Page 8

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

terça-feira, 20 de agosto de 2013

idades

Haddad quer incentivo para a zona leste Plano Diretor prevê isenção de impostos municipais para empresas que se instalarem na região. Prefeitura também pode retirar aviões do Campo de Marte, na zona norte.

A

Prefeitura de São Paulo vai isentar de impostos empresas com capacidade de geração de empregos que se instalarem na zona leste de São Paulo. Segundo o secretário das Finanças, Marcos Cruz, um projeto de lei do Executivo será encaminhado esta semana para a Câmara Municipal prevendo a medida, que envolve isenção de tributos municipais como o IPTU, ISS e ITBI. A informação foi divulgada ontem pelo secretário durante a apresentação do Plano Diretor de São Paulo. Cruz disse que o projeto de lei tem por objetivo viabilizar as diretrizes propostas no Plano Diretor. O texto que será enviado à Câmara prevê isenção total de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Intervivos, cobrado na venda de imóveis). A alíquota do ISS (Imposto Sobre Serviços) também deve cair para 2%. Hoje, ela oscila numa média de 5%, dependendo do ramo de atividade. A isenção fiscal atenderá a cinco setores: call centers, informática, escolas de idiomas,

Robson Fernandjes/Estadão Conteúdo

hotelaria e hospedagem. Para ser colocado em prática, o projeto de lei tem de ser aprovado pelos vereadores. C on s t ru ç ão – A Prefeitura também pretende ampliar o limite de construção nas regiões com oferta de transporte público. Empreendimentos que investirem no entorno de

Não é para agora. Em dois anos, teremos uma alternativa viável para retirar os aviões de lá. FERNANDO HADDAD, SOBRE O CAMPO DE MARTE linhas de trem e de corredores de ônibus, por exemplo, poderão construir até quatro vezes mais que a área do terreno. Com isso, boa parte do Centro expandido poderá se verticalizar ainda mais. A lista de bairros que entram no planejamento da gestão Fernando Haddad inclui até

áreas com potencial construtivo saturado, como o Morumbi, na zona sul, e Belém, na zona leste, além de outros com alta verticalização, como Moema, Vila Clementino e Pompeia. De acordo com a proposta, faixas de 400 metros em cada uma das margens dos trilhos vão delimitar o perímetro passível de receber o benefício. No caso de corredores de ônibus, a distância cairá para 200 metros de cada lado. A exceção serão os bairros com uso estritamente residencial, que não sofrerão interferências. Atualmente, essa permissão de otimizar a metragem do terreno com prédios mais altos ou com mais unidades existe apenas em zonas especiais, como as que abrigam operações urbanas - regiões em processo de requalificação. Campo de Marte – Para desenvolver a zona norte, o Plano Diretor indica uma medida polêmica: fechar o Campo de Marte para aviões. Só os helicópteros poderiam usar o local, explicou ontem o prefeito Fernando Haddad. "Não é para agora. Em dois anos, teremos uma alternativa viável

O prefeito Fernando Haddad durante exposição do Plano Diretor: retirada de aviões do Campo de Marte. para retirar os aviões de lá." A tese de Haddad é que falta emprego hoje na zona norte de São Paulo – a região, neste índice, perde apenas para a zona leste – porque a presença do Campo de Marte impõe limites à verticalização. A ideia é que o entorno do Campo de

Explosão na zona norte soterra quatro

A

Bombeiros retiram criança dos escombros de casa que explodiu após vazamento de gás de cozinha tos leves e foi encaminhada ao Hospital Municipal de Pirituba. O homem, de 53 anos, teve queimaduras de terceiro grau em 30% do corpo e foi levado pelo helicóptero Águia da Polícia Militar ao Pronto Socorro do Hospital das Clínicas.

Danos – A Defesa Civil vai avaliar o abalo estrutural nos imóveis da vizinhança para determinar se haverá ou interdições. O terreno atingido tem duas construções no primeiro andar e uma no segundo. Com o impacto da explosão, garra-

fas PET que eram armazenadas em um depósito no primeiro pavimento foram parar em cima do telhado. O Corpo de Bombeiros informou que atendeu, no ano passado, 4.055 casos de vazamento de gás de cozinha. (Estadão Conteúdo)

60 quilômetros da Capital. Orçado em R$ 700 milhões, o projeto tem o aval do governo federal e da prefeitura local. O segundo projeto é do aeroporto em Parelheiros, na zona sul. Mas ele acaba de ser vetado pela Prefeitura, por estar em área ambiental. (Agências)

Tortura: Fundação Casa pode ganhar 'Big Brother'.

U

Adriano Lima/Estadão Conteúdo

explosão causada pelo vazamento de um botijão de gás atingiu três imóveis de um mesmo terreno na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo, fazendo quatro vítimas ontem de manhã. Uma adolescente de 19 anos foi a última pessoa a ser retirada dos escombros, por volta das 12h40, mais de cinco horas depois do acidente, ocorrido às 7h35. Quatorze viaturas e 29 homens foram encaminhados à Rua Tabatinga, 10, endereço das construções. A primeira vítima a ser resgatada foi um menino de 10 anos, deficiente físico. Ele estava na cama inferior de um beliche e foi socorrido pelo pai, o pedreiro Carlos Rodrigues, de 40 anos, que havia acabado de sair para trabalhar quando ouviu o estrondo. O garoto sofreu fraturas na perna e foi levado para o Pronto Socorro do Hospital Municipal da Vila Nova Cachoeirinha. A segunda criança resgatada, um menino de 1 ano e 3 meses, filho da jovem de 19 anos, sofreu apenas ferimen-

Marte possa ser ocupado principalmente por edifícios comerciais. Alternativas – Para acomodar a demanda da aviação executiva, há dois projetos em andamento. Um deles é um aeroporto na cidade de São Roque, a aproximadamente

m dia após serem divulgadas denúncias de tortura em uma das unidades da Fundação Casa, na Vila Maria, zona norte de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin afirmou ontem que está avaliando a possibilidade de instalar câmeras de vídeo para monitoramento de todas as unidades, a exemplo do que já ocorre em algumas escolas estaduais. Alckmin disse que conversou no domingo com a presidente da Fundação, Berenice Giannella, sobre essa hipótese. "A Fundação tem feito um bom trabalho e é uma instituição séria. Conversamos (com Berenice) sobre a hipótese de ampliar o monitoramento por vídeo. Hoje, a maioria das escolas do Estado já tem câmera de vídeo, nós temos uma central de monitoramento. Talvez podemos ampliar esse trabalho." O governador classificou

como "inadmissível" o que aconteceu dentro do complexo Vila Maria. "É inadmissível o que aconteceu, imediatamente já foram afastados os três funcionários e o próprio diretor da unidade. Encerrado o processo de sindicância, eles serão demitidos da fundação", afirmou. No domingo, a Fundação Casa afastou o diretor da unidade João do Pulo do Complexo da Vila Maria e mais três funcionários acusados de espancar seis adolescentes internados. A sessão de espancamento ocorreu após uma tentativa de fuga e foi filmada. Ontem mais um funcionário acusado de participar dos atos de violência foi afastado da instituição. Nas imagens exibidas, os funcionários dão socos, tapas, pontapés e até cotoveladas nos adolescentes, que estão apenas de cuecas em uma sala do local. (Estadão Conteúdo)

CAMPUS PARTY PATRIARCA Luiz Guarnieri/Estadão Conteúdo

Praça é ocupada em protesto

C

erca de 300 pessoas fizeram um protesto em frente à Prefeitura de São Paulo, na região central da cidade, por volta das 12h de ontem. Segundo informações da Polícia Militar, a manifestação começou por volta das 8h30 na Praça do Patriarca, também no Centro. Ali eles montaram barracas para lembrar o "Massacre da Sé" ocorrido em 2004, quando sete moradores de rua foram mortos na região. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que a manifestação interditou o Viaduto do Chá, na altura da Rua Líbero Badaró. Por volta das 12h30, o trânsito estava ruim na região. De acordo com a PM, a manifestação era pacífica. Massacre – As agressões contra os moradores de rua ocorreram nos dias 19 e 22 de

Manifestantes montam barracas no centro da cidade para lembrar massacre de moradores de rua agosto de 2004. Sete morreram, todos golpeados na cabeça. Os ataques ganharam repercussão internacional. Outros moradores de rua ficaram feridos durante as ações. Policiais foram detidos sob suspeita de envolvimento no crime.

As suspeitas da polícia de que o massacre tivesse envolvimento com o tráfico de drogas na região central e com a disputa por pontos de segurança clandestina não foram confirmadas. Provas – Na época, o então secretário da Segurança Pública, Saulo de Castro

Abreu Filho, prometeu que o caso estaria resolvido em 30 dias. Mais de cem testemunhas foram ouvidas e os únicos três suspeitos que haviam sido detidos foram postos em liberdade por falta de provas, segundo justificou o Ministério Público. (Agências)

Diário do Comércio - 20/08/2013  

Ano 90 - Nº 23.939 - Terça-feira, 20 de agosto de 2013

Diário do Comércio - 20/08/2013  

Ano 90 - Nº 23.939 - Terça-feira, 20 de agosto de 2013

Advertisement