Page 1

QUARTA-FEIRA, 11 DE JULHO DE 2018 • EDIÇÃO Nº 5335

DIÁRIO OPERÁRIO E SOCIALISTA DESDE 2003

WWW.PCO.ORG.BR

Golpe fracassa na economia: dólar alto, PIB quase 0 e inflação crescente são esperados no fim do ano

“Presunção de Lula”: se for Lula o paciente, a PF não solta de maneira alguma

PRESIDENTE DA CUT: “O QUE ELES QUEREM É IMPEDIR QUE LULA SEJA LIBERTADO E CONCORRA ÀS ELEIÇÕES”

Causa Operária Ediçao 1011

O Presidente Nacional da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, denunciou os juízes golpistas, principalmente Sérgio Moro, sobre a nova arbitrariedade cometida contra a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

ADQUIRA JÁ SUA EDIÇÃO Na edição de hoje do DCO, leia a repercussão da disputa jurídica que escancarou a crise do Judiciário no caso Lula. Veja quem é o novo ministro do trabalho, aprovado pelos patrões da CNI. Também mais polêmicas sobre a Copa do Mundo e os preparativos para a Conferência Nacional Aberta de Luta contra o golpe.

Conselho Editorial

EDITORIAL

Lula só será solto com a luta Michel Temer chamou os dos trabalhadores: participe patrões para indicar novo Por que da Conferência Nacional de ministro do Trabalho ninguém O presidente golpista Mi- articularam a derrubada da exquer falar da Luta Contra o Golpe chel Temer (MDB) convocou -presidenta Dilma Rousseff POLÊMICA

arbitragem?

reunião no Planalto com os patrões da Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma das grandes organizações que

Talvez seja correto dizer que no jornalismo há fundamentalmente dois tipos de pessoas: os ingênuos e os mal intencionados. Os primeiros acabam invariavelmente sendo manipulados pelo segundo tipo. Nos dias 21 e 22 de Julho, acontece a Conferencia Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe, em Sao Paulo. O evento será importante para definir os rumos da luta política nacional para as próximas

etapas, já que reunirá centenas de ativistas de todo País em um grande debate, com resoluções práticas, sobre como mobilizar pela derrota dos golpistas, que veem atacando todo o povo brasileiro.

(PT) e escolheram o novo ministro do Trabalho, o advogado Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello.

Para economizar, INSS procura cortar auxílio invalidez de 100 mil trabalhadores, em SC Em Santa Catarina o governo golpista pretende revisar, ou seja, eliminar 100 mil benefícios de aposentadoria por invalidez e auxílio-doença. O governo vem

realizando, através do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), um “pente-fino” nos benefícios sob o pretexto de averiguar irregularidades.

É PRECISO LUTAR CONTRA AS INSTITUIÇÕES PARA LIBERTAR LULA A ação ilegal realizada pelo juiz fascista Sérgio Moro, pela Polícia Federal e pelo TRF-4 (obviamente, apoiada pelos donos do golpe) para impedir o cumprimento da liminar que colocaria em liberdade (ainda que provisoriamente) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, evidencia uma vez mais a enorme crise interna da burguesia e, como parte desta, a divisão no interior do judiciário que, atinge desde as instâncias inferiores e intermediárias (como é o caso do TRF-4) até o Supremo Tribunal Federal (STF).


2 | EDITORIAL EDITORIAL

POLÊMICA

É preciso lutar contra as instituições para libertar Lula

A

ação ilegal realizada pelo juiz fascista Sérgio Moro, pela Polícia Federal e pelo TRF-4 (obviamente, apoiada pelos donos do golpe) para impedir o cumprimento da liminar que colocaria em liberdade (ainda que provisoriamente) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, evidencia uma vez mais a enorme crise interna da burguesia e, como parte desta, a divisão no interior do judiciário que, atinge desde as instâncias inferiores e intermediárias (como é o caso do TRF-4) até o Supremo Tribunal Federal (STF). De um modo geral, as instâncias do judiciário, assim como todas as instituições do regime burguês mostram-se divididas em duas alas: uma ala identificada com os representantes da burguesia nacional que apoiou, majoritariamente o golpe de estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, mas que se vê profundamente atingida pelos efeitos do regime golpista, e outra diretamente vinculada ou corrompida pelo imperialismo, que dá as cartas no regime golpista, se favorecendo diretamente da política de destruição da economia brasileira, entrega das riquezas nacionais (petróleo, água, privatizações etc.). Esta divisão atinge, inclusive, setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa, onde toda uma ala adota uma posição claramente favorável ao imperialismo, defendendo o abandono completo da luta contra o golpe (“virar a página”), buscando dividir a esquerda em torno do chamado “plano B”, da busca por impor um candidato de “esquerda” palatável aos golpistas, o candidato-abutre Ciro Gomes, que da mesma forma que a direita, diz que Lula não é preso político e que o Brasil “não aguenta um governo de esquerda”. Em meio à essa crise e divisão, um setor da esquerda, acredita ser possível superar a crise atual por meio de um acordo com setores da burguesia nacional, conquistando por dentro das instituições do regime e com o consentimento da ala pró-imperialista, a liberdade de Lula e o direito de que ele seja candidato nas eleições presidenciais, o que – nem de longe – faz parte dos planos da direita golpista. Essa perspectiva significa adotar posição semelhante aquela adotada em outros momentos da luta contra o golpe de estado. Como exemplos podemos citar, entre muitos outros: a crença de que o impeachment fraudulento de Dilma seria barrado permeio de um acordo com setores do PMDB e outras alas que deram o golpe; a ilusão de que o congresso golpista aprovaria uma emenda para antecipar as eleições presidenciais (“diretas já!”) e a “fé” de que Lula não seria preso ou ainda de que era melhor se entregar, uma vez que isso facilitaria sua soltura posterior, diante da falta de provas e da fraude total em que se baseiam os processos contra o ex-presidente. A realidade, no entanto, se impõe e contraria toda essas expectativas que não se baseiam na situação con-

creta. A de que estamos em meio a um golpe de Estado, orquestrado e comandado pelo imperialismo, que não foi dado com o objetivo apenas de derrubar Dilma e permitir – posteriormente – que Lula, o PT e a esquerda pudessem retornar ao governo. De modo algum faz parte dos planos dos golpistas a realização de eleições que não sejam uma fraude total que vise apenas legitimar um novo governo golpista, com a missão dar continuidade às medidas do governo golpista de Temer e Cia. contra os explorados e a economia nacional em favor do imperialismo. Os setores da burguesia que apresentam, agora, alguma resistência às medidas dos golpistas, no judiciário, no congresso, na economia etc., evidenciam a tradicional e histórica fragilidade da burguesia nacional diante do imperialismo. Fica evidente que para derrotar o golpe e conquistar qualquer medida democrática e de interesse popular, como é o caso da liberdade de Lula, é preciso a intervenção do único setor da sociedade em condições de fazer frente ao imperialismo, a classe trabalhadora e suas poderosas organizações de luta, tendo à frente o seu “pelotão de elite”, a classe operária, com seus próprios métodos de luta. A situação confirma o que já assinalamos e que vem sendo confirmado, sistematicamente, pelos acontecimentos: sem uma mobilização revolucionária não é possível impor uma derrota efetiva aos golpistas, garantir a liberdade de Lula, revogar as “reformas” impopulares (como a trabalhista, que acabou com a CLT e está atuando duramente a organização elementar dos trabalhadores, que são os sindicatos), impedir a aprovação de outros ataques (como a “reforma” da Previdência) etc. É preciso aproveitar a divisão nas fileiras inimigas, o deslocamento das massas à esquerda que se expressa, entre outros, na esmagadora rejeição ao governo Temer e todo o regime golpista, no amplo apoio à candidatura de Lula entre os explorados e suas organizações de luta e na total falta de apoio popular das candidaturas burguesas. É preciso uma ampla mobilização que imponha a vontade popular às instituições do regime, que derrote os golpistas. Para isso, mais do que nunca, é preciso fortalecer a organização independente da burguesia, como é o caso dos comitês de luta contra o golpe, pela anulação do impeachment, pela liberdade de Lula etc. E unificar suas iniciativas por meio da Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe, marcada para os dias 21 e 22 próximos, em São Paulo. As ações no judiciário e as iniciativas parlamentares – por mais importantes que possam ser – não serão capazes de substituir a luta das massas na tarefa necessária de derrotar os golpistas e impor a vontade popular: libertar Lula, derrotar o golpe e suas “reformas” e eleger Lula presidente.

Por que ninguém quer falar da arbitragem? Talvez seja correto dizer que no jornalismo há fundamentalmente dois tipos de pessoas: os ingênuos e os mal intencionados. Os primeiros acabam invariavelmente sendo manipulados pelo segundo tipo. Quando se trata de futebol a coisa fica ainda mais confusa. No caso do esporte, o preconceito comum difundido pela burguesia de que não existe política em tudo é alastrado com ainda mais facilidade e com mais facilidade ainda os ingênuos são manipulados pelos mal intencionados. Essa situação também permite que se diga qualquer coisa sobre o futebol, como se não tivesse nenhuma ligação com a realidade e em muitas casos nem mesmo com a lógica. Isso é o que acontece com os ataques contra a Seleção Brasileira e o futebol. Desde a derrota do Brasil para a Bélgica – se bem que a história se repete em todas as Copas – comentaristas e jornalistas de todas as cores procuram explicar o que houve. Praticamente todas as análise erram por já partirem de uma premissa errada que é justamente acreditar que o Brasil perdeu por um problema meramente futebolístico. Dessa maneira, tentam explicar esquemas táticos, chegam ao absurdo de comparar a qualidade do jogador brasileiro, muito superior, aos jogadores de outras seleções e por aí vai. Esquecem apenas do fundamental, conforme a história das Copas já mostrou, o Brasil foi derrotado em primeiro lugar como sempre por fatores externos ao futebol. A politicagem comandada pelo imperialismo europeu e acompanhada pela campanha da imprensa pró-imperialista no Brasil contra os jogadores, como no caso de Neymar, é o principal fator que explica a derrota. Tanto é assim que na Copa desse ano um elemento teve que entrar em jogo de maneira muito mais descarada do que o normal: o juiz. Nunca a arbitragem influenciou tanto os jogos de uma Copa do Mundo e influenciou negativamente. E contra o Brasil essa interferência da arbitragem atingiu níveis absurdos. Quem acompanha o futebol sabe que erros e favorecimentos de arbitragem são comuns. Entretanto, tais acontecimentos são discretos. A interferência de um juiz na partida normalmente acontece em lances duvidosos em que são usados critérios diferentes para um ou outro time. No caso da Copa do Mundo, a extrema necessidade do imperialismo garantir a vitória para alguma potência eco-

nômica somada à mediocridade do futebol europeu fez com que a FIFA montasse um esquema quase imbatível de interferência da arbitragem. Além dos juízes nitidamente preparados para favorecer os times europeus montou-se o chamado VAR, o árbitro de vídeo. A vítima foram todas as seleções não imperialistas, em particular a mais imbatível de todas: o Brasil. No jogo contra a Suíça, um gol ilegítimo dos europeus empatou o jogo e prejudicou a equipe do Brasil que no momento dominava a partida. Além disso, também não foi marcado um pênalti para a Seleção. No jogo contra a Costa Rica, o mais absurdo, o VAR foi chamado para desmarcar um Pênalti legítimo no Brasil. Erros aconteceram nos jogos contra a Sérvia e o México. Mas foi no jogo contra a Bélgica o escândalo. O VAR não deu um pênalti claro em Gabriel de Jesus e o árbitro ainda se recusou a apitar outros dois pênaltis em Neymar. Os sucessivos “erros” de arbitragem e o escândalo do VAR, usado sistematicamente a favor das seleções imperialistas e sistematicamente contra o Brasil mostram que além de qualquer consideração futebolística sobre a desclassificação da Seleção Brasileira seria preciso destacar e denunciar a participação decisiva da arbitragem contra o escrete canarinho. Mas não é esse o caso. Os roubos da arbitragem, quando aparecem, aparecem de maneira dispersa, tímida e lateral. Há um silêncio por parte da imprensa golpista, que como não poderia deixar de ser não iria denunciar os seus patrões imperialistas. Já a esquerda e a imprensa progressista seguem o silêncio, evitam falar dos escandalosos erros da arbitragem e preferem reproduzir a tese, que só serve para enaltecer os países imperialistas, de que a derrota brasileira teria sido obra do próprio futebol brasileiro. Os mal intencionados da imprensa golpista e pró-imperialista não querem falar do assunto. Não querem desrespeitar seus amos. Criam assim um falso moralismo, como se falar da arbitragem fosse “choro de perdedor”. Quando Dilma estava prestes a ser derrubada, essa mesma imprensa procurou convencer a própria esquerda e o povo de que não poderia falar a palavra “golpe”, falar em “golpe” seria uma espécie de choro de perdedor do PT. Na prática, está proibido falar da arbitragem porque o imperialismo não quer que se fale no golpe da arbitragem. Simples assim. E os lacaios mal intencionados da imprensa golpistas seguem as ordens de seus chefes e manipulam os ingênuos.

FRASE DO DIA

Moro alega “falta de tempo” para julgar PSDB mas interrompe férias para interferir ilegalmente contra Lula No site de Lula


NACIONAL| 3

VAGNER FREITAS

Presidente da CUT: “O que eles querem é impedir que Lula seja libertado e concorra às eleições” O

Presidente Nacional da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, denunciou os juízes golpistas, principalmente Sérgio Moro, sobre a nova arbitrariedade cometida contra a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Para Vagner, parte do Judiciário reconhece que Lula tem de estar em liberdade, porém, a parte golpista, representada pelas manobras de Moro e Gebran, mantêm o ex-presidente preso por uma questão claramente políticas a mando do imperialismo que articula um ataque de conjunto em toda América Latina. Depois da manhã agitada de domingo, 8, onde juízes entraram em confronto sobre a liberdade do ex-presidente Lula, manobras políticas do juiz de primeira instância Sérgio Moro – que está oficialmente de férias -, para impedir a liberdade do ex-pre-

sidente Lula, junto ao juiz federal João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) – também de férias – derrubaram a decisão do desembargador Rogerio Favreto que concedeu habeas corpus ao ex-presidente. Para Vagner a situação é inaceitável, pois parte do Judiciário reconhece que Lula tem de estar em liberdade e que manobras de Moro e Gebran mantêm o ex-presidente preso por uma questão de preferência claramente política e não de uma análise jurídica do processo sem crimes e sem provas do caos do triplex do Guarujá. “O que eles querem é impedir que Lula seja libertado, concorra às eleições presidenciais deste ano e ganhe, como indicam todas as pesquisas de intenção de votos feitas até agora”, afirma Vagner.

LUTE CONTRA O GOLPE

MAIS CORTES

Lula só será solto com a luta dos Para economizar, INSS procura trabalhadores: participe da Conferência cortar auxílio invalidez de 100 mil Nacional de Luta Contra o Golpe trabalhadores, em SC

N

os dias 21 e 22 de Julho, acontece a Conferencia Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe, em Sao Paulo. O evento será importante para definir os rumos da luta política nacional para as próximas etapas, já que reunirá centenas de ativistas de todo País em um grande debate, com resoluções práticas, sobre como mobilizar pela derrota dos golpistas, que veem atacando todo o povo brasileiro. Uma das coisas que ficou clara com os últimos acontecimentos é que a direita golpista só entende a força. Ou

seja, para libertar Lula, ponto central da luta contra o golpe, será necessário muitas mobilizacões, protestos e greves. Para isso, é preciso muita organizacão e, portanto, é importante comparecer à Conferencia. Apenas desta forma, com a unificação, a centralização e a organização a luta contra o golpe poderá se desenvolver. Desta forma, todos aqueles que se dizem lutar contra o golpe precisam comparecer e convocar mais militantes para irem e participar deste amplo debate.

INDÚSTRIA NACIONAL

Michel Temer chamou os patrões para indicar novo ministro do Trabalho

O

presidente golpista Michel Temer (MDB) convocou reunião no Planalto com os patrões da Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma das grandes organizações que articularam a derrubada da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) e escolheram o novo ministro do Trabalho, o advogado Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello. Primeiramente, devemos denunciar que a escolha do ministro, nesta segunda-feira, 9, teve como propósito colocar mais um aliado, que, neste caso, é sócio do escritório da mulher de Gilmar Mendes – cabeça da articulação golpista da burguesia nacional. Segundo, devemos escancarar que os golpistas fazem reuniões semanais com os empresários golpistas, aqui,

com Robson Andrade, que é presidente da CNI. Essa organização zela pelo cumprimento das decisões da diretoria e do Conselho de Representantes, entidades públicas e privadas, nacionais ou internacionais, que tem seus interesses econômicos e políticos bem definidos trazendo seus grupos de trabalho para a administração pública que está nas mãos dos capachos dos imperialistas. Mesmo com um embate gigantesco entre a burguesia nacional e a pró-imperialista, devemos ter claro que o Brasil de hoje é comandado pelos patrões, grandes capitalistas que destruíram a CLT, perdoam suas próprias dívidas na Receita Federal e agora escolheram seu representante para continuar os ataques contra os trabalhadores.

E

m Santa Catarina o governo golpista pretende revisar, ou seja, eliminar 100 mil benefícios de aposentadoria por invalidez e auxílio-doença. O governo vem realizando, através do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), um “pente-fino” nos benefícios sob o pretexto de averiguar irregularidades. Naturalmente que não se trata disso, mas de “economizar” recursos do Estado cortando os direitos mais fundamentais da população. De agosto de 2016 a Junho deste ano já foram cancelados 26.443 benefícios e outros cerca de 50 mil foram revisados, para menos, logicamente. A operação seguirá até a Janeiro de

2019 no Estado, já que a meta dos golpistas é eliminar 100 mil benefícios. Essa política criminosa se estende aos demais Estados do país. O governo informou que já houve uma redução nos pagamentos do Estado da ordem de R $ 800 milhões. Uma Política tipicamente neoliberal, a eliminação de um direito, mesmo de pessoas que não tem outra possibilidade de recursos, que serão jogada na miséria total, para atender as diretrizes fiscais do banqueiros. Um governo que corta os únicos recursos que pessoas inválidas ou doentes têm para sobreviver é um governo de criminosos da pior espécie.


4| NACIONAL

“PRESUNÇÃO DE LULA”

Se for Lula o paciente, a PF não solta de maneira alguma N

este domingo (08-07), o Poder Judiciário brasileiro protagonizou uma demonstração de falência total das instituições jurídicas no País. O desembargador federal Rogério Favretto, que estava de plantão no TRF-4 (Tribunal Regional Federal) concedeu liminar pela soltura do ex- presidente Luís Inácio Lula da Silva, da cadeia da Polícia federal de Curitiba, com o devido fundamento de que Lula, por ser pré-candidato à presidência da República nas eleições de 2018, não poderia ficar preso, já que não há trânsito em julgado e estaria sendo prejudicado para fazer sua campanha eleitoral; o que poderia provocar um dano irreparável e em aberta violação ao que estabelece a Constituição Federal. No entanto, os golpistas da operação Lava Jato, Sérgio Moro e o desembargador João Pedro Gebran (que comandou a operação fraudulenta que aumentou a pena de Lula), que estavam de férias, foram convocados pelos delegados da Polícia Federal, pela Rede Globo e demais golpistas

para impedir que a decisão de Rogério Favretto fosse cumprida e que se libertasse Lula. A movimentação contra a liberdade de Lula pelos golpistas, começou com um ato criminoso pelo juízeco Sérgio Moro que de uma praia de Portugal, ordenou que os policiais federais não acatassem a ordem judicial dada pelo desembargador Rogério Favretto, alegando que ele seria incompetente. Um absurdo jurídico em qualquer parte do mundo, um juiz de primeiro grau dizer que um desembargador não tem competência para dar uma liminar de soltura de um preso. o que renderia prisão imediata do juiz de primeiro grau que descumpre a ordem judicial. Na sequência, os golpistas do TRF4 que deram a sentença fraudulenta da prisão de Lula, como o desembargador João Pedro Gebran despachar, também de alguma praia, contra a liminar do desembargador Favretto, com o argumento político de que não se pode dar uma liminar dessa mag-

nitude para um preso do tamanho político de Lula, ou seja, Lula não tem os mesmos direitos de qualquer preso no país. Segundo o desembargador golpista João Pedro Gebran, Lula não tem presunção de inocência, conforme garante a Constituição Federal brasileira de 1988, Lula está submetido pelas leis criminosas da operação golpista da Lava Jato, que estabeleceu a Lula da forma mais fascista possível de que o ex–presidente têm a presunção de culpabilidade, mesmo que não exista provas contra ele. Após João Pedro Gebran se manifestar contra a liberdade de Lula, foi a vez do presidente do TRF-4, declarar-se contra a liminar do desembargador de plantão, Favretto, cancelando seu plantão. Se não bastasse a lambança que todos os golpistas da Operação Lava Jato fizeram contra a liminar de soltura de Lula, o desembargador Favetto ainda sofreu ameaças das Forças Armadas. No final do dia, a liminar foi rasgada pelos golpistas, a polícia fede-

ral de Curitiba só respeita ordens de quem é golpista e Lula não foi solto, continuando preso de forma ilegal, por motivos políticos na masmorra da operação Lava Jato por mais de 90 dias. Diante disso, mais uma vez ficou evidente que somente através da mobilização de rua é possível tirar Lula da cadeia, os golpistas já deram a ordem, Lula não tem direito algum, e ficará preso até eles quiserem.

CANDIDATO GOLPISTA E ABUTRE

GOLPE FRACASSA NA ECONOMIA

Ciro Gomes estreita negociações com PSB que destrói saúde em SP

Dólar alto, PIB quase 0 e inflação crescente são esperados no fim do ano

O

candidato golpista e abutre Ciro Gomes, tornou-se um verdadeiro querido dos setores direitistas que se colocaram favoráveis ao golpe de estado. Ciro, que tentou se passar por um candidato de esquerda, contra o golpe, nos últimos meses, tem se aproximado cada vez mais da direita e dos patrões. O candidato do PDT já fez o convite para que o seu ex-patrão e vice-presidente da federação patronal, a Federação das Industrias do Estado de São Paulo, a FIESP, Benjamin Steinbruch, fosse o vice em sua chapa à presidência. Ciro Gomes também já declarou que busca apoio de Democratas, o DEM, partido golpista por excelência, herdeiro da antiga ARENA, partido dos militares da ditadura. Em São Paulo, Ciro segue o seu plano de se aliar cada vez mais com a direita e, nessa direção, traça um acordo com o PSB, partido que atualmente está no governo do Estado, com Marcio França. França era vice de Geraldo Alckmin (PSDB), e recentemente declarou que está se esforçando para que seu partido apoie a candidatura de Ciro Gomes ao planalto. “Sou amigo dele, fui líder dele na Câmara. Defendo e defendi que meu partido se aproximasse da pessoa que acredito que seja a mais preparada para se tornar presidente” (Folha de S. Paulo, 10/07/2018). O PSB dá continuidade à política de desmonte do Estado e sucateamento dos serviços públicos de São Paulo, iniciada pelo PSDB. Um exemplo disso é o que vem acontecendo com a Saúde, onde hospitais importantes

O

vem sendo atacados pelo governo, favorecendo a saúde privada e a privatização da saúde pública. Em Campinas, por exemplo, onde o prefeito é do mesmo partido que Marcio França, Jonas Donizete, vem sucateando o Centro de Atenção Integrada à Saúde da Mulher, há denuncias de falta de leitos, os acompanhantes são obrigados a dormir no chão da instituição. A situação é precária também no hospital Ouro Verde, onde há um projeto de demissão de 1500 trabalhadores, além da precariedade nos serviços. O mesmo ocorre em São Paulo, no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo, o qual também está na mira do processo de privatização. A aproximação de Ciro com o PSB, portanto, reforça o caráter golpista de sua candidatura, ou seja, o fato de estar buscando estabelecer aliança com setores que são favoráveis ao desmonte das áreas sociais como a saúde e à educação. É preciso deixar claro que Ciro é também um candidato golpista, suas relações evidenciam o verdadeiro caráter de sua candidatura

imperalismo e a grande burguesia golpistas conseguiram colocar o Brasil em uma crise econômica de proporções catastróficas. A profundidade da crise está medida pelo dólar que está prestes a quebrar a barreira dos R$ 4,00, mas não apenas nesse aspecto. A fuga de capitais já ultrapassou a cifra de dezenas de bilhões de dólares e o PIB do país está se aproximando cada vez mais do crescimento nulo ou quase nulo, com os analistas estimando que o teto do crescimento do país em 2018 não ultrapassará 1,5%. A crise brasileira foi potencializada pelo boicote patrocinado pelos golpistas, a fim de promover o caos econômico no governo Dilma e acentuar a campanha pelo impeachment, principalmente com a operação Lava Jato, que cumpriu papel fundamental no desmonte da Petrobrás e de setores da indústria nacional fornecedora de insumos e infraestrutura àquela empresa, como a indústria naval e da construção civil. A pretensão dos “donos do golpe” era promover a retomada do crescimento no País com a entrada em larga escala de capital especulativo que aportaria no país com as privatizações e as vendas das riquezas na-

cionais. O problema é que o tiro saiu pela culatra. Não apenas o capital especulativo não veio na medida necessária, como agora está em fuga do país em busca de “portos mais seguros”. Essa situação de conjunto – dolár em alta, fuga de capitais, “pibinho”- é o combustível que está alimentando um outro fatasma para os golpistas, a tendência crescente da perda de controle do governo sobre a inflação. Esse será o pior dos mundos para aqueles que achavam que a concretização do golpe seria uma goleada contra o povo brasileiro. Finalmente, como “nada está tão ruim que não possa piorar”, a crise política no País só dá sinais de aprofundamento, inclusive com uma forte tendência à polarização política, o que coloca na ordem do dia a entrada em cena do movimento operário. Esse fator, aliado à crise mundial que não dá sinais de arrefecimento, muito ao contrário, expressos na guerra comercial dos norte-americanos contra os chineses e a opinião cada vez mais corrente entre os analistas econômicos sobre o estouro da bolha especulativa mundial, colocará literalmente o mundo de ponta cabeça.


MOVIMENTOS| 5

ENCONTRO ESTADUAL CONTRA O GOLPE

Preparando a Conferência Nacional, educadores têm Encontro Estadual contra o golpe, em Campinas N

esta quinta, dia 12 de julho, às 18:30h, acontecerá em Campinas, na sede da CUT, o Encontro Estadual Educadores Contra o Golpe. A atividade é parte da preparação para a Conferencia Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe que ocorrerá nos dias 21 e 22 de julho, em São Paulo, reunindo ativistas de todas as regiões do País. O Encontro dos trabalhadores da Educação terá como objetivo debater a atual situação da categoria, a qual é uma das mais atacadas pelo regime golpista. Após o impeachment da presidenta Dilma, os professores e funcionários sofrem com “congelamento” de seus salários em vários Estados, atrasos nos pagamentos, o aprofundamento da situação precária de ensino,

salas superlotadas, falta de materiais, além da investida política da direita contra a educação, com as diversas tentativas de calar os educadores, por meio da perseguição política de projetos como o “Escola Sem Partido”. Outro ponto fundamental é a necessidade da categoria impulsionar a campanha pela liberdade do ex-presidente Lula, hoje preso político dos golpistas, um dos eixos fundamentais da luta contra o golpe. Vale destacar que os professores tiveram um papel de destaque e decisivo durante as primeiras mobilizações contra o golpe, ocorridas ainda em 2015. A greve dos professores de São Paulo daquele ano, assim como a greve dos professores paranaenses deram o impulso

inicial para a luta contra o golpe e contra a direita. Nesse sentido, os educadores podem cumprir um papel importante na luta contra os golpistas e pela liberdade de Lula, por meio da organização dos comitês de luta em todo o país, nas escolas, junto aos estudantes e à comunidade escolar. Para fortalecer essa proposta, a Corrente Educadores em Luta\PCO convida a todos os educadores a participarem do encontro que acontecerá em Campinas e que contará com a participação de sindicalistas da APEOESP (Sindicato dos professores da rede estadual), conforme resolução de apoio aprovada no seu Conselho Estadual de Representantes, bem

como de dirigentes e ativistas do PT, PCO e de outras organizações que lutam contra o golpe. Caravanas de várias regiões do estado estão sendo organizadas, para participar é só entrar em contato nos seguintes telefones: (11) 983440068, (14)997280289, (19) 981214234, (16)982556649.

ATAQUE AOS TRABALHADORES

JUVENTUDE

Depois de atacar o plano de saúde, golpistas dos Correios atacam o vale refeição

Márcio França vetou R$48 milhões em verbas para o Hospital Universitário

A

negociação da campanha salarial dos trabalhadores dos Correios que está acontecendo neste mês, em Brasilia, entre os representantes dos trabalhadores e os representantes do governo golpista que estão na ECT (Empresa Brasileira dos Correios e Telégrafos) mostrou qual é o jogo dos patrões. Os golpistas que controlam a direção dos Correios, que conseguiram estabelecer mensalidades no plano de saúde da categoria dos Correios, com a ajuda do Bando dos Quatro (sindicalistas do PT, PCdoB, PSTU e diretoria do Sintect-MG-LPS), agora querem acabar com o benefício do vale refeição/alimentação dos trabalhadores dos Correios. Os golpistas anunciaram aos “representantes” dos trabalhadores que a direção dos Correios não quer mais que os trabalhadores tenham vale refeição/

alimentação. Como não conseguem impor a retira completa desse benefício, a direção da ECT propôs apenas pagar o vale refeição/alimentação nos dias em que o trabalhador for trabalhar. Ou seja, dos 23 vales que o trabalhador recebe, já vai diminuir para 20 vales para quem trabalha de segunda a sexta-feira. Também não vão pagar os vales no dia em que o trabalhador estiver afastado nas férias ou por atestado médico. Com isso, a direção da ECT já mostra que o próximo golpe contra os trabalhadores é o resto dos seus benefícios, a começar pelo vale refeição/alimentação. Por isso somente a luta contra o golpe poderá levará a manutenção dos benefícios dos trabalhadores e a recuperação de outros, como o fim da mensalidade no plano de saúde.

A

legando inconstitucionalidade, o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), vetou na íntegra o PL que destinava R$ 48 milhões em recursos para o Hospital Universitário da USP. A entidade vem sendo precarizada ao longo de sucessivos mandatos do PSDB e da direita. Desde 2013 o HU já perdei 403 trabalhadores em consequência dos planos de demissão voluntária, levando o hospital a fechar os pronto-socorros adulto e infantil. O hospital já reduziu a média de consultas mensais de 17 mil para apenas 3 mail. Os partos cariam de 40 para apenas 3 por mês. “Para repor o padrão de 2013, é preciso contratar cerca de 340 profissionais. É impensável que o pronto socorro não fique aberto 24 horas”, diz Lester Amaral Júnior, da coorde-

nação do Coletivo Butantã na Luta, coletivo que há anos se mobiliza para manter o funcionamento do hospital. Para ele, há boas chances do veto ser derrubado. A destruição que a direita impõe aos serviços públicos atinge no caso do Hospital Universitário simultaneamente as áreas da saúde e educação. O impacto mais danoso, como sempre, recai sobre a fração mais pobre da sociedade que tem a saúde prejudicada pela falta de atendimento. A medida, se soma a muitas outras de ataque à Saúde e outras áreas essenciais à população paulista, evidencia que o governo “socialista” do PSB não é mais que a continuação do governo direitista e golpista do PSDB, de Geraldo Alckmin, de quem França era vice.

INTERNACIONAL

Theresa May perde três ministros em um dia: Brexit balança por um fio O

governo britânico de Theresa May se encontra em uma profunda crise, está fraco e não consegue sair do poço em que se encontra há alguns meses. Seus ministros Boris Johnson e David Davis, responsáveis pela transição do país para sair da União Européia, demitiram-se. May teve de reconstituir seu gabinete e afirmou que seria preciso reunir as forças, caso contrário o país deve se defrontar com a vitória de Jeremy Corbyn, político progressista de esquerda, do Partido Trabalhista, que vem crescendo em todas as pesquisas e obtém apoio

dos setores de esquerda e da classe operária. Além desses dois ministros, outros se demitiram ou foram destituídos. A profunda crise da burguesia imperialista se expressa cada vez mais nos países europeus, onde terão de se defrontar ou com a ascensão da extrema-direita fascista ou com a vitória de um político com vínculos com a classe operária como é o caso de Corbyn. Ambas situações evidenciam o agravamento da crise do imperialismo diante da crise histórica do capitalismo.


Edição Diário Causa Operária 5335  

Na edição de hoje do DCO, leia a repercussão da disputa jurídica que escancarou a crise do Judiciário no caso Lula. Veja quem é o novo minis...

Edição Diário Causa Operária 5335  

Na edição de hoje do DCO, leia a repercussão da disputa jurídica que escancarou a crise do Judiciário no caso Lula. Veja quem é o novo minis...

Advertisement