Issuu on Google+

PUB

SUSA MONTEIRO

Consulte a agenda cultural diariamente em www.diariodoalentejo.pt

Sushi alentejano

Eduardo Guerreiro introduziu o torresmo e os coentros na cozinha japonesa pág. 14

SEXTA-FEIRA, 4 NOVEMBRO 2011 | Diretor: Paulo Barriga Ano LXXIX, N.º 1541 (II Série) | Preço: € 0,90

Subempreiteiros abandonam obra e deixam rasto de desemprego na região

Obras paradas na autoestrada A 26 Vai para duas semanas que as obras na A 26 e IP 2 estão paradas. Apesar da subconcessionária Estradas da Planície garantir que “não estão em causa os prazos contratuais”, certo é que, nos últimos dias, diferentes subempreiteiros

foram intimados a suspender os trabalhos de terraplanagem e a recolher as máquinas. Há empresas com quatro meses de ordenados em atraso. E outras que estão a proceder a despedimentos coletivos. pág. 6

Sete presidentes obrigados a mudar de vida JOSÉ FERROLHO

pág. 7

Há ouro no coração do Alentejo

Centro de Paralisia quer lar residencial

Vicente do Ó filma Florbela Espanca

Massagista do Sanluizense é invisual

O Centro de Paralisia Cerebral de Beja celebra 30 anos de existência a 19 de novembro, com uma festa/jantar. O objetivo é arrecadar verbas para a construção de um lar residencial. A obra custa 542 mil euros, 25 por cento dos quais cabem à instituição. pág. 11

O realizador sineense deu por terminadas as filmagens de “Florbela”, a sua segunda longa-metragem. Em entrevista exclusiva ao “DA”, Vicente Alves do Ó fala da vida e da obra da poetisa alentejana que, no seu filme, é protagonizada por Dalila Carmo. pág. 13

Rogério Gregório perdeu a visão aos 23 anos. Mas recuperou a alegria de viver aos 51, quando o clube da sua terra o convidou para a equipa técnica, nomeadamente para massagista. “São as emoções do futebol que me ajudam a esquecer os infortúnios”, diz. pág. 20

O Governo assinou com a empresa canadiana Colt Resources, no passado dia 2 de novembro, um contrato de exploração experimental de ouro para os próximos três anos na mina de Boa Fé, no concelho de Évora. Numa zona envelhecida e despovoada, apesar das dúvidas, ainda há quem mantenha boafé neste negócio. Começou a corrida ao ouro... págs. 3/4


Vice-versa

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

02

Editorial

João Paulo Ramôa, na sua crónica na Rádio Pax, disse que o aeroporto de Beja não tem sido alternativa a Faro devido à falta de certificação da pista. O presidente da concelhia do PSD diz que “é tudo um grandessíssimo embuste e uma grandessíssima mentira” e que é necessário identificar os problemas e, depois, arranjar as soluções.

Aníbal Paulo Barriga

O aeroporto de Beja, que faz parte da rede de aeroportos nacionais gerida pela ANA “está disponível” para realizar voos previstos para Faro, “mas todos os pedidos de operações têm de ser antecedidos” de uma autorização do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), disse à Lusa o responsável pela infraestrutura aeroportuária alentejana, Pedro Beja Neves.

D

urante mais de uma dezena de anos, espaço de tempo muito superior àquele que irá arruinar Portugal, um general cartaginês andou por Roma, pensava ele, a dizimar o grande império peninsular. Aníbal. Mas a grande obra de Aníbal, afinal, foi precisamente a pulverização da sua própria terra, Cartago. A História ainda não sabe muito bem onde colocar este general: se no panteão dos grandes heróis, se na galeria dos maiores facínoras de que há memória. E isto porque, tal como a estratégia do atual governo português, o principal ardil de Aníbal consistia em montar exércitos cuja frente de combate, ao contrário do que seria de prever, era composta pelas suas tropas mais fracas. Carne para canhão, salvo seja. Os romanos, ensaiando a vitória, entravam por ali adentro dizimando gente indefesa e inapta, até que, pelas laterais, evoluíam as elites cartaginesas com todo o seu poderio e a barbaridade que lhes era reconhecida. Aníbal nunca venceu a guerra. Mas durante bastante tempo, sacrificando impiedosamente os seus conterrâneos mais fracos, foi alimentando essa ilusão. Foi vencendo algumas batalhas. E o presente governo de Portugal está a fazer precisamente o mesmo. Está, dizem eles, a tentar salvar a Pátria, atirando para a frente das legiões financeiras os mais pobres, os mais desvalidos, os mais desprotegidos, os funcionários públicos, as autarquias. Na esperança, supõem, que, depois de os lanceiros da troika entrarem em força pelo nosso exército adentro possam ser flanqueados e vencidos pelas nossas elites guerreiras: os bancos, as empresas com valor bolsista, o que restar do próprio Estado. É uma estratégia má e cruel e tirana, esta. Que, na melhor das hipóteses, arruinará Portugal, como a aventura de Aníbal destroçou Cartago. A diferença é que o cartaginês, já cego, não assistiu propriamente às consequências inenarráveis que a sua ambição fez recair sobre o seu povo. Já o nosso Aníbal, o de cá, que era suposto saber fazer contas, terá essa oportunid de. Do alto da dade. da sua bela marquise.

Fotonotícia Ribeira do Alvito. Obras em dias impróprios. Na passada segunda-feira, em plena “ponte” da Feira de Todos os Santos, em Alvito, a ponte para chegar à vila estava cortada. Sem que nas redondezas existisse sequer um aviso prévio a anunciar a impossibilidade de galgar a ribeira para a outra margem. Pelo que a solução mais eficiente para chegar às castanhas e aos figos secos foi tornar a Vila Ruiva, rumar a Albergaria dos Fusos, cumprimentar Água de Peixes. E pronto, mais uma tarde bem passada. PB Foto de José Ferrolho

Voz do povo Em tempo de crise consegue poupar?

Inquérito de Ângela Costa

Jorge Emílio, 67anos, reformado

Joaquim Batista, 55 anos, motorista

Tânia Farinho, 23 anos, desempregada

Nuno Miguel, 31, carteiro

É muito complicado. No meu caso concreto, consigo. Eu e a minha mulher somos reformados e fazemos uma vida extremamente económica. Por exemplo, em minha casa praticamente só comemos carne de frango e de peru, muitas sopas, grão e feijão e muito peixe, que nós aqui conseguimos comprar certa qualidade de peixe a preços bastante económicos, temos é que procurar. Todavia não deixo de ajudar os meus dois filhos, principalmente para fazerem face à renda de casa, às prestações mensais.

Nada. Não se consegue juntar nada, poupar ou chegar ao fim do mês com algum plafond. As pessoas com os compromissos que têm, casas, carros e filhos, não conseguem. Com esta política não têm hipótese. E depois ainda tiram os vencimentos. Se as pessoas não tiverem dinheiro a economia não anda, o dinheiro não circula. É vergonhoso os políticos ganharem reformas enormes e ainda terem uma profissão paralela e depois darem a um reformado 250 euros. Não dá para perceber isto.

Poupar? Nada. É só o meu marido a trabalhar, eu estou desempregada e com um filho para criar, por isso para poupar não me sobra nada, zero mesmo. Pagam-se as contas e na segunda semana do mês já não há nada. Mesmo se estivesse a trabalhar era difícil, com casa para pagar, água, luz, gás, escola…. Sim, porque eu pago escola, com as mudanças que fizeram agora ele não tem vaga numa escola pública e tenho que pagar uma privada. Isto está muito mau.

É muito difícil. Praticamente o vencimento é para pagar as despesas do dia-a-dia, empréstimos da casa, do carro, água, luz, telefone, gás e pouco ou nada sobra para juntar alguma coisa. O que nos permitia ainda juntar algum dinheiro era o subsídio de Natal e de férias mas se vão cortar isso então vai ficar ainda mais difícil. No meu serviço é sempre muito pouco o que sobra. Há meses que nem chega.


Semana passada

Rede social

QUINTA-FEIRA, DIA 27 A Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção de um homem de 57 anos, perito avaliador de imóveis, por suspeitas de corrupção, ao ter alegadamente pedido dinheiro em troca de avaliações favoráveis aos proprietários. A detenção ocorreu no distrito de Beja, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ, que deu cumprimento à execução de várias buscas e mandado de detenção, no âmbito de um inquérito que está a decorrer no Departamento de Investigação e Ação Penal de Évora. Uma fonte da PJ adiantou à Lusa que o suspeito, funcionário num organismo público de Évora, trabalhava também como perito avaliador de imóveis para “várias repartições da Direção Distrital de Finanças de Beja”.

SEXTA-FEIRA, DIA 28 OURIQUE PRISÃO PREVENTIVA PARA SUSPEITO DE TRIPLO HOMICÍDIO DE BÚLGAROS O Tribunal de Ourique decretou a prisão preventiva do homem de 28 anos suspeito do triplo homicídio, de dois homens e uma mulher búlgaros, ocorrido em Aljustrel em dezembro de 2010. O suspeito, que foi detido em Sevilha, Espanha, está indiciado por três crimes de homicídio qualificado e vai aguardar o julgamento no Estabelecimento Prisional de Beja. Segundo a Polícia Judiciária, as vítimas do triplo homicídio “foram atraídas”, em dezembro de 2010, para um “sítio ermo” no concelho de Aljustrel para a “realização de um negócio de compra de cobre” e, quando lá chegaram, foram “emboscadas a tiro” e assassinadas.

SÁBADO, DIA 29 SANTIAGO NOVA UNIDADE DE TURISMO Uma nova unidade de turismo em espaço rural, constituída por 10 casas de campo, abriu no concelho de Santiago do Cacém, num investimento superior a um milhão de euros, anunciou a Turismo do Alentejo. Designado como Monte do Giestal – Casas de Campo & SPA, o novo empreendimento, propriedade da empresa Guipesil – Gestão de Imóveis, localiza-se numa propriedade com 70 hectares na freguesia de Abela, em Santiago do Cacém. A Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo adianta que a unidade de turismo é constituída por 10 casas de campo, que possuem dois quartos, uma cozinha e uma casa de banho, além de receção, salas de jogos e de estar e uma ampla esplanada. Um serviço de SPA, um campo de ténis e uma piscina são outras das valências do empreendimento. Segundo os promotores, o Monte do Giestal oferece aos visitantes “sabores únicos da gastronomia local, a paisagem relaxante dos campos alentejanos e os aromas da terra”.

DOMINGO, DIA 30 MOURA CÂMARA HOMENAGEIA POETA ESPANHOL MIGUEL HERNANDEZ A Câmara de Moura homenageou o poeta espanhol Miguel Hernandez com uma sessão que incluiu intervenções sobre a vida e a obra do autor e momentos de poesia e música. De acordo com o município, o concelho de Moura está associado ao destino do poeta espanhol já que foi ali que, em 1939, as autoridades portuguesas o prenderam e entregaram à polícia espanhola, quando andava fugido dos franquistas no final da Guerra Civil Espanhola. Miguel Hernandez morreu em 1942, aos 31 anos, nas prisões franquistas.

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE OUTUBRO VIDIGUEIRA INCÊNDIO DEVASTA UMA ÁREA GRANDE DE PLANTAÇÃO DE MILHO JÁ CEIFADO Uma área grande de plantação de milho já ceifado foi devastada por um incêndio que deflagrou na herdade do Freixo, freguesia de Selmes, concelho de Vidigueira. Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Beja, para combater o fogo foram mobilizados 17 bombeiros das corporações de Beja, Vidigueira e Cuba, apoiados por quatro veículos.

4 perguntas a Paulo Monteiro Diretor da Bedeteca de Beja

O rapaz que sorri desenhou o melhor livro de BD do ano E aquele que abraça Paulo Monteiro, Rui Lacas, foi distinguido em 2010 com o mesmo prémio, no Festival Amadora BD. Paulo Monteiro é colaborador permanente do “DA”.

O livro O amor infinito que te tenho e outras histórias foi eleito o melhor álbum de banda desenhada de 2011, no âmbito do Festival Internacional Amadora BD. Qual é o significado deste prémio?

Em termos nacionais é um reconhecimento importante por parte dos críticos e autores, já que o júri é constituído por muitas dezenas de pessoas. Para mim é motivo de uma enorme alegria. Quando fiz as histórias não pensei nos leitores. Fico muito feliz por saber que o livro tem encontrado eco junto do público. O que é que este livro representa no seu trabalho? O que gostaria que as pessoas sentissem quando o folheassem?

Olivroreúneaquasetotalidadedaspranchas que fiz entre 2005 e 2010. É uma coletânea que acaba por reunir cinco anos de trabalho. Em relação ao que gostaria que as pessoas sentissem, não sei muito bem. Gostava que se conseguissem rever nas minhas histórias. Bem sei que é uma ideia muito presunçosa da minha parte, mas acho que é isso. Disse que tudo o que lhe está a acontecer lhe parece irreal. Porquê?

Nunca me imaginei neste papel. Estou muito feliz. Como não pensava ganhar, tudo isto foi, de alguma forma, inesperado.

O dia em que o entrevistador passou a entrevistado Foi esta semana, na Escola Secundária de Castro Verde, que os alunos das turmas do 7.º ano andaram a aprender as técnicas do jornalismo. E, pelos vistos, aprenderam depressa. DR

BEJA JUDICIÁRIA DETÉM AVALIADOR DE IMÓVEIS

Ora sai mais um quilo de figos secos aqui para o amigo Cumpriu-se a tradição, em Alvito. A Feira de Todos os Santos levou milhares de visitantes em busca dos produtos da época.

Este prémio é um reconhecimento pessoal, mas acaba também por ser o reconhecimento do trabalho que é desenvolvido em Beja na área da BD. Quais são as potencialidades desta cidade e, consequentemente, dos autores que trabalham a partir da planície?

Beja deve ser a cidade do País com mais autores de banda desenhada por metro quadrado. Neste momento somos mais de 20. É também, talvez, a cidade do País onde há mais iniciativas tendo como pano de fundo esta arte. Isto cria uma atmosfera fantástica para os autores. Encontramo-nos muitas vezes e partilhamos muito os projetos. Isto dá um incentivo enorme. Além disso, Beja é uma cidade muito mágica, onde ainda há muitas coisas que fazem sentido. Apesar de todos os constrangimentos que sentimos (não só em Beja, mas em todo o lado), é uma bela cidade para viver. Em termos de BD, a Bedeteca de Beja e o próprio festival (que teve cerca de 8 000 visitantes na última edição) têm ultrapassado todas as expetativas. Talvez daqui a uns anos Beja seja uma referência não só em Portugal, mas também na Europa. Temos muitos projetos, inclusive a nível internacional. Quem sabe o que pode acontecer? Bruna Soares

Não se trata de uma central nuclear, é apenas um lagar Inaugurou há dias atrás, em Alvalade do Sado, Santiago do Cacém, mais uma unidade de transformação de azeitona: o Lagar do Carapetal. Portugal já é autossuficiente nesta matéria.

A mais difícil das perguntas: que futuro para o Alentejo? Durante dois dias, em Odemira, especialistas de várias áreas andaram a tentar obter respostas sobre o futuro dos territórios de baixa densidade. Como o azeite, algumas vieram ao de cima.

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

03


❝ Na capa

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

04

As pessoas estão a encarar como das outras vezes, mas um bocado céticas, porque isto já tem 20 anos de prospeção, nunca deu em nada”. Ernesto Mendes

Canadianos garimpam ouro na mina da Boa Fé

Corrida ao Eldorado alentejano O Governo assinou com a empresa canadiana Colt Resources, no passado dia 2 de novembro, um contrato de exploração experimental de ouro para os próximos três anos na mina de Boa Fé, concelho de Évora. Numa zona envelhecida e despovoada, apesar das dúvidas, ainda há quem mantenha boa-fé neste negócio. Texto Marco Monteiro Cândido Fotos José Ferrolho

À

entrada da povoação, o campo pelado do Grupo Desportivo de Nossa Senhora da Boa Fé, pequena aldeia do concelho de Évora, freguesia de 300 habitantes, não está tão pelado quanto isso, com as ervas a fazerem as vezes das linhas marcadas a cal, da terra batida e das marcas das chuteiras dos jogadores. A estrada, que entra pela terra, termina na terra que está banhada pelo silêncio, entrecortado pela melodia proveniente do relógio da igreja que marca as horas. Há muito que é conhecida a existência de ouro no subsolo da região. Nos últimos 20, 30 anos, empresas australianas e canadianas têm explorado os montes circundantes a Boa Fé, em prospeção atrás de prospeção. Seja pela quantidade de minério encontrado, seja pelo preço do ouro nos mercados internacionais à altura, as empresas mineiras têm partido sem haver exploração contínua, regular e viável. Agora é a vez da Colt Resources, que vai investir cerca de três milhões de euros em outros tantos anos, para avaliar a qualidade e a viabilidade da exploração. Após o período experimental, ver-se-á se a Colt Resources, que comprou a anterior empresa de prospeção da zona, a Iberian Resources, vai continuar ou se parte como todas as outras. O ponto de encontro na aldeia de Boa Fé é o café Banha. Para os habitantes ou para os forasteiros, o caminho, invariavelmente, entra pelas portas do café com quase 70 anos. Propriedade de uma vida de José Francisco Banha, é a sua filha,

Margarida, de 52 anos, que vai abrindo as portas e recebendo os que lhe entram pelo espaço que quase parou no tempo. Margarida Banha toma conta do café que foi do pai. José Francisco Banha assistiu às várias tentativas de extrair ouro da herdade da Chaminé e de Cabanas, coladas a Boa Fé, e conheceu todos aqueles que passaram pela terra e pelo seu café para matarem a sede e a fome. Orgulhosamente, a sua filha exibe uma pedra com veios dourados que deram ao seu pai, há cinco ou seis anos, aquando da última passagem de uma empresa mineira por Boa Fé. “Foram os mineiros que ofereceram ao meu pai na última vez que aí andaram na exploração a investigar. Deixaram cá esta pedrinha de lembrança. O meu pai ficou todo contente. Está guardada como uma coisa preciosa e, quando as pessoas aqui vêm, eu mostro”. A dona do café Banha tem esperança de que a exploração experimental seja benéfica para a sua terra e possa trazer algo de bom, mesmo depois das tentativas infrutíferas do passado. “Espero que sim, era bom para toda a gente, para as pessoas que têm tanta falta de trabalho. Há muitos anos que eles andam aí nisso, até eram muito amigos do meu pai. Acho que vai ser bom, há que ter fé”. Se durante o dia o café está mais vazio, com poucos clientes passando pelas fitas que deixam as moscas lá fora, à noite torna-se no ponto de encontro para as gentes de Boa Fé. Pelas conversas que ouve, Margarida acha que

Mina É nestes cerros que uma empresa canadiana acredita existir ouro

as pessoas estão a acreditar que agora é que a exploração vai para a frente e a terra evoluir, apesar da população ser cada vez menos e mais dispersa. “As pessoas vão para outros lados, para outras terras, procurar outros empregos, porque isto aqui é só trabalho no campo”. Apesar do anúncio da concessão de exploração, Margarida Banha pouco ou nenhum movimento fora do normal tem visto na sua terra. “Pouco. Andaram aí há umas semanas, vieram os engenheiros ver aquelas coisas, para ver, se calhar, o que é que vão pedir, porque eles querem é dinheiro para poderem avançar com as coisas”. Em jeito de balanço das anteriores passagens, Margarida assume que aumentou um bocadinho o movimento, mas em relação aos benefícios reais para a terra, não tem dúvidas: “Por enquanto, não”. A poucas centenas de metros da porta do café Banha, ladeira acima, está a igreja de Nossa Senhora da Boa Fé. Sentada, num dos bancos que dão para o pequeno adro que fica defronte da igreja, está Estrudes Heitor, de 67 anos, enquanto as suas mãos mexem mecanicamente na renda intrincada e precisa que faz. “Eles têm que fazer alguma coisa, agora, o ouro, na minha ideia, não aparece”. Acompanhada pelo cão Bolinhas, que faz a proeza de andar nas duas patas traseiras, Estrudes é a fiel depositária da chave da igreja, reformada nos séculos XVII e XVIII e com talha dourada barroca, sem indicação de que tenha sido feita com ouro proveniente de Boa Fé. Nem nessa altura, nem agora, que Estrudes não acredita que o ouro apareça. “Têm tentado tanta vez, nunca têm achado nada. Das outras vezes vejo sempre muita gente a passar, a ir comer ali à venda e andarem naquilo. Andam aí uma temporadazinha e depois vão embora. Eles têm estado aí sempre pouco tempo”. Estrudes Heitor é natural de São Sebastião da Giesteira, uma freguesia próxima, mas vive em Boa Fé há 43 anos. Mas desde sempre se lembra da procura de ouro nos montes em volta e que

se avistam do adro da igreja. “Quando eu para aqui vim, lembro-me de andar a trabalhar naqueles cabeços, já havia ali buracos”. Mas ouro, tirando a pedra que está no café Banha, nunca o viu. “Nem tudo o que luz é ouro” A cerca de oito

quilómetros de Nossa Senhora da Boa Fé encontra-se Santiago do Escoural, freguesia pertencente ao concelho de Montemoro-Novo, e parceira no tango que tem sido a procura do ouro nas últimas décadas. Por aqui alguns acreditam nos benefícios que a prospeção possa trazer à terra, mas a maioria desconfia, porque, como diz o povo, “nem tudo o que luz é ouro”. Ernesto Mendes, de 56 anos, acredita que, a acontecer a prospeção, seria bom, “mas isto ainda passa por uma fase de continuação da prospeção e não se sabe”. “Se for para abrir quanto mais cedo, melhor”. Como muitos escouralenses, Ernesto Mendes, que foi sondador numa das empresas que passou pela região, tem dúvidas sobre todo o processo, até porque as prospeções dos últimos 20, 30 anos, não passaram de explorações temporárias. “Eu tenho as minhas dúvidas porque nesta região as coisas são muito distantes umas das outras e, para a abertura de uma mina, penso que era quase impossível. Das outras vezes aquilo não deu em nada. É vendido sempre em bolsa no Canadá, Inglaterra, depois há empresas que sempre compram e vêm fazer uma nova prospeção”. “As pessoas estão a encarar como das outras vezes, mas um bocado céticas, porque isto já tem 20 anos de prospeção, nunca deu em nada, de maneira que têm as suas dúvidas também”. No Escoural é fácil encontrar quem tenha trabalhado nas empresas que ao longo dos anos passaram pela região. E ainda é mais fácil encontrar quem não queira falar abertamente sobre o processo. No entanto, são muitos os que vão dizendo que não acreditam em benefícios. Segundo ex-trabalhadores das empresas, estas vêm dois, três anos, vão-se embora e fica toda a gente no desemprego. Chegam mesmo a dizer


05

Nossa Senhora da Boa Fé Na mercearia da aldeia não se fala de outra coisa

que as empresas estão todas relacionadas, num emaranhado de falências, aquisições e joint-ventures, num jogo de continuação de exploração com o conhecimento adquirido e benefícios do Estado. As prospeções de ouro nesta região de fronteira entre os concelhos de Évora e Montemor-o-Novo foram sempre feitas a dois ritmos. A sede e os armazéns das empresas têm estado sempre localizadas no Escoural, infraestruturas que as diferentes empresas têm reutilizado ao longo dos anos. A prospeção, propriamente dita, tem sido feita na herdade da Chaminé e em Cabanas, com os terrenos a pertencerem integralmente ao concelho de Montemor. Para o presidente da Junta de Freguesia de Nossa Senhora da Boa Fé, Baltazar Ramos, a meio do seu primeiro mandato, este anúncio poderá ser positivo para a sua terra. “Desde que vá avante, porque há 30 anos que se fala nisso, se abrirem as minas é uma maisvalia para a freguesia. Pelo menos que não tirem o que já temos, e o que vier é mais-valia, na perspetiva de criar alguns

No Escoural é fácil encontrar quem tenha trabalhado nas empresas que ao longo dos anos passaram pela região. E ainda é mais fácil encontrar quem não queira falar abertamente sobre o processo. No entanto, são muitos os que vão dizendo que não acreditam em benefícios.

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

A nova corrida ao ouro em Boa Fé, para além dos benefícios para a freguesia, é uma boa oportunidade de colocar a terra no mapa.

De pernas cruzadas Daqui por uns tempos não vai haver mãos a medir na aldeia

postos de trabalho ou para o comércio local ficar a ganhar com isto”. Apesar do ceticismo que toma conta das pessoas da região, Baltazar Ramos acha que um dia será o dia, até porque “tanta vez o caldeirão vai ao fundo até que lá fica”. “Da parte da junta de freguesia já tivemos uma reunião com a empresa que vai iniciar a atividade e eles dizem que é mesmo para começar. Se é, se não é, não sei, mas eu penso que sim. Eles falam em 100 postos de trabalho e eu gostaria que a freguesia também beneficiasse com isso”. A nova corrida ao ouro em Boa Fé, para além dos benefícios para a freguesia, é uma boa oportunidade de colocar a terra no mapa, até porque, para Baltazar Ramos, não está certo comparar Boa Fé com o Escoural. “Tem-se falado muito na freguesia do Escoural, mas o concelho de Montemor-o-Novo não tem um metro quadrado de mina. No princípio começaram as pesquisas e as firmas fizeram os armazéns no Escoural e a partir daí foi Escoural, Escoural, Montemor-o-Novo e o pessoal do concelho de Évora

esteve calado. Agora, quando veio esta firma, a única que reuniu com a junta de freguesia, eu foquei-lhe esse problema. É que as outras firmas fizeram os armazéns no Escoural e por ali ficaram e quem tem beneficiado com isso é a população do Escoural. O comércio e as pessoas que venderam terrenos para construir os ditos alojamentos. E é por isso que gostava que agora fosse a minha freguesia a beneficiar nesse sentido”. O presidente da Junta de Freguesia de Santiago do Escoural, Duarte Luz, espera, tal como Baltazar Ramos, que a vinda de uma nova empresa de prospeção seja benéfica ao nível dos postos de trabalho e do comércio, mas com alguma cautela. “Das outras vezes também disseram que iam abrir, mas não abriram. Tenho esperança e espero que vá tudo para a frente. Das outras vezes as pessoas que andavam aí estavam esperançadas que dava, dava, dava, mas morreu, não sei porquê”. Apesar do ceticismo, a boa fé está patente nos olhos de todos, que brilham tal como brilha o ouro.

PUB

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação


Prospetiva SA lidera dois novos projetos da EDIA

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

06

A Prospetiva SA, empresa especializada em consultoria de engenharia, assinou contrato para dois novos projetos com a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), no valor de total de 791 000 euros. A empresa fica responsável pela gestão e fiscalização da empreitada de construção do adutor de Cinco Reis e pela prestação de serviços para a gestão e fiscalização da empreitada de construção das infraestruturas de rega e de drenagem do Bloco de Pedrógão 3.

690

Atual

milhões de euros é o valor total desta parceria público-privada entre a Estradas de Portugal e a SPER/Estradas da Planície.

Subempreiteiros abandonam as obras na A26 e despedem trabalhadores

Autoestrada para lado nenhum Vai para duas semanas que as obras na A 26 e IP 2 estão paradas ou a laborar a meio gás. No passado dia 25 de outubro, boa parte dos pequenos subempreiteiros que operam nestas concessões foram intimados pelas empresas que constituem a Sociedade Portuguesa de Exploração Rodoviária (SPER) – consórcio constituído pela Edifer, Dragados, Iridium, Tecnovia e Conduril – a suspender todos os trabalhos de terraplanagem e a remover todos os equipamentos presentes em obra. Já a administração da SPER, pela voz de Dinis Silva, diz tratar-se “de uma informação que não corresponde à verdade”. Texto Paulo Barriga Foto José Serrano

E

stes dois eixos rodoviários fundamentais para o chamado triângulo Beja-Évora-Sines, também denominado concessão rodoviária do Baixo Alentejo, foram contratualmente concedidos em 2009 à SPER/Estradas da Planície, numa parceira público-privada com as Estradas de Portugal, num investimento que ascende aos 690 milhões de euros, para a construção, manutenção e conservação de 345 quilómetros de estrada. E apesar de a SPER “assegurar que as obras

A 26/IP 8 As obras na autoestrada estão paradas há duas semanas

Câmaras levam tempo a liquidar faturas

Beja, Santiago e Sines pagam tarde

A

Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (Fepicop) diz que o prazo médio de liquidação por parte das autarquias nacionais anda próximo dos oito meses. O estudo agora divulgado incide sobre 149 câmaras municipais, cerca de 48 por cento do total, 11 das quais no Baixo Alentejo. As Câmara de Beja, Santiago do Cacém e Sines são as que pagam mais

tarde, precisando, em média, os fornecedores de esperar mais de nove meses pela liquidação das faturas. Serpa e Ferreira do Alentejo aparecem referenciadas como autarquias em que os pagamentos são feitos a mais de 90 dias, enquanto Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Castro Verde, Almodôvar e Mértola não ultrapassam os três meses. Os outros municípios do distrito de Beja não foram incluídos no estudo.

Reis Campos, presidente da Fepicop, em declarações ao “JN”, diz que, perante esta situação, espera “falências em catadupa” e um aumento exponencial do desemprego no setor. Este ano já fecharam ou faliram cerca de 830 empresas e 36 mil trabalhadores ficaram desempregados. Desde 2001, o setor já perdeu cerca de 226 mil postos de trabalho, garante Reis Campos.

PUB

JOSÉ CÂNDIDO CHÍCHARO & FILHO, LDA. Rua D. Afonso III, Ed. Toyota, Apart 76 7800-050 Beja

Tel. 351284311410/12

Fax 351 284 311 419

jcctoyota@mail.telepac.pt

continuarão a decorrer, conhecidas que são as usuais dificuldades do setor, não estando em causa os prazos contratuais”, o facto é que o “Diário do Alentejo” sabe que diversos subempreiteiros espanhóis já retiraram boa parte da maquinaria, deixando atrás de si dezenas de meses de ordenado para pagar aos empregados portugueses. É o caso da Agrotan e da Emosa, empresas espanholas ligadas à Dragados que neste momento tem quatro meses de ordenados em atraso a operários portugueses. Trabalhadores que são contratados através de uma firma de recrutamento de pessoal, a Infortaxa, com sede em Lagos. Quer os trabalhadores, quer os subempreiteiros não sabem “ao certo quais os motivos dos atrasos e do abandono da obra, mas diz-se que tal se deve à falta de financiamento por parte dos bancos associados ao consórcio”, revela ao “DA” um subempreiteiro perfeitamente identificado. Aliás, neste momento, existem pequenas empresas como a Maquirruda, da esfera da Conduril, que foram informadas por email para “suspender todos os trabalhos de terraplanagem e retirar todos os equipamentos da obra”. João Manuel Carvalho, responsável por esta empresa com sede em Arruda dos Vinhos, revela que “os bancos afirmam que só haverá dinheiro lá para fevereiro ou março de 2012 e, até lá, os trabalhos estão parados”. A Maquirruda, que opera na subconcessão do Baixo Alentejo, lote H, entre Beja e Castro Verde, vai entregar esta semana a carta de despedimento aos seus 14 funcionários no terreno, a maior parte da região de Beja, por falta de cumprimento do contrato por parte da subconcessionária. Outro empreiteiro bejense que pede o anonimato e que labora no lanço entre Beja e Évora, para a espanhola Ferter, na esfera de ação da Dragados, afirma que não sabe “o que se está a passar. Mas a verdade é que os nossos colegas espanhóis levaram as máquinas e despediram-se de nós com um ‘até para o ano’”. Situações que contradizem por completo as declarações de Dinis Silva, em nome da administração da SPER/Estradas da Planície, que afirma que este consórcio “dispõe das obras em curso, não se antevendo especiais condicionantes quanto ao cumprimento das datas de conclusão das mesmas”. Aliás, boa parte da maquinaria pesada que operava na zona de Ferreira do Alentejo está em estaleiro ou foi retirada para embarque para junto do parque de materiais da câmara local. “Transportar uma máquina daquelas para fora da obra custa mais de dois mil euros”, garante um especialista, “pelo que aquilo são para embarcar para Espanha sem concluir o trabalho”. As obras da autoestrada entre o aeroporto de Beja e o complexo portuário de Sines deveriam estar concluídas no início de 2012. O antigo ministro das Obras Públicas de José Sócrates, Mário Lino, ainda alargou o prazo de conclusão para meados do ano que vem. Esta paragem pode levar a uma maior derrapagem temporal no término da obra. O “Diário do Alentejo” remeteu um conjunto de 11 perguntas à SPER/Estradas da Planície que se limitou antecipadamente a “desmentir eventuais publicações” futuras sobre o presente assunto.


Manuel Coelho

A Câmara Municipal de Aljustrel está a aplicar um inquérito e vai realizar assembleias nas freguesias do concelho para a população poder tomar posição sobre os investimentos públicos municipais a incluir no orçamento camarário para 2012. Através das iniciativas, promovidas no âmbito da segunda edição do Orçamento Participativo, os cidadãos naturais, residentes ou a trabalhar no concelho “podem participar ativamente nas decisões que irão contribuir para o desenvolvimento das suas comunidades” com “uma tomada de posição sobre os investimentos públicos municipais” a realizar em 2012, explica o município.

Carlos Beato

José Maria Pós-de-Mina

Vítor Proença

João Rocha

Francisco Orelha

António Sebastião

Há sete presidentes que não se podem recandidatar

Dança das cadeiras a dois anos das Autárquicas Por imposição da Lei n.º 46/2005, em vigor desde 1 de janeiro de 2006, os presidentes de câmara e de junta de freguesia só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos. A dois anos das eleições Autárquicas, são sete os edis do Baixo Alentejo que não se poderão recandidatar ao cargo. Pelo menos, no concelho a que agora presidem… João Rocha (Serpa), José Maria Pós-de-Mina (Moura) e Vítor Proença (Santiago do Cacém), eleitos pela CDU; Francisco Orelha (Cuba) e Carlos Beato (Grândola), eleitos pelo PS; António Sebastião (Almodôvar), eleito pelo PSD; e Manuel Coelho (Sines), eleito pelo Movimento SIM, são os presidentes dos distritos de Beja e Setúbal que vão ter de mudar de vida. Texto Aníbal Fernandes

M

anuel Coelho, presidente da Câmara de Sines, que começou por ser eleito pela CDU, mas que nas últimas autárquicas liderou uma lista de independentes, garante “solenemente” que não irá ser candidato ao concelho vizinho de Grândola. Já Carlos Beato não descarta a hipótese de ir a votos na cidade de Vasco da Gama. O médico autarca Manuel Coelho garante que vai continuar a lutar por Sines no quadro do movimento de que é fundador, em “cooperação com outras forças políticas”. Classifica a ideia da sua candidatura à “Vila Morena” como “um disparate” que atribuiu a “uns paraquedistas que andam para aí”. Quanto à limitação de mandatos diz

que devia ser extensível a todos os agentes políticos, deputados incluídos, mas o que o preocupa, verdadeiramente, é este “quadro de grave crise que não foi criado pelas autarquias”, mas que implica “medidas restritivas lesivas dos interesses” das populações. Por seu lado, o ex-capitão de Abril e atual presidente do município de Grândola disse ao “Diário do Alentejo” que já decidiu “continuar na vida autárquica ativa” e, na impossibilidade de o fazer na “Vila Morena”, tal poderá acontecer em Alcácer do Sal, Sines ou Santarém, cidade de onde, a 25 de Abril de 1974, saiu à frente do 6.º Pelotão de um esquadrão da coluna da Escola Prática de Cavalaria, comandada por Salgueiro Maia, para ajudar a pôr fim à ditadura fascista. Carlos Beato diz que tem sentido “fortes apelos de vários setores da sociedade civil” e como gosta do que faz, e as pessoas o têm “recompensado com os votos”, vai ponderar onde irá recandidatar-se. Em Moura, José Maria Pós-de-Mina garante que “há mais vida para além de ser presidente de câmara”. O autarca da “Cidade de Salúquia” não está preocupado com o seu futuro. Aquilo que o atormenta é o presente, nomeadamente a reorganização administrativa que está em marcha e que, no seu entender, é uma “tragédia”. Apesar de ter sido contra a lei que impôs a limitação de mandatos por se sobrepor “à vontade popular”, o presidente de Moura, com intervenção política “desde os 15 anos”, de certeza que irá continuar a andar por aí... Também Vítor Proença, presidente da Câmara de Santiago do Cacém, diz que “não é o tempo para pensar” neste assunto. O autarca está “concentrado,

exclusivamente, no que há para fazer no concelho” e apostado “em cumprir os objetivos” a que se propôs. De João Rocha diz-se que o seu destino pode ser uma candidatura à Câmara de Beja mas o atual presidente da “Cidade Branca”, na última edição do “Diário do Alentejo”, rejeita a tese e afirma não ter “nada em mente” a não ser ir para casa pôr as leituras em dia. No entanto, garante que não é “daqueles que sai daqui e a política acabou. Na política hei de participar sempre. Agora, uma câmara ou isso não sei, as decisões têm que ser tomadas na altura”, esclarece, deixando a porta aberta a uma nova candidatura. Francisco Orelha, presidente do município de Cuba, põe o futuro nas mãos de Deus, mas está “disponível, caso o PS precise, para concorrer a outra autarquia”. No presente, a sua luta é contra a extinção das freguesias rurais, afirmando ser “preferível acabar com algumas urbanas”. Em concreto, no seu concelho, preocupa-o, particularmente, o fim da freguesia de Vila Ruiva, um território onde para além da sede existe um outro povoado, Albergaria dos Fusos. Quem também está “disponível para qualquer outro projeto, que o Partido Social Democrata tiver para a região”, é António Sebastião. O único presidente de câmara eleito pelo PSD, no distrito de Beja, em entrevista publicada pelo “DA” no dia 21 outubro, disse que já refletiu sobre o assunto e não “põe de parte” a hipótese de se candidatar à câmara de Beja. No entanto, o presidente da Câmara de Almodôvar quer, nos últimos dois anos de mandato, “pôr no terreno um conjunto de obras” que considera “estruturantes e também estratégicas” para o futuro.

Autarca satisfeito com anúncio que chegou do Governo

Vila Nova de Santo André escapa à extinção

A

pesar de ter integrado a lista de freguesias a extinguir, o Governo confirmou que Vila Nova de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, irá manter-se autónoma, anunciou o presidente da junta de freguesia. Jaime Cáceres disse à Lusa que recebeu uma mensagem de correio eletrónico assinada por João Miguel Belo, adjunto

do Gabinete do secretário de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa, com a “garantia de que Vila Nova de Santo André não é considerada para eventual aglomeração/ extinção”. A declaração é fundamentada pelo cumprimento, por parte desta freguesia do concelho de Santiago do Cacém,

dos critérios constantes no Documento Verde da Reforma da Administração Local, como ter uma área predominantemente urbana e mais de 10 600 habitantes. Para o autarca alentejano, trata-se de uma “vitória da contestação levada a cabo pelos organismos locais e pela população”.

07 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

PUB

População de Aljustrel debate orçamento


Câmara de Almodôvar inquire população

A Câmara Municipal de Almodôvar está a aplicar um inquérito para obter o contributo da população no processo de identificação de áreas, projetos e ações prioritárias para o concelho, com vista à preparação do orçamento camarário para 2012. O inquérito, que está a ser aplicado pelo segundo ano consecutivo, “visa contribuir para o exercício de uma intervenção ativa e responsável

Federação do Baixo Alentejo do PS promove debate de ideias A Federação do Baixo Alentejo do Partido Socialista realiza nos próximos dias diversas atividades envolvendo os militantes e autarcas eleitos pelo PS. De acordo com os responsáveis, estas atividades

“fomentam a participação cidadã na vida política, promovem o debate de ideias e visam também obter um conhecimento mais estreito da sensibilidade do Baixo Alentejo acerca da situação política atual, tanto a nível local como nacional, em especial no que diz respeito à governação

Ramos diz que aerogare é uma oportunidade

Governo faz “ofensiva” ao aeroporto

O

deputado do PCP João Ramos acusou o Governo de ter feito “uma ofensiva” ao aeroporto de Beja e de teimar em fazer da infraestrutura “um problema” e “não uma oportunidade”. Segundo o deputado eleito por Beja, “primeiro foi o total apagamento” do aeroporto de Beja, “ao ser ignorado no Plano Estratégico dos Transportes” e, depois, seguiram-se “as declarações infelizes e irresponsáveis” do secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, “a defender a entrega do aeroporto a privados com o seu afastamento da rede aeroportuária nacional”. O deputado continua: “O mau tempo danificou o aeroporto de Faro, provocando PUB

dos cidadãos nos processos de governação” locais e permitir “ao executivo harmonizar a sua ação com as reais necessidades e aspirações da população”. No âmbito da iniciativa Orçamento Participativo 2012, além do inquérito, que está a ser distribuído pelo concelho e terá que ser respondido até 10 de novembro, a autarquia vai realizar, até final do ano, reuniões abertas com a população.

que vem sendo desenvolvida pela coligação PSD-CDS e ao posicionamento que o PS deve assumir na votação do Orçamento do Estado proposto para 2012”. Amanhã, sábado, terá lugar em Odemira uma reunião centrada na política geral e no Orçamento do Estado para 2012.

JOSÉ FERROLHO

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

08

uma limitação grave daquela estrutura aeroportuária” e “foi noticiado o desvio de alguns voos para o aeroporto de Sevilha”. Na altura, lembra, “pensou-se ser uma situação com implicações mínimas na operacionalidade do aeroporto”, mas, entretanto, “avançou-se que a intervenção de recuperação” da infraestrutura aeronáutica algarvia “poderá demorar quatro meses”. Segundo João Ramos, “a distância de Faro ao aeroporto de Beja, estrutura digna e com condições, é cerca de metade daquela que separa a cidade algarvia do aeroporto de Sevilha”, mas foi este o usado “como alternativa à incapacidade plena de operação do aeroporto de Faro”.

Dia 8, no Pax Julia Teatro Municipal

“Beja Merece” agradece apoio com espetáculo Além da ligação ferroviária direta até Lisboa, Beja também “merece espetáculo”. É esse o lema do serão que o movimento de cidadãos vai promover no próximo dia 8, terça-feira. Um misto de agradecimento e homenagem a quem se envolveu na causa.

O

movimento de cidadãos “Beja Merece” promove na próxima terça-feira, 8, a partir das 21 e 30 horas, um espetáculo através do qual pretende “agradecer” às pessoas e instituições que contribuíram para que a petição “Ramal de Beja e outras dores de alma” chegasse ao Parlamento com mais de 15 mil assinaturas, como sucedeu em fevereiro último. “Queremos homenagear as pessoas que subscreveram e se interessaram pela causa dos comboios. É o fim de uma fase, que terminou com a entrega da petição na Assembleia da República, mas não é o fim do movimento”, garantiu ao “Diário do Alentejo” Florival Baiôa, um dos rostos do “Beja Merece” e também presidente da Associação de Defesa do Património de Beja. “Decidimos por isso convidar um conjunto de pessoas que projetam o nome de

Beja pelo País e para fora dele e todos aceitaram imediatamente o convite”, sublinha o responsável. Entre os animadores do serão no Pax Julia Teatro Municipal encontram-se o fadista António Zambujo, o cantautor Paulo Ribeiro, o imitador Bruno Ferreira, o Coro de Câmara de Beja e os grupos Rastolhice e Cantigas do Baú. O movimento “Beja Merece” ainda não definiu novas batalhas, desde logo porque ainda não desistiu de lutar pela ligação ferroviária direta entre Beja e Lisboa e pela eletrificação do troço Casa Branca-Ourique. “Continuamos em contacto com a Assembleia da República e com o Ministério da Economia. Sempre que há novidades, enviamos a nossas opiniões e propostas”, sublinha Florival Baiôa, que não esconde a sua desilusão face à atitude adotada pelos detentores de cargos políticos em todo este processo. “Os políticos estiveram extremamente interessados no período eleitoral. Neste momento, há um certo vazio da parte deles”, confessa. Recorde-se que, em setembro último, foram chumbados no Parlamento os três projetos de resolução (PCP, Os Verdes e Bloco de Esquerda) que faziam eco das reivindicações do movimento bejense. CF


Diรกrio do Alentejo 4 novembro 2011

PUB

09


PUB

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

10

Seniores de Alcácer iniciam novo ano

A Universidade Sénior de Alcácer do Sal iniciou o seu 3.º ano letivo, com 79 alunos e 19 professores, embora ainda estejam abertas as inscrições para mais interessados em aprender nas 17 disciplinas disponíveis. Este ano, a universidade tem, pela primeira vez, “casa própria”, já que se instalou na antiga escola básica dos Açougues, no coração do centro histórico.

Câmara de Castro Verde prepara projeto para alterar riscos de doença cardíaca A Câmara e o Centro de Saúde de Castro Verde vão estabelecer um protocolo de colaboração para implementarem um projeto de atividade física para “alterar” os fatores de risco da doença arterial cardíaca. O projeto No Ritmo Certo destina-se a pessoas com mais de 40 anos e que tenham uma doença cardiovascular ou sejam portadores de qualquer fator de risco, como diabetes, hipertensão, dislipidémia e obesidade.

Nanotecnologia em Odemira

Artesã cria mantas “inteligentes” Artesã, na área da tecelagem, está a desenvolver um projeto inovador no âmbito da nanotecnologia em Odemira. O objetivo é produzir tecidos “inteligentes” (protetor UV, antibala e antimosquito, entre outros). Texto Bruna Soares Foto José Ferrolho

H

elena Loermans, artesã de Odemira na área da tecelagem, há muito que sonhava poder trabalhar com fios tratados através da nanotecnologia. E o sonho está agora mais perto de se concretizar. A artesã passou da fantasia à ação e prepara-se para desenvolver um projeto inovador no concelho que a acolheu de braços abertos. “A parte artesanal do meu trabalho está sempre mais à vista, mas por trás das minhas peças em tecelagem manual tem estado sempre uma componente de curiosidade e investigação”, explica Helena Loermans. Na Holanda era analista médica. Fazia investigação de tecidos humanos e animais. Hoje trabalha com outros tecidos, de variadas cores e texturas. “Um dia estava a tecer e comecei a pensar que era importante que os arqueológos do futuro pudessem encontrar vestígios desta época. Percebi que temos a obrigação de o fazer e este projeto começou, precisamente, nesse momento”. Nasceram as primeiras conversas com amigos e familiares e rapidamente Helena percebeu que, por exemplo, “era interessante fazer echarpes com fio antibala”. Começou a pesquisar na Internet sobre este fio técnico e encontrou os fios de lã tratados por nanotecnologia, com várias funcionalidades. O primeiro passo estava, assim, dado.

“O facto de poder trabalhar na tecelagem manual com fios de lã despertou a minha vontade de começar a criar peças ‘inteligentes’”, garante. De acordo com Helena Loermans, “neste momento estão abertas as pré-inscrições para mantas e mantas de bebés com fios climatéricos”. No entanto, a artesã espera poder encontrar um patrocinador para que este projeto possa avançar ainda com “mais força”. Considera que este é, sem dúvida, “um projeto inovador para o Alentejo” e que “é possível sensibilizar para a importância da nanotecnologia na área têxtil, em especial na tecelagem manual”. A artesã ambiciona ainda “aliar a funcionalidade com preocupações ambientais e humanas à produção artesanal e investigar acerca das potencialidades e contributos da nanotecnologia na produção de tecidos exclusivos”. Ao mesmo tempo, pretende também “trabalhar com fios inteligentes e descobrir no processo artístico a interaç��o entre os materiais ‘inteligentes’ e os materiais tradicionais, ambos de origem natural”. Helena Loermans quer ainda integrar neste seu processo criativo “pessoas com deficiência que possuam já saberes e sensibilidade estética na área da tecelagem manual” e, neste momento, já conta com a colaboração de uma utente do Centro de Paralisia Cerebral de Odemira. A criação será realizada em Odemira e a componente de investigação também terá lugar em Florença, na Fundação de Arte de Seda Lisio. O objetivo é sempre produzir tecidos “inteligentes” (protetor UV, refletor de visibilidade, antibactéria, antibala, antimosquito).


A Diocese de Beja apoiou entre dezembro de 2010 e o passado mês de outubro 757 pessoas com um valor total de 38 794,74 euros, sendo 23 846, 60 euros provenientes do Fundo Social Solidário (fundo nacional) e 14 948,14 euros provenientes do Fundo de Emergência Social (fundo diocesano). De acordo com a equipa diocesana nomeada pelo bispo de Beja para gerir o fundo diocesano,

Movimento cívico contra a poluição em Sines pede audiência à ministra do Ambiente O movimento cívico contra a poluição em Sines vai pedir uma audiência à ministra do Ambiente, Assunção Cristas, para lhe transmitir as reivindicações da população em defesa da saúde

“a grande maioria dos casos apoiados prende-se com apoios para rendas de casa em atraso e para medicamentos, especialmente os do foro psiquiátrico”. O valor total dos donativos recebidos para o Fundo do Emergência Social (fundo diocesano) soma até ao momento 21 550,00 euros. O Fundo de Emergência Social foi criado pelo bispo de Beja em meados de dezembro de 2010.

pública. Entre as exigências deste grupo de populares está “o termo das descargas [de efluentes não tratados] para o mar, com reaproveitamento da água em ciclo fechado”, a “implementação de um sistema de monitorização regular [da qualidade] do aquífero” municipal e a “adoção de uma série de

11 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Diocese apoiou mais de 750 pessoas

medidas que eliminem todo o tipo de descargas gasosas para a atmosfera”. De acordo com o mesmo documento, o movimento cívico pretende “pôr um ponto final na inoperância das autoridades, que ao longo dos anos não foram capazes de corrigir os problemas estruturais” denunciados.

Instituição bejense comemora 30 anos

Centro de Paralisia vai ter lar residencial O total do investimento neste novo equipamento que terá 22 camas é de 542 mil euros, montante financiado a 75 por cento. Os restantes 25 são suportados pela instituição, que já está a pôr no terreno algumas iniciativas para “envolver a sociedade civil”. Uma delas é o jantar comemorativo do 30.º aniversário, agendado para próximo dia 19, no BejaParque Hotel, que reserva um espetáculo de humor com alguns dos elementos do elenco do programa televisivo “5 para a meia noite”. Texto Carla Ferreira Foto José Serrano

N

o ano em que celebra três décadas de existência, o Centro de Paralisia Cerebral de Beja (CPCB) tem em mãos o desafio de construir um lar residencial, a valência que faltava numa instituição que já fornece um leque variado de respostas aos indivíduos com problemas neuromotores e afins e respetivas famílias, da saúde ao trabalho, passando pela educação, formação ou ação social. A intervenção passa pela reconversão e ampliação do atual lar de apoio, a funcionar desde 1998 como residência ao longo da semana para os utentes da escola de ensino especial, vindos na sua maioria de concelhos distantes da capital de distrito. “Criou-se o lar de apoio para 12 utentes, com idades entre os seis e os 18 anos, o que evitava percursos diários muito longos, em ambulância ou nas nossas carrinhas, a estas crianças e jovens com tantos problemas motores”, lembra Graça Guerreiro, técnica da instituição que coordena esta valência. Com o passar do tempo, começaram a crescer os pedidos dos utentes mais velhos, que iam transitando da escola para a valência de Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) e cujas famílias deixavam de ter condições de tê-los em casa com todos os cuidados exigidos. “Começámos a ter situações familiares muito dramáticas, pais que são idosos, mães que ficaram viúvas ou que se separaram, e, além disso, temos utentes que estão connosco desde os sete, oito anos, e os pais querem muito que eles fiquem onde cresceram”, concretiza a técnica, adiantando que o lar residencial é, para muitos, “uma esperança adiada que neste momento está a concretizar-se”. O total do investimento neste novo equipamento que terá 22 camas é de 542 mil euros, montante que é suportado em 75 por cento pelo Programa Operacional Potencial Humano (POPH). Os restantes 25 por cento cabem à instituição, que já está a pôr no terreno algumas iniciativas para “envolver a sociedade civil” neste esforço financeiro, como explica Ana Batista, membro da direção do CPCB. Uma delas, e a de maior visibilidade pública, é o jantar comemorativo do 30.º aniversário, agendado para próximo dia 19, no BejaParque Hotel, que

Festa O “Diário do Alentejo” assistiu aos preparativos do Dia das Bruxas no Centro de Paralisia Cerebral de Beja

reserva um espetáculo de humor com António Raminhos e Luís Filipe Borges, do “5 para a meia noite”, e com os bejenses Bruno Ferreira, imitador de vozes e também colaborador daquele programa da RTP2, e Jorge Serafim, contador de histórias. “Vamos comemorar esta data com a comunidade e tentar chamar a atenção das pessoas para a existência deste centro e para as suas problemáticas”, desvenda a responsável, informando que o CPCB tem também uma conta aberta no banco BPI, ao mesmo tempo que agradece a generosidade de qualquer contributo, consciente da “fase difícil” em que o País se encontra. Uma vez construído, o novo edifício continuará, no entanto, a não ser suficiente para as necessidades de acolhimento definitivo. São à partida perto de 80 os casos considerados “mais urgentes” inscritos em lista de espera. Quase todos eles de utentes a frequentar a valência CAO. “É uma população extremamente dependente a nível motor e muitos a nível mental também. São deficientes profundos que as famílias têm tentado ao máximo manter em casa na esperança deste lar”, refere Graça Guerreiro, acrescentando que a falta de capacidade de resposta em termos de acolhimento definitivo para este tipo de utentes generaliza-se a todo o distrito: “As instituições congéneres não chegam para as necessidades”. Com um quadro de pessoal de cerca de 60 pessoas, o CPCB presta serviço a um universo de

mais de 600 utentes, multiplicando-se pelas valências de intervenção precoce (dos zero aos seis anos); ambulatório (com acesso a várias terapias, entre fisioterapia, terapia da fala e ocupacional, hidroterapia e hipoterapia na quinta Horta de Todos); escola de educação especial, uma das poucas ainda a funcionar; formação profissional, com uma oferta de quatro cursos adaptados; centro de atividades ocupacionais, frequentado por utentes como Luís Belchior, que venceu PUB

recentemente o Campeonato Nacional de Boccia 2011, em Alenquer; e lar de apoio, que brevemente será reconvertido e ampliado para lar residencial. O centro abrange todo o território do distrito de Beja e concelhos limítrofes dos distritos de Évora e Setúbal, pelo que neste momento se depara também com uma frota automóvel em “fim de vida”, que urge “reconverter”, conclui Ana Batista. Mais uma vez com recurso às candidaturas e à solidariedade da sociedade civil.


PUB

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

12

Para combater subida do IVA

Turismo do Alentejo incentiva procura da gastronomia regional A Turismo do Alentejo, em parceria com os restaurantes, quer lançar pacotes promocionais que incentivem a procura da gastronomia da região, como forma de “responder à crise” e “ultrapassar os efeitos da subida” do IVA na restauração.

“U

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

Santa Casa da Misericórdia de Serpa

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA DOMINGOS MANUEL CARRASCO FABELA, na qualidade de Presidente da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Serpa, usando dos poderes que lhe são conferidos pelo n.° 1 do art.° 27° dos respectivos Estatutos, convoca todos os Irmãos para uma Assembleia Geral Ordinária para o próximo dia 18 de Novembro de 2011 (sexta-feira), com a seguinte ordem de trabalho: 1. Apresentação e aprovação do Orçamento para 2012; 2. Apresentação e aprovação do Plano de Activida-

des para 2012; 3. Outros assuntos. A Assembleia Geral realizar-se-á no Lar de S. Francisco, pelas 20.00 horas. Se a essa hora não estiver presente a maioria dos irmãos, a Assembleia funcionará 1 hora mais tarde, pelas 21.00 horas, com qualquer número de Irmãos, conforme o disposto no parágrafo único do art.° 22° dos referidos Estatutos. Serpa, 02 de Novembro de 2011. O Presidente da Assembleia Geral, Domingos Manuel Carrasco Fabela

m aumento de impostos pode vir sempre a ter consequências nos fluxos turísticos e na procura”, admitiu à Lusa o presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo, António Ceia da Silva. O aumento do IVA para 23 por cento na restauração, previsto na proposta do Governo para o Orçamento do Estado (OE) para 2012, obriga, por isso, à adoção de medidas para procurar contrariar uma eventual diminuição da procura. “Em conjunto com os restaurantes, temos que ser inovadores nas ações e acertar modelos de comunicação que possam ajudar a ultrapassar os efeitos da subida do IVA”, disse. “Não vale a pena estarmos a falar sobre uma situação que já está no OE. O que vamos fazer é lançar iniciativas para a contrariar”, frisou. Neste âmbito e como exemplo, segundo Ceia da Silva, a Turismo do Alentejo quer avançar no próximo ano com a realização de mais semanas gastronómicas e promover “alguns fins de semana com preços muito apelativos nos restaurantes”. “Queremos responder a esta crise dizendo às pessoas que podem continuar a vir comer ao Alentejo porque a gastronomia é excelente e há articulação entre qualidade e preço”, disse. Tendo em conta que o produto gastronomia e vinhos já é o “segundo motivo” de visita turística à região – o primeiro é a monumentalidade –, a Turismo do Alentejo aposta nas promoções e incentivos para atrair mais visitantes, até da vizinha Espanha. “Pretendemos acentuar a nossa promoção nos mercados externos”, disse, argumentando que é preciso “divulgar mais a gastronomia e a restauração alentejanas na Andaluzia e Extremadura”, regiões espanholas que confinam com o Alentejo. Já a médio prazo, defendeu, o programa ligado à gastronomia “Alentejo Bom Gosto”, que a ERT quer implementar “até final de 2012”, também pode potenciar esta área. Este programa, explicou, pressupõe a elaboração da carta gastronómica do Alentejo, a certificação dos restaurantes da região de acordo com os critérios do serviço de utilização de ementas típicas e a criação de um roteiro de restaurantes.


13 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

❝ Entrevista

A Florbela seria uma inadaptada em relação a este tempo, como são por norma os criadores que pensam a vida. A realidade nunca lhes chega, nunca os sustenta. Há uma necessidade de transcendência enorme. Os dias de hoje seriam, certamente, insuportáveis para a Florbela.

O que me atraiu na figura da Florbela foi a inquietude e a criação. O poder de amar a vida e questioná-la. De viver intensamente todas as perguntas que fazemos ao longo da nossa existência”.

Vicente Alves do Ó realiza filme sobre Florbela Espanca

OrealizadoreargumentistasineenseVicenteAlvesdoÓconcluiuasuasegundalonga-

DR

Todos os horizontes de terra e mar -metragem. Chama-se “Florbela” e é inspirada na vida da poetisa alentejana Florbela Espanca. Em entrevista ao “Diário do Alentejo”, o realizador afirma ter-se sentido atraído pela “inquietude” e pela capacidade de criação da poetisa de Vila Viçosa. Segundo o cineasta, Florbela simboliza o Alentejo, como representa “todos os horizontes de terra e mar, onde a sensibilidade e a poesia podem crescer”. Protagonizado pela atriz Dalila Carmo, o filme tem estreia marcada para fevereiro de 2012. Texto Alberto Franco O que o atraíu na figura de Florbela Espanca?

O que me atraiu na figura da Florbela foi a inquietude e a criação. O poder de amar a vida e questioná-la. De viver intensamente todas as perguntas que fazemos ao longo da nossa existência. A Florbela é essa ambição desmedida por compreender o que somos, o que queremos, o que desejamos. E depois escrever. Escrever na nossa língua e com a nossa paisagem a servir de papel onde ela apontou tudo o que sentiu e pensou. O flme mistura realidade e ficção. A “sua” Florbela corresponde à imagem que nos é dada pelas biografias ou apresenta originalidades?

A Florbela do meu filme parte sempre de uma aproximação ao real. Os dados existem, as contradições também. O criador, neste caso o meu trabalho como argumentista e realizador, foi o de me imiscuir o mais possível dentro da sua alma, transcender-me e passar a fazer parte dela, senti-la, para que, no filme e nas suas ações, se construa uma visão ou possibilidade daquilo que ela foi. O que ela foi, o que ela é, será sempre um mistério, tal como são todos os seres humanos e aquilo que os move. A ação do filme decorre num momento específico da vida da poetisa?

Sim, o filme concentra-se nos anos de 1925/27. Entre o fim do segundo casamento e a morte do irmão. Florbela foi uma inadaptada em relação ao seu tempo?

A Florbela seria uma inadaptada em relação a este tempo, como são por norma os criadores que pensam a vida. A realidade nunca lhes chega, nunca os sustenta. Há uma necessidade de transcendência enorme. Os dias de hoje seriam, certamente, insuportáveis para a Florbela. A personalidade de Florbela simboliza, de algum modo, o Alentejo?

A Florbela simboliza todos os horizontes de

terra e mar, onde a sensibilidade e a poesia podem crescer. O Alentejo, sendo a sua pátria e a minha, tem um papel importante na vida que de quem o habita. Florbela é geralmente apresentada como a poetisa do amor. Não será demasiado redutor?

É muito redutor. Ela foi muito mais do que isso. Foi um ser humano extraordinário que, felizmente, soube traduzir para as palavras e para a poesia, o que muitos de nós pensamos em silêncio. Sempre acreditei que os poetas são seres especiais, veem e sentem a vida de uma forma muito mais real do que nós. Deveriam ser protegidos e respeitados, amados e nunca esquecidos. Um mundo sem poetas é um mundo morto. A poesia é talvez o lugar ou o espaço onde mais nos aproximamos da beleza da criação. Como imagina Florbela se vivesse nos dias de hoje?

O tempo pouco importa, ela seria, certamente, o que foi. Tudo nela é intemporal. Tendo em conta os obstáculos que habitualmente se colocam aos filmes portugueses, teve algumas dificuldades para realizar “Florbela”?

Tive problemas que, não sendo problemas, dificultam a realização da minha visão do tempo e da história que queria contar. Trata-se de um filme de época e recriar o Portugal dos anos 20 é sempre caro. Infelizmente, fazer cinema é um pouco mais dispendioso do que escrever. “Florbela” passará também na televisão?

Em 2012 ou 13 teremos uma minissérie na RTP, mas que não terá muito do que iremos ver no filme, mas sim outro material filmado. Penso que será importante ver as duas coisas – filme e série – como complementares. Quais os seus próximos projetos?

Projetos há muitos, seja realizar um filme sobre os portugueses, seja escrever o meu próximo romance. Veremos o que o futuro trará à cultura e aos artistas de Portugal.

N

ascido em Sines, em 1972, Vicente Alves do Ó começou por escrever contos e peças de teatro, que encenava com o seu grupo de amigos. Apaixonado pelo cinema, trabalhou durante oito anos como argumentista e realizador de curtas-metragens. Telefilmes de boa memória como “Monsanto” e “Facas e Anjos”, produzidos pela SIC no início da década de 2000, são alguns dos títulos a que o seu nome está associado como argumentista. Depois de ter trabalhado com cineastas como António-Pedro Vasconcelos, em “Os Imortais”, e Solveig Nordlund, estreou-se como realizador em 2005, com a curta-metragem “Entre o Desejo e o Destino”. A sua primeira longa-metragem, intitulada “Quinze Pontos na Alma”, data de 2011 e retrata os sentimentos obsessivos de uma mulher por um desconhecido à beira do suicídio. Com “Florbela” o cineasta alentejano mergulha no universo de um “ser humano extraordinário que, felizmente, soube traduzir para as palavras e para a poesia o que muitos de nós pensamos em silêncio”.


❝ Perfil

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

14

Tive então a ideia de fazer sushi com produtos típicos do Alentejo: farinheira, pimento vermelho assado, morcela, carne do alguidar, torresmos, etc. Chamei-lhe, como não podia deixar de ser, ‘sushi alentejano’”.

“Alguns dos nossos pratos de arroz são refrescados com um golpe de vinagre. Daí que não seja estranho ao nosso paladar este ‘sushi alentejano’. Surpreendente, num caso ou outro, isso é. Mas quase sempre também agradável”. David Lopes Ramos, in “Público”

Eduardo Guerreiro juntou uma folhinha de coentros à cozinha japonesa

O Homem que inventou o sushi de torresmos À primeira vista, as semelhanças entre as cozinhas alentejana e japonesa são as mesmas que existem entre um cidadão nascido em Beja e outro em Nagasaki. Dos ingredientes aos temperos, da forma de cozinhar à apresentação dos pratos, tudo parece diferente e inconciliável. Eduardo Guerreiro, um cozinheiro alentejano radicado em Lisboa, pensou o contrário. Que a carne de porco podia entender-se com o arroz fermentado que caracteriza o sushi. E que os poejos e os coentros usados a sul do Tejo talvez não fizessem má figura ao lado das algas japonesas… De combinação em combinação, Eduardo Guerreiro inventou o “sushi alentejano” – uma fusão entre ingredientes típicos da culinária alentejana e os conhecidos rolinhos de arroz japoneses. Texto Alberto Franco Ilustração Susa Monteiro

E

duardo Guerreiro, 51 anos, nasceu no lugar de Fornalhas Velhas, concelho de Odemira. Ainda criança acompanhou a família na deslocação para Lisboa, em busca de melhor futuro. Estudou durante alguns anos, mas a certa altura começou a reparar nas roupas do irmão mais velho, que trabalhava numa churrasqueira em Benfica. “Usava fatos modernos, bons casacos, boas camisas. Pensei que também podia andar assim vestido, e, aos 12 anos, deixei a escola e fui trabalhar para a churrasqueira”, conta. Quando o irmão mudou de emprego, Eduardo acompanhou-o. “Trabalhei em estabelecimentos inovadores, como a steakhouse Number One e o Ivo’s Hamburger House, que foi a primeira casa de hamburgers em Portugal”. As voltas da vida levaram Eduardo a emigrar para a Suíça, em 1982, país que não é um mau destino para quem se dedica à atividade hoteleira. Eduardo aproveitou a oportunidade para estudar na Escola de Hotelaria de Lausanne/Ouchy e ganhar experiência trabalhando em bons hotéis. Não lhe faltaram sequer uma voltinhas pelo mundo, quando se empregou num navio de cruzeiros, que fazia a rota por Barbados e Miami. Com saudades da terra,

regressou a Portugal em 1995. Durante 10 anos trabalha no snack-bar do Centro Comercial Imaviz, em Lisboa, até que decide estabelecer-se por conta própria. Em 2005 abriu um pequeno restaurante, na rua S. Sebastião da Pedreira, que se destacava pela originalidade da ementa. “Praticava uma cozinha de fusão, com pratos de origem alentejana transformados de acordo com o meu gosto: migas com alcagoitas, lombardo ou linguiça, xixas de javali em redução de tintol e outros”. Nessa altura “começou em Portugal a moda do sushi, os famosos rolinhos japoneses de arroz fermentado, com diversos recheios. Tive então a ideia de fazer sushi com produtos típicos do Alentejo: farinheira, pimento vermelho assado, morcela, carne do alguidar, torresmos, etc. Chamei-lhe, como não podia deixar de ser, ‘sushi alentejano’. Apoiado por um especialista brasileiro, comecei a servir hossomakis, que são os rolinhos com a alga por fora, futomakis, que só levam o arroz e o recheio, e nigiris ou bolinhas de arroz. Criei nigiris de migas de alho com carne de alguidar, de torresmos e pepino, de farinheira com abacaxi, de morcela com puré de maçã”. Pela sua singularidade, o conceito pegou. Foi falado nas colunas

dos jornais e na Internet. “Abram alas ao novo sushi alentejano”, proclamava, no “Público”, o crítico gastronómico David Lopes Ramos. “Alguns dos nossos pratos de arroz são refrescados com um golpe de vinagre. Daí que não seja estranho ao nosso paladar este ‘sushi alentejano’. Surpreendente, num caso ou outro, isso é. Mas quase sempre também agradável”, reconhecia o crítico. Por seu lado, nas páginas do páginas do “Diário de Notícias”, Fernanda Câncio escrevia: “O encont ro com

um especialista em sushi e o sucesso da especialidade japonesa em Portugal dá-lhe a ideia de uma fusão inusitada e de um título com potencial para atrair atenções: sushi alentejano”. O minúsculo Eddy’s Kitchen começou a encher-se de um público desejoso de provar as novas especialidades. “Tinha tantos clientes que se justificava a mudança para um espaço maior. E assim se fez, em 2009. Formou-se uma sociedade e o Eddy’s Kitchen/ Sushi Alentejano passou a funcionar numa casa muito mais ampla. Os bons resultados, esses, continuaram”. Porém, não tardaram a surgir desentendimentos entre os sócios, o que levou Eduardo a voltar ao pequeno espaço da rua S.

Sebastião da Pedreira. “Após uma fase de abatimento pessoal, consegui recuperar. Em dezembro passado reabri o restaurante com um novo nome – 1.ª Sinfonia – e uma nova imagem. Como os meus ex-sócios registaram o nome de ‘Sushi Alentejano’, passei a usar a designação de ‘Mê Sushi’”. Na carta do 1.ª Sinfonia destacam-se pratos que são tudo menos vulgares: rolinhos de camarão perfumados com alho e coentros, verdomaki (linguiça braseada em aguardente do Esporão, envolvida em caldo verde), polvo à feira, carapaus alimados, queijo de Nisa com pera, alheira com lombardoe torpedos de frango panados com corn flakes, entre outros. Mais recentemente, Eduardo Guerreiro apostou na fusão entre o sushi e a cozinha ribatejana, a que deu o nome de “sushi fandango”. Baseia-se “em alimentos típicos da culinária ribatejana, especialmente em peixes como a fataça ou o robalo”, explica.


Concebida pelo cantautor Paulo Ribeiro, a coprodução “Aldeia Nova”, de homenagem a Manuel da Fonseca no ano em que cumpriria um século, apresenta-se amanhã, sábado, no Cineteatro Municipal de Castro Verde, a partir das 21 e 30 horas. O espetáculo, multidisciplinar, é protagonizado por um elenco de músicos, atores, artistas plásticos e bailarinos que recriam em palco o trajeto “universal” do escritor alentejano – entre “a vida rotineira da aldeia” e a “dinâmica da grande cidade”. “Aldeia Nova” é uma coprodução da rede CAL – Cultura Alentejo, constituída por seis municípios do Baixo Alentejo.

Fim de semana

I Feira do Livro usado na Capricho Bejense Em tempo de contenção de despesas, a Sociedade Capricho Bejense promove a oportunidade de renovar a biblioteca de casa, por quantias que vão de apenas um a cinco euros. Trata-se da I Feira do Livro usado, a ter lugar entre amanhã, sábado, e domingo, no n.º 10 da rua da Moeda, entre as 14 e as 22 horas. Além das pechinchas, o programa oferece, sempre a partir das 16 horas, sessões de animação do livro e da leitura, pinturas faciais e modelagem de balões.

Concerto amanhã no Pax Julia

“A Casa de Bernarda Alba” despede-se no Pax Julia A Homlet – Companhia de Teatro da Capricho apresenta hoje, sexta-feira, e amanhã, a última reposição da sua sexta produção, a conhecida tragédia rural de Federico García Lorca “A Casa de Bernarda Alba”. A encenação é de David Silva, que dirige um elenco de 11 atores, vestido por Alexandra Cabral, designer de moda bejense. Em palco, na sala estúdio do Pax Julia Teatro Municipal, o coletivo vai dar corpo e voz à história de “uma mãe tirana que enclausura ‘cinco filhas feias’ numa casa onde não se pode chorar”, decretando um luto de oito anos pela morte do seu segundo marido.

Registos do Guadiana antes de Alqueva Despede-se amanhã, sábado, da Biblioteca Municipal de Beja, a exposição “Vale do Guadiana – Último olhar”, um trabalho de vários fotógrafos, amadores e profissionais, em torno dos últimos dias do grande rio do sul antes da inauguração da barragem do Alqueva. A mostra resulta do Prémio Casa do Alentejo de 2002, concurso anual que visa divulgar e valorizar a cultura alentejana e seus agentes, e pretende retratar a paisagem, natural e humana, antes do encerramento das comportas. A exposição está patente em Beja desde o último dia 24 de outubro, mas ainda restam dois dias para visitas de última hora.

Pontos Negros partilham “pequeno-almoço” em Beja

O

15 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

“Aldeia Nova” passa por Castro Verde

quarteto de Queluz Os Pontos Negros tem encontro marcado com o público bejense, amanhã, sábado, no Pax Julia Teatro Municipal, a partir das 21 e 30 horas. A banda de rock alternativo prossegue a ronda nacional de divulgação do seu último álbum “Pequeno-almoço continental”, de onde saíram temas como “Rei Bã”, “Lisboa, não passas deste inverno” ou ainda “Duro de ouvido”. Sobre ele disse o escritor Jacinto Lucas Pires tratar-se de uma música “que faz sem esforço aquilo que tanta gente parece andar a dar a alma para conseguir: a fusão perfeita (tão perfeita que quase nem se dá por ela) entre guitarras elétricas e a tal coisa tradicional portuguesa. Não é à toa que gritam ‘se o Variações fosse o meu barbeiro!’. Se gritam, é porque podem”. A banda de Jónatas Pires (voz e guitarra), Filipe Sousa (voz e guitarra), Silas Ferreira (órgão) e David Pires (bateria) estreou-se com o LP “Magnífico material inútil”, em 2008, que teve como faixas de apresentação um tema homónimo e também “Conto de fadas de Sintra a Lisboa”. Antes, gravaram em 2005 o EP “Pontos Negros”, desvendando criações como “Numerologia” e “Inês”.

História arqueológica de Grândola em exposição Grândola mantém patente, até ao próximo dia 16, na biblioteca municipal, a exposição “História Arqueológica de Grândola – Vestígios e Artefactos”. Na mostra, aberta de segunda a sábado, o visitante poderá tomar contacto com diversos testemunhos do passado mais remoto daquele território, da Pré-História às mais recentes escavações realizadas na igreja de São Pedro, passando pela ocupação romana. Será também dado a conhecer o projeto de arqueologia subaquática que acabou de arrancar naquela zona costeira.


Diário do Alentejo 4 novembro 2011

16

A resposta á crise está no nosso trabalho. Costumo dizer que não precisamos de trabalhar mais, precisamos sim de trabalhar melhor, e é com esta forma de estar na vida e nos negócios que podemos contrariar e ultrapassar estes momentos complicados. Rui Nabeiro ao “Diário de Notícias”, 31 de outubro de 2011

Opinião

As reformas na administração local Francisco Orelha Presidente da Câmara Municipal de Cuba

O

organigrama territorial do País assentava em 21 distritos, 308 concelhos e 4 259 freguesias, incluindo os Açores e a Madeira. O documento verde da reforma administrativa local apresentado pelo Governo vem introduzir alterações profundas na reforma política e na reforma da gestão do território. A reforma da gestão do território que levou à extinção dos governos civis revelou-se bastante negativa e não teve o efeito economicista que se previa, pois manteve o mesmo quadro de pessoal. Contudo, as regiões do interior ficaram a perder, dado que o distanciamento do poder central, em relação às regiões, aumentou. A presença de um representante do governo nos distritos era fundamental, porque criava uma relação de proximidade entre as forças de segurança, nomeadamente a PSP, a GNR, a proteção civil, as forças militarizadas e as autarquias locais, entre outros serviços desconcentrados do Estado, realizando-se reuniões conjunNo nosso concelho tas para se debaterem áreas, tão importantes como: a segurança a freguesia que rodoviária, a proteção civil, a apresenta critérios segurança das pessoas e bens, de uma possível entre outras. A reorganização adminisagregação é a de trativa deve passar pelo debate, Vila Ruiva que, envolvendo todas as forças popara além da sede líticas incluindo as autarquias, de freguesia, porque é o futuro das mesmas contempla o lugar que está em causa. Sou contra a de Albergaria dos extinção de qualquer concelho, incluindo as juntas de fregueFusos e, por esse sia. Não faz qualquer sentido motivo, uma das que mais justifica e é um erro crasso extinguir freguesias no interior do País, a presença de pois vai provocar um maior alguém próximo, isolamento e decréscimo delegitimado mográfico. Não há governo que consiga governar bem distante pelo voto, para das populações. As políticas de lutar pelos seus proximidade devem, cada vez problemas. mais, ser reforçadas principalmente nas regiões do interior. No nosso concelho a freguesia que apresenta critérios de uma possível agregação é a de Vila Ruiva que, para além da sede de freguesia, contempla o lugar de Albergaria dos Fusos e, por esse motivo, uma das que mais justifica a presença de alguém próximo, legitimado pelo voto, para lutar pelos seus problemas. É cada vez mais notório que temos um país a crescer a duas velocidades e, se estas medidas se vierem a concretizar, o êxodo das pessoas do interior para o litoral aumentará. Há dezenas de anos que a atual organização territorial do País se mantém. Todos nós temos orgulho em pertencer ao nosso distrito, concelho ou freguesia que nos viram nascer; todos estes locais são pedaços da nossa infância que

Ã

Este é o ano da Bedeteca de Beja e dos seus principais mentores. O Festival Internacional de BD de Beja atingiu um patamar inigualável. Com uma capa do “DA”, Susa Monteiro venceu o Prémio Stuart para ilustração de imprensa. E agora é PAULO MONTEIRO que vê o seu O amor infinito que te tenho, considerado na BD Amadora como o melhor livro do ano. PB

O modo como Portugal foi governado, em especial de janeiro a maio de 2011, foi criminoso e vai afetar de modo fortemente negativo os próximos anos e determinar um prolongar de sacrifícios muito além do que seria necessário se tivéssemos tido um governo, já nem digo competente, apenas consciente. Amílcar Mourão, “A Planície”, 1 de novembro de 2011

nunca esqueceremos. É neles que se encontram as nossas raízes históricas, culturais e sentimentais, chegando a tratar a rua onde vivemos por “nossa”. Alterar tudo isto por decreto é, em meu entender, nada contribuir para aliviar a crise em que nos encontramos. Esta tomada de atitude só pode ser encarada por teimosia política, de quem quer fazer diferente, só por ser diferente. Quanto à introdução dos executivos monocolores concordo, porque dão a possibilidade à força política de quem é eleito governar. Acontecia muitas vezes, quando a força política em exercício não tinha a maioria na câmara e na assembleia municipal, e perante uma oposição menos responsável, muitos projetos propostos eram inviabilizados, provocando graves consequências ao normal funcionamento da autarquia. Neste novo modelo, há a possibilidade de aumentar o poder de fiscalização da assembleia municipal, no que respeita às atividades da câmara, fazendo-o com mais regularidade. Considero, portanto, estarem criadas condições que garantem uma boa governabilidade. Após a conclusão do mandato é o povo, através do voto, que irá premiar ou penalizar o trabalho do executivo em exercício.

Europa tem novo plano Marshall Maria da Graça Carvalho Deputada ao Parlamento Europeu

O

uvir o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, apresentar, na última sessão plenária do Parlamento Europeu em Bruxelas, o Roteiro para a Estabilidade e o Crescimento, onde vêm detalhadas todas as medidas necessárias para ultrapassar a crise na Europa, foi para mim extraordinariamente gratificante. De facto, este plano inclui tudo o que tenho vindo a defender nos últimos meses, tanto no Parlamento Europeu como nos órgãos de comunicação social. Finalmente a Europa ultrapassa o atavismo das medidas avulsas, apresentadas a conta-gotas, e pode orgulhar-se de ter elaborado um verdadeiro plano Marshall europeu. Além da articulação das várias medidas entre si, a grande Além da novidade é a preocupação com o crescimento da economia, articulação com o emprego dos jovens e das várias com a eficiência da governamedidas entre si, ção. São apresentadas medidas a grande novidade concretas para potenciar os beé a preocupação nefícios do mercado único: o com o crescimento reforço do mercado interno digital e do mercado interno de da economia, energia; uma nova legislação com o emprego de patentes e novos acordos dos jovens e com de comércio livre. Finalmente a eficiência da é proposto um programa de governação. apoio ao primeiro emprego para os jovens europeus – uma bandeira minha e da delegação portuguesa do Partido Popular Europeu desde o início desta

legislatura. O Roteiro para a Estabilidade e o Crescimento é um plano convincente, tanto para os mercados como para os cidadãos europeus, que tem o apoio da esmagadora maioria do Parlamento Europeu. Esperemos que os chefes de estado e de governo coloquem o futuro comum dos países europeus acima dos egoísmos nacionais e assuma o Roteiro como verdadeiro plano Marshall europeu.

O vazio Luís Covas Lima Bancário

E

stado de alma melancólico, inerte, sem substância e sem reação. Poderíamos falar também do tempo, do espaço e do homem, daquilo que não acontece, ou melhor, do que já aconteceu, mas que significa ou resultou em nada. O vazio não é bom companheiro, é algo sem elementos e que está por preencher, não é feliz e anseia por dias melhores. Não acontece por acaso. Certos políticos, sem escrúpulos, teimam em aliciar e ao mesmo tempo enganar. Passam incólumes de geração em geração, são mordazes no seu apetite, não olham a meios para atingir fins. Prometem, iludem e desiludem. O ciclo é sempre o mesmo. O destino e o resultado final é o vazio. É este o estado a que mais uma vez chegámos. A revolta, a indignação e o descontentamento de quem trabalha é diretamente proporcional à desresponsabilização de quem hoje nos governa e particularmente ontem nos governou. Não respondem pelos seus atos, são cobardes quando caiem e depois fogem para longe, para muito longe. Assiste-lhes ainda um fenómeno só ao alcance das suas “poucas” inf luências. Têm Os sacrificados de sempre um lugar que de vazio não tem nada, que os acolhe sempre cá estão num cargo superior de qualpara suportar quer empresa, seja do Estado, o legado que seja privada ou num qualquer deixaram. O vazio. organismo fora do seu país. Isto, para já não falar das subQuem hoje venções vitalícias enquanto nos governa já ex-políticos. anunciou, depois de Plenos de virtudes, indecortar a direito, que pendentemente dos “ziguetemos dois anos -zagues” e hesitações, interiorizam e convencem-se que de penúria. Não seria mais sensato “nunca erram e raramente se explicar aos únicos enganam”. Os sacrificados de sempre sensatos, o povo cá estão para suportar o legado deste país, que dois que deixaram. O vazio. Quem é sinónimo de 20 ou hoje nos governa já anunciou, depois de cortar a direito, que 30 anos? O tempo, o espaço, o homem temos dois anos de penúria. e o nada. É o vazio! Não seria mais sensato explicar aos únicos sensatos, o povo deste país, que dois é sinónimo de 20 ou 30 anos? O tempo, o espaço, o homem e o nada. É o vazio!


Ä

O CENTRO DE PARALISIA CEREBRAL DE BEJA faz 30 anos. Muitos deles passados sob a necessidade de criar um lar residencial para os seus utentes. Pelo que o jantar de solidariedade que o CPCB vai realizar a 19 de novembro, no Beja Parque Hotel, com a presença de humoristas famosos, é uma boa oportunidade para ajudar quem mais necessita. PB

A ESTRADAS DA PLANÍCIE garante que as obras no triângulo Sines-Beja-Évora estão no seu curso normal e que não se anteveem especiais atrasos. O certo é que a maquinaria está parada há mais de uma semana e que diferentes subempreiteiros espanhóis estão a debandar, alguns com ordenados em atraso. PB

Há 50 anos Escola de Aviação Civil em Beja

Em cima da mesa estão as bases de Sintra, Alverca e Montijo [para receber voos da Easyjet] sendo que Beja, que não é militar, está fora de questão. “Beja não foi considerada uma alternativa, o que mostra ainda mais a irracionalidade desse investimento”. Sérgio Ribeiro, secretário de dos Transportes, notícia do “Diário de Notícias”, 28 de outubro de 2011

P

Gentes & territórios

ara os bejenses que acompanham o drama atual do aeroporto de Beja, aqui está uma interessante história. Afinal, a saga dos atrasos e incompetências na área da aviação e adjacências é antiga e tem antecedentes. Ora ouçam: “No número sempre avultado (o progresso obriga...) das suas naturais e justificadas aspirações, a cidade de Beja contava, desde há algumas décadas, a criação de uma escola de aviação civil, dado que possuía para o efeito, e como base, um campo de aterragem – tão pouco utilizado que quase caía no esquecimento das gentes”. Assim começava o artigo de destaque da edição de 4 de novembro de 1961 do “Diário do Alentejo”, intitulado “A Escola de Aviação Civil ‘Padre Bartolomeu Gusmão’ recentemente criada em Beja teve hoje a sua inauguração oficial”. E prosseguia o texto, não assinado: “Demoraram as diligências alguns anos e nelas se empenharam, às vezes com certo afinco, as entidades superiores da cidade. Finalmente, e quase de surpresa, pode dar-se a notícia: a aspiração tornou-se realidade e embora ainda não esteja bem no conhecimento geral, o facto é que, a título particular-experimental, já ali começaram os cursos de pilotagem, registando-se desde logo a inscrição de muitos candidatos, dois dos quais hoje mesmo prestaram provas para atribuição do ‘brevet’. A escola de aviação civil de Beja, dirigida pelo competente e considerado piloto português sr. Douwens, e cujo instrutor é o sr. José Serra, recebeu o nome de ‘Padre Bartolomeu Gusmão’, tido como o precursor da aviação portuguesa com a sua famosa passarola, fica a dever-se à iniciativa da Direcção-Geral da Aeronáutica Civil, em colaboração com a Câmara Municipal desta cidade e a Junta Distrital de Beja e tem a sua sede no campo de aviação distrital aos Coitos, a 4 quilómetros da cidade, perto da estrada Beja-Évora”. Depois de descrever a cerimónia de inauguração da escola de aviação, com a presença de “destacadas individualidades” – governador civil, presidente da câmara, presidente da junta distrital, chefe da brigada da PIDE e representante do Grémio do Comércio – e a realização de “alguns baptismos de voo que decorreram da melhor maneira”, o jornal dava mais pormenores: “A escola possui para os seus cursos três aparelhos: um ‘Cub Special’, um ‘Super Cub’ e um ‘Tiger Moth’, os dois primeiros cedidos pela Direcção-Geral da Aeronáutica Civil. Além do Curso de Pilotagem, deverão começar ali brevemente cursos de voo à vela e de pára-quedismo”. Carlos Lopes Pereira

Cartas ao diretor José Carlos Albino Messejana

Desde há muito que considero e publicamente defendo que o desafio da “coesão territorial” é uma questão central nos impasses e oportunidades dos nossos desenvolvimentos. Hoje essa ideia está reforçada e mais clara. Porque os desequilíbrios territoriais continuam a agravar-se e, principalmente, porque concluo que a desvinculação das pessoas e atividades económicas com os territórios é a causa das causas das nossas atuais crises. Esta visão e postura aérea não tem a ver connosco humanos, porque não somos pássaros. Nós temos obrigatoriamente de ter cabeça, tronco e membros ligados à terra. Só artificialmente e a espaços planamos sobre a terra. Quando somos afastados dos nossos locais-comunidades vamos perdendo identidades e visões humanistas. Vamos sacrificando os nossos futuros, particularmente os dos vindouros, porque nas pressas dos voos do já, hoje e na hora perdemos lucidez estratégica. (…) Repovoar e descongestionar

territórios será imprescindível. Mesmo do ponto de vista estritamente económico, densidades demográficas equilibradas favorecem um desenvolvimento sustentável, particularmente agora com o estreitamento de distâncias, face ao avanço fabuloso das comunicações entre pessoas e territórios. Este caminho implica que todas as lideranças – políticas, sociais, económicas e territoriais – se envolvam neste desígnio, o que significa abandonar “mais do mesmo” e combater os “lóbis conservadores”. Ao Estado exigem-se políticas públicas que incrementem, favoreçam e facilitem este caminho, seguindo as conclusões das avaliações críticas do que foi e não feito nas últimas três décadas. À sociedade civil organizada caberá o imprescindível papel de mobilização dos atores e empreendedores nos diferentes territórios para, de forma conjugada, para novos e renovados projetos e iniciativas. Mobilização que exigirá divulgação, sensibilização e formação de grande qualidade e amplamente participada. Como diz o Povo, “mais vale tarde, que nunca!”. Mas o tempo urge!

Poemário Haja Saúde António Machado Beja

O meu primo Zé Saúde É jornalista ilustrado Escreve textos amíude. Fez as “Glórias do Passado” Lembro-me dele em criança Era um moço rabino Mas já mostrava ter tino Para conseguir a mudança Foi ganhando confiança Usando sempre a virtude Hoje já ninguém se ilude Do estatuto que alcançou Pelo qual tanto lutou O meu primo Zé Saúde

Um duro golpe sofreu A sorte o atraiçoou Porém não desanimou Ao azar não se rendeu Com 1ucidez compreendeu Que a sina lhe fora rude Mantém hoje a atitude Que sempre o acompanhou Para mostrar que não parou Escreve textos amiúde

Deixou a Aldeia amada Foi para Beja estudar Para mais forte tornar A sua mente arrojada Foi caminhando na estrada Com o passo bem marcado Sempre bem encaminhado Não se perdeu na viagem tem galhardia e coragem É jornalista ilustrado

Continuamos a ler O que tão bem vai escrevendo Com agrado percebendo A razão do seu saber Não podemos esquecer Mesmo estando lesionado Está firmemente empenhado Em provar que ainda é capaz Foi diretor de “O Ás” Fez as “Glórias do Passado”

Efeméride

8 de novembro de 1925

Eleições para o Parlamento Republicano

N

o seguimento dos chamados governos canhotos de Álvaro de Castro, Rodrigues Gaspar e José Domingues dos Santos, e da expulsão da ala esquerda do Partido Democrático que veio a constituir o Partido Republicano da Esquerda Democrática, a 8 de novembro de 1925 realizam-se as últimas eleições parlamentares da Primeira República, novamente ganhas pelos democráticos, o que leva à formação, em 17 de dezembro de 1925, do último governo antes da instauração da ditadura militar, chefiado pelo líder do Partido Democrático, António Maria da Silva. Olhando para as candidaturas que se apresentam a votos nos círculos eleitorais do Baixo Alentejo – Beja e Aljustrel – a primeira constatação que se verifica tem a ver com a diversidade das formações políticas que se apresentam a sufrágio. O Partido Democrático e o Partido Nacionalista repartem entre si os seis deputados a eleger pelo distrito, três por cada círculo. Os democráticos elegem Paulo Limpo de Lacerda, por Beja, e José Joaquim Gomes de Vilhena e Joaquim Toscano Sampaio, por Aljustrel. Por seu turno, os nacionalistas elegem Jaime António Palma Mira e José do Vale Matos Cid, por Beja, e António Lobo de Aboim Inglês, por Aljustrel. Os restantes partidos que se apresentam a sufrágio, o Partido Radical, a extrema-direita organizada no Partido Regionalista, o Partido Socialista, o Partido Republicano da Esquerda Democrática e o Partido Comunista não elegem qualquer deputado. O independente António Pais Rovisco, magistrado, que se apresenta pelo círculo de Aljustrel e que é apoiado pela esquerda democrática, também não consegue fazer-se eleger. Estes resultados mostram, ainda, uma perda significativa de votos do Partido Democrático no círculo de Beja, que aqui perde as eleições para o Partido Nacionalista, não conseguindo fazer eleger o líder local, o advogado Henrique Augusto da Silva. Para esta quebra eleitoral dos democráticos em muito contribui a candidatura da esquerda democrática que apresenta como “primeiro candidato” Pedro Januário de Vale Sá Pereira, figura republicana que nas eleições anteriores, de 29 de janeiro de 1922, tinha sido eleito deputado, por Beja, pelo Partido Democrático, tendo desenvolvido nesta qualidade uma ação aplaudida pela generalidade da esquerda republicana do Baixo Alentejo. Constantino Piçarra

17 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Â


Diário do Alentejo 4 novembro 2011

18

Odemirense recebe juvenis de Amora

Depois de algumas semanas de interrupção, regressa no domingo o Campeonato Nacional de Juvenis, com a disputa da 11.ª jornada, ronda em que o Odemirense vai jogar em casa com a equipa do Amora.

Taça Armando Nascimento em Beja

A Taça Armando Nascimento inicia-se no domingo com o seguinte calendário de jogos, com início às 10 e 30 horas: Aljustrelense-Desportivo Beja; Boavista-Castrense; Despertar-Aldenovense; Moura-Sporting Cuba.

Campeonato Nacional da 2.ª Divisão

O Moura foi humilhado em casa Numa jornada em que entre os alentejanos só o Vendas Novas conseguiu pontuar, o Torreense foi a Moura pôr a nu as fragilidades da equipa local.

O

Moura-Torreense Os jogadores de Torres Vedras tiveram quase sempre a bola nos pés

-Reguengos, 2-0; Caldas-Louletano, 0-1; Mafra-Fátima, 1-1; Moura-Torreense, 1-6; Tourizense-Sertanense, 1-1; Oriental-Carregado, 0-0; 1º Dezembro-Monsanto, 0-1; Juventude-Pinhalnovense, 1-2. Classificação: 1.º Torreense, 14 pontos. 2.º Fátima, Vendas Novas e Pinhalnovense, 13. 5.º Oriental, 12. 6.º Sertanense, 11. 7.º Tourizense e Carregado,

10. 9.º Moura, 9. 10.º 1.º Dezembro, Mafra e Louletano, 8. 13.º Juventude e Monsanto, 7. 15.º Caldas, 4. 16.º Reguengos, 2. Próxima jornada (6/11): Pinhal novense-Moura; Fátima-Juventude; Loule tano-Mafra; Reguengos-Caldas; Mon santo-Vendas Novas; Carregado-1º Dezembro; Sertanense-Oriental; Torreense-Tourizense.

Campeonato Nacional da 3.ª Divisão

Será que havia necessidade? Texto Firmino Paixão

O

Mineiro até esteve em vantagem na Costa da Caparica, mas depois, como era expectável, os Pescadores deram a volta ao resultado e a equipa de Aljustrel, que já conta com meia dúzia de reforços no seu plantel, veio de mãos a abanar

Campeonato Distrital de Juniores – 1.ª jornada: Aljustrelense-Amarelejense, 3-0; Vasco da Gama-Odemirense, 1-2; São Domingos-Almodôvar, 2-1; Desportivo Beja-Castrense, 1-0; Piense-Moura, 2-3. Classificação: 1.º Aljustrelense, Odemirense, São Domingos, Moura e Desp.Beja 3 pontos. 6.º Castrense, Piense, Almodôvar, Vasco da Gama e Amarelejense, 0. Próxima jornada (5/11): Amarelejense-Vasco da Gama; Moura-Aljustrelense; Odemirense-São Domingos; Almodôvar-Desportivo Beja; Castrense-Piense. Campeonato Distrital de Iniciados: Almodôvar-Despertar, 4-1; Milfontes-Desportivo Beja, 0-6; Negrilhos-Odemirense, 0-3; Guadiana-Amarelejense, 1-1; Moura-Serpa, 0-0; Ferreirense-Ourique, 2-1. Folgou o Bairro da Conceição. Líder: Desportivo de Beja, 9 pontos. Próxima jornada (6/11): Desp. Beja-Almodôvar; Odemirense-Milfontes; Amarelejense-Negrilhos; Serpa-Guadiana; Ourique-Moura; Bairro da Conceição-Ferreirense.

Texto e foto Firmino Paixão

Mais uma ronda negativa para as duas equipas do distrito de Beja. E a esta hora perguntarão alguns “velhos do Restelo” se o Despertar tinha necessidade disto.

Campeonato Nacional de Juniores – 2.ª Divisão Série D – 8.ª jornada: Atlético-Desp.Portugal, 5-0; Estoril-U.Montemor, 120; BM Almada-Despertar, 4-1, Olhanense-Internacional, 3-2; Oeiras-Farense, 5-2: Imortal-Lusitano, 1-2. Líder: B.M.Almada, 17 pontos. 9.º Despertar, 8. Próxima jornada (5/11): Despertar-Olhanense. Campeonato Nacional de Iniciados - série F – 10.ª jornada: Lus.VRSA-V.Setúbal, 0-3; Imortal-Barreirense; Juventude-Lagos; Castrense-Olhanense, 1-5; Odeáxere-Despertar, 3-0; Lusitano-Louletano, 3-1. Líder: Castrense e Despertar. Próxima jornada (6/11): Lagos-Castrense; Despertar-Lusitano.

Desporto

h da guarda! Soaram as campainhas de alarme, que o gigante Moura afinal tem pés de barro. O Torreense é uma das respeitáveis equipas que milita na zona sul da 2.ª Divisão Nacional, uma formação com um poder ofensivo demolidor, hábil em conseguir desequilíbrios na transição para o ataque, mas chegar a Moura e marcar seis golos, três em cada parte, até a própria deve ter ficado surpreendida. Os primeiros dois tentos dos visitantes foram obtidos de grandes penalidades, num espaço de cinco minutos, num período em que o Moura, com uma bola na trave e outra na base do poste do guardião visitante, podia ter equilibrado a contenda, mas a partir daí foi o descalabro. Esta derrota fez a equipa tombar para o nono posto da tabela e, mais do que isso, terá consequências nos índices de motivação que Fernando Piçarra deverá avaliar. No próximo domingo a equipa tem mais um jogo difícil, no terreno do Pinhalnovense, vindo de uma vitória em Évora. O Reguengos perdeu em Vendas Novas e não sai do último lugar, o Juventude perdeu em casa com a formação do Pinhal Novo e mantém-se dentro do rodapé da tabela. Resultados da 7.ª jornada: Vendas Novas-

Futebol Juvenil

dos areais da mítica praia da margem sul. Mais ao sul, o Despertar também não trouxe pontos, mas veio de Lagos com uma caldeirada de golos de que os despertarianos não se devem orgulhar nada. Meia dúzia. A equipa bejense só marcou por duas vezes nestas sete jornadas já realizadas e sofreu 21, ou seja, uma média de três por jogo. Pior do que isso é o lugar de “lanterna vermelha” que ocupa desde o apito inicial da prova e sem perspetivas visíveis de melhoria. Um clube com forte tradição no futebol de formação, com várias equipas regularmente em provas nacionais, vê-se agora embarcado nesta nau de desventuras.

Resultados da 7.ª jornada: Lagos-Despertar, 6-0; Quarteirense-Sesimbra, 2-3; Fabril-Messinense, 1-0; U. Montemor-Lagoa, 0-1; Farense-Redondense, 2-2; Pescadores-Aljustrelense, 3-2. Classificação: 1.º Esperança de Lagos, 16 pontos. 2.º Farense, 15. 3.º Pescadores e Messinense, 13. 5.º Fabril e Sesimbra, 12. 7.º Quarteirense, 10. 8.º U.Montemor, 9. 9.º Lagoa, 8. 10.º Redondense, 7. 11.º Aljustrelense, 4. 12.º Despertar, 0. Próxima jornada (6/11): Despertar-Fabril; Sesimbra-Lagos; Aljustrelense-Quarteirense; Lagoa-Pescadores; Redondense-U. Montemor; Messinense-Farense.

Campeonato Distrital de Infantis – Série A (6.ª jornada): Sporting Cuba-C.A.Operário, 12-1; Beringelense-Bairro da Conceição, 2-1; N.S.Beja-Alvito, 6-2; Despertar A- Ferreirense, 7-2. Líder: Despertar A 12 pontos. Próxima jornada (5/11): Operário-Beringelense; Bairro da Conceição-N.S.Beja; Alvito-Despertar A; Ferreirense-Vasco da Gama. Série B (2.ª jornada): São Domingos-Serpa, 1-2; Moura-Aldenovense, 8-0; Piense-Despertar B, 5-3; Santo Aleixo-Barrancos, 3-2. Líder: Moura, 6 pontos. Próxima jornada (5/11): Aldenovense-São Domingos; Serpa-Guadiana; Despertar B-Moura; Barrancos-Piense. Série C (2.ª jornada): Almodôvar-Milfontes, 2-1, OuriqueOperário F.C.,0-8, Odemirense-Boavista, 6-1; Castrense-Renascente, 14-1; Líder: Castrense, 6 pontos. Próxima jornada (5/11): Operário-Almodôvar; Milfontes-Aljustrelense; Boavista-Ourique; Renascente-Odemirense. Campeonato Distrital de Benjamins (2.ª jornada) Série A: Sporting Cuba-Figueirense, 15-0; Ferreirense-N.S.Beja, 6-0; Beringelense-Despertar A, 0-1; C.Benfica Beja-Alvito,4-9. Líder: Ferreirense, 6 pontos. Próxima jornada (5/11): N.S.Beja-Sp. Cuba; Figueirense-Vasco Gama; Despertar A-Ferreirense; Alvito-Beringelense. Série B: Bairro da Conceição-Desp.Beja, 17-1, Despertar B-Piense, 16-0; Aldenovense-Guadiana, 7-1; Amarelejense-Moura, 2-3. Líder: Despertar B, 6 pontos. Próxima jornada (5/11): Piense-Bairro da Conceição; Desp.Beja-Serpa; Guadiana-Despertar B; Moura-Aldenovense. Série C: Odemirense-Castrense, 1-2; Milfontes-Rosairense, 10-0; Panoias-Ourique, 1-9; Renascente-Aljustrelense, 4-3. Líder: Renascente, 6 pontos. Próxima jornada: Rosairense-Odemirense; Castrense-Almodôvar; Ourique-Milfontes; Aljustrelense-Panoias. Campeonato Distrital de Futsal – 1.ª jornada: Almodovarense-I.P.Beja, 2-2; Alcoforado-N.S.Moura, 2-4; Vila Ruiva-Alfundão, 4-7; V.N.São Bento-A.Surdos Beja, 18-0. Líder: VNSBento, 3 pontos. Próxima jornada (4/11): IPBeja-Alcoforado; A.Surdos Beja-Almodovarense; N.S.Moura-Vila Ruiva; Alfundão-VNSBento. Campeonato Distrital de Futebol Feminino – 2.ª jornada: CB Castro Verde-Aljustrelense, 2-2; Odemirense-CB Almodôvar, 4-0, Serpa-Ourique, 3-0. Líder: Odemirense, 3 pontos. Próxima jornada (5/11): Ourique-CB Castro Verde; Aljustrelense-CB Almodôvar; Odemirense-Serpa.


Pedro Caixinha na Madeira Menos de dois meses depois de ter deixado o comando técnico da formação do União de Leiria, e após a conclusão do curso UEFA Pro, na Escócia, o treinador bejense Pedro Caixinha assumiu a liderança do Nacional da Madeira, onde encontrará o jogador bejense João Aurélio, atleta que há várias épocas representa o clube da Choupana.

Na sequência da pesada derrota sofrida em casa diante do Torreense, a direção do Moura Atlético Clube prescindiu dos serviços do treinador Fernando Piçarra. Enquanto não é encontrado o sucessor de Piçarra, a equipa, que no domingo se desloca ao recinto do Pinhalnovense, será orientada pelo adjunto António Combadão.

3.ª Divisão de Futsal A equipa de futsal do Grupo de Desportivo e Cultural da Baronia recebe amanhã, sábado, pelas 17 horas, no Pavilhão Desportivo de Alvito, a formação da Associação Desportiva de Quinta do Conde, em jogo a contar para a quarta jornada do Campeonato Nacional da 3.ª Divisão de Futsal.

Campeonato Distrital da 1.ª Divisão

Lá vai Serpa e o Milfontes ali tão perto O Serpa travou um líder desfalcado durante mais de 45 minutos e o Milfontes, que jogou em casa e mostrou a sua veia goleadora, ameaça o primeiro lugar. Texto e foto Firmino Paixão

S

erá difícil avaliar quem ganhou e quem perdeu pontos no jogo de Serpa, considerado o “jogo da jornada”. Ambos ganharam um ponto, resultado simpático para os locais pela sua incapacidade em superar uma equipa que perdeu um dos seus elementos, por expulsão, ainda durante a primeira parte. Menos simpático para o líder e candidato, que precisava de consolidar a sua liderança e assim viu o Milfontes ficar apenas à distância de três pontos. A equipa do Mira goleou o Guadiana, assinou o resultado mais volumoso do campeonato e reafirmou as suas credenciais. Vitória expressiva do Vasco da Gama sobre o vizinho Cuba, empate natural entre Almodôvar e Panoias, triunfos difíceis mas preciosos do Odemirense em Vila Nova de São Bento, do Ferreirense em Beja e do Rosairense em São Marcos da Ataboeira. A jornada de domingo, sem jogos de grande cartaz, não deixa de ter alguns pólos de grande interesse, com a visita do Milfontes à Vidigueira, a viagem do Serpa para Panoias, a deslocação do Aldenovense a São Marcos e, naturalmente, o derby do concelho de Castro Verde entre o líder da prova e o vizinho São Marcos. Resultados da 6.ª jornada: Vasco da Gama-Sporting de Cuba, 4-1; Milfontes-Guadiana, 7-0; Almodôvar-Panoias, 1-1;

Serpa-Castrense Carrega (Castrense) saiu do banco de Francisco Fernandes mas não foi solução

Serpa-Castrense, 0-0; São Marcos-Rosairense, 1-2; Aldenovense-Odemirense, 0-1; Desportivo de Beja-Ferreirense, 1-2. Classificação: 1.º Castrense, 16 pontos. 2.º Milfontes, 13. 3.º Odemirense e Aldenovense, 12. 5.º Rosairense, 11. 6.º Ferreirense, 10. 7.º Serpa, 9. 8.º Desportivo de Beja e Panoias, 8. 10.º

Vasco da Gama, 6. 11.º Sporting de Cuba e São Marcos, 4. 13.º Guadiana, 3. 14.º Almodôvar, 0. Próxima jornada (6/11): Vasco da Gama-Milfontes; Guadiana-Almodôvar; Panoias-Serpa; Castrense-São Marcos; Rosairense-Aldenovense; Odemirense-Desportivo de Beja; Sporting de Cuba-Ferreirense.

Renascente subiu um degrau Texto Firmino Paixão

E

mpate a uma bola no jogo em que estava em causa a liderança. O Ferrobico não perdeu e isso era suficiente para se manter no topo. O Bairro da Conceição

José Luís Cano Brito

S

enhor de um invejável currículo, tem três momentos marcantes na vida desportiva: a internacionalização como júnior quando representava o Sporting, a subida à 2.ª divisão nacional como jogador do Desportivo de Beja e, já como treinador, a subida do Ferreirense à 3.ª divisão nacional. Contudo, prefere sublinhar as amizades que criou em todos estes anos no que diz ser a “grande escola que é o futebol”. Enquanto atleta (e como ele era bom de bola) formou-se no Despertar de onde saiu para o Benfica, representando sucessivamente o Sporting (a sua paixão clubista), Tramagal, Académica de Coimbra, Oriental, Desportivo de Beja e Atlético de Reguengos. Como técnico quase deu a volta ao distrito, senão vejamos: treinou o Cuba, Moura, Desportivo de Beja, Ferreirense, Serpa, Piense, Neves, Aljustrelense e Vasco da Gama da Vidigueira. Aos 60 anos, recentemente celebrados, continua ligado ao desporto como técnico da Câmara Municipal de Beja. São dele os prognósticos que se seguem.

(X) VASCO DA GAMA/MILFONTES A equipa da foz do Mira está bem apetrechada e o Vasco da Gama, entrando menos bem no campeonato, não terá força anímica para superar este adversário.

Campeonato Distrital da 2.ª Divisão

O líder empatou em Beja e manteve-se no comando mas apenas com um ponto de vantagem sobre a equipa de São Teotónio que subiu ao segundo posto.

Hoje palpito eu...

foi ultrapassado pelo Renascente. Triunfo do Saboia em Ourique e goleada do Amarelejense ao Barrancos. O Piense descansou e prepara-se para receber o Renascente, num dos jogos que, a par da visita do Bairro da Conceição a Saboia, serão os grandes da ronda de amanhã, sábado. Resultados da 6.ª jornada; Messejanense-Vale de Vargo,3-0; Alvorada-Sanluizense,2-1; Amarelejense-Barrancos, 5-0; Bº Conceição-Cabeça Gorda, 1-1; Ourique-Saboia, 1-2;

Renascente-Negrilhos. 2-1. Classificação: 1.º Cabeça Gorda, 13 pontos. 2.º Renascente, 12. 3.º Bairro da Conceição, 11. 4.º Amarelejense e Piense, 9. 6.º Messejanense, Alvorada e Ourique, 7. 9.º Saboia, 6. 10.º Sanluizense, 4. 11.º Vale de Vargo, 1. 12.º Negrilhos e Barrancos, 0. Próxima jornada (5/11): Sanluizense-Messejanense; Barrancos-Alvorada; Cabeça Gorda-Amarelejense; Saboia-Bairro da Conceição; Negrilhos-Ourique; Piense-Renascente.

(2) GUADIANA/ALMODÔVAR O Almodôvar entrou mal na prova e até já mudou de treinador. Visita uma equipa jovem e inexperiente e os pontos podem viajar na bagagem dos visitantes. (2) PANOIAS/SERPA Pelo que já fez neste campeonato, nomeadamente pontuando em casa de potenciais candidatos, a equipa de Hugo Felício é francamente favorita no terreno do Panoias. (1) CASTRENSE/SÃO MARCOS É um derby. Nessa qualidade seria jogo de empate, mas o Castrense é o principal favorito e tem argumentos para superar os vizinhos de São Marcos da Ataboeira. (X) ROSAIRENSE/ALDENOVENSE O Aldenovense está a surpreender tudo e todos. O Rosairense tem uma boa equipa mas joga em Almodôvar, terreno que conhece menos bem. É jogo de empate. (1) ODEMIRENSE/DESPORTIVO O Odemirense joga em casa e beneficia da experiência acumulada na 3.ª divisão da última época. O Desportivo de Beja será um opositor forte, mas o triunfo fica em casa. (X) SPORTING DE CUBA/FERREIRENSE Duas filiais do Sporting e dois clubes que representei como treinador. O empate é o resultado que mais se ajusta às características deste jogo.

19 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Moura despediu Fernando Piçarra


III Escalada de São Gens em Serpa

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

20

Andebol Zona Azul recebe o Loures A Zona Azul continua a liderar a zona sul do Nacional da 3.ª Divisão de seniores masculinos, após uma excelente vitória no Pavilhão de Redondo, por dois pontos de vantagem. Amanhã, sábado, pelas 17 horas, em Beja, a Zona Azul tem jogo de prognóstico favorável frente à equipa do Loures. Resultados da 6.ª jornada; Loures-N.Guadiana, 20-24; Redondo-Zona Azul, 23-25; Lagoa-Torrense, 22-26; Almada-Boa Hora, 21-26; A.C.Sines-Costa D’Oiro, 29-27. Líder: Zona Azul, 16 pontos. 6.º N.A.Redondo, 12. 10.º Andebol Clube de Sines, 7. Próxima jornada (5/11): Costa D’Oiro-Redondo; Zona Azul-Loures; Torrense-AC Sines.

Serpa em dificuldades O CCP de Serpa está irremediavelmente no último lugar do Nacional da 2.ª Divisão em iniciados masculinos e a experimentar grandes dificuldades para conseguir um triunfo, pelo menos no seu pavilhão. Na última jornada sofreu derrota pesada no pavilhão do líder e dia 12, em Serpa, pelas 16 horas, receberá o Vela de Tavira. Resultados da 7.ª jornada: Torrense-CCP Serpa, 30-14; Alto Moinho-Vela Tavira, 31-28; Lagoa-V.Setúbal, 38-36; Almada-Quinta Nova, 20-36. Líder: Torrense, 18 pontos. 8.º CCP Serpa, 7. Próxima jornada (12/11); CCP Serpa-Vela Tavira.

Hóquei em patins Grândola na frente Jogou-se a 2.ª jornada do Nacional da 3.ª Divisão de Hóquei, ronda em que o Aljustrelense e o Castrense não foram bem sucedidos, perdendo em casa dos seus opositores. O Estremoz perdeu em casa com a Juventude Salesiana e o destaque da ronda vai para a turma do Hóquei de Grândola, que superou a difícil formação de Os Lobinhos, isolando-se no comando da prova. Resultados da 2.ª Jornada; Seixal-Aljustrelense, 8-4; LisbonenseBoliqueime, 5-4; H.SantiagoCastrense, 7-6; H.GrândolaLobinhos, 9-4; Estremoz-Salesiana, 2-3; Folgou o Azeitonense. Líder: Hóquei de Grândola. Próxima jornada (5/11): AzeitonenseSeixal; Aljustrelense-Lisbonense; Boliqueime-H.Santiago; Castrense-H.Grândola; Os Lobinhos Estremoz. Folga a Salesiana.

Atletismo José Saúde

Foi um sonho! A sua inauguração mereceu honras de pompa e circunstância. Testemunhei o ato e, tal como todos os amantes da modalidade, perspetivei de imediato que Beja acabava por ser prendada com uma infraestrutura desportiva que colocava o atletismo alentejano na alta roda nacional. Uma pista de tartan e as suas atraentes conjeturas adjacentes no então único campo relvado na cidade brindavam a velha Pax Julia com um espaço que nos levava a um mundo de suposições. O complexo foi contemplado com o nome de Fernando Mamede, um atleta bejense que ao serviço do Sporting se sagrou recordista mundial dos 10 000 metros, em Helsínquia (1984), perspetivando-se que as magnificas instalações inauguradas se afirmariam no tempo como uma modalidade que evoluiria quer no campo quantitativo quer no qualitativo. Aliás, o futebol e o atletismo, na minha opinião, formavam uma simbiose perfeita no aproveitamento de um espaço que conhecia, logicamente, jornadas alternadas. Agora, num reparo ao estado lastimoso a que chegou a pista de atletismo do complexo desportivo Fernando Mamede, solto um grito de alerta a quem de direito para uma averiguação real ao piso, reconhecendo, contudo, que o seu reparo não se apresenta facilitado para a degradada condição a que a pista chegou. Segundo informações recolhidas junto de gentes que conhecem a realidade, o sintético é uma fibra que carece manutenção. Merece, pois, de cuidados atempados, principalmente em determinadas fases do ano. Porém, a veracidade atual da pista de atletismo de Beja deixa-nos desolados. Uma desolação que ultrapassa os almejados objetivos pelos quais foi projetada. Recordo as muitas esperanças depositadas na novel pista. Falava-se de provas nacionais que Beja poderia albergar e do público forasteiro que demandava à cidade. Hoje, considero que tudo se esfumou. Ficou o mundo de ilusões, de banalidades. Resolvam!

Integrada no Campeonato Distrital de Montanha realiza-se amanhã, sábado, na cidade de Serpa, pelas 15 horas, a III Escalada de São Gens, prova organizada pela Câmara Municipal de Serpa e pela Associação de Atletismo de Beja, com o apoio das juntas de freguesia de São Salvador e Santa Maria.

Beja Basket Clube em ação O Campeonato Nacional de Basquetebol da 2.ª Divisão inicia-se no próximo domingo e a equipa bejense que participa na prova, o Beja Basket Clube, jogará no Pavilhão Municipal de Beja, pelas 17 horas, frente aos Salesianos de Évora.

Sanluizense tem massagista invisual

Cegos são os que não querem ver Rogério Gregório foi um entre as muitas centenas de jovens que nos 70 e 80 procuraram uma oportunidade de emprego no perímetro industrial do complexo portuário de Sines. Texto e foto Firmino Paixão

U

ma obra que, ao mesmo tempo que escurecia o areal da praia Vasco da Gama e transfigurava o recorte paisagístico daquela costa, se constituía numa âncora profissional para os jovens do universo populacional da região. Rogério procurou uma vida melhor, uma oportunidade que lhe permitisse dar sustentabilidade aos sonhos que a sua juventude arquitetava. E foi nesse percurso por que sempre lutou, e que julgou ter encontrado, que a sorte lhe foi madrasta. O protagonista desta história de vida, na época, com o fulgor dos 23 anos, andava na labuta diária de soldador na Central Termoelétrica de Sines quando o rebentamento de uma caldeira o atingiu com gravidade, roubando-lhe um dos bens mais preciosos que a vida humana pode possuir, a visão. Rogério Gregório, hoje com 51 anos, não mais esqueceu esse momento: “A minha vida alterou-se numa fração de segundo, perder a visão fez desmoronar todos os meus sonhos de então”, diz. Traído pelo próprio destino, Rogério viu no desporto um paliativo para amenizar as consequências daquela fatalidade. Essa vertente de bondade que faz do desporto uma atividade solidária foi sempre levada a sério naquele clube do concelho de Odemira, por isso, o Sanluizense, clube de peito do malogrado Rogério, onde foi atleta e dirigente, franqueou-lhe as portas para ali encetar uma nova etapa de vida. Aprendeu braille e tornou-se massagista da equipa principal: “O Sanluizense é a minha segunda casa, esta gente é como se fosse da minha família, acompanho os treinos da equipa e estou presente nos jogos”, diz Rogério Gregório, adiantando que “massagista e

Rogério Gregório O massagista do Sanluizense

telefonista são as profissões mais praticadas pelos invisuais”. “Mas esta dedicação ao clube da minha terra natal é um bichinho que vive dentro de mim, tem que ser alimentado porque ele não morre nem eu sou capaz de o matar”, explica ainda. E acrescenta: “O clube contará sempre com o meu apoio incondicional, pelo menos enquanto a saúde me permitir”. Nas suas incursões pelo campo, devidamente autorizadas pela arbitragem já familiarizada com este caso impar no futebol distrital, Rogério conta com a função de guia do delegado da equipa. Rogério já procurou, vezes se conta, arranjar uma ocupação compatível com as suas limitações mas cada vez que o tenta só reacende a chama do sentimento de revolta que vive dentro de si: “Uma vez um empresário perguntou-me o que queria eu ir fazer para a empresa dele, no entanto tinha lá uma cabine telefónica onde eu podia trabalhar”, desabafa. Sem calar a sua insatisfação Rogério Gregório diz: “Portugal é um país de capelinhas, os organismos vivem em círculos muito fechados e não lhes convém que apareça gente

nova que perturbe e faça ondas. Isto está feito para três ou quatro comerem e se entrar alguém de novo vem complicar as coisas, e depois gastam-se milhões de euros em formação”. “Para quê, se depois quando as pessoas com diferenças vêm cá para fora a sociedade ignora-os”, pergunta. Rogério Gregório vive com uma pensão de sobrevivência, ou melhor, “sobrevive”, como ele próprio afirma. É sócio da ACAP, a associação nacional de apoio a invisuais, mas, vivendo em São Luís, dificilmente tem acesso a qualquer tipo de apoio. O seu desejo é “conseguir um emprego” para poder melhorar as suas “condições de vida”. Enquanto isso não acontece, o Sanluizense é o seu porto de abrigo: “É este amor pelo clube e as emoções do futebol que me ajudam a esquecer os infortúnios”, refere. Em termos desportivos ambicionava ver o clube noutros patamares, mas está consciente da realidade: “Isso é pura utopia, porque as condições que nós temos nunca o permitirão, queremos apenas fazer um campeonato razoável, os recursos são escassos, não podemos ter objetivos muito elevados”, conclui.


Sexta-feira, 4 NOVEMBRO 2011 Nº 1541 (II Série)

21

classificados diversos Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES N.º da Venda: 0248.2011.111 - Predio urbano destinado a escritorio norte sul 1, sito em Areias de S. João, lote 4 2º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 16578, fracção “AAP”, composto por três compartimentos, casa de banho, arrumos e varanda, com a área bruta privativa de 51,3600 m2 e área bruta dependente de 12,4000 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 12:00 horas do dia 2011-12-28. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 47.096,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-13, pelas 12:00 horas, e termina no dia 2011-12-28 às 12:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES N.º da Venda: 0248.2011.113 - Predio urbano destinado a escritório norte 2, sito em Areias de S. João, lote 4 1º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 16578, fracção “AM”, composto por três compartimentos, casa de banho, arrumos e varanda, com a área bruta privativa de 51,3600 m2 e área bruta dependente de 11,6600 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 15:00 horas do dia 2011-12-28. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 46.907,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”,“Outros Serviços”,“Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-13, pelas 15:00 horas, e termina no dia 2011-12-28 às 15:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

ANÚNCIO

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE MOURA-0299

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

N.º da Venda: 0248.2011.112 - Predio urbano destinado a escritório norte 3, sito em Areias de S. João, lote 4 2º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 16578, fracção “AAQ”, composto por três compartimentos, casa de banho, arrumos e varanda, com a área bruta privativa de 51,3600 m2 e área bruta dependente de 12,4000 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 14:00 horas do dia 2011-12-28. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 47.096,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-13, pelas 14:00 horas, e termina no dia 2011-12-28 às 14:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

N.º da Venda: 0299.2011.36 - Prédio rústico denominado Bispo, com a área de 0,277500 ha, composto de cultura arvense, sito na Freguesia de Santo Amador deste Concelho, a confrontar do Norte com José Filipe Vasques e outros, do Sul com Estêvão Seita, do Nascente com Francisco Nunes da Conceição Domingos Batarda, Miguel Mestre Filipe e Poente com Abílio Figueira Valente e Francisco Figueira Valente, inscrito sob o artigo 224 da secção B, descrito na Conservatória do registo Predial deste concelho sob o nº 177/19890421. Avaliação com o parecer técnico no valor de 6.938,00€. Fernando Manuel Fernandes Durão, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças MOURA-0299, sito em RUA DA CARNEIRA, 20, MOURA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) HUMBERTO MENDONÇA GAIDÃO, residente em MOURA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 11:00 horas do dia 2011-10-14 e as 23:59 horas do dia 2011-12-27 O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 4.856,60. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www.portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”,“Outros Serviços”,“Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 23:59 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 23:59. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0299201101001485 NIF/NIPC: 121965724 Nome: HUMBERTO MENDONÇA GAIDÃO Morada: R DA PARREIRA 41 1º ESQº - MOURA - MOURA 2011-10-14 O Chefe de Finanças Fernando Manuel Fernandes Durão

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

PEDRO BRANDÃO Agente de Execução C.P. 3877

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE FERREIRA DO ALENTEJO-0272

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES N.º da Venda: 0272.2011.31 - Serv. Finanças FERREIRA DO ALENTEJO [0272] Freguesia de Ferreira Do Alentejo. Prédio Urbano sito em R. Principal, lugar de Olhas, nesta freguesia e concelho. Inscrito na matriz predial urbana daquela freguesia sob o artigo 3188 e descrito na CRP deste concelho como ficha 189 da mesma freguesia. Fernando Manuel Ferreira Lopes, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças FERREIRA DO ALENTEJO-0272, sito em PRAÇA COMENDADOR INFANTE PASSANHA 16, FERREIRA DO ALENTEJO, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) MARIA DE FATIMA DE JESUS PIROCAS DOS SANTOS, residente em FERREIRA DO ALENTEJO, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 10:00 horas do dia 2011-10-31 e as 16:00 horas do dia 2012-01-23. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 6.895,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2012-01-08, pelas 16:00 horas, e termina no dia 2012-01-23 às 16:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0272200801008277 (e apensos) NIF/NIPC: 177113464 Nome: MARIA DE FATIMA DE JESUS PIROCAS DOS SANTOS Morada: R MIGUEL BOMBARDA N 8 - FERREIRA DO ALENTEJO - FERREIRA DO ALENTEJO 2011-10-24 O Chefe de Finanças Fernando Manuel Ferreira Lopes

ANÚNCIO Tribunal Judicial de Cuba Secção Única Acção Executiva Processo n.° 18/06.0TBCUB Exequente: Banco Comercial Português, S.A. Executados: Hermínio José Pereira Dionísio e outros. FAZEM-SE SABER que nos autos acima identificados se encontra designado o dia 14 de Novembro de 2011, pelas 14:00 horas, no Tribunal acima identificado, para abertura de propostas que sejam entregues até esse momento na Secretaria do mesmo, pelos interessados na compra do seguinte bem: Prédio Urbano, propriedade total, sito na Rua dos Palheiros, n.° 7, em Faro do Alentejo, em cuja matriz se acha inscrito sob o artigo 445, descrito na Conservatória do Registo Predial de Cuba sob a ficha 188/19920521, Faro do Alentejo – Cuba. O bem pertence aos Executados: HERMÍNIO JOSÉ PEREIRA DIONÍSIO, NIF: 214885178 e MARIA DE FÁTIMA DE SOUSA BERNARDO DIONÍSIO, NIF: 210179937. VALOR BASE: 125.000,00 € Será aceite a proposta de melhor preço acima do valor de 87.500,00€, correspondente a 70% do Valor Base. Nos termos do artigo 897.° n.° 1 do CPC, os proponentes devem juntar à sua proposta, como caução, cheque visado à ordem do agente de execução, no montante correspondente a 20% do valor base do bem, ou garantia bancária, no mesmo valor. É Fiel Depositário que o mostrará a pedido a executada Maria de Fátima de Sousa Bernardo Dionísio, Residente Fábrica Mariano Lopes & Filhos, Lda, em Alvito. O Agente de Execução, Céd Prof. 3877 Pedro Brandão


saúde

22

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Análises Clínicas

Medicina dentária ▼ Dr.ª Heloisa Alves Proença Médica Dentista Directora Clínica da novaclinica

Laboratório de Análises Clínicas de Beja, Lda. Dr. Fernando H. Fernandes Dr. Armindo Miguel R. Gonçalves Horários das 8 às 18 horas; Acordo com beneficiários da Previdência/ARS; ADSE; SAMS; CGD; MIN. JUSTIÇA; GNR; ADM; PSP; Multicare; Advance Care; Médis FAZEM-SE DOMICÍLIOS Rua de Mértola, 86, 1º Rua Sousa Porto, 35-B Telefs. 284324157/ 284325175 Fax 284326470 7800 BEJA

Cardiologia

RUI MIGUEL CONDUTO Cardiologista - Assistente de Cardiologia do Hospital SAMS CONSULTAS 5ªs feiras CARDIOLUXOR Clínica Cardiológica Av. República, 101, 2ºA-C-D Edifício Luxor, 1050-190 Lisboa Tel. 217993338 www.cardioluxor.com Sábados R. Heróis de Dadrá, nº 5 Telef. 284/327175 – BEJA MARCAÇÕES das 17 às 19.30 horas pelo tel. 284322973 ou tm. 914874486

MARIA JOSÉ BENTO SOUSA e LUÍS MOURA DUARTE

Cardiologistas Especialistas pela Ordem dos Médicos e pelo Hospital de Santa Marta Assistentes de Cardiologia no Hospital de Beja Consultas em Beja Policlínica de S. Paulo Rua Cidade de S. Paulo, 29 Marcações: telef. 284328023 - BEJA

Exclusividade em Ortodontia (Aparelhos) Master em Dental Science (Áustria) Investigadora Cientifica - Kanagawa Dental School – Japão Investigadora no Centro de Medicina Forense (Portugal) Rua Manuel Antó António de Brito n.º n.º 6 – 1.º 1.º frente. 78007800-522 Beja tel. 284 328 100 / fax. 284 328 106

Assistente graduado de Ginecologia e Obstetrícia

ALI IBRAHIM Ginecologia Obstetrícia Assistente Hospitalar Consultas segundas, quartas, quintas e sextas Marcações pelo tel. 284323028

FRANCISCO BARROCAS

Técnica de Prótese Dentária Vários Acordos

(Diplomada pela Escola Superior de Medicina Dentária de Lisboa)

Cirurgia Vascular

HELENA MANSO

Psicologia Clínica Psicoterapeuta e Terapeuta Familiar Membro Efectivo da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar e da Associação Portuguesa de Terapias Comportamental e Cognitiva – Lisboa

CIRURGIA VASCULAR TRATAMENTO DE VARIZES

CLÍNICA MÉDICA ISABEL REINA, LDA.

Obstetrícia, Ginecologia, Ecografia

JOÃO HROTKO

Rua Bernardo Santareno, nº 10 Telef. 284326965 BEJA

Clínica Geral e Medicina Familiar (Fac. C.M. Lisboa) Implantologia Oral e Prótese sobre Implantes (Universidade de San Pablo-Céu, Madrid)

Fisioterapia

CONSULTAS EM BEJA 2ª, 4ª e 5ª feira das 14 às 20 horas EM BERINGEL Telef 284998261 6ª e sábado das 14 às 20 horas

LUÍSA GALVÃO PSICOLOGIA CLÍNICA Consultas Crianças, Adultos e Avaliação Psicológica

Centro de Fisioterapia S. João Batista

Marcações pelo tm. 919788155

Rua do Canal, nº 4 7800 BEJA

Dermatologia Fisioterapia

CONSULTAS às sextas-feiras das 9 às 20 horas Tel. 284326965 Tlm. 967630950

DR. JAIME LENCASTRE Estomatologista (OM) Ortodontia

Marcação de consultas de dermatologia:

Medicina dentária ▼

Consultório Centro Médico de Beja Largo D. Nuno Álvares Pereira, 13 – BEJA Tel. 284312230

Luís Payne Pereira Médico Dentista Consultas em Beja

HELIODORO SANGUESSUGA

JORGE ARAÚJO Assistente graduado de ginecologia e obstetrícia ULSB/Hospital José Joaquim Fernandes Consultas e ecografia 2ªs, 4ªs, 5ªs e 6ªs feiras, a partir das 14 e 30 horas Marcações pelo tel. 284311790 Rua do Canal, nº 4 - 1º trás 7800-483 BEJA

CONSULTAS

Dr. José Loff

telfs.284322387/919911232 Rua Tenente Valadim, 44 7800-073 BEJA

FERNANDO AREAL

Acordos com A.D.S.E., ACS-PT, CGD, Medis, Advance Care, Multicare, Seguros Minis. da Justiça, A.D.M.F.A., S.A.M.S. Marcações pelo 284322446; Fax 284326341 R. 25 de Abril, 11 cave esq. – 7800 BEJA

Estomatologia Cirurgia Maxilo-facial ▼

DR. MAURO FREITAS VALE MÉDICO DENTISTA

Marcações pelo telefone 284321693 ou no local Rua António Sardinha, 3 1º G 7800 BEJA

a partir das 15 horas MARCAÇÕES pelos

Urgências Prótese fixa e removível Estética dentária Cirurgia oral/ Implantologia Aparelhos fixos e removíveis

MÉDICO ESPECIALISTA EM CLÍNICA GERAL/ MEDICINA FAMILIAR Marcações a partir das 14 horas Tel. 284322503 Clinipax Rua Zeca Afonso, nº 6-1º B – BEJA

Urologia

AURÉLIO SILVA

VÁRIOS ACORDOS

UROLOGISTA Consultas :de segunda a sexta-feira, das 9 e 30 às 19 horas Rua de Mértola, nº 43 – 1º esq. Tel. 284 321 304 Tm. 925651190 7800-475 BEJA

MÉDICO Consultor de Psiquiatria Consultório Rua Capitão João Francisco Sousa 56-A

Nutricionismo

1º esqº 7800-451 BEJA

Tel. 284320749

Pneomologia

GASPAR CANO

Clínica do Jardim

Clínica Dentária

às 3ªs e 4ªs feiras,

HORÁRIO: Das 11 às 12.30 horas e das 14 às 18 horas pelo tel. 218481447 (Lisboa) ou Em Beja no dia das consultas às quartas-feiras Pelo tel. 284329134, depois das 14.30 horas na Rua Manuel António de Brito, nº 4 – 1º frente 7800-544 Beja (Edifício do Instituto do Coração, Frente ao Continente) Clínica Geral

Praça Diogo Fernandes, nº11 – 2º Tel. 284329975

NERVOSO

Psiquiatria

DRA. TERESA ESTANISLAU CORREIA

DOENÇAS DO SISTEMA Fisiatria – Dr. Carlos Machado Psicologia Educacional – Elsa Silvestre Psicologia Clínica – M. Carmo Gonçalves Tratamentos de Fisioterapia – Classes de Mobilidade – Classes para Incontinência Urinária – Reeducação dos Músculos do Pavimento Pélvico – Reabilitação Pós Mastectomia

Generalista CONSULTAS DE OBESIDADE

Marcações pelo telef. 284325059

Neurologista do Hospital dos Capuchos, Lisboa

DR. JOSÉ BELARMINO

Médico Especialista pela Ordem dos Médicos e Ministério de Saúde

de Sousa, 56-A – Sala 8

DRª CAROLINA ARAÚJO

JOSÉ BELARMINO, LDA.

DR. A. FIGUEIREDO LUZ

ACS, CTT, EDP, CGD, SAMS.

Consultas de Neurologia

CLÍNICA MÉDICA DENTÁRIA

Rua Capitão João Francisco Acordos com:

Neurologia

Obesidade

Consultas de 2ª a 6ª

Convenções com PT-ACS CONSULTÓRIOS: Beja Praça António Raposo Tavares, 12, 7800-426 BEJA Tel. 284 313 270 Évora CDI – Praça Dr. Rosado da Fonseca, 8, Urb. Horta dos Telhais, 7000 Évora Tel. 266749740

Rua General Morais Sarmento. nº 18, r/chão Telef. 284326841 7800-064 BEJA

Prótese/Ortodontia CONSULTAS 2ªs, 3ªs e 5ªs feiras Rua Zeca Afonso, nº 16 F Tel. 284325833

Especialista pela Ordem dos Médicos Chefe de Serviço de Oftalmologia do Hospital de Beja

Rua António Sardinha, 25r/c dtº Beja

Oftalmologia

Médico oftalmologista

Beja: CLINIPAX, Rua Zeca Afonso, nº 6 - 1º-B, 7800-522 Beja Tel./Fax 284322503 TM. 917716528 Albufeira: OFICINA DOS MIMOS – CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA DO SUL, Quinta da Correeira, Lote 49, 8200-112 Albufeira Tel. 289541802 Tm. 969420725

FERNANDA FAUSTINO

Ginecologia/Obstetrícia

FAUSTO BARATA

Psicologia

Luís Viegas Serra

Hospital de Beja Doenças de Rins e Vias Urinárias Consultas às 6ªs feiras na Policlínica de S. Paulo Rua Cidade S. Paulo, 29 Marcações pelo telef. 284328023

BEJA Otorrinolaringologia ▼

DOENÇAS PULMONARES ALERGOLOGIA Sidónio de Souza Ex-Chefe Serviço Hospital Pulido Valente Consultas às 5ªs feiras Marcações: tel. 284 32 25 03 CLINIPAX Rua Zeca Afonso, nº 6 1º B - BEJA

Aconselhamento Nutricional

DR. J. S. GALHOZ Ouvidos,Nariz, Garganta

Clínica Médica Dr. Domingos Machado Carvalho, Lda.

Exames da audição

Praça António Raposo Tavares, n.º 12 7800-246 BEJA Tel. 284313270

Consultas a partir das 14 horas Praça Diogo Fernandes, 23 - 1º F (Jardim do Bacalhau) Telef. 284322527 BEJA


saúde

23

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

PSICOLOGIA ANA CARACÓIS SANTOS – Educação emocional; – Psicoterapia de apoio; – Problemas comportamentais; – Dificuldades de integração escolar; – Orientação vocacional; – Métodos e hábitos de estudo GIP – Gabinete de Intervenção Psicológica Rua Almirante Cândido Reis, 13, 7800-445 BEJA Tel. 284321592

Clínica Médico-Dentária de S. FRANCISCO, LDA. Gerência de Fernanda Faustino Acordos: SAMS, ADMG, PSP, A.D.M.E., Portugal Telecom e Advancecare Rua General Morais Sarmento, nº 18, r/chão; TEL. 284327260 7800-064 BEJA

_______________________________________ Manuel Matias – Isabel Lima – Ana Frederico Hugo Pisco Pacheco – Miguel Oliveira e Castro Ecografia | Eco-Doppler Cor | Radiologia Digital Mamografia Digital | TAC | Uro-TC | Dental Scan Densitometria Óssea Acordos: ADSE; PT-ACS; CGD; Medis, Multicare; SAMS; SAMS-quadros; Allianz; WDA; Humana; Mondial Assistance. Graça Santos Janeiro: Ecografia Obstétrica Marcações: Telefone: 284 313 330; Fax: 284 313 339; Web: www.crb.pt

Rua Afonso de Albuquerque, 7 r/c – 7800-442 Beja E-Mail: cradiologiabeja@mail.telepac.pt

CENTRO DE IMAGIOLOGIA DO BAIXO ALENTEJO ECOGRAFIA – Geral, Endocavitária, Osteoarticular, Ecodoppler TAC – Corpo, Neuroradiologia, Osteoarticular, Dentalscan Mamografia e Ecografia Mamária Ortopantomografia Electrocardiograma com relatório

Dr. Sidónio de Souza – Pneumologia/Alergologia/ Desabituação tabágica – H. Pulido Valente Dr. Fernando Pimentel – Reumatologia – Medicina Desportiva – Instituto Português de Reumatologia de Lisboa Dr.ª Verónica Túbal – Nutricionismo – H. de Beja Dr.ª Sandra Martins – Terapia da Fala – H. de Beja Dr. Francisco Barrocas – Psicologia Clínica/Terapia Familiar – Membro Efectivo da Soc. Port. Terapia Familiar e da Assoc. Port. Terapias Comportamental e Cognitiva (Lisboa) – Assistente Principal – Centro Hospitalar do Baixo Alentejo. Dr. Rogério Guerreiro – Naturopatia Dr. Gaspar Cano – Clínica Geral/ Medicina Familiar Dr.ª Nídia Amorim – Psicomotricidade/Educação Especial e Reabilitação (dificuldades específicas de aprendizagem/ dislexias) Dr. Sérgio Barroso – Oncologia – H. de Beja Drª Margarida Loureiro – Endocrinologia/Diabetes/ Obesidade – Instituto Português de Oncologia de Lisboa Dr. Francisco Fino Correia – Urologia – Rins e Vias Urinárias – H. Beja Dr. Daniel Barrocas – Médico Interno de Psiquiatria – Hospital de Santa Maria Dr. Carlos Monteverde – Chefe de Serviço de Medicina Interna, doenças de estômago, fígado, rins, endoscopia digestiva. Dr.ª Ana Cristina Duarte – Pneumologia/Alergologia Respiratória/Apneia do Sono – Assistente Hospitalar Graduada – Consultora de Pneumologia no Hospital de Beja Dr.ª Isabel Martins – Chefe de Serviço de Psiquiatria de Infância e Adolescência/Terapeuta familiar – Centro Hospitalar do Baixo Alentejo Dr.ª Paula Rodrigues – Psicologia Clínica – Hospital de Beja Dr.ª Luísa Guerreiro – Ginecologia/Obstetrícia Dr.ª Ana Montalvão – Hematologia Clínica /Doenças do Sangue – Assistente Hospitalar – Hospital de Beja Dr.ª Ana Cristina Charraz – Psicologia Clínica – Hospital de Beja Dr. Diogo Matos – Dermatologia. Médico interno do Hospital Garcia da Orta. Dr. José Janeiro – Medicina Geral e Familiar – Atestados: Carta de condução; uso e porte de arma e caçador. Dr.ª Joana Freitas – Cavitação, Lipoaspiração não invasiva,indolor e não invasivo, acção imediata, redução do tecido adiposo e redução da celulite Dr.ª Ana Margarida Soares – Terapia da Fala - Habilitação/ Reabilitação da linguagem e fala. Perturbação da leitura e escrita específica e não específica. Voz/Fluência. Dr.ª Maria João Dores – Técnica Superior de Educação Especial e Reabilitação/Psicomotricidade. Perturbações do Desenvolvimento; Educação Especial; Reabilitação; Gerontomotricidade. Enfermeira Maria José Espanhol – Enfermeira especialista em saúde materna/Cuidados de enfermagem na clínica e ao domicílio/Preparação pré e pós parto/ amamentação e cuidados ao recém-nascido/Imagem corporal da mãe – H. de Beja Marcações diárias pelos tels. 284 322 503 Fax 284 322 503 Tm. 91 7716528 Rua Zeca Afonso, nº 6, 1º B, 7800-522 Beja clinipax@netvisao.pt

António Lopes – Aurora Alves – Helena Martelo – Montes Palma – Maria João Hrotko – Médicos Radiologistas –

Hematologia

Urologia

HEMATOLOGIA CLÍNICA Convenções: ADSE, ACS-PT, SAD-GNR, CGD, MEDIS, SSMJ, SADPSP, SAMS, SAMS QUADROS, ADMS, MULTICARE, ADVANCE CARE

Doenças do Sangue

ANA MONTALVÃO

Horário: de 2ª a 6ª feira, das 8 às 19 horas e aos sábados, das 8 às 13 horas

Assistente Hospitalar

Av. Fialho de Almeida, nº 2 7800 BEJA Telef. 284318490

Marcações de 2ª a 6ª feira, das 15 às 19 horas

Tms. 924378886 ou 915529387

Terreiro dos Valentes, 4-1ºA 7800-523 BEJA Tel. 284325861 Tm. 964522313

FRANCISCO FINO CORREIA MÉDICO UROLOGISTA RINS E VIAS URINÁRIAS Marcações de 2.ª a 6.ª feira a partir das 14 horas Rua Capitão João Francisco de Sousa, n.º 20 7800-451 BEJA Tel. 284324690


institucional

24

Diário do Alentejo 4 novembro 2011 Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

ANÚNCIO

ANÚNCIO

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

N.º da Venda: 0248.2011.105 - Predio urbano destinadoa escritorio, sito em Areias de S. João, lote 6 2º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº14411, fracção “AAS”, composto por quatro compartimentos, duas casas de banho e varanda coberta, com a área bruta privativa de 84,3500 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 10:00 horas do dia 2011-12-27. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 71.834,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 10:00 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 10:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

N.º da Venda: 0248.2011.106 - Predio urbano destinado a comércio, sito Areias de S. João, lote 6, cave - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº14411, fracção “B”, composto por um compartimento, com a área bruta privativa de 93,8500 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 12:00 horas do dia 2011-12-27. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 86.926,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 12:00 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 12:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

N.º da Venda: 0248.2011.107 - 14/34 do prédio urbano destinado a garagem, sito Areias de S. João, lote 6 - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 14411, fracção “D”, composto por um compartimento, com a área bruta privativa de 686,0000 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 11:00 horas do dia 2011-12-27. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 88.977,59. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 11:00 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 11:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

N.º da Venda: 0248.2011.110 - Predio urbano destinado a escritório norte 2, sito em Areias de S. João, lote 4 2º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº16578, fracção “AAM”, composto por três compartimentos, casa de banho, arrumos e varanda, com a área bruta privativa de 51,3600 m2. Este imóvel encontra-se resgistado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Claudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 11:00 horas do dia 2011-12-28. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 43.953,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-13, pelas 11:00 horas, e termina no dia 2011-12-28 às 11:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

N.º da Venda: 0248.2011.109 - Predio urbano destinado a escritório nascente 1, sito em Areias de S. João, lote 4 1º andar - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 16578, fracção “AAB”, composto por três compartimentos, casa de banho, arrumos e varanda, com a área bruta privativa de 55,06 m2 e área bruta dependente de 13,44 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio & Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Cláudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 10:00 horas do dia 2011-12-28. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 50.484,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-13, pelas 10:00 horas, e termina no dia 2011-12-28 às 10:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

N.º da Venda: 0248.2011.108 - Predio urbano destinado a estabelecimento comercial, sito em Areias de S. João, lote 6 r/c - Albufeira, freguesia de Albufeira, concelho de Albufeira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 14411, fracção “O”, composto por dois compartimentos e duas casas de banho, com a área bruta privativa de 25,0000 m2. Este imóvel encontra-se registado em nome da Sociedade Cláudio e Irmão Lda, responsável originária da dívida exequenda e acrescido, tendo como terceiro responsável Joaquim Vaz Claudio. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) JOAQUIM VAZ CLAUDIO, residente em ALBERNOA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 14:00 horas do dia 2011-12-27. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 23.373,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www. portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 14:00 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 14:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200501028081 NIF/NIPC: 112689922 Nome: JOAQUIM VAZ CLAUDIO Morada: R DE ALJUSTREL N 16 - ALBERNOA - ALBERNOA 2011-10-20 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

ANÚNCIO

ANÚNCIO


institucional Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 2.ª Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 1.ª Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE VIDIGUEIRA-0337

ANÚNCIO

VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES N.º da Venda: 0337.2011.29 - Prédio urbano, sito na Rua da Malheira, n.º 22 em Vidigueira, inscrito na matriz predial da freguesia e concelho de Vidigueira, distrito de Beja, com 3 divisões, destinado a Habitação, com a área total de 149,00 m2, área bruta de construção de 99,00 m2, inscrito na respectiva matriz predial urbana no ano de 1937, sob o art.º 815. José Maria Pereira Aniceto, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças VIDIGUEIRA-0337, sito em LG. JOSE AFONSO, VIDIGUEIRA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) ANTONIO ARSENIO MONTEIRO CAMPANIÇO, residente em VIDIGUEIRA, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 10:00 horas do dia 2011-10-25 e as 16:00 horas do dia 2011-12-26. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 13.272,00. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www.portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-12, pelas 10:00 horas, e termina no dia 2011-12-27 às 10:00. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0337200901003771 (e apensos) NIF/NIPC: 145552152 Nome: ANTONIO ARSENIO MONTEIRO CAMPANIÇO Morada: LG 5 DE OUTUBRO 15 - VIDIGUEIRA - VIDIGUEIRA 2011-10-24 O Chefe de Finanças José Maria Pereira Aniceto

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA

EDITAL – ANÚNCIO VENDA EXTRA JUDICIAL POR NEGOCIAÇÃO PARTICULAR MANUEL JOSÉ BORRACHA PÓLVORA, chefe do Serviço de Finanças de Beja, faz saber que por despacho de 24-10-2011 foi ordenada a venda por negociação particular, nos termos do disposto no artº 252º do Código de Procedimento e do Processo Tributário e da alínea d) do nº 1 do artº 886º do Código do Processo Civil, do bem abaixo mencionado, penhorado no processo executivo nº 0248200901002015 e ap., instaurado contra Micosil Sociedade Construções Imobiliária Unipessoal, Lda, NPC 506486680, com sede na Rua do Pé da Cruz nº15 em Beja, para pagamento da quantia de € 34.949,86 (trinta e quatro mil novecentos quarenta e nove euros e oitenta e seis cêntimos) e acréscimos legais, por dívida de IVA, IRC, IRS, IMI e Coimas Fiscais. IDENTIFICAÇÃO DOS BENS Espaço amplo destinado a garagem/arrecadação, sito em Vale Mangude, lote 87, Areias de São João – Albufeira, com a área bruta privativa de 442,0000m2, inscrito da respectiva matriz predial urbana sob o artº 20436, fracção “I”, da freguesia e concelho de Albufeira, distrito de Faro. Foi fixado o valor mínimo de venda em € 48.357,00 (quarenta e oito mil trezentos e cinquenta e sete euros). É fiel depositário do bem penhorado o Sr Fernando Henriques da Silva, residente em Edifício Infante r/c C – Lagoas – 8200-568 Ferreiras. É mediadora para a venda a firma:” IMPACTO MR – Sociedade de Mediação Imobiliária, Ldª. com sede na Rua Infante D. Henrique, Edifício das Laranjeiras, Loja W nº 333 – 3700-120 São João da Madeira, telefone: 256200360, Fax 256200361, E-mail: impacto@impacto.pt As propostas de compra devem ser apresentadas por escrito, pelos proponentes, à sociedade encarregada da venda, até às 16:00 horas do dia 26/12/2011. O (a) adquirente ficará sujeito (a) ao pagamento do Imposto Municipal Sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, às taxas previstas nas alíneas d) do º 1 do artº 17º do CIMT, caso não beneficie de isenção do mesmo. E para constar se lavrou o presente EDITAL e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares determinados por Lei. Serviço de Finanças de Beja, 27 de Outubro de 2011. O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

25

Diário do Alentejo 4 novembro 2011 Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

Direcção-Geral dos Impostos SERVIÇO DE FINANÇAS DE BEJA-0248

ANÚNCIO N.º da Venda: 0248.2011.114 - O direito que Armando José Braz da Silva Pacheco e José Manuel Braz da Silva Pacheco, têm na herança de sua mãe Maria da Silva Braz Pacheco que representa uma quota ideal de 2/3 do prédio urbano sito na Rua Dr. Brito Camacho nº 23 em Beja, freguesia de S. João Baptista, inscrito na respectiva matriz sob o artigo nº 751. Manuel José Borracha Pólvora, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças BEJA-0248, sito em PRACA DA REPUBLICA, BEJA, faz saber que irá proceder à venda por meio de propostas em carta fechada, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de divida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) ARMANDO JOSE BRAZ DA SILVA PACHECO, residente em BEJA, que deverá mostrar aquele bem a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 09:00 horas do dia 2011-10-28 e as 16:00 horas do dia 2011-12-07. O valor base da venda (250.º CPPT) é de € 27.476,66. As propostas deverão ser enviadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, em www.portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados” ou entregues neste Serviço de Finanças, em carta fechada dirigida ao Chefe do Serviço de Finanças, mencionando o número da venda no envelope e na respectiva proposta, indicando nesta ultima, nome, morada e número de identificação fiscal do proponente. O prazo para recepção de propostas termina às 16:00 horas do dia 2011-12-07 procedendo-se à sua abertura pelas 10:00 horas do dia 2011-12-09, na presença do Chefe do Serviço de Finanças (253.º/a CPPT). Não serão consideradas as propostas de valor inferior ao valor base da venda (250.º/c CPPT). Se o preço mais elevado, com o limite mínimo do valor base para venda, for oferecido por mais de um proponente, abre-se licitação entre eles, salvo se declararem que pretendem adquirir o(s) bem(ns) em compropriedade (253.º/b CPPT). Estando presente só um dos proponentes do maior preço, pode esse cobrir a proposta dos outros, caso contrário proceder-se-á a sorteio (253.º/c CPPT). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas na lei do processo civil (256.º/e CPPT e 898.º Código de Processo Civil - CPC). No caso do montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas a uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/f CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal Sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto do Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240.º/CPPT). Teor do Edital: Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 0248200001009362 NIF/NIPC: 705479714 Nome: MARIA DA SILVA BRAZ PACHECO - CABEÇA DE CASAL DA HERANÇA DE Morada: R LUIS DE CAMÕES 8 2 - BEJA – BEJA 2011-10-21 O Chefe de Finanças Manuel José Borracha Pólvora

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 1.ª Publicação

EDITAL A Autoridade Florestal Nacional faz público que, nos termos do art.° 6.° do Regulamento da Lei n.º 2097, de 6 de Junho de 1959, aprovado pelo Decreto n.° 44623, de 10 de Outubro de 1962, a Associação de Caça e Pesca de Os Castelos de Mértota requereu, pelo prazo de 10 anos, renovação de duas concessões de pesca, uma na albufeira de Vale de Açor ou Lagos e outra na albufeira da Atafona, ambas localizadas na Herdade de Lagos, freguesia de Alcaria Ruiva, concelho de Mértola. Todas as pessoas singulares ou colectivas que se julguem prejudicadas nos seus direitos devem apresentar a sua reclamação, por escrito e devidamente justificada na Direcção Regional das Florestas do Alentejo – Unidade de Gestão Florestal do Baixo Alentejo – Rua de S. Sebastião apartado 121 – 7800-298 Beja no prazo de 30 dias a contar da data de divulgação deste Edital. Para consulta dos interessados encontra-se nos referidos serviços o projecto de Regulamento de Pesca, proposto pela entidade requerente para vigorar nas áreas a concessionar.

MUNICÍPIO DE CUBA Câmara Municipal

EDITAL Dr. Carlos José Maltez Almeida, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Cuba, em substituição do seu Presidente, nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 91º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Setembro, torna público que, se encontra aberto Concurso Público para Arrendamento Comercial do Estabelecimento de Bebidas sito no Centro Cultural de Cuba. 1. OBJECTO DO CONCURSO PÚBLICO: O concurso tem por objecto o arrendamento comercial do estabelecimento de bebidas do Centro Cultural de Cuba sito no Largo Fialho de Almeida, em Cuba, cujas obrigações especificas constam do caderno de encargos. 2. VALOR BASE: O valor base de licitação deste arrendamento comercial é de € 400,00/mês. Ao valor referido acresce o IVA à taxa legal em vigor. 3. TIPO DE ACTIVIDADE A EXERCER: O estabelecimento objecto do presente concurso destinase a cafetaria. 4. PRAZO DO ARRENDAMENTO: O arrendamento comercial objecto do presente concurso é feito pelo prazo de 3 anos, sendo automaticamente renovado no seu termo por períodos sucessivos de 1 ano até ao máximo de 10 anos, salvo oposição à renovação por qualquer das partes. 5. ADMISSÃO DE CONCORRENTES: Podem ser concorrentes pessoas singulares ou colectivas de reconhecida competência, solvibilidade e idoneidade, que cumpram as seguintes condições, sob pena de exclusão: a) Não serem devedores de impostos ao Estado português; b) Não serem devedores de contribuições para a Segurança Social, devidamente comprovada por certidão emitida pelo Instituto da Segurança Social, I.P.; c) Não serem devedores ao Município de Cuba. 6. PRAZO DE APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS: O prazo para apresentação das propostas é até às 17 horas do 10º dia (dias contínuos) contado da data de publicação deste Edital, sob pena de exclusão. 7. ACTO PÚBLICO: O acto público de abertura de propostas tem lugar no dia útil imediatamente subsequente ao termo do prazo fixado para a sua apresentação, perante o Júri designado para o efeito, no Salão Nobre do edifício dos Paços do Concelho, sito na Rua Serpa Pinto, 84, em Cuba, pelas 10h30. Ao acto público pode assistir qualquer interessado, mas nele apenas podem intervir os concorrentes e os seus representantes, estes últimos desde que devidamente credenciados. 8. CRITÉRIO DE ADJUDICAÇÃO O critério de adjudicação é o da proposta economicamente mais vantajosa, atendendo aos seguintes factores, por ordem decrescente de importância: a) Valor mensal proposto (60%); b) Mérito da proposta (40%). A forma de ponderação destes factores encontra-se fixada no programa de concurso. 9. CONSULTA E FORNECIMENTO DO PROCESSO DE CONCURSO: As peças que integram o procedimento - o programa do procedimento e caderno de encargos - encontram-se disponíveis para consulta na Divisão de Administração Geral da Câmara Municipal de Cuba, sita na Rua Serpa Pinto, 84, 7940-172, em Cuba, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30, desde o dia da publicação do presente Edital até ao termo do prazo fixado para a apresentação das propostas. O programa do procedimento e o caderno de encargos encontram-se ainda patentes na página de Internet da Câmara Municipal de Cuba – www.cmcuba.pt, onde podem ser consultados e copiados gratuitamente. Em alternativa, os interessados podem adquirir no serviço indicado no 1º parágrafo deste número, cópia das peças do procedimento, mediante o pagamento do respectivo custo, que é de € 1,80 + IVA. 10. PRAZO DE MANUTENÇÃO DAS PROPOSTAS: Os concorrentes obrigam-se a manter as suas propostas pelo prazo de 66 dias. Em caso de desistência antes do decurso deste prazo, fica o concorrente obrigado a pagar 50% do valor da sua proposta e fica impedido de poder concorrer a outros procedimentos abertos pelo Município durante o período de 2 anos. Paços do Município, aos 31 de Outubro de 2011. O Vice-Presidente da Câmara, Dr. Carlos José Maltez Almeida

Grande oportunidade de negócio Lisboa, 29 de Setembro de 2011. O Presidente Amândio Torres

Se tem 60 000,00€ Oferecemos carteira de clientes. Facturação no 1.º dia de porta aberta Contactar 938135441


institucional diversos

26

Diário do Alentejo 4 novembro 2011 Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

OFICINA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE VILA ALVA

CONVOCATÓRIA CENTRO DE APOIO A IDOSOS DE MOREANES

CONVOCATÓRIA 1. Nos termos do artº 29.º n.º 2 alínea c) dos Estatutos: CONVOCO Os Associados do Centro de Apoio a Idosos de Moreanes para a Assembleia Geral Ordinária, a realizar no dia 12 de Novembro de 2011, pelas 20:30 horas, na Sede Social, em Moreanes, com a seguinte: ORDEM DE TRABALHOS Ponto 1. Informações Ponto 2. Apreciação e votação do orçamento e do programa de acção para 2012 2 . Se à hora marcada não estiver presente mais de metade dos associados com direito a voto, a Assembleia reunirá uma hora depois, em conformidade com o disposto no art.º 31.º, n.º 1 dos Estatutos, com qualquer número de presentes. Moreanes, 27 de Outubro de 2011.

Convocam-se todos os membros da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Vila Alva, para uma Assembleia Geral Ordinária, a realizar no próximo dia 25 de Novembro, pelas 20 horas, no edifício do Centro Cultural de Vila Alva, com a seguinte ordem de trabalhos: Período antes da ordem do dia: 1. Apresentação, discussão e votação do Plano de Acção e Orçamento para o ano de 2012. 2. Outros assuntos de interesse da misericórdia. Se à hora marcada não estiverem presentes mais de metade dos irmãos, a Assembleia reunirá meia hora depois, em segunda convocatória desde que estejam presentes pelo menos um quarto dos irmãos. Vila Alva, 24 de Outubro de 2011

z

RECTIFICAÇÕES DE CABEÇAS E DE BLOCOS

z

TESTAGENS

z

SERVIÇO DE TORNO

z

SOLDADURAS EM ALUMÍNIO

Encamisar blocos orçamentos com ou sem material PREÇOS SEM CONCORRÊNCIA

CASADINHO

O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral Izalindo João Corchado Marques

Sítio Horta de St. António Caixa postal 2601 BEJA Tm. 967318516

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

Especialista de problemas de amor

O Presidente da Assembleia Geral Dr. Domingos Viegas

Astrólogo Curandeiro

DR. CÂMARA

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALJUSTREL

Espiritualista e Cientista

CONVOCATÓRIA

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALMODÔVAR

EDITAL ASSEMBLEIA GERAL ELEITORAL JOÃO DE DEUS LOPES PEREIRA, Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Almodôvar, INFORMA, nos termos do nº 1 do Art.º 63º dos Estatutos desta Associação, todos os associados no pleno gozo dos seus direitos, que se encontra aberto o processo eleitoral para os ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PARA O TRIÉNIO 2012/2014. Deste modo, deverão os eventuais candidatos formalizar as suas candidaturas nos termos do art.º 65º dos Estatutos, cujo prazo de recepção termina no próximo dia 15 de Novembro de 2011. Mais se informa que as listas candidatas terão que estar em conformidade e obedecer ao que se encontra disposto nos Estatutos, sem o que não poderão ser aceites. Para constar se passou o presente edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume. Almodôvar, 10 de Outubro de 2011.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral João de Deus Lopes Pereira

Nos termos do disposto no n° 1 do artigo 30º do Compromisso da Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel e n° 2 do artigo 59 do Decreto Lei 119/83 de 25 de Fevereiro, convoco os Irmãos a reunirem em Assembleia Geral Ordinária, no dia 14 de Novembro de 2011, pelas vinte horas, no refeitório do Infantário da Instituição, na Avenida 1.º de Maio n°4 7600-010 Aljustrel, com a seguinte ordem de trabalhos: 1 - Período de antes da ordem do dia. 2 - Apreciação e votação da Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos, para o ano de 2012. 3-. Rectificação da área do Edifício do Lar da Mina Prédio Urbano com o Artigo Matricial n° 19 descrito sob o n° 1621/19950217 da Conservatória do Registo Predial de Aljustrel. 4. Outros assuntos de interesse para a SCMA. Nos termos do n° 2 do Artigo 28° do Compromisso da Misericórdia, se à hora marcada não estiver presente maioria legal, a sessão terá lugar meia hora depois, em segunda convocatória, com qualquer número de Irmãos. Aljustrel, 27 de Outubro de 2011. O Presidente da Assembleia Geral Luís Maria Bartolomeu Afonso da Palma

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 Única Publicação

CASA DO ESTUDANTE

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA Nos termos do art.º 40, nºs 1 e 2, dos Estatutos, convocam-se todos os associados da Casa do Estudante para participarem na Assembleia Geral Ordinária a realizar em Beja, no dia 27 de novembro de 2011 pelas 8h30m, nas instalações da sede, sito na rua de Moçambique nº10 em Beja, com a seguinte ordem de trabalhos: 1 – Apreciar e votar o Orçamento e Programa de Acção, elaborados pela Direção para o ano de 2012, bem como o Parecer do Concelho Fiscal. 2 – Tratar de outros assuntos de interesse para a Associação. Os trabalhos iniciar-se-ão uma hora mais tarde, com qualquer número de associados, se à hora marcada não estiver reunido o quorum legalmente previsto. Beja, 1 de novembro de 2011. O Presidente da Mesa da Assembleia Geral Manuel Rebelo Lança Alves

O mais importante da Astrologia é obter resultados bons, rápidos e garantidos a 100%. Dotado de poderes, ajuda a resolver problemas difíceis ou graves em 7 dias, como: Amor, Insucesso, Depressão, Negócios, Injustiças, Casamento, Impotência Sexual, Maus Olhados, Doenças Espirituais, Sorte nas Candidaturas, Desporto, Exames e Protecção contra perigos como acidentes em todas as circunstâncias, aproxima e afasta pessoas amadas, com rapidez total. Se quer prender uma vida nova e pôr fim a tudo o que o preocupa, não perca tempo, contacte o Dr. Câmara e ele tratará do seu problema com eficácia e honestidade.

FACILIDADE DE PAGAMENTO

Consultas à distância e pessoalmente TODOS OS DIAS DAS 8 ÀS 21 HORAS Tel. 284105675 Tm. 968729608/910855133 Rua Escritor Julião Quintinha, nº 42 – A – 1º BEJA – ALENTEJO

Transportes de Serviços Urgentes Urgente diurno (recolhas e entregas no próprio dia) Urgente nacional (de hoje para amanhã) z Urgente Espanha (de hoje para amanhã, antes das 10H) z Urgente internacional (o mais urgente com cobertura mundial) z e-comerce – para empresas que comercializam os seus produtos através da Internet z Outros z z

Contactos: Beja, Évora – 284 321 760 | Sines – 269 636 087

MESTRE BAKARY GRANDE MESTRE AFRICANO Aconselha todos os problemas com poderes de

magia negra ou branca. O sucesso do seu futuro depende de si. Decida pelo melhor. Unir familiares, amor, negócios, impotência sexual, doenças espirituais, alcoolismo, droga, com forte talismã, afasta maus olhares. Considerado um dos melhores profissionais em Portugal. Consulta das 9 às 21 horas, de segunda a domingo. Marcação pessoalmente, carta ou telefone. Não se preocupe com nada. Procure o mestre. Tm. 964484382 7800-143 BEJA

ARRENDA-SE OU CEDE-SE Salão de cabeleireiro, a funcionar Contactar 968030737

&


necrologia diversos Rua da Cadeia Velha, 16-22 - 7800-143 BEJA Telefone: 284311300 * Telefax: 284311309 www.funerariapax-julia.pt E-mail: geral@funerariapax-julia.pt

Vila de Frades

PARTICIPAÇÃO

Funerais – Cremações – Trasladações - Exumações – Artigos Religiosos

BALEIZÃO

BEJA / TRINDADE

SALVADA

Augusto José Carvalho Borralho

†. Faleceu a Exma. Sra. D.

†. Faleceu o Exmo. Sr. JOSÉ

CUSTÓDIA LANÇA, de 99 anos, natural de Baleizão Beja, viúva. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 27 de Outubro, da Casa Mortuária de Baleizão, para o cemitério local.

ANTÓNIO CRISPIM CONDUTO, de 75 anos, natural de Salvador - Beja, casado com a Exma. Sra. D. Isália de Jesus Anastácio Palma. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 28 de Outubro, da Casa Mortuária da Salvada, para o cemitério local.

†. Faleceu o Exmo. Sr. JORGE ANTÓNIO AURÉLIO, de 85 anos, natural de Santiago Maior - Beja, Casado com a Exma. Sra. D. Alice Isabel Castilho. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 29 de Outubro, das Casas Mortuárias de Beja, para o cemitério da Trindade.

VILA RUIVA

VILA ALVA

MOURA

Nasceu 12.01.1940 Faleceu 20.10.2011 Faleceu a Exmo. Sr. Augusto José Carvalho Borralho, natural de Vila De Frades casado com a Exma. Sra. D. Clementina Esteves Alves Borralho. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 21, da Casa Mortuária de Vila de Frades para o cemitério local. (Rectifica-se o erro no nome na ultima publicação pelo que pedimos por isso desculpa à família.) AGÊNCIA FUNERÁRIA ESPÍRITO SANTO, LDA. Rua Das Graciosas, 7 7960-444 Vila de frades/Vidigueira Tm.963044570 – Tel. 284441108

Selmes

PARTICIPAÇÃO †. Faleceu o Exmo. Sr.

†. Faleceu a Exma. Sra. D.

†. Faleceu a Exma. Sra. D.

MANUEL ORTIZ MARCELO, de 88 anos, natural de Barrancos, viúvo. O funeral a cargo desta Agência realizouse no passado dia 01, da Casa Mortuária de Moura, para o cemitério local.

MARIA EMÍLIA FERNANDES FRAGOSO LIMA GOINHAS, de 73 anos, natural de Sé - Évora, casada com o Exmo. Sr. Hermenegildo Heitor Ciríaco Mestre Goinhas. O funeral a cargo desta Agência realizouse no passado dia 01, da Casa Mortuária de Vila Alva, para o cemitério dos Olivais em Lisboa, onde foi cremada.

PALMIRA DE JESUS PARREIRA, de 86 anos, natural de Vila Ruiva - Cuba, casada com o Exmo. Sr. Abílio António Gonçalves. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 02, da Casa Mortuária de Vila Ruiva, para o cemitério local.

Às famílias enlutadas apresentamos as nossas mais sinceras condolências. Consulte esta secção em www.funerariapax-julia.pt Vila Nova de S. Bento

Vales Mortos PARTICIPAÇÃO

Joaquim António da Silva Oleiro Nasceu 10.05.1965 Faleceu 26.10.2011 Faleceu o Exmo. Sr. Joaquim António Da Silva Oleiro natural de Alqueva, solteiro. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 28, da Casa Mortuária de Selmes para o cemitério local. AGÊNCIA FUNERÁRIA ESPÍRITO SANTO, LDA. Rua Das Graciosas, 7 7960-444 Vila de frades/Vidigueira Tm.963044570 – Tel. 284441108

Vidigueira

PARTICIPAÇÃO

Rosa da Costa Domingas Faleceu em 26.10.2011 É com pesar que participamos o falecimento da Sra. D. Rosa da Costa Domingas, de 99 anos, viúva, natural de Loulé. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no dia 27.10.2011 pelas 16.15 horas, da Casa Mortuária de Vales Mortos para o cemitério local. Apresentamos à família as cordiais condolências. AGÊNCIA FUNERÁRIA SERPENSE, LDA

Gerência: António Coelho Tm. 963 085 442 – Tel. 284 549 315 Rua das Cruzes, 14-A – 7830-344 SERPA

Faleceu o Exmo. Sr. Manuel da Silva Martins de 87 anos viúvo, natural de Conceição, Tavira. O funeral, a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 31 de Outubro da casa mortuária de Vila Nova de S. Bento para o cemitério local. AGÊNCIA FUNERÁRIA BARRADAS, LDA. Rua do Outeiro nº 21 – Vila Nova de S. Bento Telm: 967026828 - 967026517

Dr. João Manuel Pacheco Covas Lima MISSA DE 1.º ANIVERSÁRIO Sua Mulher, Filhos, Netos e demais Família participam que será celebrada Missa por sua intenção, 6.ª feira, 4 de Novembro, às 18:30, na Igreja do Carmo, em Beja.

CAMPAS E JAZIGOS – DECOR AÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL “DESDE 1800” Rua de Lisboa, 35 / 37 – Beja Estrada do Bairro da Esperança Lote 2 Beja (novo) Telef. 284 323 996 – Tm.914525342

marmoresmata@hotmail.com

Joaquim Pedro Tasquinha Antunes Nasceu 08.11.1925 Faleceu 30.10.2011 Faleceu a Exmo. Sr. Joaquim Pedro Tasquinha Antunes, natural de Vidigueira viúvo. O funeral a cargo desta Agência realizou-se no passado dia 31, da Casa Mortuária de Vidigueira para o cemitério local. AGÊNCIA FUNERÁRIA ESPÍRITO SANTO, LDA. Rua Das Graciosas, 7 7960-444 Vila de frades/Vidigueira Tm.963044570 – Tel. 284441108

27

Diário do Alentejo 4 novembro 2011

PARTICIPAÇÃO E AGRADECIMENTO

Palmira De Jesus Parreira

Seu marido, filhos e netos, vêm por este meio cumprir o doloroso dever de participar o seu falecimento ocorrido no passado dia 3110-2011 e na impossibilidade de o fazer pessoalmente, agradecer muito reconhecidamente a todos quantos a acompanharam à sua última morada, estiveram presentes neste momento tão difícil ou que de qualquer modo lhes manifestaram o seu pesar.

Diário do Alentejo nº 1541 de 04/11/2011 1.ª Publicação PEDRO BRANDÃO Agente de Execução C.P. 3877

ANÚNCIO

Tribunal Judicial de Moura – Secção Única Acção Executiva Processo n.° 1/09.3TBMRA Exequente: Alfonso Gallardo, S.A. Executados: Serafim Fernandes Martins. FAZEM-SE SABER que nos autos acima identificados se encontra designado o dia 30 de Novembro de 2011, pelas 09:30 horas, no Tribunal acima identificado, para abertura de propostas que sejam entregues até esse momento na Secretaria do mesmo, pelos interessados na compra do seguinte bem: VERBA 1 Prédio urbano, propriedade total, descrito sob a inscrição 853/19910314, da freguesia de Amareleja, concelho de Moura, com o artigo matricial n.° 1986, sito na Rua da Igreja, Amareleja - 70% de 32.500,00€ (22.750,00€) VERBA 2 Prédio rústico, denominado MORGADO, descrito sob a inscrição 2/19841016, da freguesia de Amareleja, concelho de Moura, com o artigo matricial n° 187, secção H, sito na Amareleja - 70% de 1.500,00€ (1.050,00€) Os bens pertencem ao Executado: SERAFIM FERNANDES MARTINS, NIF: 121965686 VALOR BASE: 34.000,00 € Será aceite a proposta de melhor preço acima do valor de 23.800,00€, correspondente a 70% do Valor Base. Nos termos do artigo 897° n.° 1 do CPC, os proponentes devem juntar à sua proposta, como caução, cheque visado à ordem do agente de execução, no montante correspondente a 20% do valor base do bem, ou garantia bancária, no mesmo valor. É Fiel Depositário que o mostrará a pedido o executado Serafim Fernandes Martins, residente na Rua da Igreja, n.° 32, na Amareleja. O Agente de Execução, Céd Prof. 3877 Pedro Brandão

CONTABILISTA (M/F) Um grupo de empresas do sector agrícola e industrial do azeite com sede em Beja pretende recrutar um(a) Contabilista para a sua equipa. COMPETÊNCIAS Reportando directamente ao Director de Administração tem como principais responsabilidades assegurar a contabilidade geral, com o objectivo de disponibilizar informação contabilística actual e fidedigna, garantir o cumprimento dos prazos de fechos mensais definidos superiormente; assegurar a contabilidade analítica, de modo a disponibilizar a informação necessária à tomada de decisão; ser responsável pelo cumprimento das obrigações legais e fiscais; colaborar com a auditoria externa; seguir os princípios e critérios contabilísticos, a legislação em vigor, as normas emanadas pelas entidades de supervisão, bem como as normas internas em vigor na empresa e saber trabalhar em equipa. REQUISITOS Licenciado(a) em Contabilidade ou Gestão de Empresas; Experiência profissional mínima de 3 anos em contabilidade geral, analítica e cumprimentos das obrigações legais e fiscais; Inscrição na OTOC; domínio do Office na óptica do utilizador (Word, Excel, Outlook); conhecimentos de Espanhol; experiência em SAGE e PRIMAVERA; proactivo, dinâmico e capacidade de resistência ao stress. OFERECEMOS Vencimento compatível com a experiência e as competências. Local de trabalho: Beja Enviar o seu CV, foto actual e Carta de Motivação para: rhumanos@grupoancora.eu

BOA OPORTUNIDADE Imóvel no centro histórico. VENDE-SE. 65.000 euros Contactar tm. 968983208


28 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Fanny é uma jovem e doce menina, de porte pequeno/médio, que procura uma família e um lar para que não tenha que viver no canil. É sociável com cães, sobretudo machos, e muito meiga com as pessoas. O seu pelo é lustroso e macio e a sua cauda parece a de uma raposinha. Será castrada e vacinada antes da adoção. Venham conhecê-la ao Cantinho dos Animais de Beja e deixem-se encantar pela sua simpatia…Contactos: 962432844; sofiagoncalves.769@hotmail.com

Boa vida Comer Peito de frango assado com esparguete e nozes Petiscos Uma estratégia singular

Ingredientes para quatro pessoas: 320 g. de esparguete, 600 g. de peito de frango, sumo de um limão, 4 dentes de alho, q.b. de azeite, q.b. de sal e pimenta, 100 g. de cebola, 100 g. de tomate, 40 g. de miolo de nozes, q.b. de salsa picada.

C

omo em todos os lugares da Terra, a biodiversidade do sul da Europa assentou na possibilidade dos predadores encontrarem disponíveis presas relativamente fáceis de capturar e em elevado número. O melhor exemplo desta disponibilidade é o coelho europeu, oryctolagus cuniculus, que foi caçado e serviu de alimento a linces, gatosbravos, raposas, lobos, toirões, saca-rabos, texugos, ursos, javalis, bufos, corujas, águias, açores e cobras. O quase total desaparecimento de algumas destas espécies, que não souberam encontrar substitutos capazes à sua regular alimentação, coincide com o aparecimento, por mão humana, de doenças fatais às comunidades destes animais, com particular destaque para a mixomatose. Mas a natureza tem destas coisas. A espécie, não o indivíduo, tinha uma estratégia muito própria. A capacidade reprodutiva destes animais é assombrosa. E assim, quanto mais morriam, por doença, caça ou destruição do meio que lhe era próprio, mais os coelhos se reproduziam. Para se ter uma ideia: uma coelha que está a parir no princípio de janeiro irá conhecer as suas bisnetas já prontas, também elas, a gerar a sua descendência, no fim do mesmo ano. Foram caçados entre nós desde tempos imemoriais, e deram origem à criação doméstica do furão, animal dócil pelo maneio humano, bravíssimo quando em liberdade. Era introduzido nos covais dos coelhos, fazendo-os sair para serem capturados ou atirados cá fora. Nos nossos dias, este tipo de caça é proibido e praticamente já não há quem crie estes lindíssimos animais. As quantidades fabulosas de coelhos que houve outrora são hoje uma longínqua recordação mas ainda se caçam com facilidade e continuam a ser uma verdadeira delícia gastronómica. Ainda que eu deva confessar que gosto igualmente dos coelhos de cativeiro, mansos, desde que devidamente alimentados a “verde” e não a ração. Peguemos então num dos bravos, ou melhor, nalguns porque o coelho bravo é parco de carnes, e façamo-lo com uma das velhas receitas alentejanas. Deixe-os ficar, dois, já arranjados e partidos, a marinar em vinho branco durante um dia. Aloure cebola, alho, salsa picada e louro em banha nova – cuidado com as banhas rançosas – e em seguida refogue-os. Tempere com sal, pimenta e colorau. Vá-lhes deitando uma pinga de água até estarem suficientemente passados e secos. Deixe arrefecer, passe as peças por ovos batidos e depois por pão ralado. Frite-os em azeite bem quente. Devem escorrer bem. Acompanhe com batata frita palha que será melhor se a fizer em casa. Também com salada de alface mas se encontrar chicória substitua esta por aquela. Fica muito bem com panados, o que é o caso. Molhe a salada bem, azeite, vinagre, sal e mostarda. Vai ver, um coelho memorável. António Almodôvar

Preparação:

.

Tempere o peito de frango com sal, pimenta, sumo de limão e azeite. Leve a assar no forno previamente aquecido a 180 graus, durante 25 minutos. Numa frigideira salteie a cebola e o alho picado na gordura, onde a carne assou, junte o tomate aos cubos e por fim o peito de frango desfiado. Rectefique os temperos a seu gosto. Coza a massa em água e sal escorra-a e envolva no preparado anterior. Tempere com um pouco de sal se necessário. Sirva numa travessa com as nozes e a salsa picada por cima. Bom apetite...

António Nobre Chefe executivo de cozinha – Hotéis M’AR De AR, Évora

Jazz Sam Sadigursky “Words Project III – Miniatures”

T

erceiro tomo do “Words Project” (iniciado em 2007), no qual o multi-instrumentista nova-iorquino Sam Sadigursky volta a explorar sinergias entre palavra (sobretudo poesia, mas também prosa) e música, num total de 18 pequenas peças, cuja duração oscila entre pouco mais de um e quatro minutos. “Procuro uma certa clareza, poemas que possam ser entendidos à primeira audição ou leitura, mas a que se possa voltar várias vezes”, assim explana o músico o seu critério de escolha dos textos. Nascido em Los Angeles, filho de músicos clássicos que se cruzaram num conservatório na Moldávia (então parte da União Soviética), cedo despertou para o jazz, tendo a partir daí colaborado com gente como Ray Brown, Rufus Reid, Brad Mehldau, Anat Fort ou a Mingus Orchestra. Sadigursky aborda a obra de nomes importantes das letras, entre consagrados e outros mais obscuros, de onde se destacam Fernando Pessoa, Máximo Gorki, os norte-americanos Emily Dickinson, William Carlos Williams, Carl Sandburg e o ícone da beat generation, Kenneth Patchen. Uma peça – “Tears” – é baseada num Sam Sadigursgy – “Words poema escrito por uma criança Project III – Miniatures” prisioneira no campo de conSam Sadigursky (piano, toy piano, órgão, centração nazi de Terezín (hoje wurlitzer, voz, percussão, teclados, República Checa) e faz parte de glockenspiel, flauta alto, piccolo, flauta, uma suite que Sadigursky espera clarinete, clarinete baixo e saxofone vir a gravar num futuro próximo. soprano), Michael Leonhart (trompete, Assumindo-se como “braço-difliscórnio, trompete baixo, vibrafone, reito” está o também multi-insvoz, percussão, teclados, kalimba, trumentista e produtor (e vocaórgão, harmónio e waterphone), Gary lista) Michael Leonhart (que já Wang (guitarra e contrabaixo), Jessie trabalhou com Steely Dan, Plastic Reagen (violoncelo), Chern-Hwei Ono Band, de Yoko Ono, e o brasiFung (violino e viola), Richie Barshay leiro Vinicius Cantuária), a que se (percussão), Michael Beers (trompa juntam diversos instrumentistas e inglesa), Sunny Jain (tabla), Frank vocalistas convidados. Se nos dois Basile (saxofone barítono), Sebastian primeiros volumes a abordagem Cruz (guitarra acústica e percussão), sonora aproximava-se mais do Roland Satterwhite (violino), Andrew jazz e da música erudita contemMcKenna Lee (guitarra), Dan Loomis porânea, aqui fazem-se sentir mais (violoncelo) e vários cantores. influências de uma certa música Editora: New Amsterdam Records de câmara, mas também da eleAno: 2011 trónica, da dita world music e da pop. Os resultados são variados na forma e no interesse, e vão desde a tapeçaria vocal de “Content” (com a voz de Monika Heidemann), aos ecos de Erik Satie em “Now”, passando por essa espécie de fuga que é “Recall” (com poema de Pessoa, na voz de Sunny Kim), pela atmosfera claustrofóbica de “O Muzyke Tolstykh” (sobre um texto de propaganda escrito por Gorki para o “Pravda”, onde arrasa a decadência ocidental, representada pelo jazz) ou pelos mais etéreos “Wistful” e “To Know Silence Perfectly” (ambas com palavras de Sandburg). Possui argumentos suficientes para justificar audição atenta. António Branco


29 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

Filatelia FIP: novas regras prejudicam

A

s novas regras da Federação Internacional de Filatelia (FIP) vão impedir muitos filatelistas de todo o mundo de participarem em exposições de âmbito mundial. Segundo elas, cabe aos expositores o pagamento de todas as despesas relacionadas com a devolução das coleções. A Federação Portuguesa de Filatelia – APD (FPF) afirma discordar desta imposição. Informa a FPF que, na impossibilidade de controlar estes preços, os filatelistas serão obrigados a pagar o que lhes pedirem, valor este que facilmente atingirá custos na ordem dos 750 a 900 euros, por coleção. Esta medida não é só impeditiva da participação, neste tipo de certames, de centenas de filatelistas, como é um verdadeiro atentado ao desenvolvimento desta salutar atividade histórico-cultural de ocupação dos tempos livres. Refira-se que se a participação de qualquer país for inferior a sete coleções, o comissário desse país não terá direito ao pagamento das despesas efetuadas na sua deslocação e na estadia no país organizador do evento. Assim sendo, é pois de crer que a partir de agora muito dificilmente haverá um comissário português em exposições deste nível. Até aqui o retorno das coleções era assegurado pelo comissário nacional de cada país. O Ateneu realiza mais um leilão O Núcleo Filatélico do Ateneu Comercial do Porto realiza no próximo dia 19 mais um leilão filatélico. Dos 2 168 lotes, há um conjunto muito interessante de 131 lotes, todos eles de selos de D. Luís. Deste acervo, são vários os que merecem uma referência especial. Destacamos os lotes 714, 709 e 634. Pela mesma ordem, trata-se de: uma quadra com goma original de 1879/80; fita direita, novas cores, 10 r. verde azul, tipo II, papel liso médio, denteado 12,5 (Afinsa n.º 49); vai à praça por 1 000 euros. Selo de 1870/76, fita direita, 240 reis, papel costelado (Afinsa 46); tem o valor base de 800 euros. E o de 1866/67, fita curva, não denteado 10 reis, em quadra do canto inferior esquerdo da folha (Afinsa 20) e que tem 900 euros como base de licitação. Este último lote é acompanhado por um certificado de autenticidade do Ateneu; os outros dois por certificado passado pelo Inexfip. O catálogo pode ser consultado em www.nfacp.com Geada de Sousa

PUB

BD “Le Prince Cornu”

C

om edição Delcourt, “Le Prince Cornu” é o primeiro tomo da série “La Saga de Wotila”, sob criação de Hervé Pauver t e C éc i le Chicault. Tudo começa nos inícios do século V... Fugindo ao ataque brutal dos hunos, os godos, após atravessarem o Danúbio, vão confrontar-se com o exército romano. Com todas as dificuldades, conseguem, mesmo assim, chegar às portas de Roma que conquistam em três dias. Foi a queda de Roma ao fim de oito séculos!... É neste contexto, no crepúsculo da antiguidade, que nasce Wotila, um jovem predestinado ao heroísmo, mas sempre cercado de armadilhas e intrigas.

“O Magriço” Com edição da Quartzo e apoio da Câmara Municipal de Penedono, o álbum “O Magriço” marca a estreia nesta arte do jovem Pedro Emanuel, licenciado em Filosofia e que agora se arroja à banda desenhada. Nascido em Pededono, Álvaro Gonçalves Coutinho, dito “O Magriço”, é a figura principal do episódio que Camões registou nos cantos I e VI, “Os Doze de Inglaterra” (Os Lusíadas), e que Eduardo Teixeira Coelho, nos anos 50, desenhou magistralmente para a revista “O Mosquito” e jamais editada em álbum (!!!...) Nesta versão de Pedro Emanuel percebe-se a homenagem prestada que pretende dedicar ao herói (e seus 11 companheiros), muito embora o grafismo denuncie precisamente isso: que é a de um estreante. Lê-se com agrado e ficamos com a sincera opinião que o autor deve prosseguir, mas acautelando-se no melhoramento do traço, colando-se mais às exigências das regras da banda Luiz Beira desenhada.


Diário do Alentejo 4 novembro 2011

30

Pequenas as es cantores encantam em Sines

O Coral Atlântico promove no próximo domingo, dia 6 de novembro, às 15 e 30 horas, a terceira edição do encontro Coral Atlântico Juvenil & Coros Convidados, com a participação de dezenas de pequenos cantores, ficando a sua direção a cargo de Rita Candeias. O bilhete para cada jornada polifónica custa três euros.

A páginas tantas ... A viagem de Olaj, vencedor do prémio Compostela 2011, para álbum ilustrado, do autor Martin León Barreto, conta-nos uma história que nos faz lembrar o Principezinho que, também cansado da solidão, embarca numa viagem. Uma história povoada de animais fantásticos, recorrendo a seres míticos, carregados de simbologia. Aos poucos junta-se um grupo que à partida nada tem em comum, como um peixe com a cauda ao contrário, um cavalo alado, um tigre arco-íris e um elefante elegante. Um livro onde a diversidade dde personagens até às cores e formas resulta num movimento extraordinário. Uma edição da Kalandraka.

Às aranhas...

Dica da semana A dica desta semana é inspirada no trabalho que a artista espanhola Cristina Moreno, licenciada em Belas Artes, desenvolve com os mais pequenos. E como agora o outono veio mesmo para ficar começam também a surgir nas nossas matas e florestas algumas criaturas bem interessantes. Mãos à obra porque os materiais são poucos. A criatividade, essa é que tem de ser muita.

Depois de uma noite de bruxas muitas foram as aranhas que deixaram a teia para pregar uns valentes sustos. Agora são elas que precisam de ajuda porque andam sete perdidas.


Governo só vai extinguir freguesias do distrito que não se vejam no Google Earth A reforma administrativa que o Governo quer implementar, que implica a eliminação de freguesias, está a provocar grande polémica. A nossa correspondente em Sr.ª da Graça de Padrões (Almodôvar) descobriu que o Governo pretende extinguir as freguesias que não se vejam no Google Earth. O executivo defende que este é o método mais justo para eliminar as que estão a mais, já que o que não se vê através desta ferramenta informática não tem grande relevância social. “Do Google Earth até dá

Reforma da administração local pode colocar capital do Baixo Alentejo em São Brissos Promete ser um dos pontos mais polémicos da reforma da administração local. Para além de pretender fundir freguesias e até, em alguns casos, misturar duas ou três numa picadora a ver o que dá, o Governo pondera deslocar a capital do Baixo Alentejo para São Brissos. “Faz todo o sentido”, afirmou fonte do executivo. Vão ter uma autoestrada, que acaba lá, e já têm um aeroporto. Se conseguirem criar uma Bolsa de Valores e uma loja da Fnac é negócio fechado. Por outro lado, uma investigação conjunta com a revista Pladur e Queijos Franceses apurou que, para pouparmos dinheiro, podemos emprestar a Espanha terras junto à fronteira, como Santo Aleixo da Restauração e Amareleja. Espanha fica com elas às terças e quintas e alternamos aos fins de semana. As férias de verão serão passadas no lado de lá da fronteira: cá faz muito calor e não há dinheiro para ar condicionado.

Voluntariado cresce em Beja pois é o mais próximo que as pessoas vão ter de um emprego As dificuldades que o nosso país atravessa estão a fazer despertar o espírito de solidariedade entre os portugueses, o que se reflete no crescente número de voluntários. Já não é voluntário quem é condenado em tribunal por passar cheques carecas ou dever dinheiro à Segurança Social: esses agora são deportados para o Tarrafal ou vergastados no pelourinho mais próximo. Os voluntários dos dias de hoje não têm dívidas porque nunca tiveram dinheiro. “É a primeira vez que vou fazer alguma coisa”, confidenciou-nos uma jovem bejense. “Depois de ter tirado a minha licenciatura em Relações Internacionais, e ter feito a pós-graduação em Harvard e o mestrado na Sorbonne, achei que era altura de dar um rumo à minha vida. Tenho qualificações a mais para caixa de hipermercado e a menos para consultora imobiliária. Já é altura de sair de casa dos meus pais, apesar de só ter 55 anos…”.

31 Diário do Alentejo 4 novembro 2011

passageiros Em 2012 o nosso aeroporto receberá 31 voos charter da Alemanha. A ligação Dusseldorf-Beja promete colocar esta cidade no metade dos a alemanha mapa das finanças internacionais, já que metade dos passageiros será composta por credores do país que, caso não recuperem o que virÃo d orto de beja dinheiro. já ameaçaram levar os submarinos às peças no voo de volta. O aeroporto local foi escolhido porque ficaram impressiop para o aero res do paÍs nados com a eficiência comprovada pelos ingleses que vieram pela empresa Sunvil: apesar dos voos diários, dos engarrafamentos e das filas para recolher bagagem, o aeroporto obteve a classificação de muito bom. sÃo credo

Inquérito Já frequentou a Alliance Française em Beja?

para ver coisas como as orelhas de José Rodrigues dos Santos (cada uma tem o seu próprio código postal) ou o aglomerado de candidatos à liderança da Federação do PS do Baixo Alentejo”, afirmou fonte de alimentação do ministério de Miguel Relvas. Por outro lado, e prevendo a contestação popular, o Governo defende que as freguesias do Alentejo que recusem a extinção deverão ser submersas por água da barragem do Alqueva, como a antiga aldeia de Luz ou o ego de alguns baixo alentejanos.

Centro de criação de padres em cative cativeiro Moura já abriu em Mou A recente ordenação dde dois diáconos no concelho de Mou Moura foi motivo jun dos católide grande satisfação junto cos alentejanos. A Ig Igreja na nossa regi região não vivia um momento tão alto desde que come comer um porquinho doce do Luiz da Rocha R foi conside siderado uma exper periência religios giosa. Apurámos que M Moura não pretende ficar por aqu aqui e já inaugurou o Centro de Criação em Cativeiro de Padres. “O nosso objetivo ob é criarmos o clérigo do séc. XXI. Também encontramos e tratam tratamos de diáconos em estado selvagem, selva alimentamo-los com os ens ensinamentos do Senhor e lavamos-lhes lavamos-lh as almas com o ‘Best of’ do FFrei Hermano da Câmara. Queremos Querem colocar os nossos fiéis na direção direç do Senhor para que possam enco encontrar o caminho da Salvação e evitar ev o Inferno que, como se sabe, é um sítio cheio de fogo, enxofre e ccom a música do João Pedro Pais a tocar 24 horas por dia”. Na sequência sequ de outros produtos de excelência ex produzidos pelo concelho concel de Moura, como o azeite, os pa padres daquela zona vão sair do cen centro com o carimbo DOP para se distinguirem dos padres importa importados que podem ser mais bara baratos, mas não têm a mesma qualid qualidade.

SANDRO CRÈME FRAÎCHE, 68 ANOS Emigrante português radicado em França desde o nascimento de Victor Hugo e gestor de negócios da Linda de Suza. Nunca foi precis’ ããhh. Quando fui prá France desenrasquei-me muito bem, voilá! Se tinha algum problem’ ia à gendarmerie, e levava a minha valise en carton avec os meus documentos. Aprendi logo como é que se dizia em francês croissant ou baguete. Nunca passei por la faim.

LUCIEN SALADE NIÇOISE, 32 ANOS Pessoa que gostava de ser abordada por Dominique Strauss-Khan num quarto de hotel. Eu cá sou muito francês… Quem precisava de ir era o Mário Soares. Ele fala francês como o Fábio Coentrão fala espanhol, com a diferença de que o Coentrão tem uma permanente mais apelativa. Aconselho toda a gente a frequentar a Alliance: a França é um país que deu algumas das cabeças mais brilhantes à humanidade, como a da Maria Antonieta.

GRACINDA PEDRA-POMES, 56 ANOS Pessoa que critica as pessoas que vão às lojas dos chineses e depois só usa papel higiénico da marca “Remova”. Mas a Alliance ainda existe? Aquilo paga-se? É que se não for o Estado a pagar para eu ir aprender não vou. Era o que faltava!… Gastar dinheiro para me cultivar… Mas sempre era uma maneira de melhorar o meu francês. O meu objetivo era perceber o que é que Joe Dassin canta.


Nº 1541 (II Série) | 5 novembro 2011

FUNDADO A 1/6/1932 POR CARLOS DAS DORES MARQUES E MANUEL ANTÓNIO ENGANA PROPRIEDADE DA AMBAAL – ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL Presidente do Conselho Directivo Jorge Pulido Valente | PRACETA RAINHA D. LEONOR, 1, 7800-431 BEJA | Publicidade e assinaturas TEL 284 310 164 FAX 284 240 881 comercial@diariodoalentejo.pt Direcção e redacção TEL 284 310 165 FAX 284 240 881 jornal@diariodoalentejo.pt | Assinaturas País € 28,62 (anual) € 19,08 (semestral) Estrangeiro € 30,32 (anual) € 20,21 (semestral) Director Paulo Barriga (CP2092) | Redacção Bruna Soares (CP 8083), Carla Ferreira (CP4010), Nélia Pedrosa (CP3586), Ângela Costa (estagiária) Fotografia José Ferrolho, José Serrano | Cartoons e Ilustração Carlos Rico, Luca, Paulo Monteiro, Susa Monteiro | Colaboradores da Redacção Alberto Franco, Aníbal Fernandes, Carlos Júlio, Firmino Paixão, Marco Monteiro Cândido | Provedor do Leitor João Mário Caldeira | Colunistas Aníbal Coutinho, António Almodôvar, António Branco, António Nobre, Carlos Lopes Pereira, Constantino Piçarra, Francisco Pratas, Geada de Sousa, José Saúde, Luiz Beira, Rute Reimão | Opinião Ana Paula Figueira, Arlindo Morais, Bruno Ferreira, Carlos Félix Moedas, Cristina Taquelim, Daniel Mantinhas, Filipe Pombeiro, Francisco Marques, Francisco Martins Ramos, Graça Janeiro, João Machado, João Madeira, José Manuel Basso, Luís Afonso, Luís Covas Lima, Luís Pedro Nunes, Manuel António do Rosário, Marcos Aguiar, Maria Graça Carvalho, Nuno Figueiredo Publicidade e assinaturas Ana Neves | Paginação Antónia Bernardo, Aurora Correia, Cláudia Serafim | DTP/Informática Miguel Medalha Projecto Gráfico Alémtudo, Design e Comunicação (alemtudo@sapo.pt) Depósito Legal Nº 29 738/89 | Nº de Registo do título 100 585 | ISSN 1646-9232 Nº de Pessoa Colectiva 501 144 587 Tiragem semanal 6000 Exemplares Impressão Grafedisport, SA – Queluz de Baixo | Distribuição VASP

RIbanho

Siga-nos no Facebook www.diariodoalentejo.pt

POR LUCA

Hoje, sexta-feira, espera-se chuva. A temperatura vai oscilar entre os 11 e os 14 graus centígrados. Amanhã, sábado, prevê-se uma melhoria do estado do tempo e o céu vai estar pouco nublado. No domingo o sol deverá brilhar.

Ana Baleia ministra oficinas de reciclagem de vestuário

DR

Roupas personalizadas com pouco dinheiro

P

assou o verão a ensinar gente de todas as idades a dar vida nova a roupas usadas ou estragadas, com truques simples e baratos. Foram 17 oficinas por várias freguesias do concelho de Odemira, ao que se seguem mais cinco no concelho vizinho de Santiago do Cacém. Além destas ações, a que chama oficinas de Reciclagem e Intervenção Criativa em Vestuário, Ana Baleia, que cursou Design de Moda em Lisboa e se mudou para o litoral alentejano há cerca de três anos, é também autora da marca de colares NeckDress e da Sardinha Ernestina, uma das vencedoras do concurso das Festas de Lisboa 2011. Uma alentejana genuína escolhida para simbolizar os festejos alfacinhas. Numa época em que tudo se massificou, moda incluída, reciclar vestuário é uma forma de marcar a diferença ou, pura e simplesmente, de poupar dinheiro?

É uma forma de poupar algum dinheiro e simultaneamente de ficar com roupas personalizadas e únicas, contrariando essa tendência da massificação da moda, que nos faz correr o risco de andarmos todos vestidos de igual. Já percorreu todo o concelho de Odemira com estas oficinas e prepara-se agora PUB

para fazê-lo em Santiago do Cacém. Já ganhou muito(a)s seguidore(a)s?

Sim, há algumas pessoas que me acompanham nesta tournée pelo Alentejo e que já participaram em quatro ou cinco oficinas em freguesias diferentes. Além disso, pedem-me conselhos por email ou mandam-me fotos de trabalhos que fazem depois em casa, o que me deixa muito contente.

Ana Baleia,

32 anos, natural de Cascais Estudou Design de Moda na Faculdade de Arquitetura de Lisboa e desenhou para o criador de moda Dino Alves, nomeadamente no seu projeto Hospital da Roupa. Foi também designer da marca de roupa Sacoor Brothers e passou uma temporada em Cabo Verde, trabalhando para a SoulBrother. Ao regressar, em 2008, foi viver para o concelho de Odemira, “algo entre Lisboa e Cabo Verde”, diz, e aí encontrou o espaço de criação de dois projetos em nome próprio. A marca de colares NeckDress e as oficinas itinerantes de Reciclagem e Intervenção Criativa em Vestuário, entre outros.

É licenciada em Design de Moda e natural de Alcabideche, em Cascais. O que a trouxe até ao concelho de Odemira e a fez ficar?

Depois de viver em Lisboa, estive um ano em Cabo Verde, a desenhar numa marca de roupa. Quando voltei a Portugal, decidi ficar por aqui... Algo entre Lisboa e Cabo Verde. Quem é a Sardinha Ernestina e como está ela a desenrascar-se em Lisboa?

A Sardinha Ernestina foi uma das vencedoras do concurso das Festas de Lisboa de 2011. Feita aqui em Odemira e com inspiração na vida rural e nos bonecos de trapos, foi uma das bem-aventuradas sardinhas que simbolizou as festas da capital, por onde continua a dar-se bem, apesar das saudades da costa alentejana. Entrevista de Carla Ferreira

¼ ¼ ¼

¼

Frio chega ao Alentejo na próxima semana Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia as temperaturas mínimas vão sofrer uma acentuada descida no início da próxima semana, podendo chegar aos 4ºC em Beja. Durante o fim de semana as mínimas rondarão os 8/9ºC e as máximas os 16ºC, mas segunda-feira os termómetros atingirão os 4ºC, voltando, depois, a subir até aos 12ºC de mínima, previstos para sexta feira, 11. Quanto à chuva, a probabilidade de aparecer é de quatro por cento no fim de semana, mas com tendência para subir até aos 24 por cento, na quarta feira.

Movimento contra a obesidade em Beja Beja acolhe, entre sábado e domingo, uma iniciativa contra a obesidade. O objetivo é pôr Beja em movimento. Amanhã, sábado, acontece a apresentação do Movimento Contra a Obesidade, um ateliê de culinária e um colóquio sobre obesidade, nutrição, desporto e psicologia do desporto. No domingo decorre a I Maratona de BTT e o I Passeio Pedestre. A partida está agendada para as 9 horas, no Instituto Politécnico de Beja.

Sub-18 Portugal e Noruega jogam em Beja e Moura A Seleção Nacional de Futebol de Sub-18 vai defrontar a equipa da Noruega, no dia 22, em Moura, e no dia 24 em Beja. Os dois particulares servirão de preparação para o apuramento do Campeonato da Europa de Sub-19, de 2013. O encontro da Margem Esquerda terá início às 15 horas, enquanto o de Beja se realizará, de manhã, às 11 horas.

Castro lança iniciativa de saúde para idosos A Câmara de Castro Verde lançou uma nova iniciativa no âmbito do projeto Desporto Sénior. O intuito é sensibilizar os idosos com estados nutricionais fora dos parâmetros normais para hábitos e estilos de vida equilibrados.


Edição n.º 1541