercado e manejo específico, pelo consultor Eleusio Curvelo Freire, da Cotton Consultoria. Das 10 às 10h30, haverá a palestra “Manejo do solo pra o controle do mofo branco na cultura algodoeira”, por Fernando Mendes Lama, da Embrapa Agropecuária Oeste, e Luiz Gonzaga Chitarra, da Embrapa Algodão. Das 11 às 11h30, haverá palestra e mesa redonda sobre análise técnica da atual safra, a cargo da Agrolem Consultores de Algodão. As inscrições para as palestras do dia 9, sábado, poderão ser feitas no local, das 7h30 às 8h40.

Liberados algodão e milho transgênicos Agência Brasil A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou a liberação comercial de algodão geneticamente modificado tolerante ao herbicida glifosato. O pedido de liberação do algodão foi feito pela multinacional Monsanto. A comissão liberou também o pedido da Du Pont do Brasil para a comercialização do milho transgênico desenvolvido pela empresa. O presidente da Comissão, Edilson Paiva, disse que o glifosato não traz risco à saúde da população. “A missão da comissão (CTNBio) é analisar ideologicamente esses organismos geneticamente modificados. Se foi aprovada para liberação comercial, é que as análises mostraram que ele deve ser tão seguro quanto as suas versões convencionais”, disse. A CTNBio aprovou ainda duas vacinas contra doenças que afetam as aves, a bouba, que causa lesões nas pernas e na cabeça do animal; e a laringotraqueíte, doença respiratória altamente contagiosa causada por um herpes vírus. As duas vacinas, segundo Edilson Paiva, são produzidas por técnicos de engenharia genética e vão ser usadas no combate à doenças aviárias, na indústria de produção de carne de aves.

CIDADE

11

Agora, onda de assaltos Em sete dias, seis pessoas, fazenda, lanchonete e pizzaria são assaltadas DA REDAÇ‹O o descer de seu carro para abrir o portão de sua casa, na rua 21 de Abril, no Jardim Paraíso, em Luís Eduardo Magalhães, na madrugada de terça-feira, 21, Tessia Mirella Antunes Correia foi rendida por três homens, um deles armado com revólver. Ela foi obrigada a retornar ao veículo, onde estava uma amiga dela. Os três assaltantes seguiram com as duas mulheres até o pátio do posto Ursa, onde as deixaram, e fugiram com o veículo, encontrado horas depois por policiais militares, nas proximidades do motel Oásis. Os ladrões levaram R$ 600,00, um aparelho celular e um relógio de Tessia. Este foi um dos nove assaltos ocorridos desde o último sábado, 18, até sexta-feira, 24, em Luís Eduardo. Fato semelhante ocorreu por volta das 2h30 de sexta-feira, 24. Ao saírem da festa de São João do Santa Cruz, Raimundo Patrocínio Rodrigues da Silva e sua esposa foram rendidos por dois homens em uma moto, que fecharam o Fiat Palio do casal. Um dos assaltantes, que estava armado, mandou o casal passar para o banco de trás e passou a dirigir o carro, seguido pelo outro, na moto. O carro rodou por algumas ruas do bairro e pegou o BR 020/242, no sentido Barreiras, até as imediações do Parque Fioravani Galvani, onde o casal foi solto. Os ladrões fugiram com o carro, de placa NTW 7564. Os dois casos ilustram o fato de que, simultaneamente a uma onda de arrombamentos, Luís Eduardo Magalhães sofre agora uma onda de assaltos. Somente no dia 21, houve três deles. Os assaltos não se limitaram ao perímetro urbano, nem a pessoas. Até fazenda, lanchonete e pizzaria foram assaltados. Veja abaixo quais foram os casos registrados na Delegacia de Polícia de Luís Eduardo desde a última edição de Oeste Semanal, do sábado, 18, até sexta-feira, 24.

A

Fazenda. Dois homens chegaram até a Fazenda São Rafael, área rural de Luís Eduardo Magalhães , por volta das 9h de

terça-feira, 21, perguntando à esposa do caseiro se havia vagas de emprego. Como forma de distrair a mulher, um deles pediu um copo com água. Quando ela retornou com o pedido, um dos homens apontou uma arma e anunciou o assalto. Os desconhecidos exigiram que ela os levasse até a casa de seu patrão, o agricultor Élcio Rohr, 37 anos, e perguntaram se ele tinha alguma arma escondida. Assustada, a esposa do caseiro disse que não tinha informações sobre os bens de seu patrão. Os dois, então, a obrigaram a levá-los até o quarto do agricultor. Lá, eles vasculharam os móveis e encontraram uma carabina Rossi calibre 38 e um rifle calibre 22. Os dois roubaram as armas, além de munições, um aparelho celular e a chave de um veículo do caseiro.

Lanchonete. Três homens encapuzados assaltaram na madrugada de terça-feira, 21, a Lanchonete do Gaúcho, em frente à praça da Matriz, no Centro. No momento do assalto, por volta da 1h20, estava na lanchonete apenas o proprietário Paulo César da Silva Costa, 39 anos. Um dos assaltantes apontou um revólver contra o dono do estabelecimento e exigiu o dinheiro do caixa. Os ladrões levaram R$ 400,00 e um aparelho receptor Sky e fugiram em um Gol Bola prata. No Jardim das Acácias. O comerciante Paulo Cesar da Silva Costa foi assaltado quando caminhava pela rua Sucupira, nas proximidades do Posto de Saúde, no bairro Jardim das Acácias, por volta das 3h de segunda-feira, 20. Ele percebeu que um Gol preto se aproximava dele, em baixa velocidade. Um dos passageiros do veículo desembarcou e anunciou o assalto. Paulo César entregou os R$ 400,00 que estavam em sua carteira. Ele acredita que os ladrões tinham informações sobre o seu trajeto e de que levava o dinheiro. Salário de pintor. O pintor de paredes Gilberto da Silva Souza, 30 anos, caminhava

Dois mortos na 020/242 DA REDAÇ‹O O empresário Valnei Cerqueira Batista, 32 anos, e a estudante Joicy Danielle Borges Prado Silva, 19, morreram em acidente no sábado, 18, às 19h40, no Km 800 da BR 020/242, próximo ao Posto da Polícia Rodoviária Federal, em Barreiras. O carro em que estavam, o Toyota Corola placa NYT 3999, de Barreiras, que vinha no sentido Luís Eduardo, ficou descontrolado após uma curva, rodou na pista e bateu num bar-

ranco. De acordo com informações prestadas por testemunhas aos policiais, o veículo perdeu o controle quando passava em frente à sede da Embasa. Os dois ocupantes foram lançados para fora do veículo e faleceram instantaneamente. “Tudo leva a crer que as duas vítimas estavam sem o cinto de segurança, devido à violência com que foram jogadas para fora do carro”, disse o policial Veiga, da PRF. Outra suspeita é que o veículo estava em alta velocidade.

Motorista morre em choque com cavalo DA REDAÇ‹O O motorista Jackson Cordeiro de Souza, 37 anos, morreu em colisão do seu Celta placa JQE 5509 com um cavalo que estava na pista da BR 135, entre Monte Alegre e Formosa do Rio Preto, por volta das 19h de terça-feira, 21. O veículo seguia pela rodovia no sentido Formosa do Rio Preto quan-

do, na altura do km 66, o condutor do Celta avistou o animal na estrada. Ele não teve tempo de desviar o carro do cavalo. O Celta perdeu o controle e capotou na BR. Preso entre as ferragens, Souza agonizava quando foi atendido por socorristas da Samu. Ele morreu a caminho do Hospital Municipal Dr. Altino Lemos Santiago, em Formosa do Rio Preto.

por uma rua no Santa Cruz, proximidades do Bar Sensual Drink’s, na noite de segundafeira, 20. Por volta das 22h30, ele foi abordado por um homem que ameaçou agredi-lo caso não entregasse seus pertences. Apesar de o assaltante não mostrar nenhuma arma, Gilberto entregou a carteira com R$ 800,00 que recebera de salário, além de cartões bancários, crachá da empresa na qual trabalha e documentos pessoais.

De bicicletas. A vendedora Elisângela Nunes dos Santos, 27 anos, foi assaltada às 17h40 de segunda-feira, 20, em frente ao Colégio Constantino Catarino de Souza, no bairro Santa Cruz. Quando passava em frente ao estabelecimento de ensino, ela foi atacada por dois homens, cada um em uma bicicleta. Um deles apontou uma faca para a vítima e avisou que se ela gritasse ou fizesse qualquer movimento, ele a “furaria”. Os assaltantes levaram da vendedora uma carteira com documentos pessoais e um aparelho celular. Espetinho indigesto. Bastou um descuido para que Edilson da Silva Soares tivesse sua carteira levada por ladrões, no sábado, 18. Por volta das 23h, ele foi a uma banca de alimentos próxima à praça do bairro Santa Cruz, sem perceber que era vigiado por dois desconhecidos. Quando foi pagar por um espetinho que havia consumido, Edilson foi empurrado por dois homens que, em uma rápida ação, tomaram a sua carteira. Os dois fugiram rapidamente do local. Edilson teve levados cartões bancários, documentos pessoais e R$ 40,00 em dinheiro. Arrombamentos. A onda de arrombamentos em Luís Eduardo arrefeceu desde a última edição de Oeste Semanal. Do sábado, 18, até sexta-feira, foram registrados oito casos na Cidade. Com estes, o total de casos registrados desde 30 de abril aumentou para 65, em 54 dias.

Câmara aprova redução do ITBI A Câmara de Vereadores aprovou na terça-feira, 21, em primeira votação, a proposta do vereador Sidney Antonio Giachini, de redução do Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis Intervivos (ITBI-ITIV) para incentivar a regularização de imóveis em Luís Eduardo Magalhães. Pelo texto aprovado, o imposto será reduzido à metade pelo período de seis meses. A segunda votação deverá ocorrer na terça-feira, 28. O objetivo da lei é reduzir a quantidade de imóveis que estariam irregulares na cidade, com a falta de pagamento do tributo gerado pela negociação. Segundo o autor da lei, Sidney Giachini, a medida pode aumentar a arrecadação dos impostos na cidade e tranqulizar os moradores que encontram-se em débito com o município. Na última sessão, os vereadores aprovaram também a isenção de IPTU para donos de imóveis atingidos pelas enchentes no período das chuvas.


12

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

SOCIEDADE TIZZIANA OLIVEIRA tizzianaoliveira@diariodooeste.com.br

Brilho Acessórios Recentemente inaugurada pela empresária Danielle van der Broocke Campos, a Brilho Acessórios é uma loja de acessórios. A loja traz bijuterias, bolsas, chapéus e muitas outras novidades. Danielle, que morou 12 anos em Curitiba, traz peças exclusivas de São Paulo, Manaus e Curitiba, entre outras capitais, e também de Portugal.

Mulher passeadeira

CATHARINA Kappes Pineschi

GLADIS Poyer, Mônica Lisboa e Marli Di Domenico

Patrícia e Márcio

De idade nova princesinha Catharina Pineschi comemorou o seu primeiro aninho no domingo, 19. Seus pais Luiz Eduardo Pineschi e Angela Kappes Pineschi prepararam uma linda comemoração e aproveitaram o período junino como tema da festa. Eles receberam os convidados no Hotel Solar Rio de Pedras.

A

● Rafael Szychta e Georgia Szychta, pais de João Gabriel, prepararam na terça-feira, 21, uma festa no Colégio Mimoso do Oeste (CMO) onde ele estuda, para comemorar o terceiro ano de vida de João. Sua irmã Julia

Mais um enlace: Patrícia Alves Almeida e Márcio Almeida casam-se neste sábado, 25. A cerimônia será realizada na Igreja Nossa Senhora Aparecida, às 17h30. Após a cerimônia, os noivos recepcionarão os convidados no Espaço de eventos Quatro Estações.

também prestigiou a festinha, bastante animada, com o tema do filme “Carros”. ● Mônica Lisboa, proprietária da academia Bella Forma, festejou seu aniversário segunda-feira, 13, com almoço que preparou especialmente para suas amigas em sua residência, no Jardim Paraíso. A reunião teve a presença de 15 convidadas. Mônica aproveitou para colocar o papo em dia com as convidadas. ● Solange Vanni comemorou nova data na sexta-feira, 24; Josi Bublitz comemora sábado, 25; e Rute Granich, na segunda-feira, 27.

Na Skol Sensation

RAFAEL e Georgia Szychta com os filhos João Gabriel e Julia.

Dançando nas Ruas

RUI Eduardo Eidt e Aline Zulmira do Amaral Eidt; Soeni Cipolatto Morais e João Luiz Morais

Novos leões e domadoras O Lions Clube Mimoso do Oeste – Luís Eduardo Magalhães empossou na terça-feira,

21, novos integrantes em reunião festiva na sede da entidade. Os novos integrantes são João Luiz Morais e Soeni Cipolatto Morais; Rui Eduardo Eidt e Aline Zulmira do Amaral Eidt.

Karen Capeleto Francisco está sempre passeando. Ela aproveitou este feriado prolongado para novo passeio. No domingo, 19, ela viajou a Ribeirão Preto, SP, para visitar a irmã, e só retorna na segunda-feira, 27.

Na noite de sábado, 18, foi realizado, na Praça Pedro Albano Lauck, no Jardim Paraíso, em Luís Eduardo Magalhães, a festa do projeto de iniciativa privada Dançando nas Ruas, sob a batuta do professor Wscicleiton de Castro. Vários grupos se apresentaram no evento, entre os quais a quadrilha Flor do Cerrado, do Promati, da prefeitura, com integrantes da Terceira Idade. Mais de 150 pessoas tomaram parte da festividade, que contava com um carro de som para animar os participantes. No domingo, 20, o Dançando nas Ruas teve repeteco no bairro Santa Cruz.

Katty Trentin, Uilham Hillebrand, Tafarel Teixeira, Débora Francisco, Vinícius Fasolin, Eloisa Almeida e Carla Teixeira marcaram presença na terceira edição do Skol Sensation, que reuniu 40 mil pessoas no sábado, 18, no Anhembi, em SP. A maratona de seis horas e meia de performances, música eletrônica, cenografia, luz e magia contou com apresentações de DJs e público vestido inteiramente de branco. A festa teve como tema este ano “Os Mistérios de Wonderland”.

ELOISA, Katty, Carla e Débora.

Boa carne

PING-PONG

Adriano Kerber remodela a Kerber Carnes, para melhor atender à clientela.

Elizabeth Cardozo - Arquiteta e Urbanista Por que Luís Eduardo Magalhães? É a cidade do presente, porque já foi a cidade do futuro em 2005. Saudade: Do meu saudoso pai que já fez a passagem. Sonho: Ter um hotel perto da praia. Inspiração: A poesia arquitetônica, com impacto visual, sempre. Um desejo: Modificar as emoções das pessoas com minhas obras. Profissão: Minha vida, meu oxigênio.

Filhos: Um herdeiro que já entende as plantas. Livro: Capitães de Areia, de Jorge Amado. Lugar: Praia, sempre o mar. Viagem inesquecível: Porto Seguro, em 2010. Medo: Que a energia acabe. O que fazer sem energia elétrica?! E de lagartixa. Comida: Japonesa Pessoa: Meu pai e Milton Cesar Ferreira, duas pessoas admiráveis que já fizeram a passagem.

Arrependimento: Do que não fiz. Não Vive Sem: Música. Tecnologia: Todas, mas me enviem o manual, por favor. Futuro: Vou vivendo, pois o futuro está chegando muito rápido!


Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

ESPORTES

13

Seleções vencem 3 competições Jiu-jitsu, futsal e vôlei de Luís Eduardo ganham dois torneios interestaduais e um sul-americano PREFEITURA MUNICIPAL

LUCIANO DEMETRIUS Da Oeste Comunicação s seleções de futsal, de vôlei masculino e de jiu-jitsu de Luís Eduardo Magalhães venceram no último final de semana duas competições interestaduais e uma sul-americana, realizadas em Parnaguá (PI), Dianópolis (TO) e Salvador, respectivamente. No futsal masculino, a equipe comandada por Diogo Soares levantou o título da II Copa Comercial de Futsal, em Dianópolis (TO). O vôlei do técnico Claudio Balbino comemorou o primeiro lugar na competição em homenagem à emancipação de Parnaguá (PI). E o jiu-jitsu, dos alunos do professor Flávio Vidal, da equipe Edson Carvalho, ganhou 15 medalhas no Campeonato Sul-Americano, em Salvador.

contagem, estava 23 a 21 para eles (Parnaguá), mas nos disseram que já estava em 24 a 21”, disse. “Mas nós superamos tudo isso e viramos o jogo”, comemora. No final, vitória de Luís Eduardo por 29 a 27 e a conquista do título. A equipe campeã é formada pelo levantador Cleiton (Gago); pelos pontas Juliano, Shebba e Célio; meios de rede Kanu, Alex e Wair; oposto Rômulo; líbero Juninho.

Vôlei. Em Parnaguá (PI), a 605 quilômetros de Teresina, a seleção masculina de vôlei de Luís Eduardo superou sete equipes do Piauí e outras três da Bahia. Num dos confrontos, a seleção de Claudio Balbino esteve em quadra diante da de Formosa do Rio Preto, também baiana. Com vitória por 2 a 1 (parciais de 25/20; 22/25; 15/10), a seleção de Luís Eduardo disputou a decisão contra a seleção de Parnaguá. Na decisão, Luís Eduardo saiu em vantagem com 25 a 21 no primeiro set. No segundo, a reação da equipe da casa que venceu por 25 a 23. Nesta competição, as partidas eram em melhor de três sets. No último, Balbino disse que encontrou dificuldades com o adversário e também com a própria comissão organizadora do evento. Segundo ele, o set desempate foi até 25 pontos, quando o normal são 15 pontos. “Estranho foi que no terceiro set, pela nossa

Futsal. Em Dianópolis (TO), a seleção masculina de Luís Eduardo A SELEÇÃO de jiu-jitsu de Luís Eduardo levou o Sul-Americano, em Salvador. estreou na II Copa Comercial de Futsal no sábado, 19, com vitória sobre Los Salvador, cidade-sede do Campeonato Sul- 1º lugar; Naila Cristia Alencar (pesadíssimo – Galáticos, de Dianópolis, por 9 a 3. No mesmo Americano de Jiu-Jitsu. juvenil), 3º lugar; Deise Mendes (super-pesadia, a segunda vitória aconteceu diante da O esforço foi compensado com medalhas do/ infanto-juvenil), 1º lugar; Robson Miranda seleção de Rio da Conceição (TO), por 5 a 1. para os 15 atletas que disputaram a com- (pluma – infanto-juvenil), 3º lugar; Rodrigo No domingo, 19, já pelas semifinais, a vaga na petição no Clube da AABB. “O maior desafio Miranda (meio-pesado/ infanto-juvenil), 2º final foi garantida com uma goleada por 8 a 2 era com o preparo físico dos atletas. Viajar por lugar; Geneilson Amorim (pluma / infantosobre a seleção de Cavalcante (GO). Na quase mil quilômetros desgasta”, disse o juvenil), 1º lugar; Matheus Miranda (pena – decisão, vitória por 7 a 4 diante da Ki-Barato, treinador e também competidor Flavio Vidal. infanto-juvenil), 2º lugar; Victor Gomes de Novo Jardim (TO). Os medalhistas por Luís Eduardo, por (pluma – adulto) , 3º lugar. ordem de nome, peso e categoria são: Flavio Sidney Souza (leve – infanto-juvenil), 1º Jiu-Jitsu. Antes de enfrentar os adver- Vidal Muniz (categoria leve – sênior), 2º lugar; lugar; Obadias Bento (galo – infanto-juvenil), sários do Continente, os atletas de Luís José Wilson Rocha (pluma – master), 1º lugar; 1º lugar; Orlando Bento (pluma – infantoEduardo Magalhães precisaram encarar 947 Jackson Filipe Silva (galo-adulto), 1º lugar; juvenil), 1º lugar; Amanda Bispo (pesadíssiquilómetros de estrada para chegar até Elielton José (meio-pesado/infanto-juvenil), mo – infanto-juvenil), 1º lugar.

A

Oilem já teve jogos em 3 modalidades DA REDAÇ‹O A XI Oilem (Olimpíada Intercolegial de Luís Eduardo Magalhães) teve jogos disputados em três modalidades no sábado, 18, e domingo, 19. O futsal teve partidas realizadas nas categorias A (15 a 17 anos – masculino e feminino) e B (12 a 14 anos – masculino e feminino). O futebol society, na categoria A (masculino); e o vôlei, na categoria B (masculino). A competição prossegue na segunda-feira, 27, com jogos no basquete (categoria A/masculino); no futebol society (categoria B/masculino); no futsal (categorias A e B/masculino e feminino); no handebol (categoria B/masculino); no vôlei (categorias A e B/masculino e feminino) e vôlei de areia (categorias A e B/masculino e feminino; categoria A/feminino). No sábado, 18, na modalidade futebol society, os resultados na Categoria A (15 a 17 anos/masculino) foram: Monteiro Lobato 5 x 2 CMO; Angelo Bosa 0 x 4 CEMO; Ottomar 4 x 2 Constantino. Futsal (categoria A/feminino): Onero Costa 5 x 2 Cezer Pelissari; Ottomar 1 x 0 CEMO. Na categoria B (12 a 14 anos/feminino): Amelio Gato 2 x 11 Angelo Bosa; Escola São Paulo 6 x 0 Henrique de

Freitas; São Francisco 3 x 6 Ivo Hering; José Cardoso 1 x 7 Ottomar. Na categoria A/masculino: Ottomar 13 x 3 CEMAC; São Francisco 0 x 14 Angelo Bosa; Vânia Aparecida 0 x WO Cezer Pelisseri; José Cardoso 6 x 3 Onero Costa.  Na categoria B/masculino: Cezer Pelissari 5 x 7 José Cardoso; São Paulo 4 x 3 Henrique de Freitas; São Francisco 1 x 6 Monteiro Lobato; Amelio Gatto 1 x 15 Angelo Bosa; Irani Leite 1 x 0 Onero Costa; Cemac 10 x 1 Vânia Aparecida; Aldori Tolazzi 0 x 3 Amabílio Vieira; Ottomar 13 x 2 Ivo Hering. No domingo, 19, no futebol society, os resultados foram: na categoria A/masculino: CEMO 1 x 6 Ottomar; José Cardoso 3 x 4 Monteiro Lobato; Colégio Constantino 3 x 2 Angelo Bosa. Na categoria B (masculino): Monteiro Lobato 0 x 3 Ottomar. No futsal (categoria B/feminino): Ivo Hering 1 x 4 Angelo Bosa; Fabio Joner 2 x 0 São Francisco; Henrique de Freitas 0 x 7 Ottomar. Na categoria B (masculino): Aldori Tolazzi 1 x 3 São Paulo; Irani Leite x José Cardoso; CMO 11 x 1 Amabílio Vieira. No vôlei, na categoria B (12 a 14 anos/masculino): Henrique de Freitas 0 x 2 José Cardoso (parciais de 25/9; 25/14).

Barreiras próxima da decisão do Intermunicipal DA REDAÇ‹O Um dia após confirmar sua participação no Intermunicipal Baiano, a seleção de Barreiras venceu Barra por 3 a 0, no sábado, 18, e está perto de decidir o Intermunicipal de Seleções do Oeste. No jogo de ida das semifinais, realizado no estádio Geraldo Pereira, em Barreiras, a equipe local venceu com gols de Cezinha, Roberto e Luizinho. No encontro de volta, no domingo, 26, Barreiras pode perder por até dois gols de diferença. Caso Barra vença por três gols de vantagem, a vaga será decidida nos pênaltis. Barra só se classifica se golear a partir de quatro gols de diferença. Na outra semifinal, Santa Maria da Vitória

derrotou Paratinga por 3 a 2, no estádio Turíbio de Oliveira, em Santa Maria da Vitória. Na partida de volta, em Paratinga, também no domingo, um empate basta para Santa Maria da Vitória garantir seu lugar na final.

Confirmada. Na sexta-feira, 17, a Liga Barreirense de Futebol confirmaram a participação da seleção no Intermunicipal 2011. A inscrição aconteceu pós-prazo estipulado pela Federação Baiana de Futebol (FBF), que era em 10 de junho. Uma exceção fora feita em razão da regional Oeste ter apenas três seleções inscritas. Com a inclusão de Barreiras, a região vai ser representada também por Luís Eduardo Magalhães, Barra e São Desidério.

AGENDA E PLACAR DO SELETIVO AMADOR Terceira fase Sábado, 18/6 Chave G União 3 x 1 Portelinha Domingo, 19/6

Chave H Vento em Popa 3 x 2 Juventus Sábado, 25/6 Chave G

Massa Bruta x União Domingo, 26/6 Chave H Cica/Mazinho x Vento em Popa


14

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

GENTE JOVEM RAFAEL DIAS rafaeldias@diariodooeste.com.br

De volta Rafael Oliveira reuniu amigos na em sua residência, no Jardim Paraíso, na semana passada, para deixar um “até breve”. Ele regressa a sua cidade natal, Santos (SP). A despedida foi com um churrasco, com muita animação. Rafael trabalhava na Mauricea Alimentos.  

São João Uma festa de São João aconteceu na quarta, 22, na casa de André Walker, reunindo principalmente alunos de agronomia da Faahf. Animada e com bastante comida típica, a festa deixou os presentes satisfeitos.

Casamento BETH MACIEL, Luiz Eduardo Kasuya e Vena Giongo

Noite da criatividade O

principal evento para a galera jovem da cidade do último fim de semana reuniu muita criatividade e gente bonita. A Neverland aconteceu no sábado, 18, e contou com boas atrações. Quem abriu a noite foram os DJs da Les Pistach, tocando um eletro-house. Eles já mostravam que a noite prometia. Logo após, veio a principal atração da noite, a exBBB Tessália, que causou alvoroço entre os marmanjos presentes. Antes de subir ao palco, ela tirou várias fotos com os fãs e esbanjou beleza pelas dependências do Espaço Quatro Estações.Em seguida, veio o trio da Blush, com o novo projeto da Dj Luiza Bernardi, que tem grande destaque no cenário eletro brasileiro. Com um eletro-house que misturava o som do violino de Bia Cervellino e o saxofone de Ariane Zolner, as garotas fecharam a noite. A organização do evento está de parabéns, pois mesclou organização com boas atrações.

Nesse sábado, 25, o casal Carine Schmidt e Thiago Paloschi une-se matrimonialmente. A cerimônia será realizada na Igreja São José, no bairro Santa Cruz, às 18h. Após a cerimônia, os convidados serão recepcionados no Hotel Solar Rio de Pedras, com animação a cargo dos DJs Alex e Marciano.

Festa surpresa Na quarta, 22, os pais e amigos de Isadora Martel organizaram uma festa surpresa para ela, em comemoração ao seu aniversário, no Espaço Cristal, no Jardim das Acácias. A animação ficou por conta dos DJs Alex e Marciano. Isadora está passando férias na casa dos pais. Ela mora em Goiânia, onde cursa Design na PUC-GO.

que correr e ter sorte. Em um dia foram vendidos 550 pacotes. O UFC 134 será realizado no dia 27 de agosto. As principais lutas do evento são entre o americano Brendan Schaub e o brasileiro Antonio Nogueira, pelo peso pesado. Mauricio Rua, o Shogun, e o americano Forrest Griffin, pelo peso meiopesado. A grande luta da noite será a disputa do cinturão dos Pesos Médios do UFC, entre o brasileiro Anderson Silva e o japonês Yushin Okami.

Aniversariantes A semana teve muitos aniversariantes. Na segunda, 20, Gislaine Hoepers, Annynha Pink, Luciano Dalmolin e Alecio Alves. Na terça, 21, Roberta Fontana, Luiza Cecchele, Thiago Ismael e Marina Fagundes. Na quarta, 22, Bruna Sisti, Ana Paula Vargas e Leopoldo Polina. Na quinta, 23, Raira Tesser, Augusto Isensee, Joana Joner e Roger Felini. Na Sexta, 24, Rafaela Trentin, Solange Vanni, Diego Fernando da Veiga, Elisangela Piletti, Gil Lima, Juliana Oliveira e Isadora Stumm Martel. Neste sábado, 25, é a vez de Edilane Matias e Josiane Bublitz. No domingo, 26, Vinicius Perdigão.Na semana passada, no sábado, 18, quem comemorou aniversário, ao lado de familiares e amigos, foi Alessandra Roberto, que trabalha na loja de griffe Alla Z. Na quinta-feira, 16, o senhor Naurelino Almeida comemorou mais um ano de vida. Os seus filhos e netos resolveram organizar um belo churrasco no domingo, 19, A festança foi em sua residência, reunindo boa parte da família.

Revoada

ZIG Gotz, Kaline Mayara e Kamilla Peruzzo

DÉBORA Kerber e Rayla Griebler

A revoada começou. Jovens de Luís Eduardo que estudam em outras cidades começam a retornar à cidade para passar as férias. De Tocantins já temos alguns universitários da UFT, caso de Thiago Xavier. De Goiás, Leonardo Vicenzi e Cristina Ribeiro, da PUC-GO. Nas próximas semanas o número tende a aumentar.

UFC Rio

MAYARA Salvetti e Diego Dourado

JESSICA MORAIS

TOMAS Luza e Camila Winter

GABRIELA Gallois e Kleber Taji

JANAINA CANZI

Ouvi muita gente em Luís Eduardo, fã do UFC, falando que irá ao Rio de Janeiro para o maior evento de lutas já apresentado no país. Mas, o que muitos não sabem é que já se esgotaram os ingressos. Os bilhetes foram disponibilizados no site ingresso.com, nas primeiras horas do dia 17. Não deu para todos. Os pouco mais de 14 mil ingressos se esgotaram, em impressionantes uma hora e quinze minutos. Isso resultou em muita reclamação de quem não conseguiu comprar o seu. Tudo isso apesar dos altos valores dos ingressos, de R$ 300 a até R$ 5 mil. Mas meus amigos, para quem estiver com o bolso recheado, for rápido e tiver um pouco de sorte, uma empresa parceira do UFC disponibilizou mais 2.500 ingressos. O pacote mais barato custa R$ 1.550,00, e inclui hotel e transporte do hotel para o evento. Mas, como já falei ali em cima, tem

RAFAELA TRENTIN

ALESSANDRA ROBERTO

Rock in Rio Na terça-feira, 14, a organização do Rock in Rio anunciou que pela primeira vez em 26 anos de história, o Rock in Rio terá um dia extra de festival. Está confirmado que, no dia 29 de setembro, quinta-feira, o público poderá desfrutar de um dia completo, com shows em todos os palcos e espaços da Cidade do Rock. No momento, estão em andamento negociações com várias bandas brasileiras e internacionais para que se apresentem nesse dia extra. Uma bela oportunidade para quem não conseguiu adquirir o seu ingresso. Outra forma de conseguir um ingresso é entrar no site oficial do Rock in Rio; lá está disponivel uma promoção na qual você envia um video, foto ou poesia, sobre o tema “ Um mundo melhor”. As incrições vão até o dia 15 de julho e os nomes dos sorteados serão divulgados no site.


15

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

L I N H A S D E ATA Q U E LUCIANO DEMETRIUS lucianodemetrius@diariodooeste.com.br

FOTOS DE LUCIANO DEMETRIUS

BATE-BOLA

OS ATACANTES Tenório e Buiu, que marcaram os dois gols do Juventus nas semifinais do

Seletivo Amador.

¤ espera dos adversários Juventus folga na última rodada da terceira fase do Seletivo Amador no aguardo de seus adversários nas semifinais da competição.

O

Mesmo derrotado no domingo, 19, pelo rival Vento em Popa, em jogo da chave H, por 3 a 2, o saldo de gols (um) o garante entre os quatro melhores da competição. Nenhum outro resultado entre Cica/Mazinho e Vento em Popa, no domingo, 26, às 15h30, no campo da Bunge, tira a vaga do Juventus. O Cica/Mazinho precisa vencer, no mínimo, por dois gols de vantagem (e, neste caso, eliminaria o Vento em Popa, que ficaria com déficit de um gol). Já no caso do Vento em Popa até derrota por um gol de diferença é o suficiente para se garantir na próxima fase. Pela chave G, o Portelinha descansa sem tirar os olhos do jogo entre Massa Bruta e União, no sábado, 25, no campo da Bunge, a partir das 15h30. São consideráveis as chances do Portelinha avançar às semifinais, mas matematicamente o seu lugar não está assegurado. Um placar de vitória do Massa Bruta por dois gols de diferença, a partir de 4 a 2, deixa a equipe vencedora e o União entre os quatro melhores do Seletivo Amador. Ao Massa, além desta combinação, vencer por dois gols de vantagem lhe garante a classsificação às semifinais (e elimina o União). Para chegar às semifinais, o União pode perder por até um gol de diferença.

Capoeira A equipe do contramestre Alicate participa da eliminatória para o Campeonato

BRASILEIRÃO 2011 SÉRIE B SÉTIMA RODADA 21/6 Bragantino 0 x 0 Guarani 7ª RODADA - QUARTA-FEIRA - 22/06/2011 São Caetano 4 x 2 Duque de Caxias SEXTA-FEIRA - 24/6 *Paraná x Icasa *BOA x Grêmio Prudente *Sport x Criciúma SÁBADO - 25/6 16h20 Ponte Preta x Vitória 16h20 Americana x Salgueiro 16h20 Goiás x Portuguesa 16h20 ABC x Náutico 21h ASA x Vila Nova *Não encerrado até o fechamento desta edição

“É um esporte pouco divulgado na mídia, mas um dos mais praticados nas aulas de educação física das escolas brasileiras”. A afirmação do técnico das seleções masculina e feminina de handebol de Luís Eduardo Magalhães, Vinícius Vieira de Andrade, exprime porque esse esporte, mesmo “esquecido”, ainda assim tem boa aceitação. Na seleção masculina, ele comanda 25 atletas. Na recém-criada equipe feminina, são dez jogadoras com idade até 17 anos. Ex-armador-esquerdo da seleção que em 2010 foi vice-campeã nos Jogos Abertos da Bahia (JABs), Vinícius Andrade diz que o objetivo da equipe masculina é ir mais longe, em 2011, quanto no ano passado, quando foi vicecampeã. “Provamos que temos potencial. Então, podemos buscar o título”.  Você treina a equipe masculina visando os JABs, no segundo semestre. Antes disso, não há outra atividade preparatória? Nós tentamos realizar amistosos e até promover torneios de curta duração, mas há poucos adversários em toda a região Oeste. O que nos resta é participar dos JABs e ter apenas os treinamentos como base. Ano passado fomos vice-campeões somente jogando na própria competição. Acredito que esse grupo possa em 2011 lutar pelo título.  A falta de jogos causa desconforto no jogador interessado em atuar na quadra... Sim, o atleta acaba se frustrando. O grupo que eu trabalho tem 25 jogadores e eles comparecem aos treinos, se esforçam. Nossos encontros são entre as 22h30 e meia-noite, nos dias de semana, e no final da tarde, aos sábados. Sem jogar, sem competir, o atleta não pode avaliar o próprio desempenho. Para mim também é complicado

Brasileiro, no Campeonato Goiano de Capoeira. A competição será neste sábado, 25, e no domingo, 26, em Goiânia. Participam sete atletas de Luís Eduardo nos pesos leve, pena, pesado e meio-pesado. A meio-pesado Isla da Silva vai competir com possibilidades de se classificar para o Brasileiro e atuar na seletiva para as Olimpíadas de Londres 2012.

Bocha No domingo, 26, o Centro de Tradições Gaúchas Sinuelo dos Gerais, no Mimoso I, será local do I Torneio de Bocha de Luís

porque não vou ter um parâmetro para aproveitar um jogador, substituir, definir um padrão de jogo.  A falta de equipes tem algum fator em especial? É curioso porque, apesar de haver pouquíssiVINÍCIUS VIEIRA mo espaço na mídia, o handebol é um dos esportes mais praticados nas aulas de educação física das escolas brasileiras. O que acontece é que muitas cidades aqui da região não continuam com esse trabalho fora das escolas devido à falta de apoio. Luís Eduardo Magalhães é uma das poucas cidades com interesse no handebol.  Como está a situação da disponibilidade de espaços em Luís Eduardo Magalhães? Existem poucos locais públicos, mas nas escolas há um forte apelo pelo handebol. Com a inauguração do novo ginásio (no bairro Jardim das Acácias) acredito que nossas equipes vão ter possibilidade de jogar e isso vai contribuir para atrair a atenção daqueles interessados no esporte.  O que recomenda a quem não pratica o handebol? Eu digo que é um esporte favorável à coordenação motora. O handebol exige o trabalho de todo o corpo. É um dos mais completos, eu diria. E deixo o recado de que quanto mais pessoas se interessarem pelo esporte, melhor. No caso das seleções, reforço o convite para as atletas que queiram ingressar na seleção feminina.

Eduardo Magalhães. A competição, com início às 9h, é uma preliminar do I Campeonato Municipal de Bocha Anildo Ficgna, em data ainda a ser definida.

Nota zero Nota zero para o mau exemplo de algumas escolas que participam da XI Oilem. Segundo uma árbitra, alguns jogos não foram realizados porque uma das equipes – ou em até alguns casos as duas que entrariam em quadra – no futsal e no futebol society, apresentavam atletas com idade incompatível com a categoria inscrita.

BRASILEIRÃO 2011 SÉRIE A - SEXTA RODADA 25/6 18h30 18h30 21h00

Flamengo Atlético-PR Cruzeiro

16h 16h 16h 16h 18h30 18h30

Corinthians Botafogo Ceará Atlético-GO Avaí Internacional

x Atlético-MG x Bahia x Coritiba 6ª RODADA - 26/06/2011 x São Paulo x Grêmio x Palmeiras x Vasco x Fluminense x Figueirense

Engenhão Arena da Baixada Arena do Jacaré Pacaembu Engenhão Presidente Vargas Serra Dourada Ressacada Beira-Rio


16

Oeste Semanal ❒ Luís Eduardo Magalhães, 25 de junho a 1° de julho de 2011

Aproveite o último dia da festa

Neste sábado, 25 Apresentações Culturais e Premiações das Quadrilhas

A-Z da Pitanga

Banda Domínio

Banda Fuzuê


Oeste Semanal Edição 16