Page 1

Com o objetivo de ajudar o comércio tradicional da cidade, a câmara bejense lançou uma campanha com o objetivo de levar pessoas às Portas de Mértola para que possam efetuar as suas compras de Natal. “As obras estão quase a acabar, e as pessoas podem circular sem problemas para fazer as compras. Apenas têm de trazer vestuário e outros acessórios adequados para circular no local e enfrentar este inverno chuvoso e frio, como: galochas, capacete, uma retroescavadora e uma liana para atravessar as valas…”, afirmou fonte de água da câmara. As obras de requalificação começaram antes das primeiras invasões árabes, estando a ser feitos todos os esforços para que os bejenses possam desfrutar daquela zona mesmo antes do fim do mundo previsto pelos Maias.

31 Diário do Alentejo 7 dezembro 2012

eja lanÇa b e d a r a m  c ar ara estimull: p a h n a p m a c adiciona comÉrcio tras de mÉrtola, ort “venha Às p o se esqueÇa mas nà s!” das galocha

facebook.com/naoconfirmonemdesminto

Em Bom Alentejano: “moenga” ou “xarenga”?

Operação Azeitona Segura GNR revela que azeitonas recuperadas a meliantes revelam sinais de Síndrome de Estocolmo Depois do arrastão de rábanos e da onda de sequestros de hortelã da ribeira, a criminalidade da região tem sido marcada pelo aumento do furto de azeitonas. Criminologistas identificaram algumas das características associadas a este tipo de delitos: “Geralmente, o roubo de azeitonas destina-se à venda para a rede internacional de mau colestrol ou para o mercado negro de azeite espanhol (daquele que também dá para lubrificar o motor do seu automóvel)”, explicou Ludgero Primeira Instância, académico que dirige o estudo sobre a alta criminalidade no mundo agrícola. “Também é interessante poder observar como as azeitonas que são recuperadas revelam sinais claros de Síndrome de Estocolmo – defendem os seus raptores com desculpas do tipo ‘eles só queriam angariar dinheiro para comprar uma PlayStation para o filho’ ou ‘até fui muito bem tratada, deram-me banho de sal e oregãos’, o que nos deixou muito apreensivos”, acrescentou. Preocupadas com esta tendência, as autoridades portuguesas já disponibilizaram apoio às azeitonas, nomeadamente através da criação do Centro de Apoio à Azeitona Retalhada Vitimada e da linha de apoio telefónico Azeitona SOS Extra Virgem.

“Recruta-se Consultor Financeiro”

Moura Maior radiotelescópio do mundo irá permitir procurar emprego nos confins do universo Está prevista para breve a instalação daquele que será o maior radiotelescópio do mundo no concelho de Moura (herdade da Contenda), já que, segundo os especialistas, aquela região oferece as condições ideais para que o instrumento permita visualizar o universo de forma nítida. Esta notícia deixou muito esperançados alguns alentejanos que prometem dar bom uso ao radiotelescópio: “Já tirei uma senha na secção de charcutaria do Intermarché de Moura para usar o aparelhómetro e procurar emprego. Trabalhei em França e na Suíça, e não tenho problemas nenhuns em abalar para o estrangeiro... Até já tenho um visto para trabalhar noutras galáxias. Eu cá faço de tudo!… Só não trabalho para espanhóis e homenzinhos verdes com a cabeça desproporcionada…”, explicou-nos Fausto Lençol, desempregado, enquanto levantava o seu passaporte na Loja dos Chineses. Por outro lado, a CGTP Interplanetária já alertou para as tendências neoliberais dos marcianos e para as falsas ofertas de emprego: “Trabalhadores: se vos oferecerem transporte para os confins do universo numa carrinha de caixa aberta, desconfiem! E se disserem que o Estado Social só funciona bem no planeta P354bloghr afastem-se da pessoa que vos disse isso, sem a olhar nos olhos, pois pode ser um perigoso ET!”, explica um folheto da central sindical.

Está de regresso a nossa rubrica linguística. E não, não se trata de uma tentativa de encher a página devido à falta de assunto, mas sim de despertar os nossos leitores para as grandes problemáticas deste dialeto ancestral que é o alentejano. Muitos erros se cometem em torno das palavras que hoje iremos explorar, pelo que espero sinceramente que este artigo possa trazer alguma luz sobre o problema: “moenga” e “xarenga” – as duas faces da chatice. É verdade que ambas as palavras significam “aborrecimento”, mas em que contextos devem ser utilizadas? “Moenga” remete para o abstrato, como se pode ver neste poema de Al-Mutamid: “Estou aqui em Sevilha/ tal não é a moenga do calor/ /escorre tanto suor até à bilha/ vou precisar de um desumidificador”, pelo que deve ser utilizada apenas em contextos poéticos, filosóficos e matemáticos. Por sua vez, o termo “xarenga” está relacionado com algo palpável, como se pode observar nesta frase proferida por um militar da GNR: “Tal não é a xarenga do carro que não quer pegar! Já não bastava a xarenga do salitre no posto e a xarenga do telhado que desabou?”. A sua utilização deve, pois, restringir-se a tudo o que é corpóreo e real. Atente-se, todavia, que ambos os termos devem ser utilizados com elevados níveis de descontentamento e de sotaque alentejano, sob o risco de parecer um lisboeta com um impedimento na fala. Assim se fala Em Bom Alentejano.

Inquérito Portugal desistiu de participar no Festival Eurovisão da Canção alegando “motivos financeiros”. Concorda com esta decisão?

JÚLIO VINIL, 33 ANOS Pessoa que só ouve a Antena 2

BERNARDINO SISTEMA DE SOM, 46 ANOS Pessoa que tem o sonho secreto de trabalhar como estivador

FLÁVIA VANESSA, 45 ANOS Cantora considerada pela revista “Caça e Pesca” a “nova Valentina Torres”

Estou de acordo, mas acho que Portugal desistiu por outro motivo: amor-próprio. Isto de ficar com menos de oito pontos, atrás de potências musicais como o Azerbeijão ou o Liechtenstein, é coisa para mexer com a nossa autoestima. A intervenção da troika, ao pé disto, é uma cócega! O que precisávamos era de alguém ao nível musical do Armando Gama, mas sem o cabelo do Armando Gama, para termos alguma hipótese de ganhar o festival.

Acho que é uma pena… Perdemos mais uma oportunidade de exportarmos aquilo em que somos bons: cantores que vão buscar o seu nome às hepatites, como o Hélio B ou a Vanda C. Somos o único país com capacidade para chegar lá fora e apresentar alguém a cantar no inglês do Mário Augusto depois de ter lambido uma estátua de gelo... Isto para não falar das cantoras que têm aspeto de quem arranjou o cabelo numa máquina de algodão doce.

Essa decisão é uma perseguição pessoal: não vão à Eurovisão porque não querem que eu ganhe aquilo. É uma injustiça que alguém como eu, que deu tanto à cultura do País, com canções como “Queres lamber o meu Calippo?” ou “Sou o teu forno pré-aquecido”, seja posta de parte. Eu não sou cantora pimba! Eu estudei música no Conservatório de Corte Gafo de Cima! Já agora, aproveito para anunciar que vou fazer uma grande tourné internacional, com passagens por Pias, Brinches e Santo Amador.

Ediçao N.º 1598  

Diario do Alentejo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you