Page 1

Ação de  Formação  para  Agentes   que  Atuam  no  Domínio  da   Violência  Domés;ca  


MÓDULO I  –  PERSPETIVA  HISTÓRICA  DA   VIOLÊNCIA  NA  FAMÍLIA                    


Da invisibilidade  ao  seu  reconhecimento   social,  polí;co  e  cien@fico                


Ideias chave     • A  violência  domés;ca  não  é  um  fenómeno  novo   • A  violência  domés;ca  é  um  conceito  em  evolução     • Corresponde  a  uma  evolução  das  percepções   sociais  =  de  comportamento  normais  a   comportamentos  criminalizáveis     • Corresponde  a  uma  evolução  da  vida  em  família  e   dos  papeis  dos  diferentes  elementos    


Surgimento da  vida  privada  –  vida  em  família    

  •  É  nos  finais  do  sec.  XVIII,     inícios  do  séc.  XIX  surge  na     hoje  a  conhecemos:   noção  de  família  tal  como     pública  e  privada;   •  Separação  entre  a  vida     separação  entre  a  rua     e  espaço  domés;co.   •  Surge  uma  nova  forma     de  organização  do     espaço  domés;co  acentuando   a  noção  de   privacidade.   •  A  ideia  de  casal  está  em  curso  de  invenção.   •  Os  sen;mentos  e  os  afectos  assumem  nova   importância  na  família  e  começam  a  ser   entendidos  como  fundamentos  para  a  coesão  


Construção social  da  família:  diferentes     “velocidades”  em  função  das  classes  sociais      

“A in%midade  exige  condições  de  alojamento  e  a  

organização racional  do  espaço  domés%co   adaptada  aos  diferentes  momentos  do  dia-­‐a-­‐dia,   estrutura  que  caracteriza  burguesas  que  se   divulga  a  par%r  do  úl%mo  quartel  do  sec.  XIX,   mas  impensável  nas  habitações  populares.”     MaUoso,  José  (dir),  2011,  História  da  vida  privada  em  Portugal  –  Época  

.

Contemporânea, Lisboa,  Círculo  dos  Leitores,  pp8


Separação do  público  e  do  privado                    

. Reforço  dos  diferentes  papéis  de  género  

. Surgimento  da  condição  social  da  infância          


•  Portugal  –  1º  quarto  do  sec.  XX  o  recurso  à   violência  era  uma  forma  de  resolver  conflitos   “dão-­‐se  facas  com  mais  facilidade  do  que  noutras   se  dá  lume”    Ramalho  Or;gão  


•  Crime                                                                                                    Violência         • Crime    -­‐  corresponde  aos  atos  que  a  lei  define   como  tal.  Só  em  192  o  Código  Penal  português,  pela  

primeira vez,  a  natureza  semi-­‐pública  ao  crime  que  inclui   os  maus-­‐tratos  psicológicos,  alargando-­‐os  a  pessoas   equivalente  aos  cônjuges.  

•  Violência  –  remete  para  representações  /   percepções  sociais.    


Embora sendo  conceitos  dis;ntos,  a       consideração   de  um  ato  como  crime   dependente  muito  das  representações   sociais  sobre  o  mesmo  e  de  uma  maior  ou   menor  consciência  social,  nomeadamente   em  relação  aos  Direitos  Humanos.   A  não  criminalização  da  violência  domés;ca   durante  anos  não  deixou  de  estar   relacionada  com  um  determinado   pensamento  sobre  a  família  e  os  “poderes”   de  cada  um  dos  membros  como  fica  patente   no  Código  Civil  do  Estado  Novo.  


O Código  Civil  do  Estado  Novo     Ar;go  1674º  -­‐  Poder  marital    O  marido  é  o  chefe  da  família,  compeRndo-­‐lhe  nessa   qualidade  representá-­‐la  e  decidir  em  todos  os  actos  da   vida  conjugal  comum       Ar;go  1678º  -­‐  Administração  dos  bens  do  casal   1.  A  administração  dos  bens  do  casal,  incluindo  os  próprios   da  mulher  e  os  bens  dotais,  pertence  ao  marido,  como   chefe  da  família.    Ar;go  1677º  -­‐  Governo  domésRco   1.  Pertence  à  mulher,  durante  a  vida  em  comum,  o  governo   domésRco,  conforme  os  usos  e  a  condição  dos  cônjuges.   11  


O Código  Civil  do  Estado  Novo   Ar;go  1881º  -­‐  Poderes  especiais  do  pai   1.  Compete  especialmente  ao  pai,  como  chefe  de   família:   a)  Providenciar  acerca  dos  alimentos  devidos  ao  filho   e  orientar  a  sua  instrução  e  educação;     b)  Prestar-­‐lhe  a  assistência  moral  conforme  a  sua   condição,  sexo  e  idade;   c)  Emancipá-­‐lo;   d)  Defendê-­‐lo  e  representá-­‐lo,  ainda  que  nascituro;   e)  Autorizá-­‐lo  a  pra;car  os  actos  que,  por   determinação  da  lei,  dependam  do  consen;mento   dos  pais;     g)  Administrar  os  seus  bens.  

12


O Código  Civil  do  Estado  Novo   Ar;go  1882º  -­‐  Poderes  especiais  da  mãe   1.  Compete  especialmente  à  mãe:   a)  Ser  ouvida  e  par;cipar  em  tudo  o  que  diga  respeito   aos  interesses  do  filho;   b)  Velar  pela  sua  integridade  [sica  e  moral;   c)  Autorizá-­‐lo  a  pra;car  actos  que,  por  determinação   especial  da  lei,  dependam  do  seu  consen;mento;   d)  Desempenhar  rela;vamente  ao  filho  e  aos  seus  bens   as  funções  pertencentes  ao  marido,  sempre  que  este   se  encontre  em  lugar  remoto  e  não  sabido  ou  esteja   impossibilitado  de  as  exercer  por  qualquer  outro   mo;vo.     13  


Influências: • As  convenções  (pressões)  internacionais   • A  determinante  década  de  60:  movimentos     feministas  e  a  desconstrução  da  “naturalização”   da     violência  domés;ca     • Década  de  80  =  violência  é  iden;ficada  como   problema  social   • Década  de  90  =  legislação  específica  em  Portugal  


O Código  Civil  do  Estado  Novo  e  actualmente     Antes  

Ar;go 1674º  -­‐  Poder  marital      O  marido  é  o  chefe  da  família,  compeRndo-­‐lhe   nessa  qualidade  representá-­‐la  e  decidir   em  todos  os  actos  da  vida  conjugal   comum    

Ar;go 1678º  -­‐  Administração  dos  bens  do  casal   1.  A  administração  dos  bens  do  casal,   incluindo  os  próprios  da  mulher  e  os  bens   dotais,  pertence  ao  marido,  como  chefe   da  família.       Ar;go  1677º  -­‐  Governo  domésRco     1.  Pertence  à  mulher,  durante  a  vida  em   comum,  o  governo  domésRco,  conforme   os  usos  e  a  condição  dos  cônjuges.  

Actualmente   Ar;go  1671º  -­‐  Igualdade  dos   cônjuges    1.  O  casamento  baseia-­‐se  na   igualdade  de  direitos  e   deveres  dos  cônjuges.    2.  A  direcção  da  família   pertence  a  ambos  os   cônjuges,  que  devem  acordar   sobre,  a  orientação  da  vida   em  comum  tendo  em  conta  o   bem  da  família  e  os   interesses  de  um  e  outro.  

15


O Código  Civil  do  Estado  Novo  e  actualmente   Antes  

Ar;go 1881º  -­‐  Poderes  especiais  do  pai   1.  Compete  especialmente  ao  pai,  como   chefe  de  família:  

a) Providenciar  acerca  dos  alimentos  

devidos ao  filho  e  orientar  a  sua   instrução  e  educação;     b)  Prestar-­‐lhe  a  assistência  moral   conforme  a  sua  condição,  sexo  e  idade;   c)  Emancipá-­‐lo;   d)  Defendê-­‐lo  e  representá-­‐lo,  ainda  que   nascituro;   e)  Autorizá-­‐lo  a  pra;car  os  actos  que,  por   determinação  da  lei,  dependam  do   consen;mento  dos  pais;     g)  Administrar  os  seus  bens.  

Actualmente   Ar;go  1901º  -­‐  Poder   paternal  na  constância   do  matrimónio     1.  Na  constância  do   matrimónio  o   exercício  das   responsabilidades   parentais  pertence  a   ambos  os  pais.   16


Estratégias Nacionais  e  Atores  de   Prevenção  da  Violência  Domés;ca                


• 

Planos  Contra  a  Violência     I  Plano  Nacional    contra  a  Violência  

Domés;ca 1999  –  2002  (RCM  nº  55/1999  de  15  Junho)  

“  programa  que,  de  forma  integrada  e  coerente,   congrega  um  conjunto  de  medidas  a  adoptar  a   vários  níveis  (jus%ça,  administração  interna,   educação,  saúde,  entre  outras)”  


•  II Plano  Nacional  contra  a  Violência   Domés;ca  2003  –  2006  (RCM  nº  88/2003  de  7  Julho)    “O  II  Plano  Nacional  contra  a  Violência  Domés%ca   pretende  mudar  a  situação  vigente,  marcando  uma   viragem  no  combate  sem  tréguas  à  violência   domés%ca  sobre  mulheres”  


•  III Plano  Nacional  contra  a  Violência   Domés;ca  2007  –  2010  (RCM  nº  83/2007  de  22  Junho)    “aponta  claramente  para  a  consolidação   de  uma  polí%ca  de  prevenção  e  combate  à  violência   domés%ca  implicando  uma  compreensão   transversal  das  respostas  a  conferir  a  esta   problemá%ca,  através  da  promoção  de  uma  cultura   para  a  cidadania  e  para  a  igualdade,  do  reforço  de   campanhas  de  informação  e  de  formação  e  do   apoio  e  acolhimento  das  ví%mas  numa  lógica  de   reinserção  e  autonomia.  


•  IV Plano  Nacional  contra  a  Violência   Domés;ca  2011  –  2013  (RCM  nº  100/2010  de  17  Dez)   “O Plano visa a consolidação da estratégia e das acções anteriormente desenvolvidas, reforçando a sua articulação de forma estruturada e consistente. Este Plano procura consolidar o sistema de protecção das vítimas e o combate à violência doméstica, assim como promover a adopção de medidas estratégicas em relação à prevenção, às situações de risco, à qualificação de profissionais e à intervenção em rede, numa lógica de proximidade que procura envolver, cada vez mais, os municípios, os parceiros sociais e as organizações da sociedade civil”.


Planos

Conceitos

Grupos –alvo    

Eixos /  Áreas  

Organizações

      I  Plano      

  II  Plano      

Violência contra  as  mulheres  “  qualquer  acto,  omissão  ou   Tónica  nas  mulheres   conduta  que  serve  para  infligir  sofrimentos  tsicos,  sexuais   embora  refira  tb   ou  mentais,  directa  ou  indirectamente,  por  meio  de   crianças  e  pessoas   enganos,  ameaças,  coacção  ou  qualquer  outro  meio,  a   idosas   qualquer  mulher  e  tendo  como  objec;vo  e  como  efeito   in;midá-­‐la,  ou  puni-­‐la  ou  humilha-­‐la  ou  mante-­‐la  nos   papéis  estereo;pados  ligados  ao  seu  sexo,  ou  recusar-­‐lhe  a   dignidade  humana,  a  autonomia  sexual,  a  integridade  tsica,   mental  e  moral  ou  abalar  a  sua  segurança  pessoal,  o  seu   amor  próprio  ou  a  sua  personalidade  ou  diminuir  as  suas   capacidades  tsicas  ou  intelectuais”  Conselho  da  Europa   “A  violência  domés;ca  é  o  ;po  de  violência  que  ocorre   Idem  incluindo-­‐se  as   entre  membros  de  uma  mesma  família  ou  que  par;lham  o   pessoas  com   mesmo  espaço  de  habitação.”   deficiência  

  I.  Sensibilizar  e  prevenir   Não  mencionadas       II.  Intervir  para  proteger  a   ví;ma  de  violência   domés;ca       III.  Inves;gar  /  estudar  

I. Informação,   sensibilização  e  prevenção       II.  Formação       III.  Legislação  e  sua   aplicação   IV.  Protecção  da  ví;ma  e   integração  social   V.  Inves;gação   VI.  Mulheres  Imigrantes   VII.  Avaliação      

CIDM MJ   MAI   MSST   ICS   PGR   ME   CITE   ACIME   INE  


Planos

Conceitos

Grupos –alvo    

Eixos /  Áreas  

Organizações

I. Informar,  sensibilizar  e   educar       II.  Proteger  as  ví;mas  e   prevenir  a  revi;mização       III.  Capacitar  e  reinserir  as   ví;mas  de  violência   domés;ca   IV.  Qualificar  os  profissionais   V.  Aprofundar  o   conhecimento  do  fenómeno   da  violência  domés;ca   VI.  Mulheres  Imigrantes   VII.  Avaliação  

CIG MJ   MAI   MSST   ICS   PGR   ME   CITE   INE   Universidades  e   Centros  de   Inves;gação  

I. Informar,  sensibilizar  e   educar   II.  Proteger  as  ví;mas  e   promover  a  integração  social   III.  Prevenir  a  reincidência:   intervenção  com  agressores   IV.  Qualificar  profissionais   V.  Inves;gar  e  monitorizar    

(…)  Municípios     ONG  

      III  Plano      

O III  Plano  “tem  como  objecto  primordial  de  intervenção  o   combate  à  violência  exercida  directamente  sobre  as  mulheres,  no   contexto  das  relações  de  in;midade,  sejam  elas  conjugais  ou   equiparadas  presentes  ou  passadas.  Esta  opção  abrange  ainda  a   violência  exercida  directamente  sobre  as  crianças  que  são   testemunhas  das  situações  de  violência  interparental,  naquilo  que   a  doutrina  designa  por  violência  vicariante”  

IV Plano    

Violência contra  as  mulheres:  “resultado  de  um  desequilíbrio  de   Mulheres  com   poder  entre  homens  e  mulheres  e  leva  a  uma  grave  discriminação   referência  a  outras   contra  estas,  tanto  na  sociedade  como  na  família.  A  violência  na   situações  de  par;cular   família  ou  lar  ocorre  em  todos  os  Estados  membros  do  Conselho   vulnerabilidade:   da  Europa,  apesar  dos  avanços  na  legislação,  polí;cas  e  prá;cas.  A   pessoas  jovens,   violência  contra  as  mulheres  é  uma  violação  dos  direitos   imigrantes,  idosas,  com   humanos,  re;rando-­‐lhes  a  possibilidade  de  desfrutar  de   deficiência  e  LGBT   liberdades  fundamentais.  Deixa  as  mulheres  vulneráveis  a  novos   abusos  e  é  enorme  obstáculo  para  ultrapassar  a  desigualdade   entre  homens  e  mulheres  na  sociedade.  A  violência  contra  as   mulheres  prejudica  a  paz,  a  segurança  e  a  democracia  na  Europa   (…)”  Conselho  da  Europa    


MÓDULO III  –  VIOLÊNCIA  DOMÉSTICA:   CONHECER  A  SITUAÇÃO  E  REFLETIR   SOBRE  ELA                


Conceitos de       violência  


Violência A OMS define a violência como o “uso intencional da força física ou do poder, sob a forma de ato ou de ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade, que cause ou tenha muitas probabilidades de causar lesões, morte, danos psicológicos, perturbações do desenvolvimento ou privação”. Esta definição inclui todos os atos de violência, quer sejam privados ou públicos; reativos (em resposta a acontecimentos prévios, como a provocação) ou pró-ativos (instrumentais, com vista a um determinado fim; ou antecipando ganhos pessoais); e criminalizados ou não. (Krug et al., 2002, Relatório Mundial sobre Violência e Saúde)


Violência domés;ca  (1)   “VD é a violência que ocorre na esfera privada, geralmente entre pessoas que têm relações familiares ou de intimidade; (...) A VD pode assumir diferentes formas, incluindo a violência física, psicológica e sexual; (...) A VD pode incluir privação económica e isolamento e tal conduta pode provocar danos à segurança, saúde ou bem-estar da mulher". (Resolução n.º 58/174 da Assembleia Geral da ONU)


Violência domés;ca  (2)   VD abrange “todos os atos de violência que ocorrem na família ou no agregado doméstico como aqueles que ocorrem entre ex-parceiros ou entre atual parceiros independentemente da vítima e do agressor partilharem a mesma casa” (Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica)


Violência domés;ca  (3)   Violência doméstica abrange “todos os atos de violência física, psicológica e sexual perpetrados contra pessoas, independentemente do sexo e da idade [e.g., cônjuge, companheiro/a, filho/a, pai, mãe, avô, avó], cuja vitimação ocorra em consonância com o conteúdo do artigo 152.º do Código Penal. (…) Este conceito foi alargado a ex-cônjuges e a pessoas de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação análoga à dos cônjuges, ainda que sem coabitação”. (Plano Nacional contra a Violência Doméstica, 2011-2013)


Violência conjugal   Constitui uma das dimensões da VD. Refere-se a todas as formas de comportamento violento atrás referidas, exercidas por um dos cônjuges/ companheiro/a ou ex-cônjuge/ex-companheiro/a sobre o/a outro/a. A noção de VD é, dessa forma, mais abrangente do que a de VC. (Celina Manita (coord) (2009). Violência doméstica: Compreender para Intervir, Guia de Boas Práticas para Profissionais de Saúde)


Violência de  género   "A violência de género reflecte e reforça as desigualdades entre homens e mulheres e compromete a saúde, dignidade, segurança e autonomia das suas vítimas. Engloba um vasto leque de violações dos direitos humanos, incluindo o abuso sexual de crianças, a violação, a violência doméstica, o assédio e agressões sexuais, o tráfico de mulheres e raparigas e diversas práticas tradicionais nocivas. Qualquer uma destas formas de violência pode deixar profundas cicatrizes psicológicas, prejudica a saúde de mulheres e raparigas em geral, incluindo a sua saúde sexual e reprodutiva e, nalguns casos, resulta em morte. (...) A violência de género também contribui - quer intencionalmente quer como efeito - para perpetuar o poder e controlo do sexo masculino. É apoiada numa cultura de silêncio e negação da gravidade das consequências da violência para a saúde". (UNFPA, the United Nations Population Fund)


Violência contra  as  mulheres  (1)   "Qualquer acto de violência de género que resulta, ou é provável que resulte, em danos físicos, sexuais ou psicológicos ou sofrimento para as mulheres, incluindo ameaças de tais actos, coerção ou privação arbitrária da liberdade, quer ocorra em público ou na vida privada". (Artigo n.º 1 da Declaration on the Elimination of Violence against Women [Declaração sobre a Eliminação da Violência contra a Mulher] da ONU - Resolução n.º 48/102 de 20 de Dezembro de 1993 da Assembleia Geral da ONU)


Violência contra  as  mulheres  (2)   “Qualquer ato de violência de género que resulta, ou é provável que resulte, em danos físicos, sexuais ou psicológicos ou sofrimento para as mulheres, incluindo ameaças de tais atos, coerção ou privação arbitrária da liberdade, quer ocorra em público ou na vida privada.” (Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica)


Violência em  relações  de  in;midade  (1)   "Comportamento no contexto de uma relação de intimidade que provoca danos físicos, sexuais ou psicológicos, incluindo actos de agressão física, coerção sexual, violência psicológica e comportamentos controladores. Abrange a violência infligida por cônjuges e parceiros, tanto actuais como passados.” (OMS)


Violência em  relações  de  in;midade  (2)   “Uma relação de intimidade respeita a qualquer tipo de casal, homo ou heterossexual, casado, coabitando ou namorando, atual ou passada. VRI reporta-se a táctica violenta não legítima, usada intencionalmente para causar dano físico e/ou psicológico; inclui o uso de força física e a inflição de lesões bem como abuso sexual ou emocional, assédio sexual, exploração financeira e negligência intencional (caso a vítima esteja dependente de cuidados prestados pelo marido/companheiro/a ou ex-marido/ex-companheiro/a).” (IPVoW)


Crenças, mitos  e  estereó;pos     sobre  VRI    


“Apesar de hoje em dia ser quase consensual a condenação da violência contra as mulheres, alguns preconceitos e mitos, profundamente enraizados na nossa cultura/sociedade, continuam a dificultar a revelação/denúncia de situações de VD/VC/VRI e, sobretudo, a dificultar a intervenção neste domínio. Eles não só constituem explicações simplistas (e falsas) para a VD/VC/VRI, como levam a pensar que estes fenómenos apenas acontecem aos “outros”. Muitas vítimas destas formas de violência acabam por ser também vítimas de crenças e mitos populares que as levam a sentir-se inferiores e incapazes de reagir ao abuso ou de pedir ajuda quando a violência se estabelece nas suas relações. É fundamental, por isso, desconstruir estes falsos argumentos, desmistificá-los e combatê-los.” (Celina Manita (coord) (2009). Violência doméstica: Compreender para Intervir, Guia de Boas Práticas para Profissionais de Saúde)


■ “Entre marido e mulher não se mete a colher” Este provérbio popular traduz a crença socialmente difundida durante décadas, e parcialmente aceite ainda hoje, de que a violência conjugal é um fenómeno privado e no qual ninguém, senão o casal, deve interferir. Esta é uma posição perfeitamente contrária àquela que é hoje a concepção de violência doméstica, tornada crime público, face ao qual toda a sociedade tem a responsabilidade de agir, revelar, denunciar, prevenir.


■ A mulher só é agredida porque não faz nada para o evitar ou porque merece (associado à crença de que o homem “tem o direito” de bater na mulher) (1)

Estes mitos levam, frequentemente, a atribuir a responsabilidade pela violência à vítima e estão intrinsecamente associados à questão que muitos/as cidadãos/ãs e profissionais se colocam frequentemente, sobretudo nas fases iniciais do contacto com a vítima: porque é que ela não deixa o agressor/não sai de casa? A primeira ideia assenta na falsa concepção de que a mulher tem o poder de interromper a situação abusiva quando quiser, quando tal não é, na maioria dos casos, a verdade – fruto das estratégias de manipulação e controlo que o agressor implementa e das consequências psicológicas da própria violência e suas dinâmicas abusivas.


■ A mulher só é agredida porque não faz nada para o evitar ou porque merece (associado à crença de que o homem “tem o direito” de bater na mulher) (2) A segunda crença enraíza-se na legitimidade social que, durante décadas, foi conferida à violência exercida pelos homens, associando-a a uma função de “educação/correção” dos/as filhos/as e esposa e num conjunto de estereótipos sobre os papeis de género, o papel da mulher e do homem no casamento, os deveres de “obediência e serviço” das mulheres aos maridos, etc, ainda hoje presentes em diversos segmentos da nossa sociedade.


■ “Bater é sinal de amor” ou “uma bofetada de vez em quando nunca fez mal a ninguém” Bater nunca é um sinal de amor, é um exercício ilegítimo e abusivo de poder/controlo. E, além disso, a VD / VRI não é “uma bofetada de vez em quando”, é um padrão continuado de violências várias exercidas sobre a vítima com a intenção de a subjugar/ dominar/controlar.


■ A violência e o amor/afecto não coexistem nas famílias/nas relações íntimas Mesmo nos casos mais graves de VRI existem períodos em que não ocorrem agressões. Sobretudo nos primeiros tempos da relação, estes períodos de não-violência, ou mesmo de manifestação de afectos positivos, alternam ou co-existem com períodos em que são exercidos actos violentos.


■ A VD só ocorre nos estratos socioeconómicos mais desfavorecidos Vítimas e agressores são provenientes de qualquer estrato socioeconómico – a VD/VRI é transversal aos diferentes padrões culturais, religiosos, económicos, profissionais, etc.

■ A VD só ocorre sob efeito do álcool ou outras drogas Uma coisa é afirmar que o abuso de álcool ou outras drogas surge associado a situações de VD/VRI, outra é tomá-los como a causa dessa violência


■ A VD resulta de problemas de saúde mental É difícil aceitar a ideia de que estes padrões de violência continuada possam ser exercidos por indivíduos normais (e, contudo, são-no). Para além disso, aceitar que um indivíduo “igual a nós” pode ser um agressor é ter de aceitar que “um de nós” (eu próprio, o/a meu/minha companheiro/a, pai/mãe, familiar, amigo/a, colega) pode, afinal, ser também um/a agressor/a.


■ As crianças vítimas de maus tratos serão, no futuro, maltratantes ou os agressores são-no por terem sido vítimas na sua infância Ideia determinista presente na noção de “transmissão intergeracional” da violência. À semelhança do que acontece com o álcool/outras drogas, é correcto afirmar que uma criança vítima (directa ou indirecta) de violência poderá ter maior probabilidade de vir a ser maltratante no futuro, mas é incorrecto afirmar que as vítimas se tornarão maltratantes ou que os maltratantes o são porque foram vítimas.


■ A VD é um fenómeno raro/infrequente Todas as estatísticas nacionais e internacionais contrariam esta ideia. Não obstante, é mais fácil acreditar que a VD/ VRI é um problema apenas de alguns (poucos, os outros), do que admitir que ela possa existir no seio da nossa família, entre as nossas pessoas amigas, colegas ou vizinhos/as.


Definição e  formas  de  violência     nas  relações  de  in;midade    


Violência tsica   A violência física refere-se às ações levadas a cabo com a intenção de causar dor ou lesões físicas. A violência física centra-se em infligir, ou tentar infligir, dor ou lesões físicas numa pessoa, ou em privá-la de uma necessidade básica. Inclui:   bater, dar pancadas, prender, pontapear ou socar, esbofetear, bater com um objeto;   puxar os cabelos, queimar, beliscar, aplicar choques elétricos, cuspir, atirar pela janela ou pelas escadas;   infligir dor ou lesões, coagir fisicamente ou restringir por meio de drogas, administrando demasiada medicação tranquilizante ou neuroléptica;   sequestrar, evitar a fuga;   bater com a cabeça contra uma parede, rasgar as roupas, asfixiar, segurar a cabeça debaixo de água;   estrangular, dar um tiro com uma arma, apunhalar, matar.


Violência psicológica  ou  emocional     A violência psicológica ou emocional refere-se às ações ou palavras que são ofensivas, que reprovam intencionalmente as opiniões, valores e acções da vítima e que atacam a sua integridade psíquica. Inclui todas as ações levadas a cabo com a intenção de causar dor emocional, angústia ou desespero. Consiste em:   violência verbal - não tem a ver com as discussões entre cônjuges; expressa sim uma relação desigual. Pode acontecer independentemente do tom de voz usado e tem claramente a intenção de exercer controlo sobre a vítima. Inclui: gritar; usar um tom ríspido; usar um modo autoritário para fazer uma pergunta ou para dar uma ordem; interromper constantemente ou conduzir a conversa; culpar a outra pessoa por tudo; permanecer em silêncio ou ignorar a outra pessoa;   fazer comentários perturbadores, criticar conscientemente os seus pensamentos ou acções;   o comportamento do/a agressor/a ser como o de alguém que sabe tudo e dita o que fazer;   chantagear e ameaçar:   infligir sofrimento mental, angústia ou desespero através de actos verbais ou não verbais;   retaliar, levar ao suicídio, violar.


Exploração financeira   A exploração financeira é muitas vezes usada como um meio para controlar permanentemente a vítima e está frequentemente associada a outros comportamentos violentos. No que diz respeito, sobretudo, a mulheres que não têm um trabalho remunerado, a exploração financeira pode estar relacionada com:   o impedimento de terem acesso ao seu próprio dinheiro ou ao dinheiro do casal;   o impedimento de terem um livro de cheques ou um cartão de crédito;   uma escassa atribuição de dinheiro para a gestão doméstica e a verificação de todas as despesas feitas;   o apoderamento ilegal, o uso indevido ou a ocultação de fundos, imóveis ou bens.


Violência sexual     A violência sexual abrange todos os tipos de contacto sexual não consentido e os actos sexuais não consentidos. O contacto sexual com qualquer pessoa incapaz de dar o seu consentimento também é considerado como um abuso sexual. O abuso sexual ocorre frequentemente em circunstâncias que ocultam o carácter violento e abusivo da acção. Inclui a pessoa:   ser forçada a não ter satisfação sexual ou a ter vida sexual;   ser forçada a envolver-se em actos sexuais contra a sua vontade;   actos de agressão sexual;   ser insultada, humilhada ou brutalizada durante o acto sexual;   ser levada à força, ser amarrada à força durante o acto sexual;   ser penetrada à força no ânus, ser penetrada com um objecto à força;   ser violada depois de ter sido espancada ou insultada;   ser forçada a representar em fantasias sexuais do/a parceiro/a;   ser obrigada a reproduzir pornografia;   ser "emprestada" a uma pessoa amiga para actos sexuais.


Negligência (1)     A negligência reflecte o fracasso de uma pessoa prestadora de cuidados em ir ao encontro das necessidades de uma pessoa dependente. A negligência é definida como o fracasso daqueles/as que são responsáveis por providenciar comida, abrigo, cuidados de saúde ou protecção e também apoio emocional a uma pessoa vulnerável. A transição para diferentes graus de abandono nem sempre é fácil de definir. A negligência pode ou não envolver uma tentativa consciente e intencional de infligir sofrimento emocional. Pode incluir uma situação de abandono entendida como a deserção de alguém que assumiu a responsabilidade da prestação de cuidados ou a guarda de uma pessoa dependente dessa prestação de cuidados. (adaptado de OMS, 2008; the National Center on Elder Abuse, USA)


Negligência (2)   “Refere-se à privação de comida, roupa, conforto ou medicação (...). A negligência ou violência relativamente a pessoas idosas surge, na maioria dos casos, em pessoas que conhecem ou com quem têm um relacionamento em que existe um sentimento de confiança. Podem ser membros da família, amigos/as, profissionais de saúde ou pessoas pagas para prestarem cuidados de saúde”. (Begum, F. (2010) Ageing, discrimination and older women’s human rights from the perspectives of CEDAW Convention.)


MAS, NA REALIDADE, As situações de VRI envolvem, geralmente, mais do que uma forma de violência. I.e., raramente estamos perante uma única forma de violência, antes perante uma combinação de múltiplas formas de violência.


Perspec;vas de  análise     sobre  a  Violência  em  Relações  de   In;midade        


•  a violência  como  reflexo  de  factores  biológicos  e  intra-­‐individuais      

aus-­‐tratos  são  reflexo  de  factores    A  perspec;va  de  que  a  violência  e  os  m

risco  como  o  consumo  excessivo  de   individuais,  em  par;cular  factores  de     dos  indivíduos  (‘ele  sempre  foi   álcool  ou  caracterís;cas  da  personalidade   mau’).  Importa  reflec;r  que,  muito  e  mbora  o  álcool  e  a  violência  possam  

coexis;r, a  verdade  é  que  estes  são  p  roblemas  dis;ntos.  E  enquanto  factor   explica;vo  pode,  de  facto,  conduzir  à  externalização  da  culpa  ou  a  uma  auto-­‐ desculpabilização  do  exercício  da  violência;  conduz,  necessariamente,  à   desresponsabilização  dos  agressores.    


• a  violência  como  resultado  dos  sistemas  sociais  e  familiares  

  dos  sistemas  familiares  e  sociais.     A  perspec;va  de  que  a  violência  é  produto     baixa  escolarização,  dificuldades   O  enfoque  é,  pois,  dado  ao  contexto  social:     alguma  ruralidade;  é-­‐o,  igualmente,     económicas,  fraca  inserção  profissional,     à  transmissão  intergeracional  dos   ao  contexto  familiar,  muito  concretamente    

comportamentos violentos  (‘o  pai  dele  também  era  violento’).  


• a violência como resultado dos discursos sócio-

culturais A perspec;va  de  que  a  violência  é  um  produto  sociocultural,     determinado  pela  pertença  de  género  e  pelas  representações   tradicionais  sobre  as  iden;dades    feminina  e  masculina.  Esta   perspec;va,  de  género,  chama  a  a   tenção  para  o  acumular  das   desvantagens  de  se  ser  mulher  ao  longo  da  vida  -­‐  ausência  de  ou     frágil  inserção  profissional,  desempenho   de  profissões   socialmente  menos  valorizadas,  m  enores  rendimentos   económicos,  principal  prestadora  de  cuidados  à  família  e   responsável  pelas  lides  domés;cas,  entre  outras;  coloca,  ainda,  o   enfoque  nas  relações  de  poder  entre  homens  e  mulheres  (‘elas   foram  socializadas  para  servir  os  outros’).  


• modelos multidimensionais para a compreensão da

violência na intimidade

A perspectiva multidimensional toma em consideração a história pessoal (por dimensões diversas, como seja, exemplo, vivências anteriores em   contextos familiares pautados pela violência), a insuficiência de respostas   de violência em relações adequadas às mulheres vítimas de intimidade, as construções identitárias de género e as   relações de poder com base no género, social e culturalmente vigentes.  


Estas diferentes  perspec;vas  têm  consequências  ao  nível  das  respostas   polí;cas  e  sociais.         -­‐ A  perspec;va  assente  na  individualização  e  patologização  da  violência       pode  conduzir  apenas  a  respostas  remedia;vas:   tratem-­‐se  os  agressores.         -­‐   A  perspec;va  baseada  nos  sistemas  familiares  pode  levar  a  que  se     meio  terapêu;co  em  detrimento   privilegie  a  mediação  familiar  como  único   de  um  apoio  personalizado  à  ví;ma.           Subjacente  a  estas  duas  perspec;vas  encontra-­‐se  uma  certa  tendência  para   a  priva;zação  da  problemá;ca,  para  encarar  o  fenómeno  no  âmbito  da   esfera  privada  das  famílias,  re;rando,  assim,  crédito  a  uma  intervenção  de   cariz  polí;co-­‐social.  


-­‐  A perspec;va  de  género  leva-­‐nos  a  olhar  as  construções  socio-­‐culturais   estereo;padas  dos  géneros  feminino  e  masculino.                Já  não  centrada  naquelas  pessoas  em  concreto,  antes  nos  grupos  sociais    de     sejam,  de  forma  alguma,                mulheres  e  de  homens  que,  embora  não              homogéneos,  comportam  normas,  valores     e  traços  comuns  a  um  e  a  outro                  grupo.       contra  mulheres  nas  relações  de              Aqui,  o  contexto  do  fenómeno  da  violência              in;midade  é,  sobretudo,  cultural  e  polí;co;     situa-­‐se  mais  a  um  nível  macro.     -  Finalmente, a perspectiva multidimensional toma em consideração   factores psicológicos, de socialização e relacionais.


O´Neil e Harway (1999): modelo teórico sistémico para explicar o risco de violência.

Reforçam a ideia da interacção dos   factores macro societais (e.g., valores da sociedade alargada que, de modo directo ou indirecto,   predispõem o masculino para a violência contra a parceira, dinâmicas de opressão da mulher),   relacionais (e.g., história pessoal, background familiar), biológicos (e.g., hormonas),   psicológicos (e.g., processos cognitivos e afectivos que resultam em atitudes e comportamentos que predispõem para uso da violência), psicossociais (e.g., interacção das necessidades e competências individuais com as expectativas e exigências sociais – estereótipos de género) e de socialização (e.g., internalização de valores, atitudes e comportamentos que predispõem para o uso da violência).


Assim, predizer o risco de um indivíduo se tornar violento   para com a parceira envolve avaliar o número de factores de risco a que ele está exposto e as suas interacções. Na sua perspectiva, a prevenção da   violência dos homens sobre as mulheres resulta do equilíbrio, desde a infância até à   (ou condições de idade adulta, entre os factores de risco maior vulnerabilidade) e os factores   de protecção (ou de resiliência) face ao uso da violência.

 


OMS (Krug  et  al.,  2002):  Modelo  Ecológico  na  “leitura”  e  compreensão  da   violência,  nas  suas  múl;plas  facetas       “Um  modelo  que  tem  em  conta  a  complexa  interação  de   fatores  individuais,  relacionais,  sociais,  culturais  e  ambientais,  onde   cada  manifestação  par;cular  —  pela  sua  con;nuidade  histórico  vivencial   ao  longo  do  ciclo  vital,  pelas  suas  dimensões  transgeracional  e   intergeracional,  pelas  narra;vas,  a;tudes,  comportamentos  e  dinâmicas   associados,  a  par  com  a  desesperança,  a  perda  de  qualidade  de  vida  e  o   adoecer  —  “empobrece”  todos  os  atores  sociais  nela  envolvidos,  e  re;ra  às   ví;mas  o  direito  de  afirmarem  o  ser  livre  da  pessoa.”  (Redondo,  2012)      

   


A incidência  e  a  prevalência  da   Violência  em  Relações  de   In;midade     Dados  disponíveis        


Segundo a  OMS  (Krug  et  al.,  2002),  “apesar  das  mulheres  poderem   ser  violentas  nos  seus  relacionamentos  com  os  homens  e  (…)   também  encontrarmos  violência  em  relacionamentos  com   parceiros  do  mesmo  sexo,  a  grande  carga  da  violência  de  género   [masculino/feminino]  recai  sobre  as  mulheres  nas  mãos  dos   homens”.  (Redondo,  2012)       Na  maioria  dos  países  ocidentais,  a  violência  exercida  contra  as   mulheres  é  hoje  considerado  como  um  problema  social,  que,  por   lado,  se  situa  no  âmbito  da  violação  dos  direitos  humanos  e,  por   outro  lado,  é  visto  como  um  obstáculo  ao  pleno  desenvolvimento   da  democracia.    

   


«Os custos  sociais  e  económicos  da  violência  contra  as   mulheres»  (Lisboa,  Carmo,  Vicente  &  Nóvoa,  2003):       um  inquérito  sociológico  a  1500  mulheres  com  18  anos  ou  mais   permi;u  concluir  que  30%  das  mulheres  inquiridas  se   percepcionam  como  ví;mas  de  pelo  menos  um  acto  de  violência   (tsica,  sexual,  social,  discriminação  sócio-­‐cultural,  psicológica)  nos   úl;mos  doze  meses  e  em  anos  anteriores.    


Neste cenário,  em  39%  dos  casos,  a  violência  experienciada   perpetuara-­‐se  por  um  período  superior  a  dez  anos.       A  casa  era  o  espaço  habitual  de  violência  tsica  e  psicológica  (46%)       Reportando-­‐se  ao  úl;mo  ano,  o  marido  e  o  ex  marido/companheiro   eram  os  protagonistas  da  agressão  (40%).       Em  grande  parte  dos  casos,  estes  possuíam  a   instrução  preparatória  ou  secundária  (46,3%)  e  desenvolviam   ac;vidades  operárias  (28,2%).        


Quanto ao  perfil  socio-­‐económico  da  ví;ma,  a  violência  tsica  foi   reportada  sobretudo  pelas  mulheres  mais  velhas,  divorciadas,   separadas  ou  viúvas,  com  níveis  de  instrução  mais  baixos  e  pouco   qualificadas  profissionalmente;  a  violência  sexual  foi  mais   reportada  pelas  mulheres  mais  novas,  solteiras;  a  violência   psicológica  foi  mais  relatada  pelas  mulheres  casadas  que  viviam   com  maridos  ou  companheiros,  economicamente  dependentes  ou   com  ordenado  próprio.         As  reacções  mais  determinadas  surgiram  das  mulheres  mais  novas,   mais  instruídas  e  autónomas.  Foram  também  estas   as  que  recorreram  mais  às  ins;tuições.  


Em 2007,  em  Portugal,  38%  das  mulheres  afirmava  ser  ou  ter  sido   ví;ma  de  violência  domés;ca,   em  par;cular  de  violência  psicológica  (54%),  tsica  (23%)  e  sexual   (19%)     (Lisboa  (coord.),  2010).         Criminalidade  reportada  em  2011:     -­‐    foram  registadas  23.742  queixas  por  violência  domés;ca  pelas   autoridades  policiais,  sendo  o  4º  crime  mais  registado  (Direção-­‐ Geral  de  Polí;ca  de  Jus;ça,  2012)     -­‐  foram  perpetrados  27  homicídios  conjugais  (Sistema  de  Segurança   Interna,  2012)     -­‐  e  foram  condenados  30  homens  por  homicídio  conjugal  (Direção-­‐ Geral  de  Polí;ca  de  Jus;ça,  2012).    

 


Os custos  sociais,  económicos     e  de  saúde  da  Violência  em   Relações  de  In;midade        


“Falar de violência contra as mulheres não é apenas abordar as consequências ao nível físico, psicológico ou de qualquer outro tipo. Quando estudamos o fenómeno mais de perto observamos que a violência exercida contra as mulheres tem custos de vários tipos: custos que afectam individualmente a vítima, mas custos, também, em relação aos que lhe estão mais próximos - por exemplo os filhos; custos que incidem directamente sobre as pessoas envolvidas, mas também custos que são pagos por toda a sociedade, nomeadamente através dos impostos – casas abrigo, polícia, magistrados, técnicos de apoio social; custos que têm uma expressão económica, mas custos, também, difíceis de quantificar - psicológicos, sociais e culturais; custos visíveis a curto prazo, normalmente associados aos actos de violência, mas custos, também, que se prolongam ao longo da vida – como o stress pós traumático – ou mesmo que afectam as gerações futuras – através dos filhos. Há igualmente custos que, pela sua natureza, num primeiro momento, só se deixam observar com instrumentos qualitativos. Por exemplo, os aspectos que se relacionam com as dimensões emocionais e afectivas, cujas consequências podem ter   expressão na acção pessoal quotidiana, ou em acções futuras.”

 

Manuel, Barros e Cerejo (2008). Custos Sociais e Económicos da Violência Exercida Contra as Mulheres em Portugal: dinâmicas e processos socioculturais


Em Portugal, o primeiro estudo é feito em 2002, por solicitação da CIDM, o segundo em 2004, com a Direcção Geral de Saúde e, mais recentemente, uma nova investigação especificamente para avaliar os “custos económicos com a saúde”, também em colaboração com a Direcção Geral da Saúde.

 


Custos ao nível das relações interpessoais e das actividades profissionais No primeiro estudo efectuado em Portugal em 2003, sobre os custos sociais resultantes da violência exercida contra as mulheres, verificouse que um dos espaços sociais mais afectados são os núcleos afectivamente mais próximos das vítimas, como sejam o da família e o dos amigos. Por exemplo, quando se comparam as vítimas com as não-vítimas, verifica-se que as primeiras têm vezes maior probabilidade de se separarem de uma pessoa que lhes é importante.

mulheres inquiridas mostra que cerca Por outro lado, a percepção das   de metade das vítimas estabelece uma relação de causalidade entre a violência e os efeitos negativos   junto da família e dos amigos (47,3%). Sem dúvida que os membros da família se destacam com 40,2 % de   casos, sendo na sua maioria filhos (58,8%).


Os actos de violência têm igualmente repercussões ao nível da actividade profissional. Assim, e mesmo ao nível mais global das percepções, 15,2% das mulheres vítimas afirma claramente que a violência que sofreram tem, ou teve, manifestas consequências para a sua vida profissional futura. Os resultados, do mesmo estudo mostram que só 15,6% das inquiridas referem ter tido dificuldades. Destas, 66,2% dizem respeito a casos em que tal aconteceu mais de uma vez, mas só uma pequena percentagem (9%) admite haver uma relação de causalidade com a violência. Todavia, quando se analisam as situações de vitimação nos últimos doze meses verifica-se que nas vítimas há uma probabilidade dupla de tal acontecer face às não-vítimas.

 


Mesmo depois de inseridas no mercado de trabalho e quando trabalham por conta de outrem, só uma percentagem reduzida diz que teve dificuldades em ser promovida (4,7%). Todavia, a probabilidade de isso acontecer entre as vítimas é cerca do dobro das não-vítimas. Igualmente, as vítimas têm duas vezes mais probabilidade de despedimento do que as não-vítimas. Numa visão mais global, e ao analisarmos as principais dimensões dos custos sociais, verificamos que as vítimas têm uma maior probabilidade de sofrerem consequências do que as não vítimas: três vezes mais em termos familiares e 54% ao nível profissional.

 


Custos com  a  saúde  [sica  e  psicológica  

Os  resultados  dos  estudos  efectuados  em  2003,  no  inquérito  nacional  e  no   inquérito  aos  Centros  de  Saúde,  mostram  claramente  a  amplitude  e   intensidade  de  tais  custos.     Começando  pela  saúde  tsica,  e  comparando  as  ví;mas  com  as  não  ví;mas,   constata-­‐se  que  as  primeiras  têm  uma  maior  probabilidade  de  os  seguintes   problemas  com  a  saúde  (entre  outros):       equimoses/hematomas  (82%)   feridas  (100%)   coma  (94%)   hemorragias  (94%)   intoxicações  (79%)   lesões  genitais  (73%)     obesidade  (57%)     asma  (46%)  


No que  se  refere  aos  custos  psicológicos  da  violência,  os  resultados   ob;dos  revelam  também  um  conjunto  amplo  de  sintomas,  doenças  e   lesões  que  estão  esta;s;camente  associados  à  vi;mação.     Vejamos  só  os  indicadores  de  saúde  psicológica  mais  significa;vos  quanto   à  probabilidade  de  ocorrerem  mais  nas  ví;mas:       •  consulta  de  psicólogo/psiquiatra     •  sen;r  desespero  –  sempre     •  sen;r  vazio  –  sempre     •  Desânimo  –  sempre     •  Sen;mento  de  culpa  –  sempre     •  Tristeza  e  pesar  –  sempre     •  Prazer  e  alegria  –nunca     •  Auto-­‐  desvalorização  –  sempre     •  Ansiedade  –  sempre     •  Falta  de  esperança     •  Solidão       •  Alucinações  audiovisuais       •  Sensação  de  desmaio     •  Ideação  suicida     •  Tenta;vas  de  suicídio  


Custos a  nível  económico:      a  es;ma;va  ob;da  no  estudo  efectuados  nos  Centros  de   Saúde,  em  2007,  aponta  para  que  o  custo  médio  com  a  saúde   por  mulher  ví;ma  de  violência  domés;ca  é  de  cerca  de  140€   por  ano,  sendo  que  desse  valor  127€  /ano  são  suportados   pelo  Serviço  Nacional  de  Saúde  (91%),  em  que  55%   correspondem  a  consultas  e  30%  a  medicamentos.     Em  termos  globais,  os  custos  económicos  suportados   directamente  pelas  mulheres  ví;ma  de  violência  domés;ca   são  em  68%  devidos  ao  consumo  de  medicamentos.      

 


As situações  de  violência  con;nuada  resultam  numa  diversidade  de   consequências  e  danos  tsicos,  psicológicos,  relacionais,  etc.,  que,  nos  casos  mais   graves,  poderão  conduzir  à  incapacitação,  temporária  ou  permanente,  da  ví;ma   ou,  mesmo,  à  sua  morte.     Algumas  das  consequências  traumá;cas  mais  comuns  em  ví;mas  de  VRI:     •  danos  tsicos,  corporais  e  cerebrais,  por  vezes  irreversíveis  (e.g.,  fracturas   nas  mandíbulas,  perda  de  dentes,  lesões  óculo-­‐visuais,  perturbações  da   capacidade  audi;va,  fracturas  de  costelas,  lesões  abdominais,  infer;lidade   na  sequência  de  sucessivas  infecções  e/ou  lesões  vaginais  e  uterinas,  entre   muitas  outras;  algumas  mulheres  desenvolvem  uma  perturbação   equivalente  à  dos  lutadores  de  boxe,  em  virtude  dos  danos  neurológicos     provocados  pelas  pancadas  sucessivas   na  zona  do  crânio  e  face  –  algo     de  Parkinson);   similar,  nos  seus  efeitos,  à  doença  

Celina Manita (coord) (2009). Violência doméstica: Compreender para Intervir, Guia de Boas Práticas para Profissionais de Saúde)


• alterações  dos  padrões  de  sono  e  perturbações  alimentares;     •  alterações  da  imagem  corporal  e  disfunções  sexuais;     •  distúrbios  cogni;vos  e  de  memória  (e.g.,  flashbacks  de  ataques  violentos,   pensamentos  e  memórias  intrusivos,  dificuldades  de  concentração,   confusão  cogni;va,  perturbações  de  pensamento  –  não  é  raro  as  ví;mas   afirmarem  que  “estão  a  enlouquecer”,  dado  que  a  sua  vida  se  torna   ingerível  e  incompreensível);     •  distúrbios  de  ansiedade,  hipervigilância,  medos,  fobias,  ataques  de   pânico;     •  sen;mentos  de  medo,  vergonha,  culpa;      

 


• níveis  reduzidos  de  auto-­‐es;ma  e  um  auto-­‐conceito  nega;vo;     •  vulnerabilidade  ou  dependência  emocional,  passividade,  “desânimo   aprendido”;     •  isolamento  social  ou  evitamento  (resultantes,  frequentemente,  dos   sen;mentos  de  vergonha,  auto-­‐culpabilização,  desvalorização  pessoal,  falta   de  confiança  que  as  ví;mas  sentem);     •  comportamentos  depressivos,  por  vezes  com  tenta;va  de  suicídio  ou   suicídio  consumado.       Muitas  ví;mas  apresentam  um     quadro  de  Perturbação  Stress  Pós-­‐ Traumá;co  (SPT).  

 


“Não se pode calcular, ao nível do sofrimento e da dor, o custo humano da violência, pois muito deste custo é invisível. A violência familiar / entre parceiros íntimos está associada a um considerável sofrimento, a consequências negativas para a saúde, a uma perturbação do funcionamento familiar, a um isolamento social, a uma menor produtividade, ao desemprego, ao estigma social e a custos acrescidos com a saúde.”

João Redondo, Inês Pimentel, Ana Correia (coord.) (2012) MANUAL SARAR SINALIZAR, APOIAR, REGISTAR, AVALIAR. Uma proposta de Manual para profissionais de saúde na área da violência familiar / entre parceiros íntimos


CaracterĂ­sticas psicossociais do/a agressor/a e das vĂ­timas


Problema transversal a todas as classes sociais: •  Diferentes formas de expressão do problema embora com características semelhantes; •  Classes sociais mais pobres tendem a acumular vários tipos de violência e a “normalizar” a violência doméstica; •  Classes mais favorecidas tendem a enfrentar mais dificuldades na exposição dos casos e a terem mais dependências económicas.


O agressor pode: Mostra-se sedutor – trata-se de uma estratégia de manipulação que pretende descredibilizar a vitima e colocala muitas vezes em duvida face a si mesma; Mostra-se agressivo – em geral, quando sente que pode estar a perder o controlo. Tenta pelo medo conseguir os objetivos; É sempre fundamental avaliar os riscos e acionar esquemas de proteção adequados.


As vítimas… De um modo geral existem algumas características que são comuns encontrar em vítimas de violência doméstica, embora NÃO seja obrigatória a sua presença: •  Pertença a famílias onde foram vítimas de maustratos ou assistiam a episódios de violência; •  Fraco ou inexistente apoio familiar;


•  Rede de suporte social ténue; •  Auto estima baixa com tendência assumir a culpa pela situação; •  Dependência emocional do companheiro; •  Fraca capacidade de perspetivação do futuro e de ver opções sem o companheiro.


Impactos da violência: •  A violência doméstica pode ter consequências de curto e longo prazo a nível emocional, cognitivo e comportamental, quer em crianças quer em adultos. •  Em mulheres, a violência é a maior causa de depressão, ansiedade, ataques de pânico, distúrbios alimentares, stress pós traumático, disfunções sexuais, auto mutilação, ideação suicida e suicídio.


Impactos da violência: •  A violência doméstica pode ter consequências de curto e longo prazo a nível emocional, cognitivo e comportamental, quer em crianças quer em adultos. •  Em mulheres, a violência é a maior causa de depressão, ansiedade, ataques de pânico, distúrbios alimentares, stress pós traumático, disfunções sexuais, auto mutilação, ideação suicida e suicídio.


Impactos nas crianças incluem: •  Problemas de sono e alimentação; •  Alterações de comportamento; •  Problemas de comportamento; •  Enurese; •  Pesadelos; •  Agressividade;


Impactos nas crianças incluem (cont.): •  Problemas de concentração; •  Depressão; •  PTSD; •  Consequências transportadas para a vida adulta.


A violência  contra  as  crianças  


A violência  contra  as  crianças      

O Sistema  de  Protecção  à  Infância   através  do  olhar  das  crianças   •  Como   é   que   as   crianças   vêem   (sentem)   a   intervenção   das   equipas   de   proteção   nas   suas   vidas   e   na   vida   das   suas   famílias?     •  Até  que  ponto  é  que  as  crianças  sentem  que  as  suas  opiniões   e  posições  são  ;das  em  conta  na  avaliação  inicial  da  situação   de   perigo,   no   desenvolvimento   do   processo   de   promoção   e   proteção  e  na  definição  do  seu  projeto  de  vida?    


As crianças gostariam de… •  Serem ouvidas,   tratadas   como   pessoas   e   não   apenas   como   objectos  de  preocupação  dos  adultos;     •  Estabelecer   uma   relação   posi;va,   baseada   na   confiança   mútua,   respeito   e   aceitação   com   um/a   profissional   de   referência,   que   as   possa   acompanhar   durante   todo   o   processo  de  promoção  e  protecção.    


As crianças  valorizam  aqueles/as  profissionais   que  são  capazes  de:   •  Explicar   as   funções   e   os   objec;vos   da   avaliação   de   modo   compreensível,  tendo  em  conta  a  sua  idade,  desenvolvimento   e  competências;     •  Evitar  a  u;lização  de  jargão,  fazendo  um  esforço  por  traduzir   conceitos  técnicos  em  vocabulário  compreensível;     •  Dedicar   o   tempo   necessário   para   as   ouvir   e   estar   com   elas,   proporcionando  um  ambiente  seguro  onde  possam  expressar   as   suas   necessidades,   interesses   e   onde   a   sua   privacidade   possa  ser  salvaguardada;  


As crianças   valorizam   aqueles/as   profissionais   que  são  capazes  de  (Cont.):   •  Perguntar  qual  o  local  onde  gostariam  de  ser  entrevistadas  e   ouvidas;   •  U;lizar   o   método   de   comunicação   e   os   instrumentos   de   trabalho   mais   adequados   de   acordo   com   a   sua   idade,   desenvolvimento,   género,   deficiência,   iden;dade   cultural   e   social;     •  Respeitar  a  sua  individualidade,  e  ouvir  cada  criança  da  fratria   separadamente;       •  Manter   a   criança   informada   de   todo   o   processo   através   da   u;lização   de   diversos   métodos   de   comunicação   (contactos   presenciais  e  telefónicos,  etc.);   •  “Prometer”  apenas  aquilo  que  podem  cumprir;     •  Não   se   limitarem   a   ouvir   a   criança,   mas   que   atuem   em   conformidade   com   vista   a   promover   uma   melhoria   na   sua   qualidade  de  vida  e  na  vida  das  suas  famílias.    


Lei de  Protecção  de  Crianças  e  Jovens  em  Perigo   •  A   actual   Lei   de   Protecção   de   Crianças   e   Jovens   em   Perigo   (LPCJP),   aprovada   pela   Lei   147/99,   de   1   de   Setembro,   com   as   alterações   introduzidas  pela  Lei  31/2003,  de  22  de  Agosto,  entrou  em  vigor  em  1  de   Janeiro  de  2001.     •  A  LPCJP  considera  criança  ou  jovem  a  pessoa  com  menos  de  18  anos,  ou  a   pessoa  com  menos  de  21  anos  que  solicite  a  con;nuação  da  intervenção   iniciada   antes   de   a;ngir   18   anos   (ar;go   5.º   alínea   a),   e   que   resida   ou   se   encontre   em   território   nacional   –   independentemente   da   sua   nacionalidade  (ar;go  2.º).    


LegiRmidade da  Intervenção   •  A   intervenção   do   estado   tem   por   objecto   a   promoção   dos   direitos   e   a   protecção   das   crianças   e   jovens   e,   “tem   lugar,   quando   os   pais,   o   representante  legal  ou  quem  tenha  a  guarda  de  facto  ponham  em  perigo   a   sua   segurança,   saúde,   formação,   educação   ou   desenvolvimento,   ou   quando   esse   perigo   resulte   de   acção   ou   omissão   de   terceiros   ou   da   própria   criança   ou   do   jovem   a   que   aqueles   não   se   oponham   de   modo   adequado  a  removê-­‐lo”  (ar;go  3.º,  n.º  1  da  LPCJP).       •  A   LPCJP   adopta   o   conceito   jurídico   de   crianças   e   jovens   em   perigo,   em   detrimento   do   conceito   mais   amplo   de   crianças   em   risco,   para   aqueles   casos   em   que   a   situação   de   risco   para   a   criança   ou   jovem   legi;ma   a   intervenção   do   estado   ou   da   sociedade   na   sua   vida,   e   na   vida   da   sua   família.  Limita-­‐se,  assim,  a  intervenção  às  situações  de  risco  que  ponham   em   perigo   a   segurança,   a   saúde,   a   formação,   a   educação   ou   desenvolvimento  da  criança  ou  jovem.    


Diferença entre  Risco  e  Perigo  (Guião  de  Orientações   para  os  Profissionais  da  Acção  Social  na  Abordagem  de   Situações  de  Perigo  (2010:  84)   Exemplo  de  uma  situação  de  Risco   A   Maria   tem   13   anos   e   está   grávida   de   8   meses.   Vai   periodicamente   às   consultas   acompanhada   pelos   seus   pais   que   não   d i s p õ e m   d e   g r a n d e s   r e c u r s o s   económicos.   Frequenta   a   escola   com   aproveitamento,   até   à   data.   A   par;r   do   momento   do   nascimento   da   criança,   passará   a   ser   ditcil   a   conciliação   dos   horários,   bem   como   se   observará   um   acréscimo   de   despesas   ditceis   para   os   pais   suportarem.   A   família   mora   numa   casa  com  apenas  duas  assoalhadas.    

Exemplo de  uma  situação  de  Perigo   A   Maria   tem   13   anos   e   está   grávida   de   8   meses.   Os   seus   pais,   quando   tomaram   conhecimento   da   situação   da   Maria,   agrediram-­‐na  e  expulsaram-­‐na  de  casa.  A   Maria   não   tem   mais   familiares   a   quem   recorrer,   tendo   sido   encontrada   pela   polícia   a   dormir   num   banco   de   uma   estação  de  comboios.    


Conceito de  Criança  em  Perigo     De   acordo   com   o   ar;go   3.º,   n.º   2,   da   Lei   N.º   147/99   de   1   de   Setembro,   considera-­‐se  que  a  criança  ou  jovem  está  em  perigo  quando  se  encontra  numa   das  seguintes  situações:     a)  Está  abandonada  ou  vive  entregue  a  si  própria;     b)  Sofre  maus  tratos  tsicos  ou  psíquicos  ou  é  ví;ma  de  abusos  sexuais;     c)   Não   recebe   os   cuidados   ou   a   afeição   adequados   à   sua   idade   e   situação   pessoal;     d)  É  obrigada  a  ac;vidades  ou  trabalhos  excessivos  ou  inadequados  à  sua  idade,   dignidade   e   situação   pessoal   ou   prejudiciais   à   sua   formação   ou   desenvolvimento;  


Conceito de  Criança  em  Perigo     e)  Está  sujeita,  de  forma  directa  ou  indirecta,  a  comportamentos  que  afectem   gravemente  a  sua  segurança  ou  o  seu  equilíbrio  emocional;     f)   Assume   comportamentos   ou   se   entrega   a   ac;vidades   ou   consumos   que   afectem   gravemente   a   sua   saúde,   segurança,   formação,   educação   ou   desenvolvimento   sem   que   os   pais,   o   representante   legal   ou   quem   tenha   a   guarda  de  facto  se  lhes  oponham  de  modo  adequado  a  remover  essa  situação.      


Perigo Iminente  para  a  vida  ou  integridade   [sica  da  Criança     A   lei   portuguesa   introduz   adicionalmente   nos   ar;gos   5.º   e   91.º   o   conceito   de   perigo   actual   ou   iminente   para   a   vida   ou   integridade   [sica   da   criança   ou   do   jovem.  Neste  caso,  estamos  perante  uma  situação  de  urgência  e  de  extrema   gravidade.   A   @tulo   exemplifica;vo,   no   Guião   de   Orientações   para   os   Profissionais   da   Acção   Social   na   Abordagem   de   Situações   de   Perigo   (2010:   85-­‐86),  são  apresentadas  algumas  destas  situações:       •   Não  há  nenhum  adulto  disposto  a  cuidar  da  criança  (e.g.  abandono);       •   A  criança  recusa-­‐se  a  permanecer  no  domicílio,  declarando  ter  sido   maltratada  e  solicita  protecção;    


Perigo Iminente  para  a  vida  ou  integridade   [sica  da  Criança  (Cont.)   • 

A   criança   foi   deixada   na   en;dade/ins;tuição,   “abandonada”   por   parte   dos   pais/cuidadores   ou   responsáveis   legais   e   não   se   localizam   outros   familiares  que  possam  ou  queiram  cuidar  dela;    

•  Os pais/cuidadores   da   criança   mostram-­‐se   seriamente   incapazes   de   suprir   as  necessidades  básicas  da  criança,  colocando-­‐a  em  perigo  iminente  para   a  vida  ou  integridade  tsica,  devido  à  grave  carência  de  recursos  mínimos   como   alimentação,   cuidados   de   saúde   e   higiene,   alojamento,   rede   de   apoio  social,  etc;   •  O   comportamento   “claramente”   desajustado   dos   pais/cuidadores   ou   responsáveis   legais   coloca   em   perigo   a   vida   ou   integridade   tsica   da   criança  (e.g.  crise  psicó;ca  dos  pais/cuidadores;  violência  tsica;  etc.);    


Definição de  maus  tratos     • 

Não existe  uma  única  definição  de  maus  tratos  que  seja  universalmente  aceite.  Assim   como  a  infância,  o  risco  e  o  perigo,  também  os  maus  tratos  são  uma  construção  social.   Contudo,  de  um  modo  geral  estes  podem  ser  definidos  como:    

  Qualquer  forma  de  tratamento  tsico  e  (ou)  emocional,  não  acidental  e  inadequado,   resultante  de  disfunções  e  (ou)  carências  nas  relações  entre  crianças  ou  jovens  e  pessoas   mais  velhas,  num  contexto  de  uma  relação  de  responsabilidade,  confiança  e  (ou)  poder.   Podem  manifestar-­‐se  por  comportamentos  ac;vos  (tsicos,  emocionais  ou  sexuais)  ou   passivos  (omissão  ou  negligência  nos  cuidados  e  (ou)  afectos).  Pela  maneira  reiterada  como   geralmente  acontecem,  privam  o  menor  dos  seus  direitos  e  liberdades  afectando,  de  forma   concreta  ou  potencial,  a  sua  saúde,  desenvolvimento  (tsico,  psicológico  e  social)  e  (ou)   dignidade.      (Magalhães,  2002:  33).    


Definição de  maus  tratos  (Cont.)  

•  Também, Calheiros   (2006)   classifica   o   mau-­‐trato   em   duas   grandes   categorias,   por   acção   -­‐     de   carácter   não   acidental,   isto   é,   intencional,   também  denominado  de  maus-­‐tratos  ac;vos  -­‐  e  por  omissão  -­‐  de  carácter   acidental,   isto   é,   não   intencional,   também   denominado   de   maus-­‐tratos   passivos;       •  As   situações   de   perigo   podem   classificar-­‐se,   ainda,   de   acordo   com   o   respec;vo   contexto   em   que   surgem:   intrafamiliares   (no   seio   da   própria   família)  ou  extrafamiliares  (em  ins;tuições  ou  no  âmbito  de  uma  relação   de  cuidado).  


Principais Tipologias  das  Situações  de  Perigo     •  NEGLIGÊNCIA:   Incapacidade   de   proporcionar   à   criança   a   sa;sfação   das   suas  necessidades  básicas  em  termos  de  higiene,  alimentação,  segurança,   educação,   saúde,   afecto,   es;mulação   e   apoio,   indispensáveis   ao   seu   crescimento   e   desenvolvimento,   “quando   existem   os   meios,   o   conhecimento  e  o  acesso  a  serviços  que  os  garantam”  (OMS  in  WHO,  2006   cit   in   Magalhães,   2010:   9).   Pode   incluir   diversas   formas:   intra-­‐uterina,   [sica,   emocional,   escolar,   abandono   e   mendicidade.   A   negligência   emocional   consiste   numa   falta   persistente   de   resposta   dos   pais/ cuidadores  aos  sinais  e  necessidades  emocionais  da  criança.       •  MAUS  TRATOS  FÍSICOS:  Qualquer  acção,  não  acidental,  por  parte  dos  pais   ou   pessoa   com   responsabilidade,   poder   ou   confiança,   que   provoque   ou   possa   provocar   dano   tsico   na   criança.   Pode   cons;tuir   uma   ocorrência   isolada  ou  repe;da.    


Principais Tipologias  das  Situações  de  Perigo  (Cont.)     •  MAUS   TRATOS   PSICOLÓGICOS:   Acção   intencional   por   parte   dos   pais/ cuidadores   que   provoca   dano,   sofrimento   psicológico   ou   doença   mental   à   criança.     •  ABUSO   SEXUAL:   Envolvimento   da   criança   em   ac;vidades   que   visam   a   gra;ficação  e  sa;sfação  sexual  de  um  adulto  ou  jovem  mais  velho,  numa   posição   de   poder   ou   de   autoridade   sobre   aquele.   A   OMS   considera,   igualmente   abuso   sexual,   “os   casos   em   que   a   criança   é   olhada   como   cúmplice   em   situações   de   violência   sexual   perpetrados   contra   ela,   a   violência  sexual  nas  relações  de  in;midade,  o  casamento  infan;l  e,  ainda,   as  prá;cas  culturais  danosas,  como  a  mu;lação  genital  (WHO,  2006  cit  in   Magalhães,  2010:  8).  


Sinais e   Sintomas   indicaRvos   de   uma   potencial   Situação  de  Perigo  para  a  Criança  (Cont.)   •  Os   profissionais   devem   conhecer   os   diferentes   sinais   e   sintomas   indicaRvos   da   possibilidade   de   se   estar   perante   uma   situação   de   perigo.   Estes   indicadores   correspondem   às   consequências   para   o   desenvolvimento  da  criança,  a  curto  –  sinais  -­‐  e  a  médio  –  sintomas   -­‐    prazo  das  várias  ;pologias  de  perigo  (Magalhães,  2010:  37).     •  Nas  úl;mas  décadas,  as  definições  operacionais  de  mau-­‐trato  têm   incluído,   para   além   do   dano   actual   demonstrável,   o   dano   potencial   (perigo/risco   de   dano   futuro)   para   o   desenvolvimento   da   criança   (Humphreys   e   Ramsey,   1993   cit   in   Mar;ns,   2002:   82)   uma   vez   que   as   consequências   de   determinadas   acções   ou   omissões  nem  sempre  são  iden;ficáveis  a  curto  prazo.  


Sinais e   Sintomas   indicaRvos   de   uma   potencial   Situação  de  Perigo  para  a  Criança  (Cont.)   Estes  sinais  e  sintomas  de  alarme  podem  surgir  isolados  ou  em   conjunto,   subitamente   ou   de   forma   gradual,   ou,   em   alguns   casos,   não   surgirem   (Magalhães,   2010:   37-­‐38).   Esta   autora   chama   também   a   atenção   para   o   facto   de   que   a   maior   parte   destes   indicadores   não   são   inequívocos   de   determinada   Rpologia  de  perigo,  uma  vez  que  (Magalhães,  2005):        


Intervenção Subsidiária  nas  Situações  de  Perigo     Mas,  a  quem  compete  a  protecção  de  crianças  e  jovens  no  nosso  país?     •  Esta   competência   cabe,   em   primeiro   lugar,   aos   pais/representante   legal/detentor  da  guarda  de  facto;         •  E,   na   sua   falta,   impossibilidade   ou   incapacidade,   às   enRdades   com   competência   em   matéria   de   infância   e   juventude   (art.º   7.º   LPCJP),   às   comissões   de   protecção   (art.º   12.º   LPCJP)   e,   por   úl;mo,   aos   tribunais   (art.º  11.º  LPCJP)  ,  de  acordo  com  o  principio  da  subsidiariedade,  como   se  pode  observar  na  seguinte  figura.  


Intervenção Subsidiária  nas  Situações  de   Perigo  (Cont.)   Tribunais

MP

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens

Família

Saúde, Educação, Segurança Social, Forças Policiais, Projectos, Programas IPSS e ONG Família e Comunidade

Lei 147/99 de 1 de Setembro 113


Intervenção subsidiária  nas  Situações  de  Perigo   (Cont.)     • 

• 

A Lei   de   protecão   assenta,   numa   estrutura   piramidal   que   privilegia   “uma   intervenção   de   base   comunitária   desformalizante   e   sobretudo   desjudicializada   –   a   qual   –   revela   reais   vantagens   na   negociação   das   soluções,   por   oposição   a   uma   intervenção   coac;va   e   es;gma;zante   como   é   a   dos   tribunais”   (Ministério   da   Jus;ça  e  Ministério  do  Trabalho  e  da  Solidariedade,  1999).     A  promoção  e  a  proteção  dos  direitos  da  criança  tem  por  base  uma  intervenção   consenRda,   no   caso   das   enRdades   com   competência   em   matéria   de   infância   e   juventude   e   das   Comissões   de   Proteção   de   Crianças   e   Jovens   (CPCJ),   reconhecendo-­‐se   a   família   enquanto   elemento   central   no   desenvolvimento   da   criança.    

• 

As comissões  de  proteção  intervêm  quando  não  seja  possível  às  en;dades  

referidas no   ponto   anterior   atuar   de   forma   adequada   e   suficiente   a   remover  o  perigo  em  que  as  crianças  se  encontram.  


Princípios orientadores  da  intervenção     • 

Interesse Superior   da   Criança:   A   intervenção   deve   atender   prioritariamente   aos   interesses  e  direitos  da  criança  e  do  jovem.    

• 

Privacidade: A  intervenção  deve  ser  efectuada  no  respeito  pela  in;midade,  direito   à  imagem  e  reserva  da  vida  privada  da  criança  e  do  jovem.    

• 

Intervenção Precoce:   A   intervenção   deve   ser   efectuada   logo   que   a   situação   de   perigo  seja  conhecida.    

• 

Intervenção Mínima:   A   intervenção   deve   ser   exercida   exclusivamente   pelas   en;dades   e   ins;tuições   cuja   acção   seja   indispensável   à   efec;va   promoção   dos   direitos  e  à  protecção  da  criança  e  do  jovem.      

• 

Proporcionalidade e  Actualidade:  A  intervenção  deve  ser  a  necessária  e  adequada   à  situação  de  perigo.    


Princípios Orientadores  da  Intervenção  (Cont.)   • 

Responsabilidade Parental:   A   intervenção   deve   ser   efetuada   de   modo   a   que   os   pais  assumam  as  suas  responsabilidades  para  com  a  criança  e  o  jovem.    

• 

Prevalência da   Família:   Deve   ser   dada   prevalência   às   medidas   que   integrem   a   criança  e  o  jovem  na  sua  família  ou  que  promovam  a  sua  adoção.    

• 

Obrigatoriedade da  Informação:  A  criança  e  o  jovem  e  os  seus  pais  têm  direito  a   ser  informados  dos  seus  direitos,  dos  mo;vos  que  determinaram  a  intervenção  e   da  forma  como  esta  se  processa.    

• 

Audição Obrigatória  e  ParRcipação:  A  criança  e  o  jovem  e  os  seus  pais  têm  direito   a  ser  ouvidos  e  a  par;cipar  nos  atos  e  na  definição  da  medida  de  promoção  dos   direitos  e  de  proteção.  

• 

Subsidiariedade: A  intervenção  deve  ser  efetuada  sucessivamente  pelas  en;dades   com   competência   em   matéria   da   infância   e   juventude,   pelas   comissões   de   proteção  de  crianças  e  jovens  e,  em  úl;ma  instância,  pelos  tribunais.    


Medidas de  Promoção  e  Protecção   As   medidas   de   promoção   dos   direitos   e   protecção   são   aplicadas,   exclusivamente,   pelas   CPCJ   e   pelos   tribunais   e,   encontram-­‐se   elencadas   pela   respec;va   ordem   de   preferência  e  prevalência  em  dois  ;pos  (ar;go  35.º,  n.º  1):       •    Medidas   a   executar   em   meio   natural   de   vida   –   medida   de   apoio   junto   dos   pais,   apoio   junto   de   outro   familiar,   confiança   a   pessoa   idónea,   apoio   para   a   autonomia   de   vida;       •    Medidas   a   executar   em   regime   de   colocação   –   acolhimento   familiar   e   acolhimento   em  ins;tuição.     A   aplicação   da   medida   de   confiança   a   pessoa   seleccionada   para   a   adopção   ou   a   insRtuição  com  vista  a  futura  adopção  é  da  competência  exclusiva  dos  tribunais,  não   podendo  ser  decidida  pela  CPCJ.    


Medidas de  Promoção  e  Protecção  (Cont.)   No   seguimento   do   disposto   no   ar;go   35.º,   n.º   4,   da   LPCJP,   o   regime   de   execução  das  medidas,  com  excepção  do  acolhimento  em  ins;tucional,  foi,   entretanto,  objecto  de  regulamentação  através  dos  seguintes  diplomas:     •    Decreto-­‐lei   n.º   12/2008,   de   17   de   Janeiro:   regulamenta   as   medidas   a   executar   em   meio  natural  de  vida  (apoio  junto  dos  pais,  apoio  junto  de  outro  familiar,  confiança  a   pessoa  idónea  e  apoio  para  a  autonomia  de  vida);       •    Decreto-­‐lei  n.º  11/2008,  de  17  de  Janeiro:  regulamenta  a  medida  de  acolhimento   familiar,  com  as  alterações  introduzidas  pela  lei  n.º  108/2009  de  14  de  Setembro.    


As ECMIJ   •  As  ECMIJ  são  “as  pessoas  singulares  ou  colec;vas  públicas,  coopera;vas,   sociais  ou  privadas”  (ar;go  5.º,  alínea  d)  da  LPCJP),  designadamente  todos   os  sectores  do  estado  social  –  Saúde,  Educação,  Segurança  Social,  Jus;ça,   Forças  de  Segurança,  Autarquias,  IPSS,  Organizações  não  Governamentais   e   outras   en;dades   que   desenvolvem   as   suas   ac;vidades   nas   áreas   da   infância  e  juventude.      


Procedimentos de  Urgência     • 

Poderão exis;r   situações   cuja   gravidade   e   urgência   jus;ficam   uma   intervenção   imediata   pelas   en;dades   não   judiciais   -­‐   ECMIJ   e   CPCJ   -­‐,   isto   é,   quando   exista   perigo   actual   ou   iminente   para   a   vida   ou   integridade   [sica   da   criança   e,   haja   oposição   dos   pais   ou   de   quem   tenha   a   guarda   de   facto,   quanto   às   medidas   necessárias   à   protecção   imediata   da   criança,   como   seja   o   caso   da   re;rada   da   família   –   são   os   chamados   “procedimentos   de   urgência   na   ausência   do   consenRmento”  (ar;go  91.º  da  LPCJP).    

• 

Nestas situações,   os   direitos   fundamentais   da   criança   à   vida   e   integridade   tsica   sobrepõem-­‐se  aos  direitos  fundamentais  dos  pais  e  necessidade  de  consen;mento   para  a  intervenção  (Bolieiro  e  Guerra,  2009:  53).  


Procedimentos de  Urgência  (Cont.)   •  Sempre  que  necessário,  estas  en;dades  podem  solicitar  o  apoio  das  en;dades   policiais   para   uma   efec;va   protecção   imediata   da   criança,   dando   conhecimento   em   simultâneo   ao   Ministério   Público   com   vista   a   um   “procedimento   judicial   urgente”   (ar;go   92.º   da   LPCJP)   que   consiste   na   aplicação   de   uma   medida   provisória   de   promoção   e   protecção   no   prazo   de   48   horas  (ar;gos  35.º  e  37.º  da  LPCJP).         –  Ar;go  a  este  propósito  –  Dr.ª  Alda  Coelho  e  Dr.ª  Maia  Neto  hUp:// www.cnpcjr.pt/preview_documentos.asp?r=1310&m=PDF  


A Legislação  Penal  –  Crimes  PraRcados  Contra   Crianças   Quando   os   factos   que   tenham   determinado   a   situação   de   perigo   consRtuírem   crime,   os/as   técnicos/as   e   en;dades   que   trabalham   na   área   da   infância   e   juventude   devem   fazer   a   respec;va  comunicação  ao  Ministério  Público  e/ou  às  En;dades   Policiais.     Os   crimes   pra;cados   contra   crianças   encontram-­‐se   dispersos   por   várias   normas   ínsitas   no   Código   Penal,   estando   a   sua   tramitação   prevista   no   Código   de   Processo   Penal,   designadamente:       122


A Legislação  Penal  –  Crimes  PraRcados  Contra   Crianças  (Cont.)   •  Crimes   contra   a   integridade   [sica   –   Exposição   ou   abandono   (ar;go   138.º,   violência   domés;ca   agravada   (ar;go   152.º,   n.º   2)  e  maus  tratos  (ar;go  152.º  A).      

•  Crimes contra  a  liberdade  pessoal  –  Sequestro  (ar;go  158.º)   e  rapto  (ar;go  161.º).        

•  Crimes contra   a   liberdade   e   autodeterminação   sexual   -­‐   Abuso   sexual   de   criança   (ar;go     171º);   Abuso   sexual   de   menores   dependentes   (ar;go   172º);   Actos   sexuais   com   adolescentes   (ar;go   173º);   Recurso   à   pros;tuição   de   menores  (ar;go    176.º).      


A Legislação  Penal  –  Crimes  PraRcados  Contra  Crianças   (Cont.)   •  A   denúncia   destes   crimes   ao   Ministério   Público   é   obrigatória   para   as   en;dades   policiais   e   para   os   funcionários   no   exercício   das   suas   funções   (ar;go   242.º   do   Código   de   Processo   Penal),   assim   como  para  as  en;dades  com  competência  em  matéria  de  infância  e   juventude  e  para  as  CPCJ  (ar;go  70.º  da  LPCJP).       •  Nestas   situações,   é   fundamental   que   haja   uma   “concordância   prá;ca  entre  as  intervenções  criminal  e  de  promoção  dos  direitos  e   de  protecção  (…)  na  avaliação  dos  factos,  na  obtenção  da  prova  e   na   protecção   da   ví;ma”   (Carmo,   2010:   202)   tendo   em   conta   uma   abordagem   holís;ca   da   intervenção   e   como   o   mínimo   de   danos   adicionais  para  a  criança.  


Intervenção das  ECMIJ   Suspeita / Detecção de Maus Tratos Situação não urgente

Situação urgente

Sinalização ECMIJ

Sinalização Investigação sumária

Diagnóstico

Perigo

Polícia

Perigo urgente

Intervenção

Suficiente e adaptada

Oposição dos pais ou do jovem Sinalização CPCJ Investigação Intervenção (medidas de protecção)

Rede formal

Suficiente e adaptada

Oposição dos pais ou do jovem Sinalização

Tribunal

Rede informal Medidas de protecção e tutelares cíveis

11 Fonte: Magalhães, 2002


Avaliação DiagnósRca  das  Situações  de  Perigo   numa  PerspecRva  Ecológica  

•  Na avaliação   diagnósRca   de   uma   potencial   situação   de   perigo   para   a   criança,   os/as   profissionais   devem   ter   em   conta   as   seguintes   dimensões   de   análise   (adaptado   de   Guia   de   Orientações   para   os   Profissionais   da   Acção   Social   na   Abordagem   de   Situações   de   Perigo,   2010;   Department   of   Health,  2000  e  Mar;ns,  2002).      


Modelo Ecológico  de  Avaliação  e  Intervenção  nas   Situações  de  Risco  e  de  Perigo  (DOH,  2000)  

NECESSIDADES DE DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

Saúde

COMPETÊNCIAS PARENTAIS

Cuidados básicos

Educação

Segurança

Desenvolvimento emocional e comportamental

Afectividade

Identidade Estimulação

Protecção e Promoção dos Direitos da Criança/Jovem

Relacionamento familiar e Social Apresentação social

Estabelecimento de Regras e Limites

Capacidade e Autonomia Estabilidade

Recursos comunitários

Integração social da família

Rendimento familiar

Situação profissional

Condições habitacionais

Família alargada

História e funcionamento familiar

FACTORES FAMILIARES E ECOLOGICOS


ESTUDO DE CASO

Identificação Familiar: Mãe : Lorraine Whitchurch, 22 anos. Filho: Lee, 3 anos. Filho: Shane, 18 meses.


ESTUDO DE CASO

Sinalização:

Sinalização anónima efectuada por uma vizinha. Esta informou os serviços sociais que a Lorraine negligencia os seus 2 filhos, Lee e Shane, de 3 anos e 18 meses respectivamente. Informou ainda que costuma ouvir as crianças a gritar e que a mãe “nunca lhes dá de comer (e que estes) estão sempre sujos e mal vestidos”. Por último, referiu que esta “não parece ser boa da cabeça, e que tem um pequeno atraso”. Sylvia Walker, uma assistente social da Acção Social Local, enviou um ofício à Lorraine informando que iria visitar o agregado familiar no dia 10 de Dezembro às 15h00.


Quadro-­‐síntese de  Avaliação  DiagnósRca   Perspectiva do Técnico Necessidades de Desenvolvimento da Criança

Factores de Protecção

Factores de Risco – Preocupações, Problemas, Necessidades

Competências Parentais

Factores de Protecção

Factores de Risco – Preocupações, Problemas, Necessidades Factores Familiares Factores de Protecção e Ecológicos Factores de Risco – Preocupações, Problemas, Necessidades


Discussão em  3  sub-­‐grupos  mul;disciplinares:       1.  Avaliação   inicial   da   situação,   iden;ficando   factores   de   protecção  e  factores  de  risco  passíveis  de  ser  iden;ficados   nesta   fase   do   diagnós;co,   através   do   preenchimento   do   IMP  –  Levantamento  de  Factores  de  Protecção  e  Risco.     2.        É  uma  situação  de  risco,  de  perigo  ou  de  perigo  iminente   para  a  vida  ou  integridade  tsica  das  crianças?    


A violência  contra     as  mulheres  idosas         (e  os  homens  idosos?...)       Tema  desenvolvido  a  parRr  de  projeto  desenvolvido  pelo  

CESIS: Violência  contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade  

  hyp://www.ipvow.org/pt/descricao-­‐dos-­‐projectos/mind-­‐the-­‐gap  


Tópicos

Violência contra   mulheres  idosas  em   relações  de   in;midade.     O  cruzamento  do   género  e  da  idade  

Abordagem da   violência  com  a  ví;ma    


Violência contra  mulheres  idosas  em   relações  de  inRmidade.     O  cruzamento  do  género  e  da  idade   As nossas perceções… Brainstorming   Em casais de pessoas idosas, as mulheres são com maior frequência agressoras em relações de intimidade do que em casais de pessoas mais novas.   A violência contra mulheres idosas em relações de intimidade ocorre, frequentemente, em contexto de dependência de cuidados.   A violência entre casais de pessoas idosas é menos física e mais psicológica.


Dados das  forças  de  segurança  

Em 2011 foram apresentadas 28 980 queixas de VD às forças de segurança:  85% das vítimas eram mulheres;  6,9% das vítimas tinham 65 ou mais anos;  Em 7,3% das queixas a vítima é ascendente da pessoa denunciada. Fonte: MAI / DGAI (2012) Violência Doméstica - 2011. Relatório anual de monitorização. Ocorrências participadas às Forças de Segurança (FS); Estruturas especializadas- FS; Atribuição do estatuto de vítima e decisões finais em processos-crime. Lisboa: DGAI


Dados das  Procuradorias-­‐Gerais  Distritais  de   Lisboa  e  Évora     Em 2008 foram instaurados 330 inquéritos (vítimas com 60 ou mais anos e em que o denunciado / arguido tinha uma relação de intimidade com a vítima);   59% desses inquéritos reportam-se a mulheres idosas ‘jovens’ (60-69 anos);

Fonte: Procuradorias-Gerais Distritais de Lisboa e de Évora


Dados das  Procuradorias-­‐Gerais  Distritais  de   Lisboa  e  Évora  (cont.)     Cerca de 3 em cada 4 mulheres idosas denunciou a sua própria situação aos tribunais ou às forças de segurança.

Fonte: Procuradorias-Gerais Distritais de Lisboa e de Évora


Dados das  Procuradorias-­‐Gerais  Distritais  de   Lisboa  e  Évora  (cont.)   Resultados dos inquéritos (a 31 de janeiro de 2010):  206 arquivados;  35 pendentes;  39 findos por dedução de acusação (31 por violência doméstica, 3 por ofensas à integridade física e 5 por outros crimes);  21 com suspensão provisória do processo (apenas 1 com medida de proibição de permanência ou deslocação à morada de família e proibição de contacto com a vítima);  28 incorporados;  22 chegaram à fase de julgamento: 9 já tinham sido julgados (6 condenações e 3 absolvições). Fonte: Perista, H., Silva, A. e Neves, V. (2010) Violência contra mulheres idosas em relações de intimidade na Europa - Relatório nacional de Portugal.


Prevalência da  violência  contra  mulheres   idosas  no  contexto  das  famílias     Cerca de quatro em cada dez mulheres com 60 ou mais anos que vivem em agregados domésticos privados reportaram ter sido vítimas de violência ou abuso nos doze meses anteriores à inquirição.   E as mulheres mais velhas (com 80 ou mais anos) que reportaram ter sido vítimas são aquelas que evidenciaram formas mais graves de vitimação.   A violência emocional ou psicológica constituiu o principal tipo de violência identificada (33%), seguida de abuso ou exploração financeira (17%), violação de direitos pessoais (13%), negligência (10%), abuso sexual (4%) e violência física (3%).  

Fonte: Ferreira-­‐Alves,  J.  &  Santos,  A.J.  (2011).  Prevalence  study  of  violence  and  abuse  against  older  women.  Result  of   the  Portugal  survey  (AVOW  Project).  Braga:  Universidade  do  Minho.  


Prevalência da  violência  contra  mulheres   idosas  no  contexto  das  famílias  (cont.)       No que se refere a agressores/as, o estudo refere: • 

A preponderância do marido/companheiro nos casos de violência emocional, abuso sexual e violação de direitos individuais, e

• 

A preponderância de filhos/as e genros e noras nos casos de negligência e de violência física.

  Apenas 26% das mulheres idosas que referiram ter sido vítimas reportaram ter revelado a situação de violência ou ter pedido ajuda.

Fonte: Ferreira-­‐Alves,  J.  &  Santos,  A.J.  (2011).  Prevalence  study  of  violence  and  abuse  against  older  women.  Result  of   the  Portugal  survey  (AVOW  Project).  Braga:  Universidade  do  Minho.  


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações   de  inRmidade:  resultados  do  estudo  IPVoW   Questionário-postal a instituições e serviços, a nível nacional: Entre 2006 e 2008   618 mulheres idosas (com 60 ou mais anos) vítimas de violência contactaram estes serviços   77% com idade entre os 60 e os 74 anos   Em 93% dos casos, o agressor foi o marido/companheiro com quem a mulher coabitava   Agressão e violência psicológica ou verbal (44%), violência física (31%) e exploração financeira (12%)


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações   de  inRmidade:  resultados  do  estudo  IPVoW   Mulheres idosas vítimas de violência em relações de intimidade segundo o tipo de violência, a frequência dos actos, a duração e o início da violência (%) 100 80

98

91

88

88

60 40 20

9

2

0 N=233

N=136

12 N=204

12 N=237

Violência apenas exercida pelo (ex) marido/companheiro Violência mútua Actos frequentes Uma única ocorrência ou pouco frequente Violência continuada / de longa duração (1 ou mais anos) História curta de violência (menos de 1 ano) Violência na relação de intimidade começou antes da mulher ter completado 60 anos Violência na relação de intimidade começou depois da mulher ter completado 60 anos

Fonte: Perista, H., Silva, A. e Neves, V. (2010) Violência contra mulheres idosas em relações de intimidade na Europa - Relatório nacional de Portugal.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Análise de processos do Ministério Público – PGDL Caraterização das vítimas  42% com idade entre os 60 e os 64 anos; média de 67 anos (+ velha com 81 anos);  9% recebia cuidados por parte do marido/companheiro e 8% por parte de uma outra pessoa / instituição; apenas 3% prestava cuidados ao marido/companheiro;  12% sofria de doença crónica, 7% com deficiência física, 7% com problemas de saúde mental e 1% sofria de demência;  46% recebia reforma e apenas 32% aparentava estar na dependência económica do marido/companheiro;  4% estava a ser acompanhada por serviços VD e 15% por serviços de saúde. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (2013) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!  

Caraterização das relações de intimidade  81% conjugalidade presente; mas 8 casos onde havia divórcio mas partilha da habitação;  45%: a relação de intimidade tinha 40 e mais anos; média de 32 anos (+ recente: 4 anos; mais antiga: 60 anos);  70% das vítimas coabitava apenas com o agressor. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (no prelo) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Caraterização dos agressores  51% com 69 ou menos anos; média 67 anos (+ novo: 53; + velho: 86 anos);  12% sofria de doença crónica, 1% com deficiência física, 17% com problemas de saúde mental e 4% sofria de demência;  46% abuso de álcool;  66% recebia reforma e apenas 7% aparentava estar na dependência económica da mulher/companheira;  76% revelava apresentar uma história de ofensas violentas, 12% de ocorrências por VD em relações de intimidade anteriores e 3% com condenações. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (2013) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Caraterização das ocorrências  Tipos de violência: 88% psicológica, 67% física, 17% controlo coercivo, 8% exploração financeira, 7% negligência intencional e 4% perseguição;  24% das situações agressor estava alcoolizado;  47% sem lesões referidas pela vítima; 30% de lesões físicas menores;  Entre os casos que reportam violência física houve: 1 assassinato, 6 (tentativas) estrangulamentos; Mas  (considerando os relatos das vítimas) 24% dos agressores estrangulou ou tentou estrangular as vítimas, 49% ameaçou matar a vítima ou a si mesmo, 9% já recorreram a armas para intimidar as vítimas e 16% tinha posse legal de armas. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (no prelo) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Caraterização das ocorrências  85% ocorreu na casa da vítima e do agressor;  65% das queixas à polícia foram feitas pelas vítimas e 17% por membros da família;  Em 76% dos casos a situação era conhecida pela família.

Fonte: Perista, H. e Silva, A. (2013) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Intervenção das forças de segurança  96% registado como VD;  38% feita avaliação de risco;  Nas 24h a seguir, 34% das vítimas e 9% dos agressores foram interrogadas/os pela polícia;  Apenas em 3% dos casos a polícia deu informação a serviços de apoio a vítimas;  No decurso das investigações subsequentes, 80% das vítimas, 61% dos agressores e 39% das testemunhas foram questionadas / interrogados pelo OPC; 83% das vítimas por agentes masculinos. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (2013) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Violência contra  mulheres  idosas  em  relações  de   inRmidade:  resultados  do  estudo  Mind  the  Gap!   Intervenção do Ministério Público  87% não chegou a julgamento; apenas 13% (sendo que corresponde a 10 processos = 5 casais);  39% arquivado por falta de indícios, 26% incorporados, 14% com suspensão provisória do processo, 9% arquivados por falta de indícios sem que suspeito fosse constituído arguido, 9% reclassificados. Intervenção dos Tribunais  4 arguidos e 3 vítimas prestaram testemunho; em 3 casos houve outros testemunhos;  4 arguidos condenados e 1 a aguardar decisão – condenações de 15 anos pena efetiva, 2 anos e 2 meses de pena suspensa e duas multas aos restantes. Fonte: Perista, H. e Silva, A. (2013) Mind the Gap! Melhorar a intervenção no domínio da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade – As respostas da polícia e do sistema judicial com base numa análise de processos do Ministério Público.


Género, idade  e  as  dinâmicas  sociais  de  relações   de  inRmidade  pautadas  pela  violência   A abordagem da violência contra mulheres idosas em relações de intimidade apela à consideração da complexidade da inter-relação entre género e idade. O género e a idade são categorias sociais que têm incrustadas representações simbólicas, que, por sua vez, moldam as interacções, as percepções e as expectativas sociais, os papéis e as identidades, as relações de poder, as oportunidades laborais e profissionais, as condições de trabalho e de vida em geral. (Sara Falcão Casaca e Sally Bould, 2012, “Género, idade e mercado de trabalho”)

As mulheres que hoje são idosas estarão, pois, sujeitas, mais do que as mulheres jovens e mais do que os homens, a situações de discriminação, resultantes da combinação interactiva e complexa de estereótipos e preconceitos associados ao sexismo e ao idadismo.


Género, idade  e  as  dinâmicas  sociais  de  relações   de  inRmidade  pautadas  pela  violência  

  Moldadas pelas relações de género;   O efeito geracional;   A (longa) duração da violência em relações de intimidade;   Antecendentes de violência familiar de vária ordem;   Dependência e autonomia ao longo do ciclo de vida;   Transferência dos cuidados (por vezes do feminino para o masculino).


Fatores de  risco  e  as  causas  sociais  /  estruturais   da  violência  contra  mulheres  idosas   Factores de risco estruturais / genéricos:  Género  Violência de longa duração em relações de intimidade Factores de risco (mais) relacionados com a idade:  Fragilidade física  Estado de saúde mental (por ex., demência / distúrbio depressivo)  Crescente necessidade de prestação de cuidados e eventual sobrecarga de cuidadores/as informais  Formas de organização e dinâmicas familiares  Isolamento  Situação socioeconómica e acessibilidade (“capacidade financeira") a serviços de apoio


O caso da Dª. Emília - Dª Emília vai ao centro de atendimento… A assistente social trabalha neste centro há relativamente pouco tempo. Está a fazer atendimento quando a Dona Emília, uma mulher de 80 anos, com algumas dificuldades auditivas e de mobilidade mas sem qualquer incapacidade cognitiva, se dirige ao centro. Esta queixase de ter sido agredida pelo seu marido, que é 10 anos mais novo do que ela. A Dona Emília está muito nervosa e pede a intervenção da

.

assistente social, para acalmar o marido

Abordagem da  violência  com  a  víRma:  princípios  de   conduta  gerais  

  Procurar estar sozinho/a com a vítima;   Criar uma relação de empatia e de confiança;   Ouvir a história atentamente e, em primeira instância, acreditar no relato da vítima;   Não emitir juízos de valor, não culpabilizar a vítima e não dar conselhos pessoais;   Corroborar os sentimentos da vítima;


Abordagem da  violência  com  a  víRma:   princípios  de  conduta  gerais  

  Garantir à vítima de que ninguém tem o direito de a magoar;   Assegurar à vítima de que não está só;   Informar a vítima acerca dos seus direitos e de outras opções e estimular a vítima na procura de apoio;   Encorajar a vítima a ver que há uma vida possível livre de violência. (Adaptado de Perista, H. , Baptista, I. e Silva, A. (Eds.) (2011) Violência contra mulheres idosas no contexto das famílias: reconhecer e agir. Lisboa: CESIS)


Abordagem da  violência  com  a  víRma  idosa  

  Em caso de dificuldades inerentes à idade / estado de saúde (por exemplo, audição ou visão deficitária):   Perguntar se tem dificuldade em compreender o que foi dito;   Dar-lhe tempo para ouvir e compreender o que lhe está a ser dito; se necessário, fazer pausas;   Ficar em frente da vítima e falar clara e pausadamente;   Repetir as perguntas tanto quanto necessário procurando recorrer a outras palavras; se necessário falar mais alto mas não gritar;   Se possível, assegurar que todos os documentos que devam ser devidamente compreendidos e/ou assinados pela vítima sejam lidos em voz alta.

(Adaptado de Manita, C. (coord.), Ribeiro, C. e Peixoto, C. (2009) Violência doméstica: compreender para intervir. Guia de boas práticas para profissionais das forças de segurança. Lisboa: CIG)


Abordagem da  violência  com  a  víRma  idosa  

  As perguntas têm de se adaptar à situação e tem de se sentir confortável com as expressões que utiliza;   Comece por questões de carácter geral (por exemplo, sobre a saúde e o bem-estar);   Continue com questões mais específicas de acordo com a situação;   Faça perguntas mais diretas no caso de a mulher não designar a sua experiência como ‘violência’. (Adaptado de Perista, H. , Baptista, I. e Silva, A. (Eds.) (2011) Violência contra mulheres idosas no contexto das famílias: reconhecer e agir. Lisboa: CESIS)


Questões de  carácter  geral  

•  Como vão as coisas lá por casa? •  Como é que tem passado os seus dias? •  Tem tudo o que precisa para cuidar de si? •  Tem algum tipo de ajuda em casa? Como se sente com a ajuda que tem em casa? •  (em situação de dependência de cuidados) Como acha que o seu/sua [marido/filha/outra pessoa prestadora de cuidados] está a lidar com a situação? Nota: estas questões podem ser particularmente relevantes aquando do acompanhamento pós-vitimação.


Questões mais  específicas   •  Foi  esbofeteada,  empurrada,  asfixiada,  ou  magoada  de  qualquer  outra   forma?     •  Foi  amarrada  ou  fechada  num  quarto?   •  Alguma  vez  alguém  a  obrigou  a  fazer  coisas  que  não  queria?   •  Fica  muitas  vezes  sozinha  em  casa  durante  longos  períodos?   •  Foi  ameaçada  com  algum  cas;go  ou  privada  de  algo?   •  Já  recebeu  o  ‘tratamento  de  silêncio’?   •  O  que  acontece  quando  a  pessoa  que  lhe  presta  cuidados  não  concorda   consigo?     •  Alguém  falou  ou  gritou  consigo  de  um  modo  que  a  tenha  feito  sen;r-­‐se  mal   consigo  própria?   •  Alguém  a  obrigou  a  ter  uma  a;vidade  sexual?   •  Sente  falta  de  disposi;vos  de  assistência  como  óculos  ou  aparelhos  audi;vos?   •  Está  a  receber  toda  a  ajuda  que  precisa?   •  Alguém,  na  sua  casa,  lhe  ;rou  alguma  coisa  sem  lhe  perguntar?   •  Alguém,  na  sua  casa,  a  fez  assinar  documentos  que  não  entendia?  


Como agir  perante  víRmas  com  deficiências   cogniRvas?   •  Vítimas com deficiência cognitiva ligeira podem ser abordadas directamente: •  Com perguntas muito simples e diretas; •  Faça perguntas que abordem apenas um assunto e evite perguntas com respostas alternativas; •  Não faça perguntas tendenciosas que, de algum modo, sugiram uma resposta; •  Fale devagar e pausadamente; •  Pare de fazer perguntas quando a vítima ficar nervosa. •  Em caso de maior grau de deficiência, é importante falar com outra pessoa que não o/a agressor/a ou com o/a tutor/a legal. A demência é um dos fatores de risco para que a pessoa se torne vítima de violência doméstica, sendo, ao mesmo tempo, mais provável que ninguém acredite nos relatos da vítima.


Como agir  perante  víRmas  com  barreiras   linguísRcas?   Estas mulheres pertencem a um grupo vulnerável, especialmente quando não falam a língua do país onde se encontram. • Se possível, procure falar com a vítima em presença de colega que saiba falar a respetiva língua ou peça a um/a tradutor/a externo/a que o/a acompanhe; • Nunca envolva parentes próximos como tradutores. Isto pode ser mais prejudicial do que benéfico! • Contacte o serviço de informação a vítimas de violência doméstica ou serviços específicos para imigrantes e/ou pessoas estrangeiras e solicite aconselhamento. Estas organizações têm, pelo menos, folhetos nas línguas mais comuns dirigidos às mulheres vítimas de violência doméstica e podem também conhecer intérpretes oficiais.


Dinâmicas e  processos     associados  à  Violência  em   Relações  de  In;midade    


Ao contrário  da  maioria  das  ví%mas  de  crime,  as  ví%mas  de   violência  domés%ca  não  sofrem  uma  “repen%na  e  imprevisível”   ameaça  à  sua  segurança  ou  à  sua  vida.     A  VD  é,  por  definição,  uma  situação  de  violência  con%nuada,  quase   sempre  múl%pla,  e  muitas  vezes  man%da  em  segredo  durante   anos.   O  conhecimento  das  “dinâmicas  da  violência  domés%ca”  e  dos   seus  efeitos/consequências  é,  por  isso,  um  instrumento   fundamental  para  um  mais  adequado  apoio  a  estas  ví%mas  e  para   o  favorecimento  da  sua  colaboração  com  o  sistema  judicial  e  de   apoio.     (Manita,  2009)


O “ciclo da Violência" Fase 1: Aumento da tensão, discussão, divergência ou conflito

Fase 3: apaziguamento, calma (esta fase pode diminuir ao longo do tempo). O agressor tende a manifestar arrependimento e a prometer que não volta a acontecer.

Fase 2: Agressão e violência física, bater, pontapear, esmurrar, uso de objectos ou de armas, abuso sexual, ameaças verbais, intimidação, coacção


A “Espiral da Violência"   de violência tendem a Ao longo do tempo, os actos aumentar em frequência, intensidade e perigosidade.   Assim, não só o risco para a vítima aumenta e as   mais intensas, como, à consequências negativas são medida que o tempo passa,   ela perde cada vez mais a

sensação de controlo e poder sobre si própria e sobre a sua vida, perde o sentimento de autoconfiança e de competência pessoal e desenvolve sentimentos de impotência e de “desânimo aprendido”. Acaba, assim, por se tornar “refém” deste ciclo de violência, sendo-lhe cada vez mais difícil romper com a situação abusiva. (Manita, 2009)


Poder e  controlo      


Dinâmicas de   poder,   dependência   e  violência:     A  ‘Roda  do   Poder  e  do   Controlo’  


Dinâmicas de  poder,  dependência  e  violência:     A  ‘Roda  da  Igualdade’  


Relações abusivas     e  a  sua  manutenção    


Barreiras que  se  colocam   às  ví;mas  para  romper  uma  relação  violenta   Barreiras psicológicas:   Expecta;vas  e  papéis  de  género        Constante  desempoderamento  psicológico        Relutância  em  falarem  da  sua  situação    …  

Barreiras estruturais:  Falta de  infra-­‐estruturas  e  de  serviços  disponíveis  para  proteção  das  ví;mas    Falta  de  recursos  financeiros  para  custear  alterna;vas    …    


Muitas das  condições  que  caracterizam  a  vida  destas    mulheres  (e.g.,  isolamento,  falta  de  poder  e  de  recursos,    adesão  a  papéis  de  género  tradicionais)  não  facilitam  o    desafio  da  situação  abusiva.      

(Marlene  Matos,  2006)  

-­‐ Saída da  relação:  uma  decisão  entre  outras  possíveis     -­‐ Saída  da  relação:  uma  decisão  com  consequências          


Como agir  perante  víRmas  pertencentes  a   grupos  étnico-­‐culturais  /  religiosos   específicos?   Pela sua pertença étnico-cultural / religiosa, estas mulheres encontram-se com relativa frequência em situação mais vulnerável. • Quando não falam a língua portuguesa, socorra-se das estratégias referidas antes; • Procurar que sejam mulheres a proceder à entrevista e outros procedimentos; • Contacte o serviço de informação a vítimas de violência doméstica ou serviços específicos para imigrantes e/ou pessoas estrangeiras (ACIDI; Unidade de Apoio à Vítima Imigrante e de Discriminação Racial ou Étnica; Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes) e solicite aconselhamento.


MÓDULO IV  –  VIOLÊNCIA  DOMÉSTICA:   ORIENTAÇÕES  PARA  A  INTERVENÇÃO   PSICOSSOCIAL                  


“Eu não  sabia  o  que  esperar.  Eu   não  %nha  qualquer  experiência   parecida.  Eu  estava  à  espera  de  um   milagre,  de  que  a  [técnica]me  iria   fazer  qualquer  coisa  que  me  faria   sen%r  melhor”  


Quem espera  o  quê  de  quem?   O  papel  do/a  técnico/  de  apoio  às  víRmas   de  violência  domésRca   A saída da Dona Albertina •  Qual a responsabilidade e o papel das pessoas técnicas que intervieram? •  Todas as pessoas ‘agiram’ corretamente? Porquê? •  Nalgum momento a vítima é ouvida / a sua opinião é tida em consideração? Na sua opinião, porque é que isso aconteceu?


Qualquer intervenção  deve…   •  aumentar a segurança das vítimas de violência doméstica; •  respeitar a autonomia das vítimas de violência doméstica; •  não se deve agir isoladamente (abordagem multidimensional e intersectorial - supervisão); •  as vítimas devem ser apoiadas por intervenções que as empoderem; •  responsabilizar os/as agressores e não as vítimas, pelo fim da violência. Assentar em práticas profissionais bem treinadas


Do perfil  técnico  e  pessoal:   CaracterísRcas  de  profissionais   Ser capaz de… • Ouvir; • Lidar com cada vítima na sua singularidade – tomar em consideração as necessidades individuais; • Identificar e agir de acordo com a natureza individual de qualquer processo psicossocial, tendo subjacente fatores como o enquadramento familiar e cultural, as questões de género, … (não há receitas únicas); • Apoiar ou desencadear apoio num percurso complexo; • Criar empatia; • Respeitar a opinião; • Ter uma atitude menos orientadora – acreditar numa tomada de decisão independente mas esclarecida!


O que  se  espera  alcançar  com  a   intervenção  psicossocial?   •  Segurança; •  aumento da autodeterminação, da autonomia e da autoestima; •  a aquisição de mais / melhores estratégias sobre como (re)agir em situações de crise bem como de ‘instrumentos’ para sua própria proteção; •  aumento do controlo sobre as próprias vidas; •  crescimento pessoal; •  aquisição de competências mais amplas sobre como gerir (os desafios d)a vida; •  diminuição de sentimentos de ansiedade e de medo e maior estabilidade emocional; •  Respeito.


As víRmas  de  violência  domésRca  nos  serviços  de  apoio:     correspondência,  ou  não,  de  expectaRvas?   Ví;ma  de  violência  domés;ca  

Técnico/a

  Não reconhecimento da situação de violência experienciada pela vítima;   Desculpabilização / desvalorização de determinados comportamentos do agressor;   Responsabilizá-la (também) pelo fim da violência;   Não disponibilização de informação sobre recursos e opções;   Não envolver outros serviços necessários à prossecução do caso;


  Exercer pressão, direta ou indireta, no sentido da obtenção de determinados resultados;   Considerar que a vítima sofre de alguma patologia, não reconhecendo determinados comportamentos como resultantes da violência.


As víRmas  de  violência  domésRca  nos  serviços  de  apoio:     correspondência,  ou  não,  de  expectaRvas?   Técnico/a  

Ví;ma de  violência  domés;ca  

  Ter apoio em diferentes serviços;   Desistência do acompanhamento;   Desculpabilização / desvalorização de determinados comportamentos do agressor;   Permanência na (ou o retorno à) relação abusiva;   Determinadas caraterísticas das vítimas (levar à desilusão) – perfil da vítima influencia a prática profissional e os resultados;   Não adesão aos planos delineados (por exemplo, ida imprescindível ao Ministério Público que não acontece);   Dificuldade em colocar em prática determinadas medidas;   Adiar as resoluções tomadas;   Insucesso quanto aos resultados obtidos;…


O que  é  um/a  bom/boa  técnico/a   de  apoio  a  ví;mas?     O  que  é  um/a  mau/má  técnico/a   de  apoio  a  ví;mas?    


Técnico/a de  apoio  a  víRmas   Princípios  orientadores  da  intervenção   Lei  n.º  112/2009   •  Princípio da igualdade; •  Princípio do respeito e do reconhecimento (vítimas especialmente vulneráveis – ação positiva); •  Princípio da autonomia da vontade; •  Princípio da confidencialidade; •  Princípio do consentimento (informado) – desafios à confidencialidade, segurança e relação de confiança; •  Princípio da informação; •  (Princípio do acesso equitativo aos cuidados de saúde).


Interpretação e  compreensão  dos   indicadores  de  alerta   •  Sinais  transmi;dos  pela  ví;ma:   –  Sinais  que  podem  ser  observados;   –  Sinais  indirectos.  

•  Sinais transmi;dos  pelo/a  agressor/a   •  Sinais  transmi;dos  pelo  meio  envolvente  


•  Sinais transmi;dos  pela  víRma  que     podem  ser  observados:   –  Violência  tsica:     o lesões  menores  (contusões),  mas  também  lesões  graves   (fraturas);   o lesões  podem  ser  causadas  por  apertar,  empurrar,  bater,…   mas  também  por  administrar  medicação  incorretamente;   o por  exemplo,  entorses  ou  luxações,  ferimentos   provocados  por  facadas,  contusões,  lacerações...   –  Violência  psicológica  ou  emocional:   o alterações  emocionais  significa;vas  e  alterações  no   comportamento;   o por  exemplo,  pouco  contacto  visual,  demonstração  de   medo/receio,  dificuldade  em  falar  abertamente…  


–  Violência sexual:   o Muitos  sen;mentos  de  vergonha/tabu;   o Em  muitas  regiões  do  mundo,  culturas  e  gerações,  o   casamento  é  interpretado  como  dando  ao  homem  o  direito   de  acesso  incondicional  à  prá;ca  sexual  com  a  sua  mulher   e  o  poder  de  aplicar  esse  direito  através  da  força;   o Por  exemplo,  infeções  genitais,  hemorragias  vaginais  ou   anais  inexplicadas,  …    

–  Exploração financeira:   o A  exploração  financeira  é  ditcil  de  provar,  mas  há  sinais   que  a  indiciam;     o Por  exemplo,  o  ordenado  /  a  pensão  é  gerida  por  terceiras   pessoas,  sem  controlo;  mudança  repen;na  ou  a;vidade   suspeita  na  conta  bancária;  ausência  dos  eletrodomés;cos   necessários,  …    


–  Negligência: o Indicadores  rela;vos  à  ví;ma  em  situação  de  dependência   de  cuidados:  desnutrição,  higiene  pessoal  deficitária,   modo  de  ves;r  inapropriado,  problemas  de  saúde  não   acompanhados/tratados.     o Por  exemplo,  ardor  ao  urinar,  problemas  médicos  que   permanecem  sem  tratamento  por  um  longo  período,   sinais  de  desidratação,  …   o Indicadores  rela;vos  às  condições  de  vida:  condições  de   vida  inseguras  ou  insalubres.    


•  Sinais indiretos  transmi;dos  pela  víRma    Sinais  que  sugerem  algo  suspeito     –  Violência  tsica:     o lesão  não  coincide  com  a  explicação  que  é  dada,   ví;ma  demonstra  ter  medo  quando  alguém  lhe  toca,   …   –  Violência  psicológica:   o indicadores  melhor  observados  durante  a  interação;   o isolamento  familiar  /  social;   o ser  tratada  como  uma  criança,  ser  chantageada   emocionalmente,  ser  negligenciada,  in;midação,…    


–  Violência sexual:     o Recusa  em  despir-­‐se  para  ser  lavada  (em  situação  de   dependência  de  cuidados),  relação  de  afe;vidade   estranha  em  relação  ao/à  possível  agressor/a,  …     –  Exploração  financeira:     o A  promessa  de  cuidar  da  ví;ma  para  toda  a  vida,   seja  em  troca  da  ;tularidade  de  documentos  e  /  ou   alocação  de  bens,  por  exemplo,  da  casa  ou  terra;   ví;ma  tem  problemas  em  pagar  eletricidade,  gás  e   água,  quando  o  montante  do  seu  ordenado  /da  sua   pensão  deveria  ser  suficiente.  


•  Sinais transmi;dos  pelo/a  agressor/a   (em  situações  de  dependência  de  cuidados)   – Preste  atenção  aos  seguintes  aspetos  que  podem   conduzir  a  uma  sobrecarga  e  despoletar   comportamentos  violentos:   o Quanto  tempo  por  semana  a  pessoa  prestadora  de  cuidados  dedica  à   ví;ma  em  situação  de  prestação  de  cuidados?  Será  que  a  pessoa   prestadora  de  cuidados  tem  suficiente  tempo  livre?;   o Que  outras  tarefas  a  pessoa  prestadora  de  cuidados  tem  a  seu  cargo?   …  

– O/a agressor/a  não  compreende  os  padrões  da   doença.  Esta  falta  de  conhecimento  pode  vir  de:     o Não  estar  suficientemente  informado/a;   o O/a  agressor/a  com  coeficiente  de  inteligência  baixo;   o O/a  agressor/a  com  problemas  psiquiátricos.  


–  Causa da  violência    pode  estar  relacionada  com  os   problemas  pessoais  do/a  agressor/a:   o  Problemas  de  relacionamento  social  ou  emocional;   o  problemas  financeiros;   o  problemas  psiquiátricos;   o  …  


•  Sinais transmi;dos  pelo  meio  envolvente   –  As  alterações  nos  modos  de  vida  ou  na  estrutura   familiar  podem  ser  foco  de  tensão:   o  Morte  do/a  parceiro,  mudança  de  casa,  venda  da  casa,  desemprego  /   reforma…  

–  Dinâmicas que  podem  trazer  tensões  familiares:   o  ;po  de  relacionamento  entre  membros  da  família,  historial  de   violência  na  família,  alterações  recentes  nas  relações  de  poder   dentro  da  família  (por  exemplo,  o  grau  de  dependência  da  mãe  idosa   face  a  filho/a);  privacidade  dos  membros  da  família  dentro  de  casa,   …  

•  Sinais de  alerta  rela;vamente  a  relações   violentas.  


O processo de ajuda a vítimas de violência doméstica


Processo de Apoio A vítima de violência requer apoio de ordem prática e de suporte emocional Elementos da intervenção: a) Recursos Materiais • Alojamento seguro; • Acompanhamento dos filhos; • Acesso a serviços comunitários.


Processo de Apoio

Cont.

b) Apoio Psicológico • Aconselhamento a curto e longo prazo; • Reestruturação cognitiva; • Desenvolvimento da auto-estima e da autoconfiança; • Desenvolvimento de competências parentais; • Grupos de ajuda mútua e de apoio.


Processo de Apoio

Cont.

c) Defesa e Assistência Legal de ordem prática relativas a: • Possibilidade de acesso aos filhos; • Questões relacionadas com a propriedade; • Apoio financeiro; • Benefícios sociais.


Intervenção em Crise


Intervenção em Crise Requisitos: •  Experiência / Treino;

•  Treino de comunicação, estratégias de Resolução de Problemas (ver a própria situação com uma resolução de problemas naquele momento); •  Capacidade para lidar pessoalmente com o stress adicional deste tipo de intervenção, particularmente quando o trabalho é intenso; •  Flexibilidade (dado o reduzido tempo e as disparidade de situações e pessoas); •  Resistência à Frustração.


Fases Importantes Desenvolvimento da relação com a pessoa relação empática, compreensiva e de suporte com reforço da sua atitude de procura de ajuda (“ela é uma parte activa em todo o processo”).


Primeiro Contacto  

Factor fundamental para o estabelecimento da relação com a vítima - inicio da Intervenção & Para o continuar de todo o processo/ Apoio


Fases Importantes da Intervenção Já com a relação estabelecida…

Relação de confiança Avaliação da severidade da situação de crise (ex. se a vitima está em perigo de vida ou se precisa de cuidados médicos) com foque para aspectos “pivot” / centrais, pois quando alguém está muito mal procura resolver “tudo ao mesmo tempo”.


Avaliação do Risco


Avaliação do Risco Aspectos que facilitem a avaliação do risco da situação: •  Antecedentes conhecidos do agressor; •  Existência de diagnóstico psiquiátrico do agressor; •  Rede de suporte da vítima (família amigos, vizinhos); •  Colaboração das autoridades; •  Existência de armas de fogo ao alcance do agressor; •  Existência de ameaças - tipo e tentativa de concretização.


Fases Importantes

Cont.

Dar espaço para pessoa extravasar a emoção/ os sentimentos e tentar ajudá-la a lidar com elas. Ajudar a vítima a avaliar e mobilizar os seus recursos (não se focalizar nos deficits mas sim nos aspectos positivos e de força da pessoa): às vezes a pessoa está tão “envolvida” / a vivenciar só a situação e não se dá conta do que vai fazendo para lidar com a situação (está sem qualquer solução).

Noção de “Empowerment”


Fases Importantes

Cont.

Desenvolver conjuntamente um Plano de Acção: •  encaminhamentos possíveis; •  propor alternativas adequadas (“e se...”, “e se...”), lidando com os futuros possíveis (as consequências de cada opção e como lidaria com elas); •  importância de atender ao “rating” de risco que a pessoa quer correr; •  transmissão de informações úteis (ex. instituições que pode contactar); •  promoção dos recursos (ex. comportamentos de protecção imediatos).


Formular um “Plano de Segurança Pessoal” da Vítima Prevenção e Defesa: transmitir algumas noções/ estratégias de prevenção dos ataques (saber como os prever, estabelecer comportamentos, premeditar qual a melhor reacção a ter se houver um ataque) bem como para reagir melhor em situações de ataque (estratégias de sobrevivência aos ataques): •  não ter receio de gritar, nem vergonha de o fazer, pois é o agressor que está errado, não a vítima; •  se for possível, tentar defender-se para evitar lesões maiores;


Plano de Segurança Pessoal da Vítima • 

Cont.

evitar discussões em áreas perigosas da casa como a

cozinha ou a casa de banho, onde existem muitas armas potenciais; •  ter uma forma de fuga planeada, nomeadamente, qual a melhor forma de sair de casa, para onde ir e o que levar; •  encontrar um vizinho a quem possa contar a situação, que chame a polícia se necessário;


Plano de Segurança Pessoal da Vítima

Cont.

Utilizar outras pessoas como “recurso”: •  exemplos: vizinhos, outros familiares podem testemunhar, constituir elementos de apoio / suporte e “de alternativa”; •  evitar deixar a vítima sozinha

(ex. se possível e

necessário acompanhá-la ao hospital e fazer a “inscrição”); •  telefonar para associação de encaminhamento ou, se possível, ir até lá com a vítima;


Aspectos da Comunicação Comunicação verbal Comunicação não verbal Escuta activa Canais de comunicação desobstruídos


Gerir o tema da violência pode ser muito difícil para os e as profissionais. As tensões, o stress e uma certa fadiga mental serão muitas vezes inevitáveis. Se os/as profissionais não conseguem lidar com estes desafios adequadamente podem mesmo entrar em situações de esgotamento. Por isso, é muito importante ter-se consciência das situações difíceis e aprender a lidar com elas.


Definições     •  A  tensão  é  um  esforço  mental  ou  emocional,   enquanto  que  o  stress  é  definido  como  uma   disrupção  do  equilíbrio  do  sistema  cogni;vo-­‐ emocional-­‐ambiental  provocada  por  factores   externos  (Lazarus  &  Folkman).   •  O  esgotamento  pode  ser  definido  como  um   síndrome  de  exaustão  emocional,   despersonalização  e  realização  pessoal  reduzida   que  pode  ocorrer  entre  pessoas  que,  de  algum   modo,  têm  um  trabalho  relacionado  com  pessoas   (Maslach).  


Situações ditceis  no  contexto  da   violência:  limites  (inter)pessoais,   organizacionais  e  ins;tucionais  


Como gerir  situações  ditceis  e   cuidar  de  nós  próprios/as  


Triângulo do/a  Vencedor/a  


NÍVEIS E  TIPOS  DE  INTERVENÇÃO  


Atendimento e  Acompanhamento  


Estruturas de  atendimento   O que diz a lei?

Ar;go 2.º   Definições   Para  efeitos  de  aplicação  da  presente  lei,  considera  -­‐se:     d)  «Rede  nacional  de  apoio  às  ví;mas  da  violência  domés;ca»     o  conjunto  dos  organismos  vocacionados  para  o   apoio  às  ví;mas  de  violência  domés;ca,  nele  se  incluindo  o   organismo  da  Administração  Pública  responsável  pela  área   da  cidadania  e  da  igualdade  de  género,  as  casas  de  abrigo,   os  centros  de  atendimento,  os  centros  de  atendimento   especializado,  bem  como  os  núcleos  de  atendimento  e  os   grupos  de  ajuda  mútua  devidamente  reconhecidos;   Lei n.º 112/2009


Estruturas de  atendimento   O que diz a lei? Artigo 3.º Finalidades d)  Consagrar  uma  resposta  integrada  dos  serviços  sociais   de  emergência  e  de  apoio  à  ví;ma,  assegurando  um  acesso   rápido  e  eficaz  a  esses  serviços;   Artigo 15.º Direito à informação 1  —  É  garan;da  à  ví;ma,  desde  o  seu  primeiro  contacto   com  as  autoridades  competentes  para  a  aplicação  da  lei,  o   acesso  às  seguintes  informações:   a)  O  ;po  de  serviços  ou  de  organizações  a  que  pode   dirigir  -­‐se  para  obter  apoio;  


Estruturas de  atendimento   O que diz a lei?

Ar;go 27.º     Gabinetes  de  atendimento  e  informação   à  víRma  nos  órgãos  de  polícia  criminal    

1 —  Os  gabinetes  de  atendimento  a  ví;mas  a  funcionar  junto  dos   órgãos  de  polícia  criminal  asseguram  a  prevenção,  o  atendimento   e  o  acompanhamento  das  situações  de  violência  domés;ca.   2  —  Cada  força  e  serviço  de  segurança  cons;tuem  a  sua  rede  de   gabinetes  de  atendimento,  dotados  de  condições  adequadas,   nomeadamente  de  privacidade,  ao  atendimento  de  ví;mas.   3  —  O  disposto  nos  números  anteriores  deve  igualmente  ser   concre;zado,  sempre  que  possível,  nas  instalações  dos   departamentos  de  inves;gação  e  acção  penal  (DIAP).  


Estruturas de  atendimento   O que diz a lei?

Artigo 61.º Centros de atendimento 1 —  Os  centros  de  atendimento  são  as  unidades  cons;tuídas  por   uma  ou  mais  equipas  técnicas,  pluridisciplinares,  de  en;dades   públicas  dependentes  da  administração  central  ou  local,  bem  como   de  outras  en;dades  que  com  aquelas  tenham  celebrado  protocolos   de  cooperação  e  que  assegurem,  de  forma  integrada,  o   atendimento,  o  apoio  e  o  reencaminhamento  personalizados  de   ví;mas,  tendo  em  vista  a  sua  protecção.   2  —  Os  protocolos  de  cooperação  a  que  se  refere  o  número   anterior  devem  merecer  acordo  entre  os  organismos  da   Administração  Pública  responsáveis  pelas  áreas  da  cidadania  e  da   igualdade  de  género  e  da  segurança  social,  assegurando  a  sua     conformidade  com  os  parâmetros  da  presente  lei  e  do  PNCVD.    


Estruturas de  atendimento   O que diz a lei?

Ar;go 62.º   Centros  de  atendimento  especializado     Os centros de atendimento especializado são serviços de atendimento especializado a vítimas, nomeadamente os constituídos no âmbito dos organismos do Serviço Nacional de Saúde ou dos serviços de emprego, de formação profissional e de segurança social. Artigo 75.º Núcleos de atendimento Os núcleos de atendimento são serviços reconhecidos de atendimento a vítimas, funcionando com carácter de continuidade, assegurados pelas organizações de apoio à vítima e envolvendo técnicos de apoio devidamente habilitados.


Estruturas de  atendimento   O  que  dizem  (e  o  que  sentem)  as  víRmas   (sobre  o  primeiro  vez  que  pediu  ajuda)  “Acho  que  é  um  ato  de  desespero,  é  naquele   momento  a  gente  quer  fazer  alguma  coisa,  quer  pedir  ajuda,  é  quase  um  grito,  é   gritar  para  ver  se  alguém  ouve  e  se  alguém  nos  percebe  (…)  Sen%-­‐me  em  segurança,   ali  (no  posto  das  forças  de  segurança)...  mas  sen%-­‐me  envergonhada,  um  pouco   triste  de  estar,  ou  envergonhada,  o  melhor  é  envergonhada,  mas  com  um  pouco  de   tudo.  Com  vergonha  claro,  mas  principalmente  em  segurança  e  revoltada  por  não  ser   nada  daquilo  que  eu  queria.”   “Exato,  eu  entrei  pela  urgência,  portanto  eram,  foi  de  madrugada,  eu  já  não  em  lembro,  não  sei   bem  a  hora,  pronto  e  logo  na,  na  parte  da  receção,  acho  que  me  perguntaram  logo,  depois   perguntaram  me  novamente  na  triagem  o  que  é  que  %nha  acontecido,  depois  a  médica  também   me  perguntou,  depois  no  RX  também  me  perguntaram  e  por  fim,  a  enfermeira  que  me  fez  o   cura%vo  também  me  perguntou.  Pronto,  eu  %ve  de  fazer  a  repe%ção  em  todas  estas,  a  todas   estas  pessoas  daquilo  que  se  %nha  passado  e  isso,  naquela  altura…    hoje  em  dia  não  me  custa   tanto  falar  sobre  as  coisas  mas  naquela  altura  foi  complicado.(..)  quando  cheguei  à  parte  da   enfermeira  já  estava  um  bocado  cansada  de  repe%r  e  aí  fui  um  bocado,  acho  que  fui  um  bocado   brusca  e  pronto,  e  disse  ‘mas  eu  vou  ter  de  repe%r  isto  a  toda  a  gente?  Sim,  foi  violência   domés%ca’.    


Estruturas de  atendimento   O  que  dizem  (e  o  que  sentem)  as  víRmas   “Acho que não têm propriamente condições. Acho que há um grande esforço humano, mas em parte física não. Estas paredes são horríveis, dou comigo a falar mais baixinho, a ouvir quase a conversa dali… Acho que não tem o mínimo de condições, mas pronto. É o que nós temos. (…) Eu vim a um primeiro atendimento, sem ter nada devidamente marcado, fui atendida. Inicialmente foi para o apoio jurídico, porque eu queria paralelamente, e com a situação económica, não tinha grandes recursos ara ter uma advogada particular. Embora eu, ainda, tenha ido e queria aproveitar o que é que daqui podia. Portanto, foi do ponto de vista jurídico que eu fui acompanhada inicialmente. E depois pedi (e foi impecável) de que necessitava de apoio psicológico, e que era portanto para mim. Pronto, inicialmente as coisas estavam muito complicadas porque a procura era grande, mas depois arranjaram-me um buraquinho. E tenho sido acompanhada durante este processo todo.” (utente de um núcleo de atendimento)


A importância  do  trabalho   mulRdisciplinar  em  rede     Vantagens:   –  Conhecimentos,  competências  e  informação  específicas;   complementaridade  -­‐  o  contacto  regular  e  a  informação  sobre  os  outros   serviços  irá  permi;r  um  melhor  conhecimento  sobre  quais  os   organismos  a  contactar  face  a  determinado  problema,  bem  como  um   melhor  entendimento  da  perspe;va  e  do  trabalho  das  outras   organizações.   –  Diferentes  formas  de  trabalhar  e  diferentes  visões  -­‐  ser  confrontado/a   com  esta  diversidade  e  refle;r  conjuntamente  sobre  ela  pode  ajudar  a   encontrar  soluções  inovadoras  e  eficazes.   –  Decidir  em  conjunto,  maior  eficácia  -­‐  As  decisões  conjuntas  de  vários   serviços  podem  conduzir  a  uma  crescente  aceitação  dos  procedimentos,   à  construção  de  diferentes  soluções  e  à  tomada  de  responsabilidade   par;lhada  e  conhecida  entre  cada  um  dos  serviços  a  nível  individual.  


A importância  do  trabalho   mulRdisciplinar  em  rede     Barreiras:  

–  Desconhecimento -­‐  os/as  intervenientes  não  conhecem  o  trabalho,  os   obje;vos  e  as  funções  uns/umas  dos/as  outros/as,  por  isso,  podem  não   saber  da  existência  de  outras  organizações  e  das  suas  funções.   –  Resistência  ao  “exterior”  -­‐  barreiras  à  troca  de  ideias  entre  diferentes   sectores.   –  Compe;ção/poder  -­‐  por  vezes,  as  organizações  não  querem  cooperar   com  outras  porque  têm  receio  da  compe;ção,  de  perder  clientes  e  de   par;lhar  o  seu  poder  em  determinadas  áreas  com  outras.   –  Preconceitos/experiências  nega;vas  -­‐  nalgumas  situações,  os/as   representantes  de  determinadas  organizações  têm  uma  a;tude  rígida  ou   preconceituosa  rela;vamente  a  outras,  devido  a  rumores  ou  a  anteriores   experiências  nega;vas.  


Princípios de  uma  cooperação  bem   sucedida     •  Enfoque  no  problema;   •  Estabelecimento  de  obje;vos  comuns;   •  Reconhecimento  dos  outros  profissionais,  do  seu  papel  e   dos  seus  pontos  de  vista;   •  Confiança  mútua  entre  os  intervenientes  na  cooperação;   •  Comunicação  posi;va  e  colabora;va;   •  Clarificação  e  acordo  sobre  as  tarefas  e   responsabilidades.  


Processos de  encaminhamento  

Brainstorming


Processos de  encaminhamento   Confirmada  a  situação  de  VD   Informar  sobre  serviços  de  apoio  a  ví;mas  

A pessoa  não   deseja  ser   encaminhada  

A pessoa  deseja   ser  encaminhada  

Efetuar contacto   prévio  com  serviço   para  agendar  o   primeiro  atendimento  

Encaminhar FE  

Prosseguir acompanhamento  


Processos de  encaminhamento   •  Dar  informação  sobre  existência  e  sobre  o  que  fazem  os  serviços   de  apoio  especializado;   •  Recorrer  a  um  serviço  deste  ;po  não  implica  que  a  pessoa  tenha   de  abandonar  a  relação  e  assegurar  que  a  sua  vontade  será   sempre  respeitada;   •  U;lização  de  instrumentos  de  registo  comum  evita  repe;ção  de   testemunhos  e  relatos  dolorosos;   •  Importância  de  dar  feedback  das  situações;   •  Respeitar  decisão  de  não  encaminhamento,  mantendo  o  apoio  e   acompanhamento  da  situação,  focando  a  atenção  em  eventuais   agravamentos;  


Processos de  encaminhamento   •  Lidar  com  eventual  ansiedade  e  frustração  resultante  de  um   sen;mento  de  impotência  se  a  sua  intervenção  não  produzir   efeitos  imediatos,  tendo  em  atenção  que  pressionar  a  tomada  de   decisão  pode  levar  as  ví;mas  a  tomar  a;tudes  para  as  quais  não   estão  preparadas;   •  Encontrar  um  equilíbrio  que  evite  uma  manutenção  da  vi;mação,   procurando  evitar  um  contexto  de  autocomiseração  e  ajudar  as   ví;mas  a  vencer  essa  a;tude  paralisante;   •  Processo  de  acompanhamento  deve  preparar  a  ví;ma  para  um   eventual  futuro  encaminhamento  com  vista  a  uma  intervenção   especializada;   •  Ví;mas  par;cularmente  vulneráveis  –  encaminhamento   prioritário  para  rede  de  serviços  e  equipamentos  sociais,  em   ar;culação  com  serviços  especializados;  


Encaminhamento para  casas  de  abrigo   Meios de tomada de conhecimento da existência das casas abrigo (%) 35 30 30 25 25

%

20 14

15 10

11

10

5

5

2

2

0 ONGs

Assistente social

Linha telefónica de emergência

Família/amigo/a

Autoridades policiais

Médico/a/Enfermeira/o

Campanha de sensibilização

Outro meio

Fonte: Estudo de Avaliação das Casas de Abrigo, 2009


Encaminhamento para  casas  de  abrigo   A  casa  de  abrigo  –  importância  de  uma  alternaRva  

Tipo de atitude tomada se não tivesse vindo para a Casa (% 44

“Tentaria outras instituições porque tinha mesmo que me salvaguardar e aos meus filhos.” “Tinha de sair de casa de qualquer maneira. Ia para casa de amigos.”

Reacção pró-activa

“Não saía.” “Não sei exatamente o que faria.” “Continuaria no sofrimento provavelmente.”

15

41

Reacção negativa

Sem reacção

“Ter-me-ia matado, porque já tentei várias vezes.” “ Infelizmente é triste mas eu sou simples e sincera, tinha matado com medicação ou com pesticidas.”


Encaminhamento para  casas  de  abrigo   A  ida  para  a  casa:  uma  alternaRva  informada?   •  •  •  •  • 

A casa  de  abrigo  como  alterna;va  ao  percurso  de  vi;mação;   A  iden;ficação  de  alterna;vas  de  alojamento/apoio  temporário;   A  desilusão  com  a  “opção”  tomada;   Que  procedimentos  pré-­‐acolhimento?   Que  espaço  para  a  escolha  informada  da  mulher?  

“Estaria muito melhor de certeza porque ninguém me tinha tirado a minha filhinha (foi preciso eu vir para aqui para ma tirarem). No tribunal de menores arquivaram o caso dizendo que eu era boa mãe. Só aqui é que disseram o contrário.” “Sinceramente, se eu soubesse que uma casa abrigo era assim, nunca teria vindo. Na minha situação teria aguentado mais um pouco até o tribunal decidir a minha situação.”


MÓDULO V  –  A  LEI  E  O  COMBATE  À   VIOLÊNCIA  DOMÉSTICA                  


FORMAÇÃO DE TÉCNICOS DE APOIO À VITIMA

Módulo V: A lei e o combate à violência doméstica Formadora: Elisabete Brasil elisabetebrasil.umar@sapo.pt 212 942 198/969 373 703 Lisboa, 8, 15 e 22 de Outubro de 2013 Formação promovida pelo:

Projecto co-financiado por:


1. Enquadramento jurídico-penal 1.1. O conceito de crime no nosso ordenamento jurídico

• “Conjunto de pressupostos de que depende a aplicação ao agente de uma pena ou de uma medida

de segurança criminais.” – Art.º 1º, al. a) C.P.P.


1.2. Breve evolução histórica da legislação sobre violência em função do género

• Identifico legislação sobre violência em função do género


Diplomas legais: evolução da legislação


 Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (CEDAW) - Adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 18-12-1979, aprovada por Portugal pela Lei nº 23/80, de 26 de Julho.


CEDAW Valores/Premissas

Tem por base os valores da dignidade da pessoa humana e igualdade dos direitos entre mulheres e homens firmado na Carta das Nações Unidas. Afirma o princípio da não discriminação e proclama que todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos e que cada pessoa pode prevalecer-se de todos os direitos e liberdades aí enunciados sem distinção alguma, nomeadamente de sexo.


CEDAW Obrigações dos Estados Os Estados partes nos pactos internacionais sobre direitos

humanos têm a obrigação de assegurar a igualdade de direitos dos homens e mulheres no exercício de todos os direitos económicos, sociais, culturais, civis e políticos.

Os Estados partes pugnam através da organização das nações unidas e instituições especializadas pela promoção da igualdade de direitos dos homens e mulheres.


CEDAW Reconhecimento

Em situações de pobreza as mulheres terem um acesso

mínimo à alimentação, aos serviços médicos, à educação, à formação e às possibilidades de emprego e à satisfação de outras necessidades.

Equidade e a Justiça contribuem de forma significativa para promover a igualdade entre mulheres e homens.


CEDAW Recomendações/Vinculação O papel da mulheres na procriação não deve ser uma causa

de discriminação, mas de que deve haver uma partilha de responsabilidades entre mulheres, homens e a sociedade no seu conjunto.

É necessária uma mudança no papel tradicional dos homens e no das mulheres na família e na sociedade de forma a que haja uma real igualdade entre mulheres e homens.


CEDAW: Medidas tomadas para eliminar a discriminação contra as mulheres com base no direito à igualdade das mulheres e homens: O mesmo direito de contrair casamento; O mesmo direito de escolher livremente o cônjuge e de só contrair casamento de livre e espontânea vontade; Os mesmos direitos e responsabilidades na constância do casamento e

na sua dissolução; Os mesmos direitos e responsabilidades enquanto pais; Os mesmos direitos pessoais no que respeita à escolha do nome de

família, de uma profissão e de uma ocupação; Os mesmos direitos a cada um dos cônjuges em matéria de propriedade, aquisição, administração, gozo, disposição dos bens, …


 Convenção do Conselho da Europa para a prevenção e o combate à violência contra as

mulheres e a violência doméstica (Istambul, 11-05-2011)

Aprovada pela AR em 14-12-2012 Ratificada em 11-01-2013


Convenção Istambul Condena todas as formas de violência contra as mulheres e a violência doméstica; Reconhece que a realização de Iure e de facto da igualdade entre mulheres e homens é um elemento fundamental na prevenção da violência contra as mulheres; As mulheres e raparigas estão expostas a um maior risco de violência de género que os homens; A violência doméstica afeta as mulheres de forma desproporcional e que os homens também podem ser vítimas de violência doméstica;


Convenção Istambul A violência contra as mulheres é uma manifestação das relações de poder historicamente desiguais entre mulheres e homens que conduziram à dominação e discriminação contra as mulheres pelos homens, o que as impediu de progredirem plenamente;

A natureza estrutural da violência exercida contra as mulheres é baseada no género;


Convenção Istambul

A violência contra as mulheres é um dos mecanismos sociais cruciais pelos quais as mulheres são obrigadas a assumir uma posição de subordinação em relação aos

homens As crianças são vítimas de violência doméstica,

designadamente como testemunhas da violência familiar


Análise do art.º 3º Violência contra mulheres - Definição

 Constitui uma violação dos direitos humanos que se traduz numa forma de discriminação contra as mulheres e que abrange todos os atos de violência de género que resultam ou podem resultar em danos físicos, sexuais, psicológicos ou económicos para as mulheres, incluindo a ameaça, coacção, privação arbitrária da liberdade.


Análise do art.º 3º Violência doméstica – Definição

 Todos os atos de violência física, sexual, psicológica ou económica que ocorrem na família ou na unidade doméstica, ou entre cônjuges ou ex-cônjuges, companheiros ou excompanheiros, quer o agressor coabite ou tenha coabitado, ou não, com a vítima.


Análise do art.º 3º Género – Definição

 Papéis, comportamentos, actividades e atributos socialmente construídos que uma determinada sociedade considera serem adequados para mulheres e homens.


Análise do art.º 3º Violência de género exercida contra as mulheres – Definição –

 Toda a violência dirigida contra a mulher por ser mulher ou que afeta desproporcionalmente as mulheres


Direitos Fundamentais - Art.º 4º Consagração do princípio da igualdade entre mulheres e

homens (constituição nacional ou legislação apropriada)

Proibição da discriminação contra as mulheres

Abolição de leis e práticas que discriminam as mulheres


Objetivo da Convenção  Proteção dos direitos das vítimas, sem discriminação alguma baseada no sexo, género, raça, na cor, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, na pertença a uma minoria nacional, na fortuna, no nascimento, na orientação sexual, na identidade de género, na idade, no estado de saúde, na deficiência, no estado civil, no estatuto de migrante ou refugiado ou qualquer outro.


Estrutura da Convenção  Políticas integradas que contemplam medidas legislativas centradas nos direitos das vítimas e aplicadas através de uma cooperação eficaz entre todos os organismos, instituições e organizações pertinentes.


Estrutura da Convenção Prevenção:  Aposta em programas de sensibilização a todos os níveis;  Educação: inclusão nos currículos escolares das questões da

igualdade entre mulheres e homens, papéis de género não estereotipados, o respeito mútuo, a resolução não violenta de conflitos nas relações interpessoais,

a violência de género

exercida contra as mulheres e o direito à integridade pessoal;  Formação de profissionais;

 Programas preventivos de intervenção e tratamento para os perpetradores da violência;  Participação dos meios de comunicação social;


Estrutura da Convenção  Proteção e apoio mediante adoção de medidas legislativas

ou outras que se revelem necessárias para proteger todas as vítimas de novos atos de violência;


Estrutura da Convenção Informação adequada e atempada às vítimas a respeito dos serviços de apoio e medidas legais disponíveis

Existência de serviços de apoio geral às vítimas, como sejam o aconselhamento jurídico e psicológico, assistência financeira, o alojamento, a educação, a formação e a assistência na procura de emprego Assistência especializada às vítimas aquando da apresentação de

queixas Serviços de apoio especializado


Estrutura da Convenção Casas de Abrigo

Linhas de apoio telefónico Apoio às vítimas de violência sexual Proteção e apoio às crianças testemunhas Encorajamento de qualquer pessoa a apresentar denúncia Dever de denúncia por parte dos profissionais


Estrutura da Convenção •

Direito material – indemnização estatal adequada às vítimas, direitos de guarda, visita e segurança, violência psicológica, perseguição, violência física, violência sexual, assédio sexual, inadmissibilidade dos chamados crimes de honra enquanto justificações para crimes.

Investigação, acção penal, direito processual e medidas de

proteção – avaliação e gestão do risco, medidas de interdição urgentes, medidas cautelares de proteção à vítima, apoio judiciário.


Estrutura da Convenção • Migração e asilo baseados no género  Possibilidade do estatuto de residente através da concessão de uma autorização de residência autónoma (independentemente da duração do casamento ou da relação)  Possibilidade de suspensão do processo de expulsão


Estrutura da Convenção  Possibilidade da emissão de uma autorização de residência renovável tendo em conta a situação pessoal da vítima ou a necessidade de cooperação com as autoridades no procedimento penal

 Pedidos de asilo baseados no género por se entender a violência contra as mulheres como uma forma de perseguição e como uma forma de dano grave que exige uma proteção complementar - Estatuto de refugiado e pedido de proteção internacional.


Estrutura da Convenção  Non-refoulement – As partes devem assegurar o não

repatriamento de uma mulher vítima de violência para país onde corra perigo de vida ou onde possa ser submetida a tortura, tratamentos ou penas desumanos ou degradantes.


Estrutura da Convenção • Cooperação internacional – Estabelecimento de princípios gerais, medidas de proteção adequadas às pessoas em risco, informação e proteção de dados. • Mecanismo de monitorização – GREVIO, grupo de peritos para o combate à violência contra as mulheres e a violência doméstica.


1.2. Breve evolução histórica da legislação •

Lei nº 61/91, de 13 de Agosto: Garante proteção adequada às mulheres Reforço do mulheres vítimas de violência.

Resolução da AR nº 31/99, de 14 de Abril: Lista as medidas de carácter urgente e prioritárias na área da violência doméstica e a

sua necessidade de regulamentação e execução. •

Lei nº 107/99, de 3 de Agosto: Prevê a criação da rede pública de

apoio a mulheres vítimas de violência.


1.2. Breve evolução histórica da legislação sobre violência em função do género •

Resolução do Conselho de Ministros nº55/1999, de 15 de Junho: Aprova o I Plano Nacional contra a violência doméstica (1999-

2002) •

Resolução da AR nº 7/2000, de 26 de Janeiro: Sob a epígrafe

“Concretização de medidas de proteção das vítimas de violência doméstica” vem estabelecer, no prazo máximo de 90 dias, devam ser publicados diplomas de forma a regulamentar a Lei nº

107/99.


1.2. Breve evolução histórica da legislação sobre violência em função do género

Decreto-lei nº 323/2000, de 19 de Dezembro: que veio regulamentar a Lei nº 107/99 e estabelece a criação da rede pública de casas de apoio a mulheres vítimas de violência.

• Resolução do Conselho de Ministros n.º 88/2003, de 7 de Julho: Aprova do II PNCVD (2003-2006)


1.2. Breve evolução histórica da legislação sobre violência em função do género

Decreto Regulamentar n.º 1/2006, de 25 de Janeiro: regulamentação das Casas de Abrigo

Resolução do Conselho de Ministros n.º 83/2007, de 22 de

Junho: Aprova IIIPNCVD (2007-2010)


1.2. Breve evolução histórica da legislação sobre violência em função do género • Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro - Estabelece o regime

jurídico aplicável à prevenção da violência doméstica, à proteção e à assistência das suas vítimas e revoga a Lei n.º 107/99, de 3 de Agosto, e o Decreto-Lei n.º 323/2000, de 19 de Dezembro  Com alterações introduzidas ao n.º 1 do art.º 35.º, pela Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro

• Resolução do Conselho de Ministros n.º 100/2010, de 17 de Dezembro: Aprova o IV PNCVD (2010-2013)


1.2. O crime de Violência Doméstica - breve evolução histórica Código Penal de 1982 •

O Código Penal de 82, previa de forma autónoma o crime de maus tratos. O artigo 153.º sob a epígrafe: “ Maus tratos ou sobrecarga de menores e de subordinados ou entre cônjuges” estatuía no seu n.º 3 “ … quem infringir ao cônjuge ….”.

A jurisprudência veio ainda a estender os maus tratos conjugais ao companheiro ou a quem vivia em condições análogas às dos cônjuges.

• Elemento subjetivo da ilicitude: Comportamento “ devido a malvadez ou egoísmo”.


1.2. Breve evolução histórica da legislação

Código Penal de 1982 •

Natureza do Crime: Pública, isto é, não dependia de queixa, podendo e devendo por tal razão as autoridades proceder oficiosamente ao apuramento e julgamento dos factos.

Moldura Penal: Prisão de 6 meses a 3 anos ou multa até 100 dias.


1.2. Breve evolução histórica da legislação Reforma Penal efetuada pelo Decreto-lei n.º 48/95, de 15 de Março

O artigo que prevê este tipo de crime é agora o artigo 152.º, com a epígrafe “Maus tratos ou sobrecarga de menores, de incapazes ou do cônjuge”. Natureza do Crime: Semi-pública - Procedimento criminal depende de queixa. Moldura Penal: 1 a 5 anos de prisão. No entanto, se resultar

ofensas à integridade física graves, a pena será de prisão de 2 a 8 anos; e se resultar a morte, a pena será de 3 a 10 anos.


1.2. Breve evolução histórica da legislação Em suma: •

Previram-se os maus tratos físicos e os psíquicos;

• Passou as abranger outras vítimas, por exemplo, idosos e doentes, •

Eliminou-se a malvadez e o egoísmo;

• Agravaram-se as penas; •

O procedimento criminal passou a depender de queixa.


1.2. Breve evolução histórica da legislação Reforma de 1998, através da Lei n.º 65/98, de 2 de Setembro

Tornou o procedimento independente de queixa, atribuindo ao M.P. legitimidade para ex oficio iniciar o procedimento sem queixa.

Não obstante, a lei deixou à vítima a decisão última acerca da continuação do processo – passou a poder opor-se que o procedimento continuasse, ou seja, dependia da vontade da vítima o prosseguimento da acção penal, isto é, permitia que a vítima pusesse termo ao processo, quando o mesmo tivesse iniciado sem queixa.


1.2. Breve evolução histórica da legislação Alteração introduzida pela Lei nº 7/2000, de 27 de Maio

Natureza Pública do crime quaisquer que fossem as circunstâncias; já não depende da vontade da vítima, nem esta pode pôr termo ao processo ainda que o mesmo se tivesse iniciado sem a sua queixa. • O campo da tutela passou também a abranger os progenitores de descendente comum, passando o âmbito da proteção penal para fora da casa de morada de família e do agregado familiar assim entendido. • Previu-se nos art.º(s) 281º e 282º do C.P.P. o instituto da suspensão provisória do processo. • Previu-se ainda a possibilidade de ser aplicada ao condenado a pena acessória de proibição de contacto com a vítima, incluindo a obrigação de afastamento da residência desta, até ao máximo de 2 anos.


1.2. Breve evolução histórica da legislação Alteração introduzida pela Lei nº 59/2007, de 4 de Setembro

• • •

Natureza Pública do crime mantêm-se; Aplica-se a relações presentes ou passadas; O campo da tutela passou também a abranger as relações homossexuais; • A economia comum e, … • O namoro!?

Só a alteração ocorrida em 2013 veio clarificar: Alteração introduzida pela Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro • Prevê expressamente o: Namoro


Definição Legal do Crime de Violência Doméstica Artigo 152.º do CP

Autoria, meio e tipologia dos actos? N.º 1 do art. 152.º CP

1 — Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais:


Destinatários que a norma visa proteger? a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge;

b) A pessoa de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação DE NAMORO OU UMA

RELAÇÃO análoga à dos cônjuges, ainda que sem coabitação;

(N.º 1 do art. 152.º da lei n.º 59/07 de 04/09 (CP) com alterações introduzidas pela Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro)


Destinatários que a norma visa proteger? c) A progenitor de descendente comum em 1º grau; ou

d) A pessoa particularmente indefesa, NOMEADAMENTE em razão de idade, deficiência, doença, gravidez ou dependência económica,

que com ele coabite;

(N.º 1 do art. 152.º do CP com alterações introduzidas pela Lei n.º 19/2013 de 21 de Fevereiro)


Cominação Legal/Moldura Penal

é punido com pena de prisão de um a cinco anos,

se pena mais grave lhe não couber por força de outra disposição legal.


AGRAVAÇÃO

2 — No caso previsto no número anterior, se o agente praticar o facto contra menor, na presença de menor, no domicílio comum ou no domicílio da vítima é punido com pena de prisão de dois a cinco anos.


AGRAVAÇÃO 3 — Se dos factos previstos no n.º 1 resultar: a) Ofensa à integridade física grave, o agente é punido com pena de prisão de dois a oito anos;

b) A morte, o agente é punido com pena de prisão de três a dez anos.


Penas Acessórias

4 — Nos casos previstos nos números anteriores, podem ser aplicadas ao arguido as penas acessórias de proibição de contacto com a vítima e de proibição de uso e porte de armas, pelo período de seis meses a cinco anos, e de obrigação de frequência de programas específicos de prevenção da violência doméstica.


Penas acessórias e monitorização da aplicação (152.º da lei n.º 59/07 com as alterações introduzidas pela Lei n.º 19/2013 de 21 de Fevereiro)

5 — A pena acessória de proibição de contacto com a

vítima DEVE incluir o afastamento da residência ou do local de trabalho desta e o seu cumprimento DEVE ser fiscalizado por meios técnicos de controlo à distância.

(A Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro alterou pode para deve)


Pena Acessória 6 — Quem for condenado por crime previsto neste artigo pode, atenta a concreta gravidade do facto e a sua conexão com a função exercida pelo agente, ser inibido do exercício do poder paternal, da tutela ou da curatela por um período de 1 a 10 anos.


1.3. O crime de Violência Doméstica - análise sistemática


1.3. O crime de Violência Doméstica - análise sistemática •

A proteção da pessoa individual e da sua dignidade humana. E o âmbito de proteção vai além dos maus-tratos físicos, compreendendo, também, os maus-tratos psicológicos (v.g., humilhações, provocações, ameaças, curtas privações de liberdade de movimentos, ofensas sexuais, etc.)

O bem jurídico protegido é a saúde (física, psíquica e mental).

O crime de maus-tratos pressupõe um agente que se encontre em determinada relação para com o sujeito passivo

desses comportamentos. É por isso mesmo, um crime específico.


1.3. O crime de Violência Doméstica - análise sistemática • Quanto ao sujeito passivo, este pode ser a pessoa que se encontre em relação para com o agente de dependência em razão da idade, estar sob sua direção, educação a trabalhar ao seu serviço ou sob sua responsabilidade. •

Este tipo de crime não pressupõe reiteração das condutas em causa, já que prevê expressamente a conduta não reiterada.

Quanto ao elemento subjetivo do tipo, este é um crime fundamentalmente doloso em uma qualquer das suas formas:

directo, necessário e eventual. •

Crime de natureza pública.


VD como crime de Natureza Pública! Quê?


Violência Doméstica como crime de Natureza Pública •

Não depende de queixa;

Pode ser denunciado por qualquer pessoa ou entidade;

A denúncia deste crime é obrigatória para as entidades

policiais e funcionários


Violência Doméstica como crime de Natureza Pública • Abrangência do conceito de funcionário: quem desempenhe uma actividade compreendida na função pública administrativa ou jurisdicional ou quem desempenhe

funções em organismos de utilidade pública ou nelas participar, gestores, titulares de órgãos de fiscalização e trabalhadores de empresas públicas e empresas concessionárias de serviços públicos – art. 242º do Código de Processo Penal e art. 346º do Código Penal.


Exercício 3: Caso Prático Sandra é casada com António desde 1980, sendo que ambos vivem em Almada. Desde o início do matrimónio, o marido de Sandra chama-a de “puta, vaca, bandida, nojenta, ...” sempre que esta se nega a ter relações sexuais com ele. Ao mesmo tempo, dá-lhe murros na cabeça e obriga-a a consumar o ato sexual. António trabalha em França, mas vem a casa de 3 em 3 meses. É neste espaço de tempo que António assume o comportamento supra descrito. Em Janeiro de 2012, António chegou de França e, sem que tenha havido qualquer diálogo entre ambos, obrigou Sandra a mostrar-lhe as suas cuecas, após o que lhe rasgou a roupa. De seguida, atirou-a para cima da cama, amarrou-lhe as mãos com a sua própria camisola e obrigou-a a ter relações sexuais de cópula completa. Preocupados com os gritos de Sandra, os vizinhos dirigiram-se à porta de casa desta, o que levou António a fugir. 

Como qualificaria este crime?

Seria o caso de pedir a aplicação de uma medida de coacção?


Grelha do exercício 3: caso prático •

Como qualificaria este crime? -No caso concreto:

• MP deduziu acusação por VD; • Fez- se julgamento por VD; • No dia da leitura de sentença entendeu o juiz não proferir sentença, dado que e no seu entender havia lugar a uma requalificação do crime, outro mais gravoso: violação. • Enviou o processo para novo julgamento por violação e já em coletivo. • O Acórdão do coletivo condenou por crime de violação: 6 anos pena prisão efetiva. • Recurso do Arguido: Absolvido do crime de violação e condenado por 1 crime de VD • Decisão condenatória final: condenação por VD, pena de prisão suspensa na sua execução.

Seria o caso de pedir a aplicação de uma medida de coação?


1.4. Medidas de proteção às vítimas de violência doméstica


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Capítulo I – Disposições Gerais

Artigo 1.º Objeto da Lei Estabelecer o regime jurídico aplicável à prevenção da

violência doméstica e à proteção e assistência das suas vítimas.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Apresenta conceitos como os de:

 Vítima, vítima especialmente vulnerável, técnico de

apoio à vítima, rede nacional de apoio às vítimas da violência doméstica, organizações de apoio à vítima, programa de autores de crimes no contexto da violência doméstica (art.º 2.º).


Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro g) Criar políticas públicas destinadas a garantir a tutela dos direitos da vítima de violência doméstica;

h) Assegurar uma proteção policial e jurisdicional célere e eficaz às vítimas de violência doméstica;

i) Assegurar a aplicação de medidas de coacção e reações penais adequadas e promover a aplicação de medidas

complementares de prevenção e tratamento;


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro j) Incentivar a criação e o desenvolvimento de associações e organizações da sociedade civil que tenham por objetivo atuar

contra a violência doméstica, promovendo a sua colaboração com as autoridades públicas;

l) Garantir a prestação de cuidados de saúde adequados às vítimas de violência doméstica.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Capítulo III – Princípios Artigo 5.º e ss. Igualdade Respeito e reconhecimento Autonomia da vontade

Confidencialidade Consentimento Informação Acesso equitativo aos cuidados de saúde


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Capítulo IV – Estatuto de Vítima Artigo 14.º A concessão do Estatuto de Vítima opera-se: (Portaria nº229-A/2010, de 23 de Abril - Modelo)

 Uma vez apresentada a denúncia da prática do crime de VD

 Não existindo indícios de que a mesma seja infundada Quem atribui o Estatuto?  As autoridades judiciárias  Os OPC  Excecionalmente a CIG – cf. n.º 3 do artigo 14.º


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Com o Estatuto de Vítima a vítima adquire: o direito à informação – Art.º 15º a) O tipo de serviços ou de organizações a que pode dirigir -se para obter apoio;

b) O tipo de apoio que pode receber; c) Onde e como pode apresentar denúncia; d) Quais os procedimentos sequentes à denúncia e qual o seu papel no âmbito dos mesmos; e) Como e em que termos pode receber proteção;


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

 f) Em que medida e em que condições tem acesso a: i) Aconselhamento jurídico; ou ii) Apoio judiciário; ou iii) Outras formas de aconselhamento;


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

g) Quais os requisitos que regem o seu direito a indemnização; h) Quais os mecanismos especiais de defesa que pode

utilizar, sendo residente em outro Estado.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

 Sempre que a vítima o solicite

junto da entidade competente

para o efeito, deve ainda ser -lhe assegurada informação sobre:

a) O seguimento dado à denúncia; b) Os elementos pertinentes que lhe permitam ser inteirada do

estado do processo e da situação processual do arguido; c) A sentença do tribunal.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Outros direitos consagrados na Lei:  O direito à audição e apresentação de provas na medida do necessário – art.º 16º;

 O direito a consulta jurídica e aconselhamento sobre o seu papel durante o processo e, se necessário o consequente apoio judiciário – art.º 18º;

 Ser reembolsada das despesas efetuadas em resultado da sua legítima participação no processo penal, quando se constitua assistente – art.º 19.º;


Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro  Proteção no que respeita à sua segurança e salvaguarda

da vida privada, da sua família ou pessoas em situação equiparável, nos casos em que existe uma ameaça séria de atos de vingança ou fortes indícios de que a sua privacidade

pode

ser

grave

perturbada – art.º 20.º n.º 1.

e

intencionalmente


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  O contacto entre vítimas e arguidos em todos os locais que impliquem

a

presença

em

diligências

conjuntas,

nomeadamente nos edifícios dos tribunais, deve ser evitado

– (art.º 20.º n.º 2).

 Às vítimas especialmente vulneráveis deve ser assegurado o direito a beneficiarem de condições de depoimento que as protejam dos efeitos do depoimento prestado em audiência pública – art.º 20.º n.º 3.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  O juiz, ou durante a fase de inquérito, o MP, com consentimento da vítima podem determinar que lhe seja assegurado

apoio

psicossocial

e

proteção

por

teleassistência por um período não superior a 6 meses. art.º 20.º n.º 4. (Portaria nº220-A/2010, de 16 de Abril).

 Obter uma decisão de indemnização por parte do agente do crime, dentro de um prazo razoável - 21.º n.º 1.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  Retirar da residência todos os seus pertences e bens próprios, bem como os dos filhos, os quais devem constar de lista

disponibilizada no âmbito do processo sendo a vítima acompanhada, quando necessário, por autoridade policial art.º 21.º n.º 4.

 Ser ouvida em ambiente informal e reservado devendo ser

criadas as adequadas condições para prevenir a vitimização secundária e para que sofra pressões desnecessárias - art.º 22.º n.º 1.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

 Sempre que possível, e de forma imediata, dispor de adequado atendimento psicológico e psiquiátrico por parte de equipas multidisciplinares de profissionais habilitadas à

despistagem e terapia dos efeitos associados ao crime de violência doméstica – art.º 22.º n.º 2.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Cessação do Estatuto de Vítima - artigo 24.º

 Consequências da cessação do Estatuto de Vítima:

A cessação do Estatuto de Vítima não prejudica, sempre que as circunstâncias o justifiquem, a continuidade do apoio social que tenham sido estabelecidas


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Cessação do Estatuto de Vítima - artigo 24.º

 Quando Cessa? Por vontade expressa da vítima Por verificação da existência de fortes indícios de denúncia infundada Com o arquivamento do inquérito, do despacho de não

pronúncia ou após o trânsito em julgado da decisão que ponha termo à causa, salvo se, a requerimento da vítima junto do MP ou do tribunal competente, consoante os casos, a necessidade

da sua proteção o justificar.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Proteção Policial e Tutela judicial Ainda previsto na Lei – artigos 25.º e ss:  Prontidão na disponibilização de consulta jurídica a efetuar por advogado  Célere concessão de apoio judiciário, que passa a ter carácter

de urgência  Nomeação do mesmo mandatário ou defensor oficioso à vítima para os vários processos em curso


Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro  Natureza urgente dos processos por Violência Doméstica

 Existência de formulários próprios, nomeadamente autos de notícia padrão - art.º 29. n.º 1, o mesmo se aplicando à queixa eletrónica – art.º 29.º n.º 2  Assessoria e consultadoria técnicas nos Tribunais Judiciais, na área da violência doméstica – art.º 26.º


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Detenção Art.º 30º

 Em caso de flagrante delito por crime de VD, a detenção mantém-se até o detido ser apresentado a audiência de julgamento ou a primeiro interrogatório judicial para eventual

aplicação de medida de coação.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro A detenção fora de flagrante delito pode ser efectuada por

ordem do Juiz ou do MP, desde que:  haja perigo de continuação da actividade criminosa  tal se mostre imprescindível para a proteção da vítima


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro As autoridades policiais podem ordenar a detenção fora de flagrante delito por iniciativa própria, quando:

há perigo de continuação da actividade criminosa

tal se mostra imprescindível para a proteção da vítima

e 

não for possível dada a situação de urgência e perigo na demora esperar pela intervenção da autoridade judiciária.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Medidas de coação urgentes – art.º 31º:

A) Não adquirir, não usar ou entregar armas ou objectos contundentes capazes de favorecer a continuação da actividade criminosa

B) Sujeitar mediante consentimento prévio, a frequência de

programa para arguidos em crimes de VD


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Medidas de coação urgentes – (cont.):

C) Não permanecer na residência onde o crime tenha sido cometido ou onde habite a vítima

D) Não contactar com a vítima, com determinadas pessoas ou frequentar certos lugares


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  Gabinetes de atendimento a vítimas a funcionar nos OPC’s e

sempre que possível também nos DIAP – art.º 27.º n.º 3

 Possibilidade de recurso à teleconferência e videoconferência quando, a requerimento da vítima, o Tribunal entenda que tal é necessário, podendo pedir parecer aos profissionais da

saúde que acompanhem a evolução da situação da vítima e possibilidade da vítima ser acompanhada no tribunal pelo seu profissional de saúde – art.º 32.º


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  Possibilidade da vítima prestar declarações para memória futura – art.º 33º  Possibilidade de utilização de meios técnicos de controlo à distância – art.º s 35º e 36º Artigo 35.º n.º 1 da Lei com alterações introduzidas pelo artigo 5.º da

Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro N.º 1 do artigo 35.º da Lei 112/2009, de 16 de Setembro: • “1 — O tribunal, com vista à aplicação das medidas e penas previstas nos artigos 52.º e 152.º do Código Penal e no artigo 31.º da presente lei, deve, sempre que tal se mostre imprescindível para a vítima, determinar que o cumprimento daquelas medidas seja fiscalizado por meios técnicos de controlo à distância.”


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro A lei prevê ainda, …  Que o Estado deve promover a criação das condições necessárias

ao apoio psicológico e psiquiátrico aos agentes condenados pela prática de crimes de VD, bem como em relação aos quais tenha recaído decisão de suspensão provisória do processo, obtido o seu respectivo consentimento - artigo 38.º n.º1  São definidos e implementados programas para autores de crimes

no contexto da VD, designadamente com vista à suspensão da pena de prisão - 38.º n.º 2 (Medidas de apoio à reinserção do agente).


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Encontro Restaurativo – 39.º  Durante a suspensão provisória do processo ou

 Durante o cumprimento da pena  Pode ser promovido, nos termos a regulamentar, um encontro entre o agente do crime e a vítima, obtido o consentimento expresso de ambos, com vista a restaurar a paz social, tendo em conta os legítimos interesses da vítima, garantidas que estejam as condições de segurança necessárias e a presença de um mediador penal credenciado para o efeito.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Tutela social  Sempre que possível, considerar prioritários os pedidos de transferência de trabalhadores vítimas de VD, assim como o seu pedido de alteração de tempo parcial para tempo completo – art.º 43.º, sendo necessário que haja denúncia apresentada e que a saída de casa se efetive no momento da transferência – artigo 44.º

 Considerar

justificadas

as

faltas

relacionadas com a VD – art.º 43.º

dadas

por

questões


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  Apoio ao arrendamento, à atribuição de fogo social ou a

modalidade específica equiparável, nos termos a definir, quando as necessidades de afastamento da vítima do autor do crime de VD o justifiquem

 Possibilidade de requerer RSI nos termos da lei, com carácter

de urgência


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

 O abono de família opera-se a requerimento da vítima,

relativamente aos filhos menores que se encontrem consigo

 À vítima de VD é reconhecido o acesso preferencial aos

programas de formação profissional existentes


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro  Isenção de taxas moderadoras

 Serviço Nacional de Saúde com respostas especializadas quer para atendimento e tratamento clínico, quer também com vista à prevenção do fenómeno da VD


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro Rede Institucional  A rede nacional de apoio às vítimas de VD compreende:  A CIG  As casas de abrigo

 Os centros de atendimento  Os centros de atendimento especializado  Núcleos de atendimento  Os grupos de ajuda mútua devidamente certificados pela CIG * Todos os serviços prestados pela Rede Nacional de apoio são gratuitos.


Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro

A Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro:

 Revoga a Lei n.º 107/99, de 3 de Agosto e o,  Decreto-lei n.º 323/2000, de 19 de Dezembro.

Nota: Os artigos 35.º e 36.º da Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro foram alterados pela Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro


Portaria n.º 229-A/2010, de 23 de Abril  Dá cumprimento aos n.º s 1 e 3 do artigo 14.º da Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro:  Aprova os modelos de documentos comprovativos da atribuição

do estatuto de vítima do crime de violência doméstica.  Dá cumprimento aos n.º 2 do artigo 14.º da Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro, relativo à competência para a emissão do Estatuto de Vítima;  Enuncia direitos e deveres das vítimas atribuídos por via do

estatuto de vítima.


Exercício 4: Caso Prático

Isolinda tem 30 anos e é empregada fabril. Está casada desde 2006 com Manuel, de 36 anos de idade, desempregado. Têm 2 filhos menores em comum, de 4 e 6 anos de idade. Residiam em Portimão, em casa arrendada que Isolinda recheou com as mobílias que tinha no tempo em que era solteira. Isolinda começou a ser maltratada pelo marido uma semana antes do casamento; no dia seguinte à sua despedida de solteira, o marido deu-lhe duas bofetadas na cara movido por “ciúmes” que sentiu dos amigos que estiveram com ela na festa. Pouco tempo após o casamento, Manuel passou a manifestar cada vez mais os seus ciúmes e posse em relação a Isolinda: controlava saídas, seguia-a até à fábrica “X, Ld.ª”, sita em Portimão, onde aquela trabalhava a tempo inteiro, ia buscá-la ao trabalho, …. Quando estavam em casa, Manuel perguntava frequentemente a Isolinda com quem tinha estado e sobre o que falavam. Não raras vezes a conversa acabava em discussão, na qual Manuel insultava Isolinda, chamando-a de “puta, vaca, oferecida, etc.”. Dizia-lhe ainda: ”Se te apanho com alguém matote!”. Entretanto, Isolinda engravidou, sendo que a gravidez não foi bem aceite por Manuel passando este a agredi-la fisicamente, desferindo-lhe bofetadas e murros na cara, na cabeça e na barriga. Como consequência direta destas agressões Isolinda teve de faltar ao trabalho. Manuel exibia armas de fogo que levava para casa até que, no 7º mês de gestação, apontou uma pistola à barriga de Isolinda, ao mesmo tempo que lhe agarrava o pescoço por forma a estrangulá-la com uma das mãos. Na sequência do sucedido, Isolinda foi hospitalizada e nasceu prematuramente o seu filho mais velho. A conta hospitalar foi apresentada para liquidação foi de euros: 500 (quinhentos euros). Após o nascimento do filho, Manuel continuou a ter o mesmo tipo de comportamento violento para com Isolinda sendo que, há dois anos, aquele começou a ingerir bebidas alcoólicas em excesso o que piorou toda a situação. O casal viria entretanto a ter um outro filho.


Após o nascimento do filho mais novo do casal, Manuel passou a verbalizar diariamente a Isolinda: “Mato-te! Vou meter-te debaixo da terra!”, “Não vais viver para criar os teus filhos!”. Em Janeiro de 2013, Manuel abeirou-se de Isolinda quando esta estava na sala-de-estar com o filho mais novo ao colo e atirou-lhe um ácido para cima do corpo. Apesar de Isolinda se ter desviado, o líquido ainda lhe acertou no olho direito , atingindo igualmente o nariz do filho. Isolinda fugiu de casa com o filho nos braços e refugiou-se no posto da P.S.P.. Foi de seguida transportada para o hospital onde ficou internada com o filho. Manuel foi buscar o filho mais velho ao infantário e fechou-se em casa com ele. As entidades policiais denunciaram os factos ao M.P. Quando teve alta hospitalar, Isolinda ainda tentou reaver o filho mais velho com a ajuda da P.S.P., mas o marido negou-se a entregá-lo. Isolinda foi encaminhada para um Centro de Atendimento de apoio à vítima, sito em Portimão que a encaminhou para uma Casa de Abrigo, bem como ao filho. Em Junho de 2013, Manuel descobriu a localização da Casa de Abrigo e ficou a rondar a zona durante alguns dias. Tendo por base o previsto e estatuído na Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro de que tutela poderia beneficiar Isolinda? Informe-a dos seus direitos e deveres!


In casu, … •

Isolinda e o seu filho menor integraram Casa de Abrigo na zona centro do país;

Requereu RRP com fixação de regime provisório decretando-se: a guarda do mais novo para Isolinda e do Mais velho para Manuel, com direito a visitas;

Não houve ainda atribuição de casa;

Houve justificação das faltas dadas ao trabalho;

Requereu abono relativamente ao filho que estava com ela;

A proteção jurídica foi concedida com carácter de urgência;

Foram nomeados distintos patronos para os diferentes processos judiciais

O AA foi condenado por um crime de VD.


1.5. Proteção às vítimas de violência doméstica por teleassistência


Proteção às vítimas de violência doméstica por Teleassistência • Quadro legal:

 Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro

 Portaria nº 220-A/2010, de 16 de Abril  Portaria nº 63/2011, de 3 de Fevereiro (cujo Artigo 2.º revoga os n.ºs 2 e 3 do artigo 4.º e o artigo 5.º da Portaria n.º 220A/2010, de 16 de Abril)


Proteção por Teleassistência • Sistema tecnológico constituído por um conjunto de equipamentos, aplicações informáticas e sistemas de comunicação e infraestruturas técnicas que permitem apoiar

as vítimas com necessidades especiais de proteção de forma permanente e gratuita.

Asseguram à vítima uma resposta rápida e eficaz perante situações de perigo/risco e apoio emocional permanente, 24 horas por dia e 365 dias por ano.


Duração do serviço

A proteção por teleassistência poderá ser assegurada por um período de tempo não superior a seis meses, salvo se circunstâncias excecionais impuserem a sua prorrogação.


Entidades envolvidas •

Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) –

tem como missão garantir a execução das políticas públicas no âmbito da cidadania e da promoção e defesa da igualdade de género, bem como contribuir para a integração da dimensão de género em todas as políticas governamentais com vista a alcançar uma efetiva igualdade entre homens e mulheres.


Entidades envolvidas •

Cruz Vermelha Portuguesa – colabora nas áreas de proteção e socorro

e

da

assistência

humanitária

e

social,

sendo

auxiliar/complementar dos poderes públicos, sem prejuízo da sua independência e autonomia •

GNR/PSP

• Ministério Público – órgão do Estado que exerce a acção penal e defende a legalidade democrática e que determina, durante a fase de inquérito, a proteção por teleassistência sempre que tal se mostre imprescindível para à proteção da vítima e desde que recolhido o seu consentimento.


Serviço de Teleassistência a vítimas de violência doméstica •

Assenta na utilização de um equipamento móvel que se encontra conectado diretamente ao Centro de Atendimento Telefónico da Cruz Vermelha Portuguesa onde se encontram técnicos/as especificamente preparados/as para dar uma resposta adequada a cada situação.


O serviço de Teleassistência a vítimas de VD Objetivos:

• Aumentar a qualidade de vida das vítimas; •

Minimizar a situação de vulnerabilidade em que as vítimas se encontram, contribuindo para o aumento da sua autonomia e (re)inserção na sociedade;

Reforçar o sentimento de proteção e de segurança nas vítimas

Garantir uma intervenção imediata e adequada em situações de emergência;

• Mobilizar os recursos policiais proporcionais ao tipo de emergência.


1.6. A fiscalização por meios técnicos de controlo à distância (vigilância eletrónica) para agressores de violência doméstica


A fiscalização por meios técnicos de controlo à distância para agressores de violência doméstica – Vigilância eletrónica • Quadro Legal

- Lei nº 112/2009, de 16 de Setembro - Portaria nº 220-A/2010, de 16 de Abril - Portaria nº 63/2011, de 3 de Fevereiro


A vigilância eletrónica

• Conjunto de meios de controlo e fiscalização à distância que permite a fiscalização do cumprimento pelo arguido de obrigações judiciais que impliquem a sua permanência em determinado local nos períodos fixados pelo Tribunal, detetando imediatamente os incumprimentos.


A vigilância eletrónica

• Conjunto de equipamentos, aplicações informáticas e sistemas

de

comunicação

que

permitem

detetar

remotamente a presença ou ausência de uma pessoa em determinado local e ou efetuar a sua identificação


A vigilância eletrónica  Usada na fiscalização da proibição de contactos entre vítima e agressor e/ou na fiscalização do cumprimento da pena acessória. Funcionamento – Descrição  O agressor é portador de um dispositivo de identificação pessoal (pulseira eletrónica) que passa a ser o seu bilhete de

identidade eletrónico.


A vigilância eletrónica Execução – competência  A entidade competente para executar a VE é a Direção Geral da Reinserção e Serviços Prisionais que possui uma rede de equipas de VE que cobre todo o território nacional.  O dispositivo de VE é de funcionamento permanente, 24 h por dia/365 dias por ano.  Pressupõe uma supervisão intensiva durante a execução de medidas ou penas com VE.


A Vigilância Eletrónica Consentimento – art.º 36  A VE depende do consentimento expresso do arguido ou condenado prestado pessoalmente perante o Juiz, na presença do defensor e reduzido a auto.

 Exceção: n.º 7 do artigo 36.º introduzido à Lei n.º 112/2009 de 16 de Setembro pela Lei n.º 19/2013, de 21 de Fevereiro. I.e., “ … sempre que o juiz, de forma fundamentada, determine que a utilização da VE é

imprescindível para a proteção dos direitos da vitima.”  Quando a VE é requerida pelo arguido ou condenado, o consentimento considera-se prestado por simples declaração pessoal no requerimento.


A Vigilância Eletrónica Decisão  A utilização de meios de VE é decidida por despacho do Juiz, a requerimento do Ministério Público ou do arguido, durante

a fase do inquérito, e oficiosamente ou a requerimento do arguido ou condenado, depois do inquérito.


A Vigilância Eletrónica  O Juiz solicita prévia informação aos serviços de reinserção

social e serviços prisionais sobre a situação pessoal, familiar, laboral e social do arguido ou condenado e a sua compatibilidade com as exigências da VE.

 A decisão é sempre precedida de audição do Ministério

Público, do arguido ou condenado.


A Vigilância Eletrónica Entidade encarregada da execução  Cabe à Direcção-Geral da Reinserção Social e Serviços Prisionais proceder à execução da vigilância eletrónica e comunicam aos serviços de apoio à vítima (e vice-versa) qualquer circunstância suscetível de pôr em causa a proteção da vítima.  Os serviços de reinserção social e serviços prisionais

remetem à autoridade judiciária relatórios trimestrais sobre a execução das medidas.


Exercício 5: Caso Prático Maria tem um processo crime a decorrer em que o alegado agressor, seu companheiro, está acusado do crime de violência doméstica praticado contra ela. Em Dezembro de 2012, Maria foi integrada com os dois filhos menores numa Casa de Abrigo para mulheres vítimas de VD. O seu companheiro tem procurado insistentemente por ela e pelos filhos, proferindo ameaças de morte em relação a ela. Maria vai sair da Casa de Abrigo e vai viver com os filhos para casa que lhe foi arrendada por um município que se situa no mesmo concelho onde reside o alegado agressor. O que faria nesta situação? Seria de accionar mecanismos de protecção? Em caso afirmativo, quais? Justifique de facto e de iure.


1.7. Programa de prevenção para agressores de violência doméstica


O programa de prevenção para agressores de violência doméstica - PAVD O que é? •

É uma resposta estruturada dirigida a agressores de violência

conjugal;

Visa promover a consciência e assumpção da responsabilidade do comportamento violento;

• Visa a utilização de estratégias alternativas ao comportamento violento, objectivando a diminuição da reincidência.


PAVD A quem se destina? •

A sujeitos do sexo masculino, com processo em Tribunal;

Com ausência de doença psiquiátrica grave e/ou défices

cognitivos acentuados;

Condicionados à avaliação de risco para a vítima;

Com pré-estabilização de comportamentos aditivos e/ou de problemas de saúde mental.


PAVD Pressupostos:

Diagnóstico prévio efectuado pela DGRSP

Aplicação de injunção ou regra de conduta no âmbito da suspensão provisória do processo ou da suspensão de execução da pena de prisão, em medida/sanção penal com duração mínima de 18 meses


PAVD Componentes eventuais •

Apoio terapêutico (saúde mental)

Tratamento a problemáticas aditivas

• Apoio terapêutico sistémico-familiar •

Formação individual psico-educacional

Outras intervenções sociais


PAVD Entidades intervenientes:

• CIG •

DGRSP

Ministério Público

OPC’s

Estruturas de suporte clínico

• Instituições de Apoio à Vítima •

Segurança Social e Emprego


PAVD Critérios de exclusão

Não adesão às componentes do programa

• Faltas injustificadas às sessões do Módulo Psicoeducacional

Recidiva nos comportamentos violentos


1.8. A Constituição de Assistente; o flagrante delito; as medidas de coação; os meios de prova


A Constituição de Assistente •

O Código de Processo Penal não nos dá uma definição do que é o assistente, sendo ela depreendida do conjunto de direitos que lhe assistem – art. 69º do C.P.P.

O assistente tem a posição de colaborador do Ministério

Público na sua actividade de promoção de aplicação da lei; •

O assistente contribui para que os interesses públicos cometidos ao Ministério Público sejam melhor realizados.


A Constituição de Assistente Legitimidade para a constituição de assistente nos crimes públicos – art.º 68º, nº 1 do C.P.P.

1. Os ofendidos, desde que maiores de 16 anos;

2. Nos casos em que o ofendido morrer, o cônjuge sobrevivo não separado judicialmente de pessoas e bens, ou a pessoa

de outro ou do mesmo sexo, que com o ofendido vivesse em condições análogas às dos cônjuges, os descendentes e adoptados, ascendentes e adoptantes, ou, na falta deles, irmãos e seus descendentes, salvo se alguma destas pessoas houver comparticipado no crime.


A Constituição de Assistente A intervenção do assistente no processo

Depende do preenchimento cumulativo dos seguintes requisitos: •

Nos crimes públicos da existência de procedimento

criminal; •

Da constituição de advogado e da sua representação pelo mesmo;

Da apresentação de requerimento para o efeito;

Da auto-liquidação da taxa de justiça (1UC = 102,00€).


A Constituição de Assistente Quando tem lugar a constituição de assistente nos crimes públicos e semi-públicos

O assistente pode intervir em qualquer altura do processo, aceitando-o no estado em que se encontrar desde que:

• O requeira ao Juiz no prazo para deduzir acusação subsidiária da do M.P. • Ou até 5 dias antes do início do debate instrutório ou do julgamento • No prazo de 20 dias a contar da notificação da acusação ou do

arquivamento do Ministério Público com vista a requerer a abertura de instrução e pelos factos relativamente aos quais o M.P. não tiver deduzido acusação


A Constituição de Assistente Atribuições do assistente nos crimes públicos e semi-públicos

Colaborar com o Ministério Público

Intervir no inquérito e na instrução, oferecendo provas e requerendo diligências

• Deduzir acusação independente da do M.P. •

Interpor recurso das decisões que os afectem, mesmo que o M.P. o não tenha feito


O processo crime e as medidas de coação


O Processo-crime e as Medidas de Coacção

• O processo inicia-se com o conhecimento do crime que dá lugar à abertura do procedimento criminal, no qual encontramos várias fases.


O Processo-crime e as Medidas de Coacção • Fases do Processo Comum:

(Auto de notícia) - Inquérito; - Instrução ( facultativa ) - Julgamento - Recurso ( facultativa )


O Processo-crime e as Medidas de Coação:

Fundamentação da DETENÇÃO • O suspeito do crime denunciado pode no âmbito do procedimento criminal ser detido, ocorrendo e fundamentandose a detenção nas seguintes situações:

1) Para em 48 horas o detido ser presente a julgamento sob

forma sumária;

2) Para no prazo máximo de 48 horas o detido ser presente ao juiz competente para o 1º interrogatório judicial;


O Processo-crime e as Medidas de Coação

3) Para no prazo de 48 horas lhe ser aplicada ou executada uma medida de coação;

4) Para assegurar a presença imediata ou no mais curto

prazo, mas sem nunca exceder 24 horas, do detido perante autoridade judicial em acto processual.


O Processo-crime e as Medidas de Coação As Medidas de Coação – art. 196º e seguintes do C.P.P. Medidas de coacção admissíveis: •

T.I.R.

Caução

Obrigação de apresentação periódica

• Suspensão do exercício de profissão, de função, de actividade, de direitos •

Proibição e imposição de condutas

Obrigação de permanência na habitação

Prisão Preventiva


O Processo-crime e as Medidas de Coação: violência doméstica Termo de Identidade e Residência – art. 196º do C.P.P. - Aplica-se a toda a pessoa que for constituída arguido;

- É cumulável com qualquer outra medida de coação; - Traduz-se :

1) Obrigação do arguido comparecer perante autoridade competente ou de se manter à disposição dela sempre que a Lei o obrigar ou para tal for notificado;


O Processo-crime e as Medidas de Coação: violência doméstica 2) Obrigação de não mudar de residência nem dela se ausentar por mais de cinco dias sem comunicar a nova morada;

3) As posteriores notificações serão feitas por via postal simples para a morada indicada pelo arguido;

4) O incumprimento do disposto nos nºs anteriores legitima a representação do arguido pelo seu defensor em todos os actos processuais nos quais tenha o direito ou o dever de estar presente e, bem assim, a realização da audiência na sua ausência.


O Processo-crime e as Medidas de Coação Condições para aplicação da restantes medidas de coação

– Art.º 204º do CPP –

• Fuga ou perigo de fuga do arguido; • Perigo de perturbação do decurso do inquérito ou da instrução do processo e, nomeadamente, perigo para a aquisição, conservação ou veracidade da prova; ou • Perigo, em razão da natureza e das circunstâncias do crime ou da personalidade do arguido, de que este continue a actividade criminosa ou perturbe gravemente a ordem e tranquilidade

públicas.


O Processo-crime e as Medidas de Coação Proibição e Imposição de condutas – art. 200º do C.P.P. •

Trata-se de uma medida aplicada sempre que existem indícios da prática de um crime doloso punível com pena de prisão de máximo superior a três anos e que, em caso de urgência, pode ser requerida e decretada verbalmente, lavrando-se cota no processo.


O Processo-crime e as Medidas de Coação - Consiste:

A) Obrigação de não permanecer, ou não permanecer sem autorização, na área de uma determinada povoação, freguesia ou concelho ou na residência onde o crime tenha sido cometido ou onde habitem os ofendidos, seus familiares ou outras pessoas sobre as quais possam ser cometidos novos crimes;

B) Não se ausentar para o estrangeiro, ou não se ausentar sem autorização;


O Processo-crime e as Medidas de Coação Proibição e Imposição de condutas – art. 200º do C.P.P. C) Não se ausentar da povoação, freguesia ou concelho do seu domicílio, ou não se ausentar sem autorização, salvo para lugares predeterminados, nomeadamente para o local de

trabalho;

D) Não contactar, por qualquer meio, com determinadas pessoas ou não frequentar certos lugares ou certos meios;


O Processo-crime e as Medidas de Coação

E) Não adquirir, não usar ou, no prazo que lhe for fixado, entregar armas ou outros objectos e utensílios que detiver, capazes de facilitar a prática de outro crime;

F)

O

arguido

pode

sujeitar-se,

mediante

prévio

consentimento, a tratamento de dependência de que padeça

e haja favorecido a prática do crime, em instituição adequada.


O Processo-crime e as Medidas de Coação

Prisão Preventiva – art. 202º do C.P.P.

É uma medida de carácter excepcional e que só pode ser aplicada quando todas as outras medidas de coacção se mostram inadequadas ou insuficientes.


O Processo-crime e as Medidas de Coação Obedece aos seguintes requisitos: 1. Quando houver fortes indícios da prática de crime doloso punível com pena de prisão de máximo superior a 5 anos;

2. Quando houver fortes indícios da prática de crime doloso de terrorismo, criminalidade violenta ou altamente organizada punível com pena de prisão de máximo superior a 3 anos; ou

3. Se se tratar de pessoa que tiver penetrado ou permaneça irregularmente em território nacional, ou contra a qual estiver em curso processo de extradição ou de expulsão.


Noção de Criminalidade Violenta •

Considera-se “criminalidade violenta as condutas que dolosamente se dirigirem contra a vida, a integridade física ou liberdade das pessoas e forem puníveis com pena de prisão

de máximo igual ou superior a cinco anos”; art. 1º, al. j) do C.P.P. • O Crime de violência doméstica cabe neste conceito!


Os meios de prova


Os Meios de Prova Conceito de Prova: É a forma através da qual, no decorrer do processo, pode ser demonstrada a existência ou inexistência de um facto, a falsidade ou a veracidade de uma afirmação, a fim de

que o magistrado possa tirar suas convicções e realizar o julgamento.


Os Meios de Prova Conceito de Meios de prova: São os meios úteis para formação, directa ou indirecta, da verdade real. São meios de prova: a) prova testemunhal; b) declarações do arguido, do assistente e das partes civis;

c) acareação; d) prova por reconhecimento e reconstituição do facto; e) prova documental; f) prova pericial (perícias médico-legais e forenses).


Os Meios de Prova

 Essa enumeração não é taxativa, existem algumas provas

admitidas em direito que não estão previstas em lei, tais como: filmagens, fotografias, etc. São conhecidas como provas inominadas.


Os Meios de Prova Meios de obtenção da Prova: •

Exames, revistas e buscas;

Apreensões;

Gravações;

Intercepção de correspondência;

Escutas telefónicas;

Dados de tráfego e conteúdo das telecomunicações;

Ações encobertas para fins de prevenção e investigação criminal.


1.9. Aplicação de medidas para proteção de testemunhas em processo penal


Aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal Protecção de testemunhas

• Lei n.º 93/98, de 19 de Novembro, alterada pela Lei n.º 29/2008, de 4 de Julho: que regula a aplicação de medidas para a

protecção

de

testemunhas

em

processo

penal.

Regulamentada pelo Decreto-lei n.º 190/2003, de 22 de Agosto, alterada pelo Decreto-lei n.º 227/2009, de 14 de

Setembro Nota: A alínea a) do artigo 16.º da Lei n.º 93/98, alterada pela Lei n.º 29/2008, foi alterado pela: Lei n.º 42/2010 de 3 de Setembro


Aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal

Objectivo: Possibilitar a aplicação de medidas de

protecção de testemunhas em processo penal quando a sua vida, integridade física ou psíquica, liberdade ou bens patrimoniais de valor consideravelmente elevado sejam postos em perigo por causa do seu contributo para a prova dos factos que constituem objecto do processo.


Aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal Protecção de testemunhas •

As medidas podem abrangem os familiares das testemunhas e outras pessoas que lhe estejam próximas.

Nos termos da presente lei, as vítimas de violência são consideradas

testemunhas

em

situação

de

especial

vulnerabilidade podendo beneficiar, nos termos da lei, de protecção.


Aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal •

“a especial vulnerabilidade da testemunha pode resultar,

nomeadamente, da sua diminuta ou avançada idade, do seu estado de saúde ou do facto de ter de depor ou prestar declarações contra pessoa da própria família ou de grupo

fechado em que esteja inserida numa relação de subordinação ou de dependência – cf. artigo 26º, nº 2 da lei n.º 29/2008, de 4 de Julho.


1.10. Indeminização às vítimas de crimes violentos


O adiantamento pelo Estado da indemnização às VCV: Histórico legislativo: •

Decreto-lei n.º 423/91, de 30 de Outubro

Decreto Regulamentar n.º 4/93, de 22 de Fevereiro – Regulamentação do Decretolei n.º 423/91

Decreto Regulamentar n.º 1/99, de 15 de Fevereiro que alterou o Decreto Regulamentar n.º 4/93

Lei n.º 129/99, de 20 de Agosto, 20 de Agosto

Lei n.º 136/99, de 28 de Agosto – 1.ª alteração ao Decreto-lei n.º 423/91

Lei n.º 104/2009, de 14 de Setembro (Revoga a Lei n.º 129/99 e o D-L n.º 423/91)

Decreto-Lei n.º 120/2010, de 27 de Outubro (Regula a constituição, o funcionamento e o exercício de poderes e deveres da Comissão de Protecção às Vítimas de Crimes) – Revoga o Decreto Regulamentar n.º 4/93, alterado pelo Decreto Regulamentar n.º 1/99, de 15 de Fevereiro, que instituiu o funcionamento da Comissão, também ora revogado.

Portaria n.º 403/2012, de 7 de Dezembro (MODELOS)


A Comissão de Protecção às Vítimas de Crime Morada: Avenida Fontes Pereira de Melo, n.º 7 – 1050-115 Lisboa Telefone: 213 222 490; correio.cpvc@sg.mj.pt

Lei n.º 104/2009, de 14 de Setembro: Aprova o regime de concessão de indemnização às vítimas de crimes violentos e de violência doméstica


Indemnização às vítimas de crimes violentos Lei nº 104/2009, de 14 de Setembro

Âmbito de aplicação: A) Vítimas que tenham sofrido danos graves para a saúde física ou mental (a menos que se trate de crime quanto à liberdade,

autodeterminação sexual ou contra menor); B) Danos directamente resultantes dos actos de violência; C) Crime praticado em território nacional; D) Mesmo que as vítimas não se tenham constituído ou não possam constituir-se assistentes em processo penal.


Indemnização às vítimas de crimes violentos Requisitos cumulativos de aplicação: 1) Que a lesão tenha provocado uma incapacidade permanente, uma

incapacidade temporária e absoluta para o trabalho de pelo menos 30 dias ou a morte; 2) Que o facto tenha provocado uma perturbação considerável no nível e

qualidade de vida da vítima ou, no caso de morte, do requerente; 3) Não tenha sido obtida uma efectiva reparação do dano em execução de sentença condenatória relativa ao pedido de indemnização cível

deduzido no processo penal ou, se for razoavelmente de prever que o delinquente e responsáveis civis nunca o venham a reparar.


Indemnização às vítimas de crimes violentos Exceção : Nos casos de crimes contra a liberdade e a

autodeterminação sexual  Pode ser dispensada a verificação da primeira condição se

circunstâncias anormais assim o aconselharem.

Esta exceção justifica-se pelo facto de, muito embora naquele tipo de crimes não ocorrer, em regra, uma incapacidade para o trabalho de pelo menos 30 dias, dever ainda assim, e em virtude da gravidade do ilícito, ser atribuída uma indemnização.


Indemnização às vítimas de crimes violentos Podem requerer esta indemnização:  As vítimas diretas;  Em caso de morte da vítima:

a) as pessoas a quem a lei concede o direito a alimentos e b) a pessoa que vivesse em união de facto com a vítima;  As pessoas que auxiliaram a vítima ou colaboraram com as autoridades na prevenção da infração, perseguição ou detenção do delinquente, relativamente aos prejuízos que por causa disso

sofreram (desde que preenchidos os requisitos cumulativos das al. a) b) e c) do n.º 1).


ARTIGO 2009.º Código Civil (Pessoas obrigadas a alimentos) • 1. Estão vinculados à prestação de alimentos, pela ordem indicada: a) O cônjuge ou o ex-cônjuge; b) Os descendentes; c) Os ascendentes;

d) Os irmãos; e) Os tios, durante a menoridade do alimentando; f) O padrasto e a madrasta, relativamente a enteados menores que estejam, ou estivessem no momento da morte do cônjuge, a cargo deste.


ARTIGO 2009.º (Pessoas obrigadas a alimentos) • 2 . Entre as pessoas designadas nas alíneas b) e c) do número

anterior, a obrigação defere-se segundo a ordem da sucessão legítima.

• 3. Se algum dos vinculados não puder prestar os alimentos ou não puder saldar integralmente a sua responsabilidade, o encargo recai sobre os onerados subsequentes.


Indemnização às vítimas de crimes violentos

O direito ao adiantamento mantém-se mesmo que:  Não seja conhecida a identidade do autor dos actos violentos

ou,  Por outra razão, ele não possa ser acusado ou condenado


Indemnização às vítimas de crimes violentos A reter, …  A indemnização é fixada em termos de equidade;  O requerimento não precisa de ser feito por advogado; e,  Pode ser apresentado até um ano a partir da data do facto criminoso ou, se houver processo criminal, até um ano após a decisão que lhe põe termo .


Indemnização às vítimas de crimes violentos Dever de informação

É dever do Ministério Público e dos órgãos de Polícia Criminal informar os eventuais lesados da possibilidade de pedirem aquela indemnização, das formalidades a observar, do prazo a cumprir e das provas a apresentar.


Indemnização às vítimas de crimes violentos Limites da indemnização  O adiantamento da indemnização é fixado com base em juízos de

equidade, tendo como limite máximo, por cada lesado, o valor equivalente a 340 UC (34.680€) para os casos de morte ou lesão grave, com o máximo total correspondente a 900 UC (91.800€);  Se o adiantamento for fixado sob a forma de renda anual, o limite máximo é equivalente a 40 UC (4.080€) por cada lesado, não podendo ultrapassar o montante de 120 UC (12.240€) quando sejam vários os

lesados;  Quando não seja conhecida a identidade do autor dos atos de violência ou, por outra razão, ele não possa ser acusado ou condenado, o limite máximo da indemnização é a correspondente a 150 UC (15.300€).


Indemnização às vítimas de crimes violentos  Na fixação da indemnização é tomada em consideração

toda a importância recebida de outra fonte, nomeadamente do próprio delinquente ou da segurança social;

 Podem ainda ser concedidas às vítimas medidas de apoio social e educativas, bem como terapêuticas adequadas à recuperação física, psicológica e profissional.


1.11. O adiantamento pelo Estado da indemnização devida às vítimas de violência conjugal


O adiantamento pelo Estado da indemnização às VVD: Histórico legislativo: •

Decreto-lei n.º 423/91, de 30 de Outubro

Decreto Regulamentar n.º 4/93, de 22 de Fevereiro – Regulamentação do Decretolei n.º 423/91

Decreto Regulamentar n.º 1/99, de 15 de Fevereiro que alterou o Decreto Regulamentar n.º 4/93

Lei n.º 129/99, de 20 de Agosto, 20 de Agosto

Lei n.º 136/99, de 28 de Agosto – 1.ª alteração ao Decreto-lei n.º 423/91

Lei n.º 104/2009, de 14 de Setembro (Revoga a Lei n.º 129/99 e o D-L n.º 423/91)

Decreto-Lei n.º 120/2010, de 27 de Outubro (Regula a constituição, o funcionamento e o exercício de poderes e deveres da Comissão de Protecção às Vítimas de Crimes) – Revoga o Decreto Regulamentar n.º 4/93, alterado pelo Decreto Regulamentar n.º 1/99, de 15 de Fevereiro, que instituiu o funcionamento da Comissão, também ora revogado.

Portaria n.º 403/2012, de 7 de Dezembro (MODELOS)


Concessão de indemnização às Vítimas de VD •

Âmbito de aplicação do regime aplicável ao adiantamento:

A) Vítima do crime de violência doméstica previsto no art.152º

do C.P. que tenha sido praticado em território português ou no estrangeiro,

desde

que,

neste

caso,

a

vítima

tenha

nacionalidade portuguesa e não tenha direito a indemnização pelo Estado em cujo território o crime ocorreu;

B) A vítima incorra em situação de grave carência económica em consequência do crime.


Concessão de indemnização às Vítimas de VD Do requerimento deve constar:

A indicação dos factos em que se baseia o pedido, O montante pretendido e, A menção de qualquer montante já recebido a título de reparação do dano;  O requerimento é acompanhado da cópia do auto de notícia.


Adiantamento da Indemnização às VVD Legitimidade para requerer: Vítima

Entidades públicas, incluindo o Ministério Público; As associações ou outras entidades privadas que prestem apoio às vítimas de crimes, por solicitação ou em representação da vítima;

E, estas últimas, necessariamente, por transmissão electrónica de dados


Adiantamento da Indemnização às VVD Como se processa O pedido de concessão dever ser apresentado no prazo de 1 ano a contar da data dos factos, sob pena de caducidade, salvo

razões que justificadamente tenham obstado à formulação do pedido em tempo útil;

O menor à data da prática do facto pode apresentar o pedido até 1 ano depois de atingir a maioridade ou emancipação ;

Se tiver sido instaurado um processo criminal, os prazos podem ser prorrogados até 1 ano sobre a sentença.


Adiantamento da indemnização às VVD Como se processa: O requerimento é dirigido à Comissão (que é constituída por um presidente e um n.º par de membros: mínimo 2 e máximo de 4, designados pelo membro do Governo responsável pela área da

justiça.

Trâmites: Requerimento

Instrução

Decisão


Adiantamento da indemnização às VVD Requerimento (Portaria n.º 403/2012, de 7 de Dezembro (MODELOS)) Dirigido à Comissão e sempre que possível, acompanhado de

relatório técnico sobre a situação e o acompanhamento efectuado.

Segue-se a instrução do processo e, uma vez concluída, emite um parecer com vista à decisão é emitida decisão sobre a

concessão do adiantamento e o respectivo montante.


Adiantamento da indemnização às VVD 1. Na instrução, a Comissão ouve as vítimas/os requerentes, acede às denúncias e participações, acede a informações relativas à situação profissional, financeira e social da vítima. 2. Pode ainda solicitar informações que entenda necessárias: à administração fiscal, estabelecimentos de crédito, quando a vítima ou o requerente se recuse a fornecê-las; 3. Exclusivamente para efeitos de averiguação da condição económica da vítima ou do requerente, a Comissão pode proceder à consulta de bases de dados do registo predial, comercial e automóvel e de outros registos semelhantes.


Adiantamento da indemnização às VVD CRITÉRIOS PARA O ADIANTAMENTO E FIXAÇÃO DO MONTANTE INDEMNIZATÓRIO

Juízos de equidade, dependendo da séria probabilidade de

verificação dos pressupostos da indemnização. •

O montante não pode exceder o equivalente mensal à retribuição mínima mensal garantida, durante o período de 6 meses, prorrogável por igual período.

• Podem ainda ser conferidas às vítimas de VD, medidas de apoio

social e educativo, bem como terapêuticas adequadas à recuperação física, psicológica e profissional.


Adiantamento da indemnização às VVD Prazo para a decisão: •

A instrução é concluída no prazo de um mês. Reexame da situação:

A vítima, bem como os requerentes por solicitação ou em representação, devem comunicar à Comissão todas as alterações

da sua situação socioeconómica ou familiar, bem como quaisquer outras alterações anteriores ou posteriores à decisão de concessão do adiantamento da indemnização que sejam susceptíveis de influenciar o sentido da mesma. •

A violação do dever de informação implica o cancelamento das quantias concedidas e a devolução das indevidamente recebidas.


Adiantamento da indemnização às VVD Reembolso: •

No caso da vítima obter reparação total ou parcial, do dano sofrido, deve a Comissão exigir o seu reembolso, total ou

parcial das importâncias recebidas por via do adiantamento.

Sub-rogação: •

Se não tiver havido reparação efectiva do dano, o Estado fica sub-rogado no crédito da vítima sobre o responsável, até ao

limite das importâncias adiantadas.


Adiantamento da indemnização às VVD Responsabilidade Criminal  Quem, com intenção de obter uma indemnização por

adiantamento da indemnização devida às vítimas de violência doméstica, prestar informações falsas ou inexactas será punido com pena de prisão até três anos ou multa, sem prejuízo da obrigação de restituir as importâncias recebidas e os respectivos juros de mora.


Exercício 6: Caso Prático Eliane, divorciada, 42 anos de idade, nacionalidade brasileira, empregada de limpeza em casa particular. Viveu desde o ano 2000 em união de facto com Eliseu, solteiro, 45 anos de idade, nacionalidade brasileira, desempregado. Da relação de ambos nasceu uma filha, atualmente de 11 anos de idade, de nome Linda que com eles vivia, a par de uma outra filha de Eliane, com 14 anos de idade, de nome Elizandra, fruto de um anterior casamento de Eliane. Ambas as menores têm nacionalidade brasileira. O agregado familiar tinha a casa de morada de família sita na Rua X, casa arrendada por Eliane e cuja renda era de 150,00 € mensais. Este agregado tem toda a sua família no Brasil. Desde o início da relação de ambos, que Eliseu não trabalhava, sendo Eliane a providenciar pelo sustento das filhas, pelo pagamento integral das despesas domésticas, assim como as provenientes dos vícios de Eliseu. Este passava os dias a jogar às cartas e a ingerir álcool, sendo que quando Eliane não lhe dava o dinheiro que ele exigia, ocorriam as situações de agressão física caracterizadas por murros e bofetadas na cara, pontapés e arremesso de objectos domésticos em direção ao corpo de Eliane. Eliseu forçava Eliane a ter relações sexuais depois das discussões e agressões físicas. Eliane era igualmente insultada e ameaçada por Eliseu, chamando-a de “vagabunda, vaca, bandida, miserável” ao mesmo tempo que dizia: ”um dia eu acabo com você”. Este tipo de ocorrências sucediam com uma frequência semanal. Acresce que, no início do ano 2012, Eliane teve conhecimento através da filha mais nova que o seu companheiro abusava sexualmente da sua filha mais velha, de há um ano àquela data. As filhas relataram a Eliane que quando esta saia para o trabalho, Eliseu tinha relações sexuais de cópula completa com Elizandra, no quarto onde esta dormia, enquanto Linda ficava a ouvir atrás da porta do quarto e a espreitar pelo buraco da fechadura. Eliane denunciou os crimes às entidades policiais, sendo que pouco tempo depois foi integrada com as duas filhas numa casa de abrigo para mulheres vítimas de VD.


Exercício 6: questão suscitada

 Afira

da

possibilidade

de

efetuar

um

pedido

de

indemnização pelo Estado a vítimas de crimes de VD e um pedido de indemnização pelo Estado a vítimas de crimes violentos e, em caso afirmativo elabore o /os pedidos.


1.12. A rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica


A rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica • Compreende:

 A CIG  As casas de abrigo  Os centros de atendimento  Os centros de atendimento especializado  Núcleos de atendimento

 Os grupos de ajuda mútua devidamente certificados pela CIG in, Lei n.º 112/2009, de 16 de Setembro


1.13. O div贸rcio e as responsabilidades parentais


O divórcio

Noção: Dissolução legal e definitiva do vínculo de casamento em vida de ambos os cônjuges, a requerimento de um deles contra o outro

(sem

consentimento)

ou

de

ambos

(mútuo

consentimento), conferindo às partes os direito de voltarem a casar.


O divórcio

O divórcio por mútuo consentimento

Modalidade de divórcio na qual ambos os cônjuges, de comum acordo e sem revelarem a causa, requerem a dissolução do

seu casamento.


O divórcio Descrição •

Tem por objetivo a dissolução do casamento.

É da competência das Conservatórias do Registo Civil.

• Pode ser requerido e subscrito por ambos os cônjuges. •

Em qualquer momento após o casamento.

Desde que haja comum acordo, não sendo necessária a constituição de advogado para o efeito.

O cônjuges podem escolher livremente a Conservatória onde

desejam que o processo corra.


O divórcio Quem pode requerer? •

Qualquer cidadão casado. Onde se requer?

Através da internet

No local (Conservatória do Registo Civil) Quando se pode requerer?

Não está dependente de qualquer prazo, podendo ser requerido

em qualquer altura, desde que ambos os cônjuges estejam de acordo.


O divórcio O QUE PRECISO PARA REQUERER? Art.º 1775º, nº1 do C.C. e Lei nº 61/2008, de 31 de Outubro •

Requerimento escrito ou declaração verbal na Conservatória sendo aí o mesmo reduzido a auto;

Acordo de exercício das responsabilidades parentais:

o quando existam filhos menores e

o não tenha previamente havido regulação judicial das responsabilidades parentais;


O divórcio •

Acordo sobre o destino da casa de morada de família, caso exista;

Acordo sobre a prestação de alimentos ao cônjuge que deles careça;

Relação especificada de bens comuns e respetivo valor atribuído;

 Devem ainda juntar certidão da escritura de convenção antenupcial, se a houver.


O divórcio O divórcio por mútuo consentimento

PROCESSO NA CONSERVATÓRIA DO REGISTO CIVIL  Aquando da receção do pedido, o Conservador deve informar de imediato os cônjuges da existência e objetivos do serviços de mediação familiar;  Não havendo fundamento para indeferimento liminar e após o

parecer do Ministério Público quanto ao acordo sobre o exercício das responsabilidades parentais quando existam filhos menores, os cônjuges são convocados para uma conferência;


O divórcio O divórcio por mútuo consentimento

• Até à conferência ou no decurso da mesma pode qualquer dos cônjuges desistir do pedido de divórcio devendo o Conservador homologar a desistência; •

Após esta fase, o Conservador homologa os acordos e decreta o divórcio;

As

decisões

do

Conservador

no

divórcio

por

mútuo

consentimento produzem os mesmos efeitos das sentenças judiciais sobre idêntica matéria.


O divórcio O divórcio sem consentimento Fundamentos:  Separação de facto por um ano consecutivo  Rutura definitiva do casamento  Alteração das faculdades mentais do outro cônjuge  Ausência, sem que do outro cônjuge haja notícias, por

período de tempo não inferior a um ano


As Responsabilidades Parentais Artigo 1901º e seguintes do C.C., com as alterações introduzidas

pela Lei n.º 61/2008, de 31 de Outubro Noção: O termo “Responsabilidades Parentais” refere-se ao conjunto de

poderes/deveres que os progenitores têm sobre os filhos

Nota: Em caso de desacordo dos progenitores quanto ao exercício das responsabilidades parentais, o Tribunal ouvirá o menor independentemente da idade deste (anteriormente apenas sucedia aos menores com mais de 14 anos da criança).


As Responsabilidades Parentais CONTEÚDO (art.º. º1878.º C.C.)  Compete aos pais, no interesse dos filhos:

 Velar pela sua saúde e segurança  Prover ao seu sustento  Dirigir a sua educação  Representá-los  Administrar os seus bens •

Os filhos devem obediência aos pais; estes devem, porém, de acordo com a maturidade dos filhos, ter em conta a sua opinião nos assuntos familiares importantes e reconhecer-lhes autonomia na organização da própria vida.


As Responsabilidades Parentais

• QUANDO TEM LUGAR?  Divórcio (separação judicial de pessoas e bens, anulação do casamento)

 Separação de facto

 Sempre que os progenitores, independentemente do vínculo entre ambos, não se entenderem quanto a

questões relevantes na vida dos menores


As Responsabilidades Parentais • O QUE ABRANGE?  Destino do filho/a

 Alimentos devidos aos filhos e forma de os prestar • FORMA DE REGULAÇÃO (art.º. 1905.º)  Por acordo dos pais - homologado pelo tribunal/MP (Regime do Decreto-Lei n.º 272/2001, de 13 de Outubro)  Por decisão judicial

• ATÉ QUANDO? (art.º. 1877.º)  Até à maioridade ou emancipação.


As Responsabilidades Parentais • EXERCÍCIO DAS RESPONSABILIDADES PARENTAIS EM CASO DE DIVÓRCIO – art.º 1906º do C.C.

 Passam a ser exercidas por ambos os progenitores de comum acordo nos termos que vigoravam para a constância do matrimónio;

 Em casos de urgência manifesta, qualquer um dos progenitores pode agir sozinho devendo prestar informações ao outro logo que possível;


As Responsabilidades Parentais

 O exercício das responsabilidades parentais relativa aos atos

da vida corrente do filho cabe ao progenitor que com ele reside habitualmente ou ao progenitor que com ele se encontra temporariamente, não devendo neste caso o progenitor

contrariar

as

orientações

educativas

mais

relevantes definidas pelo progenitor com quem o filho reside habitualmente;


As Responsabilidades Parentais • O Tribunal determinará a residência do filho e os direitos de visita de acordo com o interesse deste tendo em conta todas as circunstâncias relevantes;

O progenitor que não exerça, no todo ou em parte, as

responsabilidades parentais tem o direito de ser informado sobre o modo do seu exercício, designadamente sobre a educação e condições de vida do filho;


As Responsabilidades Parentais

 O Tribunal decidirá sempre no sentido de promover as

relações de grande proximidade com os dois progenitores, tomando decisões que favoreçam o contacto com ambos e de partilha de responsabilidades entre eles.


As Responsabilidades Parentais Quando a filiação de menor nascido fora de casamento se encontrar estabelecida apenas quanto a um dos progenitores, é a este que pertence o exercício das responsabilidades parentais –

Art.º 1910º do C.C.

Nas situações de progenitores que vivam em condições análogas às dos cônjuges, sempre que a filiação se encontre estabelecida relativamente a ambos, o exercício das responsabilidades parentais é comum, deixando assim de haver a presunção ilidível a favor da mãe em caso de separação – Art.º 1911º do C.C.


As Responsabilidades Parentais • As responsabilidades parentais podem paternal pode em determinados casos sofrer: ↳ LIMITAÇÃO ↳ INIBIÇÃO/INTERDIÇÃO

Ou seja, os titulares do poder paternal podem ser inibidos ou suspensos do seu exercício – artigos 1913.º e ss. do código civil


As Responsabilidades Parentais • Quem pode ser inibido do exercício do poder paternal?

 A lei considera de pleno direito inibidos do exercício do poder paternal – art.º 1913.º C. C.:  os condenados definitivamente por crime a que a lei atribua esse efeito;  os interditos e os inabilitados por anomalia psíquica;  os ausentes, desde a nomeação de curador provisório.


As Responsabilidades Parentais • Quem pode requerer a inibição?

 O M.P.;  Qualquer parente do menor ou de pessoa a cuja guarda ele esteja confiado, de facto ou de direito; • Quando pode ser requerida a inibição?  Quando qualquer dos pais infrinja culposamente os deveres

para com os filhos, com grave prejuízo destes, ou quando, por inexperiência, enfermidade, ausência ou outras razões, não se mostre em condições de cumprir aqueles deveres.


As Responsabilidades Parentais A inibição do exercício do poder paternal:  Pode ser total ou limitar-se à representação e administração

dos bens dos filhos;  Pode abranger ambos os progenitores ou apenas um deles;  Pode referir-se a todos os filhos ou apenas a algum ou alguns.

 Contudo quando abranja todos os filhos, presume-se que

abrangerá igualmente os filhos que nascerem depois de decretada a inibição art.º 1915.º C. C.


As Responsabilidades Parentais Levantamento da inibição

 Pode ser levantada quando:  cessem as causas que lhe deram origem  sendo requerido pelo M.P., a todo o tempo,

 ou por qualquer dos pais, passado um ano sobre o trânsito em julgado da sentença de inibição ou da que houver desatendido outro pedido de levantamento – art.º 1916.º C. C.  Em nenhum dos casos isenta os pais do dever de alimentarem os filhos – art.º 1917.º C. C..


As Responsabilidades Parentais Meios de suprir as responsabilidades parentais  Quando as responsabilidades parentais não possam ser

exercidas pelos pais, a lei confia essas responsabilidades a órgãos adequados destinados a supri-las. São os chamados meios de suprir o poder paternal/responsabilidades

parentais: ⇛ TUTELA ⇛ ADMINISTRAÇÃO DE BENS


1.14. O Uni達o de Facto


A União de Facto Diploma legal: • Lei n.º 7/2001, de 11 de Maio (alterada pela Lei n.º 23/2010, de 30 de Agosto) • Objeto: Adota medidas de proteção à união de fato.

• Noção de união de facto:

 Situação jurídica de duas pessoas que, independentemente do sexo, vivam em condições análogas às dos cônjuges há mais de 2(dois) anos.


A União de Facto Impedem a atribuição de medidas de proteção:  Idade inferior a 18 anos à data do reconhecimento da união de fato;  Demência notória, mesmo com intervalos lúcidos, a interdição ou inabilitação por anomalia psíquica, salvo se se verificar em momento posterior ao do início da união de fato;  Casamento não dissolvido, salvo se tiver sido decretada separação de pessoas e bens;  Parentesco na linha reta ou no 2.º grau da linha colateral ou afinidade

na linha reta;  Condenação anterior de uma das pessoas, como autor ou cúmplice por homicídio doloso ainda que não consumado contra o cônjuge do outro.


A União de Facto Prova da união de fato:  Por qualquer meio legalmente admissível;  No caso de se provar a união de fato por declaração emitida pela Junta de Freguesia competente, o documento deve ser

acompanhado de:  declaração de ambos os membros, sob compromisso de honra, de que vivem há mais de dois anos em união de facto e

 certidões de cópia integral do registo de nascimento de cada um deles.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: Direito à proteção da casa de morada de família Alínea a) do n.º 1 do art.º 3.º: A) Em caso de morte Em caso de morte do membro da união de facto proprietário da

casa morada da família e do respetivo recheio, o membro sobrevivo pode:  Permanecer na casa, pelo prazo de cinco anos, como titular de

um direito real de habitação e de um direito de uso do recheio.  Tem direito de preferência na venda enquanto residir no imóvel.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: Direito à proteção da casa de morada de família

 No caso de a união de facto ter começado há mais de cinco anos antes da morte, os direitos previstos são conferidos por tempo igual ao da duração da união.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: Direito à proteção da casa de morada de família

 Os

prazos

podem

ser

excecionalmente

prorrogados

judicialmente considerando:  Cuidados dispensados pelo sobrevivo à pessoa do falecido ou a familiares deste;

 Especial carência em que o membro sobrevivo se encontre, por qualquer causa.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: Direito à proteção da casa de morada de família

 Esgotado o prazo em que beneficiou do direito de habitação, o membro sobrevivo tem:

 O direito de permanecer no imóvel na qualidade de

arrendatário, nas condições gerais do mercado.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: Direito à proteção da casa de morada de família

 No caso dos membros da união de facto serem comproprietários da casa de morada de família e do respetivo recheio, o sobrevivo tem os direitos anteriormente identificados, em exclusivo.


A União de Facto • Efeitos da união de facto: O direito real de habitação não é conferido se:

 O membro sobrevivo tiver casa própria na área do respetivo concelho da casa de morada de família (nos concelhos de Lisboa e Porto incluem-se os concelhos limítrofes);


A União de Facto •

Efeitos da união de facto:

Direito à proteção da casa de morada de família:

B) Em caso de separação:

 Em caso de separação, pode ser acordada entre os interessados a transmissão do arrendamento em termos idênticos à situação de separação/divórcio de cônjuges;


A União de Facto  Outros efeitos da união de facto artigo 3.º n.º 1: b) Beneficiar do regime jurídico aplicável a pessoas casadas em

matéria de férias, feriados, faltas, licenças e preferência na colocação dos funcionários da Administração Pública; c) Beneficiar do regime jurídico equiparado ao aplicável a pessoas casadas vinculadas por contrato de trabalho, em matéria de férias, feriados, faltas, licenças; d) Aplicação do regime do IRS nas mesmas condições aplicáveis aos sujeitos passivos casados e não separados de pessoas e bens;


A União de Facto  Efeitos da união de facto: cont. e) Proteção social na eventualidade de morte do beneficiário, por aplicação do regime geral ou de regimes especiais de segurança social e da lei;

f) Prestação por morte resultante de acidente de trabalho ou doença profissional;

g) Pensão de preço de sangue e por serviços excecionais e relevantes prestados ao país;


A União de Facto

Nota:  O membro sobrevivo beneficia dos direitos previstos nas alíneas e), f) e g) do artigo 3.º, independentemente da necessidade de

alimento.  A entidade responsável pelo pagamento das prestações pode, em caso de dúvida sobre a existência da união de fato, intentar ação judicial com vista à sua comprovação.  Excetuam-se situações de união de fato que durem há pelo menos 4(quatro) anos.


A União de Facto  Dissolução da União de Facto:  Com o falecimento de um dos membros;  Por vontade de um dos seus membros, sem necessidade de ser declarada judicialmente à exceção de se querer fazer

vales direitos da mesma dependentes;

 Com o casamento de um dos seus membros.


A União de Facto

 É reconhecido o direito o direito de adoção a pessoas de sexo diferente que vivam em união de fato, sem prejuízo das disposições respeitantes à adoção por pessoas não casadas.

 Lei não carece de regulamentação.


1.15. O Apoio Judiciรกrio


O Apoio Judiciário Regime de Acesso ao direito e aos tribunais Diplomas legais: •

Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho

Declaração de Rectificação n.º 91/2004, de 21 de Outubro

Portaria n.º 1085-A/2004, de 31 de Agosto

Decreto-lei n.º 71/2005, de 17 de Março

Portaria n.º 288/2005, de 21 de Março

Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto

Portaria n.º 10/2008, de 3 de Janeiro

Portaria n.º 11/2008, de 3 de Janeiro


O Apoio Judiciário Regime de Acesso ao direito e aos tribunais

Objetivo: •

Assegurar que a ninguém seja dificultado ou impedido, em razão da sua condição social ou cultural, ou por insuficiência de meios económicos, o conhecimento, o exercício ou a defesa dos seus direitos.

A concretização destes objetivos faz-se através da disponibilização de informação jurídica e de proteção jurídica.


O Apoio Judiciário Regime de Acesso ao direito e aos tribunais •

A proteção jurídica reveste duas modalidades:

a) Consulta jurídica b) Apoio judiciário

E é concedida para:

Questões ou causas judiciais concretas ou susceptíveis de

concretização em que o/a utente tenha um interesse próprio e que versem sobre direitos diretamente lesados ou ameaçados de lesão.


O Apoio Judiciário Regime de Acesso ao direito e aos tribunais 

Têm direito a proteção jurídica:

a) Os cidadãos nacionais b) Os cidadãos da União Europeia c) Os estrangeiros e apátridas com título de residência válido num Estado membro da União Europeia

d) Demonstrem estar em situação de insuficiência económica


O Apoio Judiciário

Aos estrangeiros sem título de residência válido num Estado membro da EU é reconhecido o direito a proteção jurídica na medida em que ele seja atribuído aos Portugueses pelas leis dos respetivos Estados.


O Apoio Judiciário • Insuficiência económica: Encontra-se em situação de insuficiência económica aquele que, tendo em conta fatores de natureza económica e a respetiva capacidade contributiva, não tem condições objetivas

para suportar pontualmente os custos de um processo e pelo tempo que a situação de insuficiência económica se mantiver.

 Estão isentos de impostos, emolumentos e taxas os requerimentos, certidões e quaisquer outros documentos pedidos para fins de proteção jurídica.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: consulta jurídica •

A consulta jurídica abrange:

a) A apreciação liminar da existência de fundamento legal da pretensão, para efeitos de nomeação de patrono oficioso e pode b) compreender a realização de diligências extra judiciais ou

c) comportar mecanismos informais de mediação e conciliação, conforme constar do regulamento dos gabinetes de consulta

jurídica.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Apoio Judiciário Modalidades: a) Dispensa total ou parcial do pagamento da taxa de justiça e demais encargos com o processo;

b) Nomeação e pagamento de honorários de patrono; c) Pagamento da remuneração do solicitador de execução designado; d) Pagamento faseado de taxa de justiça e demais encargos com o processo, de honorários de patrono nomeado e de remuneração do solicitador de execução nomeado; e) Pagamento de honorários de defensor oficioso.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Apoio Judiciário

Âmbito e aplicação:

Aplica-se a todos os tribunais e nos julgados de paz, qualquer que seja a forma de processo

Aplica-se também aos processos de contra ordenação e aos processos de divórcio por mútuo consentimento, cujos termos corram nas conservatórias do registo civil


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Apoio Judiciário

Oportunidade do pedido:

 É concedido independentemente: •

da posição processual que o requerente ocupe na causa e

do facto de ter sido já concedido à parte contrária


O Apoio Judiciário  Deve ser requerido antes da primeira intervenção processual, salvo se:

• a situação de insuficiência económica for superveniente •

ou se, em virtude do decurso do processo, ocorrer um encargo excecional, suspendendo-se, nestes casos, o prazo para o pagamento da taxa de justiça e demais encargos com o processo até à decisão definitiva do pedido de apoio judiciário


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Apoio Judiciário

O apoio judiciário mantém-se: •

Para efeitos de recurso;

É extensivo a todos os processos que sigam por apenso àquele em que essa concessão se verificar, sendo-o também ao processo principal, quando concedido em qualquer apenso;

Nas execuções fundadas em sentença proferida em processo em que essa concessão se tenha verificado;


O Apoio Judiciário •

Mesmo que declarada a incompetência do tribunal, devendo a decisão definitiva ser notificada ao patrono para este se pronunciar sobre a manutenção ou escusa do patrocínio;

Nas situações de desapensação de processos por decisão com trânsito em julgado, juntando-se oficiosamente ao processo desapensado certidão da decisão que o concedeu, sendo notificado o patrono para este se pronunciar sobre a manutenção ou escusa do patrocínio.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica • Legitimidade para requerer a proteção jurídica:

a) O interessado na sua concessão b) O MP em representação do/a interessado/a c) O advogado, advogado estagiário ou solicitador, em representação do interessado, bastando para comprovar essa representação as assinaturas conjuntas do interessado e do

patrono.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica Competência para a decisão:

Compete ao dirigente máximo dos serviços de segurança social da área de residência ou sede do/a requerente

• Competência é delegável mas não pode ser subdelegada.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica Requerimento: •

É apresentado em qualquer serviço de atendimento ao público dos serviços da segurança social

É formulado em modelo para o efeito, gratuito

Pode ser entregue pessoalmente, por telecópia, via postal ou por transmissão eletrónica, neste caso através do preenchimento do respetivo formulário digital, acessível por ligação e comunicação informática.

Quando o pedido é apresentado por via postal, o serviço recetor remete ao/à requerente uma cópia com carimbo de receção aposto.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica Requerimento:

A prova de entrega do requerimento de proteção jurídica pode ser feita: • A) mediante exibição ou entrega de cópia com carimbo de receção do requerimento apresentado pessoalmente ou por via postal; • B) Por qualquer meio idóneo de certificação mecânica ou eletrónica, da receção no serviço competente do requerimento quando enviado por telecópia ou transmissão eletrónica.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica Prazo de resposta ao requerimento:

O prazo para a conclusão do procedimento administrativo e decisão sobre o pedido de proteção jurídica é de 30 dias,

é contínuo,

não se suspende durante as férias judiciais e,

se terminar em dia em que os serviços da segurança social

estejam encerrados, transfere-se o seu termo para o 1.º dia útil seguinte


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica • Prazo de resposta ao requerimento: Se no prazo de 30 dias não houver decisão, considera-se que o requerimento foi tacitamente deferido e concedido o pedido de

proteção jurídica.  Neste caso, é suficiente a menção em tribunal da formação do ato tácito, sendo que:

 nos casos em que o pedido tiver sido apresentado na pendência de acção judicial, o tribunal notifica a Ordem dos Advogados para proceder à nomeação do mandatário forense;


O Apoio Judiciário

 Nos casos em que o pedido não tiver sido apresentado na pendência de decisão judicial, incumbe ao interessado solicitar à OA a nomeação do mandatário forense, mediante exibição do documento comprovativo da apresentação do requerimento de proteção jurídica.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica A decisão final sobre o pedido de proteção jurídica é notificada:

a) Ao/À requerente b) E se o pedido envolver a designação de patrono, também à

OA c) O tribunal, nas situações em que o requerimento tiver sido apresentado na pendência de acção judicial e, através do

tribunal, a parte contrária


O Apoio Judiciário  Os serviços da segurança social enviam também mensalmente a relação dos pedidos de proteção jurídica tacitamente deferidos:  à Direção-geral da Administração da Justiça,  à OA,  à Comissão (constituída por um magistrado designado pelo Conselho Superior da Magistratura, um magistrado do MP designado pelo Conselho Superior do MP, um advogado designado pela OA e um representante do Ministério da Justiça),  ao tribunal se o requerimento tiver sido apresentado na pendência da acção judicial.


O Apoio Judiciário Acesso ao direito e aos tribunais: Proteção jurídica Nomeação de patrono 

Nos casos em que é concedido apoio judiciário na modalidade de patrono, compete à OA a escolha e nomeação de advogado que deve, em regra, recair em advogado com escritório na comarca onde o processo corre termos

A nomeação de patrono é notificada pela OA:

a)

ao requerente

b)

ao patrono nomeado e

c)

ao tribunal


O Apoio Judiciário Documentos que apoiam a apreciação do requerimento de proteção jurídica •

Documentos sobre situação pessoal e patrimonial

 (Ver requerimento de proteção jurídica)


1.16. A Garantia de Alimentos devidos a Menores


Garantia de Alimentos devidos a Menores Lei nº 75/98, de 19 de Novembro Regulamentada pelo Decreto-lei nº 164/99, de 13 de Maio  Em que circunstâncias ocorre esta garantia? 1. Quando a pessoa que estiver judicialmente obrigada a prestar alimentos a menor residente em território nacional não satisfizer as quantias em dívida por nenhuma das formas previstas no art.º 189º da O.T.M. .


Garantia de Alimentos devidos a Menores Ou seja, Se a pessoa judicialmente obrigada a prestar alimentos por via

da acção de regulação do exercício das responsabilidades parentais, não proceder ao pagamento das quantias em dívida dentro de 10 dias depois do seu vencimento:

A) e não se tratar de funcionário público, empregado ou assalariado, a quem se possa ordenar o desconto directo no seu vencimento das quantias em falta;


Garantia de Alimentos devidos a Menores B) e se não for pessoa que receba rendas, pensões, subsídios, comissões,

percentagens,

emolumentos,

gratificações,

comparticipações ou rendimentos semelhantes, a quem a dedução das quantias em falta possa ser feita nessas prestações.

2. Que o menor não tenha rendimento líquido superior ao salário mínimo nacional, nem beneficie nessa medida de rendimentos de outrem a cuja guarda se encontre.


Garantia de Alimentos devidos a Menores CRITÉRIO DE FIXAÇÃO DAS PRESTAÇÕES A PAGAR PELO FUNDO O Tribunal fixa no máximo um montante corresponde a 4 UC (408€ ) ( 1 UC = 102,00/€) e atende: 1.

Capacidade económica do agregado familiar

2.

Montante da prestação de alimentos fixada

3.

Necessidades específicas do menor


Garantia de Alimentos devidos a Menores Como se processa:

1. O M.P. ou aqueles a quem a prestação de alimentos deveria ser entregue requer nos autos de incumprimento do exercício do poder paternal que o Tribunal fixe o montante que o Estado deverá pagar, em substituição do devedor.


Garantia de Alimentos devidos a Menores 2. Tratando-se de situação justificada e urgente, o Juiz pode,

após diligências de prova, proferir uma decisão provisória.

3. Posteriormente o Tribunal ordena que se faça um inquérito sobre as necessidades do menor de forma a tomar uma decisão.


Garantia de Alimentos devidos a Menores 4. A decisão do Tribunal é comunicada ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social que, de imediato, comunica ao Centro Regional da Segurança Social que, por sua vez, inicia o

pagamento das prestações por conta do Fundo, no mês seguinte ao da notificação da decisão do Tribunal.


Garantia de Alimentos devidos a Menores 5. O montante fixado pelo Tribunal perdura enquanto se mantiverem as circunstâncias da sua concessão e até que cesse a obrigação de alimentos a que o devedor está obrigado.

6. É obrigatória uma renovação anual da prova de que se

mantêm os pressupostos da sua atribuição, sob pena da mesma cessar.


2. DiscussĂŁo de casos prĂĄticos numa perspetiva legal


Discussão de Casos Práticos numa perspetiva legal Sem nunca identificar:  Partilho casos e resolvemos conjuntamente

 Exemplifico boas práticas na aplicação da lei e seu impacto na vida das vítimas de VD  Coloco dúvidas sobre a aplicação da lei à situação concreta


ELISABETE BRASIL

Formação para Agentes que Atuam no Domínio da Violência Doméstica  

Ação de formação para agentes que atuam no domínio da violência doméstica, financiada ao abrigo do POPH, tipologia 9.7.4. – Apoio a projetos...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you