Page 1

O impensável aconteceu: a página da Não confirmo, nem desminto chegou aos 100 seguidores no facebook, prova irrefutável de que algo estranho se passa com a humanidade. Seja como for, queremos agradecer a todos os fãs da página, deixando claro que não nos responsabilizamos por eventuais danos psicológicos que a mesma possa causar. Agora, rumo aos 200!! E fica aqui a promessa: se chegarmos a esse número mítico, prometemos percorrer a barragem do Roxo a nado, no dia 30 deste mês, mesmo com temperaturas negativas, envergando um fato de banho da Pequena Sereia.

31 Diário do Alentejo 10 fevereiro 2012

to , nem desmin o m ir f n o c o nà eguidores atinge 100 s no facebook armville sem jogar f ars nem mafia w

facebook.com/naoconfirmonemdesminto

Angolanos podem comprar Conservatório Regional do Baixo Alentejo e rebatizá-lo de Conservatório Raul Indipwo O funcionamento do Conservatório Regional do Baixo Alentejo está a ser afetado pelo estrangulamento financeiro. Consta que a escola já não tem dinheiro para comprar claves de sol e as folhas já só trazem pautas musicais com quatro linhas em vez das habituais cinco. Contudo, investidores angolanos estão a olhar para o CRBA como (mais uma) oportunidade de negócio em Portugal e equacionam comprá-lo e torná-lo num grande centro de cultura angolana. Segundo apurámos, os investidores pretendem rebatizá-lo de Conservatório Raul Indipwo. O ballet será substituído por kizomba e kuduro e o clube de jazz dará lugar ao clube Bonga. Destaque ainda para as novas cadeiras de Introdução à Percussão do Uíge e Técnicas de Fagote Duo Ouro Negro.

Extinção do tribunal de Sines deve-se a lentidão: ainda está pendente processo que decide se Vasco da Gama nasceu em Sines ou em Vidigueira

Jimmy Carter liderou delegação internacional para observar eleições no Nerbe O ato eleitoral no Nerbe, que chegou a ser descrito no “Diário do Alentejo” como um confronto entre gerações, decorreu ontem. De um lado tivemos a candidatura de Luís Serrano, que integrou empresários envolvidos na construção do castelo de Beja; e do outro a candidatura de Filipe Pombeiro, que integrou empresários envolvidos em “projetos contemporâneos e outras cenas bué da radicais”. Apesar de não ter sido conhecido a tempo da edição deste jornal o atual vencedor de tão explosivas eleições, um passarinho contou à Não confirmo, nem desminto que este acontecimento não passou despercebido à comunidade internacional: também os mercados financeiros têm estado em pulgas para saber qual o desfecho das eleições. Especialistas dizem que é isso ou os mercados podem estar a chocar

uma gripe tramada, nada que um chá de camomila não resolva. Nesse sentido, Jimmy Carter, ex-presidente dos Estados Unidos, terá sido enviado para liderar uma delegação internacional encarregada de observar as eleições do Nerbe e evitar conflitos e situações menos claras. Depois de acompanhar as eleições no Egito (parecidas com as do Nerbe, mas com menos porrada), Carter terá estado em Beja a falar com os representantes de outras candidaturas frustradas: a candidatura da Geração Parva – liderada pelo presidente do clube de fãs da Deolinda de Trigaches; a candidatura da Geração Man, com’é qu’eu invisto? – encabeçada por uma jovem empreendedora, com mestrado e doutoramento, mas sem dinheiro para mandar cantar um cego; e a Bejenses de Quarta Geração.

O novo mapa judiciário está a deixar alguns autarcas da região com os cabelos em pé. Destaque para o caso de Sines: segundo investigação conjunta Não confirmo, nem desminto/Famashow, o encerramento do tribunal da localidade costeira deve-se à lentidão de vários processos, com destaque para aquele que envolve Vasco da Gama. O processo, instaurado no início do século XVI, procurava descortinar se Vasco da Gama teria nascido em Sines ou em Vidigueira, e, segundo apurámos, Paula Teixeira da Cruz terá ficado estupefacta ao aceder ao mesmo, pois ainda estava escrito em pergaminho e tinha nódoas de um caril que o navegador tinha trazido da Índia numa marmita. Consta nos autos que Vasco da Gama seria de Sines, “pois era menino para arranjar uma faneca em menos de 15 segundos com os olhos fechados…”, e teria a alcunha de “o rouxinol de Calecute”, tal o seu talento para o cante alentejano. O documento é tão antigo, mas a qualidade do material é tão boa, que o próprio Al Berto o terá utilizado, na altura em que ali viveu, para rascunhar alguns poemas, como é o caso do exemplar inédito que reproduzimos em seguida: “Sines, de toda a costa a mais bela/ nas falésias esculpidas a fel/ das sombras projetadas em tela/ Sines, terra que manda cá um smell”.

Inquérito O que tem feito para se proteger do frio? ANGELINA FRENTE FRIA, 26 ANOS Pessoa que passa o inverno constipada pois recusa-se a receber a vacina da gripe que acredita ser uma conspiração comunista

CESINANDO ANTÁRTIDA, 63 ANOS Reformado e colecionador de relógios de sol

VALENTINA URSO POLAR, 84 ANOS Fã de pão com melão e pirómana involuntária

Só preciso de uma mantinha, um chocolate quente e ler um daqueles livros que mudam a vida, como O segredo ou Como Plantar Nespereiras no Pólo Norte. Também me tenho protegido contra a praga de jornalistas que anda a perguntar aos transeuntes se têm frio. Nãããããooo, que ideia!! Só estamos vestidos com quatro pares de luvas e temos uma estalactite no queixo porque nos apetece…

Frio? Mas qual frio? Isso é tudo psicológico, como a fome ou o herpes labial. O que eles querem é que a gente pense que está frio para esturrarmos tudo em inutilidades como camisolas de lã ou aquecedores a óleo. Têm frio, bebam um bagaço que isso passa. O bagaço cura tudo, no Ultramar curei uma micose e uma ferida provocada por estilhaços de uma granada. Queriam-me dar 27 pontos. Vinte e sete pontos? O quê? Tenho cara de equipa de futebol do fundo da tabela?

Faço o que posso: ligo o aquecedor, mas gasto muita luz, e depois cortam-ma; uso a salamandra, mas como paguei a luz, não tenho muito dinheiro para lenha, fico sem salamandra. Assim utilizei o último fósforo que tinha para puxar fogo a uma casa abandonada. Sei que é um bocadinho radical, mas tenho má circulação nas pernas e tenho de as aquecer. A vizinhança adorou a minha ideia: aproveitámos para assar umas linguiças e tudo.

Diario do Alentejo  

Ediçao N. 1555

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you