Page 1

31 Diário do Alentejo 5 abril 2013

Bejense Maria da Graça Carvalho recebeu medalha de ouro do Instituto Politécnico de Lisboa: Comité Olímpico de Portugal já atribuiu bolsa à eurodeputada para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. Regresso de antigos políticos para realizar comentário político abre caminho a coluna de opinião de Brito Camacho no “Diário do Alentejo”. facebook.com/naoconfirmonemdesminto

Exclusivo “Não confirmo, nem desminto” Coreia do Norte comprou mísseis nucleares em segunda mão num ferro velho da região A comunidade internacional ficou em alvoroço com os últimos desenvolvimentos vindos da Coreia do Norte: o regime de Kim Jong-un anunciou que tinha mísseis apontados para cidades americanas, e para o Redondo, e que estava em estado de guerra com os vizinhos da Coreia do Sul. Uma investigação conjunta “Não confirmo, nem desminto”/Miguel Monjardino/ Bernardino Soares revelou que a ameaça é para levar a sério. Segundo descobrimos, o ditador norte-coreano esteve num ferro velho alentejano, para os lados de Alcácer do Sal, a comprar peças para mísseis nucleares de longo alcance, como nos confirmou o proprietário daquele espaço: “É verdade, esse senhor esteve cá. Confesso que estava muito nervoso, mas ele foi muito simpático, pagou a pronto e nem sequer pediu fatura. Levou

dois mísseis feitos com uns tubos, latas de atum Bom Petisco e o motor de um Peugeot 205 que é para ter força de propulsão… E tudo com garantia de qualidade, até porque os mísseis foram projetados por um cientista dissidente da antiga União Soviética que mora no Torrão e que tem acesso a material nuclear como o plutónio, o urânio e torresmos do rissol fora do p r a zo… D e pois meteu tudo num 2CV e antes de abalar deu-me um abraço. Ainda tive a oportunidade de lhe dizer que gostava muito do trabalho dele nos vídeos do Gagnam Style, ele encolheu os ombros e foi-se embora…”. Esta foi a primeira vez que a Coreia do Norte teve acesso a materiais para construir estas armas desde que tentou construir minas com fascículos da Hello Kitty.

Clube de fãs de série de TV sobre a Bíblia considera a interpretação de Diogo Morgado pouco credível: “Um Cristo português teria de pedir quatro requerimentos só para poder ressuscitar”

Roubo de Smartshop em Beja: ladrões ficaram tão pedrados que tentaram roubar esquadra da PSP e apresentaram queixa na Smartshop

Foi notícia em todo o mundo: o ator português Diogo Morgado interpretou o papel de Jesus Cristo numa série norte-americana sobre a Bíblia que bateu recordes de audiência. Apesar da popularidade do programa, o Clube de Fãs de Séries de TV Bíblicas de Safara, na sua newsletter “Sermão na Montanha da Adiça”, lançou críticas muito duras à sua interpretação: “Um Cristo português nunca faria aquilo que o senhor Morgado fez… Para começar, um Cristo português seria obrigado a pagar o IMI da Via Sacra por toda a eternidade. Depois, teria de preencher quatro requerimentos só para ressuscitar, e, quando chegasse ao terceiro dia, Deus ainda o obrigaria a ir à Segurança Social pedir um carimbo, porque sem o carimbo a ressurreição não teria legalidade jurídica. Finalmente, um Jesus 100 por cento nacional não se esqueceria de oferecer um patê de sardinha ou um pacotinho de manteiga de alho quando tivesse a dividir e a distribuir o pão pelos discípulos. Se queriam escolher um Cristo como deve ser, deveriam ter escolhido o Socras – aquele homem teve uma ressurreição política digna de se ver! Fiquei com vontade de ir até à sede do PS de joelhos só para beijar os pés do Augusto Santos Silva”, declarou a tesoureira do clube de fãs.

Um dia antes de ser encerrada por ordem governamental, a smartshop de Beja foi assaltada. Ao que parece os meliantes terão ficado com dinheiro e uma quantidade considerável de substâncias perigosas. Todavia, os amigos do alheio, depois de terem consumido cogumelos embebidos em restaurador Olex e biscoitos com vestígios de Al-Mutamid, começaram a delirar e a exibir sinais de megalomania visto que já falavam em assaltos de maior dimensão, como nos relatou um dos membros do gang “Ratos do Pomarão”: “Ya, foi assim uma cena, assim tipo coiso… ‘tás a ver. Lixou-nos bué a mona! Comecei a ver a Linda de Suza em todo o lado, depois o Fanam raptou o cão de loiça da minha tia, enrolou-o num cobertor, agarrou-se a ele e começou a dizer que tinha de fazer ‘tudo para proteger aquele lince ibérico’. Depois alembrámo-nos de repetir o assalto, mas estávamos tão pedrados que assaltamos a esquadra da PSP e fomos fazer queixa à smartshop. Teria corrido tudo bem se o pé de cabra não se tem chibado à bófia…”, declarou, enquanto lambia um parquímetro que pensava ser um Calippo Limão.

Inquérito Qual é a sua opinião sobre a Lei de Limitação de Mandatos?

JORGE PULIDO VALENTE, 57 ANOS Presidente da Cambra de Beja Olá a todos e a todas. Portanto, parece-me evidente que, portanto, esta Lei de Limitação de Mandatos se aplica à mesma autarquia. E mais: depois de um parecer que pedimos ao Clube dos Amigos Disney, esta lei também impede candidatos com os apelidos Rocha, Guerreiro e Caeiro. Mas aceita candidatos licenciados em História e que, portanto, digam a palavra “portanto” com alguma, portanto, frequência. Está nas entrelinhas da lei, é pena que ninguém saiba ler, portanto…

RUTE LOUÇÃ PUREZA DRAGO SEMEDO MARTINS, 24 ANOS Cidadã independente e adepta do Movimento da Revolução Branca desde pequenina A lei é muito clara, o limite é de três mandatos. Os autarcas que já tenham cumprido três mandatos têm mau hálito, não cortam as unhas dos pés, têm cabelo oleoso e só ouvem música fascistoide... Estes candidatos são o pé de atleta da democracia portuguesa e devem ser eliminados. Enquanto houver movimentos de cidadãos completamente independentes, puros como a neve, sem caspa, que comam croquetes de soja, e que oiçam a 9.ª Sinfonia de Beethoven em djambé, podem dormir descansados…

JORGE MIRANDA, 71 ANOS “Pai” da constituição portuguesa, “padrinho” da declaração dos direitos do homem e “Jo Mi” para os amigos Acho que no Parlamento se legisla muito mal... De certeza que não foram meus alunos, caso contrário não faziam aquilo a que os especialistas em Direito chamam de borradae monumentalis. Eu bem digo aos meus alunos que legislar não é só colocar palavras: é arte, é luz, é movimento! Em relação a esta lei em particular, falta-lhe alguma densidade dramática e as personagens são muito sensaboronas – parece uma novela da TVI quando devia ser um musical do La Féria!

Ediçao N.º 1615  

Diario do Alentejo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you