Page 1

diariodocomercio.com.br JOSÉ COSTA FUNDADOR

1

8

1

0

1

9

3

2

1

6

6

0

DESDE 1932 - EDIÇÃO 23.617 - R$ 2,50

2

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

Instabilidade política coloca em xeque a recuperação da economia Incapacidade do governo de realizar as reformas estruturantes deixa o País na inércia Após um período de recessão econômica, como o que o Brasil passou nos últimos anos, é normal que a recuperação ocorra de forma gradativa e lenta. No entanto, especialistas alertam que no caso do País há mais um agravante, que diz respeito à instabilidade política e à falta de políticas estruturantes, como as reformas nas áreas da Previdência e da política, que ainda não saíram do papel. Índices divulgados recentemente por diferentes instituições ou órgãos confirmam esta lentidão. Um deles é o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma espécie de “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado pelo Banco Central (BC), que mostrou uma retração de 0,13% na economia brasileira durante o primeiro trimestre de 2018 sobre os últimos três meses de 2017. Pág. 3

ALISSON J. SILVA

As crises econômica e política eram vistas como oportunidades para a realização das reformas previdenciária e política, o que não aconteceu

Safra 2018 de café pode ser a segunda maior em Minas Gerais A safra em Minas foi estimada em 30,69 milhões de sacas de 60 quilos, segundo anunciou, ontem, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O volume, se alcançado, representará um incremento de 25,6% sobre a safra 2017 e ficará muito

próximo ao recorde estadual registrado em 2016, quando o Estado colheu 30,72 milhões de sacas de 60 quilos. A previsão é de que o País colha um volume recorde de 58 milhões de toneladas de café, alta de 29,1% frente a 2017. Pág. 13 DIVULGAÇÃO

OMC alerta para incerteza econômica e tensão comercial As tensões comerciais podem estar começando a conter o comércio global de mercadorias, afirmou a Organização Mundial do Comércio (OMC) ao divulgar um indicador que mostra crescimento acima da tendência neste trimestre, mas em desaceleração. O Indicador do Cenário de Comércio Mundial mostrou uma leitura de 101,8 contra 102,3 em fevereiro. Pág. 8

Albanos reforça conceito da cerveja artesanal Desde a inauguração, no início deste mês, da Plataforma Albanos de Cerveja, que contou com a reforma em seus espaços e o reforço dos conceitos almejados, a marca passou

a reunir em seu chamado Hub de Cerveja, no bairro Sion, diferentes experiências como a possibilidade de produzir a própria cerveja, uma loja de insumos e escola de cerveja. Pág. 11 LUCIAN CHEIN/DIVULGAÇÃO

Estado pode liderar os investimentos na cadeia do lítio

As principais regiões produtoras no Estado estão há mais de 40 dias sem chuvas

EDITORIAL

Taxa de desocupação em Minas caiu no primeiro trimestre Pág. 4

BB vai reduzir juros do cheque especial e na linha de capital de giro Pág. 15

Dólar - dia 17

Euro - dia 17

Comercial

Compra: R$

Compra: R$ 3,6984 Venda: R$ 3,6994

4,3478

Poupança (dia 18): ............ 0,3715%

Ouro - dia 17

IPCA-IBGE (Abril): ............. 0,22%

Compra: R$ 3,6430 Venda: R$ 3,8500

Nova York (onça-troy): US$ 1.289,40

IPCA-Ipead (Abril): ............. 0,19%

R$ 153,69

IGP-M (Abril): ........................... 0,57%

Compra: R$ 3,6868 Venda: R$ 3,6874

BM&F (g):

Superados 13 anos de governos populistas que só contribuíram para o isolacionismo comercial do Brasil no mundo e levaram a economia do País ao fundo do poço – de que a compra de uma refinaria sucateada em Pasadena, a doação de refinaria para a Bolívia, o perdão das dívidas de países africanos e a construção do porto de Mariel em Cuba são os exemplos mais notórios –, esperava-se que o atual governo-tampão optasse por uma política externa mais ambiciosa na área comercial. Mas, à guisa de balanço de dois anos, não se pode dar uma palavra de aprovação nesse setor porque o País continua a ser apontado como uma das economias mais fechadas do planeta. Basta ver que, depois de mais de duas décadas de discussões infrutíferas, o Mercosul ainda não conseguiu fechar um acordo amplo com a União Europeia. (Milton Lourenço), pág. 2

BOVESPA

TR (dia 18): ............................. 0,0000% Venda: R$ 4,3504

De 2016 para 2017 a produção cresceu cerca de 40%

OPINIÃO

O agronegócio brasileiro continua proporcionando boas notícias. A mais recente antecipa que a partir do próximo ano o País pode alcançar o primeiro lugar na produção global de soja, superando os Estados Unidos. As previsões são de que a colheita no Brasil chegue a 116,9 milhões de toneladas, contra 116,4 milhões dos EUA. Um marco, por hora, apenas simbólico, mas ainda assim muito relevante, principalmente se considerado que nos últimos anos a produção local cresceu cinco vezes mais que a norte-americana. Condições climáticas, a favor para os brasileiros e contrárias para os produtores norte-americanos, explicam os movimentos da balança que, para os especialistas, numa perspectiva de futuro tende a prosseguir pesando a favor do Brasil. “Sucesso vem com ameaças”, pág. 2

Turismo Ptax (BC)

Minas Gerais está no centro do desenvolvimento vertical da cadeia produtiva do lítio no Brasil, partindo da exploração e beneficiamento do mineral, até seu uso pela indústria moderna, como na fabricação de baterias para smartphones e carros elétricos. A ideia é aproveitar a crescente demanda mundial pelo produto, que promete crescer 25% anualmente nos próximos anos. Pág. 5

+1,65

+0,01 -0,75

-0,12 -3,37

11/05

14/05

15/05

16/05

17/05


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

2

OPINIÃO O isolacionismo brasileiro MILTON LOURENÇO * Superados os 13 anos de governos populistas que só contribuíram para o isolacionismo comercial do Brasil no mundo e levaram a economia do País ao fundo do poço – de que a compra de uma refinaria sucateada em Pasadena, a doação de refinaria para a Bolívia, o perdão das dívidas de países africanos e a construção do porto de Mariel em Cuba são os exemplos mais notórios –, esperava-se que o atual governo-tampão optasse por uma política externa mais ambiciosa na área comercial. Mas, à guisa de balanço de dois anos, não se pode dar uma palavra de aprovação nesse setor porque o País continua a ser apontado como uma das economias mais fechadas do planeta. Basta ver que, depois de mais de duas décadas de discussões infrutíferas, o Mercosul – que depende basicamente de Brasil e Argentina – ainda não conseguiu fechar um acordo amplo com a União Europeia. Tampouco evoluíram as anunciadas negociações com o Canadá, com o Efta (Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein) e com a Coreia do Sul e os países da Asean (Tailân-

dia, Filipinas, Malásia, Cingapura, Indonésia, Brunei, Vietnã, Mianmar e Laos). Também não se pode dizer que o Brasil se tenha aproveitado das divergências comerciais entre EUA e China. Pelo contrário, tem sofrido consequências da errante política internacional do governo Trump. O resultado pode ser avaliado em números: se em 2011 o Brasil chegou a registrar uma participação de 1,4% na corrente de comércio mundial (exportações/importações), teve de se contentar com apenas 1,1% em 2016 e 1,2% em 2017. Mais: depois de ocupar a 22ª colocação em 2013 entre os maiores exportadores do mundo, caiu para a 26ª posição em 2016, segundo dados da Organização Mundial do Comércio (OMC). É de se observar ainda que, se o País conseguiu se manter nessa posição, foi em razão do crescimento dos preços das commodities. Se fosse depender da competitividade dos seus produtos manufaturados, a situação seria ainda pior. Como exporta pouco, o Brasil acaba por importar pouco. A título de comparação, pode-se lembrar que o País importa cerca de 30% do total

que o México importa, o que dá uma ideia da sua reduzida integração ao comércio mundial. Se importa pouco, sua indústria, obviamente, pouco recebe em termos de inovação, o que afeta brutalmente a competitividade das empresas nacionais no mundo. Por isso, as exportações de produtos de maior valor agregado concentram-se basicamente nos países da América Latina, provavelmente em função de obstáculos que até hoje não foram removidos por nenhum governo: o custo do transporte, a infraestrutura precária, a elevada carga tributária e a falta de crédito. Com isso, o País continua a desperdiçar oportunidades de crescimento econômico, deixando de alcançar maior integração comercial no mundo. Ao avançar pouco no mercado externo, o Brasil deixa também de crescer em seu mercado interno, pois, se as fábricas exportassem mais, criariam mais empregos e haveria maior impulso de crescimento em sua economia. * Presidente da Fiorde Logística Internacional

O Porto de Mariel e suas restrições ARISTOTELES ATHENIENASE * Em janeiro de 2014, foi inaugurado em Cuba o porto de Mariel, que contou com a presença da ex-presidente Dilma Rousseff. A obra fica a 45 km de Havana e, embora recebesse inúmeros incentivos fiscais, não se tornou atrativa para novos empreendimentos, devido à burocracia que afeta qualquer investimento estrangeiro na Ilha. O BNDES aplicou US$ 682 milhões (R$ 2,3 bilhões) no câmbio atual, sob o pretexto de que a ajuda concedida favoreceria empresas brasileiras que viessem atuar naquela região. Em 2017, quando da realização da Feira Nacional de Havana, que contou com a participação de 75 sociedades de nosso País, estas ainda ignoravam os empecilhos que encontrariam para operar no solo cubano. Entre as vantagens oferecidas pelo regime castrista, constava a isenção de impostos nos primeiros dez anos de funcionamento. Com o passar do tempo, as empresas interessadas depararam-se com as incertezas que afligem o país, sendo então informadas de que a contratação de empregados somente se daria através do Estado cubano, que detinha o monopólio da mão de obra da região. Na admissão dos interessados pelo governo local é indispensável que haja afinidade do país de origem das empresas

com a política do país concedente. Ou seja, Bolívia, Nicarágua e Uruguai gozariam de prioridade em relação a outros que não professam o credo marxista. A Odebrecht, que à época da inauguração do porto pretendia instalar uma fábrica de transformação de plástico na zona de desenvolvimento, manifestou sua desistência ante as dificuldades encontradas junto aos órgãos a que ficaria sujeita. Tudo faz crer que a valiosa contribuição do Brasil à realização do porto de Mariel, obtida sob a promessa de que nossas empresas seriam beneficiadas por aquele empreendimento estatal, será frustrada, em decorrência das dificuldades já conhecidas, não estando previstos métodos mais favoráveis a essa atuação. O atual presidente, Miguel Díaz-Canel, em seu discurso de posse, foi taxativo quanto a eventuais alterações na economia do país, que permanecerá subordinada a Raúl Castro, como dirigente maior do comunismo cubano. Em outras palavras: os proveitos assegurados aos investidores brasileiros, quando da inauguração do Porto de Mariel, estão fadados ao fracasso. * Advogado, Conselheiro Nato da OAB, Diretor do IAB e do Iamg

Chega de hipocrisia, o Rio está em guerra BADY CURI NETO * A onda de violência que assola o País não é novidade. A violência chegou a tal monta que é impossível abrir os noticiários sem ver ao menos um homicídio, troca de tiros entre bandidos e policiais, latrocínios e etc.. Este cotidiano, de tão comum e intenso, deixa a população inerte à reação e a opinião pública apática e amedrontada, sem sequer se manifestarem contra o governo em busca de soluções. Somado a tudo isto, ainda temos pessoas, que com a visão distorcida sobre os direitos humanos, entendem que este direito pertence, única e exclusivamente, aos “manos” (linguajar utilizado entre os marginais para referir aos seus comparsas do crime) e nunca às vítimas. Os apoiadores dos direitos dos “manos” retratam e vendem a imagem de que os policiais são os algozes dos bandidos e não defensores da sociedade, o que é lastimável. O governo federal determinou uma intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro (RJ). Alguns opositores à medida chegaram a dizer que, pelo interventor nomeado pelo presidente da República ser um general do Exército Brasileiro, aquilo seria uma intervenção militar, o que não é verdade. A intervenção federal

apenas transfere para o governo federal o comando da Segurança Pública do Estado, como da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros, através de um interventor nomeado, que poderia ser, inclusive, um civil. Os dados da violência do Rio de Janeiro são estarrecedores, neste mês somou-se 44 policiais militares assassinados, um sargento foi baleado em confronto com traficantes. A favela da Rocinha, no dia 10 deste mês, contabilizou 93 tiroteios este ano (1 a cada 36 horas), a comunidade da Praça Seca teve 117 tiroteios e 121 na Cidade de Deus. Somente nestas três comunidades ocorreu 1 tiroteio a cada 10 horas, aproximadamente. Chega de hipocrisia, estes dados demonstram que a cidade do RJ está em guerra civil ou urbana, e como tal tem que ser tratada pelas autoridades públicas. Criminosos ostentam pelas ruas destas e outras comunidades armas de alto calibre, de uso exclusivo das Forças Armadas. Assaltos são realizados em forma de arrastão em vias públicas com criminosos portando metralhadoras e outras armas de alto poder bélico. A violência no Brasil mata mais do que a guerra na Síria.

Diário do Comércio Empresa Jornalística Ltda Av. Américo Vespúcio, 1.660 CEP 31.230-250 - Caixa Postal: 456

Telefones Geral:

3469-2002

Redação - Núcleo Gestor Eric Gonçalves - Editor-Geral Luciana Montes - Editora-Executiva Editores Alexandre Horácio Clério Fernandes Luisana Gontijo

Andrea Rocha Faria Rafael Tomaz

3469-2020

Redação: Comercial:

3469-2060

Circulação:

3469-2071

Industrial:

3469-2085 3469-2092

Diretoria:

3469-2097

Fax:

3469-2015

pauta@diariodocomercio.com.br

Filiado à

* Advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG)

Comercial 3469-2000

Administração:

A intervenção e a presença de soldados do Exército nas ruas não terão o condão de amenizar a criminalidade carioca, principalmente porque não foi dado ao Exército o poder de polícia, apenas o apoio às polícias estaduais. Tem que deixar o cinismo de lado e reconhecer, efetivamente, que a guerra existe. O Exército deve abandonar o papel de coadjuvante da PM no RJ e passar a ser o protagonista nesta guerra, autorizando medidas que deem segurança jurídica a tropa e seus comandantes, para que atuem de forma efetiva, como, por exemplo, alvejar bandidos que ameaçam a sociedade com armas de guerra, sem o risco de responder por crime de homicídio. Tais medidas, se necessário, devem ser estendidas a outros Estados, que apesar de não estarem nas mídias nacionais, sofrem do mesmo problema. Parafraseando um político americano: O Rio de Janeiro acaba com a criminalidade ou a criminalidade acaba com o Rio de Janeiro. Tenho dito!

Diário do Comércio Empresa Jornalística Ltda. Fundado em 18 de outubro de 1932 Fundador: José Costa Diretor-Presidente Luiz Carlos Motta Costa

Diretor Executivo e de Mercado Yvan Muls

presidencia@diariodocomercio.com.br

diretoria@diariodocomercio.com.br

Sucesso vem com ameaças O agronegócio brasileiro continua sendo produtor também de boas notícias. A mais recente antecipa que a partir do próximo ano o País pode alcançar o primeiro lugar na produção global de soja, superando os Estados Unidos. As previsões são de que a colheita no Brasil chegue a 116,9 milhões de toneladas, contra 116,4 milhões dos EUA. Um marco, por hora, apenas simbólico, mas ainda assim muito relevante, principalmente se considerado que nos últimos anos a produção local cresceu cinco vezes mais que a norte-americana. Também chama atenção que na safra anterior o País colheu 114,1 milhões de toneladas, contra 119 milhões nos Estados Unidos. Condições climáticas, a favor para os brasileiros e contrárias para os produtores norteamericanos, explicam os movimentos da balança que, para os especialistas, numa perspectiva de futuro tende a prosseguir pesando a favor do Brasil. Tecnologia já num estado de excelência, clima mais favorável e disponibilidade de terras para expansão das lavouras Condições climáticas, são alguns dos a favor para os principais fatores que pesam a nosso brasileiros e favor. Mas existem contrárias para os também gargalos produtores nortea ser superados, americanos, explicam principalmente no os movimentos da que diz respeito à logística. balança que, para os Para o especialistas, numa presidente da perspectiva de futuro Associação dos tende a prosseguir Produtores de Soja do Mato pesando a Grosso, hoje o favor do Brasil principal produtor no País, escoar a produção é desafio que cresce de proporções na mesma medida em que aumentam as quantidades a serem movimentadas. Ele lembra que a malha rodoviária é precária, com pontos intransitáveis no período das chuvas, o que significa que levar a soja até a hidrovia no Norte está tão caro quanto descer para os portos do Sul. Uma situação que só não é pior porque na Argentina problemas climáticos provocaram quebra na produção, a desvalorização do real favorece a produção local e, para completar, os chineses ameaçam sobretaxar a soja norte-americana, em mais um lance da guerra comercial entre os dois países. Tudo isso embala os sonhos dos produtores brasileiros, que comemoram, além dos fatores externos favoráveis, os níveis de produtividade que alcançaram, enquanto voltam a lembrar que seus problemas na verdade continuam do lado de fora das porteiras. Lembram que o País está ganhando, que na realidade o agronegócio tem sustentado a economia do País, e reclamam que o retorno não chega nem mesmo a patamares razoáveis. Rodovias, ferrovias e portos são os grandes gargalos, obstáculos imediatos à competitividade da produção nacional e riscos concretos para sua expansão continuada, tal como é esperado. Mudar, ou reduzir os riscos a proporções aceitáveis, significa pôr atenção nesses problemas e cuidar de remover os gargalos apontados. Para os produtores, o caminho já percorrido é o melhor indicativo de que vale a pena prosseguir na direção que o sucesso aponta.

Representantes comercial@diariodocomercio.com.br

Gerente Industrial Manoel Evandro do Carmo manoel@diariodocomercio.com.br

São Paulo-SP - Alameda dos Maracatins, 508 - 9º andar CEP 04089-001

Rio de Janeiro-RJ - Praça XV de Novembro, 20 - sala 408 CEP 20010-010

Brasília-DF - SCN Ed. Liberty Mall - Torre A - sala 617 CEP 70712-904

Recife - Rua Helena de Lemos, 330 - salas 01/02 CEP 50750-280

Assinatura semestral

Curitiba - Rua Antônio Costa, 529

Belo Horizonte, Região Metropolitana: ............... R$ 286,00 Demais regiões, consulte nossa Central de Atendimento

Porto Alegre - Av. Getúlio Vargas, 774 - Cj. 401

CEP 80820-020 CEP 90150-02

(11) 2178.8700 (21) 3852.1588 (61) 3327.0170 (81) 3446.5832 (41) 3339.6142 (51) 3231.5222

Preço do exemplar avulso Assinatura anual Belo Horizonte, Região Metropolitana: ................. R$ 539,00 Demais regiões, consulte nossa Central de Atendimento

Assinatura: 3469-2001 - assinaturas@diariodocomercio.com.br

Exemplar avulso ................................................................................................... R$ 2,50 Exemplar avulso atrasado .................................................................................... R$ 3,50 Exemplar para outros estados ............................................................................. R$ 3,50*

* (+ valor de postagem)

(Os artigos assinados refletem a opinião do autor. O Diário do Comércio não se responsabiliza e nem poderá ser responsabilizado pelas informações e conceitos emitidos e seu uso incorreto)


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

3

ECONOMIA MACROECONOMIA

JUROS

Instabilidade política dificulta retomada

Manutenção da Selic não deve Índices da atividade econômica e emprego sinalizam que recuperação será mais lenta causar efeito sobre o câmbio WIKIMEDIA / DIVULGAÇÃO

MARA BIANCHETTI

Após um período de recessão econômica, como o que o Brasil passou nos últimos anos, é normal que a recuperação ocorra de forma gradativa e lenta. No entanto, especialistas alertam que no caso do País há mais um agravante, que diz respeito à instabilidade política e à falta de políticas estruturantes, como as reformas nas áreas da Previdência e da política, que ainda não saíram do papel. Índices divulgados recentemente por diferentes instituições ou órgãos confirmam esta lentidão. Um deles é o Índice de Atividade Econômica (IBCBr), uma espécie de “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado pelo Banco Central (BC), que mostrou uma retração de 0,13% na economia brasileira durante o primeiro trimestre de 2018 sobre os últimos três meses de 2017. Como consequência, o Ministério da Fazenda admitiu que precisa refazer suas contas. Até a próxima semana, o governo tem que divulgar o Relatório Bimestral de Receitas e Despesas, que trará a projeção oficial para o PIB de 2018, atualmente em 3%. Segundo o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o que se tem concretamente é algo de crescimento entre 2% e 3%”. Da mesma forma, na geração de empregos, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicou que ainda falta trabalho para 27,7 milhões de brasileiros. Igualmente importante e impactante, foi a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter a taxa básica de juros (Selic) em 6,5% após 12 cortes consecutivos, que pegou todo o mercado de surpresa. Na avaliação de economistas consultados pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO, a economia brasileira chegou ao fundo do poço, mas já começou a se recuperar. Porém, é normal que esta retomada ocorra de forma lenta e gradual. Neste caso, para piorar, está sendo “mascarada” por variáveis contraditórias. Neste sentido, o professor do Departamento de Economia da PUC Minas, Pedro Paulo Pettersen, exemplificou que enquanto a indústria nacional apresenta lentidão no processo de recuperação e elevados índices de capacidade ociosa, por outro lado, o comércio já apresenta níveis de desempenho satisfatórios. “São elementos antagônicos e qualquer perspectiva fica comprometida, em função da falta de objetividade que o cenário atual nos traz”, justificou. Segundo ele, qualquer saída concreta que o País poderia apresentar, em termos de recuperação, se encontra comprometida pela instabilidade política, pelo alto conservadorismo do Banco Central (BC) em relação à taxa de juros e pela política fiscal equivocada adotada pelo atual governo. “É difícil estabelecer uma análise de tendência. É preciso esperar”, ponderou.

Além da indefinição quanto ao novo governo, a economia estaria sendo prejudicada pela política fiscal e falta de reformas

Reforma trabalhista não refreia informalidade São Paulo - Seis meses depois de entrar em vigor, a reforma trabalhista do governo Michel Temer não foi capaz de limitar o crescimento do mercado informal ou impedir a deterioração do emprego formal no País, quadro que adia a melhora do mercado de trabalho e da demanda interna, necessária para a recuperação econômica. “Ainda tem taxa de desemprego muito alta e não vai cair muito rapidamente neste ano, especificamente porque ainda temos cenário de incerteza que faz com que os empresários fiquem mais contidos para contratar”, avaliou o diretor de Macroeconomia do Ipea, José Ronaldo de Souza, referindo-se às eleições presidenciais de outubro. Dados do Caged, do Ministério do Trabalho, mostram que os modelos de contratação parcial e intermitente, criados pela reforma trabalhista, representam fatia cada vez maior do saldo de novas vagas criadas mensalmente, atingindo 11,38% de todas os postos com carteira de trabalho gerados em março. Foram abertos 6.392 postos intermitentes e parciais em março, diante do total de 56.151 vagas no geral, segundo último dado disponível. A fatia mais que dobrou em relação ao início do ano, quando é possível fazer a primeira comparação com o saldo positivo no Caged. De modo geral, esses empregos se concentram em funções de baixos salários, como digitador, professores, servente de obras, faxineiro, entre outros, segundo o ministério. A nova legislação trabalhista entrou em vigor em meados de novembro passado, com mudanças em mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Prevê, entre outros pontos, que acordos entre empregados e empregadores se sobrepõem à legislação vigente, busca diminuir a ação da Justiça trabalhista nas negociações entre as partes, permite o trabalho intermitente e o fatiamento das férias em três períodos. Na época, o governo defendeu que as mudanças gerariam mais empregos, num momento de alta taxa de desocupação, que permanece até agora e atinge mais de 13 milhões de pessoas, segundo a Pnad Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que contabiliza empregos formais e informais.

Getulio Vargas (FGV/EPGE) Antonio Porto Gonçalves explicou que existem duas razões básicas para a recuperação lenta que o Brasil vem apresentando. Uma delas, analisa, de fato diz respeito à incerteza política; a outra Previdência - O professor se refere à questão de as de economia da Fundação reformas estruturantes não

ALISSON J. SILVA

O mercado de trabalho tem reagido pouco aos lentos avanços na economia

Insegurança jurídica - Segundo o IBGE, o lento avanço do emprego tem ocorrido em vagas informais, sem benefícios trabalhistas como férias e 13º salário, que cresceram 3,95% no primeiro trimestre deste ano, ante queda de 1,22% nos postos formais, que além de benefícios também pagam salários maiores. Empregados com carteira assinada receberam, em média, uma remuneração 68% maior que trabalhadores informais no primeiro trimestre deste ano, segundo o IBGE, ante 60% no mesmo período de 2017. A deterioração na qualidade dos empregos formais, segundo analistas ouvidos pela reportagem, afeta a demanda doméstica, componente que sustentou o crescimento da economia na década anterior à recessão de 2015-2016, uma vez que este trabalhador consome menos que empregados com carteira assinada e por tempo indeterminado pela falta de segurança sobre quanto tempo continuará na função e sua renda. “A atividade econômica tem melhorado, mas o mercado de trabalho tem reagido pouco ao crescimento de lado da economia”, disse o professor de economia do Insper Sergio Firpo. “A recessão tirou do emprego muita gente que agora está trabalhando por conta própria. Mas só está ali porque tem expectativa de crescimento da economia, senão tivesse não conseguiria vender nada. O setor informal só tem aumentado porque a economia tem perspectiva de melhora.” O governo ainda não regulamentou

terem saído do papel. “O novo governo, seja de direita ou de esquerda, vai ter que obrigatoriamente realizar pelo menos a reforma da Previdência. Não há escolha. Ou as mudanças acontecem, ou o País vai quebrar”, alertou.

pontos importantes da reforma, elevando a insegurança jurídica para as empresas, na avaliação dos especialistas. Também pesa para o trabalhador informal ou temporário não possuir o mesmo acesso a crédito, em especial para bens de maior valor, além de dispor de menos renda disponível para consumo, uma vez que custeia do próprio bolso despesas com saúde e alimentação, que eventualmente seriam arcadas em conjunto com empregadores. Perspectivas - O cenário básico de economistas ouvidos pela reportagem para o mercado de trabalho prevê leve melhora neste ano, impulsionada por vagas informais e suave elevação da massa salarial, mas com a taxa de desemprego pressionada e acima dos dois dígitos até o fim de 2019, a depender do compromisso do futuro ocupante do Planalto com as contas públicas e reformas. Geradora de empregos de salários mais altos, a indústria não deve mostrar recuperação nas contratações neste ano, em especial por grande folga na capacidade instalada ao mesmo tempo em que há incerteza sobre quem será eleito em outubro. “Precisa de um novo governo que esteja comprometido com projeto sério de equilíbrio fiscal”, disse o gerente de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria, Flavio Castelo Branco. “Se tiver bons indicativos, o setor privado vai reagir positivamente.” (Reuters)

de economia do Ibmec/MG Felipe Leroy chamou a atenção para o fato de os indicadores de desempenho da economia terem parado de cair. O especialista disse ainda que o elevado déficit público também prejudicou o cenário de recuperação. Déficit público - Já o professor “O último indicador a

responder realmente é o emprego. Além disso, embora todos esperassem uma recuperação mais ágil, em casos de recessão, é normal que a retomada aconteça no longo prazo”, explicou, reiterando que um cenário de eleições atrasa ainda mais o processo.

São Paulo - A decisão do Banco Central de manter a Selic inalterada na véspera poderia causar um efeito positivo sobre o câmbio, mas a dinâmica recente da moeda extremamente atrelada ao cenário externo acabou por esvaziar essa percepção e reforçar a leitura de que a alta do dólar ante o real ainda não chegou ao fim. “O BC sendo mais conservador do que era esperado é positivo para o mercado... mas enquanto lá fora não estabilizar, aqui também não vai, independentemente do que fizer o BC”, avaliou o economista-chefe do banco Santander, Maurício Molon. Em 2018, até agora, o dólar engatou uma trajetória firme de alta ante o real, que se acentuou desde abril. A moeda já ficou 12,15% mais cara, tendo atingido ontem o patamar de R$ 3,70, registrado pela última vez em março de 2016. A maior parte dessa valorização se deu justamente por causa da perspectiva de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, possa subir os juros quatro vezes este ano, em vez de três inicialmente esperadas, diante de dados recentes mais robustos que o esperado para a economia norte-americana. Ao mesmo tempo, o BC brasileiro vinha reduzindo a taxa Selic, e consequentemente diminuindo o diferencial de juros e também a atratividade do mercado doméstico a investidores estrangeiros. Ao interromper o ciclo de afrouxamento na véspera, desta forma, ao menos do lado doméstico houve o estancamento desse diferencial, segundo economistas ouvidos pela reportagem. O ajuste global na moeda norte-americana ocorre após o mais longo ciclo de cortes da taxa básica de juros do país, iniciado em outubro de 2016 e finalizado ontem após uma redução de 7,75 pontos percentuais. “Nosso diferencial de juros caiu para as mínimas históricas, a despeito de ele não ter cortado a Selic ontem. Uma redução de 0,25 ponto percentual não faria diferença no câmbio”, explicou a economista do Itaú Unibanco Julia Gottlieb. Segundo a economista, a manutenção da Selic agora teria pouco efeito para o carry trade, negociações em que operadores se endividam em títulos de países com juros baixos e investem em papéis que pagam taxas mais altas. Dessa forma, mesmo vista como uma decisão acertada, a manutenção da Selic pelo BC tem efeito apenas marginalmente positivo. Pelo lado do carry trade, o que poderia favorecer o ingresso de recursos no Brasil é a melhora das perspectivas econômicas do País, o que só deve vir a ocorrer no novo governo, sobretudo se for eleito um presidente comprometido com o ajuste das contas públicas. “Quando começar a arrumar e o fiscal não for mais um risco, se a macroeconomia indicar que as coisas vão ficar bem, o carry trade já vai ser bom por si só», avaliou o gerente de Tesouraria do Bank of China, Jayro Rezende. (Reuters)


4

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

ECONOMIA PNAD CONTĂ?NUA

Minas tem taxa de desocupação de 12,6% �ndice Ê 1% menor do que no primeiro trimestre de 2017. No País, houve elevação de 11,8% para 13,1% ANA CAROLINA DIAS

A taxa de desocupação em Minas Gerais no primeiro trimestre de 2018 chegou a 12,6%, representando uma queda de 1 ponto percentual (p.p) na comparação com o primeiro trimestre de 2017. Na mesma base comparativa, no Brasil, a queda registrada foi de 0,6 p.p. Em relação ao quarto trimestre do ano passado, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada ontem, apontou ainda um aumento de 2 p.p. em Minas, enquanto, no País, a taxa de desocupação apresentou elevação de 1,3 p.p., variando de 11,8% para 13,1%. Com uma força de trabalho composta por aproximadamente 11,2 milhþes de pessoas no Estado, o total daquelas que estavam ocupadas no primeiro trimestre de 2018 foi estimado em

9,8 milhþes, apresentando elevação de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o número era de cerca de 9,5 milhþes. Nos três primeiros meses deste ano, o total de desocupados em Minas foi estimado em 1,42 milhão, o que, em relação ao primeiro trimestre de 2017 não representou variação estatisticamente significativa. Jå na comparação com o quarto trimestre do ano anterior, quando o número de desocupados era de aproximadamente 1,19 milhão, houve aumento de 18,7%. O rendimento mÊdio real do trabalho no Estado foi estimado pela pesquisa em R$ 1.913 no primeiro trimestre deste ano, com aumento de 4,5% na base comparativa com o mesmo trimestre de 2017, quando o rendimento mÊdio real foi de R$ 1.831. No Brasil, o rendimento mÊdio apresentou estabilidade em relação aos dois JG PARTICIPAÇÕES S.A.

MARCOS PORTO / SECOM ITAJAĂ?

períodos de comparação, sendo estimado em R$ 2.169 nos três primeiros meses de 2018. A massa de rendimentos reais habitualmente recebidos em todos os trabalhos pelos ocupados em Minas Gerais foi estimada em R$ 18,3 bilhþes no primeiro trimestre, apresentando aumento de 7,5% no ano. No Brasil, a massa de rendimentos reais atingiu R$ 191,5 bilhþes, não apresentando variação significativa em nenhuma das bases comparativas.

Perfil - De 1,42 milhão de pessoas desocupadas em Minas, as mulheres são mais Mulheres são 53% das pessoas desocupadas em Minas da metade, na marca dos taxa de desocupação (15%) no Estado. A taxa de deso53%. A taxa de desocupa- mais elevada em relação aos cupação dos pretos (15,5%) ção entre as mulheres no homens (11,6%). e pardos (13,9%) apresentou primeiro trimestre atingiu Na anålise por cor ou raça, patamar bastante superior à 15%, índice superior aos 67,9% do total de desocu- taxa estimada para brancos 10,7% observado para os pados em Minas Gerais, no (10,3%). homens no mesmo perío- primeiro trimestre de 2018, O levantamento por do. No Brasil, as mulheres eram de cor preta ou parda grupamentos de atividade tambÊm apresentaram uma e esse grupo representou econômica mostrou estabili60,5% da força de trabalho dade do número de pessoas

CNPJ: 23.616.459/0001-10 BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS (Valores expressos em reais) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 ATIVO 2015 2016 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO CIRCULANTE .......... 2.155.540,26 2.244.683,32 500.114,67 2015 2016 2017 Disponibilidades ..................... 1.000,00 1.000,00 1.000,00 RESULTADO C/ Outros Creditos ....................... 2.154.540,26 2.243.683,32 499.114,67 EQUIVALENCIA ATIVO NĂƒO-CIRCULANTE 14.243,23 15.223,23 13.783.614,30 PATRIMONIAL ................... 12.215,23 - 13.598.836,35 Participaçþes em Outras Despesas Operacionais ....... (5.141,14) (68.392,64) Empresas ................................. 2.028,00 3.008,00 2.247.191,32 Resultado Operacional ....... 12.215,23 (5.141,14) 13.530.443,71 Equivalencia Patrimonial ........ 12.215,23 12.215,23 Resultado Operacional..... 12.215,23 (5.141,14) 13.530.443,71 TOTAL DO ATIVO................. 2.169.783,49 2.259.906,55 14.283.728,97 Impostos S/ Resultado IRPJ PASSIVO E PATRIMĂ”NIO CSLL LĂ?QUIDO 2015 2016 2017 LUCRO LĂ?QUIDO DO PASSIVO CIRCULANTE ...... 2.156.568,26 2.245.711,32 745.211,17 EXERCĂ?CIO..................... 12.215,23 (5.141,14) 13.530.443,71 Fornecedores ........................... 2.149,22 Obrigaçþes Fiscais .................. 430,50 Outras Obrigaçþes .................. 2.156.568,26 2.245.711,32 742631,45 JG PARTICIPAÇÕES S.A - DIRETORIA PASSIVO NĂƒO-CIRCULANTE 6.121,14 MAURO CÉSAR MIRANDA Outras Obrigaçþes .................. 6.121,14 CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO...... 13.215,23 8.074,09 3.538.517,80 MĂ RCIO GOMES DA SILVA TOTAL DO PASSIVO E CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO...... 2.169.783,49 2.259.906,55 14.283.728,97

ocupadas na indústria. Em relação ao primeiro trimestre do ano anterior, houve aumento de 15,2% do número de pessoas ocupadas em outros serviços e de 8,3% daquelas ocupadas na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais. Para os demais grupamentos de atividade econômica não foram registradas variaçþes significativas do número de ocupados. Na comparação com o trimestre anterior, a pesquisa apontou queda de 6,7% do número de pessoas ocupadas na construção, o que representa 53 mil pessoas a menos trabalhando na atividade. Outras atividades que apresentaram queda no trimestre foram comÊrcio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-5,1%) e administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (-3,2%).

TRINO EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A CNPJ: 15.060.801/0001-10

BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERC�CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO ATIVO CIRCULANTE .......... Outros Creditos ....................... TOTAL DO ATIVO .............. PASSIVO E PATRIMÔNIO L�QUIDO ................................. PASSIVO CIRCULANTE ...... Obrigacoes Trabalhistas .......... Outras Obrigaçþes .................. PATRIMÔNIO L�QUIDO...... Açþes em Tesouraria............... Reservas de Lucros ................. Resultado do Exercício ........... TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO L�QUIDO......

2015 2016 2017 3.569,36 3.470,51 1.763,54 2.597,18 1.003,00 1.220,38 15.896.852,02 17.223.965,83 17.547.773,15 2015 15.896.852,02 249.800,00 13.103.786,86 2.543.265,16

2016 2017 25.804,80 32.535,05 3404,80 1124,47 22.400,00 31.350,58 17.198.161,03 17.515.238,10 249.800,00 249.800,00 15.140.458,13 16.676.905,75 1.807.902,90 588.532,35

15.896.852,02 17.223.965,83 17.547.773,15

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) 2015 DESPESAS OPERACIONAIS............... (8.231,20) RESULTADO BRUTO ..................... (8.231,20) LUCRO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO ................................... (8.231,20) Resultado Financeiro LĂ­quido .............. (2.101,52) Resultado C/ Particip. SocietĂĄria .......... 1.263.387,12 Resultado C/ Equivalencia Patrimonial 2.544.105,01 Resultado Operacional ........................ 3.797.159,41 RESULTADO OPERACIONAL...... 3.797.159,41 Impostos S/ Resultado IRPJ CSLL LUCRO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO 3.797.159,41

2016 2017 (12.249,70) (27.047,73) (12.249,70) (27.047,73) (12.249,70) (762,66) 517.696,78 1.303.218,48 1.807.902,90 1.807.902,90

(27.047,73) (1.438,71) 291.504,50 325.514,29 588.532,35 588.532,35

1.807.902,90 588.532,35

TRINO EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S/A - DIRETORIA Mà RCIO GOMES DA SILVA MAURO CÉSAR MIRANDA CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR

E.G.S. PARTICIPAÇÕES S.A.

CNPJ: 15.803.823/0001-22 BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS PARA OS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) (Valores expressos em reais) ATIVO 2015 2016 2017 ATIVO CIRCULANTE ........... 234,25 1.264,87 553,62 Disponibilidades ...................... 234,25 1.264,87 553,62 ATIVO NĂƒO-CIRCULANTE . 43.824.339,89 59.665.346,50 57.139.660,48 TĂ­tulos a Receber ..................... 32.551,20 Investimentos ........................... 1.770.000,00 Participaçþes em Outras Empresas ...................... 34.543.542,39 1.200.600,00 2.810.600,00 Adiantamento P/Futuro Aum. Capital - AFAC ........................ 1.430.380,63 1.611.680,63 Imobilizado .............................. 7.854.465,21 7.716.886,77 7.579.308,33 EquivalĂŞncia Patrimonial............................... (1.774.048,34) 49.136.179,10 46.717.200,95 TOTAL DO ATIVO.................. 43.824.574,14 59.666.611,37 57.140.214,10 PASSIVO E PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO PASSIVO CIRCULANTE .......... Fornecedores.............................. Outras Obrigaçþes .................... PASSIVO NĂƒO-CIRCULANTE EmprĂŠstimos/ Financiamentos.... PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO.......... TOTAL DO PASSIVO E PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO..........

2015 1.659.000,00 1.659.000,00

2016 237.800,00 237.800,00

2017 271.852,06 271.852,06

33.544.542,39 33.544.542,39 8.621.031,75 59.428.811,37

6.868.362,04

43.824.574,14 59.666.611,37 57.140.214,10

2015 RECEITAS(DESPESAS) OPERACIONAIS .............. RESULTADO BRUTO ..... LUCRO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO .................. Resultado Financeiro LĂ­quido ............................... Resultado Operacional ....... RESULTADO OPERACIONAL.............. LUCRO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO .............

2016

2017

(52.951.860,73) 50.825.667,95 (2.559.202,82) (52.951.860,73) 50.825.667,95 (2.559.202,82) (52.951.860,73) 50.825.667,95 (2.559.202,82) (7.996,57) (4.437,74) (1.395,92) (52.959.857,30) 50.821.230,21 (2.560.598,74) (52.959.857,30) 50.821.230,21 (2.560.598,74) (52.959.857,30) 50.821.230,21 (2.560.598,74)

E.G.S. PARTICIPAÇÕES S.A. DIRETORIA MAURO CÉSAR MIRANDA CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR Mà RCIO GOMES DA SILVA CRC:MG 097422 - CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR

TORRES EĂ“LICAS DO NORDESTE S/A &13-

$RV$FLRQLVWDV7HPRVDVDWLVIDomRGHVXEPHWHUSDUDDSUHFLDomRHMXOJDPHQWRGH96DVDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVGD7RUUHV(yOLFDVGR1RUGHVWH 6$UHODWLYDVDRH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGH$VGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVIRUDPHODERUDGDVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV DGRWDGDVQR%UDVLOTXHDEUDQJHPDOHJLVODomRVRFLHWiULDEUDVLOHLUDRVSURQXQFLDPHQWRVDVRULHQWDo}HVHDVLQWHUSUHWDo}HVHPLWLGDVSHOR&RPLWrGH 3URQXQFLDPHQWRV&RQWiEHLV &3& EHPFRPRRVFRQFHLWRVLQWURGX]LGRVSHOD/HLQžH/HLQž BALANÇO PATRIMONIAL LEVANTADO PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 9DORUHVH[SUHVVRVHPPLOKDUHVGHUHDLV5

ATIVO 31/12/2017 31/12/2016 &,5&8/$17( &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[D ..........................    $SOLFDo}HV¿QDQFHLUDV ......................................    &RQWDVDUHFHEHUGHFOLHQWHV ............................    (VWRTXHV0DWpULD3ULPD ...................................    (VWRTXH3URGXWR$FDEDGR ................................    Despesas antecipadas .....................................    ,PSRVWRVDUHFXSHUDU........................................   Adiantamentos diversos ..................................    Total do ativo circulante ....................................    1­2&,5&8/$17( 5HDOL]iYHODORQJRSUD]R 'HSyVLWRVMXGLFLDLVHFDXo}HV ..........................    ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO diferidos ............................................................   7RWDOUHDOL]iYHODORQJRSUD]R ...........................    ,PRELOL]DGR ......................................................   ,QWDQJtYHO ..........................................................   Total do ativo não circulante .............................    727$/'2$7,92 .............................................  

PASSIVO E PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO 31/12/2017 31/12/2016 &,5&8/$17( Fornecedores e subempreiteiros ......................    'pELWRVFRPSDUWHVUHODFLRQDGDV .....................    Adiantamentos de clientes ..............................    6DOiULRVSURYLV}HVHREULJDo}HVVRFLDLV..........    ,PSRVWRVDUHFROKHU ..........................................   2XWUDVREULJDo}HV ............................................    Total do passivo circulante ...............................    1­2&,5&8/$17( 'pELWRVFRPSDUWHVUHODFLRQDGDV .....................    2XWUDVREULJDo}HV ............................................   Total do passivo nĂŁo circulante ........................    Total do passivo ................................................   3$75,0Ă?1,2/Ă‹48,'2 &DSLWDOVRFLDO ....................................................   3UHMXt]RV$FXPXODGRV ......................................    

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DO RESULTADO PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 9DORUHVH[SUHVVRVHPPLOKDUHVGHUHDLV56

31/12/2017 31/12/2016 5HFHLWD/tTXLGDGH9HQGDV..............................   &XVWRVGRV3URGXWRV .......................................   

/XFUR%UXWR ......................................................   'HVSHVDV2SHUDFLRQDLV Despesas gerais e administrativas ..................   

2XWUDV GHVSHVDV UHFHLWDVOtTXLGDV ................   Total .................................................................   

3UHMXt]R /XFUR2SHUDFLRQDODQWHVGR 5HVXOWDGR)LQDQFHLUR.......................................   5HVXOWDGR)LQDQFHLUR 5HFHLWDVÂżQDQFHLUDV ........................................   'HVSHVDVÂżQDQFHLUDV ......................................   

Variação cambial líquida..................................       

3UHMXt]RDQWHVGR,PSRVWRGH5HQGDHGD &RQWULEXLomR6RFLDO..........................................   

,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO &RUUHQWHV .........................................................   Diferidos ..........................................................       /XFUR/tTXLGRGR([HUFtFLR ..............................  

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 9DORUHVH[SUHVVRVHPPLOKDUHVGHUHDLV56

31/12/2017 31/12/2016 )/8;2'(&$,;$'$6$7,9,'$'(6 23(5$&,21$,6 /XFUR3UHMXt]ROtTXLGRGRH[HUFtFLR ...................   

'HVSHVDV UHFHLWDV TXHQmRDIHWDPRFDL[D Depreciação ......................................................    (QFDUJRV¿QDQFHLURV .........................................        Variação nos ativos e passivos operacionais $XPHQWR QRFRQWDVDUHFHEHUGHFOLHQWHV .......    $XPHQWR QRVDGLDQWDPHQWRVGLYHUVRV ............    $XPHQWR QRVHVWRTXHV ...................................     $XPHQWR QDVGHVSHVDVDQWHFLSDGDV ..............   

$XPHQWR QRVLPSRVWRVDUHFXSHUDU ................    

$XPHQWR QRVGHSyVLWRVMXGLFLDLVHFDXo}HV ...    

Aumento nos fornecedores e subempreiteiros ..   

Aumento nos adiantamentos de clientes FLUFXODQWHHQmRFLUFXODQWH...............................   

$XPHQWRQRVVDOiULRVSURYLV}HVHREULJDo}HV sociais................................................................   

$XPHQWRQRVLPSRVWRVDUHFROKHUHGLIHULGR .....     $XPHQWRQRVRXWURVSDVVLYRVFLUFXODQWH e nĂŁo circulante .................................................         &DL[DOtTXLGR DSOLFDGRQDV JHUDGRSHODV atividades operacionais .....................................     )/8;2'(&$,;$'$6$7,9,'$'(6 '(,19(67,0(1726 ,PRELOL]DGRHPDQGDPHQWR ...............................    

2XWURV ................................................................    &DL[DOtTXLGRDSOLFDGRQDVDWLYLGDGHV de investimentos................................................    

)/8;2'(&$,;$'$6$7,9,'$'(6 '(),1$1&,$0(1726 5HFHELPHQWRVGHHPSUHVDVOLJDGDV .................    Aumento de capital ............................................    &DL[DOtTXLGRJHUDGRSHODVDWLYLGDGHV GHÂżQDQFLDPHQWRV .............................................    $80(172&$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$ .     &$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$12 ,1Ă‹&,2'23(5Ă‹2'2........................................    &$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$12 ),0'23(5Ă‹2'2 ............................................   

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 9DORUHVH[SUHVVRVHPPLOKDUHVGHUHDLV56

Capital PrejuĂ­zos Social Acumulados Total 6DOGRHPGHGH]HPEURGH ..     

Aumento de capital ............................     5HVXOWDGRGRH[HUFtFLR ......................     

6DOGRHPGHGH]HPEURGH ..     

Aumento de capital ............................     5HVXOWDGRGRH[HUFtFLR ......................     6DOGRHPGHGH]HPEURGH ..     

DIRETORIA $QGHUVRQ3LQKRGR1DVFLPHQWR&DUORV$XJXVWR$OEXTXHUTXH.RQRSDW]NL &OiXGLD/HEUH5RGULJXHV'DYLG'DUDNMLDQ -HIHUVRQ0DUTXHV-RVp5REHUWR1LFROHWL CONTADOR RESPONSĂ VEL $UWKXU$UD~MRGH6RX]DÂą&5&%$2

Total do patrimĂ´nio lĂ­quido ............................... 

 



727$/'23$66,92(3$75,0Ă?1,2 /Ă‹48,'2 ...........................................................






BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

5

ECONOMIA MARCELLO CASAL JR / ABr

LĂ?TIO

Minas jå se prepara para a demanda mundial Mercado deve crescer 25% ao ano LEONARDO FRANCIA, * de Foz do Iguaçu

Minas Gerais estĂĄ no centro do desenvolvimento vertical da cadeia produtiva do lĂ­tio no Brasil, partindo da exploração e beneficiamento do mineral, atĂŠ seu uso pela indĂşstria moderna, como na fabricação de baterias para smartphones e carros elĂŠtricos. A ideia ĂŠ aproveitar a janela de oportunidades criada pela crescente demanda mundial pelo produto, que promete crescer 25% anualmente nos prĂłximos anos. JĂĄ sĂŁo vĂĄrios projetos em amadurecimento no Estado. Para o general do ExĂŠrcito Brasileiro AntĂ´nio dos Santos Guerra, o “motorâ€? do crescimento da demanda mundial por lĂ­tio serĂŁo suas aplicaçþes em baterias, juntamente com o desenvolvimento e maior uso de veĂ­culos elĂŠtricos, com o consumo de eletroeletrĂ´nicos portĂĄteis e em dispositivos de armazenamento de energia nas redes elĂŠtricas. “Um dos desafios ĂŠ a adoção de polĂ­ticas de integração dos diferentes elos dessa cadeia produtivaâ€?, disse, ontem, durante fĂłrum sobre o assunto, em Foz do Iguaçu (PR). PorĂŠm, o caminho para o desenvolvimento da cadeia do lĂ­tio ainda ĂŠ longo. Para se ter uma ideia, de acordo com dados do MinistĂŠrio de Minas e Energia. O Brasil tem hoje 8% das reservas mundiais do mineral. E, segundo o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), as reservas de lĂ­tio no PaĂ­s estĂŁo localizadas somente em Minas Gerais, no Vale do Jequitinhonha, e no CearĂĄ. Projetos - Em Minas, existem vĂĄrios projetos, em diferentes fases de maturação, na ĂĄrea do lĂ­tio. Um deles ĂŠ o da Sigma Mineração, empresa brasileira com 80% do capital nas mĂŁos da A10 Investimentos e 20% sob tutela de credores. A empresa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBĂ - UNIFEI

vai investir R$ 230 milhþes no biênio 2018/2019 na primeira fase de um projeto para exploração e produção de lítio em Araçuaí e Itinga, no Vale do Jequitinhonha. Conforme jå informado, os primeiros testes operacionais devem ocorrer em 2019 e a previsão Ê de geração de 200 empregos diretos e cerca de 600 indiretos. A årea onde estå localizada a jazida foi adquirida pela Sigma em 2012 e, desde então, a empresa jå investiu R$ 60 milhþes em pesquisas e sondagens. Outro projeto Ê o da AMG Mineração, que estå investindo cerca de US$ 175 milhþes (aproximadamente R$ 640 milhþes, considerando o câmbio atual) na construção de duas plantas de concentrado de lítio, em Nazareno (Campo das Vertentes). A partir de 2020, a empresa deve atingir uma produção anual de 180 mil toneladas de concentrado de lítio, o suficiente para colocar a companhia entre os 10 maiores produtores mundiais do mineral. O próprio governo de Minas tambÊm estå atento às oportunidades de mercado e de desenvolvimento de tecnologia ligados à cadeia produtiva do lítio e de baterias. Por meio da Codemig Participaçþes (Codepar), subsidiåria da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) dedicada a participar minoritariamente de empreendimentos em parceria com o setor privado, comprou 33% de participação na Companhia Brasileira de Lítio (CBL), que atua na exploração e beneficiamento do mineral no País, em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha. O valor envolvido na operação foi de R$ 80 milhþes. De acordo com informaçþes do governo de Minas, a participação da Codepar no capital da CBL assegura a sinergia com o aporte do Fundo Aerotec no capital

MINISTÉRIO DA EDUCAĂ‡ĂƒO

AVISO DE LICITAĂ‡ĂƒO PregĂŁo EletrĂ´nico “S.R.P.â€? (via internet): 024/2018 Objeto: Registro de preços para eventual aquisição de pneus, incluindo os VHUYLoRVUHODFLRQDGRVDVXEVWLWXLomRGRVSQHXVQRVYHtFXORVRÂżFLDLVGD81,)(, ,7$-8%Ăˆ, conforme condiçþes, quantidades e exigĂŞncias estabelecidas neste (GLWDOHVHXVDQH[RV Edital: $ SDUWLU GH  QRV VtWLRV ZZZXQLIHLHGXEU ou ZZZFRPSUDVJRYHUQDPHQWDLVJRYEU Etapa de Lances:  jV KPLQ QR VtWLR ZZZFRPSUDVJRYHUQDPHQWDLVJRYEU Informaçþes:   PregĂŁo EletrĂ´nico “S.R.P.â€? (via internet): 025/2018 Objeto: Registro de preços para eventual contratação de prestação de serviços de confecção e fornecimento de carimbos com reabastecimento automĂĄtico em 39&FRQIRUPHFRQGLo}HVTXDQWLGDGHVHH[LJrQFLDVHVWDEHOHFLGDVQHVWH(GLWDO HVHXVDQH[RV Edital: $ SDUWLU GH  QRV VtWLRV ZZZXQLIHLHGXEU ou ZZZFRPSUDVJRYHUQDPHQWDLVJRYEU Etapa de Lances:  jV KPLQ QR VtWLR wZZFRPSUDVJRYHUQDPHQWDLVJRYEU Informaçþes:  

Os projetos no Estado acompanham o maior uso do lítio pela indústria moderna, incluindo fabricação de baterias para smartphones

da britânica Oxis Energy, cuja unidade de produção de cÊlulas de bateria de lítio-enxofre estå prevista para começar no primeiro trimestre de 2020. A unidade serå instalada na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em cidade ainda a ser revelada.

Aplicação - O lítio Ê usado na produção de baterias de celulares, laptops e de veículos elÊtricos. Sua utilização como componente em baterias elÊtricas vem sendo aperfeiçoada para aumentar o tempo de uso e a autonomia. No caso dos seus compostos, o consumo

estå distribuído entre a indústria química (fabricação de graxas e lubrificantes), metalúrgica (fabricação de alumínio primårio), indústria cerâmica e indústria nuclear (fabricação de reatores). Atualmente, devido às suas aplicaçþes na indústria

moderna, o lítio, juntamente com as terras-raras, tambÊm Ê um dos minerais mais visados pelas pesquisas minerårias, que representam o início do ciclo de exploração e produção mineral. * O repórter viajou a convite da Sigma Mineração

Ă?MĂƒS DE TERRAS-RARAS

Produção terå início em 2019 na RMBH LEONARDO FRANCIA, * de Foz do Iguaçu

A construção de um laboratório-fåbrica de ímãs de terras-raras pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), deve ser finalizada atÊ setembro de 2019 e no final do mesmo ano a unidade deve ter seu start up. A planta estå recebendo investimentos de R$ 80 milhþes, distribuídos em obras civis, compra de equipamentos e estudos de viabilidade, e serå a primeira do País na fabricação de ímãs. As informaçþes são de fontes ligadas à Codemig, que preferiram não se identificar. A capacidade anual da planta serå de 100 toneladas de ímãs e a årea construída deve ser de 5,1 mil metros quadrados. A companhia jå informou que o empreendimento pode gerar aproximadamente 5,6

mil empregos, entre diretos e indiretos. A construção do empreendimento Ê a terceira e última fase de um projeto mais robusto, que envolve uma sÊrie de atores. A primeira etapa visou à obtenção do metal didímio a partir do óxido de terras-raras produzido pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), em Araxå, no Alto Paranaíba. Foi com a produção desta unidade que o metal foi obtido pela primeira vez no Brasil. AlÊm disso, o resultado das anålises mostrou que o metal tinha pureza adequada para a produção da liga que darå origem aos ímãs, alÊm de padrþes tÊcnicos compatíveis com normas mundiais. A produção do metal foi viåvel porque os produtos de terras-raras usados como matÊria-prima para a fabricação dos ímãs são extraídos no mesmo processo de produção do nióbio pela CBMM. Dessa forma,

CONSTRUTORA BARBOSA MELLO S/A CNPJ/MF - 17.185.786/0001-61 - JUCEMG – 3130003740-1 Ata de AssemblĂŠia Geral Ordinaria e ExtraordinĂĄria da Construtora Barbosa Mello S.A. - Data, hora e local: 27 de abril de 2018, Ă s 10:00, na sede social da Companhia, situada na Avenida Portugal, nÂş 4851, Bairro ItapoĂŁ, em Belo Horizonte, estado de Minas Gerais. AVISO AOS ACIONISTAS E CONVOCAĂ‡ĂƒO: Dispensados nos termos do artigo 133, § 4Âş, da Lei 6.404/76. Presença: presentes todos os acionistas da Companhia. MESA: Guilherme Moreira Teixeira e Alexandre Abreu Lobato, Presidente e SecretĂĄrio, respectivamente. ORDEM DO DIA: (i) Tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes Financeiras do exercĂ­cio social encerrado em 31 de GH]HPEURGHSXEOLFDGRVQDHGLomRGRVMRUQDLV'LiULR2ÂżFLDOGH0LQDV*HUDLVH+RMHHP'LDGRGLDGHDEULOGH 2018; (ii) Deliberar sobre a destinação do lucro lĂ­quido e a distribuição de dividendos; e (iii) Deliberar sobre a alteração das redaçþes dos Artigos 15 e 22 do Estatuto Social. DELIBERAÇÕES: Os acionistas aprovaram por unanimidade: (i) os RelatĂłrios da Administração e as Demonstraçþes Financeiras referente ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017, conforme publicaçþes QRÂł'LiULR2ÂżFLDOGH0LQDV*HUDLV´HQRÂł+RMHHP'LD´DPERVQDV respectivas ediçþes do dia 27 de abril de 2018; (ii) restar prejudicada a deliberação acerca da destinação do resultado do exercĂ­cio social encerrado 31 de dezembro de 2017, em razĂŁo da apuração de prejuĂ­zos pela Companhia, que serĂŁo compensados com as reservas de lucros de exercĂ­cios anteriores; (iii) a alteração da redação do artigo 15 do Estatuto Social, que passarĂĄ a viger com a seguinte redação: “Artigo 15. A Companhia serĂĄ administrada por uma Diretoria composta de, no mĂ­nimo, 3 (trĂŞs) e, no mĂĄximo, 4 (quatro) Diretores, acionistas ou nĂŁo, eleitos e destituĂ­veis a qualquer tempo pela Assembleia Geral, com mandato de dois anos, permitidas reeleiçþes sucessivas, sendo um Diretor-Presidente, um Diretor Vice-Presidente, um Diretor de Operaçþes, um Diretor de Engenharia, e atĂŠ dois Diretores Adjuntos, todos residentes no PaĂ­s. ParĂĄgrafo 1Âş - Respeitado o disposto no artigo 143 da Lei nÂş 6.404/76, a Assembleia poderĂĄ deixar de preencher qualquer dos cargos da Diretoria, situação em que o mesmo permanecerĂĄ vago atĂŠ posterior deliberação. ParĂĄgrafo 2Âş - Os Diretores serĂŁo investidos em seus cargos mediante assinatura de termo de posse no livro prĂłprio, dentro dos trinta dias subsequentes Ă  sua eleição. ParĂĄgrafo 3Âş - Os Diretores permanecerĂŁo no exercĂ­cio dos respectivos cargos, mesmo apĂłs o tĂŠrmino do mandato, atĂŠ a posse efetiva de seus substitutos. ParĂĄgrafo 4Âş - No caso de substituição no curso do mandato, o substituto completarĂĄ o mandato do substituĂ­do. ParĂĄgrafo 5Âş - A remuneração GRV'LUHWRUHVVHUiÂż[DGDSHOD$VVHPEOHLD*HUDOÂżFDQGRRV'LUHWRUHVGLVSHQVDGRVGHSUHVWDUFDXomRHPJDUDQWLDGHVXD gestĂŁo. (iv) a alteração da redação do artigo 22 do Estatuto Social, que passarĂĄ a viger com a seguinte redação: “Artigo 22. As procuraçþes ad negotia outorgadas pela Companhia deverĂŁo ser assinadas por 02 (dois) Diretores, devendo espeFLÂżFDUH[SUHVVDPHQWHRVSRGHUHVFRQIHULGRVHWHUmRSUD]RGHYDOLGDGHGHWHUPLQDGRQXQFDXOWUDSDVVDQGRXPDQRVHQGR YHGDGRRVXEVWDEHOHFLPHQWRVRESHQDGHQXOLGDGHHLQHÂżFiFLD ParĂĄgrafo Ăšnico - As procuraçþes ad judicia outorgadas a advogados para representação da Companhia em processos judiciais e administrativos e carta de preposição judicial poderĂŁo ser assinadas isoladamente por qualquer dos Diretores e poderĂŁo ter prazo de duração indeterminado, sendo permitido o substabelecimento, com reservas de iguais poderes.â€? (v) aprovar a lavratura da presente Ata sob a forma de SumĂĄrio. Encerramento: Lavrada a presente ata que, lida e achada conforme, ĂŠ por todos assinada e serĂĄ arquivada na -XQWD&RPHUFLDOGRHVWDGRGH0LQDV*HUDLVSDUDWRGRVRVÂżQVOHJDLV%HOR+RUL]RQWHGHDEULOGH*XLOKHUPH Moreira Teixeira - Acionista e Presidente da AGOE; Alexandre Abreu Lobato - Acionista e SecretĂĄrio da AGOE. Acionistas: Guilherme Moreira Teixeira - Acionista e Presidente da AGOE; Alexandre Abreu Lobato - Acionista e Secretario da AGOE; Carlos Moreira Teixeira - Acionista; Beatriz Teixeira Siqueira - Acionista; Helena Teixeira Rios - Acionista Andrea FĂĄtima Campello Coelho Couri - Acionista; ClĂĄudia Abreu Lobato Ferreira e Sousa - Acionista; MĂ´nica Abreu /REDWR $FLRQLVWD 9LVWR GR$GYRJDGR &DUORV +HQULTXH 6DOJH 5HFLIH  2$%0*  -8&(0*  &HUWLÂżFR R UHJLVWURVRERRRQžHP3URWRFROR0DULQHO\GH3DXOD%RPÂżP6HFUHWiULD*HUDO

ainda existe uma vantagem competitiva porque a operação, incluindo lavra, beneficiamento e produção, jå Ê praticamente custeada, uma vez que o processo Ê o mesmo do nióbio. A segunda fase do projeto foi concluída recentemente. A CBMM, ainda em escala laboratorial, jå estå produzindo a liga de didímio-ferro-boro, que då origem à fabricação de ímãs. Estes ímãs são componentes-chave de aplicaçþes intensivas em energia, como aerogeradores e motores elÊtricos para måquinas industriais, eletrodomÊsticos, elevadores e carros híbridos e elÊtricos. As primeiras amostras de tiras ou flakes desta liga foram obtidas graças à aquisição de um equipamento único no Brasil, mediante um aporte de R$ 500 mil da CBMM, em um projeto de R$ 2,7 milhþes, no âmbito da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

A produção de ímãs de terras-raras em Minas Gerais pode reduzir a dependência do Brasil das importaçþes do produto. A China tem o monopólio de 97% da produção mundial de óxidos de terras-raras e limita a exportação por meio de cotas. Como consequência, o mercado nacional passou a ser atendido exclusivamente via importação, o que resultou em volatilidade de preços e escassez de oferta. AlÊm da CBMM, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e da Codemig, tambÊm são parceiros do projeto: a Weg; a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi); a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN) e as empresas Imag e Brats. * O repórter viajou a convite da Sigma Mineração

Ata de ReuniĂŁo do Conselho de Administração Realizada em 26 de abril de 2018 - Data, HorĂĄrio e Local: 26 de abril de 2018, Ă s 17h:30min, na sede social da Companhia, na Av. Bernardo de Vasconcelos, nÂş 377, Bairro Cachoeirinha, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Presença: Presentes os seguintes membros do Conselho de Administração: JosĂŠ Salim Mattar JĂşnior, AntĂ´nio ClĂĄudio BrandĂŁo Resende, EugĂŞnio Pacelli Mattar, FlĂĄvio BrandĂŁo Resende, Oscar de Paula Bernardes Neto, JosĂŠ GallĂł, Maria LetĂ­cia de Freitas Costa. AusĂŞncia MXVWLÂżFDGDGH6WHIDQR%RQÂżJOLRInstalação/ Mesa: Presidente: Jose Salim Mattar JĂşnior. SecretĂĄria: Gabriella Gomes Vieira Campos Faustino. Ordem do dia: 1) Apreciar a ata de reuniĂŁo do ComitĂŞ de Auditoria, GestĂŁo de Riscos e Compliance; 2)$SUHFLDUDVLQIRUPDo}HVWULPHVWUDLV ,75 UHODWLYDVDRÂ&#x17E;WULPHVWUHGH3) Eleger e GDUSRVVHDRVPHPEURVGD'LUHWRULD4) Eleger e dar posse aos membros dos seguintes ComitĂŞs: 4.1) GestĂŁo de 3HVVRDV4.2) Auditoria, GestĂŁo de Riscos e ComplianceH4.3)(VWUDWpJLD e 5) Aprovar o Contrato de GestĂŁo da Diretoria para 2018. Deliberaçþes por unanimidade â&#x20AC;&#x201C; 1) Apreciada a ata de reuniĂŁo do ComitĂŞ de Auditoria, *HVWmRGH5LVFRVH&RPSOLDQFHVHQGRDSURYDGRRFRQWH~GRGHVXDVGHOLEHUDo}HV2) $SURYDGDVDVLQIRUPDo}HV WULPHVWUDLV ,75  UHODWLYDV DR Â&#x17E; WULPHVWUH GH  3) Foram eleitos para compor a diretoria da Companhia: 3.1) Para o cargo de Diretor Presidente, o Sr. EugĂŞnio Pacelli MattarEUDVLOHLURFDVDGRHPSUHViULR&,0* 6630*&3)FRPHQGHUHoRFRPHUFLDOQD$Y%HUQDUGRGH9DVFRQFHORVQÂ&#x17E;%DLUUR &DFKRHLULQKDHP%HOR+RUL]RQWH0LQDV*HUDLV3.2)3DUDRFDUJRGH'LUHWRUGH)LQDQoDVHGH5HODo}HVFRP ,QYHVWLGRUHV R 6U. Mauricio Fernandes Teixeira EUDVLOHLUR FDVDGR HQJHQKHLUR &,  Âą ,)35- &3)FRPHQGHUHoRFRPHUFLDOQD$Y%HUQDUGRGH9DVFRQFHORVQÂ&#x17E;%DLUUR&DFKRHLULQKDHP %HOR+RUL]RQWH0LQDV*HUDLVH3.3)Para os cargos de Diretores Executivos o Sr. Bruno Sebastian Lasansky, DUJHQWLQRFDVDGRHQJHQKHLUR&,9/Âą51(&3)R6UHeros Di Jorge, brasileiro, FDVDGRDGPLQLVWUDGRU&,66363&3)R6UJoĂŁo HilĂĄrio De Ă vila Valgas Filho, EUDVLOHLURGLYRUFLDGRHQJHQKHLUR&,0Âą6630*&3)R6UClaudio JosĂŠ Zattar, EUDVLOHLUR FDVDGR HQJHQKHLUR &,  ,)35- &3)  H R 6U Daniel Guerra Linhares, EUDVLOHLURFDVDGRDGPLQLVWUDGRU&,Âą6630*&3)WRGRVFRPHQGHUHoRFRPHUFLDO na Av. Bernardo de Vasconcelos, nÂş 377, Bairro Cachoeirinha, em Belo Horizonte, Minas Gerais, subordinados DR 'LUHWRU 3UHVLGHQWH 2V 'LUHWRUHV DQWHULRUPHQWH TXDOLÂżFDGRV ÂżFDP HPSRVVDGRV QHVWH DWR H WHUmR SUD]R GH PDQGDWRDWpDSULPHLUDUHXQLmRGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomRTXHIRUUHDOL]DGDDSyV$VVHPEOHLD*HUDO2UGLQiULD da Companhia de 2019. 4) Foram eleitos e empossados os seguintes membros e secretĂĄrios dos ComitĂŞs: 4.1) ComitĂŞ de GestĂŁo de Pessoas: 1. JosĂŠ GallĂłEUDVLOHLURFDVDGRDGPLQLVWUDGRUGHHPSUHVDVSRUWDGRUGD&,QÂ&#x17E;  &3)  Âą Coordenador. 2. Maria LetĂ­cia de Freitas Costa, brasileira, solteira, JUDGXDGDHP(QJHQKDULDGH3URGXomR&,QÂ&#x17E;66363&3)3. AntĂ´nio ClĂĄudio BrandĂŁo Resende, EUDVLOHLURFDVDGRHPSUHViULRSRUWDGRUGDFDUWHLUDGHLGHQWLGDGHQÂ&#x17E;06630* &3)SecretĂĄrio: Daniel Guerra LinharesEUDVLOHLURFDVDGRDGPLQLVWUDGRU&,Âą 6630*&3)WRGRVFRPHQGHUHoRFRPHUFLDOQD$Y%HUQDUGRGH9DVFRQFHORVQÂ&#x17E;%DLUUR Cachoeirinha, em Belo Horizonte, Minas Gerais. 4.2) ComitĂŞ de Auditoria, GestĂŁo de Riscos e Compliance: 1. Oscar de Paula Bernardes Neto EUDVLOHLUR FDVDGR HQJHQKHLUR TXtPLFR &,   66363 &3)  Âą &RRUGHQDGRU  6WHIDQR %RQÂżJOLR, italiano, casado, economista, portador do passaporte Q<$3. FlĂĄvio BrandĂŁo Resende, brasileiro, solteiro, empresĂĄrio, portador da carteira de identidade nÂş 06630*&3)SecretĂĄria: Alehandra Castro Brant, brasileira, casada, contadora, SRUWDGRUDGDFDUWHLUDGHLGHQWLGDGHQÂ&#x17E;0*6630*&3)WRGRVFRPHQGHUHoR FRPHUFLDO QD$Y %HUQDUGR GH 9DVFRQFHORV QÂ&#x17E;  %DLUUR &DFKRHLULQKD HP %HOR +RUL]RQWH 0LQDV *HUDLV 4.3) ComitĂŞ de EstratĂŠgia: 1. Maria LetĂ­cia de Freitas Costa, brasileira, solteira, graduada em Engenharia de 3URGXomR&,QÂ&#x17E;66363&3)â&#x20AC;&#x201C; Coordenadora. 2. JosĂŠ GallĂł, brasileiro, casado, DGPLQLVWUDGRUGHHPSUHVDVSRUWDGRUGD&,QÂ&#x17E;&3)3. Oscar de Paula Bernardes Neto EUDVLOHLUR FDVDGR HQJHQKHLUR TXtPLFR &,   66363 &3)  4. Stefano %RQÂżJOLRLWDOLDQRFDVDGRHFRQRPLVWDSRUWDGRUGRSDVVDSRUWHQ<$H5. EugĂŞnio Pacelli Mattar, EUDVLOHLURFDVDGRHPSUHViULR&,0*Âą6630*&3)SecretĂĄrio: Bruno Sebastian LasanskyDUJHQWLQRHQJHQKHLURFDVDGRSRUWDGRUGRSDVVDSRUWH$$&H[SHGLGDSHOD9/&3) WRGRVFRPHQGHUHoRFRPHUFLDOQD$Y%HUQDUGRGH9DVFRQFHORVQÂ&#x17E;%DLUUR&DFKRHLULQKD em Belo Horizonte, Minas Gerais. 5) Aprovados os Contratos de GestĂŁo da Diretoria para 2018. Encerramento e Lavratura da Ata:6HPPDLVGHOLEHUDo}HVIRUDPVXVSHQVRVRVWUDEDOKRVSHORWHPSRQHFHVViULRjODYUDWXUD GHVWDDWDTXHIRLOLGDHDSURYDGDSHORVSUHVHQWHVCertidĂŁo:'HFODURTXHHVWDpFySLDÂżHOGDDWDGH5HXQLmR do Conselho de Administração devidamente transcrita em livro arquivado na sede social da Companhia, com a assinatura dos participantes: JosĂŠ Salim Mattar JĂşnior, AntĂ´nio ClĂĄudio BrandĂŁo Resende, EugĂŞnio Pacelli Mattar, FlĂĄvio BrandĂŁo Resende, Oscar de Paula Bernardes Neto, JosĂŠ GallĂł e Maria LetĂ­cia de Freitas Costa. Gabriella Gomes Vieira Campos Faustino, SecretĂĄria do Conselho de Administração.


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

6

ECONOMIA CAUTELA

Confiança do consumidor fica estĂĄvel Indicador medido pelo SPC Brasil tem pequeno recuo de 42,2 pontos em março para 42 pontos em abril O consumidor brasileiro segue cauteloso, segundo pesquisa divulgada ontem, em SĂŁo Paulo, pelo Serviço de Proteção ao CrĂŠdito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O Indicador de Confiança do Consumidor (ICC) ficou NOG PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S/A NOGPAR

CNPJ: 64.418.858/0001-53 - NIRE: 31300009017 Data:14/01/1991 BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL EM 31/12/2017 ATIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa ................................................ 731,51 Bancos c/ Movimento ...................... 1,00 Aplicaçþes Financeiras .................... 4.544,17 Contas a Receber Contrato de Mutuo ........................... 313.217,70 Outras Contas a Receber .................. 2.500,00 Impostos a Recuperar ....................... 133.272,95 Estoques ImĂłveis ............................................. 301.086,02 Construçþes ...................................... 2.594.563,48 Depreciação ...................................... (2.368.215,36) Dif. IPC/BTN .................................. 843.605,62 Estoque de Animais Rebanho Bovino............................... 51.100,00 1.876.407,09 Ativo nĂŁo Circulante Outros CrĂŠditos ................................ 1.152.946,52 Investimentos em TĂ­tulos ................. 1,00 Imobilizado .................................... 5.989,03 Depreciação ...................................... (5.989,03) Imobilizado ...................................... 1.766,36 1.154.713,88 Total do Ativo ................................. 3.031.120,97 PASSIVO Passivo Circulante Contas a Pagar Fornecedor ....................................... 1.405,50 Obrigaçþes TributĂĄrias ..................... 2.711,51 Obrigaçþes Sociais ........................... 3.842,08 ProvisĂľes .......................................... 6.491,81 14.450,90 PatrimĂ´nio LĂ­quido Capital Social ................................... 3.208.237,56 Reservas Legal ................................. 78.189,05 Prejuizos Acumulados ...................... (269.756,54) 3.016.670,07 Total do Passivo ............................. 3.031.120,97 Reconhecemos a exatidĂŁo do presente Balanço Patrimonial, realizado em 31/12/2017, estando de acordo com a documentação enviada Ă Contabilidade, somando tanto no Ativo como no Passivo o valor total de 3.031.120,97 (TrĂŞs MilhĂľes, trinta e um mil, cento e vinte reais e noventa e sete centavos). DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO RESULTADO DO EXERCĂ?CIO EM 31/12/2017 Receita Bruta Receita de Serviços de Locação ......... 308.258,46 (-) Deduçþes da Receita Bruta (-) Impostos sobre Vendas e Serviços (11.251,42) Receitas LĂ­quida .............................. 297.007,04 Lucro Operacional Bruto ............... 297.007,04 Receitas e Despesas Operacionais Despesas c/Pessoal ............................. (146.434,21) Despesas c/Ocupação ......................... (240.336,52) Despesas Gerais e Administrativas .... (598.711,74) Outras Receitas Operacionais ............ 319.948,19 Resultado Operacional ................... (312.332,83) Receitas e Despesas Financeiras Despesas Financeiras ......................... (5.457,37) Receitas Financeiras ........................... 104.450,89 Resultado Antes dos Tributos sobre Lucros .................................... (213.339,31) ProvisĂŁo de IR/CSLL ......................... (56.194,41) Resultado do ExercĂ­cio ................... (269.533,72) Reconhecemos a exatidĂŁo do presente demonstrativo, realizado em 31 de Dezembro de 2017. Belo Horizonte, 31 de Dezembro de 2017. NOG PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S/A - NOGPAR JoĂŁo Nogueira Soares Nunes - Diretor Presidente Tatiana Caetano Rocha Carvalho Contadora - CRC/MG 76530/O-0

estĂĄvel ao passar de 42,2 pontos em março para 42 pontos em abril. No mesmo perĂ­odo de 2017, o Ă­ndice estava em 40,5 pontos. A metodologia da pesquisa, que tem seu indicador de zero a 100, indica que resultados acima de 50 pontos demonstram otimismo entre os consumidores e abaixo dessa marca, representam pessimismo. â&#x20AC;&#x153;A lenta e gradual retomada econĂ´mica ainda nĂŁo exerce efeito no humor do brasileiro, que segue cauteloso para comprometer sua renda, mesmo com uma inflação sob controle. A expectativa ĂŠ A RECICLADORA UNIĂ&#x192;O DE MATERIAIS PLĂ STICOS LTDA, por determinação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento SustentĂĄvel â&#x20AC;&#x201C; SEMMAD, torna pĂşblico que foi solicitado atravĂŠs do Processo Administrativo nÂş 26326/2018, a Licença Ambiental Simplificada, para a atividade de reciclagem mecânica de plĂĄsticos em folha; fabricação de artefatos de material plĂĄstico para usos nĂŁo especificados anteriormente, localizada na Rua Toyota, nÂş 261, Bairro Distrito Industrial Jardim Piemont Norte, CEP 32.689-354, Betim/MG.

LEILĂ&#x192;O ALIENAĂ&#x2021;Ă&#x192;O FIDUCIĂ RIA BDMG-002/2018 O BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS S.A. â&#x20AC;&#x201C; BDMG torna pĂşblico que realizarĂĄ leilĂŁo objetivando a venda de um imĂłvel comercial com ĂĄrea total de aproximadamente 760 m², situado na Rua Piraquara, nÂş 338 e 350, em Belo Horizonte - MG, imĂłvel recebido em razĂŁo de ter constituĂ­do garantia de propriedade fiduciĂĄria em contrato inadimplido perante o BDMG. Em observância Ă legislação, o 1Âş leilĂŁo ocorrerĂĄ no dia 28/5/2018, Ă s 14h. Fica desde jĂĄ agendada a realização do 2Âş leilĂŁo no dia 30/5/2018, Ă s 14h, para o caso de o imĂłvel nĂŁo ser arrematado no 1Âş leilĂŁo. Os interessados poderĂŁo participar por meio do envio de lances via internet, no site www.claudioreisleiloeiro.com.br. Observadas as regras e procedimentos previstos no edital, cuja cĂłpia pode ser obtida em www.bdmg.mg.gov.br ou no site citado acima. Informaçþes complementares pelo e-mail claudio.luiz.reis@bol.com.br ou pelo telefone (31) 3343-6013.

SOUZA, CESCON, BARRIEU, FLESCH E BARRETO SOCIEDADE DE ADVOGADOS CNPJ/MF nÂş 10.687.865/0001-21 - EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - Convocamos os sĂłcios para comparecerem Ă reuniĂŁo que serĂĄ realizada no dia 25 de maio de 2018, Ă s 10:00 horas, na sede social, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) alteração da denominação social, e (ii) alteração do contrato social para refletir a deliberação do item anterior. MARCOS FLESCH - SĂłcio Gestor

SOUZA, CESCON, BARRIEU, FLESCH E BARRETO SOCIEDADE DE ADVOGADOS CNPJ/MF nÂş 10.687.865/0001-21 - EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - Convocamos os sĂłcios para comparecerem Ă reuniĂŁo que serĂĄ realizada no dia 25 de maio de 2018, Ă s 11:00 horas, na sede social, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) exclusĂŁo de sĂłcio, e (ii) alteração do contrato social para refletir a deliberação do item anterior. MARCOS FLESCH - SĂłcio Gestor

Custo de vida - Mesmo com inflação controlada, 49% dos consumidores atribuem a avaliação negativa da vida financeira ao alto custo de vida. O aumento de preços de produtos e serviços serve como argumento principal da percepção negativa da economia brasileira para 51% dos consumidores, enquanto 39% citam os altos juros. â&#x20AC;&#x153;Mesmo com a inflação Retomada lenta da economia ainda nĂŁo motiva consumidor brasileiro a ir Ă s compras abaixo da meta, o custo de vida ainda incomoda, porque combustĂ­veis (85%) e conta finanças foi a razĂŁo mais declaradamente pessimistas a renda ainda nĂŁo se recu- de energia (82%). Os consu- destacada, lembrada por com a economia. Quando essa avaliação se perou para nĂ­veis prĂłximos midores mencionam tambĂŠm 57% dos entrevistados. HĂĄ ao perĂ­odo prĂŠ-crise. O de- o fato de estarem desem- ainda 24% que disseram restringe Ă  vida financeira, semprego continua elevado, pregados (37%), a queda contar com alguma reserva o volume de pessimistas cai para 12%. Os otimistas a despeito do avanço recente da renda familiar (27%) e financeira. com a economia sĂŁo 17% da atividade econĂ´micaâ&#x20AC;?, de terem lidado com algum afirmou a economista-chefe imprevisto que desorganizou Futuro - A pesquisa tam- da amostra, ao passo que, bĂŠm procurou saber o que para a prĂłpria vida finando SPC Brasil, Marcela Ka- as finanças (16%). Em sentido oposto, para os brasileiros esperam do ceira, o percentual dos que wauti. A elevação dos preços aqueles que consideram o futuro da economia para vislumbram uma melhora ĂŠ sentida, principalmente, momento atual como bom os prĂłximos seis meses e sobe para 56% dos ouvidos nos supermercados (87%), ou Ăłtimo, o controle das descobriu que 40% estĂŁo pela pesquisa. (ABr) A FERRAMENTARIA E PROTĂ&#x201C;TIPO SOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O LTDA, por determinação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento SustentĂĄvel â&#x20AC;&#x201C; SEMMAD, torna pĂşblico que foi solicitado atravĂŠs do Processo Administrativo nÂş 26850/2018, a Revalidação da Licença Ambiental Simplificada, para a atividade de fabricação de mĂĄquinas, ferramentas e acessĂłrios; serviços de usinagem, tornearia e solda; manutenção e reparação de mĂĄquinas e ferramentas, localizada na Rua Dois, nÂş 165, Bairro Distrito Industrial Bandeirinhas, CEP 32.654-802, Betim/MG.

SINDICATO DA INDĂ&#x161;STRIA DA CONSTRUĂ&#x2021;Ă&#x192;O CIVIL NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINDUSCON-MG ELEIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES SINDICAIS - TRIĂ&#x160;NIO 2018/2021 AVISO RESUMIDO DO EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SerĂĄ realizada eleição para composição da Diretoria, Conselho Fiscal e Delegados Representantes do Sindicato da IndĂşstria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), em sua sede social, Ă Rua MarĂ­lia de Dirceu, nÂş 226, 4Âş andar, em Belo Horizonte/MG, no prĂłximo dia 03 (trĂŞs) de julho de 2018 (3ÂŞ feira), no horĂĄrio de 09h Ă s 19h30min. O registro de chapas deverĂĄ ser efetuado junto Ă  Coordenadoria Sindical do Sinduscon-MG, no horĂĄrio de 08 Ă s 12h e de 14 Ă s 18h, em dias Ăşteis, a partir do dia 18 (dezoito) de maio de 2018 (sexta-feira), atĂŠ o dia 08 (oito) de junho de 2018 (sexta-feira), no mesmo endereço acima. O Edital completo acha-se, a partir de hoje, DÂż[DGRQDVHGHGR6LQGXVFRQ0*%HOR+RUL]RQWH MG, 18 de maio de 2018. (a) Andre de Sousa Lima Campos - Presidente do SINDUSCON-MG

CNPJ 24.263.560/0001-05 DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E 2016 DE 2016 E 2017 - (Valores expressos em reais) (Valores expressos em reais) 2016 2017 ATIVO 2016 2017 RECEITA OPERACIONAL BRUTA RECEITA OPERACIONAL LĂ?QUIDA ATIVO CIRCULANTE ..................... 1.000,00 1.000,00 DESPESAS OPERACIONAIS DISPONIBILIDADES ...................... 1.000,00 1.000,00 Despesas Administrativas .............................. (4.536,05) TOTAL DO ATIVO............................. 1.000,00 1.000,00 RESULTADO BRUTO ................................ (4.536,05) LUCRO ANTES DO RESULTADO PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO FINANCEIRO .............................................. (4.536,05) LĂ?QUIDO ............................................. 2016 2017 RESULTADO FINANCEIRO LĂ?QUIDO........... PASSIVO CIRCULANTE .................. 4.536,05 OUTRAS RECEITAS E DEPESAS Debito acionista cotista ...................... 4.536,05 OPERACIONAIS ............................................... AĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES EM TESOURARIA ............. 1.000,00 1.000,00 RESULTADO OPERACIONAL ........................ Apuraçao resultado exercicio ............ (4.536,05) RESULTADO OPERACIONAL ................ TOTAL DO PASSIVO E IMPOSTOS S/ RESULTADO PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO ................. 1.000,00 1.000,00 LUCRO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO ....... (4.536,05) G&G PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES HOLDING S/A DIRETORIA MĂ RCIO GOMES DA SILVA CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR

CNPJ: 11.389.829/0001-44 DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, (Valores expressos em reais) 2016 E 2017 - (Valores expressos em reais, com centavos) ATIVO 2015 2016 2017 2017 2016 2015 Disponibilidades .................. 904,97 177,39 RECEITA OPERACIONAL Estoques Gerais ................... 1.371.927,28 1.371.927,28 1.371.927,28 BRUTA............................................ 2.112.000,00 1.342.507,86 Investimentos ....................... 3.548.375,68 3.548.375,68 Deduçþes da Receita ..................... (77.088,00) (56.184,93) TOTAL DO ATIVO.............. 6.831.923,41 6.183.088,09 8.371.597,17 RECEITA OPERACIONAL PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDA .................................... 2.034.912,00 1.286.322,93 LĂ?QUIDO 2015 2016 2017 Custos.............................................. (826.180,40) (753.530,06) (287.373,52) Fornecedores / Mediçþes Ger RESULTADO BRUTO .............. 1.208.731,60 532.792,87 (287.373,52) Obrigacoes Fiscais ............... 10.362,11 18.011,56 13.892,33 Despesas Operacionais.................... Adiantamento Clientes......... 15.574,65 LUCRO ANTES DO Receitas/Custos Exercicios RESULTADO FINANCEIRO .. 1.208.731,60 532.792,87 (287.373,52) Futuros ................................. 1.533.000,00 190.492,14 6.690.492,14 Resultado Financeiro LĂ­quido ......... 164.091,72 189.371,25 (8.429,59) PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .. 5.288.561,30 5.974.584,39 1.618.638,05 Outras Receitas e Depesas RESERVAS DE LUCROS... 4.088.561,30 4.088.561,30 714.441,16 Operacionais ................................... TOTAL DO PASSIVO E Resultados C/Alienação Ativo ........ PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .. 6.831.923,41 6.183.088,09 8.371.597,17 Resultado Operacional .................... 1.372.823,32 722.164,12 (295.803,11) CENTER MINAS PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S/A RESULTADO OPERACIONAL 1.372.823,32 722.164,12 (295.803,11) DIRETORIA Impostos S/ Resultado..................... (52.531,56) (36.141,03) MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA IRPJ ............................................... (27.648,19) (19.516,45) CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR CSLL ............................................. (24.883,37) (16.624,58) MĂ RCIO GOMES DA SILVA LUCRO LĂ?QUIDO DO CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR EXERCĂ?CIO ................................ 1.320.291,76 686.023,09 (295.803,11)

EP-I6 SANTA LĂ&#x161;CIA HOLDING S.A

EP-16 SANTA LĂ&#x161;CIA HOLDING S/A - DIRETORIA MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR MĂ RCIO GOMES DA SILVA CRC:MG 097422 - CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A, por determinação do Conselho Estadual de PolĂ­tica Ambiental COPAM, torna pĂşblico que solicitou atravĂŠs do Processo nÂş 01261/2006, Licença de Operação - LO para Unidade de Tratamento de Minerais UTM, com tratamento a Ăşmido de minĂŠrio 24Mtpa (moagem, Ă&#x20AC;RWDomR EULWDJHP HVSHVVDGRU de concentrado) e Lavra a cĂŠu aberto - MinĂŠrio de ferro 24Mtpa, no Empreendimento Mina Viga, localizado nos MunicĂ­pios de Congonhas e Jeceaba, Estado de Minas Gerais.

PEDIDO DE LICENĂ&#x2021;A DE IMPLANTAĂ&#x2021;Ă&#x192;O CORRETIVA UNITEC SEMICONDUTORES S.A., registrada no CNPJ sob NÂş 07.488.680/0001-83, dando conformidade Ă s normativas emitidas pelo Conselho Estadual de PolĂ­tica Ambiental de Minas Gerais para empreendimentos industriais, torna pĂşblico que requereu ao SISEMA/ SUPRAM Central pedido de Licença de Implantação Corretiva (LIC) de sua unidade industrial em RibeirĂŁo das Neves destinada a fabricação de componentes eletrĂ´nicos situada na BR 040, km 508,5, bairro Veneza, em RibeirĂŁo das Neves â&#x20AC;&#x201C; MG. A Licença de Implantação Corretiva corresponde ao processo administrativo NÂş 21504/2011/002/2012 e ao FOB: 0336285/2018.

ATLOAD LOGĂ?STICA LTDA.

A ELITE ESTRUTURAS METĂ LICAS E CALDEIRARIA EIRELI, por determinação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento SustentĂĄvel â&#x20AC;&#x201C; SEMMAD, torna pĂşblico que foi solicitado atravĂŠs do Processo Administrativo nÂş 23756/2018, a /LFHQoD$PELHQWDO 6LPSOLÂżFDGD Âą &ODVVH  para a atividade defabricação de estruturas metĂĄlicas, calhas, dutos, portas, janelas, portĂŁo, rufos, latas para concreto, mictĂłrios e churrasqueiras; prestação de serviços de manutenção industrial, serviços de usinagem e solda, funilaria, caldeiraria, corte e dobra de chapas em geral, instalação de telhados em policarbonatos, bem como outras obras de acabamento de construção, localizada na Avenida Amazonas, nÂş 3906, Bairro &DFKRHLUD&(3%HWLP0*

CNPJ: 02.129.050/0001-07 NIRE: 31205656281 EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE REUNIĂ&#x192;O DE SĂ&#x201C;CIOS Ficam convocados os senhores sĂłcios da ATLoad LogĂ­stica Ltda., nos termos dos arts. 1.072 e 1.152, §§ 1Âş e 3Âş do CĂłdigo Civil Brasileiro, a comparecer Ă reuniĂŁo que realizar-se-ĂĄ no dia 28 de maio de 2018, Ă s 14h30min, em primeira convocação ou Ă s 15:00h, em segunda convocação, na sede social da sociedade, situada na Rua Ministro Orozimbo Nonato, nÂş 102, pavimento 07, sala 702, Torre B, Bairro Vila da Serra, CEP: 34.006-053, Nova Lima/MG, para deliberar sobre: a) Distribuição de Lucros acumulados; b) Deliberação dos sĂłcios acerca das propostas de compra e venda de quotas sociais; c) Dissolução da sociedade. Nova Lima, 14 de maio de 2018. FREDERICO PACE TAVARES GONĂ&#x2021;ALVES DRUMOND, JACQUELINE PEZZINI ASSIS, MARIA LUCIA DELGADO, GUILHERME DELGADO DE PAULA e PEDRO DELGADO DE PAULA - SĂłcios

CNPJ: 18.392.915/0001-55

BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO 2015 2016 2017 ATIVO CIRCULANTE .... 1.1 26.679.701,10 22.377.132,68 25.003.439,61 Disponibilidades .................... 774,73 502,69 422,08 Outros Creditos ...................... 407.121,67 24.562,74 20.288,77 Estoques Gerais ..................... 26.271.804,70 22.352.067,25 24.982.728,76 ATIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 7.693.802,59 17.623.585,88 17.338.559,11 Imobilizado ............................ 7.693.802,59 17.623.585,88 17.338.559,11 TOTAL DO ATIVO................ 34.373.503,69 40.000.718,56 42.341.998,72 PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO 2015 2016 2017 PASSIVO CIRCULANTE ..... 34.387.806,91 40.003.866,22 42.293.981,05 Fornecedores / Medicoes Ger 13.345,33 976.020,36 132.687,71 Obrigaçþes Trabalhistas ........ 125,53 Obrigaçþes Fiscais ................ 1.791,37 26.371,76 49.484,08 Outras Obrigaçþes ................. 34.372.544,68 39.001.474,10 42.111.809,26 PASSIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .... (14.303,22) 3.147,66) 48.017,67 TOTAL DO PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .... 34.373.503,69 40.000.718,56 42.341.998,72

DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) 2015 2016 2017 RECEITA OPERACIONAL BRUTA............................................ 433.370,82 896.551,94 1.495.471,14 DEDUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DA RECEITA ........... (40.086,80) (82.931,07) (54.950,78) Resultado Bruto Lucro antes do Resultado Financeiro .................................. 36.750,93 (31.986,82) 1.178.985,55 RESULTADO OPERACIONAL .... (85.458,15) 15.496,40 1.180.320,59 Resultado Operacional.............. (85.458,15) 15.496,40 1.180.320,59 IMPOSTOS S/ RESULTADO ........ (4.467,04) (139.798,57) IRPJ............................................... (2.791,90) (96.440,12) LUCRO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO.............................. (85.458,15) 11.029,36 1.040.522,02 EP-01 NOVA LIMA HOLDING S/A - DIRETORIA MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR MĂ RCIO GOMES DA SILVA CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR

CNPJ: 18.352.011/0001-04

BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO 2015 2016 2017 ATIVO CIRCULANTE ......... 52.613.999,02 58.190.249,92 24.230.476,06 Disponibilidades .................... 50.743,51 583.098,97 75.921,18 Contas a Receber ................... 17.312.908,91 15.778.169,72 9.149.912,94 Outros CrĂŠditos ...................... 7.410.969,64 13.198.391,97 2.653.631,63 Estoques Gerais ..................... 27.839.376,96 28.630.589,26 12.351.010,31 ATIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 20.889,17 17.389,13 Imobilizado ............................ 20.889,17 17.389,13 TOTAL DO ATIVO................ 52.634.888,19 58.207.639,05 24.230.476,06 PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO ................................ 2015 2016 2017 PASSIVO CIRCULANTE ..... 515.368,25 797.710,16 2.069.640,32 Fornecedores ......................... 315.602,13 409.160,42 303.070,27 Adiantamentos de Clientes ... EmprĂŠstimos e Financiamentos Obrigaçþes Trabalhistas ......... 68.582,70 137.018,58 42.945,97 Obrigaçþes Fiscais ................. 55.794,81 118.057,03 41.883,65 OUTRAS OBRIGAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES ..... 75.388,61 133.474,13 1.681.740,43 PASSIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 28.666.996,44 31.339.268,08 PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .... 23.452.523,50 26.070.660,81 22.160.835,74 TOTAL DO PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO .... 52.634.888,19 58.207.639,05 24.230.476,06 EP-13 RANA EMPREENDIMENTOS IMOBILIĂ RIOS S/A - DIRETORIA

DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) 2015 2016 2017 RECEITA OPERACIONAL BRUTA......................................... 8.002.141,45 8.551.356,34 18.013.495,33 Deduçþes da Receita .................... (389.328,91) (360.187,39) (1.772.997,90) RECEITA OPERACIONAL LĂ?QUIDA ................................ 7.612.812,54 8.191.168,95 16.240.497,43 Custos ........................................ (5.008.413,87) (4.980.938,40) (4.960.854,06) RESULTADO BRUTO .......... 2.604.398,67 3.210.230,55 11.279.643,37 LUCRO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO 2.604.398,67 3.210.230,55 11.279.643,37 Resultado Financeiro LĂ­quido ...... (369.596,63) (592.187,11) (1.204.923,81) Resultado Financeiro LĂ­quido ... 7.133,37 (10.763,32) Resultado Operacional............... 2.241.935,41 2.618.043,44 10.063.956,24 RESULTADO OPERACIONAL.................... 2.241.935,41 2.618.043,44 10.063.956,24 Impostos S/ Resultado ............... (11.655,06) IRPJ .......................................... (6.134,24) CSLL ........................................ (5.520,82) LUCRO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO........................... 2.241.935,41 2.618.043,44 10.052.301,18

MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA - CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR MĂ RCIO GOMES DA SILVA - CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR

GUIART PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S.A.

CNPJ 20.418.846/0001-53

DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) 2015 RECEITA OPERACIONAL BRUTA.......................................................... Receitas de AluguĂŠis................................... RECEITA OPERACIONAL LĂ?QUIDA ................................................. DEDUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DA RECEITA ......................... (-) Deduçþes sobre a Receita ...................... CUSTOS Custos com Obras P/ Incorporação RESULTADO BRUTO ........................... LUCRO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO ......................................... RESULTADO FINANCEIRO LĂ?QUIDO Receitas Financeiras Despesas Financeiras RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO OPERACIONAL...... IMPOSTOS S/ RESULTADO ................ IRPJ ...................................................... CSLL..................................................... RESULTADO DO EXERCĂ­CIO ......

CNPJ 17.267.634/0001-08, NIRE 3130002319-2 EDITAL DE CANCELAMENTO DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINĂ RIA E EXTRAORDINĂ RIA: A Casa de SaĂşde e Maternidade Santa FĂŠ S.A., CNPJ 17.267.634/0001-08, NIRE 3130002319-2, vem, pelo presente edital, informar aos senhores acionistas sobre o cancelamento das Assembleias Gerais: OrdinĂĄria e ExtraordinĂĄria (AGO e AGE), originalmente agendadas para o dia 15/06/2018, Ă s 19hs, conforme edital de conYRFDomRSXEOLFDGRQR'LiULR2ÂżFLDOGH0LQDV*HUDLVQDV ediçþes dos dias 15/05/2018 (p. 04), 16/05/2018 (p. 07) e 17/05/2018 (p. 01), e, no jornal â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;?, nas ediçþes dos dias 15/05/2018 (p. 8) e 16/05/2018 (p. 8). Belo Horizonte, 17 de maio de 2018, MARCOS LIMA DE MEDEIROS - Presidente do Conselho.

EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINĂ RIA A ACIC- ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CONTAGEM, Convoca todos os seus associados que estejam em pleno gozo de seus direitos, para Assembleia Geral ExtraordinĂĄria a realiza-se no dia 07/06/2018 ( sete de junho de dois mil e dezoito) ĂĄs 15h30min (quinze horas e trinta minutos) e em segunda convocação ĂĄs 16:00 ( dezesseis horas) , com a seguinte ordem do dia: a) Alteração de Estatuto. Contagem, 18 de Maio de 2018 Atenciosamente, Egmar Pereira Panta Presidente

EP-I3 RANA EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S.A

CENTER MINAS PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S/A

BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO 2015 2016 2017 ATIVO CIRCULANTE .......... 1.036.278,40 1.406.214,01 10.414.904,52 Disponibilidades ..................... 13.706,98 1.665,17 800,43 Outros CrĂŠditos ....................... 188,30 271,22 271,22 Estoques Gerais ...................... 1.022.383,12 1.404.277,62 10.413.832,87 ATIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 8.120.848,00 8.120.848,00 Imobilizado ............................. 8.120.848,00 8.120.848,00 PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO ................................. 2015 2016 20174 TOTAL DO ATIVO................. 9.157.126,40 9.527.062,01 10.414.904,52 PASSIVO CIRCULANTE ...... 18.065,40 2.076,50 82.649,51 Fornecedores ........................... 15.129,93 2.076,50 17.751,57 Obrigaçþes Fiscais .................. 2.935,47 2.617,14 Outras Contas Passivas ........... 62.280,80 Passivo NĂŁo-Circulante PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO...... 9.139.061,00 9.524.985,51 10.332.255,01 TOTAL DO PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO...... 9.157.126,40 9.527.062,01 10.414.904,52

CASA DE SAĂ&#x161;DE E MATERNIDADE SANTA FĂ&#x2030; S.A.

EP-O1 NOVA LIMA MALL HOLDING S/A

G&G PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES HOLDING S.A.

MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR

ALISSON J. SILVA

que a confiança acompanhe o ritmo de melhora do mercado de trabalho, que deve se consolidar apenas apĂłs o perĂ­odo eleitoralâ&#x20AC;?, disse o presidente da CNDL, JosĂŠ Cesar da Costa.

2016

2017

15.000,00 15.000,00

15.000,00 15.000,00

15.000,00 (547,50) (547,50)

15.000,00 (547,50) (547,50)

14.452,50

14.452,50

14.452,50

14.452,50

14.452,50 (1.152,00) (720,00) (432,00) 13.300,50

14.452,50 (792,00) (360,00) (432,00) 13.660,50

CNPJ: 15.104.745/0001-78 BALANĂ&#x2021;O PATRIMONIAL PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 INDIVIDUALIZADOS PARA OS EXERCĂ?CIOS FINDOS (Valores expressos em reais) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015, 2016 E 2017 ATIVO 2015 2016 2017 (Valores expressos em reais) ATIVO CIRCULANTE .......... 2.712,79 10.509,12 11.270,07 2015 2016 2017 Disponibilidades ...................... 2.712,79 10.509,12 11.270,07 RECEITA OPERACIONAL ATIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 147.003.126,41 155.806.789,26 158.776.652,30 BRUTA .................................... 28.119.327,74 12.546.510,41 3.967.718,69 Investimentos........................... 2.840.032,74 2.806.166,88 2.806.166,88 Receita Operacional LĂ­quida 28.119.327,74 12.546.510,41 3.967.718,69 Adiant. P/Futuro Aum. Capital Equivalencia Patrimonial ........ 144.163.093,67 153.000.622,38 155.966.166,75 DESPESAS (-) Participaçþes a Integralizar OPERACIONAIS .................. (10.337,83) (3.417,55) (14.997,63) TOTAL DO ATIVO................. 147.005.839,20 155.817.298,38 158.787.922,37 Resultado Bruto.................... 28.108.989,91 12.543.092,86 3.952.721,06 Lucro Antes do Resultado PASSIVO E PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO 2015 2016 2017 Financeiro............................. 28.108.989,91 12.543.092,86 3.952.721,06 PASSIVO CIRCULANTE ...... 247.899,00 247.899,00 249.023,47 OUTRAS RECEITAS E Obrigaçþes Trabalhistas .......... 1124,47 DEPESAS OPERACIONAIS (6.666,00) PASSIVO NĂ&#x192;O-CIRCULANTE 19.862,12 Resultado Operacional ......... 28.106.693,07 12.535.303,00 3.951.193,45 PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO...... 146.738.078,08 155.569.399,38 158.538.898,90 IMPOSTOS S/ RESULTADO Açþes em Tesouraria ............... 2.585.800,00 2.585.800,00 2.585.800,00 IRPJ Reservas de Lucros.................. 116.045.585,01 140.448.296,38 152.001.905,45 CSLL Resultado do ExercĂ­cio............ 28.106.693,07 12.535.303,00 3.951.193,45 LUCRO LĂ?QUIDO DO TOTAL DO PASSIVO E EXERCĂ?CIO ........................ 28.106.693,07 12.535.303,00 3.951.193,45 PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO...... 147.005.839,20 155.817.298,38 158.787.922,37 GUIART PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES S.A. DIRETORIA MAURO CĂ&#x2030;SAR MIRANDA CRC: MG 049642 - CPF: 548.864.656-68 - CONTADOR

MĂ RCIO GOMES DA SILVA CRC:MG 097422 CPF: 736.361.006-10 - CONTADOR


7

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

ELETROSOM S/A - (EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL)

CNPJ: 22.164.990/0001-36 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 - (Em milhares de reais) A T I V O PA S S I V O Nota Controladora Consolidado Nota Controladora Consolidado Explicativa 2017 2016 2017 2016 Explicativa 2017 2016 2017 2016 PASSIVO CIRCULANTE ATIVO CIRCULANTE Empréstimos e Financiamentos ....... 14 23.001 142.238 23.001 142.238 Caixa e Equivalentes de Caixa ..... 5 7.704 4.444 7.731 4.471 Debêntures ....................................... 14 - 14.389 - 14.389 Aplicações Financeiras................. 6 22.932 14.234 22.932 14.234 Fornecedores .................................... 15 48.961 180.255 48.961 180.255 Títulos e Valores Mobiliários ....... 6 100 124 100 124 Obrigações Sociais ........................... 16 17.919 34.642 17.919 34.642 Contas à Receber.......................... 7 37.379 181.195 37.379 181.195 Obrigações Tributárias ................... 17 42.782 52.167 43.311 52.696 Estoques ....................................... 8 70.279 57.953 70.279 57.953 Provisão para I.R. e C. Social .......... 17 3.426 3.426 Impostos a Recuperar ................... 9 22.035 22.832 22.073 22.870 Dividendos a Pagar .......................... 2.771 2.771 2.771 2.771 Impostos Diferidos ....................... 19 19.782 21.917 19.782 21.917 Outras Contas a Pagar ...................... 17.051 14.547 17.051 14.547 Adiantamentos a Fornecedores .... 10 6.146 13.864 6.146 13.864 Outros Créditos ............................ 11 76.674 73.470 76.674 73.470 Total do Circulante ....................... 152.485 441.009 156.440 444.964 Despesas Antecipadas .................. 956 3.496 957 3.496 PASSIVO NÃO CIRCULANTE Total do Circulante ................... 263.987 393.529 264.053 393.594 Exigível a Longo Prazo Fornecedores .................................... 15 104.545 - 104.545 Empréstimos e Financiamentos ....... 14 193.541 214.006 193.541 214.006 Debêntures ....................................... 14 - 16.500 - 16.500 Provisão para Contingências ............ 18 26.167 32.242 26.167 32.242 ATIVO NÃO CIRCULANTE Obrigações Tributárias ................... 17 101.846 62.840 101.846 62.840 Realizável a Longo Prazo Impostos Diferidos ........................... 19 9.562 9.850 9.562 9.850 Contas à Receber.......................... 7 38.747 67.135 38.747 67.135 Partes Relacionadas ......................... 20 37.306 39.879 29.154 31.727 Impostos à Recuperar ................... 9 20.010 69.580 20.010 69.580 Total do Não Circulante ................ 472.967 375.317 464.815 367.165 Depósitos Judiciais....................... 90 90 PATRIMÔNIO LÍQUIDO E Partes Relacionadas ..................... 20 48.153 48.153 48.153 48.153 RECURSO PARA AUMENTO Despesas Antecipadas .................. 519 519 DE CAPITAL .................................. 22 106.910 185.477 106.910 185.477 Capital Social ................................... 8.000 8.000 8.000 8.000 Investimento................................. 12 85 74 59 48 Reservas de Lucros .......................... (203.168) (182.248) (203.168) (182.248) Imobilizado .................................. 13 74.841 78.068 74.841 78.068 Ajuste da Avaliação Patrimonial ...... 18.561 19.121 18.561 19.121 Intangível ..................................... 13 3.622 4.651 3.622 4.651 Patrimônio Líquido Atribuível 78.548 82.793 78.522 82.767 aos Controladores ......................... (176.607) (155.127) (176.607) (155.127) Total do não Circulante ............ 185.458 268.270 185.432 268.244 Participação não Controladores ....... 4.236 4.236 Adiantamento para Futuro Aumento de Capital ......................................... 600 600 600 600 Total do Patrimônio Líquido e Recurso para Aumento de Capital (176.007) (154.527) (171.771) (150.291) TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO ............. 449.445 661.799 449.484 661.838 TOTAL DO ATIVO ..................... 449.445 661.799 449.484 661.838 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LIQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 (Em milhares de reais) ATRIBUÍVEL AOS CONTROLADORES Ajustes de Lucros Participação Recursos para Capital Incentivos Avaliação (Prejuízos) não controAumento Social Fiscais Patrimonial Acumulados Total ladores de Capital TOTAL Saldos em 31 de Dezembro de 2.015 ................................ 8.000 30.351 19.597 (205.041) (147.093) 8.603 - (138.490) Adiantamento P/ Futuro Aumento de Capital .................... 600 600 Prejuízo do Exercício ......................................................... (7.694) (7.694) (7.694) Realizacão do Ajuste de Avaliação Patrimonial................. (720) 720 Tributos Sobre Ajuste de Avaliação Patrimonial................ 584 (584) Reversão da Realização de Avaliação Patrimonial ............ (340) (340) (340) (4.367) Participação não controladores .......................................... (4.367) Saldos em 31 de Dezembro de 2.016 ................................ 8.000 30.351 19.121 (212.599) (155.127) 4.236 600 (150.291) Lucro/ Prejuízo do Exercício ............................................. 8.872 8.872 8.872 Constituição da Reverva de inventivos fiscais ................... 12.459 (12.459) Realizacão do Ajuste de Avaliação Patrimonial................. (848) 848 Tributos Sobre Ajuste de Avaliação Patrimonial................ 288 (288) Baixa de Incentivo Fiscal ................................................... (30.351) (30.352) - (30.352) Saldos em 31 de Dezembro de 2.017 ................................ 8.000 12.458 18.561 (215.626) (176.607) 4.236 600 (171.771) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016. (Em Milhares de reais – R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL - Atividades operacionais - A Eletrosom uma certeza razoável de que a Companhia obterá a titularidade quando do encerramento S/A, constituída em 11 de julho de 1986 como Rede Eletrosom Ltda e transformada do prazo do arrendamento mercantil, o ativo é depreciado ao longo de sua vida útil em sociedade anônima em 02 de janeiro de 2010 aprovada em Assembléia Geral estimada ou do prazo do arrendamento mercantil, o que for menor. 4.10. Incentivos fiscais Extraordinária de 01 de julho de 2010, tem sua sede na Cidade de Monte Carmelo, - ICMS - A Companhia possui incentivo fiscal concedido pelo governo do Estado de Estado de Minas Gerais, à Rua Tito Fulgêncio, 255. Tem como atividades operacionais Goiás no âmbito do programa denominado Produzir, para investimento no seu centro de o comércio atacadista e varejista de máquinas, móveis e aparelhos de uso doméstico, distribuição localizado no Município de Catalão naquele Estado. O incentivo propicia equipamentos eletro–eletrônicos, produtos para informática, artigos para presentes redução do ICMS devido pelo prazo de 10 anos a partir de setembro de 2006 e é como brinquedos e utilidades domésticas. Empresas controladas - A Companhia reconhecido quando existe segurança razoável de que a Companhia irá atender às é controladora e sócia ostensiva de Sociedades em Conta de Participação – SCP, condições relacionadas. Em 15 de agosto de 2014, a Companhia renovou o Termo de denominadas de Rede Eletrosom Recebíveis, Rede Eletrosom Seguros e Rede Acordo de Regime Especial com o Estado de Goiás, o qual foi concedido por prazo Eletrosom Cobranças, que têm como objetivos: Rede Eletrosom Recebíveis - serviços limitado a dezembro de 2020. (conforme dispõe o TARE 181/14 que alterou o TARE de consultoria, negociação, apoio administrativo e gestão dos recebíveis do sócio 257/06). É reconhecido sistematicamente no resultado durante os períodos nos quais a ostensivo, bem como a elaboração da estratégia e gestão de vendas do mesmo. Rede Companhia reconhece como despesas os correspondentes custos que as subvenções Eletrosom Seguros - serviços de consultoria, apoio administrativo e gestão dos contratos pretendem compensar. 4.11. Imposto de renda e contribuição social - O Imposto de de seguros firmados pelo seu sócio ostensivo, bem como a elaboração da estratégia Renda corrente é calculado pela alíquota de 15% sobre o lucro tributável, acrescido do e gestão de vendas do mesmo. Rede Eletrosom Cobranças - serviços de consultoria, adicional de 10% para a base de cálculo que exceder a R$ 20.000 no mês, enquanto que a negociação, apoio administrativo e gestão dos recebíveis do sócio ostensivo, bem Contribuição Social corrente é computada pela alíquota de 9% também sobre o lucro como a elaboração da estratégia e gestão de vendas do mesmo. Recuperação Judicial tributável. Os impostos diferidos passivos são decorrentes da constituição de reserva de - Em decorrência da impossibilidade de honrar grande parte de suas obrigações nos reavaliação e ajustes de avaliação de bens do ativo imobilizado e são registrados na prazos estabelecidos originalmente, substancialmente relacionados a fornecedores, despesa em função da realização da respectiva reserva e do ajuste, calculados nas mesmas empréstimos e financiamentos e obrigações tributarias em 04 de setembro de 2015, a condições do imposto de renda e contribuição social correntes. Os impostos diferidos Companhia recorreu à proteção judicial, respaldada pela Lei de Recuperação Judicial de ativos referem-se a imposto de renda e contribuição social diferidos, reconhecidos sobre nº 11.101/05 e vem, desde então, tomando ações para enfrentar a situação. Cumpridas saldos de prejuízos fiscais e de base de calculo negativa de contribuição social, calculados as exigências legais, o processamento da recuperação foi deferido em 08/09/2015, em com base nas alíquotas vigentes. Sua realização dar-se-á em função de lucros tributáveis decisão proferida pelo Tribunal de Justiça de Goiás – Comarca de Catalão - 1ª Vara apurados em exercícios futuros, estimados pela administração da Companhia, tendo como Cível, Infância e Juventude, nos termos do art. 52 da Lei 11.101/05. Foi publicado registro despesa do exercício. A probabilidade de recuperação do saldo de impostos o edital a que alude o art. 52, §1º, do referido artigo, em 11/09/2015. O plano de diferidos ativos é revisada no fim de cada exercício ou período e, quando não for mais recuperação judicial foi aprovado pelos credores em assembleia realizada na data de provável que bases tributáveis futuras estejam disponíveis e permitam a recuperação total 07 de dezembro de 2017 e homologado pelo judiciário em 22 de fevereiro de 2018. Os ou parcial destes impostos, o saldo do ativo é reduzido ao montante que se espera ajustes decorrentes do referido plano de recuperação estão registrados nas informações recuperar. Impostos diferidos ativos e passivos são mensurados pelas alíquotas aplicáveis contábeis de 31 de dezembro de 2017. A expectativa da Administração é que o processo no exercício ou período no qual se espera que o passivo seja liquidado ou o ativo seja de Recuperação Judicial permita viabilizar a superação da situação de crise econômico- realizado, com base nas alíquotas previstas na legislação tributária vigente no final de cada financeira da Companhia, mantendo a realização de sua função social, especialmente, a exercício ou período ou quando uma nova legislação tiver sido substancialmente aprovada. preservação dos empregos, geração de tributos, produção de riquezas de uma forma geral A mensuração dos impostos diferidos ativos e passivos reflete as consequências fiscais que e dos interesses dos credores. resultariam da forma pela qual a Companhia espera, no final de cada exercício ou período, 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - Declaração de recuperar ou liquidar o valor contábil desses ativos e passivos. Os impostos diferidos conformidade - As demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas ativos e passivos são mutuamente compensados apenas quando há o direito legal de contábeis adotadas no Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pro- compensação, quando estão relacionados aos impostos administrados pela mesma nunciamentos Contábeis (CPCs), com observância às disposições contidas na Comissão autoridade fiscal e a Companhia pretende liquidar o valor líquido dos seus ativos e de Valores Mobiliários (CVM). As demonstrações contábeis individuais e consolidadas passivos fiscais correntes. 4.12. Ativos e passivos contingentes - O reconhecimento, a atendem também as normas internacionais de relatório financeiro (International mensuração e a divulgação das contingências ativas e passivas, têm os seguintes critérios: Financial Reporting Standards (IFRS), emitidas pelo International Accounting Standards Os ativos contingentes não são reconhecidos contabilmente, exceto quando a Board (IASB). Pelo fato de que as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicadas nas Administração da Companhia possui total controle da situação ou quando há garantias demonstrações contábeis individuais, a partir de 2014, não diferem do IFRS aplicável reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos. Os ativos às demonstrações contábeis separadas, uma vez que ele passou a permitir a aplicação do contingentes com êxitos prováveis são apenas divulgados em nota explicativa quando método de equivalência patrimonial em controladas nas demonstrações separadas, elas aplicável. Os passivos contingentes são reconhecidos contabilmente e divulgados levando também estão em conformidade com as normas internacionais de relatório financeiro em consideração a opinião dos assessores jurídicos da Companhia, a natureza das ações, à (International Financial Reporting Standards (IFRS), emitidas pelo International similaridade com processos anteriores, a complexidade no posicionamento de tribunais, Accounting Standards Board (IASB). As demonstrações individuais são divulgadas entre outras análises da Administração e são reconhecidas nas demonstrações contábeis, em conjunto com as demonstrações contábeis consolidadas. Base de elaboração - As sempre que as perdas forem avaliadas como prováveis, o que ocasionaria uma saída de demonstrações contábeis consolidadas foram elaboradas com base no custo histórico, recursos para a liquidação das obrigações, e quando os montantes envolvidos possam ser conforme descrito nas políticas contábeis, nota explicativa nº 4 a seguir, e estão mensurados com suficiente segurança. Os passivos contingentes classificados como de apresentadas em reais. Os itens incluídos nas demonstrações contábeis de cada uma perdas possíveis não são reconhecidos contabilmente, apenas divulgados em notas das controladas da Companhia foram mensurados adotando-se a moeda do ambiente explicativas, quando individualmente relevantes e os classificados como remotos não econômico principal em que a controlada atua (“moeda funcional”). As demonstrações requerem provisão e nem divulgação. As obrigações legais são sempre consideradas como contábeis consolidadas estão apresentadas em Real, que é a moeda funcional e moeda de exigíveis, independentemente de questionamentos. 4.13. Outros passivos circulantes e apresentação da Companhia e de suas controladas. não circulantes - Demonstrados pelos valores nominais conhecidos ou calculáveis, 3. BASE DE CONSOLIDAÇÃO - As demonstrações contábeis das controladas acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias e/ou são elaboradas na mesma data base da controladora, adotando-se políticas contábeis cambiais incorridos até as datas dos balanços patrimoniais. 4.14. Apuração do resultado consistentes. Todos os saldos entre empresas do grupo, receitas e despesas, ganhos e e reconhecimento da receita - O resultado das operações é apurado em conformidade perdas não realizadas e lucros resultantes de operações entre empresas do grupo são com o regime contábil de competência do exercício. A receita compreende o valor justo da integralmente eliminados. As demonstrações contábeis consolidadas estão apresentadas contraprestação recebida ou a receber pela comercialização de produtos e serviços no em reais. A Companhia possui investimentos nas seguintes empresas controladas, as curso normal das atividades da Companhia. A receita é apresentada líquida dos impostos, quais foram incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas: das devoluções, dos abatimentos e dos descontos comerciais concedidos ao comprador. A Participação % Companhia reconhece a receita quando o valor da receita pode ser mensurado com segurança, é provável que benefícios econômicos futuros fluirão para a entidade e quando 31/12/2017 31/12/2016 critérios específicos tiverem sido atendidos para cada uma das atividades da Companhia. SCP – Rede Eletrosom Recebíveis ............................................. 99 99 4.15. Apresentação de segmentos operacionais - As informações por segmentos SCP – Rede Eletrosom Seguros .................................................. 99 99 operacionais são apresentadas de modo consistente com o relatório interno fornecido para SCP – Rede Eletrosom Cobranças .............................................. 99 99 principal tomador de decisões operacionais. O principal tomador de decisões 4. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS - 4.1. Moeda funcional e de ooperacionais responsável pela avaliação de desempenho dos segmentos operacionais é o apresentação - Os itens incluídos nas demonstrações contábeis da Companhia e Conselho de Administração, inclusive pelas tomadas das principais decisões controladas incluídas nas demonstrações contábeis consolidadas são mensurados usando estratégicas da Companhia. responsável 4.16. Distribuição de dividendos e lucro por ação - A a moeda do principal ambiente econômico no qual as empresas atuam (“moeda proposta de distribuição de dividendos efetuada Administração da Companhia que funcional”). As demonstrações contábeis individuais e consolidadas são apresentadas em estiver dentro da parcela equivalente ao dividendopela mínimo obrigatório é registrada como reais. 4.2. Transações e saldos em moeda estrangeira - Na elaboração das passivo na rubrica “Dividendos a pagar” por ser considerada uma obrigação legal demonstrações contábeis as transações em moeda estrangeira, quando existentes, são prevista no estatuto social da Companhia; entretanto, a parcela como dividendos superior ao registradas de acordo com a taxa de câmbio vigente na data de cada transação. No final dividendo mínimo obrigatório, declarada pela Administração dos o período contábil a de cada período de relatório, estes itens monetários classificados em moeda estrangeira que se referem as demonstrações contábeis, mas antes da data deapós autorização para emissão são reconvertidos pelas taxas vigentes no fim do exercício. 4.3. Instrumentos das referidas demonstrações contábeis, é registrada na rubrica “Dividendo adicional Financeiros - 4.3.1. Ativos financeiros - Os ativos financeiros mantidos pela Companhia proposto”, sendo seus efeitos, quando ocorridos, divulgados na nota explicativa nº 22. e suas controladas, quando aplicáveis, são classificados sob as seguintes categorias: (a) Conforme a IAS 33 e o CPC 41 – Lucro por ação, o lucro líquido deve ser apresentado ativos financeiros mantidos até o vencimento e (b) empréstimos e recebíveis. A como básico e diluído. Nota explicativa nº 28. 4.17. Demonstração do valor adicionado classificação depende da finalidade para a qual os ativos e passivos financeiros foram - Essa demonstração tem por finalidade evidenciar a riqueza criada pela Companhia e sua adquiridos ou contratados. a) Ativos financeiros mantidos até o vencimento - distribuição durante determinado período e é apresentada pela Companhia, conforme Compreendem investimentos em determinados ativos financeiros classificados no requerido pela legislação societária brasileira, como parte de suas demonstrações momento inicial da contratação, para serem mantidos até a data do vencimento, os quais contábeis individuais e como informação suplementar às demonstrações contábeis são mensurados ao custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos de acordo consolidadas, pois não é uma demonstração prevista e nem obrigatória conforme as IFRSs. com os prazos e as condições contratuais, menos eventual perda por valor recuperável, A DVA foi preparada com base em informações obtidas dos registros contábeis que servem quando aplicável. Em 31 de dezembro de 2017 e de 2016, a Companhia possuía saldos de base para preparação das demonstrações contábeis e seguindo as disposições contidas em aplicações financeiras de curto prazo, conforme demonstrado na nota explicativa nº no CPC 09 – Demonstração do Valor Adicionado. 4.18. Principais julgamentos 6. b) Ativos financeiros disponíveis para venda - São incluídos nesta categoria os ativos contábeis, estimativas e premissas - Na elaboração das demonstrações contábeis é financeiros não derivativos, como títulos e/ou ações cotadas ou não em mercado ativo, necessário utilizar julgamentos, estimativas e premissas para contabilizar certos ativos, mas que possam ter os valores justos estimados razoavelmente. A Companhia possui em passivos e outras transações que afetam a aplicação de políticas contábeis e os respectivos 31 de dezembro de 2017 ativos classificados nesta modalidade, conforme demonstrado valores reportados. Nas demonstrações contábeis individuais e consolidadas estão na nota explicativa nº 6. c) Empréstimos e recebíveis - São incluídos nesta classificação incluídas, portanto, julgamentos e estimativas cujos resultados reais podem apresentar os ativos financeiros não derivativos, com recebimentos fixos ou determináveis que não variação devido às imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A são cotados em um mercado ativo. Os empréstimos e recebíveis são mensurados pelo Administração da Companhia monitora e revisam as estimativas e suas premissas pelo valor do custo amortizado utilizando-se o método de juros efetivos, deduzidos de menos anualmente. As seguintes informações que podem resultar em um ajuste material qualquer perda por redução do valor recuperável. A receita de juros é reconhecida através dentro do próximo exercício estão relacionadas, principalmente, aos seguintes aspectos: da aplicação da taxa de juros efetiva. No caso da Companhia e controladas compreendem: provisão para crédito de liquidação duvidosa, redução dos valores recuperáveis dos ativos, • Caixa e equivalentes de caixa - São representados por fundo fixo de caixa, recursos em provisões para contingências ficais, cíveis e trabalhistas, provisões para perdas no estoque contas bancárias de livre movimentação e por aplicações financeiras cujos saldos não e estimativa de vida útil econômica dos itens do ativo imobilizado. 4.19. Normas, diferem significativamente dos valores de mercado, com até 90 dias da data da aplicação alterações e interpretações de normas existentes que ainda não estão em vigor e não ou considerados de liquidez imediata ou conversíveis em um montante conhecido de foram adotadas antecipadamente pela Companhia e suas controladas. caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor, os quais são Normas Descrição Data da Entrada em Vigor registrados pelos valores de custo acrescidos dos rendimentos auferidos até as datas dos Instrumentos financeiros .............................. 01/01/2018 balanços, que não excedem o seu valor de mercado ou de realização. • Contas a receber IFRS 9 Receita de contrato com clientes .................. 01/01/2018 de clientes - As contas a receber de cartão de crédito e terceiros são registradas e IFRS 15 mantidas pelo valor nominal dos títulos representativos desses créditos e deduzidas da IFRS 9: Instrumentos Financeiros. Publicada em julho de 2014, substitui as orientações provisão para créditos de liquidação duvidosa, conforme nota explicativa nº 7. Os existentes na IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. A IFRS 9 montantes a receber são registrados com base nos valores nominais e são ajustados, onde inclui orientação revista sobre a classificação e mensuração de instrumentos financeiros, aplicável, a valor presente, quando os mesmos contemplarem juros a vencer. • Perdas incluindo um novo modelo de perda esperada de crédito para o cálculo da redução ao valor estimadas com crédito de liquidação duvidosa - É constituída considerando a média recuperável de ativos financeiros, e novos requisitos sobre a contabilização de hedge. A histórica de perdas para os títulos vencidos acima de 180 dias e após análise individual norma mantém as orientações existentes sobre o reconhecimento e desreconhecimento dos mesmos. 4.3.2. Deterioração de ativos financeiros - Ativos financeiros são avaliados de instrumentos financeiros da IAS 39. A IFRS 9 é efetiva para exercícios a partir de 1º a cada data de balanço para identificação de eventual deterioração de ativos (impairment). de janeiro de 2018, com adoção antecipada permitida. IFRS 15: Receita de Contratos São considerados deteriorados quando existem evidências de que um ou mais eventos com Clientes. A IFRS 15 exige reconhecer o montante da receita refletindo à contra tenham ocorrido após o reconhecimento inicial do ativo financeiro e que tenham prestação que elas esperam receber em troca do controle desses bens ou serviços. A nova impactado o fluxo estimado de caixa futuro do investimento. A Companhia não opera norma vai substituir a maior parte da orientação detalhada sobre o reconhecimento de com instrumentos financeiros derivativos. 4.3.3. Passivos financeiros - Os passivos receita que existe atualmente em IFRS e U.S. GAAP quando a nova norma for adotada. A financeiros no escopo do CPC 38 são classificados como passivos financeiros mensurado nova norma é aplicável a partir de ou após 1º de janeiro de 2018, com adoção antecipada pelo valor justo por meio do resultado, empréstimos ou financiamentos ou derivativos permitida pela IFRS. A norma poderá ser adotada de forma retrospectiva, utilizando designados como instrumentos de hedge em um hedge efetivo, conforme o caso. Todos uma abordagem de efeitos cumulativos. A Companhia avaliará os impactos na adoção os passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo e, no caso de desses pronunciamentos e interpretações e espera não ter impacto significativo em suas empréstimos e financiamentos, somados aos custos da operação diretamente atribuíveis. demonstrações contábeis individuais e consolidadas. Não existem outras normas e Os passivos financeiros da Companhia incluem contas a pagar a fornecedores e outras interpretações emitidas e ainda não adotadas que possam, na opinião da Administração, contas a pagar, empréstimos e financiamentos e debêntures. Estão demonstrados pelos ter impacto significativo no resultado ou no patrimônio divulgado pela Companhia. 4.19. valores de contratação, acrescidos dos encargos pactuados, que incluem juros e Ajustes a valor presente - Em atendimento ao CPC 12, os ativos e passivos de longo atualização monetária incorridos. Quando aplicável, estes são demonstrados pelo valor prazo, e quando relevantes os de curto prazo, devem ser ajustados ao valor presente. justo, líquido dos custos de transação incorridos e são subsequentemente mensurados ao Em 31 de dezembro de 2017 a administração da Companhia, após análise do valor custo amortizado usando o método da taxa de juros efetiva. O método de juros efetivos apurado do ajuste a valor presente, concluiu que os impactos no resultado do período são é utilizado para calcular o custo amortizado de um passivo financeiro e alocar sua irrelevantes em relação às informações contábeis intermediárias e decidiu não registrar despesa de juros pelo respectivo período. 4.4. Estoques - Os estoques são contabilizados contabilmente tais ajustes. 4.20. Benefícios a empregados - A Companhia não mantém pelo custo ou valor líquido de realização, o que for menor. Os estoques adquiridos são planos de previdência privada ou qualquer plano de aposentadoria ou benefício pós-saída registrados pelo custo, incluídos os custos de armazenamento e manuseio, na medida em da Companhia, bem como não possui outros benefícios a funcionários e dirigentes. que tais custos são necessários para trazer os estoques na sua condição de venda nas lojas 5. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA - O caixa e os equivalentes de caixa da companhia. O valor líquido de realização é o preço de venda estimado no curso apresentados nas Demonstrações dos Fluxos de Caixa estão constituídos de: Controladora Consolidado normal dos negócios, deduzidos os custos estimados necessários para efetuar a venda. Os estoques também são reduzidos pela provisão para perdas e quebras, as quais são Descrição 31/12/2017 31/12/2016 31/12/2017 31/12/2016 periodicamente analisadas e avaliadas quanto à sua adequação. 4.5. Base de Caixa .......................................... 454 383 481 410 consolidação e investimentos em controladas - As demonstrações contábeis Bancos ........................................ 7.250 4.061 7.250 4.061 consolidadas incluem as demonstrações contábeis da Companhia e de suas controladas. Total .......................................... 7.704 4.444 7.731 4.471 O controle é obtido quando a Companhia tem o poder de controlar as políticas financeiras e operacionais de uma entidade para auferir benefícios de suas atividades. Nas 6. APLICAÇÕES FINANCEIRAS E TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS demonstrações contábeis individuais da Companhia as informações financeiras das Controladora e controladas são reconhecidas através do método de equivalência patrimonial. As Consolidado demonstrações contábeis das controladas são elaboradas para o mesmo período de Tipo de Operação 31/12/2017 31/12/2016 divulgação que o da controladora, utilizando políticas contábeis consistentes com as Aplicação financeira adotadas pela controladora. Todas as transações, saldos, receitas e despesas entre as CDB ............................................................................................ 22.168 13.500 empresas do grupo são eliminados integralmente nas demonstrações contábeis Poupança ..................................................................................... 190 160 consolidadas e o valor de participação dos acionistas minoritários é calculado e Renda Fixa .................................................................................. 574 574 demonstrado separadamente. Ver nota explicativa nº 3. 4.6. Imobilizado - O imobilizado 22.932 14.234 é registrado e demonstrado ao custo de aquisição, formação ou instalação de lojas, Total ........................................................................................... Títulos e valores mobiliários líquido da depreciação acumulada e/ou das perdas por não recuperação acumuladas, se 41 houver. O custo, quando aplicável, inclui o montante de reposição dos equipamentos e os Ações FI Ações ........................................................................... 15 12 custos de captação de empréstimos para projetos de construção de longo prazo, se Exportação FI Ações ................................................................... Selection FICFI Ações ................................................................ 25 23 satisfeitos os critérios de reconhecimento. Os custos de reparo e manutenção dos ativos 34 29 são reconhecidos no resultado conforme incorridos. A depreciação dos ativos inicia-se Set. Bancos FI Ações .................................................................. 26 19 quando estão prontos para uso pretendido na mesma base dos outros ativos imobilizados. Small Cap FI Ações .................................................................... 100 124 É calculada e reconhecida pelo método linear as taxas que levam em conta o tempo de Total ........................................................................................... vida útil econômica estimada dos bens descritas na nota explicativa nº 13. A Companhia 7. CONTAS A RECEBER Controladora e Consolidado adota como procedimento revisar o imobilizado para verificação de possíveis perdas 31/12/2017 31/12/2016 conforme descrito na nota explicativa nº 4.7. A Companhia efetua periodicamente, Não Não revisões do prazo de vida útil econômica dos seus bens do ativo imobilizado. A baixa de Descrição Circulante Circulante Circulante Circulante um item do imobilizado ocorre após alienação ou quando não há benefícios econômicos 41.195 38.747 220.569 67.135 futuros, resultante do uso contínuo do ativo. Os ganhos e as perdas decorrentes de Clientes ...................................... 4.132 1.463 alienações são determinados pela comparação com o valor contábil e são reconhecidos Clientes Serviços........................ na demonstração do resultado na conta “Outras (despesas) receitas – líquidas”. A Perdas Estimas com Créditos (7.948) (40.837) Companhia adotou a prática de revisão dos custos históricos dos bens do ativo de Liquidação Duvidosas ........... 37.379 38.747 181.195 67.135 imobilizado e utilização da prática do “custo atribuído” (“deemed cost”), conforme Total ........................................... opção prevista nos parágrafos 20 a 29 da ICPC 10 - Interpretação sobre a Aplicação Em 31 de dezembro de 2017, os saldos do contas a receber de clientes por data de Inicial ao Ativo Imobilizado dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 37 e 43, para vencimento estavam assim apresentados: 31/12/2017 registro do saldo inicial do ativo imobilizado na adoção inicial do CPC 27 - Ativo A Vencer Imobilizado e da ICPC 10, para as rubricas de terrenos e edificações. Para os demais Até 30 dias ................................................................................................ 22.335 itens do ativo Imobilizado a Administração concluiu que o custo histórico se aproxima De 31 a 60 dias.......................................................................................... 1.371 do valor justo em função das manutenções e reformas e neste caso não se aplica a prática De 61 a 90 dias.......................................................................................... 1.063 do custo atribuído. 4.7. Redução ao valor recuperável de ativos não financeiros - Os De 91 a 120 dias........................................................................................ 1.411 bens do imobilizado, intangível e outros ativos não circulantes são avaliados anualmente De 121 a 150 dias...................................................................................... 644 para identificar evidências de perdas não recuperáveis, ou, ainda, sempre que eventos ou De 151 a 180 dias...................................................................................... 470 alterações significativas nas circunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser De 181 a 360 dias...................................................................................... 3.836 recuperável. Quando aplicável, ocorrendo perda decorrente das situações em que o valor 31.130 contábil do ativo ultrapasse seu valor recuperável, definido pelo maior valor entre o valor Total ......................................................................................................... 44.996 em uso do ativo e o valor líquido de venda do ativo, esta é reconhecida no resultado do Vencidos .................................................................................................. 76.126 exercício. 4.8. Intangível - O ativo intangível é demonstrado ao custo de aquisição Total ......................................................................................................... deduzido da amortização acumulada no período, apurada de forma linear com base em A administração avalia periodicamente a provisão para crédito de liquidação duvidosa sua vida útil definida. Os ativos intangíveis compreendem, basicamente, software considerando, basicamente, experiências passadas e os riscos individuais dos títulos adquirido. 4.9. Arrendamento mercantil - Os contratos de arrendamento mercantil específicos de cada carteira. financeiro, que transferem para a Companhia substancialmente a totalidade dos riscos e 8. ESTOQUES Controladora e benefícios derivados da propriedade do item arrendado, são capitalizados quando do Consolidado início do arrendamento mercantil pelo valor justo do bem arrendado ou pelo valor Descrição 31/12/2017 31/12/2016 presente dos pagamentos mínimos de arrendamento mercantil, o que for menor. Os Mercadorias Lojas ....................................................................... 47.523 38.785 pagamentos de arrendamento mercantil são rateados entre encargos financeiros e 22.517 18.835 redução do passivo de arrendamento mercantil, de modo a se obter uma taxa de juros Mercadorias Depósito ................................................................. Almoxarifado .............................................................................. 239 333 constante no saldo do passivo. Os encargos financeiros são reconhecidos no resultado. 70.279 57.953 Os ativos arrendados são depreciados ao longo de sua vida útil. Porém, se não houver Total ...........................................................................................

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 (Em milhares de reais) Nota Controladora Consolidado Explicativa 2017 2016 2017 2016 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA ....................................... 23 496.983 454.818 496.983 454.818 Custo de Mercadorias e Serviços Vendidos........................................... (305.461) (281.218) (305.461) (281.218) LUCRO BRUTO ........................... 191.522 173.600 191.522 173.600 (DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS Despesas Administrativas e Gerais 24 (119.714) (118.518) (119.714) (118.518) Despesas com Vendas .................... 25 (245.814) (60.274) (245.814) (60.274) Despesas com Depreciação ............ (5.038) (6.691) (5.038) (6.691) Outras Despesas e Receitas Operacionais - líquidas .................. 26 212.158 17.015 212.158 17.015 (158.408) (168.468) (158.408) (168.468) LUCRO (PREJUÍZO) OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO ...... 27 33.114 5.132 33.114 5.132 Despesas Financeiras ..................... (25.781) (23.787) (25.781) (23.787) Receitas Financeiras....................... 3.385 10.377 3.385 10.377 (22.396) (13.410) (22.396) (13.410) LUCRO (PREJUÍZO) OPERACIONAL ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E IMPOSTO DE RENDA ................ 10.718 (8.278) 10.718 (8.278) Contribuição Social e Imposto de Renda - Diferidos ...................... (1.846) 584 (1.846) 584 LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO .......................... 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) Atribuível aos controladores .......... 8.872 (7.694) Lucro (Prejuízo) básico/diluído por ação (R$).................................... 28 1,11 (0,96) 1,11 (0,96) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2017 2016 2017 2016 LUCRO (PREJUÍZO) DO EXERCICIO .... 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) Outros Componentes do Resultado Abrangente TOTAL DO RESULTADO ABRANGENTE DO EXERCICIO ........................................... 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis 9. IMPOSTOS A RECUPERAR 9.1) Composição Impostos a Recuperar

Controladora 31/12/2017 31/12/2016 Não Não Descrição Circulante Circulante Circulante Circulante COFINS a Recuperar ................... 1.764 7.589 PIS a Recuperar............................ 382 1.864 Contr. S/Serv. PJ Recuperar ......... 588 370 IRRF a Compensar....................... 3.115 5.444 ICMS a Recuperar........................ 109 215 INSS a Recuperar......................... 101 Créditos de ICMS Incentivado ... 4.510 23.728 Crédito Tributário – Pis e Cofins . 15.500 45.852 Ressarcimento REG 88 GO ......... 15.880 7.249 ICMS pago antecipado................. 197 Total ............................................ 22.035 20.010 22.832 69.580 Consolidado 31/12/2017 31/12/2016 Não Não Descrição Circulante Circulante Circulante Circulante COFINS a Recuperar ................... 1.764 7.589 PIS a Recuperar............................ 382 1.864 Contr. S/Serv. PJ Recuperar ......... 588 370 IRRF a Compensar....................... 3.115 5.444 ICMS a Recuperar........................ 109 215 INSS a Recuperar......................... 101 Créditos de ICMS Incentivado ... 4.510 23.728 Crédito Tributário – Pis e Cofins . 15.500 45.852 Ressarcimento REG 88 GO ......... 15.880 7.249 ICMS pago antecipado................. 197 ISSQN a Recuperar ...................... 38 38 Total ............................................ 22.073 20.010 22.870 69.580 9.2) Créditos de ICMS Incentivado - O Valor do Crédito de ICMS Incentivado de R$ 4.510 mil em 31 de dezembro de 2017 e R$ 23.728 em 31 de dezembro de 2016, referese ao beneficio fiscal concedido pelo Governo do Estado de Goiás, sujeito a realização em função da geração do ICMS nas operações da Companhia, conforme mencionado na nota explicativa nº 21. 9.3) Crédito Tributário – PIS e COFINS - O Valor do Crédito Tributário – PIS e COFINS no valor de R$ 15.500 mil em 31 de dezembro de 2017 e de R$ 45.852 mil em 31 de dezembro de 2016, são decorrentes de sentenças proferidas pelo Poder Judiciário a favor da Companhia, resultando em mandado de segurança individual e embargos de declaração, autorizando a compensação dos referidos tributos com débitos próprios vencidos ou vincendos, administrados pela Secretaria da Receita Federal. O direito concedido refere-se a inclusão indevida do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS. 9.4) Restituição de ICMS - O valor do Crédito de Restituição de ICMS no valor de R$ 15.880 mil em 31 de dezembro de 2017 e R$ 7.249 mil em 31 de dezembro de 2016 é oriundo de ICMS pago pela transferência de mercadorias para fora do Estado de Goiás, tributadas anteriormente pela entrada no regime de substituição tributária, conforme previsto no RICMS/2002, artigo 66, parágrafo 10. A assessoria jurídica da companhia vem protocolando na SEFAZ – Secretaria de Estado da Fazenda – Goiás, solicitação de pedido de ressarcimento do ICMS-ST. 10. ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES Controladora e Consolidado Descrição 31/12/2017 31/12/2016 Adiantamentos Diversos ............................................................ 6.146 13.864 Total .......................................................................................... 6.146 13.864 11. OUTROS CRÉDITOS Controladora e Consolidado Descrição 31/12/2017 31/12/2016 Créditos Financeiros (1)............................................................. 74.222 73.191 Outros......................................................................................... 2.452 279 Total .......................................................................................... 76.674 73.470 (1) Refere-se à amortização de dividas por contratação de empréstimos e financiamentos com instituições financeiras, ocorrida após o pedido de recuperação judicial, e está composto como segue: BANCO VALOR Banco Safra ................................................................................................... 22.287 Caixa Econômica Federal ............................................................................. 3.084 Banco Itaú ..................................................................................................... 20.929 Bradesco........................................................................................................ 18.429 Banco do Brasil ............................................................................................. 117 Banco Daycoval ............................................................................................ 9.366 Banco Mercantil ............................................................................................ 10 TOTAL ........................................................................................................ 74.222 12. INVESTIMENTOS Controladora Descrição 31/12/2017 31/12/2016 Controladoras (a) ........................................................................ 26 26 Participações por Cotas (b) ......................................................... 59 48 Total ........................................................................................... 85 74 Consolidado Descrição 31/12/2017 31/12/2016 Participações por Cotas ............................................................... 59 48 Total ........................................................................................... 59 48 (a) Controladoras - A Companhia é sócia ostensiva nas Sociedades em Conta de Participação denominadas de Eletrosom Seguros, Eletrosom Recebíveis e Eletrosom Cobranças, com participação de 99% (noventa e nove por cento) no capital social e o Patrimônio Líquido das controladas em 31 de dezembro de 2017, conforme demonstrado a seguir: Capital e Investimento Controladas P.Líquido (R$) Eletrosom Seguros ............................................................. 3 3 Eletrosom Recebíveis......................................................... 14 14 Eletrosom Cobrança ........................................................... 9 9 Total .................................................................................. 26 26 Os resultados apurados decorrentes das operações realizadas através destas SCP’S são apurados, tributados e distribuídos separadamente dos demais resultados apurados pela Companhia. (b) Participações por cotas - A Companhia mantém cotas de participação com as seguintes entidades: EMPRÉST MOS E F NANC AMENTOS

C d Em m F D S m C E m F BDMG S P O TOTAL A

m

m

M d d d R C G C G C G F m F m C G FDC

R

m

fi

m

m FORNECEDORES

D F T

m m C n

C

u n

d

u n

R

fi m

CPC FRS

m

m m

m

B m

d

%

C

u n

R

m

u

C

u n

N u n

D RP T D

R

A

Cu bu d

C

N u n

C

C

m

C n

d d

C

N u n

u n

C m C m C n d C n d d

CSLL

A

m

A

P

fi

fi

m

fi

C m

m

m

m

m m m

fi A

m

P m

m m

m m

A

m m

m m

m

m

m

m

m

O

m

m

m

m

m

m

m

m C n d C n d d

T PARTES RELAC ONADAS A C m m m A Adm n d O C m fi m m R P d OS N A R m m m R m C n C m S O SCP m m C m O m m fi d m

C

CONT NGÊNC AS A C m m Em m R m m C m

MPOSTOS D FER DOS C m

L qu d

d

u n

C

C n

d d

N u n

C

u n

C

N u n

D C n R b E mC mC m E M B A V SA N A R T C n P SCP S SCP R A A L E mH L A A R T

m m

m

C

n

m

m

m

P S

m

m

R m

R

C m m F

R

m m

m m

D C n R b E mC mC m E M B A V SA N A R T C n P A A L E mH L A A R T

m R

R mun

m m C n

C n C

N u n

C

N u n

m

m

d m

A

d

C

N u n

C n

d d

C

N u n

L

S

m

m

mp n d n

D

N u n

m S

C n d C n d d

D CSLL P RP P T P

d d C

m

CPC m

m

O

A

C m

C

C m

m

% + CD % % CD % %+T LP % %

%+

C m

u n

AS

fi

m

C m

N u n

CPC

C n

m

C n

m

P T T

C

T

C

S A B D S C

m

D

m C

C

31/12/2017 31/12/2016 Taxa Valor DepreSaldo Saldo Bens Avaliados Deprec. Reavaliado ciação Líquido Líquido Terrenos................................... 2.202 2.202 2.202 Prédios e Instalações ............... 4% 21.468 (5.582) 15.886 15.886 Instalações de Lojas ................ 4% 12.411 (2.689) 9.722 10.444 Móveis e Utensílios................. 10% 1.249 (936) 313 439 Equipamentos Informática ...... 20% 366 (366) Veículos ................................... 20% 751 (751) 38.447 (10.324) 28.123 28.971 Total do imobilizado ............. 131.411 (56.570) 74.841 78.068 INTANGÍVEL Marcas e Nomes Comerciais .. 95 95 93 Software .................................. 33,33% 5.377 (1.850) 3.527 4.558 5.472 (1.850) 3.622 4.651 Total .......... Am m m m C n d C n d d

m m

D

COF NS PS RRF RRF A CMS CMS ST SS P m COF NS P m CMS P m NSS R fi PGFN R fi F NSS F m O

R

C n d C n d d

D S P P L P F P RRF R NSS F R NSS F P FGTS R FGTS F P C S R C A R R P S P R T OBR GAÇÕES TR BUTÁR AS

C

A C A A A A A

Controladora e Consolidado Descrição 31/12/2017 31/12/2016 Banco Real ................................................................................ 1 Sicoob Aracoop ......................................................................... 59 47 Total .......................................................................................... 59 48 13. IMOBILIZADO Controladora e Consolidado 31/12/2017 31/12/2016 Taxa Valor DepreSaldo Saldo Custo Corrigido Deprec. Original ciação Líquido Líquido IMOBILIZADO Aeronaves ............................... 10% 1.966 (1.114) 852 1.049 Obras em Andamento.............. 74 74 149 Terrenos................................... 331 331 331 Imóveis.................................... 15.231 (4.214) 11.017 11.017 Instalações de Lojas ................ 4% 36.812 (7.485) 29.327 30.190 Móveis e Utensílios................. 10% 12.067 (8.900) 3.167 4.391 Máquinas/ Equipamentos ........ 10% 3.496 (2.152) 1.344 1.694 Equipamentos Informática ...... 20% 12.543 (12.041) 502 139 Veículos ................................... 20% 10.444 (10.340) 104 137 92.964 (46.246) 46.718 49.097

T

d d

OBR GAÇÕES SOC A S

COF NS PS RRF RRF A CMS CMS ST SS P m COF NS P m CMS P m NSS R fi PGFN R fi F NSS F m O T

n

m

C n

N u n

C

G

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCICÍOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2017 2016 2017 2016 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro/ Prejuízo Líquido do Exercício................. 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) Ajustes para reconciliar o lucro líquido do exercício com o caixa gerado pelas atividades operacionais Depreciações e Amortizações ........................... 5.038 6.691 5.038 6.691 Custo Residual dos Bens do Ativo Imobilizado Baixado ............................... 1.976 1.976 Reversão da Realização de Avaliação Patrimonial ....................................... (339) (339) Baixa de Incentivo Fiscal .................................. (30.351) - (30.351) (Aumento) Redução nos Ativos Operacionais Aplicações Financeiras...................................... (8.673) (184) (8.673) (184) Contas a Receber de Clientes............................ 172.203 (13.487) 172.203 (6.776) Estoques ............................................................ (12.326) (10.985) (12.326) (10.985) Impostos a Recuperar........................................ 50.367 4.421 50.367 4.423 Adiantamentos Diversos ................................... 7.718 3.472 7.718 3.472 Despesas Antecipadas ....................................... 3.060 (435) 3.060 (435) Impostos Diferidos ............................................ 2.133 2.133 Depósitos Judiciais............................................ 90 (90) 90 (90) Partes Relacionadas .......................................... - 2.868 2.868 Outros Bens e Direitos ...................................... (3.205) (23.778) (3.205) (23.778) Aumento (Redução) nos Passivos Operacionais Fornecedores ..................................................... (26.749) 10.163 (26.749) 10.163 Obrigações com Pessoal e Sociais .................... (16.723) 37 (16.723) 37 Obrigações Tributárias ...................................... 29.620 21.389 29.620 19.043 Partes Relacionadas .......................................... (2.573) (2.558) (2.573) (2.558) Impostos Diferidos ............................................ (288) (245) (288) (245) Provisão para Contingências ............................. (6.075) (1.822) (6.075) (1.822) Outras Contas a Pagar ....................................... 2.504 5.146 2.504 5.146 Caixa Gerado pelas Atividades Operacionais 176.618 (7.430) 176.618 (3.063) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Aumento nos Investimentos................................ (11) (11) Aquisição de Bens do Imobilizado e Intangível . (2.758) (901) (2.758) (901) Participação de não Controladores...................... - (4.367) Caixa Gerado pelas Ativididades de Investimentos ............................................... (2.769) (901) (2.769) (5.268) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Adiantamento para Futuro Aumento de Capital . 600 600 Empréstimos de Terceiros ................................... (170.589) 7.399 (170.589) 7.399 Caixa Gerado pelas Ativididades de Financiamentos ........................................... (170.589) 7.999 (170.589) 7.999 AUMENTO/REDUÇÃO DO SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA ...... 3.260 (332) 3.260 (332) Caixa e Equivalentes de Caixa No Início dos Exercícios ..................................... 4.444 4.776 4.471 4.803 Caixa e Equivalentes de Caixa No Final dos Exercícios ...................................... 7.704 4.444 7.731 4.471 AUMENTO/REDUÇÃO DO SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA ...... 3.260 (332) 3.260 (332) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017 E DE 2016 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2017 2016 2017 2016 Receitas ......................................................... 398.776 533.038 398.776 533.038 Vendas de Mercadorias e Serviços ................ 587.536 530.004 587.536 530.004 Provisão para créditos de liquidação duvidosa (189.139) (346) (189.139) (346) Outras receitas............................................... 379 3.380 379 3.380 Insumos Adquiridos de Terceiros ............... (181.089) (353.533) (181.089) (353.533) Custos de Mercadorias e Serviços Vendidos (305.461) (281.218) (305.461) (281.218) Materiais, Energia, Serviços de Terceiros e Outros ......................................... (85.560) (86.535) (85.560) (86.535) Outros Receitas (Despesas) operacionais liquidas .......................................................... 209.932 14.221 209.932 14.221 Valor Adicionado Bruto ............................... 217.687 179.505 217.687 179.505 Retenções ...................................................... (5.038) (6.691) (5.038) (6.691) Depreciação e Amortização .......................... (5.038) (6.691) (5.038) (6.691) Valor Adicionado Líquido Produzido ......... 212.649 172.814 212.649 172.814 Valor Adicionado Recebido em Transferência ................................................ 3.385 10.377 3.385 10.377 Receitas Financeiras...................................... 3.385 10.377 3.385 10.377 Valor Adicionado Total a Distribuir ........... 216.034 183.191 216.034 183.191 Distribuição do Valor Adicionado ............... 216.034 183.191 216.034 183.191 Pessoal ......................................................... 86.503 86.495 86.503 86.495 Impostos, Taxas e Contribuições .............. 94.87880.603 94.878 80.603 Federais ......................................................... 49.108 36.368 49.108 36.368 Estaduais ....................................................... 44.364 43.593 44.364 43.593 Municipais..................................................... 1.406 642 1.406 642 Remuneração de Capitais de Terceiros .... 25.781 23.787 25.781 23.787 Juros .............................................................. 25.781 23.787 25.781 23.787 Remuneração de Capitais Próprios .......... 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) Lucros/ Prejuízos Retidos ............................. 8.872 (7.694) 8.872 (7.694) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

L

P

d


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

8

INTERNACIONAL ELETROSOM S/A - (EM RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL) CNPJ: 22.164.990/0001-36

21. INCENTIVOS FISCAIS - $ FRPSDQKLD SRVVXL LQFHQWLYR ÂżVFDO FRQFHGLGR SHOR governo do Estado de GoiĂĄs no âmbito do programa denominado Produzir, para investimento no seu centro de distribuição, localizado no municĂ­pio de CatalĂŁo, naquele Estado. O incentivo propicia redução do ICMS devido, pelo prazo de 10 anos a partir de setembro de 2006, e ĂŠ reconhecido quando existe segurança razoĂĄvel de que a Companhia LUiDWHQGHUjVFRQGLo}HVUHODFLRQDGDV(PGHDJRVWRGHD&RPSDQKLDUHQRYRX o Termo de Acordo de Regime Especial com o Estado de GoiĂĄs, o qual foi concedido SRUSUD]ROLPLWDGRDGH]HPEURGH FRQIRUPHGLVS}HR7$5(TXHDOWHURX o TARE 257/06). Ă&#x2030; reconhecido sistematicamente no resultado durante os perĂ­odos nos quais a Companhia reconhece como despesas os correspondentes custos que as subvençþes pretendem compensar. 22. PATRIMĂ&#x201D;NIO LĂ?QUIDO - a) Capital Social: O capital social integralizado em 31 de dezembro de 2017 no valor de R$ 8.000 mil estĂĄ representado por 8.000 mil de açþes ordinĂĄrias nominativas e sem valor nominal. A Companhia esta autorizada a aumentar seu capital social atĂŠ o limite de R$ 100.000 mil de açþes, ordinĂĄrias ou preferenciais, nos limites legais. b) Reserva de Lucros: Representada pela reserva de incentivos ÂżVFDLVFRQVWLWXtGDQRexercĂ­cio de 2007 com base no valor do benefĂ­cio concedido pelo Governo do Estado de GoiĂĄs. Os saldos da reserva de lucros a realizar e da reserva legal foram absorvidas pelo prejuĂ­zo apurado neste exercĂ­cio. c) Dividendos: Conforme o estatuto social da Companhia ĂŠ assegurado aos acionistas um dividendo mĂ­nimo obrigatĂłrio equivalente a 25% do lucro lĂ­quido apurado e ajustado na forma do artigo GD/HL As açþes preferenciais terĂŁo direto ao recebimento de dividendos cumulativos 3% (trĂŞs por cento) superiores ao montante atribuĂ­do as açþes ordinĂĄrias. O lucro remanescente terĂĄ a destinação que lhe derem os acionistas em Assembleia Geral. 23. RECEITAS Controladora e Consolidado Descrição 2017 2016 RECEITA OPERACIONAL BRUTA Prestação de Serviços ..........................................................   Vendas Mercadorias ............................................................ 525.000 503.777 595.518 540.301 DEDUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DA RECEITA BRUTA 'HELWRGH,&06SRU6DtGDV ................................................   

,&06V'HYROXomRGHYHQGDV ............................................ 726 861 'pELWRVGH&2),16 ............................................................   

'pELWRVGH3,6.....................................................................   

'HYROXomRGH9HQGDV .......................................................... (7.982) (10.297) I.S.S.Q.N. ............................................................................   

(98.535) (85.483) Total .................................................................................... 496.983 454.818 24. DESPESAS ADMINISTRATIVAS E GERAIS Controladora e Consolidado Descrição 2017 2016 Salários e encargos ..............................................................   

TributĂĄrias ...........................................................................   

Alugueis de imĂłveis............................................................   

Outros.................................................................................. (28.508) (26.365) Total ................................................................................... (119.714) (118.518)

25. DESPESAS COM VENDAS

RELATĂ&#x201C;RIO DO AUDITOR INDEPENDENTE SOBRE AS DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES CONTĂ BEIS CONSOLIDADAS Aos administradores da ELETROSOM S.A. â&#x20AC;&#x201C; EM RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL Monte Carmelo (MG) OpiniĂŁo - Examinamos as demonstraçþes contĂĄbeis individuais e consolidadas da (/(752620 6$ Âą (0 5(&83(5$d­2 -8',&,$/ Âł&RPSDQKLD´  TXH compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2017 e as respectivas demonstraçþes consolidadas do resultado, do resultado abrangente, das mutaçþes do SDWULP{QLROtTXLGRHGRVĂ&#x20AC;X[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRÂżQGRQHVVDGDWDEHPFRPRDV correspondentes notas explicativas, incluindo o resumo das principais polĂ­ticas contĂĄbeis. Em nossa opiniĂŁo, as demonstraçþes contĂĄbeis individuais e consolidadas acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição SDWULPRQLDOHÂżQDQFHLUDGD(/(7526206$Âą(05(&83(5$d­2-8',&,$/H suas controladas em 31 de dezembro de 2017, o desempenho consolidado de suas RSHUDo}HVHRVVHXVĂ&#x20AC;X[RVGHFDL[DFRQVROLGDGRVSDUDRH[HUFtFLRÂżQGRQHVVDGDWDGH acordo com as prĂĄticas contĂĄbeis adotadas no Brasil. Base para opiniĂŁo â&#x20AC;&#x201C; Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estĂŁo descritas na seção a seguir intitulada â&#x20AC;&#x153;Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstraçþes contĂĄbeisâ&#x20AC;?. Somos independentes em relação Ă Companhia e suas controladas, de acordo com os princĂ­pios ĂŠticos relevantes previstos no CĂłdigo de Ă&#x2030;tica 3URÂżVVLRQDOGR&RQWDGRUHQDVQRUPDVSURÂżVVLRQDLVHPLWLGDVSHOR&RQVHOKR)HGHUDOGH Contabilidade, e cumprimos com as demais responsabilidades ĂŠticas de acordo com HVVDVQRUPDV$FUHGLWDPRVTXHDHYLGrQFLDGHDXGLWRULDREWLGDpVXÂżFLHQWHHDSURSULDGD para fundamentar nossa opiniĂŁo. Continuidade Operacional - Sem ressalvar nossa opiniĂŁo, nos termos da NBC TA 570, chamamos a atenção para o fato de que apesar da Companhia apurar um Resultado positivo no valor de R$ 8.872 mil, a soma do passivo circulante e nĂŁo circulante da Entidade excedeu o total do ativo circulante e nĂŁo circulante, indicando um patrimĂ´nio lĂ­quido negativo no valor de R$ 171.771 mil. Ă&#x160;nfase â&#x20AC;&#x201C; a) Partes Relacionadas - Conforme Nota Explicativa NÂş 20, a Companhia SRVVXL WUDQVDo}HV VLJQLÂżFDWLYDV FRP SDUWHV UHODFLRQDGDV FXMRV UHVXOWDGRV ÂżQDQFHLURV

poderiam ser diferentes caso fossem realizadas com partes nĂŁo relacionadas. b) Recuperação Judicial â&#x20AC;&#x201C; Conforme mencionado na nota explicativa nÂş 1 a Companhia teve o deferimento de seu pedido de recuperação judicial em 08 de setembro de 2015. Sendo assim, sua continuidade operacional depende do ĂŞxito do seu plano de recuperação e demais medidas que estĂŁo sendo tomadas pela administração. O plano de recuperação judicial foi aprovado no dia 07 de dezembro de 2017 pelo credores e homologado e aprovado pelo judiciĂĄrio em 22 de fevereiro de 2018. Em 31 de dezembro de 2017, as demonstraçþes foram preparadas presumindo-se a continuidade normal de suas operaçþes. Outros assuntos - 'HPRQVWUDomR GR YDORU DGLFLRQDGR - A demonstração do valor DGLFLRQDGR '9$ UHIHUHQWHDRH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGHHODERUDGDVRE a responsabilidade da administração da Companhia, e apresentada como informação VXSOHPHQWDUSDUDÂżQVGH,)56IRLVXEPHWLGDDSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDH[HFXWDGRVHP conjunto com a auditoria das demonstraçþes contĂĄbeis da Companhia. Para a formação de nossa opiniĂŁo, avaliamos se essa demonstração estĂĄ conciliada com as demonstraçþes contĂĄbeis e registros contĂĄbeis, conforme aplicĂĄvel, e se a sua forma e conteĂşdo estĂŁo de DFRUGRFRPRVFULWpULRVGHÂżQLGRVQR3URQXQFLDPHQWR7pFQLFR&3&'HPRQVWUDomRGR Valor Adicionado. Em nossa opiniĂŁo, essa demonstração do valor adicionado foi DGHTXDGDPHQWHHODERUDGDHPWRGRVRVDVSHFWRVUHOHYDQWHVVHJXQGRRVFULWpULRVGHÂżQLGRV nesse Pronunciamento TĂŠcnico e ĂŠ consistente em relação Ă s demonstraçþes contĂĄbeis tomadas em conjunto. Outras informaçþes que acompanham as demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas e o relatĂłrio do auditor - A Administração da Companhia ĂŠ responsĂĄvel por essas outras informaçþes que compreendem o RelatĂłrio da Administração. Nossa opiniĂŁo sobre as demonstraçþes contĂĄbeis nĂŁo abrange o RelatĂłrio da Administração e nĂŁo expressamos qualquer forma de conclusĂŁo de auditoria sobre esse RelatĂłrio. Em conexĂŁo com a auditoria das demonstraçþes contĂĄbeis, nossa responsabilidade ĂŠ a de ler o RelatĂłrio da Administração e, ao fazĂŞ-lo, considerar se esse RelatĂłrio estĂĄ, de forma relevante, inconsistente com as demonstraçþes contĂĄbeis ou com nosso conhecimento obtido na auditoria ou, de outra forma, aparenta estar distorcido de forma relevante. Se, com base no trabalho realizado, concluirmos que hĂĄ distorção relevante no RelatĂłrio da Administração somos requeridos a comunicar esse fato. NĂŁo temos nada a relatar a este respeito. Responsabilidades da administração e da governança pelas demonstraçþes

Descrição 3HUGDV(VWLPDGDVFRP&UpGLWRGH/LTXLGDomR'XYLGRVD ........ Publicidades ............................................................................. Alugueis lojas........................................................................... Fretes ........................................................................................ Outros....................................................................................... Total ........................................................................................ 26. OUTRAS RECEITAS E DESPESAS Descrição Outras Receitas 'HViJLR .................................................................................... Ressarcimento de Sinistro ........................................................ Incentivos Fiscais Sefaz GO/ Recuperação Impostos .............. &UHGLWRGH3LVH&R¿QV............................................................. Outras Receitas Operacionais .................................................. Total ........................................................................................ Outras Despesas Recuperação Judicial ............................................................... Provisþes para Contingências .................................................. Provisþes para Perdas Estoque................................................. 2XWUDV'HVSHVDV2SHUDFLRQDLV ................................................. Total ........................................................................................ 27. RESULTADO FINANCEIRO Despesas Financeiras Descrição Encargos s/Financiamento ....................................................... -XURVH'HVSHVDV%DQFiULDV ...................................................... Juros Passivos .......................................................................... Total ........................................................................................ Receitas Financeiras Descrição 'HVFRQWRV2EWLGRV ................................................................... Ganhos / Aplicação Financeiras ............................................... %RQL¿FDo}HV¹3UrPLRV ............................................................ Juros Contas a Receber ............................................................ 5HQGDV'LYHUVDV ....................................................................... Total ........................................................................................

Controladora e Consolidado 2017 2016   

(7.691) (11.999)   

(8.719) (10.309) (15.976) (10.917) (245.814) (60.274) Controladora e Consolidado 2017 2016  1.993    302.326

 1    17.102

(67.592)   (19.037) (1.898) (90.168) 212.158

 (87) (87) 17.015

Controladora e Consolidado 2017 2016   

(698) (663)   

(25.781) (23.787) Controladora e Consolidado 2017 2016 187 272 251 79 5   3.385 10.377 (22.396) (13.410)

28. LUCRO POR AĂ&#x2021;Ă&#x192;O - O lucro bĂĄsico por ação ĂŠ calculado mediante a divisĂŁo do lucro atribuĂ­vel aos acionistas da Companhia pela quantidade mĂŠdia ponderada de açþes ordinĂĄrias emitidas durante o exercĂ­cio, excluindo as açþes ordinĂĄrias compradas pela Companhia. O lucro diluĂ­do por ação ĂŠ calculado ajustando-se a mĂŠdia ponderada da quantidade de açþes ordinĂĄrias em circulação supondo a conversĂŁo de todas as açþes ordinĂĄrias potenciais que provocariam diluição. 29. SEGMENTO DE NEGĂ&#x201C;CIO - $ DGPLQLVWUDomR GD &RPSDQKLD GHÂżQLX VHXV segmentos operacionais com base nos relatĂłrios utilizados para a tomada de decisĂľes estratĂŠgicas, revisados pelo Conselho de Administração. A venda a varejo, principalmente SDUDDVFODVVHVÂł&´HÂł'´GHPHUFDGRULDVGDVOLQKDVEUDQFDPDUURPLQIRUPiWLFDPyYHLV telefonia, cine foto, ĂŠ o foco negocial da Companhia, complementado pela venda de serviços de terceiros aos seus clientes, tais como: garantia estendida, seguro prestamista, FXUVRVHÂżQDQFLDPHQWRV 30. INSTRUMENTOS FINANCEIROS - GestĂŁo do risco de capital - A Administração GD&RPSDQKLDSUDWLFDRSHUDo}HVHQYROYHQGRLQVWUXPHQWRVÂżQDQFHLURVWRGRVUHJLVWUDGRV HP FRQWDV SDWULPRQLDLV FRP D ÂżQDOLGDGH GH PDQWHU VXD FDSDFLGDGH GH LQYHVWLPHQWRV e estratĂŠgia de crescimento, bem como para assegurar a continuidade dos negĂłcios e maximizar os recursos para aplicação na abertura e remodelação de lojas e trazer retorno contĂ­nuo aos acionistas e outras partes interessadas. O gerenciamento dos riscos e a gestĂŁo GRVLQVWUXPHQWRVÂżQDQFHLURVVmRUHDOL]DGRVSRUPHLRGHGHÂżQLomRGHPHWDVHVWUDWpJLDV H SURFHGLPHQWRV GH FRQWUROH GHÂżQLGRV SHOD$GPLQLVWUDomR GD &RPSDQKLD SDUD TXH WDLV ULVFRVVHMDPPLQLPL]DGRVDFDGDH[HUFtFLRVRFLDO2VSULQFLSDLVLQVWUXPHQWRVÂżQDQFHLURV e seus valores registrados nas demonstraçþes contĂĄbeis, por categoria, sĂŁo resumidos a seguir: Controladora Consolidado 31/12/2017 31/12/2016 31/12/2017 31/12/2016 Caixa e Equivalente de caixa ......     $SOLFDo}HVÂżQDQFHLUDV ................     TĂ­tulos e Valores MobiliĂĄrios ......     Contas a receber .......................... 76.126 203.330 76.126 203.330 Partes relacionadas ......................     (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV ...     Fornecedores ............................... 153.506 180.255 153.506 180.255 A Administração da Companhia e de suas controladas considera que os instrumentos ÂżQDQFHLURV UHJLVWUDGRV HP VXDV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV SHOR VHX YDORU FRQWiELO correspondem substancialmente aos montantes que seriam obtidos caso fossem negociados no mercado. A seleção dos ativos e passivos apresentados nesta nota ocorreu em razĂŁo de sua relevância. A Companhia e suas controladas nĂŁo praticam LQVWUXPHQWRV ÂżQDQFHLURV SDUD ÂżQV HVSHFXODWLYRV 5LVFRV ÂżQDQFHLURV  As atividades da &RPSDQKLD H GH VXDV FRQWURODGDV HVWmR H[SRVWDV D DOJXQV ULVFRV ÂżQDQFHLURV WDLV FRPR risco de mercado, risco de crĂŠdito e risco de liquidez. A gestĂŁo de risco ĂŠ realizada pela $GPLQLVWUDomRGD&RPSDQKLDVHJXQGRDVSROtWLFDVDSURYDGDVSHOD'LUHWRULDGestĂŁo do risco de taxa de juros - A Companhia e suas controladas podem incorrer em perdas por FRQWD GH Ă&#x20AC;XWXDo}HV QDV WD[DV GH MXURV TXH DXPHQWHP DV GHVSHVDV ÂżQDQFHLUDV UHODWLYDV DRVSDVVLYRVÂżQDQFHLURVSUDWLFDGRVFDSWDGRVMXQWRDRPHUFDGR(PUHODomRjVDSOLFDo}HV ÂżQDQFHLUDV PDQWLGDV SHOD &RPSDQKLD DV PHVPDV SRVVXHP FRQGLo}HV GH FRQWUDWDomR atuais semelhantes Ă quelas em que as mesmas se originaram e, portanto, os valores de PHUFDGRVmRLJXDLVDRVYDORUHVFRQWiEHLV(VVDVDSOLFDo}HVÂżQDQFHLUDVIRUDPFRQVLGHUDGDV como equivalentes de caixa. Analise de sensibilidade de juros - A Companhia analisa sua exposição Ă  taxa de juros de forma dinâmica. SĂŁo simulados diversos cenĂĄrios levando HP FRQVLGHUDomR UHÂżQDQFLDPHQWR H UHQRYDomR GH SRVLo}HV H[LVWHQWHV &RP EDVH QHVVHV FHQiULRVD&RPSDQKLDGHÂżQHXPDPXGDQoDUD]RiYHOQDWD[DGHMXURVHFDOFXODRLPSDFWR sobre o resultado. Permanentemente ĂŠ efetuado acompanhamento das taxas contratadas versus as vigentes no mercado. GestĂŁo de risco de crĂŠdito - As polĂ­ticas de vendas e FRQFHVVmRGHFUpGLWRGD&RPSDQKLDHVWmRVXERUGLQDGDVjVSROtWLFDVGHFUpGLWRÂż[DGDVSRU

sua Administração e visam minimizar eventuais problemas decorrentes da inadimplĂŞncia de seus clientes. Este objetivo ĂŠ alcançado pela Administração da Companhia por meio da seleção criteriosa da carteira de clientes que considera a capacidade de pagamento DQiOLVH GH FUpGLWR  H GD GLYHUVLÂżFDomR GH VXDV RSHUDo}HV SXOYHUL]DomR GR ULVFR  2 agendamento (aging) de recebimentos e a provisĂŁo de perdas com crĂŠdito reconhecidas pela Companhia estĂŁo apresentadas na nota explicativa nÂş 7. Os ativos representados por equivalentes de caixa e depĂłsitos em bancos tĂŞm como contraparte, instituiçþes ÂżQDQFHLUDV GH UHFRQKHFLGD VROLGH] HRX VmR ODVWUHDGRV HP WtWXORV JDUDQWLGRV SRU HVWDV instituiçþes. Gerenciamento do risco de liquidez - A Administração controla as previsĂľes contĂ­nuas das exigĂŞncias de liquidez da Companhia para assegurar que VH WHQKD FDL[D VXÂżFLHQWH SDUD DWHQGHU jV QHFHVVLGDGHV RSHUDFLRQDLV 2V OLPLWHV GH FUpGLWRV FRQFHGLGRV D &RPSDQKLD WHP HVSDoR VXÂżFLHQWH HP VXDV OLQKDV GH FUpGLWR compromissadas disponĂ­veis, nĂŁo gerando risco de quebra desses limites ou clĂĄusulas GRV HPSUpVWLPRV (VVD SUHYLVmR OHYD HP FRQVLGHUDomR RV SODQRV GH ÂżQDQFLDPHQWR GD dĂ­vida da Companhia. A Companhia elabora um modelo prĂłprio de gestĂŁo de risco de liquidez para gerenciamento do excesso de caixa e das necessidades de captação de novos recursos. Em 31 de dezembro de 2017, os equivalentes de caixa mantidos pela Companhia possuem liquidez imediata e sĂŁo considerados para administrar o risco GH OLTXLGH] 2 SDVVLYR ÂżQDQFHLUR PDQWLGR SHOD &RPSDQKLD HP  GH GH]HPEUR GH  p UHSUHVHQWDGR EDVLFDPHQWH SHORV HPSUpVWLPRV H ÂżQDQFLDPHQWRV H GLYLGD FRP IRUQHFHGRUHV FXMD H[SHFWDWLYD GH Ă&#x20AC;X[RV GH FDL[D IXWXURV HQFRQWUDVH DSUHVHQWDGD QDV QRWDVH[SOLFDWLYDVQÂ&#x17E;H 31. DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO EBITDA DO EXERCĂ?CIO DE 2017 E DE 2016 Controladora e Consolidado 2017 2016 (=) Receita Operacional LĂ­quida.........................................   (-) CMV e Serviços .............................................................   (=) Lucro Bruto .................................................................. 191.522 173.600  'HVSHVDV$GPH*HUDLV ..................................................    'HVSHVDVGH9HQGDV .......................................................   (+)Outras Receitas (despesas) Op. Liquidas ....................... 212.158 17.015 EBITDA ............................................................................ 38.152 11.823 32. SEGUROS - A Companhia adota polĂ­tica de contratar seguros de diversas PRGDOLGDGHV FXMDV FREHUWXUDV VmR FRQVLGHUDGDV VXÂżFLHQWHV SHOD $GPLQLVWUDomR SDUD fazer face Ă ocorrĂŞncia de sinistros. As seguintes coberturas de seguros em 31 de dezembro de 2017 estĂŁo assim demonstradas: Descrição Valor Segurado IncĂŞndio/Raio/ExplosĂŁo/ Impl. .......................................................... 118.233 Impacto VeĂ­culos/Queda Aeronaves/ FuracĂŁo/ Vendaval .................. 19.900 Responsabilidade Civil ...................................................................... 600 5HFRPSRVLomRGH5HJLVWURVH'RFXPHQWRV .......................................   Perda ou Pagamento e Alugueis......................................................... 180 Roubos e Furtos ................................................................................. 300 33. AUTORIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA CONCLUSĂ&#x192;O DAS DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES CONTĂ BEIS - A diretoria da Companhia autorizou a conclusĂŁo das presentes demonstraçþes contĂĄbeis em 29 de março de 2018, as quais consideram os eventos subsequentes ocorridos atĂŠ esta data, que pudessem ter efeito sobre estas demonstraçþes contĂĄbeis.

contĂĄbeis consolidadas - A Administração ĂŠ responsĂĄvel pela elaboração e adequada apresentação das demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas de acordo com as prĂĄticas contĂĄbeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessĂĄrios para permitir a elaboração de demonstraçþes contĂĄbeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas, a Administração ĂŠ responsĂĄvel pela avaliação da capacidade de a Companhia continuar operando, divulgando, quando aplicĂĄvel, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contĂĄbil na elaboração das demonstraçþes contĂĄbeis, a nĂŁo ser que a Administração pretenda liquidar a Companhia e suas controladas ou cessar suas operaçþes, ou nĂŁo tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operaçþes. Os responsĂĄveis pela governança da Companhia e suas controladas sĂŁo aqueles com responsabilidade pela supervisĂŁo do processo de elaboração das demonstraçþes contĂĄbeis. Responsabilidade do auditor pela auditoria das demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas - Nossos objetivos sĂŁo obter segurança razoĂĄvel de que as demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas, tomadas em conjunto, estĂŁo livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatĂłrio de auditoria contendo nossa opiniĂŁo. Segurança razoĂĄvel ĂŠ um alto nĂ­vel de segurança, mas, nĂŁo, uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorçþes relevantes existentes. As distorçþes podem ser decorrentes de fraude ou erro e sĂŁo FRQVLGHUDGDV UHOHYDQWHV TXDQGR LQGLYLGXDOPHQWH RX HP FRQMXQWR SRVVDP LQĂ&#x20AC;XHQFLDU dentro de uma perspectiva razoĂĄvel, as decisĂľes econĂ´micas dos usuĂĄrios tomadas com base nas referidas demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas. Como parte da auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos MXOJDPHQWRSURÂżVVLRQDOHPDQWHPRVFHWLFLVPRSURÂżVVLRQDODRORQJRGDDXGLWRULD$OpP GLVVR Â&#x2021; ,GHQWLÂżFDPRV H DYDOLDPRV RV ULVFRV GH GLVWRUomR UHOHYDQWH QDV GHPRQVWUDo}HV contĂĄbeis consolidadas, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos HYLGrQFLDGHDXGLWRULDDSURSULDGDHVXÂżFLHQWHSDUDIXQGDPHQWDUQRVVDRSLQLmR2ULVFRGH nĂŁo detecção de distorção relevante resultante de fraude ĂŠ maior do que o proveniente de erro, jĂĄ que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio,

IDOVLÂżFDomRRPLVVmRRXUHSUHVHQWDo}HVIDOVDVLQWHQFLRQDLVÂ&#x2021;2EWHPRVHQWHQGLPHQWRGRV controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas, nĂŁo, com o objetivo de expressarmos RSLQLmRVREUHDHÂżFĂĄcia dos controles internos da companhia. â&#x20AC;˘ Avaliamos a adequação das polĂ­ticas contĂĄbeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contĂĄbeis e respectivas divulgaçþes feitas pela administração. â&#x20AC;˘ ConcluĂ­mos sobre a adequação do uso, pela Administração, da base contĂĄbil de continuidade operacional e, com base nas evidĂŞncias de auditoria obtidas, se existe uma incerteza relevante em relação a eventos RX FRQGLo}HV TXH SRVVDP OHYDQWDU G~YLGD VLJQLÂżFDWLYD HP UHODomR j FDSDFLGDGH GH continuidade operacional da Companhia e suas controladas. Se concluirmos que existe incerteza relevante, devemos chamar atenção em nosso relatĂłrio de auditoria para as respectivas divulgaçþes nas demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas ou incluir PRGLÂżFDomRHPQRVVDRSLQLmRVHDVGLYXOJDo}HVIRUHPLQDGHTXDGDV1RVVDVFRQFOXV}HV estĂŁo fundamentadas nas evidĂŞncias de auditoria obtidas atĂŠ a data de nosso relatĂłrio. Todavia, eventos ou condiçþes futuras podem levar a Companhia e suas controladas a nĂŁo mais se manter em continuidade operacional. â&#x20AC;˘ Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteĂşdo das demonstraçþes contĂĄbeis, inclusive as divulgaçþes, e se as demonstraçþes contĂĄbeis consolidadas representam as correspondentes transaçþes e os eventos de maneira compatĂ­vel com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamonos com os responsĂĄveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance SODQHMDGRGDpSRFDGDDXGLWRULDHGDVFRQVWDWDo}HVVLJQLÂżFDWLYDVGHDXGLWRULDLQFOXVLYH DVHYHQWXDLVGHÂżFLrQFLDVVLJQLÂżFDWLYDVQRVFRQWUROHVLQWHUQRVTXHLGHQWLÂżFDPRVGXUDQWH nossos trabalhos. Fornecemos tambĂŠm aos responsĂĄveis pela governança, declaração de que cumprimos com as exigĂŞncias ĂŠticas relevantes, incluindo os requisitos aplicĂĄveis de independĂŞncia, e comunicamos todos os eventuais relacionamentos ou assuntos que poderiam afetar consideravelmente nossa independĂŞncia, incluindo, quando aplicĂĄvel, as respectivas salvaguardas. Araçatuba (SP), 23 de abril de 2018. AZEVEDO AUDITORIA E ASSESSORIA CONTĂ BIL S/S &5&63 Elizeu de Azevedo â&#x20AC;&#x201C; SĂłcio Diretor Contador CRC 1 SP 076962/0-9-MG Pag. 02 de 02

Natal Acir Rosa - Diretor Presidente Antonio Acir Rosa - Diretor Financeiro e relaçþes com investidores Contador - Wander de Oliveira Gimenez CRC - 236209/O-4

OMC

COREIAS

Tensþes começam a afetar comÊrcio

Norte exige concessþes do Segundo entidade internacional, protecionismo pode prejudicar avanço do setor no mundo Sul para seguir conversas Genebra/ Washington Navarro participou de JASON LEE / REUTERS

- As tensĂľes comerciais podem estar começando a conter o comĂŠrcio global de mercadorias, afirmou ontem a Organização Mundial do ComĂŠrcio (OMC) ao divulgar um indicador que mostra crescimento acima da tendĂŞncia neste trimestre, mas em desaceleração. O Indicador do CenĂĄrio de ComĂŠrcio Mundial, publicado desde o terceiro trimestre de 2016, mostrou uma leitura de 101,8 contra 102,3 em fevereiro. â&#x20AC;&#x153;A recente queda reflete os declĂ­nios nos Ă­ndices para pedidos de exportação em particular, mas tambĂŠm para o frete aĂŠreo, o que pode estar ligado Ă crescente incerteza econĂ´mica devido ao aumento das tensĂľes comerciaisâ&#x20AC;?, disse a OMC, em comunicado. Protecionismo - O ĂłrgĂŁo previu em abril que o comĂŠrcio de bens cresceria 4,4% neste ano, apĂłs uma dĂŠcada com mĂŠdia de 3%, mas alertou que o crescimento pode ser prejudicado se os governos recorrerem a polĂ­ticas restritivas e a uma disputa retaliatĂłria. O Ă­ndice da OMC inclui sete componentes, que servem como indicadores antecedentes do comĂŠrcio. Um deles, pedidos de exportação, caiu para 98,1, abaixo da tendĂŞncia, ante uma leitura de 102,8 em fevereiro. A leitura para o frete aĂŠreo tambĂŠm perdeu força nos Ăşltimos meses, enquanto o trĂĄfego de con-

Steven Mnuchin lidera delegação norte-americana em negociaçþes comerciais com a China

têineres em portos mostrou guerra comercial, com o de indústria e comÊrcio da sinais de estabilização e as maior crítico da China na Casa Branca, não terå um vendas de automóveis e Casa Branca relegado a um papel principal na equipe matÊrias-primas agrídos EUA, disseram duas colas derrubaram a autoridades. Em vez leitura geral, a 97,9 e disso, o secretårio do Os Estados Unidos e a China 95,9, respectivamente, Tesouro, Steven Mnuiniciaram ontem negociaçþes disse a OMC. chin, o secretårio do em uma tentativa de evitar Mas o índice de comComÊrcio, Wilbur Ross, ponentes eletrônicos se uma guerra comercial entre as e o Representante de Corecuperou para 104,2, mÊrcio, Robert Lighthiduas maiores economias de 94,1 em fevereiro. zer, vão liderar a delegação norte-americana nas negociaçþes com Esperança - Os Estados Unidos (EUA) e a China papel secundårio, disseram o vice-primeiro-ministro iniciaram ontem negocia- autoridades do governo chinês, Liu He, principal çþes comerciais em uma norte-americano. assessor econômico do pretentativa de evitar uma Peter Navarro, assessor sidente Xi Jinping.

uma rodada inicial de negociaçþes, hå duas semanas, em Pequim, que levou a apresentaçþes de uma sÊrie de exigências comerciais de cada lado. A mudança na posição de Navarro acontece em meio a uma crescente divergência em relação à política comercial com Mnuchin, que Ê a favor de acordos mais viåveis para abrir a economia da China a empresas dos EUA e aliviar ameaças tarifårias. Navarro e Mnuchin tiveram uma discussão acalorada na viagem a Pequim e o relacionamento ficou tão abalado que alguns participantes chegaram a questionar abertamente como eles se relacionariam dentro do mesmo avião no longo voo entre os EUA e a China, disse uma pessoa familiarizada com o episódio. As negociaçþes começam no momento em que os EUA encerram as audiências públicas sobre a primeira sÊrie de tarifas norte-americanas sobre US$ 50 bilhþes em bens chineses, propostas como punição sobre supostas violaçþes de direitos intelectuais dos EUA. As tarifas, que visam peças elÊtricas e de maquinårios, automóveis e TVs de tela plana chineses, podem entrar em vigor no início de junho. Elas podem ser seguidas de uma rodada adicional de mais US$ 100 bilhþes sobre bens chineses ainda a serem identificados. (Reuters)

ARGENTINA

Detalhes de apoio do FMI jĂĄ estĂŁo em discussĂŁo Washington - O Fundo MonetĂĄrio Internacional (FMI) espera fornecer Ă Argentina um programa de apoio de alto acesso, mas detalhes precisos sobre o que ele irĂĄ abranger ainda

estĂŁo em discussĂŁo, disse ontem o porta-voz do FMI, Gerry Rice. â&#x20AC;&#x153;Em relação aos detalhes do que o programa pode ser, o tamanho, o tipo exato do instrumento, tudo isso vai

fazer parte das discussĂľes daqui para frente e dos detalhes que serĂŁo desenvolvidos nos prĂłximos diasâ&#x20AC;?, disse Gerry Rice, durante coletiva de imprensa. â&#x20AC;&#x153;Em termos de polĂ­ticas,

polĂ­ticas fiscais, metas e assim por diante, essas sĂŁo todas questĂľes que eu coloco na categoria de detalhe do programa como ele surgirĂĄ e, assim, esses serĂŁo tĂłpicos para a discussĂŁoâ&#x20AC;?, acrescentou.

O governo da Argentina disse, na semana passada, que estava solicitando um acordo de financiamento do tipo â&#x20AC;&#x153;stand-byâ&#x20AC;? (SBA na sigla em inglĂŞs) de alto acesso junto ao FMI. (Reuters)

Seul - A Coreia do Norte criticou ontem a Coreia do Sul, advertindo que encerraria definitivamente as conversas intercoreanas, a menos que Seul fizesse concessĂľes em relação aos exercĂ­cios militares realizados com os Estados Unidos (EUA) e em crĂ­ticas pĂşblicas Ă s tentativas de diĂĄlogo com o Norte. Em um ataque ao governo do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, a Coreia do Norte chamou o governo de â&#x20AC;&#x153;um grupo ignorante e incompetente, desprovido do senso elementar da situação atualâ&#x20AC;?. A mais recente crĂ­tica do Norte acrescenta mais incerteza Ă  sua disposição de sustentar um degelo nas relaçþes com Washington e Seul, em meio aos planos para uma reuniĂŁo de cĂşpula, no prĂłximo mĂŞs, entre o presidente americano, Donald Trump, e o lĂ­der norte-coreano, Kim Jong-un. Em um comunicado publicado ontem e atribuĂ­do a Ri Son Gwon, uma autoridade do alto escalĂŁo da Coreia do Norte que supervisiona as relaçþes intercoreanas, o Norte pareceu dobrar suas queixas contra Washington e Seul. No comunicado, Ri criticou os exercĂ­cios conjuntos da força aĂŠrea sul-coreana, que considerou uma provocação, e sugeriu que Seul silenciasse crĂ­ticas de Thae Yong Ho, proeminente desertor norte-coreano que lançou dĂşvidas sobre as intençþes de Pyongyang. â&#x20AC;&#x153;A menos que a grave situação que levou Ă  suspensĂŁo das negociaçþes de alto nĂ­vel entre o Norte e o Sul esteja resolvida, nunca serĂĄ fĂĄcil sentar-se cara a cara novamente com o atual regime da Coreia do Sulâ&#x20AC;?, disse Ri. (AE)


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

9

POLĂ?TICA ELEIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES

AgronegĂłcio pode financiar Bolsonaro

Campo Novo do Parecis (MT) - O prÊ-candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que se compara ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estå atraindo apoio ao redor das åreas agrícolas do Brasil, onde o capitão da reserva do ExÊrcito pode garantir o financiamento necessårio para sua tentativa de liderar o maior país da AmÊrica Latina. A liderança precoce de Bolsonaro em pesquisas nacionais de opinião para a corrida presidencial de outubro, quando o ex-presidente Luiz Inåcio Lula da Silva não aparece na disputa, tem sido menosprezada por muitos especialistas porque ele não tem a forte base partidåria que Ê tradicionalmente necessåria para vencer eleiçþes no País de 209 milhþes de habitantes. No entanto, a postura dura de Bolsonaro, de 63 anos, em relação à criminalidade e seus planos para afrouxar o controle de ar-

mas, somado Ă sua oposição Ă  proteção ambiental e Ă s reivindicaçþes de reservas de terra para comunidades originĂĄrias, estĂĄ encontrando ressonância em ricos proprietĂĄrios de terras nas ĂĄreas rurais do Brasil. Adesivos de carros que dizem â&#x20AC;&#x153;Bolsonaro Salve o Brasilâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;Somos todos Bolsonaroâ&#x20AC;? sĂŁo uma visĂŁo comum em caminhonetes em Campo Novo do Parecis, municĂ­pio do Mato Grosso, a potĂŞncia agrĂ­cola do Brasil. Com a prisĂŁo de Lula por corrupção, Bolsonaro, um deputado que acumula sete mandatos, lidera um campo fragmentado a cinco meses da eleição. Uma pesquisa divulgada nesta semana mostra ele Ă  frente da ambientalista Marina Silva em cenĂĄrios onde Lula nĂŁo aparece. Nos estados agrĂ­colas da regiĂŁo Centro-Oeste, que puxam a oitava maior economia do mundo, a liderança de Bolsonaro cresce para amplos 10 pontos percen-

SINDICATO DA INDĂ&#x161;STRIA DE SOFTWARE E DA TECNOLOGIA DA INFORMAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - ASSEMBLĂ&#x2030;IA GERAL EXTRAORDINĂ RIA Ficam convocadas as empresas associadas e as da base de representação do Sindicato da IndĂşstria de Software e da Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais â&#x20AC;&#x201C; SINDINFOR, que estejam no pleno gozo de seus direitos estatutĂĄrios, para a Assembleia Geral ExtraordinĂĄria, a realizar-se no prĂłximo dia 24 (vinte e quatro) de maio de 2018, quarta-feira, na Sede do Sindicato, Ă Av. Afonso Penna, 3351, 10Âş Andar, Ă s 09h00 (nove) horas, em primeira convocação, com a presença mĂ­nima de 2/3 (dois terços) das empresas Associadas em condição de voto e Ă s 09h30 (nove e trinta) horas em segunda convocação, com a presença mĂ­nima de 1/3 (um terço) das empresas Associadas em condição de voto, no mesmo local, dia e endereço, para apreciação e deliberação sobre a seguinte ordem do dia: a) Proposta de alteração estatutĂĄria do Sindicato, nos termos do ofĂ­cio n.Âş 256/2018/CGRS/SRT/MTb de 18 de abril de 2018, para excluir da representação da entidade a Categoria EconĂ´mica das Empresas atuantes nos serviços de provimento de acesso Ă  internet. As empresas associadas poderĂŁo se fazer representadas mediante seus representantes registrados junto ao Sindicato, ou por qualquer pessoa munida de instrumento escrito, autorizando a sua participação como representante da empresa na AGE. Belo Horizonte, 18 de maio de 2018 WELINGTON TEIXEIRA SANTOS- Presidente

tuais, segundo o Datafolha. Embora esses estados sejam menos populosos do que as regiþes litorâneas, eles abrigam poderosos proprietårios de terras abastecidos de dinheiro das recentes safras recordes, cujas doaçþes políticas podem ser essenciais para construir uma campanha nacional para Bolsonaro. Alto e magro, com cabelos penteados para um lado e um olhar fitante, a principal vantagem de Bolsonaro aos olhos de muitos eleitores Ê uma ficha limpa de corrupção, num momento em que boa parte da classe política foi atingida por escândalos de corrupção. Com isso, eles estão preparados para olhar alÊm de seus comentårios mais incendiårios. Apesar de sua popularidade, Bolsonaro conta apenas com o apoio do PSL, um partido pequeno. Sob as leis eleitorais do Brasil, isso då a ele apenas 10 segundos de

tempo de televisão quando a campanha começar, uma sÊria deficiência em um país onde propagandas televisivas têm historicamente grande impacto. Redes sociais - Aliados de Bolsonaro dizem que seu alcance nas redes sociais compensarå o pouco tempo na TV, citando um número de seguidores no Facebook que Ê mais do que o dobro do que tem Marina. Manifestando revolta contra partidos do establishment, Bolsonaro comparou sua candidatura à campanha de Trump em 2016, agitando alguns eleitores com discursos furiosos, enquanto alarma outros. A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou Bolsonaro no mês passado por incitar discriminação contra mulheres, negros, indígenas e gays. Ele tambÊm enfrenta um processo no Supremo Tribunal Federal

OPORTUNIDADE DE NEGĂ&#x201C;CIO CESSĂ&#x192;O ADMINISTRATIVA DE USO REPROGRAFIA NO CAMPUS ARAXĂ NUMERO DE ALUNOS 946 - VALOR INICIAL R$ 150,00 O CENTRO FEDERAL DE EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O TECNOLĂ&#x201C;GICA DE MINAS GERAIS - (CEFET/MG) torna pĂşblico que realizarĂĄ no dia 13/06/2018 Ă s 16h00min, licitação na modalidade PregĂŁo Presencial nÂş 05/2018, tipo Maior Oferta, cujo objeto ĂŠ a CessĂŁo Administrativa para o uso do espaço ItVLFR  P  GHVWLQDGR D H[SORUDomR GD SDSHODULD H UHSURJUDÂżD QR &DPSXV $UD[i GR &()(70* FRQIRUPH HVSHFLÂżFDo}HV H GHPDLV FRQGLo}HVFRQVWDQWHVQRHGLWDOHVHXVDQH[RV(VWHHGLWDOSRGHUi VHU VROLFLWDGR DWUDYpV GRV FRUUHLRV HOHWU{QLFRV GMDOPD#FHIHWPJEU OHRQDUGRJHQHURVR#FHIHWPJEU RX HVHTXLDV#FHIHWPJEU, disponĂ­vel tambĂŠm no sitio eletrĂ´nico ZZZFHIHWPJEU 'MDOPDGH-HVXV2OLYHLUD3UHJRHLUR

ANDRADE GUTIERREZ ENGENHARIA S/A

ANDRADE GUTIERREZ DESENVOLVIMENTO IMOBILIĂ RIO S/A

CNPJ/MF nÂş 17.262.213/0001-94 â&#x20AC;&#x201C; NIRE: 3130009183-0 Ata da Assembleia Geral ExtraordinĂĄria realizada no dia 11 de Maio de 2018. Data, Hora e Local: Aos 11 (onze) dias do mĂŞs de maio de 2018, Ă s 9h (nove horas), na sede social da Companhia, em Belo Horizonte â&#x20AC;&#x201C; MG, na Av. do Contorno, nÂş 8.123, Cidade Jardim, CEP 30110-937. Presenças: acionistas representando a totalidade do capital social. PresidĂŞncia: Clorivaldo Bisinoto. SecretĂĄrio: Gustavo Braga Mercher Coutinho. Convocação: dispensada a publicação em virtude do comparecimento dos acionistas representando a totalidade do capital social, nos termos do parĂĄgrafo 4Âş, do artigo 124 da Lei 6.404/76. Deliberação Unânime: em conformidade com o disposto no artigo 10, inciso X do Estatuto Social, autorizar o aumento do capital social de sua investida Zagope SGPS, S/A, com sede no Lagoas Park, EdifĂ­cio 6, Piso 1, Distrito Lisboa Concelho, Oeiras Freguesia, Porto Salvo, 2740244 Oeiras, no valor de â&#x201A;Ź 3.000.000,00 (trĂŞs milhĂľes de euros) totalmente integralizados nesta data. Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a Assembleia da qual se lavrou esta ata que, lida e aprovada, vai assinada por todos. Assinaturas: p/Andrade Gutierrez Investimentos em Engenharia S/A: Clorivaldo Bisinoto e Gustavo Braga Mercher Coutinho. p/EspĂłlio de Pedro Berto da Silva: Viviane da Cunha Berto. A presente ata confere com a original lavrada no livro prĂłprio. Gustavo Braga Mercher Coutinho â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄrio. Junta &RPHUFLDOGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLVÂą&HUWLÂżFRUHJLVWURVRERQÂ&#x17E;HPGD (PSUHVD$QGUDGH*XWLHUUH](QJHQKDULD6$1,5(HSURWRFROR  D 0DULQHO\GH3DXOD%RPÂżPÂą6HFUHWiULD*HUDO

CNPJ/MF nÂş 19.887.236/0001-10 â&#x20AC;&#x201C; NIRE: 3130010718-3 Companhia Fechada Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada no dia 23 de Abril de 2018. Data, Hora, Local: Aos 23 (vinte e trĂŞs) dias do mĂŞs de abril de 2018, Ă s 10h (dez horas), na sede social da Companhia, em Belo Horizonte â&#x20AC;&#x201C; MG, na Av. do Contorno, nÂş 8.279, sala 300B2, Gutierrez, CEP 30110-059. Presenças: acionistas representando a totalidade do capital social. PresidĂŞncia: Ricardo Coutinho de Sena. SecretĂĄrio: Luiz OtĂĄvio MourĂŁo. Convocação: dispensada a publicação em virtude do comparecimento de acionistas representando a totalidade do capital social, nos termos do § 4Âş, do artigo 124 da Lei 6.404/76. Deliberação aprovada por unanimidade: RelatĂłrio da Diretoria, Balanço Patrimonial e demais Demonstrao}HV)LQDQFHLUDVGRH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGHSXEOLFDGRVQR'LiULR2ÂżFLDO do Estado de Minas Gerais do dia 14 de abril de 2018, Ă  pĂĄgina 8, caderno 2, e no DiĂĄrio do ComĂŠrcio de 14 de abril de 2018, Ă  pĂĄgina 5, prejudicada a constituição da Reserva Legal HPUD]mRGRVSUHMXt]RVYHULÂżFDGRVQRH[HUFtFLR1DGDPDLVKDYHQGRDVHUWUDWDGRIRLHQFHUrada a Assembleia da qual se lavrou esta ata que, lida e aprovada, vai assinada por todos. Assinaturas: Andrade Gutierrez S/A: Ricardo Coutinho de Sena e Luiz OtĂĄvio MourĂŁo. p/ EspĂłlio de Pedro Berto da Silva9LYLDQHGD&XQKD%HUWR$SUHVHQWHDWDFRQIHUHFRPDRULginal lavrada no livro prĂłprio. Luiz OtĂĄvio MourĂŁo â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄrio. Junta Comercial do Estado GH0LQDV*HUDLVÂą&HUWLÂżFRUHJLVWURVRERQÂ&#x17E;HPGD(PSUHVD$QGUDGH Gutierrez Desenvolvimento ImobiliĂĄrio S/A, NIRE 3130010718-3 e protocolo 18/205.516-7  D 0DULQHO\GH3DXOD%RPÂżPÂą6HFUHWiULD*HUDO

INSTITUTO DO PATRIMĂ&#x201D;NIO HISTĂ&#x201C;RICO E ARTĂ?STICO NACIONAL SUPERINTENDĂ&#x160;NCIA DO IPHAN NO ESTADO DE MINAS GERAIS

MINISTĂ&#x2030;RIO DA CULTURA

AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

INSTITUTO DO PATRIMĂ&#x201D;NIO HISTĂ&#x201C;RICO E ARTĂ?STICO NACIONAL SUPERINTENDĂ&#x160;NCIA DO IPHAN NO ESTADO DE MINAS GERAIS

MINISTĂ&#x2030;RIO DA CULTURA

AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

Tomada de Preços nº 01/2018

ConcorrĂŞncia nÂş 04/2018

A SuperintendĂŞncia do Instituto do PatrimĂ´nio HistĂłrico e ArtĂ­stico Nacional em Minas Gerais torna pĂşblico aos interessados que realizarĂĄ, no dia 13/06/2018, Ă s 09:30 h, em sua Sede, na Rua JanuĂĄria nÂş 130, B. Floresta, em Belo Horizonte/MG, a sessĂŁo pĂşblica de recebimento e abertura dos envelopes documentos e propostas referentes Ă  Tomada de Preços nÂş 01/2018, Processo nÂş 01514.000314/2018-12, para obras complementares na Catedral da SĂŠ de Nossa Senhora da Assunção, em Mariana/MG. De acordo com Edital e anexos, estĂŁo disponĂ­veis para leitura e para retirada, mediante a entrega de uma mĂ­dia gravĂĄvel, na Sede do IPHAN-MG, de segunda a sexta-feira, das 9:00 Ă s 12:00h e das 14:00 Ă s 17:00h; ou gratuitamente no endereço eletrĂ´nico: www.comprasnet.gov.br. Ricardo de Oliveira Pimenta â&#x20AC;&#x201C; Presidente da CPL.

A SuperintendĂŞncia do Instituto do PatrimĂ´nio HistĂłrico e ArtĂ­stico Nacional em Minas Gerais torna pĂşblico aos interessados que realizarĂĄ, no dia 13/06/2018, Ă s 09:30 h, em sua Sede, na Rua JanuĂĄria nÂş 130, B. Floresta, em Belo Horizonte/MG, a sessĂŁo pĂşblica de recebimento e abertura dos envelopes documentos e propostas referentes Ă  ConcorrĂŞncia PĂşblica nÂş 04/2018, Processo nÂş 01514.002013/2005 SDUD REUDV GH ÂżQDOL]DomR GDV DWLYLGDGHV UHODWLYDV j REUD GH 5HVWDXUDomR H 5HDGHTXDomR GR DQWLJR Âł*UDQGH *DOSmR´ GR DJHQFLDPHQWR H[WHUQR H GD PDQXWHQomR GD &DVD GR &RQGH GH 6DQWD 0DULQKD HP %HOR +RUL]RQWH0* 'H DFRUGRFRP(GLWDOHDQH[RVHVWmRGLVSRQtYHLVSDUDOHLWXUDHSDUDUHWLUDGDPHGLDQWH DHQWUHJDGHXPDPtGLDJUDYiYHOQD6HGHGR,3+$10*GHVHJXQGDDVH[WDIHLUD GDVjVKHGDVjVKRXJUDWXLWDPHQWHQRHQGHUHoRHOHWU{QLFR ZZZFRPSUDVQHWJRYEU. Ricardo de Oliveira Pimenta â&#x20AC;&#x201C; Presidente da CPL.

CARBEL S. A. CNPJ/MF NÂş 17.171.612/0001-40 - NIRE JUCEMG 3130004735.1 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria, realizada, no dia 24 de abril de 2018. Ă&#x20AC;s 11:00hs (onze horas) do dia 24 (vinte e quatro) de abril de 2018 (dois mil e dezoito), na sede social, na Avenida N. S. do Carmo nÂş 500, em Belo Horizonte, MG, reuniram-se em Assembleia Geral OrdinĂĄria, os acionistas da Carbel S.A, Ă qual compareceram detentores da totalidade do capital social, todo representado por açþes ordinĂĄrias nominativas, sem valor nominal, conforme assinaturas lançadas no livro prĂłprio, o que dispensa a convocação por edital ou carta, nos termos do art. 124, § 4Âş da Lei nÂş 6.404, de 15.12.76. A Assembleia foi presidida e secretariada, respectivamente, pelos acionistas JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes e Luiz Flavio Pentagna GuimarĂŁes, e nela foram discutidas, votadas e aprovadas, por unanimidade, as seguintes matĂŠrias: PRIMEIRAâ&#x20AC;&#x201C; contas da Diretoria relativas ao exercĂ­cio social HQFHUUDGR HP  FRQVXEVWDQFLDGDV QDV GHPRQVWUDo}HV ÂżQDQFHLUDV OHYDQWDGDV QDTXHOD GDWD DV TXDLV IRUDP publicadas no â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;? caderno de Economia, pagina 11 e no â&#x20AC;&#x153;Minas Geraisâ&#x20AC;? caderno 2 pagina 2, do dia 13 de abril de 2018, dispensada a publicação do aviso referido no art. 133 da Lei nÂş 6.404/76, conforme seu § 4Âş; SEGUNDA - destinação seguinte para o resultado do exercĂ­cio social de 2017: (a) R$210.761,96 (duzentos e dez mil, setecentos e sessenta e um reais e noventa e seis centavos) para compor o saldo da Reserva Legal; (b) R$4.004.477,25 (quatro milhĂľes, quatro mil, quatrocentos e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos) antes da apropriação dos juros sobre o capital prĂłprio, para a Reserva EstatutĂĄria para Aumento do Capital; TERCEIRA - imputação aos dividendos obrigatĂłrios, da importância de R$3.000.000,00 (trĂŞs milhĂľes de reais), sobre a qual incidiu desconto de Imposto de Renda na Fonte pela alĂ­quota de 15% (quinze por cento), gerando um valor lĂ­quido de R$2.550.000,00 (dois milhĂľes, quinhentos e cinquenta reais), pago e/ou creditado aos acionistas, no curso do exercĂ­cio de 2017, por seus valores lĂ­quidos, a tĂ­tulo de remuneração sobre o capital prĂłprio; QUARTA¹¿[DomRGDUHPXQHUDomRGD'LUHWRULDSDUDRSHUtRGRGHPDLRGHD abril de 2019, no valor global, anual, de atĂŠ R$5.500.000,00 (cinco milhĂľes e quinhentos mil reais), importância esta que serĂĄ distribuĂ­da, para pagamentos mensais entre os seus membros, podendo haver variação de valores de um para outro 'LUHWRUHUDWLÂżFDomRGRVYDORUHVSDJRVDHVVHWtWXORHPSHUtRGRVDQWHULRUHVQmRVXSHULRUHVDROLPLWHRUDHVWDEHOHFLGR Nada mais havendo a tratar, a reuniĂŁo foi suspensa pelo tempo necessĂĄrio Ă  lavratura da presente ata que, depois de lida e achada conforme, segue assinada por todos os presentes. Belo Horizonte, 24 de abril de 2018. Assinam, como acionistas: JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes, por si e por Bonsucesso Participaçþes e Empreendimentos S/A â&#x20AC;&#x201C; Luiz FlĂĄvio Pentagna GuimarĂŁes por si, por Bonsucesso Participaçþes e Empreendimentos S. A - Camila Artoni Pentagna GuimarĂŁes, pelo Espolio de Humberto JosĂŠ Pentagna GuimarĂŁes - Gabriel Pentagna GuimarĂŁes, por si e por procuração de Maria Beatriz Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; HeloĂ­sa Maria Pentagna GuimarĂŁes Henriques, Ricardo Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; Paulo Henrique 3HQWDJQD*XLPDUmHVÂą5HJLQD0DULD3HQWDJQD*XLPDUmHV6DOD]DU¹¹)OiYLR/DGHLUD*XLPDUmHV-8&(0*&HUWLÂżFRR UHJLVWURHPVREQÂ&#x17E;ÂąSURWRFRORÂą0DULQHO\GH3DXOD%RQÂżPSHODVHFUHWDULDJHUDO

BONSUCESSO PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES E EMPREENDIMENTOS S. A. CNPJ NÂş 42.920.926/0001-45 NIRE/JUCEMG NÂş 313 0000 983 1 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 24 de abril de 2.018. Ă&#x20AC;s 12h (doze horas) do dia 24 (vinte e quatro) de abril de 2018 (dois mil e dezoito), reuniram-se em Assembleia Geral OrdinĂĄria, na sua sede social, na Avenida Nossa Senhora do Carmo nÂş 520, 6Âş andar, em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, os acionistas da BONSUCESSO PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES E EMPREENDIMENTOS S.A., Ă qual compareceram representantes da totalidade do capital social, conforme assinaturas lançadas no livro prĂłprio, o que dispensa a convocação por edital, nos termos do § 4Âş do art. 124 da Lei nÂş 6.404 de 15.12.76. A Assembleia foi presidida e secretariada, respectivamente, pelos acionistas JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes e Luiz Flavio Pentagna GuimarĂŁes, e nela foram discutida, votadas e aprovadas, de forma conjunta e por unanimidade, as seguintes matĂŠrias: PRIMEIRA - As contas da Diretoria, relativas ao exercĂ­cio social encerrado em 31.12.2017, FRQVXEVWDQFLDGDV QDV GHPRQVWUDo}HV ÂżQDQFHLUDV OHYDQWDGDV QDTXHOD GDWD DV TXDLV IRUDP SXEOLFDGDV QR Âł0LQDV *HUDLV´FDGHUQRSDJLQDHQRMRUQDOÂł'LiULRGRFRPpUFLR´FDGHUQRGH3ROtWLFDSDJLQDGRGLDGHDEULO de 2018, dispensada publicação do aviso a que se refere o art. 133 da Lei No. 6.404 de 15.12.76., nos termos de seu § 4Âş; SEGUNDA - Destinação seguinte ao resultado do exercĂ­cio de 2.017: (a) Reserva Legal: R$934.330,49 (novecentos e trinta e quatro mil, trezentos e trinta reais e quarenta e nove centavos); (b) Reserva EstatutĂĄria para Aumento do Capital: R$17.752.279,21 (dezessete milhĂľes, setecentos e cinquenta e dois mil, duzentos e setenta e nove reais e vinte e um centavos), antes da apropriação dos juros sobre o capital prĂłprio; TERCEIRA 'LYLGHQGRVH[WUDRUGLQiULRVSDJRVÂłDGUHIHUHQGXP´GHVWD$VVHPEOpLDQRGHFRUUHUGRDQRGHHGHELWDGRVQD conta Reserva EstatutĂĄria para Aumento do Capital, formada com lucros apurados a partir de 1996, no importe total de R$3.520.582,21 (trĂŞs milhĂľes, quinhentos e vinte mil, quinhentos e oitenta e dois reais e vinte e um centavos); QUARTA5DWLÂżFDomRGRVMXURVVREUHRFDSLWDOSUySULRGRPRGRFRPRIRUDPSDJRVHRXFUHGLWDGRVDRORQJRGR ano de 2017, no importe bruto de R$5.131.018,97 (cinco milhĂľes, cento e trinta e um mil, dezoito reais e noventa e sete centavos), com desconto de Imposto de Renda na Fonte pela alĂ­quota de 15%, imputados aos dividendos obrigatĂłrios, forma do § 7Âş do art. 9Âş da Lei nÂş 9.249/95. â&#x20AC;&#x201C;. Nada mais havendo a tratar, a reuniĂŁo foi suspensa pelo tempo necessĂĄrio Ă  lavratura da presente ata que, depois de lida e achada conforme, segue assinada por todos os presentes. Belo Horizonte, 24 de abril de 2018. Assinam, como acionistas: JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes Luiz FlĂĄvio Pentagna GuimarĂŁes - Camila Artoni Pentagna GuimarĂŁes, pelo Espolio de Humberto JosĂŠ Pentagna GuimarĂŁes - Gabriel Pentagna GuimarĂŁes, por si e por procuração de Maria Beatriz Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; HeloĂ­sa Maria Pentagna GuimarĂŁes Henriques - Ricardo Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; Paulo Henrique Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; 5HJLQD 0DULD 3HQWDJQD *XLPDUmHV 6DOD]DU ¹¹ )OiYLR /DGHLUD *XLPDUmHV -8&(0*  &HUWLÂżFR R UHJLVWUR HP VREQÂ&#x17E;ÂąSURWRFRORÂą0DULQHO\GH3DXOD%RQÂżPSHODVHFUHWDULDJHUDO

CNPJ 00.795.423/0001-45 - NIRE 31.3.0001122-4 ATA DA REUNIĂ&#x192;O DA DIRETORIA DO BANCO SEMEAR, S. A. Ă&#x20AC;s 09:00 (nove) horas do dia 02 (dois) de maio de 2.018 (dois mil e dezoito), reuniram-se na sede social, na Av. Afonso Pena, 3.577 â&#x20AC;&#x201C; 3Âş. Andar, bairro Serra, CEP 30.130-008, em Belo Horizonte â&#x20AC;&#x201C; Minas Gerais, os Diretores do Banco Semear, S. A., que esta subscrevem. Com a palavra o Diretor-Presidente, Sr. Roberto Willians Silva Azevedo, informou Ă sua colega de Diretoria, Sra. Lilian LĂşcia LeĂŁo de Azevedo Pessoa, que R PRWLYR SHOR TXDO D FRQYRFDUD HUD FLHQWLÂżFiOD DFHUFD GR SHGLGR GH UHQ~QFLD IRUPXODGR QHVWD GDWD GR 6U 0iUFLR-RVp6LTXHLUDGH$]HYHGREUDVLOHLURFDVDGRHPSUHViULRUHVLGHQWHHGRPLFLOLDGRHP%HOR+RUL]RQWH â&#x20AC;&#x201C; Minas Gerais, na Rua Desembargador Mello JĂşnior, 270, bairro SĂŁo Bento, CEP 30.350-430, portador da Carteira de Identidade nĂşmero M-1.041.029, expedida pela SSPMG e CPF nĂşmero 014.128.846-91, ao cargo GH'LUHWRU9LFH3UHVLGHQWHGR%DQFR6HPHDU6$HOHLWRQRVWHUPRVGD5HXQLmR2UGLQiULDGR&RQVHOKRGH Administração, realizada no dia 20 (vinte) de abril de 2.017 (dois mil e dezessete), cujo ato foi aprovado FRQIRUPHGHVSDFKRSURIHULGRSHOR6U*HUHQWH7pFQLFRGR'HSDUWDPHQWRGH2UJDQL]DomRGR6LVWHPD)LQDQFHLUR Âą'(25)GR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLOÂą*HUrQFLD7pFQLFDHP%HOR+RUL]RQWHÂą*7%+2HP YLQWHHGRLV  de junho de 2.017 (dois mil e dezessete), relativo ao Processo Pt 1701629283, conforme OfĂ­cio 11.639/2.017BCB/Deorf/GTBHO. Colocado o assunto em discussĂŁo, foi aprovada a imediata comunicação ao Conselho de Administração da Instituição e, ato contĂ­nuo, que se procedesse a competente comunicação do Pedido de 5HQ~QFLDIRUPXODGRSHOR6U0iUFLR-RVp6LTXHLUDGH$]HYHGRDR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLODWUDYpVGHUHJLVWUR no Unicad, nos termos do disposto no artigo 3Âş., da Circular 3.611/2.012, de lavra daquela Autarquia. Nada mais havendo a tratar foi encerrada a reuniĂŁo da qual, para constar, se lavrou a presente ata que, apĂłs lida e aprovada, vai por todos os presentes assinada. Belo Horizonte, 02 de maio de 2.018. Roberto Willians Silva Azevedo; Lilian LĂşcia LeĂŁo de Azevedo Pessoa. CONFERE COM O ORIGINAL LAVRADO NO LIVRO PRĂ&#x201C;PRIO. BANCO SEMEAR, S. A. Roberto Willians Silva Azevedo -Diretor-Presidente; Lilian LĂşcia LeĂŁo de Azevedo Pessoa - Diretora. -817$ &20(5&,$/ '2 (67$'2 '( 0,1$6 *(5$,6  &HUWLÂżFR R UHJLVWUR VRE R QÂ&#x17E;   HP 3URWRFROR0DULQHO\GH3DXOD%RPÂżP6HFUHWiULD*HUDO

Audlab Automação para DiagnĂłstico Laboratorial S/A CNPJ/MF 17.298.896/0001-30 - Nire 3130010279-3. Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 27 de abril de 2018. Data, Hora e Local: 27 de abril de 2018, Ă s 10:00 horas, na sede social da Audlab Automação para DiagnĂłstico Laboratorial S/A (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;?), localizada na Rua Cento e Dois, n. 16, Bairro Vista Alegre, na Cidade de Lagoa Santa, Estado de Minas Gerais, Cep 33400-000. Publicaçþes PrĂŠvias: a) Edital de Convocação - dispensada a publicação do edital de convocação, tendo em vista a presença da acionista Ăşnica detentora de 100% (cem por cento) do capital social da Companhia, nos termos do art. 124, §4Âş da Lei 6.404/76; b) Aviso de Acionistas - dispensada a publicação do Aviso aos acionistas, conforme disposto no art. 133, §4Âş, da Lei 6.404/76; c) Publicaçþes do art. 133, da Lei n. 6.404/76 - publicaçþes dispensadas, na forma do inciso II do Art. 294 da Lei 6.404/76, sendo certo que cĂłpia autenticada das demonstraçþes financeiras serĂŁo arquivadas no Registro PĂşblico de Empresas Mercantis juntamente com a presente ata. Presença: Presente a acionista detentora da totalidade do capital social da Companhia, conforme lançamento do Livro de Presença de Acionistas. Mesa: Presidente: Eliane Dias Lustosa Cabral; SecretĂĄrio: Emmanuel Tiago de Souza. Ordem do Dia: (i) Tomar as contas dos administradores, bem como examinar, discutir e votar o relatĂłrio da administração e as demonstraçþes financeiras, relativas ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017, nos termos do artigo 132 da Lei n. 6.404/76; (ii) Deliberar sobre a destinação do resultado do exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017; (iii) Fixação da remuneração anual da Diretoria. Deliberaçþes Tomadas: ApĂłs a leitura dos documentos relativos Ă  ordem do dia, passou-se Ă  discussĂŁo e apreciação das matĂŠrias, tendo a acionista Ăşnica da Companhia tomado as seguintes deliberaçþes: (i) RelatĂłrio da Administração E Demonstraçþes Financeiras. A acionista Ăşnica aprovou, sem ressalvas, as contas dos administradores, incluindo o relatĂłrio da administração e as demonstraçþes financeiras da Companhia, referentes ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017. (ii) Destinação do Lucro LĂ­quido do ExercĂ­cio. A acionista deliberou que nĂŁo haverĂĄ distribuição de lucros e dividendos, tendo em vista a incompatibilidade com a situação financeira da Companhia, uma vez que nĂŁo houve receita operacional no exercĂ­cio encerrado em 31/12/2017. (iii) Fixação da Remuneração Anual da Diretoria. Tendo em vista que a Diretoria da Companhia ĂŠ a mesma da Labtest DiagnĂłstica S/A, sua acionista Ăşnica, os membros da Diretoria serĂŁo remunerados pela Labtest DiagnĂłstica S/A, conforme valores aprovados pela Assembleia Geral OrdinĂĄria desta sociedade. Pelo exposto, os Diretores renunciaram ao recebimento de remuneração pela Companhia. Arquivamento e publicaçþes. Por fim, a acionista deliberou o arquivamento desta ata perante o Registro PĂşblico de Empresas Mercantis e que as publicaçþes legais sejam feitas e os livros sociais transcritos. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, lavrou-se esta ata em livro prĂłprio, a qual foi lida, aprovada por unanimidade e assinada por todos os acionistas presentes: Labtest DiagnĂłstica S/A (p/ Eliane Dias Lustosa Cabral e Douglas Cardoso). Certifica-se que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da original, lavrada em livro prĂłprio. Emmanuel Tiago de Souza â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄrio. JUCEMG: Certifico registro sob o nÂş 6779672 em 08/05/2018 Protocolo 182090736 - Marinely de Paula Bomfim - SecretĂĄria-Geral.

(STF) por incitar estupro em um ataque verbal contra a deputada Maria do RosĂĄrio (PT-RS) em 2014, a quem ele chamou de feia e disse que â&#x20AC;&#x153;nĂŁo estupraria porque ela nĂŁo mereceâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Atacaram Trump com os mesmos temas com que eu sou atacado no Brasil: de fascista, homofĂłbico, racista, nazista. Mas Trump fez um programa de governo dele em que a população acreditouâ&#x20AC;?, disse Bolsonaro em uma entrevista Ă Reuters. Linha dura - A retĂłrica linha-dura de Bolsonaro sobre o crime tambĂŠm inspirou organizaçþes de base na regiĂŁo Centro-Oeste, onde fazendas prĂłsperas sĂŁo ameaçadas por invasĂľes de terra e crescentes roubos. â&#x20AC;&#x153;Se nĂłs pudĂŠssemos ter fuzis como nos EUA, isso dissuadiria o crimeâ&#x20AC;?, disse o produtor rural Flavio Giacomet. Uma recente pesquisa da Confederação da Agri-

cultura e PecuĂĄria do Brasil (CNA) mostrou um aumento no roubo armado em fazendas, com quadrilhas organizadas roubando mĂĄquinas e pesticidas e fertilizantes caros. Em partes rurais do Mato Grosso, os roubos cresceram 60% e assassinatos cresceram 44 por cento nos Ăşltimos cinco anos, segundo dados do governo do Estado. As crĂ­ticas de Bolsonaro a regras de licenciamento ambiental e interferĂŞncia do Estado na economia tambĂŠm â&#x20AC;&#x153;sĂŁo mĂşsica para o ouvido dos produtoresâ&#x20AC;?, disse Giacomet, ex-presidente da Aprosoja, grupo de produtores de grĂŁos do Estado do Mato Grosso. ComentĂĄrios sobre a China â&#x20AC;&#x153;tomando controleâ&#x20AC;? do Brasil parecem nĂŁo ter prejudicado seu apoio entre produtores, embora a gigante asiĂĄtica seja de longe o maior comprador de grĂŁos brasileiros. (Reuters)

SINDICATO INTERMUNICIPAL DOS CONDUTORES AUTĂ&#x201D;NOMOS DE VEĂ?CULOS RODOVIĂ RIOS, TAXISTAS E TRANSPORTADORES RODOVIĂ RIOS AUTĂ&#x201D;NOMOS DE BENS DE MINAS GERAIS â&#x20AC;&#x201C; SINCAVIR/MG. EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O ASSEMBLĂ&#x2030;IA GERAL EXTRAORDINĂ RIA - AGE O Sr. Avelino Moreira de AraĂşjo, na qualidade de Diretor Presidente do Sindicato Intermunicipal dos Condutores AutĂ´nomos de VeĂ­culos RodoviĂĄrios, Taxistas e Transportadores RodoviĂĄrios AutĂ´nomos de Bens de Minas Gerais â&#x20AC;&#x201C; SINCAVIR/MG, com sede Ă Rua JacuĂ­, n.Âş 3761, Bairro Ipiranga, em Belo Horizonte/MG, CEP: 31.160-190, CNPJ: 17.433.798/0001-68, na forma do disposto no Art. 14, letra â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;?, do Estatuto Social, CONVOCA os Senhores associados para participarem da AssemblĂŠia Geral ExtraordinĂĄria, a ser realizada no prĂłximo dia 22 de maio de 2018, no auditĂłrio de sua sede social, no endereço acima mencionado, com primeira convocação Ă s 08 (oito) horas com exigĂŞncia de â&#x20AC;&#x153;quorumâ&#x20AC;? mĂ­nimo para instalação em primeira convocação de 2/3 (dois terços) do nĂşmero de associados, e em segunda convocação Ă s 09 (nove) horas, com exigĂŞncia de â&#x20AC;&#x153;quorumâ&#x20AC;? mĂ­nimo de 10 (dez) associados (as), onde serĂĄ apreciada e decidida a seguinte ordem do dia: DiscursĂŁo sobre a Integração de Praça entre Belo Horizonte, &RQÂżQVH/DJRD6DQWDNOTAS: $ ,QIRUPDVHSDUDHIHLWRGHYHULÂżFDomRGHÂłTXyUXP´VHUGH RLWRPLO quinhentos e quarenta e quatro) o nĂşmero de associados na presente data. B) Esta AssemblĂŠia terĂĄ duração mĂĄxima de atĂŠ 04 (quatro) horas apĂłs sua instalação. Belo Horizonte, 18 de maio de 2018 . Avelino Moreira de AraĂşjo Diretor Presidente do SINCAVIR/MG

BPE EMPREENDIMENTOS IMOBILIĂ RIOS S. A. CNPJ/MF NÂş 08.979.088/0001-47 NIRE JUCEMG NÂş 313 000 25349 Ata da Assembleia Gera OrdinĂĄria realizadas no dia 24 de abril de 2018 Ă&#x20AC;s 10h (dez horas) do dia 24 (vinte quatro) de abril de 2018 (dois mil e dezoito), reuniram-se em Assembleia Geral OrdinĂĄria, na sua sede social, na Avenida Nossa Senhora do Carmo nÂş 520, 6Âş andar, sala â&#x20AC;&#x153;Aâ&#x20AC;?, em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, os acionistas da BPE EMPREENDIMENTOS IMOBILIĂ RIOS S. A., Ă qual compareceram representantes da totalidade do capital social, conforme assinaturas lançadas no livro prĂłprio, o que dispensa a convocação por edital, nos termos do § 4Âş do art. 124 da Lei nÂş 6.404 de 15.12.76. A Assembleia foi presidida e secretariada, respectivamente, pelos acionistas JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes e Luiz Flavio Pentagna GuimarĂŁes, e nela foram discutidas, votadas e aprovadas, de forma conjunta e por unanimidade, as seguintes matĂŠrias: PRIMEIRA â&#x20AC;&#x201C; contas da Diretoria relativas ao exercĂ­cio VRFLDOHQFHUUDGRHPFRQVXEVWDQFLDGDVQDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVOHYDQWDGDVQDTXHODGDWDDVTXDLVIRUDP publicadas no â&#x20AC;&#x153;Minas Geraisâ&#x20AC;? caderno 2, pagina 22 e no jornal â&#x20AC;&#x153; DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;? caderno polĂ­tica, pagina 13, do dia 13 de abril de 2018, dispensada publicação do aviso a que se refere o art. 133 da Lei nÂş 6.404, de 15/12/76, nos termos de seu § 4Âş; SEGUNDA - destinação seguinte para o resultado do exercĂ­cio de 2017: (a) Reserva Legal: R$199.426,32 (cento e noventa e nove mil, quatrocentos e vinte e seis reais e trinta e dois centavos); (b) Reserva de Lucros: R$3.789.100,01 (trĂŞs milhĂľes, setecentos e oitenta e nove mil, cem reais e um centavos); QUARTA - Dividendos extraordinĂĄrios, pagos no decorrer do ano de 2017, e debitados na conta Reserva EstatutĂĄria para Aumento do Capital, formada com lucros apurados sob a vigĂŞncia do art. 10 da Lei nÂş 9.249/95, no importe total de R$1.500.000,00 (um milhĂŁo e quinhentos mil reais). Nada mais havendo a tratar, a reuniĂŁo foi suspensa pelo tempo necessĂĄrio Ă  lavratura da presente ata que, depois de lida a achada conforme, segue assinada por todos os acionistas da BPE Empreendimentos ImobiliĂĄrios S.A. Belo Horizonte, 24 de abril de 2018. Assinam: JoĂŁo ClĂĄudio Pentagna GuimarĂŁes por si e por Bonsucesso Participaçþes e Empreendimentos S. A, Luiz FlĂĄvio Pentagna GuimarĂŁes por si e por Bonsucesso Participaçþes e Empreendimentos S. A, Gabriel Pentagna GuimarĂŁes por si e por si e por procuração de Maria Beatriz Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; HeloĂ­sa Maria Pentagna GuimarĂŁes Henriques â&#x20AC;&#x201C; Paulo Henrique Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C;â&#x20AC;&#x201C;â&#x20AC;&#x201C; Ricardo Pentagna GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; FlĂĄvio Ladeira GuimarĂŁes - Julio Pentagna GuimarĂŁes Salazar- Rafael Pentagna GuimarĂŁes Salazar - Isabela Mazoni GuimarĂŁes - Tatiana Mazoni GuimarĂŁes â&#x20AC;&#x201C; Ana Beatriz Mazoni GuimarĂŁes - Humberto Artoni Pentagna GuimarĂŁes - Arthur Artoni Pentagna GuimarĂŁes - Camila Artoni Pentagna GuimarĂŁes por si e pelo espolio de Humberto JosĂŠ Pentagna GuimarĂŁes - Gabriela Artoni Pentagna GuimarĂŁes Biagioni. JUCEMG &HUWLÂżFRRUHJLVWURHPVREQÂ&#x17E;ÂąSURWRFRORÂą0DULQHO\GH3DXOD%RQÂżPSHODVHFUHWDULDJHUDO

AG PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES EM DESENVOLVIMENTO URBANO S/A CNPJ/MF nÂş 18.630.540/0001-14 â&#x20AC;&#x201C; NIRE: 3130010516-4 Companhia Fechada Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada no dia 23 de Abril de 2018. Data, Hora, Local: Aos 23 (vinte e trĂŞs) dias do mĂŞs de abril de 2018, Ă s 15h (quinze horas), na sede social da Companhia, em Belo Horizonte â&#x20AC;&#x201C; MG, na Rua dos Pampas, nÂş 568, sala 10, Prado, CEP 30411-030. Presenças: acionistas representando a totalidade do capital social. PresidĂŞncia: Gustavo Braga Mercher Coutinho. SecretĂĄrio: Clorivaldo Bisinoto. Convocação: dispensada a publicação em virtude do comparecimento de acionistas representando a totalidade do capital social, nos termos do § 4Âş, do artigo 124 da Lei 6.404/76. Deliberação aprovada por unanimidade: a) 5HODWyULRGD'LUHWRULD%DODQoR3DWULPRQLDOHGHPDLV'HPRQVWUDo}HV)LQDQFHLUDVGRH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGHSXEOLFDGRVQR'LiULR2ÂżFLDOGR(VWDGRGH0LQDV*HUDLVGRGLD de abril de 2018, Ă  pĂĄgina 10, caderno 2, e no DiĂĄrio do ComĂŠrcio de 14 de abril de 2018, Ă  pĂĄgina E 3UHMXGLFDGDDFRQVWLWXLomRGD5HVHUYD/HJDOHPUD]mRGRVSUHMXt]RVYHULÂżFDGRVQRH[HUFtFLR c) Utilização do saldo de Reserva Legal para compensar parte dos prejuĂ­zos apurados no balanço de 31 de dezembro de 2017. Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a Assembleia da qual se lavrou esta ata que, lida e aprovada, vai assinada por todos. Assinaturas: Andrade Gutierrez Investimento em Engenharia S/A: Clorivaldo Bisinoto e Gustavo Braga Mercher Coutinho. p/ EspĂłlio de Pedro Berto da Silva: Viviane da Cunha Berto. A presente ata confere com a original lavrada no livro prĂłprio. Clorivaldo Bisinoto â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄrio. Junta Comercial do Estado de Minas *HUDLV Âą &HUWLÂżFR UHJLVWUR VRE R QÂ&#x17E;  HP  GD (PSUHVD$* 3DUWLFLSDo}HV HP Desenvolvimento Urbano S/A, NIRE 3130010516-4 e protocolo 18/205.515-9 - 26/04/2018. (a) 0DULQHO\GH3DXOD%RPÂżPÂą6HFUHWiULD*HUDO

COOAVEMIG - COOPERATIVA MISTA DE CONSUMO E TRABALHO DOS CONDUTORES AUTĂ&#x201D;NOMOS DE VEĂ?CULOS RODOVIĂ RIOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS LTDA. ASSEMBLĂ&#x2030;IA GERAL EXTRAORDINĂ RIA - AGE O Sr. Edgar Ferreira de Sousa, Presidente da Cooperativa Mista de Consumo e Trabalho dos Condutores AutĂ´nomos de VeĂ­culos RodoviĂĄrios do Estado de Minas Gerais Ltda. - COOAVEMIG - com sede nesta Capital na Rua Dr. Ă lvaro Camargo, nÂş. 1.770 â&#x20AC;&#x201C; Bairro Santa branca, CEP. 31.565.413, CNPJ 18.910.026/0001-32, NIRE 314.0000.1841. Com base no Art. 45Âş e 46Âş da Lei 5.764/71, no Art. 29Âş e Art. 35Âş no item III, ambos do Estatuto Social e, ainda, atendendo a intimação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, TRT e TRF, e a necessidade de regularização da representação legal da Cooperativa, CONVOCA os senhores associados para a AGE - Assembleia Geral ExtraordinĂĄria a ser realizada no prĂłximo dia 30 de maio de 2.018 na sede do sindicato dos trabalhadores motociclistas e Ciclistas de Minas Gerais. Rua Guajajaras nÂş. 2.118 - Barro Preto em Belo Horizonte/MG, com a primeira chamada marcada para as 07 (sete) horas, com exigĂŞncia de quĂłrum mĂ­nimo de dois terços dos associados; a segunda chamada as 08 (oito) horas, com exigĂŞncia de quĂłrum mĂ­nimo de metade mais um do nĂşmero de associados e em terceira e Ăşltima chamada Ă s 09 (nove) horas, com exigĂŞncia de quĂłrum mĂ­nimo de 10 (dez) associados, onde serĂĄ apreciada e decidida a seguinte ordem do dia: 1) Prestação de contas sobre os acontecimentos e atual estĂĄgio da Cooperativa atĂŠ o dia 30/05/2018. 2) Alteração EstatutĂĄria para adequação Ă  nova realidade da Sociedade. 3) eleição do Conselho de Administração para um mandato de 04 (quatro) anos, a iniciar-se no dia 01 de junho de 2018 e tĂŠrmino em 31 de maio de 2022. Eleição do Conselho Fiscal para um mandato de 01 (um) ano, a iniciar-se no dia 01 de junho de 2018 e tĂŠrmino em 31 de maio de 2019. Nota â&#x20AC;&#x201C; 1- As chapas para a composição dos Conselhos de Administração e Fiscal, deverĂŁo ser apresentadas e registradas pela ordem de chegada, atĂŠ o termino do intervalo da discussĂŁo entre o item 2 e o inĂ­cio do item 3. No local da realização da Assembleia. Nota â&#x20AC;&#x201C; 2- as chapas obedecerĂŁo aos critĂŠrios e nĂşmeros de participantes conforme for definido nos estatutos a serem aprovados. Nota â&#x20AC;&#x201C; 3- serĂĄ de 30 (trinta) minutos o intervalo entre o item 2 e o item 3 deste edital. Nota - 4 Informa-se para efeito de quĂłrum ser de 8.314 (oito mil trezentos e quatorzes) o nĂşmero de associados na presente data e que a Assembleia Geral ExtraordinĂĄria tem seu tĂŠrmino previsto para as 13.00 horas, iniciando-se imediatamente a apuração dos votos e a posse dos eleitos se darĂĄ no dia 1Âş de junho de 2018. Belo Horizonte, 16 de maio de 2.018. Edgar Ferreira de Sousa - Presidente.

CDICT-Centro de Desenvolvimento, Inovação, CiĂŞncia e Tecnologia S/A CNPJ/MF 16.607.645/0001-27 - Nire 3130010111-8. Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 27 de abril de 2018. Data, hora e local: 27 de abril de 2018, Ă s 11:00 horas, na sede social da CDICT - Centro de Desenvolvimento, Inovação, CiĂŞncia e Tecnologia S/A (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;?), localizada Rua Cento e Dois, nÂş 16, sala 02, Bairro Vista Alegre, no municĂ­pio de Lagoa Santa, Estado de Minas Gerais, Cep 33400-000. Publicaçþes PrĂŠvias: a) Edital de Convocação - dispensada a publicação do edital de convocação, tendo em vista a presença da acionista Ăşnica detentora de 100% (cem por cento) do capital social da Companhia, nos termos do art. 124, §4Âş da Lei 6.404/76; b) Aviso de Acionistas - dispensada a publicação do Aviso aos acionistas, conforme disposto no art. 133, §4Âş, da Lei 6.404/76; c) Publicaçþes do art. 133, da Lei n. 6.404/76 - publicaçþes dispensadas, na forma do inciso II do Art. 294 da Lei 6.404/76, sendo certo que cĂłpia autenticada das demonstraçþes financeiras serĂŁo arquivadas no Registro PĂşblico de Empresas Mercantis juntamente com a presente ata. Presença: Presente a acionista detentora da totalidade do capital social da Companhia, conforme lançamento do Livro de Presença de Acionistas. Mesa: Presidente: Eliane Dias Lustosa Cabral; SecretĂĄrio: Emmanuel Tiago de Souza. Ordem do Dia: (i) Tomar as contas dos administradores, bem como examinar, discutir e votar o relatĂłrio da administração e as demonstraçþes financeiras e parecer dos auditores independentes relativas ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017, nos termos do artigo 132 da Lei n. 6.404/76; (ii) Deliberar sobre a destinação do resultado do exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017; (iii) Fixação da remuneração anual da Diretoria. Deliberaçþes Tomadas: ApĂłs a leitura dos documentos relativos Ă  ordem do dia, passou-se Ă  discussĂŁo e apreciação das matĂŠrias, tendo a acionista Ăşnica da Companhia tomado as seguintes deliberaçþes: (i) RelatĂłrio da Administração e Demonstraçþes Financeiras. A acionista Ăşnica aprovou, sem ressalvas, as contas dos administradores, incluindo o relatĂłrio da administração e as demonstraçþes financeiras da Companhia, bem como o parecer dos auditores independentes, referentes ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2017. (ii) Destinação do Lucro LĂ­quido do ExercĂ­cio. A acionista deliberou a distribuição do lucro lĂ­quido auferido pela Companhia no exercĂ­cio de 2017, no montante de R$ 88.081,28 (oitenta e oito mil, setecentos e cinco reais, sessenta e dois centavos), qual seja: (a) 5% (cinco por cento) do lucro lĂ­quido ajustado da Companhia, no valor de R$ 4.404,06 (quatro mil, quatrocentos e quatro reais, seis centavos), Ă  Reserva Legal; (b) distribuição a acionista Ăşnica da Companhia, do dividendo mĂ­nimo obrigatĂłrio do exercĂ­cio, no valor de R$ 20.919,30 (vinte mil, novecentos e dezenove reais, trinta centavos) que serĂĄ pago em parcela Ăşnica atĂŠ o dia 28 de dezembro de 2018; e (c) a retenção de R$ 62.757,92 (sessenta e dois mil, setecentos e cinquenta e sete reais, noventa e dois centavos) para constituição de Reserva de Retenção de Lucros. (iii) Fixação da Remuneração Anual da Diretoria. Tendo em vista que a Diretoria da Companhia ĂŠ a mesma da Labtest DiagnĂłstica S/A, sua acionista Ăşnica, os membros da Diretoria serĂŁo remunerados pela Labtest DiagnĂłstica S/A, conforme valores aprovados pela Assembleia Geral OrdinĂĄria desta sociedade. Pelo exposto, os Diretores renunciaram ao recebimento de remuneração pela Companhia. Arquivamento e Publicaçþes. Por fim, a acionista deliberou o arquivamento desta ata perante o Registro PĂşblico de Empresas Mercantis e que as publicaçþes legais sejam feitas e os livros sociais transcritos. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, lavrou-se esta ata em livro prĂłprio, a qual foi lida, aprovada por unanimidade e assinada por todos os acionistas presentes: Labtest DiagnĂłstica S/A (p/ Eliane Dias Lustosa Cabral e Douglas Cardoso). Certifica-se que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da original, lavrada em livro prĂłprio. Emmanuel Tiago de Souza â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄrio. JUCEMG: Certifico registro sob o nÂş 6774293 Protocolo 182090965 - 27/04/2018. Marinely de Paula Bomfim SecretĂĄria-Geral.


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

10

POLÍTICA politica@diariodocomercio.com.br

ENTREVISTA: ROMEU ZEMA DANIELA MACIEL

Em visita ao DIÁRIO DO COMÉRCIO ontem, o empresário Romeu Zema falou com exclusividade sobre a sua pré-candidatura ao governo de Minas Gerais, pelo partido Novo. Empresário, natural de Araxá (Alto Paranaíba), ele comandou, por 26 anos, o Grupo Zema. A empresa de 95 anos atua no setor de varejo de eletrodomésticos e móveis, concessionárias de veículos, serviços financeiros, autopeças e na distribuição de combustíveis. Com 430 lojas em Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Bahia e Espírito Santo, o grupo gera hoje 5 mil

empregos diretos e 1,5 mil indiretos. Em 2017 o faturamento foi de cerca de R$ 4,5 bilhões. Acostumado a comandar uma equipe que já chegou a quase 8 mil funcionários, o empresário diz nunca ter pensado em se tornar um político e, sequer, ter sido convidado para se candidatar à prefeitura de Araxá. Admite, no máximo, ter sido sondado. O convite do Novo veio no meio do ano passado e não foi aceito logo de cara. “Eu me sentiria muito mal se no futuro visse o Brasil como a Venezuela e lembrasse que havia recusado um convite para fazer alguma coisa pelo meu País. Foi aí que eu resolvi aceitar a proposta de me

candidatar”, afirma o pré-candidato. A confirmação da candidatura deverá acontecer no dia 21 de julho, logo após a convenção do partido. Disposto a visitar, pelo menos, 300 municípios mineiros, o pré-candidato já começou a andança pelo Estado. “Não imaginava que uma pré-campanha era tão intensa. Mas estou acostumado a viajar para negociar com fornecedores, abrir lojas, visitar as unidades. Estou aqui para isso, para trabalhar”, garante o candidato que espera ser uma novidade para uma população com mais de 21 milhões de habitantes e que forma o segundo maior colégio eleitoral do Brasil.

Complexidade da legislação tributária de Minas gera perda de competitividade O senhor é um empresário de sucesso e sem nenhuma participação como político. Por que se tornar candidato e concorrer diretamente para governador do Estado? Não seria melhor ter sido prefeito de Araxá antes, por exemplo? Realmente eu nunca havia pensado nessa possibilidade e nunca fui convidado para ser candidato em Araxá. O máximo que aconteceu foram algumas sondagens. Minha vida era cuidar da empresa e da minha família. E quando o convite do Novo chegou eu também resisti. Mas fiquei pensando que talvez eu estivesse sendo omisso esse tempo todo. Seria horrível no futuro ver meus filhos vivendo em um País parecido com a Venezuela e lembrar que havia recusado um convite para fazer alguma coisa pelo meu País. Foi aí que eu resolvi aceitar a proposta de me candidatar. Essa crise de 2015/2016, em que tanta gente perdeu renda e emprego, fez com que as pessoas acordassem, percebessem que ficar distante, sem opinar, pode custar para o bolso, para a carreira e para a empresa que elas administram. Surgiu um sentimento muito grande de indignação no Brasil todo e eu também faço parte dele. O partido Novo é, realmente, muito recente. O senhor pode nos falar um pouco das bandeiras do Novo e das suas causas pessoais? Onde Romeu Zema e Novo se encontram? Acreditamos em um Estado menor. No Brasil “o carrapato ficou maior que a vaca” e precisamos diminuir o tamanho do “carrapato”. E está claro que o carrapato é esse Estado gigantesco que nós temos. O Estado tem que prestar contas, tem que ser transparente. Quem está no Estado precisa ter muito mais responsabilidade do que quem está fora porque está lidando com recursos públicos. Nas nossas viagens pelo Estado chegamos a discutir a fusão de municípios. Isso é comum na iniciativa privada. Poderíamos racionalizar o uso dos recursos. Para sinalizar essa nova postura, a primeira medida do meu governo será transformar o Palácio das Mangabeiras (residência oficial do governador) em uma outra coisa, talvez um museu. Como governador eu posso, perfeitamente, morar em um pequeno apartamento meu. Ao mesmo tempo, o Novo se caracteriza por priorizar o Legislativo. A minha campanha serve também para dar maior visibilidade aos nossos candidatos à Assembleia e ao Congresso. É importante lembrar que enquanto os executivos passam, a legislação fica. A meta é eleger três deputados federais por Minas Gerais e entre quatro e cinco deputados estaduais. Essa mudança de mentalidade é lenta, mas precisa ser feita.

: ALISSON J. SILVA

Um fenômeno político re- Estamos dispostos a negociar ruptura com o passado. Vamos cente, não só no Brasil, é a va- como os deputados as emendas perguntar aos deputados: “Volorização de candidatos que se parlamentares, canalizando os cês querem representar o que é intitulam “não-políticos”, como esforços em torno de propostas velho ou o que é novo?”. Então, o prefeito de Belo Horizonte, realmente produtivas para o tudo isso, eu vejo, vai minar um Alexandre Kalil, e o ex-prefeito desenvolvimento de cada região pouco as resistências. Eu sei que da cidade de São Paulo e pré- representada por eles. O Novo não vai ser fácil, temos lá velhos -candidato ao governo do caciques. Vai ser uma estado de São Paulo, João tarefa árdua. “O Estado tem que prestar contas, tem Dória Júnior. O senhor se coloca nesse time? E sendo que ser transparente. Quem está no Estado Minas Gerais é um um “não-político”, como Estado com cerca de 20 precisa ter muito mais responsabilidade o senhor vai governar sem de habitantes do que quem está fora porque está lidando milhões a maioria na Assembleia e enormes diferenças com recursos públicos” Legislativa? Não vai ter regionais. Quais sãos os que se render à velha pilares da política ecopolítica para negociar a nômica proposta pelo não faz coligação para eleição. senhor? governabilidade? Sim, sou um “não-político”. Esse é um princípio do partido. Queremos, em primeiro luUma eleição minha sinalizaria Então vamos negociar apoios gar, uma simplificação de toda para os deputados que o povo após a eleição de acordo com atividade empresarial. Hoje, quer mudança. Isso não garante o nosso lema, “liberdade com Minas Gerais tem a legislação nada, mas ajuda muito. Vou che- responsabilidade”. tributária mais complexa do Ao assumir vamos deixar cla- Brasil. Isso é possível fazer de gar ao governo com o endosso da população e vou usar esse ativo. ro que somos um governo de imediato, simplificando a vida

O pré-candidato a governador de Minas pelo partido Novo, Romeu Zema, e o presidente do diretório estadual do Novo, Bernardo Santos, visitaram o DIÁRIO DO COMÉRCIO, onde foram recebidos pelo diretor-presidente do DC, Luiz Carlos Motta Costa, e pelo diretor executivo e de Mercado, Yvan Muls

das pessoas, com menos custos e mais facilidade para empreender, para gerir negócios. Queremos, também, que o Estado se torne competitivo mas, para isso, vai ter que ter um ajuste fiscal. Hoje temos os maiores impostos. Os postos de combustíveis em cidades na divisa de Minas com São Paulo fecharam todos, porque do lado de São Paulo o combustível é um real mais barato por litro por causa da alíquota do ICMS e outros fatores. Na cesta de produtos para construção, por exemplo, muitos deles são mais caros nas cidades próximas à divisa do que em São Paulo. Isso faz com que as pessoas comprem em São Paulo e gerem lá novas empresas e empregos em detrimento do nosso Estado. Temos que reverter esse quadro. Há, também, fatos que fogem à esfera estadual, mas que vamos trabalhar na esfera federal. Venho de uma região que produz muito leite e já vi vários produtores que tinha a renda baseada na produção de queijo deixar de produzir porque chega um fiscal da vigilância sanitária e quer que ele tenha instalações como um grande laticínio. Isso está errado. É preciso verificar o produto final e não controlar o processo. A política para licenças ambientais também precisa ser revista. Eu falo por experiência própria. Temos um posto de combustível na BR-262, no município de Córrego Dantas (região Centro-Oeste), que é uma reconstrução que aguardou pelas licenças dois anos e dois meses sem poder operar porque por causa das licenças. É um empreendimento que poderia gerar dezenas empregos e arrecadação. Então, um Estado que trata quem empreende dessa forma quer perder empresas. O primeiro passo é não punir quem está investindo, como acontece hoje. O segundo é investir em infraestrutura. Estive em Itabira (região Central) e as pessoas estão preocupadas que a mineração vai acabar em dez ou 20 anos. O que a cidade vai fazer quando isso acontecer? A solução está clara. É preciso duplicar a BR-381. Sem ela, qual empresa vai querer se instalar na região? Outro exemplo: Minas poderia ter, pelos recursos que tem, a energia elétrica mais barata do Brasil. Aí entra questão de regulamentação, meio ambiente, uma série de pontos que o Estado pode não executar, mas pode intervir no sentido de não atrapalhar tanto. Vejo que temos um potencial enorme. Em Nova Serrana (polo produtor de calçados na região Centro-Oeste do Estado) o pessoal me falou que toda a matéria-prima e insumos são comprados em São Paulo. A pergunta é: por que não incentivamos a produção disso no Estado? Dá para fazer muita coisa, sim. Tem que ter vontade.


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

11

NEGÓCIOS gestaoenegocios@diariodocomercio.com.br

CERVEJARIA

Albanos investe em um novo conceito e na expansão da marca Modelo de negócio compreende até mesmo uma escola de cerveja LUCIANA CHEIN/DIVULGAÇÃO

JULIANA BAETA

Alçar a cultura da cerveja artesanal a um novo patamar é o mais novo projeto da Cervejaria Albanos. Desde a inauguração, no início deste mês, da Plataforma Albanos de Cerveja, que contou com a reforma em seus espaços e o reforço dos conceitos almejados, a marca passou a reunir em seu chamado Hub de Cerveja, no bairro Sion, diferentes experiências como a possibilidade de produzir a própria cerveja, uma loja de insumos e escola de cerveja, a oportunidade de consumir o produto no local onde é produzido, degustação com óculos de realidade virtual, delivery de cerveja, dentre outras novidades. Além disso, o Bar Conceito, instalado no bairro Lourdes, se consolida como um bar gastronômico, onde é possível saber a origem do prato que está na mesa por meio de um QR Code no celular. Enquanto isso, a Fábrica Albanos, localizada no bairro Jardim Canadá, continua a todo vapor em sua produção, permitindo, inclusive, a produção compartilhada com outras marcas, um conceito visionário de parceria com os concorrentes que o sócio da Albanos, Rodrigo Ferraz, chama de “capitalismo consciente”. “Temos concorrentes, e não inimigos. Acredito que quando a gente compartilha uma produ-

ção, estamos aprendendo também, é uma forma de compartilhar conhecimento. E creio que esta é a forma mais rápida de evoluir”, explica. Atualmente, a fábrica é compartilhada com as marcas Sátira, Bend Beer, Pub, Fürst e Duke ‘n Duke. O empreendimento demandou um investimento de pelo menos R$ 6 milhões e o retorno deve chegar dentro de cinco anos, por se tratar de um mercado a longo prazo. Por outro lado, o crescimento da Albanos já vinha acontecendo há alguns anos e a expectativa se mantém. De 2016 para 2017 a produção cresceu em torno de 40% e esta é a porcentagem de crescimento prevista também para este ano. Atualmente, com capacidade para produzir 600 mil litros de cerveja por mês, estuda-se a possibilidade de aumentar essa capacidade para 900 mil litros por mês com um pouco mais de investimento, empreitada que a Albanos não descarta. Mas o momento, segundo os sócios Rodrigo Ferraz e Felipe Tavares, é sentir a recepção do mercado quanto ao novo conceito. “O movimento está bom, estamos com a casa cheia todos os dias, recebemos cerca de 300 pessoas diariamente contando o Bar Gastronômico, no Lourdes, e o Hub de Cerveja, no Sion. A procura pela plataforma também está maior do que a gente es-

Investimento no empreedimento totalizaou R$ 6 milhões

perava, estamos recebendo vários questionamentos e interessados em fazer parte disso, então, os resultados já estão nos surpreendendo bastante”, comenta Tavares. O modelo de plataforma cervejeira, inédito do Brasil, possibilita que desde uma cervejaria já consolidada a uma pessoa física possam produzir o seu próprio rótulo de cerveja no Hub, que também foi projetado para receber eventos, workshops, aulas, consultoria para a produção artesanal e experiências sensoriais. Expansão - Atualmente, a Albanos conta com seis rótulos próprios de cerveja, além do chope da casa e uma cerveja que será lançada no mês que vem. A distribuição acontece nos restaurantes da marca e

GELATERIA

Donciotto passa a oferecer o serviço de gerenciamento da franquia DANIELA MACIEL

Originária de Belo Horizonte, a gelateria Donciotto propõe um novo modelo de negócios para o seu próximo ciclo de expansão. Com oito lojas - Montes Claros (Norte de Minas), Natal (RN), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Londrina (PR) e Brasília (DF) – inova ao admitir um perfil exclusivamente investidor para os seus novos parceiros. De acordo com o criador da marca, André Doraciotto, tradicionalmente, as franqueadoras buscam um perfil operacional para os franqueados, mas nem sempre é possível aliar disposição e capacidade de investimento. Com mais de 20 anos no mercado de franchising brasileiro, o empresário criou um modelo em que a franqueadora monta e gerencia o negócio enquanto o franqueado-investidor entra com parte do capital e retira os lucros de acordo com o volume investido e os resultados da operação. O investimento médio para a abertura de uma loja é de R$ 400 mil e cada unidade comporta até três sócios-investidores. O investimen-

to mínimo de cada um é de R$ 50 mil. “Percebi que, até mesmo pelo momento de crise do País, as pessoas estão buscando oportunidades de investimento. Quando isso acontece, a franquia é apontada como um bom caminho, mas nem sempre funciona. As pessoas precisam entender que para o negócio dar certo é preciso muito trabalho e não basta estar apaixonado pela ideia para dar conta. Muita gente está atrás apenas do retorno e não de ter um negócio próprio. Então desenvolvemos esse modelo em que o investidor vai entrar em uma operação já em funcionamento e com números reais para serem apresentados e o trabalho de gestão fica conosco”, explica Donciotto. Na outra ponta a marca desenvolveu um modelo direcionado para que empregados da rede possam se transformar em franqueados-operadores. É um plano de carreira para as pessoas que têm vontade de ter o próprio negócio, mas não têm capital, possam se tornar franqueados entrando com o trabalho. Elas podem ter até 15% da operação.

A expectativa é fechar 2018 com 12 lojas. A próxima inauguração será em Juiz de Fora, na Zona da Mata, já em maio. Os principais produtos da marca são gelatos, brownies, café expresso, naked cakes. Em breve, churros na caneca. “Iniciamos a nossa história com quiosque em shopping centers, agora estamos convertendo todos para loja. Percebemos que em um espaço maior podemos diversificar o mix e ganhar com isso, aumentando o tíquete médio e os postos de trabalho. A venda de sorvete hoje corresponde entre 55% e 60% do total”, pontua o criador da marca. Para abrir em cidades de porte médio a estratégia é começar por um shopping center de expressão. Depois de consolidada a marca, é viável a abertura de uma unidade de rua com espaços especiais para festas e pets. Belo Horizonte deve ganhar a sua loja conceito, com espaço para festas em três meses. O espaço na avenida Raja Gabáglia, na região Centro-Sul, já está reservado. Enquanto isso, a loja em Juiz de Fora já abre com espaço e produtos desenvolvidos para pets.

www.facebook.com/DiariodoComercio

www.twitter.com/diario_comercio

gestaoenegocios@diariodocomercio.com.br

Telefone: (31) 3469-2025

por delivery, priorizando os consumidores finais. Mas a partir de junho, as cervejas poderão ser encontradas em casas especializadas e, em julho, nos supermercados. “A gente pretende manter a excelência do produto, então não vamos antecipar nada, vamos ampliar essa distribuição de forma gradativa, dando um passo de cada vez”, pontua o sócio Rodrigo Ferraz. Além disso, a Albanos também está lançando o serviço de delivery de chope no growler por meio de uma parceria com o aplicativo Scapp.

Parceria levará cerveja mineira para Portugal Após 22 anos de existência, o conceito da marca Albanos foi reformulado não só no meio físico, mas também no virtual, como mostram as inserções da plataforma em conteúdos interativos por meio de QR Codes, realidade aumentada e virtual, delivery por aplicativo, dentre outros. A marca também passou a compartilhar o conhecimento agregado em suas expedições de pesquisa com o público por meio de em seus canais de comunicação. Fruto destas expedições de pesquisa, onde a equipe da Albanos visita os principais destinos cervejeiros em busca de novos ingredientes e técnicas, saiu a mais recente parceria internacional da marca, com a Cervejaria Vadia, de Portugal, que possibilitou a criação de uma cerveja colaborativa e a distribuição de uma cerveja exclusiva Albanos no país. “Fizemos uma primeira cerveja colaborativa junto a uma cervejaria local. Ela será lançada no dia 14 de junho e, além disso, também vamos passar a distribuir uma cerveja Albanos em Portugal a partir de julho, usando a fábrica da cervejaria de lá e facilitando toda a parte de distribuição e produção pra gente. Da mesma forma, também vamos produzir a cerveja deles na Albanos a partir de setembro”, explica o sócio Felipe Tavares. Sem abrir os valores, Rodrigo Ferraz explica que o investimento para levar a Albanos para Portugal ainda está sendo consolidado, mas é considerado um valor mais baixo do que se a fábrica fosse instalada no País para produção independente. “Portugal é a porta de entrada para a Europa, então, o desenvolvimento do país, o fato de falarmos a mesma língua, isso tudo facilitou essa parceria”, conta. Já havia uma conexão com o país por causa do festival Fartura, do qual Ferraz é organizador, e que acontece em Portugal há dois anos. A cervejaria Hopfen Killers, na Alemanha, também vai participar de uma produção colaborativa com a Albanos e distribuir no Brasil o novo rótulo assinado pelas duas marcas. Além disso, conforme adianta Tavares, a marca brasileira também já estuda outra parceria na Itália e sinaliza uma conversa com a Bélgica. Esse tipo de produção colaborativa promete se tornar uma constante na Albanos e faz parte de seu projeto de expansão para outros países. (JB)


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

12

NEGÓCIOS ECOMMERCE

Empresa mineira lança pet shop virtual para animais exóticos Investimento no empreendimento ficou entre R$ 80 mil e R$ 100 mil DIVULGAÇÃO

JULIANA BAETA

Da demanda crescente por produtos específicos para animais exóticos e silvestres, o veterinário Pablo Pezoa decidiu expandir o seu pet shop segmentado neste mercado para uma loja virtual, inaugurada neste mês. O investimento feito no novo negócio é de R$ 80 mil a R$ 100 mil e as previsões de retorno podem ser ainda maiores, já que não há concorrentes específicos no ramo. Donos de animais como aves, coelhos, roedores e répteis têm dificuldades de encontrar artigos e alimento para os seus pets no mercado tradicional, e é aí que entra a Ezootique no meio virtual, para suprir a ausência deste nicho no Brasil. O pet shop físico está instalado no bairro Santo Agostinho, na região Centro-Sul da Capital, e já responde a boa parte do faturamento de Pezoa, que também tem uma clínica veterinária só para animais exóticos. “Eu me formei para trabalhar com isso, com clínica de animais silvestres e exóticos. E trabalhando na clínica tradicional, eu vi a necessidade de produtos que fossem mais especializados para estes animais. Então, em 2016, inaugurei a Zoovet Clínica e Consultoria, só para atender estes animais. Depois, veio o pet shop, exatamente por não haver no mercado um local onde meu cliente poderia comprar facilmente os produtos que a gente indica na clínica. A loja, que começou de forma despretensiosa, hoje, corresponde a uma parte significante do meu faturamento, de 30% a 40%”, explica Pezoa. E o novo empreendimento, além de incrementar este faturamento, pode se tornar referência no Brasil. “Tanto a clínica veterinária quanto o pet shop são as únicas especializadas em Minas Gerais, e acredito que a loja virtual será a maior especializada do País”. Com 500 produtos cadastrados atualmente,

Comércio eletrônico do Walmart cresce 33% Nova York - O Walmart, maior rede de varejo do mundo, reportou ontem uma melhora do seu negócio de comércio eletrônico nos Estados Unidos, além de lucro e receita que superaram as expectativas. As vendas do comércio eletrônico do Walmart cresceram 33% durante o primeiro trimestre encerrado em 30 de abril, acima da alta de 23% nos três meses anteriores. A empresa disse que caminha para aumentar em 40% as vendas do comércio eletrônico nos EUA no ano todo. O salto do comércio eletrônico veio após uma forte desaceleração durante o crucial trimestre das festas de fim de ano, que levou as ações a caírem mais de 10% e tirou US$ 31 bilhões de seu valor de mercado. Investidores estavam preocupados de que a varejista não conseguiria manter o ritmo com a rival Amazon.com. “O supermercado on-line continuou a acelerar e nós também temos novas marcas no comércio eletrônico, incluindo a parceria com Lord and Taylor, então tem muitas coisas diferentes gerando crescimento lá”, disse o vice-presidente financeiro, Brett Biggs, em uma entrevista. Ele disse que a entrega em dois dias impulsionou o crescimento, e que o novo desenho do site Walmart.com também ajudou no fim do trimestre. As vendas internacionais subiram 4,5%, para US$ 28,3 bilhões em uma base de moeda constante, ajudada por uma Páscoa mais cedo no ano, disse Biggs.

O Walmart está em processo de ajuste de seu portfólio de negócios internacionais e recentemente anunciou que vai comprar uma fatia de 77% na empresa indiana de comércio eletrônico Flipkart, por US$ 16 bilhões, no maior acordo da história da companhia, para competir com a Amazon.com em um mercado de crescimento importante. A empresa também planeja vender uma participação majoritária na rede de supermercados britânica Asda Group para a J Sainsbury. O Walmart também chegou recentemente a acordos para vender suas operações bancárias no Walmart Canada e no Walmart Chile, disse a empresa nesta quinta-feira. Excluindo itens especiais, o lucro ajustado do Walmart foi de US$ 1,14 por ação, acima da média das estimativas de analistas, de US$ 1,12, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S. As vendas em lojas dos EUA abertas há pelo menos um ano subiram 2,1% excluindo combustível, em linha com a previsão de analistas, de acordo com o Consensus Metrix. O Walmart registra há quase quatro anos seguidos de crescimento nos Estados Unidos, algo que nenhum outro varejista conseguiu. O aumento das vendas comparáveis foi impulsionado por um salto no preço dos itens vendidos e pelo comércio eletrônico. A receita total aumentou em 4,4%, para US$ 122,7 bilhões, superando a estimativa de analistas, de US$ 120,5 bilhões de dólares. (Reuters)

Pezoa também é proprietário de uma clínica veterinária para animais exóticos

a expectativa é que até o final do ano sejam 1.000 produtos para este público. Em 2013, o IBGE já apontava o crescimento deste mercado, em seu último censo realizado sobre animais domésticos. As aves estão mais presentes nas casas dos brasileiros do que os gatos. O Brasil tem 52,2 milhões de cães como animais domésticos e 37,9 milhões de aves, ocupando o segundo lugar na preferência nacional, seguido pelos 22,1 milhões de gatos. “E a demanda tem crescido

cada vez mais. O nosso pet shop é indicado, inclusive, por outras clínicas, e aí surgiu o pensamento de que se existe essa deficiência em nível nacional, um pet shop virtual para atender a esta demanda seria o ideal. Os produtos são comprados de artesãos que criam e fabricam pensando especificamente nestes animais. São comedouros, tocas, casinhas, entre outros, que imitam o ambiente natural, além da ração e dos próprios animais que iremos vender na loja virtual, todos com os devidos certificados”,

explica. As vendas de animais, que já ocorrem na loja física, serão entregues pela loja virtual apenas a municípios que fazem o frete aéreo. Já os demais produtos serão entregues para todo o Brasil. Segurança - O veterinário Pablo Pezoa, formado em medicina veterinária pela UFMG e mestre em reprodução de aves, alerta que produtos que não tenham a recomendação expressa de uso pela indústria só podem ser utilizados em animais não

convencionais sob recomendação de um médico veterinário especialista. É que muita gente utiliza artigos específicos para cães e gatos em animais silvestres e exóticos, justamente pela falta destes produtos segmentados no mercado. “Não foi simples, já que foi necessário aferir pessoalmente a segurança dos muitos produtos artesanais, conferir a ausência de substâncias tóxicas nos materiais para que as peças não ofereçam qualquer perigo a estes animais tão diferentes”, explica.

INOVAÇÃO

Startup brasileira lança delivery por comando de voz DIVULGAÇÃO

DA REDAÇÃO

A startup brasileira James Delivery desenvolveu um aplicativo que permite ao usuário fazer pedidos em serviços de delivery somente pelo comando de voz. O James Voice é a primeira empresa do mundo a oferecer este tipo de serviço. Além de ser uma solução inédita para os usuários, o “James Voice” difunde a acessibilidade beneficiando pessoas com dificuldades motoras e visuais. “Somos a primeira empresa do mundo a oferecer delivery por comando de voz, facilitando a vida de pessoas muito atarefadas, que tenham urgência em receber o produto, e principalmente pessoas com dificuldades motoras e visuais, que nunca tiveram uma ferramenta tão descomplicada para auxiliar nas compras do dia a dia”, detalha Lucas Ceschin, que idealizou e fundou o James Delivery com os empresários Juliano Hauer, Eduardo Petrelli e Ivo Roveda. A startup partiu do princípio de que a forma mais natural das pessoas se comunicarem é pela voz. Foram meses de estudos

Aplicativo James Voice, desenvolvido em Curitiba, é o primeiro a oferecer um serviço neste modelo

para implantar o conceito com excelência dentro do aplicativo. “Para tornar o projeto realidade, nosso time desenvolveu tecnologias de ponta, usando muito suor e inteligência artificial, tornando

o ato de fazer um pedido tão simples quanto falar no telefone com um amigo. Se antes você gastava alguns minutos para fazer um pedido, agora é possível fazê-lo em poucos segundos”, explica

Lucas. Funcionando no Brasil desde maio de 2016, com início das operações na cidade de Curitiba, o James Delivery está disponível nas plataformas Android e iOS.

Nele, os usuários podem comprar tudo o que quiserem, de qualquer empreendimento comercial das cidades de Curitiba (PR), São Paulo (SP) e Balneário Camboriú (SC). Com o “James Voice” ou por meio do pedido tradicional basta escolher o local, o produto e pedir. Após o pedido finalizado, um entregador (James) vai até a loja, realiza a compra e entrega onde o usuário solicitar. “Somos um delivery com características bem especiais. Compramos qualquer coisa, de qualquer lugar e entregamos em minutos. Os brasileiros estão acostumados com o tradicional delivery de restaurantes em que o motoboy sempre faz a entrega da mesma coisa. O James consegue entregar qualquer produto que possamos comprar na cidade e entregar de bike, carro ou moto. São tantas possibilidades que o público demora para acreditar que com um único aplicativo é possível fazer tudo isso. Agora, com o ‘James Voice’, disponibilizamos essa comodidade para um número ainda maior de pessoas”, completa Juliano Hauer.


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

13

AGRONEGÓCIO CAFÉ

Safra pode ser a 2ª maior em Minas Conab estima que volume chegará a 30,69 mi de sacas em 2018, alta de 25,6% frente a 2017 MICHELLE VALVERDE

A safra 2018 de café, em Minas Gerais, foi estimada em 30,69 milhões de sacas de 60 quilos, segundo anunciou, ontem, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O volume, se alcançado, representará um incremento de 25,6% sobre a safra 2017 e ficará muito próximo ao recorde estadual registrado em 2016, quando o Estado colheu 30,72 milhões de sacas de 60 quilos. A previsão é de que o País colha um volume recorde de 58 milhões de toneladas de café, alta de 29,1% frente a 2017. Apesar dos dados otimistas divulgados pela Conab, o setor cafeeiro questiona o levantamento, uma vez que as principais regiões produtoras do grão em Minas Gerais estão há mais de 40 dias sem chuvas, o que pode impactar de forma negativa a produção. Minas Gerais é o maior produtor de café do Brasil. Segundo a Conab, somente em 2018 o Estado responderá por 52,9% do volume total. De acordo com o gerente de Levantamento e Avaliação de Safras da Conab, Cleverton Santana, os técnicos da companhia visitaram as principais regiões produtoras de café ao longo de abril e, mesmo com a estiagem, não foram verificados impactos na produção do café. Com base na pesquisa, a previsão da Conab é de uma safra total 25,6% superior a 2017, com rendimento total estimado em 30,69 milhões de sacas de 60 quilos no Estado. A produção de café arábica foi estimada em 30,36 milhões de sacas, variação positiva de 26%. A alta se deve à bienalidade positiva da cultura e, segundo, Santana, ao clima favorável registrado ao longo do desenvolvimento da safra. Já a produção de conilon deve retrair 2,3% com a colheita em torno de 335,8 mil sacas de 60 quilos. “No ano passado, que foi de

bienalidade negativa, Minas Gerais colheu 24,4 milhões de sacas de 60 quilos e agora vai colher 30,69 milhões de sacas. Esta será a segunda maior safra da história estadual, atrás somente da apurada em 2016, quando foram colhidas 30,72 milhões de sacas”. Questionado sobre o período prolongado de estiagem e a preocupação dos cafeicultores em relação ao clima, Oliveira garantiu que a falta de chuvas não prejudicou os cafezais. “Os técnicos da Conab visitaram os campos em abril. De forma geral, o peso da produção é denominado pela floração que começou em setembro. A primeira florada não foi muito boa, porque as chuvas em Minas Gerais estavam abaixo da média. Porém, a segunda floração foi combinada com chuvas. A segunda floração, que é mais forte, ficou firme e a granação e a expansão dos frutos ocorreram perfeitamente. Estamos no período de maturação e colheita e a falta de chuvas é normal para o período e favorece o processo de colheita”, explicou. Preocupação - Já os cafeicultores não estão tão otimistas com os rumos da safra 2018 de café. De acordo com o diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e presidente das Comissões de Cafeicultura da Faemg e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Breno Mesquita, as principais regiões produtoras de café, em Minas Gerais, estão há mais de 40 dias sem chuvas, o que impacta na produção. “Os cafeicultores estão entrando em contato com a Faemg relatando muitas preocupações em relação à safra. Isso porque, diferente do que a Conab anunciou, que está tudo uma maravilha, nós estamos há cerca de 50 dias sem chuvas. Ou seja, provavelmente isso afetou a

EMATER-MG / DIVULGAÇÃO

Para os cafeicultores, safra mineira pode ser menor que a projetada, em virtude do clima

Tecnologia favorece produtividade A maior região produtora de café é o Sul de Minas. De acordo com a Conab, a produção na região foi estimada em 16,04 milhões de sacas, apresentando um incremento de 17,2% quando comparada à safra 2017. A produtividade média para a região é de 30,86 sacas por hectare, variação positiva de 12% em relação à safra 2017. A área em produção cresceu 4,7% e somou 519,8 mil hectares. A segunda estimativa de produção de café para a região do Cerrado Mineiro aponta para uma colheita de 6,56 milhões de sacas de 60 quilos, o que representa um aumento de 79,5% comparativamente à safra anterior e um aumento de 8,9% em relação à primeira estimativa. A produtividade média apresentou um incremento de 66,2%, passando de 21,54 sacas por hectare para 35,78 sacas por hectare. No Cerrado, o aumento estimado para a produção de café se deve, principalmente, safra, mas ainda não é possível estimar o volume. Só saberemos sobre o volume de perdas após a colheita e o beneficiamento do café. Ao anunciar uma safra nacional recorde de 58 milhões de sacas, acho uma temeridade. É perigoso e pode afetar o mercado”, explicou Mesquita.

ao ganho de produtividade, decorrente das boas condições climáticas, além do uso de irrigação e do ciclo bienal da cultura que é de alta produção. Na região das Matas de Minas, a produção de café pode alcançar 7,34 milhões de sacas, aumento de 13,3% se comparada com a safra anterior, quando foram colhidas 6,48 milhões de sacas. A área em produção para a região está estimada em 278,8 mil hectares, queda de 1,1%. A produtividade média estimada é de 26,34 sacas por hectare, superior em 14,6% em relação à safra 2017. No Norte de Minas, Jequitinhonha e Mucuri, a safra 2018 de café deve render 744 mil sacas de 60 quilos, superior em 19,7%, quando comparada aos 621,7 mil sacas da safra colhida em 2017 e inferior em 4,4% em relação à primeira estimativa. A produtividade média esperada é de 25,04 sacas por hectare, alta de 30,9%. (MV)

Mesquita explica que a safra 2018 realmente será maior que a anterior, em função da bienalidade positiva da cultura. Mas ainda é muito cedo para estimar o índice de crescimento. “Os técnicos da Conab precisam ir ao campo e conversar com os cafeicultores e

perceber que este tempo que estamos sem chuvas pode afetar a safra. Eu, como produtor, hoje, não teria como prever o volume a ser colhido em função da falta de chuvas que aconteceu e ainda estamos vivendo. Então, anunciar uma safra recorde é muito precipitado”.

No País, produção deve ser recorde REDAÇÃO

O Brasil terá a maior produção de café da sua história. É o que confirma o 2º levantamento da safra 2018, divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A quantidade total deve ficar em 58 milhões de sacas beneficiadas de 60 quilos. O crescimento apontado é de 29,1% em relação à safra passada, que alcançou 44,9 milhões de sacas. A quantidade total engloba o café arábica e o conilon. Com relação ao arábica, a produção estimada é de 44,3 milhões de sacas, ou seja, um acréscimo de 29,4%. Já a quantidade de conilon deverá chegar a 13,7 milhões de sacas, com aumento de 27,9%. De acordo com o estudo, o bom resultado deve-se, entre outros motivos, à bienalidade positiva e às boas condições climáticas. No último período de alta bienalidade, que ocorreu em 2016, o País teve uma produção de 51,4 milhões de sacas, considerada até então a maior do país e que pode ser superada pela safra 2018. Outro motivo para os números positivos seria o avanço do pacote tecnológico neste setor, sobretudo de variedades mais produtivas. O maior estado produtor é Minas Gerais, com um total de 30,7 milhões de sacas, sendo 30,4 milhões de arábica e 335,8 mil sacas de conilon. No Espírito Santo, a produção chegou a 12,8 milhões de sacas, com 8,3 milhões para conilon e 4,5 milhões para o arábica. Em São Paulo, onde só é produzido o café arábica, a quantidade chegou a 6,1 milhões de sacas. A Bahia também apresentou bons resultados, com produção de 2,7 milhões do conilon e 1,8 milhão do arábica. A área total, que engloba os cafezais em formação e em produção em todo o País, deve atingir 2,17 milhões de hectares, sendo 287,7 mil em formação e 1,9 milhão de hectares em produção. (Com informações da Conab).

COMÉRCIO EXTERIOR

Quarto maior importador de carne suína, Frigol amplia exportações para a China Coreia do Sul abre mercado para o Brasil Ribeirão Preto - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciou, na madrugada de ontem, que a Coreia do Sul abriu o mercado de carne suína para o Brasil. Segundo o ministro, que está em Xangai (China), inicialmente as exportações serão feitas por quatro unidades de frigoríficos de Santa Catarina, único estado brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação. “Mas com a declaração de país livre de febre aftosa (com vacinação, a ser concedido neste mês), iremos avançar para outros estados em breve. É um mercado de US$ 1,5 bilhão por ano”, relatou o ministro. De acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), as unidades habilitadas à exportação para a Coreia do Sul são da BRF, Aurora Alimentos e Pamplona Alimentos. Quarto maior importador mundial de carne suína, a Coreia do Sul tem um mercado equivalente à receita de exportação do

AGROCERES / DIVULGAÇÃO

Expectativa é de aquisição de 30 mil t de carne suína ao ano

Brasil com o produto no ano passado, que foi de US$ 1,5 bilhão, aumento de 9,4% sobre 2016. A expectativa do setor é de que os sul-coreanos adquiram 30 mil toneladas de carne suína por ano. Os norte-americanos são os maiores fornecedores para a Coreia do Sul, com cerca de 40% das aquisições do país asiático. A carne bra-

sileira terá uma taxação de 20%, enquanto os produtos norte-americano e chileno são isentos. Com a entrada da Coreia do Sul e a reabertura das exportações para a Rússia, a ABPA estima alta de 2% a 3% nas vendas externas brasileiras de suínos em 2018. Em 2017 o embarque foi de 3,8 milhões de toneladas. (AE)

São Paulo - O Frigol, quarto maior frigorífico do Brasil, tem exportado recentemente cerca de 2 mil toneladas de carne bovina à China por mês, sete vezes acima da média mensal registrada em todo o ano de 2017, refletindo a maturação de investimentos e a maior demanda no país asiático. Na mesma base de comparação, o faturamento da empresa com essas vendas aumentou para US$ 9,5 milhões por mês, de US$ 1,2 milhão obtidos mensalmente em 2017, disse o CEO, Luciano Pascon, há três anos no cargo. O Frigol opera quatro unidades de bovinos nos Estados de São Paulo, Goiás e Pará, mas apenas a de Lençóis Paulista (SP) está, desde 2016, apta a exportar carne bovina à China. Trata-se de um mercado que responde por mais de 50% de todas as vendas externas da empresa, as quais atingem 60 países em todos os continentes. O gigante asiático é um mercado ainda com pouca

abertura à carne bovina brasileira, com apenas 16 plantas autorizadas a exportar para lá, segundo o Frigol. O Ministério da Agricultura vem trabalhando para ampliar o mercado. Na terça-feira, a pasta informou que uma missão técnica chinesa virá ao Brasil inspecionar até 84 estabelecimentos que poderiam ser habilitados posteriormente a vender carne à China. Nos últimos anos, mudanças de hábitos alimentares têm elevado o consumo de carne na China, e as exportações do Brasil, maior exportador global, refletem isso. Os embarques nacionais de carne bovina in natura à nação asiática saíram de quase zero em 2014 para 211 mil toneladas em 2017 e já somam quase 70 mil toneladas até março de 2018, segundo dados do governo. Suínos - Pascon afirmou, sem abrir cifras, que há investimentos em curso na unidade de Lençóis Paulista para a ampliação da

capacidade de produção de carne suína, produto que está na “origem” da empresa de quase 50 anos. “Não é o volume representativo da companhia, mas desde 2016 a gente vem com várias obras. Estamos programando para o segundo semestre um abate de 800 suínos por dia, de 400 hoje em dia”, afirmou o CEO --no caso de bovinos, são 3 mil por dia. É em meio a esse cenário que o CEO viu com bons olhos a abertura do mercado sul-coreano à carne suína do Brasil, confirmada mais cedo pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi. “A Coreia do Sul, além de ser um grande mercado, é uma referência em questão de qualidade e rigor sanitário”, comentou. Com faturamento de R$ 1,5 bilhão em 2017 e previsão de R$ 1,6 bilhão em 2018, o Frigol tem capacidade de produção de 12 mil toneladas de carnes por mês, considerando-se todas as unidades em operação. (Reuters)


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

14

DC AUTO veiculos@diariodocomercio.com.br

IMPRESSÕES AO DIRIGIR

City 2018 recebeu pequenas mudanças

Sedan compacto da Honda teve algumas alterações no design e conta com novo sistema multimídia JOSÉ OSWALDO COSTA

O Honda City teve 4.761 unidades vendidas até a última quarta-feira. No mesmo período, o desempenho de alguns de seus concorrentes diretos, no segmento de sedans compactos premium, foi o seguinte: Volkswagen Virtus - 10.527 unidades; Nissan Versa - 8.558 unidades; Fiat Cronos - 6.542 unidades; e Chevrolet Cobalt - 5.843 unidades. Os números são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Para a linha 2018, o modelo passou por algumas sutis alterações na dianteira e na traseira. Além disso, ganhou novo sistema multimídia, com GPS e câmera de ré, na versão avaliada pelo DC Auto, a topo de linha EXL. Na dianteira, foram alterados o para-choque e a grade do radiador. A barra cromada, característica da Honda, que faz a ligação entre os faróis está mais fina. Aliás, nessa versão, os faróis são em LED e o modelo conta com DRL (Daytime Running Light ou luzes de rodagem diurnas). O para-choque traseiro também passou por mudanças. Ele recebeu um elemento de plástico com formato tipo colmeia (como ocorre na grade do radiador) entre os “olhos de gato” das extremidades. As lanternas, que também contam com LED, receberam elementos translúcidos para a área das setas. Na lateral, o destaque fica por conta das novas rodas, em liga leve, de 16 polegadas. As palhetas do limpador de para-brisa passam a ser do tipo flat blade. O motor do Honda City é bem conhecido dos brasileiros. Trata-se de um 1.5

capaz de render 115/116 cv (gasolina/etanol) e 15,2 / 15,3 kgfm de torque (gasolina/etanol). O câmbio é do tipo CVT e pode simular 7 marchas. Inclusive, elas podem se mudadas através de “borboletas” (paddle shift) atrás do volante. O câmbio conta com a função S para trocas mais “esportivas”,

deixando que a rotação do motor suba mais entre as mudanças de marcha. Se não é brilhante, o conjunto mecânico cumpre bem o seu papel. O Honda City mostrou um desempenho adequado em estradas, inclusive em ultrapassagens, e é bastante ágil no trânsito urbano. Na estrada, em situ-

ações de rotações mais altas, o barulho do funcionamento do motor invadiu o interior do carro. Mas nada que incomode muito. No geral, o sedan compac-

to é prazeroso de dirigir e mostra um bom conforto ao rodar. O conjunto da suspensão permite que o motorista percorra curvas mais fechadas, em velocidade mais

elevada, sem sustos. Poderia ser um pouco mais macio já que, como é característico da marca (principalmente no Fit), transfere algumas irregularidades para o interior. FOTOS: JOSÉ OSWALDO COSTA

Controle de estabilidade ausente Falando em interior, o da versão ELX, avaliada, é confortável. Os bancos são forrados com material sintético que imita o couro. O do motorista apresenta ajuste da altura. O banco do passageiro pode ser rebatido para permitir o transporte de cargas mais longas. O traseiro é bipartido (40/60), com acionamento localizado dentro do porta-malas. O quadro de instrumentos, simples, é outra característica adotada pela Honda em vários modelos: velocímetro ao centro, conta giros à esquerda e computador de bordo/marcador de combustível à direita. O computador de bordo, aliás, carece de mais informações, mostrando-se bastante básico para os dias de hoje e, principalmente, frente à concorrência. A central multimídia, com tela de 7 polegadas sensível ao toque, está localizada abaixo das saídas de ar centrais. Ela tem conectividade com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto. Também sensível ao toque são as funções do ar-condicionado digital presente nessa versão. O sistema apresenta câmera de ré, que possui a opção de três ângulos de visualização e indicação de distância do objeto por cores. Porém, ao contrário do que algumas montadoras entendem (não somente a Honda), a presença da câmera não deveria excluir os sensores de estacionamento traseiros, com aviso sonoro. O City também não é equipado com os sensores de estacionamento dianteiros. Ambos fazem realmente falta. Os quatro vidros elétricos possuem comando de um

toque. Se o alarme for ligado, eles se fecham automaticamente. Segurança - O Honda City EXL passa a contar, em sua linha 2018, com seis airbags (frontais, laterais e do tipo cortina). Porém, no que tange à segurança dos ocupantes, o preço do modelo bem como, mais uma vez, o que ocorre com seus concorrentes, é um grave deslize a montadora japonesa não equipá-lo com os controles de tração e estabilidade. Todos os ocupantes contam com cintos de segurança de três pontos e encostos para a cabeça. O sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis também está presente. Dentre os itens de série presentes na versão EXL, destacamos: seis airbags; faróis em LED; luzes diurnas em LED; sistema Isofix; cintos de segurança de três pontos e encostos de cabeça para os cinco ocupantes; câmera de ré, sistema multimídia com tela sensível ao toque de 7 polegadas (com sistema de som, telefonia e GPS integrados); entrada USB; ar-condicionado automático digital; direção eletricamente assistida progressiva; volante mutifuncional; volante com ajustes de altura e profundidade; banco do motorista com ajuste de altura; bancos forrados com material sintético que imita o couro; retrovisores com regulagem e rebatimento elétricos e rodas em liga leve de 16 polegadas. Na tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o preço do Honda City EXL 1.5 16V Flex (CVT) é R$ 82,90 mil. (JOC)

FICHA TÉCNICA Velocidade máxima — 175 km/h (etanol) 0 a 100 km/h — 11,3 segundos (etanol) Potência — 115/116 cv (gasolina/etanol) Consumo médio gasolina — 11,9 km/l (cidade) e 14,3km/l (estrada) Consumo médio etanol — 8,6 km/l (cidade) e 10,5 km/l (estrada) Distância entre eixos — 2,60 metros / Comprimento — 4,45 metros Largura — 1,69 metro / Altura — 1,48 metro Capacidade do porta-malas — 536 litros Capacidade do tanque — 46 litros / Pneus/Rodas — 185/55 R16 / Liga leve 16 polegadas


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

15

FINANÇAS financas@diariodocomercio.com.br

CRÉDITO BANCÁRIO

PRISMA FISCAL

BB anuncia redução em taxas de juros

Analistas pioram previsão para Segundo banco, queda ocorrerá no cheque especial e em capital de giro para empresas déficit primário do País em 2018 São Paulo - O presidente ALISSON J. SILVA

do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, afirmou que, independentemente da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter a Selic em 6,50% ao ano, a instituição vai reduzir juros de algumas modalidades de crédito. A queda das taxas ocorrerá, segundo ele, no cheque especial e na linha de capital de giro voltada às empresas. “Independentemente da mudança de ontem (quarta-feira, por parte do Banco Central), nós estamos anunciando uma redução de juros em algumas linhas de crédito, principalmente, no cheque especial”, disse Caffarelli, ontem, durante conversa com jornalistas. Segundo o executivo, a decisão do Banco Central (BC) não pode ser encarada como uma surpresa, porque não significa que, a cada Copom, tem de se fazer uma redução de juros. “O Banco Central foi extremamente diligente, tendo em vista o momento”, acrescentou. A manutenção dos juros, conforme o presidente do BB, não ameaça, de forma alguma, a recuperação do crédito no País. Ele reafirmou que há uma retomada do crescimento, mas que não ocorrerá na velocidade que o banco gostaria. “É uma retomada do crescimento (do crédito) com base em uma crise absolutamente grande, mas não

Brasília - Os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda pioraram a previsão para o déficit primário de 2018. De acordo com o boletim Prisma Fiscal de maio, divulgado ontem pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões para este ano passou de um rombo de R$ 136,103 bilhões, previsto em abril, para um déficit de R$ 138,543 bilhões. O valor, no entanto, está abaixo da meta de 2018, que permite um déficit de R$ 159 bilhões. Para 2019, os analistas projetaram um resultado negativo de R$ 105,929 bilhões, menor que a previsão anterior de R$ 107,304 bilhões. A meta de 2019 permite um déficit de R$ 139 bilhões. Presidente da instituição avalia que a demanda por crédito tem crescido no País, movimento que deve continuar ao longo do ano

tenho dúvida de que vamos continuar nesse processo de retomada”, destacou Caffarelli, explicando que, neste momento, há uma série de efeitos externos que estão afetando o País. Sobre dados divulgados recentemente e que motivaram a revisão das projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o presidente do BB disse que, se a economia não vai crescer 3% este ano, vai se expandir 2,5%. Dentro de um cenário de retomada da atividade, segundo ele, esse é um número

“absolutamente forte”. “E mostra uma tendência para o futuro de continuarmos com esse crescimento”, disse o executivo. Demanda em alta - Caffarelli ressaltou que a demanda por crédito tem crescido no País e que, mediante a retomada econômica, a tendência é de que a procura por empréstimos fique ainda mais forte. De acordo com ele, os números mostram que os desembolsos de crédito tanto para pessoa física, quanto jurídica estão

crescendo. Disse ainda que a redução de juros que os bancos têm promovido não é sinônimo de que o crédito está retomando de forma mais fraca que o esperado, mas um ajuste em relação à queda da Selic e também à volta dos bancos para o crédito. Sobre a possibilidade de as negociações da Odebrecht com os bancos para a obtenção de um crédito novo “ter um final feliz”, Caffarelli disse que não comenta casos específicos. O presidente do BB par-

ticipou ontem de evento do lançamento do projeto Orquestrando o Brasil. Com investimento de R$ 1,6 milhão, o foco da iniciativa é formar novas orquestras e criar uma rede de músicos em todo o País. O projeto conta com o apoio do Banco do Brasil, a Fundação BB, em parceria com a entidade Fundação Educacional, Cultural e Artística Eleazar de Carvalho e o maestro João Carlos Martins. A iniciativa deve agregar, inclusive, as cerca de 5 mil agências do banco. (AE)

EFEITO SELIC

Ibovespa tem maior queda em um ano São Paulo - A bolsa brasileira fechou em forte queda ontem, conforme a manutenção da taxa básica de juros do País, contrariando expectativas de corte, pressionou ações de consumo e abriu espaço para um ajuste negativo amplo no pregão, endossada pelo viés pessimista em outros mercados emergentes. O Ibovespa caiu 3,37%, a 83.622 pontos, maior queda desde maio do ano passado. O volume financeiro da sessão somou R$ 17,278 bilhões, bem acima da média diária do mês, de R$ 12,6 bilhões. No exterior, o índice MSCI de ações de mercados emergentes caiu 0,95%.

No Brasil, o Copom manteve, na quarta-feira (16), a Selic em 6,50% ao ano, justificando que o cenário externo tornou-se mais desafiador e apresenta volatilidade, apesar de reconhecer que a atividade econômica do País perdeu força e o comportamento da inflação continua favorável. “Parece que este é o piso da Selic e que o próximo movimento, quando acontecer, será de alta”, disse o Itaú Unibanco, em nota a clientes, ainda na quarta-feira. O analista de investimentos da Modalmais, Leandro Martins, destacou que a manutenção da Selic surpreendeu o mercado e

atingiu principalmente as ações de consumo e varejo, que vinham se beneficiando do cenário de cortes de juros, mas também contaminando outros papéis. “A bolsa estava ensaiando uma recuperação, com o Ibovespa tendo tocado na véspera máxima em dois meses. O Copom mudou bem o cenário”, afirmou Martins. O analista da Terra Investimentos, Régis Chinchila, também atribuiu o movimento na bolsa, na sessão de ontem, à decisão do BC, destacando que a retomada da atividade econômica ainda é bem lenta e agora ficou sem o instrumento de juros.

“O mercado já especula que a Selic pode subir em setembro”, afirmou. Preocupações com a cena política também respingaram na bolsa, em meio a apreensões sobre eventual avanço do pré-candidato à Presidência da chamada centro-esquerda Ciro Gomes (PDT). A equipe XP Política disse, em nota a clientes, que há possibilidade concreta de uma aliança de Ciro com o PT. Dólar - O dólar não conseguiu sustentar a queda da abertura, em resposta à manutenção da Selic em 6,50% ao ano, e terminou mais uma sessão, a quinta

seguida, com valorização e na casa de R$ 3,70, o maior nível em mais de dois anos. O dólar avançou 0,62%, a R$ 3,7012 na venda, maior nível desde os R$ 3,7391 de 16 de março de 2016. Foi o quinto pregão em alta, período no qual acumulou elevação de 4,39%. Na máxima do dia, a moeda norte-americana foi a R$ 3,7141, ajudada por um movimento de stop loss. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,70%. “A decisão do BC foi acertada, mas o dólar está com a dinâmica das moedas lá fora”, comentou o analista econômico da gestora Rio Gestão, Bernard Gonin. (Reuters)

Arrecadação - O Prisma deste mês revisou para baixo as previsões do mercado para a arrecadação das receitas federais em 2018, com a estimativa retornando de R$ 1,459 trilhão para R$ 1,453 trilhão. Para 2019, a projeção para a arrecadação também caiu de R$ 1,578 trilhão para R$ 1,576 trilhão. A estimativa para a receita líquida do Governo Central neste ano passou de R$ 1,223 trilhão para R$ 1,219 trilhão, enquanto para o próximo ano foi mantida em R$ 1,317 trilhão. Já pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do Governo Central este ano foi mantida em R$ 1,359 trilhão. Para 2019, a estimativa passou de R$ 1,422 trilhão para R$ 1,417 trilhão. A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2018 passou de 74,90% do Produto Interno Bruto (PIB) para 75% do PIB. Para 2019, a estimativa, que estava em 76,90% do PIB, caiu para 76,80% do PIB no relatório de ontem. Curto Prazo - O Prisma também atualizou as projeções fiscais para este e os próximos dois meses. Para maio, a previsão de superávit passou de R$ 21,841 bilhões para R$ 22,000 bilhões. Para junho, a estimativa de déficit primário passou de R$ 15,394 bilhões para R$ 14,768 bilhões. A projeção para o mês de julho é de déficit de R$ 16,845 bilhões ante previsão anterior de R$ 17,170 bilhões. (AE)

RECURSO GARANTIDO

FGC inicia pagamentos a clientes do Banco Neon Brasília - O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) dá início hoje ao pagamento a clientes do Banco Neon afetados pela liquidação extrajudicial da instituição financeira. A garantia do fundo é de até R$ 250 mil. O pagamento ocorrerá até o dia 17 de setembro de 2018. “Após esse período, os credores remanescentes deverão solicitar o pagamento diretamente ao Banco Neon”, diz comunicado do FGC, publicado na internet. No último dia 4, o Banco Central (BC) decretou a liqui-

dação extrajudicial do Banco Neon. “A supervisão do Banco Central do Brasil constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”, destacou o BC, em nota. Segundo o BC, o Banco Neon, instituição financeira de pequeno porte, detinha 0,0038% dos ativos do sistema bancário e estava autorizado a operar como banco comercial. Possuía apenas uma agência,

localizada em Belo Horizonte. Na época, o BC informou que a liquidação do banco não estava relacionada com a Neon Pagamentos, empresa de inovação no setor financeiro (fintech), que operava em parceria com o Banco Neon. No comunicado, o FGC informa que os clientes da Neon Pagamentos com investimentos no produto Objetivos, correspondente à aplicação em Certificados de Depósito Bancário (CDBs) do Banco Neon, deverão acessar o aplicativo da fintech a partir de hoje e seguir as instru-

ções para que seja efetuado o pagamento da garantia. As informações no aplicativo estarão disponíveis até o dia 18 de junho deste ano. Para os demais clientes do Banco Neon, o pagamento da garantia será feito por intermédio das agências do banco Bradesco. A lista de agências está disponível no site do FGC. “O pagamento será efetivado no município constante no cadastro do credor, existente na instituição em liquidação. Na hipótese de o município não ter agência Bradesco, o pagamento

será efetivado na agência do município mais próximo”, informou o FGC. Para receber o dinheiro nas agências bancárias, os titulares dos créditos deverão apresentar documento de identidade (RG, CPF ou CNH) e cópia autenticada. O beneficiário da garantia poderá ainda designar procurador com poderes específicos para receber o pagamento da garantia pelo FGC. Para tanto, o procurador deverá apresentar e entregar instrumento público ou particular com firma re-

conhecida do outorgante, via original e cópia autenticada de documento de identidade do outorgante credor e via original e cópia autenticada de documento de identidade do procurador. No caso de empresas, o representante legal deverá comparecer a uma das agências bancárias e apresentar vias originais e cópias autenticadas dos documentos da pessoa jurídica, o documento comprobatório dos poderes de representação e o documento de identidade do representante legal. (ABr)


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

19

LEGISLAÇÃO ANDRÉ CORRÊA/AGÊNCIA SENADO

TRIBUTOS

PGFN cria lei para penhorar bens de devedor da União Indisponibilidade patrimonial é temporária, explica procurador São Paulo - A preocupação com o processo de esvaziamento patrimonial por parte de devedores da União levou a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a aprovar no Legislativo a Lei 13.606/2018 e a Portaria nº 33, afirmou ontem o procurador-geral da Fazenda Nacional, Fabricio da Soller. Ele participou, ontem, de seminário no Comitê Especial Tributário de Empresas e Sociedade de Advogados da Associação Brasileira de Advocacia Tributária (Abat), em São Paulo, onde proferiu a palestra “Cobrança de Débitos Tributários pela União Federal e a Nova Sistemática de Penhora Administrativa de Bens do Contribuinte”. A novidade da Lei

13.606/2018 é que agora a PGFN poderá informar diretamente aos cartórios de registros de bens móveis e imóveis a indisponibilidade de um determinado bem para fazer frente a uma dívida com a União tão logo o órgão receba a inscrição do débito na Dívida Ativa da União. “Então o comprador terá essa proteção porque ao chegar ao cartório, ele será informado que o bem está penhorado”, explicou Soller. De acordo com o procurador, a indisponibilidade do bem não é permanente. Segundo ele, a PGFN tem 30 dias após o ingresso da ação judicial , execução fiscal, na qual o órgão cobra a dívida perante ao Poder Judiciário. “O juiz, se assim

entender, vai transformar a indisponibilidade do bem em penhora”, disse. Segundo o procurador, o que a PGFN fez foi antecipar esse processo que antes ocorria só com a penhora no Judiciário, que demorava e dava ao devedor tempo para fazer o esvaziamento de bens. “Quando a gente chegava ao devedor, ou os credores privados tinham chegado antes e ele já não tinha mais patrimônio ou ele estava sem patrimônio por já ter tido feito o planejamento de esvaziamento patrimonial”, afirmou. Então, disse ele, o que a PGFN está buscando é antecipar o efeito desta indisponibilidade, dando todas garantias para que o devedor, entendendo que

aquilo é ilegal, possa questionar judicial e administrativamente a decisão e dizer o porque que de a PGFN estar errada. A lei, admitiu o procurador, visa em primeira instância a atender aos interesses e racionalidade econômica da PGFN, mas, de acordo com ele, acaba num segun- Soller defende lei para evitar esvaziamento patrimonial do momento protegendo o na Dívida Ativa da União. rado para que possam voltar adquirente de boa fé de um “Isso é um esvaziamento a ter legalidade fiscal para bem que tenha sido penho- patrimonial, é uma fraude”, trabalharem. rado para garantia de que sentenciou o procurador. De acordo com os advogao débito com a União será dos, tempo de 30 dias para honrado. Certidão negativa - Advo- a Justiça avaliar o valor e A Portaria 33 regulamenta gados filiados à Abat pre- ver se tal bem deve ou não um dispositivo legal na lei, sentes ao debate contestaram ficar indisponível é pouco um comando, que classifica pontos da lei e da portaria tempo, mas que para uma como fraude a alienação ou sob a alegação de que a empresa ficar sem a legalivenda de um bem com o PGFN deveria ser mais rá- dade fiscal para continuar objetivo do devedor de ficar pida ao conceder certidões suas atividades e até mesmo sem patrimônio para res- negativas às empresas que acertar suas contas com o ponder pelo débito inscrito tiverem algum bem penho- Fisco é muito tempo. (AE)

TRABALHO

Custa só vale em ações após reforma, diz parecer Brasília - O ônus de arcar com honorários e as custas processuais em casos de derrota só deve passar para os trabalhadores que entraram na Justiça contra seus empregadores após o início da vigência da nova legislação trabalhista. A conclusão está no parecer da comissão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que tenta pacificar a jurisprudência das novas regras, e que ainda será levado ao plenário do órgão. O texto da reforma trabalhista foi publicado em 13 de julho do ano passado e entrou em vigor no dia 11 de novembro. No entendimento dos nove ministros que formam a comissão, somente as ações judiciais iniciadas após desta data em diante estarão sujeitas à norma que

Histórico

passou para o trabalhador os custos do processo em cada de derrota na Justiça. A nova lei estabelece no artigo 790-B que “a responsabilidade pelo pagamento dos honorários periciais é da parte sucumbente na pretensão objeto da perícia, ainda que beneficiária da justiça gratuita”. Para os ministros da comissão, esse trecho não deve ser aplicado aos processos antigos. Segundo o parecer, outro trecho da nova lei que só deve valer para os processos iniciados a partir de 11 de novembro é o artigo 793-C, que estabelece que “o juízo condenará o litigante de má-fé a pagar multa, que deverá ser superior a 1% e inferior a 10% do valor corrigido da causa, a indenizar a parte contrária pelos

prejuízos que esta sofreu e a arcar com os honorários advocatícios e com todas as despesas que efetuou”. Além disso, para os ministros da comissão, apenas os processos novos - ingressados a partir de 11 de novembro - têm a obrigatoriedade de que os sindicatos participantes de convenção ou acordo coletivo participem como litisconsortes em ações que busquem anular cláusulas desses instrumentos. O presidente do TST, ministro Brito Pereira, recebeu na última quarta-feira parecer da comissão de ministros criada para estudar a aplicação da reforma trabalhista (Lei 13.467/17). O documento foi entregue pelo ministro Aloysio Corrêa da Veiga, que presidiu os

Instituições Financeiras (DES-IF) - entrega do Módulo de Apuração Mensal do ISSQN, pelas instituições financeiras e equiparadas, autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil (Bacen), e pelas demais pessoas jurídicas obrigadas a utilizar o Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif), com os dados referentes ao mês anterior (Decreto nº 13.471/2008). Nota: Este arquivo deverá ser entregue por meio do programa validador disponível no site da Prefeitura de Belo Horizonte. Internet. Decreto nº 13.471/2008, artigo 13, § 4º, I.

Esta agenda contém as principais obrigações a serem cumpridas nos prazos previstos na legislação em vigor. Apesar de conter, basicamente, obrigações tributárias, de âmbito estadual e municipal, a agenda não esgota outras determinações legais, relacionadas ou não com aquelas, a serem cumpridas em razão de certas atividades econômicas e sociais específicas. Agenda elaborada com base na legislação vigente em 11/04/2018. Recomenda-se vigilância quanto a eventuais alterações posteriores. Acompanhe o dia a dia da legislação no Site do Cliente TFRM-D - abril de 2018 - De(www.iob.com.br/sitedocliente). claração de apuração da TRFM (TFRM-D) - entrega à SEF/MG ICMS - prazos de recolhi- pelas pessoas físicas e jurídicas mento - os prazos a seguir são que efetuarem vendas ou transos constantes dos seguintes atos: ferências entre estabelecimentos a) artigos. 85 e 86 da Parte pertencentes ao mesmo titular Geral do RICMS-MG/2002; e do mineral ou minério, por meio b) artigo 46 do anexo XV do do Sistema Integrado de AdmiRICMS-MG/2002 (produtos su- nistração da Receita Estadual jeitos a substituição tributária). O (Siare), disponibilizado no site Regulamento de ICMS de Minas da SEF. Internet. Decreto nº Gerais é aprovado pelo Decreto 45.936/2012, artigo 14; Portaria nº 43.080/2002. SRE nº 106/2012, artigo 2º.

trabalhos da comissão. As conclusões serão encaminhadas aos demais ministros para julgamento pelo pleno do TST em sessão com data ainda a ser definida. Instrução - No parecer, a comissão sugere a edição de uma instrução normativa para regulamentar questões ligadas ao direito processual. “A comissão pautou-se pela metodologia de elucidar apenas o marco temporal inicial para a aplicação da alteração ou inovação preconizada pela Lei 13.467/2017, nada dispondo sobre a interpretação do conteúdo da norma de direito”, diz o documento. O objetivo foi assegurar o direito adquirido processual, o ato jurídico processual perfeito e a coisa julgada.

abatedores de aves e de outros animais; laticínio; cooperativa de produtores de leite; produtor rural. Nota: Os prazos para transmissão de documentos fiscais pela Internet são os mesmos atribuídos às demais formas de entrega dos documentos fiscais previstos no RICMS-MG/2002. Tendo em vista ser uma obrigação acessória eletrônica e a inexistência de prazo para prorrogação quando a entrega cair em dia não útil, manteremos o prazo original de entrega (RICMS-MG/2002, anexo V, parte 1, artigo 162). Internet. RICMS-MG/2002, anexo V, parte 1, artigo 152, § 1º, VI. ISSQN - abril de 2018 - entrega da Declaração Eletrônica de Serviços (DES) pelas pessoas jurídicas estabelecidas no município de Belo Horizonte, correspondente aos fatos geradores ocorridos no mês anterior. Nota: A transmissão deste arquivo magnético será através do site da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio do sistema BH ISS Digital. Internet. Decreto nº 14.837/2012, artigo 7º; Portaria SMF nº 16/2012.

ICMS - abril de 2018 - DeclaISSQN - abril de 2018 - empreração de Apuração e Informação sas de transporte coletivo - recoISSQN - abril de 2018 - Decla- do ICMS (Dapi 1) - contribuintes lhimento do imposto relativo às ração Eletrônica de Serviços de sujeitos à entrega: frigoríficos e receitas provenientes da Câmara Dia 20

No que diz respeito ao direito material, os ministros concluíram que deverá haver uma construção jurisprudencial a respeito das alterações a partir do julgamento de casos concretos. Uma minuta de instrução normativa foi anexada ao parecer. O texto sugere que a aplicação das normas processuais previstas pela reforma é imediata, sem atingir, no entanto, situações iniciadas ou consolidadas na vigência da lei revogada. Assim, de acordo com a proposta, a maioria das alterações processuais não se aplica aos processos iniciados antes de 11 de novembro de 2017, data em que a Lei 13.467 entrou em vigor. Entre os dispositivos

de Compensação Tarifária, correspondente aos fatos geradores ocorridos no mês anterior. Nota: O documento de arrecadação do Município de Belo Horizonte não possui denominação específica. Os contribuintes pessoas jurídicas poderão emitir a guia de recolhimento através do sistema BH ISS Digital (internet). Guia de recolhimento/internet/ sistema BH ISS Digital. Decreto nº 11.956/2005, artigo 13, § 2º.

expressamente citados estão aqueles que tratam da responsabilidade por dano processual e preveem a aplicação de multa por litigância de má-fé e por falso testemunho (art. 793-A a 793-D). O mesmo entendimento se aplica à condenação ao pagamento de honorários advocatícios sucumbenciais (art. 791-A), que, de acordo com a comissão, deve ser aplicada apenas às ações propostas após 11 de novembro de 2017. Segundo o site do TST, a minuta de instrução normativa prevê ainda que o exame da transcendência incidirá apenas sobre os acórdãos publicados pelos Tribunais Regionais do Trabalho a partir da entrada em vigor da reforma. (AE)

e pode ser efetuada a qualquer tempo. Portanto recomendamos que o envio seja efetuado até a data mencionada no ato legal mesmo que esta coincida com sábado, domingo ou feriado. Scanc. Convênio ICMS nº 110/2007, cláusula 26ª, § 1o, V, “b”; Ato Cotepe/ICMS nº 51/2017. Dia 25

ICMS - abril de 2018 - entrega do arquivo relativo à Escrituração Dia 21 Fiscal Digital (EFD), contendo as informações dos fatos geradores ICMS - abril de 2018 - subs- ocorridos no mês anterior, pelos tituição tributária - saídas de contribuintes relacionados no mercadorias nas hipóteses previs- anexo XII do Protocolo ICMS tas no RICMS-MG/2002, anexo nº 77/2008. Internet. RICMSXV, artigos 86, IV, 87, § 1º, e 92, -MG/2002, anexo VII, parte 1, parágrafo único, todos da parte artigo 54. 1 deste anexo. DAE/internet. RICMS-MG/2002, anexo XV, ICMS - segundo decêndio de parte 1, artigo 46, VI. maio de 2018 - contribuinte/atividade econômica: venda de café Dia 23 cru em grão realizada em bolsa de mercadorias ou de cereais ICMS - Scanc - abril de 2018 pelo Ministério da Agricultu- entrega, pelas refinarias de ra, Pecuária e Abastecimento petróleo e suas bases, de infor- (Mapa) com intermediação do mações relativas às operações Banco do Brasil, referente aos interestaduais com combustí- fatos geradores ocorridos no veis derivados de petróleo em segundo decêndio do próprio que o imposto tenha sido retido mês, ou seja, no período de 11 anteriormente por outros contri- a 20 do mês. DAE/internet. buintes. Nota: Esta obrigação é RICMS-MG/2002, Parte Geral, cumprida por meio eletrônico artigo 85, XIV, “b”.


BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2018

20

DC MAIS dcmais@diariodocomercio.com.br

VIVER EM VOZ ALTA

Liberdade de impostos Na quinta-feira (24), a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e a CDL Jovem promovem na Capital a 12ª edição do Dia da Liberdade de Impostos (DLI). A ação visa conscientizar a população sobre a elevada carga tributária brasileira. Empresários de BH, dos mais variados segmentos, vão comercializar produtos e serviços com desconto referente ao valor dos impostos incidentes. Até o momento, já são mais de 1.500 itens cadastrados, entre roupas, sapatos, acessórios, brinquedos, alimentos, bebidas, artigos de papelaria, óculos, medicamentos genéricos, eletrodomésticos, maquiagem, perfumaria, semijoias e outros. Um posto da Capital comercializará gasolina a R$ 2,281 o litro. O valor corresponde ao desconto de 47,96% dos tributos diretos incidentes no produto, e o motorista que abastecer R$ 153,72 pagará R$ 80. A lista, que aumentará até a data do evento, pode ser acessada no site http://dli.cdlbh.com.br. Assim, consumidores já podem consultar e planejar as compras.

Vagas na Usiminas A Usiminas está com inscrições abertas para o processo seletivo do Programa Jovens Profissionais 4.0. A iniciativa objetiva desenvolver profissionais com visão ampla da empresa e que, após o período do programa, possam atuar de forma estratégica, com foco em inovação, novas tecnologias, melhoria de processos etc. O programa tem duração de dois anos, durante os quais os selecionados vão conhecer todas as frentes de atuação da Usiminas – siderurgia, mineração, bens de capital, transformação do aço e logística. Eles também participarão de treinamentos específicos dentro dos pilares de gestão da empresa Pessoas, Clientes e Resultados – e, após o período preparatório, serão direcionados para as áreas onde vão atuar de forma fixa. São 30 vagas para empresas Usiminas em Belo Horizonte, Ipatinga (MG), Itatiaiuçu (MG), Cubatão (SP), Guarulhos (SP), São Paulo e Porto Alegre. As inscrições devem ser feitas no site da Usiminas (www.usiminas.com), até 11 de junho.

Seminário ‘Minas e seus caminhos’ prossegue hoje ROGÉRIO FARIA TAVARES *

Parte das comemorações dos 30 anos do BDMG Cultural, o Seminário “Minas e seus caminhos” começou ontem, no auditório do banco (Rua Bernardo Guimarães, bairro de Lourdes). Com curadoria do professor Caio Boschi, da Academia Mineira de Letras, o evento prossegue durante todo dia de hoje, começando às 9h e indo até às 18h. Com entrada franca, sem necessidade de inscrição prévia, emite certificado de participação para os estudantes que dele precisarem. Pensado como uma oportunidade para reunir alguns dos melhores estudiosos sobre Minas Gerais, o encontro estabeleceu dez temas principais, cinco dos quais já tratados na quinta-feira. Na conferência de abertura, o jornalista João Paulo Cunha abordou a questão da identidade do mineiro, principiando por mencionar livros clássicos a esse respeito,

como o “Vozes de Minas”, de Alceu Amoroso Lima. Outros autores que escreveram sobre o assunto também foram citados, como João Camilo de Oliveira Torres e Sílvio de Vasconcelos. Em seus comentários, João relembrou que o termo ‘mineiridade’, até hoje largamente utilizado, teria sido pronunciado pela primeira vez não por um mineiro, mas por um pernambucano, o sociólogo Gilberto Freyre, na palestra “Ordem, Liberdade, Mineiridade”, por ele proferida na Faculdade de Direito da UFMG, em 16 de julho de 1946. Na sequência, João Paulo propôs a memória, a amizade e a preocupação filosófica e metafísica como chaves para compreender os traços distintivos dos mineiros. Entre os nomes mencionados, destacou Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes e Pedro Nava como alguns dos que mais trabalharam o campo da memória entre nós.

A série “Boitempo”, do poeta itabirano, mereceu aguda análise, assim como “A Idade do Serrote”, do escritor de Juiz de Fora, e “Baú de Ossos” e “Balão Cativo”, do médico juiz-forano. Para falar da amizade como elemento fundamental para o entendimento da alma mineira, João escolheu a obra de Milton Nascimento e do Clube da Esquina. Quando, finalmente, tratou do terceiro ponto (a preocupação filosófica e metafísica), elegeu como paradigmática a figura da professora Sônia Viegas, da UFMG, filósofa falecida aos 45 anos, sem esquecer de seu professor, o Padre Henrique Cláudio de Lima Vaz. Na palestra seguinte, o professor Otávio Soares Dulci abordou o ponto “Minas e a política: permanências e mudanças”, traçando um quadro histórico da cena política no Estado desde a Colônia até a atualidade, passando pelo Império e pela Repúbli-

ca Velha. No turno da tarde, o professor Paulo Haddad, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento, falou sobre a economia de Minas Gerais, com o seu conhecido rigor e capacidade de comunicação. A professora Berenice Menegale falou sobre a história da música e, para fechar o dia, o professor Mario Rodarte focalizou o tema demografia. Hoje o dia começa com o professor Roberto Monte-Mor falando sobre a urbanização mineira e o professor Maurício Campomori abordando a arquitetura. À tarde, o professor Arno Wehling, da Academia Brasileira de Letras, fala sobre a História de Minas; o professor Márcio Sampaio faz palestra sobre a História da Arte e a professora Letícia Malard fecha o ciclo, pronunciando-se sobre a Literatura produzida nas Minas Gerais. * Jornalista. Da Academia Mineira de Letras SCOTTHUEHNERKRISP/DIVULGAÇÃO

Almoço-palestra O presidente do Sindicato das Indústrias do Açúcar e do Álcool de Minas Gerais (Siamig), Mario Campos, destacou durante almoço-palestra da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa de Minas Gerais (ADCE-Minas), a importância e a contribuição do setor sucroenergético para o Estado e o Brasil. Apresentou números da agroindústria da cana-de-açúcar e evolução da produção de etanol, açúcar e bioeletricidade. Campos vem se destacando nas discussões junto ao governo federal para a implantação do RenovaBio, programa que promete impulsionar o setor de etanol nos próximos anos. O Brasil é o maior produtor e maior exportador de açúcar do mundo. Em Minas Gerais, o setor soma 34 usinas produtoras de energia renovável como o etanol, a bioeletricidade e o açúcar, principal fonte energética do ser humano. De acordo com o presidente do Siamig, pedir as bênçãos no início de cada safra é uma tradição no setor sucroenergético brasileiro.

CULTURA DIVULGAÇÃO

SYLVIE MOYEN/DIVULGAÇÃO

Afonso Pena, 1.537, Centro, Belo Horizonte) Lila Hamdan

Cineclube Francófono Mostra - Na sessão deste mês da mostra permanente Cineclube Francófono estará em cartaz o filme Delegado Levardin (1986), do diretor francês Claude Chabrol. No enredo, as tramas de um assassino são investigadas por astucioso delegado. Delegado Levardin traça a história de Raul Mons, escritor católico muito famoso, que leva vida pacata com a mulher Helena, a filha adolescente Veronique e o cunhado, Claude Alvarez. Quando: Amanhã, 16h Quanto: Entrada Gratuita Onde: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes (Avenida

Exposição - A artista plástica mineira Lila Hamdan, que já expôs trabalhos no Museu do Louvre, em Paris; na Finlândia, Estados Unidos e Rio de Janeiro, apresenta suas obras pela primeira vez em Belo Horizonte, na mostra Dimensões, com criações em óleo e acrílico sobre tela, além de esculturas em bronze e cerâmica, fruto de um trabalho contínuo de investigação artística. Quando: De 21 de maio a 8 de junho Quanto: Entrada Gratuita Onde: Galeria de Arte da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Rua Rodrigues Caldas, 30, Santo Agostinho, Belo Horizonte) Negro Atitude Teatro - No mês em que são

completados 130 anos da assinatura da lei áurea, o grupo Teatro Negro Atitude traz uma reflexão sobre identidade, raça e mercado de trabalho O espetáculo “A Toque de Caixa! – Pessoa inviabilizada. Negra. Guardiã de Ancestralidade” faz uma reflexão sobre a desigualdade vivida pela população negra brasileira no mercado de trabalho. Quando: Amanhã e domingo (20), às 19h30 Quanto: Entrada Gratuita Onde: Teatro Francisco Nunes (Avenida Afonso Pena, s/nº, Centro, Parque Municipal, Belo Horizonte) Fotografia Myanmar - Em 2014, Sylvie Moyen fez uma viagem de 18 dias para Myanmar, no sul da Ásia. Na volta, trouxe consigo registros sensíveis de seu

olhar sobre o país de tantas nuances. O resultado está na exposição“Fresta de Paz”. As fotografias são como um diário de bordo dos dias em que Sylvie esteve no país com um grupo de 10 fotógrafos, entre eles, três brasileiros. Quando: Até 30 de junho Quanto: Entrada Gratuita Onde: Patrícia de Deus - Ideias e Papéis (Rua Fernandes Tourinho, 145, BH) www.facebook.com/DiariodoComercio www.twitter.com/diario_comercio dcmais@diariodocomercio.com.br Telefone: (31) 3469-2067

23617  
23617  
Advertisement